ex

o t
oético

Concurso de Poesia “Faça lá um Poema”

Poemas premiados
Agrupamento Vertical de Escolas Cetóbriga

ex

to
oético

tema livre

A poesia

A poesia é sábia. A poesia é amar. A poesia é cuidar. A poesia é renascer. A poesia tem, tem muitas coisas. Tem um pato, tem um piropo. Manda um palhaço, diz a pêra. Diz peneira, diz panela. E diz carcela, A poesia diz várias coisas, até pode dizer “paparalhoco”. Pipoco Popó Piolho E montes de outras coisas maravilhosas!

Ana Clara Correia – 4ºA EB1/JI de Montalvão Prof. Isabel Aço

ex

to
oético

tema livre

João
João Leitão caiu para dentro do caldeirão. João Leitão ficou queimado. Teve muita sorte em não ficar assado, no chão! A Dona Carochinha ficou zangada, pegou no João Leitão e deu-lhe uma palmada! A Dona Carochinha tem um filho pequeno chamado João Conceição. Foi passear, comprou-lhe um cão. O cão do João foi atropelado, caiu ao chão. João Conceição ficou zangado, quase perdia o coração. O cão foi para o hospital. João Conceição esperou. O condutor foi a tribunal, toda a família se cansou. O cão sobreviveu. João Conceição, João Leitão e a Dona Carochinha ficaram contentes e deram-lhe presentes.

Leonardo Bernardino, 4ºA EB1 Praias do Sado Prof. Urquida Jardim

ex

to
oético

tema livre

O Livro

Este livro diz tanta coisa Que nem sei por onde começar! Vou ler a introdução E depois começo a inventar. Na primeira parte escrevi: - Quem manda aqui sou eu! Fui escrever a segunda dizendo: - Adão e Eva, Julieta e Romeu! Fui inventar a terceira e disse: - Este rapaz caiu! Quando acabei de escrever a quarta Surgiu-me um grande arrepio! Escrevi a quinta E a imaginação da minha cabeça saiu, dizendo assim: - Não leves a mal, pois o livro caiu.

Bernardo Morgado, nº3, 6ºE EB 2.3 de Aranguez Prof. Adozinda Diniz

ex

to
oético

tema livre
O que é a vida?

Perguntei ao meu pai, o que era a vida E ele repondeu-me, É uma viagem só de ida. E sem nada perceber, perguntei sem pensar mas a minha tia disse: -Tenho de ir trabalhar!!! Fiquei chateado. Não sabia que fazer, descrever este momento, era o que me estava a apetecer. Escrevi este poema Para ficarem a par Desta situação Que me estava a enervar!!!

Jorge Sousa, nº 20, 6ºE EB 2.3 de Aranguez Prof.: Adozinda Diniz

ex

to
oético

Matematicando
Tabuada dos sete
Sete vezes um sete. Como usas a gilete? Sete vezes dois catorze. Quem chama o 112? Sete vezes três vinte um. Se cais, fazes catrapum! Sete vezes quatro vinte oito. Come um biscoito. Sete vezes cinco trinta e cinco. E se trinco o brinco? Sete vezes seis quarenta e dois. E depois? Compras-me dois bois? Sete vezes sete quarenta e nove. Quero que me escove! Sete vezes oito cinquenta e seis. Isso é coisa de reis! Sete vezes nove sessenta e três. Será chinês? Sete vezes dez setenta, Esta turma é muito barulhenta.

poemas à maneira de...

Tiago Heleno 6º F Nº 23 EB 2.3 de Aranguez Professora Leonor Moreira

ex

to
oético

poemas à maneira de...

Matematicando
Tabuada dos sete - Sete vezes um, sete Comprei uma bandelete. - Sete vezes dois, catorze Troquei por doze. - Sete vezes três, vinte e um Dei um caramelo e não sobrou nenhum. - Sete vezes quatro, vinte e oito Ofereci uma foto. - Sete vezes cinco, trinta e cinco Caí de um pico. - Sete vezes seis, quarenta e dois Matei todos os bois. - Sete vezes sete, quarenta e nove Desci o piso dezanove. - Sete vezes oito, quarenta e seis Vendi muitos póneis. - Sete vezes nove, sessenta e três Fiquei à espera da minha vez. - Sete vezes dez, setenta Procurei o número oitenta, Finalmente cheguei à meta!

Nome: Elena Vasilache Turma: 6ªA/ nª8 Professora: Isabel Oliveira

ex

to
oético

poemas à maneira de...

Matematicando
A triste história do número Sete
Era uma vez um número chamado Sete. Estava a ouvir música numa camioneta, quando apareceu a Anete. Ela é muito chata como uma maquete. No dia seguinte, o senhor Sete, a fazer a barba, cortou-se com uma gilete. Foi ao pão com a senhora Chiquelete. Levou o seu cão que é uma marionete. Depois foi para casa com a marionete, que tinha uma bandolete. Foi para casa comer um filete. Para comer um filete usa sempre um babete. Nesse dia a menina Elisabete Descobriu e foi contar à mãe Susete.

Rafaela Filipe P.P. Severino 5ºC nº17 Escola E.B. 2, 3 de Aranguez Professora Elsa Uva

ex

to
oético

poemas à maneira de...

telegramas
Telegrama do Capuchinho Vermelho para o Lobo

Desta vez, não me vais assustar. Eu tenho um mapa, por isso não me vais enganar! Minha avó não vais comer, pois Ela não te vai temer! Não me venhas com a conversa dos olhos grandes. Essa já é velha! Não vistas a roupa da minha avó. Ela está fora de moda! Não comas os meus doces. São 100% light, pois a minha avó tem diabetes! Faz-te mas é à vida e vê se emagreces!!!

Inês Santana 6ºF Nº 13 Escola E.B. 2,3 de Aranguez Professora Leonor Moreira

ex

to
oético

poemas à maneira de...

telegramas
Telegrama da Cinderela para a Madrasta

Desta vez não vais ficar a rir. Vou ao baile e dançar até cair O sapato já não perco Porque já o tenho apertado Não me vou atrasar, levo um relógio Vou –me casar e tu, velha má, vais ficar a limpar o que eu sujar!

Carlos Serôdio 6ºF Nº 6 Escola E.B. 2,3 de Aranguez Professora Leonor Moreira

ex

to
oético

poemas à maneira de...

poemas visuais

Vasco Lucena - 5º D nº11 Escola E.B. 2,3 de Aranguez Professora Madalena Abreu

ex

to
oético

poemas à maneira de...

poemas visuais

Ema Ramos - 6ºE Nº 11 Escola E.B. 2,3 de Aranguez Professora Adozinda Diniz

ex

to
oético

poemas à maneira de...

poemas visuais
Comer
O OJ O Jo O Joã O João O João c O João co O João com O João come E fica o prato vazio E ele fica cheio E ele fica chei E ele fica che E ele fica ch E ele fica c E ele fica E ele fic E ele fi E ele f E ele E el Ee E Ai que sono!!!

Diogo Mariano 6ºA Escola E.B.2,3 de Aranguez Professora: Isabel Oliveira

ex

to
oético

poemas à maneira de...

P...de Porto
S de Setúbal

Setúbal com sua serra Setúbal com seu rio Sado Suas salgadeiras romanas Seus sítios de sossego Seus sadinos Seus sabores Suas sardinhas Setúbal com o seu povo Que semeou a palavra Setúbal No Sul de Portugal

Filipe Correia, nº13, 6ºE EB 2.3 de Aranguez Prof. Adozinda Diniz

ex

to
oético

poemas à maneira de...

P...de Porto
S … de Setúbal

Setúbal, serena e sábia, Saturada de sol. Sem silêncio. Simbólica, simples e simpática. Saborosas sardinhas com sal, Servidas com salada. Sabotada pela sociedade Saudade da sensação da serenidade

Beatriz Tavira 6º F Nº4 E.B.2,3 de Aranguez Professora: Leonor Moreira

ex

to
oético

poemas com bichos
Quero ser um animal

Quero ser um golfinho Para nadar, nadar e nadar A minha cor não interessa O que eu quero é o mar Quero ser uma abelha Para cheirar qualquer flor Faço cera e faço mel Com carinho e amor Quero ser uma borboleta Uma borboleta colorida Voar com toda a graça Para ser reconhecida Quero ser uma andorinha Os céus eu vou cruzar No Verão estou num sítio E de Inverno noutro lugar Quero ser um leão E fazer a minha lei Todos os animais da selva Têm de respeitar o rei

Nome do aluno: Inês Lopes 6ºA Nº 11 E.B.2,3 de Aranguez Professora: Isabel Oliveira

ex

to
oético

poemas com bichos

O Meu Gato O meu gato Tareco tem olho verde sempre aberto, era filho do Malandreco, que era um gato muito esperto. Quando ele tem fome imagina um peixinho, inventa uma história, e sente logo o cheirinho. Passa o dia na rua entre telhados e beirados, à noite ao luar, ouve-se os seus miados. Mal chego da escola vem logo ter comigo, pede mimos e a bola, é o meu melhor amigo!

Francisco Canteiro, 6º E, nº 14 EB 2.3 de Aranguez Prof.Adozinda Diniz