P. 1
Governança Corporativa na Administração Pública - Ensaio

Governança Corporativa na Administração Pública - Ensaio

|Views: 415|Likes:
Após a crise financeira de 2008-2009, de efeitos nefastos em nível global, muito se tem discutido e implementado em termos de formas de se aumentar o acompanhamento e controle societário sobre as empresas, o que acabou por ressuscitar e reforçar uma idéia não tão nova: a Governança Corporativa. Mas, afinal, o que seria isso? Tal é aplicável em Administração Pública? O governo brasileiro pratica isso? Veja e se surpreenda!
Após a crise financeira de 2008-2009, de efeitos nefastos em nível global, muito se tem discutido e implementado em termos de formas de se aumentar o acompanhamento e controle societário sobre as empresas, o que acabou por ressuscitar e reforçar uma idéia não tão nova: a Governança Corporativa. Mas, afinal, o que seria isso? Tal é aplicável em Administração Pública? O governo brasileiro pratica isso? Veja e se surpreenda!

More info:

Published by: Diógenes Lima Neto - MSc, MPA, MBA on Mar 09, 2011
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF or read online from Scribd
See more
See less

12/21/2012

pdf

A boa administração começa aqui! http://www.brasiladmin.

com

Governança Corporativa em Administração Pública: o caso brasileiro
Prof. M.Sc. Diógenes Lima Neto Braga – Portugal Fevereiro 2011

I - Introdução Após a crise financeira de 2008-2009, de efeitos nefastos em nível global, muito se tem discutido e implementado em termos de formas de se aumentar o acompanhamento e controle societário sobre as empresas, o que acabou por ressuscitar e reforçar uma idéia não tão nova: a Governança Corporativa. Mas, afinal, o que seria isso? Muitas são as definições, mas, tomando-se por base a definição dada pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa – IBGC, temos que:
“Governança Corporativa é o sistema pelo qual as organizações são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo os relacionamentos entre proprietários, Conselho de Administração, Diretoria e órgãos de controle.” (IBGC, 2010; grifos do autor)

Conforme se observa, a Governança Corporativa, no caso, preocupa-se em tornar claras e bem informadas as partes envolvidas num empreendimento privado. Neste sentido, terminologias e conceitos como Transparência, Eqüidade, Responsabilidade (Accountability) e Responsabilidade Corporativa, entre outras, tornaram-se lugar-comum nos círculos empresariais. No entanto, como tem ocorrido nas últimas décadas, não tardou para que estes conceitos migrassem da Administração Privada para a Administração Pública, numa tentativa a mais em se buscar maiores Eficiência e Equidade desta última.

II – Definição e Implementação de ações e programas públicos: uma tarefa não-trivial e fonte de falhas Implementar ações de planejamento governamental nunca foi algo feito sem dificuldades e desvios de rumo. Porém, pode-se argumentar que, um pouco mais recentemente, com o advento da New Public Management (NPM), a qual emergiu nos anos de 1980, houve um aumento considerável na complexidade das relações Estado-cidadão, as quais ficaram poluídas por conta, principalmente, de sua premissa de Desagregação (agências, contracting out, privatização, etc.).

Esse fenômeno também ocorreu, por certo, ao nível do acompanhamento e controle por parte dos políticos, os quais se viram estagnados, repentinamente, diante de um universo de legislações, por um lado, e de uma estrutura governamental complexa, por outro. Neste ponto, é interessante trazer à tona a questão do Orçamento, peça documental fundamental que, no entendimento deste aluno, traduz a linha fronteiriça (ou a “ponte”, se preferirmos) entre Política e Administração, especialmente nos Estados democráticos evoluídos, ou seja, naqueles em que há um nível significativo de liberdade e de participação popular, estruturado sob normas legais (positivas ou consuetudinárias). O Orçamento de um Estado, no contexto acima, é usualmente fruto de muitas negociações (conflitos) entre grupos com forças diversas e assimétricas, bem como marcado pelo momento histórico de cada país. Ou seja, este documento é a mais pura tradução e materialização da ineficiência e não-equidade Política de uma nação. Por outro lado, conforme já bem observava David Beetham, ao nível da Administração Pública:
“Prevention of an evil is presumably better than its cure. But successful prevention is difficult to measure, depending as it does upon counterfactual claims; and in any case it requires a coordination of policy between many different departments.” (Beetham, 1996)

Neste cenário, agravado pela já citada complexidade do universo legal que envolve o administrador público e a diversidade de abordagens estruturais/funcionais dentro (e fora) do governo para se implementar as diversas ações, é fácil concluir que o alcance de Eficiência e Equidade, pelos governos, fica muito próximo do improvável, redundando nas “falhas de governo” que veremos a seguir. Essa situação também acaba por explicar, mas não justificar, porque os políticos e a sociedade têm enormes dificuldades em acompanhar e controlar a execução das ações e programas de seu interesse.

III - Das funções globais do Estado, das falhas de mercado e das falhas de governo Antes de prosseguir-se na explanação das dificuldades dos governos em alcançar seus objetivos, faz-se necessário entender quais são as funções globais do Estado. Segundo Richard Musgrave (Camões, 2010), estas estão distribuídas em três esferas de ação, a saber: • • Afectação de Recursos, em que procura satisfazer as necessidades públicas ao tomar decisões em busca máximo de Eficiência; Redistribuição de Recursos, em que procura fazer “ajustamentos na riqueza dos agentes econômicos de acordo com os padrões de justiça social” (Camões, 2010). Neste caso, busca-se uma maior Equidade; e

Estabilização Econômica, de modo geral, propicia ao Estado alcançar um máximo de eficiência, com o máximo de equidade. Num contexto deste tipo, alcança-se o pleno emprego e, por via de conseqüência, torna mais tolerável a carga tributária estatal sobre o cidadão. Conforme se pode intuir, esta esfera de ação procura resolver não apenas a questão da Eficiência, mas também a da Equidade.

Partindo-se da percepção de Musgrave, ou seja, de que as funções globais do Estado estão distribuídas naquelas três esferas, pode-se estender esse raciocínio e afirmar que o governo, ao implementar suas diversas ações, grosso modo, opta ou por assumir para si, ou deixar para o mercado, as iniciativas necessárias. Em qualquer dos casos, sujeita-se à ocorrência de insucessos, os quais poderão, então, materializarem-se como falhas de governo ou como falhas de mercado. No caso de falhas de mercado, segundo Pereira:
“Entende-se por fracasso de mercado a situação em que existe um bem ou serviço, que afecta o bem-estar dos indivíduos (é argumento da função utilidade) ou que afecta os custos de uma empresa (é argumento da produção), para os quais há pelo menos um preço ao qual certos agentes estão disposto a vender e outros a comprar, mas onde não há mercado para esse bem”. (Pereira et al. , 2009:45)

Para as situações de falhas do governo, podemos confiar no entendimento de Alves e Moreira (2004:58) que afirmam que falhas de governo, decorrem de “potenciais ineficiências resultantes da intervenção estatal e das características do processo político”. Tais falhas, qualquer que seja seu tipo (mercado ou governo), levam a uma inconstância governamental no que diz respeito ao alcance de Eficiência e Equidade. Isto, por sua vez, tem frustrado, quase que completamente, a confiabilidade dos serviços que o Estado presta aos cidadãos. E as razões disso vão desde incompetência técnica governamental pura e simples, até casos extremos de corrupção ativa e passiva dentro dos próprios governos. Neste sentido, sintomaticamente, parece, de facto, haver uma relação entre baixa equidade e corrupção nos governos. É o que nos mostra o relatório “Global Corruption Report – 2009”, emitido pela Transparency International, quando nos relata os achados de seu levantamento do Corruption Perceptions Index – CPI – 2008. Informa-nos aquela instituição:
“A simple plot reveals a close association between a good performance in the CPI 2008 and income per head.[…]. Estimates suggest that an improvement in the CPI by one index point (out of ten) is associated with higher productivity, a growth in capital inflows equivalent to 0.8 per cent of a country’s GDP and an increase in average income by almost 4 per cent.”(Transparency International, 2009)

IV - Dos conceitos de Governança Corporativa e sua contextualização na Administração Pública

Diante deste contexto, não foi por acaso que os cidadãos, em diversos locais do mundo, pressionaram por uma aplicação de “boa governança” no contexto da Administração Pública.

Neste sentido, aqueles mesmos conceitos de transparência, eqüidade, prestação de contas (accountability) e responsabilidade, citados na abertura deste ensaio, foram transplantados para o seio da Administração Pública, tentando-se minimizar, ou mesmo eliminar, diversas disfunções burocráticas desta e que tanto mal vêm causando. Neste ponto deste documento, faz-se necessário entender como eles estão definidos e, para isso, vamos nos socorrer, uma vez mais, do Código do Instituto Brasileiro de Governança Corporativo (IBGC, 2010):
• Transparência Mais do que a obrigação de informar é o desejo de disponibilizar para as partes interessadas as informações que sejam de seu interesse e não apenas aquelas impostas por disposições de leis ou regulamentos. A adequada transparência resulta em um clima de confiança, tanto internamente quanto nas relações da empresa com terceiros. Não deve restringir-se ao desempenho econômico-financeiro, contemplando também os demais fatores (inclusive intangíveis) que norteiam a ação gerencial e que conduzem à criação de valor. • Equidade Caracteriza-se pelo tratamento justo de todos os sócios e demais partes interessadas (stakeholders). Atitudes ou políticas discriminatórias, sob qualquer pretexto, são totalmente inaceitáveis. • Prestação de Contas (Accountability) Os agentes de governança devem prestar contas de sua atuação, assumindo integralmente as conseqüências de seus atos e omissões. • Responsabilidade Corporativa Os agentes de governança devem zelar pela sustentabilidade das organizações, visando à sua longevidade, incorporando considerações de ordem social e ambiental na definição dos negócios e operações.

Conforme se observa, transpor estas definições para o contexto de Administração Pública não é exatamente difícil, desde que se ajustem as terminologias, conforme abaixo sugerido:
TERMINOLOGIAS CONTEXTO DE ADM. PÚBLICA • Funcionários Públicos • Políticos • Poder Executivo Empresa • Adm. Pública Equidade (*) • Equidade • Impessoalidade Negócios e Operações • Bens e Serviços públicos Accountability(*) • Responsabilização • Auditoria • Contabilidade Responsabilidade corporativa (*) • Responsabilidade • Sustentabilidade

CONTEXTO DE ADM. PRIVADA • Agentes de governança

• • • •

• •

Sócios Transparência (*)

• • • •

Cidadãos Utentes Transparência Publicidade

(*) Princípios de governança corporativa.

Certamente, estes princípios e conceitos foram traduzidos em ações específicas por parte dos governos. Tomemos os princípios de Governança Corporativa acima marcados e vejamos como foram trazidos para o seio da Administração Pública, especialmente dentro do contexto brasileiro. TRANSPARÊNCIA No caso brasileiro, por exemplo, a fim de se aumentar a transparência e de se combater a corrupção (primariamente), foi criado o sítio “Portal da Transparência do Governo Federal” (http://www.portaltransparencia.gov.br). Segundo informa o próprio sítio:
“O Portal da Transparência do Governo Federal é uma iniciativa da Controladoria-Geral da União (CGU), lançada em novembro de 2004, para assegurar a boa e correta aplicação dos recursos públicos. O objetivo é aumentar a transparência da gestão pública, permitindo que o cidadão acompanhe como o dinheiro público está sendo utilizado e ajude a fiscalizar.” (Portal da Transparência, 2010)

EQUIDADE Se lembrarmos que Equidade, em Governança Corporativa, refere-se a um “tratamento justo de todos os sócios”, bem como a não se permitir “atitudes e políticas discriminatórias”, uma maior equidade, por certo, pode ser alcançada permitindo-se uma disponibilização mais ampla e indiscriminada dos cidadãos aos serviços governamentais. Neste sentido, o governo brasileiro, por meio do “Portal de Serviços e Informações do Governo”, diminuiu significativamente a assimetria de informações entre seus cidadãos, bem como aumentou a acessibilidade aos seus serviços. Neste sítio, tem-se acesso a mais de 50 temas de serviços governamentais distintos, que variam desde Agricultura e Correios, até Justiça, Educação, Economia e Finanças e Serviços Diplomáticos. Seu link: http://www.e.gov.br/. RESPONSABILIDADE (SUSTENTABILIDADE) Sobre este tópico, existe uma infinidade de ações do governo brasileiro em busca do desenvolvimento sustentado. Em verdade, segundo informações disponíveis no próprio sítio oficial do Governo Brasileiro, temos que:
“Dados do FSC-Brasil referentes a 2008 revelam que existem no país 5,3 milhões de hectares certificados pelo selo Forest Stewardship Council (FSC), uma das certificações mais respeitadas em todo o mundo. As atividades foram registradas em 12 estados brasileiros. É o maior índice de certificação em toda a América Latina e entre os países tropicais. Cerca de 2,5 milhões de hectares referem-se a florestas naturais e 2,8 milhões a florestas plantadas. As plantações florestais certificadas somam 48% (2,8 milhões de hectares) da área total de silvicultura no Brasil, estimada em cerca de 5,8 milhões de hectares.” (Brasil, 2010)

ACCOUNTABILITY (RESPONSABILIZAÇÃO)

No que diz respeito a este tópico, o Tribunal de Contas da União – TCU, emitiu a Instrução Normativa nº 28, de 5 de maio de 1999, onde estabeleceu regras para a implementação da homepage Contas Públicas (TCU, 2011). Esta, por sua vez, tem acesso a todas as bases de dados do governo, especialmente àquela relacionada ao Sistema Integrado de Administração de Serviços Gerais – SIASG, o qual inclui todas as licitações/contratações. Se tomarmos em conta que, no ano de 2009, os gastos do governo somaram mais de R$ 572 bilhões (109), equivalente a mais de EUR 255 bilhões (109) , teremos uma dimensão do nível de prestação de contas que se está a falar.

V - CONCLUSÃO Conforme se pode observar, as boas práticas de Governança Corporativa, apesar de originadas por razões fora do contexto de Administração Pública, acabaram por ser bem assimiladas dentro do seio desta e, especificamente no caso brasileiro, propiciaram ótimos resultados em termos de transparência, equidade, responsabilidade e prestação de contas (accountability), o que permitiu àquele país sua ascenção no cenário internacional.

REFERÊNCIAS • • • Alves, André Azevedo; Moreira, José Manuel. “O que é a Escolha Pública? Para uma análise económica da política”. Ed. Principia. 2004. Beetham, David. 1996. “Models of Bureaucracy” in Bureaucracy, 2nd Edition, Open University Press. BRASIL. Meio Ambiente. “Sustentabilidade no uso das florestas”. Sítio oficial do Governo do Brasil. Disponível em http://www.brasil.gov.br/sobre/meioambiente/cop/panorama/o-que-o-brasil-esta-fazendo/sustentabilidade-no-uso-dasflorestas. Acessado em 10 Fev 2011. Camões, Pedro. “Administração Orçamental e Finanças Públicas”. Notas de aula. 2010. IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. “Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa”, 4ª Edição, Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. São Paulo, 2009 (2010). Pereira, Paulo Trigo e al. Economia e Finanças Públicas. Ed. Escolar. 3ª Edição. 2009. Transparency International. “The National Integrity System”. Disponível em http://www.transparency.org/content/download/46187/739801. Acessado em 08 Fev 2011. TCU – Tribunal de Contas da União.Contas Públicas. Disponível em http://portal2.tcu.gov.br/portal/page/portal/TCU/contas_publicas/inicio. Acessado em 09 Fev 2011. UN - United Nations. “International Human Development Indicators”. Disponível em http://hdr.undp.org/en/data/map/ . Acessado em 09 Fev 2011.

• •

• •

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->