CORPO NACIONAL DE ESCUTAS AGRUPAMENTO 554 - OLHÃO

COASTWATCH Europe 20 anos a olhar pelo litoral

Relatório Realizada em Olhão – Ilha da Armona NUT 151 BLOCO 94 Olhão, 28 de Março de 2010

No dia 28 de Março de 2010, o Grupo Explorador do Corpo Nacional de Escutas –Agrupamento 554 de Olhão (11 raparigas e 8 rapazes com idades compreendidas entre os 10 e os 13 anos), acompanhados pelos dirigentes (Chefes) Ana Paula Glória, Telma Fernandes e José Glória, deslocaram-se há Ilha da Armona para participar na 20ª Campanha Coastwatch Europe “20 anos a olhar pelo litoral”, iniciativa da GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território Ambiente, coordenada no concelho de Olhão pela Dr.ª Ana Paula Martins do Parque Natural da Ria Formosa. Preparação do trabalho / formação No dia 27 de Março, o grupo reuniu na sede do seu Agrupamento para acertar todos os pormenores desta participação. Pese embora o facto de o grupo já participar pela 3 vez nesta actividade, alguns elementos iriam sair para o terreno pela primeira vez, por isso foi feita uma explicação detalhada sobre o seu funcionamento e qual o seu objectivo principal. Neste sentido os responsáveis pelo grupo sentiram igualmente necessidade de proceder a algumas explicações sobre o local e sua localização no contexto das ilhas barreira, sobre alguns elementos da fauna e flora existentes bem como os procedimentos a ter para a recolha de informação necessária à realização do trabalho. Realização do trabalho de campo Todo o grupo compareceu pelas 08.00 horas do dia 28 de Março no Cais “T” em Olhão, a fim de podermos ser transportados pelas carreiras de transporte fluvial de passageiros para a Ilha da Armona. De acordo com o combinado no dia anterior o grupo de forma a dar resposta ao cumprimento de toda a área definida neste troço, dividiu-se em 3, tendo cada subgrupo a responsabilidade de realizar 3 unidades de 500 metros deste troço. Foi com alegria e de forma muito descontraída que o grupo entrou em mais esta campanha do Coastwatch Europe.

A observação dos vários percursos permitiu-nos olhar para a ilha de outra forma, principalmente com uma visão mais crítica sobre alguns aspectos negativos que ferem as condições naturais deste espaço maravilhoso. Embora grande parte já conhecesse a ilha, poucos eram aqueles que já alguma vez se tinham debruçado sobre alguns dados observados e que directa ou indirectamente afectam o ambiente da ilha.

Edificações junto à linha e maré

Depósito de entulho das obras efectuadas nas edificações

Restos de materiais depositados nas dunas

Pneu com entulho a servir de barreira às casas

Embarcações abandonadas

O Grupo voltou a concentrar-se para o almoço partilhado, como é hábito nas actividades escutistas, tendo aproveitado para fazer o balanço das unidades já percorridas, conviver e efectuar algumas brincadeiras na areia da praia. Depois de algum tempo de descanso todo o grupo se juntou para terminar a unidade 10 que dava por finalizado este troço (Nut 151 Bloco 94).

Conclusões
“Gostei muito de ter participado nesta actividade. Na escola já tínhamos falado de alguns destes problemas ambientais, mas agora pude observar que os homens prejudicam muito o ambiente, jogam todo o tipo de lixo para o chão e não respeitam as outras pessoas.” “A Ilha da Armona é muito bonita, mas é preciso termos cuidado com a maneira como a tratamos. As pessoas não devem construir mais casas, pois a água do mar já chega perto de algumas delas.”

Material das artes de pesca

Utensílios domésticos

Vest uário, na zona Supratidal Muge morto na zona Inertidal

Murraça com muito lixo, zona Supratidal

Tronco de madeira, zona intertidal

A análise deste troço foi muito interessante devido às diferenças existentes entre as unidades observadas, praia afastada das edificações, praia junto às edificações e sapal. Na zona intertidal eles puderam observar conchas, caranguejos, aves, etc… existe algum lixo misturado com as algas, mas nada que se compare à zona supratidal, onde as marés vivas transportam lixo que fica ali depositado por largos períodos de tempo, sem que os utentes destes espaços balneares muitas vezes se apercebam desta realidade. Estando considerada esta ilha como um dos locais mais apetecíveis para se passar umas belas férias, é necessário para que assim continue, que as Autoridades se insurjam relativamente a algumas situações abusivas, nomeadamente depósito de alguns objectos de grande dimensão, barcos, mobiliário, equipamentos eléctricos, veículos, etc… Igualmente é necessário parar a construção e disciplinar as obras que se vão fazendo um pouco por toda a ilha, pois se em alguns pontos da ilha

está a haver acumulação de sedimentos (assoreamento) noutros verificase o contrário, o que coloca em perigo as edificações devido à existência de um cordão dunar pouco desenvolvido que é susceptível de galgamento do mar.