You are on page 1of 46

Ciclo de Krebs

MAPA II
POLISSACARÍDIOS PROTEÍNAS LIPÍDIOS

GLICOSE AMINOÁCIDOS ÁCIDOS GRAXOS


Asp Gly Leu Glu
Ala Ile
Fosfoenolpiruvato (3) Ser Lys
Cys Phe

Piruvato (3)

CO2
Acetil-CoA (2)

CO2

Oxaloacetato (4) Citrato (6)

CO2

Malato (4) Isocitrato (6)

CO2
Fumarato (4)  Cetoglutarato (5)

CO2
Succinato (4)
MAPA II
POLISSACARÍDIOS PROTEÍNAS LIPÍDIOS

GLICOSE AMINOÁCIDOS ÁCIDOS GRAXOS


Asp Gly Leu Glu
Ala Ile
Fosfoenolpiruvato (3) Ser Lys
Cys Phe

Piruvato (3)

CO2
Acetil-CoA (2)

CO2

Oxaloacetato (4) Citrato (6)

CO2

Malato (4) Isocitrato (6)

CO2
Fumarato (4)  Cetoglutarato (5)

CO2
Succinato (4)
Esquema Geral da Glicólise
Glicose + NAD + 2ADP + 2Pi → 2Piruvato + NADH + H + 2ATP + 2H2O

1 açúcar de 6 C

2 açúcares de 3 C

À partir deste ponto


as reações são
duplicadas
Saldo
2 moléculas de ATP
2 moléculas de 2 moléculas de NADH
Piruvato (3C)
Nota Histórica
Ao Contrario da Glicólise, cujo estudo intensivo já remonta ao
final do séc. XIX, os processos relativos à Oxidação do Piruvato
so Começaram a ser alvo de grande volume de estudo perto de
meados do séc. XX

1937: H. A. Krebs postula o ciclo do acido tricarboxílico, que


consome grandes quantidades de Piruvato e oxigénio. Krebs,
estudando este processo em músculos de pombo, conclui que este
é o maior caminho, se não o único, caminho de oxidação do
Piruvato nos músculos

Após 1937: continuava a ser um mistério o processo pelo qual se


passava de Piruvato e oxaloacetato a citrato

1948-1950: L. J. Reed et al. Descobrem o complexo de


desidrogenase do Piruvato, que oxida o Piruvato a acetil-CoA, que
depois vai se combinar com o oxaloacetato no ciclo do ácido
cítrico
Onde Ocorre?
Matriz Mitocondrial
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido tricarboxílico
Ciclo de Krebs
I. O Piruvato completamente oxidado para CO2 e H2O na presença
de O2 num processo conhecido como respiração celular.

II. Ocorre em oito etapas dentro da mitocôndria.

III. Energia é eficientemente conservada durante este processo.

IV. Este ciclo serve tanto para processos catabolicos como


anabolicos sendo essencial ao metabolismo.
Glicólise

Glicose + NAD + 2ADP + 2Pi → 2Piruvato + NADH + H + 2ATP + 2H2O

Descarboxilação oxidativa do piruvato (processo aeróbico)

Piruvato + NAD+ + CoA Acetil-CoA + NADH + H+ + CO2

Ciclo de Krebs
Acetyl-CoA + 3NAD+ + FAD + GDP + pi 3NADH + FADH2 + GTP+ COA +2 C02
Ciclo de Krebs
Reações irreversíveis:

1) Citrato Sintase

2)  cetoglutarato deshidrogenase
Ciclo de Krebs
condensação

Citrato
sintase
Condensação

(3C) (3C) (6C)


Ciclo de Krebs

Isomerização

aconitase
A Aconitase isomeriza o citrato para isocitrato que é mais facilmente oxidado que o citrato.
A isomerização ocorre pela deshidratação do citrato formando o cis-Aconitato seguida de uma
hidratação formando o isocitrato.
Ciclo de Krebs

(6)

isocitrato descarboxilação
desidrogenase oxidação

(5)
Descarboxilação oxidativa
Ciclo de Krebs

-cetoglutarato
desidrogenase (5)

descarboxilação
oxidativa

(4)
Descarboxilação oxidativa feita por um complexo de enzimas semelhantes
à ao complexo Piruvato Deshidrogenase

TPP
ácido lipóico
FAD
Ciclo de Krebs
GTP e ADP diferem nas bases nitrogenadas

GTP

succinil CoA
sintase

ATP

GTP
Succinil CoA sintetase algumas requerem GDP+ pi e outras ATP + pi

Utilização do GTP:

Fosfoenolpiruvato carboxiquinase na Gliconeogênese:

oxaloacetato GTP fosfoenolpiruvato + GDP +pi + C02

Nucleosídeo difosfato quinase

2) GTP + ADP ATP + GDP


Ciclo de Krebs

Regeneração do Oxaloacetato

succinato
desidrogenase

oxidação
Sucinato deshidrogenase é a única enzima parte da membrana interna da mitocôndria
Ciclo de Krebs

hidratação fumarase

GTP
Ciclo de Krebs

oxidação

malato
desidrogenase
Ciclo de Krebs

Acetyl-CoA + 3NAD+ + FAD + GDP + pi 3NADH + FADH2 + GTP+ COA +2 C02

Forma-se apenas 1ATP ou GTP pelo ciclo de Krebs, porém as Co-enzimas reduzidas

serão utilizada pela cadeia de transporte de elétrons para a síntese do ATP


Função Anabólica do Ciclo de Krebs
Reações anapleróticas (reações de preenchimento)

Reações de síntese de compostos intermediários


que foram retirados pelas reações anabólicas.
Estes compostos devem ser repostos pelas reações anapleróticas
(de preenchimento).
EX: De uma das regulação
da velocidade do
Cilco de Krebs
(fígado e rim)

Piruvato

Piruvato carboxilase
(enzima ativada pela
Acetyl-CoA)

Oxaloacetato
Regulação do Ciclo de Krebs
Conclusões

O complexo piruvato desidrogenase é


composto de três enzimas e cinco co-enzimas

O ciclo de Krebs é praticamente um centro


universal na cadeia metabólica em que compostos
derivados da quebra de carboidratos, lipídios e proteínas são
oxidados para formar C02, e a energia da oxidação
encontra-se temporariamente na NADH e FADH2
Para cada acetyl-CoA oxidad pelo ciclo de Krebs, a energia
Ganha consiste em três moléculas de NADH, uma de FADH2
e um ATP ou GTP.

A velocidade do ciclo de Krebs é controlado


pela velocidade da conversão do piruvato a
acetyl-CoA e pelo fluxo por citrato sintase,
isocitrato desidrogenase e -cetoglutarato
desidrogenase.

O complexo piruvato desidrogenase é alostéricamente


inibido por metabólitos que sinalizam que há energia
suficiente (ATP, acetyl-CoA, NADH e ácidos graxos) e
estimulado por metabólitos que indicam a redução de
energia (AMP, NAD+ e CoA).
Glicólise

Glicose + NAD + 2ADP + 2Pi → 2Piruvato + 2NADH + H + 2ATP + 2H2O

Descarboxilação oxidativa do piruvato (processo aeróbico)

Piruvato + NAD+ + CoA Acetil-CoA + NADH + H+ + CO2

Ciclo de Krebs
Acetyl-CoA + 3NAD+ + FAD + GDP + pi 3NADH + FADH2 + GTP+ COA +2 C02
Glicólise

2 Gliceraldeido 3-fosfato

Saldo : 2NADH +2ATP

Glicose + NAD + 2ADP + 2Pi → 2Piruvato + 2NADH + 2H + 2ATP + 2H2O


Formação de Acetyl CoA

2 Piruvatos

Saldo : 2NADH
Ciclo de Krebs
2Acetyl CoA

6NADH
2FADH2
2 ATP
Rendimento

Mols de NADH Mols de FADH2 ATP

Glicólise 2 2

Piruvato Acetil CoA 2

Ciclo de Krebs 6 2 2

10 2 4
Porque a energia é transferida pelas coenzimas

Coenzimas (NADH e FADH2 ) devem ser re-oxidadas

1. Possibilitam a re-utilização das coenzimas.

2. A re-oxidação possibilita que a energia mantida nas coenzimas possa


ser utilizada para a síntese de ATP.

Respiração Celular
Processo em que as células aeróbicas produzem seu ATP pela oxidação das
coenzimas pelo oxigênio.
Processo efetuado pela cadeia de transporte de elétrons (cadeia respiratória).

Fosforilação oxidativa síntese do ATP (ADP +Pi ATP) utilizando a energia


da oxidação das coenzimas.
Transferência da energia das coenzimas para a formação do ATP

ATP é a única forma de energia utilizável pelas células

Transformação da energia contida nas coenzimas reduzidas em um


gradiente prótons utilizando este gradiente para a síntese de ATP

Transferência de elétrons das coenzimas para o oxigênio via várias


passagens intermediárias pela cadeia de transporte de elétrons.

Elétrons partem da coenzima reduzida que tem um potencial de redução menor


que os componentes da cadeia de transporte de elétrons percorrendo uma
sequência de transportadores com potencial de redução crescente.
Até atingirem o oxigênio com o maior potencial de redução.

A transferência de elétrons é acompanhada por queda de energia livre.

Ao mesmo tempo há a formação de um gradiente de prótons estabelecendo-se


uma concentração diferente de prótons de cada lado da membrana onde ocorre
o transporte de elétrons.

O aproveitamento da energia potencial contida no gradiente


de prótons possibilita a síntese de ATP.
Cadeia de transporte de elétrons

Menor potencial de redução

citocromo C
coenzima Q
(ubiquinona)
Complexo I Complexo IV
Complexo III
Complexo II

Maior potencial de redução


Sucessivas reduções e oxidações
A coenzima Q é o ponto de convergência de e- provenientes de
NADH (complexo I), succinato (complexo II), glicerol 3-fosfato e acil-CoA

Glicólise
Piruvato para Acetyl-CoA
Ciclo de Krebs
Hipótese quimiosmótica: “ A energia de transporte de e- é utilizada para
bombear
prótons através da membrana interna para o exterior da mitocôndria”.
Para cada 4 prótons que entram 1 ATP é sintetizado.
Os prótons entram por sítios específicos da ATP sintase.
Gradiente de H+

ATP sintase

NADH + H+ + ½ O2 + 3ADP +3Pi +3H+ NAD+ + 3ATP +4H2O

FADH2 + ½ O2 + 2ADP +2Pi +2H+ FAD+ + 2ATP +3H2O


Rendimento da oxidação da glicose
Etapas da oxidação da glicose

I. Glicose a 2 piruvatos (glicólise)

II. 2 piruvaos a 2 acetil-CoA (formação de acetil-CoA).

III. 2 acetil-CoA entram no ciclo de Krebs

IV. NADH e FADH2 passam pela cadeia de transporte de elétrons e fosforilação oxidativa.
Oxidação completa de 1 mol de glicose:

Mols de ATP
I II III I+II+III IV
formados
2NADH 2NADH 6NADH 10NADH 30ATP 30
coenzimas 2FADH2 2FADH2 4ATP 4

Fosforilação
no nível do 2ATP 2ATP 4ATP
4
substrato
Total 38
Reação de oxidação da glicose

C6H12O6 +6O2 + 38ADP + 38Pi 6CO2 + 6H2O + 38 ATP


Produção de ATP na oxidação do ácido palmítico (16C)

-oxidação Ciclo de Krebs Soma ATP

8 Acetil-CoA 24 NADH 31 NADH 93 ATP


7 NADH 8 FADH2 15 FADH2 30 ATP
8 ATP
7 FADH2 8 GTP 8 GTP
131 ATP