You are on page 1of 44

revist@ nº 10 abril 2016

revist@
revist@mais

Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro
ISSN 2183—2196

ano letivo 2015/16

ficha técnica

índice

título

Revisão: Angelina Cristino e Rosa Guerra

3
4
7
8

ensino profissionalizante em revist@

Editor: Joaquim de Almeida

15

pré-escolar em revist@

Entrevista: Angelina Cristino e Rosa Guerra

17

1º ciclo em revist@

ISSN

24

acontece no @eob

34

bibliotec@ndo ...

37

educação especi@l

38

trabalhos de @lunos

revist@mais

equipa técnica
Capa: Sabrina Martins, 10º D1

2183—2196

tiragem
250 exemplares
Reservados todos os direitos de acordo
com a legislação em vigor

editori@l
… em entrevist@
opini@o

41

... for@ de portas

agradecimentos

43

desporto em revist@

A toda a comunidade escolar, mas

44

ofert@ formativa

abril 2016

especialmente aos alunos sem os quais
esta publicação não faria sentido.

2

E a escola teve e tem de se adaptar à nova realidade, promover a

Com ou sem chumbo?

formação global do aluno. O professor hoje não é um mero transmissor do

editorial
A diminuição da exigência na escola é tema de acesas discussões:

Hoje os alunos não aprendem, a escola não ensina…!

conhecimento académico, alguém que em frente a uma plateia boquiaberta
vomita o saber acumulado. Hoje, ser professor é ser gestor de sensibilidades,

Tempos houve em que tudo era novidade na escola, porque o

motivador da curiosidade, é ser capaz de despertar a vontade pelo saber, de

acesso à informação era escasso; em que um jovem oriundo de classes

incentivar, de demostrar e despertar afetos. O professor atual abre a porta

desfavorecidas poderia concluir a escolaridade básica de 4 ou 6 anos, mas

da sala de aula, trabalha numa dinâmica interativa com os seus pares. O bom

dificilmente ia mais além, porque o rendimento do seu trabalho era

professor não é aquele que “dá muitas negas”, mas sim o que lê as dificulda-

importante para a subsistência familiar e as baixas expectativas

des, rentabiliza as capacidades, diversifica estratégias, adapta instrumentos,

correspondiam às parcas oportunidades e conduziam à desvalorização da

orienta os seus alunos, de forma a que todos atinjam os objetivos, embora

litarecia.

com diferentes desempenhos, justificados e valorizados pela noção clara que

Hoje, a informação rápida, apelativa e aprofundada sobre

praticamente todas as temáticas é acessível e universal, a escola nada ensina

tem da participação e produtividade de cada aluno, dos valores que este
acumulou e evidenciou ao longo do ano.

que possamos considerar novo, a escolaridade obrigatória é de 12 anos e o

A escola tem de preparar para as exigências da competitividade do

trabalho só é permitido aos 18 anos de idade; a escola era para as elites, hoje

mundo atual, para a adaptabilidade à mudança. O bom aluno não é aquele

é para as massas; a população escolarizada era oriunda de

famílias

aluno que canta a gramática, a física ou a matemática, mas sim o que sabe

dominantes, hoje dominam personagens de todas as classes sociais. Esta

relacionar conhecimentos, gerir emoções, trabalhar colaborativamente,

alteração implicou profundas mudanças na sociedade, e também na escola,

liderar.

claro. Temos alunos com muito e bom acompanhamento familiar, ao lado de

A avaliação surge finalmente para aferir, medir, melhorar, potenciar

outros que a famíla nem conhecem; temos alunos de elevado desempenho,

as mais valias e apontar modos de superação das dificuldades, é um meca-

ao lado de alunos com necessidades educativas especiais de caráter

nismo de regulação da ação e instrumento de melhoria.

permanente; temos alunos que frequentam a escola para poderem ter uma

Considerando as orientações recentemente publicadas, eu diria que

refeição completa, sentadas na mesma mesa do que passa férias em resorts

“comum, deverá ser sem chumbo; com chumbo, só quando esgotadas todas

de luxo; temos escolas multiculturais e multirraciais, alunos pretos, brancos,

as hipóteses e justificadamente possa ser uma mais valia para o aluno”. Nin-

amarelos.

guém disse que ser professor é fácil… mas aluno também não… e bom ci-

E então? Também o nosso mundo não passava da nossa aldeia, da

dadão, muito menos!

nossa cidade, quando muito do nosso país, o emprego era para a vida, a casa
construía-se sobre fortes alicerces, porque passava para os filhos e depois
para os netos!… Hoje vivemos na tal “aldeia global”,
trabalhamos onde houver oportunidade, pensamos se devemos
alugar uma casa ou comprar uma autocaravana. Tanto mais rico
é o indivíduo, quanto mais e melhor viver na diversidade.

3

Júlia Gradeço
Diretora do AEOB

...em entrevista

... em entrevist@

à conversa com ... Leontina Novo,
Professora de Matemática
aposentada do Agrupamento de
Escolas de Oliveira do Bairro
Nasceu em Lisboa na freguesia de Socorro, a vinte oito do mês de outubro, no ano da graça de
mil novecentos e cinquenta e quatro, mas as suas origens são da Mamarrosa e do Troviscal de
onde eram naturais os pais.
Fez a escola primária na Mamarrosa e o exame da quarta classe na escola da Quinta Nova, em
Bustos. Na altura, para se prosseguir estudos, não bastava o exame da quarta classe, era
necessário fazer um exame de admissão ao liceu ou à escola comercial, de acordo com a
orientação pretendida. Ficou aprovada nos dois exames, mas optou pela entrada no liceu.
Frequentou o primeiro ano no Externato Gil Vicente, em Bustos, onde atualmente funciona o
Instituto de Promoção Social de Bustos. No final do ano, o Externato encerrou tendo de
continuar os estudos no Colégio do Infante, acabado de inaugurar, atualmente Escola
Secundária de Oliveira do Bairro. Chegado o momento de escolher o curso superior, ficou
dividida entre dois cursos, Matemática e Medicina, tanto um como outro eram do seu agrado.
Escolheu Matemática via ensino e, em julho de 1978, terminou a sua formação académica.
Em outubro daquele ano, iniciou a atividade docente no Liceu Nacional de Gaia, como
professora agregada. No ano seguinte, concorreu para efetivar e foi colocada na Escola
Secundária de Vouzela, onde permaneceu dois anos. No segundo ano, exerceu a função de
Presidente do Conselho Diretivo. Depois, passou pela Escola Secundária de Sever do Vouga,
Escola Secundária de Esmoriz e Escola Secundária nº 2 de Ovar. Nesta, fez parte do Conselho
Diretivo. Ao fim de oito anos do início da atividade docente, foi colocada na Escola Secundária
de Oliveira do Bairro, onde lecionou durante vinte e oito anos. Durante estes anos exerceu
cargos de gestão (Presidente do Conselho Diretivo, Subdiretora e Coordenadora de

4

Estabelecimento) e pedagógicos (Presidente do Conselho Pedagógico,
Diretora de Turma, Coordenadora dos Diretores de Turma e Coordenadora
de Departamento).

... em entrevist@

Escritor de Língua Portuguesa: Miguel Torga
Cantor: Mariza
Prato: Leitão da Bairrada
Destino: Não tenho preferência por nenhum destino, mas privilegio o nosso
país, seja serra ou mar, litoral ou interior, adoro as nossas paisagens e a riqueza
do nosso património.

...em entrevista

Preferências

Passatempo: Fazer crochet
Tempos livres: Ler, fazer jardinagem e passear
1. Ao longo da sua vida profissional tem exercido/exerceu vários cargos

2. Quando, em 2013, passou à situação de professora aposentada, que

(docente, vereadora da educação da Câmara Municipal de Oliveira do

sentimentos ou emoções vivenciou?

Bairro, presidente do Rotary Club de Oliveira do Bairro, secretária da

Entre a data da comunicação à situação de professora aposentada e o início

Direção e presidente da Assembleia Geral do Conservatório e Artes –

efetivo do fim da actividade, decorreu algum tempo, que permitiu

Fuob, membro da Mesa Administrativa e presidente da Assembleia Geral

mentalizar-me para a mudança de horários, rotinas, atividade e de

da Santa Casa da Misericórdia de Oliveira do Bairro. Qual deles a motivou

ambiente. Às vezes bate à porta alguma saudade, principalmente estar na

mais?

sala de aula com os alunos. Por outro lado a liberdade de dispor do meu

Enquanto os meus filhos eram pequenos, não me envolvi no associativismo

tempo como quero e o tempo que quero, foi algo que me agradou, de tal

nem na política. Quando já crescidos, entendi que seria o momento de

forma que tenho a sensação de que me falta tempo para tudo o que

prestar algum serviço em prol da comunidade e contribuir com uma gota de

gostaria de fazer. Encarei esta nova realidade como o fim de um contrato,

responsabilidade social. Esta foi a primeira motivação para aceitar os

que efetivamente tinha com o Ministério da Educação, e a celebração de

desafios.

um outro virtual comigo mesma.

Todos foram importantes, enriqueceram-me, permitiram

complementar o conhecimento do meu concelho. De uma forma geral
todos estão interligados e complementam-se. Enquanto vereadora, tive a
oportunidade de trabalhar diretamente com a educação pré-escolar e o 1º
ciclo e, o facto de ser professora do ensino secundário e ser mulher,
permitiu-me olhar para as coisas de maneira diferente, sentir as
necessidades daqueles níveis de ensino e empenhar-me ao máximo para as
resolver. É claro que, para isto ser possível, suspendi a minha
atividade profissional para estar a tempo inteiro nas funções de
vereadora, por isso terá sido o cargo que mais me motivou.

5

3. No seu percurso, como docente, passou por várias reformas e
reestruturações do ensino e do modelo educativo. Considera que essas
constantes alterações foram benéficas tanto para os alunos como para os
professores?
Efetivamente, muitas alterações decorreram ao longo da minha carreira
profissional, desde a Lei de Bases do Sistema Educativo até aos programas
da disciplina de Matemática. Ainda não tínhamos consolidado uma
mudança e já se falava de outra alteração, o que criava insegurança aos
professores. Sabemos que as coisas evoluem, mas no que respeita à

...em entrevista

educação temos que ter muito cuidado, porque está em causa a
formação dos nossos jovens e é preciso tempo para preparar bem as
matérias e as estratégias, para pôr em prática as novas orientações, o
que de facto não acontecia. Muitas das mudanças ocorreram quando
exerci as funções de presidente do conselho diretivo, aqui a
responsabilidade era acrescida, tinha que dar respostas aos professores e
aos alunos. Tudo isto não era benéfico para a escola.
4. Conviveu com bastantes colegas, alunos, professores e pessoal não
docente. Quer recordar os que a marcaram positivamente?
De um modo geral, de todos com quem convivi, guardo boas recordações.
Como em qualquer organização há momentos bons e menos bons, mas é
minha maneira de ser esquecer os negativos e valorizar os positivos.
Gostaria de recordar todos, mas seria impossível fazê-lo porque corria o
risco de esquecer algum. Mas há um episódio que vou partilhar. Quando
estive em Esmoriz, tinha um aluno, numa turma do 9º ano, que não
gostava nada de Matemática e um dia disse à mãe que não percebia nada
de Matemática, mas gostava de ir às aulas só para olhar para os olhos da

nossas crianças e jovens. Outra característica também importante é o
respeito pela individualidade de cada aluno. Depois é necessário ter
paciência. Por fim, e não menos importante, é ter engenho e arte na sala

professora.

de aula para motivar os alunos, ajudá-los na concentração, no trabalho e
5. Sente falta de estar na sala de aula? E na sala de professores?

na valorização dos estudos.

Nos primeiros tempos, e ainda agora, algumas vezes dou por mim a pensar
no calendário escolar, nos momentos de avaliação, na preparação das
aulas e dos testes, nas atividades extracurriculares, nos convívios com os

7. Depois da sua tão longa e dedicada carreira como docente, como
ocupa atualmente o seu tempo?
Como atrás já referi, sinto que tenho falta de tempo para fazer tudo o que

alunos e professores, mas sem nostalgia.

quero. Tenho projetos pessoais que ainda não consegui implementar.
6. Deixe-nos o seu apontamento sobre as características que considera

Continuo com atividades nas associações, a cuidar do jardim e do quintal e

realmente importantes para o desempenho da função docente.

a ler. Estes dois anos e meio de mudança ocupei-os principalmente com a

Como em qualquer profissão, devemos gostar do que fazemos. No

família, mãe, sogra, marido, filhos e

desempenho da função docente, em primeiro lugar, temos
que ser exigentes com as nossas obrigações profissionais, para
poder exigir aos alunos. O facilitismo compromete o futuro das

6

netos, como uma forma de

compensar o tempo que, enquanto docente, não tinha oportunidade de
lhes oferecer.

Escutar: há forma de aprender?

deve-se urgentemente, na minha opinião, aprender (logo, ensinar) a

«A escola tem de aprender a escutar quem não escuta, para ensinar a
todos a arte de ouvir.»

escutar, tal como fazemos na Mediação de Conflitos, em que a escuta

(Gabriel Perissé)

transformação do conflito. A este propósito recordo Carl Rogers, com

ativa é uma das técnicas fundamentais para a resolução ou

opini@o

opin i@o

ouvirmos a nós próprios em primeiro lugar!). E por isso sim, pode-se e

A escola é feita de pessoas. Habitada. Construída. Partilhada.

esta belíssima e profunda reflexão, com a qual penso que nos identificamos

Passamos (adultos e crianças) na escola muito mais tempo atualmente do

se já fomos ouvidos e compreendidos a este nível: «quase sempre, quando

que passamos com a nossa família. É por isso (e por muito mais, eu acredito)

uma pessoa se dá conta de que foi ouvida a um nível profundo, os seus olhos

que a escola é, também, família. A escola pode ser, e é muitas vezes, a

enchem-se de lágrimas. Penso que, de certa forma, a pessoa chora de

família de tantos. E dizemos que não deve e não pode ser. Desejávamos que

alegria. É como se dissesse: “graças a deus que alguém me escutou’. Alguém

não fosse. Mas é. Espaço de conforto, de compreensão, de acolhimento, de

que sabe o que significa ser eu.” Nesses momentos, imagino um prisioneiro

encontro, de afeto. Claro que pode ser tudo o contrário também, e isso é

numa masmorra, a emitir diariamente uma mensagem em código morse:

aquilo que mais ouvimos, mas prefiro e quero falar do que se fala tão pouco

“Alguém me ouve? Está aí alguém?” Até que, por fim, um dia ele ouve umas

e que é a verdadeira natureza e força da escola: as pessoas. Aquelas que

pancadinhas distantes que soletram a palavra: “Sim”. Com essa simples

estão em sofrimento, por tantos motivos, e que dia após dia continuam a

resposta, ele é libertado da sua solidão e torna-se novamente um ser

entrar na escola com um sorriso. E ao nosso lado, muitas vezes, está quem

humano.»

mais precisa de um abraço, de um mimo, de uma atenção, de uma palavra

Podem dar-nos muitas estratégias, implementar muitos planos,

"mágica". Porque todos precisamos: alunos, professores, funcionários,

alterar currículos e metas, tirar ou acrescentar exames (e todas estas

técnicos. Somos todos pessoas, antes (durante e depois) de todos os cargos,

questões são importantes, não digo o contrário!), mas o mais importante é o

funções ou designações que nos põem no currículo. Todos precisamos de

que somos e o que fazemos com o que somos, é isso que, em minha opinião,

sentir que alguém nos viu, que compreendeu o nosso sofrimento num olhar

gera mudança e é isso que falta nas escolas, hoje. Falta cada vez mais foco no

mais baço, na procura de um abraço mais demorado, num andar mais lento,

essencial: envolvimento, disponibilidade, ação e mais compreensão e amor.

numa resposta mais evasiva, num silêncio inesperado, até na nossa

Porque quando o conseguimos fazer, os milagres de que andamos todos à

ausência... Todos queremos ser compreendidos.

procura

E se "ouvir o sofrimento é um ingrediente essencial para gerar

acontecem.

compreensão e amor" (Thich Nhat Hanh), o que estamos a fazer a este

propósito na escola? Será que (nos) ouvimos o suficiente? Este é um dos

assim.

temas que costumo trabalhar em contexto de formação e na mediação e
sobre o qual muitas pessoas me perguntam: “mas pode-se aprender a
escutar?”. Eu costumo responder que não devia ser preciso, na verdade era
bom que não houvesse essa necessidade. A questão é que vivemos num
mundo cheio de ruídos (à nossa volta e dentro de nós), o que nos afasta da
vontade e da disponibilidade para ouvirmos os outros (e até para nos

7

mesmo

Mafalda Branco — Mediadora de Conflitos no AEOB

ensino profissionalizante em revist@

Curso Profissional de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidad
No âmbito das Disciplinas de Comunicação Publicitária e Criatividade, Marketing, Técnicas e Práticas de Comunicação e Relações Públicas,
Psicologia e Sociologia, os alunos de Comunicação, Marketing, Relações Públicas e Publicidade participaram na organização da Fase Distrital do
Parlamento dos Jovens, que decorreu no dia sete de março, no Quartel das Artes, em Oliveira do Bairro.
Tal como já vem sendo hábito os alunos do 12ºC desempenharam, de modo exemplar, todas as tarefas que lhes foram incumbidas pelo staff
do QA que se enquadram no âmbito das funções inerentes ao seu curso. A participação dos formandos, neste e noutros eventos, é sempre
previamente preparada em sala de aula, com os professores, através da análise de um conjunto de princípios gerais para o bom acolhimento na sala de
espetáculos. Do referido documento constam, entre outros, as competências que são esperadas destes alunos no desenrolar da sua atividade,
nomeadamente: atendimento, acolhimento e informação ao público; vistoria dos espaços públicos (antes, durante e depois dos espetáculos); proteção
dos espaços de acesso reservado; abertura da sala; controlo de entradas e saídas; encaminhamento do público ao seu lugar; controlo de
comportamento não permitido e participação no balanço final.

8

Após a preparação prévia da atividade na escola, no dia do
evento os formandos apresentaram-se pontualmente no local, com o
vestuário adequado às solicitações do QA e deram início às suas
funções com um briefing presidido por Benedite Garrido. De seguida os
alunos assumiram a sua posição nos espaços do edifício, com o qual
estão já bastante familiarizados, e com a simpatia ea assertividade que
caracterizam esta turma receberam o público. No evento Parlamento
dos Jovens a colaboração dos formandos prolongou-se durante todo o
dia, incluindo também o acompanhamento e orientação dos
participantes durante a pausa para almoço na cafetaria do Quartel.
À semelhança do que aconteceu em eventos anteriores, as
funções dos alunos de Comunicação e Marketing terminaram com a
vistoria final dos espaços, o fecho das portas, a entrega de objetos
esquecidos na Frente Casa e um balanço/relatório final dos problemas
encontrados.
O bom desempenho dos alunos neste evento foi reconhecido
pelos responsáveis do QA, na pessoa da Dr.ª Catarina Pereira e pelos
responsáveis pelo projeto Parlamento dos Jovens, nomeadamente a
Dr.ª Conceição Franco Andrade, responsável da Direção Geral dos
Estabelecimentos Escolares –Região Centro.
Parabéns à turma do 12ºC, que se aproxima a passos largos da
conclusão do seu percurso formativo e deixa aos seus colegas do 10º
ano um exemplo, que estes já começaram a seguir, de profissionalismo,
dedicação e disponibilidade para participar em todas as iniciativas
realizadas dentro e fora do agrupamento.

9

ensino profissionalizante em revist@

de — PROFISSIONALISMO E SIMPATIA

ensino profissionalizante em revist@

Curso Profissional de Restauração, variante Cozinha/Pastelaria
Os alunos do Curso Profissional de Restauração, desenvolveram ao longo do segundo período, diversas atividades onde experimentaram as suas
aprendizagens, em particular na disciplina de Serviço de Cozinha e Pastelaria. A Cozinha Pedagógica tem atualmente um espaço novo que se vai
melhorando a todo o momento e onde os alunos têm vindo a desenvolver e a melhorar o seu desempenho ao longo do ano letivo. No dia 27 de janeiro
os Encarregados de Educação dos alunos deste curso foram convidados para uma reunião em que além de ficarem a conhecer as novas instalações,
onde decorrem as aulas práticas de Serviço de Cozinha e Pastelaria, foram também sensibilizados para questões inerentes à operacionalização da
Formação em Contexto de Trabalho (FCT). No final da reunião manifestaram o seu agrado e tiveram oportunidade de degustar algumas da iguarias
confecionadas pelos seus educandos. Nos dias 2 e 9 de março confecionaram, emprataram e serviram os almoços de grupos de trabalho do
Agrupamento tendo assim oportunidade de mostrarem o seu empenho e saber estar em eventos preparados para grupos maiores. Os elementos
convidados manifestaram a sua admiração e parabenizaram os alunos. Os aniversários de professores e funcionários da ESOB e da EBOB têm sido
animadamente celebrados com um docinho confecionado, também por estes alunos. Permanentemente são solicitados a confecionarem “miminhos”
para os mais diversos eventos, como “Conversas ao Pôr-do-sol”, apresentação pública do "Guia sobre Cidadania e Direitos Humanos", entre outros.
Vale a pena acompanhar o crescimento destes jovens. Rememos até ao final de mais um ano letivo!

10

E

DEDICAÇÃO

11

ensino profissionalizante em revist@

PROFISSIONALISMO

ensino profissionalizante em revist@

Curso Profissional de Análises Laboratoriais
Os alunos do Curso Profissional Técnico de Análise Laboratorial realizaram mais uma visita a
laboratórios no passado dia 17 de fevereiro, no âmbito da disciplina Análises Químicas. Desta vez
visitaram a ABIMOTA LEA - Laboratórios de Ensaios da ABIMOTA, nomeadamente os laboratórios
de ensaios de produtos, de ensaios de superfícies, de ensaios de materiais, de metrologia e de
ensaios químicos.
A visita permitiu aos alunos visualizarem as análises realizadas, tornando-se assim, uma mais-valia
ao nível de aquisição de conhecimentos práticos. Desenvolveu competências de observação,
criatividade e elaboração de relatórios científicos e tecnológicos. Permitiu consolidar
conhecimentos e relacioná-los com a aplicação industrial. Foi uma visita muito proveitosa e
enriquecedora, pois tratou-se de um complemento para os conhecimentos previstos nos
conteúdos programáticos que assim se tornam mais significativos. Os alunos seguiram
atentamente todas as explicações dadas, revelaram-se interessados e tiveram ainda oportunidade
de utilizar os equipamentos no laboratório de ensaios químicos, onde se demoraram mais tempo.
Todos os alunos gostaram e aderiram com entusiasmo.
Os objetivos da visita foram plenamente alcançados.
Há ainda a realçar a forma como o grupo foi recebido. O Engenheiro Luís Pires e todos os colaboradores da ABIMOTA LEA foram de extrema
disponibilidade e amabilidade.

12

A história dos ovos moles de Aveiro inspiraram os alunos do Curso Vocacional B, que com entusiasmo, participaram no workshop na Fabridoce, no
dia 11 de março. Aos jovens formandos foi apresentado um breve filme sobre a origem deste doce convencional e, entusiasticamente, questionaram
a técnica da fabrica, que os acompanhou, sobre o método de produção deste delicioso manjar e posteriormente preparam uma pequena amostra
utilizando os variados moldes, desde búzios, barricas, peixes, castanhas e nozes para a degustação de todo o grupo.
Na visita, que também incluiu uma passagem pela cozinha do restaurante de fast food McDonald’s, os formandos puderam observar diferentes
técnicas e equipamento industrial na confeção de alimentos e constatar o cuidado e segurança que é tida no manuseamento, preparação e
conservação vários alimentos.
As recolha fotográfica da tarefa ilustra bem o empenho e cuidado dos participantes.

13

ensino profissionalizante em revist@

Curso Vocacional 9º ANO

ensino profissionalizante em revist@

Curso Vocacional 8º ANO—Viajando no espaço e no tempo ...
No dia cinco de janeiro os alunos do Curso Vocacional- 8.ºano visitaram o Navio-Museu de St.
André, em Ílhavo.
Este navio fez parte da frota portuguesa, que durante cinquenta anos cruzou os mares do norte
na pesca do bacalhau. Após o seu abate, o armador do navio e a Câmara Municipal de Ílhavo
decidiram transformar o velho navio em Navio-Museu, com o objectivo de honrar a memória de
todos os seus tripulantes e divulgar as “artes do arrasto”.
A visita ao interior do navio bacalhoeiro possibilitou que os alunos se apercebessem, com alguns
testemunhos de quem por aqui labutou, do modo de vida e do trabalho árduo e duro, a bordo
deste antigo arrastão bacalhoeiro.
No dia nove de março efetuaram um dos circuitos do Turismo Industrial de S. João da Madeira.
No período da manhã, este circuito iniciou-se no edifício da Torre da Oliva, com a apresentação
da história da fábrica da Oliva, do dia a dia das suas gentes e com uma subida fantástica à Torre
onde se observou toda rede de edifícios e construções ligadas à empresa. Na visita à Incubadora
de Empresas, vocacionada para as indústrias criativas e culturais, perceberam qual a principal
função deste projeto e o apoio que dão no desenvolvimento das pequenas empresas.
No período da tarde visitaram as empresas da Fepsa, que produz feltros para chapéus, e a Helsar,
fábrica de calçado feminino. De referir, que estas empresas efetuam toda a linha do produto,
que inclui as fases da investigação, criação, comercialização, produção, distribuição e
acompanhamento pós-venda, em que a preocupação em inovar e produzir com qualidade é uma
constante, gerando uma gama alargada de produtos espalhados em diferentes partes do mundo.
Estas visitas foram realizadas no âmbito das disciplinas de Artes Mistas e Tecnologias e Ciências
Naturais e tiveram como principais objetivos promover a ligação entre a teoria e a prática/ a
escola e a realidade e a consolidação de conhecimentos nas diferentes áreas do saber: cultural,
científico e tecnológico. Possibilitaram, sem dúvida uma grande viagem ao passado, presente e
futuro de atividades ligadas à indústria do nosso país.

14

No dia 12 de fevereiro, o jardim-de-infância de Bustos comemorou o DIA DA AMIZADE, com a realização de trabalhos sobre o sentimento mais
bonito desta IDADE!

pré-escolar em revist@

JI de Bustos—Dia da Amizade

JI do Troviscal — Duas valências, uma unidade
“Quero voltar pra dentro da barriga da mamãe”- assim cantava Rita Lee nos já longínquos e saudosos anos 80 e assim aconteceu aos alunos do 1º ciclo da
EB1 do Troviscal. Explicando melhor: fruto da boa comunicação e articulação entre o JI e o 1º ciclo, os alunos do 1º ano regressaram às origens, que é
como quem diz, deslocaram-se ao corredor do lado, e partilharam várias experiências com os mais pequenos, que deixaram todos de boca aberta. O caule
de várias flores foi mergulhado em vários recipientes de vidro com água e corantes de várias cores e as pétalas daquelas, como que por artes mágicas,
mudaram de cor, adquirindo tonalidades de encantar, que foi o que aconteceu à miudagem. E que felizes ficaram os meninos por estes momentos de
partilha e de recordação de outros
tempos. Saudades do tempo em que,
brincando, se aprendia e não se estava
tanto tempo fechado numa sala, terão
pensado eles. E bem!

15

pré-escolar em revist@

JI de Oiã Nascente — Folar da Páscoa
Porque a vida é feita de decisões, a nossa Escola decidiu no início
do ano letivo " manter vivas" algumas tradições da nossa região e
divulgá-las ao nosso público, os alunos, que muitas vezes já não
têm contacto com as mesmas...
Inserido nesta ideia "recriar tradições ", no final do 2º Período, as
nossas crianças poderam visionar todo o processo de confeção de
um folar. Antigamente em casa as crianças assistiam ao processo,
porque as mães o faziam artesanalmente, mas hoje em dia, já é
pouco vulgar confecionar-se o folar, ele aparece já feito vindo da
padaria.
Nessa perspetiva de mostrar como se faz, os alunos tiveram
oportunidade de conhecer todos os ingredientes necessários,
compreender a força e todos os esforços humanos para misturar
os ingredientes e amassar o folar.
A atividade culminou com o provar do " folar" acompanhado com
ovos cozidos e com o levar para casa um " mini " folar ao tamanho
dos pequenos.
Manter vivas e aproximar tradições, junto de gente que nasceu
distante das mesmas é um enorme privilégio para a Escola, a
quem a tarefa de " transmitir" não se resume a conteúdos
programáticos...
A ( nossa) Escola é isso, é isto e muito mais!

16

Semana da Não violência e da Paz na Escola
Assinala-se e comemora-se esta semana, última de janeiro, a PAZ e a ausência de violência, em toda a nossa escola.
Em todos os dias se sucedem atividades que visam consciencializar para a existência de PAZ no maior número de momentos da vida de cada um.
PAZ é um estado de espírito onde reina a tranquilidade e a calma... Ou em sentido negativo, PAZ é a ausência de qualquer tipo de violência e
desassossego.
Neste sentido, unimo-nos em torno desta grande necessidade de promover a PAZ e, de mãos levantadas, todos os alunos do Pré Escolar ao 4º ano
do 1º Ciclo, juntamente com as Educadoras, os Professores e as Assistentes Operacionais provocaram uma corrente energética de promoção à

1º ciclo em revist@

EB de Oiã Nascente

existência de PAZ em todo o mundo...
Dentro da Escola estão espalhados poemas, textos alusivos ao tema, painéis, para que ela possa permanecer em cada um de nós e ser aplicada na construção
de um mundo mais harmonioso e pacífico. Na nossa Escola é bom aprender que "estar em PAZ" é poder construir um amanhã mais feliz!

17

1º ciclo em revist@

EB de Oiã
Visita do Poeta José António Franco
No dia 13 de janeiro de 2016, os alunos do primeiro ciclo de Oiã,
receberam na biblioteca da escola a visita do poeta José António Franco.
Ele veio apresentar os seus poemas de uma forma diferente, com música e
ritmo.Com esta visita, os alunos contataram com um género literário
diferente - a poesia.

Internet mais Segura
No dia 2 de março, decorreu na EB1 de Oiã uma ação de sensibilização,
promovida pela Equipa da Escola Segura.
O tema abordado nesta sessão foi "Internet mais Segura". Os elementos
da Escola Segura alertaram para os perigos que podem surgir ao usarmos a
Internet. Aprendemos que: não devemos partilhar dados pessoais
(morada, número de telefone ou telemóvel, número de Cartão de
Cidadão, números de contas bancárias, etc.); não se pode ter Facebook
antes dos 13 anos; não devemos partilhar vídeos pessoais; não dar a
palavra-passe a ninguém; não abrir as janelas de publicidade; não abrir emails de desconhecidos, além de outros conselhos.
Todos os elementos desta Escola acharam muito importante esta ação de
sensibilização, dado que a Internet é um grande auxiliar nas
aprendizagens, mas esconde muitos perigos.

Carnaval Trapalhão
No dia 5 de março festejou-se o “Carnaval Trapalhão” na EB1/JI de Oiã,
juntamente com os alunos e educadoras do pré-escolar.
Cada turma desfilou com os seus trajes preferidos. Houve muita animação,
entusiasmo e folia por parte de toda a comunidade educativa.
Foi uma tarde muito divertida, com muita música e dança.

18

Arte, pelo Centro Escolar do Troviscal
— parte II
Dando continuidade ao intuito de fomentar o gosto por diferentes tipos de arte e
desenvolver a criatividade dos alunos, a turma T3, durante algum tempo, colocou mãos à
obra e construiu nas aulas de expressões, com a supervisão do professor, maquetes
representativas de duas cidades europeias, Paris e Londres. Foi enorme o entusiasmo e a
dedicação dos alunos a este projeto que contou com a participação de todos na recolha de
materiais de desperdício, na idealização, construção, aperfeiçoamento, e embelezamento
do projeto.
Os trabalhos foram expostos na entrada principal da escola, de modo a que toda a
comunidade educativa pudesse apreciar o resultado final. Foi extremamente gratificante
ver o entusiasmo dos alunos a mostrarem e a explicarem o trabalho desenvolvido aos
encarregados de educação e colegas que não se cansavam de os elogiar.
Mais uma vez se comprova que o trabalho colaborativo e cooperativo leva a excelentes
resultados e que arte não é mais do que dar asas à imaginação.

19

1º ciclo em revist@

EB do Troviscal

1º ciclo em revist@

EB de Oliveira do Bairro
Dia Europeu do 112
Para comemorar o Dia Europeu do 112 (11 de fevereiro), Número Europeu de Emergência, deslocou-se à EB de
Oliveira do Bairro a equipa de policiamento de proximidade da Escola Segura/GNR, para sensibilizar e informar
a comunidade educativa sobre alguns assuntos importantes acerca do mesmo.
Deste modo ficámos a saber que este número deve ser utilizado em caso de incêndio, acidente, roubo e assalto,
assim como o que devo fazer, o que não devo fazer e o que posso fazer para aumentar a consciencialização na
sua marcação, quando utilizo telefone fixo, móvel ou telefone público, pois este número nunca deve ser
utilizado para falsas ocorrências, como infelizmente ainda vai acontecendo e o impacto negativo que as
chamadas falsas produzem na prestação dos serviços de emergência e socorro aos cidadãos.

Uma palavra de agradecimento à guarda Vera pela brilhante aula que nos deu sobre este tão importante tema, que é
a segurança de pessoas e bens.

Semana da Não violência e da Paz na Escola
Na semana de 25 a 29 de janeiro de 2016, as escolas do Agrupamento de Oliveira do Bairro foram convidadas a
debaterem e analisarem a temática da violência escolar e a educação para a paz nas escolas.
Deste modo, toda a comunidade educativa do Polo Escolar de Oliveira do Bairro falou sobre o que é a violência
escolar, o que se deve fazer para a evitar, quais os caminhos para a paz na escola e fora dela também. Aproveitámos
também a área de Expressão Plástica para elaborarmos marcadores de livros, ilustrar desenhos apelativos à PAZ e
colocar um painel de balões no edifício da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro. Descobrimos que para existir Paz
tem de haver amor, amizade, respeito, harmonia, alegria, carinho, solidariedade, perdão, ajuda, obediência, etc. entre
as pessoas.
Os alunos chegaram à conclusão que "Basta serem amigos e o mundo é mais feliz!" e que A PAZ CABE EM TODOS
NÓS se abrirmos o nosso coração.
Não basta falar só de Paz, passámos também à ação, por isso fomos para o exterior levar a nossa mensagem de Paz,
percorrendo as principais ruas da cidade e dirigimo-nos a alguns locais importantes, tais como os Paços do Concelho,
sede do Agrupamento e Jornal da Bairrada e algumas lojas comerciais.
É com atividades deste género que se vai Afirmando a Consciência destes pequenos, mas já grandes construtores da
Paz no futuro próximo.

20

A Associação de Pais da EB de Oliveira do Bairro (APEJOB) realizou um concurso de Bonecos de Neve, no final do
1.º período, com o objectivo de desafiar a comunidade educativa a mostrar a sua criatividade, através da
utilização de materiais recicláveis. Originalidade e imaginação foram atributos que não faltaram a todos os
participantes, revelados pelos diferentes e bonitos bonecos expostos na biblioteca escolar. Endereçamos os
parabéns aos 3 primeiros classificados (Íris Santos OB2 e Joana Santos J.I. sala 2, Rodrigo Neves OB7 e Ana
Margarida OB5), que receberam os merecidos prémios, assim como aos restantes concorrentes, igualmente
premiados pela sua honrosa participação.

Dia de Reis

1º ciclo em revist@

Concurso de Bonecos de Neve

Foi como muita alegria e emoção, que as crianças do Pólo Escolar de Oliveira do Bairro receberam a visita dos 3
Reis Magos. Acompanhados do seu simpático pónei distribuíram as prendas de Natal a todos os alunos, pois como diz a
lenda só passados 12 dias do nascimento do Menino Jesus é que os Magos, vindos do Oriente, chegaram à gruta de
Belém, para Lhe entregarem os seus presentes: ouro, incenso e mirra. Depois de várias atividades realizadas nas salas de
aula relacionadas com esta tradição do Dia de Reis, ao longo do dia 6 de janeiro, nunca os petizes imaginaram "conhecêlos" pessoalmente. A surpresa foi total! Ainda houve tempo para se cantarem as Janeiras com canções típicas desta
época festiva. Desta forma recreativa se comemorou mais uma atividade do PAA muito do agrado de toda a
comunidade educativa.
Uma palavra de agradecimento à Associação de Pais (APEJOB) pelo seu dinamismo revelado em prol das crianças.

Carnaval
Realizou-se no dia 5 de fevereiro o já tradicional desfile e baile de Carnaval, envolvendo os alunos do pré-escolar e do
1.º Ciclo, acompanhados pelas educadoras, professores e assistentes operacionais. Alegria, fantasia e boa disposição
foram atributos sempre presentes, numa tarde bem passada, comprovada pelos rostos alegres dos mais pequenos e
adultos. Palhaços, piratas, bruxas, enfermeiras, Branca de Neve, Sevilhanas, fadas, princesas, “Minnies”, Darth Vader
(Guerra nas Estrelas), rainhas e super heróis (Zorro, Homem Aranha, Batman, Capitão América), etc. foram as
personagens mais presentes nesta atividade, levando os mais pequenos durante algumas horas a concretizarem as suas
fantasias e sonhos de criança. Uma palavra de agradecimento aos jovens da Missão País, que durante a semana
animaram os recreios trazendo uma mensagem de paz e esperança para toda a comunidade educativa e, participando
também

no

nosso

baile

à

outro foram mais uma vez os
mesmos se solidifiquem e se

21

semelhança do ano anterior. Convívio, amizade e respeito pelo
valores que incutimos nos petizes, na esperança de que os
afirmem nas suas consciências.

1º ciclo em revist@

EB da Palhaça
Dia da Não violência e da Paz na Escola
No dia 30 de Janeiro, comemorou-se o Dia Escolar da Não Violência e da Paz, com o objectivo de chamar a
atenção e sensibilizar pais, encarregados de educação, professores, alunos e restante comunidade para a
necessidade de uma educação permanente para a Paz e a Não Violência, porque, nestes últimos anos, tornou-se
um fenómeno crescente, dentro do espaço escolar.
Neste dia, assinala-se a data da morte de Mahatma Gandhi, que dedicou a sua vida a fomentar o direito do ser
humano à Paz. Procura-se igualmente sensibilizar para valores fundamentais, tais como a tolerância, a
solidariedade e o respeito pelos outros.
É considerado violência todo e qualquer ato intencional que cause dor, mágoa e sofrimento ao outro: pode ser
uma agressão física ou psicológica. Já todos ouvimos falar em bullying que significa “intimidação”.
O nosso Agrupamento de Escolas celebrou o evento de 26 a 30 de janeiro, através da realização de inúmeras
actividades. Na nossa escola todos os alunos participaram nesta iniciativa com trabalhos diversos, como mostra a
imagem.
DIZ SIM À PAZ: SÊ UM AMIGÃO E NÃO UM MAUZÃO!!!

Dia de S. Valentim
Com a proximidade do Dia de S. Valentim, vulgarmente referido por Dia dos Namorados, a componente de
Atividades de Animação e Apoio à Família, aproveitou a data para uma conversa sobre os mais variados tipos de
amor, dando ênfase à importância dos afetos e partilha de momentos em família.
Depois da referida conversa, envolvendo as crianças nos trabalhos, decidiu-se fazer uma árvore a que se deu o
nome “árvore dos amores “ e confecionaram -se uns biscoitos em forma de coração, que todos provaram,
deliciando-se.
Após a prova, embalaram-se os biscoitos em pequenos sacos que coloriram e preencheram a árvore. A mesma foi
ficando despida com a saída das crianças que foram convidados a retirar um saco que levaram para casa para
partilhar com quem desejassem mimar.

22

Já noticiamos nesta revista este projeto. Vimos agora informar que entregamos ao Rotary Club de
Oliveira do Bairro 150 garrafões com tampinhas, o que corresponde a cerca de 120 quilos. Estamos
agradecidos a todos os que connosco colaboraram: família, restaurantes, pastelarias e até pessoas
anónimas que recolheram tampinhas e as fizeram chegar à nossa escola. Queremos continuar a
ajudar esta causa e é com muito sentido de cidadania que daremos continuidade ao projeto.
AJUDAR NÃO DOI NADA E FAZ BEM AO CORAÇÃO!!!

EB de Bustos
Internet Segura
A Escola Básica de Bustos tem vindo a trabalhar com os alunos do 1.º Ciclo a temática da Internet Segura. Nos dias de hoje, as crianças começam
desde muito cedo a utilizar as redes sociais, a consultar sites, a fazer pesquisas, muitas vezes sem qualquer vigilância. Urge sensibilizá-los para os
perigos que podem correr... Navegar sim, mas em segurança!

23

1º ciclo em revist@

“Tampinha Amiga” deu os seus primeiros frutos

acontece no @eob

Intercâmbio Lamballe
No âmbito da geminação entre Oliveira do Bairro e a cidade francesa de Lamballe, 20 alunos e
dois professores da Escola Secundária de Oliveira do Bairro estiveram em França, entre 29 de
março e 3 de abril, em mais uma edição do intercâmbio escolar que tem ligado as duas
comunidades desde 1998.
Os jovens portugueses foram acolhidos por alunos, e suas famílias, do Lycée Henri Avril, que em
novembro de 2015 estiveram em Oliveira do Bairro no mesmo âmbito. Os alunos da Escola
Secundária tiveram a oportunidade de promover um laboratório de holografia para a comunidade
escolar do Lycée Henri Avril e assistir à representação teatral “Enfer-Me-Ment” na sala de
espetáculos de Lamballe “Quai des Rêves”, apresentada pelos alunos franceses. Paralelamente, a

comitiva portuguesa foi brindada com um intenso programa de atividades, que passou, por exemplo,
por visitas a lugares icónicos como o deslumbrante Mont Saint-Michel, a cidade de Saint-Malo ou
Ploumanach, entre outros locais de rara beleza, para além de museus e outros pontos de interesse
histórico e cultural da belíssima cidade de Lamballe e arredores.
Para 2016/17 está já definido que serão os alunos do 3.º Ciclo das Escolas EB23, Dr. Fernando Peixinho
(Oiã) e Dr. Acácio Azevedo (Oliveira do Bairro) a representar o Município neste intercâmbio escolar que
tem marcado gerações de alunos do Concelho de Oliveira do Bairro e de Lamballe.
Recorde-se que desde 1998, que alunos do concelho de Oliveira do Bairro visitam Lamballe e recebem
em suas casas os seus congéneres franceses, num intercâmbio escolar que tem marcado não só a
ligação entre as duas comunidades mas sobretudo todos aqueles que passaram por esta inesquecível
experiência, que muitos não hesitam em repetir. A comunidade de Lamballe pertence à região da
Bretanha e ao departamento de Côtes-d'Armor, uma região particularmente bela, hospitaleira, onde já
se estuda português e se prezam muito os amigos de Oliveira do Bairro.

24

Durante o mês de novembro, os alunos do 5º ano do AEOB participaram no concurso “Literacia 3D”. Este concurso,
promovido pela Porto Editora, tem o propósito de avaliar a literacia da leitura (alunos do 5º ano), da matemática (alunos
do 7º ano) e da ciência (alunos do 8º ano) e decorre em três fases: Escola, Distrito e Nacional.
O aluno vencedor da 1ª fase (Escola) foi o Gabriel Neves, do 5º B, que já participou na 2ª fase (Distrito), realizada no dia 4
de março na Escola Básica do 2º e 3º Ciclos de S. Bernardo, Aveiro. Neste dia, recebeu também o prémio pelo excelente
resultado obtido na 1ª fase.
Parabéns, Gabriel Neves! Esperamos ver-te na Nacional!

acontece no @eob

Concurso Literacia 3D

Projeto TRASE — Meeting de Merseburg
O Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro foi convidado a integrar uma parceria de sete países (Alemanha, Portugal, Bélgica, Áustria,
Luxemburgo, Reino Unido e Lituânia) no programa ERASMUS+, financiado pela União Europeia. O objetivo do projeto é desenvolver, num trabalho
colaborativo, um conjunto de ferramentas (tools) que permitam formar profissionais para trabalharem a área da sexualidade, com adolescentes e jovens
adultos portadores de deficiência mental - “TRASE: Training in Sexual Education for People with Disabilities”. Está ainda prevista a compilação de um
manual e a certificação de um curso de formação. Neste projeto, o agrupamento pretende criar uma rede de colaboração de organizações locais designada “National Focus Groups”. Estas são instituições de referência, como a CERCIAG, a Santa Casa da Misericórdia de Oliveira do Bairro, o Centro de
Formação de Associação de Escolas dos Concelhos de Ílhavo, Vagos e Oliveira do Bairro, a Unidade de Cuidados Saúde Personalizados de Oliveira do
Bairro, a Câmara Municipal e ainda a Universidade de Aveiro. O envolvimento do Agrupamento neste projeto, liderado pela Alemanha é decorrente de
anteriores parcerias. Como em participações anteriores, está prevista a disseminação de boas práticas pedagógicas. O trabalho a desenvolver pretende
dar continuidade a outro já realizado no período entre 2012 e 2015 no projeto SEAD (Sexual Education for Adults with Disabilities).
A primeira reunião realizou-se na instituição coordenadora,
Hochschule Merseburg, Universidade de Ciências Aplicadas, na Alemanha,
onde estiveram presentes as professoras Aldina Saraiva e Mafalda
Carvalho, professora de Educação Especial, em representação do AEOB.
Durante quatro dias os parceiros partilharam ideias, ficaram a conhecer o
perfil de cada instituição e planearam a organização do primeiro trabalho a
ser apresentado na próxima reunião em maio, na Áustria. O terceiro
encontro da parceria realizar-se-á em Portugal em outubro de 2016.

25

acontece no @eob

Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro na Sessão
Nacional do Parlamento dos Jovens — Ensino Básico
O moderno Quartel das Artes de Oliveira do Bairro, no dia 7 de março foi o palco da sessão distrital do Círculo Eleitoral de Aveiro, do Parlamento dos
Jovens – Ensino Básico.
O Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro, representado pelos deputados Valdir Coimbra, Beatriz Oliveira (efetivos) e Elisama Silva (suplente)
expuseram e argumentaram de forma clara, evidente e entusiasta o projeto de recomendação aprovado na sessão escolar de janeiro. Assim as votações,
das escolas participantes, foram visivelmente proveitosas e clarividentes de reconhecimento para o nosso agrupamento, tendo em conta que foi:
- o projeto o que obteve maior número de votos, servindo de base para a redação do projeto distrital a apresentar na sessão nacional;
- o agrupamento, mais votado (31 em 78 possíveis), ficando os nossos deputados apurados para a sessão nacional.
O dia foi exaustivo, mas aliciante, pois teve o sabor da vitória. A ordem de trabalhos era extensa: durante o período da manhã, após uma cerimónia de

abertura, em que estiveram presentes as individualidades da autarquia e ainda a diretora do agrupamento Drª Júlia Gradeço, seguiu-se o período de
perguntas ao deputado da Assembleia República (AR), Dr. Porfírio Silva, eleito pelo Partido Socialista, círculo de Aveiro. Decorridos estes procederes, fez-se a
apresentação e debate dos projetos de recomendação, a votação na generalidade e a votação do tema a propor à AR para debate na próxima edição do
programa. Durante o período da tarde teve lugar o debate e aprovação do projeto de recomendação, a eleição dos deputados para a sessão nacional e
comunicação dos resultados e a eleição do porta-voz.
Foi durante o período, da tarde, que as várias escolas, agrupadas em três “comissões parlamentares” (grupos), fizeram as propostas de eliminação, alteração
de redação e aditamento das medidas para redacção do projeto de recomendação distrital. Foi durante estes trabalhos que os nossos deputados
participaram, intervindo de forma consentânea e dinâmica.
É de louvar todo o trabalho desenvolvido por todos os alunos/deputados participantes, com intenso envolvimento nas diferentes fases da ordem de
trabalhos. Parabéns aos deputados, aos alunos que participaram neste projeto, professores Berta Santos e Carlos Freitas e a todos os envolvidos que o
tornaram possível.

26

Jovens

Parlamento dos

Decorreu no dia 8 de março, no Cineteatro Alba de Albergaria-aVelha, a sessão distrital do Ensino Secundário do Parlamento dos Jovens, do
presente ano letivo, subordinada ao tema “Portugal: assimetrias litoral/
interior. Que soluções?”.
A Escola Secundária de Oliveira do Bairro fez-se representar pelas
alunas Mónica Matos e Delfina Gonçalinho (efetivas) e Beatriz Rodriguez
(suplente) que tiveram uma prestação exemplar. O mesmo já havia acontecido
com o desempenho do aluno Carlos Pires quando, no dia 24 de fevereiro, se
deslocou às instalações do IPDJ de Aveiro para representar a escola na reunião
de eleição do presidente de mesa para esta sessão distrital. Os alunos tiveram
oportunidade de colocar questões à deputada Susana Lamas, apresentar as
suas propostas de recomendação, discuti-las com os colegas das outras
escolas, debater temas na generalidade e na especialidade, ou seja, viver um
dia de participação intensa na vida política.
Os alunos foram acompanhados pelas professoras Gracinda Reis e Maria
Eduarda Araújo e tiveram a agradável surpresa da presença da Directora do
Agrupamento que se deslocou a Albergaria-a-Velha para assistir à sessão e
prestar apoio.

27

acontece no @eob

Sessão Distrital do Parlamento dos
Jovens — Ensino Secundário

acontece no @eob

Todos os dias, ao chegarmos ao

Missão País no AEOB

Quartel das Artes (onde estivemos

A Missão País é um projecto Católico desenvolvido em várias faculdades

alojados

ao

longo

da

semana)

de Portugal e tem como objectivo levar Jesus a localidades mais interiores

sentíamo-nos de coração cheio, com

do país através do testemunho da Fé, do serviço e da caridade.

histórias e testemunhos de vida incríveis, e dizíamos muitas vezes que

Assim, nas férias entre o 1º e 2º semestre, cerca de 2000 estudantes

recebemos muito mais do que damos. No fim desta semana realizámos

partem para uma localidade, para uma semana intensiva de acção social,

actividades para toda a Comunidade, entre elas uma Procissão nas

voltando-se para aqueles que mais precisam, experienciando o

redondezas da Igreja Matriz, um teatro no Quartel das Artes cuja

voluntariado.

representação passou pela adaptação, aos tempos actuais, da passagem

Na primeira semana de Fevereiro deste ano, Oliveira do Bairro acolheu

Bíblica que os acompanhou durante toda a semana (parábola do Filho

pela segunda vez cerca de 60 jovens que se propuseram a ter acções de

Pródigo) e uma tarde desportiva no Complexo Desportivo.

voluntariado junto da Santa Casa da Misericórdia na Unidade de Cuidados

Esta foi uma semana que esperamos que tenha marcado tanto a comunidade

Continuados e no Lar – e do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro,

de Oliveira do Bairro como nos marcou a nós. Todos, sem excepção,

participando, ainda, em algumas Catequeses da Paróquia.

passámos uma semana incrível em que nos voltamos para o que realmente

No Agrupamento de Escolas, durante as aulas disponibilizadas e os intervalos,

importa, no espírito de serviço e ajuda ao próximo, e esperamos ter

demos testemunho enquanto Católicos e enquanto estudantes universitários

transmitido isso mesmo – para que em conjunto e através de palavras e

– sobre alguns temas que nos marcam enquanto jovens, como por exemplo a

gestos, consigamos transformar o próximo.

motivação na escola, valores e prioridades na vida, vícios e dependências e,

Por fim, gostaríamos de agradecer à Santa Casa da Misericórdia, à Câmara

principalmente, qual o sentido da vida e o papel que Deus tem nela.

Municipal, à Paróquia, ao Quartel das Artes e ao Agrupamento das Escolas,

Estivemos, ainda, presentes na Escola Primária, onde para além de ajudarmos

em particular ao Professor Joaquim Almeida, a forma como nos receberam e

as educadoras, fizemos alguns jogos junto das crianças, que também

ajudaram a que esta semana se tornasse possível e também a toda a

tentámos que fossem educativos e que passassem alguns valores

comunidade de Oliveira do Bairro, por ter tornado esta semana possível e tão

considerados importantes.

marcante para todos nós.

28

A Equipa da Missão País 2016

Quando se iniciou a I Guerra Mundial, em julho de 1914, os governos republicanos, recém-chegados ao poder, entenderam que Portugal devia
participar no conflito, ao lado da nossa aliada Inglaterra e da França. Entrando na guerra ao lado dos Aliados, Portugal participaria mais tarde nas
negociações do final da guerra e na discussão que haveria então sobre o destino das colónias africanas.
Em setembro de 1914 foram enviadas as primeiras tropas portuguesas para África, nomeadamente para a fronteira Sul de Angola e para a fronteira
Norte de Moçambique, zonas que estavam a ser atacadas por forças alemãs.

acontece no @eob

100 anos da entrada de Portugal na
1ª Guerra Mundial — 1916-2016

Mas só a 9 de março de 1916, decorridos dois anos do início da Primeira Guerra Mundial, a Alemanha declara oficialmente guerra a Portugal como
retaliação do aprisionamento dos navios alemães ancorados nos portos nacionais. Os primeiros soldados portugueses do Corpo Expedicionário
Português partem para a frente ocidental, em França e na Flandres, nos inícios de 1917, aí combatendo até ao final da guerra.
O balanço foi trágico para Portugal: mais de 10 mil mortos e milhares de feridos, além de custos económicos e sociais.
Para assinalar os 100 anos da entrada de Portugal na Primeira Guerra Mundial, entre 4 e 11 de março esteve patente no átrio da Escola Secundária uma
exposição temática alusiva ao tema.
A exposição incidiu, em particular, nas duras condições de vida dos soldados portugueses nas trincheiras da Flandres, podendo ser lidas algumas “cartas”
recriadas por alunos das turmas do 9.º ano, sob a orientação do professor de História, António Travassos.
A exposição integrava, ainda, uma encenação alusiva à guerra. Partindo do poema de Fernando Pessoa “O Menino da Sua Mãe”, os observadores eram
desafiados a descodificar o simbolismo de alguns objetos e a relação destes com as palavras do poeta. Assim, num percurso pontuado por envelopes
vazios, marcava presença uma mala de viagem, uma chave, um lenço branco, um batente de porta, um novelo de fio vermelho e uma papoila. Elementos
que simbolizavam os que partiam e que tombavam na frente de combate, a distância e a ligação à família, o desejo de regresso a casa e as memórias da
guerra.

29

Decorreu na Escola Secundária de Oliveira do Bairro, entre o dia 6 de
janeiro e 16 de março, o Curso Avançado de Evolução Humana
organizado pelo Instituto de Educação e Cidadania. Neste curso, que
contou com a presença de vários docentes e investigadores da
Universidade de Coimbra, participaram 9 alunos e duas professoras do
ensino secundário. O Curso teve 10 sessões, durante as quais os alunos
tiveram a oportunidade de aprender diversos conceitos sobre Evolução,
de uma forma abrangente, e sobre Evolução Humana, de modo mais
particular. Os alunos interiorizaram noções relacionadas com a história

do pensamento científico no contexto da origem e evolução das espécies,
com a evolução por seleção natural, com a Primatologia, a Antropologia
Biológica, a Paleoantropologia e a Arqueologia Pré-Histórica. Assim, os alunos
ficaram a conhecer os principais motores de Evolução Humana e o processo
evolutivo humano, bem como as características das primeiras sociedades
complexas. Na última sessão, os alunos tiveram a oportunidade de assistir ao
filme Seleção Natural, no Exploratório – Centro Ciência Viva de Coimbra – e
também de visitar o edifício onde funcionam os cursos relacionados com a
área da Antropologia, no Departamento de Ciências da Vida da Faculdade de
Ciências de Tecnologia da Universidade de Coimbra.

30

Cursos Avançados

acontece no @eob

Métodos e Técnicas
Laboratoriais

Evolução Humana

Decorreu na Escola Secundária de Oliveira do Bairro, entre o dia 6
de janeiro e 16 de março, a segunda edição do Curso Avançado de
Técnicas e Métodos Laboratoriais organizada pelo Instituto de
Educação e Cidadania. Participaram no curso 12 alunos do 9º ano
do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro. O Curso foi
constituído por 10 sessões. Durante a execução de diversas
experiências amplamente utilizadas em laboratórios científicos, os
alunos tiveram a oportunidade de aprender a manusear materiais
de laboratório, bem como a perceber o funcionamento de vários
equipamentos (espetrofotómetro, centrífuga, elétrodo de pH, entre
outros). Os alunos aprenderam também a fazer cálculos, registar
observações, construir gráficos e tabelas, e a apresentar os
resultados em forma de relatório. Entre as várias experiências que
realizaram destacam-se: titulação ácido-base, preparação de
soluções e diluições, técnicas de coloração celular, quantificação da
proteína de vários tipos de leites, entre muitas outras.

“GengiVeja” é o nome do projeto da Escola Secundária de Oliveira
do Bairro que passou para a fase de desenvolvimento no concurso
“Ciência na Escola” da Fundação Ilídio Pinho. Visa estudar o poder
bactericida do óleo de gengibre e, desta forma, reduzir o consumo
de antibióticos pela população, afinal temos um grande problema
em

mãos: “Uma

equipa

de

Investigadores

de

Coimbra

acontece no @eob

Gengiveja

descobriu que em Portugal estão a surgir bactérias que além de
multiresistentes aos antibióticos são também agressivas.”
O projeto abrange cultivo, extração e teste bactericida do óleo do
gengibre para além da produção de bebidas e bolos.
Animados pelo Prémio Nobel da Medicina 2015 atribuído a Youyou Tu,
que é uma mensagem para olhar o que está à nossa volta, o uso de plantas medicinais, foi distribuído aos nossos alunos um inquérito, para ser preenchido
pelos encarregados de educação, de modo a sabermos que produtos naturais a comunidade escolar utiliza, para quê e como prepara, se ainda não o
entregou pode fazê-lo no início do 3º período. A comunidade também está convidada a assistir a uma palestra sobre o tema das bactérias multirresistentes
no dia 19 de abril, na Noite da Ciência da ESOB, ao fim da tarde.
Para que o desenvolvimento do projeto possa trazer mais-valia à nossa comunidade precisamos de todos, pelo que agradecemos, desde já, a sua
colaboração.

Olimpíadas … de Química
Três alunas do décimo ano: Marta Diogo, Mónica Matos e Tânia Pires,
estiveram presentes nas Olimpíadas de Química Mais que se realizou na
Universidade de Aveiro no dia 5 de março. Com o nome de equipa
Quark’s Up prestaram as provas teóricas e após o almoço puderam
assistir ao “Química em Espetáculo”, no final houve a entrega de
prémios e lanche. O incentivo e a motivação da ida destas alunas de
décimo ano é o treino para que no próximo ano possam participar de
forma mais assertiva e com maiores possibilidades de trazerem
prémios.

31

acontece no @eob

Projeto “Make it Possible”
O “Make it possible” é um projeto que é da autoria da Associação Internacional de
Estudantes de Ciências Económicas e Comerciais (AIESEC) que tem como objetivo
sensibilizar os jovens e a sociedade portugueses para os problemas globais atuais e para a
importância dos 17 Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) pois,

parte do

pressuposto de que mais de metade da população portuguesa desconhece os problemas
globais e que, por conseguinte, adota uma posição passiva acerca dos mesmos.
O “Make It Possible” teve origem na preocupação da AIESEC com o desenvolvimento das
capacidades de liderança dos jovens, tendo ambição de os querer tornar agentes de

mudança da nossa sociedade através da criação de projetos de empreendedorismo social.
Este projeto combina a compreensão e o diálogo intercultural através da realização de estágios internacionais, e também a
necessidade de a AIESEC se aproximar dos estudantes do ensino secundário pelo facto de se tratar de uma organização
internacional de jovens universitários.
Este projeto chegou à Escola Secundária de Oliveira do Bairro através de duas estudantes da Universidade de Aveiro que
explicaram no que consistia e propuseram a participação das turmas A e B do 11º ano. Este projeto promove a compreensão e o
diálogo intercultural, assim estes alunos tiveram a colaboração de uma voluntária tunisina, Sahar Mounir, que ajudou na sua
preparação. Em conjunto, desenvolveram o projecto “Let them know” que visa sensibilizar para a importância da reciclagem através das acções “Smoke the
fire”, pelo 11º B e “Paper14Education”, pelo 11º A.
Estar num estágio de voluntariado sempre foi um sonho de infância e agora estou a
concretizá-lo aqui, em Aveiro, Portugal.
O meu nome é Sahar Mounir, sou uma estudante da Tunísia e estou em Portugal num
estágio da AIESEC, uma organização internacional gerida por estudantes em mais de 130
países de todo o Mundo, a trabalhar num projecto chamado Make !t Possible!
A Escola Secundaria de Oliveira do Bairro é uma das escolas envolvidas neste projecto, e
é a escola onde eu estou a trabalhar com estudantes muito inteligentes, energéticos e
trabalhadores, que acreditam bastante neste projecto e esperam conseguir mover as
pessoas no dia 5 de Março em Aveiro, onde irão apresentar os projectos desenvolvidos
nas escolas à sociedade e irão também contribuir e estar envolvidos em ajudar pessoas e
ajudá-las a tornar os seus sonhos possíveis.

32

Sahar Mounir

Com o intuito de promover hábitos de alimentação saudável, realizou-se no dia 18 de março uma “Mostra de Sopas” nas escolas do
2º/3º ciclos e ensino secundário do AEOB. Esta atividade, promovida pelo Programa de Educação para a Saúde (PES) do AEOB,
contou com cerca de 50 variadas sopas confecionadas pelos encarregados de educação de cada uma das turmas e pelos alunos do
curso profissional de Cozinha e Pastelaria e teve como objetivos consciencializar a Comunidade Educativa para a adoção de estilos de
vida saudáveis, incentivar o consumo de sopa e promover a “Sopa” - prato integrante de um menu saudável e equilibrado.
Foi um momento de convívio e degustação onde a sopa foi e elemento principal e promotor de uma alimentação saudável.

33

acontece no @eob

Mostra de Sopas do AEOB

bibliotec@ndo

O escritor sou eu ...
Durante os meses de janeiro e fevereiro, o escritor João
Manuel Ribeiro apresentou várias obras da sua autoria aos alunos de
oito escolas do 1º ciclo do AEOB. Foram sessões de leitura,
declamação e canto muito animadas. As crianças responderam ao
desafio de uma forma efusiva e contagiante.
Os

docentes, visivelmente agradados, expuseram os

trabalhos que os alunos realizaram nas aulas de preparação para as
sessões e manifestaram interesse na continuidade deste tipo de
atividades.

Oficina de Escrita Criativa
No âmbito do projecto Leituras & conversas ao pôr do sol,
decorreu, na ESOB, no dia 3 de fevereiro, a oficina de escrita criativa
“Pouco ou nada é impossível “, dinamizada pelo escritor João Manuel
Ribeiro, com os objetivos de promover o gosto pela poesia e motivar o
público–alvo ( alunos do 11º ano e da Universidade Sénior de Oliveira do
Bairro e utentes da Santa Casa da Misericórdia) a participar no concurso
“Poesia a duas vozes”.
Com uma grande envolvência do público, o escritor deu pistas
para escrever e fazer escrever poesia. De uma forma lúdica e
humorística, conseguiu transmitir a mensagem de que o processo de
criação poética passa por duas grandes fases: a fase da libertação das
emoções, mais selvagem e prazerosa, e a fase do aperfeiçoamento, que
envolve trabalho e persistência. No entanto, sublinhou que todo o ser
humano tem um jeito poético latente que precisa apenas de ser
descoberto.

34

Na continuidade da dinamização das leituras entre jovens e seniores, um
dos objectivos do projecto “Leituras & Conversas ao Pôr do Sol”, durante o segundo
período, as alunas do 11º ano (Carolina Marques, Joana Teixeira, Inês Ferreira e
Catarina Amorim) realizaram sessões de leitura e partilha de vivências com os
alunos da Universidade Sénior.
Estas sessões não tiveram o número de participantes desejável, uma vez
que os alunos estiveram envolvidos em várias atividades.

Ideia Nobel
Durante a comemoração da “Semana da Não Violência na Escola e da
Educação para a Paz”, a biblioteca promoveu o concurso “Ideia Nobel”. Os alunos
tinham de descobrir o nome, o país e a função desempenhada pelos laureados com
o prémio Nobel, apresentados numa ficha, e referir a fonte de pesquisa da
informação. Este concurso decorreu nas bibliotecas das escolas do 2º e 3º ciclos e
secundário.
No final, foram sorteados três vencedores (Manuela Andrade, da ESOB;
Luísa Vieira, da Escola Básica integrada de Oiã; e Francisco Viegas, da Escola Básica
Dr. Acácio de Azevedo) e laureados com o livro “A admirável aventura de Malala”.
Parabéns e continuem a vossa luta pela Paz e Não Violência.

Concurso de leitura em voz alta
Decorreu, no dia 24 de fevereiro, a 1ª eliminatória do concurso de leitura “Ouvir ler…Que prazer!”.
Do agrupamento foram apurados para a fase final os seguintes alunos:

35

1º ciclo: Martim Barros ; 3º ciclo: Valdir Coimbra, Noélia Pinheiro e Daniel Mariano; ES: Delfina Gonçalinho e Joana Teixeira
Na final, que se realizará a 22 de abril, o vencedor de cada ciclo participará no
concurso Intermunicipal.

bibliotec@ndo

Leituras partilhadas

bibliotec@ndo

Semana da leitura e da poesia
De 14 a 18 de março, promovida pela Rede de Bibliotecas de Oliveira do Bairro, decorreu a
“Semana da leitura e da Poesia – Ao sabor da poesia”.
No AEOB, esta actividade foi comemorada com a actividade Relaxando Poeticando - leitura
de poemas nas aulas, com um fundo musical -, o lançamento do concurso de poesia Elos de
Nós, destinado a toda a comunidade educativa, o convite à participação dos alunos no
passatempo de leitura digital Ler é cool, promovido pela Porto Editora e a Coolbooks, em
parceria com a RBE e a Escola Virtual e uma feira do livro em quatro bibliotecas do AEOB,

destinada à promoção e venda de livros de apoio à leitura e ao estudo.

Conversas ao Pôr do Sol
Na ESOB, no dia 26 de fevereiro, realizou-se a actividade “Conversas ao pôr do sol”, sob o
tema “Demência: Aspetos clínicos e estratégias de intervenção”, orientada pela docente da
Universidade de Aveiro, Sara Guerra.
A convidada referiu que o aumento da população idosa tem sido acompanhado por um
aumento de doenças demenciais. Em Portugal, existem mais de 180 mil pessoas com demência, das
quais 70% revelam doença de Alzheimer. Realçou os esforços desenvolvidos (esclarecer e debater
questões

associadas

aos

aspectos clínicos da demência causa,

sinais/sintomas,

evolução e tratamento- e dar a
conhecer estratégias úteis e
eficazes de intervenção), apesar de ainda não serem suficientes, para dar
respostas adequadas a estes doentes e às suas famílias.
Foi uma palestra muito dinâmica, de grande interacção com o público. Resta
agradecer a simpatia e disponibilidade da dinamizadora, Sara Guerra.

36

Decorreu no mês de fevereiro, nas escolas EBO, EBOB e ESOB a “Feirinha dos Afetos” dinamizada pelo
departamento de educação especial, com a participação dos alunos com Necessidades Educativas Especiais.
No dia cinco, os alunos de Currículo Específico Individual da ESOB proporcionaram à comunidade educativa a venda
de porta-chaves e almofadas em forma de coração. Esta foi uma forma simbólica de lembrar a todos o valor dos
afetos e, simultaneamente, dar a conhecer os trabalhos realizados com bastante esforço e dedicação por este grupo
de alunos. Na EBO (Unidade de Multideficiência), nos dias onze e doze, em harmonioso convívio, trocaram-se
lembranças, elogiaram-se artigos com valor artístico, promoveram-se competências de Matemática Funcional,
proporcionou-se a socialização entre alunos com necessidades educativas especiais e outros. Assim, multiplicaramse elos de afetividade, baseados na tolerância. Alicerçada nos afetos, esta feirinha sensibilizou a comunidade
educativa para a diferença, valorizando o respeito pelas características peculiares de cada um.
Afinal, a melhor aquisição será sempre a esperança de uma nova mentalidade, liberta de preconceitos.
Na EBOB, a manhã do dia doze foi muito especial, partilharam-se momentos de amizade, abraços e sorrisos,
registou-se plena interação e convívio entre os elementos da comunidade educativa. Mais uma vez os alunos
colaboraram com empenho e motivação na organização e dinamização da atividade.
Um grande bem haja a todos os que nos ajudaram a promover esta iniciativa.
Felizes os que possuem amigos… felizes os que nos sorriem sem nada esperar …felizes os que dão abraços sentidos…
felizes os que são tolerantes…felizes os que dão carinho…felizes os que nos dão amor. Viva os afetos!

À descoberta da Biblioteca Municipal...
Iniciou-se em fevereiro, na Biblioteca Municipal de Oliveira do Bairro, o projeto BIBLIOTECAR destinado a alunos
com Currículo Específico Individual, da Escola Básica Dr. Acácio de Azevedo. Os alunos participaram em duas
sessões “A biblioteca vou conquistar” e “ Um filme vou visualizar”. Na 1ª sessão os participantes foram convidados
a visitar a biblioteca de uma forma lúdica, através da realização de um jogo que lhes permitiu ficar a conhecer o
espaço e o funcionamento da mesma. Na segunda sessão, assistiram ao filme de animação “ Divertida Mente”, um
filme da Disney Pixar que nos leva a conhecer um lugar divertido e extraordinário: a mente humana. Os alunos

37

participaram com interesse e empenho nas atividades propostas. Tem sido uma experiência enriquecedora e
promotora de momentos de convívio.

educação especi@l

Feirinha dos afetos

trabalhos de @lunos

Livro de Autor
Em trabalho interdisciplinar (Português, Educação Visual e Educação Tecnológica), as turmas do 6º A e 6º D concluíram os Livros de Autor, A Receita
da Vida e Um Olhar Por Portugal. Os alunos destas turmas concorrem, com estas obras, ao Concurso Pequeno Grande C, promovido pela Fundação
Calouste Gulbenkian.
A produção escrita e a composição dos elementos na parte visual e tecnológica constituíram um grande desafio tanto para os alunos como para as
professoras envolvidos. Motivação, ideias e entusiamo não faltaram aos nossos pequenos escritores para a elaboração do texto narrativo, cuja
personagem principal percorre cinco continentes, em busca de algo precioso para a cura de doenças que causam sofrimento e do poema narrativo, cuja
personagem principal visita e descobre costumes, tradições e paisagens fabulosas nas diferentes regiões de Portugal.
Para todos os intervenientes (alunos, professoras Ana Barqueiro, Edite Fernandes e Rita Lindo), ficou a satisfação do trabalho concluído com rigor e
profissionalismo.

A receita da vida — 6º A
Um cientista português, que trabalhava dia e noite num famoso

- Para chegares ao rochedo do Sol precisas de muita coragem para o

laboratório de uma Fundação dedicada ao estudo e investigação, descobriu

escalar, porque essa planta, a Vinagreira, encontra-se bem agarrada ao seu

a cura para todas as doenças, no entanto, os ingredientes para a elaboração

cume e, além disso, terás de passar por vários desafios. Responde-me ao

da receita final encontravam-se espalhados por cinco continentes e, só

seguinte enigma: uma bruxa vai beber a um pântano e encontra três ogres

juntando-os, se encontraria a cura.

com três morcegos em cada ombro e, cada morcego tem dois ratos. Quantas

Passados meses, esse cientista morreu sem ter iniciado a sua busca,

criaturas estão no pântano?

mas deixou um diário onde descrevia os procedimentos a fazer para os

Gil, confuso, começa a fazer contas de cabeça para resolver tão

encontrar. E aí começou a aventura do seu sobrinho mais aventureiro, Gil,

estranho enigma. Pensa, pensa, pensa, faz riscos no chão poeirento e, …de

seu herdeiro.

repente, grita:

De imediato, partiu para o continente americano e, numa aldeia
embrenhada na floresta da Amazónia, depois de percorrer caminhos
sinuosos a pé, de canoa, foi recebido pelo chefe índio da tribo Guarani que,
desconfiado, o interpelou de forma ríspida:

- 58! Estou certo? Estou certo?
- És um jovem inteligente! Tens o caminho livre, mas tem cuidado,
porque se te acontecer alguma coisa não te poderei ajudar!
Lá continuou o seu caminho… Quando chegou ao cume, olhou para a

- O que queres do meu povo?

beleza da planta Vinagreira e, ao pegar-lhe abriu-se um alçapão por onde

- Calma, venho em paz! – respondeu timidamente. – Sei que a vossa

caiu desamparado, deslizando abruptamente até um portal que lhe

tribo é guardiã de uma planta muito útil a toda a Humanidade,
que se encontra no rochedo do Sol. Ela é necessária para acabar
com o sofrimento que causa a muitas pessoas. – concluiu Gil.

permitiu chegar ao Cairo, capital do Egito, um dos países do enorme e

38

misterioso continente Africano.

lhe:
- Sabe onde posso encontrar sílica?
- Meu caro rapaz, encontra-la no sarcófago do Faraó. Mas, tem cuidado!
Anúbis, deus da morte, vai propor-te um desafio e, se não o conseguires,
morrerás.
Gil apressou-se e, de repente, encontra a figura triste e cinzenta de
Anúbis.
- Só passarás se me conseguires fazer rir até chorar! – exclamou com
uma voz rouca e tenebrosa.
Gil decidiu que, como era tão mau dançarino, talvez a sua tentativa para

leite fá-lo-ia acordar numa tribo aborígene da Nova Zelândia.
- Onde estou? Onde estou? – interrogou-se, ao acordar.
Sharmila já não estava ao seu lado, mas uma bela jovem aborígene
com um colorido papagaio empoleirado no seu ombro.
- Estás na Nova Zelândia. – disse a jovem, Thaynara, de seu nome,
que significa “Estrela”.
- Estás na Nova Zelândia! Estás na Nova Zelândia! – repetia o
papagaio insistentemente, com uma voz esganiçada.

trabalhos de @lunos

Quando lá chegou encontrou Khonsu, o deus da saúde, e perguntou-

- O que vieste fazer? – perguntou a bela rapariga.
- Eu sei, eu sei, eu sei,… - interrompeu o papagaio – Ele quer os meus
poemas! Ele quer os meus poemas! – acrescentou.

o fazer rir, fosse a dança. Ensaiou uns passos de “breakdance”,

- Como sabes? – questionou Gil, boquiaberto.

entusiasmou-se com o ritmo e, ao ver, que o olhar de Anúbis começava a

- Tu precisas de ler os meus poemas para saberes a ordem dos

brilhar e a sua boca a esboçar um ligeiro sorriso, cada vez mais se mexia
num ritmo tão louco até se estatelar no chão, altura em que Anúbis já
apertava a barriga de tanto rir e as lágrimas lhe assomavam aos olhos.
“Uff! Consegui passar mais um desafio!”, pensou para si, enquanto já
recolhia um pouco da sílica do sarcófago, que lhe deu passagem para a

ingredientes para a preparação da receita, não é verdade?
- Sim, sim, é isso mesmo que está escrito no diário do meu tio, como
sabes? – espantou-se, abrindo muito os olhos.
- Sou um papagaio fenomenal e, como tal, tens de fazer uma ação especial
para os conseguires! – exclamou o papagaio.

Índia, país rico em especiarias milagrosas e, uma delas, a curcuma,

- Diz-me então o que devo fazer. – aceitou Gil, humildemente.

bastante necessária para a receita.

- Tens de pedir “Por favor” a Thaynara que me liberte do seu ombro para

Esta planta encontra-se numa estufa bem guardada pela vaca Sharmila,
deusa da proteção e da alegria, que lhe propôs o desafio de a ordenhar e
de beber o seu leite. Apesar de não gostar de leite e de ter de fazer uma
tarefa totalmente desconhecida, Gil, com bastante dificuldade, a realizou.

ir ao santuário das árvores protegidas e maiores do mundo. Gravei os
poemas na casca do tronco da árvore Kauri.
Gil fez o que o papagaio lhe pediu. Thaynara deu ordem de partida e, em
pouco tempo, Gil tinha os poemas na sua mão. Estava completo o puzzle.

Logo que acabou de beber o leite de uma só golada, a porta da estufa

Regressou num voo rápido de uma companhia lowcost e cumpriu a missão

abriu-se e colheu a planta. Cansado e sonolento, saiu da estufa e deitou-

de colocar no laboratório tudo para a elaboração final da receita, o sonho do

se junto a Sharmila, que sorria por dentro, pois sabia que Gil, quando

seu tão estimado tio, que desejava erradicar o sofrimento causado por

acordasse não estaria mais ali perto dela. O seu poderoso e mágico

39

doenças que teimam em atacar a Humanidade.

trabalhos de @lunos

Um olhar por Portugal — 6º D
Lá vai o Chico viajar
Para um país especial!
Vem do Brasil e quer dar
A volta a todo o Portugal.
Em Trás-os-Montes encontrou
Monumentos de pasmar!
Numa tasca do Minho,
Entrou para descansar
E, o verde “Alvarinho” saborear.

Beira Alta é o seu nome
Sua gastronomia chama a atenção

Na Serra da Estrela neva!

De camioneta, de comboio,

Colchas de Castelo Branco

Por vezes, também a pé.

Trabalho artesanal

Num amor tão profundo
Para sempre eternizado
Em coração de filigrana.

Pássaros e árvores
Bordados a seda natural.

Dão vida aos nossos vinhos
E, Chico, bebe mais uns copinhos…

Bem como os “Ovos-moles”

Évora, princesa, como é conhecida

Doce, doce, tão tradicional!

Abre as portas monumentais

Desce mais um bocadinho e…
O Mondego pergunta-lhe com graça:

Diana, deusa da caça,

- Já viste a Universidade

Imortalizada pelos Romanos

Desta linda Coimbra, a minha cidade?

Tem o seu templo nesta cidade,

- Estás muito bem acompanhado!

Património da Humanidade.

Os estudantes dão-te lições

Já do Alentejo saiu

E, tu, Mondego,

Ao Algarve então chegou.

Nas melodias do seu fado.

Deslumbra-se com a Sé
E nela entra para rezar.
Agradece o conforto e a simpatia

No meio da ria de
Aveiro
Pensa que está em

Portas do Sol em Santarém

Terraços e chaminés

Com as lezírias do rio Tejo

Também observou.

Chico admira-as bem
Ao passar o Ribatejo.

40

Esta viagem demorou
Com brincadeiras e diversão

Chico parte à descoberta

Dentro do moliceiro,

Nas águas cristalinas
O Chico mergulhou

Mas, no caminho, Viseu vai encontrar

Os socalcos do Douro

Cheios de cor e alegria

E Chico ao Alentejo rumou.

Escutas as lamentações
Para Aveiro, Chico quer ir,

Que em Portugal está a encontrar.
Sempre verdes e alinhadinhos,

Muito tempo já passou

Ao Chico e a outros turistas mais.

Beira Baixa, cidades com tradição:

Alegram o coração.

Quem nela faz sua paragem.

Registou-os no seu Iphone especial,

snowboard também,

Viaja… viaja… viaja…

A abraçar o mar…

Montinhos brancos de cristal

O ski experimentou,

Covilhã e Fundão

Abre os braços e abençoa

Com tanta viagem feita
Sol, sal e salinas

Escorregou, rebolou,

Chico não perde um minuto

O Cristo Rei, lá na outra margem,

Uma fita pendurar.

Chico ficou espantado!

E muito se divertiu.

De Santa Luzia avista o rio

Ouve-se o fado e o pregão.

E, na ponte do amor,

Ou o elevador utilizar

Ponte de Lima, Caminha e Viana.

Engano seu, com certeza!

No sino vai tocar

Vai pedir um pudim de pão.

Bonecos, construiu…

Fazem parte do percurso:

No meio da agitação

Em cada uma das pontes

O Chico, como é guloso,

Em Braga, degraus terá de subir

Se ao Bom Jesus quiser chegar.

Veneza!

De Lisboa, a capital,

Nem se apercebeu que passou
Outono, inverno, primavera e verão.

Por vielas, ruelas
E avenidas colossais

Regressou ao Brasil, sua terra natal,
Feliz, concluiu a volta a Portugal.

No dia 18 de março cem alunos do nono ano das escolas do agrupamento viajaram até Lisboa, na
companhia de nove professores e uma assistente operacional, para visitar alguns dos mais importantes
espaços museológicos/culturais da nossa capital. A atividade realizou-se no âmbito das disciplinas de FísicoQuímica, Português, História e Educação Visual e teve como principal objectivo descentralizar as
aprendizagens do núcleo da sala de aula.

for@ de portas

Lisboa — 9º ano

A jornada teve início no Museu da Eletricidade, onde os alunos puderam conhecer a história da
produção e distribuição da eletricidade em Portugal e foram sensibilizados para questões ligadas à utilização
segura e sustentável da eletricidade.

O ponto de visita seguinte deixou todos deslumbrados perante a

sumptuosidade e, em simultâneo, perante a delicadeza do magnífico Mosteiro do Jerónimos - local de partida das
naus portuguesas para a viagem marítima à India. Literalmente abrigados nos claustros do mosteiro, conhecido
como a jóia do estilo Manuelino em Portugal, os alunos consolidaram os seus conhecimentos, no âmbito das
disciplinas de História e Educação Visual, observando a combinação dos diferentes elementos arquitetónicos
representativos dos períodos Gótico e Renascentista. Foi também a oportunidade de relembrar autores cujas obras
são estudadas nas aulas de Português, junto ao belíssimo túmulo de Luís Vaz de Camões e de Fernando Pessoa.
Após o almoço, seguiu-se um momento verdadeiramente delicioso: a visita à fábrica dos Pastéis de Belém!
Qualquer descrição do que os visitantes experimentaram, naquele local, ficará sempre aquém da realidade,
enquanto esta revista não tiver uma edição olfativa…
No Museu Coleção Berardo, situado no Centro Cultural de Belém, o grupo de visitantes teve oportunidade de
observar e perceber o sentido de algumas obras de arte representativas dos movimentos artísticos mais
significativos do século XX.
Já no final da tarde o grupo rumou ao coração da baixa pombalina fazendo um agradável percurso pedestre
desde a Praça D. Pedro IV- Rossio, até ao Terreiro do Paço. Houve tempo para avistar o Castelo de S. Jorge, apreciar
a fachada do Teatro D.ª Maria II, descobrir o Museu do Design, contemplar o Elevador de Santa Justa e fazer a foto
de grupo na Praça do Comércio. Este passeio pela Rua Augusta ficará certamente na memória de todos os que se
deixaram contagiar pela animação de rua tão característica da zona.
A visita a Lisboa foi uma oportunidade única de conhecimento, de interdisciplinaridade e de convívio para
todos os envolvidos – mais uma excelente iniciativa do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro!

41

for@ de portas

Montemor-o-Velho — 5º ano
No dia 15 de março, os alunos do 5º ano de escolaridade deslocaram-se numa Visita de Estudo a Montemoro-Velho para visitarem o Zoo Paradise e o Castelo, no âmbito das disciplinas de Ciências Naturais e História e
Geografia de Portugal.
Durante a visita os alunos tiveram oportunidade de observar diversas espécies animais e vegetais nos seus
habitats, assim como, a igreja e as muralhas do castelo, observando a arquitectura da altura. Conviveram e
partilharam os respetivos lanches, entre eles e entre os professores.
Pretendeu-se desta forma proporcionar aos alunos o conhecimento de uma grande diversidade de fauna e
flora; sensibilizar para a necessidade de proteger todas as espécies e contribuir assim, para a formação de uma
consciência cada vez mais ecológica; promover o contacto com elementos caracterizadores da arte e sensibilizar
para a conservação do património natural e arquitectónico nacional e desenvolver a sociabilização.
A atividade decorreu conforme o previsto no Plano Anual de Atividades, tendo os alunos revelado atitudes de
respeito e muito interesse pelo observado.

Coimbra — 10º C
No dia 11 de fevereiro, os alunos da turma C do 10.º ano participaram numa visita de estudo a Coimbra, no
âmbito das disciplinas de História A, Geografia A e Economia A.
A manhã foi dedicada à visita ao Museu Machado de Castro e ao Criptopórtico e, após o almoço, iniciamos a
segunda parte da nossa visita de estudo: Instituto Pedro Nunes e IEFP (Instituto de Emprego e Formação
Profissional). Poderemos dizer que foi uma visita bastante interessante, pois foram visitados locais de referência
e retirados ensinamentos, sempre úteis, para quem pretende uma aprendizagem para além dos muros da
Escola.

42

19 de fevereiro
Realizou-se o Mega Sprinter na Pista do Estádio Municipal de Vagos.

Realizou-se, em Vagos, o Corta mato distrital, onde o Agrupamento de

O Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro esteve

Escolas de Oliveira do Bairro obtive boas classificações, quer

representado com alunos das 3 escolas que compõem o

coletivamente quer individualmente. De destacar, mercê da sua

Agrupamento, com um total de 66 alunos. As Escolas Dr. Fernando

excelente prestação neste corta-mato, o apuramento das alunas Luísa

Peixinho e Secundária participaram nas 3 especialidades: Salto; Km e

Pereira e Marta Diogo para o Corta mato Nacional.

velocidade, enquanto que a Escola Dr. Acácio Azevedo participou nas

26 e 27 de fevereiro
Realizou-se em Vila Nova de Famalicão o Corta-Mato Nacional e o
Agrupamento de Escolas de Oliveira do Bairro fez-se representar com
as alunas Luísa Pereira e Marta Diogo que obtiveram boa prestação.

12 de abril

Disputou-se a final de Futsal no escalão Juvenil feminino, na Escola
Secundária José Macedo Fragateiro – Ovar, com a presença das melhores 4

2 últimas. Os resultados foram bons, uma vez que vários alunos
disputaram as finais com obtenção de 2 medalhas.

8 de abril
No pavilhão da Escola Acácio de Azevedo, realizou-se a final de Boccia, com
a presença de 10 equipas representativas das Escolas Profissional de Aveiro;
Torreira; Gafanha da Encarnação; S. João de Loure; João Rocha Pai; Pe
Donaciano Abreu Freire; José Fª Pinto Basto; Albergaria a Velha e as 2
equipas representativas do nosso Agrupamento.

Equipa de Futsal feminino do Agrupamento de
Escolas de Oliveira do Bairro

equipas: Secundária José Macedo Fragateiro; Secundária de Estarreja;
Secundária José Estevão e a equipa do Agrupamento de Escolas de Oliveira
do Bairro. No 1º jogo defrontaram a Secundária de Estarreja. De salientar
que na 1ª fase a equipa do Agrupamento contou por vitória todos os jogos
disputados.

As atividades do Desporto Escolar decorreram ao longo do 2º Período
conforme planificado. As modalidades com Regionais e Nacionais
terminaram a fase, preparando-se agora para disputar as finais
distritais.

desporto em revist@

desporto

21 de janeiro

43

OFERTA FORMATIVA 2016/2017

Ciências Socioeconómicas

ENSINO

Ciências e Tecnologias

SECUNDÁRIO

Línguas e Humanidades

REGULAR

Artes Visuais

Técnico de Comunicação, Marketing,
Relações Públicas e Publicidade

Técnico de Restauração variante
Cozinha e Pastelaria

ENSINO
SECUNDÁRIO
PROFISSIONAL

Técnico de Desenho de Construções Mecânicas

Técnico de Fotografia
CERTIFICAÇÃO DE NÍVEL IV—FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE OLIVEIRA DO BAIRRO

Rua Dr Acácio de Azevedo, 28, 3770-213 Oliveira do Bairro
+351 234 747 747 ● director@aeob.edu.pt ● www.aeob.edu.pt