Apostila Preparat´ria o para o Vestibular Vocacionado UDESC

Aline Felizardo Gol¸alves c Andr´ Alexandre Silveira e Andr´ Antˆnio Bernardo e o C´sar Manchein e Fl´bio Esteves Cordeiro a Gisele Maria Leite Dalmˆnico o Marcio Rodrigo Loos Priscila Fischer Ricardo Fernandes da Silva Sidinei Schaefer
Professores

Luciano Camargo Martins
Coordenador

Revis˜o 1.2 de 29 de agosto de 2007 a

2

MUNDO F´ ISICO
Nossa Apostila
A edi¸ao dessa apostila, concretiza os esfor¸os feitos desde o c˜ c ano de 2003, quando os alunos do antigo Curso de Licenciatura Plena em F´ ısica da UDESC mobilizaram-se por for¸a e vonc tade pr´pria no desenvolvimento e apresenta¸ao de um Curso o c˜ Pr´-Vestibular aberto ` comunidade, gratuito, que preparasse e a melhor os alunos interessados nos cursos oferecidos pelo Centro de Ciˆncias Tecnol´gicas (CCT) da UDESC-Joinville. e o Essa primeira tentativa de implantar o Curso Pr´-Vestibular e n˜o chegou a se realizar, por raz˜es puramente burocr´ticas, a o a apesar dos esfor¸os gastos na prepara¸ao das aulas e do matec c˜ rial did´tico inicial. a Nos anos seguintes, a id´ia original foi abra¸ada por um projeto e c de extens˜o oficial, e s´ ent˜o pode ser realizado com sucesso, a o a j´ tendo atendido milhares de alunos desde ent˜o. a a Adaptada ao vestibular vocacionado da UDESC, esperamos que esse material seja suficiente para a revis˜o dos conte´ dos a u exigidos pela Universidade. Convidamos a todos para que visitem o nosso site!

Nosso Endere¸o na Internet c
http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Joinville-SC, 29 de agosto de 2007 Professor Luciano Camargo Martins Coordenador da Home Page Mundo F´sico ı e-Mail: dfi2lcm@joinville.udesc.br

ii

Sum´rio a
F´ ISICA
Mecˆnica – Aula 1: Grandezas F´ a ısicas . . . . . . . Mecˆnica – Aula 2: Algarismos Significativos a
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

1 1 2 5 8 10 12 15 16 18 20 21 22 23 24 26 29 30 31 33 37 38 41 43 47 51 52 55

Mecˆnica – Aula 3: Grandezas Escalares e Vetoriais a Mecˆnica – Aula 4: A Primeira Lei de Newton . . . . . a Mecˆnica – Aula 5: A Segunda Lei de Newton . . . . . a Mecˆnica – Aula 6: Energia . . . . . . . . . a Mecˆnica – Aula 7: Energia Potencial a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Mecˆnica – Aula 8: Trabalho e Energia Potencial . a

Mecˆnica – Aula 9: Dinˆmica do Movimento Circular a a Mecˆnica – Aula 10: Quantidade de Movimento . . . . . . a

Mecˆnica – Aula 11: Impulso e Momento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Mecˆnica – Aula 12: Conserva¸˜o da Quantidade de Movimento a ca Mecˆnica – Aula 13: a Mecˆnica – Aula 14: a Mecˆnica – Aula 15: a Gravita¸˜o – Aula 1: ca Gravita¸˜o – ca Gravita¸˜o – ca Gravita¸˜o – ca ´ Otica – Aula Colis˜es . . . . . . . . . . . . . o Lei da A¸˜o e Rea¸˜o ca ca For¸a de Atrito . . . . . . c As Leis de Kepler . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Aula 2: Gravita¸˜o Universal ca Aula 3: Peso . . . . . . . . . . . . . . . Aula 4: Centro de Gravidade . ´ 1: Otica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

´ Otica – Aula 2: Espelhos Esf´ricos e ´ Otica – Aula 3: Refra¸˜o da Luz . . ca ´ Otica – Aula 4: Lentes Esf´ricas . . e ´ ´ Otica – Aula 5: Otica da Vis˜o . . . a Fluidos – Aula 1: Fluidos . . . . . . . Fluidos – Aula 2: Hidrost´tica . . . a Cinem´tica – Aula 1: Cinem´tica a a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . iii

iv

Cinem´tica – Aula 2: Movimento Uniforme (MU) a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

57 59 61 63 67 68 71 73 74 79 80 82 84 85 87 89 91 93 94 96 99

Cinem´tica – Aula 3: Movimento Uniformemente Variado (MUV) a Cinem´tica – Aula 4: Queda Livre a Ondas – Aula 1: Ondas Ondas – Aula 2: Ondas Ondas – Aula 4: Som Cinem´tica – Aula 5: Movimento Circular Uniforme (MCU) a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Ondas – Aula 3: Ondas e Interferˆncia e Ondas – Aula 5: Efeito Doppler

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Termodinˆmica – Aula 1: Termodinˆmica a a

Termodinˆmica – Aula 2: Dilata¸˜o T´rmica . a ca e Termodinˆmica – Aula 4: Lei de Avogrado a

Termodinˆmica – Aula 3: Transforma¸˜es Gasosas . a co

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Termodinˆmica – Aula 5: Modelo Molecular de um G´s a a Termodinˆmica – Aula 6: Calor e Temperatura a Termodinˆmica – Aula 7: Capacidade T´rmica (C) a e Termodinˆmica – Aula 9: M´quinas T´rmicas . a a e Termodinˆmica – Aula 10: Mudan¸as de Fase a c Eletricidade – Aula 1: Carga El´trica e Eletricidade – Aula 3: Campo El´trico e

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Termodinˆmica – Aula 8: Primeira Lei da Termodinˆmica a a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Termodinˆmica – Aula 11: Sublima¸˜o e Diagrama de Fases . a ca Eletricidade – Aula 2: Eletrosc´pio de Folhas o Eletricidade – Aula 4: Potencial El´trico e

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109

Eletricidade – Aula 5: Superf´ ıcies Equipotenciais Eletricidade – Aula 6: Condutores em Equil´ ıbrio Eletricidade – Aula 7: Capacidade El´trica e Eletricidade – Aula 9: Corrente El´trica e

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113

Eletricidade – Aula 8: Associa¸˜o de Capacitores . ca Eletricidade – Aula 10: Resistˆncia Equivalente e Eletricidade – Aula 11: Instrumentos de Medida

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 . . . . . . . . . . . . . . . 121

Eletricidade – Aula 12: Geradores e For¸a Eletromotriz c

v

QU´ IMICA
Qu´ ımica – Aula 1: Estrutura Atˆmica o Qu´ ımica – Aula 2: Modelos Atˆmicos o Qu´ ımica – Aula 3: Liga¸˜es Qu´ co ımicas

125 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136

Qu´ ımica – Aula 4: Liga¸˜es Qu´ co ımicas . . . . . Qu´ ımica – Aula 5: A Estrutura da Mat´ria e ´ Qu´ ımica – Aula 7: Acidos e Bases . . . . Qu´ ımica – Aula 8: Solu¸˜es Qu´ co ımicas

Qu´ ımica – Aula 6: Teoria Cin´tica dos Gases e

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148 . . . . . . . . . . . . . . . . . 150 . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

Qu´ ımica – Aula 9: Equil´ ıbrio Iˆnico . . . . o Qu´ ımica B – Aula 1: O que ´ Qu´ e ımica? . Qu´ ımica B – Aula 2: Mat´ria e Energia e

Qu´ ımica B – Aula 3: Metais, Semi-metais e Ametais . Qu´ ımica B – Aula 4: Propriedades Peri´dicas . . . . . . . o Qu´ ımica B – Aula 5: Liga¸˜es Qu´ co ımicas Qu´ ımica B – Aula 6: Liga¸˜es Qu´ co ımicas . . . . . . . . . . Qu´ ımica B – Aula 7: Equa¸˜es e Rea¸˜es Qu´ co co ımicas Qu´ ımica B – Aula 8: Equa¸˜es e Rea¸˜es (II) co co Qu´ ımica B – Aula 9: Solu¸˜es Qu´ co ımicas . Qu´ ımica B – Aula 10: Fun¸˜es Qu´ co ımicas .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168 . . . . . . . . . . 171 . . . . . . . . . . 175

Qu´ ımica B – Aula 11: Propriedades Coligativas

Qu´ ımica B – Aula 12: Eletroqu´ ımica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Qu´ ımica Orgˆnica – Aula 1: Introdu¸˜o ` Qu´ a ca a ımica Orgˆnica a Qu´ ımica Orgˆnica B – Aula 2: Nomenclatura a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178

´ MATEMATICA
Matem´tica A – Aula 1: Rela¸˜es e Fun¸˜es . a co co Matem´tica A – Aula 2: Fun¸˜es Polinomiais a co Matem´tica A – Aula 3: Fun¸˜es Especiais . . a co Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a A A A A – – – – Aula Aula Aula Aula 5: 6: 7: 8: Polinˆmios . . . . . . . . . o Equa¸˜es Alg´bricas co e Geometria Anal´ ıtica Geometria Anal´ ıtica

183 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193

Matem´tica A – Aula 4: Fun¸˜es Especiais (II) a co

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203

vi

Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a

A A B B B B B B

– – – – – – – –

Aula Aula Aula Aula Aula Aula Aula Aula

9: Circunferˆncia . . . . . . . . . . . . . . . . e 10: Circunferˆncia - II . . . . . . . . . . . . e 1: Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2: Opera¸˜es com Matrizes . . . . . . . co 3: Determinantes . . . . . . . . . . . . . . . . 4: Sistemas Lineares . . . . . . . . . . . . . 5: Discuss˜o de um Sistema Linear a 6: Progress˜o Aritm´tica . . . . . . . . . a e

. . . . . . . . . . . . . 206 . . . . . . . . . . . . . 207 . . . . . . . . . . . . . 211 . . . . . . . . . . . . . 212 . . . . . . . . . . . . . 214 . . . . . . . . . . . . . 216 . . . . . . . . . . . . . 218 . . . . . . . . . . . . . 219

Matem´tica B – Aula 7: Progress˜o Geom´trica (PG) a a e Matem´tica C – Aula 1: Teoria dos Conjuntos a Matem´tica C – Aula 2: Conjuntos Num´ricos a e

. . . . . . . . . . . . . . . . 221

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230 . . . . . . . . . 234 . . . . . . . . . 235

Matem´tica C – Aula 3: N´ meros complexos (C) . a u

Matem´tica C – Aula 4: Raz˜es e Propor¸˜es . . . . . . . . . . . . . . . a o co Matem´tica C – Aula 5: Regras de Trˆs Simples e Composta . a e Matem´tica C – Aula 6: Juros e Porcentagens a Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a Matem´tica a C C C C C C – – – – – – Aula Aula Aula Aula Aula Aula 7: An´lise Combinat´ria . . . . . . . . . . . . . a o 8: Arranjo, Combina¸˜o e Permuta¸˜o ca ca 9: Binˆmio de Newton . . . . . . . . . . . . . . o 10: Probabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11: Inequa¸˜es . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . co 12: Equa¸˜es Trigonom´tricas . . . . . . . . co e

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236 . . . . . . . . . . 239 . . . . . . . . . . 240 . . . . . . . . . . 242 . . . . . . . . . . 245 . . . . . . . . . . 247 . . . . . . . . . . 250

Matem´tica C – Aula 13: Introdu¸˜o ` Geometria . a ca a Matem´tica C – Aula 14: Triˆngulos . . . . . . . . . . . . . a a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 252 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256 . . . . . . . . . . . . . . . . . 259 . . . . . . . . . . . . . . . . . 262 . . . . . . . . . . . . . . . . . 263

Matem´tica C – Aula 15: Quadril´teros . . . . . . . . . . . . a a Matem´tica C – Aula 16: Circunferˆncia . . . . . . . . . . . a e Matem´tica C – Aula 17: Pol´ a ıgonos e Figuras Planas Matem´tica C – Aula 18: Retas e Planos a Matem´tica C – Aula 19: Poliedros . . . . . a Matem´tica C – Aula 20: Prismas . . . . . . a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268

L´ INGUA PORTUGUESA
L´ ıngua Portuguesa – 01: Variantes Ling¨´ uısticas L´ ıngua Portuguesa – 02: Acentua¸˜o Gr´fica . ca a

273 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 276 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277

L´ ıngua Portuguesa – 03: Concordˆncia Nominal . a L´ ıngua Portuguesa – 04: Concordˆncia Verbal . . a L´ ıngua Portuguesa – 05: Coloca¸˜o Pronominal ca

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279

vii

L´ ıngua Portuguesa – 06: Crase

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282 . . . . . . . . . . . . . . . . 284

L´ ıngua Portuguesa – 07: Interpreta¸˜o de Textos . ca

L´ ıngua Portuguesa – 08: Sinˆnimos, Antˆnimos e etc. o o

´ HISTORIA
Hist´ria – Aula 1: Hist´ria de Santa Catarina . o o

287 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 287

Grade de Respostas (PARCIAL) Referˆncias Bicliogr´ficas e a

291

299

F´ ısica
Mecˆnica a
Grandezas F´ ısicas
Apesar de existirem muitas grandezas f´ ısicas, s˜o estabelecidos a padr˜es e definidas unidades para que tenhamos um n´ mero o u m´ ınimo de grandezas denominadas fundamentais. Utilizando as grandezas fundamentais definem-se unidades para todas as demais grandezas, as chamadas grandezas derivadas. A partir de uma das grandezas fundamentais, o comprimento por exemplo, cuja unidade ´ o metro (m), pode-se definir as e unidades derivadas, como area (m2 ) e volume (m3 ). Utilizando ´ o metro e outra grandeza fundamental, a de tempo, definem-se as unidades de velocidade (m/s) e acelera¸ao (m/s2 ). c˜

Aula 1

Grandeza a ´rea volume densidade

velocidade acelera¸ao c˜

for¸a c press˜o a trabalho, energia, calor potˆncia e carga el´trica e diferen¸a de potencial c resistˆncia el´trica e e

Unidade metro quadrado metro c´ bico u quilograma por metro c´ bico u metro por segundo metro por segundo ao quadrado newton pascal joule watt coulomb volt ohm

S´ ımbolo m2 m3 kg/m3

m/s m/s2

N = Kg m/s2 P a = N/m2 J W = J/s C = As V = J/C Ω = V /A

Sistema Internacional(SI)
At´ o final do s´culo XV III era muito grande a quantidade e e de padr˜es existentes. Cada regi˜o escolhia arbitrariamente o a as suas unidades. Por motivos hist´ricos, os pa´ de l´ o ıses ıngua inglesa utilizam at´ hoje os seus padr˜es regionais. O elevado e o aumento nos intercˆmbios econˆmicos e culturais levou ao sura o gimento do Sistema Internacional de Unidades ou SI, o sistema m´trico. e Grandeza comprimento massa tempo corrente el´trica e temperatura quantidade de mat´ria e intensidade luminosa Unidade metro quilograma segundo amp`re e kelvin mol candela S´ ımbolo m kg s A K mol cd

Tabela 1.2: Algumas unidades derivadas do SI. Prefixo pico nano micro mili centi deci deca hecto quilo mega giga tera S´ ımbolo p n µ m c d D H k M G T Potˆncia de dez e correspondente 10−12 10−9 10−6 10−3 10−2 10−1 101 102 103 106 109 1012

Tabela 1.3: Prefixos, s´ ımbolos e potˆncias de dez. e • diˆmetro de um ´tomo de hidrogˆnio: 0, 0000000001 m. a a e Para manipular tais n´ meros, utilizamos a nota¸ao cient´ u c˜ ıfica, fazendo uso das potˆncias de 10. e O m´dulo de qualquer n´ mero g pode ser escrito como um o u produto de uma mantissa a, entre um e dez, por outro, que ´ e uma potˆncia de dez: e g = a × 10n ,

Tabela 1.1: Unidades fundamentais do SI. Em 1971, a 14a Conferˆncia Geral de Pesos e Medidas escolheu e sete grandezas como fundamentais, formando assim a base do SI. Al´m das grandezas, definiu-se tamb´m os s´ e e ımbolos, unidades derivadas e prefixos. A tabela 1.1 mostra as unidades fundamentais do SI. A tabela 1.2 apresenta algumas unidades derivadas do SI.

Nota¸˜o Cient´ ca ıfica

A medida de uma determinada grandeza f´ ısica pode resultar onde devemos ter 1 ≤ a < 10. em um n´ mero que seja extremamente grande ou extremau mente pequeno, por exemplos temos: Exemplos • distˆncia da Terra ` Lua: 384.000.000 m. a a 1 • 243 = 2, 43 × 100 = 2, 43 × 102

2

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o • 5.315 = 5, 315 × 1000 = 5, 315 × 103 • 0, 00024 = 2, 4 × 0, 0001 = 2, 4 × 10−4

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exerc´ ıcios Complementares
−3

4. (UFPI) A nossa gal´xia, a Via L´ctea, cont´m cerca de a a e 400 bilh˜es de estrelas. Suponha que 0, 05% dessas estrelas o • 0, 00458 = 4, 58 × 0, 001 = 4, 58 × 10 possuam um sistema planet´rio onde exista um planeta semea lhante ` Terra. O n´ mero de planetas semelhantes ` Terra, na a u a Regra Pr´tica a Via L´ctea, ´: a e a) 2 × 104 . • N´ meros maiores que 1: deslocamos a v´ u ırgula para a b) 2 × 106 . esquerda, at´ atingir o primeiro algarismo do n´ mero. O e u c) 2 × 108 . n´ mero de casas deslocadas para a esquerda corresponde u d) 2 × 1011 . ao expoente positivo da potˆncia de 10. e e) 2 × 1012 . • N´ meros menores do que 1: deslocamos a v´ u ırgula para a direita, at´ o primeiro algarismo diferente de zero. e O n´ mero de casas deslocadas para a direita corresponde u ao expoente negativo da potˆncia de 10. e 5. Transforme em quilˆmetros: o a) 3600 m; b) 2.160.000 cm; c) 0, 03 m; d) 5.780 dm; e) 27.600 m; f) 5.800 mm;

Pense um Pouco!

ısica tem 800 p´ginas e 4, 0 cm a • Quais s˜o as unidades de Peso e de massa? por que elas 6. (Unifor-CE) Um livro de F´ a de espessura. A espessura de uma folha do livro vale, em n˜o s˜o iguais? a a mil´ ımetros: • Um analg´sico deve ser inserido na quantidade de 3 mg/kg a) 0, 025. e de massa corporal, mas a dose administrada n˜o pode ex- b) 0, 050. a ceder 200 mg. Cada gota cont´m 5 mg do rem´dio. Quan- c) 0, 10. e e d) 0, 15. tas gotas devem ser prescritas a um paciente de 80 kg? e) 0, 20. 7. Escreva os seguintes n´ meros em nota¸ao cient´ u c˜ ıfica: a) 570.000 b) 12.500 1. (UENF-RJ) A tabela abaixo mostra as dimens˜es e as c) 50.000.000 o d) 0, 0000012 unidades, no sistema internacional, e) 0, 032 f) 0, 72 Grandeza Dimens˜o a Unidades SI g) 82 × 103 Comprimento L m (metro) h) 640 × 105 Massa M kg (quilograma) i) 9.150 × 10−3 Tempo T s (segundo) j) 200 × 10−5 k) 0, 05 × 103 das grandezas mecˆnicas prim´rias: a a a) Sabendo que for¸a = massa · acelera¸ao, expresse a unidade l) 0, 0025 × 10−4 c c˜ de for¸a em unidades de grandezas prim´rias. c a b) Determine os valores de n e p, se a express˜o M Ln T n−p a corresponde ` dimens˜o de energia cin´tica. a a e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Mecˆnica a

Aula 2

2. (FGV-SP) A dimens˜o de potˆncia em fun¸ao das grandea e c˜ zas fundamentais, massa (M ), comprimento (L) e tempo (T ) ´: e a) M L2 T −2 Algarismos Significativos b) M L2 T −1 c) M L2 T 2 A precis˜o de uma medida simples depende do instrumento a d) M L2 T −3 utilizado em sua medi¸ao. Uma medida igual a 2, 00 cm n˜o c˜ a e) M LT −2 deve ser escrita como 2, 0 cm ou 2 cm. 3. (Unifor-CE) Considerando que cada aula dura 50 min, o Denominamos algarismos significativos todos os algarismos co´ intervalo de tempo de duas aulas seguidas, expresso em segun- nhecidos com certeza, acompanhados de um ultimo duvidoso, que expressam o valor da medida de uma grandeza, ou seja: todos, ´ de: e dos os algarismos que representam a medida de uma grandeza a) 3, 0 × 102 . s˜o algarismos significativos, sendo chamados de corretos, com a b) 3, 0 × 103 . exce¸ao do ultimo, que recebe o nome de algarismo duvidoso. c˜ ´ c) 3, 6 × 103 . O algarismo duvidoso de uma medida ser´ sublinhado para a d) 6, 0 × 103 . destac´-lo, quando for preciso. a e) 7, 2 × 103 .

ˆ Mecanica – Aula 2 Exemplos

3

Crit´rios de Arredondamento e

Considere a velocidade da luz c = 2, 9979 . . . × 108 m/s. 1. A medida 2, 35 cm apresenta trˆs algarismos significativos e u (2, 3 e 5), sendo dois algarismos corretos (2 e 3) e um Como devemos proceder para escrever “c” com um n´ mero menor de algarismos significativos? Devemos utilizar os crit´rios e algarismo duvidoso (5). de arredondamento. 2. A medida 0, 00057 mm apresenta somente dois algaris- Podemos escrever: 4 significativos mos significativos ( 5 e 7), sendo um correto (5) e um c = 2, 998 × 108 m/s 8 duvidoso (7). Observe que os zeros a esquerda n˜o s˜o c = 3, 00 × 10 m/s ` a a 3 significativos algarismos significativos, pois servem apenas para posi- c = 3, 0 × 108 m/s 2 significativos cionar a v´ ırgula no n´ mero. Nesse caso, ´ aconselh´vel u e a escrever a medida em nota¸ao cient´ c˜ ıfica: 5, 7 × 10−4 mm.

REGRAS

3. A medida 150, 00 km apresenta cinco algarismos significativos, sendo os quatro primeiros corretos, e o ultimo zero ´ ´ e o algarismo duvidoso. Em nota¸ao cient´ c˜ ıfica escrevemos: 1, 5000 × 102 km. Note que ao escrevermos um n´ mero u usando as potˆncias de 10 mantemos a quantidade de ale garismos significativos deste n´ mero, ou seja, mantemos u sua precis˜o. a 4. Considere a medida do comprimento de uma haste com r´gua com divis˜es em cent´ e o ımetros: 0 cm 1 2 3 4 5 6 7

• Se o algarismo a ser eliminado ´ menor que 5, ele ´ sime e plesmente eliminado. √ Exemplo: 2 = 1, 41421 . . . = 1, 414 • Se o algarismo a ser eliminado ´ igual ou maior que 5, ele ´ e e eliminado, mas acrescentamos uma unidade no algarismo anterior. Exemplo: π = 3, 1415926 . . . = 3, 1416

Opera¸˜es com Algarismos Significativos co
Adi¸˜o e Subtra¸˜o ca ca

O resultado da adi¸ao e subtra¸ao de dois n´ meros n˜o pode c˜ c˜ u a Qual das op¸oes abaixo melhor representa o comprimento c˜ ter maior n´ mero de casas decimais, do que a parcela mais u da haste? pobre (em casas decimais). Procede-se a opera¸ao normalc˜ mente e arredonda-se o resultado. a) 5, 0 cm Exemplos b) 5, 40 cm c) 5 cm d) 5, 5 cm e) 5, 2 cm 5. Considere a figura: 0 cm 1 2 3 4 5 6 7 • 5, 3 m + 4, 38 m = 9, 68 m = 9, 7 m • 138, 95 m − 12, 3 m = 126, 65m = 126, 7 m Sublinhamos o algarismo duvidoso, identificando-o, para a seguir procedermos o arredondamento. Multiplica¸˜o e Divis˜o ca a

O resultado de uma multiplica¸ao e divis˜o n˜o pode ter maior c˜ a a n´ mero de algarismos significativos do que o fator mais u A mesma haste do exemplo anterior, medida agora com pobre (em algarismos significativos). Procede-se a opera¸ao c˜ uma r´gua milimetrada: e normalmente e arredonda-se o resultado. a) 5, 2 cm Exemplos b) 5, 240 cm c) 5, 45 cm d) 5, 24 cm e) 5, 21 cm • 4, 23 m × 2, 0 m = 8, 46 m2 = 8, 5 m2 • 4, 98 cm ÷ 2, 0 s = 2, 49 cm/s = 2, 5 cm/s

Rela¸˜es entre Grandezas F´ co ısicas

6. Indique o n´ mero de algarismos significativos de cada Muitos fenˆmenos f´ u o ısicos podem ser reduzidos ao estudo da n´ mero abaixo: u rela¸ao entre duas grandezas. Quando isto ocorre, os dados obc˜ tidos das medi¸oes podem ser expressos por uma representa¸ao c˜ c˜ a) 7, 4 2 significativos gr´fica num plano cartesiano por meio de dois eixo perpendia b) 0, 0007 1 significativo culares entre si. e c˜ a c˜ c) 0, 034 2 significativos Atrav´s da representa¸ao gr´fica da rela¸ao entre duas grandezas pertencentes a um determinado fenˆmeno f´ o ısico, podemos d) 7, 40 × 10−10 3 significativos obter algumas conclus˜es sobre o comportamento de uma das o

4

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

grandezas (vari´vel dependente) em rela¸ao a outra (vari´vel a c˜ a independente). Consideremos o seguinte exemplo: Uma pessoa com febre foi medicada, ingerindo uma dose do medicamento `s 8 horas e a uma outra dose `s 12 horas da manh˜. A temperatura da a a pessoa foi verificada de hora em hora e os resultados obtidos s˜o mostrados abaixo. a Tempo (h) 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Temperatura (◦ C) 39,0 39,0 38,5 38,0 38,5 37,5 37,0 36,5 36,5 36,5

• as escalas s˜o independentes e devem ser constru´ a ıdas independentemente; • as divis˜es num´ricas das escalas (lineares) devem ser reo e gulares; • o valor zero (0) n˜o precisa estar em nenhuma das escalas; a • as escalas devem crescer da esquerda para a direita, e de baixo para cima; • antes de iniciar a constru¸ao de um gr´fico deve-se vec˜ a rificar a escala a ser usada levando em considera¸ao os c˜ valores extremos, ou seja, o maior e o menor valor assumido por ambas as vari´veis do gr´fico. Divide-se ent˜o o a a a espa¸o dispon´ c ıvel, em cada eixo, para que acomode todos os pontos experimentais; • o teste final para saber se as escalas est˜o boas ´ feito a e verificando-se se ´ f´cil de ler as coordenadas de qualquer e a ponto nas escalas.

Podemos representar os dados da tabela acima em um gr´fico. a A representa¸ao gr´fica das vari´veis temperatura (vari´vel dec˜ a a a pendente: eixo vertical) e tempo (vari´vel independente: eixo a horizontal) est´ mostrada na Fig. 1.1. a

Pense um Pouco!
• A fun¸ao da posi¸ao x em rela¸ao ao tempo t de um ponto c˜ c˜ c˜ material em movimento retil´ ıneo, expressa em unidades do SI, ´ e x = 10 + 5, 0t Determine: a) a posi¸ao do ponto material no instante 5, 0 s; c˜ b) o instante em que a posi¸ao do ponto material ´ x = c˜ e 50 m; c) esboce o gr´fico x × t do movimento. a

40.0 39.0 T(oC) 38.0 37.0 36.0

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Determine o comprimento de cada haste:

35.0 0.0

0 cm 1

2

3

4

5

6

7

2.0

4.0 t(h)

6.0

8.0

10.0
a) 0 cm 1 2 3 4 5 6 7

Figura 1.1: Gr´fico da temperatura em fun¸ao do tempo a c˜ b) O gr´fico cartesiano mostrado anteriormente, al´m de facilitar a e 0 cm 1 a visualiza¸ao do comportamento da temperatura da pessoa c˜ durante as 9 horas de observa¸ao, permite tamb´m, algumas c˜ e c) conclus˜es. o 0 cm 1 2 3 4 5 6 7

2

3

4

5

6

7

Como Construir um Gr´fico a
Para que gr´ficos sejam constru´ a ıdos de forma objetiva e clara ´ necess´rio respeitar algumas regras simples: e a

d) 0 cm 1 2 3 4 5 6 7

• O eixo vertical ´ chamado de eixo das abscissas e o hori- e) e zontal de eixo das coordenadas; • a vari´vel dependente deve ser colocada no eixo vertical e a a vari´vel independente no eixo horizontal; a • os eixos devem se encontrar no canto inferior esquerdo do papel, ou espa¸o (retˆngulo) reservado para o gr´fico; c a a f)

0 cm 1

2

3

4

5

6

7

2. (UFSE) A escala de uma trena tem, como menor divis˜o, a o mil´ ımetro. Essa trena ´ utilizada para se medir a distˆncia e a

ˆ Mecanica – Aula 3 entre dois tra¸os paralelos, muito finos, feitos por um estilete c sobre uma superf´ plana e lisa. Considerando que n˜o houve ıcie a erro grosseiro, o resultado de uma s´ medi¸ao, com o n´ mero o c˜ u correto de algarismos significativos, ´ mais bem representado e por: a) 2 m b) 21 dm c) 214 cm d) 2, 143 m e) 2.143, 4 m

5 exemplos de grandeza f´ ısica escalar podemos citar a massa de um corpo (por exemplo, 50 kg), a temperatura (por exemplo 36 o C), o volume (5 m3 , por exemplo), a densidade (para a ´gua, 1000 kg/m3 ), a press˜o (105 N/m2 ), a energia (por a a exemplo 100 J) e muitas outras. Para operar com grandezas escalares, segue-se as regras de opera¸oes alg´bricas comuns, arredondando-se quando nec˜ e cess´rio. a

Grandezas Vetoriais

Exerc´ ıcios Complementares
3. (Cesgranrio) Um estudante deseja medir o comprimento de sua mesa de trabalho. N˜o dispondo de r´gua, decide utilizar a e um toco de l´pis como padr˜o de comprimento. Verifica ent˜o a a a que o comprimento da mesa equivale ao de 13, 5 tocos de l´pis. a Chegando ao col´gio, mede com uma r´gua o comprimento do e e seu toco de l´pis, achando 8, 9 cm. O comprimento da mesa a ser´ corretamente expresso por: a a) 120, 15 cm b) 120, 2 cm c) 1 × 102 cm d) 1, 2 × 102 cm e) 102 cm 4. (PUC-MG) Um estudante concluiu, ap´s realizar a medida o necess´ria, que o volume de um dado ´ 2, 36 cm3 . Levando-se a e em conta os algarismos significativos, o volume total de cinco dados, idˆnticos ao primeiro, ser´ corretamente expresso por: e a a) 6, 8 cm3 b) 7 cm3 c) 13, 8 cm3 d) 16, 80 cm3 e) 17, 00 cm3 5. Medindo a espessura de um caderno comum de 100 folhas, sem considerar as capas, um estudante obteve a medida de 1, 0 cm. A ordem de grandeza da espessura m´dia de uma e folha ´: e a) 10−1 mm b) 10−2 mm c) 10−3 mm d) 10−4 mm e) 10−5 mm

Dada a velocidade instantˆnea de um m´vel qualquer (por a o exemplo, um avi˜o a 380 km/h), constatamos que apenas essa a indica¸ao ´ insuficiente para dizermos a dire¸ao em que o m´vel c˜ e c˜ o segue. Isso acontece porque a velocidade ´ uma grandeza e vetorial. Para uma grandeza f´ ısica vetorial ficar totalmente caracterizada, ´ necess´rio saber n˜o apenas a sua intensidade ou e a a m´dulo mas tamb´m a sua dire¸˜o e o seu sentido. Geralo e ca mente a grandeza vetorial ´ indicada por uma letra com uma e setinha (por exemplo, v) e o m´dulo ou intensidade, por |v| ou o simplesmente por v. A grandeza f´ ısica vetorial pode ser representada graficamente por um segmento de reta (indicando a dire¸ao da grandeza) c˜ dotado de uma seta (indicativa de seu sentido) e trazendo ainda seu valor seguido da unidade de medida (indica¸ao de c˜ seu m´dulo ou intensidade). Tal representa¸ao ´ denominada o c˜ e vetor. No exemplo anterior do avi˜o, poder´ a ıamos dizer, por exemplo, que ele se movimenta num certo instante com velocidade v, de m´dulo v = 380 km/h, na dire¸ao norte-sul e sentido de o c˜ sul para norte. Essa velocidade vetorial instantˆnea pode ser a representada por um vetor, como mostra a figura 1.1.

380 km/h N

O

L

S

Mecˆnica a

Aula 3

Figura 1.1: Exemplo de representa¸ao vetorial c˜ Como afirmamos anteriormente, para representar grandezas vetoriais ´ preciso indicar, al´m do m´dulo, a dire¸ao e o sene e o c˜ tido da grandeza. Podemos fazer essa indica¸ao utilizando um c˜ vetor (veja a figura 1.2). O vetor pode ser representado por um segmento de reta orientado cujo tamanho - intensidade - ´ e proporcional ` intensidade da grandeza que representa. a Para melhor entendermos o significado e a representa¸ao de c˜ um vetor, observe a figura 1.3. Na figura de cima os vetores representados possuem mesma dire¸ao e sentido; na figura de baixo os vetores apresentam a c˜ mesma dire¸ao e sentidos opostos. Portanto, podemos notar c˜ que vetores de mesma dire¸ao s˜o paralelos, o que n˜o garante c˜ a a que tenham o mesmo sentido.

Grandezas Escalares e Vetoriais
Na F´ ısica tratamos de dois tipos principais de grandezas: as grandezas escalares e grandezas vetoriais.

Grandezas Escalares
A grandeza escalar ´ aquela que fica perfeitamente carace terizada quando conhecemos apenas sua intensidade acompanhada pela correspondente unidade de medida. Como

6

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o
S

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Vetores Perpendiculares

Imaginaremos agora, que um m´vel parte de um ponto A e soo fre um deslocamento d1 no sentido leste, atingindo um ponto B Figura 1.2: A reta s, que cont´m o vetor, indica a dire¸ao e a e, em seguida, um deslocamento d2 no sentido norte, atingindo e c˜ seta indica o sentido um ponto C (veja a figura 1.5)
C

b a c

d
O

N L d S d2

a b

A d1

B

Figura 1.5: O deslocamento d equivale aos deslocamentos d1 e d2 . Portanto d = d1 + d2 . Figura 1.3: Representa¸ao de alguns vetores c˜ Podemos notar facilmente que o deslocamento d1 , de A para B, e o d2 , de B para C, equivalem a um unico deslocamento, d, ´ de A para C. Desta forma, o deslocamento d ´ a soma vetorial e ou resultante dos deslocamentos d1 e d2 , ou seja,

Soma de Vetores Paralelos

Quando os vetores tem a mesma dire¸ao, podemos determic˜ d = d1 + d2 nar o m´dulo do vetor soma estabelecendo convencionalmente o e a um sentido como positivo e somando algebricamente os seus Este resultado ´ v´lido para qualquer grandeza vetorial. Veja a figura 1.6. m´dulos. Observe: o

a
c

c b

b

b

a

a d

b c

Figura 1.6: O vetor c ´ a resultante ou soma vetorial de a e b. e ´ Os vetores a e b tem como vetor soma resultante o vetor c. E crucial notar que a coloca¸ao do vetor b na origem ou na extrec˜ midade do vetor a n˜o altera o vetor soma c. Deve-se observar a que os vetores a, b e c formam um triˆngulo retˆngulo, em que a a c ´ a hipotenusa a e b s˜o catetos. Para obtermos o m´dulo e a o do vetor resultante, basta aplicar o teorema de Pit´goras: a c2 = a 2 + b 2

Figura 1.4: De acordo com a conven¸ao adotada, o m´dulodo c˜ o vetor ser´ d = a + b − c. a

Os vetores a, b e c possuem a mesma dire¸ao (horizontal). c˜ Soma de Vetores Adotamos como positivo o sentido horizontal para a direita. Assim, os vetores a e b s˜o positivos e o vetor c ´ negativo. O A soma de vetores perpendiculares entre si ou de dire¸oes a e c˜ m´dulo do vetor soma, d, ´ dado por o e quaisquer n˜o apresenta muita diferen¸a. Para um m´vel, para c o tir de A e atingir B num deslocamento d1 e, em seguida, atingir C num deslocamento d2 equivale a partir de A e atingir C num d=a+b−c deslocamento d (veja figura 1.7). Desta forma, Se obtermos um valor positivo para d, isso significa que seu d = d1 + d2 sentido ´ positivo, ou seja, o vetor ´ horizontal para a direita; e e se for negativo, o seu sentido ´ negativo, isto ´, o vetor ´ hori- Na determina¸ao do m´dulo do vetor d resultante, n˜o poe e e c˜ o a zontal para a esquerda. demos aplicar o teorema de Pit´goras, tendo em vista que o a

ˆ Mecanica – Aula 3

7

C d d2 A d1 B
α α a b c

Figura 1.7: O deslocamento d equivale aos deslocamentos d1 e d2 . a ˆngulo entre d1 e d2 n˜o ´ reto (90o ). Assim, aplicamos a regra a e do paralelogramo, como mostra a figura 1.8. Os vetores a e b formam um paralelogramo cuja diagonal ´ o e vetor resultante c. De acordo com a regra do paralelogramo, se a e b formam entre si um ˆngulo α, o m´dulo do vetor a o resultante c ser´ dado pela express˜o: a a c2 = a2 + b2 + 2ab · cos α Decomposi¸˜o de Vetores ca
α

c b

α

Ao somarmos dois vetores, podemos obter um unico vetor, ´ a o vetor resultante, equivalente aos dois vetores somados. Ao decompormos dois vetores, realizamos um processo inverso. Dado um vetor a, obt´m-se outros dois vetores ax e ay tal que e ax + ay = a (veja a figura 1.9). Figura 1.8: A diagonal do paralelogramo, cujos lados s˜o os a O vetor ay pode ser deslocado para a extremidade do vetor vetores a e b, ´ o vetor resultante c. Podemos deslocar o vetor e ax de tal forma que o vetor a e seus vetores componentes ax b para outra extremidade de a, reproduzindo a figura anterior. e ay formem um triˆngulo retˆngulo (figura 1.10). Aplicando a a a trigonometria ao triˆngulo retˆngulo, podemos determinar o a a m´dulo dos componentes ax (horizontal) e ay (vertical) de a Exerc´ o ıcios de Aplica¸˜o ca em fun¸ao do ˆngulo α. Desta forma, no triˆngulo hachurado c˜ a a da figura 1.10, temos 1. Um m´vel desloca-se 120 m no sentido oeste-leste, e em o cateto adjacente ax cos α = ⇒ cos α = seguida, 50 m no sentido norte-sul. hipotenusa a a) Represente esquematicamente esses deslocamentos. ax = a · cos α b) Determine o m´dulo do deslocamento resultante. o onde ax ´ o m´dulo da componente horizontal ax do vetor a. e o 2. Na figura, F1 = F2 = 100 N . Determine o m´dulo da o Temos ainda resultante de F1 e F2 . Dado: cos(120◦ ) = −0, 50. ay cateto oposto ⇒ sin α = sin α = hipotenusa a onde ay ´ o m´dulo da componente vertical ay do vetor a. e o Podemos relacionar o m´dulo do vetor e o m´dulo de seus o o componentes ortogonais, aplicando o teorema de Pit´goras no a triˆngulo formado por a e seus componentes ax e ay : a a2 = a2 x + a2 y ay = a · sin α

F2

120

o

Pense um Pouco!
F1
• Qual a condi¸ao para que a soma de dois vetores seja nula? c˜ • O m´dulo da soma de dois vetores pode ser igual ` soma o a 3. Um proj´til ´ atirado com velocidade de 400 m/s fazendo e e de seus m´dulos? Quando? o um ˆngulo de 45◦ com a horizontal. Determine os componentes a • O m´dulo de um vetor pode ser negativo? Por quˆ? o e vertical e horizontal da velocidade do proj´til. e

8

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

y

5. Um vetor velocidade ´ decomposto em dois outros, perpene diculares entre si. Sabendo que o m´dulo do vetor ´ 10, 0 m/s o e e que um dos componentes tem m´dulo igual a 8, 0 m/s, detero mine o m´dulo do vetor correspondente ao outro componente. o
a

ay α x ax

6. Um proj´til ´ lan¸ado do solo segundo uma dire¸ao que e e c c˜ forma 53o com a horizontal com uma velocidade de 200 m/s (veja a figura a seguir). Determine o m´dulo dos componeno tes horizontal, vx , e vertical, vy , dessa velocidade. Dados: sin(53◦ ) = 0, 80 e cos(53◦ ) = 0, 60

v
Figura 1.9: O vetor a pode ser decomposto em um componente horizontal, ax , e outro vertical, ay .

α = 53

o

a ay α ax ay

7. Um avi˜o voa no sentido sul-norte com uma velocidade de a 900 km/h. Num determinado instante passa a soprar um forte vento com velocidade 50 km/h, no sentido sudoeste-nordeste. a) Fa¸a um esquema gr´fico representando a velocidade do c a avi˜o e do vento. a b) Determine o m´dulo da velocidade resultante. Dado: o cos(45◦ ) = 0, 71.

Mecˆnica a
A Primeira Lei de Newton
O Conceito de For¸a c

Aula 4

Figura 1.10: O vetor a e seus componentes ax e ay formam um triˆngulo retˆngulo, onde a ´ a hipotenusa e ax e ay s˜o a a e a os catetos.

Exerc´ ıcios Complementares

Geralmente utilizamos uma for¸a com o objetivo de empurc rar, puxar ou levantar objetos. Essa id´ia ´ correta, por´m e e e 4. Na figura abaixo est˜o representadas duas for¸as: F1 , de a c incompleta. A id´ia de puxar ou empurrar est´ quase sempre e a m´dulo F1 = 5, 0 N e F2 , de m´dulo F2 = 3, 0 N , formando o o e ıstica entre si um ˆngulo α = 60◦ . Determine a for¸a resultante FR associada a id´ia de contato, o que exclui uma caracter´ a c fundamental da no¸ao de for¸a: a a¸ao a distˆncia. A atra¸ao c˜ c c˜ ` a c˜ para o sistema de for¸as mostrado. c gravitacional entre o Sol e a Terra, por exemplo, ´ exercida a e milh˜es de quilˆmetros de distˆncia. o o a A palavra for¸a n˜o possui uma defini¸ao unica, expressa em c a c˜ ´ palavras. A F´ ısica moderna admite a existˆncia de quatro tie pos de for¸a na natureza, chamadas mais adequadamente de c intera¸oes: gravitacional, eletromagn´tica, e as for¸as nucleac˜ e c res forte e fraca. F1 Em rela¸ao ao estudo dos movimentos e de suas causas, podec˜ se dizer que for¸a ´ a a¸ao capaz de modificar a velocidade de c e c˜ um corpo. o Como muitas outras grandezas em F´ ısica, a for¸a ´ uma granc e α = 60 deza vetorial, ou seja, possui m´dulo dire¸ao e sentido. Podeo c˜ mos resumir, ent˜o a defini¸ao de for¸a da seguinte forma: a c˜ c

F2

For¸a ´ uma grandeza vetorial que caracteriza c e a a¸˜o de um corpo sobre outro e que tem ca como efeito a deforma¸˜o ou a altera¸˜o da ca ca

ˆ Mecanica – Aula 4 velocidade do corpo sobre o qual ela est´ sendo a aplicada.

9

A Primeira Lei de Newton

Figura 1.2: Ao parar bruscamente, o cavaleiro continua seu movimento pra frente... Figura 1.1: Isaac Newton (1642-1727). ele estiver em movimento retil´ ıneo e uniforme, o equil´ ıbrio ser´ a chamado de dinˆmico. a

Antes de falarmos da Primeira Lei de Newton, devemos pensar em uma pergunta: “o que acontece com o movimento de um corpo livre de qualquer for¸a?” Essa pergunta pode ser Pense um Pouco! c respondida em duas partes. A primeira trata do efeito da ine• Qual a rela¸ao entre a Primeira Lei de Newton e o cinto de c˜ xistˆncia de for¸as sobre o corpo em repouso: se nenhuma e c seguran¸a? e o encosto para a cabe¸a no banco do carro? c c for¸a atua sobre o corpo em repouso, ele continua em repouso. c A segunda parte trata do efeito da inexistˆncia de for¸as sobre e c • Por que quando um ˆnibus freia repentinamente, os paso o corpo em movimento: se nenhuma for¸a atua sobre o corpo c sageiros s˜o “arremessados” para a frente? e o que ocorre a em movimento, ele continua em movimento. quando o ˆnibus ´ acelerado? o e Mas que tipo de movimento? J´ que n˜o existem for¸as atua a c ando sobre o corpo, sua velocidade n˜o varia de m´dulo ou a o dire¸ao. Desta forma, o unico movimento poss´ do corpo na c˜ ´ ıvel Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca ausˆncia de qualquer for¸a atuando sobre ele ´ o movimento e c e retil´neo uniforme. ı A Primeira Lei de Newton re´ ne as duas respostas anteriores 1. (UFMG) Um corpo de massa m est´ sujeito ` a¸ao de uma u a a c˜ em um unico enunciado: ´ for¸a F que o desloca segundo um eixo vertical em sentido c contr´rio ao da gravidade. Se esse corpo se mover com velocia Todo corpo tende a manter seu estado de redade constante ´ porque: e pouso ou de movimento retil´ ıneo e uniforme, a) a for¸a F ´ maior do que a da gravidade. c e a menos que for¸as externas provoquem vac b) a for¸a resultante sobre o corpo ´ nula. c e ria¸˜o na sua velocidade. ca c) a for¸a F ´ menor do que a gravidade. c e d) a diferen¸a entre os m´dulos das for¸as ´ diferente de zero. c o c e De acordo com a primeira Lei de Newton, podemos afirmar e) a afirma¸ao da quest˜o est´ errada, pois qualquer que seja c˜ a a que na ausˆncia de for¸as, todo corpo tende a ficar como est´: e c a a ca parado se estiver parado, em movimento retil´ ıneo uniforme, se F o corpo estar´ acelerado porque sempre existe a acelera¸˜o da gravidade. estiver em movimento (retil´ ıneo uniforme). Por este motivo essa lei tamb´m ´ chamada de Princ´pio da In´rcia. e e ı e 2. (UNESP-SP) Assinale a alternativa que representa o enunciado da Lei da In´rcia, tamb´m conhecida como primeira Lei e e de Newton. a) Qualquer planeta gira em torno do Sol descrevendo uma o ´rbita el´ ıptica, da qual o Sol ocupa um dos focos. b) Dois corpos quaisquer se atraem com uma for¸a proporcioc nal ao produto de suas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distˆncia entre eles. a c) Quando um corpo exerce uma for¸a sobre outro, este rec age sobre o primeiro com uma for¸a de mesma intensidade e c dire¸ao, mas de sentido contr´rio. c˜ a d) A acelera¸ao que um corpo adquire ´ diretamente proporc˜ e cional ` resultante das for¸as que nele atuam, e tem mesma a c dire¸ao e sentido dessa resultante. c˜ e) Todo corpo continua em seu estado de repouso ou de movimento uniforme em uma linha reta, a menos que sobre ele estejam agindo for¸as com resultante n˜o nula. c a

O que ´ In´rcia? e e
Todos os corpos apresentam a tendˆncia de se manter em ree pouso ou em movimento retil´ ıneo uniforme. Essa propriedade dos corpos ´ chamada in´rcia. A palavra in´rcia ´ derivada do e e e e latim inertia, que significa indolˆncia ou pregui¸a. Os corpos e c tˆm uma esp´cie de resistˆncia `s modifica¸oes de sua velocie e e a c˜ dade.

Equil´ ıbrio de uma Part´ ıcula
Dizemos que uma part´ ıcula se encontra em equil´ ıbrio, quando a resultante das for¸as atuando sobre ela for nula. Se a resultante c ´ nula, n˜o ocorre altera¸ao na velocidade do objeto. Assim,se e a c˜ ele estiver em repouso, chamamos o equil´ ıbrio de est´tico; se a

10

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

3. (UNESP-SP) As estat´ ısticas indicam que o uso do cinto de cada corpo, foi denominado pelos f´ ısicos de massa do corpo. seguran¸a deve ser obrigat´rio para prevenir les˜es mais graves Desta forma, podemos afirmar: c o o em motoristas e passageiros no caso de acidentes. Fisicamente, A massa m de um corpo ´ o quociente entre o e a fun¸ao do cinto est´ relacionada com a: c˜ a m´dulo da for¸a que atua num corpo e o valor o c a) primeira Lei de Newton. da acelera¸˜o a que ela produz neste corpo. ca b) lei de Snell. c) lei de Amp`re. e Assim, d) lei de Ohm. F e) primeira Lei de Kepler. m= a

Exerc´ ıcios Complementares
4. (Unitau-SP) Uma pedra gira em torno de um apoio fixo, presa por uma corda. Em um dado momento, corta-se a corda. Pela Lei da In´rcia, conclui-se que: e a) a pedra se mant´m em movimento circular. e b) a pedra sai em linha reta, segundo a dire¸ao perpendicular c˜ a ` corda no instante do corte. c) a pedra sai em linha reta, segundo a dire¸ao da corda no c˜ instante do corte. d) a pedra p´ra. a e) a pedra n˜o tem massa. a

No sistema internacional (SI), a unidade para medida de massa ´ o quilograma: e 1 quilograma = 1 kg = 1000 g

Massa e In´rcia e
Suponhamos que uma for¸a F foi aplicada a trˆs corpos de c e massa diferentes, como trˆs blocos de ferro, com volumes die versos. Imaginaremos que a superf´ ıcie na qual estes blocos est˜o apoiados n˜o apresenta atrito. Analisando a equa¸ao a a c˜ m = F/a, percebemos facilmente que: - Quanto maior m → menor a

5. (Ucsal-BA) Uma mesa, em movimento uniforme retil´ ıneo, - Quanto maior m → maior a dificuldade de alterar a velocis´ pode estar sob a a¸ao de uma: o c˜ dade do corpo. a) for¸a resultante n˜o-nula na dire¸ao do movimento. c a c˜ b) unica for¸a horizontal. ´ c Podemos concluir que c) for¸a resultante nula. c Quanto maior ´ a massa de um corpo, maior e d) for¸a nula de atrito. c ser´ sua in´rcia (dificuldade de ter sua veloa e e) for¸a vertical que equilibre o peso. c cidade alterada), isto ´, a massa representa a e 6. (Fiube-MG) Uma part´ ıcula se desloca ao longo de uma medida de in´rcia de um corpo. e reta com acelera¸ao nula. Nessas condi¸oes, podemos afirmar c˜ c˜ corretamente que sua velocidade escalar ´: e As conclus˜es anteriormente, explicam porque um caminh˜o o a a) nula. vazio (quando sujeito a uma for¸a F) adquire uma acelera¸ao c c˜ b) constante e diferente de zero. maior do que quando esta cheio, por exemplo. c) inversamente proporcional ao tempo. d) diretamente proporcional ao tempo. A Segunda Lei de Newton e) diretamente proporcional ao quadrado do tempo. De acordo com o princ´ ıpio da in´rcia, um corpo s´ pode sair e o de seu estado de repouso ou de movimento retil´ ıneo com velocidade constante se sobre ele atuar uma for¸a resultante exc terna. Neste momento, poder´ ıamos perguntar: “O que acontece se existir uma for¸a resultante externa agindo no corpo?” c Nesta situa¸ao, o corpo fica sujeito a uma acelera¸˜o, ou seja, c˜ ca um corpo sujeito a uma for¸a resultante externa movimenta-se c com velocidade vari´vel. a A Segunda Lei de Newton

Mecˆnica a

Aula 5

´ E muito comum encontrarmos a defini¸ao de massa de um c˜ corpo da seguinte maneira: “a massa de um corpo representa a quantidade de mat´ria que ele possui”. Em cursos elementae res de ciˆncias, esta defini¸ao pode ser aceita como uma id´ia e c˜ e inicial da no¸ao de massa, embora n˜o possa ser considerada c˜ a uma defini¸ao precisa dessa grandeza. De fato, a defini¸ao c˜ c˜ apresentada n˜o ´ adequada, pois pretende definir um novo a e conceito – massa – por meio de uma id´ia vaga, que n˜o tem e a significado f´ ısico preciso – quantidade de mat´ria. e Experimentalmente os f´ ısicos constataram que entre a for¸a F c aplicada a um corpo e a acelera¸ao a, que ele adquire, existe c˜ uma propor¸ao direta. Desta forma, o quociente F/a ´ consc˜ e tante para um certo objeto. Este quociente, que ´ intr´ e ınseco a

1 0 1 0 1111111111111 0000000000000 1 0 1 0 1111111111111 0000000000000
´ a E f´cil perceber que, se quisermos acelerar um corpo, por exemplo, desde o repouso at´ 30 km/h em um intervalo de e tempo de 30 s, a intensidade da for¸a que teremos de aplicar c depender´ da massa do corpo. Se, por exemplo, o corpo for um a carro, ´ evidente que a for¸a necess´ria ser´ muito menor do e c a a

F

ˆ Mecanica – Aula 5 que se tratasse de um caminh˜o. Desta forma, quanto maior a a massa do corpo, maior dever´ ser a intensidade da for¸a a c necess´ria para que ele alcance uma determinada acelera¸ao. a c˜ Foi Isaac Newton quem obteve essa rela¸ao entre massa e for¸a, c˜ c que constitui a segunda lei de Newton ou princ´ ıpio fundamental da dinˆmica. Temos, ent˜o que a a A acelera¸˜o de um corpo submetido a uma ca for¸a resultante externa ´ inversamente proc e porcional ` sua massa, e diretamente propora cional a intensidade da for¸a. c

11

Pense um Pouco!
´ • E muito comum nos depararmos com a situa¸ao na qual c˜ um carro e um caminh˜o est˜o emparelhados aguardando a a o sinal verde do sem´foro. Vocˆ sabe por quˆ, quando o a e e sinal fica verde, o carro quase sempre sai na frente, apesar de o caminh˜o ter um motor mais possante? a • Se o peso de um corpo ´ proporcional ` sua massa, ent˜o e a a podemos afirmar que todos os corpos ter˜o a mesma acea lera¸ao, em queda livre? c˜

Assim, para uma dada for¸a resultante externa F, quanto Exerc´ c ıcios de Aplica¸˜o ca maior a massa m do corpo tanto menor ser´ a acelera¸ao a a c˜ adquirida. Matematicamente, a segunda lei de Newton ´ dada e 1. Na figura abaixo os blocos A, B e C est˜o sobre um plano a por: horizontal sem atrito. F = ma Esta equa¸ao vetorial imp˜e que a for¸a resultante e a acec˜ o c lera¸ao tenham a mesma dire¸ao e o mesmo sentido. No SI a c˜ c˜ unidade de for¸a ´ o newton ou (N ): c e 1 N = 1 kg · m/s2 Por defini¸ao, o newton ´ a for¸a que produz uma acelera¸ao c˜ e c c˜ de 1 m/s2 quando aplicada em uma massa de 1 kg. Sendo F = 20 N , ma = 3, 0 kg, mb = 8, 0 kg e mc = 9, 0 kg, determine: a) a acelera¸ao do conjunto; c˜ Antes de resolver qualquer problema de dinˆmica, ´ de fun- b) a tra¸ao nos fios (TAB entre A e B e TBC , entre B e C). a e c˜ ıvel. damental importˆncia a identifica¸ao de todas as for¸as rele- Admitir a massa dos fios desprez´ a c˜ c vantes envolvidas no problema. Para facilitar a visualiza¸ao c˜ destas for¸as, isola-se cada corpo envolvido e desenha-se um 2. (Uneb-BA) Um elevador de 500 kg de massa sobe acelerado c 2 2 c˜ diagrama de corpo livre ou diagrama de for¸as para a 2 m/s . Considerando g = 10 m s , a tra¸ao no cabo que o c e cada corpo, que ´ um esquema simplificado envolvendo todas sustenta, ´ de: e a) 6000 N as massas e for¸as do problema. c b) 5000 N Por exemplo, se um bloco escorrega, descendo um plano inclic) 4000 N nado com atrito, teremos o seguinte diagrama de corpo livre d) 3000 N para o bloco: e) 2000 N

B

A

Diagrama de Corpo Livre

N m
θ

Fat

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
3. No conjunto da figura abaixo, o bloco A tem massa 0, 50 kg. O bloco B, de massa 4, 5 kg, est´ sobre o plano sem atrito. a

P
F A
Figura 1.1: Diagrama de corpo livre para um bloco escorregando num plano inclinado.

B

C

Admitindo g = 10 m/s2 e o fio inextens´ ıvel de massa desprez´ como a massa da polia, determine: ıvel Observe a) a acelera¸ao do conjunto; c˜ Nesse exemplo, o bloco ´ tratado como uma part´ e ıcula, por sim- b) a tra¸ao no fio. c˜ plifica¸ao, n˜o sendo relevante suas dimens˜es ou o ponto de c˜ a o aplica¸ao das for¸as, colocadas todas no seu centro geom´trico, 4. No conjunto da figura abaixo, temos mA = 1, 0 kg, mB = c˜ c e por conveniˆncia. Desprezou-se a for¸a de empuxo do ar, a 2, 0 kg e mC = 2, 0 kg. O bloco B se ap´ia num plano sem e c o for¸a de resistˆncia viscosa ao movimento do bloco, tamb´m atrito. S˜o desprez´ c e e a ıveis as massas da polia e do fio, que ´ e causada pelo ar, e outras for¸as irrelevantes ao problema. c inextens´ ıvel.

12

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

B

Mecˆnica a
A

Aula 6

C

Energia
Admitindo g = 10 m/s2 , determine: a) a acelera¸ao do conjunto; c˜ b) a tra¸ao TAB entre os blocos A e B; c˜ c) a tra¸ao TBC entre os blocos B e C. c˜ A energia se apresenta de diversas formas na natureza. Por exemplo os alimentos que nos proporcionam energia qu´ ımica, a combust˜o da gasolina libera energia t´rmica, energia el´trica ´ a e e e utilizados em diversos aparelhos, transformando-se em energia sonora, energia luminosa, etc. Para medir a quantidade de 5. Na figura, a for¸a F tem intensidade 90 N . Despreze os energia transferida de um corpo para outro vamos introduzir c atritos e as in´rcias do fio e da roldana. Quais os valores da o conceito de trabalho. e acelera¸ao do conjunto e da for¸a que traciona o fio? c˜ c

F 4 kg

Trabalho
O significado da palavra trabalho, na F´ ısica, ´ diferente do seu e significado habitual, empregado na linguagem comum. O trabalho, na F´ ısica ´ sempre relacionado a uma for¸a que desloca e c uma part´ ıcula ou um corpo. Dizemos que uma for¸a F realiza c trabalho quando atua sobre um determinado corpo que est´ a em movimento. A partir dessa descri¸ao podemos dizer que c˜ s´ h´ trabalho sendo realizado se houver deslocamento, caso o a contr´rio o trabalho realizado ser´ nulo. Assim, se uma pesa a soa sustenta um objeto, sem desloc´-lo, ela n˜o est´ realizando a a a nenhum trabalho sobre o corpo. Quando uma for¸a F atua sobre um corpo no mesmo sentido c de seu movimento (ou deslocamento) ela est´ favorecendo o a movimento desse corpo, considera-se positivo o trabalho realizado pela for¸a. c

6 kg

6. (UEL-PR) Os trˆs corpos, A, B e C, representados na e figura tˆm massas iguais, m = 3, 0 kg e

A

B

Uma For¸a Constante c
Quando a for¸a F atua no sentido contr´rio ao movimento do c a corpo, contra o movimento (deslocamento), o trabalho realizado pela for¸a ´ considerado negativo. c e

C

F d

F

O plano horizontal, onde se ap´iam A e B, n˜o fornecem atrito, o a a roldana tem massa desprez´ e a acelera¸ao local da graviıvel c˜ dade pode ser considerada g = 10 m/s2 . A tra¸ao no fio que c˜ une os blocos A e B tem m´dulo: o a) 10 N b) 15 N c) 20 N d) 25 N e) 30 N

Desta maneira podemos escrever que trabalho W realizado por uma for¸a horizontal constante, durante um deslocamento c horizontal d ´: e W = ±F d (1.1)

onde F ´ o m´dulo da for¸a constante e d ´ o deslocamento e o c e (em m´dulo). O sinal + ´ usado quando a for¸a e o deslocao e c 7. (U. F. Lavras-MG) Um bloco de peso igual a 50 N encontra- mento possuem o mesmo sentido, e o sinal −, quando possuem se sobre uma balan¸a no piso de um elevador. Se o elevador sentidos contr´rios. c a sobe com acelera¸ao igual, em m´dulo, ` metade da acelera¸ao Importante c˜ o a c˜ da gravidade local, pode-se afirmar que a leitura da balan¸a: c Observe que o trabalho ´ uma grandeza escalar, apesar de ser e a) ser´ de 25 N a definida a partir de dois vetores (F e d). b) permanece inalterada Unidades c) ser´ de 75 N a d) ser´ de 100 N a e) ser´ de 200 N a 1 N · m = 1 J = 1 joule = 107 erg

ˆ Mecanica – Aula 6

13

Existem diversos tipos de for¸as que podem atuar em um c Quando a for¸a for aplicada ao corpo formando um ˆngulo φ corpo: for¸a el´stica, for¸a peso, for¸a el´trica, for¸a de conc a c a c c e c com a horizontal, temos a seguinte f´rmula mais geral: o tato, etc... W = F d cos φ (1.2)

1 kJ = 103 J

Tipos de For¸as c

onde F ´ o m´dulo da for¸a constante, d ´ o deslocamento (em e o c e m´dulo) e φ o ˆngulo entre os vetores F e d, ou seja, entre a Consideramos duas pessoas que realizam o mesmo trabalho. Se o a uma delas levar um tempo menor que a outra para a realiza¸ao c˜ dire¸ao da for¸a e o deslocamento. c˜ c desse trabalho, tem de fazer um esfor¸o maior e, por tanto, c dizemos que desenvolveu uma potˆncia maior. e
F φ d φ F

Potˆncia P e

Podemos tamb´m calcular o trabalho W realizado pela for¸a e c F atrav´s da ´rea sob a curva do gr´fico F × x: e a a

F Area = Trabalho O x X
Figura 1.1: James Watt (1736-1819)

Um carro ´ mais potente que o outro quando ele “arranca”mais e r´pido e atinge uma dada velocidade num intervalo de tempo a menor do que o outro carro.. Um aparelho de som ´ mais potente que o outro quando ele e ´ W ≡ Area sob a curva ele transforma mais energia el´trica em sonora num menor e intervalo de tempo. Uma m´quina ´ caracterizada n˜o s´ pelo a e a o Observe que neste caso deveremos descobrir o sinal do trabalho trabalho que ela efetua, mas pelo trabalho que pode efetuar atrav´s da an´lise do gr´fico, e do sentido relativo entre a for¸a e a a c em determinado tempo. e o deslocamento (ou do ˆngulo φ). a Ent˜o podemos concluir que potˆncia ´ o trabalho realizado a e e durante um determinado tempo, ou seja:

Uma For¸a Vari´vel c a

P = W/t 0 gr´fico abaixo representa a a¸ao de uma for¸a vari´vel que a c˜ c a age sobre um corpo, provocando um deslocamento linear, Em alguns casos, pode-se escrever W = F d e, substituindo na desde o ponto x′ at´ o ponto x′′ . e equa¸ao acima temos c˜ P= W F dt = = Fv . t t

F(x2) F(x1)

j´ que v = d/t. a Unidade de Potˆncia e 1 J/s = 1 watt = 1 W
Area = Trabalho

Energia cin´tica e
Para variar a velocidade de um corpo em movimento ´ preciso e o concurso de for¸as externas, as quais realizam certo trabalho. c Esse trabalho ´ uma forma de energia que o corpo absorve (ou e Neste caso, o trabalho pode ser determinado pela area sob a ´ perde) pelo fato de estar em movimento em rela¸ao a um dado c˜ curva, desenhando-se o gr´fico em papel quadriculado, ou de a sistema de referˆncia. e forma aproximada pela ´rea de um trap´zio: a e Chamamos essa energia de movimento de energia de cin´tica. e Para uma part´ ıcula de massa m e velocidade v a energia F ′′ + F ′ (x′′ − x′ ) W = Fd = cin´tica ´: e e 2 1 Ec = mv 2 2 Observe que essa f´rmula considera a for¸a m´dia (aproxio c e e assim como o trabalho, mede-se a energia cin´tica em joules. e mada) multiplicada pelo deslocamento.

O

x1

x2

X

14

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Teorema Trabalho-Energia

Suponhamos que FR seja a resultante das for¸as que atuam c c sobre uma part´ ıcula de massa m. O trabalho dessa resultante 4. O produto da for¸a pelo deslocamento do corpo em que ela a ´ igual ` diferen¸a entre o valor final e o valor inicial da energia atua est´ associado com: e a c a) trabalho cin´tica da part´ e ıcula: b) potˆncia e 1 1 2 2 c) distˆncia a W = ∆Ec = mvf − mvi 2 2 d) acelera¸ao c˜ e) velocidade Esse enunciado, conhecido como teorema do trabalho-energia indica que o trabalho da resultante das for¸as que atua sobre c uma part´ ıcula modifica sua energia cin´tica. e Exerc´ ıcios Complementares

d) potˆncia ´ a capacidade de realizar trabalho. e e e) trabalho ´ a rela¸ao energia-tempo. e c˜

Pense um Pouco!

5. (UFSC) O gr´fico a seguir representa a resultante das a for¸as, em newtons, que atuam num corpo de massa igual a c c˜ • Que trabalho realizamos sobre um corpo que ´ levantado 10, 0 kg, em fun¸ao do deslocamento total em metros. Sue 1 e a uma determinada altura? Esse trabalho seria positivo pondo que a sua velocidade inicial ´ de 14 2 m/s, determine, em m/s, a velocidade do corpo depois de percorrer 40, 0 m. ou negativo? • Se vocˆ pudesse segurar um elefante a uma determinada e altura, vocˆ estaria realizando trabalho? Por quˆ? e e • Um menino puxa um carrinho sem rodas, por um barbante. 1. H´ algum trabalho sendo realizado sobre o carrinho? a Por quˆ? O trabalho ´ positivo ou negativo. e e 2. O menino desenvolve alguma potˆncia? Por quˆ? e e 3. O carrinho tem energia cin´tica? Por quˆ? e e

F(N) 20 15 10 5 0 0 10 20 30 40

x(m)

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ESAL-MG) Um homem est´ em repouso com um caixote a tamb´m em repouso `s costas. e a a) Como o caixote tem um peso, o homem est´ realizando a trabalho. b) O homem est´ realizando trabalho sobre o caixote pelo fato a de o estar segurando c) O homem est´ realizando trabalho pelo fato de estar fazendo a for¸a. c d) O homem n˜o realiza trabalho pelo fato de n˜o estar se a a deslocando. e) O homem n˜o realiza trabalho pelo fato de o caixote estar a sujeito ` acelera¸ao da gravidade. a c˜ 2. (UFSE) Um corpo est´ sendo arrastado por uma superf´ a ıcie horizontal com atrito, em movimento uniforme. Considere as afirma¸oes a seguir: I. O trabalho da for¸a de atrito ´ nulo. II. c˜ c e O trabalho da for¸a peso ´ nulo. III. A for¸a resultante que c e c arrasta o corpo ´ nula. Dentre as afirma¸oes: e c˜ ´ a) E correta a I, somente. ´ b) E correta a II, somente. ´ c) E correta a III, somente. d) S˜o incorretas I, II, III. a e) S˜o corretas II e III. a 3. (UMC-SP) Sobre trabalho, potˆncia e energia, pode-se afire mar que: a) potˆncia e energia s˜o sinˆnimos. e a o b) trabalho e potˆncia se expressam com a mesma unidade. e c) para trabalho e energia usa-se a mesma unidade. 6. Um proj´til de massa 10, 0 g penetra com velocidade e horizontal de 100 m/s e sai de uma t´bua de espessura de a 10, 0 mm, com velocidade de 90, 0 m/s. Calcule a for¸a com c que a t´bua exerce sobre o proj´til. a e

m = 10 g F vo = 100 m/s x = 1,0 cm vf = 90 m/s

7. Um m´vel de massa 2, 90 kg ´ submetido ` uma for¸a conso e a c tante e adquire, a partir do repouso, a velocidade de 20, 0 m/s em 8, 00 s. Calcule: a) o trabalho W realizado pela for¸a; c b) a potˆncia P desenvolvida pela for¸a; e c

Mecˆnica a

Aula 7

ˆ Mecanica – Aula 7

15

mede a “dureza´´ da mola: quanto maior o valor de k, mais dif´ ser´ a sua deforma¸ao, ou seja, mais for¸a ser´ necess´ria ıcil a c˜ c a a Um corpo possui energia quando ´ capaz de realizar trabalho. para deform´-la uma certa quantidade x. e a Suponha, ent˜o, um corpo situado a uma certa altura acima a do solo. Se este corpo for abandonado, chegando ao solo, ´ e Energia Potencial El´stica a f´cil perceber que ser´ capaz de realizar um certo trabalho: a a amassar um objeto, perfurar o solo, etc. Pode-se pois concluir Quando aplicamos uma for¸a e deformamos uma mola estamos c que aquele corpo possu´ energia na posi¸ao elevada. ıa c˜ transferindo a ela uma energia, essa energia fica armazenada A energia que um corpo possui, em virtude de estar situado a na mola. Definimos que a energia armazenada em uma mola uma certa altura acima da superf´ da Terra, ´ denominada comprimida ou distendida ´ chamada de energia potencial ıcie e e energia potencial gravitacional. H´ outras situa¸oes, seme- el´stica, atrav´s de a c˜ a e 1 lhantes a essa, nas quais um corpo tamb´m possui energia em e Ep = kx2 2 virtude da posi¸ao que ele ocupa. Por exemplo, um corpo sic˜ tuado na extremidade de uma mola comprimida (ou esticada) possui energia em virtude de sua posi¸ao. Se um corpo com- Pense um Pouco! c˜ primir uma mola e soltarmos esse corpo, ele ser´ empurrado a pela mola e poder´ realizar trabalho. Neste caso, a energia a • A energia potencial gravitacional depende da acelera¸ao c˜ que o corpo possui na ponta da mola comprimida ou esticada da gravidade, ent˜o em que situa¸oes essa energia ´ posia c˜ e ´ denominada energia potencial el´stica. e a tiva, nula ou negativa?

Energia Potencial

Energia Potencial Gravitacional
Para uma massa m a uma altura h acima do solo, nosso referencial usual de energia zero, podemos definir a energia potencial gravitacional Ep como Ep = mgh

• A for¸a el´stica depende da massa da mola? Por quˆ? c a e • Se uma mola ´ comprimida por um objeto de massa e grande, quando solto a mola n˜o consegue se mover, o a que acontece com a energia potencial el´stica? a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

onde g ´ a acelera¸ao da gravidade. No SI, g vale aproximae c˜ damente 9, 8 m/s2 . 1. Um garoto atira uma pedra para cima com um estilingue. a) Qual a forma de energia armazenada no estilingue? b) Que forma de energia possui a pedra quando atinge sua alFor¸a El´stica c a tura m´xima? a Chamamos de corpos el´sticos aqueles que, ao serem defor- c) Existe energia no estilingue depois do lan¸amento? Coa c mados, tendem a retornar ` forma inicial. a mente. 2. Um para-quedista desce com velocidade constante, depois de um certo tempo de queda. a) O que acontece com sua energia potencial Ep ? b) Sua energia cin´tica est´ variando? Comente. e a 3. Um indiv´ ıduo encontra-se sobre uma balan¸a de mola, pic sando sobre ela com seus dois p´s. Se ele levantar um dos p´s e e e mantiver o outro apoiado, no interior de um elevador completamente fechado, quando observa que o peso indicado na balan¸a ´ zero. Ent˜o, conclui que: c e a a) est´ descendo com velocidade constante a b) o elevador est´ em queda livre a c) a for¸a de atra¸ao gravitacional exercida sobre ele ´ anulada c c˜ e pela rea¸ao normal do elevador c˜ d) a balan¸a est´ quebrada, visto que isto ´ imposs´ c a e ıvel

Figura 1.1: Robert Hooke (1635-1703) Uma mola helicoidal, feita geralmente de a¸o, como caracc ter´ ıstica pr´pria uma constante el´stica k, que define a proo a porcionalidade entre a intensidade for¸a F aplicada e a respecc tiva deforma¸ao x causada na mola. A lei de Hooke relaciona c˜ essas quantidades na forma

4. Duas pedras, sendo uma de 20 kg e outra de 30 kg, est˜o a a 500 m de altura em rela¸ao ao solo. Vocˆ diria que: c˜ e a) ambas as pedras tˆm igual energia potencial; e b) a pedra de menor massa tem maior energia potencial c) nada podemos afirmar com rela¸ao ` energia potencial das c˜ a pedras F = −kx d) a pedra de massa menor tem maior capacidade de realizar trabalho Observe que x mede a deforma¸ao linear da mola a partir do c˜ e) a pedra de maior massa tem maior energia potencial seu tamanho de equil´ ıbrio (sem for¸a). c Atrav´s a equa¸ao acima, pode-se ver que a unidade SI da 5. (UFRN) Uma mola helicoidal, de massa desprez´ e c˜ ıvel, constante el´stica deve ser N/m. Na pr´tica, a constante k est´ suspensa verticalmente e presa a um suporte horizontal. a a a

16

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Quando se pendura um corpo de 40 kg na extremidade livre dessa mola, ela apresenta deforma¸ao de 2, 0 cm para o sisc˜ tema em equil´ ıbrio. Se acrescentarmos a essa massa outra de 10 kg, no ponto de equil´ ıbrio, a deforma¸ao total ser´ de: c˜ a a) 3, 0 m b) 2, 5 cm c) 2, 0 m d) 1, 5 cm e) 1, 0 m

Fext. = −P
m

Exerc´ ıcios Complementares
6. Uma mola cuja constate el´stica ´ 1000 N/m encontra-se a e comprimida em 10 cm. a) Determine a energia potencial el´stica armazenada na mola. a

P
Figura 1.2: Um corpo sendo suspenso em equil´brio. ı

b) Se apenas energia da mola for utilizada integralmente para O trabalho realizado pela for¸a externa F , ´ armazenado c ext. e impulsionar um bloco de 100 g, qual ´ a velocidade m´xima no sistema corpo-Terra na forma de energia potencial gravitae a adquirida pelo bloco? cional Ep , e vale: Ep = mgh 7. Qual o trabalho necess´rio para se comprimir uma mola, a cuja constante el´stica ´ 500 N/m, em 10, 0 cm? a e se definirmos o valor zero (Ep = 0) no ch˜o, onde h = 0. a J´ para o sistema massa-mola, temos uma for¸a externa sendo a c 8. Um menino situado no alto de um edif´ ıcio, segura um corpo aplicada no sistema fazendo com que a mola sofra uma dede massa 1, 5 kg a uma altura igual a 10 m acima do solo. c˜ c a) Qual a energia potencial gravitacional do corpo naquela forma¸ao, sendo essa for¸a posi¸ao? c˜ F = −kx b) Qual a energia potencial gravitacional do mesmo corpo, quando situado a 6, 0 m do ch˜o? a o trabalho W externo necess´rio para esticar a mola uma quana tidade x ser´ a 1 W = kx2 2 e chamamos essa energia, agora armazenada na mola, de energia potencial el´stica. a

Mecˆnica a

Aula 8

Trabalho e Energia Potencial

F=0

O F=−kx O x>0

F=−k(−x)=kx x<0
Figura 1.1: James Prescott Joule (1818-1889). A energia potencial gravitacional est´ relacionada ` posi¸ao de a a c˜ Figura 1.3: Uma mola esticada, em equil´brio. ı um corpo no campo gravitacional. Em geral, quando movemos o corpo, alteramos sua energia potencial. Para elevar um corpo em equil´ ıbrio do solo at´ uma altura h, For¸as Conservativas e Dissipativas e c devemos aplicar uma for¸a que realizar´ um trabalho (positivo) c a de mesmo m´dulo que o trabalho realizado pela for¸a peso do Quando sobre um corpo em movimento atua apenas seu peso, o c corpo (negativo). ou for¸a el´stica exercida por uma mola, a energia mecˆnica c a a

O

ˆ Mecanica – Aula 8 desse corpo se conserva. Por este motivo, as for¸as citadas c s˜o denominadas for¸as conservativas. Exemplo: ao dar a c corda em um rel´gio, vocˆ est´ armazenando energia potencial o e a el´stica numa mola, e essa energia estar´ dispon´ para fazer a a ıvel com que o rel´gio trabalhe durante um certo tempo. Isso s´ ´ o oe poss´ porque a energia el´stica foi armazenada (conservada). ıvel a Por outro lado, se existissem for¸as de atrito atuando durante c o deslocamento do corpo, sua energia mecˆnica n˜o se cona a serva, por que parte dela (ou at´ ela toda) se dissipa sob forma e de calor. Por isso dizemos que as for¸as de atrito s˜o for¸as c a c dissipativas. Exemplo: se vocˆ arrastar um caixote pelo ch˜o e a horizontal, durante um longo percurso, ver´ que todo o trabaa lho realizado foi perdido, pois nenhuma parte dessa energia gasta foi armazenada, ou est´ dispon´ no caixote. a ıvel

17

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Quais as transforma¸oes de energia que ocorrem quando c˜ um jogador chuta uma bola? 2. Quais as principais diferen¸as entre energia potencial e c energia cin´tica? e 3. Uma for¸a ´ dita conservativa quando: c e a) n˜o realiza trabalho a b) o trabalho por ela realizado n˜o depende da trajet´ria de a o seu ponto de aplica¸ao c˜ c) realiza apenas trabalhos positivos d) o trabalho por ela realizado n˜o depende da massa do corpo a em que est´ aplicada a e) dissipa energia t´rmica e 4. Um sistema f´ ısico tem energia quando: a) est´ sujeito apenas a a¸oes de for¸as conservativas; a c˜ c b) est´ sujeito a for¸as conservativas e dissipativas; a c c) est´ capacitado a realizar trabalho; a d) possui grande quantidade de ´tomos a e) perde calor

A Conserva¸˜o da Energia Mecˆnica ca a
Um sistema mecˆnico no qual s´ atuam for¸as conservativas a o c ´ dito sistema conservativo, pois a sua energia mecˆnica e a (E) se conserva, isto ´, mant´m-se com o mesmo valor em e e qualquer momento ou posi¸ao, podendo alternar-se nas suas c˜ formas cin´tica e potencial (gravitacional ou el´stica): e a E = Ec + Ep

Exerc´ ıcios Complementares

Degrada¸˜o da Energia ca

5. O princ´ ıpio da conserva¸ao da energia afirma que: c˜ A energia est´ constantemente se transformando, mas n˜o a) a energia cin´tica de um corpo ´ constante a a e e pode ser criada nem destru´ ıda. b) a energia potencial el´stica mais a energia cin´tica ´ sempre a e e constante • Em uma usina hidrel´trica, a energia mecˆnica da queda c) a energia n˜o pode ser criada nem destru´ e a a ıda, mas apenas d’´gua ´ transformada em energia el´trica. a e e transformada em calor devido aos atritos d) a energia total de um sistema, isolado ou n˜o, permanece a • Em uma locomotiva a vapor, a energia t´rmica ´ trans- constante e e formada em energia mecˆnica para movimentar o trem. a e) a energia n˜o pode ser criada nem destru´ a ıda, mas apenas transformada de uma modalidade para outra • Em uma usina nuclear, a energia proveniente da fiss˜o dos a 6. A energia mecˆnica de um corpo: a n´ cleos atˆmicos se transforma em energia el´trica. u o e a) ´ a soma da sua energia potencial e cin´tica e e • Em um coletor solar, a energia das radia¸oes provenientes b) depende apenas do referencial c˜ do sol se transforma em energia t´rmica para o aqueci- c) depende da acelera¸ao do corpo e c˜ mento de ´gua. a d) ´ sempre constante, independente do tipo de for¸as atuantes e c sobre ele e) depende apenas da velocidade do corpo

Pense um Pouco!

7. Para esticar uma mola em 40 cm, ´ necess´ria uma for¸a e a c de 20 N . Determine: • Um corpo cai sobre uma plataforma apoiada numa mola a) A constante el´stica da mola; a e volta a subir. Ele pode atingir, na volta, altura maior b) O trabalho realizado pelo agente externo que estica a mola; do que aquela de que foi abandonado? Por quˆ? e

• Indique algumas fontes de energia e explique a forma de c) O trabalho realizado pela mola; d) O trabalho que seria necess´rio para deformar a mola em a aproveit´-las para a realiza¸ao de trabalho mecˆnico. a c˜ a 80 cm; c a • Quando se ergue um objeto a uma certa altura, como se e) A for¸a necess´ria para esticar a mola em 80 cm. realiza menor trabalho: suspendendo-o diretamente por uma corda, na vertical, ou transportando-o atrav´s de um e plano inclinado (sem atrito) at´ a altura desejada? Por e quˆ? e

• Compare a energia necess´ria para elevar de 10 m uma a massa na Terra e a energia necess´ria para elevar de 10 m a a mesma massa na Lua. Explique a diferen¸a. c

8. Um corpo de massa 5, 0 kg ´ elevado do solo a um ponto sie tuado a 3, 0 m de altura. Considere g = 10 m/s2 . Determine: a) o trabalho realizado pela for¸a peso do corpo nesse deslocac mento; b) o aumento na energia potencial gravitacional do corpo. 9. (Fatec-SP) Um corpo de massa 2, 0 kg escorrega, a partir do repouso do ponto A, por uma pista circular sem atrito.

18

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Veja a figura. Na base da pista, o corpo comprime a mola de Na figura temos: constante el´stica 800 N/m. Sendo h = 1, 8 m e g = 10 m/s2 , at = acelera¸ao tangencial a c˜ qual a deforma¸ao m´xima sofrida pela mola? c˜ a ac = acelera¸ao centr´ c˜ ıpeta onde a = at + ac , sendo a = acelera¸ao total(resultante) c˜ Utilizando a Segunda Lei de Newton, vemos que as acelera¸oes c˜ que atuam no corpo devem ter a mesma dire¸ao e o mesmo c˜ sentido da for¸a. Portanto, existem for¸as perpendiculares ` c c a trajet´ria e for¸as tangentes ` trajet´ria. o c a o A for¸a resultante que tem a mesma dire¸ao e o mesmo sentido c c˜ da acelera¸ao centr´ c˜ ıpeta, isto ´, dirigida para o centro da curva e ´ denominada for¸a centr´peta (Fcp ), e a que tem a mesma e c ı dire¸ao e o mesmo sentido da acelera¸ao tangencial, isto ´, c˜ c˜ e tangente ` trajet´ria, ´ denominada for¸a tangencial (Ft ). a o e c

A

o

h

Figura 1.4: Quest˜o 9. a

Mecˆnica a

Aula 9
F t

at a

ac F c R
O

Dinˆmica do Movimento Circular a
Consideremos um corpo de massa m, descrevendo uma circunferˆncia de raio R, com movimento n˜o uniforme. e a
F

v

Na figura temos: Ft = m · a Fc = m · ac onde Ft = for¸a tangencial c Fc = for¸a centr´ c ıpeta F = Ft + Fc , sendo F = for¸a resultante c

Sabemos que a velocidade do corpo ´ um vetor que, em cada As For¸as no Movimento Circular e c instante, ´ tangente ` trajet´ria e que, no movimento circular e a o n˜o uniforme, o corpo est´ sujeito a duas acelera¸oes. a a c˜ Podemos expressar a for¸a centr´ c ıpeta da seguinte maneira: Fc = mac ou
at a
O

ac

Fc = m

v2 = mω 2 R R

A for¸a tangencial ´ dada por: c e
R

Ft = mat Observe que: • A for¸a tangencial faz variar o m´dulo do vetor velocidade, c o isto ´, produz acelera¸ao tangencial. e c˜ • A for¸a centr´ c ıpeta faz variar a dire¸ao do vetor velocidade, c˜ obrigando o corpo a descrever uma trajet´ria curva. o

ˆ Mecanica – Aula 9
Terra

19

3. Um autom´vel faz uma curva circular, plana e horizontal, o de raio 50 m. Sabendo-se que o coeficiente de atrito est´tico a F entre os pneus e a pista ´ µe = 0, 80, qual a m´xima velocidade e a com que esse autom´vel pode fazer a curva sem derrapar? (Use o g = 10 m/s2 ). Figura 1.1: A Lua em sua orbita ao redor da Terra (fora de a) v = 10 m/s ´ b) v = 15 m/s escala). c) v = 20 m/s d) v = 25 m/s Como exemplo, considere o movimento da Lua em torno da e) v = 30 m/s Terra. A for¸a que mant´m a Lua em ´rbita ´ uma for¸a de origem c e o e c ıcios Complementares gravitacional exercida pela Terra. Tal for¸a ´ centr´ c e ıpeta, isto Exerc´ ´, dirigida para o centro da Terra. e 4. (Fuvest-SP) A figura a seguir mostra, num plano vertical, parte dos trilhos do percurso circular de uma montanha-russa Pense um Pouco! de um parque de divers˜es. o
Lua C

(Fuvest-SP) A melhor explica¸ao para o fato de a Lua n˜o cair c˜ a sobre a Terra ´ que: e a) a gravidade terrestre n˜o chega at´ a Lua a e b) a Lua gira em torno da Terra c) a Terra gira em torno do seu eixo d) a Lua tamb´m ´ atra´ pelo Sol e e ıda e) a gravidade da Lua ´ menor que a da Terra e

g

r = 8,0 m

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UEL-Pr) Num pˆndulo cˆnico, a massa m gira numa cire o cunferˆncia horizontal, estando submetida `s for¸as peso P e a c vetorial e tra¸ao T vetorial, conforme a figura: c˜ A velocidade m´ ınima que o carrinho deve ter, ao passar pelo ponto mais alto da trajet´ria, para n˜o desgrudar dos trilhos o a vale, em metros por segundo: √ a) √20 b) √ 40 c) √ 80 d) √ 160 e) 320
m v P

θ

T

6. (Fuvest-SP) Um caminh˜o, com massa total de 10000 kg, a est´ percorrendo uma curva circular plana e horizontal a a 72 km/k (ou seja, 20 m/s) quando encontra uma mancha de o e a 2. Um garoto gira uma pedra de massa 0, 10 kg presa por um ´leo na pista e perde completamente a aderˆncia. O caminh˜o a fio de 0, 80 m de comprimento, fazendo com que ela descreva encosta ent˜o no muro lateral que acompanha a curva e que o e o c´ ırculos verticais com velocidade constante de 4, 0 m/s. Admi- mant´m em trajet´ria circular de raio igual a 90 m. O coeficia tindo g = 10 m/s2 , determine a tra¸ao no fio quando o corpo ente de atrito entre o caminh˜o e o muro vale 0, 30. Podemos c˜ afirmar que, ao encostar no muro, o caminh˜o come¸a a perder a c passa pelo ponto: velocidade ` raz˜o de, aproximadamente: a a a) mais alto da trajet´ria; o a) 0, 07 m · s−2 . b) mais baixo da trajet´ria. o

Nestas condi¸oes a intensidade da for¸a centr´ c˜ c ıpeta ´: e a) nula, pois o movimento ´ uniforme. e b) dada pelo componente da tra¸ao, T · sen θ. c˜ c) dada pelo componente da tra¸ao, T · cos θ. c˜ d) dada pela resultante T − P · cos θ. e) dada pela resultante T − P · sen θ.

5. (ITA-SP) Para executar uma curva nivelada (sem subir ou descer) e equilibrada o piloto de um avi˜o deve inclin´-lo a a com respeito ` horizontal (` maneira de um ciclista em uma a a curva) um ˆngulo θ. Se θ = 60o , a velocidade da aeronave ´ a e 100 m/s e a acelera¸ao local da gravidade ´ de 9, 5 m/s2 , qual c˜ e ´ aproximadamente o raio de curvatura? e a) 200 m b) 350 m c) 600 m d) 750 m e) 1000 m

20

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

b) 1, 3 m · s−2 . c) 3, 0 m · s−2 . d) 10 m · s−2 . e) 67 m · s−2 .

Por exemplo, se ao chutar uma bola parada aplicamos nela uma for¸a de 50 N durante um intervalo de tempo de 0, 12 s, c o impulso transferido para a bola ser´ a I = F ∆t = (50 N )(0, 12 s) = 6, 0 N · s

Mecˆnica a
Quantidade de Movimento

Aula 10

e esse impulso far´ com que a bola entre em movimento. a

Unidade SI do Impulso
Medimos o impulso na mesma unidade da quantidade de movimento: 1 N · s = 1 kg · m/s

Quando uma pessoa tenta pegar uma bola em movimento, ´ e f´cil perceber que h´ uma diferen¸a na a¸ao que ela deve de- Pense um Pouco! a a c c˜ senvolver se a velocidade da bola for grande ou pequena: a ´ bola mais r´pida, para ser parada, exige um esfor¸o maior e a c • E mais f´cil parar uma bola que tenha uma quantidade a de maior dura¸ao. Uma diferen¸a semelhante tamb´m seria c˜ c e de movimento grande ou pequena? Por quˆ? e percebida se a pessoa tentasse parar duas bolas com a mesma • Qual a influˆncia da massa na quantidade de movimento? e velocidade, mas de massas diferentes: o maior esfor¸o, atuando c durante um tempo maior, seria necess´rio para fazer parar a a • Por que um carro se deforma numa colis˜o? a bola de maior massa. Essas observa¸oes levam ` defini¸ao de uma nova grandeza c˜ a c˜ f´ ısica vetorial relacionada com a massa e a velocidade de Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca uma part´ ıcula, denominada quantidade de movimento. Ent˜o podemos escrever que quantidade de movimento de um 1. (UFMS) Com rela¸ao ` quantidade de movimento de uma a c˜ a ponto material de massa m e velocidade v part´ ıcula, ´ correto afirmar (marque V ou F): e a) ( ) ´ uma grandeza vetorial e Q = mv b) ( ) tem a mesma dire¸ao e sentido do vetor velocidade da c˜ part´ ıcula c) ( ) ´ uma grandeza inversamente proporcional ` massa da e a Unidade SI part´ ıcula Medimos a quantidade de movimento no Sistema Internacional d) ( ) sua unidade no SI pode ser kg · m/s (SI) na unidade e) ( ) permanece constante mesmo que a part´ ıcula seja aceleKg · m/s rada 2. (UFSC) O impulso dado a um corpo pode ser escrito como o .......... da ......... pelo(a) ......... . Marque V caso as op¸oes c˜ completem corretamente as lacunas ou F caso contr´rio. a Se um carro de 1.200 kg se desloca numa estrada com veloa) ( ) produto; for¸a aplicada ao corpo; tempo que o corpo c cidade de 72 km/h, a sua quantidade de movimento ser´, em a fica em movimento m´dulo, o b) ( ) produto; for¸a aplicada ao corpo; tempo durante o qual c a for¸a atua c Q = mv = (1.200 kg)(20 m/s) = 2, 4 × 104 kg · m/s c) ( ) quociente; for¸a aplicada ao corpo; velocidade que ele c adquire Lembre-se d) ( ) quociente; massa do corpo; velocidade que ele adquire Para transformar a velocidade dada em km/h para a unidade e) ( ) produto; massa do corpo; acelera¸ao que ele adquire c˜ SI (m/s) fazemos: 3. Considere um corpo que est´ se deslocando em movimento a 1000 m 72 retil´ ıneo uniforme. v = 72 km/h = 72 × = m/s = 20 m/s 3.600 s 3, 6 a) A quantidade de movimento deste corpo est´ variando? Exa plique. b) Tendo em vista a resposta do ´ ıtem anterior, o que vocˆ cone Impulso clui sobre o impulso que atua no corpo? c) Ent˜o, qual o valor da resultante das for¸as aplicadas no a c Quando um jogador de futebol chuta uma bola ou quando um corpo? tenista, usando uma raquete, rebate uma bola,existe uma for¸a c que age num curto espa¸o de tempo que faz a bola ser impulc sionada. Define-se o impulso I de uma for¸a como grandeza Exerc´ c ıcios Complementares vetorial dada pelo produto da for¸a F pelo intervalo de tempo c ∆t durante o qual ela atuou: 4. Uma for¸a de 20 N ´ aplicada em um corpo durante 10 s. c e I = F ∆t Qual ´ o impulso que a for¸a transmite ao corpo? e c

Exemplo

ˆ Mecanica – Aula 11 5. Determine a quantidade de movimento de um objeto de massa 50 kg que se movimenta com velocidade de 20 m/s? 6. (UEL-PR) Um corpo de massa m tem velocidade v, quantidade de movimento Q e energia cin´tica E. Uma for¸a F , na e c mesma dire¸ao e no mesmo sentido de v, ´ aplicada no corpo, c˜ e at´ que a velocidade dele triplique. As novas quantidades de e movimento e energia cin´tica s˜o, respectivamente: e a a) 3Q e 3E b) 3Q e 6E c) 3Q e 9E d) 6Q e 6E e) 6Q e 9E 7. (PUC-SP) Um carrinho de massa 2, 0 kg move-se ao longo de um trilho horizontal com velocidade 0, 50 m/s at´ chocar-se e contra um p´ra-choque fixo na extremidade do trilho. Supondo a que o carrinho volte com velocidade 0, 20 m/s e que o choque tenha dura¸ao de 0, 10 s, calcule em newtons, o valor absoluto c˜ da for¸a m´dia exercida pelo p´ra-choque sobre o carrinho. c e a

21

Sistemas de Part´ ıculas
Para um sistema contendo N part´ ıculas a quantidade de movimento desse sistema pode ser escrito na seguinte forma: QT OT AL = m1 v1 + m2 v2 + . . . + mN vN

CURIOSIDADE
´ A luz tem quantidade de movimento? E poss´ ıvel um astronauta mover-se no espa¸o sideral acendendo sua lanterna? c Por mais intrigante que seja, a reposta ´ sim. Mas por que e isso acontece? Pelo fato de a luz possuir quantidade de movimento. Normalmente n˜o percebemos isso, pois a quantidade a de movimento da luz ´ pequena e, assim, os seus efeitos s˜o, e a em geral, impercept´ ıveis. Mas quando o astronauta acende sua lanterna, a situa¸ao ´ an´loga `quela em que um garoto sobre c˜ e a a patins consegue mover-se atirando uma melancia. De acordo com a Mecˆnica Quˆntica, a luz ´ formada por a a e pequenos ”pacotes”de energia, denominados f´tons, os quais, o no v´cuo, movem-se ` velocidade c = 3, 0 × 108 m/s. Cada a a um desses f´tons, al´m de possuir energia, tem quantidade de o e movimento. Por´m ela n˜o pode ser calculada pela express˜o e a a Q = mv, uma vez que os f´tons n˜o tˆm massa. Para que o o a e Princ´ ıpio da Conserva¸ao da Quantidade de Movimento seja c˜ mantido, os f´ ısicos conclu´ ıram que a quantidade de movimento (q) de um f´ton de energia E deve ser calculada por o q = E/c

Mecˆnica a
Impulso e Momento
Teorema do Impulso-Momento

Aula 11

Para ilustrar, considere que o nosso astronauta esteja a uma a Consideremos uma for¸a resultante constante F atuando sobre distˆncia de 5 m de sua nave e tenha uma lanterna que emita c luz com potˆncia de 1500 W . Suponha ainda que a massa e uma part´ ıcula de massa m, durante um intervalo de tempo ∆t, total do astronauta juntamente com o traje espacial e a lantemos terna seja 80 kg. Se o astronauta s´ pudesse aproximar-se o I = F ∆t da nave acendendo sua lanterna, quanto tempo ele gastaria? Utilizando a express˜o acima e os modelos simplificados da a ou seja Mecˆnica, encontraremos um valor aproximado de 3,3 horas. a I = ma∆t = m∆v = ∆Q Isso mesmo: 3h18min para percorrer 5 metros. As primeiras ou evidˆncias experimentais de que a luz tem quantidade de moe vimento foram obtidas em 1899, pelo f´ ısico russo P. Lebedev, I = Qf − Qi = m(vf − vi ) e pelos americanos E. L. Nicholls e G. F. Hull, em 1901. E concluimos que: O impulso determinado pela resultante de todas as for¸as externas que agem durante certo intervalo de Pense um Pouco! c tempo sobre um ponto material ´ igual a varia¸˜o da e ca • Colidindo-se frontalmente duas esferas idˆnticas, sobre e quantidade de movimento do ponto durante o mesmo uma mesa de bilhar, uma em movimento e a outra iniintervalo. cialmente parada, observa-se que a esfera que estava em movimento fica parada e a outra, inicialmente padara, entra em movimento ap´s a colis˜o. Explique esse fenˆmeno o a o sob o ponto de vista dos conceitos de impulso e momento.

Exerc´ ıcios Complementares
1. Uma bola de bilhar de 200 g se move a 3, 50 m/s colise e muda sua dire¸ao de movimento em 90◦ . Determine o impulso c˜ aplicado sobre a bola na colis˜o. a

A

B

C

D

E

2. Solta-se um corpo de massa m de uma altura h em quedalivre, o observa-se o seu movimento at´ o solo. e a) Determine o impluso que o peso do corpo produz at´ que e

22

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

ele atinja o solo. b) Determine a varia¸ao do momento do corpo, desde o insc˜ tante em que foi solto, at´ atingir o solo. e c) Compara os resultados dos itens anteriores. Comente.

F(t)

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
3. Solta-se uma bola de futebol com massa igual a 500 g a 1, 25 m de altura acima do ch˜o (piso) e observa-se que a ela retorna (pula) at´ uma altura de apenas 0, 80 m, ap´s o e o primiro salto. a) Determine o impulso total sobre a bola at´ que ela toque a e primeira vez no ch˜o. a b) Determine o impulso total sobre a bola desde o instante em que ela deixa o solo at´ atingir a altura de 0, 80 m. e

ti

∆t

tf

t

Mecˆnica a

Aula 12

Algumas vezes ´ mais interessante considerar o valor m´dio e e da for¸a impulsiva que o seu valor a cada instante. Por dec fini¸ao, o valor m´dio de uma for¸a impulsiva ´ o valor da c˜ e c e for¸a constante que, no mesmo intervalo de tempo, produz o c mesmo impulso sobre um dado corpo.

Conserva¸˜o da Quantidade de Movica mento Pense um Pouco!
Num sistema isolado, onde o impulso das for¸as externas seja c nulo, a quantidade de movimento final ´ igual a inicial. e I = Qf − Qi = 0 =⇒ Qf = Qi Resumindo, podemos enunciar o Teorema da Conserva¸ao da c˜ Quantidade de Movimento: ´ E constante a quantidade de movimento de um conjunto de pontos materiais que constituem um sistema isolado. • Como podemos analisar as for¸as envolvidas em uma coc lis˜o entre duas part´ a ıculas? • Imagine-se no meio da superf´ lisa de um lago. Lemıcie brando n˜o ser poss´ caminhar sobre a superf´ a ıvel ıcie, em raz˜o da total ausˆncia de atrito, sugira um procedimento a e que permita alcan¸ar a margem do lago. c

Exemplos

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Fenˆmenos que encontram explica¸ao no teorema da quantio c˜ 1. (UEA - Aprovar) Antonio (um pescador do Cambixe) est´ a dade de movimento: com sua canoa no lago dos Reis. Inicialmente, tanto a canoa • choque mecˆnico; a como o pescador repousam em rela¸ao ` ´gua que, por sua vez, c˜ a a n˜o apresenta qualquer movimento em rela¸ao ` Terra. Atritos a c˜ a • recuo das armas de fogo; da canoa com a ´gua s˜o desprez´ a a ıveis e, no local, n˜o h´ ventos. a a • explos˜o de uma bomba (fragmentos); a Num determinado instante, o pescador atira horizontalmente a sua zagaia de massa 2, 0 kg que sai com velocidade de 10 m/s. • propuls˜o a jato. a Calcule o m´dulo da velocidade do conjunto pescador/canoa, o de massa igual a 150 kg, imediatamente ap´s o disparo. o 2. Uma arma de 3, 0 kg dispara um proj´til de 0, 02 kg, a uma e velocidade de 600 m/s. Qual ´ a velocidade de recuo dessa e arma? 3. (FEI- SP) Um peixe de 4 kg est´ nadando ` velocidade a a de 1 m/s para a direita, quando engole um outro, de massa 0, 2 kg que estava nadando para a esquerda, na sua dire¸ao, a c˜ For¸as Impulsivas c 6 m/s. Determine a velocidade do peixe maior depois de ter A for¸a de intera¸ao que ocorre durante uma colis˜o, em ge- engolido o pobre peixinho. c c˜ a ral tem grande intensidade e curta dura¸ao, como descrito no c˜ gr´fico abaixo. For¸as como essa, que atuam durante um in- 4. Um canh˜o de 800 kg, montado sobre rodas e n˜o freado, a c a a tervalo pequeno comparado com o tempo de observa¸ao do dispara uma bala de 6 kg com velocidade inicial de 500 m/s. c˜ sistema, s˜o chamadas de for¸as impulsivas. a c Determine a velocidade de recuo do canh˜o. a

ˆ Mecanica – Aula 13

23

Exerc´ ıcios Complementares
5. Um remador e seu barco tˆm juntos massa de 150 kg. O e barco est´ parado e o remador salta dele com velocidade de a 8 m/s. O barco afasta-se com velocidade contr´ria de 7 m/s. a Calcule as massas do remador e do barco.

v1I m1 m2

6. (PUC-PR) Dois patinadores, um de massa 100 kg e outro F12 F21 de massa 80 kg, est˜o de m˜os dadas em repouso sobre uma a a pista de gelo, onde o atrito ´ desprez´ e ıvel. Eles empurram-se mutuamente e deslizam na mesma dire¸ao, por´m em sentidos c˜ e opostos. O patinador de 100 kg adquire uma velocidade de v2F v1F 4 m/s. A velocidade relativa de um dos patinadores em rela¸ao c˜ ao outro ´, em m´dulo, igual a: e o a) 5 m/s b) 4 m/s c) 1 m/s d) 9 m/s e) 20 m/s Como as part´ ıculas que constituem o sistema trocam for¸as c entre si, essas for¸as s˜o consideradas internas e a resultante ´ c a e 7. Um astronauta de massa 70 kg encontra-se em repouso sempre nula. Isso ocorre em colis˜es ou em explos˜es. o o numa regi˜o do espa¸o em que as a¸oes gravitacionais s˜o a c c˜ a desprez´ ıveis. Ele est´ fora de sua nave, a 120 m da mesma, a mas consegue mover-se com auxilio de uma pistola que dispara Pense um Pouco! proj´teis de massa 100 g, os quais s˜o expelidos com velocidade e a 1, 4×103 m/s. Dando um unico tiro, qual o tempo que o astro´ • Choques mecˆnicos podem ser considerados sistemas isoa nauta leva para atingir sua nave, supostamente em repouso? lados. Assim, pode-se afirmar que, em qualquer tipo de Responda tamb´m qual o princ´ e ıpio utilizado para responder ` a choque, h´ conserva¸ao da quantidade de movimento e da a c˜ pergunta. energia cin´tica? e • A seguinte declara¸ao foi extra´ de uma prova realizada c˜ ıda por um estudante de f´ ısica de uma universidade: “a colis˜o a entre dois ´tomos de h´lio ´ perfeitamente el´stica, de a e e a forma que a quantidade de movimento se conserva”. A afirma¸ao ´ logicamente correta? Explique. c˜ e

Mecˆnica a
Colis˜es o
An´lise de uma Colis˜o a a

Aula 13

Uma das aplica¸oes mais importantes do conceito de quantic˜ dade de movimento ´ encontrada no estudo de intera¸oes de e c˜ curta dura¸ao, entre as partes de um sistema (ou conjunto) de c˜ corpos, como ocorre em uma explos˜o ou em uma colis˜o. a a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFAL) Um peda¸o de massa de modelar de 200 g ´ atirado c e horizontalmente com velocidade de 12 m/s contra um carrinho de massa 600 g, inicialmente parado sobre uma superf´ ıcie horizontal. Se a massa se chocar contra o carrinho e nele permanecer grudada, a velocidade com que o conjunto passa a mover-se ´, em metros por segundo: e a) 3 b) 6 c) 8 d) 9 e) 12 2. (UDESC) Considere a colis˜o frontal perfeitamente el´stica a a entre um nˆutron, de massa relativa igual a 1, deslocando-se e com velocidade constante v0 , e um dˆuteron, de massa relativa e igual a 2, em repouso.

F BA

F AB

A

B

Considerando as duas esferas da figura A e B, deslocando-se ao longo de uma mesma reta, inicialmente em sentidos contr´rios. a Ap´s a colis˜o, as esferas passam a se mover em sentidos oposo a tos.

24

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

a) Calcule a velocidade de ambas as part´ ıculas ap´s a colis˜o. o a b) Se a colis˜o fosse inel´stica, com as part´ a a ıculas se movendo juntas ap´s colidirem, os resultados para as velocidade calcuo ladas permaneceriam os mesmos? Justifique a resposta. 3. Dois corpos A e B de massa iguais a 300 g e 150 g deslocam-se em sentidos contr´rios com velocidades respectia vamente iguais a 1, 5 m/s e 1, 2 m/s. Determine a velocidade do corpo B ap´s o choque, sabendo que a velocidade do corpo o A ´ de 0, 1 m/s e seu sentido ´ o mesmo da velocidade inicial. e e 4. Observa-se uma colis˜o el´stica e unidimensional, no refea a rencial do laborat´rio, de uma part´ o ıcula de massa m e velocidade de m´dulo 5 m/s com outra part´ o ıcula de massa m/4, a c˜ inicialmente em repouso. Quais os valores dos m´dulos das Figura 1.1: Nos choques, h´ uma intera¸ao, que provoca muo dan¸a na velocidade das bolas. c velocidades das part´ ıculas ap´s a colis˜o? o a

Exerc´ ıcios Complementares
5. (Unicamp-SP) Ao bater o tiro de meta, um goleiro chuta a bola parada de forma que ela alcance a maior distˆncia a poss´ ıvel. No chute, o p´ do goleiro fica em contato com a e bola durante 0, 10 s, e a bola, de 0, 5 kg, atinge o campo a uma distˆncia de 40 m. Despreze a resistˆncia do ar. a e a) Qual o ˆngulo em que o goleiro deve chutar a bola? a b) Qual a intensidade do vetor velocidade inicial da bola? c) Qual o impulso da for¸a do p´ do goleiro na bola? c e 6. (UEL-PR) Um pequeno caminh˜o, de massa 4 toneladas, a colide frontalmente com um trator de 8 toneladas que estava a 36 km/h, e logo ap´s a colis˜o, os dois ve´ o a ıculos permanecem parados. Imediatamente antes da colis˜o, a velocidade do caa minh˜o era, em m/s, de: a a) 10 b) 15 c) 20 d) 25 e) 30 Figura 1.2: Cada carro exerce e recebe uma for¸a durante a c colis˜o. a

for¸a durante a colis˜o. Ser´ que podemos afirmar que isso c a a tamb´m ocorre quando um caminh˜o colide com um carro? e a Neste caso, durante a intera¸ao entre o caminh˜o e o carro, c˜ a uma for¸a de mesma intensidade atua sobre cada um deles, o c que n˜o implica que o dano causado seja o mesmo para ambos. a Podemos afirmar que o efeito causado ser´ diferente, uma vez a que a massa e a rigidez da lataria do carro e do caminh˜o s˜o a a diferentes. Isaac Newton estudou a intera¸ao entre objetos. Ele formulou c˜ o princ´ ıpio da a¸˜o e rea¸˜o, ou lei da a¸˜o e rea¸˜o, que ca ca ca ca posteriormente ficou conhecida como terceira Lei de Newton. De acordo com esta lei, as for¸as resultantes da intera¸˜o c ca entre dois objetos sempre aparecem aos pares, tˆm mesmo e m´dulo, mesma dire¸ao, sentidos opostos e s˜o denominadas o c˜ a Lei da A¸˜o e Rea¸˜o ca ca a¸˜o e rea¸˜o: a for¸a de a¸ao ´ aplicada num objeto e a de ca ca c c˜ e c˜ Provavelmente vocˆ j´ assistiu a um jogo de sinuca. Nele, rea¸ao, no outro. Atualmente a 3a Lei de Newton costuma ser e a ocorrem colis˜es entre as bolas. Durante essas colis˜es, h´ uma enunciada da seguinte forma: o o a rea¸ao m´ tua, uma intera¸ao, que ´ respons´vel pela mudan¸a c˜ u c˜ e a c Para toda a¸˜o existe uma rea¸˜o, de igual ca ca na velocidade das bolas. Este mudan¸a produz altera¸ao na c c˜ intensidade, na mesma dire¸˜o e sentido ca quantidade de movimento (Q = m · v) das bolas. contr´rio. a Se durante o tempo de intera¸ao h´ varia¸ao da quantidade de c˜ a c˜ movimento, significa que existe uma for¸a atuando em cada Os movimentos dos corpos tamb´m est˜o embasados na 3a c e a bola, como explica a 2a Lei de Newton. Mas quem exerce essa Lei de Newton. Uma pessoa, ao andar, empurra o ch˜o para a for¸a? c tr´s (a¸ao) e a rea¸ao que o ch˜o aplica na pessoa a empurra a c˜ c˜ a Enquanto ocorre a intera¸ao, cada bola exerce uma for¸a sobre para frente. Um avi˜o, com suas h´lices ou turbinas, empurra c˜ c a e a outra. Em um parque de divers˜es, ocorre a mesma coisa o ar para tr´s e este aplica uma for¸a no avi˜o, deslocandoo a c a com os carrinhos “bate-bate”: cada carro exerce e recebe uma o para frente. Se um foguete lan¸a uma massa de g´s para c a

Mecˆnica a

Aula 14

ˆ Mecanica – Aula 14

25

Figura 1.3: O carro aplica no caminh˜o uma for¸a resultante a c de mesma intensidade daquela que o caminh˜o aplica no carro. a Figura 1.5: Movimento de um foguete. fora, exerce uma for¸a sobre o g´s (a¸ao) e, simultaneamente, c a c˜ recebe do g´s uma for¸a igual e oposta (rea¸ao). Desta forma, a c c˜ podemos chamar a for¸a do g´s sobre o foguete de “a¸ao”e a graves em motoristas e passageiros no caso de acidentes. Fisic a c˜ camente, a fun¸ao do cinto est´ relacionada com a: c˜ a do foguete sobre o g´s de “rea¸ao”. a c˜ a) 1a Lei de Newton; b) Lei de Snell; c) Lei de amp`re; e d) Lei de Ohm; e) 1a Lei de Kepler. 3. Um lutador de boxe atinge o advers´rio com um murro no a rosto. a) Na intera¸ao luva-rosto, quem exerce maior for¸a, a luva c˜ c sobre o rosto ou o rosto sobre a luva? Por quˆ? e b) Ent˜o por que a m˜o do pugilista que aplica o golpe n˜o a a a sofre os mesmos “estragos”que o rosto do advers´rio? a

Exerc´ ıcios Complementares
Figura 1.4: O avi˜o empurra o ar para tr´s e este aplica uma a a 4. Um autom´vel bate contra um caminh˜o, exercendo nele o a for¸a no avi˜o que o empurra para frente. c a uma for¸a de 20.000 N . c a) Qual o m´dulo da rea¸ao desta for¸a, sabendo-se que a o c˜ c massa do carro ´ dez vezes menor que a do caminh˜o? e a Pense um Pouco! b) Quem exerce a rea¸ao? c˜ c) Em que corpo est´ aplicada a rea¸ao? a c˜ • Se a¸ao e rea¸ao possuem a mesma intensidade e sentidos c˜ c˜ 5. Dois blocos de massas mA = 3 kg e mB = 2 kg, apoiados contr´rios, por que uma n˜o anula o efeito da outra? a a sobre uma superf´ horizontal perfeitamente lisa, s˜o empurıcie a ´ • E poss´ se caminhar sobre um ch˜o sem atrito? Expliıvel a rados por uma for¸a F de 20 N , conforme indica a figura c que. abaixo. Determine a acelera¸ao do conjunto. c˜

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (FAAP - SP) A 3a Lei de Newton ´ o princ´ e ıpio da a¸ao c˜ e rea¸ao. Esse princ´ c˜ ıpio descreve as for¸as que participam na c intera¸ao entre dois corpos. Podemos afirmar que: c˜ a) duas for¸as iguais em m´dulo e de sentidos opostos s˜o c o a for¸as de a¸ao e rea¸ao; c c˜ c˜ b) enquanto a a¸ao est´ aplicada num dos corpos, a rea¸ao c˜ a c˜ est´ aplicada no outro; a c) a a¸ao ´ maior que a rea¸ao; c˜ e c˜ d) a¸ao e rea¸ao est˜o aplicadas no mesmo corpo; c˜ c˜ a e) a rea¸ao, em alguns casos, pode ser maior que a a¸ao. c˜ c˜

F A B

6. De que modo vocˆ explica o movimento de um barco a e remo, utilizando a terceira lei de Newton?

7. Dois corpos A e B, de massas mA = 5 kg e mB = 10 kg est˜o interligados por um fio ideal. A superf´ de apoio ´ a ıcie e horizontal e perfeitamente lisa. Aplica-se em B uma for¸a c horizontal de 30 N . Determine: c˜ 2. (VUNESP - SP) As estat´ ısticas indicam que o uso do cinto a) a acelera¸ao do conjunto; c c˜ de seguran¸a deve ser obrigat´rio para prevenir les˜es mais b) a for¸a de tra¸ao no fio. c o o

26

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

8. (ITA - SP) No campeonato mundial de arco e flecha dois concorrentes discutem sobre a f´ ısica que est´ contida no arco a do arqueiro. Surge ent˜o a seguinte d´ vida: quando o arco a u est´ esticado, no momento do lan¸amento da flecha, a for¸a a c c exercida sobre a corda pela m˜o do arqueiro ´ igual a: a e ` I) for¸a exercida pela sua outra m˜o sobre a madeira do arco. c a II) tens˜o na corda. a III) for¸a exercida sobre a flecha pela corda no momento em c que o arqueiro larga a corda. Neste caso: a) todas as afirmativas s˜o verdadeiras. a b) todas as afirmativas s˜o falsas. a c) somente I e III s˜o verdadeiras. a d) somente I e II s˜o verdadeiras. a e) somente II ´ verdadeira. e

ocorre porque nos pontos de contato as mol´culas de cada sue perf´ est˜o t˜o pr´ximas que passam a exercer for¸as interıcie a a o c moleculares entre si. A for¸a de atrito que se op˜e a um corpo que rola ´ menor que c o e no movimento de deslizamento. O atrito pode ser reduzido com o polimento das superf´ ıcies em contato e com o uso de lubrificantes O atrito esta presente em quase todos os movimentos e ele pode ser util ou nocivo. Se n˜o existisse o atrito entre o sapato e o ´ a solo, uma pessoa n˜o poderia andar; o p´ da pessoa empurra a a e Terra para tr´s e a Terra empurra o p´ da pessoa para frente a e (a¸ao e rea¸ao), quando ela anda. c˜ c˜ Sem o atrito os ve´ ıculos n˜o poderiam iniciar o seu movimento, a pois, as rodas come¸ariam a girar sem sair do lugar. O objetivo c das saliˆncias em pneus ´ aumentar o atrito. e e

Mecˆnica a
For¸a de Atrito c

Aula 15

Ao lan¸armos um corpo sobre uma superf´ horizontal, veric ıcie ficamos que o corpo acaba parando.
v 1 2

Isto significa que, enquanto o corpo se movimenta, ele adquire uma acelera¸ao cujo sentido ´ oposto ao do seu movimento. c˜ e H´ portanto uma for¸a que se op˜e ao deslocamento do bloco: a c o a for¸a de atrito Fat . c Sempre que a superf´ de um corpo escorrega sobre a de outro ıcie corpo, um exerce sobre o outro (princ´ ıpio da a¸ao e rea¸ao) c˜ c˜ uma for¸a de atrito tangente `s superf´ c a ıcies de contato. Deve-se notar que a for¸a de atrito atuando sobre cada corpo c tem sentido oposto ao movimento do corpo em rela¸ao ao outro c˜ corpo. O atrito ´ provocado pela aspereza existente nas superf´ e ıcies em contato. As superf´ ıcies tendem a se interpenetrarem quando s˜o esfregadas uma na outra e isto oferece resistˆncia ao moa e vimento relativo.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . .

Figura 1.1: Quando uma estrada de terra torna-se escorregadia, colocam-se correntes nas rodas dos autom´veis para auo mentar o atrito.

Tipos de Atrito
Existem dois tipos de atrito: o est´tico e o cin´tico (dinˆmico). a e a Vamos estudar estes dois casos separadamente, pois existem diferen¸as importantes a serem ressaltadas. c For¸as de Atrito Est´tico (FAE ) c a Apesar de parecer estranho, pode existir atrito entre superf´ ıcies em repouso. Um exemplo comum ´ o de um aue tom´vel estacionado em uma ladeira. Este s´ consegue pero o manecer parado gra¸as ao atrito entre os freios e as rodas. Em c situa¸oes como esta, dizemos que existe a chamada for¸a de c˜ c atrito est´tico (FAE ). A for¸a de atrito est´tico ´ aquela que a c a e atua enquanto n˜o h´ deslizamento, e o seu m´dulo m´ximo ´ a a o a e dado por: FAE ≤ µe · N Experimentalmente, podemos estabelecer as seguintes propriedades gerais para o atrito est´tico: a • a intensidade da for¸a de atrito est´tico varia de zero at´ c a e o valor m´ximo FAE ; a

De Onde Vem o Atrito?
Uma das hip´teses mais aceitas para a existˆncia do atrito o e ´ que ele prov´m da coes˜o das mol´culas situadas nas sue e a e perf´ ıcies que se acham em contato. Essa ades˜o superficial a

ˆ Mecanica – Aula 15 • o coeficiente de atrito est´tico (µe ) depende do estado de a polimento e da natureza das duas superf´ ıcies em contato; • a intensidade da for¸a de atrito est´tico ´ independente c a e da ´rea de contato entre as superf´ a ıcies s´lidas. o For¸as de Atrito Cin´tico (FAC ) c e Quando um carro ´ freado inesperadamente, ´ comum as rodas e e do autom´vel travarem e os pneus deslizarem no asfalto. Antio gamente isso era ainda mais freq¨ ente, mas hoje, nos ve´ u ıculos equipados com os chamados freios ABS, as rodas n˜o travam a mais. O ABS (Antiblocking System) ´ um avan¸ado sistema de freios e c desenvolvido para evitar o travamento das rodas nas freadas bruscas em velocidade. Sensores fixados a cada uma das rodas enviam sinais eletrˆnicos para um m´dulo de comando compuo o tadorizado que reduz, em fra¸oes de segundo, a press˜o sobre c˜ a as rodas prestes a se travarem. Com as rodas desbloqueadas, o carro permanece sob controle e tem menos possibilidade de derrapar ou deslizar, at´ em pistas molhadas. Mas, qual a e diferen¸a entre o carro escorregar ou n˜o na pista? c a Analise a figura a seguir; ela mostra o deslizamento entre duas superf´ ıcies.

27 3. A m´xima acelera¸ao de um carro depende de alguma a c˜ for¸a de atrito? Explique. c

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFES) O bloco da figura est´ em movimento em uma a superf´ horizontal em virtude da aplica¸ao de uma for¸a F ıcie c˜ c paralela ` superf´ a ıcie:

F = 60,0 N m =2,0 kg

Corpo

O coeficiente de atrito cin´tico entre o bloco e a superf´ ´ e ıcie e igual a 0, 2. A acelera¸ao do objeto ´: c˜ e (Dado g = 10 m/s2 .) a) 20, 0 m/s2 . b) 28, 0 m/s2 . c) 30, 0 m/s2 . d) 32, 0 m/s2 . e) 36, 0 m/s2 . 2. (UFMG) Um bloco ´ lan¸ado no ponto A, sobre uma sue c perf´ horizontal com atrito, e desloca-se para C: ıcie

Chao

B
Figura 1.2: Corpo deslizando sobre superf´cie aspera. ı ´

A

C

As irregularidades microsc´picas apresentadas pelas suo perf´ ıcies fazem com que a movimenta¸ao do bloco sofra uma c˜ resistˆncia denominada for¸a de atrito cin´tico. Obviamente, e c e c quanto maior a aspereza das superf´ ıcies, maior a intensidade O diagrama que melhor representa as for¸as que atuam sobre a e dessa for¸a. Para medir a rugosidade das partes em contato o bloco quando esse bloco est´ passando pelo ponto B ´: c criou-se o coeficiente de atrito cin´tico (µc ). Mesmo existindo e valores tabelados para uma grande quantidade de materiais, a) d) ´ muito dif´ conhecˆ-los com precis˜o, pois dependem das e ıcil e a condi¸oes das superf´ c˜ ıcies em contato. N˜o s˜o apenas os matea a riais das superf´ ıcies em contato que interferem no valor da for¸a c de atrito cin´tico. A for¸a normal entre os corpos tamb´m ´ de e c e e fundamental importˆncia. Quanto maior a for¸a normal mais a c b) e) intensa a for¸a de atrito cin´tico. c e O m´dulo da for¸a de atrito cin´tico ´ dado pela express˜o: o c e e a FAC = µc · N Na pr´tica o coeficiente de atrito est´tico ´ sempre maior que a a e o coeficiente de atrito cin´tico. e

c)

Pense um Pouco!
1. Por que nos dias de chuva ´ mais dif´ frear um carro? e ıcil 3. (UEL-PR) No sistema representado a seguir, o corpo A, a 2. Por que o gelo ´ muito deslizante e quase n˜o apresenta de massa 3, 0 kg, est´ em movimento uniforme. A massa do e a corpo B ´ de 10 kg. Adote g = 10 m/s2 . e atrito?

28

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

B

F
A

Se F = 50 N , ent˜o a rea¸ao normal e a for¸a de atrito que a c˜ c O coeficiente de atrito dinˆmico entre o corpo B e o plano atuam sobre o bloco valem, respectivamente: a a) 20 N e 6, 0 N . sobre o qual se ap´ia vale: o b) 20 N e 10 N . a) 0,15 c) 50 N e 20 N . b) 0,30 d) 50 N e 25 N . c) 0,50 e) 70 N e 35 N . d) 0,60 e) 0,70

Exerc´ ıcios Complementares
4. (Fuvest-SP) As duas for¸as que agem sobre uma gota de c chuva, a for¸a peso e a for¸a devida ` resistˆncia do ar, tˆm c c a e e mesma dire¸ao e sentidos opostos. A partir da altura de 125 m c˜ acima do solo, estando a gota com uma velocidade de 8 m/s, essas duas for¸as passam a ter mesmo m´dulo. A gota atinge c o o solo com a velocidade de: a) 8 m/s b) 35 m/s c) 42 m/s d) 50 m/s e) 58 m/s 5. (Fuvest-SP) O sistema indicado na figura a seguir, onde as polias s˜o ideais, permanece em repouso gra¸as a for¸a de a c´ ` c atrito entre o corpo de 10 kg e a superf´ de apoio. ıcie

10 kg

4 kg

6 kg

Podemos afirmar que o valor da for¸a de atrito ´: c e a) 20 N b) 10 N c) 100 N d) 60 N e) 40 N 6. (UFMG) Na figura a seguir, est´ representado um bloco de a 2, 0 kg sendo pressionado contra a parede por uma for¸a F . O c coeficiente de atrito est´tico entre esses corpos vale 0, 5, e o a cin´tico vale 0, 3. Considere g = 10 m/s2 . e

Gravitacao – Aula 1 ¸˜

29

Gravita¸˜o ca
As Leis de Kepler
´ A Lei das Orbitas (1609)

Aula 1

A Lei dos Per´ ıodos (1618)
O quadrado do per´ ıodo orbital dos planetas ´ diree tamente proporcional ao cubo de sua distˆncia m´dia a e ao Sol. Esta lei estabelece que planetas com ´rbitas maiores se movem o mais lentamente em torno do Sol e, portanto, isso implica que a for¸a entre o Sol e o planeta decresce com a distˆncia ao Sol. c a Sendo P o per´ ıodo orbital do planeta, a o semi-eixo maior da o ´rbita, que ´ igual ` distˆncia m´dia do planeta ao Sol, e K e a a e uma constante, Podemos expressar a 3a lei como: P2 =K a3

A ´rbita de cada planeta ´ uma elipse, com o Sol o e em um dos focos. Como conseq¨ˆncia da ´rbita ser ue o el´ ıptica, a distˆncia do Sol ao planeta varia ao longo a de sua ´rbita. o

Se medimos P em anos (o per´ ıodo orbital da Terra), e a em Lembre-se, a elipse ´ uma linha plana, com focos no seu mesmo unidades astronˆmicas (1 u.a. = distˆncia m´dia da Terra ao e o a e plano. Isso implica em que o movimento dos planetas ocorre Sol), ent˜o K = 1, e podemos escrever a 3a lei como: a sobre um plano bem definido, e cada planeta tem o seu plano orbital diferente, e todos esses planos devem ter pelo menos P2 =1 um ponto em comum, o Sol. a3

Planeta Sol f f’

e podemos concluir que, para os planetas internos (a < 1 u.a.) o per´ ıodo orbital (ano) ser´ menor do que o ano terrestre. E a para os planetas exteriores (a > 1 u.a.), o per´ ıodo ´ maior do e que o terrestre.

Pense um Pouco!
• Se um novo planeta for descoberto a meia distˆncia entre a o Sol e a Terra, qual o seu per´ ıodo orbital. • Um sat´lite em ´rbita na Terra, passando pelo ponto mais e o pr´ximo da Terra, est´ mais r´pido ou mais lento se como a a parado ao ponto em que est´ mais afastado da Terra? a

Figura 1.1: 1a Lei de Kepler.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
´ A Lei da Areas (1609)
A reta unindo o planeta ao Sol varre ´reas iguais a em tempos iguais. O significado f´ ısico desta lei ´ que e a velocidade orbital n˜o ´ uniforme, mas varia de a e forma regular: quanto mais distante o planeta est´ a do Sol, mais devagar ele se move. Dizendo de outra maneira, esta lei estabelece que a velocidade areolar (referente a ´rea) ´ constante. a e 1. A tabela abaixo mostra como fica a 3a Lei de Kepler para os planetas vis´ ıveis a olho n´ . Complete os dados que est˜o u a faltando. Planeta a(u.a.) P (ano) a3 P2 Merc´ rio u 0,387 0,241 0,058 0,058 Vˆnus e 0,723 0,615 0,378 Terra 1,000 1,000 1,000 1,000 Marte 1,524 1,881 3,537 J´ piter u 5,203 11,862 140,700 Saturno 9,534 29,456 2. Adotando o Sol como referencial, aponte a alternativa que condiz com a 1a lei de Kepler da Gravita¸ao Universal (lei das c˜ o ´rbitas): a) As ´rbitas planet´rias s˜o curvas quaisquer, desde que feo a a chadas; b) As ´rbitas planet´rias s˜o espiraladas; o a a c) As ´rbitas planet´rias n˜o podem ser circulares; o a a d) As ´rbitas planet´rias s˜o el´ o a a ıpticas, com o Sol ocupando o centro da elipse; e) As ´rbitas planet´rias s˜o el´ o a a ıpticas, com o Sol ocupando um dos focos da elipse. ´ 3. A 2a lei de Kepler (Lei das Areas) permite concluir que um planeta possui:

v’ Sol A f v A’

Planeta

Figura 1.2: 2a Lei de Kepler.

30

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

a) maior velocidade quando se encontra mais longe do Sol; b) maior velocidade quando se encontra mais perto do Sol; c) menor velocidade quando se encontra mais perto do Sol; d) velocidade constante em toda sua trajet´ria; o e) n.r.a.

fenˆmeno, como a queda de um corpo pr´ximo ` superf´ o o a ıcie da Terra, at´, o mais complexo, como as for¸as trocadas entre e c corpos celestes, traduzindo com fidelidade suas ´rbitas e os dio ferentes movimentos. Segundo a lenda, Newton, ao observar a queda de uma ma¸a, concebeu a id´ia que ela seria causada c e pela atra¸ao exercida pela terra. A natureza desta for¸a atrac˜ c 4. Assinale a alternativa que est´ em desacordo com as Leis tiva ´ a mesma que deve existir entre a Terra e a Lua ou entre a e de Kepler da Gravita¸ao Universal: c˜ o Sol e os planetas; portanto, a atra¸ao entre as massas ´, com c˜ e a) O quociente do cubo do raio m´dio da ´rbita pelo quadrado certeza, um fenˆmeno universal. e o o do per´ ıodo de revolu¸ao ´ constante para qualquer planeta de c˜ e um dado sistema solar; c b) quadruplicando-se o raio m´dio da ´rbita de um sat´lite em Uma For¸a Elementar e o e torno da Terra, seu per´ ıodo de revolu¸ao fica 8 vezes maior; c˜ Sejam duas part´ ıculas de massas m1 e m2 , separadas por c) Quanto mais pr´ximo de uma estrela (menor raio m´dio o e uma distˆncia r. Segundo Newton, a intensidade da for¸a F a c da ´rbita) gravita um planeta, menor ´ o seu per´ o e ıodo de rede atra¸ao entre as massas ´ dada por c˜ e volu¸ao; c˜ m1 m2 d) Sat´lites diferentes gravitando em torno da Terra, na mesma e F =G 2 o ´rbita tˆm per´ e ıodos de revolu¸ao iguais; c˜ r e) Devido ` sua maior distˆncia do Sol (maior raio m´dio da a a e onde G ´ uma constante, a constante da gravita¸ao universal, e c˜ o ´rbita) o ano de Plut˜o tem dura¸ao menor que o da Terra. a c˜ sendo seu valor expresso, no Sistema Internacional, por

Exerc´ ıcios Complementares
5. Com rela¸ao `s leis de Kepler, podemos afirmar que: c˜ a a) N˜o se aplicam ao estudo da gravita¸ao da Lua em torno a c˜ da Terra; b) s´ se aplicam ao nosso Sistema Solar; o c) aplicam-se ` gravita¸ao de quaisquer corpos em torno de a c˜ uma grande massa central; d) contrariam a mecˆnica de Newton; a e) n˜o prevˆem a possibilidade da existˆncia de ´rbitas circua e e o lares. 6. Considere dois sat´lites de massas ma e mb , sendo ma = e 2mb , descrevendo a mesma ´rbita em torno da Terra. Com o rela¸ao a velocidade dos dois teremos: c˜ ` a) va > vb b) va < vb c) va = vb d) va = vb /2 e) n.r.a

G = 6, 67 × 10−11 N · m2 /kg 2

F21 F 12 m1
Figura 1.1: Duas part´culas se massas m1 e m2 sempre se ı atraem mutuamente, dando origem a um par de for¸as F12 e c F21 . As for¸as F12 e F21 ´ a da reta que une as part´ c e ıculas, e o sentido tal que as massas sempre se atraem mutuamente, com mesma intensidade de for¸a, ou seja c F12 = F21

m2

7. Um planeta descreve uma ´rbita el´ o ıptica em torno do Sol. Podemos, ainda, enunciar a lei da gravita¸ao universal do sec˜ O ponto A ´ o ponto da ´rbita mais pr´ximo do Sol; o ponto guinte modo: e o o B ´ o ponto mais distante. No ponto A: e Dois corpos se atraem gravitacionalmente com for¸a c a) a velocidade de rota¸ao do planeta ´ m´xima; c˜ e a cuja intensidade ´ diretamente proporcional ao proe b) a velocidade de transla¸ao do planeta se anula; c˜ duto de suas massas e inversamente proporcional ao c) a velocidade de transla¸ao do planeta ´ m´xima; c˜ e a quadrado da distˆncia entre seus centros de massa. a d) a for¸a gravitacional sobre o planeta se anula; c e) n.r.a Ap´s a formula¸ao da lei da Gravita¸ao, com o desenvolvio c˜ c˜ mento do c´lculo integral, Newton tamb´m mostrou que a a e for¸a gravitacional entre esferas homogˆneas tamb´m segue c e e a mesma forma estabelecida para as part´ ıculas. E tamb´m vale e a mesma for¸a para uma part´ c ıcula e uma esfera homogˆnea. e Esse resultado foi t˜o surpreendente para o pr´prio Newton, a o que inicialmente nem ele acreditou no que havia provado matematicamente! Gravita¸˜o Universal ca Aplicando-se a lei de gravita¸ao para um corpo de massa m c˜ na superf´ da Terra, temos ent˜o ıcie a A lei da gravita¸˜o universal, proposta por Newton, foi ca um dos maiores trabalhos desenvolvidos sobre a intera¸ao enc˜ GMT MT m F =G 2 = 2 m = mg = P tre massas, pois ´ capaz de explicar desde o mais simples e RT RT

Gravita¸˜o ca

Aula 2

Gravitacao – Aula 3 ¸˜ onde RT e MT s˜o o raio e a massa da Terra, respectivamente, a e ` for¸a obtida chamamos peso. a c Medidas atuais mostram que MT = 5, 98 × 1024 kg e RT = 6, 37 × 106 m. A constante g que aparece acima ´ justamente a e acelera¸ao da gravidade na superf´ da Terra. Experimente c˜ ıcie calcular g com os dados fornecidos! c) 40 kg e 400 N d) 20 kg e 200 N e) 10 kg e 100 N

31

4. Um corpo ´ colocado na superf´ terrestre ´ atra´ por e ıcie e ıdo esta com uma for¸a F . O mesmo corpo colocado na superf´ c ıcie de um planeta de mesma massa da Terra e raio duas vezes menor ser´ atra´ pelo planeta com uma for¸a cujo m´dulo a ıdo c o OBSERVACOES ¸˜ ´: e a) 4F 1. A for¸a gravitacional ´ sempre de atra¸ao; c e c˜ b) 2F 2. A for¸a gravitacional n˜o depende do meio onde os corpos c) F c a d) F/2 se encontram imersos; e) F/4 3. A constante da gravita¸ao universal G teve seu valor dec˜ terminado experimentalmente por Henry Cavendish, em 1798, por meio de um instrumento denominado balan¸a c Exerc´ ıcios Complementares de tor¸ao e esferas de chumbo. c˜ 5. Se a massa da Terra n˜o se alterasse, mas o seu raio fosse a reduzido ` metade, o nosso peso seria: a a • Qual a dire¸ao e o sentido da for¸a de atra¸ao gravitacio- a) reduzido ` quarta parte c˜ c c˜ b) reduzido ` metade a nal exercida pela Terra sobre os corpos que est˜o pr´ximos a o c) o mesmo a ` superf´ ıcie? d) dobrado • A acelera¸ao da gravidade na Lua ´ 6 vezes menor do que e) quadruplicado c˜ e a acelera¸ao da gravidade pr´xima ` superf´ da Terra. c˜ o a ıcie o O que acontece com o peso e a massa de um astronauta 6. Um corpo de massa m gira em torno da Terra, em ´rbita circular, com velocidade escalar constante v. Sendo G a consna Lua? tante gravitacional e M a massa da Terra, o raio da trajet´ria o • O valor da acelera¸ao da gravidade ´ relevante para os descrita pelo corpo ser´: c˜ e a esportes? a) G/M v 2 b) G/mv 2 c) Gm/v 2 Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca d) GM/v 2 e) GM m/v 2

Pense um Pouco!

1. Duas part´ ıculas de massas respectivamente iguais a M e m est˜o no v´cuo, separadas por uma distˆncia d. A respeito das a a a for¸as de intera¸ao gravitacional entre as part´ c c˜ ıculas, podemos afirmar que: a) tˆm intensidades inversamente proporcional a d; e b) tˆm intensidades diretamente proporcional ao produto e Mm; c) n˜o constituem entre si um par a¸ao e rea¸ao; a c˜ c˜ d) podem ser atrativas ou repulsivas; e) teriam intensidade maior se o meio fosse o ar. 2. A raz˜o entre os diˆmetros dos planetas Marte e Terra ´ a a e 1/2 e entre as respectivas massas ´ 1/10. Sendo de 160 N o e peso de um garoto na Terra, pode-se concluir que seu peso em Marte ser´ de: a a) 160 N b) 80 N c) 60 N d) 32 N e) 64 N 3. Uma menina pesa 400 N na superf´ da Terra, onde se ıcie adota g = 10m/s2 . Se a menina fosse transportada at´ uma e altura igual ao raio da Terra (6.400 km), sua massa e seu peso seriam, respectivamente: a) 40 kg e 100 N b) 40 kg e 200 N

7. Sabe-se que no interior de uma nave em ´rbita circular em o torno da Terra um astronauta pode flutuar, como se n˜o tia vesse peso. Esse fato ocorre porque: a) a nave est´ fora do campo gravitacional da Terra; a b) h´ ausˆncia de atmosfera; a e c) a atra¸ao exercida pela Lua ´ maior do que a atra¸ao exerc˜ e c˜ cida pela Terra; d) ambos, astronauta e nave, est˜o em queda livre no seu moa vimento circular; e) h´ uma redu¸ao na massa dos corpos. a c˜

Gravita¸˜o ca
Peso

Aula 3

O peso de um corpo ´ a for¸a de atra¸ao exercida pela terra e c c˜ sobre ele. Um paraquedista, por exemplo, cai por que ´ atra´ e ıdo pela Terra. Consideremos um corpo de massa m caindo em queda livre perto da superf´ da Terra. ıcie

32

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Figura 1.2: J´piter e alguns de seus sat´lites naturais. u e

Unidades SI
Figura 1.1: Paraquedista. A unidade de peso no Sistema Internacional (SI) ´ o newe ton ou N . Outra unidade, muito utilizada na ind´ stria, ´ o u e quilograma-for¸a ou kgf . c

Peso e Massa

1 kgf ´ o peso de um corpo de 1 kg de massa e Se o corpo cai em queda livre ele possui acelera¸ao a igual ` c˜ a num local em que a acelera¸˜o da gravidade ´ ca e da gravidade g. Desta forma, podemos usar o princ´ ıpio funigual a 9, 8 m/s2 . damental da Dinˆmica (2a Lei de Newton) para obter a for¸a a c que age sobre esse corpo. Esta for¸a ´ chamada de for¸a peso Podemos relacionar newton e quilograma-for¸a: c e c c P e ´ dada por: e P = mg → 1 kgf = 1kg · 9, 8 m/s2 P = mg 1 kgf = 9, 8 kg · m/s2 Essa express˜o mostra que o peso do corpo ´ diretamente proa e porcional ` sua massa: quanto maior a massa, maior o peso. a Entretanto massa e peso s˜o conceitos inteiramente diferentes. a Massa ´ uma propriedade intr´ e ınseca do corpo, isto ´, depende e apenas do pr´prio corpo, enquanto peso ´ a for¸a de atra¸ao o e c c˜ gravitacional que atua sobre ele, variando de acordo com o valor da acelera¸ao da gravidade. Por isso o peso do corpo pode c˜ variar. A massa, no entanto, ´ sempre a mesma em qualquer e lugar do universo. 1 kgf = 9, 8 N

Pense um Pouco!
• Por que na Lua os astronautas conseguem dar saltos mais altos do que na Terra? • Quando algu´m diz que “pesa”75 kg o que isso quer dizer? e

Peso e Gravita¸˜o ca
O peso de um corpo ´ uma grandeza vetorial que tem dire¸ao e c˜ vertical e sentido para o centro da Terra. A for¸a peso ´ uma for¸a que atua ` distˆncia. Por isso, dic e c a a zemos que em torno da Terra h´ uma regi˜o chamada campo a a gravitacional, na qual todos os corpos sofrem sua influˆncia. e Estando sob a a¸ao deste campo, os corpos s˜o atra´ c˜ a ıdos por essa for¸a peso e sofrem varia¸oes de velocidade, uma vez que c c˜ adquirem acelera¸ao. c˜ Como a acelera¸ao da gravidade num ponto ´ inversamente c˜ e proporcional ao quadrado da distˆncia desse ponto ao centro a da Terra, e como os pontos de sua superf´ n˜o est˜o ` mesma ıcie a a a distˆncia ao centro da terra, conclu´ a ımos que no topo de uma ´ montanha um corpo pesar´ menos do que ao n´ do mar. E a ıvel importante lembrar que existem varia¸oes que v˜o desde 393 m c˜ a abaixo do n´ do mar (Mar morto), a 8.848 m acima do n´ ıvel ıvel do mar (Monte Everest). Como a Terra ´ achatada nos p´los, um homem pesar´ mais e o a no P´lo Norte que no Equador. o Em torno de qualquer planeta ou sat´lite existe um campo e gravitacional. Assim, podemos falar em peso de um corpo em J´ piter, Saturno ou Marte, por exemplo. u

• Quando uma pessoa salta em queda-livre o que acontece com o seu peso?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Na superf´ ıcie da Terra a acelera¸ao da gravidade vale c˜ 9, 8 m/s2 e, na superf´ da Lua, 1, 6 m/s2 . Para um corpo ıcie de massa igual a 4 kg, calcule: a) o peso na superf´ da Terra. ıcie b) o peso na superf´ da Lua. ıcie 2. Peso e massa s˜o a mesma coisa? quando vocˆ sobe numa a e balan¸a de uma farm´cia e permanece em repouso sobre ela, c a por exemplo, vocˆ esta medindo sua massa ou seu peso? e

Exerc´ ıcios Complementares
3. (MACK - SP) Uma das observa¸oes cient´ c˜ ıficas mais interessantes, noticiada pelas emissoras de TV, foi a do astronauta russo que, a bordo da esta¸ao espacial MIR, borrifou c˜ leite l´ ıquido contido numa embalagem tradicional e, este, sob a falta de gravidade, adentrou a boca do cientista como uma

Gravitacao – Aula 4 ¸˜ “bola flutuante”. Considerando totalmente desprez´ a graıvel vidade no local dessa experiˆncia, duas “bolas”de leite de mase sas respectivamente iguais a m e 2m ter˜o seus pesos: a a) iguais a zero b) na propor¸ao PA /PB = 1/3 c˜ c) na propor¸ao PA /PB = 1/2 c˜ d) na propor¸ao PA /PB = 2 c˜ e) na propor¸ao PA /PB = 3 c˜ 4. (UFSM - RS) Uma for¸a F de m´dulo igual a 20 N ´ c o e aplicada, verticalmente, sobre um corpo de 10 kg em repouso sobre uma superf´ horizontal. O m´dulo (em N ) da for¸a ıcie o c normal sobre o corpo, considerando o m´dulo da acelera¸ao o c˜ gravitacional como 10 m/s2 ´: e a) 120 b) 100 c) 90 d) 80 e) 0

33 para uma altitude onde a acelera¸ao da gravidade vale G, c˜ pergunta-se: a) o peso do quilograma padr˜o vai se modificar? a b) havendo modifica¸ao, qual o seu novo peso? c˜ c) qual ser´ a massa do corpo no novo local? a 7. A acelera¸ao da gravidade na superf´ c˜ ıcie de J´ piter ´ de u e 30 m/s2 . Qual a massa de um corpo que na superf´ ıcie de J´ piter pesa 120 N ?. u

Gravita¸˜o ca
Centro de Gravidade

Aula 4

Os corpos materiais podem ser considerados como um sistema 5. Durante uma brincadeira, B´rbara arremessa uma bola de de part´ a ıculas, cada uma das quais atra´ pela Terra com uma ıda vˆlei verticalmente para cima, como mostrado nesta figura: o for¸a igual ao peso da part´ c ıcula.

P 1 P 3

P 2 P 4 G

P

A resultante de todas essas for¸as parciais ´ o peso total do c e corpo. Seja G o ponto no qual podemos considerar aplicado todo o peso do corpo. O ponto G ´ denominado centro de e gravidade do corpo. Resumindo, temos: centro de gravidade de um corpo ´ o ponto de e aplica¸˜o da for¸a peso ca c A terra atrai o corpo como se toda sua massa estivesse localizada no centro de gravidade. Para corpos homogˆneos, isto ´, de massa uniformemente dise e tribu´ ıda, que admitem um eixo de simetria, seus centros de Assinale a alternativa cujo diagrama melhor representa a(s) gravidade est˜o sobre esse eixo. a for¸a(s) que atua(m) na bola no ponto mais alto de sua trac jet´ria. o
G G P G P

a)

b)

P

Se o corpo tiver forma irregular e n˜o for homogˆneo, utiliza-se a e a regra pr´tica explicada abaixo. a Em um suporte, pendura-se o objeto por um ponto qualquer e, quando ele estiver em repouso, tra¸a-se um vertical sobre c c) d) o ponto em que ele est´ suspenso. Como o objeto est´ em a a equil´ ıbrio, seu peso e a for¸a exercida sobre ele pelo suporte c Nenhuma força atua sobre que o sustenta tˆm mesmo m´dulo, mesma dire¸ao e sentidos e o c˜ a bola neste ponto opostos. Logo, a dire¸ao da reta que cont´m o centro de grac˜ e vidade ´ essa vertical. Agora pendura-se o objeto por outro e 6. (Vunesp-SP) Se o quilograma padr˜o for transportado de ponto e tra¸a-se uma nova vertical; a intersec¸ao dessa vertical a c c˜ Paris, onde a acelera¸ao da gravidade vale g (valor normal), com a anterior determina o centro de gravidade (CG). c˜

34

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Para que um ponto material esteja em equil´ ıbrio ´ necess´rio e suficiente que a ree a sultante de todas as for¸as que nele agem seja c nula.
T CG P P T CG

Momento de uma For¸a c
Considere uma pessoas tentando girar uma porca com uma chave.

Antes de prosseguirmos, vale apena relembrar a defini¸ao de c˜ ponto material e corpo extenso. Imagine um carro de 3, 00 m de comprimento viajando de Joinville ` Blumenau. O comprimento do carro ´ muito pequeno a e se comparado com a distˆncia Jvlle - Bnu, ≃ 90 km, e suas a dimens˜es, ent˜o, n˜o precisar˜o ser consideradas ao analisaro a a a mos o seu movimento. Em situa¸oes como essa, nas quais o c˜ objeto apresenta dimens˜es consideradas desprez´ o ıveis, diante do fenˆmeno observado, podemos consider´-lo como um ponto o a material. No caso do movimento de um ˆnibus, de 20 m de comprimento, o deslocando-se entre duas paradas (pontos) distantes entre si 500 m, por exemplo, ´ necess´rio que levemos em conta as suas e a dimens˜es ao analisarmos alguns aspectos do seu movimento. o E ele estar´ se comportando como um corpo extenso. a

Utilizando for¸as de mesmo valor, ser´ mais f´cil girar a porca c a a em torno de seu centro O se a for¸a aplicada no ponto A, ao c inv´s de ser aplicada no ponto B. Quanto maior for a distˆncia e a do ponto de aplica¸ao da for¸a at´ o centro O da porca, maior c˜ c e vai ser a facilidade de girarmos a porca usando a chave. O mesmo ocorre quando tentamos fechar uma porta. Se exercemos a for¸a em A a facilidade ´ maior do que se exercermos c e a for¸a em B. c

Equil´ ıbrio de um Ponto Material
Um ponto material pode estar em equil´ ıbrio est´tico ou a dinˆmico. No equil´ a ıbrio est´tico, o ponto material est´ em a a repouso (v = 0). No equil´ ıbrio dinˆmico o ponto material est´ a a em movimento retil´ ıneo uniforme (v = constante = 0).

Consideramos que o eixo de rota¸ao ´ o que cont´m as doc˜ e e bradi¸as. c Analisando os casos anteriores, notamos que h´ uma rela¸˜o a ca entre a for¸a aplicada e a distˆncia do ponto de aplica¸ao dessa c a c˜ for¸a at´ o eixo de rota¸ao. c e c˜ A grandeza f´ ısica que relaciona essas duas grandezas ´ chae mada momento de uma for¸a ou torque. c O momento de uma for¸a ´ a capacidade dessa c e for¸a em fazer girar um objeto. c Para definirmos a grandeza momento, consideremos uma for¸a c F e um ponto O, chamado p´lo. o
d

Figura 1.1: Situa¸ao de equil´brio. c˜ ı Analisando os dois tipos de equil´ ıbrio, notas uma semelhan¸a: c em ambos a acelera¸ao ´ nula (a = 0). Utilizando a Segunda c˜ e Lei de Newton, temos FR FR FR = = = m·a m·0 0
O

F

O momento da for¸a F em rela¸ao ao ponto O ´ dado por: c c˜ e MF,O = F d

Assim, conclu´ ımos que

Gravitacao – Aula 4 ¸˜ Unidade SI A unidade de momento n˜o tem nome espec´ a ıfico. Ela ´ dada e pelo produto da unidade da for¸a, em newtons, pela unidade c de distˆncia, em metro. Portanto a unidade de momento ´ a e newton · metro, ou N · m. Observa¸˜o ca Sabemos que o produto N · m ´ chamado de joule J. Ene tretanto, o joule n˜o ´ uma unidade utilizada para medir o a e momento de uma for¸a, porque momento ´ uma grandeza de c e natureza diferente de trabalho e energia. Dire¸˜o e Sentido ca
eixo de rotaçao

35

τ

O momento ou torque de uma for¸a ´ uma grandeza vetorial. c e A partir do sentido de rota¸ao (hor´rio ou anti-hor´rio) que c˜ a a uma ou mais for¸as tendem a produzir, podemos determinar c Figura 1.2: Regra da m˜o direita: o vetor indica o sentido do a a dire¸ao e o sentido do torque. Por exemplo, um saca-rolhas, c˜ momento. A dire¸ao ´ sempre paralela ao eixo de rota¸ao do c˜ e c˜ ao girar, produz efeitos contr´rios: no sentido hor´rio, entra a a objeto. na rolha (avan¸a verticalmente para baixo); no sentido antic hor´rio, sai dela (retorna verticalmente para cima). O sentido a do deslocamento do saca-rolhas coincide com o sentido do vetor momento (MF,O ), e sua dire¸ao est´ sempre paralela ao eixo c˜ a de rota¸ao. c˜

Outra maneira pr´tica de determinar a dire¸ao e o sentido do Exerc´ a c˜ ıcios de Aplica¸˜o ca vetor torque ´ utilizar a regra da m˜o direita. Os quatro e a dedos dessa m˜o devem acompanhar o sentido da rota¸ao do a c˜ a e a objeto. O polegar indicar´ a dire¸ao e o sentido do vetor mo- 1. Uma lumin´ria cujo peso ´ 100 N est´ suspensa por duas a c˜ cordas, AC e BC, conforme indica a figura. Determine a for¸a c mento. de tra¸ao em cada corda. c˜ O momento pode ser positivo ou negativo. Adotamos a seguinte convers˜o: a rota¸ao no sentido anti-hor´rio → momento positivo c˜ a o A 60 o B rota¸ao no sentido hor´rio → momento negativo c˜ a 30

Equil´ ıbrio de um Corpo Extenso
As condi¸oes necess´rias e suficientes para que um corpo se c˜ a mantenha em equil´ ıbrio s˜o: a 1. A resultante de todas as for¸as que nele c agem seja nula. 2. A soma alg´brica dos momentos de todas e as for¸as que nele atuam, em rela¸˜o ao c ca mesmo ponto, seja nula.

C

Pense um Pouco!
Como vocˆ explicaria a situa¸ao abaixo? e c˜

2. (UFCO) Um bloco A de 10 kg de massa encontra-se em repouso sobre um plano horizontal liso, conforme mostra a figura. Considerando as polias e os fios ideais e tomando g = 10 m/s2 : a) mostre em um diagrama todas as for¸as que agem no bloco c A.

36

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

b) sabendo que a massa do bloco C que equilibra o sistema ´ e 2 kg, calcule, neste caso, a massa do bloco B.

B A C
60
o

6. A barra AB da figura tem peso desprez´ ıvel. Sabendo que F1 = F2 = F3 = F4 = 6 N , calcule o momento resultante dessas for¸as em rela¸ao aos pontos: c c˜ a) A b) B c) C

Exerc´ ıcios Complementares
3. (Vest. RJ) Um menino, de massa igual a 40 kg, est´ sobre a uma t´bua de 2, 00 m de comprimento, a 0, 500 m do apoio A, a conforme indica a figura. Desprezando os pesos da t´bua e da vara de pescar e considea rando g = 10 m/s2 , determine a intensidade das rea¸oes nos c˜ apoios A e B.

4. (UFMT) A barra xy ´ homogˆnea, de 100 kg de massa, e e e est´ apoiada em suas extremidades, suportando as massas de a 50 kg e 150 kg, como na figura. calcule as rea¸oes dos apoios. c˜ (considere a barra horizontal e g = 10 m/s2 ).

3,0 m 0,5 m 0,5 m

50 kg

150 kg

5. Calcule o momento de cada uma das for¸as indicadas na c figura, em rela¸ao ao ponto O. Dados: F1 = 20 N , F2 = 30 N c˜ e F3 = 40 N

´ Otica – Aula 1

37

´ Otica
´ Otica
A Luz

Aula 1

N raio incidente θ i θ raio refletido r

superfície refletora plana

O estudo de luz e cor deve ser iniciado pela F´ ısica elementar, uma vez que a luz ´ uma onda eletromagn´tica. e e Desta forma, pode-se ent˜o exemplificar as ondas elea tromagn´ticas de maior importˆncia nas pesquisas e nas e a aplica¸oes pr´ticas, em fun¸ao do comprimento de onda (proc˜ a c˜ priedade que fornece uma das principais caracter´ ısticas da onda): Raios-X (faixa de 0, 1 a 1 nm, ondas ultra-violetas (faixa de 1 at´ 400 mm), o espectro de luz vis´ e ıvel (faixa de 400 at´ 700 nm), ondas infra-vermelhas (faixa de 700 nm at´ e e 1 mm) e faixas de radiofreq¨ˆncia que variam de 20 cm at´ ue e 105 m. Todas as ondas eletromagn´ticas se propagam no v´cuo com a e a mesma velocidade c com o valor de 3, 0 × 108 m/s (velocidade da luz).

Figura 1.1: Reflex˜o Planar. a

Espelho Plano
Espelho plano ´ a superf´ plana polida onde ocorre predoe ıcie minantemente a reflex˜o da luz. a Forma¸˜o de Imagens nos Espelhos Planos ca Observemos um ponto objeto luminoso O diante de um espelho plano enviando luz em todas as dire¸oes, conforme indica a c˜ figura.
espelho plano

Reflex˜o da Luz a
Quando a luz atinge uma superf´ separadora S de dois meios ıcie de propaga¸ao (A e B), ela sofrer´ reflex˜o se retornar ao meio c˜ a a no qual estava se propagando. A quantidade de luz refletida depende do material que ´ feita e a superf´ S, do seu polimento entre outros fatores. ıcie Tipos de Reflex˜o a Consideramos raios paralelos de luz incidente sobre uma superf´ ıcie. Ocorrer´ reflex˜o especular ou regular se os raios a a refletidos forem tamb´m paralelos entre si. Em caso contr´rio, e a a reflex˜o ´ chamada difusa ou irregular. a e A reflex˜o regular ser´ predominante quando a superf´ rea a ıcie fletora for plana e bem polida como, por exemplo, um espelho. A reflex˜o difusa ocorre em superf´ a ıcies irregulares e porosas. ´ E a difus˜o (ou espalhamento) da luz, pelo pr´prio ar, pela a o poeira, pelas paredes e outros corpos, que torna o ambiente iluminado.
o i

eixo otico

objeto real

imagem virtual

Figura 1.2: Forma¸ao de imagens em um espelho plano. c˜ Repare que a parte de tr´s do espelho (` direita neste exemplo) a a ´ marcada pelas hachuras. A imagem encontrada ´ fruto do e e prolongamento dos raios refletidos, isso caracteriza uma imagem virtual. Propriedades dos Espelhos Planos 1. Se chamarmos de x ` distˆncia do objeto ao espelho, a a a distˆncia entre o espelho e a imagem ser´ tamb´m x. Isto a a e significa que o objeto e a imagem s˜o sim´tricos em rela¸ao a e c˜ ao espelho. 2. As imagens formadas num espelho plano s˜o enantioa morfas, ou seja, existe uma invers˜o ”direita para a esa querda”, mas n˜o de ”baixo para cima”. Assim a imagem a especular da m˜o esquerda ´ a m˜o direita, mas a imagem a e a dos p´s n˜o est´ na cabe¸a. e a a c 3. Ainda pelas figuras anteriores, percebe-se que um objeto localizado na frente do espelho (real) nos fornece uma imagem que nos d´ a impress˜o de estar situada atr´s do espea a a

Leis da Reflex˜o a
1a Lei: O raio de luz incidente, o raio de luz refletido e a reta normal ` superf´ pelo ponto de incidˆncia da luz est˜o num a ıcie e a mesmo plano (coplanares). Temos: RI = Raio Incidente; RR = Raio Refletido; N = Reta Normal; i = ˆngulo de incidˆncia; a e r = ˆngulo de reflex˜o. a a 2a Lei: O ˆngulo de incidˆncia ´ igual ao ˆngulo de reflex˜o. a e e a a i=r

38

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o lho (virtual). Logo, o objeto e a imagem s˜o de naturezas a opostas.

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exerc´ ıcios Complementares

4. Considere um raio luminoso incidindo num espelho plano. 4. Finalmente, podemos notar que o objeto e a imagem posDetermine o ˆngulo formado entre o raio incidente e o espelho, a suem o mesmo tamanho, e, em caso de movimento relativo sabendo que o ˆngulo formado entre o raio incidente e o raio a ao espelho, possuir˜o iguais velocidades. a refletido ´ igual a 700 . e 5. Um rapaz est´ sentado na cadeira de uma barbearia de a frente para um espelho plano, tendo atr´s de si o barbeiro em a p´. A distˆncia entre o rapaz e o espelho ´ D e entre o rapaz e e a e Campo Visual de um espelho plano ´ a regi˜o do espa¸o que e a c o barbeiro ´ d. Qual ´ a distˆncia x (horizontal) entre o rapaz e e a pode ser vista por um observador atrav´s de um espelho. e Para determinarmos o campo visual, basta tomar o ponto O′ , e a imagem do barbeiro ? sim´trico de O, e uni-lo `s extremidades do espelho plano E. 6. Daniela, uma linda menininha de oito anos, ficou complee a Veja a figura. [fig:ot013] tamente desconcertada quando, ao chegar em frente do espe-

Campo Visual

O

O’

lho de seu arm´rio, vestindo uma blusa onde havia seu nome a escrito, viu a imagem de seu nome refletida, desenhe essa imagem?

´ Otica
campo visual E

Aula 2

Espelhos Esf´ricos e
Os espelhos esf´ricos s˜o superf´ e a ıcies refletoras que tem forma de uma calota esf´rica. e Figura 1.3:

Calota Esferica

Pense um Pouco!
1. Por que n˜o enxergamos no escuro? a

V
2. Para que serve o espelho retrovisor dos carros? 3. Por que as ambulˆncias geralmente trazem escrito na a frente ?

C

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
Figura 1.1: Calota esf´rica. e 1. A estrela Vega est´ situada a cerca de 26 anos-luz (ano luz ´ a e a distˆncia que a luz percorre em 1 ano) da Terra. Determine Temos dois tipos de espelho esf´rico: a e a ordem de grandeza da distˆncia de Vega at´ a Terra, em Cˆncavo: a superf´ refletora ´ interna. a e o ıcie e metros. Convexo: a superf´ refletora ´ externa. ıcie e 2. Um observador nota que um edif´ projeta no solo uma ıcio sombra de 30 m de comprimento, no instante em que um muro Esquematicamente: de 1, 5 m de altura projeta uma sombra de 50 cm. Determine Temos: R = Raio de Curvatura; a altura do edif´ ıcio. F = Foco do Espelho (ponto m´dio do eixo principal no trecho e 3. Um feixe de luz, partindo de uma fonte puntiforme, incide entre o V´rtice e o Centro); e sobre um disco de 10 cm de diˆmetro. Sabendo que a distˆncia C = Centro; a a da fonte ao disco ´ 1/3 da distˆncia deste ao anteparo e que os V = V´rtice; e a e planos da fonte, do disco e do anteparo s˜o paralelos, determine A = reta que passa por C e V ´ o eixo ´ptico principal. a e o o raio da sombra projetada sobre o anteparo.

´ Otica – Aula 2
Côncavo θi θr
C F V eixo ótico

39
N Convexo

V

F

C

eixo ótico C F N θr θi V V F C

(a)

(b)

Figura 1.2: Espelhos cˆncavo (` esquerda) e Convexo (direita). o a

Figura 1.4: Raio not´vel incidindo paralelo ao eixo principal a de um espelho esf´ricos cˆncavo (a) e convexo (b). e o

Condi¸˜es de Nitidez de Gauss co
• Os raios de luz devem ser pouco inclinados em rela¸ao ao c˜ eixo ´ptico principal; o • os raios de luz devem incidir pr´ximos ao v´rtice do espeo e lho;
C F V eixo ótico

V

F

C

(a)

(b)

A partir de agora estaremos, apenas considerando os espelhos esf´ricos de Gauss, ou seja, espelhos que satisfazem as Figura 1.5: Raio not´vel passando pelo foco F de um espelho e a condi¸oes de Gauss. c˜ esf´ricos cˆncavo (a) e convexo (b). e o

Raios Not´veis de Luz a

a nota¸ao i e O significando, respectivamente, a medida da c˜ Os Raios Not´veis n˜o s˜o os unicos que ocorrem num sistema imagem e do objeto. a a a ´ o ´ptico, mas como o pr´prio nome diz, eles se destacam o dos outros pela facilidade de tra¸a-los. Nosso objetivo ser´ c´ a o desenhar pelo menos dois deles em cada situa¸ao. Vejamos Espelho Cˆncavo c˜ quais s˜o estes raios: a (1) Objeto situado antes do centro de curvatura C: 1. Todo raio que incide numa dire¸˜o que passa pelo ca centro de curvatura, reflete-se sobre si mesmo.

C

F

V

eixo ótico

V

F

C

C

F

V

eixo ótico

(a)

(b)

Figura 1.3: Raio not´vel passando pelo centro de curvatura C a de um espelho esf´ricos cˆncavo (a) e convexo (b). e o Figura 1.6: Objeto antes do centro de curvatura C. 2. Todo raio que incide paralelamente ao eixo principal reflete-se numa dire¸˜o que passa pelo foco principal ca Imagem: Real, Invertida e Menor. do espelho. 3. Todo raio que incide numa dire¸˜o que passa pelo ca (2) Objeto situado sobre o centro de curvatura C: foco reflete-se paralelamente ao eixo principal. Importante • O foco F do espelho cˆncavo ´ Real; o e • O foco F do espelho convexo ´ virtual. e Imagem: Real, Invertida e Igual. (3) Objeto situado entre o centro de curvatura C e o foco F : Imagem: Real, Invertida e Maior. (4) Objeto situado sobre o foco F : Imagem: Impr´pria. o (5) Objeto situado entre o foco F e o v´rtice: e

Forma¸˜o de Imagens ca

Para formarmos imagens, basta tra¸armos dois raios quaisquer c de luz entre os not´veis que acabamos de aprender. Usaremos Imagem:Virtual, Direita e Maior. a

40

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

C

F

V

eixo ótico

C

F

V

eixo ótico

Figura 1.9: Objeto sobre o foco F . Figura 1.7: Objeto sobre o centro de curvatura C.

C

F

V

eixo ótico

C

F

V

eixo ótico

Figura 1.8: Objeto entre o centro de curvatura C e o foco F . Espelho Convexo Neste caso temos apenas um caso: Imagem:Virtual, Direita e Menor. Observa¸˜o ca O espelho convexo ´ usado como espelho retrovisor de e motocicletas e em portas de garagens devido ao maior campo visual que oferece. Conclus˜es: o Figura 1.10: Objeto entre o foco F e o V´rtice. e Aumento Linear Transversal Por defini¸ao, o aumento linear transversal A ´ a raz˜o entre c˜ e a a altura da imagem i e a altura do objeto o. A= Conven¸˜o de Sinais ca P′ i = O P

Objeto Real p > 0 Virtual p < 0 Imagem Real p′ > 0 Virtual p′ < 0 • Uma imagem real est´ localizada na frente do espelho e a Espelho Cˆnc. R > 0 e f > 0 Conv. R < 0 e f < 0 o poder´ ser projetada sobre um anteparo (uma tela) coloa h∗ Direita i > 0 Invertida i < 0 cada na posi¸ao em que ela se forma, pois ´ constitu´ c˜ e ıda pela intersec¸ao dos pr´prios raios de luz; c˜ o (*) Altura da imagem para o > 0. • Uma imagem virtual est´ localizada atr´s do espelho e, a a embora possa ser visualizada, n˜o ´ constitu´ por luz e, a e ıda sim pelos prolongamentos dos raios.

Pense um Pouco!
1. Numa esfera espelhada nos vemos maiores ou menores do que somos? Por quˆ? e 2. Cite exemplos de objetos do dia-a-dia que s˜o espelhos a esf´ricos. e 3. Por que os caminh˜es e ˆnibus usam um pequeno espelho o o convexo colado no canto do retrovisor plano?

Determina¸˜o Anal´ ca ıtica da Imagem
Agora procuraremos expressar de forma matem´tica algumas a express˜es que nos permita determinar a posi¸ao e o tamanho o c˜ da imagem. Equa¸˜o Conjugada de Gauss ca 1 1 1 = + ′ f p p Temos que a distˆncia focal f ´ dada por: a e f=
R 2

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Um objeto real de altura 5 cm est´ a 3 m diante de um a espelho esf´rico cˆncavo, de distˆncia focal 1 m. e o a

´ Otica – Aula 3

41

Refra¸˜o da Luz ca
A velocidade de uma dada luz monocrom´tica assume valores a diferentes em diferentes meios de propaga¸ao tais como: v´cuo, c˜ a ar, ´gua, vidro, etc. a A luz sofre refra¸ao quando passa de um meio para outro, moc˜ dificando sua velocidade. Em geral, a refra¸ao ´ acompanhada c˜ e por um desvio na trajet´ria da luz, conseq¨ˆncia da mudan¸a o ue c de velocidade. O unico caso de refra¸ao no qual a luz n˜o so´ c˜ a fre desvio ´ quando incide perpendicularmente ` superf´ de e a ıcie separa¸ao dos meios S. c˜

eixo ótico V F C

N
Figura 1.11: Espelho convexo. a) Determine, graficamente, as caracter´ ısticas da imagem. b) Determine, analiticamente, a posi¸ao e o tamanho da imac˜ gem. 2. Diante de um espelho esf´rico convexo, de raio de curvatura e de 60 cm, ´ colocado, perpendicularmente ao eixo principal do e mesmo, um objeto de 2 cm de altura. O objeto dista 40 cm do espelho. Determine: a) a posi¸ao da imagem; c˜ b) o tamanho da imagem. 3. Mediante a utiliza¸ao de um espelho esf´rico cˆncavo, de c˜ e o distˆncia focal 20 cm, quer se projetar sobre um anteparo uma a imagem trˆs vezes maior que o objeto. Determine: e a) a posi¸ao do objeto; c˜ b) a posi¸ao da imagem. c˜

meio A

S

meio B

Figura 1.1: Refra¸ao da luz, com desvio de sua trajet´ria. c˜ o

Exerc´ ıcios Complementares
4. Um espelho esf´rico fornece, de um objeto real, uma imae gem virtual e duas vezes menor do que o objeto. Sabendo que a distˆncia do objeto ao espelho ´ de 60 cm, determine: a e a) a posi¸ao da imagem; c˜ b) a distˆncia focal do espelho. a

meio A

S

meio B

5. Deseja-se obter a imagem de uma lˆmpada, ampliada 5 a vezes, sobre uma parede situada a 12 cm de distˆncia. Quais a as caracter´ ısticas e a posi¸ao do espelho esf´rico que se pode c˜ e utilizar ? Ele dever´ ser: a a) convexo, com 5 cm de raio, a 3 cm da lˆmpada; a b) cˆncavo, com 5 cm de raio, a 3 cm da lˆmpada; o a Figura 1.2: Raio entrando perpendicular a superf´cie S, sem ı c) convexo, com 24 cm de raio, a 2 cm da lˆmpada; a desvio de sua trajet´ria. o d) cˆncavo, com 6 cm de raio, a 4 cm da lˆmpada; o a e) convexo, com 6 cm de raio, a 4 cm da lˆmpada; a 6. Mediante a utiliza¸ao de um espelho esf´rico cˆncavo, de c˜ e o distˆncia focal 30 cm, quer se projetar sobre um anteparo uma a imagem seis vezes maior que o objeto. Determine: a) a posi¸ao do objeto; c˜ b) a posi¸ao da imagem. c˜

Dioptro Plano
Os dois meios de propaga¸ao, A e B, e a superf´ de separa¸ao c˜ ıcie c˜ S constituem o que chamamos de DIOPTRO. Nos dioptros reais, o fenˆmeno da refra¸ao ´ acompanhado pela o c˜ e reflex˜o da luz. Assim, o raio de luz incidente na superf´ S a ıcie divide-se em dois raios, um refratado e outro refletido. ´ E importante tamb´m dizer que ocorre em S o fenˆmeno da e o absor¸ao da luz, onde parcela da energia luminosa ´ transforc˜ e mada em energia t´rmica, por exemplo. e No dioptro ideal s´ ocorre refra¸˜o da luz. o ca

´ Otica

Aula 3

42

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

raio incidente

N

raio refletido

θi

N

meio A

meio A

S

meio B

S
θr

meio B

raio refratado

Figura 1.3: Todos os raios luminosos presentes na refra¸ao. c˜

Figura 1.4: Raio entrando perpendicular a superf´cie S, sem ı desvio em sua trajet´ria. o As Leis • 1a Lei: O raio de luz incidente RI, a reta normal N e o raio de luz refratado RR est˜o situados num mesmo a ´ plano, ou seja, s˜o coplanares. E importante notar que os a raios de luz incidente e refratado ficam em lados opostos em rela¸ao ` reta normal; c˜ a ´ • 2a Lei ou Lei de Snell-Descartes: “E constante a rela¸ao c˜ entre os senos dos ˆngulos de incidˆncia e refra¸ao”. a e c˜ Podemos escrever que: sen(i) = constante sen(r) e essa constante ´ o ´ e ındice de refra¸ao relativo do meio B c˜ em rela¸ao ao meio A, assim: c˜ sen(i) nA = sen(r) nB ou: Lei de Snell-Descartes nA sen(i) = nB sen(r) Podemos concluir que: – Quando a luz passa de um meio menos refringente (menor ´ ındice de refra¸ao) para um meio mais refringente c˜ (maior ´ ındice de refra¸ao), o raio de luz se aproxima da c˜ normal e a velocidade de propaga¸ao diminui. c˜ – Reciprocamente, quando a luz passa de um meio mais refringente para um meio menos refringente, o raio de luz se afasta da normal e a velocidade de propaga¸ao da luz c˜ aumenta.

´ Indice de Refra¸˜o Absoluto ca
Seja c a velocidade da luz no v´cuo e v a velocidade da luz a em um meio qualquer, definimos ´ ındice de refra¸ao absoluto n c˜ de um meio a raz˜o entre as velocidades da luz no v´cuo e no a a meio considerado: c n= v O´ ındice de refra¸ao absoluto do v´cuo ´ naturalmente igual a c˜ a e 1 (v = c). Como a velocidade da luz no v´cuo ´ uma velocidade a e limite, em qualquer outro meio ela ser´ inferior: a v < c =⇒ n > 1 Conclus˜es o 1. O ´ ındice de refra¸ao absoluto de qualquer meio material c˜ ´ sempre maior que 1; e 2. Quanto maior for o ´ ındice de refra¸ao absoluto do meio, c˜ menor ´ a velocidade da luz nesse meio. e

´ Indice de Refra¸˜o Relativo ca
Se nA e nB s˜o, respectivamente, os ´ a ındices de refra¸ao absoluc˜ tos dos meios A e B para uma dada luz monocrom´tica, ent˜o a a definimos o ´ ındice de refra¸ao relativo do meio A em rela¸ao c˜ c˜ ao meio B, nA,B como sendo a raz˜o dos ´ a ındices de refra¸ao c˜ absolutos do meio A e B: nA nA,B = nB

Leis de Refra¸˜o ca
Considerando um raio de luz monocrom´tico incidente numa a superf´ ıcie separadora de dois meios de propaga¸ao e o corc˜ respondente raio de luz refratado. Tracemos a reta normal ` a superf´ pelo ponto de incidˆncia da luz. ıcie e RI = Raio Incidente; RR = Raio Refratado; N = Reta Normal; i = ˆngulo de incidˆncia; a e r = ˆngulo de refra¸ao. a c˜

1.0.1

Pense um pouco!

1. Se vocˆ vˆ um peixe sob a superf´ e e ıcie da ´gua e tenta a acert´-lo com uma flecha, mirando a imagem do peixe, a provavelmente n˜o ir´ captur´-lo. Explique. a a a 2. As lentes utilizam a refra¸ao da luz? Como? c˜

´ Otica – Aula 4
θi N θi N

43

A B
meio A meio C

S
θr

meio B

S
θr

meio D

Figura 1.5: Aproxima¸ao e afastamento da normal. c˜

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Passando do v´cuo para o interior de um certo meio transa parente, o valor da velocidade de propaga¸ao de uma luz moc˜ nocrom´tica diminui de 20%. Determine o ´ a ındice de refra¸ao c˜ absoluto do meio para essa luz monocrom´tica. a 2. A velocidade de propaga¸ao da luz em certo l´ c˜ ıquido mede 1/2 da velocidade de propaga¸ao da luz no v´cuo. Determine c˜ a o´ ındice de refra¸ao absoluto do l´ c˜ ıquido. 3. O ´ ındice de refra¸ao absoluto da ´gua ´ 4/3 e o vidro ´ 3/2. c˜ a e e Determine: a) o ´ ındice de refra¸ao da ´gua em rela¸ao ao vidro; c˜ a c˜ b) a rela¸ao entre a velocidade de propaga¸ao da luz no vidro c˜ c˜ e a velocidade de propaga¸ao da luz na ´gua; c˜ a c) comente os resultados obtidos.

´ Otica
Lentes Esf´ricas e

Aula 4

Exerc´ ıcios Complementares

As lentes esf´ricas constituem sistemas ´pticos de amplas e o aplica¸oes na atualidade. Elas desempenham um papel um c˜ papel important´ ıssimo, desde os sofisticados LASERS at´ os e mais simples pares de ´culos. o Podemos defini-las como sendo um meio transparente e homogˆneo, limitado por duas superf´ e ıcies curvas, ou por uma curva e outra plana. A lente ser´ denominada esf´rica, quando pelo menos uma de a e suas faces for esf´rica. e

4. Sob um ˆngulo de incidˆncia de 60◦ , faz-se incidir sobre Elementos Geom´tricos a e e uma superf´ ıcie de um material transparente um raio de luz monocrom´tica. Observa-se que o raio refratado ´ perpendi- Vejamos os principais elementos geom´tricos de uma lente a e e cular ao raio refletido. Qual o ´ ındice de refra¸ao do material ? esf´rica: c˜ e (O 1o meio onde a luz se propaga ´ o ar) e 5. Um observador, quando colocado numa posi¸ao adequada, c˜ pode no m´ximo ver o canto do recipiente, como representado a na figura abaixo. Enchendo o recipiente com um l´ ıquido, o observador passa a ver a moeda que est´ colocada no centro: a
e. p. C1 V 2

R2 R1 e V 1 C2

1m

Figura 1.1: Elementos geom´tricos de uma lente esf´rica. e e
1m

Qual o ´ ındice de refra¸ao do l´ c˜ ıquido? dado sen(45◦ ) =

Temos: C1 e C2 = Centros de Curvatura; R1 e R2 = Raios de Curvatura; 6. Um raio de luz monocrom´tica passa de um meio A para V1 e V2 = V´rtices; a e um meio B. Veja a figura e responda: e = espessura da lente; a) Qual ´ o meio mais refringente ? Justifique. e e.p. = eixo ´ptico principal. o b) Em que meio a luz possui maior velocidade ? Justifique. √ 2/2

44 Observa¸˜o ca

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br
Lente Convergente Esquema

Uma lente ´ delgada quando a sua espessura e for desprez´ e ıvel em rela¸ao aos raios de curvatura, ou seja, quando e << R. c˜

Classifica¸˜o das Lentes ca
Podemos classificar as lentes quanto a dois aspectos: tipos de faces e comportamento ´ptico. o
Lente Divergente

F

Esquema

Quanto `s faces a

F

BORDOS FINOS

biconvexa

plano−convexa

concavo−convexa

Figura 1.3: Classifica¸ao de uma lente esf´rica quanto ao seu c˜ e comportamento optico. ´

BORDOS GROSSOS

F

biconcava

plano−concava

convexo−concava

Figura 1.4: Lente convergente. Figura 1.2: Classifica¸ao de uma lente esf´rica quanto as suas c˜ e ` Observa¸˜o ca faces. Na lente Convergente o foco ´ real, e na lente divergente e Observa¸˜o ca o foco ´ virtual. e Os nomes das lentes segue a conven¸ao de que devemos citar Foco Objeto c˜ em primeiro lugar a face de maior raio de curvatura. ´ E o ponto objeto associado pela lente, a uma imagem impr´pria, definida por raios de luz paralelos ao eixo principal. o ´ Quanto ao Comportamento Optico Lente Convergente & Lente Divergente Nessas figuras consideramos que as lentes s˜o de vidro e est˜o a a imersas no ar (nvidro ¿ na r), que ´ o caso mais comum na e Observa¸˜o ca pr´tica. a Nessas condi¸oes, as lentes de bordas finas s˜o convergen- Na lente convergente o foco ´ real, na Lente divergente c˜ a e tes e as lentes de bordas grossas s˜o divergentes. a o foco ´ virtual. e

Tipos de Foco
Vamos considerar neste estudo, lentes delgadas e raios de luz dentro das condi¸oes de Gauss, como vimos no estudo de esc˜ pelhos esf´ricos. e Foco Imagem ´ E o ponto imagem que a lente conjuga de um objeto impr´prio, o definido por raios de luz paralelos ao eixo principal. Lente Convergente & Lente Divergente

Raios Not´veis a
Assim como foi feito para os espelhos esf´ricos, iremos agora e descrever alguns raios que s˜o f´ceis de serem utilizados na a a determina¸ao da imagem numa lente esf´rica. c˜ e Todo raio que incide no centro ´ptico atravessa a lente o sem sofrer desvio. Todo raio que incide paralelamente ao eixo principal emerge numa dire¸˜o que passa pelo foco imagem. ca

´ Otica – Aula 4

45

F

F

Figura 1.5: Lente divergente.

Figura 1.7: Lente divergente.

F

Figura 1.8: Incidˆncia sobre o centro optico. e ´ Figura 1.6: Lente convergente.

Determina¸˜o Anal´ ca ıtica da Imagem
Todo raio que incide sob o foco objeto emerge paralelo As equa¸oes que utilizaremos para a determina¸ao da posi¸ao c˜ c˜ c˜ ao eixo principal. e tamanho da imagem s˜o an´logas `s utilizadas no estudo de a a a espelhos esf´ricos. e Equa¸˜o de Gauss ca 1 1 1 = + ′ f p p Temos: f = distˆncia focal; a p = posi¸ao do objeto; c˜ p′ = posi¸ao da imagem; c˜

Determina¸˜o Gr´fica da Imagem ca a
De maneira an´loga ao que fizemos para espelhos esf´ricos irea e mos proceder agora para lentes.

Lentes Convergentes 1) Objeto situado antes do Centro de Curvatura: Imagem: Real, Invertida e Menor. 2) Objeto situado no Centro de Curvatura: Imagem: Real, Invertida e Igual. 3) Objeto situado entre o Centro de Curvatura e o Foco: Imagem: Real, Invertida e Maior. Este caso corresponde ` imagem produzida por projetores, a tanto de slides como de filmes. 4) Objeto situado no Foco: Imagem: Impr´pria. o ´ 5) Objeto situado entre o Foco e o Centro Optico: Imagem: Virtual, Direita e Maior. Este ´ o caso da lupa. e

Equa¸˜o do Aumento Linear Transversal A ca A= p′ i = o p

Temos: A = aumento linear transversal; o = altura do objeto; i = altura da imagem;

Conven¸˜o de Sinais ca Objeto Real p > 0 Virtual p < 0 Imagem Real p′ > 0 Virtual p′ < 0 Espelho Cˆnc. R > 0 e f > 0 Conv. R < 0 e f < 0 o ∗ h Direita i > 0 Invertida i < 0 (*) Altura da imagem para o > 0.

Lente Divergente Existe apenas um caso que devemos considerar: Imagem: Virtual, Direita e Menor.

46

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

F

eixo ótico F

Figura 1.9: Incidˆncia paralela ao eixo principal. e

Figura 1.11: Incidˆncia sob o foco objeto. e

eixo ótico F eixo ótico F

Figura 1.10: Incidˆncia Paralela. e

Vergˆncia V de uma Lente e
Figura 1.12: Incidˆncia sob o foco objeto. e Verifica-se que, quanto menor a distˆncia focal de uma a lente, mais ela converge ou diverge um feixe de luz. Essa ”potˆncia”da lente de convergir ou divergir a luz ´ caractee e 2. Um objeto de 2 cm de altura est´ disposto frontalmente a a rizada por uma grandeza denominada Vergˆncia, que ´ comue e 60 cm de uma lente delgada de vergˆncia +2, 5 di. e mente chamada de grau do ´culos. A vergˆncia V de uma lente o e a) determine, graficamente, as caracter´ ısticas da imagem; de distˆncia focal f ´ definida como: a e b) determine, analiticamente, a posi¸ao e o tamanho da imac˜ gem. 1 V = f 3. Um estudante usa uma lente biconvexa de 20 di para olhar a −1 Se f ´ medido em metros (m), a unidade de V ´ m , que uma flor que est´ a 4 cm da lente. Determine de quanto a e e lente aumenta a flor. recebe o nome de dioptria (di), que popularmente ´ chamado e de grau. 1 di = 1 m−1 = 1 grau

Exerc´ ıcios Complementares

Pense um Pouco!

4. Um objeto luminoso de 1 cm de altura est´ a 5 cm de uma a lente convergente de 10 cm de distˆncia focal. a a) Qual a posi¸ao da imagem? c˜ 1. Se uma pessoa possui dois graus de miopia, que tipo (grau) b) Fa¸o tra¸ado dos raios. c c de lente dever´ usar? a o ıope s˜o de -5 graus”. a 2. O antigos ´culos “fundo de garrafa”tinham esse nome por 5. As lentes dos ´culos de um m´ o a) Qual ´ a distˆncia focal das lentes? e a quˆ? Pra que serviam? e b) Qual o tipo de lentes usadas (convergente ou divergente)?

6. Uma pessoa m´ ıope s´ ´ capaz de ver nitidamente objetos oe situados a uma distˆncia m´xima de 20 cm dos seus olhos. a a a) Qual o tipo de lente adequada para a corre¸ao da miopia: c˜ 1. Um objeto ´ colocado a 60 cm de uma lente divergente de convergente ou divergente? e distˆncia 20 cm. Determine, graficamente e analiticamente, as b) Qual deve ser a distˆncia focal da lente para que esta pessoa a a caracter´ ısticas da imagem. possa ver nitidamente objetos localizados no infinito?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

´ Otica – Aula 5

47

F C F

C

eixo ótico

eixo ótico C F F C

Figura 1.13: Objeto situado antes do centro de curvatura C.

Figura 1.15: Objeto situado entre o centro de curvatura C e o foco F .

eixo ótico C F F C

eixo ótico C F F C

Figura 1.14: Objeto situado no centro de curvatura C. Figura 1.16: Objeto situado no foco F .

´ Otica
´ Otica da Vis˜o a

Aula 5

O olho humano assemelha-se a uma filmadora (ou a uma m´quina fotogr´fica) de grande sofistica¸ao. E o c´rebro tem a a c˜ e a fun¸ao de reprojetar a imagem obtida pelo olho fornecendo c˜ a vis˜o real do objeto. a Dispensaremos esse sistema, extremamente complexo, do olho humano e utilizaremos uma representa¸ao mais simples – o c˜ olho reduzido.

Quando o objeto est´ infinitamente afastado, os m´ sculos cia u liares e o cristalino est˜o relaxados, ou seja, o olho n˜o realiza a a ` nenhum esfor¸o de acomoda¸ao. A medida que o objeto se c c˜ aproxima, os m´ sculos ciliares v˜o se contraindo, diminuindo u a a distˆncia focal do cristalino e mantendo a imagem acomoa dada na retina. Em S´ ıntese Objeto Pr´ximo = Menor Distˆncia Focal; o a Objeto Distante = Maior Distˆncia Focal. a O trabalho realizado pelos m´ sculos ciliares, fazendo variar a u distˆncia focal do cristalino ´ chamado de acomoda¸ao visual. a e c˜ Retina

Elementos do Olho Humano
Analisaremos algumas partes que consideramos de grande importˆncia em nosso olho reduzido. a ´ Iris Anel colorido de forma circular, que se comporta como um diafragma, controlando a quantidade de luz que penetra no olho. Na sua parte central existe um orif´ de diˆmetro vari´vel, ıcio a a chamado pupila. Cristalino ´ E uma lente convergente de material flex´ ıvel, do tipo biconvexa. Fornecer´ de um objeto real uma imagem real, invertida a e menor sobre a retina. Pode assumir diferentes formas em fun¸ao da distˆncia do objeto ao olho. c˜ a M´ sculos Ciliares u S˜o respons´veis pela mudan¸a na forma do cristalino, a a c comprimindo-o convenientemente, de maneira a alterar sua distˆncia focal e permitir uma melhor acomoda¸ao da imagem a c˜ sobre a retina.

´ E a parte sens´ ` luz, onde deve se formar a imagem para ıvel a ser n´ ıtida. A distˆncia do cristalino a retina ´ da ordem de a e 1, 5 cm. Composta por c´lulas nervosas chamadas bastonetes e (vis˜o preto e branco) e cones (vis˜o a cores), a retina possui a a uma ´rea mais sens´ ` luz sob condi¸oes normais. Esta ´rea a ıvel a c˜ a consiste uma depress˜o na parte posterior do olho no eixo do a cristalino, e ´ denominada f´vea. e o

Ponto Pr´ximo e Ponto Remoto o
A menor distˆncia do globo ocular segundo a qual uma pessoa, a de vis˜o normal, pode ver nitidamente a imagem de um oba jeto qualquer denomina-se Ponto Pr´ximo (PP ). Neste caso, o os m´ sculos ciliares est˜o em sua maior contra¸ao, realizando u a c˜ esfor¸o m´ximo de acomoda¸ao. Logo, o ponto pr´ximo corc a c˜ o respondente ` distˆncia m´ a a ınima de vis˜o distinta, ` qual se a a atribui um valor m´dio convencional de 25 cm. e O ponto mais afastado do olho humano, corresponde a uma imagem n´ ıtida forma sem esfor¸o de acomoda¸ao visual, c c˜ denomina-se Ponto Remoto (PR ). Esta ´ a m´xima distˆncia e a a de vis˜o distinta que, teoricamente, permite a uma pessoa uma a vis˜o normal de enxergar objetos no infinito. a Intervalo de vis˜o distinta ou zona de acomoda¸ao ´ a regi˜o do a c˜ e a espa¸o compreendida entre os dois pontos (PR e PP ) figurados c

48

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

eixo ótico C F f o f i F C

eixo ótico C F F C

Figura 1.19: Elementos de uma lente.

´ Figura 1.17: Objeto situado entre o Foco F e o Centro Optico.

´ Cornea

´ Nervo Optico

Lente
C F eixo ótico F C

´ Macula

´ Iris Conjuntiva Retina

Anatomia do Olho
Figura 1.18: Lente divergente. Figura 1.1: O olho humano. anteriormente.

Problemas da Vis˜o a
Miopia

Presbiopia

´ E um defeito determinado pela fadiga dos m´ sculos que efeu tuam a acomoda¸ao e por um aumento na rigidez do cristalino. c˜ A deficiˆncia de um olho m´ e ıope est´ na visualiza¸ao de obje- Tal defeito acentua-se com a idade. O olho se acomoda mal a c˜ tos distantes. Ou seja, o seu ponto remoto (PR ) n˜o est´ no para objetos pr´ximos e, em conseq¨ˆncia, a distˆncia m´ a a o ue a ınima infinito e sim a uma distˆncia finita (dP R ). Isso ocorre, pelo da vis˜o distinta aumenta. A corre¸ao ´ feita com uso de lentes a a c˜ e fato da imagem do objeto distante recair antes da retina. bifocais, que tˆm uma parte para ver objetos distantes e outra e Para corrigir esse defeito, demos tornar o olho m´ ıope menos para ver objetos pr´ximos. o convergente. Para tanto, associamos a ele uma lente divergente: Astigmatismo Hipermetropia A deficiˆncia de um olho hiperm´trope est´ na visualiza¸ao e e a c˜ de objetos pr´ximos. Ou seja, o seu ponto pr´ximo (PP ) est´ o o a mais afastado do que o olho normal. Logo a distˆncia do ponto a pr´ximo ´ maior que 25 cm. o e No olho hiperm´trope, a imagem de um objeto recai ap´s a e o retina. Para corrigir este defeito demos tornar o olho hiperm´trope e mais convergente, associando a ele uma lente convergente. A lente corretora dever´, de um objeto colocado a 25 cm do a olho, fornecer uma imagem no ponto pr´ximo (PP ) do hio perm´trope, ou seja, a uma distˆncia dP P do olho. e a Assim a distˆncia focal da lente corretiva da hipermetropia ´ a e calculada da seguinte forma: 1 1 1 1 1 1 = = + ′ = + f p p fc 25cm dpp O sinal negativo se deve ao fato da imagem, fornecida pela lente corretora, ser virtual. ´ E um defeito determinado pela forma n˜o esf´rica da c´rnea a e o ou do cristalino, causando uma deforma¸ao na imagem. A c˜ corre¸ao ´ feita mediante o uso de lentes cil´ c˜ e ındricas, que compensam a falta de simetria do sistema ´ptica ocular. o

Estrabismo Consiste na incapacidade de se dirigir a vis˜o de ambos os a olhos para um mesmo ponto. A corre¸ao ´ feita por gin´stica c˜ e a ocular para recuperar os m´ sculos, ou atrav´s de cirurgia, ou u e atrav´s de lentes prism´ticas. e a

Daltonismo ´ E um defeito gen´tico que faz com que seu portador n˜o e a consiga distinguir certas cores. N˜o existe, ainda, corre¸ao a c˜ poss´ para esse defeito. ıvel

´ Otica – Aula 5

49

Olho simplificado

Entrada de Luz Lente Convergente

Formaçao de imagens na RETINA

Figura 1.2: O olho simplificado.

Hipermetropia

Correçao com lente convergente

PP 25 cm Zona de Acomodaçao

PR

Figura 1.3: Esquema.

Figura 1.4: Corre¸ao da miopia. c˜

Pense um Pouco!
• Uma pessoa lhe diz que enxerga perfeitamente embaixo da ´gua de uma piscina, mas n˜o fora da ´gua. Isso ´ a a a e poss´ ıvel? H´ algum problema com a vis˜o dessa pessoa? a a Qual?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. As lentes dos ´culos de um m´ o ıope s˜o de -5 graus”. Qual ´ a e a m´xima distˆncia de seus olhos, sem ´culos, que ele vˆ com a a o e imagem n´ ıtida? 2. O ponto pr´ximo de um indiv´ o ıduo A e o ponto remoto de um indiv´ ıduo B valem, ambos, 50 cm. Indique o tipo e a vergˆncia das lentes corretoras para esses indiv´ e ıduos. 3. Uma lente esf´rica de vidro, cujo ´ e ındice de refra¸ao ´ 1, 5, c˜ e tem uma face plana e outra cˆncava, com raio de curvatura o 50 cm. Sabendo-se que a lente est´ imersa no ar, determine a sua vergˆncia em dioptrias. e 4. Uma pessoa m´ ıope s´ ´ capaz de ver nitidamente objetos oe situados a uma distˆncia m´xima de 20 cm dos seus olhos. a a a) Qual o tipo de lente adequada para a corre¸ao da miopia: c˜ convergente ou divergente ? b) Qual deve ser a distˆncia focal da lente para que esta pessoa a possa ver nitidamente objetos localizados no infinito ? Figura 1.5: Corre¸ao da Hipermetropia. c˜

Hipermetropia

Correçao com lente convergente

50

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Fluidos – Aula 1

51 ´ E comum o uso de unidades de press˜o n˜o pertencentes ao a a SI: atmosfera (atm) e mil´ ımetros de merc´ rio (mmHg): u 1 atm = 760 mmHg = 1, 01 × 105 P a

Fluidos
Fluidos

Aula 1

Press˜o Hidrost´tica a a
No estudo da hidrost´tica, que faremos a seguir, vamos consia derar o l´ ıquido ideal, isto ´, incompress´ e sem viscosidade. e ıvel Suponhamos um recipiente cil´ ındrico de ´rea de base A, cona tendo um l´ ıquido de massa espec´ ıfica ρ. Qual a press˜o que o a l´ ıquido exerce no fundo do recipiente ?

Chegou o momento de descrevermos o comportamento dos fluidos, para isso falaremos de temas como densidade, press˜o, a empuxo e outros temas que nos levar˜o a um aprofundamento a da Hidrost´tica. a

Densidade e Massa espec´ ıfica
Massa espec´ ıfica ρ de uma substˆncia ´ a raz˜o entre detera e a minada massa desta substˆncia e o volume correspondente. a Temos ent˜o: a m ρ= v Para um corpo homogˆneo, ρ ser´ a pr´pria densidade do mae a o terial. Para um corpo n˜o homogˆneo, como por exemplo uma a e corpo oco, a express˜o acima resulta na densidade m´dia do a e corpo. Unidades SI m: massa em quilogramas (kg) V : volume em metro c´ bico (m3 ) u ρ: massa espec´ ıfica em quilogramas por metro c´ bico (kg/m3 ) u Observa¸˜o ca m ρ= No caso da ´gua, cuja massa espec´ a ıfica vale 1 g/cm3 , obserAh vamos que cada cm3 de ´gua tem massa de 1 g. Assim ´ a e e portanto: que, numericamente, massa e volume ser˜o iguais para a ´gua, a a desde que medidos em gramas e em cent´ ımetros c´ bicos resu m = ρAh pectivamente. Como 1 litro corresponde a 1000cm3 , no caso da ´gua temos uma densidade de 1 kg/l. E com um metro Por outro lado, a for¸a que o l´ a c ıquido exerce sobre a ´rea A ´ o a e c´ bico equivale a 1000 litros, teremos tamb´m para a ´gua, a seu pr´prio peso: u e a o densidade 1000 kg/m3 . F = P = mg mas como Da defini¸ao de massa espec´ c˜ ıfica, temos: m ρ= v V = Ah

ρ A

h

Figura 1.1: Vaso cil´ndrico de area A e altura h, cheio de um ı ´ l´quido de densidade ρ. ı

Press˜o a

m = ρAh

ent˜o temos a Press˜o p ´ a for¸a normal, por unidade de ´rea, que um fluido a e c a F = ρAhg em equil´ ıbrio exerce em contato com uma parede. Podemos e finalmente, pela defini¸ao de press˜o, c˜ a representar matematicamente por: F F = ρgh . p= p= A A A press˜o que o l´ a ıquido exerce no fundo do recipiente depende da massa espec´ ıfica do l´ ıquido (ρ), da acelera¸ao da gravidade c˜ Unidades SI local (g) e da altura (h) do l´ ıquido acima do ponto considerado. p: press˜o em N/m2 = pascal = P a a Na pr´tica esse resultado e geral, e pode ser usado para a dea termina¸ao da press˜o hidrost´tica em qualquer fluido (l´ c˜ a a ıquido F : for¸a normal (ortogonal) em newtons ou N c ou g´s) em equil´ a ıbrio. A: ´rea onde ´ exercida a for¸a, em metros quadrados m2 a e c Observe que a press˜o total dentro de um fluido homogˆneo a e em equil´ ıbrio ser´ ent˜o: a a Press˜o Atmosf´rica a e p = patm + ρgh Press˜o exercida pelo peso da camada de ar existente sobre a a ◦ superf´ da Terra. Ao n´ do mar, ` temperatura de 0 C onde patm ´ a press˜o atmosf´rica, que atua sobre todos os ıcie ıvel a e a e ´ igual a 1 atm. e corpos imersos no ar.

52

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

de um autom´vel, algumas pessoas dizem que colocaram “26 o libras” de ar nos pneus. Agora responda: A press˜o absoluta ´ a press˜o total exercida em uma dada a) por que num pneu de autom´vel se coloca mais ou menos a e a o superf´ ıcie, incluindo a press˜o atmosf´rica, quando for o caso. 25lbf /pol2 enquanto que no de uma bicicleta de corrida (cujos a e A press˜o absoluta ser´ sempre positiva ou nula. a a pneus s˜o bem finos) se coloca aproximadamente 70 lbf /pol2 a Em muitos casos, como na calibra¸ao de um pneu, estamos c˜ interessados apenas na diferen¸a entre a press˜o interna de b) Sendo 1 lbf /pol2 = 0, 07 atm, qual a press˜o t´ c a a ıpica (em um reservat´rio (o pneu) e a press˜o externa (o ar, que est´ atm) no pneu de um carro? o a a na press˜o atmosf´rica local). A essa diferen¸a chamamos c) A press˜o que nos interessa, neste caso do pneu, ´ a press˜o a e c a e a press˜o manom´trica, e os aparelhos que a medem cha- manom´trica ou a press˜o absoluta. Por quˆ? a e e a e mamos de manˆmetros. o pman. = pint. − patm. A press˜o manom´trica pode ser negativa, positiva ou nula. a e Ser´ negativa quando a press˜o interna de um reservat´rio a a o for menor do que a press˜o atmosf´rica externa. Exemplos: a e quando retiramos ar de um recipiente, fazendo-se um v´cuo a parcial; ou quando sugamos um canudinho de refrigerante, baixamos a press˜o interna da boca, criando uma “press˜o a a negativa”.

Press˜o Manom´trica e Absoluta a e

Fluidos
Hidrost´tica a
Lei de Stevin

Aula 2

Pense um Pouco!
• Porque n˜o sentimos a press˜o atmosf´rica normal, j´ que a a e a ela ´ t˜o grande? e a • Um barco flutua no mar. Quais as for¸as relevantes para c que isso ocorra? • Como ´ poss´ e ıvel se deitar numa cama de pregos sem se machucar? • Como funciona o canudinho de refrigerante? Explique.

Consideremos um recipiente contendo um l´ ıquido homogˆneo e de densidade ρ, em equil´ ıbrio est´tico. As press˜es que o a o l´ ıquido exerce nos pontos A e B s˜o, respectivamente: a pa = ρgha e pb = ρghb

hB hA A ∆h

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Uma massa de 1 kg de ´gua ocupa um volume de 1 litro a a 40◦ C. Determine sua massa espec´ ıfica em g/cm3 , kg/m3 e kg/l. 2. Determine a massa de um bloco c´ bico de chumbo que tem u arestas de 10 cm, sendo que a densidade do chumbo ´ igual e 11, 2 g/cm3 .

B

Figura 1.1: Cilindro de area de base A e altura h ´ 3. Uma esfera oca, de 1.200 g de massa, possui raio externo de 10, 0 cm e raio interno de 9, 0 cm. Sabendo que o volume de A lei de Stevin ou princ´ ıpio hidrost´tico afirma que a a 4 uma esfera de raio R ´ dado por V = 3 πR3 . Usando π = 3, 14, diferen¸a de press˜o entre os pontos A e B ser´: e c a a determine: a) a densidade m´dia da esfera; e pb − pa = ρg(hb − ha ) = ρg∆h b) a densidade do material de que ´ feita a esfera. e Ou seja, a diferen¸a entre dois n´ c ıveis diferentes, no interior de 4. Um cubo maci¸o com densidade igual a 2, 1 g/cm3 , de um l´ c ıquido, ´ igual ao produto da sua massa espec´ e ıfica pela 50 cm de aresta, est´ apoiado sobre uma superf´ horizontal. acelera¸ao da gravidade local e pela diferen¸a de n´ entre os a ıcie c˜ c ıvel Qual ´ a press˜o, em P a e em atm, exercida pelo cubo sobre pontos considerados. e a a superf´ ıcie? Na realidade, temos que dividir a press˜o num determinado a ponto do l´ ıquido em dois tipos: i) press˜o hidrost´tica: aquela a a que s´ leva em considera¸ao o l´ o c˜ ıquido: Exerc´ ıcios Complementares phid = ρgh 5. Existe uma unidade inglesa de press˜o – a libra-for¸a por a c a c˜ polegada quadrada – que se abrevia lbf /pol2, a qual ´ indevi- e ii) press˜o absoluta: aquela que leva em considera¸ao o e ıquido e o ar sobre o l´ ıquido: damente chamada de libra. Assim, quando calibram os pneus l´

Fluidos – Aula 2

53

pabs = patm + ρgh Conseq¨ˆncias da Lei de Stevin ue No interior de um l´ ıquido em equil´ ıbrio est´tico: a 1. pontos de um mesmo plano horizontal suportam a mesma press˜o; a 2. a superf´ de separa¸ao entre l´ ıcie c˜ ıquidos n˜o misc´ a ıveis ´ um e plano horizontal;

F1 F2

A1

A2

Figura 1.3: A prensa hidr´ulica. a 3. em vasos comunicantes quando temos dois l´ ıquidos n˜o a misc´ ıveis temos que a altura de cada l´ ıquido ´ inversae mente proporcional `s suas massas espec´ a ıficas (densida- A Prensa Hidr´ulica a des); Uma das aplica¸oes deste princ´ ´ a prensa hidr´ulica como c˜ ıpio e a mostramos a seguir: Observe que: p1 = p2 F2 F1 = A1 A2 hy y F1 A1 = hx x F2 A2 Isso mostra que uma for¸a pequena F1 ´ capaz de suportar, c e no outro ˆmbolo, um peso muito grande (F2 ), isso ´ muito e e utilizado, como por exemplo, em posto de gasolina. A prensa hidr´ulica ´ o equivalente hidr´ulico do princ´pio da a e a ı ´ alavanca, de Arquimedes, usado na Mecˆnica. E bom lembrar a que estas “engenhocas”multiplicam realmente a for¸a, mas n˜o c a Figura 1.2: Vasos comunicantes, com dois l´quidos n˜o a energia. O trabalho m´ ı a ınimo necess´rio para elevar um carro a misc´veis em equil´brio. ı ı ´ o mesmo, independente da m´quina que se utilize (Wmin = e a mgh). Na prensa mostrada na Fig. 1.3, uma for¸a −F2 (para baixo) c dever´ ser feita no ˆmbolo da direita, para manter o equil´ a e ıbrio do sistema. Em geral, usa-se o ˆmbolo maior para suspender e uma carga externa, ou levantar um objeto do ch˜o (macaco a hidr´ulico). a

py = px patm + ρy ghy = patm + ρx ghx ρy h y = ρx h x hx ρy = ρx hy 4. a diferen¸a de press˜o entre dois pontos dentro do flu´ c a ıdo, depende apenas do seu desn´ ıvel vertical (∆h), e n˜o da a profundidade dos pontos.

Princ´ ıpio de Arquimedes
Arquimedes, h´ mais de 200 anos a.C., estabeleceu que a perda a aparente do peso do corpo ´ devido ao surgimento do empuxo, e quando estamos mergulhados num l´ ıquido, como a ´gua, por a exemplo. Os corpos mergulhados totalmente ou parcialmente, num fluido, recebem do mesmo uma for¸a vertical, de baixo para cima, de intensic dade igual ao peso do fluido deslocado, denominada empuxo. Ou seja, se um corpo est´ mergulhado num fluido de densidade a ρf e desloca volume Vf d do fluido, num local onde a acelera¸ao c˜ da gravidade ´ g, temos: e Pf = mf g e como ρf = mf Vf d

Princ´ ıpio de Pascal
Pascal fez estudos em flu´ ıdos e enunciou o seguinte princ´ ıpio: A press˜o aplicada a um flu´ a ıdo em equil´ ıbrio transmite-se integral e instantaneamente ` toa dos os pontos do flu´ e `s paredes do recipiıdo a ente que o cont´m. e

54

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

a massa do fluido deslocado ser´ a mf = ρf Vf d e portanto Pf = ρf Vf d g e, de acordo com o Princ´ ıpio de Arquimedes E = ρf Vf d g

2. Uma piscina com 5, 0 m de profundidade est´ cheia com a a ´gua. Considere g = 10 m/s2 e patm = 1, 0 × 105 P a e determine: a) a press˜o hidrost´tica a 3, 0 m de profundidade; a a b) a press˜o absoluta no fundo da piscina; a c) a diferen¸a de press˜o entre dois pontos separados, verticalc a mente, por 80 cm.

3. (Cl´ssico) Para determinar a press˜o atmosf´rica, Torria a e celli fez a seguinte experiˆncia: um tubo de vidro, de 1 m de e comprimento, foi cheio de merc´ rio e depois emborcado num u ou simplesmente recipiente contendo merc´ rio; constatou que, ao n´ do mar, u ıvel E = ρV g o merc´ rio no tubo mant´m uma altura de 760 mm acima da u e ıcie u ficando a nosso cargo a interpreta¸ao correta dos termos en- sua superf´ livre (no recipiente). Se a densidade do merc´ rio c˜ ´ 13, 6 g/cm3 e a acelera¸ao da gravidade local ´ de 9, 8 m/s2 , e c˜ e volvidos. qual a press˜o atmosf´rica constatada por Torricelli? a e Flutua¸˜o ca 4. Num posto de gasolina, para a lavagem de um autom´vel o de massa 1.000 kg, o mesmo ´ erguido a uma certa altura. O e sistema utilizado ´ uma prensa hidr´ulica. Sendo os ˆmbolos e a e de ´reas 10 cm2 e 2.000 cm2 , e a acelera¸ao da gravidade local a c˜ de 10 m/s2 , pergunta-se: a) em qual ˆmbolo deve-se apoiar o carro? e b) em qual ˆmbolo deve-se pressionar para se sustentar o carro? e

Segundo o princ´ ıpio de Arquimedes, quando temos um corpo na superf´ de um flu´ cujo peso (do corpo) ´ anulado (igual ıcie ıdo e em m´dulo) pelo empuxo que ele sofre antes de estar completao mente submerso, o corpo ir´ flutuar sobre ele, quando abandoa nado. Baseado nessa aplica¸ao s˜o constru´ c˜ a ıdos todos os tipos de barcos e navios. Para um corpo de peso P flutuando, a condi¸ao de equil´ c˜ ıbrio c) qual a for¸a aplicada no ˆmbolo para equilibrar o autom´vel? c e o deve ser satisfeita: Fy = +E − P = 0 ou seja P =E

1.1

Exerc´ ıcios Complementares

´ 5. Agua e ´leo de densidades 1, 0 e 0, 8, respectivamente, s˜o o a Pode-se mostrar tamb´m que se um corpo tiver uma densidade colocados em um tubo em “U”. Sendo de 16 cm a altura da e o a m´dia ρc maior que a densidade ρf de um certo fluido, ele n˜o coluna de ´leo, determine a altura da coluna de ´gua medida e a ıvel c˜ ıquidos. poder´ flutuar nesse flu´ a ıdo, e acabar´ afundando se for solto acima do n´ de separa¸ao entre os l´ a na sua superf´ ıcie. 6. Os icebergs s˜o grandes blocos de gelo que vagam em laa titudes elevadas, constituindo um s´rio problema para a nae vega¸ao, sobretudo porque deles emerge apenas uma pequena c˜ Pense um Pouco! parte, ficando o restante submerso. Sendo V o volume total do iceberg e ρg = 0, 92 g/cm3 a densidade do gelo, determine • A press˜o atmosf´rica varia com a altitude? Por quˆ? a e e a porcentagem do iceberg que fica acima da superf´ livre da ıcie a ´gua, considerada com densidade igual a ρf = 1, 0 g/cm3 . • Como pode um navio de ferro flutuar na ´gua, j´ que a a ρF e > ρH2O ?

7. Uma bola com volume de 0, 002 m3 e densidade m´dia de e 200 kg/m3 encontra-se presa ao fundo de um recipiente que • Quando fechamos a porta de um pequeno quarto a janela cont´m ´gua, atrav´s de um fio conforme a figura. Determine e a e (fechada) balan¸a. Explique. c a intensidade da tra¸ao T no fio que segura a bola (Considere c˜ 2 • Mergulhando na ´gua um objeto suspenso por um fio, g = 10 m/s ). a vocˆ observa que a tra¸ao no fio muda. Explique. e c˜

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFRJ) O impacto de uma part´ ıcula de lixo que atingiu a nave espacial Columbia produziu uma press˜o da 100 N/cm2 . a Nessas condi¸oes e tendo a part´ c˜ ıcula 2 cm2 , a nave sofreu uma for¸a de: c a) 100 N b) 200 N c) 400 N d) 800 N e) 1600N

T

´ Cinematica – Aula 1

55

Cinem´tica a
Cinem´tica a

Aula 1

Trajet´ria o
Este ´ outro conceito importante no estudo do movimento. Vae mos partir da figura abaixo. Ela representa uma esfera abandonada de um avi˜o que voa com velocidade constante: a

A8−132

A Cinem´tica ´ a parte da Mecˆnica que estuda e descreve a e a o movimento dos corpos, sem se preocupar com suas causas (for¸as). c

Movimento
Observando os corpos a nossa volta, podemos ter intuitivamente uma id´ia do que s˜o os estados de movimento e ree a pouso. Mas esses dois conceitos (movimento e repouso) s˜o a relativos: ao dormir vocˆ pode estar em repouso em rela¸ao `s e c˜ a paredes de seu quarto; entretanto, em rela¸ao ao sol, vocˆ ´ um c˜ ee viajante espacial. A parte da F´ ısica que trata do movimento ´ a Mecˆnica. Ela procura compreender as causas que proe a duzem e modificam os movimentos. A seguir, vamos estudar uma subdivis˜o da Mecˆnica chamada Cinem´tica, que trata a a a do movimento sem se referir `s causas que o produzem. a

Em rela¸ao ao solo, a trajet´ria da esfera ´ um arco de c˜ o e par´bola; e em rela¸ao ao avi˜o, a trajet´ria ´ um segmento a c˜ a o e de reta vertical. Ent˜o, podemos concluir que a trajet´ria: a o • ´ a linha descrita ou percorrida por um corpo em movie mento; • depende do referencial adotado.

Ponto Material
Em determinadas situa¸oes, ponto material pode representar c˜ qualquer corpo, como um trem, um avi˜o, um carro, uma bala a de canh˜o, um m´ a ıssil etc. Por que ponto e por que material? Ponto, porque, na resolu¸ao de problemas, estaremos desprec˜ zando as dimens˜es do corpo em movimento, sempre que as o distˆncias envolvidas forem muito grandes em rela¸ao `s dia c˜ a mens˜es do corpo. Material, porque, embora as dimens˜es do o o corpo sejam desprezadas, sua massa ser´ considerada. a

Deslocamento × Distˆncia Percorrida a
A distˆncia percorrida por um corpo durante um movimento a ´ a grandeza escalar que corresponde ao comprimento do sege mento que representa a trajet´ria descrita pelo corpo neste moo vimento, em rela¸ao ao referencial adotado. O deslocamento c˜ de um corpo ´ uma grandeza vetorial, cujo m´dulo equivale e o ao comprimento do segmento de reta, compreendidos entre os pontos inicial e final do movimento.

Repouso, Movimento e Referencial
Examine as seguintes situa¸oes: c˜ • Quando estamos dentro de um ve´ ıculo em movimento, a paisagem circundante ´ fundamental para estabelecermos e os conceitos de movimento e repouso

A 5m 3m B 4m C

• Quando observamos o movimento do sol atrav´s da esfera e celeste, podemos concluir que a Terra se movimenta ao Na figura, uma part´ ıcula, saindo do ponto A, percorre a traredor do Sol. jet´ria ABC. A distˆncia percorrida pela part´ o a ıcula ´ a soma e dos trechos AB (3 metros) e BC (4 metros), totalizando 7 me• Uma pessoa nasce e cresce em um ambiente fechado, sem a e a janelas, n˜o saindo dali durante toda a sua existˆncia. tros. J´ o deslocamento ´ representado pela distˆncia entre o a e ponto A e ponto C, que ´ igual a 5 metros. e Nesse caso, pode ser que essa pessoa n˜o tenha condi¸oes a c˜ de afirmar se aquele ambiente est´ em repouso ou em moa vimento.

A

Em todos esses casos, percebemos que o movimento ´ determie nado a partir de um referencial: a paisagem ´ o referencial do e carro e o Sol ´ o referencial da Terra; se uma pessoa passar a e sua vida toda num ambiente absolutamente fechado, n˜o ter´ a a referencial para perceber qualquer movimento, a n˜o ser o de a seu pr´prio corpo. o

5m 3m B 4m C

56

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Observa¸oes c˜

Velocidade Escalar

• O deslocamento foi representado por um segmento de reta Vamos recordar: a velocidade indica a rapidez e o sentido do orientado que denominamos de vetor; os vetores represen- movimento. tam as grandezas vetoriais. • O deslocamento ´ a menor distˆncia entre o ponto de sa´ e a ıda Exemplos e o ponto de chegada do corpo. 1. Va = +10 m/s: a cada segundo o m´vel anda 10 m e o indica movimento no sentido da orienta¸ao da trajet´ria. c˜ o • Numa trajet´ria retil´ o ınea a distˆncia percorrida e o desa locamento podem ser iguais. 2. Vb = −10 m/s: a rapidez ´ a mesma do m´vel anterior e o e o movimento ´ no sentido oposto ao da orienta¸ao da e c˜ Deslocamento Escalar ∆s trajet´ria. o ´ ´ E a varia¸ao de espa¸o s. E medido em metros, quilˆmetros, c˜ c o cent´ ımetros, etc. Ou seja: ∆s = s − s0 onde s0 ´ o espa¸o inicial s ´ o espa¸o final. e c e c O deslocamento escalar pode ser positivo, negativo ou nulo. Quando ∆s > 0 o movimento ´ a favor da orienta¸ao da trae c˜ jet´ria; quando ∆s < 0 o movimento ´ contra a orienta¸ao da o e c˜ trajet´ria, mas se ∆s = 0 a posi¸ao final ´ igual a inicial. o c˜ e Importante H´ duas possibilidades para ∆s = 0: a • o corpo pode n˜o ter se movimentado; a a=+

Acelera¸˜o ca
Mede a rapidez da mudan¸a da velocidade, ´ a varia¸ao da c e c˜ velocidade em fun¸ao do tempo. Imagine um movimento com c˜ a velocidade mudando a cada segundo: t(s) v(km/h) 0 10,0 1 13,6 2 17,2 3 21,8

A cada segundo a velocidade aumenta 3, 6 km/h, ou seja, a velocidade varia +3, 6 (km/h) a cada segundo. Isso ´, a acee lera¸ao ´: c˜ e 1, 0 m/s 3, 6 km/h = = 1 m/s2 s s

c˜ • o corpo pode ter se movimentado mas retornado a posi¸ao Aqui temos uma acelera¸ao positiva, pois a velocidade vai auc˜ mentando (em m´dulo) com o tempo. o inicial;

Velocidade Escalar M´dia e
Quando falamos que um ve´ ıculo percorreu 100 km em 2 h ´ f´cil determinar que em m´dia ele 50 km a cada 1 h. N´s e a e o dividimos a distˆncia total e o tempo total da viagem. Isso n˜o a a significa que o ve´ ıculo andou sempre na mesma velocidade, pois o ve´ ıculo pode ter parado em um posto de combust´ para ıvel abastecer. N´s sabemos apenas a distˆncia total e o tempo total da vio a agem, nada sabemos dos acontecimentos durante a mesma. Mas se o motorista quisesse a viagem no mesmo tempo e andando sempre na mesma velocidade ele deveria andar sempre ´ a 50 km/h. E a velocidade escalar m´dia. Normalmente n˜o e a usaremos o termo distˆncia e sim deslocamento escalar (∆s) a e, para indicarmos o tempo decorrido usaremos intervalo de tempo (∆t). Dessa maneira: Vm = s − s0 ∆s = ∆t t − t0

Outro Exemplo Imagine o seguinte movimento: t(s) v(m/s) 0 50 1 45 2 40 3 35

A cada segundo a velocidade varia (diminui) em −5 m/s, ou seja: −5 m/s = −5 m/s2 a= s Nesse caso a acelera¸ao ´ negativa, pois a velocidade vai dimic˜ e nuindo (em m´dulo) com o tempo. o

Acelera¸˜o Escalar M´dia (am ) ca e
´ E a varia¸ao total da velocidade em rela¸ao ao intervalo total c˜ c˜ de tempo. am = v − v0 ∆v = ∆t t − t0

A unidade de velocidade no SI ´ o m/s. e Para transformar velocidades em km/h em m/s fazemos: 1 km/h = e tamb´m e 1 m/s = 3, 6 km/h 1 1000 m = m/s 3600 s 3, 6

Unidades SI No SI medimos a velocidade em m/s, o tempo em segundos (s), e a acelera¸ao em m/s2 . c˜

´ Cinematica – Aula 2

57

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (PUC) Um atleta fez um percurso de 800 m num tempo de 1 min e 40 s. A velocidade escalar m´dia do atleta ´ de: e e a) 8, 0 km/h b) 28, 8 m/s c) 28, 8 km/h d) 20, 0 m/s e) 15, 0 km/h

Cinem´tica a
Movimento Uniforme (MU)

Aula 2

Suponhamos que vocˆ esteja dirigindo um carro de tal forma e que o ponteiro do veloc´ ımetro fique sempre na mesma posi¸ao, c˜ 2. (UEL) Um m´vel percorreu 60, 0 m com velocidade de por exemplo 80 km/h, no decorrer do tempo. Nessa condi¸ao, o c˜ 15, 0 m/s e os pr´ximos 60, 0 m a 30, 0 m/s. A velocidade vocˆ ir´ percorrer 80 km a cada hora de viagem, em duas horas o e a m´dia durante as duas fases foi de: e percorrer´ 160 km, e assim por diante. O movimento descrito a a) 15, 0 m/s nessa situa¸ao ´ denominado movimento uniforme (MU). c˜ e b) 20, 0 m/s Vocˆ j´ deve ter notado, ent˜o, que no movimento uniforme o e a a c) 22, 5 m/s valor do m´dulo da velocidade ´ constante e n˜o nulo, isto ´, o e a e d) 25, 0 m/s o m´vel percorre espa¸os iguais em intervalos de tempo iguais. o c e) 30, 0 m/s Se, al´m da velocidade apresentar valor constante e a trajet´ria e o ınea, o movimento ´ dito movimento retil´ e ıneo uni3. (VUNESP) Ao passar pelo marco “km 200”de uma rodo- for retil´ via, um motorista vˆ um an´ ncio com a inscri¸ao “ABASTE- forme (MRU). e u c˜ CIMENTO E RESTAURANTE A 30 MINUTOS”. Considerando que esse posto de servi¸os se encontra junto ao marco Equa¸˜o Hor´ria do MU c ca a “km 245”dessa rodovia, pode-se concluir que o anunciante c˜ o prevˆ, para os carros que trafegam nesse trecho, uma velo- Ao longo de um movimento, a posi¸ao de um m´vel varia no e ´ ´ decorrer do tempo. E util, portanto, encontrar uma equa¸ao c˜ cidade m´dia, em km/h, de: e que forne¸a a posi¸ao de um m´vel em um movimento uniforme c c˜ o a) 80 no decorrer do tempo. A esta equa¸ao denominamos equa¸ao c˜ c˜ b) 90 hor´ria do movimento uniforme. a c) 100 d) 110 Considere ent˜o, o nosso amigo corredor percorrendo com vea e) 120 locidade constante v a trajet´ria da figura. o

Exerc´ ıcios Complementares

t
0

t

4. (FUVEST) Partindo do repouso, um avi˜o percorre a pista a x0 X com acelera¸ao constante e atinge a velocidade de 360 km/h c˜ x O em 25 segundos. Qual o valor da acelera¸ao, em m/s2 ? c˜ a) 9,8 b) 7,2 Figura 1.1: Movimento uniforme (MU). c) 6,0 d) 4,0 Onde: x0 ´ a sua posi¸ao inicial no instante t0 = 0 e x ´ a sua e c˜ e e) 2,0 nova posi¸ao no instante t posterior. A velocidade do corredor c˜ e 5. (PUC) Um trem est´ com velocidade escalar de 72 km/h no intervalo de tempo ∆t = t − t0 = t ´ a quando freia com acelera¸ao escalar constante de m´dulo igual c˜ o v − v0 ∆x = v= a 0, 40 m/s2 . O intervalo de tempo que o trem gasta para ∆t t parar, em segundos, ´ de: e e se v ´ sempre constante, para qualquer instante t, ent˜o e a a) 10 temos um movimento uniforme (MU). Neste caso, como a b) 20 trajet´ria do movimento ´ retil´ o e ınea, temos um movimento rec) 30 til´ ıneo uniforme (MRU). d) 40 e) 50 Invertendo-se a equa¸ao acima, podemos escrever a equa¸˜o c˜ ca hor´ria do movimento: a 6. (ACAFE) Um carro inicia a travessia de uma ponte com uma velocidade de 36 km/h , ao passar a ponte o motorista obx(t) = x0 + vt serva que o ponteiro do veloc´ ımetro marca 72 km/h. Sabendo a c˜ que a travessia dura 5, 0 segundos, a acelera¸ao do carro du- que nos d´ a posi¸ao x(t) em cada instante t > 0, para todo o c˜ movimento. rante a travessia ´ de: e a) 1 m/s2 b) 2 m/s2 Gr´fico da Velocidade v × t a c) 3 m/s2 d) 4 m/s2 No movimento uniforme, o diagrama da velocidade em fun¸ao c˜ e) n.d.a do tempo v × t x ´ uma reta paralela ao eixo dos tempos, e

58

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

uma vez que a velocidade ´ constante e n˜o varia ao longo Observe no gr´fico que, de acordo com a equa¸ao hor´ria, a e a a c˜ a do tempo. velocidade pode ser dada pela inclina¸ao da reta, ou seja c˜
v v>0 v=0 O t O v<0 t O t v v

v = tan θ A inclina¸ao da reta tamb´m denominada ´ chamada de dec˜ e e clividade ou coeficiente angular da reta.

Figura 1.2: Gr´fico v × t para o MU: para a direita v > 0 (a); a para a esquerda v < 0 (b) e repouso v = 0 (c).

a θ c

b

Importante Figura 1.4: Inclina¸ao de uma reta tan θ = b/c. c˜ • Quando o movimento ´ na dire¸ao positiva do eixo oriene c˜ tado (o sentido positivo usual ´ para a direita) a velocie dade do m´vel ´ positiva (v > 0). Neste caso x cresce com Lembre-se de que a tangente de um ˆngulo, num triˆngulo o e a a o tempo; retˆngulo, ´ dada pela rela¸ao entre cateto oposto e o cateto a e c˜ adjacente: • Quando o movimento ´ na dire¸ao negativa do eixo orien- Para o movimento progressivo temos o seguinte gr´fico: e c˜ a tado (sentido negativo usual ´ para a esquerda) a velocie dade do m´vel ´ negativa (v < 0), e neste caso, x decresce o e com o tempo.

x

Neste caso como a velocidade est´ abaixo do eixo das absa cissas, esta possui valor negativo, ou seja est´ em sentido a contr´rio ao da trajet´ria. a o ´ • E importante notar que a velocidade corresponde a altura da reta horizontal no gr´fico v × t. a • A ´rea de um retˆngulo ´ dada pelo produto da base pela a a e altura: o deslocamento, pelo produto da velocidade pelo tempo.

v>0

xo O t

Figura 1.5: Gr´fico x × t para o movimento uniforme (MU) a progressivo. E para o movimento retr´grado observa-se que: o

v

∆ x = vt = Área
O t

x xo O

v<0

Figura 1.3: O deslocamento ´ igual a area sob a curva do e ´ gr´fico v × t. a

t

Gr´fico da Posi¸˜o x × t a ca
Como a equa¸ao hor´ria no movimento uniforme ´ uma c˜ a e equa¸ao do primeiro grau, podemos dizer que, para o movic˜ mento uniforme, todo gr´fico x × t ´ uma reta inclinada em a e rela¸ao aos eixos. Quando o movimento ´ progressivo (para c˜ e a direita) a reta ´ inclinada para cima, indicando que os vae lores da posi¸ao aumentam no decorrer do tempo; quando o c˜ movimento ´ retr´grado (para a esquerda), a reta ´ inclinada e o e para baixo indicando que os valores da posi¸ao diminuem no c˜ decorrer do tempo.

Figura 1.6: [Gr´fico x × t para o movimento uniforme (MU) a retr´grado. o

Pense um Pouco!
• Um trem com 1 km de extens˜o viaja ` velocidade de a a 1 km/min. Quanto tempo leva o trem para atravessar um t´ nel de 2 km de comprimento? u • Como seria o gr´fico x × t para um objeto em repouso? a

´ Cinematica – Aula 3 • No gr´fico x × t, qual a interpreta¸ao f´ a c˜ ısica da intersec¸ao c˜ da reta com o eixo do tempo t?

59

Cinem´tica a

Aula 3

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UEL) Um autom´vel mant´m uma velocidade escalar conso e tante de 72, 0 km/h. Em 1h:10min ele percorre uma distˆncia a igual a: a) 79, 2 km b) 80, 8 km c) 82, 4 km d) 84, 0 km e) 90, 9 km

Movimento Uniformemente Variado (MUV)

Analisando um movimento de queda livre, podemos verificar que o deslocamento escalar vai aumentando com o decorrer do tempo, isso mostra que a velocidade escalar do corpo varia com o tempo. Trata-se ent˜o de um movimento variado. a Galileu j´ havia descoberto esse movimento e concluiu que, a ´ 2. (ITAUNA-RJ) A equa¸ao hor´ria de um certo movimento desprezando a resistˆncia do ar, quando abandonamos do rec˜ a e ´ x(t) = 40 − 8t no SI. O instante t, em que o m´vel passa pela pouso os corpos pr´ximos a superf´ da terra caem com veloe o o ıcie origem de sua trajet´ria, ser´: o a cidades crescentes, e que a varia¸ao da velocidade ´ constante c˜ e a) 4 s em intervalos de tempos iguais. Podemos ent˜o concluir que a b) 8 s este ´ um movimento uniformemente variado (MUV). e c) 32 s Observamos um MUV quando o m´dulo da velocidade de um o d) 5 s corpo varia de quantidades iguais em intervalos de tempos e) 10 s iguais, isto ´, apresenta acelera¸ao constante e diferente de e c˜ zero. 3. (UEL) Duas pessoas partem simultaneamente de um o ınea, o movimento ´ denominado e mesmo local com velocidades constantes e iguais a 2 m/s e No caso da trajet´ria ser retil´ movimento retil´ ıneo uniformemente variado (MRUV). 5 m/s, caminhando na mesma dire¸ao e no mesmo sentido. c˜ Portanto em um movimento retil´ ıneo uniforme. Depois de meio minuto, qual a distˆncia entre elas? a a) 1, 5 m b) 60, 0 m Acelera¸˜o e Velocidade no MRUV ca c) 150, 0 m d) 30, 0 m a = constante = 0 e) 90, 0 m Como a acelera¸ao escalar ´ constante, ela coincide com a acec˜ e lera¸ao escalar m´dia: c˜ e

Exerc´ ıcios Complementares

a = am =

4. (UEPG-PR) Um trem de 25 m de comprimento, com velocidade constante de 36 km/h, leva 15s para atravessar total- fazendo t0 = 0, podemos escrever a equa¸ao hor´ria da velocic˜ a mente uma ponte. O comprimento da ponte ´: e dade, ou seja a) 120 m b) 100 m v = v0 + at c) 125 m d) 80 m e) nenhuma resposta ´ correta e
v
MRUV

v − v0 ∆v = ∆t t − t0

v

MRUV

v

MRU

5. (TUIUTI-PR) Um motorista passa, sem perceber, em um radar da pol´ a 108 km/h. Se uma viatura est´, logo adiıcia a ante a uma distˆncia de 300 m do radar, em quanto tempo o a motorista passar´ pela viatura? a a) 7 s b) 13 s c) 20 s d) 10 s e) 16 s

O

a>0 vo > 0

t

O

a>0 vo < 0

t

O

a=0 vo > 0

t

Figura 1.1: v × t para o MRUV com a ≥ 0.

6. (UESBA) Se dois movimentos seguem as fun¸oes hor´rias c˜ a de posi¸ao x1 (t) = 100 + 4t e x2 (t) = 5t, com unidades do SI, Posi¸˜o versus tempo no MRUV c˜ ca o encontro dos m´veis se d´ no instante: o a Analisando o gr´fico de v × t, podemos obter a fun¸ao hor´ria a c˜ a a) 0 s dos espa¸o calculando o deslocamento escalar desde t = 0 at´ c e b) 400 s um instante t qualquer. Como: c) 10 s d) 500 s ∆s = ´rea a e) 100 s

60

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

v

MRUV

a<0 vo > 0 t

v

MRUV

a<0 vo = 0 t

v

MRU

a=0 vo < 0 t

A Equa¸˜o de Torricelli ca
O f´ ısico italiano Evangelista Torricelli estudou matem´tica em a Roma. Nos ultimos meses de vida de Galileu, Torricelli se tor´ nou seu aluno e amigo ´ ıntimo, o que lhe proporcionou a oportunidade de rever algumas teorias do mestre. Uma das conseq¨ˆncias disso foi a unifica¸ao que Torricelli fez das fun¸oes ue c˜ c˜ hor´rias estabelecidas por Galileu para o movimento unifora memente variado. Torricelli eliminou o tempo da fun¸ao c˜ v = v0 + at

O

O

O

Figura 1.2: v × t para o MRUV com a ≤ 0.

∆s = como:

v + v0 2

t

obtendo t = (v − v0 )/a e substituindo o valor de t na fun¸ao hor´ria dos espa¸os, temos c˜ a c v + v0 2 v − v0 a

∆s = s − s0 e v = v0 + at temos s − s0 = s − s0 = logo, 1 s(t) = s0 + v0 t + at2 2 ´ a fun¸ao hor´ria dos espa¸os s(t). e c˜ a c 1 (v0 + at + v0 )t 2

s = s0 + vm t = s0 +

onde vm ´ a velocidade m´dia do movimento. e e Finalmente, obtemos a equa¸ao de Torricelli: c˜
2 v 2 = v0 + 2a∆s

Pense um Pouco!
• Imagine que vocˆ est´ no interior de um autom´vel em moe a o vimento. O autom´vel ´ suficientemente silencioso e mao e cio para que vocˆ n˜o perceba sua velocidade e varia¸oes e a c˜ de velocidade. Apenas olhando para o veloc´ ımetro do autom´vel, sem olhar pelas janelas e p´ra-brisas, ´ poss´ o a e ıvel classificar o movimento do autom´vel? o • Pode-se usar a equa¸ao de Torricelli para se determinar c˜ a altura atingida por um proj´til lan¸ado verticalmente e c para cima? Como?

1 1 (2v0 + at)t = v0 t + at2 2 2

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
x a>0 vo = 0 t xo = 0 x a>0 vo < 0 xo = 0 t x a>0 vo < 0 xo < 0 t

O

O

O

Figura 1.3: x × t para o MRUV com a > 0.

1. (UEL) Uma part´ ıcula parte do repouso e, em 5 segundos percorre 100 metros. Considerando o movimento retil´ ıneo uniformemente variado, podemos afirmar que a acelera¸ao da c˜ part´ ıcula ´ de: e a) 8, 0 m/s2 b) 4, 0 m/s2 c) 20 m/s2 d) 4, 5 m/s2 e) n.d.a. 2. (UFPR) Um carro transitando com velocidade de 15 m/s, tem, seu freio acionado. A desacelera¸ao produzida pelo freio c˜ ´ de 10 m/s2 . O carro p´ra ap´s percorrer: e a o a) 15, 5 m b) 13, 35 m c) 12, 15 m d) 11, 25 m e) 10, 50 m 3. (ACFE-SC) A velocidade de um certo corpo em movimento retil´ ıneo ´ dada pela express˜o v(t) = 10 − 2t, no SI. Calcule e a o espa¸o percorrido pelo corpo entre os instantes 2 s e 3 s. c

x

a<0 vo = 0 xo = 0 t

x

x

O

O a<0 vo > 0 xo = 0

t

O a<0 vo = 0 xo > 0

t

Figura 1.4: x × t para o MRUV com a < 0.

´ Cinematica – Aula 4 a) 3 m b) 5 m c) 8 m d) 16 m e) 21 m

61 Na realidade, a acelera¸ao da gravidade, embora seja indepenc˜ dente da massa do corpo em queda livre, varia com o local, dependendo da latitude e da altitude do lugar. Se o corpo em queda livre tiver uma trajet´ria retil´ o ınea, seu movimento ser´ uniformemente variado; neste caso, a acea lera¸ao escalar do corpo ser´ constante e valer´ sempre a = −g, c˜ a a independente do sentido do movimento. Desta forma, se um objeto for lan¸ado para cima (v0 > 0), ele ir´ frear (desacelec a rar) at´ parar (v = 0) e depois seu sentido de movimento ser´ e a invertido (v > 0).

Exerc´ ıcios Complementares
4. (CEFET) Na decolagem, um certo avi˜o partindo do rea pouso, percorre 500 m em 10, 0 s. Considerando-se sua acelera¸ao constante, a velocidade com que o avi˜o levanta vˆo c˜ a o ´: e a) 100 m/s b) 200 m/s c) 125 m/s d) 50 m/s e) 144 m/s 5. (UNESP) Um m´vel descreve um movimento retil´ o ıneo obedecendo a fun¸ao hor´ria x(t) = 8 + 6t − t2 no SI. Esse movic˜ a mento tem invers˜o de seu sentido no instante: a a) 8 s b) 3 s c) 6 s d) 2 s e) 4/3 s 6. (UNESP) No instante em que o sinal de trˆnsito autoa riza a passagem, um caminh˜o de 24 m de comprimento que a estava parado come¸a atravessar uma ponte de 145 m de c comprimento, movendo-se com uma acelera¸ao constante de c˜ 2, 0 m/s2 . O tempo que o caminh˜o necessita para atravessar a completamente a ponte ´: e a) 12 s b) 145 s c) 13 s d) 169 s e) 14 s

Conven¸˜es co
• o sentido positivo do eixo vertical ´ debaixo para cima; e • quando a e v possuem o mesmo sinal, o movimento ´ e acelerado (v cresce em m´dulo); o • quando a e v possuem o sinais contr´rios, o movimento a ´ desacelerado, freado ou ent˜o dito tamb´m retardado (v e a e diminui em m´dulo); o

Velocidade Escalar Final
Em um local onde o efeito do ar ´ desprez´ e a acelera¸ao da e ıvel c˜ gravidade ´ constante e com m´dulo g, um corpo ´ abandonado e o e a partir do repouso de uma altura h acima do solo. Vamos obter a velocidade escalar final de um corpo ao solto (v0 = 0), atingir o solo. Pela equa¸ao de Torricelli: c˜
2 2 v 2 = v0 + 2a∆s = v0 + 2a(s − s0 )

sendo s0 = h e s = 0, temos: v 2 = 0 + 2(−g)(0 − h) = 2gh ent˜o a ser´ a sua velocidade escalar ao atingir o ch˜o. Escolhemos a a o sinal negativo (−) porque o corpo est´ descendo, contra o a sentido crescente do eixo vertical (que ´ para cima). e Observe que quanto maior a altura inicial h, maior a velocidade final v, como era de se esperar, mas que v n˜o ´ proporcional a e a h. v = − 2gh

Cinem´tica a
Queda Livre

Aula 4

Tempo de Queda
Vamos obter agora o tempo de queda livre desde que um corpo ´ solto (v0 = 0) de uma altura h, at´ atingir o solo. Pela e e equa¸ao hor´ria da velocidade do MRUV, temos: c˜ a v(t) = v0 + at e para a queda livre ser´ a v(t) = v0 − gt √ e sendo v0 = 0 e v = − 2gh temos − e finalmente 2gh = 0 − gt 2h g √ 2gh = t= g

Um corpo ´ dito em queda livre quando esta sob a¸ao exclusiva e c˜ da gravidade terrestre (ou da gravidade de outro corpo celeste). Foi Galileu quem estudou corretamente pela primeira vez, a queda livre de corpos. Galileu concluiu que todos os corpos em queda livre, isto ´, e livres do efeito da resistˆncia do ar, tem uma propriedade coe mum; Corpos em queda livre tˆm a mesma acelera¸ao quaisquer que e c˜ sejam suas massas. Esta acelera¸ao de queda livre ´ denominada acelera¸˜o da c˜ e ca gravidade e, nas proximidades da terra, ´ suposta constante e e com m´dulo g = 9.8 m/s2 , valor este que por praticidade, ´ o e usualmente aproximado para g = 10 m/s2 .

Observe que quanto maior a altura inicial h, maior o tempo de queda t, como tamb´m era de se esperar, e que t tamb´m e e n˜o ´ proporcional a h. a e

62

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

v

a = −g vo = 0 tq t

Pode-se mostrar que o tempo de descida ´ igual ao tempo e de subida. Mostre vocˆ mesmo. e • a velocidade escalar de retorno ao solo ´ calculada como e se segue: como o tempo total de vˆo ´ 2ts , temos o e v(2ts ) = v0 − g(2ts ) = v0 − g ou seja, a velocidade de retorno ser´ a 2v0 g

0

Figura 1.1: v × t para a queda livre.

v = −v0 A mesma acelera¸ao que retarda a subida do proj´til ´ c˜ e e a que o acelera na descida e tem m´dulo constante g, o portanto conclu´ ımos que que ao retornar ao solo, o proj´til e chaga com a mesma velocidade inicial de lan¸amento, em c m´dulo. o • A altura m´xima atingida pelo proj´til ´ calculada a partir a e e da equa¸ao de Torricelli: c˜
2 v 2 = v0 + 2a∆s

x
h

a = −g vo = 0 xo = h tq t

0

e como v = 0 e ∆s = h, temos Figura 1.2: x × t para a queda livre.
2 0 = v0 + 2(−g)h

Lan¸amento Vertical c
Em um local onde o efeito do ar ´ desprez´ e a acelera¸ao e ıvel c˜ da gravidade ´ constante e com m´dulo igual a g, um proj´til e o e ´ lan¸ado verticalmente para cima com velocidade de m´dulo e c o igual a v0 . Estudemos as propriedades associadas a este movimento: 1 s(t) = s0 + v0 t − gt2 2 e v(t) = v0 − gt Observa-se que: • o movimento do proj´til ´ uniformemente variado porque e e a acelera¸ao escalar ´ constante e diferente de zero; c˜ e • como foi lan¸ado para cima, a velocidade inicial do proj´til c e ´ positiva (v0 > 0); e • orientando-se o eixo vertical para cima, como de costume, a acelera¸ao escalar vale −g; c˜ • A partir do ponto mais alto da trajet´ria, o proj´til inverte o e o sentido de seu movimento e , portanto, sua velocidade ´ nula no ponto mais alto (ponto de invers˜o); e a • O tempo de subida ts do proj´til ´ calculado como se e e segue: se e v(ts ) = 0 para a posi¸ao mais alta, temos c˜ 0 = v0 − gts e finalmente ts = v0 g v(t) = v0 − gt

donde h=

2 v0 2g

Observe que quanto maior a velocidade inicial v0 , maior a altura h atingida pelo proj´til, como era de se esperar, e e que h n˜o ´ proporcional a v0 . a e

Pense um Pouco!
• Por que uma folha inteira e outra amassada n˜o chegam a juntas ao ch˜o, quando soltas simultaneamente de uma a mesma altura? • Um corpo pode ter acelera¸ao a = 0 e v = 0? Como? c˜ • Um corpo pode estar subindo (v > 0) e acelerando para baixo (a < 0)? Como? • por que n˜o se deve dar um tiro para cima com uma arma a de fogo?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFAL) Uma pedra ´ abandonada de uma altura de 7, 2 m, e adotando g = 10 m/s2 e desprezando-se a resistˆncia do ar, e pode-se afirmar que a sua velocidade escalar ao atingir o solo ser´: a a) 12 m/s b) 36 m/s c) 360 m/s d) 18 m/s e) 180 m/s 2. (FUVEST) Um corpo ´ solto, a partir do repouso, do topo e de um edif´ de 80 m de altura. Despreze a resistˆncia do ar ıcio e

´ Cinematica – Aula 5 e adote g = 10 m/s2 . O tempo de queda at´ o solo e o m´dulo e o da velocidade com que o corpo atinge o solo s˜o: a a) 4, 0 s e 72 km/h b) 2, 0 s e 72 km/h c) 2, 0 s e 144 km/h d) 4, 0 s e 144 km/h e) 4, 0 s e 40 km/h 3. (FUVEST) Um corpo ´ disparado do solo, verticale mente para cima, com velocidade inicial de m´dulo igual a o 2, 0.102 m/s. Desprezando a resistˆncia do ar e adotando e g = 10 m/s2 , a altura m´xima alcan¸ada pelo proj´til e o a c e tempo necess´rio para alcan¸a-la s˜o respectivamente: a c´ a a) 4, 0 km e 40 s b) 2, 0 km e 40 s c) 2, 0 km e 10 s d) 4, 0 km e 20 s e) 2, 0 km e 20 s

63

Movimento Circular Uniforme (MCU)
Em um movimento onde a trajet´ria ´ uma circunferˆncia (ou o e e arco de uma circunferˆncia) e a velocidade escalar ´ conse e tante, este ´ denominado como movimento circular unie forme (MCU). Neste movimento a part´ ıcula ´ localizada pela e sua posi¸ao angular θ, que varia uniformemente com o tempo. c˜

Exerc´ ıcios Complementares

1111111 0000000 1111111 0000000 v2 1111111 0000000 1111111 0000000 1111111 0000000 1111111 0000000 1 0 11 00 11 00 11 00 11 00 11 00 R v1 11 00 11111 00000 11 00 1 0 11111 00000 11 00 11111 00000 11 00 θ 11111 00000 11 00 11111 00000 v3 11 00 11111 00000 11111111 00000000 11 00 11111 00000 1 0 11111 00000 11111 00000 11111 00000 11111 00000 11111 00000 11111 00000 11111 00000 11111 00000

4. (FMTM-MG) As gaivotas utilizam um m´todo interessante e 1111111 0000000 1 0 para conseguir degustar uma de suas presas favoritas – o caranv4 guejo. Consiste em suspendˆ-lo a uma determinada altura e a´ e ı abandonar sua v´ ıtima para que chegue ao solo com uma velocidade de m´dulo igual a 30 m/s, suficiente para que se quebre o Figura 1.1: O movimento circular uniforme (MCU). por inteiro. Despreze a resistˆncia do ar e adote g = 10 m/s2 . e A altura de eleva¸ao utilizada por essas aves ´: c˜ e No movimento circular uniforme o vetor velocidade muda o a) 15 m tempo todo, por´m mant´m fixo o seu m´dulo (velocidade ese e o b) 45 m calar). c) 90 m d) 30 m Movimento Peri´dico o e) 60 m 5. (UNICAMP) Uma atra¸ao que est´ se tornando muito poc˜ a pular nos parques de divers˜o consiste em uma plataforma que a despenca, a partir do repouso, em queda livre de uma altura de 75 m. Quando a plataforma se encontra a 30 m do solo, ela passa a ser freada por uma for¸a constante e atinge o repouso c quando chega ao solo. A velocidade da plataforma quando o freio ´ acionado ´ dada por : e e a) 10 m/s b) 30 m/s c) 75 m/s d) 20 m/s e) 40 m/s Um movimento ´ chamado peri´dico quando todas as suas e o caracter´ ısticas (posi¸ao, velocidade e acelera¸ao) se repetem c˜ c˜ em intervalos de tempo iguais. O movimento circular e uniforme ´ um exemplo de movimento e peri´dico, pois, a cada volta, o m´vel repete a posi¸ao, a veloo o c˜ cidade e a acelera¸ao. c˜

Per´ ıodo (T )

Define-se como per´ ıodo (T ) o menor intervalo de tempo para que haja repeti¸ao das caracter´ c˜ ısticas do movimento. No movimento circular e uniforme, o per´ ıodo ´ o intervalo de tempo e para o m´vel dar uma volta completa. o 6. (CEFET-PR) Um bal˜o meteorol´gico est´ subindo com a o a e ıodo ´ o e velocidade constante de 10 m/s e se encontra a uma altura Como ´ uma medida de tempo, a unidade SI do per´ de 75 m, quando dele se solta um aparelho. O tempo que o segundo. aparelho leva para chegar ao solo ´: e a) 2 s Freq¨ˆncia (f ) ue b) 4 s c) 5 s Define-se a freq¨ˆncia (f ) de qualquer movimento peri´dico ue o d) 3 s como o n´ mero de vezes que as caracter´ u ısticas do movimento e) 7 s se repetem durante uma unidade de tempo, ou seja, 1 s.

Cinem´tica a

Aula 5

No movimento circular uniforme, a freq¨ˆncia ´ o n´ mero de ue e u voltas realizadas na unidade de tempo. Se o m´vel realiza n o voltas em um intervalo de tempo t, a freq¨ˆncia f ´ dada por: ue e f= n t

64

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

e por defini¸ao, como no MCU o tempo de uma volta completa Sendo a trajet´ria curva, a componente normal an da acec˜ o (n = 1) ´ o pr´prio per´ e o ıodo do movimento, temos que lera¸ao, ou tamb´m chamada de acelera¸ao centr´ c˜ e c˜ ıpeta n˜o ´ a e nula (an = 0). 1 f= O m´dulo da acelera¸ao centr´ o c˜ ıpeta pode ser calculado pela T seguinte express˜o: a A unidade SI da freq¨ˆncia f ´ s−1 ou tamb´m chamado ue e e 2v sin(∆θ/2) ∆v de hertz, cuja abrevia¸ao ´ Hz. Pode-se tamb´m medir a c˜ e e = ac = ∆t ∆t freq¨ˆncia em rota¸oes por minuto ou rpm. ue c˜ e como ∆θ = ω∆t, e o ˆngulo ∆θ ´ pequeno para ∆t pequeno, a e temos Exemplo ∆θ ∆θ sin ≃ 2 2 Se um movimento tem freq¨ˆncia de 2, 0 Hz, ent˜o s˜o dadas ue a a duas voltas completas por segundo, ou seja, o per´ ıodo do mo- e 2ωR∆θ/2 vimento deve ser de 1/2 s. Como o minuto tem 60 segundos, = ω2R ac = ∆θ/ω esse movimento ter´ uma freq¨ˆncia de 120 rpm. a ue ou ent˜o, como v = ωR a

Velocidade Escalar v
Para uma volta completa, em uma circunferˆncia de raio R, e temos que 2πR ∆s = v= ∆t T logo, para o MCU temos v = 2πRf ac =

v2 R

v(t) v (t+∆ t)
∆θ=ο∆ t

ac
θ = οt

∆v

v(t) v (t+∆ t)
∆θ=ο∆ t

Velocidade Angular ω
Define a velocidade angular ω de forma semelhante ` defini¸ao a c˜ de velocidade v, s´ que nesse caso estamos interessados na o varia¸ao da posi¸ao angular ocorrida no MCU. Ent˜o: c˜ c˜ a ω= ∆θ θ − theta0 = ∆t t

R

Para uma volta completa, temos que o deslocamento angular ser´ 2π e t = T , temos a ω= Unidades SI A velocidade angular ω ´ medida em rad/s no SI. e Rela¸˜o entre v e ω ca Como a velocidade escalar no MCU ´ v = 2πRf e ω = 2πf , e ent˜o a v = ωR Ou seja, a velocidade escalar v ´ proporcional ` velocidade e a angular ω. 2π = 2πf T Figura 1.2: A acelera¸ao centr´peta (normal). c˜ ı

Pense um Pouco!
• Certos fenˆmenos da natureza, como a trajet´ria da Terra o o em torno do Sol e o movimento dos sat´lites apresentam e movimento circular uniforme? Dˆ exemplos. e • Imagine um disco girando em torno do seu centro. As velocidades de todos os seus pontos s˜o iguais em m´dulo? a o Explique. • Como s˜o os vetores de velocidade de diferentes pontos de a uma mesma roda (disco) que gira? Fa¸a um esbo¸o dos c c vetores.

• Qual a velocidade angular do ponteiro dos segundos de um rel´gio mecˆnico? o a J´ vimos que no movimento circular e uniforme, a velocidade a vetorial tem m´dulo constante, por´m dire¸ao vari´vel e, poro e c˜ a tanto o vetor v ´ vari´vel. Sendo a velocidade vetorial vari´vel, e a a Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca vamos analisar a acelera¸ao vetorial a. c˜ Sendo o movimento uniforme, a componente tangencial at da acelera¸ao vetorial ´ nula: c˜ e 1. (FCC) Uma part´ ıcula executa um movimento uniforme sobre uma circunferˆncia de raio 20 cm. Ela percorre metade e ∆v =0 at = da circunferˆncia em 2, 0 s. A freq¨ˆncia, em hertz, e o per´ e ue ıodo ∆t

Vetores no MCU

´ Cinematica – Aula 5 do movimento, em segundos, valem, respectivamente : a) 4,0 e 0,25 b) 1,0 e 1,0 c) 0,25 e 4,0 d) 2,0 e 0,5 e) 0,5 e 2,0 2. (UFES) Uma pessoa est´ em uma roda-gigante que tem a raio de 5 m e gira em rota¸ao uniforme. A pessoa passa pelo c˜ ponto mais pr´ximo do ch˜o a cada 20 segundos. Podemos o a afirmar que a freq¨ˆncia do movimento dessa pessoa, em rpm, ue ´: e a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 5 3. (ITA) Um autom´vel percorre uma trajet´ria com veloo o cidade escalar constante. A roda do autom´vel, cujo raio ´ o e 30 cm, d´ 40 voltas em 2, 0 s. A Velocidade angular da roda a ´, em rad/s: e a) 20π rad/s b) 30π rad/s c) 40π rad/s d) 50π rad/s e) 60π rad/s

65

Exerc´ ıcios Complementares
4. (ACAFE) Um autom´vel percorre uma estrada com velocio dade escalar constante e igual a 8, 0 m/s e suas rodas possuem raio R = 0, 40 m. A freq¨ˆncia de rota¸ao da roda ´: ue c˜ e a) 5/π Hz b) 8/π Hz c) 12/π Hz d) 6/π Hz e) 10/π Hz 5. (FUVEST) Um ciclista percorre uma pista circular de 500 m de raio, com velocidade escalar constante de 20 m/s. A acelera¸ao do ciclista ´: c˜ e a) 0, 5 m/s2 b) 0, 8 m/s2 c) 1, 4 m/s2 d) 0, 6 m/s2 e) 1, 2 m/s2 6. (CEFET-PR) A ´rbita da Terra em torno do Sol, em raz˜o o a da sua baixa excentricidade, ´ aproximadamente uma circune ferˆncia. Sabendo-se que a terra leva um ano para realizar e uma volta completa em torno do Sol e que a distˆncia m´dia a e da Terra ao Sol ´ 150 milh˜es de km, os m´dulos dos vetores e o o da velocidade e acelera¸ao em km/s e m/s2 s˜o respectivac˜ a mente: a) 10 e 2, 0 × 10−3 b) 20 e 2, 0 × 10−3 c) 30 e 6, 0 × 10−3 d) 20 e 6, 0 × 10−3 e) 10 e 6, 0 × 10−3

66

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Ondas – Aula 1

67

Ondas
Ondas
Movimento Harmˆnico Simples o

Aula 1

O movimento harmˆnico simples (MHS) ´ um movimento reo e petitivo ao longo do tempo, por exemplo, quando observamos um peso suspenso por uma mola bastante flex´ (movimento ıvel na vertical); ou ent˜o suspenso por um fio longo (movimento a na horizontal - pˆndulo simples). e Todo MHS pode ser pensado como sendo a proje¸ao de um c˜ movimento circular e uniforme num dos diˆmetros da circuna ferˆncia percorrida. Para isto, admita um eixo cartesiano com e origem no centro da circunferˆncia correspondente ao movie mento circular. Vocˆ poder´ estudar a proje¸ao sobre o eixo dos x, obtendo e a c˜ uma equa¸ao do tipo c˜ x(t) = R cos(ωt + θ0 ) ou sobre o eixo dos y, obtendo a equa¸ao an´loga c˜ a y(t) = Rsen (ωt + θ0 ) Para o movimento circular sabemos que R ´ o raio da circune ferˆncia, ω a velocidade angular do objeto em movimento cire cular e uniforme, e θ0 ´ a posi¸ao angular inicial ocupada pelo e c˜ objeto no instante t0 = 0 (θ0 equivale, em termos angulares, ao s0 dos movimentos estudados ao longo de trajet´rias). o Assim, podemos entender o significado das constantes do MHS: R = A ´ a amplitude do movimento a partir do centro de e oscila¸ao; c˜ ω recebe tamb´m a denomina¸ao de freq¨ˆncia angular (´ e c˜ ue e f´cil demonstrar que w = 2π , em que T ´ o per´ a e ıodo do MHS; T ωt + θ0 , o argumento do seno (ou cosseno), ´ a chamada fase e do movimento, e depende do tempo t e, desta forma, quando t = 0 temos (ωt + θ0 ) = θ0 ; θ0 ´ a fase inicial. e Depois desse entendimento, podemos reescrever as equa¸oes c˜ anteriores em termos das amplitudes A ao inv´s do raio R, e ent˜o: a x(t) = A cos(ωt + θ0 ) y(t) = Asen (ωt + θ0 )

L

θ

T mgsin θ x mgcos θ mg O

Figura 1.1: Pˆndulo Simples. e Ignorando a resistˆncia do ar, as for¸as que atuam sobre a e c part´ ıcula s˜o a for¸a peso, exercida pela Terra, e a tens˜o, a c a exercida pelo fio. Como o fio ´ inextens´ e ıvel, a componente do peso ao longo do fio cancela a for¸a de tens˜o. A resultante das c a for¸as que atuam sobre a part´ c ıcula ´, portanto, a componente e do peso na dire¸ao do movimento da part´ c˜ ıcula, cujo m´dulo o vale mgsen (θ). A part´ ıcula do pˆndulo descreve um arco de circunferˆncia. e e Mas, se a amplitude do movimento ´ muito menor que o come primento L do fio, ou seja, se o ˆngulo θ ´ pequeno, podemos a e aproximar o arco por um segmento de reta horizontal sobre o qual fixamos o eixo x, com origem onde a vertical tirada do ponto de suspens˜o do pˆndulo corta esse eixo. a e Ent˜o, fazendo a x sen θ = , L o m´dulo da for¸a resultante sobre a part´ o c ıcula fica: F (x) = − An´lise dos Sinais a O sinal negativo indica que a for¸a resultante aponta na mesma c dire¸ao que aquela escolhida como positiva para o eixo x c˜ quando a elonga¸ao ´ negativa e na dire¸ao oposta quanto a c˜ e c˜ elonga¸ao ´ positiva. Ou seja, a for¸a ´ restauradora, pois c˜ e c e quando a part´ ıcula vai para a direita (x > 0) a for¸a horizontal c “puxa”ela para a esquerda (F < 0), e quando ela vai para a mg x L

Pˆndulo Simples e
Vamos estudar com maiores detalhes o MHS que se observa em um pˆndulo simples. O pˆndulo simples consiste em uma e e part´ ıcula de massa m suspensa por um fio inextens´ ıvel, de massa desprez´ e comprimento L, que oscila num plano verıvel tical, fixo na extremidade superior do fio, como vemos na figura abaixo: Esse problema pode ser considerado um problema de MHS somente para pequenos ˆngulos de abertura, ou seja, afasta-se a o pˆndulo ligeiramente de sua posi¸ao de equil´ e c˜ ıbrio, e solta-se. Observa-se que a part´ ıcula executa um movimento circular de raio L, por´m de vai-e-vem, portanto com velocidade vari´vel. e a

68

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

esquerda (x < 0), a for¸a a “empurra”de volta par a direita c (F > 0). Atrav´s desse tipo de for¸a ´ que se obt´m o MHS. e c e e Observe que a for¸a dada acima tem a forma geral F (x) = c −kx, onde k = mg/L nesse caso. Essa for¸a lembra alguma c outra lei ou sistema f´ ısico j´ estudado? Qual? a Dica de Vestibular DICA: normalmente as grandezas que mais se pedem em vestibulares s˜o o per´ a ıodo (T ) e a freq¨ˆncia (f ) de um pˆndulo ue e simples, n˜o que as outras grandezas n˜o tenham importˆncia a a a e sim pela sua simplicidade matem´tica e conte´ do te´rico, a u o ent˜o, resumidamente em termos do per´ a ıodo temos: T = 2π ω 1 f L g

c) independente do valor da acelera¸ao da gravidade local. c˜ d) ´ inversamente proporcional ao valor da acelera¸ao da grae c˜ vidade local. e) independe da massa m.

Exerc´ ıcios Complementares
4. Fa¸a testes num´ricos para estimar at´ onde vale a rela¸ao c e e c˜ sen θ ≈ θ, para ˆngulos theta dados em rad, com a precis˜o de a a at´ duas casas decimais. e 5. Para dobrar a freq¨ˆncia de oscila¸ao de um pˆndulo simue c˜ e ples ´ suficiente: e a) transport´-lo para um planeta de acelera¸ao da gravidade a c˜ duas vezes maior. b) transport´-lo para um planeta de acelera¸ao da gravidade a c˜ quatro vezes. c) dobrar o comprimento do fio. d) reduzir ` quarta parte o comprimento do fio. a e) dobrar a massa pendular. 6. Ache a rela¸ao entre o comprimento de dois pˆndulos para c˜ e que um realize nove oscila¸oes enquanto o outro realiza dezesc˜ seis oscila¸oes. c˜ 7. Determine o comprimento de um pˆndulo simples que pose sui per´ ıodo igual a 1, 0 s. Use g = 10 m/s2 .

T = 2πf T = T = 2π E em termos da freq¨ˆncia temos: ue f= f= f= 1 2π w 2π 1 T g L

Ondas
Ondas

Aula 2

Pense um Pouco!
1. Como podemos determinar a acelera¸ao da gravidade com c˜ um pˆndulo Simples? e

Denomina-se onda ao movimento coletivo causado por uma 2. O movimento de transla¸ao da terra em torno do sol ´ um perturba¸ao que se propaga atrav´s de um meio. c˜ e c˜ e MHS?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Tipos de Ondas

Quanto ` necessidade ou n˜o de um meio mecˆnico, as ondas a a a se classificam em dois grandes grupos: as ondas mecˆnicas a 1. Um pˆndulo oscila, na Terra com per´ e ıodo igual a 4 se- e as ondas eletromagn´ticas. e gundos. Determinar o per´ ıodo desse mesmo pˆndulo em um e planeta onde a acelera¸ao da gravidade ´ quatro vezes maior c˜ e Onda Mecˆnica a que a da Terra. 2. Um MHS (movimento harmˆnico simples) ´ descrito pela o e fun¸ao hor´ria x(t) = 5cos(πt/2 + 3π/2), com x em metros e c˜ a ´ t em segundos. E correto afirmar que: a) a amplitude do movimento ´ 10 m. e b) a velocidade angular ´ 5π/2 rad/s. e c) a freq¨ˆncia do movimento ´ 0, 25 Hz. ue e d) o per´ ıodo do movimento ´ 0, 50 s. e e) a fase inicial ´ 3π radianos. e 3. Um pˆndulo simples de massa m executa oscila¸oes de pee c˜ quena abertura angular e realiza um MHS. Ent˜o o seu per´ a ıodo de oscila¸ao: c˜ a) independe do comprimento do pˆndulo. e b) ´ proporcional ao comprimento do pˆndulo. e e Precisa de um meio mecˆnico natural para se propagar (n˜o a a se propaga no v´cuo). a Exemplos Uma onda numa corda, ondas sonoras (sons), ondas na superf´ da ´gua ou numa membrana esticada (tambor). ıcie a Onda Eletromagn´tica e N˜o necessita de um meio mecˆnico para se propagar, e pode a a se propagar no v´cuo ou tamb´m em meios mecˆnicos. a e a Exemplos Ondas de r´dio, ondas luminosas, raios X, ondas de calor, como a aquelas que vem do Sol at´ a Terra pelo v´cuo interestelar. e a

Ondas – Aula 2

69

´ dire¸ao da barra. E claro que uma barra de ferro pode propac˜ gar, ao mesmo tempo, tanto ondas longitudinais quanto ondas Quanto ao tipo de perturba¸ao propagada pela onda, elas s˜o transversais. c˜ a classificadas em transversais ou longitudinais. Se tomarmos uma mola helicoidal bem longa e mole, com uma extremidade presa ao teto, por exemplo, poderemos verificar que, ao comprimirmos ligeiramente a sua extremidade livre, Ondas Transversais batendo verticalmente, um pulso de compress˜o ser´ propaa a S˜o aquelas em que a dire¸ao das oscila¸oes ´ perpendicular gado longitudinalmente, subindo na mola. a c˜ c˜ e (ou transversal) ` dire¸ao da propaga¸ao da onda. a c˜ c˜ Quando um pescador convencional estica sua linha (espera ou espinhel) para pescar, ele percebe a “beliscada”do peixe pelas Vibraçao ondas longitudinais transportadas at´ a sua m˜o, pela linha e a corda Propagaçao tensa. Quando usa uma b´ia, ou rolha, ele vˆ as ondas transo e T T versais causadas na superf´ ıcie da ´gua pelas beliscadas dos a peixes. Em ambos os casos, as ondas est˜o sendo usadas para a transmitir informa¸˜o, compreendeu? ca

Classifica¸˜o das Ondas ca

Figura 1.1: Onda transversal. Exemplos Nas ondas eletromagn´ticas, um campo el´trico e um e e magn´tico oscilam em planos perpendiculares ` dire¸ao de proe a c˜ paga¸ao da onda. Por esta raz˜o, por exemplo, convencionouc˜ a se posicionar as antenas de r´dio em p´, para que o campo a e el´trico seja emitido verticalmente, enquanto a onda se proe paga horizontalmente, e desta forma possa ser captado pelas antenas receptoras. Quando sacudimos a extremidade de uma corda esticada, ou mesmo de uma mangueira de jardim, produzimos um pulso de deslocamento vertical, que se propaga ao longo da dire¸ao da c˜ corda, horizontalmente. Se observarmos de perto, veremos que cada ponto da corda (mangueira) apenas sobe e desce, quando o pulso passa pela corda. N˜o h´ um deslocamento horizontal a a da corda (meio mecˆnico). a Em campos de futebol, pode-se ver um belo efeito ondulat´rio o causado pelos espectadores, a “ˆla”. Num movimento coordeo nado, os espectadores levantam e sentam, provocando a propaga¸ao de uma onda pelas arquibancadas, que tamb´m ´ uma c˜ e e onda transversal. Observe que, se todos levantassem e sentassem ao mesmo tempo, nenhuma onda seria observada. Ondas Longitudinais

Ondas no Espa¸o c
Quanto ao tipo de propaga¸ao e a complexidade do movimento c˜ espacial das ondas, podemos classific´-las em unidimensioa nais, bidimensionais ou tridimensionais. Ondas Unidimensionais Em alguns casos simples, podemos supor que uma onda se propaga de forma unidimensional, pois simplificamos a sua descri¸ao reduzindo o movimento ondulat´rio ` uma dimens˜o c˜ o a a mais relevante. Exemplo Por exemplo, ao estudar a propaga¸ao de uma onda sonora c˜ dentro de um tubo longo, podemos considerar a onda unidimensional, dentro do tubo. Ondas Bidimensionais Em outros casos, ´ evidente que o movimento ondulat´rio n˜o e o a pode ser restrito ` uma dire¸ao (dimens˜o), pois ocorre sobre a c˜ a uma superf´ bidimensional. ıcie Exemplos No caso de ondas na superf´ ıcie de uma piscina ou lago, ou mesmo ondas num tambor (membrana). Neste caso temos ondas bidimensionais.

Como o pr´prio nome diz, a onda longitudinal transporta o oscila¸oes (vibra¸oes) cuja dire¸ao coincide com a dire¸ao da c˜ c˜ c˜ c˜ Ondas Tridimensionais propaga¸ao, ou seja, ao longo da dire¸ao de propaga¸ao. c˜ c˜ c˜
propagação da onda empurrar compressões para a ponta fixa

puchar

oscilações

rarefações

Figura 1.2: Onda longitudinal.

S˜o aquelas que se propagam em todas as trˆs dire¸oes do a e c˜ espa¸o, tornando a sua descri¸ao, bastante trabalhosa. c c˜ Exemplos Na explos˜o de uma “bombinha”, aquelas que a gente sola tava quando moleque, s˜o produzidas ondas sonoras que se a propagam a partir de um ponto (pequena regi˜o do espa¸o) a c para todas as dire¸oes, formando verdadeiras ondas esf´ricas, c˜ e que poder˜o ser percebidas por pessoas no ch˜o, ou mesmo a a p´ssaros no ar, pois se propagam tridimensionalmente. a

Exemplos As ondas sonoras s˜o ondas de press˜o que se propagam lon- Energia Transmitida a a gitudinalmente em meios s´lidos, l´ o ıquidos ou gasosos. Quando vocˆ d´ uma martelada na extremidade de uma longa barra Quanto ao tipo de energia transmitida pela onda, podee a de ferro (de constru¸ao), a compress˜o causada na dire¸ao da mos classific´-la em ondas sonoras, ondas luminosas, ondas c˜ a c˜ a barra se propaga, fazendo os pontos da barra oscilarem na t´rmicas, etc. e

70

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Elementos de uma Onda
Ondas Peri´dicas o

d) gravitacionais e) longitudinais

3. Quando uma pequena pedra cai num lago tranq¨ ilo, u S˜o aquelas que recebem pulsos peri´dicos, ou seja, recebem formam-se ondas circulares. O fato de as ondas serem cira o pulsos em intervalos de tempo iguais. Portanto, passam por culares ´ uma evidˆncia de que: e e um mesmo ponto com a mesma freq¨ˆncia. ue a) as ondas transportam energia b) as ondas transportam mat´ria e Unidades SI c) a velocidade de propaga¸ao das ondas ´ a mesma em todas c˜ e as dire¸oes c˜ As ondas peri´dicas possuem alguns elementos b´sicos, que d) a velocidade de propaga¸ao das ondas depende da densio a c˜ s˜o: a dade da pedra o per´ ıodo P (ou T ), medido em s; e) a pedra afundou depois de atingir a ´gua. a o comprimento de onda λ, medido em m; a freq¨ˆncia f , medida em s−1 ou Hz (hertz); ue a amplitude y, medida em m; Exerc´ ıcios Complementares que podem ser verificados na figura abaixo.
Comprimento de Onda

Amplitude x

Figura 1.3: Elementos de uma onda senoidal.

4. As ondas eletromagn´ticas, como as ondas luminosas, e propagam-se independentemente do meio. No v´cuo, todas a as ondas eletromagn´ticas possuem: e a) a mesma amplitude b) a mesma freq¨ˆncia ue c) a mesma velocidade d) o mesmo comprimento de onda e) a mesma energia 5. Considere as afirma¸oes abaixo: c˜ I. As ondas luminosas s˜o constitu´ a ıdas pelas oscila¸oes de um c˜ campo el´trico e de um campo magn´tico. e e II. As ondas sonoras precisam de um meio material para se propagar III. As ondas eletromagn´ticas n˜o precisam de um meio mae a terial para se propagar. Quais delas s˜o corretas? a a) apenas I b) apenas I e II c) apenas I e III d) apenas II e III e) I, II e III

Rela¸˜o Matem´ticas ca a v = λf onde v ´ = velocidade de propaga¸ao da onda no meio e c˜ λ ´ o comprimento da onda e f ´ a freq¨ˆncia da onda. e ue

Pense um Pouco!

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

• Uma pessoa toca numa corda de um viol˜o uma nota e a vocˆ ouve o som. Identifique os v´rios tipos de ondas 6. A onda sonora ´ classificada como ........ pois a sua proe a e envolvidos no processo completo. Comente. paga¸ao ocorre somente em meio ........, que vibra com a onda c˜ deslocando-se na dire¸ao ......... ` sua dire¸ao de propaga¸ao. c˜ a c˜ c˜ • N´s enxergamos usando luz. Seria poss´ o ıvel se enxergar a) mecˆnica – material – paralela a com outro tipo de ondas como o som, por exemplo? Jusb) mecˆnica – gasoso – paralela a tifique. c) mecˆnica – s´lido – perpendicular a o d) eletromagn´tica – material – perpendicular e e) eletromagn´tica – material – paralela e

7. Um pescador observa que a ponta de sua canoa, parada num 1. A distˆncia entre o n´ de repouso da ´gua e a “crista”de lago, oscila cinco vezes em quatro segundos, num movimento a ıvel a sobe-e-desce. Ele conclui que a freq¨ˆncia das ondas ´: ue e uma onda, ´ chamada de: e 1 a) 1 4 s a) timbre b) 1, 25 m b) per´ ıodo c) 0, 80 s−1 c) amplitude d) 1, 25 Hz d) ressonˆncia a e) 20/s e) comprimento de onda 2. Ondas que oscilam na mesma dire¸ao em que se propagam c˜ s˜o chamadas de ondas: a a) transversais b) eletromagn´ticas e c) tensoriais

Ondas

Aula 3

Ondas – Aula 3

71

Ondas e Interferˆncia e
Quando duas ondas resolvem ocupar a mesma regi˜o do espa¸o a c d´-se o que chamamos de interferˆncia. O resultado da ina e terferˆncia entre duas ondas depende da diferen¸a de fase entre e c elas. Para se entender o efeito combinado de duas ou mais ondas se propagando no mesmo meio, e no mesmo instante, assumimos como v´lido o princ´ a ıpio de superposi¸˜o: ca “Os deslocamentos causados no meio pela presen¸a de duas c ou mais ondas s˜o somados, ou seja, superpostos, como se a cada onda continuasse se propagando como se as outras n˜o a existissem.” Ou seja, uma n˜o afeta as outras, mas o que observamos ´ o a e efeito conjunto de todas as ondas. Quando se tratarem de ondas unidimensionais, no caso simples, os deslocamentos do meio ser˜o somados algebricamente, a podendo-se obter interferˆncia destrutiva e construtiva. e

Figura 1.2: Interferˆncia destrutiva. e

poss´ ıvel a observa¸ao da interferˆncia construtiva e nem da c˜ e destrutiva, mas a onda resultante ´ resultado da interferˆncia e e geral entre as ondas, chamadas de componentes. Na figura a seguir, as duas ondas tˆm uma diferen¸a de fase e c gen´rica. A interferˆncia entre elas n˜o ´ totalmente conse e a e trutiva nem totalmente destrutiva. O resultado ´ uma onda e Interferˆncia Destrutiva e unica cuja amplitude tem qualquer valor entre zero e a soma ´ Na figura abaixo, vemos duas ondas, praticamente coinciden- das amplitudes das ondas, dependendo da diferen¸a de fase c tes. As duas tˆm a mesma amplitude, o mesmo comprimento entre elas. e e a mesma fase, ou seja, os pontos de deslocamento m´ximo a coincidem, e dizemos neste caso que a diferen¸a de fase entre c elas ´ zero. Ou seja, as ondas est˜o em fase. e a Nesse caso, a interferˆncia ´ chamada de construtiva, pois e e uma onda soma-se ` outra, refor¸ando-a, e o resultado ´ uma a c e unica onda cuja amplitude ´ a soma das duas amplitudes. ´ e

Figura 1.3: Interferˆncia geral. e

Difra¸˜o ca
Figura 1.1: Interferˆncia construtiva. e ´ E poss´ ıvel ouvir o som produzido por uma explos˜o que se a situa atr´s de um muro delimitador, mesmo que este tenha a grande espessura de tal forma que as ondas sonoras n˜o consia gam atravess´-lo. Da mesma forma, se algum membro da sua a fam´ que est´ trancado sozinho num dos quartos coloca uma ılia a m´ sica num volume bem alto num aparelho de som potente, u todos os outros ir˜o ouvi-la. a Deste modo, percebemos que o som (e todos os outros tipos de ondas) tem a capacidade de contornar obst´culos. A esta a habilidade definiu-se o nome de difra¸˜o, que ocorre devido ca ao fato do comprimento de onda dos sons variarem de alguns cent´ ımetros a v´rios metros, de forma que estas ondas a s˜o ”grandes”em compara¸ao com as aberturas e obst´culos a c˜ a freq¨ entemente encontrados na natureza. u Um crit´rio simples para saber se a difra¸ao ser´ observada e c˜ a numa onda, ao passar por um obst´culo ou abertura de tamaa nho D, ´ o de que o comprimento de onda λ usado seja da e ordem aproximada do tamanho D, ou seja: λ≈D

Interferˆncia Destrutiva e
Quando superpomos duas ondas, sendo que um deslocamento m´ximo positivo de uma corresponde com o deslocamento a m´ximo negativo da outra, os efeitos (amplitude resultante) a tendem a se cancelar. Na outra figura abaixo, as duas ondas tˆm uma diferen¸a de e c fase de “meia onda”. Isso faz com que um alto de uma delas coincida com um baixo da outra. Acontece, ent˜o, uma ina terferˆncia destrutiva entre elas. O resultado ´ que uma anula e e ¯ completamente o efeito da outra. Nessa regi˜o n˜o haver´ mais a a a onda nenhuma.

Caso Geral de Interferˆncia e
Em geral, podemos observar num mesmo meio a propaga¸ao c˜ de ondas de comprimentos e amplitudes diferentes, n˜o sendo a

72

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Quando partes de uma onda s˜o atrapalhadas pela presen¸a de a c obst´culos, sua propaga¸ao no meio considerado torna-se bem a c˜ mais complicada, fugindo ao que o bom senso esperaria. Isto pode ser exemplificado imaginando-se um tanque cheio d’´gua a com ondas planas se propagando em sua superf´ ıcie. Veja figura abaixo:

Figura 1.5: Difra¸ao de raio-X. c˜ Essa ´ a famosa lei de Bragg. e

Vocˆ Sabia? e
Natureza Ondulat´ria da Luz o Figura 1.4: Difra¸ao de ondas na agua. c˜ ´ O estudo da difra¸ao ´ importante nos dias de hoje para esc˜ e tudar a natureza de defeitos pontuais, intersticiais e mesmo a cristalinidade em materiais, possibilitando desta maneira estudar se um material ´ ou n˜o adequado ao emprego em pese a quisas, experimentos ou mesmo em ind´ strias. u O que ´ a luz? A luz ´ uma radia¸ao eletromagn´tica dual, e e c˜ e que se comporta, ora como onda, ora como mat´ria, e viaja ` e a cerca de 300.000 km/s no v´cuo. a Na verdade, as radia¸oes eletromagn´ticas cobrem uma exc˜ e tensa faixa de comprimentos de onda, desde os raios c´smicos, o com comprimentos de onda menores que 10−18 metros (attometros), at´ as VLF (ondas de r´dio de freq¨ˆncia muito e a ue baixa) com comprimento de milh˜es de quilˆmetros, da ordem o o de 101 2 metros (terametros). Dentro desta enorme faixa, apenas uma estreita janela comporta os comprimentos de onda que sensibilizam nossos olhos ´ a denominada luz vis´ e ıvel. Esta faixa vai desde o violeta (4 × 10−7 m) ao vermelho (7 × 10−7 m). Entre estes dois valores est˜o as cores do espectro vis´ a ıvel, onde operam os telesc´pios ´pticos, por exemplo. o o

Para Saber Mais!
Como vimos na se¸ao anterior, sempre que a diferen¸a de fase c˜ c entre duas ondas for zero, 1 comprimento de onda, 2 comprimentos de onda etc, as ondas interferem construtivamente e suas amplitudes se somam. Mas, se a diferen¸a de fase for c de meio comprimento de onda, trˆs meios comprimentos de e onda etc, elas interferem destrutivamente e suas amplitudes se subtraem. Imagine ent˜o que um feixe de raios-X incida sobre um cristal. a Como o espa¸amento entre os ´tomos do cristal tem um valor c a compr´vel com o comprimento de onda do raio-X, o feixe se a refletir´ nos planos dos ´tomos como em um espelho. Veja a a o se passa com dois raios que incidem em planos vizinhos. Os m´ximos (”altos”) de cada onda s˜o assinalado com uns a a tracinhos.Um dos raios, incide no plano de baixo e percorre uma distˆncia um pouco maior que o outro. A diferen¸a entre a c os dois caminhos ´ mostrada. Nesse desenho, essa diferen¸a e c ´ exatamente um comprimento de onda. Portanto, os raios e refletidos (ou ”difratados”, no caso) saem em fase e ter˜o ina ´ terferˆncia construtiva. E claro que isso s´ acontece para um e o a ˆngulo de incidˆncia bem determinado. e Se vocˆ sabe um pouco de trigonometria pode ver, na figura, e que a diferen¸a de caminhos ´ 2dsen θ, onde ´ o ˆngulo entre c e e a a dire¸ao dos raios-X e o plano de ´tomos do cristal. c˜ a A interferˆncia ser´ construtiva e, portanto, haver´ um feixe e a a difratado apenas no caso em que essa diferen¸a de caminhos c for um n´ mero inteiro de comprimentos de onda do raio-X. u Isto ´, se e 2dsen(θ) = nλ com n ∈ N, haver´ um feixe difratado. a

Figura 1.6: Espectro eletromagn´tico. e O tamanho reduzido da “janela vis´ ıvel”nos mostra a importˆncia dos instrumentos sens´ a ıveis a outros comprimentos de onda. Radiotelesc´pios operando na faixa das microono das conseguiram mapear a nossa gal´xia, enquanto telesc´pios a o sens´ ıveis a raios X est˜o em ´rbita localizando quasares. a o ´ E interessante observar que o Sol irradia ondas eletromagn´ticas em todos os comprimentos de onda, por´m o e e m´ximo de energia emitida (cor amarela) est´ justamente dena a tro da pequena faixa do nosso espectro vis´ ıvel. Os cientistas acreditam que a vis˜o tenha evolu´ durante milh˜es de anos a ıdo o de adapta¸oes e otimiza¸oes, deslocando a nossa capacidade vic˜ c˜ sual em dire¸ao ao ponto ´timo, pr´ximo ao pico de radia¸ao c˜ o o c˜ solar, correspondente ` cor do amarelo. a Alguns animais, como o gato e outros predadores de vida noturna, podem perceber visualmente radia¸ao infra-vermelhas, c˜ as chamadas radia¸oes t´rmicas, e localizam mam´ c˜ e ıferos (de

Ondas – Aula 4 sangue quente) enxergando-os no escuro, j´ que emitem ondas [10 cm, 70 cm] a t´rmicas, que para n´s s˜o invis´ e o a ıveis. e) n. d. a.

73

6. Um motor el´trico desbalanceado gira a 1.800 rpm e proe voca um ru´ grave e cont´ ıdo ınuo, que ´ amplificado pelo mesa e Pense um Pouco! onde est´ fixo e pode ser ouvido claramente. Pode-se afirmar a que: • Quando uma banda de rock toca, observa-se o fenˆmeno o a) a freq¨ˆncia do ru´ ´ cerca de 30 Hz ue ıdo e da interferˆncia? Explique. e b) o motor est´ com os rolamentos gastos a a e • Se a luz difratasse em qualquer condi¸ao, quais fenˆmenos c) a mesa n˜o ´ de boa qualidade c˜ o d) ´ melhor desligar o motor e chamar a CELESC e do nosso cotidiano seriam alterados? e) a mesa come¸ar´ a “andar”por trepida¸ao c a c˜ • Porque n˜o conseguimos sintonizar as r´dios FM atr´s de a a a morros, e as r´dios AM sim? Determine o comprimento de a onda t´ ıpico de cada uma dessas faixas de r´dio, compare a e explique.

Ondas
Som

Aula 4

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Observa-se a interferˆncia de duas ondas quando: e a) elas possuem a mesma freq¨ˆncia ue b) elas possuem a mesma amplitude c) elas se propagam em sentidos opostos d) elas s˜o transversais a e) elas se propagam no mesmo meio e no mesmo instante

Fontes Sonoras

Em geral, ao estudo da produ¸ao (fontes sonoras), propaga¸ao c˜ c˜ e fenˆmenos correlatos sofridos pela onda mecˆnica sonora ou o a aud´ ıvel, denomina-se Ac´ stica, denominaremos por som ` toda u a onda mecˆnica sonora (intensidade suficiente e freq¨ˆncia lia ue 2. S˜o fenˆmenos ondulat´rios comuns ` qualquer tipo de mitada num certo intervalo). a o o a onda: a) interferˆncia – aniquila¸ao – transporte e c˜ Som Aud´ ıvel b) difra¸ao – amortecimento – in´rcia c˜ e Se a freq¨ˆncia da onda sonora pertence ao intervalo de, 16 Hz ue c) interferˆncia – difra¸ao – reflex˜o e c˜ a a 20 kHz, esse som ´ aud´ para o ser humano. e ıvel d) refra¸ao – dispers˜o – simetria c˜ a e) energia – momento – ressonˆncia a 3. Um apito produz um som de freq¨ˆncia igual a 1.360 Hz ue no ar, onde as ondas se propagam com velocidade de 340 m/s. Ent˜o, o comprimento das ondas geradas ´: a e a) 4 m b) 25 m c) 40 cm d) 25 cm e) 0, 25 km

Exerc´ ıcios Complementares
4. O ouvido humano normal pode perceber sons de freq¨ˆncia ue no intervalo de 20 Hz a 20 kHz – a chamada faixa aud´ ıvel. Assinale a unica alternativa correta: ´ a) pode-se em geral ouvir sons de 25.000 Hz b) o som ´ uma onda mecˆnica longitudinal e a c) o som ´ uma onda longitudinal e d) o som ´ uma onda eletromagn´tica e e e) todo som na faixa aud´ se propaga no v´cuo ıvel a

Ultra-som e Infra-som
Ondas longitudinais de freq¨ˆncias superiores a 20 kHz, caracue terizam sons inaud´ ıveis para n´s e denominam-se ultra-sons. o Aquelas de freq¨ˆncias inferiores a 16 Hz, tamb´m inaud´ ue e ıveis, s˜o ditas infra-sons. a

Velocidade de Propaga¸˜o do Som ca

O som possui velocidades de propaga¸ao definidas para cada c˜ meio de propaga¸ao, podendo este ser o ar, ´gua, metais entre c˜ a 5. Numa corda propagam-se dois pulsos de amplitudes igual a outros, a velocidade de propaga¸ao do som no ar nas condi¸oes c˜ c˜ 30 cm e 40 cm, um em dire¸ao ao outro. No instante em que c˜ normais de temperatura e press˜o ´ a mais conhecida de todas: a e eles se superp˜em, pode-se dizer que: o a) ocorrer´ interferˆncia destrutiva a e vsom = 343 m/s = 1234 km/h b) a amplitude observada ser´ 70 cm a c) ocorrer´ interferˆncia destrutiva a e A velocidade do som foi ultrapassada por um avi˜o h´ muia a d) a amplitude resultante dever´ estar no intervalo tos anos atr´s, quando quebrou-se a chamada “barreira do a a

74

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

som”pela primeira vez. Mas, somente em outubro de 1997, ela foi ultrapassada por um autom´vel. o Vejamos a velocidade do som em alguns meios materiais: Meio ar hidrogˆnio e oxigˆnio e a ´gua pura chumbo alum´ ınio cobre ferro granito borracha Temperatura (◦ C) 0 0 0 15 20 20 20 20 0 0 Velocidade (m/s) 331,4 1.286 317,2 1.450 1.230 5.100 3.560 5.130 6.000 54

Exerc´ ıcios Complementares
4. O ditado popular de que “as paredes tem ouvidos”est´ rea lacionado diretamente com o fenˆmeno ondulat´rio chamado: o o a) ressonˆncia a b) reflex˜o a c) difra¸ao c˜ d) absor¸ao c˜ e) n. d. a. 5. Uma onda sonora no ar possui um comprimento de onda de 1/2 m e velocidade de 330 m/s. Ao passar para um meio onde sua velocidade triplica, qual o seu novo comprimento de onda? a) 2/3 m b) 3/2 m c) 1/2 m d) 1/6 m e) n. d. a.

Pense um Pouco!

• Porque n˜o escutamos o som que os morcegos emitem para a 6. Uma certa esp´cie de morcego utiliza ultra-sons de e “enxergar”? 33.000 Hz para localizar insetos e se orientar no seu vˆo noo turno. Sendo a velocidade do som no ar igual a 330 m/s, • Porque os ´ ındios norte-americanos colocavam o ouvido no pode-se afirmar que: ch˜o? a a) ele usa ondas com 0, 1 m de comprimento b) ele usa ondas com 0, 1 cm de comprimento • Ao observarmos um pedreiro de longe, martelando algo, c) ele usa ondas com 100 mm de comprimento percebemos que sua imagem n˜o est´ sincronizada com os d) ele usa ondas com 1, 0 cm de comprimento a a sons que ele produz (com as marteladas). Por quˆ? e e) n. d. a.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Ao observar uma grande explos˜o em uma pedreira, de a longe, uma pessoa percebe, nessa ordem: a) a luz - o ru´ - as oscila¸oes do ch˜o ıdo c˜ a b) o ru´ - a luz - as oscila¸oes do ch˜o ıdo c˜ a c) as oscila¸oes do ch˜o - o ru´ - a luz c˜ a ıdo d) as oscila¸oes do ch˜o - a luz - o ru´ c˜ a ıdo e) a luz - as oscila¸oes do ch˜o - o ru´ c˜ a ıdo 2. Um m´todo antigo de se determinar a profundidade de e um po¸o fundo e escuro ´ soltar-se uma pedra na sua boca, c e disparar-se um rel´gio (ou cronˆmetro) e medir-se o intervalo o o de tempo at´ que se ou¸a o barulho. Sendo vsom a velocidade e c do som no ar, h a profundidade do po¸o e g a acelera¸ao da c c˜ gravidade, o intervalo de tempo medido no rel´gio ser´: o a a) ∆t = 2h/vsom √ b) ∆t = 2gh + h/vsom c) ∆t = 2h/g + h/vsom d) ∆t = 2h/g e) n. d. a.

Ondas
Efeito Doppler
Qualidades Fisiol´gicas do Som o

Aula 5

A todo instante distinguimos os mais diferentes sons. Essa diferen¸as que nossos ouvidos percebem se devem `s qualidades c a fisiol´gicas do som: altura, intensidade e timbre. o Altura

Mesmo sem conhecer m´ sica, ´ f´cil distinguir o som agudo (ou u e a fino) de um violino, do som grave (ou grosso) de um violoncelo. Essa qualidade que permite distinguir um som grave de um som agudo se chama altura. Assim, costuma-se dizer que o som do violino ´ alto e o do violoncelo ´ baixo. e e A altura de um som depende da freq¨ˆncia, isto ´, do n´ mero ue e u de vibra¸oes por segundo. Quanto maior a freq¨ˆncia mais c˜ ue 3. Um m´todo popular para determinar-se a que distˆncia e a e x, em kilˆmetros, caiu um raio ´, observar-se o relˆmpago e agudo ´ o som e vice-versa. o e a ue medir-se o tempo t em segundos, que temos de esperar para Por sua vez, a freq¨ˆncia depende do comprimento do corpo que vibra e de sua elasticidade. Quanto maior a tens˜o a ouvimos o estrondo. Pode-se afirmar que: (tra¸ao) e mais curta for uma corda de viol˜o, por exemplo, c˜ a a) x ≈ t/2 mais agudo vai ser´ o som por ela emitido. a b) x ≈ t/3 Vocˆ pode constatar tamb´m a diferen¸a de freq¨ˆncias usando e e c ue c) x ≈ t/4 um pente que tenha dentes finos e grossos. Passando os dentes d) x ≈ t/5 do pente na bosta de um cart˜o vocˆ ouvir´ dois tipos de som a e a e) n. d. a.

Ondas – Aula 5 emitidos pelo cart˜o: o som agudo, produzido pelos dentes fia nos (maior freq¨ˆncia), e o som grave, produzido pelos dentes ue mais grossos (menor freq¨ˆncia). ue Intensidade ´ E a qualidade que permite distinguir um som forte (intenso) de um som fraco (suave). A intensidade depende da amplitude de vibra¸ao: quanto maior a amplitude mais forte ´ o som e c˜ e vice-versa. Quanto mais energia pudermos captar de uma onda sonora, com mais intensidade ela ser´ percebida. Por exemplo, a quando o m´dico vai ouvir o cora¸ao de um paciente, ele precisa e c˜ concentrar mais energia para aumentar a intensidade do som a ser ouvido, e por isso ele usa aquele famoso aparelho que capta e canaliza o som direto para o seu ouvido. Na pr´tica n˜o interessa aos nossos ouvidos diretamente a ina a tensidade intensidade de uma onda sonora, mas sim o n´ ıvel sonoro, uma grandeza relacionada ` intensidade sonora e ` a a forma como o nosso ouvido reage a essa intensidade. Essas unidades s˜o o bel e o seu subm´ ltiplo o decibel (dB), que vale a u 1 d´cimo do bel. e O ouvido humano ´ capaz de suportar sons de at´ 120 dB, e e como num show de rock, por exemplo. O ru´ produzido por ıdo um motor de avi˜o ` jato a poucos metros do observador proa a duz um som de cerca de 140 dB, e ´ capaz de causar est´ e ımulos dolorosos ao ouvido humano. A agita¸ao das grandes cidades provocam a chamada polui¸ao c˜ c˜ sonora composta dos mais variados ru´ ıdos: motores e buzinas de autom´veis, martelos de ar comprimido, r´dios, televisores o a e etc. J´ foi comprovado que uma exposi¸ao prolongada a a c˜ n´ ıveis maiores que 80 dB pode causar dano permanente ao ouvido. A intensidade de uma onda sonora diminui ` medida que o a som se propaga ou seja, quanto mais distante da fonte, menos intenso ´ o som. e Timbre Imagine a seguinte situa¸ao: um ouvinte que n˜o entende de c˜ a m´ sica est´ numa sala, ao lado da qual existe outra sala onde u a se encontram um piano e um violino. Se uma pessoa tocar a nota d´ no piano e logo a seguir outra pessoa tocar a mesma o nota d´ no violino, ambas com a mesma “for¸a”, os dois sons o c ter˜o a mesma altura (freq¨ˆncia) e a mesma intensidade. a ue Mesmo sem ver os instrumentos, o ouvinte da outra sala saber´ distinguir facilmente um som de outro, porque cada insa trumento tem seu som caracterizado, ou seja, seu timbre. Podemos afirmar, portanto, que timbre ´ a qualidade que nos e permite perceber a diferen¸a entre dois sons de mesma altura c e intensidade produzidos por fontes sonoras diferentes.

75

Fonte Sonora em repouso

Observador em repouso

Figura 1.1: Fonte e observador em repouso: n˜o h´ efeito Dopa a pler. onda, e possui o nome do cientista austr´ ıaco Christian Doppler (1803-1853) que o descobriu. Ele descobriu que a freq¨ˆncia ue com que uma onda ´ percebida depende tamb´m do movimento e e relativo da fonte sonora e do observador, o que pode ocasionar uma mudan¸a significativa entre a freq¨ˆncia emitida e a perc ue cebida por um detector ou pessoa. Por exemplo, numa corrida de f´rmula I, quando um carro passa por n´s, percebe-se clarao o mente que o som passa de agudo (carro se aproximando de n´s) o a ` grave (se afastando de n´s). Qualquer crian¸a sabe disso, e o c quando brinca de carrinho imita o famoso som da f´rmula I: o “uu´ooommmm”. Eis o efeito Doppler! o´´´ Observador em Movimento Suponha que uma fonte estacion´ria est´ gerando ondas soa a noras com freq¨ˆncia f0 = 240Hz e comprimento de onda ue v a a λ0 = f0 . Um observador estacion´rio a uma certa distˆncia da fonte ouvir´ um som com freq¨ˆncia f0 = 240 Hz, e 240 vea ue zes por segundo seu t´ ımpano ser´ empurrado e puxado, para a dentro e para fora, ` medida que os m´ximos e m´ a a ınimos da press˜o alcan¸am o ouvido. O per´ a c ıodo de tempo entre dois 1 m´ximos consecutivos ´ T = f1 = 240 s. a e 0 Suponha que o observador suba em uma motocicleta e dirija no sentido oposto ao da fonte. Suponha que no tempo t1 um m´ximo de press˜o alcan¸a o seu ouvido na posi¸ao x. O a a c c˜ pr´ximo m´ximo estar´ na posi¸ao x no tempo t1 + T . Mas, o o a a c˜ ouvido n˜o estar´ mais nesta posi¸ao. O observador se moveu. a a c˜ O m´ximo tem que percorrer uma distˆncia extra antes de a a alcan¸ar o ouvido. Esta distˆncia extra toma um tempo exc a tra ∆t. O intervalo de tempo entre m´ximos sucessivos que a alcan¸a o ouvido do observador ´ agora T + ∆t. c e O per´ ıodo aumentou, a freq¨ˆncia aparente da onda diminui. ue Este ´ um exemplo do efeito Doppler. Se o observador estiver e dirigindo no sentido da fonte, o intervalo de tempo entre os m´ximos alcan¸ando o ouvido ser´ mais curto que T. Suponha a c a que no tempo t1 um m´ximo de press˜o alcance o ouvido na a a posi¸ao x. O pr´ximo m´ximo chegar´ na posi¸ao x no tempo c˜ o a a c˜ t1 + T . Mas, ele chegar´ ao ouvido antes de ele alcan¸ar a a c posi¸ao x, j´ que o observador se move no sentido da fonte. c˜ a A freq¨ˆncia aparente do som que alcan¸a o observador ´ ue c e

Efeito Doppler

Na figura abaixo os an´is simbolizam os m´ximos da onda e a sonora. O intervalo de tempo entre as emiss˜es sucessivas ´ T , o e o per´ ıodo da onda. Quanto maior o c´ ırculo, mais tempo faz que a emiss˜o foi feita. Todos os c´ a ırculos expandem com a mesma v + v0 velocidade. Se um observador estiver estacion´rio, ent˜o o a a f = f0 v intervalo de tempo entre a chegada dos c´ ırculos sucessivos ao ouvido ´ T . e onde v ´ a velocidade do som, e v0 ´ a componente da veloe e c˜ e O efeito Doppler ´ um fenˆmeno observado com todo o tipo de cidade do observador na dire¸ao da fonte (v0 ´ negativo se o e o

76

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

observador estiver se movendo para longe da fonte). Normalmente n˜o observamos o efeito Doppler quando nos a movemos a p´, j´ que a velocidade do som ´ muito maior e a e do que a nossa. Mas, movendo-se em uma motocicleta a 90 km/h = 25 m/s na dire¸ao de uma fonte, temos que c˜ f = f0 340 + 25 = 1, 07 · f0 340

Fonte Sonora se afastando do observador

Movendo-se para longe da fonte d´ a f = f0 340 − 25 = 0, 93 · f0 340
Observador em repouso

Quando passa pela fonte, o motoqueiro observa ent˜o uma va- Figura 1.3: Fonte se afastando do observador em repouso: f < a ria¸ao de freq¨ˆncia da ordem de 0, 14 · f0 , ou seja, de 14%, f0 . c˜ ue uma varia¸ao razo´vel e bem percept´ c˜ a ıvel. S´ para compara¸ao, o c˜ as teclas vizinhas de um piano geram sons com aproximadamente 6% de diferen¸a na freq¨ˆncia – os chamados intervalos Pense um Pouco! c ue de semi-tom. Um tom completo sendo ent˜o de cerca de 12%, a • O que um bom violonista faz para produzir sons de difepor exemplo, a distˆncia de d´ at´ r´. a o e e rentes intensidades, timbres e alturas? Fonte em Movimento A freq¨ˆncia observada de uma onda sonora tamb´m varia se ue e o observador estiver se movendo. A freq¨ˆncia aparente neste caso ´ dada por ue e f = f0 v v − vs • Se as ondas sonoras se propagam no ar, ent˜o o vento a pode carreg´-las e distorcˆ-las? Explique. a e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

1. Um trem apita com freq¨ˆncia de 400 Hz. Vocˆ ´ um obserue ee vador estacion´rio e ouve o apito, mas o ouve com freq¨ˆncia a ue onde vs ´ a componente da velocidade da fonte na dire¸ao do e c˜ de 440 Hz. observador (vs ´ negativo se a fonte se mover para longe do e a) Qual ´ a velocidade do trem? e observador). b) Ele se aproxima ou se afasta de vocˆ? e Nesta figura a fonte est´ se movendo para o observador. O c) Qual a varia¸ao percentual no comprimento de onda que a c˜ centro de cada c´ ırculo est´ na posi¸ao da fonte no momento vocˆ percebe, em rela¸ao ao som emitido pelo trem? a c˜ e c˜ em que ela emite o m´ximo. Como a fonte est´ se movendo a a para a direita, o centro dos c´ ırculos sucessivos move-se para 2. O efeito Doppler est´ relacionado com: a a direita. Se o observador estiver parado, ent˜o o intervalo a) a intensidade do som a de tempo entre a chegada dos c´ ırculos sucessivos ao ouvido ´ b) a altera¸ao da freq¨ˆncia do som e c˜ ue menor do que T , e portanto, ele percebe f > f0 . c) o n´ sonoro ıvel d) o timbre do som e) n. d. a.
Fonte Sonora se aproximando do observador

3. Um apito para c˜es emitem um som de 25 kHz, e ´ a e inaud´ para n´s, pois s´ percebemos sons de at´ 20 kHz. ıvel o o e a) Seria poss´ testar se um tal apito est´ funcionando, utiıvel a lizando o efeito Doppler? Explique. b) Fa¸a os c´lculos necess´rios e verifique se isto ´ c a a e vi´vel/poss´ a ıvel.

Observador em repouso

Exerc´ ıcios Complementares
4. Se dois carros andam numa auto estrada reta, com a mesma velocidade, um logo atr´s do outro por um certo tempo, e o a de tr´s aciona a buzina freq¨ˆncia f0 , podemos afirmar que, o a ue motorista do carro da frente: a) escuta um som mais agudo ainda b) escuta um som mais grave ainda c) ambos escutam a mesma freq¨ˆncia f0 ue d) ningu´m escuta nada e e) n. d. a.

Figura 1.2: Fonte se aproximando do observador em repouso: f > f0 . Nesta figura a fonte est´ movendo-se para longe do observaa dor. Como a fonte move-se para a esquerda, o centro dos c´ ırculos sucessivos move-se para a esquerda. Se o observador est´ estacion´rio, ent˜o o intervalo de tempo ente a chegada a a a dos c´ ırculos sucessivos ´ maior do que T , ou seja, f <0 . e

Ondas – Aula 5 5. Uma avi˜o se move com velocidade igual a 1/4 da velocia dade do som, passando numa demonstra¸ao sobre uma cidade c˜ num vˆo rasante. Um observador parado no ch˜o perceber´, o a a na freq¨ˆncia dos sons emitidos pelo avi˜o que se aproxima: ue a a) Um aumento de cerca de 25% b) Uma redu¸ao de cerca de 25% c˜ c) Um aumento de cerca de 33% d) Uma redu¸ao de cerca de 33% c˜ e) n. d. a. 6. Um avi˜o militar desgovernado, voa em dire¸ao a um paa c˜ red˜o vertical de pedra que est´ ` sua frente, em rota de colis˜o a aa a frontal. O piloto percebe que o som emitido pelo avi˜o e rea fletido no rochedo tem a sua freq¨ˆncia aumentada em 50%. ue Qual a velocidade do avi˜o? a a) 1/2 da velocidade do som no ar b) 1/3 da velocidade do som no ar c) 1/4 da velocidade do som no ar d) 1/5 da velocidade do som no ar e) n. d. a.

77

78

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

ˆ Termodinamica – Aula 1

79 corresponde a um valor de temperatura. A parede da haste ´ e graduada convenientemente, para indicar a temperatura correspondente a cada comprimento da coluna de merc´ rio. u As escalas termom´tricas mais importantes s˜o a C´lsius, a e a e Fahrenheit e a Kelvin, e s˜o atribu´ a ıdos aos pontos fixos (ponto de fus˜o PF e ponto de ebuli¸ao da ´gua PE ), os valores abaixo: a c˜ a

Termodinˆmica a
Termodinˆmica a

Aula 1

A Termodinˆmica ´ a parte da F´ a e ısica Cl´ssica que estuda os a sistemas t´rmicos, os processos de transforma¸oes f´ e c˜ ısicas que ocorrem em tais sistemas, bem como as trocas de energia, calor e o trabalho mecˆnico. a

Ebulicao da Agua Fusao do Gelo TF

212 F

o

100 oC

373 K

Temperatura
Temperatura e calor s˜o grandezas b´sicas no estudo da tera a mof´ ısica e tanto a sua compreens˜o como a sua perfeita disa tin¸ao s˜o de importˆncia vital para o entendimento de toda a c˜ a a termof´ ısica. De maneira simplificada pode-se definir que temperatura como uma grandeza que permite avaliar o n´ ıvel de agita¸ao das mol´culas de um corpo. De acordo com a teoc˜ e ria cin´tica dos gases, as mol´culas de um g´s movem-se livre e e a e desordenadamente em seu interior, separadas umas das outras, e apenas interagindo entre si durante colis˜es eventuais. o A medida que se aquece o g´s, a velocidade com que suas a mol´culas se movem aumenta, caracterizando um aumento na e energia cin´tica dessas mol´culas, da mesma forma um resfriae e mento do g´s provoca a diminui¸ao da velocidade e da energia a c˜ cin´tica de suas mol´culas. Como a velocidade e conseq¨ ene e u temente a energia cin´tica de cada ´tomo que constitui uma e a mol´cula n˜o ´ a mesma, o estado t´rmico de um corpo ´ avalie a e e e ado pela energia cin´tica m´dia de seus ´tomos: quanto maior e e a for a energia cin´tica m´dia das part´ e e ıculas que comp˜em um o corpo, maior ser´ a sua temperatura. a

32 F TC

o

0 C T

o

273 K

Zero Absoluto

−459 F

o

−273 C

o

0K

Fahrenheit

Celsius

Kelvin

Figura 1.1: Os pontos de referˆncia nas diferentes escalas. e

Convers˜o de Temperaturas a
Embora usualmente se empregue o grau c´lsius (◦ C) como unie dade pr´tica de temperatura, a convers˜o entre escalas ´ muito a a e importante, pois o kelvin ´ a unidade de temperatura do SI, e o e grau Fahrenheit (◦ F ) ainda ´ bastante utilizado em livros e file mes de l´ ıngua inglesa. A rela¸ao entre as escalas termom´tricas c˜ e pode ser obtida facilmente atrav´s de propor¸oes matem´ticas. e c˜ a Imagine-se trˆs termˆmetros de constru¸ao idˆntica, cada um e o c˜ e graduado em uma das escalas (C´lsius , Fahrenheit e Kelvin), e em equil´ ıbrio t´rmico com um mesmo corpo. Obviamente, os e trˆs termˆmetros estar˜o indicando o mesmo estado t´rmico e, e o a e portanto, apresentar˜o as colunas de merc´ rio no mesmo n´ a u ıvel. Observando-se os pontos fixos j´ definidos para cada escala, e a chamando de TC ,TF e T , as temperaturas do corpo nas escalas C´lsius, Fahrenheit e Kelvin, respectivamente, podem-se e estabelecer as propor¸oes: c˜ TF − 32 ◦ F T − 273 K TC − 0 ◦ C = = 100 ◦ C − 0 ◦ C 212 ◦ F − 32 ◦ F 373 K − 273 K logo: TC TF − 32 ◦ F T − 273 K = = 5 ◦C 9 ◦F 5K Observe que ambas as escalas C´lsius e Kelvin s˜o cent´ e a ıgradas, pois o intervalo e calibra¸ao (do ponto de fus˜o do gelo ao de c˜ a ebuli¸ao da ´gua) ´ dividido em 100 graus, ou 100 partes. Na c˜ a e escala Fahrenheit, este intervalo ´ subdividido em 180 partes e (graus frahrenheit).

Calor
Colocando dois corpos de temperaturas diferentes em contato t´rmico, observamos o mais quente esfriar e o mais frio ese quentar. O corpo mais quente perde calor e o corpo mais frio ganha calor. Os corpo trocar˜o calor at´ a atingirem a mesma a e temperatura, neste caso estar˜o em equil´brio t´rmico. Essa ´ a ı e e a chamada lei zero da Termodinˆmica. a Portanto o calor ´ a energia em trˆnsito do corpo mais quente e a para o corpo mais frio por causa da diferen¸a de temperatura c dos corpos em contato t´rmico. Ent˜o, a unidade de medida e a de calor ´ a mesma unidade de energia. e No Sistema Internacional, a unidade de energia ´ o joule ou J, e e na Qu´ ımica se usa a caloria ou cal. A equivalˆncia entre as e unidades ´: e 1 cal = 4, 186 J

Escalas Termom´tricas e
Dentre os diversos tipos, estudaremos as escalas termom´tricas e a partir do termˆmetro de merc´ rio, o mais simples e comum. o u ´ E constitu´ de uma haste oca de vidro, ligada a um bulbo ıdo contendo merc´ rio. Ao ser colocado em contato com um corpo u ou ambiente cuja temperatura se quer medir, o merc´ rio se diu lata ou contrai, de forma que cada comprimento de sua coluna

80

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Intervalos de Temperatura
Converter temperaturas de uma escala para a outra n˜o ´ o a e mesmo que converter intervalos de temperatura entre as escalas. Exemplo, um intervalo de temperatura de 10 ◦ C corresponde, na escala absoluta (ou Kelvin) a um intervalo de 10 K, e na escala Fahrenheit, o intervalo correspondente ser´ a de 18 ◦ F , pois para cada grau c´lsius, temos 1,8 grau fahree nheit. A menor temperatura que existe na natureza ´ o chamado e zero absoluto ou seja, 0 K. Por isso a escala Kelvin ´ dita e absoluta. Nas outras escalas, os zeros foram escolhidos arbitrariamente, n˜o levando em conta a possibilidade de haver a uma menor temperatura poss´ ıvel na natureza, o que s´ foi o descoberto depois da cria¸ao das primeiras escalas t´rmicas. c˜ e

afirmar que a unica temperatura que esse termˆmetro assinala ´ o corretamente, em graus C´lsius ´: e e a) 12 b) 49 c) 75 d) 25 e) 64 5. (CENTET-BA) Num termˆmetro de escala X, 20 ◦ X coro respondem a 25 ◦ C, da escala C´lsius, e 40 ◦ X correspondem e a 122 ◦ F , na escala Fahrenheit. Esse termˆmetro apresentar´, o a para a fus˜o do gelo e a ebuli¸ao da ´gua, os respectivos valoa c˜ a res, em ◦ X: a) 0 e 60 b) 0 e 80 c) 20 e 60 d) 20 e 80 e) 60 e 80

Pense um Pouco!
• Qual a temperatura normal do corpo humano, em ◦ F ?

6. (PUC) Uma revista cient´ ıfica publicou certa vez um artigo sobre o planeta Plut˜o que, entre outras informa¸oes, dizia a c˜ • A temperatura ideal da cerveja ´ em torno de 4 C, antes “...sua temperatura atinge −380 ◦ ...”. Embora o autor n˜o e a de beber. Se dispomos apenas de um termˆmetro com es- especificasse a escala termom´trica utilizada, certamente se o e cala Kelvin, qual a temperatura absoluta correspondente refere ` escala: a ao mesmo estado t´rmico da cerveja ideal? e a) Kelvin b) C´lsius e c) Fahrenheit Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca d) Kelvin ou C´lsius e e) Fahrenheit ou C´lsius e 1. Ao tomar a temperatura de um paciente, um m´dico s´ e o dispunha de um termˆmetro graduado na escala Fahrenheit. o Se o paciente estava com febre de 42 ◦ C, a leitura feita pelo m´dico no termˆmetro por ele utilizado foi de : e o a) 104 ◦ F b) 107, 6 ◦ F c) 72 ◦ F d) 40 ◦ F e) 106, 2 ◦ F

Termodinˆmica a
Dilata¸˜o T´rmica ca e

Aula 2

2. (URCAMP-SP) No interior de um forno, um termˆmetro o C´lsius marca 120◦C. Um termˆmetro Fahrenheit e um Kelvin e o marcariam na mesma situa¸ao, respectivamente: c˜ a) 248 ◦ F e 393 K b) 198 ◦ F e 153 K c) 298 ◦ F e 153 K d) 393 ◦ F e 298 K e) nenhuma resposta ´ correta e 3. (ACAFE) Uma determinada quantidade de ´gua est´ a a a uma temperatura de 55 ◦ C. Essa temperatura corresponde a: a) 55 ◦ F b) 328 ◦ F c) 459 ◦ K d) 131 ◦ F e) 383 ◦ K

Quando aquecemos um s´lido, geralmente suas dimens˜es auo o mentam. Quando esfriamos, geralmente suas dimens˜es dimio nuem. A esse aumento e a essa diminui¸ao de dimens˜es de um c˜ o s´lido, devido ao aquecimento ou ao resfriamento, chamamos o de dilata¸ao t´rmica. c˜ e Para os s´lidos, temos trˆs tipos de dilata¸ao: o e c˜ • Dilata¸ao linear (ou unidimensional) c˜ • Dilata¸ao superficial (ou bidimensional) c˜ • Dilata¸ao volum´trica (ou tridimensional) c˜ e

Dilata¸˜o Linear ca

Para observarmos a dilata¸ao de um s´lido, imaginemos uma c˜ o barra de comprimento inicial L0 na temperatura inicial T0 , que passa a ter o comprimento final L quando aquecida a tempe4. (UEL) Um termˆmetro foi graduado, em graus C´lsius, ratura final T , sofrendo um aumento de comprimento: o e incorretamente. Ele assinala 1 ◦ C para o gelo em fus˜o e a ∆L = L − L0 97 ◦ C para a ´gua em ebuli¸ao, sob press˜o normal. Pode-se a c˜ a

Exerc´ ıcios Complementares

ˆ Termodinamica – Aula 2

81 do l´ ıquido, o que n˜o tem significado. Neste caso estuda-se a apenas a dilata¸ao c´ bica. c˜ u Para tanto, usamos a mesma rela¸ao definida para os s´lidos, c˜ o j´ que a lei ´ a mesma para ambos: a e
∆L

L0 T0 L T > T0

V = V0 (1 + γ∆T )

Os l´ ıquidos s´ podem ser estudados dentro de recipientes o ´ o ıvel c˜ ıquidos sem Verifica-se experimentalmente que ∆L ´ proporcional ao com- s´lidos. E pois, imposs´ estudar dilata¸ao dos l´ e considerar a dilata¸ao dos recipientes que os cont´m. Isso imc˜ e primento inicial L0 e a varia¸ao de temperatura ∆T , podendo c˜ plica dois tipos de dilata¸ao para um l´ c˜ ıquido; uma dilata¸ao c˜ se expressar essa rela¸ao por: c˜ real, que depende apenas do l´ ıquido, e a outra aparente, que ∆L = αL0 ∆T leva em conta a dilata¸ao do frasco que o cont´m. c˜ e Assim consideremos um recipiente totalmente cheio de um em que α ´ um coeficiente de proporcionalidade caracter´ e ıstico l´ ıquido, numa temperatura inicial T0 . Ao levarmos o condo material que constitui a barra, chamado de coeficiente dijunto (l´ ıquido mais frasco) para uma temperatura final T , com lata¸ao linear. c˜ T > T0 , notamos que ocorre um extravasamento parcial do Assim, o comprimento final da barra ser´ a l´ ıquido. O volume extravasado fornece a dilata¸ao aparente c˜ ∆Vap. do l´ ıquido, pois como o frasco tamb´m dilatou, o voe L = L0 + ∆L = L0 (1 + α∆T ) lume que esta no interior do frasco no final ´ maior que no e in´ ıcio. Portanto a dilata¸ao real do l´ c˜ ıquido ´ a soma da sua e Dilata¸˜o Superficial e Volum´trica ca e dilata¸ao aparente e a do frasco: c˜ Para essas dilata¸oes, valem considera¸oes an´logas `s vistas c˜ c˜ a a na dilata¸ao linear, ou seja: c˜ ∆A = βA0 ∆T e ∆V = γV0 ∆T onde β ´ o coeficiente de dilata¸ao superficial e γ ´ o coeficiente e c˜ e de dilata¸ao volum´trica. c˜ e
∆L L0 antes de aquecer A0=L0 e depois
2 2

∆Vreal = ∆Vaparente + ∆Vf rasco como ∆V = V0 γ∆T ent˜o a V0 γr ∆T = V0 γa ∆T + V0 γf ∆T logo γr = γa + γf Ent˜o, devemos observar que a dilata¸ao do l´ a c˜ ıquido compensou a dilata¸ao do frasco e ainda nos forneceu a dilata¸ao aparente. c˜ c˜ ´ Dilata¸˜o Anˆmala da Agua ca o

A ´gua possui um comportamento anˆmalo em sua dilata¸ao. a o c˜ A 4 ◦ C o volume da ´gua ´ m´ a e ınimo e a sua densidade ´ e A = L = A + ∆A 2 2 m´xima. Isto ocorre devido ao fortalecimento das pontes de a A = L + 2L ∆L + (∆L) hidrogˆnio, abaixo de 4 ◦ C, quando as mol´culas de H2 O e e L e como come¸am a se reorganizar para a forma¸ao dos cristais de gelo, c c˜ ∆ L = α L ∆T temos que onde ir˜o ocupar um volume maior do que no estado l´ a ıquido. 2 2 2 2 2 A = L + 2α L ∆T +α L ( T) ∆ Esse comportamento da ´gua explica por que num lago, a e finalmente quando a temperatura cai a valores extremamente baixos, a 2 2 2 A = L [1 + 2 α ∆ T + α (∆ T) ] a ´gua se solidifica apenas na superf´ ıcie. Isto ocorre porque at´ e 4 ◦ C, no resfriamento, a ´gua da superf´ torna-se mais densa a ıcie A = A (1 + 2 α∆ T) e ∆ A = A 2α∆ T e afunda, subindo a ´gua mais quente do fundo que ´ menos a e ∆L densa. Ao atingir uma temperatura abaixo de 4 ◦ C, a ´gua a da superf´ se expande, diminuindo a sua densidade, assim ıcie essa ´gua fria n˜o desce mais e ao atingir 0 ◦ C se solidifica. a a ◦ a Pode-se mostrar que estes novos coeficientes β e γ podem ser No fundo fica ´gua mais quente, numa temperatura de 4 C. ´ isto que preserva a vida animal e vegetal existente no fundo escritos em fun¸ao do coeficiente de dilata¸ao linear α como: E c˜ c˜ do lago. β = 2α e γ = 3α
0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

Dilata¸˜o dos l´ ca ıquidos
A dilata¸ao t´rmica de um l´ c˜ e ıquido corresponde ao aumento ou a diminui¸ao de volume desse l´ c˜ ıquido quando este ´ aquecido e ou resfriado. Ao estudar a dilata¸ao dos l´ c˜ ıquidos, j´ que n˜o a a possuem forma pr´pria, n˜o se definem comprimento e ´rea o a a

Pense um Pouco!
• Os m´ sicos geralmente deixam para afinar seus instruu mentos no local da apresenta¸ao, a diferen¸a de temperac˜ c tura entre o ambiente que est˜o , e o local do show, podem a desafinar seus instrumentos?

82

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

a) 6 × 10−5 b) 5 × 10−5 c) 4 × 10−5 1. (Fuvest) Caf´ fervente ´ despejado em um copo de vidro. e e d) 3 × 10−5 O corpo parte-se. Uma poss´ explica¸ao seria: ıvel c˜ e) 2 × 10−5 a) A dilata¸ao das v´rias partes do copo n˜o ´ uniforme. c˜ a a e b) O ponto de fus˜o do vidro ´ pr´ximo ao de ebuli¸ao do a e o c˜ caf´. e c) Sendo o vidro transparente, o calor passa atrav´s dele com e facilidade d) A capacidade T´rmica do vidro ´ menor que a do caf´ e e e e) O calor espec´ ıfico do vidro ´ menor que o do caf´ e e 2. (PUC) Um fio de cobre de 100 m sofre aumento de temperatura de 10 ◦ C. O coeficiente de dilata¸ao linear do cobre ´ c˜ e 17 × 10−6 ◦ C −1 . A varia¸ao do comprimento foi de: c˜ a) 17 mm b) 17 m c) 100, 17 m d) 17 cm e) 1, 7 m

Termodinˆmica a
Transforma¸˜es Gasosas co
Considera¸˜es iniciais co

Aula 3

G´s Perfeito (ou ideal) ´ um modelo te´rico de g´s que obea e o a dece, em seu comportamento, as leis estabelecida por Robert Boyle, Jacques Charles, Joseph Louis Gay-Lussac e Paul Emile Clapeyron. a o 3. (UNITAU) Um orif´ numa panela de ferro, a 0 ◦ C tem Um G´s real tem seu comportamento tanto mais pr´ximo do ıcio ideal quanto mais elevada for sua temperatura e quanto mais 5 cm2 de ´rea. Se o coeficiente de dilata¸ao linear do ferro ´ a c˜ e a de 1, 2 × 10−5 ◦ C −1 , a ´rea desse orif´ a 300 ◦ C ser´, em baixa for sua press˜o. a ıcio a cm2 : a) 5,018 Vari´veis de estado de um g´s a a b) 10,072 Algumas grandezas que definem e caracterizam o estado terc) 4,964 modinˆmico de uma dada massa de g´s s˜o chamadas vari´veis a a a a d) 10,036 de estado. S˜o por exemplo, a temperatura, a press˜o, o voa a e) 5,036 lume, a energia interna, etc. Destas, as que nos interessam, por enquanto, s˜o a temperatura, a press˜o e o volume. a a

Exerc´ ıcios Complementares
Volume (V )
4. (UNESP-SP) A dilata¸ao t´rmica dos s´lidos ´ um c˜ e o e fenˆmeno importante em diversas aplica¸oes de engenharia, o c˜ como constru¸oes de pontes, pr´dios e estradas de ferro. Conc˜ e sidere o caso dos trilhos de trem serem de a¸o, cujo coeficiente c de dilata¸ao ´ 11 × 10−6 ◦ C −1 . Se a 10 ◦ C o comprimento de c˜ e um trilho ´ de 30 m, de quanto aumentaria o seu comprimento e se a temperatura aumentasse para 40 ◦ C? a) 11 × 10−4 m b) 33 × 10−4 m c) 99 × 10−4 m d) 132 × 10−4 m e) 165 × 10−4 m Os gases n˜o tem volume nem forma pr´prios. Por defini¸ao, a o c˜ volume de um g´s ´ o volume do recipiente ocupado por ele. a e As unidades usuais de volume s˜o: L (litro), cm3 e m3 . a

Press˜o (P ) a

A press˜o exercida por um g´s ´ devida aos choques das suas a a e part´ ıculas contra as paredes do recipiente. As unidades usuais de press˜o s˜o: N/m2 , P a, atm e mmHg, onde valem as a a seguintes rela¸oes: c˜ 1 N/m2 = 1 P a 1 atm = 105 N/m2 5. (UFLA-MG) O tanque de combust´ ıvel de um carro de 1 atm = 760 mmHg f´rmula 1 tem capacidade de 120 litros e s˜o colocados 100 o a litros de combust´ ıvel a 5, 0 ◦ C. Considerando o coeficiente de dilata¸ao volum´trica do combust´ c˜ e ıvel 1, 2 × 10−3 ◦ C −1 e Temperatura (T ) a varia¸ao de volume do tanque desprez´ c˜ ıvel, ent˜o a 45 ◦ C o a Mede o estado de movimento das part´ ıculas do g´s. Na teoria a volume colocado ter´ um acr´scimo, em litros, de: a e dos gases perfeitos, ´ usada a temperatura absoluta (escala e a) 4,8 litros Kelvin). b) 3,6 litros c) 2,4 litros d) 1,2 litros Transforma¸˜es de um G´s co a e) 20,0 litros Dizemos que uma dada massa de g´s sofre uma transforma¸ao a c˜ quando h´ varia¸ao de pelo menos uma de suas vari´veis de a c˜ a estado. Entre as transforma¸oes de um g´s, devemos destacar c˜ a as seguintes:

6. (MACKENZIE) Uma barra met´lica, ao variar sua tempea ratura em 80 ◦ C, sofre um aumento de comprimento de 0,16%. O coeficiente de dilata¸ao volum´trica do material dessa barra c˜ e ´, em ◦ C −1 : e

ˆ Termodinamica – Aula 3

83

• Isot´rmicas: s˜o as que ocorrem a temperatura cons- Quando a press˜o p ´ dada em atm, o volume V ´ dado em e a a e e tante; litros (L), o n´ mero de moles n ´ dado em mol, a temperatura u e T ´ dada em kelvin, a constante R ser´ dada por: e a • Isob´ricas: s˜o as que ocorrem a press˜o constante; a a a R = 0, 0831 atm · L/mol · K • Isom´tricas (ou Isoc´ricas): s˜o as que ocorrem a voe o a lume constante. j´ que a unidade de energia a • Adiab´ticas: s˜o as que ocorrem sem troca de calor com a a o meio externo. , ou seja, atm · L = (105 N/m2 ) × (10−3 m3 = 100 J 1 J = 0, 01 atm · L

Leis dos Gases
As leis f´ ısicas dos gases s˜o leis de car´ter experimental que a a regem as principais transforma¸oes gasosas. c˜

Pense um Pouco!
• Por que n˜o devemos incineram latas de spray vazias? a • Por quem um bal˜o de g´s abandonado explode ao subir a a na atmosfera?

Lei de Boyle e Mariotte

Rege as transforma¸oes Isot´rmicas e pode ser enunciada asc˜ e sim: “Quando uma dada massa de g´s perfeito ´ mantida a tem- Exerc´ a e ıcios de Aplica¸˜o ca peratura constante, a press˜o ´ inversamente proporcional ao a e volume” 1. (UFU-MG) Uma panela de press˜o de volume 8, 3 litros a ou seja, ´ dotada de uma v´lvula de seguran¸a, cuja abertura ocorre e a c pV = constante quando a press˜o interna ultrapassa 20 atm. Se no recipiente a existem 5, 0 mol de um g´s perfeito, qual a m´xima tempea a Lei de Gay -Lussac ratura poss´ ıvel, em graus Celsius, para que o g´s n˜o escape a a pela v´lvula? a Rege as transforma¸oes Isob´ricas e pode ser enunciada assim: a) 200 c˜ a “Quando uma dada massa de g´s perfeito ´ mantida a press˜o b) 300 a e a constante, o volume ´ diretamente proporcional a temperatura c) 400 e absoluta” d) 500 e) 600 ou seja, V = constante × T 2. (MACKENZIE) Um pesquisador transferiu uma massa de g´s perfeito a temperatura de 27 ◦ C para outro recipiente de a volume 20% maior. Para que a press˜o do g´s nesse novo a a Lei de Charles recipiente seja igual a inicial, o pesquisador teve de aquecer o Rege as transforma¸oes Isom´tricas e pode ser enunciada as- g´s de: c˜ e a sim: a) 60 ◦ C “Quando uma dada massa de g´s perfeito ´ mantida a volume b) 50 ◦ C a e constante, a press˜o ´ diretamente proporcional a temperatura c) 40 ◦ C a e absoluta” d) 30 ◦ C e) 20 ◦ C ou seja, p = constante × T 3. (USC-BA) Certa massa de uma g´s ocupa o volume de a

Equa¸˜o de Clapeyron ca
Das leis de Boyle e Mariotte e de Charles, observamos que a press˜o exercida por um g´s perfeito ´ inversamente proporcia a e onal ao seu volume e diretamente proporcional a sua tempe´ a ratura absoluta. E f´cil observar tamb´m que essa press˜o ´ e a e proporcional ao n´ mero de part´ u ıculas de g´s existente no recia piente. Convertendo esse n´ mero de part´ u ıculas em n´ mero de u moles (n) , podemos equacionar tudo isso, obtendo a seguinte rela¸ao: c˜ pV = nRT

100 L sob press˜o de 3, 0 atm e temperatura de 27 ◦ C. A a constante universal dos gases perfeitos vale R = 0, 0831 atm · L/mol · ◦ C. A massa do g´s, sabendo que a sua mol´cula a e grama ´ de 27, 7 g, ´: e e a) 111, 1 g b) 222, 2 g c) 333, 3 g d) 444, 4 g e) 555, 5 g

Exerc´ ıcios Complementares

onde R ´ uma constante de proporcionalidade, igual para todos e os gases, denominada constante universal dos gases perfeitos e 4. (CESGRANRIO) No SI, a constante universal dos gases no SI temos perfeitos ´ expressa em: e R = 8, 31 J/mol · K a) (l · atm)/(K · mol)

84

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

b) cal/(g · ◦ C) c) J/(kg · K) d) J/(mol · K) e) J/kg 5. (FUVEST) Certa massa de um g´s ideal sofre uma transa forma¸ao na qual a sua press˜o ´ triplicada e seu volume ´ c˜ a e e reduzido a metade. A temperatura absoluta final do g´s ser´: a a a) 1/3 do seu valor inicial b) 2/3 do seu valor inicial c) 3/2 do seu valor inicial d) 2 vezes o seu valor inicial e) 3 do seu valor inicial

e para o N H3 : 3N ´tomos de H. a A experiˆncia confirma este resultado pois, enquanto se recolhe e uma massa m de hidrogˆnio na decomposi¸ao do HCl, verificae c˜ se que uma massa 2m ´ recolhida na decomposi¸ao do H2 O e e c˜ uma massa 3m na decomposi¸ao do N H3 . c˜

O N´mero de Avogrado (NA ) u

Uma vez conhecida a lei de Avogrado, precisamos medir qual ´ o n´ mero de mol´culas que existe em uma dada massa do e u e g´s. Suponha, por exemplo, que se tome 1 mol de v´rios gases a a diferentes (2 g de H2 , 32 g de O2 , 28 g de N2 , etc...). De seus conhecimentos de qu´ ımica, vocˆ j´ deve saber que o n´ mero e a u 6. (PUC) Uma amostra com 5, 0 mol de um g´s perfeito est´ de mol´culas, em cada uma dessas amostras, ´ o mesmo. Este a a e e num recipiente de volume constante 8, 3 L. Se o g´s se encontra n´ mero ´ denominado N´ mero de Avogrado e ´ representado a u e u e numa temperatura de 127 ◦ C, podemos afirmar que a press˜o por N . a A a que o g´s est´ submetido ser´ aproximadamente : a a a O cientista Perrin, no in´ do s´culo, realizou uma s´rie de exıcio e e a) 40 atm periˆncias, procurando determinar o valor de NA , concluindo e b) 12 atm que este valor estaria compreendido entre 6, 5×1023 e 7, 2×1023 c) 18 atm mol´culas em cada mol. Por esta medida, Perrin recebeu o e d) 20 atm Prˆmio Nobel de F´ e ısica, em 1926. Posteriormente, medidas e) 24 atm mais precisas mostraram que o valor NA ´ mais pr´ximo de e o

Termodinˆmica a
Lei de Avogrado

Aula 4

NA = 6, 02 × 1023 mol´culas/mol e

Densidade e Massa Molecular
Define-se a densidade ρ volum’etrica de uma amostra de volume V e massa m de qualquer substˆncia homogˆnea como a e ρ= m V

At´ o in´ do s´culo passado, os cientistas j´ haviam adquie ıcio e a rido uma razo´vel quantidade de informa¸oes sobre as rea¸oes a c˜ c˜ qu´ ımicas observadas entre gases. O cientista italiano Amedeo Avogrado, baseando-se nestas informa¸oes e em resultac˜ dos de experiˆncias realizadas por ele pr´prio, formulou em e o 1811 uma hip´tese muito importante, relacionando o n´ mero o u de mol´culas existentes em duas amostras gasosas. Segundo e Avogrado, se tomarmos dois recipientes, de mesmo volume, contendo gases diferentes, ambos a mesma temperatura e press˜o, o n´ mero de mol´culas contidas em cada a u e recipiente deveria ser o mesmo. Posteriormente, um grande n´ mero de confirma¸oes experiu c˜ mentais desta afirmativa fizeram com que ela passasse a ser conhecida como a lei de Avogrado: Volumes iguais, de gases diferentes, ` mesma temperaa tura e press˜o, contem o mesmo n´ mero de mol´culas. a u e

e a unidade SI da densidade ´ o kg/m3 . e Tomemos duas amostras gasosas A e B, ambas ocupando o mesmo volume, a mesma press˜o e temperatura. Pela lei a de Avogrado, sabemos que estas amostras contem o mesmo n´ mero de mol´culas. Supondo que a massa molecular de A, u e MA , seja o dobro da massa molecular de B, MB , evidentemente a massa da amostra A, mA , tamb´m ser´ o dobro da e a massa sa amostra B, mB . Mas, como as amostras tem volumes iguais, concluimos que a densidade de A, ρA , ser´ o a dobro da densidade de B, ρB . Do mesmo modo, se tiv´ssemos e MA = 3MB , ter´ ıamos, tamb´m, ρA = 3ρB . Ent˜o, podemos e a concluir que MA ρA = ρB MB isto ´, a densidade de um g´s ´ diretamente proporcional a sua e a e massa molecular.

Confirma¸˜es Experimentais co
A lei de Avogrado ´ amplamente confirmada pela experiˆncia. e e Uma das verifica¸oes desta lei pode ser feita quando analisac˜ mos, no laborat´rio, a decomposi¸ao de alguns gases. Tomeo c˜ mos, por exemplo, volumes iguais de HCl, H2 O e N H3 , sob a forma gasosa, a mesma press˜o e temperatura. De acordo com a a Lei de Avogrado, as trˆs amostras dos gases considerados dee vem Ter o mesmo n´ mero N de mol´culas. Decompondo estes u e gases e recolhendo o hidrogˆnio liberado em cada amostra, dee ver´ ıamos, ent˜o, obter: a Para o HCl: N ´tomos de H a para o H2 O: 2N ´tomos de H a

Pense um Pouco!
• Escreva o n´ mero de avogadro por extenso, com os seus u 23 zeros, e observe como ele ´ enorme! e • Quando um g´s ´ comprimido, o que aontece com a sua a e densidade? • O que aconteceria com a hip´tese de Avogrado em o condi¸oes que n˜o fossem as CNTP? c˜ a

ˆ Termodinamica – Aula 5

85

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

b) 6, 02 × 1023 mol´culas e c) 2, 0 × 1024 mol´culas e d) 3, 0 × 1024 mol´culas e 1. (UFSE) Constata-se experimentalmente que, nas mesmas e) 4, 0 × 1024 mol´culas e condi¸oes de temperatura e press˜o, 3 volumes de hidrogˆnio c˜ a e reagem com um volume de ozˆnio, produzindo 3 volumes de o vapor de ´gua. Essa informa¸ao nos permite deduzir - a partir a c˜ da Lei de Avogrado - que o n´ mero de ´tomos na mol´cula de u a e ozˆnio ´ igual a: o e a) 2 b) 3 c) 4 Modelo Molecular de um G´s a d) 5 e) 6 As leis que descrevem o comportamento dos gases, foram ob2. (UCS-BA) Sob as mesmas condi¸oes de temperatura e tidas experimentalmente. Vamos agora tentar relacionar estas c˜ press˜o, o volume de qualquer g´s ´ diretamente proporcional leis com o comportamento das part´ a a e ıculas que constituem o g´s, a ao seu n´ mero de mol´culas. Essa ´ uma forma de enunciar a isto ´, seus ´tomos ou suas mol´culas. Os cientistas intensiu e e e a e Lei de: ficaram seus estudos sobre a estrutura molecular dos gases, a) Avogrado baseando-se nas seguintes suposi¸oes: c˜ b) Gay-Lussac c) Lavoisier 1. um g´s ´ constituido de pequenas part´ a e ıculas, ´tomos ou a d) Faraday mol´culas; e e) Einstein 2. o n´ mero de mol´culas existentes em uma dada massa u e 3. (UFRS) Um recipiente de 2 litros contem um g´s pera gasosa ´ muito grande; e feito a temperatura de 17 ◦ C e press˜o de 50 P a. Dado a 3. a distˆncia m´dia entre as mol´culas ´ muito maior do que a e e e R = 8, 31 J/mol · K, podemos afirmar que o n´ mero de u as dimens˜es de uma mol´cula; o e mol´culas nesse recipiente ´ de: e e a) 2, 7 × 107 mol´culas e 4. as mol´culas de um g´s est˜o em constante movimento, e a a b) 3, 7 × 107 mol´culas e e este movimento ´ inteitamente ao acaso, isto ´ as e e c) 5, 0 × 107 mol´culas e mol´culas se movimentam em qualquer dire¸ao. e c˜ d) 2, 7 × 1018 mol´culas e e) n.d.a. Ao estabelecerem estas hip´teses, os cientistas estavam teno

Termodinˆmica a

Aula 5

tando descrever o comportamento de um g´s atrav´s do moa e vimento de suas mol´culas, isto ´, estavam supondo que as e e Exerc´ ıcios Complementares leis dos gases poderiam ser obtidas aplicando-se as leis da Mecˆnica ao movimento das mol´culas, tratando-as como se a e ıculas. Desta maneira, os cientistas estruturaram 4. (FUVEST) A 25 ◦ C e 1 atm, o volume de 1 mol de ´tomos fossem part´ a a de n´ ıquel (massa atˆmica: A = 59 e ρ = 8, 9 g/cm3) ´ aproxi- um modelo para descrever o comportamento de um g´s. o e Este modelo ´ denominado modelo cin´tico em virtude de e e madamente igual a: se basear no movimento das mol´culas do g´s. e a a) 33 cm3 b) 26 cm3 c) 20 cm3 C´lculo Cin´tico da Press˜o (p) a e a d) 6, 6 cm3 3 e) 13 cm Como vimos, no modelo cin´tico de um g´s, o n´ mero de e a u 5. (ACAFE) Um estudante informa a seu colega que, para ”matar”a sua sede, teve que tomar 20 moles de ´gua, o outro a estudante baseando-se na Lei de Avogrado, calculou o n´ mero u de mol´culas ingerida pelo seu colega, que foi de: e a) 1, 2 × 1025 mol´culas e b) 2, 2 × 1025 mol´culas e c) 3, 2 × 1025 mol´culas e d) 4, 2 × 1025 mol´culas e e) 5, 2 × 1025 mol´culas e 6. (UFES) Trˆs recipientes, A, B e C, de volumes iguais, e contˆm respectivamente, HCl, H2 O e N H3 , todos no estado e gasoso, a mesma press˜o e temperatura. Suponha que o rea cipiente A contenha 1, 0 × 1024 mol´culas de HCl. Podemos e afirmar que o n´ mero de mol´culas de vapor de H2 O existenu e tes no recipiente B ´: e a) 1, 0 × 1024 mol´culas e mol´culas ´ muito grande e elas est˜o em constante movie e a mento. Em conseq¨ˆncia disto, as mol´culas colidem contiue e nuamente contra as paredes do recipiente que cont´m o g´s, e a exercendo uma press˜o nessas paredes. Como o n´ mero de a u colis˜es ´ muito grande, n˜o se percebe o efeito do choque o e a de cada part´ ıcula. O que se observa ´ o efeito m´dio da free e quente sucess˜o de colis˜es, que ocasiona o aparecimento de a o uma for¸a cont´ c ınua, sem flutua¸oes, pressionando as paredes c˜ do recipiente. Portanto, a press˜o que um g´s exerce sobre a a as paredes do recipiente que o cont´m ´ devida as incessantes e e e cont´ ınuas colis˜es das mol´culas do g´s contra as paredes o e a do recipiente. Aplicando as leis da mecˆnica as colis˜es das a o mol´culas contra as paredes do recipiente, os f´ e ısicos do s´culo e passado obtiveram uma express˜o matem´tica, relacionando a a a press˜o exercida por um g´s com as seguintes grandezas: a a N - n´ mero de mol´culas do recipiente u e V - volume do recipiente

86

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

m - massa de cada mol´cula e v 2 - m´dia dos quadrados das velocidades das mol´culas e e A express˜o a que chegaram foi a seguinte: a p= 1 (N/V )mv 2 3

Analisando esta express˜o vemos que: a

Observe que o primeiro membro desta express˜o representa a a energia cin´tica m´dia das mol´culas. Esta energia cin´tica e e e e m´dia ser´ representada por EC . O quociente R/NA que apae a rece no segundo membro, ´ constante, pois, como j´ sabemos, e a tanto R quanto NA s˜o constantes. Este quociente ´ muito a e importante, ´ representado por kB e ´ a famosa constante e e de Boltzmann:

kB = 1, 38 × 10−23 J/K • p ∝ N : este resultado ´ intuitivo pois, quanto maior for e o n´ mero total de mol´culas, maior ser´ o n´ mero de cou e a u a lis˜es contra as paredes e, portanto, maior ser´ a press˜o Desta maneira, chegamos a seguinte express˜o: o a a exercida pelo g´s; a 3 EC = kB T • p ∝ 1/V : de fato, quanto maior for o volume, maior ser´ a 2 a distˆncia que uma mol´cula ter´ que percorrer para coa e a e e e lidir contra as paredes e, consequentemente, menor ser´ o que mostra ser a energia cin´tica m´dia das mol´culas de um a g´s diretamente proporcional a sua temperatura absoluta, isto a n´ mero de colis˜es, isto ´, menor ser´ a press˜o exercida u o e a a ´, quanto maior for a energia cin´tica m´dia das mol´culas, e e e e pelo g´s; a maior ser´ a temperatura do g´s. Destacamos, ent˜o que: a a a a • p ∝ m: este resultado era esperado pois, quanto maior for temperatura absoluta, T de um g´s est´ relacionada com a a a a massa de um mol´cula, maior ser´ a sua quantidade de energia cin´tica m´dia de suas mol´culas. e a e e e movimento (q = mv) e assim, maior ser´ a for¸a que ela Em uma amostra, podemos dizer que a unica energia exitente a c ´ exerce ao colidir contra a parede do recipiente; ´ a energia de cada part´ e ıcula, sendo N o n´ mero de part´ u ıculas, a e 2 : realmente, quanto maior for v 2 , mais rapida- a energia mecˆnica total da amostra ´ E = N EC . Essa ener• p ∝ v a e c˜ ´ a mente as mol´culas estar˜o se movimentando. E f´cil per- gia mecˆnica total ´ por defini¸ao a energia interna Eint. e a da amostra. Logo, substituindo essa rela¸ao na express˜o da c˜ a ceber que, nestas condi¸oes, maior ser´ a for¸a que cada c˜ a c energia cin´tica temos: e mol´cula exercer´ ao colidir contra a parede e, al´m disso, e a e maior ser´ o n´ mero de colis˜es. a u o 3 Eint. = N kB T 2 ou, como N = nNA e kB = R/NA , temos Eint. = 3 nRT 2

Interpreta¸˜o Cin´tica da Temperatura (T ) ca e
Como j´ mencionamos em outra ocasi˜o, a temperatura de a a um corpo se relaciona com a energia de agita¸ao dos ´tomos e c˜ a mol´culas deste corpo. e Mostraremos agora como os f´ ısicos do s´culo passado, baseados e no modelo cin´tico de um g´s, chegaram a esta conclus˜o. A e a a express˜o p = N mv 2 /3V , que havia sido obtida baseando-se a no modelo cin´tico, pode ser escrita como e pV = N mv 2 3

Pense um Pouco!
• Quando um g´s absorve calor e seu volume ´ mantido fixo, a e para onde vai a energia ganha? Explique. • Se um g´s num pist˜o isolado se expande e realiza um a a trabalho mecˆnico, o que acontece com sua temperatura? a Explique.

Comparando-a com a equa¸ao de estado de um g´s ideal, pV = c˜ a nRT , que havia sido obtida experimentalmente, conclui-se que N mv 2 = nRT 3

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Mas sendo NA (o n´ mero de Avogrado) o n´ mero de mol´culas u u e ◦ e que existe em 1 mol e sendo n o n´ mero de moles que corres- 1. (ACAFE) Um recipiente cont´m H2 a 27 C. Podemos u afirmar que a energia cin´tica m´dia de suas mol´culas ´: e e e e ponde a N mol´culas, ´ claro que e e a) 2, 2 × 10−21 J b) 3, 2 × 10−21 J N = nNA c) 6, 2 × 10−21 J e com este valor de N na igualdade anterior, vir´ a d) 7, 1 × 10−21 J e) n.d.a nNA mv 2 = nRT 3 2. (Mack-SP) Um tanque possui 2, 0 mol de h´lio a 17 ◦ C. e Adimtindo que nessas condi¸oes o h´lio se comporta como um c˜ e ou, simplificando e reescrevendo g´s ideal, a energia mecˆnica (interna) do sistema ´ dada por: a a e a) 6, 2 × 103 J mv 2 = 3(R/NA )T b) 7, 2 × 103 J e dividindo-se os dois menbros desta igualdade por 2, temos c) 2, 4 × 103 J d) 2, 2 × 103 J 3 1 2 = (R/N )T mv A e) 1, 5 × 103 J 2 2

ˆ Termodinamica – Aula 6 3. (UFRN) Uma certa massa gasosa se encontra a uma temperatura de 36 ◦ C, podemos afirmar que a energia cin´tica e m´dia de suas mol´culas ´ de: e e e a) 6, 4 × 10−21 J b) 1, 2 × 10−21 J c) 2, 5 × 10−21 J d) 4, 3 × 10−21 J e) 5, 3 × 10−21 J

87

A 200 C
o

B 20 o C

Como os blocos est˜o em um sistema isolado, s´ trocam enera o gia entre si. Exerc´ ıcios Complementares A lei Zero da Termodinˆmica garante que, com o decorrer a do tempo, a temperatura do bloco A (mais quente) diminui ene 4. (ACAFE) Quando aumentamos a temperatura de um g´s quanto a temperatura do bloco B (mais frio) aumenta, at´ que a ambos atinjam a mesma temperatura no equil´ ıbrio t´rmico. e ´ correto afirmar que: e Como o sistema ´ isolado, pode-se explicar esse fenˆmeno e o a) a velocidade de suas mol´culas permanece constante e admitindo-se que parte da energia interna do bloco A foi transb) a velocidade de suas mol´culas aumenta e ferida para o bloco B. A essa energia transferida de um c) a velocidade de suas mol´culas diminui e corpo para o outro, devida apenas a diferen¸a de temperatura c d) nada podemos afirmar a respeito da velocidade entre eles, chamamos calor ou energia t´rmica. Portanto: e e) a energia cin´tica das mol´culas diminui e e CALOR ´ energia t´rmica em trˆnsito entre dois core e a pos a diferentes temperaturas. 5. (UFCE) Um recipiente A cont´m 5 mol de H2 a 32 ◦ C, e e um outro recipiente B possui 6 mol de O2 ` mesma temperaa tura. Podemos afirmar que: Unidade SI a) a energia cin´tica m´dia das mol´culas ´ a mesma nos dois e e e e A unidade SI com que se mede o calor ´ o joule ou J. Usue recipientes almente mede-se o calor em calorias ou cal, e sabe-se que o b) a energia cin´tica m´dia das mol´culas do recipiente A ´ e e e e equivalente mecˆnico do calor ´ a e maior do que as do recipiente B c) a energia cin´tica m´dia das mol´culas do recipiente A ´ e e e e 1 cal = 4, 186 J menor do que as do recipiente B d) depende do tamanho dos recipientes e) n˜o ´ possivel determinar nada a respeito das energias Temperatura × Calor a e cin´ticas das mol´culas e e O conceito de calor tem uma simplicidade enganosa, a distin¸ao entre os conceitos de calor e temperatura foi um proc˜ 6. (UEM-PR) As mol´culas de um certo g´s possuem uma e a cesso historicamente demorado. Podemos definir que: −23 energia cin´tica m´dia de 20, 7 × 10 e e J, podemos afirmar TEMPERATURA ´ a grandeza que mede o grau de e que a temperatura em ◦ C desse g´s: a agita¸˜o das mol´culas de um corpo. ca e a) ´ 243 e A temperatura ´ uma grandeza que caracteriza um corpo em e b) est´ acima de 243 a equil´ ıbrio t´rmico, o calor n˜o. Por exemplo, n˜o ´ correto se e a a e c) ´ 200 e dizer “um corpo cont´ma calor”. e d) ´ zero e e) est´ abaixo de −243 a

Trˆnsmiss˜o de Calor a a

Termodinˆmica a

Aula 6

Existem trˆs processos de transferˆncia de calor: condu¸ao, e e c˜ convec¸ao e radia¸ao c˜ c˜ Condu¸˜o ca Suponha que uma pessoa esteja segurando uma das extremidades de uma barra met´lica e que a outra extremidade a seja colocada em contato com uma chama. Os ´tomos ou a mol´culas desta extremidade, aquecida pela chama, adquirem e uma maior energia cin´tica (de agita¸ao). Parte dessa enere c˜ gia ´ transferida para as part´ e ıculas da regi˜o vizinha a esta a extremidade e, ent˜o, a temperatura desta regi˜o tamb´m aua a e menta. Este processo continua ao longo da barra, ap´s um o certo tempo, a pessoa que segura a outra extremidade perceber´ uma eleva¸ao de temperatura neste local. Podemos oba c˜ servar que houve um processo de transmiss˜o de calor ao qual a denominamos condu¸˜o. Na condu¸ao, o calor ´ conduzido ca c˜ e

Calor e Temperatura
A Lei Zero da Termodinˆmica a
Vamos supor que, num sistema isolado (que n˜o perde nem a ganha energia em rela¸ao ao meio exterior) foram colocados c˜ dois blocos. Um bloco A a uma temperatura de 200 ◦ C, e um bloco B, a temperatura de 20 ◦ C, como est´ representado na a figura:

88

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

atrav´s de um meio mecˆnico. No exemplo dado, utilizou-se e a como meio de condu¸ao uma barra de metal. c˜ Lei da Condu¸˜o T´rmica ca e Considere dois ambientes a temperaturas T1 e T2 tais que T1 > T2 , separados por uma parede de ´rea A e espessura L. a

Na verdade o que chamamos de luz s˜o as radia¸oes que nosa c˜ sos olhos podem ver. Existem atualmente cˆmara fotogr´ficas a a que registram a ”luz”do calor, tornando evidente a limita¸ao c˜ ´ da nossa vis˜o e tamb´m da nosso conceito de luz e calor. E a e por isso que muitos aquecedores de ambiente tˆm a forma de e espelhos curvos e as garrafas t´rmicas s˜o espelhadas internae a mente, para refletir essa luz de calor.

Pense um Pouco!
Fluxo Térmico T1
A

• Por que o congelador das geladeiras fica na parte superior? • As correntes ascendentes utilizadas pelos balonistas ´ um e exemplo de transmiss˜o de calor? Qual? a • Se colocarmos gelo e garrafas de refrigerante numa caixa de isopor, quais as formas de transmiss˜o de calor ser˜o a a observadas at´ que o sistema atinja o equil´ e ıbrio t´rmico? e • No caso anterior, a lei Zero da Termodinˆmica garante a que o refrigerante ir´ gelar? Comente. a

T2
L

Depois de atingir o regime estacion´rio, o fluxo de calor H a (quantidade de calor que atravessa uma superf´ por unidade ıcie de tempo) depende da ´rea A da parede, da espessura L, da a diferen¸a de temperatura ∆T = T 1 − T 2 e do material que c constitui a parede. Segundo a lei de Fourier: H= T1 − T2 Q = kA t L

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

onde a constante de proporcionalidade k depende da natureza do material, sendo denominada coeficiente de condutividade t´rmica, seu valor ´ elevado para bons condutores t´rmicos, e e e como metais, e baixo para isolantes t´rmicos, como a ar, por e exemplo. Chama-se de fluxo de calor ou fluxo t´rmixo a quantidade e H Unidades do Fluxo T´ ırmico (H) A unidade usual em que se mede a quantidade H ´ ´ cal/s, ou ee no SI, J/s ou W . Lembre-se que 1 J/s = 1 watt = 1 W .

1. (UFRS) A seguir s˜o feitas trˆs afirma¸oes sobre procesa e c˜ sos termodinˆmicos envolvendo transferˆncia de energia de um a e corpo para outro. I. A radia¸ao ´ um processo de transferˆncia de energia que c˜ e e n˜o ocorre se os corpos estiverem no v´cuo. a a II. A convec¸ao ´ um processo de transferˆncia de energia que c˜ e e ocorre em meios fluidos. III. A condu¸ao ´ um processo de transferˆncia de energia que c˜ e e n˜o ocorre se os corpos estiverem a mesma temperatura. a S˜o afirmativas corretas: a a) Apenas I b) Apenas II c) Apenas III Convec¸˜o ca d) Apenas I e II A convec¸ao ´ um processo de transmiss˜o de calor que ocorre e) Apenas II e III c˜ e a apenas em fluidos. O calor ´ transferido de uma regi˜o para e a 2. (PUC-MG) Analise fisicamente as afirmativas seguintes: outra pelo pr´prio fluido. o I. Para derreter um bloco de gelo rapidamente, uma pessoa A descri¸ao e explica¸ao desse processo ´ simples: nas regi˜es embrulhou-o num grosso cobertor. c˜ c˜ e o onde a temperatura ´ mais alta, o fluido se expande e fica II. Para se conservar o chope geladinho por mais tempo, e menos denso e tende a subir, por causa do empuxo. Nas regi˜es deve-se coloc´-lo numa caneca de lou¸a. o a c onde a temperatura ´ mais baixa, fluido ´ mais denso e tende a III. Um aparelho de refrigera¸ao de ar deve ser instalado em e e c˜ descer. Este sobe e desce dificilmente ´ apenas vertical. Nesse um local alto num escrit´rio. e o caso, quase sempre a convec¸ao provoca o aparecimento de c˜ correntes de ar que se movimentam lateralmente das regi˜es o Pode-se afirmar que: mais aquecidas e de baixa press˜o para as regi˜es mais frias a o a) apenas I e II s˜o corretas a e de alta press˜o. Esse movimento ´ o que se observa numa a e b) apenas II e III s˜o corretas a panela de ´gua fervendo, a ´gua sobe pr´ximo `s paredes (mais a a o a c) apenas I ´ correta e quente) e desce no centro (mais frio). d) apenas II ´ correta e e) apenas III ´ correta e Radia¸˜o ca 3. (PUC) Uma placa de material isolante t´rmico possui e A radia¸ao ´ o processo mais importante de propaga¸ao de ca- 100 cm2 de sec¸ao transversal e 2, 0 cm de espessura. Sua c˜ e c˜ c˜ lor. Sem ela n˜o haveria vida em nosso planeta, j´ que ´ por condutibilidade t´rmica ´ 2, 0 × 10−4 cal/s · cm · ◦ C. Se a difea a e e e radia¸ao que o calor do Sol chega at´ a Terra. Na verdade, a ren¸a de temperatura entre as faces opostas ´ 100 ◦ C, quantas c˜ e c e unica diferen¸a entre calor e luz ´ a frequˆncia da radia¸ao. As calorias atravessam a placa por segundo? ´ c e e c˜ radia¸oes de calor (infravermelhas) est˜o possuem frequˆncias a) 1,0 c˜ a e logo abaixo do espectro das radia¸oes luminosas (luz vis´ c˜ ıvel). b) 2,0

ˆ Termodinamica – Aula 7 c) 3,0 d) 4,0 e) 5,5 f) n.d.a Substˆncia a Amˆnia o ´ Alcool Vapor d’´gua a Alum´ ınio Ferro Prata Ouro c(cal/g · ◦ C) 1,13 0,58 0,48 0,22 0,11 0,056 0,032 Substˆncia a ´ Agua Gelo Madeira Vidro Cobre Merc´ rio u Chumbo c(cal/g · ◦ C) 1,00 0,55 0,42 0,16 0,092 0,033 0,031

89

Exerc´ ıcios Complementares
4. (FUVEST) Para melhor isolamento t´rmico de um ambie ente, mantendo o material de que s˜o feitas as paredes, devea se: a) aumentar o volume das paredes b) aumentar a ´rea externa das paredes e manter a espessura a c) diminuir a espessura das paredes d) aumentar a espessura e diminuir a ´rea das paredes a e) reduzir a ´rea externa e a espessura das paredes a 5. (ACAFE) Nas geladeiras, o congelador fica sempre na parte de cima para: a) manter a parte de baixo mais fria que o congelador b) que o ar frio fique com congelador c) que o ar quente v´ para o congelador a d) acelerar a produ¸ao de cubos de gelo c˜ e) que o ar frio v´ para o congelador a

Tabela 1.4: O calor espec´ ıfico c de algumas substˆncias. a A capacidade t´rmica de um corpo depende da sua massa e e da natureza do material de que ´ constituido. Ela permanece e constante durante o seu aquecimento ou resfriamento, desde que n˜o ocorra mudan¸a de estado f´ a c ısico.

Calor Espec´ ıfico (c)

Analisando-se o comportamento de corpos diferentes, mas constitu´ ıdos do mesmo material, quando submetidos a um aquecimento, observa-se que a quantidade de calor absorvida ´ e diretamente proporcional a sua massa. Pode-se concluir, portanto, que a capacidade t´rmica de um corpo ´ diretamente e e proporcional a sua massa. Assim, a rela¸ao entre a capacic˜ e e 6. (FMU) As roupas indicadas para se usar no deserto devem dade t´rmica C de um corpo e sua massa ´ uma constante m, denominada calor espec´ ıfico (c) ser: a) escuras e finas c = C/m b) claras e finas c) escuras e grossas Unidade SI d) claras e grossas e) independentes da cor e da espessura No SI, o calor espec´ ıfico ´ medido em J/kg · K, embora na e pr´tica se use cal/g · ◦ C. a O calor espec´ ıfico de um corpo depende do material que o constitui, do seu estado f´ ısico e da sua temperatura, esta por´m, e sem influˆncia consider´vel no estudo. O conhecimento do vae a lor do calor espec´ ıfico tem importˆncia fundamental na f´ a ısica, pois identifica a quantidade de calor necess´ria para elevar de a um grau a temperatura de uma unidade de massa do material. Capacidade T´rmica (C) e O elevado calor espec´ ıfico da ´gua, comparado ao de outras a substˆncias ´ importante, pois faz com que seja necess´ria a e a Nem todos os corpos variam sua temperatura da mesma forma elevada quantidade de energia para variar sua temperatura. ao receberem calor. Ao se esquentar ´gua na chama de um Por essa raz˜o, a ´gua demora mais para esquentar e tamb´m a a a e fog˜o, por exemplo, observa-se que, quanto maior a massa de para esfriar, o que explica a estabilidade do clima das regi˜es a o a ´gua a aquecer, maior a quantidade de calor necess´ria para pr´ximas a grandes concentra¸oes de ´gua, como as litorˆneas. a o c˜ a a produzir a mesma varia¸ao de temperatura. Do mesmo modo, Em contra-partida , a amplitude t´rmica de regi˜es des´rticas c˜ e o e materiais diferentes necessitam de quantidades de calor dife- pode ultrapassar os 60 ◦ C em menos de 12 horas. rentes para sofrerem a mesma varia¸ao de temperatura. Uma c˜ colher de metal, por exemplo, necessita de menos calor do que a mesma massa de ´gua, para o mesmo aumento de tempera- Calorimetria a tura. A grandeza que mede a quantidade de calor Q necess´ria a Das defini¸oes de capacidade t´rmica e calor espec´ c˜ e ıfico, podepara produzir determinada varia¸ao de temperatura ∆T num c˜ mos escrever: corpo ´ a capacidade t´rmica ou capacidade calor´ e e ıfica, definida Q C= como a quantidade de calor necess´ria para variar de 1 ◦ C a a ∆T sua temperatura. logo Q Q = C∆T C≡ ∆T ( 1 ) e como C Unidade SI =⇒ C = mc c= m No SI, a capacidade t´rmica ´ medida em J/K, embora na temos e e Q = mc∆T pr´tica se use cal/◦ C. a

Termodinˆmica a

Aula 7

90

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Essa equa¸ao permite calcular a quantidade de energia na c˜ forma de calor, necess´ria para variar a temperatura de uma a determinada massa de qualquer substˆncia, desde que n˜o a a ocorra nenhuma mudan¸a de estado no processo. c Neste caso, quando um corpo absorve (perde) calor e aumenta (diminui) sua temperatura, o calor trocado chama-se de calor sens´ ıvel.

˜ Trabalho realizado numa COMPRESSAO

Numa compress˜o, o procedimento para o c´lculo do trabalho a a ´ o mesmo do caso da expans˜o, mudando apenas o sinal final e a do trabalho, j´ que for¸a que o g´s exerce sobre o pist˜o ´ no a c a a e sentido contr´rio ao seu deslocamento. a Como no caso de uma compress˜o o volume final Vf do g´s a a ser´ menor do que o seu volume inicial Vi , ent˜o a varia¸ao de a a c˜ volume ser´ negativa e o trabalho pode ser obtido pela mesma a Convens˜o a f´rmula da expans˜o, de onde obteremos j´ o sinal correto. o a a a • Quando um sistema absorve calor num processo qual- Convens˜o quer, associamos ao processo um calor Q > 0; • Quando um g´s se expande num processo qualquer, dia • Quando um sistema perde calor num processo qualquer, zemos que o g´s realiza um trabalho W > 0; a associamos ao processo um calor Q < 0; • Quando um g´s ´ comprimido num processo qualquer, a e • Quando um sistema n˜o troca calor (n˜o ganha e nem a a dizemos que o g´s realiza um trabalho W < 0; a perde) num processo qualquer, associamos ao processo um calor Q = 0. • Quando um g´s permanece com volume constante a num processo qualquer, dizemos que o trabalho que o g´s a Esquematicamente: realiza no processo ´ nulo, W = 0. e Calor (Q) Absorvido Perdido Sinal + Esquematicamente: Trabalho do G´s (W ) a Expans˜o a Compress˜o a Sinal + -

Trabalho

Um sistema pode trocar energia com sua vizinhan¸a na forma Unidade SI c de calor ou pela realiza¸ao de trabalho. Realmente, se h´ uma c˜ a Sendo uma forma de energia, assim como o calor o trabalho diferen¸a de temperatura entre o sistema e a vizinhan¸a, uma realizado por um g´s ´ medido em joule ou J no SI. Lembrando: c c a e certa quantidade de calor poder´ ser transferida de um para a o outro. Al´m disso, o sistema pode se expandir, vencendo e 1J =1 N ·m uma press˜o e portanto, realizando trabalho sobre a vizinhan¸a a c ou, ainda, o sistema poder´ ter o volume reduzido, com a a realiza¸ao de um trabalho da vizinhan¸a sobre ele. c˜ c Pense um Pouco! ˜ Trabalho realizado numa EXPANSAO Consideremos como sistema termodinˆmico um g´s ideal, ena a cerrado em um cilindro provido de um ˆmbolo (pist˜o) que e a pode se deslocar livremente. Suponha que o g´s se encontre a em um estado inicial i, ocupando um volume Vi . Em virtude da press˜o do g´s, ele exerce uma for¸a F sobre o pist˜o que, a a c a estando livre, desloca-se de uma distˆncia d. Assim, o g´s a a se expandiu at´ o estado final f , onde o seu volume ´ Vf , e e e realizou um trabalho W . Se a press˜o p do g´s permanecer a a constante, o valor da for¸a F tamb´m ser´ constante durante c e a a expans˜o e o trabalho W , realizado pelo g´s, pode ser facila a mente calculado. De fato, para este caso, temos: • A unidade de calor estudada, a caloria ou cal, ´ a mesma e registrada nos alimentos? • Qual a rela¸ao existente entre a caloria alimentar e o esc˜ tudo do calor?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

1. (UNIFOR-CE) Um corpo absorveu 500 cal de calor para aumentar sua temperatura de 20 ◦ C para 40 ◦ C. A capacidade t´rmica desse corpo em cal/◦C ´: e e a) 10 b) 12 W = Fd c) 20 Mas sendo F = pA, onde A ´ a ´rea da se¸ao reta do pist˜o, d) 25 e a c˜ a temos e) 30 W = pAd 2. (USF-SP) Uma amostra de 50 g de determinada substˆncia a Mas observe que Ad ´ o volume varrido pelo pist˜o durante e a sofre um acr´scimo de temperatura de 20 ◦ C, quando absorve e a expans˜o, que ´ igual a varia¸ao do volume do g´s, isto ´, 200 calorias. O calor espec´ a e c˜ a e ıfico dessa substˆncia, em cal/g·◦ C, a Ad = Vf − Vi , logo ´: e a) 1,2 W = p(Vf − Vi ) = p∆V b) 1,0 Portanto esta express˜o nos permite calcular o trabalho que c) 0,5 a um g´s realiza, ao sofrer uma varia¸ao de volume a press˜o d) 0,4 a c˜ a constante. e) 0,2

ˆ Termodinamica – Aula 8 3. (UEPB) A massa de um corpo ´ igual a 2 kg. Recebendo e 10 kcal, a sua temperatura passa de 40 ◦ C para 90 ◦ C. O calor espec´ ıfico desse corpo ´: e a) 0, 1 ◦ C b) 0, 2 ◦ C c) 0, 3 ◦ C d) 0, 4 ◦ C e) 0, 5 ◦ C

91 realiza 80 J de trabalho. Notamos que o sistema recebeu 100 J e 80 J. Onde estar˜o os 20 J restantes? a Estes joules restantes ficaram dentro do sistema, armazenados sob a forma de energia interna. Portanto, a energia interna do sistema aumentou em 20 J. Podemos fazer um esquema desta troca de energia

Meio Externo

Exerc´ ıcios Complementares
Sistema
4. (ITA) A capacidade t´rmica de uma caneca de alum´ e ınio ´ e de 16 cal/◦ C. Sabendo-se que o calor espec´ ıfico do alum´ ınio ´ e ∆U = +20 J de 0, 2 cal/g · ◦ C, pode-se afirmar que a massa dessa caneca, int em gramas, ´: e a) 3,2 b) 32 Q = +100 J W = +80 J c) 90 d) 160 Sendo: e) 800 Calor recebido pelo sistema (Q): ´ energia que entra no sise 5. (FURG) Uma fonte calor´ ıfica fornece calor, com potˆncia e tema e a representamos por uma seta entrando, pois o calor ´ ı constante, para 600 g de ´gua durante 10 min e observa-se a a absorvido Q > 0. temperatura desta elevar-se em 15 ◦ C. Substituindo-se a ´gua a e por 300 g de outro l´ ıquido, verifica-se que a temperatura deste Trabalho cedido pelo sistema (W ): ´ energia que sai do sistema na forma de trabalho e o representamos por uma seta para fora, se eleva tamb´m de 15 ◦ C, por´m em 2 min. O calor espec´ e e ıfico j´ que ´ uma energia perdida pelo sistema (W > 0). a e do l´ ıquido ´ de : e Aumento de energia interna (∆Uint ): representamos por uma a) 0,1 cal/g · ◦ C quantidade ∆Uint > 0, quando ela aumenta, ou po uma quanb) 0,2 cal/g · ◦ C tidade ∆Uint < 0, quando ela diminui. c) 0,3 cal/g · ◦ C Temos: d) 0,4 cal/g · ◦ C e) 0,5 cal/g · ◦ C Q = W + ∆U
int

6. (ACAFE) A capacidade t´rmica de um corpo homogˆneo e e depende: a) s´ de sua massa o b) de sua massa e de seu volume c) s´ de sua massa e do calor espec´ o ıfico do material que o constitui d) de sua massa e de sua temperatura e) s´ do calor espec´ o ıfico do material que o constitui

Para obtermos esta rela¸ao entre Q, W e ∆Uint , basta imporc˜ mos que “a soma das energia entram (sinal positivo) com as energias que saem (sinal negativo) do sistema ´ igual a varia¸˜o da energia interna do sistema”. e ca Esta ´ a primeira lei da Termodinˆmica. e a

Aplica¸˜es da Primeira Lei co
Vamos aplicar a primeira lei para algums processos termodinˆmicos particulares. Dizemos que um sistema t´rmico passa a e por um processo de equil´ ıbrio, ou quase-est´tico, quando evoa lui fisicamente de forma lenta, fazendo com as vari´veis que o a descrevem (p, V , T , Uint , etc) mudem suavemente, fazendo o sistema evoluir de forma cont´ de um estado inicial i, digamos, ıa para um estado final f . Transforma¸˜o Isot´rmica (T = cte) ca e Para um processo termodinˆmico em que a temperatura n˜o a a varia, a varia¸ao de energia interna do g´s ´ nula. Ou seja, c˜ a e pela primeira lei concluimos que Q=W ou seja, numa transforma¸ao isot´rmica, o calor trocado pelo c˜ e g´s com o exterior ´ igual ao trabalho realizado no mesmo a e processo.

Termodinˆmica a

Aula 8

Primeira Lei da Termodinˆmica a
A primeira lei da Termodinˆmica nada mais ´ que o princ´ a e ıpio da Conserva¸ao da energia aplicado ` termodinˆmica. O c˜ a a princ´pio da conserva¸ao da energia, em linhas gerais, diz que ı c˜ num sistema isolado a energia total ´ conservada, ou seja ´ e e constante, e jamais pode ser criada ou destru´ dentro do ıda sistema, mas apenas transformada de uma forma em outra. Sendo assim, se um sistema recebe energia ele tem de dar conta desta energia, ou se ele cede energia, esta energia tem de ter sa´ de algum lugar. Por exemplo, admitamos que um sistema ıdo receba 100 J de calor. Estes 100 J de energia n˜o podem a desaparecer e nem serem destru´ ıdos no sistema. Eles tem de ir para algum lugar. Admitamos, em continua¸ao, que o sistema c˜

92

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Transforma¸˜o Isob´rica (p = cte) ca a No processo isob´rico de um g´s ideal, o volume V ´ direa a e tamente proporcional a temperatura T . Portanto, numa expans˜o isob´rica, o volume e a temperatura aumentam, ocora a rendo tamb´m aumento da energia interna do g´s: e a ∆Uint > 0 e pela primeira lei concluimos que para uma expans˜o isob´rica a a Q>W ou seja, numa expans˜o isob´rica, a quantidade de calor recea a bida ´ maior que o trabalho realizado. e Transforma¸˜o Isom´trica (V = cte) ca e

Pense um Pouco!
• Ao ser comprimido, um g´s ganha ou perde energia ina terna? • Fa¸a uma analogia da compress˜o de um g´s e de uma c a a mola, observando o trabalho e a energia. • Um moto perp´tuo de primeira esp´cie seria uma m´quina e e a que realizasse trabalho indefinidamente, sem utilizar nenhuma fonte de energia. Futuramente ser´ poss´ a consa ıvel tru¸ao de uma tal m´quina? c˜ a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

1. (UNICENTRO-SP) Marque a alternativa que descreve a primeira lei da termodinˆmica. a a) O aumento de energia interna de um g´s ´ dado pela difea e Como n˜o h´ varia¸ao de volume nesse tipo de processo, o a a c˜ ren¸a entre o calor recebido e o trabalho realizado. c trabalho realizado ´ nulo e, pela primeira lei: e b) O trabalho realizado ´ dado pela soma do calor recebido e com o aumento de energia interna. ∆Uint = Q c) O calor recebido ´ dado pela diferen¸a entre o trabalho ree c alizado e o aumento de energia interna. ou seja, todo o calor recebido (cedido) pelo sistema faz com d) Se um sistema realiza trabalho, sua energia interna n˜o se a que a energia interna do sistema aumente (diminua). altera. Numa transforma¸ao isom´trica, a varia¸ao de energia interna c˜ e c˜ e) Se um sistema recebe trabalho, sua energia interna diminui. do g´s ´ igual a quantidade de calor trocada com o meio extea e rior. 2. (FATEC) Haver´ trabalho realizado sempre que uma massa a gasosa: A transforma¸ao ` volume constante tamb´m ´ chamada de c˜ a e e a) sofrer varia¸ao em sua press˜o c˜ a isovolum´trica, isoc´rica ou isom´trica. e o e ¯ b) sofrer varia¸ao em seu volume c˜ c) sofrer varia¸ao em sua temperatura c˜ Transforma¸˜o Adiab´tica (Q = 0) ca a d) receber calor de fonte externa e) sofrer varia¸ao de energia interna c˜ Um g´s sofre uma transforma¸ao adiab´tica quando n˜o troca a c˜ a a calor com o meio exterior, ou seja, quando 3. (FATEC) Uma fonte t´rmica cede 100 J de calor a um e sistema, ao mesmo tempo em que este realiza um trabalho Q=0 mecˆnico de 20 J. Durante esse processo, n˜o ocorrem outras a a trocas de energia com o meio externo. A varia¸ao da energia c˜ Aplicando a primeira lei temos neste caso interna do sistema, medida em joules, ´ igual a: e a) zero ∆Uint = −W b) 20 c) 80 Numa transforma¸ao adiab´tica, a varia¸ao de energia interna d) 100 c˜ a c˜ ´ igual em m´dulo e sinal contr´rio ao trabalho realizado na e) 120 e o a transforma¸ao. Ou seja, se um sistema realiza trabalho adiac˜ baticamente, ter´ de consumir sua energia interna, j´ que n˜o a a a absorveu calor. Exerc´ ıcios Complementares 4. (MACK) Um g´s mantido a volume constante, recebe 240 J a de calor do meio ambiente. O trabalho realizado pelo g´s e sua a A segunda lei da Termodinˆmica, a exemplo da primeira, tem varia¸ao da energia interna ser˜o, respectivamente; a c˜ a diferentes enunciados que se equivalem. O mais comum deles a) 240 J e 0 J decorre da conclus˜o das aulas anteriores e da aceita¸ao da b) 0 J e 240 J a c˜ irreversibilidade das transforma¸oes da natureza: c˜ c) 120 J e 120 J Nenhuma m´quina t´rmica, operando em ciclos, pode d) 0 J e 120 J a e retirar calor de uma fonte e transform´-lo integral- e) −240 J e 240 J a mente em trabalho. ´ 5. (UFLA-MG) Assinale a resposta correta. E poss´ ceder ıvel ou noutra forma mais moderna calor a um g´s sem que sua temperatura aumente? a O calor flui expontaneamente de um corpo mais quente a) N˜o, porque sempre que um corpo recebe calor sua tempea para um corpo mais frio, sempre neste sentido. ratura aumenta Vamos ver os detalhes desta lei e suas aplica¸oes mais adiante. b) N˜o , porque o calor ´ uma forma de energia e sempre se c˜ a e

Segunda Lei da Termodinˆmica a

ˆ Termodinamica – Aula 9 conserva c) Sim, porque o calor pode ser transformado em energia interna do g´s a d) Sim, porque o calor pode resultar num aumento da agita¸ao c˜ t´rmica das mol´culas do g´s e e a e) Sim , basta que o g´s realize trabalho igual ao calor que a recebeu 6. (ACAFE) Numa expans˜o adiab´tica, a temperatura de a a um mol de g´s perfeito diminui de 200 K. Podemos afirmar a que a quantidade de calor trocada com o ambiente ´ de: e a) 73 cal b) 200 cal c) 20 cal d) 0 J e) n˜o pode ser determinado a

93

Ciclo de Carnot
Estudando as m´quinas t´rmicas, o cientista Sadi Carnot a e propˆs, em 1824, um ciclo te´rico composto de quatro transo o forma¸oes revers´ c˜ ıveis - duas isot´rmicas e duas adiab´ticas, que e a proporciona o m´ximo rendimento para uma m´quina t´rmica, a a e entre duas temperaturas T1 e T2 das fontes quente e fria. O desenho a seguir representa o ciclo de Carnot.

p a

isotérmico adiabático

b d
isotérmico 1 adiabático

Termodinˆmica a
M´quinas T´rmicas a e

Aula 9
O
Va

T

c T2
Vc

Vd

Vb

V

Uma m´quina t´rmica opera em ciclos entre duas fontes a e t´rmicas de temperaturas diferentes, uma chamada de fonte e quente e a outra, de fonte fria. A m´quina retira calor da a fonte quente Q1 , transforma parte desse calor em trabalho W e rejeita a outra parte Q2 para a fonte fria, assim W = Q1 − Q2

Figura 1.1: Figura do Ciclo de Carnot. Processo A → B: o g´s sofre uma expans˜o isot´rmica, recea a e bendo calor da fonte quente Q1 e realizando trabalho. A energia interna do g´s se mant´m constante nesta transforma¸ao. a e c˜

Fonte Quente Q
1

Máquina Térmica Q
2

W

Sadi Carnot

Processo B → C: o g´s sofre uma expans˜o adiab´tica. Sua a a a temperatura diminui, mas n˜o ocorre troca de calor com o a meio. O g´s realiza trabalho as custas de redu¸ao na sua enera c˜ gia interna. Para o caso das m´quinas t´rmicas, a Segunda Lei da Termoa e Processo C → D: o g´s sofre uma compress˜o isot´rmica , a a e dinˆmica assume a forma: a o meio exterior realiza trabalho sobre o g´s, sem que haja a ´ E imposs´ ıvel um dispositivo operando em ciclos convaria¸ao na sua energia interna. Durante essa transforma¸ao, c˜ c˜ verter integralmente calor em trabalho. o g´s rejeita a quantidade de calor Q2 para a fonte fria. a Assim, podemos definir o rendimento ǫ de uma m´quina a Processo D → A: ocorre uma compress˜o adiab´tica, a a t´rmica como e completando-se o ciclo. A temperatura do sistema aumenta, W ǫ= mas n˜o ocorre troca de calor com o meio. O trabalho realizado a Q1 contra o sistema, provoca aumento na sua energia interna. e como W = Q1 − Q2 temos: Carnot demonstrou que, para uma m´quina que executasse o a Q2 ciclo por ele proposto, as quantidades de calor trocadas com as ǫ=1− Q1 fontes t´rmicas s˜o diretamente proporcionais as temperaturas e a

Fonte Fria

94

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

absolutas dessas fontes, ou seja: Q2 T2 = Q1 T1

Exerc´ ıcios Complementares

4. (Mackenzie) Uma m´quina t´rmica executa um ciclo entre a e as temperaturas 500 K (fonte quente) e 400 K (fonte fria). O m´ximo rendimento que essa m´quina poderia ter ´: a a e Como Q2 a) 10 % ǫ=1− b) 20 % Q1 c) 25 % ent˜o o rendimento ǫC de uma m´quina de Carnot ´ dado por: d) 30 % a a e e) 80 % T2 ǫC = 1 − T1 5. (UEL) O rendimento de certa m´quina t´rmica de Carnot a e ´ de 25% e a fonte fria ´ a pr´pria atmosfera a 27 ◦ C. A e e o Da´ tiramos uma importante conclus˜o: ı a temperatura da fonte quente ´: e O rendimento da m´quina de Carnot n˜o depende da a) 5, 4 ◦ C a a substˆncia de trabalho utilizada (g´s): ´ fun¸˜o exclu- b) 52 ◦ C a a e ca siva das temperaturas absolutas das fontes quente e c) 104 ◦ C fria. d) 127 ◦ C Estabelece o Teorema de Carnot que, entre duas temperaturas e) 227 ◦ C T1 e T2 das fontes quente e fria, a m´quina de Carnot ´ a que a e a apresenta o m´ximo rendimento. Portanto, nenhuma m´quina 6. (Osec-SP) Um g´s perfeito realiza um ciclo de Carnot. a a e e t´rmica, entre as mesmas temperaturas, pode apresentar ren- A temperatura da fonte fria ´ 127 ◦ C e a da fonte quente ´ e 427 ◦ C. O rendimento do ciclo ´: e dimento superior ao previsto para a m´quina de Carnot. a a) 3,4 % b) 70 % c) 43 % Pense um Pouco! d) 57 % • O que aconteceria com uma m´quina t´rmica se o ren- e) n.d.a a e dimento alcan¸ado fosse de 100%? Ser´ que no futuro, c a teremos uma m´quina assim? a

Termodinˆmica a
Mudan¸as de Fase c

Aula 10

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ACAFE) Uma m´quina t´rmica, que opera segundo o ciclo a e de Carnot, absorve 200 calorias da fonte quente em cada ciclo e abandona 120 calorias para a fonte fria. A alternativa, abaixo que representa o rendimento desta m´quina t´rmica ´: a e e a) 100 % b) 80 % c) 60 % d) 40 % e) 20 %

A mat´ria pode se apresentar-se nos estados s´lido, l´ e o ıquido e gasoso. Estes estados se distinguem pelo seguinte: S´lido tˆm forma pr´pria e volume bem definido. o e o L´ ıquido n˜o tem forma pr´pria (assume a forma do recipiente a o que os cont´m), mas tem volume bem definido. e G´s n˜o tem forma pr´pria nem volume definido. Tomam a a a o forma e o volume do recipiente que os cont´m, dependendo da e 2. (ACAFE) Complete o enunciado que segue, com a alter- press˜o externa. a nativa verdadeira, dentre as relacionadas abaixo. O ciclo de Carnot ´ constitu´ de transforma¸oes: e ıdo c˜ Tipos a) adiab´ticas e isot´rmicas a e b) adiab´ticas e isob´ricas a a No nosso estudo estaremos sempre nos referindo a substˆncias a c) isovolum´trica e isot´rmicas e e puras, e faremos algumas defini¸oes: c˜ d) isovolum´tricas e isob´ricas e a e) isovolum´tricas e adiab´ticas e a • Fus˜o: ´ a passagem de uma substˆncia do estado s´lido a e a o para o estado l´ ıquido. 3. (ACAFE) Uma m´quina de Carnot, cuja fonte quente est´ a a a 300 K, absorve 100 cal de calor desta fonte, em cada ciclo, • Solidifica¸ao: ´ a passagem de uma substˆncia do estado c˜ e a e abandona 70 cal para a fonte fria. A temperatura da fonte l´ ıquido para o estado s´lido . o fria ´ de : e a) 210 K • Vaporiza¸ao: ´ a passagem de uma substˆncia do estado c˜ e a b) 190 K liquido para o estado de vapor. c) 150 K Conforme a maneira de se processar, a vaporiza¸ao recebe c˜ d) 120 K nomes diferentes. Assim ela pode tomar o nome de: e) 100 K

ˆ Termodinamica – Aula 10 – Evapora¸ao: ocorre mediante um processo lento que c˜ ´ se verifica apenas na superf´ do l´ ıcie ıquido. E o que acontece com a ´gua de um tanque , ou de uma bacia a ao ar livre. A evapora¸ao pode ocorrer a qualquer c˜ temperatura que estiver o l´ ıquido. – Ebuli¸ao: ocorre mediante a um processo turbuc˜ lento que se verifica em toda a massa l´ ıquida. Isso ocorre quando a press˜o de vapor do l´ a ıquido se iguala a press˜o externa, a´ o vapor escapa produzindo a ı ´ o borbulhar caracter´ ıstico da ebuli¸ao. E o que c˜ ocorre com a ´gua de uma chaleira quando esta ´ a e colocada ao fogo e come¸a a fervura. A ebuli¸ao c c˜ s´ ocorre em uma determinada temperatura, cao racter´ ıstica do l´ ıquido, chamada temperatura (ou ponto) de ebuli¸ao, que depende d a press˜o exerc˜ a cida em sua superf´ ıcie. – Calefa¸ao: ocorre ap´s um aquecimento muito c˜ o brusco. Por exemplo quando uma por¸ao de ´gua c˜ a ´ jogada na chapa quente de um fog˜o, h´ um aquee a a cimento brusco da ´gua, seguido do fenˆmeno de caa o lefa¸ao . c˜ • Liquefa¸ao (condensa¸ao): ´ a passagem de uma c˜ c˜ e substˆncia do estado de vapor para o estado l´ a ıquido.

95

Pense um Pouco!
• Quando deixamos uma pedrinha de Naftalina no guardaroupas ,depois de algum tempo ela some. Como se chama esse processo? • O que acontece com o calor absorvido por uma substˆncia a durante uma mudan¸a de fase, j´ que sua temperatura n˜o c a a muda?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (FUVEST) Para fundir 50 gramas de uma substˆncia, sem a varia¸ao de temperatura, foram necess´rias 1, 4 kcal. Qual o c˜ a calor espec´ ıfico latente de fus˜o dessa substˆncia em cal/g? a a a) 12 b) 24 c) 26 d) 28 e) 30

2. (ACAFE) Sendo o calor latente espec´ ıfico de fus˜o do gelo a igual a 80 cal/g, a quantidade de calor necess´ria para fundir a 100 gramas de gelo a 0 ◦ C ´: e a) 8 kcal Temperatura de Mudan¸a de Estado c b) 4 kcal A fus˜o e a solidifica¸ao se processam na mesma temperatura c) 125 cal a c˜ chamada temperatura (ou ponto) de fus˜o ou de solidifica¸ao d) 80 cal a c˜ (TF ). Por exemplo, a ´gua, sob press˜o atmosf´rica normal, e) 1, 25 cal a a e sempre se funde e solidifica a 0 ◦ C. 3. (PUC) Um bloco de gelo, inicialmente a −10 ◦ C, tem A ebuli¸ao e a liquefa¸ao se processam na mesma temperatura, massa de 500 g. Qual a quantidade de calor necess´ria para c˜ c˜ a chamada temperatura (ou ponto) de ebuli¸ao ou de liquefa¸ao transform´-lo em igual quantidade de ´gua, a 20 ◦ C? Dados c˜ c˜ a a (TE ). Por exemplo, sob press˜o atmosf´rica normal, a ´gua : c a e a ◦ ◦ GELO = 0, 5 cal/g · C, cAGUA = 1, 0 cal/g · C e LF = sempre entra em ebuli¸ao e se liq¨ efaz a 100 ◦ C. c˜ u 80 cal/g. a) 0, 05 kcal b) 0, 52 kcal c) 5, 25 kcal Seja Q a quantidade de calor latente necess´ria para provocar d) 525 kcal a uma dada mudan¸a de estado na massa m de um substˆncia e) 52, 5 kcal c a S, sem varia¸ao de temperatura. c˜ Verifica-se experimentalmente que Q ´ proporcional ` massa e a m, podendo-se escrever: Exerc´ ıcios

Calor Latente

Complementares

Q = mL Sendo L um coeficiente de proporcionalidade chamado calor espec´ ıfico latente da referida mudan¸a de estado da c substˆncia S. a Sendo LF o calor espec´ ıfico latente de fus˜o ou de solidifica¸ao, a c˜ temos QF = mLF 4. (CEFET) Tˆm-se 200 g de ´gua a 20 ◦ C. A quantidade de e a calor, em cal, que dela se deve retirar para se ter gelo a 0 ◦ C, ´ (dados : cGELO = 0, 5 cal/g · ◦ C, cAGUA = 1, 0 cal/g · ◦ C e e LF = 80 cal/g): a) 4000 b) 16000 c) 20000 E sendo LV o calor espec´ ıfico latente de vaporiza¸ao ou de d) 20100 c˜ e) 12000 liquefa¸ao, temos: c˜ QV = mLV 5. (ACAFE) Qual a quantidade de calor que se deve fornecer Observamos que o calor espec´ ıfico latente de uma substˆncia ´ a 50 g de gelo a 0 ◦ C para transform´-lo em vapor de ´gua a a e a a uma caracter´ ıstica da substˆncia que n˜o depende da massa. 100 ◦ C? Sabe-se que LV = 539 cal/g. a a Observamos tamb´m que o calor espec´ e ıfico latente de fus˜o a) 35950 cal a e de solidifica¸ao ´ o mesmo, porque a quantidade de calor b) 26170 cal c˜ e que um corpo recebe para se fundir ´ a mesma que cede ao se c) 20130 cal e solidificar. O mesmo se pode dizer do calor espec´ ıfico latente d) 15310 cal de vaporiza¸ao e de liquefa¸ao. c˜ c˜ e) 9000 cal

96

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

6. (UNIJU´ A vantagem do uso da panela de press˜o em I) a rela¸ao as panelas comuns para cozinhar alimentos relacionac˜ se com: a) a ´gua demora mais a ferver e atinge uma temperatura a menor b) a ´gua ferve rapidamente e atinge maior temperatura a c) a ´gua ferve rapidamente e atinge menor temperatura a d) a ´gua demora mais a ferver e atinge maior temperatura a e) n.d.a

devemos localizar, neste diagrama, o ponto correspondente ao par de valores de p e T fornecidos. Se este ponto estiver localizado na regi˜o S´lida, a substˆncia estar´ na fase s´lida, se a o a a o estiver na regi˜o L´ a ıquida, estar´ na fase l´ a ıquida e se estiver na regi˜o Vapor, na fase gasosa. a

Termodinˆmica a

Aula 11

Sublima¸˜o e Diagrama de Fases ca
Figura 1.1: Estrutura da agua l´quida. ´ ı Se colocarmos uma bola de naftalina em uma gaveta, sabemos que ela passa pelo estado de vapor, sem passar pelo estado l´ ıquido, isto ´, ocorre a sublima¸˜o da naftalina. Este fato e ca tamb´m ocorre com o CO2 s´lido e, por isto, ele ´ denominado e o e ”gelo seco”. Embora sejam poucas as substˆncias que se sua blimam nas condi¸oes ambientes, verifica-se que este fenˆmeno c˜ o pode ocorrer com qualquer substˆncia, dependendo da tempea ratura e da press˜o a que ela estiver submetida. O estudo do a diagrama de fases, que faremos a seguir, nos permitir´ defia nir em que condi¸oes a sublima¸ao de um substˆncia poder´ c˜ c˜ a a ocorrer.

Ponto Triplo

As linhas que aparecem no diagrama de fases e que os dividem nas regi˜es S´lida, L´ o o ıquida e Vapor correspondem a valores de p e T nos quais podemos encontrar a substˆncia, simultaneaa mente, em dois estados. Assim, qualquer ponto da linha T M corresponde a um par de valores de p e T no qual a substˆncia a se apresenta, simultaneamente, nos estados s´lido e l´ o ıquido. A linha T N corresponde ao equil´ ıbrio entre l´ ıquido e vapor e a linha OT , entre s´lido e vapor. O ponto de encontro dessas trˆs o e linhas (ponto T da figura) nos fornece os valores da press˜o a Diagrama de Fases e da temperatura nos quais a substˆncia pode se apresentar, a simultaneamente, nos trˆs estados. Este ponto ´ denominado e e Em um laborat´rio ´ poss´ o e ıvel determinar, para cada ponto triplo da substˆncia. A ´gua, por exemplo, a press˜o a a a substˆncia, os valores da press˜o p e da temperatura T cora a de 4, 6 mmHg e a uma temperatura de 0, 01 ◦ C, pode ser enrespondentes a cada um dos seus poss´ ıveis estados. Com estes o ıquido e gasoso valores podemos construir um gr´fico, denominado diagrama contrada, simultaneamente, nos estados s´lido, l´ a e, portanto, estes valores correspondem ao seu ponto triplo. de fases, que tem aspecto semelhante ao da figura abaixo:

Pressao (atm)

1,0 Liquida Solida

0,0006

Figura 1.2: Estrutura da agua s´lida (gelo). ´ o

Ponto triplo Vapor

G´s Real a
0,01 100 Temperatura ( C)
Observa-se que este diagrama est´ dividido em trˆs regi˜es, a e o indicando a fase S´lida, L´ o ıquida e Vapor. Se nos forem fornecidos os valores da press˜o e da temperatura em que uma a substˆncia se encontra, o seu diagrama de fases nos permitir´ a a determinar se ela esta s´lida, l´ o ıquida ou gasosa. Para isto, Um g´s real pode n˜o se comportar como um g´s ideal, j´ que a a a a o modelo de g´s ideal ´ uma aproxima¸ao bem simplificada de a e c˜ um g´s real. a Para isto, suponha que um g´s real esteja encerrado em um a cilindro provido de um pist˜o e de um manˆmetro que nos a o permite ler os valores de sua press˜o. a Mantendo constante a temperatura do g´s, vamos comprimia lo desde uma posi¸ao inicial aonde a press˜o do g´s ´ ainda, c˜ a a e relativamente baixa. Durante a compress˜o, verifica-se que, a

ˆ Termodinamica – Aula 11 inicialmente, o g´s real se comporta como um g´s ideal, isto ´, a a e os valores de p,V e T do g´s satisfazem a equa¸ao pV = nRT . a c˜ Entretanto, ap´s o pist˜o atingir uma certa posi¸ao, na qual a o a c˜ press˜o j´ ´ um pouco mais elevada, observa-se que o g´s real a ae a deixa de se comportar como um g´s ideal. Seu comportamento a torna-se mais complexo, exigindo, para descrevˆ-lo, equa¸oes e c˜ mais sofisticadas do que a equa¸ao de estado de um g´s ideal. c˜ a

97 II - Se mA = mB , certamente o calor espec´ ıfico de A ´ maior e que o calor espec´ ıfico de B. III - Esta situa¸ao s´ foi poss´ c˜ o ıvel porque os corpos possuem capacidades t´rmicas diferentes. e Est˜o CORRETAS: a a) I e II b) apenas II c) apenas III d) I, II e III e) SOLUCAO ¸˜ A solu¸ao desse item ´ uma an´lise das rela¸oes abaixo: c˜ e a c˜ 1) Q = mc∆t 2) C = mc 3) Q = C∆T Onde: Q - quantidade de calor; C - capacidade t´rmica; e c - calor espec´ ıfico m - massa; ∆T - varia¸ao da temperatura. c˜ Analisemos as afirma¸oes: c˜ I - Pela equa¸ao 1), mesmo material =¿ mesmo calor espec´ c˜ ıfico; como A sofreu maior varia¸ao de temperatura, a massa de A c˜ ´ menor que a de B. Afirmativa falsa. e II - Pela equa¸ao 1), massas iguais =¿ sofre maior varia¸˜o c˜ ca de temperatura o corpo de menor calor espec´ ıfico. Portanto o calor espec´ ıfico de A ´ menor que o de B, pois A sofreu maior e varia¸ao de temperatura. Afirma¸ao falsa. c˜ c˜ III - Pela equa¸ao 3) verifica-se que quantidades de calor iguais, c˜ as varia¸oes de temperaturas ser˜o diferentes se as capacidac˜ a des t´rmicas forem diferentes. Afirma¸ao correta. Portanto, e c˜ apenas III ´ correta. e

Pense um Pouco!
• Todas as substˆncias possuem o chamado ponto triplo? a • Quanto tempo leva uma naftalina para sumir completamente?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (PUC-RS) Se, ao fornecermos calor a um sistema, sob press˜o constante, observarmos que a temperatura permanece a inalterada, podemos afirmar que o sistema: a) ´ totalmente s´lido. e o b) ´ totalmente l´ e ıquido. c) est´ necessariamente em processo de fus˜o. a a d) est´ necessariamente evaporando. a e) est´ sofrendo uma mudan¸a de fase. a c 2. (UFV) Utilizando-se uma fonte de fornecimento cont´ ınuo de calor, aquece-se, ` press˜o constante de 1 atmosfera, 100 g a a de gelo, que s˜o transformados em vapor superaquecido. A a figura seguinte ilustra a varia¸ao da temperatura do sistema c˜ com o tempo. a) Em que intervalo de tempo ocorre a fus˜o? a b) Em que intervalo de tempo ocorre a vaporiza¸ao? c˜ c) Considerando o calor espec´ ıfico do gelo igual a 0, 55 cal/g·◦C e o calor latente de fus˜o igual a 80 cal/g, qual ´ a quantidade a e de calor absorvida pelo sistema, do instante inicial ao instante t2 ?

T(oC)

0 t1 −40 t2 t3 t4 t(s)

Exerc´ ıcios Complementares
3. (UFV-MG) Sejam dois s´lidos A e B, de massas respectio vamente a mA e mB , em equil´ ıbrio t´rmico. Cedendo-lhes a e mesma quantidade de calor, observa-se que a temperatura do corpo A torna-se maior que a temperatura do corpo B. N˜o a se observa mudan¸a de fase. Sobre essa situa¸ao s˜o feitas trˆs c c˜ a e afirmativas: I - Se os corpos forem feitos do mesmo material, certamente mA > mB .

98

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Eletricidade – Aula 1

99

Eletricidade
Carga El´trica e

Aula 1
La La + + + + + + + + + ++ + Atrito

No s´culo XVIII, Benjamin Franklin verificou experimentale mente que existem dois tipos de cargas diferentes, a as batizou como cargas negativas (−) e positivas (+). Nesta ´poca os e cientistas pensavam que a carga era um flu´ que podia ser ıdo armazenado nos corpos, ou passar de um para outro. Atualmente, dizer-se que carga el´trica ´ uma propriedade e e intr´ ınseca de algumas part´ ıculas. Assim como massa, a carga ´ uma propriedade elementar das part´ e ıculas. A experiˆncia realizada por Harvey Fletcher e Robert Millikan e demonstrou que a quantidade de carga el´trica ´ uma grandeza e e quantizada, ou seja, n˜o pode assumir qualquer valor. Essa a descoberta levou ` conclus˜o de que a quantidade de carga a a el´trica Q ´ sempre um n´ mero inteiro n vezes a quantidade e e u de carga elementar e: Q = ne onde e = 1, 60 × 10−19 coulomb ou C.

(a)

(b)

Quando esfregamos as m˜os, n˜o eletrizamos nenhuma delas. a a Para que haja eletriza¸ao por atrito, uma condi¸ao necess´ria c˜ c˜ a ´ que os corpos sejam de materiais diferentes, isto ´, eles n˜o e e a podem ter a mesma tendˆncia de ganhar ou perder el´trons. e e Em Qu´ ımica, essa tendˆncia ´ traduzida por uma grandeza dee e nominada de eletroafinidade. Os materiais podem ser classificados de acordo com essa tendˆncia, elaborando-se a chamada e s´rie tribo-el´tricas: e e + + + Vidro → Mica → L˜ → Seda → Algod˜o → Maa a ˆ deira → Ambar → Enxofre → Metais − − − Ao atritarmos dois materiais quaisquer de uma s´rie triboe el´trica, o que estiver posicionado ` esquerda ficar´ eletrizado e a a positivamente; o que estiver ` direita ficar´ eletrizado negatia a vamente. Na eletriza¸ao por atrito, pelo menos um dos corpos c˜ C. A unidade SI da carga el´trica ´ o e e deve ser isolante. Se atritarmos dois condutores, eles n˜o v˜o a a manter a eletriza¸ao. c˜

Tipos de Materiais
Em rela¸ao ` eletricidade, os materiais s˜o classificados como c˜ a a condutores ou isolantes. Para que um material seja condutor de energia el´trica, ´ e e necess´rio que ele possua portadores de carga el´trica livres a e (el´trons, ´ e ıons positivos ou ´ ıons negativos) e mobilidade para esses portadores. Os metais s˜o bons condutores de eletricia dade, pois possuem el´trons ”livres”e mobilidade para esses e el´trons; o mesmo acontece com as solu¸oes eletrol´ e c˜ ıticas, que apresentam os ´ ıons como portadores de carga el´trica, e com os e gases ionizados, que possuem el´trons e ´ e ıons como portadores de carga el´trica. e O vidro, a ´gua pura, a madeira e os pl´sticos de modo geral a a s˜o bons isolantes de eletricidade. Al´m dos condutores e dos a e isolantes, existem os materiais semi-condutores, como o sil´ ıcio e o germˆnio. a

Eletriza¸˜o por Contato ca
A eficiˆncia nessa forma de eletriza¸ao depende de os corpos e c˜ serem condutores ou isolantes. Se um dos corpos for isolante, a eletriza¸ao ser´ local, isto ´, restrita aos pontos de contato. c˜ a e Se os dois corpos forem condutores - um eletrizado e o outro neutro - e colocados em contato, poderemos imagin´-los como a um unico corpo eletrizado. A separa¸ao entre eles resultar´ ´ c˜ a em dois corpos eletrizados com cargas de mesmo sinal. Na figura, um dos condutores est´ inicialmente neutro (a eletriza¸ao a c˜ por contato pode ocorrer tamb´m com dois condutores inicie almente eletrizados).
Antes + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + Depois + + +

(a)

(b)

(c)

Eletriza¸˜o por Atrito ca
Ao atritar vigorosamente dois corpos, A e B, estamos fornecendo energia e pode haver transferˆncia de el´trons de um e e para o outro. Se os corpos atritados est˜o isolados, ou seja, a n˜o sofrem a influˆncia de quaisquer outros corpos, as cargas a e el´tricas cedidas por um s˜o exatamente as adquiridas pelo e a outro: QA = −QB Isto ´, A e B adquirem quantidades de carga el´trica iguais em e e m´dulo, mas de sinais contr´rios. A figura representa o que o a acontece quando um peda¸o de metal ´ atritado com um pano c e de l˜. a

Generalizando, podemos afirmar que, na eletriza¸ao por conc˜ tato: • os corpos ficam ou eletricamente neutros ou com cargas de mesmo sinal; • quando o sistema ´ formado por corpos isolados das ine fluˆncias externas, a quantidade de carga el´trica total e e final ´ igual ` quantidade de carga el´trica total inicial e a e (princ´pio da conserva¸ao de carga el´trica): ı c˜ e QA + QB = Q′ A + Q′ B Na express˜o acima, Q representa a quantidade de carga a el´trica inicial e Q′ , a quantidade de carga el´trica final. e e Em particular, se os corpos A e B forem iguais:

100

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Q′ A = Q′ B = (QA + QB)/2 Podemos ainda observar que: 1. se os corpos colocados em contato s˜o de tamanhos a diferentes, a divis˜o de cargas ´ proporcional `s dia e a mens˜es de cada um; o 2. quando um corpo eletrizado ´ colocado em contato e com a Terra, ele se torna neutro, uma vez que sua dimens˜o ´ desprez´ se comparada com ` da Terra. a e ıvel a Simbolicamente, a liga¸ao ` Terra ´ representada c˜ a e conforme a figura.

O indutor (a) eletrizado positivamente, atrai as cargas el´tricas e negativas do induzido (b). Assim, na face do induzido mais pr´xima do indutor, temos ac´ mulo de cargas negativas, que o u n˜o chegam ao indutor porque o ar entre eles ´ isolante. Por a e outro lado, a face do induzido mais afastada do indutor fica positiva. A essa altura, podemos nos perguntar se o corpo (b) est´ eletrizado. Ele n˜o est´, pois o n´ mero de pr´tons no a a a u o corpo continua igual ao n´ mero de el´trons. Dizemos que o u e corpo (b) est´ induzido, porque houve apenas uma separa¸ao a c˜ das cargas. Quando retiramos o indutor, as cargas no induzido se reagrupam e ele volta ` situa¸ao neutra. Para eletrizar o a c˜ induzido, devemos, na presen¸a do indutor, estabelecer o conc tato do induzido (corpo b) com um terceiro corpo, chamado de terra. Esse terceiro corpo pode ser um outro corpo qualquer, at´ mesmo o planeta Terra. e
+ + + + + + B + +

Terra
+ + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + + +

+

+

(a)

(b)

+ + +

Em (a), o corpo est´ isolado da Terra e, portanto, a mant´m sua carga el´trica. Quando o contato com a e e Terra ´ estabelecido (b), o corpo se neutraliza e

A − Indutor

(a)

(b)

Eletriza¸˜o por Indu¸˜o ca ca
Nesse tipo de eletriza¸ao n˜o h´ contato entre os corpos. Vec˜ a a jamos como acontece.

Na presen¸a do indutor, desfazemos o contato entre b e a Terra; c em seguida, afastamos os corpos: o corpo b fica eletrizado com carga oposta ` do indutor a. a

Pense um Pouco!
• Uma pessoa pode levar um pequeno choque ao descer de um carro num dia seco. Explique.

+ + + + + +

+

+

+ + + + +

+

+ + + + +

• Atritando-se dois materiais diferentes criamos carga el´trica? Por quˆ? e e

+

+

+
(a)

+

+
(b)

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

1. Disp˜e-se de trˆs esferas met´licas idˆnticas e isoladas uma o e a e da outra. Duas delas, A e B, est˜o neutras, enquanto a esa fera C cont´m uma carga el´trica Q. Faz-se a esfera C tocar e e Primeiramente, precisamos de um corpo eletrizado (a), cha- primeiro a esfera A e depois a esfera B. No final desse procemado de indutor, que pode ser condutor ou isolante, pois n˜o dimento, qual a carga el´trica das esferas A, B e C, respectia e ter´ contato com o outro. O segundo corpo (b) a ser eletri- vamente? a zado, chamado de induzido, dever´ ser condutor, podendo ser a e e e a uma solu¸ao eletrol´ c˜ ıtica ou dois corpos B1 e B2 ligados eletri- 2. ”S´rie tribo-el´trica ´ um conjunto de substˆncias ordenadas de tal forma que cada uma se eletriza negativamente camente. quando atritada com qualquer uma que a antecede e positivamente quando atritada com qualquer uma que a sucede. + + + + Exemplo: vidro - mica - l˜ - seda - algod˜o - cobre.”Baseado a a + na informa¸ao acima, responda: c˜ + a) Atrita-se um pano de l˜ numa barra de vidro, inicialmente a + + neutros. Com que sinais se eletrizam? + b) E se o pano de l˜ fosse atritado numa esfera de cobre, a + tamb´m inicialmente neutro? e +
+ + + + +

+

+

+

+

+
B1 B2

+

+

+

(a)

(b)

3. Uma esfera met´lica neutra encontra-se sobre um suporte a isolante e dela se aproxima um bast˜o eletrizado positivaa mente. Mant´m-se o bast˜o pr´ximo ` esfera, que ´ ent˜o e a o a e a

Eletricidade – Aula 2 ligada ` terra por um fio met´lico. Em seguida, desliga-se o a a fio e afasta-se o bast˜o. a a) A esfera ficar´ eletrizada positivamente. a b) A esfera n˜o se eletriza, pois foi ligada ` terra. a a c) A esfera sofrer´ apenas separa¸ao de suas cargas. a c˜ d) A esfera ficar´ eletrizada negativamente. a e) A esfera n˜o se eletriza, pois n˜o houve contato com o bast˜o a a a eletrizado. 4. Disp˜e-se de uma esfera condutora eletrizada positivao mente. Duas outras esferas condutoras, B e C, encontram-se inicialmente neutras. Os suportes das trˆs esferas s˜o isolantes. e a Utilizando os processos de eletriza¸ao por indu¸ao e por conc˜ c˜ tato, descreva procedimentos pr´ticos que permitam obter: a a) as trˆs esferas eletrizadas positivamente II. A eletrizada poe sitivamente e B negativamente III. A eletrizada negativamente e B positivamente

101 esfera, ambas condutoras. O isolante impede a passagem de cargas el´tricas da haste para a esfera. Normalmente, as foe lhas met´licas s˜o mantidas dentro de um frasco transparente, a a a fim de aumentar a sua justeza e sensibilidade.

+++ +++

Exerc´ ıcios Complementares
5. (U. Fortaleza-CE) Um bast˜o ´ atritado com um pano. A a e seguir, repele uma esfera eletrizada negativamente. Pode-se afirmar corretamente que o bast˜o foi eletrizado a a) positivamente, por contato com o pano. b) positivamente, por ter-se aproximado da esfera. c) negativamente, por ter-se aproximado da esfera. d) negativamente, por atrito com o pano. e) neutralizado, ao aproximar-se da esfera

Eletrostato
(a) (b)

Figura 1.1: O eletrosc´pio de folhas (a) na presen¸a de um o c bast˜o eletrizado negativamente (b) a

Aproximando-se da esfera o corpo que se quer verificar, se ele estiver eletrizado, ocorrer´ a indu¸ao eletrost´tica, ou seja: se a c˜ a o corpo estiver carregado negativamente, ele repele os el´trons e livres da esfera para as lˆminas, fazendo com que elas se abram a 6. (PUCC-SP) Disp˜e-se de uma barra de vidro, um pano devido ` repuls˜o; se o corpo estiver com cargas positivas, ele o a a de l˜ e duas pequenas esferas condutoras, A e B, apoiadas atrai os el´trons livres das lˆminas, fazendo tamb´m com que a e a e em suportes isolados, todos eletricamente neutros. Atrita-se elas se abram, novamente, devido ` repuls˜o. a a a barra de vidro com o pano de l˜; a seguir coloca-se a barra a de vidro em contato com a esfera A e o pano com a esfera B. ++ Ap´s essas opera¸oes: o c˜ ++ a) o pano de l˜ e a barra de vidro estar˜o neutros. a a b) a barra de vidro repelir´ a esfera B. a c) o pano de l˜ atrair´ a esfera A. a a + + d) as esferas A e B se repelir˜o. a + + e) as esferas A e B continuar˜o neutras. a 7. (UNIRIO-RJ) Uma esfera met´lica, sustentada por uma a haste isolante, encontra-se eletrizada com uma pequena carga el´trica Q. Uma segunda esfera idˆntica e inicialmente descare e regada aproxima-se dela, at´ toc´-la. Ap´s o contato, a carga e a o el´trica adquirida pela segunda esfera ´: e e a) Q/2 b) Q c) 2Q d) 0 e) −Q

Figura 1.2: Na presen¸a de um bast˜o eletrizado positivamente c a A determina¸ao do sinal da carga do corpo em teste, que j´ c˜ a se sabe estar eletrizado, ´ obtida carregando-se anteriormente e o eletrosc´pio com cargas de sinal conhecido. Dessa forma, as o lˆminas ter˜o uma determinada abertura inicial. a a

Eletricidade

Aula 2

A Lei de Coulomb

Esta lei diz respeito ` intensidade das for¸as de atra¸ao ou de a c c˜ repuls˜o, que agem em duas cargas el´tricas puntiformes (cara e gas de dimens˜es desprez´ o ıveis), quando colocadas em presen¸a c uma da outra. Eletrosc´pio de Folhas o Considere duas cargas el´tricas puntiformes, q1 e q2 , separadas e ´ E constitu´ de duas folhas met´licas, finas e flex´ ıdo a ıveis, liga- pela distˆncia r. Sabemos que, se os sinais dessas cargas forem a das em sua parte superior a uma haste, que se prende a uma iguais, elas se repelem e, se forem diferentes, se atraem. Isto

102

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

acontece devido ` a¸ao de for¸as de natureza el´trica sobre a c˜ c e elas. Essas for¸as s˜o de a¸ao e rea¸ao e, portanto, tˆm a mesma c a c˜ c˜ e intensidade, a mesma dire¸ao e sentidos opostos. Deve-se notar c˜ tamb´m que, de acordo com o princ´ e ıpio da a¸ao e rea¸ao, elas c˜ c˜ s˜o for¸as que agem em corpos diferentes e, portanto, n˜o se a c a anulam. Charles de Coulomb verificou experimentalmente que: As for¸as de atra¸ao ou de repuls˜o entre duas cargas c c˜ a el´tricas puntiformes s˜o diretamente proporcionais e a ao produto das cargas e inversamente proporcionais ao quadrado da distˆncia que as separa. a A express˜o matem´tica dessa for¸a ´: a a c e F =k q1 q2 r2

5. (Santa Casa-SP) A figura representa um eletrosc´pio de o folhas inicialmente descarregado. A esfera E, o suporte S e as folhas F s˜o met´licos. Inicialmente, o eletrosc´pio est´ a a o a eletricamente descarregado. Uma esfera met´lica, positivaa mente carregada, ´ aproximada, sem encostar, da esfera do e eletrosc´pio. Em qual das seguintes alternativas melhor se o representa a configura¸ao das folhas do eletrosc´pio (e suas c˜ o cargas), enquanto a esfera positiva estiver perto de sua esfera?
a) b) c)

E S

F d) blindagem metalica e)

onde q1 e q2 s˜o os m´dulos das cargas el´tricas envolvidas, e k a o e uma constante eletrost´tica que, no SI, para as cargas situadas a no v´cuo ´ a e k = 9 × 109 N · m2 /C 2

6. Duas cargas puntiformes q1 = −5, 0 µC e q2 = +8, 0 µC est˜o sobre o eixo horizontal, separadas por uma distˆncia r. a a Assinale a alternativa correta: a) As cargas se repelem mutuamente Pense um Pouco! b) q2 atrai q1 com mais intensidade do que q1 atrai q2 • Baseado na lei de Coulomb, explique como funciona o c) o sistema forma um dipolo d) As cargas se atraem eletricamente eletrosc´pio; o e) A for¸a sobre as cargas s˜o verticais c a • Se dobrarmos a distˆncia r entre duas cargas dadas, o que a acontece com a for¸a el´trica entre elas? c e • Se colocarmos muitos el´trons no centro de uma chapa e met´lica quadrada, o que acontecer´ com essa carga? a a

Eletricidade
Campo El´trico e

Aula 3

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Duas esferas condutoras eletrizadas, de pequenas dimens˜es, atraem-se mutuamente no v´cuo com for¸a de inteno a c sidade F ao estarem separadas por certa distˆncia r. Como a se modifica intensidade da for¸a quando a distˆncia entre as c a esferas ´ aumentada para 4r? e 2. As cargas el´tricas −q e +q ′ , puntiformes, atraem-se com e for¸a de intensidade F , estando ` distancia r uma da outra c a no v´cuo. Se a carga q ′ for substitu´ por outra −3q ′ e a a ıda distˆncia entre as cargas for duplicada, como se modifica a a for¸a de intera¸ao el´trica entre elas? c c˜ e 3. Considere um eletrosc´pio de folhas descarregado. Explique o o que acontece quando um corpo eletrizado negativamente ´: e a) aproximado da esfera do eletrosc´pio; o b) encostado na esfera do eletrosc´pio. o

Quando empurramos uma caixa, estamos aplicando sobre ela uma certa for¸a. N˜o ´ dif´ imaginar de que forma essa c a e ıcil for¸a foi transmitida ` caixa, pois de imediato associamos ` c a a aplica¸ao da for¸a o contato travado com a caixa. Pensemos c˜ c agora na intera¸ao entre cargas el´tricas: conforme estudamos c˜ e anteriormente, se aproximarmos de uma carga Q uma outra carga q, que denominaremos carga de prova, verificaremos a a¸ao de uma for¸a F (atrativa ou repulsiva, conforme os sinais c˜ c das cargas) sobre a carga q. Nesse caso, n˜o h´ contato entre a a os corpos, o que torna mais dif´ a compreens˜o da forma de ıcil a transmiss˜o da for¸a. Durante muito tempo afirmou-se que a a c for¸a eletrost´tica era uma intera¸ao direta e instantˆnea entre c a c˜ a um par de part´ ıculas eletrizadas, conceito este denominado a¸ao a distˆncia. c˜ a

Exerc´ ıcios Complementares
F

m

4. Duas part´ ıculas eletrizadas com cargas el´tricas de mesmo e valor absoluto mas sinais contr´rios atraem-se no v´cuo com a a for¸a de intensidade 4, 0 × 10−3 N , quando situadas a 9, 0 cm c uma da outra. Determine o valor das cargas, sendo k = 9 × 109 N · m2 /C 2 .

Eletricidade – Aula 3 Se trabalh´ssemos apenas com cargas em repouso, a a¸ao a a c˜ distˆncia nos bastaria para que resolvˆssemos a maioria dos a e problemas do eletromagnetismo. No entanto, o estudo de cargas em movimento n˜o pode ser deixado de lado e nesse caso a a teoria da a¸ao a distˆncia ´ falha, sendo necess´rio buscarmos c˜ a e a outra forma de explicar a intera¸ao el´trica. E foi com Faraday c˜ e (1791-1867) que nasceu a id´ia que constitui hoje um dos mais e importantes recursos em F´ ısica: a no¸ao de campo. c˜ Dizemos que a presen¸a da carga Q afeta a regi˜o do espa¸o c a c pr´xima a ela, ou seja, que a carga Q cria nas suas vizinhan¸as o c uma “propriedade”que d´ a essa regi˜o “algo”mais que atria a butos geom´tricos, “algo”que transmitir´ a qualquer carga de e a prova colocada nessa regi˜o a for¸a el´trica exercida pela carga a c e Q. Designamos por campo el´trico tal propriedade. Assim, a e for¸a F ´ exercida sobre q pelo campo el´trico criado por Q. c e e Esquematicamente teremos: A¸ao ` distˆncia: carga ⇐⇒ carga c˜ a a Teoria de campo: carga ⇐⇒ campo ⇐⇒ carga A no¸ao de campo ´ utilizada em muitas outras situa¸oes c˜ e c˜ f´ ısicas, como por exemplo a intera¸ao gravitacional. Na figura c˜ a seguir, em vez de pensarmos numa atra¸ao direta da Terra c˜ sobre o corpo de massa m, podemos dizer que a Terra cria em torno de si um campo gravitacional; em outras palavras, a presen¸a da Terra faz com que todos os pontos de sua vizinhan¸a c c possuam uma propriedade segundo a qual todo corpo colocado nesse local sofrer´ a a¸ao de uma for¸a atrativa. a c˜ c Uma observa¸ao muito importante deve ser feita: o campo c˜ el´trico num ponto P qualquer da vizinhan¸a da carga Q, e c assim como o campo gravitacional num ponto qualquer nas vizinhan¸as da Terra, existe independentemente da presen¸a c c da carga de prova q ou da massa m. Estas apenas testam a existˆncia dos campos el´trico e gravitacional nos pontos cone e siderados.

103 Quanto ao sentido do vetor E, distinguimos dois casos: a) q ´ positiva: E e F tˆm o mesmo sentido; e e b) q ´ negativa: E e F tˆm sentidos contr´rios. e e a Podemos concluir, da equa¸ao, que as unidades de intensidade c˜ do vetor campo el´trico ser˜o unidades de for¸a por unidades e a c de carga. Assim, no sistema internacional de unidades, teremos:

Unidade SI por defini¸ao, a unidade de de campo el´trico ´ E ser´ c˜ e e a newton/coulomb, ou seja N/C.

Linhas de Campo A denomina¸ao linhas de campo ou linhas de for¸a designa uma c˜ c maneira de visualizar a configura¸ao de um campo el´trico. c˜ e Esse artif´ foi empregado por Faraday e mesmo hoje pode ıcio ser conveniente seu uso.

E

E

E E E E

Apresentamos a seguir a significa¸ao das linhas de for¸a: c˜ c 1. S˜o linhas tra¸adas de forma que a tangente a cada ponto a c nos fornece a dire¸ao de E. S˜o orientadas no sentido do c˜ a vetor campo. 2. As linhas de campo s˜o tra¸adas de forma que o n´ mero a c u de linhas que atravessa a unidade de ´rea de uma sec¸ao a c˜ perpendicular `s mesmas ´ proporcional ao m´dulo de E. a e o Dessa forma, onde elas estiverem mais pr´ximas, |E| ´ o e maior; onde elas estiverem mais afastadas, |E| ´ menor. e

O Vetor Campo El´trico e
O campo el´trico ´ melhor caracterizado em cada ponto do e e ˆ espa¸o por um vetor E, denominado vetor campo el´trico. A c e defini¸ao do vetor campo el´trico ´ tal, que por seu interm´dio c˜ e e e poderemos estudar muitas caracter´ ısticas do campo el´trico, a e partir do estuco desse vetor num ponto. Consideremos P um ponto gen´rico de um campo el´trico gerado por uma fonte e e qualquer. Coloquemos em P , sucessivamente, cargas de prova q1 , q2 , q3 , ..., q. A intensidade da for¸a el´trica atuante nas c e cargas de prova ir´ variar, mas a dire¸ao da for¸a ser´ a mesma, a c˜ c a conforme indicamos na seq¨ˆncia de figuras seguintes: ue

E menos intenso
P
F 1

E mais intenso

P q
2

F 2

P
F

q
1

q

(a)

(b)

(c) As figuras seguintes mostram linhas de campo de alguns campos el´tricos particulares: e

Conclu´ ımos que a rela¸ao entre a for¸a e a carga em que ela c˜ c atua ´ uma caracter´ e ıstica do ponto P considerado, denominada vetor campo el´trico. Assim, teremos: e E = F /q

• campo gerado por uma carga puntiforme positiva.

104

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

P Q

As linhas de campo “nascem”nas cargas positivas. • carga puntiforme negativa:

No ponto P da figura, colocamos urna carga de prova q, o vetor campo el´trico no ponto P tem intensidade dada por: e E = F/q. O campo gerado por uma carga puntiforme Q num ponto P qualquer do espa¸o tem intensidade dada por: c E= Q F =k 2 q r

Utilizando uma linguagem n˜o muito rigorosa, podemos dizer a que as cargas positivas geram campos de afastamento e as cargas negativas geram campos de aproxima¸ao. c˜ Campo El´trico para V´rias de Cargas e a Se cada uma das cargas estivesse sozinha, originaria no ponto P um campo el´trico devido ` sua presen¸a individual. Dado o e a c efeito aditivo da for¸a el´trica, o campo el´trico devido ` prec e e a sen¸a de n cargas puntiformes ser´ a soma vetorial dos campos c a produzidos individualmente por cada uma das cargas, isto ´: e
n

E = E1 + E2 + E3 + . . . = As linhas de campo “morrem”nas cargas negativas • duas cargas de sinais iguais:
i=1

Ei

Importante: esta soma deve ser feita usando-se a soma de vetores.

E4 Q1 Q2 Q3 Q4 Q5 E3 E2 P E5 E1

3. Observe que, por defini¸ao, o campo el´trico ´ unico em c˜ e e ´ cada ponto do espa¸o, e portanto, duas linhas de campo Se todas as cargas Qi estiverem sobre uma mesma linha reta, c nunca se cruzam. que tamb´m cont´m o ponto P , ent˜o a intensidade do campo e e a em P ser´ a

C´lculo do Campo El´trico a e
Campo de uma Carga Puntiforme

E=k

Q2 Q3 Q1 2 + k r2 + k r2 + . . . = r1 2 3

n 2 kQi ri i=1

e a a O campo el´trico devido a uma carga puntiforme Q fixa ´ Esta ´ uma soma escalar, mais f´cil de fazer do que a necess´ria e e no caso anterior. facilmente determinado analisando-se a figura seguinte:

Eletricidade – Aula 4

105

a) Calcule o valor da carga Q que origina o campo. b) Determine a intensidade do campo el´trico em um ponto e Trata-se de um campo el´trico em que o vetor campo el´trico que dista 30 cm da carga fixa. e e ´ o mesmo em todos os pontos, o que equivale a dizer que em e 1000 cada ponto o m´dulo, a dire¸ao e o sentido do vetor E ser˜o o c˜ a os mesmos. Em conseq¨ˆncia dessa defini¸ao, conclu´ ue c˜ ımos que 800 as linhas de campo devem ser retas paralelas orientadas todas com o mesmo sentido. 600 Por exemplo, para uma pequena regi˜o do espa¸o, muito longe a c 400 de uma carga puntiforme, o campo el´trico se torna quase unie forme. Pr´ximo ` superf´ da Terra, existe um campo el´trico o a ıcie e 200 vertical, de cima para baixo de intensidade E ≈ 100 N/C. Este campo ´ quase uniforme, visto em pequena escala (ale 0 guns metros), sobre o ch˜o plano. a 0.00 0.05 0.10 0.15 0.20

Campo El´trico Uniforme e

E (N/C)

d (m)

Pense um Pouco!

5. (PUC-SP) Numa certa regi˜o da terra, nas proximidades da a superf´ ıcie, a acelera¸ao da gravidade vale 9, 8 m/s2 e o campo c˜ a a • Qual as semelhan¸as e diferen¸as entre a for¸a el´trica e eletrost´tico do planeta (que possui carga negativa na regi˜o) c c c e vale 100 N/C, e ´ na dire¸ao vertical, sentido de cima para e c˜ a gravitacional? Fa¸a um paralelo. c baixo. Determine o sinal e o valor da carga el´trica que uma e bolinha de gude, de massa 50 g, deveria ter para permane• Num sistema de cargas puntiformes ´ poss´ se encone ıvel trar algum ponto P onde o campo el´trico seja nulo? Dˆ cer suspensa em repouso, acima do solo. Considere o campo e e el´trico praticamente uniforme no local e despreze qualquer e exemplos. outra for¸a atuando sobre a bolinha. c • Um dipolo ´ formado por um par de cargas +q e −q. e 6. (Mackenzie-SP) Existe um campo el´trico E apontando e Esboce as linhas de campo de um dipolo. para baixo, na atmosfera terrestre, com uma intensidade m´dia e de 100 N/C. Deseja-se fazer flutuar nesse campo uma esfera de enxofre de 0, 5kg. Que carga (m´dulo e sinal) precisa ter a o Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca esfera? 1. (Fatec-SP) Em um ponto P do espa¸o existe um campo c 4 el´trico E horizontal de 5 × 10 N/C, voltado para a direita. e a) Se uma carga de prova de l, 5 µC, positiva, ´ colocada em e P , qual ser´ o valor da for¸a el´trica que atua sobre ela? a c e b) Em que sentido a carga de prova tender´ a se mover, se for a solta? c) Responda `s quest˜es a) e b) supondo que a carga de prova a o seja negativa. 2. (ITA-SP) Uma placa vertical isolante, de dimens˜es muito o grandes, est´ uniformemente carregada. Sabendo-se que o a campo el´trico por ela gerado ´ o mesmo em todos os pone e tos pr´ximos ` placa e que uma pequena esfera de massa o a 25 gramas, presa por um fio leve na placa forma o ˆngulo a de afastamento entre a esfera e a placa ´ de 30◦ ?, determinar: e a) a for¸a el´trica que atua na esfera, supondo que ela se enc e contre em equil´ ıbrio; b) o campo el´trico da placa, sabendo-se que a carga na esfera e vale −5 µC.

Eletricidade
Potencial El´trico e
Diferen¸a de Potencial c

Aula 4

Consideremos positiva uma carga que se desloca de A para B, em equil´ ıbrio, ou seja, faz-se uma for¸a externa Fext. tal que c anule a for¸a el´trica FE sobre a carga: c e Fext. = −FE

Ao trabalho realizado pelo agente externo Wext. por unidade de carga que se desloca de A para B, denominamos diferen¸a c 3. (USP-SP) Uma carga el´trica puntiforme q = 2 × 10−6 C de potencial ou tens˜o el´trica de A para B, habitualmente e a e e de massa 10−5 kg ´ abandonada em repouso num campo representada por VB − VA ou simplesmente VAB . e el´trico uniforme de intensidade 104 N/C. e Assim, matematicamente teremos: a) Qual ´ a acelera¸ao adquirida por q? e c˜ b) Qual a velocidade da part´ ıcula no instante 8, 0 s? W A→B W A→B VB − VA = ext. = − E q q

Exerc´ ıcios Complementares

Sendo o trabalho W e q grandezas escalares, a diferen¸a de c potencial tamb´m ser´ uma grandeza escalar. e a A→B 4. (FUVEST-SP) O diagrama da figura seguinte representa O trabalho WE independe da trajet´ria escolhida entre os o a intensidade do campo el´trico gerado por uma carga punti- pontos A e B, e isso ´ um resultado decorrente do fato de a e e forme fixa no v´cuo, em fun¸ao da distˆncia d ` carga. a c˜ a a for¸a el´trica ser conservativa. c e

106

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Unidades SI No Sistema Internacional de Unidades, a unidade de diferen¸a c de potencial (d.d.p.) ser´ o joule/ coulomb, que ´ denominada a e volt ou V . Assim, uma d.d.p. de 110 V entre dois pontos indica que o ext E campo (for¸a el´trica) realiza um trabalho de 110 J sobre cada c e l C de carga que se desloca de um ponto para outro. Para analisar o sinal da d.d.p., tente imaginar vocˆ realizando e o movimento de uma carga de prova entre os pontos A e B, e observe os sentidos da for¸a externa e do deslocamento. Por c exemplo, se vocˆ deslocar uma carga positiva, contra o campo e el´trico numa determinada regi˜o, observar´ que ser´ realizado e a a a um trabalho externo positivo, e o potencial da carga deslocada e c e aumenta, porque ela foi deslocada para uma regi˜o de maior Como o campo ´ uniforme, a for¸a el´trica que atua na carga a q ´ constante e ter´ intensidade dada por: e a potencial.

A

F

F

B

+q

E

F = qE Potencial El´trico Gerado por uma Carga Puntiforme e Sabemos, da mecˆnica, que o trabalho realizado por uma for¸a a c constante e paralela ao deslocamento e dado por

A→B A→B Wext. = −FE · d Para calcularmos o trabalho WE realizado sobre a carga +q, sendo deslocada pr´ximo ` uma carga puntiforme Q, deo a a a vemos utilizar conceitos matem´ticos que o estudante ver´ em Ent˜o a d.d.p. entre os pontos A e B, de A para B, ser´: a a seu curso superior: trata-se do c´lculo integral, que, utilizado a VB − VA = −E · d neste caso, nos fornecer´ como resultado: a e neste caso dizemos que a tens˜o cai de A para B. Em geral, a a d.d.p. ´ negativa na dire¸ao e sentido do campo el´trico. e c˜ e 1 1 A→B WE = −kQq − A rela¸ao obtida acima ´ de grande utilidade, uma vez que, c˜ e rB rA conhecida a d.d.p. e o deslocamento, obteremos facilmente o campo el´trico. Observe que o campo el´trico poder´ ser e e a Dessa maneira a diferen¸a de potencial no caminho de A para expresso tamb´m em volt/metro. Procure demonstrar que c e B ser´: a l N/C = l V /m. A→B Wext. = kQ q

Sabe-se que o ar ´ isolante, por´m quando submetido a um e e grande campo el´trico, algumas mol´culas s˜o ionizadas e o ar e e a e a Se quisermos determinar o potencial de um dos pontos, por se torna condutor. A esse limite de campo el´trico m´ximo e exemplo, B, fa¸amos rA tender ao infinito, onde supomos que que um isolante suporta chamamos de rigidez diel´trica ou c Emax . Para o ar de Jonville, sempre muito umido, temos ´ o potencial seja nulo. Quando isso acontece Emax ≈ 800 v/mm. VB = k Q rB

VA→B = VB − VA = −

1 1 − rB rA

Rigidez Diel´trica e

Pense um Pouco!
• Vocˆ saberia responder o valor da d.d.p. (diferen¸a de e c potencial) entre o ch˜o e uma nuvem, num raio? a • Qual a d.d.p. m´xima entre dois fios paralelos, separados a por uma distˆncia de 10 cm, em Joinville? a • Num dado instante, a d.d.p. entre os eletrodos de uma tomada ´ de 200 V . O que significa isso fisicamente? e

Essa equa¸ao fornece o potencial de B em rela¸ao a um ponto c˜ c˜ no infinito. Se nos depararmos com uma configura¸ao de n c˜ cargas puntiformes, o potencial num ponto P dessa regi˜o ser´ a a a soma alg´brica dos potenciais devidos a cada carga, isto ´: e e Q1 Q2 Qn + + ... + r1 r2 rn
n

VP = k

=k
i=1

Qi ri

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
Potencial dentro de um Campo El´trico e 1. Qual o potencial de um ponto P , situado a 20 cm de uma carga positiva de campo cujo valor ´ 4, 0 × l0−6 C? e

Seja q uma carga positiva que se desloca de A para B sobre uma linha de for¸a do campo uniforme mostrado na figura 2. (FAAP-SP) Duas cargas Q1 e Q2 , de valores −2 µC e c seguinte: +2 µC, respectivamente, est˜o separadas por uma distˆncia a a

Eletricidade – Aula 5 de 40 cm. a) Calcule o potencial no ponto P , situado na metade do segmento que une as cargas Q1 e Q2 . b) Calcule o m´dulo, a dire¸ao e o sentido do vetor campo o c˜ el´trico em P . e c) O que se pode concluir dos resultados obtidos com esses c´lculos? a 3. (UFSC-SC) O campo el´trico no interior de um sistema e de placas paralelas eletrizadas com cargas de sinais contr´rios a ´ um bom exemplo de campo el´trico uniforme. Na figura e e seguinte, a distˆncia entre os pontos A e B vale 5 cm e a a intensidade do campo el´trico uniforme E ´ 2, 0 × 1O5 N/C. e e a) Qual a d.d.p. entre os pontos A e B indicados na figura? b) Se o ponto A for tomado como n´ ıvel de referˆncia para o e potencial (V = 0), qual ser´ o potencial do ponto B? a
E A B

107 ou opostos. Como sabemos, a esse trabalho corresponde uma energia armazenada no sistema sob a forma de energia potencial el´trica. Assim, definiremos a energia potencial el´trica e e de um sistema de cargas el´tricas puntiformes como sendo o e trabalho externo realizado para trazˆ-las em equil´ e ıbrio de uma separa¸ao infinita at´ a configura¸ao atual. c˜ e c˜

equipotencial linha de campo

E

V 1 V 2 V 3 V 4

Exerc´ ıcios Complementares

O potencial el´trico que uma carga q1 origina no ponto P , a e uma distˆncia r da carga, ´ dado por: a e

4. (ACAFE-SC) No v´cuo, um pequeno corpo eletrizado com a kq1 carga el´trica Q cria um potencial igual a +3000 V num ponto e V1 = 9 2 2 r A, situado a 30 cm de Q. Sendo k = 9 × 10 N · m /C , determine: Imaginemos, agora, que uma segunda carga q2 foi trazida do a) o valor da carga Q; infinito at´ o ponto P . O trabalho realizado para tal ´, segundo e e b) a intensidade do vetor campo el´trico no ponto A. e a defini¸ao de potencial el´trico: c˜ e 5. (UFRS-RS) Temos as cargas Q1 , Q2 e Q3 dispostas nos W2 = q2 V1 v´rtices de um retˆngulo de lados 6 cm e 8 cm. Calcule o e a potencial el´trico total no v´rtice A, que n˜o cont´m nenhuma Como o trabalho ´ a pr´pria energia potencial el´trica E do e e a e e o e pot carga. Dados: Q1 = 8 µC, Q2 = 16 µC, Q3 = −12 µC e sistema de cargas {q , q }, ent˜o a 1 2 k = 9 × 109 N · m2 /C 2 . kq1 q2 6. (IME-RJ) Calcular o trabalho das for¸as do campo el´trico c e Epot = r12 de uma carga puntiforme Q = 5 µC para transportar outra carga puntiforme q = 2, 0 µC de um ponto A a ou- onde r12 ´ a distˆncia entre as cargas q1 e q2 . e a tro B, distantes 1, 0 m e 2, 0 m da carga Q, respectivamente. Esse trabalho ´ positivo ou negativo? Explique. Dado: e k = 9 × 109 N · m2 /C 2 . Pense um Pouco!

Eletricidade
Superf´ ıcies Equipotenciais

Aula 5

• Como seriam as superf´ ıcies equipotenciais de uma carga puntiforme? • Qual o trabalho necess´rio para se deslocar uma carga q ′ a em torno de uma carga fixa q, mantendo-se a distˆncia a fixa entre elas?

Denomina-se superf´cie equipotencial ao lugar geom´trico dos ı e pontos que tˆm mesmo potencial el´trico. Nenhum trabalho ´ e e e realizado no deslocamento de uma carga de prova entre dois pontos de uma mesma superf´ equipotencial. ıcie Para aumentar a separa¸ao entre as cargas, ´ preciso que um c˜ e agente externo realize um trabalho, cujo sinal poder´ ser poa sitivo ou negativo, conforme sejam as cargas de sinais iguais

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (FATEC-SP) Sabe-se que a carga do pr´ton ´ igual em valor o e absoluto ` do el´tron, tendo no entanto sinal contr´rio ao da a e a referida carga. Um pr´ton tem velocidade relativa zero em o rela¸ao a um el´tron. Quando eles estiverem separados pela c˜ e distˆncia 10−13 cm, calcule a energia potencial do sistema. a

108

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

V (volts) 150 100 50 0 1.0 0.5 0.0 y (m) -0.5 -1.0

V (volts) 0 -50 -100 -150 1.0 0.5 0.0 y (m) -0.5 -1.0

-1.0

-0.5 0.0 x (m) 0.5

-1.0

1.0

-0.5 0.0 x (m) 0.5

1.0

Figura 1.1: O potencial el´trico em torno de uma carga pune tual positiva q = +1 nC. Na base est˜o as equipotenciais, a indicando no c´rculo maior onde V = +10 V . Masca-se as ı equipotenciais a cada 20 V .

Figura 1.2: O potencial el´trico em torno de uma carga pune tual positiva q = −1 nC. Na base est˜o as equipotenciais, a indicando no c´rculo maior onde V = −10 V . Masca-se as ı equipotenciais a cada 20 V .

2. (IME-RJ) Trˆs cargas q1 , q2 e q3 est˜o dispostas, uma e a em cada v´rtice de um triˆngulo equil´tero de lado a. Qual e a a a energia potencial do sistema? Suponha em q1 = 1, 0 µC, q2 = −4, 0 µC, q3 = 2, 0 µC e a = 10 cm.

equipotencial linha de campo

E

3. No esquema abaixo representamos as superf´ ıcies equipotenciais e as linhas de for¸a no campo de uma carga el´trica punc e tiforme Q. Considere que o meio ´ o v´cuo. Sendo V1 = 60 V ; e a V2 = 30 V ; V3 = 20 V , e do centro da carga at´ V2 a distˆncia e a r = 0, 30 m. Determine: a) o valor de Q; b) a d.d.p. encontrada no caminho da superf´ com V1 at´ a ıcie e outra com V2 ; c) o trabalho da for¸a el´trica que atua sobre uma carga de c e prova q ′ = +1, 0 µC ao ser deslocada de V2 para V3 .

V 1 V 2 V 3 V 4

Eletricidade – Aula 6

109

Exerc´ ıcios Complementares
4. (USP-SP) Uma part´ ıcula de massa m e carga el´trica q > 0 e est´ em equil´ a ıbrio entre duas placas planas, paralelas e horizontais, e eletrizadas com cargas de sinais opostos. A distˆncia a entre as placas ´ d, e a acelera¸ao local da gravidade ´ g. e c˜ e a) Determine a diferen¸a de potencial entre as placas em fun¸ao c c˜ de m, g, q e d. b) Qual placa tem o maior potencial? Explique. 5. (FEI-SP) Uma part´ ıcula da massa m = 200 mg e carga q = +1µC ´ abandonada num ponto A e se dirige a outro e B. Sendo de −100 V a diferen¸a de potencial de A e B, a c velocidade com que a part´ ıcula alcan¸a B ´: c e a) 5, 0 m/s b) 4, 0 m/s c) 3, 0 m/s d) 2, 0 m/s e) 1, 0 m/s 6. (Santa Casa-SP) Sabe-se que a massa do el´tron ´ 9, 1 × e e 10−31 kg, que sua carga el´trica vale −1, 6 × 10−19 C e que a e diferen¸a de potencial entre os ponto A at´ B ´ 100 V . Um c e e el´tron ´ abandonado em B sob a a¸ao exclusiva do campo e e c˜ el´trico. O m´dulo da velocidade do el´tron ao atingir o ponto e o e A ´ um valor mais pr´ximo de: e o a) 36 × 1012 m/s b) 6, 0 × 1012 m/s c) 6, 0 × 106 m/s d) 35 × 106 m/s e) 6, 0m/s

++ metal eletrizado + ++ ++ + + + + E tangente ‘a + + A superficie + + + + ++ + + linha de campo C + + + B + + + + + +

Figura 1.1: Um condutor carregado com carga positiva. O Campo Interno No interior de um condutor eletrizado, de qualquer formato, o campo el´trico ´ nulo em todos os pontos, ou seja, E = 0. e e Isso pode ser constatado simplesmente notando que, se houvesse campo el´trico no interior do condutor, ele agiria nos e el´trons livres, os quais teriam um movimento ordenado e sob sua influˆncia, contrariando o conceito de condutor em e equil´ ıbrio eletrost´tico. a O Campo Externo Contudo, da sua superf´ ıcie para fora, o campo el´trico n˜o e a ser´ nulo. Por´m, nesses pontos, o vetor campo el´trico E a e e deve ser normal ` superf´ a ıcie, como em A, na Fig. 1.1. Se o vetor campo fosse como E ′ no ponto B da mesma figura, ele teria uma componente tangencial ` superf´ do condutor, a ıcie o que provocaria movimento ordenado de cargas ao longo da superf´ ıcie.

Eletricidade
Condutores em Equil´ ıbrio

Aula 6

Vamos estudar o campo el´trico e o potencial el´trico de e e uma distribui¸ao de cargas em um condutor em equil´ c˜ ıbrio eletrost´tico. a Para estudar os campos el´tricos, vamos usar n˜o sistemas de e a cargas puntiformes e sim distribui¸oes de cargas em condutoc˜ res. Deve-se considerar que estes est˜o em equil´ a ıbrio eletrost´tico, ou seja, nenhuma carga est´ sendo colocada ou a a retirada do condutor, e todo o movimento interno de cargas j´ a cessou.

O Poder das Pontas
Nas regi˜es pontiagudas de um condutor carregado (regi˜o C o a da Fig. 1.1), a densidade de carga, isto ´, a concentra¸ao de e c˜ cargas el´tricas por unidade de ´rea superficial ´ mais elevada. e a e Por isso, nas pontas e em suas vizinhan¸as o campo el´trico ´ c e e mais intenso. Quando o campo el´trico nas vizinhan¸as da ponta atinge dee c terminado valor, o ar em sua volta se ioniza e o condutor se descarrega atrav´s da ponta. Esse fenˆmeno recebe o nome e o ´ de “poder das pontas”. E nele que se baseia, por exemplo, o funcionamento dos p´ra-raios. a

Equil´ ıbrio Eletrost´tico a
Um condutor est´ em equil´ a ıbrio eletrost´tico quando nele n˜o a a ocorre movimento ordenado de cargas el´tricas. Fornecendo-se e ao condutor representado em corte da Fig. 1.1, uma a carga el´trica Q, a repuls˜o m´ tua das cargas elementares que conse a u tituem Q faz com que elas fiquem t˜o longe uma da outra a quanto poss´ ıvel. O maior afastamento poss´ corresponde a ıvel uma distribui¸ao de cargas na superf´ c˜ ıcie externa do condutor, situa¸ao, ali´s, que destacamos nas figuras de condutores c˜ a que at´ agora apareceram em nossas aulas. Nessa configura¸ao e c˜ de cargas, todas na superf´ ıcie, o condutor possui a sua menor energia potencial el´trica. e

Condutor Oco
Evidentemente, n˜o importa se o condutor ´ maci¸o ou oco a e c (Fig. 1.2): o campo el´trico no interior do metal ´ sempre e e nulo e as cargas se distribuem na sua superf´ externa. ıcie

Potencial El´trico e
O potencial el´trico em todos os pontos, internos e superficiais, e de um condutor em equil´ ıbrio eletrost´tico, ´ constante. Asa e

110

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

++ + ++ ++ + + + + + + + + + + + + + +

++ + + + +

Uma tela met´lica envolvendo certa regi˜o do espa¸o tamb´m a a c e constitui uma blindagem satisfat´ria – a chamada “gaiola de o Faraday”. A blindagem eletrost´tica ´ muito utilizada para a prote¸ao a e c˜ de aparelhos el´tricos e eletrˆnicos contra efeitos externos pere o turbadores. Os aparelhos de medidas sens´ ıveis est˜o acondicia onados em caixas met´licas, para que as medidas n˜o sofram a a influˆncias externas. As estruturas met´licas de um avi˜o, e a a de um autom´vel e de um pr´dio constituem blindagens eleo e trost´ticas. a

+

+

+

Figura 1.2: Um condutor oco. sim, para o condutor da Fig. 1.1, temos VA = VB = VC = VD .

Condutor Esf´rico e
Para se determinar o vetor campo el´trico e o potencial el´trico e e em pontos externos a um condutor esf´rico eletrizado, e sup˜e-se sua carga Q puntiforme e concentrada no centro: o Eext = k e Vext = k Q r2 Q r

O potencial el´trico do condutor esf´rico de raio R ´ o potencial e e e de qualquer ponto interno ou superficial, sendo dado pelo valor Como Funciona o P´ra-Raios? a fixo: Q Vint, sup = k R O p´ra-raios tem por finalidade oferecer um caminho mais efia ciente para as descargas el´tricas, protegendo casas, edif´ e ıcios, dep´sitos de combust´ o ıveis, linhas de transmiss˜o de energia a Blindagem Eletrost´tica a el´trica, etc. e Considere um condutor oco A em equil´ ıbrio eletrost´tico e, em a seu interior, o corpo C (Fig. 1.3). Como o campo el´trico no e interior de qualquer condutor em equil´ ıbrio eletrost´tico ´ nulo, a e decorre que A protege o corpo C, no seu interior, de qualquer a¸ao el´trica externa. Mesmo um corpo eletrizado B externo c˜ e induz cargas em A, mas n˜o em C. Desse modo, o condutor a A constitui uma blindagem eletrost´tica para o corpo C. a

Saiba Mais

A C

Figura 1.3: A blindagem eletrost´tica. a

O p´ra-raio foi criado por BENJAMIN FRANKLIN (l706a 1790). pol´ ıtico, escritor e cientista norte-americano. Atualmente, ´ constitu´ essencialmente de uma haste condutora e ıdo disposta verticalmente na parte mais alta da estrutura a ser protegida. A extremidade superior da haste apresenta uma ou mais pontas de material com elevado ponto de fus˜o, a a outra extremidade da haste ´ ligada, atrav´s de condutores e e met´licos, a barras met´licas que se encontram cravadas, proa a fundamente no solo. Se uma nuvem eletrizada estiver sobre as pontas do p´ra-raios, induz nelas cargas el´tricas intena e sificando o campo na regi˜o j´ ionizada pela descarga l´ a a ıder. Produz-se a descarga principal atrav´s do p´ra-raios. e a

Eletricidade – Aula 7

111 2. Considere uma esfera met´lica oca provida de um orif´ e a ıcio eletrizada com carga Q. Uma pequena esfera met´lica neutra ´ a e colocada em contato com a primeira. Quais s˜o as afirma¸oes a c˜ corretas? a) ( ) Se o contato for interno, a pequena esfera n˜o se eletriza. a b) ( ) Se o contato for externo, a pequena esfera se eletriza. c) ( ) Se a pequena esfera estivesse eletrizada, ap´s um contato o interno ficaria neutra. d) ( ) Se aproximarmos a pequena esfera, sem tocar na esfera eletrizada, a carga el´trica da pequena esfera aumenta. e e) ( ) Se aproximarmos a pequena esfera, a distribui¸ao de c˜ cargas na esfera oca se altera. 3. (Efei-MG) Um condutor esf´rico de raio R = 30 cm est´ e a eletrizado com carga el´trica Q = 6, 0 nC. O meio ´ o v´cuo e e a (k = 9, 0 × 109 N · m2 /C 2 ). Determine: a) o potencial el´trico e a intensidade do vetor campo el´trico e e no centro da esfera; b) o potencial el´trico e a intensidade do vetor campo el´trico e e num ponto externo e situado a 50 cm do centro da esfera.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (Efei-MG) Duas esferas met´licas, A e B, de raios R e a 3R, est˜o eletrizadas com cargas 2Q e Q, respectivamente. As a esferas est˜o separadas de modo a n˜o haver indu¸ao entre elas a a c˜ e s˜o ligadas por um fio condutor. a a) Quais as novas cargas ap´s o contato? o b) Qual o potencial el´trico de cada esfera, depois do contato? e

Pense um Pouco!
• Como funciona um p´ra-raios? Que ´rea ele protege? a a

• Por que durante uma tempestade para se proteger das a chuvas ´ mais seguro ficar dentro do carro que debaixo de 5. (ACAFE-SC) Duas esferas met´licas, A e B, de raios e 10 cm e 20 cm, est˜o eletrizadas com cargas el´tricas 5, 0 nC e a e uma ´rvore? a −2, 0 nC, respectivamente. As esferas s˜o postas em contato. a Determine, ap´s atingir o equil´ o ıbrio eletrost´tico: a a) as novas cargas el´tricas das esferas; e Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca b) o potencial el´trico que as esferas adquirem. e c) Houve passagem de el´trons de A para B ou de B para A? e 1. (Cefet-BA) Considere um condutor met´lico com a forma a Explique. indicada na figura. O condutor est´ eletrizado positivamente a e em equil´ ıbrio eletrost´tico. Observe os pontos A, B e C. a 6. (UNICAMP-SP) Conhecidas duas esferas met´licas a Quais s˜o as afirma¸oes corretas? a c˜ idˆnticas, A e B, de cargas el´tricas 5, 0 × 10−6 C e 3, 0 × e e a) ( ) O campo el´trico em A ´ nulo. e e −6 C, respectivamente. As esferas s˜o colocadas em cona b) ( ) A densidade de cargas el´tricas ´ maior em C do que 10 e e tato. em B. a) Determine o n´ mero de el´trons que passou de um condutor u e c) ( ) O campo el´trico em B ´ mais intenso do que em C. e e para outro. d) ( ) Os pontos A, B e C possuem mesmo potencial el´trico. e e e) ( ) As cargas el´tricas em excesso distribuem-se na superf´ e ıcie b) Qual das esferas recebe el´trons? externa do condutor. 7. Sabendo-se que existe um campo el´trico na superf´ da e ıcie Terra, vertical para baixo igual a 100 N/C. Dado o raio da + Terra R = 6.400 km, determine: + a) O potencial el´trico da Terra (do ch˜o); e a + + + b) A carga el´trica total da Terra. e +

+

+

A

+ + +

B + + +

+ +

+

+

C

Eletricidade

Aula 7

112

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Capacidade El´trica e
Denomina-se capacidade el´trica ou capacitˆncia de um corpo e a condutor a capacidade que ele possui de armazenar cargas. Da mesma forma que a quantidade de moles de um g´s que a um bal˜o pode conter depende da press˜o a que o g´s estiver a a a submetido e tamb´m das dimens˜es e forma do bal˜o, a capae o a cidade el´trica depender´ das dimens˜es e forma do condutor. e a o A experiˆncia mostra que, se fornecemos a um condutor cargas e Q1 , Q2 , Q3 , ..., Q, o potencial adquirido pelo mesmo ser´ V1 , a V2 , V3 , ..., V , sempre proporcionais ` carga Q fornecida. Isso a quer dizer que o quociente Q/V ´ constante (Fig. 1.1). e

Num circuito, os capacitores ser˜o representados por duas bara ras paralelas. Capacitores Planos O capacitor plano ´ constitu´ por placas condutoras planas e ıdo e paralelas, separadas por um diel´trico qualquer (ar, mica, e papel, pol´ ımeros, etc.)

+ + +

++

+

+

Placa Condutora

+

Q

+ + + + +
V

Material Isolante

+ +

+

+

Placa Condutora

+ +

Figura 1.1: Capacitor met´lico carregado com carga positiva a +Q. Essa constante de proporcionalidade C ´ denominada capae citˆncia do condutor. a

Seja A a ´rea de cada armadura e d a distˆncia entre as mesa a mas. Consideremos inicialmente que haja v´cuo entre as plaa ´ cas. E poss´ ıvel demonstrar, mediante a aplica¸ao da lei de c˜ Gauss, que o campo uniforme que existe entre as placas ´ dado e por: Q E= ǫ0 A onde ǫ0 ´ a constante de permissividade el´trica do v´cuo, e e a ǫ0 = 8, 85 × 1O−12 F/m no SI.

Unidades SI
No Sistema Internacional de Unidades (SI), temos: 1 F = 1 f araday = 1 coulomb/1 volt = 1 F arad

Rela¸˜o Entre k e ǫ0 ca A capacitˆncia de um condutor que recebe uma carga de a e l coulomb, adquirindo um potencial de l volt, ´ igual a l F . As constantes k, a constante el´trica da lei de Faraday, e ǫ0 , e a permissividade el´trica do v´cuo, est˜o intimamente relacie a a Na pr´tica, os capacitores tem capacitˆncia da ordem t´ a a ıpica onadas, e pode-se mostrar que: de µF arad. 1 k= 4πǫ0 Capacitores Na pr´tica, ´ imposs´ a e ıvel obter condutores de capacitˆncia a elevada, sem que suas dimens˜es sejam extraordinariamente o grandes. No entanto, ´ poss´ obtermos dispositivos, de die ıvel mens˜es pequenas, capazes de armazenar uma razo´vel quantio a dade de cargas com diferen¸as de potencial n˜o muito grandes. c a Esses dispositivos s˜o denominados capacitares ou condena sadores. Um capacitor ´ um par de condutores, separados por um isoe lante (diel´trico). e Os condutores que constituem o capacitor s˜o denominados a armaduras do capacitor. A classifica¸ao dos capacitores ´ dada em fun¸ao da forma de c˜ e c˜ suas armaduras e da natureza do diel´trico que existe entre as e mesmas. Em todo capacitor, existe uma rela¸ao constante entre o c˜ m´dulo da carga (que ´ a mesma em valor absoluto nas duas o e armaduras) e a d.d.p. V entre as armaduras. Essa rela¸ao ´ c˜ e denominada capacitˆncia do condensador. a C = Q/V e como ǫ0 ´ dado em F/m, ent˜o pode-se escrever a constante e a k em m/F , j´ que estas constantes s˜o inversamente propora a cionais.

+ + + + + + ++ + + + +A + + +Q + + ++ + + + + + + + −Q A

d

Conforme j´ estudamos anteriormente, a d.d.p. entre as placas a vale V = Ed. Assim: Qd V = ǫ0 A A capacitˆncia do capacitor plano ´ dada por: a e C= ǫ0 A d

Eletricidade – Aula 8 Observe que a capacitˆncia obtida ´ diretamente proporcioa e nal ` area A das placas, e inversamente proporcional ` sua a ´ a distˆncia d. a Se, em vez de ar ou v´cuo, houver entre as armaduras um a diel´trico de constante diel´trica b, a capacitˆncia de um cone e a densador plano ser´ maior, dada por: a C= bǫ0 A d

113

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Trˆs condutores, de capacidades 2 pF , 3 pF e 5 pF , est˜o e a eletrizados com cargas de 4 µC, 12 µC e −20 µC, respectivamente. a) Determine os potenciais el´tricos desses corpos. e

2. (FUVEST-SP) Um capacitor plano tem uma capacitˆncia a C. Entre suas armaduras h´ uma distˆncia d. Qual ser´ sua a a a a Para que o diel´trico tenha efeito sobre a capacitˆncia, ele capacidade se a distˆncia entre suas placas for aumentada para e a deve ser colocado na regi˜o de campo el´trico do capacitor. 2d? a e Alguns diel´tricos como a mica e poli´ster chegam a aumentar e e 3. (UFBA) Um capacitor plano possui capacidade C = a capacitˆncia em at´ 100 vezes o seu valor no v´cuo (sem a e a 100 pF , ´rea das armaduras A = 100 cm2 , e diel´trico com a e diel´trico). e κ = 5. Quando a ddp entre as armaduras for igual a 50V , calcule a intensidade do campo el´trico no interior do diel´trico. e e Capacitor Esf´rico Simples e Dado: ǫ0 = 8, 85 × 1O−12 F/m. Se construirmos um capacitor com uma esfera simples condutora de raio R, sua capacitˆncia ser´ a a Q R Q = = = 4πǫ0 R C= V kQ/R k

Exerc´ ıcios Complementares

4. (UFPR) Uma part´ ıcula de massa 2, 0 × 10−10 kg com e ou seja, a capacitˆncia da esfera ´ diretamente proporcional carga positiva e igual a 2, 0 × 1O−6 C penetra atrav´s de um a e orif´ ıcio, com velocidade de 1, 0 × 104 m/s, numa regi˜o onde a ao seu raio R. existe um campo el´trico uniforme de m´dulo 4 × 105 N/C. e o A distˆncia entre as placas vale 10 cm. Determine a energia a + + + Q cin´tica com que a part´ e ıcula atinge a segunda placa, andando + + + + contra o campo el´trico. e

+ R + + + + + + + + + + + + + + + Capacitor Esferico ´

+ +

Exemplo Vamos calcular a capacitˆncia de uma esfera condutora de raio 6. (Puccamp-SP) Um capacitor de 8, 0 × 10−6 F ´ sujeito a a e igual a 1, 0 m. uma diferen¸a de potencial de 30 V . A carga que ele acumulou c vale: 1, 0 m R = ≈ 0, 11 nF C= a) 1, 2 × 10−4 C 9 m/F k 9, 0 × 10 b) 2, 4 × 10−4 C Qual seria ent˜o o raio da esfera com capacitˆncia de 1, 0 F ? c) 2, 7 × 10−7 C a a Como C = R/k ent˜o a d) 3, 7 × 106 C e) 7, 4 × 106 C R = kC = (9, 0 × 109 m/F )(1, 0 F ) = 9, 0 × 109 m 7. (UF-ES) Um equipamento el´trico cont´m duas pilhas de e e Se compararmos esse valor com o raio da Terra, cerca de 6.4 × 1, 5 V em s´rie, que carregam um capacitor de capacitˆncia e a 6 10 m, veremos que o capacitor teria que ter um raio com 6, 0 × 10−5 F . Qual a carga el´trica que se acumula no capae aproximadamente 1.400 vezes maior que a Terra! citor, em coulombs?

5. (UEL-PR) Um capacitor de capacidade C exibe, entre seus terminais, uma diferen¸a de potencial V . A carga el´trica arc e mazenada nesse capacitor ´ dada por: e a) C/V b) V /C c) C 2 V d) CV 2 e) CV

Pense um Pouco!
• Qual a utilidade dos capacitores em nosso cotidiano? • Se tentarmos afastar as placas (armaduras) de um capacitor carregado, realizaremos algum trabalho?

Eletricidade

Aula 8

ca • Se conectarmos duas esferas met´licas idˆnticas de capa- Associa¸˜o de Capacitores a e citˆncia C cada uma, qual a capacitˆncia do conjunto? a a Assim como os aparelhos em geral, os capacitores podem ser Comente. associados de v´rios modos, sendo os principais em s´rie e em a e • A capacitˆncia de um corpo met´lico depende dele ser oco paralelo. Se numa associa¸ao encontramos ambos os tipos, a a c˜ ou maci¸o? Explique. c chamaremos de associa¸ao mista. c˜

114

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Associa¸˜o de Capacitores em S´rie ca e
C1 a
Série

Observamos que a mesma d.d.p. V ´ aplicada aos capacitores e da associa¸ao. c˜ V = V1 = V2
C1 C3 b

C2 b
a

C1 b C2
Paralelo

Cada capacitor adquire uma carga parcial: Q = Q1 + Q2 A capacidade equivalente ´ dada por: e (c) Propriedades • Na associa¸ao em paralelo, a capacitˆncia equivalente do c˜ a conjunto, Cpar. ser´ maior do que a maior das capaa citˆncias utilizadas; a • Como as tens˜es s˜o iguais nos dois capacitores em parao a lelo, a carga do maior capacitor ser´ a maior das cargas; a • Se os capacitores ligados em paralelo forem iguais C1 = C2 = C, a carga de ambos ser´ a mesma e a capacitˆncia a a equivalente ser´ Cpar. = 2C, o dobro da capacitˆncia de a a um dos capacitores; • Para uma associa¸ao em paralelo de n capacitores teremos c˜
n

a

C2
Misto

(a)

(b)

Cpar. = C1 + C2

Figura 1.1: Associa¸ao de capacitores em s´rie (a), em paralelo c˜ e (b) e mista (c). Na associa¸ao em s´rie, ver Fig. 1.1 (a), quando uma fonte c˜ e bateria de tens˜o V ´ ligada nos terminais a e b, as cargas a e removidas de um terminal ser˜o deslocadas para o outro, ou a seja, as cargas em ambos os terminais s˜o de mesmo m´dulo: a o Q1 = Q2 = Q . Ent˜o a V1 = Q Q e V2 = C1 C2

Os capacitores adquirem diferentes d.d.p. V1 e V2 , respectivamente, tal que V = V1 + V2 e assim Q Q Q = + Cser. C1 C2

Cpar. = C1 + C2 + . . . + Cn =
i=1

Ci

Energia de um Capacitor
Imaginemos um capacitor carregado. Liguemos agora suas armaduras por um fio condutor: as cargas negativas v˜o fluir a para a outra armadura at´ que ambas se neutralizem. O tempo e necess´rio para isso ´ muito pequeno, e muitas vezes a descarga a e vem acompanhada de uma fa´ ısca que salta dos extremos do condutor que une as armaduras. Conforme j´ estudamos ana teriormente, o transporte de cargas el´tricas entre pontos que e possuem diferentes potenciais el´tricos implica aparecimento e de energia el´trica. Quando uma carga el´trica ´ transpore e e tada entre dois pontos, entre os quais existe uma diferen¸a de c potencial V qualquer, o trabalho realizado ´ W = qV e Na descarga do capacitor, por´m, a d.d.p. varia, diminuindo e a ` medida que uma parcela da carga vai se transferindo para a outra armadura. Como a carga total do capacitor ´ Q = CV , e a d.d.p. varia e de V at´ zero durante o processo de descarga, podemos tomar e o valor m´dio da tens˜o como sendo V /2 e calcular o trabalho e a W = qV = CV · 1 V = CV 2 2 2

e ent˜o a capacidade equivalente ´ dada por: a e 1 Cser. Propriedades • Na associa¸ao em s´rie, a capacitˆncia equivalente do conc˜ e a junto, Cser. ser´ menor do que a menor das capacitˆncias a a utilizadas; • Como as cargas s˜o iguais nos dois capacitores em s´rie, a e a d.d.p. do maior capacitor ser´ a menor; a • Se os capacitores ligados em s´rie forem iguais C1 = C2 = e C, a d.d.p. de ambos ser´ igual a V /2 e a capacitˆncia a a equivalente ser´ Cser. = C/2, a metade da capacitˆncia a a de um dos capacitores; • Para uma associa¸ao em s´rie de n capacitores teremos c˜ e 1 Cser. = 1 1 1 + + ...+ = C1 C2 Cn
n i=1

=

1 1 + C1 C2

1 Ci

e como esse trabalho foi realizado durante a descarga, podemos supor que essa energia estava armazenada no capacitor, como energia potencial el´trica. e Assim, definimos a energia do capacitor como E= 1 CV 2 2

Associa¸˜o de Capacitores em Paralelo ca

(Veja a Fig. 1.1(b) ). Neste caso, como os terminais de ambos os capacitores s˜o Observe que a express˜o anterior pode ser reescrita de duas a a ligados nos mesmo pontos a e b, conectados a uma bateria outras formas equivalentes: de tens˜o V , a placa positiva de cada capacitor est´ ligada ` a a a Q2 1 placa positiva do outro, o mesmo acontecendo com as placas E = QV = 2 2C negativas.

Eletricidade – Aula 9

115

Pense um Pouco!
• Cite duas aplica¸oes direta dos capacitores. c˜ • Algu´m disse que os fios usados em circuitos el´tricos sere e vem para igualar o potencial el´trico nas partes conectae das nas suas duas pontas. O que vocˆ acha disso? e • Na figura 1.1, imagine que se conecte nos terminais a e b, os terminais (p´los) de uma bateria de tens˜o V . Sobre a o a figura, pinte de uma cor todas as partes que tem o mesmo potencial el´trico de a, e de outra cor as partes que tem e o mesmo potencial de b. Observe o conclua vocˆ mesmo. e

Corrente El´trica e
Num material condutor, mesmo descarregado do ponto de vista el´trico, existem alguns el´trons chamados livres que e e podem se deslocar dentro do material, passando de um ´tomo a para outro. Mesmo havendo equil´ ıbrio de cargas dentro de um condutor, os el´trons livres ficam o tempo o todo em moe vimento aleat´rio dentro do material, mantendo em m´dia, o o e equil´ ıbrio de cargas de cada ´tomo. a Quando todos os el´trons livres forem for¸ados a se deslocar e c numa dada dire¸ao espec´ c˜ ıfica, ao longo de um fio condutor, por exemplo, ent˜o teremos uma corrente el´trica i. a e
+ + +

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UERJ) Uma associa¸ao de l.000 capacitores de 10 µF c˜ cada um, associados em paralelo, ´ utilizada para armazee nar energia. Qual o custo para se carregar esse conjunto at´ e 50.000 volts, supondo-se R$ l,00 o pre¸o do kW · h? c

+ + +Q

+ + +

R

+ + + +

i

.

2. (FAAP-SP) Associam-se em s´rie trˆs capacitores neutros e e com capacitˆncias C1 = 20 µF , C2 = 50 µF e C3 = 100 µF . Figura 1.1: O sentido da corrente i, e o movimento dos a Calcule a capacitˆncia equivalente do sistema. a el´trons num fio. e 3. Calcule a capacitˆncia equivalente da associa¸ao mista Por conven¸ao, indica-se num fio o sentido da corrente i por a c˜ c˜ mostrada na Fig. 1.1 (c), para os capacitores C1 = 20 µF , uma flecha, no sentido contr´rio ao movimento dos el´trons! a e C2 = 10 µF e C3 = 40 µF . Isto porque, historicamente, as cargas foram batizadas por Benjamin Franklin no s´c. XVIII, como positivas e negae tivas, e se acreditava que as cargas positivas ´ que se moviam e dentro de um fio com corrente. Exerc´ ıcios Complementares Do ponto de vista f´ ısico, ´ equivalente se pensar em el´trons e e se movendo num sentido, ou pr´tons se movendo no sentido o 4. (FCC-BA) Determine a energia acumulada num conjunto contr´rio. a de capacitores com capacitˆncia total de 2.000 µF e sob tens˜o a a de 900 V .

Unidade de Corrente

5. (UCS-RS) Dois capacitores de capacitˆncia C1 = 6, 0 µF a e e C2 = 3, 0 µF s˜o associados em paralelo e a associa¸ao ´ No Sistema Internacional, medimos a corrente em amp`res ou a c˜ e A: submetida a uma d.d.p. V. O capacitor de capacitˆncia C1 a 1 A = 1 coulomb/s = 1 C/s se eletriza com carga el´trica Q1 = 1, 2 × 10−4 C, e o de e capacitˆncia C2 , com carga el´trica Q2 . Determine V e Q2 . a e ou seja, para uma corrente de 1 amp`re, h´ um fluxo de carga e a de 1 coulomb por segundo, atravessando a sec¸ao reta de um c˜ 6. (Acafe-SC) Qual a d.d.p. que deve ser aplicada a um capacondutor. citor, de capacitˆncia 2, 0 µF , a fim de que armazene energia a potencial el´trica de 2, 5 × 10−3 J? e 7. (UESB-BA) Um capacitor de um circuito de televis˜o tem a uma capacitˆncia de 1, 2 µF . Sendo a diferen¸a de potencial a c entre seus terminais de 3.000 V , a energia que ele armazena ´ e de: a) 6, 7 J b) 5, 4 J c) 4, 6 J d) 3, 9 J e) 2, 8 J

Lei de Ohm

Define-se a resistˆncia el´trica R de um condutor, ligando suas e e extremidades numa diferen¸a de potencial V e medindo a corc rente el´trica que o atravessa. e Segundo a lei de Ohm, quanto menor a corrente el´trica obtida, e maior a resistˆncia do condutor, e vice-versa: e R = V /i Se a resistˆncia R assim definida for independente da tens˜o e a e da corrente usada, ou seja, se for constante, o resistor ´ e chamado de ˆhmico. o Para os materiais considerados bons condutores, como os metais, a resistˆncia el´trica ser´ baixa, em geral pr´xima de zero. e e a o

Eletricidade

Aula 9

116

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o a) 0, 2 A b) 4, 0 A c) 1/4 A d) 0, 3 mA e) 0, 25 mA

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Para os materiais isolantes, como a borracha, a resistˆncia e el´trica ser´ muito alta, tendendo ao infinito. e a A resistˆncia de um resistor depende de sua forma f´ e ısica, de suas dimens˜es e do material de que ´ feito. Em geral, quanto o e mais fino e longo um fio, maior sua resistˆncia el´trica. e e

2. Durante um banho de chuveiro, utilizou-se uma corrente de 10 A durante 15 minutos. Qual a carga el´trica total utilizada e neste banho? No Sistema Internacional, medimos a resistˆncia el´trica em a) 150 C e e ohms ou Ω: b) 9 C c) 1, 5 C 1 Ω = 1 volt/amp`re = 1 V /A e d) 9.000 C e) 9 mC ou seja, se para uma tens˜o de 1 volt se obt´m uma corrente a e de 1 amp`re, ent˜o o resistor tem resistˆncia de 1 ohm. e a e 3. Uma pilha de 1, 5 V ´ conectada num LED, que passa a e conduzir uma corrente el´trica de 3 mA. Qual a resistˆncia e e el´trica do LED? e Circuitos Simples a) 500 Ω b) 50 Ω Quando ligamos uma bateria de d.d.p. E num circuito simples c) 5 Ω com uma resistˆncia el´trica total R, a corrente na bateria d) 0, 5 Ω e e ser´, pela lei de Ohm: a e) n. d. a. E i= R

Unidade de Resistˆncia e

Exerc´ ıcios Complementares

Exemplo
e e Considere o circuito abaixo, onde uma lˆmpada de resistˆncia 4. A resistˆncia el´trica de um fio condutor depende: a e a) apenas da corrente aplicada R = 5 Ω est´ conectada numa fonte (bateria) de 12 V atrav´s a e b) da tens˜o aplicada a de fios ideais, de resistˆncia nula. e c) de suas dimens˜es e do material de que ´ feito o e d) da corrente m´xima que ele suporta a R e) da tens˜o e da corrente m´ximas a a 5. Um fus´ ´ um resistor preparado para se romper quando ıvel e a corrente nele excede um determinado valor. Para um fus´ ıvel de carro que suporta at´ 2, 0A, e opera em 12 V , qual a sua e resistˆncia interna m´ e ınima? a) 24 Ω b) 12 Ω c) 4 Ω d) 0, 17 Ω e) n. d. a. 6. Uma lˆmpada de 60 W , constru´ para operar em 110 V a ıda onde ela conduz 2, 0 A de corrente, ´ ligada por engano em e 220 V e queima depois de 5, 0 s. Qual a quantidade de carga que ela conduz, at´ queimar? e a) 5 C b) 10 C c) 15 C d) 20 C e) n. d. a.

ε

+

i

Figura 1.2: Um circuito simples. Resolu¸ao: c˜ i= E 12 V = = 2, 4 A R 5Ω

Pense um Pouco!
• Se dobrarmos a tens˜o aplicada ` um resistor ohmico, o a a ˆ que acontecer´ com sua corrente? a • Para um resistor ˆhmico, que tipo de gr´fico V × i o a ter´ ıamos?

Eletricidade
Resistˆncia Equivalente e

Aula 10

Exerc´ ıcios Complementares

e 1. Um fio condutor transporta uma carga de 30 C em dois Em geral, um circuito pode conter mais de um resistor, e at´ minutos. Qual a corrente m´dia no fio, durante esse processo? outros elementos como bobinas, fios, chaves, LEDs, etc., todos e

Eletricidade – Aula 10 eles ligados a uma fonte, por exemplo. Para um circuito qualquer com apenas uma fonte (ou bateria) de f. e. m., a determina¸ao da corrente el´trica i na fonte ´ c˜ e e poss´ atrav´s do c´lculo da resistˆncia equivalente Req. ıvel e a e a todos os elementos do circuito. Ou seja, determinamos qual o valor Req. da resistˆncia que, substituindo o circuito todo, e conduz a mesma corrente. Pela lei de Ohm: i= E Req.

117

12 Ω 6Ω a 4Ω b

Associa¸˜o de Resistores ca
Para um circuito com uma fonte e v´rios resistores, podemos a calcular facilmente a resistˆncia equivalente, a corrente que e passa na fonte e, a seguir, as correntes e tens˜es em cada um o dos resistores. Figura 1.2: Trˆs resistores ligados em paralelo. e

Associa¸˜es Mistas co
Quando num circuito simples ligamos v´rios resistores a o e Quando num circuito simples ligamos v´rios resistores ˆhmicos ˆhmicos, alguns em s´rie e outros em paralelo, devemos ir cala o e e em s´rie, R1 , R2 , R3 , etc., a resistˆncia equivalente ser´ a soma culando as resistˆncias equivalentes das partes em s´rie e em e e a paralelo, at´ se chegar numa resistˆncia equivalente geral para e e das resistˆncias, ou seja: e todo o circuito. Ri Req. = R1 + R2 + R3 + . . . =
i

Resistores em S´rie e

6Ω
12 Ω a 6Ω 4Ω b
Passo 1

4Ω 12 Ω b

a 6Ω

3Ω b 9Ω

Figura 1.1: Trˆs resistores ligados em s´rie. e e Na associa¸ao em s´rie da figura acima, a resistˆncia equivac˜ e e lente ´ e Req. = 12 Ω + 6 Ω + 4 Ω = 22 Ω Quando mais resistores ligarmos em s´rie, maior ser´ a ree a sistˆncia equivalente. e

a
Passo 2

a

b

Figura 1.3: Trˆs resistores em liga¸ao mista. e c˜

Na associa¸ao mista de resistores mostrada na figura acima, a c˜ resistˆncia equivalente ´ calculada em dois passos: e e Quando num circuito simples ligamos v´rios resistores ˆhmicos Passo 1) Observa-se que os resistores de 4 e 12 Ω est˜o em a o a em paralelo, R1 , R2 , R3 , etc., o inverso da resistˆncia equiva- paralelo, logo a resistˆncia R′ equivalente a estes resistores e e lente ser´ a soma dos inversos das resistˆncias, ou seja: a e ser´: a 1 1 1 4 1 1 1 1 1 = + = =⇒ R′ = 3 Ω ′ = + + + ... = R 12 Ω 4 Ω 12 Ω Req. R1 R2 R3 Ri i Passo 2) Substituindo-se ent˜o os resistores de 4 e 12 Ω por a um equivalente de 3 Ω, temos uma associa¸ao em s´rie, entre c˜ e Na associa¸ao em paralelo da figura acima, a resistˆncia equic˜ e resistores agora de 6 e 3 Ω, e a resistˆncia final equivalente R′′ e valente ´ e 1 1 1 1 6 ser´: a = + + = R′′ = 6 Ω + 3 Ω = 9 Ω Req. 12 Ω 6 Ω 4 Ω 12 Ω ou seja Req. = 2 Ω Observe que quando mais resistores ligarmos em paralelo, menor ser´ a resistˆncia equivalente. a e Todos os objetos que ligamos na tomada de nossa casa s˜o a ligados em paralelo, por exemplo. Exemplo Completo Determinar a corrente e a tens˜o el´trica em cada um dos rea e sistores do circuito misto da se¸ao anterior, quando uma fonte c˜ de 45 V for ligada nos pontos a e b. Resolu¸ao: c˜

Resistores em Paralelo

118

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o
i´ 4Ω

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

corrente ser´ conduzida pela parte do fio que est´ “aberta”. a a Esta situa¸ao ´ equivalente ao uso de um resistor infinito, c˜ e na pr´tica, uma grande resistˆncia ´ equivalente ao circuito a e e 6Ω aberto. Quando um fio fio condutor perfeito, ou seja, que n˜o possui a a c 12 Ω d b resistˆncia, for ligado num circuito no lugar de um resistor e + i normal, teremos o que se chama de “curto-circuito´´. Se nos 45 V i´´ − extremos desse fio houver uma tens˜o qualquer, teremos uma a corrente enorme passando pelo fio, j´ que i = V /R, e para R a pr´ximos de zero a corrente se torna muito alta. Normalmente o h´ algum problema com o circuito quando um curto-circuito a ´ formado. Nunca fa¸a isso! Mesmo uma pilha de bolso pode e c Figura 1.4: Exemplo completo. produzir correntes enormes por um curto intervalo de tempo, se seus p´los forem conectados com um fio bom condutor. o c˜ Como a resistˆncia equivalente desta associa¸ao mista ´ 9 Ω, Se numa associa¸ao em paralelo, um dos resistores entrar em e c˜ e curto-circuito, por aquecimento ou outra raz˜o qualquer, ent˜o a a a corrente i que passa na fonte ser´: a a resistˆncia equivalente do conjunto todo de resistores ser´ e a nula. E 45 V i= = =5A Req. 9Ω Esta ´ a corrente que sai da fonte e passa pelo resistor de 6 Ω, e e aplicando-se a lei de Ohm para este resistor, achamos a tens˜o a Vac entre os pontos a e c, onde o resistor est´ conectado: a Vac = Ri = (6 Ω)(5 A) = 30 V

12 Ω 6Ω

a b Ao chegar ao n´ c, vemos que a corrente se divide em duas o partes, na associa¸ao em paralelo: uma que passa pelo resistor c˜ de cima i′ e outra no resistor de baixo i′′ . Como o resistor equivalente a essa parte em paralelo ´ de 3 Ω, e curto conforme calculado anteriormente, a queda de tens˜o Vcd , entre a os pontos c e d, que ´ a mesma tens˜o entre os pontos c e b, e a ser´, pela lei de Ohm: a J´ numa associa¸ao em s´rie, havendo curto num resistor, a a c˜ e resistˆncia equivalente do conjunto ser´ a soma das resistˆncias e a e Vcd = R′ i = (3 Ω)(5 A) = 15 V dos os outros resistores.
→ Observe que a queda de tens˜o no primeiro resistor somada a a ` queda de tens˜o no conjunto em paralelo d´ exatamente a a a tens˜o da fonte: a E = Vac + V cb Finalmente, como a tens˜o Vcd = 15 V , temos as correntes nos a outros dois resistores: i′ = e 15 V = 3, 75 A 4Ω

i´ = 0 12 Ω a i 6Ω 4Ω curto i b

15 V = 1, 25 A 12 Ω que s˜o as correntes nos resistores de 4 e 12 Ω, respectivamente. a → Observe que a soma das correntes el´tricas no conjunto em e paralelo, ´ igual a corrente total que passa na fonte: e i′′ = i=i +i
′ ′′

Pense um Pouco!
• Se conectarmos N resistores idˆnticos de resistˆncia R em e e s´rie, qual a resistˆncia equivalente do conjunto? e e • Quantas resistˆncias diferentes podemos formar, se dispoe mos de apenas trˆs resistores: R1 = 1 Ω, R2 = 2 Ω e e R3 = 4 Ω?

→ Observe tamb´m que, como ambos os resistores em paralelo e est˜o ligados na mesma tens˜o, o resistor de menor resistˆncia a a e conduz a maior corrente, e vice-versa.

Exerc´ ıcios Complementares

1. Sobre associa¸oes de resistores ˆhmicos, considere as sec˜ o guintes afirmativas: Quando um fio de um circuito se rompe, como no caso de um I. A m´xima resistˆncia equivalente de um conjunto de resisa e fus´ queimar, dizemos que o circuito est´ aberto, e nenhuma tores ´ obtida quando todos est˜o em paralelo; ıvel a e a

Curto-circuito e Circuito Aberto

Eletricidade – Aula 11

119

II. A resistˆncia equivalente para uma associa¸ao em s´rie ´ 6. Liga-se os terminais de uma bateria de 12; V aos pontos e c˜ e e sempre menor do que a menor das resistˆncias usadas; e a e b de um conjunto de 3 resistores em paralelo, conforme a III. Se um resistor estiver em curto e a resistˆncia equivalente figura: e do conjunto de resistores n˜o se anular, ´ porque a associa¸ao a e c˜ ´ do tipo mista; e 1Ω IV. Se a corrente for a mesma em todos os resistores, a associa¸ao deve ser em s´rie. c˜ e a) est˜o corretas I e III a 2Ω b) est˜o corretas I, III e III a c) est˜o corretas II, III e IV a a b d) est˜o corretas III e IV a 3Ω e) n. d. a. 2. Ligou-se em s´rie num circuito: uma bateria de 1, 5 V , um e resistor de 10 Ω e outro de 5 Ω. A corrente e a tens˜o no a resistor de 5 Ω ser˜o, respectivamente: a a) 0, 1 A e 1, 5 V b) 0, 5 A e 0, 1 V c) 0, 1 A e 0, 5 V d) 3, 0 A e 0, 5 V e) n. d. a.

Pode-se afirmar que: a) a corrente el´trica em R1 ´ de 10 A e e b) a tens˜o el´trica em R2 ´ de 6 V a e e c) a corrente el´trica em R3 ´ de 4 A e e d) a tens˜o el´trica em R1 ´ maior do que em R3 a e e e) n. d. a.

7. A resistˆncia el´trica entre os pontos a e b da associa¸ao de e e c˜ 3. Ligou-se em paralelo numa mesma bateria de 1, 5 V , um seis resistores ˆhmicos iguais a R: o resistor de 10 Ω e outro de 5 Ω. A corrente e a tens˜o no a resistor de 10 Ω ser˜o, respectivamente: a R a) 0, 45 A e 1, 5 V R b) 0, 15 A e 1, 5 V c) 0, 15 A e 0, 5 V R d) 0, 45 A e 0, 5 V R e) n. d. a. a b
R

4. Uma pilha de 1, 5 V ´ conectada num LED, que passa a e conduzir uma corrente el´trica de 3 mA. Qual a resistˆncia e e el´trica do LED? e a) 500 Ω b) 50 Ω c) 5 Ω d) 0, 5 Ω e) n. d. a.

R

´: e a) R b) 2R c) 6R d) 3R/2 e) 3R/4

Exerc´ ıcios Complementares
5. A corrente el´trica i3 no resistor R3 do circuito da figura e

Eletricidade
Instrumentos de Medida

Aula 11

R1= 1 Ω + −

R2= 4 Ω

12 V

R 3 = 12Ω

Dois instrumentos b´sicos s˜o utilizados para a medi¸ao de a a c˜ correntes el´tricas e tens˜es nos elementos de um circuito: o e o amper´ ımetro e o volt´ ımetro. Na maioria dos medidores modernos, v´rios medidores est˜o a a dispon´ ıveis num aparelho s´, os chamados mult´ o ımetros.

´: e a) 2/3 A b) 4/3 A c) 8/3 A d) 5, 0 A e) 1, 0 A

O Amper´ ımetro
Para a medi¸ao do valor de uma corrente el´trica que atrac˜ e vessa um fio, num circuito, liga-se em s´rie nesse fio um ame per´ ımetro, a fim de que a corrente atravesse tamb´m o ame per´ ımetro.

120

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Para que o amper´ ımetro n˜o altere o valor da corrente no a pr´prio fio onde ser´ ligado, ele deve ter uma resistˆncia ino a e terna muito pequena, no caso ideal, nula.

os el´trons livres e os ´tomos do material, produzindo mais e a agita¸ao nestas part´ c˜ ıculas, ou seja, a energia cin´tica se transe forma em calor e faz com que a temperatura do resistor suba. No caso das lˆmpadas de filamento, usa-se esse calor para proa duzir luz, atingindo-se a incandescˆncia do metal condutor, em e − + geral, o tungstˆnio W , que possui um alt´ e ıssimo ponto de fus˜o. a i No chuveiro el´trico comum, usa-se uma resistˆncia para proe e + duzir calor e aquecer a ´gua do banho que passa pelo no seu a A ε interior. Existem muitas aplica¸oes desse tipo, e vocˆ mesmo c˜ e − pode fazer uma lista delas. A esse efeito de libera¸ao de calor pela passagem de uma corc˜ rente el´trica num resistor se chama de efeito Joule. e R Em alguns casos o efeito Joule ´ um problema, pois colabora e na perda de energia em linhas de transmiss˜o e motores, por a exemplo, transformando parte da energia el´trica em calor, que e ´ perdido para o meio ambiente (polui¸ao t´rmica). e c˜ e O Volt´ ımetro A quantidade de calor gerada dentro de um resistor, por unie Para a medi¸ao do valor da d.d.p. entre dois pontos num dade de tempo, define a potˆncia com que o resistor converte c˜ e e circuito, liga-se em paralelo nesses pontos um volt´ ımetro, a energia el´trica em calor, e ´ dada pela lei de Joule: fim de que os seus terminais atinjam os mesmos potenciais P = iV el´tricos dos pontos do circuito, e a diferen¸a de potencial entre e c eles possa ser medida. ou seja, como i = V /R, podemos reescrevˆ-la como e Para que o volt´ ımetro n˜o altere o valor da tens˜o entre os a a pontos onde ele ´ conectado, o que se quer medir, ele deve ter e V2 P = uma resistˆncia interna muito alta, no caso ideal, infinita. Com e R isso, a corrente desviada para o amper´ ımetro ser´ muito menor a do que a que possa haver entre os pontos do circuito onde ele ou ainda, como V = Ri, est´ conectado. Isto mesmo, para medir a tens˜o entre os seus a a P = Ri2 terminais o volt´ ımetro usa uma pequena corrente. Na verdade este aparelho ´ um amper´ e ımetro adaptado para medir tens˜es. o

Unidades SI
ε + − i

A potˆncia dissipada num resistor ´ medida em watts no SI, e e onde 1 watt = 1 W = 1 J/s

Pense um Pouco!
R − V +

• Num chuveiro normalmente temos uma chave inverno/ver˜o, que muda a resistˆncia do chuveiro, e pode a e ser usada para esquentar mais/menos a ´gua. Qual das a resistˆncia deve ser maior, a usada no inverno, para ese quentar mais, ou a usada no ver˜o, para esquentar menos? a

Lei de Joule

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Quando uma corrente el´trica atravessa um condutor de ree e e sistˆncia el´trica R, haver´ uma queda de tens˜o dada pela lei 1. Qual a corrente el´trica num chuveiro el´trico que ligado e e a a em 220 V produz calor a uma potˆncia de 6.000 W ? e de Ohm a) 15 A V = Ri b) 10 A no sentido da corrente, ou seja, a corrente sempre ocorre no c) 5 A sentido do maior para o menor potencial el´trico. Vale aqui e d) 0, 5 A o an´logo hidr´ulico, pois a correnteza de um rio sempre ´ no a a e e) n. d. a. sentido do maior potencial gravitacional (ponto mais alto do terreno) para o de menor (ponto mais baixo). E quando a ´gua 2. Um resistor de 10 Ω transposta uma corrente de 200 mA. a desce uma cascata, converte sua energia potencial em cin´tica A quantidade de energia que ele dissipa na forma de calor em e e pode gerar calor, se for dissipada, ou mover uma roda, por 15 min de funcionamento ´: e exemplo. a) 3.600 J No caso el´trico, a resistˆncia faz com que as cargas per- b) 360 J e e cam energia cin´tica, atrav´s das colis˜es que ocorrem entre c) 36 J e e o

Eletricidade – Aula 12 d) 3, 6 J e) n. d. a. 3. Dois resistores, um de resistˆncia R1 = 2 Ω e outro de e resistˆncia R2 = 8 Ω est˜o ligados em s´rie com uma bateria e a e de f.e.m. E = 24 V . A tens˜o no resistor R1 e a potˆncia a e dissipada no resistor R2 s˜o, respectivamente: a a) 2 V e 16 W b) 16 V e 32 W c) 8 V e 3, 2 W d) 4 V e 32 W e) n. d. a.

121 inferior desta, diretamente dentro de um barril, transformando sua energia potencial em cin´tica e essa, finalmente, em calor, e aquecendo a ´gua no barril. Nessa analogia, o barril seria a um resistor el´trico. A seguir, a ´gua do barril ´ captada e a e pela bomba e rebombeada para a caixa d’´gua. A bomba a d’´gua nesse caso, realiza um trabalho cont´ a ınuo sobre a ´gua, a transformando energia el´trica em trabalho e, atrav´s deste, e e aumentando a energia potencial gravitacional da ´gua. a No caso el´trico, define-se a for¸a eletromotriz (f.e.m.) de um e c gerador, ou bateria, como sendo a energia qu´ ımica consumida, por unidade de carga deslocada, desde o p´lo negativo at´ o o e p´lo positivo do gerador. Como se vˆ, a f.e.m. n˜o ´ uma o e a e for¸a, mas sua defini¸ao ´ muito parecida com a defini¸ao de c c˜ e c˜ diferen¸a de potencial el´trico entre dois pontos, lembra? c e Definimos a diferen¸a de potencial el´trico entre dois pontos c e como o trabalho realizado por um agente externo, por unidade de carga, para deslocar em equil´ ıbrio uma pequena carga de prova +q desde um ponto A at´ outro ponto B, dentro de uma e regi˜o do espa¸o onde existe um campo el´trico (apenas). a c e Relembrando: WE Wext. =− VA→B = VB − VA = +q +q onde WE ´ o trabalho realizado pela for¸a el´trica, j´ que, para e c e a o equil´ ıbrio da carga q ′ , segundo a Primeira Lei de Newton, Fext. = −FE . Assim, por analogia, a f.e.m. de uma bateria ser´ a f.e.m. = E ≡ Equim. q

Exerc´ ıcios Complementares
4. No circuito da figura abaixo, as chaves CH1 e CH2 est˜o a abertas e o amper´ ımetro A indica que existe passagem de corrente. Quando as duas chaves est˜o fechadas, a indica¸ao do a c˜ amper´ ımetro A n˜o se altera. Dados: a Bateria 1: f.e.m. E1 = 12 V e resistˆncia interna r1 = 1 Ω; e Bateria 2: f.e.m. E2 = 12 V e resistˆncia interna r2 = 1 Ω; e Resistˆncia do amper´ e ımetro A: r3 = 2 Ω; R1 = 9 Ω. Determinar: a) o valor da resistˆncia R2 ; e b) a potˆncia dissipada por efeito Joule na resistˆncia R2 e e quando CH1 e CH2 est˜o fechadas. a
+ − CH1

E1

R2

A

CH2 R1

+ E2 −

e por defini¸ao, esta nova grandeza ser´ tamb´m medida em c˜ a e volts ou V no Sistema Internacional (SI).

Simbologia
Nos esquemas simplificados usados nos circuitos, indicamos uma bateria pelo s´ ımbolo

Eletricidade

Aula 12
ε + − ou ε + −

Geradores e For¸a Eletromotriz c
Geradores ou baterias de tens˜o cont´ a ınua s˜o dispositivos caa pazes de converter energia qu´ ımica em energia el´trica, dese locando cargas entre seus p´los de forma a aumentar a enero gia potencial el´trica dispon´ e ıvel para que as cargas el´tricas e possam circular por um circuito, mantendo uma corrente de cargas em movimento. Essas cargas, ou seja, a corrente, ao passar por um resistor, por exemplo, perde energia e tende a cessar o seu movimento, a menos que um agente externo – o gerador – realimente essas cargas e mantenha-as circulando. ´ E bom destacar o fato de que o gerador n˜o “cria”ou a “gera”cargas, mas apenas transfere energia para que elas mantenham seu movimento, formando uma corrente el´trica num e circuito. Usando uma analogia com os sistemas hidr´ulicos, podemos a pensar num gerador como sendo equivalente a uma bomba d’´gua, que eleva a ´gua at´ uma caixa d’´gua, fornecendo a a e a energia potencial gravitacional ` massa d’´gua movimentada. a a Imagine que a ´gua cai da caixa d’´gua por um cano na parte a a

Convenciona-se que, a placa maior representada na fonte o potencial el´trico ´ maior (+) e na placa menor, e mais espessa, e e o potencial seja menor (-). Quando ligada a um resistor ˆhmico, por exemplo, a fonte o produzir´ uma corrente (positiva) no sentido indicado pela seta a ao lado do s´ ımbolo da f.e.m (E), ou seja, da placa positiva em dire¸ao ao resistor e retornando pela placa negativa. Pela parte c˜ interna da fonte, a dire¸ao da corrente ´ da placa negativa (-) c˜ e para a positiva (+), sendo este o sentido normal da corrente dentro da fonte. Sendo assim, a fonte transfere energia para as cargas, elevando o seu potencial el´trico de uma quantidade e +E.

Circuito com V´rias Fontes a
Um circuito pode ter mais de uma fonte (bateria ou gerador), ´ claro. E como nos r´dios ` pilha, onde se usa, por exemplo, a a

122

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

quatro baterias de 1, 5 V cada. Normalmente se usa v´rios Resistores a geradores num mesmo circuito para se obter uma f.e.m. total grande, quando elas s˜o ligadas em s´rie e com as suas f.e.m. → se passarmos por um resistor R, indo no sentido da suposta a e corrente i temos ∆V = −Ri. na mesma dire¸ao. c˜ → se passarmos por um resistor R, indo em sentido contr´rio a ao da suposta corrente i temos ∆V = +Ri. N
ε1 ε2 ε3 εN
i=1 i

Σε

.....

Fios, chaves, soldas e outros conectores ideais n˜o possuem a resistˆncia el´trica e portanto n˜o apresentam queda de tens˜o, e e a a ou seja, ∆V = 0 para esses elementos. N˜o contribuem para a o o Figura 1.1: Geradores em s´rie, aumentando-se a f.e.m. total. o somat´rio geral das tens˜es. e Assim, tendo-se todos os ∆Vi no circuito, somam-se todos os Para se obter mais carga dispon´ ıvel, e fazer um circuito fun- termos e iguala-se a zero. Se a corrente encontrada for nea cionar por mais tempo, v´rias baterias de mesma f.e.m. s˜o gativa, o sentido escolhido arbitrariamente par ela est´ troa a ısico correto da corrente ent˜o ser´ o sentido a a ligadas em paralelo, resultando num gerador de mesma f.e.m. cado. O sentido f´ contr´rio ao sentido arbitrado. a das baterias usadas.
N geradores em´serie
+ ε + − ε + − ..... ε + − − N geradores em paralelo ε + −

Figura 1.2: Geradores de mesma f.e.m. em paralelo.

Lei das Malhas – 1 lei de Kirchhoff
. Definimos como uma malha, qualquer caminho fechado dentro de um circuito el´trico, que possa ser percorrido passando-se e uma s´ vez em cada ponto. o O circuito el´trico mais simples possui apenas uma malha, ou e seja, s´ um caminho poss´ o ıvel para a corrente, que portanto, dever´ ser a mesma em todos os elementos do circuito: rea sistores, fontes, bobinas, etc. O circuito de uma malha mais simples poss´ ıvel, ´ aquele j´ visto, com apenas uma fonte e um e a resistor. circulando-se a malha de um circuito, o somat´rio das o varia¸oes de tens˜o ao longo da malha deve ser nulo. c˜ a ou seja

Gustav Rupert Kirchhoff, (1824 – 1861), foi um dos maiores f´ ısicos alem˜es de seu tempo. Realizou uma obra vast´ a ıssima. Viveu numa ´poca em que a F´ e ısica estava tendo desenvolvimento extraordin´rio em v´rios setores diferentes, pois na a a segunda metade do s´culo passado a mecˆnica, elasticidade, e a teoria dos gases, eletricidade, magnetismo e termodinˆmica a tiveram grande impulso. Kirchhoff, que desde muito jovem esteve em contacto com f´ ısicos bastante experimentados, teve oportunidade de trabalhar em assuntos muito variados. Al´m e de um n´ mero muito grande de trabalhos isolados, h´ trˆs u a e ramos da F´ ısica nos quais os trabalhos de Kirchhoff se torna∆Vi = 0 ram fundamentais: ´tica, termodinˆmica e eletricidade. Em o a i o ´tica, foi grande conhecedor de espectroscopia, tendo sido um dos fundadores da an´lise espectral. Em termodinˆmica, foi a a incluindo todos os elementos do circuito: fontes e resistores. o primeiro f´ ısico a estabelecer leis sˆbre a energia radiante. o Para fazer-se o somat´rio acima, precisamos escolher um sen- Em eletricidade estabeleceu as leis fundamentais das malhas o tido qualquer para a corrente na malha e outro, n˜o necessa- el´tricas, leis que estudamos neste ultimo cap´ a e ´ ıtulo. riamente o mesmo, para circularmos a malha, sentido hor´rio a ou anti-hor´rio, e observar as seguintes regras: a

+

+

+
a

+

+

Fios, Chaves e Conectores

Lei de Ohm-Pouillet
Com base na lei das malhas, podemos ver que todo circuito de uma s´ malha, mesmo com v´rias fontes de tens˜o cont´ o a a ınua (baterias) e v´rios resistores, todos eles em s´rie portanto, pode a e ser reduzido a um circuito simples do tipo: uma ateria e um resistor. Para isso, devemos encontrar a f.e.m. total E no circuito e a resistˆncia equivalente Req. , e da´ obteremos a e ı, corrente i no circuito: i= E lei de Ohm-Pouillet Req.

Biografia

Pense um Pouco!
Fontes → se passarmos por uma fonte de f.e.m. negativa (-) para a positiva (+) temos ∆V → se passarmos por uma fonte de f.e.m. positiva (+) para a negativa (-) temos ∆V E, indo da placa = +E. E, indo da placa = −E. • Ligando-se duas pilhas comuns, com os p´los trocados, a o um pequena lˆmpada o que se observa? a ´ • E poss´ que a corrente (positiva) entre pelo p´lo posiıvel o tivo de uma fonte e saia pelo negativo?

Eletricidade – Aula 12

123

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UEPR) Um gerador funcionar´ em regime de potˆncia util a e ´ m´xima, quando sua resistˆncia interna for igual: a e a) ` metade da resistˆncia equivalente do circuito que ele alia e menta; b) ao dobro da resistˆncia equivalente do circuito que ele alie menta; c) ao qu´druplo da resistˆncia equivalente do circuito que ele a e alimenta; d) ` resistˆncia equivalente do circuito que ele alimenta; a e e) ` quarta parte da resistˆncia equivalente do circuito que ele a e alimenta.

Exerc´ ıcios Complementares
2. (PUC-SP) Cinco geradores, cada um de f.e.m. igual a 4, 5 V e corrente de curto-circuito igual a 0, 5 A, s˜o associados em a paralelo. A f.e.m.e a resistˆncia interna do gerador equivalente e tˆm valores respectivamente iguais a: e a) 4, 5 V e 9, 0 Ω b) 22, 5 V e 9, 0 Ω c) 4, 5 V e 1, 8 Ω d) 0, 9 V e 9, 0 Ω e) 0, 9 V e 1, 8 Ω

124

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Qu´ ımica
Qu´ ımica
Estrutura Atˆmica o
Modelos Atˆmicos o

Aula 1

A primeira abordagem sobre a constitui¸ao da mat´ria data c˜ e de ± 400 anos a.C. Os fil´sofos gregos Dem´crito e Leucipo o o conceberam o ´tomo como a menor part´ a ıcula constituinte da mat´ria e supunham que essa part´ e ıcula era indivis´ ıvel. Lavoisier: em 1780, ´ considerado o pai da Qu´ e ımica por ter criado o m´todo cient´ e ıfico: as leis surgem da observa¸ao da c˜ regularidade das teorias, como tentativas de explica¸ao dessas c˜ regularidades. Provou que “na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, ou seja, numa transforma¸ao c˜ qu´ ımica da mat´ria, a massa se conserva. e John Dalton: em 1808, criou a Teoria Atˆmica Cl´ssica (baseo a Resumo do Modelo de Rutherford ado em modelos experimentais), considerando os ´tomos como a esferas maci¸as (Modelo da Bola de Bilhar), indivis´ c ıveis. Este foi o modelo proposto por Rutherford. Basicamente tinha J. J. Thomson: em 1897, atrav´s de experimentos sobre des- os seguintes fundamentos: e cargas el´tricas em gases rarefeitos, admitiu a existˆncia de e e cargas negativas, os el´trons, e de cargas positivas, os pr´tons. e o • O ´tomo ´ dividido em duas regi˜es, n´ cleo e eletrosfera, a e o u Propˆs um modelo em que o ´tomo seria uma esfera de eleo a no n´ cleo encontramos os pr´tons e os nˆutrons, na eleu o e tricidade positiva, incrustada de el´trons com carga negativa e trosfera encontramos os el´trons; e (Modelo do Pudim de Passas). • Os pr´tons apresentam carga positiva, os el´trons apreo e sentam carga negativa e os nˆutrons apresentam carga e nula;
Folha de ouro

gumas part´ ıculas atravessavam sofrendo desvio e um n´ mero u ´ ınfimo de part´ ıculas refletiam. Se os ´tomos fossem bolhas a de gel´ia carregados positivamente as part´ e ıculas α deveriam passar facilmente atrav´s das folhas com uma ligeira deflex˜o e a ocasional de seus caminhos. Mas, percebeu-se que algumas destas part´ ıculas defletiam mais de 90◦ e umas poucas retornavam no caminho de onde tinham vindo. Ver a Fig. 2.1. Estes resultados sugerem um modelo de ´tomo no qual h´ uma a a densa carga positiva central circundada por um grande volume vazio. Rutherford chamou esta regi˜o carregada positivamente a de n´ cleo atˆmico. u o As part´ ıculas carregadas positivamente s˜o chamadas a pr´tons. o As part´ ıculas carregadas negativamente continuam sendo chamadas de el´trons. e Assim, o modelo de Rutherford consta de n´ cleo denso, diu minuto, carregado positivamente, e de uma parte envolvendo esse n´ cleo, uma regi˜o rarefeita e proporcionalmente muito u a grande chamada eletrosfera, com el´trons, de carga negativa. e

• A massa de um pr´ton e de um nˆutron equivalem a 1 o e u.m.a enquanto a massa do el´tron ´ 1836 vezes menor e e que a massa do pr´ton ou do nˆutron. o e O n´ mero de pr´tons em um n´ cleo atˆmico ´ chamado de u o u o e n´ mero atˆmico, Z, do elemento. u o O n´ mero total (soma) de pr´tons e nˆutrons no n´ cleo ´ chau o e u e mado de n´ mero de massa, A, do elemento. u A=Z +N

Substancia radioativa fonte de particulas α Colimador do feixe

Tela sintilante para detecçao das particulas desviadas

Representa¸˜o ca
ZX A

Figura 2.1: Aparato Experimental de Rutherford. Ernest Rutherford: em 1911, bombardeou uma lamina met´lica delgada com um feixe de part´ a ıculas α. Estas part´ ıculas eram positivas. A maior parte das part´ ıculas atravessava a lamina met´lica sem sofrer desvio detect´vel, ala a

Mas, o modelo planet´rio de Rutherford apresenta duas falhas a cruciais: • Uma carga negativa colocada em movimento ao redor de uma carga positiva estacion´ria, adquire movimento espia ral at´ colidir com ela; e

125

126

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

• Essa carga perde energia emitindo radia¸ao, violando o no n´ cleo de um ´tomo; c˜ u a Princ´ ıpio da Conserva¸ao de Energia. c˜ d) n.d.a

Pense um Pouco!
1. Vocˆ sabe dizer o que significa “tempo de meia-vida”? e 2. O que significa Fiss˜o Nuclear e Fus˜o Nuclear? a a

5. (UEL) O urˆnio-238 difere do urˆnio-235 por que o primeiro a a possui: a) 3 el´trons a mais; e b) 3 pr´tons a mais; o c) 3 pr´tons e 3 nˆutrons a mais; o e d) 3 pr´tons e 3 el´trons a mais; o e e) 3 nˆutrons a mais. e

6. (ACAFE) Um sistema ´ formado por part´ e ıculas que apresentam a composi¸ao atˆmica de 10 pr´tons, 10 el´trons, 11 c˜ o o e nˆutrons. Ao sistema foram adicionadas novas part´ e ıculas. O sistema resultante ser´ quimicamente puro se as part´ a ıculas adi1. A palavra ´tomo ´ origin´ria do grego e significa “india e a c˜ o vis´ ıvel”, ou seja, segundo os fil´sofos gregos, o ´tomo seria cionadas apresentarem a seguinte composi¸ao atˆmica: o a a) 21 pr´tons, 10 el´trons e 10 nˆutrons; o e e a menor part´ ıcula da mat´ria que n˜o poderia ser mais divie a o e e dida. atualmente essa id´ia n˜o ´ mais aceita. A respeito dos b) 20 pr´tons, 10 el´trons e 22 nˆutrons; e a e c) 10 pr´tons, 10 el´trons e 12 nˆutrons; o e e a ´tomos, ´ verdadeiro afirmar que: e d) 11 pr´tons, 11 el´trons e 12 nˆutrons; o e e a) ( ) N˜o podem ser desintegrados; a e) 11 pr´tons, 11 el´trons e 11 nˆutrons; o e e b) ( ) S˜o formados por pelo menos trˆs part´ a e ıculas fundamentais; 7. (FUVEST) As seguintes representa¸oes: 2 X 2 , 2 X 3 e2 X 4 , c˜ c) ( ) Possuem part´ ıculas positivas denominadas el´trons; e referem-se a ´tomos com: a d) ( ) Apresentam duas regi˜es distintas, n´ cleo e eletrosfera; o u a) igual n´ mero de nˆutrons; u e e) ( ) Apresentam el´trons cuja carga el´trica ´ negativa; e e e b) igual n´ mero de pr´tons; u o f) ( ) Cont´m part´ e ıculas sem carga el´trica, os nˆutrons. e e c) diferente n´ mero de el´trons; u e d) diferentes n´ meros atˆmicos; u o 2. (UFSC) Analise as afirmativas a seguir e assinale como V e) diferentes n´ meros de pr´tons e el´trons; u o e ou F:

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

a) ( ) O primeiro modelo atˆmico baseado em resultados expeo rimentais, ou seja, com base cient´ ıfica foi proposto por Dalton; b) ( ) Segundo Dalton, a mat´ria ´ formada de part´ e e ıculas indivis´ ıveis chamadas ´tomos; a c) ( ) Thomson foi o primeiro a provar que que o ´tomo n˜o a a era indivis´ ıvel; d) ( ) O modelo atˆmico proposto por Thomson ´ o da bola o e de bilhar; e) ( ) O modelo atˆmico de Dalton teve como suporte experio mental para a sua cria¸ao a interpreta¸ao das leis das rea¸oes c˜ c˜ c˜ qu´ ımicas. 3. (UFSC) Assinale a(s) alternativa(s) correta(s): a) ( ) Os ´tomos s˜o part´ a a ıculas fundamentais da mat´ria; e b) ( ) Os ´tomos s˜o quimicamente diferentes quando tˆm a a e n´ meros de massa diferentes; u c) ( ) Os el´trons s˜o as part´ e a ıculas de carga el´trica positiva; e d) ( ) Os pr´tons e os el´trons possuem massas iguais e cargas o e el´tricas diferentes; e e) ( ) Os ´tomos apresentam part´ a ıculas de carga nula denominados nˆutrons; e f) ( ) Os ´tomos s˜o part´ a a ıculas inteiramente maci¸as. c

Qu´ ımica
Modelos Atˆmicos o
O Modelo Atˆmico de Bohr o

Aula 2

Com o objetivo de solucionar estas limita¸oes do modelo de c˜ Rutherford entra em cena um cientista chamado Niels Bohr. Niels Bohr: em 1913, propˆs que o ´tomo ´ constitu´ por um o a e ıdo n´ cleo positivo, onde se concentra praticamente toda massa u do ´tomo, e por el´trons que giram ao seu redor em ´rbitas a e o circulares bem definidas, formando camadas, designadas pelas letras K, L, M, N, O, P, Q.
_ _ _ _

~ eletron ~ eletron excitado

_

Exerc´ ıcios Complementares
foton absorvido

_

foton emitido

4. (ACE) Assinale a alternativa falsa: a) o n´ mero de massa de um ´tomo ´ dado pela soma do u a e n´ mero de pr´tons e de nˆutrons existentes no n´ cleo; u o e u b) um elemento qu´ ımico deve ter seus ´tomos sempre como a mesmo n´ mero de nˆutrons;(c) o n´ mero de pr´tons permau e u o Figura 2.1: O modelo Atˆmico de Bohr. o nece constante, mesmo que os n´ meros de massa dos ´tomos u a de um elemento variem; c) o n´ mero atˆmico ´ dado pelo n´ mero de pr´tons existentes Atrav´s de processos experimentais Bohr, concluiu que: u o e u o e

Qu´ ımica – Aula 2 • Um el´tron s´ pode ter certas energias espec´ e o ıficas, e cada uma destas energias corresponde a uma ´rbita particuo lar. Quanto mais afastado do n´ cleo maior a energia do u el´tron; e • Se o el´tron receber energia ele pula para uma ´rbita mais e o afastada do n´ cleo; u • Como esta ´rbita n˜o ´ natural ele tende a retornar para o a e sua ´rbita de maior estabilidade, assim sendo, ocorre lio bera¸ao de energia; c˜ • Para calcular a energia emitida pelo el´tron, Max Planck e estabeleceu que a energia se propaga em “pacotes”de quantidades m´ ınimas e descont´ ınuas. A essa quantidade m´ ınima chamou de f´ton ou quantum. O valor do quano tum ´ proporcional a freq¨ˆncia da onda ν, cuja magnie ue tude pode ser calculada por E = hν onde h ´ a famosa constante de Planck, que tem valor de e 6, 63 × 10−34 J · s.

127 Heisenberg: em 1927, estabeleceu o Princ´ ıpio da Incerteza, segundo o qual “n˜o ´ poss´ predizer, ao mesmo tempo, a a e ıvel posi¸ao e a quantidade de movimento de um el´tron” c˜ e Tudo que n´s podemos conhecer sobre o movimento de um o sistema de part´ ıculas se reduz a uma fun¸ao complexa Ψ de c˜ coordenadas (x, y, z) das part´ ıculas e do tempo t. Esta fun¸ao ´ chamada Fun¸ao de Onda, criada por Schr¨dinc˜ e c˜ o ger (1927). O quadrado do m´dulo da fun¸ao de onda |Ψ|2 representa o c˜ a probabilidade de se encontrar no instante t a determinada part´ ıcula. Na concep¸ao cl´ssica, uma part´ c˜ a ıcula se encontra ou n˜o num a determinado instante em um dado ponto do espa¸o. Pela c mecˆnica quˆntica n´s s´ podemos conhecer a probabilidade a a o o de encontrar a part´ ıcula no ponto considerado. Schr¨dinger deduziu matematicamente regi˜es com probabio o lidades de se encontrar o el´tron, simplificadas por meio de e modelos geom´tricos que chamamos de orbitais. e Sommerfeld, de Broglie e Schr¨dinger formaram a Mecˆnica o a Quˆntica, que nos levou ao modelo atˆmico atual. O ´tomo a o a possui n´ cleo denso com el´trons em orbitais. u e Orbital ´ a regi˜o, em torno do n´ cleo, com maior probabilie a u dade de se encontrar o el´tron. O el´tron move-se em torno do e e n´ cleo. u

Se os ´tomos oscilantes transferem uma energia E para a a vizinhan¸a, radia¸ao de freq¨ˆncia ν = E/h ser´ detecc c˜ ue a ´ tada. E importante notar que a intensidade da radia¸ao ´ c˜ e uma indica¸ao do n´ mero de pacotes de energia gerados, c˜ u enquanto E ´ a medida de energia de cada pacote. e Is´topos, Is´baros, Is´tonos e Isoeletrˆnicos o o o o

Sommerfeld: em 1916, estabeleceu que os el´trons descrevem Is´topos: s˜o ´tomos de um mesmo elemento qu´ e o a a ımico que o ´rbitas circulares e el´ ıpticas em torno do n´ cleo. u apresentam diferentes n´ mero de massa e diferentes n´ mero u u de nˆutrons, ou seja s˜o ´tomos de mesmo n´ mero atˆmico e e a a u o diferentes n´ mero de massa. u
6C 12 6C 13 6C 14

Is´topos de Carbono o Is´topos de Oxigˆnio o e

8O

16

8O

17

8O

17

Is´baros: s˜o ´tomos de elementos qu´ o a a ımicos diferentes mas com mesmo n´ mero de massa. u
20 Ca 40

1840 Ar

Is´tonos: s˜o ´tomos de elementos qu´ o a a ımicos diferentes, mas com mesmo numero de nˆutrons. e
5B 11 6C 12

Figura 2.2: Modelo Atˆmico de Sommerfeld. o

Isoeletrˆnicos: s˜o ´tomos ou ´ o a a ıons que apresentam o mesmo n´ mero de el´trons. u e
12 M g 2+ 11 N a 1+N e 10 9F 1− 7N 3−

O Modelo Atˆmico Atual o
Louis de Broglie: em 1924, foi quem lan¸ou as as bases de uma c nova mecˆnica chamada ondulat´ria ou quˆntica, atrav´s do a o a e Princ´pio da Dualidade mat´ria-onda para o el´tron: “Toda ı e e part´ ıcula em movimento, o el´tron, no caso, tem associado a e si uma onda”. A mecˆnica cl´ssica prevˆ, para cada corpo, sua trajet´ria, a a e o conhecendo sua posi¸ao e velocidade. c˜ A mecˆnica quˆntica, que trata do universo microsc´pico das a a o part´ ıculas, n˜o se descreve perfeitamente o ´tomo. a a N´ ıveis e Sub-n´ ıveis de Energia A eletrosfera do ´tomo est´ dividida em 7 regi˜es denominadas a a o de n´ ıveis de energia ou camadas eletrˆnicas. o S˜o as camadas K, L, M, N, O, P, Q, representadas pelos a n´ meros 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 denominados de n´ meros quˆnticos u u a principais e representados pela letra n. O n´ mero m´ximo de el´trons em cada camada ´ calculado u a e e pela equa¸ao c˜ e = 2 · n2 sendo que

128

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

K(2), L(8), M (18), N (32), O(50), P (72), Q(98) Mas para os 112 elementos qu´ ımicos existentes temos: K(2), L(8), M (18), N (32), O(32), P (18), Q(2) Existem 7 sub-n´ ıveis de energia (s, p, d, f, g, h, i) que est˜o dena tro das camadas. Mas para os 112 elementos existentes n˜o a s˜o ocupados todos os sub-n´ a ıveis de energia e sim somente quatro, s, p, d, f , que s˜o representados pela letra l que significa a n´ mero quˆntico secund´rio e s˜o n´ meros que v˜o de 0 a 3, ou u a a a u a seja, 0, 1, 2, 3 para os sub-n´ ıveis s, p, d, f , cada sub-n´ comıvel porta um n´ mero m´ximo de el´trons s(2), p(6), d(10), f (14). u a e Configura¸˜o Eletrˆnica ca o Diagrama de Linus Pauling K(2) 1s2 L(8) 2s2 2p6 M(18) 3s2 3p6 3d10 N(32) 4s2 4p6 4d10 4f 14 O(32) 5s2 5p6 5d10 5f 14 P(18) 6s2 6p6 6d10 Q(2) 7s2 Representamos a distribui¸ao eletrˆnica de duas formas: c˜ o 1. ordem energ´tica, seguindo as diagonais do diagrama de e Pauling: 1s2 , 2s2 , 2p6 , 3s2 , 3p6 , 4s2 , 3d10 , 4p6 , 5s2 , 4d10 , 5p6 , 6s2 , 4f 14 , 5d10 , 6p6 , 7s2 , 5f 14 , 6d10 2. ordem geom´trica, agrupando os sub-n´ e ıveis em camadas: 1s2 2s2 , 2p6 2 3s , 3p6 , 3d10 2 4s , 4p6 , 4d10 , 4f 14 5s2 , 5p6 , 5d10 , 5f 14 6s2 , 6p6 , 6d10 7s2 Orbitais Atˆmicos o Como vimos, orbital ´ a regi˜o, em torno do n´ cleo, com e a u m´xima probabilidade de se encontrar el´trons. As formas a e dessas regi˜es s˜o calculadas matematicamente e tˆm o n´ cleo o a e u localizado no ponto zero dos eixos x, y e z. As formas dos orbitais mais importantes s˜o: a 1. esf´rica - chamado orbital s: e 2. halter - chamado orbital p: Princ´ ıpio de Exclus˜o a Certas experiˆncias, em particular a a¸ao de um campo e c˜ magn´tico, mostram que as fun¸oes de onda constru´ e c˜ ıdas unicamente sobre as coordenadas de espa¸o n˜o s˜o aptas para c a a explicar totalmente os fenˆmenos, o que levou a se introduzir o uma nova coordenada chamada spin. Trata-se de uma coordenada suplementar associada ` rota¸ao do el´tron. Os valores a c˜ e 1 1 a permitidos para a fun¸ao de spin s˜o − 2 e 2 , e s˜o de spins c˜ a opostos. K L M N O P Q 2 8 18 32 32 18 2

Y

X Z

Figura 2.3: Coordenadas espaciais de um atomo. ´

Y

...... . ........ ...... . . ...... ............. . .... .. .. . ............ . . ............................ . .. ... . ... .... .. ........... .. ... .... ... .. .... .... . ........ ...... . . .. ....... ........ ... .. ..... . .......... . .. . .. .. . . .. ....... .. .. ..... ...................... ... ..... ..... ......... . . .. . . ............ ... .. ................... ........ .. .. Z

X

Figura 2.4: Representa¸ao do Orbital s. c˜ Dois el´trons podem ocupar um mesmo ore bital desde que possuam spins opostos. Este enunciado ´ conhecido por “Princ´ e ıpio de Exclus˜o, de a Wolfgang Pauli”. Cada sub-n´ ıvel comporta um n´ mero m´ximo de el´trons u a e (como visto anteriormente). Se cada orbital comporta no m´ximo dois el´trons, temos ent˜o: a e a Representa¸ao do Orbital c˜ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓

s2 p6 d10 f 14

↑↓

1 3 5 7

orbit. orbit. orbit. orbit.

Pense um Pouco!
1. Vocˆ sabe quais s˜o os tipos de radia¸oes existentes e quais e a c˜ as caracter´ ısticas particulares de cada uma? 2. Quais s˜o os efeitos causados pelas radia¸oes? E quais as a c˜ principais aplica¸oes das rea¸oes nucleares? c˜ c˜

Qu´ ımica – Aula 3

129

+

Qu´ ımica
Liga¸˜es Qu´ co ımicas

Aula 3

Figura 2.5: Representa¸ao do Orbital p. c˜

´ Estabilidade dos Atomos
Os gases nobres s˜o os unicos encontrados na natureza na a ´ forma mono-atˆmica, ou seja, n˜o se ligam se, apresentam o a na forma de ´tomos. Isto significa que o ´tomo ´ totalmente a a e 1. (ACAFE-99) A vitamina B12 , anti-anˆmica, cont´m ´ e e ıons de est´vel. a cobalto Co+2 . Dado: Co(Z = 27). A configura¸ao eletrˆnica c˜ o Os gases nobres (Coluna 8A da Tabela Peri´dica), com exce¸ao o c˜ nos orbitais 4s e 3d do Co+2 , ´: e do h´lio, apresentam oito el´trons na camada de valˆncia. e e e 0 8 a) 4s , 3d . b) 4s2 , 3d7 . c) 4s2 , 3d5 . d) 4s1 , 3d6 . e) 4s0 , 3d7 . He(Z=2) Ne(Z=10) Ar(Z=18) Xr(Z=36) Xe(Z=54) Rn(Z=86) Gases Nobres 2 2 8 2 8 18 8 2 8 18 18 2 8 18 32 2 8 18 32

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

8 2. (UDESC) Uma ´tomo com n´ mero atˆmico igual a 38, a u o 18 8 apresentar´ em seu antepen´ ltimo n´ a u ıvel: 32 18 8 a) 8 el´trons. e b) 18 el´trons. e Camada de valˆncia ´ a camada eletrˆnica mais externa. Pode e e o c) 16 el´trons. e receber ou fornecer el´trons na uni˜o entre ´tomos. e a a d) 10 el´trons. e A valˆncia de um ´tomo ´ o n´ mero de liga¸oes que um ´tomo e a e u c˜ a e) 6 el´trons. e precisa fazer para adquirir a configura¸ao de um g´s nobre. c˜ a

Exerc´ ıcios Complementares
3. (FUVEST) De acordo com os postulados de Bohr ´ correto e afirmar que: a) ( ) Os el´trons se movem ao redor do n´ cleo em ´rbitas e u o bem definidas, que s˜o denominadas ´rbitas estacion´rias; a o a b) ( ) Movendo-se numa ´rbita estacion´ria, o el´tron n˜o o a e a emite nem absorve energia; c) ( ) Ao saltar de uma ´rbita mais pr´xima do n´ cleo para o o u outra ´rbita mais afastada, o el´tron absorve energia; o e d) ( ) Quando o el´tron de um ´tomo salta de uma camada e a mais externa para outra mais pr´xima do n´ cleo, h´ emiss˜o o u a a de energia; e) ( ) No n´ cleo de um ´tomo existem pr´tons e nˆutrons. u a o e

Teoria do Octeto
Foi feita uma associa¸ao entre a estabilidade dos gases nobres c˜ e o fato de possu´ ırem 8 el´trons na ultima camada. Surgiu e ´ ent˜o a Teoria do Octeto: a Para atingir uma situa¸˜o est´vel, h´ uma ca a a tendˆncia dos ´tomos para conseguir estrutura e a eletrˆnica de 8 el´trons na camada de valˆncia o e e igual ao g´s nobre de n´ mero atˆmico mais a u o pr´ximo. o No caso de ´tomos menores em n´ mero de el´trons, a tendˆncia a u e e ´ alcan¸ar o dueto, isto ´, conseguir dois el´trons na ultima e c e e ´ ´ camada, como o h´lio (Z = 2) : 1s2 . E o caso do hidrogˆnio e e e do l´ ıtio.

´ 4. (UEL) Atomos neutros e ´ ıons de um mesmo elemento qu´ ımico tem, necessariamente, o mesmo n´ mero: u Classifica¸˜o dos Elementos ca a) atˆmico; o b) de massa; Quanto ` Configura¸ao Eletrˆnica, podemos classificar os elea c˜ o c) de oxida¸ao; c˜ mentos qu´ ımicos como: d) de carga; Metais: S˜o elementos que possuem menos de quatro el´trons a e e) de isˆmeros. o na camada de valˆncia. Doam el´trons quando fazem liga¸oes e e c˜ qu´ ımicas; 5. Sejam dois ´tomos A de n´ mero atˆmico 2x + 4 e n´ mero a u o u a a de mass 5x e B de m´ mero atˆmico 3x − 6 e n´ mero de massa N˜o-Metais: S˜o elementos que possuem mais de quatro u o u el´trons na camada de valˆncia. Recebem el´trons quando e e e 5x − 1. Determine quantos nˆutrons tem A e B, sabendo que e fazem liga¸oes qu´ c˜ ımicas; eles pertencem ao mesmo elemento qu´ ımico. Semi-metais: S˜o alguns elementos que ora comportam-se a a) NA = 25 e NB = 26 como metais ora como n˜o-metais, independente do n´ mero a u b) NA = 26 e NB = 25 de el´trons na camada de valˆncia; e e c) NA = 27 e NB = 26 Hidrogˆnio: N˜o tem classifica¸ao, por´m sua tendˆncia ´ de e a c˜ e e e d) NA = 26 e NB = 27 e) NA = 25 e NB = 25 ganhar um el´tron. Os elementos que possuem quatro el´trons e e

130

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

na camada de valˆncia podem ceder ou receber el´trons nas e e liga¸oes. c˜ O carbono por exemplo, ter´ comportamento de n˜o-metal, a a recebendo el´trons. e O sil´ e o germˆnio s˜o semi-metais: ora cedem el´trons, ora ıcio a a e recebem.

Estruturas de Lewis
Um s´ ımbolo de Lewis ´ um s´ e ımbolo no qual os el´trons da e camada de valˆncia de um ´tomo ou de um ´ simples s˜o e a ıon a representados por pontos colocados ao redor do s´ ımbolo do elemento. Cada ponto representa um el´tron. Por exemplo: e Figura 2.3: Configura¸ao da liga¸ao co-valente. c˜ c˜

H
(a) (b)

O

H

~ ´ pares de eletrons nao ligantes ´ pares de eletrons ligantes

Figura 2.1: Configura¸ao eletrˆnica e estrutura de Lewis para c˜ o o atomo neutro de cloro (a) e para o ´on de cloro (b). ´ ı Repare nos exemplos acima que o cloro possui sete el´trons de e valˆncia, enquanto que o ´ cloreto, oito. e ıon Uma liga¸ao co-valente ´ aquela liga¸ao qu´ c˜ e c˜ ımica formada pelo compartilhamento de um par de el´trons entre dois ´tomos. A e a Estrutura de Lewis de um composto co-valente ou de um ´ ıon poli-atˆmico mostra como os el´trons est˜o distribu´ o e a ıdos entre os ´tomos, de formas a mostrar a conectividade entre eles. No a caso do metano, por exemplo, quatro el´trons, um de cada e hidrogˆnio, mais os quatro el´trons de valˆncia do carbono, e e e s˜o emparelhados na Estrutura, mostrando como cada ´tomo a a se conecta a outro por um par de el´trons. e

´ Figura 2.4: Estrutura de Lewis da Agua. a ´tomo central, e lig´-lo aos ´tomos perif´ricos por pares de a a e el´trons. e Considere o di´xido de carbono CO2 o carbono(C) → tem 4e− de valˆncia × 1 carbono = 4e− e

oxigˆnio(O) → e tem 6e− de valˆncia × 2 oxigˆnio = 12e− e e

Existe um total de 16 e− para serem colocados na Estrutura de Lewis. Conecte o ´tomo central aos outros ´tomos na mol´cula com a a e liga¸oes simples. c˜ O carbono ´ o ´tomo central, os dois oxigˆnios s˜o ligados a e a e a ele; mais tarde iremos adicionar mais el´trons para completar e os octetos dos ´tomos perif´ricos. a e Conecte o ´tomo central aos outros ´tomos na mol´cula com a a e liga¸oes simples. c˜ O carbono ´ o ´tomo central, os dois oxigˆnios s˜o ligados a e a e a ele; mais tarde iremos adicionar mais el´trons para completar e os octetos dos ´tomos perif´ricos. a e

Figura 2.2: Configura¸ao da estrutura de Lewis para o metano. c˜ Ao inv´s de utilizarmos dois pontos para indicar o par de e el´trons que perpetuam a liga¸ao co-valente, podemos utilie c˜ zar um tra¸o. Assim, o tra¸o ir´ representar os dois el´trons c c a e da liga¸ao co-valente. c˜ Vamos representar na Figura (2.4) a estrutura de Lewis da a ´gua. Dois hidrogˆnios s˜o ligados ao ´tomo de oxigˆnio cene a a e tral. Os el´trons de liga¸ao s˜o indicados pelas linhas entre o e c˜ a oxigˆnio e cada um dos hidrogˆnios. Os el´trons remanescentes e e e - dois pares - que constituem o octeto do oxigˆnio, s˜o chamae a dos de n˜o-ligantes, por n˜o estarem envolvidos em liga¸oes a a c˜ co-valentes. O primeiro passo para se desenhar uma estrutura de Lewis ´ e determinar o n´ mero de el´trons de valˆncia dos ´tomos que u e e a ser˜o conectados. Depois ´ necess´rio determinar qual ´ o a e a e

Figura 2.5: Estrutura do CO2 . At´ aqui foram utilizados quatro el´trons dos 16 ` disposi¸ao. e e a c˜ Complete a camada de valˆncia dos ´tomos da periferia da e a mol´cula. e Foram utilizados todos os 16 el´trons dispon´ e ıveis. Coloque quaisquer el´trons remanescentes sobre o ´tomo central. “N˜o e a a existem mais el´trons dispon´ e ıveis nesse exemplo”. • Se a camada de valˆncia do ´tomo central est´ completa, e a a vocˆ acaba de desenhar uma Estrutura de Lewis aceit´vel. e a

Qu´ ımica – Aula 4

131

Figura 2.6: Constru¸ao da estrutura de Lewis do CO2 -1. c˜

“O carbono est´ deficiente de el´trons - ele tem s´ quatro a e o el´trons em sua volta. Esta n˜o ´ uma estrutura de Lewis e a e aceit´vel”. a • Se a camada de valˆncia do ´tomo central n˜o est´ come a a a pleta, use um par solit´rio de um dos ´tomos da peria a feria para formar uma dupla liga¸ao daquele atomo com c˜ ´ o ´tomo central. Continue o processo de fazer m´ ltiplas a u liga¸oes dos ´tomos perif´ricos com o ´tomo central, at´ c˜ a e a e que a camada de valˆncia do ´tomo central esteja come a pleta.

Figura 2.9: Constru¸ao da estrutura de Lewis do CO2 -4. c˜

Figura 2.10: Constru¸ao da estrutura de Lewis do CO2 -5. c˜

Pense um Pouco!
• Dˆ uma poss´ aplica¸ao para a mesma f´rmula qu´ e ıvel c˜ o ımica escrita de formas diferentes. Ou seja, qual ´ a utilidade e de escrevermos a f´rmula estrutural e eletrˆnica de um o o mesmo elemento? • Os gases nobres tamb´m s˜o chamados de gases inertes? e a Explique.

Figura 2.7: Constru¸ao da estrutura de Lewis do CO2 -2. c˜ Torna-se,

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Indique a f´rmula estrutural das seguintes mol´culas: Dao e dos: Cl (Z = 17), C (Z = 12), N (Z = 7), H (Z = 1), O (Z = 8). a) CCl4 b) N H3 c) CO2 d) HN O3

Figura 2.8: Constru¸ao da estrutura de Lewis do CO2 -3. c˜

Exerc´ ıcios Complementares

2. Dˆ as f´rmulas estruturais e eletrˆnicas das seguintes e o o O atomo central ainda est´ deficiente de el´trons, portanto mol´culas, dados: H (Z=1), O (Z=8) e S (Z=16). ´ a e e compartilhe outro par. a) H2 S b) SO2 Torna-se, c) SO3 Certifique-se que vocˆ tenha utilizado do n´ mero correto d) HN O3 e u de el´trons na Estrutura de Lewis. Lembre-se que alguns e elementos, como o enxofre, por exemplo, podem ampliar sua camada de valˆncia para al´m de oito el´trons. e e e A melhor Estrutura de Lewis que pode ser escrita para o di´xido de carbono ´: o e

Qu´ ımica

Aula 4

132

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Ax+ B y− → Ay Bx Caracter´ ısticas da Liga¸˜o Iˆnica ca o • Forma¸ao de ´ c˜ ıons; Figura 2.11: Melhor estrutura de Lewis para o CO2 • Transferˆncia de el´trons; e e • Compostos s´lidos a temperatura ambiente; o • Forma¸ao de compostos cristalinos; c˜ • Os compostos iˆnicos quando em meio aquoso conduzem o corrente el´trica. e

Liga¸˜es Qu´ co ımicas
Como conseq¨ˆncia da tendˆncia dos ´tomos de formar sisue e a temas eletrˆnicos est´veis, pela doa¸ao ou recebimento de o a c˜ el´trons, os ´tomos se unem. e a Existem trˆs tipos de liga¸oes qu´ e c˜ ımicas; 1. Iˆnica; o 2. Met´lica; a

Liga¸˜o Met´lica ca a

Ocorre entre metais. Como sabemos, um metal tem tendˆncia e de doar el´trons formando c´tions. A liga¸ao met´lica ocorre e a c˜ a quando muitos ´tomos de um metal perdem el´trons ao mesmo a e 3. Co-valente. tempo, e os c´tions formados se estabilizam pela ”nuvem” de a el´trons que fica ao redor. e Liga¸˜o Iˆnica ou Eletrovalente ca o Analisando um fio de cobre, excelente condutor de eletricie A liga¸ao iˆnica ocorre quando um metal se liga a um n˜o dade e calor, encontraremos nos el´trons livres que o material c˜ o a c˜ a metal ou ao hidrogˆnio. O metal doa el´trons formando o apresenta a explica¸ao desta condutibilidade. Os ”n” ´tomos e e e e a c´tion. O n˜o-metal ou o hidrogˆnio recebe el´trons formando de cobre cedem seus el´trons perif´ricos e se tornam c´tions a a e e envoltos por muitos el´trons livres. e um ˆnion. a A conseq¨ˆncia da atra¸ao entre os ´ ue c˜ ıons positivos (c´tions) e a negativos (ˆnions) ´ um agrupamento organizado de ´ a e ıons, a que chamamos de cristal iˆnico. o

Liga¸˜o Co-valente ou Molecular ca
Liga¸ao co-valente ´ aquela formada como conseq¨ˆncia do c˜ e ue compartilhamento de el´trons entre seus ´tomos. e a Haver´ forma¸ao de uma mol´cula, no sentido em que os a c˜ e a ´tomos se unem como ”s´cios” dos mesmos el´trons. o e Por exemplo: o cloro apresenta 7 el´trons na ultima camada e ´ quando realizada a liga¸ao co-valente forma HCl. c˜ O par compartilhado ´ formado por dois el´trons, um de cada e e a ´tomo, compartilhado por ambos os ´tomos. a

(a) Figura 2.1: Arranjo Atˆmico de um Cristal Iˆnico. o o

(b)

H

Cl

O cristal iˆnico ´ representado por uma f´rmula m´ o e o ınima, ou seja, o n´ mero m´ u ınimo de c´tions e ˆnions necess´rios para que a a a ambas as cargas sejam neutralizadas. Por exemplo a F´rmula o M´ ınima do sal de cozinha ´ dada por: e N a Cl Esta estrutura de alta coes˜o de natureza el´trica confere ao a e composto iˆnico alto ponto de fus˜o. No estado s´lido n˜o o a o a conduz eletricidade. Isso s´ ocorre se os ´ o ıons estiverem livres, em solu¸ao aquosa ou no estado fundido (l´ c˜ ıquido). Montamos uma f´rmula de composto iˆnico colocando ` eso o a querda o c´tion e a direita o ˆnion. Verificamos se as cargas a a positiva e negativa se anulam. Se as cargas se anularem, a f´rmula ser´ de um c´tion para um ˆnion. Caso as cargas se o a a a anulem, usaremos o seguinte artif´ ıcio: invertemos a carga do c´tion para ´ a ındice do ˆnion e a carga do ˆnion para ´ a a ındice do c´tion: a Figura 2.2: Par Eletrˆnico Compartilhado. o Ambos adquirem configura¸ao eletrˆnica est´vel de g´s nobre. c˜ o a a Representa¸˜o Molecular ca H´ diferentes maneiras de representar uma mol´cula. Tomea e mos a mol´cula de g´s oxigˆnio, formada por dois ´tomos de e a e a oxigˆnio. e • F´rmula eletrˆnica ou de Lewis: representa os el´trons o o e da ultima camada dos ´tomos. ´ a

Qu´ ımica – Aula 4 • F´rmula estrutural: cada par de el´tron compartilhado o e ´ representado por um tra¸o. e c O=O • F´rmula molecular: indica apenas o tipo e o n´ mero o u de ´tomos que formam uma mol´cula. a e O2 Liga¸˜o Dativa ou Coordenada ca ´ E o caso de liga¸ao co-valente que ocorre quando o par de c˜ el´trons compartilhado entre dois ´tomos prov´m apenas de e a e um deles. Para que o ´tomo possa fazer uma liga¸ao coordenada ele tem a c˜ que possuir pares de el´trons livres. e A liga¸ao coordenada ´ indicada por uma seta do ´tomo que c˜ e a oferece o par de el´trons para o ´tomo que o aceita. e a O n´ mero m´ximo de liga¸oes coordenadas que os n˜o-metais u a c˜ a podem oferecer ´: e No caso do mon´xido de carbono, temos um bom exemplo: o o oxigˆnio faz uma liga¸ao dativa com o carbono, isto ´, come c˜ e partilha coordenadamente com ele seus pares eletrˆnicos. Cono forme podemos ver na Fig. (2.3):

133

− +

− +

Figura 2.4: Dois atomos de H. ´ Como conseq¨ˆncia dessa atra¸ao, teremos a aproxima¸ao reue c˜ c˜ sultando numa interpenetra¸ao de orbitais chamada overlap. c˜ Overlap ´ a interpenetra¸ao dos orbitais atˆmicos formando e c˜ o um orbital molecular. Na forma¸ao do overlap h´ uma distˆncia ideal entre os n´cleos c˜ a a u de cada ´tomo, onde a repuls˜o das cargas de mesmo sinal a a compensa a atra¸ao das cargas de sinais diferentes. c˜

Figura 2.5: Overlap. No caso do H2 , H −H, temos orbital σ(s−s). A nota¸ao σ(s− c˜ s) significa orbital molecular σ feito atrav´s de dois orbitais e atˆmicos do tipo s. o

Pense um Pouco!
Figura 2.3: Liga¸ao Dativa do CO. c˜ • Quais s˜o as principais utilidades das Liga¸oes Qu´ a c˜ ımicas na natureza? • Como os elementos qu´ ımicos s˜o encontrados na natureza, a ”puros ou misturados com outros elementos”?

Orbitais Moleculares Para visualizarmos melhor as liga¸oes co-valentes (´tomos forc˜ a mando mol´culas), estudaremos as liga¸oes sob o ponto de e c˜ vista dos orbitais atˆmicos formando orbitais moleculares. o Orbital molecular ´ a regi˜o em torno dos n´ cleos de maior proe a u babilidade de ser encontrado o par eletrˆnico compartilhado. o H´ dois tipos de orbital molecular: a Orbital Molecular σ (sigma), ou simplesmente liga¸ao σ, ´ c˜ e aquele formado na interpenetra¸ao de orbitais atˆmicos sec˜ o gundo um eixo. Orbital Molecular π, ou simplesmente liga¸ao π, ´ aquele forc˜ e mado na interpenetra¸ao de orbitais atˆmicos p exclusivamente c˜ o segundo os eixos paralelos. Exemplo

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ACAFE) O grupo de ´tomos que ´ encontrado na forma a e mono-atˆmica pelo fato de serem est´veis s˜o o a a a) Halogˆnios e b) Calcogˆnios e c) Metais Alcalinos Terrosos d) Metais Alcalinos e) Gases Nobres 2. (ACAFE) O propadieno (H2 C = C = CH2 ) apresenta respectivamente quantas liga¸oes sigmas e liga¸oes pi? c˜ c˜ a) 6 e 2 b) 2 e 2 c) 4 e 2 d) 4 e 0 e) 0 e 4

H2 (mol´cula H : H ou H − H) e O hidrogˆnio apresenta apenas um el´tron no orbital s, que e e sabemos ser esf´rico: 1s1 , e precisa de mais um el´tron para e e adquirir estabilidade. 3. (ACAFE) Incr´ ıvel, mas 15% do g´s metano existente na a Quando ocorre a aproxima¸ao de outro ´tomo de hidrogˆnio, atmosfera prov´m do arroto dos bois, vacas, cabras e carc˜ a e e o n´ cleo positivo de um atrai a eletrosfera do outro. u neiros, contribuindo para o efeito estufa (aquecimento at-

134

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

mosf´rico). Assinale a alternativa que descreve os tipos de entre as colis˜es – o seu livre caminho m´dio – ´ muito pee o e e liga¸oes qu´ c˜ ımicas encontradas neste g´s: a quena, onde estas sofrem bilh˜es de colis˜es antes de percorrer o o a) 2 iˆnicas e 2 co-valentes o uma distˆncia muito grande e essas interrup¸oes impedem-nas a c˜ b) 2 liga¸oes dativas c˜ de espalhar-se atrav´s do l´ e ıquido. A difus˜o dentro dos s´lidos a o c) 4 liga¸oes duplas c˜ ´ muito mais lenta que nos l´ e ıquidos. N˜o s´ as mol´culas est˜o a o e a d) 2 sigmas e 2 pi fortemente compactadas como, tamb´m, s˜o mantidas rigidae a e) 4 liga¸oes sigmas c˜ mente no mesmo lugar.

Exerc´ ıcios Complementares

Volume e Forma

A propriedade mais ´bvia dos gases, l´ o ıquidos e s´lidos ´ a forma o e como eles se comportam quando transferidos de um frasco 4. (ACAFE-99) Um metal alcalino terroso (M) apresenta dois para outro. Ambos, gases e l´ ıquidos s˜o flu´ a ıdos; eles escoam el´trons na sua camada de valˆncia. A alternativa que indica a e e e podem ser bombeados de um lugar para outro. Um s´lido, o f´rmula de um ´xido e de cloreto desse metal, respectivamente o o por´m, n˜o ´ um flu´ e mant´m tanto sua forma quanto seu e a e ıdo e ´: e volume. As for¸as inter-moleculares de um g´s s˜o t˜o fracas c a a a a) M2 O − M2 Cl que as mol´culas podem facilmente superar essa for¸a e expane c b) M2 O − M Cl dir para encher o recipiente. O que n˜o acontece num s´lido, a o c) M O2 − M Cl2 cujas for¸as atrativas mant´m as mol´culas mais ou menos firc e e d) M O − M Cl2 mes num lugar, de modo que elas n˜o podem se mover umas a e) M O − M Cl4 em torno das outras. 5. (UFSC) Na mol´cula H − O − O − H, existe: e a) nenhuma liga¸ao iˆnica c˜ o b) trˆs liga¸oes co-valentes e c˜ c) trˆs liga¸oes sigmas e c˜ d) trˆs liga¸oes iˆnicas e c˜ o e) duas liga¸oes met´licas c˜ a Tens˜o Superficial a Num l´ ıquido cada mol´cula move-se sempre sob influˆncia das e e mol´culas vizinhas. As mol´culas na superf´ de um certo ree e ıcie cipiente sentem uma atra¸ao na dire¸ao do interior do l´ c˜ c˜ ıquido. Para uma mol´cula chegar a superf´ ela deve superar esta e ıcie atra¸ao. Ou seja, a energia potencial deve aumentar, ent˜o c˜ a deve-se realizar trabalho para lev´-las at´ a superf´ a e ıcie. Portanto, tornar a superf´ de um l´ ıcie ıquido maior requer um gasto de energia e a quantidade de energia necess´ria ´ ent˜o a tens˜o a e a a superficial. Evapora¸˜o ca Num l´ ıquido ou num s´lido, assim como num g´s, as mol´culas o a e est˜o constantemente sofrendo colis˜es, dando assim origem a a o uma distribui¸ao de velocidades moleculares individuais e, evic˜ dentemente, de energias cin´ticas. se algumas dessas mol´culas e e possu´ ırem energia cin´tica suficiente para superar as for¸as e c atrativas dentro do l´ ıquido ou do s´lido, elas poder˜o escapar o a atrav´s da superf´ para o estado gasoso – elas evaporam. No e ıcie l´ ıquido existem trˆs fatores que influenciam na velocidade de e evapora¸ao: a temperatura, a ´rea superficial e a intensidade c˜ a das atra¸oes superficiais. c˜ For¸as de Atra¸˜o Inter-moleculares c ca As atra¸oes dipolo-dipolo s˜o, normalmente, consideravelc˜ a mente mais fracas do que as liga¸oes iˆnicas ou co-valentes. c˜ o A sua for¸a tamb´m diminui muito rapidamente ` medida que c e a a distˆncia entre os dipolos aumenta, de forma que a distˆncia a a entre os dipolos aumenta, de forma que o seu efeito entre as mol´culas bastante afastadas de um g´s ´ muito menor do que e a e entre mol´culas fortemente compactadas num l´ e ıquido ou num ´ s´lido. E por isso que as mol´culas de um g´s comportam-se o e a quase como se n˜o houvesse atra¸ao nenhuma entre elas. a c˜

Qu´ ımica
A Estrutura da Mat´ria e
Propriedades Gerais

Aula 5

De acordo com a teoria cin´tica molecular, todas as formas de e mat´ria s˜o compostas de part´ e a ıculas pequenas e que se movem rapidamente. H´ duas raz˜es principais por que os gases, a o l´ ıquidos e s´lidos diferem tanto uns dos outros. Uma ´ a rigidez o e do empacotamento das part´ ıculas e outra ´ a intensidade das e for¸as atrativas entre elas. Podemos listar como propriedades c influenciadas por estas duas raz˜es o seguinte: o Compressibilidade Num g´s, as mol´culas est˜o bastante separadas, de forma que a e a h´ muito espa¸o vazio dentro do qual elas podem ser comprimia c das, por isso os gases s˜o bastante compress´ a ıveis. Entretanto, as mol´culas num l´ e ıquido ou s´lido est˜o rigidamente empacoo a tada se h´ muito pouco espa¸o vazio entre elas, sendo ent˜o a c a virtualmente incompress´ ıveis. Difus˜o a

Comparadas com as mol´culas de um l´ e ıquido ou s´lido, as o mol´culas de um g´s se difundem rapidamente, uma vez que Pontes de Hidrogˆnio e a e as distˆncias que elas se movem entre as colis˜es s˜o relatia o a vamente grandes. Em virtude de as mol´culas num l´ e ıquido Acontece entre mol´culas muito polares, onde a diferen¸a de e c estarem t˜o pr´ximas, a distˆncia m´dia que elas percorrem eletronegatividade ´ muito acentuada, tendo H numa das exa o a e e

Qu´ ımica – Aula 5 tremidades da “ponte”. No estado l´ ıquido h´ pontes de hia drogˆnio entre mol´culas de ´gua. Como h´ movimento das e e a a mol´culas, as pontes de hidrogˆnio se quebram e se restabee e lecem em seguida. No estado s´lido as pontes de hidrogˆnio o e entre as mol´culas de ´gua s˜o fixas e direcionadas segundo e a a um ˆngulo de 104, 5◦ entre suas liga¸oes. Devido ` dire¸ao a c˜ a c˜ das pontes de hidrogˆnio na ´gua s´lida, ficam espa¸os vazios e a o c entre as mol´culas, respons´veis pelo aumento de volume ao e a congelar. For¸a de Van der Waals (ou de London) c

135 da vida real, devemos aumentar o tamanho destas quantidades at´ o ponto em que possamos vˆ-las e pes´-las. e e a Infelizmente, por exemplo, uma d´ zia de ´tomos ou mol´culas u a e ´ ainda uma quantidade muito pequena para se trabalhar; e deve-se, portanto, encontrar uma unidade maior ainda. A “d´ zia de qu´ u ımico”chama-se mol (unidade mol). Ele ´ come posto de 6, 022 × 1023 objetos. Ent˜o: a 1 d´ zia = u 1 mol = 12 objetos 6, 02 × 1023 objetos

O Volume Molar Essa for¸a pode aparecer entre ´tomos de um g´s nobre (por c a a ´ a c˜ exemplo, h´lio l´ e ıquido) ou entre mol´culas apolares (CH4 , E o volume ocupado por um mol de qualquer g´s em condi¸oes e normais de temperatura e press˜o (CNTP). a CO2 ). O gelo seco quando sublima, passa do estado s´lido o para o estado gasoso, rompendo as for¸as de Van der Waals e CNTP: c liberando as mol´culas das influˆncias das outras. S˜o as for¸as e e a c • temperatura de 0◦ C ou 273 K; inter-moleculares, tipo Van der Waals, que justificam a possi• press˜o de 1 atm ou 760 mmHg). a bilidade de liq¨ efazer os gases nobres. As mol´culas podem se u e unir atrav´s de polariza¸ao induzida temporariamente. e c˜ Verifica-se experimentalmente que o volume molar ´ de 22, 4 l e (CNTP). Os Gases Conclus˜o: a M M g → 6, 02 × 1023 mol´culas → 22, 4 l. e Muitos gases s˜o capazes de sofrer rea¸oes qu´ a c˜ ımicas uns com outros. Observa¸oes experimentais feitas por Gay-Lussac forc˜ Observe que maram a base da Lei de Combina¸˜o dos Volumes ca 1 mol ≈ 602.000.000.000.000.000.000.000 A Lei de Combina¸˜o de Volumes ca os volumes das substˆncias gasosas que s˜o produzidas a a e consumidas numa rea¸˜o qu´ ca ımica est˜o numa raz˜o a a de n´ meros inteiros pequenos, desde que os volumes u sejam medidos nas mesmas condi¸oes de temperatura c˜ e press˜o. a A importˆncia das observa¸oes de Gay-Lussac foi posteriora c˜ mente reconhecida por Amadeo Avogadro. Ele propˆs que o agora ´ conhecido como princ´ e ıpio de Avogadro. O Princ´ ıpio de Avogadro sob condi¸oes de temperatura e press˜o constantes, c˜ a volumes iguais de gases cont´m n´ meros iguais de e u mol´culas. e Uma vez que n´ meros de iguais de mol´culas significam u e n´ meros iguais de mols, o n´ mero de mols de qualquer g´s u u a est´ relacionado com o seu volume: a V ∝n

Pense um Pouco!
• Vocˆ tem no¸ao de como funciona um freio de autom´vel? e c˜ o Ou que um freio tem em comum com o assunto que estamos tratando? • Dˆ exemplos de elementos qu´ e ımicos s´lidos que evaporam, o sem que haja fus˜o. a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (FUVEST) Em uma amostra de 1, 15 g de s´dio, o n´ mero o u de ´tomos existentes ser´ igual a (N a = 23): a a a) 6 × 1022 b) 3 × 1023 c) 6 × 1023 d) 3 × 1022 e) 1023

2. (ACAFE-00) Qual destas liga¸oes ´ mais fraca? c˜ e a) Eletrovalente onde n ´ o n´ mero de mols do g´s. Assim, a lei de Gaye u a Lussac ´ facilmente compreendida, uma vez que os volumes b) Co-valente e e dos gases, reagentes e produtos, ocorrem nas mesmas raz˜es c) Ponte de hidrogˆnio o d) Van der Waals que os coeficientes na equa¸ao balanceada. c˜ e) Met´lica a O Mol Sabemos que os ´tomos reagem para formar mol´culas, mana e tendo entre si raz˜es simples de n´ meros inteiros. Os ´tomos o u a de hidrogˆnio e oxigˆnio, por exemplo, combinam-se numa e e raz˜o de 2 para 1 a fim de formar a ´gua, H2 O. Entretanto a a ´ imposs´ trabalhar com os ´tomos individualmente, devido e ıvel a a `s suas dimens˜es min´ sculas. Assim, em qualquer laborat´rio o u o 3. (PUC) As pontes de hidrogˆnio aparecem: e a) quando o hidrogˆnio est´ ligado a um elemento muito elee a tropositivo b) quando o hidrogˆnio est´ ligado a um elemento muito elee a tronegativo c) em todos os compostos hidrogenados d) somente em compostos inorgˆnicos a e) somente em ´cidos de Arrhenius a

136

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exerc´ ıcios Complementares

4. (Osec-SP) Tem-se 1 litro de He; 1 litro de H2 ; 1 litro de CO2 ; e 1 litro de N H3 , todos estes gases nas CN T P em recipientes separados. O recipiente que possui maior n´ mero G´s Real u a de mol´culas ´ o que cont´m: e e e a) He Um g´s real se aproxima do comportamento de um g´s perfeito a a b) H2 a ` medida que se torna mais rarefeito (diminui o n´ mero de u c) CO2 mol´culas) e se encontra a baixa press˜o e a alta temperatura. e a d) N H3 e) o n´ mero de mol´culas ´ o mesmo em cada um dos quatro u e e Leis dos Gases Ideais recipientes. 5. (PUC-RS) Os elevados pontos de ebuli¸ao da ´gua, do c˜ a a ´lcool et´ ılico e do fluoreto de hidrogˆnio s˜o explicados: e a a) atrav´s das pontes de hidrogˆnio inter-moleculares e e b) pelas macro-mol´culas formadas e c) atrav´s de for¸as de Van der Waals e c d) pelas liga¸oes co-valentes dativas que se formam entre c˜ mol´culas destes compostos e e) atrav´s das pontes de hidrogˆnio intra-moleculares e e 6. (PUC) Qual a massa total da seguinte mistura: 0, 25 mol de oxigˆnio mais 3 × 1022 mol´culas de oxigˆnio mais 3 g de e e e oxigˆnio? Dado: M MO = 16 g. e a) 11, 8 g b) 12, 6 g c) 23, 6 g d) 32 g e) 34 g

• Os choques entre as mol´culas, se ocorrerem, s˜o perfeitae a mente el´sticos (a mol´cula n˜o ganha nem perde energia a e a cin´tica) e

O estado de um g´s ´ definido quando sabemos sua press˜o, a e a temperatura, e volume Essas grandezas s˜o as vari´veis de a a estado de um g´s e s˜o inter-dependentes. a a Se mantivermos constante uma de suas vari´veis, poderemos a estudar de que maneira variam as outras. Transforma¸˜o Isot´rmica (Lei de Boyle-Mariotte) ca e a uma temperatura constante, o volume ocupado por uma quantidade fixa de g´s ´ inversamente proporcia e onal ` press˜o aplicada. a a Isso pode ser expresso matematicamente como: V ∝ 1 P (2.1)

Qu´ ımica
Teoria Cin´tica dos Gases e

Aula 6

A proporcionalidade pode ser transformada numa igualdade pela introdu¸ao de uma constante de proporcionalidade. Asc˜ sim, 1 P P V = constante V ∝ p1 V1 = p2 V2

Desta forma, a temperatura constante, se aumentarmos a As mol´culas de um g´s ocupam o volume do recipiente que e a press˜o, o volume diminui; se diminuirmos a press˜o o volume a a as cont´m. A energia que mant´m as mol´culas de um g´s em e e e a aumenta. movimento ´ a energia cin´tica, que ´ diretamente proporcional e e e a temperatura absoluta (Kelvin). Transforma¸˜o Isob´rica (Lei de Charles) ca a Ec ∝ T onde ` press˜o constante, o volume de uma dada quantidade a a de um g´s ´ diretamente proporcional ´ sua temperaa e a tura absoluta. Escrevendo esta Lei matematicamente, temos: V ∝T (2.2)

Ec = energia cin´tica e T = temperatura de Kelvin

G´s Ideal a

Um g´s ´ considerado perfeito (ideal) quando obedece `s se- Transformando a proporcionalidade em igualdade e rearrana e a guintes condi¸oes: c˜ jando, obtemos • No estado gasoso o movimento das mol´culas ocorre de e maneira cont´ ınua e ca´tica, descrevendo trajet´rias reo o til´ ıneas; • O volume da mol´cula ´ desprez´ em rela¸ao ao volume e e ıvel c˜ do recipiente que a cont´m; e • Uma mol´cula n˜o sente a presen¸a da outra (n˜o h´ ine a c a a tera¸ao, for¸as de Van der Waals, entre as mol´culas); c˜ c e V = constante T V2 V1 = T1 T2 (2.3) (2.4)

Desta forma, se a press˜o ´ constante, ´ medida que aumena e a tarmos a temperatura o volume ocupado pelo g´s aumentar´; a a diminuindo a temperatura, o volume diminuir´. a

Qu´ ımica – Aula 6 Transforma¸˜o Isoc´rica, Isom´trica ca o e lum´trica (Lei de Charles-Gay Lussac) e ou Isovo-

137

A equa¸ao (2.12) ´ obedecida por apenas um g´s ideal hic˜ e a pot´tico e ´ uma express˜o matem´tica da lei dos gases idee e a a ´ ais. E tamb´m chamada equa¸ao de estado do g´s ideal, pore c˜ a a volume constante, a press˜o ´ diretamente propor- que relaciona as vari´veis (P, V, n, T ) que especificam as proa e a cional ` temperatura. a priedades f´ ısicas do sistema. Matematicamente temos que: P ∝T ou tamb´m, e P = constante T p1 p2 = T1 T2 (2.5)

Lei das Press˜es Parciais de Dalton o

Se aumentarmos a temperatura, a press˜o aumentar´; se dia a minuirmos a temperatura, a press˜o diminuir´. a a

´ E simplesmente a press˜o que o g´s exerceria se estivesse soa a zinho no recipiente, ocupando o volume total da mistura na mesma temperatura. Segundo as observa¸oes de John Dalton, c˜ a press˜o total ´ igual ` soma das press˜es parciais de cada a e a o (2.6) g´s, na mistura. Esta afirmativa ´ conhecida como a lei das a e press˜es parciais de Dalton que pode ser expressa por: o (2.7) PT = pa + pb + pc + · · · (2.13) onde PT ´ a press˜o total da mistura e pa , pb , pc s˜o as e a a press˜es parciais dos gases a, b c. o Press˜o parcial (P ′ ) ´ o produto da fra¸ao molar pela press˜o a e c˜ a total dos gases.
′ Pg´s = Xg´s · Ptotal mistura a a

Lei Combinada dos Gases
As equa¸oes correspondentes `s leis de Boyle-Mariotte e c˜ a Charles-Gay Lussac podem ser incorporadas em uma unica ´ equa¸ao, que ´ util para muitos c´lculos. Esta ´ c˜ e´ a e Pf Vf Pi Vi = Ti Tf (2.8)

(2.14)

Volumes Parciais

Volume parcial ´ o volume que o g´s ocuparia estando sozinho e a Da mesma forma que para as leis separadas, a lei combinada e sendo submetido ` press˜o total, na temperatura da mistura. a a dos gases verifica-se somente se a quantidade de g´s for cons- O volume total ´ a soma dos volumes parciais de cada g´s, na a e a tante. Onde o g´s deve estar submetido `s CN T P . a a mistura. Esta afirmativa ´ conhecida como a lei de Amagat. e O volume parcial (V) ´ dado pelo produto de fra¸ao molar do e c˜ g´s pelo volume total da mistura. a Lei dos Gases Ideais Discutimos, assim, trˆs rela¸oes (2.1, 2.2, 2.5) de volume a que e c˜ um g´s ideal obedece. a Podemos combin´-las, para obter a V ∝n V ∝ 1 P nT P (T ) ou (2.9)
′ Vg´s = Xg´s · Vtotal mistura a a

(2.15)

Mudan¸as de Estado F´ c ısico

Uma substˆncia pura pode apresentar-se sob trˆs formas de a e agrega¸ao da mat´ria: s´lido, l´ c˜ e o ıquido, gasoso (aceita-se o (2.10) quarto estado da mat´ria: plasma). Cada fase depende das e condi¸oes f´ c˜ ısicas de press˜o e temperatura. a

Casos Particulares • Se n e T forem constantes na equa¸ao (2.10) teremos a lei c˜ de Boyle-Mariotte;

Fus˜o e Solidifica¸˜o a ca

Na fase s´lida, as mol´culas de uma substˆncia est˜o forteo e a a mente ligadas entre si, formando um reticulado cristalino. • Se n e P forem constantes na equa¸ao (2.10) teremos a lei c˜ Fornecendo calor a um s´lido, as mol´culas absorver˜o a enero e a de Charles-Gay Lussac; gia, aumentando a amplitude de sua vibra¸ao, rompendo o c˜ • Se P e T forem constantes na equa¸ao (2.10) teremos o reticulado cristalino e passando para a fase l´ c˜ ıquida, onde as Princ´ ıpio de Avogadro; mol´culas est˜o ligadas entre si com menor intensidade do que e a na fase s´lida. o A proporcionalidade na equa¸ao (2.10) pode ser transformada c˜ numa igualdade, pela introdu¸ao de uma constante de proporc˜ • A temperatura em que ocorre a passagem de fase cionalidade, R, chamada de constante universal dos gases. s´lida para a l´ o ıquida ´ denominada ponto de fus˜o. e a Da´ temos: ı, • A temperatura em que ocorre a passagem de fase nRT l´ ıquida para a s´lida ´ denominada ponto de solidio e ou (2.11) V = fica¸ao. c˜ P P V = nRT (2.12) • Nas substˆncias puras, o ponto de fus˜o e solidia a fica¸˜o coincidem, se a press˜o for mantida constante. ca a onde R = 8, 31J/mol · K.

138

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Vaporiza¸˜o e Condensa¸˜o ca ca
A vaporiza¸ao ´ a passagem da fase l´ c˜ e ıquida para a gasosa. Existem trˆs maneiras de se efetuar a vaporiza¸ao: e c˜ 1. Vaporiza¸˜o t´ ca ıpica ou ebuli¸˜o: mudan¸a de fase a ca c determinada press˜o e temperatura. Por exemplo, a ´gua a a entra em ebuli¸ao a 100 ◦ C e ` press˜o de 1 atm. c˜ a a 2. Evapora¸˜o: fenˆmeno que se observa a qualquer temca o peratura, atrav´s da superf´ exposta ao meio ambiente. e ıcie Isso ocorre porque as mol´culas com maior velocidade ese capam atrav´s da superf´ livre do l´ e ıcie ıquido. Ao ocorrer uma evapora¸ao, a temperatura do l´ c˜ ıquido diminui pois ao escaparem as mol´culas com maior velocidade, dimie nui a energia cin´tica. Quanto maior a ´rea livre maior a e a evapora¸ao. c˜ 3. Calefa¸˜o: fenˆmeno que ocorre a temperaturas acima ca o da temperatura normal de vaporiza¸ao. E observ´vel, por c˜ ´ a exemplo, ao se deixar cair uma gota d’´gua numa chapa a de metal, a uma temperatura acima de do ponto de vaporiza¸ao. c˜ A condensa¸ao ´ a passagem de uma substˆncia da fase gac˜ e a sosa para a l´ ıquida. Ela pode ocorrer, tamb´m, ` temperatura e a ambiente. Por exemplo, ao se colocar ´gua gelada num copo, a observa-se a condensa¸ao do vapor de ´gua do ar na sua parede c˜ a externa.

p

2

Liquido P Solido P
T C

3 Gas Vapor

1 θ
Figura 2.2: Diagrama de fase t´pico. ı

p 2 Liquido P Solido P
C

T

3 Gas Vapor

o

1 θ
Figura 2.3: Diagrama de fase da agua. ´

Co

ca

ca

Liquido
Va

nd

ifi

en

lid

sac

So

o

po

sa

ao

riz

Fu

ac ao

Sublimacao Solido

Gasoso Sublimacao Inversa

Sublima¸˜o ca
Abaixo da temperatura do ponto triplo, existe uma curva denominada curva de sublima¸˜o, que representa as condi¸oes ca c˜ de press˜o e temperatura nas quais uma substˆncia pode pasa a sar diretamente da fase s´lida para fase gasosa ou vice-versa o sem se transformar em l´ ıquido.

Figura 2.1: Mudan¸as de estados: s´lido, l´quido e g´s. c o ı a

Diagrama de Fases
Colocando-se em um unico diagrama, as curvas de equil´ ´ ıbrio entre as fases de uma substˆncia pura, tem-se o diagrama de a fases. O ponto de equil´ ıbrio entre as trˆs fases ´ denominado ponto e e triplo ou tr´ ıplice (PT ). Para o di´xido de carbono (CO2 ), o ponto triplo ´ definido o e por: • temperatura: −56, 6 C • press˜o: 5 atm a A ´gua tem o seu ponto triplo definido por: a Para o di´xido de carbono (CO2 ), o ponto triplo ´ definido o e por: • temperatura: 0, 01 ◦ C • press˜o: 4, 58 mmHg a

Pense um Pouco!
• Por que dentro de uma panela de press˜o, ´ poss´ a e ıvel manter-se a ´gua na fase l´ a ıquida acima dos 100 C ? Quais s˜o os benef´ a ıcios que isso nos traz? ´ • E poss´ ferver ´gua ` temperatura ambiente? Como? ıvel a a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (MACK-SP) Assinale a afirma¸ao correta: c˜ a) O ponto de fus˜o e o ponto de ebuli¸ao da ´gua aumentam a c˜ a com o aumento da press˜o. a b) O ponto de fus˜o e o ponto de ebuli¸ao da ´gua diminuem a c˜ a com o aumento da press˜o. a c) O ponto de fus˜o da ´gua diminui e o ponto de ebuli¸ao da a a c˜

Qu´ ımica – Aula 7

139

a ´gua aumentam com o aumento da press˜o. a ´ Acidos e Bases d) O ponto de fus˜o da ´gua aumenta e o ponto de ebuli¸ao a a c˜ da ´gua diminui com o aumento da press˜o. a a Nesta aula ser˜o apresentados dois conceitos qu´ a ımicos fundae) O ponto de fus˜o e o ponto de ebuli¸ao da ´gua n˜o s˜o mentais: ´cido e base. a c˜ a a a a alterados com o aumento da press˜o. a 2. (STA. CASA-SP) Quando vocˆ assopra a sua pele umida e ´ de ´gua, sente que a pele esfria. Isto se deve ao fato de: a a) o sopro arrasta ar mais frio que a pele. b) a pele est´ mais fria do que a ´gua. a a c) a ´gua ´ normalmente mais fria do que o ar. a e d) o sopro ´ mais frio do que a ´gua. e a e) a ´gua absorve calor da pele para evaporar-se. a

´ Acidos e Bases de Arrhenius

Fun¸oes Qu´ c˜ ımicas s˜o grupos de substˆncias com propriedades a a semelhantes. As fun¸oes inorgˆnicas s˜o quatro: ´cidos, bases, c˜ a a a sais e ´xidos. o ´ Acidos s˜o compostos com sabor azedo (vinagre, frutas a c´ ıtricas), que reagem com bases formando sal e ´gua. a Bases s˜o compostos de sabor adstringente (leite de magn´sia a e 3. (ACAFE) Bolinhas de naftalina s˜o colocadas nos roupeiros - M g(OH) ) que reagem com ´cidos dando sal e ´gua. a a a 2 para combater as tra¸as pois elas danificam as roupas. Com ´ c Acidos e Bases atuam sobre indicadores coloridos - substˆncias a o tempo as bolinhas diminuem de tamanho. A causa disso que possuem duas colora¸oes, dependendo do meio em que se c˜ deve-se: encontram. a) a sua liquefa¸ao. c˜ b) ao consumo da naftalina pelas tra¸as. c ´ Indicador Meio Acido Meio B´sico a c) a sua condensa¸ao. c˜ Tornassol Vermelho Azul d) a sua fus˜o. a Fenolftale´ ına Incolor Vermelho e) a sua sublima¸ao. c˜ Defini¸oes de Arrhenius c˜

Exerc´ ıcios Complementares

´ Acido ´ qualquer composto molecular que em solu¸ao aquosa e c˜ sofre ioniza¸ao liberando como unico c´tion o ´ H + ou H3 O+ c˜ ´ a ıon o o 4. (VUNESP) Indique a alternativa que indica um fenˆmeno (hidroxˆnio ou hidrˆnio). o qu´ ımico: Exemplos a) Dissolu¸ao de cloreto de s´dio em ´gua. c˜ o a b) Fus˜o da aspirina. a c) Destila¸ao fracionada de ar l´ c˜ ıquido. HCl + H2 O → H + + Cl− d) Corros˜o de uma chapa de ferro. a − HN O3 + H2 O → H + + N O3 e) Evapora¸ao da ´gua do mar. c˜ a −2 H2 SO4 + H2 O → 2H + + SO4 −3 5. (ACAFE) Do petr´leo podemos extrair v´rios materiais o a H3 P O4 + H 2 O → 3H + + P O4 importantes para o homem, como a gasolina, o GLP, a parafina, o metano e outros. Sobre o petr´leo e seus derivados n˜o o a Dizemos que o ´cido, que era um composto co-valente, na prea podemos afirmar: sen¸a de ´gua ionizou, e formou ´ c a ıons. a) a gasolina ´ uma mistura de alcanos. e c˜ e a u e b) GLP ´ a sigla para G´s Liq¨ efeito de Petr´leo e ´ basica- Grau de ioniza¸ao (α) ´ a raz˜o do n´ mero de mol´culas ionie a u o e zadas para um total de mol´culas inicialmente dissolvidas em e mente uma mistura homogˆnea dos gases propano e butano. e a c a a c) a parafina ´ uma mistura de alcanos superiores ou seja de ´gua. A for¸a de um ´cido est´ associada ao maior ou menor e grau de ioniza¸ao do mesmo. c˜ grandes massas moleculares. d) o petr´leo ´ uma mistura heterogˆnea. o e e n.o de mol´culas ionizadas e e) o g´s metano principal componente do g´s natural, conhea a α= total de mol´culas dissolvidas e cido como g´s do lixo, s´ pode ser obtido a partir do petr´leo. a o o (ACAFE) Algumas substˆncias em contato com a pele, nos a Caracter´ ısticas d˜o uma sensa¸ao de estarem frias. Dentre elas podemos desa c˜ tacar o ´ter comum. Isso ocorre por que: e • Apresentam sabor azedo; f) o ´ter ao cair na pele, evapora, e este ´ um processo e e • Tornam vermelho o papel tornassol azul e a fenolftale´ ına exot´rmico. e de vermelha para incolor; g) o ´ter ao cair na pele, evapora, e este ´ um processo ene e dot´rmico. e • Conduzem corrente el´trica em solu¸ao aquosa; e c˜ h) o ´ter reage endotermicamente com substˆncias da pele. e a i) o ´ter sublima. e • Quando adicionados ao m´rmore ou carbonatos, produa j) o ´ter ´ resfriado. e e zem uma efervescˆncia com libera¸ao de g´s carbˆnico. e c˜ a o

Qu´ ımica

Aula 7

Classifica¸˜o ca Em geral, pode-se classificar os ´cidos quanto `: a a Presen¸a de Oxigˆnio c e

140

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

• Hidr´cidos: n˜o apresentam oxigˆnio na mol´cula; a a e e HCl, HCN, H2 S • Oxi´cidos: a apresentam HN O3 , H2 SO4 , H3 P O4 oxigˆnio e na mol´cula. e

´ Nomenclatura dos Acidos
Hidr´cidos a

N´ mero de Hidrogˆnios Ioniz´veis u e a • Mono-´cidos: a apenas HCl, HCN, HN O3 • Di´cidos: a dois H2 S, H2 SO4 , H2 CO3 um hidrogˆnio e

´ Nomenclatura: Acido (nome do elemento)´drico. ı Quando ionizado, um hidr´cido produz ao lado do c´tion H + a a ou H3 O+ , um ˆnion com termina¸ao eto. Conforme exemplo a c˜ abaixo: ´ ıdrico ⇋ H + + Cl− : Cloreto. (na presen¸a c ioniz´vel; HCl: Acido Clor´ a de H2 O) Oxi´cidos a ´ Nomenclatura: Acido (nome do elemento) oso(menos oxigenado) ico(mais oxigenado) Conforme podemos ver no exemplo abaixo: −2 ´ H2 SO3 : Acido Sulfuroso ⇋ 2H + + SO3 : Sulfito. (na presen¸a de H2 O) c −2 ´ H2 SO4 : Acido Sulf´ rico ⇋ 2H + + SO4 : Sulfato. (na preu sen¸a de H2 O) c

hidrogˆnios e

ioniz´veis; a

• Tri´cidos: trˆs hidrogˆnios ioniz´veis. H3 SO3 , H3 P O4 a e e a Mas tome cuidado:

H3 P O2 → mono-´cido (um hidrogˆnio ioniz´vel) a e a H3 P O3 → di´cido (dois hidrogˆnios ioniz´veis) a e a

Volatilidade • Vol´til: todos os hidr´cidos; a a • Fixo: todos os oxi´cidos. a Estabilidade • Inst´vel: s´ existem dois ´cidos inst´veis; a o a a H2 SO3 → H2 O + SO2 H2 CO3 → H2 O + CO2

Bases
Bases ou Hidr´xidos s˜o substˆncias que, ao serem diso a a solvidas em ´gua, sofrem dissocia¸ao iˆnica, originando a c˜ o o “ˆnion”OH − , denominado hidroxila ou oxidrila. a Os hidr´xidos s˜o compostos formados por um metal ou um ´ o a ıon positivo, ligado a hidroxila. Observe abaixo a dissocia¸ao c˜ iˆnica de algumas bases em solu¸ao aquosa: o c˜

• Est´veis: todos com excess˜o dos ´cidos carbˆnico e sula a a o furoso. For¸a c • Para Hidr´cidos: a – Fortes: HCl, HI, HBr – Moderado ou Semi-Forte: HF – Fracos: HCN, H2 S • Para Oxi´cidos: m = N0 − NH+ a – Fraco: quando m = 0; – Moderado ou Semi-Forte: quando m = 1; – Forte: quando m = 2; – Muito Forte: quando m = 3. – Exemplos: H2 CO3 → m = 1 moderado H2 SO4 → m = 2 forte HCl → m = 0 fraco

F e(OH)3 → F e+3 + 3OH − + N H4 OH → N H4 + OH −

N aOH → N a+ + OH −

Caracter´ ısticas das Bases
• Apresentam sabor amargo; • Reagem com os ´cidos produzindo sal; a • Tornam azul o papel tornassol vermelho e a fenolftale´ ına de incolor para vermelha; • Conduzem corrente el´trica em solu¸ao aquosa; e c˜ • S˜o untuosas ao tato. a

Classifica¸˜o das Bases ca
Classifica-se as bases quanto `: a N´ mero de Hidroxilas (OH − ) u • Mono-base: KOH; possui apenas uma hidroxila. Exemplo: Exemplo:

HClO4 → m = 3 muito forte

• Dibase: possui apenas duas hidroxilas. Ca(OH)2 ;

• Tribase: possui trˆs duas hidroxilas. Exemplo: Al(OH)3 ; e

Qu´ ımica – Aula 7 • Tetrabase; possui apenas quatro hidroxilas. P b(OH)4 . ´ Solubilidade em Agua • Sol´veis: bases formadas pelas fam´ u ılias 1A, 2A e N H4 OH; • Insol´veis: todas as demais bases. u For¸a c • Forte: quando a base ´ dissolvida em ´gua, ocorre dise a socia¸ao iˆnica quase que totalmente. Bases de metais c˜ o alcalinos (1A) e de metais alcalinos terrosos (2A); • Fraca: todas as demais bases. Exemplo: Base

141

´ E toda esp´cie qu´ e ımica (mol´cula ou ´ e ıon) capaz de doar um par de el´trons atrav´s da liga¸ao coordenada dativa. e e c˜ Exemplo
− ´ AlCl3 (Acido) + : Cl− (Base) → AlCl4

Comparando Conceitos
• Lewis: o mais geral; • Br¨nnsted-Lowry: bem amplo; o • Arrhenius: o mais limitado. • Um ´cido ou base de Arrhenius ser´ tamb´m de a a e Br¨nnsted-Lowry e de Lewis; o • Um ´cido ou base de Br¨nnsted-Lowry pode ou n˜o ser a o a de Arrhenius, mas ser´ de Lewis; a • Existem ´cidos e bases de Lewis que n˜o s˜o de Br¨nnsteda a a o Lowry nem de Arhenius.

´ Outros Conceitos de Acidos e Bases
Conceitos de Br¨nsted-Lowry o
´ Acido ´ E toda esp´cie qu´ e ımica (mol´cula ou ´ e ıon) capaz de doar um pr´ton na forma de H + . o Base

´ E toda esp´cie qu´ e ımica (mol´cula ou ´ e ıon) capaz de receber um pr´ton na forma de H + . o ´ E o c´lculo da quantidade de reagentes necess´rios e de produa a tos obtidos numa determinada rea¸ao qu´ c˜ ımica. Baseia-se nas Exemplos Leis de Lavoisier (conserva¸ao das massas), Proust (propor¸ao c˜ c˜ das massas) e Gay Lussac (propor¸ao de volumes). c˜ Fundamenta-se no fato de que a propor¸ao de mols entre reac˜ ´ HCl(Acido) + H2 O(Base) ⇋ gentes e produtos numa rea¸ao ´ constante, dada pelos coefic˜ e ´ H3 O+ (Acido) + Cl− (Base) (2.16) cientes estequiom´tricos. e ´ N H3 (Acido) + H2 O(Base) ⇋ Outro fundamento do c´lculo estequiom´trico ´ a defini¸ao de a e e c˜ − ´ mol. N H4 (Acido) + OH (Base) (2.17)

Estequiometria

´ Par Conjugado Acido–Base
Chamamos de par conjugado as esp´cies qu´ e ımicas que diferem entre si por um H + . No exemplo (2.16) temos o seguinte par conjugado ´cido-base: a  a  HCl − (´cido forte)   (grande facilidade doar el´trons) e  Cl− − (base fraca)   (pequena facilidade de receber el´trons) e

O mol
• Pesa: MMg (MM=Massa Molecular); • Possui: 6, 02 × 1023 mol´culas; e • Ocupa: 22, 4 l (g´s nas CNTP). a Exemplo Dada a rea¸ao de combust˜o da acetona: c˜ a C3 H6 O → CO2 + H2 O Balanceando a equa¸ao pelo m´todo das tentativas, chegarec˜ e mos aos seguintes coeficientes menores e inteiros:

Isso explica por que a rea¸ao tende para o sentido direito, ou c˜ seja, da esquerda para direita.

Conceito de Lewis
´ Acido ´ E toda esp´cie qu´ e ımica (mol´cula ou ´ e ıon) capaz de aceitar um par de el´trons atrav´s da liga¸ao coordenada dativa. e e c˜

1 C3 H6 O (1 mol) + 4 O2 (4 mols) → 3 CO2 (3 mols) + 3 H2 O (3 mols)

142

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o d) c´lcio a e) s´dio o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pense um Pouco!

• O que vocˆ entende por chuva ´cida? Ela pode trazer e a 6. Temos a seguinte equa¸ao: c˜ algum malef´ ` vida humana? ıcio a 2O3 → 3O2 • Enumere algumas substˆncias ´cidas e b´sicas de uso a a a di´rio. a Os n´ meros 2 e 3 que aparecem ao lado esquerdo da equa¸ao u c˜ representam, respectivamente: a) coeficiente estequiom´trico e n´ mero de ´tomos da mol´cula e u a e Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca b) coeficiente estequiom´trico e n´ mero de mol´culas e u e c) n´ mero de mol´culas e coeficiente estequiom´trico u e e d) n´ mero de ´tomos da mol´cula e coeficiente esteu a e 1. Um tanque de autom´vel est´ cheio com 60 litros de ´lcool o a a e hidratado (96% ´lcool). A densidade ´ de 0, 9 g/ml. Dada sua quiom´trico a e e) n´ mero de ´tomos da mol´cula e n´ mero de mol´culas u a e u e equa¸ao de combust˜o completa c˜ a 1C2 H5 OH + 3O2 → 2CO2 + 3H2 O indique: a) a massa da ´gua obtida ao queimar-se todo o ´lcool do a a tanque; b) o volume de g´s carbˆnico que sai do escapamento, supondo a o combust˜o completa. a 2. (ACAFE) Em regi˜es industriais o anidrido sulfuroso o (SO2 ), resultante da queima de combust´ ıveis f´sseis, d´ origem o a a ` chuva ´cida na atmosfera devido a sua oxida¸ao e contato a c˜ com a precipita¸ao pluviom´trica. Em rela¸ao a estas regi˜es, c˜ e c˜ o a alternativa falsa ´: e a) S˜o Paulo e Cubat˜o s˜o exemplos de cidades onde a ina a a cidˆncia de chuvas ´cidas ´ bastante acentuada; e a e b) Ocorre uma oxida¸ao dos port˜es de ferro com uma intenc˜ o sidade bem maior que em regi˜es distantes das regi˜es induso o triais; c) As planta¸oes s˜o bastante afetadas, pois a chuva diminui c˜ a o pH do solo, retardando o crescimento das mesmas; d) A vegeta¸ao pode vir a secar completamente, caso o per´ c˜ ıodo das chuvas seja prolongado; e) N˜o ´ recomendada a utiliza¸ao de port˜es de alum´ a e c˜ o ınio porque este ´ atacado pela chuva ´cida. e a 3. (FUVEST) Um elemento met´lico M forma um cloreto de a f´rmula M Cl3 . A f´rmula de seu sulfato ´: o o e a) M2 SO4 b) M SO4 c) M2 (SO)3 d) M (SO)4 e) M (SO)3

Qu´ ımica
Solu¸˜es Qu´ co ımicas
Concentra¸˜o ca

Aula 8

Vocˆ j´ reparou, por exemplo, que numa dada quantidade de e a a ´gua podemos dissolver quantidades menores ou maiores de sal comum, desde que evidentemente, n˜o ultrapassemos o ponto a de satura¸ao. c˜ Pois bem, chama-se concentra¸˜o de uma solu¸ao a toda ca c˜ e qualquer maneira de expressar a propor¸ao existente numa c˜ dada solu¸ao. c˜ Usaremos a seguinte conven¸ao: c˜ ms → massa do soluto msv → massa do solvente

onde

mt → massa do solu¸ao c˜ mt = ms + msv

(2.18)

T´ ıtulo τ
´ E o quociente de massa do soluto pela massa total da solu¸ao c˜ (soluto + solvente). ms T = (2.19) msv ou ms (2.20) τ= ms + msv

Exerc´ ıcios Complementares

ıtulo uma grandeza adimensional. 4. (COMVESUMC) O ´cido que corresponde ` classifica¸ao sendo o t´ a a c˜ mono-´cida, oxi´cido, e tern´rio ´: a a a e a) HN O3 Porcentagem em Massa P b) H2 SO4 ´ E o quociente da massa do soluto (multiplicado por 100) pela c) H3 P O4 massa total da solu¸ao (soluto + solvente). c˜ d) HCl e) HCN O ms 5. O amon´ ıaco usado para fins de limpeza ´ uma solu¸ao e c˜ × 100% (2.21) P = mt aquosa de amˆnia que cont´m ´ o e ıons: a) hidroxila b) sulfato c) nitrato onde a rela¸ao entre porcentagem em massa e t´ c˜ ıtulo ´ e P = τ × 100% (2.22)

Qu´ ımica – Aula 8

143

Concentra¸˜o Comum C ca

Normalidade

´ ´ u E o quociente da massa do soluto (emgramas), pelo volume E o n´ mero de equivalentes-gramas do soluto dividido pelo volume da solu¸ao em litros. c˜ da solu¸ao (emlitros). c˜ C= ms V (2.23) N= NE V (2.29)

onde a rela¸ao entre a concentra¸ao comum, t´ c˜ c˜ ıtulo e densidade Observa¸˜o: a melhor maneira de se calcular a normalidade ca da solu¸ao ´ c˜ e ´ a partir da molaridade, usando a express˜o: e a C = d · τ · 1000 Onde: C → Concentra¸ao Comum (g/l) c˜ d → Densidade (g/ml) (2.24) N = M ·x (2.30)

Resumo das Principais Equa¸˜es co
Rela¸oes das Massas c˜ m = m1 + m2 N´ mero de Mols u n1 = m1 mol1

τ → T´ ıtulo

Molaridade M

Concentra¸ao em M ol/l ou Molaridade M ´ o quociente do c˜ e n´ mero de mols do soluto pelo volume da solu¸ao (em litros). u c˜ Sendo: Densidade ns → n´ mero de mols do soluto u

d= T´ ıtulo T = Porcentagem em Massa

V → volume da solu¸ao (l) c˜ M → molaridade (mols)

d → massa do soluto (g) Ms → massa molar do soluto (g)

m V

m1 m

M= onde ns =

ns V ms Ms

(2.25) (2.26) Concentra¸˜o (g/l) ca

P = 100 ·

m1 m

C=

Equivalente-Grama
´ E a massa molar do soluto dividida pela carga total do c´tion a ou do anion de uma substˆncia. ˆ a Molaridade M=

m1 V

n1 V

E= sendo

M x

(2.27)

Molalidade (mol/kg) de solvente W = n1 m2

Para um ´cido: x → n de H a Para um base: x → no de OH −

M → massa molar x → carga do c´tion ou ˆnion a a
o

Concentra¸˜o em Equivalentes-Gramas ca N= Ne1 V

+

N´ mero de Equivalentes-Gramas u Ne1 = m E

N´mero de Equivalentes-Gramas u
Corresponde a massa da amostra pelo equivalente-grama da Equivalentes-Gramas substˆncia. a NE = ms E (2.28)

E=

mol x

144

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pense um Pouco!

c) 20 mol/l d) 0, 5 mol/l • Pense em poss´ ıveis aplica¸oes dos conceitos apresentados e) 0, 06 mol/l c˜ at´ aqui, referentes a solu¸oes e cite alguns exemplos. e c˜ • Se fervermos uma solu¸ao de ´gua+sal, e a ´gua for evac˜ a a porando, o que acontece com as propriedades da solu¸ao c˜ (M , τ , P , etc)?

Qu´ ımica
Equil´ ıbrio Iˆnico o

Aula 9

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ACAFE) A massa de BaCl2 necess´ria para preparar 25 a litros de solu¸ao 0, 1 M deste sal ser´: c˜ a ´ E um equil´ ıbrio qu´ ımico em que aparecem ´ ıons. Ocorre com a) 208 g a ´cidos bases e os sais, considerados eletr´litos. o b) 520 g c) 260 g d) 416 g Exemplos e) 71 g 2. (ACAFE) A ur´ia, N H2 CON H2 , ´ um produto do metae e bolismo de prote´ ınas. Que massa de ur´ia ´ necess´ria para e e a preparar 500 ml de uma solu¸ao 0, 20 M ? c˜ a) 5, 1 g b) 12, 0 g c) 18, 0 g ou seja d) 24, 0 g e) 6, 0 g HCN ←→ H + + CN − no de moles dissociados no inicial de moles

α=

α = grau de dissocia¸ao iˆnica c˜ o

3. (ACAFE) A concentra¸ao de N aCl na ´gua do mar ´ de A constante de ioniza¸ao segue a Lei de Guldeberg-Waage. c˜ a e c˜ 0, 43 mol/l. O volume em l, de ´gua do mar que deve ser a evaporado completamente para a produ¸ao de 5 kg de sal de c˜ HCN ←→ H + + CN − cozinha ´ aproximadamente: e a) 12 l [H + ].[CN ] b) 25 l Ka = [HCN ] c) 40 l d) 200 l Ka = constante de dissocia¸ao iˆnica para ´cidos, c˜ o a e) 430 l Kb = para bases pKa = −logKa Ka = 4, 0 × 10−10 Exerc´ ıcios Complementares pKa = −log(4, 0 × 10−10 ) pKa = 9, 4 4. (ACAFE) Para uma solu¸ao a 20 % em massa e densidade Quanto maior α → maior ioniza¸ao → maior ´ o numerador c˜ c˜ e 4 g/ml, calcule a concentra¸ao em g/l. c˜ na express˜o da constante → maior ´ K. a e a) 80 g/l A partir da express˜o de Ka , quanto mais ionizado o ´cido se a a b) 800 g/l encontra: c) 8 g/l d) 8000 g/l - maior a quantidade de ´ ıons em solu¸ao; c˜ e) 400 g/l - menor a quantidade de ´cido n˜o-ionizado; a a 5. (ACAFE) Uma gota de ´gua ocupa um volume aproxia mado de 0, 0500 ml. Sabendo-se que a densidade da ´gua ´ a e 1, 00 g/cm3 . O n´ mero de mol´culas por gota de ´gua ser´: u e a a - maior o valor de Ka . a) 1, 67 × 1021 b) 1, 67 × 1023 A for¸a de um ´cido ´ medida pela sua capacidade de produzir c a e c) 6, 00 × 1023 ´ ıons H + em solu¸ao aquosa. Portanto, quanto maior o valor c˜ d) 6, 00 × 1021 de Ka : e) 3, 00 × 1021 - maior a capacidade de ioniza¸ao do ´cido; c˜ a 6. Uma solu¸ao de AgN O a 1, 00 % em ´gua ´ utilizada c˜ a e
3

para tratar os olhos de rec´m-nascidos. Sendo a densidade da e solu¸ao 1, 08 g/ml, a sua molaridade em mol/l ´: c˜ e a) 1, 0 mol/l b) 0, 10 mol/l

- maior quantidade de ´ ıons H + produzida; - maior ´ a for¸a do ´cido. e c a

Qu´ ımica – Aula 9

145

Lei da Dilui¸˜o de Ostwald ca

Vocˆ Sabia? e

e c Vamos ver o que ocorre com o grau de ioniza¸ao (α) ao fazer- O odor do peixe ´ causado pela presen¸a de aminas provenic˜ c˜ ınas do peixe. Estes mos uma dilui¸ao da solu¸ao por acr´scimo de solvente. Para entes da decomposi¸ao de algumas prote´ c˜ c˜ e compostos orgˆnicos s˜o b´sicos e, portanto, para retirar o seu a a a isso, consideremos a ioniza¸ao de um ´cido HA: c˜ a cheiro desagrad´vel das m˜os, basta adicionar um ´cido, como a a a o vinagre ou lim˜o. Uma das aminas causadoras do odor ´ a a e + HA(aq) ←→ H(aq) + A− (aq) metilamina, que apresenta o seguinte equil´ ıbrio: In´ ıcio Equil´ ıbrio n n-x α= 0 x
o

0 x

+ CH3 − N H2 +H2 O ←→ CH3 − N H3 + OH− Metilamina Base

n de mol´culas ionizadas e o de mol´culas adicionadas n e x/n = x = αn [H + ] = x/V = nα/V [A− ] = x/V = nα/V

A adi¸ao de ´cidos desloca o equil´ c˜ a ıbrio para a direita, eliminando o odor causado pela amina.

Pense um Pouco!
• O grau de dissocia¸ao iˆnica do ´cido ac´tico, em solu¸ao c˜ o a e c˜ 0,02 molar, ´ de 3% a 25 ◦ C. Calcule a constante de e ioniza¸ao α desse ´cido ` 25 ◦ C. c˜ a a

[HA] = n − x/V = n − nα/V = n(1 − α)/V Ka = [H + ] [A− ] nα/V ∗ nα/V = n(1−α) [HA]
V

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (Acafe-SC) Assinale a alternativa que corresponde ao grau de ioniza¸ao do ´cido cian´ c˜ a ıdrico, HCN, numa solu¸ao 0,01 moc˜ lar, sabendo que a sua constante de ioniza¸ao ´ de 4.10-10 ( c˜ e considerar 1 − α = 1). a) 0, 02 b) 2 × 104 c) 2 × 10−4 d) 4 × 10−2 e) 4 × 10−4 2. (UFSM-RS) Considere as constantes de ioniza¸ao dos c˜ a ´cidos I, II e III: KI = 7, 0 × 10−5 , KII = 1, 0 × 10−7 , KIII = 2, 0 × 10−9 Colocando-se em ordem crescente de acidez, tem-se: a) I, II e III. b) I, III e II. c) II, III e I. d) III, I e II. e) III, II e I.

V nα ∗ nα ∗ Ka = VV n(1 − α) Ka = nα2 −(1 − α) Cnα2 1−α

Ka =

Esta express˜o representa a Lei de Dilui¸ao de Wilhelm a c˜ Ostwald (1853-1932), qu´ ımico alem˜o. a Vejamos como interpretar essa lei. Considerando uma dilui¸ao por acr´scimo de solvente, temos c˜ e que, se o volume aumenta, devido ao acr´scimo de solvente, a e concentra¸ao em quantidade de mat´ria diminui: c˜ e n/V = Cn −→ V aumenta ←→ Cn diminui

admitindo um aumento indefinido de volume, ou seja, V tendendo ao infinito, Cn vai tender a zero. Ent˜o, na express˜o 3. (UDESC) Somente tem significado definir constante de ioa a niza¸ao para: c˜ da lei, se Cn tende ` zero, Cnα2 tamb´m tende ` zero: a e a ´ a) Acido fortes. b) Bases fortes. Cnα2 = Cnα2 = Ka (1 − α) Ka = c) Sais sol´ veis em ´gua. u a 1−α d) Eletr´litos fracos em solu¸oes concentradas. o c˜ o c˜ ıdas. se Cnα2 tende a zero, ent˜o Ka (1 − α) tamb´m tende ` zero e) Eletr´litos fracos em solu¸oes dilu´ a e a (Ka ´ constante). Logo: e Ka (1 − α) tende a 0 −→ 1 − α tende a zero −→ −α tende a Exerc´ ıcios Complementares -1 −→ α tende a 1. O fato de o grau de ioniza¸ao tender a 1 significa que a c˜ ioniza¸ao tende a ser total (100%), ou seja, o n´ mero de 4. (PUC-SP) Na temperatura ambiente, a constante de ioc˜ u mol´culas ionizadas tende a ser igual ao de mol´culas adici- niza¸ao do ´cido ac´tico ´ 1, 80 × 10−5 . Determine a molarie e c˜ a e e onadas: α = x/n, x = nα, x = n, (α = 1) dade da solu¸ao onde o ´cido se encontra 3% dissociado. c˜ a “O acr´scimo de solvente de uma solu¸ao, ou seja, uma di- a) 1, 94 × 10−2 molar. e c˜ lui¸ao, provoca um aumento do grau de ioniza¸ao”. c˜ c˜ b) 3, 00 × 10−2 molar

146

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

c) 5, 82 × 10−4 molar d) 5, 40 × 10−5 molar e) 5, 40 × 10−7 molar 5. (USP-SP) O grau de ioniza¸ao do ´cido ac´tico (HAc), c˜ a e numa solu¸ao 0,5M, ´ de 6 × 10−1 %. Calcule a constante de c˜ e ioniza¸ao desse ´cido. c˜ a 6. (UDESC) O peixe cr´ , preparado com suco de lim˜o ou u a vinagre, ´ consumido em diversos pa´ e ıses. Esse prato ´ f´cil e a digest˜o, porque o suco de lim˜o ou vinagre: a a a) Forma solu¸ao b´sica e n˜o hidrolisa as prote´ c˜ a a ınas do peixe. b) Forma solu¸ao ´cida e n˜o hidrolisa as prote´ c˜ a a ınas do peixe. ´ c) E solu¸ao b´sica e hidrolisa as prote´ c˜ a ınas do peixe. d) Forma a solu¸ao ´cida e hidrolisa as prote´ c˜ a ınas do peixe.

Qu´ ımica B – Aula 1

147

Qu´ ımica B

Desenvolvido por Galileu Galilei o m´todo cient´ e ıfico ´ a base de e ¯ toda a Ciˆncia, pois sintetiza o conjunto de atividades que vie sam observar, experimentar, explicar e relacionar os fenˆmenos o da natureza, criando leis, teorias e modelos cada vez mais gerais, que nos permitam prever e controlar os fenˆmenos futuo ros. O que ´ Qu´ e ımica? Observa¸˜o → Hip´teses → Experimenta¸˜o → ca o ca Medi¸˜o → Leis experimentais → Modelo cient´ ca ıfico Qu´ ımica ´ a ciˆncia que estuda a natureza da mat´ria, suas e e e propriedades, suas transforma¸oes e a energia envolvida nesses c˜ processos. Fenˆmenos Qu´ o ımicos e F´ ısicos A qu´ ımica est´ presente em toda mat´ria orgˆnica e a e a o e inorgˆnica, natural e artificial e tem contato di´rio e direto Fenˆmeno ´ qualquer acontecimento da natureza. Quando a a ocorre um fenˆmeno, uma transforma¸ao, h´ altera¸ao no siso c˜ a c˜ com o homem. tema do estado inicial ao estado final.

Aula 1

M´todo Cient´ e ıfico

Um Pouco de Hist´ria... o
Antoine Lavoisier (1743−1794)

Podemos dizer que tudo come¸ou com o homem primitivo, c quando ele aprendeu a “produzir o fogo”, a coser seus alimentos, a fazer tintas para se pintar, a usar plantas como rem´dio e para suas doen¸as, etc. No come¸o da era crist˜, surgiram os c c a chamados alquimistas, que sonhavam em descobrir o “elixir da longa vida”, aperfei¸oaram t´cnicas de metalurgia, introc e duziram a qu´ ımica medicinal, sintetizaram v´rias substˆncias, a a isolaram outras, al´m de terem registrado um grande n´ mero e u de experimentos em suas observa¸oes. c˜ A partir do s´culo XVII, a ciˆncia se transforma, tornando-se e e mais experimental e menos filos´fica. Dentre os cientistas com o essa nova proposta, destacam-se o inglˆs Robert Boyle(1627e 1691)- com seus estudos sobre o comportamento dos gases, a distin¸ao entre mistura e “combina¸ao”, e o francˆs Antoine c˜ c˜ e Laurent Lavoisier (1743-1794) publicou (Tratado elementar de Qu´ ımica) que estabeleceu um marco na qu´ ımica moderna, no qual podemos destacar o Princ´ da Conserva¸ao da Massa, a ıpio c˜ descoberta do elemento oxigˆnio e sua an´lise quantitativa da e a composi¸ao da ´gua. Por seu trabalho, Lavoisier ´ considerado c˜ a e o “pai da Qu´ ımica”.

Figura 2.1: O pai da Qu´mica: Lavoisier (1743-1794) ı

Fenˆmeno F´ o ısico ´ E qualquer transforma¸ao sofrida por um material sem que c˜ ocorra altera¸˜o de sua constitui¸ao ´ ca c˜ ıntima de seus constituintes. Ex: o amassar do papel, evapora¸ao da ´gua, quebra c˜ a de um objeto. Fenˆmeno Qu´ o ımico ´ E qualquer transforma¸ao sofrida por um material de modo c˜ que haja altera¸˜o na sua constitui¸ao ´ ca c˜ ıntima de seus constituintes. Ex: oxida¸ao do ferro (forma¸ao da ferrugem), apoc˜ c˜ drecimento de um alimento.

Pense um Pouco!
• Fatos comuns envolvendo materiais e transforma¸oes c˜ qu´ ımicas s˜o de conhecimento recente ou antigo? a

A Importˆncia da Qu´ a ımica

Podemos dizer que tudo ` nossa volta ´ qu´ a e ımica, pois todos os • Quais as atividades do seu dia em que a qu´ ımica est´ a materiais que nos cercam passaram ou passam por algum tipo presente? de transforma¸ao. A qu´ c˜ ımica proporciona progresso, desenvolvimento e atrav´s do uso dela que suprimos as necessidades: e O uso de materiais de limpeza e higiene, roupas de fios artificiExerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca ais, desenvolvimento da ind´ stria farmacˆutica, fertilizantes e u e pesticidas para planta¸ao, produtos industrializados cuja obc˜ ten¸ao depende de transforma¸oes qu´ c˜ c˜ ımicas como pl´sticos, 1. (U.E.CE) Assinale a alternativa correta: a vidros, tintas, cimento etc. a) Oxida¸ao do ferro ´ um fenˆmeno f´ c˜ e o ısico

148

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

b) Fus˜o do chumbo ´ um fenˆmeno qu´ a e o ımico. c) Combust˜o da madeira ´ um fenˆmeno qu´ a e o ımico. d) Queima do papel ´ um fenˆmeno f´ e o ısico. e) n. d. a. 2. (UFSC) Indique na rela¸ao abaixo os fenˆmenos f´ c˜ o ısicos (F) e os fenˆmenos qu´ o ımicos (Q). a) ( ) Queima da gasolina nos motores dos carros b) ( ) Digest˜o dos alimentos ingeridos a c) ( ) Forma¸ao de ferrugem c˜ d) ( ) Quebra de um objeto e) ( ) Enfiar um prego na madeira f) ( ) Derretimento de um iceberg 3. (UFPR) Aquecer uma barra de ferro at´ o ponto de fus˜o, e a recolher o l´ ıquido em uma forma esf´rica, transformando a e barra em uma bola de ferro, ´ exemplo de fenˆmeno: e o a) Qu´ ımico, pois altera a forma da barra de ferro. b) F´ ısico, pois a substˆncia continua sendo ferro. a c) F´ ısico-qu´ ımico, pois h´ altera¸ao na forma da substˆncia. a c˜ a d) N˜o ´ exemplo de fenˆmeno. a e o e) n. d. a.

Corpo ´ qualquer por¸ao limitada da mat´ria. Se uma por¸ao e c˜ e c˜ de mat´ria se presta a um certo uso, ela ´ chamada de objeto e e ou sistema. Durante a queima de uma vela (mat´ria), ela se desgasta, proe duzindo fuma¸a (mat´ria: fuligem e gases) e liberando energia c e (luz: energia luminosa; calor: energia calor´ ıfica). Desse modo, podemos conceituar energia como tudo aquilo que pode modificar a estrutura da mat´ria, provocar ou anular moe vimentos e, ainda, iluminar aquecer e resfriar pode at´ causar e sensa¸oes. c˜ Princ´ ıpio da conserva¸ao de mat´ria e energia: A mat´ria e c˜ e e energia n˜o podem ser criadas nem destru´ a ıdas; podem somente ser transformadas.

Lei da Conserva¸˜o da Massa ca
”A soma das massas dos reagentes ´ igual a soma das e massas dos produtos”. Ou ainda, ”Na natureza, nada se cria, nada se perde; tudo se transforma”.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (F.E.-SP) Sejam os seguintes fenˆmenos: I. sublima¸ao o c˜ da naftalina, II. forma¸ao da ferrugem, III.queima do ´lcool c˜ a comum, IV.fus˜o do gelo. S˜o qu´ a a ımicos: a) todos b) nenhum c) somente II e III d) somente I e III e) somente II e IV 5. (MACKENZIE-SP) I. Fus˜o do gelo, II. Sublima¸ao do a c˜ iodo, III. Digest˜o dos alimentos, IV. Queima de madeira. S˜o a a exemplos de fenˆmenos: o a) I e II qu´ ımicos b) I e IV f´ ısicos c) II e III f´ ısicos d) II e IV qu´ ımicos e) III e IV qu´ ımicos

Estados da Mat´ria e
Existem v´rios tipos de mat´ria e cada um ´ chamado de a e e substˆncias que podem se apresentar num dos trˆs estados a e f´ ısicos: S´lido (S) o A substˆncia apresenta forma e volume constantes (part´ a ıculas fortemente unidas, bem arrumadas e com movimento vibrat´rio discreto); o L´ ıquido (L) A substˆncia apresenta forma vari´vel e volume constante a a (part´ ıculas levemente unidas, havendo certa liberdade de movimento);

Gasoso (G) 6. (UDESC) Aquecendo uma fita de magn´sio at´ a come e bust˜o, notamos o desprendimento de fuma¸a, restando um A substˆncia apresenta forma e volume variados (part´ a c a ıculas lip´ branco. Isso ´ exemplo de fenˆmeno: o e o vres umas das outras, havendo total liberdade de movimento); a) F´ ısico, pois alterou a estrutura do magn´sio. e b) Qu´ ımico, pois houve a forma¸ao de novas substˆncias. c˜ a c c) F´ ısico, pois podemos juntar o p´ branco e a fuma¸a, recu- Mudan¸as de Estado o c perando o magn´sio. e • Fus˜o (S → L): a substˆncia funde ` temperatura fixa a a a d) N˜o ´ exemplo de fenˆmeno. a e o (ponto de fus˜o) a uma certa press˜o. Ex.: o gelo funde a a e) n. d. a. a ` 0◦ C ao n´ do mar. ıvel

Qu´ ımica B
Mat´ria e Energia e

Aula 2

• Solidifica¸˜o (L → S): a substˆncia solidifica ` uma ca a a temperatura fixa igual ao ponto de fus˜o, j´ que o proa a cesso ´ inverso ao da fus˜o. Ex.: o congelamento da ´gua e a a tamb´m ocorre ` 0◦ C ao n´ do mar, quando a tempee a ıvel ratura est´ baixando; a • Vaporiza¸˜o (L → G): ´ a passagem de uma substˆncia ca e a do estado l´ ıquido para o estado de g´s, que ocorre quando a suas mol´culas atingem o seu chamado ponto de ebuli¸ao. e c˜ Pode ocorrer de trˆs modos: e

Mat´ria ´ tudo aquilo que tem massa e ocupa lugar no espa¸o, e e c ou seja, tˆm volume. e

Qu´ ımica B – Aula 2 1. Evapora¸ao: ocorre ` temperatura ambiente ´ lenta c˜ a e e espontˆnea (ex: a ´gua de um lago evapora com o a a calor do sol); 2. Ebuli¸ao: ocorre quando fornecemos calor ao l´ c˜ ıquido, ´ r´pida e violenta (ex: uma chaleira d’´gua fere a a vendo); 3. Calefa¸ao: ocorre quando se borrifa um l´ c˜ ıquido numa chapa aquecida acima do seu ponto de ebuli¸ao (ex.: c˜ pingar uma gota d’´gua numa chapa de ferro muito a quente).

149 • Substˆncia Simples: s˜o substˆncias formadas por a a a a ´tomos de um amesmo mesmo elemento qu´ ımico, e que por a¸ao de agentes f´ c˜ ısicos n˜o se decomp˜e, e portanto, a o n˜o forma outras substˆncias. Exemplos: H, O, O3 . a a Chama-se de alotropia o fenˆmeno pelo qual um unico o ´ elemento qu´ ımico forma duas ou mais substˆncias sima ples diferentes. Exemplo: o carbono pode ser encontrado na natureza em duas formas diferentes: o grafite e o diamante. • Substˆncias Compostas: s˜o formadas por ´tomos de a a a dois ou mais elementos qu´ ımicos diferentes, e que por a¸ao c˜ de agentes f´ ısicos, se decomp˜em formando duas ou mais o substˆncias novas. Exemplos: ´gua + eletricidade → g´s a a a oxigˆnio + g´s hidrogˆnio. e a e

• Condensa¸˜o G → L: a substˆncia no estado gasoso ´ ca a e resultado de um l´ ıquido vaporizado que, ao sofrer um resfriamento, retorna ao estado l´ ıquido por condensa¸ao. (ex: c˜ got´ ıculas de ´gua se formam na tampa de uma chaleira). a Outro processo similar ´ a Liquefa¸˜o: ´ a condensa¸ao e ca e c˜ de uma substˆncia que em condi¸oes ambientes, ´ um g´s Sistemas e Misturas a c˜ e a que ao comprimi-la (aumentar a press˜o) passa para o a ımica definimos: estado l´ ıquido (ex.: o g´s de cozinha ´ comprinido num Para acilitar o estudo da Qu´ a e botij˜o e se liquefaz – g´s liquefeito de petr´leo (GLP)). a a o • Sistema: ´ uma parte do universo f´ e ısico que cont´m ou e n˜o mat´ria, cujas propriedades est˜o sob investiga¸oes a e a c˜ • Sublima¸˜o S → G: a substˆncia passa da forma s´lida ca a o cient´ ıficas. diretamente para o estado gasoso (ex: naftalina, iodo, cˆnfora). a • Mistura Homogˆnea: mistura de substˆncias que apree a senta unico aspecto e as mesmas caracter´ ´ ısticas em toda a ´ Part´ ıculas e Atomos sua extens˜o. A mistura homogˆnea pode ser uma solu¸ao a e c˜ monof´sica, por exemplo ´gua + a¸ucar, ou uma liga a a c´ Toda a mat´ria conhecida ´ formada por trˆs tipos de e e e met´lica, como exemplos temos o lat˜o (cobre (Cu) + a a part´ ıculas elementares fundamentais: zinco (Zn)) ou o bronze (cobre (Cu) + estanho (Sn)). • Pr´ton: part´ o ıcula massiva que possui uma carga el´trica e elementar positiva (+e) e participa da forma¸ao do n´ cleo c˜ u dos ´tomos; a • Nˆutron: part´ e ıcula tamb´m massiva que n˜o possui e a carga el´trica, mas desempenha um importante papel na e estrutura e estabilidade interna do n´ cleo dos atomos, reu ´ duzindo a repuls˜o coulombiana entre os pr´tons; a o • El´tron: part´ e ıcula muito leve que possui uma carga elementar negativa (−e) e circula o n´ cleo atˆmico, foru o mando uma esp´cie de nuvem (orbital). No seu movie mento ao redor do n´ cleo, apresenta um “comportamento u duplo” de part´ ıcula e onda; da´ dizer-se que a natureza do ı el´tron ´ a de uma part´cula-onda. e e ı O princ´pio da incerteza, de Heisenberg, diz que: ı ´ “E imposs´ se determinar simultaneamente a ıvel posi¸ao e a velocidade de um el´tron.” c˜ e Com base nesse princ´ ıpio, criou-se modernamente a id´ia e de orbital, como sendo a regi˜o onde h´ grande possia a bilidade (probabilidade) do el´tron ser encontrado. Na e pr´tica, podemos pensar no el´tron como uma “nuvem” a e que circunda o n´ cleo. u • Mistura Heterogˆnea: mistura que apresenta v´rios e a aspectos f´ ısicos, sendo poss´ de distinguir seus compoıvel nentes (polif´sica). Exemplo: ´gua + ´leo + areia. a a o

Pense um Pouco!
• O iodo (I) ´ um s´lido de cor castanha. Ao ser aquecido e o libera vapores violeta, que se transformam em iodo s´lido o ao encontrarem uma superf´ fria. Explique e dˆ o nome ıcie e dos fenˆmenos observados. o • Durante a ebuli¸ao da ´gua destilada (´gua pura) a temc˜ a a peratura n˜o se modifica, ao passo que, durante a ebuli¸ao a c˜ da ´gua do mar, a temperatura continua aumentando. a Pense um pouco e explique esse fato.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

1. (UFSC) Mat´ria ´ tudo que tem massa e ocupa lugar no e e espa¸o. S˜o exemplos de mat´ria (marque V ou F): c a e a) ( ) pedra b) ( ) madeira c) ( ) corpo humano d) ( ) ar Elementos e Substˆncias a e) ( ) ´gua a Todos as substˆncias encontradas na natureza s˜o constitu´ a a ıdas f) ( ) carro por combina¸oes de ´tomos, que por sua vez, s˜o as estruturas c˜ a a 2. (PUC-SP) O conceito de elemento qu´ ımico est´ relacionado a f´ ısico-qu´ ımicas est´veis elementares. a com a id´ia de: e • Elemento qu´ ımico: ´ o conjunto de todos os ´tomos a) ´tomo e a a quimicamente iguais. b) mol´cula e

150

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

c) ´ ıon d) substˆncia pura a e) mistura

2. H´lio (He): Z = 2, A = 4, N = 2; e 3. Urˆnio (U ): Z = 92, A = 238, N = 146. a

a 3. (UDESC) Assinale a op¸ao que apresenta apenas substˆncia Considerando um elemento no estado natural, com ´tomos elec˜ a tricamente neutros, temos: simples: a) H2 , Cl2 , N2 , CH4 b) M gCl2 , H2 O, H2 O2 , CCl4 o N o de pr´tons = Z c) N a2 O, N aCl, H2 , O2 d) CCl4 , H2 O, Cl2 , HCl N o de el´trons = Z e e) H2 , Cl2 , O2 , N2

Exerc´ ıcios Complementares

N o de neutros = A − Z

Para um ´tomo de elemento X qualquer representamos, usaa mos a seguinte nota¸ao: c˜ 4. (UFMG) Considerando-se completa ausˆncia de polui¸ao e c˜ entre os materiais citados a seguir, a substˆncia pura ´: a e A ZX a) ar b) ´gua a para representar o seu n´ mero atˆmico e sua massa atˆmica. u o o c) madeira Exemplo: para um ´tomo de ferro temos 26 F e56 . a d) cinza e) terra 5. (Acafe-SC) A passagem turbulenta de um l´ ıquido para o estado de vapor, com agita¸ao em toda sua massa l´ c˜ ıquida, denomina-se: a) ebuli¸ao c˜ b) evapora¸ao c˜ c) sublima¸ao c˜ d) calefa¸ao c˜ e) irradia¸ao c˜ 6. (UDESC) A libera¸ao ou consumo de energia: c˜ a) S´ ocorre em transforma¸oes f´ o c˜ ısicas. b) S´ ocorre em transforma¸oes qu´ o c˜ ımicas. c) Em geral, ´ menor nos fenˆmenos f´ e o ısicos do que nos qu´ ımicos. d) Em geral, ´ maior nos fenˆmenos f´ e o ısicos do que nos qu´ ımicos. e) Nunca ocorre nas transforma¸oes materiais. c˜

Figura 2.1: Alum´nio met´lico comum. ı a

Qu´ ımica B

Aula 3

Is´topos e Is´baros o o
• Is´topos: s˜o ´tomos com mesmo n´mero de pr´tons o a a u o (Z) e diferente do n´ mero de massa (A); apresentam prou priedades qu´ ımicas iguais e f´ ısicas diferentes.

Metais, Semi-metais e Ametais
Para distinguir diferentes tipos de ´tomos usamos: a • N´ mero Atˆmico ou Z: ´ o n´ mero correspondente a u o e u carga nuclear, ou seja, o n´ mero de pr´tons (P ) existente u o no n´ cleo. Ent˜o: Z = P ; u a • N´ mero de Massa ou A: ´ o total de pr´tons P e de u e o nˆutrons N existente no n´ cleo. Assim: A = P + N . O e u n´ mero de massa A define em si a massa do ´tomo, j´ que u a a os el´trons possuem uma massa desprez´ e ıvel. Exemplos 1. Hidrogˆnio (H): Z = 1, A = 1, N = 0; e

Exemplo O hidrogˆnio (H) possui trˆs is´topos conhecidos: e e o 1. o hidrogˆnio comum (pr´tio): e o Z = 1;
1H 1

, com N = 0 e

2. o deut´rio: 1 H 2 , com N = 1 e Z = 1; e 3. o tr´ ıtio: 1 H 1 , com N = 2 e Z = 1; • Is´baros: s˜o ´tomos de diferentes n´ meros de pr´tons o a a u o ¯ (elementos diferentes), mas que possuem o mesmo n´mero u de massa (A); apresentam propriedades qu´ ımicas e f´ ısicas diferentes; Exemplo Alguns is´topos do C´lcio e do Argˆnio possuem o mesmo o a o n´ mero de massa A = 40: 20 Ca40 e 19 Ar40 u

Qu´ ımica B – Aula 3 • Is´tonos: s˜o ´tomos que possuem o mesmo n´mero de o a a u nˆutrons (elementos diferentes), apresentando A e Z die ferentes; apresentam propriedades qu´ ımicas e f´ ısicas diferentes; Exemplo Boro e Carbono: 5 B 11 (N = 6) e 6 C 12 (N = 6)

151

Classifica¸˜o dos Elementos ca
D¨bereiner, em 1817, demonstrou a existˆncia de Tr´ o e ıades de elementos com propriedades qu´ ımicas semelhantes, onde o peso atˆmico de um elemento era aproximadamente a m´dia o e aritm´tica dos pesos atˆmicos dos outros dois. Ex: cloro, e o bromo e iodo. Newlands, em 1863, dividiu os elementos de ordem crescente de Figura 2.2: O l´tio, metal da fam´lia 1A. ı ı pesos atˆmicos, em grupos de sete, an´logo `s oitavas musicais, o a a logo, esta id´ia foi abandonada. e e a ıon) ´ definida pelo n´ mero e u Dmitri Mendeleyev, em 1869, propˆs uma tabela muito seme- A valˆncia de um ´tomo ionizado (´ o de el´trons removidos ou adicionados ao ´tomo (´ e a ıon). lhante a atual, mas que apresentava os elementos dispostos em ` ordem crescente de pesos atˆmicos, essa classifica¸ao definiu o c˜ • mono-valente: ´ com excesso (ou falta) de um el´tron; ıon e seis elementos desconhecidos. Moseley, em 1913, verificou que os elementos qu´ ımicos na Ta• bivalente: ´ com excesso (ou falta) de dois el´trons; ıon e bela Peri´dica deveriam obedecer a uma ordem crescente de o n´ mero atˆmico, e chegou-se at´ a tabela atual; u o e • trivalente: ´ com excesso (ou falta) de trˆs el´trons; ıon e e Na tabela atual al´m de os elementos serem colocados em ore dem crescente de n´ mero atˆmico, observa-se a seguinte disu o • tetravalente: ´ ıon com excesso (ou falta) de quatro posi¸ao (veja Apˆndice): c˜ e el´trons; e • Per´ ıodos ou S´ries: s˜o as filas horizontais em n´ mero e a u de 7 e indicam os n´ ıveis ( K, L, M, N, O, P, Q ); elementos do mesmo per´ ıodo apresentam propriedades qu´ ımicas diferentes. • Fam´ ılias: s˜o as colunas verticais da tabela, elementos a da mesma fam´ apresentam propriedades qu´ ılia ımicas semelhantes. Algumas fam´ ılias importantes: – Metal: possui de 1 a trˆs el´trons na camada externa; e e – N˜o-metal: possui de 5 a 7 el´trons na camada exa e terna; • ... Exemplos • Ca+ ´ um c´tion mono-valente de c´lcio. e a a • F e−2 ´ um ˆnion bivalente do ferro. e a • K +3 ´ um c´tion trivalente do pot´ssio. e a a

Propriedades Peri´dicas o

– Elementos Representativos: apresentam sub-n´ ıveis S˜o as propriedades que dependem da posi¸ao do ´tomo na a c˜ a mais energ´ticos s e p, fam´ A e gases nobres com tabela peri´dica, e que variam suavemente entre ´tomos vizie ılia o a 1 A, 2 A, 13 A a 18A; nhos. – Elementos de Transi¸ao: apresentam sub-n´ mais c˜ ıvel energ´tico d nas fam´ e ılias 3B at´ 12B; e Exemplos – Elementos de Transi¸ao Interna: apresentam subc˜ n´ mais energ´tico f . Os lantan´ ıvel e ıdios e actin´ ıdios;

Pense um Pouco!

´ Ions e Valˆncia e
Quando um ´tomo est´ com falta ou excesso de el´trons, sua a a e carga l´ ıquida n˜o ´ mais zero, e o chamamos de ´ a e ıon: • C´tion: ´ positivo ou ´tomo que perdeu um ou mais a ıon a el´trons; e ˆ • Anion: ´ negativo ou ´tomo que ganhou um ou mais ıon a el´trons; e

• O que ocorre quando um el´tron de um ´tomo ´ capturado e a e por outro ´tomo diferente? a • Seria poss´ produzirmos ´gua (H2 O) com deut´rio ou ıvel a e tr´ ıtio? Ela teria um gosto diferente? O que seria diferente nessa nova ´gua? a • O n´ mero atˆmico de um ´tomo de nitrogˆnio ´ 7 e seu u o a e e n´ mero de massa ´ 14. Qual ´ o n´ mero de pr´tons, de u e e u o el´trons e nˆutrons desse ´tomo neutro? e e a

152

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o d) 79 e 194 e) 79 e 197

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UDESC) Um determinado ´tomo apresenta 16 pr´tons, a o 16 el´trons e 16 nˆutrons; outro ´tomo apresenta 16 pr´tons, e e a o 16 el´trons e 17 nˆutrons.”Sobre eles, s˜o feitas as seguintes e e a afirmativas: I - Os ´tomos s˜o is´tonos. a a o II - Os ´tomos s˜o is´baros. a a o III - Os ´tomos s˜o is´topos. a a o IV. - Os ´tomos tˆm o mesmo n´ mero atˆmico. a e u o V - Os atomos pertencem elementos qu´ ´ ımicos diferentes. Em rela¸ao `s afirma¸oes acima, podemos dizer que s˜o correc˜ a c˜ a tas apenas: a) I e V b) II e III c) III e IV d) I e IV e) II e V 2. (UFSC) Um determinado ´tomo apresenta 20 pr´tons, a o 20 nˆutrons e 20 el´trons; outro, apresenta 20 pr´tons, 21 e e o nˆutrons e 20 el´trons. Marque V ou F: e e a) ( ) Pertencem a elementos qu´ ımicos diferentes. b) ( ) S˜o is´baros a o c) ( ) S˜o is´topos a o d) ( ) Tˆm o mesmo n´ mero atˆmico e u o e) ( ) O n´ mero de massa de ambos ´ de 41 u e 3. (Acafe-SC) Os pares de ´tomos C 12 e C 13 ; K 40 e Ar40 ; a Ca40 e Ar38 representam, respectivamente, a ocorrˆncia de: e a) Isotonia, isotopia, isobaria. b) Isotopia, isobaria, isotonia. c) Isobaria, isotopia, isotonia. d) Isotopia, isotonia, isobaria. e) isobaria, isotonia, isotopia.

Qu´ ımica B
Propriedades Peri´dicas o

Aula 4

A Tabela Peri´dica foi elaborada com base nas propriedades o qu´ ımicas e f´ ısicas dos elementos, analisando-a, podemos obter informa¸oes sobre eles, chegando-se assim a propriedades c˜ importantes dos per´ ıodos e fam´ ılias (ou grupos) qu´ ımicos:
CLASSIFICAÇÃO PERIÓDICA DOS ELEMENTOS
1A
HIDROGÊNIO

Com massas atômicas referidas ao isótopo 12 do carbono
HÉLIO NEÔNIO ARGÔNIO CRIPTÔNIO XENÔNIO RADÔNIO LUTÉCIO LAURÊNCIO

0
2

1

I II III IV V VI VII

H
1,008 3
BERÍLIO

2A
4
BORO

3A
5
CARBONO

4A
NITROGÊNIO

5A
OXIGÊNIO

6A
8

7A
9
FLÚOR

He
4,003 10

6

7

Li
6,941 11

Be
9,012 12

B
10,81

C
12,01 14

N
14,01 15

O
16,00 16

F
19,00

Ne
20,18 18

LÍTIO

MAGNÉSIO

ALUMÍNIO

13
SILÍCIO

FÓSFORO

ENXOFRE

17
CLORO

SÓDIO

Na
23,00

Mg
24,30
ESCÂNDIO

3B
21
TITÂNIO

4B
VANÁDIO

5B
CRÔMIO

6B
MANGANÊS

7B
COBALTO

8B
NÍQUEL

1B
28
COBRE

2B
30
ZINCO

Al
26,98

Si
28,08 32

P
30,97

S
32,06
34

Cl
35,45 35

Ar
39,95 36

POTÁSSIO

GERMÂNIO

19
CÁLCIO

20

22

23

24

25
FERRO

26

27

29

31
GÁLIO

33
ARSÊNIO SELÊNIO

K
39,10

Ca
40,08

Sc
44,96

Ti
47,88

V
50,94

Cr
52,00

Mn
54,94

Fe
55,85

Co
58,93

Ni
58,69

Cu
63,55

Zn
65,38

Ga
69,72

Ge
72,59

As
74,92 51

Se
78,96

BROMO

Br
79,90 53

Kr
83,80 54

MOLIBDÊNIO

ESTRÔNCIO

CÁDMIO

ANTIMÔNIO

TECNÉCIO

RUTÊNIO

RUBÍDIO

ZIRCÔNIO

PALÁDIO

37

38
ÍTRIO

39

40
NIÓBIO

Rb
85,47

Sr
87,62

Y
88,91

ESTANHO

Zr
91,22

Nb
92,91

Mo
95,94

Tc
(98)

Ru
101,1

Rh
102,9

Pd
106,4

Ag
107,9

Cd
112,4

In
114.8

Sn
118,7 82

Sb
121,7 83

TELÚRIO

41

42

43

44
RÓDIO

45

46
PRATA

47

48
ÍNDIO

49

50

52

Te
127,6 84

I
126.9 85

Xe
131,3 86

TUNGSTÊNIO

TANTÁLIO

MERCÚRIO

HÁFNIO

PLATINA

CHUMBO

BISMUTO

POLÔNIO

ÓSMIO

Cs
132,9

Ba
137,3

SÉRIE DOS LANTANÍDIOS

Hf
178,5

Ta
180,9

W
183,8

Re
186,2

Os
190,2

Ir
192,2

Pt
195,1

Au
197,0

Hg
200,6

TI
204,4

Pb
207.2

ASTATO

BÁRIO

CÉSIO

RÊNIO

55

IRÍDIO

OURO

TÁLIO

56

57 - 71

72

73

74

75

76

77

78

79

80

81

IODO

Bi
209,0

Po
(209)

At
(210)

Rn
(222)

KURCHATÓVIO

UNILSÉPTIO

UNILHÉXIO

UNILÓCTIO

HÂHNIO

FRÂNCIO

Fr
(223)

Ra
(226)

SÉRIE DOS ACTINÍDIOS

Ku
(261)

Ha
(260)

Unh Uns Uno Une

Série dos Lantanídios
PRASEODÍMIO

PROMÉCIO

GADOLÍNIO

NEODÍMIO

DISPRÓSIO

LANTÂNIO

SAMÁRIO

EURÓPIO

TÉRBIO

HÓLMIO

NOME DO ELEMENTO

VI

La
138,9

Ce
140,1

Pr
140,9

Nd
144,2

Pm
(145)

Sm
150,4

Eu
152,0

Gd
157,3

Tb
158,9

Dy
162,5

Ho
164,9

Er
167,3

ITÉRBIO

CÉRIO

ÉRBIO

Número Atômico

57

UNILÊNIO

87
RÁDIO

88

89 - 103

104

105

106

107

108

109

58

59

60

61

62

63

64

65

66

67

68
TÚLIO

69

70

71

Tm
168,9

Yb
173,0

Lu
175,0

MENDELÉVIO

Símbolo
Massa Atômica ( ) - elemento radioativo

Série dos Actinídios
PROTACTÍNIO BERQUÉLIO CALIFÓRNIO

EINSTÊINIO

89
ACTÍNIO TÓRIO

PLUTÔNIO

NETÚNIO

90

AMERÍCIO

FÉRMIO

VII

Ac
(227)

Th
232,0

Pa
(231)

U
238,0

Np
(237)

Pu
(244)

Am
(243)

Cm
(247)

Bk
(247)

Cf
(251)

Es
(252)

Fm
(257)

Md
(258)

NOBÉLIO

91
URÂNIO

92

93

94

95
CÚRIO

96

97

98

99

100

101

102

103

No
(259)

Lr
(260)

CONVENÇÕES:

(s) = estado sólido

( ) = estado líquido

(g)= estado gasoso (aq) = meio aquoso

N = normal

M = molar

∆ H = variação de entalpia

L = litro

R = 0,082 atm . L / K mol

NA: 6,02 x 1023

Figura 2.1: A tabela peri´dica. o

´ Tamanho do Atomo

Os fatores determinantes do tamanho de um ´tomo s˜o o a a n´ meros de camadas eletrˆnicas (Z) e carga nuclear (P ). u o Nas fam´ ılias: ` medida que o Z aumenta, o n´ mero de camadas a u Exerc´ ıcios Complementares aumenta, o que leva ao aumento do tamanho do ´tomo (de a cima para baixo); 4. (UNIFOR) O ´tomo desconhecido 17 X 37 tem igual n´ mero Nos per´ a u ıodos: ` medida que o Z aumenta, o n´ mero de caa u de nˆutrons que o ´tomo de c´lcio 20 Ca. O n´ mero de massa madas permanece igual, mas a carga nuclear aumenta, Z e a a u A do ´tomo de Ca ´ igual a: a e aumenta, a atra¸ao do n´ cleo sobre os el´trons perif´ricos c˜ u e e a) 10 tamb´m aumenta, resultando ´tomos menores. Num per´ e a ıodo, b) 17 o tamanho do ´tomo aumenta da direita para a esquerda. a c) 20 d) 37 Potencial de Ioniza¸˜o ca e) 40 ´ a 5. (CESGRANRIO) Um certo ´tomo X ´ is´baro do Ca40 e E a medida de energia fornecida a um ´tomo isolado no estado a e o gasoso para retirar ou desprender um el´tron, formando um ´ e ıon 36 is´topo do 18 Ar . O n´ mero de nˆutrons do ´tomo X ´: o u e a e gasoso positivo(c´tion). Quanto maior o tamanho do ´tomo, a a a) 4 menor energia de ioniza¸ao (Ei ), numa fam´ a (Ei ) aumenta c˜ ılia b) 18 debaixo para cima. Nos per´ ıodos (Ei ) aumenta da esquerda c) 22 para direita. d) 36 e) 40 6. (FEI-SP) Um c´tion met´lico trivalente tem 76 el´trons a a e e 118 nˆutrons. O ´tomo de elemento qu´ e a ımico do qual se originou tem n´ mero atˆmico e n´ mero de massa, respectivau o u mente: a) 76 e 194 b) 76 e 197 c) 79 e 200 Exemplo Considere uma amostra de s´dio gasoso (P = 11, Z = 11): o N a(g) + Ei = +119 kcal/mol → N a+ (g) + e− (g) Neste caso, a energia de ioniza¸ao (Ei ) do s´dio ´ de c˜ o e 119 kcal/mol, e o sinal positivo indica que a energia deve ser absorvida.

Qu´ ımica B – Aula 4

153 Nas fam´ ılias aumenta debaixo para cima e nos per´ ıodos aumenta da esquerda para direita.

Potencial de Ionizacao

Reatividade Qu´ ımica
Est´ relacionada com o car´ter met´lico ou n˜o-met´lico de a a a a a um elemento, quanto maior a capacidade de perder el´trons e mais met´lico ´ o elemento. a e Quanto maior o tamanho do ´tomo menor o potencial de ioa niza¸ao (Ei ) e menor a eletronegatividade = maior car´ter c˜ a met´lico = maior reatividade qu´ a ımica do metal. Quanto menor o tamanho do ´tomo maior a eletroafinidade, a maior a eletronegatividade e maior car´ter n˜o-met´lico = a a a maior a reatividade qu´ ımica do n˜o-metal. a

Figura 2.2: Aumento da energia de ioniza¸ao dos atomos. c˜ ´

Reatividade

Eletroafinidade
´ E a medida de energia liberada por um ´tomo isolado no esa tado gasoso ao receber um el´tron, formando o ´ gasoso nee ıon gativo(ˆnion). a Exemplo Ioniza¸ao do cloro (Cl): c˜ Cl(g) + e− → Cl− (g) + 83, 3Kcal/mol e neste caso a energia ´ liberada na rea¸ao. e c˜ Nas fam´ ılias a eletroafinidade aumenta debaixo para cima; e nos per´ ıodos aumenta da esquerda para direita. Figura 2.4: Aumento da Reatividade qu´mica. ı

Eletronegatividade

Densidade (ρ)

ıfica de um corpo ´ a raz˜o entre e a Propriedade que o ´tomo apresenta maior ou menor tendˆncia A densidade ou massa espec´ a e de atrair el´trons para si, resultando da a¸ao conjunta da (Ei ) e sua massa m e seu volume V , ou seja, e c˜ da eletroafinidade, ou seja, compara a for¸a de atra¸ao exercida c c˜ m ρ= pelo ´tomo sobre seus el´trons. a e V

Eletronegatividade

e ser´ medida em kg/m3 no SI, ou tamb´m em g/cm3 . Exema e plo: a densidade do alum´ ınio (Al) ´ ρAl = 2, 700 g/cm3 = e 2.700 kg/m3 . Nas fam´ ılias aumenta de cima para baixo, e nos per´ ıodos aumenta das laterais para o centro.

Volume Atˆmico v o
Mede o volume molar espec´ ıfico do material s´lido, e est´ reo a lacionado com a estrutura cristalina do elemento (distribui¸ao c˜ dos ´tomos no espa¸o): a c v= M massa molar = densidade ρ

Figura 2.3: Aumento da eletroafinidade dos atomos. ´

. Nas fam´ ılias o volume atˆmico aumenta de cima para baixo, e o nos per´ ıodos aumenta do centro para as laterais.

154

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Densidade

Ponto de Fusao

Figura 2.5: Aumento da densidade dos atomos. ´

Figura 2.7: Aumento do Ponto de Fus˜o (PF ). a

Volatilidade

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UDESC) Observe os elementos representados na Tabela Peri´dica e julgue os ´ o ıtens (V = verdadeiro e F = falso), na ordem: I - A eletronegatividade dos elementos boro(B) , carbono (C), nitrogˆnio (N ), oxigˆnio (O) e fl´ or (F ) diminui da direita e e u para a esquerda. II - O elemento de menor eletropositividade ´ o c´sio (Cs). e e III - Dentre os elementos conhecidos, o boro (B) ´ o unico e ´ semi-metal. IV - A energia de ioniza¸ao do criptˆnio (Kr) ´ maior que a c˜ o e do pot´ssio (K). a V - O raio atˆmico do magn´sio (M g) ´ maior que o de s´dio o e e o (N a) porque ele possui um el´tron a mais. e Assinale a alternativa que julga corretamente os ´ ıtens acima, na seq¨ˆncia de I a V. ue a) F, V, V, F, F b) F, V, F, F, V c) F, F, F, V, F d) V, F, F, V, F e) V, V, F, F, V

Figura 2.6: Aumento do volume atˆmico dos atomos. o ´

Ponto de Fus˜o (PF ) a
´ E a temperatura em que um s´lido passa do estado s´lido para o o o estado l´ ıquido. Nas fam´ ılias, o PF aumenta de cima para baixo, exceto em 1(1A) e 2(2A), que ´ o contr´rio; nos per´ e a ıodos, aumenta das laterais para o centro.

2. (UFSC) Sobre os elementos N a, M g e Al, podem ser feitas as afirma¸oes: c˜ I - N a+ , M g ++ e Al+++ possuem o mesmo n´ mero de u el´trons. e II - A ordem decrescente de eletronegatividade destes elementos ´ N a, M g e Al. e III - M g ++ e Al+++ possuem o mesmo n´ mero de pr´tons. u o IV - A ordem crescente de reatividade com o H2 O ´: Al, M g e Pense um Pouco! e N a. A op¸ao que cont´m apenas afirma¸oes corretas ´: c˜ e c˜ e • Dentre as propriedades peri´dicas estudadas, quais s˜o a) I e IV o a f´ ısicas e quais s˜o qu´ a ımicas? b) I e III c) II e IV d) III e IV • Qual o elemento mais denso que vocˆ j´ viu? Consulte a e) II e III e a tabela peri´dica do Apˆndice e verifique se existe algum o e elemento ainda mais denso. 3. Na rea¸ao F (g)+ e− (g) → F − (g)+ 402 kcal/mol, a medida c˜ de energia 402 quilo-calorias por mol representa: a) a eletronegatividade do fl´ or u • Cite exemplos de semi-metais e n˜o-metais conhecidos. a b) a eletropositividade do fl´ or u

Qu´ ımica B – Aula 5 c) o potencial de ioniza¸ao do fl´ or c˜ u d) a eletroafinidade do fl´ or u e) a polaridade do fl´ or u

155 Conhecendo as valˆncias dos elementos cujos ´tomos v˜o se e a a ligar para formar um composto iˆnico, podemos calcular a ´ o ıon f´rmula: o
20 Ca

= 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 perde 2e− = 1s2 2s2 2p6 3s2 3p3 ganha 3e−

Exerc´ ıcios Complementares
4. Para que o ´ 7 N −3 se transforme no ´tomo neutro de ıon a nitrogˆnio, ele deve: e a) receber 3 pr´tons o b) perder 3 el´trons e c) receber 3 el´trons e d) perder 7 pr´tons o e) receber 7 el´trons e 5. Para que um ´tomo neutro de c´lcio se transforme no ´ a a ıon Ca+2 , ele deve: a) perder 2 pr´tons o b) receber 2 el´trons e c) perder 2 el´trons e d) receber 2 pr´tons o e) perder 1 pr´ton o

15 P

Escrevemos os s´ ımbolos na ordem crescente de eletronegatividade, de modo que o ´ ındice corresponda ` valˆncia do outro a e (regra de 3): Ca → valˆncia 2 + P → valˆncia 3 = Ca3 P2 e e Liga¸˜o Covalente Simples ca Ocorre entre n˜o-metais, e entre n˜o-metal e hidrogˆnio, e seu a a e princ´ ıpio ´ o compartilhamento de el´trons. e e O conjunto est´vel de ´tomos ligados entre si apenas por a a liga¸oes covalentes, ou seja por pares eletrˆnicos, recebe o c˜ o nome de mol´cula. e Exemplos Cl + Cl → Cl2 H + Cl → HCl H + O → HO O + O → O2 F´rmula eletrˆnica: o o

Qu´ ımica B
Liga¸˜es Qu´ co ımicas
Compostos Iˆnicos e Moleculares o

Aula 5

F´rmula Estrutural Plana: o

A uni˜o de ´tomos formam diversas substˆncias, essa uni˜o a a a a (liga¸ao qu´ c˜ ımica) pode ocorrer de trˆs formas: e F´rmula Molecular: o 1. liga¸ao iˆnica; c˜ o 2. liga¸ao covalente simples e dativa; c˜ 3. liga¸ao met´lica. c˜ a Liga¸˜o Covalente Dativa ca

Os gases nobres s˜o elementos est´veis, pois apresentam oito S´ ocorre se o ´tomo que vai contribuir com o par de a a o a el´trons na sua camada de valˆncia, exce¸ao do g´s h´lio. e e c˜ a e el´trons estiver estabilizado pela covalente simples e tiver pares e eletrˆnicos dispon´ o ıveis: Exemplos Estabilidade Eletrˆnica o HN O3 Oito el´trons na camada de valˆncia. e e H2 SO4 H3 P O4 Liga¸˜o Iˆnica ca o Liga¸˜o Covalente Apolar ca Ocorre entre ametais de mesmo elemento qu´ ımico (sol´ veis em u Ocorre entre metal que tem tendˆncia de perder el´tron, com e e a ´gua) (mesma eletronegatividade). Por exemplo: H − H. n˜o-metal, que tem tendˆncia de receber el´tron, formando a e e Liga¸˜o Covalente Polar ca ´ ıons de cargas contr´rias, que se atraem mutuamente. a Ocorre entre ametais de elementos diferentes (insol´ veis em u Exemplos a ´gua) (eletronegatividade diferentes). Exemplo: mol´cula e Fazer o esquema de Lewis: HCl, pois o cloro ´ mais eletronegativo que o hidrogˆnio, ou e e + − N a Cl : seja, apresenta maior capacidade de atrair el´trons; portanto e o par de el´trons da liga¸ao ´ atra´ por ele, criando-se nesse e c˜ e ıdo K + + Cl− : extremo uma maior densidade eletrˆnica. Assim, surgem p´los o o distintos (representado pela letra δ), formando uma liga¸ao coc˜ ´ Ion F´rmula o valente polar: δ+ HClδ− .

156

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pense um Pouco!
• Analisando a varia¸ao da eletronegatividade na tabela c˜ peri´dica, indique a liga¸ao menos polar e a mais polar: o c˜ H–O: H–H: H–I: H–P: H–N: H–F:

c) atra¸ao inter-molecular c˜ d) el´trons livres e e) emparelhamento de el´trons e 6. (Supra-SC) Entre os ´tomos dos compostos KBr, N H3 , a e HCN , as liga¸oes qu´ c˜ ımicas predominantes s˜o, respectivaa mente: a) covalente, iˆnica, iˆnica o o b) covalente, iˆnica, covalente o c) covalente, covalente, iˆnica o d) Iˆnica, iˆnica, covalente o o e) Iˆnica, covalente, covalente o

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFSC) Considerando-se a liga¸ao qu´ c˜ ımica entre oxigˆnio e e o alum´ ınio, sob a luz da teoria do octeto, para a forma¸ao c˜ do ´xido de alum´ o ınio, ´ correto afirmar (some os n´ meros core u respondentes `s alternativas corretas): a 01. Cada ´tomo de alum´ a ınio, perder´ 3 el´trons; a e 02. O Oxigˆnio ser´ o ˆnion, com carga negativa igual a trˆs e a a e para cada ´tomo; a 04. O envolvidos dois ´tomos de alum´ a ınio na liga¸ao; c˜ 08. Cada ´tomo de oxigˆnio receber´ dois el´trons; a e a e 16. O n´ mero de cargas positivas, por f´rmula, ser´ seis. u o a 32. A configura¸ao eletrˆnica do Al+3 ser´ 1s2 2s2 2p6 . c˜ o a 64. A f´rmula m´ o ınima do ´xido de alum´ o ınio conter´ quatro a a ´tomos no total.

Qu´ ımica B
Liga¸˜es Qu´ co ımicas
Geometria Molecular

Aula 6

Teoria da Repuls˜o dos pares eletrˆnicos, desenvolvida na a o d´cada 1960: e “Os pares de el´trons ao redor do ´tomo central e a distribuem-se no espa¸o de tal forma que a repuls˜o c a entre eles ´ a menor poss´ e ıvel, garantindo maior estabilidade”. Os pares de el´trons podem ou n˜o fazer parte de liga¸oes. e a c˜ Quando os el´trons s˜o ligantes, os pares podem constituir e a ´ 2. (UniRio-RJ) Atomos de um elemento X (n´ mero atˆmico liga¸oes simples, duplas, triplas ou dativas. u o c˜ 20) e de outro elemento Y (n´ mero atˆmico 7) unem-se por As posi¸oes relativas dos ´tomos ligantes s˜o dadas u o c˜ a a liga¸oes iˆnicas, originando o composto de f´rmula: c˜ o o pela disposi¸˜o de todos os pares de el´trons, mas a geca e a) XY ometria da mol´cula ´ considerada apenas pela posi¸˜o e e ca b) X2 Y relativa de seus n´ cleos. u c) X3 Y2 d) X2 Y3 Exemplos e) X3 Y4

3. (Acafe-SC) A for¸a de atra¸ao entre ´ c c˜ ıons positivos e negativos caracteriza a liga¸ao: c˜ a) coordenada b) covalente c) met´lica a d) dativa e) iˆnica o

Exerc´ ıcios Complementares
4. (Supra-SC) No cloreto de magn´sio, a uni˜o entre magn´sio e a e e cloro ocorre atrav´s de liga¸ao: e c˜ a) molecular b) covalente c) met´lica a d) iˆnica o e) dativa a o 5. (UFRGS) O conceito de liga¸ao covalente se refere ` id´ia Figura 2.1: O g´s carbˆnico (CO2 ) apresenta geometria molec˜ a e cular linear, distribui¸ao espacial dos pares eletrˆnicos ´ linear c˜ o e de: e possui 2 atomos ao ligados ao atomo central. ´ ´ a) atra¸ao eletrost´tica c˜ a b) par iˆnico o

Qu´ ımica B – Aula 6

157

Figura 2.2: O composto SO3 apresenta geometria molecular ´ trigonal plana, a distribui¸ao espacial dos pares eletrˆnicos e c˜ o forma um triˆngulo equil´tero e possui 3 atomos ligados ao a a ´ atomo central. ´

Figura 2.3: A agua (H2 O) apresenta geometria molecular an´ gular, mas a distribui¸ao dos pares de el´trons ´ tetra´drica e c˜ e e e possui 2 atomos ligados ao atomo central. ´ ´ de uma mol´cula atrai a extremidade positiva da mol´cula vie e zinha. Esse tipo de atra¸ao ´ o mesmo que ocorre na liga¸˜o c˜ e ca iˆnica, mas com intensidade bem menor. o For¸as de Van der Waals dipolo instantˆneo–dipolo c a induzido S˜o for¸as de atra¸ao que aparecem nas substˆncias formaa c c˜ a das por mol´culas apolares, no estado s´lido ou l´ e o ıquido. A nuvem eletrˆnica nas mol´culas apolares ´ uniforme, n˜o apao e e a recendo cargas. Essa nuvem pode sofrer deforma¸ao por a¸ao c˜ c˜ externa, ou flutua¸oes estat´ c˜ ısticas (colis˜es), ou com o aumento o da press˜o e diminui¸ao de temperatura, provocando, ent˜o, a c˜ a uma distribui¸ao desigual de cargas, o que faz com que surja c˜ um dipolo tempor´rio. O dipolo instantˆneo induz a polaa a riza¸ao da mol´cula vizinha, resultando uma a¸ao fraca enc˜ e c˜ tre elas. Esse tipo de intera¸ao tamb´m ´ chamado de for¸a c˜ e e c de London, em homenagem ao cientista Fritz London (19001957), que elaborou todo o desenvolvimento te´rico. o Pontes de Hidrogˆnio e As pontes de hidrogˆnio s˜o casos particulares da intera¸ao e a c˜ dipolo-dipolo, em que o dipolo molecular ´ fixo e de grande e intensidade. Esse fenˆmeno ocorre quando o hidrogˆnio est´ o e a ligado ` um dos trˆs elementos mais eletronegativos – fl´ or, a e u oxigˆnio e nitrogˆnio – pois a diferen¸a de eletronegatividade e e c entre o hidrogˆnio e esses elementos ´ muito grande. e e Exemplo A ´gua H2 O ´ uma mol´cula muito polarizada (polar) e as a e e pontes de hidrogˆnio produzem for¸a suficiente para manter e c as mol´culas unidas no estado l´ e ıquido. Veja a Fig. 2.3. Para Aprender Mais! Tens˜o superficial ´ uma propriedade que faz com que uma sua e perf´ l´ ıcie ıquida se comporte como uma pel´ ıcula el´stica. Esta a propriedade ocorre com todos os l´ ıquidos e ´ observada com e maior intensidade na ´gua. As mol´culas no interior do l´ a e ıquido mant´m-se unidas pelas for¸as de atra¸ao, que ocorrem em toe c c˜ das as dire¸oes. As mol´culas da superf´ c˜ e ıcie, no entanto, sofrem apenas atra¸ao lateral e inferior, que geram a tens˜o superfic˜ a

For¸as Inter-moleculares c
As substˆncias moleculares podem ser encontradas nos trˆs esa e tados f´ ısicos, o que nos leva a concluir que, entre as mol´culas, e existem for¸as de atra¸ao de diferentes intensidades. A essas c c˜ for¸as damos o nome de for¸as inter-moleculares, elas podem c c ser de dois tipos: • for¸as de Van der Waals c • pontes de hidrogˆnio e For¸as de Van der Waals c S˜o for¸as de fraca intensidade que se classificam em dipolo– a c dipolo e dipolo instantˆneo–dipolo induzido. a A polaridade da liga¸ao apresenta uma dire¸ao, um sentido c˜ c˜ e uma intensidade, podendo ser representada por um vetor (p : vetor momento dipolo), este vetor se orienta sempre no sentido do p´lo negativo para o positivo. Para mol´culas com o e mais de dois ´tomos, conhecendo-se a geometria molecular, ´ a e poss´ ıvel determinar se a mol´cula apresenta dipolo, ou seja, e se na mol´cula h´ distribui¸ao desigual de carga negativa e e a c˜ positiva. Essa determina¸ao ´ feita levando-se em conta os c˜ e vetores momento de cada liga¸ao. Conforme tenham ou n˜o c˜ a dipolo el´trico, as mol´culas s˜o classificadas em polares ou e e a apolares, respectivamente. Exemplos CO2 ´ apolar (p = 0). Veja a simetria da mol´cula na Fig. e e 2.1. H2 O ´ polar (p = 0). Veja a assimetria da mol´cula na Fig. e e 2.3. For¸as de Van der Waals dipolo–dipolo c Este tipo de intera¸ao ocorre entre mol´culas polares. c˜ e Exemplo A mol´cula δ+ HClδ− . e A forma¸ao do dipolo ocorre devido ` diferen¸a de eletronegac˜ a c tividade entre o hidrogˆnio e o cloro. A extremidade negativa e

158

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Figura 2.4: O metano (CH4 ) apresenta geometria molecular Figura 2.5: O P Cl5 apresenta geometria molecular bipirˆmide a tetra´drica e distribui¸ao dos pares eletrˆnicos tamb´m ´ te- trigonal e possui 5 atomos ligantes. e c˜ o e e ´ tra´drica e possui 4 atomos ligados ao atomo central e ´ ´

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
cial, criando uma pel´ ıcula el´stica. Quanto mais intensas as a for¸as de atra¸ao, maior ser´ a tens˜o superficial. c c˜ a a Vocˆ S´bia? e a Os icebergs s˜o massa de gelo flutuante que geralmente se desa prende numa geleira polar e, portanto, s˜o constitu´ a ıdos por a ´gua doce. Eles flutuam por que a densidade da ´gua s´lida ´ a o e menor do que a da ´gua l´ a ıquida. Na ´gua l´ a ıquida, as mol´culas e est˜o unidas por pontes de hidrogˆnio e dispostas de forma a e menos organizada do que no estado s´lido. Neste estado, a oro ganiza¸ao ´ maior, formando estruturas hexagonais tridimensic˜ e onais, mais espa¸adas, que diminuem a densidade, permitindo c assim que o gelo flutue sobre a ´gua. Esta propriedade exa plica tamb´m a quebra de garrafa de bebidas esquecidas no e congelador. For¸as Inter-moleculares e Ponto de Ebuli¸˜o c ca : O importante fator que influencia o ponto de ebuli¸ao de c˜ uma substˆncia ´ o tamanho da mol´cula, pois quanto maior a e e a mol´cula, mais f´cil a ocorrˆncia de distor¸ao da nuvem e a e c˜ eletrˆnica; conseq¨ entemente, mais f´cil a forma¸ao de p´los, o u a c˜ o ou seja, a medida que o tamanho da mol´cula aumenta (aue mento da massa molecular), o ponto de ebuli¸ao tamb´m deve c˜ e aumentar. OBS: Na passagem do estado liquido para o gasoso ocorre uma separa¸ao das mol´culas assim, quanto maior c˜ e a atra¸ao entre as mol´culas no liquido, maior ser´ o ponto de c˜ e a ebuli¸ao. Quanto maior a mol´cula mais f´cil ´ a forma¸ao de c˜ e a e c˜ p´los. o 1. Qual dessas liga¸oes ´ mais fraca? c˜ e a) eletrovalente b) covalente c) ponte de hidrogˆnio e d) Van der Waals e) iˆnica o 2. (Acafe-SC) Cada mol´cula de ´gua ´ capaz de efetuar, no e a e m´ximo: a a) 5 pontes de hidrogˆnio. e b) 2 pontes de hidrogˆnio. e c) 4 pontes de hidrogˆnio. e d) 1 pontes de hidrogˆnio. e e) 3 pontes de hidrogˆnio. e 3. (UFSM-RS) Dentre os compostos abaixo: I. H3 C–CH2 –O–CH3 II. H3 C–CH2 –N H2 III. H3 C–CH2 –OH Apresentam pontes de Hidrogˆnio entre suas mol´culas: e e a) apenas I b) apenas II c) apenas I e III d) apenas II e III e) I, II e III

Exerc´ ıcios Complementares Pense um Pouco!
4. (UEFS - BA) Por a¸ao de energia, o hidrogˆnio di-atˆmico c˜ e o se dissocia de acordo com a equa¸ao: H–H(g) → 2H(g). Nesta c˜ • Quando se ferve a ´gua, qual o tipo de liga¸ao ´ rompida dissocia¸ao, ocorre rompimento de liga¸ao qu´ a c˜ e c˜ c˜ ımica do tipo: a) ponte de hidrogˆnio. e na mudan¸a de estado? c b) de Van der Waals. c) met´lica a • Temos duas substˆncias, HX e HY. O que podemos dizer a d) iˆnica o com rela¸ao ao ponto de ebuli¸ao (PE) dessas substˆncias, c˜ c˜ a e) covalente sabendo que em HX ocorrem for¸as de Van der Waals e c em HY ocorrem pontes de hidrogˆnio? e 5. (ITA-SP) Os hidretos do tipo H2 X dos elementos da fam´ ılia

Qu´ ımica B – Aula 7 do oxigˆnio s˜o todos gasosos em condi¸oes ambientais, com e a c˜ exce¸ao do hidreto de oxigˆnio. Esta situa¸ao ´ conseq¨ˆncia: c˜ e c˜ e ue a) da baixa massa molecular da ´gua a b) das liga¸oes covalentes c˜ c) das pontes de hidrogˆnio entre as mol´culas e e d) do fato de o oxigˆnio ter o maior raio atˆmico dessa fam´ e o ılia e) do fato de que o gelo ´ menos denso que a ´gua l´ e a ıquida 6. Dentre as seguintes substˆncias, qual apresenta pontes de a hidrogˆnio entre as mol´culas? e e a) metano (CH4 ) b) clorof´rmio (CHCl3 ) o c) benzeno (C6 H6 ). ´ d) Eter-et´ ılico (H2 C2 –O–C2 H5 ) ´ e) Agua (H2 O)

159 Vamos agora acertar a quantidade de ´tomos de carbono. No a primeiro membro existem agora quatro carbonos (2C2 H6 O); no segundo, um (CO2 ). Ent˜o, devemos multiplicar CO2 , no a lado direito da equa¸ao, por 4. c˜ 2C2 H6 O + O2 → 4CO2 + 6H2 O Finalmente, acertamos a quantidade de ´tomos de oxigˆnio. a e No segundo membro, j´ acertado, existem quatorze ´tomos de a a oxigˆnio (4CO2 e 6H2 O), e no primeiro, quatro (2C2 H6 O e e O2 ). Ent˜o o coeficiente da mol´cula O2 ser´ 6, para se obter a e a 12 ´tomos que, com outros dois perfazem os quatorze: a 2C2 H6 O + 6O2 → 4CO2 + 6H2 O Observe que em ambos os lados da rea¸ao (reagentes e produc˜ tos) temos um total de 4 ´tomos de C, 12 ´tomos de H e 14 a a a ´tomos de O. Como todos os coeficientes s˜o m´ ltiplos de 2, a u ent˜o podemos reduz´ a ı-los, dividindo-os por 2: C2 H6 O + 3O2 → 2CO2 + 3H2 O e obtemos os menores coeficientes para o balan¸o qu´ c ımico da rea¸ao dada. c˜

Qu´ ımica B

Aula 7

Equa¸˜es e Rea¸˜es Qu´ co co ımicas
Uma rea¸ao qu´ c˜ ımica ´ representada pela equa¸ao geral e c˜ c1 R1 + c2 R2 + . . . + cn Rn → c′ P1 + c′ P2 + . . . + c′ Pm 1 2 m

Dicas

onde n reagentes R1 , R2 ,. . .,Rn foram usados para formar os m Algumas considera¸ao para o balanceamento de uma equa¸˜o c˜ ca produtos P1 , P2 ,. . .,Pm . Os coeficientes {ci } indicam o n´ mero u qu´ ımica: de mol´culas de cada reagente utilizado na rea¸ao, e os coeficie c˜ entes {c′ }, o n´ mero de mol´culas de cada produto resultante u e j 1. Deve-se come¸ar o acerto dos coeficientes pelo elemento c da rea¸ao. Em ambos os casos, se utilizam coeficientes inteiros. c˜ que aparece uma unica vez nos dois membros; ´ Como cada mol´cula, de reagente ou produto, pode conter e v´rios atomos de diferentes elementos qu´ a ´ ımicos, o n´ mero total u 2. Se os ´ ındices do elemento escolhido forem m´ ltiplos, a u de ´tomos de cada esp´cie qu´ a e ımica deve ser o mesmo em ambos simplifica¸ao pode ser feita antes da transposi¸ao; c˜ c˜ os lados da equa¸ao acima, e chamamos de balanceamento c˜ qu´ ımico o c´lculo dos menores coeficientes {ci } e {c′ } para a j 3. As f´rmulas das substˆncias n˜o podem ser modificadas; o a a que essa igualdade seja satisfeita. por isso, nunca coloque n´ meros entre os s´ u ımbolos de uma mesma f´rmula. o

Exemplos
A s´ ıntese (forma¸ao) da ´gua ´ descrita pela equa¸ao c˜ a e c˜ 2H2 (g) (reagente) + O2 (g) (reagente) → 2H2 O(l) (produto) onde a propor¸ao da rea¸ao de s´ c˜ c˜ ıntese da ´gua ´ 2:1:2, o que a e significa que, para cada duas mol´culas de H2 O formadas, e reagiram duas mol´culas H2 e uma mol´cula de O2 . Cada e e rea¸ao tem a sua propor¸ao, que, como vimos pela lei das c˜ c˜ Propor¸oes Constantes. c˜

Tipos de Rea¸˜es co
Quanto ao Calor Quanto ao envolvimento (absor¸ao ou libera¸ao) de calor: c˜ c˜ Rea¸oes Endot´rmicas c˜ e ´ Veja que endo=para dentro e t´rmica = calor. E toda rea¸ao e c˜ qu´ ımica em que ocorre com absor¸˜o de calor. ca Por exemplo, a decomposi¸ao do calc´rio: c˜ a
ր CaCO3 @ >> ∆ > CaO + CO2

Determina¸˜o dos Coeficientes ca
Na rea¸ao de combust˜o: c˜ a

onde ∆ indica que h´ a necessidade de aquecimento dos reaa gentes para que ocorra a rea¸ao qu´ c˜ ımica. C2 H6 O + O2 → CO2 + H2 O Rea¸oes Exot´rmicas c˜ e observamos primeiro a quantidade de ´tomos de hidrogˆnio. Observe que exo=para fora e t´rmica = calor. a e e No primeiro membro, existem seis (C2 H6 O), e no segundo, ´ E toda rea¸ao qu´ c˜ ımica em que ocorre com libera¸˜o de calor. ca dois (H2 O). Para igualar o n´ mero de ´tomos, fazemos a u a Por exemplo, temos a combust˜o do hidrogˆnio: a e transposi¸ao dos ´ c˜ ındices, obtendo: 2C2 H6 O + O2 → CO2 + 6H2 O 2H2 + O2 → 2H2 O + calorր

160

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Quanto ` Velocidade a

Para Saber Mais!

O oxigˆnio e o hidrogˆnio liquefeitos s˜o os combust´ e e a ıveis Rea¸oes R´pidas c˜ a l´ ıquidos mais comuns, usados para impulsionar os foguetes As que ocorrem rapidamente e de forma explosiva, por exempela expuls˜o dos gases de combust˜o, gerados pela rea¸˜o a a ca plo, a combust˜o (queima) do ´lcool et´ a a ılico: de s´ ıntese: 2H2 + O2 → 2H2 O C2 H6 O + 3O2 → 2CO2 + 3H2 O + calorր nos motores de combust´ ıvel l´ ıquido, tamb´m usados na e Rea¸oes Lentas c˜ opera¸ao de m´ c˜ ısseis, o combust´ e o comburente devem ser ıvel c˜ o a Ocorrem devagar, por exemplo, a forma¸ao da ferrugem armazenados isoladamente e a rea¸ao s´ ocorre na cˆmara de c˜ combust˜o, o que torna esses motores bastante complexos. a (oxida¸ao do ferro): c˜ 4F e + 3O2 → 2F e2 O3 + calorր Quanto ` Reversibilidade a Rea¸oes Revers´ c˜ ıveis Ocorrem simultaneamente nos dois sentidos (indicado pela dupla seta): CaO + CO2 ⇌ CaCO3 Rea¸oes Irrevers´ c˜ ıveis Rea¸oes que ocorrem num s´ sentido. c˜ o Por exemplo: N aCl + AgN O3 → AgCl + N aN O3 Quanto aos Reagentes e Produtos S´ ıntese ou Adi¸˜o ca Rea¸ao entre duas ou mais substˆncias (simples ou composta) c˜ a que originam uma unica substˆncia composta: ´ a 2CO + O2 → 2CO2 neste caso a rea¸ao ´ do tipo c˜ e composta + simples → composta

Vocˆ Sabia? e
Para combater a acidez estomacal, causada pelo suco g´strico a existente (HCl ou ´cido clor´ a ıdrico) que em excesso s´ causa o azia. O uso de leite de magn´sia, uma suspens˜o de e a hidr´xido de magn´sio, ou medicamentos ` base de hidr´xido o e a o de alum´ ınio, diminuem a acidez, aliviando a azia. As rea¸oes c˜ que ocorrem s˜o: a M g(OH)2 + 2HCl → M gCl2 + 2H2 O Al(OH)3 + 3HCl → AlCl3 + 3H2 O Tamb´m pode-se usar o bicarbonato de s´dio: e o N aHCO3 + HCl → N aCl + H2 O + CO2

Pense um Pouco!
• Explique porque o bicarbonato de amˆnia misturado em o uma massa de bolo, ao ser aquecido, faz a massa do bolo crescer deixando o bolo fofo? Que tipo de rea¸ao ocorre ? c˜ Fa¸a a rea¸ao. c c˜

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

1. Considere as seguintes rea¸oes do metano: c˜ . I. CH4 + 2O2 → CO2 + 2H2 O com ∆H = −212, 8 kcal/mol II. CH4 + H2 O → CO + 3H2 com ∆H = −49, 3kcal/mol An´lise ou Decomposi¸˜o a ca III.CH4 + CO2 → 2CO + 2H2 com ∆H = −59kcal/mol Rea¸ao em que uma unica substˆncia composta se desdobra c˜ ´ a IV. CH4 + 1 O2 → CO + 2H2 com ∆H = −8, 5kcal/mol em outras substˆncias simples ou compostas: a 2 Pode-se afirmar que a rea¸ao: c˜ a) I ´ endot´rmica e e 2HCl → H2 + Cl2 b) II libera mais calor do que a I c) III ´ espontˆnea e a Dupla Troca d) III libera menos calor do que IV Rea¸ao em que as duas substˆncias compostas produzem duas c˜ a e) IV absorve calor para ocorrer outras substˆncias compostas (o nome resulta no fato de as a substˆncias permutarem entre si parte de suas estruturas): a 2. (Unisinos-RS) Considerando a equa¸ao termoqu´ c˜ ımica abaixo representada, S(s) + 3 O2 (g) → SO3 (g) com ∆H = 2 HCl + N aOH → N aCl + H2 O −94, 4kcal/mol. Podemos afirmar que, na forma¸ao de 200 g c˜ de tri´xido de enxofre: o ou a) Ocorre a libera¸ao de 94, 4 kcal, uma vez que a rea¸ao ´ c˜ c˜ e N aCl + AgN O3 → AgCl + N aN O3 exot´rmica e b) Ocorre a absor¸ao de 94, 4 kcal, uma vez que a rea¸ao ´ c˜ c˜ e Deslocamento ou Simples Troca endot´rmica e Rea¸ao em que uma substˆncia simples reage com outra com- c) Ocorre a libera¸ao de 169, 5 kcal, uma vez que a rea¸ao ´ c˜ a c˜ c˜ e posta, produzindo outra substˆncia composta e outra simples: exot´rmica a e d) Ocorre a absor¸ao de 236 kcal, uma vez que a rea¸ao ´ enc˜ c˜ e F e + CuSO4 → F eSO4 + Cu dot´rmica e

Qu´ ımica B – Aula 8

161

e) Ocorre a libera¸ao de 236 kcal, uma vez que a rea¸ao ´ Exemplo c˜ c˜ e exot´rmica e N a+ Cl− : N a carga real = +1, Cl carga real= -1 3. Dadas as equa¸oes das rea¸oes: c˜ c˜ H2 O: H carga te´rica = +1, O carga te´rica = -2 o o − I. H2 SO4 + H2 O → H3 O + HSO4 + calor II. C2 H5 OH + 3O2 → 2CO2 + 3H2 O + calor Vocˆ Deve Saber! e + − III. N H4 Cl(s) + H2 O(l) + calor → N H4 (aq) + Cl(aq) 3 • Se a liga¸ao ocorre entre ´tomos do mesmo elemento ( c˜ a IV. C2 H2 + 2 2O2 → CO2 + H2 O + C + calor substˆncias simples), n˜o havendo, portanto, diferen¸a de a a c V. 2F e2 O3 + 3C + calor → 4F e + 3CO2 eletronegatividade e sendo a mol´cula apolar, o Nox ´ e e Consideram-se as rea¸oes endot´rmicas: c˜ e sempre zero: a) III e V b) I , II e IV Exemplos c) II, III e V H2 , Cl2 , O2 : Nox = 0 d) I, III e IV e) II e III • O Nox de um ´ simples ´ igual a sua carga (´ a pr´pria ıon e e o defini¸ao de Nox). c˜

Exerc´ ıcios Complementares
4. A an´lise da rea¸ao a c˜ H2 (g) + 1 O2 (g) → H2 O(l) + 68 kcal 2 permite concluir que: a) a rea¸ao ´ endot´rmica c˜ e e b) a rea¸ao tem ∆H positivo c˜ c) a entalpia dos reagentes ´ maior que a dos produtos e d) a entalpia dos reagentes ´ menos que a dos produtos e e) a entalpia dos reagentes ´ igual a dos produtos e 5. (PUC-RS) A equa¸ao a seguir representa: HN O3 (aq) + c˜ N aOH(aq) → N aN O3 (aq) + H2 O(l) com ∆H = −13, 69 kcal/mol a) um processo endot´rmico e b) a neutraliza¸ao parcial de um ´cido c˜ a c) um processo que h´ a libera¸ao de calor a c˜ d) um processo n˜o espontˆneo a a e) uma rea¸ao de an´lise c˜ a 6. As rea¸oes endot´rmicas caracterizam-se por: c˜ e I. serem espontˆneas a II. ocorrerem com absor¸ao de calor c˜ III. apresentam sinal positivo para a varia¸ao da entalpia c˜ a) somente a afirmativa I ´ correta e b) somente a afirmativa II ´ correta e c) somente a afirmativa III ´ correta e d) somente as afirmativas I e II s˜o corretas a e) somente as afirmativas II e III s˜o corretas a

Exemplos N a+ : Nox N a = +1 Al+3 : Nox Al = +3 • O Nox do hidrogˆnio em compostos ´ +1, com exce¸ao e e c˜ dos compostos met´licos (hidretos met´licos), em que o a a Nox do H ´ −1. e Exemplos H2 O: Nox H = +1 N aH : Nox H = −1 • O Nox do oxigˆnio nos compostos ´ −2, com exce¸ao dos e e c˜ compostos com fl´ or (O2 F2 e OF2 ) e per´xidos (O − O). u o Exemplos H2 O: Nox O = −2 S −2 : Nox S = −2

H2 O2 : Nox O = −1 O2 F2 : Nox O = +1 OF2 : Nox O = +2

• A soma alg´brica dos Nox de todos os ´tomos de uma e a mol´cula ´ sempre igual a zero (o n´ mero de el´trons cee e u e didos ´ igual ao de el´trons recebidos). e e Exemplos H2 O: Nox H = +1, O = −2, mol´cula: +2 − 2 = 0 e N a2 S: Nox N a = +1, S = −2, mol´cula: +2 − 2 = 0 e

H2 SO4 : Nox H = +1, S = +6, O = −2, mol´cula: +2 + e 6−8=0 • A soma alg´brica dos Nox dos elementos em um ´ come ıon posto ´ igual sua carga (a carga do ´ indica que houve e ıon perde ou ganho de el´trons). e Exemplos
−2 CO3 : Nox: C = +4, O = −2, soma: +4 − 6 = −2 + N H4 : Nox: N = −3, H = +1, soma: −3 + 4 = +1

Qu´ ımica B
Equa¸˜es e Rea¸˜es (II) co co
NOX

Aula 8

• Para se determinar o Nox de algum ´tomo numa mol´cula, a e usam-se os Nox conhecidos. Exemplo H4 P2 O7 Nox: H = +1, P = x, O = −2, soma: +4 + 2x − 14 = 0 → 2x = 10 → x = 5 Ent˜o temos que Nox P = +5 nesta mol´cula. a e

N´ mero que designa a carga el´trica real ou aparente (te´rica) u e o de um ´tomo em fun¸ao da diferen¸a de eletronegatividade a c˜ c entre ele e seus ligantes; o Nox est´ associado ´ perda ou ao a a ganho de el´trons por um ´tomo numa liga¸ao qu´ e a c˜ ımica.

162

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Nox M´ ınimo e Nox M´ximo a

Balanceamento

Verifica-se que ´tomos de um mesmo elemento podem apre- Determina¸ao dos coeficientes em rea¸oes de oxi-redu¸ao. a c˜ c˜ c˜ sentar v´rios n´ meros de oxida¸ao, que dependem dos outros a u c˜ a ´tomos da mol´cula. Veja o caso do cloro, em alguns compose Procedimento tos: HCl Cl2 HClO HClO2 HClO3 HClO4 1. determinar o Nox dos elementos; -1 0 +1 +3 +5 +7 2. verificar os fenˆmenos de oxida¸ao e redu¸ao; o c˜ c˜ o Nox m´ ınimo representa o n´ mero de el´trons que o ´tomo u e a precisa receber, de acordo com a regra do octeto; o Nox 3. determinar ∆ (varia¸ao do Nox) e multiplicar pelo ´ c˜ ındice m´ximo representa o n´ mero m´ximo de el´trons da ultima a u a e ´ ou atomicidade maior, obtendo-se ∆t (varia¸ao total do c˜ camada que o ´tomo pode perder. a Nox);

Rea¸˜es De Oxi-Redu¸˜o co ca

Rea¸ao em que ocorrem varia¸oes dos n´ meros de oxida¸ao c˜ c˜ u c˜ dos ´tomos de certos elementos. a 5. Acertar os demais coeficientes por tentativa. Em uma solu¸ao de sulfato de cobre (CuSO4 ) em ´gua, merc˜ a 0 gulhamos uma lˆmina de zinco (Zn ). ap´s algum tempo vea o rificamos que essa lˆmina est´ recoberta por uma camada de Exemplo 1 a a HI + H2 SO4 −→ cobre met´lico e a solu¸ao apresenta ´ a c˜ ıons Zn+2 . +1 − 1 +1 + 6 − 2 Os ´tomos de zinco (Zn0 ) se transformam em ´ a ıons de zinco −→ H2 S + H2 O + I2 (Zn+2 ), ou seja, perdem 2 el´trons: ocorre uma oxida¸ao, e c˜ +1 − 2 +1 − 2 0 perda de el´trons, aumento no Nox: e Determina¸ao do ∆: c˜ Zn0 −→ Zn+2 + 2e− • oxida¸ao: varia¸ao 1 e atomicidade 1 = 1 × 1 = ∆ = 1 c˜ c˜ Os ´ ıons cobre (Cu+2 ) se transformam em ´tomos neutros de a cobre (Cu0 ), ou sejam, ganham 2 el´trons: redu¸ao (ganho de e c˜ • redu¸ao: varia¸ao 8 e atomicidade 1 = 8 × 1 = ∆ = 8 c˜ c˜ el´trons), diminui Nox: e Igualando o n´ mero de el´trons cedidos e recebidos, temos: u e Cu+2 + 2e− −→ Cu0 8HI + 1H2 SO4 −→ H2 S + H2 O + I2 Assim o que ocorreu foi uma transferˆncia de el´trons dos e e a ´tomos de zinco (Zn0 ) para o ´ cobre (Cu+2 ): ıon estabelecemos a propor¸ao da rea¸ao , agora, completamos os c˜ c˜ outros coeficientes por tentativa: Zn0 + Cu+2 −→ Zn+2 + Cu0 8HI + 1H2 SO4 −→ 1H2 S + 4H2 O + 4I2 Oxida¸ao e Redu¸ao s˜o fenˆmenos paralelos, ou seja, n˜o c˜ c˜ a o a pode ocorrer oxida¸ao sem que ocorra uma redu¸ao. Desse Exemplo 2 c˜ c˜ modo podemos somar as equa¸oes dos dois processos e obter c˜ K2Cr2O7 + HCl −→ a equa¸ao do processo global: c˜ +1 + 6 − 2 +1 − 1 Zn0 −→ Zn+2 + 2e− semi-equa¸ao de oxi-redu¸ao c˜ c˜ Zn0 + Cu+2 −→ Zn+2 + Cu0 Redutor e Oxidante Esse processo global constitui uma rea¸ao de oxi-redu¸˜o. A c˜ ca esp´cie doadora de el´trons, sofre oxida¸ao, provoca a redu¸ao e e c˜ c˜ (diminui¸ao de Nox) da outra esp´cie, por isso ´ chamado de c˜ e e agente redutor. A esp´cie receptora de el´trons, que se reduz, provoca a e e oxida¸ao (aumento de Nox) da outra, sendo chamada de agente c˜ oxidante. Agente Oxidante Provoca oxida¸ao de outra esp´cie qu´ c˜ e ımica, sofre redu¸ao (gac˜ nho de el´trons) e a varia¸ao do Nox diminui. e c˜ Agente Redutor Provoca redu¸ao de outra esp´cie qu´ c˜ e ımica, sofre oxida¸ao c˜ (perda de el´trons) e a varia¸ao do Nox aumenta. e c˜ Cu+2 + 2e− −→ Cu0 −→ KCl +1 − 1 + CrCl3 +3 − 1 + H2 O +1 − 2 + Cl2 0

4. inverter ∆t , isto ´, colocar o valor daquele que sofreu e oxida¸ao na frete da substˆncia cujo elemento sofreu c˜ a redu¸ao e vice-versa. c˜

• oxida¸ao: ∆ = 1 × 2 = 2 c˜ • redu¸ao: ∆ = 3 × 2 = 6 c˜ observe que no c´lculo do ∆ de oxida¸ao consideramos a atoa c˜ micidade 2, em vez de 1, isso porque nem todos os ´tomos de a cloro se oxidam (uma parte se manteve, pois seus Nox n˜o se a alteraram). Assim, usamos a atomicidade do Cl2 , pois este ´ e formado pelos ´tomos de cloro que se oxidaram: a 2K2 Cr2 O7 + HCl −→ KCl + CrCl + H2 O + 6Cl2 Por tentativa, acertamos os outros coeficientes: 2K2 Cr2 O7 + 28HCl −→ 4KCl + 4CrCl + H2 O + 6Cl2 simplificando por 2: K2 Cr2 O7 + 14HCl −→ 2KCl + 2CrCl + H2 O + 3Cl2

Qu´ ımica B – Aula 9

163 Assinale o ´ ıtem com a soma correta dos coeficientes: a) a + b = 4 b) x + y = 3 c) a + x = 7 d) b + y = 7 e) a + b + x + y = 7

Pense um Pouco!
• O que ´ NOX? e • Como sabemos se uma rea¸ao qu´ c˜ ımica ´ uma rea¸ao de e c˜ oxi-redu¸ao? c˜

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UDESC) Dada a rea¸ao: c˜ S + 6HN O3 −→ 6N O2 + 2H2 O + H2 SO4 A varia¸ao do n´ mero de oxida¸ao do enxofre ´: c˜ u c˜ e a) 0 b) 1 c) 2 d) 3 e) 6

Qu´ ımica B
Solu¸˜es Qu´ co ımicas

Aula 9

Dispers˜es s˜o sistemas nos quais uma substˆncia est´ diso a a a seminada, sob forma de pequenas part´ ıculas, numa segunda substˆncia. A primeira substˆncia chama-se disperso ou fase a a dispersa e a segunda dispersante ou fase de dispers˜o. a ¯

2. (Fuvest-SP) O cobre pode ser encontrado, na natureza, Classifica¸˜o das Dispers˜es ca o no mineral denominado atacamita: CuCl2 · 3Cu(OH)2 . Na f´rmula da atacamita , identifica-se o cobre com Nox, respec- A classifica¸ao das dispers˜es ´ feita de acordo com o tamanho o c˜ o e tivamente: m´dio das part´ e ıculas dispersas: a) +1 e +1 b) +1 e +2 • solu¸oes verdadeiras: part´ c˜ ıculas com diˆmetro de 0 a a c) +1 e +3 1 nm, isto ´, de 0 a 10˚; e A d) +2 e +1 • solu¸oes coloidais: part´ c˜ ıculas com diˆmetro de 1 a a e) +2 e +2 100 nm, isto ´, de 10 a 1000 ˚; e A 3. (UFSM) O nitrogˆnio apresenta estado de oxida¸ao −2 em: e c˜ • suspens˜es: part´ o ıculas com diˆmetro acima de 100 nm, a a) N O3 isto ´, acima de 1000 ˚. e A b) N H3 c) N H4 Lembre que: d) N2 O3 1 nm (nanometro) = 10−7 cm = 10−9 m e) N H4 OH 1 ˚ (angstrom) = 10−8 cm = 10−10 m A

Exerc´ ıcios Complementares

Solu¸˜es co

Solu¸oes s˜o misturas homogˆneas de duas ou mais sustˆncias. c˜ a e a 4. (UDESC) Qual das seguintes proposi¸oes ´ falsa, quando c˜ e O disperso recebe o nome de soluto, e o dispersante, o nome se analisa a rea¸ao de oxirredu¸ao abaixo? c˜ c˜ ¯ ¯ de solvente. F e2 O3 + CO −→ 2F eO + CO2 Classifica¸˜o das Solu¸oes ca c˜ a) O Nox (n´ mero de oxida¸ao) do C no CO2 ´ +4 u c˜ e b) Cada unidade de f´rmula F e2 O3 ganha 1 e− o c) Cada unidade de f´rmula CO2 perde 2 e− o d) O CO2 ´ agente redutor de F e2 O3 e e) O F e sofre redu¸ao c˜ Classificam-se as solu¸oes de acordo os seguintes crit´rios: c˜ e Estado de Agrega¸˜o da Solu¸˜o ca ca • solu¸oes s´lidas: certas ligas met´licas, tamb´m chamac˜ o a e das de am´lgamas, por exemplo CuN i; a

5. (UDESC) A soma dos menores coeficientes inteiros da • solu¸oes l´ c˜ ıquidas: possuem o solvente l´ ıquido, como a rea¸ao de oxirredu¸ao P + HN O3 + H2 O → H3 P O4 + N O, o c˜ c˜ salmora (sal+´gua); a agente oxidante e o agente redutor s˜o, respectivamente: a • solu¸oes gasosas: mistura de dois ou mais gases, por exemc˜ a) 18, P , HN O3 ¯ plo, ar atmosf´rico. e b) 20, P , HN O3 c) 13, P , HN O3 Estado de Agrega¸˜o dos Componentes ca d) 18, HN O3 , P e) 10, HN O3 , P • Solu¸oes s´lido-s´lido: c˜ o o algumas ligas met´licas a 6. (UDESC) Seja a rea¸ao abaixo c˜ (CuN i); 2KM nO4 +aN aN O2 +bH2 SO4 → xKSO4 +yM nSO4 +aN aN O3 +bH2 O coes s´lido-l´ • Solu¸˜ o ıquido: sal em ´gua; a

164

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

• Solu¸oes s´lido-g´s: naftaleno (naftalina) no ar; c˜ o a • Solu¸oes l´ c˜ ıquido-s´lido: ´gua em s´lidos higrosc´picos o a o o (CaCl2 ); • Solu¸oes l´ c˜ ıquido-l´ ıquido: ´gua em ´lcool; a a • Solu¸oes l´ c˜ ıquido-g´s: umidade no ar; a

• ◦ S = 357 g de N aCl por litro de ´gua a 0◦ C; a • ◦ S = 1.220 g de AgN O3 por litro de ´gua a 0◦ C; a • ◦ S = 2g de CaSO4 por litro de ´gua a 0◦ C. a

Col´ides o

• Solu¸oes g´s-s´lido: hidrogˆnio retido em platina em c˜ a o e Solu¸ao coloidal ´ uma dispers˜o onde as part´ c˜ e a ıculas disperp´; o sas tˆm um tamanho m´dio compreendido entre 1 a 100 nm e e • Solu¸oes g´s-l´ c˜ a ıquido: g´s carbˆnico em bebidas; a o (lembre-se 1 nm = 10−7 cm = 10−9 m). • Solu¸oes g´s-g´s: todas as misturas gasosas; c˜ a a Propor¸˜o Entre Soluto e Solvente ca

Classifica¸˜o dos Col´ides ca o

Classificam-se os Col´ides segundo v´rios crit´rios: o a e • solu¸oes dilu´ c˜ ıdas: cont´m pouco soluto em rela¸ao ao e c˜ solvente (10 g de N aCl por litro de ´gua); a Natureza do Disperso • solu¸oes concentradas: caso contr´rio (300 g de sal por c˜ a litro de ´gua). a Natureza do Soluto • solu¸oes moleculares: quando as part´ c˜ ıculas dispersas s˜o mol´culas. Por exemplo, mol´culas de a¸ucar a e e c´ (C12 H22 O11 ) em ´gua; a • col´ides micelares: as part´ o ıculas dispersas s˜o agregaa dos de ´tomos, de mol´culas ou de ´ a e ıons. por exemplo, enxofre em ´gua; a • col´ides moleculares: as part´ o ıculas dispersas s˜o a mol´culas gigantes. Por exemplo, amido em ´gua; e a • col´ides iˆnicos: as part´ o o ıculas dispersas s˜o ´ a ıons gigantes. Por exemplo: prote´ em ´gua. ına a

• solu¸oes iˆnicas: quando as part´ c˜ o ıculas dispersas s˜o a ´ ıons. ´ Ions do sal comum (N a+ e Cl− ) em ´gua, por exema Estado F´ ısico do Disperso e do Dispersante plo; Importante • H´ muitas solu¸oes que apresentam simultaneamente a c˜ mol´culas e ´ e ıons dispersos, por exemplo, numa solu¸ao c˜ aquosa de ´cido ac´tico (´cido fraco) existem muitas a e a mol´culas (CH3 COOH) e poucos ´ e ıons (CH3 COO− e + H ) em solu¸ao. c˜ • Semelhente dissolve Semelhante: substˆncias a inorgˆnicas s˜o polares, enquanto que as orgˆnicas s˜o a a a a apolares.

nome disperso dispersante exemplo sol s´lido o s´lido o rubi, safira sol s´lido o l´ ıquido cola gel l´ ıquido s´lido o gel´ias e emuls˜o l´ a ıquido l´ ıquido leite, maionese aerossol l´ ıquido gasoso neblina, spray ar s´lido o gasoso fuma¸a c espuma gasoso s´lido o pedra-pomes espuma gasoso l´ ıquido chantilly, sab˜o a Observa¸˜o ca Quando os col´ides do tipo sol possuem como dispersante a o a ´gua, eles s˜o chamados do hidross´is. a o Reversibilidade • revers´ ıveis: afinidade muito grande entre o disperso e o dispersante (li´filos-amigos do l´ o ıquido) uma vez o gel obtido, podemos conseguir o sol e voltar ao sistema gel: GEL Peptiza¸ao – adi¸ao de l´ c˜ c˜ ıquido ⇐⇒ Pectiza¸ao – retirada de l´ c˜ ıquido SOL

O Fenˆmeno da Satura¸˜o da Solu¸˜o o ca ca
Juntando-se gradativamente N aCl ` ´gua, em temperatura a a ambiente e sob agita¸ao cont´ c˜ ınua, verifica-se que em dado momento o sal n˜o se dissolve mais. Neste caso isto ocorre quando a h´ aproximadamente 360 g de N aCl por litro de ´gua. Da´ a a ı em diante toda a quantidade adicional de sal que for colocada no sistema ir´ se depositar ou precipitar no fundo do recipia ente; dizemos ent˜o, que a solu¸ao est´ saturada. O ponto a c˜ a de satura¸ao (coeficiente ou grau de solubilidade ◦ S) depende c˜ do soluto, do solvente e das condi¸oes f´ c˜ ısicas, como a temperatura. A press˜o passa a ser importante em solu¸oes onde a c˜ existem gases. Grau de Solubilidade (◦ S) O grau de solubilidade ´ a quantidade de soluto (em grae mas) necess´ria para saturar uma quantidade padr˜o (em gea a ral 100 g, 1000 g ou 1 litro) de solvente, em determinadas condi¸oes f´ c˜ ısicas de temperatura e press˜o. a Exemplo

• Irrevers´ ıveis: n˜o h´ intensa afinidade entre as fases, da´ a a ı serem chamados de li´fobos. Ex: enxofre coloidal, metais o coloidais.

Col´ides Protetores (Li´filos) o o
Os col´ides li´fobos apresentam disperso e dispersante com o o pouca afinidade entre eles, o que acarreta certa instabilidade. ´ E poss´ aumentar a estabilidade desse tipo de col´ide adiıvel o cionando pequena quantidade de um col´ide li´filo que tenha o o carga micelar de mesmo sinal.

Qu´ ımica B – Aula 9 A estabilidade aumenta porque as micelas do col´ide li´fobo a) est´vel o o a s˜o envolvidas por uma pel´ a ıcula de col´ide li´filo, passando a b) dilu´ o o ıda sofrer o fenˆmeno da solvata¸ao. o c˜ c) saturada ¯ d) concentrada e) super saturada Exemplos

165

c˜ • A tinta nanquim ´ um col´ide li´fobo inst´vel, protegido 3. (OBJETIVO-SP) Quais as solu¸oes aquosas, contendo uma e o o a unica substˆncia dissolvida, que podem apresentar corpo de ´ a por um col´ide aquoso de gelatina; o fundo dessa substˆncia? a • Na fabrica¸ao de filmes fotogr´ficos, o AgBr ´ estabilizado a) saturadas e super saturadas c˜ a e por gelatina na forma de gel; b) somente as saturadas c) insaturadas dilu´ ıdas • No leite, a manteiga que est´ dispersa na forma coloidal a d) somente as supersaturadas ´ estabilizada pela case´ e ına. e) insaturadas concentradas • Na maionese, a gema do ovo constitui um col´ide protetor o 4. (UDESC) Em uma emuls˜o, a fase dispersa e a fase dispera que estabiliza a emuls˜o de azeite e vinagre; a sante s˜o, respectivamente: a • A clara de ovo atua como estabilizante dos complexos sis- a) s´lida e s´lida o o temas coloidais que formam os sorvetes cremosos. b) l´ ıquida e s´lida o c) gasosa e gasosa d) s´lida e l´ o ıquida Para Aprender Mais! e) l´ ıquida e l´ ıquida As entidades dispersas (micelas) em uma disposi¸ao coloidal c˜ s˜o constantemente bombardeadas pelas mol´culas do dispera e sante e assim ficam em movimento totalmente desordenado Exerc´ ıcios Complementares que podem ser visto num ultra-microsc´pio. Tal movimento o chama-se movimento Browniano, descrito por Robert Brown, 5. (ITA-SP) Em rela¸ao as misturas de substˆncias preparadas c˜ a em 1827. e mantidas num laborat´rio de qu´ o ımica s˜o feitas as seguintes a afirma¸oes: c˜ Vocˆ Sabia? e I. O l´ ıquido resultante da adi¸ao do metanol e etanol ´ moc˜ e a e c˜ A p´rola ´ um exemplo de gel, ou seja, uma dispers˜o coloidal nof´sico e, portanto, ´ uma solu¸ao. e e a ıquido transparente que resulta da mistura de carbonato de ´gua (disperso) em carbonato de c´lcio (dispersante). Ela II. O l´ a a a a ´ produzida por moluscos bivalves, isto ´, moluscos com uma de c´lcio e ´gua e que sobrenada o excesso de sal sedimentado e e e c˜ concha de dois peda¸os articulados. Existem esp´cies marinhas ´ uma solu¸ao saturada. c e ıquido turvo que resulta da mistura de hidr´xido de o e de ´gua doce. A p´rola ´ produzida quando algum elemento III. O l´ a e e o c˜ u e a estranho penetra entre o corpo do molusco e a camada da s´dio e uma solu¸ao aquosa de nitrato c´ prico ´ uma suspens˜o o ıquido. concha, um gr˜o de areia, por exemplo. Para defender-se, o de um s´lido num l´ a c e molusco produz v´rias camadas de n´car ao redor do corpo IV. A fuma¸a branca que resulta da queima do magn´sio ao a a ar ´ uma solu¸ao de vapor de ´xido de magn´sio em ar. e c˜ o e estranho, formando a p´rola. e V. O liquido violeta e transparente que resulta da mistura de permanganato de pot´ssio com ´gua ´ uma solu¸ao. a a e c˜ Dessas afirma¸oes, est´(˜o) incorreta(s) apenas: c˜ aa Pense um Pouco! a) I • O que diferencia uma solu¸ao dilu´ de uma concentrada? b) II c˜ ıda c) IV • O nome que se d´ ao sistema coloidal de um disperso d) II e V a s´lido num dispersante l´ o ıquido, de modo que o sistema e) II, III e V n˜o tome uma forma definida? a 6. (UEPG-PR) Assinale a alternativa que n˜o caracteriza a solu¸ao coloidal. c˜ Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca a) Aerossol – nuvens b) Aerossol – fuma¸a de cigarro c c) Espuma – espuma de sab˜o a 1. Qual das tr´ ıades abaixo ´ constitu´ por trˆs col´ides? e ıda e o d) Emuls˜o – maionese a a) leite, fuma¸a, neblina c e) Suspens˜o – ´gua barrenta a a b) leite, fuma¸a, ´leo-diesel c o c) fuma¸a, neblina, gasolina c 7. (Ucsal-BA) Qual das misturas abaixo exemplifica uma disd) gelatina , neblina, cloreto de s´dio o pers˜o coloidal? a e) borracha, cola, a¸ucar c´ a) Soro fisiol´gico o ´ 2. (UFRS) A uma solu¸ao de cloreto de s´dio foi adicionado b) Acido muri´tico c˜ o a um cristal desse sal e verificou-se que este n˜o se dissolveu, pro- c) Leite pasteurizado a ´ vocando ainda, um aumento de volume do precipitado. Pode- d) Agua sanit´ria a ´ se inferir que a solu¸ao original era: c˜ e) Alcool hidratado

166

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o HCl a ´cido

— +

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br CaOHOH base −→ Ca(OH)Cl hidroxissal + H2O ´gua a

Qu´ ımica B
Fun¸˜es Qu´ co ımicas
Sais

Aula 10

´ Presen¸a de Agua no Cristal c – sal hidratado: sal que apresenta mol´culas de ´gua e a intercaladas em seu ret´ ıculo cristalino; as mol´culas e de ´gua constituem a chamada ´gua de cristaliza¸ao a a c˜ ou ´gua de hidrata¸ao. Exemplos: CaCl2 · 2H2 O, a c˜ CuSO4 · 5H2 O, M gSO4 · 7H2 O;

Sal ´ toda substˆncia iˆnica que resulta da rea¸ao (rea¸ao de e a o c˜ c˜ neutraliza¸ao) de um ´cido com uma base. c˜ a

– sal anidro: n˜o apresenta ´gua de cristaliza¸ao. a a c˜ Exemplos: N aCl, M gSO4 , N aKCO3 , BaClBr.

Exemplo
HCl a ´cido + NaOH base −→ N aCl sal + H2O a ´gua

Nomenclatura dos Sais
+y Os sais podem ser representados pela f´rmula geral Bx A−x , o y sendo B um c´tion diferente de H + e A um ˆnion diferente a a de OH − . O ´ ındice de c´tion ´ dado pela carga do ˆnion, o a e a ´ ındice do ˆnion ´ dado pela carga do c´tion, de tal forma que a e a o conjunto ´ eletricamente neutro. e Assim, para obtermos o nome de um sal a partir de sua f´rmula, basta escrevermos o nome do ˆnion seguido da preo a posi¸ao “de”e do nome c´tion. c˜ a

Classifica¸˜o dos Sais ca
Classificam-se os sais segundo os seguintes crit´rios: e Presen¸a de Oxigˆnio c e • sal oxigenado (oxissal): o oxigˆnio participa da estrutura. e ¯ Exemplos: KN O3 , N a2 SO4 ;

Exemplo • sal n˜o-oxigenado: o oxigˆnio n˜o participa da estrutura. a e a ¯ Por exemplo: N aCl e N H4 Br. Zn(N O2)2 – nitrito de zinco onde: Zn+2 ´ o c´tion zinco e a N´ mero de Elementos Constituintes u −2 N O2 ´ o ˆnion nitrito. e a • sal bin´rio: sal constitu´ por dois elementos. Exem- Como ocorre com as bases, se um elemento formar c´tions com a ıdo a plos: KCl, N a2 S; cargas diferentes, usamos algarismos romanos para diferencialos ou, ainda, as termina¸oes “oso”para o de menor carga e c˜ • sal tern´rio: sal constitu´ por trˆs elementos. Exema ıdo e “ico”para o de maior carga. plos: N aN O3 , K2 CO3 ; • sal quatern´rio: sal constitu´ por quatro elementos. a ıdo Exemplo Exemplos: N H4 ClO3 , N aOCN . Por exemplo, o n´ ıquel (N i) forma os c´tions N i+2 , que recebe o a ´ nome de c´tion niqueloso ou n´ a ıquel II; e N i+3 , c´tion niqu´lico a e Natureza dos Ions ou n´ ıquel III. • sal normal: n˜o apresenta hidrogˆnio ioniz´vel, nem ´ a e a ıons Assim: ´ OH − . E obtido por rea¸oes de neutraliza¸ao totais, ou c˜ c˜ −2 N i+2 (c´tion niqueloso ou n´ a ıquel II) com CO3 (ˆnion carboa seja, em que a quantidade de ´ ıons H + do ´cido ´ igual a a e nato) forma o sal N iCO3 chamado de carbonato de n´ ıquel II − quantidade de ´ ıons OH da base. ou de carbonato niqueloso. −2 Exemplo N i+3 (c´tion niqu´lico ou n´ a e ıquel III) com SO3 (ˆnion sula HCl + NaOH −→ N aCl + H2O fito) forma o sal N i2 (SO3 ) chamado de sulfito de n´ ıquel III ou a ´cido base sal normal a ´gua sulfito niqu´lico. e • hidrogenosal: sal que apresenta hidrogˆnio ioniz´vel. e a ´ Forma-se quando s´ alguns dos hidrogˆnios ioniz´veis s˜o Oxidos o e a a neutralizados pela base, ocorrendo uma rea¸ao de neutrac˜ ´ Oxidos s˜o compostos formados por dois elementos (compostos a liza¸ao parcial (no caso dos ´cidos). c˜ a bin´rios), sendo que o mais eletronegativo desses elementos a Exemplo deve ser o oxigˆnio: e H2 SO4 + NaOH −→ N aHSO4 + H2O δ+ δ− δ+ CO2 , N a2 Oδ− , δ+ H2 Oδ− , δ+ SO3 δ− a ´cido base hidrogenosal a ´gua assim, compostos bin´rios formados por fl´ or e oxigˆnio n˜o a u e a a o u e • hidroxissal: sal que apresenta ´ ıons OH − . Forma-se por s˜o considerados ´xidos, pois o fl´ or ´ mais eletronegativo que ¯ e rea¸ao de neutraliza¸ao parcial da base, na qual nem todos o oxigˆnio: c˜ c˜ δ− os OH − s˜o neutralizados pelo ´cido. a a F — δ+ O — F δ− = OF2 δ− Exemplo F — δ+ O — δ+ O — F δ− = O2 F2

Qu´ ımica B – Aula 10 ´ Nomenclatura dos Oxidos Nomeamos os ´tomos de acordo com os grupos de divis˜o: a a ´ Oxidos Moleculares O ´xido liga-se a um n˜o metal ou hidrogˆnio: escrevemos a o a e palavra ´xido seguida da preposi¸ao “de”e do nome do eleo c˜ mento associado ao oxigˆnio. Antes da palavra ´xido e do e o nome do elemento, colocamos os prefixos mono, di , tri, tetra, penta, etc. para indicar a quantidade de ´tomos de oxigˆnio e a e do elemento existentes na f´rmula. o Exemplos CO2 : di´xido de carbono o N2 O5 : pent´xido de dinitrogˆnio o e Cl2 O7 : hept´xido de dicloro o CO: mon´xido de carbono ou ´xido de carbono o o ´ Oxidos Iˆnicos o O ´xido liga-se a um metal: o Exemplos N a2 O: ´xido de s´dio o o CaO: oxido de c´lcio ´ a F eO: oxido de ferro II ´ ´ Classifica¸˜o dos Oxidos ca ´ Oxidos B´sicos a Reagem com ´gua, formando uma base, e reagem com ´cidos, a a formando sal e ´gua. Para formar uma base, ´ necess´rio um a e a c´tion, portanto esses ´xidos s˜o todos iˆnicos. a o a o Exemplos K2 O + H2 O =⇒ 2KOH K2 O + 2HCl =⇒ 2KCl + H2 O ´ ´ Oxidos Acidos Classifica¸˜o ca

167

Dependendo do elemento ligado ao hidrogˆnio, o hidreto pode e ser: Iˆnico o S˜o os hidretos de metais mais eletropositivos, ou seja, alcaa linos e alcalinos terrosos. S˜o tamb´m chamados de hidretos a e salinos. Apresentam car´ter b´sico, pois reagem com a ´gua, produa a a zindo base e despresndendo o hidrogˆnio. e Exemplo ր N aH + HOH =⇒ N aOH + H2 Molecular Hidretos de n˜o-metais e semi-metais. a Exemplos H2 S: sulfidreto HF : fluoridreto N H3 : amˆnia o Os hidretos moleculares dos elementos das fam´ ılias 6A (16) e 7 A(17) s˜o ´cidos em solu¸ao aquosa, isto ´, sofrem ioniza¸ao. a a c˜ e c˜ Exemplo HF + H2 O =⇒ H3 O+ + F −

Vocˆ Sabia? e

Os galinhos do tempo s˜o feitos de pl´stico, revestidos com um a a sal de cobalto. O cloreto de cobalto anidro (CoCl2 ) ´ azul e o e cloreto de cobalto di-hidratado (CoCl2 · 2H2 O) ´ cor-de-rosa. e Em dias chuvosos, quando a umidade relativa do ar ´ maior, e o sal, naturalmente, absorve mol´culas de ´gua da atmosfera, e a S˜o os ´xidos que reagem com ´gua, formando ´cido, e rea- deixando o galinho rosa. Quando a umidade relativa do ar a o a a e a gem com base, formando sal e ´gua; estes ´xidos s˜o todos diminui, o sal perde gradativamente as mol´culas de ´gua e a o a volta a ser azul. moleculares.

O cloreto de s´dio ´ encontrado na natureza, em jazidas na o e crosta terrestre, constituindo o salgema, e nas ´guas do mar, a de onde ser retira a maior parte desse composto. A ´gua do mar ´ canalizada para reservat´rios de pouca proa e o fundidade e grande superf´ ıcie, denominados salinas. Os reservat´rios s˜o dispostos de tal forma que a ´gua passa sucessio a a Hidretos vamente por todos e, pela a¸ao do sol e do vento, ´ evaporada, c˜ e deixando depositados os sais menos sol´ veis, como o carbou S˜o os compostos bin´rios do hidrogˆnio de f´rmula geral a a e o nato de c´lcio, o sulfato de c´lcio e o sulfato de magn´sio. O a a e Ex Hy se o H for o elemento mais eletronegativo, ou Hy Ex cloreto de s´dio deposita-se junto com o cloreto de magn´sio, o e se o H for o elemento menos eletronegativo. que absorve vapor de ´gua do meio ambiente e se solubiliza, a restando cloreto de s´dio com alto grau de pureza. No Brasil, o o sal de cozinha, conhecido como sal iodado, cont´m iodeto e Nomenclatura de s´dio ou pot´ssio para evitar o b´cio (hipertire´ide). Al´m o a o o e Usa-se a palavra Hidreto seguida do nome do elemento ligante. disso, cont´m pequenas quantidades de outros sais que podem e Exemplos se hidratar, como o cloreto de magn´sio (M gCl2 ). Nos dias e em que a umidade relativa do ar ´ maior, ele se transforma em e HCl: hidreto de cloro ou cloridreto cloreto de magn´sio hidratado, que deixa o sal com aspecto e HBr: hidreto de bromo ou bromidreto molhado, aglutinando as part´ ıculas e entupindo o saleiro. CaH2 : hidreto de c´lcio a N H3 : amˆnia o A solu¸ao contendo 0,92% de cloreto de s´dio ´ conhecida como c˜ o e P H3 : fosfina soro fisiol´gico e ´ usada no combate ` desidrata¸ao. o e a c˜

Exemplos SO3 + H2 O =⇒ H2 SO4 SO3 + 2N aOH =⇒ N a2 SO4 + H2 O Podemos considerar os ´xidos ´cidos como ´cidos que perdeo a a ram ´gua; por isso eles s˜o tamb´m chamados de anidridos a a e (sem ´gua): a Exemplo H2 SO4 − H2 O = SO3

Para Aprender Mais!

168

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pense um Pouco!
• A acidez estomacal, provocada pelo ´cido clor´ a ıdrico, pode ser neutralizada utilizando-se uma solu¸ao de que tipo? c˜

Propriedades Coligativas

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Sabemos que a ´gua pura congela-se a 0 ◦ C e ferve a 100 ◦ C, a sob press˜o normal de 1 atmosfera. No entanto, dissolvendo a um pouco de sal comum em ´gua, ela passar´ a congelar-se a a 1. (OSEC-SP) Qual das alternativas abaixo cont´m a f´rmula e o abaixo de 0 ◦ C e a ferver acima de 100 ◦ C, sob press˜o de a do nitrito de s´dio e do ´cido brˆmico? o a o 1 atmosfera. Esses fenˆmenos s˜o denominados Efeitos ou o a a) N aN O3 e HBr Propriedades Coligativas. b) N aN O3 e HBrO Propriedades Coligativas das solu¸oes s˜o propriedades c˜ a c) N aN O2 e HBrO4 que dependem apenas do n´ mero de part´ u ıculas dispersas na d) N aN O2 e HBrO3 solu¸ao, independentemente da natureza dessas part´ c˜ ıculas. e) N aN O e HBrO
2 2

2. (UFMG) Seguem v´rias f´rmulas qu´ a o ımicas com seus nomes. Qual a alternativa errada? a) KN O3 – nitrato de pot´ssio a b) Ca(P O4)3 – fosfato de c´lcio a c) Al2 (SO4 )3 – sulfato de alum´ ınio d) M g(ClO4 ) – perclorato de magn´sio e e) n. d. a. 3. (FEMPAR) Qual a substˆncia que apresenta oxigˆnio em a e sua composi¸ao? c˜ a) ´cido clor´ a ıdrico b) ´cido sulf´ a ıdrico c) cloreto de f´sforo o d) fluoreto de zinco e) nitrato de prata

Tanometria
´ E o estudo de abaixamento da press˜o m´xima de vaa a por de um l´ ıquido, que ´ ocasionado pela dissolu¸˜o e ca de um soluto n˜o-vol´til. a a Quando um l´ ıquido ´ colocado num recipiente hermeticamente e fechado, onde havia v´cuo, ele vai evaporando at´ chegar a a e uma situa¸ao na qual a velocidade de evapora¸ao torna-se igual c˜ c˜ a velocidade de condensa¸ao. c˜ A partir desse instante tudo se passa como se a evapora¸ao c˜ tivesse parado. Nessa situa¸ao dizemos que os vapores s˜o c˜ a vapores saturados ou saturantes e dizemos tamb´m que foi e atingida a tens˜o ou press˜o m´xima dos vapores. Evidentea a a mente essa press˜o m´xima ser´ maior ou menor, dependendo a a a da natureza do l´ ıquido e da temperatura em que foi feita a experiˆncia. Pois bem, se no l´ e ıquido anterior for dissolvido um soluto n˜o-vol´til observa-se que a press˜o m´xima de vapores a a a a do l´ ıquido diminui. Definimos ent˜o: a p0 : press˜o m´xima de vapor do l´ a a ıquido puro, ` temperatura a T; p: press˜o m´xima de vapor da solu¸ao, na mesma temperaa a c˜ tura T; p − p0 = ∆p: abaixamento absoluto da press˜o m´xima de a a vapor da solu¸ao; c˜ p0 −p a a p0 : abaixamento relativo da press˜o m´xima da vapor da solu¸ao; c˜ O abaixamento relativo da press˜o m´xima de vapor de uma a a solu¸ao pode ser calculado pela Lei de Raoult: c˜ Numa solu¸˜o bastante dilu´ ca ıda de um soluto qualquer, n˜o-vol´til e n˜o-iˆnico, o abaixamento relativo a a a o da press˜o m´xima de vapor ´ diretamente proporcia a e onal ` molalidade da solu¸˜o. a ca p0 − p 1.000m1 = Kt W = Kt p0 m2 M 1 A constante Kt , que aparece nas f´rmulas acima, chama-se o constante tonosc´pica (ou tonom´trica) molal do solo e vente e pode ser calculada pela equa¸ao: c˜ M2 1.000 onde, M2 representa a mol´cula-grama do solvente. e Kt =

Exerc´ ıcios Complementares
4. Todas as alternativas apresentam um ´xido b´sico, exceto: o a a) N a2 O b) CaO c) BaO d) F e3 O4 e) SrO 5. (UEM-PR) A cal viva, a soda c´ustica, o vinagre, o leite a de magn´sia e o bicarbonato de s´dio s˜o produtos comerciais e o a usados em nosso cotidiano. Quimicamente, podemos classificalos, respectivamente, como: a) ´xido, base, ´cido, base, sal o a b) ´xido, sal, base, ´xido, sal o o c) base, sal, ´cido, ´xido, sal a o d) ´xido, base, ´cido, ´xido, ´cido o a o a e) sal, base, ´cido, base, sal a 6. (Acafe-SC) O ´xido de magn´sio ´ muito usado como antio e e a ´cido, neutralizando o excesso de HCl no estˆmago. Com base o apenas neste fato, podemos classific´-lo como ´xido: a o a) ´cido a b) b´sico a c) neutro d) salino e) n. d. a.

Ebuliometria

Qu´ ımica B

Aula 11

´ E o estudo da eleva¸˜o da temperatura de ebuli¸˜o de ca ca

Qu´ ımica B – Aula 11 um l´ ıquido, ocasionado pela dissolu¸˜o de um soluto ca n˜o-vol´til. a a A ´gua ferve a 100◦ C, sob press˜o de 1 atmosfera. Se disa a solvermos, por exemplo, um pouco de sal comum na ´gua, ela a demorar´ mais para ferver (ou melhor, s´ ir´ ferver em tema o a peratura mais alta), como se o sal estivesse dificultando sua evapora¸ao e sua ebuli¸ao. Esse fenˆmeno ´ chamado ebulic˜ c˜ o e osc´pico ou ebuliom´trico. o e Eleva¸ao da temperatura de ebuli¸ao da solu¸ao (∆Te ) ´ a c˜ c˜ c˜ e diferen¸a entre a temperatura inicial de ebuli¸ao da solu¸ao c c˜ c˜ (T ) e a temperatura de ebuli¸ao do l´ c˜ ıquido puro (T0 ), sob mesma press˜o externa. a ∆Te = T − T0

169 Definimos o baixamento da temperatura de congelamento da solu¸ao como c˜ ∆Tc = T0 − T , que ´ chamado de efeito criosc´pico ou criom´trico. e o e Lei de Raoult Numa solu¸ao dilu´ de um soluto qualquer, n˜o-iˆnico, o c˜ ıda a o abaixamento da temperatura de congela¸ao ´ diretamente proc˜ e porcional ` molalidade da solu¸ao: a c˜ ∆Tc = Kc W = Kc 1.000m1 m2 M 1

e o onde ∆Te ´ o chamado efeito ebuliosc´pico ou ebuliom´trico. onde a constante Kc ´ denominada constante criosc´pica e o e molal do solvente pode ser calculada pela rela¸ao: c˜ Note que devemos dizer temperatura inicial de ebuli¸ao da c˜ solu¸ao porque ` medida que a solu¸ao ferve o solvente vai c˜ a c˜ RT 2 evaporando, a concentra¸ao da solu¸ao vai aumentando a sua c˜ c˜ Kc = 1.000LF temperatura de ebuli¸ao (T ) tamb´m ir´ aumentar. Essa prec˜ e a ocupa¸ao n˜o existe em rela¸ao ao l´ c˜ a c˜ ıquido puro, pois durante onde: T ´ a temperatura absoluta de congelamento do solvente e toda a ebuli¸ao sua temperatura (T0 ) se mant´m constante. c˜ e puro (em K) LF ´ o calor latente de fus˜o do solvente puro (em cal/g). e a Lei de Raoult Numa solu¸˜o dilu´ ca ıda de um soluto qualquer, n˜oa vol´til e n˜o-iˆnico, a eleva¸˜o da temperatura de a a o ca ebuli¸˜o ´ diretamente proporcional ` molalidade da ca e a solu¸˜o. ca 1.000m1 ∆Te = Ke W = Ke m2 M 1 A constante Ke , que aparece nas f´rmulas anteriores, ´ denoo e minada constante ebuliosc´pica (ou ebuliom´trica) moo e lal do solvente e pode ser calculada pela rela¸ao: c˜ Ke = RT 2 1.000LV

Osmoscopia
Entende-se por difus˜o entre l´ a ıquidos o fenˆmeno da disseo mina¸ao espontˆnea de um l´ c˜ a ıquido em outro e vice-versa, de modo a se obter uma mistura homogˆnea ou sistema moe nof´sico. Este fenˆmeno pode se dar tamb´m atrav´s de mema o e e branas: • perme´veis – s˜o aquelas que permitem a passagem a a tanto do solvente como do soluto; • semi-perme´veis – s˜o aquelas que permitem a passagem a a ¯ tanto do solvente como do soluto; • imperme´veis – s˜o aquelas que n˜o permitem a passaa a a gem de soluto e solvente. Conclus˜es de Van’t Hoff o

onde: R ´ a constante universal dos gases perfeitos = 2 cal/mol · K e T ´ a temperatura absoluta de ebuli¸ao do solvente puro (em e c˜ K) LV ´ o calor latente de vaporiza¸ao do solvente puro (em cal/g) e c˜ Exemplo A temperatura de ebuli¸ao da ´gua ao n´ do mar ´ 100◦ C c˜ a ıvel e ou 373 K e o calor latente de vaporiza¸ao LV = 538 cal/g. c˜ Conseq¨ entemente: u

Van’t Hoff verificou existir uma not´vel analogia entre press˜o a a dos gases e a press˜o osm´tica das solu¸oes dilu´ a o c˜ ıdas. A partir dos estudos de Pfeffer, observou-se incr´ semelhan¸a com a ıvel c lei de Boyle e com a lei de Charles, dos gases. “A press˜o osm´tica de uma solu¸˜o ´ igual ` press˜o a o ca e a a Ke = f rac(2)(373)2 (1.000)(538) = 0, 52 ◦ C que o soluto exerceria no estado gasoso, ocupando o mesmo volume da solu¸˜o, na mesma temperatura.” ca Criometria Equa¸˜o Tipo Gases Perfeitos ca ´ a o E o estudo do abaixamento da temperatura de congelamento Como para os gases perfeitos, ou ideais, a press˜o osm´tica de um l´ ıquido, provocado pela dissolu¸ao de outra substˆncia pode ser escrita como c˜ a nesse l´ ıquido. pV = nRT A ´gua pura congela a 0 ◦ C, sob press˜o normal. Se dissola a vermos, por exemplo, um pouco de sal comum na ´gua, ela a e a o c˜ demorar´ mais para se congelar (ou melhor, s´ ir´ congelar onde, p ´ a press˜o osm´tica, V o volume da solu¸ao, n o a o a n´ mero de moles do soluto, R a constante dos gases perfeitos u em temperatura mais baixa), como se o sal estivesse dificule T a temperatura absoluta da solu¸ao. c˜ tando o seu congelamento. Equa¸˜o da Press˜o Osm´tica ca a o Esse fenˆmeno chamado criosc´pico ou croim´trico, que o o e tem certa analogia com o fenˆmeno ebuliom´trico, descrito no o e n p = RT ´ ıtem anterior. V

170

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

e como n/V ´ a molaridade M da solu¸ao, temos e c˜ p = M RT

para solu¸oes moleculares. c˜ Para se obter a press˜o osm´tica em atm, o valor de R a ser a o utilizado ´ 0, 082 atm · L/mol · K). e 3. (ITA-SP) Uma solu¸ao de N aCl em ´gua ´ aquecida num c˜ a e Para as solu¸oes iˆnicas c˜ o recipiente aberto. Qual das afirma¸oes abaixo ´ falsa em c˜ e rela¸ao a este sistema? c˜ p = M RT i a) A solu¸ao entrar´ em ebuli¸ao quando sua press˜o de vapor c˜ a c˜ a for igual ` press˜o ambiente. a a b) A molaridade da solu¸ao aumentar´ a medida que prossec˜ a Vocˆ Sabia? e guir a ebuli¸ao. c˜ Em condi¸oes normais, a ´gua entra e sai continuamente das c) A temperatura de in´ de ebuli¸ao ´ maior que a da ´gua c˜ a ıcio c˜ e a c´lulas, difundindo-se em dire¸ao ` regi˜o em que h´ me- pura. e c˜ a a a nor n´ mero de mol´culas de ´gua, estabelecendo o equil´ u e a ıbrio d) A temperatura aumenta ` medida que a ebuli¸ao prossea c˜ osm´tico. Se uma c´lula viva, por exemplo uma hem´cia, for gue. o e a colocada em solu¸ao salina, que apresente concentra¸ao supe- e) A composi¸ao do vapor desprendido ´ a mesma da solu¸ao c˜ c˜ c˜ e c˜ rior ` da c´lula, haver´ um fluxo de ´gua, atrav´s da membrana residual. a e a a e plasm´tica, de dentro da c´lula (menor concentra¸ao) para fora a e c˜ e da c´lula (maior concentra¸ao), provocando a sua contra¸ao. 4. (UFSC) Ao colocar-se uma c´lula vegetal normal, numa e c˜ c˜ c˜ a c a Ao contr´rio se o meio for hipotˆnico, a c´lula ficar´ intumes- solu¸ao salina concentrada, observar-se-´ que ela come¸ar´ a a o e a o e cida. Isso faz com que a administra¸ao de soro deva ser feita “enrugar” e a “murchar”. Sobre esse fenˆmeno, ´ correto afirc˜ com solu¸ao isotˆnica. Nos vegetais existe, al´m da membrana mar: c˜ o e e o plasm´tica, outra membrana (celul´sica) que limita a entrada 01. A c´lula vegetal encontra-se num meio hipotˆnico em a o rela¸ao ` sua pr´pria concentra¸ao salina. c˜ a o c˜ de ´gua, evitando que as c´lulas se rompam. a e 02. H´ uma diferen¸a de press˜o, dita osm´tica, entre a solu¸ao a c a o c˜ salina do meio. Para Aprender Mais! 04. H´ um fluxo de solvente do interior da c´lula para a solu¸ao a e c˜ salina do meio. A dessaliniza¸ao ´ um processo para obten¸ao de ´gua pot´vel, c˜ e c˜ a a c˜ c˜ a partir da ´gua do mar, em locais onde as fontes de ´gua doce 08. Quanto maior for a concentra¸ao da solu¸ao salina externa, a a menor ser´ o fluxo de solvente da c´lula para o meio. a e s˜o insuficientes, como algumas regi˜es do Oriente M´dio. A a o e e remo¸ao do sal ´ feita por osmose reversa, ou seja, o solvente 26. O fluxo de solvente ocorre atrav´s de membranas semic˜ e perme´veis. a (´gua) far´ o caminho inverso ao natural, pela aplica¸ao de a a c˜

2. Qual a temperatura de congelamento de uma solu¸ao conc˜ tendo 8, 9 g de antraceno (C14 H10 ) em 256 g de benzeno? Dados: Tc = 5, 42 ◦ C para o benzeno puro, constante criom´trica e molal do benzeno = 5,12 ◦ C, massas atˆmicas: H = 1 e C = o 12.

uma press˜o superior ` press˜o osm´tica. Uma das dificulda- 5. (UDESC) Folhas de alface em contato com a ´gua permaa a a o a des desse processo ´ a obten¸ao de membranas semiperme´veis necem frescas. Quando imersas em vinagre com sal (tempero e c˜ a que resistam a altas press˜es. o de saladas) elas ficam murchas ap´s algum tempo, devido: o a) somente ` passagem dos ´ a ıons cloreto atrav´s da membrana e das c´lulas do alface. e Brincadeira de Crian¸a c b) ` osmose inversa, passagem da ´gua da solu¸ao de vinagre a a c˜ Ao jogar sal de cozinha em uma lesma. O sal de cozinha ab- e sal para dentro das c´lulas do alface. e sorve toda a ´gua da lesma e o animal morre ocorrendo uma c) ` dissocia¸ao do sal no interior das c´lulas do alface. a a c˜ e osmose vis´ ıvel (a passagem de um solvente por uma mem- d) ` osmose, passagem da ´gua do interior das c´lulas do ala a e brana semi-imperme´vel). Vocˆ deve j´ deve ter feito essa face para a solu¸ao de vinagre e sal. a e a c˜ experiˆncia peralta quando crian¸a! e c e) somente ` passagem dos ´ a ıons s´dio atrav´s da membrana o e das c´lulas do alface. e

Pense um Pouco!

• A press˜o m´xima de vapor de ´gua pura, a 20 ◦ C, a a a ´ 17, 54 mmHg. Dissolvendo-se 36 gramas de glicose e ◦ a (massa molecular=180) em 500 gramas de ´gua, quais 6. (Puccamp-SP) Num local em que a ´gua congela a 0 C e a ◦ uma solu¸ao aquosa de glicose ir´: c˜ a ser˜o os abaixamentos absoluto e relativo da press˜o ferve a 100 C, ◦ a a a) congelar a 0 C e ferver a 100 ◦ C. m´xima de vapor da solu¸ao? a c˜ b) congelar abaixo de 0 ◦ C e iniciar a ebuli¸ao abaixo de 100 c˜ ◦ C. c) congelar acima de 0 ◦ C e iniciar a ebuli¸ao abaixo de 100 c˜ Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca ◦ C. d) congelar abaixo de 0 ◦ C e iniciar a ebuli¸ao acima de 100 c˜ 1. Dez gramas de uma substˆncia de massa molecular 266 ◦ C. a foram dissolvidos em 500 gramas de tetracloreto de carbono. e) congelar acima de 0 ◦ C e iniciar a ebuli¸ao acima de 100 c˜ Qual a temperatura de ebuli¸ao da solu¸ao, sob press˜o nor- ◦ C. c˜ c˜ a mal? Dados: Te = 77 ◦ C (sob press˜o normal); LV = a 46 cal/g. 7. (Acafe-SC) Usando um costume popular, um jovem cobriu

Exerc´ ıcios Complementares

Qu´ ımica B – Aula 12

171

uma ferida com p´ de caf´, para acelerar sua cicatriza¸ao. O Montagem Experimental o e c˜ efeito coligativo, envolvido na retirada de l´ ıquido que favoreceu Para melhor entendimento do sistema (pilha de Daniel) ´ e a cicatriza¸ao, ´: c˜ e poss´ mont´-la experimentalmente: ıvel a a) tanom´trico e b) criom´trico e c) ebuliom´trico e d) isom´trico e e) osm´tico o 8. (UDESC) A press˜o osm´tica do sangue na temperatura a o do corpo, 37 ◦ C, ´ de 7,626 atm. Considerando os solutos no e (a) (b) (c) sangue como n˜o-eletr´litos, a sua molaridade total ser´ de: a o a a) 0,50 mol/L Lista de Materiais b) 0,30 mol/L c) 1,00 mol/L • Recipiente grande transparente (para mergulhar as chad) 0,10 mol/L pas) com uma placa de porcelana porosa para separar as e) 0,80 mol/L meias c´lulas e sua respectivas solu¸oes; e c˜

Qu´ ımica B
Eletroqu´ ımica

Aula 12

• Circuito externo (Fio e cobre); • Chapa fina de cobre met´lico; a • Chapa fina de zinco met´lico; a • Solu¸ao aquosa de sulfato de zinco (ZnSO4) c˜ • Solu¸ao aquosa de sulfato c´ prico (CuSO4) c˜ u

• Lˆmpada pequena a Eletroqu´ ımica ´ o estuda da rela¸ao de oxi-redu¸ao que proe c˜ c˜ duzem ou s˜o produzidas pela corrente el´trica. a e As pilhas el´tricas funcionam com base em rea¸oes qu´ e c˜ ımicas Procedimento Experimental (oxi-redu¸ao) espontˆneas que produzem corrente el´trica. 1. Em um dos compartimentos coloca-se uma chapa de zinco c˜ a e mergulhada em solu¸ao aquosa de sulfato de zinco, no outro c˜ Transforma¸ao de energia qu´ c˜ ımica em energia el´trica. e coloca-se uma chapa de zinco mergulhada em solu¸ao aquosa c˜ de sulfato de cobre. Potencial de Oxida¸˜o ca 2. Liga-se as placas met´licas ao fio condutor e ` lˆmpada ou a a a motor; Cada metal tem uma capacidade diferente de doar el´trons. A e a c˜ ımicas medida dessa capacidade ´ chamada de potencial de oxida¸˜o. An´lise das Rea¸oes Qu´ e ca Com a chapa de zinco, ocorre a seguinte semi-rea¸ao de c˜ O valor num´rico do potencial de oxida¸ao ´ medido pela vole c˜ e oxida¸ao; c˜ tagem da pilha do metal com o g´s hidrogˆnio. a e A voltagem da pilha de Zn e g´s hidrogˆnio fornece o potencial a e Zn =⇒ Zn+2 + 2e− semi-rea¸ao de oxida¸ao c˜ c˜ de oxida¸ao do zinco. c˜ Lembre-se! desse modo a chapa de zinco ”solta”el´trons para o circuito e externo (fio), a chapa de zinco ´ chamada de eletrodo negativo e ou ˆnodo. a • oxida¸˜o: ´ a perda de el´trons por um elemento Com a chapa de cobre, ocorre a seguinte semi-rea¸ao de ca e e c˜ qu´ ımico, ou seja, aumento do NOX; redu¸ao, c˜ • redu¸˜o: ´ o ganho de el´trons por um elemento qu´ ca e e ımico, ou seja, diminui¸ao do NOX; c˜ Cu+2 + 2e− =⇒ Cu semi-rea¸ao de redu¸ao c˜ c˜

desse modo o ´ Cu+2 captura os el´trons do circuito exıon e • agente oxidante: ´ o elemento ou substˆncia que proe a terno (fio), a chapa de cobre ´ chamada de eletrodo positivo e voca oxida¸oes (ele pr´prio se reduzindo); c˜ o ou c´todo. a • agente redutor: ´ o elemento ou substˆncia que provoca A soma das duas equa¸oes anteriores, fornece a equa¸ao geral e a c˜ c˜ redu¸oes (ele pr´prio se oxidando). c˜ o da pilha de Daniell:

Pilha de Daniell
Se baseia na seguinte rea¸ao de oxi-redu¸ao: c˜ c˜

Zn + Cu+2 =⇒ Zn+2 + Cu

A porcelana porosa deve impedir a mistura das solu¸oes, mas c˜ deve permitir a passagem dos ´ ıons que est˜o sendo atra´ a ıdos ou repelidos pelas for¸as el´tricas. c e Zn + CuSO4 −→ ZnSO4 + Cu Ap´s um certo tempo de funcionamento da pilha, a chapa de o a ıda, a Os el´trons que passam do Zn para o Cu+2 , que produzem a zinco estar´ corro´ a chapa de cobre aumentou devido ` dee posi¸ao de cobre e as concentra¸oes das solu¸oes se alteram. c˜ c˜ c˜ corrente el´trica. e

172

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Tudo isso ´ conseq¨ˆncia da pr´pria rea¸ao geral de funciona- Nota e ue o c˜ mento da pilha: As rea¸oes das baterias (acumulador de chumbo) e N´ c˜ ıquelZn + CuSO4 =⇒ ZnSO4 + Cu c´dmio. a E a pilha de Leclanch´ (seca) com eletrodo central de grafite, e onde: pilhas alcalinas e as pilhas de merc´ rio ser˜o apresentadas e u a – o zinco vai sendo gasto (corro´ ıdo); analisadas com suas respectivas equa¸oes no quadro negro. c˜ – a concentra¸ao da solu¸ao de CuSO4 vai diminuindo; c˜ c˜ A vantagem das pilhas ´ que elas podem ser recarregadas muie tas vezes, sendo utilizadas em telefones, calculadoras, brinque– o sulfato de cobre formado pela rea¸ao aumentou a concen- dos, etc. c˜ tra¸ao da solu¸ao de sulfato de cobre. c˜ c˜ As pilhas alcalinas s˜o usadas em rel´gios de pulso e aparelhos a o – o cobre depositou-se sobre a chapa de Cu, aumentando sua de surdez, por serem muito pequenas. Elas n˜o s˜o recara a massa. reg´veis, mais apresentam grande durabilidade. a Convencionou-se representar a pilha da seguinte maneira: Zn, Zn+2 (1M )|Cu+2 (1M ), Cu(25◦ C) onde est˜o indicados os eletrodos, as molaridades das solu¸oes a c˜ e a temperatura de funcionamento da pilha. Conclus˜o a Podemos dizer, que a pilha ou c´lula eletrol´ e ıtica ´ um disposie tivo que transforma energia qu´ ımica em energia el´trica. Isso e ´ conseguindo, por meio de uma rea¸ao de oxi-redu¸ao, com o e c˜ c˜ oxidante e o redutor separados com compartimentos diferentes, de modo que o redutor seja obrigado a entregar os el´trons e ao oxidante atrav´s de um circuito externo (fio). e Montagem #2 Outra montagem muito comum de uma pilha ´ a seguinte: e Num copo de vidro ou (b´quer) ´ colocada uma chapa de zinco e e mergulhada em uma solu¸ao de sulfato de zinco; em outro c˜ colocamos a chapa de cobre mergulhada em uma solu¸ao de c˜ sulfato c´ prico. As duas chapas est˜o ligadas pelo fio condutor u a externo e as duas solu¸oes s˜o ligadas pela ponte de salina, que c˜ a ´ um tubo simples de vidro recurvado, como vemos na figura, e totalmente cheio com solu¸ao de um sal (eletr´lito) e tendo c˜ o nas duas extremidades um pouco de algod˜o para impedir o a escoamento da solu¸ao salina. c˜ C´lculo da Diferen¸a de Potencial (ddp) a c ∆E ◦ = E ◦ oxid + E ◦ red for¸a eletromotriz (V) c Assim para a pilha de Daniel temos : Eletrodo de Zn◦ /Zn+2 : E ◦ oxid = +0, 76 V Eletrodo de Cu+2 /Cu◦ : E ◦ red = +0, 34 V ∆E ◦ = 0, 76 V + 0, 34 V = 1, 10 V

Eletr´lise o
´ E o fenˆmeno inverso `quele que ocorre numa pilha, isto ´, a o a e corrente el´trica provocando uma rea¸ao de oxi-redu¸ao – um e c˜ c˜ processo qu´ ımico n˜o-espontˆneo. a a No p´lo positivo ocorre oxida¸ao e no p´lo negativo, redu¸ao. o c˜ o c˜ Logo, o p´lo positivo ´ o ˆnodo e o negativo ´ o c´todo. o e a e a Eletr´lise ´ o Ignea ´ E a eletr´lise de um eletr´lito no estado fundido. Nela, o o o s´lido iˆnico deve ser liquefeito por aquecimento (fus˜o), pois o o a assim os ´ ıons tem livre movimento, podendo se deslocar at´ os e eletrodos e a´ descarregarem (ganhar ou perder el´trons). ı e Eletr´lise por via Aquosa com Eletrodos Inertes o Em uma solu¸ao aquosa, al´m dos ´ c˜ e ıons resultantes da dissocia¸ao iˆnica do eletr´lito, h´ tamb´m c´tions H + e ˆnions c˜ o o a e a a OH − provenientes da auto- ioniza¸ao da ´gua. c˜ a Dessa forma podemos ter em solu¸ao c´tions C + e H + e ˆnions c˜ a a A− e OH − , de modo que h´ uma disputa para a descarga nos a eletrodos. Entre os c´tions, descarrega primeiro aquele com a maior E◦ red (maior tendˆncia em receber el´trons). Entre e e a ˆnions, descarrega primeiro aquele com menor E◦ red (maior tendˆncia em doar el´trons). e e Estudo Quantitativo da Eletr´lise o As pesquisas feitas pelo cientista inglˆs Michael Faraday (1791e 1867) estabeleceram as bases para se determinar as quantidades das substˆncias formadas e da substˆncia decomposta a a numa eletr´lise. o Assim, as rela¸oes entre a carga que atravessa a solu¸ao e as c˜ c˜ massas dos participantes s˜o: a – a massa da substˆncia formada no eletrodo e a massa da a substˆncia decomposta s˜o diretamente proporcionais ` carga a a a el´trica que atravessa a solu¸ao dada por: e c˜ Q = it sendo Q a carga el´trica (em coulombs) e i a intensidade da corrente (em amp`res) e t o tempo (em segundos).

Aplica¸˜es Pr´ticas das Pilhas co a
Cada pilha ou elemento apresenta uma for¸a eletromotriz de c aproximadamente 1, 5 V . desse modo, uma associa¸ao em s´rie c˜ e de quatro elementos nos d´ uma bateria de 6, 0 V ; uma de seis a elementos nos d´ uma bateria de 9, 0 V , e assim por diante. a Como o chumbo (ˆnodo), o ´xido de chumbo IV impregnado de a o chumbo (c´todo), e o sulfato de chumbo s˜o s´lidos, a for¸a elea a o c tromotriz do acumulador depende exclusivamente da solu¸ao c˜ de ´cido sulf´ rico. Por esse motivo, devemos mater constante a u o volume de ´gua. a A descarga consome o ´cido sulf´ rico, mas durante a recarga, a u feita automaticamente pelo gerador ou alternador no motor do ve´ ıculo, o ´cido sulf´ rico ´ regenerado e o sulfato de chumbo a u e volta ` condi¸ao de chumbo e ´xido de chumbo IV. a c˜ o

Qu´ ımica B – Aula 12

173 senta a primeira vez que a Renault transfere parte de sua pesquisa para fora da Fran¸a. c O carro de hidrogˆnio n˜o polui porque n˜o queima come a a bust´ ıvel. Seu motor ”arranca”energia el´trica do hidrogˆnio e e por meio de rea¸oes qu´ c˜ ımicas limpas. Nesse autom´vel, uma o c´lula (ou pilha) combust´ e ıvel realiza o inverso da eletr´lise, o combinando ´tomos de hidrogˆnio e de oxigˆnio. O processo a e e produz vapor de ´gua e uma corrente el´trica. a e Al´m de limpo, o motor a hidrogˆnio ´ muito mais eficiente e e e que os motores convencionais a explos˜o usados hoje nos aua tom´veis. Enquanto um motor el´trico transforma em enero e gia mecˆnica (movimento) quase 100% da energia que produz, a um motor a explos˜o converte em movimento menos de 30% a da energia gerada pela queima do combust´ ıvel. O restante perde-se sob a forma do calor produzido pelo movimento dos pist˜es. o O Laborat´rio de Hidrogˆnio da Coppe est´ investido numa alo e a ternativa bem diferente, que permitiria armazenar num espa¸o c pequeno grandes quantidades de hidrogˆnio destitu´ do seu e ıdo potencial explosivo. Para isso, os cientistas quebram as mol´culas de hidrogˆnio, separando seus dois ´tomos, que por e e a serem muito pequenos, podem ser ”embutidos”dentro da estrutura do metal de um ”tanque”maci¸o. Parece fic¸ao, mas, no c c˜ laborat´rio da Coope, os cientistas conseguem com ˆxito ”emo e butir”o hidrogˆnio no metal e regata-lo novamente na forma e gasosa.

Vocˆ Sabia? e
A vida vegetal e animal na ´gua depende de seu car´ter oxia a dante ou redutor, o que ´ dado pela equa¸ao: e c˜ O2 + 4H + + 4e− =⇒ 2H2 O cujo E◦ varia aproximadamente de +0, 3 V (para ´gua aerada) a a −0, 6 V (para ´gua com pouco ar). Quanto maior o E◦ mais a oxidante ser´ o meio aquoso. a

Para Aprender Mais!
Eletr´lise Industrial do N aCl o A eletr´lise aquosa do sal produz hidrogˆnio (H2 ), cloro (Cl2 ) o e e soda c´ustica (N aOH). Esse processo envolve o consumo a de grandes quantidades de energia, por isso as ind´ strias u instalam-se preferencialmente em regi˜es onde a fonte de cloo reto de s´dio e a energia el´trica s˜o custo mais baixo. O o e a hidr´xido de s´dio, conhecido como soda c´ustica, ´ o prino o a e cipal produto dessa eletr´lise, ´ a base mais barata e mais o e importante como mat´ria prima, sendo usada na fabrica¸ao de e c˜ sab˜o, detergentes, papel, sais de s´dio, refina¸ao de petr´leo, a o c˜ o purifica¸ao de ´leos vegetais, ind´ stria tˆxtil, entre outros. O c˜ o u e cloro ´ usado como desinfetante por ser um agente bactericida, e no tratamento da ´gua e esgotos, no branqueamento da celua lose, na fabrica¸ao de inseticidas como BHC, na prepara¸ao de c˜ c˜ PVC, na fabrica¸ao de hipocloritos, entre outros. c˜ O Hidrogˆnio ´ extremamente reativo e perigosos de ser mae e nipulado, pois ´ explosivo e inflam´vel. Ele ´ usado na hie a e drogena¸ao de ´leos vegetais (produ¸ao de margarinas), na c˜ o c˜ produ¸ao de amon´ c˜ ıacos (N H3 ), como combust´ ıvel de foguetes, em ma¸aricos ox´ c ıdricos, etc. A rea¸ao entre o hidrogˆnio e cloro produz o cloreto de c˜ e hidrogˆnio (HCl), que dissolvido em ´gua produz ´cido e a a clor´ ıdrico, usado na limpeza de superf´ ıcies met´licas que ser˜o a a galvanizadas. O ´cido muri´tico ´ o ´cido clor´ a a e a ıdrico contendo impurezas, usado na limpeza de ch˜o. a O hipoclorito de s´dio ´ obtido pela passagem de uma corrente o e de g´s cloro pela solu¸ao de hidr´xido de s´dio e ´ usado como a c˜ o o e alvejante e desinfetante. Brasil Pesquisa ` Hidrogˆnio a e Imagine um autom´vel que funciona alimentado por uma fonte o de energia t˜o limpa que o unico res´ a ´ ıduo que produz ´ vae por de ´gua. Parece sonho, mas j´ existem no mundo ala a guns prot´tipos desse ve´ o ıculo. Trata-se do carro movido a hi´ drogˆnio. E um grande problema tecnol´gico que ainda precisa e o ser resolvido para que sua produ¸ao em grande escala possa c˜ ser pensada ´ uma forma segura e economicamente vi´vel de e a armazenar o ”combust´ ıvel”. Isso porque o hidrogˆnio ´ um g´s e e a altamente combust´ e inst´vel. Basta lembrar que o Zeppeıvel a lin incendiou-se com hidrogˆnio gasoso e a Challenger explodiu e a partir de seus tanques de hidrogˆnio l´ e ıquido. A solu¸ao tem grandes chances de nascer no Brasil. Para isso, a c˜ Coordena¸ao de Programas de P´s-Gradua¸ao em Engenharia c˜ o c˜ (Coope) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), est´ desenvolvendo, uma parceria com a Renault, uma das a mais promissoras linhas de pesquisa em curso no mundo: o ”tanque”maci¸o no qual ´tomos de hidrogˆnio s˜o ”embutic a e a dos”dentro da estrutura atˆmica do metal. A parceria repreo

Pense um Pouco!
• De acordo com as rea¸oes do Al e do Co: c˜ Al+3 + 3e− =⇒ Al -1,66 V Co+2 + 2e− =⇒ Co -0,28 V Responda: a) Qual deles se reduz mais facilmente? b) Qual deles se oxida mais facilmente? c) Qual o melhor agente redutor? d) Qual o melhor agente oxidante?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFSM-RS) Um procedimento utilizado para limpar objetos de prata ´ coloc´-los em um recipiente de alum´ e a ınio com a ´gua quente e N aHSO3 . Este processo pode ser expresso pela rea¸ao: c˜ 2Al◦ + 3Ag2 S =⇒ Al2 S3 + 6Ag ◦ Podemos afirmar que a rea¸ao ocorre porque: c˜ a) o Al ´ mais reativo e reduz a prata e b) o Al ´ mais reativo e oxida o msulfeto e c) os metais ` esquerda de H s˜o facilmente reduzidos a a d) a prata ´ um bom agente redutor e e) o sulfeto de prata ´ facilmente oxidado e 2. (UFSC) Com base no diagrama da pilha Zn|Zn+ (1M )||Ag + (1M )|Ag e nos potenciais padr˜es de oxida¸ao, a 25 ◦ C, das semio c˜ rea¸oes: c˜ Zn =⇒ Zn+2 + 2e− E◦ = +0,76V

174

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o Ag =⇒ Ag + + e− E◦ = -0,80V

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

´ correto afirmar que: e 01. Os ´tomos de zinco sofrer˜o oxida¸ao. a a c˜ 02. Os ´tomos de prata perder˜o el´trons. a a e 04. O c´todo da pilha ser´ eletrodo de prata. a a 08. Entre os eletrodos de Zn e Ag existe uma diferen¸a de c potencial padr˜o de 2,36 volts. a 16. A massa do eletrodo de zinco diminui com o tempo. 32. O sentido espontˆneo do processo ser´: 64. n+2 + 2Ag =⇒ a a Zn + 2Ag + 3. (UFRGS) Um jovem, ap´s utilizar uma solu¸ao de sulfato o c˜ de cobre II para proteger sua parreira, armazenou-a em um balde de ferro. Depois de algum tempo observou que o balde estava furado e que havia se formado um dep´sito avermeo lhado. O metal avermelhado pode ser: a) ´xido de cobre II o b) sulfeto de cobre II c) sulfeto de ferro II d) ferro met´lico a e) cobre met´lico a

Exerc´ ıcios Complementares
4. (ULBRA-RS) A rea¸ao de eletr´lise ´ utilizada para: c˜ o e a) obten¸ao da eletricidade nas pilhas c˜ b) fazer destila¸ao do petr´leo c˜ o c) eletrodeposi¸ao de metais, como a croma¸ao c˜ c˜ d) o branqueamento de fibras no fabrico do papel e) fabricar sab˜es a partir de gorduras o 5. (UFRGS) A maioria dos metais alcalinos terrosos foi obtida pela primeira vez por Humphry Davy, no in´ do s´culo XIX, ıcio e por eletr´lise das respectivas bases fundidas. Os metais n˜o o a poderiam ser obtidos a partir de solu¸oes aquosas de suas bases c˜ ou de seus sais porque: a) os metais se oxidariam b) os metais se reduziriam espontaneamente no eletrodo c) a ´gua sofreria oxida¸ao a c˜ d) o n´ mero de oxida¸oes dos metais aumentaria u c˜ e) a redu¸ao da ´gua ocorreria preferencialmente c˜ a

ˆ Qu´ ımica Organica – Aula 1

175

Qu´ ımica Orgˆnica Aula 1 a
Introdu¸˜o ` Qu´ ca a ımica Orgˆnica a
BERZELIUS “Somente os seres vivos podem transformar substˆncias minea rais em orgˆnicas” (Teoria da For¸a Vital) a c ¨ WHOLLER S´ ıntese da ur´ia (composto orgˆnico) a partir do cianato de e a amˆnio (composto inorgˆnico) em laborat´rio. o a o NH2 \ NH4CNO --- C = O / NH2

Hibridiza¸˜o do Carbono ca
1. sp3 (tetra´drica) e • ´ a fus˜o de quatro orbitais (um do tipo s e trˆs do e a e tipo p) formando quatro orbitais do tipo sp3 ; • forma somente liga¸oes simples; c˜ • ´ caracter´ e ıstica dos alcanos; 2. sp2 (trigonal) • ´ a fus˜o de um orbital s com dois orbitais p, fore a mando trˆs orbitais do tipo sp2 ; e • forma duas liga¸oes simples e uma dupla; c˜ • ´ caracter´ e ıstica dos alcenos; 3. sp (linear) • ˆngulo entre as valˆncias: 120◦; a e • ˆngulo entre as valˆncias: 109◦28′ ; a e

• carbono liga-se a outros quatro ´tomos. a

• carbono liga-se a outros trˆs ´tomos. e a • ´ a fus˜o de um orbital s com um p formando dois e a orbitais do tipo sp; • pode formar duas liga¸oes duplas ou uma tripla e c˜ uma simples; • ´ caracter´ e ıstica dos alcinos e alcadienos; • carbono liga-se a outros dois ´tomos. a • ˆngulo entre as valˆncias: 180◦; a e

Caracter´ ısticas do Carbono
Postulados de Kekul´: e ´ 1. E tetracovalente. 2. Os ˆngulos entre as valˆncias s˜o de 109◦ 28′ , adquirindo a e a a forma de um tetraedro regular. 3. Possui a propriedade de encadeamento. 4. Um ´tomo de carbono pode formar uma, duas ou at´ trˆs a e e liga¸oes com um segundo ´tomo, realizando, assim, resc˜ a pectivamente, liga¸oes simples, duplas ou triplas. c˜ Assim, classificamos as liga¸oes do carbono em: c˜ ´ • Sigma (σ): E a primeira liga¸ao entre dois ´tomos. c˜ a Ocorre, neste caso, uma superposi¸ao de orbitais (overc˜ lap). • Pi (π): S˜o as segundas e terceiras liga¸oes entre dois a c˜ a ´tomos. Agora, o que ocorre ´ uma aproxima¸ao entre os e c˜ orbitais.

Resumo
Tipo de ligação Só ligaçoes simples Uma dupla ligação Uma tripla ligação Duas duplas ligações Representação Hibridação C C C C sp 3 sp 2 sp sp Ângulo entre as valências 109 28´ 120 180 180

Liga¸˜es co
Quanto ao n´ mero de ´tomos de C unidos diretamente a ele: u a • carbono prim´rio: liga-se a 1 ´tomo de carbono; a a • carbono secund´rio: liga-se a 2 ´tomos de carbono; a a • carbono terci´rio: liga-se a 3 ´tomos de carbono; a a • carbono quatern´rio: liga-se a 4 ´tomos de carbono; a a

Elementos Organ´genos o
S˜o os elementos que formam os compostos orgˆnicos. Os mais a a freq¨ entes s˜o: C, H, O, N. u a

Cadeias Carbˆnicas e Radicais o
Tomemos, por exemplo, o composto: CH3 CH3 | | CH3 -- CH -- CH -- CH -- C -- CH2 -- CH3 | | | CH2 CH2 CH3 | | CH3 CH3

Satura¸˜o ca

SATURADO ´ aquele que apresenta apenas simples liga¸oes; e c˜ C–C–C–C INSATURADO, aquele que apresenta dupla ou tripla liga¸ao: c˜ C == C – C – C Podemos separ´-lo em duas partes principais: a

176

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Cadeia Principal ´ E a maior seq¨ˆncia de carbonos, ininterrupta, que abrange a ue principal caracter´ ıstica do composto. Radicais Orgˆnicos a S˜o grupamentos de ´tomos contendo carbono, que se unem ` a a a cadeia principal por liga¸oes (valˆncias). O composto acima, c˜ e separado nas duas partes descritas, ficaria: CH3 CH3 CH3 | | | CH2 - CH2 - CH - CH - CH - C - CH2 - CH3 | | CH2 CH3 | CH3 Ou seja, a Cadeia Principal possui 8 carbonos, e um total de 5 radicais, sendo 4 constitu´ ıdos por um carbono e 1 constitu´ ıdo por 2 carbonos.

9. HETEROC´ ICLICA: cadeia c´ ıclica com hetero´tomo. a CH2 --- CH2 | | CH2 - O - CH2 ´ 10. AROMATICA: cadeia c´ ıclica, contendo um anel de benzeno, que apresenta efeito de ressonˆncia. a • MONONUCLEADA: um unico n´ cleo ressonante. ´ u ´ • POLINUCLEADA DE NUCLEOS CONDENSADOS: mais de um n´ cleo fundido. u ´ • POLINUCLEADA DE NUCLEOS ISOLADOS: mais de um n´ cleo separado entre si. u
CH 3

(a)

(b)

(c)

CLASSIFICACAO DAS CADEIAS ¸˜
1. SATURADA: Cadeia cujos carbonos, se unem por simples liga¸ao: c˜ Ex. CH3 – CH2 – CH3 2. INSATURADA: Cadeia cujos carbonos se unem por duplas e/ou triplas liga¸oes: c˜

Figura 2.1: Cadeias arom´ticas mononucleada (a), polinuclea ada com n´cleos condensados (b) e com n´cleos isolados (c) u u

Radicais derivados do Benzeno

Regra adicional: se contiver 2 valˆncias, as mesmas s˜o indicae a das por ORTO (posi¸ao 1 e 2), META (posi¸ao 1 e 3) e PARA c˜ c˜ Ex. CH2 == CH – CH3 (posi¸ao 1 e 4): c˜ ˆ 3. HOMOGENEA: Cadeia cujo n´ cleo s´ ´ constitu´ por Exemplo: u oe ıdo carbonos. Ex. CH3 – CH2 – CH3 ˆ 4. HETEROGENEA: Cadeia que apresenta um hetero´tomo a (N, O, S), ou seja, ´tomo diferente de carbono unido a pelo a menos dois outros carbonos. Ex. CH3 – O – CH2 – CH3 5. NORMAL: Cadeia n˜o ramificada, ou seja, constitu´ a ıda por carbonos prim´rios e secund´rios somente. Ex. CH3 a a – CH2 – CH == CH2 6. RAMIFICADA: cadeia que apresenta ramos ou ramifica¸oes (radicais). c˜ CH3 | CH3 - CH - CH2 7. MISTA: cadeia c´ ıclica ramificada, ou seja, apresentando parte c´ ıclica e parte ac´ ıclica. CH - CH3 | | CH3 - CH - CH2 8. HOMOC´ ICLICA: cadeia cujo n´ cleo s´ apresenta ´tomos u o a de carbono:
ALIFÁTICOS

CH 3
1 2

CH 3 CH 3
1

CH 3
1

3

CH 3

4

CH 3 O−dimetil−benzeno M−dimetil−benzeno P−dimetil−benzeno

Resumo
HIDROCARBONETOS

AROMÁTICOS Alcenos −− ligações duplas

Saturados Alcanos

Insaturados Alcinos −− ligações triplas

Radicais Alquilo

Pense um Pouco!
• Como ´ poss´ ter tantos compostos de carbono? e ıvel • Qu´ ımica orgˆnica pode ser somente definida como a a qu´ ımica extra´ de seres vivos? ıda

ˆ Qu´ ımica Organica – Aula 1

177 5. Um composto c´ ıclico, com 3 carbonos e uma dupla liga¸ao, c˜ ter´ f´rmula molecular. a o a) C3H2 b) C3H3 c) C3H4 d) C3H5 e) C3H6

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (PUC-SP) Na f´rmula: o H3C H \ | CH - C - CH2 - CH - CH3 / | | | H3C H CH3 CH3

6. (CARLOS CHAGAS) O modelo espacial cl´ssico do ´tomo a a de carbono, um tetraedro regular cujo centro ´ ocupado pelo e a ´tomo e cujos v´rtices representam as valˆncias, ´ devido a: e e e as quantidades totais de ´tomo de carbonos prim´rio, se- a) Lavoisier; a a cund´rio e terci´rio s˜o, respectivamente: a a a b) Faraday; a) 5, 1 e 3; c) W¨lher; o b) 2, 3 e 4; d) Guldberg e Waage; c) 3, 3 e 2; e) Kekul´. e d) 2, 4 e 3; e) 5, 2 e 2. 7. (CARLOS CHAGAS) Um composto aberto, com 4 carbonos e uma dupla liga¸ao, sendo constitu´ apenas por carboc˜ ıdo 2. Sabe-se que uma cadeia carbˆnica alif´tica, homogˆnea e nos e hidrogˆnios, ter´ f´rmula molecular: o a e e a o saturada apresenta dois ´tomos de carbono secund´rio, dois a) C4H10 a a a ´tomos de carbono quatern´rio e trˆs ´tomos de carbono b) C4H8 a e a terci´rio. Logo, essa cadeia apresenta: a c) C4H6 a) 12 ´tomos de C; a d) C4H4 b) 14 ´tomos de C; a e) C4H5 c) 16 ´tomos de C; a d) 13 ´tomos de C; a e) 15 ´tomos de C. a 3. Carbono quatern´rio ´ aquele que: a e a) tem, quatro liga¸oes; c˜ b) ´ tetravalente; e c) est´ ligado a quatro elementos quaisquer; a d) est´ ligado a quatro outros ´tomos de carbono; a a e) n.d.a.

Exerc´ ıcios Complementares

8. Qu´ ımica orgˆnica ´ a parte da Qu´ a e ımica que estuda: a) O ´tomo de carbono. a b) Todos os compostos do elemento carbono. c) Os compostos dos elementos organ´genos. o d) Os compostos de todos os elementos qu´ ımicos. 4. O n´ mero de liga¸oes (sigma) e o de liga¸oes (pi) na u c˜ c˜ e) n.d.a. mol´cula do ciclopenteno s˜o, e a 9. Os principais elementos organ´genos, s˜o: o a a) C, H, O, N b) C, H, O, S c) C, H, O, I d) C, H, S, N e) C, H, O, Cl 10. (PUC) Classifique a cadeia H O | || H - C - C | | H H H H O || | // C - C - C | \ CH3 OH

respectivamente: a) 5 e 1; b) 4 e 2; c) 10 e 2; d) 13 e 1; e) 12 e 2.

segundo suas caracter´ ısticas: a) aberta, ramificada, homogˆnea e saturada; e b) aberta, normal, heterogˆnea e insaturada; e c) aberta, ramificada, homogˆnea e insaturada; e d) aberta, normal, homogˆnea e saturada; e e) aberta, ramificada, heterogˆnea e insaturada e 11. (UFCE) A “nicotina´´ pode ser representada pela f´rmula. o

178

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

A informa¸ao do n´ mero de ´tomos de carbono que se enconc˜ u a tram representados na cadeia principal ´ dada pelo prefixo do e nome do composto em estudo.

Tabela de Prefixos

N N CH 3

Os prefixos num´ricos relacionados com o n´ mero de carbonos. e u Carbonos 1 2 3 4 5 6 7 Prefixo MET ET PROP BUT PENT HEX HEPT Estrutura C C-C C-C -C C-C-C-C C-C-C-C-C C-C-C-C-C-C C-C-C-C-C-C-C

Quantos ´tomos de carbono e quantos ´tomos de hidrogˆnio a a e existem em uma mol´cula deste composto? e a) 10 e 13 b) 10 e 14 c) 9 e 12 d) 8 e 14 e) n.d.a. 12. (CARLOS CHAGAS) O naftaleno, cuja estrutura ´: e

Em compostos que apresentem um n´ mero de ´tomos de caru a bono superior a 7, ´ adaptado o prefixo da numera¸ao grega e c˜ correspondente ` mesma, de modo an´logo ao prefixo das caa a deias de 5, 6 e 7 ´tomos ligados, respectivamente. a Alcanos (parafinas): s˜o hidrocarbonetos de cadeia aberta, saa turada e de f´rmula geral: o Cn H2n+2 em que n ´ o n´ mero de ´tomos de carbono. e u a Em condi¸oes ambientais alcanos apresentam os estados f´ c˜ ısicos: gasoso (1 a 4 carbonos), l´ ıquido (5 a 18 carbonos) e s´lido o (mais de 18 carbonos). S˜o obtidos do petr´leo e g´s natural. a o a Alcenos e alcinos apresentam propriedades f´ ısicas semelhantes aos alcanos.

Nomenclatura Orgˆnica a
Nome = PREFIXO + AFIXO + SUFIXO Apresenta cadeia: a) c´ ıclica, ac´ ıclica, insaturada; b) c´ ıclica, arom´tica, mononucleada; a c) ac´ ıclica, insaturada, ramificada; d) c´ ıclica, arom´tica, polinucleada; a e) ac´ ıclica, homogˆnea, insaturada. e • Prefixo: indica o n´ mero de ´tomos de carbono pertenu a centes ` cadeia principal. a Ex. met (1), et (2), prop (3), but (4), etc. • Afixo ou infixo: indica o tipo de liga¸ao entre os carboc˜ nos: Todas simples = an uma dupla = em duas duplas = dien trˆs duplas = trien e uma tripla = in duas triplas = diin

Qu´ ımica Orgˆnica B Aula a 2
Nomenclatura
A nomenclatura atualmente adaptada pela comunidade cient´ ıfica, a IUPAC, os compostos orgˆnicos mais simples e que a constituem a base de todos os outros s˜o os hidrocarbonetos, a constitu´ ıdos por apenas dois elementos carbono e hidrogˆnio. e Estruturalmente, os hidrocarbonetos podem ser divididos em dois grandes grupos: hidrocarbonetos alif´ticos e hidrocarboa netos arom´ticos, caracterizando-se estes ultimos por apresena ´ tarem um ciclo de 6 ´tomos de carbono com caracter´ a ısticas muito espec´ ıficas.

• Sufixo: indica a fun¸ao qu´ c˜ ımica do composto orgˆnico: a

hidrocarboneto = no ´lcool = ol alde´ = al cetona = a ıdo ona ´cido carbox´ a ılico = oico amina = amina ´ter = oxi ´ e ´

Alcanos de Cadeia Normal Junta-se o prefixo + infixo + ano. Exemplo Metano, etano, propano, butano, pentano, hexano, heptano, octano, nonano, decano, undecano, dodecano, etc.

ˆ Qu´ ımica Organica B – Aula 2 Alcenos (olefinas) S˜o hidrocarbonetos de cadeia aberta, insaturada por uma a liga¸ao dupla entre carbonos e de f´rmula geral: c˜ o CnH2n em que n ´ o n´ mero de carbonos. e u

179

Fun¸˜es Oxigenadas co
´ Alcoois S˜o compostos orgˆnicos que apresentam um ou mais grupos a a hidroxilas (OH) ligados a ´tomos de carbono saturados. Os a a ´lcoois s˜o mais reativos que os hidrocarbonetos e apresentam a car´ter praticamente neutro. Na nomenclatura dos ´lcoois utia a lizamos o sufixo ol para indicar o grupo funcional (OH). ´ Classifica¸˜o dos Alcoois ca Quanto ` posi¸ao do grupo OH: a c˜ ´ I. Alcool prim´rio: a hidroxila est´ ligada a um ´tomo de a a a carbono prim´rio. a ´ II. Alcool secund´rio: a hidroxila est´ ligada a um ´tomo de a a a carbono secund´rio. a ´ III. Alcool terci´rio: a hidroxila est´ ligada a um ´tomo de a a a carbono terci´rio a Quanto ao n´ mero de hidroxilas: u I. Mono´lcool : possui somente 1 grupo funcional OH a II. Di´lcool: possui 2 grupos funcionais OH a III. Tri´lcool: possui 3 grupos funcionais OH a

Alcenos
Para os alcenos de cadeia normal e de cadeia ramificada a nomenclatura ´ muito semelhante ` nomenclatura utilizada e a para os alcanos. Troca-se ` termina¸ao ano do alcano por a c˜ eno. Regras

1. A cadeia principal ´ a mais longa que cont´m a dupla e e liga¸ao. c˜ 2. A numera¸ao da cadeia principal ´ sempre feita a partir c˜ e da extremidade mais pr´xima da dupla liga¸ao, independeno c˜ temente das ramifica¸oes presentes na cadeia. No nome do c˜ alceno a posi¸ao da dupla ´ dada pelo n´ mero do primeiro c˜ e u carbono da dupla; esse n´ mero ´ escrito antes do nome do u e alceno. Fen´is o 3. Se houver mais de uma possibilidade para a cadeia principal S˜o compostos orgˆnicos em que o grupo OH se liga diretaa a adota-se a regra dos menores n´ meros. u mente ao anel benzˆnico. Os fen´is apresentam car´ter ´cido, e o a a em sua nomenclatura usamos o prefixo hidroxi.

Alcinos

S˜o hidrocarbonetos de cadeia aberta, insaturada por uma a liga¸ao tripla entre carbonos e de f´rmula geral: c˜ o Cn H2n−2 em que n ´ o n´ mero de carbonos. e u Nomenclatura dos Alcinos Para os alcino de cadeia normal e de cadeia ramificada ´ muito e semelhante ` nomenclatura utilizada para os alcanos. Troca-se a a ` termina¸ao ano do alcano por ino. c˜

Alde´ ıdos S˜o compostos orgˆnicos que apresentam o grupo carbonila na a a extremidade do composto. Os alde´ ıdos s˜o desidratantes, em a sua nomenclatura usamos o sufixo al. F´rmula Geral o O // R - C \ H

Ciclanos (cicloparafinas)

S˜o hidrocarbonetos de cadeia fechada, saturada, s´ apresena o Cetonas tam liga¸oes entre os ´tomos de carbono do ciclo, e de f´rmula c˜ a o geral: s˜o compostos orgˆnicos que apresentam o grupo carbonila a a Cn H2n entre carbonos. Em sua nomenclatura usamos o sufixo ona. em que n ´ o n´ mero de carbonos. e u F´rmula Geral o

Ciclenos
Nomenclatura dos ciclenos de cadeia normal e de cadeia ramificada: I. O nome ´ dado adicionando-se o prefixo CICLO ao nome do e alceno correspondente; II. Quando a cadeia for ramificada, a numera¸ao da cadeia c˜ se inicia a partir do carbono da liga¸ao dupla (a dupla deve c˜ ficar entre o carbono 1 e 2) e segue-se o sentido hor´rio ou a anti-hor´rio, de maneira a se respeitar ` regra dos menores a a n´ meros; u III. As ramifica¸oes devem ser citadas em ordem alfab´tica; c˜ e

O // R - C - R Haletos Orgˆnicos a S˜o compostos derivados dos hidrocarbonetos pela troca de a um ou mais hidrogˆnios por halogˆnios (F, Cl, Br, I). e e F´rmula Geral o R - X

180 ´ Eteres

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

— O

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Ss˜o compostos orgˆnicos que apresentam um oxigˆnio ligado a a e a dois radicais orgˆnicos. Os ´teres s˜o obtidos a partir da a e a desidrata¸ao intermolecular dos ´lcoois. Sua nomenclatura ´ c˜ a e composta pelo radical menor escrito com a termina¸ao oxi, c˜ seguido do nome do hidrocarboneto correspondente ao radical ´ Anidridos de Acido Carbox´ ılico maior. F´rmula Geral o S˜o compostos orgˆnicos obtidos pela desidrata¸ao inter- moa a c˜ lecular de dois ´cidos carbox´ a ılicos. Sua nomenclatura ´ come R - O - R posta pela palavra anidrido seguido do nome do menor ´cido a e por fim o nome do maior ´cido. Caso o anidrido possuir a ´ Acidos Carbox´ ılicos cadeias iguais, n˜o se deve repetir o nome do ´cido. a a F´rmula Geral o : s˜o compostos orgˆnicos que apresentam a hidroxila ligada a a ao grupo carbonila. Os ´cidos carbox´ a ılicos tem car´ter acido, a ´ em sua nomenclatura usamos o prefixo ´cido e o sufixo oico. a ´ F´rmula Geral o O // R - C \ OH ´ Esteres: s˜o compostos orgˆnicos usados como essˆncias. a a e Constituem tamb´m ´leos vegetais e animais, ceras e gordura. e o S˜o obtidos a partir da rea¸ao entre ´lcool ou fenol e ´cido a c˜ a a carbox´ ılico. Sua nomenclatura ´ composta pelo nome do ´cido e a formador trocando a termina¸ao ico por ato seguido pela prec˜ posi¸ao de e pelo nome do radical correspondente ao ´lcool ou c˜ a fenol. F´rmula Geral o O // R - C \ O - R ´ Sais de Acidos Carbox´ ılicos S˜o compostos orgˆnicos que derivam dos ´cidos carbox´ a a a ılicos pela substitui¸ao do hidrogˆnio da hidroxila por um metal. c˜ e Em sua nomenclatura, d´-se o sufixo ato ao nome da cadeia a de origem (igual aos ´steres) seguido da preposi¸ao de e do e c˜ nome metal. Os sais de ´cidos carbox´ a ılicos de cadeia longa s˜o a denominados de sab˜es. o F´rmula Geral o O // R - C \ + ONa ´ Haletos de Acidos / R - N \ R R / R - N \ R Amidas (amina terci´ria) a (amina secund´ria) a O / R - C \\ O O // R - C \

// R - C \ X

Fun¸˜es Nitrogenadas co
Aminas S˜o compostos orgˆnicos derivados da amˆnia (N H3 ) pela a a o substitui¸ao de um ou mais hidrogˆnios por radicais alquila c˜ e ou arila. As aminas s˜o usadas como corantes. Em sua noa menclatura usa-se o nome do radical F´rmula Geral o H / R - N \ H H (amina prim´ria) a

S˜o compostos orgˆnicos obtidos normalmente da rea¸ao de a a c˜ um ´cido carbox´ a ılico e uma amina. Em sua nomenclatura, S˜o compostos orgˆnicos que derivam dos ´cidos carbox´ a a a ılicos substitui-se a termina¸ao ´ico do ´cido carbox´ c˜ o a ılico por amida. pela substitui¸ao da hidroxila por um halogˆnio. Em sua no- S˜o usados na prepara¸ao de medicamentos. c˜ e a c˜ menclatura, o nome do ˆnion correspondente ao haleto seguido F´rmula Geral a o da preposi¸ao de e do nome do acido de origem com a terc˜ mina¸ao ila. c˜ O F´rmula Geral o //

ˆ Qu´ ımica Organica B – Aula 2 R - C \ NH2

181

Nitrilas S˜o compostos orgˆnicos obtidos do ´cido cian´ a a a ıdrico pela substitui¸ao do hidrogˆnio por um radical derivado de hidrocarboc˜ e neto. Em sua nomenclatura, usa-se o nome do hidrocarboneto correspondente seguido do sufixo nitrila. F´rmula Geral o R - C \\\ N Assinale a op¸ao que apresenta dois dos grupos funcionais prec˜ sentes nesta substˆncia. a ´ a) Alcool e ´ster. e b) Amina e ´ter. e ´ c) Alcool e cetona. ´ d) Acido carbox´ ılico e amina. e) Amida e ´ster. e 2. Escreva as f´rmulas de estrutura dos seguintes compostos: o a) 2,2,4-trimetil pentano b) 2-bromopropeno c) propino d) 2,2-dicloro-1-fluoro-3-iodobutano e) 2,5-hexanodiol f) ´ter etilfen´ e ılico g) ´ter diprop´ e ılico h) etanol i) 5-etil-5-metil-heptanona-3 j) benzalde´ ıdo k) ´cido 2-cloro-2-metil propan´ico a o l) etanoato de butilo m) pentanamida n) etilfenilmetilamina o) ciclopentano p) ciclobuteno

Nitro Compostos S˜o compostos orgˆnicos derivados do ´cido n´ a a a ıtrico pela substitui¸ao da hidroxila por um radical alquila ou arila. Em sua c˜ nomenclatura, usa-se o prefixo nitro seguido do nome do hidrocarboneto correspondente. F´rmula Geral o O // R - N ‘. ‘O ou R - NO2

Curiosidade

Computadores orgˆnicos atualmente estudados, tem processa- 3. O teflon ´ usado em panelas como frigideiras com finalidaa e dores ultra-pequenos, 100 bilh˜es de vezes mais r´pidos que os des de n˜o permitir a aderˆncia de gordura o a a e atuais. a tecnologia adotada emprega ”Molecular Switches”, que, na verdade, s˜o mol´culas orgˆnicas que desempenham o a e a FF papel dos mais variados componentes eletrˆnicos de um microo || processador. F - C - C - F Sua nomenclatura oficial ser´: a a) fl´ or-etano u Pense um Pouco! b) difl´ or-metano u c) tetrafl´ or-eteno u • Os compostos orgˆnicos s˜o usados largamente pela indusa a d) butano-fl´ or u tria qu´ ımica. Vocˆ conhece alguns compostos? Comente e e) n. d. a. e dˆ suas respectivas f´rmulas estruturais. e o 4. (UFSCAR-2004) A morfina ´ um alcal´ide que constitui e o 10% da composi¸ao qu´ c˜ ımica do ´pio, respons´vel pelos efeitos o a • Uma das aminas respons´veis pelo cheiro de peixe ´ a a e narc´ticos desta droga. A morfina ´ eficaz contra dores muito o e trimetilamina. Dˆ sua f´rmula molecular. e o fortes, utilizada em pacientes com doen¸as terminais muito doc lorosas. Algumas das fun¸oes orgˆnicas existentes na estrutura c˜ a da morfina s˜o: a Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca a) ´lcool, amida e ´ster. a e b) ´lcool, amida e ´ter. a e c) ´lcool, alde´ e fenol. a ıdo e 1. (ITA-2004) A estrutura molecular da morfina est´ repre- d) amina, ´ter e fenol. a e) amina, alde´ e amida ıdo sentada abaixo.

182

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

5. (UNESP-2004) Durante a guerra do Vietn˜ (d´cada de 60 d) s-butil e s-pontil. a e do s´culo passado), foi usado um composto chamado agente e) n. d. a. e laranja (ou 2,4-D) que, atuando como desfolhante das ´rvores, a e impedia que os soldados vietnamitas (os vietcongues) se ocul- 9. Dˆ a nomenclatura (IUPAC) do composto abaixo: tassem nas florestas durante os ataques dos bombardeiros. Esse material continha uma impureza, resultante do processo de sua fabrica¸ao, altamente cancer´ c˜ ıgena, chamada dioxina. As f´rmulas estruturais para estes compostos s˜o apresentao a das a seguir. 10. (SUPRA-98) A partir de novembro do pr´ximo ano 1999, o chegar´ ao estado de santa Catarina g´s natural proveniente a a da Bol´ ıvia, via Mato Grosso do Sul passando por S˜o Paulo, a Paran´, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O g´s natural a a ´ utilizado com ˆxito nos pa´ e e ıses desenvolvidos e estar´ disa pon´ para uso industrial, comercial e residencial. A m´dio ıvel e prazo trar´ economia aos seus usu´rios substituindo o emprego a a de ´leo diesel nas ind´ strias. As vantagens ecol´gicas s˜o as o u o a primeiras destacadas por quem conhece os resultados do uso do g´s natural. O g´s n˜o ´ poluente, porque n˜o emite cinzas a a a e a e tem queima de 97%, n˜o necessita de tratamento efluentes a gasoso e n˜o interfere na colora¸ao dos produtos fabricados (esa c˜ pecialmente a cerˆmica). Registros da Petrobr´s respons´vel a a a Esses compostos apresentam em comum as fun¸oes: c˜ pelo gasoduto Bol´ ıvia- Brasil. a) amina e ´cido carbox´ a ılico b) ´cido carbox´ a ılico e amida. Este texto refere-se ao g´s: a c) ´ter e haleto orgˆnico. e a a) etano d) cetona e alde´ ıdo. b) propano e) haleto orgˆnico e amida. a c) benzeno d) metano 6. O Biodigestor promove, atrav´s da atividade de bact´rias, e) acetileno e e a convers˜o dos esgotos em material inerte e em biog´s. O a a 11. (ACE) A gasolina ´ constitu´ principalmente por: e ıda principal biog´s obtido neste reator ´: a e a) mistura de alcanos. a) CH4 b) Mistura de hidretos b) CH3CH2OH c) Mistura de ´lcoois a c) NO2 d) Mistura de compostos de chumbo d) SO2 e) n. d. a. e) C2H6

Exerc´ ıcios Complementares
7. (UFMA) A rea¸ao: ´lcool + ´cido carbox´ c˜ a a ılico, produz: a) ´ter e b) haleto de alco´ ıla c) anidrido de ´cido a d) ´ster e ´gua e a e) sal e ´gua a 8. Os grupos orgˆnicos obtidos a partir dos alcanos pela perda a dos ´tomos de hidrogˆnio a e

˜ 12. (UF-SAO CARLOS) Um alcanos encontrado nas folhas de repolho cont´m em sua f´rmula 64 ´tomos de hidrogˆnio. e o a e O n´ mero de ´tomos de carbono na f´rmula ´: u a o e a) 29 b) 32 c) 30 d) 33 e) 31

CH3 - CH2 - CH - CH3 | H* CH3 - CH | H* CH3

assinalados com asterisco, denominam-se respectivamente: a) isobutil e s-pentil; b) isobutil e isopropil; c) s-butil e isopropil;

Matem´tica a
Matem´tica A a
Rela¸˜es e Fun¸˜es co co
Rela¸˜es co

Aula 1

Representa¸˜o ca Podemos representar uma rela¸ao por um diagrama de sec˜ tas ou no plano cartesiano: Consideremos os conjuntos A = {−1, 0, 1, 2} e B = {1, 0, 1, 4} e a rela¸ao R = {(x, y) ∈ c˜ AxB/y = x2 }.

Fun¸˜es co

O conceito b´sico de fun¸ao ´ o seguinte: toda vez que temos a c˜ e dois conjuntos e algum tipo de associa¸ao entre eles, que fa¸a c˜ c Definimos rela¸ao como: c˜ corresponder a todo o elemento do primeiro conjunto um unico ´ Dados dois conjuntos n˜o vazios S e T chama-se rela¸ao R de elemento do segundo conjunto, ocorre uma fun¸ao. Observea c˜ c˜ S em T qualquer subconjunto de Sxt. Assim, R est´ contido mos os pares de conjuntos abaixo. a em Sxt (R ⊂ SxT ). Exemplos Exemplo R = {(x, y)/x < y} 1. Dados L = {2, 5, 9, 12} e A = {4, 25, 81, 144} e a rela¸ao c˜ R = {(x, y) ∈ LxA/y = x2 }.

A

B 1 3 4 6 5 0 2

L

A 2 5 9 12 4 25 81 144

Nota¸˜o ca Podemos escrever uma rela¸ao de A em B das seguintes formas: c˜ • Nomeando os pares ordenados, por exemplo: {(0, 1), (1, 2), (2, 3)}. R =

´ Figura 3.1: E fun¸ao. c˜ 2. Dados A = {10, 12, 15, 16, 13} e B = {20, 24, 30, 26} e a rela¸ao R = {(x, y) ∈ AxB/y = 2x}. c˜ 3. Dados A = {5, 12, 23} e B = {7, 14, 25} e a rela¸ao R = c˜ {(x, y) ∈ AxB/y = x + 2}. 4. Dados A = {16, 81} e B = {−2, 2, 3} e a rela¸ao R = c˜ {(x, y) ∈ AxB/y 4 = x}

• Atrav´s de uma senten¸a matem´tica, por exemplo: e c a R = {(x, y) ∈ AxB/y = x + 1}, sendo que A = {0, 1, 1, 2, 3} e B = {1, 3, 4, 9}. Dom´ ınio e Imagem

Ser˜o reconhecidas como fun¸ao as rela¸oes que tiverem todos a c˜ c˜ os elementos de A associados a elementos de B, sendo que cada elemento de A deve estar ligado somente a um unico elemento ´ Ao conjunto formado por todos os primeiros elementos dos pa- de B. res ordenados (x, y) de uma rela¸ao damos o nome de dom´ c˜ ınio e representamos por D(R). Dom´ ınio, Imagem e Contradom´ ınio Os segundos elementos desses pares formam o conjunto imagem da rela¸ao: Im(R). c˜ Assim, na rela¸ao R = Tomemos os exemplos acima que representam fun¸oes (Ex01, c˜ c˜ {(−1, 3), (0, 4), (1, 5)}, D(R) = {−1, 0, 1} e Im(R) = {3, 4, 5}. Ex03): 183

184

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

A 10 12 15 16 13 20 24 30

B

A 16 81 −2 2 3

B

26

Figura 3.4: N˜o ´ fun¸ao. a e c˜ Figura 3.2: N˜o ´ fun¸ao. a e c˜ Para ambos os exemplos, chamamos de dom´ ınio o conjunto A, indicado pela letra D: Ex01: D = {2, 5, 9, 12}; Ex03: D = {5, 12, 23}. A imagem ser´ o conjunto dos elementos y que tˆm corresa e pondˆncia com x. e EX01: I = {4, 25, 81, 144}; Ex03: D = {7, 14, 25}. O contradom´ ınio ser´ o conjunto B: a EX01: CD = {2, 4, 6}; Ex03: CD = {5, 7, 14, 15, 16, 25, 26}.

A 7 5 14 15 12 23 16 25 26 6

B

Tipos de Fun¸˜es co
Fun¸˜o Par ca ´ E a fun¸ao em que qualquer que seja o valor de x ∈ D ocorre c˜ f (x) = f (−x). Exemplos f (x) = x2

´ Figura 3.3: E fun¸ao. c˜

L

A 2 5 9 12 4 25 81 144
y

f (x) = |x| f (x) = cos(x)
Parabola

A 7 5 14 15 12 23 16 25 26 6

B
O x

Fun¸˜o ´ ca Impar ´ E a fun¸ao em que para todo valor de x ∈ D ocorre f (x) = c˜ −f (−x). Exemplos f (x) = 2x

´ Matematica A – Aula 1 f (x) = sin(x) f (x) = x3

185

y f(x 1 ) f(x 2 ) O x1 x2 x

y

O

x

Figura 3.6: Esquema para compreender fun¸ao decrescente. c˜

Fun¸˜o Crescente ca Uma fun¸ao y = f (x) ´ crescente num conjunto A se, somente c˜ e se, para quaisquer x1 e x2 pertencentes ao conjunto A, com x1 < x2 , tivermos f (x) < f (x2 ). Exemplos f (x) = x + 2 f (x) = 10x f (x) = x3 Figura 3.7: Fun¸ao injetora c˜

L

A 2 5 9 4 25 81 144

y
Fun¸˜o Injetora ca

f(x 2 ) f(x 1 ) O x1 x2 x

Uma fun¸ao y = f (x) : A → B ´ injetora, se somente se, num c˜ e conjunto A, dois elementos distintos quaisquer do dom´ ınio de f (x) possuem imagens distintas em B. Exemplos

Fun¸˜o Sobrejetora ca Uma fun¸ao y = f (x) : A → B ´ sobrejetora se, e somente se, c˜ e o seu conjunto imagem ´ igual ao contradom´ e ınio: Im(f ) = B Exemplos

Figura 3.5: Esquema para compreender fun¸ao crescente. c˜

Fun¸˜o Decrescente ca

Fun¸˜o Bijetora ca

Uma fun¸ao y = f (x) : A → B ´ bijetora, se somente se, ´ c˜ e e Uma fun¸ao y = f (x) ´ decrescente num conjunto A se, injetora e sobrejetora. c˜ e somente se, para quaisquer x1 e x2 pertencentes ao conjunto Na figura 3.11 temos que a fun¸ao: c˜ A, com x1 < x2 , tivermos f (x1 ) > f (x2 ). Exemplos ´ • E injetora, pois quaisquer elementos distintos de A possuem imagens distintas em B; f (x) = −x + 2 ´ • E sobrejetora, pois f (x) = 10−x Im = B = {4, 25, 81, 144}; f (f ) = −2x ´ • E bijetora porque ´ injetora e sobrejetora. e

186

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

A 1 2 3 5 4

B

A 1 2 3 1 2 3

B

Figura 3.8: Fun¸ao n˜o injetora c˜ a

Figura 3.10: Fun¸ao n˜o sobrejetora c˜ a

A 1 2 3 4 1 2 3

B

L

A 2 5 9 12 4 25 81 144

Figura 3.9: Fun¸ao sobrejetora c˜ Fun¸˜o Inversa ca Considere uma fun¸ao y de L → A, sendo que D = L e c˜ Im = A. A fun¸ao inversa de y ser´ aquela fun¸ao que fic˜ a c˜ zer corretamente a rela¸ao de A → L onde D = A e Im = L. c˜ Ou seja, a fun¸ao inversa “transforma” o que antes era dom´ c˜ ınio em imagem e imagem em dom´ ınio. Por´m, isto s´ poder´ e o a ocorrer se y for bijetora. Ent˜o, podemos definir: a Dada fun¸ao bijetora y = f (x) : A → B, chama-se fun¸ao c˜ c˜ inversa de f a fun¸ao f −1 : B → A tal que (a, b) ∈⇔ (b, a) ∈ c˜ f −1 . Exemplos y = f (x) = x2 ; D = {2, 5, 9, 12} Im = {4, 25, 81, 144} A fun¸ao inversa ser´: c˜ a y = f (x) = (x) D = {4, 25, 81, 144} Im = {2, 5, 9, 12} Fun¸˜o Composta ca Dados os conjuntos A = {1, 2}, B = {2, 4}, C = {4, 16}, vamos considerar as fun¸oes: c˜ f : A → B definida por f (x) = 2x; g : B → C definida por g(x) = x2 . Observamos que:

Figura 3.11: Fun¸ao bijetora c˜

• A cada x pertencente a A associa-se um unico y perten´ cente a B tal que y = 2x; • A cada y pertencente a B associa-se um unico z perten´ cente a C tal que z = x2 ; • A cada x pertencente a A associa-se um unico z pertence ´ 2 C tal que z = y 2 = (2x) = 4x2 . Ent˜o, podemos afirmar que vai existir uma fun¸ao h de A em a c˜ C definida por h(x) = 4x2 , que indicamos por gof ou g(f (x)) (lˆ-se: g composta com f ). e Logo: h(x) = gof = g(f (x)) = {(1, 4), (2, 16)}. Fun¸˜o Definida por Partes ca ´ E aquela fun¸ao que ´ definida por mais de uma rela¸ao. c˜ e c˜ Exemplo   x + 1, se x > 2; x2 , se -2 ≤ x ≤ 2;  2, se x < −2 Fun¸˜o Constante ca Toda fun¸ao f : R → R, definida por f (x) = C, com C pertenc˜ cendo ao conjunto dos reais, ´ denominada fun¸ao constante. e c˜

´ Matematica A – Aula 2
A 2 5 9 12 4 25 81 144 A 2 5 9 12 4 25 81 144

187 c) f −1 (x) = 3x+1 2−x d) f −1 (x) = 1−2x 3−x

L

L

(a) Figura 3.12: Fique atento ao sentido das setas!
C A 1 2 f 2 4 B g h 4 16

(b)

Exerc´ ıcios Complementares
3. (UFSC) Dada a fun¸ao f : R em R+ , definida por f (x) = c˜ x2 +1, determine a soma dos n´ meros associados `s afirma¸oes u a c˜ verdadeiras. 01. A fun¸ao ´ sobrejetora. c˜ e 02. A imagem da fun¸ao ´ R+ . c˜ e 04. A fun¸ao ´ bijetora. c˜ √ e 08. Para x = 5, temos f (x) = 6. 16. O gr´fico de uma fun¸ao ´ uma reta. a c˜ e 32. A fun¸ao ´ par. c˜ e 4. (UA) Se f e g s˜o fun¸oes tais que f (x) = 2x−3 e f (g(x)) = a c˜ x, ent˜o ´ igual a: a e a) (x + 3)/2 b) 3x + 2 c) 1/(2x − 3) d) 2x + 3 5. (UDESC) Seja f (x) = c − ax2 . Se f (−1) = 1 e f (2) = 2, ent˜o f (5) ´ igual a: a e a) 3 b) 11/3 c) 7/3 d) 9 e) -3

Figura 3.13: f = {(1, 2), (2, 4)}; g = {(2, 4), (4, 16)}

y C>0

y

y

C=) O x O x O C<0 x

Pense um Pouco!
A fun¸ao n : A → R, definida por n(t) = 6t + t2 , expressa c˜ o n´ mero de colˆnias de bact´rias em uma placa, onde n ´ o u o e e n´ mero de colˆnias, t ´ tempo em horas e A = {1, 2, 3, 4, 5, 6} u o e tem seus elementos representando os instantes em que as colˆnias foram contadas. Com esses dados, determine: o a) O n´ mero de colˆnias para t = 3h; u o b) O conjunto contradom´ ınio; c) O conjunto imagem (Im(n)).

Matem´tica A a

Aula 2

Fun¸˜es Polinomiais co
Fun¸˜o Polinomial de 10 Grau ca
Uma fun¸ao f com A,B ⊂ R ´ uma fun¸ao polinomial do 10 c˜ e c˜ grau se a cada x ∈ A se associa o elemento (ax + b) ∈ B, com a pertencendo a R∗ e b pertencendo a R:

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFRGS) Se a fun¸ao f : R∗ em R ´ tal que f (x) = c˜ e ent˜o f (2x) ´: a e a) 2 b) 2x c) 2x+1 x d) 4x+1 x 2. (FCC-SP) A fun¸ao inversa da fun¸ao c˜ c˜ x+3 −1 a) f (x) = 2x−1 b) f −1 (x) = 3x−1 x−2
2x−1 x+3 2x+2 x ,

f : A → B definida por f (x) = ax + b ou y = ax + b Na senten¸a matem´tica y = ax+b, as letras x e y representam c a as vari´veis, enquanto a e b s˜o denominadas coeficientes. a a Na fun¸ao real f (x) = ax + b, a ´ o coeficiente angular e b c˜ e ´ o coeficiente linear. Pelo coeficiente angular, sabemos se a e fun¸ao ´ crescente (a > 0) ou decrescente (a < 0). O coeficic˜ e ente linear indica a ordenada do ponto em que a reta intercepta o eixo 0y.

´: e

188

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

f(x) = −2x − 1

Y 1

Y

f(x) = x − 2

−1 −1

1

X
0

2

X

−2
Gr´fico a

~ Zero da funçao (x=2)

Para construirmos gr´ficos de fun¸oes devemos seguir os se- Estudo do Sinal a c˜ guintes passos: Para fazermos o estudo dos sinais vamos considerar um exem• atribu´ ımos valores a vari´vel x; a plo: Dada a fun¸ao f (x) = 2x − 4, determinar os valores reais de x c˜ • substitu´ ımos na fun¸ao; c˜ para os quais: • encontramos o valor de f (x), ou seja, o valor de y. a) f (x) = 0 Tendo encontrado o y, temos agora o par ordenado (x, y) que b) f (x) > 0 c) f (x) < 0 devemos encontrar no plano cartesiano. Solu¸˜o: Podemos verificar que a fun¸ao ´ crescente pois ca c˜ e a = 2 > 0. O zero da fun¸ao ´: 2x − 4 = 0 ⇒ 2x = 4 ⇒ x = 2 c˜ e x y =x−2 (x, y) A reta corta o eixo x no ponto de abscissa x = 2. Obser0 y = 0 − 2 = −2 (0, −2) vando essas considera¸oes, vamos fazer um esbo¸o do gr´fico c˜ c a 1 y = 1 − 2 = −1 (1, −1) da fun¸ao: c˜ 2 y =2−2=0 (2, 0)

Y 1

Y

f(x) = x − 2

f(x) = x − 1
f(x)>0 0

2 −2
f(x)=0

X

−1 −1

1

X

f(x)<0

Zero da Fun¸˜o de 1o Grau ca

Denomina-se zero ou raiz da fun¸ao f (x) = ax + b o valor x c˜ que anula a fun¸ao, isto ´, torna f (x) = 0. O zero da fun¸ao c˜ e c˜ Resposta: de primeiro grau ´ unico e corresponde a abscissa do ponto em e´ f (x) = 0 x = 2 que a reta corta o eixo x. Observando o gr´fico, verificamos a f (x) > 0 para {x ∈ R/x > 2} f (x) < 0 para {x ∈ R/x < 2} x y =x−2 (x, y) 0 y = 0 − 2 = −2 (0, −2) 1 y = 1 − 2 = −1 (1, −1) Fun¸˜o Polinomial de 2o grau ca 2 y =2−2=0 (2, 0) A fun¸ao dada f (x) : R → R dada por f (x) = ax2 +bx+c, com c˜ que: f (x) = 0 para x = 2. a,b,c reais e a = 0, denomina-se fun¸ao do 2o grau ou fun¸ao c˜ c˜

` Figura 3.1: A direita do eixo y os pontos da reta tˆm ordenada e positiva e a esquerda os pontos da reta tˆm ordenada negativa. ` e

´ Matematica A – Aula 2 quadr´tica. a Exemplos: f (x) f (x) = = x2 − 4x − 3 (a = 1, b = −4, c = −3) −2x2 + 5x + 1(a = −2, b = 5, c = 1)

189 • ∆ = 0, x1 = x2 e a par´bola intercepta o eixo x em um a unico ponto. ´ • ∆ > 0, n˜o existem ra´ a ızes reais e a par´bola n˜o intera a cepta o eixo x.

O gr´fico da fun¸ao de 1o grau ´ uma curva aberta chamada a c˜ e par´bola. Se o gr´fico da fun¸ao tem a par´bola com concavia a c˜ a dade voltada para cima, a > 0. Gr´fico Parab´lico a o No gr´fico abaixo, da fun¸ao f (x) = x2 − 8x + 12, marcamos a c˜ um ponto v. Esse ponto tem o nome de v´rtice da par´bola. e a As coordenadas de V (xv , yv ) s˜o dadas por: a

Y a>0

Y
0

X

0

3

X ´ Vertice

Se o gr´fico da fun¸ao tem a par´bola com concavidade voltada a c˜ a para baixo, a < 0.

−4

V(3,−4)

Y
b xv = − 2a ∆ yv = − 4a

a<0
0

v −

b ∆ ,− 2a 4a

X

xv = − −8 2 yv = − 16 4

v (4, −4)

Se tra¸armos uma reta paralela ao eixo y que passe pelo v´rtice, c e estaremos determinando o eixo de simetria da par´bola. a

Zero da Fun¸˜o de 2◦ Grau ca Denominam-se zeros ou ra´ ızes de uma fun¸ao quadr´tica os c˜ a valores de x que anulam a fun¸ao, ou seja, que tornam f (x) = c˜ 0. Para determinar os zeros de f (x) = ax2 + bx + c, basta fazer f (x) = 0: √ ax2 + bx + c = 0 ⇒ x = −b∓ ∆ 2a
√ √

Intersec¸˜o com o Eixo y ca Para determinar as coordenadas desse ponto, basta substituir x por 0 (zero) na fun¸ao: c˜ 2 2 y = ax + bx + c ⇒ y = a(0) + b(0) + c ⇒ y = c Exemplo Para f (x) = x2 − 8x + 12 as coordenadas para o ponto de intersec¸ao com o eixo y: c˜ y = x2 − 8x + 12 ⇒ y = (0)2 − 8(0) + 12 ⇒ y = 12 Ent˜o, encontramos (0, 12). a

⇒ x = −b+ ∆ ⇒ x = −b− ∆ 2a 2a em que ∆ = b2 − 4ac. Assim, x1 e x2 s˜o as abscissas nas quais a par´bola corta o a a eixo x, ou seja, (x1 , 0) e (x2 , 0) s˜o os pontos de intersec¸ao da a c˜ M´ ınimo ou M´ximo da Par´bola a a par´bola com o eixo x. a

c˜ e • Quando ∆ > 0, x1 = x2 e a par´bola intercepta o eixo x Quando y assume o menor valor da fun¸ao, ele ´ a ordenada a do ponto m´ ınimo da fun¸ao (yv ): c˜ em dois pontos diferentes.

190

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Y

Eixo de simetria
a>0 x1 = x2 X

0

3

X

x = x1 = x2 ⇒ f (x) = 0 x = x1 = x2 ⇒ f (x) > 0

−4

x1 = x2

V
a<0

X

Quando y assume o maior valor da fun¸ao, ele ´ a ordenada c˜ e do ponto m´ximo da fun¸ao (yv ): a c˜ x = x1 = x2 ⇒ f (x) = 0 x = x1 = x2 ⇒ f (x) < 0

Y yV

V

• ∆ > 0, f (x) possui duas ra´ reais: ızes

a>0
0

xV

X

X
Estudo do Sinal Para estudar o sinal da fun¸ao f (x) = ax2 + bx + c, a = 0, c˜ temos que considerar o valor do discriminante (∆) e o sinal do coeficiente a. Assim: • ∆ > 0, f (x) possui duas ra´ ızes reais e diferentes: x = x1 ou x = x2 ⇒ f (x) = 0 x < x1 ou x > x2 ⇒ f (x) > 0 x1 < x < x2 ⇒ f (x) < 0
a<0

Qualquer x pertencente aos reais ⇒ f (x) > 0

X

a<0

Qualquer x pertencente aos reais ⇒ f (x) < 0

Pense um Pouco!
x1 x
2

X

• O gr´fico de um polinˆmio de primeiro grau ´ sempre uma a o e reta? • O gr´fico de um polinˆmio de segundo grau ´ sempre uma a o e par´bola? a

x = x1 ou x = x2 ⇒ f (x) = 0 x < x1 ou x > x2 ⇒ f (x) < 0 x1 < x < x2 ⇒ f (x) > 0 • ∆ > 0, f (x) possui raiz dupla:

• Quantos zeros pode ter, no m´ximo, uma fun¸ao de pria c˜ meiro grau? E a de segundo grau? ` • A esquerda e ` direita de um zero, a fun¸ao de segundo a c˜ grau tem sempre sinais contr´rios? a

´ Matematica A – Aula 3

191

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Fun¸˜es Especiais co

ca 1. (FGV-SP) O gr´fico da fun¸ao f (x) = mx + n passa pelos Fun¸˜o Modular a c˜ pontos A(1, −2) e B(4, 2). Podemos ent˜o afirmar que: a O m´dulo, ou valor absoluto, de um n´ mero real x, indicado o u a) m + n = −2 por |x|, ´ definido assim: e b) m − n = −2 c) m = 3/4 x, se, x ≥ 0 d) n = 5/2 |x| = −x, se, x < 0 e) m.n = −1
c˜ o u 2. (PUC-SP) Para que a fun¸ao do 1o grau dada por f (x) = Pela defini¸ao, podemos concluir que o m´dulo de um n´ mero c˜ real ´ sempre maior ou igual a zero. e (2 − 3k)x + 2 seja crescente, devemos ter: a) k = 2/3 b) k < 2/3 Cuidado! c) k > 2/3 d) k < −2/3 √ x2 = ±|x| e) k > −2/3 3. (UFC-CE) Considere a fun¸ao f : R → R, definida por c˜ f (x) = x2 − 2x + 5. Pode-se afirmar corretamente que: a) o v´rtice do gr´fico de f ´ o ponto (1, 4). e a e b) f possui dois zeros reais distintos. c) f atinge um m´ximo para x = 1. a d) O gr´fico de f ´ tangente ao eixo das abscissas. a e

Exemplos
| − 10| = 10 |1| = 1 |1/3| = 1/3 |0| = 0 Definimos ent˜o a un¸ao modular se a cada x real se associa a c˜ |x|, ou seja: f (x) = |x| . Observa-se que o dom´ ınio da fun¸ao m´dulo ´ R e a imagem c˜ o e R+ .

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UFPA) A fun¸ao y = ax + b passa pelo ponto (1, 2) e c˜ intercepta o eixo y no ponto de ordenada 3. Ent˜o, a − 2b ´ a e igual a: a) -12 b) -10 c) -9 d) -7 e) 0

5. (Mack-SP) Um valor k para que uma das ra´ da equa¸ao ızes c˜ Representa¸˜o Gr´fica ca a x2 − 4kx + 6k = 0 seja o triplo da outra ´: e a) 1 Pela defini¸ao de |x|, temos de considerar duas senten¸as para c˜ c b) 2 f (x), de RemR: c) 3 d) 4 x, se, x ≥ 0 e) 5 f (x) = −x, se, x < 0 6. (Santa Casa-SP) As dimens˜es de um retˆngulo s˜o nuo a a mericamente iguais `s coordenadas do v´rtice da par´bola de Construindo os dois gr´ficos num unico plano cartesiano, oba e a a ´ equa¸ao y = −128x2 + 32x + 6. A ´rea do retˆngulo ´: c˜ a a e temos o gr´fico de f (x) = |x|: a a) 1 b) 8 c) 64 Y f(x) = |x| d) 128 3 e) 256 7. O lucro mensal de uma empresa ´ dado por L = −x2 + e 30x − 5, onde x ´ quantidade mensal vendida. e a) Qual ´ o lucro mensal m´ximo poss´ e a ıvel? b) Entre que valores deve variar x para que o lucro mensal seja no m´ ınimo igual a 195?
2 1

−3

−2

−1

0

1

2

3

X

Matem´tica A a

Aula 3

Figura 3.1: Fun¸ao m´dulo: f (x) = |x|. c˜ o

192

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Fun¸˜o Exponencial ca
A fun¸ao f : R → R dada por f (x) = ax (com a = 1 e a > 0) ´ c˜ e denominada fun¸ao exponencial de base a e definida para todo c˜ x real. Assim, s˜o fun¸oes exponenciais: a c˜ f (x) = 2x g(x) = (1/3)x

− 2o caso: 0 < a < 1

Y a x1

a x2
Gr´fico da Fun¸˜o Exponencial a ca Vamos representar no plano cartesiano o gr´ficos das fun¸oes a c˜ f (x) = 2x e f (x) = (1/2)x .
2
x

1

f(x) = a x

Y

x1

x2 x1 < x2

0 a x1 > a x2

X

2

Figura 3.4: Exponencial decrescente ax com a < 1.
1 (1/2) 0 0 1/4 1/2 3/4 1 X
x

Pense um Pouco!
• O n´ mero de bact´rias em um meio de cultura cresce aprou e ximadamente segundo a fun¸ao , sendo t o n´ mero de dias c˜ u ap´s o in´ do experimento. Calcule: o ıcio a)o n´ mero n de bact´rias no in´ do experimento; u e ıcio b)em quantos dias o n´ mero inicial de bact´rias ir´ tripliu e a car.

Figura 3.2: Fun¸oes exponenciais: f (x) = 2x e g(x) = (1/2)x . c˜

Caracter´ ısticas • D(ax ) = R • Im(ax ) = R+ • ax ´ uma fun¸ao crescente se a > 1 e c˜
− 1o caso:

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ITA-SP) Considere a equa¸ao |x| = x − 6. Com respeito ` c˜ a solu¸ao real dessa equa¸ao, podemos afirmar que: c˜ c˜ a) a solu¸ao pertence ao intervalo [1,2] c˜ b) a solu¸ao pertence ao intervalo [-2,-1] c˜ c) a solu¸ao pertence ao intervalo ]-1,1[ c˜ d) a solu¸ao pertence ao intervalo [3,4] c˜ e) nenhuma resposta ´ correta e 2. (PUC-SP) A equa¸ao |2x − 1| = 5 admite: c˜ a) duas ra´ positivas ızes b) das ra´ negativas ızes c) uma raiz positiva e outra negativa d) somente uma raiz real e positiva e) somente uma raiz real e negativa 3. (PUC-PR) A equa¸ao 16 · 52x = 25 · 20x, onde x pertence c˜ aos reais, admite: a) os n´ meros -2 e 2 como solu¸oes u c˜ b) apenas o n´ mero 2 como solu¸ao u c˜ 1 c) apenas o n´ mero 2 como solu¸ao u c˜ 1 d) os n´ meros 2 e 2 como solu¸oes u c˜ e) apenas o n´ mero como solu¸ao u c˜

a>1 Y a x2

f(x) = a x

a x1 1

0 x1 < x2

x1

x2 a x1 < a x2

X

Figura 3.3: Exponencial crescente ax com a > 1. • ax ´ uma fun¸ao decrescente se 0 < a < 1 e c˜ • ax ) passa pelo ponto (0, 1) pois a0 = 1

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UEL-PR) Quaisquer que sejam os n´ meros reais x e y, u a) se |x| < |y|, ent˜o x < y a

´ Matematica A – Aula 4 b) |xy| = |x||y| c) |x + y| = |x| + |y| d) | − |x|| = −x e) se x < 0, ent˜o |x| < x a 5. (PUC-SP) Resolvendo a equa¸ao 4 + 4 = 5 · 2x , obtemos: c˜ a) x1 = 0 e x2 = 1 b) x1 = 1 e x2 = 4 c) x1 = 0 e x2 = 2 d) x1 = −1 e x2 = −2 e) x1 = −4 e x2 = −5 6. (PUC-MG) Se 2x = 4y e 25x = 25 · 5y , o valor de x + y ´: e a) 4/3 b) 2/3 c) 1/3 d) 1 e) 2 f) -3

193 • O logaritmo de um quociente ´ igual ao logaritmo do nue merador menos o logaritmo do denominador tomados na mesma base, isto ´: e logb (x/y) = logb x − logb y • O logaritmo de uma potˆncia ´ igual ao produto do expoe e ente pelo logaritmo da base da potˆncia, isto ´: e e logb xn = n logb x Caso particular logb Mudan¸a de Base c Suponha que apare¸am logaritmos de bases diferentes e que c precisamos reduzir os logaritmos de bases diferentes para uma base conveniente. Essa opera¸ao ´ chamada mudan¸a de base: c˜ e c logb a = onde c ´ a nova base. e logc a logc b √ 1 n x = logb x( 1/n) = logb x n

Matem´tica A a
Fun¸˜es Especiais (II) co
Fun¸˜o Logar´ ca ıtmica

Aula 4
Exemplo

log2 10 =

log1 010 1 = log1 02 log1 02

O logaritmo de um n´ mero real e positivo a, na base b, positiva u ca a e diferente de 1, ´ o n´ mero x ao qual se deve elevar a base b Representa¸˜o Gr´fica e u para se obter a Ao estudar a fun¸ao exponencial, vimos que ela ´ bijetora, c˜ e logb a = x ⇐⇒ bx = a portanto admite fun¸ao inversa, que ´ a logar´ c˜ e ıtmica. Do estudo das fun¸oes inversas, descobrimos que, no plano cartesiano, c˜ seus gr´ficos s˜o sim´tricos em rela¸ao a bissetriz do 1◦ e 3◦ a a e c˜ Observa¸˜o ca quadrantes. Assim, para as fun¸oes exponencial e logar´ c˜ ıtmica, Aos logaritmos que se indicam com loga chamamos de sistema de base 0 < a < 1 e a > 1, temos: de logaritmos de base a. Existe uma infinidade de sistemas de logaritmos. Dentre todos os sistemas, o mais importante ´ o e a>1 sistema de logaritmos decimais, ou de base 10. Indica-se: log10 ou log. Quando o sistema ´ de base 10, ´ comum omitir-se a e e y=x base na sua representa¸ao. c˜ Y Exemplo Considerando a defini¸ao dada, calcular o valor dos logaritmos: c˜ log6 36 = 2 log2 16 = 4 log3 0 = 1 log1 01000 = 3 Propriedades dos Logaritmos • O logaritmo de um produto ´ igual ` soma dos logaritmos e a dos fatores tomados na mesma base, isto ´: e logb (x · y) = logb x + logb y Figura 3.1: Fun¸ao logar´tmica com base a > 1 c˜ ı
loga x1 x1 1 x2

y=a x log x a 2
1

X

y=loga x a>1 f(x) e´ crescente

194

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

0<a<1

Radiano ´ o arco cujo comprimento ´ igual ao comprimento do e e raio da circunferˆncia que o cont´m. e e

Y
y=a
x

y=x
B B
θ = 1 rad

A

1 x1 x2

r

A

r

1 loga x1 loga x2

X
Observa¸ao: O raio da circunferˆncia quando utilizado como c˜ e instrumento de medida ´ denominado raio unit´rio, isto ´, se e a e o comprimento de um arco ´ x raios, sua medida ´ x radianos. e e Lembrando que qualquer circunferˆncia tem 360◦ , temos que: e 360◦ corresponde a 2π rad e 180◦ corresponde a π rad. ˆ Angulo Plano ´ a abertura de duas semi-retas que partem do mesmo ponto. E ˆ Angulo Central de uma Circunferˆncia e ´ o ˆngulo que tem o v´rtice no centro dessa circunferˆncia. E a e e

y=loga x 0<a<1 f(x) e´ decrescente

Figura 3.2: Fun¸ao logar´tmica com base 0 < a < 1 c˜ ı

Fun¸˜es Trigonom´tricas co e
Arco de Circunferˆncia e Observemos que os pontos A e B dividem a circunferˆncia em e duas partes. Cada uma dessas partes ´ denominado arco de e circunferˆncia. Assim, temos: e arco AB= arco BA

B ^ α ^ ´ ^ α e angulo central A

B Sentido do Movimento

A

Circunferˆncia Trigonom´trica e e Uma circunferˆncia orientada, de raio unit´rio (r = 1), sobre a e a qual um ponto A ´ a origem de medida de todos os arcos nela e contidos, ´ uma circunferˆncia trigonom´trica. Vamos consie e e derar uma circunferˆncia cujo centre coincide com a origem do e sistema cartesiano e o ponto A(1, 0), que ´ a origem de todos e os arcos, como mostra a figura a seguir:
o 90 ou π/2 rad B

Os ponto A e B s˜o chamados de extremidades dos arcos. a Medida de um arco Grau ´ o arco unit´rio equivalente a 1/360 da circunferˆncia e a e que o cont´m. e
90
o

− 2 o quadrante

− 1 o quadrante

+ 0 ou 0 rad A o 360 ou 2 π rad −
o

C o 180 ou π rad
− 3 o quadrante

O
− 4 o quadrante

10

180

o

10 0 o= 360 o
1

0

1

o

o 270 ou 3 π/2 rad D

270

o

Observa¸ao: 1◦ = 60′ e 1′ = 60′′ c˜

Os eixos 0x e 0y do plano cartesiano dividem a circunferˆncia e em quatro arcos de mesma medida, numerados no sentido anti-

´ Matematica A – Aula 4

195

hor´rio. Esses eixos dividem o plano em quatro regi˜es, de- Fun¸˜o Tangente a o ca nominadas quadrantes, tamb´m numeradas no sentido antie A fun¸ao f definida em R que a cada n´ mero x associa a c˜ u hor´rio. a tangente desse n´ mero: u Fun¸˜o Seno ca f (x) = tan x

Chamamos de fun¸ao seno a fun¸ao f : R → R que, a cada c˜ c˜ O dom´ ınio da fun¸ao tan x ´ R − {nπ/2}, com n = c˜ e n´ mero real x, associa o seno desse n´ mero: u u 0, ±1, ±2, . . ., e a imagem da fun¸ao ´ R. c˜ e f (x) = sen x Sinal da Fun¸˜o Tangente ca O sinal da fun¸ao tangente ´ dada seguindo o esquema abaixo: c˜ e O dom´ ınio dessa fun¸ao ´ R e a imagem ´ intervalo [-1,1], visto c˜ e e que, na circunferˆncia trigonom´trica, o raio ´ unit´rio. e e e a Sinal da fun¸˜o seno ca tag θ Y O sinal da fun¸ao seno ´ dada seguindo o esquema abaixo: c˜ e

(0,1) Y (0,1) (−1,0) O (−1,0) + sen θ O _ _ θ + (1,0) X (0,−1) + _ sen θ _ θ (1,0) X + tag θ

(0,−1)

Co-tangente Por defini¸ao temos: c˜

Fun¸˜o Cosseno ca Chamamos de fun¸ao cosseno a fun¸ao f : R → R que, a cada c˜ c˜ n´ mero real x, associa o cosseno desse n´ mero. u u para todo x|tan x = 0 Secante f (x) = cos x Por defini¸ao temos: c˜ O dom´ dessa fun¸ao ´ R e a imagem ´ o intervalo real [-1,1], ınio c˜ e e visto que, na circunferˆncia trigonom´trica, o raio ´ unit´rio. e e e a Sinal da Fun¸˜o Cosseno ca O sinal da fun¸ao cosseno ´ dada seguindo o esquema abaixo: para todo x|cos x = 0 c˜ e Cossecante Por defini¸ao temos: c˜

cotg x =

1 tan x

sec x =

1 cos x

Y (0,1) + _ (−1,0) O _ θ cos θ +

cos θ

cossec x = para todo x|sen x = 0

1 sen x

(1,0) X

Rela¸˜es trigonom´tricas co e
tanx = f racsen xcos x sen2 x + cos2 x = 1 1 + tan2 x = sec2 x

(0,−1)

1 + cotan2 x = cossec2

196

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Transforma¸˜es Trigonom´tricas co e
F´rmulas da Adi¸˜o o ca Sejam a e b dois arcos positivos, do primeiro quadrante, cuja soma ainda pertence ao primeiro quadrante. Valem para esses arcos as seguintes identidades: sen (a ± b) = sen a · cos b ± sen b · cos a cos (a ± b) = cos a · cos b ± sen a · sen b tan (a ± b) = Lei dos Senos ´ E a rela¸ao v´lida para qualquer triˆngulo que se traduz pela c˜ a a seguinte f´rmula: o b c a = = sen A sen B sen C tan a ± tabb 1 ∓ tan a · tan b

d) cujo produto ´ 1 e e) cuja soma ´ 101 e 2. (MACK-SP) Se 1 1 1 + + =2 log2 x log3 x log6 x ent˜o x2 ´ igual a: a e a) 25 b) 36 c) 16 d) 81 e) 100

Exerc´ ıcios Complementares
3. (FGV-SP) Determine a de√ forma que se tenha simultaneamente sem x = 1/a e cos x = 1 + a/a a) a = −1 ou a = −2 b) a = 1 e a = 2 c) a = −1 e a = 2 d) a = 2 e a = −2 e) a = 1 ou a = −1 4. (UEL-PR) Para todo n´ mero real, tal que que 0 < x < 1/2, u a express˜o a sec x + tg x cos x + cot x ´ equivalente a: e a) (sen x)(cotg x) b) (sec x)(cotg x) c) (cos x)(tg x) d) (sec x)(tg x) e) (sen x)(tg x)

c A b
a sen A = b

B

a C
c sen C

sen B

=

Lei dos Cossenos ´ E a rela¸ao v´lida para qualquer triˆngulo que se traduz pela c˜ a a seguinte f´rmula: o a2 = b2 + c2 − 2bc · cos A Com essa f´rmula, dadas as medidas de dois lados e do ˆngulo o a compreendido entre eles, calcula-se o terceiro lado de qualquer triˆngulo. Como se pode ver, ´ uma generaliza¸ao do Teorema a e c˜ de Pit´goras. a

Matem´tica A a
Polinˆmios o
Defini¸˜o ca

Aula 5

Pense um Pouco!
• Dado o sen x como vocˆ acharia o cos x? E a tan x? e • A tan x pode ser maior do que 1? • Para que valores de x temos sen x > cos x?

Dados n ∈ N n´ meros complexos {ai , i = 0, 1, 2, . . . , n} ⊂ C, u chamamos de fun¸˜o polinomial ou polinˆmio na vari´vel ca o a x a fun¸ao P (x) : C → C tal que: c˜ P (x) = an xn + an−1 xn−1 + . . . + a2 x2 + a1 x + a0 onde cada parcela do polinˆmio ´ chamada de termo e cada o e n´ mero complexo que multiplica a vari´vel x ´ um coeficiu a e ente. Observa¸oes c˜ 1. Se an = 0, o expoente m´ximo n ´ dito grau do polinˆmio a e o e indicamos gr(P ) = n; Exemplos P (x) = 2x − 1 ´ um polinˆmio de 1◦ grau, isto ´, gr(P ) = e o e 1.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (FCC-Ba) Indica-se por log x o logaritmo do n´ mero x na u base 10. A equa¸ao xlog x = 10000 admite duas ra´ c˜ ızes: a) iguais b) opostas entre si c) inteiras

´ Matematica A – Aula 5 P (x) = x5 + 1 ´ um polinˆmio de 5◦ grau, isto ´, gr(P ) = e o e 5. 2. Se P (x) = 0, n˜o se define o grau do polinˆmio. a o

197

Divis˜o de P (x) por (x − a) a
Teorema do Resto

O resto da divis˜o de P (x) por x − a ´ P (a). a e Devemos ter P (x) = (x − a)Q(x) + R(x). Como o divisor x − a ´ de grau 1, o resto ser´ de grau zero, e a Valor Num´rico e ou seja, uma constante. Fazendo R(x) = r, constante, temos: O valor num´rico de um polinˆmio P (x), para x = a, ´ o P (x) = (x − a)Q(x) + r. Para x = a, vem: e o e n´ mero que se obt´m substituindo x por a e efetuando todas u e as opera¸oes indicadas pela rela¸ao que define o polinˆmio. c˜ c˜ o P (a) = (a − a)Q(a) + r = r Exemplo Se P (x) = x3 + 2x2 − x − 1, o valor num´rico de P (x), para e x = 2, ´: e P (2) = 23 + 2 · 22 − 2 − 1 = 13 Exemplo O resto da divis˜o de P (x) = x3 + x2 − 4x + 5 por x − 1 ´: a e r = P (1) = 13 + 12 − 4 · 1 + 5 = 3 Teorema de D’Alembert

Um polinˆmio P (x) ´ divis´ o e ıvel por x − a se, e somente se, P (a) = 0. Se P (a) = 0, o n´ mero a ´ denominado raiz ou zero de P (x). Se P (x) ´ divis´ por x − a, ent˜o, pelo Teorema do Resto, u e e ıvel a Um polinˆmio de grau n admite n ra´ o ızes. r = P (a) = 0, e, de outra forma, se P (a) = 0, como, pelo Teorema do Resto, r = P (a), temos r = 0, ou seja, P (x) ´ e divis´ por x − a. ıvel Igualdade de Polinˆmios o Exemplo 3 2 e ıvel Dois polinˆmios A(x) e B(x) s˜o iguais ou idˆnticos quando P (x) = x + 3x − 8x − 4 ´ divis´ por x − 2, pois o a e assumem valores num´ricos iguais para qualquer valor comum e P (2) = 23 + 3 · 22 − 8 · 2 − 4 = 8 + 12 − 16 − 4 = 0 atribu´ ` vari´vel x. A condi¸ao necess´ria e suficiente para ıdo a a c˜ a que dois polinˆmios A(x) e B(x) sejam iguais ou idˆnticos ´ o e e que os coeficientes dos termos correspondentes sejam iguais.

Ra´ ızes de um Polinˆmio o

Divis˜o de P (x) por ax + b, com a = 0 a

Temos P (x) = (ax + b)Q(x) + r. Como ax + b ´ de grau 1, r e ´ de grau 0, portanto, uma constante. e Sejam dois polinˆmios A(x) e B(x), com B(x) = 0, e gr(A) > Fazendo x = −b/a em P (x) = (ax + b)Q(x) + r, vem: o gr(B). P (−b/a) = [a(−b/a) + b]Q(−b/a) + r Efetuar a divis˜o de A(x) por B(x) ´ determinar dois poa e linˆmios Q(x) e R(x) que satisfa¸am a seguinte condi¸ao: o c c˜ P (−b/a) = (−b + b)Q(−b/a) + r A(x) = Q(X)B(x) + R(x) P (−b/a) = 0 + r =⇒ r = P (−b/a)

Divis˜o de Polinˆmios a o

onde A(x) ´ o dividendo e B(x) ´ o divisor e Q(x) ´ o quociente e R(x) ´ o resto da divis˜o e a

Conclus˜o: o resto da divis˜o de P (x) por ax + b ´ r = a a e P (−b/a). Exemplo

Observa¸˜o ca

Quando A(x) ´ divis´ e ıvel por B(x), dizemos que a divis˜o ´ a e exata, isto ´, R(x) = 0. e r = (1/2)3 + 5(1/2)2 − 2(1/2) − 1 = (1/8) + (5/4) − 1 − 1 Exemplo Dividir A(x) = x4 + x3 − 7x2 + 9x − 1 por B(x) = x2 + 3x − 2: r = (11/8) − 2 = −5/8 +x4 + x3 − 7x2 + 9x − 1 x2 + 3x − 2 −x4 − 3x2 + 2x2 x2 − 2x + 1 → Q(x) 3 2 Divis˜o de P (x) por (x − a)(x − b), (a = b) a −2x − 5x + 9x − 1 3 2 +2x + 6x − 4x Temos o seguinte Teorema: −x2 + 5x − 1 2 Se P (x) ´ divis´ e ıvel por x − a e por x − b, com a = b, −x − 3x + 2 ent˜o ´ divis´ a e ıvel por (x − a)(x − b). 2x + 1 → R(x)

Determinar o resto da divis˜o de P (x) = x3 + 5x2 − 2x − 1 por a 2x − 1. Temos que −b/a = 1/2, ent˜o r = P (1/2): a

198 Exemplo

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

somar
4 2 2

Mostrar que P (x) = x − 5x + 4 ´ divis´ por x − 1. e ıvel 2 Solu¸ao: como x − 1 = (x + 1)(x − 1), basta mostrar que c˜ P (x) ´ divis´ por x − 1 e por x + 1, isto ´, que P (+1) = 0 e e ıvel e P (−1) = 0: P (+1) = 14 − 5 · 12 + 4 = 1 − 5 + 4 = 0 P (−1) = (−1)4 − 5 · (−1)2 + 4 = 1 − 5 + 4 = 0 Portanto, P (x) ´ divis´ por (x−1)(x+1), ou seja, por x2 −1. e ıvel

2

3 3

multiplicar

−5 +1 −2 (3)(2)−5=1 (1)(2)+1=3 (3)(2)−2=4 resultado

IV.Multiplicamos a raiz do divisor pelo n´ mero colocado u abaixo do segundo coeficiente, colocando o resultado abaixo deste, e assim sucessivamente.
somar 2 3 3 multiplicar −5 +1 −2 (3)(2)−2=4 (3)(2)−5=1 (1)(2)+1=3 resultado

Algoritmo de Briot-Ruffini

Para facilitar a divis˜o de polinˆmios podemos utilizar o algoa o ritmo de Briot-Ruffini. Consideremos o seguinte exemplo para compreens˜o do dispo- V. Separamos o ultimo n´ mero formado, que ´ igual ao resto a ´ u e sitivo: da divis˜o, e os n´ meros que ficam ` esquerda deste s˜o os a u a a Determinar o quociente e o resto da divis˜o de P (x) = 3x3 − coeficientes do quociente. a 5x2 + x − 2 por (x − 2).

Decomposi¸˜o de um Polinˆmio ca o
Raiz do divisor 2 3 3 Coeficientes do dividendo P(x) −5 +1 −2 (3)(2)−2=4

(3)(2)−5=1 (1)(2)+1=3

Podemos aplicar o teorema do resto na decomposi¸ao de um c˜ polinˆmio em fatores. Para tanto, se a ´ uma raiz ou zero do o e polinˆmio P (x), este ´ divis´ por (x − a); logo: o e ıvel P (x) = (x − a)Q(x) Polinˆmio de 2◦ grau o

Coeficientes do quociente Q(x)

Resto R(x)

Figura 3.1: O algoritmo de divis˜o de Briot-Ruffini. a

Resposta: Q(x) = 3x2 + x + 3 e R(x) = 4 A seguir est´ descrito o roteiro para a resolu¸ao desse proa c˜ P (x) = (x − a1 )(x − a2 ) blema. I. Colocamos a raiz do divisor 2 e os coeficientes do dividendo Exemplo {3, −5, 1, −2} na linha de cima: Fatorar o polinˆmio P (x) = x2 −7x+10. Resolvendo a equa¸ao o c˜ x2 − 7x + 10 = 0 encontramos as ra´ a1 = 5 e a2 = 2, logo, ızes
Raiz do divisor 2 3 3 Coeficientes do dividendo P(x) −5 +1 (3)(2)−5=1 (1)(2)+1=3 −2 (3)(2)−2=4

De uma forma geral, o polinˆmio do 2◦ grau que admite as o ra´ a1 e a2 pode ser decomposto em fatores do 1◦ grau, da ızes seguinte forma:

P (x) = (x − 5)(x − 2)

Polinˆmio de 3◦ grau o

Conhecendo uma das ra´ ızes de um polinˆmio do 3◦ grau, poo demos decompˆ-lo num produto de um polinˆmio do 1◦ grau o o por um do 2◦ grau e, se este tiver ra´ ızes, podemos, em seguida Note que, se o polinˆmio n˜o tivesse um dado termo, o coefio a decompˆ-lo tamb´m. o e ciente desse termo seria igual a zero. II.Repetimos o primeiro coeficiente do dividendo: Exemplo
Copiar o primeiro coeficiente para a linha de baixo 2 3 3 −5 +1 (3)(2)−5=1 (1)(2)+1=3 −2 (3)(2)−2=4

Fatorar P (x) = 2x3 − x2 − x. Escreve-se: P (x) = 2x(x2 − x/2 − 1/2) fator do 1◦ grau: 2x fatores do 2◦ grau: resolvendo-se a equa¸ao do segundo grau c˜ obtemos as ra´ ızes a1 = 1 e a2 = −1/2, e x2 − x/2 − 1/2 = (x − 1)(x + 1/2), logo: P (x) = 2x(x − 1)(x + 1/2)

III.Multiplicamos a raiz do divisor pelo coeficiente repetido e somando o produto com o segundo coeficiente do dividendo, colocando o resultado abaixo deste.

´ Matematica A – Aula 6

199

Pense um Pouco!
• (UFPA) Se F (x) = 2p + q + (p + 3)x − 2px2 + x3 ´ idˆntico e e a P (x) = x3 − 4x2 + 5x + 2 ,ent˜o: a f) p2 + q 2 = 4 g) p2 − q 2 = 0 h) p = q i) p + q = 4 j) p − q = 0

Matem´tica A a
Equa¸˜es Alg´bricas co e
´ Teorema fundamental da Algebra

Aula 6

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (PUC-MG) Os valores de a e b que tornam o polinˆmio o P (x) = x3 + 4x2 + ax + b divis´ por (x + 1)2 s˜o, respectiıvel a vamente: a) 1 e 2 b) 3 e 2 c) 4 e 5 d) 5 e 2 e) 5 e 3 2. (UnB-DF) O resto da divis˜o de P (x) = 3x5 + 2x4 + 3px3 + a x − 1 por x − 1 ´ 4 se p ´ igual a: e e a) 5/3 b) -2 c) -3 d) -10 e) -7/3

Toda equa¸˜o alg´brica P (x) = 0, de grau n ≥ 1, tem ca e pelo menos uma raiz real ou complexa. Defini¸˜o ca Chamamos de equa¸ao polinomial ou alg´brica toda equa¸ao c˜ e c˜ da forma P (x) = 0, em que P (x) ´ um polinˆmio de grau n: e o Dados n ∈ N n´ meros complexos {ai , i = 0, 1, 2, . . . , n} ⊂ C, u chamamos de fun¸˜o polinomial ou polinˆmio na vari´vel ca o a x a fun¸ao P (x) : C → C tal que: c˜ P (x) = an xn + an−1 xn−1 + . . . + a2 x2 + a1 x + a0 onde cada parcela do polinˆmio ´ chamada de termo e cada o e n´ mero complexo que multiplica a vari´vel x ´ um coeficiu a e ente. Exemplo x3 + 3x2 + 2x − 3 = 0

3. (OSEC-SP) Os valores reais de m e n para os quais o polinˆmio x4 − 4x3 + mx2 + 4x + n ´ divis´ por (x − 1)(x − 5) o e ıvel Raiz s˜o, respectivamente: a a) -6 e -5 Chama-se raiz de zero ou raiz de uma equa¸ao polinomial c˜ b) 6 e -5 P (x) = 0 todo n´ mero complexo a tal que P (a) = 0. u c) 6 e 5 d) -6 e 5 Exemplos e) n. d. a.

Exerc´ ıcios Complementares

4. (Fuvest-SP) Dividindo-se o polinˆmio p(x) por 2x2 +3x+1, o obt´m-se o quociente 3x2 + 1 e resto −x + 2. Nessas condi¸oes, e c˜ Forma Fatorada o resto da divis˜o de p(x) por x − 1 ´: a e a) 2 Todo polinˆmio o b) 1 c) 0 P (x) = an xn + an−1 xn−1 + . . . + a2 x2 + a1 x + a0 d) -1 e) -2 de grau n pode ser decomposto em n fatores da forma (x − a), onde a ´ raiz de P (x) e ´ tamb´m um fator igual ao coeficiente e e e 3 5. (UnB-DF) O n´ mero 1 ´ uma das ra´ u e ızes da equa¸ao x − c˜ de xn . 7x + 6 = 0. A soma das outras duas ra´ ´: ızes e a) -7 Exemplo b) -1 c) 0 Formar o polinˆmio cujas ra´ s˜o 2,-1 e 3. o ızes a d) 1 Resolu¸ao: O polinˆmio tem trˆs ra´ diferentes; logo, P (x) c˜ o e ızes e) n. d. a ´ do terceiro grau. e 6. (UFRJ) O polinˆmio P (x) = x3 − 2x2 − 5x + d, com d ∈ R, o P (x) = a3 (x − a1 )(x − a2 )(x − a3 ) = 1(x − 2)(x + 1)(x − 3) ´ divis´ por (x − 2). e ıvel a) Determine d. P (x) = x3 − 4x2 + x + 6 b) Calcule as ra´ da equa¸ao P (x) = 0 ızes c˜

a) 1 ´ raiz de P (x) = x3 − 3x2 + 3x − 1 = 0 pois P (1) = e 13 − 3 · 12 + 3 · 1 − 1 = 0; b) i ´ raiz de P (x) = x3 + x2 + x + 1 = 0 pois P (i) = i3 + i2 + e i + 1 = −i − 1 + i + 1 = 0

200

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Multiplicidade de uma Raiz
As ra´ de uma equa¸ao alg´brica podem ser todas distintas ızes c˜ e ou n˜o. a Se uma equa¸ao alg´brica tiver trˆs ra´ c˜ e e ızes iguais, a raiz ter´ a multiplicidade 2, isto ´, ser´ uma raiz dupla; se tiver trˆs ra´ e a e ızes ter´ multiplicidade 3, isto ´, ser´ uma raiz tripla, e assim sua e a cessivamente. Se um n´ mero a for uma s´ vez raiz de uma equa¸ao alg´brica, u o c˜ e ele ser´ chamado raiz simples. a Exemplo Sabendo-se que −1 ´ raiz dupla da equa¸ao P (x) = x4 − 3x3 − e c˜ 3x2 + 7x + 6 = 0, determinar o seu conjunto solu¸ao. c˜ Resolu¸ao: a equa¸ao dada pode ser indicada da seguinte c˜ c˜ forma: P (x) = (x + 1)2 Q(x) = 0. Para determinarmos Q(x), que ´ do segundo grau, aplicaremos e duas vezes o dispositivo pr´tico de Briot-Ruffini, abaixando a para 2 o grau da equa¸ao dada. c˜ Primeira divis˜o por (x + 1): a -1 1 -3 -3 7 6 1 -4 1 6 0 Segunda divis˜o por (x + 1): a -1 1 -4 1 6 1 -5 6 0 Logo: Q(x) = x2 − 5x + 6, onde para Q(x) = 0 temos as ra´ ızes a1 = 2 e a2 = 3. Exemplo Resolva a equa¸ao x4 + x3 − x2 + x − 2 = 0, sabendo que uma c˜ das ra´ ´ i. ızes e Resolu¸ao: Como i ´ raiz da equa¸ao, −i tamb´m ´, pois as c˜ e c˜ e e ra´ ızes complexas sempre aparecem aos pares (ra´ ızes conjugadas). Dividindo sucessivamente por x − i e x + i, temos: i 1 1 -1 1 -2 1 1+i -2+i -2i 0 Segunda divis˜o por (x + 1): a -i 1 1+i -2+i -2i 1 1 -2 0 Logo, Q(x) = x2 + x − 2 e P (x) = (x − i)(x + i)Q(x). Ent˜o a para Q(x) = 0 temos as ra´ a1 = −2 e a2 = 1. ızes

existem ra´ ızes racionais, elas pertencem a esse conjunto. A verifica¸ao ´ feita usando-se o dispositivo de Briot-Ruffini. c˜ e

Pense um Pouco!
• Uma equa¸ao polinomial de coeficientes reais tem o c˜ n´ mero 3 como raiz dupla, o n´ mero 5 como raiz tripla e u u 1 + i como raiz dupla. Qual ´ grau da equa¸ao? e c˜

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UEL-PR) Se −1 ´ raiz de multiplicidade 3 da equa¸ao e c˜ x5 − 2x4 − 6x3 + 4x2 + 13x + 6 = 0, ent˜o a soma das outras a duas ra´ vale: ızes a) 1 b) 3 c) 5 d) -1 e) -3 2. (UFPE) Qual a maior raiz inteira da equa¸ao x4 − 20x3 + c˜ 90x2 + 20x − 91 = 0? a) 1 b) -i c) 10 d) 13 e) n. d. a.

Exerc´ ıcios Complementares
3. (PUC-SP) Em rela¸ao ao polinˆmio P (x) = (x − 1)2 (x + 1), c˜ o o que se pode afirmar sobre o n´ mero 1? u ´ a) E uma raiz simples ´ b) E raiz dupla ´ c) E raiz tripla ´ d) E raiz qu´drupla a e) N˜o ´ uma raiz a e 4. (USF-SP) Se −2 ´ raiz da equa¸ao x3 + bx2 + cx + d = 0, e c˜ ent˜o b + c + d vale: a a) 26 b) -2 c) 14 d) 10 e) -10

Ra´ ızes M´ltiplas u
Dados a equa¸ao alg´brica, c˜ e P (x) = an xn + an−1 xn−1 + . . . + a2 x2 + a1 x + a0 = 0 de coeficientes inteiros, com an = 0 e a0 = 0, e o n´ mero u racional p/q , com p e q primos entre si, p ∈ Z e q ∈ N∗ , se p/q ´ raiz de P (x) = 0, ent˜o p ´ divisor de a0 e q ´ divisor de an . e a e e Exemplo Na equa¸ao x3 −6x2 +11x−6 = 0, temos an = 1 e a0 = −6. Se c˜ p ∈ Z ´ divisor de a0 , ent˜o p ∈ {±1, ±2, ±3, ±6}. Se q ∈ N∗ ´ e a e divisor de a3 , ent˜o q ∈ {1}. Dividindo todo os valores de p por a todos os valores de q, obtemos {±1, ±2, ±3, ±6}. Portanto, se

Matem´tica A a
Geometria Anal´ ıtica
Sistema Cartesiano Ortogonal

Aula 7

A Geometria Anal´ ıtica teve como principal idealizador o fil´sofo francˆs Ren´ Descartes (1596-1650). Com aux´ de o e e ılio um sistema de eixos associados a um plano, ele faz corresponder a cada ponto do plano um par ordenado e vice-versa.

´ Matematica A – Aula 7 Quando os eixos desse sistema s˜o perpendiculares na origem, a eles determinam um sistema cartesiano ortogonal (ou plano cartesiano). Ent˜o, observemos o plano cartesiano dividido a nos quatro quadrantes:

201

Y
−1 1 2 3 4 5

X

Y

Segundo Quadrante

Primeiro Quadrante

−2 −3 −4

A
d

3

C
4

x<0 y>0
Terceiro Quadrante
0

x>0 y>0
Quarto Quadrante
X

−5

B

x<0 y<0

x>0 y<0
d2 = 32 + 42 =⇒ d = 5

Figura 3.1: O plano cartesiano e seus 4 quadrantes. 1o quadrante: x > 0 e y > 0. 2o quadrante: x < 0 e y > 0. 3o quadrante: x < 0 e y < 0. 4o quadrante: x > 0 e y < 0. Distˆncia entre Dois Pontos a

Divis˜o de um Segmento a Dados os pontos A(xA , yA ), B(xB , yB ) e C(xC , yC ) de uma reta (ABC), o ponto C divide o segmento AB numa determinada raz˜o, denominada raz˜o de sec¸˜o e indicada por: a a ca rC = AC CB

Quando se conhece as coordenadas de dois pontos A e B do ou seja plano, sabemos localizar esses pontos num sistema cartesiano ortogonal e, assim, podemos calcular a distˆncia d(A, B). Aplia cando o Teorema de Pit´goras ao triˆngulo ABC, vem: a a
Y Y

rC =

yC − yA xC − xA = xB − xC yB − yC

y3 B y2
d

C

yB

B A D E

yB yA C

y1

yA

A xB xA

0 0

x1

x2

x3

X

xA

xB

X

Exemplo Considerando os pontos A(2, 3), B(5, 6), P (3, 4) e Q(1, 2), as raz˜es rP e rQ em que P e Q dividem AB s˜o: o a

d2 = (xB − xA )2 + (yB − yA )2 logo d= (xB − xA )2 + (yB − yA )2 ser´ a distˆncia entre os pontos A(xA , yA ) e B(xB , yB ). a a Exemplo Determinar a distˆncia entre os pontos A(1, −1) e B(4, −5). a Analiticamente, temos d = sqrt(4 − 1) + (−5 − (−1)) = √ √ d = 9 + 16 = 25 = 5 ou graficamente,
2 2

Y
6 5 4 3 2 1

y=x+1

B P A Q

32

+

42

0

1

2

3

4

5

6

X

202

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

´ Area de um Triˆngulo a rP = e rQ = xP − xA 3−2 1 = = xB − xP 5−3 2 1−2 1 xQ − xA = =− xB − xQ 5−1 4 Na geometria anal´ ıtica podemos calcular a ´rea de um a triˆngulo a partir das coordenadas de seus v´rtices. A ´rea a e a S do triˆngulo de v´rtices A(xA , yA ), B(xB , yB ) e C(xC , yC ) a e ´ dada por: e 1 S = |D| 2 onde D ´ o determinante da matriz de coordenadas e D= xA xB xC yA yB yC 1 1 1

Baricentro de um Triˆngulo a Chamamos de baricentro (G) o ponto de intersec¸ao das mec˜ dianas de um triˆngulo. Esse ponto divide a mediana relativa a a um lado em duas partes.
A u M

Condi¸˜o de Alinhamento de 3 Pontos ca A figura mostra trˆs ponto, A(xA , yA ), B(xB , yB ) e C(xC , yC ), e que est˜o alinhados, ou seja, s˜o pontos de uma mesma reta. a a
u w w B G P v u N v C

v

w

Y

yC yB yA A B E

C

C´lculo das Coordenadas do Baricentro (G) a Sendo A(xA , yA ), B(xB , yB ) e C(xC , yC ) v´rtices de um e triˆngulo, se N ´ ponto m´dio de BC, temos: a e e N= xC + xB yC + yB , 2 2
A

D

0

xA

xB

xC

X

Para que trˆs pontos estejam alinhados, devemos ter: e AB AE EB = = AC AD DC ou seja:
M G B N C P

xB − xA yB − yA = xC − xA yC − yA

Pense um Pouco!
• O que acontece com a distˆncia entre dois pontos a A(xA , yA ) e B(xB , yB ) se as coordenadas de ambos pontos forem: a) aumentadas de uma constante c? b) multiplicadas por 2? c) multiplicadas por -1?

Mas: rG = AG xG − xA = xN − xG GN xA + xB + xC 3 yA + yB + yC 3

de onde podemos encontrar: xG = e yG = e escrevemos finalmente G = (xG , yG ) = xA + xB + xC yA + yB + yC , 3 3

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFES) Sendo r a distˆncia da origem ao ponto P (x, y), a ent˜o, para que y/r seja negativo, o ponto P dever´ pertencer a a ao: a) 1o quadrante ou 2o quadrante b) 2o quadrante ou 4o quadrante c) 2o quadrante ou 3o quadrante d) 3o quadrante ou 4o quadrante e) 1o quadrante ou 3o quadrante

´ Matematica A – Aula 8 2. (FAAP-SP) Se os ponto A(2, −1), B(x, 4) e C(4, 9) pertencem a uma mesma reta, determine x. a) 2 b) -6 c) 1 d) 3 e) 4 3. (MACK-SP) No triˆngulo ABC, A(1, 1) ´ um dos v´rtices, a e e N (5, 4) ´ o ponto m´dio do segmento BC e M (4, 2) ´ o ponto e e e m´dio do segmento AB. Calcule as coordenadas do baricentro e G do triˆngulo. a a) G(3, 11/3) b) G(4/5, 3) c) G(11/3, 3) d) G(3, 3) e) G(11, 6)

203 Exemplo Determinar a equa¸ao geral da reta que passa nos pontos c˜ A(1, 2) e B(7, 6).

Y
B(7,6)
6 5 4 3 (0,4/3) 2 1 0 1 2 3

4
A(1,2) C(7,2)

6
4 5 6 7

X

Exerc´ ıcios Complementares
4. (PUC-SP) A(3, 5), B(1, −1) e C(x, −16) pertencem a uma mesma reta se x ´ igual a: e a) -5 b) -1 c) -3 d) -4 e) -2

Figura 3.1: Equa¸ao geral da reta: exemplo. c˜ Para que um ponto qualquer (x, y) perten¸a ` reta AB, temos c a que ter x y 1 D= 1 2 1 =0 7 6 1 e desenvolvendo o determinante temos

2 4 5. O ponto m´dio de um segmento AB, sendo A(6, 4) e B(1, 2) e D = (2x + 6 + 7y) − (14 + 6x + y) = 0 −→ y = x + 3 3 ´: e a) (3, 7/2) Confira a figura (3.1). b) (7/2, 4) c) (5, 3) Equa¸˜o Segment´ria ca a d) (6, 2) e) (7/2, 3) Considere a reta r n˜o-paralela a nenhum dos eixos e que ina tercepta os eixos nos pontos P (p, 0) e Q(0, q), com p = 0 e 6. Calcule a distˆncia entre os pontos A e M , sabendo que a q = 0. A(5, 1), B(1, 3) e M ´ ponto m´dio do segmento AB e e √ a) √20 b) √ 3 Y 5 c) √ d) 5 2 e) 2

Q(0,q)

Matem´tica A a
Geometria Anal´ ıtica
Equa¸˜es da Reta co
Equa¸˜o Geral ca

Aula 8

q

P(p,0)
0 p

X

Podemos escrever a equa¸ao da reta na forma segment´ria: c˜ a x y + =1 p q

A partir de uma condi¸ao de alinhamento de trˆs pontos poc˜ e demos determinar: Exemplo y = ax + b Por exemplo, para a reta mostrada na figura (3.1), pode-se c˜ a onde a ´ o chamado coeficiente angular da reta, e b o coeficiente obter diretamente p = −2 e q = 4/3, e a equa¸ao segment´ria e da reta ser´ a linear. y x + =1 Para x = 0 vemos que a reta cruza o eixo Y na altura y = b. −2 4/3

204

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

ou reescrevendo 3y x − =1 4 2 Equa¸oes na Param´trica c˜ e

Y r α X

S˜o equa¸oes da forma x = f (t) e y = g(t), que relacionam a c˜ as coordenadas x e y dos pontos da reta com o parˆmetro a 0 (vari´vel) t. a Exemplo As equa¸oes x(t) = t + 2 e y(t) = 1 − t definem uma reta, na Se 90◦ < α < 180◦ ⇒ tan α < 0 ⇒ m < 0 c˜ forma param´trica. e Para se obter a equa¸ao geral da reta, pode-se eliminar o c˜ Y parˆmetro t, isolando-o na primeira equa¸ao: a c˜ t=x−2 e substituindo-o na segunda: y = 1 − (x − 2) = −x + 3

r

0

X

Se α = 90◦ ⇒ ∄ tan α ⇒ m ´ indefinido. Nesse caso, a reta r e se diz vertical. N´ mero real m que expressa a tangente trigonom´trica de sua Podemos determinar o coeficiente angular de uma reta r que u e passa por dois pontos A(xA , yA ) e B(xB , yB ): inclina¸ao α, ou seja: c˜

Coeficiente Angular ou Declividade

m = tan α
Y

Podemos observar que:

y2

B

Y

r

y1
α 0

A

α

C

x1
yB − yA xB − xA

x2

X

0

X
m=

Se α = 0◦ ⇒ tan α = 0 ⇒ m = 0

Posi¸˜es Relativas entre Duas Retas co
Paralelismo

Y r α 0 X

Se 0◦ < α < 90◦ ⇒ tan α > 0 ⇒ m > 0

Duas retas r e s, distintas e n˜o-verticais, s˜o paralelas se, a a somente se, tˆm coeficientes angulares iguais. Se r e s s˜o e a paralelas αr = αs e ent˜o mr = ms a Exemplo Determinar a posi¸ao da reta r, da equa¸ao 2x − 3y + 5 = 0, c˜ c˜ em rela¸ao ` reta s, de equa¸ao 4x − 6y − 1 = 0 c˜ a c˜ Resolu¸ao: vamos determinar o coeficiente angular mr da reta c˜ r, reescrevendo a sua equa¸ao na forma geral y = (2x + 5)/3, c˜ e ent˜o mr = 2/3. a Para a reta s, temos: y = (4x− 1)/6, de onde ms = 4/6 = 2/3, ou seja as retas r e s s˜o paralelas. a

´ Matematica A – Aula 8 Concorrˆncia e

205 Caso a reta 2 seja vertical: Se tan α1 = m1 e θ ´ agudo, temos: e

Duas retas r e s ser˜o concorrentes se tiverem coeficientes difea 1 tan θ = rentes, isto ´, r e s s˜o concorrentes Longlef trightarrowmr = e a m1 ms. As retas s˜o ditas concorrentes porque concorrem para um, e Distˆncia entre um Ponto e uma Reta a a apenas um, ponto em comum. Dados um ponto P (xP , yP ) e uma reta r de equa¸ao ax + by + c˜ c = 0 , a distˆncia entre P e r ´ dada pela f´rmula: a e o

Y l1
A

P

d(P, r) =

axP + byP + c √ a2 + b 2

θ

l2 α2
B

α1

0

X

Exemplo Determinar a distˆncia entre o ponto A(2, 1) e a reta r, de a equa¸ao x + 2y − 14 = 0. c˜ d(A, r) = 10 2 + 2 · 1 − 14 √ = √ 2 + 22 5 1 √ d(A, r) = 2 5

Perpendicularismo Se r e s s˜o duas retas n˜o-verticais, ent˜o r ´ perpendicular a a a e a s se, somente se, o produto de seus coeficientes angulares ´ e igual a −1.

Pense um Pouco!
• A equa¸ao da reta j´ foi estudada em outro conte´ do da c˜ a u matem´tica, com uma outra ”aparˆncia”. Qual era esse a e assunto?

Y l1
A

P

θ

l2
B

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (Fuvest-SP) Se (m + 2n, m − 4) e (2 − m, 2n) representam o mesmo ponto do plano cartesiano, ent˜o mn ´ igual a: a e a) -2 b) 0 c) 2 d) 1 e) 1/2 2. (UFC-CE) A reta 2x + 3y = 5, ao interceptar os dois eixos coordenados, forma com estes um triˆngulo retˆngulo. Calcule a a o valor da hipotenusa desse triˆngulo. a √ 13 a) 6 √ b) 5 13/6 √ c) 5 √13 d) 6 13/5 e) 0 3. (UFMG) A reta r dada pela equa¸ao 2x + 4y − 3 = 0 c˜ intercepta o eixo das ordenadas no ponto: a) −3/4 b) −1/2 c) 3/4 d) 1/2 e) 3/2 4. (PUC-MG) O valor de x para que os pontos (1, 3), (−2, 4) e (x, 0) do plano sejam colineares ´: e a) 8 b) 9 c) 11 d) 10 e) 5

α X

0

Exemplo Verificar se as retas f e g, de equa¸oes 10x + 3y − 5 = 0 e c˜ 3x − 10y − 4 = 0, respectivamente, s˜o perpendiculares. a C´lculo de mf , coeficiente angular f : a Reescrevemos a equa¸ao da reta f , e obtemos, y = (5−10x)/3, c˜ de onde mf = −10/3. C´lculo de mg , coeficiente angular g: a Reescrevemos a equa¸ao da reta g, e obtemos, y = (3x−4)/10, c˜ de onde mg = 3/10. Verificando a condi¸ao de perpendicularismo: c˜ mf × mg = (−10/3)(3/10) = −1 ent˜o as retas f e g s˜o perpendiculares entre si. a a ˆ Angulo Formado por Duas Retas Se duas retas l1 e l2 , n˜o perpendiculares, tˆm coeficientes a e angulares m1 e m2 , respectivamente, o ˆngulo θ, medido no a sentido anti-hor´rio, desde a reta l1 at´ l2 , ´ considerando o a e e a ˆngulo formado por elas. Se tan α1 = m1 e tan α2 = m2 e θ ´ agudo, temos: e tan θ = m2 − m1 1 − m1 m2

206

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exerc´ ıcios Complementares

constante R, o raio da circunferˆncia. e d(C, P ) = (x − xC )2 + (y − yC )2 = R

5. (Cesgranrio-RJ) A equa¸ao da reta mostrada na figura c˜ abaixo ou seja,

(x − xC )2 + (y − yC )2 = R2

Y
3

´ a equa¸ao reduzida da circunferˆncia. e c˜ e

Y
y R P(x,y)

y

yC

−4

0

X

yC

C( xC , yC ) x xC x

´: e a) 3x + 4y − 12 = 0 b) 3x − 4y + 12 = 0 c) 4x + 3y + 12 = 0 d) 4x − 3y − 12 = 0 e) 4x − 3y + 12 = 0 6. (Fuvest-SP) A reta r tem equa¸ao 2x + y = 3 e intercepta c˜ o eixo x no ponto A. A reta s passa pelo ponto P (1, 2) e ´ e perpendicular a r. Sendo B e C os pontos onde s intercepta o eixo x e a reta r, respectivamente: a) determine a equa¸ao de s; c˜ b) calcule a ´rea do triˆngulo ABC. a a

0

xC

X

Figura 3.1: Uma circunferˆncia de raio R, com centro no ponto e C(xC , yC ).

Matem´tica A a
Circunferˆncia e
Conceito

A equa¸ao reduzida da circunferˆncia e permite determinar c˜ e diretamente os elementos essenciais para a constru¸ao da circ˜ cunferˆncia: as coordenadas do centro e o raio. e 7. Se o ponto P (k, −2) satisfaz ` rela¸ao x + 2y − 10 = 0, Quando o centro da circunferˆncia estiver na origem, O(0, 0), a c˜ e ent˜o o valor de k 2 ´: a e a equa¸ao da circunferˆncia ser´ simplesmente c˜ e a a) 200 x2 + y 2 = R2 b) 196 c) 144 d) 36 Exemplo e) 0 Determinar as coordenadas do centro C e o raio R da circunferˆncia da equa¸ao (x − 3)2 + (y + 1)2 = 16. e c˜ Comparando a equa¸ao dada, com a equa¸ao reduzida da circ˜ c˜ cunferˆncia temos: e

Aula 9

x − 3 = x − xC =⇒ xC = 3 y + 1 = y − yC =⇒ yC = −1 16 = R2 =⇒ R = 4

ent˜o o centro da circunferˆncia ´ o ponto C(3, −1), e o possui a e e ´ E o conjunto de todos os pontos de um plano eq¨ idistantes raio R = 4. u de um ponto fixo, desse mesmo plano, denominado centro da circunferˆncia. e Equa¸˜o Geral da Circunferˆncia ca e

Raio
´ E o segmento de reta que vai do centro a um ponto qualquer da circunferˆncia. e

Desenvolvendo a equa¸ao reduzida, obtemos a equa¸ao geral c˜ c˜ da circunferˆncia: e (x − xC )2 + (y − yC )2 = R2 =⇒

Equa¸˜o Reduzida da Circunferˆncia ca e
Sendo C(xC , yC ) o centro e P (x, y) um ponto qualquer da circunferˆncia, a distˆncia de C a P , chamada d(C, P ), ´ uma e a e

2 x2 + y 2 − 2xC x − 2yC y + x2 + yC − R2 = 0 C

Para determinar o centre e o raio de uma circunferˆncia, coe nhecendo a equa¸ao geral, basta compar´-la com a equa¸˜o c˜ a ca geral da circunferˆncia em sua forma gen´rica. e e

´ Matematica A – Aula 10 Exemplo d) x2 + y 2 + 4x + 4y + 3 = 0 e) n. d. a.

207

Determine o centro e raio da circunferˆncia com equa¸ao geral e c˜ igual a x2 + y 2 − 6x + 4y − 3 = 0 5. (UEL-PR) Considere, no plano cartesiano, todos os pontos Comparando com a equa¸ao geral da circunferˆncia temos: c˜ e que distam 2 unidades da reta de equa¸ao x − y − 3 = 0. Esses c˜ pontos pertencem todos: −2xC = −6 =⇒ xC = 3 a) `s retas de equa¸oes −x + y + 5 = 0 ou −x + y + 1 = 0 a c˜ b) ao 1o ou 4o quadrante. −2yC = 4 =⇒ yC = −2 √ c) `s retas de equa¸oes −x + y + 3 = ±2 2 a c˜ 2 2 2 2 2 2 xC + yC − R = −3 =⇒ 3 + (−2) + 3 = R d) ` circunferˆncia de equa¸ao x2 + y 2 − 9 = 0 a e c˜ √ e) `s retas de equa¸ao −x − y − 3/2 = 0 ou −x − y + 3/2 = 0 a c˜ a e ent˜o R = + 16 = 4, j´ que procuramos um valor R > 0. a Logo, C(3, 2) e R = 4.

Pense um Pouco!
• De que elementos da circunferˆncia precisamos conhecer e para escrever a equa¸ao geral da circunferˆncia? c˜ e • Como podemos saber se um ponto dado est´ dentro ou a fora de uma dada circunferˆncia? e

Matem´tica A a

Aula 10

Circunferˆncia - II e Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
Posi¸˜o Relativa a uma Reta ca

1. Qual a equa¸ao geral da circunferˆncia com centro no ponto Uma reta l e uma circunferˆncia podem ocupar as seguintes c˜ e e C(2, 3) e que passa pelo ponto P (−1, 2)? posi¸oes relativas: c˜ a) (x − 3)2 + (y − 2)2 = 10 b) (x − 2)2 + (y − 3)2 = 10 c) (x − 2)2 + (y − 10)2 = 15 Reta Secante d) (x − 2/3)2 + (y − 1)2 = 10 e) (x − 10)2 + (y − 2)2 = 3 A reta l intercepta a circunferˆncia em dois pontos. e 2. (PUC-RS) O ponto P (−3, b) pertence ` circunferˆncia de a e centro C(0, 3) e raio R = 5. Quais s˜o os valores poss´ a ıveis de b? a) 14 e 20 b) -20 e 14 A c) 8 e 2 d) -7 e 1 e) 7 e -1 3. A circunferˆncia com centro na origem (0, 0) e que passa e no ponto (−3, −4) tem equa¸ao: c˜ a) (x − 3)2 + (y − 4)2 = 5 b) (x + 3)2 + (y + 4)2 = 25 c) x2 + y 2 = −5 d) x2 − y 2 = 25 e) x2 + y 2 − 25 = 0
d C B f

Exerc´ ıcios Complementares
Nesse caso, a reta e a circunferˆncia s˜o secantes. Pode-se e a 4. (UFAL) Para a quest˜o utilize os seguintes dados: a verificar, facilmente, que a distˆncia do centro C at´ a reta l a e reta r de equa¸ao x − 2y + 2 = 0 c˜ ´ menor que o raio r, ou seja d(C, l) < r. e reta s de equa¸ao 2x + y − 6 = 0 c˜ pontos A(−1, 3) e B(3, 0). Seja C o ponto de intersec¸ao de r e s. A equa¸ao da circunc˜ c˜ Reta Tangente ferˆncia de centro C e raio de medida igual a AB ´: e e a) x2 + y 2 − 4x + 4y + 17 = 0 b) x2 + y 2 + 4x − 4y + 3 = 0 A reta l intercepta a circunferˆncia em apenas um e c) x2 + y 2 − 4x − 4y − 17 = 0 ponto.

208

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Vamos calcular a distˆncia do centro de C at´ s e compar´a e a la com o raio de α. Da equa¸ao da circunferˆncia temos que c˜ e C(0, 0) e r = 1, e ent˜o: a d(C, s) = 1·0+1·0−4 √ 12 + 12

C

d A

√ 4 d(C, s) = √ = 2 2 2 Como d(C, s) > r, a reta s ´ exterior a α. e

Posi¸˜o Relativa entre Circunferˆncias ca e
l

Para determinar a posi¸ao relativa entre duas circunferˆncias c˜ e quaisquer de raios R1 e R2 , com centros C1 e C2 , respectivamente, determinamos a distˆncia d(C1 , C2 ) entre seus centros a Nesse caso, a reta e a circunferˆncia s˜o tangentes. Pode-se e comparamos com R + R ou com |R − R |, e classificamos e a 1 2 1 2 verificar, facilmente, que a distˆncia do centro at´ a reta l ´ os seguintes casos: a e e igual ao raio r, ou seja, d(C, l) = r Exterior A reta l n˜o-intercepta a circunferˆncia. a e Circunferˆncias Exteriores e Quando d(C1 , C2 ) > (R1 + R2 ) as circunferˆncias s˜o exterie a ores.

α R1 C1
d C l

β C2 R2

d(C1 ,C2 ) > R + R
1

2

Circunferˆncias Secantes e Quando |R1 − R2 | < d(C1 , C2 ) < (R1 + R2 ) as circunferˆncias e s˜o secantes. a Nesse caso, a reta e a circunferˆncia s˜o n˜o-secantes ou e a a exteriores. Pode-se verificar, facilmente, que a distˆncia do a centro C at´ a reta l ´ maior que o raio r, ou seja, d(C, l) > r. e e

α R1 β C2 R2 |R 1 − R | < d(C1 ,C2 ) < R1 + R2
2

C´lculo da Posi¸˜o a ca
Pode-se determinar a posi¸ao de uma reta em rela¸ao a c˜ c˜ uma circunferˆncia calculando a distˆncia da reta ao cene a tro da circunferˆncia. Assim, dadas a reta l definida pela e equa¸ao ax + by + c = 0 e a circunferˆncia α definida por c˜ e (x − xC )2 + (y − yC )2 = r2 , com centro C(xC , yC ) e raio r, temos: axC + byC + c √ d(C, l) = a2 + b 2

C1

Circunferˆncias Tangentes e E uma vez determinada essa distˆncia, fazemos a sua coma para¸ao com r e classificamos a posi¸ao em um dos trˆs casos Quando d(C1 , C2 ) = |R1 − R2 | ou d(C1 , C2 ) = (R1 + R2 ) as c˜ c˜ e vistos acima: secante, tangente ou exterior. circunferˆncias s˜o tangentes. e a Exemplo Circunferˆncias Internas e

Vamos determinar a posi¸ao relativa da reta s : x + y − 4 = 0 Quando 0 < d(C1 , C2 ) < |R1 − R2 | as circunferˆncias s˜o inc˜ e a em rela¸ao ` circunferˆncia α : x2 + y 2 = 1. c˜ a e ternas.

´ Matematica A – Aula 10
α β C1

209

α R1 C1 C2 R2 d(C1 ,C2 ) = R 1 + R 2 β

R1 C2 R2

Exerc´ ıcios Complementares
3. (Fuvest-SP) A reta s passa pelo ponto (0, 3) e ´ perpendie cular ` reta AB, onde A(0, 0) e B ´ o centro da circunferˆncia a e e x2 + y 2 − 2x − 4y = 20. Ent˜o a equa¸ao de s ´: a c˜ e a) x − 2y = −6 b) x + 2y = 6 c) x + y = 3 d) y − x = 3 e) 2x + y = 6 4. (MACK-SP) Em rela¸ao ` circunferˆncia (x−1)2 +(y−2)2 = c˜ a e 169, a reta 5x + 12y − 198 = 0 a) ´ secante e b) ´ tangente e c) ´ externa e d) coincide com reta que cont´m o diˆmetro e a e) n. d. a.

d(C1 ,C2 ) = |R1 − R | 2

(a)

(b)

Figura 3.1: Circunferˆncias tangentes exteriores (a) e interie ores (b).

R1 C2 C1 R2 β

α

R1 β C1= C2 R2

α

d(C1 ,C 2 ) < |R 1 − R2 |

d(C1 ,C2 ) = 0

(a)

(b)

Figura 3.2: Circunferˆncias internas (a) e concˆntricas (b). e e

Circunferˆncias Concˆntricas e e No caso especial em que d(C1 , C2 ) = 0 as circunferˆncias s˜o e a concˆntricas. e

Pense um Pouco!
• De que elementos da circunferˆncia precisamos conhecer e para escrever a equa¸ao geral da circunferˆncia? c˜ e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFSC) Determine o raio da circunferˆncia C1 , cujo centro e ´ o ponto de intersec¸ao da reta r de equa¸ao x−y −1 = 0 com e c˜ c˜ reta s de equa¸ao 2x − y + 1 = 0, sabendo que C1 ´ tangente c˜ e exteriormente ` circunferˆncia C2 de equa¸ao x2 + y 2 − 12x − a e c˜ 6y − 4 = 0. a) 10 b) 2 c) 3 d) 6 e) 1 2. (ITA-SP) Sabendo que o ponto (2, 1) ´ o ponto m´dio de e e uma corda AB da circunferˆncia (x − 1)2 + y 2 = 4, ent˜o a e a equa¸ao da reta que cont´m A e B ´ dada por: c˜ e e a) y = 2x − 3 b) y = x − 1 c) y = −x + 3 d) y = (3/2)x − 2 e) y = −x/2 + 2

210

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

´ Matematica B – Aula 1

211

Matem´tica B a
Matrizes

Aula 1

Tipos de matrizes
Algumas matrizes recebem nomes especiais, devido suas caracter´ ısticas. • Matriz linha : matriz do tipo 1 × n, ou seja, com uma unica linha. Por exemplo, a matriz A = ´ 5 8 −2 3 , do tipo 1 × 4. • Matriz coluna : matriz do  m  1, ou seja, com uma tipo × 3 unica coluna. Por exemplo,  −5 , do tipo 3 × 1. ´ 2

´ chamada matriz. e Se essa tabela ´ formada por m linhas e por n colunas, dizemos e que a matriz ´ do tipo m por n, e indicamos m×n. No exemplo, e a matriz A tem 3 linhas e 3 colunas; ent˜o, A ´ do tipo 3 × 4: a e A(3 × 4). De modo geral, apresentamos uma matriz cercando as linhas e as colunas por parˆnteses como na matriz A acima. Podemos e tamb´m utilizar colchetes ou duplas barras. e

Uma tabela de n´ meros dispostos em linhas e colunas, como u por exemplo:   3 1 4 2  6 −5 0 −1  7 11 −3 5

• Matriz quadrada : matriz do tipo n × n, ou seja, com o mesmo n´ mero de linhas e colunas; dizemos que a matriz u ´ de ordem n. Os elementos da forma aii constituem a e diagonal principal. Os elementos aij em que i + j = n + 1 constituem a diagonal secund´ria. Por exemplo, a matriz a C= 7 2 −9 4

´ do tipo 2 × 2, isto ´, quadrada de ordem 2. e e • Matriz nula: matriz em que todos os elementos s˜o nua los; ´ representada por 0m×n . Por exemplo, e

Exemplos
1. B = 2. C = 3. D = 2 1/2 −3 5 0 −1 1 5 4 −1 ´ uma matriz (2 × 3) e

02×3 = .

0 0

0 0 0 0

´ uma matriz de ordem 2 e 3 5 ´ uma matriz (1 × 4) e

−1 0

Nota¸˜o Geral ca
Normalmente representamos as matrizes por letras mai´ sculas u e seus elementos por letras min´ sculas, acompanhadas por dois u ´ ındices que indicam, respectivamente, a linha e a coluna que o elemento ocupa. Uma matriz A do tipo m × n ´ representada e por:   a11 a12 a13 · · · a1n  a21 a22 a23 · · · a2n      A =  a31 a32 a33 · · · a3n   . . . .  . . .   . . . . ··· . am1 am2 am3 · · · amn

• Matriz diagonal: matriz quadrada em que todos os elementos que n˜o est˜o na diagonal principal s˜o nulos. Por a a a exemplo:   4 0 0 B3×3 =  0 5 0  0 0 −3 . • Matriz identidade: matriz quadrada em que todos os elementos da diagonal principal s˜o iguais a 1 e os demais a s˜o nulos; ´ representada por In , sendo n a ordem da a e matriz. Por exemplo:   1 0 0 I3 =  0 1 0  0 0 1 Para uma matriz identidade aij = 1 aij = 0 se i = j se i = j

ou, abreviadamente, A = [aij ]m×n , em que i e j representam, respectivamente, a linha e a coluna que o elemento ocupa. Por exemplo, na matriz anterior, a31 ´ o elemento da 3a linha e e da 1a coluna.

Exemplo Na matriz: A= temos 2 −5 6 0

• Matriz transposta: Dada uma matriz A(m × n), a matriz que se obt´m trocando ordenadamente as linhas pelas e colunas chama-se transposta de A, e ´ indicada por At e (ou por At ). Por exemplo   2 3 2 5 0 A =  5 −1  =⇒ At = 3 −1 6 0 6

  a11   a12  a21   a22

=2 =6 = −5 =0

• Matriz sim´trica: matriz quadrada de ordem n tal que e A = At . Por exemplo   3 5 6 A= 5 2 4  6 4 8 ´ sim´trica pois temos aij = aji . e e

212

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

• Matriz anti-sim´trica: Uma matriz quadrada A = [aij ] 6. Calcule a soma dos elementos da 2a coluna da matriz B = e ´ anti-sim´trica se At = −A. Por exemplo e e (bij )2×3 , em que bij = 2i + j − 1   0 3 4 A =  −3 0 −6  −4 6 0

Matem´tica B a

Aula 2

• Matriz oposta: matriz −A obtida a partir de A trocando-se o sinal de todos os elementos de A. Por exemplo, se 3 0 A= 4 −1 ent˜o a −A = −3 0 −4 1

Opera¸˜es com Matrizes co
Adi¸˜o ca

Dadas as matrizes A e B, ambas do mesmo tipo (m×n), somar A com B ´ obter a matriz A + B, do tipo m × n, onde cada e elemento ´ a soma dos elementos de mesma posi¸ao de A e B. e c˜ Por exemplo: Igualdade de Matrizes 2 3 5 8 −7 3 Se A = eB= −1 4 −2 2 4 6 Duas matrizes, A e B, do mesmo tipo m × n, s˜o iguais se, e a somente se, todos os elementos que ocupam a mesma posi¸ao ent˜o c˜ a s˜o iguais. Por exemplo, se a x y 8 −1 2+8 3−7 5+3 A= eB= A+B = z t 5 3 −1 + 2 4 + 4 −2 + 6 A = B se, e somente se, x = 8, y = −1, z = 5 e t = 3. 10 −4 8 A+B = 1 8 4

Pense um Pouco!
Sendo A, B e C matrizes do mesmo tipo (m × n), temos as • No que a matriz anti-sim´trica difere da matriz sim´trica? seguintes propriedades para a adi¸ao: e e c˜ a) comutativa: A + B = B + A b) associativa: (A + B) + C = A + (B + C) Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca c) elemento neutro: A + 0 = 0 + A = A, sendo 0 a matriz nula m×n d) elemento oposto: A + (−A) = (−A) + A = 0 1. Escreva a matriz A(3 × 3) = [aij ], onde aij = i + 2j. t Determine, em seguida, A (a matriz transposta de A). 2. Escreva a matriz aij = 2i, se i = j aij = j − 10 se i = j A(2 × 2) = [aij ] onde • Qual a rela¸ao entre uma matriz A e sua oposta? c˜ Propriedades da Adi¸˜o ca

Subtra¸˜o ca
Para entendermos a subtra¸ao de matrizes devemos saber o c˜ que ´ uma matriz oposta. A oposta de uma matriz M ´ a e e matriz −M , cujos elementos s˜o os n´ meros opostos de mesma a u posi¸ao de M . Por exemplo: c˜ M= 2 −3 −5 7 =⇒ −M = −2 3 5 −7

3. (ACAFE) Seja A = B, onde x2 + 1 0 10 y − 2 eB= A= 4 4 logx 81 y 2 ent˜o os valores de x e y ser˜o, respectivamente: a a a) 2 e 3 b) ±2 e ±3 c) 3 e 2 d) −3 e −2 e) ±3 e ±2

Com a matriz oposta podemos definir a diferen¸a de matrizes: c A − B = A + (−B) ou seja, para subtrair matrizes, somamos a primeira com a oposta da segunda. Assim para as matrizes A e B acima, temos: A − B = A + (−B) A−B = 2 3 −1 4 5 −2 + −8 7 −3 −2 −4 −6

Exerc´ ıcios Complementares
4. Sendo A = [aij ]2×3 tal que aij = i + j, determine x, y e z 2 y−1 4 tais que A = . x z 5

Logo, 5. Dada a matriz A = (aij )3×3 tal que aij = i2 +2j −5, calcule A−B = a12 + a31 .

−6 10 2 −3 0 −8

´ Matematica B – Aula 2

213

Multiplica¸˜o por um N´mero Real ca u
Multiplicar um n´ mero k por uma matriz A ´ obter a matriz u e kA, cujos elementos s˜o os elementos de A multiplicados, todos a por k.     2 1 6 3 A =  4 −3  =⇒ 3A =  12 −9  −1 5 −3 15 Propriedades

Pense um Pouco!
• Sempre podemos multiplicar matrizes de mesma ordem (iguais) ? • (ACAFE) Sejam as matrizes A3×2 , B3×3 e C2×3 . A alternativa em que a express˜o ´ poss´ de ser determinada a e ıvel ´: e a) B 2 · (A + C) b) (B · A) + C c) (C · B) + A d) (A · C) + B e) A · (B + C)

Sendo A e B matrizes do mesmo tipo m × n e x e y n´ meros u reais quaisquer, valem as seguintes propriedades: a) associativa: x · (yA) = (xy) · A b) distributiva de um n´ mero real em rela¸ao ` adi¸ao de ma- Exerc´ u c˜ a c˜ ıcios de Aplica¸˜o ca trizes: x · (A + B) = xA + xB c) distributiva de uma matriz em rela¸ao ` adi¸ao de dois c˜ a c˜ 1 2 n´ meros reais: (x + y) · A = xA + yA u 1. Sendo A = , determine sua inversa, se existir. −2 1 d) elemento neutro: xA = A, para x = 1, ou seja, 1 · A = A 1/5 −2/5 A= 2/5 1/5

Multiplica¸˜o de Matrizes ca
Dadas as matrizes A = (aik )m × n e B = (bik )m × p, define-se como produto de A por B a matriz C = (cij )m × p tal que o elemento cij ´ a soma dos produtos da i-´sima linha de A e e pelos elementos correspondentes da j-´sima coluna de B. e C = A · B ⇒ cij = Observa¸˜o ca
p k=1 (Aik

2. (ACAFE) Dada a matriz A =

· Bik )

Somente existe o produto de uma matriz A por outra matriz B se o n´ mero de colunas de A ´ igual ao n´ mero de linhas de u e u B. Se existir o produto de A por B, o tipo da matriz produto ´ dado pelo n´ mero de linhas de A e pelo n´ mero de colunas 3. (ACAFE) Considere as matrizes e u u 1 2 x de B. Pode existir o produto de A por B, mas n˜o existir o A = a ,B= e −2 −1 y produto de B por A. 6 C= . Sabendo que A · B = C, o valor de |x| + |y| ´: e 9 Propriedades a) 15 Verificadas as condi¸oes de existˆncia para a multiplica¸ao de c˜ e c˜ matrizes, valem as seguintes propriedades: a) associativa: (A · B) · C = A · (B · C) b) distributiva em rela¸ao ` adi¸ao: A · (B + C) = A · B + A · C c˜ a c˜ ou (A + B) · C = A · C + B · C c) elemento neutro: A · In = In · A = A, sendo In a matriz identidade de ordem n Geralmente a propriedade comutativa n˜o vale para a mula tiplica¸ao de matrizes (A · B = B · A). N˜o vale tamb´m o c˜ a e anulamento do produto, ou seja: sendo 0m×n uma matriz nula, A · B = 0m×n n˜o implica, necessariamente, que A = 0m×n ou a B = 0m×n . b) 1 c) 57 d) 9 e) 39

0 1 , seja At a sua 2 −2 matriz transposta. O produto A · At ´ a matriz: e 0 1 a) 2 −2 0 2 b) 1 −2 1 −2 c) −2 0 1 0 d) 2 1 1 −2 e −2 8

Exerc´ ıcios Complementares
1 4. Dadas as matrizes A =  3 5 2 −1 0 B= , calcule X 1 3 4   0 2 e 4

= 2A − 3B t .

Invers˜o de Matrizes a

5. A matriz A = (aij )3×3 ´ definida, de tal forma que: e

i−j se i>j Dada uma matriz A, quadrada, de ordem n, se existir uma i∗j se i=j aij = ′ ′ ′ matriz A , de mesma ordem, tal que A · A = A · A = In , ent˜o a i + j se i < j A′ ´ matriz inversa de A. Representamos a matriz inversa por e A−1 . Determinar a matriz inversa de A.

214

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o Exemplo  −sen θ cos θ 0 0 0  1 

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

6. Dada a matriz cos θ M =  sen θ 0

M = [5] ⇒ det M = 5 ou |5| = 5

Calcule M · M t .

Determinante de 2a Ordem
Dada a matriz M = a11 a12 , de ordem 2, por defini¸ao c˜ a21 a22 o determinante associado a M , determinante de 2a ordem, ´ e dado por: a11 a21 a12 a22 = a11 a22 − a12 a21

7. (ITA-SP) Considere P a matriz inversa da matriz M = 1/3 0 . A soma dos elementos da diagonal principal da 1/7 1 matriz P ´: e a) 9 4 b) 4 9 c) 4 d) 5 9 1 e) − 9 8. (UECE) O produto da inversa da matriz 1 1 1 0 A= pela matriz I = ´ igual a: e 1 2 0 1 −2 1 a) −1 1 2 −1 b) 1 −1 −2 1 c) 1 −1 2 −1 d) −1 1

Determinante de 3a Ordem
Para o c´lculo de determinantes de ordem 3 podemos utilizar a uma regra pr´tica, conhecida como Regra de Sarrus, que s´ a o se aplica a determinantes de ordem 3. A seguir, explicaremos detalhadamente como utilizar a Regra de Sarrus para calcular o determinante D= a11 a21 a31 a12 a22 a32 a13 a23 a33

1o passo: terceira:

Repetimos as duas primeiras colunas ao lado da

Matem´tica B a
Determinantes

Aula 3
a11 a12 a13 a11 a12 a21 a22 a23 a21 a22 a31 a32 a33 a31 a32

Determinante ´ um n´ mero que se associa a uma matriz e u quadrada. De modo geral, um determinante ´ indicado e escrevendo-se os elementos da matriz entre barras ou antecedendo a matriz pelo s´ ımbolo det. a b Assim, se A = , o determinante de A ´ indicado por: e c d 2o passo: Devemos encontrar a soma do produto dos elemena b a b tos da diagonal principal com os dois produtos obtidos pela detA = det = c d c d multiplica¸ao dos elementos das paralelas a essa diagonal: c˜ O c´lculo de um determinante ´ efetuado atrav´s de regras a e e ´ espec´ ıficas que estudaremos mais adiante. E importante ressaltarmos alguns pontos: 1. Somente `s matrizes quadradas ´ que associamos detera e minantes. 2. O determinante n˜o representa o valor de uma matriz. a Lembre-se, matriz ´ uma tabela, e n˜o h´ significado falar e a a em valor de uma tabela.

a11 a12 a13 a11 a12 a21 a22 a23 a21 a22 a31 a32 a33 a31 a32 multiplicar e somar

Determinante de 1a Ordem

Dada uma matriz quadrada de 1a ordem M = [a11 ], o seu determinante ´ o n´ mero real a11 : e u 3o passo: Encontramos a soma do produto dos elementos da diagonal secund´ria com os dois produtos obtidos pela multia det M = |a11 | = a11 plica¸ao dos elementos das paralelas a essa diagonal: c˜

´ Matematica B – Aula 3 Exemplo

215

a11 a12 a13 a11 a12 a21 a22 a23 a21 a22 a31 a32 a33 a31 a32 multiplicar e subtrair
Assim, subtraindo o segundo produto do primeiro, podemos escrever o determinante como: D = − (a11 a22 a33 + a12 a23 a31 + a13 a21 a32 ) (a13 a22 a31 + a11 a23 a32 + a12 a21 a33 )

 a11 a12 a13 Considerando M =  a21 a22 a23  a31 a32 a33 calcularemos o co-fator A23 . Temos que i = 2 e j = 3, logo: 2+3 A23 = (−1) · M C23 . Devemos calcular M C23 .  M C 23 = a11 a31 a12 a32 = a11 a32 − a12 a31

Assim A23 = (−1) · (a11 a32 − a12 a31 )

Teorema de Laplace
O determinante de uma matriz quadrada M = [aij ]m×n (m ≥ 2) pode ser obtido pela soma dos produtos dos elementos de uma fila qualquer (linha ou coluna) da matriz M pelos respectivos co-fatores. Desta forma, fixando j ∈ N, tal que 1 ≤ j ≤ m, temos:
m

Menor Complementar

Chamamos de menor complementar relativo a um elemento det M = i=1 aij Aij aij de uma matriz M , quadrada de ordem n > 1, o determinante M C ij , de ordem n − 1, associado ` matriz obtida de M em que m ´ o somat´rio de todos os termos de ´ a o ındice i, i=1 e quando suprimimos a linha e a coluna que passam por aij . Por variando de 1 at´ m, m ∈ N. e exemplo, dada a matriz M= a11 a21 a12 a22 Exemplo: Calcule o determinante a seguir utilizando o Teorema de Laplace: D= 2 3 −2 1 0 5 −4 2 6

de ordem 2, para determinar o menor complementar relativo ao elemento a11 (M C 11 ), eliminamos a linha 1 e a coluna 2: a11 a21 a12 a22 ⇒ M C 11 = |a22 | = a22

Aplicando o Teorema de Laplace na coluna 1, te1+1 1 2 2+1 3 −4 mos: D = 2(−1) + (−2)(−1) + 5 6 5 6 3 −4 De modo an´logo, para obtermos o menor complementar relaa 3+1 0(−1) 1 2 tivo ao elemento a12 , eliminamos a linha 1 e a coluna 2: D = 2(+1)(−4) + (−2)(−1)38 + 0 = −8 + 76 = 68 a11 a12 ⇒ M C 12 = |a21 | = a21 a21 a22 Observa¸˜o ca Para um determinante de ordem 3, o processo de obten¸ao do Se calcularmos o determinante utilizando a Regra de Sarrus, c˜ menor complementar ´ o mesmo utilizado anteriormente, por obteremos o mesmo n´ mero real. e u exemplo, sendo a11 M =  a21 a31  a12 a22 a32  a13 a23  a33

Propriedades dos determinantes

P1 ) Quando todos os elementos de uma fila (linha ou coluna) s˜o nulos, o determinante dessa matriz ´ nulo. a e P2 ) Se duas filas de uma matriz s˜o iguais, ent˜o seu determia a de ordem 3, temos: nante ´ nulo. e P3 ) Se duas filas paralelas de uma matriz s˜o proporcionais, a a22 a23 ent˜o seu determinante ´ nulo. a e M C 11 = = a22 a33 − a23 a32 a32 a33 P4 ) Se os elementos de uma matriz s˜o combina¸oes lineares a c˜ dos elementos correspondentes de filas paralelas, ent˜o seu dea terminante ´ nulo. e Co-fator P5 ) Teorema de Jacobi: o determinante de uma matriz n˜o a Chama-se de co-fator de um elemento aij de uma matriz qua- se altera quando somamos aos elementos de uma fila, uma combina¸ao linear dos elementos correspondentes de filas pac˜ drada o n´ mero Aij tal que u ralelas. P6 ) O determinante de uma matriz e o de sua transposta s˜o a i+j Aij = (−1) · M Cij iguais.

216

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o a) k = 64 b) k = 96 1 c) k = 4 d) k = 3 2 e) k = 4

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

P7 ) Multiplicando-se por um n´ mero real todos os elementos u de uma fila em uma matriz, o determinante dessa matriz fica multiplicado por esse n´ mero. u P8 ) Quando trocamos as posi¸oes de duas filas paralelas, o dec˜ terminante de uma matriz muda de sinal. P9 ) Quando, em uma matriz, os elementos acima ou abaixo da diagonal principal s˜o todos nulos, o determinante ´ igual a e ao produto dos elementos dessa diagonal. P10 ) Quando, em uma matriz, os elementos acima ou abaixo da diagonal secund´ria s˜o todos nulos, o determinante ´ igual a a e ao produto dos elementos dessa diagonal multiplicados por

6. (PUC) O co-fator do elemento a23 da matriz A = 2 1 3 1 2 2 ´: e 0 1 2 a) 2 n(n−1) b) 1 (−1) 2 . P11 ) Para A e B matrizes quadradas de mesma ordem n, c) −1 det(AB) = det A · det B. Como A · A−1 = I, det A−1 = d) −2 e) 3 1/det A. P12 ) Se k ∈ R, ent˜o det (k · A) = k n · det A. a 7. (UDESC) Seja A uma matriz quadrada de ordem 3, apresentada abaixo, cujo determinante ´ igual a 0, 75. e sen x A= 0 2  0 −1 sen x  1 2  0

Pense um Pouco!
• Podemos associar um determinante apenas a matrizes quadradas?

Considerando π/2 < x < π, determinar o valor de tg x.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ACAFE) O valor do determinante a) 0 b) 4 c) 7 d) 17 2 e) 53 2 log2 8 4−1/2 log10 2 31 ´: e

Matem´tica B a
Sistemas Lineares

Aula 4

ca 2. (UDESC) Sejam as matrizes quadradas de ordem 2, A = Equa¸˜o Linear (aij ) com aij = i2 − j 2 e B = (bij ) com bij = aij − 3 se i > j, Chamamos de equa¸ao linear toda equa¸ao da forma: c˜ c˜ e bij = aij + 3 se i ≤ j. Determine: a1 x1 + a2 x2 + a3 x3 + . . . + an xn = b a) a matriz A b) a matriz B onde a1 , a2 , a3 , . . ., an s˜o n´ meros reais, que recebem o a u c) a matriz A · B nome de coeficientes das inc´gnitas x1 , x2 , x3 , . . ., xn , e b ´ o e d) o determinante da matriz A · B um n´ mero real chamado termo independente (quando b = 0, u 3. (UDESC) A partir da matriz A = [aij ]2×2 , onde aij = a equa¸ao recebe o nome de linear homogˆnea). c˜ e −1 se i≥j i+j se i<j , calcular o determinante do produto da matriz A pela sua transposta, ou seja: det(A×At ), onde At ´ a matriz Exemplos de Equa¸oes Lineares e c˜ transposta de A.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UNIFENAS) Dada a matriz A = nante de sua matriz inversa A−1 ´: e a) −2 b) −4 1 c) 2 d) 4 1 e) − 4 1 2 0 −4 o determi-

3x − 2y + 4z = 7 −2x + 4z = 3t − y + 4 x + y − 3z − √ 7t = 0(homogˆnea) e

Exemplos de Equa¸oes N˜o Lineares c˜ a xy − 3z + t = 8 x2 − 4y = 3t − 4 √ x − 2y + z = 7

5. (MACK) A e B s˜o matrizes quadradas de ordem 3 e a B = k · A. Sabe-se que det A = 1, 5 e det B = 96. Ent˜o: a

´ Matematica B – Aula 4

217

Sistema Linear

Classifica¸˜o de um Sistema ca

encontramos uma unica solu¸ao: o par ordenado (1, 2). Assim, ´ c˜ ´ E chamado de sistema linear de m equa¸oes e n inc´gnitas. dizemos que o sistema ´ poss´vel (tem solu¸ao) e determinado c˜ o e ı c˜ A seq¨ˆncia (r1 , r2 , r3 , · · · ,) ´ a solu¸ao do sistema, se ´ solu¸ao (solu¸ao unica). ue e c˜ e c˜ c˜ ´ para todas as m equa¸oes do sistema. c˜ Para x + 2y = 1 2x + 4y = 2

Um conjunto de equa¸oes lineares considerados simultanea- Podemos classificar um sistema de equa¸oes quanto ao n´ mero c˜ c˜ u mente, como por exemplo: de solu¸oes diferentes que ele admite. c˜  a x Resolvendo o sistema  11 1 + a12 x2 + · · · + a1n xn = b1  a21 x1 + a22 x2 + · · · + a2n xn = b2 x + 2y = 5 . . . . . . .  . . . . 2x + 5y = 12  .
am1 x1 + am2 x2 + ··· + amn xn = bm

Matrizes Associada a um Sistema Linear

verificamos que nenhum par ordenado satisfaz simultaneamente as equa¸oes. Portanto, o sistema ´ imposs´vel (n˜o tem c˜ e ı a solu¸ao). Em resumo, um sistema linear pode ser: c˜ poss´ ıvel e determinado ⇒ solu¸ao unica c˜ ´ poss´ ıvel e indeterminado ⇒ infinitas solu¸oes c˜ Matriz completa ´ a matriz B que se obt´m acrescentando ` e e a imposs´ ıvel ⇒ n˜o tem solu¸ao a c˜ matriz incompleta uma ultima coluna formada pelos termos ´ independentes das equa¸oes do sistema. Desta forma, para o c˜ Sistema Normal sistema anterior, a matriz completa ´: e   2 3 −1 0 Dizemos que um sistema ´ normal quando possui o mesmo e  4 1 1 7  n´ mero de equa¸oes (m) e de inc´gnitas (n) e o determinante u c˜ o −2 1 1 4 da matriz incompleta associada ao sistema ´ diferente de zero. e Portanto Podemos ainda escrever o sistema anterior de uma forma diferente:       m = n e detA = 0 ⇒ sistema normal 2 3 −1 x 0  4 1 1 · y  = 7  Regra de Cramer −2 1 1 z 4 2  4 −2  3 −1 1 1  1 1

a matriz incompleta ´: e 

Podemos associar dois tipos de matrizes a um sistema linear: Matriz incompleta ´ a matriz A formada pelos coeficientes das e inc´gnitas do sistema. Por exemplo, em rela¸ao ao sistema: o c˜   2x + 3y − z = 0 4x + y + z = 7  −2x + y + z = 4

verificamos que os pares ordenados (5, −2), (3, −1), (1, 0), (−1, 1), · · · s˜o algumas das infinitas solu¸oes. Por isso, dia c˜ zemos que o sistema ´ poss´vel (tem solu¸ao) e indeterminado e ı c˜ (infinitas solu¸oes). c˜ No caso do sistema 2x + 2y = 6 −3x − 3y = 2

´ E comum nas quest˜es de vestibulares cobrarem a descri¸ao Qualquer sistema normal possui uma unica solu¸ao, dada por: o c˜ ´ c˜ matricial de um sistema. A forma acima ´ a mais correta. e Dx i xi = D

onde i ∈ {1, 2, 3, ·, n}, D = det A ´ o determinante da mae e Um sistema linear ´ dito homogˆneo quando todos os termos triz incompleta associada ao sistema, e Dxi ´ o determinante e e obtido pela substitui¸ao, na matriz incompleta, da coluna i c˜ independentes das equa¸oes s˜o iguais a zero (nulos): c˜ a pela coluna formada pelos termos independentes.  a x  a11 x1 + a12 x2 + · · · + a1n xn = 0  21 1 + a22 x2 + · · · + a2n xn = 0 Exemplo   3x − 2y + z = 0 −x + 4y − 3z = 0  √ 2x + 3y = 0  
. . . am1 x1 + . . . am2 x2 + ··· + . . . amn xn = 0 0

Sistemas Homogˆneos e

Exemplo

Resolva, com o aux´ da regra de Cramer, o sistema: ılio 2x + y = 7 2x − 3y = 3 Analisando o sistema, temos que m = n = 2.

2 1 A seq¨ˆncia (0, 0, 0, ..., 0) ´ sempre solu¸ao de um sistema houe e c˜ D= = −6 − 2 = −8 = 0 2 −3 mogˆneo com n inc´gnitas e recebe o nome de solu¸ao trivial. e o c˜ Quando existem, as demais solu¸oes s˜o chamadas de n˜o- como D = 0, o sistema ´ normal e podemos utilizar a regra de c˜ a a e triviais. Cramer para resolvˆ-lo. e

218

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

  x + 2y + −3z = 9 c) 3x − y + 4z = −5  2 1 2x + y + z = 0  1 1 1 2 −3  x +y +z =0 3 1 + −5 =0 a coluna C1 pela coluna formada pelos termos independentes, d)  x y z 1 2 3 x + y − z =1 encontramos: Substituindo, na matriz incompleta Dx = 7 1 1 −3 = −21 − 3 = −24

Matem´tica B a

Aula 5

Substituindo, agora, C2 pela coluna dos termos independentes, encontramos: Dy = Assim: Dx −24 x= = =3 D −8 Dy −8 y= = =1 D −8 2 7 2 3 = 6 − 14 = −8

Discuss˜o de um Sistema Linear a
Se um sistema linear tem n equa¸oes e n inc´gnitas, ele pode c˜ o ser: 1. poss´ ıvel e determinado, se D = detA = 0; caso em que a solu¸ao ´ unica. c˜ e ´ Exemplo:   x−y+z =3 2x + y − z = 0  3x − y + 2z = 6

Logo, a solu¸ao do sistema ´ x = 3 e y = 1. c˜ e

Pense um Pouco!
O sistema de equa¸oes lineares c˜ bx − y − 4 = 0 x + ay − 1 = 0 ´ homogˆneo? e e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Escreva O sistema   3x − 2y + 2z = 7 x+y−z =4  −2x + 3y − 3z = −3 na forma matricial. 2.  Verifique se os sistemas s˜o normais. a  x+y =0 2x + 3y − z = 2 a)  3x + −z = 4   x+y+z =4 b) 2x + 3y − 5z = 1  3x + 4y − 4z = 7

m=n=3 1 −1 1 D = 2 1 −1 = 3 = 0 3 −1 2 Ent˜o, o sistema ´ poss´ e determinado, tendo solu¸˜o a e ıvel ca unica. ´

2. poss´ ıvel e indeterminado, se D = Dx1 = Dx2 = Dx3 = . . . = Dxn = 0, para n = 2. Se n ≥ 3, essa condi¸ao s´ ser´ v´lida se n˜o houver c˜ o a a a equa¸oes com coeficientes das inc´gnitas respectivamente c˜ o proporcionais e termos independentes n˜o-proporcionais. a Um sistema poss´ e indeterminado apresenta infinitas ıvel solu¸oes: c˜ Exemplo:   x + 3y + 2z = 1 −2x + y + z = −2  −x + 4y + 3z = −1 D = 0, Dx = 0, Dy = 0 e Dz = 0 Assim, o sistema ´ poss´ e indeterminado, tendo infinie ıvel tas solu¸oes. c˜

3. Determine k ∈ R de modo que o sistema seja normal

kx + y = 3 x + ky = 5

Exerc´ ıcios Complementares
4. Resolva os seguintes sistemas lineares, com o aux´ da ılio regra de Cramer: 3x + y = 5 a) 2x − 3y = −4   2x + y − 8z = −5 x + y − 2z = 0 b)  x + 2y − 3z = 6

3. imposs´ ıvel, se D = 0 e ∃ Dxi = 0, 1 ≤ i ≤ n; caso em que o sistema n˜o tem solu¸ao. Exemplo: a c˜   x + 2y + z = 1 2x + y − 3z = 4  3x + 3y − 2z = 0 D=

1 2 1 2 1 −3 = 0 3 3 −2 1 2 1 Dx = 4 1 −3 = 35 = 0 0 3 −2 Como D = 0 e Dx = 0, o sistema ´ imposs´ e ıvel e n˜o a apresenta solu¸ao. c˜

´ Matematica B – Aula 6

219

Pense um Pouco!

Progress˜o Aritm´tica a e

Descreva as condi¸oes que devem ser satisfeitas por um sistema Seq¨ˆncias c˜ ue para que ele seja: Imagine que na p´gina de passatempos de uma revista vocˆ a e a) poss´ e determinado; ıvel encontre o seguinte problema: b) poss´ e indeterminado; ıvel c) imposs´ ıvel. Descubra o elemento que completa a seq¨ encia: u 1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, . . . N˜o haveria dificuldade para vocˆ entender o que foi pedido, a e Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca pois a no¸ao de seq¨ encia lhe ´ familiar: uma lista onde os c˜ u e elementos est˜o numa certa ordem. Em um calend´rio, por a a exemplo, os dias da semana est˜o em seq¨ˆncia. a ue 1. Classifique o sistema Para resolver o problema, vocˆ precisa descobrir a lei de e  forma¸ao da seq¨ˆncia. No caso da quest˜o acima, n˜o ´ dif´ c˜ ue a a e ıcil  x+z =5 2x + y + 3z = −1 perceber que cada elemento, a partir do terceiro, ´ igual ` soma e a  −2x − 2z = 1 dos dois elementos anteriores: 2 = 1 + 1, 3 = 1 + 2, 5 = 2 + 3, 8 = 3 + 5, etc., assim, o elemento que completa a seq¨ encia ´ u e 13 + 21 = 34. Exerc´ ıcios Complementares ´ E usual indicar os elementos de uma seq¨ˆncia (que ´ tamb´m ue e e chamada de progress˜o) por letra, em geral min´ scula, acoma u panhada de um ´ ındice que localiza a posi¸ao do elemento; asc˜ 2. (UDESC) Considere o sistema de equa¸oes lineares c˜ sim a1 indica o primeiro elemento, a2 indica o segundo, a3 o bx − y − b = 0 terceiro, e assim por diante. O s´ ımbolo an ´ usado para indie car o en´simo elemento, isto ´, o termo de posi¸ao n. Como n e e c˜ x + ay − a = 0 pode ser igual a 1,2,3, etc, conforme a posi¸ao do elemento ao c˜ onde a e b s˜o n´ meros reais. a u qual queremos nos referir, dizemos que an representa o termo Pede-se: geral da progress˜o. Utilizando esta nomenclatura podemos a a) escrever o sistema na forma matricial; descrever, em linguagem matem´tica, a lei de forma¸ao da a c˜ b) determinar os valores de a e b, para que: seq¨ˆncia. ue b.1) - o sistema seja poss´ (compat´ ıvel ıvel) e determinado; Por exemplo, na seq¨ˆncia dos quadrados dos n´ meros inteiros ue u b.2) - o sistema seja poss´ (compat´ ıvel ıvel) e indeterminado; positivos b.3) - 0 sistema seja imposs´ ou incompat´ ıvel ıvel. 1, 4, 9, 16, 25, 36, ... 3. Discuta o sistema x + 2ky = k kx + 2y = p segundo os valores de p e k. 4. (UDESC) Considere o sistema de equa¸oes lineares c˜ 2x + 2y = b 3x + ay = 6 onde a e b s˜o n´ meros reais. a u Pede-se: a) escrever o sistema na forma matricial; b) determinar os valores de a e b, para que: b.1) - o sistema seja poss´ (compat´ ıvel ıvel) e determinado; b.2) - o sistema seja poss´ (compat´ ıvel ıvel) e indeterminado; b.3) - 0 sistema seja imposs´ ou incompat´ ıvel ıvel. 5. (UDESC) Discuta, segundo os valores dos parˆmetros a e a b, o sistema:   ax + y + 2z = b 2ax − y + 2z = 1  2x + y + 2z = 3 vemos que o termo geral desta seq¨ˆncia ´ ue e an = n 2

Progress˜o Aritm´tica (PA) a e
Chama-se Progress˜o Aritm´tica (PA) ` toda seq¨ˆncia a e a ue num´rica cujos termos a partir do segundo, s˜o iguais ao antee a rior somado com um valor constante denominado raz˜o. Dea pendendo da raz˜o r da PA, ela pode ser classificada como a crescente, decrescente ou constante.

Classifica¸˜o ca
Uma PA fica perfeitamente determinada se conhecermos seu primeiro termo a1 e sua raz˜o r, pois conhecemos a sua lei de a forma¸ao. c˜ Para uma PA sobre os n´ meros reais, ou seja, se {a1 , r} ⊂ R u podemos usar a seguinte classifica¸ao geral: c˜ r r>0 r<0 r=0 Exemplos A = (1, 5, 9, 13, 17, 21, . . .) raz˜o = 4, PA crescente a PA progress˜o aritm´tica crescente a e progress˜o aritm´tica decrescente a e progress˜o aritm´tica constante a e

Matem´tica B a

Aula 6

220

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

B = (3, 12, 21, 30, 39, 48, . . .) raz˜o = 9, PA crescente a C = (5, 5, 5, 5, 5, 5, 5, . . .) raz˜o = 0, PA constante a D = (100, 90, 80, 70, 60, 50, . . .) raz˜o = -10, PA decrescente a

Termos Eq¨ idistantes u Numa PA, a soma dos termos eq¨ idistantes dos extreu mos ´ constante. e Exemplo Observe a PA: 1, 5, 9, 13, 17, 21, 25, 29, 33 , e note que: 1 + 33 = 34, 5 + 29 = 34, 9 + 25 = 34, 13 + 21 = 34, etc.

Termo Geral de uma PA
Seja a PA gen´rica (a1 , a2 , a3 , a4 . . . , an−1 , an , . . .) de raz˜o r. e a Podemos escrever: a2 = a1 + r a3 = a2 + r = (a1 + r) + r = a1 + 2r a4 = a3 + r = (a1 + 2r) + r = a1 + 3r Podemos generalizar das igualdades acima que o termo geral de uma PA ´: e an = a1 + (n − 1)r , onde an ´ o termo de ordem n (n-´simo termo), r ´ a raz˜o e e e a e a1 ´ o primeiro termo da PA. e ´ a E f´cil perceber que uma PA est´ perfeitamente determinada a se conhecermos seu primeiro termo a1 e sua raz˜o r. a

Soma dos Termos de uma PA
Considerando a PA (a1 , a2 , a3 , . . . , an−2 , an−1 , an ), a soma Sn dos n primeiros termos dessa progress˜o pode ser escrita assim: a Sn = a1 + a2 + a3 + . . . + an−2 + an−1 + an

Sn Sn

= =

a1 + (a1 + r) + (a1 + 2r) + . . . + an an + (an − r) + (an − 2r) + . . . + a1

(3.1) (3.2)

Exemplos 1. Qual o mil´simo n´ mero ´ e u ımpar positivo?

Como a soma dos termos eq¨ idistantes dos extremos ´ semu e pre constante, somando (3.1) com (3.2) membro a membro, obtemos: 2sn = (a1 + an ) + (a1 + an ) + . . . + (a1 + an ) = (a1 + an )n (a1 + an )n 2

Temos a PA: (1, 3, 5, 7, 9, . . . ) onde o primeiro termo ´ e a1 = 1, a raz˜o ´ r = 2 e queremos calcular o mil´simo finalmente: a e e termo (a1000 ). Nestas condi¸oes, n = 1000 e poderemos escrever: c˜ a1000 = a1 + (1000 − 1) · 2 a1000 = 1 + 999.2 = 1 + 1998 = 1999 Portanto, 1999 ´ o mil´simo n´ mero ´ e e u ımpar. 2. Qual o n´ mero de termos da PA: (100, 98, 96, . . . , 22)? u Temos a1 = 100, r = 98 − 100 = −2 e an = 224 e desejamos calcular n. Substituindo na f´rmula do termo geral, o temos: 22 = 100 + (n − 1) · (−2) logo, 22 − 100 = −2n + 2 e 22 − 100 − 2 = −2n de onde conclui-se que −80 = −2n ⇒ n = 40. Portanto, a PA possui 40 termos.

Sn =

Esta ´ a express˜o que nos d´ a soma dos n primeiro termos e a a de uma PA. Exemplo Vamos calcular a soma dos 200 primeiros n´ meros ´ u ımpares positivos: Temos a PA: (1, 3, 5, 7, 9, . . .) e precisamos conhecer o valor de a200 . Mas, a200 = a1 + (200 − 1) · r = 1 + 199 · 2 = 399 Logo, Sn = [(1 + 399) · 200]/2 = 40.000 Portanto, a soma dos duzentos primeiros n´ meros ´ u ımpares positivos ´ igual a 40.000 . e

Propriedades da PA
M´dia dos Vizinhos e Numa PA, cada termo (a partir do segundo) ´ a m´dia e e aritm´tica dos termos vizinhos deste. e Exemplo Observe a PA de 9 termos: 1, 5, 9, 13, 17, 21, 25, 29, 33 e note que: 5 = 9+1 , 9 = 2
13+5 2 , 29+21 2 ,

Pense um Pouco!
• Compare a f´rmula do termo geral de uma PA com a o equa¸ao da reta. Comente. c˜ • Se fizermos um gr´fico an × n de alguns termos de uma a PA, que tipo de gr´fico obteremos? a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Determine a soma dos trinta primeiros termos da PA (−4, −2, 0, 2, 4, 6, . . .).

25 =

etc.

´ Matematica B – Aula 7 2. Encontre a soma dos sete primeiros termos de uma PA em que o 5o termo ´ 17 e o 3o ´ 11. e e 3. Calcule o n´ mero de termos da PA (7,9,11,13, . . . ), sabendo u que a soma deles ´ 160. e a1 a1 > 0 a1 > 0 a1 < 0 a1 < 0 ∀a1 ∈ R a1 = 0 r r>1 r<1 r>1 r<1 r=1 r=0 PG progress˜o geom´trica crescente a e progress˜o geom´trica decrescente a e progress˜o geom´trica decrescente a e progress˜o geom´trica crescente a e progress˜o geom´trica constante a e progress˜o geom´trica nula a e

221

Exerc´ ıcios Complementares
4. As medidas dos lados de um triˆngulo s˜o expressas por a a x + 1, 2x, x2 − 5 e est˜o em PA, nesta ordem. O per´ a ımetro do triˆngulo vale: a a) 8 b) 12 c) 15 d) 24 e) 33

Exemplos

2, 6, 18, 54, 162, . . . PG crescente de raz˜o 3 a 1, 1/2, 1/4, 1/8, 1/16, 1/32, . . . PG decrescente raz˜o 1/2 a −5, −5, −5, −5, −5, −5, −5, . . . PG constante de raz˜o 1 a (1, −3, 9, −27, 81, −243, . . .) 5. (UFBA) - Um rel´gio que bate de hora em hora o n´ mero PG alternada (ou oscilante) de raz˜o −3 o u a de vezes correspondente a cada hora, bater´, de zero `s 12 a a horas x vezes. Calcule o dobro da ter¸a parte de x. c

6. (UFBA) - Numa progress˜o aritm´tica, o primeiro termo a e ´ 1 e a soma do n-´simo termo com o n´ mero de termos ´ 2. Numa PG (a1 , a2 , a3 , . . . , an , . . .) de raz˜o r, pela defini¸ao, e e u e a c˜ Calcule a raz˜o dessa progress˜o. a a temos: a2 = a1 · r 7. Determinar o cent´simo termo da progress˜o aritm´tica na e a e a3 = a2 · r = (a1 · r)r = a1 · r2 qual a soma do terceiro termo com o s´timo ´ igual a 30 e a e e a4 = a3 · r = (a1 · r2 )r = a1 · r3 soma do quarto termo com o nono ´ igual a 60. e

Termo Geral da PG

Matem´tica B a

Aula 7

Assim, podemos verificar que a10 = a1 · r9 ou a40 = a1 · r39 . Portanto: an = a1 rn−1 para n = 1, 2, 3, . . ..

Progress˜o Geom´trica (PG) a e
Entenderemos por progress˜o geom´trica (PG) qualquer a e seq¨ˆncia de n´ meros reais ou complexos, onde cada termo ue u a partir do segundo, ´ igual ao anterior, multiplicado por uma e constante denominada raz˜o. A partir da defini¸ao anterior, a c˜ podemos escrever: an = an−1 r , onde an = 0

Observa¸oes c˜ 1. Note que s˜o necess´rios pelo menos trˆs termos para a a e identificar e diferenciar uma PA de uma PG, por exemplo. 2. Uma PG gen´rica de 3 termos, pode ser expressa como: e (x/r, x, xr), onde r ´ a sua raz˜o. e a 3. Uma PA gen´rica de 3 termos, pode ser expressa como: e (x − r, x, x + r), onde r ´ a sua raz˜o. e a

para n = 1, 2, 3, . . .. Exemplos A raz˜o r pode ser obtida de dois termos consecutivos da PG: a an 1. Dada a PG (2, 4, 8, . . .), vamos calcular o d´cimo termo. e r= an−1 Temos: a1 = 2, q = 4/2 = 8/4 = . . . = 2. Para calcular o d´cimo termo ou seja a10 , vem pela f´rmula: e o Chama-se progress˜o geom´trica ou PG ` toda seq¨ˆncia a e a ue a10 = a1 · r9 = 2 · 29 = 2 · 512 = 1024 num´rica cujos termos a partir do segundo, s˜o iguais ao e a anterior multiplicado por um valor constante denominado raz˜o. Dependendo a raz˜o r da PG e do primeiro termo a1 a a a seq¨ˆncia de valores obtidos pode ser crescente, decrescente ue ou constante. 2. Sabe-se que o quarto termo de uma PG crescente ´ igual e a 20 e o oitavo termo ´ igual a 320. Qual a raz˜o desta e a PG? Temos a4 = 20 e a8 = 320. Logo, podemos escrever: a4 = a1 · r4−1 e a8 = a1 · r8−1 a4 = a1 · r 3 e a8 = a1 · r 7 Da´ vem: ı, a4 r3 r7 r3 = = a8 r7 a8 a4

Classifica¸˜o ca
Uma PG est´ perfeitamente determinada se conhecermos seu a primeiro termo a1 e sua raz˜o r, pois conhecemos a lei de a forma¸ao. c˜ Para uma PG sobre os n´ meros reais, ou seja, se {a1 , r} ⊂ R u podemos usar a seguinte classifica¸ao geral: c˜

222 r4 r4

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o = = a8 a4 320 20

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Soma dos Termos de uma PG infinita

n fatores Aplicando a propriedade das potˆncias de mesma base, temos: e Pn = a1 n · r1+2+3+...+n−1

Dada a PG infinita (a1 , a2 , a3 , . . .) de raz˜o r, r = 0, para a determinar a soma S dos seus infinitos termos, temos: a) se r ≤ −1 ou r ≥ 1, S tende a ±∞ (o que significa que S ´ e indeterminada; Ent˜o r4 = 16 e portanto r = 2. a b) se −1 < r < 1, S converge para um valor finito. A partir da f´rmula da soma dos n primeiros termos de uma o a1 (r n −1) , temos que, quando n tende a +∞, rn PG, Sn = Produto dos Termos de uma PG r−1 tende a zero, portanto, a f´rmula para calcular S, com |r| < 1, o Dada a PG (a1 , a2 , a3 , . . . , an ), com r = 0, podemos calcular o ´: e −a1 a1 (0 − 1) produto Pn de seus n primeiros termos assim: = S= r−1 r−1 Pn = a1 · a2 · a3 · . . . · an = logo, a1 (a1 · r)(a1 · r2 ) · . . . · (a1 · rn−1 ) = a1 S= (a1 · a1 · a1 · . . . · a1 )(r · r2 · r3 · . . . · rn−1 ) 1−r

Propriedades Principais da PG
Produto de Termos Vizinhos

Em toda PG, um termo qualquer, com exce¸ao do primeiro c˜ Como 1 + 2 + 3 + n + . . . + n − 1 representa a soma dos termos e do ultimo, tem seu quadrado igual ao produto dos termos ´ de uma PA, temos imediatamente anterior e posterior, ou seja, a2 = an−1 an+1 . n Exemplo n(n−1) Pn = a1 n · r 2 Na PG (5, 10, 20, 40, 80, 160, 320, . . .) temos: 102 = 5 · 20 = 100 202 = 10 · 40 = 400 Soma dos Termos de uma PG 402 = 20 · 80 = 1.600 2 Vamos indicar por Sn a soma dos n primeiros termos da PG 80 = 40 · 160 = 6.400 . . (a1 , a2 , a3 , . . . , an−1 , an , . . .): . Sn = a1 + a2 + a3 + . . . + an−1 + an (3.3) Produto de Termos Eq¨ idistantes u

Se multiplicarmos ambos os membros da equa¸ao acima por r, O produto dos termos eq¨ idistantes dos extremos de uma PG c˜ u vem ´ constante: a1 an = a2 an−1 = a3 an−2 = . . . e Exemplo r · Sn = a1 · r + a2 · r + a3 · r + . . . + an−1 · r +an · r Na PG alternada com 6 termos a2 a3 a4 an −2, 2/3, −2/9, 2/27, −2/81, 2/243 temos: −2 · 2/243 = 2/3 · −2/81 = −2/9 · 2/27 = −4/243 r · S n = a1 + a2 + a3 + a4 . . . + an + an · r (3.4) Efetuando, agora, a subtra¸ao 3.4 - 3.3, obtemos (para r = 1), c˜ a f´rmula da soma: o a1 (rn − 1) Sn = r−1 Exemplo Calculemos a soma dos 10 primeiros termos da PG (1, 2, 4, 8, . . .). 1. Verifique se cada uma das seq¨ encias ´ PG, determinando, u e Temos: em caso afirmativo, a raz˜o r. a 1·(210 −1) Sn = 2−1 = 1023 3 9 a) 4 , − 2 , 54 , . . . 2 Observe que neste caso a1 = 1. 4 3 2 b) − 5 , 5 , − 15 , . . .

Pense um Pouco!
• Dada a PG (5, 10, 20, 40, 80, . . .), determine sua raz˜o. a • Fazendo-se um gr´fico dos termos de uma PG an × n, que a tipo de comportamento ter´ ıamos? Comente.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Soma dos Termos de uma PG constante

2. Determine o produto dos 53 termos iniciais da PG (2−26 , −2−25 , 2−24 , . . .). 27 4

c˜ Neste caso trivial, como a PG ´ constante, temos r = 1. Ent˜o 3. (UnB) O valor de x na equa¸ao e a 9 3 1 + + + ... x Sn = a1 + a1 + a1 + . . . + a1 ⇒ Sn = n · a1 5 5 5

=

´ Matematica B – Aula 7 ´: e a) 1 b) 3 5 c) 4 3 5 d) 2 45 e) 8

223

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UFRS) A cada balan¸o uma firma tem apresentado um c aumento de 10 % em seu capital. A raz˜o de progress˜o fora a mada pelos capitais nos balan¸os ´: c e a) 10 b) 11 10 c) 10 11 9 d) 10 1 e) 10 5. Sabe-se que x − 16, x − 10 e x + 14 s˜o os trˆs primeiros a e termos de uma PG. Calcule o seu 14o termo. 6. (Ucsal-BA) A soma dos trˆs primeiros termos de uma proe gress˜o geom´trica ´ − 4 e a soma dos trˆs termos seguintes ´ a e e 3 e e 6. A raz˜o dessa progress˜o ´: a a e a) -4. b) -2. c) 1 . 2 d) 2. e) 1 . 8 7. (UGF-RJ) Calcule a raz˜o de uma PG, na qual o 1o termo a ´ 2 e o 4o ´ 27 . e 1 e 4 8. (PUC-SP) O 7o termo de uma PG ´ 8 e a raz˜o ´ −2. e a e Determine a soma dos trˆs primeiros termos dessa progress˜o. e a

224

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

´ Matematica C – Aula 1

225 Para indicar que a consoante m n˜o pertence a V , escrevemos: a m∈V / Os s´ ımbolos ∈ (pertence) e ∈ (n˜o pertence), s˜o sempre uti/ a a lizados no sentido do elemento para o conjunto.

Matem´tica C a
Teoria dos Conjuntos
Hist´ria o

Aula 1

Representa¸˜o de Conjuntos ca

Um conjunto pode ser representado de v´rias formas distintas: a por enumera¸ao, por uma propriedade caracter´ c˜ ıstica ou por diAs no¸oes que deram origem ` Teoria dos conjuntos, est˜o c˜ a a agramas. Enumera¸ao: Neste caso, escrevemos seus elementos c˜ diretamente ligadas aos estudos dos matem´ticos ingleses Aua entre chaves, separados por v´ ırgulas e sem repeti¸ao. c˜ gustus De Morgan (1806 − 1871) e George Boole (1815 − 1864), considerados fundadores da l´gica moderna. Boole publicou o u em 1854 uma obra onde eram apresentados os fundamentos de Exemplo: O conjunto P dos n´ meros inteiros e positivos, uma ´lgebra espec´ a ıfica para o estudo da l´gica. Em seus traba- compreendidos entre 3 e 8. o lhos, ele utilizou freq¨ entemente rela¸oes entre “conjuntos”de P = {4, 6, 8, 10, 12, 14}. u c˜ objetos. Entretanto, n˜o chegou a desenvolver o conceito de a conjunto de modo adequado. Propriedade Caracter´ ıstica Para representar um conjunto atrav´s de uma propriedade cae racter´ ıstica α , escrevemos: A = {a/a tem a propriedade α}. Exemplo Para o conjunto do exemplo anterior, temos: P = {x/x ´ Natural maior do que 7}. e Diagramas de Venn Figura 3.1: George Boole (1815–1864) (a) e George Cantor Na representa¸ao por diagrama, tra¸amos uma linha fechada c˜ c (1845-1918) (b) em torno dos seus elementos associados a pontos. Exemplo Somente em 1890, o matem´tico russo George Cantor (1845 − a 1918), que desenvolvia estudos sobre a Teoria dos N´ meros, O diagrama abaixo representa o conjunto A das vogais. u publicou na Alemanha uma s´rie de proposi¸oes e defini¸oes e c˜ c˜ que vieram a se constituir na linguagem simb´lica para a o l´gica, a Teoria dos N´ meros e outros ramos da Matem´tica. o u a Em fun¸ao disso, Cantor ´ conhecido como o criador da Tec˜ e oria dos Conjuntos. Na formula¸ao dessa teoria, Cantor utic˜ lizou tamb´m formas de representa¸ao em diagramas que j´ e c˜ a tinham sido utilizadas no estudo da L´gica por Leonhard Euo ler (1707 − 1783) e por John Venn (1834 − 1923).

(a)

(b)

A e

a i o u U = alfabeto

Conjunto
A no¸ao de conjunto ´ aceita sem defini¸ao, como conceito pric˜ e c˜ mitivo, formada a partir da id´ia de cole¸ao: Assim, podemos e c˜ nos referir a conjunto de animais, pessoas, objetos, n´ meros, u letras, etc . . . Existem certos conjuntos que tˆm um nome ese pecial chamado coletivo. Exemplo: O coletivo de cavalos ´ e manada, o coletivo de estrelas ´ constela¸ao, o coletivo de loe c˜ bos ´ alcat´ia. Cada um dos integrantes de um conjunto ´ e e e chamado de elemento do conjunto. Em geral, indicamos o nome de um conjunto por letras mai´ sculas (A,B,C,. . . ,Z) e o u de seus elementos, que se sup˜e distintos entre si, dois a dois, o por letras min´ sculas (a,b,c,. . . ,z). u ` no¸ao de constituir associamos, em matem´tica, o conceito A c˜ a tamb´m primitivo de pertencer. e Dessa forma, tomando o conjunto V das vogais, dizemos que o elemento a pertence ao conjunto V . Simbolizamos essa rela¸ao c˜ por: a∈V

Figura 3.2: Diagrama de Venn para o conjunto A das vogais. Em geral, o diagrama de Venn representa tamb´m o conjunto e universo U , que cont´m o conjunto representado. Para isso, e desenha-se em torno do diagrama um retˆngulo representando a o conjunto U .

Classifica¸˜o dos Conjuntos ca
Podemos classificar um conjunto de acordo com o seu n´ mero u de elementos n(D). Portanto, um conjunto D ´ chamado cone

226

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o Exemplo

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

junto vazio se n˜o possui elementos. Isto ´: a e n(D) = 0 ⇔ vazio

Sendo o conjunto A = {2, 3, 5}, podemos escrever seus subconjuntos como segue: Com zero elemento - ∅ Representamos o conjunto vazio por: Com um elemento - {2},{3},{5} D = { } ou D = Ø Com dois elementos - {2, 3},{2, 5},{3, 5} Com trˆs elementos - {2, 3, 5} e Por outro lado, um conjunto D ´ dito conjunto unit´rio, Assim, temos: e a quando tiver apenas um elemento, isto ´: n(D) = 1. e P (A) = {∅, {2}, {3}, {5}, {2, 3}, {2, 5}, {3, 5}, {2, 3, 5}} n(D) = 1 ⇔ D ´ unit´rio e a Pode-se demonstrar que, se n(A) = k ent˜o, o n´ mero de a u e Ainda: Quando n˜o se pode contar o n´ mero de elementos, elementos que formam o conjunto das partes de A n(P (A)), ´ a u temos um conjunto infinito, caso contr´rio, temos um conjunto dado por 2k . a finito.

Opera¸˜es com Conjuntos co
Uni˜o a Um conjunto A ser´ igual a um conjunto B, se ambos a A uni˜o entre dois conjuntos A e B consiste num outro cona possu´ ırem os mesmos elementos, isto ´, se cada elemento que e junto C de todos os elementos que pertencem a A ou a B ou pertence a A pertencer tamb´m a B e vice-versa. e a ambos. Simbolicamente, temos: C = A ∪ B, lˆ-se: C ´ igual e e a A uni˜o B. De uma maneira mais concisa a defini¸ao dada a c˜ A = B ⇔ ∀ x, x ∈ A e x ∈ B acima pode ser escrita simbolicamente por: Exemplo Seja A = {5, 7, 9} e B = {5, 7, 9}. Veja que: A = B, pois todo elemento que pertence a A ´ tamb´m elemento de B, e todo e e elemento de B ´ elemento de A. e Exemplo Fazendo a uni˜o dos conjuntos A = {2, 4, 7} e B = {1, 3, 4}, a temos: A ∪ B = {1, 2, 3, 4, 7} Tamb´m podemos representar a e uni˜o usando diagramas: a A ∪ B = {x/x ∈ A ou x ∈ B}

Igualdade

Subconjunto
Se cada elemento de um conjunto A pertence a um outro conjunto B, dizemos que A ´ subconjunto de B. Assim: A ⊂ B, e que se lˆ: A est´ contido em B. Simbolicamente escrevemos: e a A ⊂ B ⇔ (∀ x) (x ∈ A e x ∈ B) Exemplos O conjunto A = {2, 3, 4, 5} ´ um subconjunto de B = e {1, 2, 3, 4, 5, 6}, pois cada um dos elementos de A se acha em B (note que a rec´ ıproca n˜o ´ verdadeira). Quando dois cona e juntos C e D tˆm todos os elementos em comum (C = D), e implica em: C⊂DeD⊂C

B 1 A 2 4 7 U=N 3

Figura 3.3: Uni˜o de conjuntos. a O conjunto C = {3, 6, 9} est´ contido em D = {9, 3, 6} e vicea versa. Caso exista pelo menos um elemento de A que n˜o a a e a perten¸a a B, dizemos que A n˜o est´ contido em B, ou que Obs.: N˜o ´ necess´rio que se repitam os elementos comuns c a a aos dois conjuntos. Assim, no exemplo anterior o 4 ´ comum e A n˜o ´ subconjunto de B. a e tanto a A como a B, no conjunto uni˜o ele deve ser escrito a (∃x/x ∈ A e x ∈ B) ⇒ A ⊂ B uma s´ vez. o Propriedades da Uni˜o a

Conjunto das Partes
Em geral, para qualquer conjunto A, pode-se construir um novo conjunto, cujos elementos sejam todos os subconjuntos poss´ ıveis de A. A esse novo conjunto chamamos de: Conjunto das partes de A, que ´ representado por P (A). e P (A) = {x/x ⊂ A}

• A ∪ A = A, pois: A ∪ A = {x/x ∈ A ou x ∈ A}. • A ∪ B = B ∪ A, ou seja a uni˜o ´ comutativa, visto que: a e A ∪ B = {x/x ∈ A ou x ∈ B} = {x/x ∈ Bou x ∈ A} = B ∪ A. • A ⊂ (A ∪ B) = B ⊂ (A ∪ B), isto ´: Tanto A como B s˜o e a subconjuntos do conjunto A ∪ B.

´ Matematica C – Aula 1

227

• ∅ ∪ A = A , visto que: ∅ ∪ A = {x/x ∈ ∅ ou x ∈ A}, Diferen¸a c como se sabe o conjunto vazio n˜o tem elementos, logo; a Denominamos diferen¸a A − B (lˆ-se: A menos B), o conjunto c e resta-nos que x ∈ A, o que implica que ∅ ∪ A = A. formado pelos elementos pertencentes a A e n˜o a B, ou seja: a Intersec¸˜o ca Chamamos de intersec¸ao de um conjunto A com outro conc˜ junto B, ao conjunto constitu´ pelos elementos x que pertenıdo cem tanto a A como a B, simultaneamente. A esse conjunto indicamos:A ∩ B, lˆ-se: “A intersec¸˜o B”, ou por simplie ca cidade “A inter B”. Esquematicamente temos: A ∩ B = {x/x ∈ A e x ∈ B} Exemplo Sejam L = {c, a, r, l, o, s} e V = {a, e, i, o, u}, temos: L ∩ V = {a, o}. Em diagramas: A − B = {x/x ∈ A e x ∈ B} Exemplo Considerando os conjuntos: L = {c, a, r, l, o, s} e V {a, e, i, o, u}, temos que a diferen¸a A − B = {c, r, l, s}. c Em diagramas: =

L c s l r a o u e i

L c s l r a o u e i

V U={a,b,c,...,x,y,z}
Figura 3.5: Diferen¸a de conjuntos. c Propriedades

V U={a,b,c,...,x,y,z}

Figura 3.4: Intersec¸ao de conjuntos. c˜ Propriedades da Intersec¸˜o ca • A ∩ B = A. • A ∩ B = B ∩ A. • (A ∩ B) ⊂ A = (A ∩ B) ⊂ B. • ∅ ∩ A = ∅.

• A−A=∅ • A−∅=A • ∅−A=∅ • A ⊂B ⇒A−B =∅ Complementar de um Conjunto

Sejam dois conjuntos A e B, tais que: B ⊂ A. Chamamos ` a diferen¸a A − B de: Complementar de B em rela¸ao a A. c c˜ Exemplo Em muitos casos, faz-se necess´rio que consideremos um cona junto mais amplo que os demais. A esse conjunto (que Temos os conjuntos A = {1, 2, 3, 4, 5, 6} e B = {5, 6}. Note a cont´m todos os outros como subconjuntos) ´ denominado que B ⊂ A; Assim, temos que A − B ser´: e e de conjunto Universo. Para representa-lo, usamos a letra mai´ scula U . Obs.: A no¸ao de conjunto Universo ´ relativa, u c˜ e dependendo das circunstˆncias e amplitude do contexto que a desejamos empreg´-la. a Exemplos Complemento e Universo

A

1 4

3

B 6

• para os conjuntos de n´ meros inteiros, Z o conjunto uniu verso; • para os conjuntos de letras, o alfabeto ´ o conjunto unie verso; • para os resultados da loteria, N ´ o conjunto universo; e • para o conjunto das ra´ ızes de 4, {+2, −2} ´ o conjunto e universo. Na maioria dos assuntos estudados em matem´tica, o conjunto a dos n´ meros reais ´ o conjunto universo. u e

5 2

U=N
Figura 3.6: Complementar de B em rela¸ao a A. c˜ `

228

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pense um Pouco!

7. (CESGRANRIO) Em uma universidade s˜o lidos dois jora nais A e B; exatamente 80% dos alunos lˆem o jornal A e 60% e o jornal B. Sabendo-se que todo aluno ´ leitor de pelo menos e um dos jornais, o percentual de alunos que lˆem ambos ´: e e Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca a) 48% b) 60% 1. (OSEC) Numa escola de 360 alunos, onde as unicas c) 40% ´ mat´rias dadas s˜o portuguˆs e matem´tica, 240 alunos estu- d) 140% e a e a dam portuguˆs e 180 alunos estudam matem´tica. O n´ mero e) 80% e a u de alunos que estudam portuguˆs e matem´tica ´: e a e a) 120 b) 60 c) 90 d) 120 e) 180 • {∅} ´ o mesmo que {}? Explique. e

e 20 pessoas n˜o consomem o produto A. Qual o n´ mero de a u pessoas “n”que foram entrevistadas? • Qual o conjunto universo para os resultados de um a) 85 b) 75 lan¸amentos de um dado? c c) 60 • Qual o conjunto uni˜o das letras do seu nome? a d) 90 e) n.d.a • Qual o conjunto de dinossauros vivos?

Matem´tica C a

Aula 2

2. Se um conjunto A possui 1024 subconjuntos, ent˜o o a n´ mero m´ u ınimo de elementos de A ´? e Conjuntos Num´ricos e a) 5 b) 6 O Nascimento do N´mero u c) 7 d) 9 A no¸ao de n´ mero tem provavelmente a idade do homem e c˜ u e) 10 certamente sempre esteve ligada ` sua necessidade de registrar a e interpretar os fenˆmenos que o cercavam. o 3. (ACAFE-SC) Dados os conjuntos A = {x ∈ R|−3 < x < 5} ımbolos num´ricos conhecidos surgiram com o e e B = {x ∈ Z|−1 < x < 7}. Quantos elementos possui A∩B? Os primeiros s´ intuito de representar a varia¸ao num´rica em conjuntos com c˜ e a) infinitos poucos elementos. Com a amplia¸ao e a diversifica¸ao de c˜ c˜ b) 8 suas atividades, o homem sentiu a necessidade de criar noc) 7 vos s´ ımbolos num´ricos e processos de contagem e desenvolver e d) 6 sistemas de numera¸ao. c˜ e) 5 A maioria dos sistemas de numera¸ao tinha como base os c˜ n´ meros 5 ou 10, numa clara referencia ao numero de dedos u que temos nas m˜os. Esses sistemas ainda n˜o possu´ a a ıam a Exerc´ ıcios Complementares nota¸ao posicional nem o n´ mero zero. c˜ u c˜ c˜ 4. (PUC-CAMPINAS) Numa ind´ stria, 120 oper´rios traba- Os primeiros registros da utiliza¸ao da nota¸ao posicional ocoru a reram na Babilˆnia, por volta de 2500 a.C. J´ o aparecimento o a lham de manh˜, 130 trabalham ` tarde, 80 trabalham ` noite; a a a do zero data do s´culo IX e ´ atribu´ aos hindus. e e ıdo 60 trabalham de manh˜ e ` tarde, 50 trabalham de manh˜ e a a a a e c˜ noite, 40 trabalham ` tarde e ` noite e 20 trabalham nos trˆs Tamb´m se atribuiu aos hindus o atual sistema de numera¸ao a a e posicional decimal, que foi introduzido e difundido na Europa per´ ıodos. Assim: pelos ´rabes. Por essa raz˜o, esse sistema ´ costumeiramente a a e a) 150 oper´rios trabalham em 2 per´ a ıodos; chamado de sistema de numera¸ao indo-ar´bico. c˜ a b) h´ 500 oper´rios na ind´ stria; a a u Deve-se a Leonardo de Pisa (1175-1240), tamb´m chamado e c) 300 oper´rios n˜o trabalham ` tarde; a a a Fibonacci, a difus˜o do sistema indo-ar´bico na Europa, a a d) h´ 30 oper´rios que trabalham s´ de manh˜; a a o a atrav´s de sua obra L´ e ıber Abacci, de 1202. e) N.d.a. 5. (PUC-SP) - Se A = ∅ e B = {∅}, ent˜o: a a) A ∈ B b) A ∪ B = ∅ c) A = B d) A ∩ B = B e) B ⊂ A 6. Em uma pesquisa sobre o consumo de dois produtos A e B, foram entrevistas “n”pessoas, das quais descobriu-se que: 40 consomem o produto A, 27 consomem B, 15 consomem A e B

Conjuntos Num´ricos e
1. Conjunto dos n´ meros naturais (N): u N = {0, 1, 2, 3, 4, 5, . . .} N∗ = {1, 2, 3, 4, 5, . . .} 2. Conjunto dos n´ meros inteiros (Z): u Z = {. . . , −3, −2, −1, 0, 1, 2, 3, . . .} Z+ = {0, 1, 2, 3, . . .} Z∗ = {1, 2, 3, 4, . . .} +

´ Matematica C – Aula 2

229

Q

Z

N

U=R
Figura 3.1: Leonardo Pisano Fibonacci (1175-1240). 3. Conjunto dos n´ meros racionais (Q): Todo n´ mero u u que puder ser representado na forma de uma fra¸ao com c˜ numerador e denominador inteiros ´ chamado “n´ mero e u racional”. Figura 3.2: Os conjuntos num´ricos. e

II) ca a  Multiplica¸˜o e Divis˜o: Aplica-se a regra dos sinais:  + +=+   − +=− Observa¸˜o: Pela ordem, resolver ( ); [ ]; ca  + −=−   − −=+ a { }. Q = {x|x = , a ∈ Z, b ∈ Z∗ } b Exerc´ ıcio resolvido: −3 · {14 ÷ (−7) − 3 · [4 − (10 − 12 + 9 − 7 − 4) ÷ 2]} −3 · {−2 − 3 · [4 − (−4) ÷ 2]} Exemplos −3 · {−2 − 3 · [4 + 2]} 7 3 1 −3.{−2 − 3 · [+6]} 3 ∈ Q; 5 ∈ Q; 1 ∈ Q. −3.{−2 − 18} 4. Conjunto dos n´ meros irracionais (Q′ ): Todo −3.{−20} u n´ mero que n˜o pode ser representado na forma de uma +6 u a fra¸ao, com numerador e denominador inteiros ´ chamado c˜ e “n´ mero irracional”. u

Potencia¸˜o ca

Exemplos onde: A = Base; B = Expoente; X = Potˆncia; e Casos Especiais

An = X

π √ 2 √ 3 e

= = = =

3, 1415926535 . . . 1, 414213562 . . . 1, 7320508 . . . 2, 718281827 . . .

Observa¸˜o ca Note que as d´ ızimas peri´dicas s˜o n´ meros racionais, eno a u quanto as d´ ızimas n˜o peri´dicas s˜o n´ meros irracionais. a o a u ´ 5. Conjunto dos n´ meros reais (R): E o conjunto obtido u com a uni˜o do conjunto dos n´ meros racionais com o dos a u Regras n´ meros irracionais. u Representando em diagramas temos: 1. Expoente par: Resultado positivo.

X1 = X 1n = 1 0n = 0 X0 = 1

Opera¸˜es com N´meros Inteiros co u
I) Adi¸˜o e Subtra¸˜o ca ca I.a) Sinais iguais: Soma-se e conserva-se o mesmo sinal. I.b) Sinais diferentes: Diminui-se e d´-se o sinal do maior. a

2. Expoente ´ ımpar: Repete-se o sinal da base. Propriedades 1. am · an = am+n 2. am ÷ an = am−n

230

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o ´: e a) +20 b) −20 c) −14 d) +14 e) n.d.a. 6. O valor de a) 0 b) 9 4 c) 1 d) 2 e) n.d.a. 7. 22 · (23 ) : a) 215 b) 229 c) 1024 d) 214 e) n.d.a.
3 2

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

3. (am )n = am·n 4. (am · bn )n = am·x · bn·x 5. (am /an )x = amx /bnx 6. a−m = 1/am Potˆncias de “Base 10” e A) 10n = 1 000 . . . 0 “n”zeros B) 10−n = 1/1 000 . . . 0 “n”zeros ⇒ 0, 000 . . . 01 “n”casas

16 3 22

− 23 ´: e

2

Pense um Pouco!

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. O valor de ((23 )3 )3 ´: e a) 212 b) 1024 c) 281 d) 1 e) n.d.a.

• Quantos n´ meros inteiros tem no intervalo real 0 < x < 3? 8. O valor de (24 )5 · 2−8 ´: u e a) 218 • Quantos n´ meros racionais tem no intervalo anterior? u b) 212 100 c) 215 • Quanto ´ −1 ? e d) 20 e) n.d.a.

Matem´tica C a
N´ meros complexos (C) u

Aula 3

2. O valor de: [13 − (8 ÷ 2 − 3 − 7 + 2 · 3)] ÷ [25 ÷ (−3 − 22)], ´: e a) −13 b) 14 c) 13 d) 0 e) n.d.a. 3. A express˜o (a7 · b3 · c5 · b4 )/(c3 · b6 · a7 · c) ´ igual a: a e a) a2 · b b) b · c b c) c d) 1 e) n.d.a.

No conjunto dos n´ meros reais algumas equa¸oes n˜o possuem u c˜ a solu¸ao, por exemplo, a equa¸ao: c˜ c˜ 2x2 + 18 = 0 Como se trata de uma equa¸ao incompleta (b = 0), podemos c˜ resolvˆ-la isolando a vari´vel. Assim: e a √ −18 x2 = ⇒ x = −9 2 Como n˜o existe raiz quadrada de n´ mero negativo no cona u junto dos reais, a equa¸ao acima dada n˜o tem solu¸ao. Para c˜ a c˜ que equa¸oes sem solu¸oes reais, como a dada acima, os mac˜ c˜ tem´ticos come¸aram a utilizar novos entes matem´ticos. Essa a c a representa¸ao foi considerada, a princ´ c˜ ıpio, como um passatempo. √ Particularmente, o n´ mero −1 foi denominado unidade u imagin´ria, devido ` desconfian¸a que os matem´ticos tia a c a nham dessa nova cria¸ao. c˜

Exerc´ ıcios Complementares
4. Resolvendo a) 5 · 1012 b) 100 c) 103 d) 107 e) n.d.a.
108 ·102 ·105 ·104 103 ·10·108

Unidade Imagin´ria a
Para simplificar a nota¸ao, criou-se ”i”para designar o n´mero c˜ u √ −1, isto ´: e √ i = −1 ⇔ i2 = −1 Com isso, a solu¸ao da equa¸ao proposta acima ´: c˜ c˜ e X =± Logo, S = {+3i, −3i}. 9 · (−1) ⇒ x = ±3 · i

5. O valor da express˜o a {72 ÷ (−12) + 2 · [4 · (−2) + (30 − 20 + 10) ÷ 5]}

´ Matematica C – Aula 3

231 Exemplo

Potˆncias Naturais de i e

Consideremos as potˆncias do tipo in , em que n ´ natural. Determinar x e y de modo que: e e (2x + 3) + 6 · i = 7 + (2 + 4y) · i. Vejamos alguns exemplos: n in Para que os complexos sejam iguais devemos ter: 2x + 3 = 7 ⇒ x = 2 0 1 e 1 i 2 + 4y = 6 ⇒ y = 1 2 -1 Logo, para que (2x + 3) + 6 · i = 7 + (2 + 4y) · i, devemos ter 3 -i x = 2 e y = 1. 4 1 5 i 6 -1 Opera¸˜es com Complexos co 7 -i 8 1 Adi¸˜o e Subtra¸˜o ca ca Resumindo: Para somarmos ou subtrairmos dois ou mais n´ meros comu plexos, somamos ou subtra´ ımos, respectivamente, suas partes i4n = 1 i4n+1 = i 4i4n+2 = −1 i4n+3 = −i reais e imagin´rias, separadamente. Ou seja: a Assim: i4n + i4n+1 + i4n+2 + i4n+3 = 0 (a + bi) + (c + di) = (a + c) + (b + d)i (a + bi) − (c + di) = (a − c) + (b − d)i

Ou seja: A soma das quatro potˆncias de i cujos expoentes Exemplo e Seja s˜o n´ meros naturais consecutivos ´ igual a zero. a u e Note que, ` medida que n cresce, os resultados de in , v˜o se a a z1 = 5 − 3i repetindo periodicamente, assumindo sempre um dos quatro z2 = 2 + 4i valores da seq¨ˆncia:1, i, −1, −i.Ou seja: ue z3 = −3 − 5i in ∈ {1, i, −1, −i}, (n ∈ N) calcule: Para n ≥ 4, temos: a) z2 − z3 z2 − z3 = (2 + 4i) − (−3 − 5i) N 4 ⇒n= 4·q+r er <4 z2 − z3 = (2 + 3) + (4 + 5)i = 5 + 9i R q b) z1 + z2 q Ent˜o, in = i4·q+r = i4·q · ir = (i4 ) · ir = (1)q · ir = ir , ou seja: z1 + z2 = (5 − 3i) + (2 + 4i) a z1 + z2 = 7 + i n r i =i Multiplica¸˜o por um Real ca Exemplo Para multiplicar um complexo por um n´ mero real basta u 3795 multiplicar a parte real e a parte imagin´ria pelo respectivo a Calcule o valor de i . n´ mero. u 3795 4 3795 3 Exemplo , como r = 3 temos i = i = −i 3 3948 Sejam os complexos: z1 = 6 − 3i e z2 = 3 + 2i. Determinar o valor de 3 · z1 − 5 · z2 . 3 · z1 − 5 · z2 = 3 · (6 − 3i) − 5 · (3 + 2i) Forma Alg´brica e 3 · z1 − 5 · z2 = 18 − 9i − 15 − 10i Todo n´ mero complexo pode ser escrito na forma z = a + b · i, 3 · z1 − 5 · z2 = 3 − 19i u com a e b ∈ R. Tal forma ´ denominada forma alg´brica. e e O n´ mero real a ´ denominado parte real de z, e o n´ mero Multiplica¸˜o de Complexos u e u ca real b ´ denominada parte imagin´ria de z. e a Multiplicamos dois n´ meros complexos de acordo com a regra u z = a + 0i ⇒ z = a da multiplica¸ao de binˆmios. Devemos lembrar que i2 = −1. c˜ o z =a+b·i⇒ z =0+b·i⇒z =b·i Com isso temos que:

Igualdade de Complexos
Dois n´ meros complexos s˜o iguais quando suas partes reais e u a imagin´rias forem respectivamente iguais. a a+b·i =c+d·i ⇒ a=c b=d

(a + bi) · (c + di) = (ac − bd) + (ad + bc) · i Exemplos a) (3 − 3i) · (−2 + 2i): (3 − 3i) · (−2 + 2i) = −6 + 6i + 6i + 6i2 (3 − 3i) · (−2 + 2i) = −6 + 6i + 6i − 6 (3 − 3i) · (−2 + 2i) = −12 + 12i

232

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

b) (5 − 3i)2 : (5 − 3i)2 = (5 − 3i) · (5 − 3i) (5 − 3i)2 = 25 − 15i − 15i + 9i2 (5 − 3i)2 = 25 − 15i − 15i − 9 (5 − 3i)2 = 16 − 30i Conjugado de um Complexo Sendo z = a+bi um n´ mero complexo qualquer, defini-se como u o conjugado de z o n´ mero complexo z = a − bi. u Exemplos 1. Sendo z = 6 − 5i, temos que: z = 6 + 5i. 2. O conjugado de z = −3 + 2i ´ o complexo z = −3 − 2i. e Observa¸˜o ca O produto de um n´ mero complexo z pelo seu conjugado Z u ´ sempre um n´ mero real e positivo. Esse produto chama-se e u norma de z. Exemplo Sendo z = 5 − 3i, o produto z · Z ´: e (5 − 3i) · (5 + 3i) = 25 + 15i − 15i − 9i2 Lembrando que i2 = −1, temos que: z · Z = 25 + 9 = 34 Divis˜o de Complexos a

Im y θ x Re z = x + yi

Figura 3.1: O plano complexo. Ou seja: Podemos representar os complexos geometricamente, pelos pontos do plano. O ponto P ´ a imagem geom´trica de z ou afixo de z. Obe e serva¸˜o ca - A parte real de um complexo tem seus afixos no eixo Re; eixo real. - A parte imagin´ria de um complexo ´ representada no eixo a e Im, que por essa raz˜o ´ chamado de: eixo imagin´rio. a e a

Para dividirmos dois complexos, escrevemos o quociente sob a forma de uma fra¸ao, a seguir, usando o procedimento de raci- Na representa¸ao geom´trica de um n´ mero complexo z = c˜ c˜ e u onaliza¸ao de denominadores, multiplicamos ambos os termos x + yi, vamos considerar a distˆncia entre o afixo P desse c˜ a da fra¸ao pelo conjugado do denominador. Ou seja: c˜ n´ mero e a origem. A essa distˆncia denominamos m´dulo u a o de z e indicamos por |z| ou ρ. z1 z1 z1 = · Calculando a referida distˆncia, temos: a z z z
2 2 2

M´dulo de um n´mero complexo o u

Exemplo Sendo z1 = 3 + 2i e z2 = −2 − 3i, obter: 3 + 2i z1 = z2 −2 − 3i

z1 z2 .

dop = (x − 0) + (y − 0) = Portanto,temos: |z| = ρ = Exemplo

2

2

x2 + y 2 x2 + y 2

z1 3 + 2i −3 + 2i = · z2 −2 − 3i −2 + 3i −6 + 9i − 4i + 6i2 −2 − (3i)
2 2

=

−6 + 9i − 4i − 6 4+9

Calcular o m´dulo do n´ mero complexo z = 3 + 4i. Como o u vimos: |z| = ρ = √ x2 + y 2 , assim; √ √ |z| = ρ = 32 + 42 = 9 + 16 = 25 = 5 logo: |z| = ρ = 5

Argumento de um Complexo
Sendo um n´ mero complexo z = z + yi, com z = 0; Defineu se como o argumento de z, o n´ mero real θ(0 ≤ θ ≤ 2π) u que corresponde ` medida do ˆngulo formado pelo segmento a a orientado OP e o eixo Ox, no sentido anti-hor´rio. a Indicamos por: arg(z) = θ

logo, z1 −12 + 5i −12 z1 5i = = ⇒ + z2 13 z2 13 13

Representa¸˜o Geom´trica ca e

Consideremos num plano, chamado plano de Argand-Gauss ou plano complexo, um sistema de coordenadas cartesianas ortogonais x O y e nele um ponto P de coordenadas x e y. A partir da figura (plano complexo), obtemos as importantes c˜ Lembrando que um n´ mero complexo na forma alg´brica tem rela¸oes: u e y x a forma de: z = (x, y) = x + yi, podemos estabelecer uma corcos θ = e sen θ = ρ ρ respondˆncia entre os pontos do plano e os n´ meros complexos. e u

´ Matematica C – Aula 4

233

Forma Trigonom´trica e

b) 1 + i c) −1 + i Com as defini¸oes de m´dulo e argumento, podemos represen- d) 1 − i c˜ o tar os n´ meros complexos de outra forma, al´m da alg´brica, e) −1 − i u e e j´ conhecida. a Assim, para o complexo z = x + yi, temos: 5. (Sta Casa -SP) O valor de 4 3 x a) 5 + 5 i cos θ = ⇒ x = ρ cos θ 2 4 ρ b) 3 − 3 i 4 3 c) 5 − 5 i e y d) 3 − 4i sen θ = ⇒ y = ρ sen θ ρ e) 4 + 3i Como z = x + yi z = ρ cos θ + iρ sen θ De outra forma: z = ρ(cos θ + i sen θ) A igualdade acima ´ denominada forma trigonom´trica ou e e polar do n´ mero complexo. u O n´ mero complexo z = 0, para o qual n˜o ´ poss´ u a e ıvel determinar o argumento θ, n˜o pode ser escrito na forma trigoa nom´trica. e Observe que, quando multiplicamos um n´ mero complexo por u i, ele gira 90◦ no sentido anti-hor´rio, no plano complexo. a

2−i 2+i

´ igual a: e

Exerc´ ıcios Complementares
6. (PUC-SP) O conjugado do n´ mero complexo u a) (−1 − 7i)/5 b) (1 − i)/5 c) (1 + 2i)/7 d) (−1 + 7i)/5 e) (1 + i)/5
1+3i 2−i

´: e

Pense um Pouco!
• Pode-se dizer que R ⊂ C? Por quˆ? e

7. A soma S = i7 + i8 + i9 + . . . + i93 + i94 + i95 ´: e a) 1 b) i c) -1 d) -i e) 1 - i

10. (FATEC-SP) Se i ´ a unidade imagin´ria e z = (2 − e a i)2 /(1 + i), ent˜o: a a) z = (5 − 5i)/2 b) z = (7 − i)/2 3. (UFSE-SE) Se o n´ mero complexo z ´ tal que z = 3 − 2i, c) z = (5 + 5i)/2 u e e ent˜o (z)2 ´ igual a: a d) z = (7 + i)/2 a) 5 e) z = (−5 − 5i)/2 b) 5 − 6i c) 5 + 12i d) 9 + 4i e) 13 + 12i 4. Sendo i2 = −1, o valor de i58 + i85 ´: e a) 0

b) 1 + 8i c) −8 + 8i d) 1 − 8i e) 12 + 6i

• Existe alguma semelhan¸a entre o plano complexo e o c 8. (UFRG-RG) Efetuando as opera¸oes indicadas na equa¸ao c˜ c˜ plano cartesiano? Quais? 5−i − 4−3i , obtemos : 1+i 2+i • 1/i ´ um n´ mero complexo? e u a) 1 − i b) 1 + i c) −1 − i Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca d) i e) −i 1. (UFPA-PA) O n´ mero complexo z = x + (x2 − 4)i ´ real u e se, e somente se: 9. (U.C.SALVADOR-BA) Sejam os n´ meros x e y tais que u a) x = 0 12 − x + (4 + y)i = y + xi. O conjugado do n´ mero complexo u b) x = 0 z = x + yi ´: e c) x = ±2 a) 4 + 8i d) x = ±2 b) 4 − 8i e) x = 0 e x = 2 c) 8 + 4i d) 8 − 4i 2. (UFRN-RN) Se z = 4 + 2i, ent˜o z − 3z vale : a e) −8 − 4i a) 6 + i

Matem´tica C a

Aula 4

234

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Raz˜es e Propor¸˜es o co
Raz˜o a

Grandezas (GDP)

Diretamente

Proporcionais:

Uma grandeza A ´ diretamente proporcional a uma grandeza e A raz˜o entre dois n´ meros a e b (com a e b reais e b = 0), B, se, e somente se, as raz˜es entre os valores de A e os cora u o nessa ordem, ´ o quociente a . O n´ mero a ´ chamado respondentes valores de B forem constantes. e u e b antecedente e o n´ mero b ´ chamado conseq¨ ente. u e u Se A = (a1, a2, a3, . . .) e B = (b1, b2, b3, . . .), forem grandezas diretamente proporcionais, ent˜o a a1 a2 a3 = = = ... = k Exemplos b1 b2 b3 1. A raz˜o entre 4 e 6 ´: a e 4 2 = 6 3 2. A raz˜o entre 2 m e 30 cm ´: a e 200 cm 20 2m = = 30 cm 30 cm 3 Exemplo Se considerarmos a distˆncia percorrida por um m´vel com a o velocidade constante de 50 km/h viajando a 3 horas teremos a seguinte tabela : como 50 = 100 = 150 = 50, temos que 1 2 3

Distˆncia (km) 50 100 150 a Observe que a raz˜o deve ser calculada numa unidade coa tempo (h) 1 2 3 mum, a fim de ser cancelada. Finalmente, a raz˜o obtida a n˜o depender´ da unidade escolhida, pois ´ adimensional. distˆncia e tempo, neste exemplo, s˜o grandezas diretamente a a e a a proporcionais.

Escala Grandezas Inversamente Proporcionais (GIP) ´ E a raz˜o entre um comprimento no desenho e o correspona dente comprimento real. Uma grandeza A ´ inversamente proporcional a uma grandeza e B se, e somente se, os produtos entre os valores de A e os correspondentes valores de B forem constantes. Exemplo Se A = (a1, a2, a3, . . .) e B = (b1, b2, b3, . . .), forem grandezas Um edif´ tem 30 m de altura. Essa medida foi representada ıcio inversamente proporcionais, ent˜o: a no projeto por 15 cm. Qual foi a escala usada nesse projeto? a1 · b 1 = a2 · b 2 = a3 · b 3 = . . . = k 15 cm 15 cm comprimento no desenho = = comprimento real 30 m 3000 cm Exemplo
Se considerarmos que a distˆncia que separa duas cidades A a e B ´ de 300 km e que um m´vel viaja de A para B com e o Propor¸˜o ca uma certa velocidade, vamos observar pela tabela abaixo que o tempo gasto para percorrer essa distˆncia varia conforme a a Os n´ meros a, b, c e d, com b e d n˜o nulos (= 0, formam nessa u a velocidade do m´vel. o ordem, uma propor¸ao se, e somente se, a raz˜o entre a e b ´ c˜ a e igual a raz˜o entre c e d. Ou seja: a Velocidade (km/h) 50 60 100 a c Tempo (h) 6 5 3 = b d Lˆ-se: a est´ para b, assim como c est´ para d. e a a Temos que 50 · 6 = 60 · 5 = 100 · 3, logo as grandezas veloOs n´ meros a e d s˜o chamados de extremos e os n´ meros b e cidade e tempo, neste exemplo, s˜o grandezas inversamente u a u a c s˜o chamados de meios. a proporcionais. Propriedades I) O produto dos meios ´ igual ao produto dos extremos e c a = ⇔a·d= b·c b d II) A soma dos dois primeiros termos est´ para o segundo, a assim como, a soma dos dois ultimos est´ para o ultimo. ´ a ´ c a+b c+d a = ⇔ = b d b d III) Cada antecedente est´ para o seu conseq¨ ente, assim a u como; a soma dos antecedentes est´ para a soma dos cona seq¨ entes. u c a+c a = = b d b+d E=
1 100

ou E = 1 : 200

Pense um Pouco!
• Determine o valor de x nas propor¸oes: c˜ a) x = 9 4 6 3x+2 b) 2x−1 = 24 9 • Calcule o valor de x e y na propor¸ao c˜ x + y = 42.
x y 2 = 5 , sabendo que

• Determine x e y, sabendo que as sucess˜es de n´ meros o u s˜o diretamente proporcionais: a 2 x 9 3 9 y

´ Matematica C – Aula 5

235

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Regras de Trˆs Simples e Composta e
Regra de Trˆs Simples e

1. Determine m e n, sabendo que as sucess˜es num´ricas s˜o o e a Sendo a e b dois valores da grandeza A e, c e d os valores corinversamente proporcionais: respondentes da grandeza B, chama-se de regra de trˆs simples e ao m´todo pr´tico para determinar um desses quatro valores, e a 3 m 9 sendo conhecidos os outros trˆs. e 12 4 n T´cnica Operat´ria e o 2. Antˆnio, Jo˜o e Pedro trabalham na mesma firma h´ 10, 4 o a a c˜ e 6 anos, respectivamente. A firma distribuiu uma gratifica¸ao Conforme a defini¸ao acima temos: c˜ de R$ 80.000,00 entre os trˆs, em partes diretamente propore GRANDEZA A GRANDEZA B cionais ao tempo de servi¸o de cada um. Quantos reais cada c a c um ir´ receber? a b d 3. Divida 210 em partes inversamente proporcionais a 1/2, Se A e B forem grandezas diretamente proporcionais ent˜o: a 1/5 e 1/7. b a c a = ⇔ = c d b d Se A e B forem grandezas inversamente proporcionais ent˜o: a a·c= b·d ⇔ Exemplos 1. Uma torneira que despeja 15 l/min enche um tanque em 80 min. Uma outra torneira, despejando 25 l/min, em quanto tempo encheria esse tanque? Temos um exemplo que envolve grandezas inversamente proporcionais, pois; ao aumentarmos a vaz˜o, o tempo a necess´rio para encher o mesmo tanque diminuir´. Com a a isso: X 15 = ⇒ X = 48 15 · 80 = 25 · X ⇔ 25 80 Logo, encher´ o tanque em 48 min. a 2. Um autom´vel percorre 132 km com 12 litros de como bust´ ıvel. Quantos litros de combust´ ser˜o necess´rios ıvel a a para que ele percorra 550 km? Neste exemplo temos grandezas diretamente proporcionais, pois; aumentando a distˆncia, tamb´m aumentar´ o a e a consumo de combust´ ıvel. Com isso: 132 550 = ⇔ 132 · x = 550 · 12 ⇒ x = 50 12 x logo, ser˜o necess´rios 50 litros de combust´ a a ıvel. a d = b c

Exerc´ ıcios Complementares
4. Represente a raz˜o entre: a a) 18 e 12 = b) 6 m e 4 m = c) 150 g e 2 kg = d) 750 litros e 1 m3 = e) 600 s e 1 hora = f) 8 km e 1600 m = 5. Um comprimento real de 25 m foi representado num desenho por 10 cm. Nesse caso, qual foi a escala usada? a) 1 : 250 b) 1 : 300 c) 1 : 150 d) 1 : 500 e) n. d. a. 6. A distˆncia entre duas cidades, em linha reta, ´ 120 km a e e foi representada num mapa rodovi´rio por um segmento de a 60 cm. Qual foi a escala usada nesse mapa? a) 2 : 125 b) 1 : 120.000 c) 1 : 200.000 d) 1 : 12.000 e) n. d. a. 7. Em geral, num adulto, a altura da cabe¸a est´ para a altura c a do restante do corpo, assim como 1 est´ para 7. Quanto mede a uma pessoa cuja cabe¸a tem 22 cm de altura? c a) 1,54m b) 1,60m c) 1,76m d) 1,82m e) n. d. a.

[Regra de Trˆs Composta e
Chama-se regra de trˆs composta, ao m´todo pr´tico empree e a gado para resolver problemas que envolvem mais de duas grandezas, diretamente ou inversamente proporcionais. Propriedade Considere uma grandeza A (a1, a2, a3, . . .) diretamente proporcional a uma grandeza B (b1, b2, b3, . . .) e a uma grandeza C (c1, c2, c3, . . .), ent˜o : a b1 c1 a1 = = a2 b2 c2

Matem´tica C a

Aula 5

236 Exemplo

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

3.1

Exerc´ ıcios Complementares

Com 16 m´quinas de costura aprontaram-se 720 uniformes em a 3 dias de trabalho. Quantas m´quinas ser˜o necess´rias para 4. Um certo trabalho pode ser realizado por um grupo de 12 a a a oper´rios em 20 dias de trabalho de 8 horas di´rias. Se esse a a confeccionar 2160 uniformes em 24 dias. mesmo trabalho tivesse que ser feito em apenas 16 dias, com N o de M´quinas Uniformes Dias a 16 oper´rios igualmente eficientes, quantas horas por dia eles a 16 720 3 deveriam trabalhar? x 2160 24 a) 7,5 h/d b) 6,0 h/d A grandeza N o de m´quinas, onde est´ a vari´vel deve ser c) 8,5 h/d a a a comparada com as grandezas Uniformes e Dias. Assim temos d) 9,0 h/d que: e) n.d.a a 1. N o de m´quinas e Uniformes s˜o grandezas diretamente 5. Em uma fabrica de refrigerante, uma m´quina encheu 4000 a a garrafas em 8 dias, funcionando 8 horas por dia. Quantos dias proporcionais, pois mais m´quinas produzem mais unifora s essa m´quina levar´, para encher 6000 garrafas, trabalhando a a mes. 16 horas di´rias? a 2. N o de m´quinas e Dias s˜o grandezas inversamente pro- a) 9 a a porcionais, pois, quanto maior o n´ mero de m´quinas, b) 5 u a menor o n´ mero de dias necess´rios. Com isso 16 = c) 11 u a x 720 24 a a a d) 6 2160 · 3 ⇒ x = 6, logo ser˜o necess´rias 6 m´quinas. e) n.d.a

Pense um Pouco!

6. Em um zool´gico, a alimenta¸ao de 15 animais durante 90 o c˜ dias custa R$ 2.700,00. Qual ser´ o custo da alimenta¸ao de a c˜ 25 animais por um per´ ıodo de 12 dias? • Se um fio pesa 10N g/cm, quanto pesar´ por metro? a a) R$ 900,00 • Se uma c´pia xerogr´fica custa 9 centavos, quanto custou b) R$ 750,00 o a c) R$ 600,00 essa apostila (s´ o xerox)? o d) R$ 450,00 • Cite exemplos de onde vocˆ j´ usou as regras de trˆs es- e) n.d.a e a e tudadas?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Matem´tica C a

Aula 6

1. Na merenda escolar, 320 crian¸as consumiram 1440 litros de c leite em 15 dias. Quantos litros de leite dever˜o ser consumidos a Juros e Porcentagens por 400 crian¸as em 30 dias? c a) 2500 b) 3600 Juros Simples c) 7200 Juro ´ a importˆncia cobrada por unidade de tempo, pelo e a d) 4440 empr´stimo de dinheiro, expressa como porcentagem da soma e e) n.d.a emprestada. 2. Calcular a altura de uma torre que projeta uma sombra de 45 m, o mesmo instante em que uma ´rvore de 6 m de altura, No¸˜o Intuitiva e Nomenclatura Usual a ca plantada verticalmente, projeta uma sombra de 3, 6 m. a) 75m Em “A quantia de R$ 2.000,00, emprestada a 10% ao ano, b) 90 m durante 3 anos, rendeu R$ 600,00 de juros simples”. c) 55 m O racioc´ ınio ´: e d) 70 m Se o capital 100 produz 10 em um ano, ent˜o o capital 2.000 a e) n.d.a produzir´ 600 em 3 anos. a 3. (PUC-MG)Uma pessoa viajando de autom´vel, com veloci- Temos os seguintes dados: o dade m´dia de 88 km/h, leva 5 horas para ir de Belo Horizonte e O Capital ´ e C = 2.000 - Po¸os de Caldas. c A Taxa ´ e i = 10(em % ao ano) Na volta para Belo Horizonte, fez o mesmo percurso em 4 h. O tempo ´ e t = 5(em anos) Portanto, a velocidade m´dia, em km/h, ao retornar foi de: e Os juros s˜o a J = 600 a) 93 b) 96 Observa¸oes: c˜ c) 100 Denominamos juros simples aqueles que n˜o s˜o somados ao a a d) 110 capital, durante o tempo em que foi empregado. e) 120

´ Matematica C – Aula 6

237

Se a taxa “i”for referida ao ano, mˆs, dia etc, o tempo Porcentagem e “t”tamb´m dever´ ser tomado correspondentemente em anos, e a Comumente usamos express˜es que refletem acr´scimos ou o e meses, dias, etc. redu¸oes em pre¸os, n´ meros ou quantidades, sempre tomando c˜ c u Para efeito de c´lculo o ano ´ considerado de 12 meses de 30 a e por base 100 unidades. dias cada. T´cnica Operat´ria e o Os problemas envolvendo juros simples, na verdade s˜o de Rea gra de trˆs composta, que obedecem ao seguinte esquema; e Grandezas 100 . . . i . . . l C ... j ... t Interpreta¸˜o ca Exemplos 1. A gasolina ter´ um aumento de 10%, na pr´xima semana. a o Significa que em cada R$ 100,00 haver´ um acr´scimo de a e R$ 10,00. 2. Numa pesquisa de inten¸ao de votos, o candidato A apac˜ rece em 2o lugar, com 25% da preferˆncia dos eleitores, ao e cargo de prefeito municipal. Quer dizer que; em m´dia, a cada 100 pessoas que foram e entrevistadas, 25 preferem o candidato A.

Se o capital 100 produz i em 1 ano, ent˜o; o capital a “c”produzir´ j em t anos. a Raz˜o Centesimal a Quando resolvemos isolando “j”, temos: Toda a raz˜o que tem por denominador o n´ mero 100 a u C·i·t J= denomina-se raz˜o centesimal. a 100 Exemplos Exemplos 1. Quanto render´ um capital de R$ 5.000,00 empregado ` a a 25 e taxa de 5% a.a, em regime de juros simples, durante 3 a) 100 = 25% (lˆ-se: 25 por cento) 47 anos? b) 100 = 47% (lˆ-se: 47 por cento) e 125 c) 100 = 125% (lˆ-se:125 por cento) e Temos: Chamamos as express˜es 25% ; 47% ; 9% de taxas centesio C = 5000; mais ou taxas percentuais. I = 5; T = 3; Porcentagem ´ o valor obtido ao aplicarmos uma taxa pere centual a um determinado valor. Dessa forma; podemos resolSubstituindo os respectivos valores na f´rmula, temos: o ves problemas de porcentagem, utilizando taxas percentuais. 5000 · 5 · 3 J= = 750 100 Exemplos Assim, ter´ um rendimento de R$ 750, 00. a 2. Calcular os juros de R$ 8.500,00 ` taxa de 36% a.a, dua rante 6 meses. Observe que a taxa est´ expressa em anos, enquanto o a tempo em meses. Como devemos trabalhar com as duas grandezas em unidades de tempos iguais, tomaremos o 6 tempo como sendo 12 anos. Assim:
6 8500 · 36 · 12 8500 · 36 · 6 ⇒J = = 1530 J= 100 1200 Portanto, os juros s˜o de R$ 1.530,00. a

1. Um jogador de voleibol efetuou 25 finaliza¸oes no decorc˜ rer de uma partida, obtendo um aproveitamento de 80%. Qual o n´ mero de sucessos que ele obteve? u 80% de 25 = Logo, ele obteve 20 sucessos. 2. Um investidor comprou um lote de a¸oes por R$ 1.500,00 c˜ e as revendeu um mˆs depois, por R$ 2.100,00. Qual foi e o percentual de lucro por ele obtido? Para resolver o problema, vamos montar um esquema em que somaremos o percentual de lucro obtido, aos R$ 1.500,00 investidos inicialmente, chegando assim ao valor final de venda das a¸oes. c˜
x 1.500 + 100 · 1.500 = 2.100 15x = 2.100 − 1.500 x = 600 ⇒ x = 40 15

80 · 25 = 20 100

3. Calcular os juros produzidos por um capital de R$ 25.000,00 durante 2 meses e 15 dias, a uma taxa de 1% a.m. Como n˜o h´ concordˆncia entre a taxa e o tempo, devea a a mos fazer algumas modifica¸oes para que possamos resolc˜ ver o problema. Faremos as seguintes transforma¸oes: c˜ 2 meses e 15 dias correspondem a 75 dias, ou ent˜o: 360 a 75 anos. Ainda; a taxa 1% ao mˆs, corresponde a 1% vezes e 12 meses, o que d´ 12% a.a. a Aplicando a f´rmula, temos: o 2500 · 12 · 2500 · 12 · 75 = = 625 100 36000 Logo, os juros produzidos s˜o de R$ 625,00. a J=
75 360

Desse modo, ele obteve um lucro de 40%.

Fator de Multiplica¸˜o ca
Quando um dado valor sofre um acr´scimo percentual, podee mos incorporar tal acr´scimo, obtendo assim o que chamamos e de “fator de multiplica¸˜o”. ca

238 Exemplo

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Uma compra foi efetuada no valor de R$ 1.500,00. Obtevese um desconto de 20%. Qual foi o valor pago em reais? a) 1350 b) 1300 c) 1250 d) 1200 e) n.d.a 2. Um carro, que custava R$ 12.000,00, sofreu uma valoriza¸ao c˜ (acr´scimo) de 10% sobre o seu pre¸o. Quanto ele passou a e c custar? a) 12.400,00 b) 13.200,00 c) 13.800,00 d) 14.600,00 e) n.d.a 3. Uma impressora a laser custou R$ 2.000,00 para uma gr´fica. No per´ a ıodo de um mˆs, ela apresentou um lucro de e R$ 100,00. De quanto por cento foi o lucro sobre o pre¸o de c compra? a) 5 b) 10 c) 6 d) 11 e) n.d.a

Um valor que sofre um aumento de 25%, ter´ um fator de a multiplica¸ao igual a 1, 25, pois: c˜ 100% + 25% = 125%, ou seja: 125% = 125 = 1, 25 100 Da mesma forma, podemos estender esse racioc´ para outros ınio valores, como mostra a tabela abaixo: Lucro ou Acr´scimo e 10% 15% 20% 47% 67% Fator de Multiplica¸ao c˜ 1,10 1,15 1,20 1,47 1,67

Exemplo Quanto passar´ a receber um funcion´rio, que tem um sal´rio a a a de R$ 950,00 e, obt´m um aumento de 35%? e Para chegarmos ao valor do novo sal´rio, basta que usemos um a fator multiplicativo igual a 1,35 sobre o valor atual, assim: 950 · 1, 35 = 1.282, 50 Portanto, o novo sal´rio ser´ de R$ 1.282,50. a a Para os casos em que ocorrem decr´scimos, o fator de multie plica¸ao ser´ dado por: c˜ a Fator de Multiplica¸ao = 1 - taxa de desconto (na forma decic˜ mal). Veja a tabela abaixo: Desconto 10% 25% 34% 60% 90% Fator de Multiplica¸ao c˜ 0,90 0,75 0,66 0,40 0,10

Exerc´ ıcios Complementares
4. Se a taxa de uma aplica¸ao ´ de 150% ao ano, quantos meses c˜ e ser˜o necess´rios para dobrar um capital aplicado atrav´s de a a e capitaliza¸ao simples? c˜ a) 10 meses b) 9 meses c) 8 meses d) 7 meses e) n.d.a 5. Qual o capital, em reais, que aplicado a juros simples de 1, 5%a.m. rende R$ 250,00 de juros em 50 dias? a) 10.000 b) 15.000 c) 25.000 d) 17.500 e) n.d.a

Exemplo Qual ser´ o valor do desconto de um produto, que custa R$ a 350,00 , mas que em promo¸ao ´ vendido por 22% abaixo do c˜ e pre¸o? c Nesse caso, o fator de multiplica¸ao ´: c˜ e Fator = 1 - 0,22 = 0,78

6. (Desafio) Um determinado produto teve um acr´scimo de e 20%, sobre o seu pre¸o de tabela. Ap´s certo per´ c o ıodo, teve um decr´scimo tamb´m de 20% sobre o pre¸o que foi aumentado, e e c obtendo assim o pre¸o atual. Qual ´ o percentual que o pre¸o c e c Assim 350 · 0, 78 = 273 atual corresponde em rela¸ao ao primeiro valor (pre¸o de tac˜ c Portanto, quando descontados 22%, o produto passa a custar bela)? R$ 273,00. a) 100% b) 96% c) 90% Pense um Pouco! d) 85% e) n.d.a • Tomando-se uma quantidade inicial X e adicionando-se a ela um certo percentual p obtemos um valor final X ′ . 7. O valor de 10 % ´ igual a: e Se tomarmos agora o valor X ′ e descontarmos o mesmo a) 100 percentual p obteremos o valor X? Discuta. b) 10

´ Matematica C – Aula 7 c) 1 d) 0,1 e) n.d.a

239 815, 135, 451,etc. Note que o n´ mero 533 n˜o nos serve, pois u a houve repeti¸ao do algarismo 3; o n´ mero 534 tamb´m n˜o c˜ u e a serve, pois ´ par. Um outro ponto importante ´, por onde e e come¸ar a resolver o problema. Procure sempre atacar o proc blema, por onde houver um maior n´ mero de restri¸oes. Veja: u c˜ centena dezenas unidades Em nosso caso, temos a restri¸ao de que os n´ meros devem ser c˜ u ´ ımpares. Logo, para a casa das unidades, temos 4 possibilidades (1,3,5,7). A seguir, vamos analisar a casa das centenas, na qual; podemos usar qualquer um do 6 algarismos dados pelo problema, por´m eliminando-se um deles (aquele que estiver na e casa das unidades), j´ que n˜o pode haver repeti¸ao. Portanto, a a c˜ temos para a casa das centenas 5 possibilidades. Finalmente, analisando a casa das dezenas, conclu´ ımos que restaram 4 possibilidades, pois: n˜o podemos repetir o algarismo que estiver a na casa das unidades e nem o que estiver na casa das centenas. Portanto: O total de possibilidades ´: P = 5 × 4 × 4 = 80, o e que d´ um total de 80 n´ meros. a u

Matem´tica C a
An´lise Combinat´ria a o

Aula 7

Princ´ ıpio Fundamental da Contagem
O princ´ ıpio fundamental da contagem nos mostra um m´todo e alg´brico, para determinar o n´ mero de possibilidades de e u ocorrˆncia de um acontecimento, sem precisarmos descrever e todas as possibilidades. Se um acontecimento pode ocorrer por v´rias etapas sucessivas e independentes de tal modo que: a p1 ´ o no de possibilidades da 1a etapa e p2 ´ o no de possibilidades da 2a etapa e . . .

pn ´ o no de possibilidades da n-´sima etapa e e Sendo n um n´ mero natural, define-se fatorial de n, e indica-se u Ent˜o, o n´ mero total P de possibilidades do acontecimento a u ”n!”` express˜o a a ocorrer ´ dado por: e n! = n × (n − 1) × (n − 2) × . . . × 3 × 2 × 1 P = p1 × p2 × p3 × . . . × pn

Fatorial

Exemplos
1) Quantas placas (distintas) de autom´veis, poder˜o ser emio a tidas; com o sistema atual de emplacamento? O atual sistema de emplacamento de autom´veis no Brasil o utiliza trˆs letras e quatro algarismos. No novo alfabeto s˜o e a consideradas 26 letras e temos dez d´ ıgitos entre os n´ meros. u Logo o n´ mero de possibilidades ser´ : u a P = 26 × 26 × 26 × 10 × 10 × 10 × 10 = 175.760.000 2) Obtenha o total de linhas telefˆnicas que podem ser instao ladas, com o prefixo 436: Para resolver este problema, ´ preciso escolher um algarismo e para a casa das milhares, outro para as centenas, outro para as dezenas e um outro para as unidades. Os algarismos a serem utilizados em cada uma das casas, podem ser escolhidos entre os dez d´ ıgitos do sistema decimal: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9. Como cada uma das casas podem ser preenchidas com um dos 10 algarismos acima, temos que: O total de linhas poss´ ıveis com o prefixo 436 ´ o produto das possibilidades que se tem e para preencher cada uma das casas. Logo: As linhas podem ter n´ meros no formato 436-ABCD, onde u os quatro d´ ıgitos ABCD de 0 a 9 indicam que podemos ter n´ meros de 0000 a 9999, ou seja, 10 mil linhas diferentes. Ou, u de outro modo: P = 10 × 10 × 10 × 10 = 10.000 3) Quantos n´ meros ´ u ımpares de 3 algarismos distintos, s˜o a poss´ ıveis utilizando os algarismos: 1, 3, 4, 5, 7, 8. Ao iniciar a resolu¸ao de um problema de an´lise combinat´ria, c˜ a o ´ aconselh´vel que se fa¸a alguns grupos dos quais queremos e a c calcular o total. No caso do nosso atual problema, veja alguns exemplos de n´ meros ´ u ımpares de 3 algarismos distintos: 347,

Propriedade Para fins de c´lculo, define-se que: a 0! = 1 1! = 1 Observe que: fatorial ´ uma defini¸ao por recorrˆncia, ou seja: e c˜ e cada fatorial ´ calculado com a utiliza¸ao do fatorial anterior. e c˜ Assim: 0! = 1 1! = 1 2! = 2 3! = 6 4! = 24 5! = 120 6! = 720 . . . . . . n! = n · (n − 1) · (n − 2) · · · 3 · 2 · 1

Exemplos 10! 10 × 9 × 8! = = 90 8! 8! (x + 3)! (x + 3)(x + 2)(x + 1)! = = (x+3)(x+2) = x2 +5x+6 (x + 1)! (x + 1)!

Pense um Pouco!
• De quantas formas diferentes pode resultar o lan¸amento c de dois dados simultˆneos? a • Na s´rie de n´ meros de 0 a 100, quantos algarismos nove e u s˜o usados? a

240

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

• Quantos n´ meros pares se pode formar com os algarismos 8. Resolvendo a equa¸ao, (x + 3)!/(x + 1)! = 12, temos que: u c˜ {1, 2, 3, 4}? a) x = 0 b) x = 1 c) x = 2 Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca d) x = 3 e) n.d.a 9. (Ufes) Um shopping center possui 4 portas de entrada para o andar t´rreo, 5 escadas rolantes ligando o t´rreo ao primeiro e e pavimento e 3 elevadores que conduzem do primeiro para o se´: e gundo pavimento. De quantas maneias diferentes uma pessoa, a) 25 partindo de fora do shopping center pode atingir o segundo b) 28/3 pavimento, usando os acessos mencionados? c) 31/7 a) 25 d) 15 b) 30 e) n.d.a c) 45 2. Numa elei¸ao de uma empresa, h´ 4 candidatos a presi- d) 125 c˜ a dente, 3 a vice-presidente, 5 a supervisor-geral e 3 a tesoureiro. e) n.d.a Quantos podem ser os resultados da elei¸ao? c˜ 10. (Puc-SP) Chamam-se pol´ ındromos os n´ meros inteiros u a) 120 que n˜o se alteram quando ´ invertida a ordem de seus algaa e b) 180 rismos (por exemplo: 383, 4224, 74847). O n´ mero total de u c) 150 pol´ ındromos de cinco algarismos ´: e d) 210 a) 900 e) n.d.a b) 780 22!8! 11!19! 3. Simplifique as express˜es: o a) (x + 5)!/(x + 3)! b) (3x + 1)!/(3x − 1)! 4. (Mack-SP) Quantos n´ meros de 5 d´ u ıgitos podem ser escritos com os algarismos {1, 2, 3, 4}, sem que apare¸am algarismos c consecutivos iguais? a) 20 b) 32 c) 40 d) 120 e) n. d. a. c) 560 d) 640 e) n.d.a 1. O resultado de

Matem´tica C a

Aula 8

Arranjo, Combina¸˜o e Permuta¸˜o ca ca
Arranjos Simples

Exerc´ ıcios Complementares

Arranjo simples ´ o tipo de agrupamento sem repeti¸ao em que e c˜ um grupo ´ diferente de outro pela ordem ou pela natureza dos e u 5. Sobre uma circunferˆncia marcam-se 6 pontos, igualmente elementos componentes. O n´ mero de arranjos simples de n e elementos em grupos de p elementos ´ dado por: e espa¸ados. Quantas retas eles determinam: c a) 21 n! b) 16 An,p = (n − p)! c) 5 d) 12 Esta f´rmula mostra que os arranjos dos n elementos tomados o e) n.d.a. p a p podem ser escritos utilizando-se fatoriais. 6. (Saem) A quantidade de n´ meros que podemos formar com u os algarismos {3, 4, 5, 6}, sem repeti-los, maiores que 4000, ´: Exemplos e a) 64 1) Quantos n´ meros de 3 algarismos podemos formar com os u b) 09 algarismos 1,2,3,4,5 e 7, sem repeti-los? c) 06 Os n´ meros formados devem ter 3 algarismos, por exemplo u d) 18 123. Invertendo-se a ordem destes algarismos, obtemos novos e) n.d.a n´ meros, portanto, o problema ´ de arranjo simples. Logo u e 7. Quantos carros podem ser licenciados, se cada placa cont´m e 6 · 5 · 4 · 3! 6! duas vogais e trˆs d´ e ıgitos? = = 120 A6,3 = a) 125.000 (6 − 3)! 3! b) 110.000 2) Com os algarismos 1, 2, 3, 4, 5 e 6 s˜o formados n´ meros de a u c) 95.000 quatro algarismos distintos. Dentre eles, quantos s˜o divis´ a ıveis d) 154.000 por 5. Como os n´ meros devem ser divis´ u ıveis por 5, os mesmos e) n.d.a

´ Matematica C – Aula 8

241

devem obrigatoriamente terminar em 5, logo, dos 6 algarismos Qualquer ordena¸ao das letras de uma palavra ´ denominada c˜ e que t´ ınhamos para trabalhar nos restam 5, dos quais vamos anagrama. Como a palavra MITO tem 4 letras, temos: tomar 3 a 3. Se tomarmos uma das poss´ ıveis respostas, por P4 = 4! = 4 · 3 · 2 · 1 = 24 exemplo 2345 e invertermos a ordem dos seus elementos teremos o n´ mero 4325, que ´ outra resposta do problema. Logo u e o problema proposto ´ de arranjos simples. Com isso temos e Pense um Pouco! que: 5 · 4 · 3 · 2! 5! = = 60 A5,3 = • Qual a diferen¸a b´sica entre combina¸ao e arranjo? c a c˜ (5 − 3)! 2!

Combina¸˜es Simples co
Combina¸ao simples ´ o tipo de agrupamento, sem repeti¸ao c˜ e c˜ em que um grupo ´ diferente de outro apenas pela natureza e dos elementos componentes. O n´ mero de combina¸oes de u c˜ n elementos de grupos de p elementos ´ igual ao n´ mero de e u arranjos de n elementos tomados p a p, dividido por p!, isto ´: e n! An,p = = p! p!(n − p)!

• Se houverem elementos repetidos num conjunto, qual o n´ mero de permuta¸oes diferentes poss´ u c˜ ıveis? Exemplo: quantos anagramas tem a palavra MARIA?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

1. Quantos n´ meros de 5 algarismos distintos podemos formar u com os algarismos 1, 4, 5, 7, 8 e 9? Cn,p a) 120 b) 720 c) 1.296 Exemplos d) 15.625 1) Quantas comiss˜es constitu´ o ıdas de 3 pessoas podem ser for- e) n.d.a madas com 5 pessoas ? As comiss˜es formadas devem Ter 3 pessoas, por exemplo A 2. De quantas maneiras podemos escalar um time de futebol o a , B e C. Invertendo-se a ordem destas pessoas, obtemos a de sal˜o dispondo de 8 jogadores? a) 48 mesma comiss˜o. Portanto, o problema ´ de combina¸ao. a e c˜ b) 56 5! 5 · 4 · 3! c) 72 C5,3 = = = 10 3!2! 3!2! d) 28 e) n.d.a Logo, podemos formar 10 comiss˜es. o 3. Considere o conjunto A = {2, 4, 5, 6}. Quantos n´ meros, u distintos, m´ ltiplos de 5 se podem formar, com todos os eleu mentos de A? a) 24 b) 12 c) 18 d) 06 e) n.d.a

2) Sobre uma reta, marcam-se 8 pontos e sobre uma outra reta, paralela ` primeira, marcam-se 5 pontos. Quantos triˆngulos a a obteremos unindo 3 quaisquer desses pontos? Com os 13 pontos, podemos obter C13,3 triˆngulos. a Se tomarmos os trˆs pontos sobre a mesma reta, n˜o formae a remos um triˆngulo, com isso, o total de triˆngulos obtidos ´ a a e dado por C13,3 − C8,3 − C5,3 = 286 − 56 − 10 = 220

4. Quantas palavras de 3 letras, sem repeti¸ao, podemos forc˜ mar com as 9 primeiras letras do nosso alfabeto? Permuta¸˜es Simples co a) 504 b) 324 Permuta¸oes simples ´ o tipo de agrupamento ordenado, sem c˜ e c) 27 repeti¸ao, em que entram todos os elementos em cada grupo. c˜ d) 81 A permuta¸ao simples ´ um caso particular de arranjo simples. e) n.d.a c˜ e O n´ mero de permuta¸oes simples que se pode formar com n u c˜ 5. Quantos n´ meros de 4 algarismos distintos podemos formar u elementos ´ igual ao fatorial de n, ou seja: e com os algarismos 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9? Pn = n! a) 2560 b) 1440 c) 4536 Exemplos d) 2866 1) Quantos n´ meros de 5 algarismos distintos podem ser for- e) n.d.a u mados, usando-se os algarismos 1, 3, 5, 7 e 9? c Como usaremos todos os algarismos dados, em cada resposta 6. Numa sala, temos 5 rapazes e 6 mo¸as. Quantos grupos podemos formar de 2 rapazes e 3 mo¸as? c do problema, temos agrupamentos do tipo permuta¸oes simc˜ a) 30 ples, logo o n´ mero de algarismos ´ igual a u e b) 200 c) 300 P5 = 5! = 5 · 4 · 3 · 2 · 1 = 120 d) 150 2) Quantos anagramas tem a palavra MITO? e) n.d.a

242

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

7. Quantos n´ meros de 7 algarismos distintos podem ser for- a) 5.040 u madas, usando-se os algarismos 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7 ? b) 40 a) 5040 c) 2 b) 3640 d) 210 c) 2320 e) n.d.a. d) 720 15. (UFPA-PA) Quantos s˜o os anagramas da palavra BRAa e) n.d.a SIL come¸ados por B e terminados por L? c 8. Quantos s˜o os n´ meros compreendidos entre 2.000 e 3.000, a) 24 a u formados por algarismos distintos escolhidos entre 1, 2, 3, 4, b) 120 c) 720 5, 6, 7, 8 e 9? d) 240 a) 210 e) 1.440 b) 175 c) 336 16. (UEMT) Sobre uma circunferˆncia marcam-se 7 pontos, e d) 218 distintos 2 a 2. Calcule o n´ mero de triˆngulos que podemos u a e) n.d.a formar com v´rtices nos pontos marcados. e a) 3 b) 7 Exerc´ ıcios Complementares c) 30 d) 35 9. Quantas comiss˜es com 6 membros podemos formar com e) 210 o 10 alunos? a) 210 b) 120 c) 75 d) 144 e) n.d.a

Matem´tica C a

Aula 9

10. Uma empresa ´ formada por 6 s´cios brasileiros e 4 japoe o Binˆmio de Newton o neses. De quantos modos podemos formar uma diretoria de 5 s´cios, sendo 3 brasileiros e 2 japoneses? o N´meros Binomiais u a) 10 b) 15 N´ meros Binomiais: Dados dois n´ meros naturais, n e p, chau u c) 6 mamos n´ mero binomial, ao par de valores: u d) 12 n e) n.d.a p 11. (PUC-SP) Numa sala h´ 5 lugares e 7 pessoas. De quantos a e modos diferentes essas pessoas podem ser colocadas, ficando 5 Lˆ-se: binomial de n sobre p. Chamamos n de numerador e p de denominador do n´ mero u sentadas e 2 em p´? e binomial, onde a) 5.040 n! n b) 21 = p!(n − p)! p c) 120 d) 2.520 com n e pinN e n ≥ p. e) n.d.a. Conseq¨ˆncias da defini¸ao: ue c˜ n 12. Quantos anagramas da palavra EDITORA, come¸am com c a) = 1, ∀ninN 0 A e terminam com E? n a) 120 b) = n, ∀ninN b) 720 1 n c) 840 c) = 1, ∀ninN n d) 24 e) n.d.a EXERC´ ICIOS 13. (UFCE) A quantidade de n´ meros pares de 4 algarismos u distintos que podemos formar com os algarismos 1, 2, 4, 5, 7, 1) Calcular E = 6 + 5 + 8 + 4 3 1 0 4 8 e 9 ´: e a) 20 b) 60 c) 240 d) 360 e) n.d.a. 14. (Aman-RJ) As diretorias de 4 membros que podemos formar com 10 s´cios de uma empresa s˜o: o a 2) Ache o conjunto solu¸ao da equa¸ao c˜ c˜
x+1 2

= 10

´ Matematica C – Aula 9

243 5. Cada binomial da linha n ´ igual a soma de dois binomiais e da linha (n − 1): aquele que est´ na mesma coluna com a aquele que est´ na coluna anterior. a EXERC´ ICIOS 1) Calcule:
8 0

N´meros Binomiais Complementares u
Dois n´ meros binomiais s˜o chamados complementares quando u a possuem o mesmo numerador e a soma dos denominadores ´ igual ao numerador. e Os n´ meros u Exemplo Os n´ meros binomiais u 2 + 5 = 7. Propriedade Dois n´ meros binomiais complementares s˜o iguais. u a
7 2 n p

e

n k

s˜o complementares quando p + k = n. a

+

8 1

+

8 2

+ ...+

8 8

e

7 5

s˜o complementares, pois a

2) Calcule n, sabendo que

n 0

+

n 1

+

n 2

+...+

n n

= 256

Triˆngulo de Pascal a
Os n´ meros binomiais podem ser agrupados ordenadau mente em um quadro denominado Triˆngulo de Pascal: a
0 0 1 0 2 0 3 0 4 0 1 1 2 1 3 1 4 1 2 2 3 2 4 2 3 3 4 3 4 4

3) Calcule o valor de

8 p=2

9 p

. . . Observa¸oes Importantes c˜ • Os n´ meros binomiais de mesmo numerador est˜o colocau a dos na mesma linha;

F´rmula do Binˆmio de Newton o o
(x + a)n = xn a0 + n xn−1 a1 + 1 + . . . + n x0 an n
n 0 n 2

xn−2 a2 +

ca • Os n´ meros binomiais de mesmo denominador est˜o co- Observa¸˜o u a locados na mesma coluna; • No desenvolvimento do binˆmio (x + a)n , os termos s˜o o a todos positivos; • Se no triˆngulo de Pascal substituirmos cada binomial a pelo respectivo valor, obteremos: 1 2 3 4 5 1 1 1 1 1 1 . . . • No desenvolvimento do binˆmio (x−a)n , os sinais de cada o termo do desenvolvimento s˜o alternados, isto ´, os termos a e de ordem ´ ımpar (1, 3, 5, . . .) s˜o positivos e os de ordem a par (2, 4, 6, . . .) s˜o negativos. a

1 3 6 10

1 4 10

1 5

Exemplos resolvidos 1 1) Desenvolver o binˆmio (x + 3)4 : o 4 0 logo (x + 3)4 = x4 + 12x3 + 54x2 + 108x + 81 2) Desenvolver o binˆmio (a − 2b)5 : o 5 0 − 5 3 a5 (2b)0 − a2 (2b)3 + 5 1 5 4 a4 (2b)1 + a1 (2b)4 − 5 2 5 5 a3 (2b)2 a0 (2b)5 4 1 4 2 4 3 4 4

Propriedades do Triˆngulo de Pascal a
1. Todos os elementos da 1a. coluna s˜o iguais a 1; a 2. O ultimo elemento de cada linha ´ igual a 1; ´ e 3. Numa linha qualquer, os n´ meros eq¨ idistantes dos extreu u mos s˜o iguais; a 4. A soma dos n´ meros binomiais de uma mesma linha ´ u e uma potˆncia de base 2 cujo expoente ´ a ordem da linha e e (numerador);

x4 30 +

x3 41 +

x2 42 +

xa3 +

a4

244

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

1·a5 ·1−5·a4 ·2b+10·a3 ·4b2 −10·a2 ·8b3 +5·a·16b4 −1·1·32b5 e finalmente podemos escrever (a − 2b) = a − 10a b + 40a b − 80a b + 80ab − 32b
5 5 4 3 2 2 3 4 5

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Calcule o s´timo termo no desenvolvimento de (2x3 + x2 )9 . e 2. Calcule o quarto termo no desenvolvimento de (x−3 − 2x2 )10 . 3. Calcule o termo m´dio no desenvolvimento de (3y 4 + 2y 6 )6 . e

Soma dos Coeficientes Binomiais

A soma dos coeficientes num´ricos do desenvolvimento de (ax± 4. Encontre o termo independente de x no desenvolvimento e by)n , com a e b constantes, se obt´m fazendo x = y = 1. A de (2x−3 − 2x4 )7 . e soma vale, portanto 5. Determine a soma dos coeficientes dos termos do desenvolvimento do binˆmio (x + 2y)8 . o (a ± b)n

F´rmula do Termo Geral o
Para determinar um termo qualquer de ordem (p + 1) no desenvolvimento de um binˆmio do tipo (x + a)n , temos: o Tp+1 = n p ap xn−p

Exerc´ ıcios Complementares
6. (UFPA-PA) Qual o valor do termo m´dio do desenvolvie mento de (2x + 3y)8 ? a) 70 · x4 y 4 b) 70 · 16 · 81 · x4 y 4 c) 70 · 16 · 81 · x5 y 4 d) 70 · 16 · 81 · x4 y 5 e) 70 · 16 · 81 · x5 y 5 7. (Santo Andr´-SP) O termo independente de x no desenvole vimento de (2x−2 − 3x)6 ´ o: e a) 2o b) 3o c) 4o d) 5o e) 6o

O termo geral no desenvolvimento de (x − a)n , ´ dado pela e express˜o: a Tp+1 = (−1)p Exemplos n p ap xn−p

1. Determinar o quarto 4o no desenvolvimento de (x + 2)7 . Resolu¸ao: c˜ 8. (UFRN-RN) A express˜o 7 + 7 − 35 ´ igual a : a 3 e 4 Para o quarto termo, temos que p + 1 = 4, logo p = 3. Assim: a) 30 b) 35 c) 40 7 T4 = T3+1 = a3 x7−3 = 35 · 8 · x4 = 280x4 d) 45 3 e) 50 2. Achar o termo m´dio no desenvolvimento de (2x − 3)6 . e 9. A soma dos valores que x pode assumir na igualdade No desenvolvimento do binˆmio (2x − 3)6 , teremos um total o 13 13 e 2x−3 = x+1 ´: de 7 termos. Com isso o termo m´dio ser´ o 4o termo. Logo e a a) 7 temos: b) 9 c) 11 6 d) 13 3 6−3 3 3 3 (2x) = (−1) · 20 · 27 · 8x T4 = T3+1 = (−1) e) 15 3 √ 10. O quarto termo do desenvolvimento (x + y)6 ´: e logo o termo procurado ser´ a √ a) 6x3 y b) 15x4 y T4 = −4.320x3 √ c) 20x3 y y d) 6x6 y 3 e) n. d. a. Pense um Pouco! • O que devemos fazer para encontrarmos o termo independente de x, no desenvolvimento de um binˆmio? o 11. (FGV-SP) A soma dos coeficientes do desenvolvimento de (2x + 3y)6 ´: e a) 15.625 b) 7.776 • O que ocorrer´ com os termos do desenvolvimento de um c) 6.225 a binˆmio (x + a)n , se invertermos as posi¸oes do primeiro o c˜ d) 4.225 e do segundo termo, ou seja (a + x)n ? e) 2.048 • Por que alguns desenvolvimentos de n´ meros binomiais 12. (Mack-SP) Se a soma dos coeficientes num´ricos do deu e apresentam termo m´dio e outros n˜o? e a senvolvimento (5x − 3y)n ´ 81, ent˜o n ´ igual a: e a e

´ Matematica C – Aula 10 a) 2 b) 3 c) 4 d) 5 e) n. d. a.

245 moeda, onde se quisesse tirar por sorteio uma determinada face. 2. Entre seis pessoas A, B, C, D, E e F, quatro s˜o escolhidas a para formar uma comiss˜o. Qual a probabilidade de A e B a pertencerem ` comiss˜o? a a Resolu¸ao: c˜ Primeiramente, vamos determinar o total de comiss˜es que se o pode formar com quatro elementos: C6,4 = 6! = 15 4!2!

Matem´tica C a
Probabilidade

Aula 10

Espa¸os Amostrais Equiprov´veis Finitos c a

que ´ o n´ mero de resultados poss´ e u ıveis do conjunto universo U. Agora, vamos determinar o n´ mero de vezes que A e B comu parecem nas comiss˜es com quatro elementos, ou seja, o

Dado um experimento aleat´rio, no qual cada resultado tenha o 4! as mesmas chances de ocorrer que os demais. Seja U o conjunto =6 C4,2 = 2!2! de todos os eventos poss´ ıveis como resultado do experimento e seja E o conjunto dos resultados que nos interessam, definimos que ´ o n´ mero de resultados favor´veis, no conjunto E. e u a a probabilidade do(s) evento(s) E como sendo: Finalmente, a probabilidade de A e B pertencerem ` comiss˜o a a ´ dada por: e N´ mero de resultados favor´veis u a P (E) = N´ mero de resultados poss´ u ıveis 6 2 P (E) = = = 0, 40 = 40% 15 5 Se o experimento for repetido N vezes, esperamos que a fra¸ao c˜ de sucessos seja dada por P (E), no limite onde N → ∞.

Eventos Complementares

Interpreta¸˜o Gr´fica ca a

A Probabilidade de n˜o ocorrer um evento pode ser determia nada com o estudo dos eventos complementares. Podemos usar os diagramas de Venn para facilitar a visuaSeja E, um evento em um experimento aleat´rio. A probabio liza¸ao e at´ a solu¸ao de muitos problemas sobre o c´lculo de c˜ e c˜ a lidade de n˜o ocorrer o evento E, isto ´, a probabilidade de a e probabilidades. ocorrer o evento E, complementar de E, ´ dado por: e P ( E) = 1 − P (E) Exerc´ ıcio Resolvido 1. Uma moeda ´ lan¸ada 6 vezes. Qual a probabilidade de e c observarmos pelo menos uma cara? Resolu¸ao: c˜ Para seis lan¸amentos de uma moeda, temos: c

E

U

U = 2 · 2 · 2 · 2 · 2 · 2 = 26 = 64

ou seja, existem 64 resultados poss´ ıveis. ıveis, por exemplo, s´ h´ um onde o a No gr´fico, U ´ o conjunto de todos os resultados poss´ a e ıveis Destes 64 resultados poss´ a e (espa¸o amostral) e E ´ o conjunto dos resultados favor´veis n˜o ocorre nenhuma cara, que ´ exatamente quando se tira 6 c e a coroas sucessivas. (os eventos de sucesso). Se chamarmos de E o conjunto de resultados com pelo menos uma cara, ent˜o podemos dizer que a probabilidade de n˜o a a Exerc´ ıcios Resolvidos tirarmos nenhuma cara E, ´ e 1. No lan¸amento de um dado n˜o viciado, qual a probabilic a 1 P ( E) = dade de ocorrer o evento “n´ mero primo”? u 64 Resolu¸ao: c˜ a a a Neste caso temos que U = {1, 2, 3, 4, 5, 6} e E = {2, 3, 5}, pois ent˜o, como s˜o eventos complementares, se n˜o obtemos seis coroas ´ porque saiu pelo menos uma cara, e estes s˜o os n´ meros primos entre 1 e 6. Ent˜o: a u a P (E) = 1 3 = 6 2 P (E) = 1 − P ( E) = 63 64

e Ou seja, a chance de se tirar um n´ mero primo ´ de 50%. ´ a probabilidade de se obter pelo menos uma cara. u e Observe que nesse caso o dado se comporta como se fosse uma Observe que:

246

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

- a probabilidade de se obter as 6 coroas sucessivas ´ pequena e (1/64), ou seja, ´ grande a probabilidade de isso n˜o ocorrer e a (63/64). - esta mesma experiˆncia pode ser feita com seis moedas e lan¸adas de uma s´ vez. c o 2. Ao se retirar uma bola de uma urna que cont´m trˆs bolas e e brancas b1, b2, b3, numeradas de 1 a 3 e cinco bolas pretas p1, p2, p3, p4, p5, numeradas de 1 a 5. Qual a probabilidade de que essa bola n˜o seja preta e nem de n´ mero par, ao mesmo a u tempo: Resolu¸ao: c˜ Neste caso U = {b1, b2, b3, p1, p2, p3, p4, p5} e E = {p2, p4), ent˜o a probabilidade complementar, de se tirar uma bola a preta de n´ mero par ser´: u a P ( E) = e como: 2 1 = 8 4

um cart˜o desse conjunto, a probabilidade de obter um cart˜o a a numerado com um m´ ltiplo de 13 ´: u e a) 3/240 b) 3/40 c) 1/26 d) 1/13 e) 1/6 5. (MACK) Num grupo de 10 pessoas est˜o X e Y . Escolhidas a ao acaso 5 pessoas do grupo, a probabilidade de X e Y serem escolhidas ´: e a) 1/5 b) 1/10 c) 2/9 d) 5/9 e) 9/10 ´ 6. (MARINGA) Um n´ mero ´ escolhido ao acaso entre os 20 u e inteiros, de 1 a 20. A probabilidade de o n´ mero escolhido ser u primo ou quadrado perfeito ´: e a) 1/5 b) 2/25 c) 4/25 d) 2/5 e) 3/5

3 4 esta ser´ a probabilidade de se tirar uma bola n˜o preta e n˜o a a a par, simultaneamente. P (E) = 1 − P ( E) =

Pense um Pouco!

• Em alguns jogos com dado o jogador pode avisar ”vale o debaixo”, querendo dizer que o n´ mero tirado ser´ o da u a e e face que cair voltada para baixo. Se um jogador usar desse 7. (CESGRANRIO) Um pr´dio de trˆs andares, com dois e artif´ ıcio, antes de jogar o dado, mudam suas chances no apartamentos por andar, tem apenas trˆs apartamentos ocupados. A probabilidade de que cada um dos trˆs andares tenha e jogo? exatamente um apartamento ocupado ´: e • Acertar 5 n´ meros num cart˜o com 50 n´ meros, como a) 1/2 u a u nos jogos de loto ´ realmente muito dif´ e ıcil, mas se b) 2/5 marc´ssemos no cart˜o 45 n´ meros e fossem sorteados, c) 4/5 a a u n˜o 5, mas 45 n´ meros. Melhoraria a nossa chance? a u d) 1/5 e) 3/8

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Joga-se um dado ”honesto”de seis faces e lˆ-se o n´ mero da e u face voltada para cima. Calcular probabilidade de se obter: a) O n´ mero 5 u b) Um n´ mero ´ u ımpar c) Um n´ mero maior que 4 u d) Um n´ mero menor que 8 u e) Um n´ mero maior que 6 u 8. (MOGI DAS CRUZES) Jogamos dois dados. A probabilidade de obtermos pontos iguais nos dois ´: e a) 1/3 b) 5/36 c) 1/36 d) 1/6 e) 7/36

e 2. Retirando-se uma carta de um baralho comum, de 52 cartas, 9. (LORENA) Uma urna cont´m 4 bolas vermelhas numeradas de 1 a 4; trˆs bolas azuis numeradas de 1 a 3 e trˆs bolas e e qual ´ a probabilidade de se obter uma carta de copas? e brancas numeradas de 1 a 3. Retiramos uma unica bola. Qual ´ 3. Qual o “espa¸o amostral”ou “conjunto universo”U nos se- a probabilidade de que essa bola seja par? c guintes fenˆmenos aleat´rios: o o a) 3/10 a) lan¸amento de duas moedas c b) 2/5 b) lan¸amento de dois dados c c) 3/5 c) lan¸amento de uma moeda e um dado c d) 2/10 d) embaralhar os 8 bits de um byte e) n. d. a. e) embaralhar as letras da palavra “PROVA”

Exerc´ ıcios Complementares
4. (CESGRANRIO) Os 240 cart˜es de um conjunto, s˜o nuo a merados consecutivamente de 1 a 240. Retirando-se ao acaso

Matem´tica C a

Aula 11

´ Matematica C – Aula 11

247 1a )2x − 1 > 0 e x + 4 > 0 a) 2x − 1 > 0 =⇒ x > 1/2 b) x + 4 > 0 =⇒ x > −4 a) e b) simultaneamente nos d´ que a solu¸ao ´ x > 1/2 a c˜ e

Inequa¸˜es co
Inequa¸˜es do Primeiro Grau co

Relacionadas com as equa¸oes de 1o grau, temos as desigualdac˜ des de primeiro grau (ou inequa¸oes), que s˜o express˜es mac˜ a o Sa tem´ticas em que os termos est˜o ligados por um dos quatro a a x 0 1/2 < > ≤ ≥ Sb sinais: x menor maior menor ou igual maior ou igual 0 −4 Sa Sb Nas inequa¸oes, deseja-se obter um conjunto de todas os c˜ x 0 1/2 poss´ ıveis valores que pode assumir uma ou mais inc´gnitas o na equa¸ao. c˜ 2a ) 2x − 1 < 0 e x + 4 < 0 Uma propriedade importante das inequa¸oes ´: c˜ e a) 2x − 1 < 0 =⇒ x < 1/2 a > b ⇐⇒ −a < −b b) x + 4 < 0 =⇒ x < −4 a) e b) simultaneamente nos d´ que a a solu¸ao ´ x < −4 c˜ e Ou seja, multiplicando-se ou dividindo-se uma desigualdade por um n´ mero negativo ”inverte-se o sentido”da desigualu dade. S´a
0 1/2 0 0 x x x

Exemplo Resolvido
Encontrar todos os valores de x tais que 3x + 6 > 5x − 4. Resolu¸ao: c˜ 3x + 6 > 5x − 4 3x − 5x > −4 − 6 −2x > −10 e multiplicando-se por −1 2x < 10 finalmente x<5 ou seja, existe um conjunto infinito de valores (intervalo) que satisfazem a desigualdade dada. Graficamente:
f(x)

−4 −4

S´b S´a S´b

Portanto o conjunto solu¸ao da inequa¸ao ´ a uni˜o das c˜ c˜ e a solu¸oes obtidas: c˜ 1 } 2 Podemos, entretanto, resolver este problema com o seguinte quadro de sinais no qual estudamos nas primeiras linhas o sinal de cada um dos fatores e na ultima linha, o sinal do produto: ´ S = {x ∈ R | x < −4 ou x >

0 1/2 −4 −4 0 0 1/2

x x x

g(x) f(x)g(x)

0

5

x

Observe que os valores x = −4 e x = 1/2 que anulam o produto n˜o verificam a inequa¸ao e esse fato foi indicado por ”◦”(bola a c˜ vazia), usado para representar o intervalo aberto.

A figura representa graficamente o intervalo de solu¸ao obtido: c˜ S = {x ∈ R | /x < 5}

Inequa¸˜es-Quociente co

Sendo f (x) e g(x) duas fun¸oes da vari´vel x, as inequa¸oes: c˜ a c˜ f (x) ÷ g(x) > 0 f (x) ÷ g(x) < 0 Inequa¸˜o-Produto ca f (x) ÷ g(x) ≥ 0 f (x) ÷ g(x) ≤ 0 Sendo f (x) e g(x) duas fun¸oes da vari´vel x, as inequa¸oes: c˜ a c˜ s˜o denominadas inequa¸oes-quociente. a c˜ f (x) · g(x) > 0 Notando que as regras de sinais do produto e do quociente f (x) · g(x) < 0 para n´ meros reais, s˜o an´logas, por exemplo: u a a f (x) · g(x) ≥ 0 f (x) · g(x) ≤ 0 s˜o denominadas inequa¸oes-produto. a c˜ Exerc´ ıcio Resolvido f (x) > 0 ⇐⇒ f (x) · g(x) > 0 g(x) f (x) ≥⇐⇒ f (x) · g(x) ≥ 0 g(x)

Resolver a inequa¸ao: (2x − 1)(x + 4) > 0 c˜ esta ultima para g(x) = 0 ´ Resolu¸ao: c˜ Isso significa que, na resolu¸ao de uma inequa¸ao-quociente, c˜ c˜ Para resolver essa inequa¸ao, vamos analisar as duas possibi- podemos usar o mesmo quadro de sinais, empregado na inec˜ qua¸ao-produto. c˜ lidades em que (2x − 1)(x + 4) > 0, ou seja:

248

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exerc´ ıcio Resolvido Resolva a inequa¸ao: c˜ (x + 3)(1 − x) ≥0 (x − 2) Resolu¸ao: c˜ Vamos chamar de f (x) = x + 3, g(x) = 1 − x e h(x) = x − 2 e analisar os sinais individuais de cada fun¸ao: c˜

Y

2

3

X

f(x) g(x) h(x) f(x)g(x) h(x)

−3 1 2 −3 1 2

x x x x

Como devemos ter y > 0, os valores de x s˜o: S = {x ∈ R | 2 < a x < 3}. 2. Resolva o sistema de inequa¸oes do 2o grau. c˜ 2x2 − 18 < 0 −x2 + 5x − 4 ≥ 0

Resolu¸ao: c˜ Para resolvermos o sistema de inequa¸oes acima, vamos analic˜ sar cada uma das inequa¸oes, separadamente. Assim: c˜ a) 2x2 − 18 < 0 Inequa¸˜es do Segundo Grau co Temos a = 2 e ∆ = 0 − 4 · 2 · (−18) = 144 > 0, e as ra´ ızes: x′ = +3 e x′′ = −3. 2 2 2 As desigualdades ax +bx+c > 0, ax +bx+c < 0, ax +bx+c ≤ 0 e ax2 + bx + c ≥ 0, com a = 0 s˜o chamadas inequa¸oes do Sa = {x ∈ R | − 3 < x < 3}. a c˜ b) −x2 + 5x − 4 ≥ 0 segundo grau. Para resolvermos essas inequa¸oes, devemos estudar a varia¸ao Neste caso a = −1 e ∆ = 5 − 4 · (−1) · (−4) = 9 > 0, com c˜ c˜ ra´ ızes: x′ = +1 e x” = +4 dos sinais das imagens da fun¸ao do segundo grau. c˜ Seja a fun¸ao f : R → R dada por f (x) = ax2 + bx + c, com Sb = {x ∈ R | 1 ≤ x ≤ 4}. c˜ c) Finalmente, a solu¸ao geral do sistema ´ obtida pela interc˜ e a = 0. sec¸ao dos intervalos-solu¸ao obtidos: c˜ c˜ Seu gr´fico ´ uma par´bola que se comporta conforme a tabela a e a S = Sa ∩ §b = {x ∈ R | 1 ≤ x < 3}. abaixo: de onde S = {x ∈ R | x < −3 ou 1 ≤ x < 2}.
∆>0 ∆=0 ∆<0

Inequa¸˜es Exponenciais co
Denomina-se inequa¸˜o exponencial, `quela que apresenta ca a uma inc´gnita no expoente. Como por exemplo: o

a>0
x x x

3x > 81 52x − 6 · 5x + 5 < 0 8x ≤ 16 Importante • Quando a > 0, a fun¸ao exponencial f (x) = ax ´ cresc˜ e cente, isto ´: e
2

x

x

x

a<0

Exerc´ ıcios Resolvidos 1. Resolva a inequa¸ao do 2o grau: −x2 + 5x − 6 > 0 c˜ Resolu¸ao: c˜ Para resolver a inequa¸ao acima, devemos determinar os vac˜ lores de x para os quais a fun¸ao f (x) = −x2 + 5x − 6 tem c˜ imagens positivas (y > 0), isto ´, estudar o sinal da fun¸ao. e c˜ Como a = −1 e ∆ = (+5) − 4 · (−1) · 6 = +1 > 0 e as ra´ ızes de f (x) s˜o: x′ = 2 e x′′ = 3 temos o gr´fico: a a ax1 > ax2 ⇐⇒ x1 > x2 • Quando 0 < a < 1, a fun¸ao exponencial f (x) = ax ´ c˜ e decrescente, isto ´: e ax1 > ax2 ⇐⇒ x1 < x2

´ Matematica C – Aula 11 Exerc´ ıcios Resolvidos

249

Pense um Pouco!

Resolva as equa¸oes exponenciais: c˜ ´ • E poss´ se ter um sistema de inequa¸oes cujo conjunto ıvel c˜ a) 4x > 1/4 solu¸ao seja ∅? Explique. c˜ Resolu¸ao: c˜ Devemos procurar obter desigualdades de potˆncias de mesma e Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca base. 1 x x − 4 > ⇐⇒ 4 > 4 1 4 1. A solu¸ao da inequa¸ao (2x + 3)/(x + 2) ≥ 1 ´: c˜ c˜ e Como a base ´ maior do que 1, vem: e a) S = {x ∈ R | x ≤ −3 ou 1 ≤ x < 2} b) S = {x ∈ R | 1 ≤ x < 2} x > −1 c) S = {x ∈ R | x < −3 ou x > 2} d) S = {x ∈ R | x < −2 ou x ≥ 1} e e) n. d. a. S = {x ∈ R | x > −1} 2) O conjunto solu¸ao do sistema de inequa¸oes c˜ c˜ b) (1/2)2x < (1/2)3x−1 x2 − 5x + 6 ≤ 0 Resolu¸ao: c˜ 2x2 − 8x > 0 Como a base est´ compreendida entre 0 e 1, temos que ter: a 2x > 3x − 1 −x > −1 e ent˜o a x<1 logo S = {x ∈ R | x < 1} ´: e f) S = {x ∈ R | x ≤ −3 ou 1 ≤ x < 2} g) S = {x ∈ R | x ≥ −3 ou 1 ≤ x ≤ 2} h) S = {x ∈ R | x ≤ −3 ou 1 < x < 2} i) S = {x ∈ R | x ≥ −3 ou 1 < x < 2} j) n. d. a.

Exerc´ ıcios Complementares
2. (VUNESP) Quantos n´ meros inteiros satisfazem a ineu qua¸ao: x2 − 6x + 8 < 0 c˜ a) nenhum b) 1 c) 2 d) 3 e) 4 3. Resolvendo, em R, a inequa¸ao: c˜ x − 4 5x − 1 3 − ≤ 3 4 4 temos que: a) S = {x ∈ R | x < −2} b) S = {x ∈ R | x > −2} c) S = {x ∈ R | x ≤ −2} d) S = {x ∈ R | x ≥ −2} e) n. d. a. 4. A solu¸ao da inequa¸ao: c˜ c˜ 2x + 3 ≥1 x+2 ´: e a) S = {x ∈ R | x < −2 ou x ≥ −1} b) S = {x ∈ R | x ≤ −2 ou x > 1} c) S = {x ∈ R | x > −2 ou x > 2} d) S = {x ∈ R | x ≤ −1 ou x ≥ 2} e) n.d.a 5. Resolvendo a inequa¸ao c˜ (2 − 5x)(x + 1) ≤0 (−x + 3)

Inequa¸˜es Modulares co
Notemos que se a > 0, valem as seguintes propriedades: 1. |x| > a ⇐⇒ x < −a ou x > a

−a

0

a

x

2. |x| < a ⇐⇒ −a < x < a

−a

0

a

x

Exerc´ ıcio Resolvido Resolva a inequa¸ao: |3x − 4| < 2 c˜ Resolu¸ao: c˜ De acordo com a propriedade 2 vista acima, temos: |3x − 4| < 2 ⇒ −2 < 3x − 4 < 2 ou seja, temos de resolver o sistema de inequa¸oes c˜ −2 < 3x − 4 ⇒ x > 2/3 3x − 4 < 2 ⇒ x < 2 Fazendo a intersec¸ao dos intervalos de solu¸ao, vem: c˜ c˜ S = {x ∈ R | 2 < x < 2} 3

250

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

temos que: a) S = {x ∈ R | x ≤ −3 ou 1 ≤ x < 2} b) S = {x ∈ R | x < −2 ou x ≥ 1} c) S = {x ∈ R | x ≤ −1 ou x ≥ 2} d) S = {x ∈ R | x < −3 ou − 1 ≤ x ≤ 2/5} e) n. d. a. 6. Ao resolver x−2 <1 x+3 obtemos: a) S = {x ∈ R | x > 2} b) S = {x ∈ R | x < −2} c) S = {x ∈ R | x > −1/2} d) S = {x ∈ R | x ≤ −2} e) n. d. a. 7. Qual a solu¸ao da inequa¸ao abaixo: c˜ c˜ 1 2
x2 −5x+1

Equa¸oes Envolvendo sen α c˜

Y

1

sen θ

π−θ 0

θ 1 X

Se dois arcos trigonom´tricos x e α tˆm senos iguais, ent˜o: e e a   x = α ± 2kπ ou  x = π − α ± 2kπ

sen x = sen α ⇐⇒ com k ∈ N

1 2

a) S = {x ∈ R | b) S = {x ∈ R | c) S = {x ∈ R | d) S = {x ∈ R | e) n. d. a.

− 5 < x ≤ 0} − 5 ≤ x ≤ 0} − 5 ≤ x ≤ 0} − 5 < x < 0}

Equa¸oes Envolvendo cos α c˜
cos θ

Y 1

Matem´tica C a

Aula 12

0

θ −θ

1

X

2π − θ = −θ

Equa¸˜es Trigonom´tricas co e
e e a S˜o equa¸oes que envolvem pelo menos uma fun¸ao trigo- Se dois arcos trigonom´tricos x e α tˆm cossenos iguais, ent˜o: a c˜ c˜ nom´trica operando em alguma de suas vari´veis. Por exeme a cos x = cos α ⇐⇒ x = ±α ± 2kπ plo, cos θ = 1/3, onde se quer, em geral, determinar o ˆngulo a θ. com k ∈ N

Tipos Fundamentais
Existem trˆs tipos de equa¸oes trigonom´tricas fundamentais. e c˜ e S˜o elas: a a) sen x = sen α b) cos x = cos α c) tan x = tan α Equa¸oes de outro tipo devem ser reduzidas a uma dessas func˜ damentais. Vejamos como resolver cada uma delas.

Equa¸oes Envolvendo tan α c˜ Se dois arcos trigonom´tricos x e α tˆm tangentes iguais, ent˜o: e e a tan x = tan α ⇐⇒ x = α ± kπ com k ∈ N As equa¸oes a seguir tˆm suas solu¸oes mais facilmente obtic˜ e c˜ das pela representa¸ao dos seus valores na circunferˆncia tric˜ e gonom´trica. e

´ Matematica C – Aula 12

251 cos x = 1/2 Como o cosseno de π/3 ´ igual a 1/2, temos a solu¸ao geral e c˜ x = π/3 ± kπ k ∈ N logo S = {x ∈ R | x = π/3 ± kπ, k ∈ N Exerc´ ıcios Resolva em R as equa¸oes: c˜ 1) sen3x − senx = 0

Exemplos Resolvidos
sen x = −1 Como o seno de 3π/2 ´ igual a −1, temos a solu¸ao geral e c˜ x= logo S = {x ∈ R | x = sen x = 0 Como o seno de 0 ´ igual a 0, temos a solu¸ao geral e c˜ x = ±π k ∈ N logo S = {x ∈ R | x = ±kπ, k ∈ N sen x = 1 Como o seno de π/2 ´ igual a 1, temos a solu¸ao geral e c˜ x= logo S = {x ∈ R | x = cos x = −1 Como o cosseno de π ´ igual a −1, temos a solu¸ao geral e c˜ x = π ± kπ k ∈ N logo S = {x ∈ R | x = π ± kπ, k ∈ N cos x = 0 Como o cosseno de π/2 ´ igual a 0, temos a solu¸ao geral e c˜ x= logo S = {x ∈ R | x = cos x = 1 Como o cosseno de 0 ´ igual a 1, temos a solu¸ao geral e c˜ x = 2kπ k ∈ N logo S = {x ∈ R | x = 2kπ, k ∈ N π ± kπ, k ∈ N 2 π ± kπ k ∈ N 2 π ± 2kπ, k ∈ N 2 π ± 2kπ k ∈ N 2 3π ± 2kπ, k ∈ N 2 3π ± 2kπ k ∈ N 2

2) cos x =

√ 3 2

3) tan x =

√ 3 3

Pense um Pouco!
• Existe solu¸ao real para a equa¸ao cos x = 2 ? c˜ c˜

Exerc´ ıcios Complementares
1. A solu¸ao da equa¸ao cos(2x) − cos(x − π) = 0, ´: c˜ c˜ e a) {x ∈ R | x = −π + 2kπ ou x = π/3 + 2kπ/3, kZ} b) {x ∈ R | x = −π + kπ ou x = +k, kZ} c) {x ∈ R | x = π + 2kπ ou x = +k, kZ} d) {x ∈ R | x = −π + kπ ou x = +k, kZ} e) n. d. a. 2. Resolvendo sen 2x + sen x = 0, obtemos: a) S = {x ∈ R | x = (π/2) + kπ, ; k ∈ Z} b) S = {x ∈ R | x = (3π/2) + kπ, ; k ∈ Z} c) S = {x ∈ R | x = (−π/2) + 2kπ, ; k ∈ Z} d) S = {x ∈ R | x = (π) + 2kπ, ; k ∈ Z} e) n. d. a. 3) O conjunto solu¸ao da equa¸ao cos x − cos(π/4) = 0 ´: c˜ c˜ e f) S = {x ∈ R | x = ±π/4 + 2kπ, k ∈ Z}

252

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

g) S = {x ∈ R | x = ±π/3 + 2kπ, k ∈ Z} h) S = {x ∈ R | x = ±π/6 + 2kπ, k ∈ Z} i) S = {x ∈ R | x = ±π/2 + 2kπ, k ∈ Z} j) n. d. a. √ 3. A equa¸ao trigonom´trica 3 tan x − 3 = 0 , tem solu¸ao: c˜ e c˜ a) S = {x ∈ R | x = ±π/6 + kπ, k ∈ Z} b) S = {x ∈ R | x = ±3π/2 + 2kπ, k ∈ Z} c) S = {x ∈ R | x = ±π/4 + kπ, k ∈ Z} d) S = {x ∈ R | x = ±π/3 + 2kπ, k ∈ Z} e) n. d. a. 4. Resolva a equa¸ao cos(x − π/2) = cos(π/2) em R: c˜ a) S = {x ∈ R | x = π/4 + kπ, k ∈ Z} b) S = {x ∈ R | x = π/3 + kπ, k ∈ Z} c) S = {x ∈ R | x = 2π/3 + kπ, k ∈ Z} d) S = {x ∈ R | x = π/2 + kπ, k ∈ Z} e) n. d. a.

r A

• segmento de reta ´ a por¸ao de uma reta entre dois e c˜ pontos n˜o coincidentes A e B. a
r B A

• trˆs pontos n˜o co-lineares definem um plano. e a

Matem´tica C a
Introdu¸˜o ` Geometria ca a

Aula 13
s C B A α r

A Geometria Plana estuda as figuras planas. Entendemos por figura plana todo subconjunto, n˜o vazio, de pontos do plano. a Quando dizemos que S ´ uma figura plana, estamos afirmando e que S est´ totalmente contida num plano. a Para o estudo da Geometria Plana, aceitamos um conjunto de conceitos n˜o definidos, dos quais temos a intui¸ao clara e, um a c˜ sistema de axiomas ou postulados, que s˜o proposi¸oes n˜o a c˜ a demonstradas, aceitas intuitivamente, que d˜o caracter´ a ısticas aos elementos n˜o definidos. a

Propriedades Gerais
• por um ponto passam infinitas retas; • por dois pontos passa uma s´ reta; o • por dois pontos passam infinitos planos; • por trˆs pontos n˜o co-lineares passa um s´ plano; e a o • o plano ´ infinito e ilimitado; e • por uma reta passam infinitos planos; • toda reta pertencente a um plano divide-o em duas regi˜es o chamadas semi-planos; • um plano divide o espa¸o em dois semi-espa¸os; c c

Entes Geom´tricos Fundamentais e
Ponto, reta e plano: s˜o id´ias primitivas, entes que n˜o a e a possuem defini¸ao. c˜

Representa¸˜o ca
Por conven¸ao, usaremos a seguinte nomenclatura geral para c˜ - pontos: A, B ,C, . . . - retas: r, s, t, . . . - planos: α, β, γ, . . .

Defini¸˜es co
• A reta ´ infinita, ou seja, cont´m infinitos pontos, e n˜o e e a possui in´ nem fim. ıcio

ˆ Angulo Plano
Defini¸˜o ca ´ E a uni˜o de duas semi-retas de mesma origem. a

r

A θ O B

• Um ponto A de uma reta r, divide a mesma em dois conjuntos, chamados semi-retas. O ponto A ´ origem das e semi-retas e pertence a ambas.

´ Matematica C – Aula 13 Regi˜o Angular a ˆ Angulos Opostos pelo V´rtice e

253

´ a a e E a uni˜o do conjunto dos pontos interiores com o conjunto Dois ˆngulos s˜o opostos pelo v´rtice quando os lados de a um s˜o semi-retas opostas aos lados do outro. a dos pontos do ˆngulo. Indica-se por AOC. a
r

E
ponto exterior

A θ
I ponto interior

α α O

s

O
ˆ Angulos Adjacentes

B
Dois ˆngulos opostos pelo v´rtice s˜o congruentes. a e a

ˆ Angulo Raso Dois ˆngulos s˜o adjacentes, quando possuem mesma origem a a e um lado em comum. Define-se um ˆngulo raso quando os trˆs pontos A, O e B a e pertencem ` mesma reta. Por defini¸ao o ˆngulo plano mede a c˜ a 180◦ .
C

α O β
A

B

β = 180 O
ˆ Angulo Reto

o

ˆ Angulos Congruentes Dois ˆngulos s˜o congruentes quando possuem mesma mea a dida, ou seja, s˜o coincidentes. a

Chama-se de ˆngulo reto o ˆngulo obtido pela bissec¸ao de a a c˜ um ˆngulo plano. O ˆngulo reto mede 90◦ . a a

β = 90

o .

C

O

C´ B

α O

α´ =α

ˆ Angulo Agudo ˆ Angulo agudo ´ aquele cuja medida ´ menor que 90◦ . e e

Bissetriz ´ E a semi-reta de origem no v´rtice do ˆngulo, que o divide e a em dois ˆngulos congruentes. a ˆ Angulo Obtuso
C

α O

ˆ Angulo obtuso ´ aquele cuja medida ´ maior que 90◦ . e e

α O β
A

B

β O
Neste caso AOC ≡ BOC

254

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

ˆ Angulos Complementares

Pol´ ıgonos

ca Consideremos, num mesmo plano, N ≥ Dois ˆngulos s˜o complementares, quando a soma de suas Defini¸˜o: a a 3 pontos A1 , A2 , A3 , . . . , AN , ordenados de modo que trˆs e medidas ´ um ˆngulo reto (90◦ ). e a consecutivos n˜o sejam colineares. a Chama-se pol´ ıgono A1 , A2 , A3 , . . . , AN , A1 ` figura formada pela uni˜o dos N sega a mentos consecutivos entre os pontos:
A2 A1 A3

θ = 90 ο − β . β
A5

O
ˆ Angulos Suplementares Dois ˆngulos s˜o suplementares, quando a soma de suas mea a didas ´ um ˆngulo raso (180◦ ). e a Exerc´ ıcios 1. Qual ´ o ˆngulo que mede o dobro do seu complemento? e a

A4

Regi˜o Poligonal a ´ E a regi˜o do plano formada pela uni˜o dos pontos do pol´ a a ıgono com os pontos do seu interior. Define-se que uma regi˜o do plano ´ convexa quando quaisa e quer dois pontos dessa regi˜o puderem ser unidas por segmena tos de retas cujos infinitos pontos perten¸am ` essa regi˜o. Se c a a essa condi¸ao falhar, diz-se que a regi˜o ´ cˆncava. c˜ a e o Se a regi˜o poligonal for convexa, o pol´ a ıgono ser´ denominado a pol´ ıgono convexo.

2. Qual o valor de α na figura abaixo?
D C

2α+10

o o

a+20 O

Se a regi˜o poligonal for cˆncava, o pol´ a o ıgono ser´ denominado a pol´ ıgono cˆncavo. o

D C

3. Determine a medida do ˆngulo β na figura: a
r 3β+10 s 6β−20
o o

Classifica¸˜o ca Pol´ ıgono Eq¨ il´tero u a ´ E o pol´ ıgono que tem todos os lados congruentes: Exemplos: losango, quadrado, etc... Pol´ ıgono Eq¨ iˆngulo ua ´ o pol´ E ıgono que tem todos os ˆngulos internos congruentes. a Exemplos: retˆngulo, quadrado, etc,... a Pol´ ıgono Regular ´ o pol´ E ıgono eq¨ il´tero e eq¨ iˆngulo simultaneamente. u a ua Exemplo: quadrado.

O

´ Matematica C – Aula 13

255

3

4

5

6

R

7

8

9

10

C

11

12

13

14

Comprimento da Circunferˆncia e
15 20 25 30

O comprimento de uma circunferˆncia, ou per´ e ımetro ´ dado e por L = 2πR C´ ırculo

Nomenclatura De acordo com o n´ mero u Nome N´ mero de Lados u Triˆngulo a 3 lados Quadril´tero a 4 lados Pent´gono a 5 lados Hex´gono a 6 lados Hept´gono a 7 lados Oct´gono o 8 lados Ene´gono a 9 lados Dec´gono a 10 lados Undec´gono a 11 lados Dodec´gono a 12 lados Pentadec´gono 15 lados a Icos´gono a 20 lados N´ mero de Diagonais u de lados,

´ E a regi˜o limitada pela circunferˆncia, ou seja, ´ a uni˜o do a e e a temos: conjunto dos pontos interiores e dos pontos pertencentes ` cira cunferˆncia. e ´ Area do C´ ırculo A ´rea A de um c´ a ırculo ´ dada por e A = πR2

Pense um Pouco!
• Arquimedes considerava que a circunferˆncia poderia e ser definida como um pol´ ıgono regular com um grande n´ mero de lados (muito pequenos). O que vocˆ acha u e disso?

Chama-se diagonal de um pol´ ıgono a todo segmento de reta cujas extremidades s˜o v´rtices n˜o consecutivos. O n´ mero a e a u de diagonais D de um pol´ ıgono convexo de N lados (N ≥ 3) ´ e dado por: N (N − 3) D= 2 ˆ Soma dos Angulos

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Qual o n´ mero de diagonais do icos´gono? u a a) 150 b) 110 c) 210 d) 170 e) n. d. a.

2. Qual o n´ mero de lados de um pol´ u ıgono que possui 14 Em todo pol´ ıgono convexo de N lados (N ≥ 3), sendo Si a diagonais? soma dos ˆngulos internos e Se a soma dos ˆngulos externos a) 5 a a tem-se: b) 7 Si = (N − 2) · 180◦ c) 9 d) 11 e e) n. d. a. Se = 360◦ 3. Determine a ´rea do c´ a ırculo limitado pela circunferˆncia e cujo comprimento ´ de 10π cm. e a) 25π cm2 Circunferˆncia e b) 16π cm2 Dado um ponto C de um plano (centro) e uma distˆncia R n˜o c) 49π cm2 a a nula (raio), chama-se circunferˆncia o conjunto dos pontos do d) 36π cm2 e plano que distam R do ponto C. e) n. d. a.

256

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exerc´ ıcios Complementares

Triˆngulos a

ca 4. (FEI) Num pol´ ıgono regular, o n´ mero de diagonais ´ o tri- Defini¸˜o u e plo do n´ mero de lados. A quantidade de lados desse pol´ u ıgono Dados trˆs pontos n˜o colineares A, B e C, chama-se triˆngulo e a a ´: e a uni˜o dos trˆs segmentos AB, AC, BC. a e a) 7 b) 8 ∆ABC = AB + AC + BC c) 9 d) 10 Elementos do Triˆngulo a e) 11
5. (MACK) A soma dos ˆngulos internos de um hept´gono a a convexo ´ igual a: e a) 540◦ b) 720◦ c) 900◦ d) 1.080◦ e) 1.260◦ • V´rtices: A,B e C; e • Lados: AB, AC e BC; ˆ • Angulos internos: α, β e γ; ˆ • Angulos externos: s˜o os ˆngulos suplementares aos ina a ternos. Na figura, para o ˆngulo interno γ, por exemplo, a γex. ´ o ˆngulo externo. e a

6. Num pol´ ıgono convexo, a soma dos ˆngulos internos ´ cinco a e vezes a soma dos ˆngulos externos. Calcule o n´ mero de diaa u Classifica¸˜o ca gonais desse pol´ ıgono. a) 35 Quanto aos Lados b) 44 c) 54 Eq¨ il´tero u a d) 90 Possui os trˆs lados iguais. e e) n. d. a. 7. Dois ˆngulos s˜o complementares, sendo que um ´ o a a e qu´ ıntuplo do outro. Qual o valor do menor desses ˆngulos: a a) 10◦ b) 12◦ c) 17◦ d) 20◦ e) n. d. a.

B

8 cm

A

m a

h

6 cm

n C

8. Qual ´ o ˆngulo cujo suplemento ´ o triplo do seu complee a e mento: a) 35◦ b) 45◦ Is´celes o c) 60◦ Possui dois lados iguais. d) 15◦ e) n. d. a. 9. Cada um dos ˆngulos externos de um pol´ a ıgono regular mede 15◦ . Qual o n´ mero de diagonais desse pol´ u ıgono? a) 170 b) 252 c) 90 d) 144 e) n. d. a. 10. Cada um dos ˆngulos internos de um pol´ a ıgono regular Escaleno mede 150◦ . Qual ´ o pol´ e ıgono? Possui os trˆs lados diferentes. e a) oct´gono o b) dec´gono a c) dodec´gono a d) icos´gono a e) n. d. a.

Matem´tica C a

Aula 14

´ Matematica C – Aula 14 ˆ Quanto aos Angulos Retˆngulo a Possui um ˆngulo reto. a
α γ = α+β

257

β

Triˆngulo Retˆngulo a a
Elementos Observe a figura abaixo:
A

Obtusˆngulo a Possui um ˆngulo obtuso, ou seja, maior do que um ˆngulo a a reto.
C

c b m a h n

B

ο α > 90

Nesse triˆngulo ABC, retˆngulo em A, temos: a a • A, B, e C s˜o v´rtices; a e

Acutˆngulo a Possui todos os ˆngulos agudos, ou seja, menor do que um a a ˆngulo reto.

• a ´ a hipotenusa (lado oposto ao ˆngulo reto); e a • b e c s˜o catetos; a • h ´ a altura relativa ` hipotenusa; e a • m e n s˜o as proje¸oes dos catetos b e c sobre a base a c˜ (hipotenusa), respectivamente. Rela¸oes M´tricas c˜ e As rela¸oes entre essas medidas s˜o chamadas de rela¸oes c˜ a c˜ m´tricas nos triˆngulos retˆngulos. As principais s˜o: e a a a a2 = = = = = = b 2 + c2 mn m+n am bc an

Observa¸oes c˜ 1. Se o ∆ABC ´ is´celes, ent˜o os ˆngulos da base s˜o cone o a a a gruentes; 2. Se o ∆ABC ´ eq¨ il´tero, ent˜o os trˆs ˆngulos internos e u a a e a s˜o congruentes. a Propriedades

h2 a b2 ah c2

Triˆngulos Quaisquer a
Lei dos Senos 1. existˆncia de triˆngulo: para existir o triˆngulo, cada um e a a a a dos trˆs lados deve ser menor do que a soma dos outros Num triˆngulo qualquer, as medidas dos lados s˜o proporcioe nais aos senos dos ˆngulos opostos.Isto ´: a e dois; 2. soma dos ˆngulos internos: a soma dos ˆngulos internos a a de qualquer triˆngulo ´ 180◦, ou dois ˆngulos retos; a e a a ˆ sen A = b ˆ sen B = c ˆ sen C

3. soma dos ˆngulos externos: em qualquer triˆngulo, cada Exemplo Resolvido a a a a ˆngulo externo ´ igual ` soma dos internos n˜o adjacentes. Determine o valor de a, no triˆngulo abaixo: e a a

258

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

B 75 c=2,0 cm
o

a) da hipotenusa;

a

60 A

o

b) da altura relativa ` hipotenusa; a

Resolu¸ao: c˜ ˆ ˆ ˆ Como A + B + C = 180◦ , A = 60◦ e B = 75◦ , segue que ˆ ˆ C = 180◦ − A − B = 45◦ . Ent˜o: a a c a 2, 0 cm = ⇒ = ˆ ˆ sen 60◦ sen 45◦ sen A sen C √ 1/2 a = (2, 0 cm) √ = (2, 0 cm)/ 2 = 1, 4 cm 2/2 Lei dos Cossenos Num triˆngulo qualquer, o quadrado da medida de um lado a ´ igual ` soma dos quadrados das medidas dos outros dois e a lados, menos duas vezes o produto das medidas destes lados pelo cosseno do ˆngulo formado entre eles. Por exemplo, para a ˆ o lado a, oposto ao ˆngulo A, temos: a ˆ a2 = b2 + c2 − 2bc cos A

c) das proje¸oes dos catetos sobre a hipotenusa. c˜

Pense um Pouco!
• Como podemos obter quatro triˆngulos eq¨ il´teros, a u a usando apenas seis palitos de f´sforo? o

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Exemplo Resolvido 1. Determine a medida do menor cateto de um triˆngulo a Calcule a diagonal x do paralelogramo, cujos lados medem retˆngulo, cuja hipotenusa mede 7 cm e a altura relativa ` a a ◦ √ 10 cm e 5 cm, e formam um ˆngulo de 60 entre si. a hipotenusa mede 2 3 cm. √ a) 2 7 cm √ 10 cm A B 21 b) √ cm o 60 c) 3 √7 cm x d) 2 21 cm 5 cm e) n. d. a. 2. Qual a altura relativa ` hipotenusa, de um triˆngulo a a retˆngulo is´celes, cujos catetos medem x. a√ o a) x √2 Resolu¸ao: c˜ 2/2 Calculamos a diagonal x, aplicando a lei dos cossenos ao b) x √ c) 2x 2 triˆngulo ABC: a √ d) x 2/3 2 2 2 ◦ x = (10 cm) + (5 cm) − 2(10 cm)(5 cm) cos 60 e) n. d. a.
C D

3. Determine a diagonal de um retˆngulo cuja ´rea mede a a 2.700√ 2 , sabendo que o comprimento ´ o triplo da largura. m e a) 45 √2 m b) 30√ 2 m Exerc´ ıcios c) 20 √10 m 1) No triˆngulo ∆ABC, retˆngulo em A, sabe-se que os catetos d) 30 10 m a a b e c, medem 6 cm e 8 cm, respectivamente. Calcule o valor e) n. d. a. das medidas: 4. Calcule a altura de um triˆngulo eq¨ il´tero cujos lados a u a
B 8 cm A

x2 = (100 + 25 − 100 · (1/2)) cm2 √ √ x = 175 cm2 = 5 7 cm

m a

h

6 cm

n C

medem a. √ a) a √2/3 b) a√ 3/4 c) a √3/3 d) a 2/2 e) n. d. a. 5. Um triˆngulo cujos lados menores medem 5 m e 12 m ´ a e retˆngulo se, e somente se, o terceiro lado medir: a

´ Matematica C – Aula 15 a) 13 m b) 14 m c) 15 m d) 16 m e) n. d. a. 6. Um triˆngulo possui lados com medidas 5 cm e 3 cm, a formando um ˆngulo 30◦ . Qual a medida do outro lado, em a cm? √ a) √19 b) √ 13 c) √11 d) 7 e) n. d. a. Paralelogramo

259

Quadril´tero com lados opostos paralelos e congruentes a (iguais), dois a dois.

D

C

A

B

7. A figura mostra, em planta, o trecho de um rio onde se deseja construir uma ponte AB. De um ponto C, a 100 m de B, mediu-se o ˆngulo ACB = 45◦ e, do ponto A, mediu-se o Propriedades a a ˆngulo BAC = 30◦ . Qual ser´ o comprimento da ponte? a • os lados opostos s˜o congruentes; a a) 100 m b) 75 m • os ˆngulos opostos s˜o congruentes; a a c) 100 m d) 75 m • as diagonais se cortam ao meio mutuamente. e) n. d. a.

Matem´tica C a
Quadril´teros a

Aula 15

Retˆngulo a Paralelogramo que possui todos os ˆngulos retos. a
D C

Dados quatro pontos de um mesmo plano A, B, C e D ordenados de modo que trˆs consecutivos n˜o sejam colineares, e a chama-se quadril´tero a uni˜o dos quatro segmentos AB, a a BC, CD e DA. ABCD = AB ∪ BC ∪ CD ∪ DA

A

B

• valem as propriedades do paralelogramo; • as diagonais s˜o congruentes; a • os quatro ˆngulos s˜o retos. a a Losango ou Rombo Paralelogramo com dois lados adjacentes congruentes.
C D

Quadril´teros Not´veis a a
Trap´zio e Quadril´tero que possui dois lados paralelos. a
D C r

s r A B

B

AB CD (bases) AD e CB (lados transversais) Observa¸oes c˜ • se houver 1 ˆngulo reto ent˜o temos um trap´zio a a e retˆngulo; a • se os lados transversais forem congruentes temos um trap´zio is´celes. e o

A

• valem as propriedades do paralelogramo; • as diagonais est˜o nas bissetrizes dos ˆngulos internos; a a • as diagonais s˜o perpendiculares; a • os quatro ˆngulos s˜o congruentes. a a

260 Quadrado

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Triˆngulo Eq¨ il´tero a u a

´ E um losango retˆngulo. a
R

D

C

l h

l

r=a l

A

B

• possui os lados e ˆngulos congruentes; a • diagonais perpendiculares e congruentes; • as diagonais se cortam ao meio, mutuamente; • as diagonais est˜o nas bissetrizes dos ˆngulos internos. a a

Elementos: l = lado h = altura R = raio da circunferˆncia circunscrita e a = ap´tema (=r raio da circunferˆncia inscrita) o e F´rmulas: o √ h = l 3/2 R = 2h/3 r = h/3

Hierarquia entre Quadril´teros a
Rela¸oes de inclus˜o entre os conjuntos dos quadril´teros c˜ a a not´veis: a Quadrado

R = 2r √ A ´rea = l2 3/4 a

Quadrilateros Trapezios Paralelogramos Retangulos Quadrados Losangos

L R d L a =L / 2 L

L

Exerc´ ıcio Assinale a alternativa falsa. a) Todo quadrado ´ um retˆngulo e a b) Todo quadrado ´ um losango e c) Todo losango ´ um paralelogramo e d) Todo retˆngulo ´ um paralelogramo a e e) todo trap´zio ´ um paralelogramo e e Elementos: l = lado d = diagonal a = ap´tema (= r raio da circunferˆncia inscrita) o e R = raio da circunferˆncia circunscrita. e F´rmulas: o √ d=l 2 R = d/2

Pol´ ıgonos Regulares
S˜o aqueles que possuem todos os lados e todos os ˆngulos a a iguais.

a = l/2 A ´rea = l2 a

´ Matematica C – Aula 15 Hex´gono Regular a

261 4. Assinale a afirma¸ao falsa: c˜ a) As diagonais de um paralelogramo s˜o congruentes a b) as diagonais de um losango s˜o perpendiculares a c) as diagonais de um losango s˜o bissetrizes dos ˆngulos ina a ternos d) As diagonais de um retˆngulo s˜o congruentes a a e) As diagonais de um paralelogramo interceptam-se no ponto m´dio e 5. Calcule a ´rea de um triˆngulo eq¨ il´tero circunscrito em a a u a circulo de ´rea igual a 25π cm2 . a √ a) 25 √3 cm2 b) 15√ 3 cm2 c) 10 3 cm2 √ d) 5 3 cm2 e) n. d. a. 6. A ´rea do circulo circunscrito a um quadrado mede 18π. a Calcule a ´rea do circulo inscrito no quadrado. a a) 9π b) 8π c) 7π d) 6π e) n. d. a. 7. O valor da ´rea sombreada na figura abaixo a

l l L l a l l R l

Elementos: l = lado a = ap´tema (raio da circunferˆncia inscrita) o e R = Raio da circunferˆncia circunscrita. e F´rmulas: o R=l √ A ´rea = 3l2 3/2 a Exerc´ ıcio Resolvido Calcule a raz˜o entre as ´reas dos c´ a a ırculos circunscrito e inscrito em um triˆngulo eq¨ il´tero. a u a Resolu¸ao: c˜ Sendo A1 a ´rea do c´ a ırculo circunscrito e A2 a ´rea do circulo a inscrito, temos: A1 πR2 (2a)2 = = =4 A2 πr2 a2 a=h

7 cm

1 cm

Pense um Pouco!
• O quadrado ´ um losango? e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

´: e a) 12 cm2 b) 14 cm2 c) 20 cm2 √ d) 6 7 cm2 e) n. d. a.

1. O lado de um hex´gono regular inscrito em uma circun- 8. Qual a ´rea do hex´gono inscrito num c´ a a a ırculo cuja ´rea a ferˆncia mede 4 cm. Calcule: e mede√ cm2 . 16π a) O raio da circunferˆncia; e a) 36 √3 cm2 b) O ap´tema do hex´gono; o a b) 25√ 3 cm2 c) A ´rea do hex´gono; a a c) 24 √3 cm2 d) A ´rea do circulo inscrito. a d) 20 3 cm2 e) n. d. a. 2. Qual a ´rea do c´ a ırculo que est´ circunscrito a um quadrado a 7) A ´rea da regi˜o sombreada na figura abaixo a a de ´rea igual a 100 cm2 ? a

Exerc´ ıcios Complementares
3. A raz˜o entre os comprimentos das circunferˆncias circunsa e crita e inscrita em um quadrado de lado 2 ´: e √ a) √2 b) 2/2 c) 2 √ d) 2 2 e) n. d. a.

20 cm

262 ´: e f) 50π cm2 g) 35π cm2 h) 25π cm2 i) 15π cm2 j) n. d. a.

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Determina¸˜o do Centro e do Raio ca
a) Dada a equa¸ao (x − xC )2 + (y − yC )2 = R2 na forma c˜ reduzida, de imediato conclui-se que o centro ´ C(xC , yC ) e o e raio ´ R. e b) Dada a equa¸ao x2 +y 2 +mx+ny+p = 0 na forma normal, o c˜ centro e o raio s˜o determinados comparando-se coma equa¸ao: a c˜ x2 + y 2 − 2xxC − 2yyC + p = 0 Centro: m m = −2xC =⇒ xC = − 2 n = −2yC =⇒ yC = − finalmente C= − m n ,− 2 2 n 2

Matem´tica C a
Circunferˆncia e

Aula 16

Defini¸ao: c˜ Dado um ponto C de um plano (centro) e uma distˆncia R n˜o a a nula (raio), chama-se circunferˆncia o conjunto dos pontos do Raio: e plano que distam R do ponto C.

2 2 p = x2 + yC − R2 =⇒ R2 = x2 + yC − p C C

Equa¸˜o Reduzida ca

ou seja

2 R = + x2 + yC − p Seja a circunferˆncia de centro C(xC , yC ) e raio R e seja e C P (x, y) um ponto do plano. O ponto P pertence ` circunferˆncia se, e somente se, a Exemplos Resolvidos a e distˆncia de P a C for igual a R. Da´ teremos: a ı 1. Determinar o centro e raio da circunferˆncia de equa¸ao: e c˜ x2 + y 2 − 6x − 2y + 6 = 0. (x − xC )2 + (y − yC )2 = R2 Solu¸ao: c˜ A partir da equa¸ao, temos: c˜ que ´ a equa¸˜o reduzida da circunferˆncia. e ca e M=-6a===3N=-2b===1r=+==2

Caso Particular Se C = (0, 0), ent˜o a equa¸ao reduzida ser´: a c˜ a x2 + y 2 = R2 m = −6 =⇒ xC = − n = −2 =⇒ yC = −

m −6 =− =3 2 2 n −2 =− =1 2 2

Exemplos: 1. Obter a equa¸ao reduzida da circunferˆncia de centro c˜ e p = 6 =⇒ R = + 32 + 12 − 6 = 2 C(3, −2) e raio igual a R = 5. Resposta: Resposta: centro C = (3, 1) e raio R = 2. (x − 3)2 + (y + 2)2 = 25 2. Determine a equa¸ao da circunferˆncia que est´ represenc˜ e a 2. Obter a equa¸ao reduzida da circunferˆncia de centro tada no sistema de eixos cartesianos. c˜ e C(0, 0) e raio R = 3. Resposta: x2 + y 2 = 9 Pense um Pouco!

Equa¸˜o Geral ca
Desenvolvendo-se a equa¸ao reduzida (x − xC )2 + (y − yC )2 = c˜ R2 , obtemos:
2 x2 − 2xxC + x2 + y 2 − 2yyC + yC = R2 C 2 x2 + y 2 − 2xxC − 2yyC + x2 + yC − R2 = 0 C

• A circunferˆncia ´ uma linha plana? Comente. e e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Determine o centro e o raio da circunferˆncia de equa¸ao e c˜ (x − 5)2 + (y + 3)2 = 10. 2. Dar a equa¸ao cartesiana de circunferˆncia de raio R = 4 e c˜ e que est´ centrada na origem. a 3. Determine a equa¸a√ geral da circunferˆncia de centro C = c˜ o e (−2, 2), cujo raio R = 5.

Fazendo-se:
2 x2 + yC − R2 = p C

resulta x2 + y 2 − 2xxC − 2yyC + p = 0 que ´ a equa¸˜o normal (ou geral) da circunferˆncia. e ca e

´ Matematica C – Aula 17

263 √ d) C = (2, −1) e r = 5/2 √ e) C = (1, −1/2) e r = 5/2

Exerc´ ıcios Complementares
4. Determine o centro C e o raio R da circunferˆncia x2 + y 2 − e 8x − 6y + 21 = 0: a) C(4, 3) e R = 2 b) C(−2, 5) e R = 3 c) C(4, −2) e R = 2 d) C(−2, 3) e R = 3 e) n. d. a. 5. (FIC/FACEM) A equa¸ao da circunferˆncia cujo centro c˜ e est´ na origem do sistema cartesiano e cujo raio ´ igual a 1/5 a e ´: e a) 25x2 + 25y 2 − 1 = 0 b) x2 + y 2 = 25 c) 25x2 + 25y 2 = 5 d) x2 + y 2 = 1/5 e) 25x2 + 25y 2 + 1 = 0

Matem´tica C a

Aula 17

Pol´ ıgonos e Figuras Planas
Per´ ımetro

Chamamos de per´ ımetro de um pol´ ıgono ` soma dos compria mentos de seus lados. Geralmente, representa-se o per´ ımetro por 2p, isto porque chama-se de p o semi-per´ ımetro do pol´ ıgono. Quando o pol´ ıgono tem todos os lados iguais, o per´ ımetro ´ e igual ao produto do n´ mero de lados pelo comprimento de um u 6. (PUC) Uma circunferˆncia de centro C(−2, 5) limita um deles. e circulo cuja ´rea ´ 3. Determinar a equa¸ao da circunferˆncia. a e c˜ e a) (x + 2)2 + (y + 5)2 = 3 √ ´ Areas de Figuras Planas b) (x − 2)2 + (y + 5)2 = 3 2 2 c) (x + 2) + (y − 5) = 3 A ´rea A de uma figura ´ um n´ mero (medida), associado ` sua a e u a d) (x − 2)2 + (y + 5)2 = √ 3 superf´ ıcie, que exprime a rela¸ao existente entre esta superf´ c˜ ıcie 2 2 e) (x + 2) + (y + 5) = 3 e a superf´ de um quadrado de lado unit´rio. ıcie a 7. Qual ´ a equa¸ao reduzida da circunferˆncia, cuja equa¸ao e c˜ e c˜ geral ´ x2 + y 2 − 8x + 7 = 0 ? e Retˆngulo a a) (x + 4)2 + (y − 1)2 = 4 2 2 b) (x − 4) + (y − 1) = 9 Dado um retˆngulo de comprimento (base) b e altura h: a c) (x + 4)2 + y 2 = 4 d) (x − 4)2 + y 2 = 9 e) n. d. a.
h

8. O diˆmetro da circunferˆncia x2 + y 2 − 4x − 6y − 12 = 0, a e ´: e a) 5 b) 6 c) 8 d) 10 e) n. d. a.

b

A = bh

9. (UFSC) Assinale a equa¸ao que representa uma circun- e c˜ ferˆncia: e 2p = 2(b + h) a) 2x2 + 5y 2 − 2x + 10y + 1 = 0 b) x2 + y 2 + 2xy + 4x − 2y + 6 = 0 Quadrado c) x2 + y + 2x − 1 = 0 2 2 d) x + y + 4 = 0 Como um caso particular de retˆngulo temos o quadrado de a e) x2 + y 2 − x = 0 lado l 10. (UFPA) O raio da circunferˆncia x2 + y 2 − 2x = 3 ´: e e √ a) √2 b) 3 c) 2 d) 3 e) 4 l 11. (UFSC) Em coordenadas cartesianas, a circunferˆncia e 2x2 + 2y 2 − 4x + 2y = 0, tem centro C e raio r, respectivamente iguais a: √ a) C = (−2, 1) e r = 5 √ b) C = (−1, 1/2) e r = 5 l c) C = (2, 1) e r = 5

264 onde:

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

A = l2 e 2p = 4l

l

d D l l

l h

Como nem tudo a nossa volta s˜o retˆngulos e quadrados, a a b tivemos a necessidade de calcular a ´rea de outras figuras. E o a mais interessante, ´ que atrav´s da ´rea do retˆngulo, podemos e e a a A diagonal maior do losango tem medida igual ao comprimento obter ´reas de outras figuras. Veja: a do retˆngulo, D = b. a A diagonal menor tem medida igual a altura do retˆngulo, a Triˆngulo a d = h. Se recortarmos o losango em quatro triˆngulos, vemos que a a Dado o triˆngulo de base b e altura h a sua ´rea ´ a metade da ´rea do retˆngulo. a e a a A=
a h c

Dd 2

e 2p = 4l

b

Trap´zio e Comparando-se o triˆngulo com um retˆngulo com o compri- O trap´zio ´ composto por dois triˆngulos, um de base B e a a e e a mento b e altura h, temos, encaixando o triˆngulo no retˆngulo outro de base b, ambos com altura h. a a vemos que cabem dois triˆngulos. a Ent˜o, fica f´cil calcular a ´rea do triˆngulo, pois esta ´ a a a a a e b metade da ´rea do retˆngulo. Assim: a a A= e 2p = a + b + c Paralelogramo Observe o paralelogramo de altura h e base b: e 2p = a + b + c + B Assim a ´rea sua ´rea: a a A= B+b h 2 bh 2
a c h

B

a

h

C´ ırculo

b
Recortando a parte sombreada do paralelogramo e colocando-a do outro lado, o paralelogramo transforma-se num retˆngulo. a Logo, conclu´ ımos que a ´rea do paralelogramo ´ a mesma ´rea a e a do retˆngulo. a A = bh e 2p = 2(a + b) Losango Veja o losango de lado l, inscrito num retˆngulo de base b e a altura h: e

r

A = πr2 2p = 2πr

´ Matematica C – Aula 18

265

Pense um Pouco!

6. Qual a ´rea de um losango, cuja soma das diagonais ´ igual a e a 27 cm e sua diferen¸a 3 cm? c • (Unicamp-SP) Em um restaurante, qual fam´ que come a) 50 cm2 ılia mais pizza: aquela que pede uma grande de 43 cm de b) 70 cm2 diˆmetro ou aquela que pede duas m´dias de 30 cm de c) 85 cm2 a e diˆmetro? a d) 90 cm2 e) n. d. a. 7. (Desafio) A ´rea da parte hachurada da figura a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ACAFE) Em um quadrado, se aumentarmos em 2 m um lado e em 3 m o outro, obteremos um retˆngulo cuja ´rea ´ a a e 56 m2 . A medida do lado do quadrado ´: e a) 5 m b) 6 m c) 4 m d) 7 m e) n. d. a.

10 m

2. A figura abaixo mostra um quadrado inscrito em uma circunferˆncia de raio igual a 5 cm. A ´rea desse quadrado, em e a cm2 ´: e a) 64 b) 81 ´: e c) 100 a) (50π − 100) m2 d) 121 b) (50π − 75) m2 e) n. d. a. c) (75π − 50) m2 3. Qual o per´ ımetro de uma circunferˆncia cuja ´rea do c´ e a ırculo d) (75π − 25) m2 2 nela contido ´ de 32π m ? e e) n. d. a. a) 16π m2 b) 8π m2 c) 16π m2 d) 5π m2 e) n. d. a. 4. A ´rea sombreada na figura abaixo: a

10 m

Matem´tica C a
Retas e Planos

Aula 18

10 m

Para o estudo da Geometria Plana, aceitamos um conjunto de conceitos n˜o definidos, dos quais temos a intui¸ao clara, e um a c˜ sistema de axiomas ou postulados, que s˜o proposi¸oes n˜o a c˜ a demonstradas, aceitas intuitivamente, que d˜o caracter´ a ısticas aos elementos n˜o definidos. a

10 m
´: e a) 25 · (4 − π) m2 b) 75 m2 ˙ c) 100(4 − π) m2 d) 50 m2 e) n. d. a.

Elementos Fundamentais
Ponto, reta e plano: S˜o id´ias primitivas, entes que n˜o posa e a suem defini¸ao. c˜ Temos id´ias de ponto, por exemplo, um l´pis tocando o papel, e a sendo apenas uma imagem, pois n˜o h´ dimens˜o para tanto. a a a Analogamente, possu´ ımos a intui¸ao de reta e de plano. c˜

5. O per´ ımetro de uma circunferˆncia inscrita em um qua- Axiomas e drado de ´rea 36 cm2 ´: a e Axiomas ou postulados, s˜o proposi¸oes aceitas como verdaa c˜ a) 12π cm deiras sem demonstra¸ao e que servem de base para o desenc˜ b) 6π cm volvimento de uma teoria. c) 9π cm d) 15π cm Temos como axioma fundamental: existem infinitos pontos, e) n. d. a. retas e planos.

266

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Representa¸˜o ca
Pontos: A, B, C, . . . Retas: r, s, t, . . . Planos: α, β, γ, . . .

( ) Seis pontos determinam no m´ximo vinte planos. a

Posi¸˜es Relativas de Dois Planos co
1. Dois planos podem ser coincidentes quando forem iguais (α = β). 2. Dois planos s˜o concorrentes quando sua intersec¸ao ´ a c˜ e uma unica reta. ´ 3. Dois planos s˜o paralelos quando sua intersec¸ao ´ vazia. a c˜ e

Postulados: Pontos e Retas
1. A reta ´ infinita, ou seja, cont´m infinitos pontos. e e 2. Por um ponto passam infinitas retas. 3. Dois pontos distintos determinam uma reta. 4. Um ponto de uma reta, divide-a em duas semi-retas. 5. A intersec¸ao de duas semi-retas, cada uma contendo a c˜ origem da outra, define um segmento de reta.

Pense um Pouco!
• Qual a quantidade m´ ınima de pontos que se deve ter para que se obtenha 15 retas diferentes? ´ • E poss´ que duas retas coplanares sejam reversas? ıvel • Quantos planos distintos, podem ser determinados, utilizando-se os v´rtices de um cubo? e

Postulados: Plano
1. Por trˆs pontos n˜o-colineares, passa um unico plano. e a ´ 2. O plano ´ infinito e ilimitado. e 3. Por uma reta passam infinitos planos. 4. Toda reta pertencente a um plano divide-o em dois semiplanos.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

Posi¸˜es Relativas de Duas Retas co

1. Assinale as alternativas falsas: a) Existem infinitos planos. b) Existem infinitos pontos. c) Todo plano tem infinitos pontos 1. Duas retas s˜o paralelas se, e somente se, forem coplanares a d) Podemos definir ponto. e) Por dois pontos distintos passa com intersec¸ao vazia, ou retas coincidentes. c˜ uma unica reta. f) Toda reta tem infinitos pontos. g) Todo ´ 2. Duas retas s˜o concorrentes, quando elas se interceptam a triˆngulo est´ contido em unico plano. a a ´ (concorrem) em um unico ponto. ´ c˜ 3. S˜o retas que n˜o se interceptam e n˜o s˜o paralelas, pois 2. Classifique cada afirma¸ao como verdadeira (V) ou falsa a a a a (F): ( ) N˜o existe plano que contenha duas retas reversas. ( a est˜o em planos diferentes. a ) Se uma reta intercepta um plano , ent˜o todo plano paralelo a a essa reta intercepta. ( ) Dois planos podem ser iguais, Determina¸˜o de um Plano ca concorrentes ou paralelos ( ) Se trˆs retas s˜o paralelas entre e a si, existe um unico plano que as cont´m. ( ) Duas retas ´ e Al´m do postulado que diz: e quaisquer determinam um plano. ”trˆs pontos n˜o-colineares determinam um unico plano”, e a ´ um plano tamb´m pode ser determinado por: e 3. Sobe uma circunferˆncia s˜o marcados 8 pontos iguale a mente espa¸ados. Quantas retas diferentes eles determinam, c 1. Uma reta e um ponto n˜o-pertencente a essa reta. a no m´ximo? a 2. Duas retas concorrentes. a) 56 3. Duas retas paralelas distintas. b) 44 c) 28 Exerc´ ıcio d) 36 e) n. d. a. Classifique em verdadeira (V) ou falsa (F) cada afirma¸ao c˜ abaixo: 4. (ITA-SP) Quais as senten¸as falsas nos itens abaixo? c ( ) Dados dois pontos distintos, existe um unico plano I) Se dois planos s˜o secantes, todas as retas de um deles sem´ a passando por eles. pre interceptam o outro plano. ( ) Os v´rtices de um triˆngulo s˜o coplanares (est˜o no II) Dados dois planos, se num deles existem duas retas distine a a a mesmo plano). tas paralelas ao outro plano, os planos s˜o sempre paralelos. a ( ) Uma reta qualquer, separa um plano que a cont´m em III) Em dois planos paralelos, todas as retas de um s˜o parae a dois semi-planos. lelas ao outro plano. ( ) Por trˆs pontos distintos quaisquer, passa sempre um IV) Se uma reta ´ paralela a um plano, em tal plano existe e e unico plano. ´ uma infinidade e retas paralelas `quela reta. a ( ) O n´ mero m´ximo de retas que quatro pontos podem V) Se uma reta ´ paralela a um plano, ´ paralela a todas as u a e e determinar ´ seis. e retas do plano. ( ) Se duas retas distintas n˜o s˜o paralelas, ent˜o elas s˜o a) I, II e III a a a a concorrentes. b) I, II e V ( ) Se a intersec¸ao entre duas retas ´ o conjunto vazio, ent˜o c) I, III e IV c˜ e a elas s˜o paralelas. a d) II, III e IV ( ) Duas retas n˜o coplanares s˜o reversas. a a e) n. d. a.

´ Matematica C – Aula 19

267

5. (MACK-SP) Uma reta r ´ paralela a um plano α. Ent˜o: Um poliedro ´ dito convexo se o plano de cada pol´ e a e ıgono (face) a) todas as retas de α s˜o paralelas a r a deixa o poliedro em um s´ semi-espa¸o, e portanto, n˜o o seco c a b) a reta r n˜o pode ser coplanar com nenhuma reta de α a ciona (divide) em dois s´lidos menores. o c) existem em α retas paralelas a r e tamb´m retas reversas a e r. d) existem em α retas paralelas e perpendiculares a r. e) todo plano que cont´m r ´ paralelo a α. e e

Matem´tica C a
Poliedros
ˆ Angulo poli´drico e

Aula 19
(a) Figura 3.1: Poliedro cˆncavo (a) e convexo (b). o (b)

Classifica¸˜o ca Os poliedros convexos possuem nomes especiais de acordo com Sejam n (n ≥ 3) semi-retas de mesma origem tais que nunca o n´ mero de faces, como por exemplo: u fique trˆs num mesmo semiplano. Essas semi-retas determie nam n ˆngulos em que o plano de cada uma deixa as outras a semi-retas em um mesmo semi-espa¸o. A figura formada por c esses ˆngulos ´ o ˆngulo poli´drico. a e a e Nome N´ mero de Faces (F ) u tetraedro 4 pentaedro 5 S´lidos Poli´dricos o e hexaedro 6 heptaedro 7 S˜o s´lidos limitados por faces planas e poligonais. a o octaedro 8 Veja alguns exemplos: dodecaedro 12 icosaedro 20

Rela¸˜o de Euler ca (a) (b) Em todo poliedro convexo ´ v´lida a rela¸ao seguinte: e a c˜ V −A+F =2 em que V ´ o n´ mero de v´rtices, A ´ o n´ mero de arestas e e u e e u F , o n´ mero de faces. u Exemplos

(a) Elementos

(b)

Faces (F ) S˜o os pol´ a ıgonos que constituem a superf´ poli´drica. ıcie e Arestas (A) S˜o os lados dos pol´ a ıgonos (segmento e reta que une dois v´rtices consecutivos). e V´rtices (V ) e S˜o os v´rtices ˆngulos poli´dricos do s´lido. a e a e o Diagonais S˜o os segmentos de reta que unem dois v´rtices opostos situa e ados ou n˜o na mesma face. a Tipos Poliedros Convexos V = 8, A = 12, F = 6: 8 − 12 + 6 = 2

268

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Um poliedro convexo tem 8 faces e 12 v´rtices. Calcule o e n´ mero de arestas. u a) 12 b) 15 c) 18 d) 20 e) n. d. a. 2. Determine o n´ mero de arestas de um poliedro convexo u com 5 faces quadrangulares e 6 faces triangulares. a) 20 b) 19 c) 18 d) 17 e) n. d. a. 3. Em um poliedro regular o n´ mero de arestas excede o u n´ mero de v´rtices em 10 unidades. Sabendo que o n´ mero de u e u faces ´ igual 12, determine o n´ mero de v´rtices do mesmo. e u e a) 8 b) 6 c) 20 d) 12 e) n. d. a.

V = 12, A = 18, F = 8: 12 − 18 + 8 = 2 Exemplo Resolvido Qual o n´ mero de arestas e de v´rtices que tem um poliedro u e convexo de 20 faces, todas triangulares? Resolu¸ao: c˜ Nas 20 faces triangulares temos 20 × 3 = 60 arestas. Por´m, e cada aresta, por ser comum a duas faces, foi contada duas vezes, ou seja: A = F/2 = 30. Temos: F = 20 e A = 30 e da rela¸ao de Euler, c˜ V = A − F + 2 = 30 − 20 + 2 = 12 Poliedros Regulares ou de Plat˜o a

4. Um poliedro platˆnico tem 12 v´rtices e em cada v´rtice o e e concorrem 5 arestas. Calcule o n´ mero total de arestas e de u Diz-se que um poliedro ´ regular (ou platˆnico) se, e somente faces do poliedro. e o a) 20 e 30 se: b) 30 e 20 a) for convexo; c) 20 e 15 b) em todo v´rtice concorrer o mesmo n´ mero de arestas; e u d) 15 e 20 c) toda face tiver o mesmo n´ mero de arestas; u e) n. d. a. d) for v´lida a rela¸ao de Euler. a c˜ 5. Determine o n´ mero de v´rtices de um poliedro convexo u e sabendo que ele apresenta 2 faces hexagonais e 6 faces triangulares. a) 9 b) 11 (a) (b) c) 13 d) 15 Assim, nas figuras acima, o primeiro poliedro ´ platˆnico e o e) n. d. a. e o segundo, n˜o-platˆnico. a o 6. Determine o n´ mero de arestas e v´rtices de um poliedro u e Existem cinco, e somente cinco tipos de poliedros regulares ou convexo de 20 faces, das quais 11 s˜o triangulares, 2 quadrana de Plat˜o (THODI): a gulares e 7 pentagonais. Poliedro Tetraedro Hexaedro Octaedro Dodecaedro Icosaedro F 4 6 8 12 20 V 4 8 6 20 12 A 6 12 12 30 30 n 3 4 3 5 3 P 3 3 4 3 5 a) A = 36 e V b) A = 30 e V c) A = 38 e V d) A = 20 e V e) n. d. a. = 20 = 25 = 20 = 36

Onde: n ´ n´ mero de arestas em cada face; e u p ´ n´ mero de arestas que saem de cada v´rtice. e u e

Matem´tica C a
Prismas

Aula 20

Pense um Pouco!

• Uma pirˆmide com base quadrada (tipo aquelas do Egito) Prisma ´ um s´lido geom´trico delimitado por faces planas, a e o e podem ser um s´lido de Plat˜o? Justifique. o a onde suas bases situam-se em planos paralelos (α β)

´ Matematica C – Aula 20

269

Paralelep´ ıpedos
S˜o prismas cujas bases s˜o paralelogramos. a a

α h β

Paralelep´ ıpedo Reto-Retˆngulo a Ou paralelep´ ıpedo retˆngulo ´ todo paralelep´ a e ıpedo reto cujas bases s˜o retˆngulos. a a

Elementos: Altura h: ´ a distˆncia entre as bases; e a Arestas laterais: possuem a mesma medida e s˜o paralelas; a Faces laterais: s˜o paralelogramos; a Bases: s˜o pol´ a ıgonos congruentes.

D d c b

Natureza

a

Os prismas s˜o triangulares, quadrangulares, pentagonais, hea xagonais etc., conforme suas bases sejam triˆngulos, quaa dril´teros, pent´gonos, hex´gonos, etc... a a a Num paralelep´ ıpedo retˆngulo de dimens˜es a, b, e c, sendo a o D a medida de uma de suas diagonais principais (internas), tem-se: Classifica¸˜o ca D = a 2 + b 2 + c2 Prisma Reto At = 2(ab + ac + bc) As arestas laterais s˜o perpendiculares aos planos das bases. a Prisma Obl´ ıquo V = abc Hexaedro Regular (CUBO)

´ ıpedo reto-retˆngulo cujas seis faces s˜o quadraa a As arestas laterais s˜o obl´ a ıquas em rela¸ao aos planos das ba- E o paralelep´ c˜ das. ses.

α

h

β

θ=90

o

D
Figura 3.1: Prisma reto (esquerda) e obl´quo (esquerda). ı

l

d

Prisma regular ´ E um prisma reto cujas bases s˜o pol´ a ıgonos regulares.

l l

´ Areas e Volumes

Sendo Al a ´rea lateral de um prisma (soma das ´reas de cada Para um cubo de aresta l: a a face lateral). Ab a ´rea de uma de suas bases e At a sua ´rea a a √ total, temos: d=l 2 At = Al + 2Ab √ D=l 3 Num prisma cuja ´rea da base ´ Ab e altura h, o volume ´ a e e At = 6l2 dado por: V = Ab h V = l3

270

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pirˆmides a
Conceito e Elementos Consideremos um pol´ ıgono A, B, C, . . ., situado num plano α e um ponto V fora de α. Chama-se pirˆmide ` uni˜o dos a a a segmentos com uma extremidade em V e a outra nos pontos do pol´ ıgono. Uma pirˆmide n˜o ´ um prisma. a a e

e R

g

h
V

β ap al α ab h

onde: V : ˆngulo s´lido (ˆngulo poli´drico); a o a e h: altura (distˆncia) do v´rtice ao plano da base; a e al : aresta lateral; ab : aresta da base. Natureza A pirˆmide pode ser triangular, quadrangular, pentagonal, a etc..., conforme sua base seja um triˆngulo, quadril´tero, a a pent´gono, etc... a Pirˆmide Regular a ´ aquela cuja base ´ um pol´ E e ıgono regular e a proje¸ao do c˜ v´rtice V sobre o plano da base coincide com o centro da base. e ´ Area e Volume : Sendo: R: raio do circulo circunscrito ` base; a r: raio do circulo inscrito ` base (ap´tema da base); a o l: aresta da base; ap: ap´tema da pirˆmide; o a h: altura da pirˆmide; a al: aresta lateral. Tem-se que: Al = pap At = Al + Ab V = Ab h 3

Elementos R: raio da base; h: altura; e: eixo do cilindro; g: geratriz.

Sec¸oes de um Cilindro c˜ Sec¸˜o Transversal ca ´ a intersec¸ao do cilindro por um plano paralelo `s bases, E c˜ a gerando c´ ırculos de raio R. Sec¸˜o Meridiana ca ´ a intersec¸ao do cilindro por um plano que cont´m o cont´m E c˜ e e o eixo e, gerando um retˆngulo de base 2R e altura h. a ´ Areas e Volumes Al = 2πRh Ab = πR2 At = Al + 2Ab = πR(R + 2h) V = Ab h = πR2 h

Cone
Conceito Cone circular reto ´ o s´lido de revolu¸ao ´ obtido pela rota¸ao e o c˜ e c˜ completa de um triˆngulo retˆngulo em torno de um dos seus a a catetos.

Cilindro Circular Reto
Conceito e Elementos

Classifica¸˜o ca Cilindro de revolu¸ao ou cilindro circular reto ´ o s´lido obtido c˜ e o pela rota¸ao completa de um retˆngulo em torno de um dos Cone Reto c˜ a seus lados. Possui o eixo perpendicular ` base. a

´ Matematica C – Aula 20

271

e V g h

e

R
O R

Considere a figura acima, tem-se: R: ´ o raio do cone; e h: ´ a altura do cone; e g: ´ a geratriz; e V : ´ o v´rtice; e e O: centro do c´ ırculo (base). ´ Rela¸oes, Areas e Volumes c˜ g 2 = R 2 + h2

Superf´ ıcie Esf´rica e ´ E o conjunto dos pontos do espa¸o cuja distˆncia ao cento O c a ´ igual ao raio R. e ´ Area e Volume At = 4πR2 V = 4πR3 3

Ab = πR2

Pense um Pouco!
Al = 2πRg At = Ab + Al = πR(R + 2g) V = Ab h πR2 h = 3 3 • Imagine uma esfera de massinha de modelar de raio R. Quantas esferas menores de raio R/2 poderemos fazer, com o mesmo volume total de massinha?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (PUC) Com uma lata de tinta ´ poss´ pintar 50 m2 de e ıvel parede. Para pintar as paredes de uma sala (forma de prisma) de 8 m de comprimento, 4 m de largura e 3 m de altura, gasta-se uma lata e mais uma parte da segunda lata. Qual a percentagem de tinta que resta na segunda lata? a) 22% b) 30% c) 48% d) 56% e) 72% 2. Um triˆngulo retˆngulo com hipotenusa de 13 cm e com a a um cateto de 5 cm ´ base de um prisma reto de 8 cm de altura. e Calcular a ´rea total do prisma. a a) 150 cm2 b) 270 cm2 c) 240 cm2 d) 300 cm2 e) n. d. a.

Cone Obl´ ıquo Possui o eixo obl´ ıquo em rela¸ao ao plano da base. c˜
V

h g

α

Esfera
Defini¸ao: c˜ ´ E o conjunto dos pontos do espa¸o cuja distˆncia ao centro O c a s˜o menores ou iguais ao raio R. a

272

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

3. Calcule o volume de uma caixa d’´gua em forma de prisma a reto, de aresta lateral de 6 m, sabendo que a base ´ um losango e cujas medidas das diagonais s˜o 7 m e 10 m. a a) 190.000 litros b) 19.000 litros c) 210.000 litros d) 21.000 litros e) n. d. a.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (MACK-SP) Um prisma regular triangular tem todas as arestas congruentes e 48 m2 de ´rea lateral. Seu volume vale: a a) 16 m3 b) 32 m3 c) 64 m3 √ 3 d) 4 √ m3 e) 16 3 m3 5. Qual o volume de uma esfera cuja ´rea de sua superf´ a ıcie mede 36 cm2 ? a) 25 cm3 b) 16 cm3 c) 36 cm3 d) 49 cm3 e) n. d. a. 6. Qual deve se a altura de um cone circular reto, para que tenha seu volume igual ao de uma esfera de mesmo raio do cone e igual a 5 cm? a) 8 cm b) 12 cm c) 15 cm d) 21 cm e) n. d. a. 7. Qual o volume de uma pirˆmide quadrangular reta cuja a a ´rea da base mede 100 cm2 e possui altura igual ao triplo da aresta da base. a) 750 cm3 b) 1000 cm3 c) 1250 cm3 d) 1500 cm3 e) n. d. a.

L´ ıngua Portuguesa
L´ ıngua Portuguesa 01

Variantes Ling¨´ uısticas

Resumindo, as variantes ling¨´ uısticas s˜o: a • Modalidade escrita e modalidade falada; • Variantes Regionais;

Mesmo intuitivamente, todos sabemos que uma l´ ıngua, como a portuguesa, n˜o ´ falada do mesmo modo por todos os seus a e falantes. Ao contr´rio, a l´ a ıngua varia conforme varie a classe social do falante, o local onde ele nasceu ou reside, a situa¸ao c˜ em que ele deve falar ou escrever, etc. A descri¸ao de um c˜ idioma n˜o pode desconsiderar esse tipo de fenˆmeno e deve, a o portanto, englobar a no¸ao de variantes ling¨´ c˜ uısticas. Basicamente, uma l´ ıngua sofre varia¸oes de acordo com cinco eixos. c˜ Uma varia¸ao inicial diz respeito `s modalidades escrita e fac˜ a lada. Normalmente, parece pedante falar como se escreve, e infantil escrever como se fala. Em segundo lugar, existe a varia¸ao regional, que define, por exemplo, o sotaque e as exc˜ press˜es t´ o ıpicas de cada lugar do pa´ Bastante importante ´ a ıs. e varia¸ao social, que determina duas normas b´sicas: a norma c˜ a culta, transmitida pela tradi¸ao escolar, e a norma popular. c˜ Existe tamb´m a varia¸ao de ´poca. Como se sabe, a l´ e c˜ e ıngua sofre transforma¸oes com o tempo. As pessoas, inclusive, fac˜ lam de modo diferente de acordo com a idade. Por fim, h´ o a eixo da varia¸ao de estilo, que define, por exemplo, o modo c˜ formal e o modo informal de falar. Note que a varia¸ao forc˜ mal/informal n˜o ´ idˆntica ` varia¸ao culto/popular. Um a e e a c˜ advogado, por exemplo, fala de modo formal com o juiz num tribunal e de modo informal com a fam´ em casa, mas ser´ ılia a sempre um falante culto.

• Variantes Sociais (norma culta e normal popular); • Variantes de ´poca; e • Variantes de estilo (formal e informal).

Pense um Pouco!
O conhecido an´ ncio publicit´rio a seguir, publicado em revisu a tas de informa¸ao, faz uso intencional de variante coloquial da c˜ l´ ıngua portuguesa. Que marcas, presentes no texto do an´ ncio u poderiam caracterizar essa variante?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFV-MG) Suponha um aluno se dirigindo ao colega de classe nestes ternos: ”Venho respeitosamente solicitar-lhe se digne emprestar-me o livro”. A atitude desse aluno se assemelha ` atitude do indiv´ a ıduo que: a) comparece ao baile de gala trajando ”smoking”; b) vai ` audiˆncia com uma autoridade de ”short”e camiseta; a e c) vai ` praia de terno e gravata; a

273

274

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

d) p˜e terno e gravata para ir falar na Cˆmara dos Deputados; o a e) vai ao Maracan˜ de chinelo e bermuda. a INSTRUCAO. Texto para as duas quest˜es seguintes. Observe ¸˜ o uma pessoa contando para outra o procedimento para usar a nova impressora: ”Primeiro a gente pega as folhas e p˜e aqui, nessa parte de o baixo. Da´ a gente liga nesse bot˜ozinho e d´ o comando no ı, a a computador. Da´ a gente fica esperando um pouco e logo ela ı ´ imprime. E super f´cil”. a 2. (UNITAU - SP) Quanto ao uso de ”a gente”, responda: a) Est´ adequado tanto na l´ a ıngua oral informal quanto na l´ ıngua escrita formal porque refere-se a ”todos n´s”. o b) Est´ adequado na l´ a ıngua oral informal por ser a forma usual de se dizer ”n´s”, mas est´ inadequado na l´ o a ıngua escrita formal, a qual privilegia o uso de ”n´s”. o ´ c) E o mais adequado na l´ ıngua oral informal e na l´ ıngua escrita formal porque refere-se a ”n´s”. o ´ d) E o mais adequado na l´ ıngua oral informal e na l´ ıngua escrita formal por ser uma forma de dizer ”n´s”. o e) Est´ adequado na l´ a ıngua oral formal, mas n˜o na l´ a ıngua escrita formal por querer dizer ”n´s”. o 3. (UNITAU-SP) As palavras de liga¸ao ”Primeiro... Da´ c˜ ı... Da´ ı...”, comuns na l´ ıngua oral informal, podem ser substitu´ ıdas a contento na l´ ıngua escrita formal pelos seguintes marcadores, respectivamente: a) Primeiro... Logo... Portanto... b) A princ´ ıpio...Conclusivamente... Portanto... c) Primeiramente... Segundamente... Conclusivamente... d) Primeiramente... A seguir... Finalmente... e) A princ´ ıpio... Finalmente... Logo...

(J. Amado) d) – Apesar dos pesares, ´ meu pai. N˜o quero que seja ene a terrado como um vagabundo. Se fosse seu pai, Leonardo, vocˆ e gostava? (J. Amado) e) – Fala tamb´m, desgra¸ado... -Negro Pastinha, sem se lee c vantar, espichava o poderoso bra¸o, sacudia o rec´m-chegado, c e um brilho mau nos olhos. - Ou tu acha que ele era ruim? (J. Amado) 6. (UEL-PR) A frase que cont´m uma marca de oralidade ´: e e a) O sertanejo tem que falar cultura. b) Essa cultura ´ muito diferente da nossa. e ´ c) E um processo que n˜o est´ fundado na palavra escrita. a a d) Mas, como sou sertanejo, e filho de uma fam´ metade ılia comunista metade reacion´ria, n´? a e e) ... talvez eu possa fazer algumas armadilhas para que vocˆs e me fa¸am perguntas... c

L´ ıngua Portuguesa
Acentua¸˜o Gr´fica ca a
Princ´ ıpios da Acentua¸˜o Gr´fica ca a

02

Exerc´ ıcios Complementares
4. (ENEM) O texto mostra uma situa¸ao em que a linguagem c˜ usada ´ inadequada ao contexto. Considerando as diferen¸as e c entre l´ ıngua oral e l´ ıngua escrita, assinale a op¸ao que reprec˜ senta tamb´m o uso da linguagem inadequada ao contexto: e a) ”O carro bateu e capotˆ, mas num deu pra vˆ direito.- um o e pedestre que assistiu ao acidente comenta com o outro que vai passando. b) ”E a´ ˆ meu! Como vai essa for¸a?- um jovem que fala para ı, o c um amigo. c) ”S´ um instante, por favor. Eu gostaria de fazer uma obo serva¸ao.- algu´m comenta em uma reuni˜o de trabalho. c˜ e a d) ”Venho manifestar meu interesse em candidatar-me ao cargo de Secret´ria Executiva desta conceituada empresa.a algu´m que escreve uma carta candidatando-se a um emprego. e e) ”Porque se a gente n˜o resolve as coisas como tˆm que ser, a e a gente corre o risco de termos, num futuro pr´ximo, muito o pouca comida nos lares brasileiros.- um professor universit´rio a em um congresso internacional.

Na l´ ıngua portuguesa, segundo o crit´rio de tonicidade, ou seja, e a posi¸ao da s´ c˜ ılaba tˆnica como sendo a ultima, a pen´ ltima ou o ´ u a ante-pen´ ltima, as palavras s˜o classificadas como ox´tonas, u a ı parox´tonas ou proparox´tonas, respectivamente. Quando a paı ı lavra levar acento gr´fico, este cair´ sempre sobre a vogal da a a s´ ılaba tˆnica. o Proparox´ ıtonas Todas as proparox´ ıtonas s˜o acentuadas. a

TÔ − NI − CA
é uma palavra proparoxítona
Exemplos V´ ıtima, m´dico, ˆnimo, titˆnico, r´pido, rid´ e a a a ıculo, m´dulo, cao tastr´fico, hiperb´lico. o o Parox´ ıtonas

ıtonas terminadas em: 5. (UFU-MG) Assinale a unica alternativa em que n˜o ocorre Acentuam-se as parox´ ´ a o emprego de express˜es coloquiais: o • r: car´ter, rev´lver, cad´ver a o a a) – Ele pode decidir... - disse P´-de-Vento. Tinha esperan¸as e c de ser escolhido por Quincas para herdar Quit´ria, seu unico e ´ • n: h´ ıfen, p´len, pr´ton, nˆutron o o e bem. (J. Amado) b) – Calma, companheiro. N˜o tava querendo lhe lesar. (J. a • l: f´cil, r´ptil, m´ a e ıssil, f´ssil o Amado) • x: t´rax, l´tex o a c) – Boa tarde, damas e cavalheiros. A gente queria ver ele...

L´ ıngua Portuguesa – 02 • i ou is: t´xi, t´xis, j´ ri a a u • u ou us: ˆnus, bˆnus, ˆnus a o o • um ou uns: ´lbuns, f´rum a o • ps: b´ ıceps, f´rceps o • a ou as: ´ a, ´rf˜ ˜ ˜ ım˜ o a • - oo ou oos: vˆos, enjˆo, entˆo ˆ ˆ o o o Acentuam-se tamb´m as parox´ e ıtonas terminadas em ditongo oral ou nasal, seguido ou n˜o de s. (´rf˜o, ´rg˜os, col´gio, a o a o a e f´rias). e N˜o se acentuam as parox´ a ıtonas terminadas pelas vogais a, e ou o, e pela consoante nasal m. (cantam, sorriam, batiam). Como particularidade, n˜o se acentuam as parox´ a ıtonas terminadas em ns, o que faz com que certos termos se acentuem no singular, mas n˜o no plural. (h´ a ıfen, hifens, p´len, polens). o

275 I. Se a s´ ılaba tˆnica for o segundo PA, a escrita deveria ser o ´ PAPALIA, pois a palavra seria parox´ ıtona terminada em ditongo crescente. II. Se a s´ ılaba tˆnica for LI, a escrita deveria ser PAPAL´ o IA, pois n˜o haveria raz˜o para o uso de acento gr´fico. a a a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Acentue, se necess´rio, os voc´bulos destacados nas frases a a a seguir: a) N˜o posso atendˆ-lo no momento, mas minha secretaria, a e dona Vanessa, agendar´ uma reuni˜o para a pr´xima semana. a a o

b) O aluno Bruno de Alencar deve comparecer imediatamente a ` secretaria da escola. c) Lu´ que agora retornava ` casa paterna, com 30 anos ıs, a rec´m-completados, dela partira aos vinte anos. e d) Quando o sol raiar, Lu´ partira novamente. ıs e) Acho inconceb´ que alguns pais n˜o amem os filhos. ıvel a Ox´ ıtonas f) E que o arroz n˜o falte alem do toler´vel. (Jos´ Saramago, a a e Memorial do convento) Acentuam-se as ox´ ıtonas terminadas em: g) O voo das aves sempre nos causa encantamento. a • a ou as: sof´s, Par´, Corumb´ e futuros, como amar´ e h) Hoje s˜o muito mais raros os partos feitos com forceps. a a a a i) Acho desagrad´vel rever velhos albuns de familia. a morrer´s. a • e ou es: rap´, caf´s, at´, vocˆs. e e e e

2. (CESGRANRIO-RJ) Indique o item no qual os voc´bulos a obedecem ` mesma regra de acentua¸ao da palavra n´doa: a c˜ o a) ˆnsia, ˆmbar, imund´ a a ıcie; • o ou os: avˆ, av´, cip´, gigolˆs. o o o o b) m´ ıope, im˜, enjˆo; a o • em ou ens: tamb´m, parab´ns. e e c) ´gua, tˆnue, sup´rfluo; a e e d) ´ ımpar, m´ ıngua, lˆnguida; a u e o N˜o se acentuam, portanto, ox´ a ıtonas terminadas com as vogais e) vi´ vo, argˆnteo, s´rdido. i(s) e u(s), de modo que, apesar de bastante freq¨ entes, n˜o s˜o u a a c˜ adequados escritos em que se leia Pacaemb´ , It´ ou Barig¨´ 3. O trecho a seguir foi copiado sem acentua¸ao. Leia-o atenu u uı, tamente e acentue os voc´bulos que assim o exigirem: a para as palavras que se devem grafar Pacaembu, Itu e Barig¨ i. u a c Ressalte-se tamb´m que as palavras terminadas em z n˜o est˜o ”Ainda hoje existe no sagu˜o do pa¸o imperial, que no tempo e a a contempladas pelas regras por serem sempre ox´ ıtonas: capaz, em que se passou esta nossa historia se chamava Palacio delrei, uma saleta ou quarto que os gaiatos e o povo com eles algoz. denominavam o Patio dos Bichos. Este apelido lhe fora dado Monoss´ ılabos Tˆnicos o em consequencia do fim para que ele ent˜o servia: passavam a Recebem acento os monoss´ ılabos tˆnicos terminados em a, e, ali todos os dias do ano tres ou quatro oficiais superiores, veo o, seguidos ou n˜o de s. a lhos, incapazes para a guerra e inuteis na paz, que o rei tinha Exemplos a seu servi¸o n˜o sabendo se com mais alguma vantagem de c a soldo, ou se so com mais a honra de serem empregados no 1. a(s): p´, m´, l´, tr´s; a a a a real servi¸o.”(Manuel Ant´nio de Almeida, Mem´rias de um c o o sargento de mil´ ıcias). 2. e(s): f´, p´s, vˆ, lˆs; e e e e 3. o(s): l´, n´s, v´s, pˆs. o o o o

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UFRGS-RS) A grafia dos nomes pr´prios nem sempre seo gue as regras ortogr´ficas da l´ a ıngua portuguesa. O nome L´ ıvia, por exemplo, de acordo com a pron´ ncia com que ocorre usuu almente, deve receber acento gr´fico. A regra que determina a o uso do acento neste caso ´ a mesma respons´vel pelo acento e a gr´fico em: a a) epis´dios; o b) a´ ı; c) re´ ne; u d) estr´ia; e e) n´s. o

Pense um Pouco!
Diante da vis˜o de um pr´dio com uma placa indicando SAa e PATARIA PAPALIA, um jovem deparou com a d´ vida: como u pronunciar a palavra PAPALIA? Levado o problema ` sua sala de aula, a discuss˜o girou em a a torno da utilidade de conhecer as regras de acentua¸ao e, espec˜ cialmente, do aux´ que elas podem dar ` correta pron´ ncia ılio a u de palavras. Ap´s discutirem pron´ ncia, regras de acentua¸ao o u c˜ e escrita, trˆs alunos apresentaram as seguintes conclus˜es a e o respeito da palavra PAPALIA:

276

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

5. O trecho a seguir foi copiado sem acentua¸ao. Leia-o atenc˜ tamente e acentue os voc´bulos que assim o exigirem: a ”O documento acaba sendo o eco de uma polemica anterior ` a cupula propriamente dita, surgida nas tres reuni˜es preparao torias. Apos a ultima delas, em janeiro, um grupo de ONGs (Organiza¸oes N˜o-Governamentais) lan¸ou documento conc˜ a c denando o texto da declara¸ao final da Cupula do Homem, c˜ ja ent˜o em vers˜o praticamente definitiva. Diziam as ONGs: a a ”A confian¸a exagerada colocada pˆlos documentos em for¸as c e c de mercado indefinidas e n˜o reguladas, como base para a ora ganiza¸ao das economias nacionais, contradiz nossa opini˜o, c˜ a segundo a qual tais for¸as n˜o s˜o solu¸ao, mas fatores que c a a c˜ contribuem para as crises sociais do mundo atual”. Uma das ONGs signatarias ´ o Ibase, o instituto brasileiro dirigido pelo e sociologo Herbert de Souza, o Betinho, agora membro do comite do Programa Comunidade Solidaria, do governo Fernando Henrique Cardoso. As ONGs n˜o est˜o sozinhas na critica ao a a mercado. No seu discurso na inaugura¸ao da reuni˜o, o prec˜ a mie dinamarques Poul Nyrup Rasmussen (social-democrata) foi claro: ”Nos aprendemos que o progresso social n˜o se rea aliza simplesmente por meio das for¸as de mercado”. Ate o c presidente da cupula, Juan Somavia, embaixador chileno nas Na¸oes Unidas, expressa duvidas n˜o sobre o mercado proc˜ a priamente mas sobre a austeridade fiscal, outro preceito zelosamente guardado pelo FMI. ”Equilibrar o or¸amento e uma c boa coisa, mas por que deve-se alcan¸ar um equil´ c ıbrio macroeconomico baseado em desequilibrios nas vidas das pessoas?”, pergunta Somavia. (Cl´vis Rossi, Folha de S. Paulo, Agˆncia o e Folha, 07 mar. 1995.)

Observam-se boa disciplina, estudo e trabalho. 2. Um substantivo com dois ou mais adjetivos, temos trˆs e possibilidades: Estudamos a civiliza¸ao grega e romana. c˜ Estudamos a civiliza¸ao grega e a romana. c˜ Estudamos as civiliza¸oes grega e romana. c˜ 3. Mesmo, pr´prio, s´, anexo, incluso, junto, bastante, neo o nhum, leso, meio e partic´ ıpios verbais: concordam em gˆnero e n´ mero com o termo a que se referem. e u Enviamos anexas as informa¸oes solicitadas. c˜ Compraram duas meias entradas para o espet´culo. a Resolvemos bastantes problemas dif´ceis. ı e Observa¸ao: Meio e bastante como adv´rbios ficam inc˜ vari´veis. a Ela estava meio embriagada pelo sucesso. Suas id´ias eram bastante interessantes. e 4. Um e outro, nem um nem outro: substantivo no singular + adjetivo no plural. Houve um e outro homem escolhidos para o cargo. Nem um nem outro crime praticados foram apurados. 5. O(s) mais, menos, melhor(es) ... poss´vel(eis), pior(es), ı maior(es) e menor(es): Conheci mulheres o mais encantadoras poss´vel. ı Havia mestres os mais inteligentes poss´veis. ı 6. Adjetivo = Predicativo do Sujeito • Sujeito composto posposto: adjetivo concorda com o mais pr´ximo ou fica no masculino plural. o Estava morto o amor e a compreens˜o humana. a Estavam mortos o amor e a compreens˜o humanos. a • Sujeito n˜o determinado: adjetivo fica invari´vel. a a ´ E proibido entrada de estranhos. Cerveja ´ bom para os rins.. e • Sujeito determinado: adjetivo concorda em gˆnero e e n´ mero. u ´ E proibida a entrada de estranhos. Esta cerveja ´ boa para os rins. e 7. Adjetivo = Predicativo do Objeto • Objeto simples: n´ mero. u adjetivo concorda em gˆnero e e

L´ ıngua Portuguesa
Concordˆncia Nominal a
REGRA GERAL

03

Os termos que dependem do nome (substantivo) com ele concordam em gˆnero e n´ mero. e u Exemplos Os nossos m´dicos descobriram a cura da doen¸a. e c Passamos bons momentos juntos.

CASOS ESPECIAIS
1. Adjetivo = Adjunto Adnominal em rela¸ao a dois ou mais c˜ substantivos: • De mesmo gˆnero: adjetivo no singular ou plural. e A vontade e a inteligˆncia humana(s). As conquistas e e as descobertas portuguesas. • De gˆneros diferentes: adjetivo concorda com o mais e pr´ximo ou fica no masculino plural. o O carro e a bicicleta envenenada(os). O trabalho e as realiza¸oes conseguidas(os). c˜ Observa¸ao: Adjetivo anteposto concorda com o c˜ mais pr´ximo. o

Encontrei tristonha a mulher abandonada. • Objeto composto: adjetivo fica no masculino plural. Encontrei tristonhos a mulher e o jovem abandonados.

8. Dois ou mais numerais + substantivo no singular ou plural. A primeira, a segunda e a ultima aula(s). ´

L´ ıngua Portuguesa – 04

277

Pense um Pouco!

5. (UEL-PR)-........ que ........ as propostas, n˜o .......... a d´ vidas a respeito das boas inten¸oes do diretor. u c˜ A placa a seguir apresenta erro de concordˆncia entre o subs- a) Qualquer - fossem - restariam; a b) Quaisquer - fosse - restaria; tantivo e o adjetivo em fun¸ao do adjunto adnominal? c˜ c) Quaisquer - fossem - restaria; d) Qualquer - fosse - restariam; e) Quaisquer - fossem - restariam. 6. (UEL-PR) Est´ adequadamente flexionada a forma destaa cada na frase: a) Ele n˜o deixou satisfeito nem a cr´ a ıtica, nem o p´ blico. u b) Todos achamos dif´ ıceis, nas provas de F´ ısica e Matem´tica, a a resolu¸ao das quest˜es finais. c˜ o c) O sof´ e a banqueta ganharam outro aspecto depois de cona sertado. d) A culpa deles aparecia como que inscritas em suas fei¸oes, c˜ denunciando-os. e) Ele considerou in´ teis, na atual circunstˆncia, as medidas u a que ela sugeria. 7. (UEL-PR) Que ...... das lembran¸as felizes se entre elas c ........ l´grimas deslizando ........ pela face amada? a a) seria - houvessem - copiosas; Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca b) seriam - houvessem - copiosas; c) seria - houvesse - copiosa; d) seriam - houvessem - copiosa; 1. Assinale a op¸ao em que o emprego do voc´bulo meio n˜o c˜ a a e) seria - houvesse - copiosas. obedece `s regras do portuguˆs culto: a e a) Eles estavam meio confusos, agiram de acordo com os comandos. b) O soldado foi punido porque se apresentou meio bˆbado ao e general. c) As mo¸as estavam meias desatentas ` explica¸ao do proc a c˜ fessor, da´ que ele as repreendesse. ı d) N˜o me venha com meias palavras: exijo que vocˆ se exa e Concordˆncia Verbal a presse com objetividade. e) Era cedo, mas a sala j´ se encontrava meio escura. a

L´ ıngua Portuguesa

04

2. (UEL-PR) Ao esfor¸o e ` seriedade .......... ao estudo ´ que c a e ........ os louvores que ele tem recebido ultimamente. a) consagrado - devem ser atribu´ ıdos; b) consagrada - deve ser atribu´ ıdo; c) consagrados - devem ser atribu´ ıdos; d) consagradas - deve ser atribu´ ıdo; e) consagrados - deve ser atribu´ ıdo. 3. (UEPG-PR)Acho que a menina ficar´ ........ aborrecida a quando ........ que em sua caixa h´ ........ balas. a a) meio - vir - menas; b) meia - vir - menos; c) meia - ver - menas; d) meia - ver - menos; e) meio - vir - menos.

REGRA GERAL
Verbo concorda com o sujeito em n´ mero e pessoa. u Exemplos O t´cnico escalou o time. e Os t´cnicos escalaram os times. e

CASOS ESPECIAIS
1. Sujeito Composto a) Anteposto: verbo no plural. O t´cnico e os jogadores chegaram ontem a S˜o Paulo. e a b) Posposto: verbo concorda com o mais pr´ximo ou fica o no plural.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UEL-PR) Nos debates que .......... durante o torneio, alguns dos jovens pareciam ............ desanimados a) houve - meios; b) houve - meio; c) houveram - meio; d) houvem - meio; e) houve - meios.

Chegou(aram) ontem o t´cnico e os jogadores. e c) De pessoas diferentes: verbo no plural da pessoa predominante. Eu, vocˆ e os alunos iremos ao museu. e d) Com n´ cleos em correla¸ao: verbo concorda com o mais u c˜ pr´ximo ou fica no plural. o O cientista assim como o m´dico pesquisa(m) a causa do e mal.

278

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o e) Ligado por COM: verbo concorda com antecedente do com ou vai para o plural. O professor, com os alunos, resolveu o problema. O maestro com a orquestra executaram a pe¸a cl´ssica. c a f) Ligado por NEM: verbo no plural e, `s vezes, no singua lar. Nem Paulo, nem Maria conquistaram a simpatia de Catifunda. g) Ligado por OU: verbo no singular ou plural dependendo do valor do OU. Valdir ou Le˜o ser´ o goleiro titular. a a Jo˜o ou Maria resolveram o problema. a

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

5. Verbo SER a) Indicando tempo, distˆncia: concorda com o predicaa tivo. Hoje ´ dia 3 de outubro, pois ontem foram 2 e amanh˜ e a ser˜o 4. a b) Com sujeito e predicativo do sujeito: concorda com o que prevalecer. Vinte milh˜es era muito por aquela casa. o c) Com sujeito e predicativo do sujeito: concorda com o que prevalecer. O homem sempre foi suas id´ias. e Santo Antˆnio era as esperan¸as da solteirona. o c A P´tria n˜o ´ ningu´m, a P´tria somos n´s. a a e e a o d) DAR (bater e soar) + hora(s): concordam com o sujeito. Deu duas horas o rel´gio do alto da montanha. o e) Verbo parecer + infinitivo: flexiona-se um dos dois. Os cientistas pareciam procurar grandes segredos. Os cientistas parecia procurarem grandes segredos. 6. Sujeito = nome pr´prio plural: o a) Com artigo no singular ou sem artigo: verbo no singular. O Amazonas des´gua no Atlˆntico. a a b) Com artigo no plural: verbo no plural. Os Estados Unidos enviaram tropas a zona de conflito. `

2. Sujeito constitu´ por ıdo a) Um e outro, nem um nem outro: verbo no singular ou plural. Um e outro m´dico descobriu(ram) a cura do mal. e Nem um nem outro problema propostos foi(ram) resolvido. b) Um ou outro: verbo no singular. Um ou outro far´ o trabalho. a c) Coletivo geral: verbo no singular. Mais de um jogador foi elogiado pela crˆnica esportiva. o d) Express˜es que indicam quantidade aproximada seo guida de numeral: verbo concorda com o substantivo. Cerca de dez jogadores participaram da briga. f) Pronomes (indefinidos ou interrogativos) seguidos de pronomes: verbo no singular ou plural. Qual de n´s ser´ escolhido? o a g) Palavra que: verbo concorda com o antecedente. Hoje sou eu que fa¸o o discurso. c h) Palavra quem: verbo na terceira pessoa do singular. Amanh˜ ser˜o eles quem resolver´ o problema. a a a i) Um dos que: verbo no singular ou plural. Foi um dos alunos desta classe que resolveu o problema. j) Palavras sinˆnimas: verbo concorda com o mais o pr´ximo ou fica no plural. o ´ A Etica ou a Moral preocupa-se com o comportamento humano. 3. Verbo acompanhado da palavra se a) se = pronome apassivador: verbo concorda com sujeito paciente. Viam-se ao longe as primeiras casas. Ofereceu-se um grande prˆmio ao vencedor da corrida. e b) se = ´ ındice de indetermina¸ao do sujeito: verbo sempre c˜ na terceira pessoa do singular. Necessitava-se naqueles dias de novas ideias.

4. Verbos Impessoais: Verbos que indicam fenˆmenos da na- Pense um Pouco! o tureza, verbo haver indicando existˆncia ou tempo, verbos e fazer, ir indicando tempo: esses verbos ficam sempre na EDUCACAO: Governo diz que houve erro de interpreta¸ao ¸˜ c˜ terceira pessoa do singular. por causa da inclus˜o da palavra ”semestralidade”Reajuste de a escolas se mantˆm anuais. e Durante o inverno, nevava muito. Ainda havia muitos candidatos. O t´ ıtulo da not´ ıcia acima est´ inadequado ` norma culta da a a Ontem fez dez anos que ela se foi. escrita do portuguˆs. Por quˆ? e e

L´ ıngua Portuguesa – 05

279 a) Tipos de ora¸oes: c˜ – Ora¸oes interrogativas, quando iniciadas por palavra ou exc˜ press˜o interrogativa (”quem”, ”o que”, ”como”, ”onde”, ”pora que”, etc.): Quem me dar´ o beijo que cobi¸o? a c – Ora¸oes exclamativas: c˜ Deus lhe fale n’alma! b) Palavras ”atrativas”: s˜o aquelas que, quando aparecem a antes do verbo, obrigam a pr´clise. S˜o as seguintes: Palavras o a negativas (”n˜o”, ”nem”, ”nada”, ”nenhum”, ”ningu´m”, ”jaa e mais”, etc.): Canudos n˜o se rendeu. (Euclides da Cunha) a Conjun¸oes subordinativas e pronomes relativos (”que”, c˜ ”como”, ”onde”, ”se”, ”cujo”, ”quando”, ”embora”, ”porque”, ”enquanto”, etc.): Trabalho para homem que me respeite. (Jos´ Lins do Rego) e Adv´rbios ”agora”, ”ainda”, ”amanh˜”, ”antes”, ”breve”, ”dee a pois”, ”hoje”, ”j´”, ”jamais”, ”logo”, ”nunca”, ”ontem”, ”sema pre”, ”bem”, ”mal”, ”demais”, ”muito”, ”pouco”, ”quase”, ”assim”, ”melhor”, ”pior”, al´m das palavras com sufixo e menterapidamente”, ”certamente”, etc.: Mal se movia, com medo de espantar a pr´pria aten¸ao. (Clao c˜ rice Lispector) Se souberem que o autor sou eu, naturalmente me chamar˜o a potoqueiro. (Graciliano Ramos) Pronomes indefinidos ”algum”, ”algu´m”, ”todo”, ”tudo”, e ”certo”, ”outro”, ’v´rios”, ”qualquer”, etc.: a E tudo se passa como eles querem. (Pˆro Vaz de Caminha) e Ger´ ndios precedidos da preposi¸ao “em”: u c˜ Em se tratando de futebol, o Brasil ´ um pa´s de primeiro e ı mundo.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UEL-PR) .......... as providˆncias necess´rias para o sanee a amento da cidade. a) Haver´ de ser tomado; a b) Haver˜o de ser tomadas; a c) Haver´ de serem tomadas; a d) Haver˜o de serem tomadas; a e) Haver˜o de ser tomado. a 2. (UEL-PR) At´ ontem, j´ .... duas mil pessoas desabrigadas e a em todo o estado, e muitas mais ... se ... as chuvas torrenciais. a) existiam - haver´ - continuar; a b) existiam - haver˜o - continuarem; a c) existia - haver´ - continuar; a d) existia - haver˜o - continuarem; a e) existiam - haver´ - continuarem. a 3. (PUC-SP) Indique a alternativa em que n˜o h´ cona a cordˆncia inadequada ` norma culta: a a a) Fazia dois anos que n˜o aconteciam desastres desse tipo. a b) Faz alguns anos que n˜o acontece desastres desse tipo. a c) Deve fazer um ano que aconteceu v´rios desastres a´reos. a e d) Fazia algum tempo que n˜o acontecia desastres desse tipo. a e) Devem fazer dois anos que aconteceu um desastre desse tipo.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (PUC-SP) Indique a alternativa em que n˜o h´ cona a cordˆncia inadequada ` norma culta: a a a) Devem haver poetas que pensam no desastre a´reo como e sendo o arrebol. b) Deve existir poetas que pensam no desastre a´reo como e sendo o arrebol. c) Pode existir poetas que pensam no desastre a´reo como e sendo o arrebol. d) Pode haver poetas que pensam no desastre a´reo como e sendo o arrebol. e) Podem haver poetas que pensam no desastre a´reo como e sendo o arrebol.

Mes´clise o

O pronome ´ colocado no meio do verbo. S´ ser´ empregada e o a no futuro do presente e no futuro do pret´rito, desde que n˜o e a haja palavra que exija a pr´clise: o As gera¸oes futuras perguntar-se-˜o como foi poss´vel perdurar c˜ a ı um governo de generais durante 21 anos. (Imprensa) 5. (UEL-PR) Assinale a alternativa que preenche adequadaa a mente as lacunas: ...... trabalhadores ociosos porque ...... a Repetir-se-´, assim, o que neste ano j´ aconteceu com tantos outros feriados. (Vis˜o) a produ¸ao e a exporta¸ao, e ...... funcion´rios treinados em sec˜ c˜ a tores nos quais a empresa possa crescer. Agora veja: a) Existem - ca´ ıram - faltam; As gera¸oes futuras ainda se perguntar˜o como foi poss´vel... c˜ a ı b) Existem - caiu - falta; N˜o se repetir´, assim, o que neste ano... a a c) Existe - caiu - faltam; (As palavras “ainda”e “n˜o” exigem a pr´clise) a o d) Existem - ca´ ıram - falta; e) Existe - ca´ ıram - faltam.

ˆ Enclise

L´ ıngua Portuguesa

O pronome ´ colocado depois do verbo. Emprega-se, gerale mente, a ˆnclise: e a) Com verbos no in´ do per´ ıcio ıodo: Sabe-se que a temperatura global est´ em m´dia cerca de meio a e grau Celsius mais alta do que h´ 100 anos. (Veja) a Coloca¸˜o Pronominal ca b) Com verbos no modo imperativo afirmativo: - Levante-se da´, senhor Belchior... (Bernardo Guimar˜es) ı a Pr´clise o c) Com verbos no ger´ ndio, desde que n˜o venham precedidos u a ´ c˜ O pronome ´ colocado antes do verbo. E considerada obri- da preposi¸ao em: e Para tratar o enfermo ps´quico, n˜o basta ter pena dele, ı a gat´ria em, basicamente, duas situa¸oes: o c˜

05

280

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

consolando-o e ouvindo-o com interesse. (Folha de S.Paulo) d) Com verbos no infinitivo impessoal: A poesia est´ na cidade, no campo, no mar. O problema ´ a e descobri-la, surpreendˆ-la, flagr´-la. (Ferreira Gullar) e a

Pense um Pouco!
Pronominais Dˆ-me um cigarro e Diz a gram´tica a Do professor e do aluno E do mulato sabido Mas o bom negro e o bom branco Da Na¸ao Brasileira c˜ Dizem todos os dias Deixa disso camarada Me d´ um cigarro a

c) (lhe) “A espa¸os, quando o aborrecimento .. vinha .., sa´ c ıa.” d) (se)”.. Lembrou .. ent˜o do sangue do pre´, sujando o verde a a do capim.”(Jos´ Lins do Rego) e e) (lhe) “Que .. importava .. a riqueza do velho Jos´ Paue lino?”(Jos´ Lins do Rego) e f) (se) “Depois, .. escutou .. um tiro seco, no silˆncio.”(Jos´ e e Lins do Rego) g) (se)”.. Levanta .. e passa os bra¸os no pesco¸o de c c Guma.”(Jorge Amado) h) (se) “E que porcarias .. vendem .. por a´ ı!”(Jos´ Lins do e Rego) i) (me) N˜o conhe¸o ao certo o local onde .. levaram .. na a c noite passada. j) (se) “Os demais .. babando .., sem desgrudar o olhinho.”(Dalton Trevisan)

2. (UDESC-SC) Assinale com V a coloca¸ao verdadeira e com c˜ F a coloca¸ao falsa dos pronomes obl´ c˜ ıquos ´tonos nos per´ a ıodos abaixo: Oswald de Andrade ( ) Ele tem dado-se muito bem com esse nosso clima. ( ) Talvez a luz cont´ ınua e ofuscante tenha-me afetado a vis˜o. a ( ) Ningu´m retirara-se antes do encerramento do conclave. e ( ) Tudo me parecia bem at´ que me alertaram do perigo que e corria. ( ) Em se tratando de artes, preferimos sempre a divina m´ sica. u ( ) Dir-se-ia que fatos dessa natureza n˜o mais ocorreriam. a A seq¨ˆncia correta de letras, de cima para baixo, ´: ue e a) F, F, V, F, V, V b) V, V, F, V, F, F c) F, V, F, V, V, V d) F, V, V, F, V, V e) V, F, F, V, F, F 3. (UFSC) Assinale as alternativas gramaticalmente correias e em seguida fa¸a a adi¸ao dos valores a elas atribu´ c c˜ ıdos: 01) Vi ontem nosso mais jovem poeta ilh´u. 02) Refiro-me `quele e a jovem poeta ca¸adorense. 04) Ele n˜o queixa-se nunca de seu c a trabalho. 08) Corri para ajud´-lo, quando o vi ` porta. 16) a a Pouco conhece-se a respeito de Let´ ıcia. 32) Jamais te diria tamanha mentira!

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UEL-PR) Logo que vocˆ ......, ´ claro que eu ........ da e e melhor maneira poss´ ıvel, ainda que isso ........ o servi¸o. c a) me chamar; atendˆ-lo-ei; me atrase e b) chamar-me; atendˆ-lo-ei; atrase-me e c) me chamar; o atenderei; me atrase d) me chamar; o atenderei; atrase-me e) chamar-me; atenderei-o; atrase-me 5. (PUC-PR) Observe a coloca¸ao dos pronomes nas frases c˜ abaixo: 1. Ela pode auxiliar-me. 2. Ela pode-me auxiliar. 3. Ela me pode auxiliar. 4. Ela veio ver-me. 5. Ela n˜o quis vˆ-lo. a e

Figura 4.1: Retrato a oleo de Oswald de Andrade, por Tarcila `´ do Amaral.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Preencha as lacunas das frases a seguir com os pronomes entre parˆnteses, de acordo com a norma culta da l´ e ıngua portuguesa: a) (se) “Ningu´m ... arrepiava .., ningu´m manobrava para e e ficar.”(Jos´ Lins do Rego) e b) (se) “N˜o .. ouvia .. um barulho.”(Jo˜o Ant´nio) a a o

L´ ıngua Portuguesa – 06 Dos itens acima expostos est˜o corretos: a a) 1, 2 e 5 b) 3 e 4 c) 2 e 4 d) 4 e 5 e) todos est˜o certos a 6. (PUC-PR) Assinale a alternativa em que o pronome LHE n˜o pode ser colocado depois do verbo CONTAR: a a) Desejo-lhe contar minha vers˜o. a b) Prometeu n˜o lhe contara verdade. a c) N˜o podemos lhe contar tudo. a d) Come¸ou a lhe contar o ocorrido. c e) Tenho de lhe contar esse epis´dio. o

281 • prepositivas: Capit˜o Am´rica e Homem Aranha est˜o a beira da a e a ` falˆncia. e • conjuntivas: Os alimentos estocados foram vendidos a medida que ` crescia o consumo.

˜ Casos em que a crase NAO ocorre
1. Diante de palavras masculinas, as quais n˜o admitem o a artigo a: O passeio foi feito a cavalo. 2. Diante de verbos: As crian¸as da favela s˜o obrigadas a pedir esmolas. c a 3. Diante de nome de cidade: Houve protestos na chegada do presidente a Recife. Observa¸˜o: Se o nome da cidade vier acompanhado de ca um adjetivo ocorre a crase: Vou frequentemente a antiga Ouro Preto. ` 4. Diante de pronomes que n˜o admitem artigo. a • pronomes pessoais: N˜o dirigiu a palavra a n´s. a o • pronomes de tratamento: Mandou dizer a Vossa Senhoria que n˜o viria ao ena contro marcado. Observa¸˜o: Emprega-se geralmente o acento indica cados da crase diante dos pronomes senhora e senhorita. • pronomes demonstrativos: ´ E hora de dar um basta a essa barb´rie. a • pronomes indefinidos: N˜o demonstravam seu sofrimento a ningu´m. a e • pronomes relativos: Aquela ´ a senhora a quem apresentamos nossas cone dolˆncias. e 5. Diante da palavra casa quando n˜o vier determinada por a adjunto adnominal: Quando cheguei a casa j´ tinham sa´do. a ı Observa¸˜o: Quando a palavra casa vier determinada ca ocorre a crase. Chegamos a casa da cunhada. ` 6. Diante da palavra terra, quando esta designar terra firme: Os marinheiros chegaram a terra. 7. Diante de palavra no plural se o a estiver no singular: O sucesso n˜o deve conduzir a conclus˜es muito otimistas. a o

L´ ıngua Portuguesa
Crase

06

Crase ´ fus˜o de duas vogais idˆnticas. Representa-se graficae a e mente a crase pelo acento grave. A crase pode ser representada nos casos: a) A preposi¸ao a e os artigos a e as: c˜ H´ limites a tolerˆncia humana. a ` a b) A preposi¸ao a e os pronomes demonstrativos aquele(s), c˜ aquela(s) e aquilo. Permaneci indiferente aquele barulho. ` c) A preposi¸ao a e aos pronomes demonstrativos a e as: c˜ Sua opini˜o ´ semelhante a de Rog´rio. a e ` e

Outros casos
1. Diante de palavra feminina que admita o artigo a e outra palavra que exija a preposi¸ao a: c˜ Debate aponta risco a liberdade de express˜o. ` a 2. Nas locu¸oes femininas: c˜ • adverbiais: Os deputados est˜o rindo a toa. a `

8. Nas locu¸oes formadas por palavras repetidas: c˜ Ficamos face a face com o inimigo. 9. Diante do artigo indefinido uma: Os alunos n˜o devem submeter-se a uma avalia¸ao como a c˜ esta. 10. Diante da express˜o Nossa Senhora e de nomes de santos: a Ela faz preces di´rias a Nossa Senhora Aparecida. a

282

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Pense um Pouco!

admirar a pintura que tanto lhe dera fama e prest´ em toda ıgio a Europa.

Ao entrar bata a porta. Qual o efeito que esta frase pode causar sem o acento indicador da crase? 5. (UNICENP-PR) Qual a alternativa que aponta a frase incorreta quanto ao acento indicativo da crase? a) Uma mulher d´ ` luz sobre uma pia enquanto dinheiro do aa ´ SUS (Sistema Unico de Sa´ de) ´ desviado para comprar chope u e Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca e salgadinhos. b) Esse expediente levou ` lastim´vel aprova¸ao do IPMF. a a c˜ 1. Nas frases a seguir, assinale o acento indicativo de crase c) A absoluta ineficiˆncia do sistema de arrecada¸ao, soma-se ` e c˜ onde for necess´rio: a a m´ aplica¸ao dos recursos p´ blicos. a c˜ u a) ”Madalena foi a janela e esteve algum tempo debru¸ada, d) Na d´cada de 70, a imagem externa do Brasil era frequenc e olhando a rua.”(Graciliano Ramos, S˜o Bernardo) a temente associada `s den´ ncias de tortura. a u b) No in´ do s´culo, muitos jogadores aluavam apenas por e) A quest˜o social continua priorit´ria demais para ser releıcio e a a amor a camisa. gada ` segundo plano. a c) Os bons treinadores de futebol costumam ser inflex´ ıveis quanto a disciplina de seus jogadores. d) O Departamento de Trˆnsito recomenda cautela ao motoa rista que vai descer a serra hoje para assistir a virada do ano 6. (UNIFOR-CE) Marque a alternativa em que o sinal de crase est´ empregado em todos os casos em que ´ necess´rio: a e a no litoral. a) A fam´ ficou ` mercˆ do frio, a despeito do fogo que ılia a e e) ”Ent˜o eu perguntava a mim mesmo se alguma daquelas n˜o a a teria amado algu´m que jazesse agora no cemit´rio.”(Machado estava a arder. e e b) O vento entrava ` vontade, restando a fam´ a expectativa a ılia de Assis, Dom Casmurro) de que amanhecesse logo. f) ”O padre saiu para o p´tio, aspirou profundamente o ar, dea a c a a pois contemplou a estrada luminosa que atravessava a ab´bada c) Falavam ` be¸a, mas talvez n˜o se entendessem ` contento. o d) A cachorra ficou ` porta, ` olhar as brasas. a a celeste de um lado a outro.”(Jos´ Saramago) e a a e g) ”Qualquer lei nova ´ sujeita a cr´ e ıticas.”(Walter Ceneviva, e) A falta de melhor express˜o, recorriam ` discursos en´rgicos. Folha de S. Paulo, 6/4/95) h) Qualquer lei nova ´ sujeita as cr´ e ıticas dos membros do Poder Judici´rio. a 2. (UEM-PR) Indicar o per´ ıodo em que vocˆ colocaria o acento e grave, indicativo da crase: a) Deu severas ordens a algumas relapsas. b) Desobedeceram a Sua Excelˆncia. e c) Rogo as autoridades para que intervenham logo. d) Com certeza, disse tudo a esta colega. e) De Vieira a Drummond, muitos voc´bulos descansam em a paz. 3. (FUVEST-SP) Indique a alternativa correta: a) Preferia brincar do que trabalhar. b) Preferia mais brincar a trabalhar. c) Preferia brincar a trabalhar. d) Preferia brincar ` trabalhar. a e) Preferia mais brincar que trabalhar.

L´ ıngua Portuguesa

07

Interpreta¸˜o de Textos ca
(UDESC - 2005) Toda l´ ıngua tem seus mist´rios, sua pele seu cheiro. e O que caracteriza a linguagem ”correta”? N˜o uso essa exa ´ press˜o. Falo de adequa¸ao ling¨´ a c˜ uıstica. E mais ou menos como roupa. A gente usa de acordo com a situa¸ao. O ideal seria c˜ que todos tivessem um guarda-roupa ling¨´ uıstico bem recheado: ”roupa”para ir ` festa, ao tribunal, ` praia, ao supermercado. a a Seria necess´rio que o sujeito tivesse dom´ a ınio da l´ ıngua que usa no dia-a-dia, mas fosse tamb´m buscar as variedades. Da´ e ı a fun¸ao da escola, do Estado: prover as pessoas do dom´ c˜ ınio das variedades formais da l´ ıngua. N´s somos um pa´ essencio ıs almente monoglota. N˜o me refiro ao conhecimento de l´ a ınguas estrangeiras, falo de poliglotismo na mesma l´ ıngua. O que ´? e ´ E ser capaz de ler o editorial do jornal, mais rebuscado, de conversar com o vizinho e de conversar com a pessoa estranha. ´ E ser capaz de ler um cl´ssico, ouvir um rap, ler o Almanaque, a e por a´ vai. O grosso da popula¸ao ´ monoglota: domina s´ ı c˜ e o a l´ ıngua do dia-a-dia. P˜e o sujeito para ler um recado do o banco, ele n˜o entende. a

Exerc´ ıcios Complementares
` 4. Preencha as lacunas com A ou A: a) Em uma viagem ......... It´lia, Godard conheceu Martin a Scorcese, de quem se tornaria grande amigo e colaborador. b) Minha unica chance de voltar ..... Europa seria ganhar a ´ bolsa de estudos oferecida pela Universidade de Haia. c) Quando visitei ......Inglaterra, fiquei bastante decepcionado com o clima e a culin´ria. a d) Retornei.........Bras´ ılia ap´s ter sido derrotado em duas o elei¸oes para deputado federal. c˜ e) .... Am´rica que eu conheci n˜o ´ esta que se vˆ por a´ e a e e ı passando necessidade. f) Ap´s anos, o pintor Michelˆngelo voltou ....... Roma para o a

L´ ıngua Portuguesa – 07 de quantidade. e) a palavra s´ indica isolamento. o

283

3. De acordo com o texto, marque V ou F , conforme a afirma¸ao seja verdadeira ou falsa. c˜ ( ) Quem ´ capaz de ler um cl´ssico, ouvir um rap, ler o e a Almanaque ´ poliglota. e ( ) O grosso da popula¸ao ´ monoglota, porque domina c˜ e somente um dialeto. ( ) De acordo com o autor, n˜o existe linguagem correta, pora que as l´ ınguas s˜o um conjunto variado de formas ling¨´ a uısticas e cabe ao falante adequar seu uso `s diferentes situa¸oes de a c˜ fala. ( ) A escola n˜o tem cumprido seu papel; por isso, n˜o a a conseguimos ler um editorial de jornal rebuscado. Assinale a alternativa que apresenta a seq¨ˆncia CORRETA, ue de cima para baixo. a) V - F - F - F A alternativa que melhor resume a id´ia central do texto ´: e e f) A l´ ıngua padr˜o ´ formada por um conjunto de formas con- b) V - F - V - F a e sideradas como modo correto e socialmente aceit´vel de falar c) F - V - F - V a d) V - V - F - V ou escrever. g) A adequa¸ao ling¨´ c˜ uıstica ´ como um guarda-roupa bem va- e) V - F - F - V e riado, quanto `s formas ling¨´ a uısticas e revelador, ao mesmo tempo em que revela a classe social ` qual se pertence. a ´ h) E fun¸ao da escola e do Estado prover as pessoas dos Exerc´ c˜ ıcios Complementares dom´ ınios das variedades formais da l´ ıngua. i) O falante brasileiro ´ monoglota, por n˜o ter o conhecimento Texto para os testes de 01 a 03. e a de l´ ınguas estrangeiras. Vai ent˜o, empacou o jumento em que eu vinha montado; a j) A adequa¸ao ling¨´ c˜ uıstica se d´ quando o falante ´ capaz de ler a e fustiguei-o, ele deu dois corcovos, depois mais trˆs, enfim mais e editorial do jornal, mais rebuscado, de conversar com o vizinho um, que me sacudiu fora da sela, com tal desastre, que o p´ e e de conversar com uma pessoa estranha. esquerdo me ficou preso no estribo; tento agarrar-me ao ventre do animal, mas j´ ent˜o, espantado, disparou pela estrada a a fora. Digo mal: tentou disparar e efetivamente deu dois saltos, Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca mas um almocreve, que ali estava, acudiu a tempo de lhe pegar na r´dea e detˆ-lo, n˜o sem esfor¸o nem perigo. Dominado o e e a c bruto, desvencilhei-me do estribo e pus-me de p´. e 1. Assinale a alternativa que reafirma a id´ia de que quem e — Olhe do que vosmecˆ escapou, disse o almocreve. E era e sabe fazer uso da adequa¸ao ling¨´ c˜ uıstica ´ poliglota. e a) A id´ia de poliglotismo est´ associada ao conhecimento de verdade; se o jumento corre por ali fora, contundia-me deveras, e a a a c v´rias l´ a ınguas estrangeiras que s˜o faladas em algumas regi˜es e n˜o sei se a morte n˜o estaria no fim do desastre; cabe¸a a o partida, uma congest˜o, qualquer transtorno c´ dentro, l´ se a a a do pa´ ıs. e b) Quem domina apenas a l´ ıngua que se usa no dia-a-dia, me ia a ciˆncia em flor. O almocreve salvara-me talvez a vida; era positivo; eu sentia-o no sangue que me agitava o cora¸ao. c˜ n˜o ter´ dificuldades para ler e produzir um texto em l´ a a ıngua Bom almocreve! Enquanto eu tornava ` consciˆncia de mim a e padr˜o. a c) O falante que tem envolvimento m´ ltiplo nas rela¸oes sociais mesmo, ele cuidava de consertar os arreios do jumento, com u c˜ e geralmente possui um guarda-roupa ling¨´ uıstico bem recheado. muito zelo e arte. Resolvi dar-lhe trˆs moedas de ouro das cinco que trazia comigo; n˜o porque tal fosse o pre¸o da minha a c d) A atividade educacional n˜o ´ coordenada de forma devida a e vida - essa era inestim´vel; mas porque era uma recompensa a pelo Estado; por isso, somos um pa´ essencialmente monoıs digna da dedica¸ao com que ele me salvou. Est´ dito, dou-lhe c˜ a glota. as trˆs moedas. e e) Buscar as variedades da l´ ıngua ´ o mesmo que saber usar e o o a a roupa adequada ` situa¸ao, ´ saber que h´ uma variedade Machado de Assis, Mem´rias P´stumas de Br´s Cubas. a c˜ e a ling¨´ uıstica. 4. Assinale a alternativa em que se estabelece rela¸ao de causa c˜ 2. Em rela¸ao ao trecho: ”O grosso da popula¸ao ´ mono- e efeito: c˜ c˜ e glota: domina s´ a l´ o ıngua do dia-a-dia. P˜e o sujeito para a) ”Vai ent˜o, empacou o jumento em que eu vinha montado”; o a ler um recado do banco, ele n˜o entende.”(linhas 10 a 12), ´ b) ”...justifiquei-o, ele deu dois corcovos, depois mais trˆs, ena e e INCORRETO afirmar: fim mais um...”; a) a palavra s´ ´ um recurso ling¨´ oe uıstico indicador de ˆnfase. e c) ”...que me sacudiu fora da sela, com tal desastre, que o p´ e b) a flex˜o do verbo pˆr foi usada com o sentido de deparar- esquerdo me ficou preso no estribo”; a o se. d) ”Digo mal: tentou disparar e efetivamente deu dois salc) o pronome ele ´ o termo referente ao sujeito. e tos...”; d) a palavra grosso foi empregada como um recurso indicador e) ”O almocreve salvara-me talvez a vida...”

Pense um Pouco!

284

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

5. Em ”...mas j´ ent˜o, espantado, disparou pela estrada a a fora.”e ”...contundia-me deveras...”, as palavras destacadas indicam, respectivamente: a) conclus˜o e constata¸ao; a c˜ b) tempo e afirma¸ao; c˜ c) modo e constata¸ao; c˜ d) conclus˜o e conseq¨ˆncia; a ue e) tempo e d´ vida. u 6. Assinale a alternativa em que a palavra que est´ empregada a de forma diferente das demais: a) ”...empacou o jumento em que eu vinha montado...”; b) ”...enfim mais um, que me sacudiu fora da sela...”; c) ”...com tal desastre, que o p´ esquerdo me ficou preso no e estribo...”; d) ”...eu sentia-o no sangue que me agitava o cora¸ao; c˜ e) ”...mas porque era uma recompensa digna da dedica¸ao com c˜ que ele me salvou.”

honestidade × desonestidade; higiˆnico × anti-higiˆnico. e e

Parˆnimos o
Voc´bulos semelhantes na escrita e na pron´ ncia e que tˆm a u e significados diferentes. Exemplos Flagrante (no ato) – fragrante (perfumado); ratificar (confirmar) – retificar (corrigir); vultoso (importante, de grande vulto) - vultuoso (inchado).

Homˆnimos o
Palavras que tˆm a mesma pron´ ncia ou grafia, mas com e u significados diferentes. Dividem-se em: • Hom´grafos - Heter´fonos: possuem mesma escrita e o o pron´ ncia diferente. u o ele (letra L) - ele chegou; o controle - talvez controle.

L´ ıngua Portuguesa
Sinˆnimos, Antˆnimos e etc. o o
Sinˆnimos o
Voc´bulos que apresentam significado b´sico comum. a a Exemplos olhar = ver = mirar = observar; belo = bonito = lindo; honestidade = probidade.

08

• Hom´fonos - Heter´grafos: o o pron´ ncia e grafia diferente. u

possuem

mesma

cess˜o (ato de ceder) - sess˜o (reuni˜o); a a a ch´cara (quinta) - x´cara (narrativa). a a • Hom´grafos - Hom´fonos (ou homˆnimos perfeio o o tos): possuem mesma grafia e pron´ ncia. u o mato - eu mato; cedo (verbo ceder) - cedo (adv´rbio). e

Pense um Pouco!
O lobo mal atacou a vovozinha ... Mandei meus sapatos para o concerto A cess˜o respons´vel pela produ¸ao deste produto fica no final a a c˜ do corredor. Quais os erros nas frases acima?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. A hora da verdade est´ ....... Aproveite-a. a Os familiares est˜o de acordo com a ...... dos bens. a ´ E hora de ..... o fogo, pois o frio est´ pr´ximo. a o O fato passou ..... at´ o momento. Os faltosos foram pegos e em ...... A alternativa que preenche corretamente, e em seq¨ˆncia, as ue lacunas das frases acima ´: e a) iminente – cess˜o – acendermos – despercebido – flagrante. a b) Eminente – sess˜o – acendermos – desapercebido – fraa grante. c) Eminente – cess˜o – ascendermos – despercebido – fraa grante. d) Iminente – sess˜o – ascendermos – desapercebido – flaa grante. e) n. d. a.

Antˆnimos o
Voc´bulos que apresentam significados opostos. a Exemplos grandeza × pequenez; feliz × infeliz; probidade × improbidade;

L´ ıngua Portuguesa – 08 2. (UDESC-2005) A alternativa que as palavras em negrito apresentam sentidos diferentes ´: e a) Os velhos est˜o assistindo ` reedi¸ao de velhos h´bitos. a a c˜ a b) Os romˆnticos atuais divergem dos romˆnticos cena a ten´rios. a c) Os velhos casar˜es situam-se ao lado do velho supermero cado. d) As cenas s˜o centen´rias, bem como centen´ria ´ a pe¸a a a a e c teatral. e) Os grandes homens s˜o avaliados por grandes a¸oes. a c˜

285 Com´rcio) e c) As tumbas eg´ ıpcias eram constitu´ ıdas de uma .......cˆmara, a onde as oferendas eram depositadas, e outras salas e corredores que davam acesso a uma cˆmara funer´ria subterrˆnea. a a a (Globo Ciˆncia) e

7. Associe as colunas, de acordo com a norma, colocando: (A) para sinˆnimos o (B) para antˆnimos o (C) para parˆnimos o (D) para hom´grafos - hom´fonos (ou homˆnimos perfeitos) o o o o o 3. (UDESC-2005) A palavra mesmo pode assumir diferentes (E) para hom´grafos - heter´fonos o o significados, de acordo com sua fun¸ao na frase. Assinale a (F) para hom´fonos - heter´grafos c˜ alternativa em que o sentido de mesmo equivale ao que se verifica na frase a seguir. c Aos poucos, as id´ias iam ficando mais claras, mesmo que a) ( ) apressar – apre¸ar e b) ( ) eminente – iminente ainda sentisse fortes dores de cabe¸a e no corpo. c c) ( ) ´dio – amor o d) ( ) asco – nojo e) ( ) a ´gua – ele ´gua a a a) Escute! H´ mesmo necessidade de vocˆ vir? a e f) ( ) o acordo – eu acordo b) N˜o quero ser o mesmo que vocˆ. a e c) Ir´ assim mesmo. a 8. Complete os espa¸os com h´ ou a de acordo com o exigido c a d) N˜o percebeu nada, mesmo estando atento. a pela frase: e) N˜o, mesmo! Fique a´ a ı! a) Daqui.........trˆs semanas ele vir´ trazer o material que lhe e a encomendamos. b) ........seis dias que ele tem faltado ao trabalho. Exerc´ ıcios Complementares c) .......meses que eu n˜o a vejo por aqui. a d) Daqui....... Ribeir˜o Preto, s˜o 300 km. a a 4. (UDESC-2005) A ´rvore caiu, embora estando bem presa a 9. Empregue mal ou mau de acordo com o exigido pela frase: ao ch˜o. a a) .......ela chegou, come¸ou a gritar com as crian¸as. c c Vou agradecer-lhe a ajuda, logo que possa sair. b) O ........ pagador sempre arrumas suas desculpas. N˜o demonstrava, mas amava o filho. a c) Ele nunca se comportou t˜o ......... a Buscava um lugar silencioso para que pudesse pensar. As palavras e express˜es em negrito podem ser substitu´ o ıdas, sem altera¸ao de estrutura e sentido da frase, respectivamente, c˜ por: a) mesmo – assim que – haja vista – a fim de que b) apesar que – assim que – ou – onde c) apesar de que – quando – logo – afim de que d) mesmo que – ao – portanto – em que e) mesmo – assim que – entretanto – a fim de que 5. Complete as lacunas com uma das palavras colocadas nos parˆnteses: e a) Os pais agiram com muita ............ . (discri¸ao/descri¸ao) c˜ c˜ b) Procurei ............ o erro cometido pelo meu auxiliar. (retificar/ratificar) c) O chefe dos seq¨ estradores exigiu do empres´rio uma quanu a tia ............. (vultuosa/vultosa) d) O ............. orador conseguiu convencer a multid˜o de oua vintes. (eminente/iminente) e) Como ............. uma das leis de trˆnsito, ele acabou recea bendo uma pesada multa. (infringisse/infligisse) f) O professor foi ...............de louco pelos alunos. (tachado/taxado) g) Perdi ............. da minha conta banc´ria. (estrato/extrato) a 6. Preencha as lacunas com ante ou anti: a) H´ um n´ mero cada vez maior de pessoas que tomam a u ....... depressivos e de m´dicos que recomendam esses rem´dios. e e (Jornal do Com´rcio) e b) Luiz Mott faz cr´ ıticas ` nova lei ......-racismo. (Jornal do a

286

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Hist´ria o
Hist´ria o
Hist´ria de Santa Catarina o
Colonizadores
A hist´ria de Corup´ est´ vinculada `s de Jaragu´ do Sul e o a a a a Joinville. As terras em que foi constru´ a atual cidade de ıda Corup´ pertenciam ao esp´lio da Companhia Hamburguesa de a o Coloniza¸ao, contratada para ocupar as terras do Pr´ c˜ ıncipe de Joinville, Fran¸ois de Orleans e da Princesa Francisca Carolina, c filha de D. Pedro I; e do Conde d’Eu com a Princesa Imperial Dona Isabel (herdeira do trono brasileiro). O esp´lio da o Hamburguesa foi assumido, em 30 de mar¸o de 1897 pela Comc panhia Hanse´tica de Coloniza¸ao, que sob a dire¸ao de Karl a c˜ c˜ Fabri fundou a Colˆnia Hansa Humbold. No dia 7 de julho de o 1897 foram entregues os primeiros t´ ıtulos de propriedade aos colonizadores pioneiros. Otto Hillbrecht e Otto Hillbrecht filho (lotes 6 e 7) e o taxidermista Wilhelm Ehrahrdt e sua esposa Dorethea (lotes 2 e 3) chegaram da Europa na mesma canoa e foram recebidos pelo agrimensor da Colˆnia Hansa, Eduo ard Krish. Os primeiros colonizadores, de posse dos t´ ıtulos de propriedade, foram acomodados no galp˜o de recep¸ao e a c˜ usando fac˜es, machadinhas e machados, iniciaram a derruo bada da mata para dar in´ ` constru¸ao da atual cidade de ıcio a c˜ Corup´. As duas fam´ a ılias, juntamente com a Companhia Colonizadora, recepcionaram a segunda leva de imigrantes, cinco meses mais tarde. No dia 5 de dezembro de 1897, chegavam ` a Hansa os novos propriet´rios Wilhelm R¨sch, Heinrich Groth a o e fam´ ılia, Josef Mischka e fam´ ılia. Cinco dias depois Emil August Rosenberg tomava posse oficialmente de seu lote. Com eles chegou tamb´m L´o Eschweiler. Vinte dias depois, no dia e e primeiro de janeiro de 1898, chegavam Bruno Muller e Heinrich Harm. Um total de 787 lotes foram vendidos a europeus na Colˆnia Hansa. Os lotes eram pagos a longo prazo em peo quenas parcelas. O contrato entre a empresa colonizadora e o governo da prov´ ıncia determinava que a quantidade de imigrantes sem recursos para adquirir lotes, que viajavam com as despesas pagas pelo governo brasileiro, fosse equilibrada com a de imigrantes com dinheiro suficiente para pagar seu lote e ainda oferecer trabalho remunerado aos compatriotas. Os imigrantes que n˜o tinham recursos para saldar as d´ a ıvidas ou pagar as presta¸oes das terras, trabalhavam para a Sociedade c˜ Colonizadora ou para os compatriotas.

Aula 1

eram os ´ ındios Xokleng (ou Botocudos), tamb´m conhecidos e pela denomina¸ao de bugres. Na primeira metade do S´culo c˜ e XIX, houve um aumento da coloniza¸ao europ´ia, levando os c˜ e ´ ındios Xokleng a se fixarem pr´ximos aos limites de Santa Cao tarina e Paran´. Na disputa por terras entre os ind´ a ıgenas e os europeus emigrados, a ´rea agr´ a ıcola aumentava para os colonizadores e diminu´ para os bugres que foram ficando conıa finados e sem alimentos. Mesmo assim, a hist´ria da regi˜o o a n˜o registrou grandes conflitos entre os ind´ a ıgenas, os caboclos brasileiros e os colonizadores que, no ato da posse provis´ria o da terra, ganhavam naturalidade brasileira. Esta era uma das vantagens oferecidas pelo governo brasileiro aos imigrantes europeus espontˆneos. Poucos brasileiros moravam nesta regi˜o a a no tempo da coloniza¸ao. Na foz do rio Isabel, encontravamc˜ se os ranchos de Manoel Cipriano e de Manoel Floriano. Em Po¸o d’Anta moravam Alexandre Siqueira, Domingos Siqueira, c Jos´ Afonso Moreira, Jo˜o Cust´dio, Romualdo Leopoldino, e a o Maneco do Ros´rio e Antˆnio Felisbino. Muitos desses braa o sileiros ajudaram a transportar os primeiros imigrantes e os alimentos pelo rio Itapocu. Pouco antes da chegada dos colonizadores alem˜es, fam´ a ılias italianas estabeleceram-se nas imedia¸oes do Rio Novo e Itapocu: Domenico Minatti, David de c˜ Pauli e Francisco Bagattoli vieram de Blumenau. Logo em seguida, Antˆnio Moretti passou a residir na comunjdiade de o Po¸o d’Anta. E construiu a primeira capela em honra de Santo c Antˆnio, do qual havia trazido uma imagem da It´lia. O tero a reno foi doado, a 23 de dezembro de 1900, pela Companhia Colonizadora Hanse´tica. a

Aventureiros ou Exclu´ ıdos?

A legisla¸ao provincial estipulada a pedido do Dr. Hermann c˜ Blumenau, assinada no dia 16 de mar¸o de 1848, fixou normas c para a coloniza¸ao alem˜ em terras catarinenses. E entre elas, c˜ a estabelecia a responsabilidade das Companhias Colonizadores, em reunir, transportar, assentar e prestar assistˆncia integral e aos colonos nos primeiros dois anos da chegada `s Colˆnias. a o O Governo Imperial contribu´ por quinze anos com subs´ ıa ıdios, entregues ` empresa colonizadora, para cada um dos colonos, a independe de sexo ou idade, fixados nas colˆnias de Santa Cao tarina. Esta assistˆncia inclu´ aux´ tanto no transporte e ıa ılio entre a Europa e o Brasil quanto no desmatamento, na constru¸ao das moradias e no oferecimento de alimenta¸ao aos coc˜ c˜ lonos, at´ que eles pudessem prover-se com as pr´prias ro¸as. e o c A mesma lei proibia, em car´ter definitivo, a manuten¸ao de a c˜ m˜o-de-obra escrava nas Colˆnias. Assim, os imigrantes tia o nham, eles mesmos, que se incumbir do trabalho pesado do campo e da constru¸ao ou pagar pelo trabalho dos negros, c˜ ´ dos caboclos ou mesmo de imigrantes sem posses, que viaIndios e Caboclos jam com todas as despesas pagas pelo governo brasileiro. No s´culo XIX, a Europa vivenciava profundas transforma¸oes soe c˜ Assim como em todo o pa´ os primeiros habitantes da regi˜o cioeconˆmicas decorrentes da Revolu¸ao Industrial e a vida no ıs, a o c˜ 287

288

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

campo tornava-se invi´vel. A grande maioria da popula¸ao a c˜ europ´ia eram os exclu´ e ıdos e eram explorados pelos grandes senhores de terras. O empobrecimento da popula¸ao levou ao c˜ ˆxodo rural aumentando a urbaniza¸ao. Com a tecnologia e a e c˜ mecaniza¸ao da economia, a Europa deparou-se com um bac˜ talh˜o de desempregados fazendo com que no per´ a ıodo de 1815 a 1920 cerca de 60 milh˜es de pessoas emigrassem da Europa, o sendo desse total 10% de Alem˜es. Aproximadamente 100 a a 200 mil vieram para o Brasil em busca de melhores condi¸oes c˜ de vida. As vantagens oferecidas pelo governo brasileiro aos imigrantes eram atrativas, tendo agradado at´ pessoas de sie tua¸ao econˆmica razo´vel. Muitos camponeses venderam suas c˜ o a propriedades para custear a viagem e tentarem a vida com maiores facilidades na Am´rica. Um dos principais interesses e do governo imperial brasileiro era o de resolver o problema da ocupa¸ao de v´rias regi˜es brasileiras at´ ent˜o desabitadas. c˜ a o e a Para isso, eram enviadas ` Europa agentes que eram remunea rados de acordo com o n´ mero de emigrantes e isto despertou u tamb´m o interesse das companhias de navega¸ao ciosas de e c˜ lucro. Aliada a estes fatores, a dif´ situa¸ao financeira da ıcil c˜ Fam´ Real Brasileira leva a negociar para coloniza¸ao, as ılia c˜ terras localizadas na Prov´ ıncia de Santa Catarina. Firmando contrato com o Senador Alem˜o Christian Mathias Schoroea der em Hamburgo, dono da agˆncia comercial ”Christian M. e Schoroeder & Cia parte da sociedade fundada em 1842 chamada ”Sociedade de Prote¸ao aos Imigrantes no Sul do Brac˜ sil”que procurava regularizar a emigra¸ao espontˆnea para o c˜ a Brasil. O Governo Central aprovou, a 24 de dezembro de 1757, projeto de uma estrada para interligar S˜o Francisco do Sul a a Curitiba. Os caminhos, verdadeiras picadas abertas em meio ` a Mata Atlˆntica, delinearam o percurso da futura ferrovia S˜o a a Francisco do Sul - Rio Negro-Curitiba.

a o ` pr´pria sorte e como n˜o tinham os recursos para voltar a a ` P´tria M˜e, tomaram as providˆncias necess´rias para oferea a e a cer escola, igreja, lazer e sustento para si e para os familiares e empregados. A ajuda vinha principalmente da p´tria-m˜e, a a distante, mas presente em solidariedade.

Casa e Comida Dif´ ıcil
A condi¸oes de vida dos primeiros colonizadores era muito c˜ prec´ria. As dificuldades iam desde a adapta¸ao ao clima troa c˜ pical e ` cultura dos caboclos posseiros, ` presen¸a invis´ dos a a c ıvel bugres, at´ `s dificuldades para conseguir alimentos e mantiea mentos, visto que precisavam ser transportados de Jaragu´ a de canoa, via rio Itapocu, unico acesso ` Hansa at´ 1900. O ´ a e casal Ehrhard abriu, em 1899, a primeira casa comercial da Colˆnia. A casa comercial logo foi vendida para o comerciante o Georg Czerniewicz, de Jaragu´. E em seguida, para o comera ciante Heinrich Meyer, de Joinville. A filial era gerenciada por Leo Eschweiler. E, mais tarde, em 1907 por Otto Hillbrecht Jr., que a adquiriu e transformou em emp´rio. Tamb´m o e em l899, o casal Wilhelm e Maria Pieper fundou o Hotel Schraut, o primeiro de Corup´. Este hotel foi transformado, mais a tarde, num hospital pela ”Frauenverein”. Enquanto Pieper transferiu seu hotel para as imedia¸oes da esta¸ao ferrovi´ria. c˜ c˜ a E ainda hoje l´ funciona o Hotel Krelling. Um dos primeia ros colonizadores, em seu relat´rio, descreveu as dificuldades o iniciais. ”O que foi dif´ no primeiro ano, era conseguir aliıcil mentos. Dependia-se da turma de agrimensores quando eles, de tempos em tempos, navegavam numa canoa pelo Itapocu. T´ ınhamos que aproveitar a oportunidade e pedir que trouxes` sem as mercadorias. As vezes acontecia de a canoa virar e as mercadorias se encharcarem”. O historiador Jos´ Kormann, e no livro Hansa Humbolt ontem, hoje Corup´ , na p´gina 57, a a descreve que as primeiras casas eram constru´ ıdas com palmito. ”Os troncos roli¸os do palmito eram enterrados por uma das c extremidades para servirem de esteio. Para fazer paredes, os palmitos eram rachados em quatro ou seis partes, formando ripas. O interior do palmito, a parte mole, servia de alimento. Essas ripas eram amarradas com cip´, que tamb´m eram coro e tados em duas partes, de ponta a ponta. Na cobertura usavam caibros e ripas de palmito. A cobertura era feita de folhas de palmeira Guaricana. Isto o imigrante aprendeu de moradores locais, anteriores ao imigrante”. Conseguir fogo era dif´ era ıcil, preciso mantˆ-lo acesso. Por isso o ch˜o era de barro batido. e a

Antes da Cidade
Os primeiros europeus a passarem por terras catarinenses teriam sido o alem˜o Hans Staden, em 1547 e o tamb´m alem˜o, a e a o agricultor Johan Ferdinand, enviado pelos espanh´is com o o prop´sito de ensinar agricultura os ´ o ındios Carij´s. Este seo gundo, na verdade, teria percorrido o c´lebre caminho de Pee abiru, que se iniciava em Barra Velha e que ligava os Andes ao Oceano Atlˆntico. Os aventureiros, guiados pelos ´ a ındios, estavam interessados nos tesouros Incaicos dos Altiplanos An` e dinos. A ´poca da coloniza¸ao de Jaragu´, em 1878, tropas c˜ a de Em´ Carlos Jourdan, passaram por Corup´ com gado ılio a adquirido no Paran´. O pr´prio Jordan, em 1876, atribuiu a o nomes a acidentes geogr´ficos da cidade. Em 9 de maio de a 1879, uma expedi¸ao chefiada pelo engenheiro alem˜o Albert c˜ a Kr¨hne, partiu de S˜o Bento do Sul com a incumbˆncia de o a e tra¸ar um caminho entre S˜o Bento do Sul e Jaragu´, estabec a a lecendo assim, a liga¸ao entre Curitiba e S˜o Francisco do Sul c˜ a e explorando a regi˜o. Em 1883, o agrimensor, top´grafo, ena o genheiro mecˆnico e ca¸ador de bugres Antˆnio Ferreira Lima, a c o propriet´rio de terras em Rio Negrinho foi morto pelos ´ a ındios botocudos. Entretanto, as picadas abertas pelas expedi¸oes c˜ e pela Companhia Hanse´tica n˜o permitiam a passagem de a a carro¸as ou carros de boi. At´ mesmo animais eram raros c e na ´poca da coloniza¸ao de Corup´. Atra´ e c˜ a ıdos pelas ofertas alardeadas pelas companhias colonizadoras, os europeus atravessaram o atlˆntico em busca de uma vida digna e melhor em a sua nova p´tria. Mas ap´s chegarem sentiram-se abandonados a o

Uma Nova P´tria a
Com a chegada de novas levas de colonos, entre dezembro de 1897 a 1899, a dire¸ao da Colˆnia reservou uma canoa s´ c˜ o o para buscar mantimentos com canoeiros pr´prios. Ao mesmo o tempo, a constru¸ao da estrada para transporte com carro¸a c˜ c era intensificada. A cada nova leva de colonizadores, chegavam mais pessoas dispostas a investir e construir uma cidade confort´vel. A cidade finalmente come¸ou a se formar. Alem˜es, a c a poloneses, su´cos e Italianos s˜o os principais ascendentes euı¸ a ropeus da Corup´ de hoje. Em 1899, era fundada a primeira a escola para os filhos dos imigrantes e tamb´m come¸ava a fune c cionar o primeiro Turverein. Luiz Schr¨eder foi o n´ mero um o u e Otto Hillbrecht filho o n´ mero dois. A sociedade escolar u fundada em 17 de maio de 1899, atenderia `s crian¸as das 20 a c

´ Historia – Aula 1 fam´ ılias residentes. O professor Ernesto Globig, mais tarde nomeada intendente de Hansa, iniciou as aulas na sede da Casa do Imigrante em 1900. Em 1909, foi constru´ o pr´dio ıdo e pr´prio, em alvenaria. Em 5 de novembro de 1899 era fundada o a comunidade evang´lica de Hansa Humbold. Os primeiros cule tos eram realizados nas casas dos imigrantes. E, finalmente, no dia 16 de dezembro de 1906 foi lan¸ada a pedra fundamental c da igreja evang´lica que levou alguns anos para ser constru´ e ıda. Assim, em 1902, Heinrich Meyer fundava o terceiro neg´cio o de Hansa Humboldt. Otto L¨ffler, com um pequeno capital, o construiu a primeira cervejaria na estrada Itapocu. Na estrada Bomplandt, assim nomeada em homenagem ao amigo do naturalista alem˜o Alexander Von Humboldt (homenageado com o a nome da Colˆnia), foi instalada a primeira atafona que pero tencia a Gustav Hoffmann.Luiz Schroeder abriu o primeiro a¸ougue. At´ 1906, os cultos das confiss˜es Cat´lica e Luc e o o terana eram realizadas no edif´ da escola particular alem˜. ıcio a Em 1906, o imigrante Roberto Seidel, abre sua ”arbori”e floricultura. A localiza¸ao ´ a mesma de onde ainda hoje funciona c˜ e o Orquid´rio Catarinense. Seu filho Alvim Seidel dedica-se, a desde o ano de 1950 ao orquid´rio, que al´m de comercializar a e e cultivar, desenvolve pesquisas, j´ tendo descoberto e regisa trado mundialmente, quase uma centena de novas esp´cies de e orqu´ ıdeas e brom´lias em suas incurs˜es pela mata da regi˜o. e o a

289

Come¸ar Tudo de Novo c
No entanto, entrecortada por rios, Hansa sofreu, em 1910, a primeira grande enchente. Sociedades promoveram concertos, teatros, quermesses e recitais com o prop´sito de angariar funo dos para socorrer as fam´ ılias atingidas. Os preju´ ızos foram enormes. As rec´m-constru´ e ıdas pontes sobre os rios Humbold e Novo foram levadas pelas ´guas. Reconstru´ a ı-las exigiu, al´m e da doa¸ao de 75% do sal´rio do intendente, doa¸oes dos morac˜ a c˜ dores.Em outubro de 1917, o Brasil declarou guerra ` Alemaa nha e as rela¸oes entre os dois pa´ prejudicou francamente c˜ ıses os imigrantes em solo brasileiro. Iniciou-se o movimento nacionalista e a l´ ıngua estrangeira foi gradativa, mas efusivamente proibida em solo nacional. Os imigrantes, embora tivessem sido nacionalizados no ato da coloniza¸ao, eram brasileiros sem c˜ governo e alem˜es sem P´tria. Logo ap´s a 1a. Guerra Muna a o dial (1914-1918) o movimento de nacionaliza¸ao provocou o c˜ fechamento das escolas alem˜s. E fundada, ent˜o a primeira a ´ a escola p´ blica e brasileira. A vida cultural voltou a mover as u sociedades de atiradores, a gin´stica, a m´ sica do Jazz Elite, a u corais e grupos teatrais. As sociedades das senhoras, bem como a produ¸ao e comercializa¸ao dos produtos locais estavam em c˜ c˜ alta. Enfim, a tranq¨ ilidade voltou a reinar e o progresso u acompanhava o crescimento do distrito. Em fins de 1931, foi conclu´ a Escola Apost´lica Semin´rio Sagrado Cora¸ao de ıda o a c˜ Jesus. Entretanto, os imigrantes alem˜es naturalizados braa sileiros, ainda sofreram com nova investida do movimento de nacionaliza¸ao, em 1943, durante a 2a. Guerra Mundial. Al´m c˜ e da mudan¸a do nome do ent˜o Distrito Hansa Humbold para c a Corup´, muitos de seus moradores, que constru´ a ıram com as pr´prias m˜os e dinheiro a cidade, foram perseguidos como o a se fossem inimigos da na¸ao brasileira. Alguns tiveram que c˜ mudar o pr´prio nome. Escolas, sociedades e igrejas foram feo chadas e tudo o que fosse considerado alem˜o foi confiscado. a A emancipa¸ao pol´ c˜ ıtica de Corup´ se deu pela Lei 348, de 21 a de julho, de 1958. A instala¸ao no novo munic´ c˜ ıpio foi no dia 25 de julho de 1958. Conforme dados do censo de1950, Corup´ a contava com 1592 habitantes (761 homens e 831 mulheres).

Autonomia Administrativa
Em 1908, Hansa foi elevada ` categoria de distrito de Joina ville e ´ nomeado seu intendente, Ernst Rucker. Somente em e 1910 teve in´ a ilumina¸ao p´ blica ` querosene .Os lampi˜es ıcio c˜ u a o pendurados em postes de madeira, eram acesos ao anoitecer e apagados `s 22 horas diariamente por Christian Hunold. Num a sal˜o de sua propriedade funcionou, tamb´m, a primeira esa e cola. A primeira professora foi J´ lia Fernandes. Neste per´ u ıodo um primeiro susto acometeu a comunidade de Hansa. A administra¸ao central de Joinville recomendava que toda a corresc˜ pondˆncia fosse escrita em Portuguˆs e al´m de ser habitada e e e praticamente s´ por alem˜es, Hansa n˜o tinha escola em Poro a a tuguˆs que possibilitasse aos imigrantes ou mesmo a seus filhos, e aprenderem a L´ ıngua Nacional. O primeiro trem chegou em julho de 19l0, vindo de S˜o Francisco do Sul. Com o trem a chegou a esperan¸a de um progresso mais r´pido. Mas al´m c a e de facilitar o transporte de toda sorte de produtos, desde alimentos a produtos para comercializa¸ao, o trem trazia e levava c˜ pessoas. A ferrovia chegou a Rio Negrinho somente em 1913. E foi seguindo o trem que muitos moradores deixaram Hansa. Alguns foram trabalhar na constru¸ao da ferrovia e outros sec˜ guiram para o planalto onde era mais f´cil arrumar trabalho. a H´ cem anos, Hansa Humbold experimentava um crescimento a surpreendente. No Distrito havia v´rias ind´ strias, serrarias, a u olarias, moinhos e atafonas, ferrarias, f´bricas de carro¸as, bara c ris, tamancos, chicotes, la¸os, canoas, charutos e cigarilhas, c instrumentos musicais, pinc´is e escovas, m´veis e refrigerane o tes; cervejarias, selarias, funilarias, construtores (pedreiros), queijarias, alfaitarias, tecelagens e dezenas de pequenos comerciantes de produtos artesanais e aliment´ ıcios, bem como engenhos de arroz atendiam as necessidades dos habitantes e rendiam boas somas na comercializa¸ao com outras localidac˜ des. Aumentava consideravelmente n´ meros de sociedades e u ligas formadas pelos moradores com o intuito de promover a educa¸ao, a cultura, o lazer e assistˆncia aos habitantes. c˜ e

Os Dias Atuais
A economia est´ baseada na agricultura e pecu´ria, explorada a a por minif´ ndios. Corup´ ocupa o 94o lugar na arrecada¸ao u a c˜ de ICM do Estado e 25o em qualidade de vida. A agricultura baseia-se principalmente na produ¸ao de banana, arroz, milho, c˜ mandioca, fumo e olericultura (hortali¸as). Corup´ ´ o maior c ae produtor de bananas do Estado. Possui cerca de 68 ind´ strias u de pequeno e m´dio porte, destacando-se as de vestu´rio, mee a talurgia, artefatos de madeira e m´veis. A cidade, que j´ poso a suiu uma esp´cie de Spa na d´cada de trinta, se prepara para e e liderar o roteiro tur´ ıstico da regi˜o. As belas paisagens, a a rota das cachoeiras, o clima tranq¨ ilo de cidade interiorana e u tranq¨ ila, grutas, orqu´ u ıdeas, vit´ria r´gia gigante e as conso e tru¸oes do in´ do s´culo passado e os jardins cuidados com c˜ ıcio e carinho e esmero pelos habitantes, s˜o algumas das atra¸˜es a co tur´ ısticas de Corup´. a

Bibliografia
[1] Veja na internet www.jornaldaeducacao.inf.br/jornal162/imp.htm

290

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Lista de Tabelas
F´ ISICA Mecˆnica – Aula 1 a 1 A) 1 N = 1 kg · 1 m/1 s2 1 B) n = 2 e p = 4 2 D) 3 D) 4 C) 5 A) 3, 600 km , B) 21, 600 km , C) 3 × 10−5 , D) 0, 5780 km , E) 27, 600 km , F) 5, 800 × 10−3 km 6 B) 7 A) 5, 70000 × 105 , B) 1, 2500 × 105 , C) 5, 0000000 × 107 , D) 1, 2 × 10−6 , E) 3, 2 × 10−2 , F) 7, 2 × 10−1 , G) 8, 2 × 104 , H) 6, 40 × 107 , I) 9, 150 × 100 , J) 2, 00 × 10−3 , K) 5 × 101 , L) 2, 5 × 10−7 Mecˆnica – Aula 2 a 1 A) 6,5 cm , B) 1,8 cm , C) 3,7 cm , D) 4,3 mm , E) 51,2 mm , F) 42,3 mm 2 E) 3 D) 4 C) 5 A)

Mecˆnica – Aula 3 a 1 B) 130 m 2 100 N 7 940 km/h Mecˆnica – Aula 4 a 1 B) 2 E) 3 A) 4 B) 5 C) 6 B) √ 3 vx = vy = 200 2 m/s 4 7, 0 N , 38, 2◦ c/ a horiz. 5 6, 0 m/s 6 vx = 120 m/s e vy = 160 m/s

Mecˆnica – Aula 5 a 1 A) 1, 0 m/s2 , B) TAB = 3, 0 N e TBC = 11 N C) 16 N 5 3 m/s2 e 78 N 6 A) 7 C) Mecˆnica – Aula 6 a 1 D) 2 E) 3 C) 4 A) 5 vf = 17, 85 m/s 6 Fmed = 950 N 7 A) 580 J , B) 72, 5 W 2 A) 3 A) 1, 0 m/s2 , B) 4, 5 N 4 A) 2, 0 m/s2 , B) 12 N ,

Mecˆnica – Aula 7 a 1 A) Energia potencial el´stica. , B) Energia potencial gravitacional. , C) Sim, ele possui energia potencial a ´ gravitacional. 2 A) E dissipada pela for¸a viscosa (atrito) do ar e vira calor e energia cin´tica. , B) N˜o. c e a Como a for¸a resultante sobre ele ´ nula, n˜o h´ trabalho realizado sobre ele. c e a a 3 B) 4 E) 5 B) 6 A) Ep = 5, 0 J , B) vmax. = 10 m/s 7 ) W = 25 J 8 A) 150 J , B) 90 J Mecˆnica – Aula 8 a 3 B) 4 C) 5 E) 6 A) 7 A) k = 50 N/m , B) Wext = 4, 0 J F = 40 N 8 A) WP = −150 J , B) ∆Ep = +150 J 9 ) 0, 30 m Mecˆnica – Aula 9 a 1 B) 2 A) 1, 0 N , B) 3, 0 N 3 A) 4 C) 5 C) 6 B) , C) Wmola = −4, 0 J , D) Wext = 16, 0 J , E)

Mecˆnica – Aula 10 a 1 V V F V F 2 FVFFF 3 A) N˜o, pois sua velocidade ´ constante. a e ) 1, 0 × 103 kg · m/s 6 C) 7 ) Fmed = 14 N Mecˆnica – Aula 11 a 291 ´ , B) E nulo. , C) Zero. 4 ) 200 N · s 5

292

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

√ √ 1 0, 700 kg · m/s a 135◦ com a dire¸˜o inicial da bola. 2 A) I = −m 2gh , B) ∆Q = −m 2gh , C) S˜o iguais, ca a pois I = ∆Q 3 A) Sendo m = 500 g e hi = 1, 25 m temos I = −2, 5 N · s , B) Sendo m = 500 g e hf = 0, 80 m temos I = −2, 0 N · s Mecˆnica – Aula 12 a 1 0, 133 m/s 2 4, 0 m/s num sistema isolado. Mecˆnica – Aula 13 a 1 A) 2 A) vn = −v0 /3 e vd = 2v0 /3 , B) vn = vf = v0 /3. N˜o, pois a energia cin´tica n˜o ´ mais conservada. a e a e 3 vb = 1, 6 m/s, invertendo o seu sentido. 4 v1 = 3, 0 m/s e v2 = 8, 0 m/s, respectivamente. 5 A) 45◦ com a horizontal. , B) v0 = 20 m/s , C) I = 10 kg · m/s 6 C) Mecˆnica – Aula 14 a 1 B) 2 A) 3 A) Ambas as for¸as tem mesma intensidade pois s˜o do tipo a¸˜o-rea¸˜o. , B) Porque a m˜o c a ca ca a est´ protegida pela luva. 4 A) 20.000 N , B) O caminh˜o. , C) No autom´vel. 5 4, 0 m/s2 6 O remo a a o empurra a ´gua para tr´s, sofrendo uma rea¸˜o para frente, que ´ ransmitida ao barco. 7 A) 2, 0 m/s2 , B) a a ca e 10 N 8 C) Mecˆnica – Aula 15 a 1 B) 2 c) 3 B) 4 A) 5 A) 6 C) 3 0, 67 m/s 4 3, 75 m/s 5 70 kg 6 D) 7 ) 60 s , ) Conserva¸˜o do momento linear ca

Gravita¸˜o – Aula 1 ca 2 E) 3 B) 4 E) 5 C) 6 C) 7 C)

Gravita¸˜o – Aula 2 ca 1 B) 2 E) 3 A) 4 A) 5 E) 6 D) 7 D)

Gravita¸˜o – Aula 3 ca 1 A) 39, 2 N , B) 6, 4 N 2 N˜o. A balan¸a de farm´cia compara massas e portanto mede a massa do indiv´ a c a ıduo. 3 A) 4 D) 5 c) 6 A) Sim. , B) P = (1 kg) ∗ G , C) A mesma (1 kg) 7 4, 0 kg Gravita¸˜o – Aula 4 ca √ 1 TA C = 50 3 N e TB C = 50 N 2 B) 4 kg 3 FA = 300 N e FB = 100 N −3, 6 N · m, 0 e 4 N · m 6 A) 0 N , B) 48 N · m , C) 24 N · m ´ Otica – Aula 1 1 9, 46 × 1015 m ´ Otica – Aula 2 1 B) p′ = 3/2 m e i = 2, 5 cm 2 A) p = 12 cm 5 B) 6 A) 35 cm do espelho. , B) 210 cm ´ Otica – Aula 3 1 n = 1, 25 2 n = 2 3 A) na /nv = 8/9 , B) vv /va = 8/9 , C) O ´ ındice de refra¸˜o de um meio ´ inversamente ca e proporcional ` velocidade da luz no meio. 4 n = 1, 732 5 n = 1, 58 6 A) O meio A. Ao passar de B para A o a feixe se aproxima da normal. , B) No meio B, pois ´ menos refringente que o A. e ´ Otica – Aula 4 1 p′ = −15 cm, imagem direta e menor. 2 A) Imagem real, invertida e maior. , B) p′ = 120 cm e i = 4 cm 3 5X 4 A) p′ = 10 cm, do mesmo lado do objeto. , B) Imagem virtual, direta e maior. 5 A) f = −20 cm , B) Divergente. 6 A) Divergente. , B) 5 di , B) 0, 6 cm 3 A) 26, 7 cm , B) 80 cm 4 A) −30 cm , B) −60 cm 2 H = 90m 3 D = 30cm 4 i = 55◦ 5 x = 2d + D

4 Ny = 1833, 3 N e Nx = 1166, 7 N

5

´ Historia – Aula 1 ´ Otica – Aula 5 1 20 cm 2 A: +2 di (convergente) e B: −2 di (divergente) 3 +1 di 4 A) Divergente. , B) −5 di

293

Fluidos – Aula 1 1 1 g/cm3, 103 kg/m3, 1 kg/l 2 11, 2 kg 3 A) 0, 3 g/cm3 , B) 1, 1 g/cm3 4 1, 05 × 104 P a, 0, 1 atm 5 A) Porque a ´rea de contato do pneu de bicicleta com o ch˜o ´ muito pequena, a press˜o deve ser grande. , B) a a e a ptotal ≈ 2, 75 atm , C) A manom´trica, pois mede a diferen¸a de press˜o entre o interior e o exterior do pneu. e c a Fluidos – Aula 2 1 B) 2 A) 3, 0 × 104 P a , B) 1, 5 × 105 P a , C) 8, 0 × 103 P a 3 1, 01 × 105 P a ou 1 atm ou 760 mmHg maior. , B) No menor. , C) 50 N 5 12, 8 cm 6 8% 7 16 N Cinem´tica – Aula 1 a 1 C) 2 B) 3 B) 4 D) 5 E) 6 B) 4 A) No

Cinem´tica – Aula 2 a 1 D) 2 D) 3 E) 4 C) 5 D) 6 E)

Cinem´tica – Aula 3 a 1 A) 2 D) 3 B) 4 A) 5 B) 6 C)

Cinem´tica – Aula 4 a 1 A) 2 D) 3 E) 4 B) 5 B) 6 C)

Cinem´tica – Aula 5 a 1 C) 2 C) 3 C) 4 E) 5 B) 6 C)

Ondas – Aula 1 2 C) 3 E) 4 θ ≈ 23◦ 5 D) 6 L9 /L1 6 = (16/9)2 7 25, 3 cm

Ondas – Aula 2 1 C) 2 E) 3 C) 4 C) 5 E) 6 A) 7 D)

Ondas – Aula 3 1 E) 2 C) 3 D) 4 B) 5 D) 6 A)

Ondas – Aula 4 1 E) 2 C) 3 B) 4 C) 5 B) 6 D)

Ondas – Aula 5 1 A) 30 m/s , B) Se aproxima, pois a frq¨ˆncia aumenta. , C) Diminui 10%. 2 B) 3 A) Afastando-se do ue apito em alta velocidade, o seu som poderia ser ouvido. , B) vaf ast. = (4/5)vsom 4 C) 5 A) 6 D) Termodinˆmica – Aula 1 a 1 B) 2 A) 3 D) 4 D) 5 B) 6 E)

Termodinˆmica – Aula 2 a 1 A) 2 A) 3 E) 4 C) 5 A) 6 E)

Termodinˆmica – Aula 3 a 1 D) 2 A) 3 C) 4 D) 5 C) 6 D)

294

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Termodinˆmica – Aula 4 a 1 B) 2 A) 3 E) 4 D) 5 A) 6 A)

Termodinˆmica – Aula 5 a 1 C) 2 B) 3 A) 4 B) 5 A) 6 E)

Termodinˆmica – Aula 6 a 1 E) 2 B) 3 A) 4 D) 5 B) 6 B)

Termodinˆmica – Aula 7 a 1 D) 2 E) 3 A) 4 C) , E) 90 g 5 D) 6 C)

Termodinˆmica – Aula 8 a 1 A) 2 B) 3 C) 4 B) 5 E) 6 D)

Termodinˆmica – Aula 9 a 1 D) 2 A) 3 A) 4 B) 5 D) 6 C)

Termodinˆmica – Aula 10 a 1 D) 2 A) 3 E) 4 C) 5 A) 6 B)

Termodinˆmica – Aula 11 a 1 E) 2 A) No intervalo de t1 at´ t2 . e , B) No intervalo de t3 at´ t4 . e , C) 10, 2 kcal 3 C)

Eletricidade – Aula 1 1 qA = Q/2, qB = qC = Q/4 2 A) L˜ (-), vidro (+) , B) L˜ (+), cobre (-) 3 D) 4 A) Enconstar as trˆs esferas a a e simultaneamente e afast´-las. , A) Enconsta-se B e C, aproxima-se A de B, afasta-se C. , A) Imposs´ a ıvel. 5 D) 6 C) 7 A) Eletricidade – Aula 2 1 Diminui para F/16 2 F ′ = 3F/4 3 A) Empurra os el´trons do eletrosc´pio para as extremidades (hastes), e o afastando-as. , B) Parte da carga do corpo passa para o eletrosc´pio, afastando suas hastes. 4 2, 0 × 10−7 C o 5 ) c) 6 D) Eletricidade – Aula 3 1 A) +7, 5 × 10−2 N , B) Para a direita, no sentido da for¸a el´trica. 1 C) −7, 5 × 10−2 N , para a esquerda. c e 2 A) 0, 144 N , B) 28, 9 kN/C 3 A) 2 × 103 m/s2 , B) 16.000 m/s 4 A) 4, 44 × 10−10 C , B) 44, 4 N/C 5 4, 9 mC 6 −0, 05 C Eletricidade – Aula 4 1 8 × 10−7 V 2 A) V = 0 , B) E = 9, 0 × 105 N/C, da carga positiva para a negativa. , C) Que a soma de grandezas escalares e vetoriais ´ diferente. e 3 A) 1 kV , B) −1 kV 4 A) 1, 0 × 10−7 C , B) 900 V /m 5 5, 4 × 105 V , se a carga negativa e o v´rtice A, pertencerem ao mesmo lado, sen˜o, 2, 22 × 106 V . 6 W = −45 mJ, e a negativo porque as cargas se repelem, e a for¸a esterna deve ser contr´ria ao deslocamento. c a Eletricidade – Aula 5 1 2, 3 × 10−13 J 2 −0, 9 J 3 A) 1, 0 nC , B) −30 V carga positiva, e portanto, maior potencial el´trico. e Eletricidade – Aula 6 1 V V F V V 2 V V V F V 3 A) V = 180 V e E = 0 , B) V = 108 V e E = 216 V /m 4 A) qA = 3Q/4 e qB = 9Q/4 , B) VA = VB = 3kQ/4R 5 A) qA = 1, 0 µC e qB = 2, 0 µC , B) VA = VB = 9, 0 kV , C) De B para A, pois no in´ ıcio , C) 10 µJ 5 E) 6 C) 4 A) V = mgd/q , B) A inferior deve ter

´ Historia – Aula 1 a esfera B tinha excesso de el´trons. 6 A) 6, 25 × 1012 e que a esfera A. 7 A) 6, 4 × 108 V , B) 4, 55 × 105 C Eletricidade – Aula 7 1 A) V1 = 2 kV , V2 = 4 kV e V3 = −4 kV atingir a segunda placa. 5 E) 6 B) Eletricidade – Aula 8 1 R$ 3,47 2 12, 5 µF 3 17, 1 µF 4 810 J 5 V1 = V2 = 20 V e Q2 = 6, 0 × 10−5 C 6 50 V 7 B) 2 ) C/2 3 56, 5 kV /m 7 1, 8 × 10−4 C

295 , B) A esfera A, pois a esfera B tem mais el´trons do e

4 A part´ ıcula n˜o tem energia suficiente para a

Eletricidade – Aula 9 1 C) 2 D) 3 A) 4 C) 5 E) , E) R = 6 Ω 6 D)

Eletricidade – Aula 10 1 D) 2 C) 3 B) 4 A) 5 C) 6 C) 7 E)

Eletricidade – Aula 11 1 C) 2 B) 3 D) 4 A) R2 = {101, 8 Ω, 0, 2 Ω} , B) P2 = {101, 7 W, 4, 1 W }

Eletricidade – Aula 12 1 D) 2 C) QU´ IMICA

Qu´ ımica – Aula 1 1 FV FV V V Qu´ ımica – Aula 2 5 B) Qu´ ımica – Aula 3 Qu´ ımica – Aula 4 Qu´ ımica – Aula 5 Qu´ ımica – Aula 6 Qu´ ımica – Aula 7 Qu´ ımica – Aula 8 Qu´ ımica – Aula 9 Qu´ ımica B – Aula 1 1 C) 2 QQQF F F 3 B) 4 C) 5 E) 6 B)

Qu´ ımica B – Aula 2 1 VVVVVV 2 A) 3 E) 4 B) 5 D) 6 C)

Qu´ ımica B – Aula 3 1 C) 2 FFV V F 3 B) 4 E) 5 C) 6 E)

296

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Qu´ ımica B – Aula 4 1 C) 3 C) 4 B) 5 B)

Qu´ ımica B – Aula 5 1 61 2 C) 3 E) 4 D) 5 E) 6 E)

Qu´ ımica B – Aula 6 1 D) 2 C) 3 D) 4 E) 5 C) 6 E)

Qu´ ımica B – Aula 7 1 C) 2 E) 3 A) 4 C) 5 C) 6 E)

Qu´ ımica B – Aula 8 1 E) 2 E) 3 D) 4 B) 5 D) 6 B)

Qu´ ımica B – Aula 9 1 E) 2 B) 3 E) 5 C) 6 E) 7 C)

Qu´ ımica B – Aula 10 1 D) 2 B) 3 E) 5 A) 6 B)

Qu´ ımica B – Aula 11 3 E) 5 D) 6 D) 7 E) 8 B)

Qu´ ımica B – Aula 12 2 21 Qu´ ımica Orgˆnica – Aula 1 a Qu´ ımica Orgˆnica B – Aula 2 a ´ MATEMATICA Matem´tica A – Aula 1 a Matem´tica A – Aula 2 a Matem´tica A – Aula 3 a Matem´tica A – Aula 4 a Matem´tica A – Aula 5 a Matem´tica A – Aula 6 a Matem´tica A – Aula 7 a 1 D) 2 E) 3 C) 4 D) 5 E) 6 C)

Matem´tica A – Aula 8 a 1 A) 2 B) 3 C) 4 D) 5 B) 6 A) y = 2x , B) 9/8 7 B)

´ Historia – Aula 1 Matem´tica A – Aula 9 a Matem´tica A – Aula 10 a Matem´tica B – Aula 1 a Matem´tica B – Aula 2 a Matem´tica B – Aula 3 a Matem´tica B – Aula 4 a Matem´tica B – Aula 5 a Matem´tica B – Aula 6 a Matem´tica B – Aula 7 a Matem´tica C – Aula 1 a Matem´tica C – Aula 2 a Matem´tica C – Aula 3 a Matem´tica C – Aula 4 a Matem´tica C – Aula 5 a Matem´tica C – Aula 6 a Matem´tica C – Aula 7 a Matem´tica C – Aula 8 a Matem´tica C – Aula 9 a Matem´tica C – Aula 10 a Matem´tica C – Aula 11 a Matem´tica C – Aula 12 a Matem´tica C – Aula 13 a Matem´tica C – Aula 14 a Matem´tica C – Aula 15 a Matem´tica C – Aula 16 a

297

298

Apostila Preparat´ria para o Vestibular Vocacionado UDESC o

http://www.mundofisico.joinville.udesc.br

Matem´tica C – Aula 17 a Matem´tica C – Aula 18 a Matem´tica C – Aula 19 a Matem´tica C – Aula 20 a L´ INGUA PORTUGUESA L´ ıngua Portuguesa – 01 1 C) 2 B) 3 D) 4 E) 5 A) 6 D)

L´ ıngua Portuguesa – 02 1 A) secret´ria a , D) partir´ a , F) al´m e , G) vˆo o , H) f´rceps o , I) ´lbuns – fam´ a ılia 2 C) 3 hist´ria, Pal´cio, P´tio, conseq¨ˆncia, trˆs, in´ teis, s´. o a a ue e u o 4 A) 5 polˆmica, c´ pula, preparat´rias, Ap´s, e u o o ultima, C´ pula, j´, signat´rias, soci´logo, comitˆ, Solid´ria, cr´ ´ u a a o e a ıtica, dinamarquˆs, N´s, At´, c´ pula, d´ vidas, e o e u u equil´ ıbrio, macro-econˆmico, desequil´ o ıbrios. L´ ıngua Portuguesa – 03 1 C) 2 C) 3 E) 4 B) 5 E) 6 E) 7 E)

L´ ıngua Portuguesa – 04 1 B) 2 E) 3 A) 4 D)

L´ ıngua Portuguesa – 05 1 A) se arrepiava , B) se ouvia , C) lhe vinha , D) lembrou-se , E) lhe importava , F) escutou-se , G) Levanta-se , H) se vendem , I) me levaram , J) se babando 2 C) 3 43 (01,02,08,32) 4 C) 5 E) 6 C) L´ ıngua Portuguesa – 06 1 A) ` janela a , C) ` disciplina a 2 C) 3 C) ` ` 4 A,A,A,A,A,A 5 E) 6 A)

L´ ıngua Portuguesa – 07 1 E) 2 E) 3 B) 4 C) 5 A) 6 D)

L´ ıngua Portuguesa – 08 1 A) 2 A) 3 D) 4 E) 5 A) discri¸˜o ca tachado 6 A) anti , B) anti , C) ante ´ mau , C) mal HISTORIA Hist´ria – Aula 1 o , B) retificar , C) vultosa , D) eminente , E) infringisse 7 F CBADE 8 A) a , B) H´ , C) H´ , D) a 9 A) Mal a a , G) , B)

Referˆncias Bibliogr´ficas e a
´ [1] LVARENGA, Beatriz e MAXIMO, Antˆnio. F´ o ısica. vo- [22] ARCONDES, Carlos Alberto. Matem´tica, Volume unico, a ´ ´ lume unico, S˜o Paulo: Editora: Scipione. ´ a S˜o Paulo: Editora Atica, 2003. a [2] ONGIOVANNI, Vicenzo; LEITE, Ol´ ımpio Rudinin Vis- [23] ANTOS, Carlos A. M.; GENTIL, Nelson; GRECO, S´rgio e ´ soto; LAUREANO, Jos´ Luiz Tavares. Matem´tica e e a E. Matem´tica. Volume Unico. 7a edi¸ao. S˜o Paulo: a c˜ a ´ ´ Vida. Volume unico, S˜o Paulo: Editora Atica, 1990. ´ a Atica, 2003. [3] ONJORNO, Jos´ Roberto. Matem´tica Fundamental, vo- [24] ETO, ANTAR. Matem´tica B´sica. Volume unico, S˜o e a a a ´ a lume unico, S˜o Paulo: Editora FTD, 1994 ´ a Paulo: Editora Atual, 1984. ˜ [4] ARRON, Wilson e GUIMARAES, Osvaldo. F´sica. vo- [25] LIVEIRA, Antˆnio Narmo; SILVA, Agostinho. Biblioteca ı o lume unico, S˜o Paulo: Editora Moderna, 1999. ´ a da Matem´tica Moderna. Tomo III, S˜o Paulo: Impress˜o a a a e encaderna¸ao da comp. Melhoramentos de S˜o Paulo, c˜ a o [5] on Bosco, Apostila. F´ ısica. 3 ano, Curitiba: Editora Don 1970. Bosco, 2004. ´ [26] ARANA, DJALMA NUNES DA SILVA. F´sica. volume ı [6] ELTRE, Ricardo. Qu´mica. Volume unico, S˜o Paulo: ı ´ a ´ unico, S˜o Paulo: Editora Atica, 2002. ´ a Editora Moderna, 2003. [27] ovoamento-Imigra¸ao Coloniza¸ao.Edi¸ao do Autor, c˜ c˜ c˜ [7] ERRARO, Nicolau Gilberto; PENTEADO, Paulo C´sar; e Joinville-SC, 1983. Hist´ria de Santa Catarina, 1o o SOARES, Paulo Toledo; TORRES, Carlos Magno. F´sica. ı Volume, Grafipar, 1970. Volume unico, S˜o Paulo: Editora Moderna, 2001. ´ a [28] AMPAIO, Jos´ Luiz e CALCADA, Caio S´rgio. Universo e ¸ e ´ [8] ASPAR, Alberto. F´sica. vol. 1, Editora Atica, S˜o Paulo: ı a da F´ ısica, v. 1. S˜o Paulo: Atual, 2001, p. 483-484. a ´ Editora Atica, 2000. MARCONDES DOS, [9] IOVANNI, Jos´ R. ; Bonjorno, Jos´ R. ; Giovanni Jr., Jos´ [29] ANTOS, CARLOS ALBERTO ´ e e e GENTIL, NELSON e GRECO, SERGIO EM´ ILIO. Ma◦ ´ R. Matem´tica Fundamental.2 Grau. Volume Unico. S˜o a a tem´tica para o Ensino M´dio. Volume unico, S˜o Paulo: a e ´ a P