You are on page 1of 1

Mação, 30 de Abril de 2010

Querido amigo, Didi!

Hoje pediram-me que escrevesse um texto com o tema “Diferenças”; é pena que,
no nosso século vinte e um, ainda se faça distinções entre aqueles que, por esta, ou
aquela razão, não são iguais a nós próprios. Mas a realidade levou-me a pensar em ti e,
por isso, resolvi escrever-te esta carta.
Quero e devo dizer-te o que sentia quando via ou ouvia os nossos colegas ou,
pior ainda, os adultos que nos acompanhavam no centro, durante o ano em que vivemos
juntos. Penso que a inveja levava os nossos colegas a gozarem com a tua cor de pele
negra: magoavam-te e acusavam-te de coisas que não fazias e os adultos, coitadinhos,
castigavam-te por julgarem serem verdades as mentiras dos tais invejosos. Quem lhes
dera saberem o que sabes!!!
Lembras-te das tardes que passávamos a falar da dor que sentias quando te aper-
cebias que não te convidavam para as festas de anos em casa dos nossos colegas de
escola porque, simplesmente a tua pele é da cor do chocolate? E no recreio da escola,
aqueles pontapés nas tuas pernas, quando tu estavas quase a marcar um grande golo?
Muitas vezes lavaste a loiça como castigo. Ajudei-te várias vezes, porque sabia que,
injustamente, te tinham culpado, só por maldade. Racistas… mas porquê? És inteligen-
te, tens um coração de ouro, não discriminas os outros, tens uns olhos negros, grandes e
meigos, uns dentes brancos e reluzentes, um cabelo encaracolado, bastante “teimoso”
preto e muito brilhante…ÉS HUMANO!
Tudo o que vi e ouvi nunca mais sairá do meu coração e hoje quero louvar as
tuas atitudes; éramos crianças, mas a tua bondade de grande “homem” fez com que não
te vingasses de tantas injustiças. Alegremente, fazias de conta que nada entendias. Que
grande lição de vida, amigo!
Por tudo, te agradeço e admiro. Onde quer que estejas, aceita este abraço amigo
de quem te quer homenagear, por seres quem és: “o grande e valente negrão”!
Um grande abraço do teu amigo,

“Katiano”
Cristiano Alexandre André, nº 21 – 7º Ano / Turma A