Brasil, Índia e China: cenários e estratégias de coopetição em mercados emergentes

Cláudio Marinho
Porto Marinho Ltda.

Café da manhã SKYLINE Curitiba, 12/11/2010

A nova geoeconomia global

geografia) faz a diferença: os lugares são processos humanos de criação de

Gente (cultura, história,

valor.

O mundo não é plano.
3

O rio Nilo, visto da ISS, 28/10/2010

998 Fliplog 997
Africa

Infant survival rate up to 1 (per 1,000 live births)--

995
America s

990

980 970 950

Republic of Korea 1960 China 1960

Arab countrie s Asia Europa

900

800

560 308 1 000

India 1911
3 000

Brazil 1960 Japan 1920
5 000 10 000 20 000 Log 60 000

GDP per capita in 1995 international dollars
2001 2000 1999 1998 1997 1996 1995 1994 1993 1992 1991 1990 1989 1988 1987 1986 1985 1984 1983 1982 1981 1980 1979 1978 1977 1976 1975 1974 1973 1972 1971 1970 1969 1968 1967 1966 1965 1964 1963 1962 1961 1960 1959 1958 1957 1956 1955 1954 1953 1952 1951 1950 1949 1948 1947 1946 1945 1944 1943 1942 1941 1940 1939 1938 1937 1936 1935 1934 1933 1932 1931 1930 1929 1928 1927 1926 1925 1924 1923 1922 1921 1920 1919 1918 1917 1916 1915 1914 1913 1912 1910 1909 1908 1907 1906 1905 1904 1903 1902 1901 1900 1911

“A Índia é um país imensamente diversificado, com diferentes interesses, convicções vastamente disparatadas, costumes largamente divergentes e um verdadeiro festival de pontos de vista.”
Amartya Sen, The Argumentative Indian, 2006

Egongyan Bridge over Jailing River, Chongqing, China, 2008

Exercício de cenarização (GBN.com, “What If?”)

Incertezas críticas Tendências irreversíveis

As driving forces do futuro na China
(Peter Schwartz et al., China’s Futures)

1. O poderoso renminbi – o dinheiro é a mãe de todas as mudanças na China 2. Muito governo e ainda pouco – esse é o contínuo desdobramento da política interna na China 3. A cultura em queda livre – na terra dos VCR e dos batons, em que o chinês vai acreditar hoje? 4. O chinês offshore – a diáspora mais influente do que a de qualquer outro país 19

As driving forces do futuro na China
(Peter Schwartz et al., China’s Futures)

5. Forças centrífugas – estão reduzindo o poder de Beijing sobre as províncias 6. Demografia – a população da China (seu tamanho, composição e distribuição) é uma condição única na história do país 7. Ar poluído, água suja – a degradação ambiental é uma pedra no meio do caminho da China
20

As driving forces do futuro na China
(Peter Schwartz et al., China’s Futures)

8. Chips e fibras – a tecnologia está possibilitando muitas das mudanças rápidas na China 9. O Exército Popular de Liberação – é a maior organização econômica da China 10. O Partido Comunista – o motor das mudanças 50 anos atrás, mas perde força 11. A “Turma de 1977” – o termo representa os jovens líderes que estão prontos para tomar o poder em Beijing21

As driving forces do futuro na China
(Peter Schwartz et al., China’s Futures)

12. A pulga e o elefante – Hong Kong é a pulga que corre para transformar o elefante antes que ele a transforme 13. Quem é o agressor? – a relação da China com os seus vizinhos e com o resto do mundo 14. Os EUA – a maior nação econômica e militar do mundo, que pensa ter uma relação especial com a China
22

China’s Futures
(Peter Schwartz et al.)

China Web

The Thief  of Beijing

The New  Mandarins

Schwartz, Ogilvy and Flower: China’s Futures, 2000

A utilidade dos cenários
robustas para TODO e qualquer cenário pode gerar ESTRATÉGIAS

e/ou FOCADAS em problemas e oportunidades dos diferentes futuros

Um conjunto de FUTUROS ALTERNATIVOS

fazendo sintonia fina ou TESTAR planos estratégicos (wind tunnels) e capacitando os executivos para enfrentar SURPRESAS

Cenários: o túnel de ventos da estratégia (Peter Schwartz et al., China’s Futures)
• No-brainer: esforço-zero, a operação
estratégica que atravessa qualquer cenário, com bons resultados e sem grande esforço de execução;

• No-painer: a operação estratégica tem algum

risco mais vale a pena em mais de um cenário; é do tipo sem-trauma; incertos, sem boas perspectivas em nenhum cenário; é do tipo perda-total

• No-gainer: a aposta é alta para resultados muito

O Brasil é 87% urbano

Expansão da área agrícola no Brasil

NORDESTE NORTE

CENTRO-OESTE

SUDESTE

SUL
Fonte: ANFAVEA, 2004

Brasil: microrregiões portadoras de futuro

Nordestes do

Nova Fronteira Agrícola
Grãos – Base para estratégia de crescimento
Potencial de 85 milhões de toneladas anuais (15,4 milhões há)
Área total Área arável Pastagens cultivadas Culturas anuais Perenes e florestais Áreas potenciais Áreas ocupadas Fronteira agrícola 204.000.000 ha 127.000.000 ha 49.000.000 ha 10.000.000 ha 2.000.000 ha 127.000.000 ha 61.000.000 ha 66.000.000 ha
RS MS SP PR SC Região de Cerrado AC AM PA RO RR AP

MA PI

CE

MT

TO BA GO DF MG ES RJ

RN PB PE AL SE

36

Opção existente

Não será capaz de atender ao total dessa demanda
• Via Ilhéus, São Luís e a Estrada de Ferro Carajás e a Ferrovia Norte-Sul 1,5 milhões de
t anuais de Soja
São Luis Maranhão Piauí Tocantins NE do Mato Grosso SE do Pará

Porto Franco (MA)

50 milhões de t anuais de Soja 35 milhões de t de outros grãos

Bahia

Ilhéus

1,5 milhões de t anuais de Soja

37

Nova Transnordestina
Solução logística

Maranhão Piauí Tocantins NE do Mato Grosso SE do Pará

15 milhões de t anuais de Soja
São Luis

Porto Franco (MA)
Pecém

50 milhões de t anuais de Soja 35 milhões de t de outros grãos
Bahia

Eliseu Martins (PI)

30 milhões de t anuais de Soja, Milho e Algodão
Suape

Ilhéus/Aratu

10 milhões de t anuais de Soja

38

Variação % das vendas do comércio varejista, em volume, 2003 /2007
20,0 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0,0

17,6 15,4 14,0 13,7 13,5 12,2 11,2 11,1 10,7 10,7 10,0 9,9

9,2 9,1

8,4 8,3 8,1 8,1 8,1 7,8 7,8 7,4 7,4 6,1 5,9 5,7 5,3 3,5

Pernambuco

Maranhão

Paraíba

Amazonas

Distrito Federal

Minas Gerais

Santa Catarina

São Paulo

Rondônia

Rio de Janeiro

Tocantins

Roraima

Sergipe

Alagoas

Amapá

Paraná

Ceará

Acre

Goiás

Bahia

Piauí

Pará

Rio Grande do Norte

Fonte: IBGE – Diretoria de Pesquisas, Departamento de Comércio e Serviços (Elaboração: Tânia Bacelar, 2008)

Mato Grosso do Sul

Rio Grande do Sul

Espírito Santo

Brasil

Mato Grosso

Crescimento da renda per capita no Brasil, por decis, 2001/2006
10 9
8.0

8 7 Taxa de crescimento (%) 6 5 4 3 Renda Média 2 1 0 -1 Primeiro Segundo Terceiro Quarto Quinto Sexto Sétimo Oitavo Nono Décimo
5.9 4.9 4.3 3.7 3.4 3.0 2.5 1.9 0.9

Fonte: Estimativas produzidas com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2001 e 2005.

Fonte: Barros et alli, IPEA, 2006 (Elaboração: Tânia Bacelar, 2008)

BANDEPE NGPD CEE/PD

CESAR

ITBC SDEC

SECTMA

Porto Digital/O desembarque de uma nova economia

O diabo também está na estratégia

A era das identidades em redes
• Manter forte relacionamento com quem

partilhamos inquietações

ecológica de aliados • Cuidar da qualidade em torno de nós • Construir narrativas sedutoras sobre
nós mesmos
Fernando Flores
61

• Encontrar nosso nicho numa teia

nós queremos ser o pulso do mundo.

Twitter:

Qual é a narrativa sedutora (isso é mais que visão…) que a SKYLINE e seus parceiros vão construir para coopetir na nova geoeconomia global?

cmarinho@gmail.com twitter.com/cmarinho

Cláudio Marinho

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful