You are on page 1of 5

Projecto Rodentia

Etologia aplicada na sala de aula do 1º Ciclo

Franco, N. H.; Olosson, A.; Santos, J. B.; Projecto Rodentia – a ciência


Brosseron, F.; Pinto, A.; Ricardo, E. como experiência viva na sala
de aula

Universidade de Trás-os-Montes e Alto


Douro, Vila Real, Instituto de Biologia Mole- 1.1.Introdução
cular e Celular, Porto; Instituto de Biologia
Molecular e Celular, Porto; Instituto de Bio- As Ciências Naturais têm-se desenvolvido
logia Molecular e Celular, Porto; Escola Fran- notoriamente nas décadas recentes, com
cesa, Porto; Escola João de Deus, Porto; marcado impacto social. Esta não é, contudo,
Escola João de Deus, Porto uma revolução pacífica. Importantes ques-
tões são colocadas à medida que se estende a
Resumo: O Projecto Rodentia, implemen- fronteira do tecnicamente exequível para 275
tado no ano 2006/2007, visa promover a além da do eticamente aceitável. Contudo,
cultura científica em alunos do 1º ciclo do grande parte do público apresenta-se alheia
Ensino Básico, familiarizando-os com o a estas matérias, quer deliberadamente, quer
Método Científico e desenvolvendo compe- por não dispor dos elementos necessários a
tências conceptuais, processuais e atitudi- uma reflexão critica e informada.
nais, com base na Etologia Aplicada e na É assim imperativo formar cidadãos infor-
reflexão ética sobre o bem-estar animal. mados, atentos, críticos e interventivos, para
Foram instalados em três salas de aula habi- que possam ter activo na construção da
tats especialmente desenhados, contendo sociedade. Um modo de o conseguir é apro-
cada um dois ratos de laboratório. Inicial- ximá-los a Ciência, explicar os seus métodos,
mente orientadas, as crianças começaram de divulgar as suas conquistas e desmistificar a
modo progressivamente autónomo a propor imagem dos seus intervenientes directos e
actividades experimentais, registar e inter- do seu trabalho. Não menos importante é
pretar resultados e tirara conclusões, tacita- alertar para os seus limites – naturais, técni-
mente aprendendo o Método Científico. cos, ou socialmente impostos - e fomentar o
Recorreu-se à observação comportamental e debate sobre as questões éticas implícitas.
análise de trabalhos dos alunos para avaliar o A metodologia aqui utilizada consiste em
desenvolvimento da lógica condicional nes- colocar os alunos no papel de cientistas,
tes alunos. levando-os a aprender pela descoberta –
utilizando de modo dinâmico o Método
Científico – e a entender a ciência como um
processo em permanente reconstrução. A
sua aplicação no 1º Ciclo justifica-se pelo
facto deste Projecto exigir uma grande flexi-

Saber (e) Educar 13 | 2008


bilidade na gestão curricular e se pretender dóceis, activos e sociáveis, sendo todos do
que o mesmo seja uma experiência contínua género feminino.
na sala de aula. Outra vantagem é o facto de, Um Biólogo – com formação pedagógica e
nestas crianças, muitos preconceitos não experiência no ensino das Ciências
terem tido ainda tempo para se enraizarem Naturais no ensino Básico – ficou responsá-
definitivamente. vel pela monitorização do projecto, supervi-
são pedagógica e acompanhamento dos pro-
fessores e alunos nas várias etapas, mas
1.2. O projecto também pela avaliação do Bem estar animal
e por assegurar a comunicação entre as esco-
O projecto Rodentia, uma iniciativa do las e o ibmec. A coordenação é assegurada
ibmec, visa promover a cultura Cientifica por uma investigadora da área de Etiologia e
276
nas escolas e aproximar as crianças à ciência, Ética animal e pelo responsável pela comu-
colocando-as como principais intervenientes nicação da Ciência, contando o Projecto
do processo científico. Recorrendo à etiolo- ainda com a colaboração de uma veterinária.
gia Aplicada, os alunos são convidados a O RODENTIA segue as directrizes da Direc-
investigar o comportamento de dois mamí- ção Geral de veterinária, tendo sido apro-
feros de uma espécie (Rattus norvegicus) vado por esta entidade.
usada rotineiramente em laboratórios. Parte Os habitats idealizados pela equipa do
fundamental deste Projecto é a valorização ibmec são constituídos por dois módul-los
do Bem-estar animal, assim como a reflexão separados – um módulo habitacional, com
sobre o especismo que dita a distinção dos dimensões 80 x 80 x 100 cm, e um módulo
animais «bons» e maus com direitos e sem amovível (80 x 80 x 30 cm) – cobertos por
direitos, «úteis» ou «dispensáveis». Não foi uma caixa de madeira insonorizada, que
alheia a esta questão a escolha do rato(rata- garante um mínimo de perturbação e per-
zana), animal tradicionalmente desprezado. mite que os animais se comportem tão natu-
Partindo do conceito do classroom pet mas ralmente quanto possível.
indo muito além deste RODENTIA propõe-se O ciclo dia/noite é controlado artificial-
a conferir a este recurso um maior valor mente e existe um sistema que garante a
didáctico, explorando o seu potencial para renovação de ar e a regulação da tempera-
criar oportunidades para aprendizagem tura. Cada habitat está equipado com uma
científica. Este projecto foi implementado câmara com visão nocturna, que emite
em três turmas, duas na escola EB 1 – João 24h/dia imagens em tempo real na página da
de Deus ( 4º ano ) e outra na Escola Fran- Internet do Projecto (www.rodentia.ibmec.
cesa (3º ano ) ambas do Porto. up.pt) Nesta página trilingue, os alunos dis-
Os animais escolhidos são da variedade põem de informação acerca dos animais e da
«Lister Hooded», dado serem tipicamente sua manutenção, entre outros conteúdos e

Saber (e) Educar 13 | 2008


funcionalidades. É aqui que os alunos fazem tos e mesmo reformulados, quando necessá-
os registos das suas actividades experimen- rio. O registo final deste processo foi efec-
tais, divulgando-as assim à comunidade tuado pelos alunos em suporte físico
escolar e fora desta. (papel), antes de ser transferido para o for-
O Projecto Rodentia iniciou-se no término mato digital na página do Projecto Rodentia,
do ano lectivo anterior ao da Instalação dos estando disponíveis on-line.
habitats. Aos alunos foi-lhes proposto que
começassem a pesquisar acerca dos Rattus
nervegicus e das suas necessidades específicas. 1.3 Resultados e conclusões
Baseados na informação recolhida, os alunos
apresentaram sugestões para os habitats, o Deste projecto-piloto, com envolvimento
que permitiu que contribuíssem para a sua dos alunos desde finais do ano lectivo
idealização. Esta acção teve ainda como fina- 2005/2006 até final do ano 2006/2007, os 277
lidade sensibilizar os alunos para a valoriza- resultados indicam que o mesmo proporcio-
ção do bem estar animal. No primeiro nou a aquisição das competências que nos
período do ano 2006/2007, enquanto os propusemos desenvolver, mas também que
ratos eram socializados no Biotério do serviu como facilitador de outras aprendiza-
ibmec. Foram levadas a cabo acções de for- gens de cariz multidisciplinar, desde a Mate-
mação acerca da manutenção dos animais e mática à Língua Estrangeira, da Filosofia ao
habitats, bem como sobre as funcionalidades estudo do meio. De modo sucinto, segue a
da página da Internet e esclarecimento de descrição de algumas evidências de aprendi-
dúvidas. Durante este período, os alunos zagem específicas:
fizeram as primeiras sugestões para activida- Vários conceitos foram deliberadamente e
des, sob orientação do monitor do Projecto, tacitamente apreendidos. Os Alunos eviden-
que aqui fez uma primeira abordagem aos ciaram dominar conceitos como «Método
métodos de planificação dos trabalhos expe- Científico», «Registos Observacionais», «Variá-
rimentais. vel», «Stress», «Agentes de Stress», «Bem-estar
Em Fevereiro, os animais foram transferidos Animal» ou «Enriquecimento Ambiental»,
para escolas. Após um período de Adaptação aplicando-os no contexto dos procedimentos
dos animais, durante o qual os alunos obser- experimentais e fora deste. Muitos outros ter-
varam o seu dia-a-dia, foram levados realiza- mos foram aprendidos e incorporados no
das as primeiras experiências. vocabulário dos alunos, tais como «grooming»,
Todas as propostas para actividades partiram «antagonismo», «tabela de registos» e muitos
de trabalho individual, sendo Apresentadas outros.
à turma para votação. Sob orientação do A análise das propostas individuais de cada
monitor ou professores, todos os passos do aluno permitiu verificar que houve uma
Método Científico foram debatidos, revis- transição de um «desejo» de ver os animais a

Saber (e) Educar 13 | 2008


fazer qualquer coisa engraçada» para a estru- na noção da manutenção dos animais como
turação do seu pensamento do seu pensa- um processo trabalhoso e inadiável, e a preo-
mento segundo o Método Científico, cupação com o seu Bem estar um valor a
visando encontrar resposta para uma ques- considerar de modo atento e permanente.
tão levantada sobre o comportamento ani- A própria perspectiva de animal mudou,
mal ou testar uma hipótese acerca do mesmo como podemos observar ao comparar dese-
tema. nhos antropomorfizados e/ou caricaturados
A cada nova planificação e execução de uma para representações esquemáticas do real, na
experiência, a generalidade dos alunos mani- qual a busca pelo pormenor e realismo pre-
festou uma evolução significativa na sua domina em detrimento da estética. A apren-
autonomia, tornando-se a intervenção do dizagem mais essencial, contudo foi o enten-
monitor progressivamente menor, resu- dimento de todos os animais como seres
278
mindo-se à de moderador do debate. Os providos de direitos, pelos quais temos a res-
alunos aprenderam a identificar variáveis, ponsabilidade de zelar.
possíveis factores de erro e a reformular Neste momento, e numa altura em que
todo o procedimento – quando necessário – temos já confirmado uma nova edição deste
num esforço conjunto. projecto para o ano lectivo 2007/2008 (nas
A manutenção dos habitats, de inicio super- mesmas escolas) é pertinente estudar de que
visionar em todos os passos pelo monitor modo este modelo pode ser transportado
e/ou professores, foi sendo progressiva- para a sala de aula comum. A sua implemen-
mente levada a cabo de modo autónomo tação é exigente ao nível dos recursos huma-
pelos alunos. Após algum tempo, os alunos nos e logísticos mas salientamos que muitas
foram capazes de se organizar, tirar os ani- das metodologias utilizadas podem ter apli-
mais dos habitats, limpar o habitat, substi- cabilidade nas escolas sem grande investi-
tuir o «bedding», esterilizar biberões de mento financeiro por parte destas. A utiliza-
água, reabastecer o alimento, utilizar balan- ção de animais exige formação específica e o
ças de precisão para pesar animais e deter- cumprimento de uma série de directrizes,
minar a quantidade de alimento ingerida, bem como supervisão do seu Bem-estar, mas
calculando a diferença de peso entre o dei- tem aqui um papel fundamental como moti-
xado e o recolhido. vador da aprendizagem, e por canalização da
Os alunos aprenderam a traçar curvas de curiosidade e entusiasmo naturais dos alu-
crescimento em papel milimétrico, relacio- nos. A questão da adaptabilidade deste
nando os pesos de cada animal ao longo do modelo a outros contextos escolares será
tempo e comparando-os entre si, reflectindo alvo de estudo mais pormenorizado no pró-
sobre o significado dos resultados. ximo ano lectivo. Será ainda ensaiada a utili-
A autonomia concedida aos alunos permitiu zação de testes formais para avaliar de modo
educá-los para a responsabilidade, assente quantitativo desenvolvimento das mais

Saber (e) Educar 13 | 2008


diversas competências, em particular do PROJECTO RODENTIA NA IMPRENSA
pensamento lógico condicional e pensa- 15/03/07 «e. Ciência» – A revista da Ciência, tecno-
mento crítico. logia e Inovação em Portugal, nº 130 pg 7
http.//www.cienciapt.net/revista/20070315.pdf
16/03/2007 «Newsletter.up.pt» – Jornal Electrónico
da Universidade do Porto
http://newsletter.up.pt/actualidade/206/?page=24
Referências Bibliográficas 4/04/2007 Journal «Público», suplemento P2, pag. 14
http://newsletter.up.pt/media_site/uporto_na_impre
Ciências Educacionais
nsa/2007_04_04.pdf
Conklin, J, (2005). Book Review: Taxonomy for Learning,
26/04/2007 «Educare.pt» – O portal da educação
Teaching, and Assessing: A Revision of Bloom’s Taxonomy of Edu-
http://www.educare.pt/educare/actualidade.Noticia.as
cational Objectives. «Educational Horizons»,
px’contentid=3CoA7993F41D4A3f94B6BA21FD334
Spring/2005, pp. 154-159
76&channeli=0
Ennis, R., (1971). Conditional Logic and primary School chil-
7/06/2007 revista «Visão», suplemento Visão Junior
dren. «Interchange», vol.2, Nº 2 pp. 126-132 279
Ennis, R., (1986). Is Answering Questions Teaching? «Educa-
tional Theory», Vol. 36, Nº 4
Hvitfeldt, C. (1997). Reading and Reasoning in the Primary
Classroom. «Reading»,Abril/ 1997. pp. 19-20
Webster, A, Campbell, C, Jane, B, (2006) Enhancing
the cerative process for learning in Primary Technology
Education. «International Journal of Technology and
Design Education» Volume 16, n.º 3, pp. 221-235
Williams W. M. et al, (2004). Thinking Like a scientist about
real-world problems:
The Cornell Institute for The Cornell Institute for Research on
Children Science Education Program. «Applied Develop-
mental Psychology.

CIÊNCIA ANIMAL
Baumans V., (2004) Methods for Evaluation of Labo-
ratory Animal Well-being. ATLA 32, Supplement 1,
161-162, 2004
Baumans V. (2005). Environmental Enrichment for
Laboratory RDENTS AND Rabbits, «Ilar Journal»,
Vol. 46, nº 2, pp. 162-170
Burn, C. (2006) . Long-term effects of cage –cleaning
frequency and bedding type on laboratory rat health,
welfare, and hadleability: a cross-laboratory study.
«LABORATORY animals» n. 40 pp. 353-370
The Association for the Study of Animal Behavior,
(2003) . Guidelines for Treament of animals in beha-
vioural research and teaching «animal Behaviour», n º
65, pp. 249-255.

Saber (e) Educar 13 | 2008