P. 1
CURSO LICITACOES

CURSO LICITACOES

|Views: 88|Likes:
Published by AVPMULTIMEDIA

More info:

Published by: AVPMULTIMEDIA on Jan 01, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/25/2015

pdf

text

original

Sections

  • CURSO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOSi
  • LICITAÇÃO
  • - conceito
  • - tratamento constitucional
  • - Lei 8.666/93
  • - Outras leis
  • - Princípios e objetivos da licitação
  • - Modalidades de licitação
  • -concorrência
  • - tomada de preços
  • - convite
  • - concurso
  • - leilão
  • - procedimentos, prazos e publicidade obrigatória
  • - fase externa:
  • - Convocação (Edital ou carta-convite)
  • - Entrega de documentação e propostas;
  • - Habilitação;
  • - Abertura das Propostas;
  • - Julgamento;
  • - Homologação e Adjudicação;
  • - dispensa e inexigibilidade;
  • - Habilitação e Registro Cadastral
  • - Recursos Administrativos e Vias Judiciais
  • - Garantias e Penalidades
  • - Direitos dos Licitantes
  • - Tipos de licitação
  • - revogação e anulação
  • - Comissão de licitação: competência e obrigatoriedade;
  • CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
  • - Características e regime jurídico
  • - Cláusulas exorbitantes
  • PREGÃO
  • - abrangência e base legal
  • - princípios
  • - procedimento próprio
  • PREGÃO ELETRÔNICO
  • - origem
  • - legislação
  • - abrangência
  • - Provedor do sistema eletrônico
  • - Segurança
  • - utilização de chave de identificação/senha
  • - responsabilidade do licitante
  • - acompanhamento do sistema
  • - da convocação à classificação
  • - Habilitação
  • - recurso
  • - homologação e adjudicação do objeto e celebração do contrato ou
  • - Punições

http://ipgmrs.blogspot.

com
1

CURSO DE LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
i




LICITAÇÃO


- conceito

É o procedimento administrativo através do qual entidade da Administração Pública
seleciona, com obediência aos princípios e regras de direito público pertinentes, e dando igual
oportunidade a todos os interessados, a proposta mais vantajosa em contrato em que haja
competitividade, a ser por ela firmado, no interesse público.
Este conceito de licitação leva em consideração alguns pressupostos decorrentes de
sua condição jurídica, quais sejam:
- É um procedimento administrativo. É um rito administrativo, composto de diversas
fases interdependentes entre si, que se consolidam em face do objetivo final do certame, que é a
escolha do contratado pela entidade administrativa. Trata-se de um rito-condição, pois é condição
obrigatória, sob pena de nulidade, salvo nos casos de dispensa ou inexigibilidade, para a contratação
que o ente público venha a realizar.
- A licitação é estabelecida dentro de um regime de direito público. Por essa razão,
submete-se a princípios e regras de direito público que exorbitam do direito comum, trazendo
restrições e limites aos agentes e autoridades administrativas, bem como dando prerrogativas
diferenciadas das contratações de particulares.
- Os principais objetivos do certame licitatório são exatamente a obediência aos
ditames de direito público, a mais ampla possibilidade de participação, em igualdade de condições,
bem como busca da proposta mais vantajosa possível à Administração quando da contratação.
- A licitação só ocorre em relação a contratos em que haja competitividade, pois
pressupõe que haja o que selecionar. Assim, se o Poder Público viabiliza a todos a realização de
determinado objeto (por exemplo, o credenciamento de todos os médicos que se interessarem, que
satisfaçam as condições para credenciamento em suas especialidades, com compromissode
atendimentos aos instrumentos normativos, junto ao Sistema Único de Saúde), ou não há
competitividade possível, não há que se falar em licitação.

- tratamento constitucional

No nosso sistema jurídico constitucional, foi previsto à União a competência para o
estabelecimento de normas gerais de licitação, ficando os entes federados (União, Estados, Distrito
Federal e Municípios) com a competência para o estabelecimento de normas especiais para as suas
licitações e contratos, conforme se vê no art.22, XXVII, CF.
Art. 22. Compete privativamente à União legislar sobre:

XXVII - normas gerais de licitação e contratação, em todas as modalidades, para as
administrações públicas diretas, autárquicas e fundacionais da União, Estados, Distrito
Federal e Municípios, obedecido o disposto no art. 37, XXI, e para as empresas
públicas e sociedades de economia mista, nos termos do art. 173, § 1°, III; (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)



http://ipgmrs.blogspot.com
2

A competência da União é, em face deste dispositivo, bastante ampla,uma vez que se
dá para todos os procedimentos e em face de todos os contratos firmados pelo Poder Público. Quando
a norma constitucional usa a expressão “em todas as modalidades” não o faz no sentido estrito que a
legislação infraconstitucional traz. Marçal Justen Filho adverte que a norma constitucional não pode
ser interpretada à luz da norma infraconstitucional que lhe é consequente, mas esta é que deve ser
interpretada de acordo com aquela.
Desde a Emenda da Reforma Administrativa (EC 19/98), houve uma cisão no
tratamento a ser dado às licitações dos entes administrativos. Até aquela Emenda, previa a
Constituição Federal, no art. 22, XXVII, um tratamento unificado da legislação para todos os entes da
administração direta e indireta. Com a Reforma, passou-se a estabelecer um comando normativo para
os entes da Administração Direta e os da Indireta com personalidade jurídica de direito público
(autarquias e fundações públicas) de um lado, e, de outro, os entes com personalidade jurídica de
direito privado (empresas públicas e sociedades de economia mista), com regramento a ser
estabelecido na lei que disporá sobre o estatuto jurídico daquelas entidades de direito privado, levando
em consideração as suas condições intrínsecas, nos termos do art. 173, par. 1º, III, da Constituição,
dispositivo também adequado às finalidades da Emenda Reformadora. Cabe referir, no entanto, que
ainda não foi realizada a lei mencionada no par 1º do art. 173 da Carta Constitucional, de forma que,
até que venha a ser sancionada e publicada aquela lei – se vier a ser – ainda estarão as empresas
públicas e sociedades de economia mista sujeitas às mesmas regras gerais das entidades da
Administração Pública.
A exigência de licitação está prevista no art. 37, XXI, da Constituição Federal, nos
seguintes termos:
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União,
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de
legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao
seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
XXI - ressalvados os casos especificados na legislação, as obras, serviços, compras e
alienações serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure
igualdade de condições a todos os concorrentes, com cláusulas que estabeleçam
obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta, nos termos da
lei, o qual somente permitirá as exigências de qualificação técnica e econômica
indispensáveis à garantia do cumprimento das obrigações.

Tal dispositivo inicia admitindo exceções ao procedimento licitatório, que devem estar
expressamente previstas em lei,tais quais as hipóteses de dispensa e inexigibilidade previstas na
legislação ordinária.
Uma leitura desavisada daquele dispositivo poderia levar ao equivocado entendimento
no sentido de que a licitação somente seria exigida para obras, serviços, compras e alienações. Este
entendimento dissente, no entanto, da exigência de licitação para concessões e permissões de serviço
público prevista no art. 175 da Constituição Federal, que utiliza a expressão “sempre através de
licitação” quando se refere àqueles objetos. Ademais, da leitura do art. 22, XXVII, antes transcrito, se
verifica que, na competência da União para a edição de normas gerais de licitação e contratação está a
competência ampla para todos os contratos,como antes se fez referência. No exercício dessa
competência, pela Lei 8.666/93, a União deu uma extensão maior a tal exigência, quando nos art. 1º
e 2º incluiu as locações e quando no art. 116 trouxe a regra de aplicabilidade da Lei para todo
convênio, contrato, acordo, ajuste ou outros instrumentos congêneres, evidentemente quando
presente a competitividade que justifica a instauração do procedimento. Até mesmo para doações,



http://ipgmrs.blogspot.com
3

quando feitas com encargos, se exige licitação, inclusive por regra expressa do par. 4º do art. 17
daquela Lei.
Outra consideração a respeito do dispositivo decorre da afirmação de que no seu
âmbito “ somente se permitirá as exigências de qualificação técnica e econômica indispensáveis à
garantia do cumprimento das obrigações”. Muitos sustentaram equivocadamente que, a partir da
Constituição de 1988, não seria mais possível que a legislação trouxesse exigências de regularidade
fiscal, já que a Constituição não a referia no inciso Xxi do art. 37. Esse entendimento não encontra
respaldo jurisprudencial. Além disso, é de se chamar a atenção para o fato de que o sentido da norma
constitucional em referência é proteger a mais ampla competitividade, impedindo exigências de
qualificação técnica e econômica exageradas que retirem o caráter competitivo o certame, não
impedindo que a legislação traga outros requisitos de qualificação. Ademais, no que se refere à
exigência de regularidade perante a seguridade social, que é um dos requisitos fiscais, a própria
Constituição a impõe, quando proíbe a contratação de pessoa jurídica em débito com o sistema de
seguridade social (art. 195, par. 3º, CF)
Art. 173. Ressalvados os casos previstos nesta Constituição, a exploração direta de
atividade econômica pelo Estado só será permitida quando necessária aos imperativos
da segurança nacional ou a relevante interesse coletivo, conforme definidos em lei.
§ 1º A lei estabelecerá o estatuto jurídico da empresa pública, da sociedade de
economia mista e de suas subsidiárias que explorem atividade econômica de produção
ou comercialização de bens ou de prestação de serviços, dispondo sobre: (Redação
dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
I - sua função social e formas de fiscalização pelo Estado e pela sociedade; (Incluído
pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998)
II - a sujeição ao regime jurídico próprio das empresas privadas, inclusive quanto aos
direitos e obrigações civis, comerciais, trabalhistas e tributários; (Incluído pela Emenda
Constitucional nº 19, de 1998)
III - licitação e contratação de obras, serviços, compras e alienações, observados os
princípios da administração pública; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 19, de
1998)
Art. 175. Incumbe ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob regime de
concessão ou permissão, sempre através de licitação, a prestação de serviços públicos.

- Lei 8.666/93

A Lei 8.666, de 21 de junho de 1993, trouxe uma nova disciplina jurídica às licitações e
contratos administrativos, até então regidos pelo Decreto-lei 2.300/86. Com ela, a consolidação de
princípios de direito público consentâneos com o ordenamento jurídico constitucional de 1988, já
afirmados pela jurisprudência e reclamados pela doutrina foram consolidados. O regime estabelecido
por esta lei trouxe também um grande temor por parte de agentes e autoridades públicas em face do
regime punitivo, inclusive com tipos penais próprios que integraram o texto da lei. Este temor fez com
que, no início da aplicação de seus comandos, muitos procedimentos tivessem sido abortados ou
nulificados por pequenas falhas, até que a jurisprudência viesse a diminuir o rigorismo formal,
conforme se verá ao se tratar do princípio do procedimento formal.



http://ipgmrs.blogspot.com
4

Sua abrangência, enquanto regra geral de licitação era dirigida a todos os
procedimentos e a todos os contratos de todos os entes da administração direta e indireta, bem como
de entes controlados direta ou indiretamente pelo Poder Público, além de fundos especiais, conforme
artigos 1º e 2º
Art. 1
o
Esta Lei estabelece normas gerais sobre licitações e contratos administrativos
pertinentes a obras, serviços, inclusive de publicidade, compras, alienações e locações
no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.
Parágrafo único. Subordinam-se ao regime desta Lei, além dos órgãos da
administração direta, os fundos especiais, as autarquias, as fundações públicas, as
empresas públicas, as sociedades de economia mista e demais entidades controladas
direta ou indiretamente pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios.
Art. 2
o
As obras, serviços, inclusive de publicidade, compras, alienações, concessões,
permissões e locações da Administração Pública, quando contratadas com terceiros,
serão necessariamente precedidas de licitação, ressalvadas as hipóteses previstas
nesta Lei.
Parágrafo único. Para os fins desta Lei, considera-se contrato todo e qualquer ajuste
entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, em que haja um
acordo de vontades para a formação de vínculo e a estipulação de obrigações
recíprocas, seja qual for a denominação utilizada.

Outros instrumentos normativos ingressaram no mundo jurídico dispondo sobre
aspectos especiais sobre licitações e contratos, fazendo com que deixasse de ser ela instrumento
único, como se verá a seguir.

- Outras leis

Diversas leis passaram a disciplinar alguns aspectos próprios de procedimentos
licitatórios, de tal forma que, naquilo que disciplinam especialmente os respectivos contratos,
derrogam a regra da Lei 8.666. Dentre eles destacam-se:
- Lei 8.987, de 13 de fevereiro de 1995, que dispõe sobre o regime de concessão e
permissão de serviço público;
- Lei 9.074, de 7 de julho de 1995, que estabeleceu normas para outorga e
prorrogações das concessões e permissões, além de trazer regras complementares à Lei 8.987/95;
- Lei 10520, de 17 de julho de 2002, que instituiu o pregão no âmbito dos entes
federados;
- Lei 11.079, de 30 de dezembro de 2004, que institui normas de licitação e
contratação de Parcerias Público-Privadas;
- Lei 11.107, de 6 de abril de 2005, que dispõe sobre normas gerais de contratação de
consórcios públicos e dá outras providências;
Lei Complementar 123, de 14 de dezembro de 2006, que instituiu o Estatuto Nacional
da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte.
Além dessas, diversas outras, dispondo sobre entidades , tais como Organizações
Sociais e Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público, sobre atividades, como regras próprias
para o setor de informática, sobre responsabilidade, como a Lei de Responsabilidade Fiscal, bem como
sobre processos e procedimentos administrativos, também influenciaram no arcabouço normativo
relativo às licitações.



http://ipgmrs.blogspot.com
5

No âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, a Lei Estadual 13.191, de 30 de junho de
2009 trouxe regras de licitação na modalidade de pregão eletrônico.

- Princípios e objetivos da licitação

Como procedimento administrativo, sujeita-se a licitação aos princípios aplicáveis à
Administração Pública, indicados explicitamente, bem como os implícitos. Neste passo, além da
admissibilidade de princípios próprios aplicáveis às diversas fases do procedimento, cabe referir o art.
3º da Lei 8.666/93, que afirma:
Art. 3
o
A licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da
isonomia e a selecionar a proposta mais vantajosa para a Administração e será
processada e julgada em estrita conformidade com os princípios básicos da legalidade,
da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade
administrativa, da vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e
dos que lhes são correlatos.

Além disso, o art. 5º do Decreto 5.450/05, que regula o pregão, na modalidade
eletrônica, estatui:
Art. 5
o
A licitação na modalidade de pregão é condicionada aos princípios básicos da
legalidade, impessoalidade, moralidade, igualdade, publicidade, eficiência, probidade
administrativa, vinculação ao instrumento convocatório e do julgamento objetivo, bem
como aos princípios correlatos da razoabilidade, competitividade e proporcionalidade.
Parágrafo único. As normas disciplinadoras da licitação serão sempre interpretadas
em favor da ampliação da disputa entre os interessados, desde que não
comprometam o interesse da administração, o princípio da isonomia, a finalidade e a
segurança da contratação.

Dois são os principais objetivos da licitação: a isonomia, no sentido de dar iguais
oportunidades a todos que estiverem em condições semelhantes de cumprir o objeto licitado e
desejem contratar com o Poder Público, evitando a escolha por critérios discricionários do
administrador, e a busca da melhor proposta possível na contratação que se fará. Fazendo-se o
procedimento seletivo, pode-se cotejar as diversas proposta e, por critérios objetivos, fazer a escolha
daquela que mais se adeque aos fins desejados para a administração.
Não há dúvidas que o procedimento licitatório tem por escopo estabelecer regras que
imponham a observância dos princípios de direito público apropriados à escolha de parceiros. Neste
ponto, cabe esclarecer que os princípios, juntamente com as regras, são normas e, como tal, integram
o sistema jurídico-normativo, devendo ser cogentemente observados.
Como observa Alexy
1
, “tanto las reglas como los princípios son normas porque ambos
dicen lo que debe ser. Ambos pueden ser formulados con la ayuda de las expresiones deónticas
básicas del mandato, la permisión y la prohibición. Los principios, al igual que las reglas, son razones
para juicios concretos de deber ser, aun cuando sean razones de un tipo muy diferente. La distinción
entre reglas y principios es pues una distinción entre dos tipos de normas”.
Segundo o eminente jurista, a diferenciação entre regras e princípios se dá
exatamente quando se trata de resolver a colisão entre uns ou outros, já que há uma coexistência
entre os princípios, sendo que, na hipótese de colisão, haverá a preponderância de um sobre o outro

1
ALEXY, Robert. Teoria de Los Derechos Fundamentales. Centro de Estudios Constitucionales, Madrid, 1997.



http://ipgmrs.blogspot.com
6

dependendo da situação em concreto de que se trate, diferentemente do que ocorre com as regras, em
que o conflito entre elas leva a que uma afaste a aplicabilidade da outra. Diz o eminente jurista
tedesco:
“La distinción entre reglas y princípios se muestra clarísimamente en las
colisiones de principios y en los conflictos de reglas. Común a las colisiones de
principios y a los conflictos de reglas es el hecho de que dos normas, aplicadas
independientemente, conducen a resultados incompatibles, es decir, a dos
juicios de deber ser jurídico contradictorios. Se diferencian en la forma cómo se
soluciona el conflicto.
...
Un conflicto entre reglas sólo puede ser solucionado o bien introduciendo en una
de las reglas una cláusula de excepción que elimina el conflicto o declarando
inválida, por lo menos, una de las reglas.
...
Las colisiones de principios deben ser solucionadas de manera totalmente
distinta. Cuando dos principios entran en colisión – tal como es el caso cuando
según un principio algo está prohibido y, según otro principio, está permitido –
uno de los dos principios tiene que ceder ante el otro. Pero, esto no significa
declarar inválido al principio desplazado ni que en el principio desplazado haya
que introducir una cláusula de excepción. Más bien lo que sucede es que, bajo
ciertas circunstancias uno de los principios precede al otro. Bajo otras
circunstancias, la cuestión de la precedencia puede ser solucionada de manera
inversa. Esto es que se quiere decir cuando se afirma que en los casos
concretos los principios tienen diferente peso y que prima el principio con mayor
peso. Los conflictos de reglas se levan a cabo en la dimensión de la validez; la
colisión de principios – como sólo pueden entrar en colisión principios válidos –
tiene lugar más alláde la dimensión de la validez, en la dimensión del peso.”
2

Propondo novos critérios para a compreensão da teoria dos princípios, Humberto Ávila
afirma:
A essa altura, pode-se concluir, apresentando um conceito de regras e um de
princípios.
As regras são normas imediatamente descritivas, primariamente retrospectivas
e com pretensão de decidibilidade e abrangência, para cuja aplicação se exige a
avaliação da correspondência, sempre centrada na finalidade que lhes dá
suporte ou nos princípios que lhes são axiologicamente sobrejacentes, entre a
construção conceitual da descrição normativa e a construção conceitual dos
fatos.
Os princípios são normas imediatamente finalísticas, primariamente prospectivas
e com pretensão de complementaridade e de parcialidade, para cuja aplicação
se demanda uma avaliação da correlação entre o estado de coisas a ser
promovido e os efeitos decorrentes da conduta havida como necessária à sua
promoção.
3


Alguns princípios estão positivados no nosso ordenamento jurídico e, como tal,
previstos em regra, trazendo uma proteção especial que não lhes retira, no entanto, o caráter de
princípio.
Neste sentido, a Constituição Federal, no art. 37, caput, prevê como princípios

2
ALEXY, ob. Cit., págs. 87 a 89.
3
ÁVILA, Humberto. “TEORIA DOS PRINCÍPIOS – da definição à aplicação dos princípios jurídicos”. 4ª ed., 2ª tiragem – São
Paulo, Malheiros, 2005.



http://ipgmrs.blogspot.com
7

próprios da Administração Pública, os da legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e
eficiência, aplicáveis concomitantemente no nosso ordenamento jurídico, com vistas a atingir os fins
impessoais, de interesse público, determinados pela lei ao gestor. Destarte, a inclusão desses
princípios dentre os que são tidos na Constituição Federal como princípios próprios da Administração
Pública, no caput do art. 37, dá a eles um caráter de predominância relativamente a outros não
positivados, ou positivados apenas na legislação infraconstitucional, quando da solução de conflitos
entre princípios.
Quanto ao princípio da legalidade da administração, trata-se de importante
instrumento de proteção do interesse público, na medida em que condiciona a atuação do
administrador à preexistência, no ordenamento jurídico, de regra de direito que dê ao administrador
competência e poderes para agir.
Restringe-se, assim, a liberdade do administrador público na sua atuação. Impõe-se
a lei como fonte viabilizadora da sua atuação e como determinadora do fim de interesse público a ser
atingido, de modo que, entre a atuação do administrador e os fins a serem por ele buscados, uma
regra de direito deve, necessariamente estar presente, estabelecendo um nexo de pertinência lógica
inarredável.
Este entendimento já é consagrado na doutrina e jurisprudência pátrias, tendo se
popularizado com o ensinamento de Hely Lopes Meirelles
4
, quando afirma que, enquanto para o
particular o princípio da legalidade significa proteção da liberdade, para a Administração Pública há, na
proteção do interesse público, restrição à liberdade do agente público, que só pode fazer o que a lei
expressamente autoriza.
É a licitação instrumento para fazer valer o princípio da impessoalidade da
administração. Por este princípio, o administrador não pode utilizar a máquina administrativa para
atingir as suas finalidades pessoais, mas tem o dever de buscar atingir as finalidades impessoais
estabelecidas em lei.
A impessoalidade, ao lado de condicionar a escolha em procedimentos seletivos, como
o concurso público para admissão de pessoal e a licitação para contratos que o Poder Público venha a
firma, impede a atuação que tenha por escopo beneficiar os “apaniguados do poder” ou prejudicar
aqueles que, distanciados do centro de poder, tenham posições políticas diversas daquelas dos
integrantes do poder central.
No âmbito da licitação, todo o procedimento, desde a fixação dos requisitos
editalícios, ato o julgamento, deve ser impessoal, com critérios objetivos a serem aferidos. Inclusive,
a impessoalidade acaba condicionando até mesmo a aplicação de penalidades admitidas na legislação,
condicionadas ao devido processo legal e ao direito de contraditório e à ampla defesa.
Ainda, a impessoalidade condiciona a divulgação de atividades administrativas, que
não pode ser feita com o sentido de propaganda de atividades do gestor, como afirma o § 1º do art.
37 da Constituição Federal, nos seguintes termos:
O princípio da publicidade, também chamado de princípio da transparência, impõe ao
gestor público que sua atuação se dê tornando públicas as suas condutas. Como afirma Odete
Medauar, é precisamente a forma (“exteriorização da vontade ou da decisão”, pela definição da
eminente administrativista) que dá as diretrizes aos modos de expressão.
5

Ao abrigar, no art. 37, caput, tal princípio, a Constituição Federal traz ao gestor o
dever de dar conhecimento a todos dos atos, contratos, processos e procedimentos realizados em sua
gestão. Não é por outra razão que a validade de diversas atuações estatais está condicionada a sua
publicação no Diário Oficial. Assim, por exemplo, não é válida, embora presentes todos os requisitos
formais, a nomeação de servidor público, enquanto não publicado o ato. Da mesma forma, será

4
MEIRELLES, Hely Lopes
5
MEDAUAR, Odete. Direito Administrativo Moderno. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2003.



http://ipgmrs.blogspot.com
8

inválido o Edital do concurso público que o precedeu sem a indispensável divulgação oficial. O mesmo
se pode dizer em relação a contratos administrativos sem publicação da súmula ou com ausência de
divulgação do resumo do instrumento convocatório do procedimento de licitação.
Certamente a ausência de divulgação dos atos os viciaria, pois impediria que
cidadãos, destinatários da atividade administrativa, deles tomassem conhecimento e pudessem fazer
valer os diversos instrumentos de controle que a Constituição Federal põe a sua disposição.
Neste ponto, cabe aqui ressaltar a importância do princípio da publicidade como
instrumento de controle da Administração Pública.
A atividade que é publicada é com maior efetividade passível de controle. Daí a
célebre frase bradada na fase de terror da Revolução Francesa: “Dêem-me o juiz que vocês quiserem:
parcial, corrupto, meu inimigo mesmo, mas façam em público”. A mesma frase poderia ser utilizada
relativa à escolha do administrador, na medida em que, ao se impor a publicação de suas atividades e,
conseqüentemente, transparência na sua gestão, se viabiliza o controle social e se inibem tendências
de afronta ao ordenamento jurídico que o sigilo poderia esconder.
Como afirma Cirne Lima, “estão os negócios públicos vinculados, por essa forma, -
não ao arbítrio do Executivo, - mas, à finalidade impessoal, no caso, pública, que este deve procurar
realizar”
6
. A obrigatoriedade de transparência reduz o arbítrio e aumenta a possibilidade do controle
social sobre a atuação do administrador, com vistas a fazer valer os fins para a qual se destina.
Em se tratando de atividades administrativas, a publicidade é a regra, o sigilo
exceção, e este apenas admitido por força da natureza da atuação como as que decorrem de
segurança e proteção da nação pelas Forças Armadas.
A divulgação tradicional por meio da publicação em papel do Diário Oficial cede espaço
à divulgação por meios eletrônicos, que cada vez mais se popularizam como meio de obtenção de
informações. Hoje, inclusive, a visita a portais eletrônicos oficiais é incomensuravelmente maior do que
as assinaturas de Diário Oficiais em papel, que tendem ao desuso.
Do ponto de vista do ordenamento jurídico processual em vigor, o espaço para o
chamado “processo eletrônico” já está presente em regras do direito positivo, especialmente no art.
154 do CPC, que assim reza:
Art. 154. Os atos e termos processuais não dependem de forma determinada
senão quando a lei expressamente a exigir, reputando-se válidos os que,
realizados de outro modo, lhe preencham a finalidade essencial.
Parágrafo único. Os tribunais, no âmbito da respectiva jurisdição, poderão
disciplinar a prática e a comunicação oficial dos atos processuais por meios
eletrônicos, atendidos os requisitos de autenticidade, integridade, validade
jurídica e interoperabilidade da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira -
ICP - Brasil. (Incluído pela Lei nº 11.280, de 2006)
§ 2
o
Todos os atos e termos do processo podem ser produzidos, transmitidos,
armazenados e assinados por meio eletrônico, na forma da lei. (Incluído pela Lei
nº 11.419, de 2006).
Já convivemos com diversos regramentos instituidores de Diários Oficiais Eletrônicos,
não só no âmbito do Poder Judiciário, como no do Ministério Público e de Tribunais de Contas de nossa
Federação, como é o caso da recente instituição de tal meio de comunicação eletrônica exclusiva por
parte do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul.
Esta utilização dos instrumentos de informática no âmbito da administração pública foi
competentemente tratada por Cesar Santolim, um dos precursores no estudo da informática jurídica,
que indica as seguintes finalidades do chamado governo eletrônico:
O governo eletrônico pode ser implementado segundo diferentes prioridades
(que decorrem de definições políticas e administrativas), ensejando a existência

6
CIRNE LIMA, Ruy. Princípios de Direito Administrativo. 5ª edição. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1982.



http://ipgmrs.blogspot.com
9

de ênfases ou atividades preponderantes na utilização das TI na Administração
Pública. Embora se possa constatar uma certa variação em torno da tipologia
destas atividades, uma tentativa de sistematizá-las pode ser feita usando cinco
grandes grupos:
1.2.1 Disponibilizando informação
Uma primeira função importante do governo eletrônico (e, geralmente, aquela
que surge em primeiro lugar, em termos cronológicos) é a de viabilizar um
mecanismo mais ágil e eficiente de divulgação sobre dados e informações de
interesse geral (cidadãos, empresas e outros entes governamentais).
Isso porque, cada vez mais, o acesso aos meios eletrônicos de divulgação se
torna uma forma de coleta de elementos acerca de uma estrutura de governo,
em qualquer nível. Desde as informações mais elementares (localização,
organograma, dirigentes, horários de funcionamento), passando por outras,
relativas ao funcionamento dos órgãos de governo e chegando, até, ao conteúdo
de suas atividades, trata-se de mecanismo valioso para o aperfeiçoamento tanto
do funcionamento da máquina estatal quanto do seu controle. Um exemplo
significativo desta realidade pode ser encontrado na regra contida no art. 48 da
Lei Complementar nº 101/2000 (“Lei de Responsabilidade pela Gestão Fiscal”),
quando se estabelece a divulgação em meios eletrônicos dos planos, orçamentos
e leis de diretrizes orçamentárias, das prestações de contas e respectivo parecer
prévio, e de relatórios previstos na mesma lei, todos como instrumentos de
transparência da gestão fiscal.
1.2.2 Prestando serviços
O governo eletrônico pode ter o seu foco na prestação de serviços públicos,
oportunizando que se faça por esta via, alternativa ou cumulativamente, aquilo
que se faz por via presencial (física). São exemplos mais conhecidos destes
mecanismos o fornecimento de certidões, a possibilidade da instauração de
procedimentos administrativos (denúncias, pedidos) e o atendimento de
obrigações de natureza tributária (a declaração de imposto sobre a renda e
proventos de qualquer natureza, por exemplo).
1.2.3 Agilizando processos internos
Outra face importante do governo eletrônico diz respeito a sua aplicação a
processos e procedimentos internos da Administração, como ocorre nos
programas que visam à substituição do meio físico pelo meio eletrônico, ou a
utilização comum de ambos meios (“processos administrativos eletrônicos”).
Consiste no que ocasionalmente se designa como G2G (Government to
Government)
1.2.4 Contratação eletrônica
O chamado e-procurement é a situação em que a ênfase do governo eletrônico
está na realização de práticas negociais pela Administração Pública, envolvendo
agentes privados. Tratam-se das hipóteses do que se convencionou denominar
“pregão eletrônico”, e que envolvem atos preparatórios e executórios da
contratação, por meio virtual. Esta atividade é definida como G2B (Government
to Business) ou, mais freqüentemente, como e-procurement.
1.2.5 Ampliando mecanismos de participação
Na e-democracy, cuida-se do uso de TI para o desempenho de atividades
deliberativas (plebiscitos, referendum, escolha de representantes), pelos
eleitores, não se limita a práticas já existentes (“urna eletrônica”), mas admite,
mesmo, o uso das redes abertas de computador para o “voto eletrônico”.
Quando se consideram, conjuntamente, esta e as atividades supra descritas nos



http://ipgmrs.blogspot.com
10

itens 1.2.1 e 1.2.2, tem-se o G2C (Government to Citizen).
7

Não há efetiva razão de direito ou de fato para que se obrigue a manutenção de Diário
Oficial em papel, uma vez que hoje é mais fácil o acesso à informação via internet do que mediante a
assinatura de Diário Oficial. Diverge-se, aqui, do posicionamento de Gustavo Binenbojm, que sustenta:
“Ora, em um país com ainda elevadíssimo nível de exclusão digital como o
Brasil, em que, segundo dados oficiais da Secretaria para a Inclusão Social do
Ministério da Ciência e Tecnologia, 79% dos habitantes nunca manusearam um
computador e 89% nunca acessaram a internet, a divulgação oficial dos atos do
Poder Público – tanto os de interesse individual, como os de interesse geral –
por mera publicação na internet acarreta prejuízo sensível para o grau de
publicidade e conhecimento de tais atos por parte dos interessados.”
8

Ora, se é verdade que o acesso à internet é muito baixo em relação à população
nacional, muito maior que o número de excluídos da informação eletrônica são os excluídos da leitura
do Diário Oficial, cuja tiragem e assinatura alcançam um grupo restritíssimo de pessoas, senão todas,
quase todas detentoras de acesso à informação eletrônica. O acesso à internet, além disso, é de custo
muito menor do que a manutenção de assinatura de Diário em papel.
De qualquer sorte, a realidade superou o entendimento do ilustre administrativista, já
que hoje proliferam as divulgações processuais e administrativas exclusivamente por meio eletrônico,
com a utilização pelos diversos poderes constituídos dos Diários Oficiais eletrônicos, inclusive a própria
assinatura eletrônica, desde que assegurados mecanismos capazes de resguardar a segurança e a
inviolabilidade do sistema e o amplo acesso, garantido por meio de softwares de fácil acessibilidade
aos usuários da internet.
O princípio da moralidade, também chamado de princípio da probidade administrativa,
impõe não só o atendimento dos comandos normativos da lei pelo administrador, mas também exige
postura ético-profissional adequada aos valores sociais existentes no meio em que está inserido. Não
basta que a atuação do administrador tenha uma roupagem formal adequada se os padrões éticos e de
decoro não forem observados, desviando-se da finalidade pública a que está condicionado.
É por essa razão que a Lei 8.429/92, que dispôs sobre os atos de improbidade
administrativa, traz tipos aplicáveis diretamente aos procedimentos licitatórios, alcançando não só os
agentes públicos, como também terceiros que se beneficiem dessa atuação desviada, tais como
licitantes e contratados pelo Poder Público.
O princípio da eficiência impõe atuação eficiente no âmbito da administração pública,
sendo que esta pode ser verificada por diversos aspectos:
- aspecto econômico – aqui eficiência significa economicidade, significa a busca da
melhor relação custo-benefício possível no desempenho das atividades administrativas, sendo, neste
ponto, a licitação um excelente exemplo, já que a busca da proposta mais vantajosa para a
Administração é um dos principais escopos do procedimento;
- aspecto qualitativo – aqui eficiência significa qualidade na prestação dos serviços
públicos, por meio de índices adequados ao interesse público, que não se confundem com os de direito
privado. No âmbito de certames licitatórios, a exigência de qualidade se dá não só na aferição de
requisitos de qualificação, como também na apreciação de propostas e, após a contratação, com o
acompanhamento das atividades dos contratados por agentes designados para tal fim;
- aspecto educacional – aqui eficiência significa adequado treinamento aos agentes
voltados à realização da atividade administrativa, capacitando-os para o desempenho com maior
produtividade e uso de técnicas apropriadas ao desempenho das atividades administrativas;

7
SANTOLIM, César. “Aspectos Jurídicos do Governo Eletrônico: as Tecnologias da Informação na Administração
Pública”. RDIT, ano 2, nº 2, janeiro/junho 2007, SSN 1981-2507, Ed. Fórum, Belo Horizonte, pp. 85/97.
8
BINENBOJM, Gustavo. O princípio da publicidade administrativa e a eficácia da divulgação de atos do poder público pela
internet. RBDP n° 13, p. 89-111, abr/jun 2006.



http://ipgmrs.blogspot.com
11

- aspecto institucional – a organização de servidores em centros de competência
adequados, com estruturação de forma a melhorar o desempenho das atividades é fator de eficiência
que leva também a resultados mais produtivos sem a necessidade de inflar a máquina administrativa.
Além desses princípios constitucionais, chama-se a atenção para o reconhecimento,
como integrantes do sistema jurídico, dos princípios da razoabilidade e da proporcionalidade.
Inclusive, o art. 5º do Decreto 5.450/05 a eles expressamente se reporta. Aqui não se ingressará na
discussão sobre serem eles princípios ou postulados, como sustenta Humberto Ávila, afirmando-se, no
entanto, o caráter normativo da razoabilidade e da proporcionalidade.
O princípio da razoabilidade impõe decisões razoáveis à luz dos valores sociais
existentes. Tem como função evitar que a aplicação do direito aos fatos leve à tomada de decisões
absurdas. Seria absurdo, por exemplo, anular-se todo um procedimento licitatório porque, na
devolução de propostas de licitantes já inabilitados, e passada a fase recursal, tenham os envelopes
das propostas dos desqualificados sido inadvertidamente abertos.
O princípio da proporcionalidade impõe três juízos de apreciação (também chamados
subprincípios), que são: necessidade, adequação entre meios e fins e proporcionalidade em sentido
estrito.
Pelo juízo de necessidade, o princípio da proporcionalidade impede a tomada de
medidas desnecessárias. Exigir-se, por exemplo, na habilitação, comprovação de registro no Conselho
de Administração para obras e serviços de Engenharia fere a proporcionalidade.
A adequação entre meios e fins impede o uso de meios exagerados cuja utilização
possa afetar outros direitos subjetivos. Significa proibição de excesso. “Não se matam pardais com
canhões”, já se afirmou. Em um procedimento licitatório, exigir-se dos licitantes requisitos de
habilitação superiores aos necessários ao cumprimento do objeto feriria também a proporcionalidade,
como vem decidindo nossos Tribunais.
Proporcionalidade em sentido estrito significa ponderação. Devem-se considerar todas
as circunstâncias que levem à tomada de decisões. Por exemplo, na aplicação de sanções
administrativas aos licitantes, devem ser considerados a repercussão e extensão da falha, os
antecedentes do licitante, assim como as circunstâncias atenuantes e agravantes.
Há de se considerar ainda os princípios setoriais da licitação, sendo que alguns serão
tratados em cada item ou fase do procedimento. No entanto, mencionam-se os princípios da
vinculação ao instrumento convocatório e o do julgamento objetivo, mencionados expressamente no
art. 3º.
A vinculação ao instrumento convocatório é um dos princípios matrizes da licitação.
Impõe que, uma vez traçadas as regras da licitação no âmbito do instrumento convocatório (Edital ou
Carta Convite), ficam tanto as partes como a Administração obrigadas aos seus termos. Com isso se
impõe a obediência “às regras do jogo”, não se as podendo alterar injustificadamente e sem a
divulgação necessária.
Aliás, uma boa contratação pressupõe a adequada formulação do Edital. O Edital
claro, que explicita detalhada e precisamente o que deseja a Administração, resulta normalmente em
boas contratações, com poucos litígios ou, em havendo litígio, em mais fácil resolução do mesmo. Já o
Edital obscuro e impreciso leva normalmente a problemas na contratação e em lides de difícil
interpretação e resolução
Outro princípio fundamental no âmbito do procedimento licitatório é o do julgamento
objetivo. Julgamento objetivo significa julgamento segundo critérios objetivos traçados no Edital. Não
se admite julgamento por critérios subjetivos. Neste ponto, este princípio é consequência do princípio
da impessoalidade da Administração.

- Modalidades de licitação

Modalidades são os modelos de ritos procedimentais que podem ser utilizados para a



http://ipgmrs.blogspot.com
12

realização do certame licitatório. No âmbito da Lei 8.666/93 somente podem ser utilizadas as
modalidades de concorrência, tomada de preços, convite, concurso e leilão. As três primeiras
modalidades (concorrência, tomada de preços e convite) são aqui chamadas de modalidade gerais ou
genéricas de licitação, uma vez que podem ser utilizadas para os mais diversos objetos. A escolha de
uma ou de outra dessas modalidades genéricas de licitação é condicionada pelo valor estimado da
licitação, segundo os parâmetros do art. 23, que traz valores diferenciados entre obras e serviços de
engenharia e compras e outros serviços. As outras (concurso e leilão) por possuírem objetos
determinados, são aqui chamados de modalidades específicas. Diz o art. 22 da Lei:
Art. 22. São modalidades de licitação:
I - concorrência;
II - tomada de preços;
III - convite;
IV - concurso;
V - leilão.
§ 8
o
É vedada a criação de outras modalidades de licitação ou a combinação das
referidas neste artigo.

-concorrência

É a modalidade que admite a mais ampla participação. Por essa razão, é também a
que traz requisitos formais mais rígidos, para a garantia da adequada contratação e da busca da
certeza da capacitação do licitante para a participação. Diz o art. 22, par, 1º da Lei:
§ 1
o
Concorrência é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados que, na
fase inicial de habilitação preliminar, comprovem possuir os requisitos mínimos de
qualificação exigidos no edital para execução de seu objeto.

- tomada de preços

Já a tomada de preços se dá entre interessados cadastrados ou que satisfaçam as
condições para cadastramento. Portanto, pressupõe a prévia aferição pela Administração dos
requisitos legais para a participação na categoria de prestação contratual pretendida. Diz o § 2
o
do
art. 22:
§ 2
o
Tomada de preços é a modalidade de licitação entre interessados devidamente
cadastrados ou que atenderem a todas as condições exigidas para cadastramento até o
terceiro dia anterior à data do recebimento das propostas, observada a necessária
qualificação.
No entanto, é possível que se admitam outros participantes não cadastrados que
tragam documentos próprios de habilitação, nos termos do par. 9º do mesmo dispositivo.
§ 9
o
Na hipótese do parágrafo 2
o
deste artigo, a administração somente poderá exigir



http://ipgmrs.blogspot.com
13

do licitante não cadastrado os documentos previstos nos arts. 27 a 31, que
comprovem habilitação compatível com o objeto da licitação, nos termos do edital.
(Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)

- convite

Dentre as modalidades genéricas, o convite é a modalidade mais simples, já que se dá
entre licitantes escolhidos e convidados pela Administração, cadastrados ou não, sem prejuízo da
disponibilização aos demais cadastrados, da participação. Diz o§ 3
o
do art. 22:
§ 3
o
Convite é a modalidade de licitação entre interessados do ramo pertinente ao seu
objeto, cadastrados ou não, escolhidos e convidados em número mínimo de 3
(três) pela unidade administrativa, a qual afixará, em local apropriado, cópia do
instrumento convocatório e o estenderá aos demais cadastrados na correspondente
especialidade que manifestarem seu interesse com antecedência de até 24 (vinte e
quatro) horas da apresentação das propostas.

Apesar dessa facilidade,até para que os princípios do procedimento sejam observados,
impõe a Lei a extensão do convite a outros cadastrados no mesmo objeto e a busca do número
mínimo de licitantes participando do certame, exigindo que a sua não perfectibilização leve à
motivação das circunstâncias, sob pena de repetição do procedimento, nos termos dos §§6o e 7o do
art. 22 .
§ 6
o
Na hipótese do § 3
o
deste artigo, existindo na praça mais de 3 (três) possíveis
interessados, a cada novo convite, realizado para objeto idêntico ou assemelhado, é
obrigatório o convite a, no mínimo, mais um interessado, enquanto existirem
cadastrados não convidados nas últimas licitações. (Redação dada pela Lei nº 8.883,
de 1994)
§ 7
o
Quando, por limitações do mercado ou manifesto desinteresse dos convidados,
for impossível a obtenção do número mínimo de licitantes exigidos no § 3
o
deste
artigo, essas circunstâncias deverão ser devidamente justificadas no processo, sob
pena de repetição do convite.

- concurso

O concurso é modalidade de licitação específica para a escolha de trabalho técnico,
científico ou artístico. É a modalidade indicada com preferencial para a escolha de serviços técnicos
profissionais especializados referidos no art. 13 da Lei. Apesar dessa preferência determinada pela Lei,
é modalidade muito pouco utilizada na prática. Diz o par. 4o do art. 22:
§ 4
o
Concurso é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para escolha
de trabalho técnico, científico ou artístico, mediante a instituição de prêmios ou
remuneração aos vencedores, conforme critérios constantes de edital publicado na
imprensa oficial com antecedência mínima de 45 (quarenta e cinco) dias.

- leilão
Leilão é modalidade específica para a alienação. Tem por escopo a venda de bens
móveis inservíveis ou de produtos legalmente apreendidos ou empenhados ou dos imóveis a que se



http://ipgmrs.blogspot.com
14

refere o art. 19, ou seja cuja aquisição haja derivado de procedimentos judiciais ou de dação em
pagamento. Há uma impropriedade técnica no par. 5º do art. 22, abaixo transcrito, quando afirma ser
também para a venda de móveis “penhorados”. Na verdade a lei quis se referir aos móveis objetos de
penhor, chamados “empenhados” e não de móveis objeto de penhora, cuja alienação se dá por regras
próprias, nos moldes do Código de Processo Civil.
§ 5
o
Leilão é a modalidade de licitação entre quaisquer interessados para a venda de
bens móveis inservíveis para a administração ou de produtos legalmente apreendidos
ou penhorados, ou para a alienação de bens imóveis prevista no art. 19, a quem
oferecer o maior lance, igual ou superior ao valor da avaliação. (Redação dada pela Lei
nº 8.883, de 1994)

- procedimentos, prazos e publicidade obrigatória

Os procedimentos licitatórios variam de acordo com a modalidade, o tipo e o regime de
execução escolhidos pela Administração. Tratar-se-á as fases levando em consideração essas
diferenças.
A primeira grande divisão de fases é entre a fase interna, também chamada
preparatória, e a externa, em que o procedimento licitatório propriamente dito ocorre.
- fase interna (preparatória)
A fase interna é a fase anterior ao Edital de licitação em que a Administração toma as
providências preparatórias ao procedimento e define os critérios que pretende sejam utilizados,
sempre tendo presente a futura contratação. A fase interna é de extrema relevância na proteção do
interesse público, razão pela qual cada vez maiores requisitos de direito público são a ela aplicáveis.
Dentre esses requisitos, cabe chamar a atenção para que a Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei
Complementar 101/00), que trouxe requisitos preparatórios à licitação com o sentido de evitar que
gastos com contratações fossem feitas sem o planejamento adequado dos gastos. No art. 16 afirma:
Art. 16. A criação, expansão ou aperfeiçoamento de ação governamental que acarrete
aumento da despesa será acompanhado de:
I - estimativa do impacto orçamentário-financeiro no exercício em que deva entrar em
vigor e nos dois subseqüentes;
II - declaração do ordenador da despesa de que o aumento tem adequação
orçamentária e financeira com a lei orçamentária anual e compatibilidade com o plano
plurianual e com a lei de diretrizes orçamentárias.
§ 1
o
Para os fins desta Lei Complementar, considera-se:
I - adequada com a lei orçamentária anual, a despesa objeto de dotação específica e
suficiente, ou que esteja abrangida por crédito genérico, de forma que somadas todas as
despesas da mesma espécie, realizadas e a realizar, previstas no programa de trabalho, não
sejam ultrapassados os limites estabelecidos para o exercício;
II - compatível com o plano plurianual e a lei de diretrizes orçamentárias, a despesa
que se conforme com as diretrizes, objetivos, prioridades e metas previstos nesses
instrumentos e não infrinja qualquer de suas disposições.
§ 2
o
A estimativa de que trata o inciso I do caput será acompanhada das premissas e
metodologia de cálculo utilizadas.



http://ipgmrs.blogspot.com
15

§ 3
o
Ressalva-se do disposto neste artigo a despesa considerada irrelevante, nos
termos em que dispuser a lei de diretrizes orçamentárias.
§ 4
o
As normas do caput constituem condição prévia para:
I - empenho e licitação de serviços, fornecimento de bens ou execução de obras;
II - desapropriação de imóveis urbanos a que se refere o § 3
o
do art. 182 da
Constituição.

A partir dessa regra, passa-se a exigir, como condição para as licitações e contratos
que possam gerar aumento de despesa, estimativa de impacto orçamentário e financeiro não só no
exercício como nos dois subsequentes, além da declaração do ordenador da despesa de que todos os
instrumentos normativos do sistema orçamentário estão sendo observados.
Além desses requisitos, haverá exigências preparatórias para cada objeto cuja
contratação se pretenda. Assim, por exemplo, para obras e serviços de engenharia é obrigatório o
projeto básico, para compras exige-se a estimativa de preços, para alienações a justificativa de
interesse público e a prévia avaliação, além de lei autorizativa prévia quando se tratar de bens
imóveis.

- fase externa:

A fase externa é a em que irá ocorrer o procedimento licitatório propriamente dito. Ela
ocorre com as seguintes etapas: convocação, entrega de documentação e propostas, habilitação,
abertura das propostas, julgamento, homologação e adjudicação. Tratar-se-ão aqui estas fases:

- Convocação (Edital ou carta-convite).

Nesta fase temos um dos princípios basilares do certame licitatório, já antes
comentado, que é o princípio da vinculação ao instrumento convocatório. A Administração e os
licitantes ficam estritamente vinculados aos termos do Edital. O segredo de uma boa contratação é a
adequada formulação do Edital. È nele que todas as condições para a licitação e para a futura
contratação são estabelecidas. No art. 40 da Lei 8.666/93 estão previstos, além das determinações do
caput, 17 incisos com condições que obrigatoriamente deverão estar presentes no Edital, que
coincidem com as cláusulas do futuro contrato a ser firmado.
Art. 40. O edital conterá no preâmbulo o número de ordem em série anual, o nome
da repartição interessada e de seu setor, a modalidade, o regime de execução e o tipo da
licitação, a menção de que será regida por esta Lei, o local, dia e hora para recebimento
da documentação e proposta, bem como para início da abertura dos envelopes, e
indicará, obrigatoriamente, o seguinte:
I - objeto da licitação, em descrição sucinta e clara;
II - prazo e condições para assinatura do contrato ou retirada dos instrumentos,
como previsto no art. 64 desta Lei, para execução do contrato e para entrega do objeto
da licitação;
III - sanções para o caso de inadimplemento;



http://ipgmrs.blogspot.com
16

IV - local onde poderá ser examinado e adquirido o projeto básico;
V - se há projeto executivo disponível na data da publicação do edital de licitação e
o local onde possa ser examinado e adquirido;
VI - condições para participação na licitação, em conformidade com os arts. 27 a 31
desta Lei, e forma de apresentação das propostas;
VII - critério para julgamento, com disposições claras e parâmetros objetivos;
VIII - locais, horários e códigos de acesso dos meios de comunicação à distância em
que serão fornecidos elementos, informações e esclarecimentos relativos à licitação e às
condições para atendimento das obrigações necessárias ao cumprimento de seu objeto;
IX - condições equivalentes de pagamento entre empresas brasileiras e
estrangeiras, no caso de licitações internacionais;
X - o critério de aceitabilidade dos preços unitário e global, conforme o caso,
permitida a fixação de preços máximos e vedados a fixação de preços mínimos, critérios
estatísticos ou faixas de variação em relação a preços de referência, ressalvado o
dispossto nos parágrafos 1º e 2º do art. 48; (Redação dada pela Lei nº 9.648, de 1998)
XI - critério de reajuste, que deverá retratar a variação efetiva do custo de
produção, admitida a adoção de índices específicos ou setoriais, desde a data prevista
para apresentação da proposta, ou do orçamento a que essa proposta se referir, até a
data do adimplemento de cada parcela; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
XII - (Vetado). (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
XIII - limites para pagamento de instalação e mobilização para execução de obras
ou serviços que serão obrigatoriamente previstos em separado das demais parcelas,
etapas ou tarefas;
XIV - condições de pagamento, prevendo:
a) prazo de pagamento não superior a trinta dias, contado a partir da data final do
período de adimplemento de cada parcela; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
b) cronograma de desembolso máximo por período, em conformidade com a
disponibilidade de recursos financeiros;
c) critério de atualização financeira dos valores a serem pagos, desde a data final
do período de adimplemento de cada parcela até a data do efetivo pagamento; (Redação
dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
d) compensações financeiras e penalizações, por eventuais atrasos, e descontos,
por eventuais antecipações de pagamentos;
e) exigência de seguros, quando for o caso;



http://ipgmrs.blogspot.com
17

XV - instruções e normas para os recursos previstos nesta Lei;
XVI - condições de recebimento do objeto da licitação;
XVII - outras indicações específicas ou peculiares da licitação.
§ 1
o
O original do edital deverá ser datado, rubricado em todas as folhas e assinado
pela autoridade que o expedir, permanecendo no processo de licitação, e dele extraindo-
se cópias integrais ou resumidas, para sua divulgação e fornecimento aos interessados.
§ 2
o
Constituem anexos do edital, dele fazendo parte integrante:
I - o projeto básico e/ou executivo, com todas as suas partes, desenhos,
especificações e outros complementos;
II - orçamento estimado em planilhas de quantitativos e preços unitários; (Redação
dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
III - a minuta do contrato a ser firmado entre a Administração e o licitante
vencedor;
IV - as especificações complementares e as normas de execução pertinentes à
licitação.
§ 3
o
Para efeito do disposto nesta Lei, considera-se como adimplemento da
obrigação contratual a prestação do serviço, a realização da obra, a entrega do bem ou de
parcela destes, bem como qualquer outro evento contratual a cuja ocorrência esteja
vinculada a emissão de documento de cobrança.
§ 4
o
Nas compras para entrega imediata, assim entendidas aquelas com prazo de
entrega até trinta dias da data prevista para apresentação da proposta, poderão ser
dispensadas: (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
I - o disposto no inciso XI deste artigo; (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
II - a atualização financeira a que se refere a alínea "c" do inciso XIV deste artigo,
correspondente ao período compreendido entre as datas do adimplemento e a prevista
para o pagamento, desde que não superior a quinze dias. (Incluído pela Lei nº 8.883, de
1994)
Art. 41. A Administração não pode descumprir as normas e condições do edital, ao
qual se acha estritamente vinculada.
§ 1
o
Qualquer cidadão é parte legítima para impugnar edital de licitação por
irregularidade na aplicação desta Lei, devendo protocolar o pedido até 5 (cinco) dias úteis
antes da data fixada para a abertura dos envelopes de habilitação, devendo a
Administração julgar e responder à impugnação em até 3 (três) dias úteis, sem prejuízo
da faculdade prevista no § 1
o
do art. 113.
§ 2
o
Decairá do direito de impugnar os termos do edital de licitação perante a



http://ipgmrs.blogspot.com
18

administração o licitante que não o fizer até o segundo dia útil que anteceder a abertura
dos envelopes de habilitação em concorrência, a abertura dos envelopes com as
propostas em convite, tomada de preços ou concurso, ou a realização de leilão, as falhas
ou irregularidades que viciariam esse edital, hipótese em que tal comunicação não terá
efeito de recurso. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 3
o
A impugnação feita tempestivamente pelo licitante não o impedirá de
participar do processo licitatório até o trânsito em julgado da decisão a ela pertinente.
§ 4
o
A inabilitação do licitante importa preclusão do seu direito de participar das
fases subseqüentes.

O Edital deve ser publicado. Quando tratamos do princípio da publicidade já fizemos
considerações acerca da função da publicação. Tal exigência não compreende necessariamente a
publicação da integralidade o Edital, mas de suas informações principais, assim como o local onde o
Edital na íntegra pode ser encontrado. Somente será obrigatória a publicação na íntegra se regra
especial assim o determinar, como ocorreno âmbito da legislação de Reforma de Estado, para a
alienação de ações de entidades de que o Estado participe.
Deve conter no Edital a informação da data de apresentação de documentação e
propostas, com a antecedência mínima prevista no art. 21 da Lei 8.666/93, que assim reza:
Art. 21. Os avisos contendo os resumos dos editais das concorrências, das tomadas
de preços, dos concursos e dos leilões, embora realizados no local da repartição
interessada, deverão ser publicados com antecedência, no mínimo, por uma vez:
(Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
I - no Diário Oficial da União, quando se tratar de licitação feita por órgão ou
entidade da Administração Pública Federal e, ainda, quando se tratar de obras financiadas
parcial ou totalmente com recursos federais ou garantidas por instituições federais;
(Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
II - no Diário Oficial do Estado, ou do Distrito Federal quando se tratar,
respectivamente, de licitação feita por órgão ou entidade da Administração Pública
Estadual ou Municipal, ou do Distrito Federal; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
III - em jornal diário de grande circulação no Estado e também, se houver, em
jornal de circulação no Município ou na região onde será realizada a obra, prestado o
serviço, fornecido, alienado ou alugado o bem, podendo ainda a Administração, conforme
o vulto da licitação, utilizar-se de outros meios de divulgação para ampliar a área de
competição. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 1
o
O aviso publicado conterá a indicação do local em que os interessados poderão
ler e obter o texto integral do edital e todas as informações sobre a licitação.
§ 2
o
O prazo mínimo até o recebimento das propostas ou da realização do evento
será:
I - quarenta e cinco dias para: (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
a) concurso; (Incluída pela Lei nº 8.883, de 1994)



http://ipgmrs.blogspot.com
19

b) concorrência, quando o contrato a ser celebrado contemplar o regime de
empreitada integral ou quando a licitação for do tipo "melhor técnica" ou "técnica e
preço"; (Incluída pela Lei nº 8.883, de 1994)
II - trinta dias para: (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
a) concorrência, nos casos não especificados na alínea "b" do inciso anterior;
(Incluída pela Lei nº 8.883, de 1994)
b) tomada de preços, quando a licitação for do tipo "melhor técnica" ou "técnica e
preço"; (Incluída pela Lei nº 8.883, de 1994)
III - quinze dias para a tomada de preços, nos casos não especificados na alínea "b"
do inciso anterior, ou leilão; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
IV - cinco dias úteis para convite. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 3
o
Os prazos estabelecidos no parágrafo anterior serão contados a partir da
última publicação do edital resumido ou da expedição do convite, ou ainda da efetiva
disponibilidade do edital ou do convite e respectivos anexos, prevalecendo a data que
ocorrer mais tarde. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 4
o
Qualquer modificação no edital exige divulgação pela mesma forma que se deu
o texto original, reabrindo-se o prazo inicialmente estabelecido, exceto quando,
inquestionavelmente, a alteração não afetar a formulação das propostas.

Chama-se a atenção para que, no caso de pregão, a antecedência mínima é de oito
dias úteis e a publicação pode ser feita ou em Diário Oficial ou em jornal de grande circulação.

- Entrega de documentação e propostas;

Os documentos e propostas devem ser entregues nos termos determinados pelo
Edital. Surge aqui outro princípio do procedimento licitatório, que é o princípio do sigilo na
apresentação das propostas. Este sigilo é determinado para que um licitante não tenha como ter
conhecimento da proposta do outro, vindo a ofertar em sigilo a proposta mais vantajosa à
Administração desde logo e para evitar fraudes no âmbito do procedimento.
Entregam-se os documentos em envelopes fechados, lacrados, indevassáveis, apondo
as assinaturas os licitantes presentes e a comissão de licitação. No entanto, em decorrência da forma
como a Lei 8.666/93 dispõe sobre essa entrega, pode-se afirmar que, dependendo do tipo de licitação
de que se trate, serão entregues dois ou três envelopes. Quando o tipo de licitação for o de menor
preço ou maior lance ou oferta, serão dois os envelopes a serem entregues, um contendo a
documentação de habilitação, outro contendo a proposta de preço ou o lance. Na licitação que tenha
os tipos técnica e preço ou melhor técnica, em que há proposta técnica a ser julgada, serão três os
envelopes, sendo um com documentos de habilitação, outro com a proposta técnica e outro com a
proposta de preço.

- Habilitação;

A habilitação, também chamada de qualificação, é a fase em que se verificam as



http://ipgmrs.blogspot.com
20

condições do licitante para fazer frente às obrigações que decorrem do contrato. Nesta fase abrem-se
os envelopes contendo os documentos de habilitação e se apreciam, nos termos das exigências
estabelecidas no Edital, a qualificação jurídica, técnica, econômico-financeira, regularidade fiscal e a
inexistência de trabalho de menores constitucionalmente vedada. Esses requisitos estão previstos nos
arts. 27 e seguintes da Lei 8.666/93, que estabelecem:
Art. 27. Para a habilitação nas licitações exigir-se-á dos interessados,
exclusivamente, documentação relativa a:
I - habilitação jurídica;
II - qualificação técnica;
III - qualificação econômico-financeira;
IV - regularidade fiscal.
V – cumprimento do disposto no inciso XXXIII do art. 7
o
da Constituição Federal.
(Incluído pela Lei nº 9.854, de 1999)
Art. 28. A documentação relativa à habilitação jurídica, conforme o caso, consistirá
em:
I - cédula de identidade;
II - registro comercial, no caso de empresa individual;
III - ato constitutivo, estatuto ou contrato social em vigor, devidamente registrado,
em se tratando de sociedades comerciais, e, no caso de sociedades por ações,
acompanhado de documentos de eleição de seus administradores;
IV - inscrição do ato constitutivo, no caso de sociedades civis, acompanhada de
prova de diretoria em exercício;
V - decreto de autorização, em se tratando de empresa ou sociedade estrangeira
em funcionamento no País, e ato de registro ou autorização para funcionamento expedido
pelo órgão competente, quando a atividade assim o exigir.
Art. 29. A documentação relativa à regularidade fiscal, conforme o caso, consistirá
em:
I - prova de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou no Cadastro Geral de
Contribuintes (CGC);
II - prova de inscrição no cadastro de contribuintes estadual ou municipal, se
houver, relativo ao domicílio ou sede do licitante, pertinente ao seu ramo de atividade e
compatível com o objeto contratual;
III - prova de regularidade para com a Fazenda Federal, Estadual e Municipal do
domicílio ou sede do licitante, ou outra equivalente, na forma da lei;



http://ipgmrs.blogspot.com
21

IV - prova de regularidade relativa à Seguridade Social e ao Fundo de Garantia por
Tempo de Serviço (FGTS), demonstrando situação regular no cumprimento dos encargos
sociais instituídos por lei. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
Art. 30. A documentação relativa à qualificação técnica limitar-se-á a:
I - registro ou inscrição na entidade profissional competente;
II - comprovação de aptidão para desempenho de atividade pertinente e compatível
em características, quantidades e prazos com o objeto da licitação, e indicação das
instalações e do aparelhamento e do pessoal técnico adequados e disponíveis para a
realização do objeto da licitação, bem como da qualificação de cada um dos membros da
equipe técnica que se responsabilizará pelos trabalhos;
III - comprovação, fornecida pelo órgão licitante, de que recebeu os documentos, e,
quando exigido, de que tomou conhecimento de todas as informações e das condições
locais para o cumprimento das obrigações objeto da licitação;
IV - prova de atendimento de requisitos previstos em lei especial, quando for o
caso.
§ 1
o
A comprovação de aptidão referida no inciso II do "caput" deste artigo, no
caso das licitações pertinentes a obras e serviços, será feita por atestados fornecidos por
pessoas jurídicas de direito público ou privado, devidamente registrados nas entidades
profissionais competentes, limitadas as exigências a: (Redação dada pela Lei nº 8.883, de
1994)
I - capacitação técnico-profissional: comprovação do licitante de possuir em seu
quadro permanente, na data prevista para entrega da proposta, profissional de nível
superior ou outro devidamente reconhecido pela entidade competente, detentor de
atestado de responsabilidade técnica por execução de obra ou serviço de características
semelhantes, limitadas estas exclusivamente às parcelas de maior relevância e valor
significativo do objeto da licitação, vedadas as exigências de quantidades mínimas ou
prazos máximos; (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
II - (Vetado). (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
a) (Vetado). (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
b) (Vetado). (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 2
o
As parcelas de maior relevância técnica e de valor significativo, mencionadas
no parágrafo anterior, serão definidas no instrumento convocatório. (Redação dada pela
Lei nº 8.883, de 1994)
§ 3
o
Será sempre admitida a comprovação de aptidão através de certidões ou
atestados de obras ou serviços similares de complexidade tecnológica e operacional
equivalente ou superior.
§ 4
o
Nas licitações para fornecimento de bens, a comprovação de aptidão, quando



http://ipgmrs.blogspot.com
22

for o caso, será feita através de atestados fornecidos por pessoa jurídica de direito público
ou privado.
§ 5
o
É vedada a exigência de comprovação de atividade ou de aptidão com
limitações de tempo ou de época ou ainda em locais específicos, ou quaisquer outras não
previstas nesta Lei, que inibam a participação na licitação.
§ 6
o
As exigências mínimas relativas a instalações de canteiros, máquinas,
equipamentos e pessoal técnico especializado, considerados essenciais para o
cumprimento do objeto da licitação, serão atendidas mediante a apresentação de relação
explícita e da declaração formal da sua disponibilidade, sob as penas cabíveis, vedada as
exigências de propriedade e de localização prévia.
§ 7º (Vetado). (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
I - (Vetado). (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
II - (Vetado). (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 8
o
No caso de obras, serviços e compras de grande vulto, de alta complexidade
técnica, poderá a Administração exigir dos licitantes a metodologia de execução, cuja
avaliação, para efeito de sua aceitação ou não, antecederá sempre à análise dos preços e
será efetuada exclusivamente por critérios objetivos.
§ 9
o
Entende-se por licitação de alta complexidade técnica aquela que envolva alta
especialização, como fator de extrema relevância para garantir a execução do objeto a ser
contratado, ou que possa comprometer a continuidade da prestação de serviços públicos
essenciais.
§ 10. Os profissionais indicados pelo licitante para fins de comprovação da
capacitação técnico-profissional de que trata o inciso I do § 1
o
deste artigo deverão
participar da obra ou serviço objeto da licitação, admitindo-se a substituição por
profissionais de experiência equivalente ou superior, desde que aprovada pela
administração. (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 11. (Vetado). (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 12. (Vetado). (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
Art. 31. A documentação relativa à qualificação econômico-financeira limitar-se-á
a:
I - balanço patrimonial e demonstrações contábeis do último exercício social, já
exigíveis e apresentados na forma da lei, que comprovem a boa situação financeira da
empresa, vedada a sua substituição por balancetes ou balanços provisórios, podendo ser
atualizados por índices oficiais quando encerrado há mais de 3 (três) meses da data de
apresentação da proposta;
II - certidão negativa de falência ou concordata expedida pelo distribuidor da sede
da pessoa jurídica, ou de execução patrimonial, expedida no domicílio da pessoa física;



http://ipgmrs.blogspot.com
23

III - garantia, nas mesmas modalidades e critérios previstos no "caput" e § 1
o
do
art. 56 desta Lei, limitada a 1% (um por cento) do valor estimado do objeto da
contratação.
§ 1
o
A exigência de índices limitar-se-á à demonstração da capacidade financeira
do licitante com vistas aos compromissos que terá que assumir caso lhe seja adjudicado o
contrato, vedada a exigência de valores mínimos de faturamento anterior, índices de
rentabilidade ou lucratividade. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 2
o
A Administração, nas compras para entrega futura e na execução de obras e
serviços, poderá estabelecer, no instrumento convocatório da licitação, a exigência de
capital mínimo ou de patrimônio líquido mínimo, ou ainda as garantias previstas no § 1
o

do art. 56 desta Lei, como dado objetivo de comprovação da qualificação econômico-
financeira dos licitantes e para efeito de garantia ao adimplemento do contrato a ser
ulteriormente celebrado.
§ 3
o
O capital mínimo ou o valor do patrimônio líquido a que se refere o parágrafo
anterior não poderá exceder a 10% (dez por cento) do valor estimado da contratação,
devendo a comprovação ser feita relativamente à data da apresentação da proposta, na
forma da lei, admitida a atualização para esta data através de índices oficiais.
§ 4
o
Poderá ser exigida, ainda, a relação dos compromissos assumidos pelo
licitante que importem diminuição da capacidade operativa ou absorção de disponibilidade
financeira, calculada esta em função do patrimônio líquido atualizado e sua capacidade de
rotação.
§ 5
o
A comprovação de boa situação financeira da empresa será feita de forma
objetiva, através do cálculo de índices contábeis previstos no edital e devidamente
justificados no processo administrativo da licitação que tenha dado início ao certame
licitatório, vedada a exigência de índices e valores não usualmente adotados para correta
avaliação de situação financeira suficiente ao cumprimento das obrigações decorrentes da
licitação. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 6º (Vetado). (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
Art. 32. Os documentos necessários à habilitação poderão ser apresentados em
original, por qualquer processo de cópia autenticada por cartório competente ou por
servidor da administração ou publicação em órgão da imprensa oficial. (Redação dada
pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 1
o
A documentação de que tratam os arts. 28 a 31 desta Lei poderá ser
dispensada, no todo ou em parte, nos casos de convite, concurso, fornecimento de bens
para pronta entrega e leilão.
§ 2
o
O certificado de registro cadastral a que se refere o § 1
o
do art. 36 substitui os
documentos enumerados nos arts. 28 a 31, quanto às informações disponibilizadas em
sistema informatizado de consulta direta indicado no edital, obrigando-se a parte a
declarar, sob as penalidades legais, a superveniência de fato impeditivo da habilitação.
(Redação dada pela Lei nº 9.648, de 1998)



http://ipgmrs.blogspot.com
24

§ 3
o
A documentação referida neste artigo poderá ser substituída por registro
cadastral emitido por órgão ou entidade pública, desde que previsto no edital e o registro
tenha sido feito em obediência ao disposto nesta Lei.
§ 4
o
As empresas estrangeiras que não funcionem no País, tanto quanto possível,
atenderão, nas licitações internacionais, às exigências dos parágrafos anteriores mediante
documentos equivalentes, autenticados pelos respectivos consulados e traduzidos por
tradutor juramentado, devendo ter representação legal no Brasil com poderes expressos
para receber citação e responder administrativa ou judicialmente.
§ 5
o
Não se exigirá, para a habilitação de que trata este artigo, prévio recolhimento
de taxas ou emolumentos, salvo os referentes a fornecimento do edital, quando
solicitado, com os seus elementos constitutivos, limitados ao valor do custo efetivo de
reprodução gráfica da documentação fornecida.
§ 6
o
O disposto no § 4
o
deste artigo, no § 1
o
do art. 33 e no § 2
o
do art. 55, não se
aplica às licitações internacionais para a aquisição de bens e serviços cujo pagamento seja
feito com o produto de financiamento concedido por organismo financeiro internacional de
que o Brasil faça parte, ou por agência estrangeira de cooperação, nem nos casos de
contratação com empresa estrangeira, para a compra de equipamentos fabricados e
entregues no exterior, desde que para este caso tenha havido prévia autorização do Chefe
do Poder Executivo, nem nos casos de aquisição de bens e serviços realizada por
unidades administrativas com sede no exterior.

Do resultado da habilitação haverá licitantes habilitados, ou qualificados, e licitantes
inabilitados, ou desqualificados. Não se confundam os termos habilitação ou qualificação, com o termo
classificação das propostas. Enquanto a habilitação ou qualificação é relacionada aos requisitos de
habilitação, a classificação tem relação de pertinência com o julgamento das propostas.
Os licitantes inabilitados terão posteriormente seus envelopes devolvidos e não
poderão seguir no certame. Todavia, se todos os licitantes forem inabilitados, oportunidade que se
abrirá posteriormente se todos forem desclassificados, poderá ser oportunizado o saneamento das
falhas para o prosseguimento na licitação, nos termos do art. 48, par. 3º, que diz:
§ 3º Quando todos os licitantes forem inabilitados ou todas as propostas forem
desclassificadas, a administração poderá fixar aos licitantes o prazo de oito dias úteis
para a apresentação de nova documentação ou de outras propostas escoimadas das
causas referidas neste artigo, facultada, no caso de convite, a redução deste prazo
para três dias úteis. (Incluído pela Lei nº 9.648, de 1998)

- Abertura das Propostas;

Só se abrem propostas dos licitantes devidamente habilitados, ou seja, resolvida a fase
de habilitação e dos pertinentes recursos, se houver. Os demais terão suas propostas devolvidas. Nos
tipos melhor técnica e técnica e preço faz-se primeiro a abertura das propostas técnicas. Só se abrem
as propostas de preço após o julgamento das propostas técnicas e findo o prazo de recursos ou
resolvida a fase recursal.

- Julgamento;

No julgamento temos mais um dos princípios norteadores do procedimento licitatório,



http://ipgmrs.blogspot.com
25

que é o princípio do julgamento objetivo. O julgamento deve ser feito pela Comissão de licitação,
segundo os critérios objetivos estabelecidos no Edital, não se admitindo julgamento por critérios
subjetivos. Com o julgamento, encerra-se a atuação da Comissão, passando-se à autoridade superior
para homologação e adjudicação.

- Homologação e Adjudicação;

A homologação é a chancela, ou seja, a aprovação do que foi feito pela Comissão de
Licitações, por parte da autoridade superior. Com a homologação, a autoridade superior dá o seu
consentimento ao que foi feito até então, ratificando todas as fases anteriores do certame.
A adjudicação é o ato de atribuição ao licitante vencedor do objeto da licitação. Com a
adjudicação, fica viabilizada a firmatura do contrato nas condições e prazos estabelecidos no Edital.
Homologação e adjudicação são os últimos atos do procedimento licitatório que, com
elas, se encerra.

- dispensa e inexigibilidade;

A exigência de licitação é a regra, que encontra na dispensa e na inexigibilidade
exceção. Com a dispensa ou inexigibilidade fica afastada a realização do certame, fazendo-se a
contratação direta. Estas causas são diferenciadas pela sua natureza e razão de ser, como se verá a
seguir
No caso de dispensa, há que se distinguir a licitação dispensada da licitação
dispensável.
Na licitação dispensável, é a própria lei que dispensa a realização do certame, e não a
autoridade administrativa. Aqui, a lei leva em consideração circunstâncias fáticas que eximem da
realização do certame, ou seja há uma razão de ordem lógica que faz com que a lei retire desde logo a
exigência de licitação, como ocorre, por exemplo, no caso de doação ou permuta de bens. Ora se
haverá doação ou permuta, haverá destinatários certos e determinados, não tendo razão lógica a
realização de certame licitatório. Da mesma forma, não há porque realizar licitação quando se tem em
vista programa habitacional estabelecido em lei. Se se fizesse licitação nesses casos, provavelmente
os destinatários do programa seriam os que menores condições teriam de concorrer considerando os
tipos previstos na Lei de licitações. As hipótese de licitação dispensada, na Lei 8.666/93, estão
previstas nos incisos I e II do art. 17, que dispõe:
Art. 17. A alienação de bens da Administração Pública, subordinada à existência de
interesse público devidamente justificado, será precedida de avaliação e obedecerá às
seguintes normas:
I - quando imóveis, dependerá de autorização legislativa para órgãos da
administração direta e entidades autárquicas e fundacionais, e, para todos, inclusive as
entidades paraestatais, dependerá de avaliação prévia e de licitação na modalidade de
concorrência, dispensada esta nos seguintes casos:
a) dação em pagamento;
b) doação, permitida exclusivamente para outro órgão ou entidade da administração
pública, de qualquer esfera de governo, ressalvado o disposto nas alíneas f, h e i;
(Redação dada pela Lei nº 11.952, de 2009)
c) permuta, por outro imóvel que atenda aos requisitos constantes do inciso X do



http://ipgmrs.blogspot.com
26

art. 24 desta Lei;
d) investidura;
e) venda a outro órgão ou entidade da administração pública, de qualquer esfera de
governo; (Incluída pela Lei nº 8.883, de 1994)
f) alienação gratuita ou onerosa, aforamento, concessão de direito real de uso,
locação ou permissão de uso de bens imóveis residenciais construídos, destinados ou
efetivamente utilizados no âmbito de programas habitacionais ou de regularização
fundiária de interesse social desenvolvidos por órgãos ou entidades da administração
pública; (Redação dada pela Lei nº 11.481, de 2007)
g) procedimentos de legitimação de posse de que trata o art. 29 da Lei n
o
6.383, de
7 de dezembro de 1976, mediante iniciativa e deliberação dos órgãos da Administração
Pública em cuja competência legal inclua-se tal atribuição; (Incluído pela Lei nº 11.196,
de 2005)
h) alienação gratuita ou onerosa, aforamento, concessão de direito real de uso,
locação ou permissão de uso de bens imóveis de uso comercial de âmbito local com área
de até 250 m² (duzentos e cinqüenta metros quadrados) e inseridos no âmbito de
programas de regularização fundiária de interesse social desenvolvidos por órgãos ou
entidades da administração pública; (Incluído pela Lei nº 11.481, de 2007)
i) alienação e concessão de direito real de uso, gratuita ou onerosa, de terras
públicas rurais da União na Amazônia Legal onde incidam ocupações até o limite de 15
(quinze) módulos fiscais ou 1.500ha (mil e quinhentos hectares), para fins de
regularização fundiária, atendidos os requisitos legais; (Incluído pela Lei nº 11.952, de
2009)
II - quando móveis, dependerá de avaliação prévia e de licitação, dispensada esta
nos seguintes casos:
a) doação, permitida exclusivamente para fins e uso de interesse social, após
avaliação de sua oportunidade e conveniência sócio-econômica, relativamente à escolha
de outra forma de alienação;
b) permuta, permitida exclusivamente entre órgãos ou entidades da Administração
Pública;
c) venda de ações, que poderão ser negociadas em bolsa, observada a legislação
específica;
d) venda de títulos, na forma da legislação pertinente;
e) venda de bens produzidos ou comercializados por órgãos ou entidades da
Administração Pública, em virtude de suas finalidades;
f) venda de materiais e equipamentos para outros órgãos ou entidades da
Administração Pública, sem utilização previsível por quem deles dispõe.



http://ipgmrs.blogspot.com
27

g) procedimentos de legitimação de posse de que trata o art. 29 da Lei n
o
6.383, de
7 de dezembro de 1976, mediante iniciativa e deliberação dos órgãos da Administração
Pública em cuja competência legal inclua-se tal atribuição; (Incluído pela Lei nº 11.196,
de 2005)
§ 1
o
Os imóveis doados com base na alínea "b" do inciso I deste artigo, cessadas as
razões que justificaram a sua doação, reverterão ao patrimônio da pessoa jurídica
doadora, vedada a sua alienação pelo beneficiário.
§ 2
o
A Administração também poderá conceder título de propriedade ou de direito
real de uso de imóveis, dispensada licitação, quando o uso destinar-se: (Redação dada
pela Lei nº 11.196, de 2005)
I - a outro órgão ou entidade da Administração Pública, qualquer que seja a
localização do imóvel; (Incluído pela Lei nº 11.196, de 2005)
II - a pessoa natural que, nos termos da lei, regulamento ou ato normativo do
órgão competente, haja implementado os requisitos mínimos de cultura, ocupação mansa
e pacífica e exploração direta sobre área rural situada na Amazônia Legal, superior a 1
(um) módulo fiscal e limitada a 15 (quinze) módulos fiscais, desde que não exceda
1.500ha (mil e quinhentos hectares); (Redação dada pela Lei nº 11.952, de 2009)
§ 2º-A. As hipóteses do inciso II do § 2
o
ficam dispensadas de autorização
legislativa, porém submetem-se aos seguintes condicionamentos: (Redação dada pela Lei
nº 11.952, de 2009)
I - aplicação exclusivamente às áreas em que a detenção por particular seja
comprovadamente anterior a 1
o
de dezembro de 2004; (Incluído pela Lei nº 11.196, de
2005)
II - submissão aos demais requisitos e impedimentos do regime legal e
administrativo da destinação e da regularização fundiária de terras públicas; (Incluído
pela Lei n] 11.196, de 2005)
III - vedação de concessões para hipóteses de exploração não-contempladas na lei
agrária, nas leis de destinação de terras públicas, ou nas normas legais ou administrativas
de zoneamento ecológico-econômico; e (Incluído pela Lei nº 11.196, de 2005)
IV - previsão de rescisão automática da concessão, dispensada notificação, em caso
de declaração de utilidade, ou necessidade pública ou interesse social. (Incluído pela Lei
nº 11.196, de 2005)
§ 2
o
-B. A hipótese do inciso II do § 2
o
deste artigo: (Incluído pela Lei nº 11.196, de
2005)
I - só se aplica a imóvel situado em zona rural, não sujeito a vedação, impedimento
ou inconveniente a sua exploração mediante atividades agropecuárias; (Incluído pela Lei
nº 11.196, de 2005)
II – fica limitada a áreas de até quinze módulos fiscais, desde que não exceda mil e



http://ipgmrs.blogspot.com
28

quinhentos hectares, vedada a dispensa de licitação para áreas superiores a esse limite;
(Redação dada pela Lei nº 11.763, de 2008)
III - pode ser cumulada com o quantitativo de área decorrente da figura prevista na
alínea g do inciso I do caput deste artigo, até o limite previsto no inciso II deste
parágrafo. (Incluído pela Lei nº 11.196, de 2005)
IV – (VETADO) (Incluído pela Lei nº 11.763, de 2008)
§ 3
o
Entende-se por investidura, para os fins desta lei: (Redação dada pela Lei nº
9.648, de 1998)
I - a alienação aos proprietários de imóveis lindeiros de área remanescente ou
resultante de obra pública, área esta que se tornar inaproveitável isoladamente, por preço
nunca inferior ao da avaliação e desde que esse não ultrapasse a 50% (cinqüenta por
cento) do valor constante da alínea "a" do inciso II do art. 23 desta lei; (Incluído pela Lei
nº 9.648, de 1998)
II - a alienação, aos legítimos possuidores diretos ou, na falta destes, ao Poder
Público, de imóveis para fins residenciais construídos em núcleos urbanos anexos a usinas
hidrelétricas, desde que considerados dispensáveis na fase de operação dessas unidades e
não integrem a categoria de bens reversíveis ao final da concessão. (Incluído pela Lei nº
9.648, de 1998)
§ 4
o
A doação com encargo será licitada e de seu instrumento constarão,
obrigatoriamente os encargos, o prazo de seu cumprimento e cláusula de reversão, sob
pena de nulidade do ato, sendo dispensada a licitação no caso de interesse público
devidamente justificado; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 5
o
Na hipótese do parágrafo anterior, caso o donatário necessite oferecer o
imóvel em garantia de financiamento, a cláusula de reversão e demais obrigações serão
garantidas por hipoteca em segundo grau em favor do doador. (Incluído pela Lei nº
8.883, de 1994)
§ 6
o
Para a venda de bens móveis avaliados, isolada ou globalmente, em quantia
não superior ao limite previsto no art. 23, inciso II, alínea "b" desta Lei, a Administração
poderá permitir o leilão. (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 7
o
(VETADO). (Incluído pela Lei nº 11.481, de 2007)

Já a licitação dispensável é aquela em que a lei dá ao administrador a possibilidade de
não realizar o certame nos casos por ela expressamente elencados. Ou seja, a licitação é possível,
mas uma causa expressamente prevista em lei dá ao administrador a possibilidade de não a realizar.
Em face dessa situação, diz-se que as hipóteses de licitação dispensável são numerus clausus, não se
admitindo interpretação extensiva, já que, sendo possível a licitação, só se viabilizará que se deixe de
proceder nos restritos casos trazidos em regra de direito. As causas estão previstas, no âmbito da Lei
8.666/93, no art. 24, que leva em consideração ora o valor da licitação (I e II), ora a dificuldade de
realizar o procedimento ou por razões excepcionais ou estratégicas (III, IV e V, VI, VII, IX, X, XI, XIV,
XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XXI, XXV, XXVIII e XXIX), ora a qualidade da pessoa contratada (VIII, XIII,
XX, XXII, XXIII, XXIV, XXVI, XXVII e XXX). Diz o art. 24:



http://ipgmrs.blogspot.com
29

Art. 24. É dispensável a licitação: Vide Lei nº 12.188, de 2.010 Vigência
I - para obras e serviços de engenharia de valor até 10% (dez por cento) do limite
previsto na alínea "a", do inciso I do artigo anterior, desde que não se refiram a parcelas
de uma mesma obra ou serviço ou ainda para obras e serviços da mesma natureza e no
mesmo local que possam ser realizadas conjunta e concomitantemente; (Redação dada
pela Lei nº 9.648, de 1998)
II - para outros serviços e compras de valor até 10% (dez por cento) do limite
previsto na alínea "a", do inciso II do artigo anterior e para alienações, nos casos
previstos nesta Lei, desde que não se refiram a parcelas de um mesmo serviço, compra
ou alienação de maior vulto que possa ser realizada de uma só vez; (Redação dada pela
Lei nº 9.648, de 1998)
III - nos casos de guerra ou grave perturbação da ordem;
IV - nos casos de emergência ou de calamidade pública, quando caracterizada
urgência de atendimento de situação que possa ocasionar prejuízo ou comprometer a
segurança de pessoas, obras, serviços, equipamentos e outros bens, públicos ou
particulares, e somente para os bens necessários ao atendimento da situação emergencial
ou calamitosa e para as parcelas de obras e serviços que possam ser concluídas no prazo
máximo de 180 (cento e oitenta) dias consecutivos e ininterruptos, contados da
ocorrência da emergência ou calamidade, vedada a prorrogação dos respectivos
contratos;
V - quando não acudirem interessados à licitação anterior e esta, justificadamente,
não puder ser repetida sem prejuízo para a Administração, mantidas, neste caso, todas as
condições preestabelecidas;
VI - quando a União tiver que intervir no domínio econômico para regular preços ou
normalizar o abastecimento;
VII - quando as propostas apresentadas consignarem preços manifestamente
superiores aos praticados no mercado nacional, ou forem incompatíveis com os fixados
pelos órgãos oficiais competentes, casos em que, observado o parágrafo único do art. 48
desta Lei e, persistindo a situação, será admitida a adjudicação direta dos bens ou
serviços, por valor não superior ao constante do registro de preços, ou dos serviços;
(Vide § 3º do art. 48)
VIII - para a aquisição, por pessoa jurídica de direito público interno, de bens
produzidos ou serviços prestados por órgão ou entidade que integre a Administração
Pública e que tenha sido criado para esse fim específico em data anterior à vigência desta
Lei, desde que o preço contratado seja compatível com o praticado no mercado; (Redação
dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
IX - quando houver possibilidade de comprometimento da segurança nacional, nos
casos estabelecidos em decreto do Presidente da República, ouvido o Conselho de Defesa
Nacional;
X - para a compra ou locação de imóvel destinado ao atendimento das finalidades



http://ipgmrs.blogspot.com
30

precípuas da administração, cujas necessidades de instalação e localização condicionem a
sua escolha, desde que o preço seja compatível com o valor de mercado, segundo
avaliação prévia;(Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
XI - na contratação de remanescente de obra, serviço ou fornecimento, em
conseqüência de rescisão contratual, desde que atendida a ordem de classificação da
licitação anterior e aceitas as mesmas condições oferecidas pelo licitante vencedor,
inclusive quanto ao preço, devidamente corrigido;
XII - nas compras de hortifrutigranjeiros, pão e outros gêneros perecíveis, no tempo
necessário para a realização dos processos licitatórios correspondentes, realizadas
diretamente com base no preço do dia; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
XIII - na contratação de instituição brasileira incumbida regimental ou
estatutariamente da pesquisa, do ensino ou do desenvolvimento institucional, ou de
instituição dedicada à recuperação social do preso, desde que a contratada detenha
inquestionável reputação ético-profissional e não tenha fins lucrativos;(Redação dada pela
Lei nº 8.883, de 1994)
XIV - para a aquisição de bens ou serviços nos termos de acordo internacional
específico aprovado pelo Congresso Nacional, quando as condições ofertadas forem
manifestamente vantajosas para o Poder Público; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de
1994)
XV - para a aquisição ou restauração de obras de arte e objetos históricos, de
autenticidade certificada, desde que compatíveis ou inerentes às finalidades do órgão ou
entidade.
XVI - para a impressão dos diários oficiais, de formulários padronizados de uso da
administração, e de edições técnicas oficiais, bem como para prestação de serviços de
informática a pessoa jurídica de direito público interno, por órgãos ou entidades que
integrem a Administração Pública, criados para esse fim específico;(Incluído pela Lei nº
8.883, de 1994)
XVII - para a aquisição de componentes ou peças de origem nacional ou
estrangeira, necessários à manutenção de equipamentos durante o período de garantia
técnica, junto ao fornecedor original desses equipamentos, quando tal condição de
exclusividade for indispensável para a vigência da garantia; (Incluído pela Lei nº 8.883,
de 1994)
XVIII - nas compras ou contratações de serviços para o abastecimento de navios,
embarcações, unidades aéreas ou tropas e seus meios de deslocamento quando em
estada eventual de curta duração em portos, aeroportos ou localidades diferentes de suas
sedes, por motivo de movimentação operacional ou de adestramento, quando a
exiguidade dos prazos legais puder comprometer a normalidade e os propósitos das
operações e desde que seu valor não exceda ao limite previsto na alínea "a" do incico II
do art. 23 desta Lei: (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
XIX - para as compras de material de uso pelas Forças Armadas, com exceção de
materiais de uso pessoal e administrativo, quando houver necessidade de manter a



http://ipgmrs.blogspot.com
31

padronização requerida pela estrutura de apoio logístico dos meios navais, aéreos e
terrestres, mediante parecer de comissão instituída por decreto; (Incluído pela Lei nº
8.883, de 1994)
XX - na contratação de associação de portadores de deficiência física, sem fins
lucrativos e de comprovada idoneidade, por órgãos ou entidades da Admininistração
Pública, para a prestação de serviços ou fornecimento de mão-de-obra, desde que o preço
contratado seja compatível com o praticado no mercado. (Incluído pela Lei nº 8.883, de
1994)
XXI - Para a aquisição de bens destinados exclusivamente a pesquisa científica e
tecnológica com recursos concedidos pela CAPES, FINEP, CNPq ou outras instituições de
fomento a pesquisa credenciadas pelo CNPq para esse fim específico. (Incluído pela Lei nº
9.648, de 1998)
XXII - na contratação de fornecimento ou suprimento de energia elétrica e gás
natural com concessionário, permissionário ou autorizado, segundo as normas da
legislação específica; (Incluído pela Lei nº 9.648, de 1998)
XXIII - na contratação realizada por empresa pública ou sociedade de economia
mista com suas subsidiárias e controladas, para a aquisição ou alienação de bens,
prestação ou obtenção de serviços, desde que o preço contratado seja compatível com o
praticado no mercado. (Incluído pela Lei nº 9.648, de 1998)
XXIV - para a celebração de contratos de prestação de serviços com as
organizações sociais, qualificadas no âmbito das respectivas esferas de governo, para
atividades contempladas no contrato de gestão. (Incluído pela Lei nº 9.648, de 1998)
XXV - na contratação realizada por Instituição Científica e Tecnológica - ICT ou por
agência de fomento para a transferência de tecnologia e para o licenciamento de direito
de uso ou de exploração de criação protegida. (Incluído pela Lei nº 10.973, de 2004)
XXVI – na celebração de contrato de programa com ente da Federação ou com
entidade de sua administração indireta, para a prestação de serviços públicos de forma
associada nos termos do autorizado em contrato de consórcio público ou em convênio de
cooperação. (Incluído pela Lei nº 11.107, de 2005)
XXVII - na contratação da coleta, processamento e comercialização de resíduos
sólidos urbanos recicláveis ou reutilizáveis, em áreas com sistema de coleta seletiva de
lixo, efetuados por associações ou cooperativas formadas exclusivamente por pessoas
físicas de baixa renda reconhecidas pelo poder público como catadores de materiais
recicláveis, com o uso de equipamentos compatíveis com as normas técnicas, ambientais
e de saúde pública. (Redação dada pela Lei nº 11.445, de 2007).
XXVIII – para o fornecimento de bens e serviços, produzidos ou prestados no País,
que envolvam, cumulativamente, alta complexidade tecnológica e defesa nacional,
mediante parecer de comissão especialmente designada pela autoridade máxima do
órgão. (Incluído pela Lei nº 11.484, de 2007).
XXIX – na aquisição de bens e contratação de serviços para atender aos



http://ipgmrs.blogspot.com
32

contingentes militares das Forças Singulares brasileiras empregadas em operações de paz
no exterior, necessariamente justificadas quanto ao preço e à escolha do fornecedor ou
executante e ratificadas pelo Comandante da Força. (Incluído pela Lei nº 11.783, de
2008).
XXX - na contratação de instituição ou organização, pública ou privada, com ou sem
fins lucrativos, para a prestação de serviços de assistência técnica e extensão rural no
âmbito do Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura
Familiar e na Reforma Agrária, instituído por lei federal. (Incluído pela Lei nº 12.188, de
2.010) Vigência
Parágrafo único. Os percentuais referidos nos incisos I e II do caput deste artigo
serão 20% (vinte por cento) para compras, obras e serviços contratados por consórcios
públicos, sociedade de economia mista, empresa pública e por autarquia ou fundação
qualificadas, na forma da lei, como Agências Executivas. (Redação dada pela Lei nº
11.107, de 2005)

Já a inexigibilidade tem como causa a inviabilidade de competição. Ocorre quando não
há como se estabelecer um procedimento seletivo por impropriedade material de realização de
qualquer certame. As hipóteses do art. 25, que admite a inexigibilidade, são exemplificativas, já que,
ante a inviabilidade fática de realização do certame, pode ser declarada a inexigibilidade com fulcro no
caput do artigo 25, que assim dispõe:
Art. 25. É inexigível a licitação quando houver inviabilidade de competição, em
especial:
I - para aquisição de materiais, equipamentos, ou gêneros que só possam ser
fornecidos por produtor, empresa ou representante comercial exclusivo, vedada a
preferência de marca, devendo a comprovação de exclusividade ser feita através de
atestado fornecido pelo órgão de registro do comércio do local em que se realizaria a
licitação ou a obra ou o serviço, pelo Sindicato, Federação ou Confederação Patronal, ou,
ainda, pelas entidades equivalentes;
II - para a contratação de serviços técnicos enumerados no art. 13 desta Lei, de
natureza singular, com profissionais ou empresas de notória especialização, vedada a
inexigibilidade para serviços de publicidade e divulgação;
III - para contratação de profissional de qualquer setor artístico, diretamente ou
através de empresário exclusivo, desde que consagrado pela crítica especializada ou pela
opinião pública.
§ 1
o
Considera-se de notória especialização o profissional ou empresa cujo conceito
no campo de sua especialidade, decorrente de desempenho anterior, estudos,
experiências, publicações, organização, aparelhamento, equipe técnica, ou de outros
requisitos relacionados com suas atividades, permita inferir que o seu trabalho é essencial
e indiscutivelmente o mais adequado à plena satisfação do objeto do contrato.
§ 2
o
Na hipótese deste artigo e em qualquer dos casos de dispensa, se comprovado
superfaturamento, respondem solidariamente pelo dano causado à Fazenda Pública o
fornecedor ou o prestador de serviços e o agente público responsável, sem prejuízo de



http://ipgmrs.blogspot.com
33

outras sanções legais cabíveis.

Uma situação a ser considerada é a de que a inexigibilidade deve ser evidente, sob
pena de ser declarada nula e trazer todo o regime repressivo da Lei 8.666/93. No caso do inciso II, os
requisitos são concomitantes e inafastáveis. Não basta um requisito sem a presença do outro. Assim,
a contratação de profissional de notória especialização só pode ser feita por inexigibilidade se o objeto
for singular, refugindo a questões próprias do dia a dia da Administração. Não basta que seja singular
o objeto se o profissional não for efetivamente reconhecido na área de especialização relativa à
contratação, com relevantes serviços ou publicações científicas no meio profissional ou acadêmico.
A motivação nesses casos é imprescindível, exigência que se extrai, também, do art.
26 da Lei 8.666/93, que impõe:
Art. 26. As dispensas previstas nos §§ 2
o
e 4
o
do art. 17 e no inciso III e seguintes
do art. 24, as situações de inexigibilidade referidas no art. 25, necessariamente
justificadas, e o retardamento previsto no final do parágrafo único do art. 8
o
desta Lei
deverão ser comunicados, dentro de 3 (três) dias, à autoridade superior, para ratificação
e publicação na imprensa oficial, no prazo de 5 (cinco) dias, como condição para a eficácia
dos atos. (Redação dada pela Lei nº 11.107, de 2005)
Parágrafo único. O processo de dispensa, de inexigibilidade ou de retardamento,
previsto neste artigo, será instruído, no que couber, com os seguintes elementos:
I - caracterização da situação emergencial ou calamitosa que justifique a dispensa,
quando for o caso;
II - razão da escolha do fornecedor ou executante;
III - justificativa do preço.
IV - documento de aprovação dos projetos de pesquisa aos quais os bens serão
alocados. (Incluído pela Lei nº 9.648, de 1998)

- Habilitação e Registro Cadastral

A habilitação dos licitantes pode ser substituída pelo registro cadastral dos mesmos.
Tal registro é feito por categorias e tem tempo determinado, não podendo valer por mais de um ano
civil, que coincide com um exercício financeiro e fiscal, após o qual deve ser renovado, caso queira o
licitante participar de outros certames. As regras de cadastramento estão previstas nos art. 34 e
seguintes, que rezam:
Art. 34. Para os fins desta Lei, os órgãos e entidades da Administração Pública que
realizem freqüentemente licitações manterão registros cadastrais para efeito de
habilitação, na forma regulamentar, válidos por, no máximo, um ano. (Regulamento)
§ 1
o
O registro cadastral deverá ser amplamente divulgado e deverá estar
permanentemente aberto aos interessados, obrigando-se a unidade por ele responsável a
proceder, no mínimo anualmente, através da imprensa oficial e de jornal diário, a
chamamento público para a atualização dos registros existentes e para o ingresso de
novos interessados.



http://ipgmrs.blogspot.com
34

§ 2
o
É facultado às unidades administrativas utilizarem-se de registros cadastrais
de outros órgãos ou entidades da Administração Pública.
Art. 35. Ao requerer inscrição no cadastro, ou atualização deste, a qualquer tempo,
o interessado fornecerá os elementos necessários à satisfação das exigências do art. 27
desta Lei.
Art. 36. Os inscritos serão classificados por categorias, tendo-se em vista sua
especialização, subdivididas em grupos, segundo a qualificação técnica e econômica
avaliada pelos elementos constantes da documentação relacionada nos arts. 30 e 31
desta Lei.
§ 1
o
Aos inscritos será fornecido certificado, renovável sempre que atualizarem o
registro.
§ 2
o
A atuação do licitante no cumprimento de obrigações assumidas será anotada
no respectivo registro cadastral.
Art. 37. A qualquer tempo poderá ser alterado, suspenso ou cancelado o registro
do inscrito que deixar de satisfazer as exigências do art. 27 desta Lei, ou as estabelecidas
para classificação cadastral.

- Recursos Administrativos e Vias Judiciais

Dentre os princípios inerentes ao procedimento licitatório temos a recorribilidade por
fases do procedimento. A recorribilidade pode ser considerada como uma decorrência lógica da
garantia do contraditório e da ampla defesa no âmbito administrativo.
Em princípio a recorribilidade no procedimento licitatório obedece ao princípio da
gratuidade, só podendo haver cobrança de taxas ou emolumentos para o seu exercício mediante
expressa previsão legal.
Uma das relevantes consequências da interposição de recurso no âmbito do
procedimento licitatório é que ele traz, nas fases de habilitação e julgamento, efeito suspensivo,
fazendo com que nenhuma providência possa ser tomada até a sua apreciação definitiva. Isto se dá
porque, resolvida a fase de habilitação, salvo nulidade que venha a ser decretada, não pode ser
retomada a discussão acerca de aspectos da habilitação, bem como, relativamente ao julgamento, não
poderá ser encerrado o procedimento, sem a resolução do recurso, porque poderia criar ao licitante
situação jurídica consolidada que poderia inviabilizar ou tornar excessivamente onerosa a sua
resolução.
No âmbito da apreciação do recurso, é possível a reconsideração da decisão por parte
da autoridade que tomou a decisão impugnada, normalmente o Presidente da Comissão de Licitações,
caso em que esta nova decisão substitutiva à primeira pode gerar um novo recurso.
Por essa razão, a utilização dos meios judiciais é frequente em licitações, buscando
licitantes, ou cidadãos preocupados com possível afronta a princípios da administração ou dano ao
erário, para evitar que se consolidem as relações jurídicas, o Poder Judiciário na defesa dos seus
interesses.
Os instrumentos judiciais são os mais variados, desde a utilizados de writs, ou
remédios constitucionais que impeçam a afronta a seus direitos, como é o caso do mandado de
segurança contra ato ilegal ou abusivo de autoridade condutora do procedimento licitatório, como o
Presidente da Comissão de Licitação, ou a autoridade superior que aprecia o recurso administrativo
pertinente, ou ações ordinárias, normalmente com pedido de antecipação de tutela, ou ainda



http://ipgmrs.blogspot.com
35

procedimentos cautelares em situações em que estejam presentes o periculum in mora e o fumus boni
juris.
O procedimento recursal é estabelecido no art. 109 da Lei 8.666/93, que dispõe:
Art. 109. Dos atos da Administração decorrentes da aplicação desta Lei cabem:
I - recurso, no prazo de 5 (cinco) dias úteis a contar da intimação do ato ou da
lavratura da ata, nos casos de:
a) habilitação ou inabilitação do licitante;
b) julgamento das propostas;
c) anulação ou revogação da licitação;
d) indeferimento do pedido de inscrição em registro cadastral, sua alteração ou
cancelamento;
e) rescisão do contrato, a que se refere o inciso I do art. 79 desta Lei; (Redação
dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
f) aplicação das penas de advertência, suspensão temporária ou de multa;
II - representação, no prazo de 5 (cinco) dias úteis da intimação da decisão
relacionada com o objeto da licitação ou do contrato, de que não caiba recurso
hierárquico;
III - pedido de reconsideração, de decisão de Ministro de Estado, ou Secretário
Estadual ou Municipal, conforme o caso, na hipótese do § 4
o
do art. 87 desta Lei, no prazo
de 10 (dez) dias úteis da intimação do ato.
§ 1
o
A intimação dos atos referidos no inciso I, alíneas "a", "b", "c" e "e", deste
artigo, excluídos os relativos a advertência e multa de mora, e no inciso III, será feita
mediante publicação na imprensa oficial, salvo para os casos previstos nas alíneas "a" e
"b", se presentes os prepostos dos licitantes no ato em que foi adotada a decisão, quando
poderá ser feita por comunicação direta aos interessados e lavrada em ata.
§ 2
o
O recurso previsto nas alíneas "a" e "b" do inciso I deste artigo terá efeito
suspensivo, podendo a autoridade competente, motivadamente e presentes razões de
interesse público, atribuir ao recurso interposto eficácia suspensiva aos demais recursos.
§ 3
o
Interposto, o recurso será comunicado aos demais licitantes, que poderão
impugná-lo no prazo de 5 (cinco) dias úteis.
§ 4
o
O recurso será dirigido à autoridade superior, por intermédio da que praticou o
ato recorrido, a qual poderá reconsiderar sua decisão, no prazo de 5 (cinco) dias úteis,
ou, nesse mesmo prazo, fazê-lo subir, devidamente informado, devendo, neste caso, a
decisão ser proferida dentro do prazo de 5 (cinco) dias úteis, contado do recebimento do
recurso, sob pena de responsabilidade.



http://ipgmrs.blogspot.com
36

§ 5
o
Nenhum prazo de recurso, representação ou pedido de reconsideração se
inicia ou corre sem que os autos do processo estejam com vista franqueada ao
interessado.
§ 6
o
Em se tratando de licitações efetuadas na modalidade de "carta convite" os
prazos estabelecidos nos incisos I e II e no parágrafo 3
o
deste artigo serão de dois dias
úteis. (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)

- Garantias e Penalidades

A possibilidade de exigência de garantias é uma das características da licitação pública.
Ela pode ser exigida desde a fase de habilitação, como demonstração de qualificação econômico-
financeira, como condição para a contratação que se fará, desde que prevista no Edital de licitações.
Para a fase de habilitação econômico-financeira, o limite valorativo da garantia é de 1% do valor
estimado da contratação; no âmbito do contrato este limite é de 5%, mas pode ser elevado até 10%
para obras e serviços de grande vulto, assim consideradas as contratações acima de 25 vezes o valor a
partir do qual se exige a modalidade de concorrência para obras e serviços de engenharia, ou seja R$
37.500.000,00 (25 X R$ 1.500.000,00).
Estabelecem-se como espécies de garantia que podem ser utilizadas pelo licitante a
caução em dinheiro ou título da dívida pública, seguro-garantia ou fiança bancária. Essas garantias
estão previstas no art.56, que dispõe:
Art. 56. A critério da autoridade competente, em cada caso, e desde que prevista
no instrumento convocatório, poderá ser exigida prestação de garantia nas contratações
de obras, serviços e compras.
§ 1
o
Caberá ao contratado optar por uma das seguintes modalidades de garantia:
(Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
I - caução em dinheiro ou em títulos da dívida pública, devendo estes ter sido
emitidos sob a forma escritural, mediante registro em sistema centralizado de liquidação
e de custódia autorizado pelo Banco Central do Brasil e avaliados pelos seus valores
econômicos, conforme definido pelo Ministério da Fazenda; (Redação dada pela Lei nº
11.079, de 2004)
II - seguro-garantia; (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
III - fiança bancária. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 8.6.94)
§ 2
o
A garantia a que se refere o caput deste artigo não excederá a cinco por cento
do valor do contrato e terá seu valor atualizado nas mesmas condições daquele,
ressalvado o previsto no parágrafo 3
o
deste artigo. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de
1994)
§ 3
o
Para obras, serviços e fornecimentos de grande vulto envolvendo alta
complexidade técnica e riscos financeiros consideráveis, demonstrados através de parecer
tecnicamente aprovado pela autoridade competente, o limite de garantia previsto no
parágrafo anterior poderá ser elevado para até dez por cento do valor do contrato.
(Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)



http://ipgmrs.blogspot.com
37

§ 4
o
A garantia prestada pelo contratado será liberada ou restituída após a
execução do contrato e, quando em dinheiro, atualizada monetariamente.
§ 5
o
Nos casos de contratos que importem na entrega de bens pela Administração,
dos quais o contratado ficará depositário, ao valor da garantia deverá ser acrescido o
valor desses bens.

Dentre as finalidades da garantia estão a demonstração de que o licitante tem
condições econômicas para fazer frente às exigências do futuro contrato, inclusive suportar, até
determinados limites, o inadimplemento do Poder Público, bem como ser utilizada pelo Poder Público
se o licitante vier a sofrer sanções administrativas decorrentes de seu descumprimento contratual.
Neste ponto, cabe chamar a atenção para que, dentre as características próprias da
licitação e do contrato administrativo que lhe é consequente, está a aplicação auto-executória de
sanções pelo Poder Público, ou seja, a aplicação de sanções diretamente, sem a necessidade de se
valer do Poder Judiciário, como ocorreria em um contrato comum. No entanto, esta aplicação não
poder ser feita sem a garantia do direito ao contraditório e a ampla defesa, nos termos do art. 5º, LV,
da Constituição Federal.
O procedimento para aplicação de penalidades, que são a advertência, a multa, a
suspensão temporária do direito de licitar e contratar com o Poder Público e a declaração de
inidoneidade para licitar e contratar, inclusive com garantia de defesa, está previsto nos arts. 86 e 87
da Lei 8.666/93, nos seguintes termos:
Art. 86. O atraso injustificado na execução do contrato sujeitará o contratado à
multa de mora, na forma prevista no instrumento convocatório ou no contrato.
§ 1
o
A multa a que alude este artigo não impede que a Administração rescinda
unilateralmente o contrato e aplique as outras sanções previstas nesta Lei.
§ 2
o
A multa, aplicada após regular processo administrativo, será descontada da
garantia do respectivo contratado.
§ 3
o
Se a multa for de valor superior ao valor da garantia prestada, além da perda
desta, responderá o contratado pela sua diferença, a qual será descontada dos
pagamentos eventualmente devidos pela Administração ou ainda, quando for o caso,
cobrada judicialmente.
Art. 87. Pela inexecução total ou parcial do contrato a Administração poderá,
garantida a prévia defesa, aplicar ao contratado as seguintes sanções:
I - advertência;
II - multa, na forma prevista no instrumento convocatório ou no contrato;
III - suspensão temporária de participação em licitação e impedimento de contratar
com a Administração, por prazo não superior a 2 (dois) anos;
IV - declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a Administração
Pública enquanto perdurarem os motivos determinantes da punição ou até que seja
promovida a reabilitação perante a própria autoridade que aplicou a penalidade, que será
concedida sempre que o contratado ressarcir a Administração pelos prejuízos resultantes



http://ipgmrs.blogspot.com
38

e após decorrido o prazo da sanção aplicada com base no inciso anterior.
§ 1
o
Se a multa aplicada for superior ao valor da garantia prestada, além da perda
desta, responderá o contratado pela sua diferença, que será descontada dos pagamentos
eventualmente devidos pela Administração ou cobrada judicialmente.
§ 2
o
As sanções previstas nos incisos I, III e IV deste artigo poderão ser aplicadas
juntamente com a do inciso II, facultada a defesa prévia do interessado, no respectivo
processo, no prazo de 5 (cinco) dias úteis.
§ 3
o
A sanção estabelecida no inciso IV deste artigo é de competência exclusiva do
Ministro de Estado, do Secretário Estadual ou Municipal, conforme o caso, facultada a
defesa do interessado no respectivo processo, no prazo de 10 (dez) dias da abertura de
vista, podendo a reabilitação ser requerida após 2 (dois) anos de sua aplicação.
Art. 88. As sanções previstas nos incisos III e IV do artigo anterior poderão
também ser aplicadas às empresas ou aos profissionais que, em razão dos contratos
regidos por esta Lei:
I - tenham sofrido condenação definitiva por praticarem, por meios dolosos, fraude
fiscal no recolhimento de quaisquer tributos;
II - tenham praticado atos ilícitos visando a frustrar os objetivos da licitação;
III - demonstrem não possuir idoneidade para contratar com a Administração em
virtude de atos ilícitos praticados.

- Direitos dos Licitantes

Os licitantes, em face do procedimento licitatório possuem diversos direitos subjetivos
que devem ser observados, dentre os quais:
- direito de participar;
- direito de impugnar o Edital e recorrer de decisões;
- direito de ter ciência do andamento do procedimento;
- direito ao procedimento formal estabelecido na legislação;
- direito de comunicar falhas no andamento;
- direito à observância das cláusulas contratuais divulgadas por ocasião do Edital;

- Tipos de licitação

Tipos de licitação são os critérios levados a efeito para julgamento do certame
licitatório. Os tipos da Lei 8.666/93, para os procedimentos por ela regulados, são numerus clausus,
ou seja, somente aqueles expressamente determinados pela lei, que não admite a utilização de outros
ou a combinação entre eles. Somente é possível a utilização de outros tipos de licitação em leis
próprias, como ocorre no âmbito da legislação de concessões e permissões de serviço público e na
legislação das parcerias público-privadas.
Exceto no caso de concurso, quando o julgamento será relativo ao melhor trabalho
técnico, científico ou artístico, as modalidades de licitação da Lei 8.666/93 terão como critérios de
julgamento o menor preço, a melhor técnica, a ténica e preço e o maior lance ou oferta, nos termos do
art. 45 e seguintes, que assim rezam:



http://ipgmrs.blogspot.com
39

Art. 45. O julgamento das propostas será objetivo, devendo a Comissão de licitação
ou o responsável pelo convite realizá-lo em conformidade com os tipos de licitação, os
critérios previamente estabelecidos no ato convocatório e de acordo com os fatores
exclusivamente nele referidos, de maneira a possibilitar sua aferição pelos licitantes e
pelos órgãos de controle.
§ 1
o
Para os efeitos deste artigo, constituem tipos de licitação, exceto na
modalidade concurso: (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
I - a de menor preço - quando o critério de seleção da proposta mais vantajosa para
a Administração determinar que será vencedor o licitante que apresentar a proposta de
acordo com as especificações do edital ou convite e ofertar o menor preço;
II - a de melhor técnica;
III - a de técnica e preço.
IV - a de maior lance ou oferta - nos casos de alienção de bens ou concessão de
direito real de uso. (Incluído pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 2
o
No caso de empate entre duas ou mais propostas, e após obedecido o disposto
no § 2
o
do art. 3
o
desta Lei, a classificação se fará, obrigatoriamente, por sorteio, em ato
público, para o qual todos os licitantes serão convocados, vedado qualquer outro
processo.
§ 3
o
No caso da licitação do tipo "menor preço", entre os licitantes considerados
qualificados a classificação se dará pela ordem crescente dos preços propostos,
prevalecendo, no caso de empate, exclusivamente o critério previsto no parágrafo
anterior. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 4
o
Para contratação de bens e serviços de informática, a administração observará
o disposto no art. 3
o
da Lei n
o
8.248, de 23 de outubro de 1991, levando em conta os
fatores especificados em seu parágrafo 2
o
e adotando obrigatoriamento o tipo de licitação
"técnica e preço", permitido o emprego de outro tipo de licitação nos casos indicados em
decreto do Poder Executivo. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 5
o
É vedada a utilização de outros tipos de licitação não previstos neste artigo.
§ 6
o
Na hipótese prevista no art. 23, § 7º, serão selecionadas tantas propostas
quantas necessárias até que se atinja a quantidade demandada na licitação. (Incluído
pela Lei nº 9.648, de 1998)
Art. 46. Os tipos de licitação "melhor técnica" ou "técnica e preço" serão utilizados
exclusivamente para serviços de natureza predominantemente intelectual, em especial na
elaboração de projetos, cálculos, fiscalização, supervisão e gerenciamento e de
engenharia consultiva em geral e, em particular, para a elaboração de estudos técnicos
preliminares e projetos básicos e executivos, ressalvado o disposto no § 4
o
do artigo
anterior. (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 1
o
Nas licitações do tipo "melhor técnica" será adotado o seguinte procedimento



http://ipgmrs.blogspot.com
40

claramente explicitado no instrumento convocatório, o qual fixará o preço máximo que a
Administração se propõe a pagar:
I - serão abertos os envelopes contendo as propostas técnicas exclusivamente dos
licitantes previamente qualificados e feita então a avaliação e classificação destas
propostas de acordo com os critérios pertinentes e adequados ao objeto licitado, definidos
com clareza e objetividade no instrumento convocatório e que considerem a capacitação e
a experiência do proponente, a qualidade técnica da proposta, compreendendo
metodologia, organização, tecnologias e recursos materiais a serem utilizados nos
trabalhos, e a qualificação das equipes técnicas a serem mobilizadas para a sua execução;
II - uma vez classificadas as propostas técnicas, proceder-se-á à abertura das
propostas de preço dos licitantes que tenham atingido a valorização mínima estabelecida
no instrumento convocatório e à negociação das condições propostas, com a proponente
melhor classificada, com base nos orçamentos detalhados apresentados e respectivos
preços unitários e tendo como referência o limite representado pela proposta de menor
preço entre os licitantes que obtiveram a valorização mínima;
III - no caso de impasse na negociação anterior, procedimento idêntico será
adotado, sucessivamente, com os demais proponentes, pela ordem de classificação, até a
consecução de acordo para a contratação;
IV - as propostas de preços serão devolvidas intactas aos licitantes que não forem
preliminarmente habilitados ou que não obtiverem a valorização mínima estabelecida para
a proposta técnica.
§ 2
o
Nas licitações do tipo "técnica e preço" será adotado, adicionalmente ao inciso
I do parágrafo anterior, o seguinte procedimento claramente explicitado no instrumento
convocatório:
I - será feita a avaliação e a valorização das propostas de preços, de acordo com
critérios objetivos preestabelecidos no instrumento convocatório;
II - a classificação dos proponentes far-se-á de acordo com a média ponderada das
valorizações das propostas técnicas e de preço, de acordo com os pesos preestabelecidos
no instrumento convocatório.
§ 3
o
Excepcionalmente, os tipos de licitação previstos neste artigo poderão ser
adotados, por autorização expressa e mediante justificativa circunstanciada da maior
autoridade da Administração promotora constante do ato convocatório, para fornecimento
de bens e execução de obras ou prestação de serviços de grande vulto majoritariamente
dependentes de tecnologia nitidamente sofisticada e de domínio restrito, atestado por
autoridades técnicas de reconhecida qualificação, nos casos em que o objeto pretendido
admitir soluções alternativas e variações de execução, com repercussões significativas
sobre sua qualidade, produtividade, rendimento e durabilidade concretamente
mensuráveis, e estas puderem ser adotadas à livre escolha dos licitantes, na
conformidade dos critérios objetivamente fixados no ato convocatório.

- revogação e anulação
Enquanto para os atos administrativos em geral a revogação se dá por critérios



http://ipgmrs.blogspot.com
41

discricionários do administrador, ou seja, segunda a sua conveniência e/ou oportunidade, e a anulação
se dá por vícios (ilegalidade, ausência dos requisitos de validade quais sejam, competência, finalidade,
forma, motivo e objeto), a Lei 8.666/93 trouxe limites à discricionariedade do administrador na
revogação e impôs a anulação no caso de ilegalidade. Daí que, para a revogação, é preciso que haja
“fato superveniente, devidamente comprovado, pertinente e suficiente para justificar tal conduta”.
Isto significa que a escolha do administrador em revogar a licitação é
significativamente cerceada, exatamente para evitar que o interesse público seja atingido com o
rompimento do procedimento. Uma das razões para tal limitação reside no fato de que o rompimento
do procedimento poderia gerar condutas inadequadas como a de revogar o procedimento em que o
licitante vencedor não é da simpatia do administrador. Outra razão é a segurança jurídica nas
contratações, dando aos participantes a garantia de que aquele procedimento levará a uma
contratação efetiva. Não é por outra razão que se passou a exigir, desde a Lei de Responsabilidade
Fiscal, na fase preparatória da licitação, estimativa de impacto orçamentário e financeiro e declaração
de compatibilidade com os instrumentos normativos orçamentários.
Quanto à anulação, há o poder-dever de anular, sempre que tomar conhecimento de
vício que possa macular o certame.
Neste ponto, como a anulação e a revogação podem causar ofensas a direito subjetivo
dos licitantes, garante a lei o direito de defesa em relação a esses atos, sem prejuízo da recorribilidade
dessas decisões.
Diz o art. 49:
Art. 49. A autoridade competente para a aprovação do procedimento somente
poderá revogar a licitação por razões de interesse público decorrente de fato
superveniente devidamente comprovado, pertinente e suficiente para justificar tal
conduta, devendo anulá-la por ilegalidade, de ofício ou por provocação de terceiros,
mediante parecer escrito e devidamente fundamentado.
§ 1
o
A anulação do procedimento licitatório por motivo de ilegalidade não gera
obrigação de indenizar, ressalvado o disposto no parágrafo único do art. 59 desta Lei.
§ 2
o
A nulidade do procedimento licitatório induz à do contrato, ressalvado o
disposto no parágrafo único do art. 59 desta Lei.
§ 3
o
No caso de desfazimento do processo licitatório, fica assegurado o
contraditório e a ampla defesa.
§ 4
o
O disposto neste artigo e seus parágrafos aplica-se aos atos do procedimento
de dispensa e de inexigibilidade de licitação.

- Comissão de licitação: competência e obrigatoriedade;

O procedimento licitatório da Lei 8.666/93 é conduzido por uma Comissão de
Licitações, que é responsável por todas as fases do procedimento licitatório posteriores ao Edital até o
julgamento. Esta Comissão pode ser permanente, para as diversas licitações a serem procedidas pelo
órgão responsável, ou especial, para certas e determinadas licitações que tenham interesse estratégico
do órgão ou demandem um conhecimento técnico diferenciado. Somente mediante recurso à
autoridade superior ou decisão judicial é que podem ser modificadas as decisões daquela Comissão.
Por essa razão, a Lei trouxe alguns requisitos para essas Comissões e cautelas na sua
composição. Ela terá pelo menos três membros, sendo que pelo menos dois serão integrantes dos
quadros do órgão responsável. Quando se tratar de comissão permanente, a alterabilidade por



http://ipgmrs.blogspot.com
42

periodicidade anual deve ser observada, nos termos do art. 51, que diz:
Art. 51. A habilitação preliminar, a inscrição em registro cadastral, a sua
alteração ou cancelamento, e as propostas serão processadas e julgadas por comissão
permanente ou especial de, no mínimo, 3 (três) membros, sendo pelo menos 2
(dois) deles servidores qualificados pertencentes aos quadros permanentes dos órgãos
da Administração responsáveis pela licitação.
§ 1
o
No caso de convite, a Comissão de licitação, excepcionalmente, nas
pequenas unidades administrativas e em face da exigüidade de pessoal disponível,
poderá ser substituída por servidor formalmente designado pela autoridade
competente.
§ 2
o
A Comissão para julgamento dos pedidos de inscrição em registro cadastral,
sua alteração ou cancelamento, será integrada por profissionais legalmente habilitados
no caso de obras, serviços ou aquisição de equipamentos.
§ 3
o
Os membros das Comissões de licitação responderão solidariamente por
todos os atos praticados pela Comissão, salvo se posição individual divergente estiver
devidamente fundamentada e registrada em ata lavrada na reunião em que tiver sido
tomada a decisão.
§ 4
o
A investidura dos membros das Comissões permanentes não excederá a 1
(um) ano, vedada a recondução da totalidade de seus membros para a mesma
comissão no período subseqüente.
§ 5
o
No caso de concurso, o julgamento será feito por uma comissão especial
integrada por pessoas de reputação ilibada e reconhecido conhecimento da matéria em
exame, servidores públicos ou não.


CONTRATOS ADMINISTRATIVOS
Nem todo contrato firmado pelo Poder Público ingressa no mundo jurídico como contrato
administrativo. Quando o parágrafo único do art. 2º da Lei 8.666/93 diz que “para os fins desta Lei,
considera-se contrato todo e qualquer ajuste entre órgãos ou entidades da Administração Pública e
particulares, em que haja um acordo de vontades para a formação de vínculo e a estipulação de
obrigações recíprocas, seja qual for a denominação utilizada”, está trazendo um conceito de contrato
para fins de incidência da exigência de licitação, e não um conceito de contrato administrativo.
Isto porque, para fins da exigência de licitação ou de procedimentos prévios de
dispensa ou inexigibilidade pertinentes, todo contrato que a Administração Pública venha a firmar
estará alcançado, inclusive contratos regidos pelo direito privado.
Daí que, para a consideração como contrato administrativo, é preciso que esteja ele
sujeito a um regime jurídico especial, derrogatório do direito comum, regime este que admite, na
proteção do interesse público, as cláusulas exorbitantes, a serem tratadas mais adiante.

- Características e regime jurídico

Relativamente aos contratos administrativos, o direito brasileiro foi significativamente
influenciado pelo direito francês. Diferentemente do que ocorreu no âmbito do direito alemão, que



http://ipgmrs.blogspot.com
43

chegou a negar por longo tempo a existência do contrato administrativo, por não admitir como
contrato uma avença em que uma das partes impunha todas as condições e a outra aceitava ou não,
como Otto Meyer, que sustentava que se tratavam de atos administrativos cuja eficácia era
dependente do consentimento da outra parte, o direito francês foi o que abriu as portas para a
caracterização do contrato administrativo como hoje conhecido entre nós.
Não é exagerada a afirmação de que a caracterização de contrato administrativo pelo
direito alemão só se consolidou com a Lei dos Procedimentos Admninistrativos tedesca de 1976
(Verwaltungsverfahrengesetz), até porque os poucos autores do início do século XX que sustentaram a
presença do contrato administrativo, naquele país, não conseguiram, naquela época, levar ao
ordenamento jurídico, as suas teses, ao passo que o nosso ordenamento jurídico, influenciado pelo
direito francês já o concebia.
Neste contexto, podemos afirmar que o que caracteriza o contrato administrativo é o
seu regime jurídico, embora, para a sua perfectibilização, alguns elementos devam estar presentes,
quais sejam, o elemento subjetivo, o elemento formal e o elemento material, sendo que esses
elementos devem estar presentes concomitantemente.
O elemento subjetivo diz respeito à personalidade jurídica de direito público do
contratante. É necessário que uma pessoa jurídica de direito público esteja presente em um dos polos
da relação jurídica contratual para que se configure um contrato administrativo. Tal exigência decorre
do fato de que só uma pessoa jurídica de direito público pode agir com a imperatividade inerente ao
regime de direito público presente no contrato. Isto logicamente afasta da possibilidade de
caracterização, stricto sensu, como contratantes de contratos administrativos, as empresas públicas e
sociedades de economia mista, embora sujeitas ao procedimento prévio de licitação.
Relativamente ao elemento formal, diz ele respeito exatamente ao regime de direito
público, derrogatório do direito comum, que sobre ele incide. Embora seja o interesse público que
justifique esse regime, cabe lembrar que também é condição para os contratos de direito privado que o
sejam firmados no interesse público. No entanto, só nos contratos administrativos pode haver regras
de direito público que dêem ao Poder Público uma posição desigual de predominância na relação
jurídica, que admitem as chamadas cláusulas exorbitantes.
Do ponto de vista do elemento material, o contrato administrativo é um contrato
sinalagmático, com obrigações recíprocas e correspondentes, estabelecido intuito personae com o
vencedor de procedimento licitatório ou com o escolhido diretamente pelo Poder Público, tendo como
objeto uma prestação ao Poder Público para satisfazer fins próprios da Administração.

- Cláusulas exorbitantes

As cláusulas exorbitantes são assim chamadas por serem cláusulas que exorbitam do
direito comum. Não se cometa o equívoco de afirmar que são cláusulas que não estão no direito. São
cláusulas admitidas em regras de direito, mas em regras de direito especiais que refogem ao direito
comum. Se vistas dentro do direito comum, algumas delas sequer seriam admitidas, por leoninas,
trazendo ao Poder Público uma posição de supremacia incompatível com o regime de igualdade que
deve nortear um contrato de direito privado. No entanto, dentro desse regime jurídico especial,
protetivo do interesse público, são elas admitidas. Uma observação importante é que, trazendo elas
uma posição diferenciada ao Poder Público, elas não se presumem fora do direito. Só se admitem
porque previstas expressamente em regras de direito, como é o caso da Lei 8.666/93.
As cláusulas exorbitantes estão presentes principalmente no art. 58 da Lei 8.666/93,
mas também da interpretação de outras regras da Le 8.666/93. Dentre elas pode-se destacar:
- alteração unilateral (art. 58, I, e 65, II, da Lei 8.666/93);
- rescisão unilateral (art. 58, II, 79, I, e 78, I a XII, XVII e XVIII, da Lei 8.666/93);
- fiscalização da execução (art. 58, III, e 67 da Lei 8.666/93);
- aplicação auto-executória de sanções (art. 58, IV, 86 e 87 da Lei 8.666/93);



http://ipgmrs.blogspot.com
44

- ocupação provisória, nos serviços essenciais, de bens, pessoal e serviços (art. 58, V,
da Lei 8.666/93);
- oponibilidade apenas restrita, pelo contratado, da exceptio non adimpleti contractus
(art. 78, XIII a XVI, da Lei 8.666/93);
- Equilíbrio econômico e financeiro (art. 55, III, 58, pars. 1º e 2º da Lei 8.666/93);
- Aplicabilidade da teoria da imprevisão (art. 65, II, d, da Lei 8.666/93).
Tratar-se-á brevemente de cada uma dessas cláusulas:
Quanto à possibilidade de alteração unilateral, embora o art. 58, I, da Lei 8.666/93,
traga essa possibilidade, respeitados os direitos do contratado, há de se levar em consideração os
requisitos para essa modificação, traçados no art. 65, que dispõe:
Art. 65. Os contratos regidos por esta Lei poderão ser alterados, com as devidas
justificativas, nos seguintes casos:
I - unilateralmente pela Administração:
a) quando houver modificação do projeto ou das especificações, para melhor
adequação técnica aos seus objetivos;
b) quando necessária a modificação do valor contratual em decorrência de
acréscimo ou diminuição quantitativa de seu objeto, nos limites permitidos por esta Lei;
II - por acordo das partes:
a) quando conveniente a substituição da garantia de execução;
b) quando necessária a modificação do regime de execução da obra ou serviço, bem
como do modo de fornecimento, em face de verificação técnica da inaplicabilidade dos
termos contratuais originários;
c) quando necessária a modificação da forma de pagamento, por imposição de
circunstâncias supervenientes, mantido o valor inicial atualizado, vedada a antecipação do
pagamento, com relação ao cronograma financeiro fixado, sem a correspondente
contraprestação de fornecimento de bens ou execução de obra ou serviço;
d) para restabelecer a relação que as partes pactuaram inicialmente entre os
encargos do contratado e a retribuição da administração para a justa remuneração da
obra, serviço ou fornecimento, objetivando a manutenção do equilíbrio econômico-
financeiro inicial do contrato, na hipótese de sobrevirem fatos imprevisíveis, ou previsíveis
porém de conseqüências incalculáveis, retardadores ou impeditivos da execução do
ajustado, ou, ainda, em caso de força maior, caso fortuito ou fato do príncipe,
configurando álea econômica extraordinária e extracontratual. (Redação dada pela Lei nº
8.883, de 1994)
§ 1
o
O contratado fica obrigado a aceitar, nas mesmas condições contratuais, os
acréscimos ou supressões que se fizerem nas obras, serviços ou compras, até 25% (vinte
e cinco por cento) do valor inicial atualizado do contrato, e, no caso particular de reforma
de edifício ou de equipamento, até o limite de 50% (cinqüenta por cento) para os seus
acréscimos.



http://ipgmrs.blogspot.com
45

§ 2
o
Nenhum acréscimo ou supressão poderá exceder os limites estabelecidos no
parágrafo anterior, salvo: (Redação dada pela Lei nº 9.648, de 1998)
I - (VETADO) (Incluído pela Lei nº 9.648, de 1998)
II - as supressões resultantes de acordo celebrado entre os contratantes. (Incluído
pela Lei nº 9.648, de 1998)
§ 3
o
Se no contrato não houverem sido contemplados preços unitários para obras
ou serviços, esses serão fixados mediante acordo entre as partes, respeitados os limites
estabelecidos no § 1
o
deste artigo.
§ 4
o
No caso de supressão de obras, bens ou serviços, se o contratado já houver
adquirido os materiais e posto no local dos trabalhos, estes deverão ser pagos pela
Administração pelos custos de aquisição regularmente comprovados e monetariamente
corrigidos, podendo caber indenização por outros danos eventualmente decorrentes da
supressão, desde que regularmente comprovados.
§ 5
o
Quaisquer tributos ou encargos legais criados, alterados ou extintos, bem
como a superveniência de disposições legais, quando ocorridas após a data da
apresentação da proposta, de comprovada repercussão nos preços contratados,
implicarão a revisão destes para mais ou para menos, conforme o caso.
§ 6
o
Em havendo alteração unilateral do contrato que aumente os encargos do
contratado, a Administração deverá restabelecer, por aditamento, o equilíbrio econômico-
financeiro inicial.
§ 7
o
(VETADO)
§ 8
o
A variação do valor contratual para fazer face ao reajuste de preços previsto
no próprio contrato, as atualizações, compensações ou penalizações financeiras
decorrentes das condições de pagamento nele previstas, bem como o empenho de
dotações orçamentárias suplementares até o limite do seu valor corrigido, não
caracterizam alteração do mesmo, podendo ser registrados por simples apostila,
dispensando a celebração de aditamento.

Note-se que toda a modificação contratual vai depender não só de motivo, mas de
motivação, ou seja, o administrador deverá declinar as razões de direito e de fato que levam à
necessidade de alteração do contrato.
Quando se trata de alteração unilateral, o art. 65 vai restringir a duas situações
fáticas: razões de ordem técnica e necessidade de alteração quantitativa do objeto. As razões de
ordem técnica decorrem de necessárias alterações do projeto ou das especificações, tendo em vista a
verificação de que as que constavam originariamente no contrato necessitam de adequação em face do
interesse público que justificou a contratação. Muitas vezes se verifica, no curso da execução
contratual, que a realidade fática sobre a qual recaía o contrato deva ser adaptada. Por exemplo, para
a realização de uma central de captação de águas, se verifica que no local escolhido o solo não é tão
adequado quanto em local próximo, gerando custos menores em obras a serem realizadas, será
possível essa adequação contratual unilateralmente para atingir os fins desejados pela Administração.
No que se refere à alteração quantitativa, os acréscimos e supressões unilaterais
admitidos estão limitados a 25%, em regra, do valor inicial atualizado do contrato. Como as



http://ipgmrs.blogspot.com
46

necessidades públicas são dinâmicas, muitas vezes na aplicação do contrato se verifica que o
quantitativo prestacional estabelecido no contrato é insuficiente ou demasiado para os seus fins, de
forma que é possível, nas mesmas condições contratuais, se o alterar, de forma a adequá-lo às
necessidades da Administração. Em caso de reforma os acréscimos podem chegar a 50% do valor
inicial atualizado do contrato, pois na sua execução muitas vezes se verifica apenas na sua realização
prestações extraordinárias a serem feitas.
A lei admite a supressão do objeto em percentual maior, neste caso havendo acordo
entre as partes. Não traz a mesma possibilidade para os acréscimos, já que estes poderiam levar à
burla de procedimentos licitatórios, utilização de modalidades inicialmente inadequadas e preços que
poderiam ser inferiores se já estimados em quantitativos maiores.

Quanto à rescisão unilateral, admite-a o art. 58, II, nos casos especificados no art.
78, I a XII e XVII do art. 78. Fazemos ainda o acréscimo do inciso XVIII do mesmo artigo como causa,
já que, indiscutivelmente, aquela causa e rescisão gera a possibilidade de rompimento unilateral do
vínculo por culpa do contratado.
Neste ponto, cabe fazer a separação das causas de rescisão unilateral em:
- causas decorrentes de culpa do contratado (art. 78, I a XI e XVIII do art. 78). Vê-se
aqui que o rompimento do vínculo, nas situações elencadas, se dá por conta da atitude do contratado,
que leva a administração a realizar processo administrativo tendente a apurar as causas de
inadimplemento e, após assegurar o contraditório e a ampla defesa, romper o vínculo se verificar que o
o contratado cometeu alguma das irregularidades previstas na norma.
- causas decorrentes do interesse público (art. 78, XII). Chama-se a atenção para os
diversos condicionantes que há na regra permissiva do rompimento do vínculo. Tais razões de
interesse público devem ser de “alta relevância e amplo conhecimento”. Ou seja, não podem causas
ordinárias ou decorrentes do dia a dia levar ao rompimento do vínculo, sob pena de possibilidade de
burla aos princípios inerentes ao procedimento licitatório e aos contratos administrativos e prejuízos
aos direitos subjetivos públicos do contratado. Além disso, exige a lei a motivação do interesse público
e impõe que a mesma seja dada pela máxima autoridade administrativa a que está vinculada o
contratado.
- causas decorrentes de caso fortuito ou força maior (art. 78, XVII). O caso fortuito e
a força maior, se não impeditivos da execução do ajustado, podem levar à alteração contratual por
acordo entre as partes (art. 65, II, d). No entanto, se inviabilizarem a sua execução, podem levar ao
rompimento do vínculo independentemente de adequada postura do contratado na sua execução. Aqui
não se trata de pena, mas da inviabilização por fator extraordinário decorrente de fato da natureza ou
fator humano excepcional que admite o rompimento.
Chama-se a atenção que só o Poder Público pode se valer do rompimento unilateral. O
contratado só pode romper o vínculo amigavelmente, havendo interesse para a Administração, ou
mediante processo judicial intentado para esse fim.
Dizem os arts. 78 e 79 da Lei:
Art. 78. Constituem motivo para rescisão do contrato:
I - o não cumprimento de cláusulas contratuais, especificações, projetos ou prazos;
II - o cumprimento irregular de cláusulas contratuais, especificações, projetos e
prazos;
III - a lentidão do seu cumprimento, levando a Administração a comprovar a
impossibilidade da conclusão da obra, do serviço ou do fornecimento, nos prazos
estipulados;



http://ipgmrs.blogspot.com
47

IV - o atraso injustificado no início da obra, serviço ou fornecimento;
V - a paralisação da obra, do serviço ou do fornecimento, sem justa causa e prévia
comunicação à Administração;
VI - a subcontratação total ou parcial do seu objeto, a associação do contratado
com outrem, a cessão ou transferência, total ou parcial, bem como a fusão, cisão ou
incorporação, não admitidas no edital e no contrato;
VII - o desatendimento das determinações regulares da autoridade designada para
acompanhar e fiscalizar a sua execução, assim como as de seus superiores;
VIII - o cometimento reiterado de faltas na sua execução, anotadas na forma do
§ 1
o
do art. 67 desta Lei;
IX - a decretação de falência ou a instauração de insolvência civil;
X - a dissolução da sociedade ou o falecimento do contratado;
XI - a alteração social ou a modificação da finalidade ou da estrutura da empresa,
que prejudique a execução do contrato;
XII - razões de interesse público, de alta relevância e amplo conhecimento,
justificadas e determinadas pela máxima autoridade da esfera administrativa a que está
subordinado o contratante e exaradas no processo administrativo a que se refere o
contrato;
XIII - a supressão, por parte da Administração, de obras, serviços ou compras,
acarretando modificação do valor inicial do contrato além do limite permitido no § 1
o
do
art. 65 desta Lei;
XIV - a suspensão de sua execução, por ordem escrita da Administração, por prazo
superior a 120 (cento e vinte) dias, salvo em caso de calamidade pública, grave
perturbação da ordem interna ou guerra, ou ainda por repetidas suspensões que totalizem
o mesmo prazo, independentemente do pagamento obrigatório de indenizações pelas
sucessivas e contratualmente imprevistas desmobilizações e mobilizações e outras
previstas, assegurado ao contratado, nesses casos, o direito de optar pela suspensão do
cumprimento das obrigações assumidas até que seja normalizada a situação;
XV - o atraso superior a 90 (noventa) dias dos pagamentos devidos pela
Administração decorrentes de obras, serviços ou fornecimento, ou parcelas destes, já
recebidos ou executados, salvo em caso de calamidade pública, grave perturbação da
ordem interna ou guerra, assegurado ao contratado o direito de optar pela suspensão do
cumprimento de suas obrigações até que seja normalizada a situação;
XVI - a não liberação, por parte da Administração, de área, local ou objeto para
execução de obra, serviço ou fornecimento, nos prazos contratuais, bem como das fontes
de materiais naturais especificadas no projeto;
XVII - a ocorrência de caso fortuito ou de força maior, regularmente comprovada,



http://ipgmrs.blogspot.com
48

impeditiva da execução do contrato.
Parágrafo único. Os casos de rescisão contratual serão formalmente motivados nos
autos do processo, assegurado o contraditório e a ampla defesa.
XVIII – descumprimento do disposto no inciso V do art. 27, sem prejuízo das
sanções penais cabíveis. (Incluído pela Lei nº 9.854, de 1999)
Art. 79. A rescisão do contrato poderá ser:
I - determinada por ato unilateral e escrito da Administração, nos casos
enumerados nos incisos I a XII e XVII do artigo anterior;
II - amigável, por acordo entre as partes, reduzida a termo no processo da licitação,
desde que haja conveniência para a Administração;
III - judicial, nos termos da legislação;
IV - (Vetado). (Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 1
o
A rescisão administrativa ou amigável deverá ser precedida de autorização
escrita e fundamentada da autoridade competente.
§ 2
o
Quando a rescisão ocorrer com base nos incisos XII a XVII do artigo anterior,
sem que haja culpa do contratado, será este ressarcido dos prejuízos regularmente
comprovados que houver sofrido, tendo ainda direito a:
I - devolução de garantia;
II - pagamentos devidos pela execução do contrato até a data da rescisão;
III - pagamento do custo da desmobilização.
§ 3º (Vetado).(Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 4º (Vetado).(Redação dada pela Lei nº 8.883, de 1994)
§ 5
o
Ocorrendo impedimento, paralisação ou sustação do contrato, o cronograma de
execução será prorrogado automaticamente por igual tempo.

A fiscalização da execução, embora prevista também em contratos de direito
privado, tem como característica exorbitante, nos contratos administrativos, a forma como é feita, com
a obrigatoriedade de designação de representante da Administração e a possibilidade de o Poder
Público, inclusive, romper o vínculo se as determinações feitas pela autoridade fiscalizadora forem
desatendidas. Diz o art. 67:
Art. 67. A execução do contrato deverá ser acompanhada e fiscalizada por um
representante da Administração especialmente designado, permitida a contratação de
terceiros para assisti-lo e subsidiá-lo de informações pertinentes a essa atribuição.



http://ipgmrs.blogspot.com
49

§ 1
o
O representante da Administração anotará em registro próprio todas as
ocorrências relacionadas com a execução do contrato, determinando o que for necessário
à regularização das faltas ou defeitos observados.
§ 2
o
As decisões e providências que ultrapassarem a competência do representante
deverão ser solicitadas a seus superiores em tempo hábil para a adoção das medidas
convenientes.

A aplicação auto-executória de sanções, inerente ao regime exorbitante dos
contratos administrativos, prevista no art. 58, IV, e nos art. 86 e 87 já foi tratada anteriormente
quando se abordou as sanções nos procedimentos licitatórios.
Quanto à ocupação provisória de bens, pessoal e serviços do contratado, nos casos
de serviços essenciais, ela é admitida como forma de proteção do princípio da continuidade do serviço
público. Não se pode admitir a paralisação de serviço reputado essencial ao interesse público, de
forma que, havendo rescisão do contrato ou a apuração administrativa de faltas contratuais, admitir-
se-á a ocupação temporários de todos os instrumentos necessários à continuidade da prestação.

No âmbito do contrato administrativo, há uma oponibilidade apenas restrita, pelo
contratado, da exceptio non adimpleti contractus. É equívoco afirmar a inoponibilidade plena,
pelo contratado, da exceção de inadimplemento contratual. Se é verdade que o contratado é obrigado
a suportar o inadimplemento do Poder Publico, é claro na Lei que o é até determinados limites. Assim,
deve suportar a supressão quantitativa do objeto até o limite da lei, a suspensão da execução do
objeto em até 120 dias contínuos ou intercalados e o atraso no pagamento em até 90 dias, sendo que
se o Poder Público não realizar atividades que são condições para a execução contratual, também
estará desobrigado de suas prestações, como reza o já transcrito art. 78, nos incisos XIII a XVI.
Este á um dos fatores que leva à exigibilidade de garantias, nos termos do art. 56,
já transcrito e comentado anteriormente.
Relativamente ao equilíbrio econômico e financeiro, trata-se do equilíbrio na
relação entre os encargos do contratado e a retribuição da Administração para o cumprimento por ele
do objeto contratado.
Se no procedimento licitatório, no afã de vencer o certame, os valores estavam abaixo
dos praticados no mercado, não poderá ser, no curso do contrato, adequado aos padrões
mercadológicos, já que o equilíbrio na relação será com a manutenção dos parâmetros de valores do
momento da contratação.
O equilíbrio econômico e financeiro é mantido, em regra, pela aplicação das próprias
cláusulas contratuais de revisão e reajustamento, sendo esta inclusive cláusula obrigatória, nos termos
do art. 55, III, da Lei 8.666/93. No entanto, havendo alteração do contrato, é preciso a recomposição
do equilíbrio, para que a relação entre encargos e retribuição se mantenha, conforme par. 2º do art.
58, anteriormente transcrito.
Decorrência da cláusula do equilíbrio econômico e financeiro, e com o sentido de o
manter, admite-se a aplicabilidade da teoria da imprevisão quando, nos termos do já transcrito
art. 65, II, d, houver fatos “imprevisíveis ou previsíveis de consequências incalculáveis” que retardem
ou impeçam a execução do ajustado. Note-se que aqui se exige uma circunstância especial que
inviabilize a sua execução, não se admitindo a utilização para fatos que sejam inerentes ao risco do
negócio ou decorrentes de falta de planejamento. Exige-se a “álea econômica extraordinária e
extracontratual” que justifique a aplicação desta cláusula.
Esta mesma faculdade é dada quando se trata de fato do príncipe, assim considerada a
circunstância oriunda do Poder Público, de caráter geral, não diretamente ligada ao contrato, mas que
traz consequências na sua execução, bem como no caso fortuito e força maior que não sejam
inviabilizadores da continuidade do contrato.



http://ipgmrs.blogspot.com
50



PREGÃO


O pregão é a modalidade de licitação para a aquisição de bens e contratação de
serviços comuns, assim entendidos aqueles que possam ser discriminados por parâmetros usuais de
mercado. Este conceito decorre do art. 1º da Lei 10.520/02, que assim reza:
Art. 1º Para aquisição de bens e serviços comuns, poderá ser adotada a licitação na
modalidade de pregão, que será regida por esta Lei.
Parágrafo único. Consideram-se bens e serviços comuns, para os fins e efeitos
deste artigo, aqueles cujos padrões de desempenho e qualidade possam ser
objetivamente definidos pelo edital, por meio de especificações usuais no mercado.

- abrangência e base legal
Diferentemente do que ocorreu na sua origem, atualmente o pregão abrange os mais
diversos contratos de todos os entes da federação. Quando de sua origem, com base na Medida
Provisória 2.182/01, o pregão alcançava apenas objetos expressamente relacionados em anexo à Lei, e
eram entendidos como “numerus clausus”, além do que era modalidade exclusivamente admitida no
âmbito da União. Isto trazia como consequência a inconstitucionalidade daquela Medida Provisória
pois, como regra especial, criava modalidade de licitação não prevista nas regras gerais de licitação.
Com o advento da Lei 10520/02, ficou superada essa inconstitucionalidade, na medida em que deixou
de ser modalidade especial, passando a ser regra geral aplicável a todos os entes da federação.
Esta é uma situação curiosa, em que uma modalidade de licitação originariamente
inconstitucional passou a ser constitucionalmente adequada a partir da mudança da abrangência de
seu alcance. Restaria aqui a discussão sobre a validade dos atos praticados com fulcro na já revogada
Medida Provisória. A Lei 10.520/02 convalidou aqueles atos. A nosso ver, não haveria como fazê-lo
em face da inconstitucionalidade originária do instrumento normativo. No entanto, tendo já decorridos
mais de cinco anos da revogação daquela Medida Provisória, não haveria como, em função do princípio
da segurança jurídica, se declarar agora a invalidade dos atos então praticados, salvo comprovada má
fé.

- princípios

Os princípios inerentes ao pregão, em sua maior parte, coincidem com os princípios
básicos da licitação em geral, já tratados na primeira parte deste curso e aos quais, para evitar
tautologia, aqui se reporta.
Chama-se a atenção, no entanto, para a mitigação do princípio do sigilo na
apresentação das propostas, na medida em que, após a abertura,seguem os licitantes com a
possibilidade de apresentarem lances abertos.
Pode-se falar, em termos de pregão, na presença o princípio da simplicidade, já que
todo o procedimento tende à utilização de formas simples, desde que respeitadas as formalidades
mínimas necessárias ao atingimento do interesse público primário.

- procedimento próprio

O procedimento do pregão tem particularidades que o diferenciam do procedimento da
Lei 8.666/93. Dentre essas diferenças, além da maior simplificação, destaca-se:



http://ipgmrs.blogspot.com
51

- tipologia fixa: o pregão não admite outro tipo de licitação que não o menor preço. É
bem verdade que, após a abertura dos envelopes, até se poderia afirmar um tipo próprio e
diferenciado, que seria o do “menor lance”, já que será vencedor aquele cujo lance representa o menor
valor dentre os que o cotaram;
- Inversão da fase de habilitação: no pregão só se faz a verificação dos requisitos de
habilitação após o julgamento das propostas e relativamente ao licitante vencedor. Isto traz uma
facilitação procedimental, já que só se apurará a habilitação de quem for o vencedor. Esta é uma
tendência inclusive em licitações mais complexas, já que novas leis sobre contratos, inclusive
complexos e de grade vulto, como é o caso das Parcerias Público-Privadas, também passaram, a partir
do exemplo da Lei do pregão, a admitir essa inversão procedimental;
- redução de prazos: os prazos no pregão são significativamente mais curtos, como
ocorre relativamente à antecedência mínima entre a publicação do Edital e a apresentação de
documentos e propostas e nos recursos a serem apresentados pelos licitantes;
- condução individual: diferentemente do que ocorre com as licitações da Lei
8.666/93, em que a condução se dá por Comissão de Licitações, no pregão a condução é unipessoal,
recaindo sobre a pessoa do pregoeiro, a quem cabe tomar as deliberações no curso do procedimento.
As regras procedimentais estão previstas precipuamente nos arts. 3º e 4º da Lei
10.520/02, aquele relativo à fase interna, este pertinente à fase externa, com o seguinte teor:
Art. 3º A fase preparatória do pregão observará o seguinte:
I - a autoridade competente justificará a necessidade de contratação e definirá o
objeto do certame, as exigências de habilitação, os critérios de aceitação das propostas,
as sanções por inadimplemento e as cláusulas do contrato, inclusive com fixação dos
prazos para fornecimento;
II - a definição do objeto deverá ser precisa, suficiente e clara, vedadas
especificações que, por excessivas, irrelevantes ou desnecessárias, limitem a competição;
III - dos autos do procedimento constarão a justificativa das definições referidas no
inciso I deste artigo e os indispensáveis elementos técnicos sobre os quais estiverem
apoiados, bem como o orçamento, elaborado pelo órgão ou entidade promotora da
licitação, dos bens ou serviços a serem licitados; e
IV - a autoridade competente designará, dentre os servidores do órgão ou entidade
promotora da licitação, o pregoeiro e respectiva equipe de apoio, cuja atribuição inclui,
dentre outras, o recebimento das propostas e lances, a análise de sua aceitabilidade e sua
classificação, bem como a habilitação e a adjudicação do objeto do certame ao licitante
vencedor.
§ 1º A equipe de apoio deverá ser integrada em sua maioria por servidores
ocupantes de cargo efetivo ou emprego da administração, preferencialmente pertencentes
ao quadro permanente do órgão ou entidade promotora do evento.
§ 2º No âmbito do Ministério da Defesa, as funções de pregoeiro e de membro da
equipe de apoio poderão ser desempenhadas por militares
Art. 4º A fase externa do pregão será iniciada com a convocação dos interessados
e observará as seguintes regras:



http://ipgmrs.blogspot.com
52

I - a convocação dos interessados será efetuada por meio de publicação de aviso
em diário oficial do respectivo ente federado ou, não existindo, em jornal de circulação
local, e facultativamente, por meios eletrônicos e conforme o vulto da licitação, em jornal
de grande circulação, nos termos do regulamento de que trata o art. 2º;
II - do aviso constarão a definição do objeto da licitação, a indicação do local, dias e
horários em que poderá ser lida ou obtida a íntegra do edital;
III - do edital constarão todos os elementos definidos na forma do inciso I do art.
3º, as normas que disciplinarem o procedimento e a minuta do contrato, quando for o
caso;
IV - cópias do edital e do respectivo aviso serão colocadas à disposição de qualquer
pessoa para consulta e divulgadas na forma da Lei no 9.755, de 16 de dezembro de
1998;
V - o prazo fixado para a apresentação das propostas, contado a partir da
publicação do aviso, não será inferior a 8 (oito) dias úteis;
VI - no dia, hora e local designados, será realizada sessão pública para recebimento
das propostas, devendo o interessado, ou seu representante, identificar-se e, se for o
caso, comprovar a existência dos necessários poderes para formulação de propostas e
para a prática de todos os demais atos inerentes ao certame;
VII - aberta a sessão, os interessados ou seus representantes, apresentarão
declaração dando ciência de que cumprem plenamente os requisitos de habilitação e
entregarão os envelopes contendo a indicação do objeto e do preço oferecidos,
procedendo-se à sua imediata abertura e à verificação da conformidade das propostas
com os requisitos estabelecidos no instrumento convocatório;
VIII - no curso da sessão, o autor da oferta de valor mais baixo e os das ofertas
com preços até 10% (dez por cento) superiores àquela poderão fazer novos lances
verbais e sucessivos, até a proclamação do vencedor;
IX - não havendo pelo menos 3 (três) ofertas nas condições definidas no inciso
anterior, poderão os autores das melhores propostas, até o máximo de 3 (três), oferecer
novos lances verbais e sucessivos, quaisquer que sejam os preços oferecidos;
X - para julgamento e classificação das propostas, será adotado o critério de menor
preço, observados os prazos máximos para fornecimento, as especificações técnicas e
parâmetros mínimos de desempenho e qualidade definidos no edital;
XI - examinada a proposta classificada em primeiro lugar, quanto ao objeto e valor,
caberá ao pregoeiro decidir motivadamente a respeito da sua aceitabilidade;
XII - encerrada a etapa competitiva e ordenadas as ofertas, o pregoeiro procederá à
abertura do invólucro contendo os documentos de habilitação do licitante que apresentou
a melhor proposta, para verificação do atendimento das condições fixadas no edital;
XIII - a habilitação far-se-á com a verificação de que o licitante está em situação



http://ipgmrs.blogspot.com
53

regular perante a Fazenda Nacional, a Seguridade Social e o Fundo de Garantia do Tempo
de Serviço - FGTS, e as Fazendas Estaduais e Municipais, quando for o caso, com a
comprovação de que atende às exigências do edital quanto à habilitação jurídica e
qualificações técnica e econômico-financeira;
XIV - os licitantes poderão deixar de apresentar os documentos de habilitação que
já constem do Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores – Sicaf e sistemas
semelhantes mantidos por Estados, Distrito Federal ou Municípios, assegurado aos demais
licitantes o direito de acesso aos dados nele constantes;
XV - verificado o atendimento das exigências fixadas no edital, o licitante será
declarado vencedor;
XVI - se a oferta não for aceitável ou se o licitante desatender às exigências
habilitatórias, o pregoeiro examinará as ofertas subseqüentes e a qualificação dos
licitantes, na ordem de classificação, e assim sucessivamente, até a apuração de uma que
atenda ao edital, sendo o respectivo licitante declarado vencedor;
XVII - nas situações previstas nos incisos XI e XVI, o pregoeiro poderá negociar
diretamente com o proponente para que seja obtido preço melhor;
XVIII - declarado o vencedor, qualquer licitante poderá manifestar imediata e
motivadamente a intenção de recorrer, quando lhe será concedido o prazo de 3 (três) dias
para apresentação das razões do recurso, ficando os demais licitantes desde logo
intimados para apresentar contra-razões em igual número de dias, que começarão a
correr do término do prazo do recorrente, sendo-lhes assegurada vista imediata dos
autos;
XIX - o acolhimento de recurso importará a invalidação apenas dos atos
insuscetíveis de aproveitamento;
XX - a falta de manifestação imediata e motivada do licitante importará a
decadência do direito de recurso e a adjudicação do objeto da licitação pelo pregoeiro ao
vencedor;
XXI - decididos os recursos, a autoridade competente fará a adjudicação do objeto
da licitação ao licitante vencedor;
XXII - homologada a licitação pela autoridade competente, o adjudicatário será
convocado para assinar o contrato no prazo definido em edital; e
XXIII - se o licitante vencedor, convocado dentro do prazo de validade da sua
proposta, não celebrar o contrato, aplicar-se-á o disposto no inciso XVI.


PREGÃO ELETRÔNICO

- origem

O pregão eletrônico já fora previsto na Lei 10.520/02, no parágrafo 1
o
do art. 2
o
, nos



http://ipgmrs.blogspot.com
54

seguintes termos:
Art. 2º (VETADO)
§ 1º Poderá ser realizado o pregão por meio da utilização de recursos de tecnologia
da informação, nos termos de regulamentação específica.

Esta abertura legislativa abriu espaço para o instrumento licitatório que tende a ser o
mais usual, pela segurança, impessoalidade, diminuição de custos e facilitação que enseja.

- legislação

Por força da Lei 10.520/02, abriu-se espaço para o regramento do pregão eletrônico,
ocorrido com base no Decreto Federal 5.450, de 31 de maio de 2005, que trouxe as regras inerentes à
utilização deste instrumento. Reforçando a utilização desse instrumento, o Decreto Federal 5.504, de
05 de agosto de 2005, ainda condicionou o repasse de valores decorrentes de convênio da União aos
demais entes federados à utilização deste instrumento licitatório, como forma de forçar os entes
federados a utilizarem o instrumento eletrônico mais impessoal nas suas contratações.
O mais adequado teria sido a estipulação em lei dos preceitos que se encontram no
Decreto, tendo em vista a característica de subordinação do decreto à lei e da força normativa que
esta tem enquanto norma geral.
No caso do Estado do Rio Grande do Sul, foi editada lei regrando o pregão eletrônico,
que é a Lei Estadual 13.191, de 30 de junho de 2009.
- conceito e finalidade
Pregão eletrônico é a modalidade de licitação para a aquisição de bens e contratação
de serviços comuns instrumentalizada por meio eletrônico, por mecanismos que garantam ampla
participação, mediante a realização de propostas pela internet, em ambiente criptografado que traga
segurança ao sistema e com a menor interferência humana possível.
Sobre isto, dizem os arts. 1
o
e 2
o
do Decreto 5.450/05:
Art. 1
o
A modalidade de licitação pregão, na forma eletrônica, de acordo com o
disposto no § 1
o
do art. 2
o
da Lei n
o
10.520, de 17 de julho de 2002, destina-se à
aquisição de bens e serviços comuns, no âmbito da União, e submete-se ao
regulamento estabelecido neste Decreto.
Parágrafo único. Subordinam-se ao disposto neste Decreto, além dos órgãos da
administração pública federal direta, os fundos especiais, as autarquias, as fundações
públicas, as empresas públicas, as sociedades de economia mista e as demais
entidades controladas direta ou indiretamente pela União.
Art. 2
o
O pregão, na forma eletrônica, como modalidade de licitação do tipo
menor preço, realizar-se-á quando a disputa pelo fornecimento de bens ou serviços
comuns for feita à distância em sessão pública, por meio de sistema que promova a
comunicação pela internet.
§ 1
o
Consideram-se bens e serviços comuns, aqueles cujos padrões de
desempenho e qualidade possam ser objetivamente definidos pelo edital, por meio de
especificações usuais do mercado.
§ 2
o
Para o julgamento das propostas, serão fixados critérios objetivos que



http://ipgmrs.blogspot.com
55

permitam aferir o menor preço, devendo ser considerados os prazos para a execução
do contrato e do fornecimento, as especificações técnicas, os parâmetros mínimos de
desempenho e de qualidade e as demais condições definidas no edital.
§ 3
o
O sistema referido no caput será dotado de recursos de criptografia e de
autenticação que garantam condições de segurança em todas as etapas do certame.
§ 4
o
O pregão, na forma eletrônica ,será conduzido pelo órgão ou entidade
promotora da licitação, com apoio técnico e operacional da Secretaria de Logística e
Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, que
atuará como provedor do sistema eletrônico para os órgãos integrantes do Sistema de
Serviços Gerais - SISG.
§ 5
o
A Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação poderá ceder o uso do
seu sistema eletrônico a órgão ou entidade dos Poderes da União, Estados, Distrito
Federal e Municípios, mediante celebração de termo de adesão.

As principais finalidades do pregão eletrônico são a rapidez, com inegável ganho de
tempo, a comodidade, com a possibilidade de participação simultânea de diversos licitantes em locais
diferentes, sem que precisem sair de suas unidades laborativas, a segurança, a maior impessoalidade,
já que o sistema classificará as propostas automaticamente e sem identificação, e cessará a aceitação
de novas propostas em momento cujo controle está fora do alcance de qualquer licitante e do
pregoeiro.
A praticidade e maior chance de que com este instrumento sejam respeitados os
princípios da Administração voltados à licitação tem feito com que diversos instrumentos normativos
tenham ora exigido ora estimulado a sua utilização. Tende a ser a modalidade de maior utilização,
tendo em vista os avanços das tecnologias de computação e da internet.

- abrangência

O pregão eletrônico poder ser utilizado pais os mais diversos objetos dos entes
integrantes da Administração Pública direta e indireta, desde que adequados à noção de bens e
serviços comuns. Com efeito, afasta-se da possibilidade de utilização do pregão, quer eletrônico, quer
presencial, bens e serviços que não possam ser discriminados objetivamente segundo parâmetros
usuais e mercado, assim como aqueles objetos complexos, em que haja a necessidade de uma aferição
mais aprofundada de características técnicas.
Afastam-se, também, da abrangência do pregão, quer eletrônico como presencial,
licitações cujo tipo não se coadune com o menor preço, tipo obrigatoriamente adotado nesta
modalidade de licitação. Assim, sempre que houver algum julgamento por critério técnico, como
ocorre obrigatoriamente para serviços de informática, não é possível a utilização deste mecanismo
eletrônico de escolha.
Há ainda proibição expressa de uso do pregão eletrônico no Decreto 5.450/05, que no
art. 6º afirma a sua inaplicabilidade às obras de engenharia e às locações imobiliárias e alienações em
geral.

- Provedor do sistema eletrônico

No âmbito da União, o provedor do sistema eletrônico é, conforme o já transcrito art.
2º, par. 4º, a Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação do Ministério do Planejamento,
Orçamento e Gestão.
No âmbito do Estado do Rio Grande do Sul, não há indicação do provedor do sistema,



http://ipgmrs.blogspot.com
56

cabendo à autoridade superior a sua indicação.
É o provedor do sistema o responsável por credenciar junto ao sistema a autoridade
competente do órgão promotor da licitação, o pregoeiro, os membros da equipe de apoio e os licitantes
que participam do pregão na forma eletrônica. É ele que dará a senha de acesso, manterá o sistema e
fornecerá a tecnologia para a realização do certame

- Segurança

O sistema deve ser estruturado de forma a dar segurança a todos os partícipes do
certame. Exige o par. 3o do art. 2o do Decreto 5.450/05 que recursos de criptografia e de
autenticação sejam utilizados em todas as fases do procedimento.

- utilização de chave de identificação/senha

A chave de identificação e a senha é que permitem, dentro o sistema criptografado, a
participação em certames de pregão eletrônico. Por esta razão, é necessário o credenciamento
perante o operador do sistema de todas as partes envolvidas no procedimento licitatório, viabilizando a
sua participação.
A atribuição de chave de identificação e senha geram a responsabilidade por seu uso
de quem a recebe, trazendo consequências e deveres jurídicos subjacentes, como o dever de informar
a violação ou a possibilidade de violação ou utilização inadequada, sem que tal fato gere
responsabilidade ao provedor do sistema, salvo se, evidentemente, a violação tiver ocorrido por falha
do próprio provedor. Diz o art. 3o do Decreto 5.450/05:
Art. 3
o
Deverão ser previamente credenciados perante o provedor do sistema
eletrônico a autoridade competente do órgão promotor da licitação, o pregoeiro, os
membros da equipe de apoio e os licitantes que participam do pregão na forma
eletrônica.
§ 1
o
O credenciamento dar-se-á pela atribuição de chave de identificação e de
senha, pessoal e intransferível, para acesso ao sistema eletrônico.
§ 2
o
No caso de pregão promovido por órgão integrante do SISG, o
credenciamento do licitante, bem assim a sua manutenção, dependerá de registro
atualizado no Sistema de Cadastramento Unificado de Fornecedores - SICAF.
§ 3
o
A chave de identificação e a senha poderão ser utilizadas em qualquer
pregão na forma eletrônica, salvo quando cancelada por solicitação do credenciado ou
em virtude de seu descadastramento perante o SICAF.
§ 4
o
A perda da senha ou a quebra de sigilo deverá ser comunicada
imediatamente ao provedor do sistema, para imediato bloqueio de acesso.
§ 5
o
O uso da senha de acesso pelo licitante é de sua responsabilidade exclusiva,
incluindo qualquer transação efetuada diretamente ou por seu representante, não
cabendo ao provedor do sistema ou ao órgão promotor da licitação responsabilidade
por eventuais danos decorrentes de uso indevido da senha, ainda que por terceiros.
§ 6
o
O credenciamento junto ao provedor do sistema implica a responsabilidade



http://ipgmrs.blogspot.com
57

legal do licitante e a presunção de sua capacidade técnica para realização das
transações inerentes ao pregão na forma eletrônica.

- responsabilidade do licitante

No pregão eletrônico, exsurgem aos licitantes interessados na participação em pregão
eletrônico uma série de responsabilidades relativas tanto ao credenciamento, como à participação, à
veracidade de declarações, bem como relacionadas ao objeto mesmo da licitação.
A partir do credenciamento junto ao sistema, passa a haver o comprometimento do
licitante com o uso que vier a fazer da senha e das declarações que vier a fazer no âmbito de certames
licitatórios. Essas responsabilidades têm reflexos na esfera civil, penal e administrativa. No âmbito
civil, ficará o licitante obrigado a ressarcir patrimonialmente a Administração pelos prejuízos que o
descumprimento de suas obrigações trouxer. A responsabilidade penal decorrerá da prática de atos
puníveis criminalmente em função da participação no pregão, como seria o caso de declarações falsas
ou falsificação de documentos. Administrativamente podem ser imputadas as penalidades admitidas
no art. 87 da Lei 8.666/93, como a advertência, a multa, a suspensão temporária do direito de licitar e
contratar e a declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com o Poder Público. Ainda o licitante
poderá responder por ato de improbidade administrativa nos termos da Lei 8429/92 se da sua conduta
houver a prática de atos tipificados nos art. 9º a 11º daquela lei.
Sem prejuízo de outras responsabilidades, o art. 13 do Decreto 5.450/05 estabelece os
seguintes deveres ao licitante:
Art. 13. Caberá ao licitante interessado em participar do pregão, na forma eletrônica:
I - credenciar-se no SICAF para certames promovidos por órgãos da
administração pública federal direta, autárquica e fundacional, e de órgão ou entidade
dos demais Poderes, no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, que
tenham celebrado termo de adesão;
II - remeter, no prazo estabelecido, exclusivamente por meio eletrônico, via
internet, a proposta e, quando for o caso, seus anexos;
III - responsabilizar-se formalmente pelas transações efetuadas em seu nome,
assumindo como firmes e verdadeiras suas propostas e lances, inclusive os atos
praticados diretamente ou por seu representante, não cabendo ao provedor do sistema
ou ao órgão promotor da licitação responsabilidade por eventuais danos decorrentes de
uso indevido da senha, ainda que por terceiros;
IV - acompanhar as operações no sistema eletrônico durante o processo
licitatório, responsabilizando-se pelo ônus decorrente da perda de negócios diante da
inobservância de quaisquer mensagens emitidas pelo sistema ou de sua desconexão;
V - comunicar imediatamente ao provedor do sistema qualquer acontecimento
que possa comprometer o sigilo ou a inviabilidade do uso da senha, para imediato
bloqueio de acesso;
VI - utilizar-se da chave de identificação e da senha de acesso para participar do
pregão na forma eletrônica; e
VII - solicitar o cancelamento da chave de identificação ou da senha de acesso



http://ipgmrs.blogspot.com
58

por interesse próprio.
Parágrafo único. O fornecedor descredenciado no SICAF terá sua chave de
identificação e senha suspensas automaticamente.

- acompanhamento do sistema

O procedimento do pregão eletrônico é público, podendo qualquer interessado
acompanhar o desenrolar da licitação pela internet em tempo real. Esta faculdade está expressamente
admitida no art. 7º do decreto 5.450/05.
Além disso, qualquer cidadão poderá impugnar o Edital, até dois dias antes da data
determinada por ele para a apresentação das propostas.

- da convocação à classificação

A convocação para o pregão eletrônico tem exigências de instrumentos de divulgação
diferenciados dependendo do valor estimado da contratação, sendo que, no mínimo, a divulgação de
aviso no Diário Oficial e na internet deve ser procedida, sendo acrescentada a divulgação em jornal de
circulação local ou regional ou nacional para valores maiores.
Os esclarecimentos sobre os termos do Edital e a impugnação ao mesmo devem ser
encaminhados ao pregoeiro em até três e dois dias antes da abertura da sessão pública,
respectivamente, que, os apreciando, decidirá. Quando da apreciação decorrer modificação no Edital,
deverá ser obedecida a antecedência legal mínima de publicação, com a designação de nova data para
a sessão pública.
Até a data da sessão pública devem ser encaminhadas as propostas pelo sistema,
podendo ser alteradas até a data da sessão, bem como a afirmação de que preenche os requisitos de
qualificação estabelecidos no Edital.
Na abertura da sessão, fará o pregoeiro a análise das propostas, indicando quais
podem ser classificadas e desclassificando as em desacordo com o Edital. A classificação é feita
automaticamente pelo sistema.
Dizem os arts. 17 a 23 do Decreto 5.450/05:
Art. 17. A fase externa do pregão, na forma eletrônica, será iniciada com a
convocação dos interessados por meio de publicação de aviso, observados os valores
estimados para contratação e os meios de divulgação a seguir indicados:
I - até R$ 650.000,00 (seiscentos e cinqüenta mil reais):
a) Diário Oficial da União; e
b) meio eletrônico, na internet;
II - acima de R$ 650.000,00 (seiscentos e cinqüenta mil reais) até R$
1.300.000,00 (um milhão e trezentos mil reais):
a) Diário Oficial da União;
b) meio eletrônico, na internet; e
c) jornal de grande circulação local;



http://ipgmrs.blogspot.com
59

III - superiores a R$ 1.300.000,00 (um milhão e trezentos mil reais):
a) Diário Oficial da União;
b) meio eletrônico, na internet; e
c) jornal de grande circulação regional ou nacional.
§ 1
o
Os órgãos ou entidades integrantes do SISG e os que aderirem ao sistema
do Governo Federal disponibilizarão a íntegra do edital, em meio eletrônico, no Portal
de Compras do Governo Federal - COMPRASNET, sítio www.comprasnet.gov.br.
§ 2
o
O aviso do edital conterá a definição precisa, suficiente e clara do objeto, a
indicação dos locais, dias e horários em que poderá ser lida ou obtida a íntegra do
edital, bem como o endereço eletrônico onde ocorrerá a sessão pública, a data e hora
de sua realização e a indicação de que o pregão, na forma eletrônica, será realizado
por meio da internet.
§ 3
o
A publicação referida neste artigo poderá ser feita em sítios oficiais da
administração pública, na internet, desde que certificado digitalmente por autoridade
certificadora credenciada no âmbito da Infra-Estrutura de Chaves Públicas Brasileira -
ICP-Brasil.
§ 4
o
O prazo fixado para a apresentação das propostas, contado a partir da
publicação do aviso, não será inferior a oito dias úteis.
§ 5
o
Todos os horários estabelecidos no edital, no aviso e durante a sessão
pública observarão, para todos os efeitos, o horário de Brasília, Distrito Federal,
inclusive para contagem de tempo e registro no sistema eletrônico e na documentação
relativa ao certame.
§ 6
o
Na divulgação de pregão realizado para o sistema de registro de preços,
independentemente do valor estimado, será adotado o disposto no inciso III.
Art. 18. Até dois dias úteis antes da data fixada para abertura da sessão pública,
qualquer pessoa poderá impugnar o ato convocatório do pregão, na forma eletrônica.
§ 1
o
Caberá ao pregoeiro, auxiliado pelo setor responsável pela elaboração do
edital, decidir sobre a impugnação no prazo de até vinte e quatro horas.
§ 2
o
Acolhida a impugnação contra o ato convocatório, será definida e publicada
nova data para realização do certame.
Art. 19. Os pedidos de esclarecimentos referentes ao processo licitatório deverão
ser enviados ao pregoeiro, até três dias úteis anteriores à data fixada para abertura da
sessão pública, exclusivamente por meio eletrônico via internet, no endereço indicado
no edital.
Art. 20. Qualquer modificação no edital exige divulgação pelo mesmo
instrumento de publicação em que se deu o texto original, reabrindo-se o prazo



http://ipgmrs.blogspot.com
60

inicialmente estabelecido, exceto quando, inquestionavelmente, a alteração não afetar
a formulação das propostas.
Art. 21. Após a divulgação do edital no endereço eletrônico, os licitantes deverão
encaminhar proposta com a descrição do objeto ofertado e o preço e, se for o caso, o
respectivo anexo, até a data e hora marcadas para abertura da sessão, exclusivamente
por meio do sistema eletrônico, quando, então, encerrar-se-á, automaticamente, a
fase de recebimento de propostas.
§ 1
o
A participação no pregão eletrônico dar-se-á pela utilização da senha
privativa do licitante.
§ 2
o
Para participação no pregão eletrônico, o licitante deverá manifestar, em
campo próprio do sistema eletrônico, que cumpre plenamente os requisitos de
habilitação e que sua proposta está em conformidade com as exigências do
instrumento convocatório.
§ 3
o
A declaração falsa relativa ao cumprimento dos requisitos de habilitação e
proposta sujeitará o licitante às sanções previstas neste Decreto.
§ 4
o
Até a abertura da sessão, os licitantes poderão retirar ou substituir a
proposta anteriormente apresentada.
Art. 22. A partir do horário previsto no edital, a sessão pública na internet será
aberta por comando do pregoeiro com a utilização de sua chave de acesso e senha.
§ 1
o
Os licitantes poderão participar da sessão pública na internet, devendo
utilizar sua chave de acesso e senha.
§ 2
o
O pregoeiro verificará as propostas apresentadas, desclassificando aquelas
que não estejam em conformidade com os requisitos estabelecidos no edital.
§ 3
o
A desclassificação de proposta será sempre fundamentada e registrada no
sistema, com acompanhamento em tempo real por todos os participantes.
§ 4
o
As propostas contendo a descrição do objeto, valor e eventuais anexos
estarão disponíveis na internet.
§ 5
o
O sistema disponibilizará campo próprio para troca de mensagens entre o
pregoeiro e os licitantes.
Art. 23. O sistema ordenará, automaticamente, as propostas classificadas pelo
pregoeiro, sendo que somente estas participarão da fase de lance.

Após a classificação das propostas, passa-se à etapa competitiva, com lances pelo
sistema.

- etapa competitiva, negociação eletrônica e procedimentos em caso de
desconexão
A etapa competitiva é a que ocorre por lances abertos, encaminhados pelos licitantes



http://ipgmrs.blogspot.com
61

através do sistema. É nela que se decide qual será a proposta vencedora da licitação, que
corresponderá ao lance de menor preço dentre os classificados. O sistema recebe os lances e os vai
ordenando, informando o sem que se possa identificar o licitante que o fez.
O encerramento da fase de lances se dá por determinação do pregoeiro. No entanto, o
sistema emite aviso de que a licitação se encerrará, o que ocorrerá aleatoriamente, pelo próprio
sistema, em no máximo meia hora após o aviso. Até o encerramento automático, os licitantes podem
apresentar lances.
Encerrada a fase dos lances, pode ainda o pregoeiro, respeitados os termos do Edital,
negociar com o licitante melhor classificado, no sentido de tentar obter proposta mais vantajosa para a
Administração.
No caso de desconexão, há expressa previsão da continuidade de recebimento das
propostas, se o sistema as receber e de suspensão do procedimento, com retomada somente após a
comunicação aos licitantes pelo pregoeiro.
Diz o art. 24 do Decrto 5.450/05:

Art. 24. Classificadas as propostas, o pregoeiro dará início à fase competitiva, quando
então os licitantes poderão encaminhar lances exclusivamente por meio do sistema
eletrônico.
§ 1
o
No que se refere aos lances, o licitante será imediatamente informado do
seu recebimento e do valor consignado no registro.
§ 2
o
Os licitantes poderão oferecer lances sucessivos, observados o horário
fixado para abertura da sessão e as regras estabelecidas no edital.
§ 3
o
O licitante somente poderá oferecer lance inferior ao último por ele ofertado
e registrado pelo sistema.
§ 4
o
Não serão aceitos dois ou mais lances iguais, prevalecendo aquele que for
recebido e registrado primeiro.
§ 5
o
Durante a sessão pública, os licitantes serão informados, em tempo real, do
valor do menor lance registrado, vedada a identificação do licitante.
§ 6
o
A etapa de lances da sessão pública será encerrada por decisão do
pregoeiro.
§ 7
o
O sistema eletrônico encaminhará aviso de fechamento iminente dos lances,
após o que transcorrerá período de tempo de até trinta minutos, aleatoriamente
determinado, findo o qual será automaticamente encerrada a recepção de lances.
§ 8
o
Após o encerramento da etapa de lances da sessão pública, o pregoeiro
poderá encaminhar, pelo sistema eletrônico, contraproposta ao licitante que tenha
apresentado lance mais vantajoso, para que seja obtida melhor proposta, observado o
critério de julgamento, não se admitindo negociar condições diferentes daquelas
previstas no edital.
§ 9
o
A negociação será realizada por meio do sistema, podendo ser
acompanhada pelos demais licitantes.



http://ipgmrs.blogspot.com
62

§ 10. No caso de desconexão do pregoeiro, no decorrer da etapa de lances, se o
sistema eletrônico permanecer acessível aos licitantes, os lances continuarão sendo
recebidos, sem prejuízo dos atos realizados.
§ 11. Quando a desconexão do pregoeiro persistir por tempo superior a dez
minutos, a sessão do pregão na forma eletrônica será suspensa e reiniciada somente
após comunicação aos participantes, no endereço eletrônico utilizado para divulgação.

- Habilitação

Uma característica própria do pregão, inclusive o eletrônico, é que a fase de habilitação
sucede a de classificação. Somente se verificará a habilitação do licitante melhor classificado, com
vistas a sua contratação.
Os requisitos de habilitação são os mesmos que a Lei 8.666/93 traz par as licitações
em geral, no entanto a apreciação pode ser feita mediante busca pelo pregoeiro no sistema.
Verificados a adequação da proposta e os requisitos do Edital, declaração pregoeiro o
vencedor.
Art. 25. Encerrada a etapa de lances, o pregoeiro examinará a proposta
classificada em primeiro lugar quanto à compatibilidade do preço em relação ao
estimado para contratação e verificará a habilitação do licitante conforme disposições
do edital.
§ 1
o
A habilitação dos licitantes será verificada por meio do SICAF, nos
documentos por ele abrangidos, quando dos procedimentos licitatórios realizados por
órgãos integrantes do SISG ou por órgãos ou entidades que aderirem ao SICAF.
§ 2
o
Os documentos exigidos para habilitação que não estejam contemplados no
SICAF, inclusive quando houver necessidade de envio de anexos, deverão ser
apresentados inclusive via fax, no prazo definido no edital, após solicitação do
pregoeiro no sistema eletrônico.
§ 3
o
Os documentos e anexos exigidos, quando remetidos via fax, deverão ser
apresentados em original ou por cópia autenticada, nos prazos estabelecidos no edital.
§ 4
o
Para fins de habilitação, a verificação pelo órgão promotor do certame nos
sítios oficiais de órgãos e entidades emissores de certidões constitui meio legal de
prova.
§ 5
o
Se a proposta não for aceitável ou se o licitante não atender às exigências
habilitatórias, o pregoeiro examinará a proposta subseqüente e, assim
sucessivamente, na ordem de classificação, até a apuração de uma proposta que
atenda ao edital.
§ 6
o
No caso de contratação de serviços comuns em que a legislação ou o edital
exija apresentação de planilha de composição de preços, esta deverá ser encaminhada
de imediato por meio eletrônico, com os respectivos valores readequados ao lance
vencedor.
§ 7
o
No pregão, na forma eletrônica, realizado para o sistema de registro de



http://ipgmrs.blogspot.com
63

preços, quando a proposta do licitante vencedor não atender ao quantitativo total
estimado para a contratação, respeitada a ordem de classificação, poderão ser
convocados tantos licitantes quantos forem necessários para alcançar o total estimado,
observado o preço da proposta vencedora.
§ 8
o
Os demais procedimentos referentes ao sistema de registro de preços ficam
submetidos à norma específica que regulamenta o art. 15 da Lei n
o
8.666, de 1993.
§ 9
o
Constatado o atendimento às exigências fixadas no edital, o licitante será
declarado vencedor.

- recurso

Diferentemente do que ocorre nos recursos admitidos pela Lei 8.666/93, no pregão
eletrônico há um recurso único, que se processa mediante a manifestação motivada do licitante da
intenção de recorrer, oportunizando-se a apresentação de razões de recurso em três dias, sob pena de
preclusão, conforme art. 26 do Decreto 5.450/05, verbis:
Art. 26. Declarado o vencedor, qualquer licitante poderá, durante a sessão pública, de
forma imediata e motivada, em campo próprio do sistema, manifestar sua intenção de
recorrer, quando lhe será concedido o prazo de três dias para apresentar as razões de
recurso, ficando os demais licitantes, desde logo, intimados para, querendo,
apresentarem contra-razões em igual prazo, que começará a contar do término do
prazo do recorrente, sendo-lhes assegurada vista imediata dos elementos
indispensáveis à defesa dos seus interesses.
§ 1
o
A falta de manifestação imediata e motivada do licitante quanto à intenção
de recorrer, nos termos do caput, importará na decadência desse direito, ficando o
pregoeiro autorizado a adjudicar o objeto ao licitante declarado vencedor.
§ 2
o
O acolhimento de recurso importará na invalidação apenas dos atos
insuscetíveis de aproveitamento.
§ 3
o
No julgamento da habilitação e das propostas, o pregoeiro poderá sanar
erros ou falhas que não alterem a substância das propostas, dos documentos e sua
validade jurídica, mediante despacho fundamentado, registrado em ata e acessível a
todos, atribuindo-lhes validade e eficácia para fins de habilitação e classificação.

- homologação e adjudicação do objeto e celebração do contrato ou
assinatura da ata
Declarado o licitante vencedor, e vencida a fase recursal, encerra-se a atuação do
pregoeiro, passando-se à autoridade competente para a homologação do certame e a adjudicação do
objeto da licitação. Após, o vencedor é convocado para assinar o contrato ou, quando se tratar de
registro de preços, a respectiva ata, conforme artigo 27, que determina:
Art. 27. Decididos os recursos e constatada a regularidade dos atos praticados, a
autoridade competente adjudicará o objeto e homologará o procedimento licitatório.
§ 1
o
Após a homologação referida no caput, o adjudicatário será convocado para
assinar o contrato ou a ata de registro de preços no prazo definido no edital.



http://ipgmrs.blogspot.com
64

§ 2
o
Na assinatura do contrato ou da ata de registro de preços, será exigida a
comprovação das condições de habilitação consignadas no edital, as quais deverão ser
mantidas pelo licitante durante a vigência do contrato ou da ata de registro de preços.
§ 3
o
O vencedor da licitação que não fizer a comprovação referida no § 2
o
ou
quando, injustificadamente, recusar-se a assinar o contrato ou a ata de registro de
preços, poderá ser convocado outro licitante, desde que respeitada a ordem de
classificação, para, após comprovados os requisitos habilitatórios e feita a negociação,
assinar o contrato ou a ata de registro de preços, sem prejuízo das multas previstas
em edital e no contrato e das demais cominações legais.
§ 4
o
O prazo de validade das propostas será de sessenta dias, salvo disposição
específica do edital.

- Punições

Embora as punições aplicáveis aos licitantes em pregão eletrônico sejam as mesmas a
que se refere a Lei 8.666/93, até porque o regime punitivo é tratado naquela regra geral, traz o
Decreto a descrição de situações fáticas que podem levar, no àmbito do pregão eletrônico, à aplicação
da pena de declaração de inidoneidade para licitar e contratar, conforme art. 28, que afirma:
Art. 28. Aquele que, convocado dentro do prazo de validade de sua proposta,
não assinar o contrato ou ata de registro de preços, deixar de entregar documentação
exigida no edital, apresentar documentação falsa, ensejar o retardamento da execução
de seu objeto, não mantiver a proposta, falhar ou fraudar na execução do contrato,
comportar-se de modo inidôneo, fizer declaração falsa ou cometer fraude fiscal,
garantido o direito à ampla defesa, ficará impedido de licitar e de contratar com a
União, e será descredenciado no SICAF, pelo prazo de até cinco anos, sem prejuízo das
multas previstas em edital e no contrato e das demais cominações legais.
Parágrafo único. As penalidades serão obrigatoriamente registradas no SICAF.



i
Material elaborado para o Curso De Licitações e Contratos Administrativos realizado pelo IPGM para a Companhia Riograndense
de Saneamento – CORSAN, pelo Professor Dr. Pedro Henrique Poli de Figueiredo, Doutor em Direito pela Universidade Federal do
Rio Grande do Sul (2006), mesma Universidade onde concluiu anteriormente o seu Mestrado em Sociedade e Estado em
Perspectiva de Integração (1999) e onde concluiu a sua Graduação em Ciências Jurídicas e Sociais (1985). Possui também
Especialização em Direito Tributário pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1991). Exerce as atividades de Auditor
Substituto de Conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul desde outubro de 2002, em virtude de concurso
público em que foi aprovado em primeiro lugar. Foi advogado, assessor, consultor e diretor jurídico de diversas importantes
instituições públicas e privadas, dentre elas a Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas de Porto Alegre, a ICOPLAN e o
Grupo Gerdau, com vínculo empregatício pela COSIGUA, até a data de sua aprovação em concurso público para Procurador do
Estado. Foi Procurador do Estado do Rio Grande do Sul no período de março de 1991 a outubro de 2002, onde desempenhou as
funções de Coordenador da Procuradoria do Domínio Público. Entre 1996 e 1998 exerceu o cargo de Subchefe da Casa Civil para
Assuntos Administrativos do Gabinete do Governador do Estado do Rio Grande do Sul. É professor de Direito Administrativo e de
Direito Tributário da UNISINOS. É Professor Coordenador Acadêmico do Instituto de Pesquisa Gianelli Martins. É professor
docente convidado em diversos cursos de especialização e aprimoramento, principalmente na área de direito público, em
especial na área do Direito Administrativo, tendo proferido inúmeras palestras em congressos, seminários, simpósios, cursos e
ciclos de estudos. Participou de diversas bancas de concurso público e de bancas acadêmicas. É autor de publicações acadêmicas
e profissionais.

http://ipgmrs.blogspot.com
A competência da União é, em face deste dispositivo, bastante ampla,uma vez que se dá para todos os procedimentos e em face de todos os contratos firmados pelo Poder Público. Quando a norma constitucional usa a expressão “em todas as modalidades” não o faz no sentido estrito que a legislação infraconstitucional traz. Marçal Justen Filho adverte que a norma constitucional não pode ser interpretada à luz da norma infraconstitucional que lhe é consequente, mas esta é que deve ser interpretada de acordo com aquela. Desde a Emenda da Reforma Administrativa (EC 19/98), houve uma cisão no tratamento a ser dado às licitações dos entes administrativos. Até aquela Emenda, previa a Constituição Federal, no art. 22, XXVII, um tratamento unificado da legislação para todos os entes da administração direta e indireta. Com a Reforma, passou-se a estabelecer um comando normativo para os entes da Administração Direta e os da Indireta com personalidade jurídica de direito público (autarquias e fundações públicas) de um lado, e, de outro, os entes com personalidade jurídica de direito privado (empresas públicas e sociedades de economia mista), com regramento a ser estabelecido na lei que disporá sobre o estatuto jurídico daquelas entidades de direito privado, levando em consideração as suas condições intrínsecas, nos termos do art. 173, par. 1º, III, da Constituição, dispositivo também adequado às finalidades da Emenda Reformadora. Cabe referir, no entanto, que ainda não foi realizada a lei mencionada no par 1º do art. 173 da Carta Constitucional, de forma que, até que venha a ser sancionada e publicada aquela lei – se vier a ser – ainda estarão as empresas públicas e sociedades de economia mista sujeitas às mesmas regras gerais das entidades da Administração Pública. A exigência de licitação está prevista no art. 37, XXI, da Constituição Federal, nos seguintes termos: Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte: (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 19, de 1998) XXI - ressalvados os casos especificados na legislação, as obras, serviços, compras e alienações serão contratados mediante processo de licitação pública que assegure igualdade de condições a todos os concorrentes, com cláusulas que estabeleçam obrigações de pagamento, mantidas as condições efetivas da proposta, nos termos da lei, o qual somente permitirá as exigências de qualificação técnica e econômica indispensáveis à garantia do cumprimento das obrigações. Tal dispositivo inicia admitindo exceções ao procedimento licitatório, que devem estar expressamente previstas em lei,tais quais as hipóteses de dispensa e inexigibilidade previstas na legislação ordinária. Uma leitura desavisada daquele dispositivo poderia levar ao equivocado entendimento no sentido de que a licitação somente seria exigida para obras, serviços, compras e alienações. Este entendimento dissente, no entanto, da exigência de licitação para concessões e permissões de serviço público prevista no art. 175 da Constituição Federal, que utiliza a expressão “sempre através de licitação” quando se refere àqueles objetos. Ademais, da leitura do art. 22, XXVII, antes transcrito, se verifica que, na competência da União para a edição de normas gerais de licitação e contratação está a competência ampla para todos os contratos,como antes se fez referência. No exercício dessa competência, pela Lei 8.666/93, a União deu uma extensão maior a tal exigência, quando nos art. 1º e 2º incluiu as locações e quando no art. 116 trouxe a regra de aplicabilidade da Lei para todo convênio, contrato, acordo, ajuste ou outros instrumentos congêneres, evidentemente quando presente a competitividade que justifica a instauração do procedimento. Até mesmo para doações,

2

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->