You are on page 1of 29

22 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

2 – FÍSICA
Alexandre Tadeu Gomes de Carvalho, Helder Soares Moreira, Álvaro José Magalhães
Neves, Marcelo Lobato Martins.

2.1 – QUESTÕES OBJETIVAS

01. A figura abaixo mostra um elétron e um fio retilíneo muito longo, ambos
dispostos no plano desta página. No instante considerado, a velocidade v
ρ

do elétron é paralela ao fio que transporta uma corrente elétrica I.

Considerando somente a interação do elétron com a corrente, é
CORRETO afirmar que o elétron:

a) não será desviado.
b) será desviado para a direita desta página.
c) será desviado para a esquerda desta página.
d) será desviado para fora desta página.
e) será desviado para dentro desta página.

CONTEÚDO:

ELETROMAGNETISMO – Campo magnético produzido por correntes elétricas.
Forças sobre cargas elétricas em movimento num campo magnético.

RESPOSTA: Letra (c).

RESOLUÇÃO:

De acordo com a lei de Biot-Savart, a corrente no fio cria um campo
magnético. No ponto onde o elétron se encontra, o campo é normal ao
plano desta página e aponta para fora. Assim, no instante considerado, v
ρ
e
B
ρ
são perpendiculares entre si e pela regra da mão direita conclui-se que
o vetor força F
ρ
encontra-se no plano desta página e apontando para a
esquerda.
v
ρ

I
PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 23

02. Em uma situação real atuam sobre um corpo em queda o seu peso e a
força de atrito com o ar. Essa última força se opõe ao movimento do corpo
e tem o módulo proporcional ao módulo da velocidade do corpo. Com
base nestas informações, é CORRETO afirmar que:

a) a aceleração do corpo em queda cresce continuamente.
b) a aceleração do corpo em queda é constante.
c) para uma queda suficientemente longa, a força de atrito atuando no
corpo torna-se maior do que o peso do corpo.
d) a energia mecânica do corpo em queda é conservada.
e) para uma queda suficientemente longa, a resultante das forças sobre o
corpo tende a zero.

CONTEÚDO:

MECÂNICA – Leis de Newton. Conservação e dissipação da energia
mecânica.

RESPOSTA: Letra (e).

RESOLUÇÃO:

De acordo com o enunciado da questão, a força de atrito com o ar aponta
para cima e seu módulo F
a
aumenta linearmente com a velocidade. O
peso (P) é constante e aponta para baixo. Assim, o módulo da força
resultante é F
R
= P - F
a
. À medida que o corpo cai, a velocidade cresce,
aumentando F
a
e reduzindo a força resultante. Portanto, para uma queda
suficiente longa, F
a
tende a P e F
R
tende a zero. Essa situação é ilustrada,
na figura abaixo, para três diferentes instantes: t
o
, t
1
e t
2
.









m
g m P
ρ
ρ
=
t
o

a
F
ρ

m
g m P
ρ
ρ
=
a
F
ρ

m
g m P
ρ
ρ
=
t
1
> t
o

t
2
> t
1

24 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

03. Cada uma das figuras abaixo ilustra a trajetória (linha pontilhada) de um
projétil (círculo preto), lançado da superfície da Terra. Desprezando a
resistência do ar, em qual das figuras estão mostrados CORRETAMENTE
o vetor velocidade ( V
ρ
) do projétil e o vetor força ( F
ρ
) que age sobre o
projétil?

V
F


V F


V
F


V
F


V = 0
F


CONTEÚDO:

MECÂNICA – Leis de Newton. Movimento em uma e duas dimensões.

RESPOSTA: Letra (d).

RESOLUÇÃO:

Na situação descrita no enunciado, a força resultante (F
ρ
) que age na
partícula é o seu peso, de módulo constante e dirigido para baixo. Como é
sabido do estudo da cinemática, a direção do vetor velocidade ( V
ρ
), em
qualquer instante, é tangente à trajetória. Assim, diante das opções
apresentadas, somente a alternativa (d) satisfaz estes requisitos.

a) b)
c)
d)
e)
PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 25

04. Colocando-se um objeto em frente a uma lente de distância focal f,
observa-se que a imagem formada deste objeto é invertida e sua altura é
menor que a do objeto. É CORRETO afirmar que:

a) o objeto deve estar situado a uma distância da lente maior que 2f.
b) a imagem formada é virtual.
c) a lente é divergente.
d) o objeto deve estar situado entre o foco e a lente.
e) em relação à lente, a imagem formada encontra-se no mesmo lado do
objeto.

CONTEÚDO:

MOVIMENTO ONDULATÓRIO E ÓPTICA – Óptica geométrica.

RESPOSTA: Letra (a).

RESOLUÇÃO:

A óptica geométrica estabelece que toda imagem invertida é real. Assim,
a alternativa (b) está incorreta. Se a imagem é real, necessariamente a
lente é convergente. Assim, a alternativa (c) está incorreta. Por ser a
imagem real esta encontra-se do lado oposto ao objeto, em relação à
lente. Assim, a alternativa (e) está incorreta.
Seja h
i
, h
o
, i e o, respectivamente, a altura da imagem, a altura do objeto,
o módulo da distância do objeto à lente e o módulo da distância da
imagem à lente. A óptica geométrica estabelece que a ampliação de uma
imagem (m) é dada por m = h
i
/h
o
= i /o . Como na questão
h
i
< h
o
⇒ i < o (1)
A distância focal da lente (f), está relacionada a i e o pela equação
1/f = 1/o + 1/i ⇒ i = (f.o)/(o – f) (2).
Levando a equação (2) na inequação (1) e lembrando que para uma
imagem real (o – f) > 0, encontramos que o > 2f, ou seja, o objeto deve
estar situado a uma distância da lente maior que 2f.




26 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

05. Uma partícula presa a uma mola executa um movimento harmônico
simples. É CORRETO afirmar que o módulo da velocidade da partícula é:

a) mínimo quando a elongação é mínima.
b) máximo quando ela apresenta a aceleração máxima.
c) mínimo quando ela apresenta a aceleração máxima.
d) máximo quando a elongação é máxima.
e) mantido constante.

CONTEÚDO:

MOVIMENTO ONDULATÓRIO E ÓPTICA – Movimento harmônico simples.
MECÂNICA – Conservação e dissipação da energia mecânica.

RESPOSTA: Letra (c).

RESOLUÇÃO:

Uma partícula de massa m presa a uma mola de constante elástica K
executa um movimento harmônico simples (MHS). O módulo da força
elástica é igual a Kx, onde x é a elongação da mola. Conseqüentemente,
a aceleração da partícula é proporcional a x. A energia mecânica (E) do
sistema massa-mola se conserva. Assim,
E = Energia cinética (E
c
) + Energia potencial (E
p
) = constante
ou
te tan cons
2
Kx
2
mv
E E E
2 2
p c
= + = + = .

Em vista da equação acima, podemos afirmar que: quando a velocidade
(v) aumenta, a elongação (x) diminui e, por consegüinte, a força elástica e
a aceleração. Portanto, quando a velocidade for máxima, a elongação e a
aceleração serão mínimas. Por outro lado, quando a velocidade for
mínima, a elongação e a aceleração serão máximas, conforme
mencionado na alternativa “c”.



PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 27

06. Um sistema hidráulico, constituído por dois vasos cilíndricos,
comunicantes, de diâmetros D
1
e D
2
, sendo D
1
>D
2
, é representado na
figura abaixo.








Sendo g a aceleração da gravidade, a massa que ficará em repouso
sobre o pistom de diâmetro D
1
, quando aplicamos uma força de módulo F
ao pistom de diâmetro D
2
, é:

a)
2
1
2
D
D
g
F









b)
2
2
1
D
D
g
F









c)








2
1
D
D
g
F

d)








1
2
D
D
g
F

e)
3
1
2








D
D
g
F


CONTEÚDO:

MECÂNICA – Hidrostática: leis de Stevin, princípios de Pascal e Arquimedes.

RESPOSTA: Letra (b).

F
ρ

D
1 D
2
28 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

RESOLUÇÃO:

Antes de se aplicar a força F, o sistema se encontra em equilíbrio.
Quando essa força é aplicada ao pistom da direita, a pressão ali aumenta
de
2
2
2
D
ð
F
P






= , onde
2
2
2
D
ð








é a área do pistom da direita.
Pelo princípio de Pascal, este aumento de pressão ocorre em todos os
pontos do fluido. Assim, surge no pistom da esquerda uma força extra
apontando verticalmente para cima, cujo módulo é dado por
2














= =
2
D
1
D
F
2
2
1
D

1
F
A massa M que deve ser colocada sobre o pistom da esquerda para que o
sistema fique em equilíbrio deve ter o peso igual a F
1
. Ou seja
2
















= ⇒ = =
2
D
1
D
g
F
M
2
2
D
1
D
F Mg
1
F
Assim a alternativa b é a resposta da questão.


PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 29

07. Um corpo com densidade de 5,0 g/cm
3
está totalmente imerso em um
líquido com densidade de 2,0 g/cm
3
. Desprezando o atrito com o líquido e
sendo g a aceleração da gravidade, é CORRETO afirmar que o corpo, ao
ser abandonado dentro do líquido, afundará com uma aceleração igual a:

a) g
b) 3g/5
c) 4g/5
d) 7g/5
e) 2g/5

CONTEÚDO:

MECÂNICA – Leis de Newton. Hidrostática: leis de Stevin, princípios de
Pascal e Arquimedes.

RESPOSTA: Letra (b).

RESOLUÇÃO:

Com o corpo completamente imerso no líquido, atuam sobre ele o seu
peso e, em sentido oposto, o empuxo. Essas forças são ilustradas na
figura abaixo. De acordo com o princípio de Arquimedes, o módulo do
empuxo é dado por
c liq
gV ñ E = , onde ρ
liq
e V
c
são, respectivamente, a
densidade do líquido e o volume do corpo. A massa do corpo é dada por
c
V
c
ñ m = , onde ρ
c
é a densidade do corpo. Assim o módulo do peso
pode ser expresso como g
c
V
c
ñ mg P = = .
A resultante dessas forças aponta para baixo, sendo o seu módulo (F) e o
módulo do aceleração do corpo (a) dados por
( ) g
c
ñ
liq
ñ
c
ñ
c
V
c
ñ
F
m
F
a g
c
V
liq
ñ
c
ñ E P F

= = = ⇒ − = − =
Utilizando-se os valores dados na questão para as densidades do fluido e
do corpo, obtém-se g
5
3
a = , que corresponde à alternativa b.
E
ρ

P
ρ

30 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

08. Um corpo de massa M (circulo preto), suspenso por um fio inextensível e
de massa desprezível, está ligado a um dinamômetro através de uma
roldana conforme ilustrado na figura (I) abaixo.

Se o corpo é posto a girar com uma freqüência angular constante,
conforme ilustrado na figura (II) acima, e desprezando qualquer tipo de
atrito, é CORRETO afirmar que, comparada com a situação (I), o valor da
leitura do dinamômetro:

a) será maior.
b) será menor.
c) não se altera.
d) será nulo.
e) oscilará na freqüência de giro do corpo.

CONTEÚDO:

MECÂNICA – Equilíbrio de uma partícula. Leis de Newton.

RESPOSTA: Letra (a).

RESOLUÇÃO:

Conforme se ilustra nas figuras abaixo, as forças atuantes sobre o corpo
são o seu peso ( P
ρ
), que aponta verticalmente para baixo, e a tensão ( T
ρ
),
que puxa o corpo para cima, ao longo da direção do fio. Nas situações
representadas nas figuras, a leitura do dinamômetro é igual à tensão no
fio. Na situação I, o corpo está em repouso (aceleração nula), logo a
resultante das forças que atuam sobre ele é nula (P = T). Assim a tensão
no fio deve ser, em módulo, igual ao peso. Já na situação II, o corpo está
em movimento circular uniforme, de onde conclui-se que age sobre ele
uma força (força centrípeta) que aponta para o centro da trajetória circular.
DINAMÔMETRO


DINAMÔMETRO



. .
( I ) ( II )
PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 31

Como o peso tem componente horizontal nula, a força centrípeta só pode
ser a componente horizontal da tensão, representada na figura por T
H
. Na
situação II, o corpo não se move na vertical (aceleração vertical nula)
sendo, portanto, nula a componente vertical da força resultante. Ou seja, a
componente vertical da tensão tem o mesmo módulo do peso. Em suma,
na situação II, a tensão no fio tem a mesma componente vertical que na
situação I, mas, em contraste, tem uma componente horizontal não nula.
Isso implica que a tensão no fio, que é a grandeza medida pelo
dinamômetro, é maior na situação II. Portanto, é correta a alternativa a.















09. Encontra-se sobre uma superfície horizontal sem atrito um corpo de
massa 2M, inicialmente em repouso. Este é então atingido por um outro
corpo de massa M que se move na mesma superfície. Se, após o choque,
os dois corpos passam a se mover juntos, é CORRETO afirmar que a
velocidade do corpo de massa M, após o choque, é:

a) reduzida para 1/3 da sua velocidade inicial.
b) aumentada para 4/3 da sua velocidade inicial.
c) aumentada para 3/2 da sua velocidade inicial.
d) reduzida para 2/3 da sua velocidade inicial.
e) mantida inalterada.

CONTEÚDO:

MECÂNICA – Impulso e quantidade de movimento.

RESPOSTA: Letra (a).

DINAMÔMETRO


DINAMÔMETRO


. .
( I ) ( II )
T
ρ

P
ρ

v
T
ρ

P
ρ

H
T
ρ

32 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

RESOLUÇÃO:

Consideremos o sistema constituído pelas duas partículas, antes e depois
da colisão, como representado na figura abaixo.

V
ini cial
V
fi nal
M M 2M 2M
Antes Depois


Como a força externa total atuando no sistema é nula, o momento linear
do sistema é conservado, isto é, o momento antes e depois da colisão é o
mesmo.
Ou seja
3
inicial
V
final
V
final
2MV
final
MV
inicial
MV = ⇒ + =
Assim a alternativa correta é a da letra a.


10. Duas cargas, de sinais opostos e de mesmo módulo, estão dispostas
próximas uma da outra, conforme representado na figura abaixo.











O par de vetores que representa o campo elétrico resultante nos pontos 1 e
2 é:

a) b) c) d) e)





.1 .1 1. 1.
.2 .2 .2 2. 2.
.1
.2


.1
d
d
PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 33

CONTEÚDO:

ELETRICIDADE – Lei de Coulomb. Campo elétrico e linhas de força.

RESPOSTA: Letra (b).

RESOLUÇÃO:

De acordo com a lei de Coulomb, o campo elétrico produzido por uma
carga puntual e estática num dado ponto tem o módulo proporcional ao
módulo da carga e inversamente proporcional ao quadrado da distância
entre a carga e o ponto. Ademais, a direção desse campo é a direção da
reta que liga a carga ao ponto considerado. O sentido deste campo é da
carga para o ponto, no caso de uma carga positiva, e no sentido, oposto
se a carga for negativa. Na figura a seguir, ilustram-se os campos
+
E
ρ
e

E
ρ
produzidos, respectivamente, pelas cargas positiva e negativa, nos
pontos 1 e 2. Pelo princípio da superposição, sabe-se que o campo
elétrico resultante, em cada ponto, é a soma vetorial dos campos
produzidos no ponto por cada carga. A figura mostra também o campo
elétrico resultante E
ρ
nos pontos 1 e 2. Como se vê, o campo resultante
em cada ponto deve apontar para a esquerda, tendo um módulo maior no
caso do ponto 1. A opção correta é, portanto, a da letra b.















.1
.2
d
d
-
E
ρ

-
E
ρ

+
E
ρ

+
E
ρ

E
ρ

E
ρ

34 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

11. Uma potência de 2.000 watts é usada, durante 1,0 min, para elevar a
temperatura, de 10
o
C para 60
o
C, de um sólido de massa 0,50 kg.
Considerando que não há mudança de fase durante a elevação da
temperatura, o calor específico deste sólido, em unidade de J/(kg
o
C), é:

a) 1,2x10
3
b) 0,8x10
3
c) 5,6x10
3
d) 3,4x10
3
e) 4,8x10
3

CONTEÚDO:

CALOR E TEMPERATURA – O calor como forma de energia; calor específico.

RESPOSTA: Letra (e).

RESOLUÇÃO:

Sendo a potência P = 2.000 W usada para aquecer o sólido, durante um
intervalo de tempo ∆t =1,0 mim (60 s), a quantidade de calor Q gerada foi de:

Q = P∆t = ( 2.000 W) (60 s) = 1,2 x10
5
J.

Essa é a quantidade de calor Q absorvida pelo sólido de massa m = 0,50 kg,
que sofre um aumento de temperatura de 50
o
C (∆T = T – T
o
= (60

– 10)
o
C).
O calor específico c está relacionado a Q, a ∆T e a m, através da equação,
Q = mc∆T. Assim sendo, o calor específico é então:
( )
C)
o
J/(kg
3
4,8x10
C)
o
(50 0,50kg
J
5
1,2x10
T m
Q
c = =

=

e a resposta correta é a letra (e).

PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 35

12. Três processos termodinâmicos ocorrendo num sistema constituído por um
gás ideal são representados no diagrama pressão (P) versus volume (V)
abaixo.










Os processos são: 1→2 isobárico, 1→3 isotérmico e 1→4 adiabático. O
sistema realiza trabalho, em cada um dos processos. É CORRETO afirmar
que:

a) no processo adiabático, a energia interna do sistema aumentou.
b) no processo isotérmico, o trabalho realizado é maior que no processo
isobárico.
c) no processo isobárico não há troca de calor com o sistema.
d) no processo isotérmico há troca de calor com o sistema.
e) para realizar trabalho é necessário haver troca de calor com o sistema.

CONTEÚDO:

CALOR E TEMPERATURA – Transformações de um gás ideal. Energia interna
e primeira lei da termodinâmica.

RESPOSTA: Letra (d).

RESOLUÇÃO:

Em um processo termodinâmico, a quantidade de calor (Q), o trabalho (W)
e a variação da energia interna do sistema (∆E) estão relacionadas entre
si pela primeira lei da termodinâmica, expressa pela equação Q= W+ ∆E.
A grandeza Q exprime a quantidade de calor que flui entre o sistema e o
meio ambiente. A grandeza W quantifica o trabalho realizado pelo sistema
ou sobre o sistema, enquanto ∆E expressa a variação da energia interna
do sistema, resultante da troca de calor e da realização de trabalho.
Em um processo adiabático, não há transferência de calor entre o sistema
e o ambiente que o cerca. Assim sendo, neste processo, o trabalho é
1
4
3
2
P
V
P
i
V
i
V
F

36 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

realizado às custas de uma redução da energia interna do sistema.
Portanto, as alternativas (a) e (e) estão incorretas.
Como o trabalho realizado pelo sistema corresponde numericamente a
área sob as curvas do diagrama PV, a inspeção da figura revela que o
trabalho realizado no processo isobárico é maior que aquele realizado no
processo isotérmico. Portanto a opção (b) está incorreta.
A alternativa (c) também está incorreta pois, por definição, não há troca de
calor somente no processo adiabático.
Em um processo isotérmico que ocorre em um gás ideal, a energia interna
permanece constante, logo para que o sistema realize trabalho em um
processo isotérmico, é necessário que calor seja admitido. Portanto, a
alternativa (d) é correta.





PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 37

13. Um circuito com três resistores é representado na figura abaixo.

A resistência medida entre os pontos A e B é:

a) 5,0 Ω
b) 1,2 Ω
c) 1,8 Ω
d) 2,2 Ω
e) 6,0 Ω

CONTEÚDO:

ELETRICIDADE – Corrente e resistência elétrica.

RESPOSTA: Letra (b).

RESOLUÇÃO:

O fio que conecta os pontos C e B do circuito, indicado no desenho
abaixo, coloca o resistor de 1,0 Ω em curto-circuito. Assim sendo, o
circuito é efetivamente constituído pelos resistores de 2,0 Ω e de 3,0 Ω
dispostos em paralelo, cuja resistência equivalente R é dada por:
Ù 1,2 R
Ù 3,0
1
Ù 2,0
1
R
1
= ⇒ + = .









Portanto, a alternativa correta é a letra (b).
3,0 Ω
2,0 Ω
1,0 Ω
A
B
3,0 Ω
2,0 Ω
1,0 Ω
A
B
C
38 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

14. Duas partículas descrevem movimentos harmônicos simples
representados nos gráficos (I) e (II) abaixo.








(I) (II)

É CORRETO afirmar que os dois movimentos têm:

a) mesma freqüência, amplitudes iguais e mesma fase.
b) mesma freqüência, amplitudes iguais e fases diferentes.
c) mesma freqüência, amplitudes diferentes e mesma fase.
d) freqüências diferentes, amplitudes iguais e fases diferentes.
e) freqüências diferentes, amplitudes iguais e mesma fase.

CONTEÚDO:

MOVIMENTO ONDULATÓRIO E ÓTICA – Movimento harmônico simples.

RESPOSTA: Letra (d).

RESOLUÇÃO:

Em um movimento harmônico simples, a equação que descreve a posição
x em função do tempo é x = Asen(2π f t + θ), onde A é a amplitude do
movimento, f é a freqüência do movimento, t é o instante de tempo no
qual a partícula se encontra na posição x, e θ é o ângulo de fase.
Das figuras I e II, verifica-se que a partícula I descreve um ciclo completo
em um intervalo de tempo de 5 s, enquanto a partícula II o faz em um
intervalo de tempo de 10 s. Portanto, o número de ciclos que as partículas
descrevem na unidade de tempo, ou seja, a freqüência do movimento é
diferente para cada uma das partículas. Verifica-se também que as
amplitudes dos movimentos têm o mesmo valor, igual a 4 cm. Quanto à
fase, a observação dos gráficos revela que, no instante inicial, a partícula I
descreve um movimento com ângulo de fase nulo enquanto a partícula II
descreve um movimento com um ângulo de fase igual a π. Portanto, a
alternativa correta é a (d).
x (cm)
t (s)
+4
-4
10 5
x (cm)
+4
-4
5 10
t (s)
PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 39

15. Uma bateria de força eletromotriz ε está ligada a uma espira retangular de
largura L e resistência R. A espira está penetrando, com uma velocidade
de módulo V, em uma região onde há um campo magnético uniforme de
módulo B, orientado perpendicularmente ao plano da espira e entrando
nesta página, conforme representado na figura abaixo.













É CORRETO afirmar que a corrente elétrica na espira é:

a) sempre nula.
b) igual a
R
ε
.
c) igual a
R
BLV − ε
.
d) igual a
R
BLV + ε
.
e) igual a
R
BLV
.

CONTEÚDO:

ELETRICIDADE – Força eletromotriz e circuitos. ELETROMAGNETISMO – Indu-
ção eletromagnética e força eletromotriz induzida.

RESPOSTA: Letra (c).

RESOLUÇÃO:

A corrente na espira é mantida pela força-eletromotriz da bateria, ε, e pela
força-eletromotriz induzida, ε*, resultante de um fluxo magnético variável,
L ε
B
ρ

ρ ρ ρ ρ ρ ρ
ρ
ρ
ρ
ρ
ρ
ρ ρ ρ ρ ρ ρ
ρ ρ ρ ρ ρ ρ
ρ ρ ρ ρ ρ ρ
ρ ρ ρ ρ ρ ρ
ρ ρ ρ ρ ρ ρ
v
ρ

R
40 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

Φ. Visto que a espira está penetrando em uma região onde há um campo
magnético uniforme, B, a área A da espira permeada pelo campo cresce
no tempo e é expressa por A = L V t . Assim sendo, o fluxo magnético Φ =
B A também varia com o tempo, ou seja, cresce linearmente com o
tempo, Φ = (B LV) t . Portanto, a taxa com que o fluxo cresce, e que,
segundo a lei de Faraday é igual a força eletromotriz induzida, é ε* = B
LV.
A corrente resultante no circuito, devida à ação da bateria e da força
eletromotriz induzida, é determinada pela polaridade e valores de ε e ε*
bem como pelo valor da resistência da espira, R. A bateria, cuja
polaridade está representada no desenho, tenta estabelecer uma corrente
no sentido horário, de valor ε/R. A polaridade da força eletromotriz
induzida é determinada pela lei de Lenz, ou seja, deverá tentar
estabelecer uma corrente no sentido anti-horário, cujo valor será ε*/R.
Assim sendo, a corrente resultante será igual a:
R
BLV − ε
.
Logo, a alternativa correta é a letra (c).


PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 41

2.2 – QUESTÕES DISCURSIVAS

01. Um gráfico da corrente em função da tensão aplicada a uma dada
lâmpada incandescente é apresentado na figura (I) abaixo.













O comportamento não linear do gráfico deve-se à variação da resistência
com a temperatura. Duas destas lâmpadas com as mesmas
características são usadas como parte do circuito esquematizado na
figura (II) acima. Determine:

a) o valor da diferença de potencial aplicada em cada uma das lâmpadas.

b) o valor da corrente que atravessa as duas lâmpadas.

c) a potência dissipada em uma das lâmpadas.

d) o valor da corrente que atravessa um dos resistores de 100Ω.

e) a potência dissipada em um dos resistores de 100Ω.

f) a potência fornecida pela bateria.

CONTEÚDO:

ELETRICIDADE – Força eletromotriz e circuitos.


(Volts)
(
A
m
p
e
r
e
s
)

200 100
1
0,5
50Ω
100Ω
100Ω
100V
50
0,8
(I) (II)
42 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

RESOLUÇÃO:

a) As duas lâmpadas iguais ligadas em série constituem um divisor de
tensão sujeito a uma diferença de potencial (ddp) de 100V, logo cada
uma delas está submetida a uma ddp de 50,0V.

b) O gráfico da figura (I) revela que quando uma das lâmpadas é
submetida a uma ddp de 50,0V, esta é percorrida por uma corrente de
0,5 A.

c) P = V.I, então P = (50,0 V).(0,5 A) = 25 x10
1
W

d) Como os dois resistores de 100 Ω estão ligados em paralelo, estes
equivalem a um resistor de 50 Ω, que, por sua vez está ligado ao
resistor de 50 Ω. Como o conjunto está submetido a uma ddp de 100 V,
cada um dos resistores de 100 Ω está sujeito a uma ddp de 50,0 V e,
segundo a Lei de Ohm, é percorrido por uma corrente de 0,50 A.

e) P = V.I = R.I
2
= V
2
/R , então P = (50,0 V).(0,50 A) = 25 W

f) Como cada um dos resistores de 100 Ω é percorrido por uma corrente
de 0,5 0 A, o resistor de 50Ω é percorrido por uma corrente de 1,0 A.
Logo, a bateria é percorrida por uma corrente de 2 A, que é a soma das
correntes que percorrem o ramo do circuito que contém as lâmpadas
(0,5 A) e o ramo do circuito que contém os resistores (1,0 A). Desde
que entre os terminais da bateria há uma ddp de 100V, a potência
fornecida é:
P = V.I = (100 V).(2 A) = 2 x10
2
W.

PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 43

02. Três blocos idênticos, A, B e C, cada um de massa M, deslocam-se sobre
uma superfície plana com uma velocidade de módulo V constante. Os
blocos estão interligados pelas cordas 1 e 2 e são arrastados por um
homem, conforme esquematizado na figura abaixo.
O coeficiente de atrito cinético entre os blocos e a superfície é µ e a
aceleração da gravidade local é g. Calcule o que se pede em termos dos
parâmetros fornecidos:

a) a aceleração do bloco B.

b) a força de tensão T na corda 2.

c) o trabalho da força resultante no bloco C.

d) a potência fornecida pelo homem.

e) o trabalho da força de atrito sobre o bloco A quando este sofre um
deslocamento L.

CONTEÚDO:

MECÂNICA – Leis de Newton. Trabalho, potência e energia.

RESOLUÇÃO:

a) Como o bloco move-se com velocidade constante a aceleração é nula.




A B C
1 2
44 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

b) a força de tensão T na corda 2.










T
1
= F
at
, T
1
= T
1
*
, T
2
= T
1
+ F
at
, logo
T
2
= F
at
+ F
at
= 2 F
at,

Mas como F
at
= µN e N = P = Mg,
T
2
= 2µMg

c) Como a aceleração é nula, a força resultante no bloco C também é nula
e, conseqüentemente, o trabalho da resultante é nulo.

d) Para manter a velocidade constante o homem precisa aplicar uma força

T
3
= T
2
*
+ F
at
, mas T
2
*
= T
2
= 2µMg, portanto,
T
3
= 3µMg
P = T
3
V = 3µMgV

e) W = FLcos(180
o
) = -µMgL

A
T
1
N

P

B
T
2
N

P

T
1
*
F
at
F
at
C
T
3
N

P

T
2
*
F
at
PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 45

03. Uma etapa de um processo industrial consiste em ferver um dado volume
de água, inicialmente à 20
o
C, até a sua completa evaporação.
Desprezando perdas de calor para o ambiente e considerando as
propriedades da água constantes da tabela abaixo, faça o que se pede:

Calor específico
[J / (kg º C)]
Calor de
vaporização (J / kg)
Densidade
(kg / m
3
)
Ponto de
ebulição (º C)
4,2x10
3
2,3x10
6
1,0x10
3
100

a) Qual é a energia necessária para evaporar 10 litros de água neste
processo?

b) Se o processo for realizado usando um aquecedor elétrico de 100 kW
de potência, quanto tempo se gasta para que 10 litros de água
alcancem o ponto de ebulição?

c) Após a água ter alcançado a ebulição e ainda usando um aquecedor
elétrico de 100 kW de potência, quanto tempo se gasta para evaporar
10 litros de água?

d) Usando os resultados obtidos nos itens (b) e (c), construa o gráfico de
temperatura ( T) versus tempo ( t ) para os processos descritos acima.

CONTEÚDO:

CALOR E TEMPERATURA – O calor como forma de energia; calor específico.

RESOLUÇÃO:

a) A massa de água (m) correspondente a um volume de 10 litros é
m = densidade x volume = (1,0 x10
3
kg / m
3
) x (10 x 10
-2
m
3
) = 10 kg
A quantidade de calor (Q
1
) necessária para alcançar a ebulição é:
Q
1
= mc(T
f
- T
i
) = (10 Kg).(4,2 x 10
3
J / kg
o
C).[(100 - 20)
o
C] = 3,4 x 10
6
J
A quantidade de calor (Q
2
) necessária para evaporar 10 litros de água a
100
o
C é:
Q
2
= mL = (10 Kg).(2,3 x 10
6
J / kg) = 2,3 x 10
7
J
Portanto, a energia (Q) necessária para evaporar a água no processo é:
Q = Q
1
+ Q
2
= 3,4 x 10
6
J + 2,3 x 10
7
J = 2,6 x 10
7
J

b) Lembrando que a potência (P) é a razão entre a quantidade de calor
transferida para a água, até que esta alcance a ebulição (Q
1
) e o
intervalo de tempo gasto para realizar esta transferência (∆t
1
), temos
que:
∆t
1
= Q
1
/ P = (3,4 x 10
6
J) / (100 kW) = 34 s
46 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

c) Neste caso, se a potência (P) é a razão entre a quantidade de calor
transferida para a água (Q
2
), até que esta se evapore completamente, e
o intervalo de tempo gasto para realizar esta transferência (∆t
2
), tem-se,
então, que:
∆t
2
= Q
2
/ P = (2,3 x 10
7
J) / (100 kW) = 2,3 x 10
2
s

d) Usando os resultados obtidos nos itens (b) e (c), construa o gráfico de
temperatura ( T) versus tempo ( t ) para os processos descritos acima.











T(
o
C)
t(s)
20
100
34 2,6 x 10
2

PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 47

04. Um enfeite de Natal é constituído por cinco pequenas lâmpadas iguais e
monocromáticas, ligadas em série através de um fio esticado de
comprimento 5L. Uma das pontas do fio está presa no centro de um disco
de madeira, de raio R, que flutua na água de uma piscina. A outra ponta
do fio está presa no fundo da piscina, juntamente com uma das lâmpadas,
conforme representado na figura abaixo.
Durante a noite, quando as lâmpadas são acesas, um observador fora da
piscina vê o brilho de apenas três das cinco lâmpadas. Sabendo que o
índice de refração da água e o do ar são, respectivamente, n
H
e n
ar
,
pergunta-se:

a) Qual é o fenômeno que impede a visualização das lâmpadas?
Responda no espaço abaixo.

b) Qual par de lâmpadas não é visível? Responda no espaço abaixo.

c) Qual é a relação entre R, L, n
H
e n
ar
para que duas das lâmpadas não
sejam visíveis?

CONTEÚDO:

MOVIMENTO ONDULATÓRIO E ÓTICA – Ótica geométrica. Reflexão, refração.

RESOLUÇÃO:

a) REFLEXÃO TOTAL DA LUZ

b) Lâmpadas 1 e 2 .

água
5L
L
2R
2
1
3
4
5
48 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

c) Qual é a relação entre R, L, n
H
e n
ar
para que duas das lâmpadas não
sejam visíveis?

ar H
n senè n =
2 2
R 4L
R
senè
+
=
ar
2 2
H
n
R 4L
R
n =
+






05. Um arranjo experimental para estudo de mecânica é constituído por dois
planos inclinados, separados por um plano horizontal, conforme
representado na figura abaixo.
Uma partícula de massa M é abandonada em repouso no topo do plano
inclinado da esquerda. Os coeficientes de atrito estático e cinético, entre a
partícula e os planos inclinados, valem, respectivamente, h/b e h/(2b) e o
atrito no plano horizontal é desprezível. Utilizando-se os dados fornecidos
e a aceleração da gravidade local (g), faça o que se pede:

a) Demonstre que a partícula vai descer o plano inclinado da esquerda.

b) Determine o valor da energia cinética da partícula quando ela alcança o
plano horizontal.

c) Determine a distância percorrida pela partícula no plano inclinado da
direita.
2h
h
b 2b
água
L
2R
θ
PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV 49

CONTEÚDO:

MECÂNICA – Leis de Newton. Trabalho, potência e energia. Conservação e
dissipação da energia mecânica.

RESOLUÇÃO:

a) A partícula vai se mover se a componente x da força peso (P) for maior
que a força de atrito (F
at
).

Mg senθ > (h/b) N, mas N = Mg cosθ, logo
Mg senθ > (h/b) Mg cosθ, então tgθ >h/b

A geometria do plano da esquerda mostra que
tgθ = 2h/b, então a relação tgθ >h/b é satisfeita e
a partícula vai descer o plano inclinado.

b) Lembrando que o "trabalho da resultante é igual à variação da energia
cinética da partícula" e que a partícula foi abandonada no topo do plano
inclinado, ou seja, tem energia cinética inicial nula, podemos escrever
que a energia cinética da partícula no plano horizontal (K) é:

( ) [ ]
2
4h
2
b cosè Mg
2b
h
senè Mg K + − ·
( ) ( ) [ ] Mg
2
3h
b
2b
h
2h Mg
2
4h
2
b
2
4h
2
b
b
Mg
2b
h
2
4h
2
b
2h
Mg K · − · +
]
]
]
]

,
`

.
|
+

,
`

.
|
+
·

P
N F
at
θ
x
y
50 PROCESSO SELETIVO/2004 − UFV

c) Determine a distância percorrida pela partícula no plano inclinado da
direita.










( ) [ ]L â cos Mg
2b
h
â sen Mg Mg
2
3h
0 + − = −
( ) [ ] ( ) L
2
h
2
4b
2b
2b
h
2
h
2
4b
h
Mg L cosâ
2b
h
senâ Mg Mg
2
3h










+
+
+
= + =
( ) L
2
h
2
4b
2h
L
2
h
2
4b
2b
2b
h
2
h
2
4b
h
2
3h










+
=










+
+
+
=
4
2
h
2
4b 3
L
+
=


P
N
F
at
β
x
y
L