You are on page 1of 11

Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

DR2 – Direitos e Deveres Laborais

Sugestões de leitura para reflexão

Introdução
Esta colectânea de textos (pequenas citações com a indicação dos respectivos “links”
direccionando para a página original), foi seleccionada a partir de pesquisas efectuadas
na Internet utilizando o motor de busca "Google" com o objectivo de me facilitar a
descodificação do tema Direitos e Deveres Laborais do Núcleo Gerador: Direitos e
Deveres (DD) da Área de Cidadania e Profissionalidade do Referencial de
Competências-Chave de Nível Secundário, relativo ao Processo RVCC no âmbito da
Iniciativa Novas Oportunidades, para a elaboração do meu Portefólio Reflexivo de
Aprendizagem.

A organização deste trabalho absorveu bastante do meu tempo e para que não ficasse
para sempre perdido no disco rígido do meu portátil, sem mais utilidade, decidi que o
devia partilhar nesta rede, colocando à vossa disposição estas minhas propostas de
leitura.

Boas leituras...

Maria Amorim,
Presente a Júri do Processo RVCC-NS em 11 de Março de 2008,
Cont@cto

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 1/11


Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

Cidadania e Profissionalidade
Emanuel J. Maroco dos Santos

NG1 - DR2 - Direitos e Deveres Laborais


Competência e critérios de evidência
Assumir direitos laborais inalienáveis e responsabilidades exigíveis ao trabalhador.
1. Sou capaz de identificar os direitos laborais que se colocam em confronto com a actual
dinâmica de mercado?
2. Sou capaz de compreender os meus direitos e deveres através do Código de Trabalho?
3. Sou capaz de explorar a importância dos direitos sociais e laborais, isto é, de referir a
importância da legislação em vigor na defesa dos direitos do trabalhador?
Proposta de trabalho:
Num mundo globalizado, a livre concorrência entre mercados, ocidentais e asiáticos, tradicionais
e emergentes, tem efeitos directos, quer na segurança do emprego, quer no vínculo dos
trabalhadores às empresas, que recorrem cada vez mais às prestações de serviços. Por isso, tendo
em consideração a sua experiência profissional, identifique os direitos laborais, que se colocam
em confronto com a actual dinâmica de mercado, e determine a importância do Código de
trabalho na regulamentação dos contractos de trabalho. Na sua reflexão, deve identificar os seus
direitos e deveres laborais e evidenciar situações da sua vida profissional em que teve de recorrer
à legislação em vigor. Continuar a ler >

http://cidmais.wordpress.com/

CP1 Profissional

Neste domínio de referência abordam-se os seus direitos e deveres enquanto


trabalhador/profissional. Deverá, de acordo com o terceiro critério de evidência, reflectir sobre a
importância do direito laboral, do ponto de vista pessoal (o seu, enquanto trabalhador) e do ponto
vista da sociedade, no sentido da promoção de uma sociedade justa que defende a parte mais
frágil da relação contratual (precisamente o trabalhador), mas também o interesse de quem
investe capital e, por essa via, cria emprego.

Esta reflexão deve fazer-se a partir de uma experiência concreta. Nesse sentido, poderá relatar e
reflectir sobre uma situação da sua vida profissional em que tenha lutado pela defesa de um
direito que lhe estivesse a ser negado, recorrendo ao Código do Trabalho, ao Contrato Colectivo
do Trabalho, ao aconselhamento jurídico de um sindicato ou, inclusive, ao Tribunal do Trabalho.

Se fez ou faz parte de uma Comissão de Trabalhadores ou se é ou foi delegado sindical, poderá
utilizar essa experiência para evidenciar esta competência.

Outra hipótese de trabalho é interpretar direitos e deveres através do Código do Trabalho, da


Constituição da República Portuguesa ou de um Contrato Colectivo de Trabalho.
Continuar a ler >

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 2/11


Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

http://aeiou.expresso.pt/

Portugueses gastam 270 milhões de horas em conflitos laborais


Os conflitos laborais em Portugal custam 1000 milhões de euros por ano, segundo um estudo
hoje divulgado.
11 de Dezembro de 2009

Os conflitos laborais em Portugal representam por ano 270 milhões de horas de trabalho e
custam 1000 milhões de euros, revela um estudo divulgado hoje por uma empresa especializada
na prevenção, gestão e resolução de disputas.
"Numa semana de trabalho, um funcionário despende uma a duas horas em questões
relacionadas com conflitos, quer fazendo parte dos mesmos, quer ouvindo os desabafos dos
colegas", afirmou o responsável pela Convirgente, François Bogacz.
A Convirgente é uma empresa de consultadoria especializada na resolução de disputas inter e
intra-organizacionais, que realizou um inquérito a cerca de 900 trabalhadores, com o objectivo de
"tirar a fotografia do conflito laboral" em Portugal.
Perante uma audiência constituída maioritariamente por funcionários de topo, o responsável
explicou que os conflitos "representam 270 milhões de horas de trabalho", um resultado obtido
pela multiplicação do tempo médio semanal (1,5 hora) que a população activa por conta de
outrem (3,9 milhões de pessoas) gasta em disputas, pelas 44 semanas laborais.
"Para chegarmos ao custo de 1000 milhões de euros de perdas, multiplicámos esse tempo total
por 3,75 euros/hora, que é o valor mais perto do salário mínimo", explicou ainda François
Bogacz.
Continuar a ler >

http://www.katyadelimbeuf.com/
Vidas a prazo
Katya Delimbeuf , ÚNICA Nº 1813 de 28 Julho 2007
Quase um milhão de pessoas no nosso país trabalha a recibos verdes. O instrumento pontual que
surgiu nos anos 90 e se tornou regra para benefício dos patrões tem uma única garantia: a
ausência total de direitos. Este verdadeiro exército de recibos verdes encontra-se em todas as
áreas da sociedade, vive amarrado ao dia-a-dia e tem como horizonte apenas o mês seguinte.
Retrato de um universo onde só há «flexi» e nenhuma «segurança»
Quase um milhão a recibos
Foi no início dos anos 90 que os primeiros casos de falsos recibos verdes (um trabalhador que
cumpre as mesmas funções dum empregado por conta de outrem, com horário, hierarquia e posto
de trabalho) começaram a surgir. Hoje, assiste-se a novas tentativas de dissimulação do
fenómeno, como a constituição de empresas subcontratadas para prestar serviços. O jornal
«Público» de 30 de Maio assegurava que há 883.600 trabalhadores a recibo verde no nosso país -
o que representa mais do que a Função Pública (que tinha 580.291 funcionários em 2006). O INE
não tem um método directo de apuramento de trabalhadores a recibos, mas adianta dados que
permitem fazer contas: no 1.º trimestre de 2007, 646.700 pessoas tinham contrato de trabalho a

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 3/11


Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

termo, 188.700 contratos de prestação de serviços, e 66.100 pessoas estavam em subemprego


visível. O que dá um total de 901 mil trabalhadores a recibo.
O sociólogo do ISCTE Rui Pena Pires aponta dados do Eurostat para ilustrar o caso português:
«Enquanto a média europeia de auto-emprego em países desenvolvidos como a Suécia ou a
Dinamarca é de 5, 7%, Portugal tem uma percentagem de trabalhadores por conta própria de
25%.» Isto não significa que haja mais empreendedores ou empresários em Portugal, significa é
que há «um sistema de emprego informal completamente desregulado, a par de outro sistema
formal muito rígido», aponta. As consequências sociais mais evidentes são «a imigração de
jovens e pessoas qualificadas, a não renovação de gerações e o adiamento de decisões
importantes na vida de um adulto».
Continuar a ler >

http://atlantico.blogs.sapo.pt/
Geração Recibos Cor-de-rosa
Este é um Governo que utiliza a táctica do "quando não se morre da doença, morre-se da cura". Ao
invés de liberalizar o mercado de trabalho e reformar devidamente o código laboral, impõe novas
taxas às empresas que contratam a recibo verde. A geração recibos verdes - na expressão do
Henrique Raposo - terá ainda maiores dificuldades em conseguir um emprego, mesmo que
precário. Não são os recibos verdes que são uma injustiça, como alega o primeiro-ministro José
Sócrates. São apenas uma consequência, porque injusto é o actual mercado de trabalho - que aliás
não respeita as regras de mercado, tal a asfixia legislativa estatal a que são submetidas as empresas
nas suas relações com os trabalhadores. É a dificuldade em reduzir os salários dos incompetentes
ou em substituir os maus trabalhadores - incluindo gestores e outros quadros - por novos
trabalhadores, que leva o empresário a optar pela contratação a recibos verdes, uma vez que só
muito dificilmente consegue despedir. Com a nova lei Sócrates a impôr taxas acrescidas sobre as
empresas que contratem a recibos verdes, mais trabalhadores ficarão no desemprego. Sem que
ninguém lhes passe recibo. Continuar a ler >
http://economico.sapo.pt/

Estágios são escravatura de “colarinho branco”

Económico com Lusa 25/09/09

As más condições dos estágios em Portugal, frequentemente não remunerados e com grandes
exigências profissionais, são vistas pelos sociólogos como um modo moderno de escravatura.

Os estagiários mantém “a vida em suspenso”, diz Natália Alves, socióloga e professora auxiliar
na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa, entrevistada
pela Lusa.

Esta especialista dá o exemplo do curso de Direito, no qual, após cinco anos de estudo, os
licenciados têm “mais dois anos em que se trabalha a custo zero”, obrigando os jovens a
“protelarem os seus projectos de vida”.
Continuar a ler >

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 4/11


Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

http://jornal.publico.pt/

"Em postas finas? São 35 euros. Senha 63!"


Nove horas seguidas
Por Paulo Moura
Nos hipermercados, trabalha-se muitas horas seguidas. Chegou até a estar marcada uma greve
para hoje, que foi desconvocada. Mas quem são? Como é o seu dia-a-dia? Fomos falar com eles,
na véspera do Natal.

http://jn.sapo.pt/

Região Norte "ganhou" 22 mil precários num ano


Crise está a aumentar a precariedade: tanto a legal, assegura a CIP, quanto a ilegal, garante o
FERVE
2010-08-29, ALEXANDRA FIGUEIRA

No último ano, o Norte viu a precariedade no trabalho disparar, ao contrário do sucedido no resto
do país. Em 12 meses, na região, o número de pessoas a trabalhar contra recibo verde ou com
contrato a prazo disparou para 547 mil - mais 22 mil do que há um ano.

Havia no país inteiro menos pessoas nos quadros das empresas, muitos mais desempregados e
quase tantos precários, no segundo trimestre deste ano, comparando com a mesma altura do ano
passado, diz o Instituto Nacional de Estatística (INE).
Continuar a ler >
www.amlameiras.pt
Relações Laborais: Direitos e deveres para todos

No mundo das relações de trabalho ouve-se frequentemente expressões como: “eu sei os meus
direitos”, e quando se pergunta pela fonte, a resposta também não se faz esperar: “alguém me
disse; ouvi nas notícias; li no jornal...”, sem ter em conta o contexto em que se ouviu ou leu.
É muito raro, porém, ouvir “eu sei que tenho o dever de....”.
A relação de trabalho que se estabelece entre trabalhador e empregador, através de um contrato,
é de índole pessoal, baseada na confiança e na boa fé das partes. Numa primeira análise diz-se
que é uma relação sinalagmática, isto é, os dois lados têm direitos e obrigações. O principal
direito do trabalhador é que lhe seja paga a retribuição acordada e o principal direito do
empregador, é que o trabalhador preste de forma zelosa a função para a qual foi contratado.
Continuar a ler >

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 5/11


Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

http://www.cite.gov.pt/

Código do Trabalho

(Com a alteração introduzida pela Lei n.º 105/2009, 14 de Setembro)

A Lei n.º 105/2009, 14 de Setembro, revoga o artigo 166.º, os n. os 3 e 4 do artigo 167.º, os artigos
170.º, 259.º, 452.º a 464.º e 480.º, o n.º 3 do artigo 484.º e os artigos 490.º e 491.º, produzindo
efeitos no início do primeiro ano abrangido pelo regime da informação relativa à actividade
social da empresa a que se refere o artigo 32.º da referida lei
Nos termos do n.º 2 do artigo 35.º da Lei n.º 105/2009, 14 de Setembro, a alteração da alínea b)
do n.º 4 do artigo 538.º “produz efeitos a 17 de Fevereiro de 2009, sem prejuízo da validade dos
actos praticados ao abrigo das disposições agora revogadas”
Código do Trabalho >

NEGÓCIOS on line

O que muda no Código do trabalho, caso a caso


Raquel Martins, 06 Novembro 2008
1 - Despedir um trabalhador será mais fácil?
À partida, todo o processo de despedimento ficará mais simples, mas o impacto dessa
simplificação na facilidade de despedir dependerá do que a prática ditar. (…)
2 - Terei mais tempo para dar apoio à família?
Ao todo, os trabalhadores passam a ter direito a 60 dias de faltas justificadas por ano para darem
assistência à família, quando agora o limite é de 45 dias por ano. (...)
3 - A licença parental será alargada?
A nova lei incentiva a partilha da licença parental entre o pai e a mãe e alarga a sua duração até
um ano. (...)
4 - Posso ficar mais tempo à experiência?
Tudo dependerá da situação concreta. Um trabalhador não qualificado contratado para o quadro
de uma empresa tinha de cumprir três meses de período experimental e passará a ter de ficar seis.
Já os trabalhadores que passam ao quadro depois de vários contratos precários com a mesma
empresa poderão ver reduzido ou eliminado o período de experiência. (...)
5 - As empresas poderão alterar os horários?
Embora a duração máxima do tempo de trabalho não sofra qualquer alteração, as empresas
podem, dentro de determinados limites, alargar o período normal de trabalho e propor ao
funcionário que trabalhe apenas alguns dias por semana. (...)
6 - Haverá mais restrições aos contratos a prazo?
O cerco à contratação a termo e o combate aos falsos recibos verdes é das alterações mais
elogiadas do novo Código do Trabalho. (...)

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 6/11


Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

7 - As empresas podem mudar a função do trabalhador?


As empresas continuam a poder transferir o trabalhador de local de trabalho e de funções e
podem ainda chegar a acordar com o trabalhador as situações em que isso pode acontecer. (...)
8 - O poder dos sindicatos sai reforçado?
A nova lei abre várias frentes para que haja negociação entre patrões e sindicatos, principalmente
na definição dos horários de trabalho. (...)
Ler texto completo >

http://www.carloscanaes.pt/

Flexibilidade laboral no Novo Código de Trabalho


28 de Agosto de 2010 por Ana Alegria
Período Experimental
Durante o vínculo laboral, as questões relativas ao período experimental tendem a ser igualmente
uma preocupação legítima de qualquer indivíduo integrado no mercado de trabalho, o que pode
levantar algumas dúvidas ao revelar as tendências legislativas nesta matéria.
Dependendo do caso em apreço, temos um trabalhador não qualificado contratado para o quadro
de uma empresa por meio de contrato sem termo tinha de cumprir três meses de período
experimental, sendo que a partir de Janeiro de 2009, a lei passou a prever que o período
experimental pudesse passar a durar 6 meses. Já os trabalhadores que passam ao quadro depois
de vários contratos precários com a mesma empresa poderão ver reduzido ou eliminado o período
de experiência. (…)
Continuar a ler >

http://emprego.sapo.pt/
Revisão do Código de Processo do Trabalho
Direitos & Deveres
Principais Alterações Legislativas.
Ana Luísa Beirão e Inês Coelho Simões
Advogadas do Departamento de Direito do Trabalho
SRS Advogados
Após a entrada em vigor do novo Código do Trabalho, em Fevereiro de 2009, no dia 1 de Janeiro
de 2010 entrou em vigor o Decreto-Lei n.º 295/2009, o qual introduz significativas alterações ao
Código de Processo do Trabalho (“CPT”), principalmente no que concerne à tramitação do
processo de impugnação de despedimento individual.

Com efeito, uma das principais preocupações do legislador terá sido conferir aos trabalhadores a
garantia de maior celeridade no julgamento dos processos de impugnação de despedimento
individual, tendo inclusivamente sido estabelecido um mecanismo de responsabilização do Estado
pela delonga que este tipo de processos (nas comarcas de maior movimento) quase sempre
acarreta. Ler texto completo >

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 7/11


Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

Uría Menéndez
DIREITO LABORAL
Lei n.º 98/2009, de 4 de Setembro - Regime de reparação de acidentes de trabalho e doenças
profissionais
Lei n.º 101/2009, de 8 de Setembro - Regime jurídico do trabalho no domicílio
Lei n.º 102/2009, de 10 de Setembro - Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no
trabalho
Lei n.º 105/2009, de 14 de Setembro - Regulamenta e altera o Código do Trabalho, aprovado pela
Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, e procede à primeira alteração da Lei n.º 4/2008, de 7 de
Fevereiro
Lei n.º 107/2009, de 14 de Setembro - Regime processual aplicável às contra-ordenações laborais
e segurança social
Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro - O Novo Código dos Regimes Contributivos do Sistema
Previdencial de Segurança Social - entrada em vigor adiada para o dia 1 de Janeiro de 2011
Decreto-Lei n.º 259/2009, de 25 de Setembro - Regulamenta a arbitragem obrigatória, a
arbitragem necessária e a arbitragem sobre serviços mínimos durante a greve e os meios
necessários para os assegurar
Decreto-Lei n.º 295/2009, de 13 de Outubro - Alterações ao Código de Processo do Trabalho
Decreto-Lei n.º 324/2009, de 29 de Dezembro - Segurança Social – Protecção no desemprego
dos trabalhadores por conta de outrem
Portaria n.º 1460-C/2009, de 31 de Dezembro - Impugnação judicial do despedimento –
Formulário Ler texto completo >

http://www.portugal.gov.pt/

Constituição da República Portuguesa


(Sétima revisão constitucional - 2005)
(..)
Parte I - Direitos e deveres fundamentais

 Título I - Princípios gerais (artigos 12.º ao 23.º)


 Título II - Direitos, liberdades e garantias
 Capítulo I - Direitos, liberdades e garantias pessoais (artigos 24.º ao 47.º)
 Capítulo II - Direitos, liberdades e garantias de participação política (artigos 48.º ao 52.º)
 Capítulo III - Direitos, liberdades e garantias dos trabalhadores (artigos 53.º ao 57.º)
 Título III - Direitos e deveres económicos, sociais e culturais

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 8/11


Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

 Capítulo I - Direitos e deveres económicos (artigos 58.º ao 62.º)


 Capítulo II - Direitos e deveres sociais (artigos 63.º ao 72.º)
 Capítulo III - Direitos e deveres culturais (artigos 73.º ao 79.º)

Entidades reguladoras
MTSS
Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social
ACT
Autoridade para as Condições do Trabalho
Confederações sindicais
UGT
União Geral de Trabalhadores
CGTP
Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses
Confederações de empregadores
mais significativas:
CIP
Confederação da Indústria Portuguesa
CCP
Confederação do Comércio e Serviços de Portugal
CTP
Confederação do Turismo Português
Organizações internacionais do trabalho
OIT - Lisboa

As origens da OIT

Organização de carácter universal, a OIT tem as suas origens na matriz social da Europa e da
América do Norte do século XIX. Estas regiões assistiram ao nascimento da Revolução Industrial,
que gerou um extraordinário desenvolvimento económico, muitas vezes à custa de um sofrimento
humano intolerável e graves problemas sociais. A ideia de uma legislação internacional do
trabalho surgiu logo no início do século XIX em resposta às preocupações de ordem moral e
económica associadas ao custo humano da Revolução Industrial. Alguns industriais notáveis,
entre os quais Robert Owen e Daniel Le Grand, apoiaram a ideia de uma legislação progressista
no domínio social e laboral.
No final do século XIX, os sindicatos começaram a desempenhar um papel decisivo nos países
industrializados, reivindicando direitos democráticos e condições de vida dignas para os
trabalhadores.

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 9/11


Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

Argumentos humanitários, políticos e económicos a favor da definição de normas internacionais


do trabalho levaram à criação da OIT. Continuar a ler >

http://clix.expressoemprego.pt/

História do dia do trabalhador


No dia 1º de Maio de 1886, 500 mil trabalhadores saíram às ruas de Chicago, nos Estados
Unidos, em manifestação pacífica, exigindo a redução da jornada para oito horas de trabalho. A
polícia reprimiu a manifestação, dispersando a concentração, depois de ferir e matar dezenas de
operários.
Mas os trabalhadores não se deixaram abater, todos achavam que eram demais as horas diárias
de trabalho, por isso, no dia 5 de Maio de 1886, quatro dias depois da reivindicação de Chicago,
os operários voltaram às ruas e foram novamente reprimidos: 8 líderes presos, 4 trabalhadores
executados e 3 condenados a prisão perpétua.
Foi este o resultado desta segunda manifestação. A luta não parou e a solidariedade internacional
pressionou o governo americano a anular o falso julgamento e a elaborar novo júri, em 1888. Os
membros que constituíam o júri reconheceram a inocência dos trabalhadores, culparam o Estado
americano e ordenaram que soltassem os 3 presos.
Em 1889 o Congresso Operário Internacional, reunido em Paris, decretou o 1º de Maio, como o
Dia Internacional dos Trabalhadores, um dia de luto e de luta. E, em 1890, os trabalhadores
americanos conquistaram a jornada de trabalho de oito horas.
116 anos depois das grandiosas manifestações dos operários de Chicago pela luta das oito horas
de trabalho e da brutal repressão patronal e policial que se abateu sobre os manifestantes, o 1º de
Maio mantém todo o seu significado e actualidade.
Continuar a ler >
Nota final

Meditem atentamente sobre esta notícia,


alojada em: http://www.ionline.pt

Certificados do 12º ano vendidos na Internet por 400 euros


por Filipa Martins, Publicado em 19 de Agosto de 2010
O i tentou comprar um portefólio que dá acesso ao 12.º ano das Novas Oportunidades. Pediram-
nos 400 euros
A Agência Nacional de Qualificação (ANQ), entidade criada sob a tutela do Ministério da
Educação e do Ministério do Trabalho, detectou durante "um programa de visitas de
acompanhamento a Centros Novas Oportunidades", ao longo do ano de 2009, a existência de
candidatos certificados com trabalhos "retirados integralmente da internet, e com base nos quais

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 10/11


Cidadania e Profissionalidade Núcleo Gerador 1 Direitos e Deveres

é feita a validação e certificação de competências". Esta denúncia foi feita sob a forma de
"orientação e indicação técnica" enviada aos cerca de 450 Centros Novas Oportunidades e à qual
o i teve acesso. Em paralelo, foram ainda detectados dezenas de casos de formandos e ex-
formandos que colocaram os seus trabalhos à venda na internet. O Ministério Público está a
investigar.
Continuar a ler >

Conclusão
1. Não façam “Copy/Past”, utilizem o vosso próprio vocabulário, as “Novas
Oportunidades” não exigem que o vosso PRA seja uma “obra literária”...

2. Respeitem os direitos de autor, indicando no vosso PRA as fontes relativas a todas


as leituras que efectuaram.

3. Não partilhem nem coloquem à venda o vosso PRA.

Obrigada!

Maria Amorim,
Presente a Júri do Processo RVCC-NS em 11 de Março de 2008,
Cont@cto

Actualizado em 21-04-2011 « Não ao “Copy / Past”! » Página nº 11/11