You are on page 1of 32

Sistemas de Custeio

O custo dos produtos fabricados e/ou dos serviços
prestados é, normalmente, determinado pelos respetivos
custos de natureza industrial.
Estes podem ser, por um lado, diretos (se originados
especificamente pelos produtos/serviços) ou indiretos (se
não relacionados diretamente com os produtos/serviços) e,
por outro, variáveis ou fixos.

2

Sistemas de Custeio
Os custos variáveis industriais ocorridos num determinado período
de tempo verificam uma relação de causalidade direta com o nível
de produção e, portanto, são inequivocamente imputáveis aos
produtos produzidos nesse período.
Os custos fixos industriais, geralmente associados a uma
determinada capacidade instalada, mantêm-se inalterados seja qual
for o nível de utilização dessa capacidade. Assim, quando a
capacidade instalada não estiver a ser utilizada no seu nível normal,
a parte dos custos fixos correspondente à capacidade não utilizada
pode ser considerada como custos de subatividade, sendo
discutível se deve fazer parte do custo dos produtos.
3

0 SISTEMA DE CUSTEIO VARIÁVEL – apenas os custos variáveis industriais são incorporados e imputados ao produto ou serviço. conforme. 0 SISTEMA DE CUSTEIO RACIONAL – inclui os custos variáveis industriais e apenas parte dos custos fixos industriais. respetivamente. 4 . nomeadamente: 0 SISTEMA DE CUSTEIO TOTAL – tanto os custos variáveis industriais como os fixos industriais são incorporados e imputados ao produto ou serviço. 0 SISTEMA DE CUSTEIO DIRETO OU "DIRECT-COSTING“ Cada um destes sistemas de custeio poderá ser utilizado recorrendo a custos reais/históricos ou recorrendo a custos teóricos. se utilizem os custos nos quais a empresa realmente incorreu (informação contabilística à posteriori) ou se utilizem custos pré estabelecidos (informação contabilística à priori).Sistemas de custeio Sistemas de custeio reais versus sistemas de custeio teóricos Nos domínios da Contabilidade Analítica existem várias alternativas de custeio consoante o tratamento que é dados aos custos fixos industriais.

numa rúbrica própria da Demonstração dos Resultados por Funções. 0 Os custos fixos industriais que não são incluídos no custo dos produtos/serviços afetam diretamente os resultados do período. com os consequentes reflexos em termos de resultados. 0 Os custos fixos industriais que são incorporados no custo dos produtos/serviços afetam os resultados do período por meio do respetivo valor que é repercutido no CIPV.Sistemas de custeio 0 A opção por uma alternativa ou outra determina que o custo dos produtos/serviços seja valorizado de forma distinta. 5 . designada por Custos Industriais não Incorporados (CINI).

para períodos seguintes.Sistema de Custeio Total 0 Este sistema de custeio caracteriza-se pela incorporação no custo dos produtos/serviços dos custos variáveis industriais e da totalidade dos custos fixos industriais (diretos e indiretos) ocorridos em determinado período. a determinação do CIPA é feita de acordo com a seguinte expressão: CIPA = Custos Variáveis Industriais + Custos Fixos Industriais CIPA = Custos Variáveis Industriais Unitários * Qt. 6 . Produzida + Custos Fixos Industriais CINI = 0 0 Quando exista subutilização da capacidade instalada e a produção do período for superior às vendas do mesmo. este sistema de custeio permite diferir os custos de subatividade correspondentes às unidades produzidas e não vendidas.

incluídos na DR.Sistema de Custeio Variável 0 Este sistema de custeio caracteriza-se pela incorporação no custo dos produtos/serviços apenas os custos variáveis industriais. na rúbrica do CINI. Produzida CINI = Custos Fixos Industriais 0 Os custos fixos industriais não dependem do nível de produção. portanto. a determinação do CIPA é feita de acordo com a seguinte expressão: CIPA = Custos Variáveis Industriais CIPA = Custos Variáveis Industriais Unitários * Qt. estando antes relacionados com o período de tempo e. sendo considerados na sua totalidade como custos do período em que ocorrem. não são incorporados no custo dos produtos. 7 .

quando se labora a níveis substancialmente inferiores aos da 8 capacidade instalada.Custos Fixos Industriais incorporados no custo dos produtos 0 Aplica-se quando a produção real difere de uma forma substancial da produção considerada normal. .Pr ) Pn Ou: CINI = Custos Fixos Industriais totais . ou seja. Produzida + Custos Fixos Industriais * Pr Pn CINI = Custos Fixos Industriais * (1 .Sistema de Custeio Racional 0 Este sistema de custeio caracteriza-se pela incorporação no custo dos produtos/serviços dos custos variáveis industriais e de apenas parte dos custos fixos industriais ocorridos em determinado período. a determinação do CIPA é feita de acordo com a seguinte expressão: CIPA = Custos Variáveis Industriais Unitários * Qt.

Lda.000 € 10.000 € CUSTOS NÃO INDUSTRIAIS VARIÁVEIS 10.000 € são custos diretos aos produtos) 40.000 unidades.000 € CUSTOS FIXOS INDUSTRIAIS (CFI) CUSTOS NÃO INDUSTRIAIS FIXOS 60.000 unidades por ano. Durante o mês N produziram-se 10.000 € 9 .000 € 35. incorreu nos seguintes custos (mês N): CUSTOS VARIÁVEIS INDUSTRIAIS  Matérias Diretas  MOD  GGF (5. dedica-se à produção de esferográficas de alta qualidade. A empresa trabalha 12 meses por ano. A sua produção normal é de 150.000 € 15.Exemplo: A empresa Ramos. Para tal.

10 . PEDIDO: Avaliar o custo dos produtos acabados. o custo dos produtos vendidos e o valor dos inventários finais de produtos acabados pelos vários sistemas de custeio. foram vendidas 8. 0 das 10.Sabe-se ainda que: 0 a variação de inventários de produtos em vias de fabrico é nula. 0 o inventário inicial de produtos acabados é nulo.000 unidades produzidas este mês.000 unidades a um preço unitário de 25 €.

todos os custos industriais Fixos e Variáveis. como os custos fixos industriais são custos do produto e só se tornam custos do período. De acordo com este sistema. à medida que vão sendo vendidos. Tanto os custos variáveis industriais. Utilizando o exemplo acima indicado: 11 . os inventários finais de produtos acabados são avaliadas pelo custo total da produção e/ou pelo custo do inventário inicial de produtos acabados.Os Sistemas de Custeio Sistema de Custeio Total São considerados custos do produto.

000*1.000€ 10.000€ 2.000€ 8.000 *15 =(120. Vendas = 8.25+10.000 unid.000€ 12 .000=(20.000 *15 = 30.000*15= 150.000€ Custo Industrial Total (CIP) 150.000 unid.) (CIPA=CIP) IfPA (2.000 * 25= 200.000)€ 80.000€ Custos Fixos industriais Produção do mês Custo Unitário de produção CIPA (10.000€ 8.000€ 8.000 unid. 10.000 = 15€/unid.000)€ 60.Mês N: Produção = 10.000*9=) 90.000 unidades 150. Custeio Total Custos Variáveis industriais (10.) Vendas CIPV MARGEM BRUTA Gastos não industriais RESULTADOS 60.000 unid.000/10.

000*9= 54.000€ Custo Industrial Total (CIP) 114.000=(20.000)€ 56.000 unid.000€ Custos Fixos industriais Produção do mês Custo Unitário de produção CIPA (6.000 unid.000*19=(144.) (CIPA=CIP) IfPA (0 un) Vendas CIPV (FIFO) MARGEM BRUTA Gastos não industriais RESULTADOS 60. 6.000€ 0 8.000€ 8.25+10.000€ 2.000)€ 36. Vendas = 8.000 unid.000€ 6.000 unidades 114.000/6. Custeio Total Custos Variáveis industriais 6.000*19= 114.000 *25 =200.000*15+6.000€ 13 .000*1.000= 19€/unid.Mês N+1: Produção = 6.

(CV1’’ + CF1’’) IfPA (CV1’’’ + CF1’’’) 14 .Os Sistemas de Custeio: Esquema para o Sistema de Custeio Total Custos Industriais Variáveis Custos Industriais Variáveis (Quantidade * CV1) Custos Industriais Variáveis Custos Industriais Fixos Custos Industriais Fixos Custos Industriais Fixos IiPVF (CV’ + CF’) Custos Industriais Variáveis Custos Industriais Fixos Qt. vendida (CV1’’’ + CF1’’’) CIPA: Qt. vendida * PV1 CIPA: Qt. (CV1’’ + CF1’’) IfPVF (CV’’ + CF’’) Armazém de Produtos Acabados IiPA (CV1’ + CF1’) Resultados CIPV: Qt vendida (CV1’’’ + CF1’’’) Custos de Produção CIPV: Qt.

custos do período. Não esquecer que os inventários de matérias são igualmente avaliados apenas pelos custos variáveis. consideram-se custos do produto (única e exclusivamente).custos de armazenagem. por exemplo . Os custos fixos com eles relacionados .Os Sistemas de Custeio Sistema de Custeio Variável Utilizando este sistema de custeio. 15 . os custos variáveis industriais e só estes serão considerados para efeitos de valorização dos inventários finais de produtos acabados. na sua totalidade.são custos do período. Como tal. os custos fixos são.

000 = 90.000)€ 68.000)€ (60.000 unid.000€ 2.) MARGEM BRUTA Gastos não industriais RESULTADOS Custeio Variável 9*10.25+10.) Vendas CIPV CINI (100%Cf.000*9= 18.000=(20.000€ 8.000 *9 =(72. 9€ 10.000 unid. ind.000 unid.000)€ 48. Custos Variáveis Custos Fixos Custo Industrial Total (CIP) Produção do mês Custo Unitário de produção CIPA (10.000€ 0 90.000 unid.) (CIPA=CIP) IfPA (2.000€ 16 .000€ 8.000€ 10.Mês N: Produção = 10. Vendas = 8.000* 25 =200.000€ 8.000 unid.000*1.000* 9= 90.

000)€ (60.000*9= (72.Mês N+1: Produção = 6.000€ Custos Fixos industriais Produção do mês Custo Unitário de produção CIPA (6.000 unid.000*1.000€ 17 .000€ 8.000€ Custo Industrial Total (CIP) 54. Custeio Variável Custos Variáveis industriais 6.000)€ 68.) Vendas CIPV (FIFO) CINI (100%CF Ind.) (CIPA=CIP) IfPA (0 unid.000*25= 200.25 +10.000 unid.) MARGEM BRUTA Gastos não industriais RESULTADOS 0 6. Vendas = 8.000)€ 48.000*9= 54.000 *9 =54.000/6 000= 9€ 6.000€ 2.000€ 0 8.000= (20.000 unid.000*9 + 6.000 unidades 54.

vendida * PV1 18 . vendida (CV1’’’ ) Custos Industriais Fixos Qt. vendida (CV1’’’) IfPA (CV1’’’) Resultados CIPV: Qt.Os Sistemas de Custeio: Esquema para o Sistema de Custeio Variável Custos Industriais Variáveis Custos Industriais Variáveis (Qt * CV1) Custos Industriais Variáveis Custos Industriais Fixos Custos Industriais Fixos Custos Industriais Fixos Custos Industriais não incorporados Custos Industriais Fixos Custos Industriais Fixos IiPVF (CV’) Custos de Produção Custos Industriais Variáveis CIPA: Qt. (CV1’’ ) IfPVF (CV’’ ) Armazém de Produtos Acabados IiPA (CV1’ ) CIPA: Quantidade (CV1’’ ) CIPV: Qt.

uma vez que não é necessário repartir os custos fixos.  Efetuar uma análise de sensibilidade dos resultados face a variações do volume de atividade. DESVANTAGENS  Dificuldade na separação dos custos em fixos e variáveis  Poderá determinar um custo incompleto dos produtos.  Simplifica o trabalho contabilístico e fornece maior exatidão no apuramento dos custos.  Utilizando este sistema de custeio. os resultados do período não são influenciados pelas variações no volume de produção. 19 . nomeadamente para:  Decidir sobre uma melhor utilização a curto prazo da capacidade instalada.  Analisar os resultados dos diferentes produtos e das diferentes estratégias de marketing.VANTAGENS  A utilização do Sistema de Custeio Variável proporciona informação que se reveste de grande utilidade para a tomada de decisões por parte dos gestores.

Os Sistemas de Custeio Sistema de Custeio Racional 0 O método de imputação racional dos Custos Fixos é um método de cálculo dos custos de produção que tem por objetivo eliminar ou isolar a variação do volume de produção sobre os custos. este Sistema de Custeio. como também uma percentagem dos Custos Fixos. 20 . Essa percentagem será a que resulta do quociente entre a produção/atividade real e a produção/atividade normal (instalada). 0 Para tal. a totalidade dos Custos Variáveis. considera como custos do produto não só.

diferenças relativas a níveis de atividade".  a parte respeitante ao não aproveitamento da capacidade instalada. são custos do período e não do produto. os custos de subatividade. Esse saldo será levado a uma conta de "DIFERENÇAS DE INCORPORAÇÃO .  imputam-se aos produtos. uma quota de custos fixos industriais superior à que esteja na proporção do volume de produção real relativamente àquele que é considerado normal.Ou seja. Repare-se que o sistema de custeio Racional parte do pressuposto de que não deverá ser imputada aos produtos fabricados em certo período. ou seja. os custos fixos respeitantes à percentagem da capacidade realmente utilizada. 21 .

000 € MARGEM BRUTA 77. CIPA (10.000 € 48.8 *60.000 unid.600 € 22 .000 *13. Custos Variáveis Custos Fixos (0.8) Dif.000 € 138.500 unidades/mês Mês N: Produção = 10.000 unid.Qual será o custo industrial da produção acabada utilizando o sistema de custeio racional? Produção normal / mês = 150.8) 13. Vendas = 8.000) Custo Industrial Total Custeio racional 90.000 € 110.000 € 27.000 unid.000 € Produção do mês 10. (CINI) 200.000 un) (2.600 € Custos não industriais 20.000 un) 138.000*13.400 € 12.8 € Vendas CIPV (8.000 unidades / 12 = 12.000 € Custo Unitário de produção IfPA (2. Inc.600 € RESULTADOS 57.

não havendo. portanto. logo todos os custos fixos industriais do mês são custos do produto. distinção entre o sistema de custeio total do sistema de custeio racional. Vantagens: 0 Neutraliza. 23 . no custo total do produto (ou encomenda) os efeitos das variações da atividade. a produção real é igual à produção normal. 0 Custo de produção unitário é um bom instrumento de orientação da política de vendas. Desvantagens: 0 A dificuldade em definir a capacidade normal ou atividade normal.Quando a capacidade normal da empresa está a ser plenamente utilizada.

Os Sistemas de Custeio: Esquema para o Sistema de Custeio Racional Custos Industriais Variáveis Custos Industriais Variáveis (Quantidade * CV1) Custos Industriais Variáveis Custos Industriais Fixos Custos Industriais Fixos Custos Industriais Fixos Custos Industriais não incorporados (1-%) Custos Industriais Fixos (1-%) Custos Industriais Fixos Custos de Produção IiPVF (CV’+ %CF1’) Custos Industriais Variáveis % Custos Industriais Fixos CIPA: Qt produzida (CV’’+ %CF1’’) IfPVF (CV’’+ %CF1’’) Armazém de Produtos Acabados IiPA (CV’+ %CF1’) CIPA: Qt produzida (CV’’+ %CF1’’) CIPV: Qt vendida (CV’’’+ %CF1’’’) (1-%)Custos Industriais Fixos CIPV: Qt vendida (CV’’’’+ %CF1’’’) IfPA (CV’’’+ %CF1’’’) Resultados Qt vendida * PV1 24 .

VANTAGENS: 0 Elimina a subjetividade utilizada na repartição dos custos comuns.Os Sistemas de Custeio Sistemas de Custeio Direto ou “ Direct Costing” O sistema de Custeio Direto “é um método que consiste em não considerar qualquer repartição dos custos comuns ou indiretos pelos produtos. Neste sistema. obras. atividades.” Significa que:  Os custos indiretos de fabrico serão custos do período. 25 . o custo dos produtos incorpora os custos variáveis e os custos fixos específicos (custos diretos). encomendas. etc. pelo que os produtos em curso de fabrico e em armazém não incorporam todos os custos da produção. 0 Torna possível a aplicação de diferentes margens de vendas conforme a fase de vida do produto e das estratégias adotadas.

000 unid.000 € Vendas CIPV Dif.000 € + 5. no final do período é avaliada a 8€.000 € Custos Indiretos Produção do mês cipa CIPA (10. Vendas = 8.000 € RESULTADOS 46. Inc. 8€ 80.000 € Custos não industriais 20.000 € 70. 26 .Qual será o custo industrial da produção acabada utilizando o sistema de custeio direto? Custos diretos à fabricação = 40.) IfPA (2.000 € Custos indiretos à fabricação = 10.000 € 0 Cada unidade que permanece em armazém.000 unid.000 € 64.000 € Mês N: Produção = 10. Custeio Direto Custos Diretos 80.000 € Custo Industrial Total 80.000 € MARGEM BRUTA 66.000 € + 60.000 € 16.000 unid.000 unid.000 unid.) ---- 10.000 € + 35. (CINI) 200.

vendida (MP1’’’+MOD1’’’+GGF D’’’) Custos Indiretos de Fabrico Qt. vendida (MP1’’’+MOD1’’’+GGF D’’’) IfPA (MP1’’’+MOD1’’’+GGF D’’’) Resultados CIPV: Qt. vendida * PV1 27 .Os Sistemas de Custeio: Esquema para o Sistema de Custeio Direto Custos Industriais Directos Custos Industriais MP + MOD +GGFD Diretos MD + MOD + GGFD Custos Indiretos de Fabrico Custos Indiretos de Fabrico Custos Indiretos de Fabrico Custos Industriais não incorporados Custos Indiretos de Fabrico Custos Indiretos de Fabrico Custos de Produção IiPVF (MP’ + MOD’+GGFD’) MP + MOD + GGFD CIPA: Qt. produzida (MP1’’+MOD1’’+GGF D’’) CIPV: Qt. produzida (MP1’’+MOD1’’+GGF D’’) IfPVF (MP1’’+MOD1’’+GGF D’’) Armazém de Produtos Acabados IiPA (MP’ + MOD’+GGFD’) CIPA: Qt.

Sistemas de Custeio Teóricos  Imputação dos Custos Fixos por Quotas Teóricas Seguindo o nosso exemplo. Custos Fixos no valor de 750.000 € 10.000*14) Dif.000 unid.000 € 10.000 € 140.) Custeio Teórico 90.000 € 28. Vendas = 8.000 € 112.000 € Vendas CIPV (8.000 € RESULTADOS 58. Custos Variáveis Custos Fixos (750. 14 € 140.000€.000 unid.000/150.) IfPA (2. Prevêem-se para o próximo ano.000 unid.000 unid.000 € 50. Inc. a empresa tem uma produção normal de 150.000 € MARGEM BRUTA 78.000 Custo Industrial Total Produção do mês cipa CIPA (10.000 € Custos não industriais 20.000 € 28 . Qual será a quota teórica normal de custos fixos a imputar à produção deste mês? Mês N: Produção = 10.000 unid.000 unidades ao ano. (CINI) 200.000)*10.

000/150.000 € 29 .000 € .000 unid.5 € * 10. = 5 € por unidade  Cada unidade que permanece em armazém.Sistemas de Custeio Teórico CIPA unitário = 9 € + 5 € = 14 €  Custo Teórico Custo Fixo Unitário (teórico) = 750.000 = 10. no final do período. é avaliada a 14 €. Custos Industriais não incorporados (Diferenças de incorporação): 60.

8 € 8€ 14 € 30 .000 unid.) IfPA (2.000 unid.) Custeio Total Imputação a Custos Reais 90 000 € Custeio Variável 90 000 € Custeio Racional 90 000 € Imputação Custeio Direto 80 000 € Custos Teóricos 90 000 € 60 000 € --- 48 000 € --- 50 000 € 150 000 € 90 000 € 138 000 € 80 000 € 140 000 € 10 000 unidades 10 000 unidades 10 000 unidades 10 000 unidades 10 000 unidades 150 000 € 90 000 € 138 000 € 80 000 € 140 000 € 30 000 € 18 000 € 27 600 € 16 000 € 28 000 € 15 € 9€ 13.Análise das diferenças nos custos industriais e nos resultados resultantes da aplicação dos diferentes sistemas de custeio  Análise dos Custos Industriais Custos Variáveis Custos Fixos Custo Total Industrial Produção do mês Custo Unitário de produção (cipa) CIPA (10.

 Análise dos Resultados Imputação a Custos Reais Custeio Total Custeio Variável Vendas 200 000 € 200 000 € CIPV 120 000 € Custeio Racional Custeio Directo Imputação Custos Teóricos 200 000 € 200 000 € 200 000 € 72 000 € 110 400 € 64 000 € 112 000 € --- 60 000 € 12 000 € 70 000 € 10 000 € MARGEM BRUTA 80 000 € 68 000 € 77 600 € 66 000 € 78 000 € Custos não industriais 20 000 € 20 000 € 20 000 € 20 000 € 20 000 € 60 000 € 48 000 € 57 600 € 46 000 € 58 000 € Dif. (CINI) RESULTADOS 31 . Inc.

” 32 .” Exercício 2 Sociedade XYZ.Exercício 1 “Empresa Minho. Lda. Lda.