P. 1
RESUMO DE CONTEÚDO

RESUMO DE CONTEÚDO

|Views: 1,112|Likes:
Published by sammyejhere

More info:

Published by: sammyejhere on Mar 25, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/17/2013

pdf

text

original

CONTABILIDADE SÓCIO-AMBIENTAL I - APRESENTAÇÃO A disciplina Contabilidade Sócio-Ambiental tem por fim o estudo da Contabilidade Social e da Contabilidade

Ambiental distintamente. A Contabilidade Social ou Contabilidade Nacional constitui-se num instrumento de registro e de mensuração de um conjunto de transações realizadas por um país ou nação (ex: Brasil), tomada do ponto de vista macroeconômico, expresso monetariamente num sistema de contas que se propõe medir a produção corrente em determinado período. A Contabilidade Ambiental por sua vez busca registrar o patrimônio ambiental resultante das interações entre as entidades e o meio ambiente, representando suas respectivas mutações. II - INTRODUÇÃO 1 - CONTABILIDADE SOCIAL O que se convencionou chamar de Contabilidade Social, ganhou contornos definitivos com a Teoria Geral de Keynes, elaborada a partir da obra intitulada “Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda”, publicada em 1936, pelo economista inglês John Maynard Keynes, como crítica ao pensamento marginalista, que se impunha por uma abordagem microeconômica e laissez faire ou liberdade de mercado (Oser & Blanchfield, 1983, p. 207, apud Prof. Dr. Nali de Jesus de Souza). Desde então, foi possível verificar a existência de identidade e relação entre os diferentes agregados a nível macroeconômico. Keynes não imaginava uma economia capitalista funcionando a todo potencial máxima produção com pleno emprego dos fatores de produção - mas no equilíbrio, onde a Oferta Agregada1 seria igual à Demanda Agregada2. Considerava, inclusive, a existência da Oferta Agregada Efetiva, aquela efetivamente colocada no mercado, que pode ocorrer sem a plena utilização dos fatores de produção. Antes da Teoria Geral de Keynes, os países não possuíam uma metodologia que pudesse reunir informações econômicas de forma agregada. Não tinham, por assim dizer, idéia de como estavam suas próprias economias. A fim de suprir essa carência, a Organização das Nações Unidas - ONU elaborou um sistema único de Contas Nacionais que poderia ser utilizado por todos os países a fim de permitir comparações do comportamento econômico e de seus agregados. Entretanto, não devemos ver a Contabilidade Social somente através do Sistema de Contas Nacionais, pois há outras peças que também integram esse conjunto, como por exemplo: o Balanço de Pagamentos, a Tabela de Recursos e Usos e a Matriz Insumo-Produto. Por outro lado, também, o caráter social torna-se emergente, a vista que a mensuração estatística dos agregados econômicos e o fechamento das contas servirão como fonte de informações para os usuários, sejam eles os governos, na avaliação de desempenho, identificação de tendências e implementação de ações que possam redirecionar os rumos do país, ou a sociedade civil, a fim de permitir um claro entendimento das políticas públicas, que segundo Guareschi, Comunello, Nardini & Hoenisch, 2004, pág. 180, apud Paulani, Leda Maria & Braga, Márcio Bobik, é “o conjunto de ações coletivas voltadas para a garantia dos direitos sociais, configurando um compromisso público que visa dar conta de determinada demanda, em diversas áreas. Expressa a transformação daquilo que é do âmbito privado em ações coletivas no espaço público”. Ainda, dentro da visão social, destacam-se os indicadores de distribuição de renda e de desenvolvimento humano (IDH).

1

representa o que as empresas, no seu conjunto, estão dispostas a produzir e a vender para cada nível geral de preços. É o somatório das rendas disponíveis na economia. 2 é o somatório do consumo total da economia + os investimentos + os gastos governamentais + as exportações – as importações. AGREGADOS ECONÔMICOS

As administrações das economias nacionais, não fossem as informações econômicas agregadas, fator indispensável para o estudo e comportamento das variáveis que as influenciam, teriam dificuldades em elaborar políticas econômicas que conduzissem os países ao crescimento e ao desenvolvimento, através da redução dos efeitos das turbulências e das flutuações das atividades econômicas, denominadas ciclos econômicos, medidos em termos das variações do Produto Interno ou Produto Nacional Bruto.
Agregados Econômicos derivam-se da macroeconomia Normativa que interfere nos fenômenos econômicos, empregando políticas que envolvam juízo de valor na tentativa de resolver problemas como: distribuição de renda, desemprego, inflação e outros

subdividem-se

corresponde

Produto Nacional Bruto (PNB)

Produto Interno Bruto (PIB)

corresponde

ao valor de bens e serviços produzidos por fatores de produção nacionais, independentemente do território econômico.

representa

representa

a soma de todos os bens e serviços produzidos no país, independentemente da origem dos fatores de produção.

a produção total gerada por habitantes no país ou no exterior, sem incluir o montante produzido por estrangeiros residentes no país

Constituido pelos setores

todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região (seja, país, estado ou cidade), durante um período.

Serviço: - comércio - transportes - comunicações - administração pública - instituições financeiras - aluguéis e outros

Industrial: - extrativista mineral - de transformação - construção civil - serviços industriais de utilidade pública

Agropecuário: - produção vegetal - produção animal - extrativa vegetal

adaptado de cmapspublic3.ihmc.us/.../SBReadResourceServlet?rid...

RELAÇÕES DE IDENTIDADE Por identidade podemos entender a relação direta entre duas operações inversamente proporcionais, como por exemplo, compra ≡ venda. Este conceito permite-nos inferir que uma venda só se realizará se houver alguém disposto a pagar o preço pela coisa vendida, assim, o ato de comprar não poderá existir sem que também exista, concomitantemente, o ato de vender e vice-versa. Partindo da proposição simples apresentada anteriormente, podemos estabelecer outras identidades dentro do sistema macroeconômico, dentre elas, a relacionada às óticas de mensuração, consubstanciando a relação PRODUTO ≡ RENDA ≡ DESPESA como a principal identidade. onde: PNPRODUTO NACIONAL - valor de todos os bens e serviços finais produzidos. Utilizado como medida do fluxo de produção; PN ≡ RN ≡ DN

RNRENDA NACIONAL - soma dos rendimentos pagos às famílias pela utilização de seus serviços produtivos » RN = salários (w) + juros (j) + aluguéis (a) + lucros (l). DNDESPESA NACIONAL - valor das despesas de consumo das famílias, governo e setor externo e das empresas com investimentos » DN = Despesas de consumo (C); FLUXO CIRCULAR DE RENDA Um ponto a ser observado, para melhor entendermos as óticas de mensuração, antes mesmo de nos determos em sua verificação, é o diagrama do Fluxo Circular de Renda, haja vista que um aumento no fluxo indica crescimento econômico (produção, emprego, renda e consumo).
Receita Venda de bens e serviços MERCADO DE BENS E SERVIÇOS Consumo Compra de bens e serviços

Bens e serviços públicos e subsídios EMPRESAS Taxas e impostos Insumos de produção Salários, aluguéis, juros e lucros GOVERNO

Bens e serviços públicos e subsídios Taxas e impostos FAMÍLIAS

MERCADO DE FATORES de PRODUÇÃO

Trabalho, terra e capital Renda

adaptado de michaeljonas.com.br/My%20Slides/Ch02%20Pensando%20como%20um%20economista.pdf

ÓTICAS DE MENSURAÇÃO DA ATIVIDADE ECONÔMICA O PRODUTO, a RENDA e a DESPESA, são as três óticas de mensuração da atividade econômica estabelecidas para avaliar os efeitos resultantes de um conjunto de transações que se relacionam em um fluxo contínuo de bens3 e fatores de produção entre empresas4 e famílias5, em contrapartida com um fluxo de pagamentos a bens6 e a fatores de produção7 entre estas mesmas unidades, se construindo neste processo, o Fluxo Circular, caracterizado pelas identidades entre determinadas transações realizadas na economia. Como sabemos, as transações econômicas de um país envolvem diversos bens e serviços que servem para finalidades díspares, podendo encontrar-se em variados estágios de produção (matéria prima, produto em processo, produto acabado) e transacionadas em unidades de medidas das mais diversas (quilos, litros, metros, unidades, horas/trabalho etc). Para harmonizar essas disparidades faz-se necessário utilizar uma única unidade de medida comum de aceitação geral capaz de intermediar as trocas econômicas, a moeda, ainda que do ponto de vista teórico haja divergências entre os economistas sobre sua conceituação, segundo suas respectivas correntes. Para melhor compreender a relação intrínseca que há entre o fluxo circular e as óticas de mensuração da atividade econômica, apresentamos de forma didática, o seguinte exemplo:
Imagine uma economia hipotética fechada (que não realiza transações com outros países) e sem governo (que não existe a presença do governo) onde tenha somente quatro setores produtivos e uma única empresa em cada um desses setores. Como encontrar o produto dessa economia ?

I. II. III. IV.

a empresa A, setor 1, produziu insumos no valor de R$ 1.000,00 e vendeu toda sua produção para a empresa B, setor 2; a empresa B, setor 2, com os insumos comprados da empresa A, setor 1, produziu insumos no valor de R$ 1.400,00 e vendeu R$ 1.200,00 de sua produção para a empresa C, setor 3; a empresa C, setor 3, com os insumos comprados da empresa B, setor 2, produziu insumos no valor de R$ 2.000,00 e vendeu toda sua produção para a empresa D, setor 4;

a empresa D, setor 4, com os insumos comprados da empresa C, setor 3, produziu produtos no valor de R$ 2.800,00 e vendeu R$ 2.400,00 de sua produção para o consumidor final. setor 1 2 3 4 empresa A B C D compras (a) 0,00 1.000,00 1.200,00 2.000,00 produção (b) 1.000,00 1.400,00 2.000,00 2.800,00 vendas (c) 1.000,00 1.200,00 2.000,00 2.400,00 vlr agregado (d) 1.000,00 400,00 800,00 800,00 estoque (e) 0,00 200,00 0,00 400,00

3

mercadorias e serviços; unidades produtivas; unidades consumidoras e detentoras dos direitos de propriedade sobre as empresas;
7

4

5

6

preço pago pelas mercadorias e serviços; salários, juros, aluguéis e lucros.

Do exemplo exposto temos as seguintes relações: (a) comprascorresponde ao valor que cada empresa pagou ao adquirir os insumos necessários para serem utilizados em sua produção. (b) produçãoé o valor total produzido pelas empresas, que se tornarão produtos para venda. (c) vendascorresponde ao valor que cada empresa vendeu em produtos. (d) valor agregadoé o valor adicional que aplicado sobre os insumos adquiridos, gerando ganho no valor de venda desse produto. (e) estoqueé o saldo de produtos que permanece na empresa e que ainda não foi vendido. Assim temos que: valor agregado (d) = produção (b) – compras (a); e estoque (e) = produção (b) – vendas (c) Para responder a questão. Qual o produto dessa economia ? exposto no exemplo, temos que verificar sob que ótica o mesmo será analisado. Para isso vamos estabelecer que 1º utilizaremos a ótica da despesa. Sob esta ótica, para encontrarmos o produto da economia, utilizaríamos os seguintes valores: R$ 2.400,00 referente ao valor da venda (c) da empresa D, setor 4, correspondendo ao valor da produção vendida ao consumidor final, mais R$ 600,00 que representa o somatório dos valores produzidos e ainda não vendidos que permanecem nos estoques das empresas. Portanto, o produto dessa economia, sob a ótica da despesa é R$ 3.000,00. Agora, sob a ótica do produto, teremos como produto da economia, o somatório dos valores agregados pelas empresas nos respectivos setores correspondentes, ou seja, o somatório da coluna (d), que nada mais é que R$ 3.000,00. Entretanto, para que haja produção é necessária a utilização de máquinas e equipamentos, de instalações, onde serão abrigados os processos produtivos, entre outros itens que as empresas se utilizam para transformar os insumos adquiridos em produtos para venda, bem como a utilização de mão de obra para realizar esse trabalho de transformação. Considerando estes dois aspectos, percebemos que tanto as empresas quanto os trabalhadores, considerados em sua condição de proprietários dos fatores de produção, deverão ser remunerados pelos seus esforços de produção. Assim temos o capital empresarial e o trabalho como fatores de produção8 de um sistema que irá remunerar as empresas através do lucro e o trabalhador através do salário, constituindo-se em renda dos fatores de produção. Isto demonstra que o produto da economia está intrinsecamente distribuído entre os fatores de produção, o que nos permite concluir que sob a ótica da renda o total das remunerações atribuídas aos fatores de produção é igual, em termos de valor, ao total do produto obtido pela economia. Como se pode observar, o produto da economia independentemente da ótica sob a qual é analisado, será sempre o mesmo. A ótica do produto é a única que exige uma avaliação por unidade produtiva, fazendo do produto o principal item da identidade produto ≡ renda ≡ despesa.

Sugestões para leitura e pesquisas 1) Teoria Geral de Keynes; 2) Tipos de políticas públicas e seus desdobramentos; 3) PIB – o que representa para o país e para a população, problemas de mensuração

Sites de interesse 1) www.dieese.org.br; 2) www.ibge.gov.br; 3) www.ipea.gov.br
8

há um terceiro fator de produção a ser considerado diante de sua base contributiva ao processo produtivo, qual seja, a terra. Ainda que aparente gratuidade, esta por ter sempre um proprietário, gera uma remuneração através de sua locação, o aluguel.

QUESTÕES PARA REVISÃO 1) Em que se constitui a Contabilidade Social ou Contabilidade Nacional ? a) num instrumento de registro de um conjunto de transações realizadas por um país b) num instrumento de mensuração de um conjunto de transações realizadas por um país c) num instrumento de registro e de mensuração de um conjunto de transações realizadas por um país d) num instrumento de registro e de mensuração de um conjunto de transações realizadas por uma empresa e) NRA 2) É correto afirmar que a Contabilidade Social ou Contabilidade Nacional se propõe a (...) tomada do ponto de vista (...) ? I) medir a produção corrente em determinado período III) microeconômico II) medir o patrimônio em um determinado período IV) macroeconômico a) b) c) d) e) I e III I e IV II e III II e IV NRA

3) O que se convencionou chamar de Contabilidade Social ganhou contornos definitivos a partir de que evento ? a) com a Teoria Geral de Keynes que se impunha por uma abordagem microeconômica b) com o pensamento marginalista e sua abordagem macroeconômica c) com a abordagem microeconômica e a liberdade de mercado d) com o pensamento marginalista e) com a Teoria Geral de Keynes 4) Keynes não imaginava uma economia capitalista funcionando a todo potencial, mas no equilíbrio. Diante desta afirmativa pode-se entender que uma economia funcionando a todo potencial estaria usando (...) e uma economia capitalista funcionando em equilíbrio teria (...) ? a) a mínima produção com pleno emprego dos fatores de produção a oferta agregada igual a demanda agregada b) a máxima produção sem pleno emprego dos fatores de produção a oferta agregada diferente da demanda agregada c) a máxima produção sem pleno emprego dos fatores de produção e a oferta agregada igual a demanda agregada d) a máxima produção com pleno emprego dos fatores de produção e a oferta agregada diferente da demanda agregada e) a máxima produção com pleno emprego dos fatores de produção e a oferta agregada igual a demanda agregada 5) O que você entende por Oferta Agregada e Demanda Agregada ?

6) Está correto afirmar que são peças que compõem o Sistema de Contas Nacionais. I) o Balanço de Pagamentos e o Balanço Patrimonial II) a Tabela de Recursos e Usos e a Demonstração de Resultados III) a Matriz Insumo-Produto e o Balanço de Pagamentos IV) a Tabela de Recursos e Usos e a Matriz Insumo-Produto V) o Balanço Patrimonial e a Demonstração de Resultados a) b) c) d) e) I e III IeV II e IV III e IV II e V

7) Os agregados econômicos dividem-se em (...), o primeiro representando (...) e o segundo representando (...) estando constituído pelos setores de serviço, industrial e agropecuário. I) Produto Nacional Bruto II) Produto Interno Bruto III) a produção total gerada por habitantes no país ou no exterior, sem incluir o montante produzido por estrangeiros residentes no país IV) todos os bens e serviços finais produzidos numa determinada região (seja, país, estado ou cidade), durante um período a) b) c) d) e) I, II, III e IV II. I, IV e III I, II, IV e III II, I, III e IV As respostas ‘a’ e ‘b’ estão corretas

8) O que você entende por Produto Nacional, Renda Nacional e Despesa Nacional, respectivamente.

9) São óticas de mensuração da atividade econômica ?

10) O que são considerados fatores de produção ?

11) Calcule o produto da economia, sob a ótica da despesa, tomando-se por base uma economia hipotética fechada e sem governo, considerando que:

I. a empresa A, setor 1, produziu insumos no valor de R$ 2.000,00 e vendeu R$ 1.500,00 de sua produção para a empresa B, setor 2; II. a empresa B, setor 2, com os insumos comprados da empresa A, setor 1, produziu insumos no valor de R$ 2.400,00 e vendeu toda sua produção para a empresa C, setor 3; III. a empresa C, setor 3, com os insumos comprados da empresa B, setor 2, produziu insumos no valor de R$ 3.200,00 e vendeu toda sua produção para a empresa D, setor 4; IV. a empresa D, setor 4, com os insumos comprados da empresa C, setor 3, produziu produtos no valor de R$ 4.800,00 e vendeu R$ 4.200,00 de sua produção para o consumidor final. 12) Calcule o produto da economia, sob a ótica do produto, tomando-se por base uma economia hipotética fechada e sem governo, considerando que: I. a empresa A, setor 1, produziu insumos no valor de R$ 2.000,00 e vendeu R$ 1.500,00 de sua produção para a empresa B, setor 2; II. a empresa B, setor 2, com os insumos comprados da empresa A, setor 1, produziu insumos no valor de R$ 2.400,00 e vendeu toda sua produção para a empresa C, setor 3; III. a empresa C, setor 3, com os insumos comprados da empresa B, setor 2, produziu insumos no valor de R$ 3.200,00 e vendeu toda sua produção para a empresa D, setor 4; IV. a empresa D, setor 4, com os insumos comprados da empresa C, setor 3, produziu produtos no valor de R$ 4.800,00 e vendeu R$ 4.200,00 de sua produção para o consumidor final. 13) Calcule o produto da economia, sob a ótica da despesa, tomando-se por base uma economia hipotética fechada e sem governo, considerando que: I. a empresa A, setor 1, produziu insumos no valor de R$ 800,00 e vendeu 100% de sua produção para a empresa B, setor 2; II. a empresa B, setor 2, com os insumos comprados da empresa A, setor 1, produziu insumos cujo valor agregado foi R$ 1.200,00 e vendeu 80% de sua produção para a empresa C, setor 3; III. a empresa C, setor 3, com os insumos comprados da empresa B, setor 2, produziu insumos no valor de R$ 2.600,00 e vendeu 60% de sua produção para a empresa D, setor 4; IV. a empresa D, setor 4, com os insumos comprados da empresa C, setor 3, produziu produtos cujo valor agregado foi R$ 1.440,00 e vendeu toda sua produção para o consumidor final. 14) Calcule o produto da economia, sob a ótica do produto, tomando-se por base uma economia hipotética fechada e sem governo, considerando que: I. a empresa A, setor 1, produziu insumos no valor de R$ 800,00 e vendeu 100% de sua produção para a empresa B, setor 2; II. a empresa B, setor 2, com os insumos comprados da empresa A, setor 1, produziu insumos cujo valor agregado foi R$ 1.200,00 e vendeu 80% de sua produção para a empresa C, setor 3; III. a empresa C, setor 3, com os insumos comprados da empresa B, setor 2, produziu insumos no valor de R$ 2.600,00 e vendeu 60% de sua produção para a empresa D, setor 4; IV. a empresa D, setor 4, com os insumos comprados da empresa C, setor 3, produziu produtos cujo valor agregado foi R$ 1.440,00 e vendeu toda sua produção para o consumidor final. 15) Calcule o produto da economia, sob a ótica do produto, tomando-se por base uma economia hipotética fechada e sem governo, considerando que: I. a empresa A, setor 1, produziu insumos no valor de R$ 1.500,00 e vendeu 80% de sua produção para a empresa B, setor 2; II. a empresa B, setor 2, com os insumos comprados da empresa A, setor 1, produziu insumos cujo valor agregado foi de 100% e vendeu 60% de sua produção para a empresa C, setor 3; III. a empresa C, setor 3, com os insumos comprados da empresa B, setor 2, produziu insumos no valor de R$ 3.000,00 e vendeu 90% de sua produção para a empresa D, setor 4;

IV. a empresa D, setor 4, com os insumos comprados da empresa C, setor 3, produziu produtos no valor de R$ 4.500,00 e vendeu 70% de sua produção para o consumidor final. 16) Calcule o produto da economia, sob a ótica do produto, tomando-se por base uma economia hipotética fechada e sem governo, considerando que: I. a empresa A, setor 1, produziu insumos no valor de R$ 1.500,00 e vendeu 80% de sua produção para a empresa B, setor 2; II. a empresa B, setor 2, com os insumos comprados da empresa A, setor 1, produziu insumos cujo valor agregado foi de 100% e vendeu 60% de sua produção para a empresa C, setor 3; III. a empresa C, setor 3, com os insumos comprados da empresa B, setor 2, produziu insumos no valor de R$ 3.000,00 e vendeu 90% de sua produção para a empresa D, setor 4; IV. a empresa D, setor 4, com os insumos comprados da empresa C, setor 3, produziu produtos no valor de R$ 4.500,00 e vendeu 70% de sua produção para o consumidor final.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->