57

P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
Física 4
Eletrodinâmica
Está(ão) correta(s)
a) apenas I e II. d) apenas I e III.
b) apenas II. e) I, II e III.
c) apenas III.
06. UEL-PR
Uma partícula está eletrizada positivamente com uma
carga elétrica 4,0 · 10
–15
C. Como o módulo da carga
do elétron é 1,6 · 10
–19
C, essa partícula:
a) ganhou 2,5 · 10
4
elétrons.
b) perdeu 2,5 · 10
4
elétrons.
c) ganhou 4,0 · 10
4
elétrons.
d) perdeu 6,4 · 10
4
elétrons.
e) ganhou 6,4 · 10
4
elétrons.
07. Fatec-SP
A carga de um elétron, em valor absoluto, é chamada
“carga elementar”. É ela: e = 1,602 · 10
–19
C, sendo
C = coulomb, a unidade de carga elétrica no Sistema
Internacional. O número de cargas elementares con-
tidas em um coulomb é:
a) 6,02 · 10
23
.
b) 96.500.
c) 6,24 · 10
18
.
d) 8,314 · 10
7
.
e) nda.
08.
O átomo do gás hélio é constituído de 2 prótons
e dois nêutrons no núcleo e dois elétrons na ele-
trosfera. Se o átomo do gás hélio perder os dois
elétrons ele se transforma na conhecida partí-
cula alfa. A carga elétrica da partícula alfa, vale:
(e = 1,6 · 10
–19
C)
a) – 1,6 · 10
–19
C
b) + 1,6 · 10
–19
C
c) – 3,2 · 10
–19
C
d) + 3,2 · 10
–19
C
e) nula
09. Cesgranrio-RJ
Um corpo adquire uma carga elétrica igual a + 1 C.
Podemos afirmar, então, que a ordem de grandeza do
número de elétrons trocados pelo corpo é de: (Dado:
e = 1,6 · 10
–19
C)
a) 10
–19
perdidos.
b) 10
–19
ganhos.
c) 10
18
perdidos.
d) 10
19
ganhos.
e) 10
19
perdidos.
Capítulo 1
01. UECE
A matéria, em seu estado normal, não manifesta
propriedades elétricas. No atual estágio de conheci-
mentos da estrutura atômica, isso nos permite concluir
que a matéria:
a) é constituída somente de nêutrons.
b) possui maior número de nêutrons que de prótons.
c) possui quantidades iguais de prótons e elétrons.
d) é constituída somente de prótons.
e) possui maior número de elétrons que de nêutrons.
02.
Um corpo que estava inicialmente neutro recebeu 50
trilhões de elétrons. Pode-se dizer que a carga elétrica
final deste corpo:
a) é positiva e tem módulo de 8,0 · 10
–6
C.
b) é negativa e tem módulo de 1,6 · 10
–19
C.
c) é positiva e tem módulo de 1,6 · 10
–19
C.
d) é negativa e tem módulo de 8,0 · 10
–6
C.
e) é neutra.
03.
Um pedaço de lã e um cilindro de vidro, ambos inicial-
mente neutros, são atritados de forma que a lã retira
2,0 · 10
10
elétrons do vidro. Dado a carga elétrica
elementar e = 1,6 · 10
–19
C, calcule:
a) a carga elétrica adquirida pela lã;
b) a carga elétrica adquirida pelo vidro.
04.
Uma chapa metálica, ao ser iluminada com um
feixe de luz violeta, perde 5.000 elétrons. Sa-
bendo-se que a chapa encontrava-se i ni ci al -
mente neutra e considerando a carga elementar
e = 1,6 · 10
–19
C a carga elétrica adquirida pela
chapa é:
a) – 8,0 · 10
–16
C
b) + 8,0 · 10
–16
C
c) – 1,6 · 10
–13
C
d) + 1,6 · 10
–13
C
e) + 5,0 · 10
–19
C
05. UFSM-RS
Considere as seguintes afirmativas:
I. Um corpo não-eletrizado possui um número de
prótons igual ao número de elétrons.
II. Se um corpo não-eletrizado perde elétrons, pas-
sa a estar positivamente eletrizado e, se ganha
elétrons, negativamente eletrizado.
III. Isolantes ou dielétricos são substâncias que não
podem ser eletrizadas.
58
10.
Uma certa amostra de cátion cálcio (Ca
+2
) contém
1,5 · 10
5
cátions.
Qual é o valor da carga elétrica da amostra, em cou-
lombs, sendo a carga elementar e = 1,6 · 10
–19
C?
a) 4,8 · 10
–14
C
b) 3,6 · 10
–13
C
c) 2,4 · 10
–14
C
d) 1,2 · 10
–15
C
e) 8,0 · 10
–15
C
11. UERJ
Em processos físicos que produzem apenas elétrons,
prótons e nêutrons, o número total de prótons e elé-
trons é sempre par.
Esta afirmação expressa a lei de conservação de:
a) massa
b) energia
c) momento
d) carga elétrica
e) força
12. UFRJ
Num certo instante t, é igual Σ Q a soma algébrica
das cargas elétricas existentes numa certa região R,
limitada por uma superfície fechada S. Sabendo-se que
não há possibilidade de a superfície S ser atravessada
por matéria, pode-se afirmar que:
a) Σ Q aumenta, no decorrer do tempo
b) Σ Q diminui, no decorrer do tempo
c) Σ Q não aumenta nem diminui, no decorrer do
tempo
d) Σ Q tanto pode aumentar como diminuir, no decor-
rer do tempo
e) nda
13. PUC-RJ
Quando parte de um sistema físico isolado, inicial-
mente neutro, adquire uma carga elétrica positiva +q,
a outra parte:
a) torna-se também positivamente carregada com
carga elétrica + q.
b) torna-se negativamente carregada com carga
elétrica – q.
c) torna-se negativamente carregada, mas não ne-
cessariamente com carga elétrica – q.
d) torna-se positivamente carregada, mas não neces-
sariamente com carga elétrica + q.
e) transferiu elétrons para a primeira.
14.
Uma porção contendo 1 mol de cloreto de sódio (NaCl)
é adicionada em um recipiente contendo 2 litros de
água destilada, dissociando-se em íons Na
+
e Cd

.
Sabendo que a carga elementar vale 1,6 · 10
–19
C e
considerando 1 mol = 6 · 10
23
elementos, pode-se dizer
que a carga elétrica total da solução vale:
a) zero
b) + 9,6 · 10
4
C
c) – 9,6 · 10
4
C
d) + 6 · 10
3
C
e) – 6 · 10
3
C
15. Vunesp
Em 1990, transcorreu o cinqüentenário da des-
coberta dos “chuveiros penetrantes” nos raios
cósmicos, uma contribuição da física brasileira
que alcançou repercussão internacional [O Estado
de S. Paulo, 21.10.90, p. 30]. No estudo dos raios
cósmicos, são observadas partículas chamadas
píons. Consi dere um píon com carga el étri ca
+ e se desintegrando (isto é, dividindo-se) em duas
outras partículas: um múon, com carga elétrica + e e
um “neutrino”.
De acordo com o princípio de conservação da carga,
o “neutrino” deverá ter carga elétrica:
a) + e
b) – e
c) + 2e
d) – 2e
e) nula
16. UERJ
Prótons e nêutrons são constituídos de partículas cha-
madas quarks: os quarks u e d. O próton é formado de
2 quarks do tipo u e 1 quark do tipo d, enquanto o nêu-
tron é formado de 2 quarks do tipo d e 1 do tipo u.
Se a carga elétrica do próton é igual a 1 unidade de
carga e a do nêutron igual a zero, as cargas de u e d
valem, respectivamente:
a) 2/3 e 1/3.
b) – 2/3 e 1/3.
c) – 2/3 e – 1/3.
d) 2/3 e – 1/3.
17.
Uma esfera metálica está eletrizada com uma carga
Q = + 4,8 nC como mostra a figura I abaixo. Através
de um fio condutor, ela é ligada à Terra, como mostra
a figura II, neutralizando sua carga inicial.
Pode-se dizer que, ao ser ligada à Terra, a esfera:
a) perdeu 3 milhões de elétrons.
b) ganhou 3 milhões de elétrons.
c) perdeu 30 bilhões de elétrons.
d) ganhou 30 bilhões de elétrons.
e) perdeu 3 trilhões de elétrons.

59
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
18.
A partícula α é constituída pelo núcleo do átomo de
hélio. Uma fonte radioativa emite 2,5 · 10
6
partículas α.
Qual a carga elétrica dessa emissão, em coulombs ?
(Dado: e = 1,6 · 10
–19
C)
a) 8,0 · 10
–13
C
b) 6,0 · 10
–13
C
c) 5,0 · 10
–14
C
d) 3,0 · 10
–14
C
e) 1,5 · 10
–12
C
19. FUABC-SP
A carga de um elétron é da ordem de 10
–19
C. Se um
corpo recebe a carga de – 10 µC, a ele devem ter sido
adicionados:
a) 10
14
elétrons.
b) 10
19
elétrons.
c) 10
6
elétrons.
d) algumas dezenas de elétrons.
e) 10
50
elétrons.
20. UFU-MG
Um estudante de Física mediu, em laboratório, a
quantidade de carga elétrica de quatro objetos, tendo
encontrado os valores:
+ 1,6 · 10
–20
C – 4,0 · 10
–16
C
– 8,0 · 10
–16
C + 2,4 · 10
–19
C
Sabendo-se que a menor quantidade de carga elétrica
na natureza é a quantidade de carga do elétron, que
vale –1,6 · 10
–19
C, pode-se dizer que:
a) somente uma medida está correta.
b) há apenas duas medidas corretas.
c) há apenas três medidas corretas.
d) todas as medidas estão corretas.
e) todas as medidas são incorretas.
21.
Uma chapa de cobre está eletrizada com uma carga
elétrica +10
5
e. Ao se fazer incidir radiação ultravio-
leta sobre a chapa, sua carga elétrica passa a ser
+ 4,0 · 10
–14
C, após um certo tempo. Podemos afirmar
que, nesse período, a chapa (Dado: e = 1,6 · 10
-19
C):
a) ganhou 2,5 · 10
5
prótons.
b) cedeu 1,5 · 10
5
elétrons.
c) ganhou 3,0 · 10
5
elétrons.
d) cedeu 3,0 · 10
5
prótons.
e) cedeu 4,0 · 10
5
elétrons.
22.
O diagrama mostrado a seguir ilustra uma seqüência
de decaimentos radioativos do núcleo atômico de um
certo elemento. O núcleo M decai para um núcleo N
e, em estágio sucessivos, até o núcleo R, cujo número
de prótons é igual a 90, e o número de massa é igual
a 228.
Considerando a carga elementar e = 1,6 · 10
–19
C,
pode-se dizer que a diferença entre a carga elétrica
do núcleo M e a do núcleo R vale:
a) 1,6 · 10
–19
C
b) 3,2 · 10
–19
C
c) 4,8 · 10
–19
C
d) 6,4 · 10
–19
C
e) zero
23.
Estima-se que devido às tempestades, a superfície da
Terra é bombardeada por 100 raios por segundo, em
média. Considerando que devido a cada raio ocorra
uma transferência média de 50 C de carga elétrica
entre a atmosfera e a superfície do planeta, pode-se
dizer que o número total de elétrons transferidos du-
rante um ano, será da ordem de:
Dados: carga elementar e = 1,6 · 10
–19
C
1 ano 3,2 10
7
≅ ⋅ s
a) 10
23
b) 10
25
c) 10
27
d) 10
30
e) 10
33
24.
Durante um processo de fissão nuclear, o núcleo de
um elemento A, contendo 75 prótons, é quebrado ao
ser bombardeado por um nêutron, originando dois
outros núcleos B e C. Considerando que o processo
tenha ocorrido em um sistema isolado e sendo a carga
elementar e = 1,6 · 10
–19
C, pode-se dizer que a soma
das cargas elétricas dos núcleos B e C vale:
a) + 7,5 · 10
–17
C
b) + 7,5 · 10
–15
C
c) + 1,6 · 10
–17
C
d) + 1,2 · 10
–17
C
e) + 1,2 · 10
–15
C
25.
Considere o núcleo de um átomo de Urânio com mas-
sa total de 238 u (unidade de massa atômica). Sabe-se
que a massa contida no núcleo de um átomo é a soma
das massas de seus dois componentes fundamentais
(prótons e nêutrons). Considerando que a massa de
60
um próton ou de um nêutron corresponde a 1 u e que no
núcleo considerado existam 146 nêutrons, pode-se dizer
que a carga elétrica contida neste núcleo vale, aproxima-
damente: (Dado: carga elementar e = 1,6 · 10
–19
C)
a) + 1,47 · 10
–17
C
b) + 9,20 · 10
–17
C
c) – 1,47 · 10
–18
C
d) – 9,20 · 10
–18
C
e) nulo, pois todo núcleo atômico é eletricamente
neutro.
26. UFU-MG
A figura a seguir mostra um fio condutor, pelo qual
passa uma corrente elétrica i. A área sombreada é a
seção reta do fio.
A intensidade da corrente elétrica i, que passa pelo
fio, é de 4 A. Sabendo-se que o módulo da carga de
um elétron é 1,6 · 10
–19
C, a quantidade de elétrons,
que passará pela seção reta do fio em 8 segundos,
será igual a:
a) 2 · 10
20
c) 5 · 10
17
b) 6,4 · 10
19
d) 8 · 10
18
27. Unitau-SP
5,0 µC de carga atravessam a secção reta de um fio
metálico, num intervalo de tempo igual a 2,0 milisse-
gundos. A corrente elétrica que atravessa a secção
é de:
a) 1,0 mA d) 2,5 mA
b) 1,5 mA e) 3,0 mA
c) 2,0 mA
28.
O filamento de uma lâmpada é percorrido por uma
corrente elétrica constante de 0,64 ampères durante
um intervalo de 10 minutos. Sabe-se que o valor
da carga elementar é: e = 1,6 · 10
–19
C. Determine
quantos elétrons atravessam o filamento da lâmpada
nesses 10 minutos.
a) 2,4 · 10
21
elétrons. d) 1,6 · 10
18
elétrons
b) 2,4 · 10
19
elétrons e) 1,2 · 10
16
elétrons
c) 1,6 · 10
20
elétrons
29.
Considere o circuito da figura a seguir onde se tem
uma lâmpada sendo alimentada por uma pilha comum
de rádio.
Pode-se afirmar que no circuito externo à pilha:
a) o sentido do movimento dos elétrons é do pólo
positivo para o pólo negativo da pilha.
b) o sentido convencional da corrente elétrica é do
pólo positivo para o pólo negativo da pilha.
c) o sentido convencional da corrente elétrica é do
pólo negativo para o pólo positivo da pilha.
d) há um movimento de prótons do pólo positivo para
o pólo negativo da pilha.
e) há um movimento de prótons do pólo negativo para
o pólo positivo da pilha.
30. FMTM-MG
Através de dois eletrodos de cobre, mergulhados em
sulfato de cobre e ligados por um fio exterior, faz-se
passar uma corrente de 4,0 A durante 30 minutos. Os
íons de cobre, duplamente carregados da solução,
Cu
++
, vão sendo neutralizados num dos eletrodos
pelos elétrons que chegam, depositando-se cobre
(Cu
++
+ 2e = Cu
0
). Neste intervalo de tempo, o número
de elétrons transportados é igual a:
Dado: e = 1,6 · 10
–19
C
a) 1,6 · 10
19
b) 3,2 · 10
19
c) 4,5 · 10
22
d) 7,6 · 10
22
e) 9,0 · 10
22
31. UEL-PR
Sabe-se que a carga do el étron tem módul o
1,6 · 10
–19
C. A ordem de grandeza do número de elé-
trons que passam por segundo pela secção transversal
constante de um condutor que transporta corrente de
0,15 A é:
a) 10
20
b) 10
19
c) 10
18
d) 10
17
e) 10
16
32. PUC-SP
Com relação à condução elétrica dos gases, é correta
a afirmação:
a) Alguns gases são naturalmente isolantes e outros
condutores, conforme sua natureza química.
b) O mecanismo da condução elétrica nos gases é
semelhante ao dos metais.
c) Não se conhece nenhum fenômeno que possa
ser atribuído à passagem da corrente através dos
gases.
d) Os gases são normalmente isolantes, mas em cer-
tas circunstâncias podem tornar-se condutores.
e) Os gases são normalmente ótimos condutores.
33. Unifesp
Num livro de eletricidade você encontra as três infor-
mações seguintes: a primeira afirma que isolantes são
corpos que não permitem a passagem da corrente
elétrica; a segunda afirma que o ar é isolante e a
terceira afirma que, em média, um raio se constitui de
uma descarga elétrica correspondente a uma corrente
61
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
de 10.000 ampères que atravessa o ar e desloca, da
nuvem à Terra, cerca de 20 coulombs. Pode-se concluir
que essas três informações são:
a) coerentes, e que o intervalo de tempo médio de
uma descarga elétrica é de 0,002 s.
b) coerentes, e que o intervalo de tempo médio de
uma descarga elétrica é de 2,0 s.
c) conflitantes, e que o intervalo de tempo médio de
uma descarga elétrica é de 0,002 s.
d) conflitantes, e que o intervalo de tempo médio de
uma descarga elétrica é de 2,0 s.
e) conflitantes, e que não é possível avaliar o intervalo
de tempo médio de uma descarga elétrica.
34. UEL-PR
Pela secção reta de um condutor de eletricidade passam
12 C de carga elétrica a cada minuto. Nesse condutor, a
intensidade da corrente elétrica, em ampères, é igual a:
a) 0,08.
b) 0,20.
c) 5,0.
d) 7,2.
e) 12.
35.
Uma pequena lâmpada de lanterna é ligada a uma pilha
que lhe fornece uma corrente elétrica de 100 mA (0,1 A).
Sabendo-se que ela fica ligada durante 1 hora, pode-se
dizer que o filamento da lâmpada foi atravessado por:
a) 720 coulombs de carga elétrica
b) 720 elétrons
c) 360 coulombs de carga elétrica
d) 180 elétrons
e) 180 prótons
36. PUC-SP
Uma corrente elétrica de intensidade 11,2 µA per-
corre um condutor metálico. A carga elementar é
e = 1,6 · 10
–19
C. O tipo e o número de partículas
carregadas que atravessam uma seção transversal
desse condutor, por segundo, são:
a) prótons; 7,0 · 10
13
partículas
b) íons de metal; 14,0 · 10
16
partículas
c) prótons; 7,0 · 10
19
partículas
d) elétrons; 14,0 · 10
16
partículas
e) elétrons; 7,0 · 10
13
partículas.
37. Fatec-SP
Num circuito de corrente contínua circula, durante 5 mi-
nutos, uma corrente elétrica de 2 ampères. A carga que
atravessa o circuito, neste intervalo de tempo, é de:
a) 2 A
b) 10 C
c) 4 · 10
–3
C
d) 600 C
e) 1.200 C
38. UFSM-RS
Uma lâmpada permanece acesa durante 5 minutos
por efeito de uma corrente de 2 A, fornecida por uma
bateria. Nesse intervalo de tempo, a carga total (em
C) liberada pela bateria é
a) 0,4.
b) 2,5.
c) 10.
d) 150.
e) 600.
39. UFRGS-RS
Somando-se as cargas dos elétrons livres contidos
em 1 cm
3
de um condutor metálico, encontra-se,
aproximadamente, –1,1 · 10
4
C.
Esse metal foi utilizado na construção de um fio e
nele se fez passar uma corrente elétrica com inten-
sidade de 1 A. Quanto tempo, aproximadamente,
deve-se esperar para que passe pela secção reta
transversal do fio a quantidade de carga igual a
1,1 · 10
4
C?
a) 11.000 h
b) 3 min
c) 3 h
d) 11 min
e) 0,11 h
40. PUC-MG
Em um relâmpago, a carga elétrica envolvida na des-
carga atmosférica é da ordem de 10 coulombs. Se o
relâmpago dura cerca de 10
–3
segundos, a corrente
elétrica média vale, em ampères:
a) 10
b) 100
c) 1.000
d) 10.000
41. Vunesp
Mediante estímulo, 2 · 10
5
íons de K
+
atravessam a
membrana de uma célula nervosa em 1,0 milisegundo.
Calcule a intensidade dessa corrente elétrica, sabendo-
se que a carga elementar é 1,6 · 10
–19
C.
42.
Uma esfera metálica possui um excesso de 20 · 10
16

elétrons, quando comparados ao número de prótons.
Ao ser ligada à terra através de um fio condutor, ela
se descarrega completamente. Sabendo-se que o
processo de descarga levou 800 milissegundo, pode-
se dizer que a corrente elétrica média que atravessou
o fio foi de: (e = 1,6 · 10
–19
C)
a) 40 A
b) 4 A
c) 1 A
d) 0,4 A
e) 0,04 A
62
43. PUC-SP
Na tira, Garfield, muito maldosamente, reproduz o
famoso experimento de Benjamim Franklin, com a
diferença de que o cientista, na época, teve o cuidado
de isolar a si mesmo de seu aparelho e de manter-se
protegido da chuva de modo que não fosse eletrocu-
tado como tantos outros que tentaram reproduzir o
seu experimento.
Franklin descobriu que os raios são descargas elé-
tricas produzidas geralmente entre uma nuvem e
o solo ou entre partes de uma mesma nuvem que
estão eletrizadas com cargas opostas. Hoje, sabe-se
que uma descarga elétrica na atmosfera pode gerar
correntes elétricas da ordem de 10
5
ampères e que as
tempestades que ocorrem no nosso planeta originam,
em média, 100 raios por segundo. Isso significa que
a ordem de grandeza do número de elétrons que são
transferidos, por segundo, por meio das descargas
elétricas, é, aproximadamente:
Use para a carga de 1 elétron: 1,6 · 10
–19
C
a) 10
22
b) 10
24
c) 10
26
d) 10
28
e) 10
30
44. Vunesp
Suponha que num experimento de eletrólise, represen-
tado pela figura a seguir, 3 coulombs de carga positiva
e 3 coulombs de carga negativa atravessem o plano
PP’ durante 1 segundo.
A corrente, em ampères, indicada pelo amperímetro
A será:
a) 0
b) 1
c) 2
d) 3
e) 6
45.
O fio que leva energia elétrica para um chuveiro é
atravessado por 8,0 · 10
20
elétrons a cada 10 segun-
dos. Sabendo-se que o valor da carga elementar é
e = 1,6 · 10
–19
C, pode-se dizer que a corrente elétrica
que atravessa o chuveiro vale:
a) 9,6 A
b) 12,8 A
c) 15,2 A
d) 18,0 A
e) 21,8 A
46.
Um componente elétrico é percorrido por uma corrente
elétrica que varia com o tempo de acordo com a função
i = 10 + 5 · t, onde i é a corrente elétrica em ampères e
t é o tempo em segundos. Determine o valor da intensi-
dade da corrente elétrica média no intervalo entre t = 0 e
t = 4 s.
a) 10 A d) 25 A
b) 15 A e) 30 A
c) 20 A
47.
O gráfico a seguir indica como varia a intensidade da
corrente elétrica que atravessa um condutor metálico
em função do tempo.
Sa b e n d o q u e a c a r g a e l e me n t a r v a l e
e = 1,6 · 10
–19
C, pode-se dizer que o número de elé-
trons que atravessa esse condutor no intervalo entre
t = 0 e t = 10 s é:
a) 8,0 · 10
22
elétrons
b) 8,0 · 10
20
elétrons
c) 5,0 · 10
22
elétrons
d) 5,0 · 10
20
elétrons
e) 1,28 · 10
21
elétrons
48. UFPE
Suponha que o feixe de elétrons em um tubo de ima-
gens de televisão tenha um fluxo de 8 · 10
15
elétrons
por segundo. Qual a corrente do feixe em unidades
de 10
–4
A?
Dado: carga elementar e = 1,6 · 10
–19
C
a) 13
b) 15
c) 17
d) 19
e) 23
63
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
49.
O gráfico abaixo representa a intensidade da corrente
elétrica i em um fio condutor, em função do tempo
transcorrido t. Calcule a intensidade média da corrente
elétrica nos vinte primeiros segundos.
50. UFPE
O feixe de elétrons no tubo de um monitor de vídeo
percorre a distância de 0,20 m no espaço evacuado
entre o emissor de elétrons e a tela do tubo. Se a
velocidade dos elétrons for 5 · 10
7
m/s, e o número
de elétrons no feixe for 2,5 · 10
9
/m, qual a corrente
do feixe, em mA?
a) 2
b) 7,5
c) 15
d) 20
e) 25
51. UFC-CE
Um receptor de rádio, quando em funcionamento, re-
quer de sua bateria uma corrente i = 1,6 · 10
–2
A. Cada
vez que dois elétrons saem do cátodo, eles reagem
quimicamente com o eletrólito, dando origem a uma
molécula de nova substância. Quantas dessas molé-
culas serão formadas em uma hora de funcionamento
do rádio? A carga do elétron vale 1,6 · 10
–19
C.
a) 3,6 · 10
20
b) 1,8 · 10
20
c) 3,6 · 10
18
d) 1,8 · 10
18
e) 1,6 · 10
16
52.
Um condutor é percorrido por uma corrente, com inten-
sidade i variável com o tempo t, segundo a função:
i = 2,0 – 1,0 t (SI)
Calcule a carga que atravessa uma secção do condu-
tor, entre os instantes t
1
= 0 e t
2
= 2,0 s.
53. PUC-SP
No interior de um condutor homogêneo, a intensidade
da corrente elétrica varia com o tempo, como mostra
o diagrama a seguir:
Pode-se afirmar que o valor médio da intensidade da
corrente elétrica, entre os instantes 1 min e 2 min, é
de:
a)
1
60
A
d)
1
20
A
b)
10
6
A e)
1
200
A
c) 50 A
54.
Durante os primeiros décimos de segundo após uma
lâmpada ser ligada, a corrente elétrica que a atraves-
sa não é constante, mas varia aproximadamente de
acordo com o gráfico a seguir.
(Considere e = 1,6 · 10
–19
C)
a) Determine o número de elétrons que atravessa
o filamento da lâmpada no intervalo entre t = 0 e
t = 0,8 s.
b) Determine o valor da corrente elétrica média no
intervalo entre t = 0 e t = 0,3 s
55. FAAP-SP
Uma casa possui 10 lâmpadas, que permanecem
acesas 6 horas por dia. Sendo de 100 watts a potência
elétrica de cada lâmpada, a energia gasta num mês,
em quilowatt-hora, é de:
a) 10
b) 30
c) 60
d) 120
e) 180
56. PUC-RS
Apesar do amplo emprego do Sistema Internacional
de Unidades, algumas unidades do sistema inglês
ainda são utilizadas, como, por exemplo, btu (british
thermal unit). Usualmente, a potência de aparelhos
de ar-condicionado é expressa em btu/h, sendo
1 btu/h = 0,293 W. Assim, um condicionador de ar de
15.000 btu/h emprega potência aproximada de 4,40 kW
e em 6,00 h a energia elétrica consumida será:
a) 26,4 kWh
b) 36,2 kWh
c) 48,5 kWh
d) 75,1 kWh
e) 94,3 kWh
64
57. Mackenzie-SP
Em uma certa residência, existe um chuveiro elétrico
(A) de indicação nominal (4.400 W/6.600 W – 220 V).
Esse chuveiro possui uma chave reguladora que
possibilita dispor-se de água morna na posição
Verão e de água mais quente na posição Inverno.
Entretanto, existe também um outro chuveiro (B), de
mesma finalidade, que possui a inscrição nominal
(4.400 W/6.600 W – 110 V). Comparando-se o con-
sumo de energia elétrica dos dois chuveiros, para
dois banhos idênticos, concluímos que:
a) o chuveiro A consome o dobro da energia elétrica
consumida pelo chuveiro B.
b) o chuveiro B consome o dobro da energia elétrica
consumida pelo chuveiro A.
c) o chuveiro A consome uma vez e meia a energia
elétrica consumida pelo chuveiro B.
d) o chuveiro B consome uma vez e meia a energia
elétrica consumida pelo chuveiro A.
e) os dois chuveiros consomem a mesma quantidade
de energia.
58. UFJF-MG
Um estudante de Ensino Médio, que costuma usar
o computador para fazer pesquisas na Internet, es-
quece o computador ligado durante 60 horas num
final de semana. Sabendo-se que, nessa situação,
a potência elétrica dissipada pelo computador é de
240 W, a energia desnecessariamente gasta enquanto
o computador esteve ligado foi de:
a) 4 kWh d) 14,4 kJ
b) 14,4 W/h e) 14,4 kWh
c) 4 J
59.
Um circuito elétrico residencial tem os aparelhos elétri-
cos da tabela a seguir, onde aparecem suas potências
médias. A ddp na rede é de 110 V. Calcule a intensidade
da corrente que circula nesse circuito quando todos os
aparelhos estão ligados.
Aparelho Quantidade Potência (W)
Lâmpada 4 60
Lâmpada 2 100
Chuveiro 1 4.500
TV 1 150
Geladeira 1 400
Ferros 1 1.000
60. Vunesp
Na instalação elétrica de uma casa, há um disjuntor
para proteger o circuito de um chuveiro elétrico. Saben-
do que a potência do chuveiro é 2.000 W e a tensão
na rede é 220 V, o valor em ampéres, mais indicado
para a corrente máxima do disjuntor deve ser aproxi-
madamente igual a:
a) 0,5 d) 10
b) 1 e) 50
c) 5
61. Fatec-SP
Um fio de extensão está ligado numa tomada de 110 V.
Esse fio de extensão tem três saídas, nas quais estão
ligados um aquecedor de 500 W, uma lânpada de 60 W
e um secador de cabelos de 200 W. Esses aparelhos
estão ligados em paralelo, ou seja, todos estão sub-
metidos à tensão de 110 V, e permanecem funcionando
por 5 minutos. O valor aproximado da corrente elétrica
total que passa pelo fio e o gasto de energia com esses
três aparelhos, quando funcionando simultaneamente,
após 5 minutos, são respectivamente:
a) 2 A e 8,3 · 10
5
J d) 7 A e 2,3 · 10
5
J
b) 2 A e 7,2 · 10
5
J e) 10 A e 1,2 · 10
5
J
c) 7 A e 5,4 · 10
5
J
62. Univas-MG
Numa casa, uma lâmpada com as características
(110 V, 60 W) ficou acesa durante 30 dias. Supondo
que o preço de 1 kWh é de R$ 0,44, podemos deduzir
que o custo da energia elétrica consumida, em R$,
foi cerca de:
a) 218,00 d) 19,00
b) 140,00 e) 2,00
c) 62,00
63. UFJF-MG
Imagine que você tenha comprado um chuveiro elétrico
para ser alimentado por uma tensão de 120 V e que
a potência consumida seja de 3.000 W. Ao instalar o
chuveiro, você precisa decidir sobre o diâmetro do fio
que deve ser conectado à rede elétrica para alimentar
o chuveiro. Imagine que a tabela abaixo represente o
diâmetro do fio de cobre, a corrente elétrica máxima
permitida e o preço por metro.
Assim, podemo afirmar que:
a) você deve comprar o fio com diâmetro de
1,0 mm, pois a corrente que o fio suporta é su-
ficiente e seu custo é menor que o de fios com
diâmetros superiores
b) você deve comprar o fio com diâmetro de
1,5 mm, pois a corrente que o fio suporta é su-
ficiente e seu custo é menor que o de fios com
diâmetros superiores
c) você deve comprar o fio com diâmetro de
2,0 mm, pois a corrente que o fio suporta é su-
ficiente e seu custo é menor que o de fios com
diâmetros superiores
d) você deve comprar o fio com diâmetro de
2,5 mm, pois a corrente que o fio suporta é su-
ficiente e seu custo é menor que o de fios com
diâmetros superiores
e) você deve comprar o fio com diâmetro de
3,0 mm, pois a corrente necessária para alimentar
o chuveiro é de 36 A.
65
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
64. Vunesp
Um certo resistor é percorrido por uma corrente elétrica.
Cada elétron que compõe essa corrente transfere ao re-
sistor, na forma de energia térmica, 8,0 · 10
–19
joules.
A que diferença de potencial está submetido o re-
sistor?
(Carga do elétron = 1,6 · 10
–19
coulomb).
65. Vunesp
As companhias de eletricidade geralmente usam
medidores calibrados em quilowatt-hora(kWh). Um
kWh representa o trabalho realizado por uma máquina
desenvolvendo potência igual a 1kW durante 1 hora.
Numa conta mensal de energia elétrica de uma resi-
dência com quatro moradores, leêm-se, entre outros,
os seguintes valores:
Cada um dos quatro moradores toma um banho diário,
um de cada vez, num chuveiro elétrico de 3 kW. Se
cada banho tem duração de cinco minutos, o custo
ao final de um mês (30 dias) da energia consumida
pelo chuveiro é de:
a) R$ 4,50 d) R$ 22,50
b) R$ 7,50 e) R$ 45,00
c) R$ 15,00
66. Fatec-SP
Um chuveiro elétrico tem seletor que lhe permite for-
necer duas potências distintas: na posição “verão” o
chuveiro fornerce 2.700 W: na posição “inverno” fornece
4.800 W. José, o dono desse chuveiro usa-o diariamente
na posição “inverno“, durante 20 minutos. Surpreso
com o alto valor de sua conta de luz, José resolveu
usar o chuveiro com o seletor na posição “verão“, pelos
mesmos 20 minutos diários. Supondo-se que o preço do
quilowatt-hora seja de R$ 0,20, isso representará uma
economia diária de aproximadamente:
a) R$ 0,14 d) R$ 2,00
b) R$ 0,20 e) R$ 20,00
c) R$ 1,40
67. Mackenzie-SP
Um chuveiro elétrico apresenta a inscrição:
2 200 4 400 220 . ( ) / . ( ) W verão W inverno V −
Quando ligado corretamente, está protegido, na rede
que o alimenta, por um fusível com tolerância de até
30 A. Se ligarmos, em paralelo ao chuveiro, sob a
mesma ddp de 220 V, uma torneira com a inscrição
2 200 220 . W V −
podemos afirmar que:
a) o fusível queimará somente se o chuveiro estiver
ligado na posição “Verão“.
b) o fusível queimará somente se o chuveiro estiver
ligado na posição “Inverno“.
c) o fusível queimará de qualquer forma, ou seja, tan-
to se o chuveiro estiver ligado na posição “Verão“
como na posição inverno.
d) o fusível não queimará de maneira alguma.
e) o fusível queimará mesmo se ligada a torneira.
68.
Em uma certa residência há um ferro elétrico de 600
watts de potência que funciona meia hora por dia, todos
os dias. Sabe-se que o preço pago para a companhia
de energia para cada quilowatt-hora (kWh) consumi-
do é de R$ 0,30. Sendo assim, qual das alternativas
abaixo melhor representa o custo mensal médio da
energia consumida por este ferro elétrico?
a) R$ 13,50 d) R$ 1,50
b) R$ 27,00 e) R$ 0,90
c) R$ 2,70
69. ENEM
O alumínio se funde a 666 ºC e é obtido à custa de
energia elétrica, por eletrólise–transformação realizada
a partir do óxido de alumínio a cerca de 1.000 ºC.
A produção brasileira de alumínio, no ano de 1985, foi
da ordem de 550.000 toneladas, tendo sido consumi-
dos cerca de 20 kWh de energia elétrica por quilograma
do metal. Nesse mesmo ano, estimou-se a produção
de resíduos sólidos urbanos brasileiros formados por
metais ferrosos e não-ferrosos em 3.700 t/dia, das
quais 1,5% estima-se corresponder ao alumínio.
(Adaptado de FIGUEIREDO, P.J.M. A sociedade do lixo: resíduos, a
questão energética e a crise ambiental. Piracicaba: UNIMEP, 1994)
Suponha que uma residência tenha objetos de alumínio
em uso cuja massa total seja 10 kg (panelas, janelas,
latas etc.) O consumo de energia elétrica mensal dessa
residência é de 100 kWh. Sendo assim, na produção
desses objetos utilizou-se uma quantidade de energia
elétrica que poderia abastecer essa residência por um
período de
a) 1 mês d) 4 meses
b) 2 meses e) 5 meses
c) 3 meses
70. Vunesp
Um jovem casal instalou em sua casa uma ducha
elétrica moderna de 7.700 watts/220 volts. No entanto,
os jovens verificaram, desiludidos, que toda vez que
ligavam a ducha na potência máxima, desarmava-se
o disjuntor (o que equivale a queimar o fusível de an-
tigamente) e a fantástica ducha deixava de aquecer.
Pretendiam até recolocar no lugar o velho chuveiro de
3.300 watts / 220 volts, que nunca falhou. Felizmente,
um amigo físico, naturalmente – os socorreu. Substituiu
o velho disjuntor por outro, de maneira que a ducha
funcionasse normalmente.
A partir desses dados, assinale a única alternativa
que descreve corretamente a possível troca efetuada
pelo amigo.
a) Substituiu o velho disjuntor de 20 ampères por um
novo, de 30 ampères.
b) Substituiu o velho disjuntor de 20 ampères por um
novo, de 40 ampères.
c) Substituiu o velho disjuntor de 10 ampères por um
novo, de 40 ampères.
d) Substituiu o velho disjuntor de 30 ampères por um
novo, de 20 ampères.
e) Substituiu o velho disjuntor de 40 ampères por um
novo, de 20 ampères.
66
71. Unifesp
O consumo de uma casa deve ser reduzido de 90 kWh
por mês para atingir a meta de racionamento estabele-
cida pela concessionária de energia elétrica. Entre os
cortes que os moradores dessa casa pensam efetuar,
está o desligamento do rádio-relógio, com a justificativa
de que ele funciona ininterruptamente 24 horas por
dia. Sabendo que a potência de um rádio-relógio é de
4 watts, em média, do total a ser economizado essa
medida corresponde, aproximadamente, a:
a) 0,9% d) 30%
b) 3% e) 90%
c) 9%
72. Fuvest-SP
No medidor de energia elétrica usado na medição do
consumo de residências há um disco, visível exter-
namente, que pode girar. Cada rotação completa do
disco corresponde a um consumo de energia elétrica
de 3,6 watt-hora. Mantendo-se, em uma residência,
apenas um equipamento ligado, observa-se que o
disco executa uma volta a cada 40 segundos. Nesse
caso, a potência consumida por esse equipamento é
de, aproximadamente:
a) 36 W d) 324 W
b) 90 W e) 1.000 W
c) 144 W
73. UFG-GO
Uma pessoa compra uma lâmpada fluorescente de
20 W/220 V, com a seguinte informação adicional:
“Equivalente à lâmpada incandescente de 100 W”.
Qual é a eficiência luminosa da lâmpada incandes-
cente, admitindo-se uma eficiência luminosa de 55%
para a lâmpada fluorescente?
a) 7% d) 10%
b) 8% e) 11%
c) 9%
74. Uniube-MG
Um menino, que não conseguia dormir de luz apagada,
fez um acordo com seu pai: dormiria 15 noites no mês
com a luz desligada, em troca de um aumento da sua
mesada. A média do consumo de energia elétrica da
família era de 150 kWh por mês, sendo que, a partir do
acordo, houve uma economia mensal de 5%. Como o
menino dormia em média 10 horas por dia, a potência
da lâmpada de seu quarto era de:
a) 150 W c) 50 W
b) 75 W d) 7,5 W
75. Unicamp-SP
Uma loja teve sua fachada decorada com 3.000 lâmpa-
das de 0,5 W cada para o Natal. Essas lâmpadas são
do tipo pisca-pisca e ficam apagadas 75% do tempo.
a) Qual a potência total dissipada se 30% das lâm-
padas estiverem acesas simultaneamente?
b) Qual a energia, em kWh, gasta com essa decora-
ção ligada das 20:00h até às 24:00h ?
c) Considerando que kWh custa R$ 0,30, qual seria
o gasto da loja durante 30 dias nas condições do
item b?
76.
Um componente elétrico é ligado em uma fonte
de tensão ideal de força eletromotriz constante de
12 V. Através de um potenciômetro, faz-se com que
a intensidade da corrente elétrica que atravessa o
componente varie em função do tempo de acordo
com a equação:
i = 4 + 2 · t
na qual i é medida em ampéres e t é medido em
segundos.
a) Determine a quantidade de carga elétrica, em cou-
lombs, que atravessou o componente no intervalo
entre t = 0 e t = 3 s.
b) Qual a quantidade de energia elétrica consumida
por esses componentes no intervalo de t = 0 a
t = 3 s, em joules?
77.
O chuveiro elétrico de uma residência possui potência
de 4.200 W. Considerando o preço de 1 kWh igual a
R$ 0,30, qual é o custo mensal da energia elétrica, se
quatro pessoas tomarem banho diariamente, sendo
que cada um demora 10 minnutos?
78. F.M. Catanduva-SP (modificado)
A figura a seguir representa as curvas características
de três condutores X, Y e Z. Analisando o gráfico,
determine:
a) a potência dissipada por Y quando submetido a
uma tensão de 30 V;
b) a potência dissipada por X quando submetido a
uma tensão de 60 V;
c) qual dos condutores dissipa maior potência quando
submetido a uma tensão de 90 V.
79. ECM-AL
Uma máquina de lavar roupa, com referência
200 W-110 V, e um chuveiro elétrico, com referência
1000 W-110 V, funcionando 2 horas por dia, durante
30 dias, consumirão, uma quantidade de energia
elétrica igual, em kWh. a:
a) 20 d) 72
b) 40 e) 90
c) 68
80. Fuvest-SP
As lâmpadas fuorescentes iluminam muito mais que
as lâmpadas incandescentes de mesma potência.
Nas lâmpadas fluorescentes compactas, a eficiencia
luminosa, medida em lumens por watt(m/W), é da
ordem de 60 m/W e, nas lâmpadas incandescentes
da ordem de 15 m/W. Em uma residência, 10 lâmpa-
67
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
das incandescentes de 100 W são substituídas por
fluorescentes compactas que fornecem iluminação
equivalente (mesma quantidade de lumens). Admitindo
que as lâmpadas ficam acesas, em média 6 horas por
dia e que o preço da energia elétrica é de R$ 0,20 por
kWh, a economia mensal na conta de energia elétrica
dessa residência será de, aproximadamente,
a) R$ 12,00 d) R$ 36,00
b) R$ 20,00 e) R$ 144,00
c) R$ 27,00
81. PUC-SP (modificado)
O que consome mais energia elétrica: um banho
de 30 minutos em um chuveiro elétrico de potência
5.000 W ou uma lâmpada de 60 W que permanece
ligada durante 24 horas? Justifique.
82. Unicamp-SP
O gráfco abaixo representa a potência (em kW) consu-
mida por uma residência ao longo do dia. A residência
é alimentada por uma tensão de 120 V e possui um
fusível que queima se a corrente ultrapassar um certo
valor, para evitar danos na instalação elétrica. Por outro
lado, esse fusível deve suportar a corrente utilizada na
operação normal dos aparelhos da residência.
6
5
4
3
2
1
0
0 4 6 8 2 10 12 14 16 18 20 22 24
P
o
t
ê
n
c
i
a
(
k
W
)
Hora
a) Qual será o valor mínimo da corrente que o fusível
deve suportar?
b) Qual a energia, em kWh, consumida em um dia
nessa residência?
c) Qual será o preço a pagar por 30 dias de consumo
se o kWh custa R$ 0,22?
83. Unicamp-SP
Um LED (do inglês Light Emiting Diode) é um dispositi-
vo semicondutor para emitir luz. Sua potência depende
da corrente elétrica que passa através desse dispo-
sitivo, controlada pela voltagem aplicada. Os gráficos
a seguir representam as características operacionais
de um LED com comprimento de onda na região do
infravermelho, usado em controles remotos.
a) Qual é a potência elétrica do diodo, quando uma
tensão de 1,2 V é aplicada?
b) Qual é a potência de saída (potência elétrica
transformada em luz) para essa voltagem? Qual
é a eficiência do dispositivo?
c) Qual é a eficiência do dispositivo sob uma tensão
de 1,5 V?
Capítulo 2
84. UFPE
O gráfico a seguir mostra a corrente elétrica i em um
elemento x, de um circuito elétrico, em função da di-
ferença de potencial U sobre o elemento x. Supondo
que a resistência elétrica deste elemento não dependa
da diferença do potencial nele aplicada, determine
a corrente elétrica, em ampères, que circularia se
uma diferença de potencial de 96 V fosse aplicada
ao elemento.

85. UEPA
Os choques elétricos produzidos no corpo humano
podem provocar efeitos que vão desde uma simples dor
ou contração muscular até paralisia respiratória ou fibri-
lação ventricular. Tais efeitos dependem de fatores como
a intensidade de corrente elétrica, duração, resistência
da porção do corpo envolvida. Suponha, por exemplo,
um choque produzido por uma corrente de apenas
4 mA e que a resistência da porção do corpo envolvida
seja de 3.000 Ω. Então, podemos afirmar que o choque
elétrico pode ter sido devido ao contato com:
a) uma pilha grande de 1,5 V.
b) os contatos de uma lanterna contendo uma pilha
grande de 6,0 V.
c) os contatos de uma bateria de automóvel de
12 V.
d) uma descarga elétrica produzida por um raio num
dia de chuva.
e) os contatos de uma tomada de rede elétrica de
120 V.
68
86. UERJ
Num detector de mentiras, uma tensão de 6 V é apli-
cada entre os dedos de uma pessoa. Ao responder a
uma pergunta, a resistência entre os seus dedos caiu
de 400 kΩ para 300 kΩ. Nesse caso, a corrente no
detector apresentou variação, em µ A, de:
a) 5 c) 15
b) 10 d) 20
87.
Uma lâmpada comum, quando ligada em uma rede
de 220 V é percorrida por uma corrente elétrica de
intensidade 1,1 A.Considerando que o filamento da
lâmpada possa ser considerado ôhmico, pode-se
dizer que sua resistência elétrica e a corrente que a
atravessa quando ligada em uma rede de 110 V valem,
respectivamente:
a) 200 Ω e 0,55 A d) 100 Ω e 0,55 A
b) 200 Ω e 2,2 A e) 50 Ω e 1,1 A
c) 100 Ω e 1,1 A
88. Fuvest-SP
Estuda-se como varia a intensidade i da corrente que
percorre um resistor, cuja resistência é constante e igual a
2 Ω, em função da tensão U aplicada aos seus terminais.
O gráfico que representa o resultado das medidas é:

89. Vunesp
Um determinado componente elétrico tem a equação
característica U = 5 · i
2
onde U é a tensão elétrica
aplicada em seus terminais (em volts) e i é a corrente
elétrica que o atravessa (em ampères). Para i = 2 A, a
resistência elétrica deste componente vale:
a) 5 Ω d) 12 Ω
b) 10 Ω e) 2,5 Ω
c) 20 Ω
90. UFMG
O gráfico a seguir mostra como varia a tensão elétrica
em um resistor mantido a uma temperatura constante em
função da corrente elétrica que passa por esse resistor.
Com base nas informações contidas no gráfico, é
correto afirmar que
a) a corrente elétrica no resistor é diretamente pro-
porcional à tensão elétrica.
b) a resistência elétrica do resistor aumenta quando
a corrente elétrica aumenta.
c) a resistência elétrica do resistor tem o mesmo valor,
qualquer que seja a tensão elétrica.
d) dobrando-se a corrente elétrica através do resistor,
a potência elétrica consumida quadruplica.
e) o resistor é feito de um material que obedece à Lei
de Ohm.
91. UEL-PR
Três condutores X, Y e Z foram submetidos a diferentes
tensões U e, para cada tensão, foi medida a respectiva
corrente elétrica I, com a finalidade de verificar se os
condutores eram ôhmicos. Os resultados estão na
tabela que segue.
Condutor X Condutor Y Condutor Z
I (A) U (V) I (A) U (V) I (A) U (V)
0,30 1,5 0,20 1,5 7,5 1,5
0,60 3,0 0,35 3,0 15 3,0
1,2 6,0 0,45 4,5 25 5,0
1,6 8,0 0,50 6,0 30 6,0
De acordo com os dados da tabela, somente:
a) o condutor X é ôhmico.
b) o condutor Y é ôhmico.
c) o condutor Z é ôhmico.
d) os condutores X e Y são ôhmicos.
e) os condutores X e Z são ôhmicos.
92. UEL-PR
Durante um teste com um resistor elétrico, um téc-
nico faz várias medidas da diferença de potencial U
aplicada em seus terminais e da corrente elétrica I
que o atravessa. Com os dados obtidos, ele constrói
o gráfico abaixo:
Dos valores abaixo, qual melhor representa a resis-
tência elétrica deste resistor?
a) 1.000 Ω
b) 1.500 Ω
c) 2.000 Ω
d) 3.000 Ω
e) 6.000 Ω
69
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
93. UFRGS-RS
Uma lâmpada de lanterna, que traz as especificações
0,9 W e 6 V, tem seu filamento projetado para operar
a alta temperatura. Medindo a resistência elétrica do
filamento à temperatura ambiente (isto é: estando a
lâmpada desligada), encontramos o valor R
o
= 4 Ω.
Sendo R o valor da resistência do filamento à tem-
peratura de operação, qual é, aproximadamente, a
razão R/R
o
?
a) 0,10
b) 0,60
c) 1,00
d) 1,66
e) 10,00
94. Mackenzie-SP
Um resistor é submetido a uma ddp fixa. Assinale a
alternativa correta.
a) A potência dissipada no resistor é proporcional à
sua resistência.
b) A corrente elétrica que percorre o resistor é pro-
porcional à sua resistência.
c) A corrente elétrica que percorre o resistor é pro-
porcional ao quadrado da sua resistência.
d) A potência dissipada no resistor é proporcional ao
quadrado da sua resistência.
e) A potência dissipada no resistor é inversamente
proporcional à sua resistência.
95. Uniube-MG
Um ferro de passar roupa com potência de 1.200 W
está conectado à rede de alimentação com uma tensão
de 120 V. Um disjuntor de proteção foi instalado para
este ferro de passar e deve se desarmar (“abrir”) com
uma corrente 50% maior que acorrente nominal de
operação do ferro. Qual deve ser a corrente especifi-
cada para o disjuntor?
a) 10 A
b) 15 A
c) 20 A
d) 120 A
96. UFMG
Numa resistência elétrica R, tem-se uma corrente i
quando ela é ligada a uma diferença de potencial V. A
energia elétrica dissipada na resistência, num intervalo
de tempo t, será:
a) it
b) iV
c) iRt
d) V
2
/R
e) Vit
97. PUC-SP
Um chuveiro de 3.000 W e 110 V tem resistência elé-
trica R
1
e outro de 4.000 W e 220 V tem resistência
elétrica R
2
, A razão
R
R
2
1
vale
a)
3
4
d) 3
b)
4
3
e) 4
c) 2
98. Fuvest-SP
Ganhei um chuveiro elétrico de 6.050 W – 220 V. Para
que esse chuveiro forneça a mesma potência na minha
instalação, de 110 V , devo mudar a sua resistência
para o seguinte valor, em ohms:
a) 0,5 d) 4,0
b) 1,0 e) 8,0
c) 2,0
99. ITA–SP
Pedro mudou-se da cidade de São José dos Campos
para São Paulo, levando consigo um aquecedor elé-
trico. O que deverá ele fazer para manter a mesma
potência de seu aquecedor elétrico, sabendo-se que
a ddp na rede em São José dos Campos é de 220 V,
enquanto em São Paulo é de 110 V? Deve substituir
a resistência do aquecedor por outra:
a) quatro vezes menor.
b) quatro vezes maior.
c) oito vezes maior.
d) oito vezes menor.
e) duas vezes menor.
100. UFV-MG
O filamento de uma lâmpada incandescente, ligada
a uma tomada de 120 V, possui uma resistência de
200 Ω.
Sendo R$ 0,20 o custo do quilowatt-hora, quando a
lâmpada permanecer acesa durante 100 horas, o valor
gasto em reais será de:
a) 1,60 d) 1,44
b) 2,40 e) 4,80
c) 4,00
101.
Um eletricista deve instalar um chuveiro elétrico em
uma residência onde a rede elétrica tem tensão de
110 V. Após comprar o aparelho e instalá-lo, ele nota
que o aquecimento da água deixou a desejar, isto é,
o chuveiro não consegue esquentar a água a uma
temperatura ideal para um bom banho quente. Ob-
servando o aparelho por um bom tempo, ele descobre
o problema: por engano, ele acabou comprando um
chuveiro com a seguinte inscrição: 220 V – 4.400 W.
Supondo que a resistência elétrica do chuveiro possa
ser considerada ôhmica, determine:
a) Qual é o valor da resistência elétrica do chuveiro?
b) Quantos joules de energia por segundo o chuveiro
transfere para a água, quando instalado na tensão
de 110 V?
70
102. Unicamp-SP
Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que
ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores
nominais (valores impressos no bulbo) um tanto
apagados. Pôde ver que a tensão nominal era de
130 V, mas não pôde ler o valor da potência. Ele ob-
teve, então, através das medições em sua oficina, o
seguinte gráfico:
Curva tensão x potência para a lâmpada
a) Determine a potência nominal da lâmpada a partir
do gráfico acima.
b) Calcule a corrente na lâmpada para os valores
nominais de potência e tensão.
c) Calcule a resistência da lâmpada quando ligada
na tensão nominal.
103. ITA-SP
Um estudante do ITA foi a uma loja comprar uma lâmpa-
da para o seu apartamento. A tensão da rede elétrica do
alojamento dos estudantes do ITA é 127 V, mas a tensão
na cidade de São José dos Campos é de 220 V. Ele
queria uma lâmpada de 25 W de potência que funcio-
nasse com 127 V mas a loja tinha somente lâmpadas de
220 V. Comprou, então uma lãmpada de 100 W fabrica-
da para 200 V, e ligou-a em 127 V. Se pudermos ignorar
a variação da resistência do filamento da lâmpada com
a temperatura, podemos afirmar que:
a) O estudante passou a ter uma dissipação de
calor no filamento da lâmpada acima da qual ele
pretendia (mais de 25 W).
b) a potência dissipada na lâmpada passou a ser
menor que 25 W.
c) a lâmpada não acendeu em 127 V
d) a lâmpada, tão logo ligada, queimou.
e) a lâmpada funcionou em 127 V perfeitamente,
dando potencial nominal de 100 W.
104. Fuvest-SP
O gráfico adiante representa o comportamento da
resistência de um fio condutor em função da tempe-
ratura em K.
R ( ) 
T (K)
0,004
0,003
0,002
0,001
100 0 200 300
O fato de o valor da resistência ficar desprezível abaixo
de uma certa temperatura caracteriza o fenômeno da
supercondutividade. Pretende-se usar o fio na cons-
trução de uma linha de transmissão de energia elétrica
em corrente contínua. À temperatura ambiente de
300 K a linha seria percorrida por uma corrente de
1.000 A, com uma certa perda de energia na linha.
Qual seria o valor da corrente na linha, com a mesma
perda de energia, se a temperatura do fio fosse baixada
para 100 K?
a) 500 A d) 3.000 A
b) 1.000 A e) 4.000 A
c) 2.000 A
105. UERJ
Comercialmente, os resistores têm seus valores de
resistência identificados a partir de um código de três
cores, impressas sob a forma de anéis no próprio
corpo do resistor.
As cores utilizadas nos anéis A, B e C correspondem
aos números indicados na seguinte tabela:
Nessa convenção, A e B são, respectivamente, os
algarismos da dezena e da unidade e C é a potência
de 10 do valor da resistência em ohms. Considere
1 cal 4,2 J.
A resistência do aparelho usado por uma bailarina
para ferver a água para o café deve ser substituída.Tal
resistência, ao ser atravessada por uma corrente de
1,0 A dissipa uma potência de 600 W. Calcule o valor
da resistência e indique a seqüência de cores CBA que
um resistor comercial, com esse valor de resistência,
deve apresentar.
106. PUC-SP
Uma das alternativas usadas pelas companhias de
eletricidade para reduzir o consumo de energia elétrica
nos períodos de grande demanda é reduzir os valores
da tensão estabelecida nas residências. Suponha uma
torradeira cujos dados nominais são 120 V–1.200 W
e que será utilizada em determinado mês (30 dias) na
tensão de 108 V.
Sabendo-se que a torradeira é utilizada diariamente
por 10 minutos, a sua economia será de:
a) 1,14 kWh d) 1,2 kWh
b) 6 kWh e) 1,08 kWh
c) 0,6 kWh
71
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
107. UFPE
O resistor de um chuveiro elétrico tem três pontos de
contato, conforme indicado na figura.
No ponto A, está ligado um dos fios de alimentação
elétrica. Dependendo da posição da chave, liga-se o
outro fio de alimentação a um dos outros pontos de
contato, e assim se estabelece as ligações inverno
ou verão. Para um chuveiro que tenha na placa a
informação 220 V - 3220 W /2420 W, qual o valor do
resistor, em Ω, quando o chuveiro opera na posição
inverno?
108. Univali-SC
Uma pessoa mudou-se de uma cidade onde a tensão
da rede domiciliar é de 220 volts para outra onde só
há energia sob tensão de 110 volts, trazendo consigo
um chuveiro elétrico com as seguintes especificações
elétricas: 4.400 W – 220 V – 20 A. Este chuveiro é
instalado nesta nova cidade sem nenhuma modifica-
ção. Supondo que a resistência elétrica do chuveiro
seja ôhmica, pode-se afirmar que, durante um banho,
a corrente elétrica e a potência deste chuveiro serão,
respectivamente:
a) 10 A e 4.400 W
b) 10 A e 2.200 W
c) 20 A e 2.200 W
d) 10 A e 1.100 W
e) 20 A e 1.100 W
109.
Televisores e outros equipamentos, em muitos casos,
possuem a opção de se manter o aparelho preparado
para imediato funcionamento: é o estado “em pronti-
dão” ou “em espera“ (em inglês, stand by). Um aparelho
de televisão de 29 polegadas, por exemplo, consome,
quando ligado, 100 W e, quando em stand by, 15 W
(dados do fabricante). Determine, para esse televisor,
o consumo mensal (30 dias) de energia elétrica em
10 h de funcionamento diário em stand-by, em quilo-
watt-hora e em joules.
110. UFSCar-SP
O laboratório de controle de qualidade em uma fábrica
para aquecedores de água foi incumbido de analisar
o comportamento resistivo de um novo material. Este
material, já em forma de fio com secção transversal
constante, foi conectado, por meio de fios de resis-
tência desprezível, a um gerador de tensão contínua
e a um amperímetro com resistência interna muito
pequena, conforme o esquema.
Fazendo variar gradativa e uniformemente a diferença
de potencial aplicada aos terminais do fio resistivo,
foram anotados simultaneamente os valores da tensão
elétrica e da correspondente corrente elétrica gerada
no fio. Os resultados desse monitoramento permitiram
a construção dos gráficos.
Com os dados obtidos, um novo gráfico foi construído
com a mesma variação temporal. Neste gráfico, os
valores representados pelo eixo vertical correspondiam
aos resultados dos produtos de cada valor de corrente
e tensão, lidos simultaneamente nos aparelhos do
experimento, enquanto o eixo horizontal correspondia
ao tempo de experimento, em segundos.
a) Uma vez que a variação de temperatura foi irrele-
vante, pôde-se constatar que, para os intervalos
considerados no experimento, o fio teve um com-
portamento ôhmico. Justifique esta conclusão e
determine o valor da resistência elétrica do fio
estudado.
b) Faça um esboço do terceiro gráfico obtido con-
forme citado no enunciado. Neste gráfico, qual é
a grandeza física que está representada no eixo
vertical? Para o intervalo de tempo do experimento,
qual o significado físico que se deve atribuir à área
abaixo da curva obtida no terceiro gráfico?
111. Unicamp-SP
Um aspecto importante no abastecimento de energia
elétrica refere-se às perdas na transmissão dessa
energia do local de geração para o local de consumo.
Uma linha de transmissão de 1.000 km apresenta uma
resistência típica R = 10 Ω. A potência consumida na
cidade é igual a 1.000 MW.
a) A potência consumida é transmitida pela linha e
chega à cidade com uma tensão de 200 kV. Calcule
a corrente na linha de transmissão.
b) Calcule a porcentagem da potência dissipada na
linha, em relação à potência consumida na cida-
de.
c) Quanto maior a tensão na linha de transmissão,
menores são as perdas em relação à potência
consumida. Considerando que a potência consu-
mida na cidade é transmitida com uma tensão de
500 kV, calcule a porcentagem de perda.
112. Fuvest-SP
A figura representa uma câmara fechada C, de parede
cilíndrica de material condutor, ligada à terra. Em uma
de suas extremidades, há uma película J, de pequena
espessura, que pode ser atravessada por partículas.
Coincidente com o eixo da câmara, há um fio condutor
F mantido em potencial positivo em relação à terra.
O cilindro está preenchido com um gás de tal forma
que partículas alfa, que penetram em C, através de
J, colidem com moléculas do gás podendo arrancar
elétrons das mesmas. Neste processo, são formados
72
íons positivos e igual número de elétrons livres que se
dirigem, respectivamente, para C e para F.
O número de pares elétron-ion formados é proporcional
à energia depositada na câmara pelas partículas alfa,
sendo que, para cada 30 eV de energia perdida por
uma partícula alfa, um par é criado. Analise a situação
em que um número n = 2 · 10
4
partículas alfa,cada
uma com energia cinética igual a 4,5 MeV, penetram
em C, a cada segundo, e lá perdem toda a sua energia
cinética. Considerando que apenas essas partículas
criam os pares elétron-ion, determine:
a) o número N de elétrons livres produzidos na câ-
mara C a cada segundo.
b) a diferença de potencial V entre os pontos A e B
da figura, sendo a resistência R = 5 · 10
7
O
113. Unitau-SP
Um condutor de secção transversal constante e com-
primento L tem resistência elétrica R. Cortando-se o fio
pela metade, sua resistência elétrica será igual a:
a) 2 R
b) R/2
c) R/4
d) 4 R
e) R/3
114.
Pela segunda lei de Ohm, sabe-se que a resistência
elétrica R de um fio condutor cilíndrico é diretamente
proporcional ao seu comprimento e inversamente pro-
porcional à área de sua secção transversal. Considere
três fios de cobre, a, b e c com resistências elétricas
R
a
, R
b
e R
c
respectivamente. Os diâmetros das sec-
ções transversais e os comprimentos dos fios estão
especificados nas figuras abaixo:
A relação correta entre as resistências R
a
, R
b
e R
c
é:
a) R
a
> R
b
> R
c
b) R
b
> R
a
> R
c
c) R
c
> R
a
> R
b
d) R
a
> R
c
> R
b
e) R
a
= R
b
= R
c
115. UEL
Para variar a potência dissipada por aparelhos tais
como chuveiro, aquecedores elétricos e lâmpadas
incandescentes são projetados resistores com dife-
rentes resistências elétricas. Em um projeto, um fio
condutor de comprimento L e de diâmetro da seção
transversal D teve reduzidos à metade tanto o seu
diâmetro quanto o seu comprimento (conforme está
representado na figura). O que acontecerá com a re-
sistência R’ do novo fio, quando compara à resitência
R do fio original?
L
D
D
2
L
2
a)
R
R'

1
4
b)
R
R'

1
8
c)
R
R'

1
2
d)
R
R'
4
e)
R
R'
2

116. Unifor-CE
Dois condutores, de mesmo comprimento, são percor-
ridos por correntes de mesma intensidade. É correto
afirmar que:
a) a ddp nos extremos dos dois condutores é a
mesma.
b) as resistências elétricas dos dois condutores são
iguais.
c) as quantidades de carga elétrica que passam por
uma secção reta desses condutores, no mesmo
intervalo de tempo, são iguais.
d) os dois condutores são feitos de materiais de
mesma resistividade.
e) os dois condutores dissipam a mesma potência.
73
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
117. UEL-PR
Deseja-se construir uma resistência elétrica de 1,0 Ω
com um fio de constantan de 1,0 mm de diâmetro. A
resistividade do material é 4,8 · 10
–7
Ω · m e π pode
ser adotado como 3,1. O comprimento do fio utilizado
deve ser, em metros,
a) 0,40
b) 0,80
c) 1,6
d) 2,4
e) 3,2
118. UFSCar-SP
A resistência elétrica de um fio de 300 m de comprimen-
to e de 0,3 cm de diâmetro é de 12 Ω. A resistência elé-
trica de um fio de mesmo material, mas com o diâmetro
de 0,6 cm e comprimento igual a 150 m, é de:
a) 1,5 Ω
b) 6,0 Ω
c) 12 Ω
d) 24 Ω
e) 48 Ω
119. PUC-RS
Um condutor elétrico em forma cilíndrica tem compri-
mento L, diâmetro de secção transversal D e resis-
tência elétrica R. Se duplicarmos seu comprimento e
seu diâmetro, sua nova resistência elétrica passará
a ser:
a) R
b) R/2
c) R/4
d) 2R
e) 4R
120. PUC-SP
Dois fios condutores F
1
e F
2
têm comprimentos iguais
e oferecem à passagem da corrente elétrica a mesma
resistência. Tendo a secção transversal do fio F
1
,
área igual ao dobro da de F
2
e chamando de ρ
1
e ρ
2
,
respectivamente, as resistividades dos fios F
1
e F
2
, a
razão ρ
1

2
tem valor:
a) 4
b) 2
c) 1
d)
1
2
e)
1
4
121.
A linha de transmissão que leva a energia elétrica de
uma usina até uma cidade tem um comprimento de
400 km. Cada fio desta linha tem um diâmetro de 1 cm e
apresenta uma resistência elétrica de 2 Ω. Para levar a
energia elétrica a uma cidade mais distante, a 1.200 km
da usina, usa-se um outro fio, de mesmo material que
o primeiro, que também apresenta uma resistência de
2 Ω. Neste caso, o diâmetro deste segundo fio deve ser
de aproximadamente:
a) 3,0 cm d) 0,6 cm
b) 1,7 cm e) 0,3 cm
c) 1,3 cm
122. UFSM-RS
Dois fios condutores do mesmo material e do mesmo
comprimento, com seções retas de áreas A e 2A, sub-
metidos à mesma diferença de potencial e à mesma
temperatura, dissipam, por efeito Joule, respectiva-
mente, as potências P
1
e P
2
com P
1
/P
2
valendo
a)
1
4
d) 4
b)
1
2
e) 8
c) 2
123. PUC-RS
Se a resistência elétrica de um chuveiro é reduzida à
metade, mantendo-se constante a vazão, a tempera-
tura da água:
a) aumenta, porque aumenta a corrente.
b) aumenta, porque diminui a corrente.
c) diminui, porque diminui a corrente.
d) permanece a mesma, porque a potência não foi
alterada.
e) permanece a mesma, porque a tensão não foi
alterada.
124. UFSCar-SP
Por recomendação de um eletricista, o proprietário subs-
tituiu a instalação elétrica de sua casa, e o chuveiro, que
estava ligado em 110 V, foi trocado por outro chuveiro de
mesma potência, ligado em 220 V. A vantagem dessa
substituição está
a) no maior aquecimento da água que esse outro
chuveiro vai proporcionar.
b) no menor consumo de eletricidade desse outro
chuveiro.
c) na dispensa do uso de disjuntor para o circuito
desse outro chuveiro.
d) no barateamento da fiação do circuito desse outro
chuveiro, que pode ser mais fina.
e) no menor volume de água de que esse outro
chuveiro vai necessitar.
125. UFC-CE
Duas lâmpadas, L
1
e L
2
, são idênticas, exceto por
uma diferença: a lâmpada L
1
tem um filamento mais
espesso que a lâmpada L
2
. Ao ligarmos cada lâmpada
a uma tensão de 220 V, observaremos que:
a) L
1
e L
2
terão o mesmo brilho.
b) L
1
brilhará mais, pois tem maior resistência.
c) L
2
brilhará mais, pois tem maior resistência.
d) L
2
brilhará mais, pois tem menor resistência.
e) L
1
brilhará mais, pois tem menor resistência.
74
126. UFRGS-RS
Os fios comerciais de cobre, usados em ligações elé-
tricas, são identificados através de números de bitola.
À temperatura ambiente, os fios 14 e 10, por exemplo,
têm áreas de seção reta iguais a 2,1 mm
2
e 5,3 mm
2
,
respectivamente. Qual é, àquela temperatura, o valor
aproximado da razão R
14
/R
10
entre a resistência elétri-
ca, R
14
, de um metro de fio 14 e a resistência elétrica,
R
10
, de um metro de fio 10?
a) 2,5. d) 0,7.
b) 1,4. e) 0,4.
c) 1,0.
127. Unicamp-SP
Sabe-se que a resistência de um fio cilíndrico é dire-
tamente proporcional ao seu comprimento e inversa-
mente proporcional à área de sua secção reta.
a) O que acontece com a resistência do fio quando
triplicamos o seu comprimento?
b) O que acontece com a resistência do fio quando
duplicamos o seu raio?
128. UERJ
Dois fusíveis, F
1
e F
2
, são utilizados para proteger
circuitos diferentes da parte elétrica de um automóvel.
F
1
é um fusível de 1,0 A, F
2
é um fusível de 2,0 A, e fun-
cionam ambos sob a mesma voltagem. Esses fusíveis,
feitos do mesmo material, têm comprimentos iguais e
a mesma forma cilíndrica de secções transversais de
áreas S
1
e S
2
.
A razão S
1
/S
2
é igual a:
a) 4 d)
1
4
b)
3
2
e)
1
8
c)
1
2
129. UFPE
Um fio de diâmetro igual a 2 mm é usado para a
construção de um equipamento médico. A diferença
de potencial nas extremidades do fio em função da
corrente é indicada na figura a seguir.
Qual o valor em ohms da resistência de um outro fio, do
mesmo material que o primeiro, de igual comprimento
e com o diâmetro duas vezes maior?
130. Mackenzie-SP
Sabemos que um fio condutor elétrico (A), sujeito a
uma diferença de potencial, sofre um aquecimento,
devido a um fenômeno conhecido por efeito joule.
Deseja-se utilizar, porém, um outro fio (B), com o
quádruplo do comprimento do primeiro e constituído
do mesmo material, sob uma mesma ddp. Para que
se tenha a mesma dissipação de energia térmica nos
dois fios, a relação entre os diâmetros (d
A
e d
B
) de suas
respectivas secções transversais deverá ser:
a) d
A
= d
B
b) d
A
= d
B
c) d
A
= 2 d
B
d) d
A
= d
B
e) d
A
= 4 d
B
131. Unicamp-SP
Uma lâmpada incandescente (100 W, 120 V) tem um
filamento de tungstênio de comprimento igual a 31,4 cm
e diâmetro 4,0 · 10
–2
mm. A resistividade do tungstênio
à temperatura ambiente é de 5,6 · 10
–8
Ω · m.
a) Qual a resistência do filamento quando ele está à
temperatura ambiente?
b) Qual a resistência do filamento com a lâmpada
acesa?
132. UFS-SE
Uma barra de metal homogêneo está ligada a uma
pilha, como mostra o circuito abaixo. Variando-se a
posição do fio móvel (M), construa um gráfico que
represente a intensidade de corrente elétrica (i) na
barra, em função da distância x. A pilha e o fio são
elementos ideais.

133. Mackenzie-SP
A figura representa um pedaço de fio de cobre, de
resistividade 1,7 · 10
–2
Ω · mm
2
/m, percorrido por
uma corrente elétrica de sentido convencional de B
para A.
3,4 mm
2
1,0 m
B A
i
A diferença de potencial U
ab
= V
a
-V
b
a passagem de
1,0 · 10
22
elétrons (e = 1,6 · 10
–19
C) a cada segundo,
por uma secção transversal do fio, é:
a) 8,0 V d) – 4,0 V
b) 4,0 V e) – 8,0 V
c) – 1,6 V
75
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
134. Mackenzie-SP
Um cabo de cobre, utilizado para o transporte de energia
elétrica, tem a cada quilômetro de comprimento resis-
tência elétrica de 0,34 Ω. A massa de um metro desse
cabo é igual a:
Dados do cobre: densidade = 9.000 kg/m
3
; resistivi-
dade = 1,7 · 10
–8
Ω·m
a) 540 g
b) 520 g
c) 500 g
d) 450 g
e) 250 g
135. Mackenzie-SP
Com um fio homogênio de secção transversal constan-
te de área 2 mm
2
e comprimento 3 m, constrói-se uma
resistência de aquecimento que dissipa a potência de
4.800 W, quando submetida a uma d.d.p. de 120 V. A
resistividade do material desse fio vale:
a) 1,6 · 10
–6
Ω · m
b) 2,0 · 10
–6
Ω · m
c) 2,4 · 10
–6
Ω · m
d) 2,8 · 10
–6
Ω · m
e) 3,0 · 10
–6
Ω · m
136. UFSM-RS
Um resistor dissipa 200 watts de potência quando
ligado em uma tensão de 220 volts. Que potência, em
watts, ele irá desenvolver se o seu comprimento for
reduzido à metade e ele for ligado em uma tensão de
110 volts? Considere que a resistividade do material
permanece inalterada.
a) 50
b) 100
c) 200
d) 400
e) 800
137. Mackenzie-SP
A temperatura de um forno é calculada através da
corrente elétrica indicada pelo amperímetro, como
mostra a figura. O resistor R é feito de um material cuja
resistividade elétrica tem coeficiente de temperatura
α = 5,0 · 10
–3
°C
–1
, ou seja, sua resistividade ρ varia
com a temperatura T de acordo com a equação:
ρ = ρ
0
(1 + α∆T)
em que ρ
0
é a resistividade do material a uma tempe-
ratura T
0
e ∆T = T – T
0
Estando o forno a 20 °C, o amperímetro indica uma cor-
rente elétrica de 2,0 A. Quando o amperímetro indicar
uma corrente de 1,6 A, a temperatura do forno será:
a) 24 °C d) 55 °C
b) 25 °C e) 70 °C
c) 50 °C
138. Unicamp-SP
O circuito testador mostrado na figura adiante ocor-
re em certos tipos de pilhas e é construído sobre
uma folha de plástico, como mostra o diagrama. Os
condutores (cinza claro) consistem em uma camada
metálica de resistência desprezível, e os resistores
(cinza escuro) são feitos de uma camada fina (10 µm
de espessura, ou seja, 10 · 10
–6
m) de um polímero
condutor. A resistência R de um resistor está relaciona-
da com a resistividade ρ

por R = ρ

(L/A), em que L é o
comprimento, e A é a área da secção reta perpendicular
à passagem de corrente.
a) Determine o valor da resistividade ρ do polímero
a partir da figura. As dimensões (em mm) estão
indicadas no diagrama.
b) O que aconteceria com o valor das resistências
se a espessura de camada de polímero fosse
reduzida à metade? Justifique sua resposta.
139. Unicamp-SP
O tamanho dos componentes eletrônicos vem di-
minuindo de forma impressionante. Hoje podemos
imaginar componentes formados por apenas alguns
átomos. Seria esta a última fronteira? A imagem a
seguir mostra dois pedaços microscópicos de ouro
(manchas escuras) conectados por um fio formado
somente por três átomos de ouro. Esta imagem,
obtida recentemente em um microscópio eletrônico
por pesquisadores do Laboratório Nacional de Luz
Síncrotron, localizado em Campinas, demonstra que
é possível atingir essa fronteira.
a) Calcule a resistência R desse fio microscópico,
considerando-o como um cilindro com três diâme-
tros atômicos de comprimento. Lembre-se de que,
na Física Clássica, a resistência de um cilindro é
dada por R
L
A
⋅ ρ , em que o ρ é a resistividade, L
é o comprimento do cilindro, e A é a área de sua
secção transversal. Considere a resistividade do
ouro ρ = 1,6 · 10
–8
Ωm, o raio de um átomo de
ouro 2,0 · 10
–10
m e aproxime π = 3,2.
76
b) Quando se aplica uma diferença de potencial de
0,1 V nas extremidades desse fio microscópico,
mede-se uma corrente de 8,0 · 10
–6
A. Determine
o valor experimental da resistência do fio. A dis-
crepância entre esse valor e aquele determinado
anteriormente deve-se ao fato de que as leis da
Física do mundo macroscópico precisam ser mo-
dificadas para descrever corretamente objetos de
dimensões atômicas.
140. Unicamp-SP
Uma cidade consome 1,0 · 10
8
watts de potência
de energia elétrica e é alimentada por uma linha de
transmissão de 1.000 km de extensão, cuja voltagem,
na entrada da cidade, é de 100.000 volts. Esta linha é
constituída de cabos de alumínio cuja área de seção
reta total vale A = 5,26 · 10
–3
m
2
. (Dado: resistividade
do alumínio é ρ = 2,63 · 10
–8
Ω · m)
a) Qual a resistência dessa linha de transmissão?
b) Qual a corrente total que passa pela linha de
transmissão?
c) Que potência é dissipada na linha?
141. Unicamp-SP
A invenção da lâmpada incandescente no final do
Séc. XIX representou uma evolução significativa
na qualidade de vida das pessoas. As lâmpadas
incandescentes atuais consistem de um filamento
muito fino de tungstênio dentro de um bulbo de vidro
preenchido por um gás nobre. O filamento é aquecido
pela passagem de corrente elétrica, e o gráfico abaixo
apresenta a resistividade do filamento como função de
sua temperatura.
A relação entre a resistência e a resistividade é dada
por R = ρ L/A, em que R é a resistência do filamento,
L seu comprimento, A a área de sua seção reta e ρ
sua resistividade.
a) Caso o filamento seja aquecido desde a tem-
peratura ambiente até 2.000° C, sua resistência
aumentará ou diminuirá? Qual a razão, R
2.000
/ R
20
,
entre as resistências do filamento a 2.000° C e a
20° C? Despreze efeitos de dilatação térmica.
b) Qual a resistência que uma lâmpada acesa (potên-
cia efetiva de 60 W) apresenta quando alimentada
por uma tensão efetiva de 120 V?
c) Qual a temperatura do filamento no item anterior, se
o mesmo apresenta um comprimento de 50 cm e um
diâmetro de 0,05 mm? Use a aproximação π = 3.
Capítulo 3
142. PUCCamp-SP
Três resistores de 1 Ω, 3 Ω e 5 Ω estão associados
em série, sendo aplicada aos terminais da associação
uma ddp de 18 V. Determine a intensidade da corrente
que a percorre.
143. UEMT
A diferença de potencial entre os extremos de uma
associação em série de dois resistores de resistências
10 Ω e 100 Ω é 220 V. Qual é a diferença de potencial en-
tre os extremos do resistor de 10 Ω nessas condições?
144.
Entre os pontos A e B da tomada mostrada na figura,
é mantida uma diferença de potencial V
AB
= 120 V.
Calcule a corrente que passa na lâmpada para as
seguintes posições do cursor do reostato:
a) cursor na posição C
b) cursor na posição D
145. Vunesp
Num circuito elétrico, dois resistores, cujas resistências
são R
1
e R
2
, com R
1
> R
2
, estão ligadas em série.
Chamando de i
1
e i
2
as correntes que os atravessam
e de V
1
e V
2
as tensões a que estão submetidos,
respectivamente, pode-se afirmar que:
a) i
1
= i
2
e V
1
= V
2
b) i
1
= i
2
e V
1
> V
2
c) i
1
> i
2
e V
1
= V
2
d) i
1
> i
2
e V
1
< V
2
e) i
1
< i
2
e V
1
> V
2
146. PUC-SP
Dois resistores de resistências elétricas R
1
= 10 Ω e
R
2
= 15 Ω são associados em série e ligados a uma
bateria ideal de 12 V. Determine a carga elétrica for-
necida pela bateria em 10 minutos.
77
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
147. Unirio-RJ
Um ferro elétrico pode ser regulado para passar dife-
rentes tipos de tecidos, através de um termostato que
está acoplado a um resistor de resistência elétrica
variável. Quando ligado numa tomada de 110 V e na
posição “algodão”, a corrente elétrica é de 5,0 A e, na
posição “linho”, de 8,0 A.
A razão existente entre a resistência na posição algo-
dão (R
A
) e na posição linho (R
L
), R
A
/R
L
, vale:
a) 0,5
b) 0,8
c) 1,3
d) 1,6
e) 8,5
148.
Há dois resistores R
1
= 3 Ω e R
2
= 2 Ω ligados em
série, como mostra o esquema abaixo:
Sabendo-se que entre os pontos A e C existe uma
diferença de potencial de 6 V, pode-se dizer que a
queda de potencial entre os pontos A e B vale:
a) 1,2 V
b) 2,4 V
c) 3,6 V
d) 4,8 V
e) 6,0 V
149. UFPE
O circuito a seguir é chamado um “divisor de tensão”,
pois permite obter uma diferença de potencial V entre
os pontos a e b quando se dispõe de uma fonte de
tensão V
0
, entre c e d, e duas resistências com os
valores indicados.
+c
–d
b–
a+
4 
V
0
V
8 
Qual o valor da relação V
0
/V para este circuito?
a) 2
b) 3
c) 6
d) 1/2
e) 1/3
150. UEL-PR
Considere os valores indicados no esquema a seguir,
que representa uma associação de resistores.
R
1
R
2
R
3
7,0 V 5,0 V 8,0 V
i = 0,40 A
O resistor equivalente dessa associação vale
a) 8 Ω
b) 14 Ω
c) 20 Ω
d) 32 Ω
e) 50 Ω
151. Vunesp
O gráfico a seguir representa a corrente que passa por
uma lâmpada, para uso em automóvel, em função da
diferença de potencial aplicada aos seus terminais.
Utilizando-se do gráfico, determine a diferença de
potencial que se deve aplicar à associação de duas
dessas lâmpadas em série, para que sejam atraves-
sadas por uma corrente de 1,2 A.
152.
Um enfeite de árvore de natal contém 30 lâmpadas,
cada uma com uma resistência elétrica de 5 Ω. Ligam-
se os terminais do conjunto em uma tomada que forne-
ce uma tensão total de 120 V. Neste caso, a corrente
elétrica que atravessa cada lâmpada vale:
a) 0,8 A
b) 1,2 A
c) 1,8 A
d) 24 A
e) 40 A
153.
As curvas características de dois resistores ôhmi-
cos, R
1
e R
2
, estão representadas no gráfico deste
exercício.
Se R
1
e R
2
forem ligados em série a uma ddp de
120 V, calcule:
a) a resistência equivalente da associação;
b) a intensidade de corrente elétrica na associação;
c) a ddp em cada resistor da associação.
78
154. PUC-MG
Em alguns conjuntos de lâmpadas usados para enfeitar
árvores de natal, as lâmpadas estão ligadas em série.
Se um desses conjuntos estiver em funcionamento e
uma das lâmpadas se queimar:
a) as demais continuam acesas.
b) as demais se apagam.
c) se for a quinta lâmpada a se queimar, apenas as
quatro primeiras lâmpadas permanecerão acesas.
d) se for a quinta lâmpada a se queimar, as quatro
primeiras lâmpadas se apagarão e as demais
permanecerão acesas.
155. FGV-SP
Devido à capacidade de fracionar a tensão elétrica,
um resistor de fio também é conhecido como divisor
de tensão. O esquema mostra um resistor desse tipo,
feito com um fio ôhmico de resistividade e área de
seção transversal uniformes, onde foram ligados os
conectores de A até E, mantendo-se a mesma distância
entre conectores consecutivos.
Uma vez estabelecidos os potenciais 0 V e 120 V nos
conectores A e E, respectivamente, o valor absoluto
da diferença de potencial entre os conectores C e D,
em V, é:
a) 24 d) 60
b) 30 e) 72
c) 48
156. UFRJ
Deseja-se enfeitar uma árvore de Natal usando lâm-
padas idênticas de 5 W-20 V cada uma. O conjunto de
lâmpadas deve ser ligado numa tomada de 120 V.
Faça um esquema indicando como as lâmpadas devem
ser ligadas para que funcionem com seu brilho normal
e calcule quantas lâmpadas devem ser utilizadas.
157. Mackenzie-SP
Dois resistores de 20 Ω e 80 Ω são ligados em série
a dois pontos onde a ddp é constante. A ddp entre
os terminais do resistor de 20 Ω é de 8 V. A potência
dissipada por esses dois resistores é de:
a) 0,51 W d) 12,8 W
b) 0,64 W e) 16 W
c) 3,2 W
158. UECE
As lâmpadas usadas para enfeitar as árvores de Natal
são ligadas em série. Se uma delas, apenas, queima,
as outras:
a) continuam acesas.
b) apagam.
c) se foi a quarta lâmpada a queimar, as três primeiras
continuam acesas e as outras apagam.
d) se foi a quarta lâmpada a queimar, as três primeiras
apagam e as outras continuam acesas.
e) passam a piscar, com brilho maior.
159. PUC-SP
Considere o circuito a seguir:
3  1 
R
12 V
Sabendo-se que a diferença de potencial do resistor
R é 4 V, determine o valor de R.
a) 2 Ω d) 12 Ω
b) 8 Ω e) 4 Ω
c) 4/3 Ω
160.
A figura representa a “resistência” de um chuveiro
elétrico. Sabe-se que com a chave Ch na posição
verão, ele dissipa uma potência de 4.840 W. Qual
será a potência dissipada, quando a chave estiver na
posição inverno?
a) 1.210 W
b) 3.720 W
c) 5.240 W
d) 6.050 W
e) 7.200 W
161. UFMG
Gabriel possui um chuveiro, cujo elemento de aqueci-
mento consiste em dois resistores, de 10 Ω cada um,
ligados da forma representada nesta figura:
Quando morava em Brasília, onde a diferença de
potencial da rede elétrica é de 220 V, Gabriel ligava o
chuveiro pelos terminais K e M, indicados na figura.
Ao mudar-se para Belo Horizonte, onde a diferença de
potencial é de 110 V, passou a ligar o mesmo chuveiro
pelos terminais K e L.
É correto afirmar que, comparando-se com Brasília,
em Belo Horizonte, nesse chuveiro,
a) a corrente elétrica é a mesma e menos calor por
unidade de tempo é fornecido à água.
b) a corrente elétrica é maior e a mesma quantidade de
calor por unidade de tempo é fornecida à água.
c) a corrente elétrica é a mesma e a mesma quanti-
dade de calor por unidade de tempo é fornecida à
água.
d) a corrente elétrica é menor e menos calor por
unidade de tempo é fornecido à água.
79
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
162. FEI-SP
Dois resistores ôhmicos (R
1
e R
2
) foram ensaiados,
obtendo-se as tabelas a seguir.
R
1
R
2
U (V) i (A) U (V) i (A)
3 1 1 0,5
6 2 3 1,5
9 3 5 2,5
Em seguida, eles foram associados em série. As ta-
belas abaixo representam a tensão elétrica aplicada
nos terminais da associação e a corrente elétrica que
a atravessa. Qual das alternativas fornece uma tabela
coerente com os resistores associados?
a)
U (V) i (A)
5 1
8 2
b)
U (V) i (A)
2,5 0,5
7,5 1,5
c)
U (V) i (A)
5/6 1
10/6 2
d)
U (V) i (A)
2,5 1
5,0 2
e)
U (V) i (A)
4,5 1,5
9,0 3,0
163. Vunesp
Dois resistores, um de resistência 6,0 Ω e outro de
resistência R, estão ligados a uma bateria de 12 V e re-
sistência interna desprezível, como mostra a figura.
R 6,0 
12V
i
Sabendo que a potência total dissipada no circuito é
6,0 W, determine:
a) a corrente i que percorre o circuito;
b) o valor da resistência R.
164. PUC-RJ
Considere duas situações. Na situação A, uma lâm-
pada é conectada a uma bateria, e, na situação B,
duas lâmpadas iguais são conectadas em série à
mesma bateria.
Comparando-se as duas situações, na situação B a
bateria provê:
a) a mesma luminosidade.
b) maior corrente.
c) menor corrente.
d) maior luminosidade.
e) menor voltagem.
165. PUC-MG
Uma lâmpada incandescente tem as seguintes
especificações: 100 W e 120 V. Para que essa
lâmpada tenha o mesmo desempenho quando for
ligada em 240 V, é necessário usá-la associada
em série com um resistor. Considerando-se essa
montagem, a potência dissipada nesse resistor
adicional será de:
a) 50 W
b) 100 W
c) 120 W
d) 127 W
166. UnB-DF
Suponha que uma pessoa em Brasília, na época
da seca, aproxime sua mão de um carro cuja
carroceria apresenta uma diferença de potencial
de 10.000 V com relação ao solo. No instante em
que a mão estiver suficientemente próxima ao
carro, fluirá uma corrente que passará pelo ar,
pelo corpo da pessoa e, através do seu pé, atin-
girá o solo. Sabendo que a resistência do corpo
da pessoa, no percurso da corrente elétrica, é de
2.000 Ω e que uma corrente de 300 mA causará
a sua morte, calcule, em kΩ, a resistência mínima
que o ar deve ter para que a descarga não mate
essa pessoa. Despreze a parte fracionária de seu
resultado, caso exista.
80
167. Vunesp
Dois resistores, um de 40 Ω e outro de resistência R
desconhecida, estão ligados em série com uma ba-
teria de 12 V e resistência desprezível, como mostra
a figura.
Sabendo que a corrente no circuito é de 0,20 A,
determine
a) a diferença de potencial em R;
b) o valor da resistência R.
168. Fatec-SP
Duas lâmpadas L
1
e L
2
são ligadas em série a uma
fonte de 220 V.
L
1
L
2
220 V
Sabendo que as resistências das lâmpadas são
R
1
= 1.000 Ω e R
2
= 100 Ω, respectivamente, e que
ambas possuem tensão nominal de 110 V, é correto
dizer que:
a) as duas lâmpadas nunca vão se acender, pois pos-
suem tensão nominal inferior à tensão da rede.
b) as duas lâmpadas ficarão acessas por longo perí-
odo, uma vez que as diferenças de potencial sobre
elas são inferiores às suas tensões nominais.
c) As diferenças de potencial em L
1
e L
2
são, respec-
tivamente, de 100 V e 10 V.
d) A lâmpada L
1
ficará acesa por pouco tempo, uma
vez que a lâmpada L
2
vai se queimar rapidamente.
e) A lâmpada L
1
estará sujeita a uma diferença de
potencial superior ao seu valor nominal, enquanto
a lâmpada L
2
apresentará uma intensidade muito
inferior à original.
169. ITA-SP
Duas lâmpadas incandescentes, cuja tensão nominal
é de 110 V, sendo uma de 20 W e a outra de 100 W,
são ligadas em série em uma fonte de 220 V.
Conclui-se que:
a) As duas lâmpadas acenderão com brilho normal.
b) A lâmpada de 20 W apresentará um brilho acima
do normal e logo queimar-se-á.
c) A lâmpada de 100 W fornecerá um brilho mais
intenso do que a de 20 W.
d) A lâmpada de 100 W apresentará um brilho acima
do normal e logo queimar-se-á.
e) Nenhuma das lâmpadas acenderá.
170.
Durante uma aula prática de eletricidade, o professor
sugere aos alunos que façam uma experiência para
verificar se a água é um bom condutor elétrico ou
não. Para isso, entrega para cada grupo um reci-
piente contendo água destilada, uma bateria ideal de
9 volts de tensão, uma pequena lâmpada L de
lanterna, um amperímetro ideal e fios condutores
de ligação. Na primeira parte da prática, os grupos
ligaram os terminais da lâmpada diretamente nos
terminais da bateria, como mostra a figura 1. Nesta
situação, a lâmpada acendeu e, através do ampe-
rímetro, verificou-se que a corrente elétrica que
atravessava era de 1,5 ampére. Já na segunda parte
da prática, abriu-se o circuito em um determinado
ponto, introduzindo-se as duas pontas resultantes
no recipiente com água destilada, sem encostar uma
na outra, como mostra a figura 2. Nesta situação
verificou-se que a lâmpada não acendeu e que a
corrente medida pelo amperímetro era nula. Final-
mente, na terceira parte da prática, o professor pediu
que os grupos jogassem ácido sulfúrico na água e
repetissem a montagem da segunda parte (figura
2). Com isso, verificou-se que a lâmpada acendeu
fracamente e que o amperímetro indicou a passagem
de uma corrente elétrica de 0,5 ampère.
Com as informações obtidas nas experiências, res-
ponda:
a) A água destilada é um bom condutor elétrico? E
a solução de água com ácido sulfúrico, é uma
condutora elétrica? Justifique suas respostas.
b) Supondo que a resistência da lâmpada possa
ser considerada ôhmica, qual é a resistência
elétrica, em ohms, da solução de água com ácido
sulfúrico, quando a terceira parte da aula prática
foi executada?
171. FEI-SP
Quanto à associação de resistores em paralelo, po-
demos dizer que:
a) a tensão é a mesma e a corrente total é a soma
das correntes em cada resistor.
b) a tensão é a soma das tensões em cada resistor
e a corrente é a mesma.
c) a tensão é a mesma e a corrente total é a mes-
ma.
d) a tensão é a soma das tensões em cada resistor
e a corrente total é a soma das correntes em cada
resistor.
e) a tensão total é a diferença das tensões de cada
resistor e a corrente é a mesma.
81
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
172. PUC-SP
No circuito esquematizado, o gerador mantém entre os
terminais A e B uma d.d.p. constante U. As correntes
que circulam pelos resistores R e R’ têm intensidades
respectivamente iguais a 4 A e 0,5 A. Sabendo-se que a
resistência R’ tem valor 2 Ω, o valor da resistência R é:
a) 0,25 Ω d) 2,00 Ω
b) 0,50 Ω e) 2,50 Ω
c) 1,00 Ω
173. FEI-SP
Dois resistores R
1
= 20 Ω e R
2
= 30 Ω são associados
em paralelo. À associação é aplicada um ddp de 120 V.
Qual é a intensidade da corrente na associação?
a) 10 A d) 0,41 A
b) 2,4 A e) 0,10 A
c) 3,0 A
174. UFES
No circuito a seguir, as correntes i
0
, i
1
e i
2
são res-
pectivamente:
a) 3 A; 2 A; 1 A. d) 9 A; 6 A; 3 A.
b) 6 A; 4 A; 2 A. e) 9 A; 3 A; 6 A.
c) 6 A; 3 A; 3 A.
175. UnB-DF
Para o circuito esquematizado a seguir, a razão entre
as correntes i
2
e i
1
é igual a:
a)
1
6
c)
1
3
b)
1
4
d)
1
2
176.
Três lâmpadas idênticas, de 3,0 W cada uma, são
associadas em paralelo, e a associação é submetida
a uma d.d.p. de 12 V, de acordo com as especificações
do fabricante. Por um motivo qualquer, uma destas
lâmpadas “queima”. Cada lâmpada remanescente
ficará sujeita a uma corrente de intensidade:
a) 0,25 A
b) 0,20 A
c) 2,0 A
d) 2,5 A
e) 4,0 A
177. PUC-MG
Considere três resistores cujas resistências valem:
R, R/2 e R/4. Associando-se esses três resistores de
modo a obter um equivalente cuja resistência seja a
menor possível, tem-se para esse equivalente uma
resistência igual a:
a) R/7
b) R/5
c) R/3
d) R/2
e) R
178. UFPR
Quantos resistores de 160 Ω devem ser associados
em paralelo, para dissipar 500 W sob uma diferença
de potencial de 100 V?
179. UFMG
Na sala da casa de Marcos, havia duas lâmpadas
que eram ligadas/desligadas por meio de um único
interruptor. Visando a economizar energia elétrica,
Marcos decidiu instalar um interruptor individual para
cada lâmpada. Assinale a alternativa em que está
representada uma maneira correta de se ligarem os
interruptores e lâmpadas, de modo que cada interruptor
acenda e apague uma única lâmpada.
a) c)
b) d)
82
180. PUC-SP
As figuras abaixo representam, em (I), uma associação
de três resistores iguais a R ligados a uma tensão U
e percorrida por uma corrente elétrica i
s
. Em (II) estão
representados os mesmos resistores numa associação
em paralelo, ligada à mesma tensão U e percorrida por
uma corrente elétrica i
p
.
Pode-se afirmar que é válida a relação:
a)
i i
s p

1
9
b)
i i
s p

c) i i
s p
⋅ 9
d) i i
s p

1
3
e) i i
s p
⋅ 3
181. UFRN
A figura adiante representa um ramo de uma instalação
elétrica residencial alimentada com uma tensão de
220 V. Compõem esse ramo um “relógio medidor de
luz”, R, duas lâmpadas, L
1
e L
2
, um interruptor ligado,
S
1
, e um interruptor desligado, S
2
. Toda vez que Clara
liga o interruptor S
2
, observa que o “relógio” passa a
marcar mais rapidamente.
Isso acontece porque a corrente que circula no “relógio
medidor de luz”, após o interruptor S
2
ser ligado, é:
a) igual à corrente que circulava antes e a tensão é
maior que 220 V.
b) maior que a corrente que circulava antes e a tensão
permanece a 220 V.
c) menor que a corrente que circulava antes e a
tensão permanece a 220 V.
d) maior que a corrente que circulava antes e a tensão
é menor que 220 V.
182. UFSCar-SP
No circuito da figura, a fonte tem tensão U constante
e resistência interna desprezível. Os resistores têm
resistência R iguais:
Sabe-se que, quando a chave C está aberta, a inten-
sidade da corrente elétrica que percorre o circuito é i e
a potência nele dissipada é P. Pode-se afirmar que, fe-
chando a chave, os valores da intensidade da corrente
e da potência dissipada serão, respectivamente:
a) i/2 e P/4. d) 2i e 2P.
b) i/2 e P/2. e) 2i e 4P.
c) i e P.
183. UEL-PR
A instalação elétrica de parte de uma residência está
esquematizada a seguir. Ela contém um liquidificador
(110 V – 220 W), três lâmpadas iguais (110 V – 110 W),
uma televisão (110 V – 55 W), uma geladeira
(110 V – 550 W) e uma torneira elétrica (110 V – 700 W).
O fusível F mais adequado para proteger essa insta-
lação, especificado através de sua corrente máxima,
em ampères, é:
a) 10
b) 15
c) 20
d) 25
e) 30
184. UFSC
Numa rede elétrica, submetida a um tensão de 110 V,
foi instalado um fusível de 30 A.
Quantas lâmpadas de 100 W poderão ser ligadas
simultaneamente nesta rede, sem risco de queimar
o fusível?
83
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
185. FCMSC-SP
Nos esquemas, todos os resistores são idênticos.
Pelo esquema 1, a potência dissipada é de 20 watts.
Pelo esquema 2, a potência dissipada é, em watts,
igual a:
a) 2,5
b) 5,0
c) 10
d) 40
e) 80
186. UFMG
Duas lâmpadas – L
60
e L
100
– são ligadas a uma
tomada, como representado nesta figura:
A lâmpada L
60
é de 60 W e a L
100
é de 100 W. Sejam
V
60
a diferença de potencial e i
60
a corrente elétrica
na lâmpada L
60
.
Na lâmpada L
100
, esses valores são, respectivamente,
V
100
e i
100
.
Considerando-se essa situação, é correto afirmar
que:
a) V
60
< V
100
e i
60
< i
100
b) V
60
< V
100
e i
60
= i
100
c) V
60
= V
100
e i
60
< i
100
d) V
60
= V
100
e i
60
> i
100
e) V
60
= V
100
e i
60
= i
100
187. UFPR
Um aquecedor elétrico e uma lâmpada estão ligados
em paralelo. Verifica-se que o aquecedor dissipa uma
maior quantidade de energia do que a lâmpada num
dado intervalo de tempo. Com base nessas informa-
ções, é correto afirmar:
I. A intensidade da corrente elétrica no aquecedor é
menor do que a intensidade da corrente elétrica
na lâmpada.
II. A resistência do aquecedor é maior do que a
resistência da lâmpada.
III. O aquecedor e a lâmpada estão submetidos a uma
mesma diferença de potencial.
IV. A resistência equivalente da ligação em paralelo
do aquecedor e da lâmpada é menor do que a
resistência da lâmpada.
V. A potência elétrica dissipada no aquecedor é maior
do que a potência elétrica dissipada na lâmpada.
188. UFRN
A figura abaixo representa parte do circuito elétrico
ideal de uma residência, com alguns dos componentes
eletrodomésticos identificados. Na corrente alternada
das residências (chamada de monofásica), os dois
fios recebem os nome de “fase” (F) e “neutro” (N) ou
“terra” ( e não “positivo” e “negativo”, como em corren-
te contínua). O fio fase tem um potencial elétrico de
aproximadamente 220 V em relação ao neutro ou em
relação a nós mesmos (também somos condutores de
eletricidade), se estivermos descalços e em contato
com o chão.
Das quatros afirmativas abaixo, apenas uma está
errada. Assinale-a.
a) Quando todos os equipamentos estão funcionan-
do, a resistência elétrica equivalente da residência
aumenta, aumentando, também, a corrente, e, por
conseguinte, o consumo de energia.
b) Todos os equipamentos de dentro da residência
estão em paralelo entre si, pois cada um deles
pode funcionar, independentemente de os outros
estarem funcionando ou não.
c) O disjuntor J deve ser colocado no fio fase (F) e não
no neutro (N), pois, quando o desligarmos, para,
por exemplo, fazermos um determinado serviço
elétrico, a casa ficará completamente sem energia,
eliminando-se qualquer possibilidade de risco de
um choque elétrico.
d) O fusível ou disjuntor J está ligado em série com
o conjunto dos equipamentos existentes na casa,
pois, se o desligarmos, todos os outros componen-
tes eletroeletrônicos ficarão sem poder funcionar.
84
189. UEL-PR
Um resistor de 10 Ω no qual flui uma corrente elétrica
de 3,0 ampères está associado em paralelo com outro
resistor. Sendo a corrente elétrica total, na associação,
igual a 4,5 ampères, o valor do segundo resistor, em
ohms, é:
a) 5,0
b) 10
c) 20
d) 30
e) 60
190. Mackenzie-SP
Na associação de resistores da figura a seguir, os
valores de i e R são, respectivamente:
a) 8 A e 5 Ω
b) 16 A e 5 Ω
c) 4 A e 2,5 Ω
d) 2 A e 2,5 Ω
e) 1 A e 10 Ω

191. PUC-RJ
Uma pilha nova fornece uma diferença de potencial
(ddp) U = 9,0 V. Considere que a pilha nova esteja for-
necendo ddp para o circuito a seguir, onde R
1
= 100 Ω,
R
2
= 300 Ω, R
3
= 600 Ω.

a) Qual a corrente que passa por R
3
? Dê a resposta
em unidades de mA.
b) Qual a potência dissipada em R
2
?
c) Que resistor se aquece mais? Justifique.
192. UFG-GO
Em certas situações, é comum a utilização de um cabo
elétrico comprido, com várias lâmpadas instaladas ao
longo deste, conhecido como gambiarra. Para iluminar o
ambiente, as lâmpadas podem ser associadas em série
ou em paralelo. A potência nominal e a resistência de
cada lâmpada são, respectivamente, iguais a 144 W e
400 Ω, e a tensão na tomada é de 240 V.
a) Para uma iluminação eficiente, a potência mínima
dissipada em cada lâmpada deve ser de 16 W.
Determine o número máximo de lâmpadas que
podem ser associadas em série na gambiarra.
b) Sabendo que a maior corrente suportada pelo
cabo é igual a 6 A, determine o número máximo de
lâmpadas que podem ser associadas em paralelo
na gambiarra.
193. Unifesp
Por falta de tomadas extras em seu quarto, um jovem
utiliza um benjamim (multiplicador de tomadas) com
o qual, ao invés de um aparelho, ele poderá conectar
à rede elétrica três aparelhos simultaneamente. Ao
se conectar o primeiro aparelho, com resistência
elétrica R, sabe-se que a corrente na rede é i. Ao se
conectarem os outros dois aparelhos, que possuem
resistências R/2 e R/4, respectivamente, e conside-
rando constante a tensão da rede elétrica, a corrente
total passará a ser:
a) 17 i /12
b) 3 i
c) 7 i
d) 9 i
e) 11 i
194. Fuvest-SP
A figura mostra um circuito constituído por um gerador
ideal e duas lâmpadas incandescentes A e B, com
resistências R e 2R, respectivamente, e no qual é
dissipada a potência P. Num dado instante, a lâmpada
B queima-se. A potência que passará a ser dissipada
pelo sistema será igual a:
a)
P
2
b)
2
3
P
c)
3
2
P
d) 2P
e) P
195. UFF-RJ
Em meados da primeira metade do século XIX, Ge-
org Simon Ohm formulou uma lei que relaciona três
grandezas importantes no estudo da eletricidade:
tensão (V), intensidade de corrente (i) e resistência
elétrica (R).
85
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
Baseado nessa lei, a fim de verificar se um determi-
nado resistor era ôhmico, um estudante reproduziu a
experiência de Ohm, obtendo o seguinte gráfico:
a) Informe se o resistor utilizado na experiência do
estudante é ôhmico e, em caso afirmativo, calcule
o valor de sua resistência.
b) Considere esse resistor submetido a uma tensão de
9,0 volts, durante um intervalo de tempo de 5,0 mi-
nutos, e determine, em joule, a energia dissipada.
c) Repetindo a experiência com diversos resistores, o
estudante encontrou um conjunto de três resistores
ôhmicos idênticos e os associou de duas maneiras
distintas, conforme representado na figura I.
O estudante, então, imergiu cada associação
em iguais quantidades de água e submeteu
seus terminais (X e Y) a uma mesma diferença
de potencial, mantendo-a constante. Identifique,
nesse caso, a associação capaz de aquecer, mais
rapidamente, a água. Justifique sua resposta.
196. UFMG
A figura ilustra a forma como três lâmpadas estão
ligadas a uma tomada. A corrente elétrica no ponto A
do fio é i
A
e no ponto B é i
B
.
Em um determinado instante, a lâmpada L
2
se quei-
ma.
Pode-se afirmar que:
a) a corrente i
A
se altera e i
B
não se altera.
b) a corrente i
A
não se altera e i
B
se altera.
c) as duas correntes se alteram.
d) as duas correntes não se alteram.
197. Unicamp-SP
Algumas pilhas são vendidas com um testador de car-
ga. O testador é formado por 3 resistores em paralelo,
como mostrado esquematicamente na figura abaixo.
Com a passagem de corrente, os resistores dissipam
potência e se aquecem. Sobre cada resistor é aplicado
um material que muda de cor (“acende”) sempre que a
potência nele dissipada passa de um certo valor, que
é o mesmo para os três indicadores. Uma pilha nova
é capaz de fornecer uma diferença de potencial (ddp)
de 9,0 V, o que faz os 3 indicadores “acenderem”. Com
uma ddp menor que 9,0 V, o indicador de 300 Ω já não
“acende”. A ddp da pilha vai diminuindo à medida que
a pilha vai sendo usada.
a) Qual a potência total dissipada em um teste com
uma pilha nova?
b) Quando o indicador do resistor de 200 Ω deixa de
“acender”, a pilha é considerada descarregada. A
partir de qual ddp a pilha é considerada descarre-
gada?
198. Unicamp-SP
A figura a seguir mostra o circuito elétrico simplificado
de um automóvel, composto por uma bateria de 12 V e
duas lâmpadas L
1
e L
2
cujas resistências são de 6,0 Ω
cada. Completam o circuito uma chave liga – des-
liga (C) e um fusível de proteção (F). A curva
tempo x corrente do fusível também é apresentada na
figura a seguir. Através desta curva pode-se determinar
o tempo necessário para o fusível derreter e desligar o
circuito em função da corrente que passa por ele.
a) Calcule a corrente fornecida pela bateria com a
chave aberta.
b) Determine por quanto tempo o circuito irá funcionar
a partir do momento em que a chave é fechada.
c) Determine o mínimo valor da resistência de uma
lâmpada a ser colocada no lugar de L
2
de forma
que o circuito possa operar indefinidamente sem
que o fusível de proteção derreta.
86
199. UEL-PR
Considere o esquema a seguir:
A resistência equivalente do conjunto de resistores
entre os pontos X e Y é, em ohms, igual a:
a) 8
b) 13
c) 28
d) 45
e) 70
200. FEI-SP
Qual é a resistência equivalente da associação a
seguir?
a) 20,0 Ω
b) 20/3 Ω
c) 78/15 Ω
d) 25 Ω
e) 500/15 Ω
201. UFCE
Na figura, a resistência equivalente, entre os pontos
F e H, é:
a) R/2
b) R
c) 3R
d) 5R
e) 7R/2
202. Unirio-RJ
A figura a seguir representa a maneira como dois
resistores R
1
e R
2
foram ligados.
Deseja-se acrescentar ao circuito um terceiro resistor
R, de forma que a resistência equivalente entre os
pontos A e C do novo circuito se torne 2,0 Ω. Entre as
opções de circuitos apresentadas a seguir, identifique
aquela que atenderá ao objetivo proposto.
203. PUCCamp-SP
A figura abaixo representa o trecho AB de um circuito
elétrico, em que a diferença de potencial entre os
pontos A e B é de 30 V.
A resistência equivalente desse trecho e as correntes
nos ramos i
1
e i
2
são, respectivamente:
a) 5 Ω; 9,0 A e 6,0 A d) 50 Ω; 1,5 A e 1,0 A
b) 12 Ω; 1,0 A e 1,5 A e) 600 Ω; 9,0 A e 6,0 A
c) 20 Ω; 1,0 A e 1,5 A
204. Cesgranrio-RJ
Três lâmpadas, cujas resistências internas valem R,
2R e 3R, são ligadas a 110 volts, conforme indica o
circuito a seguir.
A razão entre as ddp na lâmpada de resistência R e
na lâmpada de resistência 3R vale:
a) 1/5 d) 3/5
b) 1/3 e) 5/6
c) 2/5
87
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
205. Mackenzie-SP
Seis fios, com o mesmo comprimento L, constituídos
de um mesmo material e todos com a mesma área de
secção transversal (constante), estão ligados entre
os pontos A e B, como mostra a figura. O sistema de
fios recebe em A uma corrente elétrica de intensidade
22 A.
As intensidades de corrente i
1
, i
2
e i
3
são, respecti-
vamente:
a) 4 A, 12 A e 6 A
b) 10 A, 8 A e 4 A
c) 12 A, 4 A e 6 A
d) 2 A, 15 A e 5 A
e) 5 A, 8 A e 9 A
206. Vunesp
Três resistores idênticos, cada um com resistência R,
e uma pilha de 1,5 V e resistência interna desprezível
são ligados como mostra a figura.
a) Determine a diferença de potencial entre A e B.
b) Supondo R = 100 Ω, determine a intensidade da
corrente elétrica que passa pela pilha.
207. UFPE
Observe o circuito mostrado abaixo:
Quantos resistores de 315 Ω devem ser acrescentados
no circuito a seguir, em paralelo, aos 315 Ω já existen-
tes, para que a corrente total i dobre de valor?
a) 15 d) 5
b) 11 e) 3
c) 8
208. Vunesp
Alguns automóveis modernos são equipados com um
vidro térmico traseiro para eliminar o embaçamento
em dias úmidos. Para isso, ‘tiras resistivas’ instaladas
na face interna do vidro são conectadas ao sistema
elétrico de modo que se possa transformar energia
elétrica em energia térmica. Num dos veículos fabrica-
dos no país, por exemplo, essas tiras (resistores) são
arranjadas como mostra a figura a seguir.
Se as resistências das tiras 1, 2 ..., 6 forem, respecti-
vamente, R
1
, R
2
..., R
6
, a associação que corresponde
ao arranjo das tiras da figura é:

209. Mackenzie-SP
Uma caixa contém resistores conectados a três termi-
nais, como mostra a figura a seguir.
A relação entre as resistências equivalentes entre os
pontos a e b e entre os pontos b e c (R
ab
/R
bc
) é:
a) 4/3
b) 1
c) 1/2
d) 3/2
e) 2
88
210. Fuvest-SP
No circuito, as lâmpadas L
1
e L
2
são idênticas. Com
a chave S desligada, a corrente no circuito é de
1 A. Qual a corrente que passa pelo resistor R ao ser
ligada a chave S?
a) 2 A
b) 1,6 A
c) 0,5 A
d) 1 A
e) 3 A
211. UFPE
A figura abaixo representa um trecho de um circuito
elétrico.
A diferença de potencial entre os pontos A e B é 20 V.
Qual é o valor da resistência R, em ohms?
a) 0,5
b) 1,5
c) 2,5
d) 3,5
e) 4,5
212. UFPE
No circuito abaixo, cada resistor tem uma resistência
elétrica igual a R, e a corrente total do circuito é igual
a i. A relação entre as correntes i
1
, i
2
e i
3
, em cada um
dos ramos do circuito, é:
a) i
1
= i
2
= i
3
b) i
1
= 2i
2
= 2i
3
c) i
1
= 2i
2
= 4i
3
d) i
2
= 2i
1
= 4i
3
e) i
3
= 2i
1
= 4i
2
213. UFC-CE
No circuito abaixo, os três resistores são idênticos
e cada um pode dissipar uma potência máxima de
32 W sem haver risco de superaquecimento.
Nestas condições, qual a potência máxima que o
circuito poderá dissipar?
a) 32 W
b) 36 W
c) 40 W
d) 44 W
e) 48 W
214. UFC-CE
Três lâmpadas, L
1
, L
2
e L
3
, são alimentadas por uma
bateria ideal ε, conforme mostra a figura.
As três lâmpadas estão acesas. Quando a chave S
é fechada, o resultado esperado está indicado na
opção:
a) L
1
, L
2
e L
3
permanecem acesas.
b) L
1
e L
2
permanecem acesas.
c) L
1
permanece acesa, mas L
2
e L
3
se apagam.
d) L
1
e L
3
se apagam, mas L
2
permanece acesa.
e) as três lâmpadas se apagam.
215.
Dado o circuito abaixo:
Qual é a resistência equivalente entre os pontos A
e B?
a) 5R/3
b) 3R/5
c) 4R
d) 3R/2
e) 5R
89
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
216. Fuvest-SP
Dispondo de pedaços de fios e 3 resistores de mesma
resistência, foram montadas as conexões apresen-
tadas abaixo. Dentre essas, aquela que apresenta a
maior resistência elétrica entre seus terminais é:

217. ITA-SP
Determine a intensidade da corrente que atravessa o
resistor R
2
da figura quando a tensão entre os pontos
A e B for igual a V e as resistências R
1
, R
2
e R
3
forem
iguais a R.
A B
R
1
R
2
R
3
a) d)
b) e) VR
c)
218.
Considere o circuito abaixo, contendo quatro resistên-
cias iguais a R.
Aplicando aos terminais A e B uma tensão V, a corrente
elétrica total que passará pelo circuito será:
a) V/R
b) 2V/R
c) 4V/R
d) V/2R
e) V/4R
219. UFSCar-SP
No esquema, A, B e C são três lâmpadas idênticas, e
1 e 2 são chaves interruptoras. Inicialmente, as três
lâmpadas se encontram acesas e as chaves, abertas.
O circuito está ligado a um gerador que fornece uma
tensão U entre os pontos X e Y.
Supondo que os fios de ligação e as chaves interrupto-
ras, quando fechadas, apresentam resistências elétri-
cas desprezíveis, assinale a alternativa verdadeira.
a) Se a chave 1 for fechada, só as lâmpadas B e C
permanecerão acesas.
b) Se as chaves 1 e 2 forem fechadas, só a lâmpada
B permanecerá acesa.
c) Se as chaves 1 e 2 forem fechadas, a lâmpada B
queimará.
d) Se a chave 2 for fechada, nenhuma lâmpada
permanecerá acesa.
e) Se a chave 2 for fechada, as lâmpadas A e B
brilharão com maior intensidade.
220. UFF-RJ
No circuito esquematizado a seguir, F
1
, F
2
e F
3
são
fusíveis para 20 A, R
1
e R
2
são resistores e S é uma
chave. Estes elementos estão associados a uma ba-
teria que estabelece uma diferença de potencial igual
a 100 V entre os pontos P e Q.
Fechando-se a chave S, os pontos X e Y são ligados
em curto-circuito.
Nesta situação pode-se afirmar que:
a) Apenas o fusível F
1
queimará.
b) Apenas o fusível F
2
queimará.
c) Apenas o fusível F
3
queimará.
d) Apenas os fusíveis F
2
e F
3
queimarão.
e) Os fusíveis F
1
, F
2
e F
3
queimarão.
90
221. Fuvest-SP
Um circuito é formado de duas lâmpadas L
1
e L
2
,
uma fonte de 6 V e uma resistência R, conforme o
desenho na figura. As lâmpadas estão acesas e fun-
cionando em seus valores nominais (L
1
: 0,6 W e 3 V e
L
2
: 0,3 W e 3 V).
O valor da resistência R é:
a) 15 Ω
b) 20 Ω
c) 25 Ω
d) 30 Ω
e) 45 Ω
222. Fuvest-SP
Um circuito elétrico contém 3 resistores (R
1
, R
2
e
R
3
) e uma bateria de 12 V cuja resistência interna é
desprezível. As correntes que percorrem os resistores
R
1
, R
2
e R
3
são, respectivamente, 20 mA, 80 mA e
100 mA. Sabendo-se que o resistor R
2
tem resistência
igual a 25 ohms:
a) Esquematize o circuito elétrrico.
b) Calcule os valores das outras duas resistências.
223. ITA-SP
Um circuito elétrico é constituído por um número infinito
de resistores idênticos, conforme a figura. A resistência
de cada elemento é igual a R.
A resistência equivalente entre os pontos A e B é:
a) infinita.
b) R 3
c)
R 1 3 +
( )
d)
R 3 1 −
( )
e)
R 1
3
3

|
(
'
·
J
J
Capítulo 4
224. Mackenzie-SP
Num circuito de corrente elétrica, a força eletromotriz é:
a) a força que o gerador imprime dos elétrons.
b) a ddp entre os terminais do gerador.
c) a energia que o gerador transfere a uma unidade
de carga portadora de corrente
d) a energia dissipada em forma de calor.
e) nenhuma das anteriores.
225. UEBA
Sendo a força eletromotriz de uma bateria igual a
15 V:
a) a corrente fornecida pela bateria é de 15 A.
b) a resistência interna é de 15 Ω.
c) a potência fornecida pela bateria para o circuito
externo é de 15 W.
d) é necessária uma força de intensidade igual a 15 N
para cada 1 C de carga que atravessa a bateria.
e) a energia química que se transforma em energia
elétrica é de 15 J para cada 1 C de carga que
atravessa a bateria.
226. FGV-SP
Um gerador elétrico tem potência total 0,6 kW, quando
percorrido por uma corrente de intensidade igual a
50 A. Qual a sua força eletromotriz.
a) 30.000 V
b) 100 V
c) 120 V
d) 12 V
e) 30 V
227. FGV-SP
Um gerador ideal mantém, entre seus terminais, uma
ddp de 6 V. Ele é ligado, sucessivamente e separada-
mente, a uma lâmpada com corrente 5 A e a um motor
com corrente de 100 A. A relação entre as potências
fornecidas à lâmpada e ao motor é:
a) 20
b) 1
c) 0,01
d) 0,05
e) nda
91
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
228. Fuvest-SP
A bateria de um carro, de fem 12 V, é usada para acio-
nar um rádio de 12 V que necessita de 2,0 A para seu
funcionamento e para manter acesas duas lâmpadas
de farol de 12 V e 48 W cada uma.
a) Qual a intensidade de corrente elétrica fornecida
pela bateria para alimentar o rádio e as duas lâm-
padas?
b) Qual a carga, em coulombs, perdida pela bateria
em uma hora?
229.
Um gerador de força eletromotriz ε e resistência
interna r fornece energia elétrica a uma lâmpada. A
diferença de potencial nos terminais do gerador é de
80 V e a corrente que o atravessa tem intensidade
1,0 A. O rendimento elétrico do gerador é de 80%.
Determine:
a) a potência elétrica fornecida pelo gerador;
b) a potência elétrica total gerada;
c) a resistência interna do gerador e a resistência
elétrica da lâmpada.
230. Mackenzie - SP
Um reostato é ligado aos terminais de uma bateria.
O gráfico abaixo foi obtido variando-se a resistência
do reostato e mostra a variação da ddp. U entre os
terminais da bateria em função da corrente elétrica i
que a atravessa.
A força eletromotriz (fem) dessa bateria vale:
a) 20 V d) 4 V
b) 8 V e) 12 V
c) 16 V
231.
Uma pilha comum de rádio é ligada em dois circuitos
diferentes I e II. Quando ligada no circuito I, a tensão
media em seus terminais é 1,2 V e quando ligada no
circuito II, a tensão em seus terminais é 0,8 V. A partir
das informações, pode-se concluir que a razão
η
η
1
2
en-
tre os rendimentos da pilha quando ligada no circuito I
e quando ligada no circuito II, respectivamente, vale:
a) 3/2
b) 1/2
c) 1
d) 2/3
e) 1/3
232.
Num gerador ideal:
a) a ddp. nos seus terminais é proporcional à corrente
elétrica.
b) a ddp. nos seus terminais é inversamente propor-
cional à corrente elétrica.
c) sua força eletromotriz é proporcional à corrente
elétrica.
d) a ddp. nos seus terminais é sempre igual à força
eletromotriz.
e) a resistência interna tem um valor muito alto.
233.
Uma pilha comum de rádio é submetida a uma série
de ensaios, em que é ligada em resistores diferentes,
medindo-se para cada um deles a tensão (U) em seus
terminais e a corrente elétrica (i) fornecida. Com os
dados, montou-se a seguinte tabela:
U (V) 1,3 1,1 0,9 0,7
i (A) 2 4 6 8
a) Determine a força eletromotriz ε da pilha e sua resis-
tência interna r.
b) Qual o rendimento desta pilha quando ela fornece
uma corrente elétrica de 10 A?
234.
Um carrinho de brinquedo necessita de uma corrente
elétrica de 1,2 A para funcionar normalmente. Para
isso, utiliza-se uma bateria de força eletromotriz
ε = 9,0 V e resistência interna desconhecida. Quando
em funcionamento nas condições dadas, sabe-se que
o rendimento da bateria é de 80%. Pode-se concluir
que a resistência interna da bateria vale:
a) 0,3 Ω d) 2,0 Ω
b) 1,0 Ω e) 3,0 Ω
c) 1,5 Ω
235.
Uma pi l ha seca t em di f er ença de pot en-
cial de 1,4 V quando ligada a uma resistência
de 2,0 W, e de 1,2 V quando ligada a outra de
1,0 W. Determine:
a) a fem da pilha;
b) a resistência interna da pilha;
c) o rendimento da pilha, quando a mesma estava
ligada à resistência de 1,0 Ω.
236. Fuvest - SP
É dada uma pilha comum, de força eletromotriz
ε = 1,5 V e resistência interna igual a 1,0 Ω. Ela é ligada
durante 1,0 s a um resistor R de resistência igual a
0,5 Ω. Nesse processo, a energia química armazenada
na pilha decresce de um valor EP, enquanto o resistor
externo R dissipa uma energia ER. Pode-se afirmar
que EP e ER valem, respectivamente:
a) 1,5 J e 0,5 J.
b) 1,5 J e 1,5 J.
c) 0,5 J e 0,5 J.
d) 1,0 J e 0,5 J.
e) 2,5 J e 1,5 J.
92
237. Mackenzie-SP
Em determinada experiência, ligamos um gerador de
fem 120 V e resistência interna 10 Ω a um resistor
de resistência R. Nessas condições, observamos
que o rendimento do gerador é de 60%. O valor da
resistência R é:
a) 3 Ω
b) 6 Ω
c) 9 Ω
d) 12 Ω
e) 15 Ω
238.
Quando um carro está desligado e os faróis estão
acesos, a bateria fornece uma corrente de 5,0 A e o
indicador de tensão do painel mostra que ela mantém
entre seus terminais uma tensão de 11 V. Por sua
vez, ao dar a partida no motor de arranque, a bateria
passa a fornecer, por alguns segundos, uma corrente
de 40 A e, com isso, a tensão entre seus terminais
cai para 4,0 V.
a) Determine a força eletromotriz e a resistência
interna da bateria.
b) Determine a potência total gerada pela bateria
quando o motor de arranque é acionado.
239. Mackenzie-SP
Quando a intensidade da corrente elétrica que passa
no gerador do circuito elétrico a seguir é 2,0 A, o ren-
dimento do mesmo é de 80%. A resistência interna
desse gerador vale:
a) 1,0 Ω
b) 1,5 Ω
c) 2,0 Ω
d) 2,5 Ω
e) 3,0 Ω
240. UFOP-MG
As figuras mostram os diagramas tensão versus cor-
rente para dois condutores I e II.
a) Qual dos dois condutores obedece à Lei de Ohm?
Determine a resistência elétrica deste condutor.
b) Os dois condutores são ligados em série a uma
bateria de força eletromotriz ε. Se a diferença de
potencial no condutor II é de 5,0 V, determine a
força eletromotriz ε da bateria.
241.
Um gerador de força eletromotriz ε e resistência interna
r é ligado aos terminais de uma lâmpada, fornecendo
a ela uma corrente elétrica de 4 A. Nestas condições,
a lâmpada consome uma potência de 24 W e o ren-
dimento do gerador é de 75%. Pode-se afirmar que a
força eletromotriz ε e a resistência interna r do gerador
valem, respectivamente:
a) 6 V e 1,0 Ω
b) 6 V e 0,5 Ω
c) 8 V e 1,0 Ω
d) 8 V e 0,5 Ω
e) 9 V e 1,5 Ω
242. UFF-RJ
A figura a seguir representa um esquema simplificado
do circuito elétrico que acende/apaga os faróis de um
carro e liga/desliga seu motor de arranque. S
1
e S
2

são chaves, ε a força eletromotriz da bateria e r sua
resistência interna.
Dado:
ε = 12,0 V
Considerando apenas S
1
fechada, a diferença de po-
tencial entre os pontos A e B é 11,5 V e a intensidade
de corrente que percorre a bateria é de 10 A. Quando
S
2
também é fechada, a intensidade de corrente nos
faróis diminui para 8,0 A.
a) Calcule a resistência interna r da bateria.
b) Calcule a intensidade de corrente no motor de
arranque, quando S
2
é fechada e os faróis estão
acesos.
93
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
243. ITA-SP
A figura representa o esquema simplificado de um
circuito elétrico em uma instalação residencial. Um
gerador bifásico produz uma diferença de potencial
(ddp) de 220 V entre as fases (+ 110 V e – 110 V)
e uma ddp de 110 V entre o neutro e cada uma das
fases. No circuito estão ligados dois fusíveis e três
aparelhos elétricos, com as respectivas potências
nominais indicadas na figura.
Admitindo que os aparelhos funcionam simultaneamen-
te durante duas horas, calcule a quantidade de energia
elétrica consumida em quilowatt-hora (kWh) e, também,
a capacidade mínima dos fusíveis, em ampère.
244. UEL-PR
A diferença de potencial obtida nos terminais de um
gerador, quando em circuito aberto, é 12 volts. Quando
esses terminais são colocados em curto-circuito, a
corrente elétrica fornecida pelo gerador é 5,0 ampères.
Nessas condições, a resistência interna do gerador é,
em ohms, igual a:
a) 2,4 d) 17
b) 7,0 e) 60
c) 9,6
245. UFR-RJ
O gráfico a seguir representa a curva característica
de um gerador.
Analisando as informações do gráfico, determine:
a) a resistência interna do gerador;
b) a corrente de curto-circuito do gerador.
246. Fatec-SP
Uma pilha elétrica tem força eletromotriz ε = 6,0 V e
resistência interna r = 0,20 Ω. Assim:
a) a corrente de curto-circuito é i
cc
= 1,2 A.
b) em circuito aberto, a tensão entre os terminais é
U = 2,0 V.
c) se a corrente for i = 10 A, a tensão entre os termi-
nais será U = 2,0 V.
d) se a tensão entre os terminais for U = 5,0 V, a
corrente será i = 25 A.
e) nenhuma das afirmações anteriores é adequada.
247. F.M. Itajubá-MG
O gráfico mostra como varia a corrente que passa por
um gerador, em função da diferença de potencial que
existe entre seus terminais. Sua força eletromotriz e
sua resistência interna valem, respectivamente:
a) 6 V e 30 Ω d) 30 V e 25 Ω
b) 30 V e 5 Ω e) nda.
c) 30 V e 6 Ω
248. UFRGS-RS
Um gerador possui uma força eletromotriz de 10 V.
Quando os terminais do gerador estão conectados por
um condutor com resistência desprezível, a intensidade
da corrente elétrica no resistor é 2 A. Com base nessas
informações, analise as seguintes afirmativas.
I. Quando uma lâmpada for ligada aos terminais
do gerador, a intensidade da corrente elétrica
será 2 A.
II. A resistência interna do gerador é 5 Ω.
III. Se os terminais do gerador forem ligados por uma
resistência elétrica de 2 Ω, a diferença de potencial
elétrico entre eles será menor do que 10 V.
Quais das afirmativas estão corretas?
a) Apenas I.
b) Apenas II.
c) Apenas I e II.
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.
249. UMC-SP
Na figura 1 aparece um gerador de força eletromo-
triz ε e resistência interna r. Num laboratório, por
meio de várias medidas da diferença de potencial
(V
AB
= V
A
– V
B
) entre os terminais desse gerador e
da corrente que o atravessa, constrói-se o gráfico
(figura 2)
Com base nele, determine:
a) a fem do gerador;
b) a corrente de curto-circuito;
c) a expressão que relaciona V
AB
e a corrente;
d) a resistência interna do gerador.
94
250. Unimes-SP
O gráfico representa a dependência entre tensão e cor-
rente para certo elemento de circuito. O elemento é:
a) um resistor com R = 0,01 ohm.
b) um gerador com fem = 2,0 V e resistência interna
r = 0,1 ohm.
c) um gerador com fem = 2,0 V e resistência interna
r = 1 ohm.
d) um resistor com R = 100 ohms.
e) Um gerador com fem = 1,0 V e resistência interna
r = 1 ohm.
251. UFPE
Uma bateria elétrica real equivale a uma fonte ideal
com força eletromotriz ε em série com uma resistência
r, como mostra a figura a seguir.
Quando os terminais A e B são ligados em curto-cir-
cuito, a corrente é de 10 A. Quando se coloca entre
os pontos A e B uma resistência de 1,8 Ω, a corrente
é de 5 A. Qual o valor da força eletromotriz ε e da
resistência interna r?
252. UEL-PR
O gráfico a seguir representa a ddp U em função da
corrente i para um determinado elemento do circuito.
Pelas características do gráfico, o elemento é um:
a) gerador de resistência interna 2,0 Ω.
b) receptor de resistência interna 2,0 Ω.
c) resistor de resistência elétrica 2,0 Ω.
d) gerador de resistência interna 1,0 Ω.
e) receptor de resistência interna 1,0 Ω.
253.
Para os valores de U e i indicados no gráfico, o gerador
apresenta um rendimento de 80%.
Os valores de U e i são, respectivamente:
a) 40 V e 4 A
b) 30 V e 2,5 A
c) 30 V e 4 A
d) 36 V e 5 A
e) 40 V e 8 A
254. UFR-RJ
O gráfico a seguir representa a curva de uma bateria
de certa marca de automóvel.
Quando o motorista liga o carro, tem-se a corrente
máxima ou corrente de curto-circuito. Neste caso:
a) Qual a resistência interna da bateria?
b) Qual a máxima potência útil desta bateria?
255. Unirio-RJ
O diagrama dado representa a curva de potência
útil de um gerador cuja força eletromotriz vale ε, e
a resistência elétrica vale r. Os valores de ε e r são,
respectivamente:
a) 1,0 V e 10 Ω
b) 5,0 V e 1,0 Ω
c) 10 V e 1,0 Ω
d) 25 V e 5,0 Ω
e) 25 V e 10 Ω
95
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
256. UEL-PR
O gráfico a seguir representa a curva característica de
um gerador, isto é, a ddp nos seus terminais em função
da corrente elétrica que o percorre.
A potência máxima que esse gerador pode fornecer
ao circuito externo, em watts, vale:
a) 400
b) 300
c) 200
d) 100
e) 40,0
257. PUC-MG
Deseja-se ferver água contida em um único recipiente.
Para isso, dispõe-se de três aquecedores com resis-
tências respectivas de 2 Ω, 3 Ω e 6 Ω. Os aquecedores
serão ligados a um gerador que tem uma força eletro-
motriz ε = 6 V e uma resistência interna r = 3 Ω.
Qual é a melhor maneira de se ferver essa água no
menor tempo possível?
a) Utilizando-se apenas o aquecedor com resistência
de 3 Ω.
b) Utilizando-se apenas o aquecedor com resistência
de 2 Ω.
c) Utilizando-se os três aquecedores ligados em
paralelo.
d) Utilizando-se os três aquecedores ligados em
série.
258. UEL-PR
O circuito esquematizado é constituído por um gerador
G de fem ε, resistência interna r, um resistor de resis-
tência R = 10 Ω, um voltímetro ideal V e uma chave
interruptora Ch.
Com a chave aberta o voltímetro indica 6,0 V. Fechando
a chave, o voltímetro indica 5,0 V. Nessas condições, a
resistência interna r do gerador, em ohms, vale:
a) 2,0 d) 6,0
b) 4,0 e) 10
c) 5,0
259. Fuvest-SP
Quando um gerador é l i gado a um resi st or
R
1
= 900 Ω, observa-se que a ddp nos seus terminais
é U
1
= 90 V, enquanto pelo resistor circula a corrente
i
1
= 100 mA. Substituindo-se o resistor por outro
R
2
= 100 Ω, a corrente se altera para i
2
= 500 mA e a
ddp nos terminais do gerador passa a U
2
= 50 V.
Calcule:
a) a fem do gerador;
b) sua resistência interna.
260.
Na figura, representamos a potência fornecida por um
gerador em função da intensidade de corrente que o
atravessa. Determine:
a) a fem ε e a resistência interna r do gerador;
b) a potência elétrica dissipada internamente no
gerador, nas condições de potência máxima for-
necida.
261. Unifesp
Dispondo de um voltímetro em condições ideais, um
estudante mede a diferença de potencial nos terminais
de uma pilha em aberto, ou seja, fora de um circuito
elétrico, e obtém 1,5 volt. Em seguida, insere essa
pilha num circuito elétrico e refaz essa medida, ob-
tendo 1,2 volt. Essa diferença na medida da diferença
de potencial nos terminais da pilha se deve à energia
dissipada no:
a) interior da pilha, equivalente a 20% da energia total
que essa pilha poderia fornecer.
b) circuito externo, equivalente a 20% da energia total
que essa pilha poderia fornecer.
c) interior da pilha, equivalente a 30% da energia total
que essa pilha poderia fornecer.
d) circuito externo, equivalente a 30% da energia total
que essa pilha poderia fornecer.
e) interior da pilha e no circuito externo, equivalente
a 12% da energia total que essa pilha poderia
fornecer.
96
262. EFEI-MG
A leitura no voltímetro, de resistência interna infinita,
na figura a abaixo, é de 2,0 V. Quando ligado conforme
figura b, a leitura é de 2,2 V.
Determine:
a) a força eletromotriz da pilha;
b) a resistência interna da pilha.
263. UFG-GO
Para investigar o desempenho de uma bateria B, foi
montado o circuito abaixo, em que V e A representam,
respectivamente, um voltímetro e um amperímetro
ideais. A resistência R é variável e os fios de ligação
têm resistências desprezíveis.
Voltímetro (V) Amperímetro (A)
3,00 0,00
2,25 0,50
1,50 1,00
0,75 1,50
0,00 2,00
Nessas condições, podemos dizer que (V ou F):
I. a força eletromotriz da bateria é igual a 3,00 V.
II. a resistência interna da bateria é igual a 1,50 Ω.
III. para a corrente de 1,00 A, a potência dissipada na
resistência R é igual a 3,00 W.
IV. quando a diferença de potencial sobre R for igual
a 2,25 V, a quantidade de carga que a atravessa
em 10 s é igual a 22,5 C.
264. UFF-RJ (modificado)
Uma bateria B, de força eletromotriz ε = 12 V e re-
sistência interna r desconhecida, é conectada a um
circuito elétrico que contém um resistor de resistência
R = 3,5 Ω e uma chave S.
Dados:
calor específico da água = 1,0 cal/g °C
1 cal = 4J
Com o resistor imerso em água, a chave S é ligada,
permitindo que o circuito seja atravessado por uma
corrente elétrica de intensidade igual a 3,0 A. Consi-
derando que não há dissipação de energia nos fios de
ligação e que a energia liberada no resistor é utilizada
integralmente para aquecer a água, determine:
a) a resistência interna da bateria;
b) a ddp nos terminais da bateria;
c) a potência útil e a eficiência do gerador;
d) a energia absorvida pela água durante os 10 min
que sucedem à ligação de S.
265.
Um gerador de fem igual a 120 V e resistência interna
igual a 10 ohms é ligado a um reostato cuja resistência
elétrica varia de 0 a 20 ohms, conforme figura.
Reostato
B
A
Cursor
r E
a) Faça o gráfico da potência útil lançada pelo gerador
ao reostato em função da intensidade da corrente
elétrica, quando o cursor varia de A até B.
b) Qual a posição do cursor para a qual a potência
útil lançada pelo gerador é máxima?
97
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
266.
No circuito a seguir a força eletromotriz do gerador
vale ε = 30 V e sua resistência interna é r = 0,5 Ω. O
amperímetro A é ideal.
Determine:
a) a indicação do amperímetro;
b) a diferença de potencial nos resistores de 9,0 Ω;
c) a diferença de potencial nos terminais do gera-
dor.
267. PUCCamp-SP
Um gerador de força eletromotriz ε = 15 V e resistên-
cia internar = 2,0 Ω alimenta o circuito representado
a seguir.

Dados:
R
1
= 4,0 Ω
R
2
= R
3
= 8,0 Ω
As leituras do amperímetro ideal A e de um voltímetro
também ideal, colocado entre os terminais do gerador
são, respectivamente,
a) 1,5 A e 15 V
b) 1,5 A e 12 V
c) 1,3 A e 13 V
d) 0,75 A e 15 V
e) 0,75 A e 12 V
268.
No circuito a seguir temos um gerador de força eletromo-
triz ε = 48 V e resistência interna r = 3 Ω ligado a uma
associação de resistores.
r
3 
9  9  9 
6 
3 
1 
A
B
E
a) Determine a corrente elétrica fornecida por esse
gerador.
b) Determine a ddp entre os terminais A e B do gera-
dor.
269. F.M.Itajubá-MG
Calcular a intensidade da corrente em ampères, que
atravessa o gerador no circuito a seguir:
a) 2
b) 3
c) 5
d) 1,75
e) 0,28
270. PUCCamp-SP
Uma fonte de tensão ideal F, cuja força eletro-
motriz é 12 volts, fornece uma corrente elétrica
de 0,50 A para um resistor R. Se essa fonte de
tensão F for substituída por outra, também de
12 volts, a corrente elétrica em R será de 0,40 A. A
resistência interna da nova fonte de tensão é, em
ohms, igual a:
a) 0,10
b) 0,60
c) 1,2
d) 3,0
e) 6,0
271. Mackenzie-SP
No circuito elétrico representado a seguir o resistor de
4 Ω é percorrido pela corrente elétrica de intensidade
2 A. A força eletromotriz do gerador ideal é:
1 W 2 W
3 W 4 W E
a) 24 V
b) 18 V
c) 15 V
d) 12 V
e) 6 V
98
272.
No circuito da figura, tem-se um gerador de força
eletromotriz ε = 6,0 V e resistência interna r = 0,50 Ω
alimentando um circuito com três resistores.
a) Determine a corrente fornecida pelo gerador
b) Determine a tensão entre os pontos A e B do
circuito.
3,0
6,0
6,0 0,50 
273. Vunesp
Três resistores de 40 ohms cada um são ligados a
uma bateria de fem ε e resistência interna desprezível,
como mostra a figura.

C
40 
40 
40 
Quando a chave C está aberta, a corrente que passa
pela bateria é 0,15 A.
a) Qual é o valor da fem ε?
b) Que corrente passará pela bateria, quando a chave
C for fechada?
274. Mackenzie-SP
No circuito elétrico a seguir, o gerador e o amperímetro
são ideais. Com a chave ch aberta, o amperímetro
acusa a medida 300 mA. Fechando a chave, o ampe-
rímetro acusará a medida:
ch
A
a) 100 mA
b) 200 mA
c) 300 mA
d) 400 mA
e) 500 mA
275. Fuvest-SP
No circuito esquematizado, onde i = 0,6 A, a força
eletromotriz E vale:
E
40 

60  i
a) 48 V
b) 36 V
c) 24 V
d) 12 V
e) 60 V
276. Fatec-SP
Um gerador é ligado a um resistor de resistência 11 Ω,
e verifica-se no circuito uma corrente elétrica de 1,0 A.
Em outra experiência, o mesmo gerador é ligado a um
resistor de resistência 5,0 Ω, e a corrente elétrica é de
2,0 A. Pode-se concluir que a força eletromotriz do ge-
rador e sua resistência interna são, respectivamente:
a) 12 V e 2,0 Ω
b) 12 V e 1,0 Ω
c) 10 V e 2,0 Ω
d) 10 V e 1,0 Ω
e) 6,0 V e 3,0 Ω
277. Mackenzie-SP
No circuito representado a seguir, a razão entre as
leituras V
a
e V
f
do voltímetro ideal V, com a chave Ch
aberta (V
a
) e depois fechada (V
f
), é:
3 
r = 2 
6 
 = 6 V
V
Ch
a) 6
b) 4
c) 2
d) 1
e) zero
99
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
278. ESPM-SP
O circuito elétrico, esquematizado a seguir, é cons-
tituído de um gerador de fem ε = 9,0 V e resistência
interna r = 0,50 Ω e dois resistores, R
1
= 20 Ω e R
2

desconhecido.
Se a corrente i fornecida pelo gerador vale 2,0 A, o
valor de R
2
, em ohms, é:
a) 1,6
b) 5,0
c) 10
d) 16
e) 25
279. UFSM-RS
No circuito da figura, a corrente no resistor R
2
é de
2 A.
O valor da força eletromotriz da fonte (ε) é, em V:
a) 6
b) 12
c) 24
d) 36
e) 48
280. Fuvest-SP
Um circuito é formado por três resistores e um gerador
G como indica a figura. A tensão nos terminais do
gerador é de 90 V.
R
1
G
6 W
12 W
R
2
6 W 90 V
R
3
a) Qual o valor da intensidade de corrente no gera-
dor?
b) Qual o valor da intensidade de corrente no resistor
R
1
?
281.
Quando a chave Ch do circuito está na posição (1),
a corrente elétrica no gerador tem intensidade 3 A e
quando está na posição (2), a corrente passa a ser 6 A.
As características ε e r do gerador são, respectiva-
mente:
4 W 9 W
(1) (2)
Ch
r

a) 10 V; 2 Ω
b) 15 V; 1 Ω
c) 20 V; 3 Ω
d) 25 V; 2,5 Ω
e) 30 V; 1 Ω
282. Fuvest-SP
No circuito as lâmpadas L
1
, L
2
e L
3
são idênticas com
resistências de 30 ohms cada. A força eletromotriz
vale 18 volts e C é uma chave que está inicialmente
fechada.
a) Qual a corrente que passa por L
2
?
b) Abrindo-se a chave C, o que acontece com o brilho
da lâmpada L
1
? Justifique.
283. Mackenzie-SP
No circuito a seguir, a corrente elétrica que passa
pelo resistor de 20 Ω tem intensidade 0,4 A. A força
eletromotriz ε do gerador ideal vale:
 20 W
1 W
5 W
a) 12 V d) 6 V
b) 10 V e) 4 V
c) 8 V
100
284.
Quando dois resistores de resistências 3,0 Ω e 6,0 Ω
são associados em paralelo e a associação ligada aos
terminais de um gerador de f.e.m. 14 V, a intensidade
de corrente que passa pelo gerador é de 4,0 A. A
resistência interna do gerador é:
a) 0,5 Ω d) 1,5 Ω
b) 0,8 Ω e) 2,0 Ω
c) 1,0 Ω
285. Unifor-CE
Um circuito é montado com dois resistores, um de
resistência R e outro de resistência 2R, e um gerador
de fem ε = 1,5 V e resistência interna r = 0,30 Ω. Se
a corrente elétrica fornecida pelo gerador tem intensi-
dade 0,10 A, o valor de R, em ohms, é:
a) 5,1 d) 2,3
b) 4,9 e) 2,0
c) 4,2
286. ESPM-SP
Considere o circuito a seguir constituído de um gerador
ideal de fem ε = 60 V e dois resistores de resistências
R
1
= 10 Ω e R
2
= 5,0 Ω.
É correto afirmar que a:
a) resistêcia equivalente do circuito vale 3,3 Ω.
b) corrente elétrica no circuito vale 6,0 A.
c) potência elétrica dissipada em R
1
vale 300 W.
d) ddp em R
2
vale 20 V.
e) potência fornecida pelo gerador vale 480 W.
287. UFSM-RS
Analisando o circuito a seguir, os valores da intensidade
de corrente elétrica e diferença de potencial nos termi-
nais do resistor de 18 ohms valem respectivamente:
a) 3 A; 36 V
b) 7,2 A; 129,6 V
c) 3 A; 54 V
d) 2 A; 36 V
e) 2 A; 54 V
288. Mackenzie-SP
Dispõe-se de uma associação de seis lâmpadas
idênticas, cada uma das quais com inscrição nominal
(1,5 W – 6V), conforme a figura a seguir. O gerador
elétrico utilizado possui força eletromotriz 3,0 V e
resistência interna 2,00 Ω.
A intensidade de corrente elétrica que atravessa o ge-
rador é igual a:
a) 1,67 A
b) 1,50 A
c) 88 mA
d) 150 mA
e) 167 mA
289. Fuvest-SP
Uma lâmpada L está ligada a uma bateria B por 2 fios,
F
1
e F
2
, de mesmo material, de comprimentos iguais e
de diâmetros d e 3 d, respectivamente. Ligado aos ter-
minais da bateria, há um voltímetro ideal M (com resis-
tência interna muito grande), como mostra a figura. Nes-
tas condições a lâmpada está acesa, tem resistência
R
L
= 2,0 Ω e dissipa uma potência igual a 8,0 W. A força
eletromotriz da bateria é E = 9,0 V e a resistência do
fio F
1
é R
1
= 1,8 Ω.
9,0
Determine do valor da
a) corrente i, em ampères, que percorre o fio F
1
;
b) potência P
2
, em watts, dissipada no fio F
2
;
c) diferença de potencial V(M), em volts, indicada pelo
voltímetro M.
290.
Cinco pilhas idênticas de força eletromotriz 1,5 V e
resistência interna r são associadas em paralelo e esse
conjunto alimenta uma única lâmpada, fornecendo a
ela 1,3 V. Nessas condições, a lâmpada dissipa a po-
tência de 6,5 W. Calcule a resistência interna r.
101
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
291. Vunesp
O gráfico representa a corrente i que atravessa um
resistor de resistência R quando é alimentado por
pilhas ligadas em série.
25
20
15
10
5
0
1 2 3 4 5 0
nº de pilhas
i (mA)
Se a f.e.m. de cada pilha (com resistência interna des-
prezível) é 1,5 volts, qual é o valor da resistência R?
292.
O gráfico a seguir representa a curva característica do
gerador equivalente de uma associação em série de 4
geradores idênticos.
A corrente de curto-circuito de cada gerador da as-
sociação vale:
a) 12 A d) 3 A
b) 8 A e) 2 A
c) 6 A
293.
Associando-se em paralelo os geradores da questão
anterior, obtém-se um gerador equivalente de fem e
resistência interna respectivamente iguais a:
a) 120 V e 6 Ω.
b) 30 V e 1,25 Ω.
c) 60 V e 3 Ω.
d) 30 V e 2,5 Ω.
e) 120 V e 1,5 Ω.
294. PUC-MG
Quando duas baterias iguais são ligadas em paralelo,
é correto afirmar:
a) A resistência interna equivalente fica reduzida à
metade.
b) A resistência interna equivalente fica dobrada.
c) A força eletromotriz fornecida ao circuito dobra de
valor.
d) A força eletromotriz fornecida ao circuito fica redu-
zida à metade.
e) A força eletromotriz fornecida ao circuito e a resis-
tência interna equivalente não ficam modificadas.
295. Vunesp
Um aperímetro ideal A, um resistor de resistência R e
uma bateria de f.e.m. ε e resistência interna despre-
zível estão ligados em série. Se uma segunda bateria,
idêntica à primeira, for ligada ao circuito como mostra
a linha tracejada da figura a seguir,
a) a diferença de potencial no amperímetro aumen-
tará.
b) a diferença do potencial no amperímetro diminuirá.
c) a corrente pelo resistor aumentará.
d) a corrente pelo resistor não se alterará.
e) a corrente pelo resistor diminuirá.
296. UFC-CE
Quatro pilhas de 1,5 volts cada são ligadas a uma
resistência R de 16 Ω, como mostra a figura. Sabendo
que cada pilha apresenta uma resistência interna de
2,0 Ω, qual a diferença de potencial, em volts, sobre
a resistência R?
R
+ –
+ –
+ –
+ –
297.
A associação de dois geradores da figura a seguir estão
gerando uma ddp de 140 V entre os terminais A e B.
Pede-se para determinar:
a) as características do gerador equivalente;
b) a corrente em cada gerador;
c) qual deles apresenta maior rendimento.
i
i
B
A
r = 3
1
 
1
= 60 V

2
= 100 V
r = 2
2

102
298.
Associam-se, em pararelo, n geradores iguais que
apresentam a seguinte curva característica:
Sabendo-se que, quando a corrente elétrica na
associação é de 15 A ela dissipa internamente uma
potência de 45 W, podemos afirmar que o número n
de geradores na associação é:
a) 2
b) 3
c) 4
d) 6
e) 9
299. PUC-SP
Cinco geradores, cada um de fem igual a 4,5 V e cor-
rente de curto-circuito igual a 0,5 A, são associados
em paralelo. A fem e a resistência interna do gerador
equivalente têm valores, respectivamente, iguais a:
a) 4,5 V e 9,0 Ω.
b) 22,5 V e 9,0 Ω.
c) 4,5 V e 1,8 Ω.
d) 0,9 V e 9,0 Ω.
e) 0,9 V e 1,8 Ω.
300. Cesgranrio-RJ
Pilhas de lanterna estão associadas por fios metálicos,
segundo os arranjos:
Ligando-se resistores entre os pontos terminais livres,
pode-se afirmar que as pilhas estão eletricamente
associados em:
a) paralelo em I, II e III.
b) parelelo em III e IV.
c) série em I, II e III.
d) série em IV e V.
e) série em III e V.
301. UFSM-RS
No circuito mostrado na figura, as caixas A B são
geradores que possuem resistências internas iguais.
Se a força eletromotriz de cada um dos geradores é
12 volts e a corrente elétrica que passa pela resistência
R, de 10 ohms, é 2 ampères, então a resistência inter-
na de cada um dos geradores é, em ohms, de:
R
A B
a) 0,1 d) 2,0
b) 0,5 e) 10,0
c) 1,0
302. PUC-SP
No circuito esquematizado, P
1
e P
2
são baterias iguais
de resistência interna desprezível, x é um resistor de re-
sistência constante e K é uma chave de duas posições.
Inicialmente, a chave K está na posição 1. Se a chave
passa para a posição 2, a potência dissipada em x:
a) dobra.
b) fica reduzida à metade.
c) não se altera.
d) fica reduzida à quarta parte.
e) fica quadruplicada.
2
1
3
x
P
1
P
2
K
303.
A figura representa os gráficos de dois geradores
ligados em série, num circuito.
Qual deles está tendo maior rendimento? Justifique.
304.
O circuito da figura a seguir é formado por duas bate-
rias idênticas e ideais B
1
e B
2
, dois amperímetros A
1

e A
2
com resistências internas nulas e uma chave C.
Quando a chave está aberta, a corrente indicada em
ambos os amperímetros vale 2,0 A.
Considere os fios de ligação com resistência des-
prezível.
Calcule a corrente indicada em cada um dos amperí-
metros quando a chave C estiver fechada.
103
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
305. Fuvest-SP
O circuito da figura é formado por 4 pilhas ideais de
tensão V e dois resistores idênticos de resistência R.

Podemos afirmar que as correntes i
1
e i
2
, indicadas
na figura, valem:
a) i
1
= 2V/R e i
2
= 4V/R d) i
1
= zero e i
2
= 4V/R
b) i
1
= zero e i
2
= 2V/R e) i
1
= 2V/R e i
2
= zero
c) i
1
= 2V/R e i
2
= 2V/R
306. FURG-RS
Numa aula experimental de física, o professor utilizou
como material duas pilhas de 1,5 V cada uma, duas
lâmpadas idênticas, um amperímetro e um conjunto de
fios. Para efeito dos cálculos, sugeriu que se despre-
zasse a resistência interna das pilhas e a resistência
dos fios. Quando uma das lâmpadas foi ligada às duas
pilhas em série, calculou-se uma potência de consumo
de 0,45 W. A seguir, ele pediu a um aluno que montasse
uma ligação qualquer e concluísse seus resultados. O
aluno então fez a ligação mostrada a seguir.
Qual das alternativas é a conclusão correta?
a) Amperímetro 0,30 A, cada lâmpada 0,30 A.
b) Amperímetro 0,30 A, cada lâmpada 0,15 A.
c) Amperímetro 0,15 A, cada lâmpada 0,15 A.
d) Amperímetro 0,15 A, cada lâmpada 0,075 A.
e) Amperímetro 0,075 A, cada lâmpada 0,075 A.
307. Vunesp
O poraquê Electrophorus electricus é um peixe provido
de células elétricas (eletrócitos) dispostas em série,
enfileiradas em sua cauda. Cada célula tem uma
fem = 60 mV (0,060 V). Num espécime típico, esse
conjunto de células é capaz de gerar tensões de até
480 V, com descargas que produzem correntes elétri-
cas de intensidade máxima de até 1,0 A.
a) Faça um esquema representando a associação des-
sas células elétricas na cauda do poraquê. Indique,
nesse, esquema, o número n de células elétricas que
um poraquê pode ter. Justifique a sua avaliação.
b) Qual a potência elétrica máxima que o poraquê é
capaz de gerar?
308. UEPG-PR
Sobre o circuito esquematizado a seguir, de uma lan-
terna comum, de uso geral, considerando que ela tem
três pilhas de força eletromotriz igual, com 1,5 volt cada
uma, assinale o que for correto.
01. A resistência interna dessa associação de três
geradores (pilhas) é igual à do gerador de maior
resistência interna.
02. A força eletromotriz dessa associação de três
geradores (pilhas) é igual à soma das forças ele-
tromotrizes dos geradores (pilhas) individuais.
04. As pilhas dessa lanterna são geradores cuja ener-
gia é retirada de reação química dos elementos
que as compõem.
08. O esgotamento das pilhas de uma lanterna como
essa significa que a resistência delas aumentou a
ponto de reduzir, a valores desprezíveis, a corrente
que passa pelos circuitos externos a elas.
16. A explicação para o fato de que, quando mantida
ligada, depois de determinado tempo, a lanterna
deixa de iluminar está em que a força eletromotriz
de seus geradores (pilhas) diminui até o esgota-
mento de toda a energia.
Some os itens corretos.
309. Mackenzie-SP
Duas baterias têm mesma força eletromotriz (ε
1
= ε
2
)
e resistências internas respectivamente iguais a r
1
e
r
2
. Elas são ligadas em série a um resistor externo de
resistência R.
O valor de R que tornará nula a diferença de potencial
entre os terminais da primeira bateria será igual a:
a) r
1
+ r
2
b) r
1
– r
2
c) r
2
– r
1
d) r
1
+ r
2
/2
e) r
1
– r
2
/2
104
310.
Duas bateri as i dênti cas de força el etromotri z
ε = 12 V e resistência interna r = 1 Ω, cada uma, são
ligadas a duas lâmpadas idênticas A e B, conforme
mostra a figura 1. Nesta situação, o amperímetro ideal
indica uma corrente elétrica de 6,0 A.
Se as mesmas lâmpadas, cujas resistências podem
ser consideradas ôhmicas, forem ligadas nas mesmas
duas baterias, mas como mostra a figura 2, pode-se
dizer que a intensidade da corrente medida pelo am-
perímetro será de:
a) 1,2 A
b) 3,6 A
c) 4,8 A
d) 6,0 A
e) 7,2 A
311. ITA-SP
Em sua aventura pela Amazônia, João porta um
rádio para comunicar-se. Em caso de necessidades,
pretende utilizar células solares de silício, capazes
de converter a energia solar em energia elétrica, com
eficiência de 10%. Considere que cada célula tenha
10 cm
2
de área coletora, sendo capaz de gerar uma
tensão de 0,70 V, e que o fluxo de energia solar médio
incidente é da ordem de 1,0 · 10
3
W/m
2
. Projete um
circuito que deverá ser montado com as célular solares
para obter uma tensão de 2,8 V e corrente mínima de
0,35 A, necessárias para operar o rádio.
312. ITA-SP
No Laboratório de Plasmas Frios do ITA é possível
obter filmes metálicos finos, vaporizando o metal e
depositando-o por condensação sobre uma placa
de vidro. Com o auxílio do dispositivo mostrado na
figura, é possível medir a espessura e de cada filme.
Na figura, os dois geradores são idênticos, de fem
ε = 1,0 V e resistência r = 1,0 Ω, estando ligados a
dois eletrodos retangulares e paralelos, P
1
e P
2
, de
largura b = 1,0 cm e separados por uma distância
a = 3,0 cm. Um amperímetro ideal A é inserido no
circuito, como indicado.
Supondo que após certo tempo de deposição é forma-
da sobre o vidro uma camada uniforme de alumínio
entre os dois eletrodos, e que o amperímetro acusa
uma corrente i = 0,10 A, qual deve ser a espessura
e do filme?
(resistividade do alumínio ρ = 2,6 · 10
–8
Ω·m).
a) 4,1 · 10
–9
cm
b) 4,1 · 10
–9
m
c) 4,3 · 10
–9
m
d) 9,7 · 10
–9
m
e) 8,6 · 10
–9
m.
Capítulo 5
313. UFAL
Considere os gráficos a seguir.
U
0 i
(I)
U U
0 0 i i
(II) (III)
Eles representam as curvas características de três
elementos de um circuito elétrico, respectivamen-
te,
a) gerador, receptor e resistor.
b) gerador, resistor e receptor.
c) receptor, gerador e resistor.
d) receptor, resistor e gerador.
e) resistor, receptor e gerador.
105
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
314.
Qual o valor da intensidade de corrente i indicada na
figura a seguir?
a) 0,5 A d) 4,5 A
b) 3,5 A e) 5,0 A
c) 4,0 A
315.
Um motor de força contra-eletromotriz e resistência
interna desconhecidas apresenta em seus terminais
uma ddp de 130 V quando atravessado por uma
corrente elétrica de 2 A. Ligando-o de outra maneira,
verifica-se que a corrente que o atravessa é de 5 A e
que a ddp nos seus terminais é de 145 V.
a) Determine a força contra-eletromotriz e a resistên-
cia interna desse receptor.
b) Desenhe sua curva característica.
316.
O motor de um liquidificador tem força contra-eletro-
motriz de 80 V. Quando ligado em uma fonte que lhe
fornece uma tensão de 110 V, ele desenvolve uma
potência útil de 120 W.
Nestas condições, determine:
a) a resistência do motor;
b) a potência total fornecida ao motor e seu rendimento.
317.
O esquema mostra um motor elétrico submetido a uma
tensão de 120 V sendo percorrido por uma corrente
elétrica de intensidade 4 A.
a) Determine a força contra eletromotriz do motor.
b) Determine seu rendimento.
318.
Supondo estarem os eixos do gráfico a seguir as
mesmas escalas, determine o rendimento do receptor
para uma corrente de 25 A.
a) 60 % d) 90 %
b) 70 % e) 100 %
c) 80 %
319.
Um motor de resistência interna 1 Ω, quando está
ligado sob ddp de 100 V, é percorrido por corrente de
intensidade 2 A. Determine:
a) a fcem do motor;
b) a potência dissipada internamente;
c) seu rendimento elétrico.
320.
Um gerador fornece a um motor uma ddp de 400 V. O
motor tem resistência interna de 20 Ω e é percorrido
por uma corrente elétrica de 500 mA. Calcule:
a) a força contra-eletromotriz do motor;
b) a potência do motor;
c) sua potência útil (mecânica);
d) a potência dissipada internamente;
e) o rendimento do motor.
321.
Quando “forçamos” um motor elétrico, como, por exem-
plo, o motor da enceradeira quando tentamos lustrar o
chão com a cera ainda úmida, ou quando colocamos
roupas na máquina de lavar em quantidade acima da
máxima especificada pelo fabricante, notamos que há
um aquecimento acima do normal, chegando até, às
vezes, a sair fumaça. Tal procedimento é prejudicial à
vida útil do motor, pois:
a) ele está consumindo o dobro da energia elétrica.
b) ele dissipa menos energia térmica e exerce mais
energia mecânica.
c) ele dissipa mais energia térmica em detrimento da
energia mecânica.
d) a energia elétrica é totalmente convertida em
mecânica.
e) nda
322.
Um motor tem fcem 200 V e resistência interna 5 Ω.
Qual a corrente que o atravessa se bloqueamos seu
eixo quando submetido à tensão de 220 V?
a) 12 A d) 36 A
b) 20 A e) 44 A
c) 28 A
323.
Um liquidificador de força contra-eletromotriz igual a
110 V é ligado a uma tomada de 120 V. Sabendo-se
que a potência dissipada pelo liquidificador é 100 W,
pode-se afirmar que sua resistência interna é:
a) 5 Ω d) 10 Ω
b) 1 Ω e) nda
c) 150 Ω
324.
Um motor elétrico tem fcem de 95 V e exerce uma
potência mecânica de 0,95 HP quando ligado a
110 V. Sua resistência interna vale:
Dado: 1 HP = 750 W
a) 2,0 Ω d) 5,0 Ω
b) 3,0 Ω e) 6,5 Ω
c) 3,5 Ω
106
325. Mackenzie-SP
A ddp nos terminais de um receptor varia com a corren-
te, conforme o gráfico a seguir. A fcem e a resistência
interna desse receptor são, respectivamente:
a) 25 V e 5,0 Ω
b) 22 V e 2,0 Ω
c) 20 V e 1,0 Ω
d) 12,5 V e 2,5 Ω
e) 11 V e 1,0 Ω
326. OMEC-SP
A curva característica de um motor elétrico é represen-
tada pelo gráfico a seguir. A força contra-eletromotriz e
a resistência elétrica interna do motor elétrico valem,
respectivamente:
a) 10 V e 10 Ω
b) 5 V e 5 Ω
c) 5 V e 10 Ω
d) 10 V e 5 Ω
e) 10 V e 20 Ω
327.
O motor de uma enceradeira possui uma força
contra-eletromotriz E = 100 V e resistência interna
r = 10 Ω. Quando ligada em uma tomada, ele recebe
uma corrente elétrica de 2 A e, com isso, seu eixo gira
livremente. Mantendo a enceradeira ligada na mesma
tomada, o eixo de seu motor é bloqueado e impedido
de girar. Com isso, pode-se dizer que a potência a ser
dissipada em sua resistência interna será de:
a) 14.400 W
b) 1.440 W
c) 720 W
d) 180 W
e) 120 W
328.
Um ventilador possui um dispositivo para regular a
velocidade de giro das pás através da alteração da
tensão aplicada nos terminais de seu motor. O gráfi-
co a seguir mostra como varia a tensão aplicada em
função da corrente elétrica que atravessa o motor do
ventilador.
a) Determine a força contra-eletromotriz e a resistên-
cia interna do motor.
b) Determine qual a potência útil e o rendimento do
motor quando ligado em uma tensão de 220 V.
329. UFPA
Sob tensão U = 100 V, um motor de resistência inter-
na r = 2 Ω é percorrido por uma corrente elétrica de
intensidade i = 5,0 A. A potência dissipada por efeito
Joule é:
a) 20 W
b) 50 W
c) 120 W
d) 450 W
e) 500 W
330.
A bateria de um automóvel é um gerador que, quando
terminada sua carga após um bom tempo de uso, pode
ser recarregada. Considere uma bateria de automóvel
de força eletromotriz 12 V e resistência interna 0,4 W
sendo recarregada por um gerador que lhe fornece
uma corrente elétrica de 10 A.
a) Determine a tensão elétrica que o gerador aplica
nos terminais da bateria.
b) Qual a potência útil (potência transformada em
energia química) da bateria?
c) Qual o rendimento da bateria no processo de
recarga?
331.
Um fabricante de motores fornece o seguinte gráfico
referente a um de seus motores. Quando ligado a uma
fonte de tensão de 140 V e tendo seu eixo bloqueado,
esse motor poderá queimar, pois estará dissipando
uma potência de:
a) 5.000 W d) 21.400 W
b) 12.400 W e) 25.000 W
c) 19.600 W
107
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
332. Fatec-SP
Um motor elétrico funciona sob tensão contínua
U = 220 V, recebendo corrente i = 10 A. O rendimento
global do motor é η = 90%. A potência elétrica extraída
da linha é P
e
, a potência útil do motor é P
m
(potência
mecânica no eixo). Assinale o conjunto correto (apro-
ximadamente).
P
e
(kW) P
m
(kW)
a) 2,2 2,4
b) 22 2,0
c) 22 20
d) 2,2 20
e) 2,2 1,98
333.
A figura representa um trecho de circuito que contém
dois receptores, sendo um passivo (resistor) e um ativo.
Qual o rendimento do receptor ativo?
a) 90%
b) 75%
c) 70%
d) 60%
e) 50%
334. PUC-SP
A figura esquematiza o circuito elétrico de uma encera-
deira em funcionamento. A potência elétrica dissipada
por ela é de 20 W e sua fcem é de 110 V. Assim, sua
resistência interna é de:
a) 5,0 Ω
b) 55 Ω
c) 2,0 Ω
d) 115 Ω
e) – 5,0 Ω
335. Fuvest-SP
Um motor M está ligado a uma bateria ideal B por meio
do circuito da figura. O motor atua no circuito como uma
resistência. Quando o interruptor S está aberto, o voltí-
metro, que é ideal, indica 12 V, e quando S está fechado,
indica 2 V. O interruptor está inicialmente aberto e é então
fechado durante 10 s. Enquanto está ligado, o motor, cuja
eficiência é 50%, puxa o peso P de massa 10 kg lenta-
mente para cima por uma distância d ao longo do plano
inclinado de 30°, por uma corda de massa desprezível
que se enrola em seu eixo. Considerando que não há
atrito entre o peso e o plano inclinado, calcule:
a) a corrente no motor enquanto ele está ligado;
b) a distância d que o corpo percorre.
336.
Duas baterias B
1
e B
2
estão ligadas de tal forma
que uma está recarregando a outra, como mostra o
esquema a seguir.
a) Determine a intensidade da corrente elétrica esta-
belecida no circuito e qual das baterias, B
1
ou B
2
,
está sendo recarregada.
b) Determine a ddp nos terminais da bateria que está
sendo recarregada.
337. Unic-MT
O circuito da figura mostra um gerador de fem
e = 12 V, com resistência interna r = 1 W e um receptor
de fcem de 6 V com resistência interna r’ = 2 W. A in-
tensidade da corrente no circuito e a ddp nos terminais
do receptor são:
a) 6 A e 3 V d) 3 A e 12 V
b) 1 A e 8 V e) 12 A e 6 V
c) 1 A e 10 V
108
338. UFC-CE
A intensidade i da corrente elétrica, no circuito indicado,
em ampères, é:
a) 2,0
b) 2,5
c) 3,0
d) 12,5
e) 5
339.
Considere o circuito elétrico a seguir
São feitas as seguintes afirmações:
I. A corrente circula no sentido horário.
II. A intensidade da corrente elétrica é de 2 A.
III. A tensão elétrica entre os pontos C e B é de
24 V.
IV. A tensão elétrica entre os pontos A e D é de 116 V.
Pode-se afirmar que estão corretas as afirmações:
a) I e II
b) II e III
c) I e IV
d) I e III
e) II e IV
340.
No circuito representado na figura seguinte, qual deve
ser o valor de ε para que a intensidade da corrente seja
de 2 A no sentido horário?
341. Fatec
Três pilhas de fem ε = 1,5 V e resistência interna
r = 1,0 Ω são ligadas como na figura a seguir.
A corrente que circula pelas pilhas é de
a) 0,50 A, no sentido horário.
b) 0,50 A, no sentido anti-horário.
c) 1,5 A, no sentido horário.
d) 2,0 A, no sentido anti-horário.
e) 2,0 A, no sentido horário.
342. Cesgranrio
No circuito esquematizado a seguir, tem-se um gerador
G, que fornece 60 V sob corrente de 8,0 A, uma bateria
com fem de 12 V e resistência interna de 1,0 Ω, e um
resistor variável R.
Para que a bateria seja carregada com uma corrente
de 8,0 A, deve-se ajustar o valor de R para:
a) 1,0 Ω d) 4,0 Ω
b) 2,0 Ω e) 5,0 Ω
c) 3,0 Ω
343. Sta. Casa - SP
Uma bateria, de fem ε = 20 V e resistência interna nula,
é ligada a um voltímetro de fcem ε’ = 5 V e resistência
interna r’ = 10 Ω. São ligadas ainda as resistências
R
1
= R
2
= 2,5 Ω.
A intensidade de corrente no circuito é:
a) 4/3 A d) 1 A
b) 0,75 A e) 0,5 A
c) 0,25 A
109
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
344. UCS-RS
No circuito seguinte, a resistência R mede 5 ohms, a
intensidade da corrente é 2 A, o gerador G e o motor
M têm resistência interna desprezível.
Pode-se afirmar que:
a) a força eletromotriz do gerador é de 10 V.
b) se a potência do gerador é 30 W, sua força eletro-
motriz é 15 V.
c) a queda de tensão no resistor é de 2,5 V.
d) a queda de tensão no motor M é de 15 V.
e) a potência dissipada no circuito mede 10 W.
345. FEG-SP
O esquema a seguir representa um circuito contendo
duas pilhas e dois resistores.
a) Qual a tensão entre os dois pontos A e B?
b) Mencione qual deles é o de potencial mais ele-
vado.
c) Qual é a intensidade de corrente no circuito?
d) Determine a potência total da pilha que está fun-
cionando como receptor.
346. Ufla-MG
No circuito apresentado na figura a seguir, estão
representadas diversas fontes de força eletromotriz
de resistência interna desprezível que alimentam os
resistores R
1
= 1,75 O e R
2
= 1,25 O. A corrente i no
circuito é de:
1,5 V
– +
1,25 W
9 V
1,75 W
– +

+
1,5 V
+
3 V 3 V

+

a) 6,0 A
b) 5,0 A
c) 4,5 A
d) 2,0 A
e) 3,0 A
347. PUCCamp-SP
Considere o circuito esquematizado a seguir constituído
por três baterias, um resistor ôhmico, um amperímetro
ideal e uma chave comutadora. Os valores característi-
cos de cada elemento estão indicados no esquema.
As indicações do amperímetro, conforme a chave
estiver ligada em (1) ou em (2), será, em ampères,
respectivamente:
a) 1,0 e 1,0. d) 3,0 e 1,0.
b) 1,0 e 3,0. e) 3,0 e 3,0.
c) 2,0 e 2,0.
348.
Um circuito é constituído por três elementos, A, B e
C, em série, cujas curvas características estão repre-
sentadas no gráfico a seguir. A intensidade de corrente
no circuito vale:
a) 1 A d) 2,5 A
b) 1,5 A e) 3,0 A
c) 2,0 A
349. UFSC
No circuito a seguir representado, temos duas bate-
rias de forças eletromotrizes r
1
= 9,0 V e r
2
= 3,0 V,
cujas resistências internas valem r
1
= r
2
= 1,0 O. São
conhecidos, também, os valores das resistências
R
1
= R
2
= 4,0 O e R
3
= 2,0 O. V
1
, V
2
e V
3
são voltíme-
tros e A é um amperímetro, todos ideais:
Pode-se dizer que as leituras nos aparelhos V
1
, V
2
, V
3

e A são, respectivamente:
a) 9 V; 3 V; 6 V; 1 A d) 6 V; 4 V; 6 V; 2 A
b) 8 V; 4 V; 2 V; 1 A e) 6 V; 6 V; 6 V; 3 A
c) 8 V; 6 V; 2 V; 2 A
110
350. Unisa-SP
No circuito esquematizado, a potência total dissipada
pelo efeito Joule vale:
a) 4,75 W c) 1,883 W
b) 274 W d) 0,8 W
351. UEL-PR
Pelo circuito elétrico esquematizado flui uma corrente
elétrica.
A diferença de potencial, em volts, nos terminais do
resistor de 2,0 W e a potência nele dissipada, em watts,
são, respectivamente:
a) 1,0 e 0,50 d) 2,0 e 4,0
b) 1,0 e 2,0 e) 4,0 e 8,0
c) 2,0 e 2,0
352. Udesc
O valor da intensidade de corrente no circuito a
seguir é:
a) 1,50 d) 0,50
b) 0,62 e) 0,30
c) 1,03
353. UFRJ
A figura ilustra o dispositivo usado para medir a força
eletromotriz de um gerador. Nele, um gerador de
força eletromotriz igual a 12 V e resistência interna
igual a 1 O é ligado a um fio condutor ôhmico AB, de
comprimento L, seção uniforme, e resistência total
R
AB
= 5 O. O pólo negativo do gerador, de força
eletromotriz ε desconhecida, é ligado à extremidade
B do condutor. Em série com esse gerador, há um
amperímetro ideal. A extremidade C pode ser ligada
a qualquer ponto do condutor entre as extremidades
A e B.
Por tentativas, verifica-se que, quando a extremidade
C é colocada a uma distância L/4 de A, a intensidade
da corrente que passa pelo amperímetro torna-se nula.
Nestas condições, determine:
a) a corrente elétrica fornecida pela bateria de 12 V;
b) a força eletromotriz ε.
354.
No circuito elétrico representado adiante, os sentidos
das correntes foram indicados corretamente e a inten-
sidade de corrente i
3
é 3 A.
5 
10 
2 
i
3
i
2
receptor gerador
i
1
O gerador tem força eletromotriz de 40 V e resistência
interna de 2 O, enquanto o receptor tem força contra
eletromotriz desconhecida e resistência interna de
5 O.
a) Determine a intensidade da corrente elétrica i
1
que
é fornecida pelo gerador.
b) Determine a força contra-eletromotriz do recep-
tor.
355. Mackenzie-SP
No circuito a seguir, a corrente que passa pelo am-
perímetro ideal tem intensidade 2 A. Invertendo-se
a polaridade do gerador de fem ε
2
, a corrente do
amperímetro mantém o seu sentido e passa a ter
intensidade 1 A.
A fem ε
2
vale:
a) 10 V d) 4 V
b) 8 V e) 2 V
c) 6 V
111
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
356. Fuvest-SP
As características de uma pilha, do tipo PX, estão
apresentadas a seguir, tal como fornecidas pelo
fabricante. Três dessas pilhas foram colocadas para
operar, em série, em uma lanterna que possui uma
lâmpada L, com resistência constante R = 3,0 O. Uma
pilha, do tipo PX, pode ser representada, em qualquer
situação, por um circuito equivalente, formado por um
gerador ideal de força eletromotriz r = 1,5 V e uma
resistência interna r = 2/3 O, como representada no
esquema a seguir.
Por engano, uma das pilhas foi colocada de forma
invertida, como representado na lanterna:
Determine:
a) a corrente i, em ampères, que passa pela lâmpada,
com a pilha 2 “invertida”, como na figura;
b) a potência P, em watts, dissipada pela lâmpada,
com a pilha 2 “invertida”, como na figura;
c) a razão F = P/P
0
, entre a potência P dissipada pela
lâmpada, com a pilha 2 “invertida”, e a potência P
0
,
que seria dissipada, se todas as pilhas estivessem
posicionadas corretamente.
357. Fuvest-SP
Um sistema de alimentação de energia de um resistor
R = 20 Ω é formado por duas baterias, B
1
e B
2
, inter-
ligadas através de fios, com chaves Ch
1
e Ch
2
, como
representado na figura. A bateria B
1
fornece energia
ao resistor, enquanto a bateria B
2
tem a função de
recarregar a bateria B
1
. Inicialmente, com a chave Ch
1

fechada (e Ch
2
aberta), a bateria B
1
fornece corrente
ao resistor durante 100 s. Em seguida, para repor toda
a energia química que a bateria B
1
perdeu, a chave
Ch
2
fica fechada (e Ch
1
aberta), durante um intervalo
de tempo T. Em relação a essa operação, determine:
a) o valor da corrente i
1
, em ampères, que percorre
o resistor R, durante o tempo em que a chave
Ch
1
permanece fechada;
b) a carga Q, em C, fornecida pela bateria B
1
, durante
o tempo em que a chave Ch
1
permanece fechada;
c) o intervalo de tempo t, em s, em que a chave
Ch
2
permanece fechada.

Note e adote:
As baterias podem ser representadas pelos
modelos ao lado, com fem 1=12 V e r
1
=2 Ω e
fem 2 = 36 V e r
2
=4 Ω.
358. PUC-MG
Leia atentamente as afirmativas abaixo.
I. Para se medir a queda de potencial em um resistor,
deve-se colocar o amperímetro em paralelo com
o resistor.
II. Para se medir a corrente através de um resistor,
deve-se colocar o voltímetro em paralelo com o
resistor.
III. Para se medir a corrente através de um resistor,
deve-se colocar o amperímetro em série com o
resistor.
Assinale:
a) se apenas a afirmativa I é correta.
b) se apenas a afirmativa II é correta.
c) se apenas a afirmativa III é correta.
d) se as afirmativas I e III são corretas.
Capítulo 6
112
359. UEL-PR
Sobre o funcionamento de voltímetros e o funcio-
namento de amperímetros, assinale a alternativa
correta:
a) A resistência elétrica interna de um voltímetro deve
ser muito pequena para que, quando ligado em
paralelo às resistências elétricas de um circuito,
não altere a tensão elétrica que se deseja medir.
b) A resistência elétrica interna de um voltímetro deve
ser muito alta para que, quando ligado em série às
resistências elétricas de um circuito, não altere a
tensão elétrica que se deseja medir.
c) A resistência elétrica interna de um amperímetro
deve ser muito pequena para que, quando ligado
em paralelo às resistências elétricas de um circuito,
não altere a intensidade de corrente elétrica que
se deseja medir.
d) A resistência elétrica interna de um amperímetro
deve ser muito pequena para que, quando ligado
em série às resistências elétricas de um circuito,
não altere a intensidade de corrente elétrica que
se deseja medir.
e) A resistência elétrica interna de um amperímetro
deve ser muito alta para que, quando ligado em
série às resistências elétricas de um circuito, não
altere a intensidade de corrente elétrica que se
deseja medir.
360. UFRGS-RS
No circuito elétrico a seguir, os amperímetros A
1
, A
2
, A
3
e
A
4
, a fonte de tensão e os resistores são todos ideais.
Nessas condições, pode-se afirmar que:
a) A
1
e A
2
registram correntes de mesma intensi-
dade.
b) A
1
e A
4
registram correntes de mesma intensi-
dade.
c) a corrente em A
1
é mais intensa do que a corrente
em A
4
.
d) a corrente em A
2
é mais intensa do que a corrente
em A
3
.
e) a corrente em A
3
é mais intensa do que a corrente
em A
4
.
361. Mackenzie-SP
No circuito a seguir, o gerador e o amperímetro são
ideais. A razão entre as intensidades de corrente me-
didas pelo amperímetro com a chave k fechada e com
a chave k aberta é:
a) 2,2 d) 1,6
b) 2,0 e) 1,2
c) 1,8
362. FURG-RS
No circuito abaixo, ε = 5 V, R
1
= 10 Ω, R
2
= R
3
= 20 Ω.
A leitura do amperímetro é:
a) zero
b) 0,075 A
c) 0,125 A
d) 0,250 A
e) 0,500 A
363. UFRJ
Dois resistores, um de resistência R = 2,0 Ω e outro
de resistência R’= 5,0 Ω, estão ligados como mostra
o esquema a seguir.
Considere o voltímetro ideal. Entre os pontos A e B
mantém-se uma diferença de potencial V
A
– V
B
= 14 V.
Calcule a indicação do voltímetro.
364. Cesgranrio-RJ
Um voltímetro representado pela letra V e um am-
perímetro representado pela letra A, ambos ideais,
são utilizados para medir a ddp e a intensidade de
corrente elétrica de um resistor R. Assinale a opção
que indica uma maneira correta de usar esses ins-
trumentos.
113
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
365. UEL-PR
Para medir uma resistência R foram usados um ampe-
rímetro e um voltímetro ideais. O amperímetro podia
medir corrente máxima de 0,10 A e o voltímetro a ten-
são máxima de 5,0 V. A montagem dos instrumentos e
os valores registrados são mostrados a seguir:
Nessas condições, o valor de R, em ohms, é:
a) 0,60 d) 30
b) 3,0 e) 60
c) 6,0
366. UFSCar-SP
O circuito mostra três resistores de mesma resistência
R = 9 Ω, ligados a um gerador de fem ε e resistência
interna r = 1 Ω, além de dois amperímetros ideais,
A
1
e A
2
. A corrente elétrica que passa pelo ponto X
é de 3 ampères e a ddp nos terminais do gerador é
de 9 volts. Os fios de ligação apresentam resistência
elétrica deprezível.

r
R
R
A
1
A
2
x
R
3 A
Calcule:
a) o valor da fem ε do gerador e a potência total dis-
sipada pelo circuito, incluindo a potência dissipada
pela resistência interna do gerador;
b) os valores das correntes elétricas que atravessam
os amperímetros A
1
e A
2
.
367. UFRJ
No circuito esquematizado na figura, o voltímetro e o
amperímetro são ideais. O amperímetro indica 2,0 A.
Calcule a indicação do voltímetro.
368. Fatec-SP
No circuito a seguir, o amperímetro e o voltímetro
são ideais.
É correto afirmar que estes aparelhos indicam:
a) 20 A, 84 V
b) 50 A, 100 V
c) 8,0 A, 84 V
d) 8,0 A, 100 V
e) 50 A, 8,4 V
369. Unicamp-SP
No circuito da figura, A é um amperímetro de resistên-
cia nula, V é um voltímetro de resistência infinita.
100 V
A
10 A
R
1
2,0 A
R
2
V
a) Qual a intensidade da corrente medida pelo am-
perímetro?
b) Qual a tensão elétrica medida pelo voltímetro?
c) Quais os valores das resistêcias R
1
e

R
2
?
370. UFRJ
O esquema da figura mostra uma parte de um circuito
elétrico de corrente contínua. O amperímetro mede
sempre uma corrente de 2 A e as resistências valem
1 Ω cada uma. O voltímetro está ligado em paralelo
com uma das resistências.
a) Calcule a leitura do voltímetro com a chave inter-
ruptora aberta.
b) Calcule a leitura do voltímetro com a chave inter-
ruptora fechada.
114
371. UFPI-PI
O circuito representado na figura é utilizado para de-
terminar a resistência interna (r) da bateria de força
eletromotriz ε = 1,50 volts.
Quando a chave S é fechada, o voltímetro V mede
1,35 volts e o amperímetro A mede 1,50 ampères. O
voltímetro tem uma resistência alta de modo que po-
demos desprezar a corrente através dele. Já o ampe-
rímetro tem resistência desprezível e é desconhecido
o valor da resistência R. O valor da resistência interna
(r), medido em ohms, é:
a) 0,010
b) 0,100
c) 1,00
d) 10,0
e) 100
372. UFRJ
O gráfico a seguir representa os característicos tensão-
corrente de dois resistores (1) e (2).
a) Inicialmente, os resistores (1) e (2) são ligados a
um gerador, como ilustra o esquema I, no qual o
voltímetro e o amperímetro são ideais. O voltíme-
tro indica 12 V. Calcule a indicação do amperíme-
tro.
b) A seguir, os resistores (1) e (2) são ligados a outro
gerador, como mostra o esquema II, no qual o vol-
tímetro e o amperímetro são ideais. O voltímetro
indica 20 V. Calcule a indicação do amperímetro.
373. UFC-CE
No circuito esquematizado adiante, A
1
e A
2
são ampe-
rímetros idênticos. Ligando-se a chave C, observa-se
que:
a) a leitura de A
1
e a leitura de A
2
não mudam
b) a leitura de A
1
diminui e a leitura de A
2
aumenta.
c) a leitura de A
1
não muda e a leitura de A
2
dimi-
nui.
d) a leitura de A
1
aumenta e a leitura de A
2
diminui.
e) a leitura de A
1
aumenta e a leitura de A
2
não
muda.
374. PUCCamp-SP
Se ligarmos um voltímetro ideal aos pontos A e B do
circuito a seguir, obteremos leituras, com a chave ch
aberta e fechada, respectivamente, de:
a) 21 V e 0 V.
b) 0 V e 2,4 V
c) 2,1 V e 4,5 V
d) 4,5 V e 0 V.
e) 4,5 V e 2,4 V.
375. Vunesp
São dados dois miliamperímetros de marcas dife-
rentes, M
1
e M
2
, cujas resistências internas são de
50 ohms e 100 ohms, respectivamente. Ambos podem
medir correntes até 1 mA = 10
-3
A (corrente de fundo e
escala) e estão igualmente calibrados. Determine as
correntes que indicarão esses miliamperímetros nas
montagens representadas pelas figuras a seguir:
a)
b)

115
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
376. Fuvest-SP
Para um teste de controle, foram introduzidos três
amperímetros (A
1
, A
2
e A
3
) em um trecho de um
circuito, entre M e N, por onde passa uma corrente
total de 14 A (indicada pelo amperímetro A
4
). Nesse
trecho, encontram-se cinco lâmpadas, interligadas
como na figuras, cada uma delas com resistência
invariável R.
Nessas condições, os amperímetros A
1
, A
2
e A
3
indica-
rão, respectivamente, correntes i
1
, i
2
e i
3
com valores
aproximados de:
a) i
1
= 1,0 A i
2
= 2,0 A i
3
= 11 A
b) i
1
= 1,5 A i
2
= 3,0 A i
3
= 9,5 A
c) i
1
= 2,0 A i
2
= 4,0 A i
3
= 8,0 A
d) i
1
= 5,0 A i
2
= 3,0 A i
3
= 6,0 A
e) i
1
= 8,0 A i
2
= 4,0 A i
3
= 2,0 A
377. Fuvest-SP
Considere a montagem adiante, composta por 4
resistores iguais R, uma fonte de tensão F, um me-
didor de corrente A, um medidor de tensão V e fios
de ligação.
O medidor de corrente indica 8,0 A e o de tensão
2,0 V. Pode-se afirmar que a potência total dissipada
nos 4 resistores é, aproximadamente, de:
a) 8 W
b) 16 W
c) 32 W
d) 48 W
e) 64 W
378. Fuvest-SP
No circuito da figura, cada um dos três resistores tem
50 ohms.
+

R
2
R
3
R
1
V
i
G
1
G
2
S
a) Com a chave S fechada, o amperímetro G
2
indica
um intensidade de corrente i
2
= 0,5 A. Qual a
indicação do amperímetro G
1
?
b) Calcule e compare as indicações de G
1
e G
2

quando a chave S estiver aberta. Explique.
379. Fuvest-SP
Um voltímetro, quando submetido a uma tensão de
100 V, é percorrido por uma corrente de 1 mA. Esse
voltímetro, quando ligado no circuito da figura, acusa
uma diferença de potencial V
AB
igual a 50 V.
a) Qual a resistência interna do voltímetro?
b) Qual o valor da corrente que atravessa o gerador?
380. Vunesp
Um medidor de corrente elétrica comporta-se, quando
colocado em um circuito, como um resistor. A resistên-
cia desse resistor, denominada resistência interna do
medidor, pode, muitas vezes, ser determinada direta-
mente a partir de dados (especificações) impressos
no aparelho. Suponha que, num medidor comum de
corrente, com ponteiro e uma única escala graduada,
constem as seguintes especificações:
• corrente de fundo de escala, isto é, corrente máxi-
ma que pode ser medida: 1,0 · 10
–3
A (1,0 mA);
• tensão a que deve ser submetido o aparelho,
para que indique a corrente de fundo de escala:
1,0 · 10
–1
V (100 mV)
a) Qual o valor da resistência interna desse aparelho?
b) Suponha que se coloque em paralelo com esse
medidor uma resistência
100
9
Ω , como mostra a
figura. Com a chave C aberta, é possível medir a
corrente até 1,0 mA, conforme consta das espe-
cificações. Determine a corrente máxima que se
poderá medir quando a chave C estiver fechada.
116
381. Vunesp
No circuito da figura, a fonte é uma bateria de f.e.m.
ε = 12 V, o resistor tem resistência R = 1.000 Ω, V
representa um voltímetro e A um amperímetro.
Determine as leituras desses medidores:
a) em condições ideais, ou seja, supondo que os fios,
o gerador e o amperímetro não tenham resistência
elétrica e a resitência elétrica do voltímetro seja
infinita;
b) em condições reais, em que as resistência elétrica
da bateria, do amperímetro e do voltímetro são:
r = 1 Ω, R
A
= 50 Ω e R
V
= 10.000 Ω, respectivamen-
te, desprezando-se apenas a resistência elétrica
dos fios de ligação.
382. Fuvest-SP
Dispõe-se dos seguintes elementos: dois resistores
idênticos, uma fonte de tensão e um amperímetro
ideais, uma lâmpada e fios de ligação. Pretende-se
montar um circuito em que a lâmpada funcione de
acordo com as suas especificações e o amperímetro
acuse a corrente que passa por ela.
ε
ε
a) Desenhe o circuito, incluindo os elementos neces-
sários.
b) Que corrente o amperímetro indicará?
383. Fafeod-MG
A figura a seguir mostra resistores ligados entre si.
A resistência equivalente entre A e B é:
a) 2R c)
b) d) 9R
384. Vunesp
Dado o circuito a seguir, onde G é um galvanômetro e ε
uma bateria, calcule X em função das resistências R
1
,
R
2
e R
3
para que a corrente por G seja nula.
385. UEL-PR
A seguir está esquematizado um trecho de circuito em
que todos os resistores são iguais.
Entre os pontos A e F existe uma diferença de potencial
de 500 V. Entretanto, pode-se tocar simultaneamente
em dois pontos desse circuito sem tomar um “choque”.
Esses pontos são:
a) B e C d) C e E
b) B e D e) D e E
c) C e D
386. Vunesp
No circuito abaixo, os fios de ligação têm resistência
desprezível. As correntes i
1
, i
2
e i
3
valem, respecti-
vamente:
a) i
1
= 4 A; i
2
= 2 A; i
3
= 1 A
b) i
1
= 2 A; i
2
= 4 A; i
3
= 0
c) i
1
= 4 A; i
2
= 2 A; i
3
= 2 A
d) i
1
= 4 A; i
2
= 2 A; i
3
= 0
e) i
1
= 2 A; i
2
= 2 A; i
3
= 2 A
387. Unifei-MG
Pode-se usar um galvanômetro, de resistência interna
muito pequena, como um bom voltímetro:
a) associando-o, em paralelo, com um resistor de
pequeno valor.
b) associando-o, em paralelo, com um resistor de
grande valor.
c) associando-o, em série, com um resistor de pe-
queno valor.
d) associando-o, em série, com um resistor de grande
valor.
e) associando-o a um resistor acoplado com um
capacitor.
117
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
388. Uniube-MG
Um galvanômetro com fundo de escala de 3 mA tem
resistência interna de 20 Ω. A resistência shunt que
deve ser associada a esse galvanômetro a fim de
ampliar sua corrente de fundo de escala para 15 mA
deve ser de:
a) 1 Ω
b) 3 Ω
c) 5 Ω
d) 10 Ω
e) 15 Ω
389. Unitau-SP
Nos circuitos das figuras a seguir, diferenciados
apenas pelas chaves S
1
e S
2
, abertas ou fechadas,
os medidores são ideais e o gerador tem resistência
interna nula.
Pode-se concluir, com as chaves nas condições indi-
cadas nas figuras, que:
a)
i
i
2
1
2
=
b) i
i
2
1
5
2
=
·
c) i
2
= 2 · i
1
d)
i
i
2
1
3
2
=
·
e) i
2
= i
1
390. FESJC-SP
A ponte apresentada na figura abaixo está em equilí-
brio. A resistência X vale:
a) 10 Ω
b) 50 Ω
c) 90 Ω
d) 300 Ω
e) 400 Ω
391. Uniube-MG
Quando a ponte de Wheatstone (ponte de fio) está
em equilíbrio (i
G
= 0), conforme figura a seguir, o
valor de Rx é:
G = galvanômetro
a) 40 Ω
b) 60 Ω
c) 80 Ω
d) 120 Ω
e) 180 Ω
392. Unifor-CE
Um galvanômetro tem resistência interna de 100 Ω e
corrente de fundo de escala de 50 mA. Para utilizá-lo
como voltímetro na medida de tensões de até 100 V,
deve-se associar a esse galvanômetro um resistor
de:
a) 50 Ω em paralelo
b) 200 Ω em série
c) 200 Ω em paralelo
d) 1.900 Ω em série
e) 1.900 Ω em paralelo
118
393. Fuvest-SP
Numa instalação elétrica, os cinco resistores represen-
tados na figura são idênticos.
Qual é o par de terminais que você pode segurar,
simultaneamente, com as duas mãos sem que haja
perigo de sofrer choque?
a) 1 e 2 d) 2 e 5
b) 1 e 3 e) 3 e 4
c) 1 e 5
394.
No circuito a seguir, a haste condutora AB tem com-
primento 20 cm. A que distância da extremidade A
estará o cursor C quando o amperímetro não acusar
passagem de corrente no ramo CD?
a) 5 cm d) 12 cm
b) 6 cm e) 15 cm
c) 8 cm
395. PUC-SP
A figura a seguir mostra o esquema de uma ponte de
Wheatstone. Sabe-se que ε = 3 V; R
2
= R
3
= 5 ohms
e o galvanômetro é de zero central. A ponte entra em
equilíbrio quando a resistência R
1
= 2 ohms. As corren-
tes i
1
e i
2
(em ampère) valem, respectivamente:
R
x
R
1
R
2
R
3
i
1
i
2

a) zero e zero
b) 2 e 2
c) 0,75 e 0,30
d) 0,30 e 0,75
e) 0,43 e 0,43
396. Mackenzie-SP
Considerando o circuito abaixo e dispondo de um gal-
vanômetro ideal, podemos afirmar que ele registraria
uma intensidade de corrente igual a zero se seus
terminais fossem ligados aos pontos:
a) C e F d) E e F
b) D e G e) C e H
c) E e H
397. Mackenzie-SP
No circuito a seguir, a d.d.p. entre os terminais A e B é
de 60 V e o galvanômetro G acusa uma intensidade de
corrente elétrica zero. Se a d.d.p. entre os terminais A
e B for duplicada e o galvanômetro continuar acusando
zero, podemos afirmar que:
a) a resistência R permanecerá constante e igual a
25 ohms
b) a resistência R permanecerá constante e igual a
15 ohms
c) a resistência R permanecerá constante e igual a
10 ohms
d) a resistência R, que era de 25 ohms, será alterada
para 50 ohms
e) a resistência R, que era de 50 ohms, será alterada
para 12,5 ohms
398.
Um amperímetro tem resistência interna de 60 Ω e
pode medir uma corrente máxima de 20 mA. Para que
ele consiga medir correntes de até 100 mA, deve-se
associar em paralelo com esse amperímetro uma
resistência shunt de valor:
a) 240 Ω d) 30 Ω
b) 120 Ω e) 15 Ω
c) 60 Ω
399. ITA-SP
No circuito a seguir, V e A são um voltímetro e um
amperímetro respectivamente com fundos de escala
(leitura máxima)
FEV = 1 V e R
V
= 1.000 Ω
FEA = 30 mA e R
A
= 5 Ω
119
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
Ao se abrir a chave C:
a) o amperímetro terá leitura maior que 30 mA e pode
se danificar.
b) o voltímetro indicará 0 V.
c) o amperímetro não alterará sua leitura.
d) o voltímetro não alterará sua leitura.
e) o voltímetro terá leitura maior que 1 V e pode se
danificar.
400. Fuvest-SP
O circuito a seguir mostra uma bateria de 6 V e
resistência interna desprezível, alimentando quatro
resistências, em paralelo duas a duas. Cada uma das
resistências vale R = 2 Ω.
a) Qual o valor da tensão entre os pontos A e B?
b) Qual o valor da corrente que passa pelo ponto A?
401. Mackenzie-SP
É dado um galvanômetro de resistência 10 Ω e corrente
de fundo de escala 10 A. Qual o valor de resistência
shunt que deve ser associada a esse galvanômetro
para que ele possa medir correntes de até 20 A?
a) 0,5 Ω d) 10 Ω
b) 1 Ω e) 100 Ω
c) 2 Ω
402.
Considere o circuito representado a seguir:
A indicação no amperímetro ideal é:
a) 1 A
b) 2 A
c) 4 A
d) 8 A
e) 10 A
403. PUC-SP
No ci rcui to representado, as l âmpadas L são
ôhmicas na faixa de tensão em que são utilizadas
e têm a inscrição: 6 V – 12 W. As pilhas têm fem de
1,5 V e resistência interna desprezível, e os medidores
são ideais.
a) Faça um esquema do circuito.
b) Determine as leituras do amperímetro A
1
e do
voltímetro V
1
após a chave K ser fechada.
404. ITA-SP
Considere um arranjo em forma de tetraedro construído com
6 resistências de 100 Ω, como mostrado na figura. Pode-se
afirmar que as resistências equivalentes R
AB
e R
CD
entre
os vértices A, B e C, D, respectivamente, são:
a) R
AB
= R
CD
= 33,3 Ω
b) R
AB
= R
CD
= 50 Ω
c) R
AB
= R
CD
= 66,7 Ω
d) R
AB
= R
CD
= 83,3 Ω
e) R
AB
= 66,7 Ω e R
CD
= 83,3 Ω
120
405. Unicamp-SP
A variação de uma resistência elétrica com a tempe-
ratura pode ser utilizada para medir a temperatura de
um corpo. Considere uma resistência R que varia com
a temperatura T de acordo com a expressão:
R = R
0
(1 + α T)
em que R
0
= 100 Ω, α = 4 · 10
–2
°C
–1
e T é dada em
graus Celsius.
Esta resistência está em equilíbrio térmico com o
corpo, cuja temperatura T deseja-se conhecer. Para
medir o valor de R ajusta-se a resistência R
2
, indicada
no circuito a seguir, até que a corrente medida pelo
amperímetro no trecho AB seja nula.
a) Qual a temperatura T do corpo quando a resistên-
cia R
2
for igual a 108 Ω?
b) A corrente através da resistência R é igual a
5,0 · 10
–3
A. Qual a diferença de potencial entre os
pontos C e D indicados na figura?
406. UFRN
O ci rcui to da fi gura a segui r i l ustra uma as-
soci ação mi st a de r esi st or es al i ment a-
dos por uma bateria que produz as correntes
i
1
, i
2
e i
3
, as quais se relacionam pela equação
i
1
= i
2
+ i
3
.
O princípio implicitamente utilizado no estabelecimento
dessa equação foi o da:
a) conservação do campo elétrico.
b) conservação da energia elétrica.
c) conservação do potencial elétrico.
d) conservação da carga elétrica.
407. UFRJ
Na figura a seguir, observa-se um circuito elétrico com
dois geradores (ε
1
e ε
2
) e alguns resistores.
Utilizando a 1ª lei de Kirchhoff ou lei dos nós, pode-se
afirmar que:
a) i
1
= i
2
– i
3
d) i
2
+ i
3
= i
1
b) i
2
+ i
4
= i
5
e) i
1
+ i
4
+ i
6
= 0
c) i
4
+ i
7
= i
6
408. Vunesp
A figura mostra um ramo de um circuito contendo os
resistores R
1
= 10 Ω e R
2
= 20 Ω. Se as correntes que
chegam ao nó A são 1,5 A e 0,5 A, então a diferença
de potencial entre A e B será, em volts:
a) 120 d) 20
b) 60 e) 10
c) 30
409.
Dado o trecho do circuito abaixo, determine:
4 A
6 A
B
10 W
20 V 5 V
A
3 W 1 W
i=?
a) a corrente i;
b) a ddp entre A e B;
c) o potencial elétrico de A.
Capítulo 7
121
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
410. Unopar-PR
Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i
1
= 2A;
U
AB
= 6V; R
2
= 2 O e R
3
= 10 O. Então, a tensão entre
C e D, em volts, vale:
a) 10
b) 20
c) 30
d) 40
e) 50
411.
A figura abaixo representa parte de um circuito elétrico
e as correntes elétricas que atravessam alguns ramos
deste circuito.
Assinale a alternativa que indica os valores das cor-
rentes elétricas i
1
e i
2
, respectivamente:
a) 6A e 5A
b) 4A e 5A
c) 6A e 1A
d) 5A e 1A
e) 10A e 4A
412. Fatec-SP
Certo trecho de um circuito, pelo qual passa uma
corrente elétrica i, está representado com os símbolos
de seus elementos.
A B C D E F
i
O potencial elétrico entre os terminais dos diversos
elementos pode ser representado por:
a)
b)
c)
d)
e)
413. FURG-RS
Os valores dos componentes do circuito da figura
abaixo são:
ε
1
= 6 V; ε
2
= 12 V; R
1
= 1 kΩ; R
2
= 2 kΩ
A
1
A
2
R
2
A
3
R
1

1

2
Os valores medidos pelos amperímetros A
1
, A
2
e A
3

são, respectivamente, em mA:
a) 1, 2 e 3
b) 6, 12 e 18
c) 6, 6 e 12
d) 12, 12 e 6
e) 12, 12 e 24
122
414. PUCCamp-SP
No circuito representado no esquema a seguir, as
fontes de tensão de 12 V e de 6 V são ideais; os dois
resistores de 12 ohms, R
1
e R
2
, são idênticos; os fios
de ligação têm resistência desprezível.
R
1
R
2
6 V
12 
12 
12 V
x y
Nesse circuito, a intensidade de corrente elétrica em
R1 é igual a:
a) 0,50 A no sentido de X para Y.
b) 0,50 A no sentido de Y para X.
c) 0,75 A no sentido de X para Y.
d) 1,0 A no sentido de X para Y.
e) 1,0 A no sentido de Y para X.
415. UEL-PR
Considere o circuito e os valores representados no
esquema a seguir.
O amperímetro ideal A deve indicar uma corrente
elétrica, em ampères, igual a:
a) 1,3 d) 0,50
b) 1,0 e) 0,25
c) 0,75
416. FCC-PR
O circuito mostrado na figura é formado por uma ba-
teria (B) e cinco lâmpadas (d). O número junto a cada
lâmpada indica a corrente que passa pela lâmpada,
em ampères.
Qual é a corrente que passa pelo ponto X?
a) 4 A
b) 10 A
c) 15 A
d) 19 A
e) 34 A
417. Mackenzie-SP
No circuito abaixo, os geradores são ideais, as cor-
rentes elétricas têm os sentidos indicados e i
1
= 1A.
O valor da resistência R é:
i
1
i
2
100 V
150 V
R
120 
20 
i
a) 3 Ω d) 12 Ω
b) 6 Ω e) 15 Ω
c) 9 Ω
418. Unaerp-SP
Liga-se uma bateria de força eletromotriz 24 V e resis-
tência interna 2 Ω a outra bateria de 6 V e 2 Ω e um
resistor de 4 Ω, conforme mostra a figura. A intensidade
de corrente elétrica que atravessa o resistor é de:
a) 2A d) 5A
b) 3A e) 6A
c) 4A
419. Unisa-SP
No circuito abaixo, as intensidades das correntes i
1
, i
2

e i
3
, em ampères, valem, respectivamente:
a) 1,0; 2,5; 3,0 d) 1,0; 2,0; 3,0
b) 1,0; 1,5; 2,0 e) 2,0; 3,0; 1,0
c) 1,0; 2,0; 2,5
420.
No circuito abaixo, determine o valor de ε para que a
corrente elétrica i
2
tenha intensidade 2,0 A.
i
1
i
2
12 V
1,2 
+


+

i
3
1,0  2,0 
123
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
421. Vunesp
O amperímetro A indicado no circuito é ideal, isto é,
tem resistência interna praticamente nula. Os fios de
ligação têm resistência desprezível.
A intensidade da corrente elétrica indicada no amperí-
metro A é de:
a) 1,0 A d) 4,0 A
b) 2,0 A e) 5,0 A
c) 3,0 A
422. UFSC
Considere o circuito da figura apresentada, onde
estão associadas três resistências (R
1
, R
2
, e R
3
) e
três baterias (ε
1
, ε
2
e ε
3
) de resistências internas
desprezíveis:
P
Q
R = 2
1
W

1
= 5 V
R = 2
3
W

3
= 3 V 
2
= 18 V
R = 1
2
W
Um voltímetro ideal colocado entre Q e P indicará:
a) 11 V
b) 5 V
c) 15 V
d) 1 V
e) zero
423. ITA-SP
No circuito dado, quando o cursor do reostato R é colo-
cado no ponto C, o amperímetro não acusa passagem
de corrente elétrica.
2 
10 V
4 V
50 
R
B
C
A

+

+
Qual a diferença de potencial entre os pontos C e B?
a) 4 V
b) 6 V
c) 10 V
d) 16 V
e) 20 V
424. Mackenzie-SP
No circuito apresentado, onde os geradores elétricos
são ideais, verifica-se que, ao mantermos a chave K
aberta, a intensidade de corrente assinalada pelo am-
perímetro ideal A é i = 1 A. Ao fecharmos essa chave
K, o mesmo amperímetro assinalará uma intensidade
de corrente igual a:
a) d)
b) i e)
10
3
i
c)
425. Fuvest-SP
No circuito mostrado na figura abaixo, os três resistores
têm valores R
1
= 2 Ω, R
2
= 20 Ω e R
3
= 5 Ω. A bateria
B tem tensão constante de 12 V. A corrente i
1
é consi-
derada positiva no sentido indicado. Entre os instantes
t = 0 s e t = 100 s, o gerador G fornece uma tensão
variável V = 0,5t (V em volt e t em segundo).
a) Determine o valor da corrente i
1
para t = 0 s.
b) Determine o instante t
0
em que a corrente i
1
é
nula.
c) Trace a curva que representa a corrente i
1
, em
função do tempo t, no intervalo 0 a 100 s.
d) Determine o valor da potência P recebida ou for-
necida pela bateria B no instante t = 90 s.
124
01. C
02. D
03.
a) – 3,2 · 10
–9
C
b) + 3,2 · 10
–9
C
04. B 05. A 06. B
07. C 08. D 09. E
10. A 11. D 12. C
13. B 14. A 15. E
16. D 17. D 18. A
19. A 20. B 21. B
22. B 23. D 24. D
25. A 26. A 27. D
28. A 29. B 30. C
31. C 32. D 33. C
34. B 35. C 36. E
37. D 38. E 39. C
40. D
41. 3,2 · 10
–11
A
42. E 43. C 44. E
45. B 46. C 47. D
48. A
49. 15 mA
50. D
51. B
52. 2 C
53. D
54.
a) 4,25 · 10
18
elétrons.
b) Aproximadamente 0,93 A
55. E 56. A 57. E
58. E 59. 59 A 60. D
61. D 62. D 63. D
64. 5 V
65. B 66. A 67. D
68. C 69. B 70. B
71. B 72. D 73. E
74. C
75.
a) 450 W
b) 1,5 kWh
c) R$ 13,50
76.
a) 21 C
b) 252 J
77. R$ 25,20
78.
a) 75 W
b) 600 W
c) Condutor Z
79. D 80. C
81.
P
E
t
E P t ⇒ ⋅


Chuveiro:
E = 5000 · (30 · 60)
E = 9 · 10
6
J
Lâmpada:
E = 60 · (24 · 3600)
E ≅ 5 · 10
6
J
O banho consome mais.
82.
a) 50 A
b) 15 kWh
c) R$ 99,00
83.
a) 12 · 10
–3
W
b) 0,06 · 10
–3
W e 5%
c) 2,4%
84. 12 A
85. C 86. A 87. A
88. E 89. B 90. B
91. E 92. B 93. E
94. E 95. B 96. E
97. D 98. C 99. A
100. D
101.
a) 11 Ω
b) 1.100 J/s
102.
a) 100 W
b)
i A
10
13
c) 169 Ω
103. A 104. C
105. 600 Ω; marrom – preta – azul
106. A
107. Aproximadamente 15 Ω
108. D
109. 4,5 kWh; 62 · 10
7
J
110.
a)
De acordo com o primeiro gráfico:
i = k
1
t (1)
De acordo com o segundo gráfico:
U = k
2
t (2)
Fazendo-se
2
1
( )
( )
, vem:
U
i
k
k
cons te
2
1
tan
Como
U
i
k
k
cons te
2
1
tan
, conclu-
ímos que R é constante e o resistor
é ôhmico.
t s
U V
i A

|
¦
|
10
0 5
10
,
,
R
U
i
R ⇒
0 5
10
0 5
,
,
, Ω
b) O produto Ui representa a po-
tência elétrica no resistor.
A área sob o arco de parábola
representa a energi a el étri ca
dissipada no resistor sob a forma
de energia térmica, para o intervalo
de tempo considerado.
111.
a) 5 · 10
3
A b) 25 %
c) 4%
112.
a) 3 · 10
9

b) 24 mV
113. B 114. B 115. C
116. C 117. C 118. A
119. B 120. B 121. B
122. B 123. A 124. D
125. E 126. A
127.
a) A resistência triplica.
b) A resistência é dividida por quatro.
128. C
129. 56 Ω
130. B
131.
a) 14 Ω
b) 144 Ω
Física 4 – Gabarito
125
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
132.
133. E 134. D 135. B
136. B 137. E
138.
a) 2 · 10
–3
Ω · m
b) Reduzindo-se à metade a es-
pessura, a área da secção
transversal também é reduzida à
metade. Reduzindo-se à metade
a área da secção transversal,
pela segunda lei de Ohm

R
L
A
= ·
{
\
]
¡
)
] o
as resistências elétricas dobra-
riam.
139.
a) 1,5 · 10
2

b) 1,5 · 10
4

140.
a) 5 Ω
b) 1.000 A
c) 5 · 10
6
W
141.
a) Aumentará; 13
b) 240 Ω
c) 2.750 °C
142. 2 A
143. 20 V
144.
a) 0,6 A
b) 0,3 A
145. B
146. 288 C
147. D 148. C 149. B
150. E
151. 10 V
152. A
153.
a) 30 Ω
b) 4 A
c) U
1
= 80 V; U
2
= 40 V
154. B 155. B
156.
6 lâmpadas
157. E 158. B 159. A
160. D 161. A
162. B
163.
a) 0,5 A
b) 18 Ω
164. C
165. B
166. Aproximadamente 31 kΩ
167.
a) 4 V
b) 20 Ω
168. E 169. B
170.
a) A água destilada não é um bom
condutor de corrente elétrica,
pois não permitiu a passagem de
corrente elétrica para acender a
lâmpada. Já a solução de água
com ácido sulfúrico permitiu a
passagem de corrente elétrica
para acender a lâmpada, portan-
to é um bom condutor elétrico.
b) 12 Ω
171. A 172. A 173. A
174. D 175. C 176. A
177. A 178. 8 179. B
180. A 181. B 182. D
183. C
184. 33
185. B 186. C
187. I. F; II. F; III. V; IV. V; V. V
188. A 189. C 190. B
191.
a) 15 mA
b) 0,27 W
c) Na associação em paralelo,
como a tensão e a mesma para
todos os resistores, terá maior
potência aquele que tiver menor
resistência.



P
V
R
2
Portanto será R
1
.
192.
a) 3
b) 10
193. C 194. B
195.
a) Ôhmico; 3 Ω
b) 8.100 J
c) Para aquecer mais rapidamente
a água deve pegar a associação
que fornece maior potência.
Como a tensão não se altera,
terá maior potência a associação
com menor resistência equiva-
lente.


P
U
R
eq
2

Associação I =
R
eq
R

2
Associação II = R
eq
= 3 · R
Portanto, deve-se utilizar a asso-
ciação I.
196. A
197.
a) Aproximadamente 1,5 W
b) Aproximadamente 7,3 V
198.
a) 2A
b) 1s
c) 12 Ω
199. C 200. B 201. A
202. B 203. B 204. E
205. A
206.
a) 0,5 V
b) 0,01 A
207. B 208. B 209. A
210. B 211. D 212. E
213. E 214. C 215. A
216. C 217. A 218. C
219. D 220. A 221. D
222.
a)
b) R
1
= R
3
= 100 Ω
223. E 224. C 225. E
226. D 227. D
228.
a) 10 A
b) 36.000 C
126
229.
a) 80 W
b) 100 W
c) 80 Ω
230. A 231. A 232. D
233.
a) 1,5 V e 0,1 Ω
b) 33%
234. C
235.
a) 1,68 V
b) 0,4 Ω
c) 71%
236. A
237. E
238.
a) 12 V e 0,2 Ω
b) 480 W
239. E
240.
a) Resistor I; 7 Ω
b) 12 V
241. D
242.
a) 5,0 · 10
–2

b) 48 A
243. 12,76 kWh; 23 A e 35 A
244. A
245.
a) 8 Ω
b) 10 A
246. E
247. B
248. D
249.
a) 12 V
b) 5 A
c) U = 12 – 2,4 · i
d) 2,4 Ω
250. B
251. 18 V e 1,8 Ω
252. A 253. A
254.
a) 0,25 Ω
b) 225 W
255. A 256. D 257. A
258. A
259.
a) 100 V b) 100 Ω
260.
a) 6 V e 0,75 Ω
b) 12 W
261. A
262.
a) 2,2 V
b) 1 Ω
263. I. V; II. V; III. F; IV. F.
264.
a) 0,5 Ω
b) 10,5 V
c) 31,5 W e 87,5%
d) 18.900 J
265.
a)
b) A posição do cursor deve ser no
ponto médio do reostato.
266.
a) 3 A
b) 13,5 V
c) 28,5 V
267. B
268.
a) 4 A
b) 36 V
269. A 270. E 271. B
272.
a) 1,2 A
b) 5,4 V
273.
a) 12 V
b) 0,20 A
274. D 275. B 276. B
277. C 278. B 279. D
280.
a) 9 A
b) 3 A
281. E
282.
a) 0,20 A
b) Antes de abrir a chave, a cor-
rente L
1
vale 0,4 A
Após abrir, temos: R
eq
= 30 + 30 = 60 Ω
i
E
y R
i A
T
eq
T

+

+

18
0 60
0 3 ,
Portanto, o brilho diminui.
283. B 284. D 285. B
286. D 287. D 288. D
289.
a) 2 A
b) 0,8 W
c) 8,0 V
290.
Aproximadamente 0,25 Ω
291. 300 Ω
292. C 293. B 294. A
295. D
296. 4,0 V
297.
a) ε = 160 V; r = 5 Ω
b) 4A
c) O gerador 2 apresenta maior
rendimento.
298. B 299. C 300. B
301. C 302. E 303. E
304. A
1
1 A e A
2
2 A
305. B 306. B
307.
a) Considerando as células como
geradores ideais, devemos ter
uma associação em série.
Eeq = N · E
480 = N · 0,06 / N = 8000
b) 480 W
308. 14 (02 + 04 + 08)
309. B 310. C
311.
312. C 313. C 314. E
315.
a) 120 V e 5 Ω
b)
127
P
V
2
D
-
0
6
-
F
I
S
-
4
4
316.
a) 20 Ω
b) 165 W e 73%
317.
a) 100 V
b) 80%
318. C
319.
a) 98 V
b) 4 W
c) 98%
320.
a) 390 V
b) 200 W
c) 195 W
d) 5 W
e) 97,5%
321. C 322. E 323. B
324. A 325. C 326. D
327. B
328.
a) 90 V e 5 Ω
b) 2.340 W e 41%
329. B
330.
a) 16 V
b) 120 W
c) 75%
331. C 332. E 333. A
334. A
335.
a) 0,2 A
b) 0,2 m
336.
a) 9 A ; B
2
está sendo recarregada.
b) 57 V
337. B 338. B 339. E
340. 36 V
341. A 342. E 343. D
344. B
345.
a) 2 V
b) O ponto A, pois está ligado no
pólo positivo das pilhas.
c) 0,05 A
d) 0,1 W
346. D 347. B 348. B
349. B 350. D 351. A
352. E
353.
a) 2 A
b) 7,5 V
354.
a) 5 A
b) 20 V
355. A
356.
a) 0,3 A
b) 0,27 W
c)
P
P
o

1
9
357.
a) 0,55 A
b) 55 C
c) 13,75 s
358. C 359. D 360. B
361. A 362. C
363. 10 V
364. C 365. D
366.
a) 12 V e 36 W
b) 2 A em A
1
e A
2
.
367. 36 V
368. C
369.
a) 12 A
b) 100 V
c) R
1
= 10 Ω e R
2
= 50 Ω
370. A 371. B
372.
a) 10 A
b) 4 A
373. E 374. E
375.
a) i
1
= i
2
= 0,30 mA
b) i
1
= 0,20 mA
i
2
= 0,10 mA
376. C 377. D
378.
a) 1 A
b) Com S fechada, temos:

R
50
2
50 75
U R i 75 1 U = 75V
Com S aberta, temos:
R 50 5
eq
eq 1
eq
+
⋅ ⋅ ∴
+

00 100
i i
U
R
75
100
i i 0,75A
1 2
eq
2 1



379.
a) 100 kΩ b) 1,5 A
380.
a) 100 Ω
b) 10 mA
381.
a) 12 mA e 12 V
b) 12,5 mA e aproximadamente
11,36 V
382.
a)
b) 0,25 A
383. A
384. X
R R
R
=
·
2 3
1
385. C 386. D 387. D
388. C 389. E 390. C
391. C 392. D 393. E
394. A 395. C 396. D
397. A 398. E 399. E
400.
a) 0
b) 1,5 A
401. D 402. B
403.
a)
b) 3 A e 6 V
404. B
405.
a) 20 °C
b) 1,08 V
406. D 407. D 408. B
409.
a) 2 A
b) +13 V
c) 13 V
128
410. E 411. A 412. E
413. C 414. B 415. D
416. D 417. E 418. B
419. D
420. 8 V
421. B 422. A 423. B
424. E
425.
a) 2 A
b) 30 s
c)
i (A)
3
2
1
0
-1
-3
-4
-5
-2
t (s)
0 20 40 60 80 100
d) 48 W

10. Uma certa amostra de cátion cálcio (Ca+2) contém 1,5 · 105 cátions. Qual é o valor da carga elétrica da amostra, em coulombs, sendo a carga elementar e = 1,6 · 10 –19 C? a) 4,8 · 10 –14 C b) 3,6 · 10 –13 C c) 2,4 · 10 –14 C d) 1,2 · 10 –15 C e) 8,0 · 10 –15 C 11. UERJ Em processos físicos que produzem apenas elétrons, prótons e nêutrons, o número total de prótons e elétrons é sempre par. Esta afirmação expressa a lei de conservação de: a) massa b) energia c) momento d) carga elétrica e) força 12. UFRJ Num certo instante t, é igual Σ Q a soma algébrica das cargas elétricas existentes numa certa região R, limitada por uma superfície fechada S. Sabendo-se que não há possibilidade de a superfície S ser atravessada por matéria, pode-se afirmar que: a) Σ Q aumenta, no decorrer do tempo b) Σ Q diminui, no decorrer do tempo c) Σ Q não aumenta nem diminui, no decorrer do tempo d) Σ Q tanto pode aumentar como diminuir, no decorrer do tempo e) nda 13. PUC-RJ Quando parte de um sistema físico isolado, inicialmente neutro, adquire uma carga elétrica positiva +q, a outra parte: a) torna-se também positivamente carregada com carga elétrica + q. b) torna-se negativamente carregada com carga elétrica – q. c) torna-se negativamente carregada, mas não necessariamente com carga elétrica – q. d) torna-se positivamente carregada, mas não necessariamente com carga elétrica + q. e) transferiu elétrons para a primeira. 14. Uma porção contendo 1 mol de cloreto de sódio (NaCl) é adicionada em um recipiente contendo 2 litros de água destilada, dissociando-se em íons Na+ e Cd–. Sabendo que a carga elementar vale 1,6 · 10 –19 C e considerando 1 mol = 6 · 1023 elementos, pode-se dizer que a carga elétrica total da solução vale:

a) b) c) d) e)

zero + 9,6 · 10 4 C – 9,6 · 10 4 C + 6 · 103 C – 6 · 103 C

15. Vunesp Em 1990, transcorreu o cinqüentenário da descoberta dos “chuveiros penetrantes” nos raios cósmicos, uma contribuição da física brasileira que alcançou repercussão internacional [O Estado de S. Paulo, 21.10.90, p. 30]. No estudo dos raios cósmicos, são observadas partículas chamadas píons. Considere um píon com carga elétrica + e se desintegrando (isto é, dividindo-se) em duas outras partículas: um múon, com carga elétrica + e e um “neutrino”. De acordo com o princípio de conservação da carga, o “neutrino” deverá ter carga elétrica: a) + e b) – e c) + 2e d) – 2e e) nula 16. UERJ Prótons e nêutrons são constituídos de partículas chamadas quarks: os quarks u e d. O próton é formado de 2 quarks do tipo u e 1 quark do tipo d, enquanto o nêutron é formado de 2 quarks do tipo d e 1 do tipo u. Se a carga elétrica do próton é igual a 1 unidade de carga e a do nêutron igual a zero, as cargas de u e d valem, respectivamente: a) 2/3 e 1/3. b) – 2/3 e 1/3. c) – 2/3 e – 1/3. d) 2/3 e – 1/3. 17. Uma esfera metálica está eletrizada com uma carga Q = + 4,8 nC como mostra a figura I abaixo. Através de um fio condutor, ela é ligada à Terra, como mostra a figura II, neutralizando sua carga inicial.

Pode-se dizer que, ao ser ligada à Terra, a esfera: a) perdeu 3 milhões de elétrons. b) ganhou 3 milhões de elétrons. c) perdeu 30 bilhões de elétrons. d) ganhou 30 bilhões de elétrons. e) perdeu 3 trilhões de elétrons.

58

18. A partícula α é constituída pelo núcleo do átomo de hélio. Uma fonte radioativa emite 2,5 · 106 partículas α. Qual a carga elétrica dessa emissão, em coulombs ? (Dado: e = 1,6 · 10–19 C) a) 8,0 · 10 –13 C b) 6,0 · 10 –13 C c) 5,0 · 10 –14 C d) 3,0 · 10 –14 C e) 1,5 · 10 –12 C 19. FUABC-SP A carga de um elétron é da ordem de 10 –19 C. Se um corpo recebe a carga de – 10 µC, a ele devem ter sido adicionados: a) 1014 elétrons. b) 1019 elétrons. c) 10 6 elétrons. d) algumas dezenas de elétrons. e) 1050 elétrons. 20. UFU-MG Um estudante de Física mediu, em laboratório, a quantidade de carga elétrica de quatro objetos, tendo encontrado os valores: + 1,6 · 10 –20 C – 4,0 · 10 –16 C – 8,0 · 10 –16 C + 2,4 · 10 –19 C Sabendo-se que a menor quantidade de carga elétrica na natureza é a quantidade de carga do elétron, que vale –1,6 · 10 –19 C, pode-se dizer que: a) somente uma medida está correta. b) há apenas duas medidas corretas. c) há apenas três medidas corretas. d) todas as medidas estão corretas. e) todas as medidas são incorretas. 21. Uma chapa de cobre está eletrizada com uma carga elétrica +105 e. Ao se fazer incidir radiação ultravioleta sobre a chapa, sua carga elétrica passa a ser + 4,0 · 10 –14 C, após um certo tempo. Podemos afirmar que, nesse período, a chapa (Dado: e = 1,6 · 10 -19 C): a) ganhou 2,5 · 105 prótons. b) cedeu 1,5 · 105 elétrons. c) ganhou 3,0 · 105 elétrons. d) cedeu 3,0 · 105 prótons. e) cedeu 4,0 · 105 elétrons. 22. O diagrama mostrado a seguir ilustra uma seqüência de decaimentos radioativos do núcleo atômico de um certo elemento. O núcleo M decai para um núcleo N e, em estágio sucessivos, até o núcleo R, cujo número de prótons é igual a 90, e o número de massa é igual a 228. Considerando a carga elementar e = 1,6 · 10 –19 C, pode-se dizer que a diferença entre a carga elétrica do núcleo M e a do núcleo R vale: a) 1,6 · 10 –19 C b) 3,2 · 10 –19 C c) 4,8 · 10 –19 C d) 6,4 · 10 –19 C e) zero 23. Estima-se que devido às tempestades, a superfície da Terra é bombardeada por 100 raios por segundo, em média. Considerando que devido a cada raio ocorra uma transferência média de 50 C de carga elétrica entre a atmosfera e a superfície do planeta, pode-se dizer que o número total de elétrons transferidos durante um ano, será da ordem de: Dados: carga elementar e = 1,6 · 10 –19 C 1 ano ≅ 3,2 ⋅ 107 s a) b) c) d) e) 1023 1025 1027 1030 1033

24. Durante um processo de fissão nuclear, o núcleo de um elemento A, contendo 75 prótons, é quebrado ao ser bombardeado por um nêutron, originando dois outros núcleos B e C. Considerando que o processo tenha ocorrido em um sistema isolado e sendo a carga elementar e = 1,6 · 10 –19 C, pode-se dizer que a soma das cargas elétricas dos núcleos B e C vale: a) + 7,5 · 10 –17 C b) + 7,5 · 10 –15 C c) + 1,6 · 10 –17 C d) + 1,2 · 10 –17 C e) + 1,2 · 10 –15 C 25. Considere o núcleo de um átomo de Urânio com massa total de 238 u (unidade de massa atômica). Sabe-se que a massa contida no núcleo de um átomo é a soma das massas de seus dois componentes fundamentais (prótons e nêutrons). Considerando que a massa de

PV2D-06-FIS-44

59

0 A durante 30 minutos. a quantidade de elétrons. mas em certas circunstâncias podem tornar-se condutores. d) 1.47 · 10 –17 C b) + 9. UFU-MG A figura a seguir mostra um fio condutor.6 · 1022 e) 9. Considere o circuito da figura a seguir onde se tem uma lâmpada sendo alimentada por uma pilha comum de rádio.6 · 10 –19 C) a) + 1. c) Não se conhece nenhum fenômeno que possa ser atribuído à passagem da corrente através dos gases. a) 2. pois todo núcleo atômico é eletricamente neutro. num intervalo de tempo igual a 2. Sabendo-se que o módulo da carga de um elétron é 1. será igual a: a) 2 · 1020 c) 5 · 1017 b) 6. duplamente carregados da solução. pelo qual passa uma corrente elétrica i. Os íons de cobre. Unitau-SP 5. e) há um movimento de prótons do pólo negativo para o pólo positivo da pilha. PUC-SP Com relação à condução elétrica dos gases. mergulhados em sulfato de cobre e ligados por um fio exterior.2 · 1016 elétrons c) 1.6 · 10 –19 C.0 · 1022 31. pode-se dizer que a carga elétrica contida neste núcleo vale.5 mA b) 1. a segunda afirma que o ar é isolante e a terceira afirma que.0 mA d) 2. aproximadamente: (Dado: carga elementar e = 1. UEL-PR Sabe-se que a carga do elétron tem módulo 1.20 · 10 –17 C c) – 1. A corrente elétrica que atravessa a secção é de: a) 1.0 mA 28.2 · 1019 c) 4. Cu ++. Sabe-se que o valor da carga elementar é: e = 1. depositando-se cobre (Cu++ + 2e = Cu0). Neste intervalo de tempo.6 · 1019 b) 3.um próton ou de um nêutron corresponde a 1 u e que no núcleo considerado existam 146 nêutrons. b) o sentido convencional da corrente elétrica é do pólo positivo para o pólo negativo da pilha. um raio se constitui de uma descarga elétrica correspondente a uma corrente A intensidade da corrente elétrica i. 33.4 · 1021 elétrons.6 · 1020 elétrons 29.4 · 1019 d) 8 · 1018 27.20 · 10 –18 C e) nulo. que passará pela seção reta do fio em 8 segundos.0 mA c) 2.6 · 10 –19 C a) 1. Pode-se afirmar que no circuito externo à pilha: a) o sentido do movimento dos elétrons é do pólo positivo para o pólo negativo da pilha. b) O mecanismo da condução elétrica nos gases é semelhante ao dos metais.6 · 10 –19 C. A ordem de grandeza do número de elétrons que passam por segundo pela secção transversal constante de um condutor que transporta corrente de 0. vão sendo neutralizados num dos eletrodos pelos elétrons que chegam. 30. o número de elétrons transportados é igual a: Dado: e = 1. A área sombreada é a seção reta do fio.64 ampères durante um intervalo de 10 minutos. Unifesp Num livro de eletricidade você encontra as três informações seguintes: a primeira afirma que isolantes são corpos que não permitem a passagem da corrente elétrica.5 · 1022 d) 7. é de 4 A.47 · 10 –18 C d) – 9. que passa pelo fio. Determine quantos elétrons atravessam o filamento da lâmpada nesses 10 minutos.4 · 10 e) 1. FMTM-MG Através de dois eletrodos de cobre.6 · 10 –19 C. c) o sentido convencional da corrente elétrica é do pólo negativo para o pólo positivo da pilha. 60 . é correta a afirmação: a) Alguns gases são naturalmente isolantes e outros condutores. em média. d) Os gases são normalmente isolantes. d) há um movimento de prótons do pólo positivo para o pólo negativo da pilha.0 milissegundos.5 mA e) 3.6 · 1018 elétrons 19 elétrons b) 2. faz-se passar uma corrente de 4. O filamento de uma lâmpada é percorrido por uma corrente elétrica constante de 0. e) Os gases são normalmente ótimos condutores.0 µC de carga atravessam a secção reta de um fio metálico. conforme sua natureza química.15 A é: a) 1020 b) 1019 c) 1018 d) 1017 e) 1016 32. 26.

002 s.2. e) 12.000 ampères que atravessa o ar e desloca. b) 0. da nuvem à Terra. Sabendo-se que o processo de descarga levou 800 milissegundo. e que o intervalo de tempo médio de uma descarga elétrica é de 2.08. UEL-PR Pela secção reta de um condutor de eletricidade passam 12 C de carga elétrica a cada minuto. ela se descarrega completamente. 34.0 · 1013 partículas. Nesse condutor. Calcule a intensidade dessa corrente elétrica. e que não é possível avaliar o intervalo de tempo médio de uma descarga elétrica. Uma esfera metálica possui um excesso de 20 · 1016 elétrons. em ampères. A carga que atravessa o circuito. Pode-se concluir que essas três informações são: a) coerentes. c) 5. neste intervalo de tempo.1 · 10 4 C. b) coerentes. fornecida por uma bateria. d) conflitantes. –1. 39. a carga elétrica envolvida na descarga atmosférica é da ordem de 10 coulombs. Nesse intervalo de tempo.000 41. 7. c) 10. a corrente elétrica média vale. durante 5 minutos. c) conflitantes. a intensidade da corrente elétrica. 35.0 · 1013 partículas b) íons de metal. Ao ser ligada à terra através de um fio condutor. aproximadamente. são: a) prótons. quando comparados ao número de prótons. 2 · 105 íons de K+ atravessam a membrana de uma célula nervosa em 1. pode-se dizer que o filamento da lâmpada foi atravessado por: a) 720 coulombs de carga elétrica b) 720 elétrons c) 360 coulombs de carga elétrica d) 180 elétrons e) 180 prótons 36.2 µA percorre um condutor metálico.0 · 1019 partículas d) elétrons.0 · 1016 partículas c) prótons. O tipo e o número de partículas carregadas que atravessam uma seção transversal desse condutor.000 d) 10. e) 600.6 · 10 –19 C.20. cerca de 20 coulombs. 42.000 h b) 3 min c) 3 h d) 11 min e) 0. encontra-se. 7. 14. uma corrente elétrica de 2 ampères. e que o intervalo de tempo médio de uma descarga elétrica é de 2. a carga total (em C) liberada pela bateria é a) 0. b) 2.0 s. por segundo. deve-se esperar para que passe pela secção reta transversal do fio a quantidade de carga igual a 1.0 milisegundo.0. e que o intervalo de tempo médio de uma descarga elétrica é de 0.1 A). 7. Esse metal foi utilizado na construção de um fio e nele se fez passar uma corrente elétrica com intensidade de 1 A.5. PUC-MG Em um relâmpago. 37.1 · 10 4 C? a) 11.0 · 1016 partículas e) elétrons.0 s.4 A e) 0. PUC-SP Uma corrente elétrica de intensidade 11. e) conflitantes. aproximadamente. Sabendo-se que ela fica ligada durante 1 hora.4. é de: a) 2 A b) 10 C c) 4 · 10 –3 C d) 600 C e) 1. podese dizer que a corrente elétrica média que atravessou o fio foi de: (e = 1. em ampères: a) 10 b) 100 c) 1. Se o relâmpago dura cerca de 10 –3 segundos.11 h 40. UFRGS-RS Somando-se as cargas dos elétrons livres contidos em 1 cm3 de um condutor metálico. Vunesp Mediante estímulo.de 10.200 C 38.04 A PV2D-06-FIS-44 61 . e que o intervalo de tempo médio de uma descarga elétrica é de 0. Fatec-SP Num circuito de corrente contínua circula. 14. UFSM-RS Uma lâmpada permanece acesa durante 5 minutos por efeito de uma corrente de 2 A.6 · 10 –19 C.002 s.6 · 10 –19 C) a) 40 A b) 4 A c) 1 A d) 0. Uma pequena lâmpada de lanterna é ligada a uma pilha que lhe fornece uma corrente elétrica de 100 mA (0. Quanto tempo. d) 150. A carga elementar é e = 1. sabendose que a carga elementar é 1. d) 7. é igual a: a) 0.

por meio das descargas elétricas. Um componente elétrico é percorrido por uma corrente elétrica que varia com o tempo de acordo com a função i = 10 + 5 · t.0 · 1020 elétrons c) 5. com a diferença de que o cientista.0 · 1022 elétrons d) 5. Vunesp Suponha que num experimento de eletrólise.6 · 10 –19 C a) 1022 b) 1024 c) 1026 d) 1028 e) 1030 44. Sabendo que a carga elementar vale e = 1. pode-se dizer que a corrente elétrica que atravessa o chuveiro vale: a) 9. muito maldosamente.0 · 1022 elétrons b) 8.6 A b) 12. Qual a corrente do feixe em unidades de 10 –4 A? Dado: carga elementar e = 1. indicada pelo amperímetro A será: a) 0 b) 1 c) 2 d) 3 e) 6 62 .6 · 10 –19 C. Garfield. teve o cuidado de isolar a si mesmo de seu aparelho e de manter-se protegido da chuva de modo que não fosse eletrocutado como tantos outros que tentaram reproduzir o seu experimento. O gráfico a seguir indica como varia a intensidade da corrente elétrica que atravessa um condutor metálico em função do tempo. Determine o valor da intensidade da corrente elétrica média no intervalo entre t = 0 e t = 4 s. 100 raios por segundo. onde i é a corrente elétrica em ampères e t é o tempo em segundos. em média.0 · 1020 elétrons a cada 10 segundos. 45. pode-se dizer que o número de elétrons que atravessa esse condutor no intervalo entre t = 0 e t = 10 s é: a) 8. sabe-se que uma descarga elétrica na atmosfera pode gerar correntes elétricas da ordem de 105 ampères e que as tempestades que ocorrem no nosso planeta originam. UFPE Suponha que o feixe de elétrons em um tubo de imagens de televisão tenha um fluxo de 8 · 1015 elétrons por segundo. PUC-SP Na tira.6 · 10 –19 C a) 13 b) 15 c) 17 d) 19 e) 23 A corrente. Hoje. por segundo. a) 10 A d) 25 A b) 15 A e) 30 A c) 20 A 47. Isso significa que a ordem de grandeza do número de elétrons que são transferidos.0 · 1020 elétrons e) 1.6 · 10 –19 C.28 · 1021 elétrons 48. 3 coulombs de carga positiva e 3 coulombs de carga negativa atravessem o plano PP’ durante 1 segundo. O fio que leva energia elétrica para um chuveiro é atravessado por 8.43.2 A d) 18. em ampères. aproximadamente: Use para a carga de 1 elétron: 1. Sabendo-se que o valor da carga elementar é e = 1.8 A 46.8 A c) 15.0 A e) 21. representado pela figura a seguir. é. reproduz o famoso experimento de Benjamim Franklin. na época. Franklin descobriu que os raios são descargas elétricas produzidas geralmente entre uma nuvem e o solo ou entre partes de uma mesma nuvem que estão eletrizadas com cargas opostas.

Um condutor é percorrido por uma corrente. O gráfico abaixo representa a intensidade da corrente elétrica i em um fio condutor. qual a corrente do feixe. PUC-SP No interior de um condutor homogêneo.2 kWh c) 48. em mA? a) 2 b) 7.000 btu/h emprega potência aproximada de 4.49. a intensidade da corrente elétrica varia com o tempo.6 · 1020 b) 1.8 s. a energia gasta num mês.0 – 1. Se a velocidade dos elétrons for 5 · 107 m/s. (Considere e = 1. mas varia aproximadamente de acordo com o gráfico a seguir.3 kWh 63 PV2D-06-FIS-44 . a) 3. como mostra o diagrama a seguir: a) Determine o número de elétrons que atravessa o filamento da lâmpada no intervalo entre t = 0 e t = 0.6 · 10 –19 C) 50. dando origem a uma molécula de nova substância.20 m no espaço evacuado entre o emissor de elétrons e a tela do tubo.00 h a energia elétrica consumida será: a) 26.5 kWh d) 75.5 c) 15 d) 20 e) 25 51. quando em funcionamento. Calcule a intensidade média da corrente elétrica nos vinte primeiros segundos. Usualmente. por exemplo. entre os instantes 1 min e 2 min.6 · 10 –19 C.6 · 1018 d) 1. em quilowatt-hora. sendo 1 btu/h = 0.1 kWh e) 94.6 · 10 –2 A. um condicionador de ar de 15. e o número de elétrons no feixe for 2. Durante os primeiros décimos de segundo após uma lâmpada ser ligada.4 kWh b) 36. entre os instantes t1 = 0 e t2 = 2. requer de sua bateria uma corrente i = 1. Sendo de 100 watts a potência elétrica de cada lâmpada.6 · 1016 52. em função do tempo transcorrido t. segundo a função: i = 2. algumas unidades do sistema inglês ainda são utilizadas. b) Determine o valor da corrente elétrica média no intervalo entre t = 0 e t = 0. UFPE O feixe de elétrons no tubo de um monitor de vídeo percorre a distância de 0. 53.8 · 1020 c) 3. que permanecem acesas 6 horas por dia. é de: a) b) 1 A 60 10 A 6 d) e) 1 A 20 1 A 200 c) 50 A 54. btu (british thermal unit). como.0 t (SI) Calcule a carga que atravessa uma secção do condutor. é de: a) 10 b) 30 c) 60 d) 120 e) 180 56.5 · 10 9 /m. FAAP-SP Uma casa possui 10 lâmpadas.8 · 1018 e) 1. Quantas dessas moléculas serão formadas em uma hora de funcionamento do rádio? A carga do elétron vale 1. com intensidade i variável com o tempo t. Pode-se afirmar que o valor médio da intensidade da corrente elétrica. UFC-CE Um receptor de rádio.3 s 55.0 s. eles reagem quimicamente com o eletrólito. Cada vez que dois elétrons saem do cátodo. a potência de aparelhos de ar-condicionado é expressa em btu/h. a corrente elétrica que a atravessa não é constante. PUC-RS Apesar do amplo emprego do Sistema Internacional de Unidades. Assim.40 kW e em 6.293 W.

4 kJ b) 14. existe também um outro chuveiro (B).600 W – 220 V). e permanecem funcionando por 5 minutos. esquece o computador ligado durante 60 horas num final de semana.400 W/6.400 W/6. O valor aproximado da corrente elétrica total que passa pelo fio e o gasto de energia com esses três aparelhos. Sabendo que a potência do chuveiro é 2. concluímos que: a) o chuveiro A consome o dobro da energia elétrica consumida pelo chuveiro B. b) o chuveiro B consome o dobro da energia elétrica consumida pelo chuveiro A. de mesma finalidade. 58. o valor em ampéres.44. que possui a inscrição nominal (4. Ao instalar o chuveiro. Fatec-SP Um fio de extensão está ligado numa tomada de 110 V. c) o chuveiro A consome uma vez e meia a energia elétrica consumida pelo chuveiro B. Calcule a intensidade da corrente que circula nesse circuito quando todos os aparelhos estão ligados.000 W.4 kWh c) 4 J 59. Mackenzie-SP Em uma certa residência.5 mm. Univas-MG Numa casa. 60. podemos deduzir que o custo da energia elétrica consumida. após 5 minutos. Comparando-se o consumo de energia elétrica dos dois chuveiros. d) o chuveiro B consome uma vez e meia a energia elétrica consumida pelo chuveiro A. Supondo que o preço de 1 kWh é de R$ 0. uma lânpada de 60 W e um secador de cabelos de 200 W. . pois a corrente que o fio suporta é suficiente e seu custo é menor que o de fios com diâmetros superiores d) você deve comprar o fio com diâmetro de 2.00 e) 2. Imagine que a tabela abaixo represente o diâmetro do fio de cobre. Vunesp Na instalação elétrica de uma casa. Esse fio de extensão tem três saídas. pois a corrente que o fio suporta é suficiente e seu custo é menor que o de fios com diâmetros superiores b) você deve comprar o fio com diâmetro de 1. A ddp na rede é de 110 V. 60 W) ficou acesa durante 30 dias.0 mm. UFJF-MG Um estudante de Ensino Médio.57.0 mm. UFJF-MG Imagine que você tenha comprado um chuveiro elétrico para ser alimentado por uma tensão de 120 V e que a potência consumida seja de 3. ou seja. Esses aparelhos estão ligados em paralelo.000 61.3 · 105 J d) 7 A e 2. pois a corrente que o fio suporta é suficiente e seu custo é menor que o de fios com diâmetros superiores e) você deve comprar o fio com diâmetro de 3.3 · 105 J 5J b) 2 A e 7.5 d) 10 b) 1 e) 50 c) 5 64 Assim. existe um chuveiro elétrico (A) de indicação nominal (4. uma lâmpada com as características (110 V. nas quais estão ligados um aquecedor de 500 W.5 mm.2 · 105 J c) 7 A e 5.0 mm. a potência elétrica dissipada pelo computador é de 240 W. que costuma usar o computador para fazer pesquisas na Internet.00 63. há um disjuntor para proteger o circuito de um chuveiro elétrico. todos estão submetidos à tensão de 110 V. Esse chuveiro possui uma chave reguladora que possibilita dispor-se de água morna na posição Verão e de água mais quente na posição Inverno. quando funcionando simultaneamente.00 d) 19.4 · 105 J 62. para dois banhos idênticos. você precisa decidir sobre o diâmetro do fio que deve ser conectado à rede elétrica para alimentar o chuveiro.500 150 400 1. podemo afirmar que: a) você deve comprar o fio com diâmetro de 1. e) os dois chuveiros consomem a mesma quantidade de energia. pois a corrente que o fio suporta é suficiente e seu custo é menor que o de fios com diâmetros superiores c) você deve comprar o fio com diâmetro de 2.00 c) 62. pois a corrente necessária para alimentar o chuveiro é de 36 A.000 W e a tensão na rede é 220 V. Um circuito elétrico residencial tem os aparelhos elétricos da tabela a seguir. em R$.00 b) 140. onde aparecem suas potências médias. nessa situação. Entretanto. a energia desnecessariamente gasta enquanto o computador esteve ligado foi de: a) 4 kWh d) 14.600 W – 110 V). Sabendo-se que. a corrente elétrica máxima permitida e o preço por metro. são respectivamente: a) 2 A e 8. foi cerca de: a) 218.2 · 10 e) 10 A e 1. mais indicado para a corrente máxima do disjuntor deve ser aproximadamente igual a: a) 0.4 W/h e) 14. Aparelho Lâmpada Lâmpada Chuveiro TV Geladeira Ferros Quantidade 4 2 1 1 1 1 Potência (W) 60 100 4.

Cada elétron que compõe essa corrente transfere ao resistor. na rede que o alimenta.000 toneladas. e) Substituiu o velho disjuntor de 40 ampères por um novo. 65 questão energética e a crise ambiental. Nesse mesmo ano. em paralelo ao chuveiro. Em uma certa residência há um ferro elétrico de 600 watts de potência que funciona meia hora por dia.00 c) R$ 2.0 · 10 –19 joules. uma torneira com a inscrição 2. Supondo-se que o preço do quilowatt-hora seja de R$ 0.00 b) R$ 0.00 66. c) Substituiu o velho disjuntor de 10 ampères por um novo.50 b) R$ 7. A partir desses dados. Mackenzie-SP Um chuveiro elétrico apresenta a inscrição: Suponha que uma residência tenha objetos de alumínio em uso cuja massa total seja 10 kg (panelas.00 c) R$ 1.200 W − 220 V podemos afirmar que: a) o fusível queimará somente se o chuveiro estiver ligado na posição “Verão“. qual das alternativas abaixo melhor representa o custo mensal médio da energia consumida por este ferro elétrico? a) R$ 13. os jovens verificaram. tendo sido consumidos cerca de 20 kWh de energia elétrica por quilograma do metal. ENEM O alumínio se funde a 666 ºC e é obtido à custa de energia elétrica. Piracicaba: UNIMEP. pelos mesmos 20 minutos diários.000 ºC. Vunesp Um jovem casal instalou em sua casa uma ducha elétrica moderna de 7. PV2D-06-FIS-44 . e) o fusível queimará mesmo se ligada a torneira.400 W (inverno) − 220 V Quando ligado corretamente. Felizmente. Numa conta mensal de energia elétrica de uma residência com quatro moradores. Se cada banho tem duração de cinco minutos.) O consumo de energia elétrica mensal dessa residência é de 100 kWh. na produção desses objetos utilizou-se uma quantidade de energia elétrica que poderia abastecer essa residência por um período de a) 1 mês d) 4 meses b) 2 meses e) 5 meses c) 3 meses 70. Se ligarmos.700 W: na posição “inverno” fornece 4.5% estima-se corresponder ao alumínio. b) Substituiu o velho disjuntor de 20 ampères por um novo.700 t/dia. tanto se o chuveiro estiver ligado na posição “Verão“ como na posição inverno.20 e) R$ 20.64. 1994) 2. José.800 W. Substituiu o velho disjuntor por outro.50 b) R$ 27.14 d) R$ 2. de 20 ampères. no ano de 1985. 65. José resolveu usar o chuveiro com o seletor na posição “verão“. Fatec-SP Um chuveiro elétrico tem seletor que lhe permite fornecer duas potências distintas: na posição “verão” o chuveiro fornerce 2. leêm-se. c) o fusível queimará de qualquer forma. está protegido. A produção brasileira de alumínio. naturalmente – os socorreu. b) o fusível queimará somente se o chuveiro estiver ligado na posição “Inverno“. de 30 ampères.20. janelas. um de cada vez. d) o fusível não queimará de maneira alguma. ou seja. No entanto. um amigo físico.700 watts/220 volts. de 40 ampères. P. assinale a única alternativa que descreve corretamente a possível troca efetuada pelo amigo. na forma de energia térmica.30.00 c) R$ 15.M. Sendo assim.90 Cada um dos quatro moradores toma um banho diário. a) Substituiu o velho disjuntor de 20 ampères por um novo. desarmava-se o disjuntor (o que equivale a queimar o fusível de antigamente) e a fantástica ducha deixava de aquecer. num chuveiro elétrico de 3 kW. estimou-se a produção de resíduos sólidos urbanos brasileiros formados por metais ferrosos e não-ferrosos em 3.40 67. que nunca falhou. foi da ordem de 550. de 20 ampères.300 watts / 220 volts. (Adaptado de FIGUEIREDO. todos os dias.200 W ( verão) / 4. desiludidos.50 e) R$ 45. isso representará uma economia diária de aproximadamente: a) R$ 0. durante 20 minutos. de maneira que a ducha funcionasse normalmente. das quais 1. Pretendiam até recolocar no lugar o velho chuveiro de 3. latas etc.6 · 10 –19 coulomb). d) Substituiu o velho disjuntor de 30 ampères por um novo. 8. a d) R$ 1. Sabe-se que o preço pago para a companhia de energia para cada quilowatt-hora (kWh) consumido é de R$ 0. A sociedade do lixo: resíduos. que toda vez que ligavam a ducha na potência máxima. Sendo assim. A que diferença de potencial está submetido o resistor? (Carga do elétron = 1. o custo ao final de um mês (30 dias) da energia consumida pelo chuveiro é de: a) R$ 4. os seguintes valores: 68. o dono desse chuveiro usa-o diariamente na posição “inverno“. de 40 ampères. sob a mesma ddp de 220 V.J.50 d) R$ 22. por um fusível com tolerância de até 30 A.70 69. Um kWh representa o trabalho realizado por uma máquina desenvolvendo potência igual a 1kW durante 1 hora. Surpreso com o alto valor de sua conta de luz. entre outros. Vunesp As companhias de eletricidade geralmente usam medidores calibrados em quilowatt-hora(kWh). Vunesp Um certo resistor é percorrido por uma corrente elétrica.50 e) R$ 0. por eletrólise–transformação realizada a partir do óxido de alumínio a cerca de 1.

Como o menino dormia em média 10 horas por dia.M. UFG-GO Uma pessoa compra uma lâmpada fluorescente de 20 W/220 V. funcionando 2 horas por dia. Uniube-MG Um menino. Catanduva-SP (modificado) A figura a seguir representa as curvas características de três condutores X.5 W cada para o Natal. a partir do acordo. é da ordem de 60 m/W e. em coulombs. nas lâmpadas incandescentes da ordem de 15 m/W. Qual é a eficiência luminosa da lâmpada incandescente.000 W c) 144 W 73. Considerando o preço de 1 kWh igual a R$ 0. Em uma residência. Fuvest-SP As lâmpadas fuorescentes iluminam muito mais que as lâmpadas incandescentes de mesma potência. Nas lâmpadas fluorescentes compactas. a eficiencia luminosa. 10 lâmpa- . com referência 200 W-110 V. em kWh. ECM-AL Uma máquina de lavar roupa.30. Nesse caso. que não conseguia dormir de luz apagada. aproximadamente: a) 36 W d) 324 W b) 90 W e) 1. em joules? 77.6 watt-hora.71. com a justificativa de que ele funciona ininterruptamente 24 horas por dia. com referência 1000 W-110 V. a) Qual a potência total dissipada se 30% das lâmpadas estiverem acesas simultaneamente? b) Qual a energia. que atravessou o componente no intervalo entre t = 0 e t = 3 s. em uma residência.200 W. Através de um potenciômetro.30. Unicamp-SP Uma loja teve sua fachada decorada com 3. 79. e um chuveiro elétrico. a) Determine a quantidade de carga elétrica. durante 30 dias. determine: a) a potência dissipada por Y quando submetido a uma tensão de 30 V. Mantendo-se. observa-se que o disco executa uma volta a cada 40 segundos. a potência da lâmpada de seu quarto era de: a) 150 W c) 50 W b) 75 W d) 7. a potência consumida por esse equipamento é de. fez um acordo com seu pai: dormiria 15 noites no mês com a luz desligada. Y e Z.000 lâmpadas de 0. consumirão. uma quantidade de energia elétrica igual. em média. a: a) 20 d) 72 b) 40 e) 90 c) 68 80. está o desligamento do rádio-relógio. visível externamente. A média do consumo de energia elétrica da família era de 150 kWh por mês. admitindo-se uma eficiência luminosa de 55% para a lâmpada fluorescente? a) 7% d) 10% b) 8% e) 11% c) 9% 74. Unifesp O consumo de uma casa deve ser reduzido de 90 kWh por mês para atingir a meta de racionamento estabelecida pela concessionária de energia elétrica. apenas um equipamento ligado. aproximadamente. F. faz-se com que a intensidade da corrente elétrica que atravessa o componente varie em função do tempo de acordo com a equação: i=4+2·t na qual i é medida em ampéres e t é medido em segundos. do total a ser economizado essa medida corresponde.5 W 75. sendo que. b) a potência dissipada por X quando submetido a uma tensão de 60 V. Um componente elétrico é ligado em uma fonte de tensão ideal de força eletromotriz constante de 12 V. qual seria o gasto da loja durante 30 dias nas condições do item b? 66 76. a: a) 0. Entre os cortes que os moradores dessa casa pensam efetuar. Sabendo que a potência de um rádio-relógio é de 4 watts. Cada rotação completa do disco corresponde a um consumo de energia elétrica de 3.9% d) 30% b) 3% e) 90% c) 9% 72. que pode girar. se quatro pessoas tomarem banho diariamente. c) qual dos condutores dissipa maior potência quando submetido a uma tensão de 90 V. houve uma economia mensal de 5%. Essas lâmpadas são do tipo pisca-pisca e ficam apagadas 75% do tempo. com a seguinte informação adicional: “Equivalente à lâmpada incandescente de 100 W”. Fuvest-SP No medidor de energia elétrica usado na medição do consumo de residências há um disco. em kWh. qual é o custo mensal da energia elétrica. b) Qual a quantidade de energia elétrica consumida por esses componentes no intervalo de t = 0 a t = 3 s. medida em lumens por watt(m/W). sendo que cada um demora 10 minnutos? 78. gasta com essa decoração ligada das 20:00h até às 24:00h ? c) Considerando que kWh custa R$ 0. O chuveiro elétrico de uma residência possui potência de 4. Analisando o gráfico. em troca de um aumento da sua mesada.

um choque produzido por uma corrente de apenas 4 mA e que a resistência da porção do corpo envolvida seja de 3. d) uma descarga elétrica produzida por um raio num dia de chuva. Supondo que a resistência elétrica deste elemento não dependa da diferença do potencial nele aplicada. a economia mensal na conta de energia elétrica dessa residência será de. c) os contatos de uma bateria de automóvel de 12 V.00 81. quando uma tensão de 1. Tais efeitos dependem de fatores como a intensidade de corrente elétrica.000 W ou uma lâmpada de 60 W que permanece ligada durante 24 horas? Justifique.00 c) R$ 27. 82. esse fusível deve suportar a corrente utilizada na operação normal dos aparelhos da residência. em média 6 horas por dia e que o preço da energia elétrica é de R$ 0. Por outro lado. Unicamp-SP Um LED (do inglês Light Emiting Diode) é um dispositivo semicondutor para emitir luz.2 V é aplicada? b) Qual é a potência de saída (potência elétrica transformada em luz) para essa voltagem? Qual é a eficiência do dispositivo? c) Qual é a eficiência do dispositivo sob uma tensão de 1. PV2D-06-FIS-44 67 . Então. podemos afirmar que o choque elétrico pode ter sido devido ao contato com: a) uma pilha grande de 1. para evitar danos na instalação elétrica. b) os contatos de uma lanterna contendo uma pilha grande de 6. Suponha. aproximadamente. usado em controles remotos.000 Ω.20 por kWh. 6 Potência (kW) 5 4 3 2 1 0 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 Hora a) Qual será o valor mínimo da corrente que o fusível deve suportar? b) Qual a energia. por exemplo. resistência da porção do corpo envolvida. Unicamp-SP O gráfco abaixo representa a potência (em kW) consumida por uma residência ao longo do dia. em função da diferença de potencial U sobre o elemento x. em kWh.22? 83. determine a corrente elétrica.00 d) R$ 36. a) R$ 12. consumida em um dia nessa residência? c) Qual será o preço a pagar por 30 dias de consumo se o kWh custa R$ 0. Sua potência depende da corrente elétrica que passa através desse dispositivo. duração.00 b) R$ 20.0 V.00 e) R$ 144.5 V? Capítulo 2 84. A residência é alimentada por uma tensão de 120 V e possui um fusível que queima se a corrente ultrapassar um certo valor. controlada pela voltagem aplicada. que circularia se uma diferença de potencial de 96 V fosse aplicada ao elemento. em ampères. Os gráficos a seguir representam as características operacionais de um LED com comprimento de onda na região do infravermelho. de um circuito elétrico. Admitindo que as lâmpadas ficam acesas. 85.5 V. e) os contatos de uma tomada de rede elétrica de 120 V. UFPE O gráfico a seguir mostra a corrente elétrica i em um elemento x. UEPA Os choques elétricos produzidos no corpo humano podem provocar efeitos que vão desde uma simples dor ou contração muscular até paralisia respiratória ou fibrilação ventricular. PUC-SP (modificado) O que consome mais energia elétrica: um banho de 30 minutos em um chuveiro elétrico de potência 5. a) Qual é a potência elétrica do diodo.das incandescentes de 100 W são substituídas por fluorescentes compactas que fornecem iluminação equivalente (mesma quantidade de lumens).

foi medida a respectiva corrente elétrica I. O gráfico que representa o resultado das medidas é: Com base nas informações contidas no gráfico. quando ligada em uma rede de 220 V é percorrida por uma corrente elétrica de intensidade 1.000 Ω d) 3. em função da tensão U aplicada aos seus terminais.0 6. d) os condutores X e Y são ôhmicos. uma tensão de 6 V é aplicada entre os dedos de uma pessoa. c) o condutor Z é ôhmico.1 A c) 100 Ω e 1. UERJ Num detector de mentiras. Fuvest-SP Estuda-se como varia a intensidade i da corrente que percorre um resistor. Ao responder a uma pergunta.60 1. 91.0 5.000 Ω e) 6.5 15 25 30 U (V) 1. Os resultados estão na tabela que segue. a resistência elétrica deste componente vale: a) 5 Ω d) 12 Ω b) 10 Ω e) 2.Considerando que o filamento da lâmpada possa ser considerado ôhmico. Nesse caso. em µ A.86.5 Ω c) 20 Ω 90.5 3. cuja resistência é constante e igual a 2 Ω.0 De acordo com os dados da tabela. qualquer que seja a tensão elétrica. e) os condutores X e Z são ôhmicos. Condutor X I (A) 0. Vunesp Um determinado componente elétrico tem a equação característica U = 5 · i2 onde U é a tensão elétrica aplicada em seus terminais (em volts) e i é a corrente elétrica que o atravessa (em ampères). pode-se dizer que sua resistência elétrica e a corrente que a atravessa quando ligada em uma rede de 110 V valem. c) a resistência elétrica do resistor tem o mesmo valor. UEL-PR Durante um teste com um resistor elétrico. para cada tensão. de: a) 5 c) 15 b) 10 d) 20 87.0 4. UEL-PR Três condutores X. e) o resistor é feito de um material que obedece à Lei de Ohm. a corrente no detector apresentou variação.5 3.0 6. um técnico faz várias medidas da diferença de potencial U aplicada em seus terminais e da corrente elétrica I que o atravessa.0 Condutor Y I (A) 0.2 A e) 50 Ω e 1.50 U (V) 1. a potência elétrica consumida quadruplica. d) dobrando-se a corrente elétrica através do resistor.500 Ω c) 2.2 1. ele constrói o gráfico abaixo: 89.55 A d) 100 Ω e 0.000 Ω 68 .55 A b) 200 Ω e 2.45 0.0 8. Uma lâmpada comum.35 0. b) a resistência elétrica do resistor aumenta quando a corrente elétrica aumenta. Para i = 2 A.0 Condutor Z I (A) 7.5 3.20 0.30 0. Y e Z foram submetidos a diferentes tensões U e. qual melhor representa a resistência elétrica deste resistor? a) 1. é correto afirmar que a) a corrente elétrica no resistor é diretamente proporcional à tensão elétrica. com a finalidade de verificar se os condutores eram ôhmicos. somente: a) o condutor X é ôhmico. UFMG O gráfico a seguir mostra como varia a tensão elétrica em um resistor mantido a uma temperatura constante em função da corrente elétrica que passa por esse resistor.000 Ω b) 1. Com os dados obtidos. 92.6 U (V) 1. a resistência entre os seus dedos caiu de 400 kΩ para 300 kΩ.5 6.1 A 88.1 A. respectivamente: a) 200 Ω e 0. Dos valores abaixo. b) o condutor Y é ôhmico.

93.000 W e 110 V tem resistência elétrica R1 e outro de 4. UFV-MG O filamento de uma lâmpada incandescente. b) A corrente elétrica que percorre o resistor é proporcional à sua resistência.44 b) 2. o chuveiro não consegue esquentar a água a uma temperatura ideal para um bom banho quente.0 e) 8. encontramos o valor Ro = 4 Ω. ele nota que o aquecimento da água deixou a desejar. ele acabou comprando um chuveiro com a seguinte inscrição: 220 V – 4. PUC-SP Um chuveiro de 3. aproximadamente. a razão R/Ro? a) 0. Um eletricista deve instalar um chuveiro elétrico em uma residência onde a rede elétrica tem tensão de 110 V. 95. c) A corrente elétrica que percorre o resistor é proporcional ao quadrado da sua resistência.00 101. UFRGS-RS Uma lâmpada de lanterna.60 d) 1. Medindo a resistência elétrica do filamento à temperatura ambiente (isto é: estando a lâmpada desligada). levando consigo um aquecedor elétrico. isto é. d) A potência dissipada no resistor é proporcional ao quadrado da sua resistência. determine: a) Qual é o valor da resistência elétrica do chuveiro? b) Quantos joules de energia por segundo o chuveiro transfere para a água. quando instalado na tensão de 110 V? PV2D-06-FIS-44 69 . devo mudar a sua resistência para o seguinte valor. sabendo-se que a ddp na rede em São José dos Campos é de 220 V.0 c) 2. Observando o aparelho por um bom tempo.0 b) 1. e) duas vezes menor.050 W – 220 V. Um disjuntor de proteção foi instalado para este ferro de passar e deve se desarmar (“abrir”) com uma corrente 50% maior que acorrente nominal de operação do ferro. O que deverá ele fazer para manter a mesma potência de seu aquecedor elétrico. Uniube-MG Um ferro de passar roupa com potência de 1. Mackenzie-SP Um resistor é submetido a uma ddp fixa.400 W. a) A potência dissipada no resistor é proporcional à sua resistência. possui uma resistência de 200 Ω. Fuvest-SP Ganhei um chuveiro elétrico de 6. Qual deve ser a corrente especificada para o disjuntor? a) 10 A b) 15 A c) 20 A d) 120 A 96. tem-se uma corrente i quando ela é ligada a uma diferença de potencial V. ITA–SP Pedro mudou-se da cidade de São José dos Campos para São Paulo. Sendo R$ 0. em ohms: a) 0. Sendo R o valor da resistência do filamento à temperatura de operação. qual é. e) A potência dissipada no resistor é inversamente proporcional à sua resistência. que traz as especificações 0. 100. quando a lâmpada permanecer acesa durante 100 horas.00 94. UFMG Numa resistência elétrica R.0 99. Assinale a alternativa correta.200 W está conectado à rede de alimentação com uma tensão de 120 V. Após comprar o aparelho e instalá-lo. c) oito vezes maior.5 d) 4. de 110 V . tem seu filamento projetado para operar a alta temperatura. será: a) it b) iV c) iRt d) V2/R e) Vit 97.10 b) 0. ligada a uma tomada de 120 V. ele descobre o problema: por engano. A razão 2 vale R1 a) b) 3 4 4 3 d) 3 e) 4 c) 2 98. b) quatro vezes maior. enquanto em São Paulo é de 110 V? Deve substituir a resistência do aquecedor por outra: a) quatro vezes menor. A energia elétrica dissipada na resistência.00 d) 1.9 W e 6 V.66 e) 10.80 c) 4.40 e) 4. Supondo que a resistência elétrica do chuveiro possa ser considerada ôhmica. Para que esse chuveiro forneça a mesma potência na minha instalação. num intervalo de tempo t. o valor gasto em reais será de: a) 1.000 W e 220 V tem resistência R elétrica R2.60 c) 1.20 o custo do quilowatt-hora. d) oito vezes menor.

então. o seguinte gráfico: Curva tensão x potência para a lâmpada O fato de o valor da resistência ficar desprezível abaixo de uma certa temperatura caracteriza o fenômeno da supercondutividade.002 0.000 A. Fuvest-SP O gráfico adiante representa o comportamento da resistência de um fio condutor em função da temperatura em K. UERJ Comercialmente.2 J. Ele obteve. Considere 1 cal 4.000 A c) 2. podemos afirmar que: a) O estudante passou a ter uma dissipação de calor no filamento da lâmpada acima da qual ele pretendia (mais de 25 W). a sua economia será de: a) 1.003 0.0 A dissipa uma potência de 600 W. c) a lâmpada não acendeu em 127 V d) a lâmpada. através das medições em sua oficina. impressas sob a forma de anéis no próprio corpo do resistor. 106. tão logo ligada. B e C correspondem aos números indicados na seguinte tabela: a) Determine a potência nominal da lâmpada a partir do gráfico acima. mas não pôde ler o valor da potência. 104.14 kWh d) 1. À temperatura ambiente de 300 K a linha seria percorrida por uma corrente de 1. PUC-SP Uma das alternativas usadas pelas companhias de eletricidade para reduzir o consumo de energia elétrica nos períodos de grande demanda é reduzir os valores da tensão estabelecida nas residências. então uma lãmpada de 100 W fabricada para 200 V.6 kWh 0.102. Ele queria uma lâmpada de 25 W de potência que funcionasse com 127 V mas a loja tinha somente lâmpadas de 220 V. deve apresentar. se a temperatura do fio fosse baixada para 100 K? a) 500 A d) 3. 103. Calcule o valor da resistência e indique a seqüência de cores CBA que um resistor comercial.Tal resistência. b) Calcule a corrente na lâmpada para os valores nominais de potência e tensão.200 W e que será utilizada em determinado mês (30 dias) na tensão de 108 V.08 kWh c) 0. A e B são. queimou. e) a lâmpada funcionou em 127 V perfeitamente. ITA-SP Um estudante do ITA foi a uma loja comprar uma lâmpada para o seu apartamento. A tensão da rede elétrica do alojamento dos estudantes do ITA é 127 V.000 A e) 4.2 kWh b) 6 kWh e) 1. Pôde ver que a tensão nominal era de 130 V. mas a tensão na cidade de São José dos Campos é de 220 V.001 0 70 100 200 300 T (K) . Comprou. Suponha uma torradeira cujos dados nominais são 120 V–1. os algarismos da dezena e da unidade e C é a potência de 10 do valor da resistência em ohms. Qual seria o valor da corrente na linha. dando potencial nominal de 100 W.004 0. A resistência do aparelho usado por uma bailarina para ferver a água para o café deve ser substituída. R () Nessa convenção. com esse valor de resistência. com a mesma perda de energia. b) a potência dissipada na lâmpada passou a ser menor que 25 W. c) Calcule a resistência da lâmpada quando ligada na tensão nominal.000 A b) 1. ao ser atravessada por uma corrente de 1. os resistores têm seus valores de resistência identificados a partir de um código de três cores.000 A 105. Sabendo-se que a torradeira é utilizada diariamente por 10 minutos. As cores utilizadas nos anéis A. respectivamente. Unicamp-SP Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores nominais (valores impressos no bulbo) um tanto apagados. Se pudermos ignorar a variação da resistência do filamento da lâmpada com a temperatura. Pretende-se usar o fio na construção de uma linha de transmissão de energia elétrica em corrente contínua. com uma certa perda de energia na linha. e ligou-a em 127 V.

UFSCar-SP O laboratório de controle de qualidade em uma fábrica para aquecedores de água foi incumbido de analisar o comportamento resistivo de um novo material. através de J. por meio de fios de resistência desprezível. lidos simultaneamente nos aparelhos do experimento. ligada à terra. pôde-se constatar que.200 W d) 10 A e 1. foram anotados simultaneamente os valores da tensão elétrica e da correspondente corrente elétrica gerada no fio. 15 W (dados do fabricante). qual o valor do resistor. UFPE O resistor de um chuveiro elétrico tem três pontos de contato. Fuvest-SP A figura representa uma câmara fechada C. Os resultados desse monitoramento permitiram a construção dos gráficos. a corrente elétrica e a potência deste chuveiro serão. 110. um novo gráfico foi construído com a mesma variação temporal. Coincidente com o eixo da câmara. conforme indicado na figura. b) Faça um esboço do terceiro gráfico obtido conforme citado no enunciado. stand by). Supondo que a resistência elétrica do chuveiro seja ôhmica. possuem a opção de se manter o aparelho preparado para imediato funcionamento: é o estado “em prontidão” ou “em espera“ (em inglês.000 MW. Neste processo. há uma película J. para esse televisor. durante um banho. pode-se afirmar que. quando ligado. menores são as perdas em relação à potência consumida. são formados 71 PV2D-06-FIS-44 Fazendo variar gradativa e uniformemente a diferença .400 W – 220 V – 20 A. Calcule a corrente na linha de transmissão. Um aparelho de televisão de 29 polegadas. qual é a grandeza física que está representada no eixo vertical? Para o intervalo de tempo do experimento. a um gerador de tensão contínua e a um amperímetro com resistência interna muito pequena. consome.3220 W /2420 W. o fio teve um comportamento ôhmico. O cilindro está preenchido com um gás de tal forma que partículas alfa. Dependendo da posição da chave. Este chuveiro é instalado nesta nova cidade sem nenhuma modificação. quando o chuveiro opera na posição inverno? 108.200 W c) 20 A e 2. em quilowatt-hora e em joules. em segundos. por exemplo. Univali-SC Uma pessoa mudou-se de uma cidade onde a tensão da rede domiciliar é de 220 volts para outra onde só há energia sob tensão de 110 volts. respectivamente: a) 10 A e 4. Neste gráfico. Considerando que a potência consumida na cidade é transmitida com uma tensão de 500 kV. Uma linha de transmissão de 1. de potencial aplicada aos terminais do fio resistivo.400 W b) 10 A e 2. o consumo mensal (30 dias) de energia elétrica em 10 h de funcionamento diário em stand-by. No ponto A. Com os dados obtidos. Em uma de suas extremidades. os valores representados pelo eixo vertical correspondiam aos resultados dos produtos de cada valor de corrente e tensão.100 W e) 20 A e 1. colidem com moléculas do gás podendo arrancar elétrons das mesmas. Televisores e outros equipamentos. a) Uma vez que a variação de temperatura foi irrelevante. para os intervalos considerados no experimento.107. 100 W e. a) A potência consumida é transmitida pela linha e chega à cidade com uma tensão de 200 kV.000 km apresenta uma resistência típica R = 10 Ω. trazendo consigo um chuveiro elétrico com as seguintes especificações elétricas: 4. Determine. já em forma de fio com secção transversal constante. enquanto o eixo horizontal correspondia ao tempo de experimento. que penetram em C. Para um chuveiro que tenha na placa a informação 220 V . liga-se o outro fio de alimentação a um dos outros pontos de contato. A potência consumida na cidade é igual a 1. Justifique esta conclusão e determine o valor da resistência elétrica do fio estudado. em Ω. e assim se estabelece as ligações inverno ou verão. foi conectado. Unicamp-SP Um aspecto importante no abastecimento de energia elétrica refere-se às perdas na transmissão dessa energia do local de geração para o local de consumo. conforme o esquema. qual o significado físico que se deve atribuir à área abaixo da curva obtida no terceiro gráfico? 111. em relação à potência consumida na cidade. em muitos casos. Neste gráfico. está ligado um dos fios de alimentação elétrica. c) Quanto maior a tensão na linha de transmissão.100 W 109. que pode ser atravessada por partículas. de pequena espessura. há um fio condutor F mantido em potencial positivo em relação à terra. de parede cilíndrica de material condutor. b) Calcule a porcentagem da potência dissipada na linha. calcule a porcentagem de perda. quando em stand by. 112. Este material.

d) os dois condutores são feitos de materiais de mesma resistividade. b e c com resistências elétricas Ra. Cortando-se o fio pela metade. são iguais. um par é criado. e lá perdem toda a sua energia cinética. Unitau-SP Um condutor de secção transversal constante e comprimento L tem resistência elétrica R. a. sabe-se que a resistência elétrica R de um fio condutor cilíndrico é diretamente proporcional ao seu comprimento e inversamente proporcional à área de sua secção transversal.íons positivos e igual número de elétrons livres que se dirigem. para cada 30 eV de energia perdida por uma partícula alfa. b) a diferença de potencial V entre os pontos A e B da figura. O que acontecerá com a resistência R’ do novo fio. Analise a situação em que um número n = 2 · 10 4 partículas alfa. no mesmo intervalo de tempo. É correto afirmar que: a) a ddp nos extremos dos dois condutores é a mesma. sendo a resistência R = 5 · 107 D D 2 a) 113. UEL Para variar a potência dissipada por aparelhos tais como chuveiro. determine: a) o número N de elétrons livres produzidos na câmara C a cada segundo. e) os dois condutores dissipam a mesma potência. Os diâmetros das secções transversais e os comprimentos dos fios estão especificados nas figuras abaixo: R 1 = R' 4 R 1 = R' 8 R 1 = R' 2 R =4 R' R =2 R' L 2 b) c) d) e) 116. a cada segundo. de mesmo comprimento. Pela segunda lei de Ohm. b) as resistências elétricas dos dois condutores são iguais. Considere três fios de cobre. Em um projeto.5 MeV. um fio condutor de comprimento L e de diâmetro da seção transversal D teve reduzidos à metade tanto o seu diâmetro quanto o seu comprimento (conforme está representado na figura). Unifor-CE Dois condutores. penetram em C.cada uma com energia cinética igual a 4. aquecedores elétricos e lâmpadas incandescentes são projetados resistores com diferentes resistências elétricas. c) as quantidades de carga elétrica que passam por uma secção reta desses condutores. sendo que. sua resistência elétrica será igual a: a) 2 R b) R/2 c) R/4 d) 4 R e) R/3 114. Rb e Rc respectivamente. para C e para F. Considerando que apenas essas partículas criam os pares elétron-ion. 72 . quando compara à resitência R do fio original? L O número de pares elétron-ion formados é proporcional à energia depositada na câmara pelas partículas alfa. respectivamente. A relação correta entre as resistências Ra. Rb e Rc é: a) Ra > Rb > Rc b) Rb > Ra > Rc c) Rc > Ra > Rb d) Ra > Rc > Rb e) Ra = Rb = Rc 115. são percorridos por correntes de mesma intensidade.

respectivamente. por efeito Joule. UFC-CE Duas lâmpadas. área igual ao dobro da de F2 e chamando de ρ1 e ρ2. Tendo a secção transversal do fio F1. e) L1 brilhará mais.40 b) 0.200 km da usina. as resistividades dos fios F1 e F2.6 cm e comprimento igual a 150 m.0 cm d) 0.80 c) 1. porque diminui a corrente. pois tem menor resistência. diâmetro de secção transversal D e resistência elétrica R. a 1.0 Ω c) 12 Ω d) 24 Ω e) 48 Ω 119.3 cm c) 1. submetidos à mesma diferença de potencial e à mesma temperatura. 125. porque diminui a corrente. e o chuveiro. A resistência elétrica de um fio de mesmo material. 124.8 · 10 –7 Ω · m e π pode ser adotado como 3. pois tem maior resistência. UFSCar-SP A resistência elétrica de um fio de 300 m de comprimento e de 0. c) diminui. mas com o diâmetro de 0.6 cm b) 1. O comprimento do fio utilizado deve ser. respectivamente. dissipam. b) aumenta. foi trocado por outro chuveiro de mesma potência. a razão ρ1/ρ2 tem valor: a) 4 b) 2 c) 1 d) e) o primeiro. pois tem menor resistência.4 e) 3. Para levar a energia elétrica a uma cidade mais distante. UFSCar-SP Por recomendação de um eletricista. Ao ligarmos cada lâmpada a uma tensão de 220 V. A linha de transmissão que leva a energia elétrica de uma usina até uma cidade tem um comprimento de 400 km. ligado em 220 V. o diâmetro deste segundo fio deve ser de aproximadamente: a) 3.1. porque a tensão não foi alterada. são idênticas.0 mm de diâmetro.7 cm e) 0. sua nova resistência elétrica passará a ser: a) R b) R/2 c) R/4 d) 2R e) 4R 120. que também apresenta uma resistência de 2 Ω.6 d) 2. L1 e L2. d) L2 brilhará mais. a) 0. Se duplicarmos seu comprimento e seu diâmetro. PUC-SP Dois fios condutores F1 e F2 têm comprimentos iguais e oferecem à passagem da corrente elétrica a mesma resistência. A resistividade do material é 4. porque aumenta a corrente. porque a potência não foi alterada. as potências P1 e P2 com P1/P2 valendo a) 1 4 1 2 d) 4 b) e) 8 c) 2 123.117. b) no menor consumo de eletricidade desse outro chuveiro. e) permanece a mesma. usa-se um outro fio. UEL-PR Deseja-se construir uma resistência elétrica de 1. observaremos que: a) L1 e L2 terão o mesmo brilho. e) no menor volume de água de que esse outro chuveiro vai necessitar. mantendo-se constante a vazão. UFSM-RS Dois fios condutores do mesmo material e do mesmo comprimento. pois tem maior resistência. 73 1 2 1 4 PV2D-06-FIS-44 121.3 cm 122. c) L2 brilhará mais.2 118. d) no barateamento da fiação do circuito desse outro chuveiro.5 Ω b) 6. d) permanece a mesma. Neste caso. que estava ligado em 110 V. que pode ser mais fina. b) L1 brilhará mais. A vantagem dessa substituição está a) no maior aquecimento da água que esse outro chuveiro vai proporcionar. Cada fio desta linha tem um diâmetro de 1 cm e apresenta uma resistência elétrica de 2 Ω. em metros. PUC-RS Se a resistência elétrica de um chuveiro é reduzida à metade. exceto por uma diferença: a lâmpada L1 tem um filamento mais espesso que a lâmpada L2.0 Ω com um fio de constantan de 1. a temperatura da água: a) aumenta. c) na dispensa do uso de disjuntor para o circuito desse outro chuveiro. o proprietário substituiu a instalação elétrica de sua casa. é de: a) 1. de mesmo material que .3 cm de diâmetro é de 12 Ω. PUC-RS Um condutor elétrico em forma cilíndrica tem comprimento L. com seções retas de áreas A e 2A.

0 V e) – 8. 74 B i A diferença de potencial Uab = Va -Vb a passagem de 1.5.0.4. de um metro de fio 14 e a resistência elétrica. UFPE Um fio de diâmetro igual a 2 mm é usado para a construção de um equipamento médico. em função da distância x. d) 0. e funcionam ambos sob a mesma voltagem. a) O que acontece com a resistência do fio quando triplicamos o seu comprimento? b) O que acontece com a resistência do fio quando duplicamos o seu raio? 128. de um metro de fio 10? a) 2. À temperatura ambiente.7 · 10 –2 Ω · mm2/m. A diferença de potencial nas extremidades do fio em função da corrente é indicada na figura a seguir. F1 e F2.4.3 mm2. UFRGS-RS Os fios comerciais de cobre.1 mm2 e 5. devido a um fenômeno conhecido por efeito joule. Unicamp-SP Uma lâmpada incandescente (100 W. construa um gráfico que represente a intensidade de corrente elétrica (i) na barra. A resistividade do tungstênio à temperatura ambiente é de 5. Para que se tenha a mesma dissipação de energia térmica nos dois fios. por exemplo. são identificados através de números de bitola. os fios 14 e 10. Unicamp-SP Sabe-se que a resistência de um fio cilíndrico é diretamente proporcional ao seu comprimento e inversamente proporcional à área de sua secção reta. UERJ Dois fusíveis. A pilha e o fio são elementos ideais. àquela temperatura.0 · 1022 elétrons (e = 1. Qual é. respectivamente.126.0 V .0 m Qual o valor em ohms da resistência de um outro fio. e) 0. a) Qual a resistência do filamento quando ele está à temperatura ambiente? b) Qual a resistência do filamento com a lâmpada acesa? 132. 133.6 · 10–19 C) a cada segundo. 1 8 c) 129. F2 é um fusível de 2. Variando-se a posição do fio móvel (M). R10.4 cm e diâmetro 4. são utilizados para proteger circuitos diferentes da parte elétrica de um automóvel.0 V c) – 1.0 A. porém. UFS-SE Uma barra de metal homogêneo está ligada a uma pilha. é: a) 8. 120 V) tem um filamento de tungstênio de comprimento igual a 31. Esses fusíveis.6 · 10 –8 Ω · m. Mackenzie-SP A figura representa um pedaço de fio de cobre. Mackenzie-SP Sabemos que um fio condutor elétrico (A). a relação entre os diâmetros (dA e dB) de suas respectivas secções transversais deverá ser: a) dA = dB b) dA = dB c) dA = 2 dB d) dA = dB e) dA = 4 dB 131. do mesmo material que o primeiro. de igual comprimento e com o diâmetro duas vezes maior? 130. têm comprimentos iguais e a mesma forma cilíndrica de secções transversais de áreas S1 e S2.4 mm2 A 1. c) 1. por uma secção transversal do fio. b) 1. sob uma mesma ddp. têm áreas de seção reta iguais a 2.0 A. de resistividade 1.0 · 10 –2 mm.0 V b) 4. A razão S1/S2 é igual a: a) 4 b) 3 2 1 2 d) e) 1 4 Deseja-se utilizar. com o quádruplo do comprimento do primeiro e constituído do mesmo material. feitos do mesmo material. F1 é um fusível de 1. 3.7. 127. percorrido por uma corrente elétrica de sentido convencional de B para A. usados em ligações elétricas. sofre um aquecimento. o valor aproximado da razão R14/R10 entre a resistência elétrica. um outro fio (B). R14.6 V d) – 4. sujeito a uma diferença de potencial. como mostra o circuito abaixo.

Considere a resistividade do ouro ρ = 1. 10 · 10 –6 m) de um polímero condutor.0 · 10 –6 Ω · m c) 2.134. a resistência de um cilindro é L dada por R = ρ ⋅ .000 kg/m3.7 · 10 –8 Ω·m a) 540 g b) 520 g c) 500 g d) 450 g e) 250 g 135. Que potência. Lembre-se de que.0 A. Estando o forno a 20 °C.6 · 10 –6 Ω · m b) 2. Quando o amperímetro indicar uma corrente de 1. em que L é o comprimento. e A é a área de sua secção transversal.0 · 10 –10 m e aproxime π = 3. quando submetida a uma d. Mackenzie-SP Um cabo de cobre. ou seja.6 A. Unicamp-SP O circuito testador mostrado na figura adiante ocorre em certos tipos de pilhas e é construído sobre uma folha de plástico.6 · 10 –8 Ωm. o amperímetro indica uma corrente elétrica de 2. UFSM-RS Um resistor dissipa 200 watts de potência quando ligado em uma tensão de 220 volts.2. utilizado para o transporte de energia elétrica. a) Determine o valor da resistividade ρ do polímero a partir da figura. sua resistividade ρ varia com a temperatura T de acordo com a equação: ρ = ρ0 (1 + α∆T) em que ρ0 é a resistividade do material a uma temperatura T0 e ∆T = T – T0 138. ele irá desenvolver se o seu comprimento for reduzido à metade e ele for ligado em uma tensão de 110 volts? Considere que a resistividade do material permanece inalterada. ou seja. considerando-o como um cilindro com três diâmetros atômicos de comprimento. a) 50 b) 100 c) 200 d) 400 e) 800 137. como mostra a figura. em watts. e A é a área da secção reta perpendicular à passagem de corrente.4 · 10 –6 Ω · m d) 2.0 · 10 –3 °C –1. localizado em Campinas. como mostra o diagrama. constrói-se uma resistência de aquecimento que dissipa a potência de 4. Mackenzie-SP A temperatura de um forno é calculada através da corrente elétrica indicada pelo amperímetro. 75 .p.d. na Física Clássica. O resistor R é feito de um material cuja resistividade elétrica tem coeficiente de temperatura α = 5.8 · 10 –6 Ω · m e) 3. obtida recentemente em um microscópio eletrônico por pesquisadores do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron. A resistividade do material desse fio vale: a) 1. demonstra que é possível atingir essa fronteira. A resistência R de um resistor está relacionada com a resistividade ρ por R = ρ (L/A). Unicamp-SP O tamanho dos componentes eletrônicos vem diminuindo de forma impressionante.0 · 10 –6 Ω · m 136. A massa de um metro desse cabo é igual a: Dados do cobre: densidade = 9. a temperatura do forno será: a) 24 °C d) 55 °C b) 25 °C e) 70 °C c) 50 °C PV2D-06-FIS-44 a) Calcule a resistência R desse fio microscópico. tem a cada quilômetro de comprimento resistência elétrica de 0. de 120 V. b) O que aconteceria com o valor das resistências se a espessura de camada de polímero fosse reduzida à metade? Justifique sua resposta. Os condutores (cinza claro) consistem em uma camada metálica de resistência desprezível. o raio de um átomo de ouro 2. Hoje podemos imaginar componentes formados por apenas alguns átomos. e os resistores (cinza escuro) são feitos de uma camada fina (10 µm de espessura. 139.800 W. resistividade = 1. As dimensões (em mm) estão indicadas no diagrama. Esta imagem. Seria esta a última fronteira? A imagem a seguir mostra dois pedaços microscópicos de ouro (manchas escuras) conectados por um fio formado somente por três átomos de ouro. L A é o comprimento do cilindro. Mackenzie-SP Com um fio homogênio de secção transversal constante de área 2 mm2 e comprimento 3 m. em que o ρ é a resistividade.34 Ω.

Unicamp-SP Uma cidade consome 1. Qual é a diferença de potencial entre os extremos do resistor de 10 Ω nessas condições? 144. sendo aplicada aos terminais da associação uma ddp de 18 V. estão ligadas em série. A discrepância entre esse valor e aquele determinado anteriormente deve-se ao fato de que as leis da Física do mundo macroscópico precisam ser modificadas para descrever corretamente objetos de dimensões atômicas. R2. XIX representou uma evolução significativa na qualidade de vida das pessoas. cuja voltagem. As lâmpadas incandescentes atuais consistem de um filamento muito fino de tungstênio dentro de um bulbo de vidro preenchido por um gás nobre.000° C.05 mm? Use a aproximação π = 3. com R1 > R2. 76 . Vunesp Num circuito elétrico. entre as resistências do filamento a 2.000 volts. O filamento é aquecido pela passagem de corrente elétrica. Capítulo 3 142. 143. e o gráfico abaixo apresenta a resistividade do filamento como função de sua temperatura. L seu comprimento. Determine o valor experimental da resistência do fio.0 · 10 –6 A. a) Caso o filamento seja aquecido desde a temperatura ambiente até 2. dois resistores. pode-se afirmar que: a) i1 = i2 e V1 = V2 b) i1 = i2 e V1 > V2 c) i1 > i2 e V1 = V2 d) i1 > i2 e V1 < V2 e) i1 < i2 e V1 > V2 146. se o mesmo apresenta um comprimento de 50 cm e um diâmetro de 0. Determine a carga elétrica fornecida pela bateria em 10 minutos.1 V nas extremidades desse fio microscópico. A a área de sua seção reta e ρ sua resistividade. na entrada da cidade.b) Quando se aplica uma diferença de potencial de 0. é mantida uma diferença de potencial VAB = 120 V. UEMT A diferença de potencial entre os extremos de uma associação em série de dois resistores de resistências 10 Ω e 100 Ω é 220 V. 3 Ω e 5 Ω estão associados em série.63 · 10 –8 Ω · m) a) Qual a resistência dessa linha de transmissão? b) Qual a corrente total que passa pela linha de transmissão? c) Que potência é dissipada na linha? 141. Determine a intensidade da corrente que a percorre. 140. A relação entre a resistência e a resistividade é dada por R = ρ L/A.0 · 10 8 watts de potência de energia elétrica e é alimentada por uma linha de transmissão de 1. PUCCamp-SP Três resistores de 1 Ω. Calcule a corrente que passa na lâmpada para as seguintes posições do cursor do reostato: a) cursor na posição C b) cursor na posição D 145. Unicamp-SP A invenção da lâmpada incandescente no final do Séc. PUC-SP Dois resistores de resistências elétricas R1 = 10 Ω e R2 = 15 Ω são associados em série e ligados a uma bateria ideal de 12 V. Esta linha é constituída de cabos de alumínio cuja área de seção reta total vale A = 5. cujas resistências são R1 e R2. em que R é a resistência do filamento. (Dado: resistividade do alumínio é ρ = 2. é de 100. b) Qual a resistência que uma lâmpada acesa (potência efetiva de 60 W) apresenta quando alimentada por uma tensão efetiva de 120 V? c) Qual a temperatura do filamento no item anterior. Entre os pontos A e B da tomada mostrada na figura. mede-se uma corrente de 8. sua resistência aumentará ou diminuirá? Qual a razão.000/ R20. Chamando de i1 e i2 as correntes que os atravessam e de V1 e V2 as tensões a que estão submetidos. respectivamente.000° C e a 20° C? Despreze efeitos de dilatação térmica.000 km de extensão.26 · 10 –3 m2.

entre c e d.6 e) 8. RA/RL.8 c) 1. 77 . para uso em automóvel.0 A. b) a intensidade de corrente elétrica na associação. calcule: 8 V0 4 V –d b– a+ Qual o valor da relação V0/V para este circuito? a) 2 b) 3 c) 6 d) 1/2 e) 1/3 150. Quando ligado numa tomada de 110 V e na posição “algodão”. determine a diferença de potencial que se deve aplicar à associação de duas dessas lâmpadas em série.5 b) 0. Se R1 e R2 forem ligados em série a uma ddp de 120 V. a corrente elétrica que atravessa cada lâmpada vale: a) 0. 152. a corrente elétrica é de 5. de 8. UFPE O circuito a seguir é chamado um “divisor de tensão”. pode-se dizer que a queda de potencial entre os pontos A e B vale: a) 1.8 V e) 6.4 V c) 3. e duas resistências com os valores indicados.0 V O resistor equivalente dessa associação vale a) a resistência equivalente da associação. na posição “linho”. A razão existente entre a resistência na posição algodão (RA) e na posição linho (RL). Um enfeite de árvore de natal contém 30 lâmpadas. c) a ddp em cada resistor da associação.0 V 149.2 A. +c Utilizando-se do gráfico. Vunesp O gráfico a seguir representa a corrente que passa por uma lâmpada.147. Ligamse os terminais do conjunto em uma tomada que fornece uma tensão total de 120 V. Há dois resistores R1 = 3 Ω e R2 = 2 Ω ligados em série. que representa uma associação de resistores. Neste caso. cada uma com uma resistência elétrica de 5 Ω.2 A c) 1. vale: a) 0. Sabendo-se que entre os pontos A e C existe uma diferença de potencial de 6 V. As curvas características de dois resistores ôhmicos.8 A b) 1.6 V d) 4. para que sejam atravessadas por uma corrente de 1.0 V 5. em função da diferença de potencial aplicada aos seus terminais. através de um termostato que está acoplado a um resistor de resistência elétrica variável. como mostra o esquema abaixo: a) 8 Ω b) 14 Ω c) 20 Ω d) 32 Ω e) 50 Ω 151.40 A 7. Unirio-RJ Um ferro elétrico pode ser regulado para passar diferentes tipos de tecidos.8 A d) 24 A e) 40 A 153. R1 e R2. UEL-PR Considere os valores indicados no esquema a seguir. estão representadas no gráfico deste exercício.2 V b) 2.0 A e. PV2D-06-FIS-44 R1 R2 R3 i = 0. pois permite obter uma diferença de potencial V entre os pontos a e b quando se dispõe de uma fonte de tensão V0.5 148.3 d) 1.0 V 8.

050 W 7. um resistor de fio também é conhecido como divisor de tensão. É correto afirmar que.154. c) se for a quinta lâmpada a se queimar. b) as demais se apagam. indicados na figura. PUC-SP Considere o circuito a seguir: 12 V 1 3 R Sabendo-se que a diferença de potencial do resistor R é 4 V.200 W 161. quando a chave estiver na posição inverno? Uma vez estabelecidos os potenciais 0 V e 120 V nos conectores A e E. respectivamente. PUC-MG Em alguns conjuntos de lâmpadas usados para enfeitar árvores de natal. a) 2 Ω b) 8 Ω c) 4/3 Ω d) 12 Ω e) 4 Ω 160. as três primeiras continuam acesas e as outras apagam. ligados da forma representada nesta figura: Quando morava em Brasília. Faça um esquema indicando como as lâmpadas devem ser ligadas para que funcionem com seu brilho normal e calcule quantas lâmpadas devem ser utilizadas. O conjunto de lâmpadas deve ser ligado numa tomada de 120 V. 78 a) b) c) d) e) 1. de 10 Ω cada um.210 W 3. d) se foi a quarta lâmpada a queimar. d) se for a quinta lâmpada a se queimar. O esquema mostra um resistor desse tipo. UFMG Gabriel possui um chuveiro. queima. c) a corrente elétrica é a mesma e a mesma quantidade de calor por unidade de tempo é fornecida à água. as outras: a) continuam acesas. FGV-SP Devido à capacidade de fracionar a tensão elétrica. as quatro primeiras lâmpadas se apagarão e as demais permanecerão acesas. onde a diferença de potencial da rede elétrica é de 220 V. . as três primeiras apagam e as outras continuam acesas.240 W 6. mantendo-se a mesma distância entre conectores consecutivos. A potência dissipada por esses dois resistores é de: a) 0. Gabriel ligava o chuveiro pelos terminais K e M. em V. feito com um fio ôhmico de resistividade e área de seção transversal uniformes. a) a corrente elétrica é a mesma e menos calor por unidade de tempo é fornecido à água. apenas as quatro primeiras lâmpadas permanecerão acesas. comparando-se com Brasília. nesse chuveiro. Sabe-se que com a chave Ch na posição verão. 155. Mackenzie-SP Dois resistores de 20 Ω e 80 Ω são ligados em série a dois pontos onde a ddp é constante.51 W d) 12.8 W b) 0. b) a corrente elétrica é maior e a mesma quantidade de calor por unidade de tempo é fornecida à água. 159. as lâmpadas estão ligadas em série. em Belo Horizonte. b) apagam. o valor absoluto da diferença de potencial entre os conectores C e D. onde a diferença de potencial é de 110 V. onde foram ligados os conectores de A até E. UECE As lâmpadas usadas para enfeitar as árvores de Natal são ligadas em série. A ddp entre os terminais do resistor de 20 Ω é de 8 V. passou a ligar o mesmo chuveiro pelos terminais K e L.720 W 5. d) a corrente elétrica é menor e menos calor por unidade de tempo é fornecido à água. Ao mudar-se para Belo Horizonte. cujo elemento de aquecimento consiste em dois resistores. c) se foi a quarta lâmpada a queimar. Se um desses conjuntos estiver em funcionamento e uma das lâmpadas se queimar: a) as demais continuam acesas. com brilho maior. é: a) 24 d) 60 b) 30 e) 72 c) 48 156. apenas. A figura representa a “resistência” de um chuveiro elétrico.64 W e) 16 W c) 3. e) passam a piscar.2 W 158. Qual será a potência dissipada. determine o valor de R.840 W. 157. Se uma delas. ele dissipa uma potência de 4. UFRJ Deseja-se enfeitar uma árvore de Natal usando lâmpadas idênticas de 5 W-20 V cada uma.

162. FEI-SP Dois resistores ôhmicos (R1 e R2) foram ensaiados, obtendo-se as tabelas a seguir. R1 U (V) 3 6 9 i (A) 1 2 3 U (V) 1 3 5 R2 i (A) 0,5 1,5 2,5

Sabendo que a potência total dissipada no circuito é 6,0 W, determine: a) a corrente i que percorre o circuito; b) o valor da resistência R. 164. PUC-RJ Considere duas situações. Na situação A, uma lâmpada é conectada a uma bateria, e, na situação B, duas lâmpadas iguais são conectadas em série à mesma bateria.

Em seguida, eles foram associados em série. As tabelas abaixo representam a tensão elétrica aplicada nos terminais da associação e a corrente elétrica que a atravessa. Qual das alternativas fornece uma tabela coerente com os resistores associados? a) U (V) 5 8 b) U (V) 2,5 7,5 c) U (V) 5/6 10/6 d) U (V) 2,5 5,0 e) U (V) 4,5 9,0 i (A) 1,5 3,0 i (A) 1 2 i (A) 1 2 i (A) 0,5 1,5 i (A) 1 2 Comparando-se as duas situações, na situação B a bateria provê: a) a mesma luminosidade. b) maior corrente. c) menor corrente. d) maior luminosidade. e) menor voltagem. 165. PUC-MG Uma lâmpada incandescente tem as seguintes especificações: 100 W e 120 V. Para que essa lâmpada tenha o mesmo desempenho quando for ligada em 240 V, é necessário usá-la associada em série com um resistor. Considerando-se essa montagem, a potência dissipada nesse resistor adicional será de: a) 50 W b) 100 W c) 120 W d) 127 W 166. UnB-DF Suponha que uma pessoa em Brasília, na época da seca, aproxime sua mão de um carro cuja carroceria apresenta uma diferença de potencial de 10.000 V com relação ao solo. No instante em que a mão estiver suficientemente próxima ao carro, fluirá uma corrente que passará pelo ar, pelo corpo da pessoa e, através do seu pé, atingirá o solo. Sabendo que a resistência do corpo da pessoa, no percurso da corrente elétrica, é de 2.000 Ω e que uma corrente de 300 mA causará a sua morte, calcule, em kΩ, a resistência mínima que o ar deve ter para que a descarga não mate essa pessoa. Despreze a parte fracionária de seu resultado, caso exista.

163. Vunesp Dois resistores, um de resistência 6,0 Ω e outro de resistência R, estão ligados a uma bateria de 12 V e resistência interna desprezível, como mostra a figura. 6,0  R

PV2D-06-FIS-44

12V

i

79

167. Vunesp Dois resistores, um de 40 Ω e outro de resistência R desconhecida, estão ligados em série com uma bateria de 12 V e resistência desprezível, como mostra a figura.

Sabendo que a corrente no circuito é de 0,20 A, determine a) a diferença de potencial em R; b) o valor da resistência R. 168. Fatec-SP Duas lâmpadas L1 e L2 são ligadas em série a uma fonte de 220 V.
L1

L2

170. Durante uma aula prática de eletricidade, o professor sugere aos alunos que façam uma experiência para verificar se a água é um bom condutor elétrico ou não. Para isso, entrega para cada grupo um recipiente contendo água destilada, uma bateria ideal de 9 volts de tensão, uma pequena lâmpada L de lanterna, um amperímetro ideal e fios condutores de ligação. Na primeira parte da prática, os grupos ligaram os terminais da lâmpada diretamente nos terminais da bateria, como mostra a figura 1. Nesta situação, a lâmpada acendeu e, através do amperímetro, verificou-se que a corrente elétrica que atravessava era de 1,5 ampére. Já na segunda parte da prática, abriu-se o circuito em um determinado ponto, introduzindo-se as duas pontas resultantes no recipiente com água destilada, sem encostar uma na outra, como mostra a figura 2. Nesta situação verificou-se que a lâmpada não acendeu e que a corrente medida pelo amperímetro era nula. Finalmente, na terceira parte da prática, o professor pediu que os grupos jogassem ácido sulfúrico na água e repetissem a montagem da segunda parte (figura 2). Com isso, verificou-se que a lâmpada acendeu fracamente e que o amperímetro indicou a passagem de uma corrente elétrica de 0,5 ampère.

220 V

Sabendo que as resistências das lâmpadas são R1 = 1.000 Ω e R2 = 100 Ω, respectivamente, e que ambas possuem tensão nominal de 110 V, é correto dizer que: a) as duas lâmpadas nunca vão se acender, pois possuem tensão nominal inferior à tensão da rede. b) as duas lâmpadas ficarão acessas por longo período, uma vez que as diferenças de potencial sobre elas são inferiores às suas tensões nominais. c) As diferenças de potencial em L1 e L2 são, respectivamente, de 100 V e 10 V. d) A lâmpada L1 ficará acesa por pouco tempo, uma vez que a lâmpada L2 vai se queimar rapidamente. e) A lâmpada L1 estará sujeita a uma diferença de potencial superior ao seu valor nominal, enquanto a lâmpada L2 apresentará uma intensidade muito inferior à original. 169. ITA-SP Duas lâmpadas incandescentes, cuja tensão nominal é de 110 V, sendo uma de 20 W e a outra de 100 W, são ligadas em série em uma fonte de 220 V. Conclui-se que: a) As duas lâmpadas acenderão com brilho normal. b) A lâmpada de 20 W apresentará um brilho acima do normal e logo queimar-se-á. c) A lâmpada de 100 W fornecerá um brilho mais intenso do que a de 20 W. d) A lâmpada de 100 W apresentará um brilho acima do normal e logo queimar-se-á. e) Nenhuma das lâmpadas acenderá.
80

Com as informações obtidas nas experiências, responda: a) A água destilada é um bom condutor elétrico? E a solução de água com ácido sulfúrico, é uma condutora elétrica? Justifique suas respostas. b) Supondo que a resistência da lâmpada possa ser considerada ôhmica, qual é a resistência elétrica, em ohms, da solução de água com ácido sulfúrico, quando a terceira parte da aula prática foi executada? 171. FEI-SP Quanto à associação de resistores em paralelo, podemos dizer que: a) a tensão é a mesma e a corrente total é a soma das correntes em cada resistor. b) a tensão é a soma das tensões em cada resistor e a corrente é a mesma. c) a tensão é a mesma e a corrente total é a mesma. d) a tensão é a soma das tensões em cada resistor e a corrente total é a soma das correntes em cada resistor. e) a tensão total é a diferença das tensões de cada resistor e a corrente é a mesma.

172. PUC-SP

No circuito esquematizado, o gerador mantém entre os terminais A e B uma d.d.p. constante U. As correntes que circulam pelos resistores R e R’ têm intensidades respectivamente iguais a 4 A e 0,5 A. Sabendo-se que a resistência R’ tem valor 2 Ω, o valor da resistência R é: a) 0,25 Ω b) 0,50 Ω c) 1,00 Ω d) 2,00 Ω e) 2,50 Ω

176. Três lâmpadas idênticas, de 3,0 W cada uma, são associadas em paralelo, e a associação é submetida a uma d.d.p. de 12 V, de acordo com as especificações do fabricante. Por um motivo qualquer, uma destas lâmpadas “queima”. Cada lâmpada remanescente ficará sujeita a uma corrente de intensidade: a) 0,25 A b) 0,20 A c) 2,0 A d) 2,5 A e) 4,0 A 177. PUC-MG Considere três resistores cujas resistências valem: R, R/2 e R/4. Associando-se esses três resistores de modo a obter um equivalente cuja resistência seja a menor possível, tem-se para esse equivalente uma resistência igual a: a) R/7 b) R/5 c) R/3 d) R/2 e) R 178. UFPR Quantos resistores de 160 Ω devem ser associados em paralelo, para dissipar 500 W sob uma diferença de potencial de 100 V? 179. UFMG Na sala da casa de Marcos, havia duas lâmpadas que eram ligadas/desligadas por meio de um único interruptor. Visando a economizar energia elétrica, Marcos decidiu instalar um interruptor individual para cada lâmpada. Assinale a alternativa em que está representada uma maneira correta de se ligarem os interruptores e lâmpadas, de modo que cada interruptor acenda e apague uma única lâmpada.

173. FEI-SP Dois resistores R1 = 20 Ω e R2 = 30 Ω são associados em paralelo. À associação é aplicada um ddp de 120 V. Qual é a intensidade da corrente na associação? a) 10 A d) 0,41 A b) 2,4 A e) 0,10 A c) 3,0 A 174. UFES No circuito a seguir, as correntes i0, i1 e i2 são respectivamente:

a) 3 A; 2 A; 1 A. b) 6 A; 4 A; 2 A. c) 6 A; 3 A; 3 A.

d) 9 A; 6 A; 3 A. e) 9 A; 3 A; 6 A.

175. UnB-DF Para o circuito esquematizado a seguir, a razão entre as correntes i2 e i1 é igual a:

a)

c)

a)

1 6 1 4

c)

1 3 1 2

b)

d)

PV2D-06-FIS-44

b)

d)

81

após o interruptor S2 ser ligado. b) i/2 e P/2. 182. observa que o “relógio” passa a marcar mais rapidamente. c) i e P. e um interruptor desligado. PUC-SP As figuras abaixo representam. a fonte tem tensão U constante e resistência interna desprezível. em (I). UFSC Numa rede elétrica. respectivamente: a) i/2 e P/4. sem risco de queimar o fusível? . Em (II) estão representados os mesmos resistores numa associação em paralelo. um interruptor ligado. em ampères. Toda vez que Clara liga o interruptor S2. R. d) maior que a corrente que circulava antes e a tensão é menor que 220 V. quando a chave C está aberta. a intensidade da corrente elétrica que percorre o circuito é i e a potência nele dissipada é P. b) maior que a corrente que circulava antes e a tensão permanece a 220 V. é: a) igual à corrente que circulava antes e a tensão é maior que 220 V. Pode-se afirmar que. e) 2i e 4P. c) menor que a corrente que circulava antes e a tensão permanece a 220 V. uma televisão (110 V – 55 W). Ela contém um liquidificador (110 V – 220 W). duas lâmpadas. os valores da intensidade da corrente e da potência dissipada serão. Compõem esse ramo um “relógio medidor de luz”. UFSCar-SP No circuito da figura. UFRN A figura adiante representa um ramo de uma instalação elétrica residencial alimentada com uma tensão de 220 V. fechando a chave. uma associação de três resistores iguais a R ligados a uma tensão U e percorrida por uma corrente elétrica is. d) 2i e 2P. S1.180. submetida a um tensão de 110 V. foi instalado um fusível de 30 A. O fusível F mais adequado para proteger essa instalação. Pode-se afirmar que é válida a relação: a) b) c) d) e) is = 1 ip 9 is = ip is = 9 ⋅ ip is = 1 ip 3 is = 3 ⋅ ip 181. L1 e L2. UEL-PR A instalação elétrica de parte de uma residência está esquematizada a seguir. ligada à mesma tensão U e percorrida por uma corrente elétrica ip. uma geladeira (110 V – 550 W) e uma torneira elétrica (110 V – 700 W). Os resistores têm resistência R iguais: Sabe-se que. Isso acontece porque a corrente que circula no “relógio medidor de luz”. é: a) 10 b) 15 c) 20 d) 25 e) 30 184. especificado através de sua corrente máxima. 82 Quantas lâmpadas de 100 W poderão ser ligadas simultaneamente nesta rede. 183. três lâmpadas iguais (110 V – 110 W). S2.

III.185. todos os outros componentes eletroeletrônicos ficarão sem poder funcionar. o consumo de energia. O aquecedor e a lâmpada estão submetidos a uma mesma diferença de potencial. todos os resistores são idênticos. se o desligarmos. 83 . FCMSC-SP Nos esquemas. UFPR Um aquecedor elétrico e uma lâmpada estão ligados em paralelo. 188. A potência elétrica dissipada no aquecedor é maior do que a potência elétrica dissipada na lâmpada. e. esses valores são. a casa ficará completamente sem energia. O fio fase tem um potencial elétrico de aproximadamente 220 V em relação ao neutro ou em relação a nós mesmos (também somos condutores de eletricidade). pois cada um deles pode funcionar. UFRN A figura abaixo representa parte do circuito elétrico ideal de uma residência. II. em watts. pois. por exemplo. A resistência do aquecedor é maior do que a resistência da lâmpada. UFMG Duas lâmpadas – L60 e L100 – são ligadas a uma tomada. a) b) c) d) e) 2. respectivamente. é correto afirmar que: a) V60 < V100 e i60 < i100 b) V60 < V100 e i60 = i100 c) V60 = V100 e i60 < i100 d) V60 = V100 e i60 > i100 e) V60 = V100 e i60 = i100 Das quatros afirmativas abaixo. Na lâmpada L100. a resistência elétrica equivalente da residência aumenta. pois. Considerando-se essa situação. Sejam V60 a diferença de potencial e i60 a corrente elétrica na lâmpada L60. V. para. independentemente de os outros estarem funcionando ou não. A resistência equivalente da ligação em paralelo do aquecedor e da lâmpada é menor do que a resistência da lâmpada. A intensidade da corrente elétrica no aquecedor é menor do que a intensidade da corrente elétrica na lâmpada. eliminando-se qualquer possibilidade de risco de um choque elétrico. apenas uma está errada. se estivermos descalços e em contato com o chão. com alguns dos componentes eletrodomésticos identificados. c) O disjuntor J deve ser colocado no fio fase (F) e não no neutro (N). a potência dissipada é. como representado nesta figura: PV2D-06-FIS-44 A lâmpada L60 é de 60 W e a L100 é de 100 W. aumentando. Na corrente alternada das residências (chamada de monofásica). Verifica-se que o aquecedor dissipa uma maior quantidade de energia do que a lâmpada num dado intervalo de tempo.0 10 40 80 186. Pelo esquema 2. a corrente. por conseguinte. como em corrente contínua). fazermos um determinado serviço elétrico. também. a potência dissipada é de 20 watts. os dois fios recebem os nome de “fase” (F) e “neutro” (N) ou “terra” ( e não “positivo” e “negativo”.5 5. d) O fusível ou disjuntor J está ligado em série com o conjunto dos equipamentos existentes na casa. é correto afirmar: I. a) Quando todos os equipamentos estão funcionando. Com base nessas informações. igual a: 187. quando o desligarmos. IV. V100 e i100. Pelo esquema 1. b) Todos os equipamentos de dentro da residência estão em paralelo entre si. Assinale-a.

192. b) Sabendo que a maior corrente suportada pelo cabo é igual a 6 A. A potência que passará a ser dissipada pelo sistema será igual a: a) 8 A e 5 Ω b) 16 A e 5 Ω c) 4 A e 2. é comum a utilização de um cabo elétrico comprido. na associação. 193.189. a lâmpada B queima-se. um jovem utiliza um benjamim (multiplicador de tomadas) com o qual. em ohms. a potência mínima dissipada em cada lâmpada deve ser de 16 W. PUC-RJ Uma pilha nova fornece uma diferença de potencial (ddp) U = 9.5 Ω d) 2 A e 2. determine o número máximo de lâmpadas que podem ser associadas em paralelo na gambiarra. e considerando constante a tensão da rede elétrica. Ao se conectarem os outros dois aparelhos. igual a 4. Mackenzie-SP Na associação de resistores da figura a seguir. Fuvest-SP A figura mostra um circuito constituído por um gerador ideal e duas lâmpadas incandescentes A e B. b) Qual a potência dissipada em R2? c) Que resistor se aquece mais? Justifique. é: a) 5. Num dado instante. UEL-PR Um resistor de 10 Ω no qual flui uma corrente elétrica de 3. Sendo a corrente elétrica total. onde R1 = 100 Ω. Unifesp Por falta de tomadas extras em seu quarto. Determine o número máximo de lâmpadas que podem ser associadas em série na gambiarra.0 ampères está associado em paralelo com outro resistor. respectivamente: a) Para uma iluminação eficiente. UFG-GO Em certas situações. Ao se conectar o primeiro aparelho. respectivamente.0 V. R3 = 600 Ω. R2 = 300 Ω. respectivamente. Para iluminar o ambiente. A potência nominal e a resistência de cada lâmpada são.0 b) 10 c) 20 d) 30 e) 60 190. ele poderá conectar à rede elétrica três aparelhos simultaneamente.5 Ω e) 1 A e 10 Ω 191. intensidade de corrente (i) e resistência elétrica (R). Considere que a pilha nova esteja fornecendo ddp para o circuito a seguir. d) 2P e) P 195. 84 . UFF-RJ Em meados da primeira metade do século XIX. o valor do segundo resistor. com várias lâmpadas instaladas ao longo deste. e a tensão na tomada é de 240 V. com resistências R e 2R.5 ampères. as lâmpadas podem ser associadas em série ou em paralelo. respectivamente. iguais a 144 W e 400 Ω. conhecido como gambiarra. sabe-se que a corrente na rede é i. Georg Simon Ohm formulou uma lei que relaciona três grandezas importantes no estudo da eletricidade: tensão (V). e no qual é dissipada a potência P. com resistência elétrica R. que possuem resistências R/2 e R/4. a) b) c) P 2 2 P 3 3 P 2 a) Qual a corrente que passa por R3? Dê a resposta em unidades de mA. os valores de i e R são. ao invés de um aparelho. a corrente total passará a ser: a) 17 i /12 b) 3 i c) 7 i d) 9 i e) 11 i 194.

Identifique. como mostrado esquematicamente na figura abaixo. a fim de verificar se um determinado resistor era ôhmico. mantendo-a constante. PV2D-06-FIS-44 Em um determinado instante. obtendo o seguinte gráfico: 197. b) Determine por quanto tempo o circuito irá funcionar a partir do momento em que a chave é fechada. a energia dissipada. Unicamp-SP A figura a seguir mostra o circuito elétrico simplificado de um automóvel. c) Determine o mínimo valor da resistência de uma lâmpada a ser colocada no lugar de L2 de forma que o circuito possa operar indefinidamente sem que o fusível de proteção derreta. o indicador de 300 Ω já não “acende”. nesse caso. c) Repetindo a experiência com diversos resistores. Uma pilha nova é capaz de fornecer uma diferença de potencial (ddp) de 9. a lâmpada L2 se queima. Com uma ddp menor que 9. Pode-se afirmar que: a) a corrente iA se altera e iB não se altera.0 volts. que é o mesmo para os três indicadores. o estudante encontrou um conjunto de três resistores ôhmicos idênticos e os associou de duas maneiras distintas. b) Considere esse resistor submetido a uma tensão de 9. b) a corrente iA não se altera e iB se altera. Unicamp-SP Algumas pilhas são vendidas com um testador de carga. a) Qual a potência total dissipada em um teste com uma pilha nova? b) Quando o indicador do resistor de 200 Ω deixa de “acender”. calcule o valor de sua resistência. a) Calcule a corrente fornecida pela bateria com a chave aberta. imergiu cada associação em iguais quantidades de água e submeteu seus terminais (X e Y) a uma mesma diferença de potencial. a água. então.Baseado nessa lei. em joule. Através desta curva pode-se determinar o tempo necessário para o fusível derreter e desligar o circuito em função da corrente que passa por ele. A ddp da pilha vai diminuindo à medida que a pilha vai sendo usada. O testador é formado por 3 resistores em paralelo. mais rapidamente. a associação capaz de aquecer.0 V. 85 . O estudante. Com a passagem de corrente.0 V. conforme representado na figura I. 196. durante um intervalo de tempo de 5. a pilha é considerada descarregada. composto por uma bateria de 12 V e duas lâmpadas L1 e L2 cujas resistências são de 6. UFMG A figura ilustra a forma como três lâmpadas estão ligadas a uma tomada. o que faz os 3 indicadores “acenderem”. um estudante reproduziu a experiência de Ohm. Completam o circuito uma chave liga – desliga (C) e um fusível de proteção (F). Justifique sua resposta. d) as duas correntes não se alteram. e determine. A curva tempo x corrente do fusível também é apresentada na figura a seguir. os resistores dissipam potência e se aquecem. a) Informe se o resistor utilizado na experiência do estudante é ôhmico e.0 Ω cada. c) as duas correntes se alteram. em caso afirmativo. Sobre cada resistor é aplicado um material que muda de cor (“acende”) sempre que a potência nele dissipada passa de um certo valor. A partir de qual ddp a pilha é considerada descarregada? 198. A corrente elétrica no ponto A do fio é iA e no ponto B é iB.0 minutos.

5 A e 1. 1.0 A e 6. A resistência equivalente desse trecho e as correntes nos ramos i1 e i2 são.199.0 A 202. A resistência equivalente do conjunto de resistores entre os pontos X e Y é. entre os pontos F e H.0 A e) 600 Ω.0 Ω b) 20/3 Ω c) 78/15 Ω d) 25 Ω e) 500/15 Ω 201. 1. são ligadas a 110 volts. UFCE Na figura.5 A c) 20 Ω.0 A e 1. FEI-SP Qual é a resistência equivalente da associação a seguir? a) 20. igual a: a) 8 b) 13 c) 28 d) 45 e) 70 200. PUCCamp-SP A figura abaixo representa o trecho AB de um circuito elétrico. de forma que a resistência equivalente entre os 86 A razão entre as ddp na lâmpada de resistência R e na lâmpada de resistência 3R vale: a) 1/5 d) 3/5 b) 1/3 e) 5/6 c) 2/5 . identifique aquela que atenderá ao objetivo proposto. d) 50 Ω. UEL-PR Considere o esquema a seguir: pontos A e C do novo circuito se torne 2. 1. é: 203. cujas resistências internas valem R. conforme indica o circuito a seguir.0 A e 1. Deseja-se acrescentar ao circuito um terceiro resistor R. em ohms.0 Ω.5 A a) b) c) d) e) R/2 R 3R 5R 7R/2 204. 2R e 3R. Entre as opções de circuitos apresentadas a seguir. Unirio-RJ A figura a seguir representa a maneira como dois resistores R1 e R2 foram ligados.0 A e 6. a resistência equivalente. 9.0 A b) 12 Ω. Cesgranrio-RJ Três lâmpadas. respectivamente: a) 5 Ω. em que a diferença de potencial entre os pontos A e B é de 30 V. 9.

Vunesp Três resistores idênticos. 4 A e 6 A d) 2 A.. ‘tiras resistivas’ instaladas na face interna do vidro são conectadas ao sistema elétrico de modo que se possa transformar energia elétrica em energia térmica. b) Supondo R = 100 Ω. Num dos veículos fabricados no país. Vunesp Alguns automóveis modernos são equipados com um vidro térmico traseiro para eliminar o embaçamento em dias úmidos.. a) Determine a diferença de potencial entre A e B. essas tiras (resistores) são arranjadas como mostra a figura a seguir. estão ligados entre os pontos A e B. 8 A e 4 A c) 12 A. e uma pilha de 1. 8 A e 9 A 206. respectivamente. como mostra a figura.5 V e resistência interna desprezível são ligados como mostra a figura. determine a intensidade da corrente elétrica que passa pela pilha. a associação que corresponde ao arranjo das tiras da figura é: As intensidades de corrente i1. R6. UFPE Observe o circuito mostrado abaixo: 209. Mackenzie-SP Seis fios. 208.205.. cada um com resistência R. 15 A e 5 A e) 5 A... R2. Se as resistências das tiras 1. constituídos de um mesmo material e todos com a mesma área de secção transversal (constante). com o mesmo comprimento L. A relação entre as resistências equivalentes entre os pontos a e b e entre os pontos b e c (Rab/Rbc) é: Quantos resistores de 315 Ω devem ser acrescentados no circuito a seguir. Para isso. por exemplo. 12 A e 6 A b) 10 A. 207. i2 e i3 são.. Mackenzie-SP Uma caixa contém resistores conectados a três terminais. R1. para que a corrente total i dobre de valor? a) 15 d) 5 b) 11 e) 3 c) 8 a) b) c) d) e) 4/3 1 1/2 3/2 2 PV2D-06-FIS-44 87 . respectivamente: a) 4 A. em paralelo. como mostra a figura a seguir. 6 forem. aos 315 Ω já existentes. 2 . O sistema de fios recebe em A uma corrente elétrica de intensidade 22 A.

Qual é o valor da resistência R.5 b) 1. UFC-CE No circuito abaixo. UFC-CE Três lâmpadas. a corrente no circuito é de 1 A.6 A 0. UFPE A figura abaixo representa um trecho de um circuito elétrico. i2 e i3.5 A 1A 3A 211. L2 e L3.5 c) 2. Com a chave S desligada. A relação entre as correntes i1. Nestas condições. o resultado esperado está indicado na opção: a) L1. d) L1 e L3 se apagam. 215.5 d) 3. as lâmpadas L1 e L2 são idênticas. em cada um dos ramos do circuito. L1. conforme mostra a figura. cada resistor tem uma resistência elétrica igual a R. em ohms? a) 0. Dado o circuito abaixo: a) b) c) d) e) i1 = i2 = i3 i1 = 2i2 = 2i3 i1 = 2i2 = 4i3 i2 = 2i1 = 4i3 i3 = 2i1 = 4i2 Qual é a resistência equivalente entre os pontos A e B? a) 5R/3 b) 3R/5 c) 4R d) 3R/2 e) 5R 88 . a) b) c) d) e) 2A 1. e a corrente total do circuito é igual a i. UFPE No circuito abaixo. mas L2 permanece acesa. e) as três lâmpadas se apagam. Fuvest-SP No circuito. Quando a chave S é fechada. são alimentadas por uma bateria ideal ε. A diferença de potencial entre os pontos A e B é 20 V. é: As três lâmpadas estão acesas.210. os três resistores são idênticos e cada um pode dissipar uma potência máxima de 32 W sem haver risco de superaquecimento. L2 e L3 permanecem acesas. qual a potência máxima que o circuito poderá dissipar? a) 32 W b) 36 W c) 40 W d) 44 W e) 48 W 214. c) L1 permanece acesa. b) L1 e L2 permanecem acesas.5 212.5 e) 4. Qual a corrente que passa pelo resistor R ao ser ligada a chave S? 213. mas L2 e L3 se apagam.

d) Se a chave 2 for fechada. Inicialmente. assinale a alternativa verdadeira. b) Se as chaves 1 e 2 forem fechadas. a corrente elétrica total que passará pelo circuito será: a) V/R b) 2V/R c) 4V/R d) V/2R e) V/4R 219. a) d) b) e) VR c) 218. Nesta situação pode-se afirmar que: a) Apenas o fusível F1 queimará. e 1 e 2 são chaves interruptoras. 89 . e) Se a chave 2 for fechada. PV2D-06-FIS-44 Fechando-se a chave S. contendo quatro resistências iguais a R. b) Apenas o fusível F2 queimará. B e C são três lâmpadas idênticas. UFF-RJ No circuito esquematizado a seguir. a) Se a chave 1 for fechada. Dentre essas. UFSCar-SP No esquema. Estes elementos estão associados a uma bateria que estabelece uma diferença de potencial igual a 100 V entre os pontos P e Q. a lâmpada B queimará. quando fechadas. c) Apenas o fusível F3 queimará. os pontos X e Y são ligados em curto-circuito. A. d) Apenas os fusíveis F2 e F3 queimarão. e) Os fusíveis F1. F1. as lâmpadas A e B brilharão com maior intensidade. Fuvest-SP Dispondo de pedaços de fios e 3 resistores de mesma resistência. só as lâmpadas B e C permanecerão acesas. só a lâmpada B permanecerá acesa. c) Se as chaves 1 e 2 forem fechadas. 220. nenhuma lâmpada permanecerá acesa. A R3 R1 R2 B Supondo que os fios de ligação e as chaves interruptoras. ITA-SP Determine a intensidade da corrente que atravessa o resistor R2 da figura quando a tensão entre os pontos A e B for igual a V e as resistências R1. 217. foram montadas as conexões apresentadas abaixo. apresentam resistências elétricas desprezíveis. R2 e R3 forem iguais a R. R1 e R2 são resistores e S é uma chave. O circuito está ligado a um gerador que fornece uma tensão U entre os pontos X e Y. F2 e F3 são fusíveis para 20 A. as três lâmpadas se encontram acesas e as chaves. abertas. F2 e F3 queimarão. aquela que apresenta a maior resistência elétrica entre seus terminais é: Aplicando aos terminais A e B uma tensão V.216. Considere o circuito abaixo.

A relação entre as potências fornecidas à lâmpada e ao motor é: a) 20 b) 1 c) 0. b) a resistência interna é de 15 Ω. a uma lâmpada com corrente 5 A e a um motor com corrente de 100 A. As lâmpadas estão acesas e funcionando em seus valores nominais (L1: 0. b) Calcule os valores das outras duas resistências. R2 e R3) e uma bateria de 12 V cuja resistência interna é desprezível. Qual a sua força eletromotriz. 20 mA. conforme o desenho na figura. 226. FGV-SP Um gerador elétrico tem potência total 0.6 W e 3 V e L2: 0. FGV-SP Um gerador ideal mantém. A resistência de cada elemento é igual a R.221. sucessivamente e separadamente.3 W e 3 V). Sabendo-se que o resistor R2 tem resistência igual a 25 ohms: a) Esquematize o circuito elétrrico. respectivamente. O valor da resistência R é: a) 15 Ω b) 20 Ω c) 25 Ω d) 30 Ω e) 45 Ω 222. a) 30. entre seus terminais. Fuvest-SP Um circuito elétrico contém 3 resistores (R1. 80 mA e 100 mA. quando percorrido por uma corrente de intensidade igual a 50 A.6 kW. R1. a força eletromotriz é: a) a força que o gerador imprime dos elétrons. Mackenzie-SP Num circuito de corrente elétrica. 225. c) a potência fornecida pela bateria para o circuito externo é de 15 W. b) c) d) e) R 3 R 1+ 3 R ( ( ) ) 3 −1 R 1 − 3   3   Capítulo 4 224. 223. e) nenhuma das anteriores. d) é necessária uma força de intensidade igual a 15 N para cada 1 C de carga que atravessa a bateria. R2 e R3 são. uma ddp de 6 V. e) a energia química que se transforma em energia elétrica é de 15 J para cada 1 C de carga que atravessa a bateria. Ele é ligado.05 e) nda 90 . Fuvest-SP Um circuito é formado de duas lâmpadas L1 e L2. conforme a figura. b) a ddp entre os terminais do gerador. As correntes que percorrem os resistores A resistência equivalente entre os pontos A e B é: a) infinita.01 d) 0. c) a energia que o gerador transfere a uma unidade de carga portadora de corrente d) a energia dissipada em forma de calor. UEBA Sendo a força eletromotriz de uma bateria igual a 15 V: a) a corrente fornecida pela bateria é de 15 A. uma fonte de 6 V e uma resistência R. ITA-SP Um circuito elétrico é constituído por um número infinito de resistores idênticos.000 V b) 100 V c) 120 V d) 12 V e) 30 V 227.

5 J e 0. Num gerador ideal: a) a ddp. a) Qual a intensidade de corrente elétrica fornecida pela bateria para alimentar o rádio e as duas lâmpadas? b) Qual a carga. Para isso. b) a potência elétrica total gerada.0 W. d) 1. c) o rendimento da pilha. d) a ddp.0 Ω e) 3. Fuvest-SP A bateria de um carro. Ela é ligada durante 1. Uma pilha comum de rádio é submetida a uma série de ensaios. 91 PV2D-06-FIS-44 η1 enη2 tre os rendimentos da pilha quando ligada no circuito I e quando ligada no circuito II. e) 2. Fuvest . 233. de força eletromotriz ε = 1. a tensão media em seus terminais é 1. Um carrinho de brinquedo necessita de uma corrente elétrica de 1. Quando em funcionamento nas condições dadas. c) sua força eletromotriz é proporcional à corrente elétrica. sabe-se que o rendimento da bateria é de 80%.5 J e 1.8 V. c) a resistência interna do gerador e a resistência elétrica da lâmpada.2 A para funcionar normalmente. O rendimento elétrico do gerador é de 80%. Uma pilha comum de rádio é ligada em dois circuitos diferentes I e II.5 J e 1.2 V quando ligada a outra de 1. Determine: a) a fem da pilha. c) 0. 230. perdida pela bateria em uma hora? 229. Uma pilha seca tem diferença de potencial de 1. b) a resistência interna da pilha.0 Ω. em coulombs. nos seus terminais é proporcional à corrente elétrica.5 J e 0. A partir 235. Um gerador de força eletromotriz ε e resistência interna r fornece energia elétrica a uma lâmpada. 236. nos seus terminais é inversamente proporcional à corrente elétrica. montou-se a seguinte tabela: U (V) i (A) 1. A diferença de potencial nos terminais do gerador é de 80 V e a corrente que o atravessa tem intensidade 1. Com os dados.5 Ω d) 2.5 J. U entre os terminais da bateria em função da corrente elétrica i que a atravessa.9 6 0. Nesse processo. b) a ddp. O gráfico abaixo foi obtido variando-se a resistência do reostato e mostra a variação da ddp.0 A para seu funcionamento e para manter acesas duas lâmpadas de farol de 12 V e 48 W cada uma. Quando ligada no circuito I.0 V e resistência interna desconhecida. e) a resistência interna tem um valor muito alto. de fem 12 V.0 Ω. respectivamente.0 s a um resistor R de resistência igual a 0. a tensão em seus terminais é 0.5 V e resistência interna igual a 1. pode-se concluir que a razão . nos seus terminais é sempre igual à força eletromotriz. vale: a) 3/2 b) 1/2 c) 1 d) 2/3 e) 1/3 das informações. Pode-se concluir que a resistência interna da bateria vale: a) 0. medindo-se para cada um deles a tensão (U) em seus terminais e a corrente elétrica (i) fornecida. Pode-se afirmar que EP e ER valem.0 A.3 2 1.5 J. quando a mesma estava ligada à resistência de 1.SP É dada uma pilha comum. Mackenzie . a energia química armazenada na pilha decresce de um valor EP. em que é ligada em resistores diferentes. 232. enquanto o resistor externo R dissipa uma energia ER.4 V quando ligada a uma resistência de 2. é usada para acionar um rádio de 12 V que necessita de 2. e de 1.228. Determine: a) a potência elétrica fornecida pelo gerador.1 4 0.5 J.5 Ω.5 J.5 J. respectivamente: a) 1. b) Qual o rendimento desta pilha quando ela fornece uma corrente elétrica de 10 A? 234. utiliza-se uma bateria de força eletromotriz ε = 9.0 J e 0.2 V e quando ligada no circuito II.0 Ω A força eletromotriz (fem) dessa bateria vale: a) 20 V d) 4 V b) 8 V e) 12 V c) 16 V 231.0 Ω c) 1.0 W. b) 1.SP Um reostato é ligado aos terminais de uma bateria.3 Ω b) 1.7 8 a) Determine a força eletromotriz ε da pilha e sua resistência interna r.

5 Ω 242. Mackenzie-SP Em determinada experiência. a) Determine a força eletromotriz e a resistência interna da bateria.0 A.5 Ω e) 9 V e 1. a intensidade de corrente nos faróis diminui para 8. Por sua vez. ao dar a partida no motor de arranque.0 V. Considerando apenas S1 fechada. b) Calcule a intensidade de corrente no motor de arranque.0 Ω 1. a tensão entre seus terminais cai para 4. por alguns segundos.0 A e o indicador de tensão do painel mostra que ela mantém entre seus terminais uma tensão de 11 V. a diferença de potencial entre os pontos A e B é 11. b) Os dois condutores são ligados em série a uma bateria de força eletromotriz ε.5 Ω 3. S1 e S2 são chaves. A resistência interna desse gerador vale: a) Qual dos dois condutores obedece à Lei de Ohm? Determine a resistência elétrica deste condutor. quando S2 é fechada e os faróis estão acesos. Um gerador de força eletromotriz ε e resistência interna r é ligado aos terminais de uma lâmpada.0 Ω 2. ε a força eletromotriz da bateria e r sua resistência interna. determine a força eletromotriz ε da bateria.0 V. 239.0 V 240. Pode-se afirmar que a força eletromotriz ε e a resistência interna r do gerador valem.0 Ω ε = 12.237.0 A. UFOP-MG As figuras mostram os diagramas tensão versus corrente para dois condutores I e II. observamos que o rendimento do gerador é de 60%. UFF-RJ A figura a seguir representa um esquema simplificado do circuito elétrico que acende/apaga os faróis de um carro e liga/desliga seu motor de arranque. Mackenzie-SP Quando a intensidade da corrente elétrica que passa no gerador do circuito elétrico a seguir é 2. 241.0 Ω b) 6 V e 0. a bateria passa a fornecer. Quando um carro está desligado e os faróis estão acesos. a) Calcule a resistência interna r da bateria. Dado: a) b) c) d) e) 1. Quando S2 também é fechada.0 Ω d) 8 V e 0. a bateria fornece uma corrente de 5. Se a diferença de potencial no condutor II é de 5. O valor da resistência R é: a) 3 Ω b) 6 Ω c) 9 Ω d) 12 Ω e) 15 Ω 238. 92 . uma corrente de 40 A e. o rendimento do mesmo é de 80%. fornecendo a ela uma corrente elétrica de 4 A. ligamos um gerador de fem 120 V e resistência interna 10 Ω a um resistor de resistência R. respectivamente: a) 6 V e 1. Nessas condições. Nestas condições. a lâmpada consome uma potência de 24 W e o rendimento do gerador é de 75%.5 Ω 2.5 Ω c) 8 V e 1.5 V e a intensidade de corrente que percorre a bateria é de 10 A. com isso. b) Determine a potência total gerada pela bateria quando o motor de arranque é acionado.

c) a expressão que relaciona VAB e a corrente. a resistência interna do gerador é.0 V. b) a corrente de curto-circuito. também.4 d) 17 b) 7. c) 30 V e 6 Ω d) 30 V e 25 Ω e) nda. Um gerador bifásico produz uma diferença de potencial (ddp) de 220 V entre as fases (+ 110 V e – 110 V) e uma ddp de 110 V entre o neutro e cada uma das fases. b) a corrente de curto-circuito do gerador. calcule a quantidade de energia elétrica consumida em quilowatt-hora (kWh) e. Quando esses terminais são colocados em curto-circuito. Quando os terminais do gerador estão conectados por um condutor com resistência desprezível. 249. I.2 A. UEL-PR A diferença de potencial obtida nos terminais de um gerador. por meio de várias medidas da diferença de potencial (VAB = VA – VB) entre os terminais desse gerador e da corrente que o atravessa. quando em circuito aberto. 246. 244. ITA-SP A figura representa o esquema simplificado de um circuito elétrico em uma instalação residencial. com as respectivas potências nominais indicadas na figura. II e III. 248. e) I. A resistência interna do gerador é 5 Ω. a capacidade mínima dos fusíveis. 93 . F.0 e) 60 c) 9. a tensão entre os terminais é U = 2. Fatec-SP Uma pilha elétrica tem força eletromotriz ε = 6. d) Apenas II e III. a intensidade da corrente elétrica será 2 A. III.6 245. Com base nessas informações. Assim: a) a corrente de curto-circuito é icc = 1. UFR-RJ O gráfico a seguir representa a curva característica de um gerador. No circuito estão ligados dois fusíveis e três aparelhos elétricos.0 V e resistência interna r = 0. constrói-se o gráfico (figura 2) Analisando as informações do gráfico. b) Apenas II. Quais das afirmativas estão corretas? a) Apenas I. UFRGS-RS Um gerador possui uma força eletromotriz de 10 V. Itajubá-MG O gráfico mostra como varia a corrente que passa por um gerador.243. d) se a tensão entre os terminais for U = 5. a corrente elétrica fornecida pelo gerador é 5. Se os terminais do gerador forem ligados por uma resistência elétrica de 2 Ω. determine: a) a resistência interna do gerador. Sua força eletromotriz e sua resistência interna valem.20 Ω.0 V. Nessas condições. é 12 volts. Num laboratório. em ampère. c) se a corrente for i = 10 A. II. em função da diferença de potencial que existe entre seus terminais.0 ampères. UMC-SP Na figura 1 aparece um gerador de força eletromotriz ε e resistência interna r. respectivamente: a) 6 V e 30 Ω b) 30 V e 5 Ω Admitindo que os aparelhos funcionam simultaneamente durante duas horas. igual a: a) 2. a tensão entre os terminais será U = 2. a diferença de potencial elétrico entre eles será menor do que 10 V. Quando uma lâmpada for ligada aos terminais do gerador. a intensidade da corrente elétrica no resistor é 2 A. determine: a) a fem do gerador. a corrente será i = 25 A. d) a resistência interna do gerador.0 V. PV2D-06-FIS-44 Com base nele.M. em ohms. c) Apenas I e II. b) em circuito aberto. e) nenhuma das afirmações anteriores é adequada. analise as seguintes afirmativas. 247.

0 V e resistência interna r = 1 ohm. 251.0 Ω.250. Para os valores de U e i indicados no gráfico. o gerador apresenta um rendimento de 80%.0 V e 10 Ω b) 5. c) um gerador com fem = 2. b) receptor de resistência interna 2. 94 O diagrama dado representa a curva de potência útil de um gerador cuja força eletromotriz vale ε. Quando o motorista liga o carro. Os valores de U e i são. O elemento é: 253.1 ohm.5 A 30 V e 4 A 36 V e 5 A 40 V e 8 A 254. e a resistência elétrica vale r. respectivamente: a) 1.0 Ω. Qual o valor da força eletromotriz ε e da resistência interna r? 252.0 Ω. a corrente é de 5 A. como mostra a figura a seguir. d) gerador de resistência interna 1. UFR-RJ O gráfico a seguir representa a curva de uma bateria de certa marca de automóvel.0 V e 1.0 V e resistência interna r = 1 ohm. e) Um gerador com fem = 1. e) receptor de resistência interna 1. c) resistor de resistência elétrica 2.0 Ω e) 25 V e 10 Ω .0 Ω c) 10 V e 1. UEL-PR O gráfico a seguir representa a ddp U em função da corrente i para um determinado elemento do circuito.0 Ω.01 ohm. Neste caso: a) Qual a resistência interna da bateria? b) Qual a máxima potência útil desta bateria? 255. UFPE Uma bateria elétrica real equivale a uma fonte ideal com força eletromotriz ε em série com uma resistência r. o elemento é um: a) gerador de resistência interna 2. b) um gerador com fem = 2. d) um resistor com R = 100 ohms. Unirio-RJ Pelas características do gráfico. Quando os terminais A e B são ligados em curto-circuito.0 Ω. a corrente é de 10 A. respectivamente: a) um resistor com R = 0. Quando se coloca entre os pontos A e B uma resistência de 1. Unimes-SP O gráfico representa a dependência entre tensão e corrente para certo elemento de circuito. Os valores de ε e r são.8 Ω. a) b) c) d) e) 40 V e 4 A 30 V e 2.0 Ω d) 25 V e 5. tem-se a corrente máxima ou corrente de curto-circuito.0 V e resistência interna r = 0.

vale: a) 2.0 259. equivalente a 20% da energia total que essa pilha poderia fornecer. 258.0 c) 5. o voltímetro indica 5. Em seguida. Unifesp Dispondo de um voltímetro em condições ideais. b) sua resistência interna.0 V. resistência interna r. c) Utilizando-se os três aquecedores ligados em paralelo. a corrente se altera para i2 = 500 mA e a ddp nos terminais do gerador passa a U2 = 50 V. PUC-MG Deseja-se ferver água contida em um único recipiente. equivalente a 20% da energia total que essa pilha poderia fornecer. 95 . Fechando a chave. fora de um circuito elétrico. um resistor de resistência R = 10 Ω. em watts. insere essa pilha num circuito elétrico e refaz essa medida. Determine: a) a fem ε e a resistência interna r do gerador. vale: a) 400 b) 300 c) 200 d) 100 e) 40.5 volt. Essa diferença na medida da diferença de potencial nos terminais da pilha se deve à energia dissipada no: a) interior da pilha. Fuvest-SP Quando um gerador é ligado a um resistor R1 = 900 Ω. d) circuito externo. enquanto pelo resistor circula a corrente i1 = 100 mA.0 V.2 volt.0 e) 10 A potência máxima que esse gerador pode fornecer ao circuito externo. Calcule: d) 6.0 b) 4. b) Utilizando-se apenas o aquecedor com resistência de 2 Ω. UEL-PR O gráfico a seguir representa a curva característica de um gerador. um estudante mede a diferença de potencial nos terminais de uma pilha em aberto. isto é. a ddp nos seus terminais em função da corrente elétrica que o percorre. nas condições de potência máxima fornecida. Na figura. um voltímetro ideal V e uma chave interruptora Ch. UEL-PR O circuito esquematizado é constituído por um gerador G de fem ε. Substituindo-se o resistor por outro R2 = 100 Ω. representamos a potência fornecida por um gerador em função da intensidade de corrente que o atravessa. equivalente a 30% da energia total que essa pilha poderia fornecer. em ohms. e obtém 1. Os aquecedores serão ligados a um gerador que tem uma força eletromotriz ε = 6 V e uma resistência interna r = 3 Ω. 260. 3 Ω e 6 Ω. observa-se que a ddp nos seus terminais é U1 = 90 V. dispõe-se de três aquecedores com resistências respectivas de 2 Ω. a resistência interna r do gerador. equivalente a 12% da energia total que essa pilha poderia fornecer. 261. Com a chave aberta o voltímetro indica 6. PV2D-06-FIS-44 e) interior da pilha e no circuito externo. Para isso. b) circuito externo. b) a potência elétrica dissipada internamente no gerador.256.0 257. c) interior da pilha. d) Utilizando-se os três aquecedores ligados em série. a) a fem do gerador. ou seja. obtendo 1. Qual é a melhor maneira de se ferver essa água no menor tempo possível? a) Utilizando-se apenas o aquecedor com resistência de 3 Ω. equivalente a 30% da energia total que essa pilha poderia fornecer. Nessas condições.

d) a energia absorvida pela água durante os 10 min que sucedem à ligação de S.00 A. IV. EFEI-MG A leitura no voltímetro. E Voltímetro (V) 3.5 C. determine: a) a resistência interna da bateria. em que V e A representam.0 cal/g °C 1 cal = 4J Com o resistor imerso em água. de força eletromotriz ε = 12 V e resistência interna r desconhecida.2 V.00 2. podemos dizer que (V ou F): I. a chave S é ligada.00 1.00 r A Cursor B Reostato Nessas condições.50 0. a potência dissipada na resistência R é igual a 3.00 0. a resistência interna da bateria é igual a 1.50 Ω.5 Ω e uma chave S. A resistência R é variável e os fios de ligação têm resistências desprezíveis. quando o cursor varia de A até B. 264.25 V.262. 263.75 0.00 W. c) a potência útil e a eficiência do gerador. b) a resistência interna da pilha. quando a diferença de potencial sobre R for igual a 2. UFG-GO Para investigar o desempenho de uma bateria B.00 V. um voltímetro e um amperímetro ideais. de resistência interna infinita. é conectada a um circuito elétrico que contém um resistor de resistência R = 3. b) a ddp nos terminais da bateria.50 2. UFF-RJ (modificado) Uma bateria B. II. 265. permitindo que o circuito seja atravessado por uma corrente elétrica de intensidade igual a 3. na figura a abaixo. Quando ligado conforme figura b. a leitura é de 2. é de 2. Considerando que não há dissipação de energia nos fios de ligação e que a energia liberada no resistor é utilizada integralmente para aquecer a água. Dados: calor específico da água = 1. para a corrente de 1. Um gerador de fem igual a 120 V e resistência interna igual a 10 ohms é ligado a um reostato cuja resistência elétrica varia de 0 a 20 ohms.50 1.0 A. a força eletromotriz da bateria é igual a 3.00 Amperímetro (A) 0.25 1. foi montado o circuito abaixo. a quantidade de carga que a atravessa em 10 s é igual a 22. conforme figura. respectivamente. Determine: a) a força eletromotriz da pilha. III. a) Faça o gráfico da potência útil lançada pelo gerador ao reostato em função da intensidade da corrente elétrica. b) Qual a posição do cursor para a qual a potência útil lançada pelo gerador é máxima? 96 .0 V.

40 A.0 271. a) 1. a corrente elétrica em R será de 0. b) Determine a ddp entre os terminais A e B do gerador. em ohms. fornece uma corrente elétrica de 0. Se essa fonte de tensão F for substituída por outra. a) b) c) d) e) 2 3 5 1.75 A e 12 V 268.0 Ω As leituras do amperímetro ideal A e de um voltímetro também ideal.Itajubá-MG Calcular a intensidade da corrente em ampères.5 A e 15 V b) 1.2 d) 3. 6 270. O amperímetro A é ideal. respectivamente.0 e) 6. b) a diferença de potencial nos resistores de 9. A resistência interna da nova fonte de tensão é. PUCCamp-SP Uma fonte de tensão ideal F. PUCCamp-SP Um gerador de força eletromotriz ε = 15 V e resistência internar = 2.60 c) 1. No circuito a seguir temos um gerador de força eletromotriz ε = 48 V e resistência interna r = 3 Ω ligado a uma associação de resistores. igual a: a) 0. que atravessa o gerador no circuito a seguir: Determine: a) a indicação do amperímetro.75 A e 15 V e) 0.0 Ω. 267. A força eletromotriz do gerador ideal é: 1W 2W E 3W 4W A 3 PV2D-06-FIS-44 3 r E 9 9 9 1 B a) b) c) d) e) 24 V 18 V 15 V 12 V 6V 97 .0 Ω alimenta o circuito representado a seguir. c) a diferença de potencial nos terminais do gerador.10 b) 0. colocado entre os terminais do gerador são.0 Ω R2 = R3 = 8.5 A e 12 V c) 1.266.3 A e 13 V d) 0. cuja força eletromotriz é 12 volts.75 0.50 A para um resistor R. a) Determine a corrente elétrica fornecida por esse gerador.M. F. Mackenzie-SP No circuito elétrico representado a seguir o resistor de 4 Ω é percorrido pela corrente elétrica de intensidade 2 A. também de 12 volts.5 Ω. 269.28  Dados: R1 = 4. No circuito a seguir a força eletromotriz do gerador vale ε = 30 V e sua resistência interna é r = 0.

0 Ω c) 10 V e 2. 3. Pode-se concluir que a força eletromotriz do gerador e sua resistência interna são. Com a chave ch aberta. quando a chave C for fechada? 274.0 0. o amperímetro acusa a medida 300 mA. a) Determine a corrente fornecida pelo gerador b) Determine a tensão entre os pontos A e B do circuito.0 275. Em outra experiência.6 A. Vunesp Três resistores de 40 ohms cada um são ligados a uma bateria de fem ε e resistência interna desprezível. Mackenzie-SP No circuito elétrico a seguir.0 V e resistência interna r = 0. o gerador e o amperímetro são ideais.50 273. tem-se um gerador de força eletromotriz ε = 6. Fatec-SP Um gerador é ligado a um resistor de resistência 11 Ω.272.0 Ω 277.0 Ω d) 10 V e 1. é:  6. e verifica-se no circuito uma corrente elétrica de 1.0  a) 48 V b) 36 V c) 24 V d) 12 V e) 60 V 276. como mostra a figura. Fechando a chave. o mesmo gerador é ligado a um resistor de resistência 5. C 40  40   40  Quando a chave C está aberta. No circuito da figura.0 Ω e) 6. com a chave Ch aberta (Va) e depois fechada (Vf).0 A. a razão entre as leituras Va e Vf do voltímetro ideal V. o amperímetro acusará a medida: =6V 3 6 V r=2 Ch A a) b) c) d) e) 98 ch 100 mA 200 mA 300 mA 400 mA 500 mA a) 6 b) 4 c) 2 d) 1 e) zero .0 Ω. respectivamente: a) 12 V e 2. a) Qual é o valor da fem ε? b) Que corrente passará pela bateria. onde i = 0. a força eletromotriz E vale: E 40  i 60  6.0 A. Mackenzie-SP No circuito representado a seguir. Fuvest-SP No circuito esquematizado.50 Ω alimentando um circuito com três resistores. a corrente que passa pela bateria é 0.0 Ω b) 12 V e 1. e a corrente elétrica é de 2.15 A.0 V e 3.

As características ε e r do gerador são. 1 Ω c) 20 V.5 Ω e) 30 V. Mackenzie-SP No circuito a seguir. A força eletromotriz ε do gerador ideal vale: G 90 V R3 6W 6W R2 12 W R1 1W  20 W 5W PV2D-06-FIS-44 a) Qual o valor da intensidade de corrente no gerador? b) Qual o valor da intensidade de corrente no resistor R 1? a) 12 V b) 10 V c) 8 V d) 6 V e) 4 V 99 . ESPM-SP O circuito elétrico. 2. O valor da força eletromotriz da fonte (ε) é.0 c) 10 d) 16 e) 25 279. em ohms. a corrente passa a ser 6 A. Fuvest-SP Um circuito é formado por três resistores e um gerador G como indica a figura. R1 = 20 Ω e R2 desconhecido.278. respectivamente: r 9W  (1) Ch (2) 4W a) 10 V. o que acontece com o brilho da lâmpada L1? Justifique. é: a) 1. esquematizado a seguir. 281. A força eletromotriz vale 18 volts e C é uma chave que está inicialmente fechada. a corrente elétrica no gerador tem intensidade 3 A e quando está na posição (2). a corrente no resistor R2 é de 2 A. Quando a chave Ch do circuito está na posição (1).6 b) 5.0 V e resistência interna r = 0. 3 Ω d) 25 V. a corrente elétrica que passa pelo resistor de 20 Ω tem intensidade 0. A tensão nos terminais do gerador é de 90 V. é constituído de um gerador de fem ε = 9.0 A.50 Ω e dois resistores. a) Qual a corrente que passa por L 2? b) Abrindo-se a chave C. L2 e L3 são idênticas com resistências de 30 ohms cada. 283. o valor de R2. 1 Ω 282. UFSM-RS No circuito da figura.4 A. Fuvest-SP No circuito as lâmpadas L1. b) 15 V. 2 Ω Se a corrente i fornecida pelo gerador vale 2. em V: a) 6 b) 12 c) 24 d) 36 e) 48 280.

dissipada no fio F2.284.0 Ω a) b) c) d) e) 3 A. 289. em watts.10 A. e um gerador de fem ε = 1. Unifor-CE Um circuito é montado com dois resistores. Quando dois resistores de resistências 3.0 Determine do valor da a) corrente i.00 Ω.5 V e resistência interna r são associadas em paralelo e esse conjunto alimenta uma única lâmpada. de mesmo material.0 V e resistência interna 2. é: d) 1. A força eletromotriz da bateria é E = 9.2 d) 2. há um voltímetro ideal M (com resistência interna muito grande). que percorre o fio F1. respectivamente.m. b) potência P2.0 Ω e dissipa uma potência igual a 8. b) corrente elétrica no circuito vale 6.0 Ω. um de resistência R e outro de resistência 2R.2 A. a lâmpada dissipa a potência de 6.0 W. Mackenzie-SP Dispõe-se de uma associação de seis lâmpadas idênticas. Nestas condições a lâmpada está acesa. 100 .3 Ω. d) ddp em R2 vale 20 V.0 Ω 285.30 Ω. A intensidade de corrente elétrica que atravessa o gerador é igual a: a) 5. F1 e F2.0 Ω são associados em paralelo e a associação ligada aos terminais de um gerador de f. A resistência interna do gerador é: a) 0.e.9 c) 4.1 b) 4.67 A 1. É correto afirmar que a: a) resistêcia equivalente do circuito vale 3. 54 V 288. em volts.0 A.5 Ω b) 0. Cinco pilhas idênticas de força eletromotriz 1.0 a) b) c) d) e) 1. 129. Nessas condições.5 W – 6V). em ohms.50 A 88 mA 150 mA 167 mA 286. UFSM-RS Analisando o circuito a seguir. o valor de R. os valores da intensidade de corrente elétrica e diferença de potencial nos terminais do resistor de 18 ohms valem respectivamente: 9. Se a corrente elétrica fornecida pelo gerador tem intensidade 0. a intensidade de corrente que passa pelo gerador é de 4.3 V.3 e) 2. 54 V 2 A. c) diferença de potencial V(M). cada uma das quais com inscrição nominal (1.5 Ω e) 2.6 V 3 A.8 Ω c) 1. 287.0 A. 14 V. em ampères. de comprimentos iguais e de diâmetros d e 3 d. tem resistência RL = 2. indicada pelo voltímetro M.5 W. Calcule a resistência interna r. 36 V 2 A. Fuvest-SP Uma lâmpada L está ligada a uma bateria B por 2 fios. O gerador elétrico utilizado possui força eletromotriz 3.8 Ω. como mostra a figura. conforme a figura a seguir. Ligado aos terminais da bateria.0 V e a resistência do fio F1 é R1 = 1. 290. 36 V 7.5 V e resistência interna r = 0.0 Ω e 6. c) potência elétrica dissipada em R1 vale 300 W. e) potência fornecida pelo gerador vale 480 W. ESPM-SP Considere o circuito a seguir constituído de um gerador ideal de fem ε = 60 V e dois resistores de resistências R1 = 10 Ω e R2 = 5. fornecendo a ela 1.

Se uma segunda bateria. c) a corrente pelo resistor aumentará. PUC-MG Quando duas baterias iguais são ligadas em paralelo.5 volts cada são ligadas a uma resistência R de 16 Ω.291. i A r1 = 3  1 = 60 V 2 = 100 V r2 = 2  B i PV2D-06-FIS-44 101 .0 Ω.5 Ω. b) a corrente em cada gerador. A corrente de curto-circuito de cada gerador da associação vale: a) a diferença de potencial no amperímetro aumentará. i (mA) 25 20 15 10 5 0 0 1 2 3 4 5 nº de pilhas 295. e) A força eletromotriz fornecida ao circuito e a resistência interna equivalente não ficam modificadas. de cada pilha (com resistência interna desprezível) é 1. Vunesp O gráfico representa a corrente i que atravessa um resistor de resistência R quando é alimentado por pilhas ligadas em série. um resistor de resistência R e uma bateria de f. é correto afirmar: a) A resistência interna equivalente fica reduzida à metade. 294. e) 120 V e 1.25 Ω. 297. ε e resistência interna desprezível estão ligados em série. e) a corrente pelo resistor diminuirá. b) 30 V e 1. c) A força eletromotriz fornecida ao circuito dobra de valor. d) A força eletromotriz fornecida ao circuito fica reduzida à metade.5 Ω. sobre a resistência R? – + – + – a) 12 A b) 8 A c) 6 A d) 3 A e) 2 A + R – + 293. b) A resistência interna equivalente fica dobrada. d) 30 V e 2. c) 60 V e 3 Ω. Sabendo que cada pilha apresenta uma resistência interna de 2. for ligada ao circuito como mostra a linha tracejada da figura a seguir.e. A associação de dois geradores da figura a seguir estão gerando uma ddp de 140 V entre os terminais A e B. Vunesp Um aperímetro ideal A. como mostra a figura. UFC-CE Quatro pilhas de 1. qual a diferença de potencial. em volts. 296. d) a corrente pelo resistor não se alterará. O gráfico a seguir representa a curva característica do gerador equivalente de uma associação em série de 4 geradores idênticos. idêntica à primeira. Se a f.e. c) qual deles apresenta maior rendimento. qual é o valor da resistência R? 292. obtém-se um gerador equivalente de fem e resistência interna respectivamente iguais a: a) 120 V e 6 Ω.5 volts. Associando-se em paralelo os geradores da questão anterior. b) a diferença do potencial no amperímetro diminuirá. Pede-se para determinar: a) as características do gerador equivalente.m.m.

as caixas A B são geradores que possuem resistências internas iguais. c) série em I. em pararelo. em ohms.1 b) 0. e) 0. P1 e P2 são baterias iguais de resistência interna desprezível. . Associam-se. Qual deles está tendo maior rendimento? Justifique.5 V e 1. a chave K está na posição 1.8 Ω. b) 22. 300. n geradores iguais que apresentam a seguinte curva característica: 301. 2 304. 102 Considere os fios de ligação com resistência desprezível. é 2 ampères. cada um de fem igual a 4. x é um resistor de resistência constante e K é uma chave de duas posições. Quando a chave está aberta. Cesgranrio-RJ Pilhas de lanterna estão associadas por fios metálicos. Calcule a corrente indicada em cada um dos amperímetros quando a chave C estiver fechada. b) fica reduzida à metade. P1 P2 1 K x 3 303. PUC-SP No circuito esquematizado. pode-se afirmar que as pilhas estão eletricamente associados em: a) paralelo em I. Se a força eletromotriz de cada um dos geradores é 12 volts e a corrente elétrica que passa pela resistência R. Se a chave passa para a posição 2.0 Ω.0 302. A fem e a resistência interna do gerador equivalente têm valores. quando a corrente elétrica na associação é de 15 A ela dissipa internamente uma potência de 45 W. de: A B Sabendo-se que.0 A. c) 4.298. II e III. c) não se altera.8 Ω. iguais a: a) 4. PUC-SP Cinco geradores.5 c) 1. Ligando-se resistores entre os pontos terminais livres. b) parelelo em III e IV.5 A.0 Ω. então a resistência interna de cada um dos geradores é. de 10 ohms.0 e) 10. e) série em III e V.0 R d) 2.9 V e 9. dois amperímetros A1 e A2 com resistências internas nulas e uma chave C.5 V e 9. a potência dissipada em x: a) dobra. II e III.5 V e corrente de curto-circuito igual a 0. segundo os arranjos: a) 0. podemos afirmar que o número n de geradores na associação é: a) 2 b) 3 c) 4 d) 6 e) 9 299. A figura representa os gráficos de dois geradores ligados em série.0 Ω. Inicialmente. O circuito da figura a seguir é formado por duas baterias idênticas e ideais B1 e B2. d) série em IV e V. respectivamente. a corrente indicada em ambos os amperímetros vale 2.5 V e 9. num circuito. são associados em paralelo. e) fica quadruplicada. d) fica reduzida à quarta parte. d) 0. UFSM-RS No circuito mostrado na figura.9 V e 1.

b) Amperímetro 0. Some os itens corretos. Justifique a sua avaliação. 01. O esgotamento das pilhas de uma lanterna como essa significa que a resistência delas aumentou a ponto de reduzir. 04. FURG-RS Numa aula experimental de física.15 A. A explicação para o fato de que. UEPG-PR Sobre o circuito esquematizado a seguir. a lanterna deixa de iluminar está em que a força eletromotriz de seus geradores (pilhas) diminui até o esgotamento de toda a energia. sugeriu que se desprezasse a resistência interna das pilhas e a resistência dos fios. e) Amperímetro 0.075 A. a valores desprezíveis.15 A. valem: a) i1 = 2V/R e i2 = 4V/R d) i1 = zero e i2 = 4V/R b) i1 = zero e i2 = 2V/R e) i1 = 2V/R e i2 = zero c) i1 = 2V/R e i2 = 2V/R 306. Vunesp O poraquê Electrophorus electricus é um peixe provido de células elétricas (eletrócitos) dispostas em série.15 A. c) Amperímetro 0. ele pediu a um aluno que montasse uma ligação qualquer e concluísse seus resultados. Mackenzie-SP Duas baterias têm mesma força eletromotriz (ε1 = ε2) e resistências internas respectivamente iguais a r1 e r2.0 A. cada lâmpada 0. d) Amperímetro 0.5 volt cada uma.5 V cada uma. 08. a) Faça um esquema representando a associação dessas células elétricas na cauda do poraquê. Qual das alternativas é a conclusão correta? a) Amperímetro 0. enfileiradas em sua cauda. indicadas na figura. calculou-se uma potência de consumo de 0. com 1. nesse. Fuvest-SP O circuito da figura é formado por 4 pilhas ideais de tensão V e dois resistores idênticos de resistência R. a corrente que passa pelos circuitos externos a elas. Num espécime típico. cada lâmpada 0. A força eletromotriz dessa associação de três geradores (pilhas) é igual à soma das forças eletromotrizes dos geradores (pilhas) individuais. Quando uma das lâmpadas foi ligada às duas pilhas em série. 308. Podemos afirmar que as correntes i1 e i2. 307. As pilhas dessa lanterna são geradores cuja energia é retirada de reação química dos elementos que as compõem.30 A. cada lâmpada 0. esse conjunto de células é capaz de gerar tensões de até 480 V. b) Qual a potência elétrica máxima que o poraquê é capaz de gerar? O valor de R que tornará nula a diferença de potencial entre os terminais da primeira bateria será igual a: a) r1 + r2 b) r1 – r2 c) r2 – r1 d) r1 + r2/2 e) r1 – r2/2 103 PV2D-06-FIS-44 . com descargas que produzem correntes elétricas de intensidade máxima de até 1. 16.305.30 A. Cada célula tem uma fem = 60 mV (0. assinale o que for correto. O aluno então fez a ligação mostrada a seguir. Para efeito dos cálculos. depois de determinado tempo. 02.075 A.060 V). um amperímetro e um conjunto de fios. cada lâmpada 0. de uma lanterna comum. o número n de células elétricas que um poraquê pode ter. A seguir. quando mantida ligada. A resistência interna dessa associação de três geradores (pilhas) é igual à do gerador de maior resistência interna. 309.30 A.075 A. de uso geral. duas lâmpadas idênticas. o professor utilizou como material duas pilhas de 1.45 W. Elas são ligadas em série a um resistor externo de resistência R. cada lâmpada 0. esquema. Indique. considerando que ela tem três pilhas de força eletromotriz igual.15 A.

a) 4. conforme mostra a figura 1. ITA-SP No Laboratório de Plasmas Frios do ITA é possível obter filmes metálicos finos. e que o amperímetro acusa uma corrente i = 0.6 · 10 –8 Ω·m).0 A e) 7. resistor e receptor. UFAL Considere os gráficos a seguir. resistor e gerador. forem ligadas nas mesmas duas baterias. pode-se dizer que a intensidade da corrente medida pelo amperímetro será de: a) 1. é possível medir a espessura e de cada filme. João porta um rádio para comunicar-se.10 A. gerador e resistor. 104 . e que o fluxo de energia solar médio incidente é da ordem de 1. cada uma. o amperímetro ideal indica uma corrente elétrica de 6. de converter a energia solar em energia elétrica. e) resistor. sendo capaz de gerar uma tensão de 0.35 A. capazes Supondo que após certo tempo de deposição é formada sobre o vidro uma camada uniforme de alumínio entre os dois eletrodos.2 A b) 3.70 V. receptor e resistor. de largura b = 1.8 V e corrente mínima de 0. são ligadas a duas lâmpadas idênticas A e B.0 · 103 W/m2.7 · 10 –9 m e) 8. como indicado. necessárias para operar o rádio. estando ligados a dois eletrodos retangulares e paralelos. os dois geradores são idênticos.6 A c) 4.0 Ω. Duas baterias idênticas de força eletromotriz ε = 12 V e resistência interna r = 1 Ω.310. a) gerador. cujas resistências podem ser consideradas ôhmicas.2 A 311.0 V e resistência r = 1.0 A.3 · 10 –9 m d) 9. receptor e gerador.0 cm. 312. Nesta situação. com eficiência de 10%. Projete um circuito que deverá ser montado com as célular solares para obter uma tensão de 2. Capítulo 5 313. Um amperímetro ideal A é inserido no circuito. Se as mesmas lâmpadas.8 A d) 6. d) receptor. c) receptor. de fem ε = 1. Na figura. mas como mostra a figura 2. vaporizando o metal e depositando-o por condensação sobre uma placa de vidro. Considere que cada célula tenha 10 cm2 de área coletora.1 · 10 –9 m c) 4. Em caso de necessidades. U U U 0 (I) i 0 (II) i 0 (III) i Eles representam as curvas características de três elementos de um circuito elétrico. P1 e P2.1 · 10 –9 cm b) 4.0 cm e separados por uma distância a = 3. pretende utilizar células solares de silício.6 · 10–9 m. ITA-SP Em sua aventura pela Amazônia. qual deve ser a espessura e do filme? (resistividade do alumínio ρ = 2. Com o auxílio do dispositivo mostrado na figura. b) gerador. respectivamente.

Um liquidificador de força contra-eletromotriz igual a 110 V é ligado a uma tomada de 120 V.5 A e) 5. pode-se afirmar que sua resistência interna é: a) 5 Ω d) 10 Ω b) 1 Ω e) nda c) 150 Ω 324.0 Ω b) 3. Quando ligado em uma fonte que lhe fornece uma tensão de 110 V.5 Ω d) 5. b) Determine seu rendimento. O motor tem resistência interna de 20 Ω e é percorrido por uma corrente elétrica de 500 mA. Supondo estarem os eixos do gráfico a seguir as mesmas escalas. Um motor tem fcem 200 V e resistência interna 5 Ω.0 A d) 4. a sair fumaça. d) a energia elétrica é totalmente convertida em mecânica. e) o rendimento do motor.0 A 315. 317. O esquema mostra um motor elétrico submetido a uma tensão de 120 V sendo percorrido por uma corrente elétrica de intensidade 4 A. Um gerador fornece a um motor uma ddp de 400 V. Sua resistência interna vale: Dado: 1 HP = 750 W a) 0. Qual a corrente que o atravessa se bloqueamos seu eixo quando submetido à tensão de 220 V? a) 12 A d) 36 A b) 20 A e) 44 A c) 28 A 323.314.5 A c) 4.5 Ω 105 . Nestas condições. a) Determine a força contra-eletromotriz e a resistência interna desse receptor. 318. o motor da enceradeira quando tentamos lustrar o chão com a cera ainda úmida. PV2D-06-FIS-44 a) 60 % b) 70 % c) 80 % d) 90 % e) 100 % a) 2. pois: a) ele está consumindo o dobro da energia elétrica. 320. b) a potência total fornecida ao motor e seu rendimento. Quando “forçamos” um motor elétrico. Um motor de força contra-eletromotriz e resistência interna desconhecidas apresenta em seus terminais uma ddp de 130 V quando atravessado por uma corrente elétrica de 2 A. Um motor elétrico tem fcem de 95 V e exerce uma potência mecânica de 0. como.5 A b) 3. por exemplo. Sabendo-se que a potência dissipada pelo liquidificador é 100 W. determine o rendimento do receptor para uma corrente de 25 A. Tal procedimento é prejudicial à vida útil do motor.95 HP quando ligado a 110 V. b) a potência do motor. ou quando colocamos roupas na máquina de lavar em quantidade acima da máxima especificada pelo fabricante. 321. 316.0 Ω e) 6. b) a potência dissipada internamente. e) nda 322. quando está ligado sob ddp de 100 V. determine: a) a resistência do motor. O motor de um liquidificador tem força contra-eletromotriz de 80 V. b) Desenhe sua curva característica. Qual o valor da intensidade de corrente i indicada na figura a seguir? 319. b) ele dissipa menos energia térmica e exerce mais energia mecânica. c) sua potência útil (mecânica). Ligando-o de outra maneira. a) Determine a força contra eletromotriz do motor. c) ele dissipa mais energia térmica em detrimento da energia mecânica. verifica-se que a corrente que o atravessa é de 5 A e que a ddp nos seus terminais é de 145 V. Determine: a) a fcem do motor. é percorrido por corrente de intensidade 2 A. Calcule: a) a força contra-eletromotriz do motor. c) seu rendimento elétrico. chegando até. ele desenvolve uma potência útil de 120 W. d) a potência dissipada internamente. notamos que há um aquecimento acima do normal. Um motor de resistência interna 1 Ω.0 Ω c) 3. às vezes.

Mackenzie-SP A ddp nos terminais de um receptor varia com a corrente. OMEC-SP A curva característica de um motor elétrico é representada pelo gráfico a seguir.325. UFPA Sob tensão U = 100 V.440 W c) 720 W d) 180 W e) 120 W 328.0 Ω 12. conforme o gráfico a seguir. pode ser recarregada.5 Ω 11 V e 1. Um fabricante de motores fornece o seguinte gráfico referente a um de seus motores. O motor de uma enceradeira possui uma força contra-eletromotriz E = 100 V e resistência interna r = 10 Ω. o eixo de seu motor é bloqueado e impedido de girar.400 W e) 25. A força contra-eletromotriz e a resistência elétrica interna do motor elétrico valem.000 W b) 12. Um ventilador possui um dispositivo para regular a velocidade de giro das pás através da alteração da tensão aplicada nos terminais de seu motor. a) b) c) d) e) 25 V e 5. Mantendo a enceradeira ligada na mesma tomada. a) Determine a tensão elétrica que o gerador aplica nos terminais da bateria.0 Ω a) Determine a força contra-eletromotriz e a resistência interna do motor.0 A. seu eixo gira livremente. Com isso. quando terminada sua carga após um bom tempo de uso.400 W b) 1. Quando ligado a uma fonte de tensão de 140 V e tendo seu eixo bloqueado. ele recebe uma corrente elétrica de 2 A e. pois estará dissipando uma potência de: 326. respectivamente: co a seguir mostra como varia a tensão aplicada em função da corrente elétrica que atravessa o motor do ventilador.600 W d) 21.0 Ω 22 V e 2. O gráfi- a) 5.000 W 106 .4 W sendo recarregada por um gerador que lhe fornece uma corrente elétrica de 10 A. A fcem e a resistência interna desse receptor são. A bateria de um automóvel é um gerador que. pode-se dizer que a potência a ser dissipada em sua resistência interna será de: a) 14. Quando ligada em uma tomada. b) Qual a potência útil (potência transformada em energia química) da bateria? c) Qual o rendimento da bateria no processo de recarga? 331. com isso. respectivamente: a) b) c) d) e) 10 V e 10 Ω 5Ve5Ω 5 V e 10 Ω 10 V e 5 Ω 10 V e 20 Ω 327. esse motor poderá queimar. A potência dissipada por efeito Joule é: a) 20 W b) 50 W c) 120 W d) 450 W e) 500 W 330. 329. um motor de resistência interna r = 2 Ω é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade i = 5. Considere uma bateria de automóvel de força eletromotriz 12 V e resistência interna 0.5 V e 2.0 Ω 20 V e 1. b) Determine qual a potência útil e o rendimento do motor quando ligado em uma tensão de 220 V.400 W c) 19.

Duas baterias B1 e B2 estão ligadas de tal forma que uma está recarregando a outra. está sendo recarregada. o motor. sendo um passivo (resistor) e um ativo. A potência elétrica extraída da linha é Pe.2 2.0 Ω b) 55 Ω c) 2. O interruptor está inicialmente aberto e é então fechado durante 10 s.2 22 22 2.4 2. cuja eficiência é 50%. o voltímetro. que é ideal. sua resistência interna é de: a) 5. recebendo corrente i = 10 A. Qual o rendimento do receptor ativo? Um motor M está ligado a uma bateria ideal B por meio do circuito da figura. e quando S está fechado. puxa o peso P de massa 10 kg lentamente para cima por uma distância d ao longo do plano inclinado de 30°.0 Ω PV2D-06-FIS-44 d) 115 Ω e) – 5. Fatec-SP Um motor elétrico funciona sob tensão contínua U = 220 V. b) a distância d que o corpo percorre. A potência elétrica dissipada por ela é de 20 W e sua fcem é de 110 V. Assinale o conjunto correto (aproximadamente). indica 2 V. a) b) c) d) e) 90% 75% 70% 60% 50% a) Determine a intensidade da corrente elétrica estabelecida no circuito e qual das baterias. Quando o interruptor S está aberto. a potência útil do motor é Pm (potência mecânica no eixo). indica 12 V. Assim. B1 ou B2.98 335. Enquanto está ligado. O rendimento global do motor é η = 90%. Considerando que não há atrito entre o peso e o plano inclinado. 337.2 Pm (kW) 2. com resistência interna r = 1 W e um receptor de fcem de 6 V com resistência interna r’ = 2 W. 336. Fuvest-SP 333.0 Ω a) 6 A e 3 V b) 1 A e 8 V c) 1 A e 10 V d) 3 A e 12 V e) 12 A e 6 V 107 . por uma corda de massa desprezível que se enrola em seu eixo. A figura representa um trecho de circuito que contém dois receptores. como mostra o esquema a seguir. A intensidade da corrente no circuito e a ddp nos terminais do receptor são: 334. Pe (kW) a) b) c) d) e) 2. O motor atua no circuito como uma resistência. PUC-SP A figura esquematiza o circuito elétrico de uma enceradeira em funcionamento. Unic-MT O circuito da figura mostra um gerador de fem e = 12 V. calcule: a) a corrente no motor enquanto ele está ligado. b) Determine a ddp nos terminais da bateria que está sendo recarregada.0 20 20 1.332.

São feitas as seguintes afirmações: I.0 Ω e) 5. e) 2.0 Ω b) 2. no sentido anti-horário.75 A e) 0. IV.5 V e resistência interna r = 1.0 Ω d) 4.0 Ω c) 3.338.5 A c) 0. d) 2. no circuito indicado. III. Considere o circuito elétrico a seguir A corrente que circula pelas pilhas é de a) 0.5 5 339. 342.0 Ω 343.0 2. II. a) b) c) d) e) 2. Cesgranrio No circuito esquematizado a seguir. Pode-se afirmar que estão corretas as afirmações: a) I e II b) II e III c) I e IV d) I e III e) II e IV 340.0 A.0 A.25 A 108 .SP Uma bateria. é ligada a um voltímetro de fcem ε’ = 5 V e resistência interna r’ = 10 Ω. A corrente circula no sentido horário. no sentido horário. uma bateria com fem de 12 V e resistência interna de 1. tem-se um gerador G. A intensidade da corrente elétrica é de 2 A. No circuito representado na figura seguinte. deve-se ajustar o valor de R para: a) 1. em ampères. Fatec Três pilhas de fem ε = 1. b) 0. qual deve ser o valor de ε para que a intensidade da corrente seja de 2 A no sentido horário? Para que a bateria seja carregada com uma corrente de 8. São ligadas ainda as resistências R1 = R2 = 2.0 Ω.0 A. c) 1. é: 341.50 A. A tensão elétrica entre os pontos A e D é de 116 V. e um resistor variável R. Casa . no sentido anti-horário. A tensão elétrica entre os pontos C e B é de 24 V.0 12. de fem ε = 20 V e resistência interna nula.5 3.5 A.5 Ω.50 A. no sentido horário. UFC-CE A intensidade i da corrente elétrica.0 A. que fornece 60 V sob corrente de 8.0 Ω são ligadas como na figura a seguir. no sentido horário. A intensidade de corrente no circuito é: a) 4/3 A d) 1 A b) 0. Sta.

todos ideais: + 1. Os valores característicos de cada elemento estão indicados no esquema. 2 A b) 8 V. 4 V. um resistor ôhmico. PUCCamp-SP Considere o circuito esquematizado a seguir constituído por três baterias. e) a potência dissipada no circuito mede 10 W. a intensidade da corrente é 2 A.0 e 1. d) a queda de tensão no motor M é de 15 V. 1 A d) 6 V.25  A corrente i no circuito é de: 1. conforme a chave estiver ligada em (1) ou em (2). 4 V. 3 A c) 8 V. 2 A 109 PV2D-06-FIS-44 .0. d) 3. 2 V. será. V1.5 V.0 A 4. 6 V.5 V a) b) c) d) e) 6.0 e 3. cujas resistências internas valem r1 = r2 = 1. 1 A e) 6 V. respectivamente: a) 1. Um circuito é constituído por três elementos.0 e 3. em ampères.0 e 2. 3 V. 346. Ufla-MG No circuito apresentado na figura a seguir. As indicações do amperímetro.75  e R2 = 1.0. também. 2 V. 6 V. 345.0. os valores das resistências R1 = R2 = 4. V2. b) 1. B e C. um amperímetro ideal e uma chave comutadora. b) se a potência do gerador é 30 W. A intensidade de corrente no circuito vale: a) Qual a tensão entre os dois pontos A e B? b) Mencione qual deles é o de potencial mais elevado. 348.344.0 . sua força eletromotriz é 15 V.0 V e 2 = 3. FEG-SP O esquema a seguir representa um circuito contendo duas pilhas e dois resistores.0 A Pode-se dizer que as leituras nos aparelhos V1.75 W – 9V + + – + – a) 1 A b) 1. A. cujas curvas características estão representadas no gráfico a seguir. V3 e A são. UCS-RS No circuito seguinte.5 V – 3V 3V 1.0.0.0 V.25 W – + 1.5 A c) 2. 6 V.5 A 2. UFSC No circuito a seguir representado.0 e 1. c) Qual é a intensidade de corrente no circuito? d) Determine a potência total da pilha que está funcionando como receptor.0  e R3 = 2. em série. São conhecidos. 6 V. respectivamente: a) 9 V. 347. temos duas baterias de forças eletromotrizes 1 = 9. 6 V.0 A 5. V2 e V3 são voltímetros e A é um amperímetro.0 A 3. a resistência R mede 5 ohms.0 A 349. e) 3.5 A e) 3. estão representadas diversas fontes de força eletromotriz de resistência interna desprezível que alimentam os resistores R1 = 1. c) a queda de tensão no resistor é de 2.0 A d) 2.0 . c) 2. Pode-se afirmar que: a) a força eletromotriz do gerador é de 10 V. o gerador G e o motor M têm resistência interna desprezível.

Por tentativas. b) Determine a força contra-eletromotriz do receptor. O pólo negativo do gerador. UEL-PR Pelo circuito elétrico esquematizado flui uma corrente elétrica. 354. e resistência total RAB = 5 .62 c) 1. b) a força eletromotriz ε.50 e) 0.350. Mackenzie-SP No circuito a seguir. em volts. A extremidade C pode ser ligada a qualquer ponto do condutor entre as extremidades A e B. Nele. de comprimento L. determine: a) a corrente elétrica fornecida pela bateria de 12 V. a) Determine a intensidade da corrente elétrica i1 que é fornecida pelo gerador. enquanto o receptor tem força contra eletromotriz desconhecida e resistência interna de 5 . a) 1. verifica-se que. Udesc O valor da intensidade de corrente no circuito a seguir é: i1 5 10  2 receptor gerador O gerador tem força eletromotriz de 40 V e resistência interna de 2 .0 e 8.30 353. há um amperímetro ideal.0 e 2.50 b) 0. a) 4. a corrente que passa pelo amperímetro ideal tem intensidade 2 A.0 c) 2.0 e) 4. respectivamente: a) 1.0 352. UFRJ A figura ilustra o dispositivo usado para medir a força eletromotriz de um gerador.75 W b) 274 W c) 1.0 W e a potência nele dissipada. i2 i3 A diferença de potencial.8 W 351.0 e 2. a intensidade da corrente que passa pelo amperímetro torna-se nula.50 d) 2.0 b) 1. um gerador de força eletromotriz igual a 12 V e resistência interna igual a 1  é ligado a um fio condutor ôhmico AB. Unisa-SP No circuito esquematizado. de força eletromotriz ε desconhecida. são.883 W d) 0.03 d) 0. Nestas condições.0 e 4. em watts. Invertendo-se a polaridade do gerador de fem ε2. quando a extremidade C é colocada a uma distância L/4 de A. a corrente do amperímetro mantém o seu sentido e passa a ter intensidade 1 A.0 e 0. os sentidos das correntes foram indicados corretamente e a intensidade de corrente i3 é 3 A. nos terminais do resistor de 2. a potência total dissipada pelo efeito Joule vale: B do condutor. Em série com esse gerador. 355. No circuito elétrico representado adiante. seção uniforme. é ligado à extremidade 110 A fem ε2 vale: a) 10 V b) 8 V c) 6 V d) 4 V e) 2 V .

fornecida pela bateria B1. Uma pilha. d) se as afirmativas I e III são corretas. com resistência constante R = 3. B1 e B2. entre a potência P dissipada pela lâmpada. com fem 1=12 V e r1=2 Ω e fem 2 = 36 V e r2=4 Ω. Fuvest-SP Um sistema de alimentação de energia de um resistor R = 20 Ω é formado por duas baterias. c) a razão F = P/P0 . Em seguida. em watts. e a potência P0. Para se medir a queda de potencial em um resistor. a chave Ch2 fica fechada (e Ch1 aberta). como representado na figura. por um circuito equivalente. III. formado por um gerador ideal de força eletromotriz  = 1. com a chave Ch1 fechada (e Ch2 aberta). Assinale: a) se apenas a afirmativa I é correta. enquanto a bateria B2 tem a função de recarregar a bateria B1. em s. como na figura. em ampères. durante o tempo em que a chave Ch1 permanece fechada. Três dessas pilhas foram colocadas para operar. em série. em qualquer situação. com chaves Ch1 e Ch2. com a pilha 2 “invertida”. em que a chave Ch2 permanece fechada. II. do tipo PX.5 V e uma resistência interna r = 2/3 . I.356. interligadas através de fios. como representada no esquema a seguir. que percorre o resistor R. Capítulo 6 358. Para se medir a corrente através de um resistor. PV2D-06-FIS-44 111 . deve-se colocar o amperímetro em paralelo com o resistor. b) a potência P. durante o tempo em que a chave Ch1 permanece fechada. deve-se colocar o voltímetro em paralelo com o resistor. b) a carga Q. Em relação a essa operação. uma das pilhas foi colocada de forma invertida. a bateria B1 fornece corrente ao resistor durante 100 s. c) o intervalo de tempo t. em uma lanterna que possui uma lâmpada L. como representado na lanterna: Determine: a) a corrente i. Inicialmente. ao resistor. do tipo PX. dissipada pela lâmpada. tal como fornecidas pelo fabricante. A bateria B1 fornece energia a) o valor da corrente i1. em C. com a pilha 2 “invertida”. estão apresentadas a seguir. PUC-MG Leia atentamente as afirmativas abaixo. se todas as pilhas estivessem posicionadas corretamente.0 . Para se medir a corrente através de um resistor. deve-se colocar o amperímetro em série com o resistor. Note e adote: As baterias podem ser representadas pelos modelos ao lado. que passa pela lâmpada. que seria dissipada. com a pilha 2 “invertida”. durante um intervalo de tempo T. pode ser representada. determine: Por engano. Fuvest-SP As características de uma pilha. em ampères. b) se apenas a afirmativa II é correta. como na figura. para repor toda a energia química que a bateria B1 perdeu. c) se apenas a afirmativa III é correta. 357.

a) 2.2 b) 2. Mackenzie-SP No circuito a seguir.250 A e) 0. não altere a tensão elétrica que se deseja medir. R2 = R3 = 20 Ω. não altere a intensidade de corrente elétrica que se deseja medir. UFRJ Dois resistores. Calcule a indicação do voltímetro. Nessas condições. Entre os pontos A e B mantém-se uma diferença de potencial VA– VB = 14 V.8 d) 1.0 c) 1. assinale a alternativa correta: a) A resistência elétrica interna de um voltímetro deve ser muito pequena para que. UFRGS-RS No circuito elétrico a seguir. A razão entre as intensidades de corrente medidas pelo amperímetro com a chave k fechada e com a chave k aberta é: 364. a fonte de tensão e os resistores são todos ideais. Considere o voltímetro ideal. quando ligado em série às resistências elétricas de um circuito.2 362. FURG-RS No circuito abaixo. não altere a tensão elétrica que se deseja medir. estão ligados como mostra o esquema a seguir. A2.125 A d) 0. não altere a intensidade de corrente elétrica que se deseja medir. 112 . são utilizados para medir a ddp e a intensidade de corrente elétrica de um resistor R. quando ligado em paralelo às resistências elétricas de um circuito. quando ligado em paralelo às resistências elétricas de um circuito. pode-se afirmar que: a) A1 e A2 registram correntes de mesma intensidade. d) a corrente em A2 é mais intensa do que a corrente em A3. não altere a intensidade de corrente elétrica que se deseja medir. c) A resistência elétrica interna de um amperímetro deve ser muito pequena para que. o gerador e o amperímetro são ideais.0 Ω. os amperímetros A1. 360.075 A c) 0. e) a corrente em A3 é mais intensa do que a corrente em A4. ambos ideais. c) a corrente em A1 é mais intensa do que a corrente em A4. UEL-PR Sobre o funcionamento de voltímetros e o funcionamento de amperímetros. um de resistência R = 2. quando ligado em série às resistências elétricas de um circuito. e) A resistência elétrica interna de um amperímetro deve ser muito alta para que.500 A 363. Assinale a opção que indica uma maneira correta de usar esses instrumentos.6 e) 1. A leitura do amperímetro é: a) zero b) 0.0 Ω e outro de resistência R’= 5. 361. b) A1 e A4 registram correntes de mesma intensidade. A3 e A4. R1 = 10 Ω.359. Cesgranrio-RJ Um voltímetro representado pela letra V e um amperímetro representado pela letra A. b) A resistência elétrica interna de um voltímetro deve ser muito alta para que. quando ligado em série às resistências elétricas de um circuito. d) A resistência elétrica interna de um amperímetro deve ser muito pequena para que. ε = 5 V.

0 366.0 e) 60 c) 6. A montagem dos instrumentos e os valores registrados são mostrados a seguir: 368. O amperímetro mede sempre uma corrente de 2 A e as resistências valem 1 Ω cada uma. em ohms. R A2 É correto afirmar que estes aparelhos indicam: a) 20 A. V é um voltímetro de resistência infinita. 113 .0 A R1 R2 V x 3A A1 R R  r Calcule: a) Qual a intensidade da corrente medida pelo amperímetro? b) Qual a tensão elétrica medida pelo voltímetro? c) Quais os valores das resistêcias R1 e R2? 370.0 A. A corrente elétrica que passa pelo ponto X é de 3 ampères e a ddp nos terminais do gerador é de 9 volts. o voltímetro e o amperímetro são ideais. Nessas condições. b) os valores das correntes elétricas que atravessam os amperímetros A1 e A2. incluindo a potência dissipada pela resistência interna do gerador. o valor de R.0 A.0 A. UFRJ No circuito esquematizado na figura. UEL-PR Para medir uma resistência R foram usados um amperímetro e um voltímetro ideais.60 d) 30 b) 3. Unicamp-SP No circuito da figura. além de dois amperímetros ideais.0 V. 8. o amperímetro e o voltímetro são ideais. 84 V b) 50 A. 100 V e) 50 A.10 A e o voltímetro a tensão máxima de 5. UFRJ O esquema da figura mostra uma parte de um circuito elétrico de corrente contínua. O amperímetro indica 2. Os fios de ligação apresentam resistência elétrica deprezível.365. a) Calcule a leitura do voltímetro com a chave interruptora aberta. 367. O voltímetro está ligado em paralelo com uma das resistências. PV2D-06-FIS-44 Calcule a indicação do voltímetro. ligados a um gerador de fem ε e resistência interna r = 1 Ω. UFSCar-SP O circuito mostra três resistores de mesma resistência R = 9 Ω.4 V 369. Fatec-SP No circuito a seguir. a) o valor da fem ε do gerador e a potência total dissipada pelo circuito. A é um amperímetro de resistência nula. 100 V c) 8. b) Calcule a leitura do voltímetro com a chave interruptora fechada. O amperímetro podia medir corrente máxima de 0. 84 V d) 8. A1 e A2. A 10 A 100 V 2. é: a) 0.

medido em ohms. Calcule a indicação do amperímetro.1 V e 4. M1 e M2. Ambos podem medir correntes até 1 mA = 10-3 A (corrente de fundo e escala) e estão igualmente calibrados. PUCCamp-SP Se ligarmos um voltímetro ideal aos pontos A e B do circuito a seguir. cujas resistências internas são de 50 ohms e 100 ohms. a) Inicialmente. Calcule a indicação do amperímetro. Já o amperímetro tem resistência desprezível e é desconhecido o valor da resistência R. com a chave ch aberta e fechada. a) a leitura de A1 e a leitura de A2 não mudam b) a leitura de A1 diminui e a leitura de A2 aumenta.0 e) 100 372. UFC-CE No circuito esquematizado adiante.50 ampères. é: a) 0. 374. Ligando-se a chave C. Vunesp São dados dois miliamperímetros de marcas diferentes. de: a) b) c) d) e) 21 V e 0 V. como mostra o esquema II.4 V 2.5 V e 0 V. no qual o voltímetro e o amperímetro são ideais.35 volts e o amperímetro A mede 1. respectivamente. 0 V e 2.50 volts. d) a leitura de A1 aumenta e a leitura de A2 diminui.00 d) 10. 375. UFRJ O gráfico a seguir representa os característicos tensãocorrente de dois resistores (1) e (2). UFPI-PI O circuito representado na figura é utilizado para determinar a resistência interna (r) da bateria de força eletromotriz ε = 1. observa-se que: Quando a chave S é fechada.100 c) 1. O voltímetro indica 20 V. respectivamente.5 V e 2. o voltímetro V mede 1. O voltímetro indica 12 V. O voltímetro tem uma resistência alta de modo que podemos desprezar a corrente através dele. c) a leitura de A1 não muda e a leitura de A2 diminui. e) a leitura de A1 aumenta e a leitura de A2 não muda. 373. os resistores (1) e (2) são ligados a um gerador.5 V 4. 4.4 V. b) A seguir. como ilustra o esquema I. A1 e A2 são amperímetros idênticos.010 b) 0. no qual o voltímetro e o amperímetro são ideais. O valor da resistência interna (r). Determine as correntes que indicarão esses miliamperímetros nas montagens representadas pelas figuras a seguir: a) b) 114 .371. os resistores (1) e (2) são ligados a outro gerador. obteremos leituras.

0 A b) i1 = 1. • tensão a que deve ser submetido o aparelho.5 A i3 = 8. Determine a corrente máxima que se poderá medir quando a chave C estiver fechada.0 A i3 = 6.0 V. cada uma delas com resistência invariável R. Pode-se afirmar que a potência total dissipada nos 4 resistores é. quando ligado no circuito da figura.5 A c) i1 = 2.0 A e o de tensão 2. quando colocado em um circuito.0 · 10 –3 A (1. A2 e A3) em um trecho de um circuito.376. A resistência desse resistor. Fuvest-SP No circuito da figura.0 A i2 = 2. pode. correntes i1. O medidor de corrente indica 8. quando submetido a uma tensão de 100 V. b) Calcule e compare as indicações de G1 e G2 379. os amperímetros A1.0 A i3 = 2. para que indique a corrente de fundo de escala: 1.5 A. S G2 V + i R1 – R2 R3 G1 a) Com a chave S fechada. Qual a indicação do amperímetro G1? quando a chave S estiver aberta. um medidor de tensão V e fios de ligação.0 · 10 –1 V (100 mV) 377. Fuvest-SP Considere a montagem adiante. i2 e i3 com valores aproximados de: a) i1 = 1. entre M e N. corrente máxima que pode ser medida: 1. por onde passa uma corrente total de 14 A (indicada pelo amperímetro A4). aproximadamente. é percorrido por uma corrente de 1 mA. acusa uma diferença de potencial VAB igual a 50 V. num medidor comum de corrente. de: a) 8 W b) 16 W c) 32 W d) 48 W e) 64 W a) Qual o valor da resistência interna desse aparelho? b) Suponha que se coloque em paralelo com esse 100 medidor uma resistência Ω . ser determinada diretamente a partir de dados (especificações) impressos no aparelho.0 A d) i1 = 5. Nessas condições. é possível medir a corrente até 1.0 A i3 = 11 A i3 = 9. Fuvest-SP Para um teste de controle. isto é. denominada resistência interna do medidor. Suponha que.0 A e) i1 = 8. 115 PV2D-06-FIS-44 . 378.0 A i2 = 3. Vunesp Um medidor de corrente elétrica comporta-se. Com a chave C aberta.0 A i2 = 4. Esse voltímetro.0 A i2 = 3.0 mA). com ponteiro e uma única escala graduada.0 A a) Qual a resistência interna do voltímetro? b) Qual o valor da corrente que atravessa o gerador? 380. interligadas como na figuras. foram introduzidos três amperímetros (A1. uma fonte de tensão F. Explique. conforme consta das especificações. como mostra a 9 figura. cada um dos três resistores tem 50 ohms. respectivamente. constem as seguintes especificações: • corrente de fundo de escala. muitas vezes. um medidor de corrente A. composta por 4 resistores iguais R. Fuvest-SP Um voltímetro. Nesse trecho.0 A i2 = 4.0 mA. encontram-se cinco lâmpadas. A2 e A3 indicarão. o amperímetro G2 indica um intensidade de corrente i2 = 0. como um resistor.

i2 e i3 valem. uma lâmpada e fios de ligação. . respectivamente. Fafeod-MG A figura a seguir mostra resistores ligados entre si. com um resistor de grande valor. em paralelo. i3 = 0 i1= 2 A. b) Que corrente o amperímetro indicará? 383. os fios de ligação têm resistência desprezível. i3 = 2 A i1= 4 A. calcule X em função das resistências R1. Unifei-MG Pode-se usar um galvanômetro. incluindo os elementos necessários. em série. em série. i2 = 2 A. 385. b) associando-o. supondo que os fios. o gerador e o amperímetro não tenham resistência elétrica e a resitência elétrica do voltímetro seja infinita. Determine as leituras desses medidores: a) em condições ideais. c) associando-o. i3 = 0 i1= 4 A.e. em paralelo. As correntes i1. ou seja. Esses pontos são: a) B e C d) C e E b) B e D e) D e E c) C e D 386. Fuvest-SP Dispõe-se dos seguintes elementos: dois resistores idênticos. Vunesp No circuito da figura. d) associando-o. R2 e R3 para que a corrente por G seja nula. desprezando-se apenas a resistência elétrica dos fios de ligação. com um resistor de pequeno valor. Entretanto.m. onde G é um galvanômetro e ε uma bateria. i3 = 1 A i1= 2 A. 382.000 Ω. UEL-PR A seguir está esquematizado um trecho de circuito em que todos os resistores são iguais.381. RA = 50 Ω e RV = 10.000 Ω. 384. i2 = 2 A. uma fonte de tensão e um amperímetro ideais. a) b) c) d) e) i1= 4 A. em que as resistência elétrica da bateria. do amperímetro e do voltímetro são: r = 1 Ω. V representa um voltímetro e A um amperímetro. Pretende-se montar um circuito em que a lâmpada funcione de acordo com as suas especificações e o amperímetro acuse a corrente que passa por ela. Entre os pontos A e F existe uma diferença de potencial de 500 V. o resistor tem resistência R = 1. i2 = 2 A. b) em condições reais. e) associando-o a um resistor acoplado com um capacitor. respectivamente: ε ε a) Desenhe o circuito. como um bom voltímetro: a) associando-o. com um resistor de grande valor. pode-se tocar simultaneamente em dois pontos desse circuito sem tomar um “choque”. Vunesp Dado o circuito a seguir. de resistência interna muito pequena. ε = 12 V. i2 = 2 A. i2 = 4 A. com um resistor de pequeno valor. Vunesp No circuito abaixo. a fonte é uma bateria de f. i3 = 2 A A resistência equivalente entre A e B é: a) 2R b) 116 c) d) 9R 387.

com as chaves nas condições indicadas nas figuras. conforme figura a seguir.388. Uniube-MG Quando a ponte de Wheatstone (ponte de fio) está em equilíbrio (iG = 0). os medidores são ideais e o gerador tem resistência interna nula. abertas ou fechadas. o valor de Rx é: G = galvanômetro a) 40 Ω b) 60 Ω c) 80 Ω Pode-se concluir. Unitau-SP Nos circuitos das figuras a seguir. A resistência X vale: a) 10 Ω b) 50 Ω c) 90 Ω d) 300 Ω e) 400 Ω 391. diferenciados apenas pelas chaves S1 e S2. FESJC-SP A ponte apresentada na figura abaixo está em equilíbrio. Para utilizá-lo como voltímetro na medida de tensões de até 100 V. deve-se associar a esse galvanômetro um resistor de: a) 50 Ω em paralelo b) 200 Ω em série c) 200 Ω em paralelo d) 1. Unifor-CE Um galvanômetro tem resistência interna de 100 Ω e corrente de fundo de escala de 50 mA. 390. A resistência shunt que deve ser associada a esse galvanômetro a fim de ampliar sua corrente de fundo de escala para 15 mA deve ser de: a) 1 Ω b) 3 Ω c) 5 Ω d) 10 Ω e) 15 Ω 389. que: a) b) d) 120 Ω e) 180 Ω 392. Uniube-MG Um galvanômetro com fundo de escala de 3 mA tem resistência interna de 20 Ω.900 Ω em paralelo i i2  1 2 i2  5 i1 2 c) i2 = 2 · i1 d) PV2D-06-FIS-44 3 i1 i2  2 e) i2 = i1 117 .900 Ω em série e) 1.

5 ohms 398. PUC-SP A figura a seguir mostra o esquema de uma ponte de Wheatstone. As correntes i1 e i2 (em ampère) valem. Sabe-se que ε = 3 V. Para que ele consiga medir correntes de até 100 mA.000 Ω FEA = 30 mA e RA = 5 Ω Rx i2 R2 R3  118 . A que distância da extremidade A estará o cursor C quando o amperímetro não acusar passagem de corrente no ramo CD? a) C e F b) D e G c) E e H d) E e F e) C e H 397. R2 = R3 = 5 ohms e o galvanômetro é de zero central.75 e 0. Fuvest-SP Numa instalação elétrica. que era de 25 ohms. V e A são um voltímetro e um amperímetro respectivamente com fundos de escala (leitura máxima) FEV = 1 V e RV = 1. podemos afirmar que ele registraria uma intensidade de corrente igual a zero se seus terminais fossem ligados aos pontos: Qual é o par de terminais que você pode segurar. simultaneamente. que era de 50 ohms.75 0.p.43 e 0. podemos afirmar que: a) 5 cm b) 6 cm c) 8 cm d) 12 cm e) 15 cm 395. A ponte entra em equilíbrio quando a resistência R1 = 2 ohms. ITA-SP No circuito a seguir.30 0. entre os terminais A e B for duplicada e o galvanômetro continuar acusando zero.393.30 e 0. a d. Um amperímetro tem resistência interna de 60 Ω e pode medir uma corrente máxima de 20 mA.43 396. No circuito a seguir.d. a) b) c) d) e) zero e zero 2e2 0. com as duas mãos sem que haja perigo de sofrer choque? a) 1 e 2 d) 2 e 5 b) 1 e 3 e) 3 e 4 c) 1 e 5 394. Se a d. os cinco resistores representados na figura são idênticos. a haste condutora AB tem comprimento 20 cm.d. será alterada para 12. Mackenzie-SP Considerando o circuito abaixo e dispondo de um galvanômetro ideal.p. Mackenzie-SP No circuito a seguir. será alterada para 50 ohms e) a resistência R. respectivamente: R1 i1 a) a resistência R permanecerá constante e igual a 25 ohms b) a resistência R permanecerá constante e igual a 15 ohms c) a resistência R permanecerá constante e igual a 10 ohms d) a resistência R. entre os terminais A e B é de 60 V e o galvanômetro G acusa uma intensidade de corrente elétrica zero. deve-se associar em paralelo com esse amperímetro uma resistência shunt de valor: a) 240 Ω d) 30 Ω b) 120 Ω e) 15 Ω c) 60 Ω 399.

Mackenzie-SP É dado um galvanômetro de resistência 10 Ω e corrente de fundo de escala 10 A. a) Qual o valor da tensão entre os pontos A e B? b) Qual o valor da corrente que passa pelo ponto A? 401. a) Faça um esquema do circuito. Qual o valor de resistência shunt que deve ser associada a esse galvanômetro para que ele possa medir correntes de até 20 A? a) 0.7 Ω e RCD = 83. e os medidores são ideais. Considere o circuito representado a seguir: a) RAB = RCD = 33. Ao se abrir a chave C: a) o amperímetro terá leitura maior que 30 mA e pode se danificar. ITA-SP Considere um arranjo em forma de tetraedro construído com 6 resistências de 100 Ω.5 Ω d) 10 Ω b) 1 Ω e) 100 Ω c) 2 Ω 402. Pode-se afirmar que as resistências equivalentes RAB e RCD entre os vértices A. em paralelo duas a duas.7 Ω PV2D-06-FIS-44 404. 400. como mostrado na figura.3 Ω 119 . Cada uma das resistências vale R = 2 Ω.3 Ω b) RAB = RCD = 50 Ω c) RAB = RCD = 66. e) o voltímetro terá leitura maior que 1 V e pode se danificar. PUC-SP No circuito representado. b) Determine as leituras do amperímetro A1 e do voltímetro V1 após a chave K ser fechada. alimentando quatro resistências. B e C. D. as lâmpadas L são ôhmicas na faixa de tensão em que são utilizadas e têm a inscrição: 6 V – 12 W. As pilhas têm fem de 1. respectivamente. b) o voltímetro indicará 0 V. c) o amperímetro não alterará sua leitura. Fuvest-SP O circuito a seguir mostra uma bateria de 6 V e resistência interna desprezível. são: d) RAB = RCD = 83. d) o voltímetro não alterará sua leitura.5 V e resistência interna desprezível.3 Ω e) RAB = 66.A indicação no amperímetro ideal é: a) 1 A b) 2 A c) 4 A d) 8 A e) 10 A 403.

Considere uma resistência R que varia com a temperatura T de acordo com a expressão: em que R0 = 100 Ω. b) a ddp entre A e B. i 2 e i 3. UFRJ Na figura a seguir. c) o potencial elétrico de A. d) conservação da carga elétrica. Vunesp A figura mostra um ramo de um circuito contendo os resistores R1 = 10 Ω e R2 = 20 Ω. determine: 4A B A i=? 3 W 20 V 10 W 5V 1W a) a corrente i. 6A a) 120 b) 60 c) 30 d) 20 e) 10 409. R = R0 (1 + α T) a) Qual a temperatura T do corpo quando a resistência R2 for igual a 108 Ω? b) A corrente através da resistência R é igual a 5. UFRN O circuito da figura a seguir ilustra uma associação mista de resistores alimentados por uma bateria que produz as correntes i 1. b) conservação da energia elétrica. Para medir o valor de R ajusta-se a resistência R2. Utilizando a 1ª lei de Kirchhoff ou lei dos nós. indicada no circuito a seguir. pode-se afirmar que: a) i1 = i2 – i3 c) b) i2 + i4 = i5 e) i1 + i4 + i6 = 0 d) i2 + i3 = i1 i4 + i7 = i6 408. Qual a diferença de potencial entre os pontos C e D indicados na figura? Capítulo 7 406.5 A e 0. c) conservação do potencial elétrico. Esta resistência está em equilíbrio térmico com o corpo. α = 4 · 10 –2 °C –1 e T é dada em graus Celsius. 407.5 A.0 · 10 –3A. Se as correntes que chegam ao nó A são 1. Dado o trecho do circuito abaixo. em volts: O princípio implicitamente utilizado no estabelecimento dessa equação foi o da: a) conservação do campo elétrico. até que a corrente medida pelo amperímetro no trecho AB seja nula. Unicamp-SP A variação de uma resistência elétrica com a temperatura pode ser utilizada para medir a temperatura de um corpo. observa-se um circuito elétrico com dois geradores (ε1 e ε2) e alguns resistores. 120 . então a diferença de potencial entre A e B será. as quais se relacionam pela equação i1 = i2 + i3.405. cuja temperatura T deseja-se conhecer.

Então. pelo qual passa uma corrente elétrica i. ε2 = 12 V. i A B C D E F O potencial elétrico entre os terminais dos diversos elementos pode ser representado por: 413. está representado com os símbolos de seus elementos. FURG-RS Os valores dos componentes do circuito da figura abaixo são: ε1 = 6 V. R2 = 2  e R3 = 10 .410. respectivamente. Unopar-PR Sobre o esquema a seguir. e) Assinale a alternativa que indica os valores das correntes elétricas i1 e i2. 2 e 3 b) 6. a tensão entre C e D. respectivamente: a) 6A e 5A b) 4A e 5A c) 6A e 1A d) 5A e 1A e) 10A e 4A 412. R2 = 2 kΩ R1 R2 1 A1 A3 2 A2 a) Os valores medidos pelos amperímetros A1. R1 = 1 kΩ. em mA: a) 1. A figura abaixo representa parte de um circuito elétrico e as correntes elétricas que atravessam alguns ramos deste circuito. UAB = 6V. A2 e A3 são. em volts. vale: b) c) a) b) c) d) e) 10 20 30 40 50 d) 411. 12 e 24 PV2D-06-FIS-44 121 . Fatec-SP Certo trecho de um circuito. 12 e 18 c) 6. sabe-se que i1 = 2A. 12 e 6 e) 12. 6 e 12 d) 12.

O número junto a cada lâmpada indica a corrente que passa pela lâmpada.0. i1 i2 + – 1.0 c) 1. 2. 2. a) 2A b) 3A c) 4A d) 5A e) 6A 419. Mackenzie-SP No circuito abaixo. valem. os fios de ligação têm resistência desprezível. FCC-PR O circuito mostrado na figura é formado por uma bateria (B) e cinco lâmpadas (d). PUCCamp-SP No circuito representado no esquema a seguir. as intensidades das correntes i1. 3. b) 0. são idênticos.0 b) 1.0.5 420. as fontes de tensão de 12 V e de 6 V são ideais. e) 1. 1.0 A no sentido de X para Y. em ampères.0. as correntes elétricas têm os sentidos indicados e i1 = 1A.0.0  i3 1.0. Unisa-SP No circuito abaixo. Unaerp-SP Liga-se uma bateria de força eletromotriz 24 V e resistência interna 2 Ω a outra bateria de 6 V e 2 Ω e um resistor de 4 Ω. respectivamente: a) 1.0 No circuito abaixo. O valor da resistência R é: 120  i1 100 V 20  i R i2 150 V 6V 12 V a) 3 Ω b) 6 Ω Nesse circuito.50 b) 1.5. UEL-PR Considere o circuito e os valores representados no esquema a seguir.0  Qual é a corrente que passa pelo ponto X? a) 4 A b) 10 A c) 15 A d) 19 A e) 34 A 122 + – 12 V 2.0 A no sentido de Y para X. 3. d) 1.0 A.0. 3. c) 0.50 A no sentido de Y para X. os dois resistores de 12 ohms. em ampères.2  .0 e) 2. 2. os geradores são ideais. 415.414. igual a: a) 1. c) 9 Ω d) 12 Ω e) 15 Ω 418.5. determine o valor de ε para que a corrente elétrica i2 tenha intensidade 2.25 c) 0. R1 e R2.3 d) 0. 2.50 A no sentido de X para Y. d) 1.0. conforme mostra a figura. a intensidade de corrente elétrica em R1 é igual a: a) 0.75 A no sentido de X para Y.0 e) 0. i2 e i3. R1 y x 12  R2 12  417. 2.75 416. A intensidade de corrente elétrica que atravessa o resistor é de: O amperímetro ideal A deve indicar uma corrente elétrica.0. em ampères. 1.

R2 = 20 Ω e R3 = 5 Ω. a intensidade de corrente assinalada pelo amperímetro ideal A é i = 1 A. os três resistores têm valores R1 = 2 Ω. ao mantermos a chave K aberta. o mesmo amperímetro assinalará uma intensidade de corrente igual a: A intensidade da corrente elétrica indicada no amperímetro A é de: a) 1. UFSC Considere o circuito da figura apresentada. desprezíveis: a) b) c) i d) e) 10 i 3 ε2 e ε3) de resistências internas 1 = 5 V R1 = 2 W P R3 = 2 W R2= 1 W Q 425. ITA-SP No circuito dado. onde estão associadas três resistências (R1. Vunesp O amperímetro A indicado no circuito é ideal. quando o cursor do reostato R é colocado no ponto C. 123 . A bateria B tem tensão constante de 12 V. isto é. e R3) e três baterias (ε1. Fuvest-SP No circuito mostrado na figura abaixo. d) Determine o valor da potência P recebida ou fornecida pela bateria B no instante t = 90 s. verifica-se que. Entre os instantes t = 0 s e t = 100 s. R2. b) Determine o instante t0 em que a corrente i1 é nula. o amperímetro não acusa passagem de corrente elétrica. c) Trace a curva que representa a corrente i1.0 A c) 3. em função do tempo t. Mackenzie-SP No circuito apresentado.0 A b) 2. onde os geradores elétricos são ideais. 10 V – + 3 = 3 V 2 = 18 V R B C A 2 50  4V – + Qual a diferença de potencial entre os pontos C e B? a) 4 V b) 6 V c) 10 V d) 16 V e) 20 V PV2D-06-FIS-44 a) Determine o valor da corrente i1 para t = 0 s.0 A e) 5.0 A d) 4. 424.5t (V em volt e t em segundo). tem resistência interna praticamente nula. Um voltímetro ideal colocado entre Q e P indicará: a) 11 V b) 5 V c) 15 V d) 1 V e) zero 423. Ao fecharmos essa chave K.421.0 A 422. no intervalo 0 a 100 s. o gerador G fornece uma tensão variável V = 0. A corrente i1 é considerada positiva no sentido indicado. Os fios de ligação têm resistência desprezível.

A 126. 62 · 107 J 110. 13. D 17. D b) 25 % De acordo com o segundo gráfico: Fazendo-se ( 2 ) . a) 4. 31. 71. 0 b) O produto Ui representa a potência elétrica no resistor. a) 3 · 109 b) 24 mV 113. E 99. a) – 3. E 97. E 59. D 38. C 119. B 66. E 91. A 20. a) 14 Ω b) 144 Ω 114. conclui k1 ímos que R é constante e o resistor é ôhmico. a) 100 W b)= 10 A i 13 c) 169 Ω 103. D 73. D 80. 28. C 129. B 21. 111.5 kWh. a) 5 · 103 A c) 4% 112. C 118. 5 Ω i 1. A 29. E 96. D 62. B 117. a) 50 A b) 15 kWh c) R$ 99. B 35.2 · 10–9 C 04. a) 75 W b) 600 W c) Condutor Z 124 79. E 94.20 78. D 12. C 75. B 124. D 63. A 107. 37. D 03. a) 21 C b) 252 J 77. B 98. B 125. 15 mA 50. B 05. A 89. C 105. 16. B 46. D 51. 64. A 06. B 72.4% 84. D 101.5 kWh c) R$ 13. B 14. B 70. A 90.25 · 1018 elétrons. 74. 25. E 43. A 115. D 24. C 44.06 · 10–3 W e 5% E D c) 2. B 52. a) A resistência triplica. E P= ⇒ E = P ⋅ ∆t ∆t Chuveiro: B E C E A B D D C C E C E = 5000 · (30 · 60) E = 9 · 106 J Lâmpada: E = 60 · (24 · 3600) E ≅ 5 · 106 J O banho consome mais. B 123. a) 12 · 10–3 W b) 0. marrom – preta – azul 86. B 95.2 · 10–11 A 42. 600 Ω. D 100. C 87. 12 A 85. a) 11 Ω E D D D B E b) 1.50 76. 45. 10. 3. 4. A 27. D 18. A 49. B 30. D 09. D 41. A área sob o arco de parábola representa a energia elétrica dissipada no resistor sob a forma de energia térmica. 0 A R= U 0. 82. 22. A 11. A U k2 = = cons tan te i k1 Como U = k 2 = cons tan te . C 36. 48. D 54. 128. A 121. 2 C 53. R$ 25. B 92.93 A 55. A 106.00 83. C 81. b) Aproximadamente 0.Física 4 – Gabarito 01. Aproximadamente 15 Ω 108.2 · 10–9 C b) + 3. 19. A 57. 61. C 88. 40. A 26. U = 0. para o intervalo de tempo considerado. B 131. C 69. E 39. E 56. 68. 5 = ⇒ R = 0. E 127. 07. 56 Ω 130. a) 450 W b) 1. vem: (1) . C 120. 5 V 65. D 33. A 67. b) A resistência é dividida por quatro. C 08. D 109. B 122. B 23. C 47. a) De acordo com o primeiro gráfico: i = k1 t (1) U = k2 t (2) 104. 5 V t = 10s  i = 1. A 15. C 32. 59 A 60. B 93. C 02. 34. 58.100 J/s 102. B 116.

a) 1. ↑P= U2 Req ↓  L R    A as resistências elétricas dobrariam. B 203. a) 15 mA b) 0. a) 0. B 146. A 172. B 191. B 186. E 138. A 193. a área da secção transversal também é reduzida à metade. 288 C 147.5 · 104 Ω 140. D 148. V2 ↑P= R↓ Portanto será R1. C 165. B b) R1 = R3 = 100 Ω 225. E 205. 3 Ω b) 8. a) 0. A 177. a) 0. 10 V 152. D 133. a) Associação I = Req = 149. I. 33 185.132. 6 lâmpadas 157. a) 4 V b) 20 Ω 168. B 163. D 227. A 174. E 151. A 159. C 215. D 228. A 189. V. B 137. a) 2A b) 1s c) 12 Ω 199. E 223. A 218. a) 30 Ω b) 4 A c) U1 = 80 V. 13 b) 240 Ω c) 2. a) 5 Ω b) 1. B 211. terá maior potência a associação com menor resistência equivalente. B 204. A 202. III.5 V b) 0. E 170. B 208. B 182. D 135. D 212. A 153.01 A 207. C 190. V 188. C 226. E 213.750 °C 142.100 J c) Para aquecer mais rapidamente a água deve pegar a associação que fornece maior potência. A 181. a) 2 · 10–3 Ω · m b) Reduzindo-se à metade a espessura. Já a solução de água com ácido sulfúrico permitiu a passagem de corrente elétrica para acender a lâmpada. 156. B R 2 Associação II = Req = 3 · R Portanto. D 183.3 A 145. F. B 155. a) Aumentará. D 222. pela segunda lei de Ohm 162. 2 A 143. 196. a) 3 b) 10 169.5 A b) 18 Ω 164. F. B 195. Aproximadamente 31 kΩ 167. E 214. A 221. 8 179. Como a tensão não se altera.27 W c) Na associação em paralelo.3 V 198. V. C 176. A 173. V. a) 10 A b) 36. 192. a) Aproximadamente 1. IV. E 160. deve-se utilizar a associação I. E 134. C 217. II. A 216.5 · 102 Ω b) 1. 20 V 144. B 201. B 180. A 210. C 219. C 200. pois não permitiu a passagem de corrente elétrica para acender a lâmpada. D 220. A 178. B 136. C 150. B 166. E 224. B 209.000 A c) 5 · 106 W 141. B 161. como a tensão e a mesma para todos os resistores. Reduzindo-se à metade a área da secção transversal.6 A b) 0. A 206. a) A água destilada não é um bom condutor de corrente elétrica. b) 12 Ω 171. a) Ôhmico.5 W b) Aproximadamente 7. portanto é um bom condutor elétrico. B 158. 139. C 187. C 194.000 C PV2D-06-FIS-44 125 . U2 = 40 V 154. A 197. C 184. terá maior potência aquele que tiver menor resistência. D 175.

temos: Req = 30 + 30 = 60 Ω iT = E 18 = ∴ iT = 0. A 231.5 Ω b) 10.5 W e 87. D 280. C 315. C 313. A 254. B 310. A 270.68 V b) 0. a) 100 V b) 100 Ω 260. a) 12 V b) 5 A c) U = 12 – 2.5 V c) 31. E 304. A1 = 1 A e A2 = 2 A 305. B 306. a) Considerando as células como geradores ideais.25 Ω 291. IV. a) 1. 18 V e 1. 266. D 242. D 275. E 282. a) 120 V e 5 Ω b) 314. a) 9 A b) 3 A 281. A 256.20 A b) Antes de abrir a chave.25 Ω b) 225 W 255. a) 4 A b) 36 V 269. 300 Ω 292. A 245. B 284. A 259. B 307. D 233. a) Resistor I. B 268. devemos ter uma associação em série. D a) ε = 160 V. a) 12 V e 0. D 257.2 Ω b) 480 W 239. C 311. a corrente L1 vale 0. B 279.8 W c) 8. a) 80 W b) 100 W c) 80 Ω 230.0 V 297.4 Ω c) 71% 236. a) 0. E 271. A 253.1 Ω b) 33% 234.900 J 265. E 247. 294. F. D 286.4 A Após abrir. B 299. C 278. o brilho diminui. a) 1. A 237. a) 6 V e 0.4 Ω 250. a) 1. B 277. 23 A e 35 A 244. C 235. 14 (02 + 04 + 08) 309. a) 0. V.75 Ω b) 12 W 126 261. C 302. 12. D 296. a) 289. B 295. r = 5 Ω b) 4A c) O gerador 2 apresenta maior rendimento.4 V 273. B 301. a) 8 Ω b) 10 A 246. V.4 · i d) 2. D 287.5 V 267.5 V c) 28. B 288. E 303. B 272. F. Eeq = N · E 480 = N · 0.229. E Portanto.0 · 10 –2 Ω b) 48 A 243. A b) A posição do cursor deve ser no ponto médio do reostato. a) 5. B 251. E 238. E 240. 264. 4.5% d) 18. 312. a) 12 V b) 0. A 232.5 V e 0. a) 0. a) 2. Aproximadamente 0. 298. C 293. A 258. 7 Ω b) 12 V 241. D 249. C 300.0 V 290. III. I.06 / N = 8000 b) 480 W 308. a) 3 A b) 13. B 276. B 248. II.8 Ω 252. D .2 A b) 5. 283.20 A 274. A 262. a) 2 A b) 0. 3 A y + Req 0 + 60 285.2 V b) 1 Ω 263.76 kWh.

a) 0. E 343.2 m 336. B 350. 36 V 368. 10 V 364.10 mA 376. C 369. C 398.2 A b) 0.340 W e 41% 329.75 s 358. B 339. A 335. B 330.5 A . A 325. D 395. a) i1 = i2 = 0. E 387. a) 2 V 342.75 A 379. D 399. 338. E 375. temos: 50 + 50 = 75 Ω 2 U = Req ⋅ i1 = 75 ⋅ 1 ∴ U = 75 V Req = Com S aberta. a) 20 °C b) 1. C 359. B 326. D 408. D 403. A 356. B 345. a) 1 A b) Com S fechada. C 394. D 348. a) R2 R3 R1 386.5 A 401. E 324.36 V 382. a) 0.5 mA e aproximadamente 11. B a) 9 A . D 389. B 402. a) 5 A b) 20 V 355.5 V U 75 = Req 100 407. C 327. C 391. X  385.316. D 390. a) 12 V e 36 W b) 2 A em A1 e A2. A 400.20 mA i2 = 0. B 340. D b) O ponto A. B 405. a) 100 V b) 80% 318. C 393. D 360. E 354. a) 390 V b) 200 W c) 195 W d) 5 W e) 97. E 374. E 371. C 365. c) 0. a) 90 V e 5 Ω b) 2. A 397.3 A b) 0. A i1 = i2 = 352.05 A d) 0.30 mA b) i1 = 0. B ∴ i2 = i1 = 0.55 A b) 55 C c) 13. a) 2 A b) 7. a) 12 mA e 12 V b) 12. E 353. a) 20 Ω b) 165 W e 73% 317. D 349.08 V 406. B2 está sendo recarregada. A 333. A 344. A 372. C 332. a) 12 A b) 100 V c) R1 = 10 Ω e R2 = 50 Ω 370. B PV2D-06-FIS-44 b) 3 A e 6 V 404. b) 57 V 337. pois está ligado no pólo positivo das pilhas. C 377. temos : Req = 50 + 50 = 100 Ω 380. a) 0. a) 16 V b) 120 W c) 75% 331. a) 2 A b) +13 V c) 13 V 127 347. D 409. C 322. B 361.1 W 346. a) 98 V b) 4 W c) 98% 320. D 378. B 328. A 384.25 A 383.5% 321. C 388. 36 V 341. D 366. A 362. C 363. E 392. B 351. a) 10 A b) 4 A 373. 367. a) 100 kΩ b) 1. a) 323. a) 100 Ω b) 10 mA 381.27 W P 1 c)= Po 9 357. D b) 0. E 334. a) 0 b) 1. C 319. E 396.

D 420.410. 8 V 421. E 425. B 424. B c) 3 2 1 0 0 i (A) 422. A 423. D 418. E 412. B 417. a) 2 A b) 30 s 411. C 416. D 419. A 414. E 415. B -1 -2 -3 -4 -5 20 40 60 80 100 t (s) d) 48 W 128 . E 413.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful