P. 1
Farmacopéia Brasileira 5 ed. volume 2 - Anvisa

Farmacopéia Brasileira 5 ed. volume 2 - Anvisa

|Views: 119,204|Likes:
Published by Luca Santoro
Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Farmacopeia Brasileira
Volume 2

5ª edição Brasília 2010

Copyright © 2010 Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Fundação Oswaldo Cruz Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. 5ª edição

Fundação oswaldo Cruz Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado da Saúde José Gomes Temporão Diretor-Presidente Dirceu Raposo de Mello Adjunto do Diretor-Presidente Pedr
Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Farmacopeia Brasileira
Volume 2

5ª edição Brasília 2010

Copyright © 2010 Agência Nacional de Vigilância Sanitária / Fundação Oswaldo Cruz Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte. 5ª edição

Fundação oswaldo Cruz Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro de Estado da Saúde José Gomes Temporão Diretor-Presidente Dirceu Raposo de Mello Adjunto do Diretor-Presidente Pedr

More info:

Published by: Luca Santoro on Mar 08, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/19/2013

pdf

text

original

Natrii carbonas

Na2CO3; 105,99
Na2CO3.H2O; 124,00
carbonato de sódio; 01752
Sal de sódio do ácido carbônico (2:1)
[497-19-8]

Sal de sódio do ácido carbônico hidratado (2:1:1)
[5968-11-6]

Contém, no mínimo, 99,5% e, no máximo, 100,5% de
Na2CO3, em relação à substância dessecada.

DESCRIÇÃO

Características físicas. Cristais incolores ou pó branco.
Inodoro e de sabor alcalino e cáustico. No ar úmido e em
lugar fresco, absorve água; a 100 °C torna-se anidro.

Solubilidade. Facilmente solúvel em água, água fervente e
glicerol. Insolúvel em etanol.

IDENTIFICAÇÃO

A. Responde às reações do íon sódio (5.3.1.1).

B. Responde às reações do íon carbonato (5.3.1.1).

ENSAIOS DE PUREZA

Aspecto da solução. A solução aquosa a 10% (p/v) é
límpida (5.2.25) e incolor (5.2.12).

Alcalinidade. A solução aquosa da amostra é fortemente
alcalina ao papel de tornassol.

Cálcio e Magnésio. Determinar em 20 mL da solução
obtida em Aspecto da solução. Adicionar ácido clorídrico
até reação ácida ao tornassol. Adicionar 5 mL de oxalato
de amônio 0,25 M, 2 mL de fosfato de sódio dibásico
heptaidratado 0,3 M e 10 mL de amônia. Deixar em repouso,
em lugar fresco, durante 24 horas. Se houver precipitação,

fltrar, lavar com solução de amônia a 2% (p/v), dessecar

e calcinar até peso constante. O resíduo deverá pesar, no
máximo, 0,4 mg (0,02%).

Cianeto. Determinar em 15 mL da solução obtida em
Aspecto da solução. Adicionar 0,5 mL de sulfato ferroso
0,5 M e 0,5 mL de cloreto férrico 0,3 M. Adicionar ácido
clorídrico 3 M até reação fortemente ácida. O líquido não
deve obter coloração azul.

Arsênio (5.3.2.5). Utilizar o Método I. Determinar em 10
mL da solução obtida em Aspecto da solução. No máximo
0,001% (10 ppm).

Cloretos (5.3.2.1). Determinar em 10 mL da solução
obtida em Aspecto da solução. Adicionar ácido nítrico M
até reação ácida ao tornassol. Adicionar em 1 mL de nitrato
de prata 0,25 M e completar o volume até 50 mL com água.
Se for produzida opalescência, não deverá ser mais intensa
da que for produzida por 0,1 mg de íon cloreto em igual
volume de líquido, empregando-se os mesmos reagentes.
No máximo 0,01% (100 ppm).

Ferro (5.3.2.4). Utilizar o Método I. Determinar em 20
mL da solução obtida em Aspecto da solução. Adicionar
ácido acético até reação ácida ao tornassol. Se produzir
coloração rosa ou vermelha, não deve ser mais intensa do
que a obtida com 0,02 mg de íon férrico em igual volume

737

Farmacopeia Brasileira, 5ª edição

a
c

de líquido, empregando-se os mesmos reagentes. No
máximo 0,001% (10 ppm).

Metais Pesados (5.3.2.3). Utilizar o Método I. Determinar
em 5 mL da solução obtida em Aspecto da solução.
Adicionar ácido acético até reação ácida ao tornassol. No
máximo 0,002% (20 ppm).

Sulfatos (5.3.2.2). Determinar em 20 mL da solução obtida
em Aspecto da solução. Adicionar ácido clorídrico 3 M até
reação ácida ao tornassol. Adicionar 1 mL de cloreto de
bário 0,5 M e completar o volume com água até 50 mL.
Aquecer em banho-maria durante 10 minutos. Se for
produzida opalescência, ela não deverá ser mais intensa
da que for produzida por 0,8 mg de íon sulfato em igual
volume de líquido, empregando-se os mesmos reagentes.
No máximo 0,04% (400 ppm).

Perda por dessecação (5.2.9). Determinar em estufa a 105
°C, por 4 horas. No máximo 0,5% para a substância anidra
e entre 12 e 15% para a substância hidratada.

DOSEAMENTO

Dissolver 1 g da amostra em 25 mL de água. Titular com
ácido clorídrico M, utilizando 0,2 mL de alaranjado de
metila SI. Cada mL de ácido clorídrico M SV equivale a
52,99 mg de Na2CO3 ou a 62,0 mg de Na2CO3.H2O.

EMBALAGEM E ARMAZENAMENTO

Em recipientes herméticos.

ROTULAGEM

Observar a legislação vigente.

CATEGORIA

Adjuvante farmacotécnico (agente alcalinizante).

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->