FAMÍLIA HISTÓRICO.

 
1

 

1º Cenário Antiguidade

A CONFIGURAÇÃO DE FAMÍLIA NO SEU SURGIMENTO ESTÁ ATRELADA AO CASAMENTO MONOGÂMICO, HETEROSSEXUAL, AO MODELO PATRIARCAL E A PROPRIEDADE PRIVADA.
2

2º Cenário Idade Média
 

A FAMÍLIA EXISTENTE NA IDADE MÉDIA SÉCULOS XIV E XV ESTÁ IMPREGNADA DE AÇÕES PÚBLICAS. HÁ UMA EXTERIORIZAÇÃO DAS ATIVIDADES E DA VIDA.
3

“MAS DE FATO ATÉ O FIM DO SÉCULO XVII, NINGUÉM FICAVA SOZINHO. A DENSIDADE SOCIAL PROIBIA O ISOLAMENTO E AQUELES QUE CONSEGUIAM SE FECHAR NUM QUARTO POR ALGUM TEMPO, ERAM VISTOS COMO FIGURAS EXCEPCIONAIS: RELAÇÕES ENTRE PARES, RELAÇÕES ENTRE PESSOAS DA MESMA CONDIÇÃO, MAS DEPENDENTES UMAS DAS OUTRAS, RELAÇÕES ENTRE SENHORES E CRIADOS - ESTAS RELAÇÕES DE TODAS AS HORAS E DE TODOS OS DIAS JAMAIS DEIXAVAM UM HOMEM SOZINHO. ESSA SOCIABILIDADE DURANTE MUITO TEMPO SE HAVIA OPOSTO À FORMAÇÃO DO SENTIMENTO FAMILIAR, 4

2º Cenário Idade Média
   

NO FIM DO SÉCULO XVI E DURANTE O SÉCULO XVII VAI SURGIR UM NOVO SENTIMENTO DE FAMÍLIA QUE VEM ACOMPANHADO DE MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS EM RELAÇÃO ÁS CRIANÇAS. “A CRIANÇA TORNOU-SE UM ELEMENTO INDISPENSÁVEL DA VIDA COTIDIANA, E OS ADULTOS PASSARAM A SE PREOCUPAR COM SUA EDUCAÇÃO, CARREIRA E FUTURO”
(ARIÉ, P. HISTÓRIA SOCIAL DA CRIANÇA E DA FAMÍLIA, P.270)
5

4º Cenário Modernidade
 

NO SÉCULO XVIII “A FAMÍLIA MODERNA, AO CONTRÁRIO, SEPARA-SE DO MUNDO E OPÕE À SOCIEDADE O GRUPO SOLITÁRIO DOS PAIS E FILHOS. TODA ENERGIA DO GRUPO É CONSUMIDA NA EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS, CADA UMA EM PARTICULAR, E SEM NENHUMA AMBIÇÃO COLETIVA: AS CRIANÇAS MAIS DO QUE A FAMÍLIA... ESSA EVOLUÇÃO DA FAMÍLIA MEDIEVAL... DURANTE MUITO TEMPO SE LIMITOU AOS NOBRES... AINDA NO INICIO DO SÉCULO XIX, UMA GRANDE PARTE DA POPULAÇÃO, A MAIS POBRE E MAIS NUMEROSA, VIVIA COMO AS FAMILIAS MEDIEVAIS, COM AS 6 CRIANÇAS AFASTADAS DOS PAIS.”

5º Cenário Pós- Guerra
 A

Europa como civilização mais avançada, promove/sofre guerras que vão alterar as formas de relações pessoais e sociais. Impondo um sentimento de urgência em viver todas as coisas já. Neste contexto a família também será alterada, a criança será entendida como esperança, há uma extensão da família pelo espírito da solidariedade, espírito de comunidade e de
7

FAMÍLIA HOJE
   

DIVERSIDADE ESTRUTURAL MAIS COMUM
 

FAMÍLIAS FAMÍLIAS FAMÍLIAS FAMÍLIAS FAMÍLIAS

TRADICIONAIS MONOPARENTAIS RECASADAS AMPLIADAS NÃO CONVENCIONAIS
8

NÃO EXISTE UMA FAMÍLIA IDEAL OU UM MODELO PRÉ-DETERMINADO DE FAMÍLIA, EXISTEM FAMÍLIAS REAIS. INDEPENDENTE DE SUA CONFIGURAÇÃO, A FAMÍLIA CONTINUA SENDO A INSTITUIÇÃO SOCIAL RESPONSÁVEL PELOS CUIDADOS, PROTEÇÃO, AFETO E EDUCAÇÃO DAS CRIANÇAS PEQUENAS, OU SEJA, É O PRIMEIRO E IMPORTANTE CANAL DE INICIAÇÃO DOS AFETOS, DA SOCIALIZAÇÃO, DAS RELAÇÕES DE APRENDIZAGEM.
9

 

FAMÍLIA: DESIGUALDADE ECONÔMICA

DADOS DO IBGE/1999: •30,5% DAS FAMÍLIAS BRASILEIRAS COM CRIANÇAS ATÉ SEIS ANOS VIVEM COM RENDA PER CAPITA MENSAL IGUAL OU INFERIOR AO SALÁRIO MÍNIMO. • RESULTA EM TODA ORDEM DE EXCLUSÃO E INFÂNCIA REDUZIDA. • FAMÍLIA E DESIGUALDADE ECONÔMICA 
10

AS CRIANÇAS DE FAMÍLIA RICA COSTUMAM TER UMA INFÂNCIA DE LONGA DURAÇÃO, RECEBENDO UMA PROFUSÃO DE BENS QUE NÃO LHES PERMITEM ENTENDER A DIFERENÇA DO TER E NÃO TER, NÃO APRENDEM A REPARTIR, E NÃO SABEM O QUE É REALMENTE DESEJAR CONFUNDINDO DESEJAR COM CONSUMIR POR
11

CONHECIMENTO E PROMOÇÃO DE JUSTIÇA SOCIAL 
 ACESSO

AO CONHECIMENTO SOBRE DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM, SOBRE SAÚDE, SOBRE DIREITOS ENTRE OUTROS SABERES, PODEM SER UM IMPORTANTE CONTRAPONTO ENTRE SABERES TÉCNICOS, SABERES COTIDIANOS, VALORES E AS REALIDADES DAS FAMÍLIAS. QUALIFICANDO E AMPLIANDO AS OPORTUNIDADES DE DIGNIDADE PARA FAMÍLIA BRASILEIRA. 12

FAMÍLIA CONCEITOS
 

FAMILIA, NO LATIM IA É PLURAL. FAMULUS (SINGULAR) SIGNIFICA ESCRAVO, LOGO: FAMÍLIA É CONJUNTO DE ESCRAVOS

13

(Minidicionário Luft. p.321).

FAMÍLIA: 1. NÚCLEO PARENTAL, FORMADO POR PAI, MÃE E FILHOS; 2. 2. PESSOA DO MESMO SANGUE, PARENTELA; 3. 3. LINHAGEM, ESTIRPE; 4. GRUPO DE GÊNEROS DE ANIMAIS OU PLANTAS COM CARACTERES COMUNS; 5.CONJUNTO DE TIPOS COM AS MESMAS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS.
14

FAMÍLIA
 

A FAMÍLIA, BASE DA SOCIEDADE TEM ESPECIAL PROTEÇÃO DO ESTADO.
(C.F capítulo VII, Art,226. 1988)
15

FAMÍLIA
A RELAÇÃO MATRIMONIAL É O FULCRO DA ESTRUTURA FAMILIAR. A SUA PADRONIZAÇÃO EM TERMOS DE SOCIEDADE, QUE A INCLUI, DEPENDE DE UMA VARIEDADE DE FATORES AMBIENTAIS, ADMITINDO A COEXISTÊNCIA DE FORMAS PECULIARES A SETORES DISTINTOS DA SOCIEDADE.
 
(LENHARD, R. IN SOCIOLOGIA EDUCACIONAL, VIII-P.50)
16

FAMÍLIA
 

FAMÍLIA DE ORIGEM É AQUELA DE NOSSOS PAIS; FAMÍLIA DE REPRODUÇÃO É AQUELA FORMADA PELO INDIVÍDUO COM OUTRO ADULTO E OS FILHOS DECORRENTES.
(PRADO, D. IN O QUE É FAMÍLIA, P.13)
17

FAMÍLIA
 

• FAMÍLIA UMA NOVA ÉTICA • UM NOVO COMPROMISSO • IDENTIDADE/VÍNCULO • E DIREITO A DIFERENCIAÇÃO.  
18

FUNÇÕES DA FAMÍLIA
 

• • • • •

REGULAÇÃO SEXUAL   REPRODUÇÃO  SOCIALIZAÇÃO   AFETO  PROTEÇÃO  EDUCAÇÃO...
 

19

FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA

SOCIALIZAR E PRODUZIR CONHECIMENTO CIENTÍFICO PARA QUALIFICAR A VIDA CIDADÃ
20

FUNÇÃO SOCIAL DA ESCOLA CONCEITOS CIENTÍFICOS
RELAÇÕES RELAÇÕES SÓCIOS-CULTURAIS SÓCIOS-CULTURAIS TEMPO TEMPO RELAÇÕES C/ RELAÇÕES C/ NATUREZA NATUREZA

ESPAÇO ESPAÇO

Os conceitos científicos são produções histórico-culturais que estabelecem relações entre si e com os conceitos cotidianos

DISCIPLINAS DO CURRÍCULO
Os conteúdos das disciplinas são meios para a apropriação de conceitos

21

CONCEPÇÃO DE INFÂNCIA

“ A IDÉIA DE INFÂNCIA, COMO SE PODE CONCLUIR, NÃO EXISTIU SEMPRE, E NEM DA MESMA MANEIRA. AO CONTRÁRIO ELA APARECE, COM A SOCIEDADE CAPITALISTA, URBANO-INDUSTRIAL, NA MEDIDA EM QUE MUDAM A INSERÇÃO E O PAPEL SOCIAL DA CRIANÇA NA COMUNIDADE. SE, NA SOCIEDADE FEUDAL, A CRIANÇA EXCERCIA UM PAPAEL PRODUTIVO DIRETO (“ DE ADULTO”) ASSIM QUE ULTRAPASSAVA O PERÍODO DE ALTA MORTALIDADE INFANTIL, NA SOCIEDADE BURGUESA ELA PASSA A SER ALGUÉM QUE PRECISA SER CUIDADA, ESCOLARIZADA, E PREPARA PARA UMA SITUAÇÃO FUTURA.” 22

CONCEPÇÃO DE ADOLESCÊNCIA

CONCEBE-SE PELA LEI, ADOLESCENTE DOS 12 AOS 18 ANOS, “ NO ENTANTO A ADOLESCÊNCIA NÃO ACONTECE DE MODO IGUAL EM TODAS AS CULTURAS E TAMPOUCO NUMA MESMA CULTURA, ATÉ PORQUE AS MANIFESTAÇÕES QUE CARACTERIZAM ESTA E OUTRAS ETAPAS DA VIDA NÃO SÃO PERMANENTES.” A ADOLESCÊNCIA É UM FENÔMENO CULTURAL, HISTÓRICO E GEOGRÁFICO.
23