You are on page 1of 12
A Pele — Kstrutura, Fisiologia e Capitulo 1 Embriologia Celso Tavares Sodré, A pele do homem, que comesponde a 15% de seu: peso cor- poral, 6 um érgio que reveste¢ delimita © orgenismo, protegen- do-o ¢ interagindo com 0 meio exterior. Pela sua resistencia e flexibilidade, determina a sua plasticidade. Caractersticamente dindmica, « pele apresenta alteragSes constantes, sendo dotaca de grande capacidade renovadora e de reparagio, ede certo grau de impermeabilidade. Tem como fungdo maior € vital conser- vvagio da homeostasia (termorregulacao, controle hemodindimi- co € fabrico ¢ exeregio de metabslites). Desempenha, ainda, fungao sensorial, através dos elementos do sistema nervoso si- tuado na derme, ¢ funcdo de defesa contra agressdes fisicas, uimicas e bioldgicas, para a qual se destacam, pela sua impor {ncia, a cerainizacZo, o mam Tipidico e o seu sistema imuno- l6gico. Embora partcipe de forma absolutamente interativa e interdependente do sistema como um todo, no raras vezes ms- nifestando altoragBes de érgios intemes, por motivos diditicos Jremos abordi-la de modo particular neste capitulo. Nao € de- ‘mais chamar a atencio pare o fato de que muitas vezes a pele & uusada para manifestar condigdes psfquicas do individuo, além de ter conotagies de ordem racial, social ¢ sexual. ESTRUTURA E FISIOLOGIA A pele €constitaida basicamente por trés camadas interdepen- dentes: a epiderme, mais externa, a derme, intermedisria, e a Ihipederme, mais profunda. A transigio erie aepiderme ea der- me € denominada de jungio dermoepidrmica ou zona da mem- ‘brana basal. Epiderme .basicamente, um tecido epitelialestatficadocerainizado (queratinizado), com variagdes estruturais ¢ fancionais signifi cativas na deperdénciado seu sitio anatdmico. Ecoasttuia por: sistema ceratinoctio, compesto por oélulasepiteliais denomi- nadia certingcites,responsiveis pelo corpo da epidenme e de seus anexos (pelos, unas ¢ glinduls); sistema neeinico, for- David R. Azulay e Rubem D. Azulay ‘mado pelos melanécitos; células de Langerhans, com fungao ‘imunol6gica; células de Merkel, integradas so sistema nervoso, © células dendriticas indeterminadas, com fungao mal definida. A derme desempenha uma influéncia reguladora sobre a morfo- Snore e diferenciagio epidérmica, sendo fundamental para a dcierminagdo de sua espessura, arquitetua, tipo de diferencia ‘40 € padtiio dos seus anexes. Sistema Ceratinocitico Responsivel por, pelo menos, 80% das células epidérmicas, 6 caracterizado pela disposigao lado a lado de suas céhulase por sua constante renovagao. O alto indice de multiplicagio celular dos ceratinocitos da sua camada mais profunds, camada basal, fomece as cSlulas, que. a seguir. vo gradativamente se modifi- cando (diferenciagio) e migrando para a superficie, formando a camada espinhosa cu de Malpighis essas células, ap6s passa- rem por unrépido esidgioem que se apresentam com o citoplas- ‘ma mais basofilicoe grannloso, a camada granulosa. transfor- ‘mamse subitamente em eélulas anucleadas, cornescitos, sendo ig. 1.1 A Histoogia da pele (hematoxilina-eosina). 2 Dematclogia Ducto da glandula sudoripara éerina enido eliminadas para o meio ambience na camada mais externa daepiderme, a camada eérnea. ‘Ocitoesqueleio de todas as cSlulas eucaicticas é composto por ama complexa rede de protefna estruturais com diferentes ide metros deespessura, inchiindo os microfilamentes de actina (61m), os filamentos intermedisrios (10 nm) es microtubules (25 nm) No ceratinécto e demais eStulas epitliais os flamentos interme- didrios ou tenafilamentos sd0 compostos por ceratina; eles se ds poem em tomo do nicleoe vo se conectando até aleangarem as, placas desmoss6micas e nelasinserit-s, ajudando a compor 0 citoesqueleto dessas células. So conbecidos mais de 30 tipos de ceratina, endo 20 epidérmicos e 10 do pélo; 0s epidésmicos so Aivididos em tipo (Acido: K9-K20) tipo I (basco: KI-KS). Para formar um filamento intermedidrio.é necesséria a combinagio de uma ceratina do grupo I com outra do grupo Il. A expressio do ‘determina par deceratina vara segundo otipocelulare seu gra {de diferenciagio, podendo ser adotado como marcador dessas si- tages, assim como de algumas condighes patolégieas. (Ver Citoqueratina, final do Cap.2.) ‘Além de sua funao estrutural os ceratin6citos perticipam ati- ‘vamente dos processos inflamatéris e imanoléices, seja como P:Protuberinsia PE: Papilafolisuiar 1.1 B Componentes da pele <élulas-alvo(p.cx.,psoriase, lipus ertematoso,iquen plano ct), seja como secretores de citocinas, neuropeptideos outros medi- adores, O certinScito € capaz de produzirsubstincias com aco autsecina (agem sobre simesmas),paricrin (ago sobre as él las vizinhas) em situagdes muito especiais, endéctinas (ag30 a stncia). Fazem pare desse pane] de substincias: mediadores inflamat6rios (1-1, antagonista da IL-1, IL-6, 1-7, IL-8 e ou- tras quimiocinas, 110, 11-12, 1-15, IL-18, TNFalfa, GM-CSF M-CSF), reguladores do crescimento ou da diferenciacao ce- lular (TGF alfa e beta, PDGF, FGFb, VEGF e SCF), neutopep- tideos (CGRP, substincia P e somatostatina), neuro-horménios (POMC) ¢ outos mediadores (PGE", LTB4 ct) Camada Basal (Camada celular mais profunda da epiderme, tem participagio vital na fortmago e manutenszo da juno dermoepidésmica. Na pele rormal, ela é composta por uma tinica fileira de ceratinéci- {ns justapastos, a maioria com capaciclade de multiplieaco, as células germinativas, que apresentam morfologia colunar, cito plasma bas6filo e nicleo grande e oval. 0 par de ceratins carac~ teristico € 0 K5-K 14, podendo serencontradiaa ceratina K 19 nos 2 Bpiderme: observar, de cima para baixo, a camada cémnea, a _sranulose ea de Malpigh cpitélios de transigdo. A populagao dessas c€lulas basais € hete~ rogénea; um pequeno percentual é composto de células-tronco caracterizadas por uma velocidade baixa de mitose durante toda fasua existéncia, que talvez supere © tempo de vida do proprio individuo, gerando clones de ceratinécitos denominados células, de amplificacdo transitéria. que se dividem muito mais rapida- ‘mente, mas sio programadas para um nimero limitado de mito- ses. A mitose das células de amplificagdo transit6ria dé origem ‘a duas células com caracterfsticas diferentes: uma nova célula dle amplificaglo transit6ria, que permanecerd na camada bassl, ‘coutra, denominada pés-mitética ou diferenciada, que perde a ‘capacidade de mitose e inicia 0 processo de diferenciagao cera- tinoertica e de migragio em directo A superficie. A renovacio completa, desde a divisdo da eélula basal até a eliminagio das em 52-75 dias, assim distributdos: 0 tem- so celular & de aproximadamente 19 dias, o trinsito através da camada de Malpighi dura 26-42 dias e 0 Ueansito através do estrato e6ineo & de 19 dias. No rato, os per~ ccentuais de células-tronco, amplificacdo transitria e pos-mité- ticas corresponderiam, respectivamente, a 10, 50 e 40% das c&- Tuas da camada basal. O processo de reparagio tecidual e algu- ‘mas doencas hiperproliferativas (p.ex., sortase) podem provo- car. através da producio de diversas citocinase fatores de cres- cimento, o aumento na velocidade de mitose das células da ‘mada germinativa, TGF alfa, EGF e KGF estimulam a mitose, enquanto 0 TGF beta inibe a mitose e promove a diferenciacz0 dos ceratinscitos, asim como os retindides ea vitamina D, Camada Espinhosa ou de Malphigi ‘Ao deixarem a camada basal rumo 2 superficie, os ceratiné- citos softem continuas ¢ importantes modificagbes morfolégi- cas, moleculares ¢ histoquimicas, passando a ser poligonais, de citoplasmaacidSfiloe ricos em desmossomos, sendo denomina- das células de Malpighi ou células espinhosis. Essas células 30 numerosas e dispostas em vatias fileiras, cujo nimero varia na dependéncia da localizagio anatomnica,fatores endégencs (p.ex., horménios, vascularizagio ce.) ¢ exégenos (pcx, ultraviolet, trauma ete). Ao progredirem na sua migragao, as celulas vao se A Pele —Esruura, Fisilogiae Embriotogia 3 achatando e tomando-se cada ver mais acidfils. Apesar de os filamentos de ceratina produzidos na camada basal (KS-K14) deixarem de ser sinetizados, eles persstem nessiscélulas,ago- ra acompanhados do par K1-K10 ai produzido, Em situagSes hiperproliferatives fisielégieas (reparacio) on pstolégicas (psorase), da diminuigio da produgio de KI-K10 eo surgi- mento de K6-K16. Emibora os desmossomos (espinhos ou n6- ‘los de Bir20zero) esejam presents em tes aepiderme, na camada espinhosa que sc mostram mais numerosos. 0 desmossomo é uma modificarao da superficie celular, cilcio- Adepencente,responsivel pela acest intercellar: est presente entre 0s ceratindcitos de toda a epiderme e & formado por uma placa desmossomal na parte interna da memibrara celular com- posta por seis polipeptideos: placoglobina, desmoplaquinas I e U1, desmoioguin, proteina banda 6a ceratocalmina, seado esta sikima responsavel pelamanutengéo dainsergo dos onoflamen tos na placa desmossomal. De placa desmossomal, partem cin- co glcoproteinas tansmembrinicas, as desmogleinas 1e3 ¢ as