Teatr o – Máfia

Personagens: Julia Fertig: Don Ferdinand Trápani Julia K. W: Don Clemenza Lucas Souza: Don Luchese Corleone Luiza W: Elizandra Milena T. D: Isabela Pedro P: Vicenzi Rodrigo: Hayman Roth Thiago: Luigi Bonavita/ Walter Victoria: Cecília Viniccius: Al Pacino Corleone Ato1, cena1 EUA, 1964, Nova York.
Cenário escuro. Musica (Beethoven-moonlight) entra devagar com a luz (luz baixa, para parecer uma rua à noite). A luz revela um corpo no chão (Al Pacino), com um tiro no peito. Logo, entra sua esposa (Elizandra), assustada com o que vê, dá-se conta de que é seu marido e cai de joelhos ao seu lado e começa a chorar, encosta a cabeça em seu peito e chora desesperadamente. Entra calmamente Roth e Walter, admiram-se com a mulher. H. Roth: Senhora? Está tudo bem? Viemos investigar o caso. Elizandra olha para ele, volta a olhar o marido. Walter: qual o seu nome senhora? Ela olha pelo canto dos olhos e não responde. H. Roth: Você é parente desse homem? Elizandra: (chorando) Sim, sou esposa dele H. Roth: Ok, por acaso viu quem o matou? Elizandra: não, eu não estava aqui, moro ali perto, e quando ouvi o tiro corri para cá. Walter: não chegou a tempo de ver o assassino?

Clemenza está te esperando lá fora. Clemenza entra) -Clemenza: Boa noite Don Corleone.. disse que deveria ver seu. H. A luz vai se apagando e a luz sai devagar. após nosso acordo mate ele.. (cumprimentam-se) sente-se.? Elizandra: seu Padrinho. Walter: poderia descrevê-lo? Elizandra: ele estava de costas. L: Mande-o entrar. FIM DE CENA Cena2 Acende-se a luz. Vicenzi.havia também um homem. Roth: a senhora tem idéia de quem poderia ter feito isso? Elizandra: (Faz que “não” com a cabeça).. Roth: seu..Elizandra: única coisa que vi foi o corpo já no chão(para um momento e pensa).. Isabela. mas a certa distancia já. L: Don Clemenza... -D. H Roth: e ele estava metido com algo perigoso com alguma divida ou algo assim? Tem percebido alguma mudança de comportamento? Elizandra: bom. certo? (Vicenzi faz que “sim” com a cabeça. Isabela e Vicenzi sentados perpendicularmente a mesa. . mas Vicenzi faça-me um favor.. -D. Walter: de quem? Elizandra: eu não os conheço. Em cena..ultimamente ele tem recebido muitas visitas inesperadas. Entra musica (Godfather soundtrack). Don Lucchesi está sentado a sua mesa (cheia de livros) pensativo. por favor. ele comentou sobre uma visita importante.. só o que vi é que usava um chapéu largo e longas vestes. É tudo. Don Lucchesi Corleone. Também tem andado muito nervoso Walter: e você sabe por quê? Elizandra: (pensa por um momento) Não faz muito tempo. -Vicenzi: Lucchesi. H. Vicenzi e Isabela.

Pode me explicar por que apenas 25% dos lucros dos cassinos em cuba chegaram até mim? -Clemenza: Bom Lucchesi. L: Fale!! -Clemenza: Tudo bem... como assim?Para ninguém (Vicenzi encosta a arma na cabeça de Clemenza) -D. você sabe que as revoluções em Cuba não colaboraram para.. L: Quem está na jogada Clemenza? Para quem você está mandando o dinheiro? -Clemenza: Ora Lucchesi.(Vicenzi aponta uma arma para a cabeça de Clemenza) -D.. entenda que. após a festa dele de aniversario. L: Certo. L: Ela me ajuda bastante. (gesticula com as mãos)é que..(Lucchesi o enterrompe). (eles parar de falar por um momento) -D. Lucchesi.(desesperado). alguns revolucionários andaram nos dando alguns prejuízos. maldito Fidel! E então.. -D. O que aconteceu com o resto? -Clemenza: Ora Lucchesi. -D.. -D. E ele... para Don Trápani.-Clemenza: (cochichando) Não sei como consegue trabalhar com uma mulher em seu escritório.(Lucchesi o olha atentamente)Ele me prometeu uns favores e. L: o que mais? (Vicenzi guarda a arma) -Clemenza: Ele está planejando te matar. -D... (Olha brevemente para Isabela e da um sorriso) -D.. L: E por que estes prejuízos não constam no relatório que me mandou? -Clemenza: Bom Don Corleone... L: O combinado é 45% Clemenza. estão todos na mão dele. onde está o dinheiro? -Clemenza: Em minha casa.. mas vamos aos negócios Clemenza.agora ele domina todo o negócio de drogas e prostituição em Cuba. L: Você esta me roubando!!?(aos gritos) Eu te dei a chance de trabalhar comigo Clemenza! Deixei-te administrar os cassinos em Cuba para mim!E é isso que me dá de volta? -Clemenza: Por favor. ..

costumava ir. (blackout. Don Corleone está te esperando. fica apenas Luchesi) -D.quando ele ia ao bar tinha um homem que entrava logo depois dele. Roth: Olá senhora.. Entra Cecilia devagar olha o corpo e coloca a mão em um ombro de Elizandra. (Vicenzi chega por traz de Clemenza e o enforca com uma corda) -D. qual o seu nome? Parente deste homem? -Cecilia: Chamo-me Cecilia. Um homem estranho. Isabela..mas ultimamente. Roth: E você sabe de algo que pode nos ajudar? -Cecilia: Bom. eles se esbarram. quero ele aqui amanha ouviu? Espero que não aconteça isso novamente. estão me esperando no. (todos saem. -Walter:É só o que sabe? -Cecilia: Bom. vá até a casa dele e pegue o dinheiro. Blackout FIM DE CENA Cena 3 De volta para a cena 1. Cecilia pára para ouvir... com roupas escuras e chapéu.. L: Não suporto traidores.. apenas nos encontramos algumas vezes. -Al Pacino: Tudo bem.) -Isabela: Al Pacino.. só para falar algo breve e ia embora.. pedem desculpas e continuam a andar. tentado confortá-la.. Elizandra já mais calma. não tenho certeza. L: Tudo bem.-D. (arrumando suas coisas)agora eu vou indo. H. já estou indo. é melhor você ir rápido falar com ele. -H. trabalho num bar onde ele costuma. -Clemenza: (feliz por não ter sido morto)Ah! Muito obrigado Don Corleone! Não vou te decepcionar. . L: Tire-o daqui. Roth e Walter se olham. entra rapidamente Isabela e para Al Pacino. certo dia. troca rápida de cenário. -H.... entra do lado esquerdo do palco Al Pacino e do lado direito Cecilia.

Roth: Bom dia senhor.. L: Bom dia cavalheiros. -H. Don Corleone... -H. Bom mas senhor Luchesi.. Isabela e Vicenzi aguardam a visita dos policiais. -Walter: Aé? Mas por quê? Ele pode ser apenas “qualquer um”.. e cuidei dele até sair de casa e morar com sua esposa. Roth: Pois é. L: Ó meu deus! Eu não acredito! Al Pacino morreu? Como? -Walter: ele morreu ontem à noite signore.... Roth: Hum. -H. Roth: O senhor já deve saber da morte de Al Pacino Corleone não? -D. Roth: com licença senhora. L: quero que fiquem apenas sentados escutando. mas não custa conferir. chamo-me Luchesi Corleone... qualquer coisa vocês são. Don Corleone. Roth: não sabia que falava Italiano Walter. ele. (Roth olha desconfiado para Walter) -H. Uns amigos que vieram me visitar. (entra os policiais). Roth: vocês tinham algum tipo de negocio juntos? . não o conheço. -D. (dirige-se à Elizandra) qual o nome de seu marido? -Elizandra: Al Pacino. que ligação o senhor tinha com este homem? -D. -H. é este seu nome? -D. -H. Roth: Acho que devemos fazer uma visita a esse Don corleone. Já ouviu falar deste homem Walter? (Walter responde com certo desconforto) -Walter: Não. A que devo esta visita inesperada senhores? -H.. L: Sou irmão de seu pai. Blackout FIM DE CENA Cena 4 No escritório de Don Corleone.... os pais dele morreram quando ele tinha 16 anos. é..(blackout.. volta para a cena onde Cecilia está falando com os policiais) -H. Al Pacino Corleone.

-H.. E Walter. cenário vazio. -D. é só mais um cara normal. Roth: e vocês tinham algum tipo de divida? Pois ele foi assassinado. mas não confio nele. sempre pagamos nossas contas direitinho. tenho negócios com ele. ele pretende me matar em sua . por favor entenda. eu marquei um encontro com Don Trápani. P: mas não é isso que eu quero! -D. -H. ele não me pareceu muito confiável. Vicenzi e Al Pacino(sentado à mesa de seu padrinho conversando). Depois que ele morreu. vocês matam. eu falei.. Acho que é só. eu não quero trabalhar com você!(gritando)Estes negócios são ilegais. L: Al Pacino.. L: se tiverem noticias me avisem. e quando você terminar a faculdade irá me substituir! Você será o Don! -A. Roth e Walter) -H. -D. Roth: não sei não. seu pai quando morreu me fez prometer que ensinaria tudo sobre nossos negócios para você. eu queria saber o que aconteceu entre ele e seu sobrinho antes do assassinato. entram conversando H. -H. Roth: o que achou deste homem Walter? -Walter: deve estar falando a verdade. Don Luchesi. parece que ele tem algo de muito importante para esconder. Agora.. (Blackout) FIM DE CENA Cena 5 No escritório. Al Pacino ocupou seu cargo e trabalhava comigo. L: não. Roth: Certo. breve blackout. Quando aprendeu a falar italiano? -Walter: nos meus tempos livres eu aprendo um pouco com livros. Isabela. um Corleone sempre cumpre com suas promessas. até mais cavalheiros.ainda mais parente do morto.. Vamos indo. L: eu prometi ao seu pai. -D.. L: eu e seu pai éramos do ramo do azeite de oliva e vinho. roubam e traficam coisas! Vou sair desta porcaria de faculdade e seguir meu próprio caminho.-D. (os dois se retiram. -A. P: padrinho.

-D. . não é fácil assim falar um preço. L: isso mesmo e quero me certificar de que não restou nada.. T: bom então temos que renegociar os valores. L: Don Trápani. L: Hum. por favor. T: Ah estão muito bem. para que me chamou aqui? -D. -D.. T: bom Luchesi.. T: então.. apesar da revolução ainda temos bastante movimento lá. -D. mas deve me assegurar de que todo seu negócio em Cuba passará para mim certo? -D. L: é.. T: claro claro. verá a realidade com que terá que trabalhar.esperto você. -D.. L: e somos os únicos lá não somos? -D. e somos os únicos na área não é? -D. L: como assim? Seus cassinos lá não valem mais que isso. sente-se. quero que fique para aprender...E quero negociar alguns aqui também. os números parecem muito bons mesmo.por que não quer fazer negócio? -D. Quanto quer em sua parte de Cuba? -D. T: mas tudo o que tenho lá não vale apenas o que esta querendo negociar. já que são apenas parte de nossos cassinos. T: então Don Corleone.. T: se fecharmos terei de passar tudo para você ? -D. eu gostaria de saber como estão nossos negócios em cuba... L: isso mesmo. -D.. -D. conhece meu sobrinho Al Pacino? (todos se cumprimentam). L: por isso Don Trápani quero comprar sua parte de todo seu negócio em Cuba.. T: Don Corleone! -D. T: é mas. L: Don Trápani.que tal seus negócios na região norte de Nova York? -D..festa de aniversário. -D. O que tenho lá vale mais do que esta me oferecendo. -D.. eu mesmo tratei de investigar isso. Tudo bem. (Vicenzi se levanta para abrir a porta para Don Trápani) -D. -D. T: como assim Luchesi? Quer comprar tudo que tenho em Cuba? -D. -D. T: sim é claro Luchesi..

-Luigi: tudo bem. L: não. L: como vai Luigi? -Luigi: estou bem. L: Clemenza me contou tudo Trápani! (Don Trapani se levanta) -D. L: você se lembra de meu sobrinho? -Luigi: sim claro! . aconteceu alguma coisa? -D.mande-o entrar. não se incomode. -A. ele parece estar desconfiando do senhor padrinho. L: eu sabia que ele seria problema.. L: é seu amigo policial? -Luigi: isso mesmo.. mas quando terminar terei uma vaga garantida para juiz. o senhor parece meio nervoso padrinho. rápido. deixe que eu cuide disso. P: nunca!!! Nuca irei trabalhar para você !! Recusome ser um mafioso! Eu tenho caráter padrinho. L: seu filho da mãe. L: Humpf. L: mas ele ia atirar em mim! Você viu! -A.. -Luigi: o que quer que eu faça? -D. e vou desmascarar todos vocês! Idiotas! (sai pela porta caminhando rápido. caráter!! Coisa que vocês não tem. P: meu deus!! Você matou ele! -D. Acha que pode nos enganar assim e ainda querer sair no lucro? Não quer me vender pois tem negócios com tráfico de drogas e prostituição! -D. -D.. T: Desgraçados! (sai correndo para a porta. P: pare com isso padrinho! -D.. O resto deixa comigo.. só tente convencer ele de não abrir nenhuma investigação nova.-D. Vou seguir meu caminho dentro da lei. sei que você também tem negócios com esses políticos. em frente a porta está Isabela apontando uma arma para ele. sabe o que mais. -D. Luchesi quer segui-lo) -Vicenzi: signore! Luigi está te esperando! -D. mas trágo más noticias. (entra Luigi) -Luigi: Padrinho! (beija sua mão) -D. eu vou continuar minha faculdade... Trápani se vira para Luchesi e tenta sacar uma arma mas Isabela atira em suas costas). T: o que ? -A.

cuide-se. entra Al Pacino caminhando.. que cai no chão soltando ao seu lado uma maleta que levava sempre com ele. (Isabela sai de cena). revoltou-se contra meus negócios. -Luigi: como assim? D.. Entra Vicenzi lentamente e aponta uma arma para Al Pacino. L: certo. L: ele tem conhecimento. L: Ele tem algo muito perigoso Luigi. Vicenzi abre a maleta e de lá tira uma folha de papel e lê) .e dignidade. (Vicenzi atira contra Al Pacino. pior. L: ele se revoltou contra mim. -Vicenzi: si signore. -A. -A. bom. -Vicenzi: se padrinho apenas acha que pode trazer problemas para os negócios. Já seu filho é diferente. vou torcer para que de certo.. tchau. mas consegui convencê-lo. P: vai me matar Vicenzi? Não acredito que cresci com monstros como vocês. Já estou de saída padrinho. problemas sérios. até mais. Blackout FIM DE CENA Cena 6 Cenário com pouca luz. tenho um trabalho importante para você. vai até o meio do palco e olha para a platéia com aspecto sério. -Luigi: bom ele sempre me pareceu um homem esperto. (Luigi sai de cena)Isabela cuide para que o policial não interfira mais. sempre foi o “certinho”da família.Por que se revoltaria contra nós? -D. (Luigi se levanta e beija a mão de seu padrinho). -Luigi: bom. é como o pai. -D.. P: Só por que sou mais inteligente do que ele? -Vicenzi: seu tio manda lembranças. se ele continuar assim vai nos trazer problemas.-D. Vicenzi.

olha o corpo. rasga a folha em vários pedaços e guarda-os na maleta. digo não à máfia. olha o papel e o pega. por isto. Fim . sai calmamente). o caráter de um homem honesto. Em seguida Luchesi entra caminhando calmamente. e farei o possível para combatê-la” (Vicenzi termina de ler.“ Eu espero que eu sempre possua firmeza e virtude suficientes para manter o que eu considero o mais invejável de todos os títulos. solta o papel no chão e sai.

Related Interests