You are on page 1of 3

Crónica de Costumes

A obra de Eça de Queiroz está dividida em duas partes: O
título “Os Maias” (história de uma família) e o subtítulo
“Episódios da Vida Romântica” (Crónica de Costumes)
Mas o que é isto de Crónica de Costumes?
Nesta parte da obra estão inseridos episódios que
apresentam e representam a sociedade lisboeta do século
XIX, retratando os costumes da época; as diferentes
opiniões em relação a vários assuntos como a literatura, a
economia, a política; denunciando os vícios e as virtudes
daquela sociedade.

Para conseguir expor uma sociedade na sua totalidade, Eça
recorreu muitas vezes ao uso de personagens tipo, isto é,
personagens que tipificam um grupo, uma profissão, um
vício…

O jantar no Hotel Central
Durante este jantar, surgiram assuntos nomeadamente
literários e políticos que permitem ter uma noção da
situação de Portugal.
Literário:
Alencar
defende
o
Ultrarromantismo
enquanto Ega o Realismo/Naturalismo (mostra uma
sociedade dominada por valores tradicionais, que se
opõe a uma nova geração, a geração de 70
representada por Ega). Este defende exageradamente a
inserção da ciência na literatura.
Finanças: A bancarrota é um dos assuntos polémicos,
que critica de forma irónica o país. Identificámos como

assim. João da Ega e Cohen. As pessoas só participavam daquele evento por considerarem ser um evento luxuoso vindo do estrangeiro.principais intervenientes e que geram uma maior desordem (neste assunto). continuavam a ter lugar. Segundo Ega. o que incluía o próprio Rei. Contrariamente a este pensamento. Mentalidade provinciana: As corridas apesar das criticas e da pouca dimensão comparativamente ao estrangeiro. Caricatura da sociedade feminina: A conformidade do vestuário à ocasião parece não ser a melhor e acaba por traduzir a falta de gosto e. Político: Ega crítica a decadência do país e afirma desejar a bancarrota e a invasão espanhola. Afonso da Maia achava que se devia apoiar o que é nacional. o que permitia uma visão panorâmica sobre a alta sociedade lisboeta. e onde encontramos Carlos e Craft em convívio direto com esse universo social dominado pela monotonia e pelo improviso. Jantar em casa dos Gouvarinho O jantar em casa dos Gouvarinho teve como objetivos reunir as classes mais altas da burguesia e aristocracia. o ridículo de uma situação que se pretende requintada sem o ser. imitar o estrangeiro. nomeadamente a tourada. sobretudo. os dirigentes do País e ilustrar a ignorância dos dirigentes do País. Condessa de Gouvarinho: é uma pessoa fútil que só quer alguém pelo seu valor monetário ou social. presa a um . uma invasão seria a solução para a bancarrota e deste modo Portugal sairia revolucionado (renovação de Portugal a vários níveis). As corridas no hipódromo Desejo de imitar o estrangeiro: A sociedade da época pensava que o que era “chique” tinha de vir de fora e tentava.

educação. crítica literária. assim. Literatura. decadência do jornalismo português e corrupção do jornalismo e falta de espírito crítico da sociedade lisboeta. revelando-se ignorante e subserviente e ouvindo a opinião de qualquer um por mais ridícula que fosse.casamento fracassado. finanças. Esta procura o amor de Carlos da Maia. um encontro amoroso com ele. marcando. atraso intelectual do País. Sousa Neto: é representante da Administração Pública. fingindo que é uma consulta para o seu filho. .