You are on page 1of 6

A função exponencial é uma das mais importantes funções da matemática.

Descrita como ex (onde e é a constante matemática neperiana, base do logarítmo neperiano), pode ser definida de duas maneiras equivalentes: a primeira, como uma série infinita; a segunda, como limite de uma seqüência:

A curva ex jamais toca o eixo x, embora apresente tendência a se aproximar deste.

Aqui, n! corresponde ao fatorial de n e x é qualquer número real ou complexo. Se x é real, então ex é sempre positivo e crescente. Conseqüentemente, sua função inversa, o logarítmo neperiano, ln(x), é definida para qualquer valor positivo de x. Usando o logarítmo neperiano, pode-se definir funções exponenciais mais genéricas, como abaixo:

ax = exlna
Para todo a > 0 e .

A função exponencial também gera funções trigonométricas (como pode ser visto na equação de Euler para análises complexas), e as funções hiperbólicas. Então, tem-se que qualquer função elementar, exceto as polinomiais são criadas a partir da função exponencial. As funções exponenciais "transitam entre a adição e a multiplic ação" como é expressado nas seguintes leis exponenciais:

a0 = 1 a1 = a ax + y = axay

Essas equações incluem a equação de Schrödinger e a equação de Laplace assim como as equações para o movimento harmônico simples. A função exponencial então resolve a equação diferencial básica e é por essa razão comumente encontrada em equações diferenciais. Expressões envolvendo frações e raízes podem freqüentementeserem simplificadas usando-se a notação exponencial porque: Índice [esconder] y y y y y 1 Função exponencial e equações diferenciais 2 Função exponencial no plano complexo 3 Função exponencial para matrizes e álgebras de Banach 4 Mapa exponencial nas álgebras de Lie 5 Ver também [editar] Função exponencial e equações diferenciais A maior importância das funções exponenciais nos campos das ciências é o fato de que essas funções são múltiplas de suas próprias derivadas: Se a taxa de crescimento ou de decaimento de uma variável é proporcional ao seu tamanho. como é o caso de um crescimento populacional ilimitado. Em particular a solução de equações diferenciais ordinárias pode freqüentemente ser escrita em termos de funções exponenciais.axb x = (ab)x Estas são válidas para todos os números positivos reais a e b e todos os números reais x. juros continuamente computados ou decaimento radiativo. então a variável pode ser escrita como uma função exponencial do tempo. [editar] Função exponencial no plano complexo .

Essa fórmula conecta a função exponencial com as funções trigonométricas. [edi exponenci l para matrizes e álgebras de Banach A definição de função exponencial exp dada acima pode ser usada palavra por palavra para cada álgebra de Banach. a função exponencial é freqüentemente considerada como uma função de um argumento real: f(t) = etA . a função exponencial ret m as importantes propriedades: ez + w = ezew e0 = 1 para todos z e w. As leis exponenciais mencionadas acima permanecem verdade se interpretadas propriamente como afirmações sobre funções multivalentes. Nós podemos definir como uma w wlnz exponenciação mais geral:: z = e para todos os números complexos z e w. A função exponencial no plano complexo é uma função holomórfica que é periódica com o período imaginário i que pode ser escrita como ea + bi = ea(cosb + isinb) onde a e b são valores reais. e em particular para matrizes quadradas. É fácil ver. que a função exponencial descreve qualquer curva no plano complexo a uma espiral logarítmica no plano complexo com centro em 0.Quando considerada como uma função definida no plano complexo. Isto é também uma função multivalente. e essa é a razão que estendendo o logaritmo neperiano a argumentos complexos resultam na função multivalente ln(z). como as álgebras de matrizes ou operadores no espaço de Banach ou de Hilbert. Neste caso temos ex + y = exey   se xy = yx (deveríamos adi ionar a fórmula geral envolvendo comutadores aqui) ex é invertível com inverso e-x a derivada da exp no ponto x é aquela descrição linear que transforma u em u·ex. nada como o caso de uma reta paralela com os eixos reais ou imaginários descrevem uma curva ou um círculo. e0 = 1 No contexto das álgebras de Banach não comutativas.

4. a função para matrizes quadradas é um caso especial do mapa exponencial da álgebra de Lie. O conjunto A é o conjunto de saída e o B é o conjunto de chegada (ignore o conjunto azul por enquanto). O conjunto de chegada "B". Domínio é um sinônimo para conjunto de saída. De fato.onde A é um elemento fixo da álgebra e t é qualquer número real. é chamado de contradomínio. Este subconjunto é chamado de conjunto imagem. Por isso. Essa função tem importantes propriedades: f(s + t) = f(s)f(t) f(0) = 1 f'(t) = Af(t) [editar] Mapa exponencial nas álgebras de Lie O "mapa exponencial" que passa uma álgebra de Lie a um grupo de Lie compartilha as propriedades acima. O domínio de uma função também é chamado de campo de defini o ou campo de existência da função. o que explica a terminologia. . 7}. R) de todas as matrizes reais quadradas pertence ao grupo de Lie de todas as matrizes quadradas invertíveis. também possui um sinônimo. desde que a álgebra de Lie M (n. e é representado pela letra "D". a função exponencial para argumentos reais é um caso especial da situação da álgebra de Lie. para esta função o domínio é o próprio conjunto A = {1. Similarmente. Podemos ter elementos do contradomínio que não são relacionados com algum elemento do Domínio e outros que são. e é composto por todos os elementos em que as flechas de relacionamento chegam. Como. não precisamos ter subdivisões para o domínio. ou seja. devemos levar em consideração esta subdivisão (esta é até mais importante do que o próprio contradomínio). em uma função. o conjunto de saída (domínio) deve ter todos os seus elementos relacionados (regra das funções). Note que podemos fazer uma subdivisão dentro do contradomínio (conjunto azul da figura acima). desde que R é uma álgebra de Lie de um grupo de Lie de todos os números positivos reais com multiplicação.

4.temos Para x=0 temos Para x= temos Para x=8 temos Como encontramos todas as imagens. Indique o Domínio. 6. indicado por f(1) = 6. 15. 0} *Note que. 4. Im = {0. 15. e cada ponto que a flecha chega é chamado de imagem. 18. indicado por f(7) = 12.: Note que existe uma diferença entre imagem e conjunto imagem. 12} e o conjunto imagem é Im = {6.a imagem do ponto x = 7 é y = 1 . 0. 0. *Obs. . Resolução: Domínio é o conjunto de saída: {-3. 9.a imagem do ponto x = 1 é y = 6.a imagem do ponto x = é y = 9. 27. no enunciado. 9. consideramos que foi pedido todo o conjunto imagem. 0. o domínio é D = {1. ou seja. o primeiro é um ponto em que a flecha de relacionamento toca. 0. Como não está se referindo a algum ponto (por exemplo. 3. Exemplo 1 Dada a função h: {-3. 8} ²>{-2. . 7. 12} e: . e o segundo é o conjunto de todos elementos que as flechas tocam. 7}. 8. foi pedido apenas a imagem da função.O conjunto Imagem é representado por "Im". 8} Contradomínio é o conjunto de chegada: {-2. 3. No nosso exemplo. Contra-Domínio e Imagem desta função. 18. Para x=. não foi dito conjunto imagem. o contra-domínio é = {1. 40} definida pela lei . indicado por f(4) = 9. . 27. 40} Agora devemos ver a imagem de cada um dos elementos do domínio. podemos agora formar o conjunto Imagem da função. 18. imagem de x= ).

Portanto.. a lei de formação da função é y=2x+1 ou f(x)=2x+1. e pede pra acharmos o termo "B" da lei de formação. Vamos ver. então f(x) = 2x + B 3 = 2. e também f(1) = 3 então: definida por y = 2x + B. Temos que calcular o valor de B.(1) + B.(1) + B 3=2+B 3-2=B 1=B e f(1) = 2. no caso f(1)=3.Exemplo 2 A função agora é sabendo que f(1) = 3. sabendo que y=f(x). Resolução: Agora o exercício muda um pouco de figura. agora aplicando as propriedades das operações.. . Ele dá uma imagem.