You are on page 1of 37

PROVA BRANCA

Redação

“É dever da família, da sociedade e


PAPAI NOEL, do Estado assegurar à criança e ao ado-
COELHINHO DA lescente, com absoluta prioridade, o di-
PÁSCOA...
PANACA! DAQUI A reito à saúde, à alimentação, à cultura, à
POUCO VAI DIZER QUE dignidade, ao respeito, à liberdade e à
MÃE convivência familiar e comunitária, além
EXISTE!
de colocá-los a salvo de toda forma de
negligência, discriminação, exploração,
crueldade e opressão”.
Artigo 227, Constituição da República
Federativa do Brasil.

(Angeli, Folha de S. Paulo, 14.05.2000)

(...) Esquina da Avenida Desembar- Entender a infância marginal significa


gador Santos Neves com Rua José Teixei- entender porque um menino vai para a rua
ra, na Praia do Canto, área nobre de Vitó- e não à escola. Essa é, em essência, a dife-
ria. A.J., 13 anos, morador de Cariacica, rença entre o garoto que está dentro do car-
tenta ganhar algum trocado vendendo ba- ro, de vidros fechados, e aquele que se apro-
las para os motoristas. (...) xima do carro para vender chiclete ou pe-
“Venho para a rua desde os 12 anos. dir esmola. E essa é a diferença entre um
Não gosto de trabalhar aqui, mas não tem país desenvolvido e um país de Terceiro
outro jeito. Quero ser mecânico”. Mundo.
A Gazeta, Vitória (ES), Gilberto Dimenstein. O cidadão de papel.
9 de junho de 2000. São Paulo. Ática, 2000. 19a. edição.
Com base na leitura da charge, do artigo da Constituição, do depoimento de A.J. e do
trecho do livro O cidadão de papel, redija um texto em prosa, do tipo dissertati-
vo-argumentativo, sobre o tema: Direitos da criança e do adolescente: como enfrentar
esse desafio nacional?
Ao desenvolver o tema proposto, procure utilizar os conhecimentos adquiridos e as re-
flexões feitas ao longo de sua formação. Selecione, organize e relacione argumentos, fatos e
opiniões para defender o seu ponto de vista, elaborando propostas para a solução do problema
discutido em seu texto.
Observações:
• Lembre-se de que a situação de produção de seu texto requer o uso da modalidade escrita
culta da língua.
• Espera-se que o seu texto tenha mais do que 15 (quinze) linhas.
• A redação deverá ser apresentada a tinta na cor preta e desenvolvida na folha própria.
• Você poderá utilizar a última folha deste Caderno de Questões para rascunho.
Comentário
O tema solicitou do aluno que se discutisse a condição da criança diante da injustiça social, cada dia
mais comum. Textos e charge exploram o desamparo, a marginalização, a carência e sobretudo a falta
de perspectiva da infância brasileira, paradoxalmente amparada por textos constitucionais.

Questão 1
No mapa, é apresentada a
distribuição geográfica de
aves de grande porte e
que não voam.
Há evidências mostrando
que essas aves, que podem
ser originárias de um
mesmo ancestral, sejam,
Avestruz
portanto, parentes. Consi-
derando que, de fato, tal Ema Emu
parentesco ocorra, uma
explicação possível para a
separação geográfica des-
sas aves, como mostrada no mapa, poderia ser:
a) a grande atividade vulcânica, ocorrida há milhões de anos, eliminou essas aves do Hemisfé-
rio Norte.
b) na origem da vida, essas aves eram capazes de voar, o que permitiu que atravessassem as
águas oceânicas, ocupando vários continentes.
c) o ser humano, em seus deslocamentos, transportou essas aves, assim que elas surgiram na
Terra, distribuindo-as pelos diferentes continentes.
d) o afastamento das massas continentais, formadas pela ruptura de um continente único,
dispersou essas aves que habitavam ambientes adjacentes.
e) a existência de períodos glaciais muito rigorosos, no Hemisfério Norte, provocou um grada-
tivo deslocamento dessas aves para o Sul, mais quente.

alternativa D
Uma possível explicação para o fato seria o afastamento das massas continentais formadas pela ruptu-
ra de um único continente. Esse fato dispersou essas aves, as quais habitavam ambientes adjacentes.

Questão 2
Os quatro calendários apresentados abaixo mostram a variedade na contagem do tempo em
diversas sociedades.

1º DE JANEIRO 24 DE RAMADA 23 DE TEVET 7º DIA DO 12º MÊS


DE 2000 DE 1378 DE 5760 DO ANO DO COELHO

OCIDENTAL
ISLÂMICO JUDAICO CHINÊS
(Gregoriano)

Baseado no ciclo A base é a Lua. Calendário lunar, Referência lunar.


solar, tem como re- Inicia-se com a fuga parte da criação do Iniciado em 2697
ferência o nascimen- de Maomé de Me- mundo conforme a a.C., ano do patriar-
to de Cristo ca, em 622 d.C. Bíblia. ca chinês Huangti.

Fonte: Adaptado de Época, nº 55, 7 de junho de 1999


Com base nas informações apresentadas, pode-se afirmar que:
a) o final do milênio, 1999/2000, é um fator comum às diferentes culturas e tradições.
b) embora o calendário cristão seja hoje adotado em âmbito internacional, cada cultura regis-
tra seus eventos marcantes em calendário próprio.
c) o calendário cristão foi adotado universalmente porque, sendo solar, é mais preciso que os
demais.
d) a religião não foi determinante na definição dos calendários.
e) o calendário cristão tornou-se dominante por sua antiguidade.

alternativa B
A dimensão da temporalidade constitui uma das dimensões essenciais da existência humana, e as for-
mas diferenciadas de assinalar a temporalidade associam-se a contextos culturais também diferencia-
dos.

Questão 3
“Precisa-se nacionais sem nacionalismo, (...) movidos pelo presente mas estalando
naquele cio racial que só as tradições maduram! (...). Precisa-se gentes com bastante
meiguice no sentimento, bastante força na peitaria, bastante paciência no entusias-
mo e sobretudo, oh! sobretudo bastante vergonha na cara!
(...) Enfim: precisa-se brasileiros! Assim está escrito no anúncio vistoso de cores de-
sesperadas pintado sobre o corpo do nosso Brasil, camaradas.”
(Jornal A Noite, São Paulo, 18/12/1925 apud LOPES, Telê Porto Ancona. Mário de Andrade:
ramais e caminhos. São Paulo: Duas Cidades, 1972)
No trecho acima, Mário de Andrade dá forma a um dos itens do ideário modernista, que é o de
firmar a feição de uma língua mais autêntica, “brasileira”, ao expressar-se numa variante de
linguagem popular identificada pela (o):
a) escolha de palavras como cio, peitaria, vergonha.
b) emprego da pontuação.
c) repetição do adjetivo bastante.
d) concordância empregada em Assim está escrito.
e) escolha de construção do tipo precisa-se gentes.

alternativa E
É flagrante a quebra das regras gramaticais, marcando o falar popular em “precisa-se nacionais... pre-
cisa-se gentes... precisa-se brasileiros”. Uma língua autenticamente brasileira deve ser ancorada em
uma gramática com regras próprias.

Questão 4
A figura ao lado mostra um eclipse solar no ins-
tante em que é fotografado em cinco diferentes SOL
pontos do planeta.

I
II
III

IV V
Três dessas fotografias estão reproduzidas ao lado.
As fotos poderiam corresponder, respectivamente, aos pon-
tos:
a) III, V e II. b) II, III e V. c) II, IV e III.
d) I, II e III. e) I, II e V.

alternativa A
A primeira foto representa uma região de penumbra, com pequena visão do sol na faixa esquerda, o
que corresponde a uma observação feita do ponto III.
A segunda e terceira fotos correspondem a regiões de penumbra, com maior visão do sol e faixas ilu-
minadas à direita e à esquerda, correspondendo a observações feitas nos pontos V e II, respectiva-
mente.

Questão 5
“Poética”, de Manuel Bandeira, é quase um manifesto do movimento modernista brasileiro de
1922. No poema, o autor elabora críticas e propostas que representam o pensamento estético
predominante na época.
Poética
Estou farto do lirismo comedido
Do lirismo bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e manifestações de
[apreço ao Sr. diretor.
Estou farto do lirismo que pára e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um
[vocábulo
Abaixo os puristas
........................................................................................................................................................
Quero antes o lirismo dos loucos
O lirismo dos bêbedos
O lirismo difícil e pungente dos bêbedos
O lirismo dos clowns de Shakespeare
– Não quero mais saber do lirismo que não é libertação.
(BANDEIRA, Manuel. Poesia Completa e Prosa.
Rio de Janeiro. Aguilar, 1974)
Com base na leitura do poema, podemos afirmar corretamente que o poeta:
a) critica o lirismo louco do movimento modernista.
b) critica todo e qualquer lirismo na literatura.
c) propõe o retorno ao lirismo do movimento clássico.
d) propõe o retorno ao lirismo do movimento romântico.
e) propõe a criação de um novo lirismo.

alternativa E
Em
"O lirismo dos bêbedos
(...)
O lirismo dos clowns de Shakespeare
– Não quero mais saber do lirismo que não é libertação."
Manuel Bandeira propõe, para a poesia moderna, um lirismo que rompe com os valores das estéticas
tradicionais, sobretudo do Parnasianismo.
Questão 6
Ao longo do século XX, a taxa de variação na população do Brasil foi sempre positiva (cresci-
mento). Essa taxa leva em consideração o número de nascimentos (N), o número de mortes
(M), o de emigrantes (E) e o de imigrantes (I) por unidade de tempo.
É correto afirmar que, no século XX:
a) M > I + E + N. b) N + I > M + E. c) N + E > M + I.
d) M + N < E + I. e) N < M − I + E.

alternativa B
De acordo com os dados, o número de pessoas novas na população (por nascimento ou imigração) é
maior do que o número de pessoas que deixam a população (por morte ou emigração). Assim:
N+I>M+E

Questão 7
Ferreira Gullar, um dos grandes poetas brasileiros da atualidade, é autor de “Bicho urbano”,
poema sobre a sua relação com as pequenas e grandes cidades.

Bicho urbano

Se disser que prefiro morar em Pirapemas


ou em outra qualquer pequena cidade do país
estou mentindo
ainda que lá se possa de manhã
lavar o rosto no orvalho
e o pão preserve aquele branco
sabor de alvorada.
.................................................................
A natureza me assusta.
Com seus matos sombrios suas águas
suas aves que são como aparições
me assusta quase tanto quanto
esse abismo
de gases e de estrelas
aberto sob minha cabeça.
(GULLAR, Ferreira. Toda poesia. Rio de Janeiro:
José Olympio Editora, 1991)
Embora não opte por viver numa pequena cidade, o poeta reconhece elementos de valor no co-
tidiano das pequenas comunidades. Para expressar a relação do homem com alguns desses
elementos, ele recorre à sinestesia, construção de linguagem em que se mesclam impressões
sensoriais diversas. Assinale a opção em que se observa esse recurso.
a) “e o pão preserve aquele branco / sabor de alvorada.”
b) “ainda que lá se possa de manhã / lavar o rosto no orvalho”
c) “A natureza me assusta. / Com seus matos sombrios suas águas”
d) “suas aves que são como aparições / me assusta quase tanto quanto”
e) “me assusta quase tanto quanto / esse abismo / de gases e de estrelas”

alternativa A
Em "pão, branco, sabor, alvorada" confundem-se os sentidos paladar e visão.
Questão 8
No processo de fabricação de pão, os padeiros, após prepara-
rem a massa utilizando fermento biológico, separam uma
porção de massa em forma de “bola” e a mergulham num re-
cipiente com água, aguardando que ela suba, como pode ser
observado, respectivamente, em I e II do esquema ao lado.
Quando isso acontece, a massa está pronta para ir ao forno. I II
Um professor de Química explicaria esse procedimento da seguinte maneira:
“A bola de massa torna-se menos densa que o líquido e sobe. A alteração da densidade deve-se
à fermentação, processo que pode ser resumido pela equação
C6 H 12 O6 → 2 C2 H 5 OH + 2 CO2 + energia.
glicose álcool comum gás carbônico”
Considere as afirmações abaixo.
I. A fermentação dos carboidratos da massa de pão ocorre de maneira espontânea e não de-
pende da existência de qualquer organismo vivo.
II. Durante a fermentação, ocorre produção de gás carbônico, que se vai acumulando em cavi-
dades no interior da massa, o que faz a bola subir.
III. A fermentação transforma a glicose em álcool. Como o álcool tem maior densidade do que
a água, a bola de massa sobe.
Dentre as afirmativas, apenas:
a) I está correta. b) II está correta. c) I e II estão corretas.
d) II e III estão corretas. e) III está correta.

alternativa B
Apenas a afirmativa II está correta. Durante o processo fermentativo ocorre produção de CO 2 , como
podemos observar na equação apresentada no texto. O CO 2 se acumula no interior da massa e faz a
bola subir.

Questão 9
Ainda hoje, é muito comum as pessoas utilizarem vasilhames de barro (moringas ou potes de
cerâmica não esmaltada) para conservar água a uma temperatura menor do que a do ambien-
te. Isso ocorre porque:
a) o barro isola a água do ambiente, mantendo-a sempre a uma temperatura menor que a
dele, como se fosse isopor.
b) o barro tem poder de “gelar” a água pela sua composição química. Na reação, a água perde
calor.
c) o barro é poroso, permitindo que a água passe através dele. Parte dessa água evapora, to-
mando calor da moringa e do restante da água, que são assim resfriadas.
d) o barro é poroso, permitindo que a água se deposite na parte de fora da moringa. A água de
fora sempre está a uma temperatura maior que a de dentro.
e) a moringa é uma espécie de geladeira natural, liberando substâncias higroscópicas que di-
minuem naturalmente a temperatura da água.

alternativa C
O processo de evaporação, através do barro poroso, exige calor proveniente da moringa e do restante
da água, o que provoca a diminuição de sua temperatura.
Questão 10
“Somos servos da lei para podermos ser livres.”
Cícero
“O que apraz ao príncipe tem força de lei.”
Ulpiano
As frases acima são de dois cidadãos da Roma Clássica que viveram praticamente no mesmo
século, quando ocorreu a transição da República (Cícero) para o Império (Ulpiano).
Tendo como base as sentenças acima, considere as afirmações:
I. A diferença nos significados da lei é apenas aparente, uma vez que os romanos não levavam
em consideração as normas jurídicas.
II. Tanto na República como no Império, a lei era o resultado de discussões entre os represen-
tantes escolhidos pelo povo romano.
III. A lei republicana definia que os direitos de um cidadão acabavam quando começavam os
direitos de outro cidadão.
IV. Existia, na época imperial, um poder acima da legislação romana.
Estão corretas, apenas:
a) I e II. b) I e III. c) II e III. d) II e IV. e) III e IV.

alternativa E
A República e o Império criaram instituições no interior das quais a lei possuía um significado diferen-
ciado. No Império foi marcante a existência de um modelo político-administrativo que concentrava po-
deres nas mãos do príncipe.

Questão 11
Em certa cidade, algumas de suas principais vias têm
a designação “radial” ou “perimetral”, acrescentan-
do-se ao nome da via uma referência ao ponto cardeal
correspondente.
As ruas 1 e 2 estão indicadas no esquema ao lado, em
que não estão explicitados os pontos cardeais. CENTRO
Os nomes corretos das vias 1 e 2 podem, respectiva-
mente, ser:
a) perimetral sul, radial leste. 1
b) perimetral sul, radial oeste.
c) perimetral norte, radial oeste. 2
d) radial sul, perimetral norte.
e) radial sul, perimetral oeste.

alternativa B
Baseado no esquema, na Rosa-dos-Ventos e nas alternativas, temos que:
Se a via 1 for perimetral norte, então a 2 será a radial leste.
Se a via 1 for perimetral sul, então a 2 será a radial oeste.

Questão 12
Em uma conversa ou leitura de um texto, corre-se o risco de atribuir um significado inadequa-
do a um termo ou expressão, e isso pode levar a certos resultados inesperados, como se vê nos
quadrinhos abaixo.
CHICO! QUEM INTENDI
AS MUIÉ?

FIM

(SOUZA, Maurício de. Chico Bento. Rio de Janeiro: Ed. Globo, nº 335, Nov./99)
Nessa historinha, o efeito humorístico origina-se de uma situação criada pela fala da Rosinha
no primeiro quadrinho, que é:
a) Faz uma pose bonita! b) Quer tirar um retrato? c) Sua barriga está aparecendo!
d) Olha o passarinho! e) Cuidado com o flash!

alternativa D
Rosinha utiliza o tradicional "Olha o passarinho!" para chamar a atenção de Chico Bento. No entanto, a
tira explora o humor ao colocar o termo "passarinho" assumindo outro significado.

Questão 13
O resultado da conversão direta de energia solar é uma das várias formas de energia alterna-
tiva de que se dispõe. O aquecimento solar é obtido por uma placa escura coberta por vidro,
pela qual passa um tubo contendo água. A água circula, conforme mostra o esquema abaixo.
or

Radiação Reservatório
t
le

de água fria
Co

solar
Reservatório
de água quente Água quente
para o consumo
Vidro Placa escura

Fonte: Adaptado de PALZ, Wolfgang. Energia solar e fontes alternativas.


Hemus, 1981.
São feitas as seguintes afirmações quanto aos materiais utilizados no aquecedor solar:
I. o reservatório de água quente deve ser metálico para conduzir melhor o calor.
II. a cobertura de vidro tem como função reter melhor o calor, de forma semelhante ao que
ocorre em uma estufa.
III. a placa utilizada é escura para absorver melhor a energia radiante do Sol, aquecendo a
água com maior eficiência.
Dentre as afirmações acima, pode-se dizer que, apenas está(ão) correta(s):
a) I. b) I e II. c) II. d) I e III. e) II e III.

alternativa E
I. Incorreta. Para melhor conservar a temperatura no interior do reservatório, este não pode ser metáli-
co, já que os metais são bons condutores de calor, o que aumentaria a perda de calor para o meio ex-
terno.
II. Correta. A radiação solar passa pelo vidro, aquecendo o interior onde encontra-se a placa escura.
Como o vidro não é um bom condutor de calor, o interior permanece aquecido.
III. Correta. O aquecimento da água ocorre com maior eficiência se a placa utilizada for escura, pois
assim teremos a maior absorção de calor possível.

Questão 14
Uma companhia de seguros levantou dados sobre os carros de determinada cidade e constatou
que são roubados, em média, 150 carros por ano.
O número de carros roubados da marca X é o dobro do número de carros roubados da marca
Y, e as marcas X e Y juntas respondem por cerca de 60% dos carros roubados.
O número esperado de carros roubados da marca Y é:
a) 20. b) 30. c) 40. d) 50. e) 60.

alternativa B
Sendo x e y, respectivamente, o número de carros roubados das marcas X e Y, temos:
x = 2y x = 2y x = 60
60 ⇔ ⇔
x +y = ⋅ 150 2y + y = 90 y = 30
100
Portanto o número esperado de carros roubados da marca Y por ano é 30.

Questão 15
A tabela abaixo resume alguns dados importantes sobre os satélites de Júpiter.

Distância média ao Período orbital


Nome Diâmetro (km)
centro de Júpiter (km) (dias terrestres)

Io 3.642 421.800 1,8

Europa 3.138 670.900 3,6

Ganimedes 5.262 1.070.000 7,2

Calisto 4.800 1.880.000 16,7

Ao observar os satélites de Júpiter pela primeira vez, Galileu Galilei fez diversas anotações e
tirou importantes conclusões sobre a estrutura de nosso universo. A figura abaixo reproduz
uma anotação de Galileu referente a Júpiter e seus satélites.
1 2 3 4

De acordo com essa representação e com os dados da tabela, os pontos indicados por 1, 2, 3 e 4
correspondem, respectivamente, a:
a) Io, Europa, Ganimedes e Calisto. b) Ganimedes, Io, Europa e Calisto.
c) Europa, Calisto, Ganimedes e Io. d) Calisto, Ganimedes, Io e Europa.
e) Calisto, Io, Europa e Ganimedes.

alternativa B
Dos dados da tabela referentes à distância média dos satélites ao centro de Júpiter e da anotação de
Galileu fornecida, temos que os pontos 1, 2, 3 e 4 correspondem, respectivamente, a Ganimedes, Io,
Europa e Calisto.

Questão 16
A adaptação dos integrantes da seleção brasileira de futebol à altitude de La Paz foi muito co-
mentada em 1995, por ocasião de um torneio, como pode ser lido no texto abaixo.
“A seleção brasileira embarca hoje para La Paz, capital da Bolívia, situada a 3.700
metros de altitude, onde disputará o torneio Interamérica. A adaptação deverá ocor-
rer em um prazo de 10 dias, aproximadamente. O organismo humano, em altitudes
elevadas, necessita desse tempo para se adaptar, evitando-se, assim, risco de um co-
lapso circulatório.”
(Adaptado da revista Placar, edição fev. 1995)
A adaptação da equipe foi necessária principalmente porque a atmosfera de La Paz, quando
comparada à das cidades brasileiras, apresenta:
a) menor pressão e menor concentração de oxigênio.
b) maior pressão e maior quantidade de oxigênio.
c) maior pressão e maior concentração de gás carbônico.
d) menor pressão e maior temperatura.
e) maior pressão e menor temperatura.

alternativa A
A atmosfera de La Paz apresenta menor pressão e menor concentração de O 2 quando comparada às
cidades brasileiras. Devido à elevada altitude, o oxigênio é rarefeito. O período de adaptação é neces-
sário para dar tempo ao organismo de produzir maior número de hemácias.

A energia térmica liberada em processos de fissão nuclear pode ser utilizada na geração de
vapor para produzir energia mecânica que, por sua vez, será convertida em energia elétrica.
Abaixo está representado um esquema básico de uma usina de energia nuclear.
Vapor

Gerador

Água Turbina

Pilhas
nucleares
Condensador
Bomba
d’água
Bomba
d’água

Rio

Questão 17
Com relação ao impacto ambiental causado pela poluição térmica no processo de refrigeração
da usina nuclear, são feitas as seguintes afirmações:
I. o aumento na temperatura reduz, na água do rio, a quantidade de oxigênio nela dissolvido,
que é essencial para a vida aquática e para a decomposição da matéria orgânica.
II. o aumento da temperatura da água modifica o metabolismo dos peixes.
III. o aumento na temperatura da água diminui o crescimento de bactérias e de algas, favore-
cendo o desenvolvimento da vegetação.
Das afirmativas acima, somente está(ão) correta(s):
a) I. b) II. c) III. d) I e II. e) II e III.

alternativa D
O aumento da temperatura da água diminui a quantidade de oxigênio nela dissolvido, e pode modificar
o metabolismo dos peixes.
O oxigênio é essencial para a vida aquática e para a decomposição aeróbica da matéria orgânica.

Questão 18
A partir do esquema são feitas as seguintes afirmações:
I. a energia liberada na reação é usada para ferver a água que, como vapor a alta pressão, acio-
na a turbina.
II. a turbina, que adquire uma energia cinética de rotação, é acoplada mecanicamente ao ge-
rador para produção de energia elétrica.
III. a água depois de passar pela turbina é pré-aquecida no condensador e bombeada de volta
ao reator.
Dentre as afirmações acima, somente está(ão) correta(s):
a) I. b) II. c) III. d) I e II. e) II e III.

alternativa D
I. Correta. A energia térmica liberada em processos de fissão é utilizada na geração do vapor a alta
pressão, o qual produzirá energia mecânica necessária para acionar a turbina.
II. Correta. O vapor gerado a alta pressão fará com que a turbina entre em rotação, adquirindo energia
cinética. Como a turbina é acoplada mecanicamente ao gerador, a energia cinética será convertida em
energia elétrica.
III. Incorreta. O vapor depois de passar pela turbina sofre uma condensação ao passar pelo condensa-
dor. A água formada é bombeada de volta ao reator.

Questão 19
Um marceneiro deseja construir uma escada trapezoidal com 5 degraus, de forma que o mais
baixo e o mais alto tenham larguras respectivamente iguais a 60 cm e a 30 cm, conforme a fi-
gura:
30

60

Os degraus serão obtidos cortando-se uma peça linear de madeira cujo comprimento mínimo,
em cm, deve ser:
a) 144. b) 180. c) 210. d) 225. e) 240.

alternativa D
(I) (II)
30 15 30

15 30 15 15 30

Supondo um espaçamento constante entre os degraus e que o trapézio seja isósceles, podemos divi-
di-lo em um retângulo e dois triângulos retângulos congruentes, como na figura I, e assim reposicionan-
do um dos triângulos temos uma "escada" retangular, cuja largura dos degraus é 45 cm. Logo, será ne-
cessária uma peça linear de madeira de comprimento mínimo de 5 ⋅ 45 = 225 cm.

Questão 20
O esquema abaixo mostra, em termos de potência (energia/tempo), aproximadamente, o fluxo
de energia, a partir de uma certa quantidade de combustível vinda do tanque de gasolina, em
um carro viajando com velocidade constante.
Energia
dos hidrocarbonetos
não queimados, Luzes,
energia ventilador,
térmica dos gerador,
gases de direção,
escape e bomba
transferida ao hidráulica, Energia
Evaporação ar ambiente etc. térmica
1 kW 56,8 kW 2,2 kW 3 kW

DO TANQUE
DE GASOLINA
72 kW 71 kW Rodas
14,2 kW 12 kW 9 kW
Motor de Transmissão e
combustão engrenagens

O esquema mostra que, na queima da gasolina, no motor de combustão, uma parte considerá-
vel de sua energia é dissipada. Essa perda é da ordem de:
a) 80%. b) 70%. c) 50%. d) 30%. e) 20%.

alternativa A
Considerando que, no motor a combustão, é dissipada uma energia E d = 56,8 kW, para uma energia
total E = 71 kW, temos uma perda (p) dada por:
E 56,8
p= d = = 0,8
E 71
Assim, a perda é da ordem de 80%.

Questão 21
As sociedades modernas necessitam cada vez
mais de energia. Para entender melhor a rela- 1,0
ção entre desenvolvimento e consumo de ener- 0,9
gia, procurou-se relacionar o Índice de Desen- 0,8
volvimento Humano (IDH) de vários países com
0,7
o consumo de energia nesses países.
O IDH é um indicador social que considera a 0,6
longevidade, o grau de escolaridade, o PIB 0,5
IDH

(Produto Interno Bruto) per capita e o poder de 0,4


compra da população. Sua variação é de 0 a 1.
Valores do IDH próximos de 1 indicam melho- 0,3
res condições de vida. 0,2
Tentando-se estabelecer uma relação entre o 0,1
IDH e o consumo de energia per capita nos di-
0
versos países, no biênio 1991-1992, obteve-se o 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
gráfico ao lado, onde cada ponto isolado repre- Consumo de energia per capita (TEP/capita)*
senta um país, e a linha cheia, uma curva de *TEP: Tonelada equivalente de petróleo.
aproximação.
Fonte: GOLDEMBERG, J. Energia, meio ambiente e
desenvolvimento. São Paulo: Edusp, 1998.
Com base no gráfico, é correto afirmar que:
a) quanto maior o consumo de energia per capita, menor é o IDH.
b) os países onde o consumo de energia per capita é menor que 1 TEP não apresentam bons
índices de desenvolvimento humano.
c) existem países com IDH entre 0,1 e 0,3 com consumo de energia per capita superi-
or a 8 TEP.
d) existem países com consumo de energia per capita de 1 TEP e de 5 TEP que apresentam
aproximadamente o mesmo IDH, cerca de 0,7.
e) os países com altos valores de IDH apresentam um grande consumo de energia per capita
(acima de 7 TEP).

alternativa D
Na reprodução do gráfico a seguir, os países indicados por A e B têm consumo de ener-
gia per capita de 1 TEP e 5 TEP, respectivamente, e apresentam aproximadamente o mesmo IDH,
cerca de 0,7.

1,0
0,9
0,8
0,7 B
A
0,6
0,5
IDH

0,4
0,3
0,2
0,1
0
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Consumo de energia per capita (TEP/capita)*
*TEP: Tonelada equivalente de petróleo.

Questão 22
O gráfico ao lado representa o fluxo (quanti-
dade de água em movimento) de um rio, em
três regiões distintas, após certo tempo de
chuva. agrícola
Fluxo fluvial

Comparando-se, nas três regiões, a intercep-


floresta regenerada
tação da água da chuva pela cobertura vege-
floresta natural
tal, é correto afirmar que tal interceptação:
a) é maior no ambiente natural preservado.
b) independe da densidade e do tipo de vege-
tação.
c) é menor nas regiões de florestas.
0 30 60
d) aumenta quando aumenta o grau de inter-
Tempo depois que a chuva começa (min.)
venção humana.
e) diminui à medida que aumenta a densidade da vegetação.
alternativa A
O gráfico mostra que as regiões com maior preservação do ambiente natural retêm mais água da chu-
va, diminuindo o fluxo fluvial.

Questão 23
No ciclo da água, usado para produzir eletricidade, a água de lagos e oceanos, irradiada pelo
Sol, evapora-se dando origem a nuvens e se precipita como chuva. É então represada, corre de
alto a baixo e move turbinas de uma usina, acionando geradores. A eletricidade produzida é
transmitida através de cabos e fios e é utilizada em motores e outros aparelhos elétricos.
Assim, para que o ciclo seja aproveitado na geração de energia elétrica, constrói-se uma bar-
ragem para represar a água.
Entre os possíveis impactos ambientais causados por essa construção, devem ser destacados:
a) aumento do nível dos oceanos e chuva ácida.
b) chuva ácida e efeito estufa.
c) alagamentos e intensificação do efeito estufa.
d) alagamentos e desequilíbrio da fauna e da flora.
e) alteração do curso natural dos rios e poluição atmosférica.

alternativa D
Entre os possíveis impactos ambientais causados pela construção de barragens, devem ser destaca-
dos: alagamentos e conseqüente desequilíbrio da flora e fauna das regiões alagadas e próximas.

Questão 24
“Casa que não entra sol, entra médico.” Esse antigo ditado reforça a importância de, ao
construirmos casas, darmos orientações adequadas aos dormitórios, de forma a garantir o má-
ximo conforto térmico e salubridade.
Assim, confrontando casas construídas em Lisboa (ao norte do Trópico de Câncer) e em Curiti-
ba (ao sul do Trópico de Capricórnio), para garantir a necessária luz do sol, as janelas dos
quartos não devem estar voltadas, respectivamente, para os pontos cardeais:
a) norte/sul. b) sul/norte. c) leste/oeste. d) oeste/leste. e) oeste/oeste.

alternativa A
Em cidades localizadas na zona temperada do Norte, os imóveis mais valorizados são (no que se refe-
re a conforto térmico e salubridade) os de face sul (por receber maior luminosidade), devido ao movi-
mento aparente do Sol; e nas localizadas na zona temperada do Sul, as mais valorizadas são as de
face norte, pelo mesmo motivo.

Questão 25
João deseja comprar um carro cujo preço à vista, com todos os descontos possíveis, é de
R$ 21000
. ,00, e esse valor não será reajustado nos próximos meses.
Ele tem R$ 20.000,00, que podem ser aplicados a uma taxa de juros compostos de 2% ao mês,
e escolhe deixar todo o seu dinheiro aplicado até que o montante atinja o valor do carro.
Para ter o carro, João deverá esperar:
a) dois meses, e terá a quantia exata.
b) três meses, e terá a quantia exata.
c) três meses, e ainda sobrarão, aproximadamente, R$ 225,00.
d) quatro meses, e terá a quantia exata.
e) quatro meses, e ainda sobrarão, aproximadamente, R$ 430,00.
alternativa C
n
 2  n
Após n meses, o montante será de 20 000 ⋅ 1 +  = 20 000 ⋅ 1,02 . Assim, João terá:
 100 
• após o 1º mês, 20 000 ⋅ 1,02 2= R$ 20.400,00;
• após o 2º mês, 20 000 ⋅ 1,02 3 = 20 400 ⋅ 1,02 = R$ 20.808,00;
• após o 3º mês, 20 000 ⋅ 1,02 = 20 808 ⋅ 1,02 = R$ 21.224,16.
Logo João deverá esperar três meses, e ainda sobrarão, aproximadamente, R$ 225,00.

Questão 26
A tabela abaixo apresenta algumas das principais causas de mortes no Brasil, distribuídas
por região.

Taxa por 10.000 habitantes

Região Região Região Região Região


Brasil
K X W Y Z

Causas mal definidas 9 5 15 8 6 6

Causas externas 7 8 5 5 7 9

Neoplasias (cânceres) 6 5 3 3 9 9

Doenças respiratórias 6 4 3 2 8 7

Fonte: Ministério da Saúde, 1996


São conhecidas ainda as seguintes informações sobre as causas de óbitos:
– A dificuldade na obtenção de informações, a falta de notificação e o acesso precário aos ser-
viços de saúde são fatores relevantes na contabilização dos óbitos por causas mal definidas.
– O aumento da esperança de vida faz com que haja cada vez mais pessoas com maiores chan-
ces de desenvolver algum tipo de câncer.
– As mortes por doenças do aparelho respiratório estão estreitamente associadas à poluição
nos grandes centros urbanos.
– Os acidentes de trânsito e os assassinatos representam a quase totalidade das mortes por
causas externas.
– A região Norte é a única que apresenta todas as taxas por 10.000 habitantes abaixo da taxa
média brasileira.
Levando em consideração essas informações e o panorama social, econômico e ambiental do
Brasil, pode-se concluir que as regiões K, X, W, Y e Z da tabela indicam, respectivamente, as
regiões:
a) Sul, Norte, Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste.
b) Centro-Oeste, Sudeste, Norte, Nordeste e Sul.
c) Centro-Oeste, Nordeste, Norte, Sul e Sudeste.
d) Norte, Nordeste, Sul, Centro-Oeste e Sudeste.
e) Norte, Sudeste, Centro-Oeste, Nordeste e Sul.

alternativa C
Dentre algumas justificativas que se pode adotar para determinar as regiões temos:
A região Centro-Oeste (K) em função do menor índice de doenças respiratórias em relação às regiões
que possuem grandes centros urbanos e maior poluição.
A região Nordeste (X) em função do elevado índice de causas mal definidas e menor índice de neopla-
sias, devido, respectivamente, à dificuldade na obtenção de informações e à menor esperança de vida.
A Região Norte (W) é que apresenta todos os índices abaixo da média brasileira.
As regiões Sul (Y) e Sudeste (Z) justificam-se pelos índices mais elevados de neoplasias e doenças
respiratórias, devido, respectivamente, à maior esperança de vida e à maior poluição nos centros urba-
nos.

Questão 27
O gráfico abaixo representa a evolução da quantidade de oxigênio na atmosfera no curso dos
tempos geológicos. O número 100 sugere a quantidade atual de oxigênio na atmosfera, e os
demais valores indicam diferentes porcentagens dessa quantidade.

CONQUISTA
100

DA TERRA
VERTEBRADOS
PRIMEIROS
Oxigênio (% da quantidade atual)

10

Atmosfera Anteparo
Atmosfera de ozônio
primitiva semelhante à
do planeta Marte

1
PNEUMATOSFERA PRIMITIVA

primeira célula
APARECIMENTO DA VIDA

eucarionte
FOTOSSÍNTESE

Terciário e Quaternário
COMEÇO DA

0,1
Pré-cambriano

Secundário
Primário

0
_ 4 _3,8 _3,1 _2,7 _2 _1,6 _1 _ 0,6 _ 0,2
_
_ 0,4 _ 0,1
0,7
TEMPO (BILHÕES DE ANOS)

De acordo com o gráfico é correto afirmar que:


a) as primeiras formas de vida surgiram na ausência de O2 .
b) a atmosfera primitiva apresentava 1% de teor de oxigênio.
c) após o início da fotossíntese, o teor de oxigênio na atmosfera mantém-se estável.
d) desde o Pré-cambriano, a atmosfera mantém os mesmos níveis de teor de oxigênio.
e) na escala evolutiva da vida, quando surgiram os anfíbios, o teor de oxigênio atmosférico já
se havia estabilizado.

alternativa A
Da simples interpretação do gráfico, podemos concluir que as primeiras formas de vida surgiram na au-
sência de O 2 .
Questão 28
Os fluxos migratórios humanos, representados nos mapas abaixo, mais do que um desloca-
mento espacial podem significar uma mudança de condição social.

Décadas de 50 e de 60 Décadas de 60 e de 70 Décadas de 70 e de 80

Fonte: Adaptado de SANTOS, Regina Bega. Migrações no Brasil.


São Paulo: Scipione, 1994.
Analisando-se os mapas, pode-se afirmar que essa mudança ocorreu com:
a) trabalhadores rurais nordestinos, que migraram para São Paulo nas décadas de 50 e de 60,
transformando-se em operários do setor industrial.
b) agricultores sulistas, que migraram para o centro-oeste na década de 60, transformando-se
em empresários da mineração.
c) trabalhadores rurais nordestinos, que migraram para a Amazônia na década de 60, trans-
formando-se em grandes proprietários de terras.
d) moradores das periferias das grandes cidades, que migraram para o interior do país na dé-
cada de 70 atraídos pelas oportunidades de emprego nas reservas extrativistas.
e) pequenos proprietários rurais nordestinos que, na década de 70, migraram para São Paulo
para trabalhar como bóias-frias na colheita de café.

alternativa A
Nas décadas de 50 e 60, ocorreram grandes fluxos do Nordeste para as regiões industriais, principal-
mente do Sudeste.

Questão 29
O texto abaixo foi extraído de uma crônica de Machado de Assis e refere-se ao trabalho de um
escravo.
“Um dia começou a guerra do Paraguai e durou cinco anos, João repicava e dobra-
va, dobrava e repicava pelos mortos e pelas vitórias. Quando se decretou o ventre li-
vre dos escravos, João é que repicou. Quando se fez a abolição completa, quem repi-
cou foi João. Um dia proclamou-se a República. João repicou por ela, repicaria pelo
Império, se o Império retornasse.”
(MACHADO, Assis de. Crônica sobre a morte do escravo João, 1897)
A leitura do texto permite afirmar que o sineiro João:
a) por ser escravo tocava os sinos, às escondidas, quando ocorriam fatos ligados à Abolição.
b) não poderia tocar os sinos pelo retorno do Império, visto que era escravo.
c) tocou os sinos pela República, proclamada pelos abolicionistas que vieram libertá-lo.
d) tocava os sinos quando ocorriam fatos marcantes porque era costume fazê-lo.
e) tocou os sinos pelo retorno do Império, comemorando a volta da Princesa Isabel.

alternativa D
Seqüência e seleção de acontecimentos são indiferentes. O escravo João toca o sino sem distinção,
porque é dever dele tocá-lo.

Questão 30
Uma garrafa de vidro e uma lata de alumínio, cada uma contendo 330 mL de refrigerante, são
mantidas em um refrigerador pelo mesmo longo período de tempo. Ao retirá-las do refrigera-
dor com as mãos desprotegidas, tem-se a sensação de que a lata está mais fria que a garrafa.
É correto afirmar que:
a) a lata está realmente mais fria, pois a capacidade calorífica da garrafa é maior que a da
lata.
b) a lata está de fato menos fria que a garrafa, pois o vidro possui condutividade menor que a
do alumínio.
c) a garrafa e a lata estão à mesma temperatura, possuem a mesma condutividade térmica, e
a sensação deve-se à diferença nos calores específicos.
d) a garrafa e a lata estão à mesma temperatura, e a sensação é devida ao fato de a condutivi-
dade térmica do alumínio ser maior que a do vidro.
e) a garrafa e a lata estão à mesma temperatura, e a sensação é devida ao fato de a condutivi-
dade térmica do vidro ser maior que a do alumínio.

alternativa D
Como a garrafa de vidro e a lata de alumínio permanecem em um refrigerador pelo mesmo longo pe-
ríodo, ambas estão à mesma temperatura. A sensação de que a lata está mais fria que a garrafa é de-
vido ao fato de a condutividade térmica do alumínio ser maior que a do vidro.

Questão 31
Em 1999, o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento elaborou o “Relatório do
Desenvolvimento Humano”, do qual foi extraído o trecho abaixo.

Nos últimos anos da década de 90, o quinto da população mundial que vive nos países de
renda mais elevada tinha:
• 86% do PIB mundial, enquanto o quinto de menor renda, apenas 1%;
• 82% das exportações mundiais, enquanto o quinto de menor renda, apenas 1%;
• 74% das linhas telefônicas mundiais, enquanto o quinto de menor renda, apenas 1,5%;
• 93,3% das conexões com a Internet, enquanto o quinto de menor renda, apenas 0,2%.
A distância da renda do quinto da população mundial que vive nos países mais pobres – que
era de 30 para 1, em 1960 – passou para 60 para 1, em 1990, e chegou a 74 para 1, em 1997.

De acordo com esse trecho do relatório, o cenário do desenvolvimento humano mundial, nas
últimas décadas, foi caracterizado pela:
a) diminuição da disparidade entre as nações.
b) diminuição da marginalização de países pobres.
c) inclusão progressiva de países no sistema produtivo.
d) crescente concentração de renda, recursos e riqueza.
e) distribuição eqüitativa dos resultados das inovações tecnológicas.
alternativa D
Os indicadores apontados no quadro mostram uma situação de crescente concentração de renda, re-
cursos e riquezas entre as décadas de 60 e 90.

O autor do texto abaixo critica, ainda que em linguagem metafórica, a sociedade contemporâ-
nea em relação aos seus hábitos alimentares.
“Vocês que têm mais de 15 anos, se lembram quando a gente comprava leite em gar-
rafa, na leiteria da esquina? (...)
Mas vocês não se lembram de nada, pô! Vai ver nem sabem o que é vaca. Nem o que é
leite. Estou falando isso porque agora mesmo peguei um pacote de leite – leite em pa-
cote, imagina, Tereza! – na porta dos fundos e estava escrito que é pasterizado, ou
pasteurizado, sei lá, tem vitamina, é garantido pela embromatologia, foi enriqueci-
do e o escambau.
Será que isso é mesmo leite? No dicionário diz que leite é outra coisa: ‘Líquido bran-
co, contendo água, proteína, açúcar e sais minerais’. Um alimento pra ninguém bo-
tar defeito. O ser humano o usa há mais de 5.000 anos. É o único alimento só alimen-
to. A carne serve pro animal andar, a fruta serve pra fazer outra fruta, o ovo serve
pra fazer outra galinha (...) O leite é só leite. Ou toma ou bota fora.
Esse aqui examinando bem, é só pra botar fora. Tem chumbo, tem benzina, tem mais
água do que leite, tem serragem, sou capaz de jurar que nem vaca tem por trás desse
negócio.
Depois o pessoal ainda acha estranho que os meninos não gostem de leite. Mas, como
não gostam? Não gostam como? Nunca tomaram! Múúúúúúú!”
(FERNANDES, Millôr. O Estado de S. Paulo, 22 de agosto de 1999)

Questão 32
A crítica do autor é dirigida:
a) ao desconhecimento, pelas novas gerações, da importância do gado leiteiro para a economia
nacional.
b) à diminuição da produção de leite após o desenvolvimento de tecnologias que têm substituí-
do os produtos naturais por produtos artificiais.
c) à artificialização abusiva de alimentos tradicionais, com perda de critério para julgar sua
qualidade e sabor.
d) à permanência de hábitos alimentares a partir da revolução agrícola e da domesticação de
animais iniciada há 5.000 anos.
e) à importância dada ao pacote de leite para a conservação de um produto perecível e que ne-
cessita de aperfeiçoamento tecnológico.

alternativa C
O autor critica a quantidade de substâncias acrescidas aos alimentos, o que faz as pessoas perderem
o critério de sabor e qualidade.

Questão 33
A palavra embromatologia usada pelo autor é:
a) um termo científico que significa estudo dos bromatos.
b) uma composição do termo de gíria “embromação” (enganação) com bromatologia, que é o es-
tudo dos alimentos.
c) uma junção do termo de gíria “embromação” (enganação) com lactologia, que é o estudo das
embalagens para leite.
d) um neologismo da química orgânica que significa a técnica de retirar bromatos dos laticínios.
e) uma corruptela de termo da agropecuária que significa a ordenha mecânica.

alternativa B
O termo embromatologia é a fusão de "embromação" (enganação) com "bromatologia" (o estudo dos
alimentos).

Questão 34
O gráfico abaixo refere-se às variações das concentrações de poluentes na atmosfera, no decor-
rer de um dia útil, em um grande centro urbano.

Concentração de poluentes
CO
NO

NO2
O3

0 3 6 9 12 15 18 21 24 (horário)

(Adaptado de NOVAIS, Vera. Ozônio: aliado ou inimigo.


São Paulo: Scipione, 1998)
As seguintes explicações foram dadas para essas variações:
I. A concentração de NO diminui, e a de NO2 aumenta em razão da conversão de NO em
NO2 .
II. A concentração de monóxido de carbono no ar está ligada à maior ou à menor intensidade
de tráfego.
III. Os veículos emitem óxidos de nitrogênio apenas nos horários de pico de tráfego do período
da manhã.
IV. Nos horários de maior insolação, parte do ozônio da estratosfera difunde-se para camadas
mais baixas da atmosfera.
Dessas explicações, são plausíveis somente:
a) I e II. b) I e III. c) II e III. d) II e IV. e) III e IV.

alternativa A
As explicações plausíveis são I e II.
I. A diminuição da concentração de NO e o aumento da concentração de NO 2 está ligada à conversão
luz
do NO em NO 2 : 2 NO + O 2 2 NO 2 .
II. A concentração do poluente CO (monóxido de carbono) está relacionada com a intensidade do tráfe-
go (dois picos: manhã e noite).

Questão 35
Os textos abaixo relacionam-se a momentos distintos da nossa história.
“A integração regional é um instrumento fundamental para que um número cada vez maior de
países possa melhorar a sua inserção num mundo globalizado, já que eleva o seu nível de com-
petitividade, aumenta as trocas comerciais, permite o aumento da produtividade, cria condi-
ções para um maior crescimento econômico e favorece o aprofundamento dos processos demo-
cráticos.
A integração regional e a globalização surgem assim como processos complementares e vanta-
josos.”
(Declaração de Porto, VIII Cimeira Ibero-Americana, Porto,
Portugal, 17 e 18 de outubro de 1998)

“Um considerável número de mercadorias passou a ser produzido no Brasil, substituindo o


que não era possível ou era muito caro importar. Foi assim que a crise econômica mundial e o
encarecimento das importações levaram o governo Vargas a criar as bases para o crescimento
industrial brasileiro.”
(POMAR, Wladimir. Era Vargas – a modernização conservadora)
É correto afirmar que as políticas econômicas mencionadas nos textos são:
a) opostas, pois, no primeiro texto, o centro das preocupações são as exportações e, no segun-
do, as importações.
b) semelhantes, uma vez que ambos demonstram uma tendência protecionista.
c) diferentes, porque, para o primeiro texto, a questão central é a integração regional e, para o
segundo, a política de substituição de importações.
d) semelhantes, porque consideram a integração regional necessária ao desenvolvimento eco-
nômico.
e) opostas, pois, para o primeiro texto, a globalização impede o aprofundamento democrático
e, para o segundo, a globalização é geradora da crise econômica.

alternativa C
No texto relativo à Era Vargas é notável o papel do governo na condução de uma política econômica
que almejava um crescimento econômico autônomo – a industrialização brasileira. No texto de 1998
destaca-se a preocupação com a integração regional, a qual, entre outros aspectos, impõe limites à so-
berania do Estado Nacional.

Questão 36
O esquema abaixo representa os diversos meios em que se alimentam aves, de diferentes es-
pécies, que fazem ninho na mesma região.

Ave tipo 1

Ave tipo 2

Ave tipo 3

Ave tipo 4
Ilhotas de nidificação

1
Estepe salgada

Dunas e praias

Terreno seco Arrozais Charco Charcos Mar


Pântanos

ou cultura pouco salgados


salgado
Com base no esquema, uma classe de alunos procurou identificar a possível existência de
competição alimentar entre essas aves e concluiu que:
a) não há competição entre os quatro tipos de aves porque nem todas elas se alimentam nos
mesmos locais.
b) não há competição apenas entre as aves dos tipos 1, 2 e 4 porque retiram alimentos de locais
exclusivos.
c) há competição porque a ave do tipo 3 se alimenta em todos os lugares e, portanto, compete
com todas as demais.
d) há competição apenas entre as aves 2 e 4 porque retiram grande quantidade de alimentos
de um mesmo local.
e) não se pode afirmar se há competição entre as aves que se alimentam em uma mesma re-
gião sem conhecer os tipos de alimento que consomem.

alternativa E
A competição ocorre quando duas ou mais espécies competem pelos mesmos recursos, ou seja, pos-
suem o mesmo nicho ecológico. A questão apenas cita o fator ecológico alimento. Assim, não é possí-
vel saber se há competição sem o conhecimento dos tipos de alimentos que as aves consomem.

O ferro pode ser obtido a partir da hematita, minério rico em óxido de ferro, pela reação com
carvão e oxigênio. A tabela a seguir apresenta dados da análise de minério de ferro (hematita)
obtido de várias regiões da Serra de Carajás.

Minério da Teor de enxofre Teor de ferro (Fe) Teor de sílica (SIO2 )


região (S) / % em massa / % em massa / % em massa
1 0,019 63,5 0,97
2 0,020 68,1 0,47
3 0,003 67,6 0,61

Fonte: ABREU, S. F. Recursos minerais do Brasil, vol. 2.


São Paulo: Edusp, 1973

Questão 37
No processo de produção do ferro, dependendo do minério utilizado, forma-se mais ou menos
SO2 , um gás que contribui para o aumento da acidez da chuva. Considerando esse impacto
ambiental e a quantidade de ferro produzida, pode-se afirmar que seria mais conveniente o
processamento do minério da(s) região(ões):
a) 1, apenas. b) 2, apenas. c) 3, apenas. d) 1 e 3, apenas. e) 2 e 3, apenas.

alternativa C
O minério mais conveniente é aquele que produz maior quantidade de ferro por massa de enxofre. Cal-
culando a massa de ferro por grama de enxofre em 100 g de minério, temos:
63,5 g Fe
minério (1): ≅ 3 342,1 g Fe/g S
0,019 g S
68,1 g Fe
minério (2): = 3 405 g Fe/g S
0,020 g S
67,6 g Fe
minério (3): ≅ 22 533,3 g Fe/g S
0,003 g S
Portanto o minério mais conveniente é o 3.
Questão 38
No processo de produção do ferro, a sílica é removida do minério por reação com cal-
cário (CaCO3 ). Sabe-se, teoricamente (cálculo estequiométrico), que são necessários 100 g de
calcário para reagir com 60 g de sílica.
Dessa forma, pode-se prever que, para a remoção de toda a sílica presente em 200 toneladas
do minério na região 1, a massa de calcário necessária é, aproximadamente, em toneladas,
igual a:
a) 1,9. b) 3,2. c) 5,1. d) 6,4. e) 8,0.

alternativa B
Cálculo da massa de calcário:
0,97 t SiO 2 100 t CaCO3
200 t minério ⋅ ⋅ ≅ 3,23 t CaCO3
100
144 t minério
244 3 60 t SiO 2
14243
teor de SiO 2 relação
estequiométrica

Um apostador tem três opções para participar de certa modalidade de jogo, que consiste no
sorteio aleatório de um número dentre dez.
1ª opção: comprar três números para um único sorteio.
2ª opção: comprar dois números para um sorteio e um número para um segundo sorteio.
3ª opção: comprar um número para cada sorteio, num total de três sorteios.

Questão 39
Se X, Y, Z representam as probabilidades de o apostador ganhar algum prêmio, escolhendo,
respectivamente, a 1ª, a 2ª ou a 3ª opções, é correto afirmar que:
a) X < Y < Z. b) X = Y = Z. c) X > Y = Z. d) X = Y > Z. e) X > Y > Z.

alternativa E
3
Temos que X = = 30%.
10
9
A probabilidade de não ganhar prêmio comprando um número para um sorteio é e comprando dois
10
8 8 9 28 9 9 9 271
números é , logo Y =1 − ⋅ = = 28% e Z =1 − ⋅ ⋅ = = 27,1%.
10 10 10 100 10 10 10 1 000
Assim é correto afirmar que X > Y > Z.

Questão 40
Escolhendo a 2ª opção, a probabilidade de o apostador não ganhar em qualquer dos sorteios é
igual a:
a) 90%. b) 81%. c) 72%. d) 70%. e) 65%.

alternativa C
A probabilidade de o apostador não ganhar em qualquer dos sorteios, se escolher a 2ª opção, é
8 9 72
⋅ = = 72%.
10 10 100
Um boato tem um público-alvo e alastra-se com determinada rapidez. Em geral, essa rapidez
é diretamente proporcional ao número de pessoas desse público que conhecem o boato e dire-
tamente proporcional também ao número de pessoas que não o conhecem. Em outras pala-
vras, sendo R a rapidez de propagação, P o público-alvo e x o número de pessoas que conhe-
cem o boato, tem-se:
R(x) = k.x.(P-x), onde k é uma constante positiva característica do boato.

Questão 41
O gráfico cartesiano que melhor representa a função R(x), para x real, é:
a) b) c)

R R R

x x x

d) e)
R
R

x
x

alternativa E
2
R(x) = Kx(P − x) = −Kx + KPx, onde P e K são constantes positivas e 0 ≤ x ≤ P.
Logo o gráfico de R(x) é um arco de parábola com concavidade voltada para baixo e vértice
 −KP −((KP) 2 − 4( −K ) ⋅ 0)   P KP 2 
 ;  =  ;  , o qual está melhor representado em E.
 2( −K) 4( −K)  2 4 

Questão 42
Considerando o modelo acima descrito, se o público-alvo é de 44.000 pessoas, então a máxima
rapidez de propagação ocorrerá quando o boato for conhecido por um número de pessoas igual
a:
a) 11.000. b) 22.000. c) 33.000. d) 38.000. e) 44.000.

alternativa B
A máxima rapidez de propagação ocorrerá, ou seja, R(x) será máxima, quando o número x de pessoas
P 44 000
que conhecem o boato for a abscissa do vértice de R(x). Logo x = = = 22 000 .
2 2
Questão 43
Uma empresa de transporte armazena seu combustível em um re-
servatório cilíndrico enterrado horizontalmente. Seu conteúdo é me-
dido com uma vara graduada em vinte intervalos, de modo que a dis-
tância entre duas graduações consecutivas representa sempre o mes-
mo volume.
A ilustração que melhor representa a distribuição das graduações
na vara é:

(A) (B) (C) (D) (E)

alternativa A
Analisando uma secção deste reservatório, perpendicular à vara graduada, verificamos que quanto
maior a área da secção, menor será a variação de altura necessária para se chegar à próxima marca
nesta vara.
Assim, as graduações consecutivas devem estar mais próximas na região média da vara do que nas
suas extremidades.

Questão 44
Em uma empresa, existe um galpão que precisa ser dividido em
três depósitos e um hall de entrada de 20 m2 , conforme a figura Hall
ao lado. Os depósitos I, II e III serão construídos para o armaze- 20 m2
namento de, respectivamente, 90, 60 e 120 fardos de igual volu-
10 m I III
me, e suas áreas devem ser proporcionais a essas capacidades.
A largura do depósito III deve ser, em metros, igual a:
II
a) 1. b) 2. c) 3. d) 4. e) 5.

11 m

alternativa D
2
A área total do galpão é 11 ⋅ 10 = 110 m . Logo a soma das áreas A1 , A2 e A3 dos depósitos I, II e III é
110 − 20 = 90 m 2 .
Como as áreas devem ser proporcionais às capacidades de armazenamento,
A1 A A A + A2 + A3 90 1 90 60
= 2 = 3 = 1 = = ⇔ A1 = = 30 m 2 e A2 = = 20 m 2 e
90 60 120 90 + 60 + 120 270 3 3 3
120
A3 = = 40 m 2 .
3
40
O comprimento do depósito III é 10 m e, portanto, sua largura deve ser = 4 m.
10
Questão 45
“O continente africano há muito tempo desafia os geólogos porque toda a sua meta-
de meridional, a que fica ao sul, ergue-se a mais de 1.000 metros sobre o nível do
mar. (...) Uma equipe de pesquisadores apresentou uma solução desse desafio suge-
rindo a existência de um esguicho de lava subterrânea empurrando o planalto afri-
cano de baixo para cima.”
(Adaptado de Revista Superinteressante. São Paulo: Abril, novembro de 1998, p. 12)
Considerando a formação do relevo terrestre, é correto afirmar, com base no texto, que a solu-
ção proposta é:
a) improvável, porque as formas do relevo terrestre não se modificam há milhões de anos.
b) pouco fundamentada, pois as forças externas, como as chuvas e o vento, são as principais
responsáveis pelas formas de relevo.
c) plausível, pois as formas do relevo resultam da ação de forças internas e externas, sendo
importante avaliar os movimentos mais profundos no interior da Terra.
d) plausível, pois a mesma justificativa foi comprovada nas demais regiões da África.
e) injustificável, porque os movimentos mais profundos no interior da Terra não interferem
nos acidentes geográficos que aparecem na sua superfície.

alternativa C
As formas de relevo da superfície terrestre resultam da interação de dois tipos de forças: endógenas
(vulcanismo e tectonismo) e exógenas (erosão e intemperismo).

Questão 46
Em muitos jornais, encontramos charges, quadrinhos, ilustrações, inspirados nos fatos noti-
ciados. Veja um exemplo:
Miguel
Demarcação das terras indígenas

Jornal do Commercio, 22/8/93


O texto que se refere a uma situação semelhante à que inspirou a charge é:
a) Descansem o meu leito solitário
Na floresta dos homens esquecida,
À sombra de uma cruz, e escrevam nela
– Foi poeta – sonhou – e amou na vida.
(AZEVEDO, Álvares de. Poesias escolhidas. Rio de
Janeiro/Brasília: José Aguilar/INL, 1971)
b) Essa cova em que estás
Com palmos medida,
é a conta menor
que tiraste em vida.
É de bom tamanho,
Nem largo nem fundo,
É a parte que te cabe
deste latifúndio.
(MELO NETO, João Cabral de. Morte e Vida Severina e outros
poemas em voz alta. Rio de Janeiro: Sabiá, 1967)
c) Medir é a medida
mede
A terra, medo do homem, a lavra;
lavra
duro campo, muito cerco, vária várzea.
(CHAMIE, Mário. Sábado na hora da escutas. São Paulo: Summums, 1978)
d) Vou contar para vocês
um caso que sucedeu
na Paraíba do Norte
com um homem que se chamava
Pedro João Boa-Morte,
lavrador de Chapadinha:
talvez tenha morte boa
porque vida ele não tinha.
(GULLAR, Ferreira. Toda poesia. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1983)
e) Trago-te flores, – restos arrancados
Da terra que nos viu passar
E ora mortos nos deixa e separados.
(ASSIS, Machado de. Obra completa. Rio de Janeiro: Nova Aguillar, 1986)

alternativa B
As covas da ilustração remetem-nos aos versos de João Cabral: “Essa cova em que estás / É a parte
que te cabe nesse latifúndio.” Imagem e poesia sugerem que as terras só serão “repartidas” na morte.

Questão 47
Um dos grandes problemas das regiões urbanas é o acúmulo de lixo sólido e sua disposição.
Há vários processos para a disposição do lixo, dentre eles o aterro sanitário, o depósito a céu
aberto e a incineração. Cada um deles apresenta vantagens e desvantagens.
Considere as seguintes vantagens de métodos de disposição do lixo:
I. diminuição do contato humano direto com o lixo;
II. produção de adubo para agricultura;
III. baixo custo operacional do processo;
IV. redução do volume de lixo.
A relação correta entre cada um dos processos para a disposição do lixo e as vantagens apon-
tadas é:
Aterro sanitário Depósito a céu aberto Incineração

a) I II I

b) I III IV

c) II IV I

d) II I IV

e) III II I

alternativa B
O aterro sanitário diminui o contato humano direto com o lixo. Depósito a céu aberto representa baixo
custo operacional. A incineração reduz o volume de lixo produzido.

No Brasil, mais de 66 milhões de pessoas beneficiam-se hoje do abastecimento de água fluore-


tada, medida que vem reduzindo, em cerca de 50%, a incidência de cáries. Ocorre, entretanto,
que profissionais da saúde muitas vezes prescrevem flúor oral ou complexos vitamínicos com
flúor para crianças ou gestantes, levando à ingestão exagerada da substância. O mesmo ocor-
re com o uso abusivo de algumas marcas de água mineral que contêm flúor. O excesso de flúor
– fluorose – nos dentes pode ocasionar desde efeitos estéticos até defeitos estruturais graves.
Foram registrados casos de fluorose tanto em cidades com água fluoretada pelos poderes pú-
blicos como em outras, abastecidas por lençóis freáticos que naturalmente contêm flúor.
(Adaptado da Revista da Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas – APCD,
vol. 53, n°.1, jan./fev. 1999)
Com base nesse texto, são feitas as afirmações abaixo.
I. A fluoretação da água é importante para a manutenção do esmalte dentário, porém não
pode ser excessiva.
II. Os lençóis freáticos citados contêm compostos de flúor, em concentrações superiores às
existentes na água tratada.
III. As pessoas que adquiriram fluorose podem ter utilizado outras fontes de flúor além da
água de abastecimento público, como, por exemplo, cremes dentais e vitaminas com flúor.

Questão 48
Pode-se afirmar que, apenas:
a) I é correta. b) II é correta. c) III é correta.
d) I e III são corretas. e) II e III são corretas.

alternativa D
A afirmativa II está incorreta pois é impossível saber, a partir do texto, a concentração de flúor na água
dos lençóis freáticos. As demais estão corretas.

Questão 49
Determinada Estação trata cerca de 30.000 litros de água por segundo. Para evitar riscos de
fluorose, a concentração máxima de fluoretos nessa água não deve exceder a cerca de 1,5 mili-
grama por litro de água.
A quantidade máxima dessa espécie química que pode ser utilizada com segurança, no volu-
me de água tratada em uma hora, nessa Estação, é:
a) 1,5 kg. b) 4,5 kg. c) 96 kg. d) 124 kg. e) 162 kg.

alternativa E
Cálculo da massa máxima de fluoreto:
3 600 s 3 ⋅ 10 4 L H 2 O 1,5 mg F − 1 kg F −
1h ⋅ ⋅ ⋅ ⋅ = 162 kg F −
1h 1s 1 L H2O 10 6 mg F −

Questão 50
O esquema ilustra o processo de obtenção do álcool etílico a partir da cana-de-açúcar.

Refinação Etanol
Açúcar escuro Açúcar comum
(sacarose) (70 litros)

Concentração e
Garapa Destilação
Mosto fermentado
cristalização
Cana-de-açúcar Trituração Fermentação
(1 tonelada) Melaço Óleo fúsel
(250 kg) e resíduo
Bagaço Vinhoto
(250 kg) (910 litros)

Em 1996, foram produzidos no Brasil 12 bilhões de litros de álcool. A quantidade de ca-


na-de-açúcar, em toneladas, que teve de ser colhida para esse fim foi aproximadamente
a) 1,7 x 108 . b) 1,2 x 109 . c) 1,7 x 109 . d) 1,2 x 1010 . e) 7,0 x 1010 .

alternativa A
Cálculo da quantidade de cana-de-açúcar que teve de ser colhida:
1 t cana-de-açúcar
12 ⋅ 10 9 L etanol ⋅ = 1,71 ⋅ 10 8 t cana-de-açúcar
70 L
14243
etanol
esquema

Questão 51
Para compreender o processo de exploração e o consumo dos recursos petrolíferos, é funda-
mental conhecer a gênese e o processo de formação do petróleo descritos no texto abaixo.
“O petróleo é um combustível fóssil, originado provavelmente de restos de vida aquá-
tica acumulados no fundo dos oceanos primitivos e cobertos por sedimentos. O tempo
e a pressão do sedimento sobre o material depositado no fundo do mar transforma-
ram esses restos em massas viscosas de coloração negra denominadas jazidas de pe-
tróleo.”
(Adaptado de TUNDISI. Usos de energia. São Paulo: Atual Editora, 1991)
As informações do texto permitem afirmar que:
a) o petróleo é um recurso energético renovável a curto prazo, em razão de sua constante for-
mação geológica.
b) a exploração de petróleo é realizada apenas em áreas marinhas.
c) a extração e o aproveitamento do petróleo são atividades não poluentes dada sua origem
natural.
d) o petróleo é um recurso energético distribuído homogeneamente, em todas as regiões, inde-
pendentemente da sua origem.
e) o petróleo é um recurso não renovável a curto prazo, explorado em áreas continentais de
origem marinha ou em áreas submarinas.

alternativa E
O petróleo é um combustível fóssil (não renovável a curto prazo), explorado em áreas continentais que
no passado já estiveram cobertas por mares ou em áreas submarinas.

Questão 52
As histórias em quadrinhos, por vezes, utilizam animais como personagens e a eles atribuem
comportamento humano. O gato Garfield é exemplo desse fato.
Garfield JIM DAVIS
ESTOU INSPIRADO VOU PINTAR POR ONDE
UMA PINTURA! COMEÇO? CORTE UMA
HOJE!
ORELHA.

Fonte: Caderno Vida e Arte, Jornal do Povo, Fortaleza


Van Gogh, pintor holandês nascido em 1853, é um dos principais nomes da pintura mundial.
É dele o quadro abaixo.

VAN GOGH
Auto-retrato de orelha cortada

O 3° quadrinho sugere que Garfield:


a) desconhece tudo sobre arte, por isso faz a sugestão.
b) acredita que todo pintor deve fazer algo diferente.
c) defende que para ser pintor a pessoa tem de sofrer.
d) conhece a história de um pintor famoso e faz uso da ironia.
e) acredita que seu dono tenha tendência artística e, por isso, faz a sugestão.

alternativa D
Garfield faz alusão a Van Gogh quando, ironicamente, sugere que seu dono "corte uma orelha".
Questão 53
Um determinado município, representado na planta abaixo, dividido em regiões de A a I, com
altitudes de terrenos indicadas por curvas de nível, precisa decidir pela localização das se-
guintes obras:
1. instalação de um parque industrial.
2. instalação de uma torre de transmissão e recepção.

N
A B C

20
40
30 E F
10 D

G I
H
1 : 100.000

Vegetação Rios Cidade Rodovia

Considerando impacto ambiental e adequação, as regiões onde deveriam ser, de preferência,


instaladas indústrias e torre, são, respectivamente:
a) E e G. b) H e A. c) I e E. d) B e I. e) E e F.

alternativa C
A instalação de uma torre de transmissão e recepção tem de ser no ponto mais alto (curva de nível
com maior valor), ponto B ou E, e a instalação de um parque industrial em regiões menos íngremes,
próximas aos centros urbanos, das vias de transporte (rodovias) e distantes dos vales fluviais e da ve-
getação, ponto I.

Questão 54
Encontram-se descritas a seguir algumas das características das águas que servem três dife-
rentes regiões.
Região I – Qualidade da água pouco comprometida por cargas poluidoras, casos isolados de
mananciais comprometidos por lançamento de esgotos; assoreamento de alguns mananciais.
Região II – Qualidade comprometida por cargas poluidoras urbanas e industriais; área sujeita
a inundações; exportação de carga poluidora para outras unidades hidrográficas.
Região III – Qualidade comprometida por cargas poluidoras domésticas e industriais e por
lançamento de esgotos; problemas isolados de inundação; uso da água para irrigação.
De acordo com essas características, pode-se concluir que:
a) a região I é de alta densidade populacional, com pouca ou nenhuma estação de tratamento
de esgoto.
b) na região I ocorrem tanto atividades agrícolas como industriais, com práticas agrícolas que
estão evitando a erosão do solo.
c) a região II tem predominância de atividade agrícola, muitas pastagens e parque industrial
inexpressivo.
d) na região III ocorrem tanto atividades agrícolas como industriais, com pouca ou nenhuma
estação de tratamento de esgotos.
e) a região III é de intensa concentração industrial e urbana, com solo impermeabilizado e
com amplo tratamento de esgotos.
alternativa D
A região I é área agrícola, pois a poluição hídrica é baixa. Os mananciais assoreados indicam destrui-
ção de mata ciliar por agricultores.
A região II, com elevada carga de poluentes urbanos e industriais, é área urbana.
A região III apresenta atividades agrícolas, como demonstra o uso da água para irrigação, e industriais,
percebidas pela presença de poluição doméstica e industrial.

Questão 55
O metabolismo dos carboidratos é fundamental para o ser humano, pois a partir desses com-
postos orgânicos obtém-se grande parte da energia para as funções vitais. Por outro lado, de-
sequilíbrios nesse processo podem provocar hiperglicemia ou diabetes.
O caminho do açúcar no organismo inicia-se com a ingestão de carboidratos que, chegando ao
intestino, sofrem a ação de enzimas, “quebrando-se” em moléculas menores (glicose, por exem-
plo) que serão absorvidas.
A insulina, hormônio produzido no pâncreas, é responsável por facilitar a entrada da glicose
nas células. Se uma pessoa produz pouca insulina, ou se sua ação está diminuída, dificilmente
a glicose pode entrar na célula e ser consumida.
Com base nessas informações, pode-se concluir que:
a) o papel realizado pelas enzimas pode ser diretamente substituído pelo hormônio insulina.
b) a insulina produzida pelo pâncreas tem um papel enzimático sobre as moléculas de açúcar.
c) o acúmulo de glicose no sangue é provocado pelo aumento da ação da insulina, levando o in-
divíduo a um quadro clínico de hiperglicemia.
d) a diminuição da insulina circulante provoca um acúmulo de glicose no sangue.
e) o principal papel da insulina é manter o nível de glicose suficientemente alto, evitando, as-
sim, um quadro clínico de diabetes.

alternativa D
A diminuição da insulina circulante provoca um acúmulo de glicose no sangue. Isto se conclui da sim-
ples interpretação do texto: ... a insulina facilita a entrada de glicose nas células.

Questão 56
Os esgotos domésticos constituem grande ameaça aos ecossistemas de lagos ou represas, pois
deles decorrem graves desequilíbrios ambientais. Considere o gráfico abaixo, no qual no inter-
valo de tempo entre t1 e t3 , observou-se a estabilidade em ecossistema de lago, modificado a
partir de t3 pelo maior despejo de esgoto.

Nutrientes

Produção primária

Peixes

Oxigênio

t1 t2 t3 t4 t5 t6 t7 t8 t9
Assinale a interpretação que está de acordo com o gráfico.
a) Entre t3 e t6 , a competição pelo oxigênio leva à multiplicação de peixes, bactérias e outros
produtores.
b) A partir de t3 , a decomposição do esgoto é impossibilitada pela diminuição do oxigênio dis-
ponível.
c) A partir de t6 , a mortandade de peixes decorre da diminuição da população de produtores.
d) A mortandade de peixes, a partir de t6 , é devida à insuficiência de oxigênio na água.
e) A partir de t3 , a produção primária aumenta devido à diminuição dos consumidores.

alternativa D
O lançamento de esgoto doméstico em lagos ou represas provoca a queda do nível de oxigênio da
água devido ao processo de eutrofização. Assim, a seqüência natural do processo é a elevada mortan-
dade de organismos aeróbios, principalmente os peixes.

O texto abaixo, de John Locke (1632-1704), revela algumas características de uma determina-
da corrente de pensamento.
“Se o homem no estado de natureza é tão livre, conforme dissemos, se é senhor abso-
luto da sua própria pessoa e posses, igual ao maior e a ninguém sujeito, por que
abrirá ele mão dessa liberdade, por que abandonará o seu império e sujeitar-se-á ao
domínio e controle de qualquer outro poder?
Ao que é óbvio responder que, embora no estado de natureza tenha tal direito, a uti-
lização do mesmo é muito incerta e está constantemente exposto à invasão de ter-
ceiros porque, sendo todos senhores tanto quanto ele, todo homem igual a ele e, na
maior parte, pouco observadores da eqüidade e da justiça, o proveito da proprieda-
de que possui nesse estado é muito inseguro e muito arriscado. Estas circunstâncias
obrigam-no a abandonar uma condição que, embora livre, está cheia de temores e
perigos constantes; e não é sem razão que procura de boa vontade juntar-se em socie-
dade com outros que estão já unidos, ou pretendem unir-se, para a mútua conserva-
ção da vida, da liberdade e dos bens a que chamo de propriedade.”
(Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1991)

Questão 57
Do ponto de vista político, podemos considerar o texto como uma tentativa de justificar:
a) a existência do governo como um poder oriundo da natureza.
b) a origem do governo como uma propriedade do rei.
c) o absolutismo monárquico como uma imposição da natureza humana.
d) a origem do governo como uma proteção à vida, aos bens e aos direitos.
e) o poder dos governantes, colocando a liberdade individual acima da propriedade.

alternativa D
O texto de John Locke destaca, entre outros aspectos, que devem ser impostos limites à nossa sabe-
doria individual para que possamos viver em sociedade.

Questão 58
Analisando o texto, podemos concluir que se trata de um pensamento:
a) do liberalismo. b) do socialismo utópico. c) do absolutismo monárquico.
d) do socialismo científico. e) do anarquismo.

alternativa A
O texto expressa os conteúdos do ideário liberal que propõe, entre outros aspectos, formas representa-
tivas de governo e o respeito à vida, à liberdade e à propriedade.
O suco extraído do repolho roxo pode ser utilizado como indicador do caráter ácido (pH entre 0
e 7) ou básico (pH entre 7 e 14) de diferentes soluções. Misturando-se um pouco de suco de re-
polho e da solução, a mistura passa a apresentar diferentes cores, segundo sua natureza ácida
ou básica, de acordo com a escala abaixo.

Cor: Vermelho Rosa Roxo Azul Verde Amarelo

pH: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Algumas soluções foram testadas com esse indicador, produzindo os seguintes resultados:

Material Cor

I Amoníaco Verde

II Leite de magnésia Azul

III Vinagre Vermelho

IV Leite de vaca Rosa

Questão 59
De acordo com esses resultados, as soluções I, II, III e IV têm, respectivamente, caráter:
a) ácido / básico / básico / ácido. b) ácido / básico / ácido / básico.
c) básico / ácido / básico / ácido. d) ácido / ácido / básico / básico.
e) básico / básico / ácido / ácido.

alternativa E
As soluções de amoníaco (verde) e o leite de magnésia (azul) apresentam caráter básico. O vinagre
(vermelho) e o leite de vaca (rosa) apresentam caráter ácido.

Questão 60
Utilizando-se o indicador citado em sucos de abacaxi e de limão, pode-se esperar como resulta-
do as cores:
a) rosa ou amarelo. b) vermelho ou roxo. c) verde ou vermelho.
d) rosa ou vermelho. e) roxo ou azul.

alternativa D
O limão é uma fruta que fornece um suco muito ácido (vermelho, pH < 3,5) ao passo que o abacaxi for-
nece um suco menos ácido (rosa, 3,5 < pH < 7).

Questão 61
O quadrinho publicado na revista Newsweek (23/9/1991) ilustra o desespero dos cartógrafos
para desenhar o novo mapa-múndi diante das constantes mudanças de fronteiras.
OUTRA CORREÇÃO
PETER...

Levando em consideração o contexto da época em que a charge foi publicada, dentre as frases
abaixo, a que melhor completa o texto da fala, propondo outra correção no mapa, é:
a) “A Albânia já não faz parte da Europa”.
b) “O número de países só está diminuindo”.
c) “Cuba já não faz parte do Terceiro Mundo”.
d) “O Kasaquistão acabou de declarar independência”.
e) “Vamos ter de dividir a Alemanha novamente”.

alternativa D
O Kasaquistão era uma das 15 ex-repúblicas soviéticas, que se tornou mais um país independente
com a desagregação da URSS, no início da década de 90.

Questão 62
O uso do pronome átono no início das frases é destacado por um poeta e por um gramático nos
textos abaixo.
Pronominais
Dê-me um cigarro
Diz a gramática
Do professor e do aluno
E do mulato sabido
Mas o bom negro e o bom branco
da Nação Brasileira
Dizem todos os dias
Deixa disso camarada
Me dá um cigarro
(ANDRADE, Oswald de. Seleção de textos. São Paulo:
Nova Cultural, 1988)
“Iniciar a frase com pronome átono só é lícito na conversação familiar, despreocupada, ou na
língua escrita quando se deseja reproduzir a fala dos personagens (...).”
(CEGALLA, Domingos Paschoal. Novíssima gramática da língua portuguesa.
São Paulo: Nacional, 1980)
Comparando a explicação dada pelos autores sobre essa regra, pode-se afirmar que ambos:
a) condenam essa regra gramatical.
b) acreditam que apenas os esclarecidos sabem essa regra.
c) criticam a presença de regras na gramática.
d) afirmam que não há regras para uso de pronomes.
e) relativizam essa regra gramatical.

alternativa E
O uso do pronome átono deve ser relativizado pela situação em que ele é utilizado: em linguagem fala-
da, admite-se o uso não prescrito pela gramática formal.

Questão 63
O Brasil, em 1997, com cerca de 160 x 106 habitantes, apresentou um consumo de energia da
ordem de 250.000 TEP (tonelada equivalente de petróleo), proveniente de diversas fontes pri-
márias.
O grupo com renda familiar de mais de vinte salários mínimos representa 5% da população
brasileira e utiliza cerca de 10% da energia total consumida no país. O grupo com renda fami-
liar de até três salários mínimos representa 50% da população e consome 30% do total de
energia.
Com base nessas informações, pode-se concluir que o consumo médio de energia para um indi-
víduo do grupo de renda superior é x vezes maior do que para um indivíduo do grupo de renda
inferior. O valor aproximado de x é:
a) 2,1. b) 3,3. c) 6,3. d) 10,5. e) 12,7.

alternativa B
O valor x procurado é o quociente do consumo médio para um indivíduo de renda superior pelo consu-
10% ⋅ 250 000
6
mo médio para um de renda inferior, ou seja, 5% ⋅ 160 ⋅ 10
10% 50% 10
= ⋅ = ≅ 3,3.
30% ⋅ 250 000 5% 30% 3
50% ⋅ 160 ⋅ 10 6