You are on page 1of 3

INSTITUTO FEDERAL DE GOIAS - LICENCIATURA EM MUSICA

MUSICA NA ESCOLA: FORMAÇÃO ESTÉTICA NA ERA DA INDÚSTRIA CULTURAL
ORIENTADOR: Me ELITON PEREIRA/INTEGRANTE: UDIRON MOREIRA DE MELO JUNIOR
PROLOGO E CAPITULO 1 DO LIVRO INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA DA MÚSICA ADORNO
PROLOGO







Origem do Trabalho: “As preleções que se seguem foram realizadas no semestre do inverno de
1961/2”.
Método de Adorno – Ensaios. (pagina 47).
Proposta de ampliar o trabalho que se tornou algo novo, contudo com elementos de outros
trabalhos de Adorno. (página 48)
Preleção (Aulas): O caráter de preleção foi mantido com mínimos retoques e complementos.
Isso diminui as falsas pretensões (Aula dada escrita)
Estilo não sistemático. Escritos oriundos as experiência do autor (Quase Catártico): “Não houve
esforço para soar sistemático”. (página 49).
A intenção não é de concorrer com outros trabalhos, nem mesmo os que contradizem as ideias
de Adorno. É preciso contextualizar historicamente os termos usados.
Intenção de mostrar a abrangência da sociologia da música. (página 50)
o Adorno – Teoria Crítica
o Engel – Historicismo
o Silbermann – Empirismo
o Blaukopf – Experiência Fenomelógica
Adorno acredita ser missão sua, dar à sociologia da música questionamentos frutíferos (Teoria
Crítica), Porém ele não nega o lugar da pesquisa empírica apesar de acreditar ser insuficiente.
Insuficiência da pesquisa empírica: “Com perguntas diretas não é dado penetrar as camadas
constitutivas e teoricamente determinadas, tais como, por exemplo, nas de função, diferenciação
social, opinião pública e também naquela que se refere à dimensão inconsciente da psicologia
social do regente e da orquestra”. (página 51)
As pesquisas empíricas devem levar em conta o poder subjetivo da música: “ deve-se
compreender e analisar modos subjetivos de comportamento atinentes à música em relação à
coisa mesma”. (página 52)
Musica e suas implicações. Música significa mais que simples mercadorias. (página 53)

____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________

TIPOS DE COMPORTAMENTO MUSICAL






Necessidade de estruturação teórica para que a pesquisa empírica se torne produtiva.
Comportamento de escuta musical e a sociedade atual: “Comportamentos típicos de escuta
musical da sociedade atual” (página 55)
O problema da pesquisa quantitativa sem a contextualização.
Nível de escuta elevado pela massificação da música (engodo).
Afirmações quantitativas não são conclusivas (página 56)
Tipos de escutas são subjetivas.
Não considerar uma escuta superior à outra sem se considerar a contradição entre a produção e
a recepção musical: “São pontos de cristalização determinados por considerações fundamentais
sobre a sociologia da música”

São mais frequentes onde há pressão civilizatória mais estrita. aversões e costumes. Cada Tipologia se caracteriza não em relação à si mesmo. reação dos ouvintes e não a qualidade dos objetos. sonhar acordado) o O ouvinte emocional confunde a escuta consciente com uma escuta fria e extrinsecamente reflexiva . mas em relação em não ser a outra. o Relação feitichista com a música o O gosto pelo virtuosismo se assemelha ao da massa o Ideologia reacionária e culturalmente conservadora o Pouca importância quantitativa OUVINTE EMOCIONAL o Sua relação com a música é menos enrijecida e indireta que do consumidor cultural o Musica como ativação das excitações reprimidas por normas civilizatórias (Schopenhauer) o Adorno liga os fatores emotivos como reflexos da cultura. (página 59/60) ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ TIPOS DE ESCUTA     EXPERT: o Nada escapa o Presta contas daquilo que escuta o Sequencia música intrincada o Escuta estrutural o Lógica musical (técnica) o Pensar com o ouvido o Circulo dos músicos profissionais BOM OUVINTE o Escuta além do detalhe musical o Estabelece inter-relações o Tece juízos bem fundamentados o Não tem consciência das implicações técnicas o Domínio inconsciente da lógica musical o Risco de desaparecer com o “aburguesamento” da sociedade. relação da sociedade com o objeto musical. preferências. epicentro da Revolução Industrial o Não quer saber de nada e por isso é fácil de ser comandado pela Industria Cultural o Elabora representações imagéticas e vago sonho diurno (utopia. Tipologias de escuta com peculiaridades de legitimação que possibilitam a correlação sociopsicológicos com os grupos de escuta. dados biográficos e méritos dos interpretes. Justificativa da pesquisa teórica crítica: Objetivos grosseiros precisam de procedimentos finos para serem estudados (Desconstrução do objeto) (página 57) A tipologia busca a descontinuidade das reações diante da própria música. Experimentou-se a experiência musical. comum na pesquisa empírica. (página 58) A Tipologia da escuta se pauta adequação ou inadequação da escuta em relação ao que é escutado e não ao gosto. fator indispensável para a pesquisa empírica ser frutífera. Ele cita os Anglo-Saxões.  Devido ao declínio dos não profissionais e à reprodução mecânica CONSUMIDOR CULTURAL o Escuta muito e coleciona discos o Respeita a música como bem cultural o Técnica substituída pela quantidade máxima possível de conhecimentos sobre música. ou seja.      Tipologia de escuta é fruto da reflexão sobre problemáticas sociais e de auto correção.

indústria cultural. inversão de valores e alienação. Estudar a concepção formativa adorniana em relação à música. com vistas a fundamentar e contribuir para a pesquisa em educação musical. Fomentar ações formativas junto a professores e estudantes da rede pública de educação com vistas a configuração de novos arranjos sociais e culturais. mas acaba cedendo a ela no lado oposto o Inconformista em seu protesto com o sistema musical o A consciência deste tipo é pré-formada pelos estabelecimentos de metas fixadas o Tende para a falsa austeridade o Opera uma repressão mecânica do próprio estímulo o Pretendem eliminar aquilo que não foi domesticado por rígidos ornamentos o Subjetividade ligada a promiscuidade o Elemento masoquista remete à coerção coletiva FÃ DE JAZZ o Caráter sectário o Aversão ao ideal de música clássico-romântico o Desagregados entre si o Desdenho aos sem técnica o Ligado à musica comercial o Alienação relativa à cultura musical o O mais substancial do ponto de vista quantitativo ENTRETERIMENTO o Aquele pelo qual se calibra a Industria Cultural o Entretenimento de modo não racionalizado o Falta de relação específica com o objeto o Musica como fonte de estímulo o Escuta assemelhada ao ato de fumar o Não se colocam verdadeiramente à escuta o Tendência ao vicio é inata o Oferecem heterogeneidade para um dominador o Musica como meio de relaxamento o Reagem com impetuosidade contra o esforço que as obras de arte lhe impõem o Escuta como distração e descontração o Difícil determinar um grupo social o Criticar e apreender algo são coisas estranhas MUSICALMENTE INDIFERENTE o Vitima de autoridade brutal o Forma de pensar supervalorizada ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ ____________________________________________________________________________________ CONCLUSÃO     Compreender os fundamentos epistemológicos. cultura e educação com foco nas temáticas: formação estética. consumo. violência.    o Aversão à escuta técnica OUVINTE DO RESSENTIMENTO o Ouvinte de protesto o Acredita lutar contra a reificação. teóricos e estéticos musicais da teoria crítica na perspectiva adorniana. Pesquisar as relações entre música. .