You are on page 1of 1

Ferreira Gullar

(Brasil, 1930)

Madrugada
Do fundo de meu quarto, do fundo
de meu corpo
clandestino
ouo (no vejo) ouo
crescer no osso e no msculo da noite
a noite
a noite ocidental obscenamente acesa
sobre meu pas dividido em classes