1

2

MUNDO F´ ISICO A F´sica como vocˆ nunca viu! ı e
Nossa Apostila
A edi¸ao dessa apostila, coroa os esfor¸os feitos nos ultimos c˜ c ´ dois anos onde realizou-se o curso pr´-vestibular, cada vez e mais enfocado no vestibular da UDESC, e cada vez envolvendo uma equipe maior e mais qualificada de alunos, professores e colaboradores. Adaptada ao novo vestibular UDESC 2005, esperamos que esse material seja suficiente para a revis˜o dos conte´dos a u exigidos pela Universidade. Advertimos aos alunos que as aulas semanais, oito de F´ ısica, quatro de Qu´ ımica e quatro de Matem´tica, apenas, n˜o a a ser˜o suficientes para a revis˜o completa dos conte´dos da a a u nossa Apostila, exigindo dos mesmos, algumas horas de leitura e estudo caseiro, trabalhando em exerc´ ıcios complementares especialmente selecionados para essas atividades extra-classe.

Finalmente, a Home Page Mundo F´ ısico, resultado de outro projeto, abrangendo como temas assuntos relacionados a ` F´ ısica, desde aplica¸oes, informes, curiosidades e descoberc˜ tas. Esta home page pretende auxiliar a instrumentalizar os alunos do ensino m´dio e da pr´pria Universidade para e o uma melhor compreens˜o de conceitos f´ a ısicos e aplica¸oes c˜ tecnol´gicas. Essa p´gina centraliza, amplia e divulga os o a resultados obtidos nos outros projetos, servindo como base de partida para novas id´ias e possibilidades sugeridas pee los alunos da UDESC, e pelos internautas que nos visitam diariamente. A p´gina ainda n˜o completou um ano de atia a vidades no ar, mas j´ conta com mais de 10 mil acessos, a chegando hoje a mais de 300 acessos di´rios. a Todos os quatro projetos canalizam os esfor¸os de dezenas, c talvez centenas de alunos, alguns professores e colaboradores, que sem medir esfor¸os, se dispuzeram a fazer com que c id´ias simples se tronassem realidade. e

Nosso Endere¸o na Internet c
http://www.mundofisico.joinville.udesc.br Convidamos a todos para que visitem o nosso site!

Projetos de Extens˜o a
O projeto de extens˜o Entendendo a F´ a ısica para o Vestibular desenvolve atividades de Ensino de F´ ısica e Matem´tica para alunos da Rede Estadual de Santa Cataa rina ministrando aulas para os estudantes e preparandoos para ingressarem na Universidade. Haver´ desta forma a maior divulga¸ao desta Institui¸ao e dos cursos que ela ofec˜ c˜ rece. Paralelamente, desenvolve-se um programa social de assistˆncia as comunidades carentes de Joinville, atrav´s da e ` e doa¸ao de 40 cestas b´sicas com alimentos. Queremos, com c˜ a este projeto, que os futuros licenciados em F´ ısica estejam cada vez mais compromissados com a forma¸ao de cidad˜os c˜ a cr´ ıticos e melhor preparados para sua inser¸ao social. c˜ Outro o projeto chamado A F´ ısica na Escola prevˆ a e forma¸ao de um grupo de alunos volunt´rios que ministrar˜o c˜ a a palestra nas escolas p´blicas de ensino m´dio de Joinville, u e abordando assuntos relacionados a F´ ` ısica e suas aplica¸oes. c˜ O aluno atendido pelo projeto, ter´ maior acesso ao conhea cimento cient´ ıfico e sua rela¸ao com o dia-a-dia, e poder´ c˜ a conhecer um pouco mais da hist´ria da F´ o ısica, suas rela¸oes c˜ com os aspectos culturais, pol´ ıticos, sociais e econˆmicos, o e ter´ contato com futuros professores de F´ a ısica, e poder´ a conhecer um pouco melhor o of´ do ensino, essa profiss˜o ıcio a promissora e fundamental para o desenvolvimento do nosso pa´ ıs. Outro projeto, o Jornal do Mundo F´ ısico ´ uma publica¸ao e c˜ mensal, abrangendo como temas assuntos relacionados a ` F´ ısica, desde aplica¸oes, informes, curiosidades e descoc˜ bertas. Este jornal pretende, al´m de instrumentalizar os e alunos do ensino m´dio e da pr´pria Universidade para e o compreens˜o e respectiva aplica¸ao tecnol´gica, promover a c˜ o condi¸oes para que os alunos possam transformar cada vez c˜ mais a si e a seu mundo. A tiragem mensal ´ de 1.500 e exemplares e o jornal pode ser lido pela internet.

Joinville-SC, 5 de outubro de 2004 Professor Luciano Camargo Martins Coordenador do Mundo F´ ısico e-Mail: dfi2lcm@joinville.udesc.br

Sum´rio a
F´ ISICA
F´ ısica A – Aula 1 .
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Uma For¸a Constante . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c Uma For¸a Vari´vel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c a Tipos de For¸as . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c Potˆncia P . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Energia cin´tica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Teorema Trabalho-Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

1 1 1 1 1 2 2 2 2 3 3 3 3 4 4 4 4 4 4 5 5 5 5 6 6 6 6 7 7 7 7 7 8 8

F´ ısica A – Aula 2 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Energia Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Energia Potencial Gravitacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . For¸a El´stica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c a Energia Potencial El´stica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica A – Aula 3 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Trabalho e Energia Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . For¸as Conservativas e Dissipativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c A Conserva¸ao da Energia Mecˆnica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ a Degrada¸ao da Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica B – Aula 1 .
Grandezas F´ ısicas

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Sistema Internacional(SI) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Nota¸ao Cient´ c˜ ıfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

ii Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8 9 9 9 10 10 10 10 10 11 11 11 12 12 12 12 14 14 15 15 15 15 16 16 16 16 16 17 17 17 17 17 17 18 18 18 18 18 19 19 19 20 20 20

F´ ısica B – Aula 2 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Algarismos Significativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Crit´rios de Arredondamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e REGRAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Opera¸oes com Algarismos Significativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Rela¸oes entre Grandezas F´ c˜ ısicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Como Construir um Gr´fico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica B – Aula 3 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Grandezas Escalares e Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Grandezas Escalares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Grandezas Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica B – Aula 4 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A Primeira Lei de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O Conceito de For¸a . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c A Primeira Lei de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O que ´ In´rcia? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e e Equil´ ıbrio de uma Part´ ıcula . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica C – Aula 1 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

As Leis de Kepler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ´ A Lei das Orbitas (1609) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ´ A Lei da Areas (1609) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . A Lei dos Per´ ıodos (1618) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica C – Aula 2 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Gravita¸ao Universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Uma For¸a Elementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica C – Aula 3 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Fluidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

iii Densidade e Massa espec´ ıfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Press˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Press˜o Hidrost´tica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a a Press˜o Manom´trica e Absoluta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a e Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 20 20 21 21 21 22 22 22 22 22 23 23 24 24 24 24 24 24 25 25 25 25 26 26 26 26 26 27 27 27 27 27 28 28 28 29 29 29 29 29 30 30 30 31

F´ ısica C – Aula 4 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Hidrost´tica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Lei de Stevin . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Princ´ ıpio de Pascal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Princ´ ıpio de Arquimedes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ 1.1 Exerc´ ıcios Complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica D – Aula 1 .

Cinem´tica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Movimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Ponto Material . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Repouso, Movimento e Referencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Trajet´ria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o Deslocamento × Distˆncia Percorrida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Deslocamento Escalar ∆s . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Velocidade Escalar M´dia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Velocidade Escalar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Acelera¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Acelera¸ao Escalar M´dia (am ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ e Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica D – Aula 2 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Movimento Uniforme (MU) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Equa¸ao Hor´ria do MU . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ a Gr´fico da Velocidade v × t . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Gr´fico da Posi¸ao x × t . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a c˜

F´ ısica C – Aula 3 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Movimento Uniformemente Variado (MUV) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Acelera¸ao e Velocidade no MRUV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Posi¸ao versus tempo no MRUV . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ A Equa¸ao de Torricelli . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

iv

F´ ısica D – Aula 4 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

31 31 31 31 31 32 33 33 33 33 33 33 33 34 34 34 34 35 35 35 35 35 35 36 36 36 36 37 37 37 37 37 37 37 38 38 39 39 39 40 40 40 40 40 41

Queda Livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Conven¸oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Velocidade Escalar Final . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tempo de Queda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lan¸amento Vertical . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica D – Aula 5 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Movimento Circular Uniforme (MCU) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Movimento Peri´dico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o Per´ ıodo (T ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Frequˆncia (f ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Velocidade Escalar v . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Velocidade Angular ω . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Vetores no MCU . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica D – Aula 6 .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Termodinˆmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Calor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Escalas Termom´tricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Convers˜o de Temperaturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Intervalos de Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica E – Aula 1

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Eletricidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Carga El´trica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Tipos de Materiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Eletriza¸ao por Atrito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Eletriza¸ao por Contato . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Eletriza¸ao por Indu¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica E – Aula 2

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Eletricidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Eletrosc´pio de Folhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o A Lei de Coulomb . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

v Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 41 41 42 42 43 44 44 44 44 45 45 45 46 46 46 46 46 47 47 48 48 48 48 49 49 49 49 49 49 50 50 50 50 51 51 51 52 52 52 53 53 53 53 54

F´ ısica E – Aula 3

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Campo El´trico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e O Vetor Campo El´trico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e C´lculo do Campo El´trico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a e Campo El´trico Uniforme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica E – Aula 4

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Potencial El´trico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Diferen¸a de Potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica E – Aula 5

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Superf´ ıcies Equipotenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica E – Aula 6

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Condutores em Equil´ ıbrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Equil´ ıbrio Eletrost´tico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a O Poder das Pontas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Condutor Oco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Potencial El´trico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Condutor Esf´rico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Blingdagem Eletrost´tica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Como Funciona o P´ra-Raios? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Saiba Mais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capacidade El´trica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Unidades SI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Capacitores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

F´ ısica E – Aula 8

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Associa¸ao de Capacitores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Associa¸ao de Capacitores em S´rie . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ e Associa¸ao de Capacitores em Paralelo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Energia de um Caacitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

vi Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 54 54

QU´ IMICA
Qu´ ımica A – Aula 1
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estrutura Atˆmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o Modelos Atˆmicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o Resumo do Modelo de Rutherford . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Representa¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

55 55 55 55 55 55 56 56 56 56 56 56 57 59 59 59 59 59 59 60 60 60 62 62 62 62 62 62 63 63 64 64 64 64 64 64 65 66 66

Qu´ ımica A – Aula 2

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Modelos Atˆmicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o O Modelo Atˆmico de Bohr . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o O Modelo Atˆmico Atual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Qu´ ımica A – Aula 3

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Liga¸oes Qu´ c˜ ımicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ´ Estabilidade dos Atomos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Teoria do Octeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Classifica¸ao dos Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Estruturas de Lewis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Qu´ ımica A – Aula 4

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Liga¸oes Qu´ c˜ ımicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Liga¸ao Iˆnica ou Eletrovalente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ o Liga¸ao Met´lica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ a Liga¸ao Covalente ou Molecular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Qu´ ımica A – Aula 5

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A Estrutura da Mat´ria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Propriedades Gerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Os Gases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜

vii Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66 67 67 67 67 67 67 68 68 68 68 68 68 69 69 69 69 70 70 70 70 71 71 71 71 72 72 72 72 72 72 72 73 73 73 73 73 73 73 74 74 74 74 74 74

Qu´ ımica A – Aula 6

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Teoria Cin´tica dos Gases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e G´s Ideal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a G´s Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Leis dos Gases Ideais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lei Combinada dos Gases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lei dos Gases Ideais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Lei das Press˜es Parciais de Dalton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o Volumes Parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Mudan¸as de Estado F´ c ısico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fus˜o e Solidifica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a c˜ Vaporiza¸ao e Condensa¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ c˜ Diagrama de Fases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sublima¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Qu´ ımica A – Aula 7

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

´ Acidos e Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ´ Acidos e Bases de Arrhenius . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ´ Nomenclatura dos Acidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Caracter´ ısticas das Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Classifica¸ao das Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ ´ Outros Conceitos de Acidos e Bases . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Conceitos de Br¨nsted-Lowry . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o ´ Par Conjugado Acido–Base . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Conceito de Lewis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comparando Coceitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Estequiometria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . O mol . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Qu´ ımica A – Aula 8

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Solu¸oes Qu´ c˜ ımicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Concentra¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ T´ ıtulo τ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Porcentagem em Massa P . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Concentra¸ao Comum C . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Molaridade M . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Equivalente-Grama . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . N´mero de Equivalentes-Gramas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . u Normalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

viii Resumo das Principais Equa¸oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 75 75 75 75 75 76 76 76 76 76 77 77 77 77 77 77 78 78 78 78 78 79 79 79 79 79 80 80 81 81 81 81 81 81 81 82 82 82 82 83 83 83 83 83

Qu´ ımica B – Aula 1

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

O que ´ Qu´ e ımica? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Um Pouco de Hist´ria... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o A Importˆncia da Qu´ a ımica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . M´todo Cient´ e ıfico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Fenˆmenos Qu´ o ımicos e F´ ısicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Qu´ ımica B – Aula 2

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Mat´ria e Energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Lei da Conserva¸ao da Massa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Estados da Mat´ria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Mudan¸as de Estado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c ´ Part´ ıculas e Atomos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Elementos e Substˆncias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Sistemas e Misturas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Qu´ ımica B – Aula 3

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Metais, Semimetais e Ametais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Is´topos e Is´baros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o o Classifica¸ao dos Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ ´ Ions e Valˆncia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Propriedades Peri´dicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Qu´ ımica B – Aula 4

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Propriedades Peri´dicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o ´ Tamanho do Atomo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Potencial de Ioniza¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Eletroafinidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Eletronegatividade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Reatividade Qu´ ımica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Densidade (ρ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Volume Atˆmico v . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o Ponto de Fus˜o (PF ) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . a Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜

ix Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84 84 84 84 85 85 85 85 86 86 86 88 88 88 88 88 88 88 89 89 90 90 90 90 90 91 91 91 91 92 95 95 95 96 96 96 97 99 99 99 99 99 99 99

Qu´ ımica B – Aula 5

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Liga¸oes Qu´ c˜ ımicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Compostos Iˆnicos e Moleculares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . o Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Qu´ ımica B – Aula 6

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Liga¸oes Qu´ c˜ ımicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Geometria Molecular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . For¸as Intermoleculares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Qu´ ımica B – Aula 7

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Equa¸oes e Rea¸oes Qu´ c˜ c˜ ımicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Determina¸ao dos Coeficientes c˜ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Dicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Tipos de Rea¸oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Para Saber Mais! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Vocˆ Sabia? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . e Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Matem´tica A – Aula 1 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Rela¸oes e Fun¸oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ c˜ Rela¸oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Fun¸oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Tipos de Fun¸oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Matem´tica A – Aula 02 a
0 o

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Fun¸oes Polinomiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Fun¸ao Polinomial de 1 Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Fun¸ao Polinomial de 2 grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Matem´tica A – Aula 3 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Fun¸oes Especiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Fun¸ao Modular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . c˜ Cuidado! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

x Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99

Fun¸ao Exponencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

Matem´tica A – Aula 4 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101

Fun¸oes Especiais (II) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 c˜ Fun¸ao Logar´ c˜ ıtmica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 Fun¸oes Trigonom´tricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102 c˜ e Rela¸oes trigonom´tricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 c˜ e Transforma¸oes Trigonom´tricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 c˜ e Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

Matem´tica B – Aula 01 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105

Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Nota¸ao Geral c˜ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Tipos de matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105 Igualdade de Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

Matem´tica B – Aula 02 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106

Opera¸oes com Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 c˜ Adi¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106 c˜ Subtra¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 c˜ Multiplica¸ao por um N´mero Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 c˜ u Multiplica¸ao de Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 c˜ Invers˜o de Matrizes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 a Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108

Matem´tica B – Aula 03 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108

Determinantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 Determinante de 1a Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 Determinante de 2a Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108 Determinante de 3a Ordem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 Menor Complementar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 Cofator . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109 Teorema de Laplace . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 Propriedades dos determinantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110

xi

Matem´tica C – Aula 01 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111

Teoria dos Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Hist´ria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 o Conjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 Representa¸ao de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111 c˜ Classifica¸ao dos Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 c˜ Igualdade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 Subconjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 Conjunto das Partes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 Opera¸oes com Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112 c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114

Matem´tica C – Aula 02 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115

Conjuntos Num´ricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 e O Nascimento do N´mero . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 u Conjuntos Num´ricos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 e Opera¸oes com N´meros Inteiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115 c˜ u Potencia¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

Matem´tica C – Aula 03 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117

N´meros complexos (C) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 u Potˆncias Naturais de i . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117 e Forma Alg´brica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 e Igualdade de Complexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 Opera¸oes com Complexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118 c˜ Representa¸ao Geom´trica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 c˜ e M´dulo de um n´mero complexo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 o u Argumento de um Complexo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 Forma Trigonom´trica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 e Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

Matem´tica C – Aula 4 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120

Raz˜es e Propor¸oes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 o c˜ Raz˜o . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 a Escala . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 Propor¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 c˜ Grandezas Diretamente Proporcionais: (GDP) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 Grandezas Inversamente Proporcionais (GIP) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122

xii

Matem´tica C – Aula 5 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122

Regras de Trˆs Simples e Composta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 e Regra de Trˆs Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 e [Regra de Trˆs Composta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 e Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 c˜ 3.1 Exerc´ ıcios Complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

Matem´tica C – Aula 6 a

Juros e Porcentagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 Juros Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123 Porcentagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 Raz˜o Centesimal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 a Fator de Multiplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 An´lise Combinat´ria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 a o Princ´ ıpio Fundamental da Contagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 Fatorial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126 Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127

Matem´tica C – Aula 8 a

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128

Arranjo, Combina¸ao e Permuta¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 c˜ c˜ Arranjos Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 Combina¸oes Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 c˜ Permuta¸oes Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 c˜ Pense um Pouco! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 Exerc´ ıcios de Aplica¸ao . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 c˜ Mais Exerc´ ıcios... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 Tabela Peri´dica o 131

F´ ısica
F´ ısica A
Energia
A energia se apresenta de diversas formas na natureza. Por exemplo os alimentos que nos proporcionam energia qu´ ımica, a combust˜o da gasolina libera energia a t´rmica, energia el´trica ´ utilizados em diversos aparelhos, e e e transformando-se em energia sonora, energia luminosa, etc. Para medir a quantidade de energia transferida de um corpo para outro vamos introduzir o conceito de trabalho.

Aula 1

onde F ´ o m´dulo da for¸a constante e d ´ o deslocamento e o c e (em m´dulo). O sinal + ´ usado quando a for¸a e o deso e c locamento possuem o mesmo sentido, e o sinal −, quando possuem sentidos contr´rios. a Importante Observe que o trabalho ´ uma grandeza escalar, apesar de e ser definida a partir de dois vetores (F e d). Unidades 1 N · m = 1 J = 1 joule = 107 erg 1 kJ = 103 J Quando a for¸a for aplicada ao corpo formando um angulo c ˆ φ com a horizontal, temos a seguinte f´rmula mais geral: o W = F d cos φ (1.2)

Trabalho
O significado da palavra trabalho, na F´ ısica, ´ diferente do e seu significado habitual, empregado na linguagem comum. O trabalho, na F´ ısica ´ sempre relacionado a uma for¸a e c que desloca uma part´ ıcula ou um corpo. Dizemos que uma for¸a F realiza trabalho quando atua sobre um determinado c corpo que est´ em movimento. A partir dessa descri¸ao a c˜ podemos dizer que s´ h´ trabalho sendo realizado se houver o a deslocamento, caso contr´rio o trabalho realizado ser´ nulo. a a Assim, se uma pessoa sustenta um objeto, sem desloc´-lo, a ela n˜o est´ realizando nenhum trabalho sobre o corpo. a a Quando uma for¸a F atua sobre um corpo no mesmo sentido c de seu movimento (ou deslocamento) ela est´ favorecendo a o movimento desse corpo, considera-se positivo o trabalho realizado pela for¸a. c

onde F ´ o m´dulo da for¸a constante, d ´ o deslocamento e o c e (em m´dulo) e φ o angulo entre os vetores F e d, ou seja, o ˆ entre a dire¸ao da for¸a e o deslocamento. c˜ c

Podemos tamb´m calcular o trabalho W realizado pela for¸a e c F atrav´s da area sob a curva do gr´fico F × x: e ´ a

Uma For¸a Constante c
Quando a for¸a F atua no sentido contr´rio ao movimento c a do corpo, contra o movimento (deslocamento), o trabalho realizado pela for¸a ´ considerado negativo. c e

Desta maneira podemos escrever que trabalho W realizado por uma for¸a horizontal constante, durante um deslocac mento horizontal d ´: e W = ±F d (1.1)

´ W ≡ Area sob a curva Observe que neste caso deveremos descobrir o sinal do trabalho atrav´s da an´lise do gr´fico, e do sentido relativo e a a entre a for¸a e o deslocamento (ou do angulo φ). c ˆ

2

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Uma For¸a Vari´vel c a
0 gr´fico abaixo representa a a¸ao de uma for¸a vari´vel que a c˜ c a age sobre um corpo, provocando um deslocamento linear, desde o ponto x at´ o ponto x . e

Neste caso, o trabalho pode ser determinado pela area sob ´ a curva, desenhando-se o gr´fico em papel quadriculado, ou a de forma aproximada pela area de um trap´zio: ´ e F +F 2 Figura 1.1: James Watt (1736-1819)

W = Fd =

(x − x )

Observe que essa f´rmula considera a for¸a m´dia (aproxio c e mada) multiplicada pelo deslocamento.

Tipos de For¸as c
Existem diversos tipos de for¸as que podem atuar em um c corpo: for¸a el´stica, for¸a peso, for¸a el´trica, for¸a de c a c c e c contato, etc... Em alguns casos, pode-se escrever W = F d e, substituindo na equa¸ao acima temos c˜ P= j´ que v = d/t. a Unidade de Potˆncia e 1 J/s = 1 watt = 1 W F dt W = = Fv . t t

Potˆncia P e
Consideramos duas pessoas que realizam o mesmo trabalho. Se uma delas levar um tempo menor que a outra para a realiza¸ao desse trabalho, tem de fazer um esfor¸o maior e, c˜ c por tanto, dizemos que desenvolveu uma potˆncia maior. e Um carro ´ mais potente que o outro quando ele “are ranca”mais r´pido e atinge uma dada velocidade num ina tervalo de tempo menor do que o outro carro.. Um aparelho de som ´ mais potente que o outro quando ele e ele transforma mais energia el´trica em sonora num menor e intervalo de tempo. Uma m´quina ´ caracterizada n˜o s´ a e a o pelo trabalho que ela efetua, mas pelo trabalho que pode efetuar em determinado tempo. Ent˜o podemos concluir que potˆncia ´ o trabalho realizado a e e durante um determinado tempo, ou seja: P = W/t

Energia cin´tica e
Para variar a velocidade de um corpo em movimento ´ pree ciso o concurso de for¸as externas, as quais realizam certo c trabalho. Esse trabalho ´ uma forma de energia que o corpo e absorve (ou perde) pelo fato de estar em movimento em rela¸ao a um dado sistema de referˆncia. c˜ e Chamamos essa energia de movimento de energia de cin´tica. Para uma part´ e ıcula de massa m e velocidade v a energia cin´tica ´: e e Ec = 1 mv 2 2

F´ ısica A – Aula 1 e assim como o trabalho, mede-se a energia cin´tica em e joules.

3 3. (UMC-SP) Sobre trabalho, potˆncia e energia, pode-se e afirmar que: a) potˆncia e energia s˜o sinˆnimos. e a o b) trabalho e potˆncia se expressam com a mesma unidade. e c) para trabalho e energia usa-se a mesma unidade. d) potˆncia ´ a capacidade de realizar trabalho. e e e) trabalho ´ a rela¸ao energia-tempo. e c˜ f) para trabalho e energia usa-se a mesma unidade.

Teorema Trabalho-Energia
Suponhamos que FR seja a resultante das for¸as que atuam c sobre uma part´ ıcula de massa m. O trabalho dessa resultante ´ igual a diferen¸a entre o valor final e o valor inicial e ` c da energia cin´tica da part´ e ıcula: W = ∆Ec = 1 1 2 2 mvf − mvi 2 2

Esse enunciado, conhecido como teorema do trabalhoenergia indica que o trabalho da resultante das for¸as que c atua sobre uma part´ ıcula modifica sua energia cin´tica. e

4. O produto da for¸a pelo deslocamento do corpo em que c ela atua est´ associado com: a a) trabalho b) potˆncia e c) distˆncia a d) acelera¸ao c˜ e) velocidade

Pense um Pouco!
• Que trabalho realizamos sobre um corpo que ´ levane tado a uma determinada altura? Esse trabalho seria positivo ou negativo? • Se vocˆ pudesse segurar um elefante a uma determinada e altura, vocˆ estaria realizando trabalho? Por quˆ? e e • Um menino puxa um carrinho sem rodas, por um barbante. 1. H´ algum trabalho sendo realizado sobre o carria nho? Por quˆ? O trabalho ´ positivo ou negativo. e e 2. O menino desenvolve alguma potˆncia? Por quˆ? e e 3. O carrinho tem energia cin´tica? Por quˆ? e e 5. (UFSC) O gr´fico a seguir representa a resultante das a for¸as, em newtons, que atuam num corpo de massa igual c a 10, 0 kg, em fun¸ao do deslocamento total em metros. c˜ Supondo que a velocidade ´ de 14 1 m/s, determine, em e 2 m/s, a velocidade do corpo depois de percorrer 40, 0 m.

Exerc´ ıcios Complementares

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ESAL-MG) Um homem est´ em repouso com um caia xote tamb´m em repouso as costas. e ` a) Como o caixote tem um peso, o homem est´ realizando a trabalho. b) O homem est´ realizando trabalho sobre o caixote pelo a fato de o estar segurando c) O homem est´ realizando trabalho pelo fato de estar faa zendo for¸a. c d) O homem n˜o realiza trabalho pelo fato de n˜o estar se a a deslocando. e) O homem n˜o realiza trabalho pelo fato de o caixote estar a sujeito a acelera¸ao da gravidade. ` c˜ 2. (UFSE) Um corpo est´ sendo arrastado por uma sua perf´ ıcie horizontal com atrito, em movimento uniforme. Considere as afirma¸oes a seguir: I. O trabalho da for¸a c˜ c de atrito ´ nulo. II. O trabalho da for¸a peso ´ nulo. III. e c e A for¸a resultante que arrasta o corpo ´ nula. Dentre as c e afirma¸oes: c˜ ´ a) E correta a I, somente. ´ b) E correta a II, somente. ´ c) E correta a III, somente. d) S˜o incorretas I, II, III. a e) S˜o corretas II e III. a

6. Um proj´til de massa 10, 0 g penetra com velocidade e horizontal de 100 m/s e sai de uma t´bua de espessura de a 10, 0 mm, com velocidade de 90, 0 m/s. Calcule a for¸a com c que a t´bua exerce sobre o proj´til. a e

4

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

For¸a El´stica c a
Chamamos de corpos el´sticos aqueles que, ao serem dea formados, tendem a retornar a forma inicial. `

7. Um m´vel de massa 2, 90 kg ´ submetido a uma for¸a o e ` c constante e adquire, a partir do repouso, a velocidade de 20, 0 m/s em 8, 00 s. Calcule: a) o trabalho W realizado pela for¸a; c b) a potˆncia P desenvolvida pela for¸a; e c

F´ ısica A
Energia Potencial

Aula 2
Figura 1.1: Robert Hooke (1635-1703) Uma mola helicoidal, feita geralmente de a¸o, como caracc ter´ ıstica pr´pria uma constante el´stica k, que define a o a proporcionalidade entre a intensidade for¸a F aplicada e a c respectiva deforma¸ao x causada na mola. A lei de Hooke c˜ relaciona essas quantidades na forma F = −kx Observe que x mede a deforma¸ao linear da mola a partir c˜ do seu tamanho de equil´ ıbrio (sem for¸a). c Atrv´s a equa¸ao acima, pode-se ver que a unidade SI da e c˜ constante el´stica deve ser N/m. Na pr´tica, a constante a a k mede a “dureza´´ da mola: quanto maior o valor de k, mais dif´ ser´ a sua deforma¸ao, ou seja, mais for¸a ser´ ıcil a c˜ c a necess´ria para deform´-la uma certa quantidade x. a a

Um corpo possui energia quando ´ capaz de realizar trabae lho. Suponha, ent˜o, um corpo situado a uma certa altura a acima do solo. Se este corpo for abandonado, chegando ao solo, ´ f´cil perceber que ser´ capaz de realizar um certo e a a trabalho: amassar um objeto, perfurar o solo, etc. Pode-se pois concluir que aquele corpo possu´ energia na posi¸ao ıa c˜ elevada. A energia que um corpo possui, em virtude de estar situado a uma certa altura acima da superf´ da Terra, ´ denomiıcie e nada energia potencial gravitacional. H´ outras situa¸oes, a c˜ semelhantes a essa, nas quais um corpo tamb´m possui enere gia em virtude da posi¸ao que ele ocupa. Por exemplo, um c˜ corpo situado na extremidade de uma mola comprimida (ou esticada) possui energia em virtude de sua posi¸ao. Se um c˜ corpo comprimir uma mola e soltarmos esse corpo, ele ser´ a empurrado pela mola e poder´ realizar trabalho. Neste caso, a a energia que o corpo possui na ponta da mola comprimida ou esticada ´ denominada energia potencial el´stica. e a

Energia Potencial El´stica a
Quando aplicamos uma for¸a e deformamos uma mola estac mos transferindo a ela uma energia, essa energia fica armazenada na mola. Definimos que a energia armazenada em uma mola comprimida ou distendida ´ chamada de energia e potencial el´stica, atrav´s de a e Ep = 1 2 kx 2

Energia Potencial Gravitacional
Para uma massa m a uma altura h acima do solo, nosso referencial usual de energia zero, podemos definir a energia potencial gravitacional Ep como Ep = mgh onde g ´ a acelera¸ao da gravidade. No SI, g vale aproxie c˜ madamente 9, 8 m/s2 .

Pense um Pouco!
• A energia potencial gravitacional depende da acelera¸ao da gravidade, ent˜o em que situa¸oes essa enerc˜ a c˜ gia ´ positiva, nula ou negativa? e

F´ ısica A – Aula 3 • A for¸a el´stica depende da massa da mola? Por quˆ? c a e • Se uma mola ´ comprimida por um objeto de massa e grande, quando solto a mola n˜o consegue se mover, o a que acontece com a energia potencial el´stica? a

5 a) Determine a enregia potencial el´stica armazenada na a mola. b) Se apenas energia da mola for utilizada integralmente para impulsionar um bloco de 100 g, qual ´ a velocidade e m´xima adquirida pelo bloco? a 7. Qual o trabalho necess´rio para se comprimir uma mola, a cuja constante el´stica ´ 500 N/m, em 10, 0 cm? a e 8. Um menino situado no alto de um edif´ ıcio, segura um corpo de massa 1, 5 kg a uma altura igual a 10 m acima do solo. a) Qual a energia potencia gravitacional do corpo naquela posi¸ao? c˜ b) Qual a energia potencia gravitacional do mesmo corpo, quando situado a 6, 0 m do ch˜o? a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Um garoto atira uma pedra para cima com um estilingue. a) Qual a forma de energia armazenada no estilingue? b) Que forma de energia possui a pedra quando atinge sua altura m´xima? a c) Existe energia no estilingue depois do lan¸amento? Coc mente. 2. Um para-quedista desce com velocidade constante, depois de um certo tempo de queda. a) O que acontece com sua energia potencial Ep ? b) Sua energia cin´tica est´ variando? Comente. e a 3. Um indiv´ ıduo encontra-se sobre uma balan¸a de mola, c pisando sobre ela com seus dois p´s. Se ele levantar um e dos p´s e mantiver o outro apoiado, no interior de um elee vador completamente fechado, quando observa que o peso indicado na balan¸a ´ zero. Ent˜o, conclui que: c e a a) est´ descendo com velocidade constante a b) o elevador est´ com acelera¸ao igual a da gravidade a c˜ ` c) a for¸a de atra¸ao gravitacional exercida sobre ele ´ anuc c˜ e lada pela rea¸ao normal do elevador c˜ d) a balan¸a est´ quebrada, visto que isto ´ imposs´ c a e ıvel 4. Duas pedras, sendo uma de 20 kg e outra de 30 kg, est˜o a a 500 m de altura em rela¸ao ao solo. Vocˆ diria que: c˜ e a) ambas as pedras tˆm igual energia potencial; e b) a pedra de menor massa tem maior energia potencial c) nada podemos afirmar com rela¸ao a energia potencial c˜ ` das pedras d) a pedra de massa menor tem maior capacidade de realizar trabalho e) a pedra de maior massa tem maior energia potencial 5. (UFRN) Uma mola heliciodal, de massa desprez´ ıvel, est´ suspensa verticalmente e presa a um suporte horizona tal. Quando se pendura um corpo de 40 kg na extremidade livre dessa mola, ela apresenta deforma¸ao de 2, 0 cm para c˜ o sistema em equil´ ıbrio. Se acrescentarmos a essa massa outra de 10 kg, no ponto de equil´ ıbrio, a nova deforma¸ao c˜ ser´ de: a a) 3,0 m b) 2,5 cm c) 2,0 m d) 1,5 cm e) 1,0 m

F´ ısica A

Aula 3

Trabalho e Energia Potencial

Figura 1.1: James Prescott Joule (1818-1889). A energia potencial gravitacional est´ relacionada a posi¸ao a ` c˜ de um corpo no campo gravitacional. Em geral, quando movemos o corpo, alteramos sua energia potencial. Para elevar um corpo em equil´ ıbrio do solo at´ uma altura e h, devemos aplicar uma for¸a que prealizar´ um trabalho c a (positivo) de mesmo m´dulo que o trabalho realizado pela o for¸a peso do corpo (negativo). c

Exerc´ ıcios Complementares
6. Uma mola cuja constate el´stica ´ 1000 N/m encontra-se a e comprimida em 10 cm.

6

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o mecˆnica desse corpo se conserva. Por este motivo, as for¸as a c citadas s˜o denominadas for¸as conservativas. Exemplo: a c ao dar corda em um rel´gio, vocˆ est´ armazenando enero e a gia potencial el´stica numa mola, e essa energia estar´ disa a pon´ ıvel para fazer com que o rel´gio trabalhe durante um o certo tempo. Isso s´ ´ poss´ porque a energia el´stica foi oe ıvel a armazenada (conservada). Por outro lado, se existissem for¸as de atrito atuando duc rante o deslocamento do corpo, sua energia mecˆnica n˜o se a a conserva, por que parte dela (ou at´ ela toda) se dissipa sob e forma de calor. Por isso dizemos que as for¸as de atrito s˜o c a for¸as dissipativas. Exemplo: se vocˆ arrastar um caixote c e pelo ch˜o horizontal, durante um longo percurso, ver´ que a a todo o trabalho realizado foi perdido, pois nenhuma parte dessa energia gasta foi armazenada, ou est´ dispon´ a ıvel no caixote.

Fext.= −P
m

Figura 1.2: Um corpo sendo suspenso em equil´ ıbrio.

Um sistema mecˆnico no qual s´ atuam for¸as conservativas a o c O trabalho realizado pela for¸a externa Fext. , ´ armazenado c e ´ dito sistema conservativo, pois a sua energia mecˆnica e a no sistema corpo-Terra na forma de energia potencial gra(E) se conserva, isto ´, mant´m-se com o mesmo valor em e e vitacional Ep , e vale: qualquer momento ou posi¸ao, podendo alternar-se nas suas c˜ formas cin´tica e potencial (gravitacional ou el´stica): e a Ep = −mgh se definirmos o valor zero (Ep = 0) no ch˜o, onde h = 0. a J´ para o sistema massa-mola, temos uma for¸a externa a c sendo aplicada no sistema fazendo com que a mola sofra uma deforma¸ao, sendo essa for¸a c˜ c F = −kx o trabalho W externo necess´rio para esticar a mola uma a quantidade x ser´ a 1 W = kx2 2 e chamamos essa energia, agora armazenada na mola, de energia potencial el´stica. a E = E c + Ep

Figura 1.3: Uma mola esticada, em equil´ ıbrio.

For¸as Conservativas e Dissipativas c
Quando sobre um corpo em movimento atua apenas seu peso, ou for¸a el´stica exercida por uma mola, a energia c a

 ¡  ¡  ¡ ¡  ¡ ¡  ¡ ¡  ¡ ¡  ¡ ¡  ¡ ¡  ¡ ¡  ¡ ¡

 ¡  ¡  ¡ ¡  ¡ ¡ ¢  ¡ ¡  ¡ ¡ £¢£  ¡ ¡  ¡ ¡  ¡ ¡  ¡ ¡

 ¡    ¡ ¡     ¡ ¡     ¡ ¡     ¡ ¡   

P

A Conserva¸˜o da Energia Mecˆnica ca a

Degrada¸˜o da Energia ca
A energia est´ constantemente se transformando, mas n˜o a a pode ser criada nem destru´ ıda. • Em uma usina hidrel´trica, a energia mecˆnica da e a queda d’´gua ´ transformada em energia el´trica. a e e • Em uma locomotiva a vapor, a energia t´rmica ´ transe e formada em energia mecˆnica para movimentar o trem. a • Em uma usina nuclear, a energia proveniente da fiss˜o a dos n´cleos atˆmicos se transforma em energia el´trica. u o e • Em um coletor solar, a energia das radia¸oes provenic˜ entes do sol se transforma em energia t´rmica para o e aquecimento de agua. ´

Pense um Pouco!
• Um corpo cai sobre uma plataforma apoiada numa mola e volta a subir. Ele pode atingir, na volta, altura maior do que aquela de que foi abandonado? Por quˆ? e • Indique algumas fontes de energia e explique a forma de aproveit´-las para a realiza¸ao de trabalho mecˆnico. a c˜ a • Quando se ergue um objeto a uma certa altura, como se realiza menor trabalho: suspendendo-o diretamente por uma corda, na vertical, ou transportando-o atrav´s e de um plano inclinado (sem atrito) at´ a altura desee jada? Por quˆ? e

F´ ısica B – Aula 1 • Compare a energia necess´ria para elevar de 10 m uma a massa na Terra e a energia necess´ria para elevar de a 10 m a mesma massa na Lua. Explique a diferen¸a. c

7 8. Um corpo de massa 5, 0 kg ´ elevado do solo a um ponto e situado a 3, 0 m de altura. Considere g = 10 m/s2 . Determine: a) o trabalho realizado pela for¸a peso do corpo nesse desc locamento; b) o aumento na energia potencial gravitaconal do corpo. 9. (Fatec-SP) Um corpo de massa 2, 0 kg escorrega, a partir do repouso do ponto A, por uma pista vertical sem atrito. Na base da pista, o corpo comprime a mola de constante el´stica 800 N/m. Sendo h = 1, 8 m e g = 10 m/s2 , qual a a deforma¸ao m´xima sofrida pela mola? c˜ a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Quais as transforma¸oes de energia que ocorrem quando c˜ um jogador chuta uma bola? 2. Quais as principais diferen¸as entre energia potencial e c energia cin´tica? e 3. Uma for¸a ´ dita conservativa quando: c e a) n˜o realiza trabalho a b) o trabalho por ela realizado n˜o depende da trajet´ria de a o seu ponto de aplica¸ao c˜ c) realiza apenas trabalhos positivos d) o trabalho por ela realizado n˜o depende da massa do a corpo em que est´ aplicada a e) dissipa energia t´rmica e 4. Um sistema f´ ısico tem energia quando: a) est´ sujeito apenas a a¸oes de for¸as conservativas; a c˜ c b) est´ sujeito a for¸as conservativas e dissipativas; a c c) est´ capacitado a realizar trabalho; a d) possui grande quantidade de atomos ´ e) perde calor

Figura 1.4: Quest˜o 9. a

F´ ısica B
Grandezas F´ ısicas

Aula 1

Exerc´ ıcios Complementares
5. O princ´ ıpio da conserva¸ao da energia afirma que: c˜ a) a energia cin´tica de um corpo ´ constante e e b) a energia potencial el´stica mais a energia cin´tica ´ sema e e pre constante c) a energia n˜o pode ser criada nem destru´ a ıda, mas apenas transformada em calor devido aos atritos d) a energia total de um sistema, isolado ou n˜o, permanece a constante e) a energia n˜o pode ser criada nem destru´ a ıda, mas apenas transformada de uma modalidade para outra 6. A energia mecˆnica de um corpo: a a) ´ a soma da sua energia potencial e cin´tica e e b) depende apenas do referencial c) depende da acelera¸ao do corpo c˜ d) ´ sempre constante, independente do tipo de for¸as atue c antes sobre ele e) depende apenas da velocidade do corpo 7. Para esticar uma mola em 40 cm, ´ necess´ria uma for¸a e a c de 20 N . Determine: a) A constante el´stica da mola; a b) O trabalho realizado pelo agente externo que estica a mola; c) O trabalho realizado pela mola; d) O trabalho que seria necess´rio para deformar a mola em a 80 cm; e) A for¸a necess´ria para esticar a mola em 80 cm. c a

Apesar de existirem muitas grandezas f´ ısicas, s˜o estabelea cidos padr˜es e definidas unidades para que tenhamos um o n´mero m´ u ınimo de grandezas denominadas fundamentais. Utilizando as grandezas fundamentais definem-se unidades para todas as demais grandezas, as chamadas grandezas derivadas. A partir de uma das grandezas fundamentais, o comprimento por exemplo, cuja unidade ´ o metro (m), pode-se e definir as unidades derivadas, como area (m2 ) e volume ´ (m3 ). Utilizando o metro e outra grandeza fundamental, a de tempo, definem-se as unidades de velocidade (m/s) e acelera¸ao (m/s2 ). c˜

Sistema Internacional(SI)
At´ o final do s´culo XV III era muito grande a quantidade e e de padr˜es existentes. Cada regi˜o escolhia arbitrariamente o a as suas unidades. Por motivos hist´ricos, os pa´ de l´ o ıses ıngua inglesa utilizam at´ hoje os seus padr˜es regionais. O elee o vado aumento nos intercˆmbios econˆmicos e culturais levou a o ao surgimento do Sistema Internacional de Unidades ou SI, o sistema m´trico. e Em 1971, a 14a Conferˆncia Geral de Pesos e Medidas ese colheu sete grandezas como fundamentais, formando assim a base do SI. Al´m das grandezas, definiu-se tamb´m os e e s´ ımbolos, unidades derivadas e prefixos. A tabela 1.1 mostra as unidades fundamentais do SI. A tabela 1.2 apresenta algumas unidades derivadas do SI.

8 Grandeza comprimento massa tempo corrente el´trica e temperatura quantidade de mat´ria e intensidade luminosa Unidade metro quilograma segundo amp`re e kelvin mol candela S´ ımbolo m kg s A K mol cd

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o O m´dulo de qualquer n´mero g pode ser escrito como um o u produto de uma mantissa a, entre um e dez, por outro, que ´ uma potˆncia de dez: e e g = a × 10n , onde devemos ter 1 ≤ a < 10. Exemplos • 243 = 2, 43 × 100 = 2, 43 × 102 • 5.315 = 5, 315 × 1000 = 5, 315 × 103 • 0, 00024 = 2, 4 × 0, 0001 = 2, 4 × 10−4 • 0, 00458 = 4, 58 × 0, 001 = 4, 58 × 10−3 Regra Pr´tica a • N´ meros maiores que 1: deslocamos a v´ u ırgula para a esquerda, at´ atingir o primeiro algarismo do n´mero. e u O n´mero de casas deslocadas para a esquerda corresu ponde ao expoente positivo da potˆncia de 10. e • N´ meros menores do que 1: deslocamos a v´ u ırgula para a direita, at´ o primeiro algarismo diferente de e zero. O n´mero de casas deslocadas para a direita coru responde ao expoente negativo da potˆncia de 10. e

Tabela 1.1: Unidades fundamentais do SI. Grandeza area ´ volume densidade Unidade metro quadrado metro c´bico u quilograma por metro c´bico u metro por segundo metro por segundo ao quadrado newton pascal joule watt coulomb volt ohm S´ ımbolo m2 m3 kg/m3

velocidade acelera¸ao c˜

m/s m/s2 N = Kg m/s2 P a = N/m2 J W = J/s C = As V = J/C Ω = V /A

for¸a c press˜o a trabalho, energia, calor potˆncia e carga el´trica e diferen¸a de potencial c resistˆncia el´trica e e

Tabela 1.2: Algumas unidades derivadas do SI. Prefixo pico nano micro mili centi deci deca hecto quilo mega giga tera S´ ımbolo p n µ m c d D H k M G T Potˆncia de dez e correspondente 10−12 10−9 10−6 10−3 10−2 10−1 101 102 103 106 109 1012

Pense um Pouco!
• Quais s˜o as unidades de Peso e de massa? por que a elas n˜o s˜o iguais? a a • Um analg´sico deve ser inserido na quantidade de e 3 mg/kg de massa corporal, mas a dose administrada n˜o pode exceder 200 mg. Cada gota cont´m 5 mg a e do rem´dio. Quantas gotas devem ser prescritas a um e paciente de 80 kg?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UENF-RJ) A tabela abaixo mostra as dimens˜es e as o unidades, no sistema internacional, Grandeza Comprimento Massa Tempo Dimens˜o a L M T Unidades SI m (metro) kg (quilograma) s (segundo)

Tabela 1.3: Prefixos, s´ ımbolos e potˆncias de dez. e

Nota¸˜o Cient´ ca ıfica
A medida de uma determinada grandeza f´ ısica pode resultar em um n´mero que seja extremamente grande ou extremau mente pequeno, por exemplos temos: • distˆncia da Terra a Lua: 384.000.000 m. a ` • diˆmetro de um atomo de hidrogˆnio: 0, 0000000001 m. a ´ e Para manipular tais n´meros, utilizamos a nota¸ao ciu c˜ ent´ ıfica, fazendo uso das potˆncias de 10. e

das grandezas mecˆnicas prim´rias: a a a) Sabendo que for¸a = massa · acelera¸ao, expresse a unic c˜ dade de for¸a em unidades de grandezas prim´rias. c a b) Determine os valores de n e p, se a express˜o M Ln T n−p a corresponde a dimens˜o de energia cin´tica. ` a e 2. (FGV-SP) A dimens˜o de potˆncia em fun¸ao das grana e c˜ dezas fundamentais, massa (M ), comprimento (L) e tempo (T ) ´: e

F´ ısica B – Aula 2 a) M L2 T −2 b) M L2 T −1 c) M L2 T 2 d) M L2 T −3 e) M LT −2 3. (Unifor-CE) Considerando que cada aula dura 50 min, o intervalo de tempo de duas aulas seguidas, expresso em segundos, ´ de: e a) 3, 0 × 102 . b) 3, 0 × 103 . c) 3, 6 × 103 . d) 6, 0 × 103 . e) 7, 2 × 103 .

9

F´ ısica B
Algarismos Significativos

Aula 2

A precis˜o de uma medida simples depende do instrumento a utilizado em sua medi¸ao. Uma medida igual a 2, 00 cm n˜o c˜ a deve ser escrita como 2, 0 cm ou 2 cm. Denominamos algarismos significativos todos os algarismos conhecidos com certeza, acompanhados de um ultimo duvi´ doso, que expressam o valor da medida de uma grandeza, ou seja: todos os algarismos que representam a medida de uma grandeza s˜o algarismos significativos, sendo chamados a de corretos, com exce¸ao do ultimo, que recebe o nome de c˜ ´ algarismo duvidoso. O algarismo duvidoso de uma medida ser´ sublinhado para a destac´-lo, quando for preciso. a Exemplos 1. A medida 2, 35 cm apresenta trˆs algarismos significae tivos (2, 3 e 5), sendo dois algarismos corretos (2 e 3) e um algarismo duvidoso (5). 2. A medida 0, 00057 mm apresenta somente dois algarismos significativos ( 5 e 7), sendo um correto (5) e um duvidoso (7). Observe que os zeros a esquerda ` n˜o s˜o algarismos significativos, pois servem apenas a a para posicionar a v´ ırgula no n´mero. Nesse caso, ´ u e aconselh´vel escrever a medida em nota¸ao cient´ a c˜ ıfica: 5, 7 × 10−4 mm. 3. A medida 150, 00 km apresenta cinco algarismos significativos, sendo os quatro primeiros corretos, e o ultimo ´ zero ´ o algarismo duvidoso. Em nota¸ao cient´ e c˜ ıfica escrevemos: 1, 5000 × 102 km. Note que ao escrevermos um n´mero usando as potˆncias de 10 mantemos u e a quantidade de algarismos significativos deste n´mero, u ou seja, mantemos sua precis˜o. a 4. Considere a medida do comprimento de uma haste com r´gua com divis˜es em cent´ e o ımetros: 0 cm 1 2 3 4 5 6 7

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UFPI) A nossa gal´xia, a V´ L´ctea, cont´m cerca de a ıa a e 400 bilh˜es de estrelas. Suponha que 0, 05% dessas estreo las possuam um sistema planet´rio onde exista um planeta a semelhante a Terra. O n´mero de planetas semelhantes a ` u ` Terra, na V´ L´ctea, ´: ıa a e a) 2 × 104 . b) 2 × 106 . c) 2 × 108 . d) 2 × 1011 . e) 2 × 1012 . 5. Transforme em quilˆmetros: o a) 3600 m; b) 2160000 cm; c) 0, 03 m; d) 5780 dm; e) 27600 m; f) 5800 mm; 6. (Unifor-CE) Um livro de F´ ısica tem 800 p´ginas e 4, 0 cm a de espessura. A espessura de uma folha do livro vale, em mil´ ımetros: a) 0, 025. b) 0, 050. c) 0, 10. d) 0, 15. e) 0, 20. 7. Escreva os seguintes n´meros em nota¸ao cient´ u c˜ ıfica: a) 570.000 b) 12.500 c) 50.000.000 d) 0, 0000012 e) 0, 032 f) 0, 72 g) 82 × 103 h) 640 × 105 i) 9.150 × 10−3 j) 200 × 10−5 k) 0, 05 × 103 l) 0, 0025 × 10−4

Qual das op¸oes abaixo melhor representa o compric˜ mento da haste? a) 5, 0 cm b) 5, 40 cm c) 5 cm d) 5, 5 cm e) 5, 2 cm 5. Considere a figura: 0 cm 1 2 3 4 5 6 7

10 A mesma haste do exemplo anterior, medida agora com uma r´gua milimetrada: e a) 5, 2 cm b) 5, 240 cm c) 5, 45 cm d) 5, 24 cm e) 5, 21 cm 6. Indique o n´mero de algarismos significativos de cada u n´mero abaixo: u a) 7, 4 b) 0, 0007 c) 0, 034 d) 7, 40 × 10−10 2 significativos 1 significativo 2 significativos 3 significativos

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Multiplica¸˜o e Divis˜o ca a O resultado de uma multiplica¸ao e divis˜o n˜o pode ter c˜ a a maior n´mero de algarismos significativos do que o fau tor mais pobre (em algarismos significativos). Procede-se a opera¸ao normalmente e arredonda-se o resultado. c˜ Exemplos • 4, 23 m × 2, 000 m = 8, 46 m2 = 8, 5 m2 • 4, 98 cm ÷ 2, 00 s = 2, 49 cm/s = 2, 5 cm/s

Rela¸oes entre Grandezas F´ c˜ ısicas
Muitos fenˆmenos f´ o ısicos podem ser reduzidos ao estudo da rela¸ao entre duas grandezas. Quando isto ocorre, os dados c˜ obtidos das medi¸oes podem ser expressos por uma reprec˜ senta¸ao gr´fica num plano cartesiano por meio de dois eixo c˜ a perpendiculares entre si. Atrav´s da representa¸ao gr´fica da rela¸ao entre duas grane c˜ a c˜ dezas pertencentes a um determinado fenˆmeno f´ o ısico, podemos obter algumas conclus˜es sobre o comportamento de o uma das grandezas (vari´vel dependente) em rela¸ao a outra a c˜ (vari´vel independente). a Consideremos o seguinte exemplo: Uma pessoa com febre foi medicada, ingerindo uma dose do medicamento as 8 horas ` e uma outra dose as 12 horas da manh˜. A temperatura da ` a pessoa foi verificada de hora em hora e os resultados obtidos s˜o mostrados abaixo. a Tempo (h) 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Temperatura (◦ C) 39,0 39,0 38,5 38,0 38,5 37,5 37,0 36,5 36,5 36,5

Crit´rios de Arredondamento e
Considere a velocidade da luz c = 2, 9979 . . . × 10 8 m/s. Como devemos proceder para escrever “c” com um n´mero u menor de algarismos significativos? Devemos utilizar os crit´rios de arredondamento. e 4 significativos 3 significativos 2 significativos

Podemos escrever: c = 3, 00 × 10 m/s
8

c = 2, 998 × 108 m/s
8

c = 3, 0 × 10 m/s

REGRAS
• Se o algarismo a ser eliminado ´ menor que 5, ele ´ e e simplesmente eliminado. √ Exemplo: 2 = 1, 41421 . . . = 1, 414 • Se o algarismo a ser eliminado ´ igual ou maior que e 5, ele ´ eliminado, mas acrescentamos uma unidade no e algarismo anterior. Exemplo: π = 3, 1415926 . . . = 3, 1416

Opera¸oes com Algarismos Significativos c˜
Adi¸˜o e Subtra¸˜o ca ca O resultado da adi¸ao e subtra¸ao de dois n´meros n˜o pode c˜ c˜ u a ter maior n´mero de casas decimais, do que a parcela mais u pobre (em casas decimais). Procede-se a opera¸ao normalc˜ mente e arredonda-se o resultado. Exemplos

Podemos representar os dados da tabela acima em um gr´fico. A representa¸ao gr´fica das vari´veis temperatura a c˜ a a (vari´vel dependente: eixo vertical) e tempo (vari´vel indea a pendente: eixo horizontal) est´ mostrada na Fig. 1.1. a O gr´fico cartesiano mostrado anteriormente, al´m de facia e litar a visualiza¸ao do comportamento da temperatura da c˜ pessoa durante as 9 horas de observa¸ao, permite tamb´m, c˜ e algumas conclus˜es. o

Como Construir um Gr´fico a
• 5, 3 m + 4, 38 m = 9, 68 m = 9, 7 m • 138, 95 m − 12, 3 m = 126, 65m = 126, 7 m Sublinhamos o algarismo duvidoso, identificando-o, para a seguir procedermos o arredondamento. Para que gr´ficos sejam constru´ a ıdos de forma objetiva e clara ´ necess´rio respeitar algumas regras simples: e a • O eixo vertical ´ chamado de eixo das abscissas e o e horizontal de eixo das coordenadas;

F´ ısica B – Aula 2

11

40.0 39.0 T(oC) 38.0

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Determine o comprimento de cada haste: 0 cm 1 a) 2 3 4 5 6 7

37.0 36.0 35.0 0.0
b)

0 cm 1

2

3

4

5

6

7

0 cm 1

2

3

4

5

6

7

2.0

4.0 t(h)

6.0

8.0

10.0

c) 0 cm 1 2 3 4 5 6 7

Figura 1.1: Gr´fico da temperatura em fun¸ao do tempo a c˜ • a vari´vel dependente deve ser colocada no eixo vertical a e a vari´vel independente no eixo horizontal; a • os eixos devem se encontrar no canto inferior esquerdo do papel, ou espa¸o (retˆngulo) reservado para c a o gr´fico; a • as escalas s˜o independentes e devem ser constru´ a ıdas independentemente; • as divis˜es num´ricas das escalas (lineares) devem ser o e regulares; • o valor zero (0) n˜o precisa estar em nenhuma das esa calas; • as escalas devem crescer da esquerda para a direita, e de baixo para cima; • antes de iniciar a constru¸ao de um gr´fico deve-se vec˜ a rificar a escala a ser usada levando em considera¸ao os c˜ valores extremos, ou seja, o maior e o menor valor assumido por ambas as vari´veis do gr´fico. Divide-se ent˜o a a a o espa¸o dispon´ c ıvel, em cada eixo, para que acomode todos os pontos experimentais; • o teste final para saber se as escalas est˜o boas ´ feito a e verificando-se se ´ f´cil de ler as coordenadas de quale a quer ponto nas escalas.

d) 0 cm 1 e) 0 cm 1 f) 2. (UFSE) A escala de uma trena tem, como menor divis˜o, a o mil´ ımetro. Essa trena ´ utilizada para se medir a distˆncia e a entre dois tra¸os paralelos, muito finos, feitos por um estilete c sobre uma superf´ ıcie plana e lisa. Considerando que n˜o a houve erro grosseiro, o resultado de uma s´ medi¸ao, com o c˜ o n´mero correto de algarismos significativos, ´ mais bem u e representado por: a) 2 m b) 21 dm c) 214 cm d) 2, 143 m e) 2.143, 4 m 2 3 4 5 6 7 2 3 4 5 6 7

Exerc´ ıcios Complementares
3. (Cesgranrio) Um estudante deseja medir o comprimento de sua mesa de trabalho. N˜o dispondo de r´gua, decide a e utilizar um toco de l´pis como padr˜o de comprimento. Vea a rifica ent˜o que o comprimento da mesa equivale ao de 13, 5 a tocos de l´pis. Chegando ao col´gio, mede com uma r´gua a e e o comprimento do seu toco de l´pis, achando 8, 9 cm. O a comprimento da mesa ser´ corretamente expresso por: a a) 120, 15 cm b) 120, 2 cm c) 1 × 102 cm d) 1, 2 × 102 cm e) 102 cm 4. (PUC-MG) Um estudante concluiu, ap´s realizar a meo dida necess´ria, que o volume de um dado ´ 2, 36 cm 3 . a e Levando-se em conta os algarismos significativos, o volume total de cinco dados, idˆnticos ao primeiro, ser´ corretae a mente expresso por: a) 6, 8 cm3

Pense um Pouco!
• A fun¸ao da posi¸ao x em rela¸ao ao tempo t de um c˜ c˜ c˜ ponto material em movimento retil´ ıneo, expressa em unidades do SI, ´ e x = 10 + 5, 0t Determine: a) a posi¸ao do ponto material no instante 5, 0 s; c˜ b) o instante em que a posi¸ao do ponto material ´ c˜ e x = 50 m; c) esboce o gr´fico x × t do movimento. a

12 b) 7 cm3 c) 13, 8 cm3 d) 16, 80 cm3 e) 17, 00 cm3 5. Medindo a espessura de um caderno comum de 100 folhas, sem considerar as capas, um estudante obteve a medida de 1, 0 cm. A ordem de grandeza da espessura m´dia e de uma folha ´: e a) 10−1 mm b) 10−2 mm c) 10−3 mm d) 10−4 mm e) 10−5 mm

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o No exemplo anterior do carro, poder´ ıamos dizer, por exemplo, que ele se movimenta num certo instante com velocidade v, de m´dulo v = 80 km/h, na dire¸ao norte-sul e seno c˜ tido de sul para norte. Essa velocidade vetorial instantˆnea a pode ser representada por um vetor, como mostra a figura 1.1.

F´ ısica B

Aula 3
Figura 1.1: Exemplo de representa¸ao vetorial c˜ Como afirmamos anteriormente, para representar grandezas vetoriais ´ preciso indicar, al´m do m´dulo, a dire¸ao e e e o c˜ o sentido da grandeza. Podemos fazer essa indica¸ao utilic˜ zando um vetor (veja a figura 1.2). O vetor pode ser representado por um segmento de reta orientado cujo tamanho intensidade - ´ proporcional a intensidade da grandeza que e ` representa. Para melhor entendermos o significado e a representa¸ao de c˜ um vetor, observe a figura 1.3.

Grandezas Escalares e Vetoriais
Na F´ ısica tratamos de dois tipos principais de grandezas: as grandezas escalares e grandezas vetoriais.

Grandezas Escalares
A grandeza escalar ´ aquela que fica perfeitamente cae racterizada quando conhecemos apenas sua intensidade acompanhada pela correspondente unidade de medida. Como exemplos de grandeza f´ ısica escalar podemos citar a massa de um corpo (por exemplo, 50 kg), a temperatura (por exemplo 36 o C), o volume (5 m3 , por exemplo), a densidade (para a agua, 1000 kg/m3 ), a press˜o (105 N/m2 ), a ´ a energia (por exemplo 100 J) e muitas outras. Para operar com grandezas escalares, segue-se as regras de opera¸oes alg´bricas comuns, arredondando-se quando nec˜ e cess´rio. a

Figura 1.2: A reta s, que cont´m o vetor, indica a dire¸ao e c˜ e a seta indica o sentido

Grandezas Vetoriais
Dada a velocidade instantˆnea de um m´vel qualquer (por a o exemplo, um carro a 80 km/h), constatamos que apenas essa indica¸ao ´ insuficiente para dizermos a dire¸ao em que c˜ e c˜ o m´vel segue. Isso acontece porque a velocidade ´ uma o e grandeza vetorial. Para uma grandeza f´ ısica vetorial ficar totalmente caracterizada, ´ necess´rio saber n˜o apenas a sua intensidade ou e a a m´dulo mas tamb´m a sua dire¸˜o e o seu sentido. Geo e ca ralmente a grandeza vetorial ´ indicada por uma letra com e uma setinha (por exemplo, v) e o m´dulo ou intensidade, o por |v| ou simplesmente por v.

Figura 1.3: Representa¸ao de algums vetores c˜ Na figura de cima os vetores representados possuem mesma dire¸ao e sentido; na figura de baixo os vetores apresentam c˜ a mesma dire¸ao e sentidos opostos. Portanto, podemos c˜ notar que vetores de mesma dire¸ao s˜o paralelos, o que c˜ a n˜o garante que tenham o mesmo sentido. a

A grandeza f´ ısica vetorial pode ser representada graficamente por um segmento de reta (indicando a dire¸ao da c˜ grandeza) dotado de uma seta (indicativa de seu sentido) e trazendo ainda seu valor seguido da unidade de medida (indica¸ao de seu m´dulo ou intensidade). Tal representa¸ao ´ c˜ o c˜ e denominada vetor.

F´ ısica B – Aula 3 Soma de Vetores Paralelos Quando os vetores tem a mesma dire¸ao, podemos deterc˜ minar o m´dulo do vetor soma estabelecendo convencionalo mente um sentido como positivo e somando algebricamente os seus m´dulos. Observe: o

13

Figura 1.4: De acordo com a conven¸ao adotada, o c˜ m´dulodo vetor ser´ d = a + b − c. o a Os vetores a, b e c possuem a mesma dire¸ao (horizontal). c˜ Adotamos como positivo o sentido horizontal para a direita. Assim, os vetores a e b s˜o positivos e o vetor c ´ negativo. a e O m´dulo do vetor soma, d, ´ dado por o e d=a+b−c Se obtermos um valor positivo para d, isso significa que seu sentido ´ positivo, ou seja, o vetor ´ horizontal para a direita; e e se for negativo, o seu sentido ´ negativo, isto ´, o vetor ´ e e e horizontal para a esquerda. Vetores Perpendiculares Imaginaremos agora, que um m´vel parte de um ponto A e o sofre um deslocamento d1 no sentido leste, atingindo um ponto B e, em seguida, um deslocamento d2 no sentido norte, atingindo um ponto C (veja a figura 1.5) Podemos notar facilmente que o deslocamento d1 , de A para B, e o d2 , de B para C, equivalem a um unico deslocamento, ´ d, de A para C. Desta forma, o deslocamento d ´ a soma e vetorial ou resultante dos deslocamentos d1 e d2 , ou seja, d = d1 + d2 Este resultado ´ v´lido para qualquer grandeza vetorial. e a Veja a figura 1.6. Os vetores a e b tem como vetor soma resultante o vetor c. ´ E crucial notar que a coloca¸ao do vetor b na origem ou na c˜ extremidade do vetor a n˜o altera o vetor soma c. Devea se observar que os vetores a, b e c formam um triˆngulo a retˆngulo, em que c ´ a hipotenusa a e b s˜o catetos. Para a e a obtermos o m´dulo do vetor resultante, basta aplicar o teo orema de Pit´goras: a c2 = a 2 + b 2

Figura 1.5: O deslocamento d equivale aos deslocamentos d1 e d2 . Portanto d = d1 + d2 . Soma de Vetores A soma de vetores perpendiculares entre si ou de dire¸oes c˜ quaiaquer n˜o apresenta muita diferen¸a. Para um m´vel, a c o partir de A e atingir B num deslocamento d1 e, em seguida, atingir C num deslocamento d2 equivale a partir de A e atingir C num deslocamento d (veja figura 1.7). Desta forma, d = d1 + d2 Na determina¸ao do m´dulo do vetor d resultante, n˜o poc˜ o a demos aplicar o teorema de Pit´goras, tendo em vista que a o angulo entre d1 e d2 n˜o ´ reto (90o ). Assim, aplicamos a ˆ a e regra do paralelogramo, como mostra a figura 1.8. Os vetores a e b formam um paralelogramo cuja diagonal ´ o e vetor resultante c. De acordo com a regra do paralelogramo, se a e b formam entre si um angulo α, o m´dulo do vetor ˆ o resultante c ser´ dado pela express˜o: a a c2 = a2 + b2 + 2ab · cos α Decomposi¸˜o de Vetores ca Ao somarmos dois vetores, podemos obter um unico vetor, ´ o vetor resultante, equivalente aos dois vetores somados. Ao decompormos dois vetores, realizamos um processo inverso. Dado um vetor a, obtˆm-se outros dois vetores ax e ay tal e que ax + ay = a (veja a figura 1.9). O vetor ay pode ser deslocado para a extremidade do vetor ax de tal forma que o vetor a e seus vetores componentes a x e ay formem um triˆngulo retˆngulo (figura 1.10). Aplicando a a a trigonometria ao triˆngulo retˆngulo, podemos determinar a a o m´dulo dos componentes ax (horizontal) e ay (vertical) o de a em fun¸ao do angulo α. Desta forma, no triˆngulo c˜ ˆ a

14

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Figura 1.6: O vetor c ´ a resultante ou soma vetorial de a e e b.

Figura 1.8: A diagonal do paralelogramo, cujos lados s˜o os a vetores a e b, ´ o vetor resultante c. Podemos deslocar o e vetor b para outra extremidade de a, reproduzindo a figura anterior.

• O m´dulo da soma de dois vetores pode ser igual a o ` soma de seus m´dulos? Quando? o • O m´dulo de um vetor pode ser negativo? Por quˆ? o e

Figura 1.7: O deslocamento d equivale aos deslocamentos d1 e d2 . rachurado da figura 1.10, temos cos α = cateto adjacente ax ⇒ cos α = hipotenusa a ax = a · cos α onde ax ´ o m´dulo da componente horizontal ax do vetor e o a. Temos ainda sin α = cateto oposto ay ⇒ sin α = hipotenusa a ay = a · sin α onde ay ´ o m´dulo da componente vertical ay do vetor a. e o Podemos relacionar o m´dulo do vetor e o m´dulo de seus o o componentes ortogonais, aplicando o teorema de Pit´goras a no triˆngulo formado por a e seus componentes a x e ay : a a2 = a 2 x + a 2 y

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Um m´vel desloca-se 120 m no sentido oeste-leste, e em o seguida, 50 m no sentido norte-sul. a) Represente esquematicamente esses deslocamentos. b) Determine o m´dulo do deslocamento resultante. o 2. Na figura, F1 = F2 = 100 N . Determine o m´dulo da o resultante de F1 e F2 . (Dado: cos 120o = -0,50.)

Pense um Pouco!
• Qual a condi¸ao para que a soma de dois vetores seja c˜ nula? 3. Um proj´til ´ atirado com velocidade de 400 m/s fae e zendo um angulo de 45◦ com a horizontal. Determine os ˆ componentes vertical e horizontal da velocidade do proj´til. e

F´ ısica B – Aula 4

15 5. Um vetor velocidade ´ decomposto em dois outros, pere pendiculares entre si. Sabendo que o m´dulo do vetor ´ o e 10 m/s e que um dos componentes tem m´dulo igual a o 8 m/s, determine o m´dulo do vetor correspondente ao ouo tro componente. 6. Um proj´til ´ lan¸ado do solo segundo uma dire¸ao que e e c c˜ forma 53o com a horizontal com uma velocidade de 200 m/s (veja a figura a seguir). Determine o m´dulo dos componeno tes horizontal, vx , e vertical, vy , dessa velocidade. (Dados: sen 53o = 0, 80; cos 53o = 0, 60.)

Figura 1.9: O vetor a pode ser decomposto em um componente horizontal, ax , e outro vertical, ay .

7. Um avi˜o voa no sentido sul-norte com uma velocidade a de 900 km/h. Num determinado instante passa a soprar um forte vento com velocidade 50 km/h, no sentido sudoestenordeste. a) Fa¸a um esquema gr´fico representando a velocidade do c a avi˜o e do vento. a b) Determine o m´dulo da velocidade resultante. (Dados: o cos 45o = 0, 71). Figura 1.10: O vetor a e seus componentes ax e ay formam um triˆngulo retˆngulo, onde a ´ a hipotenusa e ax e ay s˜o a a e a os catetos.

F´ ısica B
A Primeira Lei de Newton
O Conceito de For¸a c

Aula 4

Exerc´ ıcios Complementares
4. Na figura abaixo est˜o representadas duas for¸as: F1 , de a c m´dulo F1 = 5, 0 N e F2 , de m´dulo F2 = 3, 0 N , formando o o entre si um angulo α = 60◦ . Determine a for¸a resultante ˆ c FR para o sistema de for¸as mostrado. c

Geralmente utilizamos uma for¸a com o objetivo de empurc rar, puxar ou levantar objetos. Essa id´ia ´ correta, por´m e e e incompleta. A id´ia de puxar ou empurrar est´ quase seme a pre associada a id´ia de contato, o que exclui uma carace ter´ ıstica fundamental da no¸ao de for¸a: a a¸ao a distˆncia. c˜ c c˜ ` a A atra¸ao gravitacional entre o Sol e a Terra, por exemplo, c˜ ´ exercida a milh˜es de quilˆmetros de distˆncia. e o o a A palavra for¸a n˜o possui uma defini¸ao unica, expressa em c a c˜ ´ palavras. A F´ ısica moderna admite a existˆncia de quatro e tipos de for¸a na natureza, chamadas mais adequadamente c de intera¸oes: gravitacional, eletromagn´tica, e as for¸as c˜ e c nucleares forte e fraca. Em rela¸ao ao estudo dos movimentos e de suas causas, c˜ pode-se dizer que for¸a ´ a a¸ao capaz de modificar a veloc e c˜ cidade de um corpo. Como muitas outras grandezas em F´ ısica, a for¸a ´ uma c e grandeza vetorial, ou seja, possui m´dulo dire¸ao e sentido. o c˜

16 Podemos resumir, ent˜o a defini¸ao de for¸a da seguinte a c˜ c forma: For¸a ´ uma grandeza vetorial que caractec e riza a a¸˜o de um corpo sobre outro e que ca tem como efeito a deforma¸˜o ou a altera¸˜o ca ca da velocidade do corpo sobre o qual ela est´ a sendo aplicada.

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

O que ´ In´rcia? e e
Todos os corpos apresentam a tendˆncia de se manter em e repouso ou em movimento retil´ ıneo uniforme. Essa propriedade dos corpos ´ chamada in´rcia. A palavra in´rcia ´ dee e e e rivada do latim inertia, que significa indolˆncia ou pregui¸a. e c Os corpos tˆm uma esp´cie de resistˆncia as modifica¸oes de e e e ` c˜ sua velocidade.

A Primeira Lei de Newton

Equil´ ıbrio de uma Part´ ıcula
Dizemos que uma part´ ıcula se encontra em equil´ ıbrio, quando a resultante das for¸as atuando sobre ela for nula. c Se a resultante ´ nula, n˜o ocorre altera¸ao na velocidade e a c˜ do objeto. Assim,se ele estiver em repouso, chamamos o equil´ ıbrio de est´tico; se ele estiver em movimento retil´ a ıneo e uniforme, o equil´ ıbrio ser´ chamado de dinˆmico. a a

Pense um Pouco!
• Qual a rela¸ao entre a Primeira Lei de Newton e o cinto c˜ de seguran¸a? e o encosto para a cabe¸a no banco do c c carro? • Por que quando um onibus freia repentinamente, os ˆ passageiros s˜o “arremessados” para a frente? e o que a ocorre quando o onibus ´ acelerado? ˆ e

Figura 1.1: Isaac Newton (1642-1727). Antes de falarmos da Primeira Lei de Newton, devemos pensar em uma pergunta: “o que acontece com o movimento de um corpo livre de qualquer for¸a?” Essa pergunta pode c ser respondida em duas partes. A primeira trata do efeito da inexistˆncia de for¸as sobre o corpo em repouso: se nee c nhuma for¸a atua sobre o corpo em repouso, ele continua em c repouso. A segunda parte trata do efeito da inexistˆncia de e for¸as sobre o corpo em movimento: se nenhuma for¸a atua c c sobre o corpo em movimento, ele continua em movimento. Mas que tipo de movimento? J´ que n˜o existem for¸as a a c atuando sobre o corpo, sua velocidade n˜o varia de m´dulo a o ou dire¸ao. Desta forma, o unico movimento poss´ c˜ ´ ıvel do corpo na ausˆncia de qualquer for¸a atuando sobre ele ´ o e c e movimento retil´ ıneo uniforme. A Primeira Lei de Newton re´ne as duas respostas anteriou res em um unico enunciado: ´ Todo corpo tende a manter seu estado de repouso ou de movimento retil´ ıneo e uniforme, a menos que for¸as externas provoc quem varia¸˜o na sua velocidade. ca De acordo com a primeira Lei de Newton, podemos afirmar que na ausˆncia de for¸as, todo corpo tende a ficar como e c est´: parado se estiver parado, em movimento retil´ a ıneo uniforme, se estiver em movimento (retil´ ıneo uniforme). Por este motivo essa lei tamb´m ´ chamada de Princ´ e e ıpio da In´rcia. e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFMG) Um corpo de massa m est´ sujeito a a¸ao de a ` c˜ uma for¸a F que o desloca segundo um eixo vertical em senc tido contr´rio ao da gravidade. Se esse corpo se mover com e velocidade constante ´ porque: e a) a for¸a F ´ maior do que a da gravidade. c e b) a for¸a resultante sobre o corpo ´ nula. c e c) a for¸a F ´ menor do que a gravidade. c e d) a diferen¸a entre os m´dulos das for¸as ´ diferente de c o c e zero. e) a afirma¸ao da quest˜o est´ errada, pois qualquer que c˜ a a seja F o corpo estar´ acelerado porque sempre existe a acea lera¸ao da gravidade. c˜ 2. (Vunesp-SP) Assinale a alternativa que representa o enunciado da Lei da In´rcia, tamb´m conhecida como prie e meira Lei de Newton. a) Qualquer planeta gira em torno do Sol descrevendo uma orbita el´ ´ ıptica, da qual o Sol ocupa um dos focos. b) Dois corpos quaisquer se atraem com uma for¸a proporcic onal ao produto de suas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distˆncia entre eles. a c) Quando um corpo exerce uma for¸a sobre outro, este rec age sobre o primeiro com uma for¸a de mesma intensidade c e dire¸ao, mas de sentido contr´rio. c˜ a d) A acelera¸ao que um corpo adquire ´ diretamente proporc˜ e cional a resultante das for¸as que nele atuam, e tem mesma ` c dire¸ao e sentido dessa resultante. c˜

F´ ısica C – Aula 1 e) Todo corpo continua em seu estado de repouso ou de movimento uniforme em uma linha reta, a menos que sobre ele estejam agindo for¸as com resultante n˜o nula. c a 3. (Vunesp-SP) As estat´ ısticas indicam que o uso do cinto de seguran¸a deve ser obrigat´rio para prevenir les˜es mais c o o graves em motoristas e passageiros no caso de acidentes. Fisicamente, a fun¸ao do cinto est´ relacionada com a: c˜ a a) primeira Lei de Newton. b) lei de Snell. c) lei de Amp`re. e d) lei de Ohm. e) primeira Lei de Kepler.

17 tas ocorre sobre um plano bem definido, e cada planeta tem o seu plano orbital diferente, e todos esses planos devem ter pelo menos um ponto em comum, o Sol.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (Unitau-SP) Uma pedra gira em torno de um apoio fixo, presa por uma corda. Em um dado momento, corta-se a corda. Pela Lei da In´rcia, conclui-se que: e a) a pedra se mant´m em movimento circular. e b) a pedra sai em linha reta, segundo a dire¸ao perpendicuc˜ lar a corda no instante do corte. ` c) a pedra sai em linha reta, segundo a dire¸ao da corda no c˜ instante do corte. d) a pedra p´ra. a e) a pedra n˜o tem massa. a 5. (Ucsal-BA) Uma mesa, em movimento uniforme retil´ ıneo, s´ pode estar sob a a¸ao de uma: o c˜ a) for¸a resultante n˜o-nula na dire¸ao do movimento. c a c˜ b) unica for¸a horizontal. ´ c c) for¸a resultante nula. c d) for¸a nula de atrito. c e) for¸a vertical que equilibre o peso. c 6. (Fiube-MG) Uma part´ ıcula se desloca ao longo de uma reta com acelera¸ao nula. Nessas condi¸oes, podemos afirc˜ c˜ mar corretamente que sua velocidade escalar ´: e a) nula. b) constante e diferente de zero. c) inversamente proporcional ao tempo. d) diretamente proporcional ao tempo. e) diretamente proporcional ao quadrado do tempo.

Figura 1.1: 1a Lei de Kepler.

´ A Lei da Areas (1609)
A reta unindo o planeta ao Sol varre areas ´ iguais em tempos iguais. O significado f´ ısico desta lei ´ que a velocidade orbital n˜o ´ uniforme, mas e a e varia de forma regular: quanto mais distante o planeta est´ do Sol, mais devagar ele se move. Dia zendo de outra maneira, esta lei estabelece que a velocidade areolar (referente a area) ´ constante. ´ e

Figura 1.2: 2a Lei de Kepler.

A Lei dos Per´ ıodos (1618)

F´ ısica C
As Leis de Kepler
´ A Lei das Orbitas (1609)

Aula 1

O quadrado do per´ ıodo orbital dos planetas ´ e diretamente proporcional ao cubo de sua distˆncia a m´dia ao Sol. e Esta lei estabelece que planetas com orbitas maiores se mo´ vem mais lentamente em torno do Sol e, portanto, isso implica que a for¸a entre o Sol e o planeta decresce com a c distˆncia ao Sol. Sendo P o per´ a ıodo orbital do planeta, a o semi-eixo maior da orbita, que ´ igual a distˆncia m´dia ´ e ` a e do planeta ao Sol, e K uma constante, Podemos expressar a 3a lei como: P2 =K a3 Se medimos P em anos (o per´ ıodo orbital da Terra), e a em unidades astronˆmicas (1 u.a. = distˆncia m´dia da Terra o a e

A orbita de cada planeta ´ uma elipse, com o ´ e Sol em um dos focos. Como consequˆncia da orbita e ´ ser el´ ıptica, a distˆncia do Sol ao planeta varia ao a longo de sua orbita. ´ Lembre-se, a elipse ´ uma linha plana, com focos no seu e mesmo plano. Isso implica em que o movimento dos plane-

18 ao Sol), ent˜o K = 1, e podemos escrever a 3a lei como: a P2 =1 a3 e podemos concluir que, para os planetas internos (a < 1 u.a.) o per´ ıodo orbital (ano) ser´ menor do que o ano a terrestre. E para os planetas exteriores (a > 1 u.a.), o per´ ıodo ´ maior do que o terrestre. e

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o maior; c) Quanto mais pr´ximo de uma estrela (menor raio m´dio o e da orbita) gravita um planeta, menor ´ o seu per´ ´ e ıodo de revolu¸ao; c˜ d) Sat´lites diferentes gravitando em torno da Terra, na e mesma orbita tˆm per´ ´ e ıodos de revolu¸ao iguais; c˜ e) Devido a sua maior distˆncia do Sol (maior raio m´dio da ` a e orbita) o ano de Plut˜o tem dura¸ao menor que o da Terra. ´ a c˜

Pense um Pouco!
• Se um novo planeta for descoberto a meia distˆncia a entre o Sol e a Terra, qual o seu per´ ıodo orbital. • Um s´telite em orbita na Terra, passando pelo ponto a ´ mais pr´ximo da Terra, est´ mais r´pido ou mais lento o a a se comparado ao ponto em que est´ mais afastado da a Terra?

Exerc´ ıcios Complementares
5. Com rela¸ao as leis de Kepler, podemos afirmar que: c˜ ` a) N˜o se aplicam ao estudo da gravita¸ao da Lua em torno a c˜ da Terra; b) s´ se aplicam ao nosso Sistema Solar; o c) aplicam-se a gravita¸ao de quaisquer corpos em torno de ` c˜ uma grande massa central; d) contrariam a mecˆnica de Newton; a e) n˜o prevˆem a possibilidade da existˆncia de orbitas cira e e ´ culares. 6. Considere dois sat´lites de massas ma e mb , sendo ma = e 2mb , descrevendo a mesma orbita em torno da Terra. Com ´ rela¸ao a velocidade dos dois teremos: c˜ ` a) va > vb b) va < vb c) va = vb d) va = vb /2 e) n.r.a 7. Um planeta descreve uma orbita el´ ´ ıptica em torno do Sol. O ponto A ´ o ponto da orbita mais pr´ximo do Sol; o e ´ o ponto B ´ o ponto mais distante. No ponto A: e a) a velocidade de rota¸ao do planeta ´ m´xima; c˜ e a b) a velocidade de transla¸ao do planeta se anula; c˜ c) a velocidade de transla¸ao do planeta ´ m´xima; c˜ e a d) a for¸a gravitacional sobre o planeta se anula; c e) n.r.a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. A tabela abaixo mostra como fica a 3a Lei de Kepler para os planetas vis´ ıveis a olho nu. Complete os dados que est˜o faltando. a Planeta a(u.a.) P (ano) a3 P2 Merc´rio u 0,387 0,241 0,058 0,058 Vˆnus e 0,723 0,615 0,378 Terra 1,000 1,000 1,000 1,000 Marte 1,524 1,881 3,537 J´pter u 5,203 11,862 140,700 Saturno 9,534 29,456 2. Adotando o Sol como referencial, aponte a alternativa que condiz com a 1a lei de Kepler da Gravita¸ao Universal c˜ (lei das orbitas): ´ a) As orbitas planet´rias s˜o curvas quaisquer, desde que ´ a a fechadas; b) As orbitas planet´rias s˜o espiraladas; ´ a a c) As orbitas planet´rias n˜o podem ser circulares; ´ a a d) As orbitas planet´rias s˜o el´ ´ a a ıpticas, com o Sol ocupando o centro da elipse; e) As orbitas planet´rias s˜o el´ ´ a a ıpticas, com o Sol ocupando um dos focos da elipse. ´ 3. A 2a lei de Kepler (Lei das Areas) permite concluir que um planeta possui: a) maior velocidade quando se encontra mais longe do Sol; b) maior velocidade quando se encontra mais perto do Sol; c) menor velocidade quando se encontra mais perto do Sol; d) velocidade constante em toda sua trajet´ria; o e) n.r.a. 4. Assinale a alternativa que est´ em desacordo com as Leis a de Kepler da Gravita¸ao Universal: c˜ a) O quociente do cubo do raio m´dio da orbita pelo quae ´ drado do per´ ıodo de revolu¸ao ´ constante para qualquer c˜ e planeta de um dado sistema solar; b) quadruplicando-se o raio m´dio da orbita de um sat´lite e ´ e em torno da Terra, seu per´ ıodo de revolu¸ao fica 8 vezes c˜

F´ ısica C
Gravita¸˜o Universal ca

Aula 2

A lei da gravita¸˜o universal, proposta por Newton, foi ca um dos maiores trabalhos desenvolvidos sobre a intera¸ao c˜ entre massas, pois ´ capaz de explicar desde o mais simples e fenˆmeno, como a queda de um corpo pr´ximo a superf´ o o ` ıcie da Terra, at´, o mais complexo, como as for¸as trocadas e c entre corpos celestes, traduzindo com fidelidade suas orbitas ´ e os diferentes movimentos. Segundo a lenda, Newton, ao observar a queda de uma ma¸a, concebeu a id´ia que ela c e seria causada pela atra¸ao exercida pela terra. A natureza c˜ desta for¸a atrativa ´ a mesma que deve existir entre a Terra c e e a Lua ou entre o Sol e os planetas; portanto, a atra¸ao c˜ entre as massas ´, com certeza, um fenˆmeno universal. e o

F´ ısica C – Aula 2

19 OBSERVACOES ¸˜ 1. A for¸a gravitacional ´ sempre de atra¸ao; c e c˜ 2. A for¸a gravitacional n˜o depende do meio onde os corc a pos se encontram imersos; 3. A constante da gravita¸ao universal G teve seu valor c˜ determinado experimentalmente por Henry Cavendish, em 1798, por meio de um instrumento denominado balan¸a de tor¸ao e esferas de chumbo. c c˜

Uma For¸a Elementar c
Sejam duas part´ ıculas de massas m1 e m2 , separadas por uma distˆncia r. Segundo Newton, a intensidade da for¸a a c F de atra¸ao entre as massas ´ dada por c˜ e F =G m1 m2 r2

onde G ´ uma constante, a constante da gravita¸ao unie c˜ versal, sendo seu valor expresso, no Sistema Internacional, por G = 6, 67 × 10−11 N · m2 /kg 2

Pense um Pouco!
• Qual a dire¸ao e o sentido da for¸a de atra¸ao gravic˜ c c˜ tacional exercida pela Terra sobre os corpos que est˜o a pr´ximos a superf´ o ` ıcie? • A acelera¸ao da gravidade na Lua ´ 6 vezes menor do c˜ e que a acelera¸ao da gravidade pr´xima a superf´ da c˜ o ` ıcie Terra. O que acontece com o peso e a massa de um astronauta na Lua? • O valor da acelera¸ao da garvidade ´ relevante para os c˜ e esportes?

Figura 1.1: Duas part´ ıculas se massas m1 e m2 sempre se atraem mutuamente, dando origem a um par de for¸as F12 c e F21 . As for¸as F12 e F21 ´ a da reta que une as part´ c e ıculas, e o sentido tal que as massas sempre se atraem mutuamente, com mesma intensidade de for¸a, ou seja c F12 = F21 Podemos, ainda, enunciar a lei da gravita¸ao universal do c˜ seguinte modo: Dois corpos se atraem gravitacionalmente com for¸a cuja intensidade ´ diretamente proporcional c e ao produto de suas massas e inversamente proporcional ao quadrado da distˆncia entre seus centros a de massa. Ap´s a formula¸ao da lei da Gravita¸ao, com o desenvolo c˜ c˜ vimento do c´lculo integral, Newton tamb´m mostrou que a e a for¸a gravitacional entre esferas homogˆneas tamb´m c e e segue a mesma forma estabelecida para as part´ ıculas. E tamb´m vale a mesma for¸a para uma part´ e c ıcula e uma esfera homogˆnea. Esse resultado foi t˜o surpreendente para e a o pro´prio Newton, que inicialmente nem ele acreditou no o que havia provado matematicamente! Aplicando-se a lei de gravita¸ao para um corpo de massa m c˜ na superf´ da Terra, temos ent˜o ıcie a F =G MT m GMT = 2 2 m = mg = P RT RT

onde RT e MT s˜o o raio e a massa da Terra, respectivaa mente, e a for¸a obtida chamamos peso. ` c Medidas atuais mostram que MT = 5, 98 × 1024 kg e RT = 6, 37 × 106 m. A constante g que aparece acima ´ juse tamente a acelera¸ao da gravidade na superf´ da Terra. c˜ ıcie Experimente calcular g com os dados fornecidos!

© ¨©¨©                     ¤   ©©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨© ¨©¨©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©© ©©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨ ¨©¨©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©¨ ¨©©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨© ¥¤¥ ©¨©©©©©©©©©©©©©©© ¨¨¨© ¨¨¨© ¨¨¨© ¨¨¨© ¨¨¨© ¨¨¨©©©©¨ ¨©©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©©©©©©© ¨©¨©¨© ©¨©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©© ©©© ©©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©©©©©©© ¨©¨©¨©¨ ¨©¨©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©© ©©© ©©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©©©©©©© ¨©¨©¨©¨ ¨©¨©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©© ©©© ©©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©©©©©©© ¨©¨©¨©¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨ ¨©¨©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©© ©©© ©©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨ ¨©¨©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©¨ ¨©©                       ©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨© ©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©¨ ¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©       ©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©¨ ¨©¨©©©©©©©                 ¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨© ©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©© ©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨¨ ©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©© ©©©©©©                 ¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨© ¨¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨© ©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©© ¦ ©©©©©© ©©©©©© ©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©¨ ¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨© ©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©¨ ¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨©¨© ©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©©¨¨ §¦§
21

F

F
1

m2

12

m

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Duas part´ ıculas de massas respectivamente iguais a M e m est˜o no v´cuo, separadas por uma distˆncia d. a a a A respeito das for¸as de intera¸ao gravitacional entre as c c˜ part´ ıculas, podemos afirmar que: a) tˆm intensidades inversamente proporcional a d; e b) tˆm intensidades diretamente proporcional ao produto e Mm; c) n˜o constituem entre si um par a¸ao e rea¸ao; a c˜ c˜ d) podem ser atrativas ou repulsivas; e) teriam intensidade maior se o meio fosse o ar. 2. A raz˜o entre os diˆmetros dos planetas Marte e Terra ´ a a e 1/2 e entre as respectivas massas ´ 1/10. Sendo de 160 N o e peso de um garoto na Terra, pode-se concluir que seu peso em Marte ser´ de: a a) 160 N b) 80 N c) 60 N d) 32 N e) 64 N 3. Uma menina pesa 400 N na superf´ da Terra, onde ıcie se adota g = 10m/s2 . Se a menina fosse transportada at´ e uma altura igual ao raio da Terra (6.400 km), sua massa e seu peso seriam, respectivamente: a) 40 kg e 100 N b) 40 kg e 200 N c) 40 kg e 400 N d) 20 kg e 200 N e) 10 kg e 100 N 4. Um corpo ´ colocado na superf´ terrestre ´ atra´ e ıcie e ıdo por esta com uma for¸a F . O mesmo corpo colocado na c

20 superf´ de um planeta de mesma massa da Terra e raio ıcie duas vezes menor ser´ atra´ pelo planeta com uma for¸a a ıdo c cujo m´dulo ´: o e a) 4F b) 2F c) F d) F/2 e) F/4

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Para um corpo homogˆneo, ρ ser´ a pr´pria densidade do e a o material. Para um corpo n˜o homogˆneo, como por exema e plo uma corpo oco, a express˜o acima resulta na densidade a m´dia do corpo. e Unidades SI m: massa em quilogramas (kg) V : volume em metro c´bico (m3 ) u ρ: massa espec´ ıfica em quilogramas por metro c´bico u (kg/m3 ) Observa¸˜o ca No caso da agua, cuja massa espec´ ´ ıfica vale 1 g/cm3 , obser3 vamos que cada cm de agua tem massa de 1 g. Assim ´ que, ´ e numericamente, massa e volume ser˜o iguais para a agua, a ´ desde que medidos em gramas e em cent´ ımetros c´bicos resu pectivamente. Como 1 litro corresponde a 1000cm3 , no caso da agua temos uma densidade de 1 kg/l. E com um metro ´ c´bico equivale a 1000 litros, teremos tamb´m para a agua, u e ´ a densidade 1000 kg/m3 .

Exerc´ ıcios Complementares
5. Se a massa da Terra n˜o se alterasse, mas o seu raio fosse a reduzido a metade, o nosso peso seria: ` a) reduzido a quarta parte ` b) reduzido a metade ` c) o mesmo d) dobrado e) quadruplicado 6. Um corpo de massa m gira em torno da Terra, em orbita ´ circular, com velocidade escalar constante v. Sendo G a constante gravitacional e M a massa da Terra, o raio da trajet´ria descrita pelo corpo ser´: o a a) G/M v 2 b) G/mv 2 c) Gm/v 2 d) GM/v 2 e) GM m/v 2 7. Sabe-se que no interior de uma nave em orbita circular ´ em torno da Terra um astronauta pode flutuar, como se n˜o a tivesse peso. Esse fato ocorre porque: a) a nave est´ fora do campo gravitacional da Terra; a b) h´ ausˆncia de atmosfera; a e c) a atra¸ao exercida pela Lua ´ maior do que a atra¸ao c˜ e c˜ exercida pela Terra; d) ambos, astronauta e nave, est˜o em queda livre no seu a movimento circular; e) h´ uma redu¸ao na massa dos corpos. a c˜

Press˜o a
Press˜o p ´ a for¸a normal, por unidade de area, que um a e c ´ fluido em equil´ ıbrio exerce em contato com uma parede. Podemos representar matematicamente por: p= Unidades SI p: press˜o em N/m2 = pascal = P a a F : for¸a normal (ortogonal) em newtons ou N c A: area onde ´ exercida a for¸a, em metros quadrados m 2 ´ e c Press˜o Atmosf´rica a e Press˜o exercida pelo peso da camada de ar existente sobre a a superf´ da Terra. Ao n´ ıcie ıvel do mar, a temperatura de ` 0 ◦ C ´ igual a 1 atm. e ´ E comum o uso de unidades de press˜o n˜o pertencentes ao a a SI: atmosfera (atm) e mil´ ımetros de merc´rio (mmHg): u 1 atm = 760 mmHg = 1, 01 × 105 P a F A

F´ ısica C
Fluidos

Aula 3

Chegou o momento de descrevermos o comportamento dos fluidos, para isso falaremos de temas como densidade, press˜o, empuxo e outros temas que nos levar˜o a um aproa a fundamento da Hidrost´tica. a

Press˜o Hidrost´tica a a
No estudo da hidrost´tica, que faremos a seguir, vamos cona siderar o l´ ıquido ideal, isto ´, incompress´ e sem viscosie ıvel dade. Suponhamos um recipiente cil´ ındrico de area de base A, ´ contendo um l´ ıquido de massa espec´ ıfica ρ. Qual a press˜o a que o l´ ıquido exerce no fundo do recipiente ?

Densidade e Massa espec´ ıfica
Massa espec´ ıfica ρ de uma substˆncia ´ a raz˜o entre detera e a minada massa desta substˆncia e o volume correspondente. a Temos ent˜o: a m ρ= v

F´ ısica C – Aula 3

21

Press˜o Manom´trica e Absoluta a e
A press˜o absoluta ´ a press˜o total exercida em uma a e a dada superf´ ıcie, incluindo a press˜o atmosf´rica, quando for a e o caso. A press˜o absoluta ser´ sempre positiva ou nula. a a Em muitos casos, como na calibra¸ao de um pneu, estamos c˜ interessados apenas na diferen¸a entre a press˜o interna de c a um reservat´rio (o pneu) e a press˜o externa (o ar, que est´ o a a na press˜o atmosf´rica local). A essa diferen¸a chamamos a e c press˜o manom´trica, e os aparelhos que a medem chaa e mamos de manˆmetros. o pman. = pint. − patm.

ρ A

h

Figura 1.1: Vaso cil´ ındrico de area A e altura h, cheio de ´ um l´ ıquido de densidade ρ. Da defini¸ao de massa espec´ c˜ ıfica, temos: m ρ= v V = Ah ρ= e portanto: m = ρAh Por outro lado, a for¸a que o l´ c ıquido exerce sobre a area A ´ ´ o seu pr´prio peso: e o F = P = mg mas como m = ρAh ent˜o temos a F = ρAhg e finalmente, pelaa defini¸ao de press˜o, c˜ a p= F = ρgh . A m Ah

A press˜o manom´trica pode ser negativa, positiva ou nula. a e Ser´ negativa quando a press˜o interna de um reservat´rio a a o for menor do que a press˜o atmosf´rica externa. Exemplos: a e quando retiramos ar de um recipiente, fazendo-se um v´cuo a parcial; ou quando sugamos um canudinho de refrigerante, baixamos a press˜o interna da boca, criando uma “press˜o a a negativa”.

Pense um Pouco!
• Porque n˜o sentimos a press˜o atmosf´rica normal, j´ a a e a que ela ´ t˜o grande? e a • Um barco flutua no mar. Quais as for¸as relevantes c para que isso ocorra? • Como ´ poss´ se deitar numa cama de pregos sem se e ıvel machucar? • Como funciona o canudinho de refrigerante? Explique.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Uma massa de 1 kg de agua ocupa um volume de 1 litro ´ a 40◦ C. Determine sua massa espec´ ıfica em g/cm3 , kg/m3 e kg/l. 2. Determine a massa de um bloco de chumbo que tem arestas de 10 cm, sendo que a densidade do chumbo ´ igual e 11, 2 g/cm3 . 3. Uma esfera oca, de 1.200 g de massa, possui raio externo de 10, 0 cm e raio interno de 9, 0 cm. Sabendo que o volume 4 de uma esfera de raio R ´ dado por V = 3 πR3 . Usando e π = 3, 14, determine: a) a densidade m´dia da esfera; e b) a densidade do material de que ´ feita a esfera. e 4. Um cubo maci¸o de alum´ c ınio (densidade = 2,7 g/cm 3 ), de 50 cm de aresta, est´ apoiado sobre uma superf´ hoa ıcie rizontal. Qual ´ a press˜o, em P a e em atm, exercida pelo e a cubo sobre a superf´ ıcie?

A press˜o que o l´ a ıquido exerce no fundo do recipiente depende da massa espec´ ıfica do l´ ıquido (ρ), da acelera¸ao da c˜ gravidade local (g) e da altura (h) do l´ ıquido acima do ponto considerado. Na pr´tica esse resultado e geral, e pode ser a usado para a determina¸ao da press˜o hidrost´tica em qualc˜ a a quer fluido (l´ ıquido ou g´s) em equil´ a ıbrio. Observe que a press˜o total dentro de um fluido homogˆneo a e em equil´ ıbrio ser´ ent˜o: a a p = patm + ρgh onde patm ´ a press˜o atmosf´rica, que atua sobre todos os e a e corpos imersos no ar.

22

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Na realidade, temos que dividir a press˜o num determia nado ponto do l´ ıquido em dois tipos: i) press˜o hidrost´tica: a a aquela que s´ leva em considera¸ao o l´ o c˜ ıquido: phid = ρgh e ii) press˜o absoluta: aquela que leva em considera¸ao o a c˜ l´ ıquido e o ar sobre o l´ ıquido: pabs = patm + ρgh Conseq¨ˆncias da Lei de Stevin ue No interior de um l´ ıquido em equil´ ıbrio est´tico: a 1. pontos de um mesmo plano horizontal suportam a mesma press˜o; a 2. a superf´ de separa¸ao entre l´ ıcie c˜ ıquidos n˜o misc´ a ıveis ´ e um plano horizontal; 3. em vasos comunicantes quando temos dois l´ ıquidos n˜o a misc´ ıveis temos que a altura de cada l´ ıquido ´ inversae mente proporcional as suas massas espec´ ` ıficas (densidades);

Exerc´ ıcios Complementares
5. Existe uma unidade inglesa de press˜o – a libra-for¸a a c por polegada quadrada – que se abrevia lbf /pol 2 , a qual ´ e indevidamente chamada de libra. Assim, quando se calibram os pneus de um autom´vel, muitas pessoas dizem que o colocaram “26 libras” de ar nos pneus. Agora responda: a) por que num pneu de autom´vel se coloca mais ou meo nos 25lbf /pol2 enquanto que no de uma bicicleta de corrida (cujos pneus s˜o bem finos) se coloca aproximadamente a 70 lbf /pol2 b) Sendo 1 lbf /pol 2 = 0, 07 atm, qual a press˜o t´ a ıpica (em atm) no pneu de um carro? c) A press˜o que nos interessa, neste caso do pneu, ´ a a e press˜o manom´trica ou a press˜o absoluta. Por quˆ? a e a e

F´ ısica C
Hidrost´tica a
Lei de Stevin

Aula 4

Consideremos um recipiente contendo um l´ ıquido homogˆneo de densidade ρ, em equil´ e ıbrio est´tico. As press˜es a o que o l´ ıquido exerce nos pontos A e B s˜o, respectivamente: a pa = ρgha e pb = ρghb

Figura 1.2: Vasos comunicantes, com dois l´ ıquidos n˜o a misc´ ıveis em equil´ ıbrio.

py = p x patm + ρy ghy = patm + ρx ghx ρy hy = ρ x hx ρy hx = ρx hy 4. a diferen¸a de press˜o entre dois pontos dentro do c a flu´ ıdo, depende apenas do seu desn´ ıvel vertical (∆h), e n˜o da profundidade dos pontos. a

Figura 1.1: Cilindro de area de base A e altura h ´ A lei de Stevin ou princ´ ıpio hidrost´tico afirma que a a diferen¸a de press˜o entre os pontos A e B ser´: c a a pb − pa = ρg(hb − ha ) = ρg∆h O useja, a diferen¸a entre dois n´ c ıveis diferentes, no interior de um l´ ıquido, ´ igual ao produto da sua massa espec´ e ıfica pela acelera¸ao da gravidade local e pela diferen¸a de n´ c˜ c ıvel entre os pontos considerados.

Princ´ ıpio de Pascal
Pascal fez estudos em flu´ ıdos e enunciou o seguinte princ´ ıpio: A press˜o aplicada a um flu´ em equil´ a ıdo ıbrio transmite-se integral e instantaneamente ` a todos os pontos do flu´ ıdo e `s paredes do a recipiente que o cont´m. e

F´ ısica C – Aula 4

23 Ou seja, se um corpo est´ mergulhado num fluido de dena sidade ρf e desloca volume Vf d do fluido, num local onde a acelera¸ao da gravidade ´ g, temos: c˜ e Pf = m f g e como ρf = mf Vf d

a massa do fluido deslocado ser´ a mf = ρ f V f d e portanto Pf = ρ f V f d g e, de acordo com o Princ´ ıpio de Arquimedes Figura 1.3: A prensa hidr´ulica. a A Prensa Hidr´ulica a Uma das aplica¸oes deste princ´ c˜ ıpio ´ a prensa hidr´ulica e a como mostramos a seguir: Observe que: p1 = p 2 F1 F2 = A1 A2 A1 F1 = F2 A2 Isso mostra que uma for¸a pequena F1 ´ capaz de suportar, c e no outro ˆmbolo, um peso muito grande (F2 ), isso ´ muito e e utilizado, como por exemplo, em posto de gasolina. A prensa hidr´ulica ´ o equivalente hidr´ulico do princ´ a e a ıpio ´ da alavanca, de Arquimedes, usado na Mecˆnica. E bom a lembrar que estas “engenhocas”multiplicam realmente a for¸a, mas n˜o a energia. O trabalho m´ c a ınimo necess´rio a para elevar um carro ´ o mesmo, independente da m´quina e a que se utilize (Wmin = mgh). Na prensa mostrada na Fig. 1.3, uma for¸a −F2 (para c baixo) dever´ sef feita no ˆmbolo da direita, para manter a e o equil´ ıbrio do sistema. Em geral, usa-se o ˆmbolo maior e para suspender uma carga externa, ou levantar um objeto do ch˜o (macaco hidr´ulico). a a ou simplesmente E = ρV g ficando a nosso cargo a interpreta¸ao correta dos termos c˜ envolvidos. Flutua¸˜o ca Segundo o princ´ ıpio de Arquimedes, quando temos um corpo na superf´ ıcie de um flu´ cujo peso (do corpo) ´ ıdo e anulado (igual em m´dulo) pelo empuxo que ele sofre antes o de estar completamente submerso, o corpo ir´ flutuar soa bre ele, quando abandonado. Baseado nessa aplica¸ao s˜o c˜ a constru´ ıdos todos os tipos de barcos e navios. Para um corpo de peso P flutuando, a condi¸ao de equil´ c˜ ıbrio deve ser satisfeita: Fy = +E − P = 0 ou seja P =E Pode-se mostrar tamb´m que se um corpo tiver uma densie dade m´dia ρc maior que a densidade ρf de um certo fluido, e ele n˜o poder´ flutuar nesse flu´ a a ıdo, e acabar´ afundando se a for solto na sua superf´ ıcie. E = ρ f Vf d g

Princ´ ıpio de Arquimedes
Arquimedes, h´ mais de 200 anos a.C., estabeleceu que a a perda aparente do peso do corpo ´ devido ao surgimento do e empuxo, quando estamos mergulhados num l´ ıquido, como a agua, por exemplo. ´ Os corpos mergulhados totalmente ou parcialmente, num fluido, recebem do mesmo uma for¸a vertical, de baixo para cima, de c intensidade igual ao peso do fluido deslocado, denominada empuxo.

Pense um Pouco!
• A press˜o atmosf´rica varia com a altitude? Por quˆ? a e e • Como pode um navio de ferro flutuar na agua, j´ que ´ a ρF e > ρH2O ? • Quando fechamos a porta de um pequeno quarto a janela (fechada) balan¸a. Explique. c • Mergulhando na agua um objeto suspenso por um fio, ´ vocˆ observa que a tra¸ao no fio muda. Explique. e c˜

24

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o que cont´m agua, atrav´s de um fio conforme a figura. Dee ´ e termine a intensidade da tra¸ao T no fio que segura a bola c˜ (Considere g = 10 m/s2 ).

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFRJ) O impacto de uma part´ ıcula de lixo que atingiu a nave espacial Columbia produziu uma press˜o da a 100 N/cm2 . Nessas condi¸oes e tendo a part´ c˜ ıcula 2 cm2 , a nave sofreu uma for¸a de: c a) 100 N b) 200 N c) 400 N d) 800 N e) 1600N 2. Uma piscina com 5, 0 m de profundidade est´ cheia com a agua. Considere g = 10 m/s2 e patm = 1, 0 × 105 P a e ´ determine: a) a press˜o hidrost´tica a 3, 0 m de profundidade; a a b) a press˜o absoluta no fundo da piscina; a c) a diferen¸a de press˜o entre dois pontos separados, verc a ticalmente, por 80 cm. 3. (Cl´ssico) Para determinar a press˜o atmosf´rica, Torria a e celli fez a seguinte experiˆncia: um tubo de vidro, de 1 m e de comprimento, foi cheio de merc´rio e depois emborcado u num recipiente contendo merc´rio; constatou que, ao n´ u ıvel do mar, o merc´rio no tubo mant´m uma altura de 760 mm u e acima da sua superf´ livre (no recipiente). Se a densidade ıcie do merc´rio ´ 13, 6 g/cm3 e a acelera¸ao da gravidade local u e c˜ ´ de 9, 8 m/s2 , qual a press˜o atmosf´rica constatada por e a e Torricelli? 4. Num posto de gasolina, para a lavagem de um autom´vel o de massa 1.000 kg, o mesmo ´ erguido a uma certa altura. O e sistema utilizado ´ uma prensa hidr´ulica. Sendo os ˆmbolos e a e de areas 10 cm2 e 2.000 cm2 , e a acelera¸ao da gravidade ´ c˜ local de 10 m/s2 , pergunta-se: a) em qual ˆmbolo deve-se apoiar o carro? e b) em qual ˆmbolo deve-se pressionar para se sustentar o e carro? c) qual a for¸a aplicada no ˆmbolo para equilibrar o auc e tom´vel? o

F´ ısica D
Cinem´tica a

Aula 1

A Cinem´tica ´ a parte da Mecˆnica que estuda e descreve a e a o movimento dos corpos, sem se preocupar com suas causas (for¸as). c

Movimento
Observando os corpos a nossa volta, podemos ter intuitivamente uma id´ia do que s˜o os estados de movimento e e a repouso. Mas esses dois conceitos (movimento e repouso) s˜o relativos: ao dormir vocˆ pode estar em repouso em a e rela¸ao as paredes de seu quarto; entretanto, em rela¸ao ao c˜ ` c˜ sol, vocˆ ´ um viajante espacial. A parte da F´ ee ısica que trata do movimento ´ a Mecˆnica. Ela procura compreender as e a causas que produzem e modificam os movimentos. A seguir, vamos estudar uma subdivis˜o da Mecˆnica chamada a a Cinem´tica, que trata do movimento sem se referir as causas a ` que o produzem.

1.1

Exerc´ ıcios Complementares

´ 5. Agua e oleo de densidades 1, 0 e 0, 8, respectivamente, ´ s˜o colocados em um tubo em “U”. Sendo de 16 cm a a altura da coluna de oleo, determine a altura da coluna de ´ agua medida acima do n´ de separa¸ao entre os l´ ´ ıvel c˜ ıquidos. 6. Os icebergs s˜o grandes blocos de gelo que vagam em a latitudes elevadas, constituindo um s´rio problema para a e navega¸ao, sobretudo porque deles emerge apenas uma pec˜ quena parte, ficando o restante submerso. Sendo V o volume total do iceberg e ρg = 0, 92 g/cm3 a densidade do gelo, determine a porcentagem do iceberg que fica acima da superf´ livre da agua, considerada com densidade igual a ıcie ´ ρf = 1, 0 g/cm3 . 7. Uma bola com volume de 0, 002 m3 e densidade m´dia e de 200 kg/m3 encontra-se presa ao fundo de um recipiente

Ponto Material
Em determinadas situa¸oes, ponto material pode represenc˜ tar qualquer corpo, como um trem, um avi˜o, um carro, a uma bala de canh˜o, um m´ a ıssil etc. Por que ponto e por que material? Ponto, porque, na resolu¸ao de problemas, esc˜ taremos desprezando as dimens˜es do corpo em movimento, o sempre que as distˆncias envolvidas forem muito grandes em a rela¸ao as dimens˜es do corpo. Material, porque, embora c˜ ` o as dimens˜es do corpo sejam desprezadas, sua massa ser´ o a considerada.                  

T 
      

                          

             

             

             

                  

                  

                  

                  

F´ ısica D – Aula 1

25 neste movimento, em rela¸ao ao referencial adotado. O c˜ deslocamento de um corpo ´ uma grandeza vetorial, cujo e m´dulo equivale ao comprimento do segmento de reta, como preendidos entre os pontos inicial e final do movimento.

Repouso, Movimento e Referencial
Examine as seguintes situa¸oes: c˜ • Quando estamos dentro de um ve´ ıculo em movimento, a paisagem circundante ´ fundamental para estabelee cermos os conceitos de movimento e repouso • Quando observamos o movimento do sol atrav´s da e esfera celeste, podemos concluir que a Terra se movimenta ao redor do Sol. • Uma pessoa nasce e cresce em um ambiente fechado, sem janelas, n˜o saindo dali durante toda a sua a existˆncia. Nesse caso, pode ser que essa pessoa n˜o e a tenha condi¸oes de afirmar se aquele ambiente est´ em c˜ a repouso ou em movimento. Em todos esses casos, percebemos que o movimento ´ detere minado a partir de um referencial: a paisagem ´ o referencial e do carro e o Sol ´ o referencial da Terra; se uma pessoa pase sar a sua vida toda num ambiente absolutamente fechado, n˜o ter´ referencial para perceber qualquer movimento, a a a n˜o ser o de seu pr´prio corpo. a o

A 5m 3m B 4m
Na figura, uma part´ ıcula, saindo do ponto A, percorre a trajet´ria ABC. A distˆncia percorrida pela part´ o a ıcula ´ a soma e dos trechos AB (3 metros) e BC (4 metros), totalizando 7 metros. J´ o deslocamento ´ representado pela distˆncia a e a entre o ponto A e ponto C, que ´ igual a 5 metros. e

C

Trajet´ria o
Este ´ outro conceito importante no estudo do movimento. e Vamos partir da figura abaixo. Ela representa uma esfera abandonada de um avi˜o que voa com velocidade constante: a
A8−132

A 5m 3m B 4m
Observa¸oes c˜ • O deslocamento foi representado por um segmento de reta orientado que denominamos de vetor; os vetores representam as grandezas vetoriais. • O deslocamento ´ a menor distˆncia entre o ponto de e a sa´ e o ponto de chegada do corpo. ıda

C

Em rela¸ao ao solo, a trajet´ria da esfera ´ um arco de c˜ o e par´bola; e em rela¸ao ao avi˜o, a trajet´ria ´ um segmento a c˜ a o e de reta vertical. Ent˜o, podemos concluir que a trajet´ria: a o • ´ a linha descrita ou percorrida por um corpo em moe vimento; • depende do referencial adotado.

• Numa trajet´ria retil´ o ınea a distˆncia percorrida e o desa locamento podem ser iguais.

Deslocamento Escalar ∆s
´ ´ E a varia¸ao de espa¸o s. E medido em metros, quilˆmetros, c˜ c o cent´ ımetros, etc. Ou seja: ∆s = s − s0 onde s0 ´ o espa¸o inicial s ´ o espa¸o final. e c e c O deslocamento escalar pode ser positivo, negativo ou nulo. Quando ∆s > 0 o movimento ´ a favor da orienta¸ao da trae c˜ jet´ria; quando ∆s < 0 o movimento ´ contra a orienta¸ao o e c˜ da trajet´ria, mas se ∆s = 0 a posi¸ao final ´ igual a inicial. o c˜ e

Deslocamento × Distˆncia Percorrida a
A distˆncia percorrida por um corpo durante um movimento a ´ a grandeza escalar que corresponde ao comprimento do e segmento que representa a trajet´ria descrita pelo corpo o

26 Importante H´ duas possibilidades para ∆s = 0: a • o corpo pode n˜o ter se movimentado; a • o corpo pode ter se movimentado mas retornado a posi¸ao inicial; c˜

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o A cada segundo a velocidade aumenta 3, 6 km/h, ou seja, a velocidade varia +3, 6 (km/h) a cada segundo. Isso ´, a e acelera¸ao ´: c˜ e a=+ 1, 0 m/s 3, 6 km/h = = 1 m/s2 s s

Aqui temos uma acelera¸ao positiva, pois a velocidade vai c˜ aumentando (em m´dulo) com o tempo. o Outro Exemplo Imagine o seguinte movimento: t(s) v(m/s) 0 50 1 45 2 40 3 35

Velocidade Escalar M´dia e
Quando falamos que um ve´ ıculo percorreu 100 km em 2 h ´ f´cil determinar que em m´dia ele 50 km a cada 1 h. e a e N´s dividimos a distˆncia total e o tempo total da viagem. o a Isso n˜o significa que o ve´ a ıculo andou sempre na mesma velocidade, pois o ve´ ıculo pode ter parado em um posto de combust´ para abastecer. ıvel N´s sabemos apenas a distˆncia total e o tempo total da vio a agem, nada sabemos dos acontecimentos durante a mesma. Mas se o motorista quisesse a viagem no mesmo tempo e andando sempre na mesma velocidade ele deveria andar sem´ pre a 50 km/h. E a velocidade escalar m´dia. Normalmente e n˜o usaremos o termo distˆncia e sim deslocamento escalar a a (∆s) e, para indicarmos o tempo decorrido usaremos intervalo de tempo (∆t). Dessa maneira: Vm = s − s0 ∆s = ∆t t − t0

A cada segundo a velocidade varia (diminui) em −5 m/s, ou seja: −5 m/s a= = −5 m/s2 s Nesse caso a acelera¸ao ´ negativa, pois a velocidade vai c˜ e diminuindo (em m´dulo) com o tempo. o

Acelera¸˜o Escalar M´dia (am ) ca e
´ E a varia¸ao total da velocidade em rela¸ao ao intervalo c˜ c˜ total de tempo. am = Unidades SI No SI medimos a velocidade em m/s, o tempo em segundos (s), e a acelera¸ao em m/s2 . c˜ v − v0 ∆v = ∆t t − t0

A unidade de velocidade no SI ´ o m/s. e Para transformar velocidades em km/h em m/s fazemos: 1 km/h = e tamb´m e 1 m/s = 3, 6 km/h 1 1000 m = m/s 3600 s 3, 6

Velocidade Escalar
Vamos recordar: a velocidade indica a rapidez e o sentido do movimento. Exemplos 1. Va = +10 m/s: a cada segundo o m´vel anda 10 m o e indica movimento no sentido da orienta¸ao da trac˜ jet´ria. o 2. Vb = −10 m/s: a rapidez ´ a mesma do m´vel anterior e o e o movimento ´ no sentido oposto ao da orienta¸ao da e c˜ trajet´ria. o

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (PUC) Um atleta fez um percurso de 800 m num tempo de 1 min e 40 s. A velocidade escalar m´dia do atleta ´ de: e e a) 8, 0 km/h b) 29, 0 m/s c) 29, 0 km/h d) 20, 0 m/s e) 15, 0 km/h 2. (UEL) Um m´vel percorreu 60, 0 m com velocidade de o 15, 0 m/s e os pr´ximos 60, 0 m a 30, 0 m/s. A velocidade o m´dia durante as duas fases foi de: e a) 15, 0 m/s b) 20, 0 m/s c) 22, 5 m/s d) 25, 0 m/s e) 30, 0 m/s 3. (VUNESP) Ao passar pelo marco “km 200”de uma rodovia, um motorista vˆ um an´ncio com a inscri¸ao “ABASe u c˜ TECIMENTO E RESTAURANTE A 30 MINUTOS”. Considerando que esse posto de servi¸os se encontra junto ao c

Acelera¸˜o ca
Mede a rapidez da mudan¸a da velocidade, ´ a varia¸ao da c e c˜ velocidade em fun¸ao do tempo. Imagine um movimento c˜ com a velocidade mudando a cada segundo: t(s) v(km/h) 0 10,0 1 13,6 2 17,2 3 21,8

F´ ısica D – Aula 2 marco “km 245”dessa rodovia, pode-se concluir que o anunciante prevˆ, para os carros que trafegam nesse trecho, uma e velocidade m´dia, em km/h, de: e a) 80 b) 90 c) 100 d) 110 e) 120

27 iguais. Se, al´m da velocidade apresentar valor constante e e a trajet´ria for retil´ o ınea, o movimento ´ dito movimento e retil´ ıneo uniforme (MRU).

Equa¸˜o Hor´ria do MU ca a
Ao longo de um movimento, a posi¸ao de um m´vel varia no c˜ o ´´ decorrer do tempo. E util, portanto, encontrar uma equa¸ao c˜ que forne¸a a posi¸ao de um m´vel em um movimento unic c˜ o forme no decorrer do tempo. A esta equa¸ao denominamos c˜ equa¸ao hor´ria do movimento uniforme. c˜ a Considere ent˜o, o nosso amigo corredor percorrendo com a velocidade constante v a trajet´ria da figura. o

Exerc´ ıcios Complementares
4. (FUVEST) Partindo do repouso, um avi˜o percorre a a pista com acelera¸ao constante e atinge a velocidade de c˜ 360 km/h em 25 segundos. Qual o valor da acelera¸ao, c˜ em m/s2 ? a) 9,8 b) 7,2 c) 6,0 d) 4,0 e) 2,0 5. (PUC) Um trem est´ com velocidade escalar de 72 km/h a quando freia com acelera¸ao escalar constante de m´dulo c˜ o igual a 0, 40 m/s2 . O intervalo de tempo que o trem gasta para parar, em segundos, ´ de: e a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 6. (ACAFE) Um carro inicia a travessia de uma ponte com uma velocidade de 36 km/h , ao passar a ponte o motorista observa que o ponteiro do veloc´ ımetro marca 72 km/h. Sabendo que a travessia dura 5, 0segundos, a acelera¸ao do c˜ carro durante a travessia ´ de: e a) 1 m/s2 b) 2 m/s2 c) 3 m/s2 d) 4 m/s2 e) n.d.a

t O

0

t x X

x0
Figura 1.1: Movimento uniforme (MU).

Onde: x0 ´ a sua posi¸ao inicial no instante t0 = 0 e x ´ a e c˜ e sua nova posi¸ao no instante t posterior. A velocidade do c˜ corredor no intervalo de tempo ∆t = t − t0 = t ´ e v= v − v0 ∆x = ∆t t

e se v ´ sempre constante, para qualquer instante t, ent˜o e a temos um movimento uniforme (MU). Neste caso, como a trajet´ria do movimento ´ retil´ o e ınea, temos um movimento retil´ ıneo uniforme (MRU). Invertendo-se a equa¸ao acima, c˜ equa¸˜o hor´ria do movimento: ca a x(t) = x0 + vt que nos d´ a posi¸ao x(t) em cada instante t > 0, para todo a c˜ o movimento. podemos escrever a

F´ ısica D

Aula 2

Gr´fico da Velocidade v × t a
No movimento uniforme, o diagrama da velocidade em fun¸ao do tempo v × t x ´ uma reta paralela ao eixo dos c˜ e tempos, uma vez que a velocidade ´ constante e n˜o varia e a ao longo do tempo.
v v>0 v v v=0 O t O v<0 t O t

Movimento Uniforme (MU)
Suponhamos que vocˆ esteja dirigindo um carro de tal e forma que o ponteiro do veloc´ ımetro fique sempre na mesma posi¸ao, por exemplo 80 km/h, no decorrer do tempo. Nessa c˜ condi¸ao, vocˆ ir´ percorrer 80 km a cada hora de viagem, c˜ e a em duas horas percorrer´ 160 km, e assim por diante. O moa vimento descrito nessa situa¸ao ´ denominado movimento c˜ e uniforme (MU). Vocˆ j´ deve ter notado, ent˜o, que no movimento uniforme e a a o valor do m´dulo da velocidade ´ constante e n˜o nulo, isto o e a ´, o m´vel percorre espa¸os iguais em intervalos de tempo e o c

Figura 1.2: Gr´fico v × t para o MU: para a direita v > 0 a (a); para a esquerda v < 0 (b) e repouso v = 0 (c).

28 Importante • Quando o movimento ´ na dire¸ao positiva do eixo orie c˜ entado (o sentido positivo usual ´ para a direita) a veloe cidade do m´vel ´ positiva (v > 0). Neste caso x cresce o e com o tempo; • Quando o movimento ´ na dire¸ao negativa do eixo orie c˜ entado (sentido negativo usual ´ para a esquerda) a e velocidade do m´vel ´ negativa (v < 0), e neste caso, x o e decresce com o tempo. Neste caso como a velocidade est´ abaixo do eixo das a abscissas, esta possui valor negativo, ou seja est´ em a sentido contr´rio ao da trajet´ria. a o ´ • E importante notar que a velocidade corresponde a altura da reta horizontal no gr´fico v × t. a • A area de um retˆngulo ´ dada pelo produto da base ´ a e pela altura: o deslocamento, pelo produto da velocidade pelo tempo.

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

a θ c

b

Figura 1.4: Inclina¸ao de uma reta tan θ = b/c. c˜

x xo O

v>0

v 
 

t

∆ x = vt = Area 
                

O

Figura 1.3: O deslocamento ´ igual a area sob a curva do e ´ gr´fico v × t. a

Gr´fico da Posi¸˜o x × t a ca
Como a equa¸ao hor´ria no movimento uniforme ´ uma c˜ a e equa¸ao do primeiro grau, podemos dizer que, para o movic˜ mento uniforme, todo gr´fico x × t ´ uma reta inclinada em a e rela¸ao aos eixos. Quando o movimento ´ progressivo (para c˜ e a direita) a reta ´ inclinada para cima, indicando que os vae lores da posi¸ao aumentam no decorrer do tempo; quando o c˜ movimento ´ retr´grado (para a esquerda), a reta ´ inclinada e o e para baixo indicando que os valores da posi¸ao diminuem c˜ no decorrer do tempo. Observe no gr´fico que, de acordo com a equa¸ao hor´ria, a a c˜ a velocidade pode ser dada pela inclina¸ao da reta, ou seja c˜ v = tan θ A inclina¸ao da reta tamb´m denominada ´ chamada de c˜ e e declividade ou coeficiente angular da reta. Lembre-se de que a tangente de um angulo, num triˆngulo ˆ a retˆngulo, ´ dada pela rela¸ao entre cateto oposto e o cateto a e c˜ adjacente: Para o movimento progressivo temos o seguinte gr´fico: a E para o movimento retr´grado observa-se que: o 

 

 

 

 

 

 

     

t

Figura 1.5: Gr´fico x × t para o movimento uniforme (MU) a progressivo.

Pense um Pouco!
• Um trem com 1 km de extens˜o viaja a velocidade de a ` 1 km/min. Quanto tempo leva o trem para atravessar um t´nel de 2 km de comprimento? u • Como seria o gr´fico x × t para um objeto em repouso? a • No gr´fico x × t, qual a interpreta¸ao f´ a c˜ ısica da intersec¸ao da reta com o eixo do tempo t? c˜

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UEL) Um autom´vel mantˆm uma velocidade escalar o e constante de 72, 0 km/h. Em 1h:10min ele percorre uma distˆncia igual a: a a) 79, 2 km b) 80, 8 km c) 82, 4 km d) 84, 0 km e) 90, 9 km ´ 2. (ITAUNA-RJ) A equa¸ao hor´ria de um certo movic˜ a mento ´ x(t) = 40 − 8t no SI. O instante t, em que o m´vel e o passa pela origem de sua trajet´ria, ser´: o a a) 4 s b) 8 s c) 32 s

F´ ısica C – Aula 3

29

x xo O

v<0

F´ ısica C

Aula 3

Movimento Uniformemente Variado (MUV)

t

Analisando um movimento de queda livre, podemos verificar que o deslocamento escalar vai aumentando com o decorrer do tempo, isso mostra que a velocidade escalar do corpo varia com o tempo. Trata-se ent˜o de um movimento variado. a Galileu j´ havia descoberto esse movimento e concluiu que, a desprezando a resistˆncia do ar, quando abandonamos do ree pouso os corpos pr´ximos a superf´ da terra caem com veo ıcie locidades crescentes, e que a varia¸ao da velocidade ´ consc˜ e tante em intervalos de tempos iguais. Podemos ent˜o cona cluir que este ´ um movimento uniformemente variado e (MUV). Observamos um MUV quando o m´dulo da velocidade de o um corpo varia de quantidades iguais em intervalos de tempos iguais, isto ´, apresenta acelera¸ao constante e diferente e c˜ de zero. No caso da trajet´ria ser retil´ o ınea, o movimento ´ denoe minado movimento retil´ ıneo uniformemente variado (MRUV). Portanto em um movimento retil´ ıneo uniforme.

Figura 1.6: [Gr´fico x×t para o movimento uniforme (MU) a retr´grado. o d) 5 s e) 10 s 3. (UEL) Duas pessoas partem simultaneamente de um mesmo local com velocidades constantes e iguais a 2 m/s e 5 m/s, caminhando na mesma dire¸ao e no mesmo sentido. c˜ Depois de meio minuto, qual a distˆncia entre elas? a a) 1, 5 m b) 60, 0 m c) 150, 0 m d) 30, 0 m e) 90, 0 m

Acelera¸˜o e Velocidade no MRUV ca

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UEPG-PR) Um trem de 25 m de comprimento, com velocidade constante de 36 km/h, leva 15s para atravessar totalmente uma ponte. O comprimento da ponte ´: e a) 120 m b) 100 m c) 125 m d) 80 m e) nenhuma resposta ´ correta e 5. (TUIUTI-PR) Um motorista passa, sem perceber, em um radar da pol´ ıcia a 108 km/h. Se uma viatura est´, a logo adiante a uma distˆncia de 300 m do radar, em quanto a tempo o motorista passar´ pela viatura? a a) 7 s b) 13 s c) 20 s d) 10 s e) 16 s 6. (UESBA) Se dois movimentos seguem as fun¸oes hor´rias c˜ a de posi¸ao x1 (t) = 100 + 4t e x2 (t) = 5t, com unidades do c˜ SI, o encontro dos m´veis se d´ no instante: o a a) 0 s b) 400 s c) 10 s d) 500 s e) 100 s

a = constante = 0 Como a acelera¸ao escalar ´ constante, ela coincide com a c˜ e acelera¸ao escalar m´dia: c˜ e a = am = v − v0 ∆v = ∆t t − t0

fazendo t0 = 0, podemos escrever a equa¸ao hor´ria da vec˜ a locidade, ou seja v = v0 + at
v
MRUV

v

MRUV

v

MRU

O

a>0 vo > 0

t

O

a>0 vo < 0

t

O

a=0 vo > 0

t

Figura 1.1: v × t para o MRUV com a ≥ 0.

Posi¸˜o versus tempo no MRUV ca
Analisando o gr´fico de v×t, podemos obter a fun¸ao hor´ria a c˜ a dos espa¸o calculando o deslocamento escalar desde t = 0 c at´ um instante t qualquer. Como: e

30
v
MRUV

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o
a<0 vo > 0 t v
MRUV

a<0 vo = 0 t

v

MRU

a=0 vo < 0 t

A Equa¸˜o de Torricelli ca
O f´ ısico italiano Evangelista Torricelli estudou matem´tica a em Roma. Nos ultimos meses de vida de Galileu, Torricelli ´ se tornou seu aluno e amigo ´ ıntimo, o que lhe proporcionou a oportunidade de rever algumas teorias do mestre. Uma das conseq¨ˆncias disso foi a unifica¸ao que Torricelli fez das ue c˜ fun¸oes hor´rias estabelecidas por Galileu para o movimento c˜ a uniformemente variado. Torricelli eliminou o tempo da fun¸ao c˜

O

O

O

Figura 1.2: v × t para o MRUV com a ≤ 0.

∆s = area ´ obtendo ∆s = como: ∆s = s − s0 e v = v0 + at temos v + v0 2 t

v = v0 + at t = (v − v0 )/a e substituindo o valor de t na fun¸ao hor´ria dos espa¸os, c˜ a c temos s = s0 + vm t = s0 + v + v0 2 v − v0 a

onde vm ´ a velocidade m´dia do movimento. e e Finalmente, obtemos a equa¸ao de Torricelli: c˜
2 v 2 = v0 + 2a∆s

Pense um Pouco!
1 s − s0 = (v0 + at + v0 )t 2 s − s0 = logo, 1 s(t) = s0 + v0 t + at2 2 ´ a fun¸ao hor´ria dos espa¸os s(t). e c˜ a c
x a>0 vo = 0 t xo = 0 x a>0 vo < 0 xo = 0 t x a>0 vo < 0 xo < 0 t

1 1 (2v0 + at)t = v0 t + at2 2 2

• Imagine que vocˆ est´ no interior de um autom´vel em e a o movimento. O autom´vel ´ suficientemente silencioso o e e macio para que vocˆ n˜o perceba sua velocidade e e a varia¸oes de velocidade. Apenas olhando para o vec˜ loc´ ımetro do autom´vel, sem olhar pelas janelas e p´rao a brisas, ´ poss´ classificar o movimento do autom´vel? e ıvel o • Pode-se usar a equa¸ao de Torricelli para se determinar c˜ a altura atingida por um proj´til lan¸do verticalmente e c para cima? Como?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UEL) Uma part´ ıcula parte do repouso e, em 5 segundos percorre 100 metros. Considerando o movimento retil´ ıneo uniformemente variado, podemos afirmar que a acelera¸ao c˜ da part´ ıcula ´ de: e a) 8, 0 m/s2 b) 4, 0 m/s2 c) 20 m/s2 d) 4, 5 m/s2 e) n.d.a. 2. (UFPR) Um carro transitando com velocidade de 15 m/s, tem, seu freio acionado. A desacelera¸ao produc˜ zida pelo freio ´ de 10 m/s2 . O carro p´ra ap´s percorrer: e a o a) 15, 5 m b) 13, 35 m c) 12, 15 m d) 11, 25 m e) 10, 50 m

O

O

O

Figura 1.3: x × t para o MRUV com a > 0.
x a<0 vo = 0 xo = 0 t x x

O

O a<0 vo > 0 xo = 0

t

O a<0 vo = 0 xo > 0

t

Figura 1.4: x × t para o MRUV com a < 0.

F´ ısica D – Aula 4 3. (ACFE-SC) A velocidade de um certo corpo em movimento retil´ ıneo ´ dada pela express˜o v(t) = 10 − 2t, no SI. e a Calcule o espa¸o percorrido pelo corpo entre os instantes 2 s c e 3 s. a) 3 m b) 5 m c) 8 m d) 16 m e) 21 m

31 Corpos em queda livre tˆm a mesma acelera¸ao quaisquer e c˜ que sejam suas massas. Esta acelera¸ao de queda livre ´ denominada acelera¸˜o c˜ e ca da gravidade e, nas proximidades da terra, ´ suposta conse tante e com m´dulo g = 9.8 m/s2 , valor este que por pratio cidade, ´ usualmente aproximado para g = 10 m/s2 . e Na realidade, a acelera¸ao da gravidade, embora seja indec˜ pendente da massa do corpo em queda livre, varia com o local, dependendo da latitude e da altitude do lugar. Se o corpo em queda livre tiver uma trajet´ria retil´ o ınea, seu movimento ser´ uniformemente variado; neste caso, a a acelera¸ao escalar do corpo ser´ constante e valer´ sempre c˜ a a a = −g, independente do sentido do movimento. Desta forma, se um objeto for lan¸ado para cima (v0 > 0), ele ir´ c a frear (desacelerar) at´ parar (v = 0) e depois seu sentido de e movimento ser´ invertido (v > 0). a

Exerc´ ıcios Complementares
4. (CEFET) Na decolagem, um certo avi˜o partindo do a repouso, percorre 500 m em 10, 0 s. Considerando-se sua acelera¸ao constante, a velocidade com que o avi˜o levanta c˜ a vˆo ´: o e a) 100 m/s b) 200 m/s c) 125 m/s d) 50 m/s e) 144 m/s 5. (UNESP) Um m´vel descreve um movimento retil´ o ıneo obedecendo a fun¸ao hor´ria x(t) = 8 + 6t − t2 no SI. Esse c˜ a movimento tem invers˜o de seu sentido no instante: a a) 8 s b) 3 s c) 6 s d) 2 s e) 4/3 s 6. (UNESP) No instante em que o sinal de trˆnsito aua toriza a passagem, um caminh˜o de 24 m de comprimento a que estava parado come¸a atravessar uma ponte de 145 m c de comprimento, movendo-se com uma acelera¸ao constante c˜ de 2, 0 m/s2 . O tempo que o caminh˜o necessita para atraa vessar completamente a ponte ´: e a) 12 s b) 145 s c) 13 s d) 169 s e) 14 s

Conven¸oes c˜
• o sentido positivo do eixo vertical ´ debaixo para cima; e • quando a e v possuem o mesmo sinal, o movimento ´ e acelerado (v cresce em m´dulo); o • quando a e v possuem o sinais contr´rios, o movia mento ´ desacelerado, freado ou ent˜o dito tamb´m ree a e tardado (v diminui em m´dulo); o

Velocidade Escalar Final
Em um local onde o efeito do ar ´ desprez´ e a acelera¸ao e ıvel c˜ da gravidade ´ constante e com m´dulo g, um corpo ´ abane o e donado a partir do repouso de uma altura h acima do solo. Vamos obter a velocidade escalar final de um corpo ao solto (v0 = 0), atingir o solo. Pela equa¸ao de Torricelli: c˜
2 2 v 2 = v0 + 2a∆s = v0 + 2a(s − s0 )

sendo s0 = h e s = 0, temos: v 2 = 0 + 2(−g)(0 − h) = 2gh ent˜o a v=− 2gh

F´ ısica D
Queda Livre

Aula 4

ser´ a sua velocidade escalar ao atingir o ch˜o. Escolhemos a a o sinal negativo (−) porque o corpo est´ descendo, contra o a sentido crescente do eixo vertical (que ´ para cima). e Observe que quanto maior a altura inicial h, maior a velocidade final v, como era de se esperar, mas que v n˜o ´ a e proporcional a h.

Um corpo ´ dito em queda livre quando esta sob a¸ao exe c˜ clusiva da gravidade terrestre ( ou da gravidade de outro corpo celeste). Foi Galileu quem estudou corretamente pela primeira vez, a queda livre de corpos. Galileu concluiu que todos os corpos em queda livre, isto ´, e livres do efeito da resistˆncia do ar, tem uma propriedade e comum;

Tempo de Queda
Vamos obter agora o tempo de queda livre desde que um corpo ´ solto (v0 = 0) de uma altura h, at´ atingir o solo. e e Pela equa¸ao hor´ria da velocidade do MRUV, temos: c˜ a v(t) = v0 + at

32

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

v

a = −g vo = 0 tq t

• o movimento do proj´til ´ uniformemente variado pore e que a acelera¸ao escalar ´ constante e diferente de zero; c˜ e • como foi lan¸ado para cima, a velocidade inicial do c proj´til ´ positiva (v0 > 0); e e • orientando-se o eixo vertical para cima, como de costume, a acelera¸ao escalar vale −g; c˜ • A partir do ponto mais alto da trajet´ria, o proj´til ino e verte o sentido de seu movimento e , portanto, sua velocidade ´ nula no ponto mais alto (ponto de invers˜o); e a • O tempo de subida ts do proj´til ´ calculado como se e e segue: se

0

Figura 1.1: v × t para a queda livre. e para a queda livre ser´ a v(t) = v0 − gt √ e sendo v0 = 0 e v = − 2gh temos − e finalmente t= 2gh = 0 − gt √ 2gh = g 2h g

v(t) = v0 − gt e v(ts ) = 0 para a posi¸ao mais alta, temos c˜ 0 = v0 − gts e finalmente ts = v0 g

Pode-se mostrar que o tempo de descida ´ igual ao e tempo de subida. Mostre vocˆ mesmo. e

x

h

a = −g vo = 0 xo = h tq
Figura 1.2: x × t para a queda livre.

• a velocidade escalar de retorno ao solo ´ calculada como e se segue: como o tempo total de vˆo ´ 2ts , temos o e v(2ts ) = v0 − g(2ts ) = v0 − g ou seja, a velocidade de retorno ser´ a 2v0 g

0

t

v = −v0 A mesma acelera¸ao que retarda a subida do proj´til ´ a c˜ e e que o acelera na descida e tem m´dulo constante g, poro tanto conclu´ ımos que que ao retornar ao solo, o proj´til e chaga com a mesma velocidade inicial de lan¸amento, c em m´dulo. o • A altura m´xima atingida pelo proj´til ´ calculada a a e e partir da equa¸ao de Torricelli: c˜
2 v 2 = v0 + 2a∆s

Observe que quanto maior a altura inicial h, maior o tempo de queda t, como tamb´m era de se esperar, e que t tamb´m e e n˜o ´ proporcional a h. a e

Lan¸amento Vertical c
Em um local onde o efeito do ar ´ desprez´ e ıvel e a acelera¸ao da gravidade ´ constante e com m´dulo igual a g, um c˜ e o proj´til ´ lan¸ado verticalmente para cima com velocidade e e c de m´dulo igual a v0 . o Estudemos as propriedades associadas a este movimento: 1 s(t) = s0 + v0 t − gt2 2 e Observa-se que: v(t) = v0 − gt

e como v = 0 e ∆s = h, temos
2 0 = v0 + 2(−g)h

donde h=

2 v0 2g

Observe que quanto maior a velocidade inicial v 0 , maior a altura h atingida pelo proj´til, como era de se esperar, e e que h n˜o ´ proporcional a v0 . a e

F´ ısica D – Aula 5

33 c) 90 m d) 30 m e) 60 m 5. (UNICAMP) Uma atra¸ao que est´ se tornando muito c˜ a popular nos parques de divers˜o consiste em uma plataa forma que despenca, a partir do repouso, em queda livre de uma altura de 75 m. Quando a plataforma se encontra a 30 m do solo, ela passa a ser freada por uma for¸a constante c e atinge o repouso quando chega ao solo. A velocidade da plataforma quando o freio ´ acionado ´ dada por : e e a) 10 m/s b) 30 m/s c) 75 m/s d) 20 m/s e) 40 m/s 6. (CEFET-PR) Um bal˜o meteorol´gico est´ subindo com a o a velocidade constante de 10 m/s e se encontra a uma altura de 75 m, quando dele se solta um aparelho. O tempo que o aparelho leva para chegar ao solo ´: e a) 2 s b) 4 s c) 5 s d) 3 s e) 7 s

Pense um Pouco!
• Por que uma folha inteira e outra amassada n˜o chegam a juntas ao ch˜o, quando soltas simultaneamente de uma a mesma altura? • Um corpo pode ter acelera¸ao a = 0 e v = 0? Como? c˜ • Um corpo pode estar subindo (v > 0) e acelerando para baixo (a < 0)? Como? • por que n˜o se deve dar um tiro para cima com uma a arma de fogo?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFAL) Uma pedra ´ abandonada de uma altura de e 7, 2 m, adotando g = 10 m/s2 e desprezando-se a resistˆncia e do ar, pode-se afirmar que a sua velocidade escalar ao atingir o solo ser´: a a) 12 m/s b) 36 m/s c) 360 m/s d) 18 m/s e) 180 m/s 2. (FUVEST) Um corpo ´ solto, a partir do repouso, do e topo de um edif´ de 80 m de altura. Despreze a resistˆncia ıcio e do ar e adote g = 10 m/s2 . O tempo de queda at´ o solo e e o m´dulo da velocidade com que o corpo atinge o solo s˜o: o a a) 4, 0 s e 72 km/h b) 2, 0 s e 72 km/h c) 2, 0 s e 144 km/h d) 4, 0 s e 144 km/h e) 4, 0 s e 40 km/h 3. (FUVEST) Um corpo ´ disparado do solo, verticale mente para cima, com velocidade inicial de m´dulo igual o a 2, 0.102 m/s. Desprezando a resistˆncia do ar e adotando e g = 10 m/s2 , a altura m´xima alcan¸ada pelo proj´til e o a c e tempo necess´rio para alcan¸a-la s˜o respectivamente: a c´ a a) 4, 0 km e 40 s b) 2, 0 km e 40 s c) 2, 0 km e 10 s d) 4, 0 km e 20 s e) 2, 0 km e 20 s

F´ ısica D
Movimento (MCU) Circular

Aula 5
Uniforme

Em um movimento onde a trajet´ria ´ uma circunferˆncia o e e (ou arco de uma circunferˆncia) e a velocidade escalar ´ e e constante, este ´ denominado como movimento circular e uniforme (MCU). Neste movimento a part´ ıcula ´ localie zada pela sua posi¸ao angular θ, que varia uniformemente c˜ com o tempo. No movimento circular uniforme o vetor velocidade muda o tempo todo, por´m mant´m fixo o seu m´dulo (velocidade e e o escalar).

Movimento Peri´dico o

Exerc´ ıcios Complementares
4. (FMTM-MG) As gaivotas utilizam um m´todo interese sante para conseguir degustar uma de suas presas favoritas – o caranguejo. Consiste em suspendˆ-lo a uma determinada e altura e a´ abandonar sua v´ ı ıtima para que chegue ao solo com uma velocidade de m´dulo igual a 30 m/s, suficiente o para que se quebre por inteiro. Despreze a resistˆncia do e ar e adote g = 10 m/s2 . A altura de eleva¸ao utilizada por c˜ essas aves ´: e a) 15 m b) 45 m

Um movimento ´ chamado peri´dico quando todas as suas e o caracter´ ısticas (posi¸ao, velocidade e acelera¸ao) se repetem c˜ c˜ em intervalos de tempo iguais. O movimento circular e uniforme ´ um exemplo de moe vimento peri´dico, pois, a cada volta, o m´vel repete a o o posi¸ao, a velocidade e a acelera¸ao. c˜ c˜

Per´ ıodo (T )
Define-se como per´ ıodo (T ) o menor intervalo de tempo para que haja repeti¸ao das caracter´ c˜ ısticas do movimento.

34

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

v4
Unidades SI

Figura 1.1: O movimento circular uniforme (MCU). No movimento circular e uniforme, o per´ ıodo ´ o intervalo e de tempo para o m´vel dar uma volta completa. o Como ´ uma medida de tempo, a unidade SI do per´ e ıodo ´ e o segundo.

Frequˆncia (f ) e
Define-se a frequˆncia (f ) de qualquer movimento peri´dico e o como o n´mero de vezes que as caracter´ u ısticas do movimento se repetem durante uma unidade de tempo, ou seja, 1 s. No movimento circular uniforme, a frequˆncia ´ o n´mero de e e u voltas realizadas na unidade de tempo. Se o m´vel realiza o n voltas em um intervalo de tempo t, a frequencia f ´ dada e por: n f= t e por defini¸ao, como no MCU o tempo de uma volta comc˜ pleta (n = 1) ´ o pr´prio per´ e o ıodo do movimento, temos que f= 1 T

Sendo a trajet´ria curva, a componente normal an da aceo lera¸ao, ou tamb´m chamada de acelera¸ao centr´ c˜ e c˜ ıpeta n˜o a A unidade SI da frequˆncia f ´ s−1 ou tamb´m chamado e e e ´ nula (an = 0). e de hertz, cuja abrevia¸ao ´ Hz. Pode-se tamb´m medir a c˜ e e O m´dulo da acelera¸ao centr´ o c˜ ıpeta pode ser calculado pela frequˆncia em rota¸oes por minuto ou rpm. e c˜ seguinte express˜o: a Exemplo Se um movimento tem frequˆncia de 2, 0 Hz, ent˜o s˜o dae a a das duas voltas completas por segundo, ou seja, o per´ ıodo do movimento deve ser de 1/2 s. Como o minuto tem 60 segundos, esse movimento ter´ uma frequˆncia de 120 rpm. a e ac = 2v sin(∆θ/2) ∆v = ∆t ∆t

Velocidade Escalar v
Para uma volta completa, em uma circunferˆncia de raio R, e temos que ∆s 2πR v= = ∆t T

&' 22

v3

θ

22

R

22 22 22 22 22
v1
Rela¸˜o entre v e ω ca

v2

34 34 3434 3434 3434 3434 3434 3434 3434 3434 3434 3434 ! 34 01 ! 34 01 0101 0101 0101 0101

$%

01 01 0101 0101 0101 0101

01 01 0101 0101 0101 0101 0101 01

0101 ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() "# ()() " ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()() ()()

logo, para o MCU temos v = 2πRf

Velocidade Angular ω
Define a velocidade angular ω de forma semelhante a de` fini¸ao de velocidade v, s´ que nesse caso estamos interesc˜ o sados na varia¸ao da posi¸ao angular ocorrida no MCU. c˜ c˜ Ent˜o: a ∆θ θ − theta0 ω= = ∆t t Para uma volta completa, temos que o deslocamento angular ser´ 2π e t = T , temos a ω= 2π = 2πf T

A velocidade angular ω ´ medida em rad/s no SI. e

Como a velocidade escalar no MCU ´ v = 2πRf e ω = 2πf , e ent˜o a v = ωR Ou seja, a velocidade escalar v ´ proporcional a velocidade e ` angular ω.

Vetores no MCU
J´ vimos que no movimento circular e uniforme, a velocia dade vetorial tem m´dulo constante, por´m dire¸ao vari´vel o e c˜ a e, portanto o vetor v ´ vari´vel. Sendo a velocidade vetorial e a vari´vel, vamos analisar a acelera¸ao vetorial a. a c˜ Sendo o movimento uniforme, a componente tangencial at da acelera¸ao vetorial ´ nula: c˜ e at = ∆v =0 ∆t

e como ∆θ = ω∆t, e o angulo ∆θ ´ pequeno para ∆t peˆ e queno, temos ∆θ ∆θ sin 2 2 e 2ωR∆θ/2 = ω2R ac = ∆θ/ω ou ent˜o, como v = ωR a ac = v2 R

F´ ısica D – Aula 6

35 a) 20 rad/s b) 30 rad/s c) 40 rad/s d) 50 rad/s e) 60 rad/s

∆θ=ο∆ t

ac
θ=ο

∆v

t

R

Figura 1.2: A acelera¸ao centr´ c˜ ıpeta (normal).

Pense um Pouco!
• Certos fenˆmenos da natureza, como a trajet´ria da o o Terra em torno do Sol e o movimento dos sat´lites apree sentam movimento circular uniforme? Dˆ exemplos. e • Imagine um disco girando em torno do seu centro. As velocidades de todos os seus pontos s˜o iguias em a m´dulo? Explique. o • Como s˜o os vetores de velocidade de diferentes pontos a de uma mesma roda (disco) que gira? Fa¸a um esbo¸o c c dos vetores. • Qual a velocidade angular do ponteiro dos segundos de um rel´gio mecˆnico? o a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (FCC) Uma part´ ıcula executa um movimento uniforme sobre uma circunferˆncia de raio 20 cm. Ela percorre mee tade da circunferˆncia em 2, 0 s. A frequˆncia, em hertz, e e e o per´ ıodo do movimento, em segundos, valem, respectivamente : a) 4,0 e 0,25 b) 1,0 e 1,0 c) 0,25 e 4,0 d) 2,0 e 0,5 e) 0,5 e 2,0 2. (UFES) Uma pessoa est´ em uma roda-gigante que tem a raio de 5 m e gira em rota¸ao uniforme. A pessoa passa pelo c˜ ponto mais pr´ximo do ch˜o a cada 20 segundos. Podemos o a afirmar que a frequˆncia do movimento dessa pessoa, em e rpm, ´: e a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 5 3. (ITA) Um autom´vel percorre uma trajet´ria com veloo o cidade escalar constante. A roda do autom´vel, cujo raio ´ o e 30 cm, d´ 40 voltas em 2, 0 s. A Velocidade escalar angular a da roda ´, em rad/s: e

79 I8H8H8H8H8 I P8P8P8P8P8 H8I 8I 8I 8I 8 Q 88I8I8I8I8 Q7 Q Q Q Q P8H8H8H8H8H8 888888HIHI PQ I I I I I H8H8H8H8H8 I8I8I8I8I8 H8H8H8H8H8 88888HIHI
v (t+ ∆ t)

v (t+ ∆ t)

8 CBC8 B8 8BCDE C8 B8BCDE 8 BC8CBDE 8 BC8BCDE 8BCDE BCBC8 8BCDE 8 BC8BCDE 8 BC8BCDE 8BCDE BCBC8 8BCDEDEDE 88888 8 56 BC8BCBC@8@8@8@8@A F8FG G F8 A 8G8G8G8G8 @8 F8F8F8F8 G8G A G A G A G F8F8F8F8F8 A8ADE 8888G @8A@8A@8A@8A@8 GF8 @A8@A8@A8@A8@A8@A 8FG A8A8A8A8A8 @8@8@8@8@8 88888@A@A
v (t)

v (t)

∆θ=ο∆ t

Exerc´ ıcios Complementares
4. (ACAFE) Um autom´vel percorre uma estrada com veo locidade escalar constante e igual a 8, 0 m/s e suas rodas possuem raio R = 0, 40 m. A frequˆncia de rota¸ao da roda e c˜ ´: e a) 5 Hz b) 8 Hz c) 12 Hz d) 6 Hz e) 10 Hz 5. (FUVEST) Um ciclista percorre uma pista circular de 500 m de raio, com velocidade escalar constante de 20 m/s. A acelera¸ao do ciclista ´: c˜ e a) 0, 5 m/s2 b) 0, 8 m/s2 c) 1, 4 m/s2 d) 0, 6 m/s2 e) 1, 2 m/s2 6. (CEFET-PR) A orbita da Terra em torno do Sol, em ´ raz˜o da sua baixa excentricidade, ´ aproximadamente uma a e circunferˆncia. Sabendo-se que a terra leva um ano para ree alizar uma volta completa em torno do Sol e que a distˆncia a m´dia da Terra ao Sol ´ 150 milh˜es de km, os m´dulos e e o o dos vetores da velocidade e acelera¸ao em km/s e m/s 2 s˜o c˜ a respectivamente: a) 10 e 2, 0 × 10−3 b) 20 e 2, 0 × 10−3 c) 30 e 6, 0 × 10−3 d) 20 e 6, 0 × 10−3 e) 10 e 6, 0 × 10−3

F´ ısica D
Termodinˆmica a

Aula 6

A Termodinˆmica ´ a parte da F´ a e ısica Cl´ssica que estuda os a sistemas t´rmicos, os processos de transforma¸oes f´ e c˜ ısicas que ocorrem em tais sistemas, bem como as trocas de energia, calor e o trabalho mecˆnico. a

Temperatura
Temperatura e calor s˜o grandezas b´sicas no estudo da a a termof´ ısica e tanto a sua compreens˜o como a sua perfeita a distin¸ao s˜o de importˆncia vital para o entendimento de c˜ a a toda a termof´ ısica. De maneira simplificada pode-se definir que temperatura como uma grandeza que permite avaliar o

36 n´ de agita¸ao das mol´culas de um corpo. De acordo com ıvel c˜ e a teoria cin´tica dos gases, as mol´culas de um g´s movem-se e e a livre e desordenadamente em seu interior, separadas umas das outras, e apenas interagindo entre si durante colis˜es o eventuais. A medida que se aquece o g´s, a velocidade com a que suas mol´culas se movem aumenta, caracterizando um e aumento na energia cin´tica dessas mol´culas, da mesma e e forma um resfriamento do g´s provoca a diminui¸ao da vea c˜ locidade e da energia cin´tica de suas mol´culas. Como a e e velocidade e conseq¨entemente a energia cin´tica de cada u e atomo que constitue uma mol´cula n˜o ´ a mesma, o estado ´ e a e t´rmico de um corpo ´ avaliado pela energia cin´tica m´dia e e e e de seus atomos: quanto maior for a energia cin´tica m´dia ´ e e das part´ ıculas que comp˜em um corpo, maior ser´ a sua o a temperatuta.

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Calor
Colocando dois corpos de temperaturas diferentes em contato t´rmico, observamos o mais quente esfriar e o mais e frio esquentar. O corpo mais quente perde calor e o corpo mais frio ganha calor. Os corpo trocar˜o calor at´ a atingia e rem a mesma temperatura, neste caso estar˜o em equil´ a ıbrio t´rmico. Essa ´ a chamada lei zero da Termodinˆmica. e e a Portanto o calor ´ a energia em trˆnsito do corpo mais e a quente para o corpo mais frio por causa da diferen¸a de c temperatura dos corpos em contato t´rmico. Ent˜o, a unie a dade de medida de calor ´ a mesma unidade de energia. e No Sistema Internacional, a unidade de energia ´ o joule e ou J, e na Qu´ ımica se usa a caloria ou cal. A equivalˆncia e entre as unidades ´: e 1 cal = 4, 186 J

Figura 1.1: Os pontos de referˆncia nas diferentes escalas. e escalas termom´tricas pode ser obtida facilmente atrav´s de e e propor¸oes matem´ticas. Imagine-se trˆs termˆmetros de c˜ a e o constru¸ao idˆntica, cada um graduado em uma das escalas c˜ e (Celsius , Fahrenheit e Kelvin), em equil´ ıbrio t´rmico com e um mesmo corpo. Obviamente, os trˆs termˆmetros estar˜o e o a indicando o mesmo estado t´rmico e, portanto, apresentar˜o e a as colunas de merc´rio no mesmo n´ u ıvel. Observando-se os pontos fixos j´ definidos para cada escala, e chamando de a TC ,TF e T , as temperaturas do corpo nas escalas Celsius, Fahrenheit e Kelvin, respectivamente, podem-se estabelecer as propor¸oes: c˜ TF − 32 ◦ F T − 273 K TC − 0 ◦ C = = 100 ◦ C − 0 ◦ C 212 ◦ F − 32 ◦ F 373 K − 273 K logo: TC TF − 32 ◦ F T − 273 K = = ◦C 5 9 ◦F 5K Observe que ambas as escalas Celsius e Kelvin s˜o a cent´ ıgradas, pois o intervalo e calibra¸ao (do ponto de fus˜o c˜ a do gelo ao de ebuli¸ao da agua) ´ dividido em 100 graus, ou c˜ ´ e 100 partes. Na escala Fahrenheit, este intervalo ´ subdivie dido em 180 partes (graus frahrenheit).

Escalas Termom´tricas e
Dentre os diversos tipos, estudaremos as escalas termom´tricas a partir do termˆmetro de merc´rio, o mais e o u ´ simples e comum. E constitu´ de uma haste oca de viıdo dro, ligada a um bulbo contendo merc´rio. Ao ser colocado u em contato com um corpo ou ambiente cuja temperatura se quer medir, o merc´rio se dilata ou contrai, de forma que u cada comprimento de sua coluna corresponde a um valor de temperatura. A parede da haste ´ graduada convenientee mente, para indicar a temperatura correspondente a cada comprimento da coluna de merc´rio. u As escalas termom´tricas mais importantes s˜o a Celsius, e a a Fahrenheit e a Kelvin, e s˜o atribu´ a ıdos aos pontos fixos (ponto de fus˜o PF e ponto de ebuli¸ao da agua PE ), os a c˜ ´ valores abaixo:

Intervalos de Temperatura
Converter temperaturas de uma escala para a outra n˜o ´ a e o mesmo que converter intervalos de temperatura entre as escalas. Exemplo, um intervalo de temperatura de 10 ◦ C corresponde, na escala absoluta (ou Kelvin) a um intervalo de 10 K, e na escala Fahrenheit, o intervalo correspondente ser´ de 18 ◦ F , pois para cada grau celsius, temos 1,8 grau a fahrenheit.

Convers˜o de Temperaturas a
Embora usualmente se empregue o grau celsius (◦ C) como unidade pr´tica de temperatura, a convers˜o entre escalas ´ a a e muito importante, pois o kelvin ´ a unidade de temperatura e do SI, e o grau fahrenheit (◦ F ) ainda ´ bastante utilizado e em livros e filmes de l´ ıngua inglesa. A rela¸ao entre as c˜

F´ ısica E – Aula 1 A menor temperatura que existe na natureza ´ o chamado e zero absoluto ou seja, 0 K. Por isso a escala Kelvin ´ e dita absoluta. Nas outras escalas, os zeros foram escolhidos arbitrariamente, n˜o levando em conta a possibilidade de a haver uma menor temperatura poss´ na natureza, o que ıvel s´ foi descoberto depois da cria¸ao das primeiras escalas o c˜ t´rmicas. e d) 25 e) 64

37

Pense um Pouco!
• Qual a temperatura normal do corpo humano, em ◦ F ? • A temperatura ideal da cerveja ´ em torno de 4 ◦ C, ane tes de beber. Se dispomos apenas de um termˆmetro o com escala Kelvin, qual a temperatura absoluta correspondente ao mesmo estado t´rmico da cerveja ideal? e

5. (CENTET-BA) Num termˆmetro de escala X, 20 ◦ X o correspondem a 25 ◦ C, da escala Celsius, e 40 ◦ X correspondem a 122 ◦ F , na escala Fahrenheit. Esse termˆmetro o apresentar´, para a fus˜o do gelo e a ebuli¸ao da agua, os a a c˜ ´ respectivos valores, em ◦ X: a) 0 e 60 b) 0 e 80 c) 20 e 60 d) 20 e 80 e) 60 e 80 6. (PUC) Uma revista cient´ ıfica publicou certa vez um artigo sobre o planeta Plut˜o que, entre outras informa¸oes, a c˜ dizia “...sua temperatura atinge −380 ◦ ...”. Embora o autor n˜o especificasse a escala termom´trica utilizada, certaa e mente se refere a escala: ` a) Kelvin b) Celsius c) Fahrenheit d) Kelvin ou Celsius e) Fahrenheit ou Celsius

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Ao tomar a temperatura de um paciente, um m´dico s´ e o dispunha de um termˆmetro graduado na escala Fahrenheit. o Se o paciente estava com febre de 42 ◦ C, a leitura feita pelo m´dico no termˆmetro por ele utilizado foi de : e o a) 104 ◦ F b) 107, 6 ◦ F c) 72 ◦ F d) 40 ◦ F e) 106, 2 ◦ F

F´ ısica E
Eletricidade

Aula 1

2. (URCAMP-SP) No interior de um forno, um termˆmetro Carga El´trica o e Celsius marca 120◦ C. Um termˆmetro Fahrenheit e um o Kelvin marcariam na mesma situa¸ao, respectivamente: c˜ No s´culo XVIII, Benjamin Franklin verificou experimene a) 248 ◦ F e 393 K talmente que existem dois tipos de cargas diferentes, a as b) 198 ◦ F e 153 K batizou como cargas negativas (−) e positivas (+). Nesta c) 298 ◦ F e 153 K ´poca os cientistas pensavam que a carga era um flu´ que e ıdo d) 393 ◦ F e 298 K podia ser armazenado nos corpos, ou passar de um para oue) nenhuma resposta ´ correta e tro. 3. (ACAFE) Uma determinada quantidade de agua est´ a ´ a uma temperatura de 55 ◦ C. Essa temperatura corresponde a: a) 55 ◦ F b) 328 ◦ F c) 459 ◦ K d) 131 ◦ F e) 383 ◦ K Atualmente, dizer-se que carga el´trica ´ uma propriedade e e intr´ ınseca de algumas part´ ıculas. Assim como massa, a carga ´ uma propriedade elementar das part´ e ıculas. A experiˆncia realizada por Harvey Fletcher e Robert Millie kan desmosntrou que a quantidade de carga el´trica ´ uma e e grandeza quantizada, ou seja, n˜o pode assumir qualquer a valor. Essa descoberta levou a conclus˜o de que a quan` a tidade de carga el´trica Q ´ sempre um n´mero inteiro n e e u vezes a quantidade de carga elementar e: Q = ne onde e = 1, 60 × 10−19 C. A unidade SI da carga el´trica ´ e e o coulomb ou C.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UEL) Um termˆmetro foi graduado, em graus Celsius, o incorretamente. Ele assinala 1 ◦ C para o gelo em fus˜o e a 97 ◦ C para a agua em ebuli¸ao, sob press˜o normal. Pode´ c˜ a se afirmar que a unica temperatura que esse termˆmetro ´ o assinala corretamente, em graus Celsius ´: e a) 12 b) 49 c) 75

Tipos de Materiais
Em rela¸ao a eletricidade, os materiais s˜o classificados c˜ ` a como condutores ou isolantes. Para que um material seja condutor de energia el´trica, ´ e e necess´rio que ele possua portadores de carga el´trica livres a e

38 (el´trons, ´ e ıons positivos ou ´ ıons negativos) e mobilidade para esses portadores. Os metais s˜o bons condutores de eletricia dade, pois possuem el´trons ”livres”e mobilidade para esses e el´trons; o mesmo acontece com as solu¸oes eletrol´ e c˜ ıticas, que apresentam os ´ ıons como portadores de carga el´trica, e e com os gases ionizados, que possuem el´trons e ´ e ıons como portadores de carga el´trica. e O vidro, a agua pura, a madeira e os pl´sticos de modo geral ´ a s˜o bons isolantes de eletricidade. Al´m dos condutores e a e dos isolantes, existem os materiais semicondutores, como o sil´ e o germˆnio. ıcio a

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o isolante, a eletriza¸ao ser´ local, isto ´, restrita aos pontos c˜ a e de contato. Se os dois corpos forem condutores - um eletrizado e o outro neutro - e colocados em contato, poderemos imagin´-los a como um unico corpo eletrizado. A separa¸ao entre eles ´ c˜ resultar´ em dois corpos eletrizados com cargas de mesmo a sinal. Na figura, um dos condutores est´ inicialmente neua tro (a eletriza¸ao por contato pode ocorrer tamb´m com c˜ e dois condutores inicialmente eletrizados).

Eletriza¸˜o por Atrito ca
Ao atritar vigorosamente dois corpos, A e B, estamos fornecendo energia e pode haver transferˆncia de el´trons de um e e para o outro. Se os corpos atritados est˜o isolados, ou seja, a n˜o sofrem a influˆncia de quaisquer outros corpos, as cara e gas el´tricas cedidas por um s˜o exatamente as adquiridas e a pelo outro: QA = −QB Isto ´, A e B adquirem quantidades de carga el´trica iguais e e em m´dulo, mas de sinais contr´rios. A figura representa o a o que acontece quando um peda¸o de metal ´ atritado com c e um pano de l˜. a (a) (b) (c)

Generalizando, podemos afirmar que, na eletriza¸ao por c˜ contato: • os corpos ficam ou eletricamente neutros ou com cargas de mesmo sinal; • quando o sistema ´ formado por corpos isolados das ine fluˆncias externas, a quantidade de carga el´trica total e e final ´ igual a quantidade de carga el´trica total inicial e ` e (princ´ ıpio da conserva¸ao de carga el´trica): c˜ e QA + Q B = Q A + Q B Na express˜o acima, Q representa a quantidade de a carga el´trica inicial e Q , a quantidade de carga el´trica e e final. Em particular, se os corpos A e B forem iguais: Q A = Q B = (QA + QB)/2

(a)

(b)

Podemos ainda observar que: 1. se os corpos colocados em contato s˜o de tamaa nhos diferentes, a divis˜o de cargas ´ proporcional a e as dimens˜es de cada um; ` o 2. quando um corpo eletrizado ´ colocado em contato e com a Terra, ele se torna neutro, uma vez que sua dimens˜o ´ desprez´ a e ıvel se comparada com a ` da Terra. Simbolicamente, a liga¸ao a Terra ´ c˜ ` e representada conforme a figura.

Quando esfregamos as m˜os, n˜o eletrizamos nenhuma dea a las. Para que haja eletriza¸ao por atrito, uma condi¸ao nec˜ c˜ cess´ria ´ que os corpos sejam de materiais diferentes, isto a e ´, eles n˜o podem ter a mesma tendˆncia de ganhar ou pere a e der el´trons. Em Qu´ e ımica, essa tendˆncia ´ traduzida por e e uma grandeza denominada de eletroafinidade. Os materiais podem ser classificados de acordo com essa tendˆncia, e elaborando-se a chamada s´rie triboel´tricas: e e + + + Vidro → Mica → L˜ → Seda → Algod˜o → a a ˆ Madeira → Ambar → Enxofre → Metais − − −

Ao atritarmos dois materiais quaisquer de uma s´rie trie boel´trica, o que estiver posicionado a esquerda ficar´ eletrie ` a zado positivamente; o que estiver a direita ficar´ eletrizado ` a negativamente. Na eletriza¸ao por atrito, pelo menos um c˜ dos corpos deve ser isolante. Se atritarmos dois condutores, eles n˜o v˜o manter a eletriza¸ao. a a c˜

(a)

(b)

Eletriza¸˜o por Contato ca
A eficiˆncia nessa forma de eletriza¸ao depende de os core c˜ pos serem condutores ou isolantes. Se um dos corpos for

Em (a), o corpo est´ isolado da Terra e, portanto, a mant´m sua carga el´trica. Quando o contato com e e a Terra ´ estabelecido (b), o corpo se neutraliza e

F´ ısica E – Aula 1

39

Eletriza¸˜o por Indu¸˜o ca ca
Nesse tipo de eletriza¸ao n˜o h´ contato entre os corpos. c˜ a a Vejamos como acontece.

(a)

(b)

Primeiramente, precisamos de um corpo eletrizado (a), chamado de indutor, que pode ser condutor ou isolante, pois n˜o ter´ contato com o outro. O segundo corpo (b) a ser a a eletrizado, chamado de induzido, dever´ ser condutor, poa dendo ser uma solu¸ao eletrol´ c˜ ıtica ou dois corpos B1 e B2 ligados eletricamente.

(a)

(b)

Na presen¸a do indutor, desfazemos o contato entre b e a c Terra; em seguida, afastamos os corpos: o corpo b fica eletrizado com carga oposta a do indutor a. `

Pense um Pouco!
• Uma pessoa pode levar um pequeno choque ao descer de um carro num dia seco. Explique. • Atritando-se dois materiais diferentes criamos carga el´trica? Por quˆ? e e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
(a) (b) 1. Disp˜ese de trˆs esferas met´licas idˆnticas e isoladas o e a e uma da outra. Duas delas, A e B, est˜o neutras, enquanto a a esfera C cont´m uma carga el´trica Q. Faz-se a esfera C e e tocar primeiro a esfera A e depois a esfera B. No final desse procedimento, qual a carga el´trica das esferas A, B e C, e respectivamente? 2. ”S´rie triboel´trica ´ um conjunto de substˆncias ordee e e a nadas de tal forma que cada uma se eletriza negativamente quando atritada com qualquer uma que a antecede e positivamente quando atritada com qualquer uma que a sucede. Exemplo: vidro - mica - l˜ - seda - algod˜o - cobre.”Baseado a a na informa¸ao acima, responda: c˜ a) Atrita-se um pano de l˜ numa barra de vidro, iniciala mente neutros. Com que sinais se eletrizam? b) E se o pano de l˜ fosse atritado numa esfera de cobre, a tamb´m inicialmente neutro? e 3. Uma esfera met´lica neutra encontra-se sobre um suporte a isolante e dela se aproxima um bast˜o eletrizado positivaa mente. Mant´m-se o bast˜o pr´ximo a esfera, que ´ ent˜o e a o ` e a

O indutor (a) eletrizado positivamente, atrai as cargas el´tricas negativas do induzido (b). Assim, na face do ine duzido mais pr´xima do indutor, temos ac´mulo de cargas o u negativas, que n˜o chegam ao indutor porque o ar entre eles a ´ isolante. Por outro lado, a face do induzido mais afastada e do indutor fica positiva. A essa altura, podemos nos perguntar se o corpo (b) est´ eletrizado. Ele n˜o est´, pois o a a a n´mero de pr´tons no corpo continua igual ao n´mero de u o u el´trons. Dizemos que o corpo (b) est´ induzido, porque e a houve apenas uma separa¸ao das cargas. Quando retirac˜ mos o indutor, as cargas no induzido se reagrupam e ele volta a situa¸ao neutra. Para eletrizar o induzido, devemos, ` c˜ na presen¸a do indutor, estabelecer o contato do induzido c (corpo b) com um terceiro corpo, chamado de terra. Esse terceiro corpo pode ser um outro corpo qualquer, at´ mesmo e o planeta Terra.

40 ligada a terra por um fio met´lico. Em seguida, desliga-se ` a o fio e afasta-se o bast˜o. a a) A esfera ficar´ eletrizada positivamente. a b) A esfera n˜o se eletriza, pois foi ligada a terra. a ` c) A esfera sofrer´ apenas separa¸ao de suas cargas. a c˜ d) A esfera ficar´ eletrizada negativamente. a e) A esfera n˜o se eletriza, pois n˜o houve contato com o a a bast˜o eletrizado. a 4. Disp˜e-se de uma esfera condutora eletrizada positivao mente. Duas outras esferas condutoras, B e C, encontramse inicialmente neutras. Os suportes das trˆs esferas s˜o isoe a lantes. Utilizando os processos de eletriza¸ao por indu¸ao c˜ c˜ e por contato, descreva procedimentos pr´ticos que permia tam obter: I. as trˆs esferas eletrizadas positivamente II. a e eletrizada positivamente e B negativamente III. a eletrizada negativamente e B positivamente

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o c) +++ — d) +++ —

F´ ısica E
Eletricidade
Eletrosc´pio de Folhas o

Aula 2

´ E constitu´ de duas folhas met´licas, finas e flex´ ıdo a ıveis, ligadas em sua parte superior a uma haste, que se prende a uma esfera, ambas condutoras. O isolante impede a passagem de cargas el´tricas da haste para a esfera. Normalmente, as e folhas met´licas s˜o mantidas dentro de um frasco transpaa a rente, a fim de aumentar a sua justeza e sensibilidade.

Exerc´ ıcios Complementares
5. (U. Fortaleza-CE) Um bast˜o ´ atritado com um pano. a e A seguir, repele uma esfera eletr´ ızada negativamente. Podese afirmar corretamente que o bast˜o foi eletrizado a a) positivamente, por contacto com o pano. b) positivamente, por ter-se aproximado da esfera. c) negativamente, por ter-se aproximado da esfera. d) negativamente, por atrito com o pano. e) neutralizado, ao aproximar-se da esfera 6. (PUCC-SP) Disp˜e-se de uma barra de vidro, um pano o de l˜ e duas pequenas esferas condutoras, A e B, apoiadas a em suportes isolados, todos eletricamente neutros. Atritase a barra de vidro com o pano de l˜; a seguir coloca-se a a barra de vidro em contato com a esfera A e o pano com a esfera B. Ap´s essas opera¸oes: o c˜ a) o pano de l˜ e a barra de vidro estar˜o neutros. a a b) a barra de vidro repelir´ a esfera B. a c) o pano de l˜ atrair´ a esfera A. a a d) as esferas A e B se repelir˜o. a e) as esferas A e B continuar˜o neutras. a 7. (UNIRIO-RJ) Uma esfera met´lica, sustentada por uma a haste isolante, encontra-se eletrizada com uma pequena carga el´trica Q. Uma segunda esfera idˆntica e inicialmente e e descarregada aproxima-se dela, at´ toc´-la, como indica a e a figura ao lado. Ap´s o contato, a carga el´trica adquirida o e pela segunda esfera ´: e a) Q/2 b) Q c) 2Q d) 0 8. (UF-PI) Temos uma placa condutora apoiada em um suporte isolante. Estando ela inicialmente neutra, aproximase pela sua esquerda, um bast˜o carregado negativamente. a Em conseq¨ˆncia da indu¸ao eletrost´tica, ocorrer´ uma reue c˜ a a distribui¸ao de cargas na placa. Esquematicamente, terec˜ mos: a) — +++ b) — —

(a)

(b)

Figura 1.1: O eletrosc´pio de folhas (a) na prese¸a de umo c bast˜o eletrizado negativamente (b) a Aproximando-se da esfera o corpo que se quer verificar, se ele estiver eletrizado, ocorrer´ a indu¸ao eletrost´tica, ou a c˜ a seja: se o corpo estiver carregado negativamente, ele repele os el´trons livres da esfera para as lˆminas, fazendo com e a que elas se abram devido a repuls˜o; se o corpo estiver com ` a cargas positivas, ele atrai os el´trons livres das lˆminas, fae a zendo tamb´m com que elas se abram, novamente, devido a e ` repuls˜o. a A determina¸ao do sinal da carga do corpo em teste, que c˜ j´ se sabe estar eletrizado, ´ obtida carregando-se anteriora e mente o eletrosc´pio com cargas de sinal conhecido. Dessa o forma, as lˆminas ter˜o uma determinada abertura inicial. a a

A Lei de Coulomb
Esta lei diz respeito a intensidade das for¸as de atra¸ao ou ` c c˜ de repuls˜o, que agem em duas cargas el´tricas puntiformes a e (cargas de dimens˜es desprez´ o ıveis), quando colocadas em presen¸a uma da outra. c

F´ ısica E – Aula 2

41

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Duas esferas condutoras eletrizadas, de pequenas dimens˜es, atraem-se mutuamente no v´cuo com for¸a de ino a c tensidade F ao estarem separadas por certa distˆncia r. a Como se modifica intensidade da for¸a quando a distˆncia c a entre as esferas ´ aumentada para 4r? e 2. As cargas el´tricas −q e +q , puntiformes, atraem-se com e for¸a de intensidade F , estando a distancia r uma da outra c ` no v´cuo. Se a carga q for substitu´ por outra −3q e a a ıda distˆncia entre as cargas for duplicada, como se modifica a a for¸a de intera¸ao el´trica entre elas? c c˜ e Figura 1.2: Na presen¸a de um bast˜o eletrizado positivac a mente Considere duas cargas el´tricas puntiformes, q 1 e q2 , sepae radas pela distˆncia r. Sabemos que, se os sinais dessas a cargas forem iguais, elas se repelem e, se forem diferentes, se atraem. Isto acontece devido a a¸ao de for¸as de natureza ` c˜ c el´trica sobre elas. e Essas for¸as s˜o de a¸ao e rea¸ao e, portanto, tˆm a mesma c a c˜ c˜ e intensidade, a mesma dire¸ao e sentidos opostos. Deve-se c˜ notar tamb´m que, de acordo com o princ´ e ıpio da a¸ao e c˜ rea¸ao, elas s˜o for¸as que agem em corpos diferentes e, c˜ a c portanto, n˜o se anulam. a Charles de Coulomb verificou experimentalmente que: As for¸as de atra¸ao ou de repuls˜o entre duas carc c˜ a gas el´tricas puntiformes s˜o diretamente propore a cionais ao produto das cargas e inversamente proporcionais ao quadrado da distˆncia que as separa. a A express˜o matem´tica dessa for¸a ´: a a c e F =k q1 q2 r2 3. Considere um eletrosc´pio de folhas descarregado. Exo plique o que acontece quando um corpo eletrizado negativamente ´: e a) aproximado da esfera do eletrosc´pio; o b) encostado na esfera do eletrosc´pio. o

Exerc´ ıcios Complementares
4. Duas part´ ıculas eletrizadas com cargas el´tricas de e mesmo valor absoluto mas sinais contr´rios atraem-se no a v´cuo com for¸a de intensidade 4, 0 × 10−3 N , quando situa c adas a 9, 0 cm uma da outra. Determine o valor das cargas, sendo k = 9 × 109 N · m2 /C 2 . 5. (Santa Casa-SP) A figura representa um eletrosc´pio de o folhas inicialmente descarregado. A esfera E, o suporte S e as folhas F s˜o met´licos. Inicialmente, o eletrosc´pio est´ a a o a eletricamente descarregado. Uma esfera met´lica, positivaa mente carregada, ´ aproximada, sem encostar, da esfera do e eletrosc´pio. Em qual das seguintes alternativas melhor se o representa a configura¸ao das folhas do eletrosc´pio (e suas c˜ o cargas), enquanto a esfera positiva estiver perto de sua esfera?

onde q1 e q2 s˜o os m´dulos das cargas el´tricas envolvidas, a o e e k uma constante eletrost´tica que, no SI, para as cargas a situadas no v´cuo ´ a e k = 9 × 109 N · m2 /C 2

Pense um Pouco!
• Baseado na lei de Coulomb, explique como funciona o eletrosc´pio; o • Se dobrarmos a distˆncia r entre duas cargas dadas, o a que acontece com a for¸a el´trica entre elas? c e • Se colocarmos muitos el´trons no centro de uma chapa e met´lica quadrada, o que acontecer´ com essa carga? a a 6. Duas cargas puntiformes q1 = −5, 0 µC e q2 = +8, 0 µC est˜o sobre o eixo horizontal, separadas por uma distˆncia a a r. Assinale a alternativa correta: a) As cargas se repelem mutuamente b) q2 atrai q1 com mais intensidade do que q1 atrai q2 c) o sistema forma um dipolo d) As cargas se atraem el´tricamente e e) A for¸a sobre as cargas s˜o verticais c a

42

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o sua vizinhan¸a possuam uma propriedade segundo a qual c todo corpo colocado nesse local sofrer´ a a¸ao de uma for¸a a c˜ c atrativa. Uma observa¸ao muito importante deve ser feita: o campo c˜ el´trico num ponto P qualquer da vizinhan¸a da carga Q, e c assim como o campo gravitacional num ponto qualquer nas vizinhan¸as da Terra, existe independentemente da presen¸a c c da carga de prova q ou da massa m. Estas apenas testam a existˆncia dos campos el´trico e gravitacional nos pontos e e considerados.

F´ ısica E
Campo El´trico e

Aula 3

Quando empurramos uma caixa, estamos aplicando sobre ela uma certa for¸a. N˜o ´ dif´ imaginar de que forma essa c a e ıcil for¸a foi transmitida a caixa, pois de imediato associamos c ` a aplica¸ao da for¸a o contato travado com a caixa. Pen` c˜ c semos agora na intera¸ao entre cargas el´tricas: conforme c˜ e estudamos anteriormente, se aproximarmos de uma carga Q uma outra carga q, que denominaremos carga de prova, verificaremos a a¸ao de uma for¸a F (atrativa ou repulsiva, c˜ c conforme os sinais das cargas) sobre a carga q. Nesse caso, n˜o h´ contato entre os corpos, o que torna mais dif´ a a a ıcil compreens˜o da forma de transmiss˜o da for¸a. Durante a a c muito tempo afirmou-se que a for¸a eletrost´tica era uma c a intera¸ao direta e instantˆnea entre um par de part´ c˜ a ıculas eletrizadas, conceito este denominado a¸ao a distˆncia. c˜ a

O Vetor Campo El´trico e
O campo el´trico ´ melhor caracterizado em cada ponto do e e ˆ espa¸o por um vetor E, denominado vetor campo el´trico. c e A defini¸ao do vetor campo el´trico ´ tal, que por seu c˜ e e interm´dio poderemos estudar muitas caracter´ e ısticas do campo el´trico, a partir do estuco desse vetor num ponto. e Consideremos P um ponto gen´rico de um campo el´trico e e gerado por uma fonte qualquer. Coloquemos em P , sucessivamente, cargas de prova q1 , q2 , q3 , ..., q. A intensidade da for¸a el´trica atuante nas cargas de prova ir´ variar, mas c e a a dire¸ao da for¸a ser´ a mesma, conforme indicamos na c˜ c a sequˆncia de figuras seguintes: e

(a) Se trabalh´ssemos apenas com cargas em repouso, a a¸ao a a c˜ distˆncia nos bastaria para que resolvˆssemos a maioria dos a e problemas do eletromagnetismo. No entanto, o estudo de cargas em movimento n˜o pode ser deixado de lado e nesse a caso a teoria da a¸ao a distˆncia ´ falha, sendo necess´rio c˜ a e a buscarmos outra forma de explicar a intera¸ao el´trica. E foi c˜ e com Faraday (1791-1867) que nasceu a id´ia que constitui e hoje um dos mais importantes recursos em F´ ısica: a no¸ao c˜ de campo. Dizemos que a presen¸a da carga Q afeta a regi˜o do espa¸o c a c pr´xima a ela, ou seja, que a carga Q cria nas suas vizio nhan¸as uma “propriedade”que d´ a essa regi˜o “algo”mais c a a que atributos geom´tricos, “algo”que transmitir´ a qualquer e a carga de prova colocada nessa regi˜o a for¸a el´trica exera c e cida pela carga Q. Designamos por campo el´trico tal proe priedade. Assim, a for¸a F ´ exercida sobre q pelo campo c e el´trico criado por Q. Esquematicamente teremos: e A¸ao a distˆncia: carga ⇐⇒ carga c˜ ` a Teoria de campo: carga ⇐⇒ campo ⇐⇒ carga

(b)

(c)

Conclu´ ımos que a rela¸ao entre a for¸a e a carga em que ela c˜ c atua ´ uma caracter´ e ıstica do ponto P considerado, denominada vetor campo el´trico. Assim, teremos: e E = F /q Quanto ao sentido do vetor E, distinguimos dois casos: a) q ´ positiva: E e F tˆm o mesmo sentido; e e b) q ´ negativa: E e F tˆm sentidos contr´rios. e e a Podemos concluir, da equa¸ao, que as unidades de intensic˜ dade do vetor campo el´trico ser˜o unidades de for¸a por e a c unidades de carga. Assim, no sistema internacional de unidades, teremos: Unidade SI por defini¸ao, a unidade de de campo el´trico ´ E ser´ c˜ e e a newton/coulomb, ou seja N/C. Linhas de Campo A denomina¸ao linhas de campo ou linhas de for¸a designa c˜ c uma maneira de visualizar a configura¸ao de um campo c˜ el´trico. Esse artif´ foi empregado por Faraday e mesmo e ıcio hoje pode ser conveniente seu uso.

A no¸ao de campo ´ utilizada em muitas outras situa¸oes c˜ e c˜ f´ ısicas, como por exemplo a intera¸ao gravitacional. Na fic˜ gura a seguir, em vez de pensarmos numa atra¸ao direta da c˜ Terra sobre o corpo de massa m, podemos dizer que a Terra cria em torno de si um campo gravitacional; em outras palavras, a presen¸a da Terra faz com que todos os pontos de c

F´ ısica E – Aula 3

43

Apresentamos a seguir a significa¸ao das linhas de for¸a: c˜ c 1. S˜o linhas tra¸adas de forma que a tangente a cada a c ponto nos fornece a dire¸ao de E. S˜o orientadas no c˜ a sentido do vetor campo. As linhas de campo ”morrem”nas cargas negativas 2. As linhas de campo s˜o tra¸adas de forma que o n´mero a c u de linhas que atravessa a unidade de area de uma sec¸ao ´ c˜ perpendicular as mesmas ´ proporcional ao m´dulo de ` e o E. Dessa forma, onde elas estiverem mais pr´ximas, o |E| ´ maior; onde elas estiverem mais afastadas, | E| ´ e e menor. • duas cargas de sinais iguais:

As figuras seguintes mostram linhas de campo de alguns campos el´tricos particulares: e

3. Observe que, por defini¸ao, o campo el´trico ´ unico c˜ e e ´ em cada ponto do espa¸o, e portanto, duas linhas de c campo nunca se cruzam.

C´lculo do Campo El´trico a e
• campo gerado por uma carga puntiforme positiva. Campo de uma Carga Puntiforme O campo el´trico devido a uma carga puntiforme Q fixa ´ e e facilmente determinado analisando-se a figura seguinte:

As linhas de campo ”nascem”nas cargas positivas. • carga puntiforme negativa:

44 No ponto P da figura, colocamos urna carga de prova q, o vetor campo el´trico no ponto P tem intensidade dada por: e E = F/q. O campo gerado por uma carga puntiforme Q num ponto P qualquer do espa¸o tem intensidade dada por: c E= F Q =k 2 q r

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o campo el´trico vertical, de cima para baixo de intensidade e E ≈ 100 N/C. Este campo ´ quase uniforme, visto em e pequena escala (alguns metros), sobre o ch˜o plano. a

Pense um Pouco!
• Qual as semelhan¸as e diferen¸as entre a for¸a el´trica c c c e e a gravitacional? Fa¸a um paralelo. c • Num sistema de cargas puntiformes ´ poss´ se encone ıvel trar algum ponto P onde o campo el´trico seja nulo? e Dˆ exemplos. e • Um dipolo ´ formado por um par de cargas +q e −q. e Esboce as linhas de campo de um dipolo.

Utilizando uma linguagem n˜o muito rigorosa, podemos dia zer que as cargas positivas geram campos de afastamento e as cargas negativas geram campos de aproxima¸ao. c˜ Campo El´trico para V´rias de Cargas e a Se cada uma das cargas estivesse sozinha, originaria no ponto P um campo el´trico devido a sua presen¸a indie ` c vidual. Dado o efeito aditivo da for¸a el´trica, o campo c e el´trico devido a presen¸a de n cargas puntiformes ser´ a e ` c a soma vetorial dos campos produzidos individualmente por cada uma das cargas, isto ´: e
n

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (Fatec-SP) Em um ponto P do espa¸o existe um campo c el´trico E horizontal de 5×104 N/C, voltado para a direita. e a) Se uma carga de prova de l, 5 µC, positiva, ´ colocada em e P , qual ser´ o valor da for¸a el´trica que atua sobre ela? a c e b) Em que sentido a carga de prova tender´ a se mover, se a for solta? c) Responda as quest˜es a) e b) supondo que a carga de ` o prova seja negativa. 2. (ITA-SP) Uma placa isolante, de dimens˜es muito o grandes, est´ uniformemente carregada. Sabendo-se que o a campo el´trico por ela gerado ´ o mesmo em todos os pone e tos pr´ximos a placa e que uma pequena esfera tem massa o ` de 25 gramas e o angulo de afastamento entre a esfera e a ˆ placa ´ de 30◦ ?, determinar: e a) a for¸a el´trica que atua na esfera, supondo que ela se c e encontre em equil´ ıbrio; b) o campo el´trico da placa, sabendo-se que a carga na e esfera vale −5 µC. 3. (USP-SP) Uma carga el´trica puntiforme q = 2 × 10 −6 C e e de massa 10−5 kg ´ abandonada em repouso num campo e el´trico uniforme de intensidade 104 N/C. e a) Qual ´ a acelera¸ao adquirida por q? e c˜ b) Qual a velocidade da part´ ıcula no instante 8, 0 s?

E = E1 + E2 + E3 + . . . =
i=1

Ei

Importante: esta soma deve ser feita usando-se a soma de vetores.

Se todas as cargas Qi estiverem sobre uma mesma linha reta, que tamb´m comt´m o ponto P , ent˜o a intensidade e e a do campo em P ser´ a E=k Q1 Q2 Q3 2 + k r2 + k r2 + . . . = r1 2 3
n 2 kQi ri i=1

Esta ´ uma soma escalar, mais f´cil de fazer do que a nee a cess´ria no caso anterior. a

Campo El´trico Uniforme e
Trata-se de um campo el´trico em que o vetor campo el´trico e e ´ o mesmo em todos os pontos, o que equivale a dizer que em e cada ponto o m´dulo, a dire¸ao e o sentido do vetor E ser˜o o c˜ a os mesmos. Em consequˆncia dessa defini¸ao, concluimos e c˜ que as linhas de campo devem ser retas paralelas orientadas todas com o mesmo sentido. Por exemplo, para uma pequena regi˜o do espa¸o, muito a c longe de uma carga puntiforme, o campo el´trico se torna e quase uniforme. Pr´ximo a superf´ da Terra, existe um o ` ıcie

rp rp rp rp rp rp rp rp rp qWqWqWqWqWqWqWqWqW p p p WWWWWWWWW p p p p ab iWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWcqrqr d iWiWiWiW rWrWrWrWrWrWrWrWrW pWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpW iWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWip rqWrqWrqWrqWrqWrqWrqWrqWrqW qWqWqWqWqWqWqWqWqW pWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpW iWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWip rWrWrWrWrWrWrWrWrW qWqWqWqWqWqWqWqWqWqr ipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWWWWWip rWrWrWrWrWrWrWrWrW qWqWqWqWqWqWqWqWqWqr pWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWip ef ip ip ip iWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWpWWWWip ef Wef Wef Wef Wef Wef Wef Wef Wef Wef qrqrqr iWp ` p p rWrWrWrWrWrWrWrWrW qWqWqWqWqWqWqWqWqW pWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWiWiWW iWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWpWpWpWip fWfWfWfWfWfWfWfWfWfWfW YW i eWeWeWeWeWeWeWeWeWeWeWef WY` rWrWrWrWrWrWrWrWrW pWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWiWiWiW iWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWpWWWip fWfWfWfWfWfWfWfWfWfWfW eWeWeWeWeWeWeWeWeWeWeWef qrqWqrqWqrqWqrqWqrqWqrqWqrqWqrqWqrqW pWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWiWp p iWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWpWiWiWp fWWWWWWWWWWWef pWpWi rWrWrWrWrWrWrWrWrW qWqWqWqWqWqWqWqWqWqr pWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWiWiWiW iWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWpWpWpW WWWWWWWWWWWWWiWWWpip heWf gWf gWf gWf gWf gWf gWf gWf gWf gWf WeWeWeWeWeWeWeWeWeWeW gWWWWWWWWWWWef rWrWrWrWrWrWrWrWrW qWqWqWqWqWqWqWqWqWqr hf WhWhWhWhWhWhWhWhWhW X W fWfWfWfWfWfWfWfWfWfWfW WWi Wf gWf gWf gWf gWf gWf gWf gWf gWf gWf gh W i i geWeWeWeWeWeWeWeWeWeWeW eWeWeWeWeWeWeWeWeWeWeWef rWrWrWrWrWrWrWrWrW qWh qWh qWh qWh qWh qWh qWh qWh qWh qr tWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpW tp t t Wt Wt Wt Wt Wt Wt Wt Wt Wt Wt Wt efef VX t Wp sWp sWp sWp sWp sWp sWp sWp sWp sWp sWp sWp sWp sWp sWp sWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWip siWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiW hWhWhWhWhWhWhWhWhWhW V fWfWfWfWfWfWfWfWfWfWfW gWgWgWgWgWgWgWgWgWgWgh W rWrWrWrWrWrWrWrWrW qWqWqWqWqWqWqWqWqWqr WiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWip tWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtW sWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWst TU pWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpW feWfeWfeWfeWfeWfeWfeWfeWfeWfeWfeW hWhWhWhWhWhWhWhWhWhW gWgWgWgWgWgWgWgWgWgW WWWWWWWWWWghgh eWeWeWeWeWeWeWeWeWeWeW rWrWrWrWrWrWrWrWrW WWWWWWWWWrqqr qWqWqWqWqWqWqWqWqW RS WWWWWWWWWWWef tstWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipW tWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtW sWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWpWip sWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWst tWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiW tWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtWtW sWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipWipW WWWWWWWWWWWWWWWWWipipip sWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsWsW WWWWWWWWWWWWWWWstst p p p p p p p p p p p p p p p p iWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiWiW WWWWWWWWWWWWWWWWip
E4 Q1 Q2 Q3 E3 E2 P E1 E5 Q4 Q5

Exerc´ ıcios Complementares
4. (FUVEST-SP) O diagrama da figura seguinte representa a intensidade do campo el´trico gerado por uma carga pune tiforme fixa no v´cuo, em fun¸ao da distˆncia d a carga. a c˜ a ` a) Calcule o valor da carga Q que origina o campo. b) Determine a intensidade do campo el´trico em um ponto e que dista 30 cm da carga fixa.

F´ ısica E – Aula 4
1000

45 Assim, uma d.d.p. de 110 V entre dois pontos indica que o campo (for¸a el´trica) realiza um trabalho de 110 J sobre c e cada l C de carga que se desloca de um ponto para outro. Para analisar o sinal da d.d.p., tente imaginar vocˆ realie zando o movimento de uma carga de prova entre os pontos A e B, e observe os sentidos da for¸a externa e do deslocac mento. Por exemplo, se vocˆ deslocar uma carga positiva, e contra o campo el´trico numa determinada regi˜o, observar´ e a a que ser´ realizado um trabalho externo positivo, e o potena cial da carga deslocada aumenta, porque ela foi deslocada para uma regi˜o de maior potencial. a Potencial El´trico Gerado por uma Carga Puntie forme
A→B realizado sobre a carga Para calcularmos o trabalho WE +q, sendo deslocada pr´ximo a uma carga puntiforme Q, deo ` vemos utilizar conceitos matem´ticos que o estudante ver´ a a em seu curso superior: trata-se do c´lculo integral, que, utia lizado neste caso, nos fornecer´ como resultado: a A→B WE = −kQq

800

E (N/C)

600

400

200

0 0.00

0.05

0.10 d (m)

0.15

0.20

5. (PUC-SP) Numa certa regi˜o da terra, nas proximidades a da superf´ ıcie, a acelera¸ao da gravidade vale 9, 8 m/s 2 e o c˜ campo eletrost´tico do planeta (que possui carga negativa a na regi˜o) vale 100 N/C, e ´ na dire¸ao vertical, sentido a e c˜ de cima para baixo. Determine o sinal e o valor da carga el´trica que uma bolinha de gude, de massa 50 g, deveria e ter para permanecer suspensa em repouso, acima do solo. Considere o campo el´trico praticamente uniforme no local e e despreze qualquer outra for¸a atuando sobre a bolinha. c 6. (Mackenzie-SP) Existe um campo el´trico E apontando e para baixo, na atmosfera terrestre, com uma intensidade m´dia de 100 N/C. Deseja-se fazer flutuar nesse campo e uma esfera de enxofre de 0, 5kg. Que carga (m´dulo e sinal) o precisa ter a esfera?

1 1 − rB rA

Dessa maneira a diferen¸a de potencial no caminho de A c para B ser´: a VA→B = VB − VA = −
A→B Wext. = kQ q

F´ ısica E
Potencial El´trico e
Diferen¸a de Potencial c

Aula 4

1 1 − rB rA

Se quisermos determinar o potencial de um dos pontos, por exemplo, B, fa¸amos rA tender ao infinito, onde supomos c que o potencial seja nulo. Quando isso acontece VB = k Q rB

Consideremos positiva uma carga que se desloca de A para B, em equil´ ıbrio, ou seja, faz-se uma for¸a externa Fext. tal c que anule a for¸a el´trica FE sobre a carga: c e Ao trabalho realizado pelo agente externo Wext. por unidade de carga que se desloca de A para B, denominamos diferen¸a c de potencial ou tens˜o el´trica de A para B, habitualmente a e representada por VB − VA ou simplesmente VAB . Assim, matematicamente teremos: VB − V A =
A→B Wext.

Essa equa¸ao fornece o potencial de B em rela¸ao a um c˜ c˜ ponto no infinito. Se nos depararmos com uma configura¸ao c˜ de n cargas puntiformes, o potencial num ponto P dessa regi˜o ser´ a soma alg´brica dos potenciais devidos a cada a a e carga, isto ´: e VP = k Q1 Q2 Qn + + ...+ r1 r2 rn
n

Fext. = −FE

=k
i=1

Qi ri

Potencial dentro de um Campo El´trico e Seja q uma carga positiva que se desloca de A para B sobre uma linha de for¸a do campo uniforme mostrado na figura c seguinte:

q

=−

A→B WE

q

Sendo o trabalho W e q grandezas escalares, a diferen¸a de c potencial tamb´m ser´ uma grandeza escalar. e a
A→B O trabalho WE independe da trajet´ria escolhida entre o os pontos A e B, e isso ´ um resultado decorrente do fato e de a for¸a el´trica ser conservativa. c e

E

No Sistema Internacional de Unidades, a unidade de diferen¸a de potencial (d.d.p.) ser´ o joule/ coulomb, que ´ c a e denominada volt ou V .

+q

ƒ

ƒ

„ ‚

‚

Unidades SI

uvy€

ƒ wx „ ƒ wx „

A

Fext

FE

B

46 Como o campo ´ uniforme, a for¸a el´trica que atua na carga e c e q ´ constante e ter´ intensidade dada por: e a F = qE Sabemos, da mecˆnica, que o trabalho realizado por uma a for¸a constante e paralela ao deslocamento e dado por c
A→B Wext. = −FE · d

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o contr´rios ´ um bom exemplo de campo el´trico uniforme. a e e Na figura seguinte, a distˆncia entre as placas vale 5 cm e a a intensidade do campo el´trico uniforme E ´ 2, 0×1O 5 N/C. e e a) Qual a d.d.p. entre os pontos A e B indicados na figura? b) Se o ponto A for tomado como n´ de referˆncia para o ıvel e potencial, qual ser´ o potencial do ponto B? a

E

VB − VA = −E · d e neste caso dizemos que a tens˜o cai de A para B. Em a geral, a d.d.p. ´ negativa na dire¸ao e sentido do campo e c˜ el´trico. e A rela¸ao obtida acima ´ de grande utilidade, uma vez que, c˜ e conhecida a d.d.p. e o deslocamento, obteremos facilmente o campo el´trico. Observe que o campo el´trico poder´ ser e e a expresso tamb´m em volt/metro. Procure demonstrar que e l N/C = l V /m. Rigidez Diel´trica e Sabe-se que o ar ´ isolante, por´m quando submetido a e e um grande campo el´trico, algumas mol´culas s˜o ionizae e a das e o ar se torna condutor. A esse limite de campo el´trico m´ximo que um isolante suporta chamamos de rie a gidez diel´trica ou Emax . Para o ar de Jonville, sempre e muito umido, temos Emax ≈ 800 v/mm. ´

Exerc´ ıcios Complementares
4. (ACAFE-SC) No v´cuo, um corpo eletrizado com carga a el´trica Q cria um potencial igual a +3000 V num ponto e A, situado a 30 cm de Q. Sendo k = 9 × 109 N · m2 /C 2 , determine: a) o valor da carga Q; b) a intensidade do vetor campo el´trico no ponto A. e 5. (UFRS-RS) Temos as cargas Q1 , Q2 e Q3 dispostas em um retˆngulo de lados 6 cm e 8 cm. Calcule o potencial a el´trico total no v´rtice A, que n˜o cont´m nenhuma carga. e e a e Dados: Q1 = 8 µC, Q2 = 16 µC, Q3 = −12 µC e k = 9 × 109 N · m2 /C 2 . 6. (IME-RJ) Calcular o trabalho das for¸as do campo c el´trico de uma carga puntiforme Q = 5 µC para transe portar outra carga puntiforme q = 2, 0 µC de um ponto A a outro B, distantes 1, 0 m e 2, 0 m da carga Q, respectivamente. Esse trabalho ´ positivo ou negativo? Explique. e Dado: k = 9 × 109 N · m2 /C 2 .

Pense um Pouco!
• Vocˆ saberia responder o valor da d.d.p. (diferen¸a de e c potencial) entre o ch˜o e uma nuvem, num raio? a • Qual a d.d.p. m´xima entre dois fios paralelos, separaa dos por uma distˆncia de 10 cm, em Joinville? a • Num dado instante, a d.d.p. entre os eletrodos de uma tomada ´ de 200 V . O que significa isso fisicamente? e

F´ ısica E
Superf´ ıcies Equipotenciais

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Qual o potencial de um ponto P , situado a 20 cm de uma carga positiva de campo cujo valor ´ 4, 0 × xl0 −6 C? e 2. (FAAP-SP) Duas cargas Q1 e Q2 , de valores −2 µC e +2 µC, respectivamente, est˜o separadas por uma distˆncia a a de 40 cm. a) Calcule o potencial no ponto P , situado na metade do segmento que une as cargas Q1 e Q2 . b) Calcule o m´dulo, a dire¸ao e o sentido do vetor campo o c˜ el´trico em P . e c) O que se pode concluir dos resultados obtidos com esses c´lculos? a 3. (UFSC-SC) O campo el´trico no interior de um sise tema de placas paralelas eletrizadas com cargas de sinais

Denomina-se superf´ ıcie eq¨ipotencial ao lugar geom´trico u e dos pontos que tˆm mesmo potencial el´trico. Nenhum trae e balho ´ realizado no deslocamento de uma carga de prova e entre dois pontos de uma mesma superf´ equipotencial. ıcie Para aumentar a separa¸ao entre as cargas, ´ preciso que c˜ e um agente externo realize um trabalho, cujo sinal poder´ a ser positivo ou negativo, conforme sejam as cargas de sinais iguais ou opostos. Como sabemos, a esse trabalho corresponde uma energia armazenada no sistema sob a forma de energia potencial el´trica. Assim, definiremos a energia poe tencial el´trica de um sistema de cargas el´tricas puntifore e mes como sendo o trabalho externo realizado para trazˆ-las e em equil´ ıbrio de uma separa¸ao infinita at´ a configura¸ao c˜ e c˜ atual.

…‡ˆ‰ †…

‘ † †‘

Ent˜o a d.d.p. entre os pontos A e B, de A para B, ser´: a a

A

B

Aula 5

F´ ısica E – Aula 5

47

V (volts) 0 -50 -100 -150 V (volts) 150 100 50 0 1.0 0.5 0.0 y (m) -0.5 -1.0
Figura 1.2: O potencial el´trico em torno de uma carga pune tual positiva q = −1 nC. Na base est˜o as equipotenciais, a inicando no c´ ırculo maior onde V = −10 V . Masca-se as equipotenciais a cada 20 V . Como o trabalho ´ a pr´pria energia potencial el´trica E pot e o e do sistema de cargas {q1 , q2 }, ent˜o a Epot = kq1 q2 r12

-1.0

-0.5 0.0 x (m) 0.5

1.0

1.0 0.5 0.0 y (m) -0.5 -1.0

-1.0

-0.5 0.0 x (m) 0.5

1.0

onde r12 ´ a distˆncia entre as cargas q1 e q2 . e a

Figura 1.1: O potencial el´trico em torno de uma carga pune tual positiva q = +1 nC. Na base est˜o as equipotenciais, a inicando no c´ ırculo maior onde V = +10 V . Masca-se as equipotenciais a cada 20 V . O potencial el´trico que uma carga q1 origina no ponto P , e a uma distˆncia r da carga, ´ dado por: a e kq1 r Imaginemos, agora, que uma segunda carga q2 foi trazida do infinito at´ o ponto P . O trabalho realizado para tal ´, e e segundo a defini¸ao de potencial el´trico: c˜ e V1 = W 2 = q 2 V1

Pense um Pouco!
• Como seriam as superf´ ıcies equipotenciais de uma carga puntiforme? • Qual o trabalho necess´rio para se deslocar uma carga a q em torno de uma carga fixa q, mantendo-se a distˆncia fixa entre elas? a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (FATEC-SP) Sabe-se que a carga do pr´ton ´ igual em o e valor absoluto a do el´tron, tendo no entanto sinal contr´rio ` e a

48 ao da referida carga. Um pr´ton tem velocidade relativa o zero em rela¸ao a um el´tron. Quando eles estiverem sepac˜ e rados pela distˆncia 10-13 cm, calcule a energia potencial a do sistema. 2. (IME-RJ) Trˆs cargas q1 , q2 e q3 est˜o dispostas, uma e a em cada v´rtice de um triˆngulo equilatero de lado a. Qual e a a energia potencial do sistema? Suponha em q1 = 1, 0 µC, q2 = −4, 0 µC, q3 = 2, 0 µC e a = 10 cm. 3. No esquema abaixo representamos as superf´ ıcies equipotenciais e as linhas de for¸a no campo de uma carga el´trica c e puntiforme Q. Considere que o meio ´ o v´cuo. Sendo e a V1 = 60 V ; V2 = 30 V ; V3 = 20 V , e do centro da carga at´ e V2 a distˆncia r = 0, 30 m. Determine: a a) o valor de Q; b) a d.d.p. encontrada no caminho da superf´ com V 1 at´ ıcie e a outra com V2 ; c) o trabalho da for¸a el´trica que atua sobre uma carga de c e prova q = +1, 0 µC ao ser deslocada de V2 para V3 .

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

F´ ısica E
Condutores em Equil´ ıbrio

Aula 6

Vamos estudar o campo el´trico e o potencial el´trico de e e uma distribui¸ao de cargas em um condutor em equil´ c˜ ıbrio eletrost´tico. a Para estudar os campos el´tricos, vamos usar n˜o sistemas e a de cargas puntiformes e sim distribui¸oes de cargas em conc˜ dutores. Deve-se considerar que estes est˜o em equil´ a ıbrio eletrost´tico, ou seja, nenhuma carga est´ sendo colocada a a ou retirada do condutor, e todo o movimento interno de cargas j´ cessou. a

Equil´ ıbrio Eletrost´tico a
Um condutor est´ em equil´ a ıbrio eletrost´tico quando a nele n˜o ocorre movimento ordenado de cargas el´tricas. a e Fornecendo-se ao condutor representado em corte da Fig. 1.1, uma a carga el´trica Q, a repuls˜o m´tua das cargas e a u elementares que constituem Q faz com que elas fiquem t˜o a longe uma da outra quanto poss´ ıvel. O maior afastamento poss´ ıvel corresponde a uma distribui¸ao de cargas na suc˜ perf´ ıcie externa do condutor, situa¸ao, ali´s, que destac˜ a camos nas figuras de condutores que at´ agora apareceram e em nossas aulas. Nessa configura¸ao de cargas, todas na c˜ superf´ ıcie, o condutor possui a sua menor energia potencial el´trica. e

Exerc´ ıcios Complementares
4. (USP-SP) Uma part´ ıcula de massa m e carga el´trica e q > 0 est´ em equil´ a ıbrio entre duas placas planas, paralelas e horizontais, e eletrizadas com cargas de sinais opostos. A distˆncia entre as placas ´ d, e a acelera¸ao local da gravia e c˜ dade ´ g. e a) Determine a diferen¸a de potencial entre as placas em c fun¸ao de m, g, q e d. c˜ b) Qual placa tem o maior potencial? Explique. 5. (FEI-SP) Uma part´ ıcula da massa m = 200 mg e carga q = +1µC ´ abandonada num ponto A e se dirige a outro e B. Sendo de −100 V a diferen¸a de potencial de A e B, a c velocidade com que a part´ ıcula alcan¸a B ´: c e a) 5, 0 m/s b) 4, 0 m/s c) 3, 0 m/s d) 2, 0 m/s e) 1, 0 m/s 6. (Santa Casa-SP) Sabe-se que a massa do el´tron ´ 9, 1 × e e 10−31 kg, que sua carga el´trica vale −1, 6×10−19 C e que a e diferen¸a de potencial entre os ponto A at´ B ´ 100 V . Um c e e el´tron ´ abandonado em B sob a a¸ao exclusiva do campo e e c˜ el´trico. O m´dulo da velocidade do el´tron ao atingir o e o e ponto A ´ um valor mais pr´ximo de: e o a) 36 × 1012 m/s b) 6, 0 × 1012 m/s c) 6, 0 × 106 m/s d) 35 × 106 m/s e) 6, 0m/s

Figura 1.1: Um condutor carregado com carga positiva.

O Campo Interno No interior de um condutor eletrizado, de qualquer formato, o campo el´trico ´ nulo em todos os pontos, ou seja, e e E = 0.

F´ ısica E – Aula 6 Isso pode ser constatado simplesmente notando que, se houvesse campo el´trico no interior do condutor, ele agiria nos e el´trons livres, os quais teriam um movimento ordenado e sob sua influˆncia, contrariando o conceito de condutor em e equil´ ıbrio eletrost´tico. a O Campo Externo Contudo, da sua superf´ para fora, o campo el´trico n˜o ıcie e a ser´ nulo. Por´m, nesses pontos, o vetor campo el´trico E a e e deve ser normal a superf´ ` ıcie, como em A, na Fig. 1.1. Se o vetor campo fosse como E no ponto B da mesma figura, ele teria uma componente tangencial a superf´ do condutor, ` ıcie o que provocaria movimento ordenado de cargas ao longo da superf´ ıcie. constante. Assim, para o condutor da Fig. VA = V B = V C = V D .

49 1.1, temos

Condutor Esf´rico e
Para se determinar o vetor campo el´trico e o potencial e el´trico em pontos externos a um condutor esf´rico elee e trizado, sup˜e-se sua carga Q puntiforme e concentrada no o centro: Q Eext = k 2 r e Q Vext = k r O potencial el´trico do condutor esf´rico de raio R ´ o poe e e tencial de qualquer ponto interno ou superficial, sendo dado pelo valor fixo: Q Vint, sup = k R

O Poder das Pontas
Nas regi˜es pontiagudas de um condutor carregado (regi˜o o a C da Fig. 1.1), a densidade de carga, isto ´, a concentra¸ao e c˜ de cargas el´tricas por unidade de area superficial ´ mais e ´ e elevada. Por isso, nas pontas e em suas vizinhan¸as o campo c el´trico ´ mais intenso. e e

Blingdagem Eletrost´tica a

Considere um condutor oco A em equil´ ıbrio eletrost´tico e, a em seu interior, o corpo C (Fig. 1.3). Como o campo el´trico e Quando o campo el´trico nas vizinhan¸as da ponta atinge no interior de qualquer condutor em equil´ e c ıbrio eletrost´tico a determinado valor, o ar em sua volta se ioniza e o condutor ´ nulo, decorre que A protege o corpo C, no seu interior, de e se descarrega atrav´s da ponta. Esse fenˆmeno recebe o qualquer ac˜o el´trica externa. Mesmo um corpo eletrizado e o a e ´ nome de “poder das pontas”. E nele que se baseia, por B externo induz cargas em A, mas n˜o em C. Desse modo, a exemplo, o funcionamento dos p´ra-raios. a o condutor A constitui uma blindagem eletrost´tica para o a corpo C.

Condutor Oco
Evidentemente, n˜o importa se o condutor ´ maci¸o ou oco a e c (Fig. 1.2): o campo el´trico no interior do metal ´ sempre e e nulo e as cargas se distribuem na sua superf´ externa. ıcie

Figura 1.3: A blindagem eletrost´tica. a Uma tela met´lica envolvendo certa regi˜o do espa¸o a a c tamb´m constitui uma blindagem satisfat´ria – a chamada e o “gaiola de Faraday”. A blindagem eletrost´tica ´ muito utilizada para a prote¸ao a e c˜ de aparelhos el´tricos e eletrˆnicos contra efeitos externos e o perturbadores. Os aparelhos de medidas sens´ ıveis est˜o a acondicionados cm caixas met´licas, para que as medidas a n˜o sofram influˆncias externas. As estruturas met´licas a e a de um avi˜o, de um autom´vel e de um pr´dio constituem a o e blindagens eletrost´ticas. a Figura 1.2: Um condutor oco.

Como Funciona o P´ra-Raios? a Potencial El´trico e
O potencial el´trico em todos os pontos, internos e sue perficiais, de um condutor em equil´ ıbrio eletrost´tico, ´ a e O p´ra-raios tem por finalidade oferecer um caminho mais a eficiente para as descargas el´tricas, protegendo casas, e edif´ ıcios, dep´sitos de combust´ o ıveis, linhas de transmiss˜o a de energia el´trica, etc. e

50

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o e) ( ) As cargas el´tricas em excesso distribuem-se na sue perf´ externa do condutor. ıcie

Saiba Mais
O p´ra-raio foi criado por BENJAMIN FRANKLIN (l706a 1790). pol´ ıtico, escritor e cientista norte-americano. Atualmente, ´ constitu´ essencialmente de uma haste condutora e ıdo disposta verticalmente na parte mais alta da estrutura a ser protegida. A extremidade superior da haste apresenta uma ou mais pontas de material com elevado ponto de fus˜o, a a outra extremidade da haste ´ ligada, atrav´s de condutores e e met´licos, a barras met´licas que se encontram cravadas, a a profundamente no solo. Se uma nuvem eletrizada estiver sobre as pontas do p´ra-raios, induz nelas cargas el´tricas a e intensificando o campo na regi˜o j´ ionizada pela descarga a a l´ ıder. Produz-se a descarga principal atrav´s do p´ra-raios. e a

+ + + + + + +

+ A + + + + C

B + +

+

2. Considere uma esfera met´lica oca provida de um orif´ a ıcio e eletrizada com carga Q. Uma pequena esfera met´lica a neutra ´ colocada em contato com a primeira. Quais s˜o as e a afirma¸oes corretas? c˜ a) ( ) Se o contato for interno, a pequena esfera n˜o se a eletriza. b) ( ) Se o contato for externo, a pequena esfera se eletriza. c) ( ) Se a pequena esfera estivesse eletrizada, ap´s um cono tato interno ficaria neutra. d) ( ) Se aproximarmos a pequena esfera, sem tocar na esfera eletrizada, a carga el´trica da pequena esfera aumenta. e 3. (Efei-MG) Um condutor esf´rico de raio R = 30 cm est´ e a eletrizado com carga el´trica Q = 6, 0 nC. O meio ´ o v´cuo e e a (k = 9 × 109 N · m2 /C 2 ). Determine: a) o potencial el´trico e a intensidade do vetor campo e el´trico no centro da esfera; e b) o potencial el´trico e a intensidade do vetor campo e el´trico num ponto externo e situado a 50 cm do centro e da esfera.

Exerc´ ıcios Complementares Pense um Pouco!
• Como funciona um p´ra-raios? Que area ele protege? a ´ • Por que durante uma tempestade para se proteger das chuvas ´ mais seguro ficar dentro do carro que debaixo e de uma arvore? ´ 4. (Efei-MG) Duas esferas met´licas, A e B, de raios R e a 3R, est˜o eletrizadas com cargas 2Q e Q, respectivamente. a As esferas est˜o separadas de modo a n˜o haver indu¸ao a a c˜ entre elas e s˜o ligadas por um fio condutor. a a) Quais as novas cargas ap´s o contato? o b) Qual opotencial el´trico de cada esfera, depois do cone tato? 5. (ACAFE-SC) Duas esferas met´licas, A e B, de raios a 10 cm e 20 cm, est˜o eletrizadas com cargas el´tricas 5, 0 nC a e e −2, 0 nC, respectivamente. As esferas s˜o postas em cona tato. Determine, ap´s atingir o equil´ o ıbrio eletrost´tico: a a) as novas cargas el´tricas das esferas; e b) o potencial el´trico que as esferas adquirem. e c) Houve passagem de el´trons de A para B ou de B para e A? Explique. 6. (UNICAMP-SP) Conhecidas duas esferas met´licas a idˆnticas, A e B, de cargas el´tricas 5, 0 × 10−6 C e e e 3, 0 × 10−6 C, respectivamente. As esferas s˜o colocadas a em contato. a) Determine o n´mero de el´trons que passou de um conu e dutor para outro. b) Qual das esferas recebe el´trons? e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (Cefet-BA) Considere um condutor met´lico com a forma a indicada na figura. O condutor est´ eletrizado positivaa mente e em equil´ ıbrio eletrost´tico. Observe os pontos A, a B e C. Quais s˜o as afirma¸oes corretas? a c˜ a) ( ) O campo el´trico em A ´ nulo. e e b) ( ) A densidade de cargas el´tricas ´ maior em C do que e e em B. c) ( ) O campo el´trico em B ´ mais intenso do que em C. e e d) ( ) Os pontos A, B e C possuem mesmo potencial el´trico. e

—˜ “—

+

+

+

•– “•

’” “’

F´ ısica E – Aula 6 7. Sabendo-se que existe um campo el´trico na superf´ e ıcie da Terra, vertical para baixo igual a 100 N/C. Dado o raio da Terra R = 6.400 km, determine: a) O potencial el´trico da Terra (do ch˜o); e a b) A carga el´trica total da Terra. e

51 Os condutores que constituem o capacitor s˜o denominados a armaduras do capacitor. A classifica¸ao dos capacitores ´ dada em fun¸ao da forma c˜ e c˜ de suas armaduras e da natureza do diel´trico que existe e entre as mesmas. Em todo capacitor, existe uma rela¸ao constante entre o c˜ m´dulo da carga (que ´ a mesma em valor absoluto nas o e duas armaduras) e a d.d.p. V entre as armaduras. Essa rela¸ao ´ denominada capacitˆncia do condensador. c˜ e a C = Q/V Num circuito, os capacitores ser˜o representados por duas a barras paralelas. Capacitores Planos O capacitor plano ´ constitu´ por placas condutoras plae ıdo nas e paralelas, separadas por um diel´trico qualquer (ar, e mica, papel, pol´ ımeros, etc.)

Capacidade El´trica e
Denomina-se capacidade el´trica ou capacitˆcia de um corpo e a condutor a capacidade que ele possui de armazenar cargas. Da mesma forma que a quantidade de moles de um g´s a que um bal˜o pode conter depende da press˜o a que o g´s a a a estiver submetido e tamb´m das dimens˜es e forma do bal˜o, e o a a capacidade el´trica depender´ das dimens˜es e forma do e a o condutor. A experiˆncia mostra que, se fornecemos a um condutor e cargas Q1 , Q2 , Q3 , ..., Q, o potencial adquirido pelo mesmo ser´ V1 , V2 , V3 , ..., V , sempre proporcionaias a carga Q a ` fornecida. Isso quer dizer que o quociente Q/V ´ constante e (Fig. 1.4).

+ + +

+ +

Figura 1.4: Capacitor met´lico carregado com carga positiva a +Q. Essa constante de proporcionalidade C ´ denominada cae pacitˆncia do condutor. a Seja A a area de cada armadura e d a distˆncia entre as ´ a mesmas. Consideremos inicialmente que haja v´cuo entre as a ´ placas. E poss´ demonstrar, mediante a aplica¸ao da lei ıvel c˜ de Gauss, que o campo uniforme que existe entre as placas ´ dado por: e Q E= 0A onde 0 ´ a constante de permitividade el´trica do e e v´cuo, a −12 F/m 0 = 8, 85 × 1O no SI. Rela¸˜o Entre k e ca
0

Unidades SI
No Sistema Internacional de Unidades (SI), temos: 1 F = 1 f araday = 1 coulomb/1 volt = 1 F arad A capacitˆncia de um condutor que recebe uma carga de a l coulomb, adquirindo um potencial de l volt, ´ igual a l F . e Na pr´tica, os capacitores tem capacitˆncia da ordem t´ a a ıpica de µF arad.

Capacitores
Na pr´tica, ´ imposs´ a e ıvel obter condutores de capacitˆncia a elevada, sem que suas dimens˜es sejam extraordinariamente o grandes. No entanto, ´ poss´ e ıvel obtermos dispositivos, de dimens˜es pequenas, capazes de armazenar uma razo´vel o a quantidade de cargas com diferen¸as de potencial n˜o muito c a grandes. Esses dispositivos s˜o denominados capacitares a ou condensadores. Um capacitor ´ um par de condutores, separados por um e isolante (diel´trico). e

d™d™d™d™d™d™d™d e e e e e e e ™edddddddd™e ™edddddddd™e ™e ™e ™e ™e ™e ™e ™e d™d™d™d™d™d™d™d e e e e e e e ™edddddddd™e d™d™d™d™d™d™d™d e e e e e e e ™edddddddd™e ed™d™d™d™d™d™d™d e e e e e e e ™dddddddd™e d™d™d™d™d™d™d™d e e e e e e e ™edddddddd™e d™d™d™d™d™d™d™d e e e e e e e ™edddddddd™e d™d™d™d™d™d™d™d e e e e e e e ™edddddddd™e e e e e e e e e ™d™d™d™d™d™d™d™d dddddddd™e
+ + + + +

++

+

+

Q

+ +
V

+ +

+

As constantes k, a constante el´trica da lei de Faraday, e e e a a 0 , a permissividade el´trica do v´cuo, est˜o intimamente relacionadas, e pode-se mostrar que: k= 1 4π 0

e como 0 ´ dado em F/m, ent˜o pode-se escrever a conse a tante k em m/F , j´ que estas constantes s˜o inversamente a a proporcionais.

52

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Qual seria ent˜o o raio da esfera com capacitˆncia de 1, 0 F ? a a Como C = R/k ent˜o a R = kC = (9, 0 × 109 m/F )(1, 0 F ) = 9, 0 × 109 m Se compararmos esse valor com o raio da Terra, cerca de 6.4 × 106 m, veremos que o capacitor teria que ter um raio com aproximadamente 1.400 vezes maior que a Terra!

Conforme j´ estudamos anteriormente, a d.d.p. entre as a placas vale V = Ed. Assim: V = Qd 0A

Pense um Pouco!
• Qual a utilidade dos capacitores em nosso cotidiano? • Se tentarmos afastar as placas (armaduras) de um capacitor carregado, realizaremos algum trabalho? • Se conectarmos duas esferas met´licas idˆnticas de caa e pacitˆncia C cada uma, qual a capcitˆncia do conjunto? a a Comente. • A capacitˆncia de um corpo met´lico depende dele ser a a oco ou maci¸o? Explique. c

A capacitˆncia do capacitor plano ´ dada por: a e C=
0A

d

Observe que a capacitˆncia obtida ´ diretamente proporcia e onal a area A das placas, e inversamente proporcional a sua `´ ` distˆncia d. a Se, em vez de ar ou v´cuo, houver entre as armaduras um a diel´trico de constante diel´trica b, a capacitˆncia de um e e a condensador plano ser´ maior, dada por: a C= b 0A d

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
8. Trˆs condutores, de capacidades 2 pF , 3 pF e 5 pF , e est˜o eletrizados com cargas de 4 µC, 12 µC e −20 µC, a respectivamente. a) Determine os potenciais el´tricos desses corpos. e 9. (FUVEST-SP) Um capacitor plano tem uma capacitˆncia C. Entre suas armaduras h´ uma distˆncia d. Qual a a a ser´ sua capacidade se a distˆncia entre suas placas for aua a mentada para 2d? 10. (UFBA) Um capacitor plano possui capacidade C = 100 pF , area das armaduras A = 100 cm2 , e diel´trico ´ e com b = 5. Quando a ddp entre as armaduras for igual a 50V , calcule a intensidade do campo el´trico no interior e do diel´trico. Dado: 0 = 8, 85 × 1O −12 F/m. e

Para que o diel´trico tenha efeito sobre a capacitˆncia, ele e a deve ser colocado na regi˜o de campo el´trico do capacia e tor. Alguns diel´tricos como a mica e poli´ster chegam a e e aumentar a capacitˆncia em at´ 100 vezes o seu valor no a e v´cuo (sem diel´trico). a e Capacitor Esf´rico Simples e Se construirmos um capacitor com uma esfera simples condutora de raio R, sua capacitˆncia ser´ a a C= Q Q R = = = 4π 0 R V kQ/R k

ou seja, a capacitˆncia da esfera ´ diretamente proporcional a e ao seu raio R.

Exerc´ ıcios Complementares
11. (UFPR) Uma part´ ıcula de massa 2, 0 × 10−10 kg com carga positiva e igual a 2, 0×1O −6 C penetra atrav´s de um e orif´ ıcio, com velocidade de 1, 0×104 m/s, numa regi˜o onde a existe um campo el´trico uniforme de m´dulo 4 × 10 5 N/C. e o A distˆncia entre as placas vale 10 cm. Determine a enera gia cin´tica com que a part´ e ıcula atinge a segunda placa, andando contra o campo el´trico. e 12. (UEL-PR) Um capacitor de capacidade C exibe, entre seus terminais, uma diferen¸a de potencial V . A carga c el´trica armazenada nesse capacitor ´ dada por: e e a) C/V b) V /C c) C 2 V d) CV 2 e) CV

+ + + Q + + + + R + + + + + + + + + + + + + + Capacitor Esferico ´ + + + +
Exemplo Vamos calcular a capacitˆncia de uma esfera condutora de a raio igual a 1, 0 m. C= 1, 0 m R = ≈ 0, 11 nF k 9, 0 × 109 m/F

F´ ısica E – Aula 8 13. (Puccamp-SP) Um capacitor de 8, 0 × 10−6 F ´ sujeito e a uma diferen¸a de potencial de 30 V . A carga que ele c acumulou vale: a) 1, 2x10−4 C b) 2, 4x10−4 C c) 2, 7x10−7 C d) 3, 7x106 C e) 7, 4x106 C 14. (UF-ES) Um equipamento el´trico cont´m duas pilhas e e de 1, 5 V em s´rie, que carregam um capacitor de capae citˆncia 6, 0 × 10−5 F . Qual a carga el´trica que se acumula a e no capacitor, em coulombs? Propriedades

53

• Na associa¸ao em s´rie, a capacitˆncia equivalente do c˜ e a conjunto, Cser. ser´ menor do que a menor das capaa citˆncias utilizadas; a • Como as cargas s˜o iguals nos dois capacitores em s´rie, a e a d.d.p. do maior capacitor ser´ a menor; a • Se os capacitores ligados em s´rie forem iguais C 1 = e C2 = C, a d.d.p. de ambos ser´ igual a V /2 e a caa pacitˆncia equivalente ser´ Cser. = C/2, a metade da a a capacitˆncia de um dos capacitores; a • Para uma associa¸ao em s´rie de n capacitores teremos c˜ e 1 1 1 1 1 = + + ...+ = sumn i=1 Cser. C1 C2 Cn Ci

F´ ısica E
Associa¸˜o de Capacitores ca

Aula 8

Associa¸˜o de Capacitores em Paralelo ca
(Veja a Fig. 1.1(b) ). Neste caso, como os terminais de ambos os capacitores s˜o a ligados nos mesmo pontos a e b, conectados a uma bateria de tens˜o V , a placa positiva de cada capacitor est´ ligada a a a ` placa positiva do outro, o mesmo acontecendo com as placas negativas. Observamos que a mesma d.d.p. V ´ aplicada aos capacitoe res da associa¸ao. c˜
C3
b

Assim como os aparelhos em geral, os capacitores podem ser associados de v´rios modos, sendo os principais em s´rie a e e em paralelo. Se numa associa¸ao encontramos ambos os c˜ tipos, chamaremos de associa¸ao mista. c˜

Associa¸˜o de Capacitores em S´rie ca e
C1
C1
b
a

C1 C2
a b

V = V1 = V2 Cada capacitor adquire uma carga parcial: Q = Q 1 + Q2

a

C2
(a) (b)

C2

(c)

A capacidade equivalente ´ dada por: e Cpar. = C1 + C2

Figura 1.1: Associa¸ao de capacitores em s´rie (a), em pac˜ e ralelo (b) e mista (c). Na associa¸ao em s´rie, ver Fig. 1.1 (a), quando uma fonte c˜ e bateria de tens˜o V ´ ligada nos terminais a e b, as cargas a e removidas de um terminal ser˜o deslocadas para o outro, a ou seja, as cargas em ambos os terminais s˜o de mesmo a m´dulo: o Q1 = Q 2 = Q . Ent˜o a Q Q V1 = e V2 = C1 C2 Os capacitores adquirem diferentes d.d.p. V1 e V2 , respectivamente, tal que V = V1 + V2 Q Q Q = + Cser. C1 C2 e ent˜o a capacidade equivalente ´ dada por: a e 1 Cser. = 1 1 + C1 C2 e assim Propriedades

• Na associa¸ao em paralelo, a capacitˆncia equivalente c˜ a do conjunto, Cpar. ser´ maior do que a maior das caa pacitˆncias utilizadas; a • Como as tens˜es s˜o iguals nos dois capacitores em pao a ralelo, a carga do maior capacitor ser´ a maior das cara gas; • Se os capacitores ligados em paralelo forem iguais C 1 = C2 = C, a carga de ambos ser´ a mesma e a capaa citˆncia equivalente ser´ Cpar. = 2C, o dobro da capaa a citˆncia de um dos capacitores; a • Para uma associa¸ao em paralelo de n capacitores tec˜ remos Cpar. = C1 + C2 + . . . + Cn = sumn Ci i=1

54

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o 2. (FAAP-SP) Associam-se em s´rie trˆs capacitores neue e tros com capacitˆncias C1 = 20 µF , C2 = 50 µF e a C3 = 100 µF . Calcule a capacitˆncia equivalente do sisa tema. 3. Calcule a capacitˆncia equivalente da associa¸ao mista a c˜ mostrada na Fig. 1.1 (c), para os capacitores C1 = 20 µF , C2 = 10 µF e C3 = 40 µF .

Energia de um Caacitor
Imaginemos um capacitor carregado. Liguemos agora suas armaduras por um fio condutor: as cargas negativas v˜o a fluir para a outra armadura at´ que ambas se neutralizem. e O tempo necess´rio para isso ´ muito pequeno, e muitas vea e zes a descarga vem acompanhada de uma fa´ ısca que salta dos extremos do condutor que une as armaduras. Conforme j´ estudamos anteriormente, o transporte de cargas el´tricas a e entre pontos que possuem diferentes potenciais el´tricos ime plica aparecimento de energia el´trica. Quando uma carga e el´trica ´ transportada entre dois pontos, entre os quais e e existe uma diferen¸a de potencial V qualquer, o trabalho c realizado ´ W = qV e Na descarga do capacitor, por´m, a d.d.p. varia, diminuindo e a medida que uma parcela da carga vai se transferindo para ` a outra armadura. Como a carga total do capacitor ´ Q = CV , e a d.d.p. varia e de V at´ zero durante o processo de descarga, podemos e tomar o valor m´dio da tens˜o como sendo V /2 e calcular o e a trabalho W = qV = CV · f racV 2 = 1 CV 2 2

Exerc´ ıcios Complementares
4. (FCC-BA) Determine a energia acumulada num conjunto de capacitores com capacitˆncia total de 2.000 µF e a sob tens˜o de 900 V . a 5. (UCS-RS) Dois capacitores de capacitˆncia C 1 = 6, 0 µF a e C2 = 3, 0 µF s˜o associados em paralelo e a associa¸ao ´ a c˜ e submetida a uma d.d.p. V. O capacitor de capacitˆncia C 1 a se eletriza com carga el´trica Q1 = 1, 2 × 10−4 C, e o de e capacitˆncia C2 , com carga el´trica Q2 . Determine V e Q2 . a e 6. (Acafe-SC) Qual a d.d.p. que deve ser aplicada a um capacitor, de capacitˆncia 2, 0 µF , a fim de que armazene a energia potencial el´trica de 2, 5 × 10−3 J? e 7. (UESB-BA) Um capacitor de um circuito de televis˜o a tem uma capacitˆncia de 1, 2 µF . Sendo a diferen¸a de a c potencial entre seus terminais de 3.000 V , a energia que ele armazena ´ de: e a) 6, 7 J b) 5, 4 J c) 4, 6 J d) 3, 9 J e) 2, 8 J

e como esse trabalho foi realizado durante a descarga, podemos supor que essa energia estava armazenada no capacitor, como energia potencial el´trica. e Assim, definimos a energia do capacitor como E= 1 CV 2 2

Observe que a express˜o anterior pode ser reescrita de duas a outras formas equivalentes: E= Q2 1 QV = 2 2C

Pense um Pouco!
• Cite duas aplica¸oes direta dos capacitores. c˜ • Algu´m disse que os fios usados em circuitos el´tricos e e servem para igualar o potencial el´trico nas partes coe nectadas nas suas duas pontas. O que vocˆ acha disso? e • Na figura 1.1, imagine que se conecte nos terminais a e b, os terminais (polos) de uma bateria de tens˜o V . a Sobre a figura, pinte de uma cor todas as partes que tem o mesmo potencial el´trico de a, e de outra cor e as partes que tem o mesmo potencial de b. Observe o conclua vocˆ mesmo. e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UERJ) Uma associa¸ao de l.000 capacitores de l0 µF c˜ cada um, associados em paralelo, ´ utilizada para armazenar e energia. Qual o custo para se carregar esse conjunto at´ e 50.000 volts, supondo-se R$ l,00 o pre¸o do kW h? c

Qu´ ımica
Qu´ ımica A
Estrutura Atˆmica o
Modelos Atˆmicos o
A primeira abordagem sobre a constitui¸ao da mat´ria data c˜ e de ± 400 anos a.C. Os fil´sofos gregos Dem´crito e Leucipo o o conceberam o atomo como a menor part´ ´ ıcula constituinte da mat´ria e supunham que essa part´ e ıcula era indivis´ ıvel. Lavoisier: em 1780, ´ considerado o pai da Qu´ e ımica por ter criado o m´todo cient´ e ıfico: as leis surgem da observa¸ao da c˜ regularidade das teorias, como tentativas de explica¸ao desc˜ sas regularidades. Provou que “na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”, ou seja, numa transforma¸ao qu´ c˜ ımica da mat´ria, a massa se conserva. e John Dalton: em 1808, criou a Teoria Atˆmica Cl´ssica (bao a seado em modelos experimentais), considerando os atomos ´ como esferas maci¸as (Modelo da Bola de Bilhar), indic vis´ ıveis. J. J. Thomson: em 1897, atrav´s de experimentos sobre e descargas el´tricas em gases rarefeitos, admitiu a existˆncia e e de cargas negativas, os el´trons, e de cargas positivas, os e pr´tons. Propˆs um modelo em que o atomo seria uma o o ´ esfera de eletricidade positiva, incrustada de el´trons com e carga negativa (Modelo do Pudim de Passas).

Aula 1

que algumas destas part´ ıculas defletiam mais de 90 ◦ e umas poucas retornavam no caminho de onde tinham vindo. Ver a Fig. 2.1. Estes resultados sugerem um modelo de atomo no qual h´ ´ a uma densa carga positiva central circundada por um grande volume vazio. Rutherford chamou esta regi˜o carregada poa sitivamente de n´ cleo atˆmico. u o As part´ ıculas carregadas positivamente s˜o chamadas a pr´trons. o As part´ ıculas carregadas negativamente continuam sendo chamadas de el´trons. e Assim, o modelo de Rutherford consta de n´cleo denso, u diminuto, carregado positivamente, e de uma parte envolvendo esse n´cleo, uma regi˜o rarefeita e proporcionalmente u a muito grande chamada eletrosfera, com el´trons, de carga e negativa.

Resumo do Modelo de Rutherford
Este foi o modelo proposto por Rutherford. Basicamente tinha os seguintes fundamentos: • O atomo ´ dividido em duas regi˜es, n´cleo e eletros´ e o u fera, no n´cleo encontramos os pr´tons e os nˆutrons, u o e na eletrosfera encontramos os el´trons; e • Os pr´tons apresentam carga positiva, os el´trons apreo e sentam carga negativa e os nˆutrons apresentam carga e nula; • A massa de um pr´ton e de um nˆutron equivalem a 1 o e u.m.a enquanto a massa do el´tron ´ 1836 vezes menor e e que a massa do pr´ton ou do nˆutron. o e O n´mero de pr´tons em um n´cleo atˆmico ´ chamado de u o u o e n´ mero atˆmico, Z, do elemento. u o O n´mero total (soma) de pr´tons e nˆutrons no n´cleo ´ u o e u e chamado de n´ mero de massa, A, do elemento. u A=Z +N

Figura 2.1: Aparato Experimental de Rutherford. Ernest Rutherford: em 1911, bombardeou uma lamina met´lica delgada com um feixe de part´ a ıculas α. Estas part´ ıculas eram positivas. A maior parte das part´ ıculas atravessava a lamina met´lica sem sofrer desvio detect´vel, a a algumas part´ ıculas atravessavam sofrendo desvio e um n´mero inf´ u ımo de part´ ıculas refletiam. Se os atomos fos´ sem bolhas de gel´ia carregados positivamente as part´ e ıculas α deveriam passar facilmente atrav´s das folhas com uma lie geira deflex˜o ocasional de seus caminhos. Mas, percebeu-se a

Representa¸˜o ca
ZX A

Mas, o modelo planet´rio de Rutherford apresenta duas faa lhas cruciais: • Uma carga negativa colocada em movimento ao redor de uma carga positiva estacion´ria, adquire movimento a espiral at´ colidir com ela; e

56 • Essa carga perde energia emitindo radia¸ao, violando o c˜ Princ´ ıpio da Conserva¸ao de Energia. c˜

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o mesmo n´mero de nˆutrons;(c) o n´mero de pr´tons permau e u o nece constante, mesmo que os n´meros de massa dos atomos u ´ de um elemento variem; c) o n´mero atˆmico ´ dado pelo n´mero de pr´tons exisu o e u o tentes no n´cleo de um atomo; u ´ d) n.d.a 5. (UEL) O urˆnio-238 difere do urˆnio-235 por que o pria a meiro possui: a) 3 el´trons a mais; e b) 3 pr´tons a mais; o c) 3 pr´tons e 3 nˆutrons a mais; o e d) 3 pr´tons e 3 el´trons a mais; o e e) 3 nˆutrons a mais. e 6. (ACAFE) Um sistema ´ formado por part´ e ıculas que apresentam a composi¸ao atˆmica de 10 pr´tons, 10 el´trons, 11 c˜ o o e nˆutrons. Ao sistema foram adicionadas novas part´ e ıculas. O sistema resultante ser´ quimicamente puro se as part´ a ıculas adicionadas apresentarem a seguinte composi¸ao atˆmica: c˜ o a) 21 pr´tons, 10 el´trons e 10 nˆutrons; o e e b) 20 pr´tons, 10 el´trons e 22 nˆutrons; o e e c) 10 pr´tons, 10 el´trons e 12 nˆutrons; o e e d) 11 pr´tons, 11 el´trons e 12 nˆutrons; o e e e) 11 pr´tons, 11 el´trons e 11 nˆutrons; o e e 7. (FUVEST) As seguintes representa¸oes: 2 X 2 , 2 X 3 e2 X 4 , c˜ referem-se a atomos com: ´ a) igual n´mero de nˆutrons; u e b) igual n´mero de pr´tons; u o c) diferente n´mero de el´trons; u e d) diferentes n´meros atˆmicos; u o e) diferentes n´meros de pr´tons e el´trons; u o e

Pense um Pouco!
1. Vocˆ sabe dizer o que significa “tempo de meia-vida”? e 2. O que significa Fiss˜o Nuclear e Fus˜o Nuclear? a a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. A palavra atomo ´ origin´ria do grego e significa “indi´ e a vis´ ıvel”, ou seja, segundo os fil´sofos gregos, o atomo seria o ´ a menor part´ ıcula da mat´ria que n˜o poderia ser mais die a vidida. atualmente essa id´ia n˜o ´ mais aceita. A respeito e a e dos atomos, ´ verdadeiro afirmar que: ´ e a) ( ) N˜o podem ser desintgrados; a b) ( ) S˜o formados por pelo menos trˆs part´ a e ıculas fundamentais; c) ( ) Possuem part´ ıculas positivas denominadas el´trons; e d) ( ) Apresentam duas regi˜es distintas, n´cleo e eletroso u fera; e) ( ) Apresentam el´trons cuja carga el´trica ´ negativa; e e e f) ( ) Cont´m part´ e ıculas sem carga el´trica, os nˆutrons. e e 2. (UFSC) Analise as afirmativas a seguir e assinale como V ou F: a) ( ) O primeiro modelo atˆmico baseado em resultados o experimentais, ou seja, com base cientif´ foi proposto por ıca Dalton; b) ( ) Segubdo Dalton, a mat´ria ´ formada de part´ e e ıculas indivis´ ıveis chamadas atomos; ´ c) ( ) Thomson foi o primeiro a provar que que o atomo ´ n˜o era indivis´ a ıvel; d) ( ) O modelo atˆmico proposto por Thomson ´ o da bola o e de bilhar; e) ( ) O modelo atˆmico de Dalton teve como suporte exo perimental para a sua cria¸ao a interpreta¸ao das leis das c˜ c˜ rea¸oes qu´ c˜ ımicas. 3. (UFSC) Assinale a(s) alternativa(s) correta(s): a) ( ) Os atomos s˜o part´ ´ a ıculas fundamentais da mat´ria; e b) ( ) Os atomos s˜o quimicamente diferentes quando tˆm ´ a e n´meros de massa diferentes; u c) ( ) Os el´trons s˜o as part´ e a ıculas de carga el´trica posie tiva; d) ( ) Os pr´tons e os el´trons possuem massas iguais e o e cargas el´tricas diferentes; e e) ( ) Os atomos apresentam part´ ´ ıculas de carga nula denominados nˆutrons; e f) ( ) Os atomos s˜o part´ ´ a ıculas inteiramente maci¸as. c

Qu´ ımica A
Modelos Atˆmicos o
O Modelo Atˆmico de Bohr o

Aula 2

Com o objetivo de solucionar estas limita¸aoes do modelo de c˜ Ruthrford entra em cena um cientista chamado Niels Bohr. Niels Bohr: em 1913, propˆs que o atomo ´ constitu´ por o ´ e ıdo um n´cleo positivo, onde se concentra praticamente toda u massa do atomo, e por el´trons que giram ao seu redor em ´ e orbitas circulars bem definidas, formando camadas, desig´ nadas pelas letras K, L, M, N, O, P, Q. Atrav´s de processos experimentais Bohr, concluiu que: e • Um el´tron s´ pode ter certas energias espec´ e o ıficas, e cada uma destas energias corresponde a uma orbita ´ particular. Quanto mais afastado do n´cleo maior a u energia do el´tron; e • Se o el´tron receber energia ele pula para uma orbita e ´ mais afastada do n´cleo; u • Como esta orbita n˜o ´ natural ele tende a retornar ´ a e

Exerc´ ıcios Complementares
4. (ACE) Assinale a alternativa falsa: a) o n´mero de massa de um atomo ´ dado pela soma do u ´ e n´mero de pr´tons e de nˆutrons existentes no n´cleo; u o e u b) um elemento qu´ ımico deve ter seus atomos sempre como ´

Qu´ ımica A – Aula 2

57 A mecˆnica quˆntica, que trata do universo microsc´pico a a o das part´ ıculas, n˜o se descreve perfeitamente o atomo. a ´ Heisenberg: em 1927, estabeleceu o Pr´ ıncipio da Incerteza, segundo o qual “n˜o ´ poss´ predizer, ao mesmo tempo, a e ıvel a posi¸ao e a quantidadade de movimento de um el´tron” c˜ e Tudo que n´s podemos conhecer sobre o movimento de um o sistema de part´ ıculas se reduz a uma fun¸ao complexa Ψ de c˜ coordenadas (x, y, z) das part´ ıculas e do tempo t.

Figura 2.1: O modelo Atˆmico de Bohr. o para sua orbita de maior estabilidade, assim sendo, ´ ocorre libera¸ao de energia; c˜ • Para calcular a energia emitida pelo el´tron, Max e Planck estabeleceu que a energia se propaga em “pacotes”de quantidades m´ ınimas e descont´ ınuas. A essa quantidade m´ ınima chamou de f´ton ou quantum. O o valor do quantum ´ proporcional a frequˆncia da onda e e ν, cuja magnitude pode ser calculada por E = hν onde h ´ a famosa constante de Planck, que tem valor e de 6, 63 × 10−34 J · s. Se os atomos oscilantes transferem uma energia E para ´ a vizinhan¸a, radia¸ao de frequˆncia ν = E/h ser´ dec c˜ e a ´ tectada. E importante notar que a intensidade da radia¸ao ´ uma indica¸ao do n´mero de pacotes de enerc˜ e c˜ u gia gerados, enquanto E ´ a medida de energia de cada e pacote. Sommerfeld: em 1916, estabeleceu que os el´trons descree vem orbitas circulares e el´ ´ ıpticas em torno do n´cleo. u

Esta fun¸ao ´ chamada Fun¸ao de Onda, criada por c˜ e c˜ Schr¨dinger (1927). o O quadrado do m´dulo da fun¸ao de onda |Ψ|2 representa a o c˜ probabilidade de se encontrar no instante t a determinada part´ ıcula. Na concep¸ao cl´ssica, uma part´ c˜ a ıcula se encontra ou n˜o a num determinado instante em um dado ponto do espa¸o. c Pela mecˆnica quˆntica n´s s´ podemos conhecer a probaa a o o bilidade de encontrar a part´ ıcula no ponto considerado. Schr¨dinger deduziu matematicamente regi˜es com probao o bilidades de se encontrar o el´tron, simplificadas por meio e de modelos geom´tricos que chamamos de orbitais. e Sommerfeld, de Broglie e Schr¨dinger formaram a Mecˆnica o a Quˆntica, que nos levou ao modelo atˆmico atual. O atomo a o ´ possui n´cleo denso com el´trons em orbitais. u e Orbital ´ a regi˜o, em torno do n´cleo, com maior probabilie a u dade de se encontrar o el´tron. O el´tron move-se em torno e e do n´cleo. u

Figura 2.3: Representa¸ao Atˆmica. c˜ o

Figura 2.2: Modelo Atˆmico de Sommerfeld. o Is´topos, Is´baros, Is´tonos e Isoeletrˆnicos o o o o

O Modelo Atˆmico Atual o
Louis de Broglie: em 1924, foi quem lan¸ou as as bases c de uma nova mecˆnica chamada ondulat´ria ou quˆntica, a o a atrav´s do Princ´ e ıpio da Dualidade mat´ria-onda para o e el´tron: “Toda part´ e ıcula em movimento, o el´tron, no caso, e tem associado a si uma onda”. A mecˆnica cl´ssica prevˆ, para cada corpo, sua trajet´ria, a a e o conhecendo sua posi¸ao e velociade. c˜

Is´topos: s˜o atomos de um mesmo elemento qu´ o a ´ ımico que apresentam diferentes n´mero de massa e diferentes n´mero u u de nˆutrons, ou seja s˜o atomos de mesmo n´mero atˆmico e a ´ u o e diferentes n´mero de massa. u
6C 12 6C 13 6C 14

Is´topos de Carbono o

8O

16

8O

17

8O

17

Is´topos de Oxigˆnio o e

58 Is´baros: s˜o atomos de elementos qu´ o a ´ ımicos diferentes mas com mesmo n´mero de massa. u
20 Ca 40

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o 1s2 2s2 , 2p6 2 3s , 3p6 , 3d10 2 4s , 4p6 , 4d10 , 4f 14 5s2 , 5p6 , 5d10 , 5f 14 6s2 , 6p6 , 6d10 7s2 Orbitais Atˆmicos o Como vimos, orbital ´ a regi˜o, em torno do n´cleo, com e a u m´xima probabilidade de se encontrar el´trons. As fora e mas dessas regi˜es s˜o calculadas matematicamente e tˆm o a e o n´cleo localizado no ponto zero dos eixos x, y e z. u K L M N O P Q 2 8 18 32 32 18 2

1840 Ar

Is´tonos: s˜o atomos de elementos qu´ o a ´ ımicos diferentes, mas com mesmo numero de nˆutrons. e
5B 11 6C 12

Isoeletrˆnicos: s˜o atomos ou ´ o a ´ ıons que apresentam o mesmo n´mero de el´trons. u e
12 M g 2+ 11 N a 1+N e 10 9F 1− 7N 3−

N´ ıveis e Subn´ ıveis de Energia A eletrosfera do atomo est´ dividida em 7 regi˜es denomi´ a o nadas de n´ ıveis de energia ou camadas eletrˆnicas. o S˜o as camadas K, L, M, N, O, P, Q, representadas pelos a n´meros 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7 denominados de n´meros quˆnticos u u a principais e representados pela letra n. O n´mero m´ximo de el´trons em cada camada ´ calculado u a e e pela equa¸ao c˜ e = 2 · n2 sendo que K(2), L(8), M (18), N (32), O(50), P (72), Q(98) Mas para os 112 elementos qu´ ımicos existentes temos: K(2), L(8), M (18), N (32), O(32), P (18), Q(2) Existem 7 subn´ ıveis de energia (s, p, d, f, g, h, i) que est˜o a dentro das camadas. Mas para os 112 elementos existentes n˜o s˜o ocupados todos os subn´ a a ıveis de energia e sim somente quatro, s, p, d, f , que s˜o representados pela letra l a que significa n´mero quˆntico secund´rio e s˜o n´meros que u a a a u v˜o de 0 a 3, ou seja, 0, 1, 2, 3 para os subn´ a ıveis s, p, d, f , cada subn´ ıvel comporta um n´mero m´ximo de el´trons u a e s(2), p(6), d(10), f (14). Configura¸˜o Eletrˆnica ca o Diagrama de Linus Pauling K(2) 1s2 L(8) 2s2 2p6 M(18) 3s2 3p6 3d10 N(32) 4s2 4p6 4d10 4f 14 O(32) 5s2 5p6 5d10 5f 14 P(18) 6s2 6p6 6d10 Q(2) 7s2 Representamos a distribui¸ao eletrˆnica de duas formas: c˜ o 1. ordem energ´tica, seguindo as diagonais do diagrama e de Pauling: 1s2 , 2s2 , 2p6 , 3s2 , 3p6 , 4s2 , 3d10 , 4p6 , 5s2 , 4d10 , 5p6 , 6s2 , 4f 14 , 5d10 , 6p6 , 7s2 , 5f 14 , 6d10 2. ordem geom´trica, agrupando os subn´ e ıveis em camadas: Figura 2.5: Representa¸ao do Orbital s. c˜ 2. halter - chamado orbital p: Pr´ ıncipio de Exclus˜o a Certas experiˆncias, em particular a a¸ao de um campo e c˜ magn´tico, mostram que as fun¸oes de onda constru´ e c˜ ıdas uniFigura 2.4: Coordenadas espaciais de um atomo. ´ As formas dos orbitais mais importantes s˜o: a 1. esf´rica - chamado orbital s: e

Qu´ ımica A – Aula 3

59

Exerc´ ıcios Complementares
3. (FUVEST) De acordo com os postulados de Bohr ´ core reto afirmar que: a) ( ) Os el´trons se movem ao redor do n´cleo em orbitas e u ´ bem definidas, que s˜o denominadas orbitas estacion´rias; a ´ a b) ( ) Movendo-se numa orbita estacion´ria, o el´tron n˜o ´ a e a emite nem absorve energia; c) ( ) Ao saltar de uma orbita mais pr´xima do n´cleo para ´ o u outra orbita mais afastada, o el´tron absorve energia; ´ e d) ( ) Quando o el´tron de um atomo salta de uma cae ´ mada mais externa para outra mais pr´xima do n´cleo, h´ o u a emiss˜o de energia; a e) ( ) No n´cleo de um atomo existem pr´tons e nˆutros. u ´ o e ´ 4. (UEL) Atomos neutros e ´ ıons de um mesmo elemento qu´ ımico tem, necessariamente, o mesmo n´mero: u a) atˆmico; o b) de massa; c) de oxida¸ao; c˜ d) de carga; e) de isˆmeros. o 5. (CESGRARIO) Um atomo Q tem n´mero atˆmico dado ´ u o ´ por (3x − 5). Um atomo R tem n´mero de massa 6x. E ´ u s´bido que R e Q s˜o is´topos. Assinale a distribui¸ao a a o c˜ eletrˆnica de Q, no estado fundamental, em ordem creso cente dos n´ ıveis energ´ticos: e a) [Ar] 4s2 , 4p6 4d8 . b) [Ar] 3d10 , 4s2 , 4p4 . c) [Ne] 3d10 , 4s2 , 4p4 . d) [Ar] 3d10 , 4s2 , 4p2 . e) [Ne] 3d10 , 4s2 , 4p6 .

Figura 2.6: Representa¸ao do Orbital p. c˜ camente sobre as coordenadas de espa¸o n˜o s˜o aptas para c a a explicar totalmente os fenˆmenos, o que levou a se introo duzir uma nova coordenada chamada spin. Trata-se de um coosdenada suplementar associada a rota¸ao do el´tron. Os ` c˜ e 1 valores permitidos para a fun¸ao de spin s˜o − 1 e 2 , e s˜o c˜ a a 2 de spins opostos. Dois el´trons podem ocupar um mesmo e orbital desde que possuam spins opostos. Este enunciado ´ conhecido por “Princ´ e ıpio de Exclus˜o, de a Wolfgang Pauli”. Cada subn´ ıvel comporta um n´mero m´ximo de el´trons u a e (como visto anteriormente). Se cada orbital comporta no m´ximo dois el´trons, temos ent˜o: a e a Representa¸ao do Orbital c˜ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓ ↑↓

s p6 d10 f 14

2

↑↓

1 3 5 7

orbit. orbit. orbit. orbit.

Pense um Pouco!
1. Vocˆ sabe quais s˜o os tipos de radia¸oes existentes e e a c˜ quais as caracter´ ısticas particulares de cada uma? 2. Quais s˜o os efeitos causados pelas radi¸oes? E quais a c˜ as princ´ ıpais aplica¸oes das rea¸oes nucleares? c˜ c˜

Qu´ ımica A
Liga¸oes Qu´ c˜ ımicas
´ Estabilidade dos Atomos

Aula 3

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ACAFE-99) A vitamina B12 , anti-anˆmica, cont´m ´ e e ıons de cobalto Co+2 . Dado: Co(Z = 27). A configura¸ao c˜ eletrˆnica nos orbitais 4s e 3d do Co+2 , ´: o e a) 4s0 , 3d8 . b) 4s2 , 3d7 . c) 4s2 , 3d5 . d) 4s1 , 3d6 . e) 4s0 , 3d7 . 2. (UDESC) Uma atomo com n´mero atˆmico igual a 38, ´ u o apresentar´ em seu antepen´ltimo n´ a u ıvel: a) 8 el´trons. e b) 18 el´trons. e c) 16 el´trons. e d) 10 el´trons. e e) 6 el´rons. e

Os gases nobres s˜o os unicos encontrados na natureza na a ´ forma monoatˆmica, ou seja, n˜o se ligam se, apresentam o a na forma de atomos. Isto significa que o atomo ´ totalmente ´ ´ e est´vel. a Os gases nobres (Coluna 8A da Tabela Peri´dica), com o exce¸ao do h´lio, apresentam oito el´trons na camada de c˜ e e valˆncia. e He(Z=2) Ne(Z=10) Ar(Z=18) Xr(Z=36) Xe(Z=54) Rn(Z=86) Gases Nobres 2 2 8 2 8 18 8 2 8 18 18 2 8 18 32 2 8 18 32

8 18 32

8 18

8

Camada de valˆncia ´ a camada eletrˆnica mais externa. e e o Pode receber ou fornecer el´trons na uni˜o entre atomos. e a ´

60 A valˆncia de um atomo ´ o n´mero de liga¸oes que um e ´ e u c˜ atomo precisa fazer para adquirir a configura¸ao de um g´s ´ c˜ a nobre.

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Repare nos exemplos acima que o cloro possui sete el´trons e de valˆncia, enquanto que o ´ cloreto, oito. e ıon Uma liga¸ao covalente ´ aquela liga¸ao qu´ c˜ e c˜ ımica formada pelo compartilhamento de um par de el´trons entre dois e atomos. A Estrutura de Lewis de um composto covalente ´ ou de um ´ poliatˆmico mostra como os el´trons est˜o ıon o e a distribu´ ıdos entre os atomos, de formas a mostrar a conec´ tividade entre eles. No caso do metano, por exemplo, quatro el´trons, um de cada hidrogˆnio, mais os quatro el´trons de e e e valˆncia do carbono, s˜o emparelhados na Estrutura, mose a trando como cada atomo se conecta a outro por um par de ´ el´trons. e

Teoria do Octeto
Foi feita uma associa¸ao entre a estabilidade dos gases noc˜ bres e o fato de possu´ ırem 8 el´trons na ultima camada. e ´ Surgiu ent˜o a Teoria do Octeto: a Para atingir uma situa¸˜o est´vel, h´ ca a a uma tendˆncia dos ´tomos para conseguir e a estrutura eletrˆnica de 8 el´trons na camada o e de valˆncia igual ao g´s nobre de n´ mero e a u atˆmico mais pr´ximo. o o No caso de atomos menores em n´mero de el´trons, a ´ u e tendˆncia ´ alcan¸ar o dueto, isto ´, conseguir dois el´trons e e c e e ´ na ultima camada, como o h´lio (Z = 2) : 1s2 . E o caso do ´ e hidrogˆnio e do l´ e ıtio.

Classifica¸˜o dos Elementos ca
Quanto a Configura¸ao Eletrˆnica, podemos classificar os ` c˜ o elementos qu´ ımicos como: Metais: S˜o elementos que possuem menos de quatro a el´trons na camada de valˆncia. Doam el´trons quando fae e e zem liga¸oes qu´ c˜ ımicas; N˜o-Metais: S˜o elementos que possuem mais de quatro a a el´trons na camada de valˆncia. Recebem el´trons quando e e e fazem liga¸oes qu´ c˜ ımicas; Semimetais: S˜o alguns elementos que ora comportam-se a como metais ora como n˜o-metais, independente do n´mero a u de el´trons na camada de valˆncia; e e Hidrogˆnio: N˜o tem classifica¸ao, por´m sua tendˆncia e a c˜ e e ´ de ganhar um el´tron. Os elementos que possuem quae e tro el´trons na camada de valˆncia podem ceder ou receber e e el´trons nas liga¸oes. e c˜ O carbono por exemplo, ter´ comportamento de n˜o-metal, a a recebendo el´trons. e O sil´ ıcio e o germˆnio s˜o semimetais: ora cedem el´tros, a a e ora recebem. Figura 2.3: Configura¸ao da liga¸ao covalente. c˜ c˜ Vamos representar na Figura (2.4) a estrutura de Lewis da agua. Dois hidrogˆnios s˜o ligados ao atomo de oxigˆnio ´ e a ´ e central. Os el´trons de liga¸ao s˜o indicados pelas linhas e c˜ a entre o oxigˆnio e cada um dos hidrogˆnios. Os el´trons e e e remanescentes - dois pares - que constituem o octeto do oxigˆnio, s˜o chamados de n˜o-ligantes, por n˜o estarem e a a a envolvidos em liga¸oes covalentes. c˜ O primeiro passo para se desenhar uma estrutura de Lewis ´ determinar o n´mero de el´trons de valˆncia dos atomos e u e e ´ que ser˜o conectados. Depois ´ necess´rio determinar qual a e a ´ o atomo central, e lig´-lo aos atomos perif´ricos por pares e ´ a ´ e de el´trons. e Considere o di´xido de carbono CO2 o carbono(C) → tem 4e− de valˆncia × 1 carbono = 4e− e Figura 2.2: Configura¸ao da estrutura de Lewis para o mec˜ tano. Ao inv´s de utilizarmos dois pontos para indicar o par de e el´trons que perpetuam a liga¸ao covalente, podemos utilie c˜ zar um tra¸o. Assim, o tra¸o ir´ representar os dois el´trons c c a e da liga¸ao covalente. c˜

Estruturas de Lewis
Um s´ ımbolo de Lewis ´ um s´ e ımbolo no qual os el´trons da e camada de valˆncia de um atomo ou de um ´ simples s˜o e ´ ıon a representados por pontos colocados ao redor do s´ ımbolo do elemento. Cada ponto representa um el´tron. Por exemplo: e

(a)

(b)

Figura 2.1: Configura¸ao eletrˆnica e estrutura de Lewis c˜ o para o atomo neutro de cloro (a) e para o ´ de cloro (b). ´ ıon

Qu´ ımica A – Aula 3

61 aceit´vel. “O carbono est´ deficiente de el´trons - ele a a e tem s´ quatro el´trons em sua volta. Esta n˜o ´ uma o e a e estrutura de Lewis aceit´vel”. a • Se a camada de valˆncia do atomo central n˜o est´ e ´ a a completa, use um par solit´rio de um dos atomos da a ´ periferia para formar uma dupla liga¸ao daquele atomo c˜ ´ com o atomo central. Continue o processo de fazer ´ m´ltiplas liga¸oes dos atomos perif´ricos com o atomo u c˜ ´ e ´ central, at´ que a camada de valˆncia do atomo central e e ´ esteja completa.

´ Figura 2.4: Estrutura de Lewis da Agua. oxigˆnio(O) → e tem 6e− de valˆncia × 2 oxigˆnio = 12e− e e Existe um total de 16 e− para serem colocados na Estrutura de Lewis. Conecte o atomo central aos outros atomos na mol´cula com ´ ´ e liga¸oes simples. c˜ O carbono ´ o atomo central, os dois oxigˆnios s˜o ligados e ´ e a a ele; mais tarde iremos adicionar mais el´trons para come pletar os octetos dos atomos perif´ricos. ´ e Conecte o atomo central aos outros atomos na mol´cula com ´ ´ e liga¸oes simples. c˜ O carbono ´ o atomo central, os dois oxigˆnios s˜o ligados e ´ e a a ele; mais tarde iremos adicionar mais el´trons para come pletar os octetos dos atomos perif´ricos. ´ e Figura 2.7: Constru¸ao da estrutura de Lewis do CO2 -2. c˜ Torna-se,

Figura 2.8: Constru¸ao da estrutura de Lewis do CO2 -3. c˜ O atomo central ainda est´ deficiente de el´trons, por´ a e tanto compartilhe outro par. Figura 2.5: Estrutura do CO2 . At´ aqui foram utilizados quatro el´trons dos 16 a dise e ` posi¸ao. c˜ Complete a camada de valˆncia dos atomos da periferia da e ´ mol´cula. e

Figura 2.9: Constru¸ao da estrutura de Lewis do CO2 -4. c˜ Figura 2.6: Constru¸ao da estrutura de Lewis do CO2 -1. c˜ Foram utilizados todos os 16 el´trons dispon´ e ıveis. Coloque quaisquer el´trons remanescentes sobre o atomo central. e ´ “N˜o existem mais el´trons dispon´ a e ıveis nesse exemplo”. • Se a camada de valˆncia do atomo central est´ come ´ a pleta, vocˆ acaba de desenhar uma Estrutura de Lewis e Torna-se, Certifique-se que vocˆ tenha utilizado do n´mero core u reto de el´trons na Estrutura de Lewis. Lembre-se que e alguns elementos, como o enxofre, por exemplo, podem ampliar sua camada de valˆncia para al´m de oito e e el´trons. e A melhor Estrutura de Lewis que pode ser escrita para o di´xido de carbono ´: o e

62

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Existem trˆs tipos de liga¸oes qu´ e c˜ ımicas; 1. Iˆnica; o 2. Met´lica; a 3. Covalente.

Figura 2.10: Constru¸ao da estrutura de Lewis do CO2 -5. c˜

Liga¸˜o Iˆnica ou Eletrovalente ca o
A liga¸ao iˆnica ocorre quando um metal se liga a um n˜o c˜ o a metal ou ao hidrogˆnio. O metal doa el´trons formando o e e c´tion. O n˜o-metal ou o hidrogˆnio recebe el´trons fora a e e mando um anion. ˆ Figura 2.11: Melhor estrutura de Lewis para o CO2 A consequˆncia da atra¸ao entre os ´ e c˜ ıons positivos (c´tions) a e negativos (ˆnions) ´ um agrupamento organizado de ´ a e ıons, a que chamamos de cristal iˆnico. o

Pense um Pouco!
• Dˆ uma poss´ e ıvel aplica¸ao para a mesma f´rmula c˜ o qu´ ımica escrita de formas diferentes. Ou seja, qual ´ a utilidade de escrevermos a f´rmula estrutural e e o eletrˆnica de um mesmo elemento? o • Os gases nobres tamb´m s˜o chamados de gases inere a tes? Explique. (a) (b)

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
Figura 2.1: Arranjo Atˆmico de um Cristal Iˆnico. o o 1. Indique a f´rmula estrutural das seguintes mol´culas: o e Dados: Cl (Z = 17), C (Z = 12), N (Z = 7), H (Z = 1), O (Z = 8). a) CCl4 b) N H3 c) CO2 d) HN O3 O cristal iˆnico ´ representado por uma f´rmula m´ o e o ınima, ou seja, o n´mero m´ u ınimo de c´tions e anions necess´rios para a ˆ a que ambas as cargas sejam neutralizadas. Por exemplo a F´rmula M´ o ınima do sal de cozinha ´ dada por: e N a Cl Esta estrutura de alta coes˜o de natureza el´trica confere a e ao composto iˆnico alto ponto de fus˜o. No estado s´lido o a o n˜o conduz eletricidade. Isso s´ ocorre se os ´ a o ıons estiverem livres, em solu¸ao aquosa ou no estado fundido (l´ c˜ ıquido). Montamos uma f´rmula de composto iˆnico colocando a eso o ` querda o c´tion e a direita o anion. Verificamos se as cargas a ˆ positiva e negativa se anulam. Se as cargas se anularem, a f´rmula ser´ de um c´tion para um anion. Caso as cargas o a a ˆ se anulem, usaremos o seguinte artif´ ıcio: invertemos a carga do c´tion para ´ a ındice do anion e a carga do anion para ´ ˆ ˆ ındice do c´tion: a Ax+ B y− → Ay Bx Caracter´ ısticas da Liga¸˜o Iˆnica ca o

Exerc´ ıcios Complementares
2. Dˆ as f´rmulas estruturais e eletrˆnicas das segiuntes e o o mol´culas, dados: H (Z=1), O (Z=8) e S (Z=16). e a) H2 S b) SO2 c) SO3 d) HN O3

Qu´ ımica A
Liga¸oes Qu´ c˜ ımicas

Aula 4

• Forma¸ao de ´ c˜ ıons; • Transferˆncia de el´trons; e e • Compostos s´lidos a temperatura ambiente; o

Como consequˆncia da tendˆncia dos atomos de formar sise e ´ temas eletrˆnicos est´veis, pela doa¸ao ou recebimento de o a c˜ el´trons, os atomos se unem. e ´

Qu´ ımica A – Aula 4 • Forma¸ao de compostos cristalinos; c˜ • Os compostos iˆnicos quando em meio aquoso conduo zem corrente el´trica. e

63 • F´rmula molecular: indica apenas o tipo e o n´mero o u de atomos que formam uma mol´cula. ´ e O2 Liga¸˜o Dativa ou Coordenada ca ´ E o caso de liga¸ao covalente que ocorre quando o par de c˜ el´trons compartilhado entre dois atomos prov´m apenas de e ´ e um deles. Para que o atomo possa fazer uma liga¸ao coordenada ele ´ c˜ tem que possuir pares de el´trons livres. e A liga¸ao coordenada ´ indicadapor uma seta do atomo que c˜ e ´ oferece o par de el´trons para o atomo que o aceita. e ´ O n´mero m´ximo de liga¸oes coordenadas que os n˜ou a c˜ a metais podem oferecer ´: e No caso do mon´xido de carbono, temos um bom exemplo: o o oxigˆnio faz uma liga¸ao dativa com o carbono, isto ´, come c˜ e partilha coordenadamente com ele seus pares eletrˆnicos. o Conforme podemos ver na Fig. (2.3):

Liga¸˜o Met´lica ca a
Ocorre entre metais. Como sabemos, um metal tem tendˆncia de doar el´trons formando c´tions. A liga¸ao e e a c˜ met´lica ocorre quando muitos atomos de um metal pera ´ dem el´trons ao mesmo tempo, e os c´tions formados se e a estabilizam pela ”nuvem” de el´trons que fica ao redor. e Analisando um fio de cobre, excelente condutor de eletricidade e calor, encontraremos nos el´trons livres que o mae terial apresenta a explica¸ao desta condutibilidade. Os ”n” c˜ atomos de cobre cedem seus el´trons perif´ricos e se tornam ´ e e c´tions envoltos por muitos el´trons livres. a e

Liga¸˜o Covalente ou Molecular ca
Liga¸ao covalente ´ aquela formada como consequˆncia do c˜ e e compartilhamento de el´rons entre seus atomos. e ´ Haver´ forma¸ao de uma mol´cula, no sentido em que os a c˜ e atomos se unem como ”socios” dos mesmos el´trons. ´ e Por exemplo: o cloro apresenta 7 el´trons na ultima camada e ´ quando realizada a liga¸ao covalente forma HCl. c˜ O par compartilhado ´ formado por dois el´trons, um de e e cada atomo, compartilhado por ambos os atomos. ´ ´

Figura 2.3: Liga¸ao Dativa do CO. c˜

Orbitais Moleculares Para visualizarmos melhor as liga¸oes covalentes (´tomos c˜ a formando mol´culas), estudaremos as liga¸oes sob o ponto e c˜ de vista dos orbitais atˆmicos formando orbitais moleculao res. Figura 2.2: Par Eletrˆnico Compartilhado. o Ambos adquirem configura¸ao eletrˆnica est´vel de g´s noc˜ o a a bre. Representa¸˜o Molecular ca H´ diferentes maneiras de representar uma mol´cula. Toa e memos a mol´cula de g´s oxigˆnio, formada por dois atomos e a e ´ de oxigˆnio. e • F´rmula eletrˆnica ou de Lewis: representa os o o el´trons da ultima camada dos atomos. e ´ ´ • F´rmula estrutural: cada par de el´tron compartio e lhado ´ representado por um tra¸o. e c O=O Orbital molecular ´ a regi˜o em torno dos n´cleos de maior e a u probabilidade de ser encontrado o par eletrˆnico compartio lhado. H´ dois tipos de orbital molecular: a Orbital Molecular σ (sigma), ou simplismente liga¸ao σ, ´ c˜ e aquele formado na interpenetra¸ao de orbitais atˆmicos sec˜ o gundo um eixo. Orbital Molecular π, ou simplismente liga¸ao π, ´ aquele c˜ e formado na interpenetra¸ao de orbitais at˜micos p exclusic˜ o vamente segundo os eixos paralelos. Exemplo H2 (mol´cula H : H ou H − H) e

O hidrogˆnio apresenta apenas um el´tron no orbital s, que e e sabemos ser esf´rico: 1s1 , e precisa de mais um el´tron para e e adquirir estabilidade. Quando ocorre a aproxima¸ao de outro atomo de hic˜ ´ drogˆnio, o n´cleo positivo de um atrai a eletrosfera do e u

64 outro.

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o a) 6 e 2 b) 2 e 2 c) 4 e 2 d) 4 e 0 e) 0 e 4 3. (ACAFE) Incr´ ıvel, mas 15% dog´s metano existente na a atmosfera prov´m do arroto dos bois, vacas, cabras e care neiros, contribuindo para o efeito estufa (aquecimento atmosf´rico). Assinale a alternativa que descreve os tipos de e liga¸oes qu´ c˜ ımicas encontradas neste g´s: a a) 2 iˆnicas e 2 covalentes o b) 2 liga¸oes dativas c˜ c) 4 liga¸oes duplas c˜ d) 2 sigmas e 2 pi e) 4 liga¸oes sigmas c˜

Figura 2.4: Dois atomos de H. ´ Como consequˆncia dessa atra¸ao, teremos a aproxima¸ao e c˜ c˜ resultando numa interpenetra¸ao de orbitais chamada overc˜ lap. Overlap ´ a interpenetra¸ao dos orbitais at˜micos formando e c˜ o um orbital molecular. Na forma¸ao do overlap h´ uma distˆncia ideal entre os c˜ a a n´cleos de cada atomo, onde a repuls˜o das cargas de u ´ a memsmo sinal compensa a atra¸ao das cargas de sinais dic˜ ferentes.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (ACAFE-99) Um metal alcalino terroso (M) apresenta dois el´trons na sua camada de valˆncia. A alternativa que e e indica a f´rmula de um oxido e de cloreto desse metal, reso ´ pectivamente ´: e a) M2 O − M2 Cl b) M2 O − M Cl c) M O2 − M Cl2 d) M O − M Cl2 e) M O − M Cl4 5. (UFSC) Na mol´cula H − O − O − H, existe: e a) nenhuma liga¸ao iˆnica c˜ o b) trˆs liga¸oes covalentes e c˜ c) trˆs liga¸oes sigmas e c˜ d) trˆs liga¸oes iˆnicas e c˜ o e) duas liga¸oes met´licas c˜ a

Figura 2.5: Overlap. No caso do H2 , H − H, temos orbital σ(s − s). A nota¸ao c˜ σ(s − s) significa orbital molecular σ feito atrav´s de dois e orbitais atˆmicos do tipo s. o

Pense um Pouco!
• Quais s˜o as principais utilidades das Liga¸oes a c˜ Qu´ ımicas na natureza? • Como os elementos qu´ ımicos s˜o encontrados na natua reza, ”puros ou misturados com outros elementos”?

Qu´ ımica A
A Estrutura da Mat´ria e
Propriedades Gerais

Aula 5

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ACAFE) O grupo de atomos que ´ encontrado na forma ´ e monoatˆmica pelo fato de serem est´veis s˜o o a a a) Halogˆnios e b) Calcogˆnios e c) Metais Alcalinos Terrosos d) Metais Alcalinos e) Gases Nobres 2. (ACAFE) O propadieno (H2 C = C = CH2 ) apresenta respectivamente quantas liga¸oes sigmas e liga¸oes pi? c˜ c˜

De acordo com a teoria cin´tica molecular, todas as formas e de mat´ria s˜o compostas de part´ e a ıculas pequenas e que se movem rapidamente. H´ duas raz˜es principais por que a o os gases, l´ ıquidos e s´lidos diferem tanto uns dos outros. o Uma ´ a rigidez do empacotamento das part´ e ıculas e outra ´ a intensidade das for¸as atrativas entre elas. Podemos e c listar como propriedades influˆnciadas por estas duas raz˜es e o o segiunte: Compressibilidade Num g´s, as mol´culas est˜o bastante separadas, de forma a e a que h´ muito espa¸o v´zio dentro do qual elas podem ser a c a comprimidas, por isso os gases s˜o bastante compress´ a ıveis.

Qu´ ımica A – Aula 5 Entretanto, as mol´culas num l´ e ıquido ou s´lido est˜o rigio a damente empacotadase h´ muito pouco espa¸o v´zio entre a c a elas, sendo ent˜o virtualmente incompress´ a ıveis. Difus˜o a Comparadas com as mol´culas de um l´ e ıquido ou s´lido, as o mol´culas de um g´s se difundem rapidamente, uma vez e a que as distˆncias que elas se movem entre as colis˜es s˜o a o a relativamente grandes. Em virtude de as mol´culas num e l´ ıquido estarem t˜o pr´ximas, a distˆncia m´dia que elas a o a e percorrem entre as colis˜es - o seu livre caminho m´dio o e - ´ muito pequena, onde estas sofrem bilh˜es de colis˜es e o o antes de percorrer uma distˆncia muito grande e essas ina terup¸oesimpedem-nas de espalhar-se aatrav´s do l´ c˜ e ıquido. A difus˜o dentro dos s´lidos ´ muito mais lenta que nos a o e l´ ıquidos. N˜o s´ as mol´culas est˜o fortemente compactaa o e a das como, tamb´m, s˜o mantidas rigidamente no mesmo e a lugar. Volume e Forma A propriedade mais obvia dos gases, l´ ´ ıquidos e s´lidos ´ a o e forma como eles se comportam quando transferidos de um frasco para outro. Ambos, gases e l´ ıquidos s˜o flu´ a ıdos; eles escoam e podem ser bombeados de um lugar para outro. Um s´lido, por´m, n˜o ´ um flu´ e mant´m tanto sua o e a e ıdo e forma quanto seu volume. As for¸as intermoleculares de c um g´s s˜o t˜o fracas que as mol´culas podem facilmente a a a e superar essa for¸a e expandir para encher o recipiente. O c que n˜o acontece num s´lido, cujas for¸as atrativas mant´m a o c e as mol´culas mais ou menos firmes num lugar, de modo que e elas n˜o podem se mover umas em torno das outras. a Tens˜o Superficial a Num l´ ıquido cada mol´cula move-se sempre sob influˆncia e e das mol´culas vizinhas. As mol´culas na superf´ de um e e ıcie certo recipiente sentem uma atra¸ao na dire¸ao do interior c˜ c˜ do l´ ıquido. Para uma mol´cula chegar a superf´ ela deve e ıcie superar esta atra¸ao. Ou seja, a energia potencial deve auc˜ mentar, ent˜o deve-se realizar trabalho para lev´-las at´ a a a e superf´ ıcie. Portanto, tornar a superf´ de um l´ ıcie ıquido maior requer um gasto de energia e a quantidade de energia necess´ria ´ ent˜o a tens˜o superf´ a e a a ıcial. Evapora¸˜o ca Num l´ ıquido ou num s´lido, assim como num g´s, as o a mol´culas est˜o constantemente sofrendo colis˜es, dando ase a o sim origem a uma distribui¸ao de velocidades moleculares c˜ individuais e, evidentemente, de energias cin´ticas. se algue mas dessas mol´culas possu´ e ırem energia cin´tica suficiente e para superar as for¸as atrativas dentro do l´ c ıquido ou do s´lido, elas poder˜o escapar atrav´s da superf´ para o eso a e ıcie tado gasoso – elas evaporam. No l´ ıquido existem trs fatores que influenciam na velocidade de evapora¸ao: a temperac˜ tura, a area superficial e a intensidade das atra¸oes superfi´ c˜ ciais. For¸as de Atra¸˜o Inter-moleculares c ca

65

As atra¸oes dipolo-dipolo s˜o, normalmente, consideravelc˜ a mente mais fracas do que as liga¸oe iˆnicas ou covalentes. c˜ o A sua for¸a tamb´m diminui muito rapidamente a medida c e ` que a distˆncia entre os dipolos aumenta, de forma que a a distˆncia entre os dipolos aumenta, de forma que o seu efeito a entre as mol´culas bastante afastadas de um g´s ´ muito mee a e nor do que entre mol´culas fortemente compactadas num e ´ l´ ıquido ou num s´lido. E por isso que as mol´culas de um o e g´s comportam-se quase como se n˜o houvesse atra¸ao nea a c˜ nhuma entre elas. Pontes de Hidrogˆnio e Acontece entre mol´culas muito polares, onde a diferen¸a e c de eletronegatividade ´ muito acentuada, tendo H numa e das extremidades da “ponte”. No estado l´ ıquido h´ pona tes de hidrogˆnio entre mol´culas de agua. Como h´ movie e ´ a mento das mol´culas, as pontes de hidrogˆnio se quebram e e e se restabelecem em seguida. No estado s´lido as pontes o de hidrogˆnio entre as mol´culas de agua s˜o fixas e diree e ´ a cionadas segundo um angulo de 104, 5◦ entre suas liga¸oes. ˆ c˜ Devido a dire¸ao das pontes de hidrogˆnio na agua s´lida, ` c˜ e ´ o ficam espa¸os v´zios entre as mol´culas, respons´veis pelo c a e a aumento de volume ao congelar. For¸a de Van der Waals (ou de London) c Essa for¸a pode aparecer entre atomos de um g´s nobre (por c ´ a exemplo, h´lio l´ e ıquido) ou entre mol´culas apolares (CH 4 , e CO2 ). O gelo seco quando sublima, passa do estado s´lido o para o estado gasoso, rompendo as for¸as de Van der Waals c e liberando as mol´culas das influˆncias das outras. S˜o as e e a for¸as intermoleculares, tipo Van der Waals, que justificam c a possibilidade de liquefazer os gases nobres. As mol´culas e podem se unir atrav´s de polariza¸ao induzida temporariae c˜ mente.

Os Gases
Muitos gases s˜o capazes de sofrer rea¸oes qu´ a c˜ ımicas uns com outros. Observa¸oes experimentais feitas por Gay-Lussac c˜ formaram a base da Lei de Combina¸˜o dos Volumes ca A Lei de Combina¸˜o de Volumes ca os volumes das substˆncias gasosas que s˜o produzia a das e consumidas numa rea¸˜o qu´ ca ımica est˜o numa a raz˜o de n´ meros inteiros pequenos, desde que os a u volumes sejam medidos nas mesmas condi¸oes de c˜ temperatura e press˜o. a A importˆncia das observa¸oes de Gay-Lussac foi posteriora c˜ mente reconhecida por Amadeo Avogadro. Ele propˆs que o agora ´ conhecido como princ´ e ıpio de Avogadro. O Princ´ ıcpio de Avogadro sob condi¸oes de temperatura e press˜o constantes, c˜ a

66 volumes iguais de gases cont´m n´ meros iguais de e u mol´culas. e Uma vez que n´meros de iguais de mol´culas significam u e n´meros iguais de mols, o n´mero de mols de qualquer g´s u u a est´ relacionado com o seu volume: a V ∝n onde n ´ o n´mero de mols do g´s. Assim, a lei de Gaye u a Lussac ´ facilmente compreeendida, uma vez que os volumes e dos gases, reagentes e produtos, ocorrem nas mesmas raz˜es o que os coeficientes na equa¸ao balanceada. c˜ O Mol Sabemos que os atomos reagem para formar mol´culas, ´ e mantendo entre si raz˜es simples de n´meros inteiros. Os o u atomos de hidrogˆnio e oxigˆnio, por exemplo, combinam´ e e se numa raz˜o de 2 para 1 a fim de formar a agua, H2 O. a ´ Entretanto ´ imposs´ trabalhar com os atomos individue ıvel ´ almente, devido as suas dimens˜es min´sculas. Assim, em ` o u qualquer laborat´rio da vida real, devemos aumentar o tao manho destas quantidades at´ o ponto em que possamos e vˆ-las e pes´-las. e a Infelizmente, por exemplo, uma d´zia de atomos ou u ´ mol´culas ´ ainda uma quantidade muito pequena para se e e trabalhar; deve-se, portanto, encontrar uma unidade maior ainda. A “d´zia de qu´ u ımico”chama-se mol (unidade mol). Ele ´ composto de 6, 022 × 1023 objetos. Ent˜o: e a 1 d´zia = 12 objetos u 1 mol = 6, 02 × 1023 objetos O Volume Molar ´ E o volume ocupado por um mol de qualquer g´s em a condi¸oes normais de temperatura e press˜o (CNTP). c˜ a CNTP: • temperatura de 0◦ C ou 273 K; • press˜o de 1 atm ou 760 mmHg). a Verifica-se experimentalmente que o volume molar ´ de e 22, 4 l (CNTP). Conclus˜o: a M M g → 6, 02 × 1023 mol´culas → 22, 4 l. e Observe que 1 mol ≈ 602.000.000.000.000.000.000.000

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (FUVEST) Em uma amostra de 1, 15 g de s´dio, o o n´mero de atomos existentes ser´ igual a (N a = 23): u ´ a a) 6 × 1022 b) 3 × 1023 c) 6 × 1023 d) 3 × 1022 e) 1023 2. (ACAFE-00) Qual destas liga¸oes ´ mais fraca? c˜ e a) Eletrovalente b) Covalente c) Ponte de hidrogˆnio e d) Van der Waals e) Met´lica a 3. (PUC) As pontes de hidrogˆnio aparecem: e a) quando o hidrogˆnio est´ ligado a um elemento muito e a eletropositivo b) quando o hidrogˆnio est´ ligado a um elemento muito e a eletronegativo c) em todos os compostos hidrogenados d) somente em compostos inorgˆnicos a e) somente em acidos de Arrhenius ´

Exerc´ ıcios Complementares
4. (Osec-SP) Tem-se 1 litro de He; 1 litro de H2 ; 1 litro de CO2 ; e 1 litro de N H3 , todos estes gases nas CN T P em recipientes separados. O recipiente que possui maior n´mero de mol´culas ´ o que cont´m: u e e e a) He b) H2 c) CO2 d) N H3 e) o n´mero de mol´culas ´ o mesmo em cada um dos quatro u e e recipientes. 5. (PUC-RS) Os elevados pontos de ebuli¸ao da agua, do c˜ ´ alcool et´ ´ ılico e do fluoreto de hidrogˆnio s˜o explicados: e a a) atrav´s das pontes de hidrogˆnio intermoleculares e e b) pelas macromol´culas formadas e c) atrav´s de for¸as de Van der Waals e c d) pelas liga¸oes covalentes dativas que se formam entre c˜ mol´culas destes compostos e e) atraes das pontes de higrogˆnio intramoleculares e 6. (PUC) Qual a massa total da seguinte mistura: 0, 25 mol de oxigˆnio mais 3 × 1022 mol´culas de oxigˆnio mais 3 g de e e e oxigˆnio? Dado: M MO = 16 g. e a) 11, 8 g b) 12, 6 g c) 23, 6 g d) 32 g e) 34 g

Pense um Pouco!
• Vocˆ tem no¸ao de como funciona um freio de aue c˜ tom´vel? Ou que um freio tem em comum com o aso sunto que estamos tratando? • Dˆ exemplos de elementos qu´ e ımicos s´lidos que evapoo ram, sem que haja fus˜o. a

Qu´ ımica A – Aula 6

67 A proporcionalidade pode ser transformada numa igualdade pela introdu¸ao de uma constante de prporcionalidade. Asc˜ sim, V ∝ 1 P P V = constante p 1 V1 = p 2 V2 Desta forma, a temperatura constante, se aumentarmos a press˜o, o volume diminui; se diminuirmos a press˜o o voa a lume aumenta. Transforma¸˜o Isob´rica (Lei de Charles) ca a ` press˜o constante, o volume de uma dada quana a tidade de um g´s ´ diretamente proporcional ´ sua a e a temperatura absooluta. Escrevendo esta Lei matematicamente, temos: V ∝T (2.2)

Qu´ ımica A
Teoria Cin´tica dos Gases e

Aula 6

As mol´culas de um g´s ocupam o volume do recipiente e a que as cont´m. A energia que mant´m as mol´culas de um e e e g´s em movimento ´ a energia cin´tica, que ´ diretamente a e e e proporcional a temperatura absoluta (Kelvin).

Ec ∝ T onde Ec = energia cin´tica e T = temperatura de Kelvin

G´s Ideal a
Um g´s ´ considerado perfeito (ideal) quando obedece as a e ´ seguintes condi¸oes: c˜ • No estado gasoso o movimento das mol´culas ocorre e de maneira cont´ ınua e ca´tica, descrevendo trajet´rias o o retil´ ıneas; • O volume da mol´cula ´ desprez´ em rela¸ao ao voe e ıvel c˜ lume do recipiente que a cont´m; e • Uma mol´cula n˜o sente a presen¸a da outra (n˜o h´ e a c a a intera¸ao, for¸as de Van der Waals, entre as mol´culas); c˜ c e • Os choques entre as mol´culas, se ocorrerem, s˜o pere a feitamente el´sticos (a mol´cula n˜o ganha nem perde a e a energia cin´tica) e

Transformando a proporcionalidade em igualdade e rearranjando, obtemos V = constante T V1 V2 = T1 T2 (2.3) (2.4)

Desta forma, se a press˜o ´ constante, a medida que aumena e ´ tarmos a temperatura o volume ocupado pelo g´s aumena tar´; diminuindo a temperatura, o volume diminuir´. a a Transforma¸˜o Isoc´rica, Isom´trica ca o e lum´trica (Lei de Charles-Gay Lussac) e ou Isovo-

G´s Real a
Um g´s real se aproxima do comportamento de um g´s pera a feito a medida que se torna mais rarefeito (diminui o n´mero ` u de mol´culas) e se encontra a baixa press˜o e a alta tempee a ratura.

a volume constante, a press˜o ´ diretamente proa e porcional ` temperatura. a Matematicamente temos que: P ∝T ou tamb´m, e (2.5)

Leis dos Gases Ideais
O estado de um g´s ´ definido quando sabemos sua press˜o, a e a temperatura, e volume Essas grandezas s˜o as vari´veis de a a estado de um g´s e s˜o interdependentes. a a Se mantivermos constante uma de suas vari´veis, poderemos a estudar de que maneira variam as outras. Transforma¸˜o Isot´rmica (Lei de Boyle-Mariotte) ca e a uma temperatura constante, o volume ocupado por uma quantidade fixa de g´s ´ inversamente proa e porcional ` press˜o aplicada. a a Isso pode ser expresso matematicamente como: V ∝ 1 P

P = constante T p2 p1 = T1 T2

(2.6) (2.7)

Se aumentarmos a temperatura, a press˜o aumentar´; se a a diminuirmos a temperatura, a press˜o diminuir´. a a

Lei Combinada dos Gases

As equa¸oes correspondentes as leis de Boyle-Mariotte e c˜ ´ (2.1) Charles-Gay Lussac podem ser incorporadas em uma unica ´

68 equa¸ao, que ´ util para muitos c´lculos. Esta ´ c˜ e´ a e Pi V i Pf V f = Ti Tf (2.8)

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Press˜o parcial (P ) ´ o produto da fra¸ao molar pela a e c˜ press˜o totaldos gases. a

Da mesma forma que para as leis separadas, a lei combinada dos gases verifica-se somente se a quantidade de g´s a for constante. Onde o g´s deve estar submetido as CN T P . a `

Pg´s = Xg´s · Ptotal mistura a a

(2.14)

Volumes Parciais
Volume parcial ´ o volume que o g´s ocuparia estando sozie a nho e sendo submetido a press˜o total, na temperatura da ` a mistura. O volume total ´ a soma dos volumes parciais de e cada g´s, na mistura. Esta afirmativa ´ conhecida como a a e lei de Amagat. O volume parcial (V) ´ dado pelo produto de fra¸ao molar e c˜ do g´s pelo volume total da mistura. a

Lei dos Gases Ideais
Discutimos, assim, trˆs rela¸oes (2.1, 2.2, 2.5) de volume a e c˜ que um g´s idel obedece. a Podemos combin´-las, para obter a 1 V ∝n P nT V ∝ P Casos Particulares • Se n e T forem constantes na equa¸ao (2.10) teremos a c˜ lei de Boyle-Mariotte; • Se n e P forem constantes na equa¸ao (2.10) teremos a c˜ lei de Charles-Gay Lussac; • Se P e T forem constantes na equa¸ao (2.10) teremos c˜ o Princ´ ıpio de avogadro; A prporcionalidade na equa¸ao (2.10) pode ser transforc˜ mada numa igualdade, pela introdu¸ao de uma constante c˜ de prporcionalidade, R, chamada de constante universal dos gases. Da´ temos: ı, V = nRT P P V = nRT ou (2.11) (2.12) (T ) ou (2.9) (2.10)

Vg´s = Xg´s · Vtotal mistura a a

(2.15)

Mudan¸as de Estado F´ c ısico
Uma substˆncia pura pode apresentar-se sob trˆs formas de a e agrega¸aoda mat´ria: s´lido, l´ c˜ e o ıquido, gasoso (aceita-se o quarto estado da mat´ria: plasma). Cada fase depende das e condi¸oes f´ c˜ ısicas de press˜o e temperatura. a

Fus˜o e Solidifica¸˜o a ca
Na fase s´lida, as mol´culas de uma substˆncia est˜o forteo e a a mente ligadas entre si, formando um reticulado cristalino. Fornecendo calor a um s´lido, as mol´culas absorver˜o a o e a energia, aumentando a amplitude de sua vibra¸ao, romc˜ pendo o reticulado cristalino e passando para a fase l´ ıquida, onde as mol´culas est˜o ligadas entre si com menor intensie a dade do que na fase s´lida. o • A temperatura em que ocorre a passagem de fase s´lida para a l´ o ıquida ´ denominada ponto de e fus˜o. a • A temperatura em que ocorre a passagem de fase l´ ıquida para a s´lida ´ denominada ponto de o e solidifica¸ao. c˜ • Nas substˆncias puras, o ponto de fus˜o e solia a difica¸˜o coincidem, se a press˜o for mantida consca a tante.

A equa¸ao (2.12) ´ obedecida por apenas um g´s ideal hic˜ e a pot´tico e ´ uma express˜o matem´tica da lei dos gases e e a a ´ ideais. E tamb´m chamada equa¸ao de estado do g´s ideal, e c˜ a porque relaciona as vari´veis (P, V, n, T ) que especificam as a propriedades f´ ısicas do sistema.

onde R = 8, 31J/mol · K.

Lei das Press˜es Parciais de Dalton o
´ E simplismente a press˜o que o g´s exerceria se estivesse a a sozinho no recipiente, ocupando o volume total da mistura na mesma temperatura. Segundo as observa¸oes de John c˜ Dalton, a press˜o total ´ igual a soma das press˜es parcia e ` o ais de cada g´s, na mistura. Esta afirmativa ´ conhecida a e como a lei das press˜es parciais de Dalton que pode o ser expressa por: PT = p a + p b + p c + · · · (2.13)

Vaporiza¸˜o e Condensa¸˜o ca ca
A vaporiza¸ao ´ a passagem da fase l´ c˜ e ıquida para a gasosa. Existem trˆs maneiras de se efetuar a vaporiza¸ao: e c˜ 1. Vaporiza¸˜o t´ ca ıpica ou ebuli¸˜o: mudan¸a de fase ca c a determinada press˜o e temperatura. Por exemplo, a a agua entra em ebuli¸ao a 100 ◦ C e a press˜o de 1 atm. ´ c˜ ` a

onde PT ´ a press˜o totalda mistura e pa , pb , pc s˜o as e a a press˜es parciais dos gases a, b c. o

Qu´ ımica A – Aula 6 2. Evapora¸˜o: fˆnomeno que se observa a qualquer ca e temperatura, atrav´s da superf´ e ıcie exposta ao meio amiente. Isso ocorre porque as mol´culas com maior vee locidade escapam atrav´s da superf´ livre do l´ e ıcie ıquido. Ao ocorrer uma evapora¸ao, a temperatura do l´ c˜ ıquido diminue pois ao escaparem as mol´culas com maior vee locidade, diminue a energia cin´tica. Quanto maior a e area livre maior a evapora¸ao. ´ c˜ 3. Calefa¸˜o: fenˆmeno que ocorre a temperaturas ca o ´ acima da temperatura normal de vaporiza¸ao. E obc˜ serv´vel, por exemplo, ao se deixar cair uma gota a d’´gua numa chapa de metal, a uma temperatura acima a de do ponto de vaporiza¸ao. c˜ A condensa¸ao ´ a passagem de uma substˆncia da fase c˜ e a gasosa para a l´ ıquida. Ela pode ocorrer, tamb´m, a teme ` peratura ambiente. Por exemplo, ao se colocar agua gelada ´ num copo, observa-se a condensa¸ao do vapor de agua do c˜ ´ ar na sua parede externa.

69

Figura 2.3: Diagrama de fase da agua. ´ Para o di´xido de carbono (CO2 ), o ponto triplo ´ definido o e por: • temperatura: −56, 6 ◦ C • press˜o: 5 atm a A agua tem o seu ponto triplo definido por: ´ Para o di´xido de carbono (CO2 ), o ponto triplo ´ definido o e por:

Figura 2.1: Mudan¸as de estados: s´lido, l´ c o ıquido e g´s. a

• temperatura: 0, 01 ◦ C • press˜o: 4, 58 mmHg a

Diagrama de Fases
Colocando-se em um unico diagrama, as curvas de equil´ ´ ıbrio entre as fases de uma substˆncia pura, tem-se o diagrama a de fases.

Sublima¸˜o ca
Abaixo da temperatura do ponto triplo, existe uma curva denominada curva de subima¸˜o, que representa ca as condi¸oes de press˜o e temperatura nas quais uma c˜ a substˆncia pode passar diretamente da fase s´lida para fase a o gasosa ou vice-versa sem se transformar em l´ ıquido.

Pense um Pouco!
• Por que dentro de uma panela de press˜o, ´ poss´ a e ıvel manter-se a agua na fase l´ ´ ıquida acima dos 100 C ? Quais s˜o os beneficios que isso nos traz? a ´ • E poss´ ferver agua a temperatura ambiente? Como? ıvel ´ `

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (MACK-SP) Assinale a afirma¸ao correta: c˜ a) O ponto de fus˜o e o ponto de ebuli¸ao da agua aumentam a c˜ ´ com o aumento da press˜o. a b) O ponto de fus˜o e o ponto de ebuli¸ao da agua diminuem a c˜ ´ com o aumento da press˜o. a c) O ponto de fus˜o da agua diminui e o ponto de ebuli¸ao a ´ c˜

Figura 2.2: Diagrama de fase t´ ıpico. O ponto de equil´ ıbrio entre as trˆs fases ´ denominado e e ponto triplo ou tr´ ıplice (PT ).

70 da agua aumentam com o aumento da press˜o. ´ a d) O ponto de fus˜o da agua aumenta e o ponto de ebuli¸ao a ´ c˜ da agua diminui com o aumento da press˜o. ´ a e) O ponto de fus˜o e o ponto de ebuli¸ao da agua n˜o s˜o a c˜ ´ a a alterados com o aumento da press˜o. a 2. (STA. CASA-SP) Quando vocˆ assopra a sua pele umida e ´ de agua, sente que a pele esfria. Isto se deve ao fato de: ´ a) o sopro arrasta ar mais frio que a pele. b) a pele est´ mais fria do que a agua. a ´ c) a agua ´ normalmente mais fria do que o ar. ´ e d) o sopro ´ mais frio do que a agua. e ´ e) a agua absorve calor da pele para evaporar-se. ´ 3. (ACAFE) Bolinhas de naftalina s˜o colocadas nos roua peiros para combater as tra¸as pois elas danificam as roupas. c Com o tempo as bolinhas diminuem de tamanho. A causa disso deve-se: a) a sua liquefa¸ao. c˜ b) ao consumo da naftalina pelas tra¸as. c c) a sua condensa¸ao. c˜ d) a sua fus˜o. a e) a sua sublima¸ao. c˜

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Qu´ ımica A
´ Acidos e Bases
´ Acidos e Bases de Arrhenius

Aula 7

Fun¸oes Qu´ c˜ ımicas s˜o grupos de substˆncias com propriedaa a des semelhantes. As fun¸oes inorgˆnicas s˜o quatro: acidos, c˜ a a ´ bases, sais e oxidos. ´ ´ Acidos s˜o compostos com sabor azedo (vinagre, frutas a c´ ıtricas), que reagem com bases formando sal e agua. ´ Bases s˜o compostos de sabor adstringente (leite de a magn´sia - M g(OH)2 ) que reagem com acidos dando sal e ´ e agua. ´ ´ Acidos e Bases atuam sobre indicadores coloridos substˆncias que possuem duas colora¸oes, dependendo do a c˜ meio em que se encontram. Indicador Tornassol Fenolftale´ ına ´ Meio Acido Vermelho Incolor Meio B´sico a Azul Vermelho

Exerc´ ıcios Complementares
4. (VUNESP) Indique a alternativa que indica um fenˆmeno qu´ o ımico: a) Dissolu¸ao de cloreto de s´dio em agua. c˜ o ´ b) Fus˜o da aspirina. a c) Destila¸ao fracionada de ar l´ c˜ ıquido. d) Corros˜o de uma chapa de ferro. a e) Evapora¸ao da agua do mar. c˜ ´ 5. (ACAFE) Do petr´leo podemos extrair v´rios materiais o a importantes para o homem, como a gasolina, o GLP, a parafina, o metano e outros. Sobre o petr´leo e seus derivados o n˜o podemos afirmar: a a) a gasolina ´ uma mistura de alcanos. e b) GLP ´ a sigla para G´s Liquefeito de Petr´leo e ´ basie a o e camente uma mistura homogˆnea dos gases propano e bue tano. c) a parafina ´ uma mistura de alcanos superiores ou seja e de grandes massas moleculares. d) o petr´leo ´ uma mistura heterogˆnea. o e e e) o g´s metano principal componente do g´s natural, coa a nhecido como g´s do lixo, s´ pode ser obtido a partir do a o petr´leo. o (ACAFE) Algumas substˆncias em contato com a pele, nos a d˜o uma sensa¸ao de estarem frias. Dentre elas podemos a c˜ destacar o ´ter comum. Isso ocorre por que: e f) o ´ter ao cair na pele, evapora, e este ´ um processo e e exot´rmico. e g) o ´ter ao cair na pele, evapora, e este ´ um processo e e endot´rmico. e h) o ´ter reage endotermicamente com substˆncias da pele. e a i) o ´ter sublima. e j) o ´ter ´ resfriado. e e

Defini¸oes de Arrhenius c˜ ´ Acido ´ qualquer composto molecular que em solu¸ao e c˜ aquosa sofre ioniza¸ao liberando como unico c´tion o ´ c˜ ´ a ıon H + ou H3 O+ (hidroxˆnio ou hidrˆnio). o o Exemplos

HCl + H2 O → H + + Cl− − HN O 3 + H2 O → H + + N O3 −2 H2 SO4 + H2 O → 2H + + SO4

−3 H3 P O4 + H 2 O → 3H + + P O4

Dizemos que o acido, que era um composto covalente, na ´ presen¸a de agua ionizou, e formou ´ c ´ ıons. Grau de ioniza¸ao (α) ´ a raz˜o do n´mero de mol´culas ioc˜ e a u e nizadas para um total de mol´culas inicialmente dissolvidas e em agua. A for¸a de um acido est´ associada ao maior ou ´ c ´ a menor grau de ioniza¸ao do mesmo. c˜ α= n.o de mol´culas ionizadas e total de mol´culas dissolvidas e

Caracter´ ısticas • Apresentam sabor azedo; • Tornam vermelho o papel tornassol azul e a fenolftale´ de vermelha para incolor; ına • Conduzem corrente el´trica em solu¸ao aquosa; e c˜ • Quando adicionados ao m´rmore ou carbonatos, produa zem uma efervescˆncia com libera¸ao de g´s carbˆnico. e c˜ a o

Qu´ ımica A – Aula 7 Classifica¸˜o ca Em geral, pode-se classificar os acidos quanto a: ´ ` Presen¸a de Oxigˆnio c e • Hidr´cidos: n˜o apresentam oxigˆnio na mol´cula; a a e e HCl, HCN, H2 S • Oxi´cidos: a apresentam HN O3 , H2 SO4 , H3 P O4 oxigˆnio e na mol´cula. e

71

´ Nomenclatura dos Acidos
Hidr´cidos a ´ Nomenclatura: Acido (nome do elemento)´ ıdrico. Quando ionizado, um hidr´cido produz ao lado do c´tion a a H + ou H3 O+ , um anion com termina¸ao eto. Conforme ˆ c˜ exemplo abaixo: ´ HCl: Acido Clor´ ıdrico H + +Cl− : Cloreto. (na presen¸a c de H2 O) Oxi´cidos a ´ Nomenclatura: Acido oso(menos oxigenado) ico(mais oxigenado) (nome do elemento)

N´ mero de Hidrogˆnios Ioniz´veis u e a • Mono´cidos: a apenas HCl, HCN, HN O3 • Di´cidos: a dois H2 S, H2 SO4 , H2 CO3 um hidrogˆnio e ioniz´vel; a ioniz´veis; a

hidrogˆnios e

• Tri´cidos: trˆs hidrogˆnios ioniz´veis. H3 SO3 , H3 P O4 a e e a Mas tome cuidado:

H3 P O2 → mono´cido (um hidrogˆnio ioniz´vel) a e a H3 P O3 → di´cido (dois hidrogˆnios ioniz´veis) a e a Volatilidade • Vol´til: todos os hidr´cidos; a a • Fixo: todos os oxi´cidos. a Estabilidade • Inst´vel: s´ existem dois acidos inst´veis; a o ´ a H2 SO3 → H2 O + SO2 H2 CO3 → H2 O + CO2

Conforme podemos ver no exemplo abaixo: −2 ´ H2 SO3 : Acido Sulfuroso 2H + + SO3 : Sulfito. (na presen¸a de H2 O) c −2 ´ H2 SO4 : Acido Sulf´rico u 2H + + SO4 : Sulfato. (na presen¸a de H2 O) c

Bases
Bases ou Hidr´xidos s˜o substˆncias que, ao serem diso a a solvidas em agua, sofrem dissocia¸ao iˆnica, originando ´ c˜ o o “ˆnion”OH − , denominado hidroxila ou oxidrila. Os a hidr´xidos s˜o compostos formados por um metal ou um ´ o a ıon positivo, ligado a hidroxila. Observe abaixo a dissocia¸ao c˜ iˆnica de algumas bases em solu¸ao aquosa: o c˜

• Est´veis: todos com excess˜o dos acidos carbˆnico e a a ´ o sulfuroso. For¸a c • Para Hidr´cidos: a – Fortes: HCl, HI, HBr – Moderado ou Semi-Forte: HF – Fracos: HCN, H2 S • Para Oxi´cidos: m = N0 − NH+ a – – – – – Fraco: quando m = 0; Moderado ou Semi-Forte: quando m = 1; Forte: quando m = 2; Muito Forte: quando m = 3. Exemplos: HCl → m = 0 fraco H2 CO3 → m = 1 moderado H2 SO4 → m = 2 forte

N aOH → N a+ + OH − F e(OH)3 → F e+3 + 3OH − + N H4 OH → N H4 + OH −

Caracter´ ısticas das Bases
• Apresentam sabor amargo; • Reagem com os acidos produzindo sal; ´ • Tornam azul o papel tornassol vermelho e a fenolftale´ de incolor para vermelha; ına • Conduzem corrente el´trica em solu¸ao aquosa; e c˜ • S˜o untuosas ao tato. a

Classifica¸˜o das Bases ca
Classifica-se as bases quanto a: ` N´ mero de Hidroxilas (OH − ) u • Monobase: possui apenas uma hidroxila. KOH; Exemplo:

HClO4 → m = 3 muito forte

72 • Dibase: possui apenas duas hidroxilas. Ca(OH)2 ; • Tribase: possui trˆs duas hidroxilas. e Al(OH)3 ; Exemplo: Exemplo:

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Conceito de Lewis
´ Acido ´ E toda esp´cie qu´ e ımica (mol´cula ou ´ e ıon) capaz de aceitar um par de el´trons atrav´s da liga¸ao coordenada dativa. e e c˜ Base

• Tetrabase; possui apenas quatro hidroxilas. Exemplo: P b(OH)4 . ´ Solubilidade em Agua • Sol´veis: bases formadas pelas fam´ u ılias 1A, 2A e N H4 OH; • Insol´veis: todas as demais bases. u For¸a c • Forte: quando a base ´ dissolvida em agua, ocorre dise ´ socia¸ao iˆnica quase que totalmente. Bases de metais c˜ o alcalinos (1A) e de metais alcalinos terrosos (2A); • Fraca: todas as demais bases.

´ E toda esp´cie qu´ e ımica (mol´cula ou ´ e ıon) capaz de doar um par de el´trons atrav´s da liga¸ao coordenada dativa. e e c˜ Exemplo
− ´ AlCl3 (Acido) + : Cl− (Base) → AlCl4

Comparando Coceitos
• Lewis: o mais geral; • Br¨nnsted-Lowry: bem amplo; o • Arrhenius: o mais limitado. • Um acido ou base de Arrhenius ser´ tamb´m de ´ a e Br¨nnsted-Lowry e de Lewis; o • Um acido ou base de Br¨nnsted-Lowry pode ou n˜o ser ´ o a de Arrhenius, mas ser´ de Lewis; a • Existem acidos e bases de Lewis que n˜o s˜o de ´ a a Br¨nnsted-Lowry nem de Arhenius. o

´ Outros Conceitos de Acidos e Bases
Conceitos de Br¨nsted-Lowry o
´ Acido ´ E toda esp´cie qu´ e ımica (mol´cula ou ´ e ıon) capaz de doar um pr´ton na forma de H + . o Base ´ E toda esp´cie qu´ e ımica (mol´cula ou ´ e ıon) capaz de receber um pr´ton na forma de H + . o Exemplos ´ HCl(Acido) + H2 O(Base) + ´ H3 O (Acido) + Cl− (Base) ´ N H3 (Acido) + H2 O(Base) ´ N H4 (Acido) + OH − (Base)

Estequiometria
´ E o c´lculo da quantidade de reagentes necess´rios e de proa a dutos obtidos numa determinada rea¸ao qu´ c˜ ımica. Baseia-se nas Leis de Lavoisier (conserva¸ao das massas), Proust (proc˜ por¸ao das massas) e Gay Lussac (propor¸ao de volumes). c˜ c˜

(2.16) (2.17)

Fundamenta-se no fato de que a prpor¸ao de mols entre c˜ reagentes e produtos numa rea¸ao ´ constante, dada pelos c˜ e coeficientes estequiom´tricos. e Outro fundamento do c´lculo estequiom´trico ´ a defini¸ao a e e c˜ de mol.

´ Par Conjugado Acido–Base
Chamamos de par conjugado as esp´cies qu´ e ımicas que diferem entre si por um H + . No exemplo (2.16) temos o seguinte par conjugado acido-base: ´  a  HCl − (´cido forte)   (grande facilidade doar el´trons) e  Cl− − (base fraca)   (pequena facilidade de receber el´trons) e

O mol
• Pesa: MMg (MM=Massa Molecular); • Possui: 6, 02 × 1023 mol´culas; e • Ocupa: 22, 4 l (g´s nas CNTP). a Exemplo Dada a rea¸ao de combust˜o da acetona: c˜ a C3 H6 O → CO2 + H2 O

Isso explica por que a rea¸ao tende para o sentido direito, c˜ ou seja, da esquerda para direita.

Qu´ ımica A – Aula 8 Balanceando a equa¸ao pelo m´todo das tentativas, chegac˜ e remos aos seguintes coeficientes menores e inteiros: a) HN O3 b) H2 SO4 c) H3 P O4 d) HCl e) HCN O

73

1 C3 H6 O (1 mol) + 4 O2 (4 mols) → 3 CO2 (3 mols) + 3 H2 O (3 mols)

Pense um Pouco!
• O que vocˆ entende por chuva acida? Ela pode trazer e ´ algum malef´ a vida humana? ıcio ` • Enumere algumas substˆncias acidas e b´sicas de uso a ´ a di´rio. a

5. O amon´ ıaco usado para fins de limpeza ´ uma solu¸ao e c˜ aquosa de amˆnia que cont´m ´ o e ıons: a) hidroxila b) sulfato c) nitrato d) c´lcio a e) s´dio o 6. Temos a seguinte equa¸ao: c˜ 2O3 → 3O2

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Um tanque de autom´vel est´ cheio com 60 litros de o a alcool hidratado (96% alcool). A densidade ´ de 0, 9 g/ml. ´ ´ e Dada sua equa¸ao de combust˜o completa c˜ a 1C2 H5 OH + 3O2 → 2CO2 + 3H2 O indique: a) a massa da agua obtida ao queimar-se todo o alcool do ´ ´ tanque; b) o volume de g´s carbˆnico que sai do escapamento, sua o pondo combust˜o completa. a 2. (ACAFE) Em regi˜es industriais o anidrido sulfuroso o (SO2 ), resultante da queima de combust´ ıveis f´sseis, d´ orio a gem a chuva acida na atmosfera devido a sua oxida¸ao e ` ´ c˜ contato com a precipita¸ao pluviom´trica. Em rela¸ao a esc˜ e c˜ tas regi˜es, a alternativa falsa ´: o e a) S˜o Paulo e Cubat˜o s˜o exemplos de cidades onde a ina a a cidˆncia de chuvas acidas ´ bastante acentuada; e ´ e b) Ocorre uma oxida¸ao dos port˜es de ferro com uma inc˜ o tensidade bem maior que em regi˜es distantes das regi˜es o o industriais; c) As planta¸oes s˜o bastante afetadas, pois a chuva diminui c˜ a o pH do solo, retardando o crescimento das mesmas; d) A vegeta¸ao pode vir a secar completamente, caso o c˜ per´ ıodo das chuvas seja prolongado; e) N˜o ´ recomendada a utiliza¸ao de port˜es de alum´ a e c˜ o ınio porque este ´ atacado pela chuva acida. e ´ 3. (FUVEST) Um elemento met´lico M forma um cloreto a de f´rmula M Cl3 . A f´rmula de seu sulfato ´: o o e a) M2 SO4 b) M SO4 c) M2 (SO)3 d) M (SO)4 e) M (SO)3

Os n´meros 2 e 3 que aparecem ao lado esquerdo da equa¸ao u c˜ representam, respectivamente: a) coeficiente estequiom´trico e n´mero de atomos da e u ´ mol´cula e b) coeficiente estequiom´trico e n´mero de mol´culas e u e c) n´mero de mol´culas e coeficiente estequiom´trico u e e d) n´mero de atomos da mol´cula e coeficiente esteu ´ e quiom´trico e e) n´mero de atomos da mol´cula e n´mero de mol´culas u ´ e u e

Qu´ ımica A
Solu¸oes Qu´ c˜ ımicas
Concentra¸˜o ca

Aula 8

Vocˆ j´ reparou, por exemplo, que numa dada quantidade e a de agua podemos dissolver quantidades menores ou maiores ´ de sal comum, desde que evidentemente, n˜o ultrapassemos a o ponto de satura¸ao. c˜ Pois bem, chama-se concentra¸˜o de uma solu¸ao a toda e ca c˜ qualquer maneira de expressar a propor¸ao existente numa c˜ dada solu¸ao. c˜ Usaremos a seguinte conven¸ao: c˜ ms → massa do soluto msv → massa do solvente

onde

mt → massa do solu¸ao c˜ mt = ms + msv

(2.18)

T´ ıtulo τ
´ E o quociente de massa do soluto pela massa total da solu¸ao c˜ (soluto + solvente). T = ou ms msv (2.19)

Exerc´ ıcios Complementares
4. (COMVESUMC) O acido que corresponde a classifica¸ao ´ ` c˜ mono´cida, oxi´cido, e tern´rio ´: a a a e

74 τ= ms ms + msv (2.20)

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Equivalente-Grama
´ E a massa molar do soluto dividida pela carga total do c´tion ou do anion de uma substˆncia. a ˆ a

sendo o t´ ıtulo uma grandeza adimensional.

Porcentagem em Massa P
´ E o quociente da massa do soluto (multiplicado por 100) pela massa total da solu¸ao (soluto + solvente). c˜

E= sendo

M x

(2.27)

ms P = × 100% mt

(2.21)

M → massa molar x → carga do ation ou anion ´ ˆ o Para um acido: x → n de H + ´

onde a rela¸ao entre porcentagem em massa e t´ c˜ ıtulo ´ e P = τ × 100% (2.22)

Para um base: x → no de OH −

N´ mero de Equivalentes-Gramas u
Corresponde a massa da amostra pelo equivalente-grama da substˆncia. a NE = ms E (2.28)

Concentra¸˜o Comum C ca
´ E o quociente da massa do soluto (emgramas), pelo volume da solu¸ao (emlitros). c˜ C= ms V (2.23)

Normalidade
´ E o n´mero de equivalentes-gramas do soluto dividido pelo u volume da solu¸ao em litros. c˜ N= NE V (2.29)

onde a rela¸ao entre a concentra¸ao comum, t´ c˜ c˜ ıtulo e densidade da solu¸ao ´ c˜ e C = d · τ · 1000 Onde: C → Concentra¸ao Comum (g/l) c˜ d → Densidade (g/ml) τ → T´ ıtulo (2.24)

Observa¸˜o: a melhor maneira de se calcular a normalica dade ´ a partir da molaridade, usando a express˜o: e a N =M ·x (2.30)

Resumo das Principais Equa¸oes c˜
Rela¸oes das Massas c˜

Molaridade M
Concentra¸ao em M ol/l ou Molaridade M ´ o quociente c˜ e do n´mero de mols do soluto pelo volume da solu¸ao (em u c˜ litros). Sendo: ns → n´mero de mols do soluto u d → massa do soluto (g) Ms → massa molar do soluto (g) V → volume da solu¸ao (l) c˜ M → molaridade (mols) N´ mero de Mols u

m = m1 + m2

n1 = Densidade d= T´ ıtulo T = M= onde ns = ns V ms Ms (2.25) (2.26) Porcentagem em Massa

m1 mol1

m V

m1 m

P = 100 ·

m1 m

Qu´ ımica B – Aula 1 Concentra¸˜o (g/l) ca C= Molaridade M= n1 V m1 V

75 evaporado completamente para a produ¸ao de 5 kg de sal c˜ de cozinha ´ aproximadamente: e a) 12 l b) 25 l c) 40 l d) 200 l e) 430 l

Molalidade (mol/kg) de solvente W = n1 m2

Exerc´ ıcios Complementares

Concentra¸˜o em Equivalentes-Gramas ca N= Ne1 V 4. (ACAFE) Para uma solu¸ao a 20 % em massa e densic˜ dade 4 g/ml, calcule a concentra¸ao em g/l. c˜ a) 80 g/l b) 800 g/l c) 8 g/l d) 8000 g/l e) 400 g/l

N´ mero de Equivalentes-Gramas u Ne1 = Equivalentes-Gramas mol E= x m E

Pense um Pouco!
• Pense em poss´ ıveis aplica¸oes dos conceitos apresentac˜ dos at´ aqui, referentes a solu¸oes e cite alguns exeme c˜ plos. • Se fervermos uma solu¸ao de agua+sal, e a agua for evac˜ ´ ´ porando, o que acontese com as propriedades da solu¸ao c˜ (M , τ , P , etc)?

5. (ACAFE) Uma gota de agua ocupa um volume aproxi´ mado de 0, 0500 ml. Sabendo-se que a densidade da agua ´ ´ 1, 00 g/cm3 . O n´mero de mol´culas por gota de agua e u e ´ ser´: a a) 1, 67 × 1021 b) 1, 67 × 1023 c) 6, 00 × 1023 d) 6, 00 × 1021 e) 3, 00 × 1021 6. Uma solu¸ao de AgN O3 a 1, 00 % em agua ´ utilizada c˜ ´ e para tratar os olhos de rec´m-nascidos. Sendo a densidade e da solu¸ao 1, 08 g/ml, a sua molaridade em mol/l ´: c˜ e a) 1, 0 mol/l b) 0, 10 mol/l c) 20 mol/l d) 0, 5 mol/l e) 0, 06 mol/l

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ACAFE) A massa de BaCl2 necess´ria para preparar a 25 litros de solu¸ao 0, 1 M deste sal ser´: c˜ a a) 208 g b) 520 g c) 260 g d) 416 g e) 71 g 2. (ACAFE) A ur´ia, N H2 CON H2 , ´ um produto do mee e tabolismo de prote´ ınas. Que massa de ur´ia ´ necess´ria e e a para preparar 500 ml de uma solu¸ao 0, 20 M ? c˜ a) 5, 1 g b) 12, 0 g c) 18, 0 g d) 24, 0 g e) 6, 0 g 3. (ACAFE) A concentra¸ao de N aCl na agua do mar ´ de c˜ ´ e 0, 43 mol/l. O volume em l, de agua do mar que deve ser ´

Qu´ ımica B

Aula 1

O que ´ Qu´ e ımica?
Qu´ ımica ´ a ciˆncia que estuda a natureza da mat´ria, suas e e e propriedades, suas transforma¸oes e a energia envolvida nesc˜ ses processos. A qu´ ımica est´ presente em toda mat´ria orgˆnica e a e a inorgˆnica, natural e artificial e tem contato di´rio e direto a a com o homem.

76

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o vez mais gerais, que nos permitam prever e controlar os fenˆmenos futuros. o Observa¸˜o → Hip´teses → Experimenta¸˜o → ca o ca Medi¸˜o → Leis experimentais → Modelo cient´ ca ıfico

Fenˆmenos Qu´ o ımicos e F´ ısicos
Fenˆmeno ´ qualquer acontecimento da natureza. Quando o e ocorre um fenˆmeno, uma transforma¸ao, h´ altera¸ao no o c˜ a c˜ sistema do estado inicial ao estado final.

Um Pouco de Hist´ria... o
Podemos dizer que tudo come¸ou com o homem primitivo, c quando ele aprendeu a “produzir o fogo”, a coser seus alimentos, a fazer tintas para se pintar, a usar plantas como rem´dio para suas doen¸as, etc. No come¸o da era crist˜, e c c a surgiram os chamados alquimistas, que sonhavam em descobrir o “elixir da longa vida”, aperfei¸oaram t´cnicas de c e metalurgia, introduziram a qu´ ımica medicinal, sintetizaram v´rias substˆncias, isolaram outras, al´m de terem rea a e gistrado um grande n´mero de experimentos em suas obu serva¸oes. c˜ A partir do s´culo XVII, a ciˆncia se transforma, tornandoe e se mais experimental e menos filos´fica. Dentre os cieno tistas com essa nova proposta, destacam-se o inglˆs Roe bert Boyle(1627-1691)- com seus estudos sobre o comportamento dos gases, a distin¸ao entre mistura e “combina¸ao”, c˜ c˜ e o francˆs Antoine Laurent Lavoisier (1743-1794) publie cou (Tratado elementar de Qu´ ımica) que estabeleceu um marco na qu´ ımica moderna, no qual podemos destacar o Princ´ ıpio da Conserva¸ao da Massa, a descoberta do elec˜ mento oxigˆnio e sua an´lise quantitativa da composi¸ao da e a c˜ agua. Por seu trabalho, Lavoisier ´ considerado o “pai da ´ e Qu´ ımica”.

Figura 2.1: O pai da Qu´ ımica: Lavoisier (1743-1794)

Fenˆmeno F´ o ısico ´ E qualquer transforma¸ao sofrida por um material sem que c˜ ocorra altera¸˜o de sua constitui¸ao ´ ca c˜ ıntima de seus constituintes. Ex: o amassar do papel, evapora¸ao da agua, c˜ ´ quebra de um objeto. Fenˆmeno Qu´ o ımico ´ E qualquer transforma¸ao sofrida por um material de modo c˜ que haja altera¸˜o na sua constitui¸ao ´ ca c˜ ıntima de seus constituintes. Ex: oxida¸ao do ferro (forma¸ao da ferruc˜ c˜ gem), apodrecimento de um alimento.

A Importˆncia da Qu´ a ımica
Podemos dizer que tudo a nossa volta ´ qu´ ` e ımica, pois todos os materiais que nos cercam passaram ou passam por algum tipo de transforma¸ao. A qu´ c˜ ımica proporciona progresso, desenvolvimento e atrav´s do uso dela que suprie mos as necessidades: O uso de materiais de limpeza e higiene, roupas de fios artificiais, desenvolvimento da ind´stria u farmacˆutica, fertilizantes e pesticidas para planta¸ao, proe c˜ dutos industrializados cuja obten¸ao depende de transc˜ forma¸oes qu´ c˜ ımicas como pl´sticos, vidros, tintas, cimento a etc.

Pense um Pouco!
M´todo Cient´ e ıfico
Desenvolvido por Galileu Galilei o m´todo cient´ e ıfico ´ a base e ¯ de toda a Ciˆncia, pois sintetiza o conjunto de atividades e que visam observar, experimentar, explicar e relacionar os fenˆmenos da natureza, criando leis, teorias e modelos cada o • Fatos comuns envolvendo materiais e transforma¸oes c˜ qu´ ımicas s˜o de conhecimento recente ou antigo? a • Quais as atividades do seu dia em que a qu´ ımica est´ a presente?

Qu´ ımica B – Aula 2

77

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (U.E.CE) Assinale a alternativa correta: a) Oxida¸ao do ferro ´ um fenˆmeno f´ c˜ e o ısico b) Fus˜o do chumbo ´ um fenˆmeno qu´ a e o ımico. c) Combust˜o da madeira ´ um fenˆmeno qu´ a e o ımico. d) Queima do papel ´ um fenˆmeno f´ e o ısico. 2. (UFSC) Indique na rela¸ao abaixo os fenˆmenos f´ c˜ o ısicos (F) e os fenˆmenos qu´ o ımicos (Q). a) ( ) Queima da gasolina nos motores dos carros b) ( ) Digest˜o dos alimentos ingeridos a c) ( ) Forma¸ao de ferrugem c˜ d) ( ) Quebra de um objeto e) ( ) Enfiar um prego na madeira f) ( ) Derretimento de um iceberg 3. (UFPR) Aquecer uma barra de ferro at´ o ponto de fus˜o, e a recolher o l´ ıquido em uma forma esf´rica, transformando a e barra em uma bola de ferro, ´ exemplo de fenˆmeno: e o a) Qu´ ımico, pois altera a forma da barra de ferro. b) F´ ısico, pois a substˆncia continua sendo ferro. a c) F´ ısico-qu´ ımico, pois h´ altera¸ao na forma da a c˜ substˆncia. a d) N˜o ´ exemplo de fenˆmeno. a e o

Qu´ ımica B
Mat´ria e Energia e

Aula 2

Mat´ria ´ tudo aquilo que tem massa e ocupa lugar no e e espa¸o, ou seja, tˆm volume. c e Corpo ´ qualquer por¸ao limitada da mat´ria. Se uma e c˜ e por¸ao de mat´ria se presta a um certo uso, ela ´ chamada c˜ e e de objeto ou sistema. Durante a queima de uma vela (mat´ria), ela se desgasta, e produzindo fuma¸a (mat´ria: fuligem e gases) e liberando c e energia (luz: energia luminosa; calor: energia calor´ ıfica). Desse modo, podemos conceituar energia como tudo aquilo que pode modificar a estrutura da mat´ria, provocar ou anue lar movimentos e, ainda, iluminar aquecer e resfriar pode at´ e causar sensa¸oes. c˜ Princ´ ıpio da conserva¸ao de mat´ria e energia: A mat´ria c˜ e e e energia n˜o podem ser criadas nem destru´ a ıdas; podem somente ser transformadas.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (F.E.-SP) Sejam os seguintes fenˆmenos: I. sublima¸ao o c˜ da naftalina, II. forma¸ao da ferrugem, III.queima do alcool c˜ ´ comum, IV.fus˜o do gelo. S˜o qu´ a a ımicos: a) todos b) nenhum c) somente II e III d) somente I e III e) somente II e IV 5. (MACKENZIE-SP) I. Fus˜o do gelo, II. Sublima¸ao do a c˜ iodo, III. Digest˜o dos alimentos, IV. Queima de madeira. a S˜o exemplos de fenˆmenos: a o a) I e II qu´ ımicos b) I e IV f´ ısicos c) II e III f´ ısicos d) II e IV qu´ ımicos e) III e IV qu´ ımicos 6. (UDESC) Aquecendo uma fita de magn´sio at´ a come e bust˜o, notamos o desprendimento de fuma¸a, restando um a c p´ branco. Isso ´ exemplo de fenˆmeno: o e o a) F´ ısico, pois alterou a estrutura do magn´sio. e b) Qu´ ımico, pois houve a forma¸ao de novas substˆncias. c˜ a c) F´ ısico, pois podemos juntar o p´ branco e a fuma¸a, reo c cuperando o magn´sio. e d) N˜o ´ exemplo de fenˆmeno. a e o

Lei da Conserva¸˜o da Massa ca
”A soma das massas dos reagentes ´ igual a soma e das massas dos produtos”. Ou ainda, ”Na natureza, nada se cria, nada se perde; tudo se transforma”.

Estados da Mat´ria e
Existem v´rios tipos de mat´ria e cada um ´ chamado de a e e substˆncias que podem se apresentar num dos trˆs estados a e f´ ısicos:

S´lido (S) o A substˆncia apresenta forma e volume constantes a (part´ ıculas fortemente unidas, bem arrumadas e com movimento vibrat´rio discreto); o

L´ ıquido (L) A substˆncia apresenta forma vari´vel e volume constante a a (part´ ıculas levemente unidas, havendo certa liberdade de movimento);

Gasoso (G) A substˆncia apresenta forma e volume variados (part´ a ıculas livres umas das outras, havendo total liberdade de movimento);

78

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o O princ´ ıpio da incerteza, de Heisenberg, diz que: ´ “E imposs´ ıvel se determinar simultaneamente a posi¸ao e a velocidade de um c˜ el´tron.” e Com base nesse princ´ ıpio, criou-se modernamente a id´ia de orbital, como sendo a regi˜o onde h´ grande e a a possibilidade (probabilidade) do el´tron ser encontrado. e Na pr´tica, podemos pensar no el´tron como uma “nua e vem” que circunda o n´cleo. u

Mudan¸as de Estado c
• Fus˜o (S → L): a substˆncia funde a temperatura fixa a a ` (ponto de fus˜o) a uma certa press˜o. Ex.: o gelo funde a a a 0◦ C ao n´ do mar. ` ıvel • Solidifica¸˜o (L → S): a substˆncia solidifica a uma ca a ` temperatura fixa igual ao ponto de fus˜o, j´ que o proa a cesso ´ inverso ao da fus˜o. Ex.: o congelamento da e a agua tamb´m ocorre a 0◦ C ao n´ do mar, quando a ´ e ` ıvel temperatura est´ baixando; a • Vaporiza¸˜o (L → G): ´ a passagem de uma ca e substˆncia do estado l´ a ıquido para o estado de g´s, que a ocorre quando suas mol´culas atingem o seu chamado e ponto de ebuli¸ao. Pode ocorrer de trˆs modos: c˜ e 1. Evapora¸ao: ocorre a temperatura ambiente ´ c˜ ` e lenta e espontˆnea (ex: a agua de um lago evaa ´ pora com o calor do sol); 2. Ebuli¸ao: ocorre quando fornecemos calor ao c˜ l´ ıquido, ´ r´pida e violenta (ex: uma chaleira e a d’´gua fervendo); a 3. Calefa¸ao: ocorre quando se borrifa um l´ c˜ ıquido numa chapa aquecida acima do seu ponto de ebuli¸ao (ex.: pingar uma gota d’´gua numa chapa c˜ a de ferro muito quente). • Condensa¸˜o G → L: a substˆncia no estado gaca a soso ´ resultado de um l´ e ıquido vaporizado que, ao sofrer um resfriamento, retorna ao estado l´ ıquido por condensa¸ao. (ex: got´ c˜ ıculas de agua se formam na ´ tampa de uma chaleira). Outro processo similar ´ a e Liquefa¸˜o: ´ a condensa¸ao de uma substˆncia que ca e c˜ a em condi¸oes ambientes, ´ um g´s que ao comprimi-la c˜ e a (aumentar a press˜o) passa para o estado l´ a ıquido (ex.: o g´s de cozinha ´ comprinido num botij˜o e se liquefaz a e a – g´s liquefeito de petr´leo (GLP)). a o • Sublima¸˜o S → G: a substˆncia passa da forma ca a s´lida diretamente para o estado gasoso (ex: naftalina, o iodo, cˆnfora). a

Elementos e Substˆncias a
Todos as substˆncias encontradas na natureza s˜o consa a titu´ ıdas por combina¸oes de atomos, que por sua vez, s˜o c˜ ´ a as estruturas f´ ısico-qu´ ımicas est´veis elementares. a • Elemento qu´ ımico: ´ o conjunto de todos os atomos e ´ quimicamente iguais. • Substˆncia Simples: s˜o substˆncias formadas por a a a atomos de um amesmo mesmo elemento qu´ ´ ımico, e que por a¸ao de agentes f´ c˜ ısicos n˜o se decomp˜e, e pora o tanto, n˜o forma outras substˆncias. Exemplos: H, O, a a O3 . Chama-se de alotropia o fenˆmeno pelo qual um o unico elemento qu´ ´ ımico forma duas ou mais substˆncias a simples diferentes. Exemplo: o carbono pode ser encontrado na natureza em duas formas diferentes: o grafite e o diamante. • Substˆncias Compostas: s˜o formadas por atomos a a ´ de dois ou mais elementos qu´ ımicos diferentes, e que por a¸ao de agentes f´ c˜ ısicos, se decomp˜em formando o duas ou mais substˆncias novas. Exemplos: agua + a ´ eletricidade → g´s oxigˆnio + g´s hidrogˆnio. a e a e

Sistemas e Misturas
Para acilitar o estudo da Qu´ ımica definimos: • Sistema: ´ uma parte do universo f´ e ısico que cont´m ou e n˜o mat´ria, cujas propriedades est˜o sob investiga¸oes a e a c˜ cient´ ıficas. • Mistura Homogˆnea: mistura de substˆncias que e a apresenta unico aspecto e as mesmas caracter´ ´ ısticas em toda a sua extens˜o. A mistura homogˆnea pode ser a e uma solu¸ao monof´sica, por exemplo agua + a¸ucar, c˜ a ´ c´ ou uma liga met´lica, como exemplos temos o lat˜o a a (cobre (Cu) + zinco (Zn)) ou o bronze (cobre (Cu) + estanho (Sn)). • Mistura Heterogˆnea: mistura que apresenta v´rios e a aspectos f´ ısicos, sendo poss´ de distinguir seus comıvel ponentes (polif´sica). Exemplo: agua + oleo + areia. a ´ ´

´ Part´ ıculas e Atomos
Toda a mat´ria conhecida ´ formada por trˆs tipos de e e e part´ ıculas elementares fundamentais: • Pr´ton: part´ o ıcula massiva que possui uma carga el´trica elementar positiva (+e) e participa da forma¸ao e c˜ do n´cleo dos atomos; u ´ • Nˆutron: part´ e ıcula tamb´m massiva que n˜o possui e a carga el´trica, mas desempenha um importante pae pel na estrutura e estabilidade interna do n´cleo dos u atomos, reduzindo a repuls˜o coulombiana entre os ´ a pr´tons; o • El´tron: part´ e ıcula muito leve que possui uma carga elementar negativa (−e) e circula o n´cleo atˆmico, u o formando uma esp´cie de nuvem (orbital). No seu moe vimento ao redor do n´cleo, apresenta um “comportau mento duplo” de part´ ıcula e onda; da´ dizer-se que a ı natureza do el´tron ´ a de uma part´ e e ıcula-onda.

Pense um Pouco!
• O iodo (I) ´ um s´lido de cor castanha. Ao ser aquee o cido libera vapores violeta, que se transformam em iodo s´lido ao encontrarem uma superf´ fria. Explique e o ıcie dˆ o nome dos fenˆmenos observados. e o

Qu´ ımica B – Aula 3 • Durante a ebuli¸ao da agua destilada (´gua pura) a c˜ ´ a temperatura n˜o se modifica, ao passo que, durante a a ebuli¸ao da agua do mar, a temperatura continua c˜ ´ aumentando. Pense um pouco e explique esse fato.

79

Qu´ ımica B

Aula 3

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFSC) Mat´ria ´ tudo que tem massa e ocupa lugar no e e espa¸o. S˜o exemplos de mat´ria (marque V ou F): c a e a) ( ) pedra b) ( ) madeira c) ( ) corpo humano d) ( ) ar e) ( ) agua ´ f) ( ) carro 2. (PUC-SP) O conceito de elemento qu´ ımico est´ relacioa nado com a id´ia de: e a) atomo ´ b) mol´cula e c) ´ ıon d) substˆncia pura a e) mistura 3. (UDESC) Assinale a op¸ao que apresenta apenas c˜ substˆncia simples: a a) H2 , Cl2 , N2 , CH4 b) M gCl2 , H2 O, H2 O2 , CCl4 c) N a2 O, N aCl, H2 , O2 d) CCl4 , H2 O, Cl2 , HCl e) H2 , Cl2 , O2 , N2

Metais, Semimetais e Ametais
Para distinguir diferentes tipos de atomos usamos: ´ • N´ mero Atˆmico ou Z: ´ o n´mero correspondente u o e u a carga nuclear, ou seja, o n´mero de pr´tons (P ) exisu o tente no n´cleo. Ent˜o: Z = P ; u a • N´ mero de Massa ou A: ´ o total de pr´tons P e de u e o nˆutrons N existente no n´cleo. Assim: A = P + N . e u O n´mero de massa A define em si a massa do atomo, u ´ j´ que os el´trons possuem uma massa desprez´ a e ıvel. Exemplos 1. Hidrogˆnio (H): Z = 1, A = 1, N = 0; e 2. H´lio (He): Z = 2, A = 4, N = 2; e 3. Urˆnio (U ): Z = 92, A = 238, N = 146. a Considerando um elemento no estado natural, com atomos ´ eletricamente neutros, temos: o N o de pr´tons = Z

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UFMG) Considerando-se completa ausˆncia de polui¸ao e c˜ entre os materiais citados a seguir, a substˆncia pura ´: a e a) ar b) agua ´ c) madeira d) cinza e) terra 5. (Acafe-SC) A passagem turbulenta de um l´ ıquido para o estado de vapor, com agita¸ao em toda sua massa l´ c˜ ıquida, denomina-se: a) ebuli¸ao c˜ b) evapora¸ao c˜ c) sublima¸ao c˜ d) calefa¸ao c˜ e) irradia¸ao c˜ 6. (UDESC) A libera¸ao ou consumo de energia: c˜ a) S´ ocorre em transforma¸oes f´ o c˜ ısicas. b) S´ ocorre em transforma¸oes qu´ o c˜ ımicas. c) Em geral, ´ menor nos fenˆmenos f´ e o ısicos do que nos qu´ ımicos. d) Em geral, ´ maior nos fenˆmenos f´ e o ısicos do que nos qu´ ımicos. e) Nunca ocorre nas transforma¸oes materiais. c˜

N o de el´trons = Z e

N o de neutros = A − Z Para um atomo de elemento X qualquer representamos, usa´ mos a seguinte nota¸ao: c˜
ZX A

para representar o seu n´mero atˆmico e sua massa atˆmica. u o o Exemplo: para um atomo de ferro temos 26 F e56 . ´

Is´topos e Is´baros o o
• Is´topos: s˜o atomos com mesmo n´mero de pr´tons o a ´ u o (Z) e diferente do n´mero de massa (A); apresentam u propriedades qu´ ımicas iguais e f´ ısicas diferentes. Exemplo O hidrogˆnio (H) possui trˆs is´topos conhecidos: e e o 1. o hidrogˆnio comum (pr´tio): 1 H 1 , com N = 0 e e o Z = 1; 2. o deut´rio: 1 H 2 , com N = 1 e Z = 1; e 3. o tr´ ıtio: 1 H 1 , com N = 2 e Z = 1;

80

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o • Fam´ ılias: s˜o as colunas verticais da tabela, elementos a da mesma fam´ apresentam propriedades qu´ ılia ımicas semelhantes. Algumas fam´ ılias importantes: – Metal: possui de 1 a trˆs el´trons na camada exe e terna; – N˜o-metal: possui de 5 a 7 el´trons na camada a e externa; – Elementos Representativos: apresentam subn´ ıveis mais energ´ticos s e p, fam´ A e gases nobres e ılia com 1 A, 2 A, 13 A a 18A; – Elementos de Transi¸ao: apresentam subn´ c˜ ıvel mais energ´tico d nas fam´ e ılias 3B at´ 12B; e Figura 2.1: Alum´ ınio met´lico comum. a – Elementos de Transi¸ao Interna: apresentam c˜ subn´ ıvel mais energ´tico f . Os lantan´ e ıdios e actin´ ıdios;

• Is´baros: s˜o atomos de diferentes n´meros de o a ´ u ¯ pr´tons (elementos diferentes), mas que possuem o o mesmo n´mero de massa (A); apresentam propriedau des qu´ ımicas e f´ ısicas diferentes; Exemplo Alguns is´topos do C´lcio e do Argˆnio possuem o o a o mesmo n´mero de massa A = 40: 20 Ca40 e 19 Ar40 u • Is´tonos: s˜o atomos que possuem o mesmo n´mero o a ´ u de nˆutrons (elementos diferentes), apresentando A e Z e diferentes; apresentam propriedades qu´ ımicas e f´ ısicas diferentes; Exemplo Boro e Carbono: 5 B 11 (N = 6) e 6 C 12 (N = 6)

Classifica¸˜o dos Elementos ca
D¨bereiner, em 1817, demonstrou a existˆncia de Tr´ o e ıades de elementos com propriedades qu´ ımicas semelhantes, onde o peso atˆmico de um elemento era aproximadamente a m´dia a e aritm´tica dos pesos atˆmicos dos outros dois. Ex: cloro, e o bromo e iodo. Newlands, em 1863, dividiu os elementos de ordem crescente de pesos atˆmicos, em grupos de sete, an´logo as oitavas o a ` musicais, logo, esta id´ia foi abandonada. e Dmitri Mendeleyev, em 1869, propˆs uma tabela muito seo melhante a atual, mas que apresentava os elementos dispos` tos em ordem crescente de pesos atˆmicos, essa classifica¸ao o c˜ definiu seis elementos desconhecidos. Moseley, em 1913, verificou que os elementos qu´ ımicos na Tabela Peri´dica deveriam obedecer a uma ordem crescente o de n´mero atˆmico, e chegou-se at´ a tabela atual; u o e Na tabela atual al´m de os elementos serem colocados em e ordem crescente de n´mero atˆmico, observa-se a seguinte u o disposi¸ao (veja Apˆndice): c˜ e • Per´ ıodos ou S´ries: s˜o as filas horizontais em e a n´mero de 7 e indicam os n´ u ıveis ( K, L, M, N, O, P, Q ); elementos do mesmo per´ ıodo apresentam propriedades qu´ ımicas diferentes.

Figura 2.2: O l´ ıtio, metal da fam´ 1A. ılia

´ Ions e Valˆncia e
Quando um atomo est´ com falta ou excesso de el´trons, ´ a e sua carga l´ ıquida n˜o ´ mais zero, e o chamamos de ´ a e ıon: • C´tion: ´ positivo ou atomo que perdeu um ou mais a ıon ´ el´trons; e ˆ • Anion: ´ negativo ou atomo que ganhou um ou mais ıon ´ el´trons; e A valˆncia de um atomo ionizado (´ e ´ ıon) ´ definida pelo e n´mero de el´trons removidos ou adicionados ao atomo u e ´ (´ ıon). • monovalente: ´ com excesso (ou falta) de um el´tron; ıon e • bivalente: ´ com excesso (ou falta) de dois el´trons; ıon e • trivalente: ´ com excesso (ou falta) de trˆs el´trons; ıon e e • tetravalente: ´ ıon com excesso (ou falta) de quatro el´trons; e • ...

Qu´ ımica B – Aula 4 Exemplos • Ca+ ´ um c´tion monovalente de c´lcio. e a a • F e−2 ´ um anion bivalente do ferro. e ˆ • K +3 ´ um c´tion trivalente do pot´ssio. e a a b) Isotopia, isobaria, isotonia. c) Isobaria, isotopia, isotonia. d) Isotopia, isotonia, isobaria. e) isobaria, isotonia, isotopia.

81

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UNIFOR) O atomo desconhecido 17 X 37 tem igual ´ n´mero de nˆutrons que o atomo de c´lcio 20 Ca. O n´mero u e ´ a u de massa A do atomo de Ca ´ igual a: ´ e a) 10 b) 17 c) 20 d) 37 e) 40 5. (CESGRANRIO) Um certo atomo X ´ is´baro do Ca40 ´ e o e is´topo do 18 Ar36 . O n´mero de nˆutrons do atomo X ´: o u e ´ e a) 4 b) 18 c) 22 d) 36 e) 40 6. (FEI-SP) Um c´tion met´lico trivalente tem 76 el´trons a a e e 118 nˆutrons. O atomo de elemento qu´ e ´ ımico do qual se originou tem n´mero atˆmico e n´mero de massa, respectiu o u vamente: a) 76 e 194 b) 76 e 197 c) 79 e 200 d) 79 e 194 e) 79 e 197

Propriedades Peri´dicas o
S˜o as propriedades que dependem da posi¸ao do atomo a c˜ ´ na tabela peri´dica, e que variam suavemente entre atomos o ´ vizinhos. Exemplos

Pense um Pouco!
• O que ocorre quando um el´tron de um atomo ´ cape ´ e turado por outro atomo diferente? ´ • Seria poss´ ıvel produzirmos agua (H2 O) com deut´rio ´ e ou tr´ ıtio? Ela teria um gosto diferente? O que seria diferente nessa nova agua? ´ • O n´mero atˆmico de um atomo ne nitrogˆnio ´ 7 e seu u o ´ e e n´mero de massa ´ 14. Qual ´ o n´mero de pr´tons, de u e e u o el´trons e nˆutrons desse atomo neutro? e e ´

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UDESC) Um determinado atomo apresenta 16 pr´tons, ´ o 16 el´trons e 16 nˆutrons; outro atomo apresenta 16 pr´tons, e e ´ o 16 el´trons e 17 nˆutrons.”Sobre eles, s˜o feitas as seguintes e e a afirmativas: I - Os atomos s˜o is´tonos. ´ a o II - Os atomos s˜o is´baros. ´ a o III - Os atomos s˜o is´topos. ´ a o IV. - Os atomos tˆm o mesmo n´mero atˆmico. ´ e u o V - Os atomos pertencem elementos qu´ ´ ımicos diferentes. Em rela¸ao as afirma¸oes acima, podemos dizer que s˜o corc˜ ` c˜ a retas apenas: a) I e V b) II e III c) III e IV d) I e IV e) II e V 2. (UFSC) Um determinado atomo apresenta 20 pr´tons, ´ o 20 nˆutrons e 20 el´trons; outro, apresenta 20 pr´tons, 21 e e o nˆutrons e 20 el´trons. Marque V ou F: e e a) ( ) Pertencem a elementos qu´ ımicos diferentes. b) ( ) S˜o is´baros a o c) ( ) S˜o is´topos a o d) ( ) Tˆm o mesmo n´mero atˆmico e u o e) ( ) O n´mero de massa de ambos ´ de 41 u e

Qu´ ımica B
Propriedades Peri´dicas o

Aula 4

A Tabela Peri´dica foi elaborada com base nas propriedades o qu´ ımicpas e f´ ısicas dos elementos, analisando-a, podemos obter informa¸oes sobre eles, chegando-se assim a propric˜ edades importantes dos per´ ıodos e fam´ ılias (ou grupos) qu´ ımicos:

´ Tamanho do Atomo
Os fatores determinantes do tamanho de ump atomo s˜o o ´ a n´meros de camadas eletrˆnicas (Z) e carga nuclear (P ). u o Nas fam´ ılias: a medida que o Z aumenta, o n´mero de ` u camadas aumenta, o que leva ao aumento do tamanho do atomo (de cima para baixo); ´

Nos per´ ıodos: a medida que o Z aumenta, o n´mero ` u 3. (Acafe-SC) Os pares de atomos C 12 e C 13 ; K 40 e Ar40 ; de camadas permanece igual, mas a carga nuclear au´ c˜ u e Ca40 e Ar38 representam, respectivamente, a ocorrˆncia de: menta, Z aumenta, a atra¸ao do n´cleo sobre os el´trons e perif´ricos tamb´m aumenta, resultando atomos menores. e e ´ a) Isotonia, isotopia, isobaria.

82

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Eletroafinidade
´ E a medida de energia liberada por um atomo isolado no ´ estado gasoso ao receber um el´tron, formando o ´ gasoso e ıon negativo(ˆnion). a

Exemplo Ioniza¸ao do cloro (Cl): c˜ Cl(g) + e− → Cl− (g) + 83, 3Kcal/mol e nesnte caso a energia ´ liberada na rea¸ao. e c˜ Nas fam´ ılias a eletroafinidade aumenta debaixo para cima; e nos per´ ıodos aumenta da esquerda para direita. Figura 2.1: A Tabela Peri´dica. o

Num per´ ıodo, o tamanho do atomo aumenta da direita para ´ a esquerda.

Eletronegatividade
Propriedade que o atomo apresenta maior ou menor ´ tendˆncia de atrair el´trons para si, resultando da a¸ao cone e c˜ junta da (Ei ) e da eletroafinidade, ou seja, compara a for¸a c de atra¸ao exercida pelo atomo sobre seus el´trons. c˜ ´ e

Potencial de Ioniza¸˜o ca
´ E a medida de energia fornecida a um atomo isolado no ´ estado gasoso para retirar ou desprender um el´tron, fore mando um ´ gasoso positivo(c´tion). Quanto maior o taıon a manho do atomo, menor energia de ioniza¸ao (E i ), numa ´ c˜ fam´ a (Ei ) aumenta debaixo para cima. Nos per´ ılia ıodos (Ei ) aumenta da esquerda para direita.

Figura 2.3: Aumento da eletroafinidade dos atomos. ´ Nas fam´ ılias aumenta debaixo para cima e nos per´ ıodos aumenta da esquerda para direita. Figura 2.2: Aumento da energia de ioniza¸ao dos atomos. c˜ ´

Reatividade Qu´ ımica
Exemplo Considere uma amostra de s´dio gasoso (P = 11, Z = 11): o N a(g) + Ei = +119 kcal/mol → N a (g) + e (g) Neste caso, a energia de ioniza¸ao (Ei ) do s´dio ´ de c˜ o e 119 kcal/mol, e o sinal positivo indica que a energia deve ser absorvida.
+ −

Est´ relacionada com o car´ter met´lico ou n˜o-met´lico de a a a a a um elemento, quanto maior a capacidade de perder el´trons e mais met´lico ´ o elemento. a e Quanto maior o tamanho do atomo menor o potencial de ´ ioniza¸ao (Ei ) e menor a eletronegatividade = maior car´ter c˜ a met´lico = maior reatividade qu´ a ımica do metal. Quanto menor o tamanho do atomo maior a eletroafinidade, ´ maior a eletronegatividade e maior car´ter n˜o-met´lico = a a a maior a reatividade qu´ ımica do n˜o-metal. a

Qu´ ımica B – Aula 4

83

Figura 2.4: Aumento da Reatividade qu´ ımica.

Figura 2.6: Aumento do volume atˆmico dos atomos. o ´

Densidade (ρ)
A densidade ou massa espec´ ıfica de um corpo ´ a raz˜o entre e a sua massa m e seu volume V , ou seja, ρ= m V

Ponto de Fus˜o (PF ) a
´ E a temperatura em que um s´lido passa do estado s´lido o o para o estado l´ ıquido.

e ser´ medida em kg/m3 no SI, ou tamb´m em g/cm3 . a e Exemplo: a densidade do alum´ ınio (Al) ´ ρAl = e 2, 700 g/cm3 = 2.700 kg/m3 .

Figura 2.7: Aumento do Ponto de Fus˜o (PF ). a Nas fam´ ılias, o PF aumenta de cima para baixo, exceto em 1(1A) e 2(2A), que ´ o contr´rio; nos per´ e a ıodos, aumenta das laterais para o centro.

Figura 2.5: Aumento da densidade dos atomos. ´ Nas fam´ ılias aumenta de cima para baixo, e nos per´ ıodos aumenta das laterais para o centro.

Pense um Pouco!
• Dentre as propriedades peri´dicas estudadas, quais s˜o o a f´ ısicas e quais s˜o qu´ a ımicas? • Qual o elemento mais denso que vocˆ j´ viu? Consulte a e a tabela peri´dica do Apˆndice e verifique se existe algum o e elemento ainda mais denso. • Cite exemplos de semi-metais e n˜o-metais conhecidos. a

Volume Atˆmico v o
Mede o volume molar espec´ ıfico do material s´lido, e est´ o a relacionado com a estrutura cristalina do elemento (distribui¸ao dos atomos no espa¸o): c˜ ´ c v= . Nas fam´ ılias o volume atˆmico aumenta de cima para baixo, o e nos per´ ıodos aumenta do centro para as laterais. massa molar M = densidade ρ

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UDESC) Observe os elementos representados na Tabela Peri´dica e julgue os itens (V = verdadeiro e F = falso), na o ordem: I - A eletronegatividade dos elementos boro(B) , carbono

84 (C), nitrogˆnio (N ), oxigˆnio (O) e fl´or(F ) diminui da die e u reita para a esquerda. II - O elemento de menor eletropositividade ´ o c´sio (Cs). e e III - Dentre os elementos conhecidos, o boro (B) ´ o unico e ´ semimetal. IV - A energia de ioniza¸ao do criptˆnio (Kr) ´ maior que c˜ o e a do pot´ssio (K). a V - O raio atˆmico do magn´sio (M g) ´ maior que o de o e e s´dio (N a) porque ele possui um el´tron a mais. o e Assinale a alternativa que julga corretamente os itens acima, na seq¨ˆncia de I a V. ue a) F, V, V, F, F b) F, V, F, F, V c) F, F, F, V, F d) V, F, F, V, F e) V, V, F, F, V 2. (UFSC) Sobre os elementos N a, M g e Al, podem ser feitas as afirma¸oes: c˜ I - N a+ , M g ++ e Al+++ possuem o mesmo n´mero de u el´trons. e II - A ordem decrescente de eletronegatividade destes elementos ´ N a, M g e Al. e III - M g ++ e Al+++ possuem o mesmo n´mero de pr´tons. u o IV - A ordem crescente de reatividade com o H2 O ´: Al, e M g e N a. A op¸ao que cont´m apenas afirma¸oes corretas ´: c˜ e c˜ e a) I e IV b) I e III c) II e IV d) III e IV e) II e III 3. Na rea¸ao F (g) + e− (g) → F − (g) + 402 kcal/mol, a c˜ medida de energia 402 quilocalorias por mol representa: a) a eletronegatividade do fl´or u b) a eletropositividade do fl´or u c) o potencial de ioniza¸ao do fl´or c˜ u d) a eletroafinidade do fl´or u e) a polaridade do fl´or u

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Qu´ ımica B
Liga¸oes Qu´ c˜ ımicas

Aula 5

Compostos Iˆnicos e Moleculares o
A uni˜o de atomos formam diversas substˆncias, essa uni˜o a ´ a a (liga¸ao qu´ c˜ ımica) pode ocorrer de trˆs formas: e 1. liga¸ao iˆnica; c˜ o 2. liga¸ao covalente simples e dativa; c˜ 3. liga¸ao met´lica. c˜ a Os gases nobres s˜o elementos est´veis, pois apresentam oito a a el´trons na sua camada de valˆncia, exce¸ao do g´s h´lio. e e c˜ a e Estabilidade Eletrˆnica o Oito el´trons na camada de valˆncia. e e Liga¸˜o Iˆnica ca o Ocorre entre metal que tem tendˆncia de perder el´tron, e e com n˜o-metal, que tem tendˆncia de receber el´tron, fora e e mando ´ ıons de cargas contr´rias, que se atraem mutuaa mente. Exemplos Fazer o esquema de Lewis: N a+ Cl− : K + + Cl− : ´ Ion F´rmula o Conhecendo as valˆncias dos elementos cujos atomos v˜o se e ´ a ligar para formar um composto iˆnico, podemos calcular a o ´ f´rmula: ıon o
20 Ca 15 P

Exerc´ ıcios Complementares
4. Para que o ´ 7 N −3 se transforme no atomo neutro de ıon ´ nitrogˆnio, ele deve: e a) receber 3 pr´tons o b) perder 3 el´trons e c) receber 3 el´trons e d) perder 7 pr´tons o e) receber 7 el´trons e 5. Para que um atomo neutro de c´lcio se transforme no ´ a ´ Ca+2 , ele deve: ıon a) perder 2 pr´tons o b) receber 2 el´trons e c) perder 2 el´trons e d) receber 2 pr´tons o e) perder 1 pr´ton o

= 1s2 2s2 2p6 3s2 3p6 4s2 perde 2e− = 1s2 2s2 2p6 3s2 3p3 ganha 3e−

Escrevemos os s´ ımbolos na ordem crescente de eletronegatividade, de modo que o ´ ındice corresponda a valˆncia do ` e outro (regra de 3): Ca → valˆncia 2 + P → valˆncia 3 = Ca3 P2 e e Liga¸˜o Covalente Simples ca Ocorre entre n˜o-metais, e entre n˜o-metal e hidrogˆnio, e a a e seu princ´ ıpio ´ o compartilhamento de el´trons. e e O conjunto est´vel de atomos ligados entre s´ apenas por a ´ ı liga¸oes covalentes, ou seja por pares eletrˆnicos, recebe o c˜ o nome de mol´cula. e

Qu´ ımica B – Aula 5 Exemplos Cl + Cl → Cl2 H + O → HO H + Cl → HCl O + O → O2

85

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFSC) Considerando-se a liga¸ao qu´ c˜ ımica entre oxigˆnio e o alum´ e ınio, sob a luz da teoria do octeto, para a forma¸ao do oxido de alum´ c˜ ´ ınio, ´ correto afirmar (some os e n´meros correspondentes as alternativas corretas): u ` 01. Cada atomo de alum´ ´ ınio, perder´ 3 el´trons; a e 02. O Oxigˆnio ser´ o anion, com carga negativa igual a e a ˆ trˆs para cada atomo; e ´ 04. O envolvidos dois atomos de alum´ ´ ınio na liga¸ao; c˜ 08. Cada atomo de oxigˆnio receber´ dois el´trons; ´ e a e 16. O n´mero de cargas positivas, por f´rmula, ser´ seis. u o a 32. A configura¸ao eletrˆnica do Al +3 ser´ 1s2 2s2 2p6 . c˜ o a 64. A f´rmula m´ o ınima do oxido de alum´ ´ ınio conter´ quatro a atomos no total. ´ ´ 2. (UniRio-RJ) Atomos de um elemento X (n´mero atˆmico u o 20) e de outro elemento Y (n´mero atˆmico 7) unem-se por u o liga¸oes iˆnicas, originando o composto de f´rmula: c˜ o o a) XY b) X2 Y c) X3 Y2 d) X2 Y3 e) X3 Y4 3. (Acafe-SC) A for¸a de atra¸ao entre ´ c c˜ ıons positivos e negativos caracteriza a liga¸ao: c˜ a) coordenada b) covalente c) met´lica a d) dativa e) iˆnica o

F´rmula eletrˆnica: o o

F´rmula Estrutural Plana: o

F´rmula Molecular: o

Liga¸˜o Covalente Dativa ca S´ ocorre se o atomo que vai contribuir com o par de o ´ el´trons estiver estabilizado pela covalente simples e tiver e pares eletrˆnicos dispon´ o ıveis: Exemplos HN O3 H2 SO4 H 3 P O4 Liga¸˜o Covalente Apolar ca Ocorre entre ametais de mesmo elemento qu´ ımico (sol´veis u em agua) (mesma eletronegatividade). Por exemplo: H −H. ´ Liga¸˜o Covalente Polar ca Ocorre entre ametais de elementos diferentes (insol´veis em u agua) (eletronegatividade diferentes). Exemplo: mol´cula ´ e HCl, pois o cloro ´ mais eletronegativo que o hidrogˆnio, e e ou seja, apresenta maior capacidade de atrair el´trons; pore tanto o par de el´trons da liga¸ao ´ atra´ por ele, criandoe c˜ e ıdo se nesse extremo uma maior densidade eletrˆnica. Assim, o surgem p´los distintos (representado pela letra δ), formando o uma liga¸ao covalente polar: δ+ HClδ− . c˜

Exerc´ ıcios Complementares
4. (Supra-SC) No cloreto de magn´sio, a uni˜o entre e a magn´sio e cloro ocorre atrav´s de liga¸ao: e e c˜ a) molecular b) covalente c) met´lica a d) iˆnica o e) dativa 5. (UFRGS) O conceito de liga¸ao covalente se refere a c˜ ` id´ia de: e a) atra¸ao eletrost´tica c˜ a b) par iˆnico o c) atra¸ao intermolecular c˜ d) el´trons livres e e) emparelhamento de el´trons e 6. (Supra-SC) Entre os atomos dos compostos KBr, N H 3 , ´ e HCN , as liga¸oes qu´ c˜ ımicas predominantes s˜o, respectia vamente: a) covalente, iˆnica, iˆnica o o b) covalente, iˆnica, covalente o c) covalente, covalente, iˆnica o d) Iˆnica, iˆnica, covalente o o e) Iˆnica, covalente, covalente o

Pense um Pouco!
• Analisando a varia¸ao da eletronegatividade na tabela c˜ peri´dica, indique a liga¸ao menos polar e a mais polar: o c˜ H–O: H–H: H–I: H–P: H–N: H–F:

86

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Qu´ ımica B
Liga¸oes Qu´ c˜ ımicas
Geometria Molecular

Aula 6

Teoria da Repuls˜o dos pares eletrˆnicos, desenvolvida na a o d´cada 1960: e “Os pares de el´trons ao redor do ´tomo central e a distribuem-se no espa¸o de tal forma que a repuls˜o c a entre eles ´ a menor poss´ e ıvel, garantindo maior estabilidade”. Os pares de el´trons podem ou n˜o fazer parte de liga¸oes. e a c˜ Quando os el´trons s˜o ligantes, os pares podem constituir e a liga¸oes simples, duplas, triplas ou dativas. c˜

Figura 2.2: O composto SO3 apresenta geometria molecular ´ trigonal plana, a distribui¸ao espacial dos pares eletrˆnicos e c˜ o As posi¸oes relativas dos ´tomos ligantes s˜o dadas forma um triˆngulo equil´tero e possui 3 atomos ligados ao c˜ a a a a ´ pela disposi¸˜o de todos os pares de el´trons, mas atomo central. ca e ´ a geometria da mol´cula ´ considerada apenas pela e e posi¸˜o relativa de seus n´ cleos. ca u For¸as de Van der Waals c Exemplos S˜o for¸as de fraca intensidade que se classificam em dipolo– a c dipolo e dipolo instantˆneo–dipolo induzido. a A polaridade da liga¸ao apresenta uma dire¸ao, um sentido c˜ c˜ e uma intensidade, podendo ser representada por um vetor (p : vetor momento dipolo), este vetor se orienta sempre no sentido do p´lo negativo para o positivo. Para mol´culas o e com mais de dois atomos, conhecendo-se a geometria mole´ cular, ´ poss´ determinar se a mol´cula apresenta dipolo, e ıvel e ou seja, se na mol´cula h´ distribui¸ao desigual de carga nee a c˜ gativa e positiva. Essa determina¸ao ´ feita levando-se em c˜ e conta os vetores momento de cada liga¸ao. Conforme tec˜ nham ou n˜o dipolo el´trico, as mol´culas s˜o classificadas a e e a em polares ou apolares, respectivamente. Exemplos CO2 ´ apolar (p = 0). Veja a simetria da mol´cula na Fig. e e 2.1. H2 O ´ polar (p = 0). Veja a assimetria da mol´cula na e e Fig. 2.3.

Figura 2.1: O g´s carbˆnico (CO2 ) apresenta geometria mo- For¸as de Van der Waals dipolo–dipolo a o c lecular linear, distribui¸ao espacial dos pares eletrˆnicos ´ c˜ o e Este tipo de intera¸ao ocorre entre mol´culas polares. c˜ e linear e possui 2 atomos ao ligados ao atomo central. ´ ´ Exemplo A mol´cula e
δ+

HClδ− .

For¸as Intermoleculares c
As substˆncias moleculares podem ser encontradas nos trˆs a e estados f´ ısicos, o que nos leva a concluir que, entre as mol´culas, existem for¸as de atra¸ao de diferentes intensidae c c˜ des. A essas for¸as damos o nome de for¸as intermoleculares, c c elas podem ser de dois tipos: • for¸as de Van der Waals c • pontes de hidrogˆnio e

A forma¸ao do dipolo ocorre devido a diferen¸a de eletroc˜ ` c negatividade entre o hidrogˆnio e o cloro. A extremidade e negativa de uma mol´cula atrai a extremidade positiva da e mol´cula vizinha. Esse tipo de atra¸ao ´ o mesmo que ocorre e c˜ e na liga¸ao iˆmica, mas com intensidade bem menor. c˜ o For¸as de Van der Waals dipolo instˆneo–dipolo inc a duzido S˜o for¸as de atra¸ao que aparecem nas substˆncias formaa c c˜ a das por mol´culas apolares, no estado s´lido ou l´ e o ıquido. A nuvem eletrˆnica nas mol´culas apolares ´ uniforme, n˜o o e e a

Qu´ ımica B – Aula 6

87

Figura 2.3: A agua (H2 O) apresenta geometria molecu´ lar angular, mas a distribui¸ao dos pares de el´trons ´ tec˜ e e tra´drica e possui 2 atomos ligados ao atomo central. e ´ ´ aparecendo cargas. Essa nuvem pode sofrer deforma¸ao por c˜ a¸ao externa, ou flutua¸oes estat´ c˜ c˜ ısticas (colis˜es), ou com o o aumento da press˜o e diminui¸ao de temperatura, provoa c˜ cando, ent˜o, uma distribui¸ao desigual de cargas, o que faz a c˜ com que surja um dipolo tempor´rio. O dipolo instantˆneo a a induz a polariza¸ao da mol´cula vizinha, resultando uma c˜ e a¸ao fraca entre elas. Esse tipo de intera¸ao tamb´m ´ chac˜ c˜ e e mado de for¸a de London, em homenagem ao cientista c Fritz London (1900-1957), que elaborou todo o desenvolvimento te´rico. o

Figura 2.4: O metano (CH4 ) apresenta geometria molecular tetra´drica e distribui¸ao dos pares eletrˆnicos tamb´m ´ e c˜ o e e tetra´drica e possui 4 atomos ligados ao atomo central e ´ ´

Pontes de Hidrogˆnio e As pontes de hidrogˆnio s˜o casos particulares da intera¸ao e a c˜ dipolo-dipolo, em que o dipolo molecular ´ fixo e de grande e intensidade. Esse fenˆmeno ocorre quando o hidrogˆnio est´ o e a ligado a um dos trˆs elementos mais eletronegativos – fl´or, ` e u oxigˆnio e nitrogˆnio – pois a diferen¸a de eletronegativie e c dade entre o hidrogˆnio e esses elementos ´ muito grande. e e Exemplo A agua H2 O ´ uma mol´cula muito polarizada (polar) e as ´ e e pontes de hidrogˆnio produzem for¸a suficiente para manter e c as mol´culas unidas no estado l´ e ıquido. Veja a Fig. 2.3. Para Aprender Mais! Tens˜o superficial ´ uma propriedade que faz com que uma a e superf´ l´ ıcie ıquida se comporte como uma pel´ ıcula el´stica. a Esta propriedade ocorre com todos os l´ ıquidos e ´ observada e com maior intensidade na agua. As mol´culas no interior ´ e do l´ ıquido mantˆm-se unidas pelas for¸as de atra¸ao, que e c c˜ ocorrem em todas as dire¸oes. As mol´culas da superf´ c˜ e ıcie, no entanto, sofrem apenas atra¸ao lateral e inferior, que c˜ geram a tens˜o superficial, criando uma pel´ a ıcula el´stica. a Quanto mais intensas as for¸as de atra¸ao, maior ser´ a c c˜ a tens˜o superficial. a Vocˆ S´bia? e a Os icebergs s˜o massa de gelo flutuante que geralmente se a desprende numa geleira polar e, portanto, s˜o constitu´ a ıdos por agua doce. Eles flutuam por que a densidade da agua ´ ´ s´lida ´ menor do que a da agua l´ o e ´ ıquida. Na agua l´ ´ ıquida, as mol´culas est˜o unidas por pontes de hidrogˆnio e dise a e postas de forma menos organizada do que no estado s´lido. o Neste estado, a organiza¸ao ´ maior, formando estruturas c˜ e hexagonais tridimensionais, mais espa¸adas, que diminuem c a densidade, permitindo assim que o gelo flutue sobre a agua. Esta propriedade explica tamb´m a quebra de gar´ e rafa de bebidas esquecidas no congelador. For¸as Intermoleculares e Ponto de Ebuli¸˜o c ca : O importante fator que influencia o ponto de ebuli¸ao c˜ de uma substˆncia ´ o tamanho da mol´cula, pois quanto a e e maior a mol´cula, mais f´cil a ocorrˆncia de distor¸ao da e a e c˜ nuvem eletrˆnica; conseq¨entemente, mais f´cil a forma¸ao o u a c˜ de p´los, ou seja, a medida que o tamanho da mol´cula auo e menta (aumento da massa molecular), o ponto de ebuli¸ao c˜

Figura 2.5: O P Cl5 apresenta geometria molecular bipirˆmide trigonal e possui 5 atomos ligantes. a ´

88 tamb´m deve aumentar. OBS: Na passagem do estado lie quido para o gasoso ocorre uma separa¸ao das mol´culas asc˜ e sim, quanto maior a atra¸ao entre as mol´culas no liquido, c˜ e maior ser´ o ponto de ebuli¸ao. Quanto maior a mol´cula a c˜ e mais f´cil ´ a forma¸ao de p´los. a e c˜ o

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o conseq¨ˆncia: ue a) da baixa massa molecular da agua ´ b) das liga¸oes covalentes c˜ c) das pontes de hidrogˆnio entre as mol´culas e e d) do fato de o oxigˆnio ter o maior raio atˆmico dessa e o fam´ ılia e) do fato de que o gelo ´ menos denso que a agua l´ e ´ ıquida 6. Dentre as seguintes substˆncias, qual apresenta pontes a de hidrogˆnio entre as mol´culas? e e a) metano (CH4 ) b) clorof´rmio (CHCl3 ) o c) benzeno (C6 H6 ). ´ d) Eter-et´ ılico (H2 C2 –O–C2 H5 ) ´ e) Agua (H2 O)

Pense um Pouco!
• Quando se ferve a agua, qual o tipo de liga¸ao ´ rom´ c˜ e pida na mudan¸a de estado? c • Temos duas substˆncias, HX e HY. O que podemos a dizer com rela¸ao ao ponto de ebuli¸ao (PE) dessas c˜ c˜ substˆncias, sabendo que em HX ocorrem for¸as de Van a c der Waals e em HY ocorrem pontes de hidrogˆnio? e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Qual dessas liga¸oes ´ mais fraca? c˜ e a) eletrovalente b) covalente c) ponte de hidrogˆnio e d) Van der Waals e) iˆnica o 2. (Acafe-SC) Cada mol´cula de agua ´ capaz de efetuar, e ´ e no m´ximo: a a) 5 pontes de hidrogˆnio. e b) 2 pontes de hidrogˆnio. e c) 4 pontes de hidrogˆnio. e d) 1 pontes de hidrogˆnio. e e) 3 pontes de hidrogˆnio. e 3. (UFSM-RS) Dentre os compostos abaixo: I. H3 C–CH2 –O–CH3 II. H3 C–CH2 –N H2 III. H3 C–CH2 –OH Apresentam pontes de Hidrogˆnio entre suas mol´culas: e e a) apenas I b) apenas II c) apenas I e III d) apenas II e III e) I, II e III

Qu´ ımica B

Aula 7

Equa¸oes e Rea¸oes Qu´ c˜ c˜ ımicas
Uma rea¸ao qu´ c˜ ımica ´ representada pela equa¸ao geral e c˜ c 1 R 1 + c 2 R 2 + . . . + c n R n → c 1 P1 + c 2 P2 + . . . + c m Pm onde n reagentes R1 , R2 ,. . .,Rn foram usados para formar os m produtos P1 , P2 ,. . .,Pm . Os coeficientes {ci } indicam o n´mero de mol´culas de cada reagente utilizado na rea¸ao, u e c˜ e os coeficientes {cj }, o num´ro de mol´culas de cada proe e duto resultante da rea¸ao. Em ambos os casos, se utilizam c˜ coeficientes inteiros. Como cada mol´cula, de reagente ou produto, pode conter e v´rios atomos de diferentes elementos qu´ a ´ ımicos, o n´mero u total de atomos de cada esp´cie qu´ ´ e ımica deve ser o mesmo em ambos os lados da equa¸ao acima, e chamamos de bac˜ lanceamento qu´ ımico o c´lculo dos menores coeficientes a {ci } e {cj } para que essa igualdade seja satisfeita.

Exemplos
A s´ ıntese (forma¸ao) da agua ´ descrita pela equa¸ao c˜ ´ e c˜ 2H2 (g) (reagente) +O2 (g) (reagente) → 2H2 O(l) (produto) onde a propor¸ao da rea¸ao de s´ c˜ c˜ ıntese da agua ´ 2:1:2, o que ´ e significa que, para cada duas mol´culas de H2 O formadas, e reagiram duas mol´culas H2 e uma mol´cula de O2 . Cada e e rea¸ao tem a sua propor¸ao, que, como vimos pela lei das c˜ c˜ Propor¸oes Constantes. c˜

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UEFS - BA) Por a¸ao de energia, o hidrogˆnio c˜ e doatˆmico se dissocia de acordo com a equa¸ao: H–H(g) → o c˜ 2H(g). Nesta dissocia¸ao, ocorre rompimento de liga¸ao c˜ c˜ qu´ ımica do tipo: a) ponte de hidrogˆnio. e b) de Van der Waals. c) met´lica a d) iˆnica o e) covalente 5. (ITA-SP) Os hidretos do tipo H2 X dos elementos da fam´ do oxigˆnio s˜o todos gasosos em condi¸oes ambienılia e a c˜ tais, com exce¸ao do hidreto de oxigˆnio. Esta situa¸ao ´ c˜ e c˜ e

Determina¸˜o dos Coeficientes ca
Na rea¸ao de combust˜o: c˜ a C2 H6 O + O2 → CO2 + H2 O observamos primeiro a quantidade de atomos de hidrogˆnio. ´ e No primeiro membro, existem seis (C2 H6 O), e no segundo,

Qu´ ımica B – Aula 7 dois (H2 O). Para igualar o n´mero de atomos, fazemos a u ´ transposi¸ao dos ´ c˜ ındices, obtendo: 2C2 H6 O + O2 → CO2 + 6H2 O Vamos agora acertar a quantidade de atomos de car´ bono. No primeiro membro existem agora quatro carbonos (2C2 H6 O); no segundo, um (CO2 ). Ent˜o, devemos multia plicar CO2 , no lado direito da equa¸ao, por 4. c˜ 2C2 H6 O + O2 → 4CO2 + 6H2 O Finalmente, acertamos a quantidade de atomos de oxigˆnio. ´ e No segundo membro, j´ acertado, existem quatorze atomos a ´ de oxigˆnio (4CO2 e 6H2 O), e no primeiro, quatro (2C2 H6 O e e O2 ). Ent˜o o coeficiente da mol´cula O2 ser´ 6, para se a e a obter 12 atomos que, com outros dois perfazem os quatorze: ´ 2C2 H6 O + 6O2 → 4CO2 + 6H2 O Observe que em ambos os lados da rea¸ao (reagentes e proc˜ dutos) temos um total de 4 atomos de C, 12 atomos de H e ´ ´ 14 atomos de O. Como todos os coeficientes s˜o m´ltiplos ´ a u de 2, ent˜o podemos reduz´ a ı-los, dividindo-os por 2: C2 H6 O + 3O2 → 2CO2 + 3H2 O e obtemos os menores coeficientes para o balan¸o qu´ c ımico da rea¸ao dada. c˜

89 ´ E toda rea¸ao qu´ c˜ ımica em que ocorre com libera¸˜o de ca calor. Por exemplo, temos a combust˜o do hidrogˆnio: a e 2H2 + O2 → 2H2 O + calor Quanto ` Velocidade a Rea¸oes R´pidas c˜ a As que ocorrem rapidamente e de forma explosiva, por exemplo, a combust˜o (queima) do alcool et´ a ´ ılico: C2 H6 O + 3O2 → 2CO2 + 3H2 O + calor Rea¸oes Lentas c˜ Ocorrem devagar, por exemplo, a forma¸ao da ferrugem c˜ (oxidax˜o do ferro): a 4F e + 3O2 → 2F e2 O3 + calor Quanto ` Reversibilidade a Rea¸oes Revers´ c˜ ıveis Ocorrem simultaneamente nos dois sentidos (indicado pela dupla seta): CaO + CO2 CaCO3 Rea¸oes Irrevers´ c˜ ıveis Rea¸oes que ocorrem num s´ sentido. c˜ o Por exemplo: N aCl + AgN O3 → AgCl + N aN O3 Quanto aos Reagentes e Produtos S´ ıntese ou Adi¸˜o ca Rea¸ao entre duas ou mais substˆncias (simples ou comc˜ a posta) que originam uma unica substˆncia composta: ´ a 2CO + O2 → 2CO2 neste caso a rea¸ao ´ do tipo c˜ e composta + simples → composta . An´lise ou Decomposi¸˜o a ca Rea¸ao em que uma unica substˆncia composta se desdobra c˜ ´ a em outras substˆncias simples ou compostas: a 2HCl → H2 + Cl2 Dupla Troca Rea¸ao em que as duas substˆncias compostas produzem c˜ a duas outras substˆncias compostas (o nome resulta no fato a de as substˆncias permutarem entre si parte de suas estrua turas): HCl + N aOH → N aCl + H2 O

Dicas
Algumas considera¸ao para o balanceamento de uma c˜ equa¸ao qu´ c˜ ımica: 1. Deve-se come¸ar o acerto dos coeficientes pelo elemento c que aparece uma unica vez nos dois membros; ´ 2. Se os ´ ındices do elemento escolhido forem m´ltiplos, a u simplifica¸ao pode ser feita antes da transposi¸ao; c˜ c˜ 3. As f´rmulas das substˆncias n˜o podem ser modificao a a das; por isso, nunca coloque n´meros entre os s´ u ımbolos de uma mesma f´rmula. o

Tipos de Rea¸oes c˜
Quanto ao Calor Quanto ao envolvimento (absor¸ao ou libera¸ao) de calor: c˜ c˜ Rea¸oes Endot´rmicas c˜ e ´ Veja que endo=para dentro e t´rmica = calor. E toda rea¸ao e c˜ qu´ ımica em que ocorre com absor¸˜o de calor. ca Por exemplo, a decomposi¸ao do calc´reo: c˜ a CaCO3 @ >> ∆ > CaO + CO2 onde ∆ indica que h´ a necessidade de aquecimento dos a reagentes para que ocorra a rea¸ao qu´ c˜ ımica. Rea¸oes Exot´rmicas c˜ e Observe que exo=para fora e t´rmica = calor. e

90 ou N aCl + AgN O3 → AgCl + N aN O3 Deslocamento ou Simples Troca Rea¸ao em que uma substˆncia simples reage com outra c˜ a composta, produzindo outra substˆncia composta e outra a simples: F e + CuSO4 → F eSO4 + Cu

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o d) III libera menos calor do que IV e) IV absorve calor para ocorrer 2. (Unisinos-RS) Considerando a equa¸ao termoqu´ c˜ ımica 3 abaixo representada, S(s) + 2 O2 (g) → SO3 (g) com ∆H = −94, 4kcal/mol. Podemos afirmar que, na forma¸ao de c˜ 200 g de tri´xido de enxofre: o a) Ocorre a libera¸ao de 94, 4 kcal, uma vez que a rea¸ao ´ c˜ c˜ e exot´rmica e b) Ocorre a absor¸ao de 94, 4 kcal, uma vez que a rea¸ao ´ c˜ c˜ e endot´rmica e c) Ocorre a libera¸ao de 169, 5 kcal, uma vez que a rea¸ao c˜ c˜ ´ exot´rmica e e d) Ocorre a absor¸ao de 236 kcal, uma vez que a rea¸ao ´ c˜ c˜ e endot´rmica e e) Ocorre a libera¸ao de 236 kcal, uma vez que a rea¸ao ´ c˜ c˜ e exot´rmica e 3. Dadas as equa¸oes das rea¸oes: c˜ c˜ − I. H2 SO4 + H2 O → H3 O + HSO4 + calor II. C2 H5 OH + 3O2 → 2CO2 + 3H2 O + calor + − III. N H4 Cl(s) + H2 O(l) + calor → N H4 (aq) + Cl(aq) 3 IV. C2 H2 + 2 2O2 → CO2 + H2 O + C + calor V. 2F e2 O3 + 3C + calor → 4F e + 3CO2 Consideram-se as rea¸oes endot´rmicas: c˜ e a) III e V b) I , II e IV c) II, III e V d) I, III e IV e) II e III

Para Saber Mais!
O oxigˆnio e o hidrogˆnio liquefeitos s˜o os combust´ e e a ıveis l´ ıquidos mais comuns, usados para impulsionar os foguetes pela expuls˜o dos gases de combust˜o, gerados pela rea¸ao a a c˜ de s´ ıntese: 2H2 + O2 → 2H2 O nos motores de combust´ ıvel l´ ıquido, tamb´m usados na e opera¸ao de m´ c˜ ısseis, o combust´ ıvel e o comburente devem ser armazenados isoladamente e a rea¸ao s´ ocorre na c˜ o cˆmara de combust˜o, o que torna esses motores bastante a a complexos.

Vocˆ Sabia? e
Para combater a acidez estomacal, causada pelo suco g´strico existente (HCl ou acido clor´ a ´ ıdrico) que em excesso s´ causa azia. O uso de leite de magn´sia, uma suso e pens˜o de hidr´xido de magn´sio, ou medicamentos a base a o e ` de hidr´xido de alum´ o ınio, diminuem a acidez, aliviando a azia. As rea¸oes que ocorrem s˜o: c˜ a M g(OH)2 + 2HCl → M gCl2 + 2H2 O Al(OH)3 + 3HCl → AlCl3 + 3H2 O Tamb´m pode-se usar o bicarbonato de s´dio: e o N aHCO3 + HCl → N aCl + H2 O + CO2

Exerc´ ıcios Complementares
4. A an´lise da rea¸ao a c˜ H2 (g) + 1 O2 (g) → H2 O(l) + 68 kcal 2 permite concluir que: a) a rea¸ao ´ endot´rmica c˜ e e b) a rea¸ao tem ∆H positivo c˜ c) a entalpia dos reagentes ´ maior que a dos produtos e d) a entalpia dos reagentes ´ menos que a dos produtos e e) a entalpia dos reagentes ´ igual a dos produtos e 5. (PUC-RS) A equa¸ao a seguir representa: HN O3 (aq) + c˜ N aOH(aq) → N aN O3 (aq) + H2 O(l) com ∆H = −13, 69 kcal/mol a) um processo endot´rmico e b) a neutraliza¸ao parcial de um acido c˜ ´ c) um processo que h´ a libera¸ao de calor a c˜ d) um processo n˜o espontˆneo a a e) uma rea¸ao de an´lise c˜ a 6. As rea¸oes endot´rmicas caracterizam-se por: c˜ e I. serem espontˆneas a II. ocorrerem co absorvi¸ao de calor c˜ III. apresentam sinal positivo para a varia¸ao da entalpia c˜ a) somente a afirmativa I ´ correta e b) somente a afirmativa II ´ correta e c) somente a afirmativa III ´ correta e d) somente as afirmativas I e II s˜o corretas a e) somente as afirmativas II e III s˜o corretas a

Pense um Pouco!
• Explique porque o bicarbonato de amˆnio misturado o em uma massa de bolo, ao ser aquecido, faz a massa do bolo crescer deixando o bolo fofo? Que tipo de rea¸ao c˜ ocorre ? Fa¸a a rea¸ao. c c˜

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Considere as seguintes rea¸oes do metano: c˜ I. CH4 + 2O2 → CO2 + 2H2 O com ∆H = −212, 8 kcal/mol II. CH4 + H2 O → CO + 3H2 com ∆H = −49, 3kcal/mol III.CH4 + CO2 → 2CO + 2H2 com ∆H = −59kcal/mol IV. CH4 + 1 O2 → CO + 2H2 com ∆H = −8, 5kcal/mol 2 Pode-se afirmar que a rea¸ao: c˜ a) I ´ endot´rmica e e b) II libera mais calor do que a I c) III ´ espontˆnea e a

Matem´tica a
Matem´tica A a
Rela¸oes e Fun¸oes c˜ c˜
Rela¸oes c˜
Definimos rela¸ao como: c˜ Dados dois conjuntos n˜o vazios S e T chama-se rela¸ao R a c˜ de S em T qualquer subconjunto de Sxt. Assim, R est´ a contido em Sxt (R ⊂ SxT ). Exemplo R = {(x, y)/x < y}

Aula 1

Os segundos elementos desses pares formam o conjunto imagem da rela¸ao: Im(R). Assim, na rela¸ao R = c˜ c˜ {(−1, 3), (0, 4), (1, 5)}, D(R) = {−1, 0, 1} e Im(R) = {3, 4, 5}. Representa¸˜o ca Podemos representar uma rela¸ao por um diagrama de setas c˜ ou no plano cartesiano: Consideremos os conjuntos A = {−1, 0, 1, 2} e B = {1, 0, 1, 4} e a rela¸ao R = {(x, y) ∈ c˜ AxB/y = x2 }.

Fun¸oes c˜
O conceito b´sico de fun¸ao ´ o seguinte: toda vez que temos a c˜ e dois conjuntos e algum tipo de associa¸ao entre eles, que c˜ fa¸a corresponder a todo o elemento do primeiro conjunto c um unico elemento do segundo conjunto, ocorre uma fun¸ao. ´ c˜ Observemos os pares de conjuntos abaixo. Exemplos 1. Dados L = {2, 5, 9, 12} e A = {4, 25, 81, 144} e a rela¸ao c˜ R = {(x, y) ∈ LxA/y = x2 }.

Nota¸˜o ca Podemos escrever uma rela¸ao de A em B das seguintes c˜ formas: • Nomeando os pares ordenados, por exemplo: R = {(0, 1), (1, 2), (2, 3)}. • Atrav´s de uma senten¸a matem´tica, por exemplo: e c a R = {(x, y) ∈ AxB/y = x + 1}, sendo que A = {0, 1, 1, 2, 3} e B = {1, 3, 4, 9}. Dom´ ınio e Imagem Ao conjunto formado por todos os primeiros elementos dos pares ordenados (x, y) de uma rela¸ao damos o nome de c˜ dom´ ınio e representamos por D(R).

´ Figura 3.1: E fun¸ao. c˜ 2. Dados A = {10, 12, 15, 16, 13} e B = {20, 24, 30, 26} e a rela¸ao R = {(x, y) ∈ AxB/y = 2x}. c˜ 3. Dados A = {5, 12, 23} e B = {7, 14, 25} e a rela¸ao c˜ R = {(x, y) ∈ AxB/y = x + 2}. 4. Dados A = {16, 81} e B = {−2, 2, 3} e a rela¸ao R = c˜ {(x, y) ∈ AxB/y 4 = x}

92

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Figura 3.2: N˜o ´ fun¸ao. a e c˜

Figura 3.4: N˜o ´ fun¸ao. a e c˜

´ Figura 3.3: E fun¸ao. c˜ Ser˜o reconhecidas como fun¸ao as rela¸oes que tiverem toa c˜ c˜ dos os elementos de A associados a elementos de B, sendo que cada elemento de A deve estar ligado somente a um unico elemento de B. ´ Dom´ ınio, Imagem e Contradom´ ınio Tomemos os exemplos acima que representam fun¸oes c˜ (Ex01, Ex03): Para ambos os exemplos, chamamos de dom´ ınio o conjunto A, indicado pela letra D: A imagem ser´ o conjunto dos elementos y que tˆm cora e respondˆncia com x. e EX01: I = {4, 25, 81, 144}; Ex03: D = {7, 14, 25}. Ex01: D = {2, 5, 9, 12}; Ex03: D = {5, 12, 23}.

O contradom´ ınio ser´ o conjunto B: a EX01: CD = {2, 4, 6}; Ex03: CD = {5, 7, 14, 15, 16, 25, 26}.

Tipos de Fun¸oes c˜
Fun¸˜o Par ca ´ E a fun¸ao em que qualquer que seja o valor de x ∈ D ocorre c˜ f (x) = f (−x). Exemplos f (x) = x2 f (x) = |x| f (x) = cos(x)

´ Matematica A – Aula 1

93

Fun¸˜o ´ ca Impar ´ E a fun¸ao em que para todo valor de x ∈ D ocorre f (x) = c˜ −f (−x). Exemplos

Figura 3.5: Esquema para compreender fun¸ao crescente. c˜ Exemplos f (x) = −x + 2 f (x) = 10−x f (f ) = −2x

f (x) = 2x f (x) = sin(x) f (x) = x3

Fun¸˜o Crescente ca Uma fun¸ao y = f (x) ´ crescente num conjunto A se, c˜ e somente se, para quaisquer x1 e x2 pertencentes ao conjunto A, com x1 < x2 , tivermos f (x) < f (x2 ). Exemplos f (x) = x + 2 f (x) = 10x f (x) = x3

Figura 3.6: Esquema para compreender fun¸ao decrescente. c˜

Fun¸˜o Injetora ca Uma fun¸ao y = f (x) : A → B ´ injetora, se somente c˜ e se, num conjunto A, dois elementos distintos quaisquer do dom´ ınio de f (x) possuem imagens distintas em B. Exemplos

Fun¸˜o Sobrejetora ca Fun¸˜o Decrescente ca Uma fun¸ao y = f (x) ´ decrescente num conjunto A se, c˜ e somente se, para quaisquer x1 e x2 pertencentes ao conjunto A, com x1 < x2 , tivermos f (x1 ) > f (x2 ). Uma fun¸ao y = f (x) : A → B ´ sobrejetora se, e soc˜ e mente se, o seu conjunto imagem ´ igual ao contradom´ e ınio: Im(f ) = B Exemplos

94

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Figura 3.7: Fun¸ao injetora c˜

Figura 3.9: Fun¸ao sobrejetora c˜

Figura 3.8: Fun¸ao n˜o injetora c˜ a Figura 3.10: Fun¸ao n˜o sobrejetora c˜ a Fun¸˜o Bijetora ca Uma fun¸ao y = f (x) : A → B ´ bijetora, se somente se, ´ c˜ e e injetora e sobrejetora. Na figura 3.11 temos que a fun¸ao: c˜ ´ • E injetora, pois quaisquer elementos distintos de A possuem imagens distintas em B; ´ • E sobrejetora, pois Im = B = {4, 25, 81, 144}; ´ • E bijetora porque ´ injetora e sobrejetora. e Fun¸˜o Inversa ca Considere uma fun¸ao y de L → A, sendo que D = L e c˜ Im = A. A fun¸ao inversa de y ser´ aquela fun¸ao que fizer c˜ a c˜ corretamente a rela¸ao de A → L onde D = A e Im = L. c˜ inversa de f a fun¸ao f −1 : B → A tal que (a, b) ∈⇔ (b, a) ∈ c˜ f −1 . Exemplos y = f (x) = x2 ; D = {2, 5, 9, 12} Im = {4, 25, 81, 144} A fun¸ao inversa ser´: c˜ a y = f (x) = (x) D = {4, 25, 81, 144} Im = {2, 5, 9, 12} Fun¸˜o Composta ca Dados os conjuntos A = {1, 2}, B = {2, 4}, C = {4, 16}, vamos considerar as fun¸oes: c˜ f : A → B definida por f (x) = 2x; g : B → C definida por g(x) = x2 . Observamos que: • A cada x pertencente a A associa-se um unico y per´ tencente a B tal que y = 2x; • A cada y pertencente a B associa-se um unico z per´

Ou seja, a fun¸ao inversa “transforma” o que antes era c˜ dom´ ınio em imagem e imagem em dom´ ınio. Por´m, isto e s´ poder´ ocorrer se y for bijetora. o a Ent˜o, podemos definir: a Dada fun¸ao bijetora y = f (x) : A → B, chama-se fun¸ao c˜ c˜

´ Matematica A – Aula 1

95

Figura 3.13: f = {(1, 2), (2, 4)}; g = {(2, 4), (4, 16)}

Pense um Pouco!
Figura 3.11: Fun¸ao bijetora c˜ A fun¸ao n : A → R, definida por n(t) = 6t + t2 , exc˜ pressa o n´mero de colˆnias de bact´rias em uma placa, u o e onde n ´ o n´mero de colˆnias, t ´ tempo em horas e e u o e A = {1, 2, 3, 4, 5, 6} tem seus elementos representando os instantes em que as colˆnias foram contadas. Com esses o dados, determine: a) O n´mero de colˆnias para t = 3h; u o b) O conjunto contradom´ ınio; c) O conjunto imagem (Im(n)). (b)

(a) Figura 3.12: Fique atento ao sentido das setas! tencente a C tal que z = x2 ;

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFRGS) Se a fun¸ao f : R∗ em R ´ tal que f (x) = c˜ e ent˜o f (2x) ´: a e a) 2 b) 2x c) 2x+1 x d) 4x+1 x
2x+2 x ,

• A cada x pertencente a A associa-se um unico z per´ 2 tence C tal que z = y 2 = (2x) = 4x2 . Ent˜o, podemos afirmar que vai existir uma fun¸ao h de A a c˜ em C definida por h(x) = 4x2 , que indicamos por gof ou g(f (x)) (lˆ-se: g composta com f ). e Logo: h(x) = gof = g(f (x)) = {(1, 4), (2, 16)}. Fun¸˜o Definida por Partes ca ´ E aquela fun¸ao que ´ definida por mais de uma rela¸ao. c˜ e c˜ Exemplo   x + 1, se x > 2; x2 , se -2 ≤ x ≤ 2;  2, se x < −2

2. (Fuvest-SP) As fun¸oes f e g s˜o dadas por f (x) = c˜ a 3/5x − 1 e g(x) = 4/3x + a. Sabe-se que f (0) − g(0) = 1/3. O valor de f (3) e g(1/5) ´: e a) 0 b) 1 c) 2 d) 3 e) 4 3. (FCC-SP) A fun¸ao inversa da fun¸ao c˜ c˜ x+3 −1 a) f (x) = 2x−1 b) f −1 (x) = 3x−1 x−2 c) f −1 (x) = 3x+1 2−x d) f −1 (x) = 1−2x 3−x
2x−1 x+3

´: e

Fun¸˜o Constante ca

Toda fun¸ao f : R → R, definida por f (x) = C, com C c˜ pertencendo ao conjunto dos reais, ´ denominada fun¸ao e c˜ constante.

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UFSC) Dada a fun¸ao f : R em R+ , definida por c˜ f (x) = x2 + 1, determine a soma dos n´meros associados as u ` afirma¸oes verdadeiras. c˜ 01. A fun¸ao ´ sobrejetora. c˜ e 02. A imagem da fun¸ao ´ R+ . c˜ e 04. A fun¸ao ´ bijetora. c˜ e

96 √ 08. Para x = 5, temos f (x) = 6. 16. O gr´fico de uma fun¸ao ´ uma reta. a c˜ e 32. A fun¸ao ´ par. c˜ e 5. (UA) Se f e g s˜o fun¸oes tais que f (x) = 2x − 3 e a c˜ f (g(x)) = x, ent˜o ´ igual a: a e a) (x + 3)/2 b) 3x + 2 c) 1/(2x − 3) d) 2x + 3 6. (UDESC) Seja f (x) = c − ax2 . Se f (−1) = 1 e f (2) = 2, ent˜o f (5) ´ igual a: a e a) 3 b) 11/3 c) 7/3 d) 9 e) -3

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o • atribu´ ımos valores a vari´vel x; a • substitu´ ımos na fun¸ao; c˜ • encontramos o valor de f (x), ou seja, o valor de y. Tendo encontrado o y, temos agora o par ordenado (x, y) que devemos encontrar no plano cartesiano. x 0 1 2 y =x−2 y = 0 − 2 = −2 y = 1 − 2 = −1 y =2−2=0 (x, y) (0, −2) (1, −1) (2, 0)

Matem´tica A a
Fun¸oes Polinomiais c˜
Fun¸˜o Polinomial de 10 Grau ca

Aula 02

Uma fun¸ao f com A,B ⊂ R ´ uma fun¸ao polinomial do c˜ e c˜ 10 grau se a cada x ∈ A se associa o elemento (ax + b) ∈ B, com a pertencendo a R∗ e b pertencendo a R: f : A → B definida por f (x) = ax + b ou y = ax + b Na senten¸a matem´tica y = ax + b, as letras x e y rec a presentam as vari´veis, enquanto a e b s˜o denominadas a a coeficientes. Na fun¸ao real f (x) = ax + b, a ´ o coeficiente angular e c˜ e b ´ o coeficiente linear. Pelo coeficiente angular, sabemos e se a fun¸ao ´ crescente (a > 0) ou descrescente (a < 0). O c˜ e coeficiente linear indica a ordenada do ponto em que a reta intercepta o eixo 0y.

Zero da Fun¸˜o de 1o Grau ca Denomina-se zero ou raiz da fun¸ao f (x) = ax + b o valor c˜ x que anula a fun¸ao, isto ´, torna f (x) = 0. O zero da c˜ e fun¸ao de primeiro grau ´ unico e corresponde a abscissa do c˜ e´ ponto em que a reta corta o eixo x. Observando o gr´fico, a x 0 1 2 y =x−2 y = 0 − 2 = −2 y = 1 − 2 = −1 y =2−2=0 (x, y) (0, −2) (1, −1) (2, 0)

verificamos que: f (x) = 0 para x = 2.

Estudo do Sinal Gr´fico a Para construirmos gr´ficos de fun¸oes devemos seguir os sea c˜ guintes passos: Para fazermos o estudo dos sinais vamos considerar um exemplo: Dada a fun¸ao f (x) = 2x − 4, determinar os valores reais c˜ de x para os quais:

´ Matematica A – Aula 02 a) f (x) = 0 b) f (x) > 0 c) f (x) < 0 Solu¸˜o: Podemos verificar que a fun¸ao ´ crescente pois ca c˜ e a = 2 > 0. O zero da fun¸ao ´: 2x − 4 = 0 ⇒ 2x = 4 ⇒ c˜ e x=2 A reta corta o eixo x no ponto de abscissa x = 2. Observando essas considera¸oes, vamos fazer um esbo¸o do gr´fico c˜ c a da fun¸ao: c˜

97

Zero da Fun¸˜o de 2◦ Grau ca Denominam-se zeros ou ra´ ızes de uma fun¸ao quadr´tica c˜ a os valores de x que anulam a fun¸ao, ou seja, que tornam c˜ f (x) = 0. Para determinar os zeros de f (x) = ax2 + bx + c, basta fazer f (x) = 0: √ ax2 + bx + c = 0 ⇒ x = −b 2a ∆ √ √ ⇒ x = −b+ ∆ ⇒ x = −b− ∆ 2a 2a em que ∆ = b2 − 4ac. Assim, x1 e x2 s˜o as abscissas nas quais a par´bola corta o a a eixo x, ou seja, (x1 , 0) e (x2 , 0) s˜o os pontos de intersec¸ao a c˜ da par´bola com o eixo x. a • Quando ∆ > 0, x1 = x2 e a par´bola intercepta o eixo a x em dois pontos diferentes. • ∆ = 0, x1 = x2 e a par´bola intercepta o eixo x em um a unico ponto. ´ • ∆ > 0, n˜o existem ra´ reais e a par´bola n˜o intera ızes a a cepta o eixo x. Gr´fico Parab´lico a o No gr´fico abaixo, da fun¸ao f (x) = x2 −8x+12, marcamos a c˜ um ponto v. Esse ponto tem o nome de v´rtice da par´bola. e a As coordenadas de V (xv , yv ) s˜o dadas por: a

` Figura 3.1: A direita do eixo y os pontos da reta tˆm ordee nada positiva e a esquerda os pontos da reta tˆm ordenada ` e negativa. Resposta: f (x) = 0 x = 2 f (x) > 0 para {x ∈ R/x > 2} f (x) < 0 para {x ∈ R/x < 2}

Fun¸˜o Polinomial de 2o grau ca
A fun¸ao dada f (x) : R → R dada por f (x) = ax2 + bx + c, c˜ com a,b,c reais e a = 0, denomina-se fun¸ao do 2o grau ou c˜ fun¸ao quadr´tica. c˜ a Exemplos: f (x) = x2 − 4x − 3 (a = 1, b = −4, c = −3)
2

f (x) = −2x + 5x + 1(a = −2, b = 5, c = 1)

O gr´fico da fun¸ao de 1o grau ´ uma curva aberta chaa c˜ e mada par´bola. Se o gr´fico da fun¸ao tem a par´bola com a a c˜ a concavidade voltada para cima, a > 0.

Se o gr´fico da fun¸ao tem a par´bola com concavidade a c˜ a voltada para baixo, a < 0.

b xv = − 2a ∆ yv = − 4a

v −

b ∆ ,− 2a 4a

98 xv = − −8 2 yv = − 16 4 v (4, −4)

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o x < x1 ou x > x2 ⇒ f (x) > 0 x1 < x < x2 ⇒ f (x) < 0

Se tra¸armos uma reta paralela ao eixo y que passe pelo c v´rtice, estaremos determinando o eixo de simetria da e par´bola. a Intersec¸˜o com o Eixo y ca Para determinar as coordenadas desse ponto, basta substituir x por 0 (zero) na fun¸ao: c˜ 2 2 y = ax + bx + c ⇒ y = a(0) + b(0) + c ⇒ y = c x = x1 ou x = x2 ⇒ f (x) = 0 x < x1 ou x > x2 ⇒ f (x) < 0 x1 < x < x2 ⇒ f (x) > 0 • ∆ > 0, f (x) possui raiz dupla:

Exemplo

Ent˜o, encontramos (0, 12). a

Para f (x) = x2 − 8x + 12 as coordenadas para o ponto de intersec¸ao com o eixo y: c˜ 2 y = x2 − 8x + 12 ⇒ y = (0) − 8(0) + 12 ⇒ y = 12

M´ ınimo ou M´ximo da Par´bola a a Quando y assume o menor valor da fun¸ao, ele ´ a ordenada c˜ e do ponto m´ ınimo da fun¸ao (yv ): c˜

x = x1 = x2 ⇒ f (x) = 0 x = x1 = x2 ⇒ f (x) > 0

Quando y assume o maior valor da fun¸ao, ele ´ a ordenada c˜ e do ponto m´ximo da fun¸ao (yv ): a c˜

x = x1 = x2 ⇒ f (x) = 0 x = x1 = x2 ⇒ f (x) < 0 • ∆ > 0, f (x) possui duas ra´ reais: ızes

Estudo do Sinal Para estudar o sinal da fun¸ao f (x) = ax2 + bx + c, a = 0, c˜ temos que considerar o valor do discriminante (∆) e o sinal do coeficiente a. Assim: • ∆ > 0, f (x) possui duas ra´ ızes reais e diferentes: x = x1 ou x = x2 ⇒ f (x) = 0

Qualquer x pertencente aos reais ⇒ f (x) > 0

´ Matematica A – Aula 3 c) -9 d) -7 e) 0

99

Qualquer x pertencente aos reais ⇒ f (x) < 0

5. (Mack-SP) Um valor k para que uma das ra´ ızes da equa¸ao x2 − 4kx + 6k = 0 seja o triplo da outra ´: c˜ e a) 1 b) 2 c) 3 d) 4 e) 5 6. (Santa Casa-SP) As dimens˜es de um retˆngulo s˜o nuo a a mericamente iguais as coordenadas do v´rtice da par´bola ` e a de equa¸ao y = −128x2 + 32x + 6. A area do retˆngulo ´: c˜ ´ a e a) 1 b) 8 c) 64 d) 128 e) 256 7. O lucro mensal de uma empresa ´ dado por L = −x2 + e 30x − 5, onde x ´ quantidade mensal vendida. e a) Qual ´ o lucro mensal m´ximo poss´ e a ıvel? b) Entre que valores deve variar x para que o lucro mensal seja no m´ ınimo igual a 195?

Pense um Pouco!
• O gr´fico de um polinˆmio de primeiro grau ´ sempre a o e uma reta? • O gr´fico de um polinˆmio de segundo grau ´ sempre a o e uma par´bola? a • Quantos zeros pode ter, no m´ximo, uma fun¸ao de a c˜ primeiro grau? E a de segundo grau? ` • A esquerda e a direita de um zero, a fun¸ao de segundo ` c˜ grau tem sempre sinais contr´rios? a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (FGV-SP) O gr´fico da fun¸ao f (x) = mx+n passa pelos a c˜ pontos A(1, −2) e B(4, 2). Podemos ent˜o afirmar que: a a) m + n = −2 b) m − n = −2 c) m = 3/4 d) n = 5/2 e) m.n = −1 2. (PUC-SP) Para que a fun¸ao do 1o grau dada por f (x) = c˜ (2 − 3k)x + 2 seja crescente, devemos ter: a) k = 2/3 b) k < 2/3 c) k > 2/3 d) k < −2/3 e) k > −2/3 3. (UFC-CE) Considere a fun¸ao f : R → R, definida por c˜ f (x) = x2 − 2x + 5. Pode-se afirmar corretamente que: a) o v´rtice do gr´fico de f ´ o ponto (1, 4). e a e b) f possui dois zeros reais distintos. c) f atinge um m´ximo para x = 1. a d) O gr´fico de f ´ tangente ao eixo das abscissas. a e

Matem´tica A a
Fun¸oes Especiais c˜
Fun¸˜o Modular ca

Aula 3

O m´dulo, ou valor absoluto, de um n´mero real x, indicado o u por |x|, ´ definido assim: e |x| = x, se, x ≥ 0 −x, se, x < 0

Pela defini¸ao, podemos concluir que o m´dulo de um c˜ o n´mero real ´ sempre maior ou igual a zero. u e

Cuidado!
√ x2 = ±|x|

Exemplos
| − 10| = 10

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UFPA) A fun¸ao y = ax + b passa pelo ponto (1, 2) e c˜ intercepta o eixo y no ponto de ordenada 3. Ent˜o, a − 2b a ´ igual a: e a) -12 b) -10

|1| = 1 |1/3| = 1/3 |0| = 0 Definimos ent˜o a un¸ao modular se a cada x real se associa a c˜ |x|, ou seja: f (x) = |x|

100 . Observa-se que o dom´ da fun¸ao m´dulo ´ R e a imagem ınio c˜ o e R+ . Representa¸˜o Gr´fica ca a Pela defini¸ao de |x|, temos de considerar duas senten¸as c˜ c para f (x), de RemR: f (x) = x, se, x ≥ 0 −x, se, x < 0

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

y 2
x

Construindo os dois gr´ficos num unico plano cartesiano, a ´ obtemos o gr´fico de f (x) = |x|: a

o

Figura 3.2: Fun¸oes exponenciais: f (x) = 2x e g(x) = c˜ (1/2)x .

Figura 3.1: Fun¸ao m´dulo: f (x) = |x|. c˜ o

Fun¸˜o Exponencial ca
A fun¸ao f : R → R dada por f (x) = ax (com a = 1 e a > 0) c˜ ´ denominada fun¸ao exponencial de base a e definida para e c˜ todo x real. Assim, s˜o fun¸oes exponenciais: a c˜ f (x) = 2
x

Figura 3.3: Exponencial crescente ax com a > 1.

g(x) = (1/3)x Gr´fico da Fun¸˜o Exponencial a ca Vamos representar no plano cartesiano o gr´ficos das a fun¸oes f (x) = 2x e f (x) = (1/2)x . c˜ Caracter´ ısticas • D(ax ) = R • Im(ax ) = R+ • ax ´ uma fun¸ao crescente se a > 1 e c˜ • ax ´ uma fun¸ao decrescente se 0 < a < 1 e c˜ • ax ) passa pelo ponto (0, 1) pois a0 = 1

Pense um Pouco!
• O n´mero de bact´rias em um meio de cultura cresce u e aproximadamente segundo a fun¸ao , sendo t o n´mero c˜ u de dias ap´s o in´ do experimento. Calcule: o ıcio a)o n´mero n de bact´rias no in´ do experimento; u e ıcio b)em quantos dias o n´mero inicial de bact´rias ir´ triu e a plicar.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ITA-SP) Considere a equa¸ao |x| = x − 6. Com respeito c˜ a solu¸ao real dessa equa¸ao, podemos afirmar que: ` c˜ c˜ a) a solu¸ao pertence ao intervalo [1,2] c˜ b) a solu¸ao pertence ao intervalo [-2,-1] c˜ c) a solu¸ao pertence ao intervalo ]-1,1[ c˜ d) a solu¸ao pertence ao intervalo [3,4] c˜ e) nehuma resposta ´ correta e

fg

(0,1)

(1/2)

x

x

´ Matematica A – Aula 4

101

Matem´tica A a
Fun¸oes Especiais (II) c˜
Fun¸˜o Logar´ ca ıtmica

Aula 4

O logaritmo de um n´mero real e positivo a, na base b, u positiva e diferente de 1, ´ o n´mero x ao qual se deve e u elevar a base b para se obter a logb a = x ⇐⇒ bx = a Observa¸˜o ca Figura 3.4: Exponencial decrescente a com a < 1. 2. (PUC-SP) A equa¸ao |2x − 1| = 5 admite: c˜ a) duas ra´ positivas ızes b) das ra´ negativas ızes c) ua raiz positiva e outra negativa d) smente uma raiz real e positiva e) smente uma raiz real e negativa 3. (PUC-PR) A equa¸ao 16 · 5 = 25 · 20 , onde x pertence c˜ aos reais, admite: a) os n´meros -2 e 2 como solu¸oes u c˜ b) apenas o n´mero 2 como solu¸ao u c˜ 1 c) apenas o n´mero 2 como solu¸ao u c˜ c˜ d) os n´meros 2 e 1 como solu¸oes u 2 e) apenas o n´mero como solu¸ao u c˜
2x x x

Aos logaritmos que se indicam com log a chamamos de sistema de logaritmos de base a. Existe uma infinidade de sistemas de logaritmos. Dentre todos os sistemas, o mais importante ´ o sistema de logaritmos decimais, ou de base e 10. Indica-se: log10 ou log. Quando o sistema ´ de base 10, e ´ comum omitir-se a base na sua representa¸ao. e c˜ Exemplo Considerando a defini¸ao dada, calcular o valor dos logaritc˜ mos: log6 36 = 2 log2 16 = 4 log3 0 = 1 log1 01000 = 3 Propriedades dos Logaritmos • O logaritmo de um produto ´ igual a soma dos logarite ` mos dos fatores tomados na mesma base, isto ´: e logb (x · y) = logb x + logb y • O logaritmo de um quociente ´ igual ao logaritmo do e numerador menos o logaritmo do denominador tomados na mesma base, isto ´: e logb (x/y) = logb x − logb y • O logaritmo de uma potˆncia ´ igual ao produto do e e expoente pelo logaritmo da base da potˆncia, isto ´: e e logb xn = n logb x Caso particular logb √ n x = logb x( 1/n) = 1 logb x n

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UEL-PR) Quaisquer que sejam os n´meros reais x e y, u a) se |x| < |y|, ent˜o x < y a b) |xy| = |x||y| c) |x + y| = |x| + |y| d) | − |x|| = −x e) se x < 0, ent˜o |x| < x a 5. (PUC-SP) Resolvendo a equa¸ao 4+4 = 5·2x , obtemos: c˜ a) x1 = 0 e x2 = 1 b) x1 = 1 e x2 = 4 c) x1 = 0 e x2 = 2 d) x1 = −1 e x2 = −2 e) x1 = −4 e x2 = −5 6. (PUC-MG) Se 2x = 4y e 25x = 25 · 5y , o valor de x + y ´: e a) 4/3 b) 2/3 c) 1/3 d) 1 e) 2 f) -3

102 Mudan¸a de Base c Suponha que apare¸am logaritmos de bases diferentes e que c precisamos reduzir os logaritmos de bases diferentes para uma base conveniente. Essa opera¸ao ´ chamada mudan¸a c˜ e c de base: logb a = onde c ´ a nova base. e logc a logc b

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Exemplo log1 010 1 = log1 02 log1 02

log2 10 =

Representa¸˜o Gr´fica ca a Ao estudar a fun¸ao exponencial, vimos que ela ´ bijetora, c˜ e portanto admite fun¸ao inversa, que ´ a logar´ c˜ e ıtmica. Do estudo das fun¸oes inversas, descobrimos que, no plano carc˜ tesiano, seus gr´ficos s˜o sim´tricos em rela¸ao a bissetriz a a e c˜ do 1◦ e 3◦ quadrantes. Assim, para as fun¸oes exponencial c˜ e logar´ ıtmica, de base 0 < a < 1 e a > 1, temos:

Figura 3.2: Fun¸ao logar´ c˜ ıtmica com base 0 < a < 1

Os ponto A e B s˜o chamados de extremidades dos arcos. a Medida de um arco Grau ´ o arco umit´rio equivalente a 1/360 da circunferˆncia e a e que o cont´m. e

Figura 3.1: Fun¸ao logar´ c˜ ıtmica com base a > 1 Observa¸ao: 1◦ = 60 e 1 = 60 c˜ Radiano ´ o arco cujo comprimento ´ igual ao comprimento e e do raio da circunferˆncia que o cont´m. e e

Fun¸oes Trigonom´tricas c˜ e
Arco de Circunferˆncia e Observemos que os pontos A e B dividem a circunferˆncia e em duas partes. Cada uma dessas partes ´ denominado arco e de circunferˆncia. Assim, temos: e arco AB= arco BA

´ Matematica A – Aula 4 Observa¸ao: O raio da circunferˆncia quando utilizado como c˜ e instrumento de medida ´ denominado raio unit´rio, isto ´, e a e se o comprimento de um arco ´ x raios, sua medida ´ x e e radianos. Lembrando que qualquer circunferˆncia tem 360 ◦ , e temos que: 360◦ corresponde a 2π rad e 180◦ corresponde a π rad. ˆ Angulo Plano ´ E a abertura de duas semi-retas que partem do mesmo ponto. ˆ Angulo Central de uma Circunferˆncia e ´ ˆ E o angulo que tem o v´rtice no centro dessa circunferˆncia. e e

103

Fun¸˜o Cosseno ca Chamamos de fun¸ao cosseno a fun¸ao f : R → R que, a c˜ c˜ cada n´mero real x, associa o cosseno desse n´mero. u u Circunferˆncia Trigonom´trica e e Uma circunferˆncia orientada, de raio unit´rio (r = 1), soe a bre a qual um ponto A ´ a origem de medida de todos os e arcos nela contidos, ´ uma circunferˆncia trigonom´trica. e e e Vamos considerar uma circunferˆncia cujo centre coincide e com a origem do sistema cartesiano e o ponto A(1, 0), que ´ e a origem de todos os arcos, como mostra a figura a seguir: f (x) = cos x O dom´ ınio dessa fun¸ao ´ R e a imagem ´ o intervalo real c˜ e e [-1,1], visto que, na circunferˆncia trigonom´trica, o raio ´ e e e unit´rio. a Sinal da Fun¸˜o Cosseno ca O sinal da fun¸ao cosseno ´ dada seguindo o esquema c˜ e abaixo:

Os eixos 0x e 0y do plano cartesiano dividem a circunferˆncia em quatro arcos de mesma medida, numerados no e sentido anti-hor´rio. Esses eixos dividem o plano em quaa tro regi˜es, denominadas quadrantes, tamb´m numeradas o e no sentido anti-hor´rio. a Fun¸˜o Tangente ca Fun¸˜o Seno ca Chamamos de fun¸ao seno a fun¸ao f : R → R que, a cada c˜ c˜ n´mero real x, associa o seno desse n´mero: u u f (x) = sen x O dom´ ınio dessa fun¸ao ´ R e a imagem ´ intervalo [-1,1], c˜ e e visto que, na circunferˆncia trigonom´trica, o raio ´ unit´rio. e e e a Sinal da fun¸˜o seno ca O sinal da fun¸ao seno ´ dada seguindo o esquema abaixo: c˜ e A fun¸ao f definida em R que a cada n´mero x associa a c˜ u tangente desse n´mero: u f (x) = tan x O dom´ ınio da fun¸ao tan x ´ R − {nπ/2}, com n = c˜ e 0, ±1, ±2, . . ., e a imagem da fun¸ao ´ R. c˜ e Sinal da Fun¸˜o Tangente ca O sinal da fun¸ao tangente ´ dada seguindo o esquema c˜ e abaixo:

104

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Lei dos Senos ´ E a rela¸ao v´lida para qualquer triˆngulo que se traduz c˜ a a pela seguinte f´rmula: o b c a = = sen A sen B sen C

c
Cotangente Por defini¸ao temos: c˜ cotg x = para todo x|tan x = 0 Secante Por defini¸ao temos: c˜ sec x = para todo x|cos x = 0 Cossecante Por defini¸ao temos: c˜ cossec x = para todo x|sen x = 0 1 sen x 1 cos x 1 tan x Lei dos Cossenos

B b

a C

A

´ E a rela¸ao v´lida para qualquer triˆngulo que se traduz c˜ a a pela seguinte f´rmula: o a2 = b2 + c2 − 2bc · cos A Com essa f´rmula, dadas as medidas de dois lados e do o angulo compreendido entre eles, calcula-se o terceiro lado de ˆ qualquer triˆngulo. Como se pode ver, ´ uma generaliza¸ao a e c˜ do Teorema de Pit´goras. a

Pense um Pouco!
• Dado o sen x como vocˆ acharia o cos x? E a tan x? e • A tan x pode ser maior do que 1? • Para que valores de x temos sen x > cos x?

Rela¸oes trigonom´tricas c˜ e
tanx = f racsen xcos x sen x + cos x = 1 1 + tan2 x = sec2 x 1 + cotan2 x = cossec2
2 2

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (FCC-Ba) Indica-se por log x o logaritmo do n´mero x u na base 10. A equa¸ao xlog x = 10000 admite duas ra´ c˜ ızes: a) iguais b) opostas entre si c) inteiras d) cujo produto ´ 1 e e) cuja soma ´ 101 e 2. (MACK-SP) Se

Transforma¸oes Trigonom´tricas c˜ e
F´rmulas da Adi¸˜o o ca Sejam a e b dois arcos positivos, do primeiro quadrante, cuja soma ainda pertence ao primeiro quadrante. Valem para esses arcos as seguintes identidades: sen (a ± b) = sen a · cos b ± sen b · cos a cos (a ± b) = cos a · cos b ± sen a · sen b tan (a ± b) = 1 tan a ± tabb tan a · tan b

1 1 1 + + =2 log2 x log3 x log6 x ent˜o x2 ´ igual a: a e a) 25 b) 36 c) 16 d) 81 e) 100

´ Matematica B – Aula 01

105 linha e a coluna que o elemento ocupa. Uma matriz A do tipo m × n ´ representada por: e    A=    a11 a21 a31 . . . am1 a12 a22 a32 . . . am2 a13 a23 a33 . . . am3 ··· ··· ··· a1n a2n a3n . . .       

Exerc´ ıcios Complementares
3. (FGV-SP) Determine a de forma que se tenha simulta√ neamente sem x = 1/a e cos x = 1 + a/a a) a = −1 ou a = −2 b) a = 1 e a = 2 c) a = −1 e a = 2 d) a = 2 e a = −2 e) a = 1 ou a = −1 4. (UEL-PR) Para todo n´mero real, tal que que 0 < x < u 1/2, a express˜o a sec x + tg x cos x + cot x ´ equivalente a: e a) (sen x)(cotg x) b) (sec x)(cotg x) c) (cos x)(tg x) d) (sec x)(tg x) e) (sen x)(tg x)

··· · · · amn

ou, abreviadamente, A = [aij ]m×n , em que i e j representam, respectivamente, a linha e a coluna que o elemento ocupa. Por exemplo, na matriz anterior, a31 ´ o elemento e da 3a linha e da 1a coluna.

Exemplo Na matriz: A= temos 2 6 −5 0 =2 =6 = −5 =0

Matem´tica B a
Matrizes

Aula 01

  a11   a12   a21  a22

Tipos de matrizes
Algumas matrizes recebem nomes especiais, devido suas caracter´ ısticas. • Matriz linha : matriz do tipo 1 × n, ou seja, com uma unica linha. Por exemplo, a matriz A = ´ 5 8 −2 3 , do tipo 1 × 4. • Matriz coluna : matriz do tipo m × 1, ou seja, com   3 uma unica coluna. Por exemplo,  −5 , do tipo ´ 2 3 × 1. • Matriz quadrada : matriz do tipo n × n, ou seja, com o mesmo n´mero de linhas e colunas; dizemos que u a matriz ´ de ordem n. Os elementos da forma aii e constituem a diagonal principal. Os elementos a ij em que i + j = n + 1 constituem a diagonal secund´ria. a Por exemplo, a matriz C= 7 −9 2 4

´ chamada matriz. e

Uma tabela de n´meros dispostos em linhas e colunas, como u por exemplo:   3 1 4 2  6 −5 0 −1  7 11 −3 5

Se essa tabela ´ formada por m linhas e por n colunas, e dizemos que a matriz ´ do tipo m por n, e indicamos m × n. e No exemplo, a matriz A tem 3 linhas e 3 colunas; ent˜o, A a ´ do tipo 3 × 4: A(3 × 4). e De modo geral, apresentamos uma matriz cercando as linhas e as colunas por parˆnteses como na matriz A acima. e Podemos tamb´m utilizar colchetes ou duplas barras. e

Exemplos
1. B = 2 1/2 −3 5 0 −1 1 4 5 −1 −1 ´ uma matriz (2 × 3) e

2. C = 3. D =

´ uma matriz de ordem 2 e ´ uma matrix (1 × 4) e

0 3 5

´ do tipo 2 × 2, isto ´, quadrada de ordem 2. e e • Matriz nula: matriz em que todos os elementos s˜o a nulos; ´ representada por 0m×n . Por exemplo, e 02×3 = . 0 0 0 0 0 0

Nota¸˜o Geral ca
Normalmente representamos as matrizes por letras mai´sculas e seus elementos por letras min´saculas, acomu u panhadas por dois ´ ındices que indicam, respectivamente, a

106 • Matriz diagonal: matriz quadrada em que todos os elementos que n˜o est˜o na diagonal principal s˜o nua a a los. Por exemplo:   4 0 0 B3×3 =  0 5 0  0 0 −3 . • Matriz identidade: matriz quadrada em que todos os elementos da diagonal principal s˜o iguais a 1 e os dea mais s˜o nulos; ´ representada por In , sendo n a ordem a e da matriz. Por exemplo:   1 0 0 I3 =  0 1 0  0 0 1 Para uma matriz identidade aij = 1 aij = 0 se i = j se i = j

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Pense um Pouco!
• Qual a rela¸ao entre uma matriz A e sua oposta? c˜ • No que a matriz antisim´trica difere da matriz e sim´trica? e

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Escreva a matriz A(3 × 3) = [aij ], onde aij = i + 2j. Determine, em seguida, At (a matriz transposta de A). 2. Escreva a matriz A(2 × 2) aij = 2i, se i = j aij = j − 10 se i = j x2 + 1 logx 81 0 y2 10 y − 2 4 4 = [aij ] onde

3. (ACAFE) Seja A = B, onde A= eB=

• Matriz sim´trica: matriz e que A = At . Por exemplo  3 A= 5 6

• Matriz transposta: Dada uma matriz A(m × n), a matriz que se obt´m trocando ordenadamente as linhas e pelas colunas chama-se transposta de A, e ´ indicada e por At (ou por At ). Por exemplo   2 3 2 5 0 A =  5 −1  =⇒ At = 3 −1 6 0 6 quadrada de ordem n tal  5 6 2 4  4 8

ent˜o os valores de x e y ser˜o, respectivamente: a a a) 2 e 3 b) ±2 e ±3 c) 3 e 2 d) −3 e −2 e) ±3 e ±2

Exerc´ ıcios Complementares
4. Sendo A = [aij ]2×3 tal que aij = i + j, determinde x, y 2 y−1 4 . e z tais que A = x z 5 5. Dada a matriz A = (aij )3×3 tal que aij = i2 + 2j − 5, calcule a12 + a31 . 6. Calcule a soma dos elementos da 2a coluna da matriz B = (bij )2×3 , em que bij = 2i + j − 1

´ sim´trica pois temos aij = aji . e e

• Matriz anti-sim´trica: Uma matriz quadrda A = e [aij ] ´ anti-sim´trica se At = −A. Por exemplo e e   0 3 4 A =  −3 0 −6  −4 6 0

• Matriz oposta: matriz −A obtida a partir de A trocando-se o sinal de todos os elementos de A. Por exemplo, se 3 0 A= 4 −1 ent˜o a −A = −3 −4 0 1

Matem´tica B a
Opera¸oes com Matrizes c˜
Adi¸˜o ca

Aula 02

Igualdade de Matrizes
Duas matrizes, A e B, do mesmo tipo m × n, s˜o iguais a se, e somente se, todos os elementos que ocupam a mesma posi¸ao s˜o iguais. Por exemplo, se c˜ a A= x z y t eB= 8 5 −1 3

Dadas as matrizes A e B, ambas do mesmo tipo (m × n), somar A com B ´ obter a matriz A + B, do tipo m×n, onde e cada elemento ´ a soma dos elementos de mesma posi¸ao de e c˜ A e B. Por exemplo: 8 −7 3 2 3 5 eB= Se A = 2 4 6 −1 4 −2 ent˜o a 2+8 3−7 5+3 −1 + 2 4 + 4 −2 + 6

A = B se, e somente se, x = 8, y = −1, z = 5 e t = 3.

A+B =

´ Matematica B – Aula 02 A+B = 10 −4 1 8 8 4

107

Multiplica¸˜o de Matrizes ca
Dadas as matrizes A = (aik )m × n e B = (bik )m × p, definese como produto de A por B a matriz C = (cij )m × p tal que o elemento cij ´ a soma dos produtos da i-´sima linha e e de A pelos elementos correspondentes da j-´sima coluna de e B. C = A · B ⇒ cij = Observa¸˜o ca Somente existe o produto de uma matriz A por outra matriz B se o n´mero de colunas de A ´ igual ao n´mero de linhas u e u de B. Se existir o produto de A por B, o tipo da matriz produto ´ dado pelo n´mero de linhas de A e pelo n´mero e u u de colunas de B. Pode existir o produto de A por B, mas n˜o existir o produto de B por A. a
p k=1 (Aik

Propriedades da Adi¸˜o ca Sendo A, B e C matrizes do mesmo tipo (m × n), temos as seguintes propriedades para a adi¸ao: c˜ a) comutativa: A + B = B + A b) associativa: (A + B) + C = A + (B + C) c) elemento neutro: A + 0 = 0 + A = A, sendo 0 a matriz nula m × n d) elemento oposto: A + (−A) = (−A) + A = 0

· Bik )

Subtra¸˜o ca
Para entendermos a subtra¸ao de matrizes devemos saber c˜ o que ´ uma matriz oposta. A oposta de uma matriz M ´ e e a matriz −M , cujos elementos s˜o os n´meros opostos de a u mesma posi¸ao de M . Por exemplo: c˜ M= 2 −3 −5 7 =⇒ −M = −2 3 5 −7

Propriedades Verificadas as condi¸oes de exixtˆncia para a multiplica¸ao c˜ e c˜ de matrizes, valem as seguintes propriedades: a) associativa: (A · B) · C = A · (B · C) b) distributiva em rela¸ao a adi¸ao: A·(B+C) = A·B+A·C c˜ ` c˜ ou (A + B) · C = A · C + B · C c) elemento neutro: A · In = In · A = A, sendo In a matriz identidade de ordem n Geralmente a propriedade comutativa n˜o vale para a mula tiplica¸ao de matrizes (A · B = B · A). N˜o vale tamb´m c˜ a e o anulamento do produto, ou seja: sendo 0m×n uma matriz nula, A · B = 0m×n n˜o implica, necessariamente, que a A = 0m×n ou B = 0m×n .

Com a matriz oposta podemos definir a diferen¸a de matric zes: A − B = A + (−B) ou seja, para subtrair matrizes, somamos a primeira com a oposta da segunda. Assim para as matrizes A e B acima, temos: A − B = A + (−B) A−B = Logo, A−B = 2 −1 −6 −3 3 5 4 −2 10 2 0 −8 + −8 −2 7 −3 −4 −6

Invers˜o de Matrizes a
Dada uma matriz A, quadrada, de ordem n, se exixtir uma matriz A , de mesma ordem, tal que A · A = A · A = In , ent˜o A ´ matriz inversa de A. Representamos a matriz a e inversa por A−1 .

Multiplica¸˜o por um N´ mero Real ca u
Multiplicar um n´mero k por uma matriz A ´ obter a matriz u e kA, cujos elementos s˜o os elementos de A multiplicados, a todos por k.     2 1 6 3 A =  4 −3  =⇒ 3A =  12 −9  −1 5 −3 15 Propriedades Sendo A e B matrizes do mesmo tipo m × n e x e y n´meros u reais quaisquer, valem as seguintes propriedades: a) associativa: x · (yA) = (xy) · A b) distributiva de um n´mero real em rela¸ao a adi¸ao de u c˜ ` c˜ matrizes: x · (A + B) = xA + xB c) distributiva de uma matriz em rela¸ao a adi¸ao de dois c˜ ` c˜ n´meros reais: (x + y) · A = xA + yA u d) elemento neutro: xA = A, para x = 1, ou seja, 1 · A = A

Pense um Pouco!
• Sempre podemos multiplicar matrizes de mesma ordem (iguais) ? • (ACAFE) Sejam as matrizes A3×2 , B3×3 e C2×3 . A alternativa em que a express˜o ´ poss´ de ser detera e ıvel minada ´: e a) B 2 · (A + C) b) (B · A) + C c) (C · B) + A d) (A · C) + B e) A · (B + C)

108

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o a) 9 4 b) 4 9 c) 4 d) 5 9 1 e) − 9 8. (UECE) O produto da inversa da matriz 1 0 1 1 ´ igual a: e pela matriz I = A= 0 1 1 2 −2 1 a) −1 1 2 −1 b) 1 −1 −2 1 c) 1 −1 2 −1 d) −1 1

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Sendo A = tir. A = 1 2 −2 1 1/5 −2/5 2/5 1/5 , determine sua inversa, se exix-

1 , seja At a sua −2 matriz transposta. O produto A · At ´ a matriz: e 2. (ACAFE) Dada a matriz A = 0 1 2 −2 0 2 1 −2 1 −2 −2 0 1 0 2 1 1 −2 −2 8 a) b) c) d) e

0 2

Matem´tica B a
Determinantes

Aula 03

3. (ACAFE) Considre as matrizes 1 2 x A= ,B= e −2 −1 y 6 . Sabendo que A · B = C, o valor de |x| + |y| ´: e C= 9 a) 15 b) 1 c) 57 d) 9 e) 39

Determinante ´ um n´mero que se associa a uma matriz e u quadrada. De modo geral, um determinante ´ indicado e escrevendo-se os elementos da matriz entre barras ou antecedendo a matriz pelo s´ ımbolo det. a b Assim, se A = , o determinante de A ´ indicado e c d por: a b a b = detA = det c d c d O c´lculo de um determinante ´ efetuado atrav´s de regras a e e ´ espec´ ıficas que estudaremos mais adiante. E importante ressaltarmos alguns pontos: 1. Somente as matrizes quadradas ´ que associamos de` e terminantes. 2. O determinante n˜o representa o valor de uma matriz. a Lembre-se, matriz ´ uma tabela, e n˜o h´ significado e a a falar em valor de uma tabela.

Exerc´ ıcios Complementares
 1 0 4. Dadas as matrizes A =  3 2  e 5 4 2 −1 0 , calcule X = 2A − 3B t . B= 1 3 4 5. A matriz A = (aij )3×3 ´ definida, de tal forma que: e aij = se i>j se i=j i + j se i < j
i−j i∗j

Determinante de 1a Ordem
Dada uma matriz quadrada de 1a ordem M = [a11 ], o seu determinante ´ o n´mero real a11 : e u  det M = |a11 | = a11 Exemplo M = [5] ⇒ det M = 5 ou |5| = 5

Determinar a matriz inversa de A. 6. Dada a matriz cos θ M =  sen θ 0
t

−sen θ cos θ 0

Calcule M · M .

0 0  1

7. (ITA-SP) Considere P a matriz inversa da matriz M = 1/3 0 . A soma dos elementos da diagonal principal 1/7 1 da matriz P ´: e

Determinante de 2a Ordem
a11 a12 , de ordem 2, por defini¸ao c˜ a21 a22 a o determinante associado a M , determinante de 2 ordem, Dada a matriz M =

´ Matematica B – Aula 03 ´ dado por: e a11 a21 a12 a22 = a11 a22 − a12 a21 − (a13 a22 a31 + a11 a23 a32 + a12 a21 a33 )

109

Menor Complementar
Chamamos de menor complementar relativo a um elemento aij de uma matriz M , quadrada de ordem n > 1, o determinante M C ij , de ordem n − 1, associado a matriz obtida de ` M quando suprimimos a linha e a coluna que passam por aij . Por exemplo, dada a matriz M= a11 a21 a12 a22

Determinante de 3a Ordem
Para o c´lculo de determinantes de ordem 3 podemos utilia zar uma regra pr´tica, conhecida como Regra de Sarrus, a que s´ se aplica a determinantes de ordem 3. A seguir, exo plicaremos detalhadamente como utilizar a Regra de Sarrus para calcular o determinante D= a11 a21 a31 a12 a22 a32 a13 a23 a33

de ordem 2, para determinar o menor complementar relativo ao elemento a11 (M C 11 ), eliminamos a linha 1 e a coluna 2: a11 a21 a12 a22 ⇒ M C 11 = |a22 | = a22

1o passo: terceira:

Repetimos as duas primeiras colunas ao lado da

a11 a12 a13 a11 a12 a21 a22 a23 a21 a22 a31 a32 a33 a31 a32

De modo an´logo, para obtermos o menor complementar a relativo ao elemento a12 , eliminamos a linha 1 e a coluna 2: a11 a21 a12 a22 ⇒ M C 12 = |a21 | = a21

2o passo: Devemos encontrar a soma do produto dos elementos da diagonal principal com os dois produtos obtidos pela multiplica¸ao dos elementos das paralelas a essa diagoc˜ nal:

Para um determinante de ordem 3, o processo de obten¸ao c˜ do menor complementar ´ o mesmo utilizado anteriormente, e por exemplo, sendo a11 M =  a21 a31 de ordem 3, temos: M C 11 = a22 a32 a23 a33 = a22 a33 − a23 a32  a12 a22 a32  a13 a23  a33

a11 a12 a13 a11 a12 a21 a22 a31 a32
o

a23 a21 a22 a33 a31 a32

multiplicar e somar
3 passo: Encontramos a soma do produto dos elementos da diagonal secund´ria com os dois produtos obtidos pela a multiplica¸ao dos elementos das paralelas a essa diagonal: c˜

Cofator
Chama-se de cofator de um elemento aij de uma matriz quadrada o n´mero Aij tal que u Aij = (−1)
i+j

· M Cij

a11 a21 a31

a12 a13 a22 a23 a32 a33

a11 a21 a31

a12 a22 a32

Exemplo a11 Considerando M =  a21 a31  a12 a22 a32  a13 a23  a33

multiplicar e somar
Assim, subtraindo o segundo produto do primeiro, podemos escrever o determinante como: D = (a11 a22 a33 + a12 a23 a31 + a13 a21 a32 )

calcularemos o cofator A23 . Temos que i = 2 e j = 3, logo: 2+3 A23 = (−1) · M C23 . Devemos calcular M C23 . M C 23 = a11 a31 a12 a32 = a11 a32 − a12 a31

Assim A23 = (−1) · (a11 a32 − a12 a31 )

110

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o igual ao produto dos elementos dessa diagonal multiplicados por (−1) 2 . P11 ) Para A e B matrizes quadradas de mesma ordem n, det(AB) = det A · det B. Como A · A−1 = I, det A−1 = 1/det A. P12 ) Se k ∈ R, ent˜o det (k · A) = k n · det A. a
n(n−1)

Teorema de Laplace
O determinante de uma matriz quadrada M = [aij ]m×n (m ≥ 2) pode ser obtido pela soma dos produtos dos elementos de uma fila qualquer (linha ou coluna) da matriz M pelos respectivos cofatores. Desta forma, fixando j ∈ N, tal que 1 ≤ j ≤ m, temos: det M =
m m i=1

aij Aij

Pense um Pouco!
• Podemos associar um determinante apenas a matrizes quadradas?

e o ındice i, em que i=1 ´ o somat´rio de todos os termos de ´ variando de 1 at´ m, m ∈ N. e Exemplo: Calcule o determinante a seguir utilizando o Teorema de Laplace: D= 2 −2 0 3 −4 1 2 5 6

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (ACAFE) O valor do determinante a) 0 b) 4 c) 7 d) 17 2 e) 53 2 2. (UDESC) Sejam as matrizes quadradas de ordem 2, A = (aij ) com aij = i2 − j 2 e B = (bij ) com bij = aij − 3 se i > j, e bij = aij + 3 se i ≤ j. Determine: a) a matriz A b) a matriz B c) a matriz A · B d) o determinante da matriz A · B 3. (UDESC) A partir da matriz A = [aij ]2×2 , onde aij = −1 se i≥j i+j se i<j , calcular o determinante do produto da matriz A pela sua transposta, ou seja: det(A × At ), onde At ´ a e matriz transposta de A. log2 8 4−1/2 log10 2 31 ´: e

Aplicando o Teorema de Laplace na coluna 1, te3 −4 1 2 2+1 1+1 + + (−2)(−1) mos: D = 2(−1) 5 6 5 6 3 −4 3+1 0(−1) 1 2 D = 2(+1)(−4) + (−2)(−1)38 + 0 = −8 + 76 = 68 Observa¸˜o ca Se calcularmos o determinante utilizando a Regra de Sarrus, obteremos o mesmo n´mero real. u

Propriedades dos determinantes
P1 ) Quando todos os elementos de uma fila (linha ou coluna) s˜o nulos, o determinante dessa matriz ´ nulo. a e P2 ) Se duas filas de uma matriz s˜o iguais, ent˜o seu detera a minante ´ nulo. e P3 ) Se duas filas paralelas de uma matriz s˜o proporcionais, a ent˜o seu determinante ´ nulo. a e P4 ) Se os elementos de uma matriz s˜o combina¸oes lineares a c˜ dos elementos correspondentes de filas paralelas, ent˜o seu a determinante ´ nulo. e P5 ) Teorema de Jacobi: o determinante de uma matriz n˜o se altera quando somamos aos elementos de uma fila, a uma combina¸ao linear dos elementos correspondentes de c˜ filas paralelas. P6 ) O determinante de uma matriz e o de sua transposta s˜o iguais. a P7 ) Multiplicando-se por um n´mero real todos os elemenu tos de uma fila em uma matriz, o determinante dessa matriz fica multiplicado por esse n´mero. u P8 ) Quando trocamos as posi¸oes de duas filas paralelas, o c˜ determinante de uma matriz muda de sinal. P9 ) Quando, em uma matriz, os elementos acima ou abaixo da diagonal principal s˜o todos nulos, o determinante ´ igual a e ao produto dos elementos dessa diagonal. P10 ) Quando, em uma matriz, os elementos acima ou abaixo da diagonal secund´ria s˜o todos nulos, o determinante ´ a a e

Exerc´ ıcios Complementares
4. (UNIFENAS) Dada a matriz A = minate de sua matriz inversa A a) −2 b) −4 c) 1 2 d) 4 1 e) − 4
−1

1 2

´: e

0 −4

o deter-

5. (MACK) A e B s˜o matrizes quadrdas de ordem 3 e a B = k · A. Sabe-se que det A = 1, 5 e det B = 96. Ent˜o: a a) k = 64 b) k = 96 c) k = 1 4 3 d) k = 2 e) k = 4

´ Matematica C – Aula 01 6. (PUC) O cofator do elemento a23 da matriz A = 2 1 3 1 2 2 ´: e 0 1 2 a) 2 b) 1 c) −1 d) −2 e) 3 7. (UDESC) Seja A uma matriz quadrada de ordem 3, apresentada abaixo, cujo determinante ´ igual a 0, 75. e   sen x 0 1 −1 2  A= 0 2 sen x 0 Considerando π/2 < x < π, determinar o valor de tg x.

111 para a l´gica, a Teoria dos N´meros e outros ramos da Mao u tem´tica. Em fun¸ao disso, Cantor ´ conhecido como o cria c˜ e ador da Teoria dos Conjuntos. Na formula¸ao dessa teoria, c˜ Cantor utilizou tamb´m formas de representa¸ao em diagrae c˜ mas que j´ tinham sido utilizadas no estudo da L´gica por a o Leonard Euler (1707−1783) e por John Venn (1834−1923).

Conjunto
A no¸ao de conjunto ´ aceita sem defini¸ao, como conceito c˜ e c˜ primitivo, formada a partir da id´ia de cole¸ao: Assim, poe c˜ demos nos referir a conjunto de animais, pessoas, objetos, n´meros, letras, etc . . . Existem certos conjuntos que tˆm u e um nome especial chamado coletivo. Exemplo: O coletivo de cavalos ´ manada, o coletivo de estrelas ´ constela¸ao, e e c˜ o coletivo de lobos ´ alcat´ia. Cada um dos integrantes de e e um conjunto ´ chamado de elemento do conjunto. Em gee ral, indicamos o nome de um conjunto por letras mai´sculas u (A,B,C,. . . ,Z) e o de seus elementos, que se sup˜e distintos o entre si, dois a dois, por letras min´sculas (a,b,c,. . . ,z). u ` no¸ao de constituir associamos, em matem´tica, o conA c˜ a ceito tamb´m primitivo de pertencer. e Dessa forma, tomando o conjunto V das vogais, dizemos que o elemento a pertence ao conjunto V . Simbolizamos essa rela¸ao por: c˜ a∈V Para indicar que a consoante m n˜o pertence a V , escrevea mos: m∈V / Os s´ ımbolos ∈ (pertence) e ∈ (n˜o pertence), s˜o sempre / a a utilizados no sentido do elemento para o conjunto.

Matem´tica C a
Teoria dos Conjuntos
Hist´ria o

Aula 01

As no¸oes que deram origem a Teoria dos conjuntos, est˜o c˜ ` a diretamente ligadas aos estudos dos matem´ticos inglea ses Augustus De Morgan (1806 − 1871) e George Boole (1815 − 1864), considerados fundadores da l´gica moderna. o Boole publicou em 1854 uma obra onde eram apresentados os fundamentos de uma algebra espec´ ´ ıfica para o estudo da l´gica. Em seus trabalhos, ele utilizou freq¨entemente o u rela¸oes entre “conjuntos”de objetos. Entretanto, n˜o chec˜ a gou a desenvolver o conceito de conjunto de modo adequado.

Representa¸˜o de Conjuntos ca
Um conjunto pode ser representado de v´rias formas disa tintas: por enumera¸ao, por uma propriedade caracter´ c˜ ıstica ou por diagramas. Enumera¸ao: Neste caso, escrevemos c˜ seus elementos entre chaves, separados por v´ ırgulas e sem repeti¸ao. c˜

Exemplo: O conjunto P dos n´meros inteiros e positivos, u compreendidos entre 3 e 8. P = {4, 6, 8, 10, 12, 14}. (a) (b) Propriedade Caracter´ ıstica Para representar um conjunto atrav´s de uma propriedade e caracter´ ıstica α , escrevemos: A = {a/a tem a propriedade α}. Exemplo Para o conjunto do exemplo anterior, temos: P = {x/x ´ Natural maior do que 7}. e

Figura 3.1: George Boole (1815–1864) (a) e George Cantor (1845-1918) (b) Somente em 1890, o matem´tico russo George Cantor a (1845 − 1918), que desenvolvia estudos sobre a Teoria dos N´meros, publicou na Alemanha uma s´rie de proposi¸oes e u e c˜ defini¸oes que vieram a se constituir na linguagem simb´lica c˜ o

112 Diagramas de Venn Na representa¸ao por diagrama, tra¸amos uma linha fec˜ c chada em torno dos seus elementos associados a pontos. Exemplo O diagrama abaixo representa o conjunto A das vogais.

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Exemplo Seja A = {5, 7, 9} e B = {5, 7, 9}. Veja que: A = B, pois todo elemento que pertence a A ´ tamb´m elemento de B, e e e todo elemento de B ´ elemento de A. e

Subconjunto
Se cada elemento de um conjunto A pertence a um outro conjunto B, dizemos que A ´ subconjunto de B. Assim: e A ⊂ B, que se lˆ: A est´ contido em B. Simbolicamente e a escrevemos:

A e

a i

A ⊂ B ⇔ (∀ x) (x ∈ A e x ∈ B) Exemplos

o

u U = alfabeto

O conjunto A = {2, 3, 4, 5} ´ um subconjunto de B = e {1, 2, 3, 4, 5, 6}, pois cada um dos elementos de A se acha em B (note que a rec´ ıproca n˜o ´ verdadeira). Quando a e dois conjuntos C e D tˆm todos os elementos em comum e (C = D), implica em: C⊂DeD⊂C

Figura 3.2: Diagrama de Venn para o conjunto A das vogais. Em geral, o diagrama de Venn representa tamb´m o cone junto universo U , que cont´m o conjunto representado. Para e isso, desenha-se em torno do diagrama um retˆngulo reprea sentando o conjunto U .

O conjunto C = {3, 6, 9} est´ contido em D = {9, 3, 6} e a vice-versa. Caso exista pelo menos um elemento de A que n˜o perten¸a a B, dizemos que A n˜o est´ contido em B, a c a a ou que A n˜o ´ subconjunto de B. a e (∃x/x ∈ A e x ∈ B) ⇒ A ⊂ B

Classifica¸˜o dos Conjuntos ca
Podemos classificar um conjunto de acordo com o seu n´mero de elementos n(D). Portanto, um conjunto D ´ u e chamado conjunto vazio se n˜o possui elementos. Isto ´: a e n(D) = 0 ⇔ vazio Representamos o conjunto vazio por: D = { } ou D = Ø Por outro lado, um conjunto D ´ dito conjunto unit´rio, e a quando tiver apenas um elemento, isto ´: n(D) = 1. e n(D) = 1 ⇔ D ´ unit´rio e a Ainda: Quando n˜o se pode contar o n´mero de elemena u tos, temos um conjunto infinito, caso contr´rio, temos um a conjunto finito.

Conjunto das Partes
Em geral, para qualquer conjunto A, pode-se construir um novo conjunto, cujos elementos sejam todos os subconjuntos poss´ ıveis de A. A esse novo conjunto chamamos de: Conjunto das partes de A, que ´ representado por P (A). e P (A) = {x/x ⊂ A} Exemplo Sendo o conjunto A = {2, 3, 5}, podemos escrever seus subconjuntos como segue: Com zero elemento - ∅ Com um elemento - {2},{3},{5} Com dois elementos - {2, 3},{2, 5},{3, 5} Com trˆs elementos - {2, 3, 5} e Assim, temos: P (A) = {∅, {2}, {3}, {5}, {2, 3}, {2, 5}, {3, 5}, {2, 3, 5}} Pode-se demonstrar que, se n(A) = k ent˜o, o n´mero de a u elementos que formam o conjunto das partes de A n(P (A)), ´ dado por 2k . e

Igualdade
Um conjunto A ser´ igual a um conjunto B, se ambos a possu´ ırem os mesmos elementos, isto ´, se cada elemento e que pertence a A pertencer tamb´m a B e vice-versa. e A = B ⇔ ∀ x, x ∈ A e x ∈ B

Opera¸oes com Conjuntos c˜
Uni˜o a A uni˜o entre dois conjuntos A e B consiste num outro a conjunto C de todos os elementos que pertencem a A ou a

´ Matematica C – Aula 01 B ou a ambos. Simbolicamente, temos: C = A ∪ B, lˆ-se: e C ´ igual a A uni˜o B. De uma maneira mais concisa a e a defini¸ao dada acima pode ser escrita simbolicamente por: c˜ A ∪ B = {x/x ∈ A ou x ∈ B} Exemplo Fazendo a uni˜o dos conjuntos A = {2, 4, 7} e B = {1, 3, 4}, a temos: A ∪ B = {1, 2, 3, 4, 7} Tamb´m podemos representar e a uni˜o usando diagramas: a

113

L

c s l r a o u

e i

V U={a,b,c,...,x,y,z}

1 A 2 4 7 3

B

Figura 3.4: Intersec¸ao de conjuntos. c˜ • A ∩ B = A. • A ∩ B = B ∩ A. • (A ∩ B) ⊂ A = (A ∩ B) ⊂ B. • ∅ ∩ A = ∅. Complemento e Universo Em muitos casos, faz-se necess´rio que consideremos um a conjunto mais amplo que os demais. A esse conjunto (que cont´m todos os outros como subconjuntos) ´ denominado e e de conjunto Universo. Para representa-lo, usamos a letra mai´scula U . Obs.: A no¸ao de conjunto Universo u c˜ ´ relativa, dependendo das circunstˆncias e amplitude do e a contexto que desejamos empreg´-la. a Exemplos • para os conjuntos de n´meros inteiros, Z o conjunto u universo; • para os conjuntos de letras, o alfabeto ´ o conjunto e universo; • para os resultados da loteria, N ´ o conjunto universo; e • para o conjunto das ra´ de 4, {+2, −2} ´ o conjunto ızes e universo. Na maioria dos assuntos estudados em matem´tica, o cona junto dos n´meros reais ´ o conjunto universo. u e Diferen¸a c Denominamos diferen¸a A − B (lˆ-se: A menos B), o conc e junto formado pelos elementos pertencentes a A e n˜o a B, a ou seja: A − B = {x/x ∈ A e x ∈ B} Exemplo Considerando os conjuntos: L = {c, a, r, l, o, s} e V = {a, e, i, o, u}, temos que a diferen¸a A − B = {c, r, l, s}. c Em diagramas: Propriedades

U=N
Figura 3.3: Uni˜o de conjuntos. a Obs.: N˜o ´ necess´rio que se repitam os elementos comuns a e a aos dois conjuntos. Assim, no exemplo anterior o 4 ´ comum e tanto a A como a B, no conjunto uni˜o ele deve ser escrito a uma s´ vez. o Propriedades da Uni˜o a • A ∪ A = A, pois: A ∪ A = {x/x ∈ A ou x ∈ A}. • A ∪ B = B ∪ A, ou seja a uni˜o ´ comutativa, visto que: a e A ∪ B = {x/x ∈ A ou x ∈ B} = {x/x ∈ Bou x ∈ A} = B ∪ A. • A ⊂ (A ∪ B) = B ⊂ (A ∪ B), isto ´: Tanto A como B e s˜o subconjuntos do conjunto A ∪ B. a • ∅ ∪ A = A , visto que: ∅ ∪ A = {x/x ∈ ∅ ou x ∈ A}, como se sabe o conjunto vazio n˜o tem elementos, logo; a resta-nos que x ∈ A, o que implica que ∅ ∪ A = A. Intersec¸˜o ca Chamamos de intersec¸ao de um conjunto A com outro conc˜ junto B, ao conjunto constitu´ pelos elementos x que perıdo tencem tanto a A como a B, simultaneamente. A esse conjunto indicamos:A ∩ B, lˆ-se: “A intersec¸˜o B”, ou por e ca simplicidade “A inter B”. Esquematicamente temos: A ∩ B = {x/x ∈ A e x ∈ B} Exemplo Sejam L = {c, a, r, l, o, s} e V = {a, e, i, o, u}, temos: L ∩ V = {a, o}. Em diagramas: Propriedades da Intersec¸˜o ca

114

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

L

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca

c s l r a o u

e i

V U={a,b,c,...,x,y,z}

1. (OSEC) Numa escola de 360 alunos, onde as unicas ´ mat´rias dadas s˜o portuguˆs e matem´tica, 240 alunos e a e a estudam portuguˆs e 180 alunos estudam matem´tica. O e a n´mero de alunos que estudam portuguˆs e matem´tica ´: u e a e a) 120 b) 60 c) 90 d) 120 e) 180 2. Se um conjunto A possui 1024 subconjuntos, ent˜o o a n´mero m´ u ınimo de elementos de A ´? e a) 5 b) 6 c) 7 d) 9 e) 10 3. (ACAFE-SC) Dados os conjuntos A = {x ∈ R| − 3 < x < 5} e B = {x ∈ Z| − 1 < x < 7}. Quantos elementos possui A ∩ B? a) infinitos b) 8 c) 7 d) 6 e) 5

Figura 3.5: Diferen¸a de conjuntos. c • A−A=∅ • A−∅=A • ∅−A=∅ • A⊂B ⇒A−B =∅ Complementar de um Conjunto Sejam dois conjuntos A e B, tais que: B ⊂ A. Chamamos a diferen¸a A − B de: Complementar de B em rela¸ao a A. ` c c˜ Exemplo Temos os conjuntos A = {1, 2, 3, 4, 5, 6} e B = {5, 6}. Note que B ⊂ A; Assim, temos que A − B ser´: a

Exerc´ ıcios Complementares
4. (PUC-CAMPINAS) Numa ind´stria, 120 oper´rios trau a balham de manh˜, 130 trabalham a tarde, 80 trabalham a a ` ` noite; 60 trabalham de manh˜ e a tarde, 50 trabalham de a ` manh˜ e a noite, 40 trabalham a tarde e a noite e 20 trabaa ` ` lham nos trˆs per´ e ıodos. Assim: a) 150 oper´rios trabalham em 2 per´ a ıodos; b) h´ 500 oper´rios na ind´stria; a a u c) 300 oper´rios n˜o trabalham a tarde; a a ` d) h´ 30 oper´rios que trabalham s´ de manh˜; a a o a e) N.d.a. 5. (PUC-SP) - Se A = ∅ e B = {∅}, ent˜o: a a) A ∈ B b) A ∪ B = ∅ c) A = B d) A ∩ B = B e) B ⊂ A 6. Em uma pesquisa sobre o consumo de dois produtos A e B, foram entrevistas “n”pessoas, das quais descobriu-se que: 40 consomem o produto A, 27 consomem B, 15 consomem A e B e 20 pessoas n˜o consomem o produto A. Qual o a n´mero de pessoas “n”que foram entrevistadas? u a) 85 b) 75 c) 60 d) 90 e) n.d.a

A

1 4 2

3 5

B 6 U=N

Figura 3.6: Complementar de B em rela¸ao a A. c˜ `

Pense um Pouco!
• Qual o conjunto universo para os resultados de um lan¸mentos de um dado? c • Qual o conjunto uni˜o das letras do seu nome? a • Qual o conjunto de dinossauros vivos? • {∅} ´ o mesmo que {}? Explique. e

´ Matematica C – Aula 02 7. (CESGRANRIO) Em uma universidade s˜o lidos dois a jornais A e B; exatamente 80% dos alunos lˆem o jornal e A e 60% o jornal B. Sabendo-se que todo aluno ´ leitor de e pelo menos um dos jornais, o percentual de alunos que lˆem e ambos ´: e a) 48% b) 60% c) 40% d) 140% e) 80%

115

Matem´tica C a
Conjuntos Num´ricos e

Aula 02

Figura 3.1: Leonardo Pisano Fibonacci (1175-1240).

O Nascimento do N´ mero u
A no¸ao de n´mero tem provavelmente a idade do homem c˜ u e certamente sempre esteve ligada a sua necessidade de re` gistrar e interpretar os fenˆmenos que o cercavam. o Os primeiros s´ ımbolos num´ricos conhecidos surgiram com e o intuito de representar a varia¸ao num´rica em conjuntos c˜ e com poucos elementos. Com a amplia¸ao e a diversifica¸ao c˜ c˜ de suas atividades, o homem sentiu a necessidade de criar novos s´ ımbolos num´ricos e processos de contagem e desene volver sistemas de numera¸ao. c˜ A maioria dos sistemas de numera¸ao tinha como base os c˜ n´meros 5 ou 10, numa clara referencia ao numero de dedos u que temos nas m˜os. Esses sistemas ainda n˜o possu´ a a ıam a nota¸ao posicional nem o n´mero zero. c˜ u Os primeiros registros da utiliza¸ao da nota¸ao posicional c˜ c˜ ocorreram na Babilˆnia, por volta de 2500 a.C. J´ o apareo a cimento do zero data do s´culo IX e ´ atribu´ aos hindus. e e ıdo Tamb´m se atribuiu aos hindus o atual sistema de nue mera¸ao posicional decimal, que foi introduzido e difunc˜ dido na Europa pelos arabes. Por essa raz˜o, esse sistema ´ ´ a e costumeiramente chamado de sistema de numera¸ao indoc˜ ar´bico. a Deve-se a Leonardo de Pisa (1175-1240), tamb´m chae mado Fibonacci, a difus˜o do sistema indo-ar´bico na Eua a ropa, atrav´s de sua obra L´ e ıber Abacci, de 1202. mado “n´ mero racional”. u Q = {x|x = Exemplos
1 3

a , a ∈ Z, b ∈ Z∗ } b

∈ Q;

7 5

∈ Q;

3 1

∈ Q.

4. Conjunto dos n´ meros irracionais (Q ): Todo u n´mero que n˜o pode ser representado na forma de u a uma fra¸ao, com numerador e denominador inteiros ´ c˜ e chamado “n´ mero irracional”. u Exemplos

π √ 2 √ 3 e

= = = =

3, 1415926535 . . . 1, 414213562 . . . 1, 7320508 . . . 2, 718281827 . . .

Observa¸˜o ca Note que as d´ ızimas peri´dicas s˜o n´meros racionais, o a u enquanto as d´ ızimas n˜o peri´dicas s˜o n´meros irraa o a u cionais. ´ 5. Conjunto dos n´ meros reais (R): E o conjunto u obtido com a uni˜o do conjunto dos n´meros racionais a u com o dos n´meros irracionais. u Representando em diagramas temos:

Conjuntos Num´ricos e
1. Conjunto dos n´ meros naturais (N): u N = {0, 1, 2, 3, 4, 5, . . .} N∗ = {1, 2, 3, 4, 5, . . .} 2. Conjunto dos n´ meros inteiros (Z): u Z = {. . . , −3, −2, −1, 0, 1, 2, 3, . . .} Z+ = {0, 1, 2, 3, . . .} Z∗ = {1, 2, 3, 4, . . .} + 3. Conjunto dos n´ meros racionais (Q): Todo u n´mero que puder ser representado na forma de uma u fra¸ao com numerador e denominador inteiros ´ chac˜ e

Opera¸oes com N´ meros Inteiros c˜ u
I) Adi¸˜o e Subtra¸˜o ca ca I.a) Sinais iguais: Soma-se e conserva-se o mesmo sinal.

116

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Propriedades

1. am · an = am+n 2. am ÷ an = am−n

Q

Z

N

3. (am )n = am·n 4. (am · bn )n = am·x · bn·x 5. (am /an )x = amx /bnx 6. a−m = 1/am

U=R
Figura 3.2: Os conjuntos num´ricos. e

Potˆncias de “Base 10” e I.b) Sinais diferentes: maior. Diminui-se e d´-se o sinal do a A) 10n = 1 000 . . . 0 “n”zeros II) Multiplica¸˜o e Divis˜o: Aplica-se a regra dos sica a   + +=+   − +=− Observa¸˜o: Pela ordem, resolver ca nais:  + −=−   − −=+ ( ); [ ]; { }. B) 10−n = 1/1 000 . . . 0 “n”zeros ⇒ 0, 000 . . . 01 “n”casas

Exerc´ ıcio resolvido: −3 · {14 ÷ (−7) − 3 · [4 − (10 − 12 + 9 − 7 − 4) ÷ 2]} −3 · {−2 − 3 · [4 − (−4) ÷ 2]} −3 · {−2 − 3 · [4 + 2]} −3.{−2 − 3 · [+6]} −3.{−2 − 18} −3.{−20} +6

Pense um Pouco!
• Quantos n´meros inteiros tem no intervalo real 0 < x < u 3? • Quantos n´meros racionais tem no intervalo anterior? u • Quanto ´ −1100 ? e

Potencia¸˜o ca
An = X onde: A = Base; B = Expoente; X = Potˆncia; e Casos Especiais X1 = X 1n = 1 0n = 0 X0 = 1

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. O valor de ((23 )3 )3 ´: e a) 212 b) 1024 c) 281 d) 1 e) n.d.a. 2. O valor de: [13 − (8 ÷ 2 − 3 − 7 + 2 · 3)] ÷ [25 ÷ (−3 − 22)], ´: e a) −13 b) 14 c) 13 d) 0 e) n.d.a. 3. A express˜o (a7 · b3 · c5 · b4 )/(c3 · b6 · a7 · c) ´ igual a: a e a) a2 · b b) b · c b c) c d) 1 e) n.d.a.

Regras 1. Expoente par: Resultado positivo. 2. Expoente ´ ımpar: Repete-se o sinal da base.

´ Matematica C – Aula 03

117 Essa representa¸ao foi considerada, a princ´ c˜ ıpio, como um passatempo. √ Particularmente, o n´mero −1 foi denominado unidade u imagin´ria, devido a desconfian¸a que os matem´ticos tia ` c a nham dessa nova cria¸ao. c˜ Unidade Imagin´ria a Para simplificar a nota¸ao, criou-se ”i”para designar o c˜ √ e n´mero −1, isto ´: u √ i = −1 ⇔ i2 = −1 Com isso, a solu¸ao da equa¸ao proposta acima ´: c˜ c˜ e X=± Logo, S = {+3i, −3i}. 9 · (−1) ⇒ x = ±3 · i

Exerc´ ıcios Complementares
4. Resolvendo a) 5 · 1012 b) 100 c) 103 d) 107 e) n.d.a.
108 ·102 ·105 ·104 103 ·10·108

5. O valor da express˜o a {72 ÷ (−12) + 2 · [4 · (−2) + (30 − 20 + 10) ÷ 5]} ´: e a) +20 b) −20 c) −14 d) +14 e) n.d.a. 6. O valor de a) 0 b) 9 4 c) 1 d) 2 e) n.d.a. 7. 22 · (23 ) : a) 215 b) 229 c) 1024 d) 214 e) n.d.a. 8. O valor de (24 ) · 2−8 ´: e a) 218 b) 212 c) 215 d) 20 e) n.d.a.
5 3 2 16 3 22

Potˆncias Naturais de i e
−2
32

´: e

Consideremos as potˆncias do tipo in , em que n ´ natural. e e Vejamos alguns exemplos: n 0 1 2 3 4 5 6 7 8 in 1 i -1 -i 1 i -1 -i 1

Resumindo: i4n = 1 i4n+1 = i 4i4n+2 = −1 i4n+3 = −i

Assim: i4n + i4n+1 + i4n+2 + i4n+3 = 0 Ou seja: A soma das quatro potˆncias de i cujos expoentes e s˜o n´meros naturais consecutivos ´ igual a zero. a u e

Matem´tica C a
N´ meros complexos (C) u

Aula 03

Note que, a medida que n cresce, os resultados de i n , v˜o se ` a repetindo periodicamente, assumindo sempre um dos quatro valores da seq¨ˆncia:1, i, −1, −i.Ou seja: ue in ∈ {1, i, −1, −i}, (n ∈ N) Para n ≥ 4, temos: N 4 ⇒n=4·q+r er <4 R q Ent˜o, in = i4·q+r = i4·q · ir = (i4 ) · ir = (1) · ir = ir , ou a seja: in = i r Exemplo Calcule o valor de i3795 . 3795 3 4 , como r = 3 temos i3795 = i3 = −i 3948
q q

No conjunto dos n´meros reais algumas equa¸oes n˜o posu c˜ a suem solu¸ao, por exemplo, a equa¸ao: c˜ c˜ 2x2 + 18 = 0 Como se trata de uma equa¸ao incompleta (b = 0), podemos c˜ resolvˆ-la isolando a vari´vel. Assim: e a √ −18 x2 = ⇒ x = −9 2 Como n˜o existe raiz quadrada de n´mero negativo no cona u junto dos reais, a equa¸ao acima dada n˜o tem solu¸ao. Para c˜ a c˜ que equa¸oes sem solu¸oes reais, como a dada acima, os mac˜ c˜ tem´ticos come¸aram a utilizar novos entes matem´ticos. a c a

118

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Exemplo Sejam os complexos: z1 = 6 − 3i e z2 = 3 + 2i. Determinar o valor de 3 · z1 − 5 · z2 . 3 · z1 − 5 · z2 = 3 · (6 − 3i) − 5 · (3 + 2i) 3 · z1 − 5 · z2 = 18 − 9i − 15 − 10i 3 · z1 − 5 · z2 = 3 − 19i Multiplica¸˜o de Complexos ca Multiplicamos dois n´meros complexos de acordo com a reu gra da multiplica¸ao de binˆmios. Devemos lembrar que c˜ o i2 = −1. Com isso temos que: (a + bi) · (c + di) = (ac − bd) + (ad + bc) · i Exemplos a) (3 − 3i) · (−2 + 2i): (3 − 3i) · (−2 + 2i) = −6 + 6i + 6i + 6i2 (3 − 3i) · (−2 + 2i) = −6 + 6i + 6i − 6 (3 − 3i) · (−2 + 2i) = −12 + 12i b) (5 − 3i)2 : (5 − 3i)2 = (5 − 3i) · (5 − 3i) (5 − 3i)2 = 25 − 15i − 15i + 9i2 (5 − 3i)2 = 25 − 15i − 15i − 9 (5 − 3i)2 = 16 − 30i Conjugado de um Complexo Sendo z = a + bi um n´mero complexo qualquer, defini-se u como o conjugado de z o n´mero complexo z = a − bi. u 1. Sendo z = 6 − 5i, temos que: z = 6 + 5i. 2. O conjugado de z = −3 + 2i ´ o complexo z = −3 − 2i. e Observa¸˜o ca O produto de um n´mero complexo z pelo seu conjugado Z u ´ sempre um n´mero real e positivo. Esse produto chama-se e u norma de z. Exemplo z1 z2 z3 = = = 5 − 3i 2 + 4i −3 − 5i Sendo z = 5 − 3i, o produto z · Z ´: e (5 − 3i) · (5 + 3i) = 25 + 15i − 15i − 9i2 Lembrando que i2 = −1, temos que: z · Z = 25 + 9 = 34 Divis˜o de Complexos a Para dividirmos dois complexos, escrevemos o quociente sob a forma de uma fra¸ao, a seguir, usando o procedimento de c˜ racionaliza¸ao de denominadores, multiplicamos ambos os c˜ termos da fra¸ao pelo conjugado do denominador. Ou seja: c˜ z1 z1 z1 = · z2 z2 z2 Exemplo Sendo z1 = 3 + 2i e z2 = −2 − 3i, obter: 3 + 2i z1 = z2 −2 − 3i
z1 z2 .

Forma Alg´brica e
Todo n´mero complexo pode ser escrito na forma z = a+b·i, u com a e b ∈ R. Tal forma ´ denominada forma alg´brica. e e

O n´mero real a ´ denominado parte real de z, e o n´mero u e u real b ´ denominada parte imagin´ria de z. e a z =a+b·i⇒ z = a + 0i ⇒ z = a z =0+b·i⇒z =b·i

Igualdade de Complexos
Dois n´meros complexos s˜o iguais quando suas partes reais u a e imagin´rias forem respectivamente iguais. a a+b·i=c+d·i⇒ Exemplo Determinar x e y de modo que: (2x + 3) + 6 · i = 7 + (2 + 4y) · i. a=c b=d

Para que os complexos sejam iguais devemos ter: 2x + 3 = 7 ⇒ x = 2 e 2 + 4y = 6 ⇒ y = 1 Logo, para que (2x + 3) + 6 · i = 7 + (2 + 4y) · i, devemos ter x = 2 e y = 1.

Opera¸oes com Complexos c˜
Adi¸˜o e Subtra¸˜o ca ca Para somarmos ou subtrairmos dois ou mais n´meros comu plexos, somamos ou subtra´ ımos, respectivamente, suas partes reais e imagin´rias, separadamente. Ou seja: a (a + bi) + (c + di) (a + bi) − (c + di) Exemplo Seja = (a + c) + (b + d)i = (a − c) + (b − d)i

Exemplos

calcule: a) z2 − z3 z2 − z3 = (2 + 4i) − (−3 − 5i) z2 − z3 = (2 + 3) + (4 + 5)i = 5 + 9i b) z1 + z2 z1 + z2 = (5 − 3i) + (2 + 4i) z1 + z 2 = 7 + i Multiplica¸˜o por um Real ca Para multiplicar um complexo por um n´mero real basta u multiplicar a parte real e a parte imagin´ria pelo respectivo a n´mero. u

´ Matematica C – Aula 03 Exemplo 3 + 2i −3 + 2i z1 = · z2 −2 − 3i −2 + 3i −6 + 9i − 4i + 6i2 −2 − (3i)
2 2

119

=

−6 + 9i − 4i − 6 4+9

Calcular o m´dulo do n´mero complexo z = 3 + 4i. Como o u vimos: |z| = ρ = √ x2 + y 2 , assim; √ √ |z| = ρ = 32 + 42 = 9 + 16 = 25 = 5 logo: |z| = ρ = 5

logo,

−12 + 5i −12 z1 5i z1 = = ⇒ + z2 13 z2 13 13

Argumento de um Complexo
Sendo um n´mero complexo z = z + yi, com z = 0; Defineu se como o argumento de z, o n´mero real θ(0 ≤ θ ≤ 2π) u que corresponde a medida do angulo formado pelo segmento ` ˆ orientado OP e o eixo Ox, no sentido anti-hor´rio. a Indicamos por: arg(z) = θ A partir da figura (plano complexo), obtemos as importantes rela¸oes: c˜ y x cos θ = e sen θ = ρ ρ

Representa¸˜o Geom´trica ca e
Consideremos num plano, chamado plano de ArgandGauss ou plano complexo, um sistema de coordenadas cartesianas ortogonais x O y e nele um ponto P de coordenadas x e y. Lembrando que um n´mero complexo na forma u alg´brica tem a forma de: z = (x, y) = x + yi, podemos e estabelecer uma correspondˆncia entre os pontos do plano e e os n´meros complexos. Ou seja: Podemos representar os u complexos geometricamente, pelos pontos do plano.

Forma Trigonom´trica e

Im y θ x
Figura 3.1: O plano complexo. O ponto P ´ a imagem geom´trica de z ou afixo de z. e e Observa¸˜o ca - A parte real de um complexo tem seus afixos no eixo Re; eixo real. - A parte imagin´ria de um complexo ´ representada no a e eixo Im, que por essa raz˜o ´ chamado de: eixo imaa e gin´rio. a

Com as defini¸oes de m´dulo e argumento, podemos rec˜ o presentar os n´meros complexos de outra forma, al´m da u e alg´brica, j´ conhecida. e a

z = x + yi

Assim, para o complexo z = x + yi, temos: cos θ = e sen θ = x ⇒ x = ρ cos θ ρ y ⇒ y = ρ sen θ ρ

Re

Como z = x + yi z = ρ cos θ + iρ sen θ De outra forma: z = ρ(cos θ + i sen θ) A igualdade acima ´ denominada forma trigonom´trica e e ou polar do n´mero complexo. u O n´mero complexo z = 0, para o qual n˜o ´ poss´ deu a e ıvel terminar o argumento θ, n˜o pode ser escrito na forma tria gonom´trica. e Observe que, quando multiplicamos um n´mero complexo u por i, ele gira 90◦ no sentido anti-hor´rio, no plano coma plexo.

M´dulo de um n´ mero complexo o u
Na representa¸ao geom´trica de um n´mero complexo z = c˜ e u x + yi, vamos considerar a distˆncia entre o afixo P desse a n´mero e a origem. A essa distˆncia denominamos m´dulo u a o de z e indicamos por |z| ou ρ.
2 2

Pense um Pouco!
• Pode-se dizer que R ⊂ C? Por quˆ? e • Existe alguma semelhan¸a entre o plano complexo e o c plano cartesiano? Quais? • 1/i ´ um n´mero complexo? e u

Calculando a referida distˆncia, temos: a dop = (x − 0) + (y − 0) = Portanto,temos: |z| = ρ =

x2 + y 2 x2 + y 2

120

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o d) i e) −i 9. (U.C.SALVADOR-BA) Sejam os n´meros x e y tais que u 12−x+(4+y)i = y +xi. O conjugado do n´mero complexo u z = x + yi ´: e a) 4 + 8i b) 4 − 8i c) 8 + 4i d) 8 − 4i e) −8 − 4i 10. (FATEC-SP) Se i ´ a unidade imagin´ria e z = (2 − e a i)2 /(1 + i), ent˜o: a a) z = (5 − 5i)/2 b) z = (7 − i)/2 c) z = (5 + 5i)/2 d) z = (7 + i)/2 e) z = (−5 − 5i)/2

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. (UFPA-PA) O n´mero complexo z = x + (x2 − 4)i ´ real u e se, e somente se: a) x = 0 b) x = 0 c) x = ±2 d) x = ±2 e) x = 0 e x = 2 2. (UFRN-RN) Se z = 4 + 2i, ent˜o z − 3z vale : a a) 6 + i b) 1 + 8i c) −8 + 8i d) 1 − 8i e) 12 + 6i 3. (UFSE-SE) Se o n´mero complexo z ´ tal que z = 3 − 2i, u e 2 e ent˜o (z) ´ igual a: a a) 5 b) 5 − 6i c) 5 + 12i d) 9 + 4i e) 13 + 12i 4. Sendo i2 = −1, o valor de i58 + i85 ´: e a) 0 b) 1 + i c) −1 + i d) 1 − i e) −1 − i 5. (Sta Casa -SP) O valor de 4 a) 3 + 5 i 5 4 2 b) 3 − 3 i 3 4 c) 5 − 5 i d) 3 − 4i e) 4 + 3i
2−i 2+i

Matem´tica C a
Raz˜es e Propor¸oes o c˜
Raz˜o a

Aula 4

´ igual a: e

A raz˜o entre dois n´meros a e b (com a e b reais e b = 0), a u nessa ordem, ´ o quociente a . O n´mero a ´ chamado e u e b antecedente e o n´mero b ´ chamado conseq¨ente. u e u

Exemplos 1. A raz˜o entre 4 e 6 ´: a e 2 4 = 6 3 2. A raz˜o entre 2 m e 30 cm ´: a e
1+3i 2−i

Exerc´ ıcios Complementares
6. (PUC-SP) O conjugado do n´mero complexo u a) (−1 − 7i)/5 b) (1 − i)/5 c) (1 + 2i)/7 d) (−1 + 7i)/5 e) (1 + i)/5 ´: e

2m 200 cm 20 = = 30 cm 30 cm 3 Observe que a raz˜o deve ser calculada numa unidade a comum, a fim de ser cancelada. Finalmente, a raz˜o a obtida n˜o depender´ da unidade escolhida, pois ´ adia a e mensional.

7. A soma S = i7 + i8 + i9 + . . . + i93 + i94 + i95 ´: e a) 1 b) i c) -1 d) -i e) 1 - i 8. (UFRG-RG) Efetuando as opera¸oes indicadas na c˜ equa¸ao 5−i − 4−3i , obtemos : c˜ 1+i 2+i a) 1 − i b) 1 + i c) −1 − i

Escala
´ E a raz˜o entre um comprimento no desenho e o correspona dente comprimento real. Exemplo Um edif´ tem 30 m de altura. Essa medida foi represenıcio tada no projeto por 15 cm. Qual foi a escala usada nesse projeto?

´ Matematica C – Aula 4

121

comprimento no desenho 15 cm 15 cm = = comprimento real 30 m 3000 cm E=
1 100

Grandezas (GIP)

Inversamente

Proporcionais

ou E = 1 : 200

Uma grandeza A ´ inversamente proporcional a uma grane deza B se, e somente se, os produtos entre os valores de A e os correspondentes valores de B forem constantes. Se A = (a1, a2, a3, . . .) e B = (b1, b2, b3, . . .), forem grandezas inversamente proporcionais, ent˜o: a a1 · b 1 = a 2 · b 2 = a 3 · b 3 = . . . = k Exemplo Se considerarmos que a distˆncia que separa duas cidades A a e B ´ de 300 km e que um m´vel viaja de A para B com uma e o certa velocidade, vamos observar pela tabela abaixo que o tempo gasto para percorrer essa distˆncia varia conforme a a velocidade do m´vel. o Velocidade (km/h) Tempo (h) 50 6 60 5 100 3

Propor¸˜o ca
Os n´meros a, b, c e d, com b e d n˜o nulos (= 0, formam u a nessa ordem, uma propor¸ao se, e somente se, a raz˜o entre c˜ a a e b ´ igual a raz˜o entre c e d. Ou seja: e a c a = b d Lˆ-se: a est´ para b, assim como c est´ para d. e a a Os n´meros a e d s˜o chamados de extremos e os n´meros u a u b e c s˜o chamados de meios. a Propriedades I) O produto dos meios ´ igual ao produto dos extremos e a c = ⇔a·d=b·c b d II) A soma dos dois primeiros termos est´ para o segundo, a assim como, a soma dos dois ultimos est´ para o ultimo. ´ a ´ c a+b c+d a = ⇔ = b d b d III) Cada antecedente est´ para o seu conseq¨ente, assim a u como; a soma dos antecedentes est´ para a soma dos cona seq¨entes. u a c a+c = = b d b+d

Temos que 50 · 6 = 60 · 5 = 100 · 3, logo as grandezas velocidade e tempo, neste exemplo, s˜o grandezas inversamente a proporcionais.

Pense um Pouco!
• Determine o valor de x nas propor¸oes: c˜ 9 a) x = 6 4 3x+2 b) 2x−1 = 24 9 • Calcule o valor de x e y na propor¸ao c˜ que x + y = 42.
x y

= 2 , sabendo 5

Grandezas (GDP)

Diretamente

Proporcionais:

• Determine x e y, sabendo que as sucess˜es de n´meros o u s˜o diretamente proporcionais: a 2 x 9 3 9 y

Uma grandeza A ´ diretamente proporcional a uma grane deza B, se, e somente se, as raz˜es entre os valores de A e o os correspondentes valores de B forem constantes. Se A = (a1, a2, a3, . . .) e B = (b1, b2, b3, . . .), forem grandezas diretamente proporcionais, ent˜o a a1 a2 a3 = = = ... = k b1 b2 b3 Exemplo Se considerarmos a distˆncia percorrida por um m´vel com a o velocidade constante de 50 km/h viajando a 3 horas teremos a seguinte tabela : como 50 = 100 = 150 = 50, temos 1 2 3 Distˆncia (km) a tempo (h) 50 1 100 2 150 3

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Determine m e n, sabendo que as sucess˜es num´ricas o e s˜o inversamente proporcionais: a 3 m 9 12 4 n 2. Antˆnio, Jo˜o e Pedro trabalham na mesma firma h´ 10, o a a 4 e 6 anos, respectivamente. A firma distribuiu uma gratifica¸ao de R$ 80.000,00 entre os trˆs, em partes diretamente c˜ e proporcionais ao tempo de servi¸o de cada um. Quantos rec ais cada um ir´ receber? a 3. Divida 210 em partes inversamente proporcionais a 1/2, 1/5 e 1/7.

que distˆncia e tempo, neste exemplo, s˜o grandezas direa a tamente proporcionais.

122

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o Se A e B forem grandezas inversamente proporcionais ent˜o: a a·c=b·d⇔ Exemplos 1. Uma torneira que despeja 15 l/min enche um tanque em 80 min. Uma outra torneira, despejando 25 l/min, em quanto tempo encheria esse tanque? Temos um exemplo que envolve grandezas inversamente proporcionais, pois; ao aumentarmos a vaz˜o, a o tempo necess´rio para encher o mesmo tanque dimia nuir´. Com isso: a 15 · 80 = 25 · X ⇔ 15 X = ⇒ X = 48 25 80 a d = b c

Exerc´ ıcios Complementares
4. Represente a raz˜o entre: a a) 18 e 12 = b) 6 m e 4 m = c) 150 g e 2 kg = d) 750 litros e 1 m3 = e) 600 s e 1 hora = f) 8 km e 1600 m = 5. Um comprimento real de 25 m foi representado num desenho por 10 cm. Nesse caso, qual foi a escala usada? a) 1 : 250 b) 1 : 300 c) 1 : 150 d) 1 : 500 e) n. d. a. 6. A distˆncia entre duas cidades, em linha reta, ´ 120 km a e e foi representada num mapa rodovi´rio por um segmento a de 60 cm. Qual foi a escala usada nesse mapa? a) 2 : 125 b) 1 : 120.000 c) 1 : 200.000 d) 1 : 12.000 e) n. d. a. 7. Em geral, num adulto, a altura da cabe¸a est´ para c a a altura do restante do corpo, assim como 1 est´ para 7. a Quanto mede uma pessoa cuja cabe¸a tem 22 cm de altura? c a) 1,54m b) 1,60m c) 1,76m d) 1,82m e) n. d. a.

Logo, encher´ o tanque em 48 min. a 2. Um autom´vel percorre 132 km com 12 litros de o combust´ ıvel. Quantos litros de combust´ ıvel ser˜o nea cess´rios para que ele percorra 550 km? a Neste exemplo temos grandezas diretamente proporcionais, pois; aumentando a distˆncia, tamb´m aumentar´ a e a o consumo de combust´ ıvel. Com isso: 550 132 = ⇔ 132 · x = 550 · 12 ⇒ x = 50 12 x logo, ser˜o necess´rios 50 litros de combust´ a a ıvel.

[Regra de Trˆs Composta e
Chama-se regra de trˆs composta, ao m´todo pr´tico empree e a gado para resolver problemas que envolvem mais de duas grandezas, diretamente ou inversamente proporcionais. Propriedade Considere uma grandeza A (a1, a2, a3, . . .) diretamente proporcional a uma grandeza B (b1, b2, b3, . . .) e a uma grandeza C (c1, c2, c3, . . .), ent˜o : a b1 c1 a1 = = a2 b2 c2 Exemplo Com 16 m´quinas de costura aprontaram-se 720 uniformes a em 3 dias de trabalho. Quantas m´quinas ser˜o necess´rias a a a para confeccionar 2160 uniformes em 24 dias. N o de M´quinas Uniformes Dias a 16 720 3 x 2160 24 A grandeza N o de m´quinas, onde est´ a vari´vel deve ser a a a comparada com as grandezas Uniformes e Dias. Assim temos que: 1. N o de m´quinas e Uniformes s˜o grandezas diretaa a mente proporcionais, pois mais m´quinas produzem a mais uniformes.

Matem´tica C a

Aula 5

Regras de Trˆs Simples e Composta e
Regra de Trˆs Simples e
Sendo a e b dois valores da grandeza A e, c e d os valores correspondentes da grandeza B, chama-se de regra de trˆs simples ao m´todo pr´tico para determinar um desses e e a quatro valores, sendo conhecidos os outros trˆs. e T´cnica Operat´ria e o Conforme a defini¸ao acima temos: c˜ GRANDEZA A a b GRANDEZA B c d

Se A e B forem grandezas diretamente proporcionais ent˜o: a b a c a = ⇔ = c d b d

´ Matematica C – Aula 6 2. N o de m´quinas e Dias s˜o grandezas inversamente proa a porcionais, pois, quanto maior o n´mero de m´quinas, u a menor o n´mero de dias necess´rios. Com isso 16 = u a x 24 720 a a a 2160 · 3 ⇒ x = 6, logo ser˜o necess´rias 6 m´quinas. d) 9,0 h/d e) n.d.a

123

Pense um Pouco!
• Se um fio pesa 10N g/cm, quanto pesar´ por metro? a • Se uma c´pia xerogr´fica custa 9 centavos, quanto cuso a tou essa apostila (s´ o xerox)? o • Cite exemplos de onde vocˆ j´ usou as regras de trˆs e a e estudadas?

5. Em uma fabrica de refrigerante, uma m´quina encheu a 4000 garrafas em 8 dias, funcionando 8 horas por dia. Quantos dias s essa m´quina levar´, para encher 6000 garrafas, a a trabalhando 16 horas di´rias? a a) 9 b) 5 c) 11 d) 6 e) n.d.a 6. Em um zool´gico, a alimenta¸ao de 15 animais durante o c˜ 90 dias custa R$ 2.700,00. Qual ser´ o custo da alimenta¸ao a c˜ de 25 animais por um per´ ıodo de 12 dias? a) R$ 900,00 b) R$ 750,00 c) R$ 600,00 d) R$ 450,00 e) n.d.a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Na merenda escolar, 320 crian¸as consumiram 1440 litros c de leite em 15 dias. Quantos litros de leite dever˜o ser a consumidos por 400 crian¸as em 30 dias? c a) 2500 b) 3600 c) 7200 d) 4440 e) n.d.a 2. Calcular a altura de uma torre que projeta uma sombra de 45 m, o mesmo instante em que uma arvore de 6 m ´ de altura, plantada verticalmente, projeta uma sombra de 3, 6 m. a) 75m b) 90 m c) 55 m d) 70 m e) n.d.a 3. (PUC-MG)Uma pessoa viajando de autom´vel, com veo locidade m´dia de 88 km/h, leva 5 horas para ir de Belo e Horizonte - Po¸os de Caldas. c Na volta para Belo Horizonte, fez o mesmo percurso em 4 h. Portanto, a velocidade m´dia, em km/h, ao retornar foi e de: a) 93 b) 96 c) 100 d) 110 e) 120

Matem´tica C a
Juros e Porcentagens
Juros Simples

Aula 6

Juro ´ a importˆncia cobrada por unidade de tempo, pelo e a empr´stimo de dinheiro, expressa como porcentagem da e soma emprestada. No¸˜o Intuitiva e Nomenclatura Usual ca Em “A quantia de R$ 2.000,00, emprestada a 10% ao ano, durante 3 anos, rendeu R$ 600,00 de juros simples”. O racioc´ ınio ´: e Se o capital 100 produz 10 em um ano, ent˜o o capital 2.000 a produzir´ 600 em 3 anos. a Temos os seguintes dados: O Capital ´ e A Taxa ´ e O tempo ´ e Os juros s˜o a Observa¸oes: c˜ C = 2.000 i = 10(em % ao ano) t = 5(em anos) J = 600

3.1

Exerc´ ıcios Complementares
Denominamos juros simples aqueles que n˜o s˜o somados a a ao capital, durante o tempo em que foi empregado. Se a taxa “i”for referida ao ano, mˆs, dia etc, o tempo e “t”tamb´m dever´ ser tomado correspondentemente em e a anos, meses, dias, etc. Para efeito de c´lculo o ano ´ considerado de 12 meses de a e 30 dias cada.

4. Um certo trabalho pode ser realizado por um grupo de 12 oper´rios em 20 dias de trabalho de 8 horas di´rias. Se a a esse mesmo trabalho tivesse que ser feito em apenas 16 dias, com 16 oper´rios igualmente eficientes, quantas horas por a dia eles deveriam trabalhar? a) 7,5 h/d b) 6,0 h/d c) 8,5 h/d

124 T´cnica Operat´ria e o Os problemas envolvendo juros simples, na verdade s˜o de a Regra de trˆs composta, que obedecem ao seguinte esquema; e Grandezas 100 . . . i . . . l C ... j ... t Interpreta¸˜o ca Se o capital 100 produz i em 1 ano, ent˜o; o capital a “c”produzir´ j em t anos. a Quando resolvemos isolando “j”, temos: J= Exemplos 1. Quanto render´ um capital de R$ 5.000,00 empregado a a taxa de 5% a.a, em regime de juros simples, durante ` 3 anos? Temos: C = 5000; I = 5; T = 3; Substituindo os respectivos valores na f´rmula, temos: o 5000 · 5 · 3 = 750 J= 100 Assim, ter´ um rendimento de R$ 750, 00. a 2. Calcular os juros de R$ 8.500,00 a taxa de 36% a.a, ` durante 6 meses. Observe que a taxa est´ expressa em anos, enquanto o a tempo em meses. Como devemos trabalhar com as duas grandezas em unidades de tempos iguais, tomaremos o 6 tempo como sendo 12 anos. Assim: J= 8500 · 36 · 100
6 12

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

Porcentagem
Comumente usamos express˜es que refletem acr´scimos ou o e redu¸oes em pre¸os, n´meros ou quantidades, sempre toc˜ c u mando por base 100 unidades. Exemplos 1. A gasolina ter´ um aumento de 10%, na pr´xima sea o mana. Significa que em cada R$ 100,00 haver´ um acr´scimo a e de R$ 10,00. 2. Numa pesquisa de inten¸ao de votos, o candidato A c˜ aparece em 2o lugar, com 25% da preferˆncia dos eleie tores, ao cargo de prefeito municipal. Quer dizer que; em m´dia, a cada 100 pessoas que foram e entrevistadas, 25 preferem o candidato A.

C ·i·t 100

Raz˜o Centesimal a
Toda a raz˜o que tem por denominador o n´mero 100 a u denomina-se raz˜o centesimal. a Exemplos a) b) c)
25 100 47 100 125 100

= 25% (lˆ-se: 25 por cento) e = 47% (lˆ-se: 47 por cento) e = 125% (lˆ-se:125 por cento) e

Chamamos as express˜es 25% ; 47% ; 9% de taxas centeo simais ou taxas percentuais. Porcentagem ´ o valor obtido ao aplicarmos uma taxa e percentual a um determinado valor. Dessa forma; podemos resolves problemas de porcentagem, utilizando taxas percentuais. Exemplos 1. Um jogador de voleibol efetuou 25 finaliza¸oes no dec˜ correr de uma partida, obtendo um aproveitamento de 80%. Qual o n´mero de sucessos que ele obteve? u 80% de 25 = 80 · 25 = 20 100

⇒J =

8500 · 36 · 6 = 1530 1200

Portanto, os juros s˜o de R$ 1.530,00. a 3. Calcular os juros produzidos por um capital de R$ 25.000,00 durante 2 meses e 15 dias, a uma taxa de 1% a.m. Como n˜o h´ concordˆncia entre a taxa e o tempo, a a a devemos fazer algumas modifica¸oes para que possac˜ mos resolver o problema. Faremos as seguintes transforma¸oes: c˜ 2 meses e 15 dias correspondem a 75 dias, ou ent˜o: 360 a 75 anos. Ainda; a taxa 1% ao mˆs, corresponde a 1% vezes e 12 meses, o que d´ 12% a.a. a Aplicando a f´rmula, temos: o J= 2500 · 12 · 100
75 360

Logo, ele obteve 20 sucessos. 2. Um investidor comprou um lote de a¸oes por R$ c˜ 1.500,00 e as revendeu um mˆs depois, por R$ 2.100,00. e Qual foi o percentual de lucro por ele obtido? Para resolver o problema, vamos montar um esquema em que somaremos o percentual de lucro obtido, aos R$ 1.500,00 investidos inicialmente, chegando assim ao valor final de venda das a¸oes. c˜
x 1.500 + 100 · 1.500 = 2.100 15x = 2.100 − 1.500 x = 600 ⇒ x = 40 15

=

2500 · 12 · 75 = 625 36000

Logo, os juros produzidos s˜o de R$ 625,00. a

Desse modo, ele obteve um lucro de 40%.

´ Matematica C – Aula 6

125

Fator de Multiplica¸˜o ca
Quando um dado valor sofre um acr´scimo percentual, poe demos incorporar tal acr´scimo, obtendo assim o que chae mamos de “fator de multiplica¸˜o”. ca Exemplo Um valor que sofre um aumento de 25%, ter´ um fator de a multiplica¸ao igual a 1, 25, pois: c˜ 100% + 25% = 125%, ou seja: 125% = 125 = 1, 25 100 Da mesma forma, podemos estender esse racioc´ ınio para outros valores, como mostra a tabela abaixo: Lucro ou Acr´scimo e 10% 15% 20% 47% 67% Fator de Multiplica¸ao c˜ 1,10 1,15 1,20 1,47 1,67

Pense um Pouco!
• Tomando-se uma quantidade inicial X e adicionandose a ela um certo percentual p obtemos um valor final X . Se tomarmos agora o valor X e descontarmos o mesmo percentual p obteremos o valor X? Discuta.

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Uma compra foi efetuada no valor de R$ 1.500,00. Obteve-se um desconto de 20%. Qual foi o valor pago em reais? a) 1350 b) 1300 c) 1250 d) 1200 e) n.d.a 2. Um carro, que custava R$ 12.000,00, sofreu uma valoriza¸ao (acr´scimo) de 10% sobre o seu pre¸o. Quanto ele c˜ e c passou a custar? a) 12.400,00 b) 13.200,00 c) 13.800,00 d) 14.600,00 e) n.d.a 3. Uma impressora a laser custou R$ 2.000,00 para uma gr´fica. No per´ a ıodo de um mˆs, ela apresentou um lucro de e R$ 100,00. De quanto porcento foi o lucro sobre o pre¸o de c compra? a) 5 b) 10 c) 6 d) 11 e) n.d.a

Exemplo Quanto passar´ a receber um funcion´rio, que tem um a a sal´rio de R$ 950,00 e, obt´m um aumento de 35%? a e Para chegarmos ao valor do novo sal´rio, basta que usemos a um fator multiplicativo igual a 1,35 sobre o valor atual, assim: 950 · 1, 35 = 1.282, 50 Portanto, o novo sal´rio ser´ de R$ 1.282,50. a a Para os casos em que ocorrem decr´scimos, o fator de mule tiplica¸ao ser´ dado por: c˜ a Fator de Multiplica¸ao = 1 - taxa de desconto (na forma c˜ decimal). Veja a tabela abaixo: Desconto 10% 25% 34% 60% 90% Fator de Multiplica¸ao c˜ 0,90 0,75 0,66 0,40 0,10

Exerc´ ıcios Complementares
4. Se a taxa de uma aplica¸ao ´ de 150% ao ano, quanc˜ e tos meses ser˜o necess´rios para dobrar um capital aplicado a a atrav´s de capitaliza¸ao simples? e c˜ a) 10 meses b) 9 meses c) 8 meses d) 7 meses e) n.d.a 5. Qual o capital, em reais, que aplicado a juros simples de 1, 5%a.m. rende R$ 250,00 de juros em 50 dias? a) 10.000 b) 15.000 c) 25.000 d) 17.500 e) n.d.a 6. (Desafio) Um determinado produto teve um acr´scimo e de 20%, sobre o seu pre¸o de tabela. Ap´s certo per´ c o ıodo, teve um decr´scimo tamb´m de 20% sobre o pre¸o que foi e e c

Exemplo Qual ser´ o valor do desconto de um produto, que custa R$ a 350,00 , mas que em promo¸ao ´ vendido por 22% abaixo c˜ e do pre¸o? c Nesse caso, o fator de multiplica¸ao ´: c˜ e Fator = 1 - 0,22 = 0,78 Assim 350 · 0, 78 = 273

Portanto, quando descontados 22%, o produto passa a custar R$ 273,00.

126 aumentado, obtendo assim o pre¸o atual. Qual ´ o percenc e tual que o pre¸o atual corresponde em rela¸ao ao primeiro c c˜ valor (pre¸o de tabela)? c a) 100% b) 96% c) 90% d) 85% e) n.d.a 7. O valor de 10 % ´ igual a: e a) 100 b) 10 c) 1 d) 0,1 e) n.d.a

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o n´meros de 0000 a 9999, ou seja, 10 mil linhas diferentes. u Ou, de outro modo: P = 10 × 10 × 10 × 10 = 10.000 3) Quantos n´meros ´ u ımpares de 3 algarismos distintos, s˜o a poss´ ıveis utilizando os algarismos: 1, 3, 4, 5, 7, 8. Ao iniciar a resolu¸ao de um problema de an´lise combic˜ a nat´ria, ´ aconselh´vel que se fa¸a alguns grupos dos quais o e a c queremos calcular o total. No caso do nosso atual problema, veja alguns exemplos de n´meros ´ u ımpares de 3 algarismos distintos: 347, 815, 135, 451,etc. Note que o n´mero 533 n˜o u a nos serve, pois houve repeti¸ao do algarismo 3; o n´mero 534 c˜ u tamb´m n˜o serve, pois ´ par. Um outro ponto importante e a e ´, por onde come¸ar a resolver o problema. Procure sempre e c atacar o problema, por onde houver um maior n´mero de u restri¸oes. Veja: c˜ centena dezenas unidades

An´lise Combinat´ria a o
Princ´ ıpio Fundamental da Contagem
O princ´ ıpio fundamental da contagem nos mostra um m´todo alg´brico, para determinar o n´mero de possibie e u lidades de ocorrˆncia de um acontecimento, sem precisare mos descrever todas as possibilidades. Se um acontecimento pode ocorrer por v´rias etapas sucessivas e independentes a de tal modo que: p1 ´ o no de possibilidades da 1a etapa e p2 ´ o no de possibilidades da 2a etapa e . . . pn ´ o no de possibilidades da n-´sima etapa e e Ent˜o, o n´mero total P de possibilidades do acontecimento a u ocorrer ´ dado por: e P = p1 × p2 × p3 × . . . × p n

Em nosso caso, temos a restri¸ao de que os n´meros devem c˜ u ser ´ ımpares. Logo, para a casa das unidades, temos 4 possibilidades (1,3,5,7). A seguir, vamos analisar a casa das centenas, na qual; podemos usar qualquer um do 6 algarismos dados pelo problema, por´m eliminando-se um deles (aquele que estie ver na casa das unidades), j´ que n˜o pode haver repeti¸ao. a a c˜ Portanto, temos para a casa das centenas 5 possibilidades. Finalmente, analisando a casa das dezenas, conclu´ ımos que restaram 4 possibilidades, pois: n˜o podemos repetir o algaa rismo que estiver na casa das unidades e nem o que estiver na casa das centenas. Portanto: O total de possibilidades ´: P = 5 × 4 × 4 = 80, o que d´ um total de 80 n´meros. e a u

Fatorial
Sendo n um n´mero natural, define-se fatorial de n, e indicau se ”n!”` express˜o a a n! = n × (n − 1) × (n − 2) × . . . × 3 × 2 × 1 Propriedade Para fins de c´lculo, define-se que: a 0! = 1 1! = 1 Observe que: fatorial ´ uma defini¸ao por recorrˆncia, ou e c˜ e seja: cada fatorial ´ calculado com a utiliza¸ao do fatorial e c˜ anterior. Assim: 0! = 1 1! = 1 2! = 2 3! = 6 4! = 24 5! = 120 6! = 720 . . . . . . n! = n · (n − 1) · (n − 2) · · · 3 · 2 · 1

Exemplos
1) Quantas placas (distintas) de autom´veis, poder˜o ser o a emitidas; com o sistema atual de emplacamento? O atual sistema de emplacamento de autom´veis no Brasil o utiliza trˆs letras e quatro algarismos. No novo alfabeto s˜o e a consideradas 26 letras e temos dez d´ ıgitos entre os n´meros. u Logo o n´mero de possibilidades ser´ : u a 2) Obtenha o total de linhas telefˆnicas que podem ser inso taladas, com o prefixo 436: Para resolver este problema, ´ preciso escolher um algarismo e para a casa das milhares, outro para as centenas, outro para as dezenas e um outro para as unidades. Os algarismos a serem utilizados em cada uma das casas, podem ser escolhidos entre os dez d´ ıgitos do sistema decimal: 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9. Como cada uma das casas podem ser preenchidas com um dos 10 algarismos acima, temos que: O total de linhas poss´ ıveis com o prefixo 436 ´ o produto das possibilidades e que se tem para preencher cada uma das casas. Logo: As linhas podem ter n´meros no formato 436-ABCD, onde u os quatro d´ ıgitos ABCD de 0 a 9 indicam que podemos ter P = 26 × 26 × 26 × 10 × 10 × 10 × 10 = 175.760.000

´ Matematica C – Aula 6 Exemplos 10! 10 × 9 × 8! = = 90 8! 8! c) 5 d) 12 e) n.d.a.

127

13. (Saem) A quantidade de n´meros que podemos formar u (x + 3)! (x + 3)(x + 2)(x + 1)! = = (x+3)(x+2) = x2 +5x+6 com os algarismos {3, 4, 5, 6}, sem repeti-los, maiores que (x + 1)! (x + 1)! 4000, ´: e a) 64 b) 09 Pense um Pouco! c) 06 • De quantas formas diferentes pode resultar o d) 18 e) n.d.a lan¸amento de dois dados simultˆneos? c a • Na s´rie de n´meros de 0 a 100, quantos algarismos e u noves s˜o usados? a • Quantos numeros pares se pode formar com os algarismos {1, 2, 3, 4}? 14. Quantos carros podem ser licenciados, se cada placa cont´m duas vogais e trˆs d´ e e ıgitos? a) 125.000 b) 110.000 c) 95.000 d) 154.000 e) n.d.a 15. Resolvendo a equa¸ao, (x + 3)!/(x + 1)! = 12, temos c˜ que: a) x = 0 b) x = 1 c) x = 2 d) x = 3 e) n.d.a 16. (Ufes) Um shopping center possui 4 portas de entrada para o andar t´rreo, 5 escadas rolantes ligando o t´rreo ao e e primeiro pavimento e 3 elevadores que conduzem do primeiro para o segundo pavimento. De quantas maneias diferentes uma pessoa, partindo de fora do shopping center pode atingir o segundo pavimento, usando os acessos mencionados? a) 25 b) 30 c) 45 d) 125 e) n.d.a 17. (Puc-SP) Chamam-se pol´ ındromos os n´meros inteiros u que n˜o se alteram quando ´ invertida a ordem de seus ala e garismos (por exemplo: 383, 4224, 74847). O n´mero total u de pol´ ındromos de cinco algarismos ´: e a) 900 b) 780 c) 560 d) 640 e) n.d.a

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
8. O resultado de 22!8! 11!19!

´: e a) 25 b) 28/3 c) 31/7 d) 15 e) n.d.a 9. Numa elei¸ao de uma empresa, h´ 4 candidatos a presic˜ a dente, 3 a vice-presidente, 5 a supervisor-geral e 3 a tesoureiro. Quantos podem ser os resultados da elei¸ao? c˜ a) 120 b) 180 c) 150 d) 210 e) n.d.a 10. Simplifique as express˜es: o a) (x + 5)!/(x + 3)! b) (3x + 1)!/(3x − 1)! 11. (Mack-SP) Quantos n´meros de 5 d´ u ıgitos podem ser escritos com os algarismos {1, 2, 3, 4}, sem que apare¸am c algarismos consecutivos iguais? a) 20 b) 32 c) 40 d) 120 e) n. d. a.

Exerc´ ıcios Complementares
12. Sobre uma circunferˆncia marcam-se 6 pontos, iguale mente espa¸ados. Quantas retas eles determinam: c a) 21 b) 16

128

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o As comiss˜es formadas devem Ter 3 pessoas, por exemplo o A , B e C. Invertendo-se a ordem destas pessoas, obtemos a mesma comiss˜o. Portanto, o problema ´ de combina¸ao. a e c˜ C5,3 = 5! 5 · 4 · 3! = = 10 3!2! 3!2!

Matem´tica C a

Aula 8

Arranjo, Combina¸˜o e Permuta¸˜o ca ca
Arranjos Simples
Arranjo simples ´ o tipo de agrupamento sem repeti¸ao em e c˜ que um grupo ´ diferente de outro pela ordem ou pela nae tureza dos elementos componentes. O n´mero de arranjos u simples de n elementos em grupos de p elementos ´ dado e por: n! An,p = (n − p)! Esta f´rmula mostra que os arranjos dos n elementos tomao dos p a p podem ser escritos utilizando-se fatoriais. Exemplos 1) Quantos n´meros de 3 algarismos podemos formar com u os algarismos 1,2,3,4,5 e 7, sem repeti-los? Os n´meros formados devem ter 3 algarismos, por exemu plo 123. Invertendo-se a ordem destes algarismos, obtemos novos n´meros, portanto, o problema ´ de arranjo simples. u e Logo 6 · 5 · 4 · 3! 6! = = 120 A6,3 = (6 − 3)! 3! 2) Com os algarismos 1, 2, 3, 4, 5 e 6 s˜o formados n´meros a u de quatro algarismos distintos. Dentre eles, quantos s˜o dia vis´ ıveis por 5. Como os n´meros devem ser divis´ u ıveis por 5, os mesmos devem obrigatoriamente terminar em 5, logo, dos 6 algarismos que t´ ınhamos para trabalhar nos restam 5, dos quais vamos tomar 3 a 3. Se tomarmos uma das poss´ ıveis respostas, por exemplo 2345 e invertermos a ordem dos seus elementos teremos o n´mero 4325, que ´ outra resposta do u e problema. Logo o problema proposto ´ de arranjos simples. e Com isso temos que: A5,3 = 5! 5 · 4 · 3 · 2! = = 60 (5 − 3)! 2!

Logo, podemos formar 10 comiss˜es. o 2) Sobre uma reta, marcam-se 8 pontos e sobre uma outra reta, paralela a primeira, marcam-se 5 pontos. Quantos ` triˆngulos obteremos unindo 3 quaisquer desses pontos? a Com os 13 pontos, podemos obter C13,3 triˆngulos. a Se tomarmos os trˆs pontos sobre a mesma reta, n˜o formae a remos um triˆngulo, com isso, o total de triˆngulos obtidos a a ´ dado por e C13,3 − C8,3 − C5,3 = 286 − 56 − 10 = 220

Permuta¸oes Simples c˜
Permuta¸oes simples ´ o tipo de agrupamento ordenado, c˜ e sem repeti¸ao, em que entram todos os elementos em cada c˜ grupo. A permuta¸ao simples ´ um caso particular de arranjo simc˜ e ples. O n´mero de permuta¸oes simples que se pode formar com u c˜ n elementos ´ igual ao fatorial de n, ou seja: e Pn = n! Exemplos 1) Quantos n´meros de 5 algarismos distintos podem ser u formados, usando-se os algarismos 1, 3, 5, 7 e 9? Como usaremos todos os algarismos dados, em cada resposta do problema, temos agrupamentos do tipo permuta¸oes simples, logo o n´mero de algarismos ´ igual a c˜ u e P5 = 5! = 5 · 4 · 3 · 2 · 1 = 120 2) Quantos anagramas tem a palavra MITO? Qualquer ordena¸ao das letras de uma palavra ´ denomic˜ e nada anagrama. Como a palavra MITO tem 4 letras, temos: P4 = 4! = 4 · 3 · 2 · 1 = 24

Combina¸oes Simples c˜
Combina¸ao simples ´ o tipo de agrupamento, sem repeti¸ao c˜ e c˜ em que um grupo ´ diferente de outro apenas pela natureza e dos elementos componentes. O n´mero de combina¸oes de u c˜ n elementos de grupos de p elementos ´ igual ao n´mero de e u arranjos de n elementos tomados p a p, dividido por p!, isto ´: e n! An,p = Cn,p = p! p!(n − p)! Exemplos 1) Quantas comiss˜es constitu´ o ıdas de 3 pessoas podem ser formadas com 5 pessoas ?

Pense um Pouco!
• Qual a diferen¸a b´sica entre combina¸ao e arranjo? c a c˜ • Se houverem elementos repetidos num conjunto, qual o n´mero de permuta¸oes diferentes poss´ u c˜ ıveis? Exemplo: quantos anagramas tem a palavra MARIA?

Exerc´ ıcios de Aplica¸˜o ca
1. Quantos n´meros de 5 algarismos distintos podemos foru mar com os algarismos 1, 4, 5, 7, 8 e 9?

´ Matematica C – Aula 8 a) 120 b) 720 c) 1.296 d) 15.625 e) n.d.a 2. De quantas maneiras podemos escalar um time de futebol de sal˜o dispondo de 8 jogadores? a a) 48 b) 56 c) 72 d) 28 e) n.d.a 3. Considere o conjunto A = {2, 4, 5, 6}. Quantos n´meros, u distintos, m´ltiplos de 5 se podem formar, com todos os u elementos de A? a) 24 b) 12 c) 18 d) 06 e) n.d.a 4. Quantas palavras de 3 letras, sem repeti¸ao, podemos c˜ formar com as 9 primeiras letras do nosso alfabeto? a) 504 b) 324 c) 27 d) 81 e) n.d.a 5. Quantos n´meros de 4 algarismos distintos podemos foru mar com os algarismos 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9? a) 2560 b) 1440 c) 4536 d) 2866 e) n.d.a 6. Numa sala, temos 5 rapazes e 6 mo¸as. Quantos grupos c podemos formar de 2 rapazes e 3 mo¸as? c a) 30 b) 200 c) 300 d) 150 e) n.d.a 7. Quantos n´meros de 7 algarismos distintos podem ser u formadas, usando-se os algarismos 1, 2, 3, 4, 5, 6 e 7 ? a) 5040 b) 3640 c) 2320 d) 720 e) n.d.a 8. Quantos s˜o os n´meros compreendidos entre 2.000 e a u 3.000, formados por algarismos distintos escolhidos entre 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8 e 9? a) 210 b) 175 c) 336 d) 218 e) n.d.a

129

Exerc´ ıcios Complementares
9. Quantas comiss˜es com 6 membros podemos formar com o 10 alunos? a) 210 b) 120 c) 75 d) 144 e) n.d.a 10. Uma empresa ´ formada por 6 s´cios brasileiros e 4 jae o poneses. De quantos modos podemos formar uma diretoria de 5 s´cios, sendo 3 brasileiros e 2 japoneses? o a) 10 b) 15 c) 6 d) 12 e) n.d.a 11. (PUC-SP) Numa sala h´ 5 lugares e 7 pessoas. De a quantos modos diferentes essas pessoas podem ser colocadas, ficando 5 sentadas e 2 em p´? e a) 5.040 b) 21 c) 120 d) 2.520 e) n.d.a. 12. Quantos anagramas da palavra EDITORA, come¸am c com A e terminam com E? a) 120 b) 720 c) 840 d) 24 e) n.d.a 13. (UFCE) A quantidade de n´meros pares de 4 algarisu mos distintos que podemos formar com os algarismos 1, 2, 4, 5, 7, 8 e 9 ´: e a) 20 b) 60 c) 240 d) 360 e) n.d.a. 14. (Aman-RJ) As diretorias de 4 membros que podemos formar com 10 s´cios de uma empresa s˜o: o a a) 5.040 b) 40 c) 2 d) 210 e) n.d.a. 15. (UFPA-PA) Quantos s˜o os anagramas da palavra a BRASIL come¸ados por B e terminados por L? c a) 24 b) 120 c) 720 d) 240 e) 1.440

130

Apostila do Curso Pr´-Vestibular UDESC 2005 – M´dulo I e o

´ Matematica C – Aula 8

131

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful