You are on page 1of 28

P onto Final

arágrafo
Ano V - nº1 | Dezembro 2010 Publicação da Escola Sec. Dr. Júlio Martins
http://esb3-drjuliomartins.org/
Dez | 2010

Editorial

Francisco António Chaves de Melo


Director

a si mesmos, valem mais que indi-


vidualmente. Mialaret, a propósito,

O
refere que um corpo docente “unido
labor educativo ganha
e constituído por educadores que se
novas perspectivas com
empenham todos na mesma obra de
a cooperação entre os
educação, é sempre um dos elemen-
docentes. Perspectivas democráti-
tos positivos das diferentes situações.
cas, mais concretamente. Já que, se
Desunido, tem uma influência nefasta
aceitarmos e encorajarmos métodos
sobre os alunos e cada educador
de trabalho que tenham por objectivo
ressente o mal-estar geral nas dife-
a abertura de novos horizontes de
rentes situações de educação em que
convivialidade1 aos jovens, o desen-
participa.”
volvimento da sua autonomia, não
Por conseguinte, como Director,
serão certamente esses métodos si-
é meu dever propiciar o espaço e a
milares aos que encorajam valores de
oportunidade para o aparecimento
disciplina, de obediência e de respeito
da harmonia, melhorando o relacio-
pela hierarquia. Se o nosso objectivo
namento entre os membros da nossa
é o desenvolvimento dos jovens para
comunidade educativa. Este empe-
a vida em sociedade democrática, os
nho contribuirá para se superarem
métodos de trabalho em equipa, as
as provações que enfrentamos neste
técnicas que permitam um ensino
período difícil da vida na escola.
individualizado são os que melhor se
Período em que os docentes, mais
adequam. Os métodos autoritários,
que qualquer outro dos elementos
a utilização da repetição, o apelo à
constituintes desta comunidade,
memorização e ao condicionamento,
vivem uma das situações de mudança
produzem indivíduos disciplinados,
e incerteza quanto ao futuro mais
respeitadores das regras da sociedade,
complicadas de que há memória.
mas apenas capazes de imitar os anti-
Mas é tempo de Natal, tempo
gos. São cópias, nunca originais.
para a paz e para resolver conflitos.
Desta forma, o empenho de todos
Sejamos portanto, homens e mulhe-
na harmonização das relações profis-
res comprometidos com a construção Redacção/Coordenação
sionais, visando conceber uma actua-
de um futuro melhor, cooperando
ção colectiva, uma vida de encontros,
uns com os outros na melhoria das
de discussões de cooperação é o me-
práticas educativas em benefício dos
Biblioteca Escolar
lhor antídoto ao isolamento docente
nossos jovens alunos.
e à proliferação de micro-grupos que Colaboração
Este é o desafio que proponho a
funcionem de costas voltadas. Comunidade Educativa
todos para o Novo Ano.
Não entendo, por conseguinte, o da Escola Secundária
Feliz Natal!
corpo docente como a mera justa-
Próspero 2011! Dr. Júlio Martins
posição de indivíduos, penso mes-
mo que poucos o entenderão dessa 1 Capacidade de uma sociedade em favorecer a
forma. Para mim, os docentes são o tolerância e as trocas recíprocas das pessoas e dos Edição Gráfica
elemento a que Mialaret chamou “a grupos que a compõem. Prof. Jorge Geraldes
ambiência, a atmosfera psicológica do 2 MIALARET, Gaston (1976) As ciências da edu-

estabelecimento”2, afirmo ainda, que cação, Moraes Editores, Lisboa, p. 36. Tiragem
a trabalharem em equipa se superam 550 Exemplares
02|28
Dez | 2010

Biblioteca Escolar: um lugar especial…

têm necessariamente de ser pas- que não se trata propriamente de


Mariana Mesquita Oliveira
sados em conversas com colegas. uma proibição pois os alunos que
Professora bibliotecária
Para isso há outros locais. efectivamente precisam de lá ir no

É
Saudamos também o facto de intervalo basta comunicarem-no
este espaço ser frequentemente aos responsáveis, mas sim evitar
com muito agrado que
utilizado como complemento do que se perturbe o funcionamento
verifico que a biblioteca
espaço aula, em que os professores da biblioteca como local privile-
da nossa escola é um lo-
acompanham os seus alunos nos giado para o ambiente que descre-
cal muito procurado por
trabalhos de pesquisa e lhes dão ta- vi anteriormente. Certos serviços,
professores e alunos, quer auto-
refas específicas a realizar, indican- como impressões ou outros, não
nomamente quer em contexto de
do as obras ou os sítios da Internet se podem acumular nos intervalos
ensino-aprendizagem. As várias
a consultar, facilitando a localiza- e em dez minutos pouco mais se
valências da BE estão bem patentes
ção da informação e promovendo pode fazer do que entrar e sair.
no uso que dela fazem os utilizado-
o tratamento da mesma de modo a Uma súmula das actividades
res, nas actividades que desenvolve
que o aluno construa o seu próprio promovidas ou coordenadas pela
e no clima que ali se vive.
conhecimento. A equipa da BE está BE e das actividades realizadas em
Gostaria mesmo de realçar este
sempre disponível para colaborar cooperação com outros órgãos, de-
último aspecto porque se tem ve-
neste trabalho. partamentos, professores ou servi-
rificado uma crescente melhoria
Sabemos que a biblioteca tem ços da escola, é apresentada neste
na maneira de estar dos alunos na
jornal, para conhecimento de toda
biblioteca. Os nossos
a comunidade educativa. Espera-
alunos sabem respei- ..A biblioteca também pode ser um local mos fazer sempre delas uma divul-
tar as regras, revelam onde se pode passar um bom bocado, um mo-
gação adequada e apelamos à par-
respeito pelos outros mento de lazer; ler um bom livro, as notícias
ticipação de todos.
e compreendem cada do jornal ou artigos de uma revista, ver um
Para além dos placards infor-
vez melhor que a bi- filme ou ouvir música...
mativos, criámos agora um novo
blioteca não é um lo-
veículo de informação e participa-
cal de convívio mas
ção: o blogue da BE Júlio Martins.
sim de trabalho, que tem de ter um
um espaço demasiado limitado Acedam ao blogue com regula-
ambiente propício à concentração
para o número de alunos da escola ridade e aí encontrarão fotos das
e ao desenvolvimento de compe-
e que tem falhas a vários níveis. Al- actividades realizadas, informação
tências e que, fundamentalmente,
guns não são da sua responsabili- de interesse sobre acontecimentos
deve ser um local de construção de
dade, como as falhas da Internet ou culturais, divulgação de obras e
conhecimento. E de cidadania.
a escassez de alguns recursos, mas autores, sítios de interesse, etc. Só
Claro que a biblioteca também
dentro das nossas possibilidades falta ainda uma coisa: os vossos
pode ser um local onde se pode
tentamos satisfazer todos os uti- textos, as vossas propostas e as vos-
passar um bom bocado, um mo-
lizadores e para isso agradecemos sas reflexões. Entreguem-nos os
mento de lazer; ler um bom livro,
todas as vossas críticas e sugestões. vossos textos e nós publicaremos
as notícias do jornal ou artigos de
A propósito, têm-nos chegado ou escrevam-nos nos comentários,
uma revista, ver um filme ou ouvir
críticas quanto ao facto de proibir- acessíveis a todas as pessoas. As
música são boas alternativas para
mos a entrada de alunos nos inter- vossas opiniões são importantes
os momentos de relaxamento de
valos. Gostaríamos de esclarecer para nós.
que todos necessitamos, que não

03|28
Dez | 2010

ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA
1º Período | 2010
V I T R I N E
1. Autores Lusófonos
(Setembro)

2. Fernando Pessoa
(Outubro)

3. Halloween
(31 de Outubro / Novembro)

4. Memórias da Escola
(Novembro)

5. As Mulheres Não São Bonecas


(última semana de Novembro)

6. Natal / Direitos do Homem


(Dezembro)

ESPAÇO-AULA

1. Implementação do Plano Nacional de Leitura no ensino Básico;

2. Comemoração do Dia Internacional das Bibliotecas Escolares, com leitura


de um poema a todos os alunos na primeira aula do dia 26 de Outubro;

3. Disponibilização de livros e revistas para utilização em contexto de POPTE.

04|28
Dez | 2010

ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA
1º Período | 2010
E s p a ç o ARTE
Exposição de
trabalhos
realizados
1. Educação Sexual
Exposição de trabalhos sobre, realizados pelos alunos
do 7ºA do ano lectivo 2009/10, com a professora Ana-
bela Pereira, na disciplina de Área de Projecto;
2. Implantação da República
Exposição de trabalhos dos alunos de 9º ano, realizados
na disciplina de Área de Projecto, com os professores
Glória Simão e Norberto Cardoso, no âmbito das Come-
morações para o Centenário da República;
3. Marco Geológico
Exposição de trabalhos dos alunos do 10ºC, realizados
na disciplina de Biologia e Geologia, com o professor
Nuno Moreira;
4. Prémios Nobel da Literatura
Informação sobre escritores galardoados com o Prémio
Nobel;
5. Dia Internacional da Eliminção da Violência contra a
Mulher
Trabalhos de alguns alunos do 9ºD e 9ºE, realizados na
disciplina de Língua Portuguesa com aprofessora Lúcia
Silva, e letras de canções sobre o tema;
6. O Cérebro - Motor da vida . Exposição de trabalhos dos
alunos do 12º Ano, com os professores de Psicologia,
Teresa Castro e Ramiro Anjos.
7. Postais de Natal
Exposição de trabalhos de alunos de 3º Ciclo – profes-
sores de Educação Visual;
8. A Árvore dos Desejos - exposição de textos elaborados
pelos alunos do Ensino Básico na disciplina de Língua
Portuguesa.

05|28
Dez | 2010

ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA
1º Período | 2010
ESPAÇO BE
1. Comemoração do Dia Internacional das Bibliotecas Escolares com uma Sessão de Poesia pelo Grupo de Jograis
da Escola (Professores Ana Paula Geraldes, Maria José Teixeira, Anabela
Pereira, Florêncio Freitas e Luís Araújo) nos intervalos grandes da manhã e
da tarde de dia 26 de Outubro;

2. Comemoração do Dia Internacional para a Eliminação da Violência


contra as Mulheres, 25 de No-
vembro, com uma Sessão de
Poesia pelo Grupo de Jograis
da Escola e a actuação da aluna
Débora, do 12º ano, no intervalo
grande da manhã.

3. Dramatização do Halloween pelos alunos de 7ºD da professora Ana-


bela Pereira.

4. Criação do Clube de Xadrez, com orientação dos professores Ramiro Anjos e Luís Araújo;

5. Concurso Vinticinco, este ano com novo formato: temático e mensal;

6. Divulgação do Autor do Mês (Escritores lusófonos, Fernando Pessoa,


Mário Vargas Llosa e Léon Tolstoi).

7. Visita guiada à BE com uma turma de 7º, uma de 8º e uma 10º ano;

8. Actualização de Guiões de Pesquisa de Informação, de Trabalho de Pro-


jecto, Internet Segura, Referências bibliográficas e webgráficas, sites de in-
teresse.

9. Actualização de Dossiers Te-


máticos;

10. Reorganização de estantes e identificação das mesmas, segundo a


tabela CDU.

11. Continuação da catalogação informática de todo o material livro e


não livro existente na BE que tem interesse ficar em livre acesso (já se
encontra a cerca de 80%) e listagem de obras para manutenção em fun-
do reservado ou abate. Este trabalho tem sido realizado pela Estagiária
em BAD, Dr.ª Andreia Campos.

Bookcrossing Livros Grátis!


Lembramos a toda a comunidade educati- cestos colocados na biblioteca, na sala dos
va (alunos, professores, funcionários, pais professores e na entrada da escola, quando
e encarregados de educação) que podem e pelo tempo que quiserem. O regulamento
participar nesta actividade livre de promo- da actividade pode ser consultado na BE, no
ção da leitura, trazendo e levando livros dos blogue e na página da escola.

06|28
Dez | 2010

ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA
1º Período | 2010
ARTICULAÇÃO CURRICULAR
1. Frequência de uma Acção de Formação “Pordata” (professora bibliotecária e seis alunos) e elabo-
ração de um trabalho de pesquisa com recurso a essa base de dados por uma turma de Economia de
11º ano, com o professor Paulo Santos;

2. Promoção do livro, da leitura e da escrita através de iniciativas conjuntas com os professores de


Língua Portuguesa;

3. Parceria com os professores de Educação Visual para a elaboração do Postal de Natal nas turmas
de ensino básico.

4. Sessões de Literacia da Informação promovidas pela professora bibliotecária na disciplina de Área


de Projecto de todas as turmas de 12º Ano, uma turma de 10º, uma de 7º e uma de 8º ano.

5. Divulgação de informação relativa a recursos, concursos, projectos e outras iniciativas.

Comunidade EDUcativa
1. Colóquio Implantação da República, dirigido a
alunos de 9º ano e demais comunidade educativa, com
a presença dos oradores Dr. Joaquim Aires e Dr. Ma-
nuel Cardoso;

2. Colóquio Segurança na Internet, dirigido a pais e


agentes educativos, promovido pelo GTBEC (Grupo
de Trabalho das Bibliotecas Escolares de Chaves), Pro-
jecto Educação para a Saúde das Escolas de Chaves e
Serviço de Psicologia e Orientação da Escola Secundária Dr. Júlio Martins;

3. Contactos com a Câmara Municipal de Chaves para articulação de actividades desenvolvidas pela
escola e cooperação com o GTBEC;

4. Criação do Blogue da Biblioteca Escolar ( http://bejuliomartins.blogspot.pt );

5. Edição do Jornal Escolar;

6. Distribuição do Postal de Natal a todos os alunos;

7. Ampliação dos locais de troca de livros da activi-


dade de Bookcrossing, com a colocação de um cesto
na sala dos professores e outro na entrada da escola,
dirigido sobretudo a Encarregados de Educação.

07|28
Dez | 2010

Je m’appelle
S
alut ! Je m’appelle Diana Silva. Je
suis une jeune fille de douze ans.
Je suis née à Guarda, au Portugal,
le 29 mars 1998. À ce moment, je
suis en 7è année, à l’école Dr. Júlio Martins à Chaves,
une petite ville au Nord de mon pays.
Je suis une fille grande et maigre, J’ai les cheveux longs,
marron et les yeux verts.
Je suis sympa, amusante, bavarde, optimiste et amie de
mes amis.
J’adore écouter de la musique, jouer l’ordinateur, prati-
quer du sport, faire du vélo et sortir avec mes amis.
Je veux me correspondre avec de beaux garçons français
de mon âge.
7º A
Diana Silva

Mon École
beaucoup avec nous, ce
qui est très agréable et
amusant.
Les employés sont assez
sympathiques et efficients.

L
Il y a seulement un problè-
´école Júlio Martins est me : l’école est déjà un peu
une bonne école. Moi, dans vieille mais je sais qu’elle
mon cas, j´aime beaucoup va se renouveler et elle va
mon école. être plus agréable, je suis
J’´aime mes professeurs et ma sûr !!!
classe. Je suis en 7ème A et ma J’aimerais continuer mes
élèves, comme par exemple, les expo- études ici, à cette école jusqu’à la fin
classe est super ! Là, j’ai de bons sitions à la Biblio.
copains, de bons amis et une belle du lycée.
L’ambiance dans les cours est cool À bientôt!
petite copine. et nos profs nous font apprendre de Yoann Soares,
Mon école organise toujours des nouvelles choses et ils rigolent aussi nº21 7 ème A.
activités très intéressantes pour les

08|28
Dez | 2010

“E l Rincón del Español“

Professora Cristina Santos Letra de la


Cancion
Rosana
En Navidade
Para que todos los días sean Navidad
para que cada deseo se haga realidad
para que el mundo sonría al desper-
tar
para que se abra la puerta y no se
cierre más

L
Para que el cielo se vista de color... en
a Navidad en España gastar bromas a los amigos y familia- navidad
comparte tradiciones con el res para reírse. Este día, los periódi- para que lluevan semillas del amor...
resto de los paísaes donde se cos suelen publicar noticias increí- en navidad
practica la religión católica. bles para confundir a las personas. para que alfombres los campos con tu
Las familias se juntan, las calles se El 31 de diciembre es la Nochevieja. olor en navidad
iluminan con luces de colores. Los Cuando el reloj toca las 12 campana- para que cantes con más de una can-
escaparates de las tiendas se llenan das los españoles comen 12 uvas de ción... eso de
de regalos y adornos navideños. En la suerte, una por cada campanada, (…)
las casas se prepara el Belén y en las para tener 12 meses de prosperidad. en navidad, en navidad, en navidad
calles se cantan villancicos. El 5 de enero se puede ver la Ca- Navidad, navidad, dulce navidad
El 22 de diciembre se celebra el Sor- balgata de los Reyes Magos, por las la alegría de este día hay que cele-
teo de la Lotería de Navidad. calles. Los niños les piden regalos. brar... en navidad.
El 24 de diciembre, día de Noche- El 6 de enero es el día de los Reyes
buena, se hace una cena especial en Magos, el día en que los niños
familia y a las doce de la noche se reciben los regalos. En casa se come
asiste a la misa del gallo. Los alimen- el Roscón de Reyes que tiene frutas
tos típicos son: cochinillo, cordero, escarchadas, símbolo de los rubíes y
pavo, mariscos y pescados (gambas, esmeraldas que adornaban los mantos
cangrejos, langostas, lubina dorada, de los Reyes Magos de oriente.
besugo) y de postre turrón, mazapán, Y así terminamos el año, con nues-
polvorones y nueces. De beber: una tra familia y amigos y recordando
copa de cava, vino español parecido a nuestros seres queridos que ya no
al champán francés. están con nosotros. Nos quedamos
El 25 de diciembre es día de Navidad pensando en gratos momentos com-
y se suele comer bien en familia. partidos y deseando que lleguen de
El 28 de diciembre es el día de los nuevo las navidades.
Santos Inocentes. La costumbre es ¡Felices Fiestas!

Mensaje de Navidad del Rey de España


“Todos los años espero este momento con gran ilusión, pues me permite
dirigirme a vosotros en la Nochebuena y desearos de corazón, junto a mi
Familia, paz, alegría y prosperidad.
Nuestro mayor afecto y comprensión se dirigen, en particular, a quienes
sufren por cualquier causa en estas fechas tan emotivas y familiares.
09|28
Dez | 2010

“E l Rincón del Español“

Jardín
de
Invierno

Prémio Nobel de Literatura


Mario Vargas Llosa

E L
lega el invierno. Espléndido
l programa de actividades del Premio Nobel de Literatura en la capi- dictado me dan las lentas
tal sueca, a donde llegará el domingo 5 de diciembre, comenzará el
hojas vestidas de silencio y
próximo lunes con una conferencia de prensa en la Academia sueca,
amarillo.
según precisa la Fundación Nobel en su programa oficial.
Soy un libro de nieve, una espacio-
“No sé si voy a llegar entero al Premio”, reconoce Vargas Llosa, en una entre-
sa mano, una pradera, un círculo
vista en exclusiva que concede a la revista Telva en la antesala de su cita del
que espera, pertenezco a la tierra y
10 de diciembre en Estocolmo.
a su invierno.
“De todo esto me queda una gran satisfacción... acompañada de una inmen-
sa fatiga. He pasado por momentos muy tensos en mi vida, pero siempre Creció el rumor del mundo en
había sido capaz de concentrarme para trabajar. Ahora no. Tengo tal exceso el follaje, ardió después el trigo
de cosas en la cabeza que me cuesta muchísimo escribir. Espero que sea constelado por flores rojas como
pasajero”. quemaduras,luego llegó el otoño a
establecer la escritura del vino:
POEMA PARA LA EXORCISTA todo pasó, fue cielo pasajero la
Mi vida parece sin misterio y copa del estío, y se apagó la nube
monótona navegante.
a quienes me ven Yo esperé en el balcón tan enluta-
de paso a la oficina do, como ayer con las yedras de mi
en las mañanas apuradas. infancia, que la tierra extendiera
La verdad es muy distinta.
sus alas en mi amor deshabitado.
(…)
Mario Vargas Llosa (…)
Rubén Darío

10|28
Dez | 2010

“E l Rincón del Español“

Menú para
Nochebuena

CHISTE
NAVIDEÑO
(para reír)

U
n niño les escribe a los
Reyes Magos una carta,

L
y les pide 30 euros para
a Nochebuena se celebra la noche del dia 24 de diciembre,
comprarse unos zapatos en invier-
no. En la oficina de correos no sa- víspera del dia de Navidad (25 de diciembre). Es la celebraci-
ben qué hacer con la carta, así que ón Cristiana del nacimiento de Jesús y las costumbre varían
la abren, la leen, y se quedan tan de unos a otros países pero es bastante común una reunión familiar
enternecidos que hacen una colecta para cenar.
y le mandan al niño otra carta con
Es costumbre en España el cantar villancicos acompañados de la
10 euros.
Al cabo de unos días, reciben pandereta y la zambomba, así como comer turrón, mazapán, polvo-
otra carta para los reyes magos, rones y otros dulces.
que dice: “Queridos Reyes Magos,
muchas gracias por el dinero. Pero
la próxima vez no lo mandéis por
correo, porque algún cartero se ha
quedado con 20 euros”.

11|28
Dez | 2010

Another Christmas song ARE YOU A


English Speaking This is the Christmas song the Christ- HEALTHY EATER?

M
Country mas Choir of Teachers is singing at
y eating habits aren’t very
the Christmas Party our school is
organizing this year. It’s quite popu- bad. My mother cooks fish
lar. We hope you like it. and meat, she makes soup
too and I eat many varieties of food,
HAPPY CHRISTMAS like fruit and vegetables. I also eat
(WAR IS OVER) McDonald’s food or pizza, but only
by John Lennon once or twice a month. When it’s
So this is Christmas, Christmas or another holiday we eat
And what have you done too much, I think. A healthy diet is
Another year over very important because if you eat too
A new one’s just begun much junk food you can get diseases
And so this is Christmas like diabetes, so it isn’t healthy.
8ºA
I hope you have fun

I
Miguel Teixeira
spent two weeks in Sydney, The near and the dear one
Australia. I left Portugal on 1st The old and the young
of July and arrived there the next
day. I took my pet with me, it was a Chorus:
frog, but he had to stay in the airport A very merry Christmas
because Australia´s ecosystem is very And a Happy New Year
Let’s hope it’s a good one

M
fragile and new species can destroy it.
After I did the check in at the hotel, I Without any fear y eating habits aren’t good.
went to a history museum, and I le- And so this is Christmas I like to eat a lot of fast
arned that Australia was colonized by For weak and for strong food and other fat food.
English criminals, and that, I wasn´t For rich and the poor ones But, I’m trying to go on a diet because
expecting. On the next day I went to The world is so wrong I am a bit overweight. When you go
the Opera House. The rest of the days And so happy Christmas on a diet, the goal is to lose weight
I spent trying what the Australian For black and for white and do more exercise, so that you can
culture had to offer. The thing that I For yellow and red ones feel physically and mentally healthy.
remember the most is their funny ac- Let’s stop all the fight There are people who are very fat
cent. I didn´t have a serious conver- because they eat too much and don’t
sation because I was always laughing Chorus (2x) exercise. If you want to be a person
out loud. And, so this is Christmas in great shape, you need to follow a
9ºD And what have we done balanced diet.
Diogo Pinto Another year over 8ºA
And a new one just begun Wirley

I
And, so happy Christmas
We hope you have fun eat more fish than meat and my
The near and the dear one mom cooks fish very well, so my
The old and the young eating habits are good, I suppo-
se. I like desserts, my favourite one
Chorus (4x) is chocolate cake, because it is good
Happy Christmas! and tasty. I rarely eat at Mc Donald’s;
Happy Christmas! it is good, but unhealthy. My diet is
important, because I care about my
weight. I am a healthy teenager.
8ºA
Alex
12|28
Dez | 2010

I n today’s society, new technologies and


new scientific methods are being deve-
loped, but not everything is good.
Knowledge can follow wrong ways and
create many problems, like, for example,
the human cloning. Some scientists think
that it’s a good idea, they know the techni-
ques to clone but some of them neither care
about human rights nor the possible problems that they can cause. Is it right?
Many inventors and scientists created, and still create, many things which
are very important nowadays (household appliances, cars, computers, cell-
-phones), but just a few of them care about the possible problems they can
cause, for instance, to the environment.
On the other hand, ignorance is not the solution. If people don’t know the
basic things to help the environment or to avoid the problems caused by the
technologies, they can’t do anything.
11ºA
Cátia Domingues

W
ith the progress of tech-
nology and science, many
discoveries were made.
This can be as useful and good as

K
bad and dangerous. A lot of discove-
nowledge is the greatest gift ries can help us in our daily routine
that we humans have. No but others can put us in danger. For
other animal has this ama- example, it’s obvious that cars are use-
zing capacity like us; however, we are ful and essential in our lives. Howe-
wasting it. ver, the exhaust fumes are a serious
Humans are not taking full advantage problem that contributes to global warming. If this is true, what we have to
of their knowledge, all we do is create do is not to stop using cars but find ways to reduce the problems caused by
problems, and try to solve them with them. So, if we, humans, have the ability of creating problematical inventions
pure ignorance. Guns are a great we have to create methods of reducing their problems too. We must be respon-
example of that: With our great kno- sible for our actions and if we create something bad we have to focus all our
wledge we were able to create them, energy to fix it even if it’s hard and complicated.
and now they are a huge problem. 11ºA
Daniele Cataldo
Same thing with pollution and global
warning. We used our knowledge to

I
make life easier and we didn’t think agree with this statement. In my opinion, it is obviously not through igno-
about the consequences and now rance that we can solve the problems we create.
what can we do? Until now world le- Sometimes finding a solution to a certain problem isn’t easy, we need
aders have only used ignorance to try to think, reflect a lot about which should be the best way we can fix it. If we
to solve it but that’s clearly the wrong are intelligent and truly force ourselves we can find an efficient way to solve
way. If we keep using mostly ignoran- the problem, on the other hand, through ignorance I think we will just make
ce we’ll end up destroying ourselves things worse and create a bigger problem than originally.
and the Earth. With knowledge we are able to solve many problems that appear in
Knowledge needs to be used in the our life time. Knowledge is the light to succeed in life. Without it, it isn’t possi-
right way. ble to evolve, and obviously finding solutions to problems we created through
ignorance it is unthinkable.
11ºA
Bruno Sevivas 11ºB
Nicole

13|28
Dez | 2010

A ajuda de todos é essencial para a


existência de vida no nosso planeta

D
esde os primórdios da Terra que existem animais. Contudo, nem
todos conseguiram sobreviver, devido às más acções do ser hu-
mano. Algumas acções como a caça, a poluição e a destruição de
habitats contribuem para a extinção das espécies.
A extinção é um acontecimento natural, que acontece quando os ani-
mais e as plantas precisam de determinados habitats para sobreviverem. Com
a falta destes, os animais não se conseguem reproduzir. Cabe-nos a nós todos
conhecermos e protegermos as áreas naturais, de modo a garantir a sobrevi-
vência das espécies.

Animais já extintos em Portugal :

Urso-Pardo-Europeu
Este animal já existiu em Portugal há mais de 200 anos. Sabe-se
isto devido aos vestígios deixados pelos mesmos. Vivem em zonas
montanhosas do continente Europeu, alimentam-se de pequenos
animais e vegetais. Desapareceram de Portugal devido à caça, es-
tando agora em perigo de extinção devido à destruição do seu ha-
bitat.

Cabra-Montês-Lusitânica
A caça e as doenças das cabras domésticas fez com que estas espé-
cies desaparecessem do nosso país e de Espanha. O seu habitat era
nas montanhas.

O Priôlo
Está em risco em Portugal, só existe na ilha de São Miguel nos
Açores. A sua alimentação é baseada em frutos, flores e semen-
tes de plantas dos Açores. A sua alimentação está a desaparecer
devido à prática da agricultura e também à introdução de plantas
invasoras.

O Urso-Polar
Vive no Pólo Norte. Há cientistas que defendem que o Urso-Polar
está em perigo, outros defendem que não. Com o aumento do efei-
to de estufa, este animal habituado ao frio e ao gelo, poderá ver o
seu habitat desaparecer. A poluição marinha afecta os peixes e as
focas que lhe servem de alimento.
9º D
Cheila Fernandes
Cláudia Chaves
Cláudia Soares

14|28
Dez | 2010

Eu queria ser livre mas infelizmente não posso…


E
u quero ser livre, mas infelizmente não posso! … Pensou irritada a doce Raquel. Já há muito
tempo que Raquel desejava fazer tudo o que lhe apetecia, sem ter de dar justificações aos seus
pais, gostaria finalmente, de emancipar-se. Não compreendia as limitações que seus pais lhe
impunham, pois sempre se mostrava uma pessoa tolerante e responsável, achando assim que merecia
toda a confiança. Para ela a liberdade era fazer tudo o que quisesse, mesmo que os pais fossem contra.
Mas será que é possível fazer tudo o que nos apetece, sem pensar nas consequências dos nossos actos?
Vivemos em sociedade e para respeitar a liberdade de cada um, temos também de ser responsáveis.
Um certo dia Raquel, cansada de ser incompreendida, decidiu abandonar a escola, a casa de seus pais
e, simplesmente, partir para bem longe em busca de liberdade.
Contudo, apenas algumas horas após a sua partida, Raquel sentiu-se sozinha, infeliz e angustiada:
- Isto não é ser livre, é apenas um desejo infantil… - declarou a desolada Raquel.
Assim, rapidamente regressou à sua casa e, finalmente, entendeu o que os seus pais queriam dizer,
quando falavam que ser livre, é também assumir responsabilidades.
A liberdade não é algo que devemos procurar inconscientemente, mas sim merecê-la e conquistá-la,
só assim nos tornaremos livres.
11ºE
Daniel Pires

E
u queria ser livre mas… bem, já agora, o que é ser livre?!
Será que ser livre é fazermos do mundo um jogo sem regras nem consequências? Ou será que é
viver o nosso dia-a-dia moderadamente, com limites, mas disfrutar da vida?
Quando eu tinha treze ou catorze anos queria fazer mais um furo na orelha, pensei logo que os meus
pais não deixariam, mas mesmo assim, receosa, fui pedir à minha mãe:
- Mãe, posso fazer mais um furo na orelha?
- Fala com o teu pai. – disse ela (a resposta habitual)
- Pai, posso fazer mais um furo na orelha? – perguntei.
- Tu estás maluca?! Para pareceres uma drogada…
A verdade é que naquele momento “revoltei-me” por não me deixarem fazer um simples furo na ore-
lha, esquecendo-me de que tenho a liberdade para muitas outras coisas, como exprimir o que sinto
por gestos, escrito, dizendo, opinar sobre as coisas sem censura ao contrário das pessoas que viveram
antes do 25 de Abril por exemplo, que não souberam o que é a liberdade praticamente, tenho a liber-
dade de andar na rua como quiser, chorar ou rir onde me apetecer.
Para que dizer “eu queria ser livre mas isto, mas aquilo…” se somos seres livres?!

12ºB
Liliana Carneiro

E
u queria ser livre, gostava de voar, pois não deve haver maior sensação de liberdade do que
essa. Voar, não ter com que preocupar, não ter responsabilidades, não ter horários a cumprir…
sentir-me livre desta sociedade enganadora, falsa e por vezes, violenta e perigosa em que todos
nós somos obrigados a viver.
Muita gente tem como significado de ser livre: “fazer o que quiser, sem ter que dar justificações a
ninguém”; mas ser livre não é isso, pois façamos o que fizermos, nunca o vamos fazer sem ninguém
saber e, vai haver sempre alguém para nos julgar.
Ser livre é ver este mundo de forma diferente, é também ultrapassar as fronteiras da nossa imagina-
ção, sim, porque ser livre não significa ser só fisicamente, mas sim também na nossa mente.
Podemos ser livres de 1001 maneiras!
Eu queria ser livre, mas da forma que eu gostava de ser é impossível.
12ºB
Andreia Silveira

15|28
Dez | 2010

O conc
Pe
Dúvid
Reflect nsar profund
ir naqu
reto é a
É o im u
n
a
ilo que mente,
a
quilo q ão se conhece
e está p ,
Poesia
edi
O univ atamente viv esente,
e
É a nos rsal e o essen o,
sa próp
id
cial,
r
Eu vi e senti
A ex ria rea
O alim citação pela lidade Ao passar por ti eu morri
ento da verdad A minha morte
Exis sua pró e
Procur te, governa-se pria vontade Não queria
a, criti a si pró Eu queria ver a tua alegria
ca
Mais m o ponto mai pria
ín sp Pois numa noite
O ser d imo onde po rofundo,
o nosso ssa ir, Eu sonhei
É o pen pens
sar, o r amento, Nesse sonho foi em
eflectir Ti que pensei
Será a realidade dos teus olhos ou a privacidade
Bruna do meu olhar?
Pereira
10ºC Num caderno eu
Escrevi umas palavras
Imaginárias eu li
Seriam feitas para ti ou para a única rapariga
mais bonita que vi!
Esta flor que eu cheirei
Seria o teu perfume que amei?
Não sei talvez o teu cabelo
Perfumado por ele lutei
Consegui perder-te outra vez

ue
Estou triste pela 2º vez

s a ng A palavra esquecer-te

a s de o
as am penso.
Não faz parte do meu
im , m
Lágr
nto s Dicionário mas sim
l a m a r-te ta te em ti, ma s
ssíve emen tado Do teu vocabulário
É impo sar constant gundos já con agoam, Disseste não à minha
n e m
po ssível pe rdido nos s sonhos que a vez precisão mas disseste sim ao
É im or pe , aos r outr
Teu am à esperança o para te te onhar? Que está dentro de mim
-me tud nta s
Agarro o na ilusão… r? Que adia Não quero a tua imagem
Rastej ianta chora voltarás. acasso
ue a d u n c a a do r do fr Pois para mim
Q N in to Foste uma miragem
o d a vida, s gora?
us ã u a Os teus olhos arrepiam com o teu
a desil ara onde vo aparecer,
Caio n P d e s e r Olhar me fastiam
n to a vida a gue a escorr ascente Foste luz para a
Si n n
r im a s de sa r como uma em mim
As lág nso a escoa , passando s Minha escuridão
o in t e s s a da e os s entido Pois ao teu lado
elh a pa do-s car
O verm de uma vid ssa, perden eçam a sufo É que ninguém diz não!
ns sca om
Image ção lenta e e o distante c orientada Por fim não sinto
ira nd des
A resp es de um mu mente fica s co r rer A minha solidão
ed ,a eae
As par visão turva as de sangu orrer Mas com uma rosa na
A m fosse m
s lágri Nicole
E mai o se a vida 11ºB
Mão talvez conquistasse
C o m O teu coração
João Miguel
9º D

16|28
Dez | 2010

Poesia m
U o qu
é
b e

e
ijo
e
s ejo
i s d nunc
a
a a
Memória e g r i
m al
uita como tu
i de m er s
e dia fo ecer um
l mim
de um amor antigo Aqu e
e esq
u
te de
hei-d Tu és par s assim ar
seja o odi ue
Não o te quer forma q
Nos meus sonhos continuas a permanecer, nã sma
o rque eu tes da me
O meu maior amor continuas a ser. P os ti
Por mais distante que estejamos e ro que g goste de har
u e u n
Só q e fa zes so o estar!
E nunca mais nos vejamos
Só tu
m quer
Irei sempre me lembrar de ti d o eu 9ºD
teu la
E da importância que tiveste para mim. E ao el Aires
Migu
Foste tudo para mim, no fundo continuas a ser João
No meu coração um lugar especial conseguiste
merecer.
O nosso amor já lá vai distante,
Outrora vivíamos um mundo apaixonante
Sentimentos intensos
Ontem so
De dor isentos.
Agora, restam apenas as recordações rria …
De um mundo composto por dois corações.
Um mundo jamais esquecido,
Hoje choro …
Uma chama jamais enfraquecida, Amanhã será
Um amor jamais destruído, que vou estar
feliz?
Uma felicidade que nunca deixará de ser Mas como?
Se o amor nã
sentida. Tenho medo o é correspon
do futuro , m dido …
Dois seres para sempre ligados edo de encara
realidade. r uma certa
Pois num tempo anterior, foram amados.
Este amor nunca será ultrapassado Porquê? Não
Amo-te há m sei explicar.
Pois um amor verdadeiro jamais cairá em uito … e nad
Dizias que m a de ver-te a
esquecimento e meu lado.
Tentavas faz amavas para
11º B er-me feliz?. q u ê?
Nicole Querias tu to ..Querias tu
rnar realidad a mar-me?
…ver-te a m e o meu sonh
eu lado e am o?...
ar-te para se
Sabes … m pre!!!!
Que meu cora
ção gela qua
ndo não está
E me deixas s a meu lado
sozinha na so
Mas quando lidão
estás a meu la
Meu coração do
estremece
E meu sangu
e corre nas v
Com o signifi eias
cado de ama
Paixão e mu r,
De encostar ito ca rin ho
meus lábios a
os teus.


Vânia Teixei A
ra

17|28
Poesia Voar
Se eu pudesse voar, voaria até onde tu estás

O fim
Difícil de imaginar que nunca mais te irei en-
contrar
O que eu mais quero é voar, voar para poder te
alcançar
Olha para o mundo e diz-me o que vês Porque partiste deixando uma vida inteira para
Apenas mágoa, dor e tristeza talvez trás?
Palavras que magoam são trocadas Deixando-me só, com o coração a gotejar
Olhares como setas lançadas Foi tudo tão breve, aconteceu tudo num instante
Todo o mundo está a desabar Nenhum aviso, ninguém me deu, esse dia foi
Não há maneira de fazer as feridas sarar horripilante
Nossos sentimentos mais profundos são projectados, Quando partiste todo o meu ser foi contigo
Com tanta brusquidão como o embater das ondas do mar Tudo! Até o que me pertencia de mais antigo
E todas as alegrias da vida são esquecidas Agora como irei sobreviver se já não estás aqui
O oceano levou-as para longe comigo?
Tudo o que ainda permanece foge Agora como queres que eu viva se me abando-
Agora o que resta de nós? naste
Apenas as nossas silenciosas vozes Como queres que continue a ser eu, quando para
Que choram e tentam pedir ajuda mim as costas voltaste?
Mas todas as nossas rezas são em vão Minha razão de viver eras tu; tudo para mim
Toda a vida está perdida deixou de ter significado
E jamais alegrias aparecerão Nem um sorriso falso consigo brotar num dia
animado
Amor, solidariedade… são palavras que já não existem Chamo por ti mas tu não vens; de tanto gritar,
Tudo foi morrendo, só a dor prevalecendo estou rouca
Instalou-se o terror e o medo A tua luz já não ilumina; nossa sorte foi tão
Já ninguém quer continuar a viver. pouca
Emoções enraivadas como o vento Os meus olhos escorrem dor, tudo agora magoa.
Desejo de acabar com este tormento Para poder estar contigo, a minha vida voa.
O que o povo quer é morrer.
Já não há ambições 11º B
Mas sim a destruição de corações Nicole
Já não há esperança
Só à violência o corpo se lança
Os sonhos estão destruídos
Apenas os pesadelos são vividos
Para onde fugiu a vida
Que era tão bela, tão colorida?
Agora instalou-se o negro escuro
Da nossa alma, o lado obscuro
Quero sair, quero fugir,
Partir para onde a maré me levar
Pois já não tenho razões por que lutar
11º B
Nicole

18|28
“Carpe diem” é um conjunto de duas palavras que encerram
em si uma ideia espectacular! A ideia de “vive o dia”, como se não existisse o ama-
nhã, desprende-te completamente do passado e esquece o futuro!
Eu, e toda a humanidade, precisamos de um “carpe diem” nas nossas vidas. Vamos
respirar fundo e pensar no que, realmente, é importante para nós. Aquilo que nos
faz correr a toda a velocidade, na procura da felicidade e do bem-estar.
Imagino que se desencadeia um qualquer mecanismo no planeta Terra e que, neste
preciso momento, sou eu quem dito as regras, no “carpe diem” mundial.
Num estalar de dedos, faço desaparecer todos relógios do mundo – e pronto,
acabaram-se as chatices dos horários! Só quero pessoas calmas e serenas. Dou um
passo, aproximo-me da janela, e vejo toda a gente a fazer o que mais gosta. Vejo
abraços, sorrisos, alegria! Vejo sonhos a realizarem-se, muita festa! Ouço a música
e no céu estala fogo-de-artifício (…)
E quero, quero tanto juntar-me à festa! Quero contagiar-me com aquela alegria
mágica!
Vamos todos viver assim, hoje – completamente felizes, complemente realizados,
completamente felizes.

12ºB
Joana Alves

O “Carpe diem” é uma filosofia de vida, já praticada por grandes poetas


no passado, em que se deve viver os momentos presentes sem pensar no amanhã.
Mas, o que é o “Carpe diem” para mim?! Bem, na minha opinião, é uma óptima
filosofia de vida a seguir… Se eu pudesse viver o presente, sem pensar no amanhã,
muita coisa mudaria na minha vida e, até mesmo, a minha maneira de ser. Em
primeiro lugar, realizava todos os meus sonhos pendentes (andar de avião e na
montanha russa) e, como seria lógico, “escola” e “professores” eram palavras que
seriam automaticamente eliminadas do meu dicionário.
Por outro lado, também não queria ouvir a minha mãe a “zumbir-me” aos ouvidos:
“- Fabiana, à meia-noite quero-te em casa!!”. O meu lema era “curtir” ao máximo!
Sem horas para dormir, nem responsabilidades para cumprir! Era viver numa vida
sem limites: viajar pelo mundo, experimentar coisas novas, mesmo não sendo as
mais normais, como fazer pára-quedismo, bungee-jumping, ir à praia no inverno e
fazer ski no verão.
Mas, como na vida há sempre um “amanhã”, a irresponsabilidade do presente re-
flectir-se-á no futuro e haverá consequências a “pagar”, logo, os nossos actos devem
ser pensados e o “Carpe diem” vivido apenas nos nossos sonhos mais remotos.

12ºB
Fabiana Carneiro

“Carpe Diem” é uma expressão latina que significa “colhe o dia, aproveita o momento”. Esta expressão foi usada pelo poeta
latino Horácio, que na linha do epicurismo, incita a sua amiga Leuconoc a aproveitar o presente, antes que este seja passado, pois a
vida é breve, a beleza perecível e a morte uma certeza.
O que começou por ser uma expressão, deu origem a um estilo de vida, o “viver, sem pensar no amanhã”, defendido por uns que
acham que a vida é demasiado curta para se perder tempo a planear o futuro, criticado por outros que afirmam que um bom
planeamento do futuro leva ao sucesso e evita situações de miséria. No entanto, e na minha opinião, o “Carpe Diem” não é algo
que devemos aceitar ou recusar, defender ou criticar, é algo que devemos conhecer e procurar um equilíbrio, estabelecendo metas
nas nossas vidas, mas com um prazo de realização não muito longo, ao mesmo tempo que se aproveitam oportunidades que nos
surgem no momento, sem contudo pôr em causa o nosso futuro.
Assim, e como apesar de a vida ser breve, há tempo para viver tudo sem pressas, devemos viver o momento, mas sempre pondo
em consideração o que o amanhã nos pode trazer, porque o futuro reserva-nos uma infinidade de “agoras” que certamente iremos
querer também desfrutar.
12ºD
Miguel Ferreira

19|28
Dez | 2010

D3SAFIOS Matemáticos
Portugueses

Um carro faz metade do seu


percurso com velocidade média
de 40km/h e a outra metade a
60km/h.
Qual a velocidade média do
percurso total?

A figura é constituída por doze fós- Pedro Nunes


foros. Retira dois fósforos de forma (Alcácer do Sal, — Coimbra, 11
a obteres dois quadrados. de Agosto de 1578)
Usou o nome latinizado de Petrus
Nonius, foi um matemático portu-
guês e um dos maiores vultos cien-
1ª Eliminatória das XXIX Olimpíadas tíficos do seu tempo. Contribuiu
decisivamente para o desenvol-
Portuguesas de Matemática vimento da navegação, essencial

R ealizou-se no dia 10 de No-


vembro de 2010 a 1ª Elimi-
natória das XXIX Olimpíadas de
para os Descobrimentos portu-
gueses, tendo-se dedicado aos pro-
blemas matemáticos da cartogra-
Matemaática, com a presença de 40 fia. Foi ainda o inventor de vários
alunos do 7º Ano ao 12º Ano. aparelhos de medida, incluindo
o nónio (nonius, o seu sobrenome
em latim).

Em 1544 foi-lhe confiada a cátedra

Participa no Pmate de matemática da Universidade de


Coimbra, a maior distinção que se
mais informação em: podia conferir, no país, à época, a
http://pmate2.ua.pt/pmate/ um matemático.
http://pt.wikipedia.org

20|28
Dez | 2010

Professor Sérgio Machado

M
ais uma vez A Área
Disciplinar de Educa-
ção Física e o Despor-
to Escolar levaram a efeito o Corta
Mato Escolar. Este evento contou
com a participação de cerca de 90
alunos e permitiu seleccionar os
representantes da nossa escola para o
Corta Mato Distrital, a realizar-se no
início do segundo período.
Além deste objectivo, a presente
edição deste evento serviu também
para celebrar o Dia Mundial do Não
Fumador - 17 de Novembro.
A bela paisagem da ciclovia junto
ao Tâmega (parte poente) serviu para
a marcação dos diferentes percursos
que variaram entre os 1500 metros,
para o escalão de infantis, e os 3000
para a classe júnior. Foi com entu-
siasmo e muito empenho que todos
enfrentaram o frio da manhã, trans-
formando a realização deste aconteci-
mento em algo a recordar e a repetir.
De salientar o convívio entre todos
e a boa disposição reinante. Nada de
espantar quando falamos de praticar
e criar hábitos saudáveis em contacto
com o meio ambiente.

21|28
Dez | 2010

Antes pelo
Contrário....
Contrário.... Antes pelo
Professora Maria Manuela Azevedo

P
arece-me ser inquestionável
que qualquer sociedade, que
se pretende próspera e sau-
dável, assenta sobre três pi-
lares fundamentais – valores, atitudes
e padrões comportamentais – e, neste
momento, a percepção que tenho é
que esses três pilares estão esmaga-
dos pelo oportunismo, a indisciplina,
a mentira, o laxismo, o facilitismo, a
ignorância.
Isto não são percepções minhas,
mas ao partilhá-las e como pessoa
atenta ao que se passa em meu redor
e preocupada com o futuro do meu
país e, consequentemente, o das ge-
rações vindouras, não posso deixar
de transpor aquilo que a sociedade
valoriza para o meu mundo profissio- balho, ordem, tolerância, igualdade, gerações indivíduos sem capacidade,
nal – a escola. liberdade de escolha. pobres de valores e atitudes, igno-
rantes.
O que vejo neste meu mundo O que se espera de uma
causa‑me revolta, dor, receio, pre- escola pública e demo-    Os indivíduos com poder
ocupação. Vejo uma escola pública crática é a for- económico retiram os filhos das
preocupada e pressionada com nú- mação ao escolas públicas para as esco-
meros onde grassa a indisciplina, a nível las privadas, ou no caso de os
ignorância, o desrespeito, a ausência terem numa escola pública
de autoridade e liderança, o pagam “auxiliares exter-
facilitismo. nos”. É que nas escolas
privadas funcionam
 Não é assim os pressupostos de
que entendo a exigência, trabalho,
escola! conhecimento, dis-
Para mim a escola ciplina criando-
é um espaço especial, -se assim novas
com regras especiais e elites.
bem definidas, por vezes Então, esta democracia
diferentes das que existem onde vivemos é responsável pela
fora dela. Não consigo ver criação de novas elites, defraudando
uma escola sem o conheci- do
as expectativas de ascensão social
mento e o reconhecimento cla- conheci-
dos filhos dos menos favorecidos.
ros da autoridade dos dirigentes, mento de indiví-
Não é mais do que um gigantesco
professores e funcionários. Só duos com capacidade
logro, uma mentira perpetrada por
assim existe disciplina que de uma para desenvolver uma activi-
quem tem a responsabilidade da Edu-
forma natural conduzirá ao que a dade para a vida. O laxismo, o faci-
cação em Portugal que conduzirá à
escola tem de dar: respeito, conheci- litismo, a indisciplina e o “trabalho”
formação de uma geração de incapa-
mento, exigência, capacidade de tra- para a estatística criam nas futuras
zes para enfrentar a vida.

22|28
Dez | 2010

O Valor
da Educação

F
Professora Maria Teresa Castro

alar em educação não é ta- dade com que cada um de nós tem a
refa fácil, uma vez que tem possibilidade de transformar tudo o
imensos percursos que são, que quer em tudo aquilo que melhor
todos eles fundamentais pode dar resposta aos seus anseios.
para um bom desfecho, ou
É este o género de trabalho que
seja, para uma boa formação cultu-
tem estado a ser desenvolvido pelos
ral, ética e social.
Tudo se torna num
enorme desafio que,
todos aqueles que
a “utilizam”, fazem
dela o seu ponto
de referência, o seu
sentido de existên- das pessoas um conjunto de sa-
cia e a sua meta, beres importantes, para todos terem
permitindo-lhe mais conhecimentos sobre os vários
pesquisar, sonhar e temas que tentam trabalhar para
concretizar. divulgar. Neste trabalho há um con-
junto de elementos que vão permitir
A primeira tarefa a conclusão de um trabalho que é
que surge é a de organizado e pensado passo a passo.
cada um saber edu- E é neste percurso que os alunos pro-
car todos aqueles curam todos os apoios possíveis para
que necessitam de poderem fazer um desenvolvimento
conhecimentos so- coerente. Este ano, numa iniciati-
bre tudo aquilo que va da coordenadora da Biblioteca
é essencial para uma Mariana Oliveira surge uma acção de
formação. Agosti- formação sobre “Literacia da Infor-
nho das Silva, que mação” na Biblioteca que permitiu
era um profundo educador, pedago- alunos do 12º ano na disciplina de aos alunos do 12º ano/turma – B
go, escritor e filósofo, afirmava que Área Projecto tentando transformar alargar os seus horizontes sobre for-
o maior desafio que todos podemos um conjunto de elementos e dados mas mais correctas de pesquisar.
ter é o de educar, ex-
plicando que”educar Estas iniciativas e outras são
não é levar ninguém ”educar não é levar ninguém a ser isto ou aquilo, sempre fundamentais na aquisição
não é tentar influir de qualquer modo em sua orien- de conhecimentos servindo para
a ser isto ou aquilo,
tação futura, mas dar meios de expressão à sua capa- fundamentar todos os trabalhos
não é tentar influir
cidade criadora e de comunicação,...”
de qualquer modo destes alunos.
em sua orientação
sobre aquilo que mais lhe interessa Todos estes trabalhos que se
futura, mas dar meios de expressão à
no momento, para logo de seguida podem organizar e orientar com um
sua capacidade criadora e de comu-
produzir algo de fundamental que sentido, servem para transmitir uma
nicação, quer ela se exerça lendo e
vai permitir dar a conhecer ao resto série de conceitos que irão formar
escrevendo quer manualmente num
e informar os jovens, dando-lhe a
ofício”. Quando referencia a capaci-
conhecer um conjunto de saberes.
dade criadora, quer enaltecer a facili-

23|28
Dez | 2010

24|28
Dez | 2010

25|28
Dez | 2010

Educação para a Saúde


A
Educação para a Saúde, nas suas várias dimensões, é já uma realidade a que professores, alunos e encarregados
de educação se foram habituando. Contudo, os constrangimentos continuam a ser vários e de solução não
muito óbvia: dificuldade em envolver activamente os encarregados de educação, tempo para abordar estas
temáticas de uma forma sistemática e ajustada às necessidades de cada grupo de alunos, formação séria para os profes-
sores no sentido de os ajudar a superar os constrangimentos que estas temáticas acarretam, dificuldade dos profissio-
nais de saúde para darem resposta às inúmeras solicitações das escolas, etc. Apesar de todas estas limitações, as coisas
vão acontecendo graças à boa vontade e ao trabalho de várias pessoas. Aqui destacamos as parcerias com o Centro de
Saúde nº 1, equipa de Saúde Pública, CAT, Escola de Enfermagem de Chaves, Chaves Viva, SOS Hepatites (delegação
de Chaves), Instituto Português da Juventude e escolas António Granjo e Nadir Afonso.
Dos objectivos do Projecto de Promoção e Educação para a Saúde para o presente ano lectivo, destacamos os se-
guintes que, no nosso entender, resumem bem o espírito da nossa intervenção:
Melhorar o nível de informação dos alunos no que respeita à manutenção da saúde em todas as suas dimensões;
Divulgar informação e recursos de Saúde Sexual e Reprodutiva que previnam o isolamento, a solidão, os compor-
tamentos de risco e a tomada de decisões precipitadas;
Estimular nos alunos opiniões e comportamentos críticos relativamente aos papéis que habitualmente são atribuí-
dos aos homens e às mulheres;
- Identificar as dimensões da sexualidade e entender a complementaridade entre elas;
- Compreender a importância da comunicação nas relações interpessoais;
- Desenvolver capacidades de expressar sentimentos, opiniões e decisões e aceitar as dos outros.
- Das acções previstas no nosso Plano de Actividades foram já realizadas as seguintes:
Acção de formação sobre “Saúde sexual e Reprodutival” Professores 1 e 2 de Setembro
- Sensibilizar para a necessidade da educação para uma sexualidade saudável;
- Trabalhar algumas competências básicas ao nível da comunicação em Educação para a Saúde.
Sessões de sensibilização/Informação – Consumo de substâncias psico-activas. Alunos de 7º ano 7 de Outubro
- Prevenir o consumo de substâncias psico-activas entre os adolescentes;
- Esclarecer dúvidas nesta área
Teatro Debate Nem muito simples… nem demasiado complicado Alunos de 10º ano 11 de Outubro
Reflectir sobre temas relacionados com a sexualidade a partir de pequenas histórias comuns no dia-a-dia
Teatro Debate Macacos e Pombos Alunos de 8º ano 11 de Outubro
- Prevenir o aparecimento de situações de violência na escola.
- Reflectir sobre as causas e consequências do Bullyng;
- Debater soluções que permitam combater o problema
Sessões de sensibilização/Informação anti-tabágica com medição dos níveis de Alunos de 7º Novembro e
monóxido de carbono nos pulmões. e 12º ano Dezembro
- Alertar para as consequências do consumo de tabaco;
-Informar da existência e modo de funcionamento da consulta anti-tabágica;
- Analisar mitos e factos ligados a este consumo.
- Dia Mundial do Não Fumador Comunidade Escolar 17 de Novembro
- Alertar para as consequências do consumo de tabaco, particularmente para o consumidor passivo
Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres Comunidade Escolar 25 de Novembro
- Alertar para o número crescente de casos de violência contra as mulheres;
- Sensibilizar para a necessidade de denunciar todas as situações de violência.
1 de Dezem-
Comunidades escolar bro (as acções
-Dia Mundial de Luta contra a SIDA em geral e alunos de decorreram ao
9º ano em particular longo do mês de
Dezembro)
- Sensibilizar os alunos para a necessidade de evitarem comportamentos de risco como a única forma de prevenção contra esta doença;
- Discutir os conceitos de “Risco” e “Comportamentos de Risco”;
- Fornecer informação adicional sobre esta problemática.

26|28
Dez | 2010

>>>
Educação para a Saúde
Pais/Encarregados de
Educação, Professores e
Acção de informação/sensibilização sobre Sida e outras Infecções sexualmente Funcionários das escolas 30 de
transmissíveis Secundárias António Granjo, Novembro
Júlio Martins e Escola EB 2, 3
Nadir Afonso
- Alertar a comunidade educativa em geral para a escalada do nº de infectados;
- Sensibilizar para a facilidade da propagação das Infecções sexualmente transmissíveis (IST) como a SIDA;
- Fornecer informação adicional sobre esta temática.

Esperamos desta forma promover uma abordagem integrada e articulada da Educação para a Saúde na perspectiva não apenas
centrada na transmissão da informação mas, essencialmente, na mudança de atitudes. Devemos ter, contudo, a percepção de que
esta mudança de atitudes só se consegue com a participação de todos os que, de alguma forma, lidam com os jovens e que o papel
da escola é, naturalmente, determinante mas não é de todo suficiente.

Dezembro de 2010 | O Grupo de Trabalho do PES

Relatório da Exposição Itinerante de Educação Financeira


Realizada no Centro Cultural de Chaves
No dia 23 de Novembro de 2010

O
relatório que se apresenta refere os prin-
cipais aspectos da exposição itinerante
de Educação Financeira, organizada pela
Universidade de Aveiro em parceria com
a Caixa Geral de Depósitos, na data acima referida.
A actividade teve como objectivo a avaliação da Lite-
racia Financeira dos jovens e do público em geral.
No início da actividade, fomos recebidos por um mo-
nitor que nos orientou como funcionava a exposição.
Após a introdução do monitor, dirigimo-nos a um
computador onde fizemos um questionário/jogo que
serviu para testar a nossa Literacia Financeira em vá-
rias situações do quotidiano e simularmos a gestão de
um orçamento.
Depois de fazermos o questionário/jogo, concluímos
que a nossa Literacia Financeira era positiva.
No final da exposição, os monitores deram-nos alguns
folhetos e um lápis para sensibilizar à prática financeira
e à poupança.
Em suma, esta actividade foi enriquecedora, pois aju-
dou-nos a compreender melhor as finanças.

10ºE
Alexandra Morais, Ana Pereira e Gilberto Ramos

Mantenha a Escola Limpa


Escola Limpa é uma Escola Linda
27|28
Dez | 2010

28|28