You are on page 1of 3

Seja um general

Sou presidente do Conselho de Administração e diretor-


presidente da The Trump Organization. Gosto de dizer isso
porque essas funções significam muito para mim. Hoje, essa
organização conta com mais de 20 mil funcionários. Um dia,
publiquei um anúncio em que declarava: “Só trabalho com
os melhores”. Essa afirmação ainda é válida.
Cada vez mais, constato que dirigir um negócio é como ser
um general. O exercício da autoridade acarreta muita
responsabilidade, não apenas em relação a si mesmo, mas,
sobretudo, para com as tropas. Em grande parte, a vida dos
empregados depende de você e das suas decisões. As más
estratégias acabam afetando muita gente. É nesse ponto que
a liderança assume nova dimensão. Todas as suas decisões
são importantes, não importa que trabalhem para você 20 mil
pessoas ou apenas uma.
Se você for cuidadoso ao selecionar seu pessoal, a gestão
fica muito mais fácil. Confio num pequeno grupo de pessoas
para manter-me informado. Sabem que confio nelas e dão o
melhor de si para preservar essa confiança.
Por exemplo, quando preciso saber alguma coisa sobre
meus cassinos e hotéis em Atlantic City, sei que posso
procurar Mark Brown, meu CEO, e obter respostas rápidas
e esclarecidas. Se eu telefonar para Laura Cordovano, no
Trump Park Avenue, e perguntar-lhe sobre as vendas, ela me
apresentará exatamente a realidade do momento. Se eu
entrar em contato com Allen Weisselberg, meu CFO, ele
me dirá o que preciso saber, em 20 palavras ou menos.
Meu advogado sênior e assessor em The Apprentice O
Aprendiz),* George Ross, é ainda mais conciso, retratando a
situação em não mais do que 10 palavras. Encontre pessoas
que se enquadrem em seu estilo de negócios e você
enfrentará menos problemas no decorrer do tempo.
Boas pessoas se traduzem em boa gestão e boa gestão
resulta de boas pessoas. É preciso que trabalhem juntas ou
não ficarão uma ao lado da outra por muito tempo. Já vi
administrações competentes sobreviverem com pessoas
medíocres, assim como já deparei com pessoas excelentes
atoladas num ambiente de gerência ineficaz. Mas os bons
gestores acabam indo embora e arrastando consigo os bons
empregados. E você ficará com uma equipe cujos
funcionários se dão bem uns com os outros por serem todos
medíocres. Economize tempo, recrutando os melhores. Às
vezes, isso significa escolher atitudes, em vez de credenciais
e experiência. Use sua criatividade para alcançar um bom
equilíbrio desses atributos no conjunto.
As pessoas criativas raramente precisam de motivação
externa – elas têm seu próprio impulso interior e jamais se
deixam dominar pelo tédio. Recusam-se a serem
complacentes. Vivem no limite, e é exatamente disso que
precisam para alcançar o sucesso e continuarem sendo bem-
sucedidas.
Um de meus ex-empregados era responsável por um novo
projeto. Seu trabalho fora completo e razoável, mas eu sentia
que faltava algo. Seu desempenho não havia sido fantástico,
ao contrário do que esperaria qualquer um que conhecesse
sua capacidade. Resolvi, então, desafiar seu ego criativo,
dizendo que estava tudo bem, mas que ele parecia pouco
inspirado. Perguntei-lhe, com jeito, se ele estava mesmo
interessado no projeto e insinuei que talvez houvesse algum
problema.
Bem, o cara ficou fulo comigo. Considerou-se
profundamente insultado.
E, como não é difícil imaginar, a revisão que ele apresentou
estava muito melhor que o original. A diferença entre a
primeira versão e a última versão era incrível. Não dei uma
bronca no cara, logo de início, porque ele era geralmente
exigente consigo mesmo e nunca me deixara na mão. Mas eu
precisava sacudi-lo.
Os generais motivam as tropas, inspiram-nas quando
necessário. Agem da mesma maneira com os oficiais de
patente mais elevada. Todos nós precisamos de vez em
quando de um empurrão. Aprenda a adaptar seus métodos às
personalidades sob sua liderança.
Mantenha a visão do todo, enquanto cuida dos detalhes do
cotidiano. Isso talvez pareça coisa de equilibrista, mas é
absolutamente imprescindível para o sucesso na gestão de
uma empresa.

*Nota da Editora: Reality show apresentado por Donald


Trump na NBC, Estados Unidos. Conheça mais, lendo a
Parte VI, “Nos Bastidores do The Apprentice”.