You are on page 1of 6

Inês de Castro (Canto III, est.

118 - 137)
1. Identifica o narrador e o narratário deste episódio.
Narrador

Narratário

2. Refere o plano narrativo deste episódio e justifica.
3. Sinaliza os versos que situam a ação no espaço e no tempo (est. 118).
Espaço

Tempo

4. Lê a estância 119.
4.1. A quem atribui o narrador a responsabilidade maior pela morte de Inês?
Justifica.
4.2. Identifica os adjetivos que o narrador usa para caracterizar o amor.
4.3. Indica os recursos estilísticos usados para evidenciar a importância do
amor no desencadear deste episódio.
Recursos estilísticos
«Tu, só tu, puro amor»; «fero amor»
«Como se fora pérfida inimiga»
Personificação do amor em toda a estância
«puro»; «crua»; «pérfido»; «fero»; «áspero»; «tirano»

5. Completa, com as palavras dadas, a síntese da introdução (est. 118-119) ,de
acordo com a proposta de António José Saraiva:
Amor; Portugal; cruel; rainha; memorável; morte; vítimas; guerra; paz.

. 7. jovem.2. Foi o _______ . Dizem que o Amor ________ não se contenta com as lágrimas: exige. Texto . Adjetivos Expressões do texto Bela Jovem Feliz Tranquila Ingénua 6. Consolida os teus conhecimentos sobre o caso de Pedro e Inês preenchendo os espaços do texto a seguir apresentado. v.«Afonso voltou para ____________ a lograr a _____ com a mesma felicidade que já tivera na __________.120-129). _________ humanas. De que forma estes versos anunciam a tragédia que se vai seguir? 8. Transcreve as expressões do texto que permitem caracterizar a protagonista como uma mulher: bela. aconteceu então o caso ______________ da malfadada que foi ________ depois de morta. Livraria Figueirinhas.1. Refere as diferentes situações em que a personagem nos é apresentada e os sentimentos que aí vive (est.1. 120. unicamente. feliz. 2ª ed. 120 – 121). tranquila e ingénua. Repara com atenção na figura de Inês ( est. 9.» in Os Lusíadas. 1999 6. Atenta nos versos: « Naquele engano de alma ledo e cego/ Que a Fortuna não deixa durar muito» (est. 6. 7. tendo como base as estâncias 118 – 121. como se ela fosse uma inimiga. que deu causa à sua _________. Identifica a figura de estilo presente no primeiro verso da estrofe 123. 3e 4). como um deus despótico.

“De dia ___________________________. Tornara-se Inês sua _________ passeando “ Nos ___________________________” onde estava posta em sossego “Aos _____________________________”. Expressões que denotam simpatia por Inês Expressões reveladoras de antipatia e indignação pelos agentes da condenação de Inês 11. E assim. Identifica os argumentos usados por Inês no seu discurso para persuadir o rei a poupar-lhe a vida (est. D. Regista as razões que motivaram a condenação de Inês (est.2. Quem. de acordo com o texto.1. filho de ________IV. . agora. Pedro.D. Faz o levantamento das expressões que.123).129). fidalga _________ quando sua esposa. Faz corresponder . pretendia a morte de Inês? 10. _______________”. “De noite. denotam simpatia do narrador pela situação de Inês e antipatia pelos agentes da sua condenação. 10. 11. 10. ainda era viva. os versos das duas colunas para identificares os argumentos de Inês. para evitar a tragédia. nas estâncias 120-125 e 130132.1. enamorara-se de Inês de Castro.126. 122. mesmo na _________ do Príncipe era dominada pelo sentimento de uma grande ________ . __________ . Aí vivia intensamente o amor do seu _________ encantado cujas ___________ lhe moravam na alma sempre que se apartasse dele. no seu discurso ao Rei.

Transcreve os versos que provam que o Rei acaba por manter a sua decisão contra a sua vontade. Explica de que forma a morte de Inês se refletiu no comportamento de D.2.1. que no episódio de «Inês de Castro» podemos encontrar as seguintes características da tragédia clássica: Características da tragédia clássica Personagens de elevada estirpe social. Relê as estâncias 134 e 135. A que recurso estilístico recorre o poeta para a sua caracterização? 14.2.1) A estas criancinhas a) com clemência 2) Mova-te a piedade b) e mísero desterro 3) A morte sabe dar c) sua e minha 4) Sabe também dar a vida d) tem respeito 5) Põe-me em perpétuo e) toda a feridade 6) Põe-me onde se use f) com fogo e ferro 1 2 3 4 5 12.3. De que forma a lembrança desta história é imortalizada na cidade de Coimbra? 15. Pedro depois de este se tornar rei de Portugal (136-1379. Prova com elementos textuais. Explica o sentido da evolução psicológica do rei. Exemplos textuais 6 . 14. Como é caracterizada Inês após a sua morte? 14. 16. Afonso IV não fica indiferente às palavras de Inês. 13. 12.1. D. 12. 14. Faz a análise comparativa do caso de Inês e Polycena (131 – 132 ).

no desenvolvimento da acção. puro Amor. 17. Pathos (sofrimento do herói) – que desencadeiam sentimentos como o terror e a piedade. Metáfora c) Aos montes ensinando e às ervinhas 3. só tu. Faz corresponder os versos às figuras de estilo. com força crua 2. Existência de um coro (substituído pelo narrador) que comenta as passagens mais trágicas.Presença do destino e da fatalidade que domina as personagens inocentes. a) Que do sepulcro os homens desenterra 1. Hipérbole d) Tirar Inês ao mundo determina 4. Apóstrofe . Eufemismo b) Tu. Personificação e) Matar do firme amor o fogo aceso 5. Existência de um ponto culminante – «climax» .

.f) O nome que no peito escrito tinhas a) b) c) 6. Os responsáveis sua morte. ● O que o rei acabara de ganhar. Descobre na sopa de letras as palavras da história de Inês de Castro que correspondem às indicações dadas ● Nome próprio da protagonista ● O que foi Inês depois de morta. desta história. ●● Nome do rei que apela condenou à ● Nome do rio morte. Perífrase d) e) f) 18.

Related Interests