You are on page 1of 15

MANUAL DE AGRICULTURA NATURAL

ELABORAÇÃO : DIJAIR ALVES DA SILVA


IPA/ DEAT

RECIFE/2008
MANUAL DE AGRICULTURA NATURAL

Nada mais importante para o homem do que ele se conscientizar que


como parte da natureza e apesar de toda a tecnologia sofisticada , ele está
sujeito às leis naturais, como qualquer animal ou planta .
Quando se comporta como parasita, terá o destino de todo o parasita
que é a auto-extinção . E quando se comportar como parte de todo será
preservado para manter o equilíbrio .
Acompanhando-se a trajetória da energia que pulsa no planeta ,
veremos que toda ela vem do sol. Direta ou indiretamente, todos os seres
vivos dependem dessa bateria distante e diária. Outra coisa muito importante
dentro da agricultura natural ou alternativa, é levar em consideração a grande
Lei da Seleção Natural , como sabemos , todos os seres vivos têm seus
predadores , inclusive o homem. Quando certa espécie se reune num espaço
limitado, seus inimigos naturais são atraídos. A agricultura orgânica não busca
a produtividade máxima a qualquer custo , mas a estabilidade da produção
com sanidade e a longo prazo . Deste modo, a genética é um instrumento
importante para se alcançar uma boa produção. Os agricultores orgânicos
devem fazer opção por sementes ou espécies animais compatíveis com o local
onde estão os seus sítios. Isto porque a sanidade animal e vegetal é mais
facilmente alcançada, quanto mais próximo o ser vivo estiver mais próximo do
local de origem .

O SANGUE DA PLANTA E O PULMÃO DO SOLO

Reparem que quando falta água as plantas murcham. Esse fenômeno é


devido a um mecanismo de sobrevivência da planta . As plantas dispõem de
poros , que se fecham quando ocorre falta d’água , para com isto evitar perdas
por evapotranspiração . Cerca de 80 % do tecido das plantas são constituídos
de água , que vem do solo através das raízes. Esta água não vem pura, mas sim
trazendo todos os componentes minerais da planta, em forma de solução. É o
sangue da planta .
Entre a folha e a raiz é estabelecida uma ligação contínua dessa
solução. A água preenche as células e forma novos órgãos , num processo
dinâmico : Vivo . Tudo isto acontece graças ao solo que aciona pequenas
usinas verdes . Assim como o homem precisa de respirar para poder viver ,
igualmente , o solo saudável , produtivo , deve ter uma boa estrutura física
para permitir a entrada de oxigênio. Todo ser vivo respira oxigênio e exala
gás carbônico . O solo vivo faz exatamente isso . Portanto devemos sempre
atentar para a fofice do solo. Um solo poroso é um solo com pulmão .

O SISTEMA DIGESTIVO DO SOLO E DAS PLANTAS E O SEU


MANEJO

Toda matéria orgânica : Folhas , insetos mortos , galhos e qualquer


coisa que venha do reino vegetal ou animal, ao cair em um solo sadio,
inevitavelmente será digerido pela microvida existente neste solo e
posteriormente assimilada pelas raízes ( Intestino das plantas ) .A
decomposição dos resíduos orgânicos é um processo eminentemente
biológico, dependente dentre outros fatores : da composição do material a ser
decomposto ; das condições climáticas , principalmente no que diz respeito à
luminosidade, temperatura e disponibilidade de água ; do tipo do solo ; do PH
do solo. Em solos ácidos há predominância de fungos , enquanto que em solos
com tendência a neutros, as bactérias são mais numerosas. Em solos saturados
de água , uma reduzida população de bactérias não consegue decompor a
lignina, favorecendo o acúmulo de resíduos orgânicos, é o que ocorre com a
turfa .
Quando o médico quer diagnosticar a doença de uma pessoa, uma das
primeiras providências é analisar o seu intestino . Assim também deve ser com
as plantas . Quanto mais um solo é poroso, mantém maior umidade, tem mais
aeração , logo tem mais vida, então a raiz da planta vai explorar uma área
maior, inclusive buscando água nas profundezas do solo, para no caso de uma
seca profunda ela poder resistir.
Outra coisa muito importante para que se tenha uma plantação em boas
condições é utilizar o mulche ou cobertura morta . O mulche é a pele do solo.
A cobertura morta dificulta o aparecimento do mato , evita a
evaporação da água , incrementa a microvida e as minhocas , evita a
desintegração da estrutura do solo pelo impacto direto da chuva e mantém o
ponto de aeração do solo, facilitando a penetração da água e do ar.O mulche
ou cobertura morta, evita o excesso de água e a conseqüente passagem de
nutrientes para o subsolo. Para fazer a cobertura morta pode ser utilizado
bagaço de cana , palha de arroz, capim seco , serragem de madeira ( cascalho
ou pó de serra ). Um canteiro sem cobertura morta que é regado pela manhã ,
ao meio dia está seco, voltando a ser irrigado novamente no período da tarde ,
este canteiro jamais criará o equilíbrio vital .
COMPOSTAGEM – Quando entrar numa mata , repare que as folhas
caídas primeiro estão pretas, as outras que caíram recentemente estão
perfeitas, então através de um processo contínuo e perfeito, as folhas se
decompõem transformando em húmus. Todos os minerais que estão naquelas
folhas retornarão ao solo . A floresta é uma fábrica de composto.
Fora da floresta , você poderá fabricar o composto utilizando os mais
diversos materiais, como : lixo, galhos de árvores , folhas ,restos de culturas,
esterco , cinza , etc. Para Ter um bom composto os materiais devem ser
arrumados em camadas , mantida a umidade ideal e revirado o monte de
composto para uma boa aeração .
ADUBAÇÃO VERDE – Constitui um dos métodos de manejo
orgânico do solo. É a prática de se incorporar ao solo massa vegetal não
decomposta, de plantas cultivadas no local ou importadas, com a finalidade de
preservar ou restaurar a produtividade das terras agricultadas ( Chaves, 1989) .
A adubação verde pode desempenhar as seguintes funções :
- Proteger o solo das chuvas de alta intensidade.
- Manter a taxa de infiltração de água no solo elevada. As raízes, após sua
decomposição, deixam canais no solo que agregam sua estrutura, enquanto
a cobertura vegetal evita a desagregação superficial e reduz a velocidade de
escoamento das enxurradas.
- Manter ou elevar o teor de matéria orgânica do solo.
- Aumentar a capacidade de retenção de água do solo.
- Recuperar fisicamente os solos degradados através de uma grande
produção de raízes, promovendo o rompimento de camadas adensadas .
- Diminuir a lixiviação de nutrientes , principalmente nitrogênio e potássio.
- Aumentar a quantidade de nitrogênio no solo através da fixação biológica
pela utilização de leguminosas como adubo verde .
- Reduzir a infestação de invasoras, pelo efeito supressor e ou alelopático de
algumas plantas usadas como adubo verde sobre outras que são infestantes
dos cultivos comerciais. Como é o caso da mucuna preta e feijão de porco
no controle da tiririca ou capim alho.
- Utilização na alimentação humana , animal, produção de madeira ou
carvão.
- Criar condições ambientais favoráveis ao incremento da atividade
biológica do solo .
- Aumentar a disponibilidade de macro e micronutrientes no solo, em formas
assimiláveis pelas plantas .
- Elevação do PH do solo e consequentemente a diminuição da acidez,
principalmente pela ação das leguminosas.
- Aumentar a capacidade de troca catiônica ( CTC ) efetiva do solo .

IMPORTÂNCIA DA ROTAÇÃO DE CULTURAS

As plantas soltam pelas raízes certas substâncias que são características


de sua espécie. Assim como cada um de nós, tem um suor diferente, as plantas
tem exsudações diferentes, as quais selecionam a microvida que vive em sua
rizosfera. Na natureza, quanto maior a heterogeneidade, maior a estabilidade.
A floresta nunca tem pragas e doenças, porque ela é heterogênea e cheia de
húmus .
Reparem que em torno de uma mangueira velha é difícil desenvolver-se
uma filha dessa árvore. O que aconteceria se todas as suas sementes se
transformassem em árvores ? Ocorreria uma competição pelos mesmos
nutrientes do solo . Então certas árvores soltam pela raiz , substâncias
inibidoras do crescimento de suas próprias sementes , assim quanto mais longe
a semente se estabelecer , mais chance ela terá de sobreviver.
Quando se planta couve num canteiro , na primeira vez é um sucesso ,
na segunda vez , apesar de adubado o terreno, já começa a aparecerem
pulgões, na terceira vez, além dos pulgões, aparecem lagartas, até que não se
consiga nenhuma produção se continuar plantando no mesmo canteiro .
O mato ou erva daninha é uma planta invasora que compete com a
cultura principal. A natureza dotou o mato da missão de colonizar o solo
doente , extraindo seus nutrientes lixiviados para a parte mais profunda do
solo. O mato reflete a degeneração do solo quanto a sua fertilidade física e
química. O mato é adaptado para solo ruim . Em solos pobres e ácidos, o mais
comum é aparecer gengibre, barba de bode, sapé. Se você colocar matéria
orgânica neste solo, estas espécies desaparecerão, em seu lugar sairá beldroega
, caruru ou bredo de espinho e a mostarda selvagem que são plantas moles e
fáceis de acabar. Para controlar ervas daninhas nos canteiros pode ser
realizada uma cobertura morta ou o abafamento do mato , diminuindo o
espaçamento da cultura principal e aumentando a densidade de plantio .

O EQUILÍBRIO
A saúde do homem depende da saúde da planta, que por sua vez,
depende da saúde do solo. É por isso que o homem atual tem a vida tão curta e
se apresenta tão degenerado.
As plantas estão doentes, precisam de defensivos químicos
(agrotóxicos) , porque os solos estão doentes precisam de adubos químicos.
Então, uma população que come uma planta fraca, oriunda de um solo fraco,
tem que ser fraca . Vejam como é importante o equilíbrio : Numa cidade do
interior de São Paulo, acontecia a maior praga de saúvas de que se teve
notícias. Foram tentados todos os meios para conter as saúvas, que sempre se
tornavam resistentes aos formicidas, até que um dia, um pesquisador,
descobriu que há algum tempo houvera uma matança cruel de tatus .
Acontece que o tatu é o maior inimigo natural das saúvas . Assim foi só o
prefeito, proibir a matança de tatus no município . Em pouco tempo as saúvas
deixaram de ser praga . Não sumiram , mais tiveram sua população
equilibrada pelos tatus .

AS PRAGAS E AS DOENÇAS

Os insetos e fungos são mecanismos de evolução que a“Mãe Natureza”


emprega para eliminar os menos aptos à deixar descendentes . Tanto no reino
animal, como no reino vegetal, esta lei age direta ou indiretamente, rápida ou
vagarosamente . Assim, quando observamos uma plantação superalimentada
com adubos químicos , sabemos que ela é também superprotegida com
inseticidas que provavelmente alimentará ( em excesso ), pessoas artificiais
que vivem as custas de remédios .
A alimentação equilibrada é importante nos dois reinos ( animal e
vegetal). No plantio de couve, o pulgão só ataca a couve mais fraca, a couve
bem nutrida é deixada em paz. Isto porque a couve equilibrada, tem defesas
naturais e o pulgão, prefere atacar a couve fraca , sem defesa . As plantas não
têm pernas para fugir dos inimigos , logo, desenvolveram suas defesas
mecânicas.
Então, para não perder seu tempo, pulverizando, mesmo com
inseticidas naturais, previna-se, fazendo um bom composto e adubando o solo,
antes de começar o plantio . O composto cria um microambiente heterogêneo,
que impede o desenvolvimento de fungos patogênicos .

PLANTAS COMPANHEIRAS
Os insetos são olfativos . As culturas possuem um cheiro característico
que atrai seus inimigos ou predadores. Certas ervas, plantadas junto com essas
culturas, confundem o olfato do inseto e diminuem-lhe o ataque . Algumas
plantas eliminam ácidos pelo seu sistema radicular , os quais inibem a
multiplicação de outras plantas consideradas ervas daninhas .
Vejamos algumas combinações úteis de plantas companheiras :

GIRASSOL E MILHO
Plantar o girassol cercando uma roça de milho, porque as lagartas que atacam
o milho, preferem comer o girassol e deixam o milho se desenvolver .

O GERGELIM E A SAÚVA
As saúvas gostam muito das folhas do gergelim, porém as folhas do gergelim
têm substâncias que acabam matando os fungos que alimentam as saúvas.
Plante gergelim no aceiro do roçado .

CARURU OU BREDO DE ESPINHO


O Caruru ou Bredo de espinho, deve ser plantado ou permitido o seu
crescimento livre nas ruas dos canteiros de beterraba . Serve para manter a
vaquinha, um inseto que corta as folhas da beterraba, ocupada com as folhas
de caruru .

RABANETE
O rabanete plantado perto de pepino e vagem , afugenta os insetos que iriam
atacar estas hortaliças.

CRAVO DE DEFUNTO
Planta-se dentro das culturas para controle dos nematóides .

SALSÃO
O salsão plantado dentro de canteiros de couve- flor e couve comum, afugenta
os insetos que iriam atacar as couves .

ALHO
Plantando alho dentro da plantação de batata as pragas são repelidas .

MUCUNA PRETA
Plantando-se linhas de mucuna preta, intercaladas na cultura do milho, o
ataque do caruncho e traça, no campo são reduzidos em 90 %. A mucuna preta
também é excelente para adubação verde e para controlar o aparecimento da
tiririca ou capim alho .

MANJERICÃO
Plantar manjericão perto da horta e nas ruas dos canteiros, evitar o ataque de
pragas para as hortaliças .

ALECRIM
O alecrim plantado dentro dos canteiros de repolho e couve, afasta a
borboleta, antes que ela realize postura de ovos que venham gerar lagartas
para as culturas.

MAMONA
A mamona repele mosquitos, é muito útil plantá-la ao lado de água parada.

FEIJÃO DE PORCO
O Feijão de porco plantado em locais infestado com tiririca ou capim alho,
controla esta erva daninha , uma vez que suas raízes liberam toxinas no solo
que controlam a multiplicação da tiririca.

GERÂNIO
O Gerânio plantado na horta afasta os insetos .

PIMENTA
A pimenta plantada dentro da horta também afasta os insetos .A pimenta
malagueta macerada e mantida de molho por 24 horas, depois coada e
pulverizada, repele insetos de fruteiras e hortaliças. Usa-se cerca de 10 a 20
gramas por litro de água. Se for macerada e colocada na água com um pouco
de sabão derretido até cobrir o macerado, pulverizando ou pincelando sobre as
plantas controla pulgões , cochonilhas e trips.

HORTELÃ
A hortelã da folha miúda plantada nas bordaduras dos canteiros de hortaliças
,impede o ataque de formigas .

ALFACE
O Alface plantado com a cenoura e o rabanete torna-o mais macios e com a
cebola dá-lhe proteção contra as lesmas.

CENOURA
A Cenoura vai muito bem quando plantada com alface, feijão , cebola,
cebolinha, alho, rabanete, tomate, alecrim

FEIJÃO
Os Feijões em geral , vão muito bem com milho, batata, cenoura, pepino,
couve-flor, repolho e ervas aromáticas .
As plantas acima descritas, são repelentes dos insetos, mas se mesmo
assim houver o ataque de pragas use os inseticidas naturais .

INSETICIDAS NATURAIS

URTIGA
A Urtiga é indicada para controle de pulgões e como Adubo foliar .
500 gramas da planta inteira fresca ou 100g de urtiga seca e 10 litros de água.
A urtiga é macerada e colocada na água por 2 dias ou curtida na água por 15
dias. A primeira forma é para aplicação imediata sem diluição e a Segunda
deve ser diluída em 1 parte do líquido curtido para 10 litros de água. Como
adubo foliar usar o líquido curtido na proporção de 1 : 1

ANGICO
1 Kg de Folhas de Angico maceradas e colocadas em 10 litros de água para
curtir por um período mínimo de 10 dias.Quanto mais tempo ficar,mais forte o
produto. Coar e aplicar na diluição de 1 litro para 10 litros de água . Serve
para controle de lagartas , vaquinhas , pulgões , cochonilhas .

CEBOLA
Esmagar 10 gramas de cebola para cada litro de água, coar e aplicar 3 vezes a
cada 3 dias. Atua contra pulgões , cochonilhas e ácaros .

CEBOLINHA
Colher um molho de folhas de cebolinha, de manhã cedo. Colocar numa
vasilha e despejar água fervendo. Deixar repousar por uns 20 minutos e
pulverizar sem diluição. É usado contra mofos em geral .
ALHO
Esmagar 10 gramas de alho por litro de água , coar e usar pulverizando sobre
as plantas , 3 vezes com cada aplicação de 3 em 3 dias . Atua contra
cochonilhas , pulgões e ácaros .

CONFREI
1 kg de folhas e talos de confrei , triturados com água em um liqüidificador e
deixados em infusão por 10 dias . Depois acrescentar 10 litros de água , coar e
pulverizar nas plantas contra pulgões. Também atua como adubo foliar .

CRAVO DE DEFUNTO
1 kg de folhas e talos de cravo-de-defuntos , macerados em 10 litros de água ,
depois colocado para ferver durante meia hora , ou colocado de molho por
dois a três dias. Coar e pulverizar nas plantas para controlar pulgões , ácaros e
algumas lagartas .

CAMOMILA
1 kg de folhas e flores de camomila , macerados e colocados para ferver por
meia hora em 10 litros de água . Coar e pulverizar molhando bem as plantas.
Atua como revigorante de plantas fracas e controlador de algumas doenças
vegetais .

TOMATEIRO
1 – Num frasco com capacidade de 2 litros , colocar meio kg de folhas e talos
de tomateiro bem picados, adicionar 1 litro de álcool e deixar em repouso por
alguns dias . Depois coar , diluir um copo do extrato para 10 litros de água e
pulverizar nas plantas para controle de pulgões .
2 – Ferver por aproximadamente uma hora , 25 kg de talos e folhas de
tomateiro em 10 litros de água , tudo o mais picado possível, adicionar
100gramas de carbonato de sódio . Depois de fervido , coar , completar para
100 litros de água e pulverizar nas plantas. Serve para pulgões e pequenos
insetos .

MANIPUEIRA
O uso da manipueira pura diretamente na cova , 15 dias antes do plantio e na
dosagem de 1 a 1,5 litro por cova controla totalmente os nematóides .
LEITE DE VACA
O leite de vaca usado cru, numa diluição de 10 a 20 % , é indicado para
controle de ácaros e ovos de diversas lagartas, sendo ainda atrativo para
lesmas e utilizado no combate de várias doenças fúngicas e viróticas . Na
concentração de 5 % ( 1 litro de leite cru em 19 litros de água ) , pulverizado
sobre as plantas, por baixo e por cima das folhas , é eficiente no controle do
oídio , principalmente em curcubitáceas .

URINA DE VACA
A urina de vaca é utilizada como fungicida e para fortalecer a planta .Deixar
descansar por 3 dias , tampada, e empregar na dosagem de 0,5 % ( 50 ml em
10 litros de água ) se a aplicação for semanal, ou 1 % ( 100 ml em 10 litros de
água ) se a aplicação for quinzenal .Para controle da fusariose em abacaxi : 1
litro de urina de vaca curtida por 3 dias , 1 litro de urina para 9 litros de água
e aplicar 50 ml da solução no centro de cada planta . O tratamento é feito aos
2, 6 e 9 meses após o plantio .

CINZA DE MADEIRA
A cinza de madeira é um material rico em potássio, recomendado para o
controle de pragas e até algumas doenças. Pode ser aplicada na mistura com
outros produtos naturais como sabão e cal .Misturar 50 gramas de cinza ,
60 gramas de cal e 50 gramas de sabão derretido em 5 litros de água, agitar e
deixar descansar por 1 a 2 dias. Coar e pulverizar nas plantas .A cinza pode
ser usada ainda polvilhada fartamente ao redor das plantas , para prevenir
ataque de doenças das raízes em repolho , couve e beterraba . Para prevenir o
ataque de brocas em árvores , fazer uma pasta e pincelar nos troncos das
plantas .

FARINHA DE TRIGO
A farinha de trigo de uso doméstico pode ser eficiente no controle de ácaros ,
pulgões e lagartas em pomares domésticos e comunitários. Pulverizar pela
manhã as folhas atacadas. Ao secar com o sol, será formada uma película que
envolverá as pragas que cairão com o vento .

ENXOFRE
O Enxofre é um dos produtos mais usados no controle de pragas e doenças de
plantas , tem ação como inseticida , acaricida e fungicida .
1 – Mistura Sulfocálcica : Misturar 1 kg de cal virgem , 2 kg de enxofre e
2 litros de água.Depois de misturado os 3 produtos, colocar mais 8 litros de
água, levar ao fogo e deixar ferver por 1 hora . Depois da fervura , repousar
por 1 dia. Na hora de usar , diluir 2 litros da mistura em 8 litros de água.
Pulverizar nas plantas para controle de ácaros, cochonilhas , fungos , insetos .
2 – Calda Sulfocálcica : Para preparar a Calda Sulfocálcica , aquecer
ligeiramente, 2 copos de água e colocar meio quilo de cal virgem , voltando
novamente ao fogo para ferver . quando estiver fervendo adicionar aos poucos
1 kg de enxofre em pó , agitando com uma colher de pau até formar uma
mistura homogênea , na qual não haja separação do enxofre e com a mistura
ainda quente, colocar 2,5 litros de água e deixar ferver por mais 50 minutos.
Após o tempo de fervura , deixar esfriar , observar se ficou com a amarelo
escuro . A concentração deve ser 25 a 35 graus Baumé .A calda fria deverá ser
coada e guardada em vasilhame de vidro , ferro galvanizado ou plástico e bem
fechado para que não haja entrada de ar .Pulverizar em hortaliças para
controle de ferrugem , ácaros e trips na dosagem de meio litro para 10 litros
de água. Em goiabeira é usada para controle da ferrugem e em citros para
controle da gomose .

CALDA BORDALEZA
Colocar 200 gramas de sulfato de cobre em um saco de pano ralo e deixá-lo
suspenso em 5 litros de água. Se utilizar água morna, o sulfato de cobre
se dissolverá mais rapidamente. Pode-se também deixar o sulfato de
cobre em suspensão na água ( 5 litros ) de um dia para outro . Colocar
200 gramas de cal virgem em um balde com pouca água. Após a reação
completa da cal, quando se forma uma pasta rala, completar o volume da
água para 5 litros .Despejar a solução de sulfato de cobre, sobre a solução
de cal virgem. Nunca o contrário. Mexer bem para que o cal não decante.
Coar a solução , colocar no pulverizador e completar o volume para 20
litros. Antes de pulverizar, medir com um papel de medir PH e ajustar
PH para 7. Se tiver abaixo colocar mais leite de cal até ficar em 7. Uma
maneira prática de observar se a calda está ácida ( PH abaixo de 7 ) é
pingar uma gota da calda em uma faca de ferro ou canivete, aguardar 3
minutos e se formar uma mancha avermelhada no metal, é porque está
ácida , então é necessário colocar mais leite de cal .
A calda bordaleza é indicada para controle de doenças de fruteiras e hortaliças

HORTALIÇAS :
- Tomate : Controla a requeima , a pinta preta e a septoriose. Só iniciar a
aplicação quando as plantas estiverem com 4 folhas.
- Batata : controla a requeima e a pinta preta. Só iniciar a aplicação após 20
dias da germinação .
- Cebola e Alho : Controla a mancha púrpura e outras manchas da folha .
- Beterraba : Controla a mancha das folhas ( Cercospora beticola ). Usar 3
partes de calda para 1 parte de água .
- Alface e Chicória : Controla o míldio e podridão de esclerotínia . Usar 1
parte de calda para 1 parte de água .
- Couve e Repolho : Controla o míldio e a alternária em sementeira . Usar 1
parte de calda para 1 parte de água .
- Abobrinha e Pepino : controla míldio e outras manchas foliares .Usar 1
parte de calda para 1 parte de água .

FRUTEIRAS :
- Citros : Controla a verrugose e a melanose. Pulverizar uma vez após a
florada , adicionando-se óleo mineral .
- Goiabeiras : Controla a ferrugem. Fazer pulverizações períodicas quando
tiver as condições favoráveis da doença. Alta umidade e temperaturas
amenas .
- Mangueiras e Cajueiros : Controla a antracnose. Fazer pulverização antes
da florada, em cobertura total , molhando bem as folhas.A Segunda
pulverização deve ser feita no florescimento .Repetir a cada 15 dias de
acordo com as condições do tempo e aparecimento da doença .

PASTA BORDALEZA
A pasta bordaleza é preparada com 1 kg de sulfato de cobre , 2 kg de cal
virgem e 5 litros de água . é usada para pincelar troncos de árvores após a
raspagem de áreas afetadas por doenças e locais de corte dos ramos podados .

CALDA VIÇOSA
A Calda Viçosa é um melhoramento da calda bordaleza , com a utilização de
micronutrientes.Com a Calda Viçosa pode ser obtido excelentes resultados no
controle fitossanitário , na melhoria do estado nutricional e no aumento da
produtividade de fruteiras e hortaliças .Preparo da Calda Viçosa : Para 100
litros de água, acrescentar 500gramas de sulfato de cobre , 600gramas de
sulfato de zinco , 400gramas de sulfato de magnésio, 200 g de ácido bórico e
500 g de cal hidratada.
SUPERMAGRO
A Calda Supermagro é produto da fermentação de estercos animais,
enriquecidos com micronutrientes e outros produtos de origem animal,
obtendo-se uma calda biofertilizante para aplicação foliar nas plantas .
Preparo : Em um barril de 200 litros, colocar 40 litros de esterco fresco de
vaca , 100 litros de água , 1 litro de leite cru e 1 litro de melaço. Misturar bem
e deixar fermentar durante três dias . Colocar no tonel 3 kg de sulfato de zinco
dissolvido em 2 litros de água morna e depois misturado com 1 litro de melaço
ou 0,5 kg de açúcar , juntar também 200 g de farinha de osso , ou 500g de
restos de peixe, ou 100 g de sangue , ou 200 g de restos de fígado moído
.Tampar e deixar fermentar por mais 5 dias. Colocar 1 kg de sulfato de
magnésio e deixar fermentar por mais 5 dias . Colocar 300 g de sulfato de
manganês e deixar fermentar por mais 5 dias . Colocar 300 g de sulfato de
cobre e deixar fermentar por 5 dias. Colocar 2 kg de Cloreto de cálcio e deixar
fermentar por 5 dias. Colocar 1 kg de Bórax ou ácido bórico e deixar
fermentar por 5 dias. E por último colocar 125 gramas de Cofermol .
Completar o volume para 180 litros e deixar fermentar por mais 5 dias . É
importante que cada 7 dias seja reativada a fermentação , colocando um litro
de leite , melaço ou açúcar e mexendo a mistura .
O Supermagro deve ser utilizado na proporção de 1 litro, para cada 20 litros
de água. Deve-se ter o cuidado de filtrar a mistura , para evitar entupimento do
bico do pulverizador.

Bokashi

Ingredientes:
50 kg de composto ou esterco curtido
20 kg de torta de mamona
10 kg de farinha de ossos
10 kg de farinha de rocha (MB – 4)
10 kg de cinzas de madeira
Micronutrientes (100 g de bórax, 100 g de sulfato de zinco, ferro, manganês,
etc)
2,5 kg de farelo de trigo.
Modo de preparar: Misturar todos os ingredientes de forma bem homogênea
e depois ensacar ou deixar coberto em local protegido da chuva.
Modo de usar: Recomenda-se usar em horticultura, como adubação de
fundação e de cobertura, na quantidade de 200g por planta ou 1 kg por metro
linear.
Recomenda-se utilizar em fruticultura, como adubação de fundação, de
cobertura e de frutificação, na quantidade de 800 g por planta.
BIBLIOGRAFIA CONSULTADA :

SEÓ , Hiroshi – Manual de Agricultura Natural ,196 pp 2ªED 1997 CULTRIX


COSTA, Manoel Baltasar Baptista. A agricultura Alternativa no Estado de
São Paulo, 2001.

GUERRA, Milton de Souza. Receituário Caseiro : Alternativas para o controle


de pragas e doenças de plantas cultivadas e de seus produtos. Brasília.
Embrater,1985. 166 p. il. ( Informações Técnicas , 7 )

ZAMBERLAN , A,F.& FRONCHETI,A.Agricultura aAlternativa: um


enfrentamento à agricultura química.Passo Fundo;ed.P.Berthien.1994.167p.

INSTITUTO AGRONÔNICO DE PERNAMBUCO

MANUAL DE AGRICULTURA NATURAL

ELABORAÇÃO : DIJAIR ALVES DA SILVA


IPA/ DEAT

RECIFE/2008