P. 1
Filosofia (3º Teste) - Ética e Moral

Filosofia (3º Teste) - Ética e Moral

|Views: 1,754|Likes:

More info:

Published by: Francisco Girbal Eiras on Jan 29, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/28/2013

pdf

text

original

Filosofia  –  Ética  

10ºAno      

O  que  é  a  Ética?  
  Segundo  uma  acepção  grega,  ética  é  o  estudo  dos  princípios  da  Vida  Boa,  ou   seja  de  uma  vida  com  total  sabedoria,  alcançando  todo  o  potencial  humano.       Actualmente,  a  noção  de  ética  alterou-­‐se  um  pouco.  Ética  é  o  estudo  da   questão  de  saber  o  que  temos  de  fazer  para  viver...  (“Uma  vida  mal  examinada,  não   merece  ser  vivida...”  –  Sócrates)     A  Ética  divide-­‐se  em  três  principais  áreas  que  são  nomeadamente:   -­‐ Metaética  –  estuda  a  natureza  da  Ética,  explica  os  conceitos  de  “dever”,   “correcto”,  “incorrecto,  etc  ;   -­‐ Ética  normativa  –  estuda  as  regras  da  Ética,  porque  é  que  uma  acção  é  correcta   ou  incorrecta;   -­‐ Ética  aplicada  –  estuda  as  aplicações  da  Ética  no  dia-­‐a-­‐dia,  por  exemplo:  “Será   incorrecto  matar?”;     Em  grego  “Ética”  e  “Moral”  são  sinónimos  e  ambos  significam  costumes...    

Mas  porque  razão  havemos  de  ser  morais?  

  A  pessoa  que  realiza  esta  pergunta  aceita  que  nós  sejamos  morais  e  que   distingamos  o  correcto  do  incorrecto,  no  entanto  ela  pergunta  se  existe  alguma   razão  para  sermos  correctos  ou  incorrectos.     Ex.:  Uma  pessoa  pode  aceitar  que  ao  ir  à  praia  deve-­‐se  levar  toalha,  mas  essa   pessoa  pode  perguntar  porque  é  que  vai  à  praia.     -­‐ Porque  é  que  devemos  agir  correctamente  ou  moralmente?   -­‐  Não  se  trata  de  explicar  porque  é  que  uma  acção  é  correcta  ou  incorrecta.   -­‐  Não  podemos  fazer  o  que  nos  apetece?   -­‐  Para  uma  acção  ser  eticamente  correcta  temos  que  ter  em  conta  os   interesses  dos  outros.       -­‐  Ex.:  Uma  senhora  grávida  num  autocarro,  ceder-­‐lhe-­‐iamos  o  lugar?     Assim  existem  três  categorias  para  classificar  os  actos:     -­‐  Errados:  não  é  premissível  realizar  (ex.:  matar);   -­‐  Obrigatórios:  é  premissível  realizar,  mas  não  é  premissível  não  realizar  –   tem  que  se  realizar  (ex.:  dizer  a  verdade);     -­‐  Opcionais:  tanto  é  premissível  realizá-­‐los  como  não  realizá-­‐los:       -­‐  Recomendáveis:  é  do  interesse  (ex.:  ajudar  os  outros);       -­‐  Indiferentes:  é  igual  (ex.:  vestir  uma  camisola  verde  ou  preta);       -­‐  Objectáveis:  não  o  devemos  fazer  (ex.:  não  ajudar  os  outros);  

  Quem/O  quê  é  que  regula  a  nossa  acção?  

  Como  já  viste  anteriormente  a  nossa  acção  é  regulada  pelos  nossos  valores,   mas  não  só.  

  A  Ética,  a  religião  e  o  direito  tentam  também  regular  a  nossa  acção.  E  nós  em   parte  deixamos.  (Como  podemos  ser  livres  se  deixamos?)     Na  Ética  temos  duas  teorias  principais  que  tentam  regular  a  nossa  acção:   -­‐  Ética  deontológica  –  Immanuel  Kant  –  “O  bem  último  é  a  vontade  boa,  e   nós  devemos  cumprir  o  Imperativo:  devemos  fazer  tudo  com  boas  intenções,   os  resultados  são  o  que  forem.”  –    Ex.:  Cristianismo   -­‐  Ética  utilitarista  –  John  Stuart  Mill  –    “O  bem  último  é  a  felicidade,  e   devemos  fazer  felizes  o  maior  número  possível  de  pessoas:  o  que  conta  são   os  resultados,  não  as  intenções.”         A  Ética  vai  também  relacionar-­‐se  com  o  Direito  e  com  a  Religião.    

Moral  e  Direito  

  Uma  acção  ser  correcta  e  uma  acção  ser  legal  não  correspondem   exactamente  ao  mesmo.  As  normas  legais  (leis)  são  constituídas  pela  sociedade  onde   são  aplicadas,  enquanto  que  as  normas  morais  são  constituídas  por  nós  próprios,   podendo  haver  por  vezes  discordâncias  entre  uma  e  outra.   Ex.:  Em  Esparta  era  legal  matar  crianças  (legalmente  correcto,  moralmente   incorrecto).   Ex2.:  Devemos  ajudar  os  outros  (legalmente  indiferente,  moralmente   correcto)         No  entanto  também  podemos  ter  situações  em  que  ambas  indiquem  que  a   acção  deve  ser  realizada  (ex.:  pagar  as  dívidas  (legalmente  correcto,  moralmente   correcto))  ou  que  não  deve  ser  realizada  (ex.:  matar  alguém  (legalmente  incorrecto,   moralmente  incorrecto)).    

Moral  e  Religião  

  As  religiões  apresentam  um  conjunto  de  ensinamentos  e  preceitos  a  que   chamamos  doutrina,  que  a  caracterizam.  Uma  pessoa  não  está  indiferente  a  uma   religião,  tem  um  de  dois  sentimentos  destintos:   Aceitação:     -­‐  é  uma  fonte  de  inspiração  moral  e  fortalece  a  vontade  de  agir;  a   pessoa  acredita  no(s)  Deus(es);   -­‐  vale  por  ter  bons  resultados,  apesar  da  pessoa  não  acreditar  na   Entidade(s);     Rejeição:   -­‐  há  uma  avaliação  dos  princípios  éticos  e  nomas  e  a  escolha  do  crente   é  a  não-­‐aceitação;       Apesar  de  tudo  isto,  a  moral  não  podia  sobreviver  sem  Deus,  porque  “Sem   Deus,  tudo  é  permitido.”,  e  todos  podiam  fazer  o  que  quisessem,  não  haveria  uma   Entidade  divina  a  quem  recorrer  nem  para  saber  se  estava  correcto  ou  errado.       Agora  que  já  estudaste  as  várias  influências  na  acção,  achas  que  a  ética  é   relativa?  Será  que  a  ética  pode  ser  universal?  

Problema  da  Justificação  dos  Juízos  Morais  
Será  a  Ética  relativa?  
    Antes  de  analisarmos  as  teorias  éticas  que  vão  tentar  responder  a  este   problema,  vamos  analisar  o  conceito  de  teoria  ética.  Uma  teoria  ética  é  algo  que   estabelece  um  conjunto  de  regras  ou  princípios  que  permitem  identificar  uma  acção   como  correcta  ou  incorrecta.     Assim  existem  3  teorias  éticas  que  tentam  responder  a  este  problema:       -­‐  Subjectivismo  Moral;       -­‐  Relativismo  Moral  Cultural;       -­‐  Mandamentos  Divinos.    

Subjectivismo  Moral  

  Esta  teoria  diz  que  tudo  é  subjectivo,  ou  seja  o  valor  de  verdade  de  um  juízo   de  moral  depende  das  crenças  de  cada  um.     Benefícios:       -­‐  Parece  promover  a  tolerância;       -­‐  Respeita  a  liberdade;       -­‐  Provoca  avanços  sociais;     Críticas:       -­‐  Inutiliza  os  debates  morais;       -­‐  Coloca  em  causa  a  educação  moral;    

Relativismo  Moral  Cultural  

  Esta  teoria  defende  que  o  que  está  correcto  depende  da  sociedade  em  que   vivemos,  e  que  dentro  da  sociedade  o  que  está  correcto  é  de  acordo  com  a  maioria.   Ex.:  Se  a  maioria  dos  indivíduos  de  uma  sociedade  dissesse  que  matar  era   correcto  então,  nessa  sociedade  matar  seria  correcto.   Benefícios:     -­‐  Promove  a  coesão  social;     -­‐  Fomenta  o  bem-­‐estar  dentro  da  sociedade;     -­‐  Promove  a  tolerância  e  não-­‐violência;   Críticas:   -­‐  A  maioria  é  que  conta,  mas  se  alguém  não  estiver  na  maioria  como   se  vai  sentir?  Nem  tudo  o  que  a  sociedade  aprova  é  o  que  pensamos   ser  correcto;   -­‐  Obrigação  de  aceitação  das  práticas  mesmo  que  achemos   incorrectas;   -­‐  Sem  inconformismo  a  sociedade  não  evoluía;       Para  além  das  críticas  apresentadas  o  Relativismo  Moral  Cultural  é  auto-­‐ refutante,  ou  seja,  promove  a  ideia  que  apoia  a  tolerância,  mas  se  uma  sociedade   aceitasse  que  “Devemos  ser  intolerantes”  então  a  ideia  inicial  não  estava  a  ser   realizada.    

 

Mandamentos  Divinos  
  Segundo  esta  teoria,  todas  as  acções  são  correctas  ou  incorrectas  quando   aceites  ou  proibidas  por  Deus.  Esta  teoria  traz  uma  novidade  em  relação  às  outras,   que  o  critério  de  avaliação  é  absoluto,  não  contestável,  Deus,  logo  o  critério  é  muito   mais  objectivo.  Só  um  crente  pode  aceitar  esta  teoria,  pois  é  preciso  acreditar  num   Deus  sumamente  bom.     Benefícios:       -­‐  Um  critério  absoluto  e  incontestável;       -­‐  Mais  objectividade;       -­‐  Valor  de  verdade  dos  juízos  de  moral.     Críticas:       -­‐  Levanta  o  Dilema  de  Êutifron;       -­‐  É  auto-­‐refutante.       Esta  teoria  levanta  um  dilema  chamado  dilema  de  êutifron  maioritariamente   de  compreensão:   Uma  acção  é  correcta  por  ser  ordenada  por  Deus   ou   Deus  ordena  uma  acção  por  ela  ser  correcta?       Existem  duas  outras  hipóteses  para  responder  a  cada  uma  das  vias:   -­‐  Hipótese  da  arbitrariedade  –  segundo  esta  hipótese  é  a  ordem  de   Deus  que  faz  com  que  uma  acção  seja  correcta,  mas  Ele  pode  ordenar   uma  acção  incorrecta  (omnipotente)?  E  aí  deixa  de  ser  um  Deus   benevolente  como  esperado.  Mas  mesmo  que  continue  a  ordenar   acções  correctas,  como  sabemos  que  estas  estão  correctas  ou  não   antes  de  Deus  as  ordenar?  –  Será  que  Alguém  pode  ordenar  ordens   opostas  às  que  ordenou  anteriormente?   -­‐  Hipótese  da  universalidade  da  Moral  –  segundo  esta  hipótese  Deus   só  ordena  acções  correctas,  mas  como  é  que  Ele  sabe  que  são   correctas?  Pressupõe  a  ideia  de  um  critério  superior  que  regem  Deus,   e  ele  deixa  de  ser  absoluto  e  incontestável.  Nós  é  que  avaliamos  a   acção  que  Deus  nos  diz  para  fazer  ou  não,  o  critério  deixa  de  ser   divino  e  absoluto,  deixa  de  ser  objectivo,  há  uma  refutação  –  A   concepção  divina  do  bem  e  do  mal  é  posta  em  causa.  

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->