You are on page 1of 10

FICHA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

DOCENTE DOS 1º, 2º E 3º CICLOS E DO ENSINO SECUNDÁRIO


AUTO-AVALIAÇÃO

1 – Como avalia o cumprimento do serviço lectivo e dos seus objectivos


individuais estabelecidos neste âmbito?
No início do ano lectivo, a nível da componente lectiva foram-me
atribuídas X turmas, num total de X alunos. A nível da componente não
lectiva/horas supervenientes, foram-me atribuídas X horas na
Biblioteca/Ludoteca/Apoio Pedagógico Acrescido/Desporto Escolar/...
Fui assíduo/a, tendo cumprido integralmente o serviço que me foi
distribuído.

2 – Como avalia o seu trabalho no âmbito da preparação e organização das actividades


lectivas? Identifique sumariamente os recursos e instrumentos utilizados e os
respectivos objectivos.
Preparei e organizei as actividades lectivas, elaborando as planificações,
quer com o meu grupo disciplinar, em Departamento, quer
individualmente, de acordo com a realidade sócio-cultural das minhas
turmas.
Recursos: quadro, manual, retroprojector, quadro interactivo, materiais
autênticos (no caso das Línguas), pesquisa informática, de enciclopédias,
de dicionários, leitor de CD...
Instrumentos: Fichas diagnóstico, fichas informativas e formativas..., todo
o tipo de materiais facilitadores e potenciadores da aprendizagem para os
alunos e que me foram permitindo uma melhor adequação da minha
prática lectiva, no tratamento e explicitação dos conteúdos.

3 – Como avalia a concretização das actividades lectivas e o cumprimento dos


objectivos de aprendizagem dos seus alunos? Identifique as principais dificuldades e as
estratégias que usou para as superar.
As estratégias levadas a cabo, a fim de que eu cumprisse os meus objectivos
e que se prenderam com o desenvolvimento das competências necessárias
dos meus alunos, foram diversificadas, ao longo do ano lectivo. Estas
centraram-se na promoção do papel activo dos alunos, a fim de que eles
sentissem a sua co-responsabilidade na construção do seu processo de
aprendizagem, tendo valorizado muito a organização e método de
trabalho. Como já referi no ponto 2, fui atento/a às necessidades dos meus
alunos, tendo utilizado diferentes recursos e instrumentos facilitadores e
motivadores da aprendizagem. Também solicitei aulas de Apoio
Pedagógico Acrescido (os serviços SPO...), para os alunos que
apresentaram mais dificuldades e tentei que os alunos se mobilizassem
para a participação nas actividades levadas a cabo pela escola.

4 – Como avalia a relação pedagógica que estabeleceu com os seus alunos e o


conhecimento que tem de cada um deles?
Tentei sempre estabelecer uma relação pedagógica baseada no princípio de
aprender a aprender, na reciprocidade de responsabilidades, a fim de que
os alunos gostassem de estar na escola a trabalhar. Fui, também,
estabelecendo sempre uma articulação estreita com as regras a cumprir, a
fim de que os alunos as interiorizassem e as aplicassem, exercendo, desta
forma, a cidadania, utilizando o princípio de aprender a viver com os
outros.

5 – Como avalia o apoio que prestou à aprendizagem dos seus alunos?


O apoio prestado aos alunos foi muito positivo, tendo em conta que todos
os recursos e instrumentos utilizados permitiram a diversificação de
estratégias que visavam o sucesso. Também prestei um apoio mais
individualizado sempre que necessário. A nível da relação escola/família,
tentei envolver os Encarregados de Educação, informando-os ou
solicitando o seu apoio, através da caderneta escolar, sempre que as
atitudes dos alunos o justificavam.

6 – Como avalia o trabalho que realizou no âmbito da avaliação das aprendizagens dos
alunos? Identifique sumariamente os instrumentos que utilizou para essa avaliação e os
respectivos objectivos.
Tive como referência quer os Critérios Gerais de Avaliação do
Agrupamento, quer os Critérios de Avaliação definidos pelo meu
Departamento. Assim, procedi à avaliação diagnóstica, formativa e
contínua, à medida que ia trabalhando os diferentes conteúdos e à
avaliação sumativa, no final de cada período. Os instrumentos utilizados
foram os referidos no ponto 2, tendo valorizado a organização e métodos
de trabalho, com especial relevo para o caderno diário.

7 – Identifique a evolução dos resultados escolares dos seus alunos. Avalie o seu
contributo para a sua melhoria e o cumprimento dos objectivos individuais
estabelecidos neste âmbito.
No início do ano lectivo, a turma X apresentava X Planos de
Acompanhamento e X alunos com dificuldades na minha disciplina.
Através das estratégias levadas a cabo, X alunos conseguiram recuperar e
desenvolver as competências necessárias para o seu nível de ensino.
Contudo, X alunos não conseguiram desenvolver as competências
necessárias, apesar de todos os esforços que desenvolvi e que se
encontram registados em actas de Conselho de Turma e de Departamento,
ao longo do ano lectivo.
- Provas de Aferição
- Exames Nacionais
Os resultados obtidos pelos alunos na avaliação externa foram ao encontro
da interna que realizei ao longo do ano lectivo... ou não.

8 – Como avalia a sua participação e o seu contributo para a definição e concretização


de estratégias para a prevenção e redução do abandono escolar e o cumprimento dos
seus objectivos individuais estabelecidos neste âmbito? Na sua apreciação identifique
sumariamente as acções e iniciativas que desenvolveu.
Para a prevenção e redução do abandono escolar, por um lado, informei de
imediato as ausências sistemáticas de determinado(s) aluno(s) às
entidades competentes. A saber: Director/a de Turma e Encarregados de
Educação, através da caderneta escolar do aluno. Por outro lado, tentei
dialogar com os alunos, sempre que surgia a oportunidade, sobre a
importância da escola nas suas vidas, a fim de que eles desenvolvam as
suas expectativas face à mesma.

9 – Como avalia o seu contributo para a vida da escola e em particular a sua


participação nos projectos e actividades previstos ao nível da escola/agrupamento e da
turma (designadamente, no 1º ciclo, na supervisão das actividades de enriquecimento
curricular)? Identifique as actividades que dinamizou e/ou em que participou.
A nível das actividades levadas a cabo nesta escola, trabalhei com os meus
alunos, levando-os a participarem nelas activamente. Também colaborei
com os meus colegas espontaneamente e/ou quando solicitado/a, quer na
planificação quer na sua realização.
Dinamizei...
Participei...

10 – Como avalia a sua participação nas estruturas de orientação educativa e nos


órgãos de gestão e o contributo que deu para o seu funcionamento?
Estruturas de orientação educativa: Conselhos de Turma
Órgãos de Gestão (intermédia): Departamentos
Em Departamento, participo sempre na discussão inerente às nossas
práticas lectivas (planificações, Critérios de Avaliação, definição de
estratégias...), bem como na planificação de actividades.
Nos Conselhos de Turma, informo-me e partilho o conhecimento que
detenho dos alunos, colaboro na definição de estratégias conjuntas que
consigam ajudar os alunos a colmatar as suas dificuldades e a atingirem o
sucesso.
Em suma, colaboro com os demais professores, procurando que a escola
seja uma instituição viva e actuante, que permita aos alunos o exercício
pleno da cidadania, visto a escola ser também um tempo de vida.
Director/a de Turma: recolha de informação detalhada sobre o meio socio-
económico dos alunos e partilha da mesma com os professores da turma;
acompanhamento dos alunos quer quanto à sua evolução na
aprendizagem, quer quanto ao comportamento; uma relação de
proximidade com os Encarregados de Educação, procurando um
envolvimento cada vez maior por parte destes; disponibilidade para a
resolução de problemas inerentes ao dia-a-dia escolar dos alunos.

11 – Como avalia o estado de actualização dos seus conhecimentos científicos e


pedagógicos e a sua capacidade de utilização das Tecnologias de Informação e
Comunicação?
No que respeita aos meus conhecimentos científicos e pedagógicos,
procuro manter-me em permanente actualização, que julgo ser
conseguida, uma vez que, por um lado, a discussão existente com os nossos
pares, como já foi referido em parâmetros anteriores, nos permite essa
constante actualização. Por outro lado, a formação contínua que vou
frequentando, sempre que a mesma é possível e as pesquisas através da
Internet (uma ferramenta indispensável a qualquer profissional),
permitem-me estar sempre actualizado/a.
Quanto às Tecnologias de Informação e Comunicação, procuro manter-me
também actualizado/a.

Nota: Neste parâmetro poderão ser referidas outra licenciatura, outras


habilitações…, uma vez que no parâmetro a seguir, apenas se refere à formação
contínua creditada.

12 – Refira as acções de formação contínua realizadas e a classificação nelas obtida e


avalie o contributo de cada uma delas para o seu desempenho profissional.
Desde 2005, realizei X acções de formação: _____, _____, ______... com
a classificação, respectivamente, de ___, ___, ___... Estas acções
contribuíram para o meu desempenho profissional porque estavam
directamente ligadas com a minha área específica ...
Ou
Nestes últimos anos, não frequentei nenhuma acção de formação porque
não esteve nenhuma disponível nos Centros de Formação mais próximos
ou o centro estava desactivado...

Nota: a formação contínua conta para valorizar, desde que assegurada e gratuita.
Mas não penaliza a quem não tiver frequentado. E só transita 1 crédito, de 2005 a
2007, para quem progride (Decreto Regulamentar n.º 2/2008, de 10 de Janeiro,
artigo 33º, ponto 5).

13 – Identifique sumariamente as suas necessidades de formação e de desenvolvimento


profissional.
As minhas necessidades de formação estão nas seguintes áreas:
- TIC (power-point; moodle; Quadros Interactivos; excell…)
- Identificação de Dificuldades de Aprendizagem
- Identificação de Necessidades Educativas Especiais
- Indisciplina e violência na sala de aula
- Avaliação do rendimento escolar
[...]

14 – Como avalia a relação que estabeleceu com a comunidade e o cumprimento dos


seus objectivos individuais definidos neste âmbito?
Ao longo do ano lectivo, estabeleci uma relação de respeito com todos os
elementos da comunidade, participando de forma activa e empenhada na
vida da escola.
Nota:
Os instrumentos de avaliação (de registo) não foram definidos em Conselho Pedagógico e os
objectivos, para a elaboração dos objectivos individuais, constam do Projecto Educativo, que
ainda está em revisão, dado que o processo de avaliação do desempenho docente não foi
despoletado, como pressupõe o Decreto Regulamentar n.º 2/2008.
Assim, o/a docente só se refere aos objectivos (específicos e gerais) que norteiam o seu
desempenho profissional, no que respeita ao desenvolvimento das competências necessárias dos
seus alunos, como fazia até ao passado ano lectivo, no Relatório Crítico.
Este “modelo de simplificação” decorre do “Entendimento” entre a Plataforma Sindical e o ME e
a legislação que lhe está agora subjacente é o Decreto Regulamentar n.º 11/2008, de 23 de Maio.

Avaliação de Desempenho
Ficha: Objectivos individuais do professor do 1º Ciclo do
Ensino Básico
a) Item: A melhoria dos resultados escolares dos alunos
Pretendo baixar o insucesso dos meus
alunos de 5 alunos com retenção, no
ano passado, para apenas 2, neste ano.
O ano passado, leccionei uma turma do
2º ano de escolaridade com 20 alunos.
Tive 5 alunos com insucesso. Este ano
continuo a ter a mesma turma, agora no
terceiro ano de escolaridade. Com a
transferência de 4 alunos de outra
escola, continuo a ter 20 alunos. Vou
tentar reduzir o insucesso, na minha
turma a um máximo de 2 alunos.
Pretendo atingir este objectivo através
da diversificação das estratégias,
centrando o processo de ensino em
tarefas significativas para os alunos e
que exigem o trabalho em pequenos
grupos ligeiramente heterogéneos.
Como métodos de ensino, procurarei
privilegiar a aprendizagem cooperativa,
o ensino interactivo e o ensino tutorial.
Tendo em consideração os estilos
cognitivos dos meus alunos e dado o
facto de ter trabalhado com eles no ano
passado, estou em crer que uma
perspectiva que reúna o que de melhor
têm as metodologias construtivistas e,
em particular, as metodologias
inspiradas na pedagogia de Vigotsky
será a forma mais eficaz de fomentar a
melhoria do desempenho dos alunos.
Em vez de aulas expositivas e
directivas, procurarei utilizar métodos
que promovam o trabalho independente,
1
as aprendizagens por descoberta
orientada, os debates e os estudos de
caso. No que diz respeito ao ensino da
leitura e escrita, tenciono continuar a
usar a metodologia do Movimento da
Escola Moderna (MEM), assente na
produção de textos livres, na
autocorrecção, na aprendizagem em
pares e na construção de livros da vida.
A correspondência interescolar
constituirá uma forma privilegiada de
fomentar o gosto pela leitura e pela
escrita. Quando achar conveniente,
porei em prática metodologias de tipo
directivo, nomeadamente quando se
tornar necessário reforçar
aprendizagens, atitudes e rotinas ou
corrigir determinados erros e
comportamentos. Todos estes métodos
serão acompanhados de uma utilização
frequente de novas tecnologias da
informação, promovendo,
simultaneamente, competências de
pesquisa e de processamento da
informação. A criação de um jornal
escolar, em forma de blog, inteiramente
editado pelos alunos, constituirá outra
estratégia de ensino da leitura e da
escrita. A avaliação formativa permitirá
identificar as dificuldades dos alunos e
aquilo que correu menos bem no ensino,
sempre com o objectivo de introduzir
correcções e alterações no processo de
ensino e aprendizagem. Tenciono,
também, utilizar a empatia e o reforço
positivo como formas de elevar as
expectativas dos alunos com mais
dificuldades e melhorar a sua auto-
2
estima.
b) Item: A redução do
abandono escolar
O meu objectivo é ambicioso mas
exequível: reduzir a taxa de abandono
de tal forma que nenhum aluno
abandone a escola. A minha estratégia
para manter todos os alunos na escola é
através de frequentes contactos com os
pais, sobretudo usando meios informais
e alternativos, como as conversas à
entrada da escola, o telemóvel, o e-mail
e o sms. Com o recurso a essa
comunicação informal, vou tentar
consciencializar os pais para a
importância de manterem os filhos na
escola. Além disso, estabelecerei
contactos com os serviços de apoio
social e a segurança social local com o
objectivo de procurar apoios adicionais
para as famílias dos alunos em risco.
Tenciono, ainda, promover a visita à
escola de pais bem sucedidos académica
e profissionalmente, com o objectivo de
conversarem com os alunos sobre a
importância que a escola tem na
promoção da mobilidade social.
Procurarei organizar algumas sessões
informativas para os pais com a
colaboração de especialistas na área da
nutrição infantil, saúde infantil e
desenvolvimento psicológico na infância.
c) Item A prestação de apoio
à aprendizagem dos alunos
incluindo aqueles com
dificuldades de aprendizagem
Comprometo-me a prestar apoio a todos
os alunos, tendo em conta as
dificuldades de aprendizagem
detectadas. Usarei as seguintes
3
estratégias: ensino cooperativo,
colocando os alunos mais adiantados a
apoiarem os que têm mais dificuldades,
e ensino tutorial, com apoio
individualizado sempre que possível. A
utilização de novas tecnologias da
informação e a realização de tarefas
realmente significativas permitirão
aumentar os níveis de motivação dos
alunos. Tenciono criar um blog que vai
funcionar como centro de recursos para
os meus alunos. Nesse blog, os alunos
encontrarão respostas a dúvidas, fichas
de trabalho, materiais de aprendizagem
e testes resolvidos.
d) Item: A participação nas
estruturas de orientação
educativa e dos órgãos de
gestão do agrupamento ou
escola não agrupada
Tenciono participar em todas as
reuniões do concelho de escola e nas
reuniões do conselho pedagógico
cumprindo com as minhas obrigações e
não me recusando a realizar as tarefas
que me forem atribuídas. Terei o
cuidado de organizar e manter
actualizado o dossier da turma e de
realizar reuniões com os pais, com
periodicidade regular, e a horas que lhes
sejam convenientes. Manterei
actualizados os endereços electrónicos
dos meus colegas de escola, bem como
do professor do ensino especial, do
psicólogo escolar, dos professores que
asseguram as actividades de
enriquecimento curricular e de alguns
membros da comissão local de
protecção dos menores.
e)Item: A relação com a
comunidade
No que diz respeito às relações com os
pais dos meus alunos, procurarei marcar
as reuniões a horas convenientes para
4
eles e desenvolverei um processo de
comunicação não formal que incluirá o
e-mail, sms e o telefone. Nos casos
mais difíceis, estarei disponível para, em
colaboração com o psicólogo escolar,
fazer educação de pais e ajudar os pais
a procurar apoios sociais na
comunidade. Sempre que for necessário
concertar posições com os responsáveis
da autarquia local, manifestarei a minha
disponibilidade para tal, estabelecendo
os contactos necessários por e-mail e
telemóvel. Em casos de maior
gravidade, manifestarei a minha
disponibilidade para fazer visitas
domiciliárias na companhia do psicólogo
escolar.
f) Item: Formação contínua Procurarei fazer uma acção de formação
por ano. Para além disso, participarei
em colóquios e congressos sobre temas
de pedagogia e didáctica sempre que
me for possível. Farei assinatura de 1
revista de pedagogia e didáctica e
organizarei espaços e fóruns de
discussão em torno de artigos
publicados nessas revistas. Esses fóruns
juntarão os colegas da escola numa
base de voluntariado.
g) Item: participação e
dinamização de projectos
curriculares e
extracurriculares
Integrarei o projecto “Juntos fazemos
um mundo melhor”, que junta
professores de escolas do 1º ciclo do
Ensino Básico do meu agrupamento de
escolas, e farei parte da equipa que
edita o website do agrupamento.
Continuarei a dar vida ao projecto de
5
correspondência interescolar com alunos
de escolas de Timor, Moçambique e
Cabo Verde, através de um blog que foi
criado para o efeito. Contribuirei, na
medida das minhas capacidades, para
ajudar a criar o evento anual, “Festa da
Escola”, o desfile de Carnaval e outras
festividades e comemorações que
constem do Plano Anual de Actividades.
Estabelecerei reuniões regulares com a
equipa de professores que assegura as
actividades de enriquecimento
curricular, de forma a potenciar a
articulação entre a componente lectiva e
a componente extra-lectiva.
6