Barroco – Século XVII 1.

Contexto Histórico • Reforma Protestante / Contra-reforma • Revolução comercial – enriquecimento da burguesia • Unificação da Península Ibérica • Portugal – cresce a influência dos Jesuítas • Decadência da lavoura de cana-de-açucar no Nordeste Brasileiro • Ciclo do ouro em Minas Gerias 2. Características • Conflito religioso e filosófico: teocentrismo X antropocentrismo • Pessimismo: expressa sofrimento e tristeza • Choque de concepções: Bem X Mal, Céu X Inferno, Alma X Corpo, etc. • Preocupação com o transitório e com o efêmero • Rebuscamento da linguagem – elitização • Uso exagerado de figuras de linguagem • Tentativa de conciliação entre o racional e o religioso • Locus Horrendus: atração pelo espetáculo trágico • religiosidade: tensa, exacerbada e conflituosa (auto-flagelação) • Alguns críticos: “arte do mau gosto” • Barróquia: região indiana que produzia um tipo de pérola, de superfície áspera que apresentava “manchas escuras”. 3. Cultismo (Gongorismo: autor espanhol Luís de Gôngora) • rebuscamento da forma, vocabulário precioso • imitação da sintaxe do latim clássico e neologismos • constante uso de figuras de linguagem e stilo Metáforas, hipérbatos, hipérbole, ant´teses e paradoxos Perífrase: substituição de uma palavra por uma série de outras para evitar a monotonia de expressões gastas Anáfora: repetição de palavras no início do verso ou frase Anadiplose: é a reiteração do termo final de um verso ou oração no verso subseqüente “Ofendi-vos, meu Deus, é verdade, É verdade, Senhor, que hei delinqüido, Delinqüido vos tenho, e ofendido Ofendido vos te minha maldade.” Paronomásia: emprego de vocábulos semelhentes na grafia e na pronúncia, mas opostos ou aparentados no sentido. “Ah! pregadores!Os de cá achar-vos-ei com mais paço, Os de lá, com mais passos.” 4. Conceptismo (Quevedismo: poeta espanhol Quevedo) • jogo de idéias, busca de conceitos • concisão e ordem; inteligência, lógica e raciocínio • Silogismo: dedução formal, tal que, postas duas proposições(premissas) delas se tira uma conclusão • Sofisma: argumento que parte de premissas verdadeiras e chega a uma conclusão inadmissível. É um raciocínio falso com a intenção de enganar. Organização: Professor Gilmar ramos de Souza