III ENCONTRO DE AVALIAÇÃO

INSTITUCIONAL:O REPENSAR NA
ACADEMIA
CPA:Comissão Própria de Avaliação – UNICRUZ
Coordenação: Maria Christina Schettert Moraes
Organização:Solange Beatriz Bilig Garces
Daniele Araldi
Marco Antonio Edler
Marcia Cristina Gomes Rodrigues
Angélica Teixeira Rissi
Jeison Ertel Costa
Fabiane Horbach Rubin
Rodrigo Goelzer

O

Sistema Nacional de Avaliação da Educação

Superior
nº10.861,

(SINAES)
de

14

foi
de

criado
abril

responsável por promover:
1.a

avaliação de instituições

2.a

avaliação de cursos

3.a

avaliação dos estudantes

SINAES

de

pela
2004,

Lei
é

Para

-

avaliação das instituições serão
utilizados procedimentos e instrumentos
diversificados, dentre eles:
a autoavaliação e
a avaliação externa in loco.

AVALIAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES

Infraestrutura física VIII.O processo de avaliação considera as seguintes dimensões: I.Responsabilidade social IV.Comunicação com a sociedade V.Política para o ensino.Sustentabilidade financeira . Missão e PDI II.Políticas de atendimento aos estudante X.Organização e gestão da instituição VII.Políticas de pessoal VI. a pesquisa e a extensão III. Planejamento e avaliação IX.

A operacionalização é de responsabilidade do INEP. CONAES . Os processos avaliativos são coordenados e supervisionados pela Comissão Nacional de Avaliação de Educação Superior.Essas dimensões vão constituir os indicadores de qualidade da IES e dos cursos.

Encaminhar e monitorar alunos para o ENADE AUTOAVALIAÇÃO .Compromisso do corpo docente: . .Participar da autoavaliação respondendo o questionário. . .A autoavaliação institucional pressupõe compromissos: 1. .Avaliar os resultados do processo de autoavaliação (re)tomando metodologias e estratégias no seu curso.Qualificar as questões pedagógicas.Criar uma cultura de autoavaliação entre a comunidade acadêmica do seu curso.

AUTOAVALIAÇÃO .2. Compromisso do corpo técnicoadministrativo: . .Participar das instâncias coletivas.Criar uma cultura de participação na autoavaliação da IES.Manter e qualificar os aspectos técnicoadministrativos. .

Participar das reuniões quando da avaliação do seu curso. .Avaliar os resultados do processo de autoavaliação do seu curso para qualificálo cada vez mais e melhorar os indicadores. .Participar da autoavaliação institucional respondendo o questionário. AUTOAVALIAÇÃO .3. Compromissos do corpo discente: . .Participar do ENADE.

Criar uma cultura de avaliação na IES. DIFICULDADES DA CPA NO DESENVOLVIMENTO DA AVALIAÇÃO . Conseguir a participação da comunidade acadêmica na autoavaliação. Implantar uma política de egressos.- Adaptação ao novo sistema (TOTVS). Participação da comunidade externa nas reuniões da CPA.

INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA (presencial) .O instrumento está organizado em cinco eixos. contemplando as dez dimensões dos SINAES.

incluindo os relatórios elaborados pela CPA do período que constitui o objeto da avaliação.EIXO 1.Planejamento e Avaliação Institucional: considera a dimensão 8 dos SINAES (planejamento e autoavaliação). AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA . Inclui um Relato Institucional que descreve e evidencia os principais elementos do seu processo avaliativo em relação ao PDI.

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA .EIXO 2 Desenvolvimento Institucional: contempla a dimensão 1 dos SINAES (missão e PDI) e a dimensão 3 (responsabilidades social).

a 4 (comunicação com a sociedade) e a dimensão 9 (políticas de atendimento aos discentes). a pesquisa e a extensão). AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA .Políticas Acadêmicas: envolve a dimensão 2 dos SINAES (políticas para o ensino.EIXO 3 .

EIXO 4 . a 6 (organização e gestão da instituição) e a 10 (sustentabilidade financeira). AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA .Políticas de Gestão: compreende a dimensão 5 dos SINAES (políticas de pessoal).

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA .EIXO 5 – Infraestrutura: corresponde a dimensão 7 dos SINAES (infraestrutura física).

Relato - Institucional: consiste em um documento que deve ser organizado na seguinte forma: Relato avaliativo do PDI Síntese histórica dos resultados dos processos avaliativos internos e externos Síntese histórica do planejamento e das ações acadêmico-administrativas decorrentes dos processos das avaliações. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA .

Forma legal de contratação de professores AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA . 2. Plano de cargos e carreira docente 3. Plano de cargos e carreira dos TécnicoAdministrativos 4. Titulação do corpo docente 5. Condições de acessibilidade.Requisitos Legais e Normativos: 1. Regime de trabalho do corpo docente 6.

7. Comissão Própria de Avaliação 8 e 9. Normas e procedimentos para credenciamento e recredenciamento de Centros Universitários e Universidades. (resoluções CNE/CES nº1 20/01/2010 e nº3 14/10/2010) AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA .

Resolução nº1 do CNE/CP (incluir nos conteúdos das disciplinas e atividades curriculares a educação das relações étnico-raciais e questões que dizem respeito aos afrodescendentes. DCN para Educação das Relações Étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e africana e indígena. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA .645 de 2008 e 10.10. Leis nº11.639 de 2003.

Políticas de educação ambiental Lei 9.11. Decreto nº4. diz ainda que é prática educativa e permanente. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA .795 de 1999 (diz que a educação ambiental é componente essencial e permanente da educação nacional e deve estar presente de forma articulada em todos os níveis e modalidades .281 de 2002.

Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos Parecer CNE/CP nº08/2012 Define a Educação em Direitos Humanos como um processo sistemático e multidimensional que orienta a formação do sujeito de direitos. Poderá se dar de diferentes formas: pela transversalidade. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL EXTERNA .12. como conteúdo específico de uma disciplina ou de maneira mista.

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL É: . . .Um processo desafiador.Produzir melhorias do fazer políticopedagógico. .Gerar mudanças. . VISA: .Integrado. . .Garantir a qualidade institucional.Criar uma cultura de avaliação a partir da conscientização de sua importância para IES.Crítico reflexivo. .Contínuo.

incorporando os princípios.COMUNG e PAIUNG. .Evolução histórica da Comissão Própria de Avaliação na UNICRUZ Na Instituição figuram os primeiros registros de processos avaliativos institucionais a partir de 1991 Em 1994 a Unicruz integrou-se ao programa do Consórcio das Universidades Comunitárias Gaúchas. objetivos e metodologia do PAIUB propondo-se assim a trabalhar de forma participativa e integrada com as demais universidades comunitárias gaúchas.

pesquisa. apresentado nas diversas instâncias da comunidade acadêmica.  . No segundo semestre do ano de 1994 ocorreu a primeira autoavaliação institucional com levantamento de dados de professores e alunos sobre os processos de ensino. na busca de conscientização e sensibilização para sua execução.Nesse mesmo ano criou-se uma comissão de avaliação institucional e elaborou-se o Projeto de Avaliação Institucional. extensão e gestão.

culminando com a realização de um Seminário de Avaliação Institucional intitulado: “Seminário de Articulação: resultados e perspectivas”. URI e Urcamp e teve como objetivo revelar à comunidade a caminhada da avaliação institucional. a articulação político pedagógica entre as universidades e apresentar os resultados de sua avaliação interna e externa. realizado em abril de 1997.Esse processo continuou da mesma forma nos anos seguintes. reunindo as universidades integrantes do PAIUNG.  . como Unicruz. UCS. Unijuí. Unisc.

apresentando trabalhos organizados pela comissão de avaliação institucional.Em agosto de 1997 a Unicruz participa do I Seminário Temático realizado na Unijui. na UCS. com a participação dos dirigentes das comunitárias. cujo tema foi Formação.  No ano de 2000 ocorreu o IV Encontro Nacional sobre Avaliação Institucional no Contexto das IES Comunitárias. Em dezembro desse mesmo ano a Unicruz participa do II Seminário Temático: construção do conhecimento e sociedade realizado na URI – Erechim.  .

com a participação das Universidades do COMUNG.  .Em novembro de 2001 realizou-se na UNISC. com a participação da Unicruz e que teve como objetivo o planejamento e definição do cronograma de atividades internas do PAIUNG. o III Seminário Temático do PAIUNG: Avaliação Institucional face às Políticas Públicas.considerando a construção da terceira etapa do programa.  Em 2004 realiza-se na FEEVALE o Seminário Institucional: O SINAES e o papel das Universidades Comunitárias. à luz do novo sistema de avaliação.

funcionários e gestores.Nesse mesmo ano realizaram-se outros dois encontros sobre avaliação. o que culminou com a reorganização de todos os processos administrativos e pedagógicos. houve seminário de autoavaliação com a participação de professores.  No segundo semestre de 2005. . realizado na UCPel. sendo eles: o IV Seminário Temático do PAIUNG: O compromisso social da Universidade COMUNG. realizado na URI – Erechim e o V Seminário Temático PAIUNG: SINAES e a experiência da Universidade Gaúcha.

quando se constituiu a CPA em um momento de readequação da própria Unicruz. em diferentes cursos e setores. que institui a CPA. Em anos anteriores a Instituição apresentava ações de autoavaliação. com maior evidência na área pedagógica.Um dos resultados desse processo avaliativo foi a Resolução nº 05/2006 de 26/04/06 da Reitoria da Universidade de Cruz Alta (visando se adequar a lei nº 10861/04).  . O marco legal da regulamentação formal da avaliação interna na Universidade ocorreu em 2006.

elabora pela primeira vez um relatório de autoavaliação institucional para o INEP.Em 2007.  . Porém. com a saída dos mesmos em razão da (re)organização administrativa. o que prejudica a manutenção de membros efetivos na CPA. a Instituição (re)organiza seus setores pedagógicos e administrativos.  No período de 2006 a 2008 a Instituição. ainda se adequando a sua nova realidade. mas também pela grande oferta de concursos públicos em instituições federais. há uma grande flutuação de professores e funcionários.

já que o seu maior objetivo é fortalecer a cultura avaliativa na comunidade acadêmica.  . a CPA continua se (re)organizando com vistas ao seu fortalecimento. Atualmente. visando o fortalecimento da Instituição interna e externamente.No ano de 2010 há uma (re)avaliação da própria CPA com a readequação dos instrumentos atendendo às políticas de avaliação emanadas pelos SINAES.

A partir de 2010 a CPA da UNICRUZ participa ativamente de todos os encontros do PAIUNG. . Outubro de 2013 – a UNICRUZ participa dos SEMINÁRIOS REGIONAIS SOBRE A AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E AS COMISSÕES PRÓPRIAS DE AVALIAÇÃO.