ue bich,o

Ela atravessou aseras, tempos cavernas osnossos todas dos das até dias, - ealgum - namoderna Hoje, encontra eco respaldo psicologia, Éaciência descobrindo mágico o mundo
POR LUIS PELLEGRINI
eu primeiro encontrocom o que depois soubechamar-se magiaocorreu quandoeu tinha sete ou oito anos e não era mais que um molequearteiro a espalharo terror no quinüalda minha casa. Como castigo por tanta taquinagem - jtrava a empregada Terezinha- nasceram-me dedos nos dasmãosuma porçãode verrugas.Minha mãe levou-mea uma velha benzedeiraque morava na periferia.lcmbro-me bem da cena:minhas duasmãosespalmadas sobrea mesa;juntodelas um copod'águacobertopor um pires,uma vela acesa,uma rosa branca num pequenovaso de vidro, um ramo de arruda que exalavacheiro forte, A benzedeira rezayaa meia-voz de vez e em quandocolocava suasmãossobre as mias nhas.No final, informou:"O meninoestava com quebranto,mas já tirei." E concluiu com ar de vitória definitiva:"As verrugasvão cair." Dois dias depois,como se fossea coisamais natural do mundo, minhas verrugas começaram a murchar. Foram secando,até se trans. formarem em pequenos apêndicesescuros e descarnados. aí, um a um, todos eles se E desprenderam caíram. e O caso fez furor entre vizinhos e parentes. Mas, ao saber da história, uma tia solteirona metida a filósofa, e que definia a si própria "racionalistacartesiana",não conteve um ce mentário arrasador:"Isso é pura autossugesüio. Convenceramo menino de que as verrugas iam cair e, com o poder da suamente inconscienle, ele fez elascaírem." Bravo, titia! Se você hoje fosse üva, certamente seria professorade sucessonum curso de controle mental. Se o seu remate era certo não sei, mas naqueleinstantevocê me fez um duplo favor: aguçou minha curiosidade de

. MAro2o'ro Plücta f3

iritualidade "Deu!'s",e arruda, coloquei minha mão sobre o seu nariz chamarn Aquito queosreligiosos "preceitos",e rezei todasas rezasque sabiade cor: um pai' os osiientistas,"leis", fi,\ósofos,. e uma salverainha quase nosso, "conhecimento" uma avemaria o da memória infanül até chamarn osrnagos poder,
flor branca,copo d'água rihral, com vela acesa,

!. +Ì .
* +

*"# ,
I

&

completa.Que quandolembro passadas, hoje, tantasdécadas iniciaçãoprecoce como benzedeiro, conhecer o real segredo do desaparecimento da minha Não! latejando sob a das verrugas; despertouem minha cabecinha sinto a grande verruga do dedos.Sim, o benzimentodeu ponta dos meus inquieta a ideia de que a mente, conscienteou -' maismistériose poderes certo. Paraminha sorte ou danação a veresconde inconsciente, a secar.Virou uma ruga logo depoiscomeçou . do que até então suPunha. penduradano espéciede horrenda uva-passa maisuma avida me apresentou depois, Pouco caiu,paranuncamais do nat'rz cachorro e depois ocasiãopara incrementar meus conhecimentos voltar. Como nunca mais voltou a minha inocênde eliminaçãomágica de verrugas' em matéria cia, definitivamenteperdida naquelaaventurada Meu cachorro, um viralata preto chamadoNão! dos descoberta meus "poderesocultos"' (com ponto de exclamação),desenvolveusobre Entãoé verdade:existemmétodosestanhos grandequantouma azeionanzumaverrugatão , de resolver problemas' Metodos que a gente ao tona. O nome dele devia-se fato de que, desde " .+ , não consegueentendernem acÌarar,mas que pequenino,o não eta a palawa que mais ouvia' + ' funcionam. Existem coisas misteriosas que divertimentosfavoritos *QuandoPraticavaseus + s 'r*t pela autosnem semprepodem ser explicadas puxar roupasdo pes de mesase cadeiras, ,u. 'l- " como queria minha tia. Pois até ela, sugestão,, das galinhas varal, arrancar as penasdos rabos s gri"racionalistacartesiana"convicta,teria dificulXd. ë, havia sempre alguém ralhando com ele e & '*q parte não,não!"Acabouse acostumando dadeem admitir que a autossugestiioÍaz tandoï"itTao, & peremptório, dos atributos dos cachorros, Então, a magia "nãol" rd +4fu4a'rier.que ouvia um existe,de verdade. ry de ,papsavífratgnder, raboabanando. ' ppecfftesiaffirinhas capacidades benzedeiA um imenso conjunto de fenômenose práti' de ' cas que o ser humano pode produzir,mas que riertuga do Não!.Prepareio mesmo ro'spbrdFa

'-+

*'$."'
" ' n " " &

*,ç *& +, " * .ry &"

DO MAGIA CINEMA realidade Aocriaruma tutloPode na viÍtual, qual o cinema acontecer, uma toÍnou-se arte por mágica excelência. da Poüer' Harry A série qual uma vemos cena tem naÍotoaolado, a central tema como magia de milhões e iá seduziu em espectadoÍes todo mundo. o

4 4 P l i l e t a . N / A l o2 0 1 o

Oor.

não podem ser explicadospela autossugestão nem por qualquerlei da ciênciae da psicologia oficiais,dá-seo nome genéricode magia.Palalra que vem do substantivolnagi, nome que os antigosgregosdavamaossacerdotes persasdo culto de Zoroasko. Cabeaí uma primeira definição,a do historiadorfrancêsl"ouis Chochod, paraquem "magiaé uma arte especial, baseada na edstência de forças naturais,pouco ou mal conhecidas,e ordinariamentefora do alcance do poder do homem. Conheceressasforças, canalizá-las, orientiílas e, até certo ponto, utilizálas, esseé o objetivoda magia". A definiçãode Chochodtem espectromuito amplo. Mas, se existe um assunto que em materiade definiçõesé terra de ninguém,esse assuntoé a magia.Há definiçõespara todos os gostos. Algumasfrancamente preconceifirosas e cheiasde superstição: "Magia é a arte de conjurar demônios espíritos paraobrigá-los servir e a aos interessesdo mago." Oukas são pueris e inocentes, como a do ocultistafrancêsGeorges Muchery: "Magiae a arte de tornar-se feliz."Há definiçõescomplicadascomo a do respeitado alquimista contemporâneoEugene Canseliet: "Magia é, antesde tudo, a arte divina que consiste em travar contato com a alma universal e, atraves dela, dominar as forças espirituais invisíveisno espaço na substância." aindaa e E do ocultistafrancêsEliphas[eü, pai da magia moderna,para quem "magia é a ciênciatradicionalque nosvem dos magos... meio dessa Por ciência,o adeptosevê investidode uma espécie de poder superiorrelaüvoe pode agir de modo sobre-humano, é, de uma maneiraque não isto estáao alcance comumdos homens". do Para os magos,aquelesque praticam a magia, "viver é conhecer".Desdeque o homem existe como tal, ele tenta desvendaros segredos da natureza,levantar véu de mistério que o encobreas origense as finalidades mundo, do da vida e da existência humana.Através das eras,paraconquistar conhecimento, homem o pensantecriou diversosmétodosde trabalhoe posturas desenvolveu paramanipular diferentes o desconhecido dele extrair respostas. e Aquilo que os religiososchamam"Deus",os cientistas chamam "leis", os filósofos, "preceitos",os sábios, "a natureza",os magos chamam "conhecimento". Mas, paratodoseles,o princípio

é sempre o mesmo: estudar o microcosmo (homem)para desvelaros segredosdo macrocosmo(universo), A prática da magiaé, sem dúvida,tão antiga quantoo própriohomem.Nos temposdascavernas,quandoanimaiseram pintadosnasparedes de pedra, o que se pretendia era estabelecer uma relaçãomágicacom o "espírito" daqueles paraque,no momentoda caça, fosse animais ele favorável caçadores. aos Desdeentão,essencialmente,poucascoisasmudaramno domínio da magia. Suastécnicassão muito parecidasnas diferentesculturasque apareceram mundo, no poucasmudançasno e sofreramrelativamente transcorrerdo tempo. Sugere-se muitasvezesque a magiae precursora da religião, mas estudosmais profundos mostram ser mais provávelque ambastenham sempreexistido, uma ao lado da outra. Magia e religião possuemem comum a crença num poder transcendental que existe no homem e no mundo.A grande diferençaentre ambasreside nas suasatitudesem relaçãoa essepoder. A magia preocupa-se comandar,controlar em

MAGIA TEAÏRO DO Antes cinema, do as várias formas teatro de explorarammile uma as possibilidades criativas douniverso mágico. Na acima, da Íoto cena ópera Flauta A Mágica, deMozart.

M A r o 2 0 ro . P l ü Ë t a 4 5

iritualidade
DA MAGIA NAïUREZA do mais Nada mágico que mundo natural. o e Maior mais Poderosa as detodas Íorças a natureza criadoras, ao limites conhece não a soltaÍ suaimaginação' que Atal ponto dizer: costuma-se a suPera natural criação qualquer imaginaçã0.

,.0'*i'

-#'

'il

e compelir esse poder para a satisfaçãodos a seusprópriosobjetivos; religião,por seulado, preocupa-se adorar essepoder, suplicando em aquilo resignadamente a sua ajudae aceitando A que ele dá, A primeira é ativa, "masculina". "feminina"' e segunda passiva, O rnago, portanto, é um aventureiro que mergulhano misterioda vida e do mundo e não se contentaapenasem observarpassivamente esse mistério. Quer tambeni eompreendê-lo, conhecer suas leis, processose finalidades, 'quer interferir voluntariamentenele e' numa '.certa O medida,aprendera manipulá-lo. mago e entendido como um ser de sensibilidade especial.Vê o universo como urna coisa viva, cuja aparênciavisível mascara a natureza teal dos poderesque o controlam'E vê a si mèsmÒ como participante da natttteza da divindade' e por isso gosta de afirmar; "Não existeparte de mim que não seja parte dos deuses'"O mago consideraque todos nós, membros da espécie A em humana,somos"deuses potencial." magia que nos ajudaa abrir e desenvolé a ciência-arte ver essepotencial. Sonhose üsões, símbolose alegorias,imaginaçãoe fantasia,as viagensvertiginosasdos gênios da música,da pintura, da poesiadizem mais ao mago sobre as realidadesúltimas

da existência do que todas as equações da da matemática,as maquinações política,ou as do espertezas mercadofinanceiro. O magoé um ser complexo,uma criaturaem geral ousadae até mesmotemerária.Nos tempoder, pos em que a SantaInquisiçãoesbanjava vivos nas delesforam assados centenas muitas fogueiras, condenadospor suas heresias' O venezianoGiordanoBruno e um exemplo.Foi queimadoporque teimou em afirmar até o fim que era a Terra a girar ao redor do Sol, e não o as temposisso contrariava contrário. Naqueles e conhecida, era portanto "he"leis" da ciência resiade mago",punidacom a morte. E mais fácil. contudo,entendero que e um mago do que e magia."Magra"e hoje uma palapois mais de um sentidoelhe wa problemática, que atribuído.Existea magiado prestidigitador truques de alta tira coelhosda cartola ou dos Existea magia de tecnologia David Copperfield' pelosanfopólogos- supersticomoé entendida ritos primitivosde fertilidadeou çõesingênuas, herançascuriosasdo folclore' E existe,finalmenque nos interessa: magia,aquela te, a verdadeira cujas um sofisticadosistemade conhecimento na origens não serãoencontradas lenda ou no folclore, mas sim na antiga fadição chamada "hermetica",de Hermes,o deusgrego da inteli-

4 6 P l i l e t a . M A I O2 0 1 0

. '.,iì" Ì,::ii :r

'i', i''
iri. ri " if:

,:
rt . ;,r , ì * +

gênciae da sabedoria. origens arcaicasdessa As badição perdem-sena noite dos tempos,mas que ela se desenvolveuno antigo Egito, sabe-se passando depoispor Gréciae por Roma,e por toda a Idade Media e o Renascimento europeu. Após um periodo de relativa obscuridade- devido certamenteao implacávelcombaüe lhe foi que -, pelaInquisição a magiaressurgiu desfechado em sua forma modeina no contextoda grande renascençaocultista que foi uma das característicasda segunda metadedo século19. Ressurgirdasprópriascinzasnos momentos mais impensáveis, como a fênix mitológica,é uma das características magia. Basta ver da o que acontecenos dias de hoje. Nas últimas três décadas épocadas mais exkaordinrír.ias conquistas da ciência tecnológica moderna, quandoo homem foi à Lua, os bisturis de raio laserinvadiramos hospitais os computadores, e os lares e escritórios- observou-se desconum certantereflorescimento magiae de disciplida nascorrelatas, como a astrologia o ocultismo. e Um reflorescimento,portanto, de modos de concebero mundo diametralmente opostosaos da ciênciaracionalista. CaÃavezqre a magiaressurgena história, ela o faz com novasroupag€ns. corpo essencial O de seus conhecimentose sempre o mesmo, mas a linguagempor ela utilizadapara operar e se comunicarpode mudar compleüamente de acordocom o tempo histórico e o lugar da sua maniÍesüação. A ünguagemda magiaantiga era complicadíssima e inacessívelaos não iniciados. Envolvia códigose símbolosda alquimia,da cabala,da asffologiae de outas ciênciasherméticas.A magia contemporânea passoupor uma verdadeira revoluçãoem sualinguagemÍormal, que é agora bem mais simples.Essenovo enÍoquecomeçoua ser difundido em meadosdo séculopassado atravésda obrade váriosautores. dosexpoenües Um geração magosmodernosfoi máximosdessa de o francêsEliphasLevi (pseudônimo deAlphonse Louis Constant),um ex-seminarista católico. Em seu lïwo Dogma e Ritual da Alta Magia, publicadoem 1856e disponívelem português, I*vi apresenta uma teoria sobre o modo pelo qual atua a magia. É esta sua concepção que, um pouco modificada,domina o pensamento dos magoscontemporâneos.

pessoa corn|letca, criatura emgeral o(,ma ousada até rnesrno e temerá,ria
::. d(

O mago,colnotodoser criador,é uma

As ideias de Eliphas lrvi constitue-] ü*u obra-primade intuição psicológicae científica. EIas antecipammuito do arcabouçobásico de viírias psicologiascontemporâneas, pois expli cam a açãomágicacomoum fenômeno baseado principalmente nas capacidades naturais- embora ainda pouco conhecidas da mente e da psique humanas.É u partir da escolade l.evi que se passoua afirmar: "O fenômenomágico começana cabeça mago." do Levi afirma que na magia existem três leis fundamentais. primeira é a lei da vontade A humana,que, do seu ponto de vista, não era simplesmenteuma ideia abstrata,e sim uma força material "tão real", para usar as suas próprias palawas,"quantoo vapor de águaou a corrente galvânica". Essa ideia, na verdade, não era exclusivade tevi. Vários intelectuaisda época a desposaram, entre eles EdgarAllan Poe,que no seu conto "O Casodo SenhorValdemar"faz o personagem Glanvill dizer'. "8lá que repousa que a vonüade nãomorre jamais.Quemconhece os mistérios da vontadee todo o seu vigor? O próprio Deus é uma imensaVontadeque reina sobretodasas coisas."

-$ .s 1Ë ":
ft*-

-'

, a" ,.J

" .ì:'.. -" ,w
*1
" -!ït

:t1-vl

"Jl{

-.+
Ì"iì.
,t]

4_1

ri*

MAGIA ROUPA DA Dente várias as atividades humanas, uma mais das mágicas é a cÌiação Íoupas. das Um estillsta talenb de pode capaz ser de criarumunlveruo inteiro partir a daslndumontárias que inventa.

MAro a'3. PEru| n 2

"S&.
i r i t u a l io B * da
. o "* + g

EF
$

s
*

s
__n

&

,#'
de cÍrpazes produzir tais fenômenos,seriamuma espéciede "magosnahrrais",dotadosde uma ca' pacidadeinata de moldar a luz astal e provocam de dessemodo fenômenoscÍlpazes impressionar os sentidosdos espectadores. A terceira lei de Levi é a lei das corresponTrata'se na verdade dências,ou das analogias. de uma versão atuelizadada antiga douhina hermética do macrocosmoe do microcosmo' segundo a qual todo elemento do primeiro o universo - teria o seu correspondenteno segundo - o ser humano consideradoindivido dualmente.Por exemplo, as constelações que influenciamcertaszonasdo corpo zodlaco de humano.Assim, a constelação Capricórnio corresponde aos joelhos; a de Gêmeos, aos braços e pulmões;a de Escorpião,aos órgãos genitais. Para Levi, tais correspondências existiam realmente,mas sob uma forma menos grosseiramente ffsica.Era menoso corpofisico muito mais a almahumanaque ele considerae va como um "espelhomágico do universo", para que empregaruma ercpressão os magosÍÌmam' que todo elementopresenteno uni' levi dizia verso tambémpoderiaser encontradona alma humana:assim,a força cósmicaque os romanos personificavam deusaVênus correspondia na à sexualidade física, e aquela representada pelo deus Mercúrio, à inteligênciahumana.Os modernos magosrifualistas açreditamque o colhes lei dessa dascorrespondências nhecimento permite "fazer descer" (invocar)nelestodasas forças cósmicasdas quais querem obter alguma coisa, ou, ao contrário, "fazer subir" (evocar) essasmesmasforçaslatentesem sua almae as projetarno mundo extérior. Levi, contudo,poucorevelouem seusliwos da existência de uma quarta lei fundamental para que qualqueraçãomágicatenha bom êxito: a lei Falouda importânciadessesegre da imaginação. do fundamentalapenasa algunsde seusdiscípu' los mais queridos,e foram elesque,maistarde,o O ensinarampublicamenüe. poder da imaginação é o verdadeiro"pulo do gato" da magiaA força da vontade é praticamenteineficaz se não for dirigida por uma imaginaçãopoderosae úceversa "Parase praticar a magia",escreveu Edward Berridge, discípulo inglês de Levi, "é necessário colocar em ação a imaginação e a vontade:elasagemem partesiguais.Ou, melhor

é nlmino= um *oËo, Na ui,sã,0-d,a cadfser

r':Itrn.pc'Queuo uniaerslque , "'microcosmy unianrsa o grand,e 0 refletta ma,crocusrnl,
.{[ *

A originalidade de Levi estava na aplicação dessaideia à magiaritual. Paraele, como para a maioriados magosmodernos,toda a parafernália ; . dos acessóriosdo cerimonial mágico,tais como *." incensos,velas,uso de figuras geométicas e de { de paramentos, apenas suporte auxiliare,ponüo é * destinadoa ajudar o mago apoio e de referência *4t IF a concenfar a suavontade. õ' * ' + A segundalei de levi é a lei da luz asfal, o .ã t "éter" dos antigos glegos e da fisica prêeinstei' * ' - f * niana,o "prana'' dos hindus: um fluido imponde * ? . ^{t do os ** rável que preencheüodos espaços universo ' . E r * ' { . " *'s e gïaças ao qual o mago pode agir a distância.A .ry $, " luz askal, dizia kvi, é invisível e destituída de * & , forma, porém permeiaa totalidadeda naturezae ,"*4 + ' pode ser moldada pelavontade humana,produ' OA MAOIA PTATEIA zindo formas visíveis. Isso o<plicaria, segundo as Ouando grandes populares ele, a maior parte dos fenômenoschamados aglomerações sua concentÍam atenção paranormaisou mediúnicosque a ciência oficial mesmo objeto, num constatamas não explica,como aquelesde maüÈ goÍam poderoso um de Ãaltnçáo de espíritos,matenaltzação objetos' mágico: a Íenômeno produçãoparanormal sons,odores,etc. Para de de coletiva criação kvi. os médiuns de efeitosfisicos, indivíduos realidade. nova uma

'* t*

ry

*

'

, + +'
.*1

+ i'. +

#

48 Büeta. MAro2o1o

dizendo,a imaginação deveprecedera vontade parase obter o melhor resultadopossível". Sozinha, vontadepode,segundo a essateoria, emitir uma corrente de energiaque se propaga akavés da luz astral,mas seu efeito serávago, imprecisoe até mesmoinoperante, pois, sem a criaçáoimaginária de um objetivo bem definido a ser alcançado energiada vontadecorre o risa co de perder-se vazio.Por seu lado, sozinha, no podeatécriar uma imagem,e essa a imaginação imagemterá uma duração variável;mas ela não poderáproduzir nada de importantese não for vrtalizada dirigida pela vontade."Quando as e duasse conjugam,isto é, quandoa imaginação cria uma imagem e quandoa vontadedirige e utiliza essaimagem, é possívela obtençãode maravilhosos efeitosmágicos", compleüa Berridge. Ele parece modernopsicólogo junguiano um falandoda técnicada imaginação ativa! Recapitulando: visão da magia, cada ser na humano é um microcosmo- um pequenoun! versoque reflete,em miniatura,o macrocosmo, o grandeuniversodo qual fazemos parte. Cada fenômenodo universotem seu reflexo correspondente nas partes que compõem a pessoa humana- corpofísico,psique,mentepensante. Com práticasmágicas,o mago podefansformar o mundo exterior por meio de intervenções no pequeno mundo interior. A ligação entre as duas esferas- a interior e a exterior - e feita pelaluz astral,um fluido universalinvisível.A manipulaçãoda luz astral atraves da vontade e da imaginação humanaspermite ao mago influenciartanto o universofisico (moverobjetos a distância,promover curas como no casodos benzedores verrugas,etc.)comotambeminde fluenciaras sensações os modosde percepção e de outrosindivíduos. Mas o mago esta longe de ser onipotentee seu trabalho é cheio de perigos. Pois a via de comunicação entre o microcosmo o macrocose mo, o interior e o exterior, e obrigatoriamente uma via de mão dupla. Da mesma forma que o sangueentra e sai do coração,e o ar, dos pulmões,a forçamágicasaide nós,passeia pelo mundo desencadeando efeitose tendea regressar ao lugar de ondesaiu.Assim aquiloquevem de fora circulaem nós e tendea voltar à origem. Portanto, se projetarmos no mundo ações mágicasboas,positivas,uÌmorosas, certamente

poderemos esperarque elasretornemparanós amplificadas fortalecidas. ao conkário,proe Se, jetarmosações nefastas... poderemos só esperar péssimos. retornos A censurado mago derivade outra lei fundamental da magia:a lei do choquede retorno, que e o regresso de uma carga malefica para o mago que a remeteu,em casode fracassode sua operação, casosua magiasejadesfeita ou por outro mago mais forte. Na magia - como na física-, toda força tem de ser descarregada, sejasobreo alvo assinalado, seja,por erro cometido,sobreo magoque a desencadeou, não importaqual o valor "moral"dessa força. Por tais razõesê que, para todo mago sério e honesto,a observância rígidos princípios de eticosé preocupação fundamental. Essae a única diferençaentre magiabrancae magianegra. Magiae semprea mesma.E brancaquandosua intenção voltadaparao bem; e negraquando for for voltadaparao mal. Forçada vontade, imaginação, astral,lei luz das correspondências, da natureza,leis leis cósmicas criatividade todostermosbásie são cos e correntesdo vocabutário magia.São da tambem,e importantenotar. termos básicos e correntes,taiito físicaquâhticaquantoda da

MAGIA ARÏE DA Griação affstica e criação mágica são quase sinônimos. pelas Trabalhado mãos deumverdadeiro artista, pode atéo grotesco setransÍormar em algo suhlime,

r!1Alo 010. PLnetà 49 2

iritualidadb'
de es Magia não é, portanto, um a Magiaé umieitodeconhecersi tanhas cerimônias realizadasconjunto portas atrás de e ?nesrnT rnund,o, deagir ert,cazvvlente com objetivosobscurose geralmente a a,0 fechadas, um jeito de conhecera si o si e sobre mesmosabre rnundo incorúesúveis.Masia ede agir eficazmentesobre mesmoe ao mundo, e " & si mesmo e sobre o mundo. Seja para eliminar
S. &áí k*i j+ 'r "

r . '
'
i1

'i;rlï
a

:. stu{

"

moderna psicologia.E onde estarãoos anjos, ' , M demônios, espíritos benignos e malignos, ínÀ t t gnomos s cubos e súcubds,silfos, salamandras, e fadas, e tantos outros entes sobrenaturais . F que desdesemprepovoarama imaginaçãodas ì]ì pessoasquando elas mergulhavam no universo . gìliç ìÌi'Ì g .' t r , fascinanteda magia e da sua prima pobre, a s'ry "feiüçaria?Todas essascriaturas existem sim, MAGIA MEMORIA * afirmam os magos. Mas não na forma visual DA . mt"rrloaoiJíó '*u Elas como são habitualmente representadas. permanecen passado princípios,arquétipos são,muito mais, forças, no atavós vlvas presenb que compõemo intrincado universoda psique que dostestemunhos humana. Existem certamente dentro de nós. ató É chogaÍam nós, a Esse magla memóÍia. da existemde algum modo misE, possivelmente, ó o caso célebres dos terioso também no mundo fora de nós. Caso da ,rroarq, osculfuÍas contrário, não teria fundamento a lei mágica da alúgacMllzação llha no dascorrespondências... dePáscoa, PaclÍico.

È

verrugas, seja para tirar alguem dos buracos sem fundo das neuroses,seja para adivinhar os caminhosdo nossofuturo. Ela e, em última analise,um modo de trabalharcom as "entidades"da nossapsique, de entendèlas e dominá-las,para que elassejamnossas fiéis servidoras,e não nos Magia é uma escolaque sasopressivas senhoras. forças nos ensinaa coúecer e a controlar nossas e e impulsosnegativos, a reverter suacapacidade destutiva em constutiv4 que nos ensinaa des cobrir nosso potencial criador e a incrementar suaspossibilidades os níveismáximos. ate que bus verdadeirae conhecimento A magia e a autorrealização.Seu ca o autoconhecimento objetivo último é transformar cada um de nós no pequeno deus que todos, potencialmente, somos.E que ele sejaum deus sábio,compase sivo,criativo, saudável felu. o

l0

Plürt . MAro2o1o

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful