You are on page 1of 39

TAEKWON-DO

ITF RIO

Apostila de Conhecimentos Gerais

1
PREFÁCIO

Esta apostila tem o objetivo de auxiliar no aprendizado do aluno de Taekwon-Do no


que diz respeito aos temas escolhidos como mais importantes e que necessitam e que
necessitam de uma abordagem digna de maior atenção.

Os conceitos filosóficos, bem como as normas técnicas, são de autoria do fundador


do Taekwon-do , General Choi Hong Hi (9º DAN), e foram traduzidos do livro condensado
da Enciclopédia de Taekwon-do ITF de 15 volumes.

É importante salientar que qualquer tipo de leitura é válida, se bem direcionada, e


para isto, torna-se insubstituível o trabalho do instrutor

Esperamos que o aluno tire bom proveito deste trabalho, que é apenas uma pequena
forma de demonstrar a preocupação de instrutores de Taekwon-do ITF do Brasil em formar
praticantes cada vez mais qualificados.

“TAE KWON”.

2
SUMÁRIO

I) O que é TAEKWON-DO...........................................................................Pg. 1

II) Diferença entre TAEKWON-DO e outras Artes Marciais..........................Pg.1

III) Origem e História do TAEKWON-DO.....................................................Pg.3

IV) O Taekwon-do no Brasil........................................................................Pg.5

V) A Filosofia do TaeKwon-Do.....................................................................Pg.7

VI) Os Princípios do TaeKwon-Do...............................................................Pg.7

VII) Relacionamento Instrutor / Aluno......................................................Pg.9

VIII) Juramento do Praticante de TaeKwon-Do........................................Pg.10

IX) Comportamento no Do Jang...............................................................Pg.10

X) Uniforme de Treino (Do-Bok) ..............................................................Pg.12

XI) As Faixas............................................................................................Pg.13

XII) Ciclo de Composição do TaeKwon-Do................................................Pg.14

XIII) O Segredo do Treinamento do TaeKwon-do.....................................Pg.15

XIV) A Teoria do Poder.............................................................................Pg.15

XV) As Bases............................................................................................Pg.17

XVI) Formas (Tul) ...................................................................................Pg.24

XVII) Luta (Matsogi) ...............................................................................Pg.26

XVIII) Técnicas de Salto...........................................................................Pg.26

XIX) Técnicas de Quebramento................................................................Pg.27

XX) Vocabulário........................................................................................Pg.27

XXI) Anexo: a) TaeKwon-Do nas Olimpíadas............................................Pg.29

b) Posições dos Tuls – Nomenclatura...................................Pg.30

3
I) O que é TAEKWON-DO

Traduzindo literalmente do coreano, Taekwon-Do significa:

TAE: Saltar, voar, chutar ou quebrar com o pé.


KWON: Socar ou destruir com os punhos.
DO: Arte, caminho, método (segundo a filosofia oriental, "o caminho construído pelos
santos e sábios").

Conceitualmente, Taekwon-Do é arte marcial de combate sem armas, para defesa


pessoal, envolvendo a habilidade do emprego de pés, mãos e punhos.
Taekwon-Do é:

-Espírito de aperfeiçoamento
-Defesa pessoal
-Destreza física
-Arte

Não impondo barreiras de idade ou sexo para a sua prática, o Taekwon-Do oferece
uma série de benefícios à saúde mental e física, uma vez que atua como um todo nos
sistemas cárdio-pulmonar
e locomotor do individuo, desenvolvendo coordenação, equilíbrio, força muscular, etc.

A repetição dos movimentos desenvolve a paciência, e o poder que o aluno adquire


lhe dá autoconfiança.

A luta ensina humildade, coragem, estado de alerta e autocontrole.

Os exercícios fundamentais proporcionam precisão e conhecimento do método,


princípio e propósito.

Os tuls (formas) desenvolvem harmonia e beleza nos movimentos.

O Taekwon-Do contribui no processo de amadurecimento do praticante estimulando


a sensibilidade e percepção.

Através do convívio com pessoas sadias, o Taekwon-Do pretende colaborar no


processo de formação do indivíduo para sua participação ativa na sociedade.

II) Diferença entre TAEKWON-DO e outras Artes Marciais

Ainda que a grande maioria das artes marciais seja de origem oriental, devemos
lembrar que cada uma delas apresenta características próprias que as distinguem
fundamentalmente uma das outras.

Algumas pessoas tentam fazer comparações entre artes marciais, afirmando que
uma é melhor do que a outra, o que nos levaríamos a crer que colocando em combate dois
lutadores de seus respectivos estilos, teríamos uma resposta de qual é a melhor luta. No
entanto, estaríamos testando individualmente cada lutador e não as artes marciais em
4
questão, já que seria praticamente impossível conseguir dois lutadores com o mesmo nível
de desenvolvimento de qualidades físicas.

Contudo, para que os leigos possam compreender quais fatores marcam as


diferenças das artes marciais entre si, podemos estabelecer alguns parâmetros:

Podemos dividir as artes marciais de combate corpo a corpo em 2 grupos: um que se


utiliza de projeções, quedas e torções, como: judô, Aikido, Jiu-Jitsu; e outro grupo que usa
os pés, as mãos e outras partes do corpo (cotovelos, joelhos) para golpear e bloquear:
Karatê, Kung-Fu, Taekwon-Do...

Neste segundo grupo, o Taekwon-Do destaca-se principalmente por sua maneira


própria de explicar e executar seus movimentos, aplicando leis científicas que não se
conheciam a centenas de anos atrás. Por isso, o Taekwon-Do é considerado uma arte
marcial moderna.

Escreveu General Choi Hong Hi:

“Em março de 1946, comecei a desenvolver novas técnicas e sistematizá-las. No


final de 1954, eu havia completado a fundação de uma nova arte marcial para a Coréia, em
11 de abril de 1955, foi dado o nome de Taekwon-Do”.

Ainda nas palavras do General Choi Hong Hi:

“Em março de 1959, formulei os seguintes ideais básicos para os praticantes de


Taekwon-Do:

1- Através do desenvolvimento de uma mente justa e um corpo forte, vamos adquirir


autoconfiança para ficar sempre ao lado da justiça.
2- Nos uniremos com todos os homens e uma comunidade de irmãos de sangue, sem
fronteiras de religião, raça, nacionalidade ou ideologia.
3- Nos dedicaremos a construção de uma sociedade pacífica, onde a justiça, a moralidade,
a confiança e o humanismo prevaleçam.

Foi criada uma variedade de técnicas que podem ser usadas em diversos tipos de
situações. Elas são baseadas nos seguintes princípios:

1- Todos os movimentos foram feitos para produzir o máximo poder de acordo com
fórmulas científicas e o princípio da energia cinética.
2- Os princípios das técnicas deverão ser suficientemente claros para que mesmo os
leigos possam distinguir o movimento correto do incorreto.
3- A distância e o ângulo de cada movimento deverão ser exatamente definidos para
obter maior eficiência nos ataques e defesas.
4- O propósito e o método de cada movimento serão claros e simples para facilitar o
processo de ensino e aprendizagem.
5- Métodos de ensino racionais deverão ser desenvolvidos, para que os benefícios do
Taekwon-Do possam ser desfrutados por todos: jovens e velhos, homens e
mulheres.
6- Deverão ser traçados métodos corretos de respiração, aumentando a velocidade de
cada movimento e reduzindo a fadiga.

5
7- O ataque será possível contra pontos vitais do corpo e haverá defesa contra todas as
variedades de ataque.
8- Cada forma de ataque deverá ser claramente definida e verdadeiramente
fundamentada na estrutura do corpo humano.
9- Cada movimento será fácil de executar, permitindo ao praticante desfrutar do
Taekwon-Do como um esporte e uma recreação.
10- Especial consideração será concedida para promover boa saúde e prevenir danos.
11- Cada movimento deverá ser harmonioso e rítmico, de forma que o Taekwon-Do
seja esteticamente agradável.
12- Cada movimento no Tul expressa a personalidade e o caráter espiritual da pessoa
com a qual foi nomeado.

III) Origem e História do TAEKWON-DO

Apesar de recentemente introduzido no Ocidente, o Taekwon-Do (pronuncia-se


têcuondô) possui raízes muito antigas, embora tenha sido institucionalizado com este nome
apenas no ano de 1955.

Em 670 d.C. a Coréia era dividida em três reinos: Kogoryo, Baek Je e Silla, este o
menor deles, que era constantemente invadido e saqueado pelos seus dois vizinhos.

Para defender Silla, foi criado um grupo de guerreiros, formado por jovens oficiais
militares e aristocratas, que além de treinados em diversas formas de luta e manejo de
armas (lança, arco e flecha, bastão,...) tinham severa disciplina física e mental. Este grupo
transformou-se em um temido e respeitado corpo de guerreiros de elite chamado HWA-
RANG (semelhante aos samurais do Japão).

Os Hwa-Rang tinham o seguinte código de honra:


1- Ser leal ao rei.
2- Ser obediente aos pais.
3- Honrar os amigos.
4- Nunca se retirar de uma batalha.
5- Matar com justiça.

Evidências históricas comprovam que essas lutas se assemelhavam ao Taek Kyon,


que foi o aprimoramento de várias lutas, dentre elas o Soo Bak Gi.

Com certeza essa é a origem do desenvolvimento das artes marciais na Coréia,


porém com o passar do tempo, as dinastias que se seguiram passaram a adotar uma postura
antimilitar, o que veio a marcar o início de um período de cultura civil que quase culminou
com o fim das artes marciais da Península Coreana.

No ano de 1909 o quadro se agravou mais ainda com a ocupação japonesa que
proibia a prática do Taek Kyon e outras artes marciais coreanas, que passaram a ser
praticadas secretamente.

Após a libertação da Coréia em 1945 (rendição do Japão na Segunda Guerra


Mundial) com a formação da nova República Coreana e a reorganização de suas Forças
Armadas (1946), um jovem segundo-tenente chamado CHOI GONG HI, recentemente

6
solto de um campo de prisão japonês, começou a ensinar artes marciais para alguns de seus
soldados.

Os anos de pesquisa e desenvolvimento do então General CHOI HONG HI,


resultaram no estilo CHANG HUN (seu pseudônimo). Apesar de baseado principalmente
nas técnicas de SOO BAK GI, TAEK KYON E KARATÊ, muitas técnicas foram
adicionadas e aperfeiçoadas.

Em 1955 (durante a Guerra da Coréia), uma junta de instrutores e historiadores e


outras personalidades proeminentes liderados pelo General Choi, escolheram como
TAEKWON-DO (TAE: ação dos pés; KWON: ação das mãos e punhos; DO: caminho -
filosoficamente) o nome da nova arte marcial coreana, por significar adequadamente o que
representa e também por lembrar o antigo TAEK KYON, reanimando, assim, o senso de
patriotismo coreano.

A combinação das técnicas tradicionais e novas modificações resultaram em uma


forma de autodefesa e condicionamento físico-mental incomparável no mundo moderno.

Finalmente, em 22 de março de 1966 foi fundada a International Taekwon-Do


Federation (I.T.F.), formada inicialmente com a associação de nove países:
Vietnã, Malásia, Singapura, Alemanha Ocidental, Estados Unidos, Turquia, Egito, Itália e
Coréia do Sul e com sede na Coréia. A partir daí, seu presidente, o próprio General CHOI
HONG HI, começa a organizar e formar turmas de instrutores internacionais espelhando-os
pelo mundo com o intuito de divulgar o TAEKWON-DO.

Como uma organização Internacional de esporte puramente amador, a I.T.F tem por
objetivo contribuir para a paz e justiça no mundo.

Vendo que era impossível desenvolver o nobre ideal do Taekwon-Do sob o regime
de então da Coréia do Sul, que tentava reduzir o Taekwon-Do a instrumento político, o
General CHOI HONG HI mudou a sede da I.T.F de Seul para Toronto (Canadá) em 1972, e
novamente a mudou, em 1985, para Viena (Áustria), a fim de ter um centro de atividades
mais proveitoso.

O General CHOI HONG HI foi o responsável pela unificação técnica dos estilos de
"Karate Coreano" (Song Moo Kwan, Chung Do Kwan, Moo Do Kwanm Ji Do Kwan...),
Karatê Japonês, Taek Kyon e Soo Bak Gi, criando o Taekwon-Do, além de elaborar os
vinte e quatro tuls e ser o mentor intelectual da parte filosófica.

7
IV) O TAEKWON-DO no Brasil

Em julho de 1970, o General CHOI HONG HI envia para o Brasil o Instrutor


Internacional Sr. Sang Min Cho, 6º Dan, que introduz o Taekwon-Do no estado de São
Paulo.

Após a mudança da ITF para o Canadá, surge na Coréia, no ano de 1973, uma nova
organização intitulando a "controladora" do Taekwon-Do em nível mundial (The World
Taekwon-Do Federation - W.T.F.), com o intuito de preencher o vazio que havia ficado no
Taekwon-Do na Coréia do Sul, que através da força política, obrigou os instrutores sul-
coreanos em todo o mundo a se subordinarem a esta nova organização, prejudicando, por
este motivo, a estruturação da ITF em nosso país.

A ignorância tanto histórica como político-administrativa por parte da grande


maioria de praticantes de Taekwon-Do do Brasil, contribui ainda mais para que um
monopólio exercido por coreanos continue obtendo grande projeção.

Apesar disso, o Taekwon-Do, continuou sendo divulgado fora do Brasil por


instrutores da ITF alheios ao governo coreano.

O Taekwon-Do tradicional, só toma novo impulso a partir de 1990, com a vinda do


General CHOI HONG HI ao Brasil. A convite do Sr. Raúl Hector Sanchez, que já vinha
realizando um trabalho concreto com o sistema ITF no Rio de Janeiro há 6 anos.

Com esta visita foi realizado o primeiro seminário internacional de Taekwon-Do


ITF no Brasil, nas instalações do Hotel Internacional do Rio de Janeiro, dirigido
pessoalmente pelo General CHOI HONG HI - 9º Dan e presidente da ITF Sr.Pablo
Trajtemberg - 6 º Dan e secretário geral da Federación de Taekwon-Do de la República
Argentina e assessor técnico do Brasil.

8
Após o seminário, realizou-se o exame para qualificação de instrutores e árbitros
internacionais, ministrado pelo General CHOI HONG HI, conferindo a graduação de 5º
Dan ao Sr. Raúl Hector Sanchez (atualmente 7º Dan), e 4ºDan para os senhores Djalma
Santos, Taney Campos e Severino Siqueira.

Em documento recebido em 14 de agosto de 1990, os referidos senhores tornam-se


representantes oficiais da International Taekwon-Do Federation no Brasil.

Com o falecimento do general Choi Hong Hi, em 15 de junho de 2002, o Taekwon-


Do sofreu divisões a nível internacional, devido a interesses políticos e econômicos por
parte de alguns membros da ITF que até então nunca haviam sido sequer cogitados para a
sucessão. No dia 11 de setembro de 2003, através do convite do instrutor Edimir Kawakubo
- IV Dan, o Brasil recebe a visita do Mestre Choi Jung Hwa, presidente da ITF, filho do
criador do Taekwon-Do e único herdeiro fiel a filosofia, tradição e técnica do general Choi
Hong Hi, eleito legalmente durante o congresso realizado em Rimini, no ano de 2001.

Foi realizado, então, um ciclo de eventos, dentre os quais palestras sobre a atual
situação da ITF no mundo (aspectos gerais e legais), assim como o I Curso Internacional de
Atualização Técnica ITF, realizada no País. Acompanharam e auxiliaram o Mestre Choi, o
Mestre Néstor Galarraga - VII Dan, Diretor de Torneios e Arbitragem da ITF e Presidente
da TAA, o Sr. José Maidana - VI Dan, Secretário Geral da TAA e o Sr. Christopher Howes
- IV Dan, assistente do Mestre Choi.

No dia 13 de setembro, Mestre Choi nomeou o Sr. Edimir Kawakubo,


Representante Oficial da ITF no Brasil, e no dia 15 de setembro, recebeu do Mestre
Galarraga a Direção de Torneios e Seletivas Nacionais, perante a ITF. Os Srs. Waldyr
Vilhena, Omar Começaña, Raphael Ayres, Daniel Swire e Thais de Castro desempenharam
papel fundamental para a realização deste processo de reestruturação da ITF em nosso País.

V) A Filosofia do TAEKWON-DO

“... É a minha esperança que através do Taekwon-Do cada um possa juntar suficiente força
para chegar a ser um guardião da justiça, para combater a desunião social e para cultivar o
espírito humano”.Gal. Choi Hong Hi.
Por isso, sob nenhuma circunstância, o Taekwon-Do poderá ser usado com propósitos

9
agressivos ou violentos (quer seja em grupo ou individualmente), nem, tampouco, para
propósitos comerciais ou políticos.
Esta filosofia, pedra fundamental do Taekwon-Do guiará os estudantes sensatos desta arte
marcial, alimentando-os a viver.

1-Incline-se a ir onde o passo possa ser forte e faça o que é importante ser feito, ainda que
difícil.
2-Seja suave com o débil e firme com o forte.
3-Esteja contente com o que você possui, mas, nunca com o seu conhecimento.
4-Sempre termine o que começou, seja grande ou pequeno.
5-Seja um mestre complacente para todos, indiferente a religião, raça ou ideologia.
6-Nunca reconheça a repressão ou ameaças no seguimento de uma nobre causa.
7-Ensine atitudes e sabedoria antes com ações do que com palavras.
8-Sempre seja você mesmo, embora as circunstâncias possam mudar.
9-Seja um eterno mestre, que ensina com o corpo quando jovem, com as palavras quando
velho e com os preceitos morais depois de morto.

VI) Os Princípios do TAEKWON-DO

1-Cortesia
2-Integridade
3-Perseverança
4-Autocontrole
5-Espírito Indômito (Indomável)

O General Choi Hong Hi escolheu estes 5 princípios como “Os princípios do


Taekwon-Do”, por julgá-los os mais importantes que um praticante de Taekwon-Do
deveria por em prática.

È necessária uma perfeita compreensão de cada um deles (e não uma mera


memorização) para que se possa entendê-los além dos exemplos citados, em termos gerais.

1-Cortesia

No Taekwon-Do a cortesia não se restringe apenas as aulas, mas estende-se ao


cotidiano e principalmente na relação com outras artes marciais e entre os seus instrutores e
alunos. A prática do Taekwon-Do é incompatível com a calúnia e a rivalidade.

O aluno de Taekwon-Do deve tentar colocar em prática, inclusive o seguinte:

1- Promover o espírito de colaboração mútua;


2- Nunca admitir o desprezo maldoso a uma pessoa;
3- Ser educado com o próximo;
4- Tratar assuntos com honradez e sinceridade;
5- Distinguir o instrutor do aluno, o sênior do júnior e o mais velho do mais jovem;
6- Respeitar outras posições.

2-Integridade

Refere-se ao senso de justiça e responsabilidade que cada pessoa deve ter para si e
para com os outros, o que exige a preocupação de conhecer suas próprias limitações.
10
São exemplos de falta de integridade:

1- Aluno cujas ações e palavras se contradizem;


2- Aluno que solicita graduação ao instrutor e que a procura obter para satisfazer
apenas seu ego ou conquistar poder;
3- O instrutor que não respeita nem a sua arte marcial nem a si próprio, ensinando
com técnicas ruins ou impróprias, por falta de conhecimento ou indolência, e
não atribuindo ao aluno seu justo valor.

3-Perseverança

Este princípio define a força de vontade e espírito de sacrifício que se encontram em


todas as artes marciais.

Para se alcançar algo, com o alto grau de perfeição de uma técnica, deve-se
determinar o objetivo e persistir constantemente.

Um dos fatores importantes para se tornar um bom praticante de Taekwon-Do é o


de superar cada dificuldade através da perseverança.

4-Autocontrole

É extremamente importante dentro e fora do DO JANG, quer referindo-se a um


combate ou a um assunto pessoal.

A perda de autocontrole pode levar a conseqüências desastrosas, tanto para o aluno


como para o seu oponente.

A incapacidade de viver e/ou trabalhar dentro dos limites de outras pessoas, é


também um exemplo de autocontrole.

5-Espírito Indômito (Indomável)

O praticante de Taekwon-Do deve ter sempre essa filosofia quando seus princípios
forem questionados e quando se defrontar com injustiça, agindo com disposição e lutando
de forma indômita, indiferente a quem sejam ou quantos forem os opositores.

VII) Relacionamento Instrutor / Aluno

Por certo que o instrutor dedicado e sincero é de total necessidade para qualquer DO
JANG crescer e amadurecer sem um quadro de alunos igualmente sinceros e dedicados.

Assim, tanto o instrutor como o aluno, possuem uma dívida de responsabilidade, um


para com o outro, que nunca poderá ser paga.

INSTRUTORES:

1- Nunca se canse de ensinar. Um bom instrutor pode ensinar em qualquer lugar, a


qualquer momento, e está sempre pronto para responder perguntas.

11
2- Um instrutor deve estar ansioso para que seus alunos o superem. Este é o objetivo final
para um instrutor. Um aluno nunca deve ser retido. Se o instrutor percebe que o seu aluno
atingiu um estágio de desenvolvimento que excede as suas possibilidades de ensino, é o
momento de o aluno ser encaminhado a um instrutor de maior nível.

3- Um instrutor deve sempre dar bom exemplo a seus alunos, nunca tentando enganá-los.

4- O desenvolvimento dos alunos deve estar em primeiro lugar, e não a comercialização.


Quando o instrutor deixa prevalecer o interesse material, ele perde o respeito de seus
alunos.

5- Os instrutores devem ensinar de forma científica e teórica para poupar tempo e energia.

6- Os instrutores devem ajudar aos alunos a desenvolver bons contatos fora do “DO JANG‟
ou academia. É da responsabilidade do instrutor o desenvolvimento dos alunos tanto fora
como dentro da academia.

7-Deve-se estimular os alunos a visitar outras academias e estudar outras técnicas. Proibir
os alunos de visitar outros “DO JANG” é predispo-los a rebeldia. São duas as vantagens de
permitir os alunos de visitar outras academias: não somente há a possibilidade de que um
aluno possa observar uma técnica que idealmente lhe seja adequada, mas também tem a
oportunidade de aprender, comparando suas técnicas as outras.

8-Todos os alunos devem ser tratados igualmente – não deve haver favoritos. Os alunos
devem ser censurados de modo sempre reservado, nunca diante dos demais.

9-Se o instrutor não for capaz de responder a uma pergunta do aluno, não deverá fabricar
uma resposta, mas admitir que não sabe, e tentar achar a resposta o mais cedo possível.
Ocasionalmente um faixa preta de menor grau dará respostas ilógicas a seus alunos, só
porque ele tem medo de “ficar mal” por não saber a resposta.

10-O instrutor não deverá pedir quaisquer favores, (como limpar a sala de aula.).

11-Um instrutor não deve explorar os alunos. O único propósito de um instrutor é produzir,
tanto tecnicamente quanto intelectualmente excelentes alunos.

12-Seja sempre honesto com os alunos e nunca destrua uma verdade.

ALUNOS:

1-Nunca se canse de aprender. Um bom aluno pode aprender em qualquer lugar e a


qualquer momento. Este é o segredo do conhecimento.

2-Um bom aluno deve estar disposto e se sacrificar pela sua arte e por seu instrutor. Muitos
alunos acham que seu treinamento é uma mercadoria comprada com mensalidades, e não
tem disposição para participar de demonstrações, ensinar e trabalhar na academia. Um
instrutor pode se permitir a perder tal tipo de aluno.

3-Dê sempre bons exemplos para alunos de menor graduação. Nada mais natural que eles
tentem trilhar os caminhos dos alunos mais velhos e mais graduados

12
4-Sempre seja leal e nunca critique o instrutor, o Taekwon-Do, ou os métodos de ensino.

5-Se um instrutor ensina uma técnica, pratique-a e tente utilizá-la.

6-Lembre-se de que a conduta de um aluna fora do “DO JANG” reflete na arte e no


instrutor.

7-Se um aluno adota uma técnica de outro “DO JANG” e o instrutor não a aprova, deve o
aluno descartá-la imediatamente ou ir treinar na academia onde a técnica foi aprendida.

8-Nunca falte com respeito a seu instrutor. Apesar de ser permitido discordar do instrutor,
deve o aluno primeiro seguir a instrução e depois discutir o assunto.

9-O aluno deve sempre estar vivamente interessado em aprender e perguntar

10-Nunca traia seu instrutor.

VIII) Juramento do Praticante de TAEKWON-DO

1-Observar os princípios do Taekwon-Do.


2-Respeitar o Instrutor e meus superiores.
3-Nunca fazer mau uso do Taekwon-Do.
4-Ser campeão da Liberdade e da justiça.
5-Ajudar a construir um mundo mais pacífico.

IX) Comportamento no Do Jang

As regras que se seguem destinam-se a todos os locais de treinamento de Taekwon-Do ITF


e tem o intuito de estabelecer normas e procedimentos básicos de conduta disciplinar no
DO JANG (sala de aula).

1- Incline-se às bandeiras Nacional, da ITF e ao instrutor, sempre que entrar ou sair do DO


JANG. Isto demonstra respeito e humildade.
2- O aluno deverá apresentar-se pontualmente a aula. Os atrasos sem motivo justificados
são considerados atos de indisciplina.
3- O aluno não poderá entrar no DO JANG com calçados ou objetos alheios ao
equipamento (DO BOK, luvas, protetores...) como brincos, relógios, anéis.
4- O aluno deverá apresentar-se na aula com DO BOK limpo e passado, portando os
símbolos oficiais que se façam necessários. Não são permitidos outros tipos de
uniformes que não sejam do padrão estabelecido pela ITF.
5- O aluno deverá cuidar bem da sua higiene pessoal, tendo unhas bem curtas e limpas. O
aluno que tiver cabelos compridos deverá usá-los preso.
6- O aluno não poderá mascar chiclete nem ingerir alimentos durante a aula.
7- È proibido fumar no DO JANG.
8- O aluno não poderá ingerir bebidas alcoólicas nem drogas antes das aulas
9- É responsabilidade de todos criar uma atmosfera positiva de harmonia e respeito.
10- O aluno deverá pedir permissão ao instrutor (ou em caso de sua ausência, ao aluno mais
graduado) para ingressar no DO JANG ou dele retirar-se.
11- Uma vez conseguida a permissão, saudar com posição firme com uma leve inclinação
de cabeça ao instrutor.

13
12- A formação para começar a aula se realiza se respeitando as graduações de maior a
menor da direita para a esquerda.
13- O aluno deverá abster-se de falar, utilizar palavras impróprias e apresentar preguiça no
DO JANG.
14- Para saudar o instrutor no começo da aula, as ordens sempre virão do mais graduado.
15- Se por algum motivo, o instrutor ingressar na aula já começada, o aluno mais graduado
deverá interromper a aula para “todos” saudarem o instrutor no lugar onde estão.
16- Se o aluno tiver uma pergunta a fazer, deverá levantar a mão esquerda e esperar o
instrutor se aproximar.
17- No caso de ter que se sentar no DO JANG, o aluno deverá fazê-lo de pernas cruzadas e
costas retas.
18- Qualquer desrespeito ao instrutor, seus auxiliares, entidades dirigentes, bem como a
outros esportes e artes marciais, é considerado ato de indisciplina e passível de punição.
19- Em caso de o instrutor estar ausente, a aula ficará sob a responsabilidade do aluno mais
graduado, que deverá ser tratado com igual consideração e respeito com que se trata o
instrutor habitual. Este aluno deverá encarregar-se principalmente do controle dos
praticantes. Caso algum outro aluno não corresponda a esta diretiva, o aluno
encarregado deverá convidá-lo a retirar-se da aula e comunicar o ocorrido na presença
do instrutor.
20- O aluno, ao dirigir-se ao instrutor, deverá fazê-lo de forma adequada (Sabum), devendo
também usar palavras de respeito quando falar, como: com licença, sim senhor, não
senhor.
21- Cada aluno deverá providenciar seu próprio equipamento de proteção, sendo
obrigatório o uso de protetor inguinal nos homens e bucal nos alunos que usam
aparelho odontológico.
22- É de responsabilidade de todos manter as regras tradicionais de conduta no DO JANG.

X) Uniforme de Treino (Do-Bok)

O modelo do Do-Bok I.T.F é único e igual no mundo inteiro, devendo portar no lado
esquerdo do paletó o emblema da I.T.F., a inscrição padronizada "Taekwon-Do I.T.F"

14
atrás, e na calça a inscrição ITF. A partir do 4º DAN deve-se usar uma listra preta na lateral

da calça.

XI) As Faixas

Identificam a graduação, ou seja, o grau de conhecimento do aluno. No Taekwon-


Do as cores das faixas não foram escolhidas arbitrariamente. Elas possuem significados e,
as cores preta, vermelha e azul identificam os diversos níveis de hierarquia nas Dinastias de
Silla e Koguryo.

Inocência
Branca
Como o iniciante sem prévio conhecimento de Taekwon-Do.
Terra, Onde a planta brota e fixa sua raiz.
Amarela
A base do Taekwon-Do está firmada.
Crescimento da planta
Verde
A técnica começa a se desenvolver no aluno de Taekwon-Do.
Céu; Para onde a planta se dirige; seu objetivo.
Azul
Amadurecimento da técnica do aluno.
Perigo
Vermelha Alerta ao aluno sobre a necessidade de autocontrole,
bem como seu oponente a manter-se afastado.
15
Oposto do branco.
Preta
Maturidade e conhecimento no Taekwon-Do.

Os principais propósitos das faixas são de representar o significado filosófico do


praticante de Taekwon-Do, bem como distinguir a graduação. Entretanto, foi decidido no
Encontro Especial de diretores de 01/07/1985, que a faixa deveria ser usada com apenas
uma volta na cintura, ao invés de duas como antes, para simbolizar o seguinte:

-Perseguir UM objetivo, sempre que determinado.


-Servir a UM mestre, como inabalável lealdade.
-Alcançar uma vitória com UM golpe.

Gup e Dan

São em número de dez as graduações das faixas coloridas, indo de branca a vermelha
com ponta preta, e recebendo a denominação de “GUP”.

1- Faixa Branca.................................................................................................. 10º GUP


2- Faixa Branca Com Ponta Amarela.................................................................. 9º GUP
3- Faixa Amarela................................................................................................. 8º GUP
4- Faixa Amarela Com Ponta Verde................................................................... 7º GUP
5- Faixa Verde..................................................................................................... 6º GUP
6- Faixa Verde Com Ponta Azul......................................................................... 5º GUP
7- Faixa Azul....................................................................................................... 4º GUP
8- Faixa Azul Com Ponta Vermelha................................................................... 3º GUP
9- Faixa Vermelha............................................................................................... 2º GUP
10- Faixa Vermelha Com Ponta Preta................................................................... 1º GUP

As graduações de faixas pretas recebem o nome de “DAN” e vão do 1º ao 9º DAN.

XII) Ciclo de Composição do TAEKWON-DO

16
- Movimentos fundamentais
- Tuls
- Luta (combinada, livre e semilivre).
- Acessórios de treinamento (sacos de pancada, kwon-go, espelho).
- Defesa pessoal

De acordo com a ilustração, pode-se concluir que todas estas fases de aprendizado são
interdependentes e como um todo integram o TAEKWON-DO.

Para melhor compreensão tomemos o seguinte exemplo: Os movimentos fundamentais,


onde treinamos passo a passo as técnicas, bases e posições separadamente são de essencial
importância para o aprendizado dos Tuls, onde teremos que aplicar estas mesmas técnicas,
combinando-as seqüencialmente.

Os Tuls simulam situações hipotéticas de luta, adquirindo-se com sua própria prática,
ataques e defesas condicionadas de tal forma que no treino de luta atuarão de maneira
“automatizada” nas mais diversas situações. Paralelamente, o praticante deve começar a
treinar seu corpo, através de acessórios próprios (sacos de pancada, focos) para melhor
eficiência na defesa pessoal. Quando um alto grau de perfeição de uma técnica de luta for
atingido, o aluno deverá retornar aos movimentos fundamentais para desenvolver outras
técnicas, recomeçando o ciclo.

XIII) O Segredo do Treinamento do TAEKWON-DO

1- Estudar profundamente a teoria do poder.


2- Entender o propósito e o método de cada movimento claramente.
3- Transformar o movimento dos pés, mãos, respiração e olhos numa só ação coordenada.
4- Escolher a ferramenta de ataque apropriada para cada ponto vital.
5- Familiarizar-se com a distância, e os ângulos de ataque e defesas corretos.
6- Manter tanto os joelhos como os cotovelos ligeiramente flexionados durante a execução
do movimento.
7- Todo movimento deve começar com uma ação para trás, salvo algumas exceções,
entretanto, uma vez em movimentação, não deverá ser interrompido até atingir o alvo.
8- Criar uma curva, durante o movimento, utilizando apropriadamente a mobilidade do
joelho.
9- Exalar o ar brevemente em cada golpe, exceto nos movimentos conectados.

XIV) A Teoria do Poder

A teoria do poder está baseada em conceitos da física newtoniana, que utilizados


harmoniosamente, permite-nos alcançar o desempenho máximo nas técnicas de
TAEKWON-DO através dos seguintes itens:

1- Força de Reação
2- Concentração
3- Equilíbrio
4- Controle da Respiração
5- Massa
6- Velocidade

17
1- Força de Reação

Pela física, sabemos que toda ação resulta em uma reação de mesma intensidade
(módulo) e direção e em sentido contrário, por exemplo, um carro que bate em um
muro com a força de 1000 Newtons, tem uma força devolvida pela parede de 1000
Newtons no carro.

No Taekwon-Do isto é fácil de se perceber, quando um oponente que avança em sua


direção é atacado. A força de seu ataque é somada com a força que seu oponente avança
em sua direção.

Um outro exemplo é o braço que recua simultaneamente ao outro que executa o soco,
dando mais poder ao golpe. A explicação para isso é muito simples: o grupo muscular
que recua o braço para trás (extensão do ombro) age sobre o restante do corpo com
igual força, porém, em sentido contrário, auxiliando o avanço (flexão do ombro) do
outro braço.

2- Concentração

Devemos sempre procurar reduzir a superfície de contato da ferramenta de ataque no


momento de impacto, por exemplo, com os nós dos dedos em um soco, ou com a faca
do pé em um chute lateral. Assim, aumentamos a pressão, que é a relação entre a força e
a área na qual esta força está distribuída (P=F/A). Compare com o exemplo de um
prego que entra na parede com o lado mais pontiagudo: a força da martelada se
concentra onde há menor superfície de contato. Concentrando toda a força do corpo na
ferramenta de ataque no momento de impacto, teremos uma maior eficiência na técnica.

3- Equilíbrio

O equilíbrio é fundamental em qualquer tipo de atividade atlética. Um ataque sem


equilíbrio é facilmente anulado. A correta utilização da mobilidade da articulação do
joelho dará uma boa estabilidade à base.

Uma melhor eficiência nos movimentos é obtida com uma distribuição ideal do peso do
corpo, alcançando-se assim mais facilmente o equilíbrio dinâmico durante sua
execução.

4- Controle da Respiração

Durante a execução de uma técnica, o ar deve ser expirado e no momento do impacto


esta respiração deve ser retida. Isto porque a expiração facilita o relaxamento durante o
relaxamento do corpo, o que auxilia na obtenção de velocidade, resultado em maior
impacto terminal.

Para cada movimento é necessária uma respiração, com exceção de movimentos


conectados.

18
5- Massa

Pela física sabemos que a força é diretamente proporcional a massa do corpo e a sua
aceleração(F=m.a).

Podemos aumentar o peso do corpo com o giro do quadril, através da ativação dos
grandes músculos do abdômen.

Por isso o quadril gira sempre no mesmo sentido da ferramenta de ataque ou de defesa.

Outra forma de aumentar o peso do corpo é através do movimento ondulatório,


elevando a altura do quadril no início do movimento e abaixando no momento de
impacto, dando à massa corporal mais aceleração (aumento de energia potencial).

6- Velocidade

É o mais essencial fator de força ou poder. Todos os outros itens estão interrelacionados
para o aumento da velocidade. De nada vale uma grande massa bruta sem uma
significativa velocidade.

Observe a importância da velocidade na fórmula E=1/2 m.v² : Enquanto o aumento de


massa faz a energia aumentar aritmeticamente (1, 2, 3,4...), o aumento da velocidade faz
a energia aumentar geometricamente (2, 4, 8,16...).

De acordo com a física, todo corpo aumenta tanto seu peso quanto sua velocidade
quando se move no sentido de cima para baixo. Por esta razão, no momento de impacto
de um ataque, a mão está ligeiramente abaixo dos ombros em um soco e o pé abaixo do
quadril em se tratando de um chute com salto.

19
XV) As Bases

A eficiência das técnicas de ataque ou defesa do TAEKWON-DO dependem, entre


outros fatores, de um equilíbrio corporal desde o momento em que se inicia o movimento
até o instante do impacto.

Para isto, as bases do TAEKWON-DO propiciam estabilidade e mobilidade


satisfatórias para execução de suas técnicas.

Os principais itens para uma base correta são:

1- Manter o tronco ereto;


2- Relaxar os ombros;
3- Tencionar o abdômen;
4- Posicionar o corpo corretamente em relação: frontal, semilateral ou lateral ao oponente;
5- Manter o equilíbrio;
6- Fazer o uso da mobilidade do joelho corretamente.

Aqui apresentamos as principais bases:

A) CHARYOT SOGI (Base de sentido)

1- Calcanhares unidos com pés formando um ângulo de 45 graus.


2- Joelhos estendidos.
3- Braços afastados lateralmente ao longo do corpo com os cotovelos ligeiramente
flexionados e mãos levemente fechadas. Olhar dirigido para a linha horizontal.

Obs: MOA SOGI (Base fechada)

- Igual a Charyot Sogi, com a diferença dos pés, que devem estar juntos.

20
B) NARANI JUNBI SOGI (Base de preparar paralela)

1- Pés paralelos apontados para frente e afastados pela distância de um ombro entre
seus bordos externos.
2- Joelhos estendidos.
3- Distância entre os punhos em torno de 5cm e afastados em torno de 7cm do
abdômen
4- Cotovelos levemente flexionados.

Obs: NARANHI SOGI (Base paralela)

- Igual a NARANHI JUNBI SOGI, porém com os braços posicionados lateralmente ao


corpo.

21
C) GUNNUN SOGI (Base de caminhar)

1- Pés afastados pela distância de um ombro de largura do centro do pé ao outro e um


ombro e meio de comprimento do dedão do pé da frente até a linha que passa pelo
de dedão do pé de trás. Pé da frente apontando para frente e pé de trás apontando 25
graus para o exterior.
2- Joelho da frente flexionado até que a patela coincida em linha vertical com o
calcanhar. Joelho de trás estendido.
3- Tencione os músculos dos pés, como se fosse puxá-los um para o outro.
4- Peso do corpo distribuído igualmente entre as pernas (50%-50%)

Obs: NACHUO SOGI (Base baixa)

-Igual a GUNNUN SOGI, com a diferença de ser maior em comprimento a distância de um


pé.

D) NIUNJA SOGI (Base “L”)

22
1- Pés afastados pela distância de um ombro e meio do bordo exterior do pé de trás aos
dedos do pé da frente, formando quase um ângulo reto. Recomenda-se que os dedos
de ambos os pés apontem 15 graus para o interior, colocando-se o calcanhar do da
frente em torno de 2,5cm, além do calcanhar de trás.
2- Joelho de trás flexionado até que coincida em linha vertical com os dedos do pé.
Joelho da frente flexionado proporcionalmente.
3- A lateral deve estar alinhada com o interior do joelho de trás.
4- Peso do corpo distribuído em 70% na perna de trás e 30% na perna da frente.

Obs: GOJUNG SOGI (Base fixa)

- Igual a NIUNJA SOGI, com as seguintes exceções:

1- A distância de um ombro e meio é medida do bordo interior do pé de trás aos dedos do


pé da frente.
2- O peso do corpo é distribuído igualmente entre as pernas. (50%-50%)

Obs: Para caminhar em GUNNUN SOGI e NIUNJA SOGI, passe sempre o pé que
avança pela linha média que existe entre os ombros.

23
E) ANNUN SOGI (Base sentada)

1- Pés apontados para frente e afastados lateralmente pela distância de um ombro e


meio entre os dedões dos pés.
2- Peso do corpo distribuído igualmente entre as pernas (50%-50%)
3- Joelhos flexionados até que fiquem sobre as bolas dos pés.
4- Aplique força na parte interna das coxas e tencione para dentro “apertando” o solo
com o bordo exterior dos pés.
5- Expanda o tórax e o abdômen, retraindo o quadril para trás, contraindo o abdômen.

F) GOBURYO JUNBI SOGI (Base flexionada)

1- Joelho da perna de apoio flexionado.


2- O pé que fica suspenso deve estar acima do outro joelho, com o “dedão do pé”
apontado para cima.

24
G) KYOCHA SOGI (Base cruzada)

1- Pernas cruzadas com o pé que está na frente tocando o chão levemente.


2- Peso do corpo na perna de trás.

Obs: Na execução do movimento, esta base pode ser feita de duas formas:
a) Para caminhar – cruzar a perna que se movimenta pela frente.
b) Para frear o movimento após um salto – cruzar a perna que se movimenta por trás.

H) DWITBAL SOGI (Base com pé recuado)

25
1- Pés afastados pela distância de um ombro entre o dedo menor do pé da frente e o bordo
exterior do pé de trás.
2- Joelho de trás flexionado até que cubra os dedos e calcanhar de trás colocado levemente
além do calcanhar do pé da frente.
3- Joelho da frente flexionado e bola do pé tocando levemente o solo.
4- Pés da frente e de trás apontando respectivamente 25º e 15º para o interior.
5- Maior parte do peso distribuído na perna de trás, e o joelho de trás apontando levemente
para dentro.

I) SOOJIK SOGI (Base vertical)

1- Pés afastados pela distância de um ombro do dedão do pé da frente até a linha que passa
pelo dedão do pé de trás.
2- Pés apontando 15º para o interior.
3- Joelhos estendidos.
4- Peso do corpo distribuído em 40% na perna da frente e 60% na perna de trás.

XVI) Formas (Tul)

Os Tuls são seqüências de movimentos pré-fixados, onde o praticante simula um


combate com adversários imaginários e diversos ângulos e posições.
Enquanto a luta indica apenas se seu oponente é mais ou menos avançado, o TUL pode
ser a melhor forma de avaliar a evolução da técnica individual.
Há um total de vinte e quatro Tuls que representam as vinte e quatro horas (um dia)
ou toda a vida do General Choi Hong Hi dedicada ao Taekwon-Do.
A prática dos TULs desenvolve as técnicas de combate, uma vez que, a realização
de movimentos seqüenciais proporciona o domínio do corpo, tornando os movimentos
mais harmoniosos, além de auxiliar no fortalecimento muscular e no controle
respiratório.

26
São fatores fundamentais para uma boa performance no TUL:
1) Deve-se terminar o TUL no mesmo ponto em que se começou. Isto indica precisão na
execução do TUL.
2) Postura e posicionamento corretos devem ser mantidos durante toda a execução do TUL.
3) A musculatura do corpo deve ser contraída ou relaxada de acordo com o momento crítico do
movimento.
4) O exercício deve ser executado com movimentos rítmicos e sem rigidez.
5) Os movimentos devem ser acelerados ou desacelerados de acordo com as instruções.
6) Cada TUL deve ser bem assimilado antes de passar para o aprendizado do TUL seguinte.
7) Os alunos devem conhecer o propósito de cada movimento.
8) Os alunos devem realizar os movimentos com realismo.
9) As técnicas de ataque e defesa devem ser igualmente executadas por ambos os lados do
corpo.

A interpretação dos TULs, o nome, o número de movimentos e o símbolo do diagrama de cada


TUL, representam personagens históricos ou momentos relativos a eventos da história coreana.
Do nono ao primeiro GUP se aprende um TUL para cada graduação na seguinte ordem
cronológica:
Chon-Ji
Dan-Gun
Do-San
Won-Hyo
Yul-Gok
Joong-Gun
Toi-Gye
Hwa-Rang
Choong-Moo

1º Dan >> Kwang-Gae | Po-Eun | Ge-Baek

2º Dan >> Eui-An | Choog-Jang | Juche (kodang)

3º Dan >> Sam-Il | Yoo-Sin | Choi-Yong

4º Dan >> Yon-Gae | Ul-Ji | Moon-Moo

5º Dan >> So-San | Se-Jong

6º Dan >> Tong-Il

27
XVII) Luta (Matsogi)

A Luta é a aplicação prática dos movimentos fundamentais e das habilidades adquiridas nos
treinos.

É dividida em 3 partes:
1) Luta combinada
2) Luta semilivre
3) Luta livre

Com o treinamento da luta, se desenvolve:


-poder de percepção das intenções dos
adversários;
-velocidade de reação;
-autoconfiança;
-paciência;
-autocontrole;

O aperfeiçoamento da técnica e destas qualidades torna o praticante de Taekwon-Do


apto a utilizar o que foi aprendido para a autodefesa. Por isso, ele deve ter consciência da
utilização do poder que possui.
Obs: Para que a prática da luta livre seja segura e sem risco de lesões, se faz necessário o
equipamento de proteção apropriado, o qual deve estar sempre em boas condições de uso.
A saber, os protetores recomendados pela federação de Taekwon-Do tradicional, a I.T.F
são:

Protetor inguinal para homens


Protetor bucal para quem usa aparelhos
Luvas e Protetores de pés para todos os lutadores.

Como no Taekwon-Do tradicional se usa mãos e pés, como o próprio nome da luta indica,
colocam-se protetores nas mãos e pés para diminuir o impacto e proteger as mãos e pés.

XVIII) Técnicas de Salto

No Taekwon-Do as técnicas de salto se destacam pela sua grande eficiência. Têm como
objetivos:

1) Evitar um objeto
2) Surpreender o adversário
3) Cobrir uma distância em menor tempo.
4) Chutar uma região alta mais facilmente.
5) Mudar o ângulo de ataque.
6) Aumentar a força do ataque (acúmulo de energia potencial).
7) Executar mais de um movimento ao mesmo tempo.

28
XIX) Técnicas de Quebramento

Quando se atinge um alto grau de perfeição em uma técnica, considera-se que o


ajuste final da mesma se faz através do quebramento. Tais técnicas servem como
instrumento de medição do desenvolvimento da técnica, colocando em prova a força e a
velocidade máxima que podemos atingir, o que seria impraticável de se realizar em outra
pessoa, por motivos óbvios.

É importante salientar que para realização das técnicas de quebramento, sem que
haja risco de lesões, é necessário um árduo trabalho de preparação física com exercícios e
equipamentos próprios.
Os principais objetivos das técnicas de quebramento são:

1) Desenvolver a autoconfiança do praticante;


2) Desenvolver a habilidade de mensurar a força, a velocidade e a distância
ideais para cada situação.

29
XX) Vocabulário

No TAEKWON-DO os comandos e as técnicas são dados na língua coreana.


Apresentamos um pequeno vocabulário com alguns itens importantes:

CHARYOT: Sentido, atenção.


BOO SABUM: Assistente de instrutor
SABUM: Instrutor
SAHYUN: Mestre
SASEONG: Grão Mestre
NIM: Senhor
JUNBI: Preparar
SI JAK: Começar
GUMAN: Parar
KYONG YE: Saudação
SWIYO: Descansar
JIRUGI: Socar
TAERIGI: Bater
MAKGI: Defesa
CHAGI: Chute
AP: Frontal
YOP: Lateral
TWIMYO: Saltar
NAERYO: Descendente
DOLLYO: Semicircular
BANDE: Contrário
GORO: Gancho
BANDALL: Crescente
TORA: Giro
MIRO: Empurrar
BITURO: Desviar
OLLIGI: Levantamento
CHOOKYO: Para cima
ANURO: Para dentro
BAKURO: Para fora
SOGI: Base
SONKAL: Faca da mão
SONKAL-DUNG: Reverso da faca da mão
PALMOK: Antebraço
AN-PALMOK: Interior do antebraço
PAKAT-PALMOK: Exterior do antebraço
JOOMUK: Punho
DUNG-JOOMUK: Reverso do punho
NOPUNDE: Seção alta (acima dos ombros)
KAUNDE: Seção média (do umbigo aos ombros)
NAJUNDE: Seção baixa (abaixo do umbigo)
IL: Um
I: Dois
SAM: três
SA: Quatro
30
BO: Passo
MATSOGI: Luta
JU: Direção
HOSIN SUL: Defesa pessoal
CHONG: Azul
HONG: Vermelho
IL-REJON: Round I
I-REJON: Round II

XXI) Anexo:

a) TAEKWON-DO E OLIMPÍADAS

Tendo sido o Taekwon-Do criado pelo General Choi Hong Hi com sua federação de
nível internacional, com atualmente mais de 40 milhões de praticantes, pergunta-se: Por
que o Taekwon-Do I.T.F não participa dos jogos Olímpicos?
Para se responder, fazem-se necessários alguns esclarecimentos: Em julho de 1980, o
Comitê Olímpico Internacional, adotou decisão dando reconhecimento unilateral a The
World Taekwon-Do Federation (W.T.F.) devido ao desconhecimento de todos os membros
do Comitê, da existência de International Taekwon-Do Federation (I.T.F.), quadro que só
mudou em outubro de 1981, quando através de pesquisas mostrou-se que a W.T.F havia
sido criada 7 anos após a I.T.F..
A passagem seguinte é da carta de 08/02/83, onde o Sr. Juan Antônio Samaranch,
presidente do Comitê Olímpico Internacional, dirigiu-se ao General Choi Hong Hi:
“Uma vez que o Comitê Olímpico Internacional não reconhece os esportes que se
subordinam a mais de uma federação internacional, permito-me opinar que traria vantagem
para o Taekwon-Do a fusão da I.T.F. a W.T.F...”.
O relatório da comissão para o programa da 87ª sessão do Comitê Olímpico
Internacional, realizada em Sarajevo, Iugoslávia, em fevereiro de 1984, diz:
O Taekwon-Do não mais será considerado até que haja unificação das duas
federações internacionais.”
Levando-se em consideração as recomendações do Comitê Olímpico Internacional, a I.T.F.
tentou esforços para a fusão das duas federações, quando em 29/06/85, em Viena, foi
realizado o primeiro encontro com tal objetivo. A W.T.F. apresentou considerações
inaceitáveis, e insistiu, de modo que fracassaram os entendimentos aguardados por tanto
tempo.
Apesar da falta de êxito da 1ª rodada de conversações devido a atitude insincera por
parte dos que representaram a W.T.F., a I.T.F. continuou seu esforço objetivando a fusão, e
remeteu cartas, em nome do Secretário Geral da I.T.F., para o pessoal envolvido com o
assunto na W.T.F., em várias ocasiões, de fevereiro de 1986 a dezembro de 1990, e de
janeiro a setembro de 1991, nas quais insistiu-se para que a W.T.F. se manifestasse diante
da proposta de se dar início a fusão.
O General Choi escreveu pessoalmente ao Comitê Olímpico Internacional em 8
ocasiões, de agosto de 1986 a novembro de 1990 e de janeiro de 1991 a setembro de 1993,
solicitando uma posição justa e imparcial do assunto de inclusão do Taekwon-Do no
programa olímpico bem como a fusão das 2 entidades.
Em abril de 1994, o General Choi escreveu novamente cartas ao Dr. Un Young Kim
(Presidente da W.T.F.) e ao Sr. Juan Samaranch recordando e detalhando os esforços da
I.T.F. para a unificação, não obtendo resposta.

31
Em maio de 1994, o General Choi volta a escrever ao Dr. Kim, dizendo que estava
esperando sua resposta em vão, comentando ser lamentável a falta de interesse da W.T.F..
Em 3 de setembro de 1994, Comitê Olímpico Internacional informou que o
Taekwon-Do da W.T.F., juntamente com o Triatlon, foram aceitos como os dois novos
esportes que integrarão o programa dos Jogos Olímpicos de Sydney, Austrália, no ano de
2000.
O Taekwon-Do foi esporte de demonstração desde 88 nas Olimpíadas de Seul.
Há apenas um detalhe: O Dr. Un Young Kim, presidente da W.T.F. também é vice-
presidente do Comitê Olímpico Internacional.
Consiste-se que, mais uma vez, o destino do Taekwon-Do foi manipulado
politicamente.

b) POSIÇÕES DOS TULs

SAJU JIRUGI – 10º Gup

3- Gunnun So Palmok Najunde Makgi


4- Gunnun So Kaunde Jirugi

SAJU MAKGI – 10º Gup

1- Gunnun So Sonkal Najunde Makgi


2- Gunnun So Anpalmok Kaunde Yop Makgi

Chon-ji - Narani Junbi Sogi – 9º Gup

CHON-JI: Significa literalmente “Céu e Terra”. No Oriente é interpretado como a criação


do mundo ou início da história da humanidade, portanto é o primeiro TUL executado por
um iniciante. Este TUL consiste em duas partes: Uma representa o céu e a outra a terra. 19
movimentos. Diagrama:

1) Gunnun So Bakkat Palmok Najunde Baro Makgi


2) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugii
3) Gunnun So Bakkat Palmok Najunde Baro Makgi
4) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugii
5) Gunnun So Bakkat Palmok Najunde Baro Makgi
6) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugii
7) Gunnun So Bakkat Palmok Najunde Baro Makgi
8) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugii
9) Niunja So An Palmok Kaunde Bandae Yop Makgi
10) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugii
11) Niunja So An Palmok Kaunde Bandae Yop Makgi
12) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
13) Niunja So An Palmok Kaunde Bandae Yop Makgi
14) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugii
15) Niunja So An Palmok Kaunde Bandae Yop Makgi
16) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
17) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi (KIHAP)
18) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
19) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi

32
Dan-Gun - Narani Junbi Sogi - 8º Gup

DAN-GUN: É o nome dado em homenagem ao sagrado DAN-GUN, o legendário fundador


da Coréia no ano de 2333aC. Diagrama: I

1) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi


2) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Baro Jirugi
3) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
4) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Baro Jirugi
5) Gunnun So Bakkat Palmok Najunde Baro Makgi
6) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Baro Jirugi
7) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Baro Jirugi
8) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Baro Jirugi (KIHAP)
9) Niunja So Sang Palmok Makgi
10) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Baro Jirugi
11) Niunja So Sang Palmok Makgi
12) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Baro Jirugi
13) Gunnun So Bakkat Palmok Najunde Baro Makgi
14) Gunnun So Palmok Baro Chookyo Makgi
15) Gunnun So Palmok Baro Chookyo Makgi
16) Gunnun So Palmok Baro Chookyo Makgi
17) Gunnun So Palmok Baro Chookyo Makgi (KIHAP)
18) Niunja So Sonkal Kaunde Yop Bandae Taerigi
19) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Baro Jirugi
20) Niunja So Sonkal Kaunde Yop Bandae Taerigi
21) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Baro Jirugi

Do-San _ Narani junbi Sogi – 7º Gup

DO-SAN: É o pseudônimo do patriota AHN-CHANG-HO (1876-1938), que devotou sua


vida inteira aos movimentos de libertação da Coréia. 24 movimentos. Diagrama: _

1) Gunnun So Bakkat Palmok Nopunde Baro Yop Makgi


2) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
3) Gunnun So Bakkat Palmok Nopunde Baro Yop Makgi
4) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
5) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
6) Gunnun So Sun Sonkut Kaunde Tulgi (KIHAP)
7) Jaep Syul Tae, Gunnun So Dung Joomuk Nopunde Baro Yop Taerigi
8) Gunnun So Dung Joomuk Nopunde Baro Yop Taerigi
9) Gunnun So Bakkat Palmok Nopunde Baro Yop Makgi
10) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
11) Gunnun So Bakkat Palmok Nopunde Baro Yop Makgi
12) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
13) Gunnun So Bakkat Palmok Nopunde Hechyo Makgi
14) Kaunde ApCha Busigi
15) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
16) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
17) Gunnun So Bakkat Palmok Nopunde Hechyo Makgi
18) Kaunde ApCha Busigi
19) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
33
20) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
21) Gunnun So Bakkat Palmok Chookyo Baro Makgi
22) Gunnun So Bakkat Palmok Chookyo Baro Makgi (KIHAP)
23) Annun So Sonkal Kaunde Yop Taerigi
24) Annun So Sonkal Kaunde Yop Taerigi

Won-Hyo I Moa Junbi sogi A – 6º Gup

WON-HYO: Foi o notável monge que introduziu o Budismo na Dinastia Silla no ano de
686 d.C. 28 movimentos. Diagrama: I

1) Niunja So Sang Palmok Makgi


2) Niunja So Sonkal Nopunde Anuro Baro Taerigi
3) Gojung So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
4) Niunja So Sang Palmok Makgi
5) Niunja So Sonkal Nopunde Anuro Baro Taerigi
6) Gojung So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
7) Goburyo junbi Sogi A
8) Kaunde YopCha Jirugi
9) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
10) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
11) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
12) Gunnun So Sun Sonkut Baro Tulgi (KIHAP)
13) Niunja So Sang Palmok Makgi
14) Niunja So Sonkal Nopunde Anuro Baro Taerigi
15) Gojung So Ap Joomuk Kaunde Jirugi
16) Niunja So Sang Palmok Makgi
17) Niunja So Sonkal Nopunde Anuro Baro Taerigi
18) Gojung So Ap Joomuk Kaunde Jirugi
19) Gunnun So An Palmok Dollimyo Makgi
20) Najunde ApCha Busigi
21) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
22) Gunnun So An Palmok Dollimyo Makgi
23) Najunde ApCha Busigi
24) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
25) Goburyo junbi Sogi A
26) Kaunde YopCha Jirugi
27) Niunja So Palmok Kaunde Daebi Makgi
28) Niunja So Palmok Kaunde Daebi Makgi

Yul-Gok + Narani Junbi Sogi – 5º Gup

YUL-GOK: É o pseudônimo do grande filósofo e sábio Yi I (1536-1584), apelidado de


„Confúcio da Coréia”. O número de movimentos deste TUL, refere-se ao seu local de
nascimento- 38º de latitude. O diagrama representa sábio. 38 movimentos. Diagrama:

1) Annun Sogi
2) Annun So Ap Joomuk Kaunde Jirugi

34
3) Annun So Ap Joomuk Kaunde Jirugi
4) Annun Sogi
5) Annun So Ap Joomuk Kaunde Jirugi
6) Annun So Ap Joomuk Kaunde Jirugi
7) Gunnun So An Palmok Kaunde Baro yop Makgi
8) Najunde ApCha Busigi
9) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
10) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
11) Gunnun So An Palmok Kaunde Baro yop Makgi
12) Najunde Ap Cha Busigi
13) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
14) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
15) Gunnun So Sonbadak Kaunde Baro Golcho Makgi
16) Gunnun So Sonbadak Kaunde Bandae Golcho Makgi
17) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
18) Gunnun So Sonbadak Kaunde Baro Golcho Makgi
19) Gunnun So Sonbadak Kaunde Bandae Golcho Makgi
20) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
21) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
22) Gaburyo Chunbi Sogi A
23) Kaunde YopCha Jirugi
24) Gunnun So Ap Palkup Taerigi (KIHAP)
25) Gaburyo Junbi Sogi A
26) Kaunde YopCha Jirugi
27) Gunnun So Ap Palkup Taerigi (KIHAP)
28) Niunja So Sang Sonkal Makgi
29) Gunnun So Son Sonkut Kaunde Tulgi
30) Niunja So Sang Sonkal Makgi
31) Gunnun So Son Sonkut Kaunde Tulgi
32) Gunnun So Bakkat Palmok Nopunde Baro Yop Makgi
33) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
34) Gunnun So Bakkat Palmok Nopunde Baro Yop Makgi
35) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
36) Kyocha So Dung Joomuk Nopunde Yop Taerigi (KIHAP)
37) Gunnun So Doo Palmok Makgi
38) Gunnun So Doo Palmok Makgi

Joong-Gun I - Moa junbi Sogi B – 4º Gup

JOONG-GUN: É o nome dado ao patriota AHN JOONG-GUN que assassinou


HIROBUMI-ITO, o primeiro japonês Governador Geral da Coréia, conhecido como o
homem que exerceu papel fundamental na fusão Coréia-Japão. O número de movimentos
do TUL representa a idade do Sr. AHN quando ele foi executado na prisão de Lui-SHUNG
em 1910. 32 movimentos. Diagrama: I

1) Niunja So Sonkal Dung Kaunde Bakuro Bandae Makgi


2) Najunde Yop ApCha Busigi
3) DwitBal So Sonbadak Ollyo Makgi
4) Niunja So Sonkal Dung Kaunde Bakuro Bandae Makgi
5) Najunde Yop ApCha Busigi
6) Dwit Bal So Sonbadak Ollyo Makgi

35
7) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
8) Gunnun So Wi Palkup Taerigi
9) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
10) Gunnun So Wi Palkup Taerigi
11) Guunun So Sang Joomuk Nopunde Sewo Jirugi
12) Gunnun So sang Joomuk Kaunde Dwijibo Jirugi (KIHAP)
13) Gunnun So Kyocha Joomuk Chookyo Makgi
14) Niunja So Dung Joomuk Nopunde Yop Bandae Taerigi
15) Jaep Syul Tae
16) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Bandae Jirugi
17) Niunja So Dung Joomuk Nopunde Yop Bandae Taerigi
18) Jaep Syul Tae
19) Gunnun So Ap Joomuk Nopunde Bandae Jirugi
20) Gunnun So Doo Palmok Nopunde Makgi
21) Niunja So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
22) Kaunde YopCha Jirugi
23) Gunnun So Doo Palmok Nopunde Makgi
24) Niunja So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
25) Kaunde YopCha Jirugi
26) Niunja So Palmok Kaunde Daebi Makgi
27) Nachuo So Sang Sonbadak Noollo Makgi
28) Niunja So Palmok Kaunde Daebi Makgi
29) Nachuo So Sang Sonbadak Noollo Makgi
30) Moa So Ap Joomuk Giokja Jirugi
31) Gojung So Digutja Makgi
32) Gojung So Digutja Makgi

Toi-Gye + Moa junbi Sogi B – 3º Gup

TOI-GYE: É o pseudônimo do notável sábio YI HWANG (1501-1570), que foi uma


autoridade em neo-confucionismo. O número de movimentos deste TUL refere-se ao seu
local de nascimento (37º de latitude). O diagrama representa sábio. 37 movimentos.
Diagrama:

1) Niunja So An Palmok Kaunde Bandae (yop) Makgi


2) Gunnun So Dwijibun Sonkut Najunde Bandae Tulgi
3) Moa so Dung Joomuk YopDwi Taerigi
4) Niunja So An Palmok Kaunde Bandae (yop) Makgi
5) Gunnun So Dwijibun Sonkut Najunde Bandae Tulgi
6) Moa So Dung Joomuk YopDwi Taerigi
7) Gunnun So Kyocha Joomuk Najunde Noollo Makgi
8) Gunnun So Sang Joomuk Sewo Jirugi
9) Kaunde ApCha Busigi
10) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
11) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi
12) Moa So Sang Palkup Yop Tulgi
13) Annun So Bakkat Palmok San Makgi
14) Annun So Bakkat Palmok San Makgi

36
15) Annun So Bakkat Palmok San Makgi
16) Annun So Bakkat Palmok San Makgi
17) Annun So Bakkat Palmok San Makgi
18) Annun So Bakkat Palmok San Makgi
19) Niunja So Doo Palmok Najunde Miro Makgi
20) Gunnun so Nopunde mori japki
21) Moorup Ollyo Chagi
22) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
23) Najunde Yop ApCha Busigi
24) Gunnun So Opun Sonkut Nopunde Baro Tulgi
25) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
26) Najunde Yop ApCha Busigi
27) Gunnun So Opun Sonkut Nopunde Baro Tulgi
28) Niunja So Dung Joomuk Nopunde YopDwi Baro Taerigi
29) Kyocha So Kyocha Joomuk Noollo (Najude) Makgi (KIHAP)
30) Gunnun So Doo Palmok Nopunde Makgi
31) Niunja So Sonkal Najunde Daebi Makgi
32) Gunnun So An palmok Dollimyo Bandae Makgi
33) Niunja So Sonkal Najunde Daebi Makgi
34) Gunnun So An palmok Dollimyo Bandae Makgi
35) Gunnun So An palmok Dollimyo Bandae Makgi
36) Gunnun So An palmok Dollimyo Bandae Makgi
37) Annun So Ap Joomuk Kaunde Jirugi

Hwa-rang I Moa junbi Sogi C – 2º Gup

HWA-RANG: É o nome dado ao grupo de jovens , denominado HWA-RANG, que


originou-se na Dinastia Silla no século VII. O número de movimentos deste TUL refere-se
a 29ª Divisão de Infantaria onde o Taekwon-Do teve seu desenvolvimento. 29 movimentos.
Diagrama: I

1) Annun So Sonbadak Miro Makgi


2) Annun So Ap Joomuk Kaunde Jirugi
3) Annun So Ap Joomuk Kaunde Jirugi
4) Niunja So Sang Palmok Makgi
5) Niunja So Ap Joomuk Ollyo Jirugi
6) Gojung So Ap Joomuk Kaunde Jirugi
7) Soojik So Sonkal Naeryo Taerigi
8) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
9) Gunnun So Bakkat Palmok Najunde Baro Jirugi
10) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
11) Kaunde YopCha Jirugi, Niunja So Sonkal Kaunde Yop Taerigi
12) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
13) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
14) Niunja So Sonkal kaunde Daebi Makgi (KIHAP)
15) Gunnun So Sun Sonkut kaunde Tulgi
16) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi makgi
17) Nopunde Dollyo Chagi
18) Nopunde Dollyo Chagi, Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi

37
19) Gunnun So Bakkat Palmok Najunde Baro Makgi
20) Niunja So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
21) Niunja So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
22) Niunja So Ap Joomuk Kaunde Baro Jirugi
23) Gunnun So Kyocha Joomuk Najunde Noollo Makgi
24) Niunja So Yop Palkup Tulgi
25) Moa So An Palmok Nopunde YopAp Makgi (KIHAP)
26) Moa So An Palmok Nopunde YopAp Makgi
27) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
28) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi

Choong-Moo I – Narani Junbi Sogi – 1º Gup

CHOONG-MOO: É o nome dado ao grande almirante YI-SON SIN da Dinastia Lee. A


ele é creditada a invenção do primeiro navio encouraçado (KOBUKSON), que foi o
percursor do atual submarino, em 1592 d.C.. A razão pela qual este TUL termina com um
ataque com a mão esquerda é de simbolizar sua morte lamentável, não tendo chance de
mostrar sua incontida potencialidade confirmada pela sua lealdade ao Rei. 30movimentos.
Diagrama: I

1) Niunja So Sang Sonkal Makgi


2) Gunnun So Sonkal Nopunde Baro Ap Taerigi
3) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
4) Gunnun So Opun Sonkut Baro Tulgi
5) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
6) Goburyo Junbi Sogi A
7) Kaunde YopCha Jirugi
8) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
9) Twimyo YopCha Jirugi Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi (KIHAP)
10) Niunja So Bakkat Palmok Najunde Baro (yop) Makgi
11) Moorup Ollyo Chagi
12) Gunnun So Sonkal Dung Nopunde Bande Ap Taerigi
13) Nopunde Dollyo Chagi
14) Kaunde DwiCha Jirugi
15) Niunja So Palmok Kaunde Daebi Makgi
16) Kaunde Dollyo Chagi
17) Gojung So Digutja Makgi
18) Twigi, Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Makgi
19) Gunnun So Dwijibun Sonkut Najunde Bande Tulgi (KIHAP)
20) Niunja So Dung Joomuk Nopunde YopDwi Bandae Taerigi
21) Gunnun So Sun Sonkut Kaunde Baro Tulgi
22) Gunnun So Doo Palmok Nopunde Baro Makgi
23) Annun So Bakkat Palmok Kaunde Ap Makgi, Annum So Dung Joomuk Nopunde
Yop Taerigi
24) Kaunde YopCha Jirugi
25) Kaunde YopCha Jirugi
26) Niunja So Kyocha Sonkal Kande Momcho Makgi
27) Gunnun So sang Sonbadak Ollyo Makgi
28) Gunnun So bakkat Palmok Chookyo Baro Makgi
29) Gunnun So Ap Joomuk Kaunde Bandae Jirugi

38
39