Análise Bíblica – Livro de Joel A.T.

Autor: O Livro de Joel afirma que o seu autor foi o profeta Joel (Joel 1:1).
Quando foi escrito: O livro de Joel foi provavelmente escrito entre 835 e 800
AC.
Propósito: A nação de Judá, o cenário para o livro, é devastada por uma vasta
horda de gafanhotos. Essa invasão de gafanhotos destrói tudo — os campos de
trigo, as vinhas, os jardins e as árvores. Joel descreve simbolicamente os
gafanhotos como um exército humano marchando e enxerga tudo isso como
julgamento divino sobre a nação por seus pecados. O livro é destacado por dois
grandes eventos. Um deles é a invasão de gafanhotos e o outro é a efusão do
Espírito. A realização inicial deste evento é citado por Pedro em Atos 2 como
tendo acontecido no dia de Pentecostes.
Versículos-chave: Joel 1:4: “O que deixou o gafanhoto cortador, comeu-o o
gafanhoto migrador; o que deixou o migrador, comeu-o o gafanhoto devorador;
o que deixou o devorador, comeu-o o gafanhoto destruidor.”
Joel 2:25: “Restituir-vos-ei os anos que foram consumidos pelo gafanhoto
migrador, pelo destruidor e pelo cortador, o meu grande exército que enviei
contra vós outros.”
Joel 2:28: “E acontecerá, depois, que derramarei o meu Espírito sobre toda a
carne; vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e
vossos jovens terão visões.”
Resumo: Uma terrível praga de gafanhotos é seguida por uma grande fome
em toda a terra. Joel usa esses acontecimentos como o catalisador para enviar
palavras de aviso a Judá. A menos que o povo se arrependa rapidamente e
completamente, os exércitos inimigos devorarão a terra assim como fizeram os
elementos naturais. Joel apela a todo o povo e os sacerdotes da terra para que
jejuem e se humilhem enquanto buscam o perdão de Deus. Se eles
responderem, haverá novas bênçãos materiais e espirituais para a nação. No
entanto, o Dia do Senhor está chegando. Neste momento, os gafanhotos
temidos vão parecer como mosquitos, em comparação, pois todas as nações
receberão Seu julgamento.
O tema principal do livro de Joel é o Dia do Senhor, um dia da ira e do juízo de
Deus. Este é o dia em que Deus revela os Seus atributos de poder, ira e
santidade, e é um dia terrível para Seus inimigos. No primeiro capítulo, o Dia
do Senhor é vivido historicamente pela praga de gafanhotos sobre a terra.
Capítulo 2:1-17 é um capítulo de transição em que Joel usa a metáfora da
praga de gafanhotos e da seca para renovar um apelo ao arrependimento.
Capítulos 2:18-3:21 descreve o Dia do Senhor em termos escatológicos e

o advento de Jesus Cristo é prenunciado. o sofrimento ou outras ocorrências comuns para nos aproximar dEle. em Sua misericórdia e graça. Hoje é o dia da salvação (2 Coríntios 6:2). invocai-o enquanto está perto. que cai no Dia do Senhor. e volte-se para o nosso Deus. o julgamento será severo. O julgamento de Deus virá rapidamente. Aplicação Prática: Sem arrependimento. Deixe o perverso o seu caminho. o qual seria oferecido de uma vez por todas na cruz (Hebreus 10:10). “Buscai o SENHOR enquanto se pode achar. Prenúncios: Sempre que o Antigo Testamento fala de julgamento sobre o pecado. mas no Senhor nosso Deus. que se compadecerá dele. Joel nos diz que o juízo final de Deus. Entretanto. por nossa própria conta. o iníquo. os seus pensamentos. nunca poderemos aguentar esse momento. Ele foi crucificado por nossos pecados e trocou o nosso pecado pela Sua perfeita justiça (2 Coríntios 5:21). . A resposta é que nós. e devemos estar prontos. Mas se tivermos colocado nossa fé em Cristo pela expiação dos nossos pecados. rigoroso e certo. Ele tem providenciado o plano definitivo para a nossa salvação. Não há tempo a perder. Jesus Cristo. seja este o pecado individual ou nacional. Somente ao apropriar-nos da salvação de Deus é que podemos escapar de Sua ira no Dia do Senhor. Os seus sacrifícios no templo eram apenas um vestígio do grande sacrifício por vir. como um ladrão na noite (1 Tessalonicenses 5:2).atende à chamada ao arrependimento com as profecias de restauração física (2:21-27). será “mui terrível! Quem o poderá suportar?” (Joel 2:11). Os profetas do Antigo Testamento continuamente advertiram Israel a arrepender-se. mas mesmo quando o fizeram. Deus às vezes pode usar a natureza. Nossa confiança não deve estar em nossas posses. converta-se ao SENHOR. não temos nada a temer do Dia do Juízo. o seu arrependimento era limitado à obediência da lei e obras. restauração espiritual (2:28-32) e restauração nacional (3:1-21). porque é rico em perdoar” (Isaías 55:6-7).