P. 1
AÇÃO

AÇÃO

|Views: 539|Likes:
Published by Thais Santos

More info:

Published by: Thais Santos on Nov 18, 2010
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/10/2012

pdf

text

original

DA AÇÃO

Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

EVOLUÇÃO DO CONCEITO DE AÇÃO
‡ Ação : direito subjetivo público, autônomo e abstrato de invocar a tutela jurisdicional. ‡ Teorias imanentistas ( ou civilistas) da ação Concebem a ação como um apêndice do direito material. Concebem a ação como direito material em movimento/exercício. É imanente ao direito material, sua defesa ( ³ A todo direito corresponde uma ação, que o assegura- CC/16, art. 75) ± A ação é o próprio direito material que, violado, se arma para a guerra. É o ³ direito em armas´ ± (Celso e Savigny)

Da ação ± teoria transcendentalista ( ou autonomista)
A polêmica entre Windscheid e Muther, em 1856, evidenciou que a ação é autônoma em relação ao direito material controvertido. .

Teorias Autonomistas da ação ( transcendentalistas) ± concebem a ação como direito autônomo em relação ao direito material. É o direito de invocar a jurisdição, ou seja, a pretensão à tutela jurídica, exercitável contra o Estado, a fim de que ele preste a tutela jurisdicional o direito de instaurar a relação jurídica processual, o direito ao processo. Os autonomistas compreenderam duas correntes, abstratistas e concretistas.

Teorias autonomistas: concretistas e abstratistas
Para os concretistas, só existe ação quando a sentença for favorável - ( Wach, Bülow, Hellwig, Chiovenda) Chiovenda formulou a concepção da ação como direito potestativo, dirigido contra o adversário, sujeitando-o. Para os abstratistas (Plósz e Degenkolb), a ação não tem qualquer relação de dependência com o direito material controvertido entre as partes. Existe sempre, pouco importando a existência ou não do direito material. É exercida, mesmo que o pedido seja julgado improcedente.

Ações para a tutela desses direitos são ações constitutivas. independentemente de qualquer prestação de um sujeito obrigado.Direitos potestativos ( anotações) Direitos potestativos são denominados de ³ direitos formativos´. modificar ou extinguir situações jurídicas. no sentido da produção dos seus efeitos. ao contrário dos direitos de crédito. Ao sujeito obrigado nada mais resta do que sujeitar-se à nova situação criada. pois objetiva a constituição de novas situações jurídicas ( como rescindir um contrato. Assim. . que são o de criar. são exercidos independentemente de prestação de um sujeito obrigado. os direitos potestativos. encerrar uma relação jurídica). Quando são previstos prazos para o exercício de direitos potestativos. bastando a manifestação da vontade do seu titular. tem-se prazos decadenciais.

desde que se façam presentes certos requisitos. de procedência ou de improcedência. legitimidade das partes e interesse processual. que ele denominou de ³ condições da ação´: Possibilidade jurídica do pedido.Teoria Eclética de Liebman ‡ A concepção abstrativista prevaleceu. ‡ Para Liebman. o direito de ação não está vinculado a uma sentença favorável( como afirmam os concretistas) nem é completamente independente da efetiva existência do direito material ( teoria abstrata). A ação é um direito a uma sentença de mérito. embora temperada com a concepção eclética de Enrco Tullio Liebman. .

já que se veda o chamado pacto de corvina. pois quando a postulação do autor não pode ser atendida. Se o autor postula um adiantamento da herança a uma pessoa viva. ele é improcedente. Se o direito material veda sua discussão no processo. o pedido é juridicamente impossível. . ele é juridicamente impossível. Liebman abandonou essa condição da ação. falta o próprio interesse de agir. Elpidio Donizetti afirma que se o direito material não ampara o pedido.A Teoria Eclética de Liebman ± Condições da ação ‡ Possibilidade jurídica do pedido é a inexistência de proibição no ordenamento jurídico para examinar a matéria posta em julgamento.

. com utilidade do provimento invocado e adequação da via eleita. consubstanciado pela necessidade da parte em ingressar em juízo para obter o bem da vida visado. .Condições da ação : ..interesse de agir ‡ Interesse de agir é o interesse processual.

PROCURADORA AUTÁRQUICA. que efetivamente haja necessidade de tutela jurisdicional. é preciso. . juntamente com a legitimidade e a possibilidade jurídica do pedido. PROIBIÇÃO DO ART. antes de mais nada.Jurisprudência ‡ MANDADO DE SEGURANÇA. AUSÊNCIA DE INTERESSE DE AGIR.Interesse de Agir .112/90. Para que se configure o interesse de agir. SEM JULGAMENTO DO MÉRITO. que a demanda ajuizada seja imperiosa à proteção do direito lesado ou ameaçado. IMPOSSIBILIDADE DE CONCESSÃO. SUPERVENIENTE ATO DE APOSENTADORIA COMPULSÓRIA. ou seja. PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR EM CURSO. MANDADO DE SEGURANÇA EXTINTO. 172 DA LEI 8. ‡ 1. uma das condições da ação. PEDIDO DE APOSENTADORIA VOLUNTÁRIA.

) ‡ 2. da mesma forma se daria no cálculo do benefício conferido de forma compulsória. Não ficou demonstrado o prejuízo advindo da concessão de aposentadoria compulsória em substituição à voluntária. como genericamente alega. A posterior aposentação compulsória afasta o interesse processual da impetrante na requerida prestação jurisdicional.Interesse de Agir ± Jurisprudência (cont. mormente pelo fato de que. em que postula o regular processamento de anterior pedido de aposentadoria voluntária. . se ao tempo do pedido a Servidora já fazia jus aos proventos calculados de forma integral.

Ministro NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO. a exigência de demonstração clara e exaustiva. A utilização da ação mandamental reclama. ‡ 4. não sendo suficiente alegações feitas de forma genérica como na inicial.533/51. inclusive documentalmente. que não admite qualquer dilação probatória.393/DF. dos efeitos lesivos perpetrados pelo ato administrativo impugnado está diretamente relacionada à celeridade especial desta via estreita. TERCEIRA SEÇÃO.Interesse de Agir ± Jurisprudência (cont. prova pré-constituída do direito líquido e certo invocado. DJe 23/06/2009) . julgado em 10/06/2009. ‡ (MS 13. ‡ 1o. da Lei 1.) ‡ 3. como se daria a suposta desvantagem. apontando os regimes e regras aplicáveis a cada espécie de benefício. Competia à parte interessada comprovar com cálculos demonstrativos. Rel. ‡ 5. Ação mandamental extinta sem julgamento de mérito. nos termos do art.

embora haja hipóteses em que a lei autoriza outra pessoa. as partes são legítimas quando provam a pertinência subjetiva com o direito material controvertido. Trata-se do substituto processual. ‡ Pela teoria da exposição. .) ± legitimatio ad causam ‡ Legitimidade para a causa ( legitimatio ad causam) ± Decorre da pertinência subjetiva com o direito controvertido.A Teoria Eclética de Liebman ± Condições da ação (cont. que não o pretenso titular do direito a postulálo em proveito de outrem. Trata-se de teoria em que a condição da ação aproxima-se bastante do juízo de mérito.

não se exige a prova. As condições da ação são examinadas à luz do direito alegado.TEORIA DA EXPOSIÇÃO ( ou comprovação) E TEORIA DA ASSERÇÃO ‡ Pela teoria da asserção. basta a afirmação da pertinência da ação com o direito controvertido. não do direito provado ( são analisadas in statu assertionis). .

contudo de forma contrária à pretensão do recorrente. 535 DO CPC ± ATO ADMINISTRATIVO DISCRICIONÁRIO ± TEORIA DA ASSERÇÃO ± NECESSIDADE DE ANÁLISE DO CASO CONCRETO PARA AFERIR O GRAU DE DISCRICIONARIEDADE CONFERIDO AO ADMINISTRADOR PÚBLICO ± POSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO. Não viola o artigo 535 do CPC quando o julgado decide de modo claro e objetivo na medida da pretensão deduzida. ‡ 1.Jurisprudência ‡ DIREITO ADMINISTRATIVO E PROCESSUAL CIVIL ± DEMARCAÇÃO DE TERRAS INDÍGENAS ± AUSÊNCIA DE VIOLAÇÃO DO ART.Condições da Ação ± Teoria da Asserção . .

) ‡ 2. o momento de verificação das condições da ação se dá no primeiro contato que o julgador tem com a petição inicial. ou seja. no instante da prolação do juízo de admissibilidade inicial do procedimento. Nos termos da teoria da asserção. .Condições da Ação ± Teoria da Asserção ± Jurisprudência (cont.

seja encontrada. A discricionariedade administrativa é um dever posto ao administrador para que. na multiplicidade das situações fáticas.Condições da Ação ± Teoria da Asserção ± Jurisprudência( cont. dentre as diversas soluções possíveis. . a que melhor atenda à finalidade legal.) ‡ 4.

. de modo que o ato administrativo.Condições da Ação ± Teoria da Asserção ± Jurisprudência (cont. mas restauração da ordem jurídica. Neste caso. O grau de liberdade inicialmente conferido em abstrato pela norma pode afunilar-se diante do caso concreto. a interferência do Poder Judiciário não resultará em ofensa ao princípio da separação dos Poderes. ou até mesmo desaparecer.) ‡ 5. que inicialmente demandaria um juízo discricionário. pode se reverter em ato cuja atuação do administrador esteja vinculada.

É na dúvida que compete ao administrador. não basta a análise in abstrato da norma jurídica. .Jurisprudência ‡ 6. escolher a melhor forma de agir.Condições da Ação ± Teoria da Asserção . é preciso o confronto desta com as situações fáticas para se aferir se a prática do ato enseja dúvida sobre qual a melhor decisão possível. Para se chegar ao mérito do ato administrativo. e somente a ele.

.) ‡ 7. Em face da teoria da asserção no exame das condições da ação e da necessidade de dilação probatória para a análise dos fatos que circundam o caso concreto. a ação que visa a um controle de atividade discricionária da administração pública não contém pedido juridicamente impossível.Condições da Ação ± Teoria da Asserção ± Jurisprudência (cont.

Rel. julgado em 21/05/2009.) ‡ 8. A influência que uma decisão liminar concedida em processo conexo pode gerar no caso dos autos pode recair sobre o julgamento do mérito da causa. SEGUNDA TURMA. DJe 02/06/2009) . ‡ (REsp 879. mas em nada modifica a presença das condições da ação quando do oferecimento da petição inicial. ‡ Recurso especial improvido. Ministro HUMBERTO MARTINS.Condições da Ação ± Teoria da Asserção ± Jurisprudência (cont.188/RS.

art. In casu. sem resolução de mérito.907/SC. ((REsp 915. PRIMEIRA TURMA. sendo certo que o primeiro writ restou extinto. sem resolução de mérito. reconheço a carência de ação por falta de legitimidade ativa e extingo o processo sem exame de mérito". Rel.Condições da Ação: jurisprudência ‡ O processo deve ser extinto. julgado em 08/09/2009. Ministro LUIZ FUX. VI). verbis: Como se vê. sob o fundamento de ilegitimidade ativa ad causam. empresa adquirente de combustíveis. a parte autora. como a possibilidade jurídica do pedido. ‡ Ante o exposto. a legitimidade das partes e o interesse processual (CPC. 267. DJe 06/10/2009) . ‡ 3. quando não concorrerem quaisquer das condições da ação. a recorrente impetrou mandado de segurança pretendendo o reconhecimento do excesso que pagou a título de COFINS e de PIS nas operações relativas a aquisição de combustíveis. é manifestamente ilegítima para pretender ressarcimento por tributos pagos pela refinaria.

daí afirmar-se que a ação está no ponto de contato entre o direito processual e o direito material ( v. 158) . vol. 2007. Quando se leva a juízo a afirmação da existência de um direito material ( ação de direito material). na verdade. verifica-se. ed. o direito de invocar a tutela jurisdicional. pág. Didier.A inafastabilidade da jurisdição como garantia do direito de agir ‡ CF. I. inciso XXXV ± garante a todos. Podium. que o exercício da ação se relaciona a uma situação material concreta. artigo 5º. sem condicionamentos..

Partes são os elementos subjetivos e pedido e causa de pedir. ‡ O pedido pode ser imediato ( providência jurisdicional) e mediato ( bem jurídico.Elementos da ação ‡ São elementos identificadores da ação: as partes. a causa de pedir e o pedido. os elementos objetivos. bem da vida pretendido) ‡ Causa de pedir pode ser remota e próxima .

Elementos da Ação -Causa de Pedir ‡ O Pedido pode ser imediato ( tipo de tutela jurisdicional invocada) e mediato ( bem da vida visado.. Fundamentos jurídicos são os efeitos jurídicos pretendidos pela parte.) ‡ A causa de pedir pode ser remota e próxima e é conformada pelos fatos e fundamentos jurídicos do pedido.. . não o enquadramento legal do pedido. etc. a quantia em dinheiro. o bem jurídico pretendido: a posse do imóvel.

Elementos da Ação . os fundamentos jurídicos.Causa de Pedir ‡ Há divergência na doutrina sobre o que integra a causa de pedir próxima e a remota. os efeitos jurídicos pretendidos. como a referida no precedente a seguir transcrito: . há doutrina em sentido diametralmente oposto. ‡ Todavia. havendo doutrinadores que consideram que a remota são os fatos e a próxima. considerando que a próxima são os fatos e a remota.

‡ 2.) ‡ 1. Rel. A ação na qual a parte pleiteia imunidade por força de questão prejudicial (in casu... para a identificação do pedido. III. julgado em 02/12/2008. a sua qualidade de entidade imune) não obsta a que aquela premissa figure como fundamento do decisum. sem afronta ao princípio da congruência. adotada pelo Sistema Processual Brasileiro (artigo 282. a dedução dos fundamentos de fato (causa de pedir próxima) e dos fundamentos de direito (causa de pedir remota) da pretensão.509/PR. Ministro LUIZ FUX. segundo a qual se exige.Elementos da Ação ± Causa de Pedir ‡ (. É que a liberdade do julgador para qualificar os fatos expostos na inicial advém da Teoria da Substanciação do Pedido. DJe 11/12/2008) . PRIMEIRA TURMA. do CPC). REsp 886.

afastando. . ‡ Evitam a eternização dos litígios e o atravancamento das vias jurisdicionais. litispendência. a perempção. ante ações conexas. ainda. conexão e continência e.Relevância dos Elementos da ação ‡ Os elementos da ação são relevantes para determinar a existência de coisa julgada. a possibilidade de decisões contraditórias na justiça. perturbando a segurança jurídica pela repropositura de ações idênticas a outras já julgadas ou ainda em curso. ainda.

matéria que será melhor abordada quando for estudada a competência . ‡ A prevenção do juízo se define de acordo com as regras do artigo 106 e 219 do CPC. pelo juízo prevento. basta uma ligação entre as demandas.Conexão entre ações ‡ Duas ações são conexas quando lhes for comum o pedido ou a causa de pedir. Na verdade. se estiverem tramitando perante juízos diversos. de sorte que possa se configurar o perigo de decisões contraditórias. o que torna conveniente a reunião dos processos para serem decididos conjuntamente.

desde que os pedidos sejam compatíveis entre si. se diferentes. Os requisitos estão no artigo 292. do CPC: é possível a cumulação. que seja competente para todas o mesmo juízo e que haja compatibilidade de rito. mesmo que entre os pedidos não haja conexão. . que seja possível converter todos ao rito ordinário. ou.Cumulação de ações ‡ A cumulação de ações vem a ser uma cumulação de pedidos. no mesmo processo.

do CC. ante uma dada situação jurídico-material litigiosa. ‡ É o caso. por exemplo. do artigo 500. o abatimento proporcional do preço ( ação quanti minoris) ou a rescisão do negócio ( ação ex empto) . à escolha do autor. . pode o comprador requerer a complementação da área. se a área adquirida for menor ( diferença maior do que a vigésima parte).Concurso de ações ‡ Caracteriza-se o concurso de ações quando é possível manejar-se mais de uma. Nas vendas ad mensuram.

2006). ‡ Súmula 235/STJ. se um deles já foi julgado". 594. conexão entre as demandas em que suscitada" (RESP n. por si só. Ministro Teori Albino Zavascki. .748/RS. verbis: "A conexão não determina a reunião dos processos.Jurisprudência ‡ ³A mera possibilidade de juízos divergentes sobre uma mesma questão jurídica não configura. DJ de 31.8. 1ª Turma.Conexão entre Ações ± Caracterização . Rel.

Condenatórias. do STJ: ³É admissível ação declaratória. Executivas lato sensu e Mandamentais) Súmula 181. visando a obter certeza quanto à exata interpretação de cláusula contratual.´ ‡ Ações de Execução ‡ Ações Cautelares . constitutivas.Classificação das Ações ‡ Ações de Conhecimento ( declaratórias.

art.Classificação das ações ‡ Ações declaratórias: visam à declaração da existência ou da inexistência de uma relação jurídica ou da falsidade ou autenticidade de um documento ( CPC. . ações de usucapião. 4º. ações de investigação de paternidade. ‡ A sentença opera eficácia ex tunc ( retroage à origem) ± São declaratórias: ações de consignação em pagamento.) Também podem ter por objeto a declaração da exata interpretação de uma cláusula contratual.

da existência ou da inexistência de relação jurídica.CPC ± ações declaratórias: art. ‡ Art. 4o. ainda que tenha ocorrido a violação do direito. ‡ II . ‡ Parágrafo único.da autenticidade ou falsidade de documento. É admissível a ação declaratória. 4o O interesse do autor pode limitar-se à declaração: ‡ I . .

CPC. o julgamento da lide (art. 5º Se. Contestando o réu o direito que constitui fundamento do pedido. ‡ Da Declaração incidente ‡ Art. 325. Ações declaratórias incidentais ‡ Art. o autor poderá requerer. no todo ou em parte. no curso do processo. 5º. se tornar litigiosa relação jurídica de cuja existência ou inexistência depender o julgamento da lide. . 5º). no prazo de 10 (dez) dias. se da declaração da existência ou da inexistência do direito depender. que sobre ele o juiz profira sentença incidente. qualquer das partes poderá requerer que o juiz a declare por sentença. art.

a solução da questão prejudicial não fará coisa julgada material. Poderá ser novamente discutida entre as mesmas partes. do CPC . a solução da questão prejudicial fará coisa julgada material: confiram os artigos 469.Objeto de uma Ação Declaratória Incidental é uma questão prejudicial ‡ O objeto de uma ação declaratória incidental é uma questão prejudicial ( vem de pre + judicare: julgar antes). ‡ Se for proposta a ação declaratória incidental. que tem que ser julgada antes da questão principal. pois seu julgamento é determinante dela. em futuros processo. III e 470. Se não for proposta ação declaratória incidental. de qualquer maneira. O juiz apreciará. ou seja. a questão prejudicial.

coisa julgada a resolução da questão prejudicial. . o juiz for competente em razão da matéria e constituir pressuposto necessário para o julgamento da lide. ‡ Il . ‡ Art. ‡ III . decidida incidentemente no processo. ainda que importantes para determinar o alcance da parte dispositiva da sentença.a verdade dos fatos. 470. 469. se a parte o requerer (arts.os motivos. estabelecida como fundamento da sentença. 5o e 325). Faz. Não fazem coisa julgada: ‡ I .a apreciação da questão prejudicial. todavia.Objeto da ação declaratória incidental: uma questão prejudicial ‡ Art.

Anteprojeto do CPC ‡ No anteprojeto do futuro CPC.) . a solução da questão prejudicial. que se refere às ³ questões prejudiciais expressamente decididas´ Condições da Ação ± Teoria da Asserção ± Jurisprudência (cont. fará coisa julgada. ainda que de forma incidente. nos termos do artigo 484.

de rescisão de contrato. ‡ São constitutivas: ações de divórcio. modificação e extinção de uma relação jurídica ou de um estado jurídico. Operam efeitos ex nunc. de interdição .Classificação das ações ± ações constitutivas ‡ As ações constitutivas objetivam a criação.

agora. . cujas sentenças. Fazem parte do grupo das ações de prestação. pois a execução contra a Fazenda por quantia certa é um processo autônomo. ‡ A dicotomia continua nas ações em que a Fazenda Pública é condenada a prestação pecuniária. ‡ Também subsiste a dicotomia nas ações de alimentos. se cumprem no próprio processo de conhecimento ( PROCESSO SINCRÉTICO.Classificação das ações: ações condenatórias ‡ São aquelas que objetivam uma sentença condenando o réu a pagar uma prestação. em que se aboliu a dicotomia processo de conhecimento e processo de execução).

o cumprimento continua nos moldes do artigo 461.como nas ações de manutenção de posse e de interdito proibitório.232/2005). sem necessidade de um processo de execução. do CPC. com um mandamento à parte vencida de praticar um ato ou abster-se de um fato ± fazer e não fazer . as sentenças de procedência nas ações mandamentais.Ações mandamentais ‡ Mesmo antes da adoção do processo sincrético. que se completou com a Lei 11. ‡ Hoje. já eram cumpridas no próprio processo de conhecimento. .

nas ações executivas lato sensu. sem necessidade de um processo autônomo de execução.Executivas lato sensu ‡ Desde antes do processo sincrético. como as de despejo e as de reintegração de posse. no próprio processo de conhecimento. ‡ Agora com o processo sincrético. a sentença de procedência era executada. mediante expedição de mandado. a diferença perdeu grande parte de seu interesse. .

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->