You are on page 1of 2

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Centro de Ciências Humanas Letras e Artes
Departamento de História
Curso: Ciências Sociais
Docente: Leilane Assunção

Resenha literária: Brasil um país do futuro de Stefan Zweig

Por João Pedro de Sousa

Desejo com esse texto analisar a obra Brasil, um país do futuro de
Stefan Zweig sob uma ótica próxima à realidade aos quais suas observações
foram feitas. Observando hoje percebemos que as observações do autor são
um tanto romantizadas e não expressam a realidade da sociedade brasileira na
época. Isso se dá pela própria trajetória de vida pessoal do autor, fugido do
continente Europeu no estouro da segunda grande guerra mundial devido a
perseguição por sua origem semita Stefan Zweig chega a uma terra onde
negros, brancos e índio vivem em “harmonia”. Podemos notar isso nesse
trecho da introdução, ao qual o autor chega à primeira vez no Rio de Janeiro
em meados dos anos 30:
Deu-se então a minha chegada ao Rio, que me causou uma
das mais fortes impressões de minha vida. Fiquei fascinado e, ao
mesmo tempo, comovido, pois se me deparou não só uma das mais
magníficas paisagens do mundo, nesta combinação sem igual de mar
e montanha, cidade e natureza tropical, mas lambem uma espécie
inteiramente nova de civilização. Aqui havia, inteiramente contra a
minha expectativa, um aspecto absolutamente próprio, com ordem e
perfeição na arquitetura, e no traçado da cidade, aqui havia arrojo e
grandiosidade em todas as coisas novas e, ao mesmo tempo, uma
civilização antiga ainda conservada de modo muito feliz, graças à
distância. Aqui havia colorido e movimento; os olhos não se
cansavam de olhar e, para onde quer que os dirigisse, sentia-me feliz.
Apoderou-se de mim uma ebriedade de beleza e de gozo que
excitava os sentidos, estimulava os nervos, dilatava o coração e, por
mais que eu visse, ainda queria ver mais. (ZWEIG, Stefan. P.14)

Se compararmos eles eram todos brancos. Mas Zweig observa o Brasil com profundidade. Stefan. encontrar uma diversidade nos tons de pele e sem conflitos aparentes era. ritos. Para enfatizar melhor isso trago a última parte do livro A Despedida. entra na raiz do país. Ao chegar as nossas terras. Stefan – Brasil um país do futuro. entra em favelas e morros no Rio de Janeiro. (ZWEIG. Editora: EbooksBrasil. cor do cabelo e olhos. torna-o realidade nas horas mais tristes. não gosta de o deixar. foi escrita por um estrangeiro. Não há cidade mais encantadora na terra . mas é um relato interessante de alguém que viveu no Brasil. viveu o Brasil. vindo de uma realidade destas. Beleza é coisa rara e beleza perfeita é quase um sonho. essa cidade soberba. Se compararmos é uma das mais ricas obras sobre nosso país. Evidentemente que a obra não é uma descrição completa o próprio autor fala isso. De toda a parte deseja voltar para ele. vai ao nordeste.com. O Rio. a discriminação e o racismo levavam em consideração: formato dos narizes. formatos dos dedos. sente ritmos. vê danças. . P 400) Referencia: ZWEIG. e o detalhe curioso. Tradução: Odilon Gallotti. ou melhor. e encheu os olhos do nosso autor. nesse trecho curto Stefan fala sobre o Brasil e em especial a cidade do Rio de Janeiro: Quem visita o Brasil. de fato.Na Europa o problema racial não estava nem nas marcas da corda pele. maravilhoso. 2001.