Apostila de Yoga

Ana Claudia Dura e Nello Baia Junior

Fortaleza Maio de 2009

Índice Abertura Recomendações para os praticantes de Yoga A Essência do Yoga A origem do Yoga O Yoga Antigo e os caminhos do Yoga O Yoga de Patanjali O Yoga no Ocidente e na modernidade O Yoga e a busca de um propósito de Vida Gostos e Aversões: As Impurezas da Mente Premissas básicas para a prática dos àsanas Série Básica do Surya Namaskar Série Energizante A Prática do Pranayama Polaridades arquetípicas manifestas no ato de respirar Técnicas de purificação e Limpeza A Prática do Relaxamento O significado do OM O Yoga e a Alimentação Bibliografia Recomendada

ABERTURA

Esta apostila virtual vem preencher uma lacuna de levarmos mais informações filosóficas, práticas e vivencias a cerca do caminho do Yoga para nossos alunos e público em geral, ela está só começando ...

Para os nossos alunos com todo o nosso Amor.

“O Yoga não é algo que nós fazemos, mas algo que somos e em que nos tornamos”.
Sri Satguru Subramuniyaswami

PROFESSORES: ANA CLÁUDIA DUTRA E NELLO BAIA JR.

2 – Vista . com a cabeça para baixo e as gestantes só devem praticar a partir do terceiro mês sob orientação adequada. que lhe permitam movimentos amplos. reserve este tempo somente para a sua prática. confortáveis.Retire ao entrar na sala de yoga. seja paciente e perseverante . só sendo aconselhado após meia hora. Se puder.A prática da yoga é um exercício de auto conhecimento. 6 . chegue de preferência dez minutos antes do horário.Evite sair da aula no meio da prática e principalmente na hora do relaxamento .Os hipertensos e cardíacos graves devem evitar posturas de inversão. o relógio e outros objetos pessoais.fale com seu professor. os sapatos.Alimente. Desligando-se de todos os seus problemas. não use jeans. 9. qualquer incômodo ou dúvida em algum exercício. Procure acompanhar suas conquistas compartilhando .Proponha para si mesmo um objetivo para sua prática.as com seu instrutor e colegas. pois sem um objetivo claro nada podemos realizar. antes da prática esvazie intestinos e bexiga. 5 .se com roupas leves. acima de tudo observe e respeite suas próprias necessidades e o ritmo do seu corpo. isto é. 8 . Jamais deixe o celular ligado.A preparação para a prática inicia com a pontualidade. você deve estar com o estômago vazio a fim de receber os benefícios da prática. 7 . 3 .se no mínimo duas horas antes. pois só com disciplina nossas metas são alcançadas.RECOMENDAÇÕES PARA OS PRATICANTES DE YOGA 1 . pois além de comprometer o seu aproveitamento pode interferir na de seus . 4 .O banho deve ser antes e não depois da prática.

a integração psicofísica e o estado de iluminação como o desenvolvimento do ser consciente. psicológicas e práticas que tem um único e principal fim: a integração e a unificação dos diversos níveis e aspectos do Ser.colegas . Patanjali (no Yoga-Sutra 1-2) define o yoga simplesmente como “o aquietamento dos turbilhões da mente consciente” (citta vritti nirodha). Para a mitologia hindu o mundo se constrói na expiração de Brahma. desligandose de todas as outras ocupações. que significa união. o “criador” e na sua inspiração o mundo se recolhe. completar. para ser numa nova expiração recriado. O Yoga. Reserve o tempo da prática exclusivamente para você. o estado de unificação. transformando este conhecimento em práticas que favorecem o equilíbrio integral do ser com o cosmos. integração. surgiu num tempo onde o homem tinha um contato direto com a natureza e pôde intuitivamente captar as leis cósmicas fundamentais. mais o sufixo GHYAN que quer dizer. juntar. O alcance desta união interior passa pelo despertar da consciência desde e a partir do corpo físico até o nível espiritual. atrelar. realização. mobilizando uma transformação em todo o ser do indivíduo passando pela sua emoção e . A ESSÊNCIA DO YOGA A palavra YOGA vem do sânscrito YUG que significa reunir. A nossa vida é feita de ciclos e a verdadeira sabedoria é compreender o que cada etapa vem nos solicitar para que possamos colaborar com o processo evolutivo da humanidade e cumprir o propósito de nossa vida. A Essência do Yoga é alcançar o Samadhi. O Yoga é uma ciência milenar constituída de um amplo espectro de tradições filosóficas e de técnicas que têm como objetivo maior levar o indivíduo a atingir o estado da auto-realização. palavra sânscrita vem da raiz Yuj. O termo yoga abrange uma multiplicidade de linhas filosóficas. O conhecimento da Yoga e de todas as técnicas do oriente.

000 a 3. O praticante do yoga aspira: 1. emocional. a consciência divina (parama-âtma). de união extática com o objeto de contemplação. levando-o a tornar-se cada vez mais consciente.C.C. Foram encontrados registros em pedra-sabão que datam de 4. Neste período há registros de práticas ascéticas e da religião Jainista. é tanto a técnica da unificação da consciência quanto o estado conseqüente. não mais se sentindo vítima das adversidades da vida.cognição. com conhecimento de si e das leis cósmicas. . Com o absoluto A ORIGEM DO YOGA A origem do yoga perde-se no tempo. A invasão ariana ocorreu em 500 a. a união buscada pelo aspirante do Yoga é a do seu eu pessoal (jivaâtma). Este processo só ocorre verdadeiramente. A união consigo mesmo 2. escola filosófica da Índia. na Índia.C. que é o estado de unificação e segundo Georg Feuerstein.500 a. O período pré-clássico do yoga data de milênios antes de Cristo e foram sintetizados em obras como: os vedas e o mahabarat que datam aproximadamente de 1. mental e espiritual.500 a. Com os demais seres 3. com o absoluto. De acordo com a tradição do Vedanta. e deu origem a atual cultura hinduísta. A civilização préariana que ocupou o vale do indo (2.) pouco se sabe e sua linguagem até hoje não foi decifrada.000 a. O despertar que a busca do yoga propicia leva o indivíduo a reconhecer os diversos níveis do seu ser: físico.500 a 1.C. muita perseverança e disposição para vencer tendências ao comodismo e transformar hábitos nocivos já enraizados. se houver a participação consciente da vontade do praticante. A meta principal do yoga é alcançar o Samadhi. tornando-se capaz de harmonizar-se nas mudanças e ciclos da existência.

quatro ‘yoga’. 3. ele enfatiza as etapas pelas quais o aspirante passa para a realização do Samâdhi. ambição. sentimento. ou seja. A via régia (Raja Yoga) – Realizar a prática da meditação e realizar a reintegração do ‘em si’ (pessoal) no ‘em Si’ (universal). mas suas motivações (prazer. . 4. 2. os desejos e as paixões).No período clássico do yoga temos a obra do filósofo Patanjali denominada Yoga-Sutra. A via da ação desinteressada (karma Yoga) – ‘não é necessário fugir do mundo para se voltar para o divino. Patanjali (no yoga-sutra 1-2 define o yoga simplesmente como “o aquietamento dos turbilhões da mente consciente” (citta vritti nirodha). Não é a ação que escraviza. Isto não significa que tenhamos que impedir os pensamentos. A via do conhecimento (Jnana Yoga) – conhecimento da identidade com Brahma. estes se tornam objeto de contemplação. O yoga não é só o objetivo final. mas para alcançar este estado de consciência Patanjali fala que temos que trilhar um caminho de auto disciplina e auto transformação. mas que ao focalizar a concentração da atenção em cada imagem mental. surge. A via do amor (Bhakti Yoga) – Devoção ao divino e oferecimento de todas às ações. Com a prática desta focalização psicomental ocorre a cessação do turbilhão mental e a consciência – testemunha transcendental. nestes sermões escritos por Patanjali. isto é. que data aproximadamente de 360 a. Podemos dizer que essencialmente o objetivo primordial do Yoga é atingir o estado meditativo. O YOGA ANTIGO E CAMINHOS DO YOGA “Como tornar-se um ser divino continuando a ser homem sobre a terra?” O brahmanismo distingue quatro vias. quatro maneiras de unir o homem ao divino: 1. é também o meio. sensação. o método para esta realização. interesse. O Bhagavad gita – livro que resume o essencial do pensamento védico.C.

Os nyamas são disciplinas psicofísicas e compreendem: • • a purificação = sauchan. E é justo. o contentamento = santosha. A união interior e cósmica. que a grande síntese acontece. Nestes. apesar do caminho para nos tornarmos mais inteiros e plenos seja um despertar da consciência para a luz em nós. . os apegos e os desejos. satya = falar a verdade. tornam-se meras ilusões do ego.C sutras (sermões) que resumiam os fundamentos das filosofias e práticas do yoga. todas as outras etapas perdem o sentido. Estes são refreamentos que ajudam o praticante a se purificar do egocentrismo e os preparam para os estágios seguintes. o estudo e a sincera submissão aos propósitos divinos. a partir delas (transformadas). O verdadeiro yoga acontece alicerçado no Bem como um princípio ético universal. Os yamas são: • • • • • ahimsá = não usar nenhum tipo de violência. porém. O caminho para o “sámádhi” fundamenta-se em uma base ética de comportamentos a evitar (yamas) e virtudes da desenvolver (nyamas). Escreveu em aproximadamente 360 a. bramacharya = não desvirtuar a sexualidade. o controle dos instintos. não podemos evitar cruzar com as nossas trevas: a ignorância. o contentamento.O YOGA DE PATANJALI Patanjali foi o sintetizador de uma boa parte do milenar conhecimento do yoga. Esta base inclui a verdade. Sem esta âncora ética. a honestidade. os medos. a autodisciplina. ele cita oito etapas para se atingir a meta do yoga. o estado último que culminaria na integração do indivíduo com suas raízes coletivas e cósmicas é chamado “sámádhi”. a humildade. aparigraha = não se apegar. asteya = não roubar.

a imagem arquetípica do divino. é o estado de concentração e focalização da mente que permite ao yoguim ampliar sua percepção. é a nossa garantia de que estaremos alertas às armadilhas e miragens do caminho e conscientes do risco de sermos seduzidos pelo anseio de poder e de prazer do nosso ego. como já dissemos. favorecendo o equilíbrio e o controle da energia vital. a próxima etapa. consiste na abstração dos sentidos. há um movimento de diminuir ao máximo toda a estimulação sensorial. preparando a totalidade bioenergética do indivíduo para iniciar-se numa nova consciência e percepção de si e do mundo. As etapas seguintes referem-se às práticas que não atuam gradativamente no corpo-mente-espírito. separando as imagens internas dos estímulos externos. Prathyáhára. religando o movimento corporal à consciência mais profunda. Dháraná é a continuação da pratyáhára. levando à conscientização de emoções mais inconscientes. . emocional e mental. preparando-nos para a experiência do estágio seguinte. o estudo de si próprio e da metafísica do yoga = swadhyáya. Os pránáyámas atuam no desbloqueio psico-emocional e energético. Esta base ética. Elas são: • • Àsanas = práticas das posturas psicofísicas. Ele começa a perceber como o mundo externo interfere na sua experiência interior. Pránáyámas = conscientização da energia vital através da respiração e o seu controle. a consagração a íshwara.• • • a austeridade ou o esforço sobre si próprio = Tapas. As ásanas acordam a consciência a consciência do corpo adormecido. observando e conhecendo dimensões de sua experiência até então desconhecidas da realidade objetiva. Nesta etapa a consciência observadora começa a surgir liberando o indivíduo de reações automáticas e conscientes.

do êxtase. as modificações e alterações da consciência em todos os seus níveis. as percepções. são de cinco tipos: • • • • • Pramána = conhecimento correto Viparyaya = conhecimento incorreto Vikalpa = ilusão Nidrá = sono Smrta = memória. causando na mente impressões que vão produzir gostos e aversões. como uma cicatriz registrando a experiência . o estado superior do praticante.Dhyána é a conseqüência de Dháraná. do “satchitananda” (a bemaventurança no ser pleno de consciência). os julgamentos. como acreditam os orientais. núcleo de consciência mais profunda e pode testemunhar a dualidade das emoções e de sua mente com um certo distanciamento. como ondulação que se alternam e se modificam. as memórias presentes e arcaicas. Essas flutuações são chamadas chittavrittis e se produzem como reações da mente as sensações e estímulos provenientes dos sentidos. segundo a psicologia do yoga. julgamentos e conhecimentos parciais da realidade percebida. Os vrittis. nem divisões e ocorre nem que seja inicialmente só por um lapso de tempo a experiência da transcendência. Todo este processo de despertar da autoconsciência é trabalho para uma vida ou para muitas. As flutuações da consciência. Entre eles estão os condicionamentos mentais e emocionais. é caracterizado pela experiência da unidade. Aceitando ambos os pólos do conflito. O samádhi. onde sendo o seu próprio observador. integrando-as à totalidade de seu ser. Neste nível de consciência não há conflito interior. uma impressão no inconsciente. é o estado de meditação. o praticante ative o seu eu superior. O caminho para o samádhi passa pela conscientização e transformação de vários processos emocionais e mentais. criamos as condições para que uma síntese ocorra. vão produzir com o tempo.

ele precisa ser colocado a serviço da coletividade. De fato. apegos que comandam de um nível inconsciente os desejos que nos governam. Essas camadas são condicionamentos do corpo e da mente. em vez de excluir o ego e suas manifestações é necessário transformálas e colocá-las a serviço dos propósitos do Eu espiritual. o praticante vai aprofundando a sua meditação. gostos e aversões. mas eles estão aí e em algum tempo retornam.. não há como fugirmos de nós mesmos. O yoga enquanto caminho de autoconhecimento pressupõe a sua realização a partir de uma transformação da integralidade do indivíduo. nossa alma sabe que só libertando-nos de nossos casulos podemos assumir nossa verdadeira essência enquanto borboletas. Estas marcas produzidas pelos vrittis são denominadas sanskáras. Podemos evitar encarar certas sombras. • Outras. certos potenciais inexplorados. todos os níveis do ser desde o nível celular são mobilizados. À medida que.vivenciada que há um tempo pode retornar a consciência. Se resistirmos a transformação interior nós só a retardamos e a tornamos mais dolorosa. quem sofre é o nosso ego. O ego é uma ilusão que precisa ser vencida. impurezas (kleshas).. O despertar da consciência profunda é similar ao descascar de uma cebola. muitas camadas precisam ser retiradas. . dentre estas a escola shaivista da caxemira. Estes desejos são chamados vásanas. certas dores. defende que. Existem correntes filosóficas na tradição do yoga que apresentam caminhos diferentes de lidarmos com esta transformação do ego: • A escola do Vedanta coloca que o ego precisa ser eliminado juntamente com suas impurezas e desejos para que o verdadeiro eu profundo possa manifestar-se. tudo que o limita e o condiciona a uma estrutura de seu pequeno mundo vai se tornando sem sentido. até atingirmos o seu núcleo. O ego não pode ser eliminado. As sankáras contêm memórias e padrões inconscientes mais profundos que vão por sua vez influenciar os desejos e os impulsos vindos do interior do indivíduo.

é extrovertida. O oriente. o Ayengar Yoga. mas no nível de um conhecimento integrado das ciências. Os orientais. o Swastya Yoga. é voltado para o interior por natureza e a cultura ocidental é voltada para o exterior. tem se desenvolvido aqui no Ocidente escolas de Yoga. ao contrário do Haha Yoga tradicional onde os movimentos são lentos e há uma permanência maior nas posições. A verdadeira fonte da cura está em nós e na transformação de nossas atitudes e percepções equivocadas a respeito dos nossos problemas. por isso como disse o psicólogo Jung não pode ser praticada da mesma forma que o é no oriente. O Yoga vem de uma outra cultura.O YOGA NO OCIDENTE E NA MODERNIDADE As técnicas da Hatha Yoga foram desenvolvidas na Índia no período da idade Média. tinham como objetivo maior se conectar com a consciência Divina. podemos citar algumas como: o Asthanga Yoga. Estas práticas foram popularizadas no ocidente por enfatizarem as práticas corporais e trazerem inúmeros benefícios à saúde e ao equilíbrio psicológico. respeitando às diferenças culturais. ao realizar estas técnicas. A prática do Yoga tem se adaptado às necessidades individuais e de grupos específicos. precisa ser adaptada à mente do ocidental. que a cura e a solução dos nossos problemas estão fora. disse ele. Como nós ocidentais estamos acostumados a pensar. o hatha Yoga pareceu e parece até hoje um caminho de alívio de nossos sofrimentos psicofísicos. A hatha Yoga tradicional também recebeu uma nova roupagem no ocidente a partir de pesquisas científicas. o Power Yoga. através de uma concepção holística da vida e do ser humano. com ênfase nas práticas psicofísicas do Hatha Yoga. Mas a verdade não é esta. fica-se curado. Muitos imaginam que é só praticar uma determinada postura ou fazer um determinado exercício e pronto. considerando os benefícios de . sendo assim dentro da história recentes. Como é possível praticar o Yoga no Ocidente? A humanidade está cada vez se abrindo o para um movimento de globalização não só num nível cultural e social. todas preconizam práticas fortes e ativas do hatha Yoga.

é uma lei cósmica inerente à vida de todos os seres. que não nos deixa ver para além de nosso umbigo. Cientistas e místicos chegaram neste século a um diálogo em comum. que nada mais é do que uma focalização dos objetivos da prática a partir das condições e das necessidades de quem pratica. Antigos sábios do Oriente há milênios antes de Cristo. cumprimos um papel importante no palco da existência e que a realização ocorre quando nos abrimos conscientemente para escutar a voz de nossa alma e confiarmos na providência Divina. Confiar na Vida é “fiar com”. esta prática adaptada foi denominada de Yogaterapia.suas práticas e adaptando-as à pacientes com desordens físicas e psíquicas. muito sábio chamado I Ching diz que: “Tudo aquilo que conquistamos pela força pela força nos é tirado”. devem lembrar que mesmo sem percebermos. concluindo que existe um movimento consciente elaborador da vida e auto-regulador de todos os fenômenos no universo. é fiar cada momento o bordado da existência. Esta não é uma crença religiosa. transpondo a percepção alcançada pelo pequeno eu. que têm ajudado os homens a se harmonizarem com a natureza e a despertarem para a união . tiveram a intuição de pertencer a um universo maior e buscando compreender e viver segundo as suas leis. Um antigo livro de vida chinesa. colaborando com a história universal. adaptando-se com mais satisfação às mudanças inerentes ao ciclos pelos quais passamos. intuíram práticas como a Yoga. Se nos colocamos em sintonia com os ritmos da vida e colaboramos com ela. Aqueles que não estão com a clareza de suas metas. tudo o que necessitamos chega invariavelmente às nossas mãos sem que por isto precisemos brigar. O YOGA E A BUSCA DO PROPÓSITO DA VIDA Você sabe qual é o seu propósito? Qual o objetivo maior pelo qual você vive hoje? Quem sabe responder esta pergunta está sintonizado com a compreensão que a sabedoria dentro de nós nos revela acerca do sentido de cada etapa de nossa vida.

Seu discípulo Rolf. enfatizando o negativo. fazendo . seguindo o que Sri Aurobindo nos disse: “A vida toda é Yoga”. ficando preso na teia de “Maia”. pois tudo que vivemos faz um sentido na ordem cósmica. o relacionar-se. Porém. estado de iluminação. imagem de uma dançarina indiana que tece ilusões. e quando nos damos conta deixamos para trás o caminho original de nossos corações. cuidando desde o corpo físico até a dimensão espiritual. estado este de Bem Aventurança (Sat Chit Ananda) e de libertação do sofrimento (Moska). isto não deve ser motivo de lamento. o trabalhar. levando-nos a ir em busca de coisas que não vão trazer a verdadeira felicidade. A maioria parte do tempo. complementou. Cada ser possui em si a semente da sua criação. O comer.” Cada um de nós deve cuidar para que sua semente desabroche e torne-se uma nota única da sinfonia do universo. Muitas vezes acordamos tarde. A consciência de nossa unicidade como indivíduos e ao mesmo tempo inserido na Consciência Universal é a essência da verdadeira Yoga. Para atingirmos tão excelsa meta. Todos que alcançaram à realização tiveram à clareza do seu propósito e empenharam-se de corpo e de alma para isto.. o cuidar do corpo. precisamos começar pelas pequenas coisas cuidando de cada detalhe de nossa existência cotidiana. etc. esquecemos os nossos melhores propósitos. disse Sri Aurobindo. alcançando assim o samadhi. buscamos o prazer e evitamos a dor. Toda a nossa vida pode ser uma Yoga consciente se nos empenharmos a realizar cada ato da existência de modo pleno. o dormir. Como vamos fiar nossa história hoje. temendo o sofrimento acabamos sofrendo por antecipação. Devemos começar já. tornar-se-á o belo desenho que havemos de ter amanhã. “Maia” nos seduz deixando-nos preso à promessa de um prazer sem dor. experimentado também por muitos místicos e santos do ocidente. perguntando: “Pode da semente do abacateiro nascer uma outra fruta que não o abacate? Assim cada ser traz em si a semente do que virá a ser.com a Consciência Cósmica.. O mais importante é o momento presente e o que fazemos com ele hoje.

mas é visto como algo sobre o qual foi imposto um valor subjetivo de gosto ou aversão. do vermelho. aversão ou indiferença. È dito à criança o que é certo e o que é errado. Ninguém está livre deles. Um objeto não é visto ou experimentado como ele é na verdade. pode ser que a criança também venha a gostar dessa cor. A criança também adquire gostos e aversões dos professores. por exemplo. e tais conceitos permanecem com ela. até que por si própria os descubra. gosta de azul. Um objeto da aversão é aquele cuja presença ou posse nos faz infelizes. Também a sociedade propõe códigos de conduta e “faças” e “não faças” ao indivíduo. Se a mãe. a qual nos faz viver num mundo pessoal de reações. vivemos não em um mundo criado pelo Senhor. objetos que elas não gostam e objetos aos quais elas são indiferentes. Se a mãe desgosta. Quando criança. é provável que o filho desenvolva certa aversão pela cor vermelha.. E assim o ser humano não passa de uma coleção de gostos e aversões. e não há nenhuma outra maneira de educa-la. olhamos para todo objeto como sendo de nosso gosto. Por causa da estrutura de valores que construímos com o passar dos anos. Para todas as pessoas o mundo inteiro é dividido em três categorias: objetos que elas gostam. Um objeto da indiferença é aquele cuja presença ou ausência não desencadeia nem reação de alegria nem de infelicidade. ele absorve os valores dos pais e dos mais velhos na família. aproveitando cada instante para ser feliz. Assim. símbolo da essência divina. mas criado pela nossa própria subjetividade. Um objeto do gosto é aquele em cuja aquisição ou em cuja presença a pessoa se sente feliz. tendo cada pessoa uma estrutura de valores segundo a qual vê o mundo de coisas e seres.desabrochar do centro do peito uma belíssima flor. . O homem os adquire no decorrer da vida. Swami Dayananda Sarasvati Os gostos e aversões na mente são chamados de suas impurezas. exalando seu perfume único no jardim da criação. dos amigos e de outros ao seu redor.. Isto é natural porque a criança admira os pais. Por Ana Cláudia Dutra GOSTOS E AVERSÕES: AS IMPUREZAS DA MENTE O caminho do Yoga é um caminho de auto transformação e aceitação da vida como ela pode ser a cada momento.

Uma divindade escolhida também é um objeto do gosto. pois o contato com o mundo é inevitável no decorrer da vida e na busca de felicidade. A satisfação dos gostos e das aversões se torna o propósito da luta diária. Mas não é o caso. As pessoas dependem da realização dos gostos e das aversões para serem felizes. precisamos nos debater com uma estrutura de valores que vai mudando em função do tempo. Gostos e aversões não se esgotam sendo satisfeitos. mas o filho não. Assim. outras divindades bem como as pessoas que as adoram tornam-se objetos de aversão. logo. As pessoas não se acham infelizes apenas com os outros. a mãe começa a manhã com uma tristeza e passa a se lastimar. enquanto que um objeto de aversão a induz ao desejo de se livrar dele. outras de suas sobrancelhas. A mãe tem um valor para o levantar-se cedo de manhã. mas até com elas mesmas. São eles que governam as ações e os estados de felicidade delas. fazendo com que um objeto do gosto venha eventualmente a se tornar um objeto de aversão ou de indiferença. não gostam de rugas em seus rostos. Outras não estão felizes com sua altura e então calçam sapatos altos. e um dia poderíamos nos tornar livres do domínio deles. Um outro problema é que o valor de um objeto se modifica. poderíamos equacionar um plano para realiza-los. caso ele não se levante àquela hora. Algumas não gostam de seus narizes. Elas não gostam de envelhecer. Quem pode prever se esta pessoa vai . Logo.OS PROBLEMAS CAUSADOS PELAS IMPUREZAS O principal problema dos gostos e das aversões é que um objeto do gosto induz a pessoa ao desejo de adquiri-lo. O que pode ser dito sobre a atitude de uma pessoa com relação a outras coisas e seres quando ela própria não aceita nem aquilo que possui e aquilo quanto ao qual não pode fazer nada? Mesmo Vedanta ou a busca espiritual é reduzida a um objeto do gosto. vendo-o ainda dormindo. Eles poderiam então ser satisfeitos um a um. e em geral pesaroso. pode não ser desejável à tarde. e o que é bom em casa não é adequado no escritório. quanta felicidade pode se conseguir? Há tristeza mesmo em uma pequena coisa. Os antigos se vão e novos continuam a vir. porque na maioria das vezes seus gostos e aversões não podem ser satisfeitos. O ser humano não pode evitar esta luta. O comportamento das pessoas para com o mundo consiste na luta para adquirir certas coisas e para evitar certas outras. lugar e circunstâncias e um conjunto de gostos e aversões que não pode ser extinto pela sua satisfação. no seu processo. Aquilo que se gosta pela manhã . Quando a vida depende inteiramente da satisfação dos gostos e das aversões. O ser humano parece estar desamparado e totalmente dependente de objetos para a sua felicidade. ainda mais gostos e aversões. Até o pequeno desejo da mãe de que seu filho se levante às seis da manhã pode criar tristeza. aquele que não segue Vedanta torna-se um objeto de aversão. Só então a pessoa consegue sentir-se feliz. Se os gostos e aversões fossem definíveis em número. e então. A satisfação de um gosto cria.

relativamente com amor para descobrir o amor. Primeiro é preciso é preciso se cultivar a mente que está relativamente feliz e em paz antes que a felicidade e a paz absolutas possam ser descobertas. Não somos dependentes de nada nem de ninguém para sermos felizes.ser feliz na vida? Ninguém pode jamais satisfazer todos os gostos e aversões utilizando-se de recursos limitados. No caso de possui-lo é provável que fique desgostoso. porque somos a própria felicidade. Aquele que conhece ao Si próprio como ANANDA é descrito na GITA como “aquele que é feliz por si mesmo por causa de si mesmo”. desejosa. por outro lado. quanto à quantidade de sal na comida. é dependente para a felicidade de inumeráveis gostos e aversões. os gostos e as aversões nos impedem de gozarmos a felicidade que somos e nos fazem vê-la em objetos onde ela não está. Assim. se torna um valor. Quando a mente está triste e nos é dito que somos plenitude. relativamente compreensiva. isto é a prática de uma disciplina consigo próprio. Nós somos plenitude por natureza. é um exercício de desenvolver a equanimidade. a mente deve estar tranqüila para descobrir a tranqüilidade. livre da dependência de qualquer coisa para ser feliz. que esteja contente com ela mesma. para descobrir a compreensão. LIBERTE A MENTE DAS IMPUREZAS Libertar a mente dos desejos e da s aversões é uma SADHANA. tais quais como elas vem. Porque uma mente pesarosa transforma a plenitude em tristeza. se não tenho um paladar muito pronunciado ou forte. que na verdade ele é plenitude em sua natureza real. relativamente feliz pra descobrir a felicidade. um estado mental onde se aceita tanto as coisas desejáveis. Um valor deve ser cultivado para se obter tal estado mental. Este equilíbrio mental é chamado de Yoga. bem como as indesejáveis. não me chateio caso o sal esteja ligeiramente a mais ou a menos. que vão se modificando o tempo todo. pois está sempre querendo. o que acontecerá? Aquele que o está aconselhando será olhado como louco ou um homem não–prático. e a felicidade depende de alguma coisa além da própria pessoa. Para um homem . a ANANDA (plenitude de Bem-aventurança) que estamos sempre buscando. na GITA. almejando e projetando valores. e qualquer coisa que seja oposta a este valor é impureza. Assim. Por exemplo. e assim. são as impurezas que devem ser removidas para descobrir uma mente relativamente feliz e em paz. os gostos e as aversões que criam uma mente triste. Tal pessoa requer uma razão para ser feliz. A plenitude vista relativamente. relativamente despojada para descobrir a renúncia. tal como um dente estragado converte a comida em veneno. Se alguém tenta consolar um homem que perdeu sua esposa dizendo-lhe que na verdade não existe tristeza. tal como não há nenhuma razão especial para o fogo ser quente. Por Que os gostos e aversões são considerados um obstáculo ao crescimento? Porque eles nos mantêm distante da nossa natureza real. A mente nunca está em repouso. que procura sua felicidade sempre no exterior. Uma pessoa ignorante. Na verdade. não conseguimos perceber o significado de tal afirmação. visto o calor ser a sua natureza. Não há nenhuma causa ou razão para esta felicidade. idealista. O trabalho de liberação.

Uma mente em equilíbrio é capaz de apreciar a criação do Senhor como ela é. Retirados do Informativo VIDYA-MANDIR de Novembro de 1993. . Então. é uma apreciação objetiva a nossa. as estrelas. uma mente em equilíbrio é uma mente feliz que pode descobrir e apreciar a paz e a felicidade absolutas que são a natureza do Eu. Ela não quer que eles sejam diferentes daquilo que são. e para os discípulos se torna uma atitude a ser cultivada. Quando apreciamos o céu. e então a apreciação da natureza traz alegria. Ano3 nº 10. porque a mente não projeta gostos e aversões sobre eles. e nenhum objeto pode perturbar seu equilíbrio.sábio este equilíbrio da mente é natural. Rio de Janeiro. E tal apreciação sempre traz alegria. Uma mente livre de gostos e aversões pronunciados pode apreciar a inteira criação de uma maneira objetiva. o sol.

Não ouvindo a mensagem do corpo poderá ter lesões. estabilidade. sensação interna agradável de força. e cautela – Práticas no mesmo lugar e hora do dia. 2. Quando se mover na postura. 5. cautela no final do dia para evitar exceder seus limites. Observar como se sente após a prática e no dia seguinte. nas regiões que estão sendo alongadas. Aceitar a mensagem da dor . Focalizar a atenção dentro do corpo . Construir Base – Em cada ásana. na velocidade dos movimentos. Aceitar a contra-indicação de cada postura. sem barulho. melhor pela manhã (a rigidez matinal nos diz onde o nosso corpo necessita de mais cuidados e atenção). vai muito além. e se deve fazer tal postura). como entrar e sair da postura. procurando focalizar os músculos chaves que mantém esta base. na relação respiração/alongamento. Desenvolver consciência do funcionamento do corpo como uma unidade. calmamente. ela nos diz que existe algum problema. Cultivar a regularidade. contrações. Entrando e Saindo da Postura – Entrar e sair de cada postura vagarosamente e conscientemente. e para obter outros benefícios que levarão uma mudança mais profunda de hábitos e condicionamentos e a um autoconhecimento é necessário ser paciente e perseverante. observar o corpo da cabeça aos pés. Cultivar a Paciência e a Perseverança – Lembrar que os benefícios do yoga não são somente ficar com um corpo forte e mais flexível. o alinhamento de sua coluna e a sua base. Respiração Consciente – Inalação – Movimentos de expansão. 4. 3. nas juntas sob tensão.PREMISSAS BÁSICAS PARA A PRÁTICA DOS ÁSANAS 1. A dor é um presente.Manter a concentração na respiração. 6. Descontinuar a prática de forma sutil. Responsabilidade Pessoal – Ser capaz de fazer uma postura respeitando suas condições pessoais de saúde tipologia física (decidir como. Cultivar entusiasmo pela manhã para conter a rigidez. Respirar pelo nariz. 8. entusiasmo. . sensação de liberação e relaxamento. 7. Isto previne traumas e refina o seu entendimento da postura. Exalação – movimentos para baixo e frente. analise sua postura.

massageando os órgãos internos. os braços e os músculos em geral. as pernas. • Uma série que energiza todos os chakras. . • Um movimento vigoroso para a coluna.SÉRIE BÁSICA DO SURYA NAMASKAR Suryanamaskar = Saudação ao Sol Surya – sol e Namaskar – saudação O SURYA NAMASKAR É: • Uma preparação para os demais ásanas.

BALÁSANA O CACHOORRO OLHA PARA CIMA – URDHAVA MUKHA O CACHORRO COM A CABEÇA PARA BAIXO – ADO MUKHA .Asanas por Mark Grubarelli A SEQUÊNCIA A SEGUIR FOI ELABORADA POR ANA CLÁUDIA DUTRA PARA UMA PRÁTICA ENERGIZANTE CRIANÇA .

PRANCHA .BALASANA .PARVATÁSANA O CACHOORRO OLHA PARA CIMA – URDHAVA MUKHA O CACHORRO COM A CABEÇA PARA BAIXO – ADO MUKHA CRIANÇA .

BALASANA OBS: AS POSTURAS ABAIXO DEVEM SER REALIZADAS PARA AMBOS OS LADOS DO CORPO .VIRÁSANA SUPTA VIRÁSANA USTRÁSANA –POSE DO CAMELO CRIANÇA .POSE VITORIOSA .

MONTANHA .TADÁSANA ÁRVORE .TADÁSANA .VRIKSHASANA TRIÂNGULO .VIRABADRÁSANA GURREIRO 2 GUERREIRO 3 MONTANHA .TRIKONÁSANA TRIÂGULO INVERTIDO GUERREIRO 1 .

BORBOLETA BADRÁSANA POSE DA CABEÇA NO JOELHO .JANURSIRSHÁSANA POSE DE LATERALIZAÇÃO POSE DA PINÇA – PACHIMOTANÁSANA A PONTE – SETU BANDÁSANA .

PONTE SOBRE UMA PERNA SARVANGÁSANA – POUSO SOBRE OS OMBROS HALÁSANA – POSE DO ARADO MATSYÁSANA – POSE DO PEIXE YOGANIDRÁSANA – POSE RELAXANTE .

por sua vez. Segundo Kupfer (1996. intensidade e na. realizando retenções (Kumbhaka). estabelecendo ritmos. 13) : Prana. com a finalidade de economizar a energia vital. promovendo com isso uma revitalização da mente e do corpo e um fortalecimento do sistema nervoso. Os Yogues buscam através das práticas do Pranayama prolongar o tempo da respiração. então.SAVÁSANA A PRÁTICA DO PRANAYAMA Nas tradições do Yoga. em alguns momentos. é o processo através do qual se expande e intensifica-se o fluxo da energia no interior do corpo. as forças psíquicas que atuam inconscientemente são canalizadas para o desenvolvimento das faculdades . o controle da bioenergia é praticado através de técnicas que desenvolvem a consciência e o controle dos ritmos respiratórios. De onde se conclui que prana é uma força em constante movimento ou vibração. Estas técnicas são chamadas de Pranayamas. A palavra Pranayama é composta de dois radicais: Prana. p. Eles afirmam também que. intenso. que significa domínio.RELAXAMENTO . duração. que significa energia vital. provém das raízes pra. e Yama. movimento. controle e também prolongamento. ao se obter um maior controle desta energia. Pranayama. que denota constância.

intuição. de acordo com o efeito desejado. promovendo maior clareza e lucidez na mente. principalmente nas posturas sentadas. a prática do Pranayama deve ser iniciada no momento em que o praticante. Kupfer (1995. promovendo uma harmonização entre o corpo físico e a consciência de quem somos. o simples fato de reconhecer os próprios ritmos naturais é uma grande descoberta que influencia no saber como o iniciante vai a partir daí perceber suas próprias vivências. intervir no fluxo natural da respiração. p. que já consegue controlar o fluxo da energia proveniente dos aspectos físico. visando a fazer com que ela flua ora de forma lenta e profunda. até ser capaz de . O praticante avançado.61) os sutras de Patanjali dizem o seguinte sobre a prática do Pranayama: “A regularização da respiração ou controle do Prana é a suspensão da inalação e da exalação que se segue após estar assegurada à firmeza da postura ou do assento”. já tendo alcançado uma firmeza na prática dos Àsanas. pode. ora acelerada e vigorosa. a fim de treinar-se na observação dos ritmos da sua respiração. A princípio. Isso quer dizer que. respeitando o seu ritmo.superiores. O objetivo maior do Pranayama é facilitar a focalização da mente. p. está com a estabilidade necessária para permanecer mais tempo na postura. A razão disto é que existe uma relação muito estreita entre ritmo respiratório e os estados de consciência. emocional e mental. introduzindo ritmos cada vez mais complexos e uma respiração mais lenta e profunda.15). comenta que: O domínio e a expansão do Prana no corpo do praticante começa pela execução de determinados exercícios que consistem em dar à respiração um ritmo diferente daquele que caracteriza o estado de vigília. segundo Patanjali. A partir do estudo feito por Sivananda (1986. concentração e controle das emoções.

Prathyahara (abstração dos sentidos).185) comenta que: ”À medida que sua mente se absorve mais profundamente nesta observação do processo da respiração. O primeiro passo para a prática do Pranayama é a auto-observação. Em outras palavras. O Pranayama é assim uma preparação para a meditação. concentrando através dessas pausas a energia vital. Dhyana (meditação) e Samadhi (estado de unificação). Rechaka (expiração) ou Bahya (o movimento da .introduzir longas pausas em sua respiração. Pranayama (controle da bioenergia). Ásana (posturas psicofísicas). das pausas naturais. Vamos agora compreender melhor quais são as fases da respiração e a importância da consciência na prática do Pranayama. Patanjali foi o sistematizador do Yoga clássico. p. o caráter deste tende a se modificar involuntariamente. os outros são: Yamas e Nyamas (base ética do Yoga). Mohan (1997. A prática do Pranayama corresponde ao quarto passo do Yoga de Patanjali. sua respiração muda simplesmente porque você está consciente dela”. tornarse consciente do inalar e do exalar. Dharana (concentração). Ele definiu oito angas (etapas) para se alcançar a meta suprema do Yoga: o estado de consciência unificado do Samadhi. uma etapa para se alcançar o objetivo mais alto do Yoga: a integração do ser. o estado de auto-realização. FASES DO PRANAYAMA A respiração possui naturalmente quatro fases que são chamadas na tradição do Yoga de: Puraka (inspiração) ou Abhyantara (o movimento da respiração para dentro).

expandindo o baixo ventre e a região abdominal para frente e para baixo. É importante que seja completa. Daí surge a importância do respeito aos próprios limites. segundo ele (1996. p. que deve elevar-se devido à ação dos músculos intercostais”. com o pulmão cheio) e Bahya Kumbhaka (retenção após a exalação) ou Shunyaka (retenção sem ar no pulmão). O tempo das retenções vai depender das condições do praticante. simbolizando um utensílio que contém a água da vida. depois a região intercostal ou média e. acompanhando o ritmo natural do praticante. ainda segundo o mesmo autor. mas também reações como tonteira e desmaios. Essa deve ser feita com cuidado. É durante essa fase que a energia vital é absorvida. segundo Kupfer (1996). provocará uma intoxicação por anidrido de carbono o que favorece estados de consciência elevados.respiração para fora). o pulmão deve estar completamente cheio. Puraka significa literalmente. não deve exagerar no tempo. visualizando ao encher a absorção da energia vital. Corresponde à fase em que acontece uma retenção do ar. Antar Kumbhaka (retenção após inalação. Kumbhaka. significa Jarro de água em sânscrito. Bahya Kumbhaka ou Shunyaka é a retenção com o pulmão vazio. pois pode forçar o aparelho cardio-respiratório e provocar . se for feita por tempo prolongado. pois. suave e silenciosa. “começar após uma exalação completa. encher. multiplicar e corresponde à fase da inspiração. A inalação deve ser lenta. finalmente. Esta deve. isto é. Quando feita com o pulmão cheio. é também chamada Antar Kumbhaka.36). o qual deve respeitar os limites naturais do seu organismo. a parte alta do tórax.

obtém-se a faculdade de governar à vontade todas as forças inerentes à natureza do homem. sem forçar excessivamente. taquicardia e respiração ofegante. Um componente ajuda a desenvolver o outro. sempre pelo nariz. Retenções são contraindicadas para cardíacos e hipertensos. quando ele aprende a perceber claramente os seus próprios ritmos. que deve ser feita. ir atingindo um domínio dos movimentos respiratórios. De modo semelhante. uma inalação muito longa faz o exalar tornar-se curto e rápido. a retenção excessiva do ar inalado perturba a exalação. adquire-se o domínio completo do funcionamento interno do corpo. contraindo vagarosamente a musculatura diafragmática. uma parada excessiva depois de exalar pode perturbar a inalação. recolhendo a musculatura intercostal e abdominal para dentro e para cima. Mohan (1997. Segundo Blay (1986.palpitações. como referencial para a auto-observação e o respeito aos próprios ritmos. Sem esse cuidado. Um componente pode perturbar o outro. Por exemplo. p. na retenção. reter o ar e depois inalar. segundo o autor por último citado. ajuda a desenvolver a própria inalação. desenvolvem-se novas faculdades . as práticas podem tornar-se prejudiciais à saúde psicofísica do praticante. Ao contrário. 101): O domínio do movimento respiratório. diminuindo e rompendo com sua característica calmante. pode com segurança. p. chamando atenção como uma fase pode interferir na outra: Um componente influencia o outro. Por exemplo. quando é conseguido com perfeição. Esse comentário faz nos atentar para a importância do conhecimento dessas fases. Rechaka é a exalação. gradativamente.189) relata-nos a relação entre as diversas fases da respiração. Por exemplo.

realiza-se por experiência direta a natureza profunda do homem. pois cumprem uma função na nossa sobrevivência. Esta enorme força. de igual maneira. enfim. através. domina-se a respiração. De outro modo (procedendo com pressa ou empregando força excessiva) mata o praticante. p. segundo o mesmo autor. O ponto onde elas se unem ou se separam coincide com o momento das retenções em Kumbhaka. O domínio da nossa respiração tem uma relação direta com o controle da nossa natureza mais instintiva e dos desejos primários.força vital . Os nossos instintos devem ser preservados e educados.35) cita o seguinte trecho de um antigo escrito da Índia. Sandilya Upanishad. Kupfer (1996. desequilibrando e adoecendo o praticante. elefantes e tigres são domados gradualmente. de uma união e da busca de uma harmonia entre as polaridades manifestadas na forma de: Prana e Apana.mentais e psíquicas e. da qual somos portadores . A prática da retenção promove um estado de introspecção e . muito cuidado e respeito à sua natureza. A tentativa de controle da bioenergia através da conscientização da respiração pode ser comparada ao adestramento de um animal selvagem: este precisa ser conduzido com maestria. que vem corroborar com esta idéia: Assim como os leões. essas forças podem atuar de modo inconsciente. sem repressão e imposições que lesem as nossas necessidades básicas. Do contrário.precisa ser canalizada para os objetivos superiores de nossa vida de uma forma consciente.1. A finalidade principal do Pranayama é o controle da bioenergia.

Tapas são disciplinas. e queima-as”. Na exalação. O Prana vayu situa-se na área do peito e rege a respiração e a circulação. e situa-se no centro do estômago. depois da exalação. e o Apana situa-se no baixo abdômen. ou Apana. “a inalação move a chama para baixo. leva a uma eliminação das impurezas que obscurecem a clareza da percepção e melhora a saúde do corpo. O cozimento que o Pranayama promove no corpo. os resíduos queimados das impurezas são expelidos do corpo. Segundo o mesmo autor (1997 p. que pode ser canalizada para o despertar de uma consciência mais profunda. nas emoções e na mente. . o lixo restante é levado para cima. literalmente quer dizer cozinhar. Durante a retenção do ar inalado. responsável pelos processos de eliminação das toxinas do organismo. Sua função é realizar uma separação entre os nutrientes que serão utilizados e as impurezas que serão queimadas. a chama interior corresponde ao Samana vayu. essa queima continua.190). aumentando nosso potencial de compreensão e atuação na vida. induzindo assim um aquietamento da mesma. conectamos conscientemente a respiração à mente. Ao regularmos a respiração. prana que promove a digestão. para as impurezas no baixo abdômen. Para Mohan (1997) a respiração é o suporte para a chama interior. Segundo Mohan (1997) o Pranayama é o mais elevado dos Tapas. Durante a parada. para perto da chama a fim de queimar mais completamente.contenção da energia vital.

PREPARAÇÃO PARA A PRÁTICA DO PRANAYAMA Para que os efeitos das práticas de Pranayama possam promover uma liberação de sofrimentos e uma cura profunda, é importante o praticante cultivar atitudes, pensamentos e sentimentos, que o ajudem a viver em harmonia consigo, com os outros seres e com a natureza, desenvolvendo atitudes éticas de cuidados pessoais com sua própria vida, alimentação, repouso e higiene pessoal: com seus relacionamentos, buscando o respeito ao outro, não julgando, falando sempre a verdade e não agredindo com ofensas; com a sua comunidade sendo honesto, buscando o bem comum, agindo com equanimidade em tudo o que faz, reconhecendo o Ser Supremo que vive dentro de cada ser. Essas recomendações não têm um sentido meramente moral e ético, mas são a base dos princípios universais, que têm uma profunda repercussão no estado do ser nos seus diversos níveis físico, emocional, mental e psicoespiritual. Ao compreendermos o mundo como um grande sistema de energia, percebemos que somos um elemento que recebe influências e influencia na construção do seu próprio destino e no de todo o universo. Para se dar início a uma prática de Pranayamas, além da busca de preparação interna, é importante também que se tenham certos cuidados externos, como, por exemplo, a manutenção da coluna ereta durante a prática, para que o fluxo da energia que está sendo absorvida através da respiração flua livremente pelos chakras e pelos canais de energia. Segundo Kupfer (1996), as melhores horas para se praticar, são aquelas em que existe maior concentração de energia no ar: são o alvorecer (a partir

das quatro horas da madrugada) e o crepúsculo, horários em que aumenta o poder magnético no ar. Le Page (2003) também apresenta algumas recomendações para uma preparação, tendo em vista a prática dos Pranayamas. São as seguintes: Escolher local limpo, ventilado, ar fresco. Sendo possível, tentar praticar no mesmo local todos os dias. • As roupas usadas devem ser leves e soltas, para que facilitem a expansão do abdômen durante a inalação profunda. • Sentar-se em uma postura confortável, de preferência sobre um colchonete no chão. Para os iniciantes, recomenda-se a postura fácil ou Sukhasana, sentada com as pernas cruzadas. Com o avanço das práticas, podem ser adotadas outras posturas sentadas como a Vajrasana, isto é, a postura sentada sobre os calcanhares, com os joelhos dobrados, ou ainda a Padmásana, ou seja, pose do lótus, na qual as pernas ficam cruzadas e os pés apóiam-se sobre as coxas. O corpo deve estar relaxado e as costas, eretas sem esforço. • Moderação na alimentação: o melhor é estar com os intestinos vazios. Deve-se praticar pelo menos meia hora antes de uma refeição e, no mínimo, duas horas depois de comer. • O melhor horário é pela manhã cedo, depois da prática de Ásanas e antes da meditação. • A prática do Pranayama fica dificultada na presença de um bloqueio nasal. Não se deve respirar pela boca, exceto em algumas práticas bem específicas. O ideal é fazer uma limpeza das narinas, usando

água ou soro fisiológico ou ainda colocar a mão embaixo da axila contrária à narina obstruída. • A respiração deve ser sempre suave; não é aconselhável o esforço em demasia. Mesmo nos mais vigorosos Pranayamas, deve haver o mínimo esforço. • O trabalho do Pranayama ocorre em um nível sutil profundo, e não no nível denso do corpo físico. Por esse motivo, o corpo fica isento de movimentos bruscos e rápidos, a menos que alguma respiração específica solicite-os. • O primeiro passo para a prática é estar consciente da respiração natural, antes de tentar regularizá-la. • Ao introduzir algum ritmo na respiração, deve-se partir do

acompanhamento do seu ritmo natural, sem forçar, pois isto pode ser prejudicial. • Pranayamas de aquecimento são contra-indicados nos casos de cardiopatias, hipertensão, ou histórico de derrame cerebral. Vejamos adiante algumas características que diferenciam a prática da respiração pela tradição do Yoga de outras práticas. CARACTERÍSTICAS DA RESPIRAÇÃO DO YOGA Segundo Kupfer (1996), a respiração Yogi tem as seguintes características: Consciente – A observação do processo respiratório é o que leva o praticante a obter um controle do Prana. Este controle não deve ser rígido, mas deve ser baseado na percepção do ritmo natural.

Profunda – A respiração Yogi é ampla. Com a percepção do fluxo natural. somente a partir deste momento novos ritmos devem ser introduzidos. precisa ser resignificada através da nossa própria experiência. A prática dos Pranayamas e técnicas do Yoga. o que pode provocar doenças. Suave – A respiração deve ser quase imperceptível. por terem vindo de uma tradição tão diferente da nossa. utilizando a totalidade da capacidade pulmonar. Somente raros Pranayamas utilizam-se da inspiração pela boca com objetivos específicos. aproxime a palma de sua mão das narinas e observe o fluxo do ar que sai. Nasal – Os cílios das narinas filtram as impurezas que estão em suspensão no ar. Ritmada – Tudo é ritmo na natureza. vai nos revelar . Estabelecer uma cadência rítmica a partir do seu ritmo natural favorece o acesso a níveis mais profundos de consciência. Quanto menos você perceber esta projeção do ar.Natural – Acompanha o movimento espontâneo e a necessidade natural da entrada e saída do ar. Quando você expirar. absorvem-se as impurezas. Lenta – O ritmo lento ajuda a acalmar a mente e o coração. Ao inspirar pela boca. maior controle você estará tendo sobre o Prana. Somente e de fato a prática constante. uma homeostase interna vai se estabelecendo. Com a mínima projeção do ar – A compreensão da idéia de projeção do alento é fundamental para atingir a perfeição da respiração. sem esforço por parte do praticante.

A introdução dos exercícios respiratórios básicos. Conceber um controle que seja algo sutil. sem imposições. que respeite as condições internas. EXERCÍCIOS RESPIRATÓRIOS BÀSICOS PARA A PRÀTICA DO YOGA A prática da conscientização do fluxo respiratório faz parte. Nossa cultura dá ênfase ao controle racional através da força. desde do início de toda prática do Yoga. Desde o primeiro momento de preparação para a prática. Estas separações corpo-mente. Durante a prática dos Ásanas. busca-se sincronizar o movimento do corpo com o ritmo natural da respiração. um aprendizado que requer paciência. percebendo o fluxo da respiração da cabeça aos pés. a consciência continua focalizada no fluxo respiratório. ou focalizando a atenção apenas no abdômen. os quais vamos apresentar agora. é para nós um desafio. devem ser feitos com os praticantes iniciantes. mas também sensibilidade e um constante treino da auto-observação. muitas vezes. é pedido ao aluno que ele desligue-se de todas as suas preocupações e traga toda a consciência para o momento presente. Vamos desta vez apresentar os exercícios respiratórios mais básicos para a prática do Yoga. negando as necessidades emocionais e internas. sentindo a condução da bioenergia para as diversas áreas do corpo que estão sendo energizadas. interno-externo são a causa de nossos maiores problemas.as sutis nuances do processo de aprendizagem do controle da respiração. como veículo da bioenergia. disciplina. razão-emoção. .

A prática da respiração abdominal é um resgate de uma forma de respirar que é natural quando nascemos. pois ele está relaxado. expandindo-se e recolhendo-se a cada respiração. psicologicamente. vamos registrando tensões no nosso corpo. iremos perceber o seu abdômen. média ou intercostal (madhyama). autocontrole das emoções. segundo Kupfer. a respiração fica . O diafragma é um músculo que separa a caixa torácica do abdômen e possibilita a mobilidade de ambos. O respeito aos nossos ritmos internos e à consciência de nossos limites é a garantia do nosso êxito nas práticas aí mencionadas. Isso acontece quando estamos relaxados no sono ou em meditação. Isso lhe é muito natural. como seguem: baixa. paz. mais particularmente na musculatura do diafragma. dAdhama. Quando ele está tenso. Kupfer (1996) nos apresenta os quatro principais tipos básicos de respiração. Se observarmos um bebê. com o mínimo esforço. a respiração Abdominal É aquela que se processa na parte baixa dos pulmões e proporciona um maior fluxo de ar. a um estado de harmonia. antes de realizar qualquer intervenção nele. À medida que vamos crescendo e vamos nos defrontando com os desafios ao crescimento.lembrando-os sempre de que observem inicialmente o seu fluxo natural de sua respiração. Esta última é a mais importante. a sessenta por cento do volume total de ar que pode ser assimilado em uma inalação. Leva. abdominal ou diafragmática (adhama). Equivale. alta ou clavicular (uttama) e completa (Prana krya). que vão refletir-se na nossa respiração. dormindo.

promovendo um fluxo de energia em torno do plexo solar (conjunto de nervos localizados no centro do estômago que influencia no nosso equilíbrio emocional). chegando mais profundamente nos pulmões. Comece a sua prática. você pode praticá-la ainda sentado em uma cadeira ou no chão em qualquer uma das posturas tradicionais que já citamos. emocional e mental. apóie a sua coluna na parede.encurtada e o abdômen não se dilata suficientemente a fim de sentirmos o ar. Quando as tensões tornam-se crônicas. Caso você sinta dores nas costas. Lewis (1996) comenta que a prática da respiração abdominal exerce forte influência sobre a digestão e absorção dos alimentos. Lewis (1996) fala que. quando o ar . a pessoa fica sujeita ao pânico e a preocupações. A respeito da prática da respiração abdominal. apoiando as mãos sobre o abdômen e apenas observando o ritmo natural da sua respiração. quando essa região fica bloqueada ou fica energeticamente fraca. sente falta de liberdade no comportamento e fica com medo de correr riscos. criam um padrão respiratório deficiente que causa inúmeros transtornos à saúde física. Caso não seja possível essa posição. Perceba que. Como se deve praticar a respiração Abdominal? Deite-se de costas com os joelhos flexionados e os pés apoiados no chão. Parafrasendo Chia.

Essa respiração vai aumentar a oxigenação nos órgãos abdominais. Faça uma pequena pausa com os pulmões cheios. usando a respiração para massagear ativamente os músculos da parte inferior das costas. sentindo a expansão das partes anterior. auxilia a dormir com mais facilidade e descansar mais durante o sono. o movimento do abdômen é de expansão e que. essa respiração tem ainda os seguintes benefícios: ativa a resposta de relaxamento. Na inalação. posterior e laterais do corpo. acompanhando a sua necessidade natural de exalar. Durante a exalação. Antes de reiniciar uma nova respiração. da cintura e da região lombar. Le Page (2003) sugere que o ciclo da respiração seja repetido. faça uma nova pausa. ampliando o espaço de energia em volta de todo o abdômen.entra. Quando você estiver bem consciente desse movimento natural. concentrando-se nas sensações experimentadas. Segundo Le Page (2003). o abdômen recolhe-se naturalmente. sem esforço. acompanhe a onda da respiração. e então inale. sinta o ar expandir o abdômen como se fosse um balão. projetando-o para cima. quando o ar sai. sem esforço. massageia os órgãos digestivos e o músculo do coração. indo além do abdômen físico. na região gênito-urinária e no cérebro. facilita a movimentação do diafragma. Acalma as emoções e os pensamentos e. esvazie os pulmões. melhorando a circulação. que sinta a força da gravidade puxar o diafragma para baixo. ele recomenda que se imagine a energia da respiração. . Esvazie completamente os pulmões e comece a inspirar. Agora. puxando o abdômen bem para dentro. enchendo as partes inferiores dos pulmões. quando praticada à noite.

pressionando com as mãos ao lado das costelas. gerando uma falta de estabilidade semelhante na mente”. Geralmente está associada a uma respiração mais superficial. Sinta o movimento para que possamos transcendê-la. a respiração Intercostal ou Torácica Nesta respiração. utiliza-se principalmente a parte média dos pulmões e movimentam-se os músculos do tórax para as laterais. o plexo solar. de forma que as pontas dos dedos toquem-se na altura do plexo solar. Reduz a ansiedade e melhora a digestão. p. aumentando a autoconfiança e firmeza emocional. As contra-indicações são para os alunos com pressão baixa: se eles a praticarem em excesso podem ficar relaxados demais. Ao inspirar. segundo Kupfer (1996). coloque as mãos nas laterais do tronco. “a respiração torácica é curta. A pessoa respira inconscientemente. de maneira mais exclusiva pelo tórax. É importante que tenhamos um controle desta respiração abdominal.aumenta o fluxo de ar na parte baixa dos pulmões e abre o segundo chakra.47). A prática dessa respiração de modo consciente estimula. bem como pelo Yoga taoísta e é o exercício mais básico e mais importante para se dar início a um trabalho consciente com a respiração. sinta que as costelas separam-se para os lados. sobre as costelas. Segundo Swami Rama (1979. MAdhyana. substituindo-a pela . relacionada à parte alta ou baixa dos pulmões. Essa prática é usada pelo Yoga clássico. quando é ameaçado por algum perigo ou pressões externas. Esvazie bem os pulmões. Como se deve praticar a respiração Torácica? Para praticá-la. sobressaltada e sem firmeza.

a consciência nesta região peitoral vai trazer muitas vezes emoções que ficaram nesta região bloqueadas.44) : Acontece na região clavicular. Assim como é importante estarmos conscientes da respiração torácica. Expire completamente. exigindo um grande esforço para uma pequena quantidade de ar que entra nos pulmões. Psiquicamente corresponde a quadros de nervosismo e angústia. Se utilizada exclusivamente é a pior forma de respirar. . massageia a glândula do timo. somatizados em forma de tensão muscular no abdômen e no tronco. perceba a expansão que acontece na frente. na parte superior do tórax. estimula os rins e as supra-renais. a mais superficial. favorece maior flexibilidade do diafragma. os principais benefícios desta respiração consciente são: melhora a capacidade pulmonar pelo alongamento e fortalecimento dos músculos intercostais. A respiração Clavicular ou Peitoral Esta respiração. e abre o terceiro e o quarto chakras. próximo à clavícula com os dedos polegares abaixo das axilas. Como se pratica a respiração clavicular ou peitoral? Coloque as palmas das mãos sobre a parte superior do peito.lateral do tórax. nos lados e na parte de trás do corpo. O trabalho sobre ela ajuda a liberação dessas emoções. p. contribuindo para melhor imunidade. local onde as costelas se encaixam na coluna. Segundo Le Page (2003). Corresponde à cerca de dez por cento da capacidade de ar inalado. sinta que as vértebras alongam-se e elevam -se a cada inspiração. Perceba este movimento principalmente no osso esterno. na maioria das vezes. segundo Kupfer (1996.

pois isso aumentará em muito o efeito revigorante desta prática. a prática da respiração completa. fazendo paradas de alguns segundos. Já segundo Le Page (2003) são os seguintes: uma liberação das tensões dos ombros e do pescoço. p. favorece um funcionamento harmonioso do aparelho respiratório. . massagem no timo. Os benefícios dessa respiração segundo Kupfer (1996) são: o desenvolvimento da concentração e da força de vontade e um arejamento dos pulmões. A cada expiração. em entusiasmo”. a agitação. O autor acima citado sugere que. Repita o ciclo da respiração muito lentamente. projetando o peito para fora. A respiração Completa do Yoga É a combinação das três respirações anteriores que promove uma respiração completa. proporcionando uma sensação de bem-estar e vitalidade. sentindo a elevação da clavícula e do esterno em direção ao queixo. melhorando imunidade e a abertura do quarto e quinto chakras. uma massagem no músculo do coração. seja feita de preferência ao ar livre. em autoconfiança.colocando o peito para dentro. a tristeza transforma-se em felicidade. o desânimo. quando completar a inalação e a exalação. perceba que a clavícula relaxa completamente. ele menciona que: “as idéias ficam mais claras. a insegurança. em serenidade. em contato com a natureza. 67) descreve as sensações que ocorrem quando conseguimos respirar de forma completa. Kupfer (1996. diante do mar. levando a maior assimilação de energia ao inspirar. Inspire.

deixando o ar entrar até o ápice dos pulmões. complete a inspiração. fazendo com que o diafragma eleve-se. Repita alguns ciclos desta respiração. Os benefícios deste Pranayama são muitos. A introdução das pausas deve ser gradativa. Esvazie agora os pulmões e recolha o abdômen bem para dentro. A prática do Pranayama tem um profundo efeito no nível psicológico. entrega e felicidade”. No aspecto psíquico. Segundo Kupfer (1996. e. a partir do grau de engajamento na sua busca e . revitalização. concentração. abrindo a possibilidade do praticante despertar para outro nível de consciência que o levará.Como se pratica a respiração completa do Yoga? Coloque-se numa posição que lhe seja mais confortável com a coluna reta. Observe o seu fluxo natural e relaxe. Inspire e expanda o baixo ventre e o abdômen. p. expandindo o peito. liberando o ar por primeiro da parte alta. relaxamento das tensões na região abdominal. Feche os seus olhos e passe a acompanhar a sua respiração. Por fim. da resistência e do tônus geral do organismo. relaxando a musculatura intercostal. abertura para o mundo. respeitando o seu ritmo natural. permitindo a entrada do ar na parte baixa dos pulmões. 68) listam-se: “um considerável aumento da capacidade pulmonar. Em seguida. contraia o abdômen. ombros e pescoço. Expire com suavidade. rejuvenescimento. depois. desintoxicação celular. do tórax. sempre enchendo os pulmões de baixo para cima e esvaziando de cima para baixo. por fim. expanda o tórax e deixe o ar entrar na parte média.

dentro da prática do Pranayama. de acordo com os objetivos da nossa prática. Viram-se as mãos para baixo. são descritos como: Adi Mudra Nesta mudra. Vejamos agora duas práticas que auxiliam na prática do Pranayama e na ativação do fluxo do Prana no nosso organismo.prática pessoal. As mãos ficam voltadas para cima. deixando um espaço cilíndrico entre os dedos. segundo Kupfer (1996). Essa mudra equilibra a área diafragmática. tem como finalidade específica. e promovemos a canalização da energia por certos canais específicos. na altura do plexo solar. Brahma Mudra Colocam-se os polegares dentro das mãos e fechando-as. a de fechar circuitos eletromagnéticos de energia. Essa mudra facilita a respiração abdominal e desenvolve segurança e autoconfiança no praticante. ajudando na prática da respiração completa. Vamos citar apenas três principais mudras que promovem uma liberação do fluxo da respiração. harmonizando também os centros energéticos. fechedas com suavidade. são chamadas mudras e bandhas. . PRINCIPAIS MUDRAS E BANDHAS Mudras são gestos feitos com as mãos e. a mudanças profundas na sua relação com as pessoas e com o mundo. tocando-as uma na outra. Segundo Le Page (2000). pressionando com os outros dedos o polegar. os polegares ficam dentro das mãos. Com a sua execução. evitamos a dispersão do prana.

. Nesta contração. Pressionam-se as polpas dos dedos de uma só mão nos dedos correspondentes da outra. “contrações de plexos. jalandhara e jihva bandha”. que funcionam como chaves do fluxo energético no organismo e servem para potencializar os respiratórios. Para fazer. p. comprime-se esta musculatura como se estivesse fazendo uma sucção com ela para dentro. como devem ser praticados e seus benefícios. Mula Bandha É uma contração dos músculos dos esfíncteres do ânus e da uretra. Hasta Prana Mudra Os antebraços devem ficar paralelos com o chão à altura do plexo solar. Bandhas são. Vamos descrevê-los sucintamente. Uma variação desta técnica é o ashwini mudrá.Desenvolve também no praticante maior confiança no seu poder pessoal e coragem. esta forma é mais fácil para os iniciantes. Este mudra facilita a circulação do prana em todas as áreas do corpo e equilibra todos os chakras. promovendo mais energia e uma sensação de bem-estar geral. Esta prática estimula o sistema nervoso central e o muladhara chakra. Os ombros devem ficar relaxados na posição. mantendo-se uma pressão moderada das mãos. uddiyana. podemos observar um recolhimento dos músculos do baixo ventre e das nádegas. nervos. As mulheres devem contrair também o períneo.50). conforme kupfer (1996. Os mais importantes são quatro: mula. que consiste em sucessivas contrações da musculatura anal e uretal. órgãos e glândulas.

Cada um deve respeitar o seu ritmo. O que vai favorecer uma ascensão da energia para os chakras superiores. No plano sutil. deve ser feita com a coluna ereta. recolhendo a barriga o máximo que for possível. como se fosse colar a barriga nas costas. Para se fazer. regulando o fluxo de ar e prana na região do coração. normalizando a secreção do suco gástrico.O Mula bandha também estimula a vitalidade. melhor irrigação sanguínea na região pélvica.52) comenta que “este exercício ativa a circulação e favorece a união dos ares vitais prana e apana”. sem contração da musculatura do pescoço. retirar todo o ar dos pulmões. Jihva Bandha . zumbido ou desvanecimento. eliminando toxinas e disfunções do aparelho digestivo. massageia os órgãos abdominais. A duração da compressão é regulada pelo tempo de retenção com os pulmões vazios. Jalandhara Bandha É a compressão do queixo na depressão jugular. Estimula uma massagem das glândulas tiróide e paratiróide. p. Uddiyana Bandha É feita com os pulmões vazios e é uma contração dos órgãos abdominais. favorecendo o peristaltismo. Esta prática estimula os músculos cardíacos. inspirar e ao exalar. pois evita tontura. a cabeça vem para frente e as vértebras cervicais ficam flexionadas. deve-se ficar de pé. melhorando a potência sexual e é indicada para pessoas inseguras e deprimidas. Este bandha é usado para facilitar as retenções do ar com o pulmão cheio ou vazio. no alto do peito. Kupfer (1996.

O prana. . Respirar é um ato involuntário e inconsciente. Esta bandha é também usada nas práticas taoístas para estimular a consciência superior e a concentração. pressionando o palato mole. não temos escolha. Ele nos penetra e nos preenche. A estimulação indireta destas glândulas mestras tem uma influência no equilíbrio de todo o sistema endócrino. rítmico e constante que permanecerá como marco da duração de nossa existência neste corpo. de forma que aponta da mesma fique para cima e para trás. Transcrição na íntegra do capítulo 4 da Monografia da Especialização em Yoga de Ana Cláudia Dutra. Quando nascemos. Nosso objetivo neste capítulo foi apresentar uma introdução às práticas mais fundamentais do Pranayama e de controle da bioenergia. nos penetra e ao darmos o primeiro choro sentimos que nossos pulmões se expandem e inicia um movimento aí. Na verdade não somos nós que respiramos o ar. À medida que a autoconsciência vai sendo despertada. preparando o praticante para atingir uma consciência mais plena.É a compressão da língua no céu da boca. práticas mais elaboradas podem ser introduzidas. a energia vital. Esta compressão estimula indiretamente uma massagem nas glândulas pineal e pituitária. Vamos aprofundar no próximo capítulo a relação entre a respiração e os diversos estados de consciência. ARQUÉTIPOS MANIFESTADOS NAS POLARIDADES DO ATO DA RESPIRAÇÃO Respirar pressupõe uma alternância de estados que se resume no movimento do ar ir para dentro e para fora de nós.

numa comparação bem simplificada teríamos: Inspir Movimento de contato em conteúdos internos e . nos voltamos. Voltando ao exemplo da alteração rítmica em estados de forte emoção. onde devolvemos para o mundo aquilo que em nós foi tocado e estabelecemos uma externalização de uma vivência interna. significa que emoções inconscientes dominam naquele momento. Continuando a comparação com a psicologia junguiana. para dentro de nós mesmos. Esta característica de ser inconsciente e consciente faz da respiração a grande integradora dos processos psicofísicos. colocar algo para dentro. O ato da expiração – que é o ato de colocar algo de dentro para fora. mas preciso. Simbolicamente isto significa que a tendência a manter o equilíbrio psíquico foi quebrada. as veias se alteram como um verdadeiro termômetro indicando que algo em nós está acontecendo. O ato de inspirar – quer dizer. Comparando com o conceito junguiano de introversão. o fato dela ficar rápida com a perda do controle consciente. a energia psíquica se volta para os objetos internos. podemos ainda relacionar que. ir para dentro. sejam prazerosas ou não.Um vínculo inconsciente. a inspiração poderia ser uma replica microscópica deste movimento da energia psíquica. onde a libido. ao menor sinal de alteração deste fluxo de energia que nos percorre. ocorre sempre entre nossos estados emocionais e mentais e a nossa respiração. Assim. Quando estamos submetidos a fortes emoções. embora inicialmente inconsciente.Temos o movimento da extroversão onde o sujeito volta a libido e seus conteúdos psíquicos para fora dele. Isto porque a respiração. ficamos com a respiração curta e o tempo que levamos para soltar o ar é pequeno. O ar sai mais rápido e a tendência é perdermos mais energia. ainda que momentaneamente. um padrão respiratório se estabelece. numa relação com os objetos externos. Quando inspiramos. gradativamente tornou-se também um ato voluntário e consciente. é também comparado a um momento de relação com o mundo externo. uma relação com os processos internos ocorre. A cada estado de consciência.

de seus conteúdos internos. Estes movimentos de alternância são a base da vida. Movimento da energia psíquica de um sujeito de voltar-se sobre objetos externos tornando-os a fonte determinante da experiência interna. isto é. Uma das polaridades tende a predominar por mais tempo. Na prática da respiração profunda e completa. de alguma forma. conteúdos inconscientes atuam em consonância com um certo nível de consciência. Movimento de retorno ao mundo externo e expressão das impressões provocadas por estes a nível psicofisiológico. o que vai configurar todo um quadro emocional e mental na vida desta pessoa. Um sentido de ordem pode começar a se estabelecer de dentro. À medida que a mesma começar a. na experiência do indivíduo.ação Expir ação Introv ersão Extro versão inconscientes. passa-se para a respiração consciente e ritmada. o que influenciará também suas relações com o mundo. ela pode estabelecer uma respiração curta como um padrão para ela. O ritmo da respiração do estado normal de vigília é de um tempo para inspirar e de um tempo para soltar. Isto quer dizer que há um equilíbrio dinâmico entre os processos conscientes e inconscientes. A alternância das polaridades é que faz a diferença de potencial e permite a energia fluir. Assim. os conteúdos internos são conscientemente observados e a expressão de pensamentos e emoções para o mundo externo dominada pela intenção da . podendo-se prolongar o tempo da exalação até o dobro ou o triplo da inspiração. estabelecer uma consciência de sua própria respiração. se a pessoa está submetida ao stress contínuo e prolongado. Movimento da energia psíquica de um sujeito de voltar-se para seus conteúdos internos os tornando determinantes do sentido da experiência e ação externas. Neste estado de respiração profunda e lenta. neste momento. De acordo com as experiências que vamos acumulando é que os padrões vão se formando nos vários níveis do nosso ser. ela poderá abrir espaço para novas experiências em sua vida.

2. análise. coragem. Os principais nadis são as narinas: narina direita – responsável pela absorção da polaridade positiva (IDA) e narina esquerda – a polaridade negativa (Pingala). A predominância deste padrão de respiração profunda e prolongada vai tornar o indivíduo mais centrado em si. força. Fazendo um paralelo destas polaridades com os níveis de consciência e os arquétipos primordiais do masculino e do feminino. Vamos explicar o que seriam estas polaridades: 1. pensamento analítico e está relacionado ao hemisfério cerebral esquerdo e a todas as suas funções correspondentes. Quando é a narina direita a predominante: Narina direita predominante (IDA)↓ Consciência lógica e racional ativadas. da energia vital. abrindo um canal para a expressão de suas inúmeras potencialidades. predomínio do pensamento. mais produtivo. na tradição do Yoga. consciência emocional e intuitiva. Outro aspecto que podemos observar no processo respiratório é o que diz respeito aos canais de absorção do prana. energia yang↓ Imagem do Animus↓ . pensamento abstrato e criativo e está relacionado ao hemisfério cerebral direito e a todas as suas funções correspondentes. teríamos a seguinte relação de acordo com a predominância da atividade de uma das narinas. consciência lógica e racional. excitabilidade. a polaridade positiva tem relação com o padrão de energia solar.consciência. características masculinas. a polaridade negativa tem relação com o padrão de energia lunar. características femininas. atividade psíquica e física↓ Imagens do masculino. Eles são chamados. de Nadis. mais tranqüilo e mais perceptivo. Uma grande quantidade de energia é poupada e acumulada para ser usada pelo sujeito nas suas experiências conscientes.

uma chave para a compreensão da integração psicofísica. compaixão. influencia numa certa condição psíquica da pessoa. porá alteração das condições internas e/ou externas. atividade reduzida↓ Imagem da Anima No processo psicofisiológico da respiração ocorre uma alternância na predominância de uma narina em todas as pessoas. sensibilidade. emotividade. seus ritmos e alternâncias. à medida que novas pontes forem sendo construídas entre a manifestação fisiológica da respiração.Influenciando sobre a percepção. esta predominância muda e uma nova fase de consciência se instala. Homens e mulheres reagem diferentemente a estes arquétipos do masculino e do feminino. e o dinamismo sutil da energia dos arquétipos. afetando todo o dinamismo psicofísico. A grande possibilidade que este conhecimento nos dá é de que. Através da compreensão fisiológica e simbólica e a consciência profunda. emoções. calma. “masculina” etc e. por isso. podemos apresentar. podemos compreender como eles atuam com padrões complexos de energia sobre a personalidade. Em outros momentos. Estes ciclos são a condição básica da manifestação e dinamismo da consciência e do nosso psiquismo. predominâncias de padrões. intuição e criatividade↓ Imagens da energia feminina. assim. Isto quer dizer que tem momentos em que a narina direita está mais ativa e absorvendo uma quantidade maior de energia “positiva”. Outro fator de influência é a própria tipologia da personalidade que vai influenciar na alternância e predominância destes ciclos vitais. Aprofundando mais as relações destes estados de consciência com os arquétipos do masculino e do feminino. o humor e o seu relacionamento com o mundo Quando a narina esquerda é predominante: Narina esquerda predominante (Pingola)↓ Consciência dos sentimentos. possamos nos tornar .

através de um livre fluxo da energia e conseqüentemente da consciência. mas com um desejo sincero de fazermos o melhor. tomar bastante líquido. não as mais avançadas que exijam grandes disciplinas . a prática deve também estar associada a um “puja”. buscam encontrar práticas. também de forma mais plena. limpando as vias digestivas. emocional. principalmente a vermelha. experimente . aceitando nossas limitações. preparar os seus corpos físico. Por Ana Cláudia Dutra TÉCNICAS DE LIMPEZA E PURIFICAÇÃO As técnicas de purificação. para alcançar este estado de supra consciência. isto favorece uma eliminação das toxinas. Polaridades estas que são à base de nossa constituição física. Se você sofre de prisões de ventre e constipação intestinal. A respiração alternada ou polarizada – faz bem esta função de desbloqueio do prana nos Nadis. Comer bastantes alimentos ricos em fibras também auxilia neste processo. enquanto etapa do yoga clássico. mas apenas enganos e auto-ilusões provenientes de nosso ego ainda não transformado. isto significa uma entrega sincera e verdadeira à consciência divina.mais conscientes de nós mesmos e mais capazes de transformar processos até então inconscientes. O pranayama. Optar por verduras e frutas frescas. É recomendado evitar carnes. emocional e mental. o nível psíquico-espiritual. respeitando o seu nível de consciência. Assim. para a prática a fim de alcançar. Arriscar-se a realizar a religação com o plano espiritual sem a conscientização dos outros planos. nos fornece a chave para desenvolvermos a consciência e o controle das expressões de nossas características e qualidades duais. A limpeza do corpo psicofísico Inicia-se com a escolha da alimentação. por nós aqui pesquisadas. seja ele iniciante ou não. Ida e Pingala e em todo nosso sistema energético e possibilita o seu equilíbrio. não poderá haver um verdadeiro êxito. mental e psico-espiritual. masculinas e femininas.o objetivo é possibilitar ao praticante.

Regulariza o metabolismo do organismo em geral. o ar entra. sem se esforçar para tal. O abdome deve se expandir. adotando esta prática até sentir que seu intestino funciona ritmicamente diariamente. o abdome relaxando e o pulmão se esvaziando. o que também interfere na atividade prânica. b) Prâna kriya associado a Uddiyana Bandha. Faz-se em postura sentada com a coluna ereta. juntamente com mel de abelha e aveia. . 2. Enquanto se inspira. Depois se observa o processo inverso: o ar saindo. realizando uma limpeza energética que influencia nas emoções e na mente. Eliminar as toxinas do trato intestinal é um processo básico para que você possa se sentir leve e desenvolver uma perspectiva de bem-estar e positividade também diante de suas emoções. só quando já se adquiriu uma nítida percepção do ritmo natural da respiração e pode-se influenciar este ritmo de forma natural.diariamente comer uma fruta ou tomar o suco ou vitamina de mamão ou ameixa. c) Jâlandhara Bandha: é a compressão e distensão das tiróides e do plexo laríngeo mediante o lançamento da cabeça para frente e para trás. d) Jâlandhara Bandha: Bandha estático em kumbhaka (kantha). Pode-se fazer uma retenção com o pulmão cheio (kumbaka) e/ou uma pausa com o pulmão vazio (sûnyaka). ao abaixar. práticas que não são aconselhadas para os principiantes. Jala = teia de aranha )vishûddha – chakra) e dhara = contração. A limpeza das vias respiratórias Existem várias técnicas para a limpeza através da respiração. a) Prâna Kriyã: respiração completa consciente. o ar sai. Uddiyana Bandha: técnica de compreensão dos órgãos abdominais e do plexo solar . observa-se o ar preenchendo todos os pulmões. Associa-se a respiração completa – ao elevar a cabeça.pelos músculos grande reto abdominal e oblíquos movimentase o abdome para baixo e se solta.

conservando a outra fechada com um dos dedos da mão. neurose e psicoses. observando que. Faz-se de três a cinco vezes. com os joelhos flexionados. inspirando e soltando após (kumbhaka) uma retenção pela narina oposta. ao exalar. Absorve-se o ar pela narina esquerda. A respiração deve ser completa e abdominal. Uma vez cheia. o seu fluir natural. Repete-se inspirando por esta mesma que se expirou. liberando toda a negatividade. Faz-se uma pequena retenção para escolar-se com vigor. todas as impurezas saem da testa para fora do corpo. limpeza energética. Deve-se mentalizar conduzindose energia para o cérebro e. Deitado de costas. f) Vama-Krama: respiração polarizada e alternada. a expiração é enérgica e rápida. os pés afastados. apoiar ambas as mãos sobre o ventre. o abdômen sobe e desce à medida que o ar entra e sai. j) Respiração abdominal: para recuperar o movimento natural do diafragma. De olhos fechados. Consiste em fazer uma respiração completa com uma certa particularidade. dando uma pausa entre uma respiração para o descanso deixando livre a respiração. fechando-se a narina pela qual se inspirou e exalando-se pela outra. i) Brasthika: o fole.e) Uddiyana Bandha combinado com Jâlandhara Bandha e respiração completa: indicado para melhorar asma. Esta . esvaziando-se e enchendo-se totalmente os pulmões. na proporção 1:2. Queima os resíduos depositados na parede das veias e artérias (colesterol). naturalmente. alergias. Enquanto a inspiração é lenta e suave. fazse uma pequena retenção (kumbhaka) enquanto se muda lentamente o dedo de posição. Deve se mentalizar o percurso energético do prana e se imaginar absorvendo qualidades positivas ao inspirar e ao exalar. promovendo uma limpeza da mucosa. contemplar passivamente sua respiração. Consiste de uma respiração rápida. Contase x para inspirar e 2x para soltar o ar. g) Vama-Krama: respiração alternada mais respiração ritmada. tanto a inspiração quanto a exalação. h) Kapâlabhâti (crânio brilhante): limpeza do cérebro físico. purificação do sistema nervoso. friccionando o ar.

 Respiração baixa ou diafragmática – inspira-se se conscientizando do movimento do diafragma e da pélvis. De pé. Melhora a rouquidão e libera a mucosidade das amídalas. bem como a inspiração. no final da costela. engole-se a saliva e solta-se o ar pelo nariz. deve ser completa. fecha-se as mãos. Coloca-se as mãos na altura dos músculos a serem conscientizados para se perceber melhor o seu movimento. Repete-se por cinco vezes. deixando apenas um pequeno espaço (orifício) entre os lábios para o ar sair e soltando lentamente o ar por esta fresta em movimentos bruscos e curtos. soltando todo o ar dos pulmões. elevando-se os braços até a altura dos ombros. forçando o ar a passar por este pequeno orifício. atuando incrivelmente sobre o plexo solar. Aumenta as defesas imunológicas úteis para a prevenção de doenças e envenenamentos. . m) Respiração para tonificar o sistema nervoso: inspira-se pelo nariz.  Respiração média ou intercostal – inspira-se se conscientizando dos músculos intercostais. Eficaz contra a hipocondria. abrindo as mãos. a cada nível dessas respirações. k) Ativação do diafragma e dos músculos respiratórios: conscientização das etapas para a realização da respiração completa. n) Sitali – limpeza da garganta: forma-se uma com a língua. fecha-se. Energização e tranquilização do sistema nervoso. liberando emoções negativas. inspirando e exalando todo o ar do pulmão de forma lenta e consciente. auxiliando no controle das emoções. prende-se o ar por alguns instantes e deixa-se o ar sair pelo nariz bem devagar enquanto desce os braços.  Respiração solta ou peitoral – inspira-se se conscientizando da expansão dos músculos peitorais. devagar. A expiração. inspira-se pela boca. l) Respiração purificadora de limpeza e defesa: expira-se todo o ar. inspira-se.técnica é um poderoso sonífero e relaxante para o sistema nervoso.

soltando troncos e braços para frente. Melhora a rouquidão e afecções da garganta.o) Respiração do Leão (Simhasana): inspira-se pelo nariz e solta-se o ar pela boca. o repouso físico é um processo gradativo de descontração muscular que leva a um conseqüente aquietamento mental e a um estado de serenidade. levando a uma queda da produtividade no trabalho. mantendo a posição por alguns instantes.: ambos ajudam a liberar emoções e tensões. dar uma gargalhada. fazendo vibrar a garganta e o alto do peito. Arregala-se os olhos. A incapacidade de relaxar é o motivo de muitos problemas de saúde atuais. favorecendo uma catarse. pronuncia-se o som do SSS. ao soltar o ar. espantando estados de humor e influências negativas. O repouso do exterior ativa o interior. Os efeitos de um bom Relaxamento são: . ao soltar o ar. b) O “Há” “Há” “Há”: repete-se o exercício anterior e. colocando-se a língua bem para fora. Repete-se por três vezes. A PRÁTICA DO RELAXAMENTO Para atingirmos o estado de meditação precisamos antes de tudo aprender a relaxar a fim de liberar as tensões inconscientes e entrar em contato com o Eu profundo. paz e clareza da mente. Ele fala ainda que o repouso da atenção ativa a imaginação. Purificação e limpeza através do som e da respiração a) O sopro “Há”: inspira-se pelo nariz e se solta o ar fazendo um movimento vigoroso. 3. o som do ZZZ. de toda as doenças associadas ao estresse. alterações do humor e dificuldades nos relacionamentos. da insônia. ao soltar o ar. Segundo a professora Iracema Sá o repouso absoluto inexiste na natureza. Vibração do palato. No homem. deixando sair o som “Há”. Obs. soltando e chacoalhando todo o corpo. Trabalha o centro vishûda. d) Respiração do zumbido da abelha: pronuncia-se. c) Respiração de cobra sibilante: inspira-se e.

Permanecer consciente e mantendo uma atitude positiva de atenção Alguns fenômenos poderão surgir durante a prática do relaxamento: • Sacudidelas nas extremidades ou espasmos por correntes nervosas ou bloqueios prânicos. 4.Acumulação de energia física e mental.Distensão de todos os músculos -Tranqüilizar as ondas cerebrais e o emocional . mediante a constante respiração rítmica.Libertação da energia do inconsciente. ela é a condutora uma vez tranqüilizada.Resolução de conflitos emocionais. pedindo que os alunos façam os movimentos que sentirem vontade antes de se colocarem num estado de imobilidade.Tomada de consciência de níveis mais profundos da personalidade. As condições Básicas para realizar um relaxamento são: .Criação de uma nova energia. • Inicie chamando o aluno para a consciência da respiração.Redução do consumo de energia física e psíquica. 7. 2.1. para um estado mais profundo de consciência e relaxamento. 5. 6.Fortalecimento da saúde e rápida recuperação. • • giros. . • • • Imobilidade após a prática que passa com a respiração profunda Levitação Saída do corpo Visões sensoriais subjetivas Mudança de percepção espacial com sensações de inclinações e Dicas para se facilitar um relaxamento • Prepare o corpo para o relaxamento. 3.

PRÁTICA DE YOGA NIDRA Local: De preferência tranqüilo. • É vulgarmente conhecida como “sono lúcido”. YOGA NIDRA Segundo Marilda Veloso. Portanto: relaxamento por meio da convergência da mente para um ponto. que é muito facilitada quando relaxamos e consequentemente abaixamos as nossas resistências psíquicas. • Não passe informações teóricas e filosóficas durante uma prática de relaxamento. objetivas.Yoga Nidra é um composto de 2 palavras em sânscrito:Yoga – união. . com privacidade. • Para sair do relaxamento chame novamente a consciência da respiração e do corpo físico. convergência e Nidra – (corruptela da palavra sono) relaxamento. “sono desperto”. arejado. • Esteja preparado para dar suporte ao aluno caso o mesmo realize alguma catarse. dando tempo entre uma instrução e a outra a fim de que o aluno vivencie o que foi sugerido. movimentando os dedos das mãos e pés. “sono psíquico”. temperatura agradável. isto é a liberação de conteúdos emocionais. sem estender-se nas palavras. • Se o aluno demora a retornar a consciência exterior ou dorme. Foi metodisada por Swami Satyananda e usado a partir de 1962. ou das plantas dos pés ou do chakra cardíaco chamando pelo nome para que ele retorne a sua consciência exterior lentamente. o Yoga Nidra é uma técnica relaxamento e de meditação que faz parte da tradição Tântrica.• Dê instruções claras. • É um método da pratyahara ou desligamento dos estímulos exteriores. nunca o acorde bruscamente. pois o momento não é para estimular o pensamento e sim para facilitar o seu desaceleramento. Tente primeiro aproximar as palmas de suas mãos do topo da cabeça. nomeações que parecem um paradoxo.

tornando-se profundo pode provocar sonolência.... consciência do corpo: OM. • Explicar o exercício seguinte fazendo notar que o aluno não precisa fazer nenhum movimento ou relaxamento voluntário de qualquer músculo.... Porém. . o que vão desenvolver é a sensação de relaxamento do corpo. Que pronunciem mentalmente: OM ...... folgada... Orientar os alunos para que tomem consciência do corpo do topo da cabeça à planta dos pés. que não incomode (não necessariamente malha) Como em qualquer prática de Yoga deve haver um intervalo mínimo de 2 horas entre uma refeição e o início da prática... Total consciência do corpo: OM . o mais importante é escolher o horário que permite uma total dedicação ao exercício e mantê-lo... (duração: cerca de 5 minutos) 2.. solta.. tornando-se paulatinamente profunda e sentir que com a respiração soltam-se as aflições.. porém. • Solicitar que a respiração seja livre. Alimentação: Horário: Os melhores são pela manhã cedo ou antes de dormir... devem procurar permanecerem despertos.. Relaxamento (Antar mouna) Para trazer uma sensação de relaxamento ao corpo. das roupas de modo a não incomodar.. Questão de disciplina. • Devem apenas limitar-se a seguir a voz do instrutor..Roupa: Leve. Imobilidade. sem tentar racionalizar ou analisar as instruções. • Explicar que parece com o processo do sono.. Vamos Praticar: 1)Preparação • • Instruções sobre a posição do corpo (shavásana dorsal)... Solicitação para correções eventuais da posição do corpo. concentrar-se nele e na importância da imobilidade..

quinto dedo. segundo dedo. pulso direito. terceiro dedo.. quanto dedo. palma da mão. quinto dedo. ambas as pernas (PAUSA). • Partes principais: Toda perna direita e esquerda.... quarto dedo. joelho. dedão. 4. cotovelo direito. axila. coluna.. sola do pé direito. • Costas: Omoplata direita e esquerda. • Lado esquerdo: Polegar esquerdo.. 3. sobrancelha direita e esquerda. quinto dedo. Propósito (escolha e conscientização inicial) Aqui deve ser solicitado aos alunos que escolham e enunciem mentalmente o propósito. quanto dedo. Solicitem aos alunos que acompanhem as instruções repetindo mentalmente o nome da parte nomeada enquanto tomam consciência da existência dela. umbigo.. coluna. lado direito da cintura. coxa esquerda. explicando que este terá influência marcante na sua vida. joelho. orelha direita e esquerda. externo. segundo dedo. terceiro dedo. axila. quinto dedo.Que conscientizem de que se preparam para fazer Yoga Nidra. Toda a extensão das costas. toda . pulso esquerdo. positivo. simples. palma da mão. canela direita. tornozelo. ponta do nariz. calcanhar. sola do pé esquerdo. ombro. lado esquerdo da cintura. com ritmo. omoplatas . Deve ser claro. terceiro dedo. queixo. • Lado direito: Polegar direito. ombro. segundo dedo. dedão. ambos os braços (PAUSA). canela esquerda. terceiro dedo. tornozelo.. coxa direita. nariz. cotovelo esquerdo.. abdômen. nádegas. nádega direita e esquerda. olho direito e esquerdo... calcanhar. • Frente: Topo da cabeça. garganta. Todo o braço direito e esquerdo.. ambos os lados da testa. segundo dedo.. toda a extensão das costas. lado direito e esquerdo do peito. Rodízio de conscientização (corpo) Solicitar o repasse de todas as diferentes partes do corpo físico tão depressa quanto possível. face direita e esquerda. entre os olhos. lábio superior e inferior. quanto dedo.

. toda a extensão das costas e da frente.. Sentirem o fluxo da inspiração e expiração.: O trabalho não tem por finalidade analisar e sim. coisas escolhidas por sua forte conotação simbólica. serão de imagens soltas. abdomem... mantenham-se imóveis tomando consciência do corpo no chão da sala silenciosa. Anime para que se concentrem nesse espaço escuro e alertem os praticantes para que o que possa surgir dentro desses limites (são símbolos de sua mente que mostram o estado em que se encontra)..: Pode-se repetir a sucessão 1 ou 2 vezes diminuindo a rapidez. 5. apenas vendo-o. 7.extensão da frente.. Espaço interior (chidakash) Solicitar o direcionamento da atenção à frente dos olhos fechados.Lua cheia.... Solicitar que observem o movimento sincrônico deste com o movimento respiratório. peito .. Pássaros voando. Visualização Para iniciantes. Obs...Brisa do mar.. Planície varrida pelo vento. Solicitem aos alunos que não durmam.Estrelas brilhando à noite. Pirâmide. Alerte que para conseguir um bom trabalho devem apenas observar essas projeções sem se envolver. toda a cabeça. como: • Vela acesa. Manter uma atitude de espectador diante da tela de cinema.. objetos. 6. Percebam o movimento respiratório concentrando-se no umbigo (contração e expansão)..Mar ondulante etc. ..... Que imaginem uma tela transparente ampliando-se e através da qual podem ver o espaço infinito. desinteressado pela forma como o filme foi feito. todo o corpo... Respiração Levem os alunos a tomar consciência da respiração sem mudar o seu ritmo.. Templo.. agir como uma “limpeza”. Obs..

2º .conservem-se deitados por instantes em alerta. quando o aluno já sabe o que está fazendo e porque o faz. (PAUSA) Numa segunda etapa. da melhor forma que puderem. . Propósito (conscientização final) Diga ao aluno que é o momento de enunciar mentalmente. 8. fresco e acolhedor – sentar no chão – fechar os olhos – meditar – sentir a harmonia estabelecer-se pouco a pouco até uma sensação de paz envolvê-lo totalmente. sem possibilidade de confundir com alucinações. pássaros cantando. 3º . firme e convictamente. teto. imaginação. já para iniciados. conscientização. abram os olhos. sensação.movam-se lentamente – estendam-se. canteiros. ainda imóveis. Exemplo: Imaginar-se num jardim ao amanhecer – observar todos os aspectos do jardim: flores. fontes.tomem consciência dos ruídos externos. A prática terminou. borboletas.tomem consciência do corpo – da sua posição no chão e dos pontos de contato com o mesmo.tomem consciência do aposento onde estão – paredes. Final Leve os alunos a conscientizarem a respiração bem natural – o relaxamento em que se encontram. um templo – adentrar de pés descalços – sentir o bem estar da penumbra em contraste com o sol no exterior – perceber o ambiente silencioso. no centro do jardim. solicitem os músculos.. (PAUSA). emotividade. (PAUSA). Sentem-se devagar. é possível trabalhar esta parte como um “sonho dirigido”. o propósito escolhido – repetindo-o 3 vezes – consciente porque o faz. e que: 1º .Peçam aos alunos que tentem sentir cada coisa nomeada sob todos os ângulos. 9. caminhar e “sentir” o colorido do ambiente e os perfumes – “ouvir” o som característico de folhas sendo pisadas – “ver”. 5º . 4º ..

• “À medida que progride o estado de relaxamento consciente. Silêncio. de vazio.Converter e m conscientes as contrações inconscientes para poder soltálas voluntariamente. superficiais e profundos.” • Relaxamento total Consciente – Favorece o cultivo de uma vida interiorizada.Aproveitar o efeito sedativo da respiração abdominal.Consciência da obscuridade. que é a base para uma vida exterior viva e fecunda.Consciência de formigamento ou de vibração.Criação de uma imagem prévia do estado mental a seguir.Consciência Física Periférica. 3. • Condições para um relaxamento correto e total: Progressiva distensão de todos os músculos.SEGUNDO ANTONIO BLAY • Relaxamento psicofísico – “Toda representação psíquica conservada dentro da mente. 4-Descanso mental. de plenitude. se expressa em forma orgânica numa contração muscular permanente. 5. 4.Praticar suficientemente para atualizar a atenção cerebral. com a correspondente alteração das diversas funções fisiológicas.RELAXAMENTO TOTAL CONSCIENTE . 3. 2. 5. 2.Afrouxar as contrações musculares.” • Princípios para um bom Relaxamento: 1. e manter a consciência e a atitude positiva da atenção-vontade dirigindo um relaxamento progressivo.sensação de placidez. produz-se um sucessivo desprendimento (liberação) da mente (consciência) dos níveis superficiais.Consciência de luminosidade. . assim como um automático despertar ou tomada de consciência dos níveis profundos. 6. de bem-estar geral. • Estágios do Relaxamento Consciente: 1.

Obter o que você precisa. Nessa prática você vai conscientemente produzir uma visualização de uma afirmação. COMO VISUALIZAR 1. 5. nomeando cada parte e dando a cada uma um número. Entregue-a ao poder superior e Confie. Concentre-se nela regularmente.RELAXAMENTO DOS 31 OU 61 PONTOS DE SWAMI RAMA Nesta prática chamamos a atenção dos alunos para os principais pontos do corpo. percebendo a possibilidade do relaxamento. a lugares em contato com a natureza. Ajudar-nos a redirecionar as nossas ações. OBJETIVOS DA VISUALIZAÇÃO. 3. ALGUMAS DICAS PARA A PRÁTICA • Imagens que induzem ao relaxamento estão associadas a cores claras. pode mover-se com rapidez e alterarse com facilidade. • Ser quem você é. Estabeleça suas metas. por isso. a sons de . No nosso dia estamos o tempo todo criando imagens mentais inconscientemente. 4. que pode ser de 1 a 31 ou de 1 a 61. levando os mesmos a se concentrar nas sensações. percorrendo através da contagem da cabeça até os pés. • VISUALIZAÇÂO CRIATIVA Segundo Skakti Gawain. Crie uma idéia ou imagem mental bem definida. o pensamento é uma forma de energia relativamente leve e delicada e. Fazer o que precisa ser feito.Segundo Shakti Gawain • • Colocar-nos em contato com nosso Ser. 2. de uma situação ou símbolo que possa levá-lo a criar uma realidade mais feliz aqui e agora. Transmita-lhe energia positiva.

U é outro e M. Na nossa vida diária também temos três estados diferentes de experiência. Tudo o que existe é OM. • Frases afirmativas e propósitos devem ser visualizados após um relaxamento físico para melhor efeito na consciência profunda. vem dos Vedas. portanto. reconhecendo que você é o responsável por sua vida. etc. tudo o que existiu é OM e também tudo que existirá depois. o mundo sutil e o Sthula. um mundo de sonho. Tem. O representa o Senhor e Ele é uno e não-dual. OM. peça a eles que descrevam imagens que são relaxantes e quais não são. Yat bhutam yat ca bhvyam bhavisyat iti” – o que existia antes. Pois. No sonho você se identifica com o suksma (sutil). como o Suksma. Brahman é sarvam (tudo) e também está na forma de três. Portanto. A mente está acordada e existe uma experiência de sonho. um ditongo mais M é OM. no futuro. Estes são símbolos gerais. o Senhor é não-dual e este não-dual é um. • Visualização não é mudar simplesmente pensando positivo. Tudo isto. sutil é causal. O significado de uma imagem é pessoal e o que pode ser agradável para alguém pode evocar memórias desconfortáveis para outra. Portanto. Aquele OM é Brahmam. é realmente OM. presente e futuro. três mantras a unidade do tempo. outro. Como uma palavra sânscrita significa avati – raksati – aquilo que lhe protege. o que existirá depois e o que existe agora. o mundo físico. o Acordado.pássaros e de fontes de água. Desta maneira temos o Senhor nos três níveis – no nível físico. Isto é o que dizem os vedas. E tudo está dentro de OM. E você ainda identifica-se com o corpo físico e . Brahaman em estado causal. O SIGNIFICADO DO OM Esta sílaba . sarvam. A mais U é O. é também uma contemplação. incluindo o tempo e tudo que existe no tempo – tudo isto é OM. nela existe A. “Om iti idam sarvam. No sono profundo o indivíduo está na forma causal. entretanto para conhecer o universo simbólico de seus alunos. apesar de OM ser uma sílaba única. Passado. sua própria mente. o sonho e o sono profundo. A sílaba é também uma e não-dual significando que tudo está dentro dela. mas deve partir de um reconhecimento de mudar atitudes e valores no processo de crescimento. lhe abençoa. A é um mantra. U e M.

A origem do retorno não é em M e sim em silêncio. É uma sílaba e ao mesmo tempo contém tudo. U representa todo o suksma prapanca (mundo sutil). Aquele é Brahman. assim como o sono profundo os mundos físico e sutil dissolvem-se. É não-dual. Ãtmã. A ser acordado individual está incluído em Brahman que é o total. o ser que sonha e todas as experiências sutis e o causal. Portanto. A_U_M. você não pode dizer mais nada. consciência. Então. Isto constitui o indivíduo enquanto ser acordado e todo o mundo físico. da mesma maneira. Brahman. Que nome deveria dar? Todos os nomes são nomes do Senhor. todos os três vêm Dele. O silêncio não é o A. Seu mundo acordado está incluído no mundo acordado total. o indivíduo acordado e o mundo acordado é Brahman. são diferentes. nem M. o estado causal. de dizer M. o estado acordado: Svapna. O silêncio que existe entre dois OMs é Brahman em sua forma essencial. Então temos três estados de experiência e três mundos. Todos os três dependem do silêncio que é Brahman. o Sthula prapanca.tem então o estado acordado. E todas as formas têm um nome. que é Caitanya. Portanto. e o Karana avasthã. São três e completam tudo que existe a nível individual e total. A representa o acordado do qual depende U. o Senhor é tudo. E é aquele mesmo que está nesses três. Todas as formas de criação são formas do Senhor. M é a última quando se fecha a boca. Portanto. e M representa todo o mundo causal pois tudo se dissolve em M. Todo aquele mundo acordado está representado por A. “Om iti idam sarvam” OM é tudo. no sono profundo. Suponhamos que cadeira é Brahman e . Então qual o nome que poderíamos dar? Quando digo cadeira não é meso. o sonho. A e U terminam em M. o mundo acordado. o sono profundo. A é a primeira letra (ou som) que é pronunciada quando se abre a boca e. do qual depende AUM – Jãgrat. o mundo de sonho. E existe uma razão para isso falada no Sastra (Escrituras). e depois tudo retorna a OM. Suksma prapanca. Susupti. Depois de fechar os lábios. Imaginemos que queiramos dar um nome ao Senhor. A e U dissolvem-se em M e em seguida OM nasce do silêncio. Portanto. Ele é chamado de amãtra. são sustentados por Ele e retornam para Ele mesmo. U está entre os dois. nem U. Então A_U entram em M e M entra no silêncio. A torna-se U quando os lábios se fazem arredondados. OM e quando se pronuncia OM tudo se dissolve em M. mas está também incluído em OM.

qual o nome que daria ao Senhor? Deveria dar todos os nomes. • O alimento influencia na formação das emoções e pensamentos da mente. Por Swani Dayananda Saraswati Yoga e Alimentação Nossa comida. compulsão. Então todos os nomes em qual lingual? O Senhor é Um. apesar de seu nome ter que incluir todos os nomes. pois carecem de energia vital. isto dentro do ponto de vista puramente fonético. este é A. não existe outro som que possa ser feito. Se você abre a sua boca e faz um som. destruidores da saúde do corpo e da mente. Este é OM. conseqüência “fome oculta”. AnnaYoga: O Yoga da Alimentação Hatha Yoga pradipika. então. fala: “ A alimentação deve ser pura”.mesa também seja Brahman.os alimentos possuem três qualidades: . Em qualquer língua. Comer para adquirir energia para viver. • Alimentos que não saciam a fome. Livro da tradição do Yoga. Bri Maya Tiwari Como se formam nossos hábitos alimentares? • • • • • • • Influência da cultura familiar Tipologia psicofísica Apelo subliminar da mídia Comer é um instinto básico de sobrevivência. Comer para sentir saciedade. ansiedade e inúmeras doenças. Alimentos não são mais cultivados em casa Para que comer? Como nos alimentamos hoje? • Alimentos industrializados e manipulados quimicamente com conservantes. ainda assim existe um nome de sílaba única que podemos dar a Ele. nosso corpo e a natureza são uma só entidade. • A mente sem clareza e discernimento com emoções negativas também escolherá alimentos impuros para comer A Natureza do Alimento Segundo a filosofia do Yoga. todos os nomes estão somente entre dois sons.

empacotados Bebidas alcoólicas. que geram entorpecimento e depressão. chocolates Alimentos fritos Alimentos Sattvicos Os alimentos sáttwicos são fáceis de digerir. • • • • • • • • Biscoitos e batatas fritas Alimentos condimentados como chutneys e pickles Carnes. e naturais Alimentos crus Leite fresco .feijões germinados e grãos Sementes.1. nozes.Rajas = Movimento Os alimentos rajásicos são os que levam à agitação e atividade mentais. Irritam e estimulam.aves Pimenta. bolachas e tudo com validade Alimentos Rajásicos Alimentos rajásicos são quentes.legumes. massa branca. bolos. 3. cordeiro. • Carnes vermelhas. desdobram-se em amor e compaixão. • • • • Enlatados. cebola Tomate. biscoitos. castanhas Mel. são “tentadores” do tipo “impossível comer um só”. picantes e salgados. conduzem à depressão e induzem ao sono profundo. queijos amarelos e gordurosos.refinados. levam à uma percepção clara das coisas. alimentos velhos (sobras) ou requentados. ovos. chá mate Açucar.sucos frescos. alho. peixes. todas as drogas Pão branco. promovem as qualidades do perdão e da austeridade e dão vitalidade ao prana. refrigerantes Doces.Sattva =Equilíbrio Os alimentos sáttvicos são leves e aumentam a clareza da mente. codimentos picantes. café. • • • • • • Frutas. 2 –Tamas = Inércia Os alimentos tamásicos são os pesados.verduras. porco. Alimentos Tamásicos Os alimentos tamásicos são pesados.raízes Cereais Integrais. sal Bebidas alcoólicas.

trigo. 2 . envenenam as células Ex..Sacrifício dos Animais e Crueldade Condições de criação do animal..aditivos químicos. remédios e stress do animal morto.. química das rações. 4 – Espiritualidade .frituras. desequilíbrio do solo. leite e derivados Lactovegetariano Não usa ovos. violência do abate. Ex.Saúde e Ecologia Doenças. 2) Alimentos Bioativos: alimentos que ativam a vida. corantes cancerígenos.grão de bico. grãos. etc.hortaliças.: soja. poluição de fezes promovem aumento do gás metano e do efeito estufa. banalização da violência. Contaminação das águas.ovos. Ex..álcool.Presença de antibióticos e hormônios Anabolizantes.. Frugivorismo Somente comem frutas Motivos para não se comer carne 1 .carnes. lingüiça. retalhação dos animais transformados em nomes atrativos: salame. Laura Packer Tipos de Vegetarianismo Ovolactovegetariano Usa ovos. 3 . 4) Alimentos Biocídicos: alimentos que destroem.OS QUATRO TIPOS DE ALIMENTOS 1) Alimentos Biogênicos: alimentos que geram vida.. Vegetarianismo O vegetarianismo não é uma dieta é uma capacidade de perceber a plenitude da vida e viver com respeito e amor.: peixes. usa leite e derivados Vegana Exclue todos os alimentos de origem animal Crudivorismo Somente alimentos crus.: áçucar.. 3) Alimentos Bioestáticos: alimentos que diminuem a vida.. Ex.girassol.frutas. pesticidas.

Prisão de ventre . batata.Opõe-se ao Dharma. Legumes Abóbora. linhaça. cevada. São alimentos poderosos pois concentram luz do sol e energia. berinjela. minerais e vitaminas. gergelim.Obesidade ..nabo..além de conter vitaminas e sais minerais. . chuchu.Câncer .Arteriosclerose .Baixa Imunidade .Hipertensão .Problemas cardíacos . tomate. Ricos em proteínas e minerais como cálcio. Eles são fonte de vitaminas e sais minerais e importantes para a manutenção do corpo.Irritabilidade Os Tipos de Alimentos Raízes Cenoura..Gota .. centeio. fibras.milho. espinafre. alface. abobrinha.. fonte de energia. Os grãos possuem hidratos de carbono.através da clorofila e a celulose limpa o trato digestivo. sustentam a vida e dão força e poder físico. Vegetais Todas as folhas verdes comestíveis: agrião. pepino..repolho. Sementes e oleaginosas Nozes. avelã.. Desrespeita o ciclo natural da vida Doenças relacionadas com o consumo de carnes Falta de energia .. São ricos no complexo B.. ervilha. a lei eterna. soja. estabilidade e equilíbrio do corpo. grão-de-bico.Lentidão mental . carboidratos e aminoácidos. ajudam a renovar o sangue.. As folhas verdes são o Prana de forma condensada.Alto Colesterol . Geradoras de energia e ajudam na concentração. rúcula. quinoa. ferro. Possuem os nutrientes minerais. castanhas.beterraba. lentilha. fibras e ajudam no peristaltismo intestinal.aveia. zinco e magnésio. Leguminosas Feijões..coco. brócolis. Cereais Arroz. trigo.Reumatismo .Artrite . acelga.. aipim.abacate. couveflor.

Previnem câncer.. Marrom e preto Fazem bem para os rins e coração. Frutas doces podem ser combinadas entre si e com ás semi-ácidas. Frutas Doces. Amarelos Indicado para pele. mel Sal marinho medicinais Sucos de frutas gordura poliinsaturada . pâncreas e visão. Melão e melancia só devem ser comidos sem misturar com outras frutas.que é melhor metabolizado do que a glicose. retarda o envelhecimento e neutraliza câncer. Elas são consideradas o alimento dos deuses. selênio. estômago. limpam e desintoxicam o organismo. As frutas são ricas em vitaminas e sais minerais. As primeiras mudanças práticas Eliminar Arroz branco Trigo branco Carnes Açúcar branco Sal refinado Café Chás Refrigerantes Gordura saturada Introduzir Arroz integral Trigo integral Proteína vegetal açúcar mascavo. Frutas ácidas só devem ser combinadas com ácidas. As Cores dos alimentos Brancos Bom para pulmões e intestinos.As sementes tem um poder enorme de concentração de energia.fonte de proteína. bom para o coração e antioxidante. São ricas em frutose. órgãos sexuais. vesícula. ferro. zinco. Desintoxicam. açúcar natural. lipídios.. baço.sangue. cálcio. fibras e silício. Em excesso provocam muco. Vermelhos Estimula a circulação sanguínea. Roxo Ação purificadora dos órgãos internos. semi-ácidas e ácidas. Verdes Bom para fígado.

Pensamento. Ed. Ed. enlatados.2007. Maria Laura Garcia: Vegetarianismo Sustentando a Vida. Prática e Terapêutica. Ed. Nova Era. Nova Letra. . • Firmino.doces. José – Introdução ao Yoga.São Paulo. Evite gordura hidrogenada. • Packer. veja o rótulo dos cremes vegetais e todos os industrializados Evite toda e qualquer bebida alcoólica e refrigerantes. Evite alimentos que aumentem o colesterol: frituras. Joinville. Brasília 2008. queijos fortes. Maria Laura Garcia: A Senda do Yoga – Filosofia. • Hermógenes. José – Auto perfeição com o hatha Yoga. Suely: Yoga: Madras. Mastigue bem os alimentos e evite comer chateado e malhumorado Faça do seu alimento seu remédio (Hipócrates) Bibliografia • Packer. Ed. Gawain. 2002. Nova Era. Coleção O Poder do Poder. Ed.Teosófica. • Martin Claret – O Poder do Relaxamento. • A Revolução Silenciosa.Adoçantes químicos Recomendações - Estévia Reduza todas as carnes e embutidos. Ed. • Comentários retirados de uma Apostila de Yoga Nidra de Marilda Veloso • Hermógenes. Shakti – Visualização Criativa.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful