You are on page 1of 20

Universidade nove de julho

Curso de Farmácia e Bioquímica

RELATÓRIO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO


D’MORI MANIPULAÇÕES LTDA

Estagiário: Silvia Alves dos Santos


Endereço: Rua tenente Otavio Gomes, 330 apto1019 – Aclimação – CEP: 01526-010 –
São Paulo/SP
Telefones: (11) 2638-3587, (11) 7558-0753
E-mail: Silvia.alves@gmail.com
Ano de ingresso: 2007 - Noturno
Curso: Farmácia-Bioquímica

Concedente: D’Mori Manipulações Ltda (Farmácia Alfa)


Endereço: Avenida Aclimação, 764 – Aclimação – CEP: 01531001 – São Paulo/SP
Supervisor: Fernanda Gobbo Chaves
Função do Supervisor: Farmacêutica Responsável
Formação do Supervisor: Farmácia

Área de atuação da Empresa: Manipulação Farmacêutica e Assistência e Atenção


Farmacêutica
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

Período do estágio: 01 de Agosto de 2009 a 30 de Dezembro de 2009


Carga horária do estágio: 600 horas

ÍNDICE
1.Introdução....................................................................................... 02
1.1. Estrutura da Farmácia Alfa...................................................... 02
2. Objetivos........................................................................................ 04
3. Metodologias................................................................................. 05
3.1. Recebimento de receitas......................................................... 05
3.2. Manipulação de formulações................................................... 06
3.2.1. Manipulação de líquidos e semi-sólidos............................ 07
3.2.2. Diluição de matérias-primas............................................... 08
3.2.3. Técnicas de manipulação.................................................. 08
3.2.3.1. Formas sólidas.......................................................... 08
3.2.3.2. Formas semi-sólidas.................................................. 09
3.2.3.3. Formas líquidas......................................................... 10
3.2.3.4. Exemplos de formulações......................................... 11
3.3. Rotulagem das fórmulas manipuladas.................................... 13
3.4. Dispensação das formulações................................................. 14
3.5. Registros da Farmácia............................................................. 15
3.6. Certificação ISO 9001:2000..................................................... 16
4. Conclusões.................................................................................... 17
5. Referências Bibliográficas............................................................. 17
6. Análise crítica da estagiária sobre o estágio e seu desempenho. 18
7.Ficha de avaliação 19

2
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

1. Introdução
O Estágio em Farmácia de Manipulação abrangerá os conhecimentos de legislação e
administração em farmácia magistral, relações sociais, controle de substâncias
psicotrópicas e outras sujeitas a controle especial, controle de qualidade e Atenção
Farmacêutica, preparo de suspensões, cremes, pomadas, géis, soluções, xaropes,
supositórios, pastilhas, cápsulas, homeopatias, entre outras;
O que comumente denominamos por FÓRMULA MAGISTRAL, é o medicamento, o
qual é prescrito pelo médico, especificando todos os seus componentes pelo nome
químico, delimitando a sua concentração estabelecendo qual o veículo apropriado e a
quantidade necessária para o tratamento completo.
A idéia de manipulação vem de séculos, assim como suas técnicas básicas, porém,
hoje o que ocorre, é uma aliança entre o conhecimento básico acumulado através dos
tempos e os modernos aparelhos de aferição, bem como os princípios medicamentosos
e veículos aperfeiçoados pela indústria química.
Como resultado, é possível atingir-se um medicamento de excelente qualidade, e com
precisão em sua dosagem.
O farmacêutico é o profissional apto para exercer a responsabilidade técnica sobre a
produção, conservação, distribuição e comercialização dos medicamentos de uma
forma geral, visto que os medicamentos não podem, de forma alguma, serem
considerados como qualquer outra mercadoria à disposição no comércio, uma vez que
atuam diretamente no processo de saúde/doença dos usuários. Além disso, o
farmacêutico presta assistência aos usuários, no que tange às informações sobre
medicamentos, suas formas farmacêuticas, vias de administração e posologia, além
daquelas relacionadas às próprias enfermidades.

1.1. Estrutura da Farmácia Alfa


A Farmácia Alfa tem sua estrutura organizada da seguinte forma:
No total, o quadro de funcionários é composto por 07 colaboradores: 01 farmacêutico,
01 atendente, 02 auxiliares de laboratório, 01 motorista, 01 office boy e 01 faxineira.
O horário de funcionamento é das 09:00 às 18:00 horas de segunda a sexta.
A área física da farmácia está dividida em: área de atendimento a clientes, área de
dispensação, setor administrativo, área de rotulagem, laboratório de manipulação de
semi-sólidos e líquidos, laboratório de manipulação de sólidos, área de lavagem,
estoque de matérias-primas e vestiário.

3
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

 Setor administrativo: O responsável pela administração da farmácia possui livros


de registro com as datas dos pagamentos a serem efetuados: a contabilidade é
realizada através de um livro de registros de vendas da farmácia. O balanço é feito
diariamente, através dos produtos que foram baixados pelo computador. O setor
administrativo fica localizado em uma área separada do restante da farmácia de
manipulação.
 Área de dispensação: Os medicamentos são dispensados no andar térreo da
farmácia, onde há um balcão destinado a esse fim. Esta área contém:
a) balcão com computador para atendimento (orçamentos e captação de receitas) e
dispensação de fórmulas manipuladas;
b) balcão de atendimento (para orçamentos e captação de receitas) com
computador;
c) armário com chave para armazenamento de medicamentos controlados.
 Área de rotulagem – esta área está localizada entre as áreas de
manipulação e de dispensação. Quando a manipulação é finalizada, o produto
farmacêutico já acondicionado é encaminhado a esta área, onde é devidamente
rotulado. Após ser rotulado, é entregue para a Área de Dispensação (através de
uma janela de comunicação), onde fica armazenado em armários.
 Área de manipulação - dividida em: área para manipulação de sólidos,
área para manipulação de produtos semi-sólidos e líquidos, área para pesagem de
pós, e área para conferência final do produto acabado. Os móveis, bancadas e
armários para estocagem, manipulação e/ ou manuseio dos produtos são dotados
de superfícies lisas e laváveis. Os pisos e paredes também são lisos e laváveis. Os
laboratórios e áreas de pesagem contêm: balanças eletrônicas calibradas,
destilador, encapsuladores manuais, máquina encapsuladora semi-automática,
agitador mecânico, pHmetro, seladora a quente, vidrarias, geladeiras, estufas,
viscosímetro, aparelho para determinação de ponto de fusão, entre outros. A
temperatura da área de manipulação é mantida pelo sistema de ar condicionado.
 Área de lavagem – destinada para a lavagem de vidrarias e outros
equipamentos utilizados durante a manipulação dos produtos. Após a lavagem,
deve-se passar água destilada nas vidrarias.
 Estoque de matérias-primas – depois de recebidas e conferidas, as
matérias-primas ficam armazenadas em locais específicos para quarentena. Depois
deste período, são colocadas em armários (ou na geladeira, a 2º - 8ºC). As
matérias-primas não são organizadas por ordem alfabética: as matérias-primas mais

4
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

utilizadas ficam armazenadas em locais mais próximos do manipulador, o que


facilita a localização das mesmas. Há uma lista que relaciona o nome da substância
e a localização da matéria-prima (através de um número). Esta lista, em ordem
alfabética de matérias-primas, também contém a data de validade de cada
substância.
O estoque de matérias-primas é controlado em sistema computacional: assim que
recebida, cada matéria-prima é registrada neste sistema (são registrados: nome da
matéria-prima, nome do fornecedor, quantidade da mesma e data de recebimento).
Conforme a matéria-prima é utilizada, a quantidade utilizada na formulação (e data
em que foi utilizada) é descontada deste registro. Quando o estoque está perto do
mínimo, o sistema manda uma mensagem para reposição, pois o estoque nunca
pode zerar completamente.
 Vestiário – está localizado fora da área de manipulação. Nele, cada
funcionário possui um armário com chave, onde pode guardar seus pertences. O
vestiário possui uma área de paramentação, que fica em contato com a área de
manipulação, onde ficam guardados os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).
Todas as vezes que um funcionário entra na área de manipulação, deve vestir os
EPIs (luvas, máscara, propé, avental, touca, óculos e protetor auricular), que são
disponibilizados pela Farmácia Alfa.

2. Objetivos
O principal objetivo do estágio na Farmácia-Alfa foi aprender as funções que o
farmacêutico pode desempenhar na Farmácia de Manipulação, considerando as três
principais áreas em que ele deve estar presente: administração da farmácia,
manipulação de formulações e dispensação de medicamentos.
O estágio proporcionou a vivência das rotinas desenvolvidas no ambiente da farmácia
de manipulação, buscando a aplicação prática no que for de competência à:
- Legislação no âmbito farmacêutico – Código de ética farmacêutica; Código de defesa
do consumidor - Lei 8.078 –11/09/90; Lei 5.991-17/12/73; Portaria n°344 –12/05/98;
RDC nº 27 -27/03/07 RDC n° 306 –07/12/04 (Resíduos de serviço da saúde), RDC n°
214 e suas atualizações.
Além disso, houve a realização de atividades no setor de estoque e recepção de
matéria – prima, no setor de higienização da farmácia: laboratórios, bancadas,
embalagens e materiais (vidrarias, espátulas, entre outros) conforme Manual de Boas

5
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

Práticas de Manipulação, no setor de preparações de cápsulas, no setor de


preparações cosméticas, conforme a prescrição magistral, no setor de preparações
homeopáticas, conforme a prescrição magistral e no setor de controle de qualidade.

3. Metodologias

3.1. Recebimento de receitas


A Farmácia Alfa possui um sistema computadorizado de controle de receitas recebidas,
e também de controle do estoque de matérias-primas. Sendo assim, sempre que o
Atendimento recebe uma nova receita médica, registra no sistema os componentes da
formulação (princípios ativos e excipientes). O sistema informa se há no estoque as
matérias-primas necessárias (e quantidade suficiente destas matérias-primas), e qual é
o orçamento da receita.
Se o cliente concorda em fazer a manipulação na Farmácia Alfa, o atendimento indica
no sistema que a formulação será manipulada, o que leva à geração de um número de
controle para aquela formulação (Número de Requisição). Cada formulação recebida na
Farmácia Alfa é identificada pelo Número de Requisição, o que permite seu devido
rastreamento.
Assim que a formulação é encaminhada para a área de manipulação, a mesma pode
ser impressa pelo farmacêutico. Cada formulação é impressa em uma ficha, a qual
contém a quantidade de cada excipiente a ser utilizada na formulação, e também o lote
do excipiente que será utilizado.
A formulação é, então, analisada pelo farmacêutico (que pode consultar a literatura
durante a análise, como, por exemplo, DEF, PR Vade-mécum, Guia de Sinônimos, Guia
de Produtos com Dosagens). Em caso de dúvidas ou alterações, o farmacêutico deve
entrar em contato com o médico. O sistema de recebimento e análise das receitas pode
ser esquematizado de acordo com o fluxograma da página seguinte.
Além de permitir a impressão da ficha da formulação, o sistema computadorizado
também permite a impressão do rótulo a ser utilizado na embalagem do produto final (o
qual é impresso em impressora específica).
Assim que o farmacêutico verifica a formulação, rubrica a ficha, indicando que foi o
responsável pela análise da formulação.

6
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

Atendimento recebe a receita

O sistema gera um número para a


receita (Número de Requisição)

Uma ficha (com a receita) é impressa


para a área de manipulação.

O farmacêutico analisa a receita recebida

Farmacêutico faz a correção na


A receita NÃO
está OK?
receita (após discutir com o
médico)

SIM Farmacêutico encaminha a


receita corrigida para o
Atendimento
A formulação é encaminhada para a
área de manipulação
Atendimento faz novo
orçamento

Cliente Atendimento entra


NÃO em contato com o SIM Orçamento
aceita? alterado?
cliente

SIM NÃO

Ficha (formulação) é re- Farmacêutico encaminha a


encaminhada ao farmacêutico receita para a área de
manipulação

Depois de manipuladas, as formulações já prontas são encaminhadas para a mesa de


conferência, onde serão conferidas, rotuladas e embaladas.

3.2. Manipulação de Formulações

Como a Farmácia-Alfa possui Procedimentos Operacionais Padrão para todas as


atividades desenvolvidas na Farmácia, inclusive para a manipulação das formulações.

7
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

Sendo assim, durante a manipulação das formulações, o farmacêutico, estagiários e


auxiliares de laboratório devem seguir os procedimentos descritos nos respectivos
POPs. Há POPs específicos para a área de manipulação de semi-sólidos e líquidos, e
POPs para a área de manipulação de sólidos. Exemplos destes Procedimentos
Operacionais Padrão são listados a seguir:

- POPs para a área de manipulação de semi-sólidos e líquidos:

- Preparação e Armazenamento de Bases Galênicas


- Manipulação de Líquidos e Semi-sólidos
- POP de conferência de produtos semi-sólidos e líquidos
- POPs para a área de manipulação de sólidos:
- POP Diluição Geométrica
- POP Manipulação de Sólidos
- POP Manipulação de Substâncias Altamente Sensibilizantes
- POP Manipulação de Fármacos sobre Controle Especial
- POP Prazo de Validade de Preparações Magistrais
- POP Conferência Final Encapsulação

- POP Conferência Final de Formulações

- POP Rotulagem

- POP Procedimentos de Dispensação e Registro

- POP - Controle de Qualidade do Produto Acabado

- POP Procedimento para Cálculo de Peso Médio e Desvio Padrão de


Formulações

Estes procedimentos estão disponíveis para os responsáveis pela pesagem e para os


manipuladores, e são de fácil acesso para os mesmos.
As fichas impressas pelo Farmacêutico contêm, além das quantidades de cada
substância a ser utilizada, os lotes e validade do(s) princípio(s) ativo(s) e excipientes a
serem utilizados na manipulação. Sendo assim, é possível rastrear quais componentes
foram utilizados para a manipulação de todas as formulações da farmácia.

3.2.1. Manipulação de líquidos e semi-sólidos


As principais bases dermatológicas (nas quais podem ser incorporados os princípios
ativos) são preparadas na própria farmácia, já que as bases dermatológicas disponíveis

8
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

comercialmente têm preços bastante elevados. Exemplos de bases dermatológicas que


são preparadas na Farmácia Alfa: creme lanette, creme oil-free, creme não-iônico,
creme cold cream, gel de Natrosol, gel Carbopol 940, loção não-iônica, loção oil-free,
loção lanette, sabonete líquido, xampu base e xarope simples.
A preparação destas bases também segue os POPs para a área de manipulação de
semi-sólidos e líquidos. Estas bases são devidamente embaladas, e seus rótulos
devem conter: lote e data de validade.

3.2.2. Diluição de matérias-primas


Algumas matérias-primas não são armazenadas em suas embalagens originais. Para
facilitar a pesagem de matérias-primas que são normalmente utilizadas em baixas
quantidades, e evitar erros de pesagem, as mesmas são diluídas para serem
armazenadas. A diluição é realizada, por exemplo, para as substâncias listadas a
seguir:
- Semi-sólidos e líquidos: ácido retinóico, desonida, hialuronidase, solução álcool
70%, acetato de dexametasona, clobetasol, betametasona, ácido cítrico;
- Sólidos: tiomucase (1:100), T4 (1:100), etinilestradiol (1:100), T3 (0,1:100), biotina
(1:100), vitamina D2. Para a diluição de sólidos, utiliza-se a técnica de diluição
geométrica, e o amido é utilizado como diluente.
Para as matérias-primas diluídas, a seguinte documentação deve ser arquivada:
- Certificados de Análise de cada matéria-prima utilizada na diluição: CoAs emitidos
pelos fornecedores e CoAs emitidos pela Farmácia Alfa (para cada matéria-prima);
- Certificado de Análise da matéria-prima diluída (emitido pela Farmácia Alfa).
Atenção deve ser dada às validades de cada matéria-prima utilizada na diluição (o que
é checado nos Certificados de Análise): se o prazo de validade de uma matéria-prima
expirou, considera-se que a diluição não é válida.

3.2.3. Técnicas de manipulação


Durante a manipulação das formulações, foram seguidos os Procedimentos
Operacionais Padrão para cada tipo de manipulação (POP de preparo de produtos
líquidos, POP de preparo de produtos semi-sólidos e POP de preparo de produtos
sólidos). De forma resumida, a manipulação das seguintes formas farmacêuticas foi
realizada da seguinte maneira:

3.2.3.1. Formas sólidas

9
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

Pós
a) separar todos os componentes pertencentes à formulação;
b) pesar cada um deles;
c) triturá-los em gral;
d) passar os pós em tamis;
e) homogeneizar os pós;
f) acondicionar e rotular.

Supositórios e óvulos
a) pesar todos os componentes da fórmula;
b) fundir;
c) untar a fôrma com vaselina líquida;
d) preencher a fôrma com a mistura dos componentes ainda quentes;
e) levar ao congelador;
f) retirar os supositórios/ óvulos da fôrma e embalar cada um com papel alumínio;
g) acondicionar e rotular.

Cápsulas
a) separar os componentes pertencentes à formulação;
b) pesar os componentes em balança de precisão;
c) tamisá-los adequadamente;
f) homogeneizar os componentes com o auxílio de um saco plástico;
g) colocar as bases das cápsulas a serem utilizadas no encapsulador (previamente
limpo com álcool);
h) preencher todas as cápsulas de maneira uniforme;
i) fechar as cápsulas cuidadosamente para evitar a perda dos princípios ativos;
j) acondicionar e rotular.

3.2.3.2. Formas semi-sólidas


Emulsões
a) separar os componentes da fase aquosa e oleosa;
b) pesar em separado cada uma das fases;
c) juntar os componentes hidrossolúveis;
d) juntar os componentes lipossolúveis;
e) aquecê-los separadamente até 70OC;

10
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

f) adicionar uma fase a outra agitando constantemente;


g) esfriar sob agitação até completa solubilização;
h) acondicionar e rotular.

Pomadas
a) separar todos os componentes da formulação;
b) pesá-los de maneira adequada;
c) triturar os pós;
d) preparar uma pasta dos pós com uma pequena quantidade do próprio veículo da
formulação ou coadjuvante adequado;
e) espatular estes componentes com a pomada base até completa
homogeneização;
f) acondicionar e rotular.

Pastas
a) pesar as substâncias de natureza sólida e líquida;
b) triturar os pós;
c) incorporar uma a outra;
d) agitar até homogeneizar;
e) acondicionar e rotular.

3.2.3.3. Formas líquidas


Soluções
a) pesar as substâncias sólidas e líquidas;
b) triturar os pós;
c) incorporar os componentes;
d) agitar até solubilização total;
e) filtrar, acondicionar e rotular.

Suspensões
a) pesar os pós;
b) triturar no almofariz;
c) tamisar;
d) misturar no líquido;
e) agitar;

11
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

f) acondicionar e rotular com a informação: “Agite antes de usar”.

3.2.3.4. Exemplos de formulações


Alguns exemplos de formulações preparadas durante o período do estágio são
demonstrados a seguir:

 Cold cream: emulsão água/ óleo que apresenta propriedades hidratante,


lubrificante e refrescante. Tem ação intradérmica e é indicado para a pele seca. É
uma das bases preparadas pela Farmácia Alfa para posterior incorporação de
princípios ativos.
Componentes Quantidade
Fase oleosa Vaselina Líquida 50,0%
Cera de abelha 16,0%
Bórax 0,8%
Fase aquosa Uniphen® 1,0%
Água destilada q.s.p. 100,0 mL

Estudo Crítico:
Vaselina Líquida (óleo mineral): constitui basicamente a fase oleosa de diversas
emulsões. É uma mistura de hidrocarbonetos líquidos obtidos do petróleo, oleosa,
incolor e transparente.
Cera de abelhas: é obtida de favos das colméias e contém cerca de 72% de ésteres,
13,5% de ácidos graxos livres e 12,5% de hidrocarbonetos. Torna-se emulsificante
quando é adicionada a uma substância alcalina como o hidróxido de sódio ou borato de
sódio. Tem ação emoliente.
Bórax (borato de sódio): tem ação anti-séptica suave, similar à do ácido bórico, e
levemente adstringente. Em produtos cosméticos é utilizado como agente emulsificante
para ceras.
Uniphen®: é uma mistura de agentes conservantes: fenoxietano, metilparabeno,
etilparabeno, propilparabeno e butilparabeno. Tem ação proteolítica contra
microorganismos.

 Gel para remoção de acnes:


Componentes Quantidade
Peróxido de benzoíla 2,5%
Eritromicina 2%
Gel de natrosol q.s.p. 60 g

12
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

Estudo Crítico:
Peróxido de benzoíla: queratolítico e antibacteriano.
Eritromicina: Tem ação bactericida ou bacteriostática, dependendo da concentração e
do tipo de microorganismo. É um anti-bacteriano que age através da inibição da síntese
proteica bacteriana.
Gel de natrosol: Base do produto.

 Cápsulas de cloridrato de anfepramona (90 cápsulas):


Componentes Quantidade Total a ser utilizado
Cloridrato de anfepramona 75 mg/ cápsula 6,75 g
Amido q.s.p. 90 cápsulas 50,625 g

Estudo Crítico:
Cloridrato de anfepramona: age como neurotransmissor da noradrenalina, sendo o mais
potente anoréxico. Seu local de ação predominante é nos núcleos hipotalâmicos
laterais, inibindo a fome. Porém, a anfepramona tem um importante potencial de
dependência, quando usado inadvertidamente e em doses altas.
Amido: veículo da formulação.

 Cápsulas de cloridrato de sibutramina (75 cápsulas):


Componentes Quantidade Total a ser utilizado
Cloridrato de sibutramina 8 mg/ cápsula 0,36 g
Amido q.s.p. 45 cápsulas 28,026 g

Estudo Crítico:
Cloridrato de sibutramina: agente antiobesidade que exerce primariamente suas ações
terapêuticas através de seus metabólitos ativos, mono-desmetil M(1) e di-desmetil M(2),
por bloquear de maneira efetiva a recaptação da serotonina (5-hidroxitriptamina, 5-HT),
norepinefrina, e dopamina. Não possui qualquer atividade anticolinérgica ou
antiistaminérgica e não estimula a liberação de serotonina, norepinefrina ou dopamina.
Amido: veículo da formulação.

3.3. Rotulagem das fórmulas manipuladas


Depois que a manipulação é finalizada e a formulação é acondicionada na embalagem
primária, a mesma é encaminhada para a mesa de conferência, onde será conferida,
rotulada e embalada.

13
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

O responsável pela manipulação deve encaminhar para a mesa de conferência: a


embalagem contendo a fórmula manipulada, a ficha da formulação e o rótulo (impresso
juntamente com a ficha, no início do processo). O manipulador deve rubricar a ficha,
indicando que foi o responsável pela manipulação da fórmula.
O responsável pela conferência deve checar: se a quantidade de cápsulas manipuladas
está de acordo com a ficha, se o peso/ volume da formulação está de acordo com o
descrito na ficha (em caso de cremes, loções e soluções, por exemplo) e se o rótulo
contém as informações equivalentes às da ficha.
Após a conferência, o rótulo é colado na embalagem. O rótulo contém:
- nome do paciente;
- fórmula manipulada (componentes e quantidade dos mesmos);
- posologia (de acordo com a receita médica);
- data de manipulação e data de validade;
- conteúdo: número de cápsulas, volume da solução/ loção/ suspensão ou peso total
do creme.
- nome do médico que prescreveu a formulação;
- informações da Farmacêutica Responsável: nome e número do CRF;
- informações da Farmácia Alfa: endereço, telefone, CNPJ;
- número da Ordem de Serviço que corresponde à receita;
- a frase “Mantenha fora do alcance de crianças”.
- Etiquetas de meia dose, tarja vermelha, tarja preta, mantenha em geladeira, agite
antes de usar, conforme cada caso específico.
Além do rótulo impresso pelo sistema computadorizado, há outros adesivos que devem
ser colados na embalagem, dependendo da composição da fórmula manipulada. Estes
adesivos contêm informações adicionais aos pacientes, e os auxiliam no uso correto do
produto manipulado. O procedimento de rotulagem deve ser realizado de acordo com o
POP de rotulagem.
Exemplos de adesivos que devem ser adicionados à embalagem são listados a seguir:
- para todas as formulações: deve ser colado o adesivo “ISO 9001:2000 – Unidade
Certificada”.
- para as formulações de cápsulas que contêm princípios ativos que são, de acordo
com a Portaria nº 344 de 1998, considerados substâncias psicotrópicas (receita azul):
devem ser colados os adesivos “USO INTERNO”, “PROTEGER DO CALOR E DO
SOL”, “Venda sob prescrição médica. Atenção: pode causar dependência física ou
psíquica” (adesivo preto).

14
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

- para as formulações de cápsulas que contêm princípios ativos que, de acordo com a
Portaria nº 344, de 1998, são considerados “outras substâncias sujeitas a controle
especial” (receita branca): devem ser colados os adesivos “USO INTERNO”,
“PROTEGER DO CALOR E DO SOL”, “Venda sob prescrição médica. Só pode ser
vendido com retenção da receita” (adesivo vermelho).
- para as formulações contendo anfepramona: de acordo com o estabelecido pela
Portaria nº 344/1998 (já que a anfepramona faz parte da lista B2), devem ser colados
os adesivos “USO INTERNO”, “Venda sob prescrição médica. Atenção: pode causar
dependência física ou psíquica” (adesivo preto), “PROTEGER DO CALOR E DO SOL”,
“Atenção: Este Medicamento pode causar HIPERTENSÃO PULMONAR” (adesivo
amarelo).
- para as formulações dermatológicas (que não contenham princípios ativos que exijam
adesivos específicos, de acordo com a Portaria nº 344 de 1998): “USO EXTERNO”,
“PROTEGER DO CALOR E DO SOL”.
O responsável pela rotulagem e conferência da formulação também deve rubricar a
ficha, indicando que foi o responsável por estas atividades.
Todas as fichas correspondentes a cada receita manipulada devem ser arquivadas.
Cada ficha deve conter: a data em que a receita foi recebida, nome do paciente, nome e
CRM do médico que prescreveu a formulação, componentes da formulação, quantidade
de cada componente (princípios ativos e excipientes), lote de cada matéria-prima que
foi utilizado e rubrica dos responsáveis pelas seguintes etapas da manipulação:
conferência da fórmula, pesagem dos componentes, manipulação e pela conferência
final e rotulagem da formulação.
Depois que a rotulagem é finalizada, os produtos já estão prontos para serem
dispensados. São então entregues ao Atendimento, que os armazena em armário
apropriado. Em caso de produtos controlados, o armazenamento é feito em armário
com chave.

3.4. Dispensação das formulações


A dispensação de medicamentos está diretamente associada à Assistência
Farmacêutica. A assistência farmacêutica consiste na orientação e no esclarecimento
sobre o medicamento ao paciente. As dúvidas referentes à administração, posologia,
interações medicamentosas ou efeitos colaterais são esclarecidas com o auxílio de
bibliografias presentes na farmácia, e também através da consulta ao farmacêutico
responsável.

15
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

Durante a dispensação do medicamento são observadas algumas ações como: conferir


o medicamento prescrito, orientar o paciente quanto à posologia determinada pelo
médico, esclarecer eventuais dúvidas técnicas, entrar em contato com o médico em
caso de dúvida quanto à coerência da prescrição para um determinado tipo de paciente
ou no caso de problemas relativos à legibilidade da receita médica.

A dispensação estimula a prática da Assistência Farmacêutica e, principalmente, o


desenvolvimento de habilidades farmacêuticas para se relacionar com os clientes.

3.5. Registros da Farmácia


De acordo com o estabelecido na RDC nº 214, de 12 de dezembro de 2006, a farmácia
de manipulação deve ser responsável por manter registros de limpeza, de temperatura
e de calibração dos equipamentos. Veja a seguir alguns exemplos de registros
realizados pela Farmácia Alfa, a fim de assegurar a qualidade dos produtos
manipulados, bem como a freqüência com que os registros são realizados:
Registro Freqüência
Registro de limpeza interna da estufa quinzenal
Registro de limpeza de pisos, paredes, forros e
quinzenal
ar ambiente
Registro de limpeza do condicionador de ar quinzenal
Registro de limpeza do destilador de água e
semanal
reservatório
Registro de limpeza do exaustor quinzenal
04 vezes ao dia – matutino
Registro de limpeza do refrigerador (sala de inicial, matutino final,
semi-sólidos) vespertino inicial e vespertino
final
Registro de limpeza do refrigerador quinzenal
Registro de limpeza do equipamento de ponto de
semanal
fusão
Registro de calibração do pH neutro diário
Registro de temperatura da estufa diário
Registro de temperatura ambiente e umidade
02 vezes por dia (matutino e
relativa do ar (almoxarifado de embalagens: 40 –
vespertino)
70% e 15º a 30ºC)
Registro de limpeza das balanças diário

Além disso, conforme exige a RDC nº 214, de 12 de dezembro de 2006, uma empresa
terceirizada foi contratada para realizar o controle de qualidade da água destilada e da
água potável. Este laboratório terceirizado também é responsável pela realização do
controle de qualidade de alguns produtos acabados, e de produtos que apresentam
algum tipo de problema ou reclamação.

16
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

De acordo com o que a Portaria nº 344, de 12 de maio de 1998 exige, o uso de


princípios ativos de uso controlado é registrado em livros de receituário azul (no caso de
substâncias psicotrópicas) ou branco (no caso de “outras substâncias sujeitas a
controle especial”). Nestes livros, cada página corresponde a uma substância. A cada
formulação em que é utilizada uma destas substâncias, deve ser anotada a massa total
de substância que foi utilizada (juntamente com o número da Ordem de Serviço
correspondente à formulação), e subtrair esta massa do total existente na farmácia.
Deste modo, é possível controlar a quantidade de substâncias sujeitas a controle
especial que está armazenada na farmácia. Tanto as matérias-primas quanto os
produtos acabados que contenham estas substâncias devem ser armazenados em
armários com chave.

3.6. Certificação ISO 9001:2000 e cumprimento da RDC nº 214/ 2006


Conforme já citado anteriormente, a Farmácia Alfa é certificada pelo Sistema de
Qualidade ISO 9001:2000. Por este motivo, possui vários índices e controles
relacionados à qualidade do produto manipulado.
Um destes controles é a lista mestra de fornecedores, documento que faz parte da
documentação relacionada à Norma ISO 9001:2000, e que também leva ao
cumprimento da RDC nº 214, de 12 de dezembro de 2006. De acordo com a referida
Resolução, “As matérias-primas devem ser adquiridas de fabricantes/ fornecedores
qualificados quanto aos critérios de qualidade”.
De acordo com o estabelecido na RDC nº 214/ 2006, todas as matérias-primas
recebidas na farmácia devem vir acompanhadas do Certificado de Análise emitido pelo
fornecedor. Além disso, estas matérias-primas permanecem em quarentena até que o
Controle de Qualidade interno da mesma seja finalizado, e a matéria-prima seja
liberada. A maioria dos testes são terceirizados.
O Certificado de Análise emitido pelo fornecedor e o CoA gerado pela Farmácia Alfa ou
terceiros são arquivados juntos.
Além disso, tanto a norma ISO 9001:2000 quanto a RDC nº 214/ 2006 estabelecem a
necessidade de treinamento e capacitação dos funcionários da farmácia. A Farmácia
Alfa realiza treinamentos internos, conforme a necessidade.

4. Conclusões

17
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

Através do estágio realizado na farmácia de manipulação, é possível notar a


complexidade envolvida no funcionamento de um estabelecimento deste tipo. Os
responsáveis pela farmácia de manipulação sempre devem estar atentos às normas e
legislações que regulamentam o funcionamento de Farmácias de Manipulação. As
constantes atualizações das Regulamentações brasileiras levam a um aprimoramento
cada vez maior das Farmácias de Manipulação. Na época em que o estágio foi
realizado, a RDC nº 214 (de 12 de dezembro de 2006) havia sido publicada há pouco
tempo. Alguns itens já estavam sendo cumpridos pela Farmácia Alfa (devido à
Certificação ISO 9001:2000), mas outros pontos tiveram que ser alterados ou
aprimorados na estrutura farmácia.
É possível perceber também a importância do farmacêutico, que é responsável pela
análise de todas as formulações que chegam para serem manipuladas, e também por
orientar os pacientes em caso de dúvidas. A cada dia, aprende-se muito sobre os
mecanismos de ação dos diferentes fármacos, e também sobre novas formulações,
algo que não ocorre em todas as áreas de atuação do farmacêutico, e que não seria
possível apenas em sala de aula.

5. Referências Bibliográficas

1. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA). Disponível em:


www.anvisa.gov.br. Acesso em: 01/09/2007.
2. ANSEL, H. C.; POPOVICH N. G.; ALLEN JR, L.V. Formas Farmacêuticas &
Sistemas de Liberação de Fármacos. 6ª ed. São Paulo: Editora Premier, 2000. 568p.
3. DEF 2003/04: Dicionário de Especialidades Farmacêuticas. 32.ed. Rio de Janeiro:
Publicações Científicas, 2003.
4. PRISTA, L. N.; ALVES, A. C.; MORGADO, R. M. Tecnologia Farmacêutica. Vol. I, II
e III. 4. ed. São Paulo: Editora Caloustre Gulbekian, 1995. p.597-1585.

18
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

6. Análise crítica da estagiária sobre o estágio e seu desempenho

O estágio na Farmácia de Manipulação foi muito importante e interessante por


proporcionar na prática uma experiência que demonstra a importância do profissional
farmacêutico como agente ativo e construtivo na área da saúde pública. Durante o
estágio, foi possível aplicar conceitos teóricos abordados em diferentes disciplinas do
curso de Farmácia-Bioquímica, como Deontologia, Farmacotécnica e Farmacologia.
Também foi possível notar a importância destas disciplinas.
Com o auxílio da Farmacêutica Responsável, fiz a análise de algumas receitas
recebidas, o que foi suficiente para sentir a responsabilidade que este profissional tem
perante a sociedade. Além disso, a dispensação dos produtos manipulados estimulou a
busca por informações em fontes bibliográficas, o que me permitiu esclarecer da melhor
forma aos pacientes quanto às informações de seus medicamentos, como posologia,
modo de usar, reações adversas, precauções e interações medicamentosas.
Durante a manipulação das formulações, pude praticar técnicas de manipulação
aprendidas durante as aulas, bem como conhecer as formulações mais procuradas,
aprendendo não só como manipulá-las corretamente, mas também pude compreender
a finalidade de cada componente da formulação. Além disso, pude observar que vários
medicamentos de uso controlado estão sendo prescritos com uma freqüência que eu
considero preocupante. A farmácia tem todo o controle necessário sobre as substâncias
de uso controlado, mas estas são freqüentemente prescritas pelos médicos,
principalmente as substâncias que auxiliam no emagrecimento.
Quando participei da rotulagem das formulações, aprendi muito sobre a Legislação de
produtos controlados, e quais informações deveriam constar em cada embalagem.
Também aprendi muito sobre a parte administrativa de uma farmácia de manipulação,
como a seleção de fornecedores, os arquivos de documentos, os registros de produtos
controlados, os Procedimentos Operacionais Padrão descritos para cada atividade, a
documentação necessária para o funcionamento da farmácia, entre outras atividades.
Considero que o período de estágio na farmácia de manipulação foi extremamente rico
e de grande aprendizado.

19
Relatório de Estágio – Farmácia-Alfa

FICHA DE AVALIAÇÃO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO
FICHA DE AVALIAÇÃO DO ALUNO (ESTAGIÁRIO)

ALUNO: Silvia Alves dos Santos


INSTITUIÇÃO FORNECEDORA DO ESTÁGIO: D`Mori Manipulações ltda.
QUANTIDADE DE HORAS CUMPRIDAS: 600 horas

AVALIAÇÃO DA EMPRESA CEDENTE DO ESTÁGIO

Nota (valores compreendidos entre zero a três):_________________________

_______________________________________________
Dra.Fernanda Gobbo Chaves_Farmacêutica responsável

AVALIAÇÃO DO PROFESSOR SUPERVISOR DE ESTÁGIO:

Nota (valores compreendidos entre zero a sete):_________________________

_________________________________________________________
Nome e assinatura do professor supervisor do estágio

20