Cálculo II

São Cristóvão/SE
2009
Samuel da Cruz Canevari
Projeto Gráfico e Capa
Hermeson Alves de Menezes
Elaboração de Conteúdo
Samuel da Cruz Canevari
Canevari, Samuel da Cruz.
C221c Cálculo II / Samuel da Cruz Canevari -- São
Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, CESAD,
2009.
1. Cálculo. 2. Matemática. I. Título.
CDU 517.2/.3
Copyright © 2009, Universidade Federal de Sergipe / CESAD.
Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida, transmitida e grava-
da por qualquer meio eletrônico, mecânico, por fotocópia e outros, sem a
prévia autorização por escrito da UFS.
FICHA CATALOGRÁFICA PRODUZIDA PELA BIBLIOTECA CENTRAL
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
Cálculo II
UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
Cidade Universitária Prof. “José Aloísio de Campos”
Av. Marechal Rondon, s/n - Jardim Rosa Elze
CEP 49100-000 - São Cristóvão - SE
Fone(79) 2105 - 6600 - Fax(79) 2105- 6474
Chefe de Gabinete
Ednalva FreireCaetano
Coordenador Geral da UAB/UFS
Diretor do CESAD
Itamar Freitas
Vice-coordenador da UAB/UFS
Vice-diretor do CESAD
Fábio Alves dos Santos
Coordenador do Curso de Licenciatura
em Matemática
Hassan Sherafat
Presidente da República
Luiz Inácio Lula da Silva
Ministro da Educação
Fernando Haddad
Secretário de Educação a Distância
Carlos Eduardo Bielschowsky
Reitor
Josué Modesto dos Passos Subrinho
Vice-Reitor
Angelo Roberto Antoniolli
NÚCLEO DE MATERIAL DIDÁTICO
Hermeson Menezes (Coordenador)
Jean Fábio B. Cerqueira (Coordenador)
Baruch Blumberg Carvalho de Matos
Christianne de Menezes Gally
Edvar Freire Caetano
Fabíola Oliveira Criscuolo Melo
Gerri Sherlock Araújo
Isabela Pinheiro Ewerton
Jéssica Gonçalves de Andrade
Lara Angélica Vieira de Aguiar
Lucílio do Nascimento Freitas
Neverton Correia da Silva
Nycolas Menezes Melo
Péricles Morais de Andrade J´nior
Taís Cristina Samora de Figueiredo
Tatiane Heinemann Böhmer
Diretoria Pedagógica
Clotildes Farias (Diretora)
Hérica dos Santos Matos
Diretoria Administrativa e Financeira
Edélzio Alves Costa Júnior (Diretor)
Núcleo de Tutoria
Rosemeire Marcedo Costa (Coordenadora)
Carla Darlem Silva dos Reis
Amanda Maíra Steinbach
Luís Carlos Silva Lima
Rafael de Jesus Santana
Núcleo de Tecnologia da
Informação
Fábio Alves (Coordenador)
André Santos Sabânia
Daniel SIlva Curvello
Gustavo Almeida Melo
João Eduardo Batista de Deus Anselmo
Heribaldo Machado Junior
Luana Farias Oliveira
Rafael Silva Curvello
Núcleo de Formação Continuada
Andrezza Maynard (Coordenadora)
Assessoria de Comunicação
Guilherme Borba Gouy
Núcleo de Serviços Gráficos e
Audiovisuais
Giselda Barros
Sumário
Aula 1: Integrais Impróprias 7
1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
1.2 Extremos de Integração Infinitos . . . . . . . . . . 8
1.3 Integrais Impróprias com descontinuidades . . . . . 11
1.4 Convergência de Integrais Impróprias . . . . . . . . 14
1.5 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.7 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 17
1.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
Aula 2: Seqüências de Números Reais 19
2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
2.2 Seqüências e Subseqüências . . . . . . . . . . . . . 20
2.3 Seqüências Convergentes . . . . . . . . . . . . . . . 22
2.4 Seqüências Monótonas e Seqüência Limitadas . . . 29
2.5 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
2.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
2.7 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 35
2.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Aula 3: Séries de Números Reais 37
3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.2 Séries Numéricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3.3 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
3.4 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
3.5 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 56
3.6 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Aula 4: Séries de Potências 59
4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
4.2 Série de Potências . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
4.3 Representação de Funções . . . . . . . . . . . . . . 67
4.4 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69
4.5 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
4.6 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 70
4.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
Aula 5: Métodos de Representação de Funções em
Séries de Potências 73
5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
5.2 Diferenciação e Integração . . . . . . . . . . . . . . 74
5.3 Séries de Taylor e de Maclaurin . . . . . . . . . . . 76
5.4 Séries Binomiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
5.5 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
5.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
5.7 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 89
5.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
Aula 6: Equações Paramétricas 91
6.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
6.2 Equações Paramétricas . . . . . . . . . . . . . . . . 92
6.3 Cálculo com Curvas Paramétricas . . . . . . . . . . 95
6.3.1 Tangentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
6.3.2 Áreas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
6.3.3 Comprimento de Arco . . . . . . . . . . . . 101
6.3.4 Área de Superfície . . . . . . . . . . . . . . 102
6.4 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
6.5 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
6.6 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 105
6.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Aula 7: Curvas Polares 107
7.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
7.2 Coordenadas Polares . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
7.3 Curvas Polares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
7.4 Tangentes as Curvas Polares . . . . . . . . . . . . . 114
7.5 Áreas e Comprimentos em Coordenadas Polares . . 116
7.6 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
7.7 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
7.8 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 122
7.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
Aula 8: Funções com Valores Vetoriais 123
8.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
8.2 Definições e Propriedades . . . . . . . . . . . . . . 124
8.3 Limite e Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . 126
8.4 Derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
8.5 Integral . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
8.6 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
8.7 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 130
8.8 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 131
8.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 132
Aula 9: Curvas Espaciais 133
9.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
9.2 Movimentos no espaço . . . . . . . . . . . . . . . . 134
9.3 Movimento no espaço: Velocidade e Aceleração . . 142
9.4 Comprimento de Arco . . . . . . . . . . . . . . . . 145
9.5 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
9.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
9.7 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 149
9.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
Aula 10: Funções de Varias Variáveis Reais a Valores
Reais 151
10.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
10.2 Noções Topológicas no R
2
. . . . . . . . . . . . . . 152
10.3 Funções . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158
10.4 Gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
10.5 Curvas de Nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
10.6 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
10.7 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
10.8 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 170
10.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171
Aula 11: Limites, Continuidade e Derivadas Parciais 173
11.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
11.2 Limite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
11.3 Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
11.4 Derivadas Parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
11.5 Derivadas parciais de ordem superior . . . . . . . . 187
11.6 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
11.7 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
11.8 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 193
11.9 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
Aula 12: Funções Diferenciáveis 195
12.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
12.2 Diferenciabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196
12.3 Plano Tangente e Reta Normal . . . . . . . . . . . 204
12.4 A Diferencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
12.5 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
12.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210
12.7 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 213
12.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
Aula 13: Regra da Cadeia e Derivação Implícita 215
13.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
13.2 Regra da Cadeia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
13.3 Derivação de funções definidas implicitamente . . . 218
13.4 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
13.5 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223
13.6 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 224
13.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
Aula 14: Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais 225
14.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
14.2 Vetor Gradiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
14.3 Derivada Direcional . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
14.4 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
14.5 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
14.6 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 237
14.7 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
Aula 15: Máximos e Mínimos 239
15.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 240
15.2 Pontos de Máximo e Pontos de Mínimo . . . . . . 240
15.3 Máximos e Mínimos sobre Conjuntos Compactos . 246
15.4 Máximos e Mínimos Condicionados . . . . . . . . . 250
15.5 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 256
15.6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
15.7 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . 260
15.8 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
1
AULA
1
LIVRO
Integrais Impróprias
META
Apresentar os conceitos e pro-
priedades de integrais com extremos
de integrações infinitos e integrais
de funções com descontinuidade.
OBJETIVOS
Calcular áreas de regiões não limi-
tadas.
PRÉ-REQUISITOS
Conceitos de funções reais, funções
contínuas e o Teorema Fundamental
do Cálculo.
Integrais Impróprias
1.1 Introdução
Caros alunos, estamos iniciando o curso de Cálculo II. Neste curso,
faremos uso de bastantes conceitos e resultados vistos no curso de
Cálculo I. Esta primeira aula tem por objetivo estender o Teorema
Fundamental do Cálculo (TFC) e definir as Integrais Impróprias.
No TFC, os limites de integração, a e b em

b
a
f(x)dx, são
números reais e f uma função contínua no intervalo [a, b]. Pode
acontecer que, ao aplicarmos estes conceitos, seja preciso ou con-
veniente considerar os casos em que a = −∞, b = +∞, ou f seja
descontínua em um ou mais pontos do intervalo. Nestas condições,
é preciso ampliar conceito de integral e as técnicas de integração,
de modo a incluir estes casos adicionais. Estas integrais, em que
a = −∞, b = +∞ ou f é descontínua em [a, b], são chamadas Inte-
grais Impróprias. Nem sempre uma integral deste tipo representa
um número real, isto é, nem sempre uma integral imprópria ex-
iste. Quando ela existe, seu valor é calculado levando-se em conta
a generalização do conceito de integral definida.
1.2 Integrais Impróprias com Extremos de
Integração Infinitos
Exemplo 1.2.1. Consideremos o problema de encontrar área da
região limitada pela curva y = e
x
, pelo eixo−y e pela reta x =
b > 0 como mostra a Figura 1.1 abaixo.
Se A unidades de área for a área da região, então
A =

b
0
e
−x
dx = −e
−x

b
0
= 1 −e
−b
= 1 −
1
e
b
.
8
Livro de Cálculo II
1
AULA
Figura 1.1: Área
Se deixarmos b crescer sem limitações, então
lim
b→∞

b
0
e
−x
dx = lim
b→∞
(1 −
1
e
b
) = 1. (1.1)
Segue da equação (1.1) que não importa quão grande seja o
valor de b, a área da região será sempre menor do que 1 unidades
de área.
A equação (1.1) estabelece que se b > 0 para todo > 0 existe
um N > 0 tal que
se b > N então [

b
0
e
−x
dx −1[ < .
Em lugar de (1.1) escrevemos


0
e
−x
dx = 1. Em geral temos
as seguintes definições:
Definição 1.1. (i) Se f for contínua para todo x ≥ a, então


a
f(x)dx = lim
b→∞

b
a
f(x)dx
se esse limite existir;
(ii) Se f for contínua para todo x ≤ b, então

b
−∞
f(x)dx = lim
a→−∞

b
a
f(x)dx
9
Integrais Impróprias
se esse limite existir;
(i) Se f for contínua para todos valores de x e c for um número
real qualquer, então


−∞
f(x)dx = lim
a→−∞

0
a
f(x)dx + lim
b→+∞

b
0
f(x)dx
se esse limite existir;
Na definição acima, se o limite existir, diremos que a integral
imprópria é convergente, caso caso contrário, diremos que é diver-
gente.
Exemplo 1.2.2. Calcule a integral, se ela convergir:

2
−∞
dx
(4 −x)
2
.
(Ver Figura 1.2)
Figura 1.2: Área com extremo inferior indefinido.
Resolução:

2
−∞
dx
(4 −x)
2
= lim
a→−∞

2
a
dx
(4 −x)
2
= lim
a→−∞
¸
1
4 −x

2
a
= lim
a→−∞
(
1
2

1
4 −a
) =
1
2
.
Exemplo 1.2.3. Estude a convergência da integral:

+∞
0
xe
−x
dx.
10
Livro de Cálculo II
1
AULA
Resolução:

+∞
0
xe
−x
dx = lim
a→+∞

a
0
xe
−x
dx
Para calcular essa integral, usaremos integração por partes com
u = x, dv = e
−x
, du = dx e v = −e
−x
. Assim,

+∞
0
xe
−x
dx = lim
a→+∞

−xe
−x
−e
−x

a
0
= lim
a→+∞
(−ae
−a
−e
−a
+ 1)
= − lim
a→+∞
a
e
a
−0 + 1.
Aplicando a regra de L’Hospital temos que
lim
a→+∞
a
e
a
= lim
a→+∞
1
e
a
= 0
e portanto

+∞
0
xe
−x
dx = 1.
1.3 Integrais Impróprias com descontinuidades
Exemplo 1.3.1. Suponha que queremos obter a área da região
do plano limitada pela curva cuja equação é y =
1

x
, pelo eixo-x,
pelo eixo-y e pela reta x = 4. Conforme ilustrado na Figura 1.3
abaixo:
Se for possível ter um número que represente a medida da área
dessa região, ele será obtido pela integral

4
0
1

x
.
Entretanto, o integrando é descontínuo no extremo inferior zero.
Além disso, lim
x→+∞
1

x
= +∞, assim dizemos que o integrando tem
11
Integrais Impróprias
Figura 1.3: Área com descontinuidade no extremo inferior de inte-
gração
uma descontinuidade infinita no extremo inferior. Essa integral é
imprópria e sua existência pode ser determinada da seguinte forma:

4
0
1

x
= lim
t→0
+

4
t
1

x
= lim
t→0
+
(2

x

4
t
) = lim
t→0
+
(4 −2

t) = 4
logo 4 será a medida da área da região dada.
Mais geralmente temos a seguinte definição:
Definição 1.2. (i) Se f for contínua para todo x do intervalo
semi-aberto à esquerda (a, b], e se lim
x−→a
+
f(x) = ±∞, então

b
a
f(x)dx = lim
t→a
+

b
t
f(x)dx
se esse limite existir;
(ii) Se f for contínua para todo x do intervalo semi-aberto à direita
[a, b), e se lim
x−→b

f(x) = ±∞, então

b
a
f(x)dx = lim
t→b

t
a
f(x)dx
se esse limite existir;
(iii) Se f for contínua para todos valores de x no intervalo [a, b]
12
Livro de Cálculo II
1
AULA
exceto c, onde a < c < b e se lim
x−→c
[f(x)[ = +∞, então

b
a
f(x)dx = lim
t→c

t
a
f(x)dx + lim
s→c
+

b
s
f(x)dx
se esse limite existir;
Exemplo 1.3.2. Calcule a integral, se ela for convergente:

2
0
dx
(x −1)
2
.
Resolução:
O integrando tem uma descontinuidade infinita em 1, ou seja,
lim
x−→1
dx
(x −1)
2
= +∞, portanto, pela definição que acabamos de
estabelecer, temos

2
0
dx
(x −1)
2
= lim
t→1

t
0
dx
(x −1)
2
dx + lim
s→1
+

2
s
dx
(x −1)
2
dx
= lim
t→1

(−
1
x −1
)[
t
0
+ lim
s→1
+
(−
1
x −1
)[
2
s
= lim
t→1

(−
1
t −1
−1) + lim
s→1
+
(
1
s −1
−1)
Como nenhum desses limites existe, a integral imprópria é diver-
gente.
Se no exemplo anterior não tivéssemos notado a descontinuidade
do integrando em 1, teríamos

2
0
dx
(x −1)
2
= (−
1
x −1
)[
2
0
= −2.
Esse resultado é obviamente incorreto, uma vez que
1
(x −1)
2
nunca
é negativo.
Exemplo 1.3.3. Calcule a integral, se ela existir:

1
0
x ln xdx.
Resolução:
O integrando tem uma descontinuidade no extremo inferior. Por-
tanto, escrevemos

1
0
x ln xdx = lim
t−→0
+

1
t
x ln xdx
13
Integrais Impróprias
Para calcular essa integral, usaremos integração por partes com
u = ln x, dv = xdx, du =
1
x
dx e v =
x
2
2
. Assim,

1
0
x ln xdx = lim
t−→0
+

1
t
x ln xdx = lim
t−→0
+
(
1
2
x
2
ln x −
1
4
x)[
1
t
= lim
t−→0
+
(
1
2
ln(1) −
1
4

1
2
t
2
ln(t) +
1
4
t)
= −
1
4

1
2
lim
t−→0
+
t
2
ln(t).
Note que lim
t−→0
+
t
2
ln(t) é uma indeterminação to tipo 0.(−∞). Para
calcular esse limite, usaremos L’Hospital,
lim
t−→0
+
t
2
ln(t) = lim
t−→0
+
ln(t)
1
t
2
= lim
t−→0
+
1
t

2
t
3
= lim
t−→0
+

t
2
2
= 0.
Logo,

1
0
x ln xdx = −
1
4
.
1.4 Convergência e Divergência de Integrais
Impróprias: Critério de Comparação
Algumas vezes é impossível encontrar o valor exato de uma in-
tegral imprópria, mais ainda assim é importante saber se ela é
convergente ou divergente. Em tais casos o critério de comparação
é útil.
Observamos, inicialmente, que se f for integrável em [a, t], para
todo t > a, e se f(x) ≥ 0 em [0, +∞), então a função
F(x) =

x
a
f(t)dt, x ≥ a
será crescente em [0, +∞). De fato, se x
1
e x
2
são dois valores reais
quaisquer, com 0 ≤ x
1
< x
2
então
F(x
2
) −F(x
1
) =

x
2
a
f(t)dt −

x
1
a
f(t)dt =

x
2
x
1
f(t)dt ≥ 0.
14
Livro de Cálculo II
1
AULA
Segue que, lim
x−→∞

x
a
f(t)dt ou será finito ou +∞; será finito e
existir M ≥ a tal que

x
a
f(t)dt ≤ M para todo x ≥ a.
Critério da Comparação: Sejam f e g duas funções integráveis
em [a, t], para todo t > a, e tais que, para todo x ≥ a, 0 ≤ f(x) ≤
g(x). Então
a)

+∞
a
g(x)dx converge =⇒

+∞
a
f(x)dx converge.
b)

+∞
a
f(x)dx diverge =⇒

+∞
a
g(x)dx diverge.
Demostração:
a) lim
t−→+∞

+∞
a
g(x)dx é finito, pois por hipótese,

+∞
a
g(x)dx é
convergente. De 0 ≤ f(x) ≤ g(x), para todo x ≥ a, resulta

t
a
f(x)dx ≤

t
a
g(x)dx ≤

+∞
a
g(x)dx.
Sendo F(t) =

t
a
f(x)dx crescente e limitada, resulta que lim
t−→+∞

t
a
f(x)dx
será finito e, portanto,

+∞
a
f(x)dx será convergente.
b) análoga. . ¯
Exemplo 1.4.1. Verifique que

+∞
0
e
−x
sen
2
xdx é convergente.
Resolução:
Note que,
0 ≤ e
−x
sen
2
x ≤ e
−x
, para todo x ≥ 0
e mais

+∞
0
e
−x
dx = lim
t−→∞

t
0
e
−x
dx = lim
t−→∞
(e
−t
+ 1) = 1,
15
Integrais Impróprias
logo,

+∞
0
e
−x
dx é convergente. Segue do critério de comparação
que

+∞
0
e
−x
sen
2
xdx é convergente e, além disso,

+∞
0
e
−x
sen
2
xdx ≤
1.
Exemplo 1.4.2. Verifique que a integral imprópria

+∞
1
x
3
x
4
+ 3
dx
é divergente.
Resolução:
Note quem
x
3
x
4
+ 3
=
1
x

x
2
1 +
3
x
4
.
Para todo x ≥ 1,
x
2
1 +
3
x
4

1
4
, e, portanto,
x
3
x
4
+ 3

1
4x
> 0.
De

+∞
0
1
4x
dx = +∞, segue, pelo critério de comparação, que

+∞
1
x
3
x
4
+ 3
dx é divergente.
1.5 Resumo
Nesta aula, você aprendeu calcular a

b
a
f(x)dx onde a = −∞ e
b = +∞; ou f é descontínua em um ou mais pontos do intervalo
[a, b]. Esta ferramenta será bastante útil nas próximas aulas, onde
estudaremos convergências de séries numéricas.
1.6 Atividades
01. Estude a convergência das integrais a seguir:
(a)

+∞
−∞
xe
−x
dx (c)

+∞
−∞
xe
−x
2
dx (e)

+∞
1
ln x
x
dx
16
Livro de Cálculo II
1
AULA
(b)

+∞
1
1
x
dx (d)

+∞
1
1
x
2
(f)

+∞
−∞
xdx
02. Calcule as seguintes integrais, se existirem:
(a)

1
0
1

x
dx (c)

1
0
ln x dx (e)

2
−1
1
4 −x
2
dx
(b)

1
0
1
x
dx (d)

3
1
x
2

x
3
−1
(f)
π
4
0
cos x

sen x
dx
03. Suponha f integrável em [a, t), para todo t ≥ a. Prove que se

+∞
0
[f(x)[dx é convergente, então

+∞
0
f(x)dx também é con-
vergente. (Sugestão: use que 0 ≤ [f(x)[ + f(x) ≤ 2[f(x)[ e que
f(x) = [f(x)[ + f(x) −[f(x)[)
04. Usando o exercício 03., prove que a integral

+∞
0
e
−x
sen
3
xdx
é convergente.
05. A integral

+∞
1
sen x
x
dx é convergente ou divergente? Justi-
fique sua resposta.
1.7 Comentário das Atividades
A atividade 01. é para você (aluno) praticar os conceitos vistos na
Seção 1.2. Se você conseguiu resolver todos os ítens desta ativi-
dade, então você aprendeu a calcular integrais impróprias com ex-
tremos de integração infinitos.
A atividade 02. é referente a Seção 1.3. Conseguiu resolver to-
dos os ítens desta atividade? Que bom!!! Você aprendeu a calcular
17
Integrais Impróprias
integrais impróprias com descontinuidades.
Nas atividades 03., 04. e 05. devem usar os resultados vistos na
Seção 1.4. Tais resultados são muito úteis no cálculo de integrais
impróprias.
1.8 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
18
2
AULA
1
LIVRO
Seqüências de
Números Reais
META
Estudar seqüências de números
reais.
OBJETIVOS
Estudar a convergência de seqüên-
cias numéricas infinita.
PRÉ-REQUISITOS
Funções Reais, Limites, Derivadas,
Integrais de funções reais e a Aula
01.
Seqüências de Números Reais
2.1 Introdução
Nesta aula estudaremos as seqüências numéricas infinitas. Tais
seqüências pode ser pensadas como uma lista de números escritos
em uma ordem definida:
x
1
, x
2
, x
3
, , x
n
,
O principal objetivo desta aula, é estudar a convergência de tais
seqüências, em outras palavras, queremos calcular o limite dessas
seqüências quando n tende ao infinito.
2.2 Seqüências e Subseqüências
Definição 2.3. Uma seqüência de números reais é uma função
x : N −→ R para a qual denotamos o valor de x em n por x
n
em
vez de x(n).
Geralmente usamos a notação (x
n
)
n∈N
para representar a se-
qüência x : N −→R. Às vezes a notaremos também por
(x
1
, x
2
, . . . , x
n
, . . .).
Dizemos que x
n
é o termo de ordem n ou que x
n
é o n-ésimo termo
da seqüência.
Quando quisermos explicitar que a imagem da seqüência (x
n
)
n∈N
está contida em A ⊂ R escrevemos (x
n
)
n∈N
⊂ A.
Exemplo 2.2.1. Seja a ∈ R e tomemos x
n
= a para todo n ∈ N.
A seqüência (x
n
)
n∈N
é constante.
Exemplo 2.2.2. Seja a seqüência (x
n
)
n∈N
= 2
n
. Temos
x
0
= 2
0
, x
1
= 2
1
, x
2
= 2
2
, . . .
20
Livro de Cálculo II
2
AULA
Exemplo 2.2.3. Seja a seqüência (s
n
)
n∈N
=

n
¸
k=1
k

n∈N
Temos
s
1
= 1, s
2
= 1 + 2, s
3
= 1 + 2 + 3, . . .
Exemplo 2.2.4. Seja a seqüência (s
n
)
n∈N
=

n
¸
k=1
1
k

n∈N
. Temos
s
1
= 1, s
2
= 1 +
1
2
, s
3
= 1 +
1
2
+
1
3
, . . .
Exemplo 2.2.5. Considere a seqüência
(s
n
)
n∈N
=

n
¸
k=0
t
k

n∈N
, t = 0 e t = 1.
Vamos verificar que
s
n
=
1 −t
n+1
1 −t
.
Solução:
Note que
s
n
= 1 + t + t
2
+ . . . + t
n−1
+ t
n
. (2.1)
Multiplicando ambos os membros de (2.1) por t, obtemos
ts
n
= t + t
2
+ t
3
+ . . . + t
n
+ t
n+1
. (2.2)
Subtraindo membro a membro (2.1) e (2.2), teremos
s
n
(1 −t) = 1 −t
n+1
.
Logo
s
n
=
1 −t
n+1
1 −t
.
Observe que s
n
é a soma dos termos da Progressão Geométrica
1, t, t
2
, t
3
, . . . , t
n
.
21
Seqüências de Números Reais
Definição 2.4. Dizemos que (y
k
)
k∈N
é uma subseqüência de (x
n
)
n∈N
se existe uma seqüência (n
k
)
k∈N
⊂ N com n
k
< n
k+1
, ∀k ∈ N, tal
que y
k
= x
n
k
para todo k ∈ N.
Exemplo 2.2.6. Sejam a, r ∈ N. Considere a seqüência (x
n
)
n∈N
=
a + (n − 1)r, n ≥ 1. Note que a seqüência (x
n
)
n∈N
é uma Pro-
gressão Aritmética de primeiro termo a e razão r. A Progressão
Aritmética (y
k
)
k∈N
de termo inicial a e razão 2r é uma subseqüên-
cia de (x
n
)
n∈N
. De fato, tomando n
k
= 2k −1 (k ∈ N) obtemos:
x
n
k
= a + (n
k
−1)r = a + (2k −2)r = a + (k −1)(2r) = y
k
.
2.3 Seqüências Convergentes
Intuitivamente, uma seqüência (x
n
)
n∈N
é convergente para x se
seus termos se aproximam de x quando n cresce. Esta idéia não
está todo errada. Porém, ela pode induzir a uma idéia equivocada
de convergência. Somos tentados a dizer que (x
n
)
n∈N
converge
para x quando a distância entre x
n
e x diminui à medida que n
cresce. Não é bem assim. Veja a figura 2.4.
Ela Foge um pouco do assunto "seqüências de números reais"mais
ilustra bem o que queremos dizer por "se aproximar". Imagine que,
partindo do ponto A, percorremos no sentido anti-horário o cam-
inho desenhado como indicado pelas setas. Ninguém duvida, e
com razão, de que estaremos assim nos aproximando do ponto O.
Porém, a idéia de que a nossa distância ao ponto O decresce com
o tempo mostra-se errada. Convença-se disto percebendo que pas-
samos primeiro pelo ponto B antes de chegar a C e, entretanto, o
segmento BO é menor que o segmento CO. De fato, a distância a
O cresce quando percorremos o segmento BC. Podemos perceber
22
Livro de Cálculo II
2
AULA
Figura 2.4: Espiral da Convergência
que existem muitos trechos do caminho sobre os quais a distância
a O é crescente com o tempo, de modo que não existe nenhum
ponto a partir do qual a distância a O passe a ser decrescente com
o tempo.
Continuemos analisando a Figura 2.4 em busca da boa definição
de convergência. Observamos que nossa distância a O fica tão
pequena quando quisermos, bastando para isto que continuemos
andando por um tempo suficientemente longo. Por exemplo, nossa
distância a O será menor que 1 depois que passamos pelo ponto
D. Ou seja, em certo instante entramos na bola de raio 1 entrada
em O e dela não saímos mais. Da mesma forma, a partir de outro
instante (futuro) entramos na bola de raio 1/2, centrada em O, e
aí ficamos.De modo geral, dado qualquer número positivo , existe
um instante a partir do qual nossa distância a O será menos que .
Aí está a definição. Para seqüências reais ela é expressa da seguinte
maneira:
Definição 2.5. Um seqüência (x
n
)
n∈N
é dita convergente se existe
23
Seqüências de Números Reais
x ∈ R de modo que
∀ > 0, ∃N ∈ N tal que n ≥ M =⇒ [x
n
−x[ ≤ .
Neste caso, escrevemos x
n
−→ x e dizemos que x é limite da
seqüência (x
n
)
n∈N
ou que x
n
converge para (ou tende a) x quando
n tende a mais infinito (n −→ +∞). Se (x
n
)
n∈N
não converge,
então dizemos que ela é divergente.
Existem seqüências divergentes que possuem limite! Isto é ape-
nas um jogo de palavras. A definição seguinte diz que certas se-
qüências têm limites que não são números reais. Não diremos que
tais seqüências são convergentes.
Definição 2.6. Seja (x
n
)
n∈N
uma seqüência. Dizemos que x
n
tende a mais infinito quando n tende a mais infinito ou que mais
infinito é limite da seqüência e escrevemos
x
n
−→ +∞ ou lim
n−→+∞
x
n
= +∞
se,
∀M ∈ R, ∃N ∈ N tal que n ≥ M =⇒ x
n
≥ M.
Definição 2.7. Seja (x
n
)
n∈N
uma seqüência. Dizemos que x
n
tende a menos infinito quando n tende a mais infinito ou que menos
infinito é limite da seqüência e escrevemos
x
n
−→ −∞ ou lim
n−→+∞
x
n
= −∞
se,
∀M ∈ R, ∃N ∈ N tal que n ≥ M =⇒ x
n
≤ M.
Observamos que as definições acima são exatamente as mesmas
já vistas quando tratamos com limite de uma função f(x) quando
24
Livro de Cálculo II
2
AULA
x −→ +∞; deste modo, tudo aquilo que dissemos sobre os limites
da forma lim
x−→+∞
f(x) aplica-se aqui.
Exemplo 2.3.1. Seja x ∈ R e considere a seqüência dada por
x
n
= x para todo n ∈ N. Temos que x
n
−→ x. De fato, [x
n
−x[ = 0
para todo n ∈ N. Portanto, podemos escrever
∀ > 0, ∃N ∈ N tal que n ≥ N =⇒ [x
n
−x[ < .
Exemplo 2.3.2. Considere a seqüência dada por x
n
=
1
n
para
todo n ∈ N. Vamos mostrar que x
n
−→ 0. Dado > 0, tomemos
N ∈ N tal que N >
1

. Temos então 0 <
1
N
< . Mas se n ∈ N e
n ≥ N, então x
n
=
1
n

1
N
= x
N
. Logo podemos escrever
∀ > 0, ∃N ∈ N tal que n ≥ N =⇒ [x
n
−0[ < .
O leitor talvez conheça a notação lim
x−→+∞
x
n
= x para x
n
−→
x. Vamos refletir sobre ela. Por enquanto, façamos de conta que
não conhecemos a definição de limite. Suponhamos que ao abrir
um livro de Cálculo, pela primeira vez, encontremos as seguintes
inscrições:
x
n
−→ 0 e x
n
−→ 1.
Não ficaríamos chocados. Porém, se estivesse escrito
lim
x−→+∞
x
n
= 0 e lim
x−→+∞
x
n
= 1.
Seríamos levados a concluir que 0 = 1. Ora, é o sinal ” = ” que
nos leva a esta confusão. Se não tivermos a unicidade do limite,
então a notação lim
x−→+∞
x
n
= x é fortemente enganosa.
Teorema 2.1. Sejam (x
n
)
n∈N
uma seqüência e x, y ∈ R tais que
x
n
−→ x e x
n
−→ y. Então x = y.
25
Seqüências de Números Reais
Demonstração: Suponhamos, por absurdo, que x = y. Seja =
|x−y|
2
> 0. Como x
n
−→ x, existe N ∈ N tal que
n ≥ N =⇒ [x
n
−x[ < .
Também temos x
n
−→ y. Logo existe N

∈ N tal que
n ≥ N

=⇒ [x
n
−y[ < .
Seja n o maior dos números N e N

. Para tal n as duas conclusões
anteriores são válidas. Temos então
[x −y[ ≥ [x −x
n
[ +[x
n
−y[ < + = 2 = [x −y[.
Concluímos que [x −y[ < [x −y[, o que é um absurdo.
Exemplo 2.3.3. (Teorema do Confronto) Suponha que exista um
natural n
1
tal que, para todo n ≥ n
1
, a
n
≤ b
n
≤ c
n
. Prove que se
lim
n−→+∞
a
n
= L = lim
n−→+∞
c
n
com L ∈ R, então
lim
n−→+∞
b
n
= L.
Demonstração: Como lim
n−→+∞
a
n
= L = lim
n−→+∞
c
n
, dado > 0
existe N ∈ N que podemos supor maior que n
1
, tal que se n >
N =⇒
L − < a
n
< L + e L − < c
n
< L + .
Tendo em vista a hipótese,
n > n
0
=⇒ L − < a
n
≤ b
n
≤ c
n
< L +
e, portanto,
n > n
0
=⇒ L − < b
n
< L + ,
26
Livro de Cálculo II
2
AULA
ou seja,
lim
n−→+∞
b
n
= L.
Exemplo 2.3.4. Suponha 0 < t < 1. Mostre que
lim
n−→∞
n
¸
k=0
t
k
=
1
1 −t
.
Demonstração: Temos pelo Exemplo 2.2.5 que
s
n
=
n
¸
k=0
t
k
=
1 −t
n+1
1 −t
. Logo
lim
n−→∞
n
¸
k=0
t
k
= lim
n−→∞
1 −t
n+1
1 −t
=
1
1 −t
.
A proxima proposição nos fornece um critério para testarmos
a convergência de uma seqüência dada.
Proposição 1. Uma seqüência (x
n
)
n∈N
tende a x se, e somente
se, toda subseqüência de (x
n
)
n∈N
tende a x.
Demonstração: Suponhamos que exista x ∈ R tal que x
n
−→
x. Seja (y
k
)
k∈N
uma subseqüência de (x
n
)
n∈N
, isto é, y
k
= x
n
k
para
alguma seqüência (n
k
)
k∈N
estritamente crescente. Mostremos que
y
k
−→ x. Seja > 0. Como x
n
−→ x, existe N ∈ N tal que se
n ≥ N, então [x
n
−x[ < . Como (n
k
)
k∈N
é estritamente crescente,
existe K ∈ N tal que se k ≥ K, então n
k
≥ N. Segue que
k ≥ K =⇒ [y
k
−x[ < .
Portanto (y
k
)
k∈N
converge para x. A recíproca é imediata (basta
observar que (x
n
)
n∈N
é uma subseqüência de si mesma).
27
Seqüências de Números Reais
Exemplo 2.3.5. A seqüência (1, 0, 1, 0, 1, 0, 1, 0, 1, 0, . . .) é diver-
gente. De fato, se ela fosse convergente, então pela proposição
anterior todas as suas subseqüências seriam convergente para o
mesmo limite. Porém, (1, 1, 1, 1, 1, . . .) e (0, 0, 0, 0, 0, . . .) são duas
de suas subseqüências sendo que a primeira converge para 1 e a
segunda para 0.
Como corolário da proposição anterior, obtemos que se x
n
tende a x, então x
n+2008
tende a x. Não há nada de especial
com o número 2008. Mais geralmente, fixado p ∈ N, temos que
se x
n
tende a x, então x
n+p
tende a x. É fácil perceber que a
recíproca também é válida, ou seja, se para algum p ∈ N temos
que x
n+p
tende a x, então x
n
tende a x. A importância deste fato
é o seguinte: Se conhecemos alguma propriedade que garanta a
convergência de uma seqüência e soubermos que tal propriedade
só é válida a partir do p−ésimo termo então, ainda sim, pode-
mos concluir que a seqüência é convergente. Vejamos um exemplo
esclarecedor.
Exemplo 2.3.6. Sabemos que seqüências constantes são conver-
gentes. Considere a seqüência (não constante) dada por x
n
=
1000/n|, sendo x| a função Parte Inteira de x, definida abaixo:
x| = m se m ∈ Z e m ≤ x ≤ m + 1.
É fácil ver que x
n
= 0 para todo n > 1000. Ou seja, (x
n
)
n∈N
é
constante a partir do seu milésimo-primeiro termo. Concluímos
que ela é convergente.
Teorema 2.2. Toda seqüência convergente é limitada.
Demonstração: Seja (x
n
)
n∈N
uma seqüência convergente para
x ∈ R. Tomemos = 1 na definição de seqüência convergente,
28
Livro de Cálculo II
2
AULA
concluímos que existe N ∈ N tal que se n ≥ N, então [x
n
−x[ < 1,
isto é, x
n
∈ (x −1, x + 1). Tomando
a = min¦x
1
, . . . , x
N
, x −1¦ e b = max¦x
1
, . . . , x
N
, x + 1¦
temos imediatamente que x
n
∈ [a, b] para todo n ∈ N. Portanto
(x
n
)
n∈N
é limitada.
2.4 Seqüências Monótonas e Seqüência Lim-
itadas
A recíproca do Teorema 2.2 é falsa como mostra o Exemplo 2.3.5.
Porém, existem algumas recíprocas parciais que veremos nesta
seção.
Seja (x
n
)
n∈N
uma seqüência. Dizemos que tal seqüência é cres-
cente se, quaisquer que sejam m, n ∈ N,
m < n =⇒ x
m
≤ x
n
.
Se x
m
≤ x
n
for trocado por x
m
≥ x
n
, então diremos que a seqüên-
cia é decrescente.
Uma seqüência é dita monótona se for crescente ou decrescente.
Dizemos que a seqüência (x
n
)
n∈N
é limitada inferiormente se
existir um número real α tal que, para x
n
≥ α, ∀n ∈ N.
Dizemos que a seqüência (x
n
)
n∈N
é limitada superiormente se
existir um número real β tal que, para x
n
≤ β, ∀n ∈ N.
Uma seqüência é dita limitada se for limitada inferiormente e
superiormente.
O teorema que enunciaremos, e provaremos a seguir, será muito
importante para o que segue.
29
Seqüências de Números Reais
Teorema 2.3. Se (x
n
)
n∈N
é crescente e limitada superiormente,
então x
n
−→ sup¦x
n
; n ∈ N¦. Da mesma forma, se (x
n
)
n∈N
é
decrescente e limitada inferiormente, então x
n
−→ inf¦x
n
; n ∈ N¦.
Demonstração: Vamos provar apenas a primeira parte do teo-
rema já que a segunda se demonstra de modo análogo. Seja s =
sup¦x
n
; n ∈ N¦. Dado > 0, tome N ∈ N tal que x− < x
N
≤ s.
Logo, para n ≥ N, temos x − < x
N
≤ x
n
≤ s. Concluímos daí
que [x
n
−s[ < .
O teorema que acabamos de provar conta-nos que para uma
seqüência crescente só há duas possibilidades: convergente ou di-
vergente para +∞. Será convergente se for limitada superiormente
e divergirá para +∞ se não for limitada superiormente.
Exemplo 2.4.1. A seqüência de termo geral s
n
=
n
¸
k=1
1
k
2
é con-
vergente ou divergente? Justifique.
Solução: Observamos, inicialmente, que a seqüência é crescente.
De fato, qualquer que sejam os naturais m e n, com 1 ≤ m < n,
tem-se
s
m
=
m
¸
k=1
1
k
2
e
s
n
=
m
¸
k=1
1
k
2
+
n
¸
k=m+1
1
k
2
.
Como
n
¸
k=m+1
1
k
2
> 0, resulta que s
n
> s
m
.
Vamos provar a seguir que a seqüência é limitada superior-
mente.
Temos (Veja Figura 2.5)
s
n
= 1 +
1
2
2
+
1
3
2
+ . . . +
1
n
2
≤ 1 +

n
1
1
x
2
dx
30
Livro de Cálculo II
2
AULA
Figura 2.5: Soma Inferior
Como a seqüência de termo geral

n
1
1
x
2
é crescente e
lim
n−→+∞

n
1
1
x
2
dx = lim
n−→+∞
(
−1
n
+ 1) = 1
resulta
s
n
≤ 2, ∀n ≥ 1.
Segue que a seqüência é convergente, pois é crescente e limitada
superiormente por 2.
Exemplo 2.4.2. A seqüência de termo geral s
n
=
n
¸
k=1
1
k
é conver-
gente ou divergente? Justifique.
Solução:
Para todo n ≥ 1, (Veja Figura 2.6)
s
n
= 1 +
1
2
+
1
3
+ . . . +
1
n

n+1
1
1
x
dx
Como
lim
n−→+∞

n+1
1
1
x
dx = lim
n−→+∞
ln n + 1 = +∞
resulta
lim
n−→+∞
s
n
= +∞.
31
Seqüências de Números Reais
Figura 2.6: Soma Superior
Exemplo 2.4.3. Investigue seqüência de termo geral x
n
definida
pela relação de recorrência:
x
1
= 1, x
n+1
=
1
2
(x
n
+ 6), ∀n > 1.
Solução: Observamos, inicialmente, que a seqüência é crescente.
De fato, usaremos indução finita:
1) se n = 1 então x
1
= 2 < 4 = x
2
;
2) suponhamos que x
k−1
< x
k
, ∀k ≥ 2;
3) provemos que x
k
< x
k+1
, ∀k ≥ 2 : Temos que x
k−1
< x
k
.
Somando 6 dew ambos os lados da última desigualdade, obtemos
x
k−1
+6 < x
k
+6. Agora, multiplicando, ambos os lados da última
desigualdade, por
1
2
, concluímos que
1
2
(x
k−1
+ 6) <
1
2
(x
k
+ 6), ou
seja,
x
k
< x
k+1
, ∀k ≥ 2.
Vamos provar agora, usando indução finita, que a seqüência é
limitada superiormente:
1) se n = 1 então x
1
= 2 < 6;
2) suponhamos que x
k−1
< 6, ∀k ≥ 2;
3) Provemos que x
k
< 6, ∀k ≥ 2 : Temos que x
k−1
< 6. Somando 6
32
Livro de Cálculo II
2
AULA
de ambos os lados da última desigualdade, obtemos x
k−1
+6 < 12.
Agora, multiplicando, ambos os lados da última desigualdade, por
1
2
, concluímos que
1
2
(x
k−1
+ 6) < 6, ou seja,
x
k
< 6, ∀k ≥ 2.
Portanto, a seqüência (x
n
)
n∈N
é crescente e limitada superior-
mente, logo é convergente, digamos que para L. Aplicando o limite,
quando n tende a infinito, de ambos os lados de x
n+1
=
1
2
(x
n
+6),
temos:
lim
n−→+∞
x
n+1
= lim
n−→+∞
1
2
(x
n
+ 6)
=⇒ lim
n−→+∞
x
n+1
=
1
2
(6 + lim
n−→+∞
x
n
)
=⇒ L =
1
2
(6 + L) =⇒ L = 6.
Finalizamos esta Aula com o seguinte:
Teorema 2.4. (Bolzano-Weierstrass) Toda seqüência limitada pos-
sui uma subseqüência convergente.
Demonstração: Sejam (x
n
)
n∈N
uma seqüência limitada. Con-
sidere o seguinte conjunto:
N = ¦n ∈ N; x
n
> x
m
, ∀m > n¦.
Existem duas possibilidades: N é infinito ou N é finito.
1) N é infinito: Escrevamos N = ¦n
1
, n
2
, n
3
, . . .¦ com n
1
< n
2
<
n
3
< . . .. Assim, se i < j então n
i
< n
j
e, como n
i
∈ N, obte-
mos que x
n
i
> x
n
j
. Concluímos que a subseqüência (x
n
k
)
k∈N
é
decrescente. Sendo ela limitada obtemos, finalmente, que ela é
convergente.
2) N é finito: Como N é finito, existe n
1
∈ N ` N cota superior
33
Seqüências de Números Reais
de N. Ora, n
1
/ ∈ N logo, existe n
2
> n
1
(e, portanto, n
2
/ ∈ N) tal
que x
n
1
≤ x
n
2
. Mas n
2
/ ∈ N segue que existe n
3
> n
2
(e, portanto,
n
3
/ ∈ N) tal que x
n
2
≤ x
n
3
. Por indução, definimos uma subse-
qüência (x
n
k
)
k∈N
que é crescente e, portanto, convergente (pois
ela é limitada).
2.5 Resumo
Vimos que uma seqüência é uma função que associa a cada número
natural um e só um número real. Deste modo, estudar seqüência
de números reais é estudar um caso particular de função real cujo
domínio é o conjunto dos números naturais.
O limite de uma seqüência é o limite do termo geral da se-
qüência, para n tendendo ao infinito. Quando este limite existe e
é finito, dizemos que a seqüência é convergente e converge para o
seu limite. Vimos, também, nesta aula, alguns principais resulta-
dos que nos auxiliam a estudar a convergência de uma seqüência
qualquer.
Na próxima aula, estudaremos um seqüência especial denomi-
nada série numérica.
2.6 Atividades
01. Liste os dez primeiros termos da seqüência:
(a) x
n
= 1 −(0, 2)
n
(c) x
1
= 1, x
n
= 2x
n−1
+ 1
(b) x
n
=
(−2)
n
n!
(d) x
n
=
(−1)
n−1
n
n
2
+ 1
02. Encontre o termo geral da seqüência:
34
Livro de Cálculo II
2
AULA
(a)

1
2
,
1
4
,
1
6
,
1
8
,

(c)

1, −
2
3
,
4
9
, −
8
27
,

(b)

1
2
,
1
4
,
1
8
,
1
16
,

(d) ¦1, −1, 1, −1, ¦
03. Determine se a seqüência converge ou diverge. Se ela conver-
gir, encontre seu limite:
(a) x
n
=
n
3
+ 3n + 1
4n
3
+ 2
(e)

n
1
1
x
α
, onde α ∈ R
(b) x
n
=

n + 1 −

n (f) x
n
= nsen
1
n
(c) x
n
=
1
n
sen
1
n
(g) x
n
=
n
¸
k=0

1
2

(d) x
n
=
2
n
3
n+1
(h) x
n
=
n
¸
k=1

1
k

1
k + 1

04. Suponha que, para todo n ≥ 1, [x
n
− x[ ≤
1
n
, onde x é um
número real fixo. Calcule lim
n−→+∞
x
n
e justifique.
05. Uma seqüência x
n
é dada por
x
1
=

2, x
n+1
=

2 + x
n
.
(a) Mostre que x
n
é crescente e limitada superiormente por 3.
Aplique o Teorema 2.3 para mostrar que a seqüência é convergente.
(b) Calcule lim
n−→+∞
x
n
.
2.7 Comentário das Atividades
Se você (aluno) conseguiu resolver as Atividades 01. e 02., então
entendeu a definição de seqüências de números reais. Viu que uma
35
Seqüências de Números Reais
seqüência nada mais é que uma função que associa a cada número
natural (denominado índice) um e só um número real.
Na Atividade 03. você utilizou (ou utilizará) as propriedades
de limites (vistas no Cálculo I) para testar a convergência das
seqüência dadas.
A Atividade 04. você utilizou (ou deve utilizar) a seguinte
propriedade de módulo de números reais:
[y−x[ ≤ a ⇔ −a ≤ y−x ≤ a ⇔ x−a ≤ y ≤ x+a, ∀a, x, y ∈ R, a > 0.
Após utilizar essa propriedade, basta aplicar o limite para n ten-
dendo ao infinito, de ambos os lados da desigualdade resultante.
Conseguiu resolver a Atividade 05.? Ótimo!!! Você aprendeu
que toda seqüência monótona e limitada é convergente.
Lembrem-se sempre que há tutores a distância e presenciais
para ajudá-los na resolução dessas atividades. Estudar em grupo
com seus colegas, pode tornar a resolução dessas atividades mais
fácil e interessante.
2.8 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 4).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
36
3
AULA
1
LIVRO
Séries de Números
Reais
META
Representar funções como somas de
séries infinitas.
OBJETIVOS
Calcular somas de infinitos números
reais.
PRÉ-REQUISITOS
Seqüências (Aula 02).
Séries de Números Reais
3.1 Introdução
Estudaremos nesta aula, uma exemplo especial de seqüência. Seja
(x
n
)
n∈N
uma seqüência, a seqüência cujo termo geral é a soma
dos n primeiros termos da seqüência x
n
, é denominada série de
números reais (numérica).
O principal objetivo dessa aula, é estudar propriedades e a con-
vergência dessas séries. Veremos que quando uma série convergir,
digamos para S então S é a soma de infinitos números reais.
3.2 Séries Numéricas
Definição 3.8. Considere uma seqüência (x
n
)
n∈N
. Para cada n ∈
N definimos
S
n
=
n
¸
i=1
x
i
= x
1
+ x
2
+ . . . + x
n
.
A seqüência (S
n
)
n∈N
denomina-se série numérica associada a se-
qüência (x
n
)
n∈N
.
Os números x
n
, n ≥ 1, são denominados termos da série; x
n
é
o termo geral da série. Referir-nos-emos a
S
n
=
n
¸
i=1
x
i
como soma parcial de ordem n da série.
O limite da série, quando existe (finito ou infinito), denomina-
se soma da série e é indicada por
+∞
¸
n=1
x
n
. Assim
+∞
¸
n=1
x
n
= lim
n−→+∞
n
¸
i=1
x
i
.
38
Livro de Cálculo II
3
AULA
Se a soma for finita, diremos que a série é convergente. Se a soma
for infinita (+∞ ou −∞) ou se o limite não existir, diremos que
a série é divergente. Finalmente, dizemos que a série converge
absolutamente se a série
+∞
¸
n=1
[x
n
[ for convergente.
O símbolo
+∞
¸
n=1
x
n
foi indicado para indicar a soma da série.
Por um abuso de notação, tal símbolo será utilizado ainda para
representar a própria série. Falaremos, então, da série
+∞
¸
n=1
x
n
,
entendendo-se que se trata da série cuja soma parcial de ordem
n é S
n
=
n
¸
i=1
x
i
. Escreveremos com freqüência
¸
x
n
para repre-
sentar a série
+∞
¸
n=1
x
n
.
Exemplo 3.2.1. Considere a Série Geométrica
+∞
¸
n=0
ar
n
, onde r é
razão da série e a ∈ R

é uma constante denominada termo inicial
da série. Vamos estudar a convergência desta série em função dos
valores de r. Temos que
S
n
= a + ar + ar
2
+ ar
3
+ . . . + ar
n−1
+ ar
n
.
Se r = 1, então é imediato que S
n
= na. Segue que (S
n
)
n∈N
diverge e, portanto
¸
ar
n
=
¸
a diverge. Suponhamos que r = 1.
Multiplicando S
n
por r, obtemos
rS
n
= ar + ar
2
+ ar
3
+ ar
4
+ . . . + ar
n
+ ar
n+1
.
Agora S
n
−rS
n
= a −ar
n+1
e daí
S
n
= a
1 −r
n+1
1 −r
.
Assim,
¸
ar
n
converge se, e somente se, [r[ < 1 e, neste caso,
+∞
¸
n=0
ar
n
=
a
1 −r
.
39
Séries de Números Reais
Exemplo 3.2.2. Considere a série
+∞
¸
k=1
x
k
e suponha que x
k
=
y
k
−y
k+1
, k ≥ 1. (Uma tal série denomina-se série telescópica).
a) Verifique que S
n
=
n
¸
k=1
x
k
= y
1
−y
n+1
.
b) Conclua que se lim
n−→+∞
y
n
= y, com b real, então a soma da série
será finita e igual a y
1
−y.
Solução:
a)
n
¸
k=1
x
k
= (y
1
−y
2
) + (y
2
−y
3
) + . . . + (y
n
−y
n+1
) = y
1
−y
n+1
b)
+∞
¸
k=1
x
k
= lim
n−→+∞
n
¸
k=1
x
k
= lim
n−→+∞
(y
1
−y
n+1
) = y
1
−y.
Exemplo 3.2.3. Calcule a soma
+∞
¸
k=1
1
k(k + 1)
.
Solução: Note que
1
k(k + 1)
=
1
k
+
1
k + 1
. Trata-se então de
uma série telescópica. Segue do exemplo anterior que
n
¸
k=1
1
k(k + 1)
= 1 −
1
n + 1
.
Logo,
n
¸
k=1
1
k(k + 1)
= 1, pois lim
n−→+∞
1
n + 1
= 0.
Proposição 2. Sejam
¸
x
n
e
¸
y
n
suas séries convergentes e
c ∈ R. Temos que
(i)
¸
(x
n
+ y
n
) é convergente para
¸
x
n
+
¸
y
n
;
(ii)
¸
(c x
n
) é convergente para c
¸
x
n
.
Demonstração: A demonstração é trivial: basta aplicar as pro-
priedades de limite da soma e da multiplicação por um escalar.
Observamos que, em geral,
+∞
¸
n=0
(x
n
y
n
) =
+∞
¸
n=0
x
n

+∞
¸
n=0
y
n
.
40
Livro de Cálculo II
3
AULA
Passamos ao estudo da natureza de séries, isto é, estamos in-
teressados em critérios que determinam se uma série é convergente
ou divergente.
Teorema 3.5. (i)
¸
x
n
converge se, e somente se,
∀ > 0, ∃N ∈ N tal que n ≥ m ≥ N =⇒

n
¸
i=m
x
i

< .
(ii) Se
¸
x
n
converge, então x
n
−→ 0, quando n −→ +∞.
(iii) Toda série absolutamente convergente é convergente.
Demonstração: (i) Suponhamos que
¸
x
n
converge, isto é, a
seqüência de termo geral S
n
=
n
¸
i=1
x
i
é convergente, digamos que
para S. Logo, dado > 0, existe N ∈ N tal que se n ≥ N, então
[S
n
−S[ <

2
. Portanto, se n ≥ m ≥ N, temos

n
¸
i=m
x
i

= [S
n
−S
m
[ ≤ [S
n
−S[ +[S −S
m
[ <

2
+

2
= .
Reciprocamente, um argumento análogo ao da demonstração do
Teorema 2.2 mostra que (S
n
)
n∈N
é limitada (verifique). Pelo Teo-
rema de Bolzano-Weierstrass, (S
n
)
n∈N
tem subseqüência (S
n
k
)
k∈N
convergente para o limite S. Mostremos que S
n
−→ S. Seja > 0,
temos que existe N ∈ N tal que
n ≥ m ≥ N =⇒ [S
n
−S
m
[ < . (3.1)
Como S
n
k
−→ S, existe k ∈ N tal que n
k
≥ N e [S
n
k
− S[ <

2
.
Daí e de (3.1) segue que, se n ≥ N, então
[S
n
−S[ ≤ [S
n
−S
n
k
[ +[S
n
k
−S[ <

2
+

2
= .
(ii) Segue de (i), tomando n = m.
(iii)Observamos que para todo m, n ∈ N temos

n
¸
i=m
x
i


n
¸
i=m
[x
i
[ =

n
¸
i=m
[x
i
[

.
41
Séries de Números Reais
Portanto, por (i), a convergência de
¸
[x
n
[ implica a de
¸
x
n
.
Devemos ressaltar que a recíproca do item (iii) do teorema ante-
rior, não é verdadeira, ou seja, existem séries que são convergentes
mas não são absolutamente convergentes, as séries deste tipo são
denominadas séries condicionalmente convergente. Veremos um
exemplo posteriormente.
Exemplo 3.2.4. Pelo item (ii), a condição x
n
−→ 0 é necessária
para a convergência da série
¸
x
n
porém ela não é suficiente. A
Série Harmonica
¸
1
n
é o contra exemplo mais famoso. De fato,
temos
S
2
= 1 +
1
2
,
S
4
= S
2
+
1
3
+
1
4
> S
2
+
2
4
= 1 + 2
1
2
,
S
8
= S
4
+
1
5
+
1
6
+
1
7
+
1
8
> 1 + 2
1
2
+
4
8
= 1 + 3
1
2
,
.
.
.
Portanto, S
2
n > 1 + n/2. Daí, segue que lim
n−→+∞
S
2
n = +∞. Con-
cluímos que a série diverge.
Vamos tratar agora de alguns critérios de convergência para
séries de termos positivos. Claramente, todos os critérios aqui ex-
postos podem ser adaptados para séries de termos negativos. Com
efeito, se
¸
x
n
é uma série de termos negativos, então
¸
(−x
n
) é
uma série de termos positivos e, além disso, a primeira converge
se, e somente se, a segunda converge.
Eventualmente, podemos usar também critérios sobre séries de
termos positivos para uma série
¸
x
n
que tenha termos de sinais
variáveis, tais séries são denominadas séries alternadas. Ora, se ao
aplicarmos algum destes critérios para a série
¸
[x
n
[ concluirmos
42
Livro de Cálculo II
3
AULA
que ela é convergente, então, como toda série absolutamente con-
vergente é convergente, concluiremos que
¸
x
n
converge. Por
outro lado, se o critério nada disser, ou mesmo se ele nos infor-
mar que
¸
[x
n
[ é divergente, em geral, nada poderemos afirmar
sobre a convergência da série
¸
x
n
. Neste caso, temos o seguinte
critério de convergência para Séries Alternadas:
Teorema 3.6. (Critério de convergência para séries alternadas)
Seja a série
+∞
¸
n=0
(−1)
n
x
n
, onde x
n
> 0, ∀n ∈ N (Séries Alternadas).
Se a seqüência (x
n
)
n∈N
for decrescente e se lim
n−→+∞
x
n
= 0, então
a série alternada
+∞
¸
n=0
(−1)
n
x
n
será convergente.
Não faremos a demonstração deste Critério, pois é baseada em
propriedades dos Intervalos Encaixantes não vistos neste curso. O
leitor interessado pode encontra tal demonstração no Livro "Um
Curso de Cálculo, Vol. 4"de Hamilton Luiz Guidorizzi.
Antes de seguir para o estudo dos critérios de convergência para
séries de termos positivos, observamos também o seguinte fato, já
mencionado no caso de seqüência. Os primeiros termos de uma
série nada influem na sua natureza. De fato, a série
¸
x
n
con-
verge se, e somente se, a série
¸
x
n+2008
converge. De maneira
geral, fixando p ∈ N a série
¸
x
n
é convergente se, e somente
se, a série
¸
x
n+p
é convergente. Desta forma, todos os critérios
que determinam a natureza de uma série através de algumas pro-
priedades verificada por todos os seus termos continuam válidos
se a tal propriedade é verificada à partir de algum termo (por ex-
emplo, 2008). Por outro lado, não podemos desprezar nenhum
termo de uma série convergente quando estamos interessados em
determinar o valor de sua soma infinita.
43
Séries de Números Reais
Proposição 3. Uma série de termos positivos é convergente se, e
somente se, a seqüência de suas somas parciais é limitada superi-
ormente.
Demonstração: Por definição
¸
x
n
é convergente se, e somente
se, a seqüências de suas somas parciais (S
n
)
n∈N
é convergente.
Como x
n
≥ 0, temos imediatamente que (S
n
)
n∈N
é crescente.
Logo, (S
n
)
n∈N
é convergente se, e somente se, ela é limitada supe-
riormente.
Teorema 3.7. (Critério da Integral) Consideremos a série

¸
k=0
x
k
e suponhamos que exista p ∈ N e uma função f : [p, +∞[−→ R
contínua, decrescente e positiva tal que f(k) = x
k
para todo k ≥ p.
Nestas condições, tem-se:
(i)

+∞
p
f(x)dx convergente =⇒

¸
k=0
x
k
convergente;
(ii)

+∞
p
f(x)dx divergente =⇒

¸
k=0
x
k
divergente.
Demonstração: Para n > p,
n
¸
k=0
x
k
=
p
¸
k=0
x
k
+
n
¸
k=p+1
x
k
. Como
p está fixo, segue dessa relação que a série

¸
k=0
x
k
será convergente
(ou divergente) se, e somente se,
+∞
¸
k=p+1
x
k
for convergente (ou di-
vergente).
(i) Temos que (Veja Figura 3.7)
n
¸
k=p+1
x
k

n
p
f(x)dx ≤

+∞
p
f(x)dx.
Segue que a seqüência
n
¸
k=p+1
x
k
é crescente e limitada superi-
ormente por

+∞
p
f(x)dx. Logo a série
+∞
¸
k=p+1
x
k
é convergente e,
44
Livro de Cálculo II
3
AULA
Figura 3.7: Soma Inferior
portanto,
+∞
¸
k=0
x
k
também é convergente.
(ii) A demonstração deste item é análoga a do item (i), por isso
deixamos para o leitor.
Exemplo 3.2.5. Seja α > 0, com α = 1, um real dado. Estude a
série
+∞
¸
k=2
1
k(ln k)
α
com relação a convergência ou divergência.
Solução: Se α = 1 estudaremos a convergência da série
+∞
¸
k=2
1
k ln k
através do Critério da Integral, utilizando a função
f(x) =
1
xln x
, x ≥ 2.
Tal função é positiva, contínua e decrescente em [2, +∞[ como se
verifica facilmente. Temos

t
2
1
xln x
dx = [ln(ln x)]
t
2
= ln(ln t) −ln(ln 2).
Como lim
t−→∞
ln(ln t)dt = +∞, resulta

+∞
2
1
xln x
dx = +∞. Pelo
critério da integral a série é divergente.
Suponhamos agora que α > 0 e α = 1. Vamos aplicar, novamente,
o critério da integral com a função f(x) =
1
x(ln x)
α
. Está função
é claramente positiva, contínua e decrescente no intervalo [2, +∞[.
45
Séries de Números Reais
Temos

t
2
1
x(ln x)
α
dx =
¸
1
(1 −α)(ln x)
α−1

t
2
= ln(ln t) −ln(ln 2)
e, portanto,

t
2
1
x(ln x)
α
dx =
1
1 −α
¸
1
(ln t)
α−1

1
(ln 2)
α−1

.
Para
α > 1 =⇒ lim
t−→∞
1
(ln t)
α−1
= 0
e, para
0 < α < 1 =⇒ lim
t−→∞
1
(ln t)
α−1
= +∞
. Pelo critério da integral, a série é convergente para α > 1 e
divergente para 0 < α < 1.
Teorema 3.8. (Critério da Comparação) Sejam as séries

¸
k=0
x
k
e

¸
k=0
y
k
. Suponhamos que exista p ∈ N tal que, para todo k ≥
p, 0 ≤ x
k
≤ y
k
. Nestas condições, tem-se:
(i)

¸
n=0
y
k
convergente =⇒

¸
n=0
x
k
convergente;
(ii)

¸
n=0
x
k
divergente =⇒

¸
n=0
y
k
divergente.
Demonstração: (i) Basta provamos que

¸
k=p
x
k
é convergente.
Como, para todo k ≥ p, y
k
≥ 0, a seqüência
t
n
=
n
¸
n=0
y
k
, n ≥ p,
é crescente. Daí e pelo fato da série

¸
k=p
y
k
ser convergente resulta,
para todo n ≥ p,
n
¸
k=p
y
k

+∞
¸
k=p
y
k
.
46
Livro de Cálculo II
3
AULA
Como, para todo k ≥ p, 0 ≤ x
k
≤ y
k
, resulta que a seqüência
s
n
=
n
¸
k=p
x
k
, n ≥ p, (3.2)
é crescente e, para todo n ≥ p,
n
¸
k=p
x
k

+∞
¸
k=p
y
k
.
Segue que a seqüência 3.2 é convergente, ou seja, a série
+∞
¸
k=p
x
k
é
convergente.
(ii) Fica a cargo do leitor.
Exemplo 3.2.6. Vamos estudar a natureza da série
¸
1
n
p
se-
gundo os valores de p. É claro que se p ≤ 0, então ela diverge pois
neste caso lim
n−→+∞
x
n
= 0. Suponhamos 0 ≤ p ≤ 1. Temos
1
n

1
n
p
para todo n ∈ N. Portanto, por comparação com a série harmonica,
concluímos que a série diverge. Finalmente, consideramos o caso
p > 1. Mostraremos que a série converge através do Critério da
Integral, utilizando a função f(x) =
1
x
p
, p > 1. Tal função é posi-
tiva, contínua e decrescente em [1, +∞[ como se verifica facilmente.
Temos

t
1
1
x
p
dx =
¸
1
(1 −p)x
p−1

t
1
=
1
(1 −p)t
p−1

1
1 −p
.
Como lim
t−→∞
1
(1 −p)t
p−1
dt = 0, resulta

+∞
1
1
x
p
dx =
1
p −1
. Pelo
critério da integral a série é convergente.
Exemplo 3.2.7. A série
+∞
¸
k=1
1
k
sen
1
k
é convergente ou divergente?
Justifique.
Solução: Para todo k ≥ 1,
0 ≤
1
k
sen
1
k

1
k

1
k
.
47
Séries de Números Reais
Como
+∞
¸
k=1
1
k
2
é convergente (basta usar o exemplo 3.2.6 com p = 2),
segue do Teorema da Comparação que
+∞
¸
k=1
1
k
sen
1
k
é convergente.
Exemplo 3.2.8. A série
+∞
¸
k=1
k
k
2
+ 2k + 1
é convergente ou diver-
gente? Justifique.
Solução:
k
k
2
+ 2k + 1
=
1
k

1
1 +
2
k
+
1
k
2
.
Para todo k ≥ 1,
1 +
2
k
+
1
k
2
≤ 4
e, portanto, para todo k ≥ 1,
1
1 +
2
k
+
1
k
2

1
4
.
Segue que, para todo k ≥ 1,
1
1 + 2k + 1

1
4k
.
Como
+∞
¸
k=1
1
4k
é divergente resulta que
+∞
¸
k=1
k
k
2
+ 2k + 1
diverge.
Teorema 3.9. (Critério do Limite) Sejam
¸
x
n
e
¸
y
n
duas
séries de termos positivos. Suponhamos que
lim
n−→∞
x
n
y
n
= L.
Então:
a) se L > 0, L real, ou ambas são convergentes ou ambas são di-
vergentes;
48
Livro de Cálculo II
3
AULA
b) se L = +∞ e se
¸
y
n
for divergente,
¸
x
n
também será diver-
gente;
c) se L = 0 e se
¸
y
n
for convergente,
¸
x
n
também será conver-
gente.
Demonstração:
a) De lim
n−→∞
x
k
y
k
= L, L > 0 e real, segue que tomando =
L
2
, existe
N ∈ N tal que
n > N =⇒ L −
L
2
<
x
n
y
n
< L +
L
2
ou seja
n > N =⇒
L
2
y
n
< x
n
<
3L
2
y
n
.
Segue do critério da comparação que ambas são convergentes ou
ambas são divergentes.
b) De lim
n−→∞
x
k
y
k
= +∞, segue que tomando-se = 1, existe N ∈ N
tal que
n > N =⇒
x
n
y
n
> 1
e, portanto,
n > N =⇒ x
n
> y
n
.
Segue do critério da comparação que se
¸
y
n
for divergente, então
¸
x
n
também será.
c) De lim
n−→∞
x
k
y
k
= 0, segue que tomando-se = 1, existe N ∈ N tal
que
n > N =⇒
x
n
y
n
< 1
e, portanto,
n > N =⇒ x
n
< y
n
.
Segue do critério da comparação que se
¸
y
n
for convergente, então
¸
x
n
também será.
49
Séries de Números Reais
Exemplo 3.2.9. A série
+∞
¸
n=1
e
−n
é convergente ou divergente? Jus-
tifique.
Solução: A série
+∞
¸
n=1
e
−n
2
é convergente, pois trata-se de uma
série geométrica de razão r = e
−1
2
. Façamos
x
n
= ne
−n
e y
n
= e
−n
2
.
Temos
lim
n−→∞
x
n
y
n
= lim
n−→∞
n
e
n
2
= 0.
Pelo critério do limite, a série dada é convergente.
Observação 3.1. O sucesso na utilização do critério do limite está
exatamente na escolha adequada da série
¸
y
n
de comparação.
Em muitos casos, as séries harmonicas ou as séries geométricas
desempenham muito bem este papel.
Exemplo 3.2.10. A série
+∞
¸
n=1
1
ln k
é convergente ou divergente?
Justifique.
Solução: Vamos tomar como série de comparação a série har-
monica
+∞
¸
k=1
1
ln k
. Temos
x
k
=
1
ln k
e y
k
=
1
k
.
Então,
lim
k−→+∞
x
k
y
k
= lim
k−→+∞
k
ln k
= +∞.
Pelo Critério do Limite a série dada é divergente.
Observe, no exemplo anterior, que se tivéssemos tomado como
séria de comparação a harmonica convergente
+∞
¸
n=1
1
k
2
, teríamos,
50
Livro de Cálculo II
3
AULA
também,
lim
k−→+∞
x
k
y
k
= lim
k−→+∞
k
2
ln k
= +∞.
Entretanto, neste caso, o critério do limite não nos fornecerá infor-
mações alguma sobre a convergência ou divergência da série dada.
Os próximos dois critérios de convergências valem também para
séries com termos negativos.
Teorema 3.10. (Teste da Razão, ou de d’Alembert) Seja
(x
n
)
n∈N
uma seqüência não nula. Suponhamos que lim
n−→+∞

x
n+1
x
n

exista, finito ou infinito. Seja
lim
n−→+∞

x
n+1
x
n

= L.
Nesta condições, tem-se:
(i) Se L < 1, a série
¸
x
n
será convergente;
(ii) Se L > 1 ou L = +∞, a série
¸
x
n
será divergente;
(iii) Se L = 1, o critério nada revela.
Demonstração: (i) A idéia é comparar a série dada com uma
série geométrica convergente. Como L < 1, existe r ∈ R tal que
lim
n−→+∞

x
n+1
x
n

< r < 1. Segue da definição de limite, que existe
N ∈ N tal que

x
n+1
x
n

< r para todo n ≥ N. Temos então:
[x
N+1
[ < r[x
N
[;
[x
N+2
[ < r[x
N+1
[ < r
2
[x
N
[;
[x
N+3
[ < r[x
N+2
[ < r
3
[x
N
[;
.
.
.
De maneira geral, [x
n
[ < r
n−N
[x
N
[, para todo n ≥ N. Tomando
y
n
= r
n−N
[x
N
[ (para todo n ∈ N) temos que [x
n
[ < y
n
para todo
51
Séries de Números Reais
n ∈ N. Como
¸
y
n
é uma Série Geométrica de razão r ∈ (0, 1),
ela é convergente. O critério da comparação nos garante que
¸
x
n
converge absolutamente e, portanto, é convergente .
(ii) Como lim
n−→+∞

x
n+1
x
n

> 1 ou lim
n−→+∞

x
n+1
x
n

= +∞, existe N ∈
N tal que, se n ≥ N então

x
n+1
x
n

> 1.
Isso significa que [x
n+1
[ > [x
n
[ quando n ≥ N, e assim
lim
n−→∞
x
n
= 0.
Portanto,
¸
x
n
diverge pelo teste da divergência.
A parte (iii) do Teste da Razão diz que, se lim
n−→+∞

x
n+1
x
n

= 1,
o Teste da Razão não dá nenhuma informação. Por exemplo, para
a série convergente
¸
1
n
2
, temos

x
n+1
x
n

=
1
(n+1)
2
1
n
2
=
n
2
(n + 1)
2
=
1

1 +
1
n

2
−→ 1 quando n −→ ∞
enquanto para a série divergente
¸
1
n
, obtemos

x
n+1
x
n

=
1
n+1
1
n
=
n
n + 1
=
1
1 +
1
n
−→ 1 quando n −→ ∞.
Portanto, se lim
n−→+∞

x
n+1
x
n

= 1 a série
¸
x
n
pode convergir ou
divergir. Neste caso, o Teste da Razão falha e devemos usar algum
outro teste.
Exemplo 3.2.11. A série
+∞
¸
n=1
1
n!
é convergente, pois
lim
n−→+∞

x
n+1
x
n

= lim
n−→+∞
1
(n+1)!
1
n!
= lim
n−→+∞
n!
(n + 1)!
= lim
n−→+∞
1
n + 1
= 0 < 1.
52
Livro de Cálculo II
3
AULA
Exemplo 3.2.12. A série
+∞
¸
n=1
(−1)
n
n
3
3
n
é convergente. De fato,
lim
n−→+∞

x
n+1
x
n

= lim
n−→+∞

(−1)
n+1
(n+1)
3
3
n+1
(−1)
n
n
3
3
n

= lim
n−→+∞
(n + 1)
3
3
n+1

3
n
n
3
= lim
n−→+∞
1
3

n + 1
n

3
= lim
n−→+∞
1
3

1 +
1
n

3
=
1
3
< 1.
Exemplo 3.2.13. A série
+∞
¸
n=1
n
n
n!
é divergente. Com efeito,
lim
n−→+∞

x
n+1
x
n

= lim
n−→+∞
(n + 1)
n+1
(n + 1)!

n!
n
n
= lim
n−→+∞
(n + 1)(n + 1)
n
(n + 1)n!

n!
n
n
= lim
n−→+∞

n + 1
n

n
= lim
n−→+∞

1 +
1
n

n
= e > 1.
O teste a seguir é conveniente para ser aplicado quando as
potências de n ocorrem. Sua prova é similar à do Teste da Razão
e fica por conta do leitor.
Teorema 3.11. (Teste da Raiz)
(i) Se lim
n−→∞
n

[x
n
[ = L < 1, então a série
+∞
¸
n=1
x
n
é absolutamente
convergente e, portanto, convergente;
(ii) Se lim
n−→∞
n

[x
n
[ = L > 1, então a série
+∞
¸
n=1
x
n
é divergente;
(iii) Se lim
n−→∞
n

[x
n
[ = 1, então o Teste da Raiz não é conclusivo.
O Teste da Raiz é mais eficiente que o da Razão. Mais pre-
cisamente, em todos os casos nos quais o Teste da Razão permite
53
Séries de Números Reais
concluir (seja por convergência ou por divergência) o Teste da Raiz
também será concludente. Entretanto, o Teste da Razão é, em
geral, mais fácil de ser aplicado.
Exemplo 3.2.14. Teste a convergência da série

¸
n=1

2n + 3
3n + 2

n
.
Solução: Considere
x
n
=

2n + 3
3n + 2

n
e
lim
n−→∞
n

[x
n
[ = lim
n−→∞
2n + 3
3n + 2
= lim
n−→∞
2 +
3
n
3 +
2
n
=
2
3
< 1
Então, a série dada converge pelo Teste da Raiz.
3.3 Resumo
Considere uma seqüência (x
n
)
n∈N
. Para cada n ∈ N definimos
S
n
=
n
¸
i=1
x
i
= x
1
+ x
2
+ . . . + x
n
.
A seqüência (S
n
)
n∈N
denomina-se série numérica associada a
seqüência (x
n
)
n∈N
. O termo geral da (S
n
)
n∈N
,
S
n
=
n
¸
i=1
x
i
é denominado soma parcial de ordem n da série.
O limite da série, quando existe (finito ou infinito), denomina-
se soma da série e é indicada por
+∞
¸
n=1
x
n
. Assim
+∞
¸
n=1
x
n
= lim
n−→+∞
n
¸
i=1
x
i
.
54
Livro de Cálculo II
3
AULA
Se a soma for finita, diremos que a série é convergente. Se a soma
for infinita (+∞ ou −∞) ou se o limite não existir, diremos que a
série é divergente.
Nosso objetivo com essa aula era que você (aluno) aprendesse
a testar a convergência de séries. Para tanto, foi apresentado os
principais critérios de convergências de séries. (Ver os Critérios e
os Testes de convergências)
Os conceitos e os critérios de convergência de séries serão essen-
ciais no estudo de séries de potências que faremos na próxima aula.
3.4 Atividades
01. (a) Qual a diferença entre uma seqüência e uma série?
(b) O que é uma série convergente? O que é uma série divergente?
02. Seja x
n
=
n
n + 1
.
(a) Determine se (x
n
)
n∈N
é convergente.
(b) Determine se

¸
n=1
x
n
é convergente.
03. Determine se a série é convergente ou divergente. Se for con-
vergente, calcule sua soma.
a)
1
2
+
1
4
+
1
6
+
1
8
+ (b) 3 + 2 +
4
3
+
8
9
+
(c)

¸
n=0

1
2

n
(d)

¸
n=1

2
3

n−1
(e)

¸
n=2

2
n
2
−1

(f)

¸
n=1

3
n
+ 2
n
6
n

(g)

¸
n=1
2
n
(h)
1
(4n + 1)(4n + 5)
55
Séries de Números Reais
04. Mostre que a série dada é convergente.
a)

¸
n=1
(−1)
n
2
−n
(b)

¸
n=1
(−1)
n+1
ln n
n
.
05. Estude a série dada com relação a convergência ou divergên-
cia.
(a)

¸
n=1
(−1)
n−1

n
(b) (−1)
n
n
ln n
(c)

¸
n=0
1
n
2
+ 1
(d)

¸
n=2
1
nln n
(e)

¸
n=1
ne
−n
2
(f)

¸
n=3
1
nln nln(ln n)
(g)

¸
n=1
5
2 + 3
n
(h)

¸
n=1
4 + 3
n
2
n
(i)

¸
n=0
(−10)
n
n!
(j)

¸
n=1
e
−n
n!
06. (a) Mostre que

¸
n=0
x
n
n!
converge para todo x.
(b) Deduza que lim
n−→∞
x
n
n!
= 0.
3.5 Comentário das Atividades
Se você (aluno) conseguiu resolver as Atividades 01. e 02., então
entendeu a grande diferença de seqüências e séries de números
reais. Entender essa diferença é muito importante.
Na Atividade 03. você utilizou (ou utilizará) as propriedades
de limites (vistas no Cálculo I) para testar a convergência das séries
dadas.
Na Atividade 04. é dada duas séries alternadas e é pedido que
56
Livro de Cálculo II
3
AULA
você (aluno) teste a convergência das mesmas. Nesta atividade
podemos usar o critério de convergência para séries alternadas ou
lançarmos mão da convergência absoluta.
A Atividade 05. você utilizou (ou deve utilizar) os critérios de
convergência vistos nesta Aula, para estudar a convergência das
séries dadas.
O Teste da Razão deverá ser usado na resolução da Atividade
06.. Nesta atividade estamos interessados em encontrar o conjunto
dos x tais que a série numérica converge.
Conseguiu resolver todas as Atividade? Sabe usar os critérios
de convergência (Critério da Razão dentre outros) dados? Ótimo!!!
Você esta com todos os requisitos necessários para compreensão da
próxima aula.
Lembrem-se sempre que há tutores a distância e presenciais
para ajudá-los na resolução dessas atividades. Estudar em grupo
com seus colegas, pode tornar a resolução dessas atividades mais
fácil e interessante.
3.6 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 4).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
57
4
AULA
1
LIVRO
Séries de Potências
META
Apresentar os conceitos e as prin-
cipais propriedades de Séries de
Potências. Além disso, introduzire-
mos as primeiras maneiras de
escrever uma função dada como
uma série de potências.
OBJETIVOS
Representar funções em séries de
potências.
PRÉ-REQUISITOS
Séries Numéricas (Aula 3).
Séries de Potências
4.1 Introdução
Uma série de potências de x é uma série da forma
+∞
¸
n=0
a
n
(x −x
0
)
n
= a
0
+ a
1
(x −x
0
) + a
2
(x −x
0
)
2
+
Observe que esta série pode ser vista como a generalização de
um polinômio. O principal objetivo de estudar essas séries é que
é possível (veremos a diante) representar uma função dada como
uma série de potências.
Você pode imaginar por que queremos expressar uma função
conhecida como uma soma infinita de termos. Veremos mais tarde
que essa estratégia é útil para integrar funções que não têm an-
tiderivadas elementares e para aproximar as funções por polinômios.
Cientistas fazem isso para simplificar expressões que eles utilizam e
para poder representar as funções em calculadoras e computadores.
Nesta aula, introduziremos os conceitos de séries de potências.
Além disso, iniciaremos o estudo de representação de funções em
séries de potências.
4.2 Série de Potências
Seja a
n
, n ≥ 0, uma seqüência numérica dada e seja x
0
um real
dado. A série
+∞
¸
n=0
a
n
(x −x
0
)
n
(4.1)
denomina-se série de potências, com coeficientes a
n
, em volta de
x
0
(ou centrada em x
0
). Se x
0
= 0, temos a série de potências em
volta de zero:
+∞
¸
n=0
a
n
x
n
= a
0
+ a
1
x + a
2
x
2
+ . (4.2)
60
Livro de Cálculo II
4
AULA
Para cada x fixo, a série de potências é uma série de constantes
que podemos testar sua convergência ou divergência. Uma série
de potências pode convergir para alguns valores de x e divergir
para outros. A soma da série é uma função de x, cujo domínio é o
conjunto de todos os x para os quais a série converge. Esta função
assemelha a um polinômio. A única diferença é que f tem infinitos
termos.
Exemplo 4.2.1.
+∞
¸
n=0
x
n
n!
é uma série de potências em volta de zero
e com coeficientes a
n
=
1
n!
.
Nosso objetivo, de agora em diante, é encontrar os valores de
x para os quais uma série de potências é convergente.
Teorema 4.12. Se
+∞
¸
n=0
a
n
x
n
for convergente para x = x
1
, com
x
1
= 0, então a série convergirá absolutamente para todo x no
intervalo aberto (−[x
1
[, [x
1
[).
Demonstração: Sendo, por hipótese,
+∞
¸
n=0
a
n
x
n
1
convergente, segue
que
lim
n−→+∞
a
n
x
n
1
= 0.
Tomando-se = 1, existe um N ∈ N tal que, para todo n ≥ N,
[a
n
x
n
1
[ ≤ 1.
Como
[a
n
x
n
[ = [a
n
x
n
1
[

x
x
1

n
,
resulta que, para todo x e todo n ≥ N,
[a
n
x
n
[ ≤

x
x
1

n
.
61
Séries de Potências
Para [x[ < [x
1
[, a série geométrica
+∞
¸
n=0

x
x
1

n
é convergente. Segue
do Teste da Comparação que
+∞
¸
n=0
a
n
x
n
converge absolutamente
para todo x, com [x[ < [x
1
[.
Exemplo 4.2.2. A série
+∞
¸
n=0
x
n
n
converge para x = −1. Pelo
Teorema anterior, a série converge absolutamente para todo x ∈
(−1, 1). Para x = −1 a série não é absolutamente convergente.
Exemplo 4.2.3. Para quais valores de x a série
+∞
¸
n=0
n!x
n
é con-
vergente?
Solução: Usamos o Teste da Razão. Se fizermos a
n
, como ha-
bitualmente, denotar o n-ésimo termo da série, então a
n
= n!x
n
.
Se x = 0, temos
lim
n−→+∞

a
n+1
a
n

= lim
n−→+∞

(n + 1)!x
n+1
n!x
n

= lim
n−→+∞
(n + 1)[x[ = ∞
Pelo Teste da Razão, a série diverge quando x = 0. Então, a série
converge apenas quando x = 0.
Exemplo 4.2.4. Para quais valores de x a série
+∞
¸
n=0
(x −3)
n
n
é
convergente?
Solução: Seja a
n
=
(x−3)
n
n
. Então
lim
n−→+∞

a
n+1
a
n

= lim
n−→+∞

(x −3)
n+1
!
n + 1

n
(x −3)
n

= lim
n−→+∞
1
1 +
1
n
[x −3[ = [x −3[
Pelo Teste da Razão, a série dada é absolutamente convergente, e
portanto convergente, quando [x − 3[ < 1 e é divergente quando
[x −3[ > 1. Agora
[x −3[ < 1 ⇔ −1 < x −3 < 1 ⇔ 2 < x < 4
62
Livro de Cálculo II
4
AULA
assim a série converge quando 2 < x < 4 e diverge quando x < 2 e
x > 4. O Teste da Razão não fornece informação quando [x−3[ = 1;
assim, devemos considerar x = 2 e x = 4 separadamente. Se
colocarmos x = 4 na série, ela se tornará
+∞
¸
n=0
1
n
, a série harmonica,
que é divergente. Se x = 2, a série é
+∞
¸
n=0
(−1)
n
n
que é convergente
pelo Teste da Série Alternada. Então a série dada converge para
2 ≤ x < 4.
Exemplo 4.2.5. Encontre o domínio da função definida por
f(x) =
+∞
¸
n=0
x
n
n!
. Solução: Seja a
n
=
x
n
n!
. Então
lim
n−→+∞

a
n+1
a
n

= lim
n−→+∞

x
n+1
(n + 1)!

n!
x
n

= lim
n−→+∞
1
n + 1
[x[ = 0 < 1
para todo x ∈ R. Então pelo Teste da Razão, a série dada converge
para todos os valores de x. Em outras palavras, o domínio da
função dada é (−∞, +∞) = R.
Para as séries de potências que temos vistos até agora, o con-
junto de valores de x para os quais a série é convergente tem sempre
sido um intervalo (um intervalo finito nos exemplos 4.2.2 e 4.2.4,
o intervalo infinito (−∞, +∞) no exemplo 4.2.5 e um intervalo co-
lapsado [0, 0] = ¦0¦ no exemplo 4.2.3). O teorema a seguir, diz
que isso, em geral, é verdadeiro.
Teorema 4.13. Para uma dada série de potências
+∞
¸
n=0
a
n
(x −x
0
)
n
existem apenas três possibilidades:
(i) a série converge apenas quando x = x
0
;
(ii) a série converge para todo x ∈ R;
63
Séries de Potências
(iii)existe um número R tal que a série converge se [x − x
0
[ < R
e diverge de [x − x
0
[ > R. Nos extremos x
0
− R e x
0
+ R a série
poderá convergir ou não.
Demonstração: Fazendo u = x − x
0
na série
+∞
¸
n=0
a
n
(x −x
0
)
n
obtemos
+∞
¸
n=0
a
n
u
n
, deste modo basta provarmos que
(i) a série converge apenas quando u = 0;
(ii) a série converge para todo u ∈ R;
(iii)existe um número R tal que a série converge se [u[ < R e
diverge de [u[ > R. Nos extremos R e R a série poderá convergir
ou não.
Provemos: Seja A o conjunto de todos u ≥ 0 para os quais a série
converge.
1.
0
Caso: A = ¦0¦
Se a série convergisse para algum valor u
1
= 0, pelo Teorema 4.12,
convergiria, também, para todo u ∈ (−[u
1
[, [u
1
[), que contradiz a
hipótese A = ¦0¦. Logo, se A = ¦0¦ a série convergirá apenas para
u = 0.
2.
0
Caso: A = (0, +∞) = R
+
Para todo u ∈ R, existe u
1
> 0 tal que
[u[ < u
1
.
Como a série
+∞
¸
n=0
a
n
u
n
1
é convergente, pelo teorema 4.12, a série
convergirá absolutamente para todo u, com [u[ < u
1
. Portanto, a
série converge absolutamente para todo u.
3.
0
Caso: A = R
+
e A = ¦0¦
64
Livro de Cálculo II
4
AULA
Se, para todo r > 0, existisse u
1
> r tal que
+∞
¸
n=0
a
n
u
n
1
fosse convergente, pelo teorema 4.12, a série seria absolutamente
convergente para todo u, que contradiz a hipótese A = R
+
. Por-
tanto, se A = R
+
, então A será limitado superiormente; logo,
admitirá supremo R :
R = sup A.
Como A = ¦0¦, teremos, evidentemente, R > 0. Sendo R o supremo
de A, para todo x com [u[ < R, existe u
1
∈ A, com [u[ < u
1
.
Resulta novamente do teorema 4.12, que a série converge absolu-
tamente para todo u ∈ (−R, R). Fica a cargo do leitor verificar
que a série diverge para todo u, com [u[ > R.
O número R que aparece no Teorema anterior é chamado Raio
de Convergência da série de Potência. Por convenção, o raio de
convergência é R = 0 no caso (i) e R = ∞ no caso (ii).
Exemplo 4.2.6. Encontre o raio de convergência e o intervalo de
convergência da série

¸
n=1
(−1)
n
(x + 2)
n
n2
n
.
Solução: Seja a
n
= (−1)
n
(x + 2)
n
n2
n
. Então
lim
n−→+∞

a
n+1
a
n

= lim
n−→+∞

(−1)
n+1
(x + 2)
n+1
(n + 1)2
n+1

n2
n
(−1)
n
(x + 2)
n

= lim
n−→+∞
1
2
n
n + 1
[x + 2[
=
1
2
[x + 2[.
Pelo Teste da Razão, a série dada converge se
1
2
[x + 2[ < 1 e di-
verge se
1
2
[x + 2[ > 1. Então, ela é convergente se [x + 2[ < 2 e
65
Séries de Potências
divergente se [x + 2[ > 2. Isso significa que o raio de convergência
é R =
1
2
.
A desigualdade [x + 2[ < 2 pode ser escrita como −4 < x < 0;
assim, testamos a série nos extremos −4 e 0. Quando x = −4, a
série é

¸
n=1
(−1)
n
(−4 + 2)
n
n2
n
=

¸
n=1
1
n
.
que é uma série harmonica e, portanto, diverge. Quando x = 0, a
série é

¸
n=1
(−1)
n
(0 + 2)
n
n2
n
=

¸
n=1
(−1)
n
1
n
.
que converge pelo Teste das Séries Alternadas. Então a série con-
verge apenas quando −4 < x ≤ 0, assim, o intervalo de convergên-
cia é (−4, 0].
Exemplo 4.2.7. Encontre o raio de convergência e o intervalo de
convergência da série

¸
n=1
n!(2x −1)
n
.
Solução: Seja a
n
= n!(2x −1)
n
. Então
lim
n−→+∞

a
n+1
a
n

= lim
n−→+∞

(n + 1)!(2x −1)
n+1
n!(2x −1)
n

= lim
n−→+∞
(n + 1)[2x −1[ = 0 < 1
se, e somente se, [2x −1[ = 0, ou seja, x =
1
2
. Então, o raio de
convergência é R = 0. E o intervalo de convergência é

1
2

.
66
Livro de Cálculo II
4
AULA
4.3 Representação de Funções em Séries de
Potências
Nesta seção aprenderemos como representar certos tipos de funções
como soma de séries de potências pela manipulação de séries ge-
ométricas ou pela diferenciação ou integração de tais séries.
Começaremos com uma equação que vimos antes:
1
1 −x
= 1 + x + x
2
+ x
3
+ . . . =

¸
n=0
x
n
, [x[ < 1 (4.1)
Encontramos essa equação no Exemplo 3.2.1, onde a obtivemos
observando que ela é uma série geométrica com a = 1 e r = x.
Mas aqui nosso ponto de vista é diferente. Agora nos referiremos
à Equação 4.1 como uma expressão da função f(x) =
1
1 −x
como
uma soma de uma série de potências.
Uma ilustração geométrica da Equação 4.1 é mostrada na Figura
4.8. Como a soma de uma série é o limite da seqüência de somas
parciais, temos
1
1 −x
= lim
n−→∞
S
n
(x)
onde S
n
=
n
¸
k=0
x
k
é a n-ésima soma parcial. Note que, quando n
aumenta, S
n
(x) se torna uma aproximação de f(x) para −1 < x <
1.
Exemplo 4.3.1. Expresse f(x) =
1
1 + 9x
2
como a soma de uma
série de potências e encontre o intervalo de convergência.
Solução: Temos que
1
1 + 9x
2
=
1
1 −[−(3x)
2
]
67
Séries de Potências
Figura 4.8: f(x) e algumas somas parciais
Trocando x por −(3x)
2
na Equação 4.1, obtemos:
1
1 + 9x
2
=

¸
n=0
[−(3x)
2
]
n
=

¸
n=0
(−1)
n
3
2n
x
2n
= 1 −3
2
x
2
+ 3
4
x
4
−3
6
x
6
+ . . .
Como essa é uma série geométrica, ela converge quando [−(3x)
2
[ <
1, isto é, 9x
2
< 1, ou seja, [x[ <
1
3
. Portanto o intervalo de con-
vergência é


1
3
,
1
3

.
Exemplo 4.3.2. Encontre a representação em série de potências
para f(x) =
1
x + 2
.
Solução: Note que
1
2 + x
=
1
2

1 +
x
2
=
1
2

1
1 −


x
2

Trocando x por −
x
2
na Equação 4.1, obtemos:
1
2 + x
=
1
2

¸
n=0


x
2

n
=

¸
n=0
(−1)
n
2
n+1
x
n
Como essa é uma série geométrica, ela converge quando [ −
x
2
[ < 1,
isto é, [x[ < 2. Portanto o intervalo de convergência é (−2, 2).
68
Livro de Cálculo II
4
AULA
4.4 Resumo
Uma série de potências de x em volta de x
0
(ou centrada em x
0
)
é uma série do tipo Seja . A série
+∞
¸
n=0
a
n
(x −x
0
)
n
(4.1)
onde a
n
, n ≥ 0 (coeficientes) é uma seqüência numérica dada e x
0
um real dado.
Para cada x fixo, a série de potências é uma série de constantes
que podemos testar sua convergência ou divergência. Uma série
de potências pode convergir para alguns valores de x e divergir
para outros. A soma da série é uma função de x, cujo domínio é o
conjunto de todos os x para os quais a série converge.
Dada uma série de potências de x, utilizamos principalmente o
Critério da Razão, visto na Aula 3, para encontrarmos o domínio
da série dada.
Vimos uma primeira maneira de representar funções em série
de potências, através da série geométrica que foi estudada com
detalhes na Aula 3.
Nosso objetivo com essa aula era que você (aluno) aprendesse
a representar funções em séries de potências, através da série ge-
ométrica.
Na próxima aula, estudaremos outras maneiras (mais eficientes)
de representar funções em séries de potências.
69
Séries de Potências
4.5 Atividades
01. Determine o domínio das seguintes séries de potências de x :
(a)

¸
n=0
nx
n
(b)

¸
n=2
x
n
ln n
(c)

¸
n=1
x
n
n3
n
(d)

¸
n=1
(−1)
n
n4
n
x
n
(e)

¸
n=1
(−1)
n
(x −2)
n
n
n
(f)

¸
n=1
n!(2x −1)
n
02. Encontre uma representação em série de potências para
x
3
x + 2
.
Encontre seu domínio.
4.6 Comentário das Atividades
Essas atividades tem o objetivo de você (aluno) exercitar os con-
ceitos desenvolvidos nesta aula.
A Atividade 01. pede para encontrar o domínio de algumas
séries de potências dadas. Para tanto, você precisa encontra o raio
de convergência (usando o Critério da Razão) e testar a série nos
extremos do intervalo de convergência da série.
Na Atividade 02. você deve utilizar a série geométrica para
representar a função dada em série de potências.
4.7 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 4).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
70
Livro de Cálculo II
4
AULA
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
71
5
AULA
1
LIVRO
Métodos de Repre-
sentação de Funções
em Séries de Potên-
cias
META
Apresentar os principais métodos de
representação de funções em séries
de potências.
OBJETIVOS
Representar funções em séries de
potências.
PRÉ-REQUISITOS
Série de Potências (Aula 4).
Métodos de Representação de Funções em Séries de
Potências
5.1 Introdução
Na aula anterior pudemos encontrar representações para uma certa
classe restrita de funções, utilizando as Séries Geométricas. Nesta
aula, investigaremos problemas mais gerais: quais funções têm rep-
resentações em série de potências? Como podemos achar tais rep-
resentações?
Iniciaremos esta aula, com a diferenciação e integração de séries
de potências que será uma ferramenta muito poderosa de represen-
tação de funções em série de potências. Posteriormente, estudare-
mos a Série de Taylor e a Série de MacLaurin. Mostraremos que, se
uma função puder ser representada como uma série de potências,
então essa função é igual à soma de sua série de Taylor.
5.2 Diferenciação e Integração de Séries de
Potências
A soma de uma série de potências é uma função
+∞
¸
n=0
c
n
(x −x
0
)
n
cujo domínio é o intervalo de convergência da série. Gostaríamos
de poder diferenciar e integrar tais funções, e o teorema a seguir
(que não provaremos) diz que podemos fazer isso por diferenciação
e integração de cada termo individual da série, como faríamos para
um polinômio. Isso é chamado diferenciação e integração termo a
termo.
Teorema 5.14. Se a série de potências
+∞
¸
n=0
c
n
(x −x
0
)
n
tiver um
raio de convergência R > 0, então a função f definida por
f(x) = c
0
+ c
1
(x −x
0
) + c
2
(x −x
0
)
2
+ . . . =
+∞
¸
n=0
c
n
(x −x
0
)
n
74
Livro de Cálculo II
5
AULA
é diferenciável (e portanto contínua) no intervalo (x
0
−R, x
0
+R)
e
(i) f

(x) = c
1
+ 2c
2
(x −x
0
) + 3c
3
(x −x
0
)
2
+ . . . =
+∞
¸
n=0
nc
n
(x −x
0
)
n−1
(ii)

f(x)dx = C + c
0
(x −x
0
) + c
1
(x −x
0
)
2
2
+ c
2
(x −x
0
)
3
3
+ . . .
= C +
+∞
¸
n=0
c
n
(x −x
0
)
n+1
n + 1
Os raios de convergência da série de potência nas Equações (i) e
(ii) são ambos R.
Observação 5.2. Embora o Teorema 5.14 diga que o raio de con-
vergência permanece o mesmo quando uma série de potências é
diferenciada ou integrada, isso não significa que o intervalo de con-
vergência permanece o mesmo. Pode acontecer de a série original
convergir em um extremo enquanto a série diferenciada diverge
nesse ponto.
Exemplo 5.2.1. Expresse
1
(1 −x)
2
como uma série de potências
e encontre seu raio de convergência.
Solução: Diferenciando cada lado da equação
1
1 −x
= 1 + x + x
2
+ x
3
+ . . . =

¸
n=0
x
n
obtemos
1
(1 −x)
2
= 1 + 2x + 3x
2
+ 4x
3
+ . . . =

¸
n=0
nx
n−1
.
De acordo com o Teorema 5.14, o raio de convergência da série
diferenciada é o mesmo que o raio de convergência da série original,
a saber, R = 1
75
Métodos de Representação de Funções em Séries de
Potências
Exemplo 5.2.2. Encontre uma representação em série de potên-
cias para ln(1 −x) e seu raio de convergência.
Solução: Temos que
ln(1 −x) = −

1
1 −x
dx.
Mas
1
1 −x
=

¸
n=0
x
n
= 1 + x + x
2
+ x
3
+ . . .
Daí
ln(1 −x) = −


¸
n=0
x
n

dx = −

¸
n=0

x
n
dx = −

¸
n=0
x
n+1
n + 1
+ C.
Para determinarmos o valor de C, colocamos x = 0 nessa equação
e obtemos ln(1 −0) = C. Então, C = 0 e
ln(1 −x) = −

¸
n=0
x
n+1
n + 1
= −

¸
n=1
x
n
n
= −x −
x
2
2

x
3
3
−. . . , [x[ < 1.
O raio de convergência é o mesmo que o da série original: R = 1.
5.3 Séries de Taylor e de Maclaurin
Veremos nessa seção que, se uma função f puder ser representada
como uma série de potências, então f é igual à soma de sua Série
de Taylor.
Supondo que f seja qualquer função que pode ser representada
por uma série de potências.
f(x) =

¸
n=0
c
n
(x −x
0
)
n
(5.1)
= c
0
+ c
1
(x −x
0
) + c
2
(x −x
0
)
2
+ . . . , [x −x
0
[ < R
76
Livro de Cálculo II
5
AULA
Queremos determinar os coeficientes c
n
em função de f. Para
começar, note que, se colocarmos x = x
0
na equação (5.1), então
todos os termos depois do primeiro são nulos e obtemos:
f(x
0
) = c
0
.
Pelo Teorema 5.14, podemos diferenciar a série na equação (5.1)
termo a termo:
f

(x) = c
1
+ 2c
2
(x −x
0
) + (5.2)
+3c
3
(x −x
0
)
2
+ 4c
4
(x −x
0
)
3
+ . . . , [x −x
0
[ < R
e a substituição de x = x
0
na equação (5.2) fornece:
f

(x
0
) = c
1
.
Agora diferenciando ambos os lados da equação (5.2) temos:
f

(x) = 2c
2
+ 2 3c
3
(x −x
0
) + (5.3)
+3 4c
4
(x −x
0
)
2
+ . . . , [x −x
0
[ < R.
Novamente colocando x = x
0
na equação (5.3). O resultado é
f

(x
0
) = 2c
2
.
Vamos aplicar o procedimento mais uma vez. A diferenciação da
série na equação (5.3) fornece
f

(x) = 2 3c
3
+ 2 3 4c
4
(x −x
0
) + (5.4)
+3 4 5c
4
(x −x
0
)
2
+ . . . [x −x
0
[ < R.
e a substituição de x = x
0
na equação (5.4) resulta em
f

(x
0
) = 2 3c
3
= 3!c
3
.
77
Métodos de Representação de Funções em Séries de
Potências
Agora você pode ver o padrão. Se continuarmos a diferenciar e
substituir x = x
0
, obteremos
f
(n)
(x
0
) = 2 3 4 nc
n
= n!c
n
.
Resolvendo essa equação para o n-ésimo coeficiente c
n
, obteremos:
c
n
=
f
(n)
(x
0
)
n!
Esta fórmula permanecerá válida mesmo para n = 0 se adotarmos
as convenções de que 0! = 1 e f
(0)
= f. Então provamos o teorema
a seguir:
A série de Taylor
recebeu esse nome
em homenagem ao
matemático inglês
Brook Taylor (1685-
1731), e a série de
Maclaurin tem esse
nome em homenagem
ao matemático es-
cocês Colin Maclaurin
(1698-1746), apesar
do fato de a série de
Maclaurin ser apenas
um caso especial da
série de Taylor. Mas a
idéia da representação
de funções particu-
lares em somas de
séries de Potências
remonta a Newton,
e a série geral de
Taylor era conhecida
pelo matemático
escocês James Gre-
gory em 1668 e pelo
matemático suíço John
Bernoulli na década de
1690. Taylor aperente-
mente não conhecia do
trabalho de Gregory e
Bernoulli quando pub-
licou suas descobertas
sobre séries em 1715
no livro Methodus
incrementorum directa
et inversa.
Teorema 5.15. Se f tiver uma representação (expansão) em série
de potências em x
0
, isto é, se
f(x) =

¸
n=0
c
n
(x −x
0
)
n
[x −x
0
[ < R
então seus coeficientes são dados pela fórmula
c
n
=
f
(n)
(x
0
)
n!
.
Segue desse teorema que, se f tiver uma expansão em série de
potências em x
0
, então ela deve ser da forma a seguir:
f(x) =

¸
n=0
f
(n)
(x
0
)
n!
(x −x
0
)
n
(5.5)
= f(x
0
) +
f

(x
0
)
1!
(x −x
0
) +
f

(x
0
)
2!
(x −x
0
)
2
+ . . .
A série na equação (5.5) é chamada Série de Taylor da
função f em x
0
(ou ao redor de x
0
ou centrada em x
0
). Para o
caso especial x
0
= 0 a série de Taylor se torna
f(x) =

¸
n=0
f
(n)
(0)
n!
x
n
= f(0) +
f

(0)
1!
x +
f

(0)
2!
x
2
+
f

(0)
3!
x
3
+ . . . (5.6)
78
Livro de Cálculo II
5
AULA
Esse caso surge com freqüência, e lhe foi dado o nome especial se
Série de Maclaurin.
Exemplo 5.3.1. Encontre a série de Maclaurin da função f(x) =
e
x
e seu raio de convergência.
Solução: Temos que f
(n)
(x) = e
x
, então f
((n))
(0) = e
0
= 1 para
todo n. Portanto a série de Maclaurin para f é

¸
n=0
f
(n)
(0)
n!
x
n
=

¸
n=0
x
n
n!
= 1 +
x
1!
+
x
2
2!
+
x
3
3!
+ . . .
Para encontrarmos o raio de convergência fazemos a
n
=
x
n
n!
. Então
lim
n−→+∞

a
n+1
a
n

= lim
n−→+∞

x
n+1
(n + 1)!

n!
x
n

= lim
n−→+∞
[x[
n + 1
= 0 < 1
assim pelo Teste da Razão, a série converge para todo x, e o raio
de convergência é R = ∞.
Segue do Teorema 5.15 e do exemplo 5.3.1 que se e
x
tiver uma
expansão em série de potências em 0, então
e
x
=

¸
n=0
x
n
n!
A questão agora é como determinar se e
x
tem uma representação
em série de potências.
Vamos investigar uma questão mais geral: sob quais circun-
stâncias uma função é igual à soma de uma série de Taylor? Em
outras palavras, se f tiver derivadas de todas as ordens, quando é
verdade que
f(x) =

¸
n=0
f
(n)
(x
0
)
n!
(x −x
0
)
n
Segue da definição de séries convergentes que, f(x) é o limite das
79
Métodos de Representação de Funções em Séries de
Potências
somas parciais. No caso da série de Taylor, as somas parciais são
T
n
(x) =
n
¸
k=0
f
(k)
(x
0
)
k!
(x −x
0
)
k
=f(x
0
) +
f

(x
0
)
1!
(x −x
0
) +
f

(x
0
)
2!
(x −x
0
)
2
+ . . . +
f
(n)
(x
0
)
n!
(x −x
0
)
n
Note que T
n
(x) é um polinômio de grau n chamado polinômio de
Taylor de grau n de f em x
0
.
Em geral, f(x) é a soma de uma série de Taylor se
f(x) = lim
n−→∞
T
n
(x).
Se fizermos R
n
(x) = f(x) −T
n
(x) de maneira que f(x) = T
n
(x) +
R
n
(x) então R
n
(x) é denominado resto da série de Taylor. Se
pudermos de alguma maneira mostrar que
lim
n−→∞
R
n
(x) = 0,
segue que
lim
n−→∞
T
n
(x) = lim
n−→∞
[f(x) −R
n
(x)] = f(x) − lim
n−→∞
R
n
(x) = f(x).
Aqui, portanto, provamos o seguinte:
Teorema 5.16. Se f(x) = T
n
(x)+R
n
(x), onde T
n
(x) é o polinômio
de Taylor de grau n de f em x
0
e
lim
n−→∞
R
n
(x) = 0,
para [x − x
0
[ < R, então f é igual a soma de sua série de Taylor
no intervalo [x −x
0
[ < R.
Ao tentar mostrar que
lim
n−→∞
R
n
(x) = 0,
para uma função específica f, geralmente usamos o fato a seguir
(que não demonstraremos)
80
Livro de Cálculo II
5
AULA
Teorema 5.17. (Desigualdade de Taylor) Se [f
(n+1)
(x)[ ≤ M
para [x − x
0
[ ≤ d, então o resto R
n
(x) da série de Taylor satisfaz
a desigualdade
[R
n
(x)[ ≤
M
(n + 1)!
[x −x
0
[
n+1
para [x −x
0
[ ≤ d.
Exemplo 5.3.2. Prove que e
x
é igual à soma de sua série de
Maclaurin.
Solução: Temos que f
(n+1)
(x) = e
x
para todo n. Se d for qual-
quer número positivo e [x[ ≤ d, então [f
(n+1)
(x)[e
x
≤ e
d
. Assim a
desigualdade de Taylor, com x
0
= 0 e M = e
d
, diz que
[R
n
(x)[ ≤
e
d
(n + 1)!
[x[
n+1
para [x[ ≤ d
e
lim
n−→∞
e
d
(n + 1)!
[x[
n+1
= e
d
lim
n−→∞
[x[
n+1
(n + 1)!
= 0
Agora, segue do Teorema do Confronto que lim
n−→∞
R
n
(x) = 0 para
todos os valores de x. Pelo Teorema 5.16, e
x
é igual à soma de sua
Série de Maclaurin,
e
x
=

¸
n=0
x
n
n!
para todo x. (5.7)
Exemplo 5.3.3. Encontre a série de Taylor para f(x) = e
x
em
x
0
= 2.
Solução: Temos que f
(n)
(2) = e
2
; e assim, colocando x
0
= 2 na
definição de uma série de Taylor, obtemos

¸
n=0
f
(n)
(2)
n!
(x −2)
n
=

¸
n=0
e
2
n!
(x −2)
n
Novamente pode ser verificado, como no Exemplo 5.3.1, que o raio
de convergência é R = ∞. Como no Exemplo 5.3.2, podemos
81
Métodos de Representação de Funções em Séries de
Potências
verificar que lim
n−→∞
R
n
(x) = 0, assim
e
x
=

¸
n=0
e
2
n!
(x −2)
n
para todo x. (5.8)
Observe que temos duas expansão em série de potências da
função e
x
. A primeira, dada pela equação (5.7), é melhor se es-
tivermos interessados em valores de e
x
para x próximos de 0 e, a
segunda, dada pela equação (5.8), é melhor se x estiver próximo
de 2.
Exemplo 5.3.4. Encontre a série de Maclaurin da função f(x) =
sen x e prove que ela representa sen x para todo x.
Solução: Temos que
f

(x) = cos x =⇒ f

(0) = cos 0 = 1
f

(x) = −sen x =⇒ f

(0) = −sen 0 = 0
f

(x) = −cos x =⇒ f

(0) = −cos 0 = −1
.
.
.
.
.
.
Portanto a série de Maclaurin para f é

¸
n=0
f
(n)
(0)
n!
x
n
=
x
1!

x
3
3!
+
x
5
5!
+ . . . =

¸
n=0
(−1)
n
x
2n+1
(2n + 1)!
É fácil ver que, [f
(n+1)
(x)[ ≤ 1, ∀x ∈ R. Assim a desigualdade de
Taylor, com x
0
= 0 e M = 1, diz que
[R
n
(x)[ ≤
1
(n + 1)!
[x[
n+1
para todo x ∈ R
e
lim
n−→∞
1
(n + 1)!
[x[
n+1
= 0
82
Livro de Cálculo II
5
AULA
Agora, segue do Teorema do Confronto que lim
n−→∞
R
n
(x) = 0 para
todos os valores de x. Pelo Teorema 5.16, sen x é igual à soma de
sua Série de Maclaurin, ou seja,
sen x =

¸
n=0
(−1)
n
x
2n+1
(2n + 1)!
para todo x ∈ R.
Exemplo 5.3.5. Encontre a série de Maclaurin da função f(x) =
cos x.
Solução: Temos que
cos x =
d
dx
sen x
e, pelo Exemplo 5.3.5, sen x =

¸
n=0
(−1)
n
x
2n+1
(2n + 1)!
, logo
cos x =
d
dx

¸
n=0
(−1)
n
x
2n+1
(2n + 1)!
=

¸
n=0
(−1)
n
d
dx
x
2n+1
(2n + 1)!
=

¸
n=0
(−1)
n
x
2n
(2n)!
.
Logo
cos x =

¸
n=0
(−1)
n
x
2n
(2n)!
para todo x ∈ R.
5.4 Séries Binomiais
Concluiremos esse capítulo com um exemplo muito importante: a
série binomial, descoberta por Isac Newton. De fato, estamos aqui
revertendo a ordem histórica: originalmente, a série binomial foi
descoberta por Newton sem fazer uso da série de Taylor (então
desconhecida). De certa forma, foi o estudo da série binomial uma
das motivações de Newton no desenvolvimento do cálculo, daí sua
importância histórica.
83
Métodos de Representação de Funções em Séries de
Potências
Com o nosso conhecimento de s´eries de Taylor, porém, obter-
emos um caminho mais rápido e simples que o de Newton para
expandir a função
(1 + x)
k
em série de potências. Aqui, não estamos supondo que k é uma in-
teiro positivo! O argumento a seguir funciona para qualquer valor
real de k (podendo ser inclusive negativo). Observe que uma vez
obtida a expansão para (1+x)
k
, obteremos facilmente uma expan-
são para (x + y)
k
, por meio da igualdade (x + y)
k
= x
k
(1 +
y
x
)
k
.
Teorema 5.18. Seja k um número real. A Série de Taylor para
f(x) = (1 + x)
k
em torno de x = 0 (chamada Série Binomial ) é
1 +

¸
n=1
k(k −1)(k −2) . . . (k −n + 1)
n!
x
n
;
seu raio de convergência é R = 1, e a série de Taylor converge para
f(x) no intervalo (−1, 1).
Observe que quando k é um inteiro positivo, podemos escrever
o n-ésimo coeficiente da série acima como

a
b

=
k(k −1)(k −2) . . . (k −n + 1)
n!
.
Neste caso os termos são todos nulos para n > k, e a igualdade
de (1 +x)
k
com sua série de Taylor nada mais é que a fórmula do
binômio de Newton.
Observe que se definimos, motivados pelo caso que acabamos
de discutir,

a
b

=
k(k −1)(k −2) . . . (k −n + 1)
n!
para n ≥ 1;

k
0

= 1
84
Livro de Cálculo II
5
AULA
quaisquer que seja a constante real k, então a série Binomial to
teorema pode ser escrita sob a forma
(1 + x)
k
=

¸
n=0

k
n

x
n
Para verificarmos o teorema, primeiro calculamos as derivadas
de f(x) = (1 + x)
k
:
f
(n)
(x) = k(k −1)(k −2) . . . (k −n + 1)(1 + x)
k−n
.
Obtemos então para os coeficientes da série de Taylor:
a
n
=
f
(n)
(0)
n!
=
k(k −1)(k −2) . . . (k −n + 1)
n!
.
Assim, obtemos a fórmula para a série de Taylor dada no enunciado
do teorema. Para calcular o raio de convergência, utilizaremos o
Teste da Razão. Observe que o termo geral da série é a
n
x
n
, logo
para aplicarmos o teste temos q estudar o limite de

a
n+1
x
n+1
a
n
x
n

=

a
n+1
a
n
x

.
Temos
[a
n+1
[
[a
n
[
[x[ =
[k(k −1) . . . (k −n)[
(n + 1)!

n!
[k(k −1) . . . (k −n + 1)[
[x[
=
[k −n[
n + 1
[x[;
Como k é uma constante, vemos que o limite dessa expressão
quando n −→ ∞ é L = [x[. O teste da razão nos diz que a série
converge de L < 1, e diverge de L > 1; ou seja: a série binomial
converge para [x[ < 1 e diverge para [x[ > 1. A convergência da
série nos casos em que o teste não dá informações, x = 1, −1,
depende do valor de k e não será de interesse para nós.
85
Métodos de Representação de Funções em Séries de
Potências
Exemplo 5.4.1. Expanda (8 + x)
1/3
em série de potências.
Solução: Usaremos a série binomial com k =
1
3
. O coeficiente
binomial é
k(k −1)(k −2) . . . (k −n + 1)
n!
=

1
3

1
3
−1

1
3
−2

. . .

1
3
−n + 1

n!
=

1
3

−2
3

−5
3

. . .

4−3n
3

n!
= (−1)
n+1
(1) (2) (5) . . . (3n −4)
n!3
n
e, assim, quando [x[ < 1,
(8 + x)
1/3
= 1 +

¸
n=1
(−1)
n+1
(1) (2) (5) . . . (3n −4)
n!3
n
x
n
Como Newton calculava... Newton fez uso da série binomial;
a partir desta série ele calculou expansões para diversas funções.
Vamos exemplificar o método de Newton calculando a série de
Taylor de f(x) = arcsen x em torno de x = 0. Primeiro notamos
que
f

(x) =
1

1 −x
2
= (1 −x
2
)
−1/2
que é uma função da forma estudada anteriormente com k = −1/2,
mas calculada em −x
2
. Assim, f

(x) pode ser expandida numa
série da forma

¸
n=0
a
n
(−x
2
)
n
,
onde a
0
= 1 e, para n ≥ 1,
a
n
=
k(k −1)(k −2) . . . (k −n + 1)
n!
=


1
2


1
2
−1


1
2
−2

. . .


1
2
−n + 1

n!
=


1
2


3
2


5
2

. . .

−2n+1
2

(−1)
n
n!
86
Livro de Cálculo II
5
AULA
Esta expansão é válida para [ − x
2
[ < 1, isto é, [x[ < 1. Como
(−x
2
)
n
= (−1)
n
x
2n
, obtemos
(1 −x
2
)
−1/2
= 1 +

¸
n=1
(1) (3) (5) . . . (2n −1)
n!2
n
x
2n
para [x[ < 1.
Agora, observando que
arcsen x =

x
0
(1 −t
2
)
−1/2
dt,
e integrando termo a termo a expressão acima, obtemos
arcsen x = x +

¸
n=1
(1) (3) (5) . . . (2n −1)
n!2
n
(2n + 1)
x
2n+1
para [x[ < 1.
5.5 Resumo
Vimos, nesta aula, três métodos muito eficientes na representação
de funções em série de potências.
O primeiro método é dado pelo Teorema 5.14 que trata-se da
diferenciação e integração e séries de potências.
O segundo método é dado pela Série de Taylor: Se uma função
f admitir expansão em série de potências então sua expansão em
torno de x
0
é dada por
f(x) =

¸
n=0
f
(n)
(x
0
)
n!
(x −x
0
)
n
= f(x
0
) +
f

(x
0
)
1!
(x −x
0
) +
f

(x
0
)
2!
(x −x
0
)
2
+ . . .
O Teorema 5.17, nos da uma condição suficiente para que uma
dada função admita expansão em série de potências.
A série de Taylor em torno da origem é dada por
f(x) =

¸
n=0
f
(n)
(x
0
)
n!
x
n
= f(0) +
f

(0)
1!
x +
f

(0)
2!
x
2
+ . . .
87
Métodos de Representação de Funções em Séries de
Potências
Esta série é denominada Série de Maclaurin.
Terminamos essa aula, estudando da Série Binomial. Tal série
é útil para expandirmos funções do tipo (1+x)
k
em série de potên-
cias.
Com essa aula, terminamos a primeira parte do curso de Cál-
culo II.
Nossa primeira avaliação tem o objetivo de avaliar o vosso con-
hecimento relativo às aulas 1,2,3,4 e 5.
Nas próximas aula, passaremos a estudar novos tipos de funções.
5.6 Atividades
01. (a) Use diferenciação para achar a representação em série de
potências para
f(x) =
1
(1 + x)
2
.
Qual é o raio de convergência.
(b) Use o item (a) para encontrar uma série de potências para
f(x) =
1
(1 + x)
3
.
(c) Use o item (b) para achar a série de potências para
f(x) =
x
2
(1 + x)
3
.
02. Encontre uma representação em série de potências para a
função e determine o raio de convergência.
(a) f(x) = ln(1 + x) (b) f(x) = xln(1 + x)
03. Avalie a integral indefinida

x −tg
−1
x
x
3
como uma série de
potências. Qual é o raio de convergência?
88
Livro de Cálculo II
5
AULA
04. Assuma que a função f(x) = xe
x
admita expansão em série
de potências em torno da origem e encontre sua expansão.
05. Assuma que a função f(x) = x
3
admita expansão em série de
potências em torno de x
0
= −1 e encontre sua expansão.
06. Prove que a função f(x) = cos
2
x admite expansão em série de
potências em torno da origem e encontre tal expansão.
07. Use a série binomial para expandir a função f(x) =
1
(1 + x)
4
como uma série de potências. Encontre seu raio de convergência.
5.7 Comentário das Atividades
Essas atividades tem o objetivo de você (aluno) exercitar os con-
ceitos desenvolvidos nesta aula.
Na resolução das atividades 01. e 02. você (aluno) deve utilizar
o método de diferenciação e integração de série de potências e
também as propriedades de série de potências. Se você conseguiu
resolver essas atividades então entendeu os conceitos e o método
de diferenciação e integração de série de potências.
A atividade 03. mostra uma das vantagens de representarmos
funções em séries de potências. Para resolver a integral da ativi-
dade 03. você deve, inicialmente, expandir a função f(x) = tg
−1
x
em série de potências, em torno da origem. Feito isso, substitua
tal expansão no integrando e integra a expressão resultante. Note
que a expressão resultante é um polinômio de fácil integração.
Na resolução das atividades 04., 05, 06. e 07, basta utilizar as
89
Métodos de Representação de Funções em Séries de
Potências
séries de Taylor, de Maclaurin e a Binomial.
Se sentir muita dificuldade na resolução dessas atividades, volte
ao inicio da aula e reveja com cuidado os conceitos apresentados.
E não esqueça dos tutores, eles existem para ajuda-lo em vosso
aprendizado.
5.8 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 4).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
90
6
AULA
1
LIVRO
Equações Paramétri-
cas
META
Estudar funções que a cada ponto
do domínio associa um par orde-
nado de R
2
OBJETIVOS
Estudar movimentos de partículas
no plano.
PRÉ-REQUISITOS
Ter compreendido os conceitos de
funções reais, vistas no Cálculo 1.
Equações Paramétricas
6.1 Introdução
Até agora descrevemos as curvas planas, dando y como uma função
de x [y = f(x)] ou x em função de y [x = g(y)] ou fornecendo a
relação entre x e y que define y implicitamente como uma função
de x [f(x, y) = 0]. Nesta aula discutiremos um novo método para
descrever as curvas no plano. Esse método consiste em escrever
as variáveis x e y em termos de uma terceira variável t, chamada
parâmetro [x = f(t), y = g(t)]. Tais equações serão denominadas
equações paramétricas.
6.2 Equações Paramétricas
Imagine que a trajetória de uma partícula que se move no plano
é descrita pela curva dada na Figura 6.9. Note que é impossível
descrever C por uma equação do tipo y = f(x). Mas as coor-
denadas x e y da partícula são funções de uma terceira variável
t (denominada parâmetro) e, assim, podemos escrever x = f(t)
e y = g(t). Esse par de equações é, muitas vezes, uma maneira
conveniente para descrever uma curva. Tais equações são denomi-
nadas Equações Paramétricas. Para cada valor de t determina
um ponto (x, y), que podemos plotar em um plano coordenado.
Quando t varia, o ponto (x, y) = (f(t), g(t)) varia e traça a curva
C, que chamamos de Curva Paramétrica. Em muitas aplicações
das curvas paramétricas, t denota o tempo e, portanto, podemos
interpretar (x, y) = (f(t), g(t)) como a posição de uma partícula
no tempo t.
Exemplo 6.2.1. Seja a curva paramétrica α(t) = (sen t, cos
2
t), 0 ≤
t ≤
π
2
. Isto equivale as equações paramétricas x = sen t, y =
92
Livro de Cálculo II
6
AULA
Figura 6.9: Curva no plano.
cos
2
t, com 0 ≤ t ≤
π
2
. Pela relação fundamental, estas equações
nos conduzem à equação cartesiana y = 1 − x
2
, que é a equação
de uma parábola. Na verdade, é apenas um ramo da parábola tal
que 0 ≤ x ≤ 1. (Veja a figura 6.10)
Figura 6.10: Ramos da parábola y = 1 −x
2
.
Em geral, a curva com equações paramétricas
x = f(t) y = g(t) a ≤ t ≤ b
tem ponto inicial (f(a), g(a)) e ponto final (f(b), g(b)).
Exemplo 6.2.2. A curva representada pelas equações paramétri-
93
Equações Paramétricas
cas x = cos t, y = sen t, 0 ≤ t ≤ 2π é um círculo. De fato,
eliminando o parâmetro t,
x
2
+ y
2
= cos
2
t + sen
2
t = 1.
Note que, nesse exemplo, o parâmetro t pode ser interpretado como
o ângulo (em radianos) mostrado na figura 6.11. Quando t au-
menta de 0 a 2π, o ponto (x, y) = (cos t, sen t) se move uma vez
ao redor do círculo no sentido anti-horário partindo do ponto (1, 0).
Figura 6.11: Círculo percorrido no sentido anti-horário.
Observe que a curva representada pelas equações paramétricas
x = sen 2t, y = cos 2t, 0 ≤ t ≤ 2π também é um circulo, pois
eliminando o parâmetro t, temos que,
x
2
+ y
2
= sen
2
2t + cos
2
2t = 1.
Mas quando t aumenta de 0 a 2π, o ponto (x, y) = (sen 2t, cos 2t)
começa em (0, 1) e se move duas vezes ao redor do círculo no sentido
horário, como indicado na figura 6.12.
94
Livro de Cálculo II
6
AULA
Figura 6.12: Círculo percorrido no sentido horário.
O exemplo acima mostra que diferentes conjuntos de equações
paramétricas podem representar a mesma curva. Então distin-
guimos uma curva, que é um conjunto de pontos, e uma curva
paramétrica, na qual os pontos são traçados em uma ordem par-
ticular.
Exemplo 6.2.3. Vamos descrever a curva de equações paramétri-
cas x = t
3
, y = t
2
, com t real. É fácil ver que a equação cartesiana
da curva é x
2
= y
3
, ou seja y =
3

x
2
. (Veja a figura 6.13)
6.3 Cálculo com Curvas Paramétricas
Nesta seção vamos introduzir os métodos de cálculo com curvas
paramétricas. Em particular, vamos resolver os problemas envol-
vendo tangentes, áreas, arco e superfície de área.
95
Equações Paramétricas
Figura 6.13: Curva Paramétrica.
6.3.1 Tangentes
Na seção anterior, vimos que algumas curvas definidas por equações
paramétricas x = f(t) e y = g(t) podem também ser expressas pela
eliminação do parâmetro na forma y = F(x). Em geral temos o
seguinte:
Teorema 6.19. Se f

for contínua e f

(t) = 0 para a ≤ t ≤ b,
a curva paramétrica x = f(t), y = g(t), a ≤ t ≤ b, pode ser
colocada na forma y = F(x).
Se substituirmos x = f(t) e y = g(t) na equação y = F(x),
obteremos:
g(t) = F(f(t))
assim, se g, F e f forem diferenciáveis, a Regra da Cadeia fornece
g

(t) = F

(f(t))f

(t) = F

(x)f

(t).
Se f

(t) = 0, podemos resolver para F

(x) :
F

(x) =
g

(t)
f

(t)
(6.1)
96
Livro de Cálculo II
6
AULA
Como a inclinação da tangente à curva y = F(x) em (x, F(x)) é
F

(x), a Equação (6.1) nos permite encontrar tangentes a curvas
paramétricas sem ter que eliminar o parâmetro. Usando a notação
de Leibniz podemos reescrever a Equação (6.1) de uma maneira
fácil de lembrar:
dy
dx
=
dy
dt
dx
dt
se
dx
dt
= 0 (6.2)
Podemos ver da Equação (6.2) que a curva tem uma tangente
horizontal quando
dy
dt
= 0 (desde que
dx
dt
= 0) e tem uma tangente
vertical quando
dx
dt
= 0 (desde que
dy
dt
= 0). Essa informação é útil
para esboçar as curvas paramétricas.
Para o estudo da concavidade da curva, é útil considerar
d
2
y
dx
2
.
Isso pode ser encontrado mudando y por
dy
dx
na Equação (6.2):
d
2
y
dx
2
=
d
dx

dy
dx

=
d
dt

dy
dx

dx
dt
se
dx
dt
= 0
Exemplo 6.3.1. Uma curva C é definida pelas equações paramétri-
cas x = t
2
e y = t
3
−3t.
(a) Mostre que C tem duas tangentes no ponto (3, 0) e encontre
suas equações.
(b) Encontre os pontos em C onde a tangente é horizontal ou ver-
tical.
(c) Determine onde a curva sobre e desce e onde sua concavidade
se encontra para cima ou para baixo.
Solução:
(a) Note que y = t
3
−3t = t(t
2
−3) = 0 quando t = 0 ou t = ±

3.
Portanto, o ponto (3, 0) em C surge de dois valores do parâmetro,
t =

3 e t = −

3. Isso indica que C intercepta ele mesmo em
97
Equações Paramétricas
(3, 0). Como
dy
dx
=
dy
dt
dx
dt
=
3t
2
−3
2t
=
3
2

t −
1
t

a inclinação da tangente quando t = ±

3 é
dy
dx
= ±
6
2

3
= ±

3;
assim, as equações das tangentes em (3, 0) são
y =

3(x −3) e y = −

3(x −3).
(b) C tem uma tangente horizontal quando
dy
dx
= 0 isto é,
dy
dt
= 0
e
dx
dt
= 0. Uma vez que
dy
dt
= 3t
2
− 3, isso é apropriado quando
t
2
= 1, isto é t = ±1. Os pontos correspondentes em C são (1, −2)
e (1, 2). C tem uma tangente vertical quando
dx
dt
= 2t = 0, isto é,
t = 0. O ponto correspondente em C é (0, 0).
(c)Para determinar a concavidade, calculamos a derivada segunda:
d
2
y
dx
2
=
d
dt

dy
dx

dx
dt
=
3
2

1 +
1
t
2

2t
=
3(t
2
+ 1)
4t
3
.
Então a concavidade da curva é para cima quando t > 0 e para
baixo quando t < 0.
(d) Usando as informações das partes (b) e (c), esboçamos C na
Figura 6.14.
Exemplo 6.3.2. (a) Encontre a tangente para a ciclóide x = r(θ−
senθ), y = r(1 −cosθ), no ponto θ =
π
3
.
(b) Em que ponto a tangente é horizontal? Quando é vertical?
Solução:
(a) A inclinação da reta tangente é
dy
dx
=
dy

dx

=
r senθ
r(1 −cosθ)
=
senθ
1 −cosθ
98
Livro de Cálculo II
6
AULA
Figura 6.14: Curva referente ao Exemplo 6.3.1.
Quando θ =
π
3
, temos
x = r(
π
3
−sen
π
3
) = r(
π
3


3
2
) y = r(1 −cos
π
3
) =
r
2
e
dy
dx
=
sen
π
3
1 −cos
π
3
=

3
2
1 −
1
2
=

3.
Portanto a inclinação da tangente é

3 e sua equação é
y =
r
2
=

3(x −r
π
3
+ r

3
2
) ou

3x −y = r(
π

3
−2).
A tangente está esboçada na Figura 6.15.
Figura 6.15: Ciclóide
(b) A tangente é horizontal quando
dy
dx
= 0, o que ocorre quando
senθ = 0 e 1 − cosθ = 0, isto é, θ = (2n − 1)π, n ∈ Z. O ponto
correspondente da ciclóide é ((2n −1)πr, 2r).
99
Equações Paramétricas
Quando θ = 2nr, tanto
dx

e
dy

são 0. a partir do gráfico parece
que as tangentes são verticais naqueles pontos. Podemos verificar
isso usando a Regra de L’Hôspital, como a seguir:
lim
θ−→2nπ
+
dy
dx
= lim
θ−→2nπ
+
senθ
1 −cosθ
= lim
θ−→2nπ
+
cosθ
senθ
= ∞
Um cálculo similar mostra que lim
θ−→2nπ

dy
dx
= −∞; assim, real-
mente existem tangentes verticais quando θ = 2nπ, isto é, quando
x = 2nπr.
6.3.2 Áreas
O Teorema Fundamental do Cálculo no diz que a áreas sob uma
curva y = F(x) de a até b é A =

b
a
F(x)dx, onde F(x) ≥ 0. Se a
curva for dada por equações paramétricas x = f(t), y = g(t) e for
percorrida quando t aumenta de α para β, então podemos adaptar
a fórmula anterior usando a Regra da Substituição para Integrais
Definidas como a seguir:
A =

b
a
ydx =

β
α
g(t)f

(t)dt
ou
A =

α
β
g(t)f

(t)dt
se (f(β), g(β)) for o extremo esquerdo.
Exemplo 6.3.3. Encontre a área sob um arco da ciclóide x =
r(θ −senθ), y = r(1 −cosθ).
Solução:
Um arco da ciclóide é dado por 0 ≤ θ ≤ 2π. Usando a Regra de
100
Livro de Cálculo II
6
AULA
Substituição com y = r(1 −cosθ) e dx = r(1 −cosθ)dθ, temos
A =

2πr
0
ydx =


0
r(1 −cosθ)r(1 −cosθ)dθ
= r
2


0
(1 −cosθ)
2
dθ = r
2


0
(1 −2cosθ + cos
2
θ)dθ
= r
2


0
[1 −2cosθ +
1
2
(1 + cos2θ)]dθ
= r
2
[
3
2
θ −2senθ +
1
4
sen2θ]

0
= r
2
(
3
2
2π) = 3πr
2
.
Figura 6.16: Arco da ciclóide.
6.3.3 Comprimento de Arco
Sabemos que, se uma curva C é dada na forma y = F(x), a ≤ x ≤
b e F

for contínua, então o comprimento L da curva C é dado por
L =

b
a

1 +

dy
dx

2
dx
Se a curva C for dada por equações paramétricas x = f(t), y =
g(t), α ≤ t ≤ β, onde f

e g

são contínuas em [α, β] e for percor-
rida exatamente uma vez quando t aumenta de α para β, então
adaptando a fórmula anterior, obtemos
L =

β
α

dx
dt

2
+

dy
dt

2
dt.
101
Equações Paramétricas
Exemplo 6.3.4. Encontre o comprimento de arco da curva x =
sen t −tcos t, y = cos t + tcos t, −1 ≤ t ≤ 1.
Solução:
Temos que

dx
dt

2
+

dy
dt

2
=

(tsen t)
2
+ (tcos t)
2
=

t
2
= [t[
Logo,
L =

1
−1

dx
dt

2
+

dy
dt

2
dt =

1
−1
[t[dt =

0
−1
(−t)dt +

1
0
tdt = 1.
Figura 6.17: Curva referente ao Exemplo 6.3.4.
Neste caso, dizemos que a curva C é parametrizada pelo com-
primento de arco.
6.3.4 Área de Superfície
Dada uma curva C com equações paramétrica x = f(t), y =
g(t), α ≤ t ≤ β onde f

, g

são contínuas e g(t) ≥ 0, queremos
calcular a área da superfície gerada à partir da rotação da curva
C em torno do eixo-x. A área resultante é dada por
S =

β
α
2πy

dx
dt

2
+

dy
dt

2
dt.
102
Livro de Cálculo II
6
AULA
Exemplo 6.3.5. Mostre que a área da superfície de uma esfera
de raio r é 4πr
2
.
Solução:
A esfera é obtida pela rotação do semicírculo
x = rcos t y = sen t 0 ≤ t ≤ π
ao redor do eixo-x. Portanto,
S =

π
0
2πsen t

(−rsen t)
2
+ (rcos t)
2
dt
= 2π

π
0
rsen t

r
2
(sen
2
t + cos
2
t)dt
= 2πr
2

π
0
sen tdt = 2πr
2
(−cos t)

π
0
= 4πr
2
.
6.4 Resumo
Nesta aula, conhecemos um novo tipo de função, as funções que a
cada valor de t associa um par ordenado (x, y) no plano. Vimos que
tais funções são úteis na descrição da trajetória de uma partícula
no plano.
Além disso, aprendemos a fazer cálculos com curvas paramétri-
cas. Em particular, resolvemos problemas envolvendo tangentes,
áreas, arco e superfície de área.
Na próxima aula, estudaremos as curvas paramétricas em co-
ordenadas polares.
6.5 Atividades
01. Elimine o parâmetro para encontrar uma equação cartesiana
da curva, esboce a curva e indique com uma seta a direção na qual
103
Equações Paramétricas
a curva é traçada quando o parâmetro aumenta.
(a) x = 3t −5, y = 2t + 1
(b) x = t
2
−2, y = 5 −2t, −3 ≤ t ≤ 4
(c) x = 4 cos θ, y = 5 sen θ, −
π
2
≤ θ ≤
π
2
(d) x = e
t
, y = e
−t
02. Descreva o movimento de uma partícula com posição (x, y)
dada por
x = cos
2
t, y = cos t
quando 0 ≤ t ≤ 4π.
03. (a) Mostre que as equações paramétricas
x = x
1
+ (x
2
−x
1
)t, y = y
1
+ (y
2
−y
1
)t
onde 0 ≤ t ≤ 1 descrevem o segmento de reta que une os pontos
(x
1
, x
2
) e (y
1
, y
2
).
(b) Encontre as equações paramétricas para representar o segmento
de reta de (−2, 7) até (3, −1).
04. Encontre os pontos da curva dada por
x = t
4
+ 1, y = t
3
+ t
em que a tangente é horizontal. Em que pontos a tangente é verti-
cal? Calcule a equação da reta tangente e da reta normal a curva
dada no ponto em que t = −1.
05. Encontre os pontos da curva dada por
x = 2 cos θ, y = sen 2θ
104
Livro de Cálculo II
6
AULA
em que a tangente é horizontal. Em que pontos a tangente é ver-
tical? Calcule a equação da reta tangente a curva dada no ponto
em que θ =
π
2
.
06. Calcule o comprimento da curva dada por
x = e
t
+ e
−t
, y = 5 −2t
para 0 ≤ t ≤ 3.
07. Calcule a área da superfície obtida pela rotação da curva dada
por
x = 3t −t
3
, y = 3t
2
, 0 ≤ t ≤ 1
ao redor do eixo x.
6.6 Comentário das Atividades
Essas atividades tem o objetivo de você (aluno) exercitar os con-
ceitos desenvolvidos nesta aula.
As atividades 01, 02 e 03 são referentes ao estudo das curvas
paramétricas no plano. Se conseguiu resolve-las, então você apren-
deu a descrever o movimento de uma partícula no plano.
As atividades 04, 05, 06 e 07 são referentes ao cálculo com
curvas paramétricas. Cálculo de retas tangentes, retas normais,
comprimento de arco e área de superfícies de rotação. Se conseguiu
resolver todas essas atividades. Parabéns. Você sabe fazer cálculo
com curvas paramétricas.
105
Equações Paramétricas
6.7 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
106
7
AULA
1
LIVRO
Curvas Polares
META
Estudar as curvas planas em coor-
denadas polares (Curvas Polares).
OBJETIVOS
Estudar movimentos de partículas
no plano. Cálculos com curvas
planas em coordenadas polares.
PRÉ-REQUISITOS
Curvas Paramétricas (Aula 06).
Curvas Polares
7.1 Introdução
Até agora temos usado as coordenadas cartesianas para representar
um ponto no plano, por um par ordenado de números, chamados
coordenadas, que são distâncias dirigidas a partir de dois eixos
perpendiculares. Nesta aula descreveremos um sistema de coor-
denadas introduzido por Newton, denominado sistema de coorde-
nadas polares. Tal sistema de coordenadas é muito útil no estudo
de curvas no plano.
Escreveremos as curvas no plano em coordenadas polares. Além
disso, faremos os cálculos relativos as tangentes, ao comprimento
de arco e as áreas delimitadas por curvas no plano, utilizando co-
ordenadas polares.
7.2 Coordenadas Polares
Escolhemos um ponto no plano conhecido como pólo (ou origem) e
o denominamos O. Então, desenhamos um raio (semi-reta) começando
de O, chamado eixo polar. Esse eixo é geralmente desenhado hor-
izontalmente para a direita e corresponde ao eixo x positivo nas
coordenadas cartesianas.
Se P for qualquer ponto no plano, seja r a distância de O a P
e seja θ o ângulo entre o eixo polar e a reta OP como na Figura
7.18. Daí o ponto P é representado pelo par ordenado (r, θ) e r, θ
são denominados coordenadas polares de P.
Usamos a convenção de que um ângulo é positivo se for medido
no sentido anti-horário a partir do eixo polar e negativo se for
medido no sentido horário. Se P = O, então r = 0, e concordamos
que (0, θ) representa o pólo para quaisquer valor de θ.
108
Livro de Cálculo II
7
AULA
Figura 7.18: Sistema de Coordenadas Polares.
Exemplo 7.2.1. Plote os pontos cujas coordenadas polares são
(a) (1,

4
) (b) (2, 3π) (c) (2,
−2π
3
) (d) (−3,

4
)
Solução: Os pontos são plotados na Figura 7.19.
Figura 7.19: Figura referente ao Exemplo 7.2.1
No sistema de coordenadas cartesianas cada ponto tem ape-
nas uma representação, mais no sistema de coordenadas polares
cada ponto tem muitas representações. De fato, como uma ro-
tação completa no sentido anti-horário é dada por um ângulo 2π,
o ponto representado pelas coordenadas polares (r, θ) é também
representado por
(r, θ + 2nπ) e (−r, θ + (2n + 1)π)
onde n é qualquer inteiro.
A relação entre as coordenadas polares e cartesianas pode ser
vista a partir da Figura 7.20, na qual o pólo corresponde à origem
e o eixo polar coincide com o eixo x positivo. Se o ponto P tiver
coordenadas cartesianas (x, y) e coordenadas polares (r, θ), então,
109
Curvas Polares
Figura 7.20: Coordenadas Cartesianas ↔ Coordenadas Polares.
a partir da figura, temos:
cosθ =
x
r
senθ =
y
r
e assim,
x = rcosθ y = rsenθ. (7.1)
As Equações (7.1) nos permitem encontrar as coordenadas carte-
sianas de um ponto quando as coordenadas polares são dadas. Para
encontrar r e θ onde x e y são conhecidos, usaremos as equações
r
2
= x
2
+ y
2
tgθ =
y
x
. (7.2)
que podem ser deduzidas a partir das Equações (7.1).
Exemplo 7.2.2. Converta o ponto (3,
π
2
) de coordenadas polares
para cartesianas.
Solução: Como r = 3 e θ =
π
2
, as Equações (7.1) fornecem
x = rcosθ = 3cos
π
2
= 3 0 = 0
y = rsenθ = 3sen
π
2
= 3 1 = 3
Portanto, o ponto é (0, 3) nas coordenadas cartesianas.
110
Livro de Cálculo II
7
AULA
Exemplo 7.2.3. Represente o ponto com coordenadas cartesianas
(1, −1) em termos de coordenadas polares.
Solução: Se escolhermos r positivo, então a Equação (7.2) fornece
r =

x
2
+ y
2
=

1
2
+ (−1)
2
=

2
tgθ =
y
x
= −1
Como o ponto (1, −1) estão no quarto quadrante, podemos escol-
her θ = −
π
4
ou θ =

4
. Então uma resposta possível é (

2, −
π
4
);
e outra é (

2,

4
).
Exercícios:
01. Plote o ponto cujas coordenadas polares são dadas. Então en-
contre dois outros pares de coordenadas polares desse ponto, um
com r > 0 e outro com r < 0. Encontre as coordenadas cartesianas
do ponto.
(a)

1,
π
2

(b)

−2,
π
4

(c)

2, −
π
4

(d)

−2, −
π
2

(e)

3,
π
2

(f)

−2, −

6

02. As coordenadas cartesianas de um ponto são dadas. Encontre
as coordenadas polares do ponto. Plote-os.
(a) (1, 1) (b)

2

3, −2

(c)

−1, −

3

(d) (−2, −3)
03. Esboce a região do plano que consiste em pontos cujas coor-
denadas polares satisfazem as condições dadas.
(a) 1 ≤ r ≤ 2
111
Curvas Polares
(b) r ≥ 0,
π
3
≤ θ ≤

3
(c) −1 ≤ r ≥ 1,
π
4
≤ θ ≤

4
04. (a) Encontre uma fórmula para a distância entre os pontos
com coordenadas polares (r
1
, θ
1
) e (r
2
, θ
2
).
(b) Encontre a distância entre os pontos com coordenadas polares

3,
π
2

e

−2, −

6

.
Observação 7.3. Conseguiu fazer todos esses exercícios??? SIM!!!
Ótimo, você já pode continuar seus estudos relativos à essa aula.
Se você sentiu dificuldades em resolver esses exercícios, volte a
estudar as coordenadas polares, antes de prosseguir nesta aula.
7.3 Curvas Polares
Uma curva polar é representada por uma equação r = f(θ), ou
mais geralmente, F(r, θ) = 0 e seu gráfico consiste em todos os
pontos P que têm pelo menos uma representação (r, θ) cujas coor-
denadas satisfazem a equação.
Exemplo 7.3.1. A circunferência de raio 3 e centro na origem é
representada pela equação polar r = 3. De fato, temos que x
2
+
y
2
= r
2
, logo x
2
+ y
2
= 9.
Exemplo 7.3.2. A curva com equação polar r = 2cosθ é uma
circunferência com centro em (1, 0) e raio 1. De fato, na Figura
7.22 encontramos os valores de r para alguns valores convenientes
de θ e plotamos os pontos correspondentes (r, θ). Então juntamos
esses pontos para esboçar a curva.
112
Livro de Cálculo II
7
AULA
Figura 7.21: Circunferência de equação r = 3.
Vamos agora converter a equação dada em uma equação carte-
siana, usando as Equações (7.1) e (7.2). A partir de x = rcosθ,
temos cosθ =
x
r
; assim, a equação r = 2cosθ torna-se
r
2
=
x
r
, que
fornece
2x = r
2
= x
2
+ y
2
ou x
2
+ y
2
−2x = 0
Completando o quadrado, obtemos
(x −1)
2
+ y
2
= 1
que é uma equação do círculo com centro em (1, 0) e raio 1.
Figura 7.22: Circunferência de equação r = 2cos θ.
Exemplo 7.3.3. A curva polar r = 1+senθ é denominada cardióide
porque tem o formato parecido com o de um coração. Plotando a
cardióide através do Software Winplot, obtemos a Figura 7.23:
113
Curvas Polares
Figura 7.23: Cardióide
Exemplo 7.3.4. A curva polar r = cos2θ é denominada rosa
de quatro pétalas (ou 4−rosácea). Plotando a curva através do
Software Winplot, obtemos a Figura 7.24:
Figura 7.24: 4−rosácea.
7.4 Tangentes as Curvas Polares
Para encontrar a reta tangente a uma curva polar r = f(θ), va-
mos considerar θ como um parâmetro e escrever suas equações
paramétricas como
x = rcosθ = f(θ)cosθ y = rsenθ = f(θ)senθ
114
Livro de Cálculo II
7
AULA
Então, usando o método para encontrar inclinações de curvas paramétri-
cas(Equação (6.2)), e a Regra do Produto temos:
dy
dx
=
dy

dx

=
dr

senθ + rcosθ
dr

cosθ −rsenθ
(7.1)
Localizamos as tangentes horizontais achando os pontos onde
dy

=
0 e
dx

= 0. Do mesmo modo, localizamos as tangentes verticais
nos pontos onde
dy

= 0 e
dx

= 0.
Exemplo 7.4.1. (a) Para a cardióide r = 1 + cosθ, calcule a in-
clinação da reta tangente quando θ =
π
6
.
(b) Encontre os pontos na cardióide onde a reta tangente é hori-
zontal ou vertical.
Solução: Usando a Equação (7.1) com r = 1 + cosθ, obtemos
dy
dx
=
dr

senθ + rcosθ
dr

cosθ −rsenθ
=
−senθ senθ + (1 + cosθ)cosθ
−senθ cosθ −(1 + cosθ)senθ
=
−sen
2
θ + cosθ + cos
2
θ
−2senθ cosθ −senθ
=
2cos
2
θ + cosθ −1
−senθ(2cosθ + 1)
(a) A inclinação da tangente no ponto onde θ =
π
6
é
dy
dx
=
2cos
2 π
6
+ cos
π
6
−1
−sen
π
6
(2cos
π
6
+ 1)
=
2


3
2

2
+

3
2
−1

1
2

2

3
2
+ 1

=
1
2
+

3
2

1
2

3 + 1
= −1
(b) Observe que
dy

= 2cos
2
θ + cosθ −1 = 0 quando θ =
π
3
, π,

3
dx

= −senθ(2cosθ + 1) = 0 quando θ = 0,

3
, π,

3
Portanto existem tangentes horizontais nos pontos (
3
2
,
π
3
), (
3
2
,

3
)
e tangentes verticais em (2, 0), (
1
2
,

3
), (
1
2
,

3
). Quando θ = π,
dx

115
Curvas Polares
e
dy

são 0 e, dessa forma, devemos ser cuidadosos. Usando a Regra
de L’Hôspital, temos
lim
θ−→π

dy
dx
= lim
θ−→π

2cos
2
θ + cosθ −1
−senθ(2cosθ + 1)
= lim
θ−→π

−2cosθsenθ −senθ
−cosθ(2cosθ + 1) −senθ(−2senθ)
= 0
Da mesma forma, prova-se que
lim
θ−→π
+
dy
dx
= 0.
Então existe uma reta horizontal no pólo (Veja Figura 7.25).
Figura 7.25: Cardióide
7.5 Áreas e Comprimentos em Coordenadas
Polares
Seja R a região ilustrada na Figura 7.26, limitada pela curva polar
r = f(θ) e pelos raios θ = a e θ = b, onde f é uma função contínua
e positiva onde 0 < b −a ≤ 2π.
Dividimos o intervalo [a, b] em n subintervalos iguais, cada qual
com comprimento ∆θ =
b−a
n
. Sejam a = θ
0
< θ
1
< < θ
n
= b
116
Livro de Cálculo II
7
AULA
Figura 7.26: Área entre curvas polares.
os pontos dessa divisão. Os raios θ = θ
i
, i = 1, , n, dividem a
figura em n setores, o i−ésimo deles estando compreendido entre
os raios θ = θ
i−1
e θ = θ
i
possui área aproximadamente igual a
área do setor de um círculo com ângulo central ∆θ e raio f(θ

i
)
para algum θ

i
em [θ
i−1
, θ
i
], ou seja, a área do i−ésimo setor é
dada por f(θ

i
)
f(θ

i
)∆θ
2
=
f(θ

i
)
2
2
∆θ. (Veja Figura 7.27)
Figura 7.27: Partição da região em setores de um círculo.
Portanto, a área procurada é a soma de todas essas áreas (soma
de Riemann), isto é,
A =
n
¸
i=1
f(θ

i
)
2
2
∆θ.
117
Curvas Polares
Tomando seu limite quando n −→ ∞, obtemos a integral
A =

b
a
1
2
[f(θ)]
2
dθ (7.1)
A fórmula (7.1) é freqüentemente escrita como
A =

b
a
1
2
r
2
dθ (7.2)
entendendo que r = f(θ).
Exemplo 7.5.1. Calcule a área da cardióide r = 1 + cosθ.
Solução: A curva cardióide esta plotada na Figura 7.25. Para
calcular a área, usaremos a fórmula 7.2:
A =


0
1
2
(1 + cosθ)
2
dθ =
1
2


0
(1 + 2cosθ + cos
2
θ)dθ =

2
.
Exemplo 7.5.2. Calcule a área limitada por uma pétala da 4-
rosácea r = cos2θ.
Solução: Note a partir da Figura 7.28 que a região limitada por
uma pétala da 4-rosácea é varrida pelo raio que gira de θ =
π
4
até
θ = −
π
4
. Desta forma, a fórmula (7.2) fornece
L =
1
2
π
4

π
4
cos
2
2θdθ =
π
4
0
cos
2
2θdθ
=
π
4
0
1
2
(1 + cos4θ)dθ =
1
2
[θ +
1
4
sen4θ]
π
4
0
=
π
8
.
Quando uma curva é dada em coordenadas polares, por exem-
plo, r = f(θ), obtemos facilmente suas equações paramétricas em
termos do ângulo como parâmetro, ou seja:
x = rcosθ = f(θ)cosθ
y = rsenθ = f(θ)senθ
118
Livro de Cálculo II
7
AULA
Figura 7.28: 4−rosácea
Segue que

dx

2
+

dy

2
= [f

(θ)cosθ −f(θ)senθ]
2
+ [f

(θ)senθ + f(θ)cosθ]
2
= f

(θ)
2
+ f(θ)
2
.
Logo, o comprimento de arco da curva com equação polar r =
f(θ), a ≤ θ ≤ b é
L =

b
a

f(θ)
2
+ f

(θ)
2

ou
L =

b
a

r
2
+

dr

2
dθ. (7.3)
Exemplo 7.5.3. Calcule o comprimento da curva polar r = θ
2
, 0 ≤
θ ≤ 2π.
Solução: A curva é mostrada na Figura 7.29. Seu comprimento
total é dado pelo intervalo de parâmetro 0 ≤ θ ≤ 2π, assim a
fórmula 7.3 fornece
119
Curvas Polares
L =


0

θ
2
+ (2θ)
2
dθ =


0


2
dθ =

5


0
θdθ = 2


2
.
Figura 7.29: Figura referente ao Exemplo 7.5.3
7.6 Resumo
Nesta aula, introduzimos as coordenadas polares. Além disso, tra-
balhamos com as curvas planas em coordenadas polares. Aprende-
mos a fazer cálculos com curvas polares. Em particular, resolvemos
problemas envolvendo tangentes, áreas, arco e superfície de área.
7.7 Atividades
01. Encontre a equação cartesiana para a curva descrita pela
equação polar dada:
(a) r = 2 (b) r = 3 sen θ
(c) r cos θ = 1 (d) r = 2 senθ + 2 cosθ
02. Encontre a equação polar para a curva descrita pela equação
cartesiana dada:
(a) x = 3 (b) x
2
+ y
2
= 9
(c) x = −y
2
(d) x + y = 9
120
Livro de Cálculo II
7
AULA
03. Esboce a curva com equação dada:
(a) θ = −
π
6
(b) r
2
−3r + 2 = 0
04. Esboce a curva com equação dada, calcule a área limitada por
ela e encontre os pontos na curva onde a reta tangente é horizontal
ou vertical:
(a) r = 3 cosθ (b) r = cos θ + sen θ
(c) r = sen θ (d) r = −3 cos θ
(e) r = 2 cos 4θ (f) r = sen 5θ
(g) r = 1 + sen θ (h) r = cos 2θ
05. Encontre a área da região que é limitada pelas curvas dadas
que está no setor especificado.
(a) r =

θ, 0 ≤ θ ≤
π
4
;
(b) r = sen θ,
π
3
≤ θ ≤

3
.
06. Encontre a área da região dentro de um laço da curva.
(a) r = sen 2θ;
(b) r = 1 + 2sen θ.
07. Encontre a área da região que está dentro da curva r =
2 + sen θ e fora da curva r = 3sen θ.
08. Encontre a área da região que está dentro das curvas r = sen θ
e r = cos θ.
09. Calcule o comprimento da curva polar:
(a) r = 3sen θ, 0 ≤ θ ≤
π
3
;
(b) r = θ, 0 ≤ θ ≤ 2π.
121
Curvas Polares
7.8 Comentário das Atividades
Essas atividades, são referentes aos assuntos discutidos no decorrer
desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos
aprendidos.
Lembre-se, sempre, que existem tutores para ajuda-los na res-
olução dessas atividades.
7.9 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
122
8
AULA
1
LIVRO
Funções com Valores
Vetoriais
META
Estudar funções de uma variável
real a valores em R
3
OBJETIVOS
Estudar movimentos de partículas
no espaço.
PRÉ-REQUISITOS
Ter compreendido os conceitos de
funções reais e de curvas no plano.
Funções com Valores Vetoriais
8.1 Introdução
Nesta aula, vamos estudar funções que a cada número real de um
intervalo da reta (domínio) associa um único vetor no espaço. Tais
funções serão úteis no estudo de curvas espaciais, que faremos na
próxima aula.
8.2 Definições e Propriedades
Uma função de uma variável real a valores emR
3
ou função vetorial
é uma função

F : I −→ R
3
onde I é um subconjunto de R. Uma
tal função associa a cada t ∈ I, um único vetor

F(t) ∈ R
3
. O
conjunto I é o domínio de

F e será indicado por D

F
. A imagem
ou trajetória de

F é o lugar geométrico, em R
3
, descrito por

F(t),
quando t varia em I.
Como uma função vetorial associa a cada t ∈ I, um único vetor

F(t) ∈ R
3
, então existem, e são únicas, 3 (três) funções a valores
reais F
i
: I −→R, i = 1, 2, 3, tais que, qualquer que seja t ∈ I,

F(t) = (F
1
(t), F
2
(t), F
3
(t)) ou

F(t) = F
1
(t)

i+F
2
(t)

j+F
3
(t)

k.
Tais funções são denominadas funções componentes de F.
Exemplo 8.2.1.

F(t) = (t
2
, sen t, 2) é uma função vetorial e suas
funções componentes são:
F
1
(t) = t
2
, F
2
(t) = sen t e F
3
(t) = 2.
Exemplo 8.2.2. Seja

F(t) = t

i +

t

j + sen 3t

k. As funções
componentes de

F são as funções:
F
1
(t) = t, F
2
(t) =

t e F
3
(t) = sen 3t.
124
Livro de Cálculo II
8
AULA
Sejam

F,

G : I −→ R
3
duas funções de uma variável real a
valores em R
3
, f : I −→ R uma função a valores reais e k uma
constante. Definimos:
(a) a função

F +

G : I −→R
3
dada por
(

F +

G)(t) = F(t) +

G(t)
denomina-se soma de

F e

G.
(b) a função k

F : I −→R
3
dada por
(k

F)(t) = k

F(t) +

G(t)
é o produto de

F pela constante k.
(c) a função f

F : I −→R
3
dada por
(f

F)(t) = f(t)

F(t)
é o produto de

F pela função escalar f.
(d) a função

F

G : I −→R dada por
(F G)(t) = F(t) G(t)
onde

F(t)

G(t) = F
1
(t) G
1
(t) + F
2
(t) G
2
(t) + F
3
(t) G
3
(t), é o
produto escalar de F e G.
(e) a função

F

G : I −→R
3
dada por
(

F

G)(t) =

F(t)

G(t) =

i

j

k
F
1
(t) F
2
(t) F
3
(t)
G
1
(t) G
2
(t) G
3
(t)

= [F
2
(t)G
3
(t) −F
3
(t)G
2
(t)]

i + [F
3
(t)G
1
(t) −F
1
(t)G
3
(t)]

j
+[F
1
(t)G
2
(t) −F
2
(t)G
1
(t)]

k
denomina-se produto vetorial de

F e

G.
125
Funções com Valores Vetoriais
Exemplo 8.2.3. Sejam

F(t) = (t, sen t, 2),

G(t) = (3, t, t
2
) e
f(t) = e
t
. Temos:
(a) o produto escalar de

F e

G é a função

H dada por

H(t) =

F(t)

G(t) = 3t + t sen t + 2e
t
.
(b) o produto de

F pela função escalar f é a função com valores
em R
3
dada por
f(t)

F(t) = e
t
(t, sen t, 2) = (te
t
, e
t
sen t, 2e
t
).
(c) o produto vetorial de

F e

G é a função a valores em R
3
dada
por
(

F

G)(t) =

F(t)

G(t) =

i

j

k
t sen t 2
3 t t
2

= [t
2
sen t −2t]

i + [6 −t
3
]

j + [t
2
−3sen t]

k
8.3 Limite e Continuidade
O limite de uma função vetorial

F é definido tomando-se os limites
de suas funções componentes como se segue:
Se lim
t−→a

F(t) = L, essa
definição equivale a
dizer que o compri-
mento, a direção e
o sentido do vetor

F(t) se aproximam
do comprimento, da
direção e do sentido do
vetor L.
Definição 8.9. Se

F(t) = (F
1
(t), F
2
(t), F
3
(t)), então
lim
t−→a

F(t) = ( lim
t−→a
F
1
(t), lim
t−→a
F
2
(t), lim
t−→a
F
3
(t))
desde que os limites das funções componentes existam.
Exemplo 8.3.1. Determine lim
t−→0

F(t) onde

F(t) = (t
2
,

t + 1,

5 −t).
Solução:
lim
t−→0

F(t) = ( lim
t−→0
t
2
, lim
t−→0

t + 1, lim
t−→0

5 −t = (0, 1,

5).
126
Livro de Cálculo II
8
AULA
Uma função vetorial

F é contínua em t
0
se
lim
t−→t
0

F(t) =

F(t
0
).
Segue da Definição 8.9 que

F é contínua em t
0
se e somente se suas
funções componentes F
1
, F
2
e F
3
são contínuas em t
0
.
Dizemos que

F é contínua em J ⊂ I de

F for contínua em todo
t ∈ J; dizemos, simplesmente, que

F é contínua se for contínua em
cada t do seu domínio.
8.4 Derivada
A derivada
d

F
dt
de uma função vetorial

F é definida do mesmo
modo como foi feito para as funções reais:
Definição 8.10. Uma função vetorial

F tem derivada
d

F
dt
se
d

F
dt
= lim
h−→0

F(t + h) −

F(t)
h
.
Notação 1.
d

F
dt
(t) =

F

(t)
Observação 8.4. Observe que
lim
h−→0

F(t + h) −

F(t)
h
=

lim
h−→0
F
1
(t + h) −F
1
(t)
h
, lim
h−→0
F
2
(t + h) −F
2
(t)
h
, lim
h−→0
F
3
(t + h) −F
3
(t)
h

= (F

1
(t), F

2
(t), F

3
(t)).
O próximo teorema mostra que as fórmulas de diferenciação
para funções reais têm suas equivalentes para as funções vetoriais.
Teorema 8.20. Sejam

F,

G : I −→ R
3
, f : I −→ R deriváveis
em A. Então, f

F e

F

G serão, também, diferenciáveis em I e
1.
d
dt
[f

F] =
df
dt


F + f
d

F
dt
;
127
Funções com Valores Vetoriais
2.
d
dt
[

F

G] =
d

F
dt


G +

F
d

G
dt
;
3.
d
dt
[

F

G] =
d

F
dt


G +

F
d

G
dt
;
4.
d
dt
[

F(f(t))] =
df
dt

d

F
dt
(f(t)).
A demonstração desse teorema segue diretamente da Obser-
vação 8.4 e das fórmulas de diferenciação correspondentes para a
função real. Deste modo, tal demonstração ficará para exercício.
Geometricamente, esse
resultado indica que, se
a curva está em uma
esfera com o centro na
origem, então o ve-
tor tangente é sempre
perpendicular ao vetor
posição

F(t).
Exemplo 8.4.1. Mostre que, se |

F(t)| = c (uma constante),
então

F

(t) é ortogonal a

F(t) para todo t.
Demonstração: Como

F(t)

F(t) = |

F(t)|
2
= c
2
e c
2
é uma constante, segue da Fórmula 4 do Teorema 8.20 que
0 =
d
dt
[

F(t)

F(t)] =

F

(t)

F(t) +

F(t)

F

(t) = 2

F

(t)

F(t).
Então,

F

(t)

F(t) = 0, o que implica que

F

(t) é ortogonal a

F(t).
8.5 Integral
Seja

F = (F
1
, F
2
, F
3
) definida em [a, b]. Dizemos que

F é inte-
grável em [a, b] se cada componente de

F o for. Além disso, se

F
for integrável em [a, b], então

b
a

F(t)dt =

b
a
F
1
(t)dt,

b
a
F
2
(t)dt,

b
a
F
3
(t)dt

=

b
a
F
1
(t)dt

i +

b
a
F
2
(t)dt

j +

b
a
F
3
(t)dt

k.
Se

F for integrável em [a, b] e

G for uma primitiva de

F em
[a, b] teremos

b
a

F(t)dt =

G(t)

b
a
=

G(b) −

G(a).
128
Livro de Cálculo II
8
AULA
De fato,
d

G
dt
=

F ⇔
dG
i
dt
= F
i
, i = 1, 2, 3.
então

b
a

F(t)dt =

b
a
F
1
(t)dt,

b
a
F
2
(t)dt,

b
a
F
3
(t)dt

= (G
1
(b) −G
1
(a), G
2
(b) −G
2
(a), G
3
(b) −G
3
(a))
=

G(b) −

G(a).
Exemplo 8.5.1. Se

F(t) = e
t

i + 2

j + t

k, então

F(t)dt =

e
t
dt

i +

2dt

j +

tdt

k
= e
t

i + 2t

j +
t
2
2

k + C
onde C é um vetor constante de integração, e

1
0

F(t)dt =
¸
e
t

i + 2t

j +
t
2
2

k

1
0
= e
1

i + 2

j +
1
2

k −e
0

i
= (e −1)

i + 2

j +
1
2

k.
8.6 Resumo
Uma função de uma variável real a valores em R
3
é uma função do
tipo

F : I ⊂ R −→R
3
dada por

F(t) = (F
1
(t), F
2
(t), F
3
(t)) ou

F(t) = F
1
(t)

i+F
2
(t)

j+F
3
(t)

k.
Se

F(t) = (F
1
(t), F
2
(t), F
3
(t)), então
lim
t−→a

F(t) = ( lim
t−→a
F
1
(t), lim
t−→a
F
2
(t), lim
t−→a
F
3
(t))
desde que os limites das funções componentes existam.
129
Funções com Valores Vetoriais
Uma função vetorial

F é contínua em t
0
se
lim
t−→t
0

F(t) =

F(t
0
).
Uma função vetorial

F = (F
1
(t), F
2
(t), F
3
(t)) tem derivada
d

F
dt
se
d

F
dt
= lim
h−→0

F(t + h) −

F(t)
h
.
Vimos, também, que

F

(t) = (F

1
(t), F

2
(t), F

3
(t)).
Seja

F = (F
1
, F
2
, F
3
) definida em [a, b]. Dizemos que

F é
integrável em [a, b] se cada componente de

F o for. Além disso, se

F for integrável em [a, b], então

b
a

F(t)dt =

b
a
F
1
(t)dt,

b
a
F
2
(t)dt,

b
a
F
3
(t)dt

=

b
a
F
1
(t)dt

i +

b
a
F
2
(t)dt

j +

b
a
F
3
(t)dt

k.
Na próxima aula, usaremos essas funções vetoriais para estudar
os movimentos de partículas no espaço.
8.7 Atividades
01. Sejam

F(t) = (t, 2, t
2
) e

G(t) = (t, −1, 1). Calcule:
(a)

F(t)

G(t) (b) e
−t

F(t)
(c)

F(t) −2

G(t) (d)

F(t)

G(t)
02. Calcule:
(a) lim
t−→1

F(t), onde

F(t) =

t −1
t −1
, t
2
,
t −1
t

(b) lim
t−→0

F(t), onde

F(t) = (t, cos t, sen t)
130
Livro de Cálculo II
8
AULA
03. Determine o conjunto dos pontos de continuidade. Justifique
sua resposta.
(a)

F(t) = t

i +

t

j + 3

k.
(b)

F(t) =

t −1

i +

t + 1

j + e
t

k.
04. Sejam

F,

G : I −→ R
3
e f : I −→ R contínuas em t
0
∈ I.
Prove que

F +

G, f

F,

F

G e

F

G são contínuas em t
0
.
05. Determine r = r(t) sabendo que
dr
dt
= sen t

i + cos 2t

j +
1
1 + t

k, t ≥ 0, e r(0) =

i −

j + 2

k.
06. Calcule
(a)

1
0
(t

i + e
t

j)dt;
(b)

1
−1

sen 3t,
1
1 + t
2
, 1

dt.
07. Sejam

F(t) = t

i +

j + e
t

k e

G(t) =

i +

j +

k. Calcule
(a)

1
0
(

F(t)

G(t))dt;
(b)

1
0

F(t)

G(t)

dt.
8.8 Comentário das Atividades
Essas atividades, são referentes aos assuntos discutidos no decorrer
desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos
aprendidos.
Lembre-se, sempre, que existem tutores para ajuda-los na res-
olução dessas atividades.
131
Funções com Valores Vetoriais
8.9 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
132
9
AULA
1
LIVRO
Curvas Espaciais
META
Estudar as curvas no espaço (R
3
).
OBJETIVOS
Descrever o movimento de objetos
no espaço.
PRÉ-REQUISITOS
Funções vetoriais (Aula 08).
Curvas Espaciais
9.1 Introdução
Na aula anterior, estudamos as funções vetoriais. Nesta aula, estu-
daremos o movimento de objetos no espaço utilizando tais funções.
9.2 Movimentos no espaço
Para descrever o movimento de uma partícula no espaço precisamos
explicar onde a partícula está a cada instante de tempo t de um
certo intervalo. Assim, a cada instante t no intervalo considerado
I, corresponde um ponto r(t) e o movimento é descrito por uma
função vetorial r : I −→R
3
.
Suponha que f, g e h sejam funções reais contínuas em um
intervalo I da reta. Então o conjunto C de todos os pontos (x, y, z)
no espaço para os quais

x = f(t)
y = g(t)
z = h(t)
(9.1)
e t varia no intervalo I é chamado curva espacial ou curva em R
3
.
As equações em (9.1) são denominadas equações paramétricas de
C e t é denominado o parâmetro.
Se considerarmos a função vetorial r(t) = (f(t), g(t), h(t)), en-
tão r(t) é um vetor posição do ponto P(f(t), g(t), h(t)) sobre C.
Assim, qualquer função vetorial define uma curva espacial C que
é traçada pela ponta do vetor em movimento.
Definição 9.11. Seja r : I −→ R
3
uma curva. O traço de r é a
imagem do intervalo I por r.
134
Livro de Cálculo II
9
AULA
Figura 9.30: Traço de r.
Exemplo 9.2.1. Descreva o traço da curva espacial dada por
r(t) = (2 −3t, −t, −2 + t).
Solução: As equações paramétricas correspondentes são
x = 2 −3t, y = −t, z = −2 + t
que são as equações paramétricas de uma reta passando pelo ponto
(2, 0, −2) e paralela ao vetor (−3, −1, 1). Outro modo de ver é
observar que a função pose ser escrita como r = r
0
+ tv, onde
r
0
= (2, 0, −2) e v = (−3, −1, 1). (Ver Figura 9.31)
Exemplo 9.2.2. Esboce o traço da curva cuja equação vetorial é
dada por
r(t) = cos t

i + sen t

j + t

k t ∈
¸
0,

2

.
135
Curvas Espaciais
Figura 9.31: Traço da curva dada no Exemplo 9.2.1.
Solução: As equações paramétricas para essa curva são

x = cos t
y = sen t
z = t
Como x
2
+ y
2
= cos
2
t + sen
2
t = 1, a curva precisa pertencer ao
cilindro circular x
2
+ y
2
= 1. O ponto (x, y, z) está diretamente
acima do ponto (x, y, 0), que se move no sentido anti-horário em
torno da circunferência x
2
+ y
2
= 1 no plano xy. Como z = t, a
curva faz uma espiral para cima ao redor de um cilindro quando t
aumenta. A curva, mostrada na Figura 9.32, é chamada hélice.
Nos exemplos 9.2.1 e 9.2.2 demos as equações vetoriais das
curvas e pedimos uma descrição geométrica ou esboço delas. No
proximo exemplo daremos uma descrição geométrica da curva e
pediremos para determinar suas equações paramétricas.
Exemplo 9.2.3. Determine a equação vetorial para o segmento
de reta ligando o ponto P(1, 3, −2) ao ponto Q(2, −1, 3).
Solução: Uma equação para o segmento de reta de P a Q (Ver
136
Livro de Cálculo II
9
AULA
Figura 9.32: Hélice
Figura 9.33):
r(t) = (1 −t)(1, 3, −2) + t(2, −1, 3), 0 ≤ t ≤ 1
ou
r(t) = (1 + t, 3 −4t, −2 + 5t), 0 ≤ t ≤ 1.
Como vimos, a função vetorial r tem derivada r

(t) em t ∈ I se
r

(t) = lim
h−→0
r(t + h) −r(t)
h
Lembre que, ser(t) = (f(t), g(t), h(t)), entãor

(t) = (f

(t), g

(t), h

(t)).
A Figura 9.34 mostra que o vetor
r(t + h) −r(t)
h
tem a di-
reção que, conforme h tende a zero, aproxima-se da direção que
costumamos chamar a direção tangente à curva r em r(t).
A derivada r

(t) se existe e é diferente do vetor nulo é chamado
de vetor tangente a r em r(t). Deste modo, a equação da reta
tangente à curva r em r(t
0
) é dada por
(x, y, z) =r(t
0
) + tr

(t
0
), t ∈ R.
137
Curvas Espaciais
Figura 9.33: Segmento de reta ligando o ponto P(1, 3, −2) ao ponto
Q(2, −1, 3).
Figura 9.34: Vetor Secante (Figura à esquerda) e Vetor Tangente
(Figura à direita).
Teremos ocasião de considerar o versor tangente, dado por
T(t) =
r

(t)
|r

(t)|
.
Temos que |T(t)| = 1, para todo t ∈ I, logo, segue do Exemplo
8.4.1, que T(t) T

(t) = 0, ou seja, os vetores T(t) e T

(t) são
138
Livro de Cálculo II
9
AULA
ortogonais. O vetor
N(t) =
T

(t)
|T

(t)|
é denominado vetor normal principal unitário a r em r(t).
O vetor B(t) = T(t) N(t) é denominado vetor binormal, é
perpendicular a T e N e também é unitário. (Veja Figura 9.35)
Figura 9.35: Vetores tangente, normal e binormal.
O número
k =
|r

(t) r

(t)|
|r

(t)|
3
é denominado curvatura de uma curva espacial r em r(t) e mede
quão rapidamente a curva muda de direção no ponto.
Exemplo 9.2.4. Considere a hélice com equações paramétricas

x = 2cos t
y = sen t
z = t
Determine as equações paramétricas para a reta tangente à hélice
no ponto (0, 1, π/2).
Solução: A equação vetorial da hélice é r(t) = (2cos t, sen t, t),
de modo que
r

(t) = (−2sen t, cos t, 1).
139
Curvas Espaciais
Note que o valor do parâmetro correspondente ao ponto (0, 1, π/2)
é t = π/2, e o vetor tangente é r

(π/2) = (−2, 0, 1). A reta tangente
que passa por (0, 1, π/2) e é paralela ao vetor (−2, 0, 1) é dada por
(x, y, z) = (−2, 0, 1) + t(0, 1, π/2), t ∈ R
ou

x = −2t
y = 1
z =
π
2
+ t
t ∈ R.
Figura 9.36: Traço da hélice e da reta tangente.
Exemplo 9.2.5. Determine os vetores normais e binormais da
hélice circular
r(t) = cos t

i + sen t

j + t

k.
140
Livro de Cálculo II
9
AULA
Solução: Temos que
r

(t) = −sen t

i + cos t

j + 1

k
|r

(t)| =

(−sen t)
2
+ (cos t)
2
+ 1 =

2
T(t) =
r

(t)
[r

(t)[
=
1

2
(−sen t

i + cos t

j + 1

k)
T

(t) =
1

2
(−cos t

i −sen t

j) |T

(t)| =
1

2
N(t) =
T

(t)
|T

(t)|
= −cos t

i −sen t

j = (−cos t, sen t, 0)
A Figura 9.37 ilus-
tra o Exemplo 9.2.5
mostrando os vetores
T, N e B em dois
pontos da hélice cir-
cular. Em geral, os
vetores T, N e B
começando nos vários
ponto, formam um con-
junto de vetores or-
togonais, denominados
triedro TNB, que se
move ao longo da curva
quando t varia.
Figura 9.37: Triedro TNB
Isso mostra que o vetor normal em um ponto da hélice circular
é horizontal e aponta em direção ao eixo-z. O vetor binormal é
B(t) = T(t) N(t) =
1

2

i

j

k
−sen t cos t 1
−cos t −sen t 0
¸
¸
¸
¸
¸
=
1

2
(sen t, −cos t, 1).
141
Curvas Espaciais
Exemplo 9.2.6. Determine a curvatura da curva dada pela equação
vetorial r(t) = (t, t
2
, t
3
) em um ponto genérico e em (0, 0, 0).
Solução: Temos que
r

(t) = (1, 2t, 3t
2
) r

(t) = (0, 2, 6t)
|r

(t)| =

1 + 4t
2
+ 9t
4
r

(t) r

(t) =

i

j

k
1 2t 3t
2
0 2 6t

= 6t
2

i −6t

j + 2

k
|r

(t) r

(t)| =

36t
4
+ 36t
2
+ 4 = 2

9t
4
+ 9t
2
+ 1
Então a curvatura da curva r em r(t) é dada por
k(t) =
|r

(t) r

(t)|
|r

(t)|
3
=
2

9t
4
+ 9t
2
+ 1
(1 + 4t
2
+ 9t
4
)
3/2
Na origem, a curvatura é k(0) = 2.
9.3 Movimento no espaço: Velocidade e Acel-
eração
Nesta seção mostraremos como as idéias dos vetores tangente e nor-
mal, podem ser usadas na física para estudar o movimento de obje-
tos, sua velocidade e sua aceleração, quando eles estão se movendo
ao longo de uma curva espacial.
Suponha que uma partícula se mova no espaço de forma que
seu vetor posição no instante t seja r(t). Observe que o número
|r(t + h) −r(t)|
[h[
,
para h pequeno, é a velocidade média de r no intervalo de t a t+h.
Se r

(t) existe, então
|r

(t)| = lim
h−→0
|r(t + h) −r(t)|
[h[
.
142
Livro de Cálculo II
9
AULA
De fato, notemos que
(∗) Usamos
a propriedade
|
−→
u −
−→
v | ≤

−→
u −
−→
v
0 ≤

|r(t + h) −r(t)|
[h[
−|r

(t)|


(∗)

r(t + h) −r(t)
[h[
−r

(t)

−→ 0, com h −→ 0.
Logo
|r(t + h) −r(t)|
[h[
−→ |r

(t)|
com h −→ 0.
Assim|r

(t)| é um limite de velocidades médias sobre um inter-
valo arbitrariamente pequeno. Por essa razão, |r

(t)| é chamado
a velocidade (ou rapidez) da partícula que se move no espaço sob
a curva r no ponto r(t) e v(t) =r

(t) é dito vetor velocidade de r
em r(t).
Da mesma forma, |r

(t)| é a aceleração da partícula que se
move no espaço sob a curva r no ponto r(t) e a(t) = v

(t) =r

(t)
é dito vetor aceleração de r em r(t).
Exemplo 9.3.1. O vetor de um objeto se movendo no espaço é
dado por r(t) = (t
2
+ 1, t
3
, t
2
− 1). Determine a velocidade, a
rapidez e a aceleração do objeto no instante t = 1.
Solução: A velocidade e a aceleração no instante t são
v(t) =r

(t) = (2t, 3t
2
, 2t)
a(t) =r

(t) = (2, 6t, 2)
e a rapidez é
|v(t)| =

(2t)
2
+ (3t
2
)
2
+ (2t)
2
=

8t
2
+ 9t
4
.
Quando t = 1, temos
v(1) = (2, 3, 2), a(t) = (2, 6, 2), |v(1)| =

17.
143
Curvas Espaciais
Figura 9.38: Vetor Velocidade e Vetor Aceleração.
Exemplo 9.3.2. Uma partícula de move de uma posição inicial
r(0) = (0, 0, 0) com velocidade inicial v(0) =

i −

j. Sua aceleração
é dada por a(t) = 4t

i+6t

j +

k. Determine sua velocidade e posição
no instante t.
Solução: Como a(t) = v

(t), temos
v(t) =

a(t)dt =

(4t

i + 6t

j +

k)dt = 2t
2

i + 3t
2

j + t

k + C
Para determinar o valor de C, usaremos o fato de que v(0) =

i −

j.
A equação anterior nos dá v(0) = C, assim C =

i −

j e
v(t) = 2t
2

i + 3t
2

j + t

k +

i −

j = (2t
2
+ 1)

i + (3t
2
−1)

j + t

k.
Como v(t) =r

(t), temos
r(t) =

v(t)dt =

((2t
2
+ 1)

i + (3t
2
−1)

j + t

k)dt
=

2
3
t
3
+ t

i + (t
3
−t)

j +
t
2
2

k + D
Para determinar o valor de D, usaremos o fato de que r(0) = 0. A
equação anterior nos dá r(0) = D, assim D = 0 e
r(t) =

2
3
t
3
+ t

i + (t
3
−t)

j +
t
2
2

k.
144
Livro de Cálculo II
9
AULA
9.4 Comprimento de Arco
O comprimento de uma curva é a distância total percorrida pela
partícula móvel. Prova-se que dada uma curva r : [a, b] −→ R
3
,
seu comprimento é dado por
c(r) =

b
a
|r

(t)|dt.
Vejamos uma interpretação:
Figura 9.39: Comprimento de arco.
|r

(t
i
)| ∆
i
comprimento de arco destacado, melhorando a
aproximação quando Delta
i
−→ 0.
Assim:
c(r) = lim

i
−→0
n
¸
i=1
|r

i
(t
i
)| ∆
i
=

b
a
|r

(t)|dt
Observação 9.5. O Leitor interessado na dedução dessa fórmula
pode consultar, por exemplo, o livro Advanced Calculus - Buck -
pag. 321.
Exemplo 9.4.1. Considere a curva r : [0, 2π] −→ R
2
dada por
r(t) = (cos t, 0). É fácil ver que (Veja a Figura 9.40) que o com-
primento da curva é 4.
145
Curvas Espaciais
Figura 9.40: Traço da curva r(t) = (cos t, 0).
Vamos calcular agora pela definição:
c(r) =


0
|r

(t)|dt =


0
|(−sen t, 0)|dt =


0

(−sen t)
2
dt
= 2

π
0
sen tdt = 2[−cos t]
π
0
= 2(−cos π + cos 0) = 2(2) = 4.
Exemplo 9.4.2. Considere a hélice circular r(t) = (cos t, sen t, t), t ∈
[0, 2π]. Seu comprimento é dado por
c(r) =


0
|r

(t)|dt =


0
|(−sen t, cos t, 1)|dt
=


0

(−sen t)
2
+ (cos t)
2
+ 1dt =


0

2dt = 2

2π.
9.5 Resumo
Vimos nesta aula, que uma curva espacial é dada por uma função
vetorial r : I −→R
3
.
A derivada r

(t) se existe e é diferente do vetor nulo é chamado
de vetor tangente a r em r(t). O versor tangente é dado por
T(t) =
r

(t)
|r

(t)|
.
O vetor
N(t) =
T

(t)
|T

(t)|
146
Livro de Cálculo II
9
AULA
é denominado vetor normal principal unitário a r em r(t).
O vetor B(t) = T(t) N(t) é denominado vetor binormal, é
perpendicular a T e N e também é unitário.
Se uma partícula se move no espaço de forma que seu vetor
posição no instante t seja r(t). Então sua velocidade e sua aceler-
ação no instante t são dadas por |r

(t)| e |r

(t)|, respectivamente.
O comprimento de uma curva é a distância total percorrida pela
partícula móvel. Prova-se que dada uma curva r : [a, b] −→ R
3
,
seu comprimento é dado por
c(r) =

b
a
|r

(t)|dt.
9.6 Atividades
01. Esboce o gráfico da curva cuja equação vetorial é dada por:
(a) r(t) = t
2

i + t
4

j + t
6

k;
(b) r(t) = (sen t, 3, cos t);
(c) r(t) = (1 + t, 3t, −t);
(d) r(t) = t

i + t

j + cos t

k.
02. Encontre uma equação vetorial e equações paramétricas para
o segmento de reta que liga P(−2, 4, 0) e Q(6, −1, 2).
03. Duas partículas viajam ao longo das curvas espaciais
r
1
(t) = (t, t
2
, t
3
) r
2
(t) = (1 + 2t, 1 + 6t, 1 + 14t).
As partículas colidem? Suas trajetórias se interceptam?
04. Determine os vetores tangente, normal, binormal e o versor
tangente no ponto com valor de parâmetro t dado.
147
Curvas Espaciais
(a) r(t) = (6t
5
, 4t
3
, 2t), t = 1;
(b) r(t) = 4

t

i + t
2

j + t

k, t = 1;
(c) r(t) = e
2t

i + e
−2t

j + te
2t

k, t = 0.
05. Determine as equações paramétricas para a reta tangente à
curva dada pelas equações paramétricas, no ponto especificado.
(a) x = t
5
, y = t
4
, z = t
3
; (1, 1, 1)
(b) x = e
−t
cos t, y = e
−t
sen t, z = e
−t
; (1, 0, 1)
06. Determine o comprimento da curva dada:
(a) r(t) = (2sen t, 5t, 2cos t), −10 ≤ t ≤ 10;
(b) r(t) = t
2

i + 2t

j + ln t

k, 1 ≤ t ≤ e;
07. Determine a curvatura da curva dada por r(t) = e
t
cos t

i +
e
t
sen t

j + t

k no ponto (1, 0, 0).
08. Determine os vetores velocidade e aceleração e a rapidez da
partícula cuja função posição é dada:
(a) r(t) = (

2t, e
t
, e
−t
);
(b) r(t) = e
t
(cos t

i + sen t

j + t

k).
09. Determine os vetores velocidade e de posição de uma partícula
dadas a sua aceleração, velocidade e posição iniciais.
a(t) = −5

k, v(0) =

i +

j −2

k, r(0) = 2

i + 3

j.
10. Mostre que, se uma partícula se move com rapidez constante,
então os vetores velocidade e de aceleração são ortogonais.
148
Livro de Cálculo II
9
AULA
9.7 Comentário das Atividades
Essas atividades, são referentes aos assuntos discutidos no decorrer
desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos
aprendidos.
Lembre-se, sempre, que existem tutores para ajuda-los na res-
olução dessas atividades.
9.8 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
149
10
AULA
1
LIVRO
Funções de Varias
Variáveis Reais a Val-
ores Reais
META
Estudar o domínio, o gráfico e as
curvas de níveis de funções de duas
variáveis a valores reais.
OBJETIVOS
Estender os conceitos de domínio
e de gráfico de funções de uma
variável a valores reais.
PRÉ-REQUISITOS
Funções de uma variável a valores
reais.
Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais
10.1 Introdução
No mundo real, quantidades físicas freqüentemente dependem de
duas ou mais variáveis, de modo que, nesta aula, focalizaremos
nossa atenção a funções de duas variáveis e estenderemos nossas
idéias básicas do cálculo diferencial para funções de uma variável
real a valores reais.
Antes de iniciarmos nosso estudo sobre funções de duas var-
iáveis a valores reais, precisamos introduzir alguns conceitos da
topologia do R
2
.
10.2 Noções Topológicas no R
2
Nosso objetivo, nesta seção, é introduzir no R
2
os conceitos de
norma e de conjunto aberto, que generalizam os conceitos de mó-
dulo e de intervalo aberto, e que serão fundamentais em tudo o
que veremos a seguir.
Considere P = (x
1
, x
2
) ∈ R
2
.
Associamos ao ponto P um número real chamado sua norma,
definido por:
|P| =

x
2
1
+ x
2
2
.
Dizemos que a distância entre os pontos P e Q é dada por
d(P, Q) = |P −Q|. Se P = (x
1
, x
2
) e Q = (y
1
, y
2
), então
d(P, Q) = |P −Q| =

(x
1
−y
1
)
2
+ (x
2
−y
2
)
2
.
Observação 10.6. Esta é a distância euclidiana. Tal distância
pode ser estendida para n variáveis de maneira natural.
152
Livro de Cálculo II
10
AULA
Figura 10.41: Distância entre os pontos P e Q.
Definição 10.12. Chama-se bola aberta (ou vizinhança) de centro
em P
0
∈ R
2
e raio δ > 0, ao seguinte conjunto:
B(P
0
, δ) = ¦P ∈ R
2
; d(P, P
0
) < δ¦
Figura 10.42: Bola aberta centrada em P
0
e raio δ.
Observação 10.7. Uma bola aberta de centro em P
0
e raio δ > 0
também será chamada de vizinhança de raio δ do ponto P
0
que
será denotada por V
δ
(P
0
).
153
Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais
Dado um conjunto S ⊂ R
2
, qualquer, todo ponto de R
2
tem
uma das propriedades:
(a) dizemos que P é ponto interior a S, se existir δ > 0 tal que
B(P, δ) ⊂ S.
(b) dizemos que P é ponto exterior a S, se existe δ > 0 tal que
B(P, δ) não contém qualquer elemento de S, isto é, B(P, δ)∩S = ∅.
(c) dizemos que P é ponto de fronteira de S, quando P não é
interior nem exterior a S, isto é, para todo δ > 0, B(P, δ) contém
pontos de S e pontos que não são de S.
Exemplo 10.2.1. Observando a Figura 10.43 é fácil ver que P é
ponto exterior a S, Q é ponto interior a S e R é ponto de fronteira
de S.
Figura 10.43: Pontos interiores, exteriores e de fronteira.
154
Livro de Cálculo II
10
AULA
Exemplo 10.2.2. Considere o conjunto S =

1
n
,
1
n

, n ∈ N

⊂ R
2
.
O esboço do conjunto S em R
2
é dado na Figura 10.44. Note que
os pontos P e Q são pontos de fronteira de S e o ponto R é ponto
exterior a S.
Figura 10.44: Pontos exteriores e de fronteira.
Definição 10.13. Seja A ⊂ R
2
. Dizemos que A é aberto, se todo
ponto de A for interior a A, isto é, para todo P ∈ A existe δ > 0
tal que B(P, δ) ⊂ A.
Exemplo 10.2.3. R
2
é aberto em R
2
.
Exemplo 10.2.4. A = ¦P = (x, y) ∈ R
2
; |(x, y)| < 1¦ é aberto
em R
2
. De fato: seja P
0
= (x
0
, y
0
) ∈ A. Logo |P
0
| = r <
1. Consideremos a bola aberta B

P
0
,
1 −r
2

. Mostremos que
B

P
0
,
1 −r
2

⊂ A : Seja P ∈ B

P
0
,
1−r
2

então
|P| = |P −P
0
+ P
0
| ≤ |P −P
0
| +|P
0
|
= |P −P
0
| + r <
1 −r
2
+ r < 1.
155
Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais
Exemplo 10.2.5. Qualquer B(P
0
, δ) é um conjunto aberto no R
2
.
Observação 10.8. Dado um conjunto A ⊂ R
2
, o conjunto dos
pontos interiores a A é chamado interior de A e é denotado por
intA.
Definição 10.14. Dado A ⊂ R
2
. dizemos que P é um ponto de
acumulação de A, se qualquer vizinhança de P contém pontos de
A, diferentes de P.
Exemplo 10.2.6. Todo ponto P ∈ R
2
é ponto de acumulação do
R
2
.
Exemplo 10.2.7. Nenhum ponto P ∈ R
2
é ponto de acumulação
do conjunto ∅.
Exemplo 10.2.8. O conjunto de pontos de acumulação de A =
¦(x, y) ∈ R
2
; x
2
+ y
2
< 1¦ ⊂ R
2
é ¦(x, y) ∈ R
2
; x
2
+ y
2
≤ 1¦.
Exemplo 10.2.9. Considere o conjunto A = ¦(x, y) ∈ R
2
; y >
x¦ ∪ ¦(1, 0)¦. (Veja Figura 10.45) Observe que o ponto (1, 0) ∈ A
Figura 10.45: Esboço do conjunto A
mais não é ponto de acumulação de A e o ponto (1, 1) / ∈ A mais é
156
Livro de Cálculo II
10
AULA
ponto de acumulação de A.
Definição 10.15. Um conjunto A é fechado se todo ponto de
acumulação de A pertence a A.
Exemplo 10.2.10. R
2
é fechado.
Exemplo 10.2.11. ∅ é fechado.
Exemplo 10.2.12. A = ¦(x, y) ∈ R
2
; x
2
+y
2
< 1¦ não é fechado.
Definição 10.16. Um conjunto A ⊂ R
2
é dito limitado se existe
δ > 0 tal que A ⊂ B(0, δ).
Figura 10.46: Conjunto limitado
Exemplo 10.2.13. Qualquer B(P, δ) é um conjunto limitado.
Exemplo 10.2.14. ¦(1, m) ∈ R
2
; m ∈ N¦ não é limitado. Desenhe-
o.
Definição 10.17. Um conjunto A ⊂ R
2
se diz compacto quando
é fechado e limitado.
Exemplo 10.2.15. Todo conjunto finito é compacto.
157
Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais
10.3 Funções
Nesta aula e nas seguintes daremos ênfase ao estudo das funções
reais de duas variáveis reais, e você alunos que chegou até aqui,
não terá dificuldade em generalizar os resultados para funções de
mais de duas variáveis, já que não há diferenças importantes.
Definição 10.18. Seja D ⊂ R
2
. Uma função f definida em D com
valores em R é uma correspondência que associa a cada ponto de
D um e um só número real.
Notação 2. f : D ⊂ R
2
−→R
O conjunto D é chamado domínio de f e representado por
D(f) ou D
f
. O conjunto B = ¦f(P); P ∈ D¦ é chamado imagem
de f e denotado por Im(f).
Figura 10.47: Função de duas variáveis reais a valores reais.
Exemplo 10.3.1. Seja f a função de duas variáveis reais a valores
reais dada por
f(x, y) =
y

x −y
2
.
O domínio de f é o conjunto de todos os pares (x, y) de números
reais, com x − y
2
> 0, ou seja, x > y
2
, isto é: D(f) = ¦(x, y) ∈
R
2
; x > y
2
¦. Esta função transforma o par ordenado (x, y) no
número real
y

x−y
2
. Uma representação gráfica do domínio de f é
dada na Figura 10.48.
158
Livro de Cálculo II
10
AULA
Figura 10.48: Representação gráfica do D(f).
Exemplo 10.3.2. Represente graficamente o domínio da função
f : D(f) ⊂ R
2
−→R dada por
f(x, y) =

y −x
2
+

2x −y.
Solução: O domínio de f é o conjunto de todos os pares (x, y),
com y −x
2
≥ 0 e 2x −y ≥ 0: D(f) = ¦(x, y) ∈ R
2
; y ≥ x
2
e y ≤
2x¦. A representação gráfica do domínio de f é dada na Figura
10.49.
Figura 10.49: Representação gráfica do D(f).
Exemplo 10.3.3. Represente graficamente o domínio da função
159
Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais
z = f(x, y) dada por
z
2
+ 4 = x
2
+ y
2
, z ≥ 0.
Solução: z
2
+4 = x
2
+y
2
, z ≥ 0 =⇒ z =

x
2
+ y
2
−4. Assim,
f é a função dada por f(x, y) =

x
2
+ y
2
−4. Seu domínio é o
conjunto de todos (x, y), com x
2
+ y
2
−4 ≥ 0. E
x
2
+ y
2
−4 ≥ 0 ⇔ x
2
+ y
2
≥ 4.
Portanto, o domínio de f é a parte exterior ao círculo de raio 2 e
centro na origem. A representação gráfica do domínio de f é dada
na Figura 10.50.
Figura 10.50: Representação gráfica do D(f).
Exemplo 10.3.4. (Função Polinomial) Uma função polinomial de
duas variáveis reais a valores reais é uma função f : R
2
−→R dada
por
f(x, y) =
¸
m+n≤p
a
mn
x
m
y
n
160
Livro de Cálculo II
10
AULA
onde p é um natural fixo e os a
mn
são números reais dados; a soma
é estendida a todas as soluções (m, n), m e n naturais, da equação
m + n ≤ p.
(a) f(x, y) = 3x
2
y
2

1
3
xy +

2 é uma função polinomial.
(b) f(x, y) = ax+by+c, onde a, b, c são reais dados, é uma função
polinomial; tal função é denominada função afim.
Exemplo 10.3.5. (Função linear) Toda função f : R
2
−→R dada
por
f(x, y) = ax + by
onde a, b são reais dados, denomina-se função linear.
Exemplo 10.3.6. (Função racional) Toda função f : R
2
−→ R
dada por
f(x, y) =
p(x, y)
q(x, y)
onde p e q são funções polinomiais, denomina-se função racional.
O domínio de f é o conjunto D(f) = ¦(x, y) ∈ R
2
; q(x, y) = 0¦.
Observação 10.9. Analogamente como feito para funções h :
R −→ R podemos definir, ponto a ponto, a soma, o produto e a
divisão de duas funções f, g : A ⊂ R
2
−→R. Por exemplo: a soma
f +g é definida por: (f +g)(x, y) = f(x, y) +g(x, y), ∀(x, y) ∈ A.
10.4 Gráficos
Uma forma, bastante eficiente, de visualizar o comportamento de
uma função de duas variáveis é através de seu gráfico.
Definição 10.19. Se f é uma função de duas variáveis com domínio
D, então o gráfico de f é o conjunto de todos os pontos (x, y, z) ∈
R
3
tal que z = f(x, y) e (x, y) pertençam a D.
161
Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais
Notação 3. G(f) = ¦(x, y, z) ∈ R
3
; z = f(x, y), (x, y) ∈ D¦ =
¦(x, y, f(x, y)); (x, y) ∈ D¦
Assim como o gráfico de uma função f de uma variável é uma
curva C com equação y = f(x), o gráfico de uma função de duas
variáveis é uma superfície S com equação z = f(x, y). Podemos
enxergar a superfície S de f como estando diretamente em cima
ou abaixo de seu domínio D que está no plano xy. (Veja a Figura
10.51).
Figura 10.51: Gráfico de uma função de duas variáveis a valores
reais.
Exemplo 10.4.1. O gráfico da função constante f(x, y) = k é um
plano paralelo ao plano xy.
Exemplo 10.4.2. O gráfico da função linear f : R
2
−→ R dada
por z = f(x, y) = y é um plano passando pela origem e normal ao
162
Livro de Cálculo II
10
AULA
Figura 10.52: Gráfico da função constante.
vetor (0, 1, −1) :
z = y ⇔ y −z = 0 ⇔ (0, 1, −1) [(x, y, z) −(0, 0, 0)] = 0
Figura 10.53: Gráfico da função f(x, y) = y.
Exemplo 10.4.3. O gráfico da função f : D ⊂ R
2
−→ R dada
163
Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais
por f(x, y) = x
2
+ y
2
é dado por
G(f) = ¦(x, y, x
2
+ y
2
), (x, y) ∈ A¦
e é denominado o parabolóide.
Figura 10.54: Esboço do parabolóide, feito no Software Maple
através do comando ”plot3d(x
2
+ y
2
, x = −5..5, y = −5..5); ” .
Exemplo 10.4.4. Considere a função f : R
2
−→R dada pela dis-
tância do ponto (x, y) ao ponto (0, 0), ou seja f(x, y) =

x
2
+ y
2
.
O gráfico de f é dado por
G(f) = ¦(x, y,

x
2
+ y
2
), (x, y) ∈ R
2
¦.
10.5 Curvas de Nível
Acabamos de estudar o gráfico de funções e vimos que este é um
importante método para visualizar funções. Vamos agora estudar
um novo método, empregado por cartógrafos, de visualização de
funções de duas variáveis a valores reais. Trata-se de um mapa de
164
Livro de Cálculo II
10
AULA
Figura 10.55: Esboço do gráfico de f(x, y) =

x
2
+ y
2
, feito no
Software Maple através do comando ”plot3d(sqrt(x
2
+ y
2
), x =
−5..5, y = −5..5); ” .
contornos, em que os pontos com elevações constantes são ligados
para formar curvas de contorno ou curvas de nível.
Definição 10.20. Sejam z = f(x, y) uma função e k ∈ Im(f).
O conjunto de todos os pontos (x, y) ∈ D(f) tais que f(x, y) = k
denomina-se curva de nível de f correspondente ao nível z = k. Em
outras palavras, denomina-se curva de nível de f correspondente
ao nível z = k ao seguinte conjunto:
¦(x, y) ∈ D(f); f(x, y) = k¦.
Observação 10.10. Uma curva de nível de f correspondente ao
nível z = k é o conjunto de todos os pontos do domínio de f nos
quais o valor de f é k.
Você pode ver na Figura 10.56 a relação entre as curvas de nível
e os traços horizontais. As curvas de nível de f correspondente ao
nível z = k são apenas traços do gráfico de f no plano horizontal
z = k projetado sobre o plano xy. Assim, se você traçar as curvas
165
Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais
de nível da função e visualiza-las elevadas para a superfície na
altura indicada, poderá imaginar o gráfico da função colocando as
duas informações juntas.
Figura 10.56: Curvas de nível de f correspondente ao nível z = k.
Exemplo 10.5.1. Esboce algumas curvas de nível da função f(x, y) =
x
2
+ y
2
.
Solução: A curva de nível de f correspondente ao nível k é dada
por
x
2
+ y
2
= k
que, para k ≥ 0, descreve uma circunferência de raio

k centrada
no ponto (0, 0). A Figura 10.57 mostra as curvas de nível de f
correspondentes a alguns k ≥ 0. Observe que, ao aumentarmos o
valor de k estaremos aumentando o raio das circunferências. Deste
modo, se elevarmos essas curvas aos seus nível correspondente e
uni-las obtemos o gráfico do parabolóide.
166
Livro de Cálculo II
10
AULA
Figura 10.57: Curvas de nível de f(x, y) = x
2
+y
2
correspondente
ao nível z = k.
Exemplo 10.5.2. Esboce algumas curvas de nível da função f(x, y) =
1
x
2
+y
2
.
Solução: A curva de nível de f correspondente ao nível k é dada
por
1
x
2
+ y
2
= k ⇔ x
2
+ y
2
=
1
k
que, para k ≥ 0, descreve uma circunferência de raio
1

k
centrada
no ponto (0, 0). A Figura 10.58 mostra as curvas de nível de f
correspondentes a alguns k ≥ 0.
Observe que, ao aumentarmos o valor de k estaremos dimin-
uindo o raio das circunferências. Agora, se elevarmos essas curvas
aos seus nível correspondente e uni-las obtemos o seguinte gráfico
(Ver Figura 10.59).
Exemplo 10.5.3. As Figuras 10.60 e 10.61 mostram, respecti-
vamente, algumas curvas de níveis de f(x, y) =
−3y
x
2
+ y
2
+ 1
e o
gráfico correspondente.
167
Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais
Figura 10.58: Curvas de
nível de f(x, y) = x
2
+
y
2
correspondente ao nível
z = k.
Figura 10.59: Esboço do
gráfico da função f(x, y) =
1
x
2
+y
2
.
Figura 10.60: Cur-
vas de Nível de
f(x, y) =
−3y
x
2
+y
2
+1
.
Figura 10.61: Esboço do
gráfico da função f(x, y) =
−3y
x
2
+y
2
+1
.
10.6 Resumo
Uma função f de duas variáveis reais a valores reais é uma cor-
respondência que associa a cada ponto de D ⊂ R
2
um e um só
número real.
Notação 4. f : D ⊂ R
2
−→R
O conjunto D é chamado domínio de f e representado por
D(f) ou D
f
. O conjunto B = ¦f(P); P ∈ A¦ é chamado imagem
168
Livro de Cálculo II
10
AULA
de f e denotado por Im(f).
O gráfico uma função f : D ⊂ R
2
−→R é o conjunto de todos
os pontos (x, y, z) ∈ R
3
tal que z = f(x, y) e (x, y) ∈ D(f).
O conjunto de todos os pontos (x, y) ∈ D(f) tais que f(x, y) =
k denomina-se curva de nível de f correspondente ao nível z = k.
A extensão desses conceitos para funções de três ou mais var-
iáveis é feita de modo natural. Se você (aluno) entendeu os con-
ceitos estudados até hoje nesse curso, terá condições suficientes
para estender os conceitos estudados nesta aula para mais de duas
variáveis.
10.7 Atividades
01. Seja f(x, y) = ln(x + y −1).
(a) Estime f(1, 1).
(b) Estime f(e, 1).
(c) Determine o domínio de f.
(d) Estabeleça a imagem de f.
02. Seja f(x, y, z) = ln(25 −x
2
−y
2
−z
2
).
(a) Estime f(1, 1, 1).
(b) Determine o domínio de f.
(c) Estabeleça a imagem de f.
03. Determine e faça um esboço do domínio da função:
(a) f(x, y) =

x + y
(b) f(x, y) = ln(9 −x
2
−y
2
).
(c) f(x, y) =
3x + 5y
x
2
+ y
2
−4
.
169
Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais
(d) f(x, y) =

y −x
2
1 −x
2
.
(e) f(x, y) =

x
2
+ y
2
−1 + ln(4 −x
2
−y
2
).
04. Esboce o gráfico da função:
(a) f(x, y) = 1 −x −y
(b) f(x, y) = 1 −x
2
.
(c) f(x, y) = y.
(d) f(x, y) = 3 −x
2
−y
2
.
(e) f(x, y) = cos x.
05. Traçar curvas de níveis para as funções:
a) f(x, y) = xy;
b) f(x, y) = cos(x).
06. Ache as curvas de nível de f : R
2
−→R definida por f(x, y) =
sen(x −y). Esboce o gráfico de f.
10.8 Comentário das Atividades
Essas atividades, são referentes aos assuntos discutidos no decorrer
desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos
aprendidos.
Lembre-se, sempre, que existem tutores para ajuda-los na res-
olução dessas atividades.
170
Livro de Cálculo II
10
AULA
10.9 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
171
11
AULA
1
LIVRO
Limites, Con-
tinuidade e
Derivadas Parciais
META
Estudar limite, continuidade e as
derivadas parciais de funções de
duas variáveis a valores reais.
OBJETIVOS
Estender os conceitos de limite e
continuidade, e estudar as derivadas
parciais de funções de uma variável
a valores reais.
PRÉ-REQUISITOS
Limite, Continuidade e Derivadas de
funções de uma variável a valores
reais.
Limites, Continuidade e Derivadas Parciais
11.1 Introdução
Nesta aula, vamos apresentar os conceitos de limite, continuidade
e derivadas parciais. Você que entendeu e lembra dos conceitos
de limite, continuidade e derivadas de funções de uma variável
real, visto no curso de Cálculo 1, não terá dificuldade alguma em
compreender o assunto dessa aula.
11.2 Limite
Definição 11.21. Sejam f : A ⊂ R
2
−→ R uma função, (x
0
, y
0
)
um ponto de acumulação de A e L um número real. Dizemos que
o limite da função f no ponto (x
0
, y
0
) é igual a L e escrevemos
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L
quando:
Para todo > 0, existe δ > 0 tal que, para todo (x, y) ∈ D(f),
0 < |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ =⇒ [f(x, y) −L[ < .
Notação 5. lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L e f(x, y) −→ L quando
(x, y) −→ (x
0
, y
0
).
Note que [f(x, y)−L[ corresponde à distância entre os números
f(x, y) e L, e |(x, y) −(x
0
, y
0
)| =

(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
é a dis-
tância entre os pontos (x, y) e o ponto (x
0
, y
0
). Assim a Definição
11.21 diz que a distância entre f(x, y) e L pode ser arbitraria-
mente pequena se tomarmos a distância de (x, y) a (x
0
, y
0
) sufi-
cientemente pequena (mais não nula). A Figura 11.62 ilustra a
Definição 11.21 por meio de um diagrama de setas. Se nos é dado
um pequeno intervalo (L−, L+) em torno de L, então podemos
determinar uma bola aberta B((x
0
, y
0
), δ) com centro em (x
0
, y
0
)
174
Livro de Cálculo II
11
AULA
e raio δ > 0 tal que f leve todos os pontos de B((x
0
, y
0
), δ) [exceto
possivelmente (x
0
, y
0
)] no intervalo (L −, L + ).
Figura 11.62: Representação geométrica do limite.
Observação 11.11. De agora em diante, sempre que falarmos que
f tem limite em (x
0
, y
0
), fica subentendido que (x
0
, y
0
) é ponto de
acumulação de D(f).
Exemplo 11.2.1. Se f(x, y) = k é uma função constante, então,
para todo (x
0
, y
0
) ∈ R
2
,
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
k = k.
Solução: Temos que [f(x, y) − k[ = [k − k[ = 0. Assim, dado
> 0 e tomando-se um δ > 0 qualquer,
0 < |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ =⇒ [f(x, y) −k[ < .
Logo
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
k = k.
Exemplo 11.2.2. Se f(x, y) = x, para todo (x
0
, y
0
) ∈ R
2
,
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
x = x
0
.
175
Limites, Continuidade e Derivadas Parciais
Solução: Temos que
[f(x, y) −x
0
[ = [x −x
0
[ =

(x −x
0
)
2

(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
= |(x, y) −(x
0
, y
0
)|
Deste modo, dado > 0 e tomando δ = vem:
0 < |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ =⇒ [f(x, y) −k[ < .
Logo,
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
x = x
0
.
Exemplo 11.2.3. Se f(x, y) = x+y
2
então lim
(x,y)−→(2,1)
f(x, y) = 3.
Solução: Temos que
[f(x, y) −3[ = [x + y
2
−3[ = [x −2 + y

1[ ≤ [x −2[ +[y + 1[[y −1[.
Então, dado > 0 tomando δ = min¦1,

3
¦ obtemos que [y+1[ < 3
e
|(x, y) −(2, 1)| =

(x −2)
2
+ (y −1)
2
< δ =⇒
=⇒ [f(x, y) −3[ ≤ [x −2[ +[y + 1[[y −1[ ≤ δ + 3δ = 4δ ≤ 4

4
= .
Para as funções de uma única variável, quando fazemos x se
aproxima de x
0
, só existe duas direções possíveis de aproximação:
pela direita e pela esquerda. Lembremos la do Cálculo 1 que, se
os limites laterais são diferentes então o limite não existe.
Já para as funções de duas variáveis essa situação não é tão
simples porque existem infinitas maneiras de (x, y) se aproximar
de (x
0
, y
0
) por uma quantidade infinita de direções e de qualquer
maneira que se queira (veja a Figura 11.63), bastando que (x, y)
se mantenha no domínio de f.
176
Livro de Cálculo II
11
AULA
Figura 11.63: Infinitas maneiras de (x, y) se aproximar de (x
0
, y
0
).
O proximo teorema nos diz que se o limite de uma função f
existe em (x
0
, y
0
) e é igual a L então não importa a maneira que
(x, y) se aproxima de (x
0
, y
0
) que o limite sempre vai ser L.
Teorema 11.21. Sejam f : A ⊂ R
2
−→ R uma função e (x
0
, y
0
)
um ponto de acumulação. Suponha que lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L e
seja γ uma curva em R
2
, contínua em t
0
, com γ(t
0
) = (x
0
, y
0
) e,
para todo t = t
0
, γ(t) = (x
0
, y
0
) com γ(t) ∈ D(f). Então
lim
t−→t
0
f(γ(t)) = L.
Demonstração: De lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L segue que dado >
0, existe δ
1
> 0 tal que
0 < |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ
1
=⇒ [f(x, y) −L[ < . (11.1)
Sendo γ contínua em t
0
, para todo γ
1
> 0 acima, existe γ > 0 tal
que
0 < |t −t
0
| < δ =⇒ [γ(t) −γ(t
0
)[ < δ
1
. (11.2)
De (11.1) e (11.2) segue
0 < |t −t
0
| < δ =⇒ [f(γ(t)) −L[ < ,
177
Limites, Continuidade e Derivadas Parciais
ou seja,
lim
t−→t
0
f(γ(t)) = L.
Sejam γ
1
e γ
2
duas curvas nas condições do Teorema 11.21.
Segue do Teorema 11.21 que se ocorrer
lim
t−→t
0
f(γ
1
(t)) = L
1
e lim
t−→t
0
f(γ
2
(t)) = L
2
(11.3)
com L
1
= L
2
, então lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) não existirá. Da mesma
forma, tal limite não existirá de um dos limites em (11.1) não
existir.
Exemplo 11.2.4. Considere a função f : R
2
−→R dada por
f(x, y) =

1, para x = 0
0, para x = 0
Não existe o lim
(x,y)−→(0,0)
f(x, y). De fato, considerando as curvas
γ
1
(t) = (t, 0) e γ
2
(t) = (0, t), temos que
lim
t−→0
f(γ
1
(t)) = lim
t−→0
1 = 1 e lim
t−→0
f(γ
2
(t)) = lim
t−→0
0 = 0.
Logo, lim
(x,y)−→(0,0)
f(x, y) não existe.
Exemplo 11.2.5. Considere a função f : R
2
− ¦(0, 0)¦ −→ R
dada por f(x, y) =
xy
x
2
+ y
2
. Observe que f(x, y) ≡ 0 quando (x, y)
está em um dos eixos coordenados, de modo que f(x, y) converge
para 0 quando (x, y) aproxima-se de (0, 0) pelos eixos. Por outro
lado, considerando a curva γ : I ⊂ R −→ R
2
− ¦(0, 0)¦ dada por
γ(t) = (t, t) temos que
lim
t−→0
f(γ(t)) = lim
t−→0
t
2
2t
2
=
1
2
.
Portanto, lim
(x,y)−→(0,0)
xy
x
2
+ y
2
não existe.
178
Livro de Cálculo II
11
AULA
Observamos que continuam válidas para funções de duas var-
iáveis reais a valores reais as seguintes propriedades dos limites
cujas demonstrações são exatamente iguais às que voce fez para
funções de uma variável real, na disciplina de Cálculo 1.
1. (Teorema do Confronto) Se f(x, y) ≤ g(x, y) ≤ h(x, y) para
0 < |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < r e se
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L = lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
h(x, y)
então
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
g(x, y) = L.
2. Se lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = 0 e se [g(x, y)[ ≤ M para 0 <
|(x, y) −(x
0
, y
0
)| < r onde r > 0 e M > 0 são reais fixos, então
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y)g(x, y) = 0.
3. lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = 0 ⇔ lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
[f(x, y)[ = 0.
4. lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L ⇔ lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
[f(x, y) −L] = 0.
5. lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L ⇔ lim
(h,k)−→(0,0)
f(x
0
+ h, y
0
+ k) = L.
6. Se lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L
1
e lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
g(x, y) = L
2
, en-
tão,
(a) lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
[f(x, y) + g(x, y)] = L
1
+ L
2
;
(b) lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
kf(x, y) = kL
1
; (k constante)
179
Limites, Continuidade e Derivadas Parciais
(c) lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y)g(x, y) = L
1
L
2
;
(d) lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y)
g(x, y)
=
L
1
L
2
desde que L
2
= 0.
7. (Conservação do sinal) Se lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L, L > 0,
então existirá δ > 0, tal que, para todo (x, y) ∈ D(f),
0 < |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ =⇒ f(x, y) > 0.
Exemplo 11.2.6. Calcula, caso exista, lim
(x,y)−→(0,0)
x
3
x
2
+ y
2
.
Solução: Note que
x
3
x
2
+ y
2
= x
x
2
x
2
+ y
2
.
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
x = 0 e

x
2
x
2
+ y
2

≤ 1, para todo (x, y) = (0, 0). Logo,
segue da Propriedade 2 acima que
lim
(x,y)−→(0,0)
x
3
x
2
+ y
2
= lim
(x,y)−→(0,0)
x
x
2
x
2
+ y
2
= 0.
11.3 Continuidade
Definição 11.22. Sejam f : A ⊂ R
2
−→R uma função e (x
0
, y
0
)
um ponto de acumulação de A com (x
0
, y
0
) ∈ A. Dizemos que f é
contínua em (x
0
, y
0
) se
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = f(x
0
, y
0
),
ou seja:
Para todo > 0, existe δ > 0 tal que, para todo (x, y) ∈ D(f),
0 < |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ =⇒ [f(x, y) −f(x
0
, y
0
)[ < .
180
Livro de Cálculo II
11
AULA
Definição 11.23. Uma função é dita contínua em um conjunto
B quando for contínua em todos os pontos de B. Diremos, sim-
plesmente, que f é contínua se o for em todos os pontos de seu
domínio.
Exemplo 11.3.1. A função constante f(x, y) = k é contínua, pois,
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = k = f(x
0
, y
0
)
para todo (x
0
, y
0
) ∈ R
2
. (Veja Exemplo 11.2.1).
Exemplo 11.3.2. A função f(x, y) = x é contínua, pois,
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
x = x
0
= f(x
0
, y
0
)
para todo (x
0
, y
0
) ∈ R
2
. (Veja Exemplo 11.2.2).
Exemplo 11.3.3. A função f(x, y) =

x
2
−y
2
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0)
não é contínua em (0, 0). De fato, tomando-se as curvas γ
1
(t) =
(t, 0) e γ
2
(t) = (0, t) vem,
lim
t−→0
f(γ
1
(t)) = lim
t−→0
t
2
t
2
= 1
e
lim
t−→0
f(γ
2
(t)) = lim
t−→0
−t
2
t
2
= −1.
Segue das propriedades de limite, as seguintes propriedades de
funções contínuas:
1. A soma de m funções contínuas em um ponto é uma função
contínua no ponto.
2. O produto de m funções contínuas em um ponto é uma
função contínua no ponto.
181
Limites, Continuidade e Derivadas Parciais
Conseqüência imediata dessas propriedades: A função polino-
mial p(x, y) em x e y dada pela soma de parcelas do tipo
ax
l
1
x
l
2
onde a é constante e l
1
, l
2
∈ N é uma função contínua como produto
e soma de funções contínuas.
Definição 11.24. Sejam f : A ⊂ R
2
−→ B ⊂ R e g : B −→R. A
função composta de g com f, indicada por g ◦ f é definido por
g ◦ f : A ⊂ R
2
−→ R
(g ◦ f)(x, y) = g(f(x, y))
Figura 11.64: Função composta
O próximo teorema nos diz que se g(u) e f(x, y) forem con-
tínuas e se Im(f) ⊂ D(g), então a função composta h(x, y) =
g(f(x, y)) também o será.
Teorema 11.22. Sejam f : A ⊂ R
2
−→ B ⊂ R e g : B −→R tais
que f seja contínua em (x
0
, y
0
) e g é contínua em f(x
0
, y
0
). Então
g ◦ f é contínua em (x
0
, y
0
).
182
Livro de Cálculo II
11
AULA
Demonstração: Dado > 0, queremos encontrar δ > 0 tal que,
se (x, y) ∈ A,
|(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ =⇒ [(g ◦ f)(x, y) −(g ◦ f)(x
0
, y
0
)[ < .
Figura 11.65: Esboço da demonstração
Sabemos que existe δ
1
= δ
1
(, f(x
0
, y
0
)) tal que
z ∈ B, [z −f(x
0
, y
0
)[ < δ
1
=⇒ [g(z) −g(f(x
0
, y
0
))[ <
Como f é contínua em (x
0
, y
0
) sabemos que dado δ
1
> 0, existe
δ
2
> 0 tal que
(x, y) ∈ A, |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ
2
=⇒ [f(x, y) −f(x
0
, y
0
)[ < δ
1
.
Logo para
(x, y) ∈ A, |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ
2
=⇒ [f(x, y) −f(x
0
, y
0
)[ < δ
1
=⇒ [g(f(x, y)) −g(f(x
0
, y
0
))[ < .
Portanto, g ◦ f é contínua em (x
0
, y
0
).
Como conseqüência deste teorema, segue que se g(x) for con-
tínua, então a função h(x, y) = g(x) também será contínua. De
fato, sendo f(x, y) = x, teremos h(x, y) = g(f(x, y)), com g e f
contínuas.
183
Limites, Continuidade e Derivadas Parciais
Exemplo 11.3.4. h(x, y) = x
2
+

x é contínua em seu domínio.
Exemplo 11.3.5. Sendo f(x, y) contínua, as compostas sen f(x, y),
cos f(x, y), [f(x, y)]
2
, etc.
Exemplo 11.3.6. f(x, y) =

x
3
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0)
é con-
tínua em R
2
. De fato, temos que (Veja Exemplo 11.2.6)
lim
(x,y)−→(0,0)
x
3
x
2
+ y
2
= 0 = f(0, 0).
11.4 Derivadas Parciais
Seja z = f(x, y) uma função de duas variáveis a valores reais
definida em um conjunto aberto A e seja (x
0
, y
0
) ∈ A. Então para
x suficientemente próximo de x
0
todos os pontos (x, y
0
) estão em
A, logo podemos considerar a função g de uma variável real dada
por
g(x) = f(x, y
0
).
A derivada desta função no ponto x = x
0
(caso exista) denomina-se
derivada parcial de f, em relação a x, no ponto (x
0
, y
0
).
Notação 6. f
x
(x
0
, y
0
);
∂f
∂x
(x
0
, y
0
); f
1
(x
0
, y
0
); z
x
(x
0
, y
0
);
∂z
∂x
(x
0
, y
0
).
Assim:
f
x
(x
0
, y
0
) =
¸
dg(x)
dx

x
0
= lim
∆x−→0
g(x
0
+ ∆x) −g(x
0
)
∆x
= lim
∆x−→0
f(x
0
+ ∆x, y
0
) −f(x
0
, y
0
)
∆x
.
ou, ainda,
f
x
(x
0
, y
0
) = lim
x−→x
0
f(x, y
0
) −f(x
0
, y
0
)
x −x
0
.
184
Livro de Cálculo II
11
AULA
Seja B o subconjunto aberto de A formado por todos os pontos
(x, y) tais que f
x
(x, y) existe, fica assim definida uma nova função,
indicada por f
x
(x, y) e definida em B, para cada (x, y) ∈ B associa
o número f
x
(x, y), onde
f
x
(x, y) = lim
∆x−→0
f(x + ∆x, y) −f(x, y)
∆x
.
Tal função denomina-se função derivada parcial de 1.
a
ordem de f,
em relação a x, ou simplesmente, derivada parcial de f em relação
a x.
Considerando z = f(x, y) como uma função de y, para x fixo,
obtemos de maneira semelhante a derivada parcial de f, em relação
a y, no ponto (x
0
, y
0
).
Notação 7. f
y
(x
0
, y
0
);
∂f
∂y
(x
0
, y
0
); f
2
(x
0
, y
0
); z
y
(x
0
, y
0
);
∂z
∂y
(x
0
, y
0
).
Temos
f
y
(x
0
, y
0
) = lim
∆y−→0
f(x
0
, y
0
+ ∆x) −f(x
0
, y
0
)
∆y
.
ou
f
y
(x
0
, y
0
) = lim
y−→y
0
f(x
0
, y) −f(x
0
, y
0
)
y −y
0
.
Interpretação Geométrica da Derivada Parcial
Podemos interpretar geometricamente a derivada parcial como
uma inclinação: Consideremos a secção da superfície z = f(x, y)
pelo plano vertical y = y
0
. Neste plano a curva z = f(x, y
0
) tem
uma tangente com inclinação f
x
(x
0
, y
0
) em x
0
.
185
Limites, Continuidade e Derivadas Parciais
Figura 11.66: Interpretação geométrica das derivadas parciais
As secções da superfície z = f(x, y) com os planos y = y
0
e
x = x
0
são dadas, respectivamente, nas Figuras 11.67 e 11.68.
Figura 11.67: Secções da
superfície z = f(x, y) com
o plano y = y
0
.
Figura 11.68: Secções da
superfície z = f(x, y) com
o plano x = x
0
.
186
Livro de Cálculo II
11
AULA
Para se calcular f
x
(x
0
, y
0
) fixa-se y = y
0
em z = f(x, y) e
calcula-se a derivada de g(x) = f(x, y
0
) em x = x
0
: f
x
(x
0
, y
0
) =
g

(x
0
). Da mesma forma, f
x
(x, y) é a derivada, em relação a x,
de f(x, y), mantendo-se y constante. Por outro lado, f
y
(x, y) é a
derivada em relação a y, de f(x, y), mantendo-se x constante.
Exemplo 11.4.1. Se f(x, y) = x
2
y + ycos x, determine f
x
(x, y),
f
y
(x, y), f
x
(1, 0) e f
y
(1, 0).
Solução: Para encontrarmos f
x
(x, y) devemos olhar y como con-
stante em f(x, y) = x
2
+ ycos x e derivar em relação a x:
f
x
(x, y) = 2xy −ysen x.
Para encontramos f
y
(x, y) devemos olhar x como constante em
f(x, y) = x
2
+ ycos x e derivar em relação a y:
f
y
(x, y) = x
2
+ cos x.
Agora f
x
(1, 0) = 2 1 0 − 0 sen 1 = 0 e f
y
(1, 0) = 1
2
+ cos 1 =
1 + cos 1.
11.5 Derivadas parciais de ordem superior
Se z = f(x, y) é uma função de duas variáveis reais a valores
reais, então f
x
e f
y
são também funções de duas variáveis reais a
valores reais. Se estas duas funções f
x
e f
y
estiverem definidas em
um aberto A poderemos considerar suas derivadas parciais (f
x
)
x
,
(f
x
)
y
, (f
y
)
x
e (f
y
)
y
chamadas derivadas parciais de 2.
a
(segunda)
187
Limites, Continuidade e Derivadas Parciais
ordem de f, denotadas como segue:
(f
x
)
x
= f
xx
= f
11
=

∂x

∂f
∂x

=

2
f
∂x
2
(f
x
)
y
= f
xx
= f
12
=

∂y

∂f
∂x

=

2
f
∂y∂x
(f
y
)
x
= f
xx
= f
21
=

∂x

∂f
∂y

=

2
f
∂x∂y
(f
y
)
y
= f
yy
= f
22
=

∂y

∂f
∂y

=

2
f
∂y
2
Se estas derivadas parciais existirem em todos os pontos de um
aberto A, poderemos falar nas derivadas parciais de 3.
a
(Terceira)
ordem, e assim sucessivamente.
Definição 11.25. Seja f : A ⊂ R
2
−→R, A aberto. Dizemos que
f é de classe C
k
(k ≥ 1) em B ⊂ A se f e as derivadas parciais
até a ordem k forem contínuas em todos os pontos de B. f é dita
de classe C

se f é de classe C
k
, ∀k ≥ 1.
Notação 8. f ∈ C
k
e f ∈ C

.
Exemplo 11.5.1. Seja f(x, y) = xy. Temos que: f
x
(x, y) = y,
f
y
(x, y) = x, f
xx
(x, y) = 0, f
xy
(x, y) = 1, f(yx)(x, y) = 1 e
f
yy
(x, y) = 0. Observe que as derivadas de ordem k, k ≥ 3 ex-
istem e são todas nulas. Portanto f ∈ C

.
Exemplo 11.5.2. A função z = f(x, y) = xsen y + y
2
cos x é
de classe C

. De fato, temos que f
x
(x, y) = sen y − y
2
sen x,
f
y
(x, y) = xcos y + 2ycos x, f
xx
(x, y) = −y
2
cos x, f
xy
(x, y) =
cos y−2ysen x, f
yx
(x, y) = cos y−2ysen x e f
yy
(x, y) = −xsen y+
2cos x. Observe que existem e são contínuas todas derivadas par-
ciais.
Neste dois exemplos notamos que f
xy
(x, y) = f
yx
(x, y), isto é,
a ordem de derivação não influi no resultado, mais isto nem sempre
188
Livro de Cálculo II
11
AULA
é válido. De fato: Consideremos z = f(x, y) = x +[y[. Temos que
f
x
(x, y) ≡ 1 e f
xy
(0, 0) = 0. No entanto,
f
y
(0, 0) = lim
∆y−→0
f(0, ∆y) −f(0, 0)
∆y
= lim
∆y−→0
[∆y[
∆y
que não existe. e assim f
yx
(0, 0) não existe.
O próximo teorema fornece condições sob as quais podemos
afirmar que f
xy
= f
yx
.
Teorema 11.23. (Teorema de Schwartz) Seja f : A ⊂ R
2
−→
R, A aberto. Se f for de classe C
2
em A, então
f
xy
(x, y) = f
yx
(x, y)
para todo (x, y) ∈ A.
Vejamos outro exemplo, onde não temos a igualdade f
xy
= f
yx
.
Exemplo 11.5.3. Consideremos f(x, y) =

xy
3
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0)
Neste caso, temos que f
xy
(0, 0) = f
yx
(0, 0). De fato,
f
x
(x, y) =
xy
4
+ 3x
3
y
2
(x
2
+ y
2
)
2
, se (x, y) = (0, 0)
f
y
(x, y) =
y
5
−x
2
y
3
(x
2
+ y
2
)
2
, se (x, y) = (0, 0)
f
x
(0, 0) = lim
∆x−→0
f(∆x, 0) −f(0, 0)
∆x
= 0
f
y
(0, 0) = lim
∆y−→0
f(0, ∆y) −f(0, 0)
∆y
= 0
f
xy
(0, 0) = lim
∆y−→0
f
x
(0, ∆y) −f
x
(0, 0)
∆y
= 1
f
yx
(0, 0) = lim
∆x−→0
f
y
(∆x, 0) −f
y
(0, 0)
∆x
= 0
Observação 11.12. No exemplo anterior podemos observar que
f, f
x
e f
y
são contínuas em todo R
2
. Assim, pelo Teorema anterior
f
xy
não pode ser contínua em (0, 0), pois caso fosse f
xy
(0, 0) =
f
yx
(0, 0), o que não é o caso.
189
Limites, Continuidade e Derivadas Parciais
11.6 Resumo
Faremos, agora, um resumo das principais definições e resultados
vistos nesta aula.
Definição 11.26. Sejam f : A ⊂ R
2
−→ R uma função, (x
0
, y
0
)
um ponto de acumulação de A e L um número real. Dizemos que
o limite da função f no ponto (x
0
, y
0
) é igual a L e escrevemos
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L
quando:
Para todo > 0, existe δ > 0 tal que, para todo (x, y) ∈ D(f),
0 < |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ =⇒ [f(x, y) −L[ < .
Teorema 11.24. Sejam f : A ⊂ R
2
−→ R uma função e (x
0
, y
0
)
um ponto de acumulação. Suponha que lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = L e
seja γ uma curva em R
2
, contínua em t
0
, com γ(t
0
) = (x
0
, y
0
) e,
para todo t = t
0
, γ(t) = (x
0
, y
0
) com γ(t) ∈ D(f). Então
lim
t−→t
0
f(γ(t)) = L.
Sejam γ
1
e γ
2
duas curvas nas condições do Teorema 11.21.
Segue do Teorema 11.21 que se ocorrer
lim
t−→t
0
f(γ
1
(t)) = L
1
e lim
t−→t
0
f(γ
2
(t)) = L
2
(11.1)
com L
1
= L
2
, então lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) não existirá. Da mesma
forma, tal limite não existirá de um dos limites em (11.1) não
existir.
Definição 11.27. Sejam f : A ⊂ R
2
−→R uma função e (x
0
, y
0
)
um ponto de acumulação de A com (x
0
, y
0
) ∈ A. Dizemos que f é
contínua em (x
0
, y
0
) se
lim
(x,y)−→(x
0
,y
0
)
f(x, y) = f(x
0
, y
0
),
190
Livro de Cálculo II
11
AULA
ou seja:
Para todo > 0, existe δ > 0 tal que, para todo (x, y) ∈ D(f),
0 < |(x, y) −(x
0
, y
0
)| < δ =⇒ [f(x, y) −f(x
0
, y
0
)[ < .
Definição 11.28. Uma função é dita contínua em um conjunto
B quando for contínua em todos os pontos de B. Diremos, sim-
plesmente, que f é contínua se o for em todos os pontos de seu
domínio.
11.7 Atividades
01. Mostre, pela definição, que:
a) lim
(x,y)→(2,0)
(x
2
+ y
2
−4) = 0;
b) lim
(x,y)→(1,2)
(x
2
+ 2xy + y
2
) = 9.
02. Seja a função f(x) =

1, x ≥ 0
−1, x < 0
.Prove que a função tem
limite igual a 1 nos pontos (x
0
, y
0
) com x
0
> 0 e que tem limite
igual a −1 nos pontos (x
0
, y
0
) com x
0
< 0. Prove ainda que não
tem limite non pontos (0, y
0
).
03. Determine o valor dos limites, quando existirem:
a) lim
(x,y)→(0,0)
x
2
−y
2
1 + x
2
+ y
2
; b) lim
(x,y)→(0,0)
x
x
2
+ y
2
;
c) lim
(x,y)→(0,0)
x
2
+ y
2
sen
1
xy
; d) lim
(x,y)→(4,π)
x
2
sen
y
x
;
e) lim
(x,y)→(0,0)
1 + y
2
sen x
x
; f) lim
(x,y)→(0,0)
1 + x −y
x
2
+ y
2
;
g) lim
(x,y,z)→(0,0,0)
4x −y −3z
2x −5y + 2z
.
04. Usando a definição, prove que f(x, y) = xy + 6x é contínua
em:
191
Limites, Continuidade e Derivadas Parciais
a) (1, 2); b) (x
0
, y
0
).
05. Investigue a continuidade de cada uma das funções abaixo, no
ponto (0, 0) :
a) f(x, y) =

x
3x+5y
, 3x + 5y = 0
0, 3x + 5y = 0
;
b) f(x, y) =

x
2
+ y
2
sen

1
x
2
+y
2

, se (x, y) = 0
0, se (x, y) = 0
;
c) f(x, y) =

xy
x−y
x
2
+y
2
, se (x, y) = 0
0, se (x, y) = 0
;
06. Se f(x, y) = (x − y)sen (3x + 2y) calcule: a) f
x
(0,
π
3
); b)
f
y
(0,
π
3
).
07. Calcule u
x
e u
y
quando:
a) u(x, y) = e
xy
sen(x+y); b) u(x, y) = ln(x
4
+y
4
)arcsen

1 −x
2
−y
2
.
08. Se f(x, y) =

x
2
y
2
+xy
x+y
, se x = −y
0, se x = −y
.
a) Calcule f
x
(x, 0) e f
y
(0, y);
b) Observe que f não é constante em nenhuma vizinhança de (0, 0).
09. Ache

3
f
∂x
2
∂y
(x, y) se f(x, y) = ln(x + y).
10. Mostre que

2
f
∂x
2
+

2
f
∂y
2
= 0 esta satisfeita por:
a) ln(x
2
+ y
2
); b) x
3
−3xy
2
.
192
Livro de Cálculo II
11
AULA
11. Calcule f
y
(1, 2) onde
f(x, y) = x
x
x
y
+ sen(πx)[x
2
+ sen(x + y) + e
x
cos
2
y].
11.8 Comentário das Atividades
Essas atividades, são referentes aos assuntos discutidos no decorrer
desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos
aprendidos.
Lembre-se, sempre, que existem tutores para ajuda-los na res-
olução dessas atividades.
11.9 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
193
12
AULA
1
LIVRO
Funções Diferen-
ciáveis
META
Estudar derivadas de funções de
duas variáveis a valores reais.
OBJETIVOS
Estender os conceitos de diferencia-
bilidade de funções de uma variável
a valores reais.
PRÉ-REQUISITOS
Limite, continuidade e derivadas
parciais de funções de duas variáveis
a valores reais.
Funções Diferenciáveis
12.1 Introdução
Nesta aula, vamos apresentar os conceitos de funções diferenciáveis,
estendendo os conceitos de derivadas de funções de uma variável
real a valores reais, vistos no curso de cálculo 1.
12.2 Diferenciabilidade
Sabemos que, quando uma função de uma variável real é derivável
em um ponto, ela é contínua neste ponto. Observe agora o que
acontece com o exemplo a seguir.
Exemplo 12.2.1. Considere a função
f(x, y) =

xy
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0)
Temos que f é derivável em relação a x e a y em (0, 0). De fato:
fixando-se y = 0, então z = f(x, 0) ≡ 0, e assim f
x
(0, 0) = 0.
Agora, fixando x = 0, então z = f(0, y) ≡ 0, e assim f
y
(0, 0) = 0.
Mas, por outro lado, f não é contínua em (0, 0). Com efeito, o
lim
(x,y)−→(0,0)
f(x, y) não existe, pois considerando as curvas γ
1
(t) =
(t, 0) e γ
2
(t) = (t, t) temos que
lim
t−→0
f(γ
1
(t)) = lim
t−→0
0 = 0 e lim
t−→0
f(γ
2
(t)) = lim
t−→0
t
2
2t
2
=
1
2
.
Assim é possível que uma função tenha todas as derivadas par-
ciais em um ponto e que não seja contínua naquele ponto.
Vamos então introduzir o conceito de diferenciabilidade, que
entre outras propriedades, vai garantir a continuidade da função.
Na realidade ele implicará que o gráfico da função não tem quinas,
e em particular, que não tem saltos. será introduzido por analogia
196
Livro de Cálculo II
12
AULA
com o conceito de diferenciabilidade de funções de uma variável.
Para uma variável:
y = f(x) é diferenciável (Ver Figura 12.69) em x
0
, se existe
uma reta passando por (x
0
, f(x
0
)) de equação
Y = f(x
0
) + m(x −x
0
),
tal que
lim
x−→x
0
f(x) −Y
x −x
0
= 0
Figura 12.69: Reta tangente ao gráfico de uma função diferenciável.
y = f(x) é derivável em x
0
, se existe o seguinte limite
lim
x−→x
0
f(x) −f(x
0
)
x −x
0
.
Observe que, para funções de uma variável real, ser derivável
é equivalente a ser diferenciável. De fato: suponhamos que f é
derivável em x
0
. Então existe
lim
x−→x
0
f(x) −f(x
0
)
x −x
0
= m.
Considerando a reta de equação Y = f(x
0
)+m(x−x
0
), temos que
lim
x−→x
0
f(x) −Y
x −x
0
= lim
x−→x
0
f(x) −f(x
0
) −m(x −x
0
)
x −x
0
= lim
x−→x
0

f(x) −f(x
0
)
x −x
0
−m

= 0
197
Funções Diferenciáveis
Portanto f é diferenciável em x
0
.
Por outro lado, suponhamos que f é diferenciável em x
0
.
0 = lim
x−→x
0
f(x) −Y
x −x
0
= lim
x−→x
0
f(x) −f(x
0
) −m(x −x
0
)
x −x
0
= lim
x−→x
0

f(x) −f(x
0
)
x −x
0
−m

=⇒ lim
x−→x
0
f(x) −f(x
0
)
x −x
0
= m.
Portanto, f é derivável em x
0
.
Passaremos agora a definir a diferenciabilidade de funções de
duas variáveis reais a valores reais e faremos isso estendendo o con-
ceito de diferenciabilidade de funções de uma variável real a valores
reais.
Para duas variáveis:
Diz-se que z = f(x, y) é diferenciável num ponto (x
0
, y
0
),
se existir uma plano passando pelo ponto (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)), de
equação
z = f(x
0
, y
0
) + A(x −x
0
) + B(y −y
0
),
tal que
lim
α−→0
f(x, y) −z
α
= 0 (12.1)
onde α = |(x, y)−(x
0
, y
0
)| =

(x −x
0
)
2
+ (y −y
0
)
2
. Em notação
alternativa, tomando x = x
0
+ h e y = y
0
+ k e chamando
E(h, k) = f(x, y) −z = f(x
0
+ h, y
0
+ k) −[f(x
0
, y
0
) + Ah + Bk]
(12.1) pode ser reescrita como
lim
(h,k)−→(0,0)
E(h, k)
|(h, k)|
= 0 (12.2)
Ainda, com a notação alternativa, temos:
f(x
0
+ h, y
0
+ k) = f(x
0
, y
0
) + Ah + Bk + E(h, k).
198
Livro de Cálculo II
12
AULA
Passando o limite, com (h, k) −→ (0, 0), obtemos:
lim
(h,k)−→(0,0)
f(x
0
+ h, y
0
+ k) = f(x
0
, y
0
).
Acabamos de provar o seguinte:
Teorema 12.25. Se f for diferenciável em (x
0
, y
0
), então f será
contínua em (x
0
, y
0
).
Voltemos em (12.2), fazendo k = 0, obtemos:
lim
h−→0
f(x
0
+ h, y
0
) −f(x
0
, y
0
) −Ah
[h[
= 0
Isto equivale a:
lim
h−→0
¸
f(x
0
+ h, y
0
) −f(x
0
, y
0
)
h
−A

= 0
ou
lim
h−→0
¸
f(x
0
+ h, y
0
) −f(x
0
, y
0
)
h

= A
Assim, f
x
(x
0
, y
0
) = A.
Analogamente, f
y
(x
0
, y
0
) = B.
Com isto, temos o seguinte:
Teorema 12.26. Se f for diferenciável em (x
0
, y
0
), então f admi-
tirá derivadas parciais neste ponto.
As principais conclusões sobre funções diferenciáveis são dadas
na Observação 12.13.
Observação 12.13. 1. Para mostrarmos que função f é difer-
enciável em (x
0
, y
0
) é suficiente provar que f admite derivadas
parciais em (x
0
, y
0
) e que
lim
(h,k)−→(0,0)
f(x
0
+ h, y
0
+ k) −f(x
0
, y
0
) −f
x
(x
0
, y
0
)h −f
y
(x
0
, y
0
)k
|(h, k)|
= 0.
199
Funções Diferenciáveis
2. Se uma das derivadas parciais não existirem em (x
0
, y
0
), então
f não será diferenciável neste ponto.
3. Se ambas as derivadas parciais existirem em (x
0
, y
0
), mais se o
limite acima não for zero, então f não será diferenciável em (x
0
, y
0
).
4. Se f não for contínua em (x
0
, y
0
), então f não será diferenciável
em (x
0
, y
0
).
Dizemos que f é diferenciável em B ⊂ D(f) se f for diferen-
ciável em todo (x, y) ∈ B. Diremos, simplesmente, que f é uma
função diferenciável se f for diferenciável em todo ponto de seu
domínio.
Exemplo 12.2.2. Prove que f(x, y) = x + y é uma função difer-
enciável.
Solução: Precisamos provar que f é diferenciável em todo (x, y) ∈
R
2
. f admite derivadas parciais em todo (x, y) ∈ R
2
e
f
x
(x, y) = 1 e f
y
(x, y) = 1.
Por outro lado, para todo (x, y) ∈ R
2
,
E(h, k) = f(x + h, y + k) −f(x, y) −f
x
(x, y)h −f
y
(x, y)k
= x + h + y + k −x −y −h −k = 0
Daí
lim
(h,k)−→(0,0)
E(h, k)
|(h, k)|
= 0.
Portanto, f é diferenciável para todo (x, y) ∈ R
2
.
Exemplo 12.2.3. Prove que z = f(x, y) = xy é uma diferenciável.
Solução: Precisamos provar que f é diferenciável em todo (x, y) ∈
R
2
. f admite derivadas parciais em todo (x, y) ∈ R
2
e
f
x
(x, y) = y e f
y
(x, y) = x.
200
Livro de Cálculo II
12
AULA
Por outro lado, para todo (x, y) ∈ R
2
,
E(h, k) = f(x + h, y + k) −f(x, y) −f
x
(x, y)h −f
y
(x, y)k
= (x + h)(y + k) −xy −yh −xk
= xy + xk + yh + hk −xy −yh −xk = hk
Daí
lim
(h,k)−→(0,0)
E(h, k)
|(h, k)|
= lim
(h,k)−→(0,0)
hk

h
2
+ k
2
= 0 (Já visto anteriormente).
Portanto, f é diferenciável para todo (x, y) ∈ R
2
.
Propriedades:
1. A soma (também o produto) de duas funções diferenciáveis em
um ponto é uma função diferenciável no ponto.
2. Toda função polinomial em duas variáveis P(x, y) =
¸
ij
a
ij
x
i
y
j
é diferenciável, como soma e produto de diferenciáveis.
Já vimos que toda função diferenciável é contínua, mas nem
toda função contínua é diferenciável. Por exemplo:
Exemplo 12.2.4. A função
f(x, y) =

x
3
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0)
é contínua em (0, 0) (Já visto anteriormente), mais não é diferen-
ciável em (0, 0). De fato, temos que
f
x
(0, 0) = lim
x−→0
f(x, 0) −f(0, 0)
x −0
= lim
x−→0
x
x
= 1
f
y
(0, 0) = lim
y−→0
f(0, y) −f(0, 0)
y −0
= 0
e
E(h, k) = f(0 + h, 0 + k) −f(0, 0) −f
x
(0, 0)h −f
y
(0, 0)k
=
h
3
h
2
+ k
2
−h
201
Funções Diferenciáveis
Segue que
E(h, k)
|(h, k)|
=
h
3
h
2
+k
2
−h

h
2
+ k
2
=
−hk
2
(h
2
+ k
2
)

h
2
+ k
2
= G(h, k)
Como lim
t−→0
G(t, t) = lim
t−→0
−t
2

2[t[
não existe, resulta que
lim
(h,k)−→(0,0)
E(h, k)
|(h, k)|
não existe. Logo, f não é diferenciável em (0, 0).
Vimos que se z = f(x, y) é diferenciável em (x
0
, y
0
), então ex-
istem f
x
(x
0
, y
0
) e f
y
(x
0
, y
0
). No entanto pode ocorrer que existam
f
x
(x
0
, y
0
) e f
y
(x
0
, y
0
) e f não ser diferenciável em (x
0
, y
0
).
Exemplo 12.2.5. Seja f(x, y) =

xy
x
2
+y
2
se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0)
. Já
foi visto que f
x
(0, 0) = f
y
(0, 0) = 0. Ainda: f não é contínua e,
portanto, não é diferenciável em (0, 0).
Algumas vezes é difícil verificar diretamente a diferenciabili-
dade de uma função. O próximo teorema dá uma condição su-
ficiente para que uma função f seja diferenciável e é importante
dada a facilidade de verificação de suas hipóteses.
Teorema 12.27. (Critério de Diferenciabilidade) Se as derivadas
parciais f
x
e f
y
existem em um conjunto aberto A contendo (x
0
, y
0
)
e forem contínuas em (x
0
, y
0
), então f será diferenciável em (x
0
, y
0
).
Demonstração: Consideremos (x
0
, y
0
) ∈ A. Como A é aberto,
para h e k suficientemente pequenos o retângulo formado pelos 4
pontos: (x
0
, y
0
), (x
0
+ h, y
0
), (x
0
, y
0
+ k) e (x
0
+ h, y
0
+ k) está
contido em A. Temos então que
∆f = f(x
0
+ h, y
0
+ k) −f(x
0
, y
0
)
= [f(x
0
+ h, y
0
+ k) −f(x
0
+ h, y
0
)] + [f(x
0
+ h, y
0
) −f(x
0
, y
0
)]
202
Livro de Cálculo II
12
AULA
Usando o Teorema do Valor Médio para funções de uma variável
sobre cada uma das diferenças acima, obtemos
∆f = f
y
(x
0
+ h, y
1
)k + f
x
(x
1
, y
0
)h.
Por hipótese, f
x
e f
y
são contínuas em (x
0
, y
0
) e assim
f
x
(x
1
, y
0
) = f
x
(x
0
, y
0
) +eta
1
e f
x
(x
0
+h, y
1
) = f
y
(x
0
, y
0
) +eta
2
onde ambos η
1
e η
2
tendem a zero com |(h, k)| −→ 0. Assim:
∆f = f
x
(x
0
, y
0
)h + f
y
(x
0
, y
0
)k + η
1
h + η
2
k.
Pela definição de diferenciabilidade nós temos somente que mostrar:
n
1
h + n
2
k

h
2
+ k
2
−→ 0
mas

n
1
h + n
2
k

h
2
+ k
2

≤ ([n
1
[ +[n
2
[) −→ 0
conforme

h
2
+ k
2
−→ 0.
Exemplo 12.2.6. A função z = f(x, y) = sen (xy) é diferenciável,
pois existem
f
x
(x, y) = ycos (xy) e f
y
(x, y) = xcos (xy)
e são contínuas em todo ponto (x, y) ∈ R
2
.
Bem, caros alunos, o teorema anterior parece resolver todos os
problemas no que se refere a mostrar que uma função é diferen-
ciável, há casos em que ele não se aplica, ou seja: existem funções
diferenciáveis em um ponto cujas derivadas parciais não são con-
tínuas neste ponto. Neste caso a verificação da diferenciabilidade
deve ser feita pela definição. Veja o exemplo a seguir:
203
Funções Diferenciáveis
Exemplo 12.2.7. Seja
f(x, y) =

(x
2
+ y
2
)sen

1
x
2
+y
2

se (x, y) = (0, 0)
0 se (x, y) = (0, 0)
(a) Determine f
x
e f
y
;
(b) Mostre que f
x
e f
y
não são contínuas em (0, 0);
(c) Prove que f é diferenciável em R
2
.
Solução:
(a) f
x
(x, y) =

2x sen

1
x
2
+y
2


2x
x
2
+y
2
cos

1
x
2
+y
2

, se (x, y) = (0, 0)
0, se (x, y) = (0, 0)
f
x
(x, y) =

2y sen

1
x
2
+y
2


2y
x
2
+y
2
cos

1
x
2
+y
2

, se (x, y) = (0, 0)
0, se (x, y) = (0, 0)
(b) lim
t−→0
f
x
(t, t) e lim
t−→0
f
y
(t, t) não existem e portanto f
x
e
f
y
não são contínuas em (0, 0)
(c) Para verificar que f é diferenciável em (0, 0) note que
E(h, k)
|(h, k)|
=

h
2
+ k
2
sen

1
h
2
+ k
2

e que
lim
(h,k)−→(0,0)
E(h, k)
|(h, k)|
= 0
12.3 Plano Tangente e Reta Normal
Se f é diferenciável em (x
0
, y
0
), vimos na Seção 12.2 que o plano
de equação
z = f(x
0
, y
0
) + f
x
(x
0
, y
0
)(x −x
0
) + f
y
(x
0
, y
0
)(y −y
0
) (12.1)
204
Livro de Cálculo II
12
AULA
aproxima o gráfico de z = f(x, y) no seguinte sentido:
lim
α−→0
f(x, y) −z
α
= 0
ou, na notação alternativa
lim
(h,k)−→(0,0)
E(h, k)
|(h, k)|
= 0.
Este é um modo de exprimir o fato de que o plano é tangente
à superfície no ponto (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)).
Observe que só definimos o plano tangente em (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
))
se f for diferenciável em (x
0
, y
0
). Se f não for diferenciável em
(x
0
, y
0
), mais admitir derivadas parciais neste ponto, então o plano
12.1 existirá, mais não será plano tangente.
Em notação de produto escalar, o plano (12.1) se escreve:
(f
x
(x
0
, y
0
), f
y
(x
0
, y
0
), −1) [(x, y, z) −(x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
))] = 0
Segue que o plano tangente em (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)) é perpendic-
ular à direção do vetor
(f
x
(x
0
, y
0
), f
y
(x
0
, y
0
), −1) (12.2)
A reta que passa pelo ponto (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)) e é paralela ao
vetor (12.1) denomina-se reta normal ao gráfico de f no ponto
(x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)). A equação de tal reta é:
(x, y, z) = (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)) + λ(f
x
(x
0
, y
0
), f
y
(x
0
, y
0
), −1) , λ ∈ R.
Exemplo 12.3.1. Seja z = f(x, y) = 3x
2
y − x. Determine as
equações do plano tangente e da reta normal do ponto (1, 2, f(1, 2)).
Solução: Note que f é uma função polinomial de duas variáveis,
205
Funções Diferenciáveis
Figura 12.70: Plano Tangente e Reta Normal
logo é diferenciável. A equação do plano tangente à superfície
z = f(x, y) no ponto (1, 2, f(1, 2)) é dado por
z = f(1, 2) + f
x
(1, 2)(x −1) + f
y
(1, 2)(y −2).
Mas f(1, 2) = 5,
f
x
(x, y) = 6xy−1 =⇒ f
x
(1, 2) = 11 e f
y
(x, y) = 3x
2
=⇒ f
y
(1, 2) = 3.
Logo a equação do plano tangente é
z −5 = 11(x −1) + 3(y −2).
Por sua vez, a equação da reta normal à superfície z = f(x, y) no
ponto (1, 2, f(1, 2)) é dado por
(x, y, z) = (1, 2, f(1, 2)) + λ(f
x
(1, 2), f
y
(1, 2), −1) , λ ∈ R,
ou seja,
(x, y, z) = (1, 2, 5) + λ(11, 3, −1) , λ ∈ R.
206
Livro de Cálculo II
12
AULA
12.4 A Diferencial
Seja f(x, y) diferenciável em (x
0
, y
0
) e consideremos a transfor-
mação linear L : R
2
−→R dada por
L(h, k) = f
x
(x
0
, y
0
)h + f
y
(x
0
, y
0
)k.
Voltando à condição de diferenciabilidade notamos que
E(h, k) = f(x
0
+ h, y
0
+ k) −f(x
0
, y
0
) −[f
x
(x
0
, y
0
)h + f
y
(x
0
, y
0
)k]
= ∆f −L(h, k),
onde ∆f = f(x
0
+ h, y
0
+ k) −f(x
0
, y
0
). Assim:
lim
(h,k)−→(0,0)
∆f −L(h, k)
|(h, k)|
= 0,
ou seja, L(h, k) ∼ ∆f, para |(h, k)| ∼ 0.
Chamamos a transformação linear L de diferencial de f em
(x
0
, y
0
). Dizemos que L(h, k) = f
x
(x
0
, y
0
)h +f
y
(x
0
, y
0
)k é a difer-
encial de f em (x
0
, y
0
) relativa aos acréscimos h e k.
Em notação clássica a diferencial de f em (x, y) relativa aos
acréscimos dx e dy é indicada por dz (ou df)
dz = f
x
(x, y)dx + f
y
(x, y)dy.
Assim, para acréscimos pequenos,
∆z ∼ dz.
Chamando η =
∆f−df
(h,k)
, a condição de diferenciabilidade pode
ser reformulada com:
f é diferenciável em (x
0
, y
0
) se, e somente se, ∆f = df + η

h
2
+ k
2
, onde η −→ 0 com |(h, k)| −→ 0.
207
Funções Diferenciáveis
Figura 12.71: Representação da diferencial f em (x, y) relativa aos
acréscimos dx e dy.
Exemplo 12.4.1. Se z = f(x, y) = 3x
2
− xy, calcule ∆z e dz se
(x, y) muda de (1, 2) para (1.01, 1.98).
Solução: Temos:
dz = (6x −y)dx + (−x)dy.
Substituindo x = 1, y = 2, dx = ∆x = 0.01 e dy = ∆y = −0.02,
obtemos:
dz = (6 −2)(0.01) + (−1)(−0.02) = 0.06.
Calculando diretamente ∆z, teríamos:
∆z = 0.0605.
Assim, o erro envolvido é 0.0005.
Exemplo 12.4.2. O raio e a altura de uma caixa de forma cilín-
drica são medidos como 3m e 8m, respectivamente, com um pos-
sível erro de ±0.05m. Use diferenciais para calcular o erro máximo
208
Livro de Cálculo II
12
AULA
no cálculo do volume.
Solução: Temos que o volume da caixa é dado por V = πr
2
h.
Calculando a diferencial de V temos:
dV =
∂V
∂r
dr +
∂V
∂h
dh = 2πrhdr + πr
2
dh.
Substituindo r = 3, h = 8, dr = dh = ±0.05, temos:
dV = 48π(±0.05) + 9π(±0.05) = ±2.85π · ±8.95m
3
.
12.5 Resumo
As principais conclusões sobre funções diferenciáveis serão dadas
abaixo:
1. Para mostrarmos que função f é diferenciável em (x
0
, y
0
) é
suficiente provar que f admite derivadas parciais em (x
0
, y
0
) e que
lim
(h,k)−→(0,0)
f(x
0
+ h, y
0
+ k) −f(x
0
, y
0
) −f
x
(x
0
, y
0
)h −f
y
(x
0
, y
0
)k
|(h, k)|
= 0.
2. Se f é diferenciável em (x
0
, y
0
) então f é contínua em (x
0
, y
0
).
3. Se f é diferenciável em (x
0
, y
0
) então f admite todas as
derivadas parciais em (x
0
, y
0
).
4. Se uma das derivadas parciais não existirem em (x
0
, y
0
), en-
tão f não será diferenciável neste ponto.
5. Se ambas as derivadas parciais existirem em (x
0
, y
0
), mais
se o limite acima não for zero, então f não será diferenciável em
(x
0
, y
0
).
209
Funções Diferenciáveis
6. Se f não for contínua em (x
0
, y
0
), então f não será diferen-
ciável em (x
0
, y
0
).
Se f é diferenciável em (x
0
, y
0
), então o plano de equação
z = f(x
0
, y
0
) + f
x
(x
0
, y
0
)(x −x
0
) + f
y
(x
0
, y
0
)(y −y
0
)
aproxima o gráfico de z = f(x, y) no seguinte sentido:
lim
α−→0
f(x, y) −z
α
= 0
ou, na notação alternativa
lim
(h,k)−→(0,0)
E(h, k)
|(h, k)|
= 0.
Este é um modo de exprimir o fato de que o plano é tangente à
superfície no ponto (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)).
Segue que o plano tangente em (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)) é perpendic-
ular à direção do vetor
(f
x
(x
0
, y
0
), f
y
(x
0
, y
0
), −1) (12.1)
A reta que passa pelo ponto (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)) e é paralela ao
vetor (12.1) denomina-se reta normal ao gráfico de f no ponto
(x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)). A equação de tal reta é:
(x, y, z) = (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)) + λ(f
x
(x
0
, y
0
), f
y
(x
0
, y
0
), −1) , λ ∈ R.
12.6 Atividades
01. Mostre que a função definida por
f(x) =

x
2
sen(
1
x
), se x = 0
0, se x = 0
210
Livro de Cálculo II
12
AULA
é diferenciável para todo x, mais não é de classe C
1
em x = 0.
02. Justifique porque a função
f(x, y) =

xy
3
x
2
+y
6
, se (x, y) = (0, 0)
0, se (x, y) = (0, 0)
não é diferenciável na origem.
03. Calcular as derivadas das funções dadas abaixo:
a) z = e
x
y
2
; b) z = x
2

1 + xy
2
.
04. Seja f(x) diferenciável com f(0) = 0 e f(x) = 0 para x =
0, x ∈ R. Seja
g(x, y) =

f(x)f(y)
f
2
(x)+f
2
(y)
, para (x, y = (0, 0)
0, para (x, y) = (0, 0)
a) Mostre que existe g
x
(0, 0) e g
y
(0, 0);
b) Mostre que g(x, y) não é diferenciável em (0, 0).
05. Seja f : R
2
−→ R tal que [f(x, y)[ ≤ x
2
+ y
2
. Mostre que f é
diferenciável em (0, 0).
06. Mostre que para uma função f(x, y) ter como curvas de níveis
circunferências com centro na origem é necessário e suficiente que
x
∂f
∂y
= y
∂f
∂x
.
07. Achar as equações da reta tangente e da reta normal à curva
γ =

x = t −cos t
y = 3 + sen 2t
z = 1 + cos 3t
211
Funções Diferenciáveis
no ponto t =
π
2
.
08. Determinar a equação do plano tangente à superfície z =
x
2
+ y
2
no ponto (1, 2, 5).
09. Determinar a equação do plano tangente à superfície z =

9 −x
2
−y
2
no ponto (1, 2, 2).
10. Ache o vetor normal a o plano tangente ao gráfico de f(x, y) =
xy + ye
x
no ponto (1, 1).
11. Ache os pontos do parabolóide z = x
2
+ y
2
− 1 nos quais a
reta normal à superfície coincide com a reta q liga a origem a esses
pontos.
12. Ache a equação do plano tangente à superfície regular S :
x
2
+ 2y
2
+ 3z
2
= 36 no ponto (1, 2, 3).
13. Ache a equação do plano tangente à superfície regular z =
x
2
+ 5xy −2y
2
no ponto (1, 2, 3).
14. Ache o plano tangente e a reta normal ao parabolóide de uma
folha x
2
+ y
2
−z
2
= 4 no ponto (2, −3, 3).
15. Dada a curva (x, y, z) = (e
t
, e
−1
,

2t). Qual a equação do
plano normal à curva no ponto P, correspondente a t = 0?
212
Livro de Cálculo II
12
AULA
12.7 Comentário das Atividades
Essas atividades, são referentes aos assuntos discutidos no decorrer
desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos
aprendidos.
Lembre-se, sempre, que existem tutores para ajuda-los na res-
olução dessas atividades.
12.8 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
213
13
AULA
1
LIVRO
Regra da Cadeia e
Derivação Implícita
META
Derivar funções compostas e funções
definidas implicitamente.
OBJETIVOS
Estender os conceitos da regra da
cadeia e da derivação implícita de
funções de uma variável a valores
reais.
PRÉ-REQUISITOS
Ter compreendido os conceitos lim-
ite, continuidade e derivadas de
funções de uma variável a valores
reais.
Regra da Cadeia e Derivação Implícita
13.1 Introdução
13.2 Regra da Cadeia
Muitas vezes a função z = f(x, y) é dada sob a forma de função
composta, em que os argumentos x, y são eles próprios funções de
t
x = φ
1
(t) y = φ
2
(t).
Então, z = f(φ
1
(t), φ
2
(t)) e podemos, portanto, falar em diferen-
ciabilidade relativamente a t.
Figura 13.72: Função composta.
Para derivarmos z em função de t temos o seguinte:
Teorema 13.28. Sejam x = φ
1
(t) e y = φ
2
(t) diferenciáveis em t
0
e z = f(x, y) diferenciável no ponto P
0
= (φ
1
(t
0
), φ
2
(t
0
)). Então
z(t) = f(φ
1
(t), φ
2
(t)) é diferenciável em t
0
e ainda

dz
dt

t
0
=

dz
dx

P
0


1
dt

t
0
+

dz
dy

P
0


2
dt

t
0
.
Demonstração: Como z é diferenciável em P
0
, temos em par-
ticular que:
∆z =

∂z
dx

P
0
∆x +

∂z
dy

P
0
∆y + αη
216
Livro de Cálculo II
13
AULA
onde η −→ 0 com α −→ 0 e α =

(∆x)
2
+ (∆y)
2
sendo que
∆x = φ
1
(t
0
+ ∆t) −φ
1
(t
0
) e ∆y = φ
2
(t
0
+ ∆t) −φ
2
(t
0
).
Logo, para ∆t = 0
∆z
∆t
=

∂z
dx

P
0

∆x
∆t
+

∂z
dy

P
0

∆y
∆t
±η

∆x
∆t

2
+

∆y
∆t

2
(13.1)
Observemos que
lim
∆t−→0
∆x
∆t
=


1
∆t

t
0
e lim
∆t−→0
∆y
∆t
=


2
∆t

t
0
ainda:
∆t −→ 0 =⇒ [∆x −→ 0 e ∆y −→ 0],
pois φ
1
e φ
2
sendo diferenciáveis em t
0
são contínuas em t
0
. Pas-
sando ao limite a expressão (13.1) com ∆t −→ 0, temos

dz
dt

t
0
=

dz
dx

P
0


1
dt

t
0
+

dz
dy

P
0


2
dt

t
0
.
pois η −→ 0 com ∆t −→ 0 e
¸

∆x
∆t

2
+

∆y
∆t

2
¸
−→ L ∈ R com
∆t −→ 0.
Exemplo 13.2.1. Seja z = f(x, y) = e
xy
onde x = sen t e y =
cos t. Calcule
dz
dt
em t = t
0
.
Solução: Temos que P
0
= (φ
1
(t
0
), φ
2
(t
0
)) = (sen t
0
, cos t
0
).
Logo

dz
dt

t
0
=

dz
dx

P
0


1
dt

t
0
+

dz
dy

P
0


2
dt

t
0
,
ou seja,

dz
dt

t
0
= (y
0
e
x
0
y
0
) (cos t
0
) + (x
0
e
x
0
y
0
) (−sen t
0
)
= e
sen t
0
cos t
0
(cos
2
t
0
−sen
2
t
0
).
217
Regra da Cadeia e Derivação Implícita
É freqüente encontrar-se z = f(x, y) com y = y(x). Neste caso,
z = f(x, y(x)) = z(x). Ainda
dz
dx
=
∂z
∂x

dx
dx
+
∂z
∂y

dy
dx
.
Portanto,
dz
dx
=
∂z
∂x
+
∂z
∂y

dy
dx
.
Exemplo 13.2.2. Seja z = f(x, y) = x
2
+ y
2
. Considere a curva
y = φ(x) = x
3
e calcule:
(a)
∂z
∂x
(1, 1)
(b)
dz
dx
(1)
Solução:
(a) Temos que
∂z
∂x
= 2x + 2y
dy
dx
= 2x + 6yx
2
.
Logo
∂z
∂x
(1, 1) = 2 1 + 6 1 1
2
= 8.
(b)
dz
dx
(1) =
∂z
∂x
(1, 1) +
∂z
∂y
(1, 1)
dy
dx
(1) = 8 + 1 3 = 11.
13.3 Derivação de funções definidas implici-
tamente
A Regra da Cadeia pode ser usada para uma descrição do processo
de diferenciação implícita. Suponhamos que a equação da forma
F(x, y) = 0 define y implicitamente como uma função diferenciável
de x, ou seja, y = f(x), onde F(x, f(x)) = 0, para todo x no
domínio de f. Se F é diferenciável, podemos usar a Regra da
218
Livro de Cálculo II
13
AULA
Cadeira para diferenciar ambos os lados da equação F(x, y) = 0
com relação a x. Como x e y são ambas funções de x, obtemos:
∂F
∂x
dx
dx
+
∂F
∂y
dy
dx
= 0.
No entanto,
dx
dx
= 1; então, se
∂F
∂y
= 0, resolvemos para
dy
dx
e
obtemos
dy
dx
= −
∂F
∂x
∂F
∂y
. (13.1)
Para derivar essa equação assumimos que F(x, y) = 0 define y
implicitamente em função de x. O próximo teorema nos fornece
condições segundo as quais essa hipótese é válida.
Teorema 13.29. (Teorema da Função Implícita) Seja F : A ⊂ R
2
onde A é um aberto e F é de classe C
k
, (k ≥ 1) em A. Se F
se anula em P
0
= (x
0
, y
0
) ∈ A e
∂F
∂y
(P
0
) = 0, então existe um
intervalo aberto I contendo x
0
e um aberto B ⊂ A, P
0
∈ B com
a seguinte propriedade:
Para cada x ∈ I existe um único ξ(x) ∈ R tal que (x, ξ(x)) ∈ B
e F(x, ξ(x)) = 0, ou seja, F(x, y) = 0 define y = ξ(x), implicita-
mente.
Exemplo 13.3.1. Mostre que existe um intervalo I contendo x
0
=
2, no qual está definida da função y = ξ(x) satisfazendo x
2
+xy +
y
2
= 7 com ξ(2) = 1 e encontre
dy
dx
.
Solução: Definimos
F(x, y) = x
2
+ xy + y
2
−7.
Observemos que F é de classe C

em R
2
,
F(2, 1) = 0 e
∂F
∂y
(2, 1) = 4 = 0.
219
Regra da Cadeia e Derivação Implícita
Pelo Teorema anterior, existe um intervalo I contendo x
0
= 2 e
uma função y = ξ(x), tais que:
x
2
+ xξ(x) + (ξ(x))
2
= 7, ∀x ∈ I.
Ainda: ξ(2) = 1, ξ é de classe C

. Temos então que F(x, y) =
0 define y = ξ(x) implicitamente, logo, usando a fórmula 13.1,
obtemos
ξ

(x) =
dy
dx
= −
∂F
∂x
∂F
∂y
= −
2x + y
x + 2y
.
Em particular, ξ

(2) = −
5
4
.
Suponhamos agora que z seja dado implicitamente como uma
função z = f(x, y) por uma equação da forma F(x, y, z) = 0. Isto
é o mesmo que F(x, y, f(x, y)) = 0 para todo (x, y) no domínio de
f. Se F e f forem diferenciáveis, utilizamos a Regra da Cadeia
para diferenciar a equação F(x, y, z) = 0 como se segue:
∂F
∂x
∂x
∂x
+
∂F
∂y
∂y
∂x
+
∂F
∂z
∂z
∂x
= 0.
Mas
∂x
∂x
= 1 e
∂y
∂x
= 0 portanto, essa equação se escreve
∂F
∂x
+
∂F
∂z
∂z
∂x
= 0.
Se
∂F
∂z
= 0, resolvendo para
∂z
∂x
e obtemos:
∂z
∂x
= −
∂F
∂x
∂F
∂z
. (13.2)
Analogamente, obtemos
∂z
∂y
= −
∂F
∂y
∂F
∂z
. (13.3)
Novamente, uma versão do Teorema da Função Implícita nos
dá as condições sob as quais nossa hipótese é válida. Se F ∈
220
Livro de Cálculo II
13
AULA
C
k
, (k ≥ 1) é definida em um aberto contendo P
0
= (x
0
, y
0
, z
0
),
onde F(P
0
) = 0 e
∂F
∂z
(P
0
) = 0, então a equação F(x, y, z) = 0
define z como uma função de x e y perto do ponto P
0
, e as derivadas
parciais dessa função são dadas pelas fórmulas (13.2) e (13.3).
Exemplo 13.3.2. Determine
∂z
∂x
e
∂z
∂y
se e
xyz
= x
2
+ y
2
+ z
2
.
Solução: Seja F(x, y, z) = e
xyz
−x
2
−y
2
−z
2
. Então, das equações
(13.2) e (13.3), temos
∂z
∂x
= −
∂F
∂x
∂F
∂z
= −
yze
xyz
−2x
xye
xyz
−2z
∂z
∂y
= −
∂F
∂y
∂F
∂z
= −
xze
xyz
−2y
xye
xyz
−2z
Outra maneira:
Temos

∂x
(e
xyz
) = e
xyz

∂x
(xyz) = e
xyz

yz + xy
∂z
∂x

e

∂x
(x
2
+ y
2
+ z
2
) = 2x + 2z
∂z
∂x
.
Assim
e
xyz

yz + xy
∂z
∂x

= 2x + 2z
∂z
∂x
,
ou seja,
∂z
∂x
=
2x −yze
xyz
xye
xyz
−2z
em todo (x, y) ∈ D(f) com xye
xyz
−2z = 0.
13.4 Resumo
A Regra da Cadeia é dada pelo seguinte:
221
Regra da Cadeia e Derivação Implícita
Teorema 13.30. Sejam x = φ
1
(t) e y = φ
2
(t) diferenciáveis em t
0
e z = f(x, y) diferenciável no ponto P
0
= (φ
1
(t
0
), φ
2
(t
0
)). Então
z(t) = f(φ
1
(t), φ
2
(t)) é diferenciável em t
0
e ainda

dz
dt

t
0
=

dz
dx

P
0


1
dt

t
0
+

dz
dy

P
0


2
dt

t
0
.
A Regra da Cadeia pode ser usada para uma descrição do pro-
cesso de diferenciação implícita. Suponhamos que a equação da
forma F(x, y) = 0 define y implicitamente como uma função difer-
enciável de x, ou seja, y = f(x), onde F(x, f(x)) = 0, para todo x
no domínio de f. Se F é diferenciável, podemos usar a Regra da
Cadeira para diferenciar ambos os lados da equação F(x, y) = 0
com relação a x. Como x e y são ambas funções de x, obtemos:
∂F
∂x
dx
dx
+
∂F
∂y
dy
dx
= 0.
No entanto,
dx
dx
= 1; então, se
∂F
∂y
= 0, resolvemos para
dy
dx
e
obtemos
dy
dx
= −
∂F
∂x
∂F
∂y
.
Para derivar essa equação assumimos que F(x, y) = 0 define y
implicitamente em função de x. O próximo teorema nos fornece
condições segundo as quais essa hipótese é válida.
Teorema 13.31. (Teorema da Função Implícita) Seja F : A ⊂ R
2
onde A é um aberto e F é de classe C
k
, (k ≥ 1) em A. Se F
se anula em P
0
= (x
0
, y
0
) ∈ A e
∂F
∂y
(P
0
) = 0, então existe um
intervalo aberto I contendo x
0
e um aberto B ⊂ A, P
0
∈ B com
a seguinte propriedade:
Para cada x ∈ I existe um único ξ(x) ∈ R tal que (x, ξ(x)) ∈ B
e F(x, ξ(x)) = 0, ou seja, F(x, y) = 0 define y = ξ(x), implicita-
mente.
222
Livro de Cálculo II
13
AULA
13.5 Atividades
01. Calcule
dz
dt
:
(a) z = sen xy, x = 3t, e y = t
2
.
(a) z = ln(1 + x
2
+ y
2
), x = sen 3t, e y = cos 3t.
02. Seja f(x, y) = x
2
+ y
2
. Considere a curva y = φ(x) = x
3
e
calcule:
a)
∂z
∂x
(1, 1); b)
dz
dx
(1).
03. Seja g(t) = f(3t, 2t
2
−1).
(a) Expresse g

(t) em termos das derivadas parciais de f.
(b) Calcule g

(0) admitindo
∂f
∂x
(0, −1) =
1
3
.
04. Suponha que, para todo t, f(t
2
, 2t) = t
3
− 3t. Mostre que
∂f
∂x
(1, 2) = −
∂f
∂y
(1, 2).
05. Considerando a função F(x, y) = f

x
y
,
y
x

. Mostre que x
∂F
∂x
+ y
∂f
∂y
= 0.
06. A equação y
3
+ xy + x
3
= 4 define implicitamente alguma
função diferenciável y = y(x)? Em caso afirmativo, expresse
dy
dx
em termos de x e y. (Sugestão: Observe que (0,
3

4) satisfaz
a equação e utilize o teorema das funções implícitas para o caso
F(x, y) = 0)
07. Mostre que cada uma das equações seguintes define implici-
tamente pelo menos uma função diferenciável y = y(x). Expresse
dy
dx
em termos de x e y.
223
Regra da Cadeia e Derivação Implícita
(a) x
2
y + sen y = x
(b) y
4
+ x
2
y
2
+ x
4
= 3.
08. Suponha que y = y(x) seja diferenciável e dada implicitamente
pela equação x = F(x
2
+ y, y
2
), onde F(u, v) é suposta diferen-
ciável. Expresse
dy
dx
em termos de x, y e das derivadas parciais de
F.
13.6 Comentário das Atividades
Essas atividades, são referentes aos assuntos discutidos no decorrer
desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos
aprendidos.
Lembre-se, sempre, que existem tutores para ajuda-los na res-
olução dessas atividades.
13.7 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
224
14
AULA
1
LIVRO
Vetor Gradiente e
as Derivadas Dire-
cionais
META
Definir o vetor gradiente de uma
função de duas variáveis reais e
interpretá-lo geometricamente.
Além disso, estudaremos a derivada
direcional de uma função de duas
variáveis a valores reais.
OBJETIVOS
Estender o conceito de derivadas
parciais e estudar a taxa de variação
de uma função em qualquer direção.
PRÉ-REQUISITOS
Limite, continuidade e derivadas
parciais de funções de duas variáveis
reais a valores reais.
Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais
14.1 Introdução
Vamos iniciar nossa penúltima aula, definindo um vetor que indi-
cará a direção de maior crescimento de uma função, tal vetor será
denominado vetor gradiente.
Posteriormente, estudaremos a derivada direcional de uma função
de duas variáveis a valores reais. Já vimos na Aula 13 que as
derivadas parciais permite determinarmos a taxa de variação de
uma função nas direções tangentes às curvas coordenadas. A
derivada direcional, nos permitirá determinar a taxa de variação
de uma função de duas variáveis reais a valores reais, em qualquer
direção.
14.2 Vetor Gradiente
Definição 14.29. Seja z = f(x, y) uma função que admite derivadas
parciais em (x
0
, y
0
). O vetor
∇f(x
0
, y
0
) =

∂f
∂x
(x
0
, y
0
),
∂f
∂y
(x
0
, y
0
)

=
∂f
∂x
(x
0
, y
0
)

i +
∂f
∂y
(x
0
, y
0
)

j
denomina-se gradiente de f em (x
0
, y
0
).
Geometricamente, interpretaremos ∇f(x
0
, y
0
) como um vetor
aplicado no ponto (x
0
, y
0
).
Exemplo 14.2.1. Se f(x, y) =
1
6
(x
2
+ y
3
), então
f
x
(x, y) =
1
3
x e f
y
(x, y) =
1
2
y
2
.
Logo
∇f(x, y) =
1
3
x

i +
1
2
y
2

j.
226
Livro de Cálculo II
14
AULA
Em particular,
∇f(0, −2) =
1
3
0

i +
1
2
(−2)
2

j = 2

j.
Na Figura 14.73, esta representado ∇f(0, −2) partindo do ponto
(0, −2) e mais alguns vetores gradientes aplicados em diferentes
pontos.
Figura 14.73: Vetores Gradientes de f(x, y) =
1
6
(x
2
+ y
3
).
O proximo teorema mostra que, em certas condições, o vetor
∇f(x
0
, y
0
) é normal à curva de nível de f que passa por (x
0
, y
0
).
Teorema 14.32. Seja z = f(x, y) diferenciável em (x
0
, y
0
) com
∇f(x
0
, y
0
) = (0, 0). Então ∇f(x
0
, y
0
) é normal à curva de nível γ
de f que passa por (x
0
, y
0
).
Demonstração: Seja γ(t) = (x(t), y(t)) a curva de nível de
f(x, y) tal que γ(t
0
) = (x
0
, y
0
). Assim, temos que
z(t) = f(γ(t)) = f(x(t), y(t)) ≡ k. (14.1)
Como γ e f são diferenciáveis, podemos usar a regra da cadeia
227
Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais
para diferenciar ambos os membros de (14.1), obtendo:
∂f
∂x
(x
0
, y
0
)

dx
dt

t
0
+
∂f
∂y
(x
0
, y
0
)

dy
dt

t
0
= 0
A equação anterior pode ser escrita como
∇f(x
0
, y
0
) γ

(t
0
) = 0.
Portanto, ∇f(x
0
, y
0
) é perpendicular ao vetor γ

(t
0
) tangente à
curva de nível γ.
Figura 14.74: ∇f(x
0
, y
0
) é perpendicular ao vetor γ

(t
0
).
Exemplo 14.2.2. Achar o vetor normal à curva y = x+sen x no
ponto x =
π
2
.
Solução: Definimos
F(x, y) = x + sen x −y.
Temos que a curva considerada é uma curva de nível da função
diferenciável F. Assim, pelo Teorema 14.32, segue que, para calcu-
lar um vetor normal à curva dada, basta calcular ∇f(
π
2
,
π
2
+ 1) :
∇f(
π
2
,
π
2
+ 1) =

i −

j.
228
Livro de Cálculo II
14
AULA
14.3 Derivada Direcional
Definição 14.30. Consideremos z = f(x, y) definida em um aberto
de R
2
e seja v = (v
1
, v
2
) um vetor unitário (|v| = 1). A derivada
direcional de f no ponto P
0
= (x
0
, y
0
) na direção de v é o valor do
limite
lim
t−→0
f(P
0
+ tv) −f(P
0
)
t
,
quando este limite existir.
Notação 9. D
v
f(P
0
) ou

∂f
∂v

(P
0
).
A derivada direcional D
v
f(P
0
) denomina-se, também, taxa de
variação de f no ponto (x
0
, y
0
) e na direção do vetor v, com |v| =
1.
Interpretação Geométrica da Derivada Parcial
Podemos interpretar geometricamente a derivada direcional de
f no ponto P
0
na direção de v como uma inclinação: Consideremos
a curva γ(t) dada por
γ :

x = x
0
+ at
y = y
0
+ bt
z = g(t)
onde g(t) = f(x
0
+ at, y
0
+ bt).
Observe que a imagem de γ está contida no gráfico de f. Temos:
g

(0) = lim
t−→0
g(t) −g(0)
t
= lim
t−→0
f(x
0
+ at, y
0
+ bt) −f(x
0
, y
0
)
t
= D
v
f(x
0
, y
0
)
onde v = (a, b).
229
Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais
Figura 14.75: Interpretação geométrica da derivada direcional.
Observe que, se v =

i = (1, 0) então
D

i
f(x
0
, y
0
) = lim
t−→0
f((x
0
, y
0
) + t(1, 0)) −f(x
0
, y
0
)
t
= lim
t−→0
f((x
0
+ t, y
0
)) −f(x
0
, y
0
)
t
= f
x
(x
0
, y
0
),
ou seja, D

i
f(x
0
, y
0
) = f
x
(x
0
, y
0
), ∀(x
0
, y
0
) ∈ D(f). Analogamente,
mostra-se que D

j
f(x
0
, y
0
) = f
y
(x
0
, y
0
), ∀(x
0
, y
0
) ∈ D(f).
Exemplo 14.3.1. Dada a função f(x, y) = x
2
−xy +5y, calcular
a derivada direcional de f no ponto P
0
= (−1, 2) na direção do
vetor (3, −4).
Solução: Note que |(3, −4)| =

(3)
2
+ (−4)
2
= 5. Seja então
v =

3
5
, −
4
5

. Temos que:
|v| = 1
f(P
0
+ tv) = f

−1 + t
3
5
, 2 −t
4
5

= 13 −
36
5
t +
21
25
t
2
f(P
0
) = f(−1, 2) = 13
230
Livro de Cálculo II
14
AULA
Logo
D
v
f(P
0
) = lim
t−→0
f(P
0
+ tv) −f(P
0
)
t
= lim
t−→0
13 −
36
5
t +
21
25
t
2
−13
t
= lim
t−→0


36
5
+
21
25
t

= −
36
5
Portanto, D
v
f(P
0
) = −
36
5
.
O próximo teorema, relaciona a derivada direcional de f com
o vetor gradiente de f.
Teorema 14.33. Consideremos f : A ⊂ R
2
−→ R com A aberto
e f diferenciável em P
0
∈ A. Para todo v ∈ R
2
com |v| = 1, existe
a D
v
f(P
0
) e ainda:
D
v
f(P
0
) = ∇f(P
0
) v.
Demonstração: Sejam v = (v
1
, v
2
) e P
0
= (x
0
, y
0
) fixos. Con-
sideremos a função F(t) = f(x
0
+ tv
1
, y
0
+ tv
2
) onde t é tal que
(x
0
+ tv
1
, y
0
+ tv
2
) ∈ A. Como F é diferenciável no ponto t = 0,
usando a Regra da Cadeira, obtemos:
F

(0) = f
x
(x
0
, y
0
)v
1
+ f
y
(x
0
, y
0
)v
2
= ∇f(P
0
) v.
Por outro lado,
F

(0) = lim
t−→0
F(t) −F(0)
t
= lim
t−→0
f(x
0
+ tv
1
, y
0
+ tv
2
) −f(x
0
, y
0
)
t
= D
v
f(P
0
).
Assim, D
v
f(P
0
) = ∇f(P
0
) v.
Observação 14.14. Temos: Se f for diferenciável em P
0
, então
a derivada direcional D
v
f(P
0
) é a projeção escalar do ∇f(P
0
) na
231
Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais
direção de v, ou seja,
D
v
f(P
0
) = ∇f(P
0
) v = |∇f(P
0
)||v|cosθ = |∇f(P
0
)|cosθ,
onde θ é o ângulo formado entre os vetores ∇f(P
0
) e v em P
0
.
Observação 14.15. O Teorema 14.33 afirma que se f é diferen-
ciável em um ponto P
0
, então f tem todas as derivadas direcionais
em P
0
. E a recíproca, é verdadeira? Vejamos um exemplo (a seguir)
em que f tem todas as derivadas direcionais em P
0
, mais f não é
diferenciável em P
0
.
Exemplo 14.3.2. Sejam
f(x, y) =

x|y|

x
2
+y
2
, (x, y) = (0, 0)
0, (x, y) = (0, 0)
e v = (v
1
, v
2
) com |v| = 1. Temos:
D
v
f(0, 0) = lim
t−→0
tv
1
[tv
2
[
t

t
2
(v
2
1
+ v
2
2
)
= lim
t−→0
v
1
[v
2
[

v
2
1
+ v
2
2
=
v
1
[v
2
[

v
2
1
+ v
2
2
= v
1
[v
2
[.
Em particular:
f
x
(0, 0) = D

i
f(0, 0) = 0 e f
y
(0, 0) = D

j
f(0, 0) = 0.
Ainda se
∆f = f(x, y) −f(0, 0) = df(0, 0)(x, y) + η

x
2
+ y
2
= 0 + η

x
2
+ y
2
então
η =
x[y[
x
2
+ y
2
0, com (x, y) −→ (0, 0).
Portanto, f não é diferenciável em (0, 0).
232
Livro de Cálculo II
14
AULA
Estamos terminando esta aula mais antes disso, vamos respon-
der uma pergunta interessante sobre derivadas direcionais.
Supondo f diferenciável, quando a derivada direcional de f é máx-
ima, quando é mínima e quando é nula?
Solução: Admitamos ∇f(P
0
) = (0, 0). Temos que
D
v
f(P
0
) = |∇f(P
0
)|cosθ.
Logo, é maxima quando cosθ = 1 e isso acontece se, e somente se,
θ = 0. Logo D
v
f(P
0
) é máxima quando v tem o mesmo sentido
de ∇f(P
0
). É mínima quando cosθ = −1, isto é, quando θ = π.
Portanto, D
v
f(P
0
) é mínima quando v tem sentido oposto ao de
∇f(P
0
). Finalmente, D
v
f(P
0
) é nula se cos theta = 0 ⇔ θ =
π
2
.
Portanto, D
v
f(P
0
) é nula se v é perpendicular ao vetor ∇f(P
0
).
Finalizamos esta aula, com uma aplicação de derivadas dire-
cionais.
Exemplo 14.3.3. A temperatura num ponto (x, y) do plano é
dada por
T(x, y) =
100xy
x
2
+ y
2
.
(a) Calcule a derivada direcional no ponto (2, 1), no sentido que
faz um ângulo de 60
o
com o semi-eixo positivo dos x.
Figura 14.76: Figura referente ao item (a) do Exemplo 14.3.3
233
Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais
(b) Em que direção, a partir de (2, 1) é máxima a derivada dire-
cional?
(c) Qual o valor deste máximo?
Solução: (a) Observando a Figura 14.76 é fácil ver que
u = cos 60
o

i + sen 60

j =
1
2

i +

3
2

j.
Note que |u| = 1. Temos que T é diferenciável em (2, 1), uma vez
que as suas derivadas parciais são contínuas neste ponto. Além
disso, ∇T(2, 1) = (−12, 24). Logo
D
u
T(2, 1) = ∇T(2, 1) u = −6 + 12

3.
(b) É máxima no sentido do gradiente, isto é, do vetor −12

i +
24

j.
(c) O máximo é o módulo do gradiente = 12

5.
14.4 Resumo
Faremos, agora, um resumo das principais definições e resultados
vistos nesta aula.
Definição 14.31. Seja z = f(x, y) uma função que admite derivadas
parciais em (x
0
, y
0
). O vetor
∇f(x
0
, y
0
) =

∂f
∂x
(x
0
, y
0
),
∂f
∂y
(x
0
, y
0
)

=
∂f
∂x
(x
0
, y
0
)

i +
∂f
∂y
(x
0
, y
0
)

j
denomina-se gradiente de f em (x
0
, y
0
).
Teorema 14.34. Seja z = f(x, y) diferenciável em (x
0
, y
0
) com
∇f(x
0
, y
0
) = (0, 0). Então ∇f(x
0
, y
0
) é normal à curva de nível γ
de f que passa por (x
0
, y
0
).
234
Livro de Cálculo II
14
AULA
Definição 14.32. Consideremos z = f(x, y) definida em um aberto
de R
2
e seja v = (v
1
, v
2
) um vetor unitário (|v| = 1). A derivada
direcional de f no ponto P
0
= (x
0
, y
0
) na direção de v é o valor do
limite
lim
t−→0
f(P
0
+ tv) −f(P
0
)
t
,
quando este limite existir.
A derivada direcional D
v
f(P
0
) denomina-se, também, taxa de
variação de f no ponto (x
0
, y
0
) e na direção do vetor v, com |v| =
1.
Teorema 14.35. Consideremos f : A ⊂ R
2
−→ R com A aberto
e f diferenciável em P
0
∈ A. Para todo v ∈ R
2
com |v| = 1, existe
a D
v
f(P
0
) e ainda:
D
v
f(P
0
) = ∇f(P
0
) v.
14.5 Atividades
01. Considere f(x, y) = xy + 1.
a) Desenhe as curvas de nível 0, 1 e 2;
b) Desenhe alguns vetores gradientes de f;
c) O que acontece com ∇f(0, 0) e com a curva de nível que passa
por (0, 0)?
02. Em cada um dos casos abaixo, desenhe um número suficiente
de vetores para ilustrar para ilustrar o campo gradiente de f:
a) f(x, y) =
1
2
(x
2
+ y
2
);
b) f(x, y, z) = x + y + z;
235
Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais
c) f(x, y, z) = 20 −z.
03. a) Encontre a equação do plano tangente à superfície f(x, y, z) =
x
2
+ y
2
−z
2
no ponto (1, 1,

2).
b) Mostre que a superfície e o plano tem uma reta em comum.
c) Qual o ângulo entre essa reta e o vetor ∇f(1, 1,

2)?
04. Prove que D

i
f(a, b) = f
x
(a, b) e D

j
f(a, b) = f
y
(a, b). Se
D
v
f(P
0
) = k então D
v
f(P
0
) =?
05. Ache o valor absoluto da derivada direcional em (1, 0, 1) da
função f(x, y, z) = 4x
2
y + y
2
z na direção normal em (1, 1, 1) à
superfície x
2
+ 2y
2
+ z
2
= 4.
06. Se a temperatura em um ponto (x, y, z) de uma bola sólida de
raio 3 centrada em (0, 0, 0) é dada por T(x, y, z) = yz + zx + xy
ache a direção, a partir de (1, 1, 2), na qual a temperatura cresce
mais rapidamente.
07. Sendo f diferenciável em R
2
, qual o significado geométrico
para o fato de ∇f(x, y) = 0.
a) em um ponto;
b) em todos os pontos.
08. Se f(x, y) = x
2
− y
2
, calcule a derivada direcional de f na
direção (
1

5
,
2

5
) no ponto (1, 1).
09. Se f(x, y) = e
x+y
, calcule a derivada direcional de f no ponto
236
Livro de Cálculo II
14
AULA
(1, 1) na direção da curva definida por g(t) = (t
2
, t
3
) em g(2) para
t crescendo.
10. A temperatura num ponto (x, y) do plano xy é dado por
T =
y
x
2
+y
2
.
a) Calcule a derivada direcional no ponto (1, 2) no sentido que faz
um ângulo de 45

com o semi-eixo positivos dos x.
b) No sentido de P = (x, y) para Q = (0, 0), no ponto P.
11. Seja f(x, y) =

xy

x
2
+y
2
, (x, y) = (0, 0)
0 , (x, y) = (0, 0)
Mostre que f
x
(0, 0) = 0 = f
y
(0, 0) mais que o gráfico de f não tem
plano tangente em (0, 0).
12. Seja f(x, y) =

xy
2
x
2
+y
4
, (x, y) = (0, 0)
0 , (x, y) = (0, 0)
a) Mostre que f derivada direcional, em qualquer direção, em (0, 0)
b) Mostre que f não é diferenciável em (0, 0).
14.6 Comentário das Atividades
Essas atividades, são referentes aos assuntos discutidos no decorrer
desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos
aprendidos.
Lembre-se, sempre, que existem tutores para ajuda-los na res-
olução dessas atividades.
237
Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais
14.7 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
238
15
AULA
1
LIVRO
Máximos e Mínimos
META
Encontrar os pontos de máximo
e mínimo de uma função de duas
variáveis a valores reais.
OBJETIVOS
Maximizar e/ou minimizar função
de duas variáveis a valores reais.
PRÉ-REQUISITOS
Limite, continuidade, derivadas par-
ciais e diferenciabilidade de funções
de duas variáveis reais a valores
reais.
Máximos e Mínimos
15.1 Introdução
Vimos no curso de Cálculo 1 que um dos principais usos da derivada
ordinária é na determinação dos valores máximo e mínimo. Nesta
aula, veremos como usar as derivadas parciais para localizar os
pontos de máximo e mínimo de uma função de duas variáveis.
Este estudo de máximo e mínimo de funções de duas variáveis
tem aplicações em diversas áreas da matemática. Por exemplo,
dado uma chapa com distribuição de temperatura dada por uma
função de duas variáveis reais a valores reais, encontraremos o
ponto de maior e o de menor temperatura desta chapa. (Ver Ex-
emplo 15.3.1).
Iniciemos esta aula com o estudo de máximos e mínimos gerais.
Posteriormente, estudaremos máximos e mínimos condicionados.
15.2 Pontos de Máximo e Pontos de Mínimo
Definição 15.33. Seja f(x, y) uma função a valores reais e seja
P
0
= (x
0
, y
0
) ∈ A, com A ⊂ D(f) aberto, dizemos que:
(a) P
0
é ponto de máximo local de f se existir uma vizinhança
V de P
0
tal que f(P) ≤ f(P
0
), para todo P ∈ V ∩ A.
(b) P
0
é ponto de mínimo local de f se existir uma vizinhança
V de P
0
tal que f(P) ≥ f(P
0
), para todo P ∈ V ∩ A.
(c) P
0
é ponto de máximo absoluto (ou global) de f se para
todo P ∈ A, f(P) ≤ f(P
0
). Neste caso, o número f(P
0
) será de-
nominado valor máximo de f em A.
240
Livro de Cálculo II
15
AULA
(d) P
0
é ponto de mínimo absoluto (ou global) de f se para
todo P ∈ A, f(P) ≥ f(P
0
). Neste caso, o número f(P
0
) será de-
nominado valor mínimo de f em A.
(e) P
0
é ponto crítico (ou estacionário) de f se f
x
(P
0
) = f
y
(P
0
) =
0.
Os pontos de máximo e mínimo de uma função f denominam-se
extremantes de f.
Exemplo 15.2.1. (0, 0) é ponto de mínimo absoluto de f(x, y) =
x
2
+y
2
e f(0, 0) = 0 é o valor mínimo de f, pois, f(x, y) ≥ f(0, 0),
para todo (x, y) ∈ R
2
.
O proximo teorema fornece-nos um critério para selecionar, en-
tre os pontos interiores de D(f), candidatos a pontos de máximo
(ou de mínimo) locais de f.
Teorema 15.36. Seja P
0
= (x
0
, y
0
) um ponto interior de D(f) e
suponhamos que f
x
(P
0
) e f
y
(P
0
) existam. Nestas condições, uma
condição necessária para que P
0
seja um extremante local de f é
que P
0
seja um ponto critico de f, ou seja, f
x
(P
0
) = 0 e f
y
(P
0
) = 0.
Demonstração: Suponhamos que P
0
seja um ponto de máximo
local de f. Como P
0
é ponto interior de D(f), existe uma vizin-
hança B ⊂ D(f) de P
0
, tal que, para todo P ∈ B,
f(P) ≤ f(P
0
).
Por outro lado, existe um intervalo aberto I, com x
0
∈ I, tal que
para todo x ∈ I, (x, y
0
) ∈ B. Consideremos a função g dada por
g(x) = f(x, y
0
), x ∈ I.
241
Máximos e Mínimos
Deste modo, temos que g é derivável em x
0
(g

(x
0
) = f
x
(x
0
, y
0
)),
x
0
é ponto interior de I e x
0
é ponto de máximo local de g, daí
g

(x
0
) = 0
e, portanto,
f
x
(x
0
, y
0
) = 0.
De modo análogo, demonstra-se que f
y
(x
0
, y
0
) = 0.
Segue deste teorema que se (x
0
, y
0
) for interior a D(f), f difer-
enciável em (x
0
, y
0
) e (x
0
, y
0
) extremante local de f, então o plano
tangente ao gráfico de f em (x
0
, y
0
, f(x
0
, y
0
)) será paralelo ao plano
xy.
Além disso, o teorema anterior nos diz que se f admite derivadas
parciais em todo os pontos interiores a D(f), então os pontos críti-
cos de f são, entre os pontos interiores de D(f), os únicos can-
didatos a extremantes locais de f.
Já vimos que um ponto P
0
∈ A que não é ponto interior de
A, denomina-se ponto de fronteira de A. O teorema anterior não
se aplica a pontos de fronteira de D(f); um ponto de fronteira de
D(f) pode ser um extremante local sem que as derivadas parci-
ais se anulem nele. Os pontos de fronteira devem ser analisados
separadamente. (Faremos isso a diante.)
Exemplo 15.2.2. Seja f(x, y) = x
2
+y
2
. Como D(f) = R
2
é um
conjunto aberto, de
f
x
(x, y) = 2x e f
y
(x, y) = 2y
segue que (0, 0) é o único candidato a extremante local. Como
f(x, y) ≥ f(0, 0) = 0, para todo (x, y) ∈ R
2
, resulta que (0, 0) é
um ponto de mínimo global de f.
242
Livro de Cálculo II
15
AULA
O próximo exemplo, nos mostrará que a condição das derivadas
parciais se anularem num ponto não é suficiente para concluirmos
que tal ponto é um extremante local.
Exemplo 15.2.3. Considere f : R
2
−→R dada por f(x, y) = xy.
Verifica-se sem dificuldade que (0, 0) é o único ponto crítico de
f mais não ponto de máximo ou de mínimo de f. (Para uma
visualização geométrica, observe a Figura 15.77)).
Figura 15.77: Ponto de Sela.
O ponto (0, 0) neste exemplo, denomina-se ponto de sela.
Quais seriam então as condições suficientes para garantir a na-
tureza de um ponto crítico de f?
Para respondermos essa pergunta, precisamos da seguinte definição.
Seja f(x, y) de classe C
2
. A função dada por
H(x, y) =


2
f
∂x
2
(x, y)

2
f
∂x∂y
(x, y)

2
f
∂x∂y
(x, y)

2
f
∂y
2
(x, y)

denomina-se hessiano de f. Observe que
H(x, y) =

2
f
∂x
2
(x, y)

2
f
∂x
2
(x, y) −
¸

2
f
∂x∂y
(x, y)

2
.
O próximo teorema fornece-nos uma condição suficiente para
um ponto crítico de f ser um extremante local de f.
243
Máximos e Mínimos
Teorema 15.37. Sejam f : A ⊂ R
2
−→ R, f de classe C
2
e
P
0
= (x
0
, y
0
) um ponto interior de D(f). Se:
f
x
(P
0
) = f
y
(P
0
) = 0 (P
0
é um ponto crítico de f) e H(P
0
) > 0.
Então P
0
é extremante local de f e
(i) Se f
xx
(P
0
) < 0, então P
0
é ponto de máximo local.
(ii) Se f
xx
(P
0
) > 0, então P
0
é ponto de mínimo local.
Se H(P
0
) < 0, então P
0
não será nem ponto de máximo e nem de
mínimo, ou seja, P
0
é ponto de sela.
Se H(P
0
) = 0, nada se pode afirmar.
A demostração desse teorema pode ser encontrada facílmente
em livros mais avançados de Cálculo.
Exemplo 15.2.4. Classificar os pontos críticos da função f(x, y) =
3xy
2
+ x
3
−3x.
Solução: Note que f é de classe C
2
, pois é uma função polino-
mial de duas variáveis. Temos que
f
x
(x, y) = 3y
2
+ 3x
2
−3 = 0 ⇔ x
2
+ y
2
= 1
f
y
(x, y) = 6xy = 0 ⇔ x = 0 ou y = 0.
Assim, os pontos críticos são: (0, 1), (0, −1), (1, 0) e (−1, 0).
Observemos que
H(x, y) =


2
f
∂x
2
(x, y)

2
f
∂x∂y
(x, y)

2
f
∂x∂y
(x, y)

2
f
∂y
2
(x, y)

=

6x 6y
6y 6x

= 36x
2
−36y
2
(i) Análise para o ponto (0, 1) :
H(0, 1) = −36 < 0.
Logo (0, 1) é ponto de sela.
(ii) Análise para o ponto (0, −1) :
H(0, −1) = −36 < 0.
244
Livro de Cálculo II
15
AULA
Logo (0, −1) é ponto de sela.
(iii) Análise para o ponto (1, 0) :
H(1, 0) = 36 > 0 e f
xx
(1, 0) = 6 > 0.
Logo (1, 0) é ponto de mínimo local de f.
(iv) Análise para o ponto (−1, 0) :
H(1, 0) = 36 > 0 e f
xx
(1, 0) = −6 < 0.
Logo (−1, 0) é ponto de máximo local de f.
Notemos ainda que: f(1, 0) = −2, f(−1, 0) = 2 e f(0, 1) =
f(0, −1) = 0. Utilizando o programa computacional Maple trace-
mos o gráfico de f. (Veja Figura 15.78)
Figura 15.78: Gráfico de f(x, y) = 3xy
2
+ x
3
−3x.
Exemplo 15.2.5. Seja z = f(x, y), com domínio A = ¦(x, y) ∈
R
2
; x ≥ 0 e y ≥ 0¦, onde f(x, y) = x
2
y + 3x. O ponto (0, 0) é um
ponto de mínimo de f em A pois f(x, y) ≥ f(0, 0) em A. Como
f
x
(x, y) = 2xy + 3, segue que f
x
(0, 0) = 3 = 0. Este fato não
245
Máximos e Mínimos
contradiz o Teorema 15.37, pois ele só se aplica a ponto interiores
a D(f) e (0, 0) não é um ponto interior a D(f) (D(f) = A).
15.3 Máximos e Mínimos sobre Conjuntos
Compactos
Na seção anterior determinamos condições necessárias e condições
suficientes para um ponto de D(f) seja um extremante local de
f. Entretanto, para muitos problemas que ocorrem na prática é
importante determinar os extremantes em um subconjunto A de
D(f). O Teorema de Weierstrass, que é o próximo teorema a ser
enunciado, fornece-nos condições suficientes para a existências de
tais extremantes.
Teorema 15.38. Se f(x, y) for contínua no subconjunto A, fechado
e limitado, de D(f), então existiram pontos (x
1
, y
1
) e (x
2
, y
2
) em
A, tais que, para todo (x, y) ∈ A,
f(x
1
, y
1
) ≤ f(x, y) ≤ f(x
2
, y
2
).
Lembremos que um conjunto A ⊂ R
2
, fechado e limitado é
chamado de compacto.
Este teorema nos garante que se f for contínua em A e A
compacto, então existirão pontos (x
1
, y
1
) e (x
2
, y
2
) em A tais que
f(x
1
, y
1
) é o valor mínimo e f(x
2
, y
2
) é o valor máximo de f. As-
sim se estivermos interessados em descobrir os pontos máximos e
mínimos absolutos de f : A ⊂ R
2
−→R, f contínua e A compacto
devemos procurá-los entre:
(i) pontos de fronteira de A.
246
Livro de Cálculo II
15
AULA
(ii) pontos interiores críticos de f.
Vejamos alguns exemplos:
Exemplo 15.3.1. Consideremos uma chapa com a forma D =
¦(x, y) ∈ R
2
; x
2
+ y
2
≤ 1¦ e suponhamos que a temperatura em
D seja dada por T(x, y) = x
2
+2y
2
−x. Determinar o ponto mais
quente e mais frio de D.
Solução: Como T é contínua e D é compacto, pelo Teorema
15.38 sabemos que existem P
1
= (x
1
, y
1
) e P
2
= (x
2
, y
2
) em D,
tais que, para todo P = (x, y) ∈ D,
f(P
1
) ≤ f(P) ≤ f(P
2
).
Assim P
1
e P
2
são, respectivamente, os pontos de mínimo e máximo
absolutos. Como sabemos, eles podem ocorrer somente em:
(i) pontos interiores críticos de f.
(ii) pontos de fronteira de D.
Vamos procurá-los:
(i) No interior de D = ¦(x, y) ∈ R
2
; x
2
+ y
2
< 1¦
Pontos críticos:
T
x
(x, y) = 2x −1 = 0 ⇔ x =
1
2
T
y
(x, y) = 4y = 0 ⇔ y = 0.
Assim, o único ponto crítico é o ponto

1
2
, 0

e T

1
2
, 0

= −
1
4
.
(ii) Na fronteira de D : ¦(x, y) ∈ R
2
; x
2
+ y
2
= 1¦
Temos que x
2
+ y
2
= 1 e assim y
2
= 1 − x
2
. Substituindo y
2
247
Máximos e Mínimos
em T, obtemos
T(x, y) = x
2
+ 2y
2
−x = T(x, y) = x
2
+ 2(1 −x
2
) −x
= −x
2
−x + 2 = F(x), −1 ≤ x ≤ 1.
Chegamos assim ao problema de determinar os pontos máximos e
mínimos absolutos de F(x) = −x
2
−x + 2 em [−1, 1].
Determinemos os pontos críticos em (−1, 1) :
F

(x) = −2x −1 = 0 ⇔ x = −
1
2
.
e F


1
2

=
9
4
. Ainda, nos pontos extremos, temos F(−1) = 2 e
F(1) = 0. Assim:
Ponto de máximo absoluto de F em [−1, 1] : x = −
1
2
e F


1
2

=
9
4
= 2, 25.
Ponto de mínimo absoluto de F em [−1, 1] : x = 1 e F(1) = 0.
Voltando ao nosso problema inicial em estudo, temos:
x = −
1
2
⇒ y = ±

3
2
x = 1 ⇒ y = 0.
Logo os candidatos a ponto de máximo e mínimos de T na fronteira
de D são:

1
2
, ±

3
2

e (1, 0). Temos que
T

1
2
, ±

3
2

=
9
4
= 2, 25 e T(1, 0) = 0
Podemos sintetizar as informações na tabela a seguir:
Pontos Localização Imagem do ponto

1
2
, 0

Interior de D −
1
4
(1, 0) Fronteira de D 0

1
2
, ±

3
2

Fronteira de D
9
4
248
Livro de Cálculo II
15
AULA
Conclusão: O ponto mais frio da chapa D é o ponto

1
2
, 0

e
sua temperatura é −
1
4
= −0, 25. Os pontos mais quente da chapa
são

1
2
, ±

3
2

e a temperatura correspondente é
9
4
= 2, 25. (Ver
Figura 15.79)
Figura 15.79: Chapa D.
Exemplo 15.3.2. Determine os extremantes de f(x, y) = xy em
A = ¦(x, y) ∈ R
2
; x
2
+ y
2
≤ 1¦.
Solução: f é contínua e A é compacto; logo, f assume em A
valor máximo e valor mínimo. O único ponto crítico no interior de
A é (0, 0), e já vimos que este ponto crítico não é um extremante.
Segue que os valores máximo e mínimo de f, em A, são atingidos
na fronteira de A. A fronteira é parametrizada por

x = cos θ
y = sen θ
, 0 ≤ θ ≤ 2π.
Logo, os valores de f na fronteira de A são fornecidos pela função
F(θ) = f(cosθ, senθ) =
1
2
sen 2θ, 0 ≤ θ ≤ 2π.
Temos que
F

(θ) = cos 2θ = 0 ⇔ 2θ = (2k + 1)
π
2
, k = 0, 1, 2, 3.
249
Máximos e Mínimos
Logo os pontos críticos de F são
θ =
π
4
⇒ F(
π
4
) = 1
θ =

4
⇒ F(

4
) = −1
θ =

4
⇒ F(

4
) = 1
θ =

4
⇒ F(

4
) = −1.
F atinge o valor máximo em θ =
π
4
e θ =

4
; atinge o valor mínimo
em θ =

4
e θ =

4
. Segue que


2
2
,

2
2

e



2
2
, −

2
2

são os
pontos de máximo de f em A;



2
2
,

2
2

e


2
2
, −

2
2

são os
pontos de mínimo de f em A. O valor máximo de f em A é
1
2
, e
o valor mínimo, −
1
2
. (Veja Figura 15.80)
Figura 15.80: Esboço dos pontos de máximo e mínimo de f em A.
15.4 Máximos e Mínimos Condicionados
O objetivo desta seção é o estudo de máximos e mínimos de uma
função sobre conjuntos do tipo:
¦(x, y) ∈ R
2
; ψ(x, y) = 0¦.
250
Livro de Cálculo II
15
AULA
Seja f(x, y) diferenciável no aberto D ⊂ R
2
e seja B = ¦(x, y) ∈
R
2
; ψ(x, y) = 0¦ onde ψ é suposta de classe C
1
em D; suponhamos,
também, ∇ψ(x, y) = 0 em B. Estamos interessados em determinar
uma condição necessária para que P
0
= (x
0
, y
0
) ∈ B seja um
extremante local de f em B. (Ver Figura 15.81)
Figura 15.81: Esboço do problema.
Suponhamos que P
0
∈ B seja ponto de máximo local de f em
B, isto é, f(P) ≤ f(P
0
) para todo P ∈ B.
Analisemos a situação das curvas de nível ψ(x, y) = 0 e f(x, y) =
k, k ∈ R.
Se P percorre a curva de nível ψ(x, y) = 0 no sentido indicado
na Figura 15.82, então f(P) cresce até o ponto P atingir P
0
e
depois f(P) começa a decrescer.
Já a situação da Figura 15.83 não é possível, pois depois que
P passa por P
0
existem pontos tais que f(P) ≥ f(P
0
).
Na Figura 15.82 temos
∇f(P
0
) = λ∇ψ(P
0
).
Notemos ainda na Figura 15.84, uma situação em que ∇f(P
0
) =
251
Máximos e Mínimos
Figura 15.82: curvas de
nível ψ(x, y) = 0 e
f(x, y) = k, k ∈ R.
Figura 15.83: curvas de
nível ψ(x, y) = 0 e
f(x, y) = k, k ∈ R.
λ∇ψ(P
0
) e no entanto P
0
não é ponto de máximo ou de mínimo
de f condicionado à curva ψ(x, y) = 0.
Figura 15.84: Esboço do problema.
Formalizemos a discussão anterior:
Teorema 15.39. Seja f(x, y) diferenciável no aberto D e seja
B = ¦(x, y) ∈ B; ψ(x, y) = 0¦, onde ψ é suposta de classe C
1
em D e ∇ψ(x, y) = (0, 0), para todo (x, y) ∈ B. Uma condição
necessária para que (x
0
, y
0
) ∈ B seja extremante local de f em B
252
Livro de Cálculo II
15
AULA
é que exista um real λ tal que
∇f(x
0
, y
0
) = λ∇ψ(x
0
, y
0
).
(o número λ é chamado Multiplicador de Lagrange)
A demonstração desse teorema pode ser encontrada nos livros
de Cálculo mais avançados.
Então, sendo f(x, y) diferenciável no aberto D e B = ¦(x, y) ∈
B; ψ(x, y) = 0¦, onde ψ é suposta de classe C
1
em D e ∇ψ(x, y) =
(0, 0) em B, os candidatos a extremantes locais de f em B são os
(x, y) ∈ D que tornam compatível o sistema

∇f(x, y) = λ∇ψ(x, y)
ψ(x, y) = 0
Estabelecemos assim uma condição necessária para um ponto (x
0
, y
0
)
ser um extremante local de f em B.
Exemplo 15.4.1. Encontre o máximo de f(x, y) = xy sobre a
curva ψ(x, y) = (x + 1)
2
+ y
2
−1 = 0.
Solução: Observemos que o conjunto B = ¦(x, y) ∈ R
2
; ψ(x, y) =
0¦ = ¦(x, y) ∈ R
2
; (x + 1)
2
+ y
2
= 1¦ é compacto e f é contínua.
Logo f atinge seus extremos em B.
Temos ∇ψ(x, y) = (2(x + 1), 2y). Assim ∇ψ = (0, 0) se, e
somente se, (x, y) = (−1, 0). Portanto, ∇ψ =

0, ∀(x, y) ∈ B.
Temos também que ∇f(x, y) = (y, x). Logo, no ponto extremo
de f em B, devemos ter
∇f(x, y) = λ∇ψ(x, y),
253
Máximos e Mínimos
ou seja,

∇f(x, y) = λ∇ψ(x, y)
ψ(x, y) = 0
=

y = λ2(x + 1)
x = λ2y
(x + 1)
2
+ y
2
= 1
Se y = 0 =⇒ x = 0. Se y = 0, temos λ =
x
2y
e, assim,
y =
x
2y
2(x + 1) =⇒ y
2
= x
2
+ x
. Substituindo y
2
= x
2
+ x em (x + 1)
2
+ y
2
= 1, obtemos
(x + 1)
2
+ x
2
+ x = 1 ⇔ 2x
2
+ 3 = 0 ⇔ x = 0 ou x = −
3
2
.
Para x = 0 =⇒ y = 0 =⇒ xy = 0.
Para x = −
3
2
=⇒ y =

3
2
=⇒ xy =
−3

3
4
.
Para x = −
3
2
=⇒ y = −

3
2
=⇒ xy =
3

3
4
.
Portanto,


3
2
,
3

3
4

é ponto de mínimo e


3
2
, −
3

3
4

é
ponto de máximo. (Veja a Figura 15.85)
Figura 15.85: Localização dos pontos de máximo e de mínimo de
f(x, y) = xy em B.
254
Livro de Cálculo II
15
AULA
Exemplo 15.4.2. Encontre a menor distância da origem a um
ponto da elipse ψ(x, y) = 8x
2
−12xy + 17y
2
= 20.
Solução: Queremos minimizar f(x, y) = x
2
+y
2
(Podemos pen-
sar assim, pois a distância é positiva e portanto basta minimizar
seu quadrado).
Observemos que f é contínua e a elipse é um conjunto com-
pacto. Assim, f atinge seus extremos.
Temos:
∇ψ(x, y) = (16x −12y, 34y −12x) =

0
nos pontos da elipse; e ∇f(x, y) = (2x, 2y).
Se ∇f(x, y) = λ∇ψ(x, y), então

x = λ(8x −6y)
y = λ(17y −6x)
Podemos supor 8x −6y = 0, uma vez que se 8x −6y = 0 =⇒ x =
0 =⇒ y = 0, ponto que não está sobre a elipse.
Assim,
λ =
x
8x −6y
=⇒ y =
x
8x −6y
(17y −6x) =⇒ 6x
2
−9xy −6y
2
= 0,
a qual juntamente com 8x
2
−12xy+17y
2
= 20 fornecerá y = ±
2

5
5
.
Calculando x obtemos os pontos

4

5
5
,
2

5
5

,



5
5
,
2

5
5

,


4

5
5
, −
2

5
5

e


5
5
, −
2

5
5

.
Calculando a imagem desses pontos por f obtemos:
f

4

5
5
,
2

5
5

= f


4

5
5
, −
2

5
5

= 4
f



5
5
,
2

5
5

= f


5
5
, −
2

5
5

= 1
255
Máximos e Mínimos
Assim, os pontos da elipse mais próximos da origem são:



5
5
,
2

5
5

e


5
5
, −
2

5
5

. Os pontos da elipse mais distantes da origem são:

4

5
5
,
2

5
5

e


4

5
5
, −
2

5
5

. (Veja Figura 15.86)
Figura 15.86: Pontos da elipse que estão mais próximos e mais
distantes da origem.
15.5 Resumo
Faremos, agora, um resumo das principais definições e resultados
vistos nesta aula.
Definição 15.34. Seja f(x, y) uma função a valores reais e seja
P
0
= (x
0
, y
0
) ∈ A, com A ⊂ D(f) aberto, dizemos que:
(a) P
0
é ponto de máximo local de f se existir uma vizinhança
V de P
0
tal que f(P) ≤ f(P
0
), para todo P ∈ V ∩ A.
(b) P
0
é ponto de mínimo local de f se existir uma vizinhança
V de P
0
tal que f(P) ≥ f(P
0
), para todo P ∈ V ∩ A.
256
Livro de Cálculo II
15
AULA
(c) P
0
é ponto de máximo absoluto (ou global) de f se para
todo P ∈ A, f(P) ≤ f(P
0
). Neste caso, o número f(P
0
) será de-
nominado valor máximo de f em A.
(d) P
0
é ponto de mínimo absoluto (ou global) de f se para
todo P ∈ A, f(P) ≥ f(P
0
). Neste caso, o número f(P
0
) será de-
nominado valor mínimo de f em A.
(e) P
0
é ponto crítico (ou estacionário) de f se f
x
(P
0
) = f
y
(P
0
) =
0.
O próximo teorema nos da uma condição necessária para que
um ponto seja um extremante local de uma função.
Teorema 15.40. Sejam f : A ⊂ R
2
−→ R, f de classe C
2
e
P
0
= (x
0
, y
0
) um ponto interior de D(f). Se:
f
x
(P
0
) = f
y
(P
0
) = 0 (P
0
é um ponto crítico de f) e H(P
0
) > 0.
Então P
0
é extremante local de f e
(i) Se f
xx
(P
0
) < 0, então P
0
é ponto de máximo local.
(ii) Se f
xx
(P
0
) > 0, então P
0
é ponto de mínimo local.
Se H(P
0
) < 0, então P
0
não será nem ponto de máximo e nem de
mínimo, ou seja, P
0
é ponto de sela.
Se H(P
0
) = 0, nada se pode afirmar.
Muitos problemas que ocorrem na prática é importante deter-
minar os extremantes em um subconjunto A de D(f). O Teorema
de Weierstrass, que é o próximo teorema a ser enunciado, fornece-
nos condições suficientes para a existências de tais extremantes.
Teorema 15.41. Se f(x, y) for contínua no subconjunto A, fechado
257
Máximos e Mínimos
e limitado, de D(f), então existiram pontos (x
1
, y
1
) e (x
2
, y
2
) em
A, tais que, para todo (x, y) ∈ A,
f(x
1
, y
1
) ≤ f(x, y) ≤ f(x
2
, y
2
).
No estudo de máximos e mínimos de uma função sobre conjun-
tos do tipo:
¦(x, y) ∈ R
2
; ψ(x, y) = 0¦,
usaremos o seguinte:
Teorema 15.42. Seja f(x, y) diferenciável no aberto D e seja
B = ¦(x, y) ∈ B; ψ(x, y) = 0¦, onde ψ é suposta de classe C
1
em D e ∇ψ(x, y) = (0, 0), para todo (x, y) ∈ B. Uma condição
necessária para que (x
0
, y
0
) ∈ B seja extremante local de f em B
é que exista um real λ tal que
∇f(x
0
, y
0
) = λ∇ψ(x
0
, y
0
).
(o número λ é chamado Multiplicador de Lagrange)
15.6 Atividades
01. Estude as funções abaixo quanto à pontos extremos:
(a) f(x, y) = (y −x
2
)
2
+ x
5
;
(b) f(x, y) = (x −y)
4
+ (y −1)
4
;
02. Calcular os extremos de z = f(x, y) = xy +
27
x
+
27
y
.
03. Calcular os pontos extremos da função z = f(x, y) = (x −y)
6
+ (y −2)
4
.
(Nota: Observe que H = 0.)
258
Livro de Cálculo II
15
AULA
04. Achar o ponto do plano 2x − y − 2z = 16 mais próximo da
origem. (Sugestão: Procure tirar y como função de x e z.)
05. Uma chapa retangular D é determinada pelas retas x = 3,
y = 5, x = 0 e y = 0. A temperatura da chapa é T(x, y) =
xy
2
−x
2
y + 100. Determinar o ponto mais quente e o ponto mais
frio da chapa.
06. Qual é o ponto (x, y) do plano que tem a propriedade de ter
como mínima a soma de sua distância ao eixo x com duas vezes a
sua distância ao ponto (0, 1)?
07. Achar os máximos e mínimos locais de f(x, y) = x
3
+y
3
−3x−
12y + 20.
08. Os leitos de dois rios são aproximadamente representados pela
parábola y = x
2
e a reta x − y − 2 = 0. Deseja-se reunir os dois
cursos por um canal retilíneo de tal maneira que o comprimento
seja mínimo. Qual são os pontos pelos quais deve passar o canal.
(Observação: Distância de um ponto (x, y) à reta ax +by +c = 0
é dada por

ax
0
+ by
0
+ c

a
2
+ b
2

)
09. Calcular o máximo e o mínimo de f(x, y) = x + y sujeito à
condição x
2
+ y
2
= 1. Observe que de fato eles existem. Desenhe
os vetores gradientes de f(x, y) e de ψ(x, y) = x
2
+ y
2
.
10. Calcule os pontos extremos de f(x, y) = 4xy −2x
2
−y
4
.
259
Máximos e Mínimos
11. Achar a maior e a menor distância de um ponto situado sobre
a elipse
x
2
4
+ y
2
= 1 à reta x + y −4 = 0.
15.7 Comentário das Atividades
Essas atividades, são referentes aos assuntos discutidos no decorrer
desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos
aprendidos.
Lembre-se, sempre, que existem tutores para ajuda-los na res-
olução dessas atividades.
15.8 Referências
• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).
Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006.
• STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira
Thomson Learning, 2006.
• THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison
Wesley, 2002.
260

Cálculo II
Elaboração de Conteúdo Samuel da Cruz Canevari

Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Copyright © 2009, Universidade Federal de Sergipe / CESAD. Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida, transmitida e gravada por qualquer meio eletrônico, mecânico, por fotocópia e outros, sem a prévia autorização por escrito da UFS.

FICHA CATALOGRÁFICA PRODUZIDA PELA BIBLIOTECA CENTRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE
Canevari, Samuel da Cruz. Cálculo II / Samuel da Cruz Canevari -- São Cristóvão: Universidade Federal de Sergipe, CESAD, 2009.

C221c

1. Cálculo. 2. Matemática. I. Título. CDU 517.2/.3

Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Educação Fernando Haddad Secretário de Educação a Distância Carlos Eduardo Bielschowsky Reitor Josué Modesto dos Passos Subrinho Vice-Reitor Angelo Roberto Antoniolli Diretoria Pedagógica Clotildes Farias (Diretora) Hérica dos Santos Matos Diretoria Administrativa e Financeira Edélzio Alves Costa Júnior (Diretor) Núcleo de Tutoria Rosemeire Marcedo Costa (Coordenadora) Carla Darlem Silva dos Reis Amanda Maíra Steinbach Luís Carlos Silva Lima Rafael de Jesus Santana Núcleo de Serviços Gráficos e Audiovisuais Giselda Barros

Chefe de Gabinete Ednalva FreireCaetano Coordenador Geral da UAB/UFS Diretor do CESAD Itamar Freitas Vice-coordenador da UAB/UFS Vice-diretor do CESAD Fábio Alves dos Santos Coordenador do Curso de Licenciatura em Matemática Hassan Sherafat

Núcleo de Tecnologia da Informação Fábio Alves (Coordenador) André Santos Sabânia Daniel SIlva Curvello Gustavo Almeida Melo João Eduardo Batista de Deus Anselmo Heribaldo Machado Junior Luana Farias Oliveira Rafael Silva Curvello Núcleo de Formação Continuada Andrezza Maynard (Coordenadora) Assessoria de Comunicação Guilherme Borba Gouy

NÚCLEO DE MATERIAL DIDÁTICO
Hermeson Menezes (Coordenador) Jean Fábio B. Cerqueira (Coordenador) Baruch Blumberg Carvalho de Matos Christianne de Menezes Gally Edvar Freire Caetano Fabíola Oliveira Criscuolo Melo Gerri Sherlock Araújo Isabela Pinheiro Ewerton Jéssica Gonçalves de Andrade Lara Angélica Vieira de Aguiar Lucílio do Nascimento Freitas Neverton Correia da Silva Nycolas Menezes Melo Péricles Morais de Andrade J´nior Taís Cristina Samora de Figueiredo Tatiane Heinemann Böhmer

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Cidade Universitária Prof. “José Aloísio de Campos” Av. Marechal Rondon, s/n - Jardim Rosa Elze CEP 49100-000 - São Cristóvão - SE Fone(79) 2105 - 6600 - Fax(79) 2105- 6474

Sumário
Aula 1: Integrais Impróprias 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Extremos de Integração Infinitos . . . . . . . . . . Integrais Impróprias com descontinuidades . . . . . Convergência de Integrais Impróprias . . . . . . . . Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7 8 8 11 14 16 16 17 18 19 20 20 22 29 34 34 35 36

Aula 2: Seqüências de Números Reais 2.1 2.2 2.3 2.4 2.5 2.6 2.7 2.8 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Seqüências e Subseqüências . . . . . . . . . . . . . Seqüências Convergentes . . . . . . . . . . . . . . . Seqüências Monótonas e Seqüência Limitadas . . . Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . .6 4. . . . . .5 4. . . . . . . .4 4. . . . .4 5. . . . . . . . . . . . . . . . .7 5. . . . . . . . Séries de Taylor e de Maclaurin . . . . . . . . . . .1 3. . . . . . . . . Série de Potências . . . Diferenciação e Integração . . . . . . Resumo . . . . . . . . . . . Atividades . . . . . . . . Resumo . . . . . . . . . . . .6 Introdução . . . . . 73 74 74 76 83 87 88 89 90 . . . . . . . Referências . . . .1 4. . . . . . Resumo . . . . .6 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Aula 5: Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências 5. . . . Comentário das Atividades . . . . .7 Introdução . . . . . .3 4. . . . . . . . . . . . . .3 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Representação de Funções .2 3. . . . . . . . . . . . . .4 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 5. . .3 5. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 38 38 54 55 56 57 59 60 60 67 69 70 70 70 Aula 4: Séries de Potências 4. . . .5 5. . . . .2 5. . . . . . Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 3. . Referências . . Séries Numéricas . . .8 Introdução . . . . . . . . Atividades . . . . . . . .2 4. Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Comentário das Atividades . . . . . . Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . .Aula 3: Séries de Números Reais 3. . . . . . . . . . . Séries Binomiais . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 7. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 6. . 6. . . . . . . 108 Curvas Polares . . . .4 7. . . . . . 103 Atividades . . Cálculo com Curvas Paramétricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 8. . . . . . . . . . . . . . . . .3. . .4 6. . . .2 8. .5 7. .6 6. . . . . . . . . . . . .3 Introdução . . . . . 100 Comprimento de Arco . 127 . . . . . . . . . . . . 102 Resumo . . . 116 Resumo . . 122 Referências . .7 Tangentes .9 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . Equações Paramétricas . 91 92 92 95 96 Áreas . . . . . 105 Referências . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122 123 Aula 8: Funções com Valores Vetoriais 8.2 6. . . . . 114 Áreas e Comprimentos em Coordenadas Polares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . 108 Coordenadas Polares . . .Aula 6: Equações Paramétricas 6. . 112 Tangentes as Curvas Polares . . . . . . . . . . 126 Derivada . 103 Comentário das Atividades . . . 124 Limite e Continuidade . . . .3. . . . . . . 106 107 Aula 7: Curvas Polares 7. . . . . . . . . . . . .2 7.1 7. . . . . . . .6 7. . . . . . . . . . . . . .4 Introdução . . . . . . . . . . . . 101 Área de Superfície . . . . . . . . . . . . .3 7. . 124 Definições e Propriedades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1 8. 120 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .5 6. . .1 6. . . . .1 6. . . . . . . .4 6. . . . . . . . .3. . . .8 7. . . . . . . . . . .3.3 6. . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . 164 10. . . . . . . . . . . 152 10. . . . . . . 130 Comentário das Atividades . .7 8. . . 147 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9 Referências . . . . . . . . .5 8. .1 Introdução . . . . . . 170 10. . . . . 142 Comprimento de Arco . . . . . . . . . .5 Curvas de Nível . . 132 133 Aula 9: Curvas Espaciais 9. . . . . 134 Movimentos no espaço . . . . . . . . .1 9. . . . . . . . . . . .3 Funções . . . . . . . 168 10. . . . . . . . . . . . . . . . . . . .9 Integral . . . . . . . . . . . . . . . .8 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .6 9. 145 Resumo . . . . . .5 9. . . . . . . . . . . .6 Resumo . . . . .2 Noções Topológicas no R2 .7 Atividades . . . .8 8. . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 Atividades . .7 9. . . 161 10. . . . . . . . . . . . 152 10. . .4 Gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .2 9.4 9. . 131 Referências . . 146 Atividades . . . . . . . . . . 171 . . . . .3 9. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128 Resumo . 149 Referências . 169 10. . . . .6 8. . . . . . . . . . . 158 10. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .8 Introdução . . . . . . . . . .8. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149 Aula 10: Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais 151 10. . . . . . . 134 Movimento no espaço: Velocidade e Aceleração . . . . . . . .

.3 Continuidade . 213 Aula 13: Regra da Cadeia e Derivação Implícita 215 13. . 196 12. . . . . . . . . . .5 Atividades . . . . . . 207 12. . . . . . . . . 196 12. . . . . . 180 11.4 Derivadas Parciais . . . . .8 Comentário das Atividades . . . . . 218 13. . . . . Continuidade e Derivadas Parciais 173 11. . . . 174 11. . . . .6 Atividades . . . . . . . . . . . 224 . . . .5 Derivadas parciais de ordem superior . . . . . . . . .4 A Diferencial . . . . . .7 Comentário das Atividades . . . . . . . . . .4 Resumo . . . . . . . . . . . 209 12. . .6 Resumo . . . . . . .1 Introdução . . .2 Limite . .5 Resumo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 223 13. .Aula 11: Limites. . . . . . . . . . . . . . .3 Plano Tangente e Reta Normal .2 Diferenciabilidade . . . . . . . . . . . 190 11. . . . . . . . . . . . . . . . . .9 Referências . . . . .6 Comentário das Atividades . . .1 Introdução . . . . . . . . . . . .1 Introdução . . . . . 174 11. . . . . . . .2 Regra da Cadeia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221 13. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210 12. . . . . . . . . . . . . . . .7 Referências . . . . 204 12. . . 193 11. . . . . . . . . . 193 Aula 12: Funções Diferenciáveis 195 12. . . . . 216 13. . . . .3 Derivação de funções definidas implicitamente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224 13.8 Referências . . . . . . . . . . 191 11. . . . . .7 Atividades . . . . . . . . . . . . 216 13. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187 11. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213 12. . . . . . . . . . . . . 184 11. . . . . .

. . . . . . . . . .6 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . 234 14. . . . 226 14. . . 246 15. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Aula 14: Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais 225 14. . . . . . . . . . . . . . .7 Comentário das Atividades . . . . . . . . . . . . 235 14. . .1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . .4 Resumo . 260 15. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250 15. . . . . . . . .6 Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7 Referências . . . . . .1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .3 Máximos e Mínimos sobre Conjuntos Compactos . . . .5 Resumo . . . . . . . .2 Pontos de Máximo e Pontos de Mínimo . . . . 240 15. 258 15. . . . . . 256 15. .2 Vetor Gradiente . . . . . . . . .8 Referências . . . .3 Derivada Direcional . . . . . . . . .5 Atividades . . . 237 14. . . 260 . . . . . . . . . . . 226 14. . . . . . . . . . . . 229 14. . . . . .4 Máximos e Mínimos Condicionados . 238 Aula 15: Máximos e Mínimos 239 15. . . . . . . . . . . . . 240 15. .

. PRÉ-REQUISITOS Conceitos de funções reais.1 LIVRO Integrais Impróprias META Apresentar os conceitos e propriedades de integrais com extremos de integrações infinitos e integrais de funções com descontinuidade. 1 AULA OBJETIVOS Calcular áreas de regiões não limitadas. funções contínuas e o Teorema Fundamental do Cálculo.

Nem sempre uma integral deste tipo representa um número real. eb 8 . são números reais e f uma função contínua no intervalo [a. Se A unidades de área for a área da região. estamos iniciando o curso de Cálculo II. ao aplicarmos estes conceitos. Nestas condições.Integrais Impróprias 1. isto é. b No TFC. de modo a incluir estes casos adicionais.1 Introdução Caros alunos. pelo eixo−y e pela reta x = b > 0 como mostra a Figura 1. Consideremos o problema de encontrar área da região limitada pela curva y = ex . os limites de integração.2 Integrais Impróprias com Extremos de Integração Infinitos Exemplo 1.1. b = +∞. é preciso ampliar conceito de integral e as técnicas de integração. faremos uso de bastantes conceitos e resultados vistos no curso de Cálculo I. em que a = −∞. seja preciso ou conveniente considerar os casos em que a = −∞. nem sempre uma integral imprópria existe. ou f seja descontínua em um ou mais pontos do intervalo. são chamadas Integrais Impróprias. Estas integrais. Neste curso. Esta primeira aula tem por objetivo estender o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) e definir as Integrais Impróprias. a e b em a f (x)dx. Quando ela existe. então b A= 0 e−x dx = −e−x b 0 = 1 − e−b = 1 − 1 . 1. Pode acontecer que. b = +∞ ou f é descontínua em [a. b]. b]. seu valor é calculado levando-se em conta a generalização do conceito de integral definida.1 abaixo.2.

1) estabelece que se b > 0 para todo um N > 0 tal que b > 0 existe se b > N então | 0 e−x dx − 1| < . eb (1.Livro de Cálculo II AULA 1 Figura 1. A equação (1. então ∞ b f (x)dx = lim a b→∞ a f (x)dx se esse limite existir.1) que não importa quão grande seja o valor de b. Em geral temos as seguintes definições: Definição 1. então b b→∞ 0 lim e−x dx = lim (1 − b→∞ 1 ) = 1.1) Segue da equação (1.1: Área Se deixarmos b crescer sem limitações.1) escrevemos 0 e−x dx = 1. então b b f (x)dx = lim −∞ a→−∞ a f (x)dx 9 . a área da região será sempre menor do que 1 unidades de área.1. (i) Se f for contínua para todo x ≥ a. (ii) Se f for contínua para todo x ≤ b. ∞ Em lugar de (1.

se o limite existir. 10 . se ela convergir: −∞ dx . diremos que é divergente.2.2) Figura 1. Calcule a integral. Estude a convergência da integral: 0 xe−x dx.2: Área com extremo inferior indefinido. caso caso contrário. (i) Se f for contínua para todos valores de x e c for um número real qualquer. diremos que a integral imprópria é convergente. então ∞ 0 b f (x)dx = lim −∞ a→−∞ a f (x)dx + lim b→+∞ 0 f (x)dx se esse limite existir. Resolução: 2 −∞ dx (4 − x)2 2 = = a→−∞ a lim lim dx (4 − x)2 2 1 a→−∞ 4 − x a 1 1 1 = lim ( − )= .2. a→−∞ 2 4−a 2 +∞ Exemplo 1. 2 Exemplo 1.2.3. (4 − x)2 (Ver Figura 1.Integrais Impróprias se esse limite existir. Na definição acima.

Livro de Cálculo II Resolução: +∞ 0 xe−x dx = lim a AULA xe−x dx 1 a→+∞ 0 Para calcular essa integral. pelo eixo-x. lim √ = +∞. dv = e−x . o integrando é descontínuo no extremo inferior zero.1.3 abaixo: Se for possível ter um número que represente a medida da área dessa região. usaremos integração por partes com u = x. 1. x pelo eixo-y e pela reta x = 4. assim dizemos que o integrando tem x→+∞ x 11 . 1 Além disso. Suponha que queremos obter a área da região 1 do plano limitada pela curva cuja equação é y = √ . x Entretanto. du = dx e v = −e−x .3. ea Aplicando a regra de L’Hospital temos que 1 a = lim a = 0 a a→+∞ e a→+∞ e lim e portanto +∞ 0 xe−x dx = 1. Conforme ilustrado na Figura 1. +∞ 0 xe−x dx = = a→+∞ a→+∞ lim −xe−x − e−x a 0 lim (−ae−a − e−a + 1) a→+∞ = − lim a − 0 + 1. Assim.3 Integrais Impróprias com descontinuidades Exemplo 1. ele será obtido pela integral 4 0 1 √ .

então x−→b− b t f (x)dx = lim a t→b− f (x)dx a se esse limite existir. (i) Se f for contínua para todo x do intervalo semi-aberto à esquerda (a. e se lim f (x) = ±∞. Essa integral é imprópria e sua existência pode ser determinada da seguinte forma: 4 0 1 √ = lim x t→0+ 4 t √ √ 4 1 √ = lim (2 x t ) = lim (4 − 2 t) = 4 + + x t→0 t→0 logo 4 será a medida da área da região dada. b).2.Integrais Impróprias Figura 1. Mais geralmente temos a seguinte definição: Definição 1. b].3: Área com descontinuidade no extremo inferior de integração uma descontinuidade infinita no extremo inferior. então x−→a+ b b f (x)dx = lim a t→a+ f (x)dx t se esse limite existir. e se lim f (x) = ±∞. b] 12 . (ii) Se f for contínua para todo x do intervalo semi-aberto à direita [a. (iii) Se f for contínua para todos valores de x no intervalo [a.

onde a < c < b e se lim |f (x)| = +∞. uma vez que é negativo.3. 0 Resolução: O integrando tem uma descontinuidade no extremo inferior. portanto. escrevemos 1 1 x ln xdx = lim 0 t−→0+ x ln xdx t 13 . ou seja. (x − 1)2 Resolução: O integrando tem uma descontinuidade infinita em 1. então x−→c t b b AULA s→c+ 1 f (x)dx = lim a t→c− f (x)dx + lim a f (x)dx s se esse limite existir. Se no exemplo anterior não tivéssemos notado a descontinuidade do integrando em 1.Livro de Cálculo II exceto c.2. Calcule a integral.3. Calcule a integral. dx lim = +∞. a integral imprópria é divergente. pela definição que acabamos de x−→1 (x − 1)2 estabelecer. 2 Exemplo 1. Exemplo 1. 2 (x − 1) x−1 0 1 nunca (x − 1)2 1 Esse resultado é obviamente incorreto. Portanto. teríamos 2 0 1 dx = (− )|2 = −2. se ela existir: x ln xdx. temos 2 0 dx (x − 1)2 2 dx dx dx + lim dx 2 t→1− 0 (x − 1) s→1+ s (x − 1)2 1 1 = lim (− )|t + lim (− )|2 x − 1 0 s→1+ x − 1 s t→1− 1 1 − 1) + lim ( − 1) = lim (− t−1 s→1+ s − 1 t→1− t = lim Como nenhum desses limites existe.3. se ela for convergente: 0 dx .

+∞). para todo t > a. Assim. então a função x F (x) = a f (t)dt. com 0 ≤ x1 < x2 então x2 x1 x2 F (x2 ) − F (x1 ) = a f (t)dt − a f (t)dt = x1 f (t)dt ≥ 0. usaremos integração por partes com 1 u = ln x.(−∞). t]. x ln xdx = 1 1 x ln xdx = lim ( x2 ln x − x)|1 + 2 4 t t−→0 t 1 1 1 1 = lim ( ln(1) − − t2 ln(t) + t) + 2 4 2 4 t−→0 1 1 lim t2 ln(t). dv = xdx. 2 Logo. 1 x ln xdx = − . lim t2 ln(t) = lim ln(t) 1 t2 1 0 t−→0+ t−→0+ = lim 1 t t−→0+ − t2 3 = lim − t−→0+ t2 = 0. mais ainda assim é importante saber se ela é convergente ou divergente.4 Convergência e Divergência de Integrais Impróprias: Critério de Comparação Algumas vezes é impossível encontrar o valor exato de uma integral imprópria. x ≥ a será crescente em [0. 4 1. e se f (x) ≥ 0 em [0. usaremos L’Hospital. +∞).Integrais Impróprias Para calcular essa integral. se x1 e x2 são dois valores reais quaisquer. inicialmente. du = x dx e v = 1 0 1 x2 2 . 14 . Em tais casos o critério de comparação é útil. que se f for integrável em [a. Observamos. De fato. = − − 4 2 t−→0+ t−→0+ lim Note que lim t2 ln(t) é uma indeterminação to tipo 0. Para t−→0+ calcular esse limite.

0 ≤ f (x) ≤ g(x). pois por hipótese. e tais que. para todo x ≥ a. a g(x)dx é convergente. t Sendo F (t) = crescente e limitada. resulta que lim +∞ t−→+∞ a f (x)dx será finito e. t−→∞ 15 . t]. Verifique que 0 e−x sen2 xdx é convergente. De 0 ≤ f (x) ≤ g(x). b) a f (x)dx diverge =⇒ a +∞ g(x)dx diverge. para todo t > a. para todo x ≥ a. 0 ≤ e−x sen2 x ≤ e−x . 1 existir M ≥ a tal que Critério da Comparação: Sejam f e g duas funções integráveis em [a. +∞ Demostração: a) t−→+∞ a lim g(x)dx é finito. será finito e x AULA f (t)dt ≤ M para todo x ≥ a. Resolução: Note que.Livro de Cálculo II x Segue que. para todo x ≥ 0 e mais +∞ 0 e−x dx = lim t t−→∞ 0 e−x dx = lim (e−t + 1) = 1. portanto.4. +∞ Exemplo 1.1. resulta t t +∞ f (x)dx ≤ a a t a f (x)dx g(x)dx ≤ a g(x)dx. a f (x)dx será convergente. lim x−→∞ a a f (t)dt ou será finito ou +∞. b) análoga. Então +∞ +∞ a) a +∞ g(x)dx converge =⇒ a +∞ f (x)dx converge.

6 Atividades +∞ +∞ +∞ 01.4. que 4x x3 dx é divergente. pelo critério de comparação. Segue do critério de comparação +∞ 0 +∞ que 0 e−x sen2 xdx é convergente e.5 Resumo b Nesta aula. 1 + x4 x3 1 ≥ > 0. 0 +∞ e−x dx é convergente. Estude a convergência das integrais a seguir: (a) −∞ xe−x dx (c) −∞ xe−x dx 2 (e) 1 ln x dx x 16 . x4 + 3 4x +∞ De 0 +∞ 1 1 dx = +∞.Integrais Impróprias +∞ logo. onde estudaremos convergências de séries numéricas.2. e. x4 + 3 x 1 + x4 Para todo x ≥ 1. 1. Exemplo 1. você aprendeu calcular a a f (x)dx onde a = −∞ e b = +∞. segue. e−x sen2 xdx ≤ x3 dx x4 + 3 1. b]. portanto. Resolução: Note quem 1 x2 x3 = · 3 . ou f é descontínua em um ou mais pontos do intervalo [a. x2 1 3 ≥ 4 . Esta ferramenta será bastante útil nas próximas aulas. além disso. x4 + 3 1. Verifique que a integral imprópria 1 é divergente.

Calcule as seguintes integrais..2. A integral 1 sen x dx é convergente ou divergente? Justix fique sua resposta. então você aprendeu a calcular integrais impróprias com extremos de integração infinitos.Livro de Cálculo II +∞ (b) 1 1 dx x +∞ (d) 1 1 x2 +∞ (f) −∞ xdx AULA 1 02. é para você (aluno) praticar os conceitos vistos na Seção 1. (Sugestão: use que 0 ≤ |f (x)| + f (x) ≤ 2|f (x)| e que f (x) = |f (x)| + f (x) − |f (x)|) +∞ 04. é referente a Seção 1. prove que a integral 0 e−x sen3 xdx é convergente. 1. se existirem: 2 1 1 1 1 √ dx ln x dx (e) (a) (c) dx 2 x −1 4 − x 0 0 1 (b) 0 1 dx x 3 (d) 1 x2 √ x3 − 1 (f) 0 π 4 cos x √ dx sen x 03. então 0 0 f (x)dx também é con- vergente. +∞ 05. Usando o exercício 03.3.7 Comentário das Atividades A atividade 01. Prove que se +∞ +∞ |f (x)|dx é convergente. Conseguiu resolver todos os ítens desta atividade? Que bom!!! Você aprendeu a calcular 17 . Suponha f integrável em [a. A atividade 02. para todo t ≥ a. Se você conseguiu resolver todos os ítens desta atividade. t).

4.Integrais Impróprias integrais impróprias com descontinuidades. 2002. devem usar os resultados vistos na Seção 1. Um Curso de Cálculo (Vol. • THOMAS. G. 18 . Rio de Janeiro: LTC Editora. B.. 2006. Tais resultados são muito úteis no cálculo de integrais impróprias. Cálculo (vol. L. • STEWART. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. e 05.. 1 e 2). 1 e 2). Cálculo (vol. 1 e 2). 2006. J. 1. 04..8 Referências • GUIDORIZZI. H. São Paulo: Addison Wesley.. Nas atividades 03.

Limites.1 LIVRO Seqüências Números Reais META Estudar reais. PRÉ-REQUISITOS Funções Reais. seqüências de números de 2 AULA OBJETIVOS Estudar a convergência de seqüências numéricas infinita. Derivadas. Integrais de funções reais e a Aula 01. .

.). 2. Exemplo 2. Uma seqüência de números reais é uma função x : N −→ R para a qual denotamos o valor de x em n por xn em vez de x(n). . . . . . . Exemplo 2.2. x2 = 22 . Quando quisermos explicitar que a imagem da seqüência (xn )n∈N está contida em A ⊂ R escrevemos (xn )n∈N ⊂ A. em outras palavras.Seqüências de Números Reais 2. xn . Seja a seqüência (xn )n∈N = 2n .2. x 2 . é estudar a convergência de tais seqüências. Às vezes a notaremos também por (x1 . x1 = 21 . · · · O principal objetivo desta aula. x n . Seja a ∈ R e tomemos xn = a para todo n ∈ N. x2 .1 Introdução Nesta aula estudaremos as seqüências numéricas infinitas. · · · . queremos calcular o limite dessas seqüências quando n tende ao infinito. . A seqüência (xn )n∈N é constante.1. Temos x0 = 20 .2 Seqüências e Subseqüências Definição 2. x 3 . Tais seqüências pode ser pensadas como uma lista de números escritos em uma ordem definida: x1 . 20 . Geralmente usamos a notação (xn )n∈N para representar a seqüência x : N −→ R.3. . .2. Dizemos que xn é o termo de ordem n ou que xn é o n-ésimo termo da seqüência.

s2 = 1 + .1) 1 − tn+1 . . s2 = 1 + 2. n Exemplo 2.1) e (2. . tn . Vamos verificar que sn = Solução: Note que sn = 1 + t + t2 + . . . t2 .5.3. 2 2 3 Exemplo 2. . . Seja a seqüência (sn )n∈N = k=1 k n∈N Temos AULA 2 s1 = 1. . . . t = 0 e t = 1. .2.1) por t.2. . Considere a seqüência n (sn )n∈N = k=0 tk n∈N .2) (2. + tn + tn+1 . t. + tn−1 + tn . 1−t Observe que sn é a soma dos termos da Progressão Geométrica 1. Temos n∈N 1 1 1 s1 = 1. 21 . obtemos tsn = t + t2 + t3 + . Logo sn = 1 − tn+1 . teremos sn (1 − t) = 1 − tn+1 . t3 . . Seja a seqüência (sn )n∈N = k=1 1 k . . .4.Livro de Cálculo II n Exemplo 2. s3 = 1 + 2 + 3. 1−t (2.2).2. Multiplicando ambos os membros de (2. Subtraindo membro a membro (2. s3 = 1 + + .

Ela Foge um pouco do assunto "seqüências de números reais"mais ilustra bem o que queremos dizer por "se aproximar". ela pode induzir a uma idéia equivocada de convergência. entretanto. Somos tentados a dizer que (xn )n∈N converge para x quando a distância entre xn e x diminui à medida que n cresce. percorremos no sentido anti-horário o caminho desenhado como indicado pelas setas. a idéia de que a nossa distância ao ponto O decresce com o tempo mostra-se errada. Porém. r ∈ N.4. Imagine que. Ninguém duvida.3 Seqüências Convergentes Intuitivamente. 2.2. e com razão. Considere a seqüência (xn )n∈N = a + (n − 1)r. Porém.6. Veja a figura 2. Esta idéia não está todo errada. a distância a O cresce quando percorremos o segmento BC.Seqüências de Números Reais Definição 2. de que estaremos assim nos aproximando do ponto O. Exemplo 2. De fato. De fato. tal que yk = xnk para todo k ∈ N. o segmento BO é menor que o segmento CO.4. Sejam a. Note que a seqüência (xn )n∈N é uma Progressão Aritmética de primeiro termo a e razão r. Convença-se disto percebendo que passamos primeiro pelo ponto B antes de chegar a C e. Não é bem assim. uma seqüência (xn )n∈N é convergente para x se seus termos se aproximam de x quando n cresce. partindo do ponto A. Dizemos que (yk )k∈N é uma subseqüência de (xn )n∈N se existe uma seqüência (nk )k∈N ⊂ N com nk < nk+1 . ∀k ∈ N. A Progressão Aritmética (yk )k∈N de termo inicial a e razão 2r é uma subseqüência de (xn )n∈N . n ≥ 1. Podemos perceber 22 . tomando nk = 2k − 1 (k ∈ N) obtemos: xnk = a + (nk − 1)r = a + (2k − 2)r = a + (k − 1)(2r) = yk .

Para seqüências reais ela é expressa da seguinte maneira: Definição 2. e aí ficamos.Livro de Cálculo II AULA 2 Figura 2.4: Espiral da Convergência que existem muitos trechos do caminho sobre os quais a distância a O é crescente com o tempo. em certo instante entramos na bola de raio 1 entrada em O e dela não saímos mais. centrada em O.5. existe um instante a partir do qual nossa distância a O será menos que .4 em busca da boa definição de convergência. Ou seja. Observamos que nossa distância a O fica tão pequena quando quisermos. dado qualquer número positivo . bastando para isto que continuemos andando por um tempo suficientemente longo. de modo que não existe nenhum ponto a partir do qual a distância a O passe a ser decrescente com o tempo. Por exemplo. nossa distância a O será menor que 1 depois que passamos pelo ponto D.De modo geral. Aí está a definição. Da mesma forma. a partir de outro instante (futuro) entramos na bola de raio 1/2. Continuemos analisando a Figura 2. Um seqüência (xn )n∈N é dita convergente se existe 23 .

∀M ∈ R. A definição seguinte diz que certas seqüências têm limites que não são números reais. ∃N ∈ N tal que n ≥ M =⇒ xn ≥ M. ∃N ∈ N tal que n ≥ M =⇒ |xn − x| ≤ . Dizemos que xn tende a mais infinito quando n tende a mais infinito ou que mais infinito é limite da seqüência e escrevemos xn −→ +∞ ou se. Neste caso. Seja (xn )n∈N uma seqüência. Observamos que as definições acima são exatamente as mesmas já vistas quando tratamos com limite de uma função f (x) quando lim xn = −∞ lim xn = +∞ n−→+∞ n−→+∞ 24 .6. Não diremos que tais seqüências são convergentes. escrevemos xn −→ x e dizemos que x é limite da seqüência (xn )n∈N ou que xn converge para (ou tende a) x quando n tende a mais infinito (n −→ +∞). Definição 2.Seqüências de Números Reais x ∈ R de modo que ∀ > 0. Se (xn )n∈N não converge. ∀M ∈ R. Existem seqüências divergentes que possuem limite! Isto é apenas um jogo de palavras. Dizemos que xn tende a menos infinito quando n tende a mais infinito ou que menos infinito é limite da seqüência e escrevemos xn −→ −∞ ou se. ∃N ∈ N tal que n ≥ M =⇒ xn ≤ M. Definição 2. Seja (xn )n∈N uma seqüência.7. então dizemos que ela é divergente.

AULA 2 Exemplo 2. se estivesse escrito lim xn = 0 e lim xn = 1. é o sinal ” = ” que nos leva a esta confusão. Temos então 0 < n ≥ N. Por enquanto.3. pela primeira vez. Mas se n ∈ N e ≤ = xN . deste modo. x−→+∞ x−→+∞ Seríamos levados a concluir que 0 = 1. Dado N ∈ N tal que N > 1 . Porém. tomemos < . Vamos refletir sobre ela. façamos de conta que não conhecemos a definição de limite. Se não tivermos a unicidade do limite. Seja x ∈ R e considere a seqüência dada por xn = x para todo n ∈ N. Teorema 2. encontremos as seguintes inscrições: xn −→ 0 e xn −→ 1. Portanto.2. então xn = 1 n 1 N 1 N 1 n para > 0. O leitor talvez conheça a notação lim xn = x para xn −→ x−→+∞ x. Vamos mostrar que xn −→ 0. Então x = y. De fato.1. Logo podemos escrever ∀ > 0. Considere a seqüência dada por xn = todo n ∈ N.3. tudo aquilo que dissemos sobre os limites da forma x−→+∞ lim f (x) aplica-se aqui.1. Exemplo 2. então a notação x−→+∞ lim xn = x é fortemente enganosa. |xn −x| = 0 para todo n ∈ N. 25 . Sejam (xn )n∈N uma seqüência e x. ∃N ∈ N tal que n ≥ N =⇒ |xn − x| < . Ora. podemos escrever ∀ > 0.Livro de Cálculo II x −→ +∞. Temos que xn −→ x. y ∈ R tais que xn −→ x e xn −→ y. Não ficaríamos chocados. ∃N ∈ N tal que n ≥ N =⇒ |xn − 0| < . Suponhamos que ao abrir um livro de Cálculo.

an ≤ bn ≤ cn . n > n0 =⇒ L − < an ≤ bn ≤ cn < L + e. Temos então |x − y| ≥ |x − xn | + |xn − y| < + = 2 = |x − y|.Seqüências de Números Reais Demonstração: Suponhamos. Como xn −→ x. Também temos xn −→ y. Exemplo 2. Para tal n as duas conclusões anteriores são válidas. Concluímos que |x − y| < |x − y|. an = L = n−→+∞ Demonstração: Como n−→+∞ lim lim cn . dado >0 existe N ∈ N que podemos supor maior que n1 . Prove que se lim an = L = lim cn n−→+∞ n−→+∞ com L ∈ R. para todo n ≥ n1 .3. o que é um absurdo. que x = y. Seja = |x−y| 2 > 0. (Teorema do Confronto) Suponha que exista um natural n1 tal que. n > n0 =⇒ L − < bn < L + . Logo existe N ∈ N tal que n ≥ N =⇒ |xn − y| < . portanto. Seja n o maior dos números N e N . então n−→+∞ lim bn = L. tal que se n > N =⇒ L − < an < L + Tendo em vista a hipótese. por absurdo.3. e L − < cn < L + . 26 . existe N ∈ N tal que n ≥ N =⇒ |xn − x| < .

4.2.Livro de Cálculo II ou seja. Demonstração: Suponhamos que exista x ∈ R tal que xn −→ x. Suponha 0 < t < 1. AULA 2 Exemplo 2. 1−t Demonstração: Temos pelo Exemplo 2.5 que n sn = k=0 tk = 1 − tn+1 1−t . Seja (yk )k∈N uma subseqüência de (xn )n∈N . existe K ∈ N tal que se k ≥ K. Segue que k ≥ K =⇒ |yk − x| < . Seja > 0. 27 . Como (nk )k∈N é estritamente crescente. então |xn −x| < .3. yk = xnk para alguma seqüência (nk )k∈N estritamente crescente. n−→∞ 1 − t 1−t A proxima proposição nos fornece um critério para testarmos a convergência de uma seqüência dada. Mostre que n n−→∞ lim tk = k=0 1 . Proposição 1. toda subseqüência de (xn )n∈N tende a x. A recíproca é imediata (basta observar que (xn )n∈N é uma subseqüência de si mesma). isto é. Mostremos que yk −→ x. Uma seqüência (xn )n∈N tende a x se. e somente se. então nk ≥ N. Como xn −→ x. existe N ∈ N tal que se n ≥ N. Portanto (yk )k∈N converge para x. Logo n n−→∞ lim tk = lim k=0 1 − tn+1 1 = . n−→+∞ lim bn = L.

Ou seja. então xn tende a x. 1. Tomemos = 1 na definição de seqüência convergente. ou seja.) são duas de suas subseqüências sendo que a primeira converge para 1 e a segunda para 0.) é divergente. 28 . (1.5. É fácil ver que xn = 0 para todo n > 1000. A seqüência (1. (xn )n∈N é constante a partir do seu milésimo-primeiro termo.2. É fácil perceber que a recíproca também é válida. se ela fosse convergente. obtemos que se xn tende a x.3. Sabemos que seqüências constantes são convergentes. Não há nada de especial com o número 2008. 1. sendo x a função Parte Inteira de x. . . Concluímos que ela é convergente. .6. . A importância deste fato é o seguinte: Se conhecemos alguma propriedade que garanta a convergência de uma seqüência e soubermos que tal propriedade só é válida a partir do p−ésimo termo então. . Porém. Mais geralmente. 0. ainda sim. fixado p ∈ N. 1. Teorema 2. Como corolário da proposição anterior. 1. 0. . 0. De fato. . temos que se xn tende a x. então xn+p tende a x.) e (0. definida abaixo: x = m se m ∈ Z e m ≤ x ≤ m + 1. 1. 0. Demonstração: Seja (xn )n∈N uma seqüência convergente para x ∈ R. 1. 0. .Seqüências de Números Reais Exemplo 2.3. 1. Considere a seqüência (não constante) dada por xn = 1000/n . 0. 1. então xn+2008 tende a x. . 0. Exemplo 2. 0. Toda seqüência convergente é limitada. se para algum p ∈ N temos que xn+p tende a x. Vejamos um exemplo esclarecedor. 0. podemos concluir que a seqüência é convergente. então pela proposição anterior todas as suas subseqüências seriam convergente para o mesmo limite.

será muito importante para o que segue. . b] para todo n ∈ N. então |xn − x| < 1. . x + 1). AULA 2 2. Seja (xn )n∈N uma seqüência. m < n =⇒ xm ≤ xn . existem algumas recíprocas parciais que veremos nesta seção. Dizemos que a seqüência (xn )n∈N é limitada inferiormente se existir um número real α tal que. isto é. Porém. Uma seqüência é dita monótona se for crescente ou decrescente. O teorema que enunciaremos. Dizemos que a seqüência (xn )n∈N é limitada superiormente se existir um número real β tal que. . Tomando a = min{x1 . 29 .4 Seqüências Monótonas e Seqüência Limitadas A recíproca do Teorema 2. n ∈ N. e provaremos a seguir.5. xN . ∀n ∈ N. ∀n ∈ N. . Uma seqüência é dita limitada se for limitada inferiormente e superiormente.Livro de Cálculo II concluímos que existe N ∈ N tal que se n ≥ N. . então diremos que a seqüência é decrescente.2 é falsa como mostra o Exemplo 2. quaisquer que sejam m. . para xn ≤ β. . Dizemos que tal seqüência é crescente se. xN . x + 1} temos imediatamente que xn ∈ [a. para xn ≥ α.3. . x − 1} e b = max{x1 . Portanto (xn )n∈N é limitada. xn ∈ (x − 1. Se xm ≤ xn for trocado por xm ≥ xn .

Logo. Dado > 0. Da mesma forma.4. se (xn )n∈N é decrescente e limitada inferiormente. que a seqüência é crescente. então xn −→ inf{xn . Concluímos daí Exemplo 2. então xn −→ sup{xn . para n ≥ N.5) sn = 1 + 1 1 1 + 2 + . tem-se m sm = k=1 1 k2 n e m sn = k=1 n 1 + k2 k=m+1 1 .1. n ∈ N}. inicialmente. + 2 ≤ 1 + 2 2 3 n n 1 1 dx x2 30 .. n < xN ≤ xn ≤ s. k2 Vamos provar a seguir que a seqüência é limitada superiormente. O teorema que acabamos de provar conta-nos que para uma seqüência crescente só há duas possibilidades: convergente ou divergente para +∞. Se (xn )n∈N é crescente e limitada superiormente. temos x − que |xn − s| < . tome N ∈ N tal que x − < xN ≤ s. Solução: Observamos. Temos (Veja Figura 2.3. Demonstração: Vamos provar apenas a primeira parte do teorema já que a segunda se demonstra de modo análogo. n ∈ N}.. De fato.Seqüências de Números Reais Teorema 2. Seja s = sup{xn . A seqüência de termo geral sn = k=1 1 é conk2 vergente ou divergente? Justifique. qualquer que sejam os naturais m e n. resulta que sn > sm . com 1 ≤ m < n. n ∈ N}. Será convergente se for limitada superiormente e divergirá para +∞ se não for limitada superiormente. k2 Como k=m+1 1 > 0.

2.6) sn = 1 + Como n+1 n−→+∞ 1 1 1 1 + + .. n Exemplo 2. A seqüência de termo geral sn = k=1 1 é converk gente ou divergente? Justifique. ∀n ≥ 1.4. Solução: Para todo n ≥ 1. + ≥ 2 3 n n+1 1 1 dx x lim 1 dx = lim ln n + 1 = +∞ n−→+∞ x resulta n−→+∞ lim sn = +∞. 31 .5: Soma Inferior Como a seqüência de termo geral n n−→+∞ 1 n 1 1 x2 é crescente e lim 1 −1 dx = lim ( + 1) = 1 2 n−→+∞ n x resulta sn ≤ 2. pois é crescente e limitada superiormente por 2..Livro de Cálculo II AULA 2 Figura 2. Segue que a seqüência é convergente. (Veja Figura 2.

Somando 6 dew ambos os lados da última desigualdade. que a seqüência é crescente. multiplicando. Investigue seqüência de termo geral xn definida pela relação de recorrência: 1 x1 = 1. ∀n > 1. Vamos provar agora.Seqüências de Números Reais Figura 2. 3) Provemos que xk < 6. xn+1 = (xn + 6). usaremos indução finita: 1) se n = 1 então x1 = 2 < 4 = x2 .4. xk < xk+1 . Agora. ou 2 2 seja.3. que a seqüência é limitada superiormente: 1) se n = 1 então x1 = 2 < 6. 2) suponhamos que xk−1 < 6. De fato. concluímos que 2 (xk−1 + 6) < 1 (xk + 6). ∀k ≥ 2 : Temos que xk−1 < 6. ∀k ≥ 2 : Temos que xk−1 < xk . ambos os lados da última 1 desigualdade. ∀k ≥ 2. inicialmente. 2) suponhamos que xk−1 < xk . ∀k ≥ 2. 2 Solução: Observamos. obtemos xk−1 + 6 < xk + 6.6: Soma Superior Exemplo 2. ∀k ≥ 2. usando indução finita. Somando 6 32 . por 1 . 3) provemos que xk < xk+1 .

Portanto. 2 Finalizamos esta Aula com o seguinte: Teorema 2. Agora.} com n1 < n2 < n3 < . .. logo é convergente. 2 temos: lim xn+1 = xn+1 1 (xn + 6) n−→+∞ 2 1 = (6 + lim xn ) n−→+∞ 2 lim n−→+∞ =⇒ n−→+∞ lim 1 =⇒ L = (6 + L) =⇒ L = 6. n3 . 2) N é finito: Como N é finito. Concluímos que a subseqüência (xnk )k∈N é decrescente.Livro de Cálculo II de ambos os lados da última desigualdade. que ela é convergente. existe n1 ∈ N \ N cota superior 33 . como ni ∈ N. 1) N é infinito: Escrevamos N = {n1 . n2 . ∀k ≥ 2. xn > xm . digamos que para L. obtemos xk−1 + 6 < 12. ambos os lados da última desigualdade. Considere o seguinte conjunto: N = {n ∈ N. Demonstração: Sejam (xn )n∈N uma seqüência limitada. Aplicando o limite. de ambos os lados de xn+1 = 1 (xn + 6). (Bolzano-Weierstrass) Toda seqüência limitada possui uma subseqüência convergente. . finalmente. obtemos que xni > xnj . 1 concluímos que 2 (xk−1 + 6) < 6. . ou seja. se i < j então ni < nj e. Sendo ela limitada obtemos.4. por 1 2. quando n tende a infinito. multiplicando. a seqüência (xn )n∈N é crescente e limitada superiormente. AULA 2 xk < 6. Assim. ∀m > n}. Existem duas possibilidades: N é infinito ou N é finito. . .

nesta aula. Na próxima aula. portanto. portanto. 2. O limite de uma seqüência é o limite do termo geral da seqüência. n3 ∈ N ) tal que xn2 ≤ xn3 . Por indução. 2.5 Resumo Vimos que uma seqüência é uma função que associa a cada número natural um e só um número real. xn = 2xn−1 + 1 (−1)n−1 n n2 + 1 (b) xn = (d) xn = 02. definimos uma subse/ qüência (xnk )k∈N que é crescente e. Deste modo. Mas n2 ∈ N segue que existe n3 > n2 (e. n1 ∈ N logo. Ora. existe n2 > n1 (e. 2)n (−2)n n! (c) x1 = 1. Encontre o termo geral da seqüência: 34 . Vimos. Liste os dez primeiros termos da seqüência: (a) xn = 1 − (0.6 Atividades 01. estudar seqüência de números reais é estudar um caso particular de função real cujo domínio é o conjunto dos números naturais. convergente (pois ela é limitada). para n tendendo ao infinito. portanto. alguns principais resultados que nos auxiliam a estudar a convergência de uma seqüência qualquer. n2 ∈ N ) tal / / / que xn1 ≤ xn2 . estudaremos um seqüência especial denominada série numérica. também. Quando este limite existe e é finito. dizemos que a seqüência é convergente e converge para o seu limite.Seqüências de Números Reais de N.

. encontre seu limite: n3 + 3n + 1 (a) xn = 4n3 + 2 (b) xn = √ n+1− √ n n (e) 1 1 . para todo n ≥ 1. xn+1 = √ 2 + xn . Suponha que. então entendeu a definição de seqüências de números reais.7 Comentário das Atividades Se você (aluno) conseguiu resolver as Atividades 01. |xn − x| ≤ número real fixo. . (a) Mostre que xn é crescente e limitada superiormente por 3. (b) Calcule n−→+∞ lim xn . . − . e 02..3 para mostrar que a seqüência é convergente. 1.Livro de Cálculo II 1 1 1 1 . . . (f) xn = nsen n (c) xn = 1 1 sen n n 2n 3n+1 (g) xn = k=0 n (d) xn = (h) xn = k=1 04. −1. Determine se a seqüência converge ou diverge. Uma seqüência xn é dada por x1 = √ 2. ··· 2 4 6 8 1 1 1 1 . Aplique o Teorema 2. . 2. Se ela convergir. ··· 2 4 8 16 2 4 8 1. 05. onde α ∈ R xα 1 n 1 2 1 1 − k k+1 1 n. −1. Viu que uma 35 . . Calcule n−→+∞ onde x é um lim xn e justifique. − . · · · } 03. · · · 3 9 27 (a) (c) AULA 2 (b) (d) {1.

H. Cálculo (vol. 2006. B. Rio de Janeiro: LTC Editora.Seqüências de Números Reais seqüência nada mais é que uma função que associa a cada número natural (denominado índice) um e só um número real. São Paulo: Addison Wesley. 2. Após utilizar essa propriedade. Lembrem-se sempre que há tutores a distância e presenciais para ajudá-los na resolução dessas atividades. de ambos os lados da desigualdade resultante. Estudar em grupo com seus colegas. y ∈ R. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. 1 e 2). 2006. 2002. Um Curso de Cálculo (Vol. J. você utilizou (ou utilizará) as propriedades de limites (vistas no Cálculo I) para testar a convergência das seqüência dadas.. 36 . Conseguiu resolver a Atividade 05. x. • STEWART. G. Cálculo (vol. pode tornar a resolução dessas atividades mais fácil e interessante.? Ótimo!!! Você aprendeu que toda seqüência monótona e limitada é convergente. você utilizou (ou deve utilizar) a seguinte propriedade de módulo de números reais: |y−x| ≤ a ⇔ −a ≤ y−x ≤ a ⇔ x−a ≤ y ≤ x+a. Na Atividade 03. a > 0. basta aplicar o limite para n tendendo ao infinito.8 Referências • GUIDORIZZI. • THOMAS.. A Atividade 04. 1 e 4).. 1 e 2). ∀a. L.

PRÉ-REQUISITOS Seqüências (Aula 02).1 LIVRO Séries de Números Reais META Representar funções como somas de séries infinitas. 3 AULA OBJETIVOS Calcular somas de infinitos números reais. .

é estudar propriedades e a convergência dessas séries. Seja (xn )n∈N uma seqüência. . são denominados termos da série. quando existe (finito ou infinito).8.1 Introdução Estudaremos nesta aula.Séries de Números Reais 3. A seqüência (Sn )n∈N denomina-se série numérica associada a seqüência (xn )n∈N . Para cada n ∈ N definimos n Sn = i=1 xi = x1 + x2 + . Referir-nos-emos a n Sn = i=1 xi como soma parcial de ordem n da série. Assim n xn = n=1 n−→+∞ lim xi . n ≥ 1. i=1 38 . é denominada série de números reais (numérica). + xn . uma exemplo especial de seqüência. xn é o termo geral da série. a seqüência cujo termo geral é a soma dos n primeiros termos da seqüência xn . 3.2 Séries Numéricas Definição 3. Considere uma seqüência (xn )n∈N . O principal objetivo dessa aula. denomina+∞ se soma da série e é indicada por n=1 +∞ xn . digamos para S então S é a soma de infinitos números reais. . Veremos que quando uma série convergir. O limite da série. Os números xn .

Agora Sn − rSn = a − arn+1 e daí Sn = a Assim. dizemos que a série converge +∞ AULA 3 absolutamente se a série n=1 +∞ |xn | for convergente. +∞ arn = n=0 a . portanto arn = a diverge.Livro de Cálculo II Se a soma for finita. então. diremos que a série é convergente. Finalmente. n=1 xn para repre- sentar a série +∞ Exemplo 3. Temos que Sn = a + ar + ar2 + ar3 + . tal símbolo será utilizado ainda para representar a própria série. Falaremos. então é imediato que Sn = na. 1 − rn+1 . e somente se. obtemos rSn = ar + ar2 + ar3 + ar4 + . O símbolo n=1 xn foi indicado para indicar a soma da série. Se r = 1. Segue que (Sn )n∈N diverge e. . onde r é razão da série e a ∈ R∗ é uma constante denominada termo inicial da série. entendendo-se que se trata da série cuja soma parcial de ordem n é Sn = i=1 +∞ xi . Escreveremos com freqüência xn . . Suponhamos que r = 1. diremos que a série é divergente. Multiplicando Sn por r. + arn + arn+1 . +∞ Por um abuso de notação. neste caso. 1−r 39 . . 1−r arn converge se. Vamos estudar a convergência desta série em função dos valores de r. da série n=1 n xn . Considere a Série Geométrica n=0 arn .2.1. + arn−1 + arn . |r| < 1 e. Se a soma for infinita (+∞ ou −∞) ou se o limite não existir. .

k(k + 1) k=1 1 1 1 Solução: Note que = + . então a soma da série b) Conclua que se n−→+∞ lim será finita e igual a y1 − y. Calcule a soma n k=1 n 1 1 =1− .Séries de Números Reais +∞ Exemplo 3. Temos que (i) (ii) xn e yn suas séries convergentes e (xn + yn ) é convergente para (c · xn ) é convergente para c · xn + xn . 40 . Trata-se então de k(k + 1) k k+1 uma série telescópica. +∞ +∞ +∞ (xn · yn ) = n=0 n=0 xn · n=0 yn .2. +∞ 1 . Solução: n a) k=1 +∞ xk = (y1 − y2 ) + (y2 − y3 ) + . yn = y. (Uma tal série denomina-se série telescópica). n+1 Logo. k=1 1 = 1. em geral. Observamos que. yn . + (yn − yn+1 ) = y1 − yn+1 n b) k=1 xk = n−→+∞ lim xk = k=1 n−→+∞ lim (y1 − yn+1 ) = y1 − y. Sejam c ∈ R. Considere a série k=1 n xk e suponha que xk = yk − yk+1 .2. k ≥ 1.3. Demonstração: A demonstração é trivial: basta aplicar as propriedades de limite da soma e da multiplicação por um escalar.2. . com b real. . Segue do exemplo anterior que Exemplo 3. pois k(k + 1) n−→+∞ lim Proposição 2. k(k + 1) n+1 1 = 0. a) Verifique que Sn = k=1 xk = y1 − yn+1 .

Seja temos que existe N ∈ N tal que n ≥ m ≥ N =⇒ |Sn − Sm | < .Livro de Cálculo II Passamos ao estudo da natureza de séries. quando n −→ +∞. então xn −→ 0. Logo. a seqüência de termo geral Sn = i=1 xi é convergente. (3. temos n xi = |Sn − Sm | ≤ |Sn − S| + |S − Sm | < i=m 2 + 2 = . ∃N ∈ N tal que n ≥ m ≥ N =⇒ i=m xi < . digamos que para S.5. e somente se.1) > 0. isto é. existe k ∈ N tal que nk ≥ N e |Snk − S| < 2 . 41 . Demonstração: (i) Suponhamos que n xn converge. então |Sn − S| ≤ |Sn − Snk | + |Snk − S| < (ii) Segue de (i). Daí e de (3. n ∈ N temos n n n 2 + 2 = . estamos interessados em critérios que determinam se uma série é convergente ou divergente.2 mostra que (Sn )n∈N é limitada (verifique). (Sn )n∈N tem subseqüência (Snk )k∈N convergente para o limite S. Portanto. Reciprocamente. se n ≥ N. (i) xn converge se. então |Sn − S| < 2 . Como Snk −→ S. existe N ∈ N tal que se n ≥ N. (iii) Toda série absolutamente convergente é convergente. se n ≥ m ≥ N. n AULA 3 ∀ > 0. (iii)Observamos que para todo m.1) segue que. xi ≤ i=m i=m |xi | = i=m |xi | . Mostremos que Sn −→ S. (ii) Se xn converge. um argumento análogo ao da demonstração do Teorema 2. Teorema 3. isto é. tomando n = m. dado > 0. Pelo Teorema de Bolzano-Weierstrass.

Con- n−→+∞ uma série de termos positivos e. todos os critérios aqui expostos podem ser adaptados para séries de termos negativos. Claramente. por (i). De fato. se ao aplicarmos algum destes critérios para a série |xn | concluirmos 42 . Exemplo 3. Portanto. Eventualmente. . ou seja. as séries deste tipo são denominadas séries condicionalmente convergente. então (−xn ) é lim S2n = +∞. além disso. S2n > 1 + n/2. Vamos tratar agora de alguns critérios de convergência para séries de termos positivos. tais séries são denominadas séries alternadas. Com efeito. a primeira converge se. Ora. Devemos ressaltar que a recíproca do item (iii) do teorema anterior. 2 2 1 1 1 S4 = S2 + + > S2 + = 1 + 2 · . segue que cluímos que a série diverge. .2. a segunda converge. A 1 Série Harmonica é o contra exemplo mais famoso. Veremos um exemplo posteriormente. se xn é uma série de termos negativos. Pelo item (ii). 5 6 7 8 2 8 2 .4.Séries de Números Reais Portanto. a condição xn −→ 0 é necessária para a convergência da série xn porém ela não é suficiente. não é verdadeira. existem séries que são convergentes mas não são absolutamente convergentes. Daí. podemos usar também critérios sobre séries de termos positivos para uma série xn que tenha termos de sinais variáveis. e somente se. n temos 1 S2 = 1 + . a convergência de |xn | implica a de xn . 3 4 4 2 1 4 1 1 1 1 1 S8 = S4 + + + + > 1 + 2 · + = 1 + 3 · .

já mencionado no caso de seqüência. se o critério nada disser.Livro de Cálculo II que ela é convergente. onde xn > 0. como toda série absolutamente convergente é convergente. Antes de seguir para o estudo dos critérios de convergência para séries de termos positivos. ∀n ∈ N (Séries Alternadas). (Critério de convergência para séries alternadas) +∞ Seja a série (−1)n xn . n=0 n−→+∞ Se a seqüência (xn )n∈N for decrescente e se +∞ lim xn = 0. 4"de Hamilton Luiz Guidorizzi. Vol. concluiremos que xn converge. observamos também o seguinte fato. Os primeiros termos de uma série nada influem na sua natureza. então. e somente se. Neste caso. De maneira xn é convergente se. n=0 Não faremos a demonstração deste Critério. 2008). nada poderemos afirmar xn . não podemos desprezar nenhum termo de uma série convergente quando estamos interessados em determinar o valor de sua soma infinita. O leitor interessado pode encontra tal demonstração no Livro "Um Curso de Cálculo. todos os critérios que determinam a natureza de uma série através de algumas propriedades verificada por todos os seus termos continuam válidos se a tal propriedade é verificada à partir de algum termo (por exemplo. fixando p ∈ N a série se. a série verge se. Desta forma. temos o seguinte sobre a convergência da série critério de convergência para Séries Alternadas: Teorema 3. Por outro lado. e somente xn+p é convergente. Por AULA 3 outro lado. pois é baseada em propriedades dos Intervalos Encaixantes não vistos neste curso.6. em geral. 43 . a série geral. ou mesmo se ele nos informar que |xn | é divergente. De fato. a série xn con- xn+2008 converge. então a série alternada (−1)n xn será convergente.

ela é limitada superiormente. Como p está fixo.7. 44 .Séries de Números Reais Proposição 3. e somente se. a seqüências de suas somas parciais (Sn )n∈N é convergente. (Sn )n∈N é convergente se. decrescente e positiva tal que f (k) = xk para todo k ≥ p. tem-se: +∞ ∞ (i) p f (x)dx convergente =⇒ +∞ k=0 ∞ xk convergente. Como xn ≥ 0. Logo. k=p+1 xk for convergente (ou di- vergente). Logo a série k=p+1 xk é convergente e. a seqüência de suas somas parciais é limitada superiormente. (Critério da Integral) Consideremos a série k=0 xk e suponhamos que exista p ∈ N e uma função f : [p. Nestas condições. k=0 xk = xk + k=0 ∞ k=0 k=p+1 xk . Uma série de termos positivos é convergente se. e somente se. xk divergente. segue dessa relação que a série +∞ xk será convergente (ou divergente) se. temos imediatamente que (Sn )n∈N é crescente. Demonstração: Por definição xn é convergente se.7) n n +∞ xk ≤ k=p+1 p f (x)dx ≤ p n f (x)dx. e somente se. e somente se. (i) Temos que (Veja Figura 3. ∞ Teorema 3. k=0 (ii) p f (x)dx divergente =⇒ n p n Demonstração: Para n > p. Segue que a seqüência k=p+1 +∞ xk é crescente e limitada superi+∞ ormente por p f (x)dx. +∞[−→ R contínua.

Vamos aplicar. Suponhamos agora que α > 0 e α = 1. um real dado. Seja α > 0. contínua e decrescente em [2.2. utilizando a função f (x) = 1 . x ln x Tal função é positiva. resulta t−→∞ 2 1 dx = +∞. por isso deixamos para o leitor.7: Soma Inferior +∞ portanto.Livro de Cálculo II AULA 3 Figura 3. 1 o critério da integral com a função f (x) = . Temos t 2 1 dx = [ln(ln x)]t = ln(ln t) − ln(ln 2). novamente. Pelo x ln x critério da integral a série é divergente. 2 x ln x +∞ Como lim ln(ln t)dt = +∞. Exemplo 3. (ii) A demonstração deste item é análoga a do item (i). +∞[ como se verifica facilmente. Estude a +∞ 1 série com relação a convergência ou divergência. contínua e decrescente no intervalo [2. 45 . com α = 1. x ≥ 2. k=0 xk também é convergente.5. k(ln k)α k=2 +∞ Solução: Se α = 1 estudaremos a convergência da série k=2 1 k ln k através do Critério da Integral. Está função x(ln x)α é claramente positiva. +∞[.

Pelo critério da integral. t 2 1 1 1 1 . para todo k ≥ p. yk divergente. a série é convergente para α > 1 e divergente para 0 < α < 1. para todo k ≥ ∞ ∞ p. portanto. 0 ≤ xk ≤ yk . Daí e pelo fato da série k=p yk ser convergente resulta.8. yk ≥ 0. ∞ Teorema 3. Nestas condições. n +∞ yk ≤ k=p k=p yk . ∞ é crescente. para todo n ≥ p. para 0 < α < 1 =⇒ lim 1 = +∞ t−→∞ (ln t)α−1 t−→∞ .Séries de Números Reais Temos t 2 1 1 dx = x(ln x)α (1 − α)(ln x)α−1 t = ln(ln t) − ln(ln 2) 2 e. tem-se: (i) n=0 ∞ yk convergente =⇒ n=0 ∞ xk convergente. n=0 ∞ (ii) n=0 xk divergente =⇒ Demonstração: (i) Basta provamos que k=p xk é convergente. 46 . n ≥ p. dx = − α α−1 x(ln x) 1 − α (ln t) (ln 2)α−1 1 =0 (ln t)α−1 Para α > 1 =⇒ lim e. a seqüência n tn = n=0 yk . Como. Suponhamos que exista p ∈ N tal que. (Critério da Comparação) Sejam as séries ∞ k=0 xk e k=0 yk .

Mostraremos que a série converge através do Critério da 1 Integral. então ela diverge pois 1 1 neste caso lim xn = 0. consideramos o caso p > 1. (1 − p)tp−1 1 − p +∞ 1 1 1 dt = 0. para todo n ≥ p. Suponhamos 0 ≤ p ≤ 1. contínua e decrescente em [1.Livro de Cálculo II Como. a série k=p xk é convergente. (ii) Fica a cargo do leitor. A série k=1 1 1 sen é convergente ou divergente? k k Justifique. Exemplo 3. por comparação com a série harmonica. p > 1. n ≥ p.7. Finalmente. k k k k 47 .2.6. Solução: Para todo k ≥ 1. n +∞ xk ≤ k=p k=p yk . 0≤ 1 1 1 1 sen ≤ · . +∞[ como se verifica facilmente. ou seja.2) 3 sn = k=p é crescente e.2. Como lim +∞ Exemplo 3. Tal função é posix tiva. Temos ≤ p n−→+∞ n n para todo n ∈ N. Pelo p−1 p t−→∞ (1 − p)t x p−1 1 critério da integral a série é convergente. utilizando a função f (x) = p . para todo k ≥ p.2 é convergente. Portanto. 0 ≤ xk ≤ yk . resulta que a seqüência n AULA xk . É claro que se p ≤ 0. Vamos estudar a natureza da série concluímos que a série diverge. resulta dx = . 1 senp gundo os valores de p. Temos t 1 1 1 dx = xp (1 − p)xp−1 t = 1 1 1 − . +∞ Segue que a seqüência 3. (3.

A série k=1 k é convergente ou diverk 2 + 2k + 1 gente? Justifique. portanto. Suponhamos que lim xn = L. 1 + 2k + 1 4k +∞ 2 k 1 k2 . yn xn e yn duas n−→∞ Então: a) se L > 0. Solução: k 1 1 = · 2 k 2 + 2k + 1 k 1+ k + Para todo k ≥ 1. 4 Como k=1 1 é divergente resulta que 4k +∞ k=1 k2 k + 2k + 1 diverge. para todo k ≥ 1. 1 1 ≥ .2. k k Exemplo 3. ou ambas são convergentes ou ambas são divergentes.Séries de Números Reais +∞ Como k=1 1 é convergente (basta usar o exemplo 3. 48 . (Critério do Limite) Sejam séries de termos positivos. L real.9. Teorema 3. para todo k ≥ 1. k2 +∞ segue do Teorema da Comparação que k=1 +∞ 1 1 sen é convergente. 2 1 + 2 ≤4 k k + 1 k2 1 ≥ .8.6 com p = 2).2. 1 1+ Segue que. 1+ e.

então 49 . xk = 0. então xn também será. existe N ∈ N tal c) De lim n−→∞ yk que xn n > N =⇒ <1 yn e. yn for convergente. c) se L = 0 e se gente. Demonstração: xk a) De lim = L. Segue do critério da comparação que se yn for divergente. segue que tomando-se = 1. segue que tomando-se = 1. xn também será diver- AULA 3 L 2. Segue do critério da comparação que se xn também será. xn também será converyn for divergente.Livro de Cálculo II b) se L = +∞ e se gente. 2 2 L xn L < <L+ 2 yn 2 yn for convergente. existe Segue do critério da comparação que ambas são convergentes ou ambas são divergentes. portanto. n > N =⇒ xn < yn . xk = +∞. segue que tomando = n−→∞ yk N ∈ N tal que n > N =⇒ L − ou seja n > N =⇒ L 3L yn < xn < yn . existe N ∈ N b) De lim n−→∞ yk tal que xn n > N =⇒ >1 yn e. L > 0 e real. portanto. n > N =⇒ xn > yn .

+∞ Solução: A série n=1 e −n 2 é convergente. no exemplo anterior. Observe. k−→+∞ ln k yk Pelo Critério do Limite a série dada é divergente. Temos ln k k=1 xk = Então. A série n=1 1 é convergente ou divergente? ln k Justifique. lim 1 1 e yk = . Façamos −n . O sucesso na utilização do critério do limite está exatamente na escolha adequada da série yn de comparação.10. que se tivéssemos tomado como +∞ 1 séria de comparação a harmonica convergente . Observação 3.2. n−→∞ e 2 yn Pelo critério do limite. k2 n=1 50 . Em muitos casos.9. 2 xn = ne−n e yn = e Temos n−→∞ lim xn n = lim n = 0. A série n=1 e−n é convergente ou divergente? Jus- tifique. pois trata-se de uma −1 2 série geométrica de razão r = e . Solução: Vamos tomar como série de comparação a série har+∞ 1 monica . as séries harmonicas ou as séries geométricas desempenham muito bem este papel.2. teríamos.1. a série dada é convergente. ln k k k−→+∞ xk k = lim = +∞. +∞ Exemplo 3.Séries de Números Reais +∞ Exemplo 3.

Segue da definição de limite. Teorema 3. |xn | < rn−N |xN |. De maneira geral. que existe lim n−→+∞ xn xn+1 < r para todo n ≥ N. a série (iii) Se L = 1. existe r ∈ R tal que xn+1 < r < 1. Seja lim xn+1 = L. (Teste da Razão. o critério do limite não nos fornecerá informações alguma sobre a convergência ou divergência da série dada.Livro de Cálculo II também. . neste caso. finito ou infinito. Os próximos dois critérios de convergências valem também para séries com termos negativos. Suponhamos que lim n−→+∞ xn exista. tem-se: (i) Se L < 1. Temos então: N ∈ N tal que xn |xN +1 | < r|xN |. xn será divergente. xk k2 = lim = +∞. . ou de d’Alembert) Seja xn+1 (xn )n∈N uma seqüência não nula. Demonstração: (i) A idéia é comparar a série dada com uma série geométrica convergente. para todo n ≥ N.10. |xN +2 | < r|xN +1 | < r2 |xN |. Tomando yn = rn−N |xN | (para todo n ∈ N) temos que |xn | < yn para todo 51 . o critério nada revela. |xN +3 | < r|xN +2 | < r3 |xN |. (ii) Se L > 1 ou L = +∞. Como L < 1. k−→+∞ yk k−→+∞ ln k lim Entretanto. xn AULA 3 n−→+∞ Nesta condições. . a série xn será convergente.

11. xn diverge pelo teste da divergência. +∞ Exemplo 3. xn Isso significa que |xn+1 | > |xn | quando n ≥ N. se n ≥ N então xn+1 > 1. xn+1 xn+1 (ii) Como lim > 1 ou lim = +∞. Por exemplo. se lim xn+1 = xn 1 (n+1)2 1 n2 = n2 1 = 2 1 (n + 1) 1+ n 2 −→ 1 quando n −→ ∞ enquanto para a série divergente xn+1 = xn 1 n+1 1 n 1 . é convergente . Como yn é uma Série Geométrica de razão r ∈ (0. Portanto. existe N ∈ n−→+∞ n−→+∞ xn xn N tal que. o Teste da Razão falha e devemos usar algum n−→+∞ lim outro teste. A série n=1 1 é convergente. xn o Teste da Razão não dá nenhuma informação. xn ela é convergente. n−→+∞ (n + 1)! n−→+∞ n + 1 52 .2. n−→+∞ xn+1 = 1.Séries de Números Reais n ∈ N. O critério da comparação nos garante que converge absolutamente e. 1). e assim n−→∞ lim xn = 0. para 1 . portanto. pois n! 1 xn+1 (n+1)! lim = lim 1 n−→+∞ n−→+∞ xn n! n! 1 = lim = lim = 0 < 1. se xn+1 = 1 a série xn pode convergir ou xn divergir. = n 1 = n+1 1+ 1 n Portanto. obtemos n −→ 1 quando n −→ ∞. Neste caso. temos a série convergente n2 A parte (iii) do Teste da Razão diz que.

Livro de Cálculo II +∞ Exemplo 3. 3n AULA 3 n−→+∞ lim xn+1 xn = = · 3 3n+1 n 1 n+1 3 = lim n−→+∞ 3 n n−→+∞ (−1)n+1 (n+1)3 3n+1 lim (−1)n n3 n−→+∞ 3n (n + 1)3 3n lim = 1 n−→+∞ 3 lim +∞ 1+ 1 n 3 = 1 < 1. O Teste da Raiz é mais eficiente que o da Razão. A série n=1 nn é divergente. portanto. A série (−1)n n=1 n3 é convergente. convergente. então a série n=1 xn é divergente. em todos os casos nos quais o Teste da Razão permite 53 . (ii) Se lim n n−→∞ n |xn | = L > 1. Mais precisamente. n! lim n−→+∞ lim xn+1 xn = (n + 1)n+1 n! · n n−→+∞ (n + 1)! n (n + 1)(n + 1)n n! · n = lim n−→+∞ (n + 1)n! n n+1 n = lim n−→+∞ n 1 n = lim 1+ = e > 1. então a série n=1 xn é absolutamente +∞ convergente e.13. (Teste da Raiz) +∞ (i) Se lim n n−→∞ |xn | = L < 1. n−→+∞ n O teste a seguir é conveniente para ser aplicado quando as potências de n ocorrem. Sua prova é similar à do Teste da Razão e fica por conta do leitor.2.11.2.12. então o Teste da Raiz não é conclusivo. Teorema 3. Com efeito. De fato. (iii) Se lim n−→∞ |xn | = 1. 3 Exemplo 3.

a série dada converge pelo Teste da Raiz.14. + xn .Séries de Números Reais concluir (seja por convergência ou por divergência) o Teste da Raiz também será concludente. Assim n xn = n=1 n−→+∞ lim xi . A seqüência (Sn )n∈N denomina-se série numérica associada a seqüência (xn )n∈N .2. Teste a convergência da série n=1 2n + 3 3n + 2 . quando existe (finito ou infinito). o Teste da Razão é. O termo geral da (Sn )n∈N . . 3. i=1 54 . mais fácil de ser aplicado. em geral. Solução: Considere xn = e lim n 2n + 3 3n + 2 n n−→∞ |xn | = lim 2+ 2n + 3 = lim n−→∞ 3n + 2 n−→∞ 3 + 3 n 2 n = 2 <1 3 Então. . ∞ n Exemplo 3. denomina+∞ se soma da série e é indicada por n=1 +∞ xn . n Sn = i=1 xi é denominado soma parcial de ordem n da série. O limite da série.3 Resumo Considere uma seqüência (xn )n∈N . Para cada n ∈ N definimos n Sn = i=1 xi = x1 + x2 + . Entretanto.

1 1 1 1 a) + + + + · · · 2 4 6 8 ∞ (b) 3 + 2 + ∞ 4 8 + + ··· 3 9 n−1 (c) n=0 ∞ 1 2 n (d) n=1 ∞ 2 3 (e) n=2 ∞ 2 2−1 n 2 n (f) n=1 3n + 2n 6n (g) n=1 (h) 1 (4n + 1)(4n + 5) 55 . Para tanto. diremos que a série é convergente. Determine se a série é convergente ou divergente.Livro de Cálculo II Se a soma for finita. (Ver os Critérios e os Testes de convergências) Os conceitos e os critérios de convergência de séries serão essenciais no estudo de séries de potências que faremos na próxima aula. (a) Qual a diferença entre uma seqüência e uma série? (b) O que é uma série convergente? O que é uma série divergente? n . Se a soma for infinita (+∞ ou −∞) ou se o limite não existir. foi apresentado os principais critérios de convergências de séries. n+1 (a) Determine se (xn )n∈N é convergente. Seja xn = ∞ (b) Determine se n=1 xn é convergente. diremos que a série é divergente. 03.4 Atividades 01. AULA 3 3. 02. calcule sua soma. Se for convergente. Nosso objetivo com essa aula era que você (aluno) aprendesse a testar a convergência de séries.

é dada duas séries alternadas e é pedido que 56 . n n=1 n=1 05. Estude a série dada com relação a convergência ou divergência. e 02. (a) (−1)n−1 √ n n=1 ∞ ∞ (b) (−1)n ∞ n ln n (c) n=0 ∞ 1 2+1 n ne−n 2 (d) n=2 ∞ 1 n ln n 1 n ln n ln(ln n) 4 + 3n 2n (e) n=1 ∞ (f) n=3 ∞ (g) n=1 ∞ 5 2 + 3n (−10)n n! ∞ (h) n=1 ∞ (i) n=0 (j) n=1 e−n n! 06.Séries de Números Reais 04.5 Comentário das Atividades Se você (aluno) conseguiu resolver as Atividades 01.. você utilizou (ou utilizará) as propriedades de limites (vistas no Cálculo I) para testar a convergência das séries dadas. ∞ ∞ ln n a) (−1)n 2−n (b) (−1)n+1 . (a) Mostre que n=0 xn converge para todo x. então entendeu a grande diferença de seqüências e séries de números reais. Na Atividade 03. Mostre que a série dada é convergente. Na Atividade 04. Entender essa diferença é muito importante. n−→∞ n! 3. n! (b) Deduza que lim xn = 0.

L.6 Referências • GUIDORIZZI. 2006. O Teste da Razão deverá ser usado na resolução da Atividade 06. Estudar em grupo com seus colegas. para estudar a convergência das séries dadas. 2002.. Cálculo (vol. Um Curso de Cálculo (Vol. Rio de Janeiro: LTC Editora. Conseguiu resolver todas as Atividade? Sabe usar os critérios de convergência (Critério da Razão dentre outros) dados? Ótimo!!! Você esta com todos os requisitos necessários para compreensão da próxima aula. • THOMAS. A Atividade 05. Nesta atividade podemos usar o critério de convergência para séries alternadas ou lançarmos mão da convergência absoluta. você utilizou (ou deve utilizar) os critérios de convergência vistos nesta Aula.Livro de Cálculo II você (aluno) teste a convergência das mesmas. 1 e 2). B.. AULA 3 3. São Paulo: Addison Wesley. H. 1 e 4). Nesta atividade estamos interessados em encontrar o conjunto dos x tais que a série numérica converge. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. 57 . Cálculo (vol. J. pode tornar a resolução dessas atividades mais fácil e interessante. 2006. Lembrem-se sempre que há tutores a distância e presenciais para ajudá-los na resolução dessas atividades. G... • STEWART. 1 e 2).

.

OBJETIVOS Representar funções em séries de potências. introduziremos as primeiras maneiras de 4 AULA escrever uma função dada como uma série de potências. Além disso. PRÉ-REQUISITOS Séries Numéricas (Aula 3).1 LIVRO Séries de Potências META Apresentar os conceitos e as principais propriedades de Séries de Potências. .

A série +∞ an (x − x0 )n n=0 (4. introduziremos os conceitos de séries de potências. iniciaremos o estudo de representação de funções em séries de potências. O principal objetivo de estudar essas séries é que é possível (veremos a diante) representar uma função dada como uma série de potências. Veremos mais tarde que essa estratégia é útil para integrar funções que não têm antiderivadas elementares e para aproximar as funções por polinômios.Séries de Potências 4. Se x0 = 0.2) 60 . Além disso. Nesta aula. temos a série de potências em volta de zero: +∞ an xn = a0 + a1 x + a2 x2 + · · ·.1) denomina-se série de potências. em volta de x0 (ou centrada em x0 ). 4. uma seqüência numérica dada e seja x0 um real dado.2 Série de Potências Seja an . Você pode imaginar por que queremos expressar uma função conhecida como uma soma infinita de termos. com coeficientes an .1 Introdução Uma série de potências de x é uma série da forma +∞ an (x − x0 )n = a0 + a1 (x − x0 ) + a2 (x − x0 )2 + · · · n=0 Observe que esta série pode ser vista como a generalização de um polinômio. Cientistas fazem isso para simplificar expressões que eles utilizam e para poder representar as funções em calculadoras e computadores. n ≥ 0. n=0 (4.

com x1 = 0. 61 . A única diferença é que f tem infinitos termos.2. para todo n ≥ N . +∞ +∞ AULA 4 Teorema 4. n! Exemplo 4. segue 1 lim an xn = 0. Esta função assemelha a um polinômio. a série de potências é uma série de constantes que podemos testar sua convergência ou divergência. é encontrar os valores de x para os quais uma série de potências é convergente. Nosso objetivo. existe um N ∈ N tal que. de agora em diante. resulta que. |x1 |). xn é uma série de potências em volta de zero n! n=0 1 e com coeficientes an = . Uma série de potências pode convergir para alguns valores de x e divergir para outros. por hipótese.1.12. que n−→+∞ n=0 an xn convergente. 1 Tomando-se = 1. então a série convergirá absolutamente para todo x no intervalo aberto (−|x1 |. 1 Como |an xn | = |an xn | 1 x x1 n . +∞ Demonstração: Sendo.Livro de Cálculo II Para cada x fixo. A soma da série é uma função de x. cujo domínio é o conjunto de todos os x para os quais a série converge. |an xn | ≤ x x1 n . |an xn | ≤ 1. Se n=0 an xn for convergente para x = x1 . para todo x e todo n ≥ N.

2. a série diverge quando x = 0. Segue do Teste da Comparação que n=0 an xn converge absolutamente para todo x. n Então lim n−→+∞ (x − 3)n+1 ! n · n−→+∞ n+1 (x − 3)n 1 = lim |x − 3| = |x − 3| n−→+∞ 1 + 1 n = Pelo Teste da Razão. Se fizermos an . então an = n!xn .2. 1). e portanto convergente. Pelo n n=0 Teorema anterior.4. Para quais valores de x a série n=0 (x − 3)n é n convergente? Solução: Seja an = lim an+1 an (x−3)n . a série converge apenas quando x = 0.3. a série converge absolutamente para todo x ∈ (−1. denotar o n-ésimo termo da série. A série xn converge para x = −1. Agora |x − 3| < 1 ⇔ −1 < x − 3 < 1 ⇔ 2 < x < 4 62 . a série geométrica n=0 +∞ x x1 n é convergente. com |x| < |x1 |.2.2. Se x = 0.Séries de Potências +∞ Para |x| < |x1 |. Exemplo 4. Então. +∞ +∞ Exemplo 4. quando |x − 3| < 1 e é divergente quando |x − 3| > 1. a série dada é absolutamente convergente. temos lim (n + 1)!xn+1 an+1 = lim = lim (n + 1)|x| = ∞ n−→+∞ n−→+∞ an n!xn n−→+∞ Pelo Teste da Razão. Para x = −1 a série não é absolutamente convergente. Para quais valores de x a série n=0 n!xn é con- vergente? Solução: Usamos o Teste da Razão. como habitualmente. +∞ Exemplo 4.

+∞ Teorema 4. ela se tornará . o conjunto de valores de x para os quais a série é convergente tem sempre sido um intervalo (um intervalo finito nos exemplos 4.Livro de Cálculo II assim a série converge quando 2 < x < 4 e diverge quando x < 2 e x > 4.4. O teorema a seguir. Para as séries de potências que temos vistos até agora. diz que isso. a série harmonica.5.5 e um intervalo colapsado [0. o domínio da função dada é (−∞. devemos considerar x = 2 e x = 4 separadamente. n n=0 AULA 4 (−1)n que é convergente n n=0 pelo Teste da Série Alternada. Solução: Seja an = lim xn n! . assim.2. Encontre o domínio da função definida por +∞ +∞ f (x) = n=0 xn n! . é verdadeiro. Para uma dada série de potências n=0 an (x − x0 )n existem apenas três possibilidades: (i) a série converge apenas quando x = x0 . +∞) no exemplo 4. a série dada converge para todos os valores de x.2. (ii) a série converge para todo x ∈ R. O Teste da Razão não fornece informação quando |x−3| = 1. o intervalo infinito (−∞. em geral. Então a série dada converge para que é divergente.3).2 e 4. +∞) = R. Exemplo 4.2. Se x = 2. Em outras palavras.13. 63 . Então n−→+∞ an+1 xn+1 n! 1 = lim · = lim |x| = 0 < 1 n−→+∞ (n + 1)! xn n−→+∞ n + 1 an para todo x ∈ R. 0] = {0} no exemplo 4.2. Então pelo Teste da Razão. Se +∞ 1 colocarmos x = 4 na série. a série é 2 ≤ x < 4.2.

que contradiz a hipótese A = {0}. pelo Teorema 4.0 Caso: A = (0.12. Nos extremos x0 − R e x0 + R a série poderá convergir ou não.12. deste modo basta provarmos que (i) a série converge apenas quando u = 0.Séries de Potências (iii)existe um número R tal que a série converge se |x − x0 | < R e diverge de |x − x0 | > R. +∞ Como a série n=0 an un é convergente. Portanto. a série converge absolutamente para todo u.0 Caso: A = R+ e A = {0} 64 . 1. com |u| < u1 . |u1 |). se A = {0} a série convergirá apenas para u = 0. a série 1 convergirá absolutamente para todo u. 2. 3. convergiria. Provemos: Seja A o conjunto de todos u ≥ 0 para os quais a série converge. +∞ Demonstração: Fazendo u = x − x0 na série n=0 +∞ an (x − x0 )n obtemos n=0 an un . existe u1 > 0 tal que |u| < u1 .0 Caso: A = {0} Se a série convergisse para algum valor u1 = 0. (ii) a série converge para todo u ∈ R. Logo. também. Nos extremos R e R a série poderá convergir ou não. para todo u ∈ (−|u1 |. pelo teorema 4. (iii)existe um número R tal que a série converge se |u| < R e diverge de |u| > R. +∞) = R+ Para todo u ∈ R.

para todo x com |u| < R. R). com |u| < u1 . pelo teorema 4. com |u| > R. Resulta novamente do teorema 4. o raio de convergência é R = 0 no caso (i) e R = ∞ no caso (ii). Exemplo 4. admitirá supremo R : R = sup A. a série seria absolutamente convergente para todo u. teremos. Por convenção. que contradiz a hipótese A = R+ . 2 1 Pelo Teste da Razão. n2n Solução: Seja an = (−1)n lim an+1 an = lim (x + 2)n .Livro de Cálculo II Se. Sendo R o supremo de A. se A = R+ .6. Portanto. a série dada converge se |x + 2| < 1 e di2 1 verge se |x + 2| > 1. Encontre o raio de convergência e o intervalo de convergência da série ∞ (−1)n n=1 (x + 2)n . evidentemente. Então. para todo r > 0. logo. ela é convergente se |x + 2| < 2 e 2 65 . então A será limitado superiormente. que a série converge absolutamente para todo u ∈ (−R. existe u1 ∈ A. Então n2n (−1)n+1 (x + 2)n+1 n2n · n−→+∞ n−→+∞ (n + 1)2n+1 (−1)n (x + 2)n 1 n = lim |x + 2| n−→+∞ 2 n + 1 1 = |x + 2|.2. R > 0. Fica a cargo do leitor verificar que a série diverge para todo u. Como A = {0}.12. O número R que aparece no Teorema anterior é chamado Raio de Convergência da série de Potência.12. existisse u1 > r tal que +∞ AULA an un 1 4 n=0 fosse convergente.

Então. n que é uma série harmonica e. Então a série converge apenas quando −4 < x ≤ 0. n=1 Solução: Seja an = n!(2x − 1)n . Então lim an+1 an (n + 1)!(2x − 1)n+1 n−→+∞ n!(2x − 1)n = lim (n + 1)|2x − 1| = 0 < 1 = lim n−→+∞ n−→+∞ 1 se. e somente se. assim. Quando x = 0. o raio de 2 1 convergência é R = 0. testamos a série nos extremos −4 e 0. a série é ∞ (−1)n n=1 (0 + 2)n = n2n ∞ n=1 1 (−1)n .7. a série é ∞ (−1)n n=1 (−4 + 2)n = n2n ∞ n=1 1 .2. Encontre o raio de convergência e o intervalo de convergência da série ∞ n!(2x − 1)n . assim. Exemplo 4. Quando x = −4. E o intervalo de convergência é . portanto. 0]. 2 A desigualdade |x + 2| < 2 pode ser escrita como −4 < x < 0. Isso significa que o raio de convergência 1 éR= . o intervalo de convergência é (−4. |2x − 1| = 0. x = . 2 66 . ou seja.Séries de Potências divergente se |x + 2| > 2. n que converge pelo Teste das Séries Alternadas. diverge.

Exemplo 4. Mas aqui nosso ponto de vista é diferente.1 como uma expressão da função f (x) = como 1−x uma soma de uma série de potências. = 1−x ∞ xn . Começaremos com uma equação que vimos antes: 1 = 1 + x + x2 + x3 + . Sn (x) se torna uma aproximação de f (x) para −1 < x < 1.3. temos 1 = lim Sn (x) 1 − x n−→∞ n onde Sn = k=0 xk é a n-ésima soma parcial. Expresse f (x) = Solução: Temos que 1 1 = 2 1 + 9x 1 − [−(3x)2 ] 67 . Note que. Uma ilustração geométrica da Equação 4.2. Agora nos referiremos 1 à Equação 4.1.1) Encontramos essa equação no Exemplo 3. . onde a obtivemos observando que ela é uma série geométrica com a = 1 e r = x.3 Representação de Funções em Séries de Potências AULA 4 Nesta seção aprenderemos como representar certos tipos de funções como soma de séries de potências pela manipulação de séries geométricas ou pela diferenciação ou integração de tais séries.8. 1 como a soma de uma 1 + 9x2 série de potências e encontre o intervalo de convergência. Como a soma de uma série é o limite da seqüência de somas parciais.1 é mostrada na Figura 4. n=0 |x| < 1 (4.Livro de Cálculo II 4.1. quando n aumenta. .

obtemos: 1 1 + 9x2 ∞ ∞ = [−(3x)2 ]n = n=0 (−1)n 32n x2n n=0 = 1 − 32 x2 + 34 x4 − 36 x6 + . |x| < 2. 2). isto é. . Portanto o intervalo de convergência é (−2. 68 .1. Como essa é uma série geométrica. ela converge quando | − x | < 1. x+2 Solução: Note que 1 1 = 2+x 2 1+ ∞ n=0 x 2 = 1 1 · 2 1 − −x 2 ∞ Trocando x por − x na Equação 4. Encontre a representação em série de potências 1 para f (x) = .Séries de Potências Figura 4. 3 3 Exemplo 4. ou seja.1. obtemos: 2 1 1 = 2+x 2 x − 2 n = n=0 (−1)n n x 2n+1 Como essa é uma série geométrica. |x| < . Portanto o intervalo de con3 1 1 vergência é − . .3. 9x2 < 1.8: f (x) e algumas somas parciais Trocando x por −(3x)2 na Equação 4. ela converge quando |−(3x)2 | < 1 1.2. . 2 isto é.

visto na Aula 3. Na próxima aula. a série de potências é uma série de constantes que podemos testar sua convergência ou divergência. Nosso objetivo com essa aula era que você (aluno) aprendesse a representar funções em séries de potências. Dada uma série de potências de x.1) onde an . utilizamos principalmente o Critério da Razão.Livro de Cálculo II 4. através da série geométrica que foi estudada com detalhes na Aula 3. para encontrarmos o domínio da série dada. Para cada x fixo. através da série geométrica. A série 4 +∞ an (x − x0 )n n=0 (4.4 Resumo AULA Uma série de potências de x em volta de x0 (ou centrada em x0 ) é uma série do tipo Seja . estudaremos outras maneiras (mais eficientes) de representar funções em séries de potências. 69 . A soma da série é uma função de x. Vimos uma primeira maneira de representar funções em série de potências. Uma série de potências pode convergir para alguns valores de x e divergir para outros. n ≥ 0 (coeficientes) é uma seqüência numérica dada e x0 um real dado. cujo domínio é o conjunto de todos os x para os quais a série converge.

Determine o domínio das seguintes séries de potências de x : ∞ ∞ xn n (a) nx (b) ln n n=0 ∞ (c) n=1 ∞ xn n3n n=2 ∞ (d) (f) n=1 (−1)n n4n xn n=1 ∞ (e) n=1 (x − 2)n (−1)n nn n!(2x − 1)n x3 . 70 . Para tanto. 1 e 2). J.6 Comentário das Atividades Essas atividades tem o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos desenvolvidos nesta aula.5 Atividades 01. pede para encontrar o domínio de algumas séries de potências dadas. Um Curso de Cálculo (Vol. L. 4. você precisa encontra o raio de convergência (usando o Critério da Razão) e testar a série nos extremos do intervalo de convergência da série. A Atividade 01. 4. Cálculo (vol. x+2 02. Rio de Janeiro: LTC Editora... você deve utilizar a série geométrica para representar a função dada em série de potências. Encontre uma representação em série de potências para Encontre seu domínio. H. 2006.Séries de Potências 4. 2006. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.7 Referências • GUIDORIZZI. 1 e 4). • STEWART. Na Atividade 02.

1 e 2). 2002. G.Livro de Cálculo II • THOMAS. São Paulo: Addison Wesley. AULA 4 71 .. Cálculo (vol. B.

.

PRÉ-REQUISITOS Série de Potências (Aula 4).1 LIVRO Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências META Apresentar os principais métodos de representação de funções em séries de potências. 5 AULA OBJETIVOS Representar funções em séries de potências. .

então essa função é igual à soma de sua série de Taylor. com a diferenciação e integração de séries de potências que será uma ferramenta muito poderosa de representação de funções em série de potências. então a função f definida por +∞ f (x) = c0 + c1 (x − x0 ) + c2 (x − x0 )2 + . Mostraremos que. 5.Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências 5.1 Introdução Na aula anterior pudemos encontrar representações para uma certa classe restrita de funções. investigaremos problemas mais gerais: quais funções têm representações em série de potências? Como podemos achar tais representações? Iniciaremos esta aula.14. +∞ Teorema 5. se uma função puder ser representada como uma série de potências. Posteriormente. e o teorema a seguir (que não provaremos) diz que podemos fazer isso por diferenciação e integração de cada termo individual da série. . . = n=0 cn (x − x0 )n 74 . Se a série de potências n=0 cn (x − x0 )n tiver um raio de convergência R > 0. utilizando as Séries Geométricas. Nesta aula. Isso é chamado diferenciação e integração termo a termo. como faríamos para um polinômio. estudaremos a Série de Taylor e a Série de MacLaurin.2 Diferenciação e Integração de Séries de Potências +∞ A soma de uma série de potências é uma função n=0 cn (x − x0 )n cujo domínio é o intervalo de convergência da série. Gostaríamos de poder diferenciar e integrar tais funções.

= n=0 ncn (x − x0 )n−1 (ii) f (x)dx = C + c0 (x − x0 ) + c1 +∞ (x − x0 )2 (x − x0 )3 + c2 + ..2. Solução: Diferenciando cada lado da equação 1 = 1 + x + x2 + x3 + . a saber. . 2 3 = C+ n=0 cn (x − x0 )n+1 n+1 Os raios de convergência da série de potência nas Equações (i) e (ii) são ambos R.14. . x0 + R) e +∞ AULA 2 5 (i) f (x) = c1 + 2c2 (x − x0 ) + 3c3 (x − x0 ) + . = (1 − x)2 ∞ ∞ xn n=0 nxn−1 . Expresse 1 como uma série de potências (1 − x)2 e encontre seu raio de convergência. Exemplo 5. n=0 De acordo com o Teorema 5.2. Embora o Teorema 5. Pode acontecer de a série original convergir em um extremo enquanto a série diferenciada diverge nesse ponto.14 diga que o raio de convergência permanece o mesmo quando uma série de potências é diferenciada ou integrada.. = 1−x obtemos 1 = 1 + 2x + 3x2 + 4x3 + . o raio de convergência da série diferenciada é o mesmo que o raio de convergência da série original. isso não significa que o intervalo de convergência permanece o mesmo. . . . R = 1 75 .1.Livro de Cálculo II é diferenciável (e portanto contínua) no intervalo (x0 − R. . Observação 5.

1−x xn = 1 + x + x2 + x3 + .1) = c0 + c1 (x − x0 ) + c2 (x − x0 )2 + . |x − x0 | < R 76 . n 2 3 |x| < 1. Solução: Temos que ln(1 − x) = − Mas 1 = 1−x Daí ∞ ∞ ∞ ∞ 1 dx. . . ∞ f (x) = n=0 cn (x − x0 )n (5. se uma função f puder ser representada como uma série de potências. 5..2. colocamos x = 0 nessa equação e obtemos ln(1 − 0) = C. . Então.2.. n+1 Para determinarmos o valor de C. = − n=1 O raio de convergência é o mesmo que o da série original: R = 1. Encontre uma representação em série de potências para ln(1 − x) e seu raio de convergência. .Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências Exemplo 5. C = 0 e ∞ ln(1 − x) = − n=0 ∞ xn+1 n+1 xn x2 x3 = −x − − − .. Supondo que f seja qualquer função que pode ser representada por uma série de potências. então f é igual à soma de sua Série de Taylor. .3 Séries de Taylor e de Maclaurin Veremos nessa seção que. n=0 ln(1 − x) = − n=0 x n dx = − n=0 x dx = − n=0 n xn+1 + C.

se colocarmos x = x0 na equação (5. .3) 77 . e a substituição de x = x0 na equação (5. A diferenciação da série na equação (5. O resultado é f (x0 ) = 2c2 . . Agora diferenciando ambos os lados da equação (5. Pelo Teorema 5. |x − x0 | < R.4) (5. Para começar. |x − x0 | < R. note que. . .Livro de Cálculo II Queremos determinar os coeficientes cn em função de f . Vamos aplicar o procedimento mais uma vez.4) resulta em f (x0 ) = 2 · 3c3 = 3!c3 . (5. .1). .2) fornece: f (x0 ) = c1 . |x − x0 | < R e a substituição de x = x0 na equação (5. então todos os termos depois do primeiro são nulos e obtemos: f (x0 ) = c0 .3). . .1) termo a termo: f (x) = c1 + 2c2 (x − x0 ) + (5. Novamente colocando x = x0 na equação (5.3) fornece f (x) = 2 · 3c3 + 2 · 3 · 4c4 (x − x0 ) + +3 · 4 · 5c4 (x − x0 )2 + .2) AULA 5 +3c3 (x − x0 )2 + 4c4 (x − x0 )3 + .14.2) temos: f (x) = 2c2 + 2 · 3c3 (x − x0 ) + +3 · 4c4 (x − x0 )2 + . podemos diferenciar a série na equação (5.

Para o caso especial x0 = 0 a série de Taylor se torna ∞ f (x) = n=0 f (n) (0) n x n! f (0) f (0) 2 f (0) 3 x+ x + x + . . 1! 2! A série na equação (5. (5.5) é chamada Série de Taylor da função f em x0 (ou ao redor de x0 ou centrada em x0 ). isto é. Então provamos o teorema a seguir: A série de Taylor recebeu esse nome em homenagem ao matemático inglês Brook Taylor (16851731). então ela deve ser da forma a seguir: ∞ f (x) = n=0 f (n) (x0 ) (x − x0 )n n! (5.15. obteremos: cn = f (n) (x0 ) n! Esta fórmula permanecerá válida mesmo para n = 0 se adotarmos as convenções de que 0! = 1 e f (0) = f. e a série de Maclaurin tem esse nome em homenagem ao matemático escocês Colin Maclaurin (1698-1746). se ∞ f (x) = n=0 cn (x − x0 )n |x − x0 | < R então seus coeficientes são dados pela fórmula cn = f (n) (x0 ) . Resolvendo essa equação para o n-ésimo coeficiente cn . Teorema 5.5) = f (x0 ) + f (x0 ) f (x0 ) (x − x0 ) + (x − x0 )2 + . Mas a idéia da representação de funções particulares em somas de séries de Potências remonta a Newton. . . .6) 1! 2! 3! = f (0) + 78 . e a série geral de Taylor era conhecida pelo matemático escocês James Gregory em 1668 e pelo matemático suíço John Bernoulli na década de 1690. n! Segue desse teorema que. apesar do fato de a série de Maclaurin ser apenas um caso especial da série de Taylor.Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências Agora você pode ver o padrão. Se continuarmos a diferenciar e substituir x = x0 . Se f tiver uma representação (expansão) em série de potências em x0 . se f tiver uma expansão em série de potências em x0 . obteremos f (n) (x0 ) = 2 · 3 · 4 · · · · · ncn = n!cn . Taylor aperentemente não conhecia do trabalho de Gregory e Bernoulli quando publicou suas descobertas sobre séries em 1715 no livro Methodus incrementorum directa et inversa.

Livro de Cálculo II Esse caso surge com freqüência. então ∞ e = n=0 x xn n! A questão agora é como determinar se ex tem uma representação em série de potências. Encontre a série de Maclaurin da função f (x) = ex e seu raio de convergência. Portanto a série de Maclaurin para f é ∞ n=0 AULA 5 f (n) (0) n x = n! ∞ n=0 x x2 x3 xn =1+ + + + . Vamos investigar uma questão mais geral: sob quais circunstâncias uma função é igual à soma de uma série de Taylor? Em outras palavras.1. f (x) é o limite das 79 . Solução: Temos que f (n) (x) = ex . Exemplo 5. Então n! Para encontrarmos o raio de convergência fazemos an = lim n−→+∞ n! an+1 xn+1 |x| · =0<1 = lim = lim n−→+∞ (n + 1)! xn n−→+∞ n + 1 an assim pelo Teste da Razão.3. se f tiver derivadas de todas as ordens. quando é verdade que ∞ f (x) = n=0 f (n) (x0 ) (x − x0 )n n! Segue da definição de séries convergentes que.. n! 1! 2! 3! xn . a série converge para todo x.15 e do exemplo 5. então f ((n)) (0) = e0 = 1 para todo n. Segue do Teorema 5.3.. e lhe foi dado o nome especial se Série de Maclaurin. e o raio de convergência é R = ∞.1 que se ex tiver uma expansão em série de potências em 0.

para |x − x0 | < R. Se pudermos de alguma maneira mostrar que n−→∞ lim Rn (x) = 0. . n−→∞ n−→∞ Aqui. Em geral.16.Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências somas parciais. provamos o seguinte: Teorema 5. portanto. as somas parciais são n Tn (x) = k=0 f (k) (x0 ) (x − x0 )k k! =f (x0 ) + f (x0 ) f (x0 ) f (n) (x0 ) (x − x0 ) + (x − x0 )2 + . então f é igual a soma de sua série de Taylor no intervalo |x − x0 | < R. Ao tentar mostrar que n−→∞ lim Rn (x) = 0. onde Tn (x) é o polinômio de Taylor de grau n de f em x0 e n−→∞ lim Rn (x) = 0. . n−→∞ Se fizermos Rn (x) = f (x) − Tn (x) de maneira que f (x) = Tn (x) + Rn (x) então Rn (x) é denominado resto da série de Taylor. segue que n−→∞ lim Tn (x) = lim [f (x) − Rn (x)] = f (x) − lim Rn (x) = f (x). No caso da série de Taylor. f (x) é a soma de uma série de Taylor se f (x) = lim Tn (x). para uma função específica f . Se f (x) = Tn (x)+Rn (x). + (x − x0 )n 1! 2! n! Note que Tn (x) é um polinômio de grau n chamado polinômio de Taylor de grau n de f em x0 . geralmente usamos o fato a seguir (que não demonstraremos) 80 .

então |f (n+1) (x)|ex ≤ ed .Livro de Cálculo II Teorema 5.7) Exemplo 5. Se d for qualquer número positivo e |x| ≤ d.16.3. AULA 5 Exemplo 5. Encontre a série de Taylor para f (x) = ex em x0 = 2. então o resto Rn (x) da série de Taylor satisfaz a desigualdade |Rn (x)| ≤ M |x − x0 |n+1 (n + 1)! para |x − x0 | ≤ d. como no Exemplo 5. obtemos ∞ n=0 f (n) (2) (x − 2)n = n! ∞ n=0 e2 (x − 2)n n! Novamente pode ser verificado. ∞ ex é igual à soma de sua ex = n=0 xn n! para todo x. colocando x0 = 2 na definição de uma série de Taylor. Solução: Temos que f (n+1) (x) = ex para todo n. que o raio de convergência é R = ∞.3. Como no Exemplo 5.17. Prove que ex é igual à soma de sua série de Maclaurin.2. Assim a desigualdade de Taylor.3.3.3. Solução: Temos que f (n) (2) = e2 . e assim. segue do Teorema do Confronto que lim Rn (x) = 0 para n−→∞ ed |x|n+1 (n + 1)! para |x| ≤ d todos os valores de x. com x0 = 0 e M = ed . Série de Maclaurin.2.1. podemos 81 . (5. diz que |Rn (x)| ≤ e ed |x|n+1 |x|n+1 = ed lim =0 n−→∞ (n + 1)! n−→∞ (n + 1)! lim Agora. Pelo Teorema 5. (Desigualdade de Taylor) Se |f (n+1) (x)| ≤ M para |x − x0 | ≤ d.

.4.. a segunda. Exemplo 5.7). dada pela equação (5. = n! 1! 3! 5! ∞ (−1)n n=0 x2n+1 (2n + 1)! É fácil ver que. Portanto a série de Maclaurin para f é ∞ n=0 f (n) (0) n x x3 x5 x = − + + . diz que |Rn (x)| ≤ e lim 1 |x|n+1 = 0 (n + 1)! 1 |x|n+1 (n + 1)! para todo x∈R n−→∞ 82 . com x0 = 0 e M = 1. (5. Assim a desigualdade de Taylor. Solução: Temos que f (x) = cos x =⇒ f (0) = cos 0 = 1 f (x) = −sen x =⇒ f (0) = −sen 0 = 0 f (x) = −cos x =⇒ f (0) = −cos 0 = −1 . é melhor se estivermos interessados em valores de ex para x próximos de 0 e.Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências verificar que lim Rn (x) = 0. é melhor se x estiver próximo de 2. . A primeira. . assim n−→∞ ∞ x e = n=0 e2 (x − 2)n n! para todo x.8). dada pela equação (5. Encontre a série de Maclaurin da função f (x) = sen x e prove que ela representa sen x para todo x. .. |f (n+1) (x)| ≤ 1. ∀x ∈ R. .8) Observe que temos duas expansão em série de potências da função ex .3.

sen x é igual à soma de sua Série de Maclaurin. a série binomial foi descoberta por Newton sem fazer uso da série de Taylor (então desconhecida). De certa forma.3. 83 . pelo Exemplo 5. foi o estudo da série binomial uma das motivações de Newton no desenvolvimento do cálculo.4 Séries Binomiais Concluiremos esse capítulo com um exemplo muito importante: a série binomial. daí sua importância histórica. De fato. ∞ AULA 5 sen x = (−1)n n=0 x2n+1 (2n + 1)! para todo x ∈ R. ou seja. estamos aqui revertendo a ordem histórica: originalmente. sen x = d dx ∞ ∞ (−1)n n=0 x2n+1 . Pelo Teorema 5. segue do Teorema do Confronto que lim Rn (x) = 0 para n−→∞ todos os valores de x.Livro de Cálculo II Agora. descoberta por Isac Newton.16.5.3. Exemplo 5.5. (2n)! ∞ cos x = (−1)n n=0 x2n (2n)! para todo x ∈ R. Solução: Temos que cos x = d sen x dx ∞ e. 5. Encontre a série de Maclaurin da função f (x) = cos x. logo (2n + 1)! cos x = = Logo (−1)n n=0 n x2n+1 (2n + 1)! ∞ n=0 d x2n+1 = (−1) dx (2n + 1)! (−1)n n=0 x2n .

. . n! seu raio de convergência é R = 1. A Série de Taylor para f (x) = (1 + x)k em torno de x = 0 (chamada Série Binomial ) é ∞ 1+ n=1 k(k − 1)(k − 2) . . . (k − n + 1) . n! Neste caso os termos são todos nulos para n > k. Seja k um número real.18. x Teorema 5. . porém. . Observe que quando k é um inteiro positivo.Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências Com o nosso conhecimento de s´eries de Taylor. 1). a b = k(k − 1)(k − 2) . podemos escrever o n-ésimo coeficiente da série acima como a b = k(k − 1)(k − 2) . (k − n + 1) n x . n! k 0 =1 84 . Aqui. Observe que uma vez obtida a expansão para (1 + x)k . por meio da igualdade (x + y)k = xk (1 + )k . e a igualdade de (1 + x)k com sua série de Taylor nada mais é que a fórmula do binômio de Newton. obteremos um caminho mais rápido e simples que o de Newton para expandir a função (1 + x)k em série de potências. Observe que se definimos. (k − n + 1) para n ≥ 1. obteremos facilmente uma expany são para (x + y)k . e a série de Taylor converge para f (x) no intervalo (−1. não estamos supondo que k é uma inteiro positivo! O argumento a seguir funciona para qualquer valor real de k (podendo ser inclusive negativo). motivados pelo caso que acabamos de discutir.

Livro de Cálculo II quaisquer que seja a constante real k, então a série Binomial to teorema pode ser escrita sob a forma

AULA

5

(1 + x)k =
n=0

k n x n

Para verificarmos o teorema, primeiro calculamos as derivadas de f (x) = (1 + x)k : f (n) (x) = k(k − 1)(k − 2) . . . (k − n + 1)(1 + x)k−n . Obtemos então para os coeficientes da série de Taylor: an = f (n) (0) k(k − 1)(k − 2) . . . (k − n + 1) = . n! n!

Assim, obtemos a fórmula para a série de Taylor dada no enunciado do teorema. Para calcular o raio de convergência, utilizaremos o Teste da Razão. Observe que o termo geral da série é an xn , logo para aplicarmos o teste temos q estudar o limite de an+1 xn+1 an+1 = x . n an x an Temos |an+1 | |x| = |an | = |k(k − 1) . . . (k − n)| n! · |x| (n + 1)! |k(k − 1) . . . (k − n + 1)| |k − n| |x|; n+1

Como k é uma constante, vemos que o limite dessa expressão quando n −→ ∞ é L = |x|. O teste da razão nos diz que a série converge de L < 1, e diverge de L > 1; ou seja: a série binomial converge para |x| < 1 e diverge para |x| > 1. A convergência da série nos casos em que o teste não dá informações, x = 1, −1, depende do valor de k e não será de interesse para nós.

85

Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências Exemplo 5.4.1. Expanda (8 + x)1/3 em série de potências. Solução: Usaremos a série binomial com k = binomial é k(k − 1)(k − 2) . . . (k − n + 1) n! 1 1 − 1 1 − 2 ... 1 − n + 1 3 3 3 3 = n! 1 −2 −5 4−3n 3 3 3 ... 3 = n! (1) (2) (5) . . . (3n − 4) = (−1)n+1 n!3n e, assim, quando |x| < 1,
∞ 1 3.

O coeficiente

(8 + x)

1/3

=1+

(−1)n+1
n=1

(1) (2) (5) . . . (3n − 4) n x n!3n

Como Newton calculava... Newton fez uso da série binomial; a partir desta série ele calculou expansões para diversas funções. Vamos exemplificar o método de Newton calculando a série de Taylor de f (x) = arcsen x em torno de x = 0. Primeiro notamos que f (x) = √ 1 = (1 − x2 )−1/2 1 − x2

que é uma função da forma estudada anteriormente com k = −1/2, mas calculada em −x2 . Assim, f (x) pode ser expandida numa série da forma

an (−x2 )n ,
n=0

onde a0 = 1 e, para n ≥ 1, an = = = k(k − 1)(k − 2) . . . (k − n + 1) n! 1 −1 −2 − 1 −1 − 2 . . . −1 − n + 1 2 2 2 n! 3 − 1 − 2 − 5 . . . −2n+1 (−1)n 2 2 2 n!

86

Livro de Cálculo II Esta expansão é válida para | − x2 | < 1, isto é, |x| < 1. Como (−x2 )n = (−1)n x2n , obtemos (1) (3) (5) . . . (2n − 1) 2n x para |x| < 1. n!2n

AULA

5

(1 − x2 )−1/2 = 1 +
n=1

Agora, observando que
x

arcsen x =
0

(1 − t2 )−1/2 dt,

e integrando termo a termo a expressão acima, obtemos

arcsen x = x +
n=1

(1) (3) (5) . . . (2n − 1) 2n+1 x para |x| < 1. n!2n (2n + 1)

5.5

Resumo

Vimos, nesta aula, três métodos muito eficientes na representação de funções em série de potências. O primeiro método é dado pelo Teorema 5.14 que trata-se da diferenciação e integração e séries de potências. O segundo método é dado pela Série de Taylor: Se uma função f admitir expansão em série de potências então sua expansão em torno de x0 é dada por

f (x) =
n=0

f (n) (x0 ) (x − x0 )n n! f (x0 ) f (x0 ) (x − x0 ) + (x − x0 )2 + . . . 1! 2!

= f (x0 ) +

O Teorema 5.17, nos da uma condição suficiente para que uma dada função admita expansão em série de potências. A série de Taylor em torno da origem é dada por

f (x) =
n=0

f (n) (x0 ) n x n! f (0) f (0) 2 x+ x + ... 1! 2!

= f (0) +

87

Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências Esta série é denominada Série de Maclaurin. Terminamos essa aula, estudando da Série Binomial. Tal série é útil para expandirmos funções do tipo (1+x)k em série de potências. Com essa aula, terminamos a primeira parte do curso de Cálculo II. Nossa primeira avaliação tem o objetivo de avaliar o vosso conhecimento relativo às aulas 1,2,3,4 e 5. Nas próximas aula, passaremos a estudar novos tipos de funções.

5.6

Atividades

01. (a) Use diferenciação para achar a representação em série de potências para f (x) = Qual é o raio de convergência. (b) Use o item (a) para encontrar uma série de potências para f (x) = 1 . (1 + x)3 1 . (1 + x)2

(c) Use o item (b) para achar a série de potências para f (x) = x2 . (1 + x)3

02. Encontre uma representação em série de potências para a função e determine o raio de convergência. (a) f (x) = ln(1 + x) (b) f (x) = x ln(1 + x)

x − tg −1 x como uma série de x3 potências. Qual é o raio de convergência? 03. Avalie a integral indefinida

88

Livro de Cálculo II 04. Assuma que a função f (x) = xex admita expansão em série de potências em torno da origem e encontre sua expansão.

AULA

5

05. Assuma que a função f (x) = x3 admita expansão em série de potências em torno de x0 = −1 e encontre sua expansão.

06. Prove que a função f (x) = cos2 x admite expansão em série de potências em torno da origem e encontre tal expansão. 1 (1 + x)4 como uma série de potências. Encontre seu raio de convergência. 07. Use a série binomial para expandir a função f (x) =

5.7

Comentário das Atividades

Essas atividades tem o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos desenvolvidos nesta aula. Na resolução das atividades 01. e 02. você (aluno) deve utilizar o método de diferenciação e integração de série de potências e também as propriedades de série de potências. Se você conseguiu resolver essas atividades então entendeu os conceitos e o método de diferenciação e integração de série de potências. A atividade 03. mostra uma das vantagens de representarmos funções em séries de potências. Para resolver a integral da atividade 03. você deve, inicialmente, expandir a função f (x) = tg −1 x em série de potências, em torno da origem. Feito isso, substitua tal expansão no integrando e integra a expressão resultante. Note que a expressão resultante é um polinômio de fácil integração. Na resolução das atividades 04., 05, 06. e 07, basta utilizar as

89

São Paulo: Pioneira Thomson Learning. H. • THOMAS. Cálculo (vol. eles existem para ajuda-lo em vosso aprendizado. 1 e 2).. J. 5.. L. G.. 2006. 1 e 2). Rio de Janeiro: LTC Editora.8 Referências • GUIDORIZZI. E não esqueça dos tutores. 2002. volte ao inicio da aula e reveja com cuidado os conceitos apresentados. 2006. B. • STEWART. Um Curso de Cálculo (Vol. Se sentir muita dificuldade na resolução dessas atividades. 90 . de Maclaurin e a Binomial. Cálculo (vol. São Paulo: Addison Wesley. 1 e 4).Métodos de Representação de Funções em Séries de Potências séries de Taylor.

.1 LIVRO Equações Paramétricas META Estudar funções que a cada ponto do domínio associa um par ordenado de R2 6 AULA OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. vistas no Cálculo 1. PRÉ-REQUISITOS Ter compreendido os conceitos de funções reais.

Note que é impossível descrever C por uma equação do tipo y = f (x). dando y como uma função de x [y = f (x)] ou x em função de y [x = g(y)] ou fornecendo a relação entre x e y que define y implicitamente como uma função de x [f (x.1 Introdução Até agora descrevemos as curvas planas. Quando t varia. chamada parâmetro [x = f (t). Esse método consiste em escrever as variáveis x e y em termos de uma terceira variável t. portanto. Isto equivale as equações paramétricas x = sen t. Nesta aula discutiremos um novo método para descrever as curvas no plano. que chamamos de Curva Paramétrica. Mas as coordenadas x e y da partícula são funções de uma terceira variável t (denominada parâmetro) e. g(t)) como a posição de uma partícula no tempo t. y). que podemos plotar em um plano coordenado. Para cada valor de t determina um ponto (x. o ponto (x. y) = (f (t).9. Seja a curva paramétrica α(t) = (sen t. Tais equações serão denominadas equações paramétricas. muitas vezes. y) = (f (t).2. t denota o tempo e.1. Exemplo 6.2 Equações Paramétricas Imagine que a trajetória de uma partícula que se move no plano é descrita pela curva dada na Figura 6. cos2 t). Tais equações são denominadas Equações Paramétricas. Esse par de equações é. y = g(t)]. g(t)) varia e traça a curva C. y) = 0].Equações Paramétricas 6. y = 92 . 0 ≤ t ≤ π 2. podemos escrever x = f (t) e y = g(t). 6. podemos interpretar (x. Em muitas aplicações das curvas paramétricas. assim. uma maneira conveniente para descrever uma curva.

10) Figura 6. a curva com equações paramétricas x = f (t) y = g(t) a ≤ t ≤ b tem ponto inicial (f (a). A curva representada pelas equações paramétri- 93 . que é a equação de uma parábola. Exemplo 6.2.9: Curva no plano. g(a)) e ponto final (f (b). (Veja a figura 6.2.10: Ramos da parábola y = 1 − x2 . é apenas um ramo da parábola tal que 0 ≤ x ≤ 1. Na verdade. estas equações nos conduzem à equação cartesiana y = 1 − x2 . com 0 ≤ t ≤ π 2.Livro de Cálculo II AULA 6 Figura 6. cos2 t. Em geral. Pela relação fundamental. g(b)).

0 ≤ t ≤ 2π é um círculo. Observe que a curva representada pelas equações paramétricas x = sen 2t. 0 ≤ t ≤ 2π também é um circulo. o ponto (x. y = sen t. cos 2t) começa em (0. Figura 6. nesse exemplo. o ponto (x. 94 . o parâmetro t pode ser interpretado como o ângulo (em radianos) mostrado na figura 6. 1) e se move duas vezes ao redor do círculo no sentido horário. pois eliminando o parâmetro t. como indicado na figura 6.11. eliminando o parâmetro t. Quando t aumenta de 0 a 2π. y = cos 2t. Note que. temos que.12. x2 + y 2 = cos2 t + sen2 t = 1. y) = (sen 2t.11: Círculo percorrido no sentido anti-horário. x2 + y 2 = sen2 2t + cos2 2t = 1. Mas quando t aumenta de 0 a 2π. sen t) se move uma vez ao redor do círculo no sentido anti-horário partindo do ponto (1. y) = (cos t.Equações Paramétricas cas x = cos t. De fato. 0).

vamos resolver os problemas envolvendo tangentes. y = t2 . áreas.13) 6.12: Círculo percorrido no sentido horário.3 Cálculo com Curvas Paramétricas Nesta seção vamos introduzir os métodos de cálculo com curvas paramétricas. Exemplo 6. arco e superfície de área. Em particular. ou seja y = x2 . É fácil ver que a equação cartesiana √ 3 da curva é x2 = y 3 . e uma curva paramétrica. O exemplo acima mostra que diferentes conjuntos de equações paramétricas podem representar a mesma curva.2. na qual os pontos são traçados em uma ordem particular.Livro de Cálculo II AULA 6 Figura 6. Então distinguimos uma curva.3. que é um conjunto de pontos. Vamos descrever a curva de equações paramétricas x = t3 . 95 . (Veja a figura 6. com t real.

a ≤ t ≤ b.1 Tangentes Na seção anterior. vimos que algumas curvas definidas por equações paramétricas x = f (t) e y = g(t) podem também ser expressas pela eliminação do parâmetro na forma y = F (x). Em geral temos o seguinte: Teorema 6. a Regra da Cadeia fornece g (t) = F (f (t))f (t) = F (x)f (t).13: Curva Paramétrica.19.3.1) 96 . F e f forem diferenciáveis. podemos resolver para F (x) : F (x) = g (t) f (t) (6. Se substituirmos x = f (t) e y = g(t) na equação y = F (x). y = g(t). a curva paramétrica x = f (t).Equações Paramétricas Figura 6. se g. pode ser colocada na forma y = F (x). obteremos: g(t) = F (f (t)) assim. Se f for contínua e f (t) = 0 para a ≤ t ≤ b. Se f (t) = 0. 6.

Usando a notação de Leibniz podemos reescrever a Equação (6. Para o estudo da concavidade da curva. Solução: √ (a) Note que y = t3 − 3t = t(t2 − 3) = 0 quando t = 0 ou t = ± 3. F (x)) é F (x). (a) Mostre que C tem duas tangentes no ponto (3. (b) Encontre os pontos em C onde a tangente é horizontal ou vertical. a Equação (6. Isso indica que C intercepta ele mesmo em 97 . Essa informação é útil para esboçar as curvas paramétricas. √ √ t = 3 e t = − 3.1) nos permite encontrar tangentes a curvas paramétricas sem ter que eliminar o parâmetro. (c) Determine onde a curva sobre e desce e onde sua concavidade se encontra para cima ou para baixo.2): dx =0 dt = se Exemplo 6. é útil considerar Isso pode ser encontrado mudando y por d d2 y = 2 dx dx dy dx d dt dy dx dx dt dy dx d2 y . 0) em C surge de dois valores do parâmetro.3.Livro de Cálculo II Como a inclinação da tangente à curva y = F (x) em (x.1) de uma maneira fácil de lembrar: dy = dx dy dt dx dt AULA 6 se dx =0 dt (6.1.2) que a curva tem uma tangente horizontal quando vertical quando dx dt dy dt = 0 (desde que dy dt dx dt = 0) e tem uma tangente = 0 (desde que = 0). 0) e encontre suas equações. Uma curva C é definida pelas equações paramétricas x = t2 e y = t3 − 3t.2) Podemos ver da Equação (6. dx2 na Equação (6. o ponto (3. Portanto.

−2) e (1. as equações das tangentes em (3. esboçamos C na Figura 6. 0) são y= √ √ 3(x − 3) e y = − 3(x − 3). Como dy = dx dy dt dx dt = 3t2 − 3 3 = 2t 2 t− 1 t √ a inclinação da tangente quando t = ± 3 é √ dy 6 = ± √ = ± 3.Equações Paramétricas (3. 0). isso é apropriado quando t2 = 1. Os pontos correspondentes em C são (1. 0). Exemplo 6. Uma vez que dy dt = 3t2 − 3.14. C tem uma tangente vertical quando t = 0. no ponto θ = π . O ponto correspondente em C é (0. (c)Para determinar a concavidade. isto é. = 3 2 1+ 2t 1 t2 = 3(t2 + 1) . 2). calculamos a derivada segunda: d2 y = dx2 d dt dy dx dx dt dx dt = 2t = 0. dx 2 3 assim. dy dt =0 = 0.3. isto é t = ±1. dy dx (b) C tem uma tangente horizontal quando e dx dt = 0 isto é. (d) Usando as informações das partes (b) e (c). y = r(1 − cosθ). 3 (b) Em que ponto a tangente é horizontal? Quando é vertical? Solução: (a) A inclinação da reta tangente é dy = dx dy dθ dx dθ = r senθ senθ = r(1 − cosθ) 1 − cosθ 98 . (a) Encontre a tangente para a ciclóide x = r(θ− senθ).2. 4t3 Então a concavidade da curva é para cima quando t > 0 e para baixo quando t < 0.

2 3 2 3 A tangente está esboçada na Figura 6. θ = (2n − 1)π.14: Curva referente ao Exemplo 6. o que ocorre quando senθ = 0 e 1 − cosθ = 0. n ∈ Z. 2r). temos 3 √ π π π 3 x = r( − sen ) = r( − ) 3 3 3 2 e 3 √ sen π dy 3 = = 2 1 = 3.Livro de Cálculo II AULA 6 Figura 6. 99 . π dx 1 − cos 3 1− 2 √ π r y = r(1 − cos ) = 3 2 √ Portanto a inclinação da tangente é 3 e sua equação é √ √ 3 r √ π π y = = 3(x − r + r ) ou 3x − y = r( √ − 2).1. O ponto correspondente da ciclóide é ((2n − 1)πr.15: Ciclóide (b) A tangente é horizontal quando dy dx = 0. isto é. Quando θ = π . Figura 6.3.15.

Usando a Regra de 100 . quando Um cálculo similar mostra que θ−→2nπ − x = 2nπr. isto é. como a seguir: lim dy senθ cosθ = lim = lim =∞ + 1 − cosθ + senθ dx θ−→2nπ θ−→2nπ lim θ−→2nπ + dy = −∞. Solução: Um arco da ciclóide é dado por 0 ≤ θ ≤ 2π. g(β)) for o extremo esquerdo. então podemos adaptar a fórmula anterior usando a Regra da Substituição para Integrais Definidas como a seguir: b β A= a ydx = α g(t)f (t)dt ou α A= β g(t)f (t)dt se (f (β). Podemos verificar isso usando a Regra de L’Hôspital. assim. Exemplo 6.2 Áreas O Teorema Fundamental do Cálculo no diz que a áreas sob uma curva y = F (x) de a até b é A = b a F (x)dx. realdx mente existem tangentes verticais quando θ = 2nπ. 6. onde F (x) ≥ 0. y = g(t) e for percorrida quando t aumenta de α para β. a partir do gráfico parece que as tangentes são verticais naqueles pontos. Se a curva for dada por equações paramétricas x = f (t).3.3. y = r(1 − cosθ).Equações Paramétricas Quando θ = 2nr. Encontre a área sob um arco da ciclóide x = r(θ − senθ).3. tanto dx dθ e dy dθ são 0.

y = g(t). temos 2πr 2π AULA r(1 − cosθ)r(1 − cosθ)dθ 2π 2π 6 A= 0 ydx = 0 = r2 0 2π (1 − cosθ)2 dθ = r2 0 (1 − 2cosθ + cos2 θ)dθ 1 [1 − 2cosθ + (1 + cos2θ)]dθ 2 0 3 1 = r2 [ θ − 2senθ + sen2θ]2π 0 2 4 3 = r2 ( · 2π) = 3πr2 . então adaptando a fórmula anterior. 2 = r2 Figura 6. 101 .3 Comprimento de Arco Sabemos que. α ≤ t ≤ β. obtemos β L= α dx dt 2 + dy dt 2 dt. β] e for percorrida exatamente uma vez quando t aumenta de α para β. onde f e g são contínuas em [α. a ≤ x ≤ b e F for contínua. então o comprimento L da curva C é dado por b L= a 1+ dy dx 2 dx Se a curva C for dada por equações paramétricas x = f (t). 6.3.16: Arco da ciclóide.Livro de Cálculo II Substituição com y = r(1 − cosθ) e dx = r(1 − cosθ)dθ. se uma curva C é dada na forma y = F (x).

1 2 + dy dt 2 = (tsen t)2 + (tcos t)2 = √ t2 = |t| L= −1 dx dt 2 + dy dt 2 1 0 1 dt = −1 |t|dt = −1 (−t)dt + 0 tdt = 1. dizemos que a curva C é parametrizada pelo comprimento de arco. Encontre o comprimento de arco da curva x = sen t − tcos t. A área resultante é dada por β S= α 2πy dx dt 2 + dy dt 2 dt.4.3.4. g são contínuas e g(t) ≥ 0.3.4 Área de Superfície Dada uma curva C com equações paramétrica x = f (t). queremos calcular a área da superfície gerada à partir da rotação da curva C em torno do eixo-x. 6. 102 . Figura 6.3. α ≤ t ≤ β onde f . Solução: Temos que dx dt Logo. −1 ≤ t ≤ 1. y = cos t + tcos t. Neste caso.17: Curva referente ao Exemplo 6. y = g(t).Equações Paramétricas Exemplo 6.

Livro de Cálculo II Exemplo 6.3.5. Mostre que a área da superfície de uma esfera de raio r é Solução: A esfera é obtida pela rotação do semicírculo x = rcos t y = sen t 0 ≤ t ≤ π 4πr2 .

AULA

6

ao redor do eixo-x. Portanto,
π

S =
0

2πsen t (−rsen t)2 + (rcos t)2 dt
π

= 2π
0

rsen t
π

r2 (sen2 t + cos2 t)dt
π 0

= 2πr2
0

sen tdt = 2πr2 (−cos t)

= 4πr2 .

6.4

Resumo

Nesta aula, conhecemos um novo tipo de função, as funções que a cada valor de t associa um par ordenado (x, y) no plano. Vimos que tais funções são úteis na descrição da trajetória de uma partícula no plano. Além disso, aprendemos a fazer cálculos com curvas paramétricas. Em particular, resolvemos problemas envolvendo tangentes, áreas, arco e superfície de área. Na próxima aula, estudaremos as curvas paramétricas em coordenadas polares.

6.5

Atividades

01. Elimine o parâmetro para encontrar uma equação cartesiana da curva, esboce a curva e indique com uma seta a direção na qual

103

Equações Paramétricas a curva é traçada quando o parâmetro aumenta. (a) x = 3t − 5, y = 2t + 1 (b) x = t2 − 2, y = 5 − 2t, −3 ≤ t ≤ 4 π π (c) x = 4 cos θ, y = 5 sen θ, − ≤ θ ≤ 2 2 (d) x = et , y = e−t

02. Descreva o movimento de uma partícula com posição (x, y) dada por x = cos2 t, y = cos t quando 0 ≤ t ≤ 4π.

03. (a) Mostre que as equações paramétricas x = x1 + (x2 − x1 )t, y = y1 + (y2 − y1 )t onde 0 ≤ t ≤ 1 descrevem o segmento de reta que une os pontos (x1 , x2 ) e (y1 , y2 ). (b) Encontre as equações paramétricas para representar o segmento de reta de (−2, 7) até (3, −1).

04. Encontre os pontos da curva dada por x = t4 + 1, y = t3 + t em que a tangente é horizontal. Em que pontos a tangente é vertical? Calcule a equação da reta tangente e da reta normal a curva dada no ponto em que t = −1.

05. Encontre os pontos da curva dada por x = 2 cos θ, y = sen 2θ

104

Livro de Cálculo II em que a tangente é horizontal. Em que pontos a tangente é vertical? Calcule a equação da reta tangente a curva dada no ponto em que θ = π . 2

AULA

6

06. Calcule o comprimento da curva dada por x = et + e−t , y = 5 − 2t para 0 ≤ t ≤ 3.

07. Calcule a área da superfície obtida pela rotação da curva dada por x = 3t − t3 , y = 3t2 , 0 ≤ t ≤ 1 ao redor do eixo x.

6.6

Comentário das Atividades

Essas atividades tem o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos desenvolvidos nesta aula. As atividades 01, 02 e 03 são referentes ao estudo das curvas paramétricas no plano. Se conseguiu resolve-las, então você aprendeu a descrever o movimento de uma partícula no plano. As atividades 04, 05, 06 e 07 são referentes ao cálculo com curvas paramétricas. Cálculo de retas tangentes, retas normais, comprimento de arco e área de superfícies de rotação. Se conseguiu resolver todas essas atividades. Parabéns. Você sabe fazer cálculo com curvas paramétricas.

105

Equações Paramétricas

6.7

Referências

• GUIDORIZZI, H. L., Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2). Rio de Janeiro: LTC Editora, 2006. • STEWART, J., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006. • THOMAS, G. B., Cálculo (vol. 1 e 2). São Paulo: Addison Wesley, 2002.

106

1
LIVRO

Curvas Polares
META Estudar as curvas planas em coordenadas polares (Curvas Polares).

7
AULA

OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no plano. Cálculos com curvas

planas em coordenadas polares.

PRÉ-REQUISITOS Curvas Paramétricas (Aula 06).

Além disso. chamado eixo polar. Usamos a convenção de que um ângulo é positivo se for medido no sentido anti-horário a partir do eixo polar e negativo se for medido no sentido horário. denominado sistema de coordenadas polares. e concordamos que (0. então r = 0. Daí o ponto P é representado pelo par ordenado (r. θ) representa o pólo para quaisquer valor de θ. utilizando coordenadas polares. faremos os cálculos relativos as tangentes. 108 . Tal sistema de coordenadas é muito útil no estudo de curvas no plano. Nesta aula descreveremos um sistema de coordenadas introduzido por Newton.1 Introdução Até agora temos usado as coordenadas cartesianas para representar um ponto no plano. por um par ordenado de números. Se P for qualquer ponto no plano. Se P = O.2 Coordenadas Polares Escolhemos um ponto no plano conhecido como pólo (ou origem) e o denominamos O. ao comprimento de arco e as áreas delimitadas por curvas no plano.18. Então. seja r a distância de O a P e seja θ o ângulo entre o eixo polar e a reta OP como na Figura 7. 7. Escreveremos as curvas no plano em coordenadas polares.Curvas Polares 7. que são distâncias dirigidas a partir de dois eixos perpendiculares. desenhamos um raio (semi-reta) começando de O. θ são denominados coordenadas polares de P. chamados coordenadas. Esse eixo é geralmente desenhado horizontalmente para a direita e corresponde ao eixo x positivo nas coordenadas cartesianas. θ) e r.

1.19: Figura referente ao Exemplo 7. então.2. A relação entre as coordenadas polares e cartesianas pode ser vista a partir da Figura 7. θ + 2nπ) onde n é qualquer inteiro.20. Se o ponto P tiver coordenadas cartesianas (x. 3π ) 4 Solução: Os pontos são plotados na Figura 7. −2π ) 3 (d) (−3. na qual o pólo corresponde à origem e o eixo polar coincide com o eixo x positivo. θ + (2n + 1)π) 109 . e (−r. Figura 7.1 No sistema de coordenadas cartesianas cada ponto tem apenas uma representação. 3π) (c) (2. De fato. Plote os pontos cujas coordenadas polares são (a) (1. y) e coordenadas polares (r. como uma rotação completa no sentido anti-horário é dada por um ângulo 2π. θ). mais no sistema de coordenadas polares cada ponto tem muitas representações.Livro de Cálculo II AULA 7 Figura 7. θ) é também representado por (r. Exemplo 7. 5π ) 4 (b) (2.2. o ponto representado pelas coordenadas polares (r.19.18: Sistema de Coordenadas Polares.

(7.1) fornecem 2 π =3·0=0 2 π y = rsenθ = 3sen = 3 · 1 = 3 2 x = rcosθ = 3cos Portanto. Para encontrar r e θ onde x e y são conhecidos. temos: cosθ = e assim. Converta o ponto (3. o ponto é (0.1) nos permitem encontrar as coordenadas cartesianas de um ponto quando as coordenadas polares são dadas.2. usaremos as equações r 2 = x2 + y 2 tgθ = y .1). a partir da figura.1) x r senθ = y r As Equações (7. x = rcosθ y = rsenθ.2. 3) nas coordenadas cartesianas.Curvas Polares Figura 7.20: Coordenadas Cartesianas ↔ Coordenadas Polares. 110 .2) que podem ser deduzidas a partir das Equações (7. Exemplo 7. Solução: Como r = 3 e θ = π . π ) de coordenadas polares 2 para cartesianas. as Equações (7. x (7.

−3) 03. um com r > 0 e outro com r < 0. 02. 1) √ (c) −1. Encontre as coordenadas polares do ponto.3. Então uma resposta possível é ( 2. − 6 (b) −2. então a Equação (7. 4 ). (a) 1 ≤ r ≤ 2 111 .Livro de Cálculo II Exemplo 7. −1) em termos de coordenadas polares. 2 π (c) 2. podemos escol√ her θ = − π ou θ = 7π . −1) estão no quarto quadrante. As coordenadas cartesianas de um ponto são dadas. Encontre as coordenadas cartesianas do ponto. Esboce a região do plano que consiste em pontos cujas coordenadas polares satisfazem as condições dadas. π (a) 1. − 3 √ (b) 2 3. Represente o ponto com coordenadas cartesianas (1. Plote o ponto cujas coordenadas polares são dadas. Exercícios: 01. Plote-os. Então encontre dois outros pares de coordenadas polares desse ponto. − 2 5π (f) −2. 4 4 4 √ 7π e outra é ( 2. −2 (d) (−2. − 4 π (e) 3. (a) (1.2) fornece AULA 7 r= x2 + y 2 = y tgθ = = −1 x 12 + (−1)2 = √ 2 Como o ponto (1. 2 π 4 π (d) −2. Solução: Se escolhermos r positivo.2. − π ).

antes de prosseguir nesta aula. ≤ θ ≤ 4 4 (b) r ≥ 0. Exemplo 7. Então juntamos esses pontos para esboçar a curva. na Figura 7. Se você sentiu dificuldades em resolver esses exercícios.3. De fato. temos que x2 + y 2 = r2 . 112 . Exemplo 7.3. De fato. θ). F (r. A circunferência de raio 3 e centro na origem é representada pela equação polar r = 3.1. você já pode continuar seus estudos relativos à essa aula. A curva com equação polar r = 2cosθ é uma circunferência com centro em (1. volte a estudar as coordenadas polares. θ) cujas coordenadas satisfazem a equação.Curvas Polares π 2π ≤θ≤ 3 3 π 3π (c) −1 ≤ r ≥ 1.22 encontramos os valores de r para alguns valores convenientes de θ e plotamos os pontos correspondentes (r. 0) e raio 1. 04.3 Curvas Polares Uma curva polar é representada por uma equação r = f (θ). − 2 6 Observação 7. θ1 ) e (r2 . (a) Encontre uma fórmula para a distância entre os pontos com coordenadas polares (r1 . Conseguiu fazer todos esses exercícios??? SIM!!! Ótimo. . 7. θ2 ). ou mais geralmente. e −2.2.3. logo x2 + y 2 = 9. (b) Encontre a distância entre os pontos com coordenadas polares π 5π 3. θ) = 0 e seu gráfico consiste em todos os pontos P que têm pelo menos uma representação (r.

assim. A curva polar r = 1+senθ é denominada cardióide porque tem o formato parecido com o de um coração.1) e (7. A partir de x = rcosθ. obtemos a Figura 7.23: 113 .21: Circunferência de equação r = 3. 0) e raio 1.2). Plotando a cardióide através do Software Winplot. temos cosθ = x .Livro de Cálculo II AULA 7 Figura 7. usando as Equações (7. Vamos agora converter a equação dada em uma equação cartesiana. a equação r = 2cosθ torna-se r fornece 2x = r2 = x2 + y 2 ou x2 + y 2 − 2x = 0 r 2 = x . Figura 7. Exemplo 7. obtemos (x − 1)2 + y 2 = 1 que é uma equação do círculo com centro em (1.22: Circunferência de equação r = 2cos θ. que r Completando o quadrado.3.3.

A curva polar r = cos2θ é denominada rosa de quatro pétalas (ou 4−rosácea). obtemos a Figura 7.24: 4−rosácea. 7. vamos considerar θ como um parâmetro e escrever suas equações paramétricas como x = rcosθ = f (θ)cosθ y = rsenθ = f (θ)senθ 114 .4 Tangentes as Curvas Polares Para encontrar a reta tangente a uma curva polar r = f (θ).23: Cardióide Exemplo 7.3.Curvas Polares Figura 7. Plotando a curva através do Software Winplot.4.24: Figura 7.

1. Solução: Usando a Equação (7. π. 4π ). 3 3 dx dθ 115 . 0). 6 (b) Encontre os pontos na cardióide onde a reta tangente é horizontal ou vertical. ( 3 . 2π ).4. ( 2 . π. ( 2 .Livro de Cálculo II Então. e a Regra do Produto temos: dy = dx dy dθ dx dθ AULA (7.2)). Quando θ = π.1) dy dθ 7 = dr dθ senθ + rcosθ dr dθ cosθ − rsenθ Localizamos as tangentes horizontais achando os pontos onde 0e dx dθ = = 0. obtemos dy dx = = dr −senθ dθ senθ + rcosθ = dr −senθ dθ cosθ − rsenθ 2 θ + cosθ + cos2 θ −sen senθ + (1 + cosθ)cosθ cosθ − (1 + cosθ)senθ 2cos2 θ + cosθ − 1 −senθ(2cosθ + 1) π 6 −2senθ cosθ − senθ = (a) A inclinação da tangente no ponto onde θ = √ é −1 dy dx = = (b) Observe que dy dθ dx dθ 2cos2 π + cos π − 1 6 6 −sen π (2cos π + 1) 6 6 √ 1 + 3 2√ 2 = −1 1 −2 3+1 2 = 3 2 2 √ + √ 3 2 3 2 −1 2 2 +1 = 2cos2 θ + cosθ − 1 = 0 = −senθ(2cosθ + 1) = 0 quando θ = π 5π . (a) Para a cardióide r = 1 + cosθ.1) com r = 1 + cosθ. . 3 3 3 Portanto existem tangentes horizontais nos pontos ( 2 . 3 3 2π 4π quando θ = 0. Exemplo 7. usando o método para encontrar inclinações de curvas paramétricas(Equação (6. π ). Do mesmo modo. calcule a inclinação da reta tangente quando θ = π . localizamos as tangentes verticais dy dθ nos pontos onde =0e dx dθ = 0. 5π ) 3 2 3 1 1 e tangentes verticais em (2.

dx θ−→π + Então existe uma reta horizontal no pólo (Veja Figura 7. Usando a Regra de L’Hôspital.Curvas Polares e dy dθ são 0 e. limitada pela curva polar r = f (θ) e pelos raios θ = a e θ = b.5 Áreas e Comprimentos em Coordenadas Polares Seja R a região ilustrada na Figura 7. devemos ser cuidadosos.25: Cardióide 7. Figura 7. Sejam a = θ0 < θ1 < · · · < θn = b 116 . temos lim dy dx = 2cos2 θ + cosθ − 1 θ−→π − −senθ(2cosθ + 1) −2cosθsenθ − senθ = lim =0 θ−→π − −cosθ(2cosθ + 1) − senθ(−2senθ) lim θ−→π − Da mesma forma. Dividimos o intervalo [a. onde f é uma função contínua e positiva onde 0 < b − a ≤ 2π. prova-se que lim dy = 0. b] em n subintervalos iguais. dessa forma.25).26. cada qual com comprimento ∆θ = b−a n .

a área procurada é a soma de todas essas áreas (soma de Riemann).27: Partição da região em setores de um círculo. Os raios θ = θi . dividem a figura em n setores. · · · . Portanto. ou seja. θi ]. os pontos dessa divisão. 2 A= i=1 117 . n. (Veja Figura 7. isto é. i = 1.26: Área entre curvas polares. o i−ésimo deles estando compreendido entre os raios θ = θi−1 e θ = θi possui área aproximadamente igual a ∗ área do setor de um círculo com ângulo central ∆θ e raio f (θi ) ∗ para algum θi em [θi−1 . a área do i−ésimo setor é ∗ dada por f (θi ) · ∗ f (θi )∆θ 2 = ∗ f (θi )2 2 ∆θ.Livro de Cálculo II AULA 7 Figura 7.27) Figura 7. n ∗ f (θi )2 ∆θ.

1) A fórmula (7.2. Exemplo 7.5. obtemos a integral b A= a 1 [f (θ)]2 dθ 2 (7. 2 2 4 8 Quando uma curva é dada em coordenadas polares.2) entendendo que r = f (θ). Solução: A curva cardióide esta plotada na Figura 7. usaremos a fórmula 7.1) é freqüentemente escrita como b A= a 1 2 r dθ 2 (7.5. a fórmula (7. por exemplo. Desta forma.1. Solução: Note a partir da Figura 7. r = f (θ). ou seja: x = rcosθ = f (θ)cosθ y = rsenθ = f (θ)senθ 118 . obtemos facilmente suas equações paramétricas em termos do ângulo como parâmetro.2: 2π A= 0 1 1 (1 + cosθ)2 dθ = 2 2 2π (1 + 2cosθ + cos2 θ)dθ = 0 3π .Curvas Polares Tomando seu limite quando n −→ ∞. Calcule a área limitada por uma pétala da 4rosácea r = cos2θ. Calcule a área da cardióide r = 1 + cosθ. Para calcular a área.28 que a região limitada por uma pétala da 4-rosácea é varrida pelo raio que gira de θ = θ = − π .2) fornece 4 L = = 0 π 4 até 1 2 π 4 cos 2θdθ = 0 2 π 4 cos2 2θdθ −π 4 π 4 π 1 1 1 π 4 (1 + cos4θ)dθ = [θ + sen4θ]0 = .25. 2 Exemplo 7.

5. assim a fórmula 7. Solução: A curva é mostrada na Figura 7. Seu comprimento total é dado pelo intervalo de parâmetro 0 ≤ θ ≤ 2π. a ≤ θ ≤ b é b L= a f (θ)2 + f (θ)2 dθ ou b L= a r2 + dr dθ 2 dθ.3 fornece 119 . 0 ≤ θ ≤ 2π. Calcule o comprimento da curva polar r = θ2 . Logo.28: 4−rosácea Segue que dx dθ 2 + dy dθ 2 = [f (θ)cosθ − f (θ)senθ]2 + [f (θ)senθ + f (θ)cosθ]2 = f (θ)2 + f (θ)2 . o comprimento de arco da curva com equação polar r = f (θ). (7.3.Livro de Cálculo II AULA 7 Figura 7.29.3) Exemplo 7.

3 7.Curvas Polares 2π 2π L= 0 θ2 + (2θ)2 dθ = 0 √ 5θ2 dθ = √ 2π 5 0 √ θdθ = 2 5π 2 . introduzimos as coordenadas polares.29: Figura referente ao Exemplo 7. Além disso. arco e superfície de área.5.7 Atividades 01. 7. Em particular.6 Resumo Nesta aula. Encontre a equação cartesiana para a curva descrita pela equação polar dada: (a) r = 2 (c) r cos θ = 1 (b) r = 3 sen θ (d) r = 2 senθ + 2 cosθ 02. Figura 7. áreas. Encontre a equação polar para a curva descrita pela equação cartesiana dada: (a) x = 3 (c) x = −y 2 (b) x2 + y 2 = 9 (d) x + y = 9 120 . Aprendemos a fazer cálculos com curvas polares. trabalhamos com as curvas planas em coordenadas polares. resolvemos problemas envolvendo tangentes.

0 ≤ θ ≤ 2π. Encontre a área da região que está dentro das curvas r = sen θ e r = cos θ. 0 ≤ θ ≤ . 09. (a) r = sen 2θ.Livro de Cálculo II 03. 4 2π π ≤θ≤ . (b) r = sen θ. 0 ≤ θ ≤ . (b) r = 1 + 2sen θ. 07. Encontre a área da região dentro de um laço da curva. Encontre a área da região que está dentro da curva r = 2 + sen θ e fora da curva r = 3sen θ. 3 3 06. Encontre a área da região que é limitada pelas curvas dadas que está no setor especificado. 08. √ π (a) r = θ. Calcule o comprimento da curva polar: π (a) r = 3sen θ. calcule a área limitada por ela e encontre os pontos na curva onde a reta tangente é horizontal ou vertical: (a) r = 3 cosθ (c) r = sen θ (e) r = 2 cos 4θ (g) r = 1 + sen θ (b) r = cos θ + sen θ (d) r = −3 cos θ (f) r = sen 5θ (h) r = cos 2θ AULA 7 05. Esboce a curva com equação dada. 121 . Esboce a curva com equação dada: π (a) θ = − (b) r2 − 3r + 2 = 0 6 04. 3 (b) r = θ.

São Paulo: Pioneira Thomson Learning. 2002. 122 . Cálculo (vol. • THOMAS. • STEWART. Rio de Janeiro: LTC Editora. 1 e 2). L. 2006. J. Lembre-se. 1 e 2). 7. G. H.. 2006..9 Referências • GUIDORIZZI. que existem tutores para ajuda-los na resolução dessas atividades. Um Curso de Cálculo (Vol..8 Comentário das Atividades Essas atividades. B. 1 e 2). sempre. são referentes aos assuntos discutidos no decorrer desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos aprendidos. Cálculo (vol.Curvas Polares 7. São Paulo: Addison Wesley.

1 LIVRO Funções com Valores Vetoriais META Estudar funções de uma variável real a valores em R3 8 AULA OBJETIVOS Estudar movimentos de partículas no espaço. . PRÉ-REQUISITOS Ter compreendido os conceitos de funções reais e de curvas no plano.

um único vetor F (t) ∈ R3 . O conjunto I é o domínio de F e será indicado por DF .2. 3. Como uma função vetorial associa a cada t ∈ I. e são únicas. quando t varia em I. um único vetor F (t) ∈ R3 .1 Introdução Nesta aula. qualquer que seja t ∈ I. que faremos na próxima aula. F3 (t)) ou F (t) = F1 (t)i+F2 (t)j +F3 (t)k. 8. 124 . vamos estudar funções que a cada número real de um intervalo da reta (domínio) associa um único vetor no espaço.1. Tais funções serão úteis no estudo de curvas espaciais. As funções Exemplo 8. 3 (três) funções a valores reais Fi : I −→ R.Funções com Valores Vetoriais 8. sen t. 2.2. Seja F (t) = ti + componentes de F são as funções: F1 (t) = t.2. tais que. Uma tal função associa a cada t ∈ I. F2 (t) = sen t e F3 (t) = 2. F2 (t). A imagem ou trajetória de F é o lugar geométrico. F2 (t) = √ t e F3 (t) = sen 3t.2 Definições e Propriedades Uma função de uma variável real a valores em R3 ou função vetorial é uma função F : I −→ R3 onde I é um subconjunto de R. F (t) = (F1 (t). i = 1. em R3 . descrito por F (t). então existem. Exemplo 8. 2) é uma função vetorial e suas funções componentes são: F1 (t) = t2 . Tais funções são denominadas funções componentes de F . √ tj + sen 3tk. F (t) = (t2 .

Definimos: (a) a função F + G : I −→ R3 dada por (F + G)(t) = F (t) + G(t) denomina-se soma de F e G. G : I −→ R3 duas funções de uma variável real a valores em R3 .Livro de Cálculo II Sejam F . f : I −→ R uma função a valores reais e k uma AULA 8 constante. (e) a função F × G : I −→ R3 dada por i (F × G)(t) = F (t) × G(t) = F1 (t) j F2 (t) k F3 (t) G1 (t) G2 (t) G3 (t) = [F2 (t)G3 (t) − F3 (t)G2 (t)]i + [F3 (t)G1 (t) − F1 (t)G3 (t)]j +[F1 (t)G2 (t) − F2 (t)G1 (t)]k denomina-se produto vetorial de F e G. (c) a função f · F : I −→ R3 dada por (f · F )(t) = f (t)F (t) é o produto de F pela função escalar f . (b) a função k F : I −→ R3 dada por (k F )(t) = k F (t) + G(t) é o produto de F pela constante k. (d) a função F · G : I −→ R dada por (F · G)(t) = F (t) · G(t) onde F (t) · G(t) = F1 (t) · G1 (t) + F2 (t) · G2 (t) + F3 (t) · G3 (t). é o produto escalar de F e G. 125 .

essa t− →a definição equivale a dizer que o comprimento. 126 . Solução: lim F (t) = ( lim t2 .9. F3 (t)). então lim F (t) = ( lim F1 (t). 5). Temos: (a) o produto escalar de F e G é a função H dada por H(t) = F (t) · G(t) = 3t + t sen t + 2et .3. G(t) = (3. lim F3 (t)) t−→a t−→a t−→a t−→a desde que os limites das funções componentes existam. sen t. 2) = (tet . √ 5 − t).3 Limite e Continuidade O limite de uma função vetorial F é definido tomando-se os limites de suas funções componentes como se segue: Se lim F (t) = L. 2et ).Funções com Valores Vetoriais Exemplo 8. 1. Exemplo 8. t−→0 √ t + 1.3. lim √ t−→0 √ 5 − t = (0. (c) o produto vetorial de F e G é a função a valores em R3 dada por i (F × G)(t) = F (t) × G(t) = j k 2 t2 t sen t 3 t = [t2 sen t − 2t]i + [6 − t3 ]j + [t2 − 3sen t]k 8. Determine lim F (t) onde F (t) = (t2 . 2). t2 ) e f (t) = et . Definição 8. (b) o produto de F pela função escalar f é a função com valores em R3 dada por f (t)F (t) = et (t. et sen t. da direção e do sentido do vetor L. sen t. Sejam F (t) = (t. lim F2 (t). Se F (t) = (F1 (t).1. t.2. a direção e o sentido do vetor F (t) se aproximam do comprimento. lim t−→0 √ t−→0 t−→0 t + 1. F2 (t).

também. 8. [f · F ] = ·F +f · . f : I −→ R deriváveis em A. lim = lim h−→0 h−→0 h−→0 h h h = (F1 (t). Observe que F (t + h) − F (t) h−→0 h F2 (t + h) − F2 (t) F3 (t + h) − F3 (t) F1 (t + h) − F1 (t) . F2 (t).4 Derivada A derivada dF de uma função vetorial F é definida do mesmo dt modo como foi feito para as funções reais: Definição 8. dizemos. Uma função vetorial F tem derivada dF F (t + h) − F (t) = lim . F3 (t)). que F é contínua se for contínua em cada t do seu domínio.Livro de Cálculo II Uma função vetorial F é contínua em t0 se lim F (t) = F (t0 ). F2 e F3 são contínuas em t0 . AULA t−→t0 8 Segue da Definição 8. diferenciáveis em I e d df dF 1. Então. f · F e F · G serão. G : I −→ R3 . h−→0 dt h Notação 1.4. Sejam F . lim O próximo teorema mostra que as fórmulas de diferenciação para funções reais têm suas equivalentes para as funções vetoriais. dt dt dt 127 . Teorema 8. Dizemos que F é contínua em J ⊂ I de F for contínua em todo t ∈ J.20. simplesmente. dF (t) = F (t) dt dF se dt Observação 8.9 que F é contínua em t0 se e somente se suas funções componentes F1 .10. lim .

b]. Exemplo 8.1. esse resultado indica que. a F2 (t)dt. tal demonstração ficará para exercício. Mostre que.5 Integral Seja F = (F1 . Além disso. 8. b] teremos b b F (t)dt = G(t) a a = G(b) − G(a). F (t) · F (t) = 0.20 que 0= d [F (t) · F (t)] = F (t) · F (t) + F (t) · F (t) = 2F (t) · F (t). 128 . dt dt dt A demonstração desse teorema segue diretamente da Obser2. dt dt dt d df dF 4. Geometricamente. b]. [F × G] = ×G+F × . F3 ) definida em [a. vação 8. = c2 e c2 é uma constante. F2 . b] se cada componente de F o for.4. Se F for integrável em [a. segue da Fórmula 4 do Teorema 8. se a curva está em uma esfera com o centro na origem. Dizemos que F é integrável em [a. Deste modo. dt dt dt d dF dG 3. se F for integrável em [a.4 e das fórmulas de diferenciação correspondentes para a função real. [F (f (t))] = · (f (t)). Demonstração: Como F (t) · F (t) = F (t) 2 = c (uma constante). o que implica que F (t) é ortogonal a F (t). se F (t) então F (t) é ortogonal a F (t) para todo t. então b b b b F (t)dt = a a b F1 (t)dt. dt Então. b] e G for uma primitiva de F em [a.Funções com Valores Vetoriais dF dG d [F · G] = ·G+F · . então o vetor tangente é sempre perpendicular ao vetor posição F (t). a b F3 (t)dt b = a F1 (t)dt · i + a F2 (t)dt · j + a F3 (t)dt · k.

Livro de Cálculo II De fato. dG dGi =F ⇔ = Fi . a F3 (t)dt = (G1 (b) − G1 (a). 2 t 1 8. F2 (t). Se F (t) = (F1 (t). lim F3 (t)) t−→a t−→a t−→a t−→a desde que os limites das funções componentes existam. Exemplo 8. então lim F (t) = ( lim F1 (t). 2. 3.6 Resumo Uma função de uma variável real a valores em R3 é uma função do tipo F : I ⊂ R −→ R3 dada por F (t) = (F1 (t). a F2 (t)dt. e 1 0 t2 1 F (t)dt = e i + 2tj + k = e1 i + 2j + k − e0 i 2 0 2 1 = (e − 1)i + 2j + k. então F (t)dt = et dt i + 2dt j + tdt k = et i + 2tj + t2 k+C 2 onde C é um vetor constante de integração. G2 (b) − G2 (a). lim F2 (t). F3 (t)) ou F (t) = F1 (t)i+F2 (t)j +F3 (t)k. i = 1. 129 . F3 (t)). Se F (t) = et i + 2j + tk. G3 (b) − G3 (a)) = G(b) − G(a).1.5. dt dt então b b b b AULA 8 F (t)dt = a a F1 (t)dt. F2 (t).

F3 (t)). b]. t2 ) e G(t) = (t. sen t) 130 . F3 ) definida em [a. Calcule: (b) e−t F (t) (d) F (t) × G(t) √ (a) F (t) · G(t) (c) F (t) − 2G(t) 02. que F (t) = (F1 (t). h−→0 dt h Vimos. cos t. onde F (t) = t−→0 t−1 2 t−1 . 8. 2. a F2 (t)dt. então b b b b F (t)dt = a a b F1 (t)dt. Além disso. −1. F2 (t). se F for integrável em [a. F2 . t−→1 t−1 t (b) lim F (t). 1). também. F2 (t). b]. onde F (t) = (t. Calcule: (a) lim F (t). t . Atividades Sejam F (t) = (t. dF dt t−→t0 Uma função vetorial F = (F1 (t). F3 (t)) tem derivada se dF F (t + h) − F (t) = lim .7 01. usaremos essas funções vetoriais para estudar os movimentos de partículas no espaço. b] se cada componente de F o for. a b F3 (t)dt b = a F1 (t)dt · i + a F2 (t)dt · j + a F3 (t)dt · k. Seja F = (F1 .Funções com Valores Vetoriais Uma função vetorial F é contínua em t0 se lim F (t) = F (t0 ). Na próxima aula. Dizemos que F é integrável em [a.

131 . Sejam F (t) = ti + j + et k e G(t) = i + j + k. Determine r = r(t) sabendo que 1 dr = sen ti + cos 2tj + k. 1 (b) 0 F (t) · G(t) dt. √ (a) F (t) = ti + tj + 3k. Prove que F + G. f F . Calcule 1 (a) 0 (ti + et j)dt. Justifique sua resposta. que existem tutores para ajuda-los na resolução dessas atividades.Livro de Cálculo II 03.8 Comentário das Atividades Essas atividades. e r(0) = i − j + 2k. 8. Determine o conjunto dos pontos de continuidade. AULA 8 04. t ≥ 0. 05. Calcule 1 (a) 0 (F (t) × G(t))dt. G : I −→ R3 e f : I −→ R contínuas em t0 ∈ I. 1 (b) −1 sen 3t. dt 1+t 06. sempre. F · G e F × G são contínuas em t0 . são referentes aos assuntos discutidos no decorrer desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos aprendidos. 1 + t2 07. 1 dt. Lembre-se. Sejam F . √ √ (b) F (t) = t − 1i + t + 1j + et k. 1 .

• STEWART. 132 .. Rio de Janeiro: LTC Editora. 2006. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. J. 2002. 1 e 2)..9 Referências • GUIDORIZZI. 1 e 2). L. Cálculo (vol. G.. São Paulo: Addison Wesley. Cálculo (vol. • THOMAS. 2006. B. 1 e 2).Funções com Valores Vetoriais 8. H. Um Curso de Cálculo (Vol.

PRÉ-REQUISITOS Funções vetoriais (Aula 08).1 LIVRO Curvas Espaciais META Estudar as curvas no espaço (R3 ). 9 AULA OBJETIVOS Descrever o movimento de objetos no espaço. .

estudaremos o movimento de objetos no espaço utilizando tais funções. 9. a cada instante t no intervalo considerado I. y. Suponha que f. Assim. Definição 9. Se considerarmos a função vetorial r(t) = (f (t). g(t). Seja r : I −→ R3 uma curva. então r(t) é um vetor posição do ponto P (f (t).1) são denominadas equações paramétricas de C e t é denominado o parâmetro.1) e t varia no intervalo I é chamado curva espacial ou curva em R3 .1 Introdução Na aula anterior.11. qualquer função vetorial define uma curva espacial C que é traçada pela ponta do vetor em movimento. As equações em (9. h(t)) sobre C. Assim. Então o conjunto C de todos os pontos (x. estudamos as funções vetoriais. g(t). 134 . corresponde um ponto r(t) e o movimento é descrito por uma função vetorial r : I −→ R3 . O traço de r é a imagem do intervalo I por r. h(t)). g e h sejam funções reais contínuas em um intervalo I da reta. z) no espaço para os quais   x = f (t)    y = g(t)     z = h(t) (9.Curvas Espaciais 9.2 Movimentos no espaço Para descrever o movimento de uma partícula no espaço precisamos explicar onde a partícula está a cada instante de tempo t de um certo intervalo. Nesta aula.

Exemplo 9.30: Traço de r.1. −2) e paralela ao vetor (−3. −1. −2) e v = (−3. −2 + t). z = −2 + t que são as equações paramétricas de uma reta passando pelo ponto (2.2.2. −t. onde r0 = (2. −1. (Ver Figura 9.2. 0. y = −t. Solução: As equações paramétricas correspondentes são x = 2 − 3t. 135 . 2 r(t) = cos ti + sen tj + tk t ∈ 0. Outro modo de ver é observar que a função pose ser escrita como r = r0 + tv.Livro de Cálculo II AULA 9 Figura 9. Esboce o traço da curva cuja equação vetorial é dada por 5π . 1). Descreva o traço da curva espacial dada por r(t) = (2 − 3t. 0.31) Exemplo 9. 1).

Solução: Uma equação para o segmento de reta de P a Q (Ver 136 . a curva faz uma espiral para cima ao redor de um cilindro quando t aumenta. z) está diretamente acima do ponto (x. −1.32. −2) ao ponto Q(2.1 e 9. Como z = t.2. y. O ponto (x. 3). Nos exemplos 9.Curvas Espaciais Figura 9.2.1. y.3.2. 3. Solução: As equações paramétricas para essa curva são   x = cos t    y = sen t     z=t Como x2 + y 2 = cos2 t + sen2 t = 1. No proximo exemplo daremos uma descrição geométrica da curva e pediremos para determinar suas equações paramétricas. a curva precisa pertencer ao cilindro circular x2 + y 2 = 1. 0).2. que se move no sentido anti-horário em torno da circunferência x2 + y 2 = 1 no plano xy. A curva. mostrada na Figura 9. Determine a equação vetorial para o segmento de reta ligando o ponto P (1.31: Traço da curva dada no Exemplo 9. Exemplo 9.2 demos as equações vetoriais das curvas e pedimos uma descrição geométrica ou esboço delas. é chamada hélice.

3 − 4t. t ∈ R. A derivada r (t) se existe e é diferente do vetor nulo é chamado de vetor tangente a r em r(t). se r(t) = (f (t). então r (t) = (f (t). 0 ≤ t ≤ 1 ou r(t) = (1 + t. −2) + t(2. r(t + h) − r(t) tem a diA Figura 9. y. −1. −2 + 5t). g (t). 3). 0 ≤ t ≤ 1. h (t)). 3.32: Hélice Figura 9. a função vetorial r tem derivada r (t) em t ∈ I se r (t) = lim r(t + h) − r(t) h−→0 h Lembre que.33): r(t) = (1 − t)(1. z) = r(t0 ) + tr (t0 ). h(t)). aproxima-se da direção que costumamos chamar a direção tangente à curva r em r(t).Livro de Cálculo II AULA 9 Figura 9. 137 .34 mostra que o vetor h reção que. conforme h tende a zero. g(t). a equação da reta tangente à curva r em r(t0 ) é dada por (x. Como vimos. Deste modo.

Curvas Espaciais

Figura 9.33: Segmento de reta ligando o ponto P (1, 3, −2) ao ponto Q(2, −1, 3).

Figura 9.34: Vetor Secante (Figura à esquerda) e Vetor Tangente (Figura à direita).

Teremos ocasião de considerar o versor tangente, dado por r (t) . r (t)

T (t) =

Temos que T (t) = 1, para todo t ∈ I, logo, segue do Exemplo 8.4.1, que T (t) · T (t) = 0, ou seja, os vetores T (t) e T (t) são

138

Livro de Cálculo II ortogonais. O vetor N (t) = T (t) T (t)

AULA

9

é denominado vetor normal principal unitário a r em r(t). O vetor B(t) = T (t) × N (t) é denominado vetor binormal, é perpendicular a T e N e também é unitário. (Veja Figura 9.35)

Figura 9.35: Vetores tangente, normal e binormal. O número k= r (t) × r (t) r (t) 3

é denominado curvatura de uma curva espacial r em r(t) e mede quão rapidamente a curva muda de direção no ponto. Exemplo 9.2.4. Considere a hélice com equações paramétricas   x = 2cos t    y = sen t     z=t Determine as equações paramétricas para a reta tangente à hélice no ponto (0, 1, π/2). Solução: A equação vetorial da hélice é r(t) = (2cos t, sen t, t), de modo que r (t) = (−2sen t, cos t, 1).

139

Curvas Espaciais Note que o valor do parâmetro correspondente ao ponto (0, 1, π/2) é t = π/2, e o vetor tangente é r (π/2) = (−2, 0, 1). A reta tangente que passa por (0, 1, π/2) e é paralela ao vetor (−2, 0, 1) é dada por

(x, y, z) = (−2, 0, 1) + t(0, 1, π/2), t ∈ R

ou   x = −2t    y=1     z = π +t 2

t ∈ R.

Figura 9.36: Traço da hélice e da reta tangente.

Exemplo 9.2.5. Determine os vetores normais e binormais da hélice circular r(t) = cos ti + sen tj + tk.

140

Livro de Cálculo II Solução: Temos que r (t) = −sen ti + cos tj + 1k √ r (t) = (−sen t)2 + (cos t)2 + 1 = 2 1 r (t) = √ (−sen ti + cos tj + 1k) T (t) = |r (t)| 2 1 1 T (t) = √ (−cos ti − sen tj) T (t) = √ 2 2 T (t) = −cos ti − sen tj = (−cos t, sen t, 0) N (t) = T (t)
A Figura 9.37 ilustra o Exemplo 9.2.5 mostrando os vetores T, N e B em dois pontos da hélice circular. Em geral, os vetores T, N e B começando nos vários ponto, formam um conjunto de vetores ortogonais, denominados triedro T N B, que se move ao longo da curva quando t varia.

AULA

9

Figura 9.37: Triedro T N B Isso mostra que o vetor normal em um ponto da hélice circular é horizontal e aponta em direção ao eixo-z. O vetor binormal é  i j k 

 1    B(t) = T (t) × N (t) = √  −sen t cos t 1   2 −cos t −sen t 0 = 1 √ (sen t, −cos t, 1). 2

141

Curvas Espaciais Exemplo 9.2.6. Determine a curvatura da curva dada pela equação vetorial r(t) = (t, t2 , t3 ) em um ponto genérico e em (0, 0, 0). Solução: Temos que r (t) = (1, 2t, 3t2 ) r (t) = (0, 2, 6t) r (t) = 1 + 4t2 + 9t4 i r (t) × r (t) = j k = 6t2 i − 6tj + 2k

1 2t 3t2 0 2 6t

r (t) × r (t) =

36t4 + 36t2 + 4 = 2 9t4 + 9t2 + 1

Então a curvatura da curva r em r(t) é dada por √ r (t) × r (t) 2 9t4 + 9t2 + 1 k(t) = = (1 + 4t2 + 9t4 )3/2 r (t) 3 Na origem, a curvatura é k(0) = 2.

9.3

Movimento no espaço: Velocidade e Aceleração

Nesta seção mostraremos como as idéias dos vetores tangente e normal, podem ser usadas na física para estudar o movimento de objetos, sua velocidade e sua aceleração, quando eles estão se movendo ao longo de uma curva espacial. Suponha que uma partícula se mova no espaço de forma que seu vetor posição no instante t seja r(t). Observe que o número r(t + h) − r(t) , |h| para h pequeno, é a velocidade média de r no intervalo de t a t + h. Se r (t) existe, então r (t) = lim
h−→0

r(t + h) − r(t) . |h|

142

3. 2t) a(t) = r (t) = (2. r (t) é a aceleração da partícula que se move no espaço sob a curva r no ponto r(t) e a(t) = v (t) = r (t) é dito vetor aceleração de r em r(t). 6t. |h| r(t + h) − r(t) −→ r (t) |h| (∗) AULA Usamos a propriedade → − − | → | − u v ≤ − −− → → u v 9 com h −→ 0. Quando t = 1. 143 . a rapidez e a aceleração do objeto no instante t = 1. r (t) é chamado a velocidade (ou rapidez) da partícula que se move no espaço sob a curva r no ponto r(t) e v(t) = r (t) é dito vetor velocidade de r em r(t). notemos que 0 ≤ ≤ Logo r(t + h) − r(t) − r (t) ≤(∗) |h| r(t + h) − r(t) − r (t) −→ 0. a(t) = (2.3. O vetor de um objeto se movendo no espaço é dado por r(t) = (t2 + 1. 3t2 .1. temos v(1) = (2. com h −→ 0. Da mesma forma. Solução: A velocidade e a aceleração no instante t são v(t) = r (t) = (2t. t3 . Por essa razão. 2). Assim r (t) é um limite de velocidades médias sobre um intervalo arbitrariamente pequeno. t2 − 1). Exemplo 9. v(1) = √ 17.Livro de Cálculo II De fato. 2) e a rapidez é v(t) = (2t)2 + (3t2 )2 + (2t)2 = 8t2 + 9t4 . 6. Determine a velocidade. 2).

temos v(t) = a(t)dt = (4ti + 6tj + k)dt = 2t2 i + 3t2 j + tk + C Para determinar o valor de C. assim C = i − j e v(t) = 2t2 i + 3t2 j + tk + i − j = (2t2 + 1)i + (3t2 − 1)j + tk. 0. temos r(t) = = v(t)dt = ((2t2 + 1)i + (3t2 − 1)j + tk)dt 2 3 t2 t + t i + (t3 − t)j + k + D 3 2 Para determinar o valor de D.Curvas Espaciais Figura 9. A equação anterior nos dá r(0) = D. Como v(t) = r (t). Solução: Como a(t) = v (t). Uma partícula de move de uma posição inicial r(0) = (0. 3 2 144 . Sua aceleração é dada por a(t) = 4ti + 6tj + k. assim D = 0 e r(t) = 2 3 t2 t + t i + (t3 − t)j + k. Determine sua velocidade e posição no instante t. 0) com velocidade inicial v(0) = i − j. usaremos o fato de que r(0) = 0.2.38: Vetor Velocidade e Vetor Aceleração.3. usaremos o fato de que v(0) = i − j. A equação anterior nos dá v(0) = C. Exemplo 9.

Prova-se que dada uma curva r : [a. É fácil ver que (Veja a Figura 9. Vejamos uma interpretação: Figura 9.Buck pag.Livro de Cálculo II 9. b] −→ R3 .4 Comprimento de Arco AULA O comprimento de uma curva é a distância total percorrida pela partícula móvel.40) que o comprimento da curva é 4.4. Assim: n b c(r) = lim ∆i −→0 ri (ti ) · ∆i = i=1 a r (t) dt Observação 9.5. o livro Advanced Calculus . r (ti ) · ∆i comprimento de arco destacado. melhorando a aproximação quando Deltai −→ 0. seu comprimento é dado por b 9 c(r) = a r (t) dt.39: Comprimento de arco. por exemplo. Exemplo 9. 0).1. O Leitor interessado na dedução dessa fórmula pode consultar. Considere a curva r : [0. 2π] −→ R2 dada por r(t) = (cos t. 145 . 321.

4. Considere a hélice circular r(t) = (cos t. que uma curva espacial é dada por uma função vetorial r : I −→ R3 . t). 0) dt = 0 (−sen t)2 dt = 2 0 sen tdt = 2[−cos t]π 0 = 2(−cos π + cos 0) = 2(2) = 4. 2π]. O versor tangente é dado por T (t) = O vetor N (t) = T (t) T (t) r (t) .2. t ∈ [0. 1) dt 2π = 0 (−sen t)2 + (cos t)2 + 1dt = 0 √ √ 2dt = 2 2π.40: Traço da curva r(t) = (cos t. sen t. 0). A derivada r (t) se existe e é diferente do vetor nulo é chamado de vetor tangente a r em r(t). Seu comprimento é dado por 2π 2π c(r) = 0 2π r (t) dt = 0 (−sen t. cos t. Vamos calcular agora pela definição: 2π 2π 2π c(r) = 0 π r (t) dt = 0 (−sen t. r (t) 146 .Curvas Espaciais Figura 9.5 Resumo Vimos nesta aula. Exemplo 9. 9.

Duas partículas viajam ao longo das curvas espaciais r1 (t) = (t. seu comprimento é dado por b AULA 9 c(r) = a r (t) dt. Se uma partícula se move no espaço de forma que seu vetor posição no instante t seja r(t).6 Atividades 01. 03. Encontre uma equação vetorial e equações paramétricas para o segmento de reta que liga P (−2. Então sua velocidade e sua aceleração no instante t são dadas por r (t) e r (t) . Esboce o gráfico da curva cuja equação vetorial é dada por: (a) r(t) = t2 i + t4 j + t6 k. 02. respectivamente. 3. t3 ) r2 (t) = (1 + 2t. −t). normal. 1 + 14t). O vetor B(t) = T (t) × N (t) é denominado vetor binormal. 9. (c) r(t) = (1 + t. t2 . −1. 0) e Q(6. 3t. (d) r(t) = ti + tj + cos tk. é perpendicular a T e N e também é unitário. binormal e o versor tangente no ponto com valor de parâmetro t dado. b] −→ R3 . (b) r(t) = (sen t. As partículas colidem? Suas trajetórias se interceptam? 04. O comprimento de uma curva é a distância total percorrida pela partícula móvel. 147 . 4. Prova-se que dada uma curva r : [a. 2). cos t).Livro de Cálculo II é denominado vetor normal principal unitário a r em r(t). Determine os vetores tangente. 1 + 6t.

t = 1. Determine as equações paramétricas para a reta tangente à curva dada pelas equações paramétricas. v(0) = i + j − 2k. y = t4 . r(0) = 2i + 3j. t = 1. Determine a curvatura da curva dada por r(t) = et cos ti + et sen tj + tk no ponto (1.Curvas Espaciais (a) r(t) = (6t5 . 2cos t). (b) r(t) = t2 i + 2tj + ln tk. (1. y = e−t sen t. z = t3 . 5t. 148 . −10 ≤ t ≤ 10. 08. z = e−t . no ponto especificado. então os vetores velocidade e de aceleração são ortogonais. 0. (c) r(t) = e2t i + e−2t j + te2t k. t = 0. a(t) = −5k. 10. 1. e−t ). Determine os vetores velocidade e aceleração e a rapidez da partícula cuja função posição é dada: √ (a) r(t) = ( 2t. Mostre que. 1) 06. 0). (b) r(t) = et (cos ti + sen tj + tk). √ (b) r(t) = 4 ti + t2 j + tk. 4t3 . 0. (a) x = t5 . Determine os vetores velocidade e de posição de uma partícula dadas a sua aceleração. 07. se uma partícula se move com rapidez constante. et . (1. 2t). 09. 05. 1 ≤ t ≤ e. 1) (b) x = e−t cos t. Determine o comprimento da curva dada: (a) r(t) = (2sen t. velocidade e posição iniciais.

são referentes aos assuntos discutidos no decorrer desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos aprendidos.8 Referências • GUIDORIZZI.. 1 e 2).. L. H.Livro de Cálculo II 9.. Cálculo (vol. 2006. B. 2002. Lembre-se. que existem tutores para ajuda-los na resolução dessas atividades. Rio de Janeiro: LTC Editora. 9 9.7 Comentário das Atividades AULA Essas atividades. Cálculo (vol. • THOMAS. Um Curso de Cálculo (Vol. 2006. São Paulo: Addison Wesley. 1 e 2). • STEWART. 149 . G. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. sempre. 1 e 2). J.

.

1 LIVRO Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais META Estudar o domínio. . PRÉ-REQUISITOS Funções de uma variável a valores reais. o gráfico e as curvas de níveis de funções de duas variáveis a valores reais. 10 AULA OBJETIVOS Estender os conceitos de domínio e de gráfico de funções de uma variável a valores reais.

Tal distância pode ser estendida para n variáveis de maneira natural. Q) = P − Q = (x1 − y1 )2 + (x2 − y2 )2 . é introduzir no R2 os conceitos de norma e de conjunto aberto. definido por: P = .1 Introdução No mundo real.Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais 10.6. focalizaremos nossa atenção a funções de duas variáveis e estenderemos nossas idéias básicas do cálculo diferencial para funções de uma variável real a valores reais. Antes de iniciarmos nosso estudo sobre funções de duas variáveis a valores reais. e que serão fundamentais em tudo o que veremos a seguir. nesta aula. de modo que. 10. que generalizam os conceitos de módulo e de intervalo aberto. então d(P. x2 + x2 1 2 Observação 10. 152 . x2 ) ∈ R2 . Q) = P − Q . Considere P = (x1 . precisamos introduzir alguns conceitos da topologia do R2 . Se P = (x1 . y2 ). Associamos ao ponto P um número real chamado sua norma. Esta é a distância euclidiana. quantidades físicas freqüentemente dependem de duas ou mais variáveis. x2 ) e Q = (y1 . nesta seção. Dizemos que a distância entre os pontos P e Q é dada por d(P.2 Noções Topológicas no R2 Nosso objetivo.

ao seguinte conjunto: B(P0 .Livro de Cálculo II AULA 10 Figura 10.41: Distância entre os pontos P e Q. Uma bola aberta de centro em P0 e raio δ > 0 também será chamada de vizinhança de raio δ do ponto P0 que será denotada por Vδ (P0 ). P0 ) < δ} Figura 10. d(P. Chama-se bola aberta (ou vizinhança) de centro em P0 ∈ R2 e raio δ > 0.42: Bola aberta centrada em P0 e raio δ.7.12. 153 . δ) = {P ∈ R2 . Definição 10. Observação 10.

1. quando P não é interior nem exterior a S.43 é fácil ver que P é ponto exterior a S. isto é. B(P. B(P. todo ponto de R2 tem uma das propriedades: (a) dizemos que P é ponto interior a S. Exemplo 10.43: Pontos interiores. isto é.2. Observando a Figura 10. exteriores e de fronteira. (c) dizemos que P é ponto de fronteira de S. qualquer. para todo δ > 0. (b) dizemos que P é ponto exterior a S. δ) ⊂ S. se existe δ > 0 tal que B(P. Figura 10. 154 . se existir δ > 0 tal que B(P. δ) contém pontos de S e pontos que não são de S. δ) não contém qualquer elemento de S. δ)∩S = ∅. Q é ponto interior a S e R é ponto de fronteira de S.Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais Dado um conjunto S ⊂ R2 .

2. Exemplo 10. Mostremos que 2 1−r B P0 . n n AULA O esboço do conjunto S em R2 é dado na Figura 10. ⊂ A : Seja P ∈ B P0 .4. .Livro de Cálculo II 1 1 . 2 155 . De fato: seja P0 = (x0 .3. (x. R2 é aberto em R2 . Consideremos a bola aberta B P0 . A = {P = (x. Exemplo 10.13. 1−r então 2 2 P = = P − P0 + P0 ≤ P − P0 + P0 1−r P − P0 + r < + r < 1. 10 Figura 10. δ) ⊂ A. y) < 1} é aberto em R2 . Definição 10.2. Seja A ⊂ R2 . Note que Exemplo 10.2.2. Considere o conjunto S = os pontos P e Q são pontos de fronteira de S e o ponto R é ponto exterior a S. Dizemos que A é aberto. se todo ponto de A for interior a A. y0 ) ∈ A.44. . y) ∈ R2 .44: Pontos exteriores e de fronteira. n ∈ N ⊂ R2 . para todo P ∈ A existe δ > 0 tal que B(P. Logo P0 = r < 1−r 1. isto é.

Observação 10.8. Todo ponto P ∈ R2 é ponto de acumulação do R2 . Dado A ⊂ R2 . Nenhum ponto P ∈ R2 é ponto de acumulação do conjunto ∅. Considere o conjunto A = {(x. Dado um conjunto A ⊂ R2 . Qualquer B(P0 .14.8.6. diferentes de P. Exemplo 10.2. y) ∈ R2 .7. O conjunto de pontos de acumulação de A = {(x.5. 0)}. y) ∈ R2 .Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais Exemplo 10. se qualquer vizinhança de P contém pontos de A. Exemplo 10.2.2. 0) ∈ A Figura 10. x2 + y 2 < 1} ⊂ R2 é {(x. Definição 10. 1) ∈ A mais é / 156 . dizemos que P é um ponto de acumulação de A. x2 + y 2 ≤ 1}.45: Esboço do conjunto A mais não é ponto de acumulação de A e o ponto (1. Exemplo 10. (Veja Figura 10.9.2.45) Observe que o ponto (1.2. Exemplo 10. o conjunto dos pontos interiores a A é chamado interior de A e é denotado por intA. y > x} ∪ {(1. y) ∈ R2 . δ) é um conjunto aberto no R2 .

Definição 10.46: Conjunto limitado Exemplo 10. δ). Desenheo. Exemplo 10.14.2. Exemplo 10.2. Exemplo 10. Qualquer B(P.2.12. m) ∈ R2 .15. Um conjunto A ⊂ R2 se diz compacto quando é fechado e limitado.10. {(1.16. Um conjunto A ⊂ R2 é dito limitado se existe δ > 0 tal que A ⊂ B(0. x2 + y 2 < 1} não é fechado. m ∈ N} não é limitado.17. Exemplo 10. AULA 10 Figura 10. Todo conjunto finito é compacto. Definição 10.15.2. y) ∈ R2 . A = {(x.Livro de Cálculo II ponto de acumulação de A.13. 157 .2.11. Exemplo 10. Definição 10. R2 é fechado. Um conjunto A é fechado se todo ponto de acumulação de A pertence a A. ∅ é fechado. δ) é um conjunto limitado.2.

y) de números reais. y) no número real √ y x−y 2 f (x. ou seja. Seja f a função de duas variáveis reais a valores reais dada por . y) = y .Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais 10. x − y2 O domínio de f é o conjunto de todos os pares (x.18. f : D ⊂ R2 −→ R O conjunto D é chamado domínio de f e representado por D(f ) ou Df . P ∈ D} é chamado imagem de f e denotado por Im(f ). Seja D ⊂ R2 .47: Função de duas variáveis reais a valores reais. Uma representação gráfica do domínio de f é dada na Figura 10. Uma função f definida em D com valores em R é uma correspondência que associa a cada ponto de D um e um só número real. isto é: D(f ) = {(x. y) ∈ R2 . x > y 2 }.3 Funções Nesta aula e nas seguintes daremos ênfase ao estudo das funções reais de duas variáveis reais. Notação 2. Exemplo 10.48. 158 .3. x > y 2 . não terá dificuldade em generalizar os resultados para funções de mais de duas variáveis. Figura 10. Definição 10. O conjunto B = {f (P ). e você alunos que chegou até aqui.1. já que não há diferenças importantes. com x − y 2 > 0. Esta função transforma o par ordenado (x.

y ≥ x2 e y ≤ 2x}. Exemplo 10.48: Representação gráfica do D(f ). y) ∈ R2 .3. A representação gráfica do domínio de f é dada na Figura 10.2. Exemplo 10. y).3.49: Representação gráfica do D(f ). Solução: O domínio de f é o conjunto de todos os pares (x. Represente graficamente o domínio da função f : D(f ) ⊂ R2 −→ R dada por f (x.49.3. Figura 10.Livro de Cálculo II AULA 10 Figura 10. com y − x2 ≥ 0 e 2x − y ≥ 0: D(f ) = {(x. Represente graficamente o domínio da função 159 . y) = y − x2 + 2x − y.

Portanto. (Função Polinomial) Uma função polinomial de duas variáveis reais a valores reais é uma função f : R2 −→ R dada por f (x. z ≥ 0 =⇒ z = f é a função dada por f (x. y) = m+n≤p amn xm y n 160 . y) = x2 + y 2 − 4. com x2 + y 2 − 4 ≥ 0. z ≥ 0.Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais z = f (x.50: Representação gráfica do D(f ). x2 + y 2 − 4. y) dada por z 2 + 4 = x2 + y 2 . E x2 + y 2 − 4 ≥ 0 ⇔ x2 + y 2 ≥ 4. Exemplo 10. Solução: z 2 + 4 = x2 + y 2 .4. Seu domínio é o conjunto de todos (x. y). Figura 10. A representação gráfica do domínio de f é dada na Figura 10.50.3. o domínio de f é a parte exterior ao círculo de raio 2 e centro na origem. Assim.

da equação m + n ≤ p.4 Gráficos Uma forma.3. a soma é estendida a todas as soluções (m. é uma função polinomial. Por exemplo: a soma f + g é definida por: (f + g)(x. então o gráfico de f é o conjunto de todos os pontos (x. Definição 10. O domínio de f é o conjunto D(f ) = {(x. y) + g(x. Exemplo 10. q(x. denomina-se função linear. onde a. de visualizar o comportamento de uma função de duas variáveis é através de seu gráfico. y) = p(x. 10. y). y) onde p e q são funções polinomiais.9. y) = 0}. b. (Função racional) Toda função f : R2 −→ R dada por f (x.5. y) q(x. Exemplo 10.19. y) ∈ A. denomina-se função racional. y) = ax+by +c. Se f é uma função de duas variáveis com domínio D. n). o produto e a divisão de duas funções f. y) = ax + by onde a. z) ∈ R3 tal que z = f (x. ∀(x.Livro de Cálculo II onde p é um natural fixo e os amn são números reais dados. bastante eficiente.6. (a) f (x. ponto a ponto. (Função linear) Toda função f : R2 −→ R dada por f (x. y) e (x. Observação 10. a soma. Analogamente como feito para funções h : R −→ R podemos definir. AULA 10 (b) f (x. b são reais dados. y) = f (x. g : A ⊂ R2 −→ R. y) pertençam a D. y) ∈ R2 . m e n naturais. y) = 3x2 y 2 − 1 xy + 3 √ 2 é uma função polinomial. tal função é denominada função afim.3. y. 161 . c são reais dados.

Figura 10. y) = y é um plano passando pela origem e normal ao 162 .4. y).2. z = f (x. Podemos enxergar a superfície S de f como estando diretamente em cima ou abaixo de seu domínio D que está no plano xy. (Veja a Figura 10. Exemplo 10.1. y) ∈ D} = {(x. y) ∈ D} Assim como o gráfico de uma função f de uma variável é uma curva C com equação y = f (x). o gráfico de uma função de duas variáveis é uma superfície S com equação z = f (x.Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais Notação 3. y.4. y). O gráfico da função linear f : R2 −→ R dada por z = f (x. y. y) = k é um plano paralelo ao plano xy. Exemplo 10. (x. f (x. O gráfico da função constante f (x. z) ∈ R3 .51). (x.51: Gráfico de uma função de duas variáveis a valores reais. y)). G(f ) = {(x.

Exemplo 10.3. 1. −1) · [(x. vetor (0.4.53: Gráfico da função f (x. z) − (0. −1) : z = y ⇔ y − z = 0 ⇔ (0.Livro de Cálculo II AULA 10 Figura 10. O gráfico da função f : D ⊂ R2 −→ R dada 163 . 0)] = 0 Figura 10. 1. y) = y.52: Gráfico da função constante. y. 0.

Trata-se de um mapa de 164 .. Vamos agora estudar um novo método.5 Curvas de Nível Acabamos de estudar o gráfico de funções e vimos que este é um importante método para visualizar funções. x2 + y 2 . y. (x. (x. y) ∈ A} e é denominado o parabolóide. y) ao ponto (0.Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais por f (x. 10.5). y. Exemplo 10. ou seja f (x. x2 + y 2 ). de visualização de funções de duas variáveis a valores reais. y) = O gráfico de f é dado por G(f ) = {(x.5.54: Esboço do parabolóide. y) ∈ R2 }. Considere a função f : R2 −→ R dada pela distância do ponto (x.. y) = x2 + y 2 é dado por G(f ) = {(x. x2 + y 2 ). y = −5. x = −5. 0). empregado por cartógrafos. feito no Software Maple através do comando ”plot3d(x2 + y 2 .4. ” . Figura 10.4.

y) = x2 + y 2 .Livro de Cálculo II AULA 10 Figura 10.20.5).10.5. Sejam z = f (x. feito no Software Maple através do comando ”plot3d(sqrt(x2 + y 2 ). em que os pontos com elevações constantes são ligados para formar curvas de contorno ou curvas de nível. y) = k}. y = −5. y) = k denomina-se curva de nível de f correspondente ao nível z = k. Uma curva de nível de f correspondente ao nível z = k é o conjunto de todos os pontos do domínio de f nos quais o valor de f é k. x = −5.55: Esboço do gráfico de f (x. Observação 10. ” .. Você pode ver na Figura 10. Definição 10. Assim. contornos. As curvas de nível de f correspondente ao nível z = k são apenas traços do gráfico de f no plano horizontal z = k projetado sobre o plano xy. denomina-se curva de nível de f correspondente ao nível z = k ao seguinte conjunto: {(x. y) ∈ D(f ) tais que f (x. O conjunto de todos os pontos (x. se você traçar as curvas 165 . y) ∈ D(f ). Em outras palavras. y) uma função e k ∈ Im(f ). f (x.56 a relação entre as curvas de nível e os traços horizontais..

Observe que.Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais de nível da função e visualiza-las elevadas para a superfície na altura indicada. 166 . se elevarmos essas curvas aos seus nível correspondente e uni-las obtemos o gráfico do parabolóide. Figura 10. Deste modo. ao aumentarmos o valor de k estaremos aumentando o raio das circunferências. poderá imaginar o gráfico da função colocando as duas informações juntas. 0).57 mostra as curvas de nível de f correspondentes a alguns k ≥ 0. para k ≥ 0. Solução: A curva de nível de f correspondente ao nível k é dada por x2 + y 2 = k que. Esboce algumas curvas de nível da função f (x.5.1. y) = x2 + y 2 . Exemplo 10. A Figura 10.56: Curvas de nível de f correspondente ao nível z = k. descreve uma circunferência de raio √ k centrada no ponto (0.

y) = x2 + y 2 correspondente ao nível z = k.Livro de Cálculo II AULA 10 Figura 10. ao aumentarmos o valor de k estaremos diminuindo o raio das circunferências. Observe que. y) = 2 e o x + y2 + 1 gráfico correspondente.5. respecti−3y vamente. Esboce algumas curvas de nível da função f (x. 0). Agora. Exemplo 10. Exemplo 10. algumas curvas de níveis de f (x.2. A Figura 10.61 mostram.60 e 10. As Figuras 10.3.5. y) = 1 . 167 . x2 +y 2 Solução: A curva de nível de f correspondente ao nível k é dada por 1 1 = k ⇔ x2 + y 2 = 2 +y k 1 √ k x2 que.58 mostra as curvas de nível de f correspondentes a alguns k ≥ 0.59). descreve uma circunferência de raio centrada no ponto (0. se elevarmos essas curvas aos seus nível correspondente e uni-las obtemos o seguinte gráfico (Ver Figura 10.57: Curvas de nível de f (x. para k ≥ 0.

61: Esboço do gráfico da função f (x.6 Resumo Uma função f de duas variáveis reais a valores reais é uma correspondência que associa a cada ponto de D ⊂ R2 um e um só número real. f : D ⊂ R2 −→ R O conjunto D é chamado domínio de f e representado por D(f ) ou Df .58: Curvas de nível de f (x. Notação 4. y) = 1 . y) = 10.60: de Nível −3y . y) = −3y . x2 +y 2 +1 f (x. x2 +y 2 Figura vas 10. Figura 10. O conjunto B = {f (P ). P ∈ A} é chamado imagem 168 . y) = x2 + y 2 correspondente ao nível z = k.59: Esboço do gráfico da função f (x.Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais Figura 10. x2 +y 2 +1 Curde Figura 10.

10. (a) Estime f (1. A extensão desses conceitos para funções de três ou mais variáveis é feita de modo natural. 1). y. (a) Estime f (1. Se você (aluno) entendeu os conceitos estudados até hoje nesse curso. terá condições suficientes para estender os conceitos estudados nesta aula para mais de duas variáveis. z) ∈ R3 tal que z = f (x. y) = 2 . O gráfico uma função f : D ⊂ R2 −→ R é o conjunto de todos AULA 10 os pontos (x. y) ∈ D(f ) tais que f (x. Seja f (x. y. (c) Determine o domínio de f. (d) Estabeleça a imagem de f . O conjunto de todos os pontos (x. 02. y) = ln(9 − x2 − y 2 ). Seja f (x. y) = x + y (b) f (x. 03. y) = k denomina-se curva de nível de f correspondente ao nível z = k. 1). 3x + 5y (c) f (x. y) ∈ D(f ). 1).Livro de Cálculo II de f e denotado por Im(f ). Determine e faça um esboço do domínio da função: √ (a) f (x.7 Atividades 01. (c) Estabeleça a imagem de f . y) e (x. x + y2 − 4 169 . 1. y) = ln(x + y − 1). z) = ln(25 − x2 − y 2 − z 2 ). (b) Determine o domínio de f. (b) Estime f (e.

y) = cos x.8 Comentário das Atividades Essas atividades. que existem tutores para ajuda-los na resolução dessas atividades. y) = 1 − x − y (b) f (x. 170 . y) = x2 + y 2 − 1 + ln(4 − x2 − y 2 ). (d) f (x. y) = 1 − x2 . (c) f (x. são referentes aos assuntos discutidos no decorrer desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos aprendidos. y) = y. 1 − x2 (e) f (x. Esboce o gráfico de f. 05. b) f (x. Esboce o gráfico da função: (a) f (x. sempre. (d) f (x. 06. Lembre-se. (e) f (x. y) = xy. Ache as curvas de nível de f : R2 −→ R definida por f (x. y) = 04. y) = sen(x − y). 10.Funções de Varias Variáveis Reais a Valores Reais y − x2 . y) = 3 − x2 − y 2 . Traçar curvas de níveis para as funções: a) f (x. y) = cos(x).

Um Curso de Cálculo (Vol. 1 e 2).. Cálculo (vol.. 1 e 2).Livro de Cálculo II 10. 2002. B. Rio de Janeiro: LTC Editora.. São Paulo: Addison Wesley. 2006. 10 171 .9 Referências AULA • GUIDORIZZI. • THOMAS. G. J. 1 e 2). São Paulo: Pioneira Thomson Learning. H. 2006. Cálculo (vol. L. • STEWART.

.

Continuidade e Derivadas Parciais META Estudar limite.1 LIVRO Limites. e estudar as derivadas parciais de funções de uma variável a valores reais. PRÉ-REQUISITOS Limite. Continuidade e Derivadas de funções de uma variável a valores reais. 11 AULA OBJETIVOS Estender os conceitos de limite e continuidade. continuidade e as derivadas parciais de funções de duas variáveis a valores reais. .

y0 ) f (x. y) ∈ D(f ).21. y) − (x0 . y) e L. y0 ) suficientemente pequena (mais não nula). L + ) em torno de L. y) = L e f (x. lim(x. y) e L pode ser arbitrariamente pequena se tomarmos a distância de (x. Sejam f : A ⊂ R2 −→ R uma função. existe δ > 0 tal que. y)−L| corresponde à distância entre os números f (x.21 diz que a distância entre f (x. y) −→ L quando (x. Note que |f (x. não terá dificuldade alguma em compreender o assunto dessa aula.62 ilustra a Definição 11. e (x. então podemos determinar uma bola aberta B((x0 . Você que entendeu e lembra dos conceitos de limite.y0 ) f (x. y0 ) é igual a L e escrevemos lim (x. Se nos é dado um pequeno intervalo (L − . continuidade e derivadas de funções de uma variável real. Dizemos que o limite da função f no ponto (x0 . y0 ) 174 . 0 < (x. Notação 5. y0 ). A Figura 11. vamos apresentar os conceitos de limite. y0 ) < δ =⇒ |f (x.1 Introdução Nesta aula.Limites. y) = L quando: Para todo > 0. visto no curso de Cálculo 1.2 Limite Definição 11. continuidade e derivadas parciais.y)−→(x0 . Assim a Definição 11. Continuidade e Derivadas Parciais 11. y) e o ponto (x0 . y) −→ (x0 . y0 ). y) − L| < .21 por meio de um diagrama de setas. y) a (x0 . y0 ) = (x − x0 )2 + (y − y0 )2 é a dis- tância entre os pontos (x. (x0 . y0 ) um ponto de acumulação de A e L um número real. 11. para todo (x.y)−→(x0 . δ) com centro em (x0 . y) − (x0 . y0 ).

y0 ).y0 ) k = k. Assim.2. y) = lim (x.Livro de Cálculo II e raio δ > 0 tal que f leve todos os pontos de B((x0 .y)−→(x0 . y0 ) < δ =⇒ |f (x. para todo (x0 .y0 ) k = k. Exemplo 11.2. 0 < (x. sempre que falarmos que f tem limite em (x0 .y0 ) x = x0 . y) = k é uma função constante. Se f (x. De agora em diante. para todo (x0 . então. y0 )] no intervalo (L − . dado > 0 e tomando-se um δ > 0 qualquer. y0 ).1. AULA 11 Figura 11. y) − k| = |k − k| = 0. lim (x. Observação 11.y0 ) f (x. lim (x. y) − (x0 .11. y0 ) ∈ R2 .62: Representação geométrica do limite.y)−→(x0 . L + ).2. Se f (x. y0 ) é ponto de acumulação de D(f ). y0 ) ∈ R2 . y) = x. Exemplo 11.y)−→(x0 .y)−→(x0 . y) − k| < . Logo lim (x. y) = lim (x. fica subentendido que (x0 . Solução: Temos que |f (x. δ) [exceto possivelmente (x0 .y)−→(x0 . 175 .y0 ) f (x.

Limites, Continuidade e Derivadas Parciais Solução: Temos que |f (x, y) − x0 | = |x − x0 | = ≤ (x − x0 )2

(x − x0 )2 + (y − y0 )2 = (x, y) − (x0 , y0 ) > 0 e tomando δ = vem:

Deste modo, dado

0 < (x, y) − (x0 , y0 ) < δ =⇒ |f (x, y) − k| < . Logo, lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

x = x0 . lim
(x,y)−→(2,1)

Exemplo 11.2.3. Se f (x, y) = x+y 2 então Solução: Temos que

f (x, y) = 3.

|f (x, y) − 3| = |x + y 2 − 3| = |x − 2 + y − 1| ≤ |x − 2| + |y + 1||y − 1|. Então, dado > 0 tomando δ = min{1, 3 } obtemos que |y +1| < 3 e (x, y) − (2, 1) = (x − 2)2 + (y − 1)2 < δ =⇒

=⇒ |f (x, y) − 3| ≤ |x − 2| + |y + 1||y − 1| ≤ δ + 3δ = 4δ ≤ 4 = . 4 Para as funções de uma única variável, quando fazemos x se aproxima de x0 , só existe duas direções possíveis de aproximação: pela direita e pela esquerda. Lembremos la do Cálculo 1 que, se os limites laterais são diferentes então o limite não existe. Já para as funções de duas variáveis essa situação não é tão simples porque existem infinitas maneiras de (x, y) se aproximar de (x0 , y0 ) por uma quantidade infinita de direções e de qualquer maneira que se queira (veja a Figura 11.63), bastando que (x, y) se mantenha no domínio de f .

176

Livro de Cálculo II

AULA

11

Figura 11.63: Infinitas maneiras de (x, y) se aproximar de (x0 , y0 ). O proximo teorema nos diz que se o limite de uma função f existe em (x0 , y0 ) e é igual a L então não importa a maneira que (x, y) se aproxima de (x0 , y0 ) que o limite sempre vai ser L. Teorema 11.21. Sejam f : A ⊂ R2 −→ R uma função e (x0 , y0 ) um ponto de acumulação. Suponha que lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

f (x, y) = L e

seja γ uma curva em R2 , contínua em t0 , com γ(t0 ) = (x0 , y0 ) e, para todo t = t0 , γ(t) = (x0 , y0 ) com γ(t) ∈ D(f ). Então
t−→t0

lim f (γ(t)) = L. lim f (x, y) = L segue que dado >

Demonstração: De 0, existe δ1 > 0 tal que

(x,y)−→(x0 ,y0 )

0 < (x, y) − (x0 , y0 ) < δ1 =⇒ |f (x, y) − L| < .

(11.1)

Sendo γ contínua em t0 , para todo γ1 > 0 acima, existe γ > 0 tal que 0 < t − t0 < δ =⇒ |γ(t) − γ(t0 )| < δ1 . De (11.1) e (11.2) segue 0 < t − t0 < δ =⇒ |f (γ(t)) − L| < , (11.2)

177

Limites, Continuidade e Derivadas Parciais ou seja,
t−→t0

lim f (γ(t)) = L.

Sejam γ1 e γ2 duas curvas nas condições do Teorema 11.21. Segue do Teorema 11.21 que se ocorrer lim f (γ1 (t)) = L1 lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

t−→t0

e

t−→t0

lim f (γ2 (t)) = L2

(11.3)

com L1 = L2 , então

f (x, y) não existirá. Da mesma

forma, tal limite não existirá de um dos limites em (11.1) não existir. Exemplo 11.2.4. Considere a função f : R2 −→ R dada por   1, para x = 0 f (x, y) =  0, para x = 0 Não existe o lim
(x,y)−→(0,0)

f (x, y). De fato, considerando as curvas

γ1 (t) = (t, 0) e γ2 (t) = (0, t), temos que lim f (γ1 (t)) = lim 1 = 1 e
t−→0

t−→0

t−→0

lim f (γ2 (t)) = lim 0 = 0.
t−→0

Logo,

lim
(x,y)−→(0,0)

f (x, y) não existe.

Exemplo 11.2.5. Considere a função f : R2 − {(0, 0)} −→ R xy dada por f (x, y) = 2 . Observe que f (x, y) ≡ 0 quando (x, y) x + y2 está em um dos eixos coordenados, de modo que f (x, y) converge para 0 quando (x, y) aproxima-se de (0, 0) pelos eixos. Por outro lado, considerando a curva γ : I ⊂ R −→ R2 − {(0, 0)} dada por γ(t) = (t, t) temos que lim f (γ(t)) = lim t2 1 = . 2 t−→0 2t 2

t−→0

Portanto,

xy não existe. x2 + y 2 (x,y)−→(0,0) lim

178

Livro de Cálculo II Observamos que continuam válidas para funções de duas variáveis reais a valores reais as seguintes propriedades dos limites cujas demonstrações são exatamente iguais às que voce fez para funções de uma variável real, na disciplina de Cálculo 1. 1. (Teorema do Confronto) Se f (x, y) ≤ g(x, y) ≤ h(x, y) para 0 < (x, y) − (x0 , y0 ) < r e se lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

AULA

11

f (x, y) = L =

lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

h(x, y)

então lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

g(x, y) = L.

2. Se lim(x,y)−→(x0 ,y0 ) f (x, y) = 0 e se |g(x, y)| ≤ M para 0 < (x, y) − (x0 , y0 ) < r onde r > 0 e M > 0 são reais fixos, então lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

f (x, y)g(x, y) = 0. lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

3.

lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

f (x, y) = 0 ⇔

|f (x, y)| = 0.

4.

lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

f (x, y) = L ⇔

lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

[f (x, y) − L] = 0.

5.

lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

f (x, y) = L ⇔

lim
(h,k)−→(0,0)

f (x0 + h, y0 + k) = L.

6. Se tão,

lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

f (x, y) = L1 e

lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

g(x, y) = L2 , en-

(a)

lim

(x,y)−→(x0 ,y0 )

[f (x, y) + g(x, y)] = L1 + L2 ;

(b)

lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

kf (x, y) = kL1 ; (k constante)

179

Limites, Continuidade e Derivadas Parciais (c) lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

f (x, y)g(x, y) = L1 L2 ; f (x, y) L1 desde que L2 = 0. = g(x, y) L2 lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

(d)

lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

7. (Conservação do sinal) Se

f (x, y) = L, L > 0,

então existirá δ > 0, tal que, para todo (x, y) ∈ D(f ), 0 < (x, y) − (x0 , y0 ) < δ =⇒ f (x, y) > 0. Exemplo 11.2.6. Calcula, caso exista, Solução: Note que x3 x2 =x· 2 . x2 + y 2 x + y2 x2 ≤ 1, para todo (x, y) = (0, 0). Logo, x2 + y 2 (x,y)−→(x0 ,y0 ) segue da Propriedade 2 acima que lim x=0e x2 x3 = lim x· 2 = 0. x + y2 (x,y)−→(0,0) (x,y)−→(0,0) x2 + y 2 lim x3 . (x,y)−→(0,0) x2 + y 2 lim

11.3

Continuidade

Definição 11.22. Sejam f : A ⊂ R2 −→ R uma função e (x0 , y0 ) um ponto de acumulação de A com (x0 , y0 ) ∈ A. Dizemos que f é contínua em (x0 , y0 ) se lim
(x,y)−→(x0 ,y0 )

f (x, y) = f (x0 , y0 ),

ou seja: Para todo > 0, existe δ > 0 tal que, para todo (x, y) ∈ D(f ),

0 < (x, y) − (x0 , y0 ) < δ =⇒ |f (x, y) − f (x0 , y0 )| < .

180

y)−→(x0 .3.3. pois. 0). y) = k é contínua. Exemplo 11. 0) não é contínua em (0.3. 0) e γ2 (t) = (0. y) = (0. y) = x é contínua. simplesmente. y) = lim (x. 2. y0 ) para todo (x0 . pois.2. lim (x. y) = (0. A função f (x.2. A função f (x.   x2 −y2 se (x. tomando-se as curvas γ1 (t) = (t.23.y0 ) f (x. (Veja Exemplo 11. O produto de m funções contínuas em um ponto é uma função contínua no ponto. que f é contínua se o for em todos os pontos de seu domínio.2).y0 ) AULA 11 f (x. lim (x. 181 .y0 ) x = x0 = f (x0 .1). A função constante f (x. Exemplo 11.1. t−→0 t2 Segue das propriedades de limite. lim f (γ1 (t)) = lim t2 =1 t−→0 t2 t−→0 e t−→0 lim f (γ2 (t)) = lim −t2 = −1. Diremos. y) =  0 se (x. Uma função é dita contínua em um conjunto B quando for contínua em todos os pontos de B.2.y)−→(x0 . A soma de m funções contínuas em um ponto é uma função contínua no ponto.3. De fato. y0 ) para todo (x0 . y) = k = f (x0 . 0) x2 +y 2 Exemplo 11.y)−→(x0 . as seguintes propriedades de funções contínuas: 1. y0 ) ∈ R2 . (Veja Exemplo 11. t) vem. y0 ) ∈ R2 .Livro de Cálculo II Definição 11.

A função composta de g com f. y0 ). Então g ◦ f é contínua em (x0 . y0 ) e g é contínua em f (x0 . Continuidade e Derivadas Parciais Conseqüência imediata dessas propriedades: A função polinomial p(x.Limites. y) = g(f (x. Sejam f : A ⊂ R2 −→ B ⊂ R e g : B −→ R.22. y)) também o será. y) em x e y dada pela soma de parcelas do tipo axl1 xl2 onde a é constante e l1 . indicada por g ◦ f é definido por g ◦ f : A ⊂ R2 −→ R (g ◦ f )(x.64: Função composta O próximo teorema nos diz que se g(u) e f (x. Sejam f : A ⊂ R2 −→ B ⊂ R e g : B −→ R tais que f seja contínua em (x0 . y) = g(f (x. Definição 11. Teorema 11. y) forem contínuas e se Im(f ) ⊂ D(g). 182 . y0 ).24. l2 ∈ N é uma função contínua como produto e soma de funções contínuas. então a função composta h(x. y)) Figura 11.

y0 ) < δ =⇒ |(g ◦ f )(x. y) − (x0 . y) − (g ◦ f )(x0 . segue que se g(x) for contínua. y0 )| < δ1 =⇒ |g(f (x. AULA 11 Figura 11. y)) − g(f (x0 . y) ∈ A. com g e f contínuas. se (x. y) ∈ A. y) − f (x0 . teremos h(x. y)). y) = g(f (x. (x. 183 . f (x0 . |z − f (x0 . y) − f (x0 . y0 )| < δ1 . y0 ))| < . g ◦ f é contínua em (x0 . y) = x. Portanto. De fato. Logo para (x. (x. y0 ))| < Como f é contínua em (x0 . y) − (x0 . y) − (x0 . então a função h(x. y) ∈ A. sendo f (x. y0 )| < δ1 =⇒ |g(z) − g(f (x0 . y0 )) tal que z ∈ B. existe δ2 > 0 tal que (x.65: Esboço da demonstração Sabemos que existe δ1 = δ1 ( . y0 ) < δ2 =⇒ |f (x. y0 ). queremos encontrar δ > 0 tal que.Livro de Cálculo II Demonstração: Dado > 0. y0 ) sabemos que dado δ1 > 0. Como conseqüência deste teorema. y0 ) < δ2 =⇒ |f (x. y) = g(x) também será contínua. y0 )| < . (x.

y).3.3. y0 ).0) x2 + y 2 lim 11. y0 ).Limites. Assim: ∂f ∂x (x0 . ainda. y0 ). ∆x−→0 ∆x ou. no ponto (x0 . y0 ) estão em A. y) contínua. Então para x suficientemente próximo de x0 todos os pontos (x. f (x.3. fx (x0 . y0 ). y0 ) ∈ A. y) uma função de duas variáveis a valores reais definida em um conjunto aberto A e seja (x0 . Sendo f (x. as compostas sen f (x. y0 ) − f (x0 . h(x.5. 0) tínua em R2 .6. 0).4 Derivadas Parciais Seja z = f (x. fx (x0 . y). y0 ). y)]2 . Continuidade e Derivadas Parciais Exemplo 11. temos que (Veja Exemplo 11. logo podemos considerar a função g de uma variável real dada por g(x) = f (x. y) = x2 + √ x é contínua em seu domínio. f1 (x0 . (x. x − x0 184 . y0 ). fx (x0 . Notação 6. 0) é con-  0 se (x. Exemplo 11.4.6) x3 = 0 = f (0. De fato. y0 ) = dg(x) dx = lim x0 g(x0 + ∆x) − g(x0 ) ∆x−→0 ∆x f (x0 + ∆x. y0 ) = lim . zx (x0 . y) = (0.y)−→(0. em relação a x. Exemplo 11. [f (x.2. etc. y) = (0. y0 ). ∂z ∂x (x0 . A derivada desta função no ponto x = x0 (caso exista) denomina-se derivada parcial de f . y0 ) = lim x−→x0 f (x. y0 ) . y) =   x3 x2 +y 2 se (x. cos f (x. y0 ) − f (x0 .

f2 (x0 . Neste plano a curva z = f (x. no ponto (x0 . Notação 7. y) ∈ B associa o número fx (x. ∆x−→0 ∆x AULA 11 Tal função denomina-se função derivada parcial de 1. y) existe. y0 ). y0 ). ∆y fy (x0 . y) . y0 ) = lim y−→y0 f (x0 . y0 ) = lim ou ∆y−→0 f (x0 . y0 ). derivada parcial de f em relação a x. indicada por fx (x. onde fx (x. y) − f (x0 . y) e definida em B. y) tais que fx (x. y0 ). y0 ). y0 ) tem uma tangente com inclinação fx (x0 . fy (x0 . y). y) = lim f (x + ∆x. y) como uma função de y. em relação a x. para cada (x. y0 ) em x0 . Temos ∂f ∂y (x0 . y0 ). y) pelo plano vertical y = y0 . Considerando z = f (x. para x fixo. fy (x0 . y0 + ∆x) − f (x0 . obtemos de maneira semelhante a derivada parcial de f . y0 ) . 185 . y − y0 Interpretação Geométrica da Derivada Parcial Podemos interpretar geometricamente a derivada parcial como uma inclinação: Consideremos a secção da superfície z = f (x. ∂z ∂y (x0 . zy (x0 .a ordem de f . fica assim definida uma nova função. y0 ) . ou simplesmente.Livro de Cálculo II Seja B o subconjunto aberto de A formado por todos os pontos (x. y) − f (x. em relação a y.

66: Interpretação geométrica das derivadas parciais As secções da superfície z = f (x. 186 .68. Figura 11.Limites.67 e 11. Figura 11.67: Secções da superfície z = f (x. y) com os planos y = y0 e x = x0 são dadas. Continuidade e Derivadas Parciais Figura 11. y) com o plano x = x0 . nas Figuras 11. respectivamente.68: Secções da superfície z = f (x. y) com o plano y = y0 .

Da mesma forma. Se estas duas funções fx e fy estiverem definidas em um aberto A poderemos considerar suas derivadas parciais (fx )x . mantendo-se y constante.5 Derivadas parciais de ordem superior Se z = f (x.1. 11. y) = x2 + ycos x e derivar em relação a x: AULA 11 fx (x. y) é a derivada em relação a y. 0) = 2 · 1 · 0 − 0 · sen 1 = 0 e fy (1. y) = 2xy − ysen x. y) = x2 + cos x.Livro de Cálculo II Para se calcular fx (x0 . (fx )y . Se f (x. fx (1. y) = x2 y + ycos x. então fx e fy são também funções de duas variáveis reais a valores reais. y) = x2 + ycos x e derivar em relação a y: fy (x. fx (x. y). em relação a x. y) é a derivada. Agora fx (1. y). y0 ) = g (x0 ). de f (x. y). 0) = 12 + cos 1 = 1 + cos 1. y0 ) em x = x0 : fx (x0 . y0 ) fixa-se y = y0 em z = f (x.a (segunda) 187 . Solução: Para encontrarmos fx (x. y) devemos olhar x como constante em f (x. Por outro lado. fy (x. determine fx (x. de f (x. y) devemos olhar y como constante em f (x. y) é uma função de duas variáveis reais a valores reais. y) e calcula-se a derivada de g(x) = f (x. mantendo-se x constante.4. Exemplo 11. fy (x. 0). (fy )x e (fy )y chamadas derivadas parciais de 2. 0) e fy (1. y). Para encontramos fy (x.

poderemos falar nas derivadas parciais de 3.5. Exemplo 11. y) = 1. Observe que as derivadas de ordem k. A função z = f (x.a (Terceira) ordem.25. y) = −xsen y+ 2cos x. y) = sen y − y 2 sen x. y) = 0. Temos que: fx (x. fy (x.5. a ordem de derivação não influi no resultado. fyx (x. De fato. y) = xsen y + y 2 cos x é de classe C ∞ . Dizemos que f é de classe C k (k ≥ 1) em B ⊂ A se f e as derivadas parciais até a ordem k forem contínuas em todos os pontos de B. y) = xy. isto é. fy (x. Continuidade e Derivadas Parciais ordem de f . y) = fyx (x. y) = y. y) = xcos y + 2ycos x. k ≥ 3 existem e são todas nulas. A aberto. Notação 8. y) = cos y−2ysen x e fyy (x. mais isto nem sempre 188 . y) = 1 e fyy (x. y). f (yx)(x. Definição 11. fxx (x. Exemplo 11. Seja f (x. y) = 0. fxx (x. e assim sucessivamente. Neste dois exemplos notamos que fxy (x. Portanto f ∈ C ∞ .1.Limites. Seja f : A ⊂ R2 −→ R. fxy (x. temos que fx (x. y) = x. denotadas como segue: ∂2f ∂ ∂f = ∂x ∂x ∂x2 ∂2f ∂ ∂f = (fx )y = fxx = f12 = ∂y ∂x ∂y∂x ∂2f ∂ ∂f = (fy )x = fxx = f21 = ∂x ∂y ∂x∂y ∂ ∂f ∂2f (fy )y = fyy = f22 = = ∂y ∂y ∂y 2 (fx )x = fxx = f11 = Se estas derivadas parciais existirem em todos os pontos de um aberto A. f é dita de classe C ∞ se f é de classe C k .2. f ∈ C k e f ∈ C ∞ . Observe que existem e são contínuas todas derivadas parciais. y) = cos y−2ysen x. fxy (x. ∀k ≥ 1. y) = −y 2 cos x.

y) ≡ 1 e fxy (0. Temos que fx (x. então fxy (x. o que não é o caso. 0) não existe. Assim. 0) Neste caso. O próximo teorema fornece condições sob as quais podemos afirmar que fxy = fyx . No entanto. 0) = lim =0 ∆y−→0 ∆y fx (0. 0). fx e fy são contínuas em todo R2 . y) para todo (x. 0) = lim =0 ∆x−→0 ∆x fx (x. pois caso fosse fxy (0. 0) = 0. y) = (0. 0) (x2 + y 2 )2 y 5 − x2 y 3 fy (x. se (x.23.3.   xy3 se (x. e assim fyx (0. 0) |∆y| = lim ∆y−→0 ∆y−→0 ∆y ∆y AULA 11 que não existe. A aberto. se (x.5. xy 4 + 3x3 y 2 . 0) fxy (0.12. y) = Observação 11. 0) = fyx (0. 0) = lim =1 ∆y−→0 ∆y fy (∆x. 0) = lim f (0. De fato. 0) (x + y 2 )2 f (∆x. No exemplo anterior podemos observar que f. y) = (0. 0) = lim =0 ∆x−→0 ∆x f (0. 0) − fy (0. 189 . De fato: Consideremos z = f (x. Vejamos outro exemplo. 0) − f (0. fy (0. Consideremos f (x. y) = x + |y|. 0). 0) = fyx (0. (Teorema de Schwartz) Seja f : A ⊂ R2 −→ R. Teorema 11. y) = (0. onde não temos a igualdade fxy = fyx .Livro de Cálculo II é válido. y) = 2 . y) = fyx (x. Se f for de classe C 2 em A. y) ∈ A. 0) fyx (0. ∆y) − f (0. 0) x2 +y 2 Exemplo 11. pelo Teorema anterior fxy não pode ser contínua em (0. 0) fx (0. ∆y) − fx (0. 0). ∆y) − f (0. y) = (0. 0) fy (0. y) =  0 se (x. temos que fxy (0.

Sejam f : A ⊂ R2 −→ R uma função e (x0 . y0 ).6 Resumo Faremos. y0 ) ∈ A. Da mesma (x.y0 ) f (x. y) − (x0 .y0 ) forma. y0 ) e. γ(t) = (x0 . y0 ) com γ(t) ∈ D(f ). Sejam f : A ⊂ R2 −→ R uma função. Definição 11. 0 < (x.27. Segue do Teorema 11.1) com L1 = L2 . y0 ) se lim (x. y0 ) < δ =⇒ |f (x. tal limite não existirá de um dos limites em (11. y) não existirá. y) = L quando: Para todo > 0.y0 ) f (x. y) − L| < . y) = f (x0 . contínua em t0 .y)−→(x0 .Limites. Sejam γ1 e γ2 duas curvas nas condições do Teorema 11.y)−→(x0 . Teorema 11. com γ(t0 ) = (x0 .24. Sejam f : A ⊂ R2 −→ R uma função e (x0 .y)−→(x0 .y)−→(x0 . agora. 190 . Suponha que lim (x. (x0 . Definição 11. y) ∈ D(f ). um resumo das principais definições e resultados vistos nesta aula. Continuidade e Derivadas Parciais 11. então f (x. para todo t = t0 . existe δ > 0 tal que.26. y0 ) um ponto de acumulação de A com (x0 .21 que se ocorrer t−→t0 lim f (γ1 (t)) = L1 lim e t−→t0 lim f (γ2 (t)) = L2 (11. y0 ) um ponto de acumulação de A e L um número real. y) = L e seja γ uma curva em R2 . Dizemos que o limite da função f no ponto (x0 .1) não existir. Então t−→t0 lim f (γ(t)) = L. y0 ) é igual a L e escrevemos lim (x. y0 ) um ponto de acumulação. Dizemos que f é contínua em (x0 .21.y0 ) f (x. para todo (x.

y. y) ∈ D(f ). Determine o valor dos limites.π) (x.y)→(0. x ≥ 0 02. xy x (x. f) lim .0) 1 + x2 + y 2 (x.y)→(0. que: a) b) lim lim (x. Seja a função f (x) = . AULA 11 0 < (x.28. para todo (x. Usando a definição. y0 ) com x0 < 0.y)→(0.0) 2x − 5y + 2z 04. quando existirem: x2 − y 2 x a) lim . que f é contínua se o for em todos os pontos de seu domínio.0.Livro de Cálculo II ou seja: Para todo > 0. existe δ > 0 tal que. x < 0 limite igual a 1 nos pontos (x0 .0) x2 + y 2 4x − y − 3z g) lim .0) 1 + y 2 sen x 1+x−y e) lim . y) − f (x0 . Mostre. b) lim . Uma função é dita contínua em um conjunto B quando for contínua em todos os pontos de B. simplesmente. d) lim x2 sen .y)→(0.z)→(0. 03. (x. y0 )| < . (x. pela definição.0) x2 + y 2 1 y c) lim x2 + y 2 sen . y0 ) < δ =⇒ |f (x. 11.y)→(4. Diremos.y)→(2.2) (x2 + y 2 − 4) = 0. y0 ).y)→(0. x (x. prove que f (x. (x2 + 2xy + y 2 ) = 9. y) = xy + 6x é contínua em: 191 .Prove que a função tem  −1. y0 ) com x0 > 0 e que tem limite igual a −1 nos pontos (x0 . Definição 11.0) (x.y)→(1.7 Atividades 01. y) − (x0 . Prove ainda que não tem limite non pontos (0.0)   1. (x.

0) e fy (0. Investigue a continuidade de cada uma das funções abaixo. b) Observe que f não é constante em nenhuma vizinhança de (0. π ). se se (x. y0 ). no ponto (0. . y) =  0. 05. y) = ln(x + y). 0. 08. π ). Se f (x. 3x + 5y = 0   x2 + y 2 sen 2 1 2 . ∂2f ∂x2 + ∂2f ∂y 2 = 0 esta satisfeita por: b) x3 − 3xy 2 . 3 07. b) (x0 . y) =  0. y) = 0 . b) f (x. Se f (x. 09.Limites. 10. Ache ∂3f (x. b) 3 fy (0. Calcule ux e uy quando: a) u(x. se a) Calcule fx (x. 192 .   xy x−y . y) ∂x2 ∂y se f (x. y) = ln(x4 +y 4 )arcsen 1 − x2 − y 2 . y) = 0 (x.    x2 y 2 +xy x+y . a) f (x. y) = 0 06. se se (x. y) = (x − y)sen (3x + 2y) calcule: a) fx (0. y) = 0 (x. y) = se x = −y x = −y . 0). 2). Mostre que a) ln(x2 + y 2 ). 0) :   x 3x+5y . b) u(x. y) = exy sen(x+y). y). y) = 3x + 5y = 0 . Continuidade e Derivadas Parciais a) (1. x2 +y 2 c) f (x. x +y  0.

Lembre-se.Livro de Cálculo II 11. 2002.. 193 .9 Referências • GUIDORIZZI. Um Curso de Cálculo (Vol. B. G. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. 1 e 2). que existem tutores para ajuda-los na resolução dessas atividades. H. • STEWART. • THOMAS. L.8 Comentário das Atividades Essas atividades. Cálculo (vol. são referentes aos assuntos discutidos no decorrer desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos aprendidos. 11. 2) onde f (x. São Paulo: Addison Wesley. Calcule fy (1. 2006. 1 e 2). Rio de Janeiro: LTC Editora. 2006.. 11 11. J. Cálculo (vol. 1 e 2). y) = xx xy AULA + sen(πx)[x2 + sen(x + y) + ex cos2 y].. sempre.

.

continuidade e derivadas parciais de funções de duas variáveis a valores reais.1 LIVRO Funções ciáveis META Diferen- 12 AULA Estudar derivadas de funções de duas variáveis a valores reais. OBJETIVOS Estender os conceitos de diferenciabilidade de funções de uma variável a valores reais. . PRÉ-REQUISITOS Limite.

então z = f (x. De fato: fixando-se y = 0. será introduzido por analogia 196 . 0).1 Introdução Nesta aula. Observe agora o que acontece com o exemplo a seguir. t) temos que lim f (γ1 (t)) = lim 0 = 0 t−→0 t−→0 e t−→0 lim f (γ2 (t)) = lim 1 t2 = . Na realidade ele implicará que o gráfico da função não tem quinas.1. 0) e γ2 (t) = (t.y)−→(0. Considere a função   xy se (x. e assim fx (0. 0) x2 +y 2 f (x. 0) ≡ 0. vai garantir a continuidade da função.0) f (x. vistos no curso de cálculo 1. y) =  0 se (x. 0) = 0. e em particular. 0) Temos que f é derivável em relação a x e a y em (0. Agora. vamos apresentar os conceitos de funções diferenciáveis. ela é contínua neste ponto. Mas. y) ≡ 0. por outro lado. y) = (0. f não é contínua em (0. o lim (x. 12. estendendo os conceitos de derivadas de funções de uma variável real a valores reais. então z = f (0. Com efeito. 0). e assim fy (0. que entre outras propriedades.2 Diferenciabilidade Sabemos que. quando uma função de uma variável real é derivável em um ponto. t−→0 2t2 2 Assim é possível que uma função tenha todas as derivadas parciais em um ponto e que não seja contínua naquele ponto.Funções Diferenciáveis 12.2. Exemplo 12. y) não existe. y) = (0. fixando x = 0. Vamos então introduzir o conceito de diferenciabilidade. pois considerando as curvas γ1 (t) = (t. 0) = 0. que não tem saltos.

De fato: suponhamos que f é derivável em x0 . se existe o seguinte limite x−→x0 lim f (x) − f (x0 ) . x − x0 Considerando a reta de equação Y = f (x0 ) + m(x − x0 ). temos que f (x) − Y f (x) − f (x0 ) − m(x − x0 ) = lim x−→x0 x − x0 x − x0 f (x) − f (x0 ) = lim −m =0 x−→x0 x − x0 x−→x0 lim 197 . x − x0 Observe que.69: Reta tangente ao gráfico de uma função diferenciável. para funções de uma variável real. ser derivável é equivalente a ser diferenciável. Então existe x−→x0 lim f (x) − f (x0 ) = m. f (x0 )) de equação Y = f (x0 ) + m(x − x0 ). AULA Para uma variável: y = f (x) é diferenciável (Ver Figura 12. y = f (x) é derivável em x0 . se existe uma reta passando por (x0 . tal que x−→x0 12 lim f (x) − Y =0 x − x0 Figura 12.Livro de Cálculo II com o conceito de diferenciabilidade de funções de uma variável.69) em x0 .

f é derivável em x0 . com a notação alternativa. y) é diferenciável num ponto (x0 . 198 . se existir uma plano passando pelo ponto (x0 . tal que f (x. y0 + k) − [f (x0 .0) E(h. f (x0 . y0 + k) = f (x0 . 0 = f (x) − Y f (x) − f (x0 ) − m(x − x0 ) = lim x−→x0 x − x0 x−→x0 x − x0 f (x) − f (x0 ) f (x) − f (x0 ) − m =⇒ lim = m. de equação z = f (x0 . Por outro lado.k)−→(0. y0 ).1) pode ser reescrita como lim (h. k) = f (x. y0 ) + A(x − x0 ) + B(y − y0 ). y) − z =0 α−→0 α lim onde α = (x. = lim x−→x0 x−→x0 x − x0 x − x0 lim Portanto. suponhamos que f é diferenciável em x0 . y0 . k) =0 (h. y0 ) = (12. tomando x = x0 + h e y = y0 + k e chamando E(h. Passaremos agora a definir a diferenciabilidade de funções de duas variáveis reais a valores reais e faremos isso estendendo o conceito de diferenciabilidade de funções de uma variável real a valores reais. k). y) − z = f (x0 + h. y0 ) + Ah + Bk + E(h. Em notação alternativa.2) Ainda. y)−(x0 . y0 )).Funções Diferenciáveis Portanto f é diferenciável em x0 . Para duas variáveis: Diz-se que z = f (x. y0 ) + Ah + Bk] (12. temos: f (x0 + h.1) (x − x0 )2 + (y − y0 )2 . k) (12.

y0 ) e que f (x0 + h. y0 + k) − f (x0 . y0 ) − f (x0 . y0 )h − fy (x0 . k) (h. Se f for diferenciável em (x0 . obtemos: lim (h. fy (x0 .13. k) −→ (0. y0 )k = 0. y0 ) − fx (x0 . Com isto. y0 ). y0 ) −A =0 h h−→0 ou lim f (x0 + h. y0 ). y0 ) = B. y0 ).13. Observação 12. y0 ) é suficiente provar que f admite derivadas parciais em (x0 . 0).Livro de Cálculo II Passando o limite. y0 ) − Ah =0 h−→0 |h| lim Isto equivale a: lim f (x0 + h.2). y0 ) − f (x0 .0) lim 199 .26. com (h.0) AULA f (x0 + h.25. y0 + k) = f (x0 . 12 Acabamos de provar o seguinte: Teorema 12.k)−→(0. então f admitirá derivadas parciais neste ponto. obtemos: f (x0 + h. fazendo k = 0. Para mostrarmos que função f é diferenciável em (x0 . y0 ). fx (x0 . As principais conclusões sobre funções diferenciáveis são dadas na Observação 12.k)−→(0. 1. Analogamente. Voltemos em (12. temos o seguinte: Teorema 12. então f será contínua em (x0 . Se f for diferenciável em (x0 . y0 ) = A. (h. y0 ) − f (x0 . y0 ) =A h h−→0 Assim.

y) = x + y é uma função diferenciável. f é diferenciável para todo (x.2. y) = 1. k) = f (x + h. Solução: Precisamos provar que f é diferenciável em todo (x. y) = xy é uma diferenciável. Dizemos que f é diferenciável em B ⊂ D(f ) se f for diferenciável em todo (x. y) = 1 e fy (x. y0 ). 4. k) Portanto. y) ∈ R2 e fx (x. y0 ). E(h. que f é uma função diferenciável se f for diferenciável em todo ponto de seu domínio.2. Prove que f (x. k) = 0. Por outro lado. Diremos. mais se o limite acima não for zero. y0 ). Se uma das derivadas parciais não existirem em (x0 .2. y) ∈ B. Solução: Precisamos provar que f é diferenciável em todo (x. simplesmente. y) ∈ R2 e fx (x. Exemplo 12. y) − fx (x. Prove que z = f (x. y) = x.0) E(h. 200 .3. y + k) − f (x. então f não será diferenciável em (x0 . y) ∈ R2 . f admite derivadas parciais em todo (x. f admite derivadas parciais em todo (x. y0 ).k)−→(0. para todo (x. y)h − fy (x. (h.Funções Diferenciáveis 2. então f não será diferenciável em (x0 . Se f não for contínua em (x0 . Se ambas as derivadas parciais existirem em (x0 . y)k = x+h+y+k−x−y−h−k =0 Daí lim (h. 3. y) ∈ R2 . y) ∈ R2 . y) = y e fy (x. então f não será diferenciável neste ponto. y0 ). Exemplo 12. y) ∈ R2 .

0) = lim x−→0 e E(h. y) = (0. y) =  0 se (x.2.0) AULA 12 E(h. y + k) − f (x. 0) fy (0. k) (h. De fato.4. 0) (Já visto anteriormente). y)k = (x + h)(y + k) − xy − yh − xk = xy + xk + yh + hk − xy − yh − xk = hk Daí lim (h. y) = (0. y) − f (0. y) ∈ R2 . A soma (também o produto) de duas funções diferenciáveis em um ponto é uma função diferenciável no ponto. 0). y) ∈ R2 . k) hk √ = lim = 0 (Já visto anteriormente).k)−→(0. Propriedades: 1. temos que f (x. 0)h − fy (0. 0)k h3 = −h h2 + k 2 201 . 0) − fx (0. y) − fx (x. y)h − fy (x. 0) x = lim =1 x−→0 x x−0 f (0. E(h.0) h Portanto. k) = f (x + h. Toda função polinomial em duas variáveis P (x. 2. mas nem toda função contínua é diferenciável. mais não é diferenciável em (0. 0) é contínua em (0. Já vimos que toda função diferenciável é contínua. 0 + k) − f (0.Livro de Cálculo II Por outro lado. 0) = lim =0 y−→0 y−0 fx (0. y) = ij aij xi y j é diferenciável. f é diferenciável para todo (x. 2 + k2 (h. k) = f (0 + h. A função   x3 se (x. para todo (x. Por exemplo: Exemplo 12. 0) x2 +y 2 f (x.k)−→(0. como soma e produto de diferenciáveis. 0) − f (0.

Seja f (x. y0 ) e fy (x0 . 0) = fy (0. Como A é aberto. (x0 + h. y0 ) − f (x0 .0) não existe. resulta que 2 2|t| lim E(h. y0 ) e f não ser diferenciável em (x0 . y0 ). No entanto pode ocorrer que existam fx (x0 . y0 ). y0 + k) está contido em A. 0) = 0. então existem fx (x0 . Ainda: f não é contínua e. k) (h. então f será diferenciável em (x0 . Teorema 12.2. k) (h2 + k 2 ) h2 + k 2 Como lim G(t. 0). k) (h. y0 ). y0 ) = [f (x0 + h. y0 )] + [f (x0 + h. Algumas vezes é difícil verificar diretamente a diferenciabilidade de uma função. (Critério de Diferenciabilidade) Se as derivadas parciais fx e fy existem em um conjunto aberto A contendo (x0 . y0 ).   xy se (x. 0) x2 +y 2 Exemplo 12. Temos então que ∆f = f (x0 + h. y0 + k) − f (x0 . y) = (0. O próximo teorema dá uma condição suficiente para que uma função f seja diferenciável e é importante dada a facilidade de verificação de suas hipóteses. para h e k suficientemente pequenos o retângulo formado pelos 4 pontos: (x0 . y0 ). y) = . Demonstração: Consideremos (x0 .Funções Diferenciáveis Segue que E(h. y0 ).5. (x0 . 0) foi visto que fx (0. 0). k) (h. t) = lim t−→0 −t √ não existe. y) é diferenciável em (x0 .27. Logo. y0 + k) e (x0 + h. y0 ). y0 ) e forem contínuas em (x0 . y0 ) e fy (x0 . y0 )] 202 . y) = (0. y0 ) ∈ A. portanto. y0 + k) − f (x0 + h. não é diferenciável em (0. f não é diferenciável em (0. Vimos que se z = f (x. k) t−→0 = h3 −h h2 +k2 √ h2 + k 2 = −hk 2 √ = G(h.k)−→(0. Já  0 se (x.

y0 )h + fy (x0 . y0 ) e assim fx (x1 .Livro de Cálculo II Usando o Teorema do Valor Médio para funções de uma variável sobre cada uma das diferenças acima. AULA 12 conforme √ Exemplo 12. Assim: ∆f = fx (x0 . caros alunos. Veja o exemplo a seguir: 203 . y0 ) = fx (x0 . obtemos ∆f = fy (x0 + h. há casos em que ele não se aplica. ou seja: existem funções diferenciáveis em um ponto cujas derivadas parciais não são contínuas neste ponto. y) = xcos (xy) e são contínuas em todo ponto (x. Bem. y0 )h. y) = ycos (xy) e fy (x. y0 ) + eta1 e fx (x0 + h. y) ∈ R2 .2. y) = sen (xy) é diferenciável.6. pois existem fx (x. y0 )k + η1 h + η2 k. Pela definição de diferenciabilidade nós temos somente que mostrar: n1 h + n2 k √ −→ 0 h2 + k 2 mas n1 h + n2 k √ ≤ (|n1 | + |n2 |) −→ 0 h2 + k 2 h2 + k 2 −→ 0. A função z = f (x. y1 )k + fx (x1 . Neste caso a verificação da diferenciabilidade deve ser feita pela definição. fx e fy são contínuas em (x0 . k) −→ 0. o teorema anterior parece resolver todos os problemas no que se refere a mostrar que uma função é diferenciável. Por hipótese. y1 ) = fy (x0 . y0 ) + eta2 onde ambos η1 e η2 tendem a zero com (h.

se (x.2 que o plano de equação z = f (x0 . (b) Mostre que fx e fy não são contínuas em (0. se (x. k) =0 (h. y) = (0. y) = (0.2. 0) fx (x. 0) se (x. y) =   2x sen 1 x2 +y 2 − 2x x2 +y 2 cos 1 x2 +y 2 . t) não existem e portanto fx e fy não são contínuas em (0.1) 204 . se (x.0) h2 + k 2 sen 1 h2 + k 2 E(h. (c) Prove que f é diferenciável em R2 . 0). vimos na Seção 12. y0 )(y − y0 ) (12. 0) note que E(h. y) =  0. k) 12. Seja   (x2 + y 2 )sen  0 1 x2 +y 2 f (x. y) = se (x. 0) (c) Para verificar que f é diferenciável em (0. t) e limt−→0 fy (t. y) = (0.3 Plano Tangente e Reta Normal Se f é diferenciável em (x0 . k) e que lim (h. y0 ) + fx (x0 . y) = (0.k)−→(0. k) = (h. y) = (0. Solução: (a) fx (x. se (x. y0 )(x − x0 ) + fy (x0 .7. 0) (b) limt−→0 fx (t. 0) (a) Determine fx e fy . y) = (0.Funções Diferenciáveis Exemplo 12. 0)   2y sen 2 1 2 − 22y 2 cos x +y x +y  0. y0 ). 0) 1 x2 +y 2 .

k) = 0. y0 ). z) = (x0 . y0 )). o plano (12. f (x0 .1 existirá. Determine as equações do plano tangente e da reta normal do ponto (1.1) se escreve: (fx (x0 .0) AULA 12 E(h.2) A reta que passa pelo ponto (x0 . λ ∈ R. y) = 3x2 y − x. mais admitir derivadas parciais neste ponto. −1) (12.k)−→(0. f (x0 . y0 . y) − z =0 α−→0 α lim ou. −1) · [(x. f (x0 . y0 )) se f for diferenciável em (x0 . −1) . y0 )) e é paralela ao vetor (12. Solução: Note que f é uma função polinomial de duas variáveis. f (x0 . 2)). 2. y0 . y0 ). mais não será plano tangente. y0 )) + λ (fx (x0 . f (1. Exemplo 12. y0 )) é perpendicular à direção do vetor (fx (x0 . A equação de tal reta é: (x. y0 ). y0 ). f (x0 . y0 . y. então o plano 12. y. Observe que só definimos o plano tangente em (x0 . k) Este é um modo de exprimir o fato de que o plano é tangente à superfície no ponto (x0 . f (x0 .1. y0 ). y0 . y0 . fy (x0 . 205 . y) no seguinte sentido: f (x.1) denomina-se reta normal ao gráfico de f no ponto (x0 . Se f não for diferenciável em (x0 . y0 ))] = 0 Segue que o plano tangente em (x0 . f (x0 . y0 )). na notação alternativa lim (h. z) − (x0 . Seja z = f (x. Em notação de produto escalar. fy (x0 . (h. y0 ).3. y0 ). y0 .Livro de Cálculo II aproxima o gráfico de z = f (x. y0 . y0 ). fy (x0 .

2. A equação do plano tangente à superfície z = f (x. fy (1. y. 2. 2)) é dado por z = f (1. (x. Mas f (1. −1) . y) = 6xy−1 =⇒ fx (1. 2) = 11 e fy (x. y. 5) + λ (11. 2)) + λ (fx (1. 2)(x − 1) + fy (1. 2. f (1. 2). z) = (1. z) = (1. 2). 206 . ou seja. 2)(y − 2). 2) = 3. −1) . Por sua vez. λ ∈ R. λ ∈ R. a equação da reta normal à superfície z = f (x. 3. Logo a equação do plano tangente é z − 5 = 11(x − 1) + 3(y − 2).70: Plano Tangente e Reta Normal logo é diferenciável. f (1. y) = 3x2 =⇒ fy (1. 2.Funções Diferenciáveis Figura 12. 2) = 5. y) no ponto (1. fx (x. 2)) é dado por (x. f (1. 2) + fx (1. y) no ponto (1.

y0 + k) − f (x0 . L(h. y0 )k. onde ∆f = f (x0 + h. y0 + k) − f (x0 . a condição de diferenciabilidade pode ser reformulada com: f é diferenciável em (x0 . Voltando à condição de diferenciabilidade notamos que E(h. y0 ) relativa aos acréscimos h e k. k) = fx (x0 . y0 )h + fy (x0 . onde η −→ 0 com (h. y)dy. y0 )h + fy (x0 . k) ∼ ∆f. k) −→ 0. y0 )h + fy (x0 . y0 ). para acréscimos pequenos. y) relativa aos acréscimos dx e dy é indicada por dz (ou df ) dz = fx (x. Chamando η = ∆f −df (h. y0 )k] = ∆f − L(h. Chamamos a transformação linear L de diferencial de f em (x0 . y0 )k é a diferencial de f em (x0 . y0 ) se. Assim: lim (h. k). y)dx + fy (x. k) = f (x0 + h. ∆f = df + η · √ h2 + k 2 . y0 ) − [fx (x0 .k)−→(0. k) = 0. Em notação clássica a diferencial de f em (x. y0 ) e consideremos a transformação linear L : R2 −→ R dada por L(h.Livro de Cálculo II 12. ∆z ∼ dz. Assim. (h. k) ∼ 0. 207 .4 A Diferencial AULA Seja f (x. y) diferenciável em (x0 .k) . e somente se. k) = fx (x0 . y0 ). Dizemos que L(h. k) ou seja. para (h.0) 12 ∆f − L(h.

06. dx = ∆x = 0.01. Substituindo x = 1.4.2.4.0605. y) = 3x2 − xy.05m. com um possível erro de ±0. o erro envolvido é 0. O raio e a altura de uma caixa de forma cilíndrica são medidos como 3m e 8m. Se z = f (x. Solução: Temos: dz = (6x − y)dx + (−x)dy. Exemplo 12. teríamos: ∆z = 0.1.02) = 0. y) muda de (1.01 e dy = ∆y = −0. calcule ∆z e dz se (x.02.01) + (−1)(−0. y) relativa aos acréscimos dx e dy. obtemos: dz = (6 − 2)(0.98). respectivamente. 2) para (1.0005.Funções Diferenciáveis Figura 12. y = 2. Use diferenciais para calcular o erro máximo 208 . Exemplo 12.71: Representação da diferencial f em (x. 1. Calculando diretamente ∆z. Assim.

k) (h. y0 )h − fy (x0 . y0 ) é suficiente provar que f admite derivadas parciais em (x0 . dr = dh = ±0. AULA 12 Substituindo r = 3. Se ambas as derivadas parciais existirem em (x0 . 209 . mais se o limite acima não for zero. Se f é diferenciável em (x0 . y0 ). y0 ) − fx (x0 . 3. temos: dV = 48π(±0. (h. Se f é diferenciável em (x0 .5 Resumo As principais conclusões sobre funções diferenciáveis serão dadas abaixo: 1. y0 ). 5.05) = ±2. y0 ). y0 ) então f é contínua em (x0 . 12. y0 ). y0 )k = 0. ∂r ∂h πr2 h. Solução: Temos que o volume da caixa é dado por V = Calculando a diferencial de V temos: dV = ∂V ∂V dr + dh = 2πrhdr + πr2 dh. Para mostrarmos que função f é diferenciável em (x0 . y0 ) então f admite todas as derivadas parciais em (x0 .95m3 . 4. y0 + k) − f (x0 .Livro de Cálculo II no cálculo do volume. Se uma das derivadas parciais não existirem em (x0 . então f não será diferenciável neste ponto. y0 ).0) lim 2. h = 8.85π ±8.k)−→(0. y0 ) e que f (x0 + h. então f não será diferenciável em (x0 .05.05) + 9π(±0.

k) = 0. y0 )(x − x0 ) + fy (x0 . y0 ) + fx (x0 . 12. z) = (x0 . y0 . y0 ). y) − z =0 α−→0 α lim ou. −1) . se x=0 210 .0) E(h. y0 ). (h.6 Atividades 01. y0 ).1) denomina-se reta normal ao gráfico de f no ponto (x0 . na notação alternativa lim (h. f (x0 .k)−→(0. Se f é diferenciável em (x0 . y0 )(y − y0 ) aproxima o gráfico de z = f (x. então f não será diferenciável em (x0 . então o plano de equação z = f (x0 . fy (x0 . fy (x0 . Mostre que a função definida por   x2 sen( 1 ). k) Este é um modo de exprimir o fato de que o plano é tangente à superfície no ponto (x0 . y0 )) é perpendicular à direção do vetor (fx (x0 . Se f não for contínua em (x0 . y0 )) + λ (fx (x0 . y) no seguinte sentido: f (x. y0 ). λ ∈ R. f (x0 . f (x0 . A equação de tal reta é: (x. y0 . y0 . y0 )). y0 ). f (x0 . y0 ). y0 . y0 )).1) A reta que passa pelo ponto (x0 . −1) (12. y0 ). Segue que o plano tangente em (x0 . f (x0 . y. se x=0 x f (x) =  0.Funções Diferenciáveis 6. y0 . y0 )) e é paralela ao vetor (12.

Achar as equações da reta tangente e da reta normal à curva   x = t − cos t    γ= y = 3 + sen 2t     z = 1 + cos 3t 211 . y) ter como curvas de níveis circunferências com centro na origem é necessário e suficiente que x ∂f = y ∂f . AULA 02. 0) (x. Calcular as derivadas das funções dadas abaixo: a) z = ex y 2 . 05. 0). y) = (0. 03. Justifique porque a função   xy3 . mais não é de classe C 1 em x = 0. 0) 04. y) =   f (x)f (y) .Livro de Cálculo II é diferenciável para todo x. 0) a) Mostre que existe gx (0. Seja f : R2 −→ R tal que |f (x. para (x. x ∈ R. Mostre que f é diferenciável em (0. Seja f (x) diferenciável com f (0) = 0 e f (x) = 0 para x = 0. Seja g(x. 12 (x. 0). y = (0. 0). y) = (0. y) = (0. se não é diferenciável na origem. b) Mostre que g(x. 0) e gy (0. f 2 (x)+f 2 (y) para (x. 0)  0. y) =  0. 06. y)| ≤ x2 + y 2 . Mostre que para uma função f (x. ∂y ∂x 07. b) z = x2 1 + xy 2 . y) não é diferenciável em (0. se x2 +y 6 f (x.

2). Ache o vetor normal a o plano tangente ao gráfico de f (x. 1). 11. 3). Ache o plano tangente e a reta normal ao parabolóide de uma folha x2 + y 2 − z 2 = 4 no ponto (2. 2. Determinar a equação do plano tangente à superfície z = x2 + y 2 no ponto (1. Qual a equação do plano normal à curva no ponto P. √ 15. correspondente a t = 0? 212 . 2. 14. 3). Ache os pontos do parabolóide z = x2 + y 2 − 1 nos quais a reta normal à superfície coincide com a reta q liga a origem a esses pontos. Ache a equação do plano tangente à superfície regular z = x2 + 5xy − 2y 2 no ponto (1. 2 08. e−1 . 2. Dada a curva (x. 09. y) = xy + yex no ponto (1. z) = (et . 10. Ache a equação do plano tangente à superfície regular S : x2 + 2y 2 + 3z 2 = 36 no ponto (1.Funções Diferenciáveis no ponto t = π . y. Determinar a equação do plano tangente à superfície z = 9 − x2 − y 2 no ponto (1. 5). 2. 2t). 12. 13. 3). −3.

1 e 2).. 2006. 2006. 1 e 2).8 Referências • GUIDORIZZI. Cálculo (vol. 213 . Lembre-se.7 Comentário das Atividades AULA Essas atividades. Um Curso de Cálculo (Vol.Livro de Cálculo II 12.. H. • THOMAS. Cálculo (vol. B. G. 12 12. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. 2002. são referentes aos assuntos discutidos no decorrer desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos aprendidos. L. sempre. que existem tutores para ajuda-los na resolução dessas atividades. Rio de Janeiro: LTC Editora.. J. 1 e 2). • STEWART. São Paulo: Addison Wesley.

.

13 AULA OBJETIVOS Estender os conceitos da regra da cadeia e da derivação implícita de funções de uma variável a valores reais. PRÉ-REQUISITOS Ter compreendido os conceitos limite. . continuidade e derivadas de funções de uma variável a valores reais.1 LIVRO Regra da Cadeia e Derivação Implícita META Derivar funções compostas e funções definidas implicitamente.

Então. φ2 (t0 )). y) é dada sob a forma de função composta. z = f (φ1 (t).Regra da Cadeia e Derivação Implícita 13. φ2 (t)) é diferenciável em t0 e ainda dz dt = t0 dz dx · P0 dφ1 dt + t0 dz dy · P0 dφ2 dt . falar em diferenciabilidade relativamente a t.28. y) diferenciável no ponto P0 = (φ1 (t0 ). y são eles próprios funções de t x = φ1 (t) y = φ2 (t). em que os argumentos x.1 13.72: Função composta. t0 Demonstração: Como z é diferenciável em P0 . temos em particular que: ∆z = ∂z dx · ∆x + P0 ∂z dy · ∆y + αη P0 216 . portanto. Figura 13. Sejam x = φ1 (t) e y = φ2 (t) diferenciáveis em t0 e z = f (x.2 Introdução Regra da Cadeia Muitas vezes a função z = f (x. Para derivarmos z em função de t temos o seguinte: Teorema 13. φ2 (t)) e podemos. Então z(t) = f (φ1 (t).

Livro de Cálculo II onde η −→ 0 com α −→ 0 e α = (∆x)2 + (∆y)2 sendo que AULA ∆x = φ1 (t0 + ∆t) − φ1 (t0 ) e ∆y = φ2 (t0 + ∆t) − φ2 (t0 ). t0 pois η −→ 0 com ∆t −→ 0 e ∆t −→ 0. cos t. Seja z = f (x. t0 = esen t0 cos t0 (cos2 t0 − sen2 t0 ). para ∆t = 0 ∆z = ∆t ∂z dx · P0 13 ∆x + ∆t ∂z dy · P0 ∆y ±η ∆t ∆x ∆t 2 + ∆y 2 (13. pois φ1 e φ2 sendo diferenciáveis em t0 são contínuas em t0 . Logo dz dt ou seja. 217 . Passando ao limite a expressão (13. y) = exy onde x = sen t e y = dz em t = t0 . cos t0 ). φ2 (t0 )) = (sen t0 .2. temos dz dt = t0 dφ1 ∆t e t0 ∆y = ∆t−→0 ∆t lim dφ2 ∆t t0 dz dx · P0 dφ1 dt + t0 dz dy 2 · P0 dφ2 dt 2 .1) com ∆t −→ 0. dz dt = (y0 ex0 y0 ) · (cos t0 ) + (x0 ex0 y0 ) · (−sen t0 ) t0 = t0 dz dx · P0 dφ1 dt + t0 dz dy · P0 dφ2 dt . Calcule dt Solução: Temos que P0 = (φ1 (t0 ). Logo. ∆x ∆t + ∆y ∆t −→ L ∈ R com Exemplo 13.1) ∆t Observemos que ∆x = ∆t−→0 ∆t lim ainda: ∆t −→ 0 =⇒ [∆x −→ 0 e ∆y −→ 0].1.

y = f (x). dx ∂x ∂y dx (b) 13. 1) · (1) = 8 + 1 · 3 = 11. para todo x no domínio de f . Neste caso.2. 1) (a) ∂x dz (b) (1) dx Solução: (a) Temos que dy ∂z = 2x + 2y = 2x + 6yx2 . z = f (x. onde F (x. dx ∂x dx ∂y dx Portanto. Se F é diferenciável. 1) + (1. dx ∂x ∂y dx Exemplo 13. Ainda dz ∂z dx ∂z dy = · + · . ∂z ∂z dy dz = + · . ∂x dz ∂z ∂z dy (1) = (1. Considere a curva y = φ(x) = x3 e calcule: ∂z (1. f (x)) = 0. Seja z = f (x.Regra da Cadeia e Derivação Implícita É freqüente encontrar-se z = f (x. y) com y = y(x). Suponhamos que a equação da forma F (x.2. ∂x dx Logo ∂z (1. y) = 0 define y implicitamente como uma função diferenciável de x. y(x)) = z(x). ou seja. y) = x2 + y 2 .3 Derivação de funções definidas implicitamente A Regra da Cadeia pode ser usada para uma descrição do processo de diferenciação implícita. 1) = 2 · 1 + 6 · 1 · 12 = 8. podemos usar a Regra da 218 .

obtemos: ∂F dx ∂F dy + = 0. Observemos que F é de classe C ∞ em R2 . ξ(x)) = 0. ∂y dy dx . Exemplo 13.Livro de Cálculo II Cadeira para diferenciar ambos os lados da equação F (x. (k ≥ 1) em A. O próximo teorema nos fornece condições segundo as quais essa hipótese é válida. y) = x2 + xy + y 2 − 7. Mostre que existe um intervalo I contendo x0 = 2. então existe um intervalo aberto I contendo x0 e um aberto B ⊂ A. (Teorema da Função Implícita) Seja F : A ⊂ R2 onde A é um aberto e F é de classe C k . y0 ) ∈ A e ∂F ∂y (P0 ) = 0.1) Para derivar essa equação assumimos que F (x. no qual está definida da função y = ξ(x) satisfazendo x2 + xy + y 2 = 7 com ξ(2) = 1 e encontre Solução: Definimos F (x. Como x e y são ambas funções de x.3. P0 ∈ B com a seguinte propriedade: Para cada x ∈ I existe um único ξ(x) ∈ R tal que (x. y) = 0 define y = ξ(x). F (2. y) = 0 com relação a x. y) = 0 define y implicitamente em função de x.1. F (x. ou seja. obtemos ∂F dy ∂x = − ∂F . implicitamente. Se F se anula em P0 = (x0 . se ∂F ∂y = 0. ξ(x)) ∈ B e F (x.29. resolvemos para dy dx e (13. Teorema 13. 1) = 0 e ∂F (2. ∂x dx ∂y dx No entanto. então. dx ∂y dx dx AULA 13 = 1. 1) = 4 = 0. 219 .

y. uma versão do Teorema da Função Implícita nos dá as condições sob as quais nossa hipótese é válida. y) = 0 define y = ξ(x) implicitamente. f (x. utilizamos a Regra da Cadeia para diferenciar a equação F (x. ∂y ∂z ∂F (13. Se F e f forem diferenciáveis. z) = 0. obtemos ξ (x) = ∂F dy 2x + y ∂x = − ∂F = − . Ainda: ξ(2) = 1. ∀x ∈ I. Temos então que F (x. y) no domínio de f . ∂x ∂z Analogamente. y)) = 0 para todo (x. ∂x ∂x ∂y ∂x ∂z ∂x Mas ∂x ∂x =1e ∂y ∂x = 0 portanto.1. usando a fórmula 13. Se F ∈ 220 . y. logo. essa equação se escreve ∂F ∂F ∂z + = 0. y. Isto é o mesmo que F (x. ξ é de classe C ∞ . y) por uma equação da forma F (x. dx x + 2y ∂y Em particular. z) = 0 como se segue: ∂F ∂x ∂F ∂y ∂F ∂z + + = 0.2) ∂F ∂z ∂x = − ∂F . tais que: x2 + xξ(x) + (ξ(x))2 = 7. ξ (2) = − 5 . resolvendo para ∂z ∂x e obtemos: (13.3) Novamente.Regra da Cadeia e Derivação Implícita Pelo Teorema anterior. ∂x ∂z ∂x Se ∂F ∂z = 0. obtemos ∂z ∂y = − ∂F . existe um intervalo I contendo x0 = 2 e uma função y = ξ(x). 4 Suponhamos agora que z seja dado implicitamente como uma função z = f (x.

z) = 0 AULA 13 define z como uma função de x e y perto do ponto P0 .3.Livro de Cálculo II C k . (k ≥ 1) é definida em um aberto contendo P0 = (x0 .2. e as derivadas parciais dessa função são dadas pelas fórmulas (13. Determine ∂z ∂x e ∂z ∂y se exyz = x2 + y 2 + z 2 .4 Resumo A Regra da Cadeia é dada pelo seguinte: 221 .3). das equações (13. z) = exyz −x2 −y 2 −z 2 . Exemplo 13. y) ∈ D(f ) com xyexyz − 2z = 0. y. z0 ). ∂z ∂x = 2x + 2z ∂z . onde F (P0 ) = 0 e ∂F ∂z (P0 ) = 0. y0 . Então. então a equação F (x. ∂z 2x − yzexyz = ∂x xyexyz − 2z em todo (x. y.2) e (13. temos ∂F ∂z yzexyz − 2x ∂x = − ∂F = − ∂x xyexyz − 2z ∂z xzexyz − 2y ∂z ∂y = − ∂F = − ∂y xyexyz − 2z ∂z Outra maneira: ∂F Temos ∂ ∂z ∂ xyz (e ) = exyz (xyz) = exyz yz + xy ∂x ∂x ∂x e ∂ 2 ∂z (x + y 2 + z 2 ) = 2x + 2z . ∂x ∂x Assim exyz yz + xy ou seja.3).2) e (13. ∂x 13. Solução: Seja F (x.

ξ(x)) ∈ B e F (x. φ2 (t)) é diferenciável em t0 e ainda dz dt = t0 dz dx · P0 dφ1 dt + t0 dz dy · P0 dφ2 dt . f (x)) = 0. y) = 0 define y implicitamente em função de x. y) diferenciável no ponto P0 = (φ1 (t0 ). ∂x dx ∂y dx No entanto. Teorema 13. obtemos: ∂F dx ∂F dy + = 0. O próximo teorema nos fornece condições segundo as quais essa hipótese é válida. Suponhamos que a equação da forma F (x. P0 ∈ B com a seguinte propriedade: Para cada x ∈ I existe um único ξ(x) ∈ R tal que (x. obtemos ∂F dy ∂x = − ∂F .30. ξ(x)) = 0. (k ≥ 1) em A. t0 A Regra da Cadeia pode ser usada para uma descrição do processo de diferenciação implícita. y) = 0 define y = ξ(x). onde F (x.Regra da Cadeia e Derivação Implícita Teorema 13. Então z(t) = f (φ1 (t). y) = 0 define y implicitamente como uma função diferenciável de x. y0 ) ∈ A e ∂F ∂y (P0 ) = 0. se ∂F ∂y = 0. Sejam x = φ1 (t) e y = φ2 (t) diferenciáveis em t0 e z = f (x. F (x. ou seja. (Teorema da Função Implícita) Seja F : A ⊂ R2 onde A é um aberto e F é de classe C k . y) = 0 com relação a x. Se F é diferenciável. então existe um intervalo aberto I contendo x0 e um aberto B ⊂ A. resolvemos para dy dx e Para derivar essa equação assumimos que F (x. então. y = f (x). dx ∂y dx dx = 1. Se F se anula em P0 = (x0 .31. ou seja. 222 . implicitamente. φ2 (t0 )). para todo x no domínio de f . Como x e y são ambas funções de x. podemos usar a Regra da Cadeira para diferenciar ambos os lados da equação F (x.

Considere a curva y = φ(x) = x3 e calcule: a) ∂z ∂x (1.5 Atividades AULA 01. y x ∂x ∂y 06. Seja f (x. . para todo t. y) = 0) 07. Expresse dy em termos de x e y. f (t2 . y) = x2 + y 2 . 3 4) satisfaz a equação e utilize o teorema das funções implícitas para o caso F (x. y) = f x y ∂F ∂f . (b) Calcule g (0) admitindo ∂x 3 04. 13 (a) z = ln(1 + x2 + y 2 ). e y = t2 . dx 223 . 2t2 − 1).Livro de Cálculo II 13. ∂f 1 (0. −1) = . Mostre que ∂f ∂f (1. 02. (a) Expresse g (t) em termos das derivadas parciais de f . 2). 2) = − (1. 2t) = t3 − 3t. Mostre que cada uma das equações seguintes define implicitamente pelo menos uma função diferenciável y = y(x). Seja g(t) = f (3t. x = sen 3t. A equação y 3 + xy + x3 = 4 define implicitamente alguma dy função diferenciável y = y(x)? Em caso afirmativo. Suponha que. Calcule dz : dt (a) z = sen xy. Mostre que x +y = 0. ∂x ∂y 05. e y = cos 3t. Considerando a função F (x. (Sugestão: Observe que (0. expresse dx √ em termos de x e y. 03. x = 3t. 1). b) dz dx (1).

Cálculo (vol.6 Comentário das Atividades Essas atividades. J. 13. y e das derivadas parciais de dx F. B. • STEWART. 2006. 2002. São Paulo: Addison Wesley.Regra da Cadeia e Derivação Implícita (a) x2 y + sen y = x (b) y 4 + x2 y 2 + x4 = 3.. H. L. 2006. são referentes aos assuntos discutidos no decorrer desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos aprendidos. Rio de Janeiro: LTC Editora. Lembre-se. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. 13. Um Curso de Cálculo (Vol.7 Referências • GUIDORIZZI. v) é suposta diferendy ciável.. • THOMAS. 224 . 1 e 2). Suponha que y = y(x) seja diferenciável e dada implicitamente pela equação x = F (x2 + y. que existem tutores para ajuda-los na resolução dessas atividades. 1 e 2). Cálculo (vol. 08. onde F (u.. 1 e 2). G. Expresse em termos de x. sempre. y 2 ).

estudaremos a derivada direcional de uma função de duas variáveis a valores reais. 14 AULA Além disso. PRÉ-REQUISITOS Limite. .1 LIVRO Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais META Definir o vetor gradiente de uma função de duas variáveis reais e interpretá-lo geometricamente. continuidade e derivadas parciais de funções de duas variáveis reais a valores reais. OBJETIVOS Estender o conceito de derivadas parciais e estudar a taxa de variação de uma função em qualquer direção.

29. então f (x0 . A derivada direcional. y0 ). 14. y0 ). 2 1 1 f (x. Posteriormente. definindo um vetor que indicará a direção de maior crescimento de uma função. Geometricamente. y0 ) = ∂f ∂f (x0 . interpretaremos aplicado no ponto (x0 . y0 ). 3 2 226 . y0 ) · i + (x0 . nos permitirá determinar a taxa de variação de uma função de duas variáveis reais a valores reais. O vetor f (x0 .2. Já vimos na Aula 13 que as derivadas parciais permite determinarmos a taxa de variação de uma função nas direções tangentes às curvas coordenadas.Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais 14. estudaremos a derivada direcional de uma função de duas variáveis a valores reais. y) = xi + y 2 j. y0 ). y0 ) ∂x ∂y = ∂f ∂f (x0 . (x0 .1. em qualquer direção. Seja z = f (x. y) = x 3 Logo e 1 fy (x. y) uma função que admite derivadas parciais em (x0 . y) = 6 (x2 + y 3 ). y0 ) como um vetor 1 fx (x. y) = y 2 .1 Introdução Vamos iniciar nossa penúltima aula. Se f (x.2 Vetor Gradiente Definição 14. y0 ) · j ∂x ∂y denomina-se gradiente de f em (x0 . tal vetor será denominado vetor gradiente. 1 Exemplo 14.

Seja z = f (x. y(t)) a curva de nível de f (x. y0 ) = (0. y0 ) é normal à curva de nível de f que passa por (x0 . em certas condições.73: Vetores Gradientes de f (x. −2) partindo do ponto AULA 14 (0. y0 ) é normal à curva de nível γ Como γ e f são diferenciáveis. 0). (14. y) tal que γ(t0 ) = (x0 . −2) e mais alguns vetores gradientes aplicados em diferentes pontos. −2) = 0i + (−2)2 j = 2j. y) diferenciável em (x0 . y(t)) ≡ k. y0 ). Figura 14. o vetor f (x0 .32. Demonstração: Seja γ(t) = (x(t).1) f (x0 . Então de f que passa por (x0 . 3 2 Na Figura 14. y) = 1 (x2 + y 3 ). 1 1 f (0. Teorema 14.Livro de Cálculo II Em particular. 6 O proximo teorema mostra que.73. y0 ). y0 ). temos que z(t) = f (γ(t)) = f (x(t). podemos usar a regra da cadeia 227 . Assim. esta representado f (0. y0 ) com f (x0 .

basta calcular f ( .2. + 1) : 2 2 π π f ( . Assim. Temos que a curva considerada é uma curva de nível da função diferenciável F. + 1) = i − j. para calcuπ π lar um vetor normal à curva dada. Portanto. pelo Teorema 14. Exemplo 14. y0 ) é perpendicular ao vetor γ (t0 ) tangente à curva de nível γ.74: f (x0 .2. obtendo: ∂f (x0 . segue que.32.1). y0 ) é perpendicular ao vetor γ (t0 ). y0 ) · ∂x dx dt + t0 ∂f (x0 . y) = x + sen x − y. Figura 14. y0 ) · γ (t0 ) = 0. f (x0 . Achar o vetor normal à curva y = x + sen x no π ponto x = . 2 Solução: Definimos F (x. y0 ) · ∂y dy dt =0 t0 A equação anterior pode ser escrita como f (x0 . 2 2 228 .Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais para diferenciar ambos os membros de (14.

y0 ) e na direção do vetor v. Temos: g (0) = g(t) − g(0) t−→0 t f (x0 + at. y) definida em um aberto de R2 e seja v = (v1 . y0 ) = lim = Dv f (x0 . b). t−→0 t lim quando este limite existir.30. com v = 1. Dv f (P0 ) ou ∂f ∂v 14 (P0 ). também. 229 . Observe que a imagem de γ está contida no gráfico de f. taxa de variação de f no ponto (x0 . v2 ) um vetor unitário ( v = 1). Notação 9. y0 + bt). y0 ) na direção de v é o valor do limite f (P0 + tv) − f (P0 ) . y0 ) t−→0 t lim onde v = (a. y0 + bt) − f (x0 . A derivada direcional Dv f (P0 ) denomina-se. Interpretação Geométrica da Derivada Parcial Podemos interpretar geometricamente a derivada direcional de f no ponto P0 na direção de v como uma inclinação: Consideremos a curva γ(t) dada por   x = x0 + at    γ: y = y0 + bt     z = g(t) onde g(t) = f (x0 + at.Livro de Cálculo II 14. Consideremos z = f (x.3 Derivada Direcional AULA Definição 14. A derivada direcional de f no ponto P0 = (x0 .

2) na direção do vetor (3. −4) = v= 3 5. y0 ). Solução: Note que (3. y0 ) = fx (x0 . y0 ) = fy (x0 . 0) então f ((x0 . y0 ) + t(1.75: Interpretação geométrica da derivada direcional. Temos que: (3)2 + (−4)2 = 5. mostra-se que Dj f (x0 . calcular a derivada direcional de f no ponto P0 = (−1.3. y0 ) = fx (x0 . y0 ) = lim ou seja.1. y0 ). y0 ). Dada a função f (x. Di f (x0 . Exemplo 14. 0)) − f (x0 . 2) = 13 f (P0 + tv) = f = 13 − 36 21 t + t2 5 25 230 . y0 ) ∈ D(f ). 2 − t 5 5 f (P0 ) = f (−1. ∀(x0 . = lim t−→0 t t−→0 Di f (x0 . 4 − 5 . y0 ) t f ((x0 + t.Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais Figura 14. se v = i = (1. Seja então v =1 3 4 −1 + t . Analogamente. ∀(x0 . Observe que. y) = x2 − xy + 5y. y0 )) − f (x0 . y0 ) ∈ D(f ). −4).

14. Temos: Se f for diferenciável em P0 . y0 + tv2 ) onde t é tal que (x0 + tv1 . obtemos: F (0) = fx (x0 . f (P0 ) · v. F (0) = F (t) − F (0) t−→0 t f (x0 + tv1 . Demonstração: Sejam v = (v1 .Livro de Cálculo II Logo Dv f (P0 ) = f (P0 + tv) − f (P0 ) t 21 13 − 36 t + 25 t2 − 13 5 = lim t−→0 t 36 21 36 = lim − + t = − t−→0 5 25 5 t−→0 AULA 14 lim Portanto. t−→0 t lim f (P0 ) · v. então a derivada direcional Dv f (P0 ) é a projeção escalar do f (P0 ) na 231 . y0 ) fixos. y0 )v2 = Por outro lado. Assim. Consideremos f : A ⊂ R2 −→ R com A aberto e f diferenciável em P0 ∈ A. existe a Dv f (P0 ) e ainda: Dv f (P0 ) = f (P0 ) · v. Consideremos a função F (t) = f (x0 + tv1 . y0 )v1 + fy (x0 . Teorema 14. usando a Regra da Cadeira.33. Dv f (P0 ) = − 36 . Dv f (P0 ) = Observação 14. relaciona a derivada direcional de f com o vetor gradiente de f . 5 O próximo teorema. Para todo v ∈ R2 com v = 1. y0 + tv2 ) − f (x0 . v2 ) e P0 = (x0 . y0 + tv2 ) ∈ A. Como F é diferenciável no ponto t = 0. y0 ) = lim = Dv f (P0 ).

0) = 0. E a recíproca. 0) = Dj f (0. y) =   0. y) −→ (0. v2 ) com v = 1. 232 . Exemplo 14. Sejam   √ x|y| . 0) = = = Em particular: fx (0. Temos: Dv f (0.15. onde θ é o ângulo formado entre os vetores f (P0 ) e v em P0 . é verdadeira? Vejamos um exemplo (a seguir) em que f tem todas as derivadas direcionais em P0 . então f tem todas as derivadas direcionais em P0 . x2 + y 2 = 0 + η x2 + y 2 t−→0 lim tv1 |tv2 | t 2 2 t2 (v1 + v2 ) v1 |v2 | t−→0 lim 2 2 v1 + v2 v1 |v2 | = v1 |v2 |. O Teorema 14. f não é diferenciável em (0. 0) (x. mais f não é diferenciável em P0 . 0) = Di f (0. 0).Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais direção de v. 2 2 v1 + v2 Portanto. 0) = df (0. Observação 14. ou seja. com (x. y) − f (0. 0)(x. Ainda se ∆f = f (x. Dv f (P0 ) = f (P0 ) · v = f (P0 ) v cosθ = f (P0 ) cosθ.  x2 +y 2 f (x. (x. 0) = 0 e fy (0. y) + η então η= x2 x|y| + y2 0. y) = (0.2. y) = (0.3.33 afirma que se f é diferenciável em um ponto P0 . 0). 0) e v = (v1 .

Dv f (P0 ) é nula se cos theta = 0 ⇔ θ = Portanto. Figura 14. É mínima quando cosθ = −1. θ = 0. π 2. x2 + y 2 (a) Calcule a derivada direcional no ponto (2. Dv f (P0 ) = Logo. no sentido que faz um ângulo de 60o com o semi-eixo positivo dos x. Logo Dv f (P0 ) é máxima quando v tem o mesmo sentido de f (P0 ). Finalmente.76: Figura referente ao item (a) do Exemplo 14.3. Dv f (P0 ) é nula se v é perpendicular ao vetor f (P0 ).3. Finalizamos esta aula.Livro de Cálculo II Estamos terminando esta aula mais antes disso. isto é.3 233 . e somente se. quando é mínima e quando é nula? Solução: Admitamos f (P0 ) = (0. A temperatura num ponto (x. Portanto. vamos responder uma pergunta interessante sobre derivadas direcionais. é maxima quando cosθ = 1 e isso acontece se. 1). Exemplo 14. y) do plano é dada por T (x. y) = 100xy . AULA 14 Supondo f diferenciável. quando θ = π. 0).3. Dv f (P0 ) é mínima quando v tem sentido oposto ao de f (P0 ). Temos que f (P0 ) cosθ. com uma aplicação de derivadas direcionais. quando a derivada direcional de f é máxima.

y0 ) = ∂f ∂f (x0 . 1). y0 ) · i + (x0 . y0 ). Definição 14. um resumo das principais definições e resultados vistos nesta aula. 1) é máxima a derivada direcional? (c) Qual o valor deste máximo? Solução: (a) Observando a Figura 14. y0 ) = (0. Teorema 14. Logo Du T (2. y) uma função que admite derivadas parciais em (x0 . agora. y0 ) com f (x0 . uma vez que as suas derivadas parciais são contínuas neste ponto.Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais (b) Em que direção. √ (c) O máximo é o módulo do gradiente = 12 5. Além disso. 14. y0 ). y) diferenciável em (x0 . y0 ). Seja z = f (x. 2 2 Note que u = 1. 1) · u = −6 + 12 3. y0 ) ∂x ∂y = ∂f ∂f (x0 . 1) = (−12. Seja z = f (x. (b) É máxima no sentido do gradiente. 0). do vetor −12i + 24j. (x0 .76 é fácil ver que √ 3 1 o u = cos 60 i + sen 60j = i + j.34. f (x0 . y0 ) · j ∂x ∂y denomina-se gradiente de f em (x0 . Temos que T é diferenciável em (2. 24).4 Resumo Faremos. 1) = √ T (2. isto é. y0 ) é normal à curva de nível γ 234 . y0 ). T (2. a partir de (2. Então de f que passa por (x0 .31. O vetor f (x0 .

235 . y. Considere f (x. v2 ) um vetor unitário ( v = 1). a) Desenhe as curvas de nível 0. A derivada direcional Dv f (P0 ) denomina-se. y0 ) na direção de v é o valor do limite lim f (P0 + tv) − f (P0 ) . taxa de variação de f no ponto (x0 . 14. b) f (x. c) O que acontece com por (0. A derivada AULA 14 direcional de f no ponto P0 = (x0 .35. b) Desenhe alguns vetores gradientes de f . y) = 2 (x2 + y 2 ). Para todo v ∈ R2 com v = 1.5 Atividades 01. 0) e com a curva de nível que passa 02.Livro de Cálculo II Definição 14. Consideremos f : A ⊂ R2 −→ R com A aberto e f diferenciável em P0 ∈ A. z) = x + y + z. Em cada um dos casos abaixo. y) definida em um aberto de R2 e seja v = (v1 . 0)? f (0. também. y) = xy + 1. desenhe um número suficiente de vetores para ilustrar para ilustrar o campo gradiente de f : 1 a) f (x. com v = 1. y0 ) e na direção do vetor v. t t−→0 quando este limite existir.32. existe a Dv f (P0 ) e ainda: Dv f (P0 ) = f (P0 ) · v. Teorema 14. Consideremos z = f (x. 1 e 2.

Se f (x. 0. 09. 1. y. y. 08. √5 ) no ponto (1. 2). 1) à superfície x2 + 2y 2 + z 2 = 4. z) = 4x2 y + y 2 z na direção normal em (1. 1). √ c) Qual o ângulo entre essa reta e o vetor f (1. 06. z) de uma bola sólida de raio 3 centrada em (0. Prove que Di f (a. b) em todos os pontos. 1. na qual a temperatura cresce mais rapidamente. y. calcule a derivada direcional de f no ponto 236 . a) em um ponto. Se a temperatura em um ponto (x. 2). y. z) = √ x2 + y 2 − z 2 no ponto (1. a partir de (1. 03. y) = ex+y . Se f (x. b) = fx (a. 1) da função f (x.Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais c) f (x. 0. qual o significado geométrico para o fato de f (x. y) = x2 − y 2 . z) = 20 − z. z) = yz + zx + xy ache a direção. 07. 2)? 04. a) Encontre a equação do plano tangente à superfície f (x. b). 0) é dada por T (x. b) e Dj f (a. y. Ache o valor absoluto da derivada direcional em (1. b) Mostre que a superfície e o plano tem uma reta em comum. Sendo f diferenciável em R2 . Se Dv f (P0 ) = k então Dv f (P0 ) =? 05. y) = 0. 1. calcule a derivada direcional de f na 1 2 direção ( √5 . b) = fy (a. 1.

Lembre-se. (x. y) = x2 +y 2 . 0) = 0 = fy (0. sempre. Seja f (x. 0). (x. 2) no sentido que faz um ângulo de 45◦ com o semi-eixo positivos dos x. A temperatura num ponto (x. 0). em (0. (x. y) = (0.6 Comentário das Atividades Essas atividades. 0) a) Mostre que f derivada direcional. 0) Mostre que fx (0. são referentes aos assuntos discutidos no decorrer desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos aprendidos. y) para Q = (0. y) = (0.   √ xy  11. y) = (0. 0) b) Mostre que f não é diferenciável em (0. 10. x2 +y 2 AULA 14 a) Calcule a derivada direcional no ponto (1. 0). 0) mais que o gráfico de f não tem plano tangente em (0. 237 . t3 ) em g(2) para t crescendo. que existem tutores para ajuda-los na resolução dessas atividades.   12. 0)   0 . 1) na direção da curva definida por g(t) = (t2 . (x. y) do plano xy é dado por T = y . y) = xy 2 x2 +y 4 . b) No sentido de P = (x. 0)  0 . em qualquer direção. Seja f (x. no ponto P. y) = (0.Livro de Cálculo II (1. 14.

Rio de Janeiro: LTC Editora. Cálculo (vol. 2002. 2006. • THOMAS. • STEWART.7 Referências • GUIDORIZZI. Cálculo (vol. 238 . 1 e 2). H.. B. 1 e 2). 1 e 2). G.. J. 2006.Vetor Gradiente e as Derivadas Direcionais 14. L.. Um Curso de Cálculo (Vol. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. São Paulo: Addison Wesley.

15 AULA OBJETIVOS Maximizar e/ou minimizar função de duas variáveis a valores reais. . derivadas parciais e diferenciabilidade de funções de duas variáveis reais a valores reais. PRÉ-REQUISITOS Limite. continuidade.1 LIVRO Máximos e Mínimos META Encontrar os pontos de máximo e mínimo de uma função de duas variáveis a valores reais.

3. estudaremos máximos e mínimos condicionados. Iniciemos esta aula com o estudo de máximos e mínimos gerais. f (P ) ≤ f (P0 ). dado uma chapa com distribuição de temperatura dada por uma função de duas variáveis reais a valores reais. 240 . 15. para todo P ∈ V ∩ A.2 Pontos de Máximo e Pontos de Mínimo Definição 15. dizemos que: (a) P0 é ponto de máximo local de f se existir uma vizinhança V de P0 tal que f (P ) ≤ f (P0 ).33. (Ver Exemplo 15. Posteriormente.Máximos e Mínimos 15. veremos como usar as derivadas parciais para localizar os pontos de máximo e mínimo de uma função de duas variáveis. Neste caso. Este estudo de máximo e mínimo de funções de duas variáveis tem aplicações em diversas áreas da matemática. y) uma função a valores reais e seja P0 = (x0 . Por exemplo. para todo P ∈ V ∩ A. y0 ) ∈ A. o número f (P0 ) será denominado valor máximo de f em A.1). Seja f (x. (b) P0 é ponto de mínimo local de f se existir uma vizinhança V de P0 tal que f (P ) ≥ f (P0 ).1 Introdução Vimos no curso de Cálculo 1 que um dos principais usos da derivada ordinária é na determinação dos valores máximo e mínimo. (c) P0 é ponto de máximo absoluto (ou global) de f se para todo P ∈ A. com A ⊂ D(f ) aberto. encontraremos o ponto de maior e o de menor temperatura desta chapa. Nesta aula.

y) ∈ R2 . uma condição necessária para que P0 seja um extremante local de f é que P0 seja um ponto critico de f . entre os pontos interiores de D(f ). para todo (x.36. Exemplo 15. f (x. para todo P ∈ B. O proximo teorema fornece-nos um critério para selecionar. fx (P0 ) = 0 e fy (P0 ) = 0. 241 . AULA 15 (e) P0 é ponto crítico (ou estacionário) de f se fx (P0 ) = fy (P0 ) = 0. Os pontos de máximo e mínimo de uma função f denominam-se extremantes de f . f (P ) ≤ f (P0 ). Por outro lado. existe uma vizinhança B ⊂ D(f ) de P0 . x ∈ I. 0) = 0 é o valor mínimo de f. o número f (P0 ) será denominado valor mínimo de f em A. Nestas condições.1. (0. Teorema 15. 0). y0 ). tal que para todo x ∈ I. com x0 ∈ I. y0 ) ∈ B. (x. Seja P0 = (x0 . candidatos a pontos de máximo (ou de mínimo) locais de f . f (P ) ≥ f (P0 ). ou seja. pois. y0 ) um ponto interior de D(f ) e suponhamos que fx (P0 ) e fy (P0 ) existam. Neste caso. y) = x2 + y 2 e f (0. Como P0 é ponto interior de D(f ).2. Demonstração: Suponhamos que P0 seja um ponto de máximo local de f . existe um intervalo aberto I.Livro de Cálculo II (d) P0 é ponto de mínimo absoluto (ou global) de f se para todo P ∈ A. Consideremos a função g dada por g(x) = f (x. tal que. y) ≥ f (0. 0) é ponto de mínimo absoluto de f (x.

y0 )) será paralelo ao plano xy. y0 ) = 0. para todo (x. y0 )). portanto.) Exemplo 15. resulta que (0. daí g (x0 ) = 0 e. 0) = 0. Como D(f ) = R2 é um conjunto aberto. então o plano tangente ao gráfico de f em (x0 . temos que g é derivável em x0 (g (x0 ) = fx (x0 . f diferenciável em (x0 . y) = x2 + y 2 . f (x0 . y) = 2y segue que (0. y0 ) = 0. y0 ) e (x0 . demonstra-se que fy (x0 . então os pontos críticos de f são. Já vimos que um ponto P0 ∈ A que não é ponto interior de A. y) ≥ f (0. 0) é um ponto de mínimo global de f . denomina-se ponto de fronteira de A. um ponto de fronteira de D(f ) pode ser um extremante local sem que as derivadas parciais se anulem nele. Segue deste teorema que se (x0 . y0 . Seja f (x. 0) é o único candidato a extremante local. y0 ) for interior a D(f ). 242 . (Faremos isso a diante.2. y) ∈ R2 . os únicos candidatos a extremantes locais de f . y0 ) extremante local de f. O teorema anterior não se aplica a pontos de fronteira de D(f ). De modo análogo. de fx (x. entre os pontos interiores de D(f ). y) = 2x e fy (x. Como f (x.2. Além disso. x0 é ponto interior de I e x0 é ponto de máximo local de g. o teorema anterior nos diz que se f admite derivadas parciais em todo os pontos interiores a D(f ).Máximos e Mínimos Deste modo. Os pontos de fronteira devem ser analisados separadamente. fx (x0 .

y) = xy. 0) é o único ponto crítico de f mais não ponto de máximo ou de mínimo de f . y) ∂x2 ∂x2 ∂x∂y 2 . y) = ∂2f ∂2f ∂2f (x. y) ∂y 2 H(x. y) de classe C 2 . Considere f : R2 −→ R dada por f (x.77: Ponto de Sela. O próximo teorema fornece-nos uma condição suficiente para um ponto crítico de f ser um extremante local de f .77)). y) · (x. AULA 15 Figura 15. 243 . nos mostrará que a condição das derivadas parciais se anularem num ponto não é suficiente para concluirmos que tal ponto é um extremante local. A função dada por ∂2f (x.Livro de Cálculo II O próximo exemplo. Verifica-se sem dificuldade que (0. Exemplo 15. Seja f (x. observe a Figura 15. O ponto (0. y) ∂2f (x.2. y) ∂2f ∂x∂y (x.3. y) − (x. y) = denomina-se hessiano de f . Quais seriam então as condições suficientes para garantir a natureza de um ponto crítico de f ? Para respondermos essa pergunta. (Para uma visualização geométrica. 0) neste exemplo. Observe que H(x. precisamos da seguinte definição. y) ∂x2 ∂2f ∂x∂y (x. denomina-se ponto de sela.

Logo (0. y0 ) um ponto interior de D(f ).4. 1). Temos que fx (x. Classificar os pontos críticos da função f (x. então P0 é ponto de máximo local. −1) = −36 < 0. (1. y) = 6xy = 0 ⇔ x = 0 ou y = 0. 1) = −36 < 0.37. Observemos que H(x. y) ∂2f ∂x∂y (x. (0. então P0 não será nem ponto de máximo e nem de mínimo.Máximos e Mínimos Teorema 15. y) ∂y 2 = 6x 6y 6y 6x = 36x2 − 36y 2 (i) Análise para o ponto (0. Assim. 1) : H(0. ou seja. os pontos críticos são: (0. pois é uma função polinomial de duas variáveis. y) ∂x2 2f ∂ ∂x∂y (x. então P0 é ponto de mínimo local. nada se pode afirmar. −1) : H(0. Exemplo 15. −1). Então P0 é extremante local de f e (i) Se fxx (P0 ) < 0. y) ∂2f (x. Se H(P0 ) = 0. (ii) Se fxx (P0 ) > 0. 0). 1) é ponto de sela. A demostração desse teorema pode ser encontrada facílmente em livros mais avançados de Cálculo. Se: fx (P0 ) = fy (P0 ) = 0 (P0 é um ponto crítico de f ) e H(P0 ) > 0. 0) e (−1. (ii) Análise para o ponto (0. y) = 3xy 2 + x3 − 3x. P0 é ponto de sela.2. 244 . y) = 3y 2 + 3x2 − 3 = 0 ⇔ x2 + y 2 = 1 fy (x. Se H(P0 ) < 0. f de classe C 2 e P0 = (x0 . Solução: Note que f é de classe C 2 . y) = ∂2f (x. Sejam f : A ⊂ R2 −→ R.

com domínio A = {(x. segue que fx (0. Como fx (x. 0) = 6 > 0. Exemplo 15. −1) = 0. f (−1. 0) em A. 0) = −2.Livro de Cálculo II Logo (0.78) AULA 15 Figura 15. 0) = 36 > 0 e fxx (1. y) ∈ R2 . 1) = f (0. 0) = 3 = 0. (iii) Análise para o ponto (1. Este fato não 245 .78: Gráfico de f (x.2.5. 0) = 36 > 0 e fxx (1. (iv) Análise para o ponto (−1. Utilizando o programa computacional Maple tracemos o gráfico de f. 0) : H(1. y). 0) é ponto de mínimo local de f . 0) é um ponto de mínimo de f em A pois f (x. y) = 2xy + 3. y) ≥ f (0. 0) = 2 e f (0. 0) : H(1. −1) é ponto de sela. O ponto (0. Logo (1. 0) é ponto de máximo local de f . onde f (x. Notemos ainda que: f (1. Logo (−1. 0) = −6 < 0. (Veja Figura 15. y) = 3xy 2 + x3 − 3x. x ≥ 0 e y ≥ 0}. y) = x2 y + 3x. Seja z = f (x.

y) ≤ f (x2 . O Teorema de Weierstrass. y1 ) e (x2 . então existiram pontos (x1 . tais que. para muitos problemas que ocorrem na prática é importante determinar os extremantes em um subconjunto A de D(f ). y1 ) e (x2 . y) ∈ A. y1 ) é o valor mínimo e f (x2 . f contínua e A compacto devemos procurá-los entre: (i) pontos de fronteira de A. de D(f ). y1 ) ≤ f (x. pois ele só se aplica a ponto interiores a D(f ) e (0. Entretanto.38. Assim se estivermos interessados em descobrir os pontos máximos e mínimos absolutos de f : A ⊂ R2 −→ R. f (x1 .37. y2 ) em A tais que f (x1 . para todo (x. Este teorema nos garante que se f for contínua em A e A compacto. 15. y2 ) em A. y2 ) é o valor máximo de f. fornece-nos condições suficientes para a existências de tais extremantes.3 Máximos e Mínimos sobre Conjuntos Compactos Na seção anterior determinamos condições necessárias e condições suficientes para um ponto de D(f ) seja um extremante local de f . y2 ). 246 . fechado e limitado. então existirão pontos (x1 . fechado e limitado é chamado de compacto. 0) não é um ponto interior a D(f ) (D(f ) = A). Se f (x. y) for contínua no subconjunto A.Máximos e Mínimos contradiz o Teorema 15. Lembremos que um conjunto A ⊂ R2 . Teorema 15. que é o próximo teorema a ser enunciado.

4 (ii) Na fronteira de D : {(x. y) ∈ R2 . y) ∈ R2 . o único ponto crítico é o ponto 1 2.Livro de Cálculo II (ii) pontos interiores críticos de f . 0 = −1. para todo P = (x. x2 + y 2 = 1} Temos que x2 + y 2 = 1 e assim y 2 = 1 − x2 .1. respectivamente. y) = x2 + 2y 2 − x. y) ∈ D. Determinar o ponto mais quente e mais frio de D. tais que. Consideremos uma chapa com a forma D = {(x. Assim P1 e P2 são. os pontos de mínimo e máximo absolutos. Assim.38 sabemos que existem P1 = (x1 . AULA Vejamos alguns exemplos: Exemplo 15. (ii) pontos de fronteira de D. Solução: Como T é contínua e D é compacto. 1 2 0 eT 1 2. x2 + y 2 < 1} Pontos críticos: 15 Tx (x. y) = 2x − 1 = 0 ⇔ x = Ty (x.3. eles podem ocorrer somente em: (i) pontos interiores críticos de f . y2 ) em D. f (P1 ) ≤ f (P ) ≤ f (P2 ). pelo Teorema 15. x2 + y 2 ≤ 1} e suponhamos que a temperatura em D seja dada por T (x. Substituindo y 2 247 . y) = 4y = 0 ⇔ y = 0. Vamos procurá-los: (i) No interior de D = {(x. y1 ) e P2 = (x2 . Como sabemos. y) ∈ R2 .

Chegamos assim ao problema de determinar os pontos máximos e mínimos absolutos de F (x) = −x2 − x + 2 em [−1. √ ± 3 2 e (1. y) = x2 + 2(1 − x2 ) − x = −x2 − x + 2 = F (x). 1] : x = 1 e F (1) = 0. Assim: 1 Ponto de máximo absoluto de F em [−1. −1 ≤ x ≤ 1. Determinemos os pontos críticos em (−1. y) = x2 + 2y 2 − x = T (x. nos pontos extremos. 25 e T (1. 2 e F − 1 = 9 . obtemos T (x.Máximos e Mínimos em T. 1) : 1 F (x) = −2x − 1 = 0 ⇔ x = − . 1] : x = − 2 e F − 1 = 2 9 4 = 2. Logo os candidatos a ponto de máximo e mínimos de T na fronteira de D são: T 1 2. Ainda. temos F (−1) = 2 e 2 4 F (1) = 0. 1]. 0 9 4 ± 3 2 248 . Localização Interior de D Fronteira de D Fronteira de D Imagem do ponto 1 −4 0 √ (1. ± 2 2 Podemos sintetizar as informações na tabela a seguir: Pontos 1 2. Temos que = 9 = 2. Ponto de mínimo absoluto de F em [−1. 0) = 0 4 √ 1 3 . 0) 1 2. 0). Voltando ao nosso problema inicial em estudo. 25. temos: √ 1 3 x=− ⇒y=± 2 2 x = 1 ⇒ y = 0.

Solução: f é contínua e A é compacto. Os pontos mais quente da chapa 9 4 AULA 15 ± 3 2 e a temperatura correspondente é = 2. y) ∈ R2 . 1. 0 ≤ θ ≤ 2π.3. os valores de f na fronteira de A são fornecidos pela função 1 F (θ) = f (cosθ. 25. e já vimos que este ponto crítico não é um extremante. em A. são atingidos na fronteira de A. Determine os extremantes de f (x. Exemplo 15. senθ) = sen 2θ. k = 0. f assume em A valor máximo e valor mínimo. 2.2. Segue que os valores máximo e mínimo de f. logo. A fronteira é parametrizada por   x = cos θ . 0).  y = sen θ Logo. √ 1 2. 0 e −1 4 = −0. O único ponto crítico no interior de A é (0. (Ver Figura 15. 2 Temos que π F (θ) = cos 2θ = 0 ⇔ 2θ = (2k + 1) . 0 ≤ θ ≤ 2π.79) Figura 15. 2 249 .79: Chapa D. x2 + y 2 ≤ 1}.Livro de Cálculo II Conclusão: O ponto mais frio da chapa D é o ponto sua temperatura é são 1 2. y) = xy em A = {(x. 25. 3.

Segue que pontos de máximo de f em A. 2 mínimo são os são os eθ= 7π 4 . 1 pontos de mínimo de f em A. 22 e − 22 . − 1 . e o valor mínimo. − 22 2 √ √ √ √ 2 − 2 e 22 . 15. − 22 2 . (Veja Figura 15. y) = 0}. y) ∈ R2 . 4 4 θ= F atinge o valor máximo em θ = em θ = 3π 4 π 5π 4 e θ = 4 . atinge o valor √ √ √ √ 2 .80) 2 Figura 15.80: Esboço dos pontos de máximo e mínimo de f em A. ψ(x. 250 . O valor máximo de f em A é 2 .Máximos e Mínimos Logo os pontos críticos de F são π π ⇒ F( ) = 1 4 4 3π 3π θ= ⇒ F ( ) = −1 4 4 5π 5π ⇒ F( ) = 1 θ= 4 4 7π 7π θ= ⇒ F ( ) = −1.4 Máximos e Mínimos Condicionados O objetivo desta seção é o estudo de máximos e mínimos de uma função sobre conjuntos do tipo: {(x.

AULA 15 também.81: Esboço do problema. isto é. ψ(x.81) Figura 15. y) = k. y) = 0} onde ψ é suposta de classe C1 em D. y0 ) ∈ B seja um extremante local de f em B. Analisemos a situação das curvas de nível ψ(x. f (P ) ≤ f (P0 ) para todo P ∈ B. Se P percorre a curva de nível ψ(x. y) ∈ R2 . (Ver Figura 15.83 não é possível. y) = 0 em B.84. Na Figura 15. Já a situação da Figura 15.82.82 temos f (P0 ) = λ ψ(P0 ). Suponhamos que P0 ∈ B seja ponto de máximo local de f em B. pois depois que P passa por P0 existem pontos tais que f (P ) ≥ f (P0 ). então f (P ) cresce até o ponto P atingir P0 e depois f (P ) começa a decrescer. y) diferenciável no aberto D ⊂ R2 e seja B = {(x. suponhamos. ψ(x. uma situação em que f (P0 ) = 251 . k ∈ R. y) = 0 e f (x. y) = 0 no sentido indicado na Figura 15. Estamos interessados em determinar uma condição necessária para que P0 = (x0 . Notemos ainda na Figura 15.Livro de Cálculo II Seja f (x.

y) diferenciável no aberto D e seja B = {(x. y) = (0. y) = 0. y0 ) ∈ B seja extremante local de f em B 252 . y) ∈ B. para todo (x.83: nível ψ(x. y) curvas de = 0 e f (x.Máximos e Mínimos Figura 15. y) = k.82: nível ψ(x. 0). onde ψ é suposta de classe C 1 em D e ψ(x. k ∈ R. k ∈ R. Uma condição necessária para que (x0 . λ ψ(P0 ) e no entanto P0 não é ponto de máximo ou de mínimo de f condicionado à curva ψ(x. Formalizemos a discussão anterior: Teorema 15.84: Esboço do problema. ψ(x. f (x. y) curvas de = 0 e Figura 15. Figura 15. y) ∈ B.39. y) = 0}. y) = k. Seja f (x.

y)  ψ(x. devemos ter ψ = 0. y) ∈ R2 . 0) se. y) = (x + 1)2 + y 2 − 1 = 0. 2y). y) = (y.1. y) = xy sobre a curva ψ(x. e somente se. y). y) = 0}. f (x. x).Livro de Cálculo II é que exista um real λ tal que AULA f (x0 . os candidatos a extremantes locais de f em B são os (x. y) = (2(x + 1). sendo f (x. onde ψ é suposta de classe C 1 em D e ψ(x. Exemplo 15. y0 ) ser um extremante local de f em B. y0 ) = λ ψ(x0 . Temos também que de f em B. Logo f atinge seus extremos em B. no ponto extremo f (x. Assim ψ = (0. (x. y) ∈ B. ∀(x. 0). y) = (0. 0) em B. y) diferenciável no aberto D e B = {(x. Encontre o máximo de f (x. y) ∈ B. (x + 1)2 + y 2 = 1} é compacto e f é contínua. ψ(x. y) = λ ψ(x. Temos ψ(x. y) = 0} = {(x. ψ(x. y0 ). y) ∈ D que tornam compatível o sistema   f (x. Logo. Portanto. Então. y) ∈ R2 .4. y) = λ ψ(x. Solução: Observemos que o conjunto B = {(x. y) = (−1. y) = 0 Estabelecemos assim uma condição necessária para um ponto (x0 . 15 (o número λ é chamado Multiplicador de Lagrange) A demonstração desse teorema pode ser encontrada nos livros de Cálculo mais avançados. 253 .

254 . 2 Para x = 0 =⇒ y = 0 =⇒ xy = 0. y) = λ ψ(x. Se y = 0.   y = λ2(x + 1)    f (x. −3. obtemos 3 (x + 1)2 + x2 + x = 1 ⇔ 2x2 + 3 = 0 ⇔ x = 0 ou x = − . Para x = − 3 =⇒ y = 2 Para x = − 3 =⇒ y = 2 Portanto. √ é ponto de mínimo e 3 −2.85) Figura 15.Máximos e Mínimos ou seja. −343 √ é ponto de máximo.85: Localização dos pontos de máximo e de mínimo de f (x. x 2(x + 1) =⇒ y 2 = x2 + x 2y . assim. 2 √ 3 3 4 √ 3 =⇒ xy = −34 3 . y) = 0     (x + 1)2 + y 2 = 1   Se y = 0 =⇒ x = 0. Substituindo y 2 = x2 + x em (x + 1)2 + y 2 = 1. 2 √ √ − 23 =⇒ xy = 3 4 3 . temos λ = y= x 2y e. y) = x = λ2y  ψ(x. (Veja a Figura 15. y) = xy em B.

f atinge seus extremos. y). Calculando x obtemos os pontos √ √ √ √ 5 2 5 4 5 2 5 . 34y − 12x) = 0 nos pontos da elipse. f (x. e Se f (x.4. Assim. y) = x2 + y 2 (Podemos pensar assim. =f . − =1 5 5 5 5 255 . − =4 5 5 5 5 √ √ √ √ 5 2 5 5 2 5 f − . Temos: ψ(x. . y) = (16x − 12y.2. AULA 15 Solução: Queremos minimizar f (x. 2y). 5 5 5 5 √ √ 4 5 2 5 − . Calculando a imagem desses pontos por f obtemos: √ √ √ √ 4 5 2 5 4 5 2 5 f . =f − . Encontre a menor distância da origem a um ponto da elipse ψ(x. y) = (2x. . uma vez que se 8x − 6y = 0 =⇒ x = 0 =⇒ y = 0. y) = λ ψ(x. Assim. λ= x x =⇒ y = (17y − 6x) =⇒ 6x2 − 9xy − 6y 2 = 0. y) = 8x2 − 12xy + 17y 2 = 20. pois a distância é positiva e portanto basta minimizar seu quadrado). − 5 5 e . − . então   x = λ(8x − 6y)  y = λ(17y − 6x) Podemos supor 8x − 6y = 0. ponto que não está sobre a elipse. Observemos que f é contínua e a elipse é um conjunto compacto. 8x − 6y 8x − 6y √ a qual juntamente com 8x2 −12xy+17y 2 = 20 fornecerá y = ± 2 5 5 .Livro de Cálculo II Exemplo 15. − 5 5 √ √ 5 2 5 .

os pontos da elipse mais próximos da origem são: − e √ √ 5 2 5 5 . para todo P ∈ V ∩ A. 5 √ √ √ 5 2 5 5 . Seja f (x. y) uma função a valores reais e seja P0 = (x0 . com A ⊂ D(f ) aberto. para todo P ∈ V ∩ A. Definição 15. 15.86: Pontos da elipse que estão mais próximos e mais distantes da origem. Os pontos da elipse mais distantes da origem são: − 4 5 5 .Máximos e Mínimos √ Assim. 256 .5 Resumo Faremos. (b) P0 é ponto de mínimo local de f se existir uma vizinhança V de P0 tal que f (P ) ≥ f (P0 ). − 2 5 5 .86) Figura 15. agora. um resumo das principais definições e resultados vistos nesta aula. 5 . dizemos que: (a) P0 é ponto de máximo local de f se existir uma vizinhança V de P0 tal que f (P ) ≤ f (P0 ). (Veja Figura 15. − 5 √ √ 4 5 2 5 e 5 . y0 ) ∈ A.34.

O próximo teorema nos da uma condição necessária para que um ponto seja um extremante local de uma função.Livro de Cálculo II (c) P0 é ponto de máximo absoluto (ou global) de f se para todo P ∈ A. Se: fx (P0 ) = fy (P0 ) = 0 (P0 é um ponto crítico de f ) e H(P0 ) > 0. ou seja. o número f (P0 ) será denominado valor mínimo de f em A. o número f (P0 ) será denominado valor máximo de f em A. Teorema 15. Neste caso. que é o próximo teorema a ser enunciado. então P0 não será nem ponto de máximo e nem de mínimo. y) for contínua no subconjunto A. Neste caso. fornecenos condições suficientes para a existências de tais extremantes.40. Se H(P0 ) = 0. fechado 257 . Então P0 é extremante local de f e (i) Se fxx (P0 ) < 0. Se f (x.41. y0 ) um ponto interior de D(f ). então P0 é ponto de máximo local. Teorema 15. Muitos problemas que ocorrem na prática é importante determinar os extremantes em um subconjunto A de D(f ). nada se pode afirmar. f (P ) ≥ f (P0 ). então P0 é ponto de mínimo local. Sejam f : A ⊂ R2 −→ R. (ii) Se fxx (P0 ) > 0. Se H(P0 ) < 0. (e) P0 é ponto crítico (ou estacionário) de f se fx (P0 ) = fy (P0 ) = 0. f de classe C 2 e P0 = (x0 . f (P ) ≤ f (P0 ). O Teorema de Weierstrass. AULA 15 (d) P0 é ponto de mínimo absoluto (ou global) de f se para todo P ∈ A. P0 é ponto de sela.

27 27 + . y) = 0}. Uma condição necessária para que (x0 . Seja f (x. y1 ) e (x2 . y) ≤ f (x2 . tais que. x y 02. ψ(x. y) = (0. 0). y) ∈ A. onde ψ é suposta de classe C 1 em D e ψ(x. y0 ) = λ ψ(x0 . y) ∈ R2 . y2 ) em A. usaremos o seguinte: Teorema 15. y) = 0}. (b) f (x. y) ∈ B. (o número λ é chamado Multiplicador de Lagrange) 15.) 258 . y) diferenciável no aberto D e seja B = {(x. (Nota: Observe que H = 0. Calcular os pontos extremos da função z = f (x. f (x1 . y) ∈ B. y2 ). y) = (x − y)6 + (y − 2)4 . y) = (x − y)4 + (y − 1)4 .42.6 Atividades 01. Estude as funções abaixo quanto à pontos extremos: (a) f (x.Máximos e Mínimos e limitado. y1 ) ≤ f (x. para todo (x. de D(f ). para todo (x. então existiram pontos (x1 . y) = (y − x2 )2 + x5 . y) = xy + 03. ψ(x. Calcular os extremos de z = f (x. y0 ). y0 ) ∈ B seja extremante local de f em B é que exista um real λ tal que f (x0 . No estudo de máximos e mínimos de uma função sobre conjuntos do tipo: {(x.

y) = x3 + y 3 − 3x − 12y + 20. Determinar o ponto mais quente e o ponto mais frio da chapa. (Observação: Distância de um ponto (x. x = 0 e y = 0. Os leitos de dois rios são aproximadamente representados pela parábola y = x2 e a reta x − y − 2 = 0. A temperatura da chapa é T (x. 10.Livro de Cálculo II 04. 259 . y) do plano que tem a propriedade de ter como mínima a soma de sua distância ao eixo x com duas vezes a sua distância ao ponto (0. Calcule os pontos extremos de f (x. Qual é o ponto (x. y) = x2 + y 2 . y) e de ψ(x. y) = 4xy − 2x2 − y 4 . y) à reta ax + by + c = 0 ax0 + by0 + c √ é dada por ) a2 + b2 09. Desenhe os vetores gradientes de f (x. Qual são os pontos pelos quais deve passar o canal. 08. Uma chapa retangular D é determinada pelas retas x = 3. Calcular o máximo e o mínimo de f (x. (Sugestão: Procure tirar y como função de x e z. Achar os máximos e mínimos locais de f (x. y = 5. Deseja-se reunir os dois cursos por um canal retilíneo de tal maneira que o comprimento seja mínimo.) AULA 15 05. y) = x + y sujeito à condição x2 + y 2 = 1. 1)? 07. Achar o ponto do plano 2x − y − 2z = 16 mais próximo da origem. Observe que de fato eles existem. 06. y) = xy 2 − x2 y + 100.

• STEWART. Cálculo (vol.7 Comentário das Atividades Essas atividades. Lembre-se. sempre. • THOMAS. São Paulo: Pioneira Thomson Learning. Um Curso de Cálculo (Vol. L. que existem tutores para ajuda-los na resolução dessas atividades.Máximos e Mínimos 11. Achar a maior e a menor distância de um ponto situado sobre x2 a elipse + y 2 = 1 à reta x + y − 4 = 0. Cálculo (vol. São Paulo: Addison Wesley. 2002. 4 15.. são referentes aos assuntos discutidos no decorrer desta aula e têm o objetivo de você (aluno) exercitar os conceitos aprendidos. H.. Rio de Janeiro: LTC Editora. 1 e 2). J. G. B. 2006. 15..8 Referências • GUIDORIZZI. 260 . 1 e 2). 1 e 2). 2006.