1 APRESENTAÇÃO GRÁFICA 2 ESTRUTURA DO TRABALHO 3 SUMÁRIO 4 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA 5 RESUMO 6 CITAÇÕES 7 ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS 8 TRANSCRIÇÃO DOS ELEMENTOS 9 REGRAS

GERAIS DE APRESENTAÇÃO DE ARTIGOS

UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA
Manual de Normalização de Trabalhos Acadêmicos
Conforme Normas Técnicas da ABNT

Apresentação de trabalhos (NBR 14724/2006) Artigos Científicos (NBR 6022/2003) Citações (NBR 10520/2002) Numeração Progressiva (NBR 6024/2003) Referências (NBR 6023/2002) Resumo (NBR 6028/2003) Sumário (NBR 6027/2003)

BELÉM 2010

1 APRESENTAÇÃO GRÁFICA 1.1 FORMATO DO PAPEL 1.2 TAMANHO DA FONTE 1.3 ESPACEJAMENTO 1.4 MARGEM 1.5 PAGINAÇÃO 1.6 ILUSTRAÇÃO 1.7 TABELA

1 APRESENTAÇÃO GRÁFICA (NBR
14724/2006)

1.1 FORMATO DO PAPEL
Os textos devem ser apresentados em papel branco, com formato A4 (21cm x 29,7cm), digitados no anverso das folhas, com exceção da folha de rosto cujo verso deve conter a Ficha Catalográfica. A cor da impressão deve ser preta, podendo utilizar cores somente em ilustrações.

1.2 TAMANHO DA FONTE
Recomenda-se usar no texto tamanho 12. Já nas citações de mais de três linhas, assim como nas notas de rodapé, paginação e legendas das ilustrações e tabelas, usa-se um tamanho menor que a do texto. O tipo de letra adequado para se usar em trabalhos é Times New Roman ou Arial.

1.3 ESPACEJAMENTO
O espaço entrelinhas para o texto é de 1,5. O fim de uma seção e o cabeçalho da próxima são separados por 2 espaços de 1,5. As citações de mais de 3 linhas, as notas de rodapé, as referências, as legendas das ilustrações e tabelas, a ficha catalográfica, a natureza do trabalho, objetivo, o nome da instituição a que é submetida a área de concentração devem ser digitadas em espaço simples. As referências, que ficam no final do trabalho, devem ser separadas entre si por dois espaços simples.

1.4 MARGEM
O texto deve ser configurado com margem superior e esquerda 3 cm, e inferior e direita 2 cm.
3 cm

2 cm

1 MISSÃO DA UNAMA A Educação para o desenvolvimento da Amazônia. As numerações começam a partir do inicio do texto.5 PAGINAÇÃO As páginas são contadas a partir da folha de rosto. mas não são numeradas. apêndices. anexos. . As referências. glossário e índice devem ser incluídos na numeração seqüencial das páginas do texto principal.1. Os números da paginação ficam no canto superior do lado direito da folha em algarismos arábicos. 7 2.

em algarismos arábicos. gráficos. fotografias.Movimento diário de usuários do Sistema de Bibliotecas da Unama nos últimos 8 anos. esquemas.1.6 ILUSTRAÇÃO As Ilustrações podem ser de qualquer tipo (desenhos. organogramas. plantas. retratos e outros). com o nome da ilustração a que se refere seguida do número da ordem de ocorrência do texto. M ovimento diário de usuários do Sistema de Bibliotecas da Unama 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 59% 59% 66% 60% 53% 47% 41% 41% 40% 34% 27% 26% 56% 44% 74% 73% Consulta Empréstimo Gráfico 1 . fluxogramas.SBU . diferentemente da tabela. Fonte: Sistema SABI . quadros. A identificação é colocada na parte inferior. mapas.

Tabela 1 .154 2003 95.622 257.1.988 145.7 TABELA As tabelas são apresentadas de acordo com as Normas de Apresentação Tabular do IBGE (1993).156 127.309 241.340 170.Movimento diário de usuários do Sistema de Bibliotecas da Unama nos últimos 8 anos.608 2002 88.SBU .297 2004 87. _____________________________________________________________________ ANO CONSULTA EMPRÉSTIMO TOTAL _____________________________________________________________________ 2001 89.962 2005 73.452 216.517 269.455 128.441 196.699 217.958 _____________________________________________________________________ Fonte: Sistema SABI .

12 Lista de símbolos 2.4 Anexo 2.3.13 Sumário 2.1 Capa 2. acompanhada de uma avaliação crítica.3.3.1.2 TIPOS DE TRABALHOS 2.1.1.3. Paper . 2.3.6 Epígrafe 2.1 Elementos pré-textuais 2.1 OBJETIVO Estabelece princípios gerais para elaboração de trabalhos acadêmicos.3. • • .8 Resumo em língua estrangeira 2.5 Índice 2 ESTRUTURA DOS TRABALHOS ACADÊMICOS (NBR 14724/2006) 2. Original – apresenta temas ou abordagens próprias.9 Lista de ilustrações 2.2 Glossário 2.3.10 Lista de tabelas 2.3.1.3.4 Dedicatória 2.3.3.1.3. métodos.5 Agradecimentos 2.3.Para a ABNT (1989) paper é um pequeno artigo científico.3 Elementos pós-textuais 2.2 Desenvolvimento 2.3.3.1.1 OBJETIVO 2.3.2 TIPOS DE TRABALHOS • • • Resenha ou fichamento .3.3.2. que apresenta e discute idéias. técnicas.2 ESTRUTURA DOS TRABALHOS ACADÊMICOS 2.3.3 Conclusão 2. Artigo científico – texto com produção intelectual individual ou coletiva.3 Folha de aprovação 2. elaborado sobre determinado tema ou resultados de um projeto de pesquisa para comunicações em congressos e reuniões científicas.7 Resumo em língua vernácula 2.3 Apêndice 2.1 Introdução 2.2 Folha de rosto 2.3.1. sujeitos à sua aceitação por julgamento.1.1 Referências 2.3.1.3.3.exposição sobre o conteúdo de uma obra.3.3.2 Elementos textuais 2.1. processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento.11 Lista de abreviaturas e siglas 2.3.1.3 ESTRUTURA 2.1.3.3. Resumo – é uma representação sucinta e objetiva dos pontos relevantes de um texto.2.2.3.1.

devendo expressar conhecimento do assunto escolhido. estudo independente. módulo. ou por razões de segurança. Nota Prévia – Texto de extensão reduzida e simples.• • • • • • Revisão – reúne. ou por se tratar de pesquisa em andamento. Tese – importa em contribuição inédita para o conhecimento. obrigatoriamente emanado da disciplina. de maneira a conduzir o leitor a estabelecer seu próprio argumento. significa “trabalho escrito sobre um único tema” . Deve ser feito sob a coordenação de um orientador. Relatório técnico-científico – documento que relata os resultados obtidos em uma pesquisa ou que descreve a situação de uma questão técnico-científica. analisa e discute informações já publicadas. contendo informações científicas novas. programa e outros ministrados. curso. Destina-se à obtenção do grau acadêmico de doutor. Dissertação – revela a sistematização de conhecimentos já apresentados argumentados com imparcialidade. Etimologicamente. Monografia – “documento que representa o resultado de estudo. Destina-se à obtenção do grau acadêmico de mestre.

3 ESTRUTURA Os elementos de um trabalho devem aparecer na seguinte ordem:  Pré-textuais: capa folha de rosto errata folha de aprovação dedicatória agradecimento epígrafe resumo na língua vernácula resumo em língua estrangeira lista de ilustrações lista de abreviaturas e siglas lista de símbolos sumário  Textuais: introdução desenvolvimento e conclusão  Pós-textuais: referências apêndice anexo glossário índice .2.

Deve apresentar as informações indispensáveis à sua identificação.2. .3. precedido de dois pontos(:). b) nome do autor: responsável intelectual pelo trabalho. na seguinte ordem: a) Nome da Instituição (opcional). d) subtítulo: se houver. f) ano (da entrega).1. e) local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado.3. geralmente padronizada pelos cursos. que reveste o trabalho.1 Elementos pré-textuais 2. c) título principal do trabalho: deve ser claro e preciso.1 Capa (elemento obrigatório) Proteção externa.

Exemplo de capa: UNIVERSIDADE DA AMAZÔNIA Autor na forma direta TÍTULO SUBTÍTULO (SE HOUVER) DO TRABALHO LOCAL (Cidade) ANO (Defesa) .

Trabalho de Conclusão de Curso e outros) e objetivo (graduação pretendida). e) nome do orientador e.2. área de concentração. c) subtítulo. d) natureza: (Tese. do co-orientador. cidade e ano. b) título. autor.2 Folha de Rosto (obrigatório) Contêm elementos essenciais ao trabalho: título e subtítulo da obra. Os elementos devem figurar na seguinte ordem: a) nome do autor. . se houver. nome da instituição a que é submetido.1. Dissertação. g) ano. f) local.3.

Orientador: Prof. José Cláudio Monteiro de Brito Fulho.Exemplo de Folha de Rosto: Osvaldo José Pereira de Carvalho MEIO AMBIENTE DO TRABALHO: Tutela legal e responsáveis por sua proteção Dissertação apresentada ao programa de Mestrado em Direito da Universidade da Amazônia como requisito para obtenção do título de Mestre em Direito. BELÉM 2005 (defesa) . Dr.

Alda Ângela G.1. Banca Examinadora ________________________ Prof.3 Folha de Aprovação (obrigatório) Contêm os elementos da folha de rosto. Nery O BPC – Beneficio de Prestação Continuada: como instrumento de atenção às necessidades básicas do portador de necessidades especiais Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Serviço Social do Centro de Ciências Humanas e Educação da Universidade da Amazônia como requisito para obtenção do título de Assistente Social. data de aprovação.2.3. nome e titulação dos membros da banca examinadora. Apresentado em: __ / __ / __ Conceito: ___________ BELÉM 2006 . ________________________ Prof.

marido e filhos. a critério do autor.2.1.3. . Aos meus pais. Deve-se selecionar o texto e posicioná-lo da metade na folha para a direita.4 Dedicatória (opcional) Contêm o oferecimento do trabalho a determinada pessoa ou pessoas.

1..3.. À minha família. Cada agradecimento em um parágrafo diferente.. Ao professor.5 Agradecimentos (elemento opcional) O autor faz agradecimentos a pessoas e/ou instituições. que não pouparam esforços para eu concluir esse objetivo.2.. AGRADECIMENTOS A Deus pelo dom da vida e a certeza de meu crescimento profissional. Aos amigos. e finalizado por ponto. .. E a todos aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para este trabalho. Deve-se alinhá-los na margem esquerda da folha.

6 Epígrafe (opcional) O autor inclui uma citação ou pensamento. Edna Lúcia da Silva .2.3.: Podem conter epígrafe nas folhas de abertura das seções primárias Uma das tarefas mais importante no processo educacional.1. Obs. desde que seja relacionado com o texto. é ensinar como chegar à informação. Deve-se selecionar o texto e posicioná-lo na metade da folha para a direita.

2.3.1.7 Resumo Nacional (obrigatório) É a apresentação concisa do texto, destacando os aspectos de maior interesse e importância 2.3.1.8 Resumo Estrangeiro (obrigatório) É a versão do resumo em português para um idioma internacional (inglês – Abstracts, em francês – Resumée, ...)

2.3.1.9 Lista de ilustrações (opcional)
Recomenda-se a elaboração de lista própria para cada tipo de ilustração (quadros, fotografias, gráficos, etc.)

2.3.1.10 Lista de tabelas (opcional)
Elaborado de acordo apresentada no texto. com a ordem

2.3.1.11 Lista de abreviaturas e siglas (opcional)
Consiste na relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto. Cada abreviatura é seguida da palavra ou expressão correspondente.

2.3.1.12 Lista de símbolos (opcional)
Elaborado de acordo apresentada no texto, significado. com com a ordem o devido

2.3.1.13 Sumário (obrigatório)
Inclui as seções e partes em que se divide o trabalho, facilita a consulta ao documento.

Divide-se em seções e subseções que variam em função da abordagem do tema e do método.2.3. 2.1 Introdução Nesta parte deve constar a delimitação do assunto tratado.2 Elementos textuais Apresenta três partes fundamentais: introdução. .2.2. na qual se apresentam conclusões correspondentes aos objetivos ou hipóteses.3.3. 2.3. 2.3 Conclusão Parte final do texto. objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho. desenvolvimento e conclusão.2 Desenvolvimento Parte principal do texto que contém a exposição ordenada do tema enfocado.2.

3 Elementos pós-textuais 2.3. 2.3 Apêndices (opcional) Texto ou documento elaborado pelo autor.2 Glossário (opcional) Lista em ordem alfabética de palavras pouco conhecidas com os seus devidos significados. que pode servir de apoio ao mesmo.3.3. acrescentada no fim da monografia a título de esclarecimento.3. 2. .3.1 Referências (obrigatório) Relação das pesquisas realizadas sobre o tema abordado.3.3.2.

3. título ou assunto.2. 2. comprovação e ilustração. material adicional no final do texto. ANEXO B .Gráfico estatístico do IBGE de 2002. APÊNDICE B – Quadro estatístico dos entrevistados.5 Índices (opcional) Relação detalhada no final do trabalho incluindo as listas de autor.3. que pode servir de fundamentação. ANEXO A – Gráfico estatístico do IBGE de 2000.3. Exemplo: APÊNDICE A – Formulário avaliativo da pesquisa.3.4 Anexos (opcional) Texto ou documento não elaborado pelo autor. .

______. 1980. maio/ago. A formação do professor e do pesquisador em nível superior no Brasil. p.asp>. Tese (Doutorado em educação) – Faculdade de Educação. Rudolf. Universidade Federal do Rio de Janeiro.n. 1993. Sérgio.gov. 2002.14. 24. . v. 257-272. 2004. ed. São Paulo: Atlas.1. RAUSCH.blumenau. 1992. VIEIRA. 1980. CARVALHO. São Paulo. ed. 2001. C. ______. I. História geral da civilização brasileira.75.ed. Roland. H. p. Rio de Janeiro: Vozes Limitada. Marta Regina Pastor. F.l: s.].br/educacao/formacao. Acesso em: 5 ago. ______. 16. Planejamento estratégico. São Paulo: Universidade de São Paulo. BARTHES. N. Análise estrutural da narrativa. v. 1972. 2003. Revista do Serviço Social & Sociedade. 74-83.sc. CONTEXTO BOLETIM. Elementos de semiologia. BRUNO. Cidadania não tem idade. A ocupação portuguesa do vale amazônico. 164f.1. Disponível em: <http://www. 1974. REIS. WATKINS. M. et al. R. Curitiba. Arte & percepção visual: uma psicologia da visão criadora. Ensaios de inglês.EXEMPLO DE LISTA DE REFERÊNCIA REFERÊNCIAS ARNHEIM. Maria de Nazaré. 1980. MATOS. Formação continuada: em busca do educador reflexivo. [S. São Paulo: Difel. Belém: Banco da Amazônia. 1992. Rita Buzzi. 2. Janete M. n. n. Entrevista concedida a N. In: BUARQUE DE HOLANDA. [2001]. ed. 2004. 3. São Paulo: Cultrix. Iwersen em 30 out.

3 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA 3.3 Seção terciária 3.2.1 OBJETIVO Permitir através de uma seqüência lógica o inter-relacionamento das seções e subseções no texto.2. 3.2 Seção secundária 3.2.2.2 SEÇÕES 3.5 Seção quinária 3 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA (NBR 6024/2003) 3. As seções são classificadas como: . e ainda.1 OBJETIVO 3.1 Seção primária 3.2 SEÇÕES São as partes em que se divide o texto de um documento. permitir sua localização.2. O indicativo numérico de uma seção deve ser separado de um espaço de caractere de seu título.4 Seção quaternária 3.

1 Seção primária Principais divisões de um texto (denominadas “capítulos”) e são formatadas em caixa alta negritadas. devem iniciar em páginas diferentes.2.3 Seção terciária È a divisão do texto de uma seção secundária. em terciárias.2 Seção secundária É a divisão do texto de uma seção primária. 3. São formatadas em caixa alta sem negrito.3. etc. Por serem as principais divisões de um texto. as secundárias. as terciárias.2.2. . 3. As seções primárias podem ser divididas em seções secundárias. São formatadas em caixa baixa com negrito. em quaternária.

3.4 Seção quaternária É a divisão do texto de uma seção terciária.2.3. São formatadas em caixa baixa sem negrito.: Para diferenciar a subordinação entre as seções. deve-se usar os seguintes recursos.  Negrito  Itálico  Sublinhado .2. OBS.5 Seção quinária É a divisão do texto de uma seção quaternária. São formatadas em caixa baixa com negrito.

1 APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO 4 SUMÁRIO (NBR 6027/2003) É a enumeração das divisões e seções de um trabalho. .  Os elementos pré-textuais não constam no sumário. a numeração começa a partir do texto.1 APRESENTAÇÃO DO SUMÁRIO:  A palavra sumário deve ser centralizada e com a mesma tipologia utilizada para as seções primárias (negrito e caixa alta).  A subordinação dos itens deve ser destacada tipograficamente da mesma forma que se encontra no texto. deve ser apresentado na mesma ordem e grafia do texto.4 SUMÁRIO (NBR 6027/2003) 4. O Sumário é o último elemento pré-textual 4.

1.subalínea .1.1.1.1 Seção terciária 3.Exemplo de sumário: 3 SEÇÃO PRIMÁRIA 3.1. . b) alinea.1 SEÇÃO SECUNDÁRIA 3.1 Seção quaternária 3.1.1 Seção quinária a) alínea.

1 REDAÇÃO  Síntese do conteúdo do trabalho.  Seqüência de frases afirmativas e não de enumeração dos tópicos.  Uso da terceira pessoa do singular e do verbo na voz ativa.  Usar linguagem impessoal.  Limita-se a um parágrafo sem recuo da margem. técnicas de abordagem. método.1 REDAÇÃO 5. .5 RESUMO 5. deve conter a referência do documento.2 EXTENÇÃO 5. 5. Na página do resumo. resultados (descobertas) e as conclusões.3 LÍNGUA 5. ressaltando o objetivo.4 PALAVRAS-CHAVE 5 RESUMO (NBR 6028/2003) Elemento obrigatório consiste na apresentação concisa dos pontos relevantes de um texto.

4 PALAVRAS-CHAVE  São termos extraídos do resumo que identificam o conteúdo do documento. São separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto.  Até 150 a 500 palavras são destinados a trabalhos acadêmicos (teses.5.3 LINGUA  O resumo deve ser na língua do texto.Resumen 5.  Até 100 a 250 palavras são destinados a artigos de periódicos. 5.  Inglês – Keywords  Francês – Mots-clés  Espanhol – Palabras clave . dissertações e outros) e relatórios técnicos-científicos. em folha separada com as mesmas características do resumo na língua original do texto. Devem ser colocadas logo abaixo do resumo antecedidas da expressão “Palavras-chave”. sendo obrigatória sua apresentação em língua estrangeira.2 EXTENSÃO  De 50 a 100 palavras são destinados a indicações breves.  Inglês – Abstract  Francês – Resumé  Alemão – Zusammenfassung  Espanhol .

a metodologia utilizada e os resultados atingidos.5. Não tem limite de palavras. Resumo indicativo: apresenta apenas os pontos relevantes do documento. quantitativos. Dispensa a consulta ao original. não apresenta dados qualitativos. b) c) . Resumo informativo: informa a finalidade.5 TIPOS DE RESUMO a) Resumo crítico: redigido por especialistas com análise crítica de um documento. Também chamado de resenha. De modo geral. não dispensa a consulta ao documento.

3 Mesmo autor com mesma data de publicação 6.5 CITAÇÃO ENFATIZANDO TRECHOS 6 CITAÇÕES EM DOCUMENTOS (NBR 10520/2002) É a forma de fazer menção em um texto de uma informação colhida em outra fonte (livro.1.1 CITAÇÃO DIRETA 6.1.6.6.4 CITAÇÃO EM NOTAS DE RODAPÉ 6. Os dados da publicação citada devem identificar a obra de modo a facilitar sua localização.4.2 Autores com datas de publicações diferentes 6.6 SISTEMA DE CHAMADA 6. jornais.1 Sistema autor-data 6. quando estiverem entre parênteses.6.1 Notas de referência 6. ou em notas de rodapé.6 CITAÇÕES EM DOCUMENTOS 6.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO 6.2 CITAÇÃO INDIRETA 6. o sobrenome do autor.6.). vídeos.6.1. As regras gerais de apresentação são:  Quando a citação for no corpo do texto. etc. . as letras são maiúsculas.  Quando a citação for direta. é preciso especificar após a autoria o ano seguido de virgula e a página da citação.1 Autores com mesmo sobrenome 6. periódicos. a instituição responsável ou título incluído na sentença devem ser em letras maiúsculas e minúsculas e.1.6. Na citação indireta a indicação da página é opcional. As citações podem aparecer no texto.1 6.2 Sistema numérico 6.

debates. devem ser destacadas com recuo de 4 cm de margem esquerda com letra menor que o texto e sem as aspas. no texto. com mais de três linhas.  Quando os dados obtidos forem por informação verbal (palestras. entrevistas) é preciso informar entre parênteses a expressão “informação verbal”. As citações diretas de até três linhas devem vir entre aspas duplas no texto.  As citações diretas. As aspas simples indicam citação dentro de outra citação. . mencionando-se os dados disponíveis em nota de rodapé.

respeitando-se as características formais. Exemplos: No texto Portanto. p. são totalmente ultrapassados.6. p. .] é relevante destacar que o direito não é só dos progenitos. Esse fato infelizmente não é nenhuma novidade. No texto “Os programas e métodos utilizados pelos cursos jurídicos. 2001. 63) diz que “[. mas também principalmente dos filhos”... 29).1 CITAÇÃO DIRETA São transcrições extraídas do texto consultado. Elias e Pontes (1999.” (RIBEIRO JUNIOR et al. quando existem.

p. p. reproduzindo-se idéias e informações do documento. Era um ensino não voltado para o desenvolvimento das potencialidades do aluno. a multiplicidade de contextos sociolinguisticos refletidos a ao esforço na busca do equilíbrio entre os diferentes pontos de vista. 15) graças à diversidade dos aportes recebidos. transcrever as próprias palavras do autor. ela ocupava um lugar privilegiado em relação à leitura e tomava muitas horas das aulas.2 CITAÇÃO INDIRETA Texto baseado na obra do autor consultado. . SILVA. entretanto. a Declaração não se identifica com nenhuma escola determinada. 74). mas sim para as suas habilidades de codificação da escrita.Do mesmo modo. No texto Exemplos: Para Oliveira e Mendes (2003. CORREA. o aprendizado da escrita seguia os moldes tradicionais. 6. sem. 2009.

ou seja.Nesta perspectiva. a expressão latina “apud”. VALENTE.3 CITAÇÃO DE CITAÇÃO Transcrição direta ou indireta de um texto em que não se teve acesso ao original. retirada de fonte citada pelo autor da obra consultada. a data e página da obra onde consta a citação. GOMES. seguido da data e página da obra original. 2009). É preciso indicar o autor da citação. . o nome do autor consultado. 6. a biblioteca universitária assume sua missão de criar novas formas de mediação para obtenção e transferência da informação seja de forma tradicional ou eletrônica (CARDOSO.

de forma efetiva. Pouco a pouco ela vai impondo uma mudança radical na maneira pela qual as bibliotecas servem às comunidades. 116) acredita que “a biblioteca eletrônica inclui a biblioteca digital. GUIMARÃES. 2008. simplesmente desaparecerão ao longo do tempo. Aquelas bibliotecas que não forem capazes de integrar estas mudanças. p. é preferível”. . 2008). No Texto Tennant (1999 apud TAMMARO.Exemplo: A web é de importância fundamental para as bibliotecas e centros de informação. (BAX. mas a expressão ‘biblioteca digital’ é empregada mais corretamente e. muito provavelmente por falta de usuários. portanto. ainda que gradual. 1998 apud AMARAL.

20 de agosto de 2004. n. informação verbal). sobrescrito (acima da linha). (T. As notas são numeradas seqüencialmente em algarismos arábicos. e discutir com os colegas virtuais acerca de determinados assuntos. p. 42. esclarecer suas dúvidas. 192.3 ___________________________ 3 Entrevista de T. Tenho espirito de jovem e não de velha.6. O tamanho da letra e a entrelinha são menores que o texto. B. Belém. transcrita na Revista Melhor. .C. . ainda me sinto jovem.4 CITAÇÃO EM NOTAS DE RODAPÉ Aparecem no pé da página do próprio texto.”2 _________________ ² Entrevista de Cristiane Alperstedt. porque tem que aceitar a velhice com natureza. porque ao longo dos meus 71 anos e nessa situação que me encontro. Exemplos: No texto “O aprendiz tem a responsabilidade de responder os exercícios.B. A velhice representa para mim. a idade chegada. C.

usadas da mesma obra. A ciência total. 7 Idem. Exemplo: _____________________ 6 DINIZ. 2002. p. 51.1 Notas de Referência A primeira citação de uma obra. podem ser referenciadas de forma abreviada. deverá ter sua referência completa. . Folha de São Paulo. p. Exemplo: ____________________ 5 MORIN. p. usando as seguintes expressões latinas:  Idem ou Id. Caderno Mais. As citações seguintes.6. 1998. 5-11. em nota de rodapé. 1998. 6 set. 12. (do mesmo autor) – Substitui o nome do autor quando se tratar de obras diferentes.4. Edgar.

p. passim. 15. cit. 1996. 9 Ibid. Exemplo: _____________________ 8 BALERA. 89. op. 11 SARAIVA. (da mesma obra) – Se refere a mesma obra citada anteriormente. 14 SANTOS. 20. p.  Opus citatum ou op. p. Ibdem ou Ibid. (na obra citada) Obra citada anteriormente. 18-21 passim. p. . 2003. 12 GOMES. evitando a repetição de páginas. Exemplo: _____________________ 13 SANTOS. 76. p.. variando apenas a página.Usado para referenciar várias passagens de onde foram retiradas a idéia do autor. 2001. 2001. 2001. sem ser a imediatamente anterior.  Passim (aqui e ali) .. p. 26. Exemplo: _____________________ 10 GOMES. cit.

Exemplo: ______________________ 18 SANTOS.  Sequentia ou et. 46. loc. cit. p. 30. . 17 et. p.  Loco citado ou loc. (seguinte ou que se segue) – Usada quando não se quer citar todas as páginas das obras referenciadas. Exemplo: ______________________ 16 MONTEIRO. seq. 1999. CARDOSO. 17 MONTEIRO. cit. seguida apenas da primeira. 2004.Usada para recomendar a consulta a outras obras ou notas do mesmo trabalho. seq. p. Confira.) . Exemplo: ______________________ 15 Cf. 2001. confronte (Cf. (no lugar citado) – Usada para mencionar a mesma página de uma obra já citada.

ou “grifo do autor”... refletir. para que o conhecimento avance. pesquisa e extensão fornecem apoio à consecução dos objetivos da universidade. grifo do autor). No texto Silva (2006 apud NEVES. Os seres humanos estão em um movimento permanente de aprendizagem por meio de construções e transformações que realizam em si. p. caso o destaque já faça parte da obra consultada. 154. deve-se destacá-los indicando esta alteração com a expressão “grifo nosso” entre parênteses após a chamada da citação. 2008. deve estar registrado e acessível à comunidade (GASQUE. proceder e se comportar [. grifo nosso) defende que está tríade: ensino.6. .]. entretanto. 2008. SUANNO. centrando seus focos nas necessidades informacionais dos indivíduos.5 CITAÇÃO ENFATIZANDO TRECHOS Para enfatizar trechos da citação. modificando continuamente seu modo de conhecer.

6 SISTEMA DE CHAMADA 6. caso ela seja na ordem direta. “O léxico não é o único recurso que as línguas têm a oferecer aos seus usuários para que eles possam recorrer e analisar a sua experiência de vida. as citações são feitas pelo sobrenome do autor. 2006. seguida da data do documento e página da citação.” (ALVES. 159 p. PAGANO.1 Sistema autor-data Neste sistema. São Paulo: Contexto. p. Na lista de Referência ALVES. Traduzir com autonomia. A organização das referências será em ordem alfabética por sobrenome.6. PAGANO. 2006. . MAGALHÃES. Adriana. MAGALHÃES.6. Fábio. Célia. 102).

1. S.1. SILVA. publicados em anos diferentes e mencionados simultaneamente. (2009) Cardoso. (2002) (MONTEIRO.2 Autores diferentes com datas de publicações Citações indiretas de diversos documentos da mesma autoria. 2002. 1989. 2004) (MONTEIRO. 2007) 6. 2008) (COSTA. Exemplo: (GARCIA. Exemplo: Cardoso. 1995. A.6. Heloisa. acrescentam-se as iniciais de seus prenomes.6. Heron.6. têm as suas datas separadas por vírgula. se mesmo assim a coincidência persistir. colocam-se os prenomes por extenso. 2000) . 1998.1 Autores com mesmo sobrenome Quando houver coincidência de sobrenome de autores.

Essas letras deverão estar na lista de referência. da mesma forma. p.6.1. publicados num mesmo ano. 105) (SANTANA. 1999b. p. no final do trabalho. em ordem alfabética. após a data e sem espacejamento. Exemplo: Conforme Mendes (2004a.6. 45) .3 Mesmo publicação autor com mesma data de As citações de diversos documentos de um mesmo autor. são distinguidas pelo acréscimo de letras minúsculas.

” (9) Segundo Franco: “Nada é por acaso. Exemplo: Segundo Franco: “Nada é por acaso. ou situada pouco acima da linha do texto (sobrescrito).6. a indicação da fonte é feita por uma numeração única e consecutiva.6. que remeterá à lista de referências no final do trabalho. .2 Sistema numérico Se optar pelo sistema numérico. A indicação da numeração poderá ser feita entre parênteses. alinhada ao texto.” 9 Obs. em algarismos arábicos.: O sistema numérico não deve ser utilizado quando há notas de rodapé.

Marketing na ciência da informação.6 ENTREVISTA 7 ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS É a representação dos documentos efetivamente citados no trabalho.1 MONOGRAFIAS 7. Técnicas de marketing em websites de bibliotecas universitárias brasileiras. 7. . Introdução ao estudo do léxico: brincando com as palavras. Fixa a ordem dos elementos das referências e estabelece convenções para transcrição e apresentação da informação originada do documento e de outras fontes de informação. Brasília. ed.2 PUBLICAÇÃO PERIÓDICA 7.5 DOCUMENTO EM MEIO ELETRÔNICO 7.).4 DOCUMENTO JURÍDICO 7. São Paulo: Contexto. Rodolfo. 4.3 TRABALHO APRESENTADO EM EVENTOS 7. Suely Angélica do (org.  Capítulo de Livro GUIMARÃES.7 ELABORAÇÃO DE REFERÊNCIAS 7. 2007. 143-160. p. 2008. 193 p. DF: UNB. Tatiara Paranhos. In: AMARAL.1 MONOGRAFIAS  Livro ILARI.

Universidade Estadual de Campinas. F. 1998. 2009. 160 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização em Gestão da Informação em Bibliotecas Digital) – Faculdade de Biblioteconomia. Campinas. ed. 41 p. Tese (Doutorado em Nutrição) – Faculdade de Engenharia de Alimentos. Ensaio tecnológico.  Trabalhos Acadêmicos CARDOSO. Suzana. Brasilia. 70 f. P. 2009. Folheto IBICT. M. 1993. UNAMA e IESAM. Manual de normas de editoração do IBICT. Belém. DF. Atuação da biblioteca digital nas IES UFPA. Universidade Federal do Pará. BARCELOS. 2. . bioquímico e sensorial de soja e guandu enlatados no estádio verde e maturação de colheita. 1998.

O liberal.2 PUBLICAÇÃO PERIÓDICA  Revista no todo TRANSINFORMAÇÃO.5. 2009. Ctbel não libera tráfego em pontes em shopping na doca. 12 nov. objeto e informação. Campinas.  Artigo de Jornal SOUZA. p. maio/ago. Campinas. Quadrimestral. ISSN 0103-3786. 2009. v. 163-169. 2009. 2. 2.  Artigo de revista LARA FILHO. Ary. Durval de. n.7. SP. p. SP. Belém. Museu. Transinformação. Cidades. .

1995. . Anais.3 TRABALHO APRESENTADO EM EVENTO (Congresso. DF: Senado.. 1999. 2006. D. 665 p. etc)  Considerada no todo SIMPÓSIO BRASILEIRO DE REDES DE COMPUTADORES. Belo Horizonte: UFMG.. 1. p. Belo Horizonte: Del Rey. Engenharia genética – DNA: a testemunha mais confiável em determinação de paternidade. 7.. ed. Belo Horizonte.. J. Anais.4 DOCUMENTO JURÍDICO  Constituição BRASIL.  Considerada em parte PENA. Simpósio. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO DE FAMÍLIA. Belo Horizonte. 6..7. 343-352. Seminário. Constituição (1988). Jornada. Brasília. 1995.. 1999. 13. Constituição da República federativa do Brasil. S.

Supremo Tribunal Federal. 16. DF. Novo código civil: atualizado. p. de 19 de fevereiro de 1998. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. In: ______. Não é admissível por ato administrativo restringir. n. p. 20 fev.  Súmula BRASIL. Súmula nº 14. 1998. Súmulas. 3-9. Legislação BRASIL. em razão de idade. São Paulo: Associação dos Advogados do Brasil. Altera e atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. Brasília.160. 36. 2009. 1994. . inscrição em concurso para cargo público. Seção 1. São Paulo: Saraiva. Lei nº 9.  Códigos BRASIL. Código civil.

2007.com/jornalhoje/0. Bibliotecas Digitais Integradas a ambientes virtuais de aprendizagem.MUL1372002-16022. Acesso em: 03 jan. 2009. 2001. Paulo. 2009. D.7. Michelle. LORETO. GONÇALVES. dez. Novas tecnologias na educação. 2009.  Mensagem eletrônica (e-mail) SCHNEIDER.br/ciclo10/artigos/4cSilvi a. 5.html.pdf>.ufrgs.globo. . n.. Disponível em: . 2. v.cinted. Disponível em: <http://www.00COMO+SABER+SE+SEU+COLEGA+DE+TRABALHO+E+FA LSO. Publicação eletrônica [mensagem pessoal].http://g1. 09 nov. Silvia de Castro et al. Acesso em: 12 nov. Mensagem recebida por <bchemin@univates..5 DOCUMENTOS EM MEIO ELETRÔNICO  Artigos de revistas e jornais BERTAGNOLLI.br> em 18 ago. Como saber se seu colega de trabalho é falso? Jornal Hoje.

Belém: [s.htm. Evento em meio eletrônico SOUSA. Disponível em: http://www.. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE BIBLIOTECONOMIA. 2006..  Documento jurídico BRASIL. Acesso em: 20 fev.planalto. Thiago Lincka de.848.htm>. Código Penal.07 de dezembro de 1940. Belém.n]. 2005.br/CCIVIL/DecretoLei/Del2848. Acesso em 20 maio 2009. 28. Disponível em: <http://www2. . Anais.br/enebd/home.gov.ufpa. DOCUMENTAÇÃO.. Biblioterapia: divulgando o profissional da informação. 2. GESTÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. Decreto-Lei n. 2005.

SENNA.42. n. Nota de entrevista. Carolina de Freitas. em 12 mar. Ayrton não é meu ídolo. 45. Revista Veja. Nomes. São Paulo. 2009.6 ENTREVISTA SOBRENOME DO ENTREVISTADO.7. Meio de divulgação. data. Belém. . Local. Entrevista concedida a Fernando Cavalcanti. v. 2008. Bruno. Título da entrevista.  Informação verbal MONTEIRO. Condições educacionais nas escolas públicas de Icoaraci. Entrevista. 2008. 11 nov.

3 Data 8 TRANSCRIÇÃO DOS ELEMENTOS 8.1.4.1. v. 71-89. Exemplo: CUNHA. Brasília. ANDRADE. Mais de três autores acrescenta-se a expressão “et al” logo após o primeiro autor.1 AUTOR 8.1 Pessoas Físicas A entrada é sempre pelo último sobrenome.4.pdf >.a.1 Local de publicação 8. jan./abr. TAMMARO. Ciência da Informação. [2004]. Construindo o futuro: a biblioteca universitária brasileira em 2010. A biblioteca digital. Maria Eugênia Albino et al. Acesso em: 10 nov.br/snbu/snbu2002/oralpdf/95.sibi.ufrj. Disponível em: <http://www. em letra maiúscula. Conversações sobre a biblioteca digital. 2008.2 Editora 8.1 AUTOR 8.2 TÍTULO E SUBTÍTULO 8.1. DF. Havendo mais de um autor. n.4. os demais não serão incluídos. A biblioteca universitária no meio digital: análise das bibliotecas dos cursos de direito em Minas Gerais. os autores são separados por ponto e vírgula. SALARELLI. 2008. 29.4 IMPRENTA 8. p. 111-142. Anna Maria. In: ______. Murilo Bastos da.1 Pessoas Físicas 8. 2000. Brasília.2 Entidades 8. .3 EDIÇÃO 8.8 TRANSCRIÇÃO DOS ELEMENTOS 8. DF: Briquet de Lemos. Alberto. seguida de vírgula e prenomes. p. 1.

Rio de Janeiro: Guanabara: Koogan. Rubens de.: Atenção para sobrenomes que indicam parentesco. 1999. Joaquim Mattoso. PINHO FILHO. 1995. Newton. ed.OBS. VILLAS BOAS. com prefixo e constituídos por substantivo + adjetivos. Santos. Petropolis: Vozes. São Paulo: Ed. 229 p. Ricardo Helore. Exemplo: CAMARA JÚNIOR. 2. 164 p. ligados por hífen. SCHIMIDT-NIELSEN. 320 p. Tradução Bueno Alipio Lobo. 77 p. Tópicos de física 2: terminologia. 600 p. ed. Fisiologia animal: adaptação e meio ambiente. H. Cuiabá: SEBRAE. Tradução Terezinha Oppido. Atlas de histologia. DOCA. Criação de abelhas. Knut. Mariano S. 2000. 7. DI FIORE. 18. Gualter José. BISCUOLA. ed. 5. ed. 1999. 11. São Paulo: Saraiva. 1998. Manual de expressão oral e escrita. ed. ondas e opticas. .

8. 2001. etc). DF.1. 117 p. Essas têm entrada pelo seu próprio nome por extenso.2 Entidades  Algumas referências não possuem autoria por pessoa física e sim por entidades (órgãos governamentais. Exemplo: BRASIL. Rio de Janeiro. Senado. 1994. Exemplo: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10520: apresentação de citações em documentos. Catálogo de documentos históricos. .  Quando a entidade tem denominação genérica. seu nome é precedido pela indicação do órgão superior. Congresso. ou pelo nome da jurisdição geográfica à qual pertence. seminários. Brasília. empresas.

8. ed. 1978. Exemplo: CANEVACCI. a referência começa pelo título da obra. Massimo. Exemplo: ARTE de furtar. São Paulo: Atlas. São Paulo: Studio Nobel. desde que não altere o seu sentido. Sincretismos: uma exploração das hibridações culturais. sendo que a primeira palavra é em maiúscula. 102 p. Exemplo: APRENDENDO contabilidade em moeda constante. Lisboa: Editorial Estampa. 3.  Em títulos e subtítulos demasiadamente londos.. 1995.2 TÍTULO E SUBTÍTULO  O título e subtítulo (se houver) devem ser reproduzidos tal como figuram no documento.  Na ausência de autores responsáveis pela obra. 1996. . separados por dois pontos. A supressão é indicada por reticências.. podem-se suprir algumas palavras.

ed. 2.8. seguidos da abreviatura da palavra “edição” no idioma da publicação.3 EDIÇÃO Quando a edição está mencionada na própria obra.4 IMPRENTA 8. 354 p. 8. Administração de informática: funções e fatores de sucesso. Alberto Luiz. Exemplo: FARROW. rev.4. . 6th ed. e atual. ALBERTINI. Charles S.1 Local de publicação O nome do local (cidade) onde foi editada a publicação deve ser ditada como está no documento. esta deve ser mencionada em algarismo arábicos. St Louis: Mosby. 152 p. Radiology of the cat. 1999. 1999. São Paulo: Atlas.

 Não sendo possível determinar o local. l. desde que sejam dispensáveis para identificação. 8.] Exemplo: LASSON.]: AP. usa-se a expressão Sine loco. S. mas pode ser indicada. 1999. 1994. Curto-teste veterinária: dermatopatias em cães e gatos. abreviando-se os prenomes e suprindo-se palavras que designam a natureza jurídica ou comercial. Carlos Eduardo. 1996. Vicente. [S. (na obra: Reichmann Editora) .4. indica-se entre colchetes. abreviada entre colchetes [S. Exemplo: AMBROSIO. 33 p. Cria e recria. 136 p. Rio de Janeiro: Reichmann. 108 p. Plano de marketing: passo a passo. l. Quando a cidade não aparece no documento. Exemplo: LAZZARINI NETO. [São Paulo]: SDF Editores.2 Editora  O nome da editora deve ser indicado como aparece no documento.

Manual das petições trabalhistas. .l. James. Exemplo: BOITEUX. Rio de Janeiro: [s. 1994. Quando a editora não aparece no documento.l. indica-se entre colchetes. Administração de projetos: integração. indica-se a expressão sine nomine.: s. Exemplo: LISBOA JÚNIOR.  Quando a editora não é indicada.n. mas pode ser indicada. série. onde estás?: ensino religioso.n. [S. Exemplo: HENKIN. abreviada entre colchetes [s. 5. Rio de Janeiro: [Ardel]. 1985.]. 70 p. ambos serão mencionados entre colchetes com as expressões: [S. 95 p. OBS.: Não sendo possível identificar o local e a editora.]. 205 p.n. Abdenago.]. n.]. Colbert Demaria.: s. Desenhos Sandro Rossetto. 1977. Deus.

8. quando esta for a única data encontrada na publicação referenciada. distribuição. c1994.1971] [1999] [199-] [199?] [19--] [19--?] para data provável para data aproximada para data certa não identificada na obra para década certa para década provável para século certo para século provável .  Registra-se a data do copyright.  Não podendo determinar nenhuma data de publicação. M. Guia prático do alfabetizador. 95 p. Exemplo: CARVALHO. copyright.. precedido da letra c. São Paulo: Ática. devendo ser indicado o ano. impressão etc.4. uma data aproximada é a que deve figurar entre colchetes da seguinte forma: [1985?] [ca.3 Data  O ano de publicação é transcrito sempre em algarismos arábicos.

302 p. Guia de peixes do litoral brasileiro. [196-?]. Bruno. KAISER. [1999?]. ed. Rio de Janeiro. 4. ed. 3. Carlos Rikio. . São Paulo: Melhoramentos. Ed. Marítimas.Exemplo: SUZUKI.000 anos de descoberta. 10. 394 p.

onde também devem ser colocados os agradecimentos do (s) autor (es) e a data de entrega dos originais à redação do periódico.  Autor (es) Nome (s) do (s) autor (es). diferenciados tipograficamente ou separados por dois-pontos (: ) e na língua do texto.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS 9. . bem como o endereço postal e eletrônico devem aparecer em rodapé indicado por asterisco na página de abertura ou.9 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO DE ARTIGO (NBR 6022/2003) 9.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS 9 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO DE ARTIGO (NBR 6022/2003) 9. no final dos elementos pós-textuais. acompanhados de breve currículo que o (s) qualifique na área de conhecimento do artigo.2 ELEMENTOS TEXTUAIS 9. O currículo.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS  Título e subtítulo O título e subtítulo (se houver) devem figurar na página de abertura do artigo. opcionalmente.

as palavras-chave devem figurar logo abaixo do resumo.  Palavras-chave na língua do texto Elemento obrigatório. separadas entre si por ponto e finalizadas também por ponto. logo abaixo. não ultrapassando 250 palavras. . antecedidas da expressão Palavras-chave:. isto é. constituído de uma seqüência de frases concisas e objetivas e não de uma simples enumeração de tópicos. palavras-chave. Resumo na língua do texto Elemento obrigatório. das palavras representativas do conteúdo do trabalho.

. onde devem constar as delimitações do assunto tratado. onde devem constar as delimitações do assunto tratado.  Conclusão Parte final do artigo. na qual se apresentam as conclusões correspondentes aos objetivos e hipóteses.2 ELEMENTOS TEXTUAIS  Introdução Parte inicial do artigo. os objetivos da pesquisa e outros elementos necessários para situar o tema do artigo.  Desenvolvimento Parte principal do artigo. Divide-se em seções e subseções. que variam em função da abordagem do tema e do método.9.

em espanhol Resumem. diferenciados tipograficamente ou separados por dois pontos (:).  Resumo em Língua estrangeira Elemento obrigatório.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS  Título e subtítulo em língua estrangeira O título e subtítulo (se houver) em língua estrangeira. para idioma de divulgação internacional. em francês Résumé. com as mesmas características (em inglês Abstract. por exemplo) .9. precedem o resumo em língua estrangeira. versão do resumo na língua do texto.

em espanhol Palabras clave. em francês Mots-clés. versão das palavras-chave na língua do texto para a mesma língua do resumo em língua estrangeira (em inglês Keywords. elaborado em ordem alfabética)  Apêndice (elemento opcional)  Anexo (s) (elemento opcional) . Palavras-chave em língua estrangeira  Elemento obrigatório.  Referências (elemento obrigatório)  Glossário (elemento opcional. por exemplo).

com suzanacardoso_bib@unama.br (091) 8295-4186 / 9633-1794 .UNAMA Especialista em Gestão da Informação em Bibliotecas Digitais Contato: suanac@hotmail.Suzana Cardoso Bibliotecária .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful