You are on page 1of 68

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO

J I T /

WORLD

CLASS

K A N B A N

CONSULTORES

6(0

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO
JIT / KANBAN

JIT

> JAPÃO (ANOS 70)

SUA CONCEPÇÃO E CREDITADA A TOVOTA
MOTOR CO, QUE BUSCAUA UM SISTEMA DE
ADMINISTRAÇÃO QUE PUDESSE COORDENAR
A PRODUÇÃO COM A DEMANDA ESPECIFICA
DE DIFERENTES MODELOS E CORES, COM
MÍNIMO ATRASO,

j.5

WORLD

CLASS

CONSULTORES

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO
JIT / KANBAN

OBJETIUOS DO JIT:
ALGUNS DEFINEM COMO UM SISTEMA SE MANUFA
TURA PARA OTIMIZAR PROCESSOS ATRAVÉS DA
REDUÇÃO DE DESPERDÍCIOS.
- OS SETE DESPERDÍCIOS:
1 SUPERPRODUÇÃO
PRODUZIR ANTECIPADAMENTE A DEMANDA
JIT —> PRODUZIR SOMENTE O NECESSÁRIO,
NO MOMENTO ADEQUADO
2 ESPERA
FILAS PARA PROCESSAMENTO
JIT --. ENFATIZA FLUXO DE MATERIAIS AO
INUES DE TAXAS DE UTILIZAÇÃO

WORLD

CLflSS

CONSULTORES

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO IIT / KANBAN OBJETIUOS DO JIT: . OS SETE DESPERDÍCIOS: 3 TRANSPORTE E MOUIMENTACAO DE MATERIAIS NÃO AGRAGA UALOR AO PRODUTO JIT —> ELIMINAR/REDUZIR AO MÁXIMO 4 PROCESSAMENTO PRODUZIR ELEMENTOS QUE NÃO AGRAGAM UA LOR AOS PRODUTOS JIT —> ANALISE/ENGENHARIA DO UALOR "PORQUE DEUE SER FEITO?" SIMPLIFICACAO/REDUCAO DE COM PONENTES/OPERACOES NECESSA RIAS WORLD CLASS CONSULTORES .

AU MENTA A PRODUTIVIDADE E RE DUZ TEMPOS DE PROCESSO CONSISTÊNCIA DE MOUIMENTOS AUMENTA A QUALIDADE 56B WORLD CLASS CONSULTORES . COMPONENTES E PESSOAS "PASSE ANDO" PELA FABRICA JIT —> ESTUDOS DE TEMPOS E MÉTODOS ECONOMIA DE MOUIMENTOS .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN OBJETIUOS DO JIT: . OS SETE DESPERDÍCIOS: 5 MOUIMENTO PRODUTO.

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN OBJETIUOS DO JIT: . M. MOVIMENTAÇÕES DIVERSAS. OS SETE DESPERDÍCIOS: 6 PRODUZIR DEFEITUOSOS DESPERDÍCIO DE MATERIAIS. EQUIPA MENTOS. ARMAZE NAGENS..O. INSPECOES JIT —> OS DEFEITOS NÃO DEVEM SER ACEITOS E NÃO DEVEM SER GERA DOS 7 ESTOQUES OCULTAM PROBLEMAS E DESPERDIÇAM INVÉS TIMENTOS E ESPAÇO FÍSICO JIT —> ELIMINAR AS CAUSAS GERADORAS DA NECESSIDADE DE MANTER ESTO QUÊS 56C WORLD CLOSS CONSULTORES .

"LEAD TIME" ZERO . QUEBRA ZERO . LOTE UNITÁRIO (UMA PECA) D WORLD CLASS CONSULTORES . TEMPO ZERO DE PREPARAÇÃO ("SET-UP") \ ESTOQ '~\ MOVIMENTAÇÃO ZERO " . SÃO: . ZERO DEFEITOS .AS METAS PORTANTO.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN OBJETIUOS DO JIT: .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN C TT ILOSOFIA E PRESSUPOSTOS CCTIin 3ISTEMA ATIUO V í\L TTT ii SISTEMA "PULL" SISTEMA "PUSH" . > j WORLD CL«SS CONSULTORES . PRODUZIR SOMENTE NA MEDIDA DO NECES SARIO. DE ACORDO COM A DEMANDA . OS MATERIAIS SOMENTE SERÃO PROCESSA DOS EM UMA OPERAÇÃO SE FOREM REQUE RIDOS NAS OPERAÇÕES SUBSEQUENTES nnc LI u O 58 ij \ i > u .

TEMPOS DE PREPA RAÇÃO . QUALIDADE DE MATE RIAIS ADQUIRIDOS .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANEAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS ATACA INCERTEZAS v INCERTEZAS f\A JIT CONVENCIONAL . NÍVEIS DE REFUGO . INCENTIVA O QUESTIONAMENTO . ESTOQUE BAIXO . FREQUÊNCIA DE QUE BRÁS DE MAQUINAS . ESTOQUE ELEVADO COBRIR INCERTEZAS WOFLD CONSULTORES .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS . OCUPAM ESPAÇO E INUESTI MENTO DE CAPITAL CONSULTORES . O PAPEL DOS ESTOQUES CONUENCIONAL JIT PROTEGE O SISTEMA PRODUTIUO DE PRÓ BLEMAS QUE POSSAM INTERROMPER O FLU XO DE PRODUÇÃO DÃO INDEPENDÊNCIA A CADA FASE PRODU TIUA CONSIDERADOS COMO INDISPENSAUEIS WORLD CLflSS REUELA CLARAMENTE OS PROBLEMAS DE PRODUÇÃO FASES SE TORNAM DEPENDENTES ENTRE SI NOCIUOS.

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO J l T / KANBAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS O PAPEL DOS ESTOQUES ANTES E1 PROBLEMAS DEPOIS A--E2 PROBLEMAS 81 .

l ) / ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO J l T / KANBAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS B GRANDE ESTOOUE DE PECAS DEFEITUOSAS JÁ PRODUZIDAS ÚUANDO O PROBLEMA E I D E N T I F I C A D O P E L A OPERAÇÃO SEGUINTE 62A O WORLD CLA3S CONSULTORES .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO J l T / KANBAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS O PROMLBUA • RAPIOAMINTB IDINTIPIOABO l O FUNCIONÁRIO DA OPERAÇÃO «IQUlNTI P R O C U R A A U X I D A R A RiaOLVIR O PROVI.IWA HA PONT* f* RA OUC O f LUXO DC PRODUÇÃO foaêA CONTINUAR 62B WORLD CLASS CONSULTORES .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO J l T / KANBAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS . TAMANHO DOS LOTES DE PRODUÇÃO E S T 0 \D1 Q \a U E 41 \E2 1? \O \E WORLD CLASS CONSULTORES .

L/2 .DEMANDA POR PERÍODO L .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO J l T / KANBAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS TAMANHO DOS LOTES DE PRODUÇÃO a) MODELO DO LOTE ECONÓMICO CT • CTE * CFP D .TAMANHO DO LOTE CT .Ce * D/L * Cf $ LEP Cf • CUSTO DE PREPARAÇÃO DA MAQUINA Ce .CUSTO UNITÁRIO DE MANUTENÇÃO POR PERÍODO CT • CUSTOS TOTAIS 64 TAMANHO DO LOTE dCT Ce d(L/2) • Ce d(D/L) • Cf dL dL * D WORLD CLASS CONSULTORES Cf \ 2 • D • Cf L • \e .

NA REALIDADE OS PARÂMETROS NÃO SÃO CONS TANTES E SÃO MUITO DIFÍCEIS DE MEDIR PE LOS GERENTES B) JIT . MAIOR SENSIBILIDADE QUANTO A QUALIDADE DO RELACIONAMENTO COM OS FORNECEDORES 65 WORLD CLfiSS CONSULTORES . CONSIDERA ACEITÁVEIS OS PARÂMETROS UTILI ZADOS NA EQUAÇÃO .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KftNBAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS . TAMANHO DOS LOTES DE PRODUÇÃO A) MODELO DO LOTE ECONÓMICO . CRITICA CONTINUAMENTE OS EVENTOS QUE RE SULTAM NOS PARÂMETROS . TORNA OS FATOS MENSURÁVEIS E PASSÍVEIS DE CONTROLE EFETIVO PELO "CHÃO DE FABRI CA" .

ELIMINÁVEIS . APRIMORAMENTO CON TINUO USO DE GRÁFICOS DE CONTROLE E PAINÉIS LUMINOSOS . ERROS INEVITAUEIS . FONTES DE INFORMA CÃO PARA O APERFEI j COAMENTO CONTINUO . USO INTENSIUO DE RELATÓRIOS GEREN CIAIS ÊNFASE NA ACAO GE l RENCIAL 66 WORLP CLOSS . INSPECflO DA PRODU CÃO .REFUGADOS . ÊNFASE NA ACAO DO "CHÃO DE FABRICA" CONSULTORES .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO VALIDA uni r i // n FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS CONUENCIONftL JIT .RETRABftLHftDOS . ITENS DEFEITUOSOS .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN CT ILOSOFIA E PRESSUPOSTOS UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE JIT CONUENCIONAL ÊNFASE NA TAXA DE UTILIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ÊNFASE NA GERÊNCIA DO FLUXO DE PRODU CÃO INFLUENCIADO PELAS CIRCUNSTANCIAS OPE RACIONAIS DO MOMEN TO INFLUENCIADO DIRE TAMENTE PELA DEMAN DA DE MERCADO TENDÊNCIA A ELEUA DA TAXA DE UTILIZA CÃO E DE ESTOQUES TENDÊNCIA A MINIMI ZAR ESTOQUES. COM EQUIPAMENTOS SENDO UTILIZADOS APENAS QUANDO NECESSÁRIOS WORLD CLflSS CONSULTORES 40 .

RESPONSAUEL PELA QUALIDADE DOS PRODU TOS: . RESPONSAUEL POR ATI VIDADES DE APOIO EQUIPAMENTOS APOIAR A PRODUÇÃO COM CONHECIMENTO TEC NICO MAIS SOFISTICA DO .MOUIMENTACAO DE MATERIAIS 6 WORLD CLASS CONSULTORES .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS .TESTES .FABRICAÇÃO .MONTAGEM . O PAPEL DA MOD E MÓI MQD MÓI .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS ORGANIZAÇÃO E LIMPEZA DA FABRICA CONUENCIONAL JIT RELEGA A 2o.CONTROLE E APRIMO RAMENTO DA QUALI DADE . PLANO "PRECISO LIMPAR IS SÓ ALGUM DIA" "NUNCA ENCONTRO AS FERRAMENTAS QUANDO PRECISO.UISIBILIDADE DOÍ PROBLEMAS .MORAL DOS TRABALHA DORES .INDUZ A DISCIPLINA CONSULTORES . MAS NÃO TE NHO TEMPO DE ORGANI ZA-LAS" "LOCAL MUITO LIMPO E SINAL DE POUCO TRABALHO" 70A WORLD CLOSS FUNDAMENTAL PARA: .REDUÇÃO DE DESPER DICIOS .CONFIABILIDADE DOS EQUIPAMENTOS .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN FILOSOFIA E PRESSUPOSTOS . ORGANIZAÇÃO E LIMPEZA DA FABRICA CONUENCIONAL JIT CONSIDERA A SUJEI RA E A DESORDEM CO MO SENDO O PREÇO QUE SE DEUE PAGAR PARA PRODUZIR NO PRAZO REQUERIDO • TORNA PATENTE A SE RIEDADE COM QUE A EMPRESA ENCARA A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA NOUA FILOSOFIA NA FABRICA "UM LUGAR PARA CADA COISA E CADA COISA EM SEU LUGAR" V@B WORLD CLASS CONSULTORES 140 .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN 0 ROGRAMACAO PROGRi JIT —> REDUZIR CUSTOS MELHORAR QUALIDADE FLEXIBILIZAR O PROCESSO PARA ATENDIMENTO DA DE MANDA CONSIDEREMOS ENTÃO: . "SET UP" ZERO . FLUXO CONTINUO DE MATERIAIS 71 WORLD CLASS CONSULTORES . ESTOQUES FORA DO SISTEMA .

O JIT PRÓ CURA ADEQUAR A DEMANDA ESPERADA AS POSSI BILIDADES DO SISTEMA PRODUTIUO. INCOMODO TÉCNICA —> AMACIAMENTO DA PRODUÇÃO 72 WORLD CLÃSB CONSULTORES .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JÍT / KANBAN PROGRAMAÇÃO PARA AJUDAR A PRODUÇÃO A RESPONDER UARIA COES DE DEMANDA DE CURTO PRAZO. ALEM DE ORGANIZAR ESTE SISTEMA DE MODO QUE UARIA COES PEQUENAS DE DEMANDA DE CURTO PRAZO POSSAM SER ACOMODADAS SEM MUITO PARA O SISTEMA DE PRODUÇÃO.

DE MODO A RESPONDER ADEQUADAMENTE A DEMAN DA DE MERCADO.DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN AMACIAMENTO DA PRODUÇÃO AS LINHAS DE PRODUÇÃO PODEM PRODUZIR UA RIOS PRODUTOS DIFERENTES A CADA DIA. DUAS FASES: 1. ENUOLUE A NECESSIDADE DE REDUÇÃO DOS TEMPOS DE "SET UP" E DE FILA. o LI i PROGRAMAÇÃO DIÁRIA ADAPTA A PRODUÇÃO DIÁRIA AS UARIACO ES DA DEMANDA AO LONGO DO MÊS. PROGRAMAÇÃO MENSAL ADAPTA A PRODUÇÃO MENSAL AS UARIACO ES DEMANDA AO LONGO DO ANO. WOHLD CLASS CONSULTORES 4*3 .

3 MESES> DA PLANEJAMENTO " L E A D TIMES" DE P R O D U Ç Ã O P R E U I SOES MEN S A I S DE DEMAN DA C M I X DE PRÓ DUCAO> «AL SEQUÊNCIA TIPOS DUTOS PHOGííAfífi fíESTRE DE PRODUÇÃO DE N I U E I S MEDI OS DE PRODUÇÃO D I Á R I A DE CR DA E S T A G I O DO PROCESSO EUENTUAL CESSIDADE CAPACIDADE TRA PliOGRMMCAO DIÁRIA WORLP CLASS PRÓ CONSULTORES NE DE EX . AMACÍAMENTO DA PRODUÇÃO INCERTEZAS DEMANDA H O R I Z O N T E DE PLANEJAMENTO <-•-.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN PROGRAMAÇÃO AÍ1ACIAMENTO DA PRODUÇÃO FROGJlfiltt DISTRIBUIÇÃO HQKOGTO DIÁRIA DA PRODUÇÃO IffiHSflL AGREGADA DISTRIBUIÇÃO HOMOGÉNEA DIÁRIA DA PRODUÇÃO ÍÍENSAL DE CADA PRODUTO 7 5 WORLD CLOSS CONSULTORES .

O PROGRAMA MESTRE PEDE 1000 UNIDADES EM UM MÊS DE 20 DIAS. AMACIAMENTO DA PRODUÇÃO EX. OU SEJA.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN PROGRAMAÇÃO .5 . COM TEMPOS DE CICLO DE MONTAGEM DE 6. 50 POR DIA O "MIX" DE PRODUÇÃO PODE SER UISUALI ZADO NA TABELA No.12 E12MINUTOS RESPECTI UAMENTE. 2 E 3.0 2. l 3 76 CICLO (MIN) 6 DEMANDA MENSAL DIÁRIA 500 25 J.5 3.LI <•> ouu 12 TOTAL 200 1000 WORLD onn CLflSS <q j. UMA EMPRESA PRODUZ TRÊS TIPOS DE REDU TOR i. 10 50 CONSULTORES HORAS POR DIA 2.0 7.

i . SIGNIFI CA UTILIZAR 93.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN PROGRAMAÇÃO AMACIAMENTO DA PRODUÇÃO SUPONDO UM TURNO ÚNICO DE 8 HORAS. O CICLO TODO PODE SER DIUIDIDO POR 5. 3 DO TIPO 2 E 2 DO TIPO 3 A CADA CICLO. TERE MÓS: i : i : i i i • í l 2 •4 ! 2 : 2 i 30 MIN 36 : 3 it • MI N 24 1 3 : 3 MI N 4 90 OU i . 2 ! 2 MIN 36 MIN 12 MIN • WORLD i 3 t 90 77 í 1 ' t •( 18 ^ 2 MIN CLflSS MIN CONSULTORES 24 MIN . i 4 í flINDfl. PRODUZINDO UMA SEQUÊNCIA DE 5 DO TIPO i. PARA CONSIDERARMOS O CONCEITO DE PRODUÇÃO DE PRODUTOS MESCLADOS. OBTENDO UM CICLO DE 1.5 HORAS OU 90 MINUTOS.75% DA CAPACIDADE.

0 . CICLO (MIN) 1 6 2 12 3 12 TOT l U TAL _.0 2.0 8. DEMANDA MENSAL DIÁRIA 400 20 400 20 200 10 1000 50 l VRfl WORLD CLASS CONSULTORES HORAS POR DIA 2.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO . O PRGRAMA DE MONTAGEM DIÁRIA SERIA: No.0 4. CANCELANDO 100 UNIDA DÊS DO REDUTOR l E ALTERANDO PARA MAIS 100 DO REDUTOR 2.TT T / ii / VALIDAM nnnjjrm PROGRAMAÇÃO AMACÍAMENTO DA PRODUÇÃO SE EM DETERMINADO MÊS UM GRANDE CLIENTE RE FORMULAR SEU PEDIDO.

. — 96 WORLD CLflSS 3 I ( 1 MIN CONSULTORES . PODEMOS ADOTAR 5 CICLOS DE 9é MINUTOS POR DIA.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KftNBAN PROGRAMAÇÃO .12 . 2 24 -*<- MI N i 2 i 2 i 3 i 3 -M48 96 24 MI N MI N MIN OU * 1 1 T l í i : 2 : 2 ! 3 ! i : i Í 2 : 2 1 1 » 12 é MIN I I I 24 MIN I I I 12 78 B 12 MIN 34 MIN . AMACIAMENTO DA PRODUÇÃO NESTE CASO.

5 ? R A DEMANDA AUMENTOU PARA 1100 UNIDADES MEN SAIS E ULTRAPASSA AGORA A CAPACIDADE DIS PONIUEL DA FABRICA.0 T 49 9flR -L KJ 1Q u j t/ TOTAL 1100 55 9. QUE OUTRO CLIENTE RESOL UA CANCELAR 100 UNIDADES DO REDUTOR l E ALTERAR PARA MAIS 200 UNIDADES DE 2. No. 79 WORLD CLOSS CONSULTORES . O QUADRO RESULTANTE SERIA O ABAIXO.5 2 12 600 30 6.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN PROGRAMAÇÃO . AMACIAMENTO DA PRODUÇÃO SUPONHAMOS AINDA. CICLO DEMANDA HORAS (MIN) MENSAL DIÁRIA POR DIA 1 6 300 15 1.

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN PROGRAMAÇÃO AMACIAMENTO DA PRODUÇÃO A LINHA FOI REBALANCEADA.66 TOTAL 1100 100 55 7. l O ó CICLO DEMANDA HORAS (MIN) MENSAL DIÁRIA POR DIA 5 300 15 1. OBTENDO UMA REDU CÃO DO TEMPO DE CICLO DE 16. WORLD CLÃ S S CONSULTORES NECES .00 200 10 1.91 HORAS.91 PODEMOS UER QUE O TEMPO DE PRODUÇÃO SARIO POR DIA CAIU PARA 7.25 600 30 5. O QUADRO RESULTANTE E O SEGUINTE: No.&X PARA TODOS.

... .. . l 1 l A i/Uví U\l_ O WORLD CLOSS CONSULTORES h..._. 3 : 3 20 MIN ± .. O PRÓXIMO PASSO E UTILIZAR UM SISTEMA PARA "PUXAR" A PRÓ DUCAO DOS COMPONENTES PARA MONTAGEM DO »MTV» nnc TOCC REDUTORES.. A 95 .. E "AMA CIADA" A PRODUÇÃO.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JÍT / KANBAN PROGRAMAÇÃO . MIN ESTABELECIDO O PROGRAMA-MESTRE.91 HORAS POR TURNO. l 15 : i 2 : a MIN : 2 : 2 : 2 60 MIN _.. .. AMACIAMENTO DA PRODUÇÃO A PRODUÇÃO RESULTA EM UNA NECESSIDADE DE 7.

PODE UTILIZAR O PRINCI PIO DO KANBAN? BI LJOFLD CLOSS CONSULTORES . DO TIPO "JOB-SHOP". O SISTEMA DE PRODUÇÃO CONUENCIONAL. QUE PERMEIA O SISTEMA DE PRODUÇÃO COM INFORMAÇÕES RELEUANTES SÓ BRE CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO E DO PRÓ CESSO.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO UTn i i / KANBAN KANBAN SISTEMA DE CONTROLE DE "CHÃO DE FABRICA" IDEALIZADO INICIALMENTE NA TOYOTA MOTOR CO. OBSERUACOES SOBRE PROCESSOS ESPE CIAIS E OUTRAS. POSSIBILITA AINDA UM EXCELENTE MEIO DE COMUNICAÇÃO. PARA UIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO DO uT iT lT TERMO JAPONÊS QUE SIGNIFICA "CARTÃO".

. . . CÓDIGO OU NOME DA CAIXA ONDE ESTE KANBAN E REGULARMENTE AFIXADO. . . 82 WORLD CLftSS CONSULTORES . . CÓDIGO OU DESCRIÇÃO DO LOCAL ONDE E TE KANBAN DEUE SER ENTREGUE. OU PONTO DE CONSUMO OU ROTA DE TRANSPOR TE. NUMERO DO CARTÃO. DESCRIÇÃO DA PECA. O KANBAN PODE CONTER UARIOS TIPOS DE INFORMAÇÃO: .NUMERO DA PECA. NOME DA PECA. QUANTIDADE DE PECAS POR KANBAN.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN . PODENDO SER O LUGAR DE ORIGEM DO ESTOQUE.LUGAR ONDE ELE E UTILIZADO.

. SERUE PARA: . l 83 WOBI.CONTROLAR TRANSPORTE ENTRE LOCAIS. REQUISITAR UMA PECA OU LOTE DE OU TROS PROCESSOS.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN . CONTROLAR TRANSPORTE ENTRE FORNECE DORES/CLIENTES E A PLANTA .D CLflSS CONSULTORES . . CONTROLAR TRANSPORTE ENTRE PROCES SOS NA PLANTA. . AUTORIZAR A PRODUÇÃO DE UNA PECA OU LOTE DE PRODUÇÃO.

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN DOIS TIPOS PRINCIPAIS: . KANBAN DE ORDEM DE PRODUÇÃO KANBAN O R D E M DE PRODUÇÃO KANBAN ESTOQUE DE REQUI S I CÃO •4- © © LINHA PE MAQUINAS C U M PROCESSO PRECEDENTE> WORLD CLASS < U M PROCESSO SUBSEQUENTE) CONSULTORES .KANBAN DE REQUISIÇÃO .

KANBAN EM PROCESSO OU KANBAN DE PRODUÇÃO. kANBAN DE ORDEM DE PRODUÇÃO. 85 WORLD CLflSS CONSULTORES -f Z? . DOIS TIPOS PRINCIPAIS: O KANBAN DE REQUISIÇÃO DETALHA A QUANTI DADE QUE O PROCESSO SUBSEQUENTE DEVE RE TIRAR.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN . O KANBAN DE ORDEM DE PRODUÇÃO DETERMINA A QUANTIDADE QUE O PROCESSO PRECEDENTE DEUE PRODUZIR.

O TIPO DA CAIXA E O B.-DE EMÍSSAÍ USINOGEM 4/B 20 KfiNBflN DE M-6 REQUISIÇÃO .PRATELEIRA DE ESTOQUE 5E215 NUMERO DO ITEM NOME DO ITEM TIFO DE CARRO ABREVIAÇÃO A 2 -l DO ITEH 5 PROCESSO PRECEDENTE FORJftHIA 3 5 6 7 0S 07 PI N H Ã O B-2 DO DIRECAO PROCESSO SUBSEQUENTE 5 X 5 BBC ICAPflC. ESTE KANBAN E O 4o. O ELEMENTO DO PROCESSO SUBSEQUENTE DEUE IR? A POSIÇÃO B-2 DA FORJARIA PARA RETI RAR AS PECAS. CADA CAIXA CONTEM 20 UNIDADES. Dfl CflIXfll TIPO M CflIXfl l Ho. DE UM CONJUNTO DE 8 WORLD CLÃSS CONSULTORES .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN No.

3 4 l PROCESSO DO ITEH [ l ! USINAGEM NUMERO IK> ITEH 56 7 90.PRflTELEIRA DE ESTOQUE 8flBREVIftCflOA 5 . . O PROCESSO DE USINAGEM SB-8 DEUE PRODU ZIR O UIRABREQUIM PARA O CARRO SX50BC-150.32 i SB-8 l l NOME DO [UM U I R A B R E Q U I M i F3 G -l TIPO DE CflRRO S X 5 0 B C -150 KANBAN DE ORDEM DE PRODUÇÃO . J" 87 WORLD CLASS CONSULTORES l . O UIRABREQUIM PRODUZIDO DEUE SER COLOCA DO NO PONTO DE ESTOCAGEM F26-Í8.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO J!T / KANBAN KANBAN No.

Etapas Envolvidas na Utilização dos dois Kanbans WORLD CLOSS CONSULTORES ^ ffa Processo Subsequente (Linha de Montagem) .9 . ^ff fffo \0 vffâ o Kanban equisiçâo Flg. 2.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN Posto Kanban cio Ordem de Produção Poslo de flecebimenlo de Ksnban Kanban de Ordem de Produção Kanban de Requisição e Unidades Físicas i III )1 s—>.

BEM COMO OS CONTEINERES UAZIOS. LÊ UANDO CONSIGO O NUMERO NECESSÁRIO DE KANBANS DE RETIRADA.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN INICIANDO NO PROCESSO SUBSEQUENTE. ABASTECEDOR SE DIRIGE COM EMPILHA DE IRA ATE O ESTOQUE PRECEDENTE. AS ETAPAS SÃO: i. ELE FAZ ISSO QUANDO EXISTIR UMA CERTA QUANTIDADE DE KANBANS DE RE QUISICAO EM SEU POSTO DE KANBANS DE REQUISIÇÃO. 89 WOHLDCLOSS CONSULTORES .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN XftNBftN INICIftNDO NO PROCESSO SUBSEQUENTE. DESTACA O KANBAN DE PRODU CÃO QUE ESTAUA FIXADO NO CONTAINER E COLOCA ESTE NO POSTO DE RECEBIMEN TO. AS ETftPflS SftO: 2. 90 WORLD CLASS CONSULTORES . DEIXA TAMBÉM OS PALETES UAZIOS NO LOCAL DESIGNADO PELO PESSOAL DO PRÓ CESSO PRECEDENTE. O ABftSTECEDOR RETIRA AS PECAS DO ES TOQUE A.

O RESPECTIUO KANBAN DE REQUISIÇÃO DE UE SER DESTACADO E COLOCADO EM SEU POSTO CORRESPONDENTE. 92 WORLD CLASS CONSULTORES . QUANDO CADA CONTAINER E RETIRADO PA RA USO NO PROCESSO SUBSEQUENTE. AS ETAPAS SÃO: 4.iTRATEGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN INICIANDO NO PROCESSO SUBSEQUENTE.

NA MÊS MA SEQUÊNCIA EM QUE ELE FOI DESTACA DO NO ESTOQUE A. NO PROCESSO PRECEDENTE. AS ETAPAS SÃO: 5. 93 WORLD CLflSS CONSULTORES .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN INICIANDO NO PROCESSO SUBSEQUENTE. O KANBAN DE ORDEM DE PRODUÇÃO DEUE SER COLOCADO NO POSTO DE RECEBIMENTO DE KANBAN E TEM DE SER COLOCADO NO POSTO DE KANBAN DE ORDEM DE PRODUÇÃO.

AS ETAPAS SÃO: 6.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN INICIANDO NO PROCESSO SUBSEQUENTE. QUANDO PROCESSA DO.ASS CONSULTORES . 94 WORLD CI. COMO UM PAR INDISSOLUUEL. PRODUZIR AS PECAS DE ACORDO COM A SEQUÊNCIA DE KANBANS DE PRODUÇÃO QUE AGUARDAM NO POSTO. TEM DE SE MOVER SOLIDARIAMENTE. 7. CADA UNIDADE FÍSICA (CONTAINER) E SEU CORRESPONDENTE KANBAN.

PERMITINDO QUE O ABASTECEDOR DO PROCESSO SUBSEQUENTE POSSA RETIRALAS A QUALQUER TEMPO. QUANDO AS UNIDADES FÍSICAS SÃO COM PLETADAS. i i l 95 WORLD CLA6S CONSULTORES .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN XANBAN INICIANDO NO PROCESSO SUBSEQUENTE. ELAS E O KANBAN DE PRODU CÃO SÃO COLOCADAS NO ESTOQUE A. AS ETAPAS SÃO: 8.

PROIBIDA PRODUÇÃO SUPERIOR AO NU MERO DE KANBANS . PROIBIDA A RETIRADA SEM KANBAN . KANBAN DEUE SER SEMPRE FIXADO FI SICAMENTE AO PRODUTO 2. O PROCESSO SUBSEQUENTE DEUE RETIRAR DO PRECEDENTE SOMENTE AS QUANTIDA DÊS NECESSÁRIAS E NO TEMPO NECESSA RIO.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN . A PRODUÇÃO DEUE SEGUIR A ORDEM SE QUENCIAL EM QUE CADA KANBAN DE PRODUÇÃO FOI ENTREGUE 96 WORLD CLOSS CONSULTOUES . . REGRAS 1. . O PROCESSO PRECEDENTE DEUE PRODUZIR SEMPRE NAS QUANTIDADES REQUISITADAS PELO SUBSEQUENTE. PROIBIDA RETIRADA MAIOR DO QUE O NUMERO DE KANBANS .

O NUMERO DE KANBANS DEUE SER MINIMIZA DO TANTO QUANTO POSSÍVEL. REGRAS 3.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN . í 97 WORLD CLftSS CONSULTORES . LEMBRAR QUE O PROCESSO SUBSEQUENTE NÃO POSSUI INVENTÁRIOS DE UNIDADES EX TRA PARA SUPRIR ESSE TIPO DE OCORREN CIA. No. 4. PRODUTOS COM DEFEITO NÃO DEUEM SER EN UIADOS AO PROCESSO SUBSEQUENTE. APARE CEM PERDAS DE TODOS OS TIPOS E ORI GENS. KANBANS r ESTOQUE EM PROCESSO A EXPERIÊNCIA TEM MOSTRADO QUE QUANDO AUMENTA O NIUEL DE INVENTARIO.

ATRAVÉS DOS CARTO ES UTILIZADOS.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN KANBAN REGRAS 5. PER MEANDO O SISTEMA DE PRODUÇÃO COM OS DA DOS DE ALTERAÇÕES NA DEMANDA DE MERCADO E OUTRAS EXIGÊNCIAS. SOMENTE A LINHA DE MONTAGEM FINAL RECE BE A SEQUÊNCIA DO PROGRAMA DIÁRIO DE PRODUÇÃO. (VASUHIRO WORLD ) "AUTO-SINCRONISMO") CLftSS CONSULTORES . O KANBAN E UTILIZADO PARA ADAPTAR PEQUE NAS FLUTUAÇÕES NA DEMANDA. PARA TODOS OS DEMAIS PROCESSOS. AS ALTERAÇÕES FLUEM NATURALMENTE PORTAN TO.

30% DE MELHORIA DA PRODUTIUIDADE DE MO ATRAUES DA CRIAÇÃO DE UM FLUXO "AERODINA MICO DE MATERIAIS. POSSIBILITA O AUMENTO DA PRODUTIUIDADE GLOBAL. BASE PARA AUTOMAÇÃO. NA MEDIDA EM QUE OB JETIUA LOTES DE l PECA.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN BENEFÍCIOS LÊ SUA UTILIZAÇÃO QUANTITATIUAMENTE: . 107fl WORLD CLflSS CONSULTORES .75X DE REDUÇÃO DOS INVENTÁRIOS . FACILITA ESTUDIS SEM NECESSIDADE DE GRANDES INUESTIMENTOS ADICIONAIS. 30X DE REDUÇÃO DO UALOR DO "BE POINT" .

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBfiN BENEFÍCIOS DE SUA UTILIZAÇÃO PERMITE REDUZIR DRASTICAMENTE QUÊS INTERMEDIÁRIOS. 107B WORLD CL«SS CONSULTORES . OS ESTO COLOCA OS PROBLEMAS EM EUIDENCIA. OU SEJA. CRIAN DO AS CONDIÇÕES BÁSICAS PARA ELIMINA-LOS FAVORECE PARTICIPAÇÃO EFETIUA DOS FUNCIO NARIOS COM IDEIAS. FAUORECE O INTERESSE DO HOMEM E CRIA UM UINCULO EN TRE ESTE E SEU AMBIENTE DE TRABALHO.

DADO QUE A PRODUÇÃO SÓ OCORRE QUANDO DE SUA SOLICITAÇÃO PELO MERCADO.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN BENEFÍCIOS DE SUA UTILIZAÇÃO CRIA BASES PARA UM RELACIONAMENTO MAIS MADURO ENTRE CAPITAL E TRABALHO. JL080 WORLD CLflSS CONSULTORES . ACER TADAS QUANDO DA FASE DE NEGOCIAÇÃO CO MERCIAL. DAS NECESSIDADES ESPECIFI CAS E PECULIARIDADES DE CLIENTES. FAVORECE (QUANDO UTILIZANDO SISTEMA KANBAN) A COMUNICAÇÃO DIRETA AO "CHÃO DE FABRICA". PERMITE A EMPRESA ATUAR DE FORMA BAS TANTE PRAGMÁTICA NO CURTO PRAZO.

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO
JIT / KftNBAN
BENEFÍCIOS DE SUA UTILIZAÇÃO

PERMITE, DENTRO DE CERTOS LIMITES, A
PRODUÇÃO DE ITENS "PERSONALIZADOS".
RELACIONAMENTO DURADOURO COM FORNECE
DORES, QUE PASSAM A ENCARAR SEUS ES
TOQUES COMO EXTENSÃO DOS ESTOQUES DA
EMPRESA-CLIENTE.

" QUANDO UMA EMPRESA ADOTA O JIT COM
UM FORNECEDOR, QUAL A TENDÊNCIA DÊS
TE?
PORQUE? "

i

l 0GB

WORLD

CL«SS

CONSULTORES

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO
JIT / KANBAN
KANBAN
DIMENSIONAMENTO DE CARTÕES ENTRE DOIS
CENTROS DE PRODUÇÃO, CONSIDERANDO A
SOMA DOS KANBANS DE REQUISIÇÃO E DE
PRODUÇÃO.
SEJAM:
X = No. TOTAL DE KANBANS
D = DEMANDA DO CENTRO CONSUMIDOR POR
UNIDADE DE TEMPO
- TEMPO DE ESPERA DO LOTE NO CENTRO
PRODUTOR
: TEMPO DE PROCESSAMENTO DO LOTE NO
CENTRO PRODUTOR
L = TAMANHO DO LOTE OU CAPACIDADE DO
CONTAINER (PECAS POR KANBAN)
D * (Te + T?) * (l + F)

X

-

.

L

ONDE L —> UER 64

WORLD

CLASS

CONSULTORES

ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO
JIT / JíANBAN
REQUISITOS PARA IMPLEMENTAÇÃO

2. MEDIDAS DE AUALIACAO DE DESEMPENHO

DEVEM SER CLARAS E OBJETIUAS.
DEUEM SER VOLTADAS A INCENTIUAR
COMPORTAMENTO COERENTE COM OS CRI
TERIOS COMPETITIUOS DA EMPRESA E
COM OS PRINCÍPIOS DA FILOSOFIA JIT
NÃO SÃO RECOMENDADAS MEDIDAS DE DE
SEMPENHO EXCLUSIUAMENTE RELACIONA
DAS A TAXAS DE UTILIZAÇÃO DE EQUI
PAMENTOS E UOLUME DE PRODUÇÃO.

i
í

i 01

WOflLD

CLflSS

CONSULTORES

POIS SÃO CRIADAS SITUAÇÕES NOUAS.5 AS) l 02 UORLDCLASS CONSULTORES . . EQUIPE DE IMPLEMENTAÇÃO DEUE POSSUIR ELEUADO GRAU DE OBSTINAÇÃO. ESPECIALISTAS VOLTADOS A CAPACITAR FUN CIONARIOS A ASSUMIR RESPONSABILIDADES SOBRE ATIUIDADES DE APOIO. PACIÊNCIA PARA ENFRENTAR UM LONGO PERI ODO DE IMPLANTAÇÃO (JAPÃO —> +. DE INCERTEZAS PARA QUEM SE BENEFICIAUA DA SITUAÇÃO ANTERIOR. REDUZIR DEPARTAMENTOS ESPECIALISTAS DE APOIO. NORMALMENTE SURGEM MUITOS PROBLEMAS TÉCNICOS E DESCRENCAS DE ALGUNS.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN REQUISITOS PARA IMPLEMENTAÇÃO 3. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL . .

. PARA . ABANDONAR SISTEMAS DE INCENTIVO POR MAXI MIZACAO DA PRODUÇÃO.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN REQUISITOS PARA IMPLEMENTAÇÃO 4. . . FAUORECER A FACILIDADE DE COMUNICAÇÃO EN TRE SETORES PRODUTIUOS. FAUORECER TRABALHO EM EQUIPE E AUTONOMIA DOS GRUPOS ENUOLUIDOS NA PRODUÇÃO. DISCIPLINA NO "CHÃO DE FABRICA". AS RECOMPENSAS PARA ADMINISTRADORES NÃO DEUEM SE BASEAR EM RELATÓRIO DE EFICIEN CIA A CURTO PRAZO. RESPEITO AOS PRESSUPOSTOS DO JIT. 103B WORLD CLASS CONSULTORES . MAS NO AUANCO EM DIRE CÃO AO OBJETIUO ESTABELECIDO. ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO .

EXIGE CONHECIMENTO PLENO DO PROCESSO E DO PRODUTO. . CONHECIMENTO DOS PROCESSOS .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN REQUISITOS PARA IMPLEMENTAÇÃO 5. ANALISAR ATIUIDADES NAS ÁREAS DE MANUFA TURA. HOHLD CLOSS CONSULTORES . . PROJETO. ALEM DE TUDO AQUILO QUE E NECESSÁRIO PARA ATIUAR OUTROS GRUPOS DENTRO DA EMPRESA. ELIMINANDO AQUELAS QUE GERAM DESPERDÍCIOS OU APE NAS QUE NÃO AGREGAM UALOR. DE MODO A PODER DETERMINAR COM PRECISÃO O NIUEL DE QUALIDADE QUE SE PRETENDE. ENFATIZAR OS PROCEDIMENTOS PARA PREPARA CÃO DE MAQUINAS ("SET-UPS"). ESCRITÓRIO.

. BASEADO NAS RELAÇÕES CLIEN TE-FORNECEDOR ENTRE CÉLULAS. ELIMI NANDO-OS GRADUALMENTE. CRIAR ESTRUTURAS CELULARES.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN REQUISITOS PARA IMPLEMENTAÇÃO 6. FACILITAR SISTEMAS SIMPLES DE CONTROLE DE PRODUÇÃO. BASEADAS NOS FLUXOS. . FACILITAR IMPLANTAÇÃO PASSO A PASSO DO SISTEMA KANBAN. WORLD CLÃSS CONSULTORES . TANTO PARA ESCRITÓRIOS COMO MANU FATURA. . . COM ES TOQUES DE SEGURANÇA TEMPORÁRIOS. ÊNFASE NOS FLUXOS DE PRODUÇÃO .FUNDAMEN TAL PARA A CONTINUIDADE OPERACIONAL. FACILITAR A DEFINIÇÃO CLARA DAS RESPONSA BILIDADES PELA QUALIDADE DE CADA CÉLULA. ELIMINAR FALHAS DE QUALIDADE . . CÉLULA A CÉLULA. FORNECER TÉCNICAS DE MEDIDA E AUALIACAO DA QUALIDADE.

l [ 106 WORLD CLASS CONSULTORES /5~o . .ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN REQUISITOS PARA IMPLEMENTAÇÃO 6. CRIAR ESTRUTURA ORGANIZACIONAL LEUE. ATINGIMENTO DAS METAS DIÁRIAS DE QUALI DADE EM PECAS DEFEITUOSAS POR MILHÃO. . PÁS SANDO FUNÇÕES DA MÓI PARA A MOD. FACILITAR PROCEDIMENTOS DE CONTROLE E ANALISE DE PROBLEMAS. FACILITAR ESTABELECIMENTO DE MEDIDAS DE AUALIACAO DE DESEMPENHO DAS CÉLULAS. ÊNFASE NOS FLUXOS DE PRODUÇÃO . COE RENTES COM A FILOSOFIA JIT. "LEAD-TIME" DA CÉLULA. . . . PERCENTUAL DIÁRIO DE ATINGIMENTO DO PROGRAMA DE PRODUÇÃO. FACILITAR ADEQUAÇÃO DE CONTROLES FINAN CEIROS E FISCAIS A NOUA REALIDADE. . .TAXAS DIÁRIAS DE ROTAÇÃO DE ESTOQUES. ETC. . DE MODO A EUITAR A SUA RECORRÊNCIA.

O PRINCIPIO GERAL DA TRANSFORMAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO EM UMA LINHA FICA PREJUDICADO. PORTANTO. NÃO CONTEMPLA (QUANDO UISTO COMO UMA TÉCNICA) AS UARIAUEIS ESTRATÉGICAS DA EMPRESA.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO OIT / KANBAN LIMITAÇÕES PARA SUA UTILIZAÇÃO E POUCO ADEQUADO A GRANDE UARIEDADE DE PRODUTOS. SER CONSIDERADO EM CON JUNTO COM OUTROS INSTRUMENTOS MAIS ES TRUTURADOS (MRP P. POIS NO CASO LIMITE ACABA UIRANDO PRODUÇÃO INTERMITENTE. ). t i i 109 UORLD CLflSS CONSULTORES U 7 . TAIS COMO PLANEJAMENTO DE MA TERIAIS.EX. DEUE. OU MESMO ROTEIROS DE PRÓ DUCAO. ETC. PLANEJAMENTO FINANCEIRO. QUE POSSAM FOR MAR UMA POLÍTICA GLOBAL DE ATENDIMENTO AO MERCADO E EXPLORAÇÃO DO NEGOCIO.

FLUXO SUAUE E CONTINUO DOS MA TERIAIS. AUMENTA RISCO DE PARALIZACAO DA LINHA POR FALTA DE ESTOQUE. ADMINISTRAÇÃO DA M. POUCO ADEQUADO PARA UTILIZAÇÃO EM SIS TEMAS DE PRODUÇÃO COM LONGAS CADEIAS DE TOMADA DE DECISÃO. NOS CASOS EM QUE A DEMANDA UARIA MUITO.O. PARA CONSEGUIR UM BALAN CEAMENTO INTERNO MAIS ADEQUADO DOS RE CURSOS. OU MESMO POR QUEBRA DE MAQUINAS.ÍGREUES PRÓPRIAS OU EM FORNECEDO RÉS). NÃO E FÁCIL DE SER IMPLANTADO.ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO JIT / KANBAN LIMITAÇÕES PARA SUA UTILIZAÇÃO MAIS ADEQUADO PARA USO NOS CASOS DE DE MANDA ESTAUEL. 110 WORLD CLOSS CONSULTORES . í CONUENIENTE UTILIZAR ESTOQUES DE PRÓ DUTO ACABADO. COMO PROCEDIMENTO PARA AMORTECER O IMPACTO.

a 493 K.r rhis jiudv.c dispropcrtionation anilhe _length_of__íhe inducrion ggrio_tj_ià_ suggested.jd . Nor does a variation of the caíalyst mass influence the length of me induction period (cf. pp. the modifíed residence •e of sthyibenzene amounted to vely.1^: fmdmgs in a study on . 20 r 5 10 15 20 TIME ON STREAM l h Figure I. in a kinetic study usine HY zeoiite. Recently. Styrene would be 'capable to easily form the benzyíic carbocation Ph-CH+-CH2_wMchJs_cojwid_eTedjp be the decisive intermediate in lhe transalkylarion mechanism afíer Sh-eitwieser and Reif [5]. 290 aná 1-5 g-h/moí. Nitrogen was on a Bruker MSL 400 NMR H) and 104.n measurements. for LaNaY-type zeolites. vir. jcciirs for a ccu •L . Figure 3) and on the degree of lanthanum exchange (c£ Figure 4) of the faujasites. Uniess other-vise a -yst W. From this cbscr/ancn we conclude that the induction penod itseií' ií directly connected with :ne r.i^. n W » [45 mg. an iníermediate ites-were activaied in-situ in flowing . For conversions up to 6 % in the starionary stage. T W = 290 mg. As depicted in Figure 3. The duration of the induction penod changes dramaucally &om rwo hours to one day (Figure 4). Product analysis was achieved phy. an activation temperature above 523 K already results in a decrease of the catalytic activiry and in an increased length of the inducuon period. me conversion increases over more than 20 hours. Figura i V eac. The conversion of ethylbenzene strongíy depends both on me activation temperature (cf..~cnor/ sri^e is reachcd. respectiveiy.3 MHz p Al). Aã can fce deduced from Figure Í.:clario_nship_ bef-vesn the actiyity_of -"s cataíyst m ethylbenzer.nvar. an inhibiting effect of diethyibenzenes on the disproporíionation rate of ethylbenzene was observed [6]. the catalytic system can be described with íhe mcdel of a differential reactor. With zeoiite LaNaY-72 at 433 K. _From^iyyres 3^jind_4_a_. For used with a rotation frequency .. Figure 1). Conversion of E-Bz on LaNaY-72 (A~433 K.j. 290.'•\^:T.iir.on of che .n. In order to obtain comparabie steady-state conversions.ií^iir. . LaNaY-72 and :d i_on exchange ín aqueous solurions ai inum exchange. 5 10 15 20 25 TIME ON STREAM / h Figurei.jr. o W = 5SO mg).^icd faujasites [7] suppcrt ±:s resulr. these differencss Ín the isngth of the inducdon period exist as well when íhe catalyst mass with me diffsrent ^soiites is aájusted to comparabie :onversions in me stationary stage. the modified residence time of ethylbenzene was varíed in these experiments. pyridine was pressure of 1. the role of bulícy OL iríod is discussed. Figure 2). it can be exciuded mat a saturarion of the cataíyst with styrene as an inevitable Lmpurity in the feed accounts for the tnduction period. Conversion of E-Bz on LaNaY-72 ai 453 K (* W = 73 mg.3 kPa Ín ílowina on ^eatment in flowing nicroeen at iv'"" f nirrogen for the tcmperamre. The duraticn of íhe induction period strongiy depends on the reaction íemperature (cf. ethyibenzene. T 453 K: c 473 K. respectiveiy}. the eífecr is even stronger.^ hours ''cf. •. When me activiry of the faujasites is varied by the degree of lanthanum exchange. the in-J ji1""'*'. In some expenments íhe "gher cataíyst bed. j with three different degrees of areies: LaNaY-63.f w gê pore zeolites by ríus incmcaon r^the basís of the widely accepted and Reif [5]. W/F^ = 580.izncer andyor strength of the Brsnsred . J j. Tne gás ciiromatographic 'e the highesr possible accaracy djs ribution [4]. whereas at 493 K the maximum of conversion is achieved after less than one hour._ and the sample characierizarion ip-"~"iture-progranimed desorpnon of fom poiar impunties ín an AkOj et nder atmospheric pressure in a .'rnjn and 40 cnV/min.

Lower temceratures and lowsr 5^ace veicc:t:=.c.h"~"ís strocgly iníeract with the :o-^ccept and release ethyl groups 1 :e.\Siiter\iiis Stuiiitó in Surface Science and Gitalysis. by Microporous Materials". <^" such a molecule is fonned by cqunts for their déficit during the . Elsevier. G. E. usina. Weiikamp. an important additive in FCC preparation (1-9). of the zeoiite j-.d"~>nal features of the reaction for es j>f the catalysts. Dai.F.\\_x-Bucimer-Forschungsstiftung. Vol. givir.Box 1608 Fort Arthur. V. the hydrogen transfer activih/ of ZSM-5 during conversion of propylene to paraffíns and olefins was investigated in detail. LTi (EcJttors. Ihm -imi Y. s. These H. hydrogen transfer is criticai to the distríbution of paraffinic and olennic products. together with propylene conversion experiments.-443.JA' J Monier. H.. Appí. the puré H. mortí pr^'i-_^:s are praserved as oiefins. Karge. B. 2 iit«3 (1983) 13-21. 1. 89 (1993) 2551-2557. Texas 77641. "S Ernst and J.-rlrj: as the mate: r r ^ i Li the present paper. . Somervell. L. Georgia 30332-0827. H. Propyiene conversion can be used as a probe reaction to test the hydrogen transfar activity over ZSM-5. in: et. c. .GaAl-offretítes have a hydrogen transfer index (HTI) rhat is significantly higher than either of the parent crystals containing only Al or Ga.H. EJsevier. The build-up of a / role for the occurrence of the Effect of Ga un the hydrogen transfer activity of zeolites with the offretite structure Pei-shing E.-. presumably the s^donary stage and the déficit of .d to favor hydrogen transfer reacnons. disproportionation is strongly l tt«5 faujasites. A 127 Temper ature-programmed NHs desorptíon (TPD) results. Kohle-Erdgas-Petrochem. and M.í)5 1997 Elsevier Science B.-. ín: "Zeoiites and Related . Vol. indicating that these materiais should be studied as possibie fluid cracking cataíyst (FCC) addítives for olefirts generation. It was obs-.Ga-offretite HTT is reduced by almost 50%. Patty Texaco R & D Department P. Chiin. Mark Tsang. we ex^icrs :he hvdro-ísn rrar. USA by Deutsche Forscímngs. á. Pfeifer and i Qitalysis.y Tons. 37. Proyress. • J J Silva. 39 Vvciikamp. have shown that introduction of Ga atoms into the aluminosilicate framework of H-offretites generates a second population of strong acid sites responsible for thermodesorptíon of NH3 ín the 400 to 600"C range.-K. USA M.g rara. In the absence of Al.sfer activitias • mng H-oífretites. Part C. .V "' :amp. Occeili Georgia Tech Research Institute Zeolites and Qays Research Program Adanta. ín a companion paper (10).7-vsd that as the silica-to-aiuminíi ratios (SAR. Introduction Among the complex network of reactions involved in FCC. 84.-J rour.crease.. . i. Caiai. j Catalysis. 82-M960) 5003-5005. H. O.jt Zeoiiie CUki Micraparous . and Randal H. propyiêns jonversion is -r-r Tr^be reaction. ly . Vni .S. Williamson. Varisant and G. C.dõl.K cr~~5tndies in Surface Science and i-: .

FACULDADE DE ENGENHARIA . . com motivos alusivos à copa da França .l calção azul .5 m . podem ser visualizados nas tabelas abaixo.0) 1. envolvendo dois tipos de "kit torcedor" para a copa do mundo de 1998.98 .Io.l apito O Kit "B" contém basicamente os mesmos itens.0 m x 0. AZUL . com cor predominante amarela . AMARELA — 2500 CAMISA OFIC.CAMPUS DE BAURU PI . enquanto que as disponibilidades de materiais^elémpós de espera para compras em fornecedores. com logotipo bordado da CBF .l camisa "oficial" da seleção brasileira. JOSÉ PAULO ALVES FUSCO (3. suponha que o pedido foi negociado para dia 30 e que estamos no dia 10. Uma empresa distribuidora de artigos esportivos recebeu uma encomenda de seu principal cliente. .l meia esportiva cor branca.l bandeira do Brasil tamanho 1. AMARELA 5500 CAMISA TORCJ AZUL 2500 MEIAS BRANC.3500 CAMISA TORC. Para efeito de cálculos de datas. a empresa deseja estabelecer seu planejamento deatividades e necessidades para atender seu cliente. SEMESTRE DE 1998 TURMA 1230X . ^ J^^o fll O kit "A" é composto por. 6000 7000 APITO BANDEIRA CALÇÃO CAMISAS MEIAS APITO 2 7 7 8 10 Considerando que a "linha de montagem" só tem capacidade para "montar" um tipo de kit de cada^vez ( não dá para "mesclar" a produção). para ambos os tipos.UNESP . O tempo de "montagem" de cada unidade do kit é de l minuto. O cliente deseja adquirir 5000 kits do tipo "A" e 3000 Jdts do tipo "B". MATERIAIS ESTOQUE MATERIAIS TEMPO (d) BANDEIRA -5500 CALÇÃO AZUL —4000 CAMISA OFIC.l camisa "torcedor".ADMINISTRAÇÃO . com a diferença de que as camisas tipo "torcedor" e "oficial" são na cor azul.PROF.

procure definir mentalmente os passos a seguir para se chegar à solução. (1.. •>•• * Boa prova! / ^' . Antes de iniciar cada questão. e assegure ter entendido claramente todas as situações descritas e o que está sendo pedido. (2. Período (t) D(t) 1 2 250 225 3 4 5 6 7 8 9 10 240 235 215 245 240 245 230 235 i 1 Calcular a previsão da demanda para o lio.0) 2^ Os dados da tabela abaixo exprimem o histórico de vendas de um produto nos últimos 10 anos.0) 2.0)^ Explique porque é importante para uma empresa inserir sua marca no "conjunto de consciência" dos consumidores. Qual a diferença entre marketing e vendas? Atenção:. / ' e finanças. no que se refere a política de estoques. período. leia com cuidado todas as questões. . e o que determina o início do "processo de busca" de bens e serviços? .0) X Explique com suas palavras os conflitos entre as áreas de produção.Antes de resolver cada questão.(l . Quais os tipos e para que servem os estoques? (2.0) tf.^^/^'^ (l. utilizando o método da média móvel. v\ tr Tl ~ 5 .

Fayol se preocupava com o todo organizacional e fundamentava-se em 14 princípios.Avaliação de Administração . - Caracterize o papel do Gerente nesse processo. - Avalie amplamente os pressupostos e consequências dessas medidas. Centralização e Iniciativa. Enquanto Taylor trabalhava na perspectiva do "chão de fébrica". í-: -^ -. -t . . ) Objetivando incentivar a produção e elevar a eficiência do operário. Dorival . ' -- . ^_-. Espírito de Equipe.Prof. Dentre esses princípios destacamos quatro deles: Unidade de Comando. Taylor recorreu ao aumento salarial e/ou prémio de produção.- .Dê o seu^entendimento sobre cada um e estabeleça supostas e/ou prováveis contradições.

Related Interests