You are on page 1of 205

CINESIOLOGIA

Prof. Msc. Celiandro Mazarro

INTRODUÇÃO
 Estudo

do movimento humano de
forma analítica e global.

SEGMENTOS DO CORPO
 SEGMENTOS

braço e mão.

DOS MMSS: braço, ante-

SEGMENTOS DO CORPO

SEGMENTOS
DOS MMII: coxa,
perna e pé.

SEGMENTOS DO CORPO
 TRONCO
 CABEÇA
 PESCOÇO

POSIÇÃO ANATOMICA

LOCALIZAÇÕES DA
POSIÇÃO
ANATOMICA

PLANOS E EIXOS
 Os

movimentos articulares ocorrem
através dos planos imaginários e os
eixos perpendiculares aos movimento

PLANO FRONTAL – EIXO ANTERO POSTERIOR

PLANO SAGITAL – EIXO
LATERO-LATERAL OU
TRANSVERSO

PLANO TRANSVERSAL – EIXO CRANIOCAUDAL OU CÉFALO - CAUDAL

PRONAÇÃO E SUPINAÇÃO

CINESIOLOGIA ESTRUTURAL
 Ligamentos
 Articulações
 Ossos
 Músculos
 Tendões
 Fáscias

MOVIMENTOS ARTICULARES
Tipos:
 Angular
 Giro
 Deslizamento
 Circundução
 Rotação

PLANOS
 Sagital(direito/esquerdo)
 Frontal(anterior/posterior)
 Transverso(superior/inferior)

EIXOS
 Ántero-posterior

( sagital)
 Látero-lateral ( transverso)
 Cefálico-podálico

DIREÇÃO
 Cefálica/podálica
 Lateral/medial
 Interno/externo
 Ántero/posterior
 Distal/Proximal

TIPOS DE ARTICULAÇÕES QUANTO À
FORMA E O NÚMERO:
1.
2.
3.
4.
5.

ESFERÓIDE OU ENARTROSE ( TRIAXIAL ) –
OMBRO EQUADRIL
CONDILAR OU ELIPSÓIDE ( BIAXIAL) – PUNHO
SELAR ( BIAXIAL ) – CARPOMETACÁRPICAS
GÍNGLIMO ATIPICO( MONOAXIAL) –
INTERFALANGEANA
GÍNGLIMO - UMEROULNAR

TIPOS DE ARTICULAÇÕES QUANTO À
FORMA E O NÚMERO:

TROCÓIDE ( MONOAXIAL) – ATLANTO AXIAL E RADIO ULNAR
PLANA (NÃO AXIAL) – DESLIZANTES – VERTEBRAS – CARPAL E
TARCICA.

TIPOS DE ARTICULAÇÕES
 SINARTROSE

( IMOVEIS) – SUTURA DO

CRANIO;
 ANFIARTROSE ( MOVIMENTOS
MINIMOS) – DISCO INTERVERTEBRAL;
 DIARTROSE ( LIVRIMENTE MÓVEL);

TIPOS DE CONTRAÇÃO
MUSCULAR
 Contração

isométrica(F=R):
 - A Força desenvolvida pelo músculo é
igual a resistência.

TIPOS DE CONTRAÇÃO
MUSCULAR
Contração isotônica: A tensão isotônica é
caracterizada pela alteração do comprimento
muscular onde a força excede a resistência
provocando um movimento.
        As contrações isotônicas são divididas em:
        Contração concêntrica: caracterizada
pelo encurtamento do sarcômero(fase positiva
do movimento)
          Contração excêntrica(ação muscular):
caracterizada pelo aumento do comprimento
do sarcômero(fase negativa do movimento)

Biomecânica do Ombro

Articulação tipo esferoide - superfícies esféricas
(ex: úmero e escápula)

Movimentos nos três planos: sagital, frontal e
transverso;

Ossos: úmero, escápula e clavícula;

4 Articulações;

Ligamentos;

Músculos;

Biomecânica do Ombro
1- Articulação Esternoclavicular:
 Movimentos

de elevação, depressão, protração,
retração e rotação;

 Conecta
 Possui

o membro superior ao esqueleto axial;

um disco entre as duas superfícies ósseas;

 Cápsula

mais espessa anteriormente que
posteriormente.

Biomecânica do Ombro
1- Articulação Esternoclavicular:
Durante a Elevação do Braço:
 Eleva 55º
 Deprime 5°
 A maior parte do movimento ocorre
nos primeiros 90º.

Biomecânica do Ombro
1- Articulação Esternoclavicular:
 Os

movimentos da clavícula são em
decorrência dos movimentos escapulares;

A

partir da posição em repouso a protração
da articulação esternoclavicular é de 30º e a
retração também de 30º.

A

rotação é de 45º ocorrendo após o ombro
ser abduzido ou fletido a 90º.

Biomecânica do Ombro
1- Articulação Esternoclavicular:
Ligamentos:
 Esternoclavicular

anterior e posterior que
suportam a articulação anteriormente;

O

costoclavicular e o interclavicular, que
limitam a elevação e o abaixamento
excessivo respectivamente.

Biomecânica do Ombro
2- Articulação acromioclavicular
A articulação acromioclavicular é
uma articulação artrodial e é nessa
articulação que concentra a maioria
dos movimentos da escápula.

Biomecânica do Ombro
2- Articulação acromioclavicular
Ligamentos:
- Acromioclavicular,
- Coracoclavicular: trapezóide e
conóide

Biomecânica do Ombro
2- Articulação acromioclavicular


- Movimento de rotação para cima e
para baixo de 60º;
Movimentos de protração e retração
30 a 50º ;
Movimentos de elevação e
depressão de 30º;

Biomecânica do Ombro
3- Articulação Escapulotorácica
- A escápula desliza sobre o tórax
movimentos de abdução e flexão em
aproximadamente 60° do braço.

Biomecânica do Ombro
4- Articulação glenoumeral
Cápsula:
 Presente na margem da cavidade
glenóide e colo anatômico do úmero;
 Constituída por membrana fibrosa e
internamente por membrana sinovial;
 Na posição neutra, a cápsula superior fica
esticada e a inferior relaxada
 Na abdução acontece o oposto.

Biomecânica do Ombro
4- Articulação glenoumeral
Ligamento:
 Ligamento

coracoumeral reforça a parte superior da

cápsula;
 Os

ligamentos glenoumerais reforçam a cápsula
anteriormente;

A

porção lateral do úmero é composta por duas
camadas musculares: Profunda e Superficial.

Biomecânica do Ombro
4- Articulação Glenoumeral
Movimento:
- Na elevação do braço, o músculo deltóide
traciona verticalmente a cabeça do úmero
para cima colidindo com o acrômio;
- O que impossibilita grandes amplitudes de
movimento é a ação do manguito rotador
e os movimentos da artrocinemática.

Biomecânica do Ombro
4- Articulação Glenoumeral
Movimento:
- Na elevação do braço, o músculo deltóide
traciona verticalmente a cabeça do úmero
para cima colidindo com o acrômio;
- O que impossibilita grandes amplitudes de
movimento é a ação do manguito rotador
e os movimentos da artrocinemática.

Biomecânica do Ombro
Ritmo escapuloumeral
 Nos primeiros 30º de elevação não há
movimento escapular;
 Somente a articulação glenoumeral;
 Após 30º, entra em ação o ritmo
escapuloumeral;

É a rotação da escápula para cima em 1º
para cada 2º de abdução ou flexão Gleno
umeral, numa relação de 2:1;

Biomecânica do Ombro
Ritmo escapuloumeral
 Para

alcançar ADM completa:
 Ritmo escapuloumeral;
 Elevação da clavícula em 45 a 50º
Até 90° de elevação do ombro;
 Rotação acromioclavicular que
ocorre nos primeiros 30º de
elevação.

Biomecânica do Ombro
Movimentos do complexo do ombro e da
escápula
Através do sinergismo muscular, realizamos todos
os movimentos do ombro com seus ângulos
máximos que são:
 Plano sagital
 Flexão - 0 a 180º;
 Extensão - 0 a 45º;
 No

plano frontal
Abdução 180º;
Adução 75° (além da linha média).

Biomecânica do Ombro
Movimentos do complexo do ombro e da
escápula

Plano transverso
- Rotação medial e rotação lateral (90°);
- Abdução horizontal é 30º;
- Adução horizontal é 120º;

Biomecânica do Ombro
Movimentos realizados pela escápula
Elevação – Realizada pelos músculos
trapézio Superior, levantador da escápula e
rombóides, com a articulação
acromioclavicular movendo-se superiormente
em aprox. 60º;
Depressão – Realizada pelos músculos
trapézio inferior e peitoral menor, de 5 a 10º
de depressão.

Biomecânica do Ombro
Movimentos realizados pela escápula
Protração – Realizada pelo músculo serrátil
anterior, com a escápula movendo para
lateral em até 15 cm;
Retração – Realizada pelos músculos
trapézio médio e rombóides, com a escápula
movendo para medial.

Biomecânica do Ombro
Movimentos realizados pelo ombro
Flexão – Realizado pelos músculos deltóide,
coracobraquial, bíceps braquial, e peitoral maior (60°);
- Alcança uma ADM de 180º
Extensão – Realizado pelos músculos latíssimo do
dorso e deltóide;
- Alcança uma ADM de 45º.

Biomecânica do Ombro
Movimentos realizados pelo ombro
Abdução – Realizado pelos músculos supraespinhoso e deltóide;
- Alcança uma ADM de 180º
Adução – Realizado pelos músculos peitoral maior,
latíssimo do dorso e redondo maior;
- Alcança uma ADM de 75º além da linha média.

Biomecânica do Ombro
Movimentos realizados pelo ombro
Rotação medial – Realizado pelos
músculos subescapular, peitoral maior,
deltóide, latíssimo do dorso e redondo
maior;
Rotação lateral – Realizado pelos
músculos infra-espinhoso, supraespinhoso, redondo menor e deltóide.

Biomecânica do Ombro
Movimentos realizados pelo ombro
Abdução horizontal – Realizado pelos
músculos deltóide, infra-espinhoso e
redondo menor;
Adução horizontal – Realizado pelos
músculos peitoral maior e deltóide;

Músculo Subescapular
É um dos músculos do
manguito rotador.
Origem: Fossa
subescapular.
Inserção: Tubérculo
menor do úmero.
Ação:  É o mais
importante rotador
medial do braço.

Músculo Redondo Maior
Origem: Terço
inferior da borda
lateral da
escápula.
Inserção: Crista do
tubérculo menor
do úmero.
Ação: Rotação
medial do braço.

Músculo Redondo
Menor
É um dos músculos do
manguito rotador.
Origem: Nos dois terços
superiores da borda
lateral da escápula.
Inserção: Tubérculo
maior do Úmero.
Ação: Rotação lateral do
braço.

Músculo Supra-Espinhal
É um dos músculos do manguito
rotador
Origem: Fossa supra-espinhal da
escápula.
Inserção: Tubérculo maior do úmero.
Ação: Abdução do braço.

Músculo Infra-espinhal
É um dos músculos do manguito
rotador.
Origem: Fossa infra-espinhal da
escápula.
Inserção: Tubérculo maior do úmero.
Ação: Rotação lateral do braço.

.
Músculo Deltoide
Origem: Terço lateral da clavícula,
acrômio e espinha da escápula.
Inserção: Tuberosidade deltoidea
do úmero.
Ação: Principalmente abdução do
ombro. Porém realiza outros
movimentos sendo pela porção
clavicular flexão, pela porção
acromial abdução, e através da
porção escapular
realiza extensão.

.
Músculo Córacobraquial

Origem: Processo coracóide da
escápula.
Inserção: Terço médio do úmero,
medialmente.
Ação: Flexão do braço.

Músculo Peitoral Maior
Origem: Metade medial da
clavícula, Esterno e seis primeiras
cartilagens costais e aponeurose
do m. Oblíquo externo do abdome.
Inserção: As fibras convergem em
um tendão que se fixa na crista do
tubérculo maior do úmero.
Ação: Adução do braço, e sua
porção clavicular faz flexão do
braço.

Músculo Grande Dorsal
Origem: Processo
espinhoso das 6 últimas
vértebras toracicas, crista
ilíaca e fáscia
tóracolombar.
Inserção: Crista do
tubérculo menor e
assoalho do sulco
intertubercular.
Ação: Extensão, adução e
rotação medial do braço.

Músculo Serrátil
Anterior
Origem: Digitação das 8
primeiras costelas
superiores.
Inserção: Face costal do
ângulo superior, borda
medial e ângulo inferior da
escápula.
Ação: Protrusão da
escápula.

Músculo Peitoral Menor
Origem: Próximo à união
da cartilagem costal com
a costela (2ª à 5ª) .
Inserção: Borda medial do
processo coracóide.
Ação: O M. Peitoral menor
abaixa a escápula
(depressão da escápula).

Músculo Subclávio
Origem: União da
cartilagem costal
com a 1ª costela.
Inserção: Sulco na
face inferior da
clavícula.
Ação: Auxilia a
depressão do ombro.

Músculos Rombóide Menor e
Maior
Origem: Processo
espinhoso da 7ª
vértebra cervical e
cinco primeiras
vértebras torácica .
Inserção: Borda medial
da escápula, da
espinha até o ângulo
Inferior.
Ação:  Elevação e
retração da escápula .

MÚSCULO LEVANTADOR DA
ESCAPULA
Origem: Tubérculo
posterior do processo
transverso das 4
primeiras vértebras
cervicais.
Inserção: Borda medial
da escápula da espinha
até o ângulo superior.
Ação: Elevação da
escápula .

TRAPÉZIO
Origem: espinha da escápula. 
Inserção : ao longo da linha média
dorsal da cabeça às vértebras
lombares. 
Ação: a parte que se origina cranial à
escápula ajuda a balançar a escápula
para frente; aquela que se insere
atrás a puxa para trás. O músculo
trapézio ajuda na fixação da escápula
no corpo.

ESTRUTURAS DO COTOVELO

Estruturas Ósseas do cotovelo
- Rádio
- Ulna
- Úmero

Estruturas Moles

Músculos

Tendões

Ligamentos

Bolsa

Articulações
- Úmeroulnar
- Úmerorradial
- Rádioulnar proximal
- Movimentos
• Flexão – extensão
• Pronação - supinação

Articulações

Articulações
1.

Articulação Úmero-ulnar – dobradiça – ligamento
colateral ulnar

2.

Articulação Úmero-radial – deslizante – ligamento
colateral radial

3.

Articulação Rádio-ulnar proximal – pivô - ligamento
anular

4.

Articulação Rádio-ulnar distal - pivô

Graus de Liberdade
Plano sagital:

- Flexão (145° ativa, 160° passiva)
- Extensão (relativa, 0-5°)
Plano transverso:
- Pronação (80° )
- Supinação (90°)

Músculos
- Face anterior - flexores
Braquial
Bíceps Braquial
Braquiorradial

- Face posterior – extensores
Tríceps Braquial
Ancôneo

- Pronadores
Pronador Quadrado
Pronador Redondo

- Supinador
Supinador

MUSCULOS E MOVIMENTOS DO
COTOVELO
Movimento

Músculo

Flexão

Braquial, bíceps braquial e
braquioradial.

Extensão

Tríceps braquial e Ancônio.

Pronação

Pronador Redondo e Pronador
Quadrado.

Supinação

Supinador.

Músculo Bíceps
Braquial
Origem: Porção
Longa: Tubérculo
supraglenoidal e porção
curta:processo coracóide.
Inserção: Tuberosidade do
rádio e, fáscia do
antebraço através da
aponeurose do bíceps.
Ação: Flexão do antebraço
e auxilia na supinação.

Músculo Braquial
Origem: Dois
terços distais da
face anterior do
úmero.
Inserção: Tuberosi
-dade da Ulna.
Ação: Flexão do
antebraço.

Músculo Tríceps
Braquial
Origem: 
*Porção longa: tubérculo
infraglenoidal da escápula.
*Porção lateral: face posterior do
úmero acima do sulco para o
nervo radial.
*Porção medial: face posterior do
úmero abaixo do sulco para o
nervo radial.
Inserção: As três porções
convergem para um tendão
único que se insere na face
anterior do olécrano da ulna.
Ação: Extensão do antebraço.

Músculo Supinador
Origem: Epicôndil
o lateral do
úmero, face
posterior da
extremidade
proximal da ulna.
Inserção: Face
lateral do rádio.
Ação: Supinação
do antebraço.

Músculo Pronador
Redondo
Origem: Porção
umeral: crista
supracondilar medial
do úmero e porção
ulnar: processo
coronoide da Ulna.
Inserção: Terço médio
da face lateral do rádio.
Ação: Faz pronação do
antebraço e também
auxilia na flexão.

Músculo Pronador Quadrado
Origem: Face
anterior da Ulna.
Inserção: Face
anterior do rádio.
Ação: Pronação do
antebraço.

Músculo Braquioradial
Origem: Crista
supracondilar
lateral do úmero.
Inserção: Face
lateral do rádio
acima do processo
estiloide.
Ação: Flexão do
antebraço.

Músculo Ancôneo
Origem: Face
posterior do
epicôndilo lateral.
Inserção: insere na
face lateral do
olécrano.
Ação: Auxilia na
extensão do
antebraço

ESTRUTURAS DO PUNHO E MÃO

OSSOS DA MÃO E PUNHO

OSSOS DA MÃO E PUNHO
Ossos da Mão
 Carpos: a região denominada carpo é composta por oito
ossos dispostos em duas fileiras.
 Primeira fileira
 Escafóide;
 Semilunar;
 Piramidal;
 Pisiforme;
 Segunda fileira
 Trapézio;
 Trapezóide;
 Capitato;
 Hamato;

Articulações da mão






Articulação Radio Ulnar Distal;
Articulação Rádio Cárpica;
Articulações Intercárpicas;
Articulação Carpometacárpica;
Articulações Metacarpofalangenas
(MF);
Articulação Falangeana proximal;
Articulação Falangeana Distal;

MÚSCULOS DA MÃO
Músculos da Mão
 Extrínsecos e intrínsecos;
 Proporcionam força;
Músculos da Mão
- Os músculos intrínsecos;
- Propiciam coordenação precisa aos dedos;
Grupo tenar, Grupo hipotenar e o grupo
intermediário.

Túnel do carpo

Túnel do carpo

Túnel do carpo

Túnel do carpo

MUSCULOS DO CARPO
Movimento

Músculos

Flexão da
mão.

Flexor radial do carpo, Flexor ulnar do carpo e palmar longo.

Extensão da
mão.

Extensor radial longo do carpo, Extensor radial curto do carpo e
Extensor ulnar do carpo.

Abdução da
mão.

Flexor radial do carpo, Extensor radial longo do carpo e Extensor
radial curto do carpo.

Adução da
mão.

Flexor ulnar do carpo e Extensor ulnar do carpo.

Músculo Palmar Longo
Origem: Epicôndilo
medial, pelo
tendão flexor
comum.
Inserção: Aponeuro
se palmar.
Ação: Tensiona a
aponeurose palmar
, sendo um flexor
auxiliar da mão

Músculo Flexor Ulnar do Carpo
Origem: Epicôndilo
medial, pelo tendão
flexor comum.
Inserção: Osso
pisiforme.
Ação: Flexor e
adutor da mão.

Músculo Flexor Radial do Carpo
Origem: Epicôndilo
medial, pelo
tendão flexor
comum.
Inserção: Base do
2º metacarpo.
Ação: Flexão e
abdução da mão.

Músculo Extensor Ulnar do
carpo
Origem: Epicôndilo
lateral, pelo tendão
extensor comum.
Também pela borda
posterior da ulna.
Inserção: Base do
5º Metacárpico.
Ação: Extensão e
adução da mão.

Músculo Extensor Radial Longo
do Carpo
Origem: Crista
supracondilar
lateral do Úmero.
Inserção: Base do
2º metacárpico.
Ação: Extensão e
abdução da mão.

Músculo Extensor Radial curto
do carpo
Origem: Epicôndilo
lateral do úmero,
pelo tendão
extensor comum.
Inserção: Base do
3º metacárpico.
Ação: Extensão e
Abdução da mão.

MUSCULOS DO POLEGAR
Movimento

Músculo

Flexão do
polegar

Flexores longo e curto do polegar.

Extensão do
polegar

Extensor longo e curto do polegar.

Abdução do
polegar

Abdutor longo do polegar, auxiliado pelo abdutor curto e
extensor curto.

Adução do
polegar

Adutor do polegar, auxiliado pelo 1º interósseo palmar.

Oposição

Oponente do polegar auxiliado pelo abdutor e flexor curto
e adutor do polegar.

Músculo Oponente do Polegar
Origem: Profundamente, do
retináculo dos
flexores e
Trapézio.
Inserção: Borda
lateral do 1º
metacárpico.
Ação: Oposição do
polegar.

Músculo Adutor do
Polegar
Origem: *Porção
Obliqua: Base do 2º
metacárpico, trapezoide
e capitato. *Porção
Transversa: face
anterior do 3º
metacárpico.
Inserção: Base da
falange proximal do
polegar (medialmente).
Ação: Adução do polegar.

Músculo Abdutor Curto do
Polegar
Origem: Retináculo
dos flexores,
Trapézio e
Escafóide.
Inserção: Base da
falange proximal
do polegar.
Ação: Abdução do
polegar.

Músculo Abdutor Longo do
Polegar
Origem: Face
posterior da Ulna,
rádio e
membrana
interóssea.
Inserção: Face
lateral da base
do 1º
metacárpico .
Ação: Abdução do

Músculo Flexor Curto do
Polegar
Origem: Retinácul
o dos flexores,
Trapézio e
Escafóide.
Inserção: Base da
falange proximal
do polegar.
Ação: Flexão do
polegar.

Músculo Flexor Longo do
Polegar
Origem: Terço médio
da face anterior do
rádio e membrana
interóssea.
Inserção: Falange
distal do polegar.
Ação: Flexão da
falange distal do
polegar.

Músculo Extensor Curto do
Polegar
Origem:  No rádio,
distalmente  ao  m.
abdutor longo do
polegar, e
membrana
interóssea.
Inserção: Falange
proximal do polegar
Ação: Extensão do
polegar.

Músculo Extensor Longo do
Polegar
Origem: Terço
distal da face
posterior da ulna
e membrana
interóssea.
Inserção: Falange
distal do polegar.
Ação: Extensão do
polegar.

MUSCULOS DOS DEDOS DA MÃO
Movimento
Flexão dos dedos
(Falange proximal)

Músculo
Interósseos, lumbricais e flexor curto do dedo mín.
(só do 5º).

Flexão dos dedos
(Falange medial)

Flexor superficial dos dedos (inclusive o 5º).

Flexão dos dedos
(Falange distal)

Flexor profundo dos dedos (inclusive o 5º).

Extensão dos dedos
(Falange proximal)

Extensor dos dedos (inclusive o 5º) e Extensor do
dedo mínimo (só o 5º) e indicador(só o 2º).

Extensão dos dedos
(Falange medial e
distal)

Interósseos e lumbricais.

Adução dos dedos

Interósseos palmares (exceto o 3º).

Abdução dos dedos

Interósseos dorsais (exceto o 5º) e Abdutor do
dedo mínimo (só o 5º).
Oponente do dedo mínimo.

Oposição do dedo mín.

Músculo Interósseos Dorsais
Origem: Faces
adjacentes dos ossos
metacárpicos.
Inserção: Aponeurose
extensora.
Ação: Abdução dos
dedos, além de
Flexão das falanges
proximais e extensão
das falanges distais.

Músculo Interósseos Palmares
Origem: Diáfise dos
dedos II, IV, V.
Inserção: Aponeuros
e extensora.
Ação: Adução dos
dedos, além de
Flexão das falanges
proximais e
extensão das
falanges distais.

Músculo Oponente do dedo
mínimo
Origem: Osso
Amato e
retináculo dos
flexores.
Inserção: Corpo do
5º matacárpico.
Ação: Flexão e
rotação lateral.

Músculo Flexor curto do Dedo
Mínimo
Origem: Osso
Amato e
retináculo dos
flexores.
Inserção: Fundese com o abdutor
do dedo mínimo e
com ele se insere.
Ação: Flexão do
dedo mínimo.

Músculo Abdutor do Dedo
Mínimo
Origem: Osso
pisiforme.
Inserção: Falange
proximal do 5º
dedo.
Ação: Abdução do
dedo mínimo.

Músculo Extensor do Dedo
Mínimo
Origem: Epicôndilo lateral
e tendão flexor comum.
Inserção: Tendão que se
une ao tendão dos M.
Extensor dos dedos e
juntos dão origem à
chamada aponeurose
extensora, que se fixa
por um tendão terminal
na base da falange distal.
Ação: Extensão do dedo
mínimo.

Músculo Extensor do Dedo
Indicador
Origem: Terço distal da
face posterior da ulna.
Inserção: Tendão que se
une ao tendão do M.
Extensor dos dedos e
juntos dão origem à
chamada aponeurose
extensora, que se fixa por
um tendão terminal na
base da falange distal.
Ação: Extensão do dedo
indicador.

Músculo Extensor dos Dedos
Origem: Epicôndilo
lateral e tendão
flexor comum.
Inserção: Originando
quatro tendões que
se fixam na
aponeurose
extensora.
Ação: Extensão dos
dedos.

Músculo Flexor Profundo dos
Dedos
Origem: Dois terços
proximais das faces
anteriores e medias da
ulna e membrana
interóssea.
Inserção: Por quatro
tendões na base das
falanges distais dos
dedos II, III, IV, V.
Ação: Flexão das falanges
distais de II a V.

Músculo Flexor Superficial dos
Dedos
Origem: Epicôndilo
medial, processo
coronóide da ulna e
parte proximal da borda
anterior do rádio.
Inserção: Por quatro
tendões na falange
média dos dedos II, III, IV
e V.
Ação: Flexão das falanges
médias de II a V.

MEMBROS INFERIORES
O

membro inferior é especializado
para locomoção de peso e
manutenção do equilíbrio.

QUADRIL
O

quadril é a
articulação
proximal do
membro inferior,
possui três eixos e
três graus de
liberdade.

QUADRIL
 Articulação

coxofemoral formada
pela cabeça do fêmur,
articula-se com o
acetábulo do osso
ilíaco.
 A articulação do
quadril é uma diartrose
(sinovial), do tipo
esferóide (esferoidal).

QUADRIL
Os elementos de reforço e
estabilização são:
 Cápsula articular - inserida acima da
margem do acetábulo e,
anteriormente, na linha
intertrocantérica e, posteriormente,
na crista intertrocantérica;

QUADRIL
 Ligamento

iliofemoral ou ligamento de
Bertin - apresenta dois feixes: um superior e
um inferior
 Ligamento pubofemoral - situado
anteriormente;
 Ligamento isquiofemoral 
- situado na parte posterior da articulação; e
ainda.
 Ligamento da cabeça do fêmur ou ligamento
redondo e Ligamento transverso do
acetábulo.

Articulação Triaxial
A

flexão do quadril: A amplitude da flexão varia de
90° a 120°.
 A extensão: Ela é limitada pela entrada em tensão
do ligamento iliofemoral, 20° a 30°.
 A abdução leva o membro inferior diretamente
para fora e afasta-o do plano de simetria do
corpo.
 A adução leva o membro inferior para dentro e
aproxima-o do plano de simetria do corpo.
 Movimentos de rotação interna e externa;
 Movimento de circundução;

MÚSCULOS DO QUADRIL
 Os

músculos têm um papel essencial
na estabilidade do quadril.

MÚSCULOS FLEXORES DO QUADRIL
 LOCALIZADO

NA PARTE ANTERIOR DA

COXA;
 M. Psoas;
 M. Ilíaco;
 M. Sartório;
 M. Reto femoral;
 M.Tensor da Fáscia Lata;

M. Ilíaco
 Origem:

2/3 superiores da fossa
ilíaca, crista ilíaca e asa do
sacro 
Inserção: Trocânter menor  
Ação: Flexão de quadril,
anteroversão da pelve e flexão
da coluna lombar (30° - 90°)

M. Psoas Maior
Origem: Processo transverso das
vértebras lombares, corpos e discos
intervertebrais das últimas
torácicas e todas lombares 
Inserção: Trocânter menor 
Ação: Flexão da coxa, flexão da
coluna lombar (30° - 90°) e
inclinação homolateral

M.Psoas Menor
 Origem:

Corpo
vertebral de T12 e
L1 
Inserção: Eminência
iliopectínea  
Ação: Flexão da pelve
e coluna lombar

M. Sartório

Origem: Espinha ilíaca ânterosuperior 

Inserção: Superfície medial da
tuberosidade da tíbia (pata de
ganso) 
 

Ação: Flexão, abdução e rotação
lateral da coxa e flexão e rotação
medial do joelho

M. Reto Femoral

Origem:
Reto Anterior: Espinha
ilíaca ântero-inferior
Inserção: Patela e,
através do ligamento
patelar, na tuberosidade
anterior da tíbia 
Ação: reto femural
realiza flexão do quadril.

M. Tensor da Fáscia Lata

Inserção Proximal:
Crista ilíaca e EIAS 

Inserção Distal: Trato
íleo-tibial

Ação: Flexão, abdução
e rotação medial do
quadril .

M. Extensores do Quadril
 M.

Glúteo Máximo;
 M. Glúteo Médio Fibras posteriores;
 M. Glúteo Mínimo Fibras posteriores ;
 Porção Longa do M. Bíceps Femoral;
 M. Semitendíneo;
 M. Semimembranoso;
 Porção extensora do M. Adutor
Magno.

M. Glúteo Máximo

Inserção Medial: Linha glútea
posterior do ilíaco, sacro,
cóccix e ligamento
sacrotuberoso 
Inserção Lateral: Trato
íleotibial da fáscia lata e
tuberosidade glútea do
fêmur 
 
Ação: Extensão e rotação
lateral do quadril

M. Glúteo Médio fibras Posteriores
 Origem:

Face externa do
íleo entre a crista ilíaca,
linha glútea posterior e
anterior 
Inserção: Trocânter maior 
Ação: Abdução e rotação
medial da coxa, extensão
do quadril através das
fibras posteriores.

M. Glúteo Mínimo Fibras Posteriores
 Origem:

Asa ilíaca (entre linha
glútea anterior e inferior) 
Inserção: Trocânter maior 
 
Ação: Abdução e rotação
medial da coxa. As fibras
anteriores realizam flexão do
quadril e as posteriores
realizam extensão de quadril.

Porção Longa do M. bíceps Femoral
 Origem:

Cabeça Longa:
Tuberosidade isquiática e
ligamento sacro-tuberoso;
 Inserção:Cabeça

da fíbula
e côndilo lateral da tíbia 

 Ação:

Extensão do quadril,
flexão do joelho.

M. Semitendíneo

Origem: Tuberosidade
isquiática 

Inserção: Superfície medial da
tuberosidade da tíbia (pata de
ganso) 
 

Ação: Extensão do quadril,
flexão.

M. Semimembranoso

Origem: Tuberosidade
isquiática 

Inserção: Côndilo medial
da tíbia 
 

Ação: Extensão do
quadril, flexão de joelho.

Ísquiotibiais: M. Semitendíneo, M.
Semimembranoso, M. Bíceps Femoral.

M. Abdutores do Quadril
 M.

Glúteo Médio;
 M. Glúteo Mínimo;
 M. Piriforme;
 M. Tensor da Fáscia Lata;
 M.Sartório;

M. Glúteo Médio
 Origem:

Face externa
do íleo entre a crista
ilíaca, linha glútea
posterior e anterior 
Inserção: Trocânter
maior 
Ação: Abdução e
rotação medial da coxa

M. Glúteo Mínimo
 Origem:

Asa ilíaca (entre
linha glútea anterior e
inferior) 
Inserção: Trocânter maior 
 
Ação: Abdução e rotação
medial da coxa. As fibras
anteriores realizam flexão
do quadril

M. Piriforme
 Inserção

Medial:
Superfície pélvica do
sacro e margem da
incisura isquiática
maior 
Inserção Lateral:
Trocânter maior 
Ação: Abdução e rotação
lateral da coxa

M. Tensor da Fáscia Lata

Inserção Proximal:
Crista ilíaca e EIAS 

Inserção Distal: Trato
íleo-tibial

Ação: Flexão, abdução
e rotação medial do
quadril.

M. Sartório

Origem: Espinha ilíaca ânterosuperior 

Inserção: Superfície medial da
tuberosidade da tíbia (pata de
ganso) 
 

Ação: Flexão, abdução e rotação
lateral da coxa e flexão.

M. Adutores do quadril




M. Grácil;
M. Pectíneo;
M. Adutor curto;
M.Adutor Longo;
M. Adutor Magno.

M. Grácil

Oringem: Sínfise púbica e
ramo inferior do púbis 

Inserção: Superfície
medial da tuberosidade
da tíbia (pata de ganso) 
 

Ação: Adução da coxa,
flexão de joelho.

M. Pectíneo

Origem: Eminência ílopectínea, tubérculo
púbico e ramo superior do
púbis 

Inserção: Linha pectínea
do fêmur 

Ação: Flexão do quadril e
adução da coxa

M.Adutor Longo

Origem: Superfície
anterior do púbis e
sínfise púbica 

Inserção: Linha áspera  

Ação: Adução da coxa

M. Adutor Curto

Origem: Ramo inferior
do púbis 

Inserção: Linha áspera 

Ação: Adução da coxa

M. Adutor Magno

Origem: Tuberosidade
isquiática, ramo do púbis
e do ísquio 

Inserção : Linha áspera e
tubérculo adutório 

Ação: Adução da coxa

Joelho

O joelho é uma articulação do corpo
humano. Formada pela
extremidade distal do fêmur, pela
extremidade proximal da tíbia (e pela
patela).
O joelho ainda possui ligamentos que
estabilizam a articulação, auxiliados
pelos meniscos (interno ou medial e externo
ou lateral), que estabilizam o joelho, e
amortecem os impactos sobre as cartilagens.

Tíbia


CÔNDILOS:
MEDIAL E
LATERAL
MALÉOLO MEDIAL
TUBEROSIDADE
DA TÍBIA

Fíbula


Fíbula: O osso menor
da perna, esta
localizada lateral e
posteriormente ao
osso maior, a tíbia.
CABEÇA DA FÍBULA
MALÉOLO LATERAL

Ossos tarsais






TÁLUS
CALCÂNEO
NAVICULAR
CUBÓIDE
CUNEIFORME MEDIAL
CUNEIFORME INTERMÉDIO
CUNEIFORME LATERAL

Ossos do pé

Metatarsos: são os cinco ossos da
região dorsal do pé.
Falanges: são os ossos mais distais
do pé, que formam os artelhos ou
dedos do pé.

Ligamento Tibio-fibular Anterior - É um feixe de fibras
achatado que se estende oblíqua, distal e lateralmente
entre as bordas adjacentes da tíbia e da fíbula, na face
anterior da sindesmose.
Ligamento Tibio-fibular Posterior - Menor do que o anterior,
está disposto de modo semelhante da face posterior da
sindesmose.
Ligamento Transverso Inferior - Situa-se anteriormente ao
ligamento posterior, e é um feixe grosso e robusto de fibras
amareladas, que se dirigem transversalmente do maléolo
lateral para a borda posterior da face articular da tíbia.
Ligamento Interósseo - Consiste de numerosos feixes
fibrosos, curtos e robustos, que passam entre a superfície
rugosa contínua da tíbia e da fíbula e constituem o
principal laço de união dos entre os ossos.

Ligamento Deltóide - É um feixe triangular, robusto e achatado.
Consta de dois feixes de fibras: superficial (fibras tibionaviculares,
calcaneotibiais e talotibiais posteriores) e profundo (fibras
talotibiais anteriores). Sua principal função é estabilizar a região
medial do tornozelo e impedir o movimento de eversão.
Ligamento Talofibular Anterior - Dirige-se anterior e medialmente
da margem anterior do maléolo fibular para o talo, anteriormente
à sua faceta articular lateral.
Ligamento Talofibular Posterior - Corre quase horizontalmente da
depressão na parte medial e posterior do maléolo fibular para um
tubérculo proeminente na face posterior do talo, imediatamente
lateral ao sulco para o tendão do flexor longo do hálux.
Ligamento Calcaneofibular - É um cordão estreito e arredondado
que corre do ápice do maléolo fibular para um tubérculo na face
lateral do calcâneo.

TIBIAL ANTERIOR
Perna - Região Anterior
 Origem:

Côndilo lateral da tíbia
e ½ proximal da face lateral da
tíbia e membrana interóssea .

 Inserção:Cuneiforme

medial e
base do 1º metatarsal.

 Ação:

do pé

Flexão dorsal e inversão

EXTENSOR LONGO DOS DEDOS
Perna - Região Anterior
 Origem: Côndilo

lateral da
tíbia, ¾ proximais da
fíbula e membrana
interóssea.

 
 Inserção: Falange

média e
distal do 2º ao 5º dedos .

 Ação:

Extensão da MF, IFP
e IFD do 2º ao 5º dedos

EXTENSOR LONGO DO HÁLUX
Perna - Região Anterior
 Origem:

2/4
intermediários da fíbula
e membrana interóssea .

 Inserção:

Falange distal
do hálux .

 Ação:

Extensão do
hálux, flexão dorsal e
inversão do pé

FIBULAR TERCEIRO
Perna - Região Anterior
 Origem:

1/3 distal
da face anterior
da fíbula .

 Inserção:

Base do
5º metatarsal .

 Ação:

Eversão do

FIBULAR LONGO
Perna - Região Lateral
 Origem:

Cabeça, 2/3
proximais da superfície
lateral da fíbula e
côndilo lateral da tíbia .

 Inserção:

5º metatarsal
e cuneiforme medial .

 Ação:

Flexão plantar e
eversão do pé

FIBULAR CURTO
Perna - Região Lateral
 Origem:

2/3 distais
da face lateral da
fíbula.

 
 Inserção:

Base do 5º
metatarsal .

 Ação:

Flexão plantar
e eversão do pé

GASTROCNÊMIO MEDIAL
Perna - Região Posterior - Camada
Superficial
 Origem:

Côndilo
medial do fêmur.

 
 Inserção:
 Ação:

Calcâneo .

Flexão do
joelho e flexão
plantar do tornozelo

GASTROCNEMIO LATERAL
Perna - Região Posterior - Camada
Superficial
 Origem:

Côndilo
lateral do fêmur .

 Inserção:
 Ação:

Calcâneo .

Flexão do
joelho e flexão
plantar do tornozelo

SÓLEO
Perna - Região Posterior - Camada
Superficial
 Origem:

1/3 intermédio
da face medial da tíbia
e cabeça da fíbula .

 Inserção:

Calcâneo
(tendão dos
gastrocnêmios) .

 
 Ação:

Flexão plantar do
tornozelo

PLANTAR DELGADO
Perna - Região Posterior - Camada
Superficial
 Origem:

Côndilo
lateral do fêmur .

 Inserção:
 Ação:

Calcâneo .

Auxilia o
tríceps sural

POPLÍTEO
Perna - Região Posterior - Camada Profunda
 Origem:

Côndilo
lateral do fêmur .

 Inserção:

Linha solear
da face posterior da
tíbia .

 Ação:

Flexão e
rotação medial do
joelho.

FLEXOR LONGO DOS DEDOS
Perna - Região Posterior - Camada Profunda
 Origem:

Face posterior

da tíbia.
 Inserção:

Falanges
distais do 2º ao 5º dedo.

 Ação:

Flexão plantar e
inversão do tornozelo,
flexão da MF, IFP e IFD
do 2º ao 5º dedos

FLEXOR LONGO DO HÁLUX
Perna - Região Posterior - Camada Profunda
 Origem:

2/3 distais da
face posterior da fíbula e
membrana interóssea .

 Inserção:

Falange distal

do hálux.
 Ação:

Flexão do hálux,
flexão plantar e inversão
do tornozelo.

TIBIAL POSTERIOR
Perna - Região Posterior - Camada Profunda
 Origem:

Face posterior da
tíbia e 2/3 proximais da fíbula
e membrana interóssea .

 Inserção: 3

cuneiformes
(medial , médio e lateral),
cubóide, navicular e base do
2º ao 4º metatarsais. 

 Ação:

Flexão plantar e
inversão do pé.

MUSCULOS DO MMII