CONSTRUINDO UM ARCO

Introdução

Diante da quase inexistência de informações sobre a construção de um arco na língua portuguesa, decidimos por à disposição de todos que tenham acesso à Internet informações claras e objetiva de como construir seu próprio arco. Não só algo que consiga disparar uma flecha de qualquer maneira, mas nosso objetivo é passar conhecimento suficiente para que, com pouco dinheiro, qualquer aspirante a arqueiro possa ter em mãos uma arma precisa e potente como aquelas que há milênios fazem parte da história do homem como uma ferramenta para a caça, defesa, guerra e lazer. Muitos são os tipos de arcos existentes (vamos ignorar aqueles compostos com roldanas, nada tradicionais, feios, apesar de também atirarem flechas), dentre os tradicionais, talvez o longbow inglês seja o mais conhecido e admirado no mundo ocidental, também o mais simples deles. Vamos mostrar aqui como fazer um arco semelhante ao longbow, algo mais próxomo do chamado flatbow, de maneira simples (apesar de ainda assim complexa para leigos, pois a arte da construção de arcos não é algo fácil). Nosso objetivo é que se consiga um arco com a potência desejada pelo arqueiro que irá usá-lo e com ótima precisão, desde que usado com as flechas corretas (ver “A flecha e o arco”) e atirado por alguém que pratique bastante o tiro com este tipo de arco. Já alertamos o leitor que construir um arco não é algo fácil, exigirá tempo e dedicação. Dificilmente o primeiro arco feito por alguém será um bom arco, não quebrará. Mas não desanime, aprenda com seus erros, tire suas dúvidas com alguém mais experiente e o próximo provavelmente não falhará.

Ferramentas

Há um enorme número de ferramentas existentes que facilitariam a confecção de um arco, mas como muitas delas são caras e outras raríssimas no Brasil, vamos citar apenas as mínimas necessárias e mais baratas, facilmente encontradas em lojas de ferragens e ferramentas. Uma boa plaina é essencial, uma grosa (espécie de lima grossa usada em madeira), faca(s) e canivete(s), lixas de papel desde a mais grossa (60 está bom) até a mais fina encontrada (no mínimo 220) passando por todas as intermediárias encontradas (de 20 em 20 está bom, ex.: 60, 80, 100...), você também precisará de algo para prender sua peça de madeira em sua bancada (a pia da cozinha ou a mesa da sala também serve), como uma morsa, mas o melhor e mais simples é adquirir dois grampos ‘C’, os vulgos sargentos. Uma pequena grosa cilíndrica também será necessária, a menor encontrada. Instrumentos de medição

como régua e paquímetro, com marcações para centímetros e polegadas, também serão essenciais. Estas já são suficientes para execução de um arco.

A Madeira

A maneira mais artesanal e eficiente de construir um arco começa pela árvore ainda viva. Ela é cortada, o tronco rachado radialmente em algumas partes, deixa-se secar por mais ou menos dois anos na sombra, e começa-se a trabalhar lentamente a peça de madeira seguindo os anéis de crescimento....etc... Mas como esta é uma maneira muito complicada e demorada nós vamos construir o nosso arco a partir de uma peça de madeira comprada em madeireiras, um caibro. Como não foi escolhida a região do tronco a ser usada, e por não ser uma peça que siga os anéis de crescimento, nosso arco teria grande chance de quebrar se não usássemos um revestimento nas costas do arco, o backing, ( Em posição de tiro as costas do arco está voltada para o alvo, e o ventre ou barriga voltada para o arqueiro) mais adiante falaremos mais sobre o revestimento das costas de um arco. Deve-se escolher a peça de madeira mais bonita existente no comércio onde esta for adquirida. Aquela com a cor mais uniforme, com o menor número de fibras saltando

A madeira mais famosa na confecção de arcos é o teixo (Yew). sem sinais de empenamento. seria interessante começar com um arco de 72’’. Esta será em polegadas o seu draw length ou comprimento de puxada aproximado. Mas o ipê não é o único.”. Aqui vamos mostrar um projeto de simples execução e que resultará em um arco com o mínimo de possibilidades de quebrar-se. Geralmente os arcos comprados são feitos para uma puxada de 28 polegadas. Deste modo..) construtores de arco do Brasil.. o Ipê. Antes de decidir pelo tamanho de seu arco deve-se conhecer o comprimento da puxada do arqueiro ao qual o arco está destinado. até onde a maioria dos arqueiros tradicionais puxam a flecha. Lembre-se. Pati ( uma palmeira muito utilizada pelos índios da Amazônia em seus arcos. mas qualquer ipê) é talvez o preferido pelos poucos( “poucos”. Pau Brasil. e não só aprovaram mas ficaram admirados com as propriedades do Ipê num arco bem feito. Dentre estas citadas pode-se escolher aquela que você possa conseguir com mais facilidade. um arco deste tipo é um instrumento quase tão pessoal quanto uma escova de dente.poratanto. Para um iniciante. uma combinação mortal. Pau Roxo(ou Roxinho). Quanto maior um arco menor será a probabilidade deste se quebrar. Muitos construtores de arcos experientes nos EUA usaram. ou envergação deve ser a escolhida. Hoje nos EUA a Osage Orange é uma das mais renomadas. Um arco maior do que 72’’ não seria . senão os índios. afim de não quebrarem-se com facilidade. um construtor de arcos experiente pode fazer um arco de qualquer tipo de madeira. como uma flecha. rachaduras. uma vez eu li uma frase de um deles que dizia: “Ipê revestido com Bambu. tenham feito um arco desta madeira) também tiveram sucesso.80 m de altura. largamente utilizado na Idade Média nos arcos ingleses. desde que seja uma espécie de relativa qualidade da madeira. Para conhecer o comprimento de sua puxada sem ter um arco deve-se estender totalmente o braço esquerdo com o punho fechado em posição de soco. segure uma haste qualquer com a mão direita entre o dedo indicador e o “dedo do meio”.vamos mudar isso. recomenda-se que seus primeiros arcos sejam grandes. então meça a distância da haste de indicador a indicador. mais ou menos a puxada de um homem de 1. Mas é quase impossível conseguí-las no Brasil sem que você mesmo as importe. O Ipê (não somente o roxo. O Projeto Muitos são os projetos possíveis para uma arco. Jatobá e Aroeira são aqueles que já foram mais largamente utilizados com bons resultados. A princípio. uma má escolha pode ser o motivo do fracasso de um arco. arcos feitos de Jatobá. Aroeira (ou Gonçalo Alvez). para uma puxada maior do que 29’’ .para fora da peça. apoie a outra extremidade da haste no punho fechado esquerdo e encoste o dedo indicador direito no canto direito de sua boca.. é neste comprimento de puxada também que é medida a potência de um arco em libras.. recomendo que para uma puxada de 28’’ polegadas faça-se um arco de 70’’.. sem irregularidades. não há notícias de que alguém. Não compre qualquer peça de madeira.

interessante na minha opinião.: as medidas deste projeto não estão em escala. Suponhamos que o retângulo abaixo seja sua peça de madeira. Os nossos retângulos deste projeto terá estas medidas mínimas. A não ser que esteja-se falando em puxadas realmente muito pequenas não recomendo que seu primeiro arco seja menor do que 68''. assim delimitamos a empunhadura: Então traça-se uma linha 2 ½’’ acima da empunhadura e outra 2 ½’’ abaixo dela: Agora tracemos uma linha longitudinal pelo centro: . O primeiro passo é traçar o centro do arco ( obs. considere que o retângulo a baixo meça 1 ¾’’ x comprimrnto do arco) : A seguir traça-se uma linha 1 ½’’ acima do centro e outra 3’’ abaixo dele. Para puxadas menores que 27’’ pode-se começar com um arco de 68’’. ela deve ter. no mínimo 1 ¾’’ X 1 ½’’ X tamanho do comprimento do seu arco.

Você deverá trabalhar a madeira até chegar nesta forma em vermelho: Face-1 Bem. sendo que todas as variações nas larguras serão unidas por retas diagonais.Nosso arco terá 1 ¾’’ em sua área mais larga e ½’’ nas extremidades.. 3 dimensões. de modo que a lâmina superior é representada pelo lado direito de nosso desenho: Como você já deve ter observado e achado estranho. vamos continuar. .. vivemos num mundo de. pelo menos. sua empunhadura terá 1 ¼’’ de largura. vou explicar: a lâmina de cima é ligeiramente maior por ser esta a que sofre maior estresse durante o uso. A configuração final desta face do projeto ficará assim.

basta só executá-lo! .: estes desenhos não estão em escala. considere que o retângulo abaixo meça 1 ½’’ x comprimento do arco): Não dá para dizer a potência de um arco a partir de suas medidas devido a infinidade de variações que encontramos nas propriedades dos diferentes tipos e peças de madeiras. agora que você já tem um projeto para seguir. Tracemos então o desenho de nossa lâmina: Você deverá trabalhar a madeira até chegar nesta forma em vermelho: Face-2 Pronto. esta medida permitirá conseguir desde arcos bem potentes até aqueles menos fortes durante a finalização da arma. Portanto indicarei uma espessura inicial de lâmina de ½’’.Aqui temos a face lateral de nossa peça de madeira já com o centro e os outros traços marcados como na outra face do projeto(obs.

Comece usando a plaina. mas nunca será possível colocar madeira novamente. Começando com a lixa mais grossa (60 já está bom) lixe até você ter certeza que outras passadas seriam desnecessárias. Quase a totalidade das quebras de arcos acontecem pelo desprendimento das fibras da madeira localizadas nas costas do arco. é claro). Portanto tenha paciência. temos muito a aprender com os mais velhos. Muitos avôs são ótimos instrutores. O que um homem que trabalha com madeira deve sempre ter em mente é que você sempre poderá desbastar. Trabalhe aos poucos.Execução Não é fundamental que já se tenha experiência com o trabalho manual de madeira para se construir um arco com relativa qualidade. um dia ele também aprendeu com alguém. Se você decidir começar a desbastar a madeira para chegar primeiro ao traço vermelho de Face-1. Recomendo que se pegue retalhos de madeira e treine nestes com as ferramentas adquiridas. Assim você poderá regular aquelas que necessitam de regulagens. as costas do arco deve ser muito bem lixada. não mudariam nada. Então. Lembre-se. menos fibras aparentes deve ser o escolhido para as costas do arco. esta não deve ser mais mexida(no interior do traço vermelho. Depois de bem lixada com a lixa 100 pode dar um pouco de descanso às lixas. A ajuda de alguém com certa experiência no trabalho com a madeira também é de extrema valia. Agora é hora de traçar os riscos como indicados no projeto. risque todos os traços agora e comece o serviço. Só depois de pronto esta fase você riscará o desenho Face-2. lixar. Com um bom lápis. traceos nas costas do arco até chegar ao desenho Face-1 do projeto. vamos ao nosso arco. Se preferir começar desbastando com o objetivo de chegar primeiro ao desenho do traço vermelho de Face-2. O lado com menos irregularidades. pode começar. esta deverá . Um marceneiro do bairro também não negará algumas dicas. Sem preça. Você deverá tomar cuidado com as costas do arco. Uma vez definida. como a plaina por exemplo (siga as orientações do fabricante). Após lixar bem como com a lixa 80. e conhecer o poder de desbaste delas. Agora você deverá tomar uma decisão. passe para a 100. Só então passe para a lixa 80. temos que dar maior atenção para esta parte de nossa arma. E sempre com muita atenção. especialmente os realmente velhos. No entanto não é aconselhável que seu primeiro trabalho em madeira já seja em uma peça selecionada e destinada a um arco. retirar um pouco mais de madeira. algo pessoal. Como esta face receberá um revestimento posteriormente ela não necessita estar mais lisa do que estará após a lixa 100. O primeiro a fazer é decidir qual dos dois lados será as costas do arco. Agora que você já sabe trabalhar com as ferramentas que tem. Então lixe um pouquinho mais.

e poderá ser maior de acordo com a sua vontade. fibra de vidro ou carbono. O revestimento com madeira pode ser feito com uma lâmina de. três milímetros de espessura. O lado interno deverá ser desbastado até se tornar plano e atingir a espessura esperada. vá em frente com suas lâminas. A madeira usada deve ser de peso e dureza medianos e de boa qualidade. rachado. No caso do bambu. bambu. No entanto um arco revestido não significa um arco inquebrável. O adesivo usado na colagem da madeira ou do bambu pode ser um adesivo epóxi de qualidade. A peça deve estar em perfeitas condições. Alguns se dão bem com as facas e/ou canivetes. Vamos tratar aqui apenas da madeira. sinew que é o tendão de boi. o desprendimento das fibras das costas de um arco é a causa de quase todas as quebras de arcos. Revestir um arco significa colar em suas costas algum material tal como uma lâmina de madeira. lembrando que o bambu irá aumentar a potência de seu arco. O revestimento ou backing é um artifício usado para segurar essas fibras evitando a quebra. seda. esta última muito barata e fácil de encontrar em qualquer comércio do ramo. é bem difícil fazer uma besteira com esta ferramenta. . do bambu e do couro. entre outros. assim você terá suas duas mãos sempre livres. com pelo menos 10 cm de diâmetro. os mais simples de conseguir e aplicar e também muito eficientes. Quando já estiver chegando bem perto do traço vermelho. búfalo. As tiras devem ter o seu lado externo preservado a não ser por leves desbastes que podem ser feitos nos nós. couro de diversos tipos.estar bem afiada. aconselho por as lâminas e plainas de lado e começar a usar a grosa. você pode acabar tendo que desbastar muito a madeira de seu arco posteriormente. Ele deve ser cortado maduro e após seco. É importante que a madeira utilizada para este fim não seja demasiadamente fibrosa. este deve ser do tipo gigante ou bambu-açú. em média. não pode ser nem muito maior nem muito menor do que isto. ou cola de madeira a base de resina vinílica. esta não deverá ser inferior a 3 milímetros. cervo. mas isto não é necessário. portanto não exagere na espessura deste. Sempre fixe sua peça de madeira para trabalhá-la. se você é um deles. Revestimento Como já foi dito anteriormente.

O traço em azul deverá ser traçado ¾’’ abaixo da ponta e o verde ½’’ abaixo do azul.). Se você optar pelo couro você terá de escolher qual o tipo de couro que irá usar... Vamos desbastar os sulcos nas pontas do arco onde a corda será encaixada. enquanto que o lado direito indica o ventre do arco .. Uma vez cortado no tamanho certo passe bem a cola de madeira a base de resina vinílica nas costas do arco e prenda o couro ao arco usando faixas hospitalares (encontradas em farmácias para enfaixar pés torcidos etc. Alguns Detalhes. A ferramenta mais eficiente para este desbaste é uma pequena grosa cilíndrica. tente por a mesma pressão em todos. Imagine que o retângulo abaixo seja a face lateral da ponta de seu arco. Tiras de câmaras de ar também podem ser usadas na colagem desde que bem apertadas. Limpe ambas as superfícies a serem coladas isentando-as de qualquer partícula de poeira. Para colar o revestimento no seu arco este deve estar já em sua forma final. Agora que você já tem um arco revestido. Essas tiras podem ser usadas nos intervalos entre o grampos ou somente elas. as faixas devem ser enroladas sobre todo o arco bem apertada..Para colar o revestimento de madeira ou bambu use alguns grampos ‘C’/sargentos. quanto mais grampos melhor ficará a colagem. é hora de preparar alguns detalhes antes de começar a enverga-lo. IMPORTANTE!: O lado esquerdo da figura abaixo representa as costas do arco. após alcançar ambos os desenhos Face-1 e Face-2. Sobre a diagonal em vermelho deverá ser feito o sulco. A espessura e profundidade deste depende do tipo de corda que será usado e de sua preferência.

isto antes de iniciar a tileração. Desse modo o estresse não será distribuído igualmente entre todos os pontos reduzindo assim a vida útil do arco. em se tratando deste processo. o arco poderá estar envergando mais em certos pontos da lâmina do que em outros.No caso de você ter escolhido a madeira para revestir seu arco esta deverá ser lixada desde a lixa mais grossa até a mais fina possível (mínimo 220) passando por todas as intermediárias. Devido a não uniformidade da madeira. Até hoje nuca consegui achar em nenhum dicionário o significado desta palavra como um verbo. Usarei então a palavra inglesa aportuguesada. Tillering – Trabalhando o modo como o arco enverga Agora que seu arco está quase pronto é hora de começar a enverga-lo. É agora também que iremos diminuir a potência de nosso arco até aquela que queremos. e somente americanos arqueiros conhecem tal verbo. O bambu e o couro não necessitam de serem lixados. Pode haver também uma lâmina mais fraca do que a outra. Precisamos agora ter paciência e trabalhar com mais cuidado do que nunca. talvez o mais importante para que tenhamos um arco bem sucedido. do bambu. o que também pode ser um problema. usam o verbo to tiller . interferências da camada de cola entre o revestimento. É nesta fase que iremos trabalhar essas irregularidades na envergadura de nosso arco. Um suporte para “tilerar” um arco pode ser facilmente feito como o da foto abaixo: . teremos que montar um suporte no qual prenderemos nosso arco pela empunhadura e possamos enverga-lo progressivamente e observar como as lâminas estão envergando até chegarmos ao tamanho de puxada que se busca. Para este processo. Os norte-americanos.

Os pontinhos no caibro são ganchos presos com buchas. . Ou. você pode enverga-lo e observar ao mesmo tempo. ao invés de ganchos pode-se prender uma roldana no chão e com uma corda presa à corda do arco. Não esqueça de marcar no suporte o comprimento de puxada correspondente à envergadura que estará sendo aplicada ao arco.

tudo bem. não esqueça que você não conseguirá devolver madeira ao arco! Ponha o arco novamente no suporte e verifique o resultado. reduza o tamanho dela ou utilize a própria corda destinada ao arco. Prende-se as extremidades da corda nas pontas do arco sem enverga-lo ainda. A lâmina superior deve. nosso arco deve envergar mais a medida que nos aproximamos das pontas. como muitos leigos acham. Se você conseguir que as duas lâminas enverguem exatamente o mesmo tanto. O que não deve ocorrer de maneira alguma é a lâmina de baixo ser mais flexível do que a lâmina de cima. Vá sempre trabalhando aos poucos. Um arco deste tipo não deve se parecer com uma semi-circunferência. Então comece a envergar o arco. Ponha novamente o arco . Veja algumas fotos de como seu arco envergado deve se parecer: Imagem cedida por George Tsoukalas Chegando no comprimento de puxada que se busca com esta corda grande. Desse modo. o mesmo que dizer ser menos flexível a medida que nos aproximamos da empunhadura. Ponha-o em seu suporte e verifique se as costas do arco está no nível (um nível de pedreiro é bem útil). Ou seja. esta deve ser mais uma diferença sutil. Marque a região a ser desbastada e desbaste bem pouco. Com umas 8’’ já deverá ser possível observar a envergadura dele. Mas nada muito brusco.A “tileração” deve-se iniciar com uma corda maior do que a que se encordoará o arco posteriormente. vamos nos preocupar em como elas estão envergando. Agora que temos as duas lâminas envergando corretamente uma em relação à outra. você deverá encordoar o arco de maneira que a corda esticada mantenha o arco um pouco envergado. Retire madeira aos poucos e verifique o resultado quantas vezes forem necessárias. Daquela que estiver envergando menos deverá ser retirada o mínimo de madeira de toda a lâmina uniformemente (recomenda-se o uso da grosa). ser sutilmente (eu digo muito sutilmente) mais flexível que a inferior. O ideal é que ele seja semelhante a uma semi-elipse. no entanto. Então recomece o processo de tileração. O primeiro ponto a observar é se as duas lâminas estão envergando igualmente.

madeira ou algum material sintético. seu arco está quase pronto e já sabemos que deu certo.no suporte. você poderá colar uma pecinha de madeira logo acima de sua mão ao segurar o arco para apoiar a flecha durante o tiro ou usar sua própria mão como apoio para a flecha(era assim que a maioria dos arqueiros dos séculos passados atiravam inclusive os ingleses da idade média). Como neste projeto a empunhadura não enverga. observe.. Você se sentirá verdadeiramente aliviado. osso ou casco de animais. você fez um arco!!! Acabamento Quando você chegar nesta fase. Agora é hora de trabalhar a empunhadura. você está livre para trabalha-la como quiser desde que não a enfraqueça muito. Se você chegar no comprimento de puxada que se buscava com o arco ainda inteiro. retorne o arco no suporte. alegre-se.. No caso de atirar usando a mão como apoio. tire-o. Vá trabalhando a madeira de maneira que a empunhadura se encaixe confortavelmente na mão do arqueiro. desbaste. Veja exemplos de empunhaduras: É também recomendável que se cole um protetor nas pontas do arco afim de proteger o arco de ser desbastado pelo atrito da corda diretamente com a lâmina.. Veja alguns exemplos: .. Agora você terá de tomar mais uma decisão. Este protetor pode ser de chifre. a obra de suas mãos não quebrou. Faça isso quantas vezes forem necessárias até alcançar o comprimento de puxada que se quer com as duas lâminas envergando corretamente e da mesma maneira. recomenda-se o uso de algum tipo de luva para evitar possíveis ferimentos. Parabéns.

dos raios solares e ainda evita que a madeira resseque. observação ou sugestão sinta-se a vontade para entrar em contato por e-mail. Lixe todo o arco (menos o bambu e o couro se for o caso) com muita dedicação. sendo este a base de poliuretano. Boa sorte em sua empreitada! Para aprender como atirar. Siga sempre as orientações do fabricante do verniz para extrair o melhor resultado do produto que compraste. qual a flecha correta e outros detalhes sobre um arco deste tipo veja nossas outras sessões neste site. além de realçar a beleza da madeira. crítica. A envernização é necessária para que nosso arco se proteja da umidade. Temos no comércio um verniz chamado de marítimo com excelentes propriedades para este fim. os mais resistentes. Os vernizes mais indicados são aqueles a base de poliuretano ou a base de resina epóxi.Com a empunhadura pronta é hora de lixar. seja seguindo estas dicas ou não! . Qualquer dúvida. Quanto mais fina for a última lixa mais refinado será o acabamento e mais bela se apresentará a madeira. Parabéns pelo seu sadio interesse nos arcos tradicionais. a lixa bem usada é quem ajudará a beleza da madeira a vencer sua timidez e mostrarse em público. A madeira possui uma beleza tímida. Comece com a lixa mais grossa e vá até a mais fina possível passando por todas as intermediárias. O bambu pode ser lixado levemente com uma lixa bem fina somente. Ficarei muito feliz também se receber fotos dos arcos feitos por você. De pois de lixado é hora de envernizar.

. Neste processo teremos muitas variáveis a serem estudadas que interferirão em nossos resultados. As figuras fig. peso da flecha. tamanho da pena. podendo assim. do arqueiro. tipo de arco.C e fig.B mostra o momento em que a energia potencial elástica das lâminas se transfere para a flecha em forma de energia cinética. O que ocorre com a flecha durante o tiro é algo semelhante ao esquema ao lado. A grande maioria dos arcos compostos ou dos recurvos olímpicos possui seu dispositivo de regulagem no próprio arco. algumas delas são: potência do arco. corda.Nos arcos tradicionais. veja alguns exemplos: Nota-se que na maioria deles a flecha não estará alinhada no momento do tiro.D mostram a flecha já em sua trajetória pelo ar. Entendendo os porquês Nos arcos tradicionais temos alguns tipos de apoio utilizados para disparar uma flecha. rigidez da flecha. porém é realizada de diferentes maneiras nos diferentes tipos de arco existente.A Temos a flecha presa na corda no momento exatamente anterior à liberação da corda pelo arqueiro. A regulagem de um arco deste tipo é feita a partir da escolha da flecha correta. peso da ponta. tendo esta que se envergar para passar pelo arco. como não usamos nenhum tipo de mecanismo extra. diferentes flechas serem usadas. há uma parcela relevante de atuação do equipamento na busca de um tiro preciso. Devido à inércia da flecha. Fig. No entanto.A FLECHA E O ARCO Introdução A precisão depende. esta se enverga durante este processo. a regulagem de um equipamento se torna um pouco mais complexa. A regulagem de um equipamento segue os mesmos princípios em qualquer arco. Na Fig. majoritariamente.

a partir de um referencial (as flecha com penas).). Os fabricantes de flechas geralmente oferecem essas tabelas em seu sites. há situações em que outras flechas mais rígidas ou menos rígidas deverão ser adquiridas/feitas. portanto. em parte. os resultados observados e as modificações feitas. a rigidez da flecha. As variáveis Vamos. Se você é canhoto. menos esta irá envergar. maior será a tensão imprimida na flecha em Fig. Os problemas causados pelo excesso ou falta de rigidez da flecha também são. Para uma mesma flecha temos que: Quanto maior a potência e eficiência de um arco. Lembrando que todas estas variáveis resultarão em diferenças pequenas. mas é essencial que consiga atirar um bom grupo a 18 ou 20 metros de . Estes são facilmente corrigidos com a mudança do ponto onde a rabeira da flecha é encaixada na corda. Mas para flechas feitas por você mesmo a primeira terá que ser feita aleatoriamente. mesmo peso das pontas. Em função disto existe um método de calibração do equipamento que se utiliza de flechas com penas e sem penas para poder. Portanto. Mas o que irá nos interessar será as variáveis para um mesmo arco. realizar as alterações necessárias. Quanto mais rígida for uma flecha. falemos do arqueiro. maior a tendência de ela desviar-se para a direita. Inicialmente teremos que ter um jogo de flechas (meia dúzia é um bom número). Estas deverão ser exatamente iguais (mesmo tamanho.A e portanto um maior desvio da trajetória para a direita. mas os desvios verticais também ocorrem e são igualmente maléficos. Metade delas deverão ter suas penas retiradas. Quanto menos rígida a flecha. Agora.: As observações a seguir serão feitas para um arqueiro destro (que puxa a corda com a mão direita). Para uma mesma haste temos que: -Aumentando o peso da ponta reduz-se a rigidez da flecha. -Reduzindo o tamanho da haste aumenta-se a rigidez da flecha. conhecer os fatores que determinarão a rigidez de uma flecha. sua trajetória tenderá a desviar-se para a esquerda. É este método que iremos detalhar. inverta direita-esquerda. corrigidos pelas penas. etc. -Aumentando o tamanho das penas aumenta-se. antes de tudo. sutilmente. Até o momento falamos apenas dos desvios na horizontal.Obs. O processo A função das penas em uma flecha é minimizar os defeitos da flecha e do disparo estabilizando o vôo de nosso projétil. Flechas importadas podem ser compradas segundo uma tabela que indicará a flecha “ideal” para a potência e tipo de seu arco. a outra metade deve ter suas penas devidamente coladas.Você não precisa ser um ótimo atirador para realizar este processo.

esta região não precisa ser o centro. Em seguida atire as flechas sem penas. Atire primeiro as flechas com penas. Abaixe-o um pouco e analise os resultados. estas deverão atingir outro mesmo local. é hora de atirar! Esteja a uma distância de uns 18 ou 20 metros do alvo. Suba-o um pouco e analise os resultados. . Então. Veja os desenhos a seguir que ilustram as situações com as quais você ira se deparar. Neste Caso o ponto de encaixe da rabeira da flecha está muito alto. Um bom grupo consiste em todas as flechas atiradas atingirem uma mesma região do alvo.distância do alvo. Seu objetivo será fazer com que as flechas sem penas atinjam o mesmo local das flechas com penas. estas devem atingir um mesmo local. Agora o ponto de encaixe da rabeira da flecha na corda está muito baixo.

Agora que você já tem as flechas ideais para seu arco é só treinar bastante. Solução: Usar ponta mais pesada ou usar hastes maiores ou adquirir flechas menos rígidas. Agora o grupo das flechas sem penas ficou à direita do grupo das flechas com penas. Obs. As flechas com penas e sem penas devem ser sempre idênticas. .Nesta situação o grupo das flechas sem pena (pontinhos) ficou à esquerda das flechas com penas. Motivo: Flechas muito rígidas. infelizmente você terá que fazer ou comprar flechas novas com as características mais próximas daquilo que você busca.: Se o grupo de suas flechas sem penas estiver só um pouquinho à direita e abaixo do grupo das flechas com penas suas flechas estão perfeitas para seu arco. uma vez que as penas fazem com que a flecha se comporte como se fosse um pouco mais rígida. Solução: Usar pontas mais leves ou reduzir o tamanho das hastes ou adquirir flechas mais rígidas. Todas a mudanças feitas devem ser feitas em todas as flechas. Se você já tiver chegado ao extremo de todas as variáveis em uma flecha sem conseguir os resultados esperados. Para conhecer técnicas de tiro tradicional ou “instintivo” explore nossas páginas através do link ‘Atirando’. e os resultados observados a cada mínima mudança. Motivo: Flechas pouco rígidas. As mudanças devem ser feitas uma de cada vez pouco a pouco.

O braço que segura o arco é . Muitos dos arqueiros tradicionais não gostamos da idéia de usar equipamentos complexos para atirar flechas (também são chamados de arcos!). Há determinadas coisas em que muita tecnologia e novos sistemas não caem bem. mas levando ao pé da letra isto significa que já nasceríamos sabendo como mirar a diferentes distâncias. o que infelismente não ocorre. Se uma técnica funciona bem para alguém. desconhecidas e sem o uso de miras. estabilizador. As técnicas apresentadas são sempre uma das técnicas existentes. se você usá-la. Os arqueiros tradicionais não usam nehum tipo de mira. Um arqueiro pode considerar-se um bom arqueiro quando conseguir atingir o alvo com precisão em diferentes distâncias não conhecidas. A forma adequada Não existe uma receita que você ira seguir e no final estará atirando bem. Apesar de alguns realmente procuraerem estimar a distância de seus alvos antes de mirar. Para uma pessoa destra a corda deve ser puxada com a mão direita. logo. descaracterizam a beleza da arma. Por isso apresentaremos aqui as formas e técnicas de atirar e mirar mais utilizadas. atinge o alvo esperado a uma distância conhecida. Quando de pé. por que não dificultar um pouco mais deixando a modalidade em questão mais parecida como ela era antigamente? Enfim. em minha opinião. Um bom arqueiro não é aquele que. Alguns falam em tiro instintivo. o que é um ponto importante considerando que a maioria dos arqueiros tradicionais procuram atirar com o arco mais potente que conseguirem atirar confortavelmente. todos os cálculos e "regulagens" são feitos mentalmente. Portanto.. esta é uma boa técnica.ATIRANDO Introdução Dentre as armas que lançam projéteis. Eu penso que os arcos usados em competições olímpicas não poderiam possuir acessórios como miras e estabilizadores. no entanto. tem grandes chances de funcionar para você também. Com a forma "adequada" você também tem menores chances de sofrer lesões físicas. Sendo estes jogos um evento tão cheio de história e romantismo. creio ser o arco a mais difícil de dominar. Pois em situações de caça (ou guerra para aqueles que gostam de viajar um pouco. A magia de atirar com o arco está na dificuldade de conseguir atirar com precisão em alvos a distâncias vriadas. o corpo deve estar alinhado com o eixo de simetria de nosso corpo (a linha que vai da cabeça aos pés dividindo o corpo em duas partes iguais). utilizando de miras e outros mecanismos já regulados. não se deve olhar para alguém que atira de maneira diferente e dizer que ele está atirando errado. É comum ver atletas em competições usando arcos tão cheios de acessórios que. formas consideradas adequadas. Portanto. Iremos falar apenas das técnicas mais usadas por arqueiros tradicionais ao redor do mundo. Há..) não saberemos a que distância o animal se apresentará a nós (ver Caça com arco).. esta deve permitir ao arqueiro acertar objetos a distâncias não conhecidas. etc.. qualquer que seja a técnica usada para mirar. O que acontece é que as técnicas mais usadas são aquelas que funcionam bem para a maioria das pessoas.

É este último que acaba sendo chamado por alguns de tiro instintivo. Uma atenção especial deve ser dada para os músculos das costas. o arqueiro terá a visão da ponta da flecha e. Para isto o braço que segura o arco deve estar em todos os tiros totalmente estendido. Calma. inconscientemente. Para utilizar desta técnica o arco deve ser um pouco inclinado no sentido horário (para destros). A cabeça deve deslocar-se 90° no sentido do alvo. existindo um espaço livre (gap) entre os dois. Alguns arqueiros tentam estimar a diatância de seus alvos e utilizam. Nessas duas utilizamos os três dedos do meio. . calcule o gap adequado de acordo com a distância aparente do objeto. Esta técnica consiste. caracterizam uma técnica.totalmente estendido para o lado de modo que nossa lateral esteja voltada para o alvo. o alvo. não interessando os números. racionalmente. Na outra.a flecha fica entre os dedos indicador e médio. basicamente. Os músculos usados para puxar a corda são: músculos do ombro. o tamanho de gap considerado adequado. existem muitas maneiras de mirar com um arco. Mas nós veremos somente as duas mais utilizadas. e em menor instância. em adequar a posição do arco à distância do alvo utilizando da variação do espaço entre a ponta da flecha e o ponto do alvo que busca-se acertar. preste atenção ao puxar o arco e tente utilizar estes músculos. Quanto mais distante estiver o alvo menor será o espaço entre a ponta da flecha e o alvo. O ato de mirar deve ser feito com os dois olhos abertos. Você também deverá definir um ponto no qual sua mão que puxa a corda do arco sempre estacionará antes de soltar a corda. você deve olhar para o alvo. acima desta. Um fator de extrema importância para conseguir um tiro preciso é que o comprimento de sua puxada seja sempre exatamente o mesmo. assim você pode ter uma melhor noção da distância entre você e o alvo. Talvez a mais usada delas seja a chamada gap shooting. Todos estes três dedos quando usados em baixo da flecha. alguns músculos do braço. Veja as fotos a seguir: Puxando a corda Existem muitas técnicas para puxar uma corda. para que este. pois a maioria de nós não sabemos usá-los. ao mirar. Desde aquelas em que a flecha deve ser segurada pelo dedão e pelo indicador e a corda puxada pelo anelar e pelo médio até aquelas em que um anel especial posto no dedão puxa a corda junto com outros dedos. Então.. Mirando Como já foi dito. Muitos definem este ponto como sendo quando a ponta do indicador toca o canto direito da boca. Você deverá testar as duas e ver com qual delas você se sai melhor. Outros procuram treinar com alvos em diversas distâncias a fim de treinarem seu cérebro. explicaremos melhor. músculos das costas. então..

outro para estacionar a mão que puxa a corda no ponto adequado. Alguns dizem que só conseguem um bom tiro se este for dado em 4 segundos: um segundo para puxar a corda. mais um segundo para mirar e no último segundo a corda é liberada. Outros preferem mirar mais conscientemente e demoram cerca de 3 ou 4 segundos mirando. .Esta técnica de tiro não exige que o arqueiro mire por muito tempo antes de soltar a flecha.

De nada adianta possuir um bom arco se você não tiver também uma boa corda. possui alta resistência a tração e pode servir para a confecção de cordas para arcos de ate 40 lbs de potência. palmeiras etc). eu acabei inventando um tipo de corda. considerando que a capacidade de tração de sua corda será igual a soma das capacidades de tração de cada linha que forma sua corda. O dacron B-50 é produzido por uma empresa norte-americana especialmente para arcos e pode ser adquirido em lojas do ramo em carretéis de 0. Uma das fibras mais utilizadas no mundo para a fabricação de cordas para arcos é o dacron B-50. Amarre sua linha na alça do balde e suspenda-o. como o poliéster.6 g) e veja quantas linhas serão necessárias em sua corda.00 lbs. Em arcos mais potentes este material apresenta um grau de elasticidade que inviabiliza sua utilização para este fim. mas estas são no mínimo 200% mais caras e não podem ser utilizadas em qualquer arco devido a sua elasticidade praticamente zero. necessariamente. Este possui as propriedades necessárias para um bom arco. Recomenda-se que você faça um teste para saber quantos quilos sua linha agüenta. milho.Cordas Um arco consiste no arco propriamente dito e.25 lbs ou 1. Conte quantos quilos de mantimento tinha no balde quando a linha estourou. fibras vegetais (cânhamo. Por segurança. Pode parecer muito mas não é. caraguatá. Existem outras fibras que apresentarão desempenho superior ao dacron. talvez 45. O comprimento de linha que será gasto para fazer as alçinhas (loops) das extremidades será em média um palmo em cada extremidade. em uma corda. E considerando que sua corda ainda . e outras. tripas. esta é a capacidade máxima de tração de sua linha. Geralmente a corda é feita com duas ou mais cores para que se tenha um bom resultado estético. Os mais primitivistas preferem utilizar os materiais naturais. eu não poderei recomendar um número fixo de linhas que serão usadas. A maneira mais simples é você pegar um balde com alça e alguns sacos de mantimentos. feijão. Como eu não sei qual a espessura da linha que você conseguiu comprar. couro) e as fibras sintéticas. vá enchendo o balde com os sacos de mantimento lentamente até que sua linha estoure. como arroz. mas sendo estes de difícil obtenção e complexo processamento. adicione 30 lbs à potência de seu arco para saber qual a capacidade de tração que você precisa em sua corda final. mas até hoje eu nunca o vi em outro lugar a não ser em um arquinho de fibra de vidro com o qual eu dei meus primeiros tiros. macarrão etc. mesmo os tradicionais. optam pelo uso de cordas feitas de fibras sintéticas. fibras de origem animal (tendões. No Brasil existe uma linha de poliéster vendida em lojas que fornecem artigos para sapateiros que já vem encerada. dacron. A corda feita com linha de sapateiro Antes de eu aprender a fazer cordas no estilo flemish. Existem diversos tipos de materiais utilizados na confecção de cordas. a maioria dos arqueiros. Converta esta capacidade para libras (1 libra = 453. Talvez este estilo até já exista.

vamos a execução. suas linhas terão de ser uns 50 cm maiores do que o comprimento esperado na corda final. . Abaixo do seu dedo que ainda está segurando o feixe de linhas separe o feixe em duas metades e passe a parte do feixe que foi torcida pelo meio. Agora que você já cortou todas as linhas que serão usadas em sua corda. mas parafina também serve. É necessário que sua corda possua número par de linhas. Você vai passar até chegar ao tamanho da alça que você deseja. eu uso cera de abelha. Então você deverá torcer a porção logo abaixo da divisão anteriormente feita ( no mesmo sentido da torção feita inicialmente) dando umas duas voltas completas de modo a estrangular a aquela parte que passou entre as duas metades. Segure com o dedo e torça o resto do feixe deste ponto até a extremidade (pelo menor caminho). posteriormente você entenderá o porquê. Conte um palmo a partir de uma das extremidades e segure com o dedo. a alçinha será logo acima deste ponto. Passar um pouco de cera pode ser necessário e ajudará a manter a torção em seu feixe de linhas.será torcida para ficar pronta para o uso. agora sim você está fazendo a alçinha propriamente dita.

Abaixo desta torção separe o feixe novamente em duas metades e então passe aquela porção da extremidade inicialmente torcido novamente por entre a divisão... Agora é só torcê-la até chegar no comprimento esperado. Desfiando você consegue uma aparência semelhante a um silenciador disposto em posição inadequada. O excesso pode ser aparado (cuidado pra não cortar a corda toda junto!) ou desfiado. fica até que que legal. Repita a operação na outra ponta do feixe de cordas e sua corda de arco estará pronta.. A corda Flemish Em breve. . Repita a operação até o fim da extremidade que está sendo "costurada" por entre a porção principal da corda. se ela ficou pequena demais..é uma boa desculpa pra você fazer outro arco menor. E outra corda maior também.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful