You are on page 1of 11

SUMARIO

CULTURAS
PREHISPÁNICAS
ORIGEN DE LAS CIVILIZACIONES ANDINAS
Jorge E. T. Silva Sifuentes
INTRODUCCIÓN É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É16
I POBLAMIENTO DE AMÉRICA É É É É É É É É É É É É20
CONDICIONES AMBIENTALES É É É É É É É É É É É É20
ÚLTIMAS INVESTIGACIONES: EVIDENCIA
GEOLÓGICA Y ARQUEOLÓGICA É É É É É É É É É20
CONCLUSIONES É É É É É É É É É É É É É É É É É É É23
II PERÚ ANTES DEL TAHUANTINSUYO É É É É É É É É26
ESCENARIO GEOGRÁFICO É É É É É É É É É É É É É É26
Costa É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É26
Sierra É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É28
Selva
É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É29
III PERIODIFICACIÓN Y ESQUEMAS CRONOLÓGICOS É31
IV PRIMEROS HABITANTES DEL TERRITORIO PERUANO 32
PATRONES DE SUBSISTENCIA Y MODOS DE VIDA É É36
ADAPTACIONES A LA SIERRA É É É É É É É É É É É É37
Cuenca de Ayacucho É É É É É É É É É É É É É É É É É37
Punas de Junín É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É39
Punas de Huancayo y Cerro de Pasco É É É É É É É É É É41
Telarmachay, San Pedro de Cajas, Tarma É É É É É É É É42
Lauricocha, Huánuco É É É É É É É É É É É É É É É É É42
Restos humanos de Lauricocha É É É É É É É É É É É43
Comentarios sobre la cronología de Lauricocha É É É43
Cueva El Guitarrero, callejón de Huaylas É É É É É É É É44
Sierra sur É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É45
PINTURAS RUPESTRES ALTOANDINAS É É É É É É É É45
Pinturas rupestres de Lauricocha É É É É É É É É É É É É46
Pinturas rupestres de la caverna de Huargo o
Huacuamachay É É É É É É É É É É É É É É É É É É46
Pinturas rupestres de Toquepala É É É É É É É É É É É É47
ESTRATEGIAS DE SUBSISTENCIA EN LA SIERRA É É É47
ADAPTACIONES A LA COSTA É É É É É É É É É É É É49
Chivateros, distrito de Ventanilla, bajo Chillón É É É É É50
Paiján y Pampa de los Fósiles, La Libertad É É É É É É É50
La Cumbre É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É51
Quirihuac É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É51
Paijanense en el desierto de Cupisnique É É É É É É É51
Restos humanos de Paiján É É É É É É É É É É É É É53
ESTRATEGIAS DE SUBSISTENCIA EN LA COSTA É É É54
CONCLUSIONES É É É É É É É É É É É É É É É É É É É54
V EL ARCAICO EN LOS ANDES CENTRALES É É É É É É56
ORÍGENES DE LA AGRICULTURA É É É É É É É É É É58
AGRICULTURA EN AMÉRICA É É É É É É É É É É É É60
SURGIMIENTO DE LA AGRICULTURA EN EL PERÚ É60
LA COSTA: DE LA RECOLECCIÓN Y LA PESCA
A LA AGRICULTURA É É É É É É É É É É É É É É É62
Recolección, sedentarismo y pesca en la costa É É É É É É63
Encanto (3 600 a.C.) É É É É É É É É É É É É É É É É64
Precerámico con algodón É É É É É É É É É É É É É É64
EL EXTREMO SUR DE LA COSTA PERUANA É É É É É68

COSTUMBRES FUNERARIAS É É É É É É É É É É É É É68
PESCA VERSUS AGRICULTURA: SEDENTARISMO Y
DESARROLLO POLÍTICO É É É É É É É É É É É É É71
LA SIERRA: DOMESTICACIÓN DE CAMÉLIDOS,
PASTOREO Y AGRICULTURA É É É É É É É É É É É73
Domesticación animal É É É É É É É É É É É É É É É É É73
Perro (Canis familiaris) É É É É É É É É É É É É É É É74
Cuy (Cavia spp) É É É É É É É É É É É É É É É É É É74
Domesticación de camélidos É É É É É É É É É É É É É É74
Llamas É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É75
Guanacos É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É75
Alpacas É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É75
Vicuñas É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É76
La puna de los Andes centrales y su rol en la
domesticación de los camélidos sudamericanos É É É76
Pachamachay É É É É É É É É É É É É É É É É É É É76
Uchcumachay É É É É É É É É É É É É É É É É É É É76
San Pedro de Cajas É É É É É É É É É É É É É É É É É76
Telarmachay É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É77
Beneficios del pastoreo altoandino É É É É É É É É É É É77
SOCIEDAD Y PATRONES DE SUBSISTENCIA
EN LA REGIÓN QUECHUA É É É É É É É É É É É É78
ARQUITECTURA CEREMONIAL EN EL
ARCAICO TARDÍO É É É É É É É É É É É É É É É É78
CONCLUSIONES É É É É É É É É É É É É É É É É É É É81
VI EL FORMATIVO EN LOS ANDES CENTRALES É É É É85
SURGIMIENTO DE JEFATURAS O SEÑORÍOS É É É É É87
Cómo inferir jefaturas a través de los vestigios É É É É É87
Aplicación del concepto de jefatura en los Andes É É É É88
CENTROS CEREMONIALES Y CARACTERIZACIÓN
POLÍTICA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É88
Edificios con plazas circulares hundidas É É É É É É É É88
Recintos cuadrangulares o rectangulares con
fogón central É É É É É É É É É É É É É É É É É É É90
Kotosh y Shillacoto, Huánuco É É É É É É É É É É É90
La Galgada, Pallasca, Ancash É É É É É É É É É É É É91
Huaricoto, Carhuaz, Ancash É É É É É É É É É É É É91
Huacaloma, Cajamarca É É É É É É É É É É É É É É É92
Piruru, Huánuco (2 515, 1 990 a.C.) É É É É É É É É93
Huaynuná, Bahía Seca, Pampa de Las Llamas-Moxeke,
Casma É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É93
Edificios con plataformas y plazas É É É É É É É É É É É94
Pacopampa y Pandanche É É É É É É É É É É É É É É94
Huacaloma É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É95
Kuntur Wasi É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É95
Tembladera, Jequetepeque Medio É É É É É É É É É É97
Layzón, Cajamarca É É É É É É É É É É É É É É É É É97
Edificios con planta en forma de U o herradura É É É É É98
Garagay É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É99
Frisos de Garagay É É É É É É É É É É É É É É É É99
Organización del espacio ritual É É É É É É É É É100
Ofrendas y objetos rituales É É É É É É É É É É É100
Significado de Garagay É É É É É É É É É É É É É100
Cardal É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É101
CULTURA CUPISNIQUE: CABALLO MUERTO
Y KUNTUR WASI É É É É É É É É É É É É É É É É É102
Caballo Muerto É É É É É É É É É É É É É É É É É É103
Kuntur Wasi É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É104
Fase Kuntur Wasi É É É É É É É É É É É É É É É É105
Entierros en la plataforma central de Kuntur Wasi 105
Esculturas líticas de Kuntur Wasi É É É É É É É É106
Alfarería de la fase Kuntur Wasi É É É É É É É É É106

EXPANSIÓN Y ESTILOS ALFAREROS É177 ORÍGENES WARI É É É É É É É É É É É É É É É É É É É179 EL ESTADO WARI É É É É É É É É É É É É É É É É É É186 CENTROS PROVINCIALES WARI É É É É É É É É É É É188 Pikillaqta É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É189 Wiracochapampa É É É É É É É É É É É É É É É É É É É192 Jincamoqo É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É193 Azángaro É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É193 Colonias Wari: Cerro Baúl É É É É É É É É É É É É É É É194 PRESENCIA WARI EN LA COSTA É É É É É É É É É É É195 COLONIAS WARI EN LA SELVA É É É É É É É É É É É É198 LA CIUDAD DE WARI É É É É É É É É É É É É É É É É198 SISTEMA DE CREENCIAS É É É É É É É É É É É É É É É204 ECONOMÍA Y POLÍTICA É É É É É É É É É É É É É É É206 II TIWANAKU É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É209 EL CENTRO RELIGIOSO DE TIWANAKU É É É É É É É210 SISTEMA DE CREENCIAS É É É É É É É É É É É É É É É212 POLÍTICA Y ECONOMÍA É É É É É É É É É É É É É É É213 III CULTURAS REGIONALES TARDÍAS É É É É É É É É É215 INTRODUCCIÓN É É É É É É É É É É É É É É É É É É É215 DESARROLLOS REGIONALES COSTEÑOS É É É É É É216 Costa norte: Chimú É É É É É É É É É É É É É É É É É É216 a) Sociedad y composición poblacional É É É É É É É218 b) Religión y política É É É É É É É É É É É É É É É É219 c) Chan Chan É É É É É É É É É É É É É É É É É É É220 d) Economía Chimú É É É É É É É É É É É É É É É É221 Costa central É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É223 Costa sur É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É225 DESARROLLOS REGIONALES EN LOS VALLES INTERANDINOS É É É É É É É É É É É É É É É É É227 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É230 INCANATO Y CONQUISTA TAHUANTINSUYO: EL MUNDO DE LOS INCAS Teresa Vergara I EL ESPACIO GEOGRÁFICO É É É É É É É É É É É É É É234 CHALA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É235 YUNGA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É235 QUECHUA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É236 SUNI É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É236 PUNA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É237 JANCA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É237 RUPA RUPA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É238 OMAGUA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É238 II LA FORMACIÓN DEL TAHUANTINSUYO É É É É É É É239 EL CUZCO ANTES DE LOS INCAS É É É É É É É É É É239 Los guallas É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É239 Los sahuasiray o sahuaseras É É É É É É É É É É É É239 Los antasayas É É É É É É É É É É É É É É É É É É É239 Los alcavizas É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É239 5 . Chillón. Huallaga y Ucayali É É É É É É É É139 Extremo norte: Tumbes y Piura É É É É É É É É É É É É140 Garbanzal É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É140 Vicús É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É141 Lambayeque y La Libertad: Virú o Gallinazo É É É É É É143 Cultura Mochica É É É É É É É É É É É É É É É É É É É145 El territorio Mochica É É É É É É É É É É É É É É É É145 Patrones funerarios É É É É É É É É É É É É É É É É É151 La sociedad Moche a través de la iconografía É É É É É156 Fases culturales É É É É É É É É É É É É É É É É É É157 Cultura Lima É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É158 Cerro Culebra É É É É É É É É É É É É É É É É É É É159 Media Luna É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É159 Cultura Nazca É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É160 Arquitectura É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É161 Costumbres funerarias É É É É É É É É É É É É É É É162 Las líneas o dibujos en las pampas de Nazca É É É É É163 Cultura Tiahuanaco É É É É É É É É É É É É É É É É É É164 Complejo arquitectónico de Tiahuanaco É É É É É É É164 Tiahuanaco como organización estatal É É É É É É É É166 CONCLUSIONES É É É É É É É É É É É É É É É É É É É166 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É169 LOS ESTADOS PANANDINOS: WARI Y TIWANAKU Julián I. Lurín É É É É É É É É É É É É É É É É É117 Chincha.CULTURA CHAVÍN: EL CENTRO CEREMONIAL DE CHAVÍN DE HUÁNTAR É É É É É É É É É É É É107 Las galerías É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É107 Sistema de drenaje É É É É É É É É É É É É É É É É É É108 Canalización de los ríos Mosna y Wacheqsa É É É É É É É109 Secuencia arquitectónica É É É É É É É É É É É É É É É É109 Templo Viejo É É É É É É É É É É É É É É É É É É É109 Templo Nuevo É É É É É É É É É É É É É É É É É É É111 Escultura lítica É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É111 Secuencia alfarera É É É É É É É É É É É É É É É É É É É114 Significado sociopolítico de Chavín de Huántar É É É É É115 PERSISTENCIA DE LOS CENTROS CEREMONIALES: FORMATIVO TARDÍO É É É É É É É É É É É É É É É117 Rímac. Ica É É É É É É É É É É É É É É É É É É É117 CULTURA PARACAS É É É É É É É É É É É É É É É É É117 Fase alfarera Karwas É É É É É É É É É É É É É É É É É É120 Fase alfarera Cavernas É É É É É É É É É É É É É É É É É121 Trascendencia de la cultura Paracas É É É É É É É É É É É121 EL ALTIPLANO: PUCARÁ É É É É É É É É É É É É É É É122 ESTRATEGIAS DE SUBSISTENCIA DURANTE EL FORMATIVO É É É É É É É É É É É É É É É É É124 Estrategias en la costa É É É É É É É É É É É É É É É É É124 Estrategias en la sierra É É É É É É É É É É É É É É É É É126 CONCLUSIONES É É É É É É É É É É É É É É É É É É É128 VII DESARROLLOS REGIONALES É É É É É É É É É É É É131 SOCIEDADES O CULTURAS REPRESENTATIVAS É É É132 Cultura Cajamarca É É É É É É É É É É É É É É É É É É132 Cajamarca I É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É132 Cajamarca II É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É133 Cultura Recuay É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É133 Alfarería É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É134 Escultura lítica É É É É É É É É É É É É É É É É É É É135 Patrones funerarios É É É É É É É É É É É É É É É É É136 Patrones de poblamiento y relaciones externas É É É É136 Cultura Huarpa É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É136 Subsistencia y tecnología agraria É É É É É É É É É É137 Patrones funerarios É É É É É É É É É É É É É É É É É137 Alfarería É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É138 Culturas de la zona Jauja-Huancayo É É É É É É É É É É138 Patrones de poblamiento É É É É É É É É É É É É É É138 Alfarería É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É139 Cuenca de Huánuco. Santillana INTRODUCCIÓN É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É175 I WARI É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É177 CRONOLOGÍA. Pisco.

CANTO Y DANZA É É É É É É É É É É É É É328 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É335 LA CONQUISTA Y LA TEMPRANA COLONIZACIÓN (SIGLO XVI) Teodoro Hampe I LA EMPRESA CONQUISTADORA DE PIZARRO Y ALMAGRO É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É338 II SOMETIMIENTO DE LOS INCAS Y FUNDACIÓN DE CIUDADES É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É343 III LAS GUERRAS CIVILES DE LOS CONQUISTADORES 350 IV EL PROCESO DE LA RESISTENCIA INCAICA É É É É357 V VI EL ORDENAMIENTO GENERAL DE GASCA É É É É É362 LOS AÑOS 1560: ETAPA DE POLÉMICAS Y ENSAYOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É367 VII EL VIRREY TOLEDO O EL AFIANZAMIENTO DEL PODER ESTATAL É É É É É É É É É É É É É É É373 VIII EL VIRREINATO A FINES DE LA CENTURIA É É É É379 IX DESESTRUCTURACIÓN DE LA SOCIEDAD ABORIGEN É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É386 X EXTRACCIÓN DE RIQUEZAS Y CRECIMIENTO PRODUCTIVO É É É É É É É É É É É É É É É É É É392 XI LA EVOLUCIÓN INTELECTUAL Y ARTÍSTICA É É É É397 XII LOS VIAJES DE EXPANSIÓN GEOGRÁFICA Y POLÍTICA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É403 XIII EL PERÚ DENTRO DEL IMPERIO ESPAÑOL É É É É É409 XIV REFLEXIONES GENERALES EN TORNO A LA CONQUISTA Y LA COLONIZACIÓN É É É É É É É É414 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É420 VIRREINATO EL PERU VIRREINAL: SOCIEDAD. ECONOMÍA Y ARTE Sandro Patrucco SOCIEDAD COLONIAL CARACTERÍSTICAS GENERALES É É É É É É É É É É É É424 I LA REPÚBLICA DE INDIOS É É É É É É É É É É É É É426 LA DESESTRUCTURACIÓN DE LA CONQUISTA Y LAS ALIANZAS POST INCAICAS É É É É É É É É426 . LOS QUIPUS É É É É É É É É É É É É É É333 Los poques y lares É É É É É É É É É É É É É É É É É240 Los ayarmacas É É É É É É É É É É É É É É É É É É É240 EL ORIGEN DE LOS INCAS: LOS MITOS É É É É É É É241 EL CUZCO INCAICO É É É É É É É É É É É É É É É É É243 LA GRAN EXPANSION DEL CUZCO É É É É É É É É É É245 CUZCO: OMBLIGO DEL MUNDO É É É É É É É É É É É252 III LA POLÍTICA Y LA ADMINISTRACIÓN É É É É É É É É255 LA DIARQUÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É255 EL INCA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É256 LOS CURACAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É258 Curacas yana É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É261 FUNCIONARIOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É261 EJÉRCITO É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É265 Armamento É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É267 IV LA SOCIEDAD É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É268 EL AYLLU É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É268 LA DUALIDAD É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É270 LA ELITE CUZQUEÑA É É É É É É É É É É É É É É É É271 LOS SACERDOTES É É É É É É É É É É É É É É É É É É273 LOS HATUN RUNA É É É É É É É É É É É É É É É É É É274 LOS MITMAQKUNA É É É É É É É É É É É É É É É É É276 LOS ARTESANOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É278 LOS “MERCADERES” É É É É É É É É É É É É É É É É É280 Los tratantes chinchanos É É É É É É É É É É É É É É É280 Los tratantes norteños É É É É É É É É É É É É É É É É É280 LOS PESCADORES É É É É É É É É É É É É É É É É É É280 LOS YANAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É281 Curacas yana É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É282 LAS ACLLAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É282 LOS PIÑAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É284 V LA ECONOMÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É284 LA MANO DE OBRA É É É É É É É É É É É É É É É É É286 LA TENENCIA DE LA TIERRA É É É É É É É É É É É É287 LA AGRICULTURA É É É É É É É É É É É É É É É É É É288 TECNOLOGÍA ANDINA É É É É É É É É É É É É É É É292 LA GANADERÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É294 LA ADMINISTRACIÓN DE LA PRODUCCIÓN É É É É É298 LOS CAMINOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É300 LOS PUENTES É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É300 LOS TAMBOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É301 LOS DEPÓSITOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É302 LOS QUIPUS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É305 VI LA RELIGIÓN INCAICA É É É É É É É É É É É É É É É306 LA COSMOVISIÓN ANDINA É É É É É É É É É É É É É306 LAS DIVINIDADES É É É É É É É É É É É É É É É É É É308 Pachamama É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É309 Wiracocha É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É310 Pachacamac É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É310 Tunupa É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É310 El culto solar É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É311 El Trueno É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É312 La Luna É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É312 LAS HUACAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É313 LOS SACRIFICIOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É313 LAS FIESTAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É314 LA MUERTE É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É315 VII ARTE Y CULTURA É É É É É É É É É É É É É É É É É É317 ARQUITECTURA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É317 METALURGIA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É320 TEXTILERÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É322 CERÁMICA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É326 ESCULTURA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É327 PINTURA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É328 MÚSICA. LA NARRACIÓN ORAL É É É É É É É É É É330 EDUCACIÓN É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É330 DERECHO É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É331 ASTRONOMÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É331 El calendario É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É332 ARITMÉTICA.LITERATURA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É329 HISTORIA.

El arte “a la romana” É É É É É É513 El despertar del barroco É É É É É É É É É É É É É É519 La madurez del barroco limeño É É É É É É É É É É É522 La influencia foránea É É É É É É É É É É É É É É É524 El siglo dieciocho É É É É É É É É É É É É É É É É É528 LA PINTURA EN EL CUZCO É É É É É É É É É É É529 La pintura cuzqueña durante la primera mitad del siglo XVII É É É É É É É É É É É É É É É É É531 La influencia extranjera en la pintura cuzqueña É É É533 El terremoto que alumbró el barroco cuzqueño É É É534 Los pintores indígenas É É É É É É É É É É É É É É É537 La pintura cuzqueña del siglo XVIII É É É É É É É É540 II LA ESCULTURA VIRREINAL É É É É É É É É É É É542 EL MANIERISMO É É É É É É É É É É É É É É É É É544 EL REALISMO É É É É É É É É É É É É É É É É É É546 EL BARROCO É É É É É É É É É É É É É É É É É É É550 III LA ARQUITECTURA COLONIAL PERUANA É É É É552 ARQUITECTURA PÚBLICA É É É É É É É É É É É É553 ARQUITECTURA RELIGIOSA É É É É É É É É É É É556 Lima É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É558 Cuzco É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É561 Trujillo É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É564 Huamanga É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É565 Arequipa É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É566 Puno É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É568 Huancavelica É É É É É É É É É É É É É É É É É É É569 Cajamarca É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É570 ARQUITECTURA DOMÉSTICA É É É É É É É É É É571 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É576 VIRREINATO: INSTITUCIONES Y VIDA CULTURAL Rafael Sánchez-Concha Barrios I LA CABEZA Y LOS BRAZOS DEL REINO É É É É É579 EL MONARCA: REY DE LAS INDIAS Y DEL PERÚ É579 EL CONSEJO DE INDIAS É É É É É É É É É É É É É580 EL VIRREY DEL PERÚ: UN PROCÓNSUL DEL IMPERIO É É É É É É É É É É É É É É É É É581 LA REAL AUDIENCIA DE LIMA É É É É É É É É É É584 LOS CORREGIDORES DE ESPAÑOLES E INDIOS É585 EL PROTECTOR DE INDIOS É É É É É É É É É É É586 EL DERECHO Y EL MANEJO DE LA LEY É É É É É586 LOS LETRADOS: LA JUSTICIA DEL MONARCA É É587 II LA IGLESIA Y EL TRIUNFO DE LA FE É É É É É É591 LA EVANGELIZACIÓN É É É É É É É É É É É É É É591 LAS ÓRDENES RELIGIOSAS: AGENTES DE LA EVANGELIZACIÓN É É É É É É É É É É É É É É593 LA PRÉDICA Y LA ORATORIA SAGRADAS: EL PODER DE LA PALABRA É É É É É É É É É É599 LA EXTIRPACIÓN DE IDOLATRÍAS É É É É É É É É601 LA INQUISICIÓN É É É É É É É É É É É É É É É É É602 . BANCOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É509 FISCALIDAD. ESCULTURA Y ARQUITECTURA I PINTURA COLONIAL PERUANA É É É É É É É É É512 LA PINTURA EN LIMA É É É É É É É É É É É É É É512 La pintura temprana de la colonia É É É É É É É É É512 La escuela italiana. TRIBUNAL DEL CONSULADO. CAJAS REALES É É É É É É É É É É É É É É É É509 LAS ARTES VIRREINALES: PINTURA. La Santa Hermandad É É É É É É É É É É É É É É É489 La actitud de los indios É É É É É É É É É É É É É É É É490 ASPECTOS ECONÓMICOS COLONIALES PANORAMA ECONÓMICO É É É É É É É É É É É É É É É491 CARACTERÍSTICAS DE LA ECONOMÍA COLONIAL É É É É É É É É É É É É É É É É É É492 LA MONEDA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É492 SECTORES PRODUCTIVOS É É É É É É É É É É É É494 Minería É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É494 Agricultura y agroindustria É É É É É É É É É É É É É497 La ganadería É É É É É É É É É É É É É É É É É É É502 Industria obrajera É É É É É É É É É É É É É É É É É503 LOS GREMIOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É505 EL COMERCIO É É É É É É É É É É É É É É É É É É507 INSTITUCIONES ECONÓMICAS. CASA DE CONTRATACIÓN. Los cimarrones y los palenques. TRIBUNAL MAYOR DE CUENTAS.EL NUEVO ORDEN: LAS REFORMAS TOLEDANAS Y EL ESTABLECIMIENTO DE LAS DOS REPÚBLICAS 428 Las reducciones É É É É É É É É É É É É É É É É É É É428 Censos y tributos É É É É É É É É É É É É É É É É É É É429 La mita É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É429 LA POBLACIÓN ANDINA Y LA EVOLUCIÓN DEMOGRÁFICA DESPUÉS DE LA CONQUISTA É É431 Los cálculos demográficos É É É É É É É É É É É É É É431 Las causas del desastre É É É É É É É É É É É É É É É É432 La recomposición de la población É É É É É É É É É É É433 LOS INDÍGENAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É435 Los indios nobles y los curacas É É É É É É É É É É É É435 Los indios enriquecidos É É É É É É É É É É É É É É É É437 Los indios forasteros y yanaconas É É É É É É É É É É É439 Los indios urbanos É É É É É É É É É É É É É É É É É É440 Los indios del común É É É É É É É É É É É É É É É É É441 Resistencia y aculturación indígena É É É É É É É É É É443 El mesianismo É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É444 II LA REPÚBLICA DE ESPAÑOLES É É É É É É É É É É É446 LOS PENINSULARES É É É É É É É É É É É É É É É É É446 La inmigración É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É446 LOS ENCOMENDEROS É É É É É É É É É É É É É É É449 LOS NOBLES É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É453 LA BUROCRACIA É É É É É É É É É É É É É É É É É É453 LOS PROFESIONALES É É É É É É É É É É É É É É É É455 LOS HACENDADOS É É É É É É É É É É É É É É É É É457 LOS MERCADERES Y COMERCIANTES É É É É É É É457 LOS MINEROS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É459 LOS ARTESANOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É460 LOS NIVELES BAJOS Y LOS DESARRAIGADOS É É É É463 LAS ESPAÑOLAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É464 FAMILIA Y LINAJE É É É É É É É É É É É É É É É É É É469 LOS CRIOLLOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É470 Surgimiento de la identidad criolla É É É É É É É É É É471 Encomienda y criollismo É É É É É É É É É É É É É É É472 La nobleza criolla É É É É É É É É É É É É É É É É É É É473 La criollización de la sociedad É É É É É É É É É É É É É474 El criollismo mestizo É É É É É É É É É É É É É É É É É476 El criollismo conventual É É É É É É É É É É É É É É É477 III LAS CASTAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É479 LOS MESTIZOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É480 LAS OTRAS CASTAS É É É É É É É É É É É É É É É É É483 LOS NEGROS LIBRES É É É É É É É É É É É É É É É É484 LOS ESCLAVOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É485 Los esclavos indios É É É É É É É É É É É É É É É É É É485 Los esclavos negros É É É É É É É É É É É É É É É É É É486 El esclavo en el Perú É É É É É É É É É É É É É É É É É487 Participación económica É É É É É É É É É É É É É É É488 La resistencia.

Los autos de fe É É É É É É É É É É É É É É É É É É603 Algunos procesos inquisitoriales É É É É É É É É É É603 LAS COFRADÍAS Y HERMANDADES É É É É É É É604 LAS MONJAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É605 LOS SANTOS DEL PERÚ É É É É É É É É É É É É É606 Santo Toribio de Mogrovejo É É É É É É É É É É É É606 San Francisco Solano É É É É É É É É É É É É É É É607 Santa Rosa de Lima É É É É É É É É É É É É É É É É607 San Martín de Porras É É É É É É É É É É É É É É É608 San Juan Masías É É É É É É É É É É É É É É É É É É609 Beata Ana de los Ángeles Monteagudo É É É É É É É609 Francisco del Castillo É É É É É É É É É É É É É É É609 Pedro Urraca É É É É É É É É É É É É É É É É É É É610 Francisco Camacho É É É É É É É É É É É É É É É É610 Nicolás de Ayllón É É É É É É É É É É É É É É É É É610 EL CULTO A CRISTO É É É É É É É É É É É É É É É610 EL CULTO A MARÍA É É É É É É É É É É É É É É É612 III LA CIUDAD: ESCENARIO DE LA VIDA VIRREINAL 613 EL GOBIERNO DEL CABILDO É É É É É É É É É É616 EL PODER DE LA FIESTA É É É É É É É É É É É É É617 EL YANTAR Y LA COCINA É É É É É É É É É É É É619 IV LA DEFENSA: EL BRAZO ARMADO DEL REINO É621 LA ORGANIZACIÓN MILITAR É É É É É É É É É É621 LAS REBELIONES DE ESPAÑOLES É É É É É É É É622 LAS REBELIONES DE INDIOS É É É É É É É É É É É624 LAS ENTRADAS: UNA FORMA DE RECONOCIMIENTO TERRITORIAL É É É É É É628 LA ESCUADRA VIRREINAL É É É É É É É É É É É É629 LAS FORTIFICACIONES É É É É É É É É É É É É É630 LAS INCURSIONES EXTRANJERAS: INGLESES Y HOLANDESES É É É É É É É É É É É É É É É É É632 V LA CULTURA EN EL VIRREINATO DEL PERÚ É É636 EL SISTEMA EDUCATIVO: LOS COLEGIOS Y UNIVERSIDADES É É É É É É É É É É É É É É É636 LA FILOSOFÍA Y LA TEOLOGÍA É É É É É É É É É638 LA MEDICINA É É É É É É É É É É É É É É É É É É640 LA COSMOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É642 LOS CÍRCULOS INTELECTUALES É É É É É É É É643 LOS ESCRITORES Y LAS LETRAS DEL PERÚ É É É643 EL TEATRO É É É É É É É É É É É É É É É É É É É657 LOS LIBROS. LOS INDIOS Y LA INDEPENDENCIA É É É É É É É É É É É É É É É722 LOS PROGRAMAS DE LUCHA É É É É É É É É É É723 LOS SUCESOS ESPAÑOLES Y LAS CORTES DE CÁDIZ É É É É É É É É É É É É É É É É É É É724 LOS LEVANTAMIENTOS É É É É É É É É É É É É É725 CONSPIRACIONES CRIOLLAS É É É É É É É É É É729 LA ILUSTRACIÓN Y LA PROTESTA É É É É É É É É730 POLITIZACIÓN DE LAS ELITES CRIOLLAS É É É É731 VI LA INDEPENDENCIA REALMENTE OBTENIDA É É731 EL PERÚ REBELDE É É É É É É É É É É É É É É É É731 SAN MARTÍN EN EL PERÚ É É É É É É É É É É É É733 EL PRIMER GOBIERNO PERUANO É É É É É É É É738 BOLÍVAR EN EL PERÚ É É É É É É É É É É É É É É739 LA CAMPAÑA FINAL É É É É É É É É É É É É É É É741 MONTONERAS Y GUERRILLAS É É É É É É É É É É742 LA PERUANIDAD DE LA INDEPENDENCIA É É É É747 LA REPÚBLICA CRIOLLA EL OCASO DEL IMPERIO ESPAÑOL EN EL PERU I LA COLONIA CRIOLLA É É É É É É É É É É É É É667 SOCIEDAD Y POLÍTICA É É É É É É É É É É É É É667 Demografía É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É667 8 VII ENTRE LA PLATA Y EL GUANO É É É É É É É É É750 DEMOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É751 POLÍTICA COMERCIAL É É É É É É É É É É É É É752 La guerra de papel É É É É É É É É É É É É É É É É É752 ¿Liberalismo o proteccionismo? É É É É É É É É É É753 . LAS LECTURAS Y LOS INICIOS DEL PERIODISMO É É É É É É É É É É É É É É É É É658 LA MÚSICA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É661 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É663 DE COLONIA A REPÚBLICA DE LA COLONIA A LA REPÚBLICA INDEPENDIENTE Francisco Quiroz Chueca La “era de la impotencia” É É É É É É É É É É É É É668 ECONOMÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É669 Minería É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É669 Agropecuaria É É É É É É É É É É É É É É É É É É É670 Industria transformativa É É É É É É É É É É É É É É671 Comercio É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É672 El reparto É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É672 FISCALIDAD É É É É É É É É É É É É É É É É É É É673 II LAS REFORMAS BORBÓNICAS É É É É É É É É É É675 SUSTENTO É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É676 REFORMAS COMERCIALES É É É É É É É É É É É677 REFORMAS EN LA PRODUCCIÓN É É É É É É É É679 REFORMAS FISCALES É É É É É É É É É É É É É É681 REFORMAS POLÍTICAS É É É É É É É É É É É É É É682 REFORMAS MILITARES É É É É É É É É É É É É É É685 REGALISMO Y EXPULSIÓN DE LOS JESUITAS É É É686 III PROTESTA SOCIAL Y ANTICOLONIAL É É É É É É688 LA PROTESTA PASIVA É É É É É É É É É É É É É É690 LOS LEVANTAMIENTOS INICIALES É É É É É É É É690 LA COYUNTURA REBELDE EN LA DÉCADA DE 1770 É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É692 LA REBELIÓN DE TUPAC AMARU É É É É É É É É695 Las acciones É É É É É É É É É É É É É É É É É É É695 Organización interna É É É É É É É É É É É É É É É698 CONSECUENCIAS INMEDIATAS É É É É É É É É É705 IV EL PERÚ EN LA ENCRUCIJADA É É É É É É É É É706 ASPECTOS COMERCIALES É É É É É É É É É É É É706 LA MINERÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É708 LA AGRICULTURA É É É É É É É É É É É É É É É É712 LA INDUSTRIA TRANSFORMATIVA É É É É É É É É713 LA FISCALIDAD É É É É É É É É É É É É É É É É É715 LA SOCIEDAD É É É É É É É É É É É É É É É É É É716 Criollos en conflicto É É É É É É É É É É É É É É É É717 La nueva burocracia É É É É É É É É É É É É É É É É718 La ciudad É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É719 LA INDEPENDENCIA EN EL PERÚ V LA NUEVA COYUNTURA REBELDE É É É É É É É É722 LOS CRIOLLOS.

Doctrina y realidad É É É É É É É É É É É É É É É É754 LA ECONOMÍA PRODUCTIVA É É É É É É É É É É757 Agropecuaria É É É É É É É É É É É É É É É É É É É757 Industria transformativa É É É É É É É É É É É É É É758 Minería É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É759 COMERCIO EXTERNO É É É É É É É É É É É É É É762 Exportaciones É É É É É É É É É É É É É É É É É É É762 Importaciones É É É É É É É É É É É É É É É É É É É763 POLÍTICA MONETARIA É É É É É É É É É É É É É764 FISCALIDAD É É É É É É É É É É É É É É É É É É É764 Contribuciones É É É É É É É É É É É É É É É É É É765 Aduanas É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É767 Otros impuestos É É É É É É É É É É É É É É É É É É767 DEUDA PÚBLICA É É É É É É É É É É É É É É É É É767 Deuda externa É É É É É É É É É É É É É É É É É É767 Deuda interna É É É É É É É É É É É É É É É É É É É768 Gasto público É É É É É É É É É É É É É É É É É É É768 VIII LA INICIACIÓN DE LA REPÚBLICA É É É É É É É768 SITUACIÓN SOCIAL É É É É É É É É É É É É É É É769 SISTEMA POLÍTICO É É É É É É É É É É É É É É É771 Constitucionalismo É É É É É É É É É É É É É É É É771 Elecciones É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É773 PERUANICEMOS AL PERÚ É É É É É É É É É É É É773 Inestabilidad 1825-1835 É É É É É É É É É É É É É É773 La Confederación Peruano-Boliviana É É É É É É É É776 El conservadurismo de postguerra É É É É É É É É É779 EL CAUDILLISMO É É É É É É É É É É É É É É É É780 Bases É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É780 Gamarra É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É781 CONVERSOS. DEFENSA NACIONAL Y EDUCACIÓN É É É É É É É É É É É É É É É É834 LAS ELECCIONES DE 1850 É É É É É É É É É É É É835 EL DESORDENADO PARÉNTESIS DE ECHENIQUE 835 LA REVOLUCIÓN “LIBERAL” DE CASTILLA É É É837 LA PUGNA DOCTRINARIA É É É É É É É É É É É É838 GUERRA Y POLÍTICA EXTERNA É É É É É É É É É839 CASTILLA Y LA OBRA DE SU SEGUNDO GOBIERNO É É É É É É É É É É É É840 II EL CONFLICTO CON ESPAÑA É É É É É É É É É É842 OCULTOS INTERESES É É É É É É É É É É É É É É842 LA CRISIS ESPAÑOLA É É É É É É É É É É É É É É843 EL SUEÑO MONÁRQUICO É É É É É É É É É É É É843 EL CONFLICTO SE PRECIPITA É É É É É É É É É É844 III BALTA Y LOS CAMINOS DE HIERRO É É É É É É É846 CRISIS ECONÓMICA Y FERROCARRILES É É É É É847 LA FIEBRE MODERNIZADORA É É É É É É É É É É850 EL FRENTE EXTERNO É É É É É É É É É É É É É É851 IV EL “PRIMER CIVILISMO” Y MANUEL PARDO É É É852 LOS ORÍGENES DEL CIVILISMO É É É É É É É É É852 PARDO Y EL PARTIDO CIVIL É É É É É É É É É É É852 EL CIVILISMO EN EL GOBIERNO É É É É É É É É É855 V LA GUERRA DEL PACÍFICO É É É É É É É É É É É857 LOS ANTECEDENTES É É É É É É É É É É É É É É857 LA PUGNA POR EL SALITRE É É É É É É É É É É É858 EL TRATADO “SECRETO” CON BOLIVIA É É É É É859 LA MEDIACIÓN PERUANA É É É É É É É É É É É É859 9 . LA FAMILIA Y EL CAMBIO É É É É É É811 UN CASO DE MUJER EN LA VIDA DIARIA É É É É811 UNA OPCIÓN DE LA MUJER: EL MATRIMONIO É813 EL CONVENTO. “GAMARRANOS” Y HOMBRES DE TRAJE NEGRO É É É É É É É É É É É É É É É É784 EL EJÉRCITO É É É É É É É É É É É É É É É É É É É787 LA IGLESIA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É788 BANDOLERISMO É É É É É É É É É É É É É É É É É790 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É791 LA VIDA COTIDIANA EN LOS SIGLOS XVIII Y XIX Susana Aldana EL ESCENARIO I ALGUNOS TEMAS DE LA VIDA DIARIA É É É É É799 EL CORREO É É É É É É É É É É É É É É É É É É É800 LA PRENSA A FINES DEL SIGLO XVIII É É É É É É800 LA PRENSA EN LA PRIMERA DÉCADA DEL XIX 801 LA PRENSA EN LA INDEPENDENCIA Y LA REPÚBLICA É É É É É É É É É É É É É É É É802 OTROS MEDIOS ESCRITOS DE INFORMACIÓN É É803 SOBRE LA PINTURA É É É É É É É É É É É É É É É804 SOBRE LA MÚSICA É É É É É É É É É É É É É É É É805 DE LA FIESTA É É É É É É É É É É É É É É É É É É806 LOS GUSTOS MUSICALES DE LA ÉPOCA É É É É É807 LOS ESPACIOS DE OPINIÓN É É É É É É É É É É É808 DE LA VIDA COTIDIANA EN LA INDEPENDENCIA É É É É É É É É É É É É É É É809 II LA MUJER. LOS BEATERIOS Y OTRAS CASAS PARA MUJERES SOLAS É É É É É É É É É815 LA DOTE É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É816 LA MUJER MERCADER Y SU DOTE É É É É É É É É818 LA MUJER Y LOS SALONES LITERARIOS DURANTE LA INDEPENDENCIA É É É É É É É819 LA PARTICIPACIÓN DE LA MUJER EN LOS HECHOS MILITARES É É É É É É É É É É É É É820 LA “MARISCALA” Y LA MUJER DE LOS PRIMEROS AÑOS REPUBLICANOS É É É É É É É É É É É É821 LA EDUCACIÓN DE LA MUJER A PRINCIPIOS DEL XIX É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É822 III LA PRESENCIA DE LA IGLESIA Y SU CLERO É É É823 EL PATRONATO REGIO Y EL PROBLEMA CON LA REPÚBLICA É É É É É É É É É É É É É É É É É É823 LA EXPULSIÓN DE LOS JESUITAS É É É É É É É É825 EL BAJO CLERO Y LOS CURAS DOCTRINEROS É É826 LOS PRIMEROS AÑOS DE LA INDEPENDENCIA Y EL CLERO É É É É É É É É É É É É É É É É É É827 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É829 ETAPA REPUBLICANA LA REPUBLICA OLIGÁRQUICA (1850-1950) Juan Luis Orrego EL PROCESO POLÍTICO I EL PERÚ DE RAMÓN CASTILLA É É É É É É É É É832 CASTILLA Y LA CARRERA MILITAR É É É É É É É832 PRIMER GOBIERNO DE CASTILLA É É É É É É É É833 EL LIDERAZGO EXTERNO.

CRISIS Y GUERRA É É É É É É916 III LA RECONSTRUCCIÓN Y LA ECONOMÍA DE EXPORTACIÓN. 1890-1930 É É É É É É É É É É É É É É É É É É É926 GRUPOS ECONÓMICOS É É É É É É É É É É É É É927 LA INDUSTRIA É É É É É É É É É É É É É É É É É É927 LOS SERVICIOS URBANOS Y LA BANCA É É É É É929 V DE LA CRISIS AL INTERVENCIONISMO ESTATAL. GRACE Y LA POLÍTICA É É É É É É É É866 LA PRÉDICA RADICAL DE GONZÁLEZ PRADA É É868 LA COALICIÓN NACIONAL Y NICOLÁS DE PIÉROLA É É É É É É É É É É É É É É É É É869 VII APOGEO Y CRISIS DEL “SEGUNDO CIVILISMO” 873 LOS GRUPOS POLÍTICOS É É É É É É É É É É É É É873 LAS MODERNIZACIONES DE PARDO Y LEGUÍA É874 EL POPULISMO DE BILLINGHURST É É É É É É É876 LA GENERACIÓN DEL NOVECIENTOS Y EL PARTIDO NACIONAL DEMOCRÁTICO É É877 PARDO Y LA CRISIS DEL CIVILISMO É É É É É É É880 VIII EL ONCENIO DE LEGUÍA É É É É É É É É É É É É881 LA “PATRIA NUEVA” Y SU ENTRAMPE CONSTITUCIONAL É É É É É É É É É É É É É É881 OBRA DE GOBIERNO É É É É É É É É É É É É É É É884 LA POLÍTICA INTERNACIONAL É É É É É É É É É886 LAS IDEAS POLÍTICAS: HAYA Y MARIÁTEGUI É É É886 CRISIS POLÍTICA Y FIN DEL “ONCENIO” É É É É889 IX LAS ELECCIONES DE 1931 Y EL “TERCER MILITARISMO” É É É É É É É É É É É É É É É É890 EL POPULISMO SANCHECERRISTA Y LAS ELECCIONES DE 1931 É É É É É É É É É É É É É890 OBRA DE GOBIERNO Y ASESINATO DE SÁNCHEZ CERRO É É É É É É É É É É É É É É É892 SEGUNDO GOBIERNO DE BENAVIDES É É É É É É894 X LOS ENSAYOS DEMOCRÁTICOS: 1939-1948 É É É896 LA ILUSIÓN DEMOCRÁTICA DE PRADO É É É É É896 EL REFORMISMO DE BUSTAMANTE É É É É É É É900 LA DICTADURA DE ODRÍA É É É É É É É É É É É É901 LA ECONOMÍA I LA ERA DEL GUANO Y LA “PROSPERIDAD FALAZ” 902 EL GUANO Y SU EXTRACCIÓN É É É É É É É É É É903 LA VENTA DEL GUANO É É É É É É É É É É É É É904 EL DESTINO DE LOS INGRESOS POR EL GUANO É906 LA AGRICULTURA Y EL SALITRE É É É É É É É É É910 II EL IMPACTO DE LOS FERROCARRILES Y LA CRISIS É É É É É É É É É É É É É É É É É É914 LOS FERROCARRILES É É É É É É É É É É É É É É914 DEUDA EXTERNA. 1930-1950 É É É É É É É É É É É É É É É É É É É931 LA POLÍTICA ECONÓMICA É É É É É É É É É É É932 LA AGRICULTURA Y LA PESCA É É É É É É É É É É933 LA INDUSTRIA É É É É É É É É É É É É É É É É É É934 LA MINERÍA Y EL PETRÓLEO É É É É É É É É É É934 UNA SOCIEDAD EN FORMACIÓN I LA ELITE DEL GUANO É É É É É É É É É É É É É É935 LA OLIGARQUÍA DEL GUANO É É É É É É É É É É936 ¿UNA ELITE LIBERAL? É É É É É É É É É É É É É É938 OTRO ESTILO DE VIDA É É É É É É É É É É É É É939 II LA ABOLICIÓN DE LA ESCLAVITUD É É É É É É É942 EN EL CAMINO DE LA LIBERTAD É É É É É É É É942 LA LIBERTAD Y SUS PROBLEMAS É É É É É É É É É943 EL DISCURSO RACISTA É É É É É É É É É É É É É É944 III LA INMIGRACIÓN ASIÁTICA É É É É É É É É É É É945 LOS TRABAJADORES CHINOS É É É É É É É É É É945 LOS INMIGRANTES JAPONESES É É É É É É É É É949 IV EL DESARROLLO DE LA INMIGRACIÓN EUROPEA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É951 PERÚ. DESDE LA INDEPENDENCIA HASTA 1850 É952 LOS PROYECTOS DE COLONIZACIÓN Y SU FRACASO É É É É É É É É É É É É É É É É É953 LA INMIGRACIÓN EN LAS CIUDADES É É É É É É955 V LA POBLACIÓN ANDINA É É É É É É É É É É É É É959 LA ABOLICIÓN DEL TRIBUTO INDÍGENA É É É É959 LA PARTICIPACIÓN INDÍGENA EN LA GUERRA CON CHILE É É É É É É É É É É É É É É É É É É960 LAS REBELIONES INDÍGENAS EN LOS SIGLOS XIX Y XX É É É É É É É É É É É É É É É É É É É961 EL GAMONALISMO ANDINO É É É É É É É É É É É963 VI LOS GRUPOS URBANOS: 1890-1950 É É É É É É É964 LA CLASE ALTA É É É É É É É É É É É É É É É É É965 EL NACIMIENTO DE LA CLASE MEDIA É É É É É966 LOS ORÍGENES DEL MOVIMIENTO OBRERO É É É967 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É968 MENTALIDADES Y VIDA COTIDIANA (1850-1950) Augusto Ruiz Zevallos I MODERNIZACIÓN SIN MODERNIDAD É É É É É972 PROGRESO URBANO Y TECNOLÓGICO É É É É É973 EL IMPACTO DE LOS FERROCARRILES É É É É É É975 EL PROCESO DE SECULARIZACIÓN É É É É É É É977 MASIFICACIÓN Y CULTURA POPULAR É É É É É É978 La canción criolla É É É É É É É É É É É É É É É É É978 El fútbol É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É980 El cinema É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É981 II ECONOMÍA Y MENTALIDAD É É É É É É É É É É É984 LAS ELITES É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É984 Los grupos económicos É É É É É É É É É É É É É É984 Aspectos sociales de la mentalidad oligárquica É É É985 Sistema de valores y conducta empresarial É É É É É986 LOS SECTORES POPULARES É É É É É É É É É É É987 . 1885-1930 É É É É É É É É É É917 EL CONTRATO GRACE É É É É É É É É É É É É É É918 LA AGRICULTURA DE EXPORTACIÓN É É É É É É918 LA MINERÍA Y EL PETRÓLEO É É É É É É É É É É922 EL BOOM DEL CAUCHO É É É É É É É É É É É É É925 IV EL DESARROLLO DEL CAPITAL PRIVADO.LOS COMIENZOS É É É É É É É É É É É É É É É É860 LA GUERRA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É860 LA OCUPACIÓN Y LA RESISTENCIA É É É É É É É863 LA PAZ Y SUS CONSECUENCIAS É É É É É É É É É864 VI EL “SEGUNDO MILITARISMO” Y LA RECONSTRUCCIÓN NACIONAL É É É É É É É865 GOBIERNO Y GUERRA CIVIL É É É É É É É É É É É865 CÁCERES.

Ocio. hedonismo y laboriosidad É É É É É É É É É É987 El libre comercio y los artesanos de Lima y Cuzco É É991 Solidaridad en las urbes É É É É É É É É É É É É É É992 Reciprocidad y control vertical en el mundo andino É993 LA COMUNIDAD INDÍGENA Y EL AVANCE DEL MERCADO É É É É É É É É É É É É É É É É É É994 Mercado de tierras en el valle del Mantaro É É É É É994 Una experiencia liberal en Laraos É É É É É É É É É996 Mercado de trabajo minero en Cerro de Pasco É É É É997 II EL GOBIERNO DE BELAUNDE É É É É É É É É É1045 LOS PRIMEROS 100 DÍAS É É É É É É É É É É É É1046 COOPERACIÓN POPULAR É É É É É É É É É É É1047 LAS ELECCIONES MUNICIPALES É É É É É É É É1048 LA LEY DE REFORMA AGRARIA É É É É É É É É É1049 EL BANCO DE LA NACIÓN É É É É É É É É É É É1050 PRINCIPALES OBRAS PÚBLICAS É É É É É É É É É1050 LAS GUERRILLAS DE 1965 É É É É É É É É É É É1051 EL PROBLEMA FINANCIERO É É É É É É É É É É1052 LA ASISTENCIA NORTEAMERICANA É É É É É É1053 EL CONTRABANDO É É É É É É É É É É É É É É É1054 LA CRISIS DEVALUATORIA DE 1967 É É É É É É É1054 LAS ELECCIONES COMPLEMENTARIAS DE 1967 1055 LOS INTENTOS DE RECOMPOSICIÓN POLÍTICA 1055 EL “GABINETE CONVERSADO” É É É É É É É É É1056 EL ARREGLO CON LA IPC É É É É É É É É É É É1057 EL GOLPE DEL 3 DE OCTUBRE DE 1968 É É É É1058 III LA UTOPÍA CONTROLISTA: ORDEN Y DISCIPLINA É É É É É É É É É É É É É998 LA REFORMA PSIQUIÁTRICA Y PENITENCIARIA É998 LOCOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É1003 SUICIDIOS É É É É É É É É É É É É É É É É É É É1005 PROSTITUCIÓN EN LIMA É É É É É É É É É É É É1009 LA REPRESIÓN AL CARNAVAL É É É É É É É É É1011 IV CUESTIÓN ÉTNICA Y GÉNERO É É É É É É É É É1014 LAS MUJERES Y LOS ESCENARIOS É É É É É É É1014 ETNICIDAD Y GÉNERO EN CUZCO É É É É É É É1017 EXTRANJEROS EN LIMA É É É É É É É É É É É É1018 III EL RÉGIMEN OLIGÁRQUICO É É É É É É É É É É1059 LA CRISIS POLÍTICA DEL RÉGIMEN OLIGÁRQUICO É É É É É É É É É É É É É É É É1060 LAS IDEAS DESARROLLISTAS Y SU IMPACTO EN EL PERÚ É É É É É É É É É É É É É É É É É1061 SURGIMIENTO DEL REFORMISMO DEMOCRÁTICO É É É É É É É É É É É É É É É1062 LA NUEVA IZQUIERDA É É É É É É É É É É É É É1064 LOS MOVIMIENTOS GUERRILLEROS (1960-1967) É É É É É É É É É É É É É É É É É1067 CAMBIOS AL INTERIOR DE LAS FUERZAS ARMADAS Y DE LA IGLESIA CATÓLICA É É É1069 LAS RELACIONES INTERNACIONALES É É É É É1071 V MENTALIDADES: CONFLICTO Y CAMBIOS É É É1020 RESIGNACIÓN Y RESISTENCIA POPULAR É É É É1020 LA DIETA: IDENTIDAD Y CONFLICTO É É É É É1022 LA RESISTENCIA COTIDIANA CAMPESINA: EL CASO DE PUNO É É É É É É É É É É É É É1025 LA RUTA A LA MODERNIDAD É É É É É É É É É É1027 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É1029 IV LOS CAMBIOS EN LA ESTRUCTURA ECONÓMICA É É É É É É É É É É É É É É É É1072 EL SECTOR INDUSTRIAL MANUFACTURERO É É1073 EL SECTOR AGRARIO É É É É É É É É É É É É É É1074 EL SECTOR EXPORTADOR É É É É É É É É É É É1074 EL TRATO AL CAPITAL EXTRANJERO É É É É É É1074 ETAPA CONTEMPORÁNEA V LA OLIGARQUÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É1076 LOS GRUPOS DE PODER ECONÓMICO É É É É É1076 LA MOVILIZACIÓN OBRERA É É É É É É É É É É1077 LA CRISIS DEL LATIFUNDIO TRADICIONAL É É1080 LAS MIGRACIONES É É É É É É É É É É É É É É É1081 EL PROCESO DE URBANIZACIÓN É É É É É É É É1082 EL CENSO DE 1961 É É É É É É É É É É É É É É É1083 LAS MOVILIZACIONES CAMPESINAS (1945-1964) É É É É É É É É É É É É É É É É É1083 LOS DEBATES ACERCA DE LA REFORMA AGRARIA É É É É É É É É É É É É É É É É É É1085 EL PROBLEMA DEL PETRÓLEO É É É É É É É É É1086 EL PERÚ CONTEMPORÁNEO Ricardo Portocarrero Grados INTRODUCCIÓN É É É É É É É É É É É É É É É É É É1032 EL RÉGIMEN OLIGÁRQUICO (1950-1968) I EL GOBIERNO DE ODRÍA É É É É É É É É É É É É1032 LAS ELECCIONES DE 1950 É É É É É É É É É É É1034 LA BONANZA ECONÓMICA Y LA POLÍTICA DE OBRAS PÚBLICAS É É É É É É É É É É É É É1035 LA CRISIS POLÍTICA DEL GOBIERNO É É É É É É1037 LAS ELECCIONES DE 1956 É É É É É É É É É É É1038 EL SEGUNDO GOBIERNO DE PRADO É É É É É É1038 LA POLÍTICA ECONÓMICA É É É É É É É É É É É1039 LAS OBRAS PÚBLICAS É É É É É É É É É É É É É É1040 LAS ELECCIONES DE 1962 É É É É É É É É É É É1040 EL GOLPE DE ESTADO É É É É É É É É É É É É É1041 LA JUNTA MILITAR É É É É É É É É É É É É É É É1042 LOS PRIMEROS BROTES GUERRILLEROS É É É É1043 LA REFORMA AGRARIA É É É É É É É É É É É É É1044 LAS ELECCIONES DE 1963 É É É É É É É É É É É1045 EL RÉGIMEN MILITAR (1968-1980) I EL OCASO DEL PODER OLIGÁRQUICO É É É É É1088 EL MANIFIESTO DEL GOBIERNO REVOLUCIONARIO DE LAS FUERZAS ARMADAS É É É É É É É É É É É É É É É É É É1088 LA JUNTA DE GOBIERNO É É É É É É É É É É É É1089 EL ESTATUTO REVOLUCIONARIO É É É É É É É1090 EL CARÁCTER INSTITUCIONAL DEL GOLPE É É1091 LAS BASES PROGRAMÁTICAS E IDEOLÓGICAS É1091 LA TOMA DE TALARA É É É É É É É É É É É É É É1092 11 .

CERÁMICA É É É É É É É1214 LITERATURA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É É1225 PROTOCOLO DE PAZ. AMISTAD Y LÍMITES ENTRE PERÚ Y ECUADOR É É É É É É É É É É É É É1232 .LAS REFORMAS ESTRUCTURALES É É É É É É É1092 LA POLÍTICA ECONÓMICA É É É É É É É É É É É1098 LA POLÍTICA EXTERIOR Y EL PROTAGONISMO INTERNACIONAL É É É É É É É É É É É É É É1098 LA MOVILIZACIÓN SOCIAL É É É É É É É É É É É1099 EL INICIO DE LA CRISIS ECONÓMICA DE 1973 É1100 LA EXPROPIACIÓN DE LOS MEDIOS DE COMUNICACIÓN É É É É É É É É É É É É É É1102 LA CRISIS DEL VELASQUISMO É É É É É É É É É1103 EL 5 DE FEBRERO É É É É É É É É É É É É É É É É1104 LA CAÍDA DE VELASCO É É É É É É É É É É É É É1105 EL MOVIMIENTO REVOLUCIONARIO TUPAC AMARU É É É É É É É É É É É É É É É1145 BALANCE DE LA POLÍTICA ECONÓMICA APLICADA BAJO EL SEGUNDO GOBIERNO DE BELAUNDE É É É É É É É É É É É É É É É É É1146 LAS ELECCIONES DE 1985 É É É É É É É É É É É1147 II EL GOBIERNO APRISTA É É É É É É É É É É É É É1148 POLÍTICA ECONÓMICA HETERODOXA Y CRECIMIENTO ECONÓMICO. 1985-1987 É É É1149 LAS ELECCIONES MUNICIPALES DE 1986 É É É É1152 LA POLÍTICA EXTERIOR Y EL PROTAGONISMO INTERNACIONAL É É É É É É É É É É É É É É1153 LA LUCHA ANTISUBVERSIVA É É É É É É É É É É1153 LA MASACRE DE LOS PENALES É É É É É É É É É1155 LA ESTATIZACIÓN DE LA BANCA É É É É É É É É1156 LOS GRUPOS PARAMILITARES É É É É É É É É É1158 LA CRISIS ECONÓMICA. 1988-1990 É É É É É É É1159 EL PROCESO DE REGIONALIZACIÓN É É É É É É1160 LA CRISIS DE LA IZQUIERDA É É É É É É É É É É1160 SURGIMIENTO DEL FREDEMO É É É É É É É É É1161 LAS ELECCIONES MUNICIPALES DE 1989 É É É É1162 LAS ELECCIONES DE 1990 É É É É É É É É É É É1163 II LA SEGUNDA FASE É É É É É É É É É É É É É É É1106 RECOMPOSICIÓN POLÍTICA AL INTERIOR DEL GOBIERNO É É É É É É É É É É É É É É É É É É1107 EL DESMANTELAMIENTO DE LAS REFORMAS É1107 LA POLÍTICA ECONÓMICA É É É É É É É É É É É1109 LA CONVOCATORIA A ELECCIONES É É É É É É1112 III RECOMPOSICIÓN DE LAS FUERZAS POLÍTICAS 1113 LAS ELECCIONES A LA ASAMBLEA CONSTITUYENTE É É É É É É É É É É É É É É1114 LAS RELACIONES DE LA ASAMBLEA CON LA DICTADURA É É É É É É É É É É É É É É É É É1115 EL FIN DE UNA ERA É É É É É É É É É É É É É 1117 LA CONSTITUCIÓN POLÍTICA DE 1979 É É É É É1118 LAS ELECCIONES GENERALES DE 1980 É É É É É1121 III LOS PARTIDOS POLÍTICOS EN LOS 80 É É É É É1166 LA INFLUENCIA POLÍTICA DE LAS FUERZAS ARMADAS EN EL GOBIERNO É É É É É É É É1168 EL IMPACTO SOCIAL DE LA VIOLENCIA POLÍTICA É É É É É É É É É É É É É É É É É É1170 IV EL IMPACTO DE LAS REFORMAS É É É É É É É É1123 LAS EMPRESAS PÚBLICAS É É É É É É É É É É É É1124 LA DEUDA EXTERNA É É É É É É É É É É É É É É1125 EL CENSO NACIONAL DE 1972 É É É É É É É É É1126 V LOS EMPRESARIOS Y EL RÉGIMEN MILITAR É É1127 LA MOVILIZACIÓN POLÍTICA Y SOCIAL A TRAVÉS DEL SINAMOS É É É É É É É É É É É É1128 LA MOVILIZACIÓN OBRERA É É É É É É É É É É1130 LA MOVILIZACIÓN CAMPESINA FRENTE A LA É É É É REFORMA AGRARIA É É É É É É É É É É É É É1131 LOS NUEVOS ACTORES SOCIALES É É É É É É É1133 LOS PARTIDOS POLÍTICOS DURANTE EL GOBIERNO MILITAR É É É É É É É É É É É É É1134 LOS REGÍMENES POPULISTAS DE LOS ‘80 (1980-1990) I EL SEGUNDO BELAUNDISMO É É É É É É É É É É1137 LAS PRIMERAS MEDIDAS É É É É É É É É É É É É1138 LA POLÍTICA ECONÓMICA É É É É É É É É É É É1139 LA APARICIÓN DE SENDERO LUMINOSO É É É É1140 LAS FUERZAS POLÍTICAS DE OPOSICIÓN É É É É1142 LAS ELECCIONES MUNICIPALES DE 1980 É É É É1142 EL CONFLICTO CON EL ECUADOR É É É É É É É1143 LA MASACRE DE UCHURACCAY É É É É É É É É1143 LAS ELECCIONES MUNICIPALES DE 1983 É É É É1145 12 IV EL PROBLEMA INFLACIONARIO É É É É É É É É1172 LOS GRUPOS DE PODER ECONÓMICO Y LOS GREMIOS EMPRESARIALES É É É É É É É1173 LA MOVILIZACIÓN SOCIAL Y EL DEBILITAMIENTO DE LOS GREMIOS SINDICALES É É É É É É É É1174 LA INFORMALIDAD Y LA PEQUEÑA EMPRESA É1175 LA TRANSFORMACIÓN DEL ROSTRO DE LA CIUDAD DE LIMA É É É É É É É É É É É É É É1177 BIBLIOGRAFÍA É É É É É É É É É É É É É É É É É É É1178 RESUMEN CRONOLÓGICO ARTES Y LETRAS RESUMEN CRONOLÓGICO É É É É É É É É É É É É É1184 ARTES PLÁSTICAS: PINTURA. ESCULTURA.

311 (inferior). 470. 1053. 848 (izquierda). 1057-1058. 58. 802 (izquierda). 1125-1126. 473. 697-698. 358. 272 (derecha). 669. 681. 160 (superior). 651. 639 (superior). 11291131. 360-361. 320. Centromin Perú: p. 302. 1185. 1163 (inferior). 1229. 942. Archivo María Teresa Pardo Corpancho: p. 599. 1138. 380. 1042. 1039 (superior). 462. 1107. 1111 (inferior). 790. Centro Nacional de Información Cultural del Instituto Nacional de Cultura (Archivo Luis E. 1208 (superior). 1093. 126. 1135-1136. 221-223. 27-30. 1157 (inferior). 1047 (inferior). 178. 563-576. 1191. 264-265. 611 (inferior). 1033 (inferior). 347 (inferior). 1039 (inferior). 1214. Archivo Renzo Honores: p. 1216 (inferior). 261. 997. 11491152. 100-113. 1089 (superior). 1171-1173. 40. 748. Archivo Carlos Daniel Valcárcel: p. 292. 685 (derecha). 1139. 1226 (superior izquierda e inferior). 1108 (inferior). 47. 530. 1204 (inferior). 808. 1048 (inferior). Archivo Carlos Ramos Núñez: p. 263. 1080. 1026. 979 (superior).CRÉDITOS DE LAS ILUSTRACIONES Y FOTOGRAFÍAS INCLUIDAS Archivo Antonio Coello: p. 863-864. 979 (inferior). 1205. 310. 1203 (central). 1199 (superior). 1037 (superior). 1087 (inferior). Archivo Frances Antmann: p. 891-893. 1074-1075. 74. 1089 (inferior). 318 (superior). 284. 301 (inferior). 519-522. 1160-1161. 1196 (inferior). 898. 804 (superior). 201-202. 1226 (superior derecha). 207-208. 185 (inferior). 94-98. 1077-1078. 1192-1193. 281 (superior). 721. 269. 356. 18. 1099 (inferior). 860. 120. 1127. 908 (inferior). 378. 836 (superior). 657. 978 (superior). 1095. 821 (superior). 1196 (superior). Archivo David Colmenares: p. 873. Colección Alfredo e Inés Acuña: p. 56. 506 (superior). Archivo Enrique Bernales: p. 1018. 548. 861 (izquierda). 1162. 1206-1207. Colección Barbosa-Stern: p. 1170 (inferior). 984. 1187 (inferior). Archivo Michael Milkovich: p. 1066. 44. 607 (superior). 1062. 1100. 1121 (inferior). 266-267. 988 (superior). 48. 148-153. Archivo Jorge Silva Sifuentes: p. 653. 1084 (inferior). 179 (derecha). 511. 309 (inferior). 1046. Archivo Elena Távara viuda de Seoane: p. 744. 454. 192. 297. Archivo Eduardo Dargent Chamot: p. Archivo Histórico del Instituto Riva-Agüero: p. Colección Banco Continental: p. 601. 581 (superior). 1159. 163. 36 (inferior). 983. 468 (inferior). 307 (superior). 187. 312 (superior). 897 (inferior). 754. Archivo Diario El Comercio: p. 293. 1227. 960. 256 (superior). 862 (superior). 547 (derecha). 689. 1081 (inferior). 1231. 648. Archivo Familiar de Ciro Alegría: p. 328 (superior). 1194. 533. 426. 328 (inferior). 1055. 1109. 141-142. 992. 1097. 712. 1230 (superior). 1001. 1208 (inferior). 1164 (superior e inferior). 241-242. 927 (inferior). 1203 (superior e inferior). 180 (superior). 726-727. 1118 (inferior). 615 (superior). 89. 1188 (superior). 457. 450. 939. 1146-1147. 77. 285. 1224. 890. 80. 465. 703-704. 774. 1111 (superior). 1110. 694. 1228 (superior). 303-304. 588. Archivo Familiar de Juan Luis Cipriani: p. 189-190. Archivo Antonio Rodríguez Lobatón: p. 1013-1014. 1061. 53. 286. 116. 1198. 72. 740 (inferior). 591. 1101. 1050. 1167 (inferior). 1143. 329-330. 86 (izquierda). 1037 (inferior). 1134. 273-274. 966 (inferior). Archivo Helen Orvig: p. 695. 993. 1025. Centro de Estudios Histórico-Militares: p. Archivo Diario El Sol: p. 772. 799. 1065. 964. Casa Museo Julia Codesido: p. 1104-1105. 769. 341-342. 547 (izquierda). 483. 283. 435. 129. 298-300. 36 (superior). 326 (superior). 218. 352 (superior). 66-67. 531. 1048 (superior). 1036. 1200 (inferior). 1041. 277. 1051. 587. 319. 301 (superior). 608 (inferior). 832. 278. 1114-1117. 1063 (inferior). 309 (superior). 549. 260 (superior). 998 (superior). 1223 (inferiores). 1023-1024. 1142. 631 (central). 858. 851. 553 (inferior). 1155. 1153. 1049. 606. Archivo Fotográfico de la Universidad Nacional Mayor de San Marcos: p. 1063 (superior). 438. 203-205. Archivo Gustavo Gutiérrez: p. 122-123. 639 (inferior). Archivo General de la Nación: p. 1167 (superior). 845. 1157 (superior). 385. Archivo Revista Caretas: p. Catedral de Lima: p. 281 (inferior). 357. 524-525. 1187 (superior). 234-238. 332-333. 161 (inferior). 626. 155. 46 (inferior). 506 (inferior). 959. 849. 460 (superior). 628. 478. 1148. 59-61. Archivo Cecilia Jaime Tello: p. Archivo Ebert Serrudo: p. 1178. 1091. 125. 425. 1144. 634. 551 (derecha). Archivo Walter Huamaní Tito: p. 405 (inferior). 1085. 247. 880. 899 (inferior). 1158. 424. 516. 1108 (superior). 614. 224 (derecha). 1033 (superior). 562 (inferior). 165. 475. 157. 562 (superior). 840 (superior). Archivo Paul Rizo Patrón: p. 527. 315. 595. 590 (inferior). 1202. Archivo Edgardo Mercado Jarrín: p. 396. 962. 1204 (superior). 1211. 401. 659 (superior). 413-414. 660. 206. 1145. 1043. 488. 253-254. 1197. 1201. 1099 (superior). 1230 (inferior). 629. 1186. 1217 (inferior). 512. 502. 132. 405 (superior). 1121 (superior). 786 (superior). 1073. 1188 (inferior). Archivo Teresa Santisteban Tello: p. 855. 1228 (inferior derecha). 359. 730. 1140. 1132. Archivo Irma Lostanau: p. Archivo Diario La República: p. 1070. 317. 1165. Archivo Expreso: p. 778. Archivo Carlos Paz Soldán Haider: p. 383. Archivo Revista Gente: p. 888. 1120. 674. 678. 882 (superior). 536-538. 346 (derecha). 725. 409. 1022 (superior). 146 (derecha). 878 (izquierda). 1189 (inferior). 641. 923 (inferior). Archivo Revista Visión: p. Archivo Óscar Pacheco: p. 1164 (central). 270 (superior). 135. 670 (derecha). 1094. 947. 251. 872. 318 (inferior). 447. 866. 814 (superior). Biblioteca Nacional: p. 290. 558-560. 1168. 294-295. 280. 492. 13 . 287. 1209-1211. 1225 (inferior). Archivo Banco de Crédito: p. 388. 1228 (inferior izquierda). 1170 (superior). 469. 431. Archivo Lexus: p. 1225 (superior). 789 (inferior). 415. 211. 159. 1199 (inferior). 853 (izquierda). 555. Benemérita Sociedad Fundadores de la Independencia: p. 118-119. 1118 (superior). 1087 (superior). 75. 1082. 1071. 46 (superior). 932. 1123. Archivo José Carlos Mariátegui Ezeta: p. 908 (superior). 63. 1175 (inferior). 1163 (superior). 500. 471. 1106. Valcárcel): p. 889. 869. 195197. 957. 344 (inferior). 1022 (inferior). 394. 1175 (superior). 458. 995 (superior). 216. 145. 1015. 1184 (inferior). 677 (inferior). 878 (derecha). Archivo Victoria Dammert León: p. 1102. 965 (inferior). 1200 (superior). 306. 272 (izquierda). 671. 930. 87. Biblioteca Central de la Pontificia Universidad Católica: p. 842. 499. 440 (inferior). 1169.

1060. 836 (inferior). 973 (inferior). 250. 270 (inferior). 1219. Museo de Arte e Historia de la Universidad Nacional Mayor de San Marcos: p. 1980: p. 670 (izquierda). 225. 977 (inferior). 313. 805 (izquierda). 846. 835. 363 (izquierda). Convento de los Descalzos: p. Colección Fernando Silva Santisteban: p. 391. 535. 1994: p. 919922. 910. 1017. 870. 534. 656. 903 (superior). 325. 789 (superior). editores. 811-812. 683. 551 (izquierda). 944. 1992: p. 810 (izquierda). 623-625. Colección Luis Enrique Tord: p. 134. 354. 544. 732. 384. 749. María y José: p. 833-834. 260 (inferior). 966 (superior). 967. 883-884. y Rolena Adorno. 802 (derecha). 716. 925-926. 963. 461 (superior). 479. 822. América y las islas del Pacífico. 461 (inferior). 825. 393. 909 (superior). 731. 693. 491. Museo de Arte Religioso de la Catedral de Lima: p. 817 (izquierda).Colección Federico Kauffmann Doig: p. 494 (inferior). 881. Museo Amano: p. 448. Greer Johnson. 529. 1214 (inferior). 783. 345. 455. 390. 773. 989. 814 (inferior). 806-807. 490. 848 (derecha). Porrúa. 819 (derecha). 494 (superior). 815. 584. 374. 813. 982. 998 (inferior). Museo de Arqueología y Etnología de la Universidad Nacional Mayor de San Marcos: p. 781. 504. 803. 649. 941 (inferior). 861 (derecha). 929. 646. 1195. Iglesia de Nuestra Señora de la Merced: p. 941 (superior). Iglesia de San Agustín: p. 987. 1936: p. Martínez Compañón. 545. 635. 377. 637. Ignacio. 400. Hough. 1980: p. 753. 823. 887 (superior). editor. Instituto de Estudios Histórico-Marítimos: p. 515 (superior). 417. 685 (izquierda). 954. 977 (superior). 581 (inferior). 596. 432. 460 (inferior). 1016. 714 (izquierda). 717 (superior). The book in the Americas. 747. 389. 923 (superior). 362. 894. 496. 508. 886. Inca. 956. 640. Iglesia de San Pedro: p. 517. 456. 444. 676. 399. Lima: Banco de Crédito del Perú. Madrid: Ediciones de Cultura Hispánica. 1059. 885 (izquierda). 477 (izquierda). 737. 931.A. Colegio de Abogados de Lima: p. 985 (superior). 720. 407. 427. 785. 275-276. 876 (superior). 373. 1056. Providence: The John Carter Brown Library. 843. 339. 756. Museo Conmemorativo de la Inmigración Japonesa al Perú: p. 882 (inferior). 826. 468 (superior). 770. 1084 (superior). 412. 1035. 837-838. 289. 850. 643. Museo Pedro de Osma: p. 936 (inferior). 402-404. 146 (izquierda). 805 (derecha). 897 (superior). 804 (inferior). 991. Garcilaso de la Vega. 612-613. 477 (derecha). 296. 585 (superior). 158. 1218 (inferior). 331. 1012. Congreso de la República: p. 659 (inferior). 322. 999-1000. 847. Shougang Hierro Perú: 1189 (superior). 324. 810 (derecha). 642. 326 (inferior). 841. 556. 904. 945. 1988: p. Essays. Palacio Arzobispal de Lima: p. 445. 821 (inferior). Madrid: Librería José Porrúa Toranzos S. 809. 481. Berlín: Stiftung Preussbischer Kulturbesitz. 1003. 786 (inferior). 820 (derecha). The role of books and printing in the development of Culture and Society in Colonial Latin America. 916. Amerika 1492-1992. 877. 743.: p. Iglesia de Santa Liberata: p. 801. 946. 244-245. 1985: p. 219-220. 346 (izquierda). 734. 687 (inferior). 497. 940 (derecha). 631 (inferior). Secretaria de Prensa de la Presidencia de la República: 1184 (superior). 611 (superior). Iglesia de Santo Domingo (sacristía): 344 (superior). 340. 985 (inferior). 312 (inferior). 590 (superior). 687 (superior). 1044. 973 (superior). 874-875. 817 (derecha). Neue Welten-Neue Wirklichkeiten. 940 (izquierda). 975 (superior e inferior). 363 (derecha). Museo Brüning: p. 615 (inferior). 986. 291. 662. 631 (superior). 915. 600. Municipalidad Metropolitana de Lima: p. 1220-1221. Filmoteca de Lima: p. 696. 820 (izquierda). Comentarios reales de los incas. 644. 485. 751. 995 (inferior). 673. 160 (inferior). 705. 988 (inferior). 867-868. 1217 (superiores). 368-369. Providence: The John Carter Brown Library. 816. 1154. 439. Providence: The John Carter Brown Library. The italians and the creation of America. 476 (superior). 398 (superior). 677 (superior). 927 (superior). 1212. 739. 609. 668. 862 (inferior). 449. 1019. 410. 917 (inferior). 418. 14 249. 436. 798. 621. 775. 580. 691. 958. 430. 515 (inferior). 1177. 398 (inferior). 542. 493. . Convento de San Francisco: p. 472. 1068. 819 (izquierda). 1218. 905. John V. Baltazar Jaime. 707. 713. 706. 351. 442. Nueva corónica y buen gobierno (circa 1615) de Guaman Poma de Ayala. 419 (derecha). 371. 440 (superior). 416. 824. 541. 717 (inferior). 224 (izquierda). 800. 338. 911 (inferior). 976. 1980: p. 352 (inferior). 161 (superior). 589. 899 (superior). Antropología e Historia: p. 311 (superior). 86 (derecha). tomos I y II. 728. 10271028. 1069. 553 (superior). 256 (inferior). Trujillo del Perú. 459. 316. 667. 949-951. 722. 975 (central). 911 (superior). Julie. Gaida. 607 (inferior). 762. 844. 381. 953. 974. 978 (inferior). 757. 1215. Murra. Instituto Riva Agüero de la Pontificia Universidad Católica: p. Monasterio de Jesús. Museo del Banco Central de Reserva: p. 1223 (superior). 741. 740 (superior). Marie et al. 994. 856. 366. 347 (superior). 735-736. 853 (derecha). 268. Colección Rafael Loredo de Abreu: p. 980. 592. 305. Convento de Santo Domingo: p. 464. 937 (superior). 1137. Nueva corónica y buen gobierno (circa 1615) de Guaman Poma de Ayala. 903 (inferior). 271. 895. 307 (inferior). 885 (derecha). 1047 (superior). 419 (izquierda). 948. 688. 510. 779. 1005-1006. 610. 699700. Ángel. 828 (derecha). 1216 (superior). 372. 955. 386. 981. 605. Ministerio de Relaciones Exteriores: p. 1081 (superior). 901-902. 938. 334. 452. 972. 617. 764-765. 680. 579. 710. 353. 114-115. 887 (inferior). Spanish historical writing about the New World 1493-1700. 505. 936 (superior). 828 (izquierda). Fuentes bibliográficas Delgado-Gómez. 348. tomos I-III. 917 (superior). Paul. 411. 608 (superior). 279. 180 (inferior). 327. 840 (inferior). 1002. 876 (inferior). 594. Rivet. 755. Museo de Arte de Lima: p. 702. 937 (inferior). 777. 909 (inferior). 603. 701. 965 (superior). 1007-1010. 434. 476 (inferior). 514. Instituto Raúl Porras Barrenechea: p. Museo Nacional de Arqueología. 738. Samuel J. 714 (derecha). 759. 914. 257-258.