You are on page 1of 44

Conversão de energia

TRANSFORMADORES
Profa. Msc. José Batista

1

Conversão de energia

Transformador

Conversão de energia

Introdução
 Definição:

O transformador é um
dispositivo eletromagnético
destinado a transmitir energia
elétrica de um circuito à outro,
transformando tensões ou
correntes.

É constituído de dois ou mais
enrolamentos acoplados por
meio de um fluxo magnético em
comum.

3

Conversão de energia

Transformador

Finalidade
Transformador de corrente
Transformador de potencial
Transformador de distribuição
Transformador de potência
Isolamento

Função no sistema
Transformador Elevador
Transformador de interligação
Transformador Abaixador

Conversão de energia Transformador .

Conversão de energia Transformador • Quanto ao enrolamento: com dois ou um enrolamento. .

Conversão de energia Transformador .

Conversão de energia Transformador .

parte do fluxo deixa o núcleo e não concatena o primário com o secundário).  Fluxo de dispersão (i..e.  Perdas por aquecimento do núcleo do transformador (por correntes parasitas e histerese). Algumas perdas são:  As resistências dos enrolamentos são desprezíveis.  A permeabilidade do núcleo é infinita (haverá uma corrente de magnetização não nula e a relutância do núcleo é diferente de zero).Transformador Ideal  Um transformador ideal não apresenta perdas e toda potência aplicada ao primário é entregue a carga. .

444. A I2 Ød N 2 2 + E2 - Onde: E = Valor Eficaz da tensão induzida (V) f = frequência do fluxo (Hz) N = Número de espiras ɸ = Fluxo máximo (Wb) . N . Bm . f .Transformador ideal Princípio de funcionamento  Lei da Indução Eletromagnética de Faraday: OS FIOS DE ENTRADA: PRIMÁRIA OS FIOS DE SAÍDA: SECUNDÁRIA Área transversal do núcleo Comprimento médio do circuito magnético Ø c I1 + E1 - N 1 Ød 1 E  4.

𝑰𝟏 = 𝑼𝟐. 𝑺𝟐 .Transformador IDEAL 𝑺𝟏 = 𝑺𝟐 𝑼𝟏.

Bm . N1 . A  E2  4.444.444. Bm . N2 .Conversão de energia Lei de Faraday  Aplicando a Lei de Faraday a cada enrolamento: d(t) e(t)  N dt • Supondo fluxo senoidal em estado estacionário com frequência constante  e representando a fem e o fluxo pelos seus fasores: d e1  N1 dt d e2  N2 dt  E1  4. A V1 E1 N1    a  V2 E2 N2 E1 N1   at E2 N2 E1  at E2 . f . f .

temos: 2* I S1 V1  I  aV2  V2  I2*  S2 a * 1 Em que S é a potência aparente (VA). Em termos fasoriais.Relação de transformação . visto que todas as perdas foram desprezadas.Transformador ideal  A potência instantânea no primário é dada por: p1(t)  v1 i1  A potência instantânea no secundário é dada por: p2 (t)  v2 i2  Sabemos: i2 p1(t)  v1 i1  av2   v2 i2  p2 (t) a  O que era esperado. .

Transformador ideal ELEVAR A TENSÃO E  ABAIXAR A CORRENTE  10 A 110 V PRIMÁRIO  POTÊNCIA 5A 220 V TRANSFORMADOR SECUNDÁRIO 𝟏𝟏𝟎𝟎𝑽𝑨 .

a impedância equivalente vista dos terminais do primário (vista pela fonte) é:  V1 aV2 2 V2 Z1      a   a2Z2  Z2 I1 I2 a I2 .Transformador ideal  Ao se conectar uma impedância no secundário. qual a impedância vista pelo primário? I1 V1 I2 E2 E1 V2  Temos que a impedância nos terminais do secundário é dada por: V2 Z2   I2  Analogamente.

Transformador ideal  A impedância conectada ao terminal do secundário produz no primário o mesmo efeito que o produzido por uma impedância equivalente Z2 conectada aos terminais do primário. I1 V1 Z2'  a2Z2 N1 : N2 I2 I1 V1 Z2  a2Z2  De maneira similar. Z2 é chamada de impedância do secundário refletida ao primário. as correntes e tensões podem ser refletidas de um lado para o outro através da relação de espiras: I  N2 I  I2  1 N1 2 a  V1  N1 V2  aV2  N2 .

17 Transformador  Relação da Tensão: • Relação da Impedância:  Relação da Corrente: .

qual seria a nova corrente no seu secundário? . Caso a tensão no primário que chegue na fonte seja de 200V. Exercício 2: Um transformado 220/110V tem como uma corrente de 1A no primário. Determinar as correntes de primário e secundário.Transformador Exercício 1: Um transformador ideal fornece à saída uma voltagem de 220V com uma relação de espiras de 1:2. e com uma impedância de saída de 10030o.

. Calcule: a) A tensão nos terminais do secundário do transformador. mas a corrente de magnetização é 4 A.Aplicação Exercício 3: Um transformador com 90 espiras no enrolamento primário e 2250 espiras no secundário é conectado a uma fonte de 120 V. b) A tensão de pico sobre esses terminais. O acoplamento entre o primário e o secundário é perfeito. c) A tensão instantânea no secundário quando a do primário for 37 V. 60 Hz.

.9. b) A impedância no secundário c) Fator de potência do primário. 60 Hz. Sob a carga do secundário. Calcule: a) A potência aparente. passa uma corrente de 5 A e fator de potência de 0. ativa e reativa no secundário. 130V.Aplicação Exercício 4: Um transformador ideal conectado a uma fonte de 220 V.

18+ j0. .24 . Responda às seguintes perguntas sobre esse sistema.Aplicação Exercício : Um sistema de potência monofásico consiste em um gerador de 480 V e 60 Hz alimentando uma carga Zcarga 4+ j3 por meio de uma linha de transmissão de impedância Zlinha 0.

Aplicação .

..). ruído. Há perdas no núcleo (por correntes parasitas. histerese. dos enrolamentos não são A permeabilidade do núcleo é finita (haverá uma corrente de magnetização não nula e a relutância do núcleo é diferente de zero). Há dispersão. .Transformador Real No transformador real: As impedâncias desprezíveis. magneto estricção.

24 Perdas no Transformador  Perdas por histerese  Perdas por correntes parasitas de Foucault  Perdas pelo Efeito Joule 3 .

conseqüentemente não retorna exatamente sobre a curva inicial.Histerese • Uma característica importante dos materiais ferromagnético e ferrimagnéticos aparece quando a intensidade do campo. Nesta situação temos que o material se opõe à desmagnetização e. é subseqüentemente reduzido. B (T) BM Br Magnetismo residual ou retentividade (1) (5) (2) H (Ae/m) -HM -HC HC HM (4) (3) -Br -BM Força coercitiva ou coercitividade . digamos Ha . tendo aumentado até um certo valor.

Núcleo desmagnetizado S b) Amostra do núcleo com os seus domínios magnéticos parcialmente ordenados devido a ação de um campo H .Perdas por histerese H ( campo magnetizante) Magnetização fácil Magnetização difícil B B (T) c) Amostra do núcleo com "todos" os seus domínios magnéticos ordenados devido a ação de um campo H intenso Núcleo saturado H ( campo magnetizante) B H (Ae/m) S N S S N a) Amostra do núcleo com os seus domínios magnéticos desordenados.

27 Perdas por histerese São perdas provocadas pela propriedade dos materiais ferromagnéticos de apresentarem um atraso entre a indução magnética e o campo magnético. f = Frequência (Hz) Bm = Indução máxima no núcleo (T) 4 . Ph = Perdas por histerese (W/Kg) Kh = Constante que depende do material do núcleo.

28 Perdas no Transformador 5 .

Materiais Magnéticos em transformadores .

relativamente grande. quando sujeito a um fluxo magnético variável. como a dissipação por efeito Joule. o que faz com que a temperatura do material aumente. os materiais sujeitos a campos magnéticos variáveis são frequentemente laminados ou construídos com placas muito pequenas isoladas umas das outras. . Para evitar a dissipação por efeito Joule.Corrente de Foucault Corrente de Foucault (ou ainda corrente parasita) é o nome dado à corrente induzida em um material condutor. O nome foi dado em homenagem a Jean Bernard Léon Foucault. que estudou esse efeito. Em alguns casos a corrente de Foucault pode produzir resultados indesejáveis.

Corrente de Foucault Lâminas em transformador .

32 Perdas por correntes de Foucault Quando uma corrente alternada está fluindo pelo enrolamento. surge um campo magnético variável no núcleo que induz uma força eletromotriz. Esta fem causa a circulação de correntes parasitas no núcleo. PF = Perdas por Foucault (W/Kg) d = Espessura do material do núcleo (mm) f = Frequência (Hz) Bm = Indução máxima no núcleo (T) 6 .

que ocorre quando a corrente circula pelos enrolamentos primários e secundários do transformador. por efeito Joule.33 Perdas pelo Efeito Joule Trata-se da dissipação de potência na forma de calor. .

34 Reduzindo as Perdas: • Para reduzir as perdas por histerese. o material do núcleo deve ser composto por aço-silício. • Um recurso para diminuir as perdas no cobre é aumentando a área da seção transversal dos fios usados nos enrolamentos. Uma outra forma é manter a corrente no transformador no valor mais baixo possível. o núcleo deve ser constituído por material laminado revestido por um verniz isolador com pequena espessura e elevada resistividade. . • Para evitar as correntes de Foucault e diminuir as perdas.

. b) Se a frequência do transformador fosse de 400 Hz.35 mm. Sabendo que a espessura do material do núcleo é 0. calcule: a) As perdas relativas do transformador sabendo-se que o material que constitui o núcleo é o aço doce 3 % de silício.35 EXERCÍCIO Exercício 1: Um transformador de 220/110 V.5 T. quanto seriam as perdas. foi construído para trabalhar com densidade magnética de 1. 60 Hz.

36 Transformador real E1 = Tensão induzida no primário E2 = Tensão induzida no secundário V1 = Tensão terminal primário V2 = Tensão terminal secundário I1 = Corrente no primário I2 = Corrente no Secundário I0 = Corrente a vazio (primário) R1 = Resistência no primário R2 = Resistência no secundário X1 = Reatância de dispersão no primário X2 = Reatância de dispersão no secundário Im e Xm = Corrente e reatância de magnetização IC e RC = Corrente e resistência considerando as perdas no núcleo. .

Conversão de energia Transformador I1 R1 V1 X1 Ic Rc I I2 Im  E Xm 1 R2 E2 X2 I2 V2  Em que: E12 Rc  : representaas perdasnonúcleo Pc E12 Xm  : reatânciademagnetizaç ão(produzo fluxo) Qm Pc : perdasnonúcleo(ferro)emW Qc : potênciareativanecessáriaparaproduziro fluxomútuoemVAr .

Conversão de energia 38 Transformador 𝐼1 = I1 R1 V1 E1 V1  Z1I1   E2 V2  Z2I2 𝐼∅ + 𝐼2′ X1 Ic Rc I I2 Im Xm E1 R2 E2 X2 I2 V2 .

I1 R1 V1  Em que: X1 Ic Rc I Im Xm V2  aV2  I   I2 2 a  R  a2 R 2  2 X2  a2 X2 R2 X2' I2 V2 .Conversão de energia 39 Transformador  Refletindo as quantidades do secundário para o primário.

Conversão de energia 40 Transformador sob carga • Como Iφ << I1 pode-se desprezar o ramo de magnetização: I1 R1 V1 X1 R2 X2' .

41 Transformador corrente a vazio • Valores Garantidos de Perdas.WEG . Correntes de Excitação e Tensões de Curto-Circuito em Transformadores Trifásicos de Tensão Máxima do Equipamento de 15 kV .

0Ω. imaginando-se que as tensões nos terminais e induzidas estão em fase e) A relação entre as fem induzidas primária e secundária. R2 = 0. .5Ω e Xm = 1099Ω . e entre as respectivas tensões terminais. a) As correntes primária e secundária b) As impedâncias internas primária e secundária c) As quedas internas de tensão primária e secundária d) As fem induzidas primárias e secundária.42 • Um transformador monofásico de 110 KVA.22Ω.2200/ 110V. os valores ôhmicos dos parâmetros do circuito equivalente são R1 = 0. Os valores de Rp = 5494.5 mΩ. Sendo uma carga de 35KVA. X2 = 5 mΩ. X1 = 2.

001Ω. Quando o transformador é usado como abaixador e está com carga nominal. xl2 = 0. .3Ω. e) A relação entre as fem induzidas primária e secundária.r2 = 0. 60Hz.1Ω. xl1 = 0. . 2300V/230V. e entre as respectivas tensões terminais.43 Um transformador abaixador trifásico de 500kVA.r1 = 0. imaginandose que as tensões nos terminais e induzidas estão em fase. tem os seguintes parâmetros: . Desprezando a reatância de magnetização. calcule: a) As correntes primária e secundária b) As impedâncias internas primária e secundária c) As quedas internas de tensão primária e secundária d) As fem induzidas primárias e secundária.003Ω.

9KΩ. com relação de espiras 2:1.7 de • fator de potência. resistência de núcleo RC = 6. Qual as perdas do transformador? .44 • Um transformador alimentado à entrada com V1 = 220 V. reatância de magnetização XM = 3. alimenta na sua saída uma carga indutiva de S= 60VA e 0.9KΩ.