Welcome to Scribd. Sign in or start your free trial to enjoy unlimited e-books, audiobooks & documents.Find out more
Download
Standard view
Full view
of .
Look up keyword or section
Like this
101Activity
P. 1
Frei Luís de Sousa

Frei Luís de Sousa

Ratings: (0)|Views: 18,435|Likes:

More info:

Categories:Types, School Work
Published by: Maria Filomena Ruivo Ferreira on Mar 07, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/12/2013

pdf

text

original

 
Ler Frei Luís de Sousa
(apontamentos)
Almeida Garrett
(breve biografia)Almeida Garrett nasceu a 4 de Fevereiro de 1799 no Porto e, quando se deramas segundas Invasões Francesas, partiu com a sua família para os Açores,onde inicia a sua formação literária. Em 1816, ingressa na Universidade deCoimbra para seguir estudos de Leis. Começa a interessar-se pelos ideaispolíticos do liberalismo, quando surge a revolução de 24 de Agosto de 1820 e onovo regime instituído. Entrega-se fervorosamente aos ideais, mas é obrigadoa exilar-se em Inglaterra. Aí contactou com o romantismo inglês e escreveu os
poemas “Camões” e “Dona Branca” que se tornaram obras instauradoras do
Romantismo em Portugal. Em 1826, regressa a Portugal, mas sofre novasperseguições e volta ao exílio em Inglaterra e depois em França. Desembarcana praia do Mindelo em 1832, participando como soldado no Cerco do Porto. Avitória liberal de 1836 faz com que entre definitivamente na vida política,fundando um jornal e tornando-se parlamentar. Ficou a seu cargo aorganização de um Teatro Nacional, projecto que concretizou com grandesucesso. Contribuiu ainda para o espólio de peças teatrais portuguesas com assuas próprias obras: Um Auto de Gil Vicente, Dona Filipa de Vilhena, oAlfageme de Santarém, Frei Luís de Sousa. Garrett decidiu mais tarde dedicar-se inteiramente à criação literária. Morreu aos 55 anos com uma vida intensa,deixando um contributo inquestionável para o panorama da literatura e dacultura portuguesas.
Absolutismo
 O absolutismo régio estabeleceu-se na Europa a partir da segunda metade doséculo XV. Um pouco por toda a Europa Ocidental, as Coroas assumiram-secada vez mais como detentoras únicas do poder. (...) O absolutismo no nossopaís atingiu o auge no século XVIII. Com D. José, o intervencionismo da Coroaé total, levando o absolutismo às últimas consequências, raiando mesmo odespotismo integral e intolerante. O rei, cujo poder ilimitado se dizia provir deDeus, legislava como entendia. Esta prática fez-se sentir em todos os domíniosda vida política, desde problemas de grande importância nacional einternacional a problemas da vida quotidiana das populações.Nem a Igreja escapava às garras deste poder. Só no período das LutasLiberais (1820-1834) se iria pôr termo à monarquia absoluta em Portugal.
Liberalismo
 Doutrina segundo a qual convém dar aos cidadãos as melhores garantiascontra o arbítrio do governo, separando deste o poder legislativo e judiciário;
Dicionário de Língua Portuguesa, Porto Editora.
 
 
O liberalismo começou a ganhar terreno em Portugal quando o regimeabsolutista do antigo regime entrou em crise. Esta crise prendia-se com amanutenção da preponderância social da nobreza; o exacerbado protagonismoda colónia brasileira relativamente à metrópole; e o carácter "sagrado" darealeza portuguesa.
In Infopédia
 
O Romantismo
O termo romantismo é de origem inglesa seiscentista (romantic) e deriva dosubstantivo francês romaunt, que designava os romances medievais deaventuras.No final do século XVIII, Letourneur e Rousseau, filósofo da revolução
francesa, adoptaram este termo, fazendo a distinção entre “romantique”
(romântico) e
romanesque” (romance). A palavra rapidamente se difundiu pelas
restantes culturas europeias, originando a oposição entre romântico e clássico.O Romantismo é um movimento literário e artístico que surgiu na culturaeuropeia nos finais do século XVIII, num contexto de grande insegurança e denecessidade de exaltação dos valores nacionais, devido às InvasõesFrancesas. A tentativa de hegemonia do poder napoleónico fez a Europadespertar para os valores nacionais e procurar a liberdade plena: política,religiosa, cultural e literária.Em Inglaterra, este movimento literário difundiu-se através de nomes comoWilliam Blake, William Wordsworth, Lord Byron ou o escocês Walter Scott. EmFrança, o Romantismo impôs-se no final da década de 1820 com Victor Hugo,Chateaubriand e o importante contributo de Madame de Staël. Na Alemanha, apublicação da peça dramática Sturm und Drang de Klinger e a incontornávelobra de Goethe lançaram as bases deste movimento estético-literário.O ideário romântico teve expressão nas várias demonstrações artísticas, ondeimperavam temas dramático-sentimentais: na poesia, no teatro, no romancehistórico, na pintura (Delacroix, Goya e Constable), na escultura e na música(Shubert, Mendelssohn, Wagner e Chopin). Na arte romântica, a paisagem jánão era um cenário, mas um meio de expressão.O Romantismo manifestou-se também na sociedade civil, dando eco aos ideaisrevolucionários burgueses que advogavam uma maior intervenção do povo noplano político. Ao exaltarem os valores populares e a cultura de raízesnacionais, os românticos colocaram a burguesia num estatuto privilegiado.
O Romantismo em Portugal
Síntese dos principais acontecimentos
O contexto em que o Romantismo surgiu em Portugal foi marcado por umasucessão de acontecimentos muito importantes, que explicam o facto de estacorrente estético-literária ter chegado ao nosso país com cerca de 30 anos de
 
atraso.Esses acontecimentos podem ser resumidos na seguinte linha cronológica:
Em 1807, na sequência das Invasões Francesas, a família realportuguesa embarcou para o Brasil, deixando Portugal sob o domínio britânico.
Devido ao descontentamento geral que se fazia sentir na metrópole, em1820 ocorreu no Porto uma Revolta militar e civil, que tinha como objectivoexpulsar os oficiais britânicos de Portugal e proclamar uma Constituição.
No entanto, em 1821, D. Miguel, que liderava um movimentodenominado Vila-Francada, restaurou o governo absolutista e aboliu aConstituição. Em consequência, muitos liberais, como Garrett ou Herculano,foram obrigados a emigrar.Com a morte de D. João VI (em 1826), D. Miguel fez-se aclamar Rei segundo oantigo regime absolutista.
Entretanto, D. Pedro, que se opunha a seu irmão D. Miguel e defendia acausa liberal, regressou do Brasil e organizou nos Açores uma expediçãomilitar que desembarcou na praia do Mindelo, avançando sobre o Porto.
Assim, em Maio de 1834, na convenção de Évora-Monte, os absolutistasrenderam-se e D. Miguel partiu definitivamente para o exílio.No entanto, em 1842, um golpe de estado encabeçado por Costa Cabraldissolveu o governo, anulou a Constituição e restaurou a Carta. Instituiu-se umregime ditador, o Cabralismo.
A resposta não tardou e, em 1851, um golpe de estado liderado peloMarechal Duque de Saldanha deu origem a um movimento que se insurgiacontra a política cabralista: a Regeneração. Saldanha foi responsável por umpercurso de progresso económico, sustentado pela doutrina económica deFontes Pereira de Melo - o Fontismo - que apostava sobretudo na construçãode caminhos-de-ferro.
Os românticos portugueses
Os primeiros românticos portugueses, Almeida Garrett e AlexandreHerculano, foram exilados políticos que conviveram de perto com as novastendências europeias. Aliás, aquele que é considerado o poema introdutor doRomantismo em Portugal, o poema Camões de Almeida Garrett, reflecte essasituação de exílio, já que foi publicado em Paris, em 1825.No entanto, só após o regresso dos exilados a Portugal se verificaverdadeiramente o exercício de uma corrente estética diferente. Por isso,alguns estudiosos consideram que o Romantismo só se instituiu em Portugalem 1836, com a publicação de A Voz do Profeta de Alexandre Herculano.O Romantismo português atingiu a fase áurea entre 1840 e 1850, com apublicação de obras como Um Auto de Gil Vicente, O Alfageme de Santarém eFrei Luís de Sousa de Almeida Garrett ou Eurico, o Presbítero de AlexandreHerculano.A partir do Romantismo, assistiu-se a um considerável desenvolvimentocultural do povo português: a cultura estendeu-se a outras classes sociais,deixando de ser apanágio da aristocracia. Este novo público emergenteapreciava uma linguagem mais simples, clara e acessível e revelava interessepela paisagem, pelo pitoresco, pelo sentimentalismo.

Activity (101)

You've already reviewed this. Edit your review.
1 hundred reads
1 thousand reads
Ricardo Rodrigues added this note
Niquem mereçe ler tuda esta bobagem Putiz .
Ricardo Rodrigues added this note
oii q sacooo
Ana Rita Leitão liked this
Telma Graça liked this
Tex Marinho liked this
Camila Bento liked this
Vitor Simões liked this

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->