You are on page 1of 3

FACULDADES INTEGRADAS DO TAPAJÓS

DISCIPLINA: CONTABILIDADE GERENCIAL


PROFESSOR: JOSÉ DE JESUS PINHEIRO NETO
ASSUNTO: CUSTEIO POR ABSORÇÃO/DEPARTAMENTALIZAÇÃO

Custeio por absorção


O Custeio por Absorção ou Custeio Pleno como o próprio nome indica absorve no custo de
cada departamento e cada produto final os custos gerais (chamados indiretos, normalmente
fixos, ou custos de estrutura) por meio do que denominamos taxas de absorção, ou seja,
apropria todos os custos à produção do período.
A distinção principal do custeio por absorção é entre custos e despesas, uma vez que as
despesas são jogadas imediatamente contra o resultado do período, enquanto os custos de
produtos em elaboração e dos produtos acabados que não forem vendidos serão ativados nos
estoques destes produtos.
Esse critério é amplamente adotado, sendo um procedimento contábil aceito pela legislação do
imposto de renda e por auditores porque atende ao Princípio Contábil da Competência.
Podemos constatar que o emprego do critério resulta em aumento dos custos administrativos,
isto é, os próprios custos da Contabilidade de Custos tendem a crescer, porque para aplica-lo,
a empresa precisa manter um setor de estatística para coletar, acumular e organizar os dados,
parâmetros, que servirão de base de rateio, podendo oferecer resultados que não estão de
acordo com a realidade, ficando difícil determinar as variações e suas causas.
O critério peca porque trabalha intensamente com os custos indiretos, distribuindo-os através
de bases duvidosas entre os departamentos e entre os produtos.
Esse método foi derivado do sistema desenvolvido na Alemanha no início do século XX,
conhecido com Reichskuratorium für Wirtschaftlichtkeit (RKW), onde todos os gastos do
período (custos e despesas) eram apropriadas à produção por meio de técnicas de rateio.
O sistema de custeio por absorção não é um princípio contábil em si, mas uma metodologia
decorrente da aplicação desses princípios.
No custeio por absorção, todos os custos de produção são alocados aos bens ou serviços
produzidos, o que compreende todos os custos variáveis, fixos, diretos ou indiretos. Os custos
diretos, por meio de apropriação direta, enquanto os custos indiretos, por meio de sua
atribuição com base em critérios de rateios.
Observa-se na figura 1 que as despesas são contabilizadas diretamente ao resultado do
período, enquanto os custos somente são lançados ao resultado na parte correspondente aos
produtos vendidos, permanecendo o resto no estoque.
Nesse sistema, para a apuração dos custos utiliza-se o esquema básico da contabilidade de
custos que consiste em:
1. Separar custos e despesas
2. Apropriar custos diretos e indiretos à produção realizada no período
3. Apurar o custo da produção acabada
4. Apurar o custo dos produtos vendidos
5. Apurar o resultado
FIGURA 1 – FLUXO DE CUSTOS E DESPESAS NO CUSTEIO POR ABSORÇÃO

Gastos Receitas

Custos Despesas

Diretos Indiretos

Produção Rateio
Processo

Produção
Acabada

CPV Resultado

Dessa forma teríamos a seguinte estrutura para fazer a apuração dos custos:

ESQUEMA BÁSICO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS


Para apuração dos custos Para apuração do resultado
Estoque inicial de material direto Vendas líquidas
(+) Compras de material direto (-) Custo do produto vendido
(-) Estoque final de material direto (=) Lucro bruto
(=) Material direto consumido (-) Despesas operacionais
(+) Mão-de-obra direta (+) Outras receitas operacionais
(+) Gastos gerais de fabricação (=) Lucro operacional líquido
(=) Custo de produção do período
(+) Estoque inicial de produtos em processo
(-) Estoque final de produtos em processo
(=) Custo da produção acabada
(+) Estoque inicial de produtos acabados
(-) Estoque final de produtos acabados
(=) Custo do produto vendido
Exemplo prático
A Empresa 5º CON apresentou os seguintes saldos em seus estoques:
- Estoque de material direto 100
- Estoque de produtos em elaboração 120
- Estoque de produtos acabados 80
Durante o período em estudo, ocorreram os seguintes fatos contábeis:
1) Compra de material direto 200
2) Apropriação do consumo de energia elétrica do mês
- da fábrica 25
- da administração 15 40
3) Requisição de material direto para a produção 150
4) Apropriação de serviço de limpeza (terceiros)
- da fábrica 5
- da loja comercial 3 8
5) Apropriação da parcela de seguros contra incêndio
- da fábrica 10
- da loja comercial 2 12
6) Apropriação da folha de pagamento do mês
- pessoal da fábrica (mão-de-obra direta) 42
- pessoal da fábrica (mão-de-obra indireta) 30
- pessoal administrativo 20
- pessoal da loja comercial 30 122
7) Apropriação de encargos com depreciação
- da fábrica 18
- da loja comercial 5 23
8) Foram transferidos para produtos em elaboração
- de MOD 42
- de GGF 88 130
9) Foram transferidos para produtos acabados 350
10) Foram transferidos para custo dos produtos vendidos 400
11) Vendas do período (fevereiro/2004) 800