You are on page 1of 72

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Sumário
1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de
estrutura

organizacional,

natureza,

finalidades

e

critérios

de

departamentalização.

2- Processo organizacional: planejamento, direção, comunicação, controle e
avaliação.

3- Administração Pública: Estrutura e Funcionamento.

4- Princípios básicos da administração pública: legalidade, impessoalidade,
moralidade, publicidade, eficiência, entre outros.

5- A probidade na administração pública. Pessoas alcançadas pela Lei da
Improbidade Administrativa.

6 - A responsabilidade do servidor público.

7 - Princípios de Ética e Cidadania

8- Atendimento no Serviço Público
9- Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho
10- Atendimento de qualidade – eficiência, eficácia e efetividade
11- O Papel do Atendente: perfil, competências, postura profissional

12- A Reforma e Revitalização do Estado
www.didatikaconcursos.com.br

1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de
estrutura

organizacional,

natureza,

finalidades

e

critérios

de

departamentalização.

Estrutura Organizacional: Conceito de Organização

Segundo (Faria, 1994), Organização é o estabelecimento de uma estrutura
formal de autoridade, mediante a qual se definem e coordenam as fases e os
métodos de trabalho para se atingir objetivos específicos.

A escola clássica tem um modelo simplificado da Organização Formal:
A adoção dos princípios gerais de administração aplicados a 1) divisão do
trabalho, 2) especialização, 3) unidade de comando, 4) amplitude de controle
possibilitam a OF de máxima eficiência possível.

Características básicas das organizações formais modernas:

Sob o ponto de vista formal, uma organização empresarial consiste em um
conjunto de encargos funcionais e hierárquicos, orientados para o objetivo
econômico de produzir bens ou serviços.

A estrutura orgânica deste conjunto de encargos está condicionada à natureza
do ramo de atividade, aos meios de trabalho, às circunstâncias sócioeconômicas da comunidade e à maneira de conceber a atividade empresarial.
As principais características da organização formal são:

1. Divisão do Trabalho;

2. Especialização;

3. Hierarquia;

4. Distribuição da autoridade e da responsabilidade;

5. Racionalismo.

www.didatikaconcursos.com.br

1. Divisão do Trabalho
O objetivo imediato e fundamental de todo e qualquer tipo de organização é a
produção. Para ser eficiente, a produção deve basear-se na divisão do
trabalho, que nada mais é do que a maneira pela qual um processo complexo
pode ser decomposto em uma série de pequenas tarefas. O procedimento de
dividir o trabalho começou a ser praticado mais intensamente com o advento
da Revolução Industrial, provocando uma mudança radical no conceito de
produção, principalmente no fabrico maciço de grandes quantidades através do
uso da máquina, substituindo o artesanato, e o uso do trabalho especializado
na linha de montagem. O importante era que cada pessoa pudesse produzir o
máximo de unidades dentro de um padrão aceitável, objetivo que somente
poderia ser atingido automatizando a atividade humana ao repetir a mesma
tarefa várias vezes. Essa divisão do trabalho foi iniciada ao nível dos operários
com a Administração Científica no começo deste século.

2. Especialização
A especialização do trabalho proposta pela Administração Científica constitui
uma maneira de aumentar a eficiência e de diminuir os custos de produção.
Simplificando as tarefas, atribuindo a cada posto de trabalho tarefas simples e
repetitivas que requeiram pouca experiência do executor e escassos
conhecimentos prévios, reduzem-se os períodos de aprendizagem, facilitando
substituições de uns indivíduos por outros, permitindo melhorias de métodos de
incentivos no trabalho e, conseqüentemente, aumentando o rendimento de
produção.

3. Hierarquia
Uma das conseqüências do princípio da divisão do trabalho é a diversificação
funcional dentro da organização. Porém, uma pluralidade de funções
desarticuladas entre si não forma uma organização eficiente. Como
decorrência das funções especializadas, surge inevitavelmente a de comando,
para dirigir e controlar todas as atividades para que sejam cumpridas
harmoniosamente. Portanto, a organização precisa, além de uma estrutura de
www.didatikaconcursos.com.br

Em toda organização formal existe uma hierarquia. 5. como poder formal e poder legitimado. uma faculdade.funções. isto é. dentro da organização formal. a autoridade investe o administrador do direito reconhecido de dirigir subordinados.com. de uma estrutura hierárquica. o que denota suas posições relativas. conceituando-a. bem como o grau de autoridade em relação às demais. aumenta a autoridade do ocupante do cargo. Distribuição da Autoridade e da Responsabilidade A hierarquia na organização formal representa a autoridade e a responsabilidade em cada nível da estrutura. os seus membros se comportarão racionalmente. pois. cuja missão é dirigir as operações dos níveis que lhes estão subordinados. À medida que se sobe na escala hierárquica. Dito de outra forma.br . ela deve ser delimitada explicitamente. existem pessoas cumprindo ordens de outras situadas em níveis mais elevados. Fayol diza que a "autoridade" é o direito de dar ordens e o poder de exigir obediência. dentro de limites toleráveis. o fundamento da responsabilidade. Assim. para que desempenhem atividades dirigidas pra a obtenção dos objetivos da empresa. De um modo geral. Esta divide a organização em camadas ou escalas ou níveis de autoridade. a generalidade do direito de comandar diminui à medida que se vai do alto para baixo na estrutura hierárquica. O princípio básico desta forma de conceber uma organização é que. 4. a www. de acordo com as normas lógicas de comportamento prescritas para cada um deles. Uma organização é substancialmente um conjunto de encargos funcionais e hierárquicos a cujas prescrições e normas de comportamento todos os seus membros se devem sujeitar. Por toda a organização. ao mesmo tempo. Racionalismo da Organização Formal Uma das características básicas da organização formal é o racionalismo. A autoridade formal é sempre um poder. como a condição básica para a tarefa administrativa. concedidos pela organização ao indivíduo que nela ocupe uma posição determinada em relação aos outros.didatikaconcursos. A autoridade é. tendo os superiores autoridade sobre os inferiores.

A estrutura informal focaliza as pessoas e suas relações. Surge da interação social das pessoas. procurando com a sua estrutura organizacional a minimização de esforços e a maximização do rendimento.didatikaconcursos. mas um meio de permitir à empresa atingir adequadamente determinados objetivos. via de regra. É geralmente mais instável que a autoridade formal. apresenta relações que não aparecem no organograma. na maioria das vezes de maneira ascendente ou horizontalmente. Em outras palavras. É mais um privilégio que um direito. A organização.br . Independente de ser útil ou prejudicial. De qualquer forma.com. dentro de um certo padrão de qualidade. o que significa que se desenvolve espontaneamente quando as pessoas se reúnem. toda organização se estrutura a fim de atingir os seus objetivos. pelo menor custo. portanto. Do ponto de vista de administradores. o maior lucro. Devido à sua www. Estrutura Informal da Organização Estrutura informal é a rede de relações sociais e pessoas que não é estabelecida ou requerida pela estrutura formal. ou as altera ou ainda as cumpre por um procedimento diferente do desejado. a estrutura informal é um empecilho que regularmente oferece resistência às ordens formais. não é um fim. A estrutura formal focaliza autoridades e responsabilidades. Portanto. pois está sujeita aos sentimentos pessoais. a primeira característica da estrutura informal é não poder ser extinta.formulação orgânica de um conjunto lógico de encargos funcionais e hierárquicos está baseada no princípio de que os homens vão funcionar efetivamente de acordo com tal sistema racional. a autoridade informal flui. Em contraste com o fluxo descendente da autoridade formal.

o desenvolvimento e manutenção da cultura do grupo. Há. geralmente há um líder primário que está acima dos outros. www. basicamente. a estrutura informal não está sujeita ao controle da direção. o desenvolvimento e manutenção de sistemas e canais de comunicação e o exercício do controle social. personalidade agradável e comunicativa. tais como diretoria. O controle interno acontece para que membros do grupo se comportem de acordo com a cultura do grupo.br . muitas estruturas informais dentro de uma grande empresa. por exemplo. Embora cada pessoa em um grupo de trabaho possa ser líder de alguma pequena estrutura informal. como o está a estrutura formal. líderes informais podem falhar como líderes formais por não lidarem bem com a responsabilidade formal. Entretanto. Algumas são confinadas apenas à empresa enquanto que outras podem ser parcialmente externas à empresa. de maneira a permanecerem dentro dos limites das relações pessoais. antiguidade. entretanto. por ocasião de alguma greve. O controle social acontece interna e externamente. através do qual o comportamento dos outros é influenciado e regulado. sindicato. Características que favorecem o surgimento da liderança informal: idade. A pressão do controle externo pode ser bastante grande. Elas existem em todos os níveis.natureza subjetiva. O grupo surge e persiste para manter os desejos de seus membros e. Estrutura informal é um bom lugar para líderes formais se desenvolverem e adquirirem experiência. mas as estruturas informais tendem a ficar menores. A administração deve saber quem é o líder informal e trabalhar com essa pessoa a fim de assegurar que esta liderança esteja acompanhando os objetivos da empresa em vez de antagonizá-los. liberdade de se mover na área de trabalho.com. O controle externo é dirigido aos de for a do grupo. competência técnica. localização no trabalho.didatikaconcursos. A estrutura formal pode crescer bastante. envolve.

Uma administração efetiva resulta numa situação em que a estrutura informal complementa o trabalho . passam a sintonizar-se mais intimamente  a interação provocada pela própria estrutura formal  os defeitos na estrutura formal  a flutuação do pessoal dentro da empresa provoca.br . O quadro a seguir itemiza as principais vantagens e desvantagens da estrutura informal em uma organização. alteração dos grupo sociais informais  períodos de lazer  disputa do poder Estrutura Formal da Organização A estrutura formal é a representada pelo organograma da empresa e os seus aspectos básicos são apresentados e discutidos a seguir.didatikaconcursos.o ideal é haver perfeita interação entre os dois tipos de estruturas. normalmente. www. Vantagens Desvantagens  proporciona maior rapidez no  desconhecimento das processo chefias  reduz distorções existentes na  dificuldade de controle estrutura formal  possibilidade de atritos  complementa a estrutura formal entre pessoas  reduz a carga de comunicação dos chefes  motiva e integra as pessoas da empresa Fatores que condicionam o aparecimento dos grupos informais:  interesses comuns que se desenvolvem entre um certo número de pessoas que.com. através deles.

A estrutura organizacional é dinâmica. Tipos de Estrutura Organizacional Na consideração dos tipos de estrutura organizacional deve-se lembrar que estes são os resultados da departamentalização (funcional.didatikaconcursos.com.br . territorial. clientes. etc. principalmente quando são considerados os seus aspectos informais provenientes da caracterização das pessoas que fazem parte de seu esquema. matricial. produtos. comunicações e decisões das unidades organizacionais de uma empresa.). por projetos. Deve ser delineada considerando as funções de administração como um instrumento para facilitar o alcance dos objetivos estabelecidos.Elaboração da estrutura organizacional Estrutura organizacional é o conjunto ordenado de responsabilidades. 1962) estão:  a natureza dos objetivos estabelecidos para a empresa e seus membros  as atividades operantes exigidas para realizar esses objetivos  a seqüência de passos necessária para proporcionar os bens ou serviços que os membros e clientes desejam ou necessitam  as funções administrativas a desempenhar  as limitações da habilidade de cada pessoa na empresa e limitações tecnológicas  as necesidades sociais dos membros da empresa  tamanho da empresa www. autoridades. Entre os fatores internos que influenciam a natureza da estrutura organizacional da empresa (Drucker.

com.Com vistas no delineamento da estrutura organizacional. condicionates e níveis de influência que podem ser assim resumidos: Componentes da estrutura organizacional  sistema de responsabilidade (resultado da alocação deatividades). delegação e descentralização/centralização  sistemas de comunicações (resultado da interação entre inidades organizacionais). como. Condicionantes da estrutura organizacional Vasconcellos (1972:1) resume em:  objetivos e estratégias  ambiente  tecnologia  recursos humanos Níveis de influência da estrutura organizacional  estratégico  tático  operacional www. quando. de quem e para quem comunicar Pode-se considerar mais um sistema componente da estrutura organizacional: o sistema de decisão (resultado da ação sobre as informações). constituído por: o que. constituído por: departamentalização. linha e assessoria e especialização do trabalho  sistema de autoridade (resultado da distribuição do poder). Vasconcellos (1972:145) apresenta os seus componentes. constituído por: amplitude administrativa e níveis hierárquicos.didatikaconcursos.br .

1972:154) Aspectos básicos do sistema de responsabilidade são: a) Departamentalização b) Linha e Assessoria c) Atribuições das unidades organizacionais (a) b) e c) serão abordados futuramente). Ela pode ser o direito de tomar decisões.com. Sistema de Autoridade Autoridade é o direito para fazer alguma coisa.Considerações Básicas sobre Componentes. ou simplesmente o direito de desempenhar um trabalho que foi designado. Condicionantes e Níveis de Influência da Estrutura Organizacional COMPONENTES Sistema de Responsabilidade Responsabilidade refere-se à obrigação que uma pessoa tem de fazer alguma coisa para outrem (Jucius e Schhelender.didatikaconcursos. de dar ordens e requerer obediência. 1968:232) O sistema de responsabilidade refere-se à alocação das atividades inerentes a esta obrigação (Vasconcelos. A autoridade poder formal ou informal (Jucius e Schelender 1968:234) MAIS ALTO AMPLITUDE DE AUTORIDADE LIMITES DE AUTORIDAD E NÍVEL HIERÁRQUIC O MAIS BAIXO www.br .

Autoridade funcional deve ser muito bem estabelecida pela empresa.Teorias básicas sobre a origem da autoridade (apresentadas por Koontz e O'Donnell 1973:48) teoria formal da autoridade: a origem da autoridade na empresa deve obedecer a uma hierarquia. para evitar possíveis problemas de duplicidade de comando. Aspectos básicos do sistema de autoridade são: a) delegação. www. É uma teoria discutível. A hierárquica segue as linhas de comando estabelecidas pela estrutura hierárquica da empresa. porque na prática o subordinado. políticas. religiosas) para estabelecer suas normas internas. a saber: hierárquica e funcional. acabará obedecendo à ordem. econômicas.didatikaconcursos. assim como a empresa se baseia nas instituições (sociais. teoria da competência: a autoridade pode provir de qualidades pessoais de competência técnica. pressionado pelo grupo.com. O ideal é a autoridade funcional estar correlacionada apenas ao estabelecimento de políticas administrativas. tradições e leis do povo mudam. teoria da aceitação da autoridade: a origem da autoridade é a aceitação das ordens. apensar de não possuir autoridade devida. desde que sejam compreendidas e estejam dentro das funções do subordinado. b) dentralização e descentralização c) níveis hierárquicos d) amplitude de controle (a serrem abordados futuramente).br . Devem-se considerar os tipos de autoridade. Dentro do grupo de subordinados pode existir um que se sobressaia e acaba transformando os outros em subordinados. Essas instituições mudam à medida que os costumes. A autoridade funcional corresponde à autoridade estabelecida pela função exercida pelas unidades organizacionais.

de cooperação e de integração. Fator Ambiente Externo Análise do processo de relacionamento entre a empresa e seu ambiente. Ele considera as seguintes capacidades: técnica.com. Estratégia é a definição do caminho mais adequado para alcançar o objetivo www. de comando.br . Fator Sistema de Objetivos e Estratégias Objetivo é o alvo ou situação que se pretende atingir. administrativa.presidente A C B D E diretoria de marketing diretoria financeira diretoria das regionais Autoridade Hierárquica Regional Norte Autoridade Funcional setor de vendas setor de caixa CONDICIONANTES DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL Fator Humano Fayol (1976:27) enumera que ão necessárias determinadas qualidades humanas cuja importância aumenta à medida que a pessoa sobe na hierarquia.didatikaconcursos.

com. é mais fácil organizar.didatikaconcursos. que podem ser visualizados numa "pirâmide empresarial": nível estratégico nível tático nível operacional planejamento estratégico planejamento tático planejamento operacional O planejamento estratégico pode ser conceituado como um processo gerencial que possibilita ao executivo estabelecer o rumo a ser seguido pela empresa com vistas a obter um nível de otimização na relação da empresa com seu www.br .O fator sistema de objetivos e estratégias tem inflência na estrutura organizacional à medida que. NÍVEIS DE INFLUÊNCIA DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL No desenvolvimento de uma estrutura organizacional tem-se os seguintes níveis de influência:  nível estratégico  nível tático  nível operacional Estes níveis de influência estão relacionados aos tipos de planejamento. Fator Sistema de Objetivos e Estratégias Vasconcellos (1972:7) considera o fator tecnológico como o conjunto de conhecimentos que são utilizados para operacionalizar as atividades na empresa para que seus objetivos possam ser alcançados. pois se sabe o que esperar de cada membro do grupo que compõe a empresa. quando os objetivos e estratégias estão bem definidos e claros.

aumenta a perícia. A especialização vertical é o desdobramento da autoridade denominado processo escalar.didatikaconcursos. Departamentalização Para os autores clássicos a especialização pode ocorrer em dois sentidos: vertical e horizontal.br criam-se diversas espécies (naturezas) de . Para facilitar a análise comparativa das organizações os estruturalistas desenvolveram as tipologias de organização. Exemplo: divisão de uma área industrial em duas áreas (produção e técnica) para ter melhor administração dos recursos da empresa. O nível estratégico de influência considera a estrutura organizacional de toda a empresa e a melhor interação desta com o ambiente.com. Departamentalização é uma divisão do trabalho em termos de uma diferenciação entre os diversos e diferentes tipos de tarefas executados pelos órgãos. Assim www. Natureza A departamentalização tem por natureza dividir-se em unidades as grandes áreas da Empresa. Exemplo: necessidade de criação de uma nova divisão da empresa para melhor adequação de um produto ao seu mercado. a eficiência e a qualidade do trabalho. das metodologias de desenvolvimento e implementação estabelecidas. O planejamento operacional pode ser considerado como a formalização. é o processo funcional e provoca a departamentalização. O planejamento tático tem por finalidade otimizar determinada área de resultado e não a empresa como um todo. principalmente através de documentos escritos. O planejamento operacional cria condições para a adequada realização dos trabalhos diários da empresa.ambiente. A especialização horizontal (DEPARTAMENTALIZAÇÃO) é o aumento de órgãos especializados.

A finalidade da departamentalização não é a estrutura rígida e equilibrada em termos de níveis e sim grupar atividades de maneira que melhor contribuam para obtenção dos objetivos específicos da organização. Por localização geográfica. concentra competência em atividade específica. poucas linhas de produtos. Segundo Luis Oswaldo e Leal da Rocha Departamentalização é proporcionar meios a principal finalidade da para o crescimento e desenvolvimento racional dos órgãos da Empresa. mais indicada para circunstâncias estáveis ou tarefas rotineiras.departamentalização (superintendências. divisões. por Processos. Dificulta a adaptação às mudanças externas. diretorias. reflete auto-orientação e introversão administrativa Desvantagens. Por Projetos.com. departamentos. por Clientes. Por tempo e por número Logo critérios e tipos se confundem segundo diversos autores. Reduz a cooperação interdepartamental. Inadequada quando a tecnologia necessita ser mutável e evolutiva. TIPOS DE DEPARTAMENTALIZAÇÃO Por Funções . setores.br .didatikaconcursos. segue princípio da especialização ocupacional. seções) Finalidade Segundo o Chiavenato. www. Detrimento do objetivo global em prol dos esforços de especialistas. Por Funções . ou Funcional por Produtos ou Serviços. ou Funcional Vantagens Agrupar especialista sob chefia única.

Órgãos com tarefas rotineiras. Vantagens: Facilita o emprego de tecnologia. Por Produtos ou Serviços ou por Resultados. Encoraja novos executivos Indicada para agências de varejo. Permite a intensificação de esforços.com. Facilita a inovação e a competitividade. É a territorial ou regional.Aplicação: Circunstâncias estáveis. mutáveis Induz a cooperação entre especialistas. Poucas linhas de produtos. finanças e RH. Fixa a responsabilidade para um produto. Permite maior flexibilidade.Desvantagens. Vantagens: Atende a estratégias regionais. Problemas psicológicos de temores e ansiedades APLICAÇÃO: Circunstâncias instáveis Por localização geográfica. Contra-indicada para empresa com poucos produtos ou ambiental.didatikaconcursos.br estabilidade . Subdesenvolvimento das áreas de pesquisa. Bitola técnica dos especialistas. Facilita a cooperação interdepartamental. Desvantagens: Dificulta a coordenação e controle. Fixa responsabilidade de lucro. www. Indicada para circunstâncias instáveis.

Aplicação: Quando o cliente é mais importante que o produto Por Processos.br . Por Projetos. por maquinário. construção de fábricas. Construção de Navios. Mais adequada se o cliente é mais importante que o produto. Sacrifica objetivos como lucro e produtividade e eficiência.com.Aplicação: Empresa que precisa de área mercadológica descentralizada Por Clientes. ou por equipamentos . ideal se o importante é a satisfação do cliente. Vantagens: Abordagem extrovertida .didatikaconcursos. Concentra conhecimento sobre as necessidades dos clientes. Desvantagens: Torna secundárias as funções produção e finanças. Empresas industriais. Provoca ansiedade e angústia Aplicações Grandes empreendimentos e tecnicamente complexos. Vantagens: Concentrar diversos recursos em uma atividade complexa Se ajusta a uma departamentalização temporária por Produto complexo Desvantagens: Descontinuidade ao fim do ciclo do projeto. por tecnologia Vantagens: Prestigia a tecnologia como foco de referência Desvantagens: Total falta de flexibilidade Aplicação. Obter resultados www. de edifícios.

. .Flexibilidade para responder rapidamente às mudanças. combinada PRINCIPAL: no nível mais elevado. Boing. Considerações Básicas: Meio Ambiente Tecnologia Estratégia Estrutura DEPARTAMENTALIZAÇÃO MATRICIAL Segundo Leon Megginson ( 1998) A departamentalização matricial é um tipo híbrido onde vários especialistas são agrupados para completar uma tarefa em tempo limitado.Falta de clareza dos papéis. www. . . Nasa. Desvantagens . GE) Departamentalização matricial Vantagens .Todos têm que ser consultados a cada decisão. .Por tempo e por número CONCLUSÃO: A Departamentalização pode ser: Principal . . .Ideal para empresas empreendedoras.Competição pelo poder.Alta adaptabilidade. 1998).didatikaconcursos. (encontrada em organizações de alta tecnologia . .com. intermediária .Processo de decisão descentralizado ( Bateman.Muita democracia que pode conduzir a ação insuficiente.br .Rede de comunicações extensas para processar grande quantidade de informação.Comunicação livre e coordenação entre especialistas. ( dois chefes : de projeto e funcional) .Utilização de recursos compartilhados de modo eficiente. .

br . DOWNSIZING mudança da organização tipo mainframe para descentralizados micros ou uso intensivo da intranet. (hospitais.didatikaconcursos. É uma associação independentes unidos temporária de empresas ou de departamentos pela tecnologia da informação para compartilhar despesas. com mudanças fundamentais . ( Michel Hammer e James Champy ) Organização com base nos processos empresariais. radicais. Forma alianças estratégicas. atendimento a cliente e velocidade. e drásticas nos indicadores críticos de desempenho tais como: custos . entidade fluída e flexível Uso intensivo da tecnologia da informação. Uso de base de dados. Características: não ocupa espaço físico. ORGANIZAÇÃO COM EMPOWERMENT Delegação de poderes aos membros das equipes e dos grupos. organizações empreendedoras) Administradores competitivos e com visão intrapreneurial DEPARTAMENTALIZAÇÃO EM REDE OU CORPORAÇÀO VIRTUAL. não tem organograma. qualidade. talento dos funcionários e ampliara mercados. www.com. não tem sede. Representa a especialização vertical da responsabilidade e do poder descentralizado.APLICAÇÃO: Empresas com alta orientação tecnológica. Sacrifica a hierarquia pela velocidade da tomada de decisões. O contribuinte da rede contribui com sua core competence – competência central (conceito de Prahalad). REENGENHARIA E estruturas horizontais.

comunicação. recursos e feedback aos empregados  medidas de desempenho compatíveis coom os objetivos  condições motivadoras Sistema de Comunicações Comunicação é um processo mediante o qual uma mensagem é enviada por um missor. que representa a orientação e/ou coordenação e/ou motivação e/ou liderança das atividades e recursos visando alcançar os objetivos e resultados esperados.br .didatikaconcursos. que representa o controle e a avaliação dos resultados obtidos em relação aos objetivos e resultados esperados Quando a estrutura organizacional é estabelecida de forma adequada. 1972:10) No sistema de comunicações deve ser considerado:  que/como/quando deve ser comunicado? www. Além da organização da empresa.com. o administrador tem três outras funções básicas:  planejamento da empresa. e entendida por um receptor (Vasconcellos. controle e avaliação. através de um determinado canal. direção. ela propicia:  identificação das tarefas necessárias  organização das funções e responsabilidades  informações.2- Processo organizacional: planejamento. que representa o estabelecimento de objetivos e resultados estabelecidos e dos meios mais adequados para se alcançar estas metas  a direção da empresa. e  controle da empresa.

 de quem deve vir a informação?  para quem deve ir a informação?  por que deve ser comunicado?  quanto deve ser comunicado? Na transmissão da informação deve-ser considerar a interferência denominada ruído. em reação às necessidades de seus membros). alteração da estrutura organizacional e prática de competições esportivas. realizado entre unidades organizacionais e níveis diferentes  vertical.com. A alta administração da empresa pode aumentar ou diminuir a comunicação informal. Comunicação informal pode ser boa ou ruim para uma empresa. Alguns aspectos básicos do sistema de comunicações nas empresas são: 1) Esquemas de comunicação: formal (planejado. mas do mesmo nível hierárquico  diagonal ou transversal. entre os quais: alteração de arranjo físico. realizado entre níveis diferentes. facilitado e controlado) e informal (surge espontaneamente na empresa. 2) Fluxos da Comunicação As comunicações podem acontecer via os seguintes fluxos:  horizontal: realizado entre unidades organizacionaisdirefenres. utilização de pequenas salas de reunião ou de café. com o uso de determinados artifícios. mas da mesma área www. que compreende qualquer coisa que se mova no canal que não sejam os sinais ou mensagens reais desejados pelo emissor.br .didatikaconcursos.

 demasiado número de estágios na elaboração das decisões  existência de grandes serviços funcionais ou de assessoria  complexidade da estrutura. mas principalmente em função do tempo que ela absorve e das demoras que acarreta (Litterer. Parkison: todo trabalho se dilata de maneira a ocupar todo o tempo disponível. Lei de N. chefia sem agressividade. Para tanto deve-se fazer:  levantamento da estrutura atual  delineamento da estrutura ideal www. deve-se levar em consideração o aspecto custo para a empresa. 1970:82).C.  unidades organizacionais sem meios completos e autônomos para atingirem seus objetivos  unidades organizacionais que trabalham abaixo da dimensão necessária Avaliação da Estrutura Organizacional É um procedimento através do qual se verifica o que a estrutura organizacional tem de bom e de ruim. pois a análise da transmissão das informações mostra que ela é muito mais custosa do que se poderia pensar. comissões de coordenação.3) Custo da Comunicação No estudo das comunicações entre pessoas ou unidades organizacionais. não tanto devido às despesas de apoio necessárias.br .  unidades organizacionais sem objetivos mensuráveis. O que Parkinson considerou como causas do aumento de custos na estrutura organizacional (Lodi. responsabilidades diluídas. função vaga e qualitativa.didatikaconcursos.com. 1972:51):  demasiado número de níveis hierárquicos envolvidos na supervisão de atividades correntes a curto prazo. etc.

O analista de OSM deve comparar estes dois aspectos e obter a avaliação da
estrutura

organizacional.

Pode

reforçar

a

avaliação

determinando

o

desempenho da empresa em termos de:

resultados apresentados

problemas evidenciados

nível de satisfação dos funcionários da empresa

Etapas da Avaliação da Estrutura Organizacional

1) Levantamento
identificação dos problemas evidenciados pelos usuários
entrevista com os elementos-chave da empresa

2) Análise

análise dos dados levantados anteriormente

interligação

dos

dados

levantados,

verificando

sua

veracidade

e

considerando os vários subsistemas da empresa

estabelecimento dos padrões e critérios de avaliação

identificação do efeito de cada um dos dados levantados na situação atual
da estrutura organizacional da empresa

3) Avaliação

estabelecimento da situação dos quatro componentes da estrutura
organizacional na empresa

verificação do envolvimento de cada um dos quatr condicionantes sobre a
estrutura organizacional

verificação do nível de influência de cada nível da empresa - estratégico,
tático e operacional - para o delineamento da estrutura organizacional.

Para uma adequada avaliação da estrutura organizacional é necessário que se
estabeleça, anteriormente, um conjunto de políticas que devem servir de
www.didatikaconcursos.com.br

sustentação para todo o processo decisório. Políticas inerentes à estrutura
organizacional que uma empresa pode julgar válido adotar podem visar uma
estrutura organizacional

adequada aos mercados existentes

adequada às novas tecnologias

descentralizada no processo decisório e centralizada no sistema
de controle

voltada para resultados

racionalizada

com

operacionalização

descentralizada

dos

sistemas administrativos

3- ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

De acordo com o Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967 podemos
verificar que o Poder Executivo é exercido pelo Presidente da República
auxiliado pelos Ministros de Estado. O Presidente da República e os Ministros
de Estado exercem as atribuições de sua competência constitucional, legal e
regulamentar com o auxílio dos órgãos que compõem a Administração Federal.

Com a nova redação dada pelo Decreto-Lei nº 900 de 1969, respeitada a
competência constitucional do Poder Legislativo estabelecida no artigo 46,
inciso II e IV, da Constituição, o Poder Executivo regulará a estruturação, as
atribuições e funcionamento dos órgãos da Administração Federal.
A Administração Federal compreende:
ADMINISTRAÇÃO DIRETA – se constitui dos serviços integrados na estrutura
administrativa da Presidência da República e dos Ministérios
ADMINISTRAÇÃO INDIRETA – é a que compreende as seguintes categorias
de entidades dotadas de personalidade jurídica própria:
www.didatikaconcursos.com.br

AUTARQUIAS – serviço autônomo criado por lei com personalidade jurídica,
patrimônio e receita própria, para executar atividades típicas da administração
pública, que requeiram, para seu melhor funcionamento, gestão administrativa
e financeira descentralizada. Não são subordinadas a órgão algum do Estado,
mas controladas apenas, são responsáveis pelos próprios comportamentos. A
responsabilidade do estado, em relação a elas, é apenas subsidiária.
Na administração pública brasileira, uma autarquia é uma entidade auxiliar da
administração pública estatal autônoma e descentralizada. É um dos tipos de
entidades da administração indireta. Autarquias são portanto Entes da
Administração Pública Indireta, com personalidade jurídica e descentralizada
do Poder Executivo.
Sua organização interna pode vir através de decretos (emanam do poder
executivo); de portarias (ministérios, secretarias); regimentos ou regulamentos
internos. São autarquias, por exemplo, as universidades federais.
Diversos são os exemplos de autarquias, federais, estaduais ou municipais, em
nosso ordenamento, como: Banco Central, USP,UFRJ, CBMERJ, INSS,
ANATEL, ANVISA, INPI, CVM.

FUNDAÇÕES PÚBLICAS - são pessoas jurídicas de direito público, isto é, são
criadas por lei e regem-se de acordo com todos os princípios da administração
pública, na prática são iguais as autarquias em funções e objetivos.
Não têm fins lucrativos, são criadas para um fim específico de interesse
público, como educação, cultura e pesquisa, sempre merecedoras de um
amparo legal. As fundações públicas possuem autonomia administrativa,
patrimônio próprio, e funcionamento custeado, principalmente, por recursos do
poder público, ainda que sob a forma de prestação de serviços, e mesmo as
fundações de direito privado seguem regras típicas de direito público como
prestação de contas ao Tribunal de Contas e imunidade tributária referente ao
imposto sobre o patrimônio, a renda ou serviços vinculados a suas finalidades
essenciais ou às delas decorrentes (art. 150, § 2º, da CF).

www.didatikaconcursos.com.br

a Caixa Econômica Federal e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Tais empresas devem seguir estrita observância ao que prescreve a Lei 8666/93. Após as alterações da Constituição. pessoas do próprio quadro funcional. as fundações passaram a ser criadas por Decreto do Executivo. CF). ainda assim. 37.br .com. cujo objetivo é uma maior credibilidade e celeridade dos atos praticados pelas mesmas. independentemente de qualquer registro. www. São exemplos de empresas públicas no Brasil. dotada de personalidade de direito privado mas submetida a certas regras especiais e cujo capital seja formado unicamente por pessoas de direito público.É uma das entidades que compõem a administração indireta. não exclui a necessidade de prévia aprovação legislativa (art. Fundação Butantã. o que. Elas são criadas por autorização específica e regulamentadas por decreto. O ingresso na carreira do emprego público se dá somente por meio de concurso público. há outros trabalhadores que cumprem funções nestas empresas. sendo. Ex: Fundação osvaldo Cruz. SOCIEDADE DE ECONOMIA MISTA .º 19 de 1998. XIX e XX. estagiários e voluntários.é a pessoa jurídica criada por lei como instrumento de ação do estado. É o caso dos terceirizados. assegurado o acesso por todo brasileiro ou estrangeiro naturalizado. A partir da Emenda Constitucional n. Além dos empregados de carreira.didatikaconcursos. via de regra. contemplou-se como princípio basilar à atuação da empresa pública o princípio da eficiência. A administração das empresas públicas no Brasil é feita por dirigentes nomeados pelo presidente da República. dotada de personalidade de direito privado. EMPRESA PÚBLICA – é a pessoa jurídica criada por lei como instrumento de ação do estado.

que as atividades da Administração Federal obedecerão aos seguintes princípios fundamentais: I . O Estado poderá ter uma participação majoritária ou minoritária. mais da metade das ações com direito a voto devem pertencer ao Estado.Descentralização. pois nestas o controle da atividade é privado.Delegação de Competência. Freqüentemente têm suas ações negociadas em Bolsa de Valores como exemplo: o Banco do Brasil. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS O Decreto-Lei nº 200. Difere-se também das Sociedades Anônimas em que o governo tem posição acionária minoritária. "sociedade de economia mista" é uma sociedade na qual há colaboração entre o Estado e particulares.Coordenação. e Eletrobrás. eis que nestas o capital é 100% público. III . ambos reunindo recursos para a realização de uma finalidade. ainda.didatikaconcursos.Controle. IV . e seus funcionários são regidos pela CLT.br . A sociedade de economia mista é uma sociedade anônima. V . Diferem-se das Empresas Públicas. II . Empresa de economia mista ou.. mais precisamente. sempre de objetivo econômico. Banco do Nordeste.com. de 25 de fevereiro de 1967 destacou. www.mas submetida a certas regras especiais constituída sob a forma de sociedade anônima e cujas ações com direito a voto pertençam em sua maioria à união ou a entidade de sua administração indireta. entretanto. A sociedade de economia mista é uma pessoa jurídica de direito privado e não se beneficia de isenções fiscais ou de foro privilegiado.Planejamento. Petrobrás.

mediante a atuação das chefias individuais. b) programas gerais. os assuntos deverão ter sido previamente coordenados com todos os setores neles interessados. No nível superior da Administração Federal. a execução dos planos e programas de governo. Essa coordenação será exercida em todos os níveis da administração. de modo a sempre compreenderem soluções integradas e que se harmonizem com a política geral e setorial do Governo. serão objeto de permanente coordenação. d) programação financeira de desembolso. funcionamento das Secretarias Gerais e coordenação central dos sistemas de atividades auxiliares. a realização sistemática de reuniões com a participação das chefias subordinadas e a instituição e funcionamento de comissões de coordenação em cada nível administrativo. c) orçamento-programa anual.br . de duração plurianual. setoriais e regionais.didatikaconcursos. II COORDENAÇÃO As atividades da Administração Federal e. através de consultas e entendimentos. especialmente. Idêntico www. Quando submetidos ao Presidente da República. atribuição de incumbência coordenadora a um dos Ministros de Estado. reuniões de Ministros de Estado responsáveis por áreas afins.com.I – PLANEJAMENTO A ação governamental obedecerá a planejamento que vise a promover o desenvolvimento econômico-social do País e a segurança nacional. a coordenação será assegurada através de reuniões do Ministério. e compreenderá a elaboração e atualização dos seguintes instrumentos básicos: a) plano geral de governo. inclusive no que respeita aos aspectos administrativos pertinentes. norteandose segundo planos e programas elaborados.

didatikaconcursos.br atividades de planejamento. www. Em cada órgão da Administração Federal. c) da Administração Federal para a órbita privada.com. para que possam concentrar-se nas coordenação e controle. . Com os órgãos estaduais e municipais que exerçam atividades idênticas. os órgãos federais buscarão com eles coordenar-se. mediante contratos ou concessões. os serviços que compõem a estrutura central de direção devem permanecer liberados das rotinas de execução e das tarefas de mera formalização de atos administrativos.DESCENTRALIZAÇÃO A execução das atividades da Administração Federal deverá ser amplamente descentralizada. A descentralização será posta em prática em três planos principais: a) dentro dos quadros da Administração Federal.procedimento será adotado nos demais níveis da Administração Federal. quando estejam devidamente aparelhadas e mediante convênio. distinguindo-se claramente o nível de direção do de execução. Os órgãos que operam na mesma área geográfica serão submetidos à coordenação com o objetivo de assegurar a programação e execução integrada dos serviços federais. antes da submissão dos assuntos à decisão da autoridade competente. III . para evitar dispersão de esforços e de investimentos na mesma área geográfica. b) da Administração Federal para a das unidades federadas. supervisão.

sempre que possível. O ato de delegação indicará com precisão a autoridade delegante. às autoridades da Administração Federal delegar competência para a prática de atos administrativos. que os serviços responsáveis pela execução são obrigados a respeitar na solução dos casos individuais e no desempenho de suas atribuições. na área. Para melhor desincumbir-se das tarefas de planejamento. em princípio. programas e princípios. que estão em contato com os fatos e com o público. a Administração procurará desobrigar-se da realização material de tarefas executivas. em qualquer caso. www. desde que exista. aos ditames do interesse público e às conveniências da segurança nacional. iniciativa privada suficientemente desenvolvida e capacitada a desempenhar os encargos de execução. É facultado ao Presidente da República.com. situando-as na proximidade dos fatos. pessoas ou problemas a atender. ao nível de execução. coordenação. conforme se dispuser em regulamento. A aplicação desse critério está condicionada. em geral. recorrendo. Compete à estrutura central de direção o estabelecimento das normas. assim entendida a decisão de casos individuais. DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA A delegação de competência será utilizada como instrumento de descentralização administrativa. critérios. a autoridade delegada e as atribuições objeto de delegação. à execução indireta. aos Ministros de Estado e. supervisão e controle e com o objetivo de impedir o crescimento desmesurado da máquina administrativa. com o objetivo de assegurar maior rapidez e objetividade às decisões. especialmente aos serviços de natureza local. mediante contrato.didatikaconcursos. compete.A Administração casuística.br .

compreendendo. 4Princípios básicos da administração pública: impessoalidade. pela chefia competente. enquanto a administração pública só pode fazer o que a lei "MANDA" OU "PERMITE". pelos órgãos próprios de cada sistema. da execução dos programas e da observância das normas que governam a atividade específica do órgão controlado. c) o controle da aplicação dos dinheiros públicos e da guarda dos bens da União pelos órgãos próprios do sistema de contabilidade e auditoria. b) o controle. legalidade. par. A LEI PODE NOS PROIBIR CONDUTAS E O QUE ELA NÃO PROIBIR PODEMOS FAZER. No princípio da legalidade tudo que a lei "NÃO PROÍBE" nos é permitido. da observância das normas gerais que regulam o exercício das atividades auxiliares. OU SEJA. 2. particularmente: a) o controle. 5º. publicidade e eficiência.didatikaconcursos. JÁ A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA É www.CONTROLE O controle das atividades da Administração Federal deverá exercer-se em todos os níveis e em todos os órgãos. moralidade. O trabalho administrativo será racionalizado mediante simplificação de processos e supressão de controles que se evidenciarem como puramente formais ou cujo custo seja evidentemente superior ao risco. CF) – Só a lei pode exigir um comportamento ou proibir uma conduta ao cidadão.com. a lei é o ato normativo que produz esses efeitos. Princípios legalidade – (art.br .

boa-fé etc.37.com. impessoalidade ( art. Principio da Isonomia – todos são iguais perante a lei Brasileiros natos – nascidos no Brasil Brasileiros naturalizados – que adotaram a cidadania brasileira Outros Princípios Constitucionais Explícitos Princípio da Licitação Licitação é um procedimento administrativo destinado a provocar propostas e a escolher proponentes de contratos de execução de obras. EX: LEI DE LICITAÇÕES. 37 . compras ou de alienações do Poder Público. www. JÁ PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ELA EXIGE LICITAÇÃO E QUE SE SIGA ESTRITAMENTE CADA DETERMINAÇÃO ALI CONTIDAS. caput CF) Impõe a adoção de um comportamento ético pelo Administrador público.br . moralidade. moralidade (art.OBRIGADA A SEGUIR TUDO O QUE A LEI DETERMINA EXPRESSAMENTE. probidade. caput CF) A impessoalidade não se refere aos administrados. PARA COMPRAR OU CONTRATAR UMA OBRA POR EXEMPLO A LEI NÃO EXIGE QUE "EU" CIDADÃO FAÇA LICITAÇÃO. ENTÃO EU COMPRO OU CONTRATO QUEM EU QUERO PELO PREÇO QUE EU QUISER. publicidade Impõe a ampla divulgação dos atos praticados pela administração pública ressalvada a hipótese de sigilo. mas à própria administração. Transparência dos atos públicos é inerente ao estado de direito. serviços.didatikaconcursos. Eficiência Impõe à administração pública a obrigação de satisfazer o interesse público.

br . XXI. ou seja. as obras. da Constituição Federal. 37. o qual permitirá as exigências de qualificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do cumprimento das obrigações". entre os interessados em com ela contratar. Não importará se tenha agido com culpa ou dolo. 37. com cláusulas que estabeleçam obrigações de pagamento. para que possa agir de forma honesta. ou adequada ao próprio dever de atuar de acordo com padrões exigidos pela probidade administrativa. nos termos da lei. O dever de indenizar se configurará pela mera demonstração do nexo causal existente entre o fato ocorrido e o dano verificado.A Administração Pública tem o dever de sempre buscar. § 6. imperita ou www. Temos.º. mantidas as condições efetivas da proposta. O art. assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa". serviços. De outro lado.com. que em nosso Direito a responsabilidade civil do Estado é objetiva. de imediata leitura desse texto resulta claro que todo agente público que vier a causar um dano a alguém trará para o Estado o dever jurídico de ressarcir esse dano. sem privilegiamentos ou desfavorecimentos injustificados. compras e alienações serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure igualdade de condições a todos os concorrentes. Princípio da Responsabilidade da Administração O princípio em estudo encontra amparo no art. pois. da CF alberga o princípio nos termos seguintes: "ressalvados os casos especificados na legislação. tem o dever de assegurar verdadeira igualdade de oportunidades. cuja compostura verifica-se que: "As pessoas jurídicas de direito público e as de direito privado prestadores de serviços públicos responderão pelos danos que seus agentes. Assim. negligente. a todos os administrados que tencionem com ela celebrar ajustes negociais.didatikaconcursos. independe da conduta dolosa. causarem a terceiros. a melhor alternativa disponível no mercado para satisfazer os interesses públicos. nessa qualidade.

º .º do art. Qualificar-se-á sempre que o agente estiver. com o novo enunciado do § 3. da qualidade dos serviços. regulando especialmente: I. II – o acesso dos usuários a registros administrativos e a informações sobre atos de governo.º. – as reclamações relativas à prestação dos serviços públicos em geral. observando o disposto no art. O prejudicado terá que mover a ação de indenização contra a Fazenda Pública respectiva ou contra a pessoa jurídica privada prestadora de serviço público. § 3. 37. 5. no exercício da função pública. Princípio da Participação O princípio da participação do usuário na Administração Pública foi introduzido pela EC-19/98. emprego ou função na administração pública.br . nos termos do precitado dispositivo constitucional. www. O princípio da impessoalidade vale aqui também. o princípio ainda depende de regulamentação de lei mas funciona como uma espécie de SAC (serviço de atendimento a cliente) das empresas só que aplicado à adminstração pública que vai se utilizar dos dados estatísticos obtidos para acompanhar e avaliar os órgãos públicos baseado na opinião e nas reclamações dos cidadãos.didatikaconcursos. Diz o texto: Art. III – a disciplina da representação contra o exercício negligente ou abusivo de cargo. asseguradas a manutenção de serviços de atendimento ao usuário e a avaliação periódica. a obrigação de indenizar é a da pessoa jurídica a que pertence o agente. não importando se age em nome de uma pessoa de direito público ou de direito privado prestadora de serviços públicos (42).imprudente daquele que causa o dano. que será apenas reproduzido devido à sua efetivação ser dependente de lei.com.A lei disciplinará as formas de participação do usuário na administração pública direta e indireta. X (respeito à privacidade) e XXXIII (direito de receber dos órgãos públicos informações de seu interesse ou de interesse coletivo em geral) (Portais da transparência). Destarte. 37. externa e interna. não contra o agente causador do dano.

mas. Assim estabelece este dispositivo: Art. 37. Por isso a lei deverá exigir o estrito cumprimento dos resultados objeto do contrato que deverá sempre ser mais eficácia na prestação do serviço correlato. emprego ou função pública poderá fazer representação contra o funcionário. que tenha por objeto a fixação de metas de desempenho para o órgão ou entidade. III – a remuneração do pessoal.didatikaconcursos. a lei regulamentará a forma de exercer esse direito. § 8. ainda não está regulamentado por lei e só vigirá depois da lei que o regulamentará. obrigações e responsabilidade dos dirigentes. cria-se aqui uma forma de contrato administrativo inusitado entre administradores de órgãos do poder público com o próprio poder público.br . 37. Desta maneira. orçamentária e financeira dos órgãos e entidades da administração direta e indireta poderá ser ampliada mediante contrato. em caso de exercício negligente ou abusivo de cargo.Você.º do art. da Constituição Federal. atenção.º. cabendo à lei dispor sobre: I – o prazo de duração do contrato. II – os controles e critérios de avaliação de desempenho. introduzido pela EC-19/98. a ser firmado entre seus administradores e o poder público. entendido poder da administração www. Princípio da Autonomia Gerencial O princípio da autonomia gerencial é regido pelo § 8. Quando ao contrato das entidades não há maiores problemas porque entidades são órgãos públicos ou parapúblicos (paraestatais) com personalidade jurídica de modo que têm a possibilidade de celebrar contratos e outros ajustes com o poder público. A Autonomia gerencial.com. direitos. mas o objetivo é o seguinte: Dar aos administradores de órgãos públicos permissão especial para celebrar com o poder público contrato que amplie sua autonomia gerencial e financeira com vistas a melhorar seu desempenho que eventualmente possa estar sendo subaproveitado por conta de amarras legais. Também depende ainda de regulamentação de lei ainda não promulgada.

Vejamos. www. Mas.didatikaconcursos. celebrar contrato com o poder público. Inegável.br . que sempre que constate que um ato administrativo foi expedido em desconformidade com a lei. que sempre tenha dever decorrente e implícito dessa realidade jurídica o cumprimento das finalidades legalmente estabelecidas para sua conduta. A lei poderá outorgar aos administradores de tais órgãos uma competência especial que lhes permita celebrar o contrato. Como bem observa MELLO: "Esse princípio impõe que o administrador. os demais órgãos não dispõem de personalidade jurídica para que seus administradores possam. se encontra estabelecido em lei. ao manejar as competências postas a seu encargo. expressa ou tacitamente. SILVA discorre a respeito: "Tudo isso vai ter que ser definido pela lei referida no texto. Natural. que talvez não passe de uma espécie de acordo-programa. Princípio da Supremacia do Interesse Público Sobre o Privado e Princípio da Autotutela A Administração Pública na prática de seus atos deve sempre respeitar a lei e zelar para que o interesse público seja alcançado.com. assim. tenham os agentes públicos a prerrogativa administrativa de revê-los. existem outros implicitamente agregados ao regramento constitucional da Administração Pública. Disto deduz-se o denominado princípio da finalidade.centralizada. PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS IMPLÍCITOS Além dos quatro citados princípios explicitamente abrigados pelo texto constitucional. portanto. Consoante. Princípio da Finalidade Foi visto no exame do princípio da legalidade que a Administração Pública só pode agir de acordo e em consonância com aquilo que. em seu nome. como uma natural decorrência do próprio princípio da legalidade. ou que se encontra em rota de colisão com os interesses públicos. Isto é. no qual se inserem. atue com rigorosa obediência à finalidade de cada qual. Veremos como o legislador ordinário vai imaginar isso".

sustenta MELLO: "Enuncia-se com este princípio que a administração.extrai-se o princípio da razoabilidade: Em boa definição. fundamentados nas concepções sociais dominantes. sensatos e coerentes. ou seja. Dessa noção indiscutível. é o princípio que determina à Administração Pública. Enfim. Princípio da Razoabilidade E Da Proporcionalidade Na medida em que o administrador público deva estrita obediência à lei (princípio da legalidade) e tem como dever absoluto a busca da satisfação dos interesses públicos (princípio da finalidade).didatikaconcursos. descabidas. com base em parâmetros objetivamente racionais de atuação e sensatez. é de se supor que a lei tenha a coerência e a racionalidade de condutas como instrumentos próprios para a obtenção de seus objetivos maiores.br . Ao revés. Perfilhando este entendimento. em sintonia com o senso normal de pessoas equilibradas e respeitosas das finalidades que presidam a outorga da competência exercida". o princípio da finalidade é aquele que imprime à autoridade administrativa o dever de praticar o ato administrativo com vistas à realização da finalidade perseguida pela lei. www. no exercício de faculdades. ao atuar no exercício de discrição. o dever de atuar em plena conformidade com critérios racionais. Deveras. que é o interesse público. não se pode supor que o desejo do legislador seria o de alcançar a satisfação do interesse público pela imposição de condutas bizarras. ao regular o agir da Administração Pública. terá de obedecer a critérios aceitáveis do ponto de vista racional. despropositadas ou incongruentes dentro dos padrões dominantes na sociedade e no momento histórico em que a atividade normativa se consuma.com.cumpre-lhe cingir-se não apenas à finalidade própria de todas as leis. mas também à finalidade específica obrigada na lei a que esteja dando execução". há que se pressupor que a prática de atos administrativos discricionários se processe dentro de padrões estritos de razoabilidade.

didatikaconcursos. porém. como forma de perda da exigibilidade de direito.br . portanto. § 5. Assim é especialmente em relação aos ilícitos administrativos. quer quanto às pretensões de interessados em face da Administração. é um princípio geral do direito. a sua inércia gera a perda do seu ius persequendi. de que diante do exercício das atividades estatais. Com efeito. o art.A probidade na administração pública. o direito da Administração ao ressarcimento.º dispõe sobre este princípio: "A lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos praticados por qualquer agente. Logo. deve ser colocada. não é de se estranhar que ocorram prescrições administrativas sob vários aspectos. que a lei estabelece uma ressalva ao princípio. Desta maneira. havendo a possibilidade de ação discricionária entre diferentes alternativas administrativas. pela inércia de seu titular. Nota-se. Pessoas alcançadas pela Lei da Improbidade Administrativa. 5. ressalvadas as respectivas ações de ressarcimento". a opção por aquela que venha a trazer conseqüências mais onerosas aos administrados é algo inteiramente irrazoável e descabido. que causem prejuízos ao erário. Nem tudo prescreverá. 37. Probidade = honestidade Improbidade = desonestidade www. à indenização. quer tanto às desta em face de administrados. do prejuízo causado ao erário. servidor ou não. dentro do campo desse princípio. não. Se a Administração não toma providência à sua apuração e à responsabilização do agente.A nosso ver. Apenas a apuração e punição do ilícito. o "cidadão tem o direito à menor desvantagem possível".com. Princípio da Prescritibilidade Dos Ilícitos Administrativos A prescritibilidade.

da Lei n° 8. desvio. esta é a expressão mais genérica capaz de designar os sujeitos que servem ao Poder Público. apropriação. Esta afirmação se comprova com a leitura do art. Segundo Celso Antônio. pode constituir ato de improbidade administrativa.O agente ativo da improbidade Sabe-se que agente público é toda pessoa física que presta serviço ao Estado ou às pessoas jurídicas da administração indireta. o segundo.com. no entanto. quando aborda a improbidade por violação de princípios.A improbidade administrativa nem sempre estará associada a uma conduta desonesta. www. As Pessoas alcançadas pela Lei da Improbidade Administrativa . Com efeito. é um agente público”. 10. os servidores estatais. dolosa ou culposa.429/92. refere-se à natureza estatal da atividade desempenhada. São dois os requisitos considerados para caracterização do agente público. por exemplo. "quem quer que desempenhe funções estatais. 10. ainda quando o façam apenas ocasionalmente. seria a investidura na atividade. segundo o qual "constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário qualquer ação ou omissão. enquanto as exercita. Também o art. Quando o agente público causa prejuízo ao erário na modalidade culposa. ou seja. permite a caracterização de ato de improbidade sem o elemento desonestidade. O primeiro. seriam agentes públicos: os agentes políticos. Assim. de ordem subjetiva. a violação do princípio da impessoalidade e razoabilidade.br . ter-se-á o ato de improbidade administrativa enquadrado no art. De acordo com o referido autor. 11 da lei. sem necessidade da comprovação da má-fé do agente público. certamente não estaremos diante de uma atuação desonesta. 1° desta lei".didatikaconcursos. de ordem objetiva. em decorrência de conduta negligente ou imprudente. que enseje perda patrimonial. malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres das entidades referidas no art.

segundo o art. inclusive os que. Com efeito. pública ou privada.429/92 abrangeu toda pessoa que se envolva com a Administração Pública. nomeação. assuma obrigações de natureza pecuniária. com essa abrangência. estão sujeitos às sanções previstas na Lei de Improbidade. resultando que qualquer pessoa física. cargo.br . jurídica. designação. ainda que transitoriamente e sem remuneração. guarde. emprego. agente público é: todo aquele que exerce. superando a visão dilatada do conceito de funcionário público contido no artigo 327 do Código Penal. Estados e Municípios responda. ou que. Observa-se que a lei procurou definir o sujeito ativo em razão do sujeito passivo. beneficiem-se da ação ímproba. bens. a Lei de Improbidade deve ser interpretada em harmonia com o art. dela não fazendo parte. a Lei nº 8. mandato. Dos Atos de Improbidade Administrativa que Causam Prejuízo ao Erário www. estarão alcançadas pelo império da Lei de Improbidade. O conceito de sujeito ativo da improbidade foi expresso da forma mais ampla possível. 70 da Constituição Federal.abrangendo servidores públicos e servidores das pessoas governamentais de Direito Privado. Acertadamente. Intentou-se. 2º da Lei de Improbidade. que utilize. e valores públicos ou pelos quais a União. afastar todo tipo de conduta ímproba que possa refletir no âmbito da Administração Pública.didatikaconcursos.com. contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo. todos aqueles que possuem vínculo com a Administração Pública. Segundo Antônio José de Mattos Neto. e os particulares em colaboração com o poder público. gerencie ou administre dinheiros. Deste modo. por eleição. arrecade.429/92. ou função nas entidades mencionadas no artigo 1º e parágrafo único da Lei nº 8. em nome desta.

fraude. 1. Corrupção – Suborno. astúcia.br . Responsabilidade por ação ou por omissão prejudicial.º desta lei.Conduta negligente ou imprudente. de pessoa física ou jurídica. de que resulta lesão do direito alheio. Vontade conscientemente dirigida ao fim de obter um resultado criminoso ou de assumir o risco de produzi-lo. dolosa ou culposa. – Constitui ato de improbidade administrativa que causa lesão ao erário qualquer ação ou omissão. desonestidade I – facilitar ou concorrer por qualquer forma para a incorporação ao patrimônio particular.Qualquer ato consciente com que alguém induz. mantém ou confirma outrem em erro. Improbidade . Ato doloso . ou a um princípio ético. Falta voluntária a uma obrigação. verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. malbaratamento ou dilapidação dos bens ou haveres das entidades referidas no art.º desta lei. logro. maquinação. reprovável ou criminosa: Violação ou inobservância duma regra de conduta. Ato culposo .Que envolve ou se origina em omissão. mas da qual proveio dano ou ofensa a outrem. tesouro Art.didatikaconcursos.Que é o resultado de uma ação. 10.Falta de probidade mau caráter. de bens. má-fé. apropriação. Ato comissivo . desvio.Erário = fazenda. 1.com. www. que enseje perda patrimonial. e notadamente: Malbaratamento – mau uso Ato omissivo . sem propósito de lesar. rendas.

verbas ou valores integrantes do acervo patrimonial das entidades mencionadas no art. 1. IV – permitir ou facilitar a alienação. www.br . ou ainda a prestação de serviço por parte delas.didatikaconcursos. VI – realizar operação financeira sem observância das normas legais e regulamentares ou aceitar garantia insuficiente ou inidônea. III – doar à pessoa física ou jurídica bem como ao ente despersonalizado. verbas ou valores do patrimônio de qualquer das entidades mencionadas no art.º desta lei. rendas.º desta lei. VII – conceder benefício administrativo ou fiscal sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie. X – agir negligentemente na arrecadação de tributo ou renda. ainda que de fins educativos ou assistências. V – permitir ou facilitar a aquisição permuta ou locação de bem ou serviço por preço superior ao de mercado. permuta ou locação de bem integrante do patrimônio de qualquer das entidades referidas no art. 1. bens. bem como no que diz respeito à conservação do patrimônio público. sem a observância das formalidades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie.II – permitir ou concorrer para que pessoa física ou jurídica privada utilize bens. rendas. deixar arma de fogo ao alcance de uma criança. Ex.com. Negligência – É a ausência de precaução ou indiferença em realização ao ato realizado. sem observância das formalidades legais e regulamentares aplicáveis à espécie. IX – ordenar ou permitir a realização de despesas não autorizadas em lei ou regulamento. 1. VIII – frustrar a licitude de processo licitatório ou dispensá-lo indevidamente. por preço inferior ao de mercado.º desta lei.

equipamentos ou material de qualquer natureza. dirigir na cidade em alta velocidade. juiz ou tribunal para apreciar e julgar certos pleitos ou questões.com. O administrador público só pode fazer aquilo que a lei determina. 11 – Constitui ato de improbidade administrativa que atenta contra os princípios da administração pública qualquer ação ou omissão que viole os deveres de honestidade. Imperícia – É a falta de aptidão para o exercício de arte ou profissão.br . XIII – permitir que se utilize. 2. facilitar ou concorrer para que terceiro se enriqueça ilicitamente. em obra ou serviço particular.Imprudência – É a prática de um fato perigoso. na regra de competência. Ex. e lealdade às instituições. par. XII – permitir. veículos. CF) – Só a lei pode exigir um comportamento ou proibir uma conduta ao cidadão.didatikaconcursos. Dos Atos de Improbidade Administrativa que Atentam Contra os Princípios da Administração Pública Art. de propriedade ou à disposição de qualquer das entidades mencionadas no art. empregados ou terceiros contratados por essas entidades. legalidade. imparcialidade. www.º desta lei. e notadamente: I – praticar ato visando fim proibido em lei ou regulamento ou diverso daquele previsto. Princípio da legalidade – (art. máquinas. Competência . bem como o trabalho de servidor público. XI – liberar verba pública sem a estrita observância das normas pertinentes ou influir de qualquer forma para a sua aplicação irregular. a lei é o ato normativo que produz esses efeitos. 5º. 1.Faculdade concedida por lei a um funcionário.

Transparência dos atos públicos é inerente ao estado de direito.(art. moralidade. Principio da Isonomia – todos são iguais perante a lei II – retardar ou deixar de praticar. ato de ofício. probidade. boa-fé etc. 47 Restrições a acesso a informações privilegiadas ( quarentena) IV – negar publicidade aos atos oficiais. www. III – revelar fato ou circunstância de que tem ciência em razão das atribuições e que deva permanecer em segredo.Impessoalidade ( art.Impõe à administração pública a obrigação de satisfazer o interesse público. Princípio da Publicidade . V – frustrar a licitude de concurso público.37. 37 .com.br . Princípio da moralidade VI – deixar de prestar contas quando esteja obrigado a fazê-lo.didatikaconcursos. caput CF) A impessoalidade não se refere aos administrados. mas à própria administração. § 7º L. indevidamente. Princípio da Moralidade . Princípio da Eficiência . caput CF) Impõe a adoção de um comportamento ético pelo Administrador público.Impõe a ampla divulgação dos atos praticados pela administração pública ressalvada a hipótese de sigilo.

ressarcimento integral do dano. II – na hipótese do art.º. www. 47 Restrições a acesso a informações privilegiadas ( quarentena) Das Penas Art. pelo prazo de dez anos. antes da respectiva divulgação oficial. direta ou indiretamente. bem ou serviço. ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário. III – na hipótese do art. suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos. perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio. perda da função pública. se houver. 9. civis e administrativas. 10. perda da função pública. perda da função pública. teor de medida política ou econômica capaz de afetar o preço de mercadoria. se concorrer esta circunstância.br . suspensão dos direitos políticos de oito a dez anos. suspensão dos direitos políticos de cinco a oito anos. § 7º L. está o responsável pelo ato de improbidade sujeito às seguintes cominações: I – na hipótese do art.didatikaconcursos. pelo prazo de cinco anos. pagamento de multa civil de até três vezes o valor do acréscimo patrimonial e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios. direta ou indiretamente. quando houver. ressarcimento integral do dano. perda dos bens ou valores acrescidos ilicitamente ao patrimônio. ressarcimento integral do dano. previstas na legislação específica.Princípio da publicidade VII – revelar ou permitir que chegue ao conhecimento de terceiro. 11. ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário. pagamento de multa civil de até duas vezes o valor do dano e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios. 12 – Independentemente das sanções penais.com.

116 e 117) sobre os deveres e as proibições dos servidores públicos e bem assim as correspondentes penalidades (arts.A responsabilidade do servidor público. o mais importante instrumento regulador das atividades do servidor público. através de processo administrativo. estabelece a Lei nº 8112/90. no âmbito da administração federal.com. seja constatada a prática de qualquer transgressão funcional. dos deveres e proibições do servidor. Parágrafo único. durante toda a sua trajetória funcional. direta ou indiretamente.pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelo agente e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios. Dispõe o mesmo diploma legal (arts.12. pelo prazo de três anos. 6 . dentre tantas questões. no Capítulo DAS RESPONSABILIDADES que: ”O servidor responde civil. continua sendo. Ao dispor sobre o Regime Disciplinar.br . ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário. de 11.90. estabelecendo.didatikaconcursos. nos casos em que. penal e administrativamente pelo exercício irregular de suas atribuições. sem prejuízo de outras de natureza civil ou criminal. www. quando caracterizado o exercício irregular das atribuições que lhe são cometidas. Lei nº 8112. Na fixação das penas previstas nesta lei o juiz levará em conta a extensão do dano causado. regras e procedimentos próprios para a aplicação de penalidades administrativas. 127 e seguintes) de natureza administrativa a que estão sujeitos. (Art. assim como o proveito patrimonial obtido pelo agente. Cuida esse diploma legal. 121).

ao final. tudo fazendo para que a imagem e o patrimônio da instituição não sejam agredidos pela ação nefasta daqueles que. deve ele ser exemplarmente punido. agem movidos por interesses menos escrupulosos. ao princípio do contraditório. onde desponta a própria Constituição Federal. nada mais caberá a essas mesmas autoridades senão acatá-lo. assegurando-se. www. se os responsáveis pela condução de inquéritos ou sindicâncias assim também procedem.didatikaconcursos. em hipótese alguma. isto é.br .com. pelo superior hierárquico.A esse respeito. Desde já deixamos esclarecido que tais atos exigem fiel observância da lei para sua prática e impõem a Administração o dever de motivá-los. que não estejam legalmente previstas. desde que a sindicância ou o inquérito que venha a ser instaurado obedeça. de demonstrar sua conformidade com os dispositivos em que se baseiam. excessos de qualquer natureza. isto é. A falta funcional gera o ilícito administrativo e dá ensejo à aplicação da pena disciplinar. no exercício de seus cargos ou funções. tanto por culpa como por dolo. caso em que. em sua festejada obra Direito Administrativo Brasileiro. nos ensina que a Responsabilidade administrativa é a que resulta da violação de normas internas da Administração pelo servidor sujeito ao estatuto e disposições complementares estabelecidas em lei. nada a objetar. o mais amplo direito de defesa ao servidor acusado. oferecendo. se efetivamente comprovada a falta cometida. como manda o nosso ordenamento jurídico. punindo ou inocentando os acusados. não cometendo. no devido processo legal. demonstram elas que estão atentas. um Relatório circunstanciado e consistente em relação aos fatos averiguados. 24ª edição (Malheiros Editores). Se a autoridade procede conforme a lei. decreto ou qualquer outro provimento regulamentar da função pública. Hely Lopes Meirelles. para isso. Ao fazê-lo. O que a Administração não pode é aplicar punições arbitrárias.

mas pode não ficar sujeito à responsabilização penal. A diferença entre os dois ilícitos é subjetiva: varia segundo a conduta do agente. não há como confundi-la com o dolo. nenhuma dúvida subsiste quanto à sua correta aplicação. analisando sua repercussão danosa para o Poder Público. negligência ou imperícia. cometerá um crime doloso. www. Um exemplo distinguirá bem as duas situações: Se um motorista propositadamente atropelar um transeunte. A culpa é menos que o dolo.com. deliberadamente. apontando os dispositivos legais ou regulamentares violados e a cominação prevista. a autoridade administrativa competente para sua aplicação deve justificar a punição imposta. Se a culpa se caracteriza por ação ou omissão lesiva. terá cometido um crime culposo. como civil ou criminal. ficará sujeito à responsabilização civil e administrativa. alinhando os atos irregulares praticados pelo servidor. cujo agente assumiu. demonstre a legalidade da punição. se o mesmo motorista atropelar um mesmo transeunte sem o querer. Assim. Assim conceituados o dolo e a culpa. mas com imprudência. o dolo ocorre quando o agente deseja a ação ou omissão lesiva ou assume o risco de produzi-la. se não cometeu nenhum ilícito criminal. ao punir seu servidor. imperícia ou imprudência na sua conduta. como os ilícitos administrativo e civil são menos que o ilícito penal. desejando matar ou ferir. Aplicação das penalidades Culpa e dolo são conceitos diversos. negligência ou imperícia do agente. se o servidor causar prejuízo à Administração. O necessário é que a Administração Pública.Na motivação da penalidade. resultante de imprudência. resultante de imprudência.br .didatikaconcursos. A culpa verificase na ação ou omissão lesiva. tanto no âmbito administrativo. imperícia ou negligência. por negligência.

por isso a cumpriu. em determinadas circunstâncias. a priori.Princípios de Ética e Cidadania NOÇÕES DE ÉTICA Desde os primórdios da história podemos observar constantes modificações. até mesmo atos supostamente faltosos podem não representar um deslize funcional. susceptível de penalização. bem o sabemos. ainda assim não pode. inversamente. se efetivamente agiu ele (ou deixou de agir) com manifesto dolo ou culpa. algumas vezes evolutivas outras não. por isso não a cumpriu e. será o servidor inocentado.os riscos decorrentes de sua ação ou omissão. no máximo. Aliás. deduz-se que não infringe o preceito quando a ordem era manifestamente ilegal. de acordo com o art. tomando-se o mesmo exemplo.com. Daí concluir-se que. compete à Administração. Do contrário. determinar a responsabilização de seu autor. tanto que o dispositivo antes referido admite essa possibilidade. IV. A dinâmica das modificações se torna cada vez mais rápida e intensa www. exceto quando manifestamente ilegais.didatikaconcursos. se apenas culposo.br . sujeito a uma sanção de menor repercussão para sua vida funcional. da Lei nº 8112/90.. quando a ordem não era manifestamente ilegal. Exemplifique-se apenas para argumentar: se. se o ato supostamente irregular não se enquadrar em nenhuma dessas hipóteses ou. a culpa ser atribuída à própria vítima ou a outro fator imponderável ou imprevisível. mas o que se mostra claro é que nada é estático. desde que não provenientes de dolo ou culpa. uma vez comprovada a ocorrência do ato faltoso. É o caso de. muito embora improvável que a autoridade julgadora acolha tal argumento para excluir o autor de qualquer responsabilidade funcional. ser descartado. 116. Assim. é dever do servidor cumprir as ordens superiores. 7 .

moral é cultural.br . Ética é a pratica. sua vida. moral é temporária. Dentro desse diapasão a sociedade hoje exige das empresas um comportamento ético diante dos clientes e da própria sociedade sob pena da perda da imagem institucional da empresa que não cultivar e exigir de seus funcionários esses valores. moral são aspectos de condutas especificas. conseqüentemente. Ética . moral é a Teoria. Diferença entre ética e moral: Ética é o principio. em todas as esferas de suas atividades.e as organizações. A moral é o conjunto de regras concretas. deveres e modo de proceder dos homens para com os outros homens. pois. tratam dos costumes. segundo a justiça e a equidade natural. Ética profissional consiste. seus bons resultados.com.como ciência normativa. Ética empresarial pode ser entendida como um valor da organização que assegura sua sobrevivência. estipulando os deveres que devem ser seguidos no desempenho de uma atividade profissional.disciplina o comportamento do homem consigo mesmo. também denominada filosofia moral. portanto na persistente aspiração de amoldar sua conduta. aos princípios básicos dos valores culturais de sua missão e seus fins. são princípios da conduta humana." www. Para Moreira. diretrizes no exercício de uma profissão. reflete criticamente o que a moral estabelece. sua reputação e.didatikaconcursos. Vamos a alguns conceitos: Moral . Ética é universal. A Ética é a “vida moral pensada”. Ética é temporal.quando ela age de conformidade com os princípios morais e as regras do bem proceder aceitas pela coletividade (regras éticas). por conseqüência tem que responder cada vez de forma mais ágil e eficaz. a ética empresarial é "o comportamento da empresa entidade lucrativa .

ela só tende a crescer. enganando seus clientes. como aqueles que a compõem. os fornecedores. Desse modo. ou não. Assim. não é uma boa idéia para a empresa que almeja desenvolver-se e crescer perante à concorrência. o governo. recuperar a imagem da empresa não vai ser fácil como da primeira vez.com.A ética profissional e conseqüentemente das organizações é considerada um fator importantíssimo para a sobrevivência delas. tendo como retorno o resultado dos serviços prestados. desde a sua estrutura em si. pode-se deduzir que a obtenção do lucro é um dos fatores advindos as satisfação dos clientes.didatikaconcursos. A ética do lucro O lucro é a parte sensível de uma organização. Se a empresa agir dentro dos padrões éticos. por isso exige cuidado no momento do planejamento para a obtenção do mesmo. bem como os clientes. Além disso. para que o “público” tenha uma melhor imagem do seu “slogan”. um crescimento da relação entre funcionários e clientes.. os funcionários. é relevante ter consciência de que toda a sociedade vai se beneficiar através da ética aplicada dentro da empresa. de início ela pode ter um lucro em curto prazo. A organizações estão percebendo a necessidade de utilizar a ética. pois o lucro é objetivo dos negócios. Observações importantes Quando a empresa tira vantagem de clientes. abusando do uso dos anúncios publicitários. forçando o cliente a consumir produtos da concorrência. mas a confiança será perdida. www. que as empresas desenvolvem para cumprir sua meta. tanto das pequenas quanto das grandes empresas. A ética na empresa visa garantir que os funcionários saibam lidar com determinadas situações e que a convivência no ambiente de trabalho seja agradável. os sócios. Isto significa que ser antiético. por exemplo.br .. que permitirá.

facilitando a compreensão dos seus funcionários. Código de ética É um instrumento criado para orientar o desempenho de empresas em suas ações e na interação com seu diversificado público. clientes e outras pessoas envolvidas.Associação Brasileira de Restaurantes. Empresas que criaram seu próprio código de ética Petrobras Abrasel . amor-próprio. www. coragem. Lanchonetes e Afins CASSI .é alguma coisa que é praticada e aprendida.didatikaconcursos. Para a concretização deste relacionamento. especificando sua estrutura organizacional.Valores éticos São um conjunto de ações éticas que auxiliam gerentes e funcionários a tomar decisões de acordo com os princípios da organização.com. pois são elas que transformam os objetivos. amizade etc. Por isso é importante o comprometimento do indivíduo com o código de ética. de Saneamento Básico do Estado de São Paulo CEF . projetos e até mesmo a ética em realidade. a atuação dos seus profissionais e colaboradores poderia orientar-se através do mesmo. metas. O sucesso da empresa depende das pessoas que a compõe. Bares. os valores éticos tendem a especificar a maneira como a empresa administrará os negócios e consolidar relações com fornecedores.Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil. Quando bem implementado. SABESP . compaixão. é necessário que a empresa desenvolva o conteúdo do seu código de ética com clareza e objetividade. Ex: caráter.Cia.br .Caixa Econômica Federal Virtude . Se cada empresa elaborasse seu próprio código.

e principalmente.br . são premissas a serem respeitadas para se definir a Missão. Visão e Política da Empresa. são definições de metas de longo prazo.GESTÃO ÉTICA NAS EMPRESAS Nos dias de hoje não ter Qualidade nos produtos/ serviços é uma certeza de queda de vendas e de um futuro negro nas empresas. Assim. Visão e Valores e depois disseminá-los a todos da organização. ou seja. garantindo assim sua sobrevivência sem perder de vista o componente fundamental da ética e dos outros valores expostos como regras a serem seguidas não só internamente nas corporações mas. recursos. e. Também podem ser chamadas de metas audaciosas. Diante desse fator. côo já vimos o componente ético é um dos fatores mais relevantes levados em conta pelo público consumidor. quebrar os paradigmas e reestruturar as suas estruturas para torná-las mais competitivas. Algumas www. MISSÃO devem ser propostas dentro das mais convenientes maneiras dos pontos de vistas de custo.didatikaconcursos. etc. são estratégias definidas para se atingir as metas de longo prazo. hardware e principalmente em humanware. Empresas que estão no mercado há bastante tempo.com. ou seja. tempo. VISÃO expressa o sonho da alta administração de como ela deseja que sua empresa esteja dentro de 5 a 10 anos. VALORES são definidos em cima da ética e respeito. as organizações começaram a perceber que se faz necessário uma completa modificação em software. no relacionamento com a sociedade . sentiram a necessidade de rever os conceitos. os primeiros passos dados para implantar um Sistema de Gestão da ética nas empresas é definir claramente os seguintes conceitos: Missão.

A Visão perde seu significado no momento em que é atingida.visões de grande empresas definidas a muitos anos atrás e que na época eram realmente sonho. medir resultados. POLÍTICA é o somatório da Missão. MODELO DE GESTÃO a sua utilização deve estar embasada nos conceitos acima. www. dando lugar a um novo sonho. Valores e Visão. são consideradas como planejamento a médio prazo.Eficácia .didatikaconcursos.com. podendo ter como elementos norteadores o QCAMS ( Qualidade. O PADRÃO ÉTICO NO SERVIÇO PÚBLICO Os princípios da administração pública: Legalidade.Efetividade .excelência dos meios utilizados para a consecução dos objetivos. foco no processo. Impessoalidade. controle do processo – Fazer mais com menos .br . Moral e Segurança). que é a Visão do futuro.foco no resultado. Publicidade e Eficiência -Eficiência . indicadores – Fazer a coisa certa . mesmo quando se está dentro de uma organização e efetua-se a implantação um Filiais/Unidades diferentes . devem ter seus objetivos claramente definidos. Custo.Meios e fins . as adequações são necessárias.Conjugação desses dois fatores para benefício da sociedade As regras: Códigos de Conduta e as legislações Promover a ética promover o conhecimento e a observância do padrão. Atendimento. Moralidade. não existe modelo perfeito.

patrimônio e interesses privados _ Evitar situações que possam configurar conflito de interesse _ Observar quarentena (SE HOUVER EXIGÊNCIA LEGAL) para atividade incompatível com o cargo exercido _ Informar propostas do setor privado ou de negócio futuro no setor privado www. Os ideais e valores devem ser aqueles fundamentais para o serviço público: * caráter público * a relação com o público * a confiança depositada pela sociedade COMISSÃO DE ÉTICA PÚBLICA .ATRIBUIÇÕES: Revisar normas sobre conduta ética _ Elaborar código de conduta da alta administração _ Subsidiar o DIRIGENTE na tomada de decisão sobre atos de autoridades _ Receber denúncias sobre atos de autoridades e proceder a apuração _ Dirimir dúvidas a respeito do código de conduta _ Dar ampla divulgação do código de conduta Normas e Organizações PRINCIPAIS OBRIGAÇÕES DAS AUTORIDADES: _ Apresentar informações sobre renda.didatikaconcursos.br .com.Gerir a ética criar as condições institucionais adequadas para a efetiva implantação desse padrão.

é bastante salutar que as organizações assumam o seu papel www.didatikaconcursos.00.br . canetas de 3 tipos e valise para viagens.O que caracteriza um brinde cuja aceitação é permitida? R: Brinde é lembrança distribuída a título de cortesia. práticas e indicadores que possam efetivamente definir uma empresa como empresa cidadã. deverá ser doado ou devolvido. que são conceitos.com. 3.00 e não tenha recebido outro brinde nos 12 meses anteriores. recebe coletâneade material de promoção de empresa. saúde. desemprego. dos sérios problemas que vivemos em termos de educação. violência e de ações que destroem o nosso ecossistema. 4. 2. com logotipo:agenda.00? R: Este será tratado como presente.relógio. em razão de amizade ou parentesco. divulgação habitual ou por ocasião de eventos ou datas comemorativas de caráter histórico ou cultural. ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL É crescente o movimento pela ética e responsabilidade social das empresas e órgãos públicos.Perguntas freqüentes: 1.Qual o tratamento que deve ser dispensado a convites para participação em eventos de confraternização social ou de lazer? R: Não há vedação em participação de eventos de confraternização social.Por ocasião das festas de final de ano. Em caso de dúvidapoderá ser avaliado junto ao comércio. Pode aceitar? R: Não caso o conjunto supere R$ 100. sim caso seja inferior a R$100. O importante é que a participação ou evento não sejam financiados por entidade com interesse em decisão de sua alçada.O que fazer com brinde superior a R$ 100. Diante do quadro de pobreza. propaganda.

possibilitando que os servidores efetivos sintam-se motivados. E que através deste movimento e do exemplo dos seus líderes contribuam para resgatar a ética no relacionamento humano e nos negócios. na participação nos resultados. seus colaboradores e acionistas. clientes e fornecedores e a comunidade onde está inserida. nos profissionais que prezam a ética em seus negócios e relações de trabalho e. Por isso hoje um dos requisitos básicos para qualquer função nas empresas e também no serviço público de hoje é o espírito de solidariedade. Surge uma nova consciência nos dirigentes de empresas e do setor público. Essa tendência começa a se concretizar em fatos.Atendimento no Serviço Público O princípio norteador de um bom atendimento ao Cidadão é garantir que este seja impessoal. A empresa cidadã e os órgãos públicos contratam cidadãos: profissionais que têm consciência da sua missão de contribuir com os resultados da organização e fazer deste mundo um mundo melhor. treinados www. na reflexão e na elaboração de um código de ética. cortês.br . sobretudo.didatikaconcursos. Vários órgãos do Estado já estabelecem padrões de atendimento ao cidadão e ainda alguns possuem por orientação do Programa Gespública a sua Carta de Serviços ao Cidadão.com. 8. na gestão participativa etc. Assim construir a cidadania nas organizações passou a ser uma obrigação e o investimento no desenvolvimento desses valores. é hoje uma realidade.social e contribuam eficazmente para o desenvolvimento sustentável e melhoria da qualidade de vida no planeta. na implantação voluntária do balanço social como resultado de ações solidárias. A Escola de Governo tem investido constantemente em qualificação. sereno e sempre com muita disposição do servidor em acolher e atender com alegria e agilidade. nos cidadãos que querem consumir com a certeza de que estão contribuindo com uma boa causa e nesse caminho todos ganham a empresa.

Esta redução decorre da maior produtividade do pessoal e dos ganhos em escala obtidos com a modernização da máquina pública. Recursos humanos: funcionários motivados para atender bem. em termos de qualidade e rapidez. naturalmente.didatikaconcursos. Rotina: Ainda deve-se também observar a rotina de produção de serviços: revisão e melhoria contínuas. com trabalho. Do ponto de vista do Estado. dedicação e respeito a todos aqueles que pagam impostos. sempre que possível.adequadamente e assim contribuindo com um atendimento eficiente na sua realização e eficaz no seu resultado. O sucesso da implantação e do funcionamento da Gestão do Atendimento ao Cidadão nos órgãos públicos do Estado. da qualificação e da valorização dos funcionários. substituídos por outros mais eficazes. Ela deve possibilitar a rápida comunicação entre os diferentes setores da unidade e as suas bases de dados.br . pois muitos procedimentos e normas usualmente adotados pelas organizações integrantes da unidade devem ser revistos e. Os órgãos públicos precisam possuir um ambiente adequado e acolhedor. pois a melhoria dos serviços públicos prestados à população. Tenho dito em nossos trabalhos de qualificação aos servidores públicos que A imagem negativa que ainda recai sobre o serviço público e o servidor só será mudada pela ação do próprio servidor. É importante ressaltar que o desempenho destes servidores está contribuindo para que o servidor público seja reconhecido e mais respeitado. www. em grande parte. condicionado à observação das seguintes características: Acesso: Todo cidadão deve ter facilidade de acesso ao órgão.com. Tecnologia: A Tecnologia deve ser uma ferramenta de apoio e a grande aliada para imprimir agilidade aos processos. levando à otimização do uso dos recursos. redução dos custos. em grande parte. o aumento da eficiência na prestação de serviços significa. Prefeituras e Câmaras Municipais está. depende.

A avaliação periódica dos níveis de satisfação dos usuários da unidade é fator crítico para o sucesso de um empreendimento dessa natureza. profissional.br . falta de atenção. Felizmente. O Estado hoje atende muito melhor aos usuários de seus serviços. Baixa motivação. como campanhas na mídia e distribuição de folhetos. mas num futuro breve este atendimento será melhor ainda. emocional. intelectual. A utilização de instrumentos de divulgação.Divulgação: o cidadão deve ser muito bem informado sobre a existência e características dos serviços oferecidos pelas órgãos públicos.didatikaconcursos. é necessária para que este novo modo de atendimento seja de conhecimento do grande público.Saúde e Qualidade de Vida no Trabalho Vivemos numa sociedade em mudanças e num momento excitante para as organizações. envolvendo dimensões física. os órgãos públicos devem ser gerenciados de forma empreendedora: inovando. Práticas inadequadas no ambiente de trabalho geram impacto negativo na saúde física e emocional dos empregados e na saúde financeira das empresas. vivemos e trabalhamos numa sociedade do futuro.com. Segundo Domenico de Masi. avaliando por meio de indicadores que meçam o desempenho e quantifiquem os resultados. 9. espiritual e social. O êxito da opção por esta forma diferenciada de prestação de serviços públicos reside na procura contínua de padrões de excelência de atendimento. para algumas empresas inovadoras e www. A sociedade percebe que a Qualidade de Vida e a Saúde são ativos importantes. Informação: uma estratégia que ajuda evitar filas e a economizar tempo E por fim a Avaliação: a avaliação contínua possibilita a melhorar continua. É a filosofia da melhoria constante sendo colocada em prática. Para atingir este objetivo. Isto será sentido pelo cidadão. diminuição de produtividade e alta rotatividade criam uma energia negativa que repercute na família. na sociedade e no sistema médico. mas continuamos a usar os instrumentos do passado.

tendo plena convicção estratégica de que quanto mais eliciar satisfação.br . comportamento e envolvimento. combinando ações e campanhas para consciência. Qualidade de Vida no Trabalho O propósito de um programa de Qualidade de Vida ou Promoção de Saúde nas Organizações é encorajar e apoiar hábitos e estilos de vida que promovam saúde e bem estar entre todos os funcionários e famílias durante toda a sua vida profissional. competitiva e equilibrada. social e espiritual. padrões e preocupações.didatikaconcursos. Os programas de Saúde e QV objetivam facilitar mudanças no estilo de vida. Qualidade de Vida é um conjunto de percepções individuais de vida no contexto dos sistemas de cultura e de valores em que vivem. 1989). criando assim a visão de uma organização mais privilegiada. www. e em relação a suas metas. Definição: Segundo a Organização Mundial da Saúde. expectativas. emocional.com. As dez melhores empresas para se trabalhar (Guia Exame 2001) transformaram o ambiente de trabalho e a Saúde emocional e física em vantagem competitiva. mais retorno terão em produtividade. sendo esta compreendida como o balanço entre a saúde física. este cenário não faz parte de sua realidade atual. que suportem suas práticas de saúde e previna doenças. Objetivos: Programas de saúde é a ciência e a arte de ajudar pessoas a modificar seu estilo de vida em direção a um ótimo estado de saúde. (american journal.conscientes. mental.

adquirindo um ganho substancial na sua satisfação e crescimento. (Força de trabalho mais saudável) • Melhorar o CLIMA ORGANIZACIONAL (ambiente.br .Um programa de Qualidade de Vida existe para gerar estratégias com o intuito de promover um ambiente que estimule e dê suporte ao indivíduo e à empresa. relações e ações saudáveis) www. conscientizando sobre como sua saúde está diretamente relacionada à sua qualidade e produtividade.didatikaconcursos. Não é suficiente ter em mente mudar relevantemente o estado de saúde dos profissionais mas também encorajá-los a cuidarem e gerenciarem sua própria saúde. assim como no aumento de produção e redução de custos para a empresa Benefícios: Melhoria da produtividade Empregados mais alertas e motivados Melhoria da imagem corporativa Menos absenteísmo Melhoria das relações humanas e industriais Baixas taxas de enfermidade Melhoria da moral da força de trabalho Redução em letargia e fadiga Redução de turnover Missão Estratégica A missão estratégica de um programa de Qualidade de Vida canaliza seus esforços para alcançar os seguintes resultados: • Aumentar os níveis de SATISFAÇÃO E SAÚDE do colaborador/ consumidor/ comunidade.com.

se sentir mal no tempo e no espaço não é mais privilégio de nenhum astronauta.com. algo deve estar mal comigo. na qual se utiliza o máximo que possui. Afina de contas. Estas dimensões facilitam a consciência e o desenvolvimento da saúde integral. www. pois sabemos que na vida sempre estamos buscando uma inter-relação harmoniosa dos vários aspectos e dimensões do ser humano. Desde que o mundo exigiu novas e complexas interações em termos de excelência em relação à produtividade e a qualidade dos serviços prestados.• Afetar beneficamente no processo de FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO humano. Viver uma vida vibrante e feliz. Menor número de acidentes) • Melhorar a capacidade de DESEMPENHO das atividades do dia-a-dia. comprometendo de alguma forma nosso aprendizado e saúde. SOCIAL e ESPIRITUAL. em primeiro lugar. EMOCIONAL. assim como a possibilidade de se ter uma visão sistêmica e seu posterior equilíbrio e expansão. PROFISSIONAL. Assim seria sensato.br . (Maior produtividade) As dimensões da Saúde Integral e Qualidade de Vida Para efeitos didáticos. com enorme prazer é um objetivo de vida. O psiquiatra Carl Gustav Jung dizia que se as coisas vão mal no mundo. É o que dá qualidade à vida. agregando competências (capacidade e atributos) • Influenciar na diminuição da PRESSÃO NO TRABALHO e do DISTRESSE individual e organizacional (Menor absenteísmo/rotatividade. estamos tendo que constantemente se adaptar à todos estes estímulos. ficar bem. dividimos a Saúde em Seis Dimensões: FÍSICA. INTELECTUAL.didatikaconcursos.

eficácia e efetividade Principio com o uso de clichês sobejamente utilizados: a) eficiência = „fazer certo a “coisa”‟..10. Definições que emprestam um senso simplório aos conceitos. estaríamos „fazendo a “coisa” errada‟. estaremos provocando perdas de tempo e recursos (retrabalho. .Atendimento de qualidade – eficiência.de eficiência que balizam as ações nos mais variados processos onde se almeje uma eficiência aceitável. pois em se fazendo o contrário – fazer errado a “coisa”. a quebra da expectativa no que é esperado da habilidade com foco no desempenho e produtividade. Propulsor: habilidade. passo ao detalhamento das concepções: . b) eficácia = „fazer a “coisa” certa‟. um segundo clichê muito utilizado para definir eficiência é „fazer mais com menos„. „níveis‟.br ..no sentido de ação (evento) ou resultado de uma ação. sendo a contrapartida. “coisa” fora www. que apontam para a conformidade do produto ou serviço. a “coisa” que não deveria ter sido feira. mas muito prático em função da mneumonização pela utilização de igual prefixo na conceituação – „fazer a “coisa . Isto posto. “coisa” .‟. Como exemplo de falta de eficiência. pois em se fazendo o contrário. contrariando os princípios da eficiência. Sabemos da existência de – „parâmetros‟ „padrões‟. „graus‟.. desperdício). resultante da qualidade da força de trabalho ou racionalização de recursos e medida pela relação entre quantidades produzidas sobre recursos empregados. Os conceitos chaves são padronização e especialização. que traz embutido o sentido de economia racional.. „indicadores‟.com. citaremos a fabricação de uma geladeira que esteja muito acima dos padrões de custos praticados no mercado.Eficácia = „fazer a “coisa” certa‟.didatikaconcursos. .Eficiência = fazer certo a “coisa”. c) efetividade = „fazer a “coisa” que tem que ser feita‟.

imaginem uma que consuma muita energia.de eficácia que balizam as ações nos mais variados processos onde se almeje a eficácia aceitável. postura profissional Para Albrecht (2000). cumprir cronogramas. das coisas a respeito das quais os clientes reclamam. Os conceitos chaves são qualidade e satisfação. pois somente é percebida por pesquisas de opinião sobre ações que causam efeitos. .com. resultante da relação entre metas alcançadas sobre metas pretendidas. de progresso sustentado. Propulsor: atitude. atingir metas.didatikaconcursos. . impacto ou transformação de uma realidade que se modificou ou de metas previamente estabelecidas. No exemplo dado acima sobra a geladeira. transformação (mudança de realidade).de lugar e hora. sendo dos três. o conceito mais difícil de se entender. „indicadores‟. „graus‟. 11. etc. em outras palavras: deveríamos fazer outra “coisa” que não esta. São exemplos: atender os requisitos. Ainda. viabilizar a inserção uma comunidade num contexto. Sabemos da existência de – „parâmetros‟. pode-se observar que há apenas umas poucas que realmente os incomodam. “coisa” a ser empreendida de forma diferente. erradicar uma endemia. quando se trata de serviços a serem prestados. „níveis‟. competências.Efetividade = „fazer a “coisa” que tem que ser feita‟. medidas de responsabilidade social nas empresas. a fabricação da mesma com funcionamento a gás para populações onde não chega energia elétrica e outros exemplos como lançar um produto que provoque impacto.br . Propulsor: conhecimento. „padrões‟. Conceitos chave: impacto. sustentabilidade. no exemplo da geladeira. de ação ecológica. Na falta da eficácia estamos quebrando expectativas no que era esperado de uma atitude correta. www.O Papel do Atendente: perfil. e pecando contra o nível de satisfação esperado na conformidade do processo... Os mesmos poucos temas aparecem sempre.

desapareça!”. cuidadosamente.didatikaconcursos. coloca as normas da organização acima da satisfação do cliente. ou seja.br . desprezando sua necessidade ou seu problema. verificada quando uma atitude de pouco caso por parte da pessoa responsável pelo contato com o cliente pode ser interpretada por “estou dando a impressão de que me importo com isto?” Muitos atendentes passam a agir desse modo quando se entediam com seu trabalho e ninguém está lá para lembrá-los de que sua missão é servir. o mesmo autor identificou categorias as quais denominou de fatores de reclamação. www. tratamento inamistoso. para abrir exceções ou usar o bom senso. rispidez. Marketing em Administração de Call Center Outro fator de reclamação identificado pelo autor é a “dispensa”. quando um cliente lhe pede ajuda para encontrar algo. coloca todo cliente no mesmo programa. a pessoa mais geniosa. mas livra o funcionário de ter de fazer algo especial pelo cliente. é a “apatia”. identificado quando o funcionário. por parte do funcionário que presta o serviço. por favor. procurar livrar-se do cliente. garantindo que o primeiro e último momento do atendimento sejam péssimos para o cliente. Um exemplo disso é o funcionário que está esperando o fim de seu turno e diz: “esse não é o meu departamento”. completamente mecanizado. Um desses fatores. deprimida e hostil que poderiam encontrar para o emprego de recepcionista. ou utilizar algum procedimento padronizado que não resolve a questão. O autor afirma que muitas organizações parecem escolher. sem qualquer indício de calor ou individualidade.Por isso.com. desatenção ou impaciência com o cliente. traduzida por uma espécie de hostilidade gélida. sem qualquer liberdade. por exemplo. que servem para ilustrar as diferentes formas de comportamento do atendente perante o usuário. que parece dizer: “você é um estorvo. Ao mesmo tempo. Um terceiro fator seria a “frieza”. O autor ainda destaca o fator “automatismo”. com os mesmos movimentos e frases padronizadas: “obrigado tenha-um-bom-dia!”.

O ocupante de um cargo – o funcionário – não pode fazer o que quiser. diz para o cliente procurar um terceiro funcionário. De Natureza Organizacional Além das razões de ordem política.com. portanto. deficiente avaliação de desempenho. Resistência a mudanças Uma terceira disfunção seria a resistência a mudanças. esta tende a ser interpretada pelo funcionário como algo que ele desconhece e. em geral. que ocorre quando o cliente percorre. acostuma-se a uma completa estabilidade e repetição daquilo que faz . fixando regras e normas técnicas para cada cargo. por sua vez. Chiavenato (1997) afirma que burocracia é uma organização ligada por normas e regulamentos previamente estabelecidos por escrito. Aqui não resolvemos este tipo de problema”. já que. social e econômica. o atendente. caracterizada por uma sistemática divisão do trabalho e pelo estabelecimento de cargos segundo o princípio da hierarquia. Por vezes.o que passa a lhe proporcionar certa segurança a respeito de seu futuro.didatikaconcursos. todos os setores da organização à procura da solução do seu problema. mas o que a burocracia impõe que ele faça.O fator de reclamação que. é mais evidente na maioria das organizações é o “passeio”. é obrigado a ouvir a frase: “desculpe. www. de acordo com o autor. Quando surge alguma possibilidade de mudança dentro da organização. quando não o faz retornar ao anterior. baixa remuneração etc. cabe ressaltar que existem deficiências de atendimento geradas dentro de cada organização. falhas no gerenciamento da organização. literalmente. este. como a burocracia exige padrão e rotina. falta de motivação.br . sistemas ineficazes de treinamento e desenvolvimento de pessoal. geralmente relacionadas a modelos burocráticos com disfunções. algo que pode trazer perigo à sua segurança e tranqüilidade. mas você precisa procurar fulano. O atendente diz que um outro tomará conta do problema.

fundações.Reforma e Revitalização do Estado Vamos agora tratar especificamente das organizações governamentais.br . para a melhoria do serviço. 12.com. com suas características e prerrogativas específicas. segundo o autor. Aqui vamos encontrar o campo de estudo próprio da disciplina denominada Direito Administrativo. pois a burocracia se assenta em uma rígida hierarquização da autoridade. autarquias. cabe ressaltar que a expressão “Administração Pública” pode ser tomada em dois sentidos: • “Administração Pública” como sendo o conjunto de órgãos públicos. dentre outras alternativas. programas de treinamento e desenvolvimento de pessoal. portanto quem toma decisões é aquele que possui a mais elevada categoria hierárquica. Diante das dificuldades surgidas no modelo burocrático. treinamento é o processo de desenvolver qualidades nos recursos humanos para habilitá-los a serem mais produtivos e contribuir melhor para o alcance dos objetivos organizacionais. influenciando seus comportamentos. criativos e inovadores. etc. O propósito do treinamento é aumentar a produtividade dos indivíduos pelos seus cargos. as quais serão nosso objeto de estudo daqui por diante. as organizações buscam desenvolver. independentemente do seu conhecimento sobre o assunto. contribuindo. toda a estrutura que forma o aparelho do Estado. é a categorização como base do processo decisório. assim.didatikaconcursos.Um último exemplo de disfunção burocrática. É através da Administração Pública que o Estado se manifesta frente ao seus súditos. enfim. www. com o intuito de desenvolver habilidades e competências para tornar esses atendentes mais produtivos. Segundo Chiavenato (1999). materializando-se mediante a ação destas diversas organizações formais. Em primeiro lugar.

visando à satisfação das necessidades coletivas. Não apenas ela se constituiu em uma resposta à crise www. a Administração Pública tem o seu próprio campo de estudo. Esta definição está de acordo com a nova relação que deve existir entre o Estado e a sociedade. para o atendimento das necessidades coletivas. O Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado em 1995 adotou o seguinte conceito para a administração pública: todo o aparelho do Estado pré-orientado à realização de seus serviços. Portanto. apesar de sua proximidade com a Ciência Política. direção e controle pelas diversas entidades que formam o Estado. Os resultados da ação do Estado são considerados bons não porque os processos administrativos estão sob controle e são seguros. mas porque as necessidades do cidadão-“cliente” estão sendo atendidas. ou seja. ao modo de se conduzir as ações dentro das organizações públicas. centrado principalmente nos problemas inerentes à Gestão Pública.br . portanto é importante a sua conceituação e a compreensão do seu processo evolutivo para se ter o entendimento das principais mudanças pelas quais atravessam as organizações governamentais atualmente. organização. e. A reforma do aparelho do Estado tornou-se imperativa nos anos 90 por uma segunda razão. nos interessa daqui por diante tratar a Administração Pública de acordo com a segunda acepção.• “Administração Pública” como sendo “o modo de gestão” do aparelho do Estado. Aqui encontramos o campo de estudo da disciplina denominada igualmente de Administração Pública. A Administração (ou Gestão) Pública abrange um vasto campo do processo administrativo do Estado. relativa aos modos de gestão das organizações governamentais.didatikaconcursos. onde se vê o cidadão como contribuinte de impostos e como uma espécie de “cliente” dos seus serviços. a Economia e mesmo o Direito Administrativo e o Direito Constitucional. Assim. a forma como são aplicados os processos de planejamento.com.

Por isso. é uma nova forma de defender a coisa pública.br . em que o Estado assumia a responsabilidade pela defesa dos direitos sociais e crescia em dimensão. sendo público. exatamente como uma forma de defender a coisa pública contra o patrimonialismo. No plano administrativo. mas também os “direitos públicos” à participação igualitária na coisa pública. enquanto patrimônio que. mas também está sendo caracterizada como uma forma de defender o Estado enquanto res publica. A denúncia da “privatização” do Estado pela esquerda corresponde à denúncia da direita de que o Estado e a sociedade estão sendo vítimas da prática generalizada do “rent seeking”. Na medida. foi-se percebendo que os custos dessa defesa podiam ser mais altos que os benefícios do controle. As eleições livres e a liberdade de pensamento e de imprensa são formas de defender o cidadão e a coisa pública. a administração pública burocrática surgiu no século passado conjuntamente com o Estado liberal. pressupõe o reconhecimento www. A explicitação dos direitos públicos ao patrimônio que é de todos é um passo que está hoje sendo dado em todo o mundo. No nível político temos as instituições fundamentais da democracia. neste século as práticas burocráticas vêm sendo substituídas por um novo tipo de administração: a administração gerencial. é de todos e para todos. portanto. através das quais se defendem não apenas os direitos individuais e sociais dos cidadãos. A reforma do aparelho do Estado não pode ser concebida fora da perspectiva de redefinição do papel do Estado e. Ainda no plano democrático. principalmente no nível local.didatikaconcursos. da busca de rendas ou vantagens extra-mercados para grupos determinados através do controle do Estado. enquanto coisa pública. porém.generalizada do Estado. A defesa da coisa pública vem sendo realizada nas democracias modernas em dois níveis distintos: o nível político e o administrativo.com. a prática cada vez mais freqüente da participação e controle direto da administração pública pelos cidadãos.

a hierarquia funcional. Administração Pública Burocrática – Surge na segunda metade do século XIX. Constituem princípios orientadores do seu desenvolvimento a profissionalização. perdendo a noção de sua missão básica. no entanto. Neste novo momento histórico. a impessoalidade. o poder racional-legal. a idéia de carreira. a administração patrimonialista torna-se uma excrescência inaceitável. como forma de combater a corrupção e o nepotismo patrimonialista. o formalismo. partindo-se de uma perspectiva histórica. nas compras e no atendimento a demandas. possuem status de nobreza real. Desta forma. Em conseqüência. na época do Estado liberal. a corrupção e o nepotismo são inerentes a esse tipo de administração.br . Por isso são sempre necessários controles rígidos dos processos. Administração Pública Patrimonialista – No patrimonialismo. em síntese. www. Os controles administrativos visando evitar a corrupção e o nepotismo são sempre a priori. que é servir à sociedade. Em conseqüência. e os seus auxiliares. servidores. No momento em que o capitalismo e a democracia se tornam dominantes.prévio das modificações observadas em suas atribuições ao longo do tempo. qualquer uma delas seja inteiramente abandonada. o Estado volta-se para si mesmo. Por outro lado. o mercado e a sociedade civil passam a se distinguir do Estado. Estas três formas se sucedem no tempo. sem que. como por exemplo na admissão de pessoal.didatikaconcursos. Parte-se de uma desconfiança prévia nos administradores públicos e nos cidadãos que a eles dirigem demandas. verificamos que a administração pública – cujos princípios e características não devem ser confundidos com os da administração das empresas privadas – evoluiu através de três modelos básicos: a administração pública patrimonialista. o controle – a garantia do poder do Estado – transforma-se na própria razão de ser do funcionário. Os cargos são considerados prebendas. a burocrática e a gerencial.com. o aparelho do Estado funciona como uma extensão do poder do soberano. A res publica não é diferenciada das res principis.

que continua um princípio fundamental. que deixa de basear-se nos processos para concentrar-se nos resultados. A eficiência da administração pública – a necessidade de reduzir custos e aumentar a qualidade dos serviços. que negue todos os seus princípios. como a admissão segundo rígidos critérios de mérito. entretanto. da qual conserva. tendo o cidadão como beneficiário – tornase então essencial. A diferença fundamental está na forma de controle. A administração pública gerencial constitui um avanço e até um certo ponto um rompimento com a administração pública burocrática. Este defeito. A reforma do aparelho do Estado passa a ser orientada predominantemente pelos valores da eficiência e qualidade na prestação de serviços públicos e pelo desenvolvimento de uma cultura gerencial nas organizações. e não na rigorosa profissionalização da administração pública. a ineficiência.com.didatikaconcursos. entretanto. as carreiras. www. O Estado limitava-se a manter a ordem e administrar a justiça.br . a administração pública gerencial está apoiada na anterior. embora flexibilizando. de um lado. de outro. Isto não significa. o treinamento sistemático. alguns dos seus princípios fundamentais. Pelo contrário. a incapacidade de voltar-se para o serviço aos cidadãos vistos como clientes. à expansão das funções econômicas e sociais do Estado. seu defeito. a existência de um sistema estruturado e universal de remuneração. uma vez que ambos deixaram à mostra os problemas associados à adoção do modelo anterior. a avaliação constante de desempenho. Administração Pública Gerencial – Emerge na segunda metade do século XX. não se revelou determinante na época do surgimento da administração pública burocrática porque os serviços do Estado eram muito reduzidos. e. a garantir os contratos e a propriedade. como resposta.A qualidade fundamental da administração pública burocrática é a efetividade no controle dos abusos. a auto-referência. ao desenvolvimento tecnológico e à globalização da economia mundial.

Na administração pública gerencial a estratégia volta-se (1) para a definição precisa dos objetivos que o administrador público deverá atingir em sua unidade. Enquanto o mercado controla a administração das empresas. materiais e financeiros que lhe forem colocados à disposição para que possa atingir os objetivos contratados. a sociedade – por meio de políticos eleitos – controla a administração pública. através do mercado.com.didatikaconcursos. Enquanto a administração de empresas está voltada para o lucro privado. a descentralização e a redução dos níveis hierárquicos tornam-se essenciais. sem contrapartida direta. para a maximização dos interesses dos acionistas.br . esperando-se que. e (3) para o controle ou cobrança a posteriori dos resultados. www. afirma-se que a administração pública deve ser permeável à maior participação dos agentes privados e/ou das organizações da sociedade civil e deslocar a ênfase dos procedimentos (meios) para os resultados (fins). quando há a possibilidade de estabelecer concorrência entre unidades internas. A administração pública gerencial inspira-se na administração de empresas. Em suma. o interesse coletivo seja atendido. de contribuições obrigatórias. mas não pode ser confundida com esta última. Enquanto a receita das empresas depende dos pagamentos que os clientes fazem livremente na compra de seus produtos e serviços. a receita do Estado deriva de impostos. No plano da estrutura organizacional. ou seja. pratica-se a competição administrada no interior do próprio Estado. Adicionalmente. (2) para a garantia de autonomia do administrador na gestão dos recursos humanos. a administração pública gerencial está explícita e diretamente voltada para o interesse público.